27. Carlos Alberto Feldens

27. Carlos Alberto Feldens
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL
FACULDADE DE MEDICINA
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EPIDEMIOLOGIA
TESE DE DOUTORADO
IMPACTO DA IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DEZ PASSOS
PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL DURANTE O
PRIMEIRO ANO DE VIDA NA OCORRÊNCIA E SEVERIDADE
DE CÁRIE DENTÁRIA AOS 4 ANOS DE IDADE
CARLOS ALBERTO FELDENS
Orientadora: Profa. Dra. Elsa Regina Justo Giugliani
Porto Alegre, agosto de 2008
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL
FACULDADE DE MEDICINA
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EPIDEMIOLOGIA
TESE DE DOUTORADO
IMPACTO DA IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DEZ PASSOS
PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL DURANTE O
PRIMEIRO ANO DE VIDA NA OCORRÊNCIA E SEVERIDADE
DE CÁRIE DENTÁRIA AOS 4 ANOS DE IDADE
CARLOS ALBERTO FELDENS
Orientador: Profa.Dra. Elsa Regina Justo Giugliani
A apresentação desta tese é exigência do
Programa
de
Pós-graduação
em
Epidemiologia, Universidade Federal do Rio
Grande do Sul, para obtenção do título de
Doutor.
Porto Alegre, Brasil.
2008
BANCA EXAMINADORA – Defesa preliminar
Prof. Dr. Bruce Bartholow Duncan
Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia
Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Prof. Dr. Airton Tetelbom Stein
Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia
Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Prof. Dr. Álvaro Vigo
Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia
Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
BANCA EXAMINADORA – Defesa final
Prof. Dr. Orlando Ayrton de Toledo
Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde
Universidade de Brasília (UnB)
Prof. Dr. Marco Aurélio Peres
Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública
Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
Prof. Dr. Airton Tetelbom Stein
Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia
Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Profa. Dra. Elsa Regina Justo Giugliani
(Orientadora)
Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia
Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Ministério da Saúde - Brasil
DEDICATÓRIA
Esta Tese é dedicada a:
Eliane (esposa e companheira),
Gabriela e Fernanda (nossas filhas) e
Almiro e Vilma (meus pais).
AGRADECIMENTOS
À Professora Elsa Regina Justo Giugliani,
docente deste PPG e Coordenadora da Área Técnica de Saúde da Criança e
Aleitamento Materno do Ministério da Saúde, pela competente orientação, baseada em
uma sólida formação científica e notável experiência na promoção de saúde infantil.
À Professora Márcia Regina Vítolo,
idealizadora e coordenadora do Projeto Implementação dos Dez Passos para uma
Alimentação Saudável, pelo extraordinário companheirismo e rigor científico
transmitido desde a orientação do Mestrado; pela parceria nos estudos subseqüentes e
desprendimento em incentivar para que os dados do Projeto constituíssem minha tese
de Doutorado, contribuindo na integração da saúde bucal à saúde geral da criança.
Aos Professores Bruce B. Duncan e Maria Inês Schmidt,
pelo modelo de pesquisadores que representam, conjugando sabedoria e simplicidade;
aos Professores Álvaro Vigo (bioestatística), Otávio Berwanger (ensaio clínico e
metanálise) e Airton Tetelbom Stein (saúde baseada em evidências),
em nome dos demais docentes do Programa, pelos
conhecimentos compartilhados durante o Doutorado.
Ao Professor Paulo Floriani Kramer,
amigo e parceiro desde a construção da disciplina de Odontopediatria da ULBRA,
na autoria de dois livros e tantos outros projetos,
pelo incentivo e apoio para que eu trilhasse os caminhos do Mestrado e Doutorado.
Ao Professor Pedro Antonio Gonzalez Hernández,
Coordenador do Curso de Odontologia da ULBRA,
pelo incondicional apoio para que fossem conciliadas as
atividades de professor e aluno de Doutorado.
Aos amigos e colegas que contribuíram com seu incentivo
e partilharam algumas de minhas tarefas na disciplina de Odontopediatria:
professores Ítalo Medeiros Faraco Junior, Maximiano Ferreira Tovo,
Henrique Castilhos Ruschel, Simone Helena Ferreira e Eliane Gerson Feldens.
Aos “pesquisadores de campo” do presente estudo,
pelo incansável trabalho de coleta de dados e visitas às residências,
em todos os bairros do município de São Leopoldo-RS.
Às quinhentas crianças,
sujeitos do presente estudo,
por contribuírem para a construção do conhecimento científico
que tem por fim, em última análise, a própria população.
O PROBLEMA
“É uma tristeza! Não sei mais o que fazer... a gente escova, escova...
mas os dentes vão nascendo e se quebrando...
Acho que ‘puxou’ os meus dentes, que também são muito fracos...”
(Mãe de uma criança da amostra - São Leopoldo, 2006)
O CAMINHO
“…No fewer than three hundred thousand people (…) were divided into two groups
without their choice; one group being supplied with water containing the sewage of London,
and, amongst it, whatever might have come from the cholera patients,
the other group having water quite free from such impurity…."
(John Snow - Londres, 1855)
SUMÁRIO
Abreviaturas e Siglas........................................................................................................... 01
Resumo.................................................................................................................................. 03
Abstract................................................................................................................................. 06
1. APRESENTAÇÂO........................................................................................................... 09
2. INTRODUÇÃO................................................................................................................ 11
3. REVISÃO DA LITERATURA....................................................................................... 14
3.1 - METODOLOGIA DA REVISÃO DA LITERATURA............................................... 15
3.1.1 Estratégias de busca da literatura sobre prevalência de CPI............................. 15
3.1.2 Estratégias de busca da literatura sobre fatores de risco de CPI....................... 16
3.1.3 Estratégias de busca da literatura sobre intervenções para prevenção de CPI.. 19
3.2 - CONCEITOS PRELIMINARES................................................................................... 24
3.2.1 Terminologia e definições.......................... ...................................................... 25
3.2.2 Desfechos considerados na literatura sobre cárie precoce da infância.............. 32
3.2.3 Distribuição de cárie na dentição decídua......................................................... 35
3.3 - MAGNITUDE DA CÁRIE PRECOCE DA INFÂNCIA............................................. 38
3.4 - TRANSCENDÊNCIA DA CÁRIE PRECOCE DA INFÂNCIA................................. 46
3.5 - FATORES DE RISCO PARA CÁRIE PRECOCE DA INFÂNCIA............................ 50
3.5.1 Complexidade da determinação de fatores de risco.......................................... 50
3.5.2 Fatores demográficos........................................................................................ 56
3.5.2.1 Sexo.................................................................................................... 56
3.5.2.2 Idade da criança.................................................................................. 57
3.5.2.3 Fatores familiares............................................................................... 58
3.5.3 Fatores socioeconômicos.................................................................................. 59
3.5.3.1 Escolaridade dos pais......................................................................... 61
3.5.3.2 Renda.................................................................................................. 62
3.5.3.3 Acesso ao atendimento profissional................................................... 63
3.5.4 Fatores comportamentais.................................................................................. 65
3.5.4.1 Dieta................................................................................................... 65
3.5.4.2 Nutrição.............................................................................................. 76
3.5.4.3 Práticas de higiene bucal................................................................... 79
3.5.5 Experiência anterior de cárie............................................................................ 80
3.5.6 Fatores microbiológicos.................................................................................... 81
3.5.6.1 Estreptococos do grupo Mutans........................................................ 81
3.5.6.2 Placa visível....................................................................................... 85
3.5.7 Considerações finais.......................................................................................... 86
3.6 - ESTRATÉGIAS DE INTERVENÇÃO CONTRA CÁRIE PRECOCE DA
INFÂNCIA............................................................................................................................. 88
3.6.1 Fluoretação da água de abastecimento público................................................. 92
3.6.2 Utilização de flúor tópico.................................................................................. 93
3.6.2.1 Dentifrício fluoretado......................................................................... 94
3.6.2.2 Géis e vernizes fluoretados.................................................. .............. 95
3.6.3 Selante de fissuras............................................................................................. 98
3.6.4 Prevenção da transmissão de bactérias cariogênicas........................................ 99
3.6.5 Estratégias de educação em saúde bucal........................................................... 100
3.6.6 Barreiras para a implementação de estratégias................................................. 105
3.6.7 Política Brasil Sorridente: novas perspectivas?................................................ 108
3.6.8 Considerações finais......................................................................................... 111
3.7 - UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO CONTRA CÁRIE PRECOCE DA
INFÂNCIA............................................................................................................................. 114
3.7.1 Guia alimentar para crianças menores de 2 anos.............................................. 114
3.7.2 Os Dez Passos para uma Alimentação Saudável.............................................. 115
3.8 - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DA REVISÃO DE LITERATURA................. 120
4. OBJETIVOS..................................................................................................................... 148
5. ARTIGO 1
Long term effectiveness of a nutritional programme in reducing Early Childhood Caries
(ECC): a randomized trial…………………………………………………………….……. 149
Resumo do artigo 1 na lingua portuguesa………...........................…………………….….. 173
6. ARTIGO 2
Early feeding practices and Severe Early Childhood Caries (S-ECC) in 4-year-old
children from Southern Brazil………………………………………………………............ 175
Resumo do artigo 2 na língua portuguesa……………………………........................…….. 196
7. CONCLUSÕES E CONSIDERAÇÕES FINAIS.......................................................... 198
8. ANEXOS
A – PROJETO DE PESQUISA........................................................................................ 202
B – APROVAÇÃO PELO COMITÊ DE ÉTICA............................................................. 221
C – FICHA DE COLETA DE DADOS CLÍNICOS ODONTOLÓGICOS..................... 222
ABREVIATURAS E SIGLAS
AAPD
- American Academy of Pediatric Dentistry
ceo-d
- Dentes decíduos cariados, perdidos (extraídos) por cárie e obturados
ceo-s
- Superfícies cariadas, perdidas por cárie e obturadas (dentes decíduos)
CI
- Confidence interval
CPI
- Cárie precoce da infância
CPO-D
- Dentes permanentes cariados, perdidos e obturados
CPO-S
- Superficies cariadas, perdidas e obturadas (dentes permanentes)
CSI
- Cárie severa da infância
DMFS
- Decayed, missed and filled surfaces (permanent teeth)
dmfs
- Decayed, missed and filled surfaces (primary teeth)
DMFT
- Decayed, missed and filled teeth (permanent teeth)
dmft
- Decayed, missed and filled teeth (primary teeth)
ECC
- Early childhood caries
EGM
- Estreptococos do grupo Mutans
FDI
- Federação Dentária Internacional
IADR
- International Association of Dental Research
IC
- Intervalo de confiança
IMC
- Índice de massa corpórea
LILACS
- Literatura Latino-Americana em Ciências da Saúde
NIDCR
- National Institute for Dental and Cranio-facial Research
NIH
- National Institutes of Health
OMS
- Organização Mundial da Saúde
OPAS
- Organização Pan-Americana de Saúde
PSF
- Programa de Saúde da Família
RC
- Razão de Chances
RR
- Risco relativo / Relative risk
S-ECC
- Severe early childhood caries
SUS
- Sistema Único de Saúde
UNICEF - Fundo das Nações Unidas para a Infância
WHO
- World Health Organization
2
RESUMO
Contexto: A cárie precoce da infância (CPI), definida como a presença de um ou mais
dentes decíduos cariados, perdidos por cárie ou restaurados em crianças com menos de
6 anos de idade, é um problema de saúde pública que afeta bebês e crianças préescolares em todo o mundo, determinando dor, problemas nas funções da fala e
mastigatória, doenças sistêmicas e reflexos psicológicos. O tratamento da CPI é caro,
pode requerer anestesia geral e hospitalização e a recidiva é freqüente. Desta forma, a
literatura tem recomendado fortemente: (a) estudos de coorte que contribuam para o
reconhecimento dos fatores de risco para a ocorrência de CPI; (b) ensaios clínicos que
avaliem a efetividade de programas na redução de cárie nos primeiros anos de vida.
Objetivos: Avaliar a efetividade a longo prazo de visitas às residências para orientar
mães sobre práticas alimentares saudáveis no primeiro ano de vida na ocorrência de CPI
e cárie severa da infância (CSI) aos 4 anos de idade. Também foram investigadas
práticas alimentares no primeiro ano de vida associadas à ocorrência de CSI nesta
população.
Métodos: Um ensaio randomizado (grupo intervenção=200; grupo controle=300) foi
realizado com mães de crianças que nasceram no Hospital de São Leopoldo, Brasil, no
setor do Sistema Único de Saúde (SUS). O grupo intervenção recebeu aconselhamento
mensalmente até o 6o. mês e de dois em dois meses até completar o primeiro ano de
vida, baseado nos “Dez Passos para uma Alimentação saudável”, uma política nacional
para atenção primária baseada nas diretrizes da Organização Mundial da Saúde (OMS).
O aconselhamento nutricional foi realizado por estudantes de graduação de nutrição e
incluía promoção do aleitamento materno exclusivo, introdução gradual de alimentação
complementar, intervalos razoáveis entre as refeições e evitar alimentos com alta
3
densidade de gordura e açúcar. As práticas alimentares foram coletadas aos 6 e 12
meses de idade utilizando metodologia padronizada. As perdas nos 4 anos da coorte
compreenderam 160 crianças (32%); 340 foram examinadas para diagnóstico de CPI e
CSI na avaliação dos 4 anos de idade.
Resultados: As perdas nos 4 anos da coorte compreenderam 160 crianças (32%); 340
foram examinadas para diagnóstico de CPI e CSI na avaliação dos 4 anos de idade;
53,9% (76/141) das crianças do grupo intervenção e 69,3% (138/199) do grupo controle
apresentaram CPI, com um risco 22% menor no grupo intervenção (RR 0,78; IC 95%
0,65-0,93; NNT 6,5; IC 95% 3,9-20,0); 29,1% (41/141) das crianças do grupo
intervenção e 42,7% (85/199) do grupo controle apresentaram CSI. O risco de ocorrer
CSI foi 32% menor para o grupo intervenção (RR 0,68; IC 95% 0,50-0,92; NNT 7,3; IC
95% 4,2-29,4). O número de dentes cariados (lesão com ou sem cavidade), perdidos e
restaurados (c1+eo-d) foi menor para o grupo intervenção (3,25) em relação ao grupo
controle (4,15) (teste de Mann Whitney; p=0,023). A ocorrência de CSI aos 4 anos de
idade (n=126/340; 37%) esteve associada com as seguintes práticas alimentares aos 12
meses, após análise multivariada: aleitamento materno ≥7 vezes ao dia (RR 1,97; IC
95% 1,45-2,68), consumo de alimentos com alta densidade de açúcar (RR 1,43; IC 95%
1,08-1,89), uso da mamadeira para outros líquidos além do leite (RR 1,41; IC 95% 1,081,86), número de refeições por dia >8 (RR 1,42; IC 95% 1,02-1,97). Também estiveram
associados à ocorrência de CSI: escolaridade materna ≤8 anos (RR 1,50; IC 95% 1,032,19) e número de dentes erupcionados aos 12 meses.
Conclusões: O aconselhamento nutricional nas visitas às residências foi efetivo em
reduzir CPI e CSI e estes achados sugerem que a orientação sobre práticas alimentares
durante o primeiro ano de vida é uma medida viável para prevenir cárie na infância em
comunidades de alto risco. Práticas alimentares no início da vida que representam
4
fatores de risco para severidade de cárie nos anos subseqüentes também foram
identificadas. Como estas práticas são reconhecidas como de risco para outras doenças
crônicas, estes achados podem contribuir para o desenvolvimento de ações integradas
para a prevenção de cárie dentária e outros desfechos de saúde geral. Políticas que
promovam as condições socioeconômicas, com ênfase para o nível de escolaridade,
poderão contribuir para a diminuição de cárie na infância nesta população.
Registro do ensaio clínico: clinicaltrials.gov; número NCT00629629.
Descritores: Cárie dentária; cárie precoce da infância; severidade; políticas em
nutrição; dieta cariogênica; nutrição; ensaio clínico randomizado; fatores de risco.
5
ABSTRACT
Context: Early childhood caries (ECC), defined as the presence of one or more
decayed, missing (due to caries lesions) or filled deciduous teeth in children under 6
years of age, is a public health problem that affects infants and preschoolers throughout
the world, leading to pain, chewing difficulties, speech problems, general health
disorders and psychological problems. The treatment of ECC is expensive, sometimes
requiring general anesthesia and hospitalization, and the condition frequently returns a
few months later. The literature has strongly emphasized the need for (a) cohort studies
in order to recognize the risk factors for the occurrence of childhood caries (b)
prospective clinical trials to test alternative methods to prevent caries development in
the first years of life.
Objectives: To assess the long-term effectiveness of home visits for advising mothers
about healthy feeding practices during the first year of life on the occurrence of early
childhood caries (ECC) and severe early childhood caries (S-ECC) at the age of 4 years.
Feeding practices in the first year of life associated with the occurrence of S-ECC in
these children were also investigated.
Methods: A randomized trial was carried out in mothers who gave birth within the
public health system in Sao Leopoldo, Brazil (intervention group =200; controls = 300).
The intervention group received the advice monthly up to 6 months and at 8, 10 and 12
months, based on the "Ten Steps for Healthy Feeding", a Brazilian national health
policy for primary care, based on WHO guidelines. Advices were given by nutrition
graduate students and included promotion of exclusive breastfeeding, gradual
introduction of complementary foods; reasonable intervals between meals; and avoid
6
high fat and sugar foods. Feeding practices were assessed using standardised methods at
6 and 12 months of age.
Results: 160 (32%) children were lost in the four-year follow-up; 340 were examined
for ECC and S-ECC occurrence at the fourth year assessment. ECC was found in 53.9%
(76/141) of the children in the intervention group and 69.3% (138/199) of the controls,
being 22% lower for the intervention group (RR 0.78; 95% CI 0.65-0.93; NNT 6.5;
95% CI 3.9-20.0); 29.1% (41/141) of the children in the intervention group and 42.7%
(85/199) of the controls had S-ECC. The risk of S-ECC was 32% lower for the
intervention group (RR 0.68; 95% CI 0.50-0.92; NNT 7.3; 95% CI 4.2-29.4). The
number of decayed (white spots and cavities), missing and filled teeth (d1+mft) was
lower for the intervention group (3.25) compared with the control group (4.15) (Mann
Whitney U-test; p=0.023). S-ECC occurrence at four years of age (n=126/340; 37%)
was significantly associated with
the following feeding practices at 12 months:
breastfeeding ≥ 7 times daily (RR 1.97; 95% CI 1.45-2.68), high density of sugar (RR
1.43; 95%CI 1.08-1.89), bottle use for liquids other than milk (RR 1.41; 95% CI: 1.081.86), number of meals and snacks >8 (RR 1.42; 95% CI 1.02-1.97). Mother’s
education ≤ 8 years (RR 1.50; 95% CI: 1.03-2.19) and number of teeth at 12 months
were also associated with S-ECC.
Conclusions: The home visits for dietary advice were effective in reducing ECC and SECC and our findings suggest that nutritional counseling during the first year of life
must be considered as a feasible measure to prevent childhood caries in high-risk
communities. Early feeding practices which represent risk factors for caries severity in
subsequent years were also identified. Since these practices are recognized as risk
factors for other chronic diseases, these findings may contribute to develop integrated
interventions to prevent dental caries and general health outcomes. Future childhood
7
caries control in this population is likely to benefit from policies that improve
socioeconomic status, with special attention to level of education.
Trial registration: site clinicaltrials.gov; registration number NCT00629629.
Key-words: Dental caries; early childhood caries; severity; nutrition policy; cariogenic
diet; nutrition; randomized controlled trial; risk factors.
8
1. APRESENTAÇÂO
Este trabalho consiste na Tese de Doutorado intitulada “Impacto da
implementação do Programa Dez Passos para uma Alimentação Saudável durante o
primeiro ano de vida na ocorrência e severidade de cárie dentária aos 4 anos de idade”,
a ser apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia da Universidade
Federal do Rio Grande do Sul, em 29 de agosto de 2008. As questões de pesquisa que
inicialmente estimularam o desenvolvimento deste trabalho representam dúvidas
importantes para profissionais de saúde e gestores na busca de promover a saúde bucal
de crianças no Brasil e no mundo, com ênfase para a idade pré-escolar, e podem ser
sintetizadas nas seguintes perguntas: (1) “A orientação nutricional no primeiro ano de
vida é efetiva em reduzir a ocorrência de cárie precoce e cárie severa da infância?” (2)
“Quais as práticas alimentares no primeiro ano de vida que representam risco para a
ocorrência de cárie severa da infância nos anos subseqüentes?” Ao mesmo tempo em
que a comunidade científica no mundo assegura que a cárie precoce da infância
representa um problema de saúde pública, reconhece que os componentes de sua rede de
causalidade ainda não são completamente conhecidos. Além disso, recomenda
fortemente estudos que contribuam para o desenvolvimento de estratégias que reduzam
a carga de doenças bucais que afetam a população, particularmente a cárie dentária nos
primeiros anos de vida.
Para contribuir na busca de respostas a estas relevantes questões, o presente
estudo fez parte de um Projeto maior denominado “Implementação e Avaliação do
Impacto do Programa de Promoção para a Alimentação Saudável para crianças menores
de dois anos”, que acompanhou uma coorte de 500 nascidos vivos no setor do SUS do
Hospital Municipal de São Leopoldo-RS. Participaram do grande Projeto uma equipe
9
interdisciplinar de profissionais da saúde, incluindo nutricionistas, médicos, cirurgiõesdentistas, psicólogos, fisioterapeutas e estudantes de graduação dos referidos cursos.
Além disso, o Projeto maior foi interinstitucional, envolvendo pesquisadores da
Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), Universidade
Luterana do Brasil (ULBRA), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS),
Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), Pontifícia Universidade Católica
do Rio Grande do Sul (PUC-RS) e University of East Anglia (UEA), Norwich, England.
Considerando que o desenvolvimento das diversas etapas do presente estudo,
incluindo o planejamento, execução e descrição de resultados, pressupunha o
conhecimento de aspectos sobre a conceituação, magnitude, transcendência e
vulnerabilidade em relação ao tema de pesquisa, uma ampla revisão da literatura foi
realizada.
Desta forma, esta tese é constituída pelas seguintes partes:
I - INTRODUÇÃO, REVISÃO DA LITERATURA E OBJETIVOS
II - ARTIGOS
1.
Long term effectiveness of a nutritional programme in reducing Early
Childhood Caries (ECC): a randomized trial.
2.
Early feeding practices and Severe Early Childhood Caries (S-ECC) in 4-
year-old children from Southern Brazil.
III - CONCLUSÕES E CONSIDERAÇÕES FINAIS
Documentos de apoio, incluindo o Projeto de Pesquisa, estão apresentados nos
anexos.
10
2. INTRODUÇÃO
A cárie precoce da infância (CPI), definida como a ocorrência de lesões de cárie
dentária em crianças menores de 6 anos de idade, é um problema de saúde pública que
atinge bebês e crianças pré-escolares em todo o mundo (Ismail, 1998; Ramos-Gomez et
al, 2002; Berkowitz, 2003; Finlayson et al, 2007; Selwitz et al, 2007). Os dados
publicados na última década demonstram que, embora haja variações consideráveis
entre populações, a cárie dentária apresenta alta prevalência e severidade em crianças de
todos os hemisférios - sul e norte, ocidental e oriental - incluindo populações de países
desenvolvidos e em desenvolvimento, desde idades bem precoces. Alguns estudos
demonstram a ocorrência de lesões de cárie antes mesmo de a criança completar o
primeiro ano de vida, bem como um padrão de lesões que identifica maior severidade da
doença, designado de Cárie Severa da Infância (CSI) (Jin et al, 2003; Azevedo et al,
2005; Hallet & O’Rourke, 2006; Thitasomakul et al, 2006). No Brasil, a prevalência de
cárie aos 5 anos de idade é de 60%, ainda não atingindo a meta estabelecida pela
Organização Mundial de Saúde para o ano 2000: 50% das crianças livres de cárie nesta
faixa etária (Brasil, 2004).
A cárie precoce da infância determina dor e alterações anatômicas que
prejudicam a mastigação, fala e respiração (Petersen, 2003). A destruição de superfícies
dentárias decorrente da cárie dentária em crianças pode diminuir ou até inviabilizar o
consumo de alimentos fibrosos e de consistência mais sólida, com potencial para
influenciar no aporte de nutrientes importantes (Sheiham & Steele, 2001; Feitosa et al,
2005). Tal conseqüência pode ocorrer mesmo em idades bem precoces, podendo
comprometer o processo de crescimento e desenvolvimento. Alterações de maior
severidade na forma e função interferem na estética, expressão facial e auto-estima,
11
podendo comprometer as relações da criança em seu meio, o que demonstra a dimensão
psicossocial da cárie na infância (Petersen, 2003; Feitosa et al, 2005; Sheiham, 2006).
Por outro lado, o tratamento da cárie dentária em crianças muito jovens é de alto custo e
às vezes exige anestesia geral e hospitalização (Ismail, 1998).
É importante destacar que tais conseqüências não se restringem à época em que
se manifestam. Há evidências de estudos longitudinais demonstrando que crianças que
apresentam cárie na dentição decídua tendem a desenvolver novas lesões em superfícies
não atingidas da própria dentição decídua (Hallonsten et al, 1995; O’Sullivan &
Tinanoff, 1996) e apresentam maior risco de cárie na dentição permanente (Kaste et al,
1992; Li & Wang, 2002).
A implementação de programas preventivos tem sido recomendada face à
relevância da cárie precoce da infância. Estratégias de prevenção devem se basear no
conhecimento da etiologia da doença, reconhecidamente complexa e multifatorial, da
qual participam fatores socioeconômicos, comportamentais e microbiológicos, ainda
não totalmente esclarecidos (Ismail, 1998; Ramos-Gomez et al, 2002; Hallet &
O’Rourke, 2006; Finlayson et al, 2007; Selwitz et al, 2007). Neste sentido, poucos
estudos longitudinais têm avaliado o efeito de variáveis socioeconômicas e
comportamentais no início da vida no desenvolvimento futuro de cárie (Peres et al,
2005). Além disso, nenhum estudo acompanhou crianças desde o nascimento e avaliou
o efeito de práticas alimentares coletadas antes de a criança completar o primeiro ano de
vida na ocorrência e severidade de cárie nos anos seguintes.
Outro aspecto relevante em relação à cárie precoce da infância é que, mesmo
que se reconheça que práticas alimentares cariogênicas destacam-se como condição
necessária para a ocorrência de cárie em pré-escolares, poucos estudos têm investigado
o impacto de programas de orientação nutricional sobre sua ocorrência ou severidade
12
(Weinstein et al, 2006), não havendo diretrizes apoiadas em evidências científicas de
nível I. Estudo recente que avaliou o impacto da implementação do Programa Dez
Passos para uma Alimentação Saudável em crianças de São Leopoldo-RS demonstrou
que orientação nutricional durante o primeiro ano de vida reduziu a ocorrência de cárie
precoce da infância aos 12 meses em quase 50% (Feldens et al, 2007). Entretanto, o
efeito da intervenção necessita ser reavaliado a médio e longo prazo.
Constituindo-se em um tema central dos livros de Odontopediatria (Pinkham,
1996; Walter et al, 1997; Kramer et al, 2000; Guedes-Pinto, 2003; McDonald et al,
2004; Corrêa, 2005; Toledo, 2005), a cárie na infância representa uma importante
questão de pesquisa da atualidade. Respostas cientificamente embasadas em relação à
sua rede causal e estratégias preventivas poderão contribuir decisivamente para uma
diminuição na carga de doenças e melhora da qualidade de vida de crianças no Brasil e
no mundo (Wendt et al, 2001; Petersen, 2003; Selwitz et al, 2007).
13
3. REVISÃO DA LITERATURA
A presente Revisão de Literatura aborda conceitos, magnitude, transcendência,
fatores de risco e estratégias de intervenção relativos à cárie precoce da infância. Na
parte final, são apresentados aspectos referentes aos Dez Passos para uma Alimentação
Saudável, que representa o objeto da intervenção do presente estudo.
A construção da Revisão da Literatura baseou-se em artigos indicados por
estratégias de busca da literatura descritas no item 3.1 (Metodologia). Outros artigos
foram incluídos a partir da leitura dos estudos inicialmente consultados.
14
3.1 - METODOLOGIA DA REVISÃO DA LITERATURA
Nesta seção estão descritas as estratégias iniciais de busca utilizadas para
compor a revisão de literatura sobre os seguintes aspectos relacionados à cárie precoce
da infância: prevalência, fatores de risco e estratégias de intervenção.
As bases utilizadas foram MEDLINE, a partir da Biblioteca Nacional de
Medicina dos Estados Unidos (PubMed), Literatura Latino-Americana em Ciências da
Saúde (LILACS) e Biblioteca COCHRANE (Cochrane Central).
3.1.1 Estratégias de busca de artigos sobre prevalência de CPI
3.1.1.1 Estratégia PubMed
Foram solicitados estudos sobre prevalência de cárie em dentes decíduos de
crianças de 0 a 5 anos, publicados nos últimos 10 anos (#1). O delimitador temporal
“últimos 10 anos” foi utilizado em função de modificações importantes nas medidas de
freqüência de CPI em vários países do mundo na década de 90 do século passado, o que
tornaria os dados anteriores bastante desatualizados para compor o quadro atual de
prevalência.
A estratégia está descrita na Tabela 3.1 e determinou a seleção de 154 artigos.
Tabela 3.1 - Estratégia PubMed para estudos de prevalência de CPI
Search
Most Recent Queries
Result
#1
Search ["caries prevalence" OR "prevalence of dental caries" OR
(prevalence AND caries)] AND deciduous Limits: published in the last
10 years, Infant: 1-23 months, Preschool Child: 2-5 years
154
Todos os resumos foram lidos, sendo excluídos os estudos:
15
a) com amostra < 300 crianças, tendo em vista a diminuição significativa de precisão da
estimativa a partir deste ponto de corte.
b) em que a população de estudo era de crianças que freqüentavam algum serviço de
atendimento odontológico, o que constituía importante viés de seleção.
3.1.1.2 Estratégia LILACS
Na base de dados LILACS foram solicitados artigos sobre prevalência de cárie
precoce da infância segundo os termos e campos especificados na Tabela 3.2.
Tabela 3.2 - Estratégia LILACS para estudos de prevalência de CPI
Operador booleano
Pesquisar
No campo
Prevalência
Descritor de assunto
and
Cárie
Palavras do título
and
Criança
Limites
Esta estratégia buscou 35 artigos. A leitura dos resumos demonstrou que apenas
um artigo avaliou crianças com menos de 6 anos de idade de uma amostra
representativa.
3.1.2 Estratégias de busca de artigos sobre fatores de risco de CPI
A busca de artigos sobre fatores de risco de CPI objetivou responder à seguinte
questão de pesquisa: Quais os fatores de risco para cárie precoce da infância?
3.1.2.1 - Estratégia PubMed
Para atender à questão de estudo, teriam que ser buscados artigos que
atendessem, simultaneamente (utilizando o operador booleano AND), a delimitação de
idade, o objetivo do estudo (fatores de risco, portanto estudos longitudinais) e o
16
desfecho (cárie precoce da infância). Estes três itens compuseram duas estratégias de
busca no PubMed, uma mais restrita e outra mais abrangente, que foram posteriormente
unidas.
Estratégia PubMed mais específica
a) Paciente: criança de 0 a 5 anos (#1)
b) Fatores de risco e delineamento: estratégia específica para fatores de risco (#2)
c) Desfecho: cárie precoce da infância (#3)
Esta estratégia selecionou 47 artigos (Tabela 3.3).
Tabela 3.3 - Estratégia PubMed para estudos sobre fatores de risco de CPI (específica)
Search
#4
#3
#2
#1
Most Recent Queries
Result
Search #1 AND #2 AND #3
47
Search "Dental Caries"[MeSH Terms]OR "childhood caries" OR
30221
"early childhood caries"
Search "Risk"[MeSH] OR "Risk Assessment"[MeSH] OR "Risk
296529
Factors"[MeSH]) OR "Association"[MeSH] OR
"etiology"[Subheading] AND (cohort OR randomized OR clinical trial)
Search "Child, Preschool "[MeSH Terms] AND "infant"[MeSH Terms] 308204
Estratégia PubMed mais sensível
Nesta busca foi utilizada estratégia validada para estudos etiológicos:
a) Paciente: criança de 0 a 5 anos (#1)
b) Estudos etiológicos: estratégia validada para estudos etiológicos (#2)
c) Desfecho: cárie precoce da infância (#3)
17
A Tabela 3.4 demonstra que esta estratégia mostrou-se mais sensível (n=325
artigos).
Tabela 3.4 - Estratégia PubMed para estudos sobre fatores de risco de CPI (abrangente)
Search
Most Recent Queries
Result
#4
#3
#2
Search #1 AND #2 AND #3
Search ("dental caries"[MeSH Terms] OR childhood caries)
Search ((relative[Title/Abstract] AND risk*[Title/Abstract]) OR
(relative risk[Text Word]) OR risks[Text Word] OR cohort
studies[MeSH:noexp] OR (cohort[Title/Abstract] AND
stud*[Title/Abstract]))
Search ("child"[MeSH Terms] OR "infant"[MeSH Terms])
325
30275
238554
#1
1582074
Estratégia PubMed final para estudos sobre fatores de risco de CPI
Foram unidos os artigos de ambas as estratégias e eliminadas as duplicatas.
Restaram para exame dos resumos 351 artigos. Ao limitar-se por idade (infant or
preschool children) foram gerados 195 artigos. A leitura dos resumos demonstrou que,
mesmo com as estratégias utilizadas, foram selecionados muitos estudos transversais,
que foram descartados em função de sua limitação para inferir sobre risco.
3.1.2.2 Estratégia LILACS
Na base de dados LILACS foram solicitados artigos sobre fatores associados à
cárie precoce da infância segundo os termos e campos especificados na Tabela 3.5.
Tabela 3.5 - Estratégia LILACS para estudos sobre fatores de risco de CPI
Operador booleano
Pesquisar
No campo
Cárie dentária
Descritor de assunto
and
Criança
Limites
and
Fatores de risco
Descritor do assunto
18
Esta estratégia buscou 26 artigos. Entretanto, todos foram descartados em função
de serem estudos transversais ou porque avaliavam crianças maiores de 6 anos de idade.
3.1.3 Estratégias de busca de artigos sobre intervenções para prevenção de CPI
A busca de artigos sobre estratégias de intervenção em CPI objetivou responder
às seguintes questões de pesquisa:
1) Questão específica do presente estudo: “Um programa de orientação nutricional é
efetivo em prevenir cárie precoce da infância?”
2) Questão mais ampla: “Quais as intervenções testadas para prevenir cárie precoce da
infância?”
3.1.3.1 Estratégia PubMed
Estratégia para obter estudos sobre intervenções na dieta e/ou nutrição para prevenir
CPI
Esta estratégia foi baseada na questão PICO e no delineamento do estudo, cujos
elementos são sintetizados a seguir:
a) Paciente= criança de 0 a 5 anos (#1)
b) Intervenção= nutrição e dieta como Mesh terms e todas suas variações envolvendo
orientações para crianças (#2) OU dieta / nutrição truncados como palavra do título ou
do abstract (#3)
c) Controle= este elemento não foi utilizado, uma vez que a estratégia visava estudos
em que a intervenção fosse comparada com qualquer outra medida preventiva, incluindo
placebo.
19
d) Outcome= cárie precoce da infância (#4)
e) Delineamento do estudo= estratégia validada para captar ensaios clínicos ou
metanálises (#5) e posteriormente estratégia mais específica para obter ensaio clínico
OU ensaio randomizado OU metanálise (#7)
A combinação das buscas #1 AND (#2 OR #3) AND #4 AND #5 buscou 551
artigos. Um exame dos primeiros 30 artigos mostrou que praticamente nenhum se
constituía realmente em estudo de intervenção, demonstrando que a estratégia validada
para detectar ensaios clínicos ou metanálises foi pouco específica. Assim, optou-se por
restringir a busca com a estratégia #7, o que determinou que apenas 33 artigos fossem
buscados. Estes constituíram-se nos artigos utilizados na busca inicial da literatura sobre
intervenções em dieta/nutrição para a prevenção de CPI.
A Tabela a seguir (3.6) demonstra as estratégias utilizadas.
20
Tabela 3.6 - Estratégia PubMed para estudos sobre intervenção em CPI
Search
Most Recent Queries
Result
#8
Search (#6) AND (#7)
33
#7 Search "randomised trial" OR "randomized trial" OR "clinical trial" OR “meta 502816
analysis” OR metaanalysis
#6
Search #1 AND (#2 OR #3) AND #4 AND #5
551
#5
Search ((randomized controlled trial[pt] OR controlled clinical trial[pt] OR 2852249
randomized controlled trials[mh] OR random allocation[mh] OR double-blind
method[mh] OR single-blind method[mh] OR clinical trial[pt] OR clinical
trials[mh] OR ("clinical trial"[tw]) OR ((singl*[tw] OR doubl*[tw] OR
trebl*[tw] OR tripl*[tw]) AND (mask*[tw] OR blind*[tw])) OR ("latin
square"[tw]) OR placebos[mh] OR placebo*[tw] OR random*[tw] OR
research design[mh:noexp] OR comparative study[mh] OR evaluation
studies[mh] OR follow-up studies[mh] OR prospective studies[mh] OR crossover studies[mh] OR control*[tw] OR prospectiv*[tw] OR volunteer*[tw])
NOT (animal[mh] NOT human[mh]) OR (("systematic review*" OR
"systematic literature review*" OR meta-analysis[pt] OR meta-analysis[ti] OR
metaanalysis[ti] OR meta-analyses[ti] OR evidence-based medicine OR
(evidence-based AND (guideline[tw] OR guidelines[tw] OR
recommendations)) OR (evidence based AND (guideline[tw] OR
guidelines[tw] OR recommendation*)) OR consensus development
conference[pt] OR health planning guidelines OR guideline[pt] OR cochrane
database syst rev OR acp journal club OR health technol assess OR evid rep
technol assess summ OR evid based dent OR evid based nurs OR evid based
ment health OR clin evid) OR ((systematic[tw] OR systematically OR
critical[tw] OR (study[tiab] AND selection[tiab]) OR (predetermined OR
inclusion AND criteri*[tw]) OR exclusion criteri* OR "main outcome
measures" OR "standard of care") AND (survey[tw] OR surveys[tw] OR
overview* OR review[tw] OR reviews[tw] OR search* OR hand search OR
analysis[tw] OR critique[tw] OR appraisal OR (reduction AND risk AND
(death OR recurrence))) AND (literature[tw] OR articles OR publications[tw]
OR publication[tw] OR bibliography[tw] OR bibliographies OR published OR
unpublished OR citation OR citations OR database OR internet[tw] OR
textbooks[tw] OR references OR trials OR meta-analysis[mh] OR (clinical[tw]
AND studies) OR treatment outcome)) NOT (case report[ti] OR editorial[ti]
OR editorial[pt] OR letter[pt] OR newspaper article[pt])))
#4
Search “Dental Caries” [MeSH Terms] OR “Early childhood caries” OR
30221
“Childhood caries”
#3
Search diet* OR nutrition* Field: Title/Abstract
323934
#2
Search Diet [MeSH Terms]OR “Diet Therapy” [MeSH Terms]OR “Diet
197507
Surveys” [MeSH Terms]OR “Diet, Cariogenic” [MeSH Terms] OR “Food
Habits” [MeSH Terms]OR “diet therapy” [MeSH Terms] OR “Infant Nutrition
Physiology” [MeSH Terms] OR “Child Nutrition Sciences” [MeSH Terms]OR
“Nutrition Assessment” [MeSH Terms] OR “Nutrition Policy” [MeSH Terms]
OR “Infant Nutrition Disorders“ [MeSH Terms]
#1
Search "Child, Preschool "[MeSH Terms] OR "infant"[MeSH Terms]
1026513
21
Estratégia para obter estudos sobre qualquer intervenção contra CPI
Esta estratégia utilizou os mesmos itens da estratégia anterior, apenas
eliminando o elemento “dieta / nutrição”. Assim, cujos elementos são sintetizados a
seguir:
a) Paciente: criança de 0 a 5 anos (#1)
b) Outcome: cárie precoce da infância (#4)
c) Delineamento do estudo: ensaio clínico OU ensaio randomizado OU metanálise (#7)
Foram obtidos, a partir desta estratégia, 245 artigos nesta busca inicial, a maioria
dos quais se constituía em estudos de intervenção. A Tabela 3.7 demonstra a estratégia
utilizada. Os itens (#1) AND (#4) AND (#7) correspondem às mesmas estratégias
descritas na Tabela anterior.
Tabela 3.7 - Estratégia PubMed para estudos sobre fatores de risco de CPI
Search
Most Recent Queries
Result
#9
Search (#1) AND (#4) AND (#7)
245
3.1.3.2 Estratégia LILACS
Na base de dados LILACS foram solicitados artigos sobre estudos de
intervenção direcionados à cárie precoce da infância segundo os termos e campos
especificados na Tabela 3.8.
Tabela 3.8 - Estratégia LILACS para estudos sobre intervenção em CPI
Operador booleano
Pesquisar
No campo
Cárie dentária
Descritor de assunto
and
Criança
Limites
and
Estudos de intervenção Descritor do assunto
22
Esta estratégia buscou apenas 1 artigo, descartado em função de que não houve
randomização previamente à intervenção.
3.1.3.3 Estratégia COCHRANE
Na base de dados COCHRANE foram solicitados ensaios clínicos randomizados
em que o termo “early childhood caries” estivesse no título. Foram encontrados 15
ensaios clínicos, já obtidos pela estratégia de busca do Medline.
23
3.2 - CONCEITOS PRELIMINARES
A cárie dentária é uma das doenças mais prevalentes entre todas as agressões à
saúde humana e representa a doença crônica mais freqüente durante a infância,
constituindo-se em grave problema de saúde pública no mundo (Newacheck et al, 2000;
Berkowitz, 2003; Petersen, 2003; Sheiham, 2005; Selwitz et al, 2007). A complexa
interação entre fatores pode determinar lesões nos tecidos dentários que produzem, ao
longo do tempo, prejuízos de ordem funcional, estética, emocional, social e econômica
(Ismail, 1998, Finlayson et al, 2007; Patel et al, 2007). Características inerentes aos
primeiros anos de vida e não totalmente esclarecidas, com ênfase para práticas
alimentares, potencializam os efeitos observados. Desta forma, constituem-se em
importantes questões de pesquisa o reconhecimento de fatores de risco e a avaliação de
programas preventivos em relação à cárie dentária em pré-escolares (Wendt et al, 2001;
Petersen, 2003).
De maneira geral, os avanços na compreensão da etiologia, diagnóstico e
estratégias de manejo de qualquer doença dependem do desenvolvimento contínuo de
ferramentas válidas e reprodutíveis que permitam o diagnóstico com acurácia da
ocorrência e severidade de uma condição (Ismail & Sohn, 1999). Algumas
características são peculiares à ocorrência de cárie dentária nos primeiros anos de vida:
aparecimento de manchas brancas e cavidades logo após a erupção dentária, vários
dentes sendo afetados, alta velocidade de progressão e ocorrência em superfícies
consideradas de baixa suscetibilidade (Ripa, 1998; Milgrom et al, 2000, Thitasomakul
et al, 2006). Tais características, distintas da ocorrência da cárie dentária na fase escolar
ou em qualquer outra fase da vida, indicam a necessidade de estratégias específicas de
prevenção e tratamento precoce, o que evidentemente deve se basear em uma definição
24
clara do problema. Encontrar termo e definição adequados para a cárie dentária quando
atinge crianças pré-escolares passou a ser considerada uma condição para o
direcionamento de estratégias (Horowitz, 1998b).
3.2.1 Terminologia e definições
Em condições fisiológicas, a saliva e fluidos orais mantêm-se em equilíbrio com
a estrutura dentária, havendo alternâncias entre ciclos de desmineralização e
remineralização nos cristais do esmalte consecutivamente às quedas de pH e posterior
retorno à neutralidade. Dependendo da complexa interação de fatores salivares,
microbiológicos e comportamentais (relacionados, por sua vez, a fatores demográficos e
socioeconômicos), pode ocorrer um desequilíbrio neste processo, com predomínio de
eventos que promovem a desmineralização. Nesta situação, bactérias cariogênicas
metabolizam o substrato da dieta (sacarose e outros carboidratos) e produzem ácido
como produto metabólico na interface placa/dente, determinando perda mineral (cálcio,
fosfato e carbonato) do esmalte adjacente. Mantidas as condições de desequilíbrio, o
processo determina alterações na refração da luz através do esmalte, permitindo a
visualização do primeiro sinal clínico da doença, caracterizado por uma mancha branca
(Fejerskov & Kidd, 2003).
O caráter de atividade da lesão, caracterizado pela contínua preponderância de
fatores que determinam desmineralização em relação à remineralização, confere
clinicamente opacidade e rugosidade ao tecido desmineralizado. Permanecendo o
desafio cariogênico, a área desmineralizada aumenta em tamanho e volume permitindo
o colapso da camada mais superficial de esmalte e determinando a formação de
cavidade (Figura 3.1). Em função da natureza dinâmica da cárie, pode ocorrer
interrupção ou reversão da lesão nos estágios iniciais, o que depende de mudanças que
25
re-equilibrem o processo des-remineralização. A permanência das condições que
determinam predominância da desmineralização sobre a remineralização determinará o
aumento progressivo da lesão (Fejerskov & Kidd, 2003), podendo levar à destruição e
perda dentária (Figura 3.2).
Figura 3.1 - Lesões de cárie em criança de um ano e um mês: observa-se lesão sem
cavidade no dente 52 e colapso da camada superficial do esmalte com formação de
cavidades nos dentes 51, 61 e 62.
Figura 3.2 - Lesões de cárie em criança de dois anos e meio: todos os dentes
apresentam lesão (com ou sem cavidade), observando-se destruição dos dentes
ântero-superiores.
26
Assim, inicialmente deve ser estabelecida uma diferenciação entre a doença e a
lesão de cárie. A primeira se caracteriza pela conjunção de fatores da rede de
causalidade que determinam predomínio do processo de desmineralização. É uma
doença crônica, raramente auto-limitante, que se manifesta clinicamente por um sinal - a
lesão de cárie - que varia de acordo com a localização (superfícies oclusais, livres e
proximais), número (desde um até todos os elementos dentários envolvidos) e estágio de
progressão (desde lesão sem cavidade até a destruição completa do elemento dentário)
(Fejerskov & Kidd, 2003). O processo que caracteriza a lesão de cárie é essencialmente
o mesmo em dentes decíduos e permanentes. Características anatômicas de cada
dentição podem colaborar para diferenças nas superfícies e dentes mais atingidos e nas
taxas de progressão da lesão. Menores espessuras de esmalte e dentina na dentição
decídua podem contribuir para o envolvimento pulpar mais precoce em relação à
dentição permanente (McDonald et al, 2004).
O conhecimento da seqüência de eventos em nível microscópio e clínico nas
últimas décadas do século passado não foi suficiente, entretanto, para proporcionar uma
definição universalmente aceita de cárie dentária, especialmente quando ocorre nos
primeiros anos de vida. Variações terminológicas e conceituais foram objeto de intensa
discussão desde então. Até o início da década de 90 do século passado, a ocorrência de
lesões nos primeiros anos de vida era designada por cárie rampante (Winter et al, 1966),
cárie de mamadeira (Derkson & Ponti, 1982), cárie vestibular (James et al, 1957), cárie
de incisivos (Goose, 1967), cárie de aleitamento materno (Johnsen, 1982) ou cárie
ântero-superior (O’Sullivan & Tinanoff, 1993), entre outros nomes amplamente
difundidos. Estas designações passaram a ser objeto de crítica por que: (a) não são
abrangentes quanto à evocação de fatores supostamente associados à sua ocorrência
podendo, desta forma, conduzir a estratégias preventivas e terapêuticas equivocadas; e
27
(b) mesmo que o processo não atinja vários dentes, a simples ocorrência de uma ou duas
lesões antes dos três anos de vida já deveria merecer atenção especial e não é
contemplada por esta definição (Ismail, 1998; Wyne, 1999).
Desde a primeira metade da década de 90, alguns autores começaram a utilizar o
termo na língua inglesa “early childhood caries” (ECC) para definir esta condição
(Reisine; Douglass, 1998). Esta expressão foi posteriormente traduzida para a língua
portuguesa como “cárie de estabelecimento precoce” ou, com maior aceitação, “cárie
precoce da infância” (CPI), como é designada nesta publicação. O termo “cárie precoce
da infância” foi corroborado por uma Conferência Internacional realizada sobre o tema,
em 1997, e que gerou várias publicações a partir de 1998 (Tinanoff, 1998a). Algumas
críticas surgiram em relação ao fato deste nome se constituir em um termo “guardachuva” que falha por omitir: (a) a idade clara do grupo afetado pela doença; e (b) a
rapidez com que ocorre o processo (Horowitz, 1998b). Entretanto, um nome que
contemplasse, ao mesmo tempo, fatores etiológicos envolvidos, características clínicas e
severidade seria demasiadamente longo, não parecendo haver similar na literatura em
relação a qualquer doença na infância ou mesmo na vida adulta (Wyne, 1999). Propôsse, desde então, o abandono da discussão do nome, sendo aceito pela maioria dos
especialistas o termo cárie precoce da infância.
Por outro lado, persistia uma inconsistência na definição de caso e critérios para
diagnóstico de CPI, o que foi confirmado por uma revisão sistemática publicada por
Ismail & Sohn (1999). Critérios que caracterizassem CPI diferiam em relação a: (a)
idade da criança, variando de crianças menores de 3 anos até crianças de 6 anos de
idade; (b) estágio de progressão da lesão, variando desde lesão sem cavidade até lesão
dentinária; (c) localização da lesão, variando de dentes ântero-superiores até “qualquer
28
dente”; e (d) número de dentes atingidos, variando de “pelo menos um dente com
lesão”, dois ou mais, três ou mais ou cinco ou mais dentes com lesão de cárie (Ismail &
Sohn, 1999). Os autores concluíram pela necessidade de definir o que de fato constitui
cárie precoce da infância (Horowitz, 1998b; Ismail & Sohn, 1999). Uma definição do
problema deveria ser abrangente no sentido de permitir o diagnóstico de CPI tão cedo
quanto possível para prevenir sua progressão para avançadas formas de cárie (cavidade
ou destruição) (Horowitz, 1998ª; Horowitz, 1998b; Ismail & Sohn, 1999). Para isso a
comunidade científica foi instada a responder às seguintes perguntas:
a) O termo CPI representa um modelo único de doença ou vários modelos de
ocorrência de cárie em crianças entre 1 e 5 anos de idade?
b) Deve-se medir e apresentar dados por superfície dentária para cada ano de
vida pré-escolar?
c) A definição deve incluir estágios precoces em que ainda não há cavidade?
Um consenso nesse sentido seria necessário para permitir a investigação sobre a
etiologia da cárie precoce da infância, envolvendo a identificação de preditores e o teste
de estratégias preventivas (Ismail & Sohn, 1999). Um grupo de experts reunidos em um
simpósio organizado em 1999 pelo National Institute for Dental and Cranio-facial
Research (NIDCR) definiu cárie precoce da infância (CPI) como a presença de uma ou
mais superfícies cariadas (com ou sem cavidade), perdidas (devido à cárie dentária) ou
restauradas em qualquer dente decíduo em uma criança de até 71 meses de idade (Drury
et al, 1999). Além disso, estabeleceu-se a necessidade de definir um padrão de doença
que caracterizasse maior severidade (Quadro 3.1).
29
Quadro 3.1 - Definição de cárie precoce da infância (CPI) e cárie severa da infância (CSI).
Idade
CPI
CSI
(meses)
<36
c1+eo-s ≥ 1*
36-47
c1+eo-s ≥ 1*
48-59
c1+eo-s ≥ 1*
60-71
c1+eo-s ≥ 1*
c1+eo-s ≥ 1*
1 ou mais superfícies com cavidade, restauradas ou perdidas (por
cárie) em dentes decíduos ântero-superiores OU c1+eo-s ≥ 4
1 ou mais superfícies cavidade, restauradas ou perdidas (por cárie)
em dentes decíduos ântero-superiores OU c1+eo-s ≥ 5
1 ou mais superfícies com cavidade, restauradas ou perdidas (por
cárie) em dentes decíduos ântero-superiores OU c1+eo-s ≥ 6
*qualquer lesão de cárie, com ou sem cavidade, dente perdido por cárie ou superfície restaurada. Inclui
apenas dentes decíduos.
Fonte: AAPD, 2003
Assim, foi definida como “cárie severa da infância” - CSI - (na língua inglesa:
Severe Early Chilhood Caries - S-ECC) a ocorrência de qualquer sinal de cárie (com ou
sem cavidade) em crianças menores de 3 anos. Entre 3 e 5 anos, CSI foi definida como
uma ou mais superfícies com cavidade, perdidas (por cárie) ou restauradas em dente
decíduo ântero-superior (definição número um) OU índice de superfícies cariadas,
perdidas ou restauradas (ceo-s) com valor de 4 ou mais na idade de 3 anos, 5 ou mais na
idade de 4 anos, 6 ou mais na idade de 5 anos (definição número dois) (Drury et al,
1999). Em 2003 a American Academy of Pediatric Dentistry (AAPD) corroborou a
utilização do termo CPI e sua definição (AAPD, 2003).
Entre as características desta definição, a mais importante é, possivelmente, a
inclusão de lesões ainda sem cavidade, tradicionalmente não contabilizadas em
diagnósticos populacionais, conforme os critérios da Organização Mundial da Saúde
(WHO, 1997). Entre as críticas à inclusão destas lesões, destaca-se a dificuldade em
distingui-las de opacidades ou defeitos de esmalte, o que poderia determinar erro de
classificação. Para permitir a detecção de tais lesões o exame teria que ser mais
30
minucioso e prolongado, exigindo maior tempo de treinamento e calibração (Antunes &
Peres, 2006). Entretanto, mesmo considerando as limitações inerentes, a inclusão de
lesões sem cavidade no diagnóstico de cárie é importante porque:
(a) tais lesões são mais prevalentes do que lesões na forma de cavidade nos primeiros
dois anos de vida (Mattos-Graner et al, 1998; Milgrom et al, 2000);
(b) o registro de lesões sem cavidade provê melhor entendimento do mecanismo de ação
do flúor, selantes e outros agentes preventivos (Ismail, 1997);
(c) lesões sem cavidade são indicadores da atividade de cárie em crianças menores
(Grindefjord et al, 1995a; Milgrom et al, 2000);
(d) a inclusão destas lesões melhora a precisão de ensaios clínicos sobre agentes
preventivos (Howat et al, 1981); e
(e) sua detecção pode contribuir para intervenção precoce (Ismail & Sohn, 1999;
Milgrom et al, 2000).
Avaliações epidemiológicas que ignoram lesões iniciais subestimam a
prevalência da doença e falham, portanto, na descrição do quadro real de cárie dentária
da população avaliada (Amarante et al, 1998). Estudo recente com crianças brasileiras
demonstrou uma diferença acentuada entre a prevalência de cárie considerando apenas
cavidades ou incluindo lesões sem cavidade: 4,4% vs. 17,5% com um ano de idade,
14,8% vs. 31% aos dois anos, 29,4% vs. 42,9% aos três anos e 40% vs. 47,6% aos 4
anos de idade (Ferreira et al, 2007). Os dados demonstram que esta diferença é
proporcionalmente maior quanto menor a idade da criança. Em recente estudo
longitudinal com crianças tailandesas com menos de dois anos de idade foi observado
31
que, em apenas 6 meses de seguimento, um terço de lesões em esmalte evoluiu para
cárie dentinária (Thitasomakul et al, 2006). Assim, a inclusão de lesões sem cavidade
parece estar especialmente indicada no diagnóstico de cárie nos primeiros anos de vida.
Em um senso mais amplo, o registro de lesões sem cavidade contribui para que o
“processo” da doença cárie seja levado em consideração, e não apenas o tradicional
“desfecho” - a cavidade. Ao menos em parte, essa concepção permite uma dimensão
diferente do pensamento exclusivamente dicotômico que reduz os indivíduos às
categorias “saudáveis ou doentes” e que tem sido objeto de crítica à epidemiologia
moderna (Pearce, 1996).
Apesar das considerações anteriores e sua adoção por entidades e muitos
pesquisadores, a aceitação universal destas definições ainda permanece um desafio. Esta
falta de consenso é constatada pela pluralidade de critérios ainda adotados em
publicações recentes.
3.2.2 Desfechos considerados na literatura sobre cárie precoce da infância
De uma maneira geral, os estudos sobre epidemiologia da cárie dentária utilizam
2 desfechos:
(1) uma variável quantitativa, representando o número de superfícies cariadas, perdidas
(extraídas) e obturadas em dentes decíduos - designado de índice ceo-s - ou em dentes
permanentes - denominado índice CPO-S (na língua inglesa: defs ou dmfs e DMFS,
respectivamente). Uma variação freqüentemente utilizada é a substituição da unidade
“superfícies” pela contagem de “dentes” cariados, perdidos (extraídos) e obturados,
designados na dentição decídua e permanente por ceo-d e CPO-D, respectivamente (na
32
língua inglesa: def-t ou dmft e DMFT). Por sua natureza quantitativa, esta variável
traduz a severidade de cárie dentária.
(2) uma variável qualitativa, representando a ocorrência de cárie dentária - definida
como a presença de ao menos uma superfície cariada, perdida ou obturada em dentes
decíduos (ceo-s ≥ 1) ou permanentes (CPO-S ≥ 1). Neste caso, a ocorrência de qualquer
superfície nestas condições também caracterizaria a ocorrência de pelo menos um dente
atingido, representando para dentes decíduos e permanentes, respectivamente, ceo-d ≥ 1
e CPO-D ≥ 1. Por dicotomizar indivíduos entre os que apresentam e não apresentam
cárie dentária, esta variável é indicadora das medidas de freqüência (prevalência e
incidência) da doença.
Em ambas as variáveis - quantitativa e qualitativa - a maioria dos estudos,
baseados na definição proposta pela Organização Mundial da Saúde (WHO, 1997), não
inclui na categoria “cariado” dentes ou superfícies com lesão sem cavidade.
Outra forma de abordagem de desfechos é considerar estágios mais avançados
da lesão de cárie. Desta forma, as medidas de freqüência são estabelecidas de acordo
com diferentes pontos de corte estabelecidos a priori, podendo ser descrita a prevalência
de cárie em dentina em uma população. De acordo com o ponto de corte determinado,
as freqüências poderão ser descritas igualmente na forma quantitativa, com índices de
cárie em estágio 1, 2 ou 3, que poderão compor os índices c1eo-d a c3eo-d (na língua
inglesa: d1mft a d3mft). Os estágios c1, c2 e c3 correspondem, respectivamente, a lesão de
esmalte sem cavidade, cavidade restrita a esmalte e cavidade em dentina. A justificativa
postulada para pontos de corte em estágios mais avançados da lesão de cárie é sua
utilização como indicadores de necessidade de tratamento restaurador em uma
população (Anonymous, 1992; Pitts et al, 1997). Medidas de freqüência contabilizando
33
lesões em estágios ainda mais avançados, como lesão com envolvimento pulpar,
também já foram descritas e/ou utilizadas (Lopez del Valle et al, 1998; Thitasomakul et
al, 2006).
Por fim, alguns estudos em crianças e adolescentes utilizam desfechos por
segmentos (lesão em dentes anteriores e dentes posteriores) ou tipo de superfície
atingida (lesão em superfícies oclusais, livres ou proximais) (Sayegh et al, 2002;
Thitasomakul et al, 2006; Tsai et al, 2006).
Embora ainda não haja consenso a respeito, a progressiva aceitação dos termos e
definições sobre cárie precoce da infância e cárie severa da infância pela comunidade
científica nos últimos anos a partir da indicação do grupo de experts como
anteriormente descrito, fez com que os desfechos em um número crescente de estudos
com crianças pré-escolares se constituíssem em:
(1) uma variável quantitativa, representando o número de superfícies cariadas, perdidas
e restauradas (índice ceo-d) (preferentemente incluindo lesões sem cavidade na
definição de “cariados”).
(2) duas variáveis qualitativas: a ocorrência de cárie precoce da infância (CPI) e a
ocorrência de cárie severa da infância (CSI), de acordo com os critérios anteriormente
determinados.
Estes conceitos permitem a utilização universal dos termos prevalência de CPI e
CSI (indicadas pelas variáveis qualitativas) e severidade de cárie (indicada pela variável
quantitativa).
34
3.2.3 Distribuição de cárie na dentição decídua
A cárie dentária em crianças pré-escolares pode ocorrer em todas as superfícies
de todos os dentes. Entretanto, estudos têm descrito uma hierarquia nos dentes e
superfícies atingidos (Johnsen et al, 1986; Mayanagi et al, 1995; Seow et al, 1996; Dini
et al, 1998; Thitasomakul et al, 2006), que pode variar de acordo com a idade, a
cronologia de erupção dentária, padrão muscular de sucção e práticas alimentares
(Milnes, 1996; Ripa, 1998).
Os incisivos superiores são normalmente os primeiros dentes a serem atingidos
pela cárie precoce da infância (Thitasomakul et al, 2006, Feldens et al, 2007), o que está
diretamente relacionado à sua localização, expostos ao contato direto com carboidratos
e difícil acesso ao fluxo salivar, e ao fato de figurarem entre os primeiros dentes a
erupcionar (Milnes, 1996; Ripa, 1998). Em crianças menores de 2 anos, as superfícies
livres de dentes anteriores superiores podem contribuir com mais de 90% do total de
lesões (Thitasomakul et al, 2006, Feldens et al, 2007). Nestes dentes, a região
desmineralizada inicialmente se apresenta na forma de mancha branca próxima à
margem gengival. Persistindo o desafio cariogênico, a lesão progride para cavidade e se
estende ao redor do terço cervical, não necessariamente nesta ordem (Milnes, 1996). O
fato dos incisivos inferiores - primeiros dentes a erupcionar - geralmente permanecerem
sem lesão está associado à proximidade dos dutos de excreção das glândulas salivares
submandibulares e sublingual, o que permite que tais dentes sejam constantemente
banhados por saliva, neutralizando ácidos e conferindo-lhes proteção. Adicionalmente, a
projeção da língua para frente e para cima durante a sucção confere proteção mecânica
em relação aos líquidos cariogênicos que atingem outros dentes (Milnes, 1996).
35
Os primeiros molares superiores e inferiores, que erupcionam após os incisivos,
são os dentes seguintes a serem afetados. As regiões atingidas são, geralmente, fossas e
fissuras oclusais e superfícies vestibular e palatina. À medida que a criança atinge 2 a 3
anos de idade, os primeiros e segundos molares decíduos tornam-se expostos por mais
tempo na cavidade bucal e lesões oclusais podem igualar ou ultrapassar em número as
lesões de dentes anteriores (Mayanagi et al, 1995; Seow et al, 1996; Dini et al, 1998).
Dependendo da severidade, caninos e regiões proximais de molares também podem ser
atingidos (Henon et al, 1969; Holland & Crowley, 1982).
Considerando toda a fase pré-escolar, não há consenso em relação aos dentes
mais atingidos por lesões de cárie, havendo variação entre incisivos centrais superiores
e segundos molares superiores e inferiores (Henon et al, 1969; Holland & Crowley,
1982; Greenwell et al, 1990; Derosuo et al, 1991, Grindefjord et al, 1995b; Hallonsten
et al, 1995; Caufield et al, 1990, Slade et al, 1996a; Wyne et al, 2002; Reichmann,
2006). Diferenças na distribuição entre os estudos refletem, primeiramente, diferenças
nas faixas etárias avaliadas. Assim, a descrição dos dentes “mais suscetíveis” parece ter
sentido apenas se relacionada a cada idade, um fator diretamente associado à
distribuição, conforme anteriormente descrito. Secundariamente, outro fator que explica
diferenças na distribuição é a diversidade de critérios metodológicos, principalmente a
inclusão ou não de lesões sem cavidade, e o tamanho amostral, diminuindo a precisão
dos resultados. Mesmo considerando estes fatores, é plausível que realmente haja
diferenças entre as populações, refletindo diversidades comportamentais em relação a
práticas alimentares e/ou hábitos de higiene.
A avaliação de 1.487 crianças pré-escolares no município de Canoas-RS
demonstrou que os dentes mais afetados até os 3 anos de idade foram os incisivos
36
centrais superiores. Entre 4 e 5 anos de idade, os segundos molares igualaram-se aos
incisivos superiores, e aos 6 anos de idade passaram a ser os dentes com maior
experiência de cárie (Reichmann, 2006). Estudos publicados sobre a distribuição de
cárie em crianças brasileiras e que incluíram lesões sem cavidade descreveram achados
semelhantes (Carvalho et al, 1990; Bönecker et al, 1997).
O reconhecimento da distribuição de cárie na dentição decídua em cada faixa
etária parece ser um pressuposto importante para a efetividade de orientações em
relação a condutas preventivas, principalmente em relação ao controle de placa.
37
3.3 - MAGNITUDE DA CÁRIE PRECOCE DA INFÂNCIA
A cárie precoce da infância tem sido relatada como uma das doenças infantis de
maior prevalência no mundo, constituindo-se em problema de saúde pública em países
desenvolvidos e em desenvolvimento (Berkowitz, 2003; Petersen, 2003; Sheiham,
2005).
A literatura especializada tem sugerido que dados relativos à freqüência de cárie
em crianças pré-escolares devem ser analisados com cuidado. Entre os fatores que
justificam esta afirmativa destacam-se: (1) dificuldade de se obter amostras
representativas de crianças de até 5 anos de idade; (2) limitações do exame físico de
crianças nesta faixa etária em função de características físicas e emocionais; e (3) a
própria falta de uniformidade nos critérios utilizados em relação ao diagnóstico de cárie
(Ismail & Sohn, 1999; Reisine & Psoter, 2001). Diferenças nas estratégias com que são
abordados estes fatores em cada coleta de dados dificultam comparações entre
diferentes populações.
A par de tais limitações, é fundamental que os dados coletados nas diversas
regiões do mundo sejam descritos, conjuntamente com as características metodológicas
de cada pesquisa. O Quadro 3.2 apresenta um panorama dos estudos que avaliaram a
freqüência e severidade de cárie na dentição decídua em diferentes populações e que
foram publicados nos últimos 10 anos (entre 01/01/1998 e 31/12/2007), junto com um
sumário das características metodológicas do estudo. Os trabalhos citados foram obtidos
a partir de busca na base de dados MEDLINE, LILACS (Literatura Latino-Americana
em Ciências da Saúde) e COCHRANE, conforme critério especificado no Anexo A,
tendo sido excluídos estudos com amostra menor do que 300 crianças pela menor
precisão dos dados.
38
Quadro 3.2 - Prevalência (ceo-d≥1) e severidade de cárie (média do índice ceo-d) na dentição decídua
excluindo [incluindo] lesões sem cavidade descritas em estudos com amostra ≥300 entre 1998-2007.
Ano
Autor/Revista
2007
-Ferreira et al
-Int J Paediatr Dent
2006
- Thitasomakul et
al
-Community Dent
Oral Epidemiol
Delineamento
e amostra
Local
Cárie precoce da infância
Prevalência
Critério
Severidade
Canoas (Brasil)
1 a: 4,4% [17,5%]
2 a:14,8%[31,0%]
3 a:29,4%[42,9%]
4 a:40,0%[47,6%]
5 a:49,5%[53,9%]
1 a: [0,42]
2 a: [1,08]
3 a: [1,64]
4 a: [1,87]
5 a: [2,34]
-OMS(1)
[OMS +
LSC] (2)
- Coorte
- n=599
- 9-18 meses
Thepa
(Tailândia)
9 m: 2,0%
12 m: 22,8%
18 m: 68,1%
9 m: 0,05
12 m: 0,73
18 m: 2,72
OMS
2006
-Tsai et al
-Community Dent
Oral Epidemiol
- Transversal
- n=981
- < 6 anos
Taiwan
(amostral
nacional)
2006
-Ferro et al
-Community Dent
Health
2 a: 0,14
3 a: 2,58
4 a: 4,4
5 a: 6,94
6 a: 7,31
3 a: 0,53
4 a: 0,83
5 a: 1,34
2005
-Saravanan et al Indian J Dent Res
- Transversal
- n=1006
- 2-6 anos
- Transversal
- n=1009
- 5 anos
2 a: 5,09%
3 a: 60,12%
4 a: 75,00%
5 a: 89,13%
6 a: 89,38%
3 a: 13,28%
4 a: 18,95%
5 a: 26,9%
-Transversal
- n=1487
- 0-5 anos
- Transversal
- n=408
- < 6 anos
Vêneto (Itália)
5a : 44,4%
Manitoba
(Canadá)
<1a :7,1%
1 a : 30,4%
2 a : 54,7%
3 a : 78,1%
4 a : 78,3%
5 a : 84,2%
<1a : 0,3
1 a : 1,5
2 a : 3,5
3 a : 7,0
4 a : 6,6
5 a : 7,2
OMS
Ajman
(Emirados
Árabes Unidos)
-5-6 a : 76,1%
-5-6 a : 4,4
OMS
Kampala e
Nakawa
(Uganda)
3 a: 45%
4 a: 59%
5 a: 65%
3 a: 1,7
4 a: 2,4
5 a: 3,1
OMS
4 a: 2,06
OMS
5 a: 2,64
6 a: 3,07
OMS
-Schroth et al
-J Can Dent Assoc
2006
-Hashim et al
-Int J Paediatr Dent
2004
-Kiwanuka et al
-Int J Paediatr Dent
2004
-Feitosa & Colares
-Cad Saúde Pública
2003
-Cypriano et al
-Rev.Saúde Públ
2003
-Carino et al
-Community Dent
Oral Epidemiol
- Transversal
- n=993
- 2-6 anos
Banguio City,
Bontoc e San
Jacinto
(Filipinas)
-Jin et al
-J Public Health
Dent
- Transversal
- n=470
- 6-59 meses
Seul (Coréia)
2002
Rosenblatt &
Zarzar
-J Dent Child
2002
-Hallett; O’Rourke
-Aust Dent J
2002
-Yee; McDonald
-Int Dent J
- Transversal
- n=468
- 12-36 meses
- Transversal
- n=2515
- 4-6 anos
- Transversal
- n=2177
- 5-6 anos
2003
- Transversal
- n=589
- 3-5 anos
- Transversal
- n=861
- 4 anos
- Transversal
- n=2805
- 5-6 anos
OMS
Pondicherry
(Índia)
2005
- Transversal
- n=1036
- 5-6 anos
OMS
Recife (Brasil)
Piracicaba
(Brasil)
4 a: 47%%
5 a: 55,7%
6 a: 61,5%
-
OMS
2 a: 59%
3 a: 85%
4 a: 90%
5 a: 94%
6 a: 92%
<1a:0.0% [3.2%]
1 a:16.3%[44.0%]
2 a:36.1%[63.6%]
3 a:63.5%[79.3%]
4 a:83.0%[90.8%]
12 -18 m: 8,7%
19-24 m: 27,7%
25-36 m: 46,2%
2 a: 4,2
3 a: 7,4
4 a: 8,8
5 a: 9,8
6 a: 10,1
<1a: [0.03]
1 a: [1.85]
2 a: [4.00]
3 a: [5.37]
4 a: [6.92]
12 -18 m: 0,4
19-24 m: 1,47
25-36 m: 2,0
Brisbane
(Austrália)
4-6 a: 33,7%
4-6 a: 1,4
(dmfs=2,28)
OMS
Terai (Nepal)
5-6 a: 67%
5-6a: 3,3
OMS
Recife (Brasil)
OMS
-OMS
[OMS +
LSC]
OMS
39
Ano
Autor/Revista
Delineamento
e amostra
Local
2002
-Rajab; Hamdan
-Community Dent
Health
- Transversal
- n=384
- 1-5 anos
Aman
(Jordânia)
1 a: 6,5%
5 a: 64,2%
-Bönecker et al
-Int J Paediatr Dent
- Transversal
- n=690
- 5-60 meses
Diadema
(Brasil)
<1a : 0,0%
1 a : 2,8%
2 a : 18,3%
3 a : 35,7%
4 a : 43,4%
2002
Cárie precoce da infância
Prevalência
Severidade
Critério
1 a: 0,19
2 a: 1,15
3 a: 1,70
4 a: 2,10
5 a: 3,22
<1a :0,0
1 a : 0,2
2 a : 1,0
3 a : 2,3
4 a : 3,2
OMS
OMS/c3
(3)
- Transversal
Manchester
- n=762
3 a: 32%
3 a: 1.4
(Inglaterra)
- 36-48 meses
- Transversal
-Ngatia et al
2001
- n=304
Nairobi (Kenia) 3-5 a: 63,5%
3-5 a: 2,95
-East Afr Med J
- 3-5 anos
- Transversal
-Wyne et al
Riyadh (Arábia
2001
- n=1016
2-6 a: 27,3%
-Int J Paediatr Dent
Saudita)
- 2-6 anos
-Pitts et al
- Transversal
Grã-Bretanha
2001 -Community Dent
- n=199.440
(amostra
5 a: 40%
5 a: 1,57
Health
- 5 anos
nacional)
-Dini et al
- Transversal
2000
Araraquara
-Community Dent
- n=303
3-4 a: 46%
3-4 a: 1,8
(Brasil)
Oral Epidemiol
- 3-4 anos
- Transversal
4 a: 29%
4 a : 0,9
-Chu et al
-Hong Kong
1999
- n=658
6 a: 52%
5 a : 1,8
-Br Dent J
(China)
- 4-6 anos
6 a : 3,3
-Ali et al
- Transversal
1998 -J Indian Soc Ped
- n=508
Akola (Índia)
5-6 a: 61,4%
5-6 a: 2,75
Prev Dent
- 5-6 anos
(1) OMS: metodologia e critério da OMS; cárie = cavidade (WHO, 1997).
(2) OMS + LSC: metodologia da OMS, mas incluindo lesões sem cavidade.
(3) OMS/c3= metodologia da OMS, mas em que cárie=cavidade em dentina
(4) OMS/ceo≥2: metodologia da OMS, mas para considerar prevalência: pelo menos 2 incisivos com lesão
2001
-Davies et al
-British Dent J
OMS/c3
OMS
OMS/ceo
ant≥2 (4)
OMS/c3
OMS
OMS
OMS
Os dados apresentados confirmam que, embora haja variações consideráveis
entre populações, a cárie dentária apresenta alta prevalência e severidade em todos os
hemisférios - sul e norte, ocidental e oriental - incluindo populações de países
desenvolvidos e em desenvolvimento, desde idades bem precoces. Alguns estudos
demonstram a ocorrência de lesões de cárie antes mesmo da criança completar o
primeiro ano de vida. É conveniente ressaltar que não há descrição de dados referentes a
crianças que vivem atualmente em comunidades sem contato com a sacarose.
Observações históricas e alguns estudos epidemiológicos com populações antes do
contato com açúcar refinado, como esquimós e habitantes da ilha de Tristão da Cunha,
no entanto, indicaram baixa prevalência da doença (Fisher, 1968).
40
Os dados recentes confirmam a natureza cumulativa da cárie dentária,
demonstrada pelo aumento da prevalência e severidade em cada população à medida
que a criança aumenta de idade. Entretanto, os estudos que descrevem as freqüências
nas diferentes idades demonstram que o aumento não é linear: o maior acréscimo de
lesões parece ocorrer entre um e dois anos de idade (Rajab et al, 2002; Bönecker et al,
2002; Jin et al, 2003; Cariño et al, 2003; Ferreira et al, 2007) em relação a crianças
maiores. Este achado parece fundamental no sentido de indicar a necessidade de
intervenções preventivas precoces, preferentemente no primeiro ano de vida, antes que a
cárie dentária se manifeste ou seu tratamento seja mais oneroso e difícil tecnicamente.
O levantamento epidemiológico nacional realizado nos anos 2002 e 2003 e
designado de Projeto SB Brasil 2003 (Brasil, 2004) utilizou o critério da OMS
(cariado=cavidade) e também avaliou a distribuição de cárie na dentição decídua. Foi
descrita uma prevalência, entre 18 e 36 meses (n=12.117), de 26,8%, variando
regionalmente de 20,7% (região Centro-Oeste) a 31,8% (região Norte). O índice ceo-d
médio nesta faixa etária foi de 1,07, com variação de 0,80 (região Centro-Oeste) a 1,34
(região Norte) (Tabela 3.9).
Tabela 3.9 - Freqüências simples e percentuais da prevalência de cárie dentária (ceo-d≥1)
e média e intervalo de confiança 95% (IC 95%) do índice ceo-d de crianças
de 18 a 36 meses de idade conforme a macrorregião. Brasil, 2003.*
Região
ceo-d≥1
N
n
ceo-d
(%)
Média
IC 95%
Centro-Oeste
1.188
246
(20,7)
0,80
0,68
0,92
Nordeste
2.557
688
(26,9)
1,00
0,91
1,09
Norte
3.305
1.052
(31,8)
1,34
1,25
1,43
Sudeste
2.342
544
(23,2)
0,95
0,86
1,04
Sul
2.725
723
(26,5)
1,04
0,95
1,13
BRASIL
12.117
3.253
(26,8)
1,07
1,03
1,11
* Adaptado do SB Brasil 2003 (Brasil, 2004).
41
A prevalência de cárie aos 5 anos de idade no Brasil foi de 59,4%
(15.818/26.641), variando de 55,1% na Região Sudeste a 65,1% na região Nordeste. O
índice ceo-d médio foi de 2,80, com uma variação de 2,50 (região Sudeste) a 3,22
(região Norte) (Tabela 3.10). Os dados do SB Brasil 2003 demonstram uma alta
prevalência de cárie precoce da infância em todas as regiões e no Brasil como um todo,
além de evidenciar desigualdades regionais importantes.
Tabela 3.10 - Freqüências simples e percentuais da prevalência de cárie dentária (ceo-d≥1)
e média, intervalo de confiança 95% (IC 95%) e mediana do índice ceo-d de crianças
de 5 anos de idade conforme a macrorregião. Brasil, 2003.*
Região
ceo-d≥1
N
n
ceo-d
(%)
Média
IC 95%
Mediana
Centro-Oeste
4.050
2.360
(58,3)
2,67
2,57
2,77
1,00
Nordeste
4.580
2.980
(65,1)
3,21
3,10
3,32
2,00
Norte
4.678
3.039
(65,0)
3,22
3,12
3,32
2,00
Sudeste
7.291
4.016
(55,1)
2,50
2,42
2,58
1,00
Sul
6.042
3.423
(56,6)
2,62
2,53
2,71
1,00
BRASIL
26.641
15.818
(59,4)
2,80
2,76
2,84
1,00
* Adaptado do SB Brasil 2003 (Brasil, 2004).
A Organização Mundial da Saúde (OMS) destaca, entre os indicadores de saúde
bucal, a proporção de crianças livres de cárie entre 5 e 6 anos de idade (Hobdell et al,
2003; WHO, 2006). Os 2 estudos brasileiros que avaliaram crianças nesta faixa etária,
bem como o levantamento epidemiológico nacional, demonstram que a meta da OMS
para o ano 2.010 - 90% das crianças de 5 anos de idade livres de cárie - ainda está longe
de ser atingida (Cypriano et al, 2003; Brasil, 2004; Ferreira et al, 2007).
Os dados obtidos em levantamentos epidemiológicos também podem contribuir
para identificar as necessidades de tratamento em uma população, o que é fundamental
para o planejamento de ações. As necessidades identificadas por profissionais são
42
designadas de “normativas”, enquanto que as identificadas pelas próprias pessoas são
chamadas de “sentidas” (Antunes & Peres, 2006). Tradicionalmente, as necessidades
normativas são estimadas pelo componente “c” (cariado) do índice CPO-D ou ceo-d,
indicando a necessidade de tratamento restaurador. Estudos em várias regiões do mundo
têm descrito uma proporção significativamente maior do componente “c” em seus
índices (Ngatia et al, 2001, Wyne et al, 2001; Yee et al, 2002; Brasil, 2004). O
levantamento nacional SB Brasil 2003 descreveu que a proporção de dentes cariados
representa 96,3% e 84,3% do índice ceo-d entre 18 e 36 meses e aos 5 anos de idade,
respectivamente (Brasil, 2004) (Tabela 3.11). A interpretação direta destes dados como
necessidade de tratamento é questionável, uma vez que, entre outros fatores, é possível
que nem todas as cavidades de cárie detectadas representem necessidade de tratamento
restaurador. Mesmo assim, chama atenção que a proporção de lesões de cárie não
tratadas é extremamente alta, dando uma idéia da extensão da incompatibilidade entre
necessidades e serviços disponíveis e/ou procura de atendimento nesta população.
Tabela 3.11 - Média e proporção dos componentes cariado, perdido e obturado
em crianças de 18 a 36 meses e 5 anos de idade. Brasil, 2003*.
Componente
18 a 36 meses
5 anos
Média
(%)
Média
(%)
cariado
1,03
(96,3)
2,36
(84,3)
perdido
0,01
(0,9)
0,08
(2,8)
obturado
0,03
(2,8)
0,36
(12,9)
ceo-d
1,07
(100)
2,80
(100)
* Adaptado do SB Brasil 2003 (Brasil, 2004).
Além das necessidades de tratamento restaurador, é fundamental identificar a
necessidade de tratamento “preventivo”, com vistas à inativação de lesões incipientes de
cárie. Neste sentido, torna-se relevante a descrição dos índices ceo-d e prevalência de
43
cárie incluindo lesões sem cavidade. Embora estudo de Ferreira et al (2007) tenha
descrito em crianças brasileiras de um ano de idade uma prevalência de cárie de 4,4%
(cárie=cavidade), a inclusão de lesões sem cavidade aumentou a prevalência para
17,5%, demonstrando já nesta faixa etária uma grande necessidade de tratamento
“preventivo” (que previna novas cavidades), mas que verdadeiramente inclui o controle
de lesões de cárie já presentes em boca.
Uma análise mais detalhada dos estudos demonstra ainda um fenômeno que vem
sendo universalmente observado e descrito desde a década de 90: a polarização da cárie
dentária, caracterizada pela distribuição assimétrica do índice de dentes cariados,
perdidos (extraídos) e obturados, com uma pequena proporção das crianças
concentrando um grande número de lesões. Este fenômeno tem sido observado em
países desenvolvidos e em desenvolvimento (Spencer, 1997; Vehkalahti et al, 1997;
Chu et al, 1999; Karjalainen et al, 2001; Vannobergen et al, 2001; Pitts et al, 2003;
Campus et al, 2004; Bankel et al, 2006; Martens et al, 2006). No Brasil, estudo
transversal com crianças de 0 a 5 anos de idade demonstrou que 12% das crianças
apresentavam 5 ou mais dentes atingidos por cárie e concentravam 82% dos dentes com
lesão de cárie (Ferreira et al, 2007).
O reconhecimento da polarização como um fenômeno relevante indica a
necessidade de monitoramento de medidas de desigualdade na distribuição da cárie
dentária entre diferentes grupos ou populações (Antunes & Peres, 2006). Neste sentido,
Bratthall (2000) propôs o Índice Significativo de Cáries (Significant Caries Index),
concebido como o valor médio do índice CPO-D dos indivíduos que pertencem ao tercil
mais alto de distribuição de doença. Inicialmente desenvolvido para propor metas em
relação à magnitude de doença em indivíduos de 12 anos de idade, este ponto de corte
44
pode se constituir em um desfecho adicional em estudos epidemiológicos, contribuindo
com mais uma forma de identificar o grupo que compartilha a maior carga de doença
em cada população.
Algumas modificações nos índices dentro de cada população ao longo do tempo
têm sido relatadas, mas estas não são uniformes nas idades pré-escolares. Algumas
populações têm apresentado um declínio na prevalência e severidade de cárie dentária
(Hugoson et al, 2000; Cleaton-Jones et al, 2000; Bönecker et al, 2002). Ao avaliar as
modificações nas freqüências de cárie dentária entre 5 e 6 anos de idade na América
Latina e Caribe em uma revisão sistemática, Bönecker & Cleaton-Jones (2003)
detectaram uma tendência para o declínio na América Latina entre 1970 e 2000. Por
outro lado, algumas regiões ou países apresentaram uma piora no quadro
epidemiológico (Haugejorden & Birkeland, 2002; Pitts et al, 2003; Vachirarojpisan et
al, 2005). Dados nacionais da Tailândia demonstraram um aumento dramático nos
índices nas últimas 2 décadas (Vachirarojpisan et al, 2005): a proporção de crianças
livres de cárie entre 5 e 6 anos de idade decresceu de 25,6% em 1984 para 12,5% em
2001. Mesmo em países em que houve melhora no quadro epidemiológico, como a
Inglaterra nos últimos 30 anos, uma parcela significativa de crianças pré-escolares ainda
apresenta cárie dentária, com preferência por comunidades mais carentes e
caracterizando um claro panorama de desigualdade social (Pitts et al, 2003).
Os dados nacionais e internacionais configuram um quadro epidemiológico que
exige, além do reconhecimento da cárie precoce da infância como problema de saúde
pública, um avanço significativo nas pesquisas sobre: (a) identificação dos fatores de
risco; (b) teste de estratégias preventivas.
45
3.4 - TRANSCENDÊNCIA DA CÁRIE PRECOCE DA INFÂNCIA
Agravos à saúde bucal afetam a saúde geral por causar dor e sofrimento e por
modificar o que as pessoas comem, a maneira como falam, a qualidade de vida e o bemestar (Petersen, 2003; Feitosa et al, 2005; Sheiham, 2005, Patel et al, 2007; Malden et
al, 2008). Entretanto, as conseqüências da ocorrência da cárie precoce da infância, tanto
em nível individual quanto coletivo, não têm sido pesquisadas com a profundidade e
abrangência necessárias, demonstrando uma clara dissociação entre uma doença que
ocorre “na boca” e efeitos que ocorrem “no corpo”. Este fato reflete, ao menos em parte,
a compartimentação entre saúde geral e saúde bucal (Sheiham, 2005) e dificulta, entre
outros fatores, o seu reconhecimento como problema de saúde pública.
Estudos de coorte que avaliem os efeitos da cárie precoce da infância em
desfechos de saúde geral e qualidade de vida são pontuais, com amostras pequenas e
normalmente utilizam instrumentos de coleta de dados não validados. A escassez de
estudos a respeito faz com que o conhecimento das repercussões funcionais da cárie
precoce da infância seja determinado exclusivamente pelas experiências vivenciadas
pelo núcleo familiar atingido pela condição, pela experiência de profissionais
especializados no atendimento odontológico infantil e por relatos ou séries de casos
descrevendo as conseqüências da cárie precoce da infância (Kotlow, 1977; Dillley et al,
1980). Poucos estudos têm descrito o impacto de agravos à saúde bucal de amostras
maiores, sendo praticamente todos em indivíduos adultos.
A transcendência da cárie dentária, sob o ponto de vista individual, parece estar
direta ou indiretamente relacionada ao prejuízo anatômico e funcional decorrente. Neste
sentido, ficam prejudicadas, em graus que variam de moderado a severo, as seguintes
funções ou aspectos:
46
(1) função mastigatória: a destruição de superfícies dentárias decorrente da cárie
dentária em crianças e adultos pode diminuir ou até inviabilizar o consumo de alimentos
fibrosos e de consistência mais sólida, com potencial para influenciar no aporte de
nutrientes importantes (Acs et al, 2001; Sheiham & Steele, 2001; Feitosa et al, 2005;
Tsakos et al, 2006). Tal conseqüência pode ocorrer mesmo em idades bem precoces,
podendo comprometer o processo de crescimento e desenvolvimento (Sheiham, 2006);
(2) função da fala: os dentes são imprescindíveis para uma pronúncia correta das
palavras; a higidez das estruturas bucais é condição para a comunicação da criança e sua
relação com o mundo que a rodeia (Petersen, 2003);
(3) expressão facial e estética: sorrir, chorar ou demonstrar indiferença manifestam-se
fundamentalmente pela expressão facial, cuja harmonia depende da forma e função
adequada das estruturas bucais, incluindo dentes e gengiva saudáveis (Petersen, 2003;
Feitosa et al, 2005; Patel et al, 2007); a ocorrência de lesões de cárie e suas
conseqüências perturba este equilíbrio e pode determinar, entre outros fatores, ausência
à escola, um indicador da saúde de crianças (Gift et al, 1992; Petersen, 2003).
(4) questão psicológica: respirar, comer e sorrir adequadamente, além de expressar-se
sem constrangimentos, constituem-se em requisitos para o equilíbrio emocional da
criança e estas funções podem ser prejudicadas por lesões extensas de cárie (Feitosa et
al, 2005, Patel et al, 2007).
Além disso, recentemente foi descrito que, sob a perspectiva de pais ou
responsáveis, a ocorrência de lesões de cárie determina diminuição da qualidade de vida
em crianças pré-escolares, com influência em áreas como sono, dor, comportamento e
impacto na família (Low et al, 1999; Easton et al, 2008; Malden et al, 2008).
47
Especificamente em relação à dor, poucos estudos mediram este desfecho em crianças
com cárie na infância. O entendimento de que represente uma das conseqüências de
lesões de cárie nesta faixa etária baseia-se na experiência de profissionais e em estudos
que utilizaram questionários com pais de crianças que foram reabilitadas em sua saúde
bucal (Acs et al, 2001). Algumas peculiaridades de crianças pequenas, como a
dificuldade de expressar de forma precisa suas sensações, que muitas vezes se
manifestam na forma de falta de apetite ou mudanças de comportamento, dificultam a
demonstração de uma relação clara entre cárie na dentição decídua e dor (Faraco Junior
& Feldens, 2001).
Estes aspectos demonstram claramente a dimensão biológica e psicossocial da
cárie precoce da infância. É importante destacar que tais conseqüências não se
restringem à época em que se manifestam. Há evidências de estudos longitudinais
demonstrando que crianças que apresentam cárie na dentição decídua: (a) tendem a
continuar apresentando novas lesões em superfícies não atingidas da própria dentição
decídua (Hallonsten et al, 1995; O’Sullivan & Tinanoff, 1996); (b) apresentam maior
risco de cárie na dentição permanente (Kaste et al, 1992; Li & Wang, 2002).
Por outro lado, estudos de custo-efetividade em relação à cárie dentária são
escassos, naturalmente refletindo o pequeno número de intervenções com efetividade
comprovada. Desta forma, avaliações econômicas têm se restringido a estimativas dos
custos de tratamentos. Neste sentido, parece importante destacar que o tratamento da
cárie dentária em crianças, se efetivado, exigiria quantias que excedem o total do
orçamento destinado à saúde infantil na maioria dos países subdesenvolvidos (Robert &
Sheiham, 2002). Reconhecidamente, o tratamento restaurador da cárie precoce da
infância é tecnicamente difícil e de alto custo (Milnes et al, 1993). Quando se manifesta
48
em vários dentes antes dos dois anos de idade, esta condição pode exigir hospitalização,
o que representa custos adicionais (Ramos-Gomez et al, 1996). Estes fatores contribuem
significativamente para que, nos países com menor acesso a este tipo de tratamento, as
lesões de cárie não sejam restauradas. Este dado é facilmente demonstrado em estudos
epidemiológicos que demonstram que o componente “c” (cariado) do índice “ceo-d” é
dramaticamente preponderante em muitos países (Ngatia et al, 2001, Wyne et al, 2001;
Yee et al, 2002; Brasil, 2004) e permite que lesões de cárie evoluam continuamente para
abscessos e perda dentária.
Estes dados, sumarizados no Quadro 3.3, confirmam a transcendência da cárie
precoce da infância e justificam de forma decisiva a necessidade de definição de
estratégias para prevenção e diminuição da carga de doença.
Quadro 3.3 - Aspectos que caracterizam a transcendência da cárie na infância.
Transcendência
Referências
1
Prejuízo na função mastigatória
Acs et al, 2001; Sheiham & Steele, 2001;Tsakos et al, 2006
2
Alterações na função da fala
Petersen, 2003
3
Expressão facial
Patel et al, 2007
4
Prejuízo emocional
Feitosa et al, 2005, Patel et al, 2007
5
Dor
Acs et al, 2001
6
Menor qualidade de vida
Low et al, 1999; Easton et al, 2008; Malden et al, 2008
7
Cárie na dentição permanente
Kaste et al, 1992; Li & Wang, 2002
8
Menor freqüência à escola
Gift et al, 1992; Petersen, 2003
9
Alto custo do tratamento
Milnes et al, 1993; Robert & Sheiham, 2002
49
3.5 - FATORES DE RISCO PARA CÁRIE PRECOCE DA INFÂNCIA
Neste item serão abordados, inicialmente, aspectos teóricos relacionados à
determinação de fatores de risco, importantes para auxiliar na interpretação das
investigações e compreender a complexidade do tema. Logo após serão apresentados os
fatores que têm sido descritos como associados à ocorrência de cárie precoce da
infância.
3.5.1 Complexidade da determinação de fatores de risco
A melhor forma de investigar, analisar e interpretar dados relacionados à questão
da causalidade das doenças tem sido objeto de ampla discussão da própria disciplina de
epidemiologia ao longo de décadas (Krieger, 1994). Parece consenso, entretanto, o fato
de que estratégias de combate a agravos devem se basear no conhecimento de fatores de
risco, nos diferentes níveis em que se apresentam (Wendt et al, 2001, Harris et al, 2004;
Selwitz et al, 2007).
A resposta à questão “o que causa cárie precoce da infância?” tem preocupado
pesquisadores, tanto em países subdesenvolvidos quanto desenvolvidos (Harris et al,
2004). A CPI apresenta, como outras doenças crônicas, uma dimensão multifatorial,
amplamente reconhecida e demonstrada em estudos que identificam fatores de risco
individuais nos seguintes níveis: demográfico, socioeconômico, comportamental,
biológico e microbiológico (Harris et al, 2004). Entretanto, se reconhece que tais fatores
agem de forma diferenciada na determinação da cárie nos primeiros anos de vida em
função de algumas peculiaridades: em crianças muito jovens os dentes estão em fase de
erupção; microrganismos envolvidos com a etiologia da cárie estão em fase de
colonização; os sistemas de defesa encontram-se em desenvolvimento; e ocorre uma
50
transição marcante na dieta envolvendo aleitamento materno, mamadeira e primeiros
alimentos sólidos, o que claramente é influenciado por fatores não biológicos (Ismail,
1998; Seow, 1998).
Outro aspecto a ser destacado é que os estudos sobre fatores associados à cárie
precoce da infância são majoritariamente transversais, com alguns estudos de coorte
(Finlayson, 2007). Além disso, a diversidade de paradigmas que norteiam as pesquisas,
variando desde enfoque socioeconômico até enfoque exclusivamente microbiológico, e
as próprias dificuldades que envolvem a coleta e interpretação de dados de causalidade
de uma forma abrangente têm limitado a compreensão de fatores de risco e, mais ainda,
das inter-relações entre eles. Desta forma, e refletindo também o que acontece em outras
áreas do conhecimento, pouco é descrito em relação às interações entre fatores
individuais
de
risco,
principalmente
nas
relações
verticais
entre
fatores
socioeconômicos, comportamentais e biológicos (Krieger, 1994; Pine et al, 2004;
Finlayson et al, 2007).
No sentido de contribuir para a compreensão das relações entre variáveis e
orientar a análise estatística, foi proposto e tem sido utilizado em vários desfechos de
saúde um modelo hierárquico de determinação (Victora et al, 1997). O pressuposto é
que as variáveis a serem incluídas no modelo devem se basear em um quadro conceitual
descrevendo as relações hierárquicas entre os fatores de risco. Assim, as variáveis são
agrupadas em diferentes “níveis”, normalmente com os determinantes socioeconômicos
e demográficos ocupando um nível mais distal, os determinantes comportamentais em
um nível intermediário e os determinantes biológicos em um nível proximal. O modelo
assume que cada conjunto de variáveis pode afetar o desfecho, sendo a direção de
influência no sentido dos conjuntos mais distais para os proximais (Victora et al, 1997).
51
A Figura 3.3 apresenta modelos teóricos de determinação de desfechos em
crianças - retardo no crescimento (Aerts et al, 2004), traumatismos dentários (Nicolau et
al, 2003) e cárie dentária (Peres et al, 2005) - todos eles baseados em uma hierarquia de
efeitos. Nos três modelos, incluindo o desenvolvido e testado por Peres et al (2005) para
explicar a cárie dentária em crianças de 6 anos de idade, as variáveis distais não são
ajustadas para variáveis proximais. Esta decisão baseia-se no fato de que uma variável
de confusão não pode ser um elo na cadeia que liga o fator de risco postulado com o
desfecho (Victora et al 1997; Rothman & Greenland, 1998). Esta forma de análise tem
implicações importantes na detecção de fatores de risco, contribuindo para que o efeito
de determinantes distais não seja subestimado (Victora et al, 1997).
52
Desfecho
Traumatismos dentários
Nível 4 - Indicadores comportamentais
Nível escolar
Nível 3 - Indicadores psicossociais
Estrutura familiar
Nível de punição paterna
Nível de punição materna
Nível de apoio paterno
Nível de apoio materno
Desfechos
Ocorrência e gravidade da cárie dentária aos 6 anos
Nível 4 - Cuidados e hábitos
Creche aos 6 e 12 meses e 6º ano de vida
Acesso ao dentista aos 5 e 6 anos de idade
Higiene bucal
Consumo de doces
Ações educativas de saúde bucal na escola
Nível 3 - Crescimento e desenvolvimento infantil
Sexo
Peso ao nascer
Relação altura para idade aos 12 meses
Relação peso para altura aos 12 meses
Relação peso para idade aos 12 meses
Número de dentes aos 12 meses
Uso de medicamentos do 2º ao 4º ano de vida
Hospitalização da criança do 1º ao 5º ano de vida
Padrão de amamentação aos 12 meses
Nível 2 - Trabalho dos pais
Trabalho da mãe na gravidez
Situação de trabalho do pai na gravidez
Trabalho da mãe aos 12 meses
Trabalho da mãe no 6º. ano de vida
Nível 1 - Condições socioeconômicas ao nascimento
Classe social
Escolaridade dos pais
Renda familiar
Água tratada no domicílio
C- Modelo teórico de determinação de
cárie dentária em crianças de 6 anos
Figura 3.3 - Modelo teórico de determinação de desfechos em crianças, conforme sugerido por Aerts et al (2004), Nicolau et al (2003) e Peres et al (2005).
Desfecho
Retardo no crescimento
Nível 3 - Aspectos individuais
Idade da criança
Peso ao nascer
Sexo
Idade gestacional
Hospitalização durante o primeiro ano de vida
Hospitalização durante o segundo ano de vida
Nível 2 - Ambiente social imediato da criança
Condições da residência
Estruturação e tipo de família
Número de pessoas que vivem na casa
Cuidador
Idade da mãe ao nascimento
Ordem de nascimento
Intervalo interpartal
Nível 1 - Indicadores socioeconômicos
Renda familiar
Escolaridade dos pais
Nível 1 - Variáveis socioeconômicas
Renda per capita
Escolaridade materna
Escolaridade paterna
Emprego materno
Emprego paterno
Ocupação do chefe da família
Nível 2 - Indicadores demográficos/biológico
Sexo
Ordem de nascimento
IMC
B- Modelo teórico de determinação de traumatismos
dentários em crianças
A- Modelo teórico de determinação de retardo do
crescimento em crianças
53
Por outro lado, atrelar o modelo a determinados padrões, como ocorre na análise
hierárquica, pode não ser indicado, especialmente em agravos em que há muitas dúvidas
em relação ao papel de determinantes em cada nível. Esta característica parece ocorrer
com a cárie precoce da infância, em que a participação de variáveis que traduzem
comportamentos no início da vida tem sido pouco testada em estudos de coorte
utilizando modelos de análise menos rígidos. Exemplificando, em um primeiro
momento parece mais conveniente que sejam determinadas, dentre uma série de práticas
alimentares, aquelas que participam de forma mais decisiva na ocorrência da cárie em
pré-escolares. Tal estratégia de análise não impede, no entanto, a utilização de variáveis
hierarquicamente superiores, de maneira a permitir o ajuste das medidas de efeito para
possíveis confundidores. Além disso, não prescinde de uma interpretação cuidadosa dos
resultados obtidos, que subentende a compreensão do referencial teórico do desfecho
em questão, o que evidentemente deve caracterizar qualquer modelo de análise.
As estratégias anteriormente descritas, baseadas na análise de risco a partir de
fatores do indivíduo, têm recebido algumas críticas relacionadas à possibilidade da
chamada “falácia atomística”. O que se argumenta é que a individualização do risco tem
perpetuado a idéia de que as doenças são mais determinadas individualmente do que
socialmente, o que desencorajaria pesquisas sobre os efeitos de variáveis de nível macro
em desfechos de nível individual (Diez-Roux, 1998). Assim, um aspecto que tem
permeado as discussões em epidemiologia, com aplicação direta nos desfechos de saúde
bucal, é a compreensão de que variáveis ecológicas (de grupo ou comunitárias) podem
ter uma influência direta na ocorrência de desfechos, independente do observado com
dados individuais (Pearce, 1996; Diez-Roux, 1998; Newton & Bower, 2005). Amstutz;
Rozier (1995) e Newton; Bower (2005) sugerem que indicadores de risco em nível de
54
comunidade, baseados em características socioeconômicas e ambientais, deveriam ser
estudados para possibilitar o desenvolvimento de melhores estratégias preventivas. As
unidades de análise, neste caso, variam desde áreas mais circunscritas como escolas ou
setores censitários até municípios ou Unidades da Federação.
A compreensão de que as vidas dos indivíduos são afetadas por variáveis ao
nível de grupo e individuais, associada aos problemas já detectados quando apenas
variáveis de grupo são consideradas (“falácia ecológica”), têm sugerido uma estratégia
de análise que inclua características de ambos os níveis, designada de análise multinível
ou contextual (Duncan et al, 1996). De uma maneira geral, variáveis ao nível de grupo
não têm sido coletadas em estudos que investigam fatores de risco de doenças em
crianças e particularmente em relação aos agravos à saúde bucal. A não inclusão de tais
características possivelmente explicaria ao menos uma parte do processo causal ainda
incompreendido na cárie dentária. O nível de adequação da incorporação de flúor nas
estações de tratamento de água constitui-se em um nítido exemplo de variável de grupo
com possível efeito na ocorrência e severidade de doença cárie nos indivíduos. Em um
dos poucos estudos realizados utilizando análise multinível em saúde bucal da criança,
Antunes et al (2006) utilizaram esta abordagem analítica para verificar determinantes de
cárie de crianças de 12 anos de idade examinadas no Projeto SB Brasil 2003. As
variáveis em nível de grupo - neste caso, os municípios - identificadas como associadas
à experiência de cárie foram: flúor na água de abastecimento público, proporção de
residências ligadas à rede de água e Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). Mesmo
assim, a possibilidade de confundimento não se exclui neste tipo de análise, tendo sido
argumentado que o efeito de variáveis de grupo pode estar relacionado a uma “máespecificação” do modelo em nível individual (Diez-Roux, 1998).
55
Tendo como pressuposto estas limitações, associado aos problemas decorrentes
de análises de fatores de risco separadamente e apenas no plano individual, alguns
aspectos da etiologia da cárie precoce da infância são destacados a seguir.
3.5.2 Fatores demográficos
Dois fatores demográficos têm sido objeto de análise na investigação de fatores
associados à cárie precoce da infância: sexo e idade. Alguns autores argumentam que é
a dimensão cultural ou comportamental do sexo que pode influenciar em relação a
vários desfechos, preferindo referir-se a gênero. Entretanto, em função da pouca idade
das crianças atingidas pela cárie precoce da infância, é possível que tais dimensões não
exerçam influência, ao menos de maneira semelhante como ocorre a partir da
adolescência. Em função disso, a variável demográfica a ser referida nesta publicação
será sexo.
3.5.2.1 Sexo
A maioria das publicações que compara o risco de cárie entre os sexos não
observa diferença entre crianças do sexo masculino e feminino (Wei et al, 1993; Tomita
et al, 1996; Amarante et al, 1998; Chu et al, 1999; Ferreira et al, 2007). Entretanto,
alguns estudos no Brasil (Bönecker et al, 1997; Maciel et al, 2001) e em outros países
(Li & Caufield, 1995; Hashim et al, 2006; Hallett & O'Rourke, 2006) reportam um
maior risco e severidade de cárie em crianças do sexo masculino. Até o momento não há
explicações claras para este achado, não sendo possível estimar se há diferenças
culturais entre etnias que possam justificá-lo. Além disso, se tais diferenças forem reais,
não há qualquer demonstração se refletem diferenças quanto à suscetibilidade
relacionadas a questões fisiológicas e/ou anatômicas ou se pode haver influência de
56
gênero, sendo mediado, por exemplo, por maior oferecimento de dieta cariogênica para
meninos ou maior cuidado com a higiene de crianças do sexo feminino. Neste sentido,
há relatos de piores índices de placa visível, um indicador da qualidade de higiene
bucal, em crianças pré-escolares do sexo masculino (Feldens et al, 2006).
Mesmo assim, considerando que as diferenças relatadas, embora estatisticamente
significantes não pareçam ser clinicamente relevantes, não parece haver justificativa
para orientações ou programas diferenciados para crianças do sexo masculino.
3.5.2.2 Idade da criança
A prevalência e severidade da cárie dentária aumentam com a idade. Este fato,
ao invés de identificar as crianças na fase final pré-escolar - entre 5 e 6 anos de idade como mais vulneráveis, apenas traduz a natureza cumulativa da doença (Ferreira et al,
2007). Inclusive, parece fundamental destacar que a maioria dos estudos aponta para
uma maior progressão na prevalência e severidade de cárie em crianças menores: entre
1 e 2 anos (Thitasomakul et al, 2006; Ferreira et al, 2007) e entre 2 e 3 anos de idade
(Tsai et al, 2006). Este achado tem claras implicações de ordem prática: estratégias
preventivas e educativas devem iniciar cedo, preferentemente antes de um ano de idade,
fase em que é possível promover comportamentos saudáveis e antes que a cárie se torne
altamente prevalente e de difícil tratamento (Rajab & Hamdan, 2002; Kiwanuka et al,
2004; Ferreira et al, 2007; Feldens et al, 2007).
Este conhecimento também representa a base que justifica a recomendação de
várias associações, como a Associação Americana de Odontologia Pediátrica, de que
todas as crianças deveriam ter acesso a exame odontológico ao redor de um ano de
idade para permitir a identificação precoce de lesões incipientes e avaliar
57
comportamentos em relação a práticas alimentares e de higiene (AAPD, 1996; Ismail,
1998).
Desta forma, a correta interpretação dos achados que associam idade à cárie
dentária parece contribuir de forma decisiva na determinação da população alvo
preferencial de programas de prevenção à cárie precoce da infância.
3.5.2.3 Fatores familiares
Alguns fatores relacionados à família têm sido associados com maior risco de
cárie em crianças pré-escolares, como estruturação familiar, idade materna e ordem de
nascimento da criança (Mattila et al, 2000; Hallett & O'Rourke, 2006). Vários estudos
descreveram que crianças que moram apenas com pai ou mãe, caracterizando família
não nuclear, apresentam maior risco de cárie precoce da infância (Holt et al, 1996;
Maciel et al, 2001; Hallett & O'Rourke, 2002). Da mesma forma, menor idade materna
foi relatada como condição de risco para cárie em pré-escolares (Mattila et al, 2000;
Hallett & O'Rourke, 2006). Não houve ainda demonstração clara em relação ao
caminho pelo qual operam estas variáveis. É possível que baixa idade materna e
desestruturação familiar representem, em última análise, diferença nos cuidados e
práticas com a criança nos primeiros de vida, como dieta e higiene (Hallett & O'Rourke,
2006).
Um fator familiar que tem sido objeto de discussão é a ordem de nascimento.
Enquanto Dilley et al (1980) sugerem que primeiros filhos apresentam maior risco em
função do menor conhecimento e experiência dos pais, outros autores encontraram
resultados opostos (AAPPS, 2003; Tsai et al, 2006). Entre as possíveis explicações para
a observação de maior prevalência de cárie em segundos ou terceiros filhos, destaca-se a
58
tendência à colonização mais precoce por microrganismos cariogênicos (AAP, 2003). É
possível que a introdução de uma dieta cariogênica em uma idade mais precoce em
relação ao primogênito e menor controle de placa desempenhem, ao menos em parte,
um caminho para este achado.
3.5.3 Fatores socioeconômicos
A cárie precoce da infância apresenta uma dimensão social e política, que
emerge a partir da constatação de que sua prevalência e severidade são maiores em
comunidades menos favorecidas (Ismail,1998). Tal afirmação baseia-se em dados de
estudos transversais, caso-controle e alguns estudos de coorte, que assinalam uma
razoável e consistente relação inversa entre o nível socioeconômico e cárie dentária.
Estes estudos indicam que baixo nível socioeconômico é um fator de risco para cárie
precoce da infância (Silver, 1992; Provart & Carmichael, 1995, Holt et al, 1996;
Moynihan & Holt, 1996; Jones et al, 1997a; Jones et al, 1997b; Jones & Worthington,
1999; Reisine & Psoter, 2001; Peres et al, 2005).
Muitas variáveis têm sido utilizadas para medir o nível socioeconômico, todas
apresentando limitações (Manor et al, 1997). Um consórcio de membros de 18 países
foi formado para identificar, a priori, uma medida internacional de nível
socioeconômico. Entretanto, concluiu-se que a grande diversidade social, cultural e
econômica entre os países impede que uma medida única possa ser utilizada (Pine &
Adair, 2004). Se por um lado se admite que diferentes suscetibilidades em crianças de
níveis socioeconômicos distintos demonstre, ao menos em parte, diferenças em
educação, emprego, renda e acesso a serviços, é difícil ponderar a importância destes
fatores em cada cultura. Outra limitação da utilização de variáveis socioeconômicas é a
59
confiabilidade dos dados coletados, que freqüentemente estão incompletos e/ou
apresentam viés de aferição.
De uma maneira geral, as variáveis socioeconômicas mais utilizadas em
desfechos de saúde infantil são escolaridade, principalmente materna, emprego materno
ou paterno e renda familiar ou per capita. Outra variável utilizada de forma crescente é
acesso a serviços, incluindo a oportunidade de consulta ao cirurgião-dentista. Não há,
entretanto, uma definição clara dos caminhos pelos quais agem os fatores
socioeconômicos em desfechos de saúde infantil (Reisine & Psoter, 2001). É possível
que estilos de vida considerados “de risco” sejam mais prevalentes em grupos ou
indivíduos de menor nível socioeconômico, o que já foi descrito em adultos (Lynch et
al, 1997). Além disso, melhores níveis de escolaridade dos pais e renda podem
representar, respectivamente, melhores cuidados e acesso a bens.
É provável, ainda, que haja grande inter-relação entre as próprias variáveis
socioeconômicas, o que é sugerido por estudos que demonstram que a inclusão
simultânea de variáveis deste nível em modelos multivariados têm o seu efeito atenuado
ou anulado em desfechos de saúde infantil (Victora et al, 1992). Uma hipótese adicional
é a de que há uma hierarquia entre diferentes variáveis socioeconômicas, em que
algumas exercem seu efeito por meio de outras (Victora et al, 1997). Assim, tem sido
sugerido em desfechos infantis e em relação à cárie dentária (Ferreira et al, 2007) que a
educação materna exerce efeito direto e por meio da renda familiar.
Assim, mesmo considerando as limitações de selecionar variáveis específicas
que representem o nível socioeconômico, bem como as dificuldades de interpretação
dos achados, serão abordados aspectos referentes à escolaridade dos pais, renda e acesso
a atendimento.
60
3.5.3.1 Escolaridade dos pais
A escolaridade dos pais, com destaque para a materna, é uma das variáveis mais
altamente correlacionadas com desfechos em saúde infantil (Victora et al, 1992; Desai
& Alva, 1998). O nível educacional é um importante marcador da posição social e é útil
porque pode ser aplicado em ambos os sexos, em pessoas que não estão na força de
trabalho, permanece estável ao longo de toda a vida e é relativamente comparável entre
diferentes regiões (Peres et al, 2005). Além disso, geralmente melhor educação é uma
variável preditora de melhores empregos, maior renda e melhor moradia (Brooks-Gunn;
Duncan, 1997; Krieger et al, 1997; Lynch & Kaplan, 2000).
Vários estudos têm demonstrado que a cárie dentária em crianças também
representa um desfecho associado à escolaridade materna (Grindefjord t al, 1996; Dini
et al, 2000; Rajab & Hamdan, 2002; Ramos-Gomez et al, 2002; Mariri et al, 2003;
Hashim et al, 2006; Finlayson et al, 2007) e paterna (Krieger et al, 1997; Rajab &
Hamdan, 2002; Peres et al, 2005), tanto no Brasil quanto em outros países do mundo.
Em estudo avaliando crianças de 6 anos de idade pertencentes à coorte de Pelotas - RS,
Peres et al (2005) verificaram que a chance de apresentar alta severidade de cárie (c3eod≥4) foi maior que o dobro em crianças em que a escolaridade paterna era menor ou
igual a 8 anos (RC 2,2; IC 95% 1,2-4,1), após ajuste para possíveis confundidores. Em
estudo com crianças pré-escolares de Canoas - RS, Ferreira et al (2007) descreveram
que a chance de cárie precoce da infância (c1eo-d>0), após análise multivarida, foi 40%
maior em crianças cujas mães estudaram menos de 4 anos em relação a crianças cujas
mães apresentavam escolaridade materna maior que 8 anos (RC:1,42; IC 95% 1,031,96). Tal associação também foi descrita com crianças menores: o risco de apresentar
cárie precoce da infância entre 12 e 16 meses de idade em crianças de São Leopoldo -
61
RS, foi duas vezes e meia maior (RR 2,6; IC 95% 1,2-5,6) quando a mãe havia estudado
menos de 4 anos até o nascimento da criança, comparado com crianças cujas mães
apresentavam escolaridade maior que 8 anos (Feldens, 2004). Estes estudos têm
indicado que baixos níveis de escolaridade dos pais representam um poderoso preditor
de cárie dentária em crianças. Dois importantes critérios de causalidade são descritos
em relação à associação observada entre esta exposição e o desfecho: força de
associação e efeito dose-resposta. (Grindefjord et al, 1996; Mariri et al, 2003).
Geralmente a escolaridade é coletada em anos de estudo e posteriormente
categorizada em 2 ou 3 categorias. O ponto de corte do menor nível de escolaridade
geralmente varia entre 4 e 8 anos, podendo configurar diferentes significados. A
categoria de escolaridade de até 4 anos geralmente é utilizada em países com menor
nível educacional, representando indivíduos com analfabetismo funcional. Em países
desenvolvidos, o ponto de corte geralmente estabelecido é ao redor de 8 anos de
escolaridade.
De alguma forma, independente dos pontos de corte, o nível educacional dos
pais define de forma dramática o risco de cárie a que seus filhos estão expostos. Este
dado, por si só, demonstra que intervenções com vistas à prevenção de doenças devem
incluir a educação como forma de promover saúde infantil.
3.5.3.2 Renda
A maioria dos estudos identifica a renda familiar ou per capita como associada à
cárie dentária em crianças, adolescentes e adultos (Rajab & Hamdan, 2002; Hallett &
O’Rourke, 2003; Oliveira et al, 2008). Entretanto, há controvérsias em relação à baixa
renda ser fator de risco para cárie em crianças menores de 2 anos. Jin et al (2003)
62
detectaram efeito de baixa renda sobre cárie dentária em pré-escolares somente após
excluir crianças de até 24 meses. Além disso, embora alguns estudos demonstrem maior
ocorrência de cárie dentária em crianças que vivem em famílias com menor renda, a
associação perdeu significância após ajuste para outras variáveis socioeconômicas
(Peres et al, 2005; Ferreira et al, 2007). É possível que a baixa renda e seu significado
em relação à privação material não exerça efeito decisivo na ocorrência de cárie em
crianças menores, sendo superado, mais do que em qualquer outra fase, pela
escolaridade dos pais como variável preditora. Deve-se salientar, no entanto, que
recentemente Oliveira et al (2008) observaram em estudo transversal realizado com préescolares de Diadema (SP), que a renda manteve-se associada à ocorrência de cárie
(critério: OMS) mesmo após ajuste para escolaridade materna: no modelo multivariado,
a chance de apresentar cárie foi a metade em crianças de famílias com renda superior a
2 salários mínimos em relação a crianças de famílias com renda menor que um salário
mínimo (RC 0,51; IC 95% 0,28-0,95).
3.5.3.3 Acesso ao atendimento profissional
O acesso precoce ao atendimento profissional poderia contribuir para orientação
de práticas alimentares e de higiene já no primeiro ano de vida. Além disso, permitiria a
detecção precoce de lesões incipientes, proporcionando oportunidade de controle da
doença antes da necessidade de tratamento restaurador (Ramos-Gomez & Shepard,
1999; Ramos-Gomez et al, 2002; Jin et al, 2003). A idade da primeira visita da criança
ao dentista já foi relatada como um importante preditor de cárie em crianças préescolares, sendo maior a probabilidade da criança ser livre de cárie quanto mais cedo
tiver acesso ao profissional (Al Ghanin et al, 1998). Entretanto, uma grande proporção
de crianças pré-escolares em todo o mundo nunca teve acesso ao cirurgião-dentista
63
(Douglas set al, 2001; Vanobbergen et al, 2001; Rajab & Hamdan, 2002; Ramos-Gomez
et al, 2002; Cariño et al, 2003; Kiwanuka et al, 2004; Kramer et al, 2008). As principais
barreiras descritas em relação ao acesso são ausência de disponibilidade de serviços
públicos, alto custo do atendimento privado, questão psicológica (medo ou ansiedade) e
não percepção da necessidade de prevenção ou tratamento em crianças menores
(Douglass et al, 2001; Ramos-Gomez et al, 2002; Bhayat & Cleaton-Jones, 2003). Tais
achados sugerem caminhos pelos quais disparidades econômicas, culturais e
educacionais operam, tendo profundos efeitos adversos na saúde bucal de crianças préescolares (Ramos-Gomez et al, 2002).
Adicionalmente, quando o acesso ocorre, os atendimentos são majoritariamente
restauradores (Vanobbergen et al, 2001; Sayegh et al, 2002; Cariño et al, 2003;
Kiwanuka et al, 2004). Considerando que freqüentemente condutas preventivas ou de
controle da doença não são levadas a efeito, na maioria das vezes o atendimento se
constitui, exclusivamente, no início ou reprodução do ciclo repetitivo restaurador. É
possível que tal circunstância, associada a uma ampla difusão do flúor na população na
forma de dentifrícios e água de abastecimento público, expliquem o achado de que o
acesso ao cirurgião-dentista na fase pré-escolar não represente uma proteção em relação
à ocorrência de cárie dentária (Peres et al, 2005). De uma maneira geral, a inexistência
de estudos longitudinais em relação a esta questão em países menos desenvolvidos
dificulta uma avaliação definitiva do efeito do acesso ao atendimento profissional na
saúde bucal infantil.
No Brasil, a Política Nacional de Saúde Bucal abrange, entre suas linhas de
ação, a reorganização da Atenção Básica, com destaque para a estratégia de Saúde da
Família e da Atenção Especializada com a implantação de Centros de Especialidades
64
Odontológicas. Aspectos referentes às perspectivas a partir de sua implantação e
consolidação são discutidos no item 3.6.7.
3.5.4 - Fatores comportamentais
A dimensão comportamental da cárie dentária, envolvendo notadamente as
práticas alimentares e de higiene, tem sido há décadas descrita por vários estudos. Estes
fatores serão abordados a seguir sob a perspectiva de que comportamentos não se
constituem apenas em decisões pessoais de estilo de vida, podendo estar refletindo
características sociais e econômicas de grupos (Rossow et al, 1990). Isto significa que
sua identificação como fatores de risco, ao invés de alimentar a culpabilização do
indivíduo ou núcleo familiar por sua condição de saúde/doença, tem o propósito de
munir profissionais e políticas de instrumentos capazes de prevenir e controlar a cárie
dentária.
Além disso, em função dos diferentes caminhos pelos quais possivelmente
operam na cárie dentária, nutrição e dieta são descritos separadamente. O efeito da dieta
na cárie dentária refere-se, essencialmente, ao efeito direto de carboidratos sobre o
tecido dentário ou sendo metabolizado por microrganismos cariogênicos diretamente na
cavidade bucal (Thylstrup & Fejerskov, 1995; Bezerra & Toledo, 1997). O efeito da
nutrição, por sua vez, refere-se à ação sistêmica de alimentos consumidos, via formação
do tecido dentário ou constituição dos fluidos bucais, principalmente a saliva (Thylstrup
& Fejerskov, 1995).
3.5.4.1 Dieta
A literatura demonstra evidência de que a dieta, com ênfase para o consumo de
carboidratos refinados, é uma variável de importância fundamental na cárie dentária
65
(Nikiforuk, 1985; Wendt & Birkhed, 1995; Grindefjord et al, 1996; Bezerra & Toledo,
1997; Ruottinen et al, 2004), constituindo-se em causa necessária para sua ocorrência. O
estudo clássico de Vipeholm, desenvolvido na década de 50 do século passado na
Suécia (Gustafsson et al, 1954), foi um marco na compreensão da relação entre ingestão
de carboidratos e aumento no índice de cárie. Foi demonstrado que o risco do açúcar
como causa de cárie aumenta consideravelmente se for consumido entre refeições e sob
uma forma física que o retenha na cavidade bucal por um período prolongado de tempo.
Na década seguinte, Weiss & Trithart (1960) demonstraram em crianças de 5 anos de
idade que o índice ceo aumentava com o aumento da freqüência de ingestão alimentar
entre refeições. Estudos mais recentes demonstraram que a dieta influencia na produção
de ácidos, quantidade e composição de placa bacteriana e na quantidade e qualidade de
secreção salivar. Assim, e por diferentes caminhos, a dieta pode influenciar na
ocorrência da cárie dentária (Thylstrup & Fejerskov, 1995; Karjalainen et al, 2001;
Fejerskov & Kidd, 2003).
Algumas peculiaridades dos primeiros anos de vida permitem que haja um efeito
ainda mais drástico da variável dieta no início e progressão de lesões cariosas: (1) fase
de desenvolvimento de sistemas de defesa do hospedeiro e colonização bacteriana; (2)
novas superfícies dentárias vão sendo gradativamente expostas, constituindo-se em
sítios para esta colonização; (3) práticas inadequadas de desmame, muitas vezes
envolvendo introdução precoce da sacarose e uso de mamadeira em livre demanda
(Wendt & Birkhed, 1995; Seow, 1998; Harris et al, 2004).
Observa-se uma grande diversidade no tipo, na forma de coleta ou nos pontos
de corte de variáveis relativas a características comportamentais, o que dificulta a
síntese de fatores de risco com papel reconhecido na etiologia da cárie dentária em
66
crianças. Entre estes fatores, destaca-se a crítica em relação aos instrumentos utilizados
para a coleta de dados de práticas alimentares (Harris et al, 2004). Além disso, são
poucas as investigações conduzidas com crianças nos primeiros anos de vida, não
havendo estudos de coorte que acompanham crianças desde o nascimento. Estes fatores
explicam, ao menos em parte, alguns achados controversos em relação ao tema e que
necessitam esclarecimento.
As práticas alimentares mais referidas como fatores de risco para CPI na
atualidade são: introdução precoce de sacarose, aleitamento materno em alta freqüência
ou prolongado, utilização inadequada de mamadeira, com ênfase para o uso noturno, e
alta freqüência de ingestão alimentar (Grindefjord et al, 1995a; Al Ghanim et al, 1998;
Harris et al, 2004).
Introdução precoce da sacarose
O consumo de açúcar tem sido descrito como um importante preditor de cárie
dentária (Grindefjord et al, 1996; Milgrom et al, 2000; Ruottinen et al, 2004). A
sacarose é o mais cariogênico entre os carboidratos, o que parece estar associado à
rápida difusão pela placa bacteriana e sua pronta metabolização em ácidos, levando a
um desequilíbrio no processo de des-remineralização. Destaca-se o fato da sacarose
servir de substrato para a produção de depósitos extra-celulares e matriz insolúvel de
polissacarídeos.
Em crianças, tal característica favorece a
colonização por
microrganismos bucais e aumenta a viscosidade da placa (Newbrun, 1982). A sacarose,
ao ser introduzida precocemente na vida do bebê, promove condições para a
implantação e colonização sucessiva de novas superfícies dentárias por uma microbiota
cariogênica, principalmente os Estreptococos do grupo Mutans (EGM). Desta forma, as
práticas alimentares vão repercutir na presença e proporção de microrganismos
67
cariogênicos na cavidade bucal de bebês (Köhler et al, 1984; Wan et al, 2003; Olmez et
al, 2003), o que reconhecidamente vai influenciar na futura experiência de cárie (Köhler
& Andréen, 1994; Jones et al, 1996).
Além disso, a exposição precoce ao açúcar pode influenciar na futura
preferência por doces: quanto mais açúcar consumido precocemente, maior a
preferência por doces, o que vai resultar na adição crescente de açúcar em alimentos e
bebidas (Tanzer, 1989; Milgrom et al, 2000). Desta forma, considerando que os padrões
dietéticos adquiridos na infância formam a base para as futuras práticas alimentares da
criança escolar, a introdução precoce da sacarose pode interferir negativamente nas
preferências alimentares futuras (Rossow et al, 1990).
Por fim, o consumo de açúcar durante a infância deve ser compreendido como
um padrão estabelecido pelos responsáveis, mais do que uma opção própria da criança
(King, 1978; Persson & Samuelson, 1984). Desta forma, os dados e conhecimentos
anteriormente descritos sugerem que pais e responsáveis devem ser orientados a
postergar a introdução de sacarose, preferentemente para após o primeiro ano de vida
(Persson & Samuelsson, 1984; Rossow et al, 1990).
Alta freqüência de ingestão de carboidratos
Além do estudo de Weiss & Trithart (1960), anteriormente mencionado, outras
pesquisas confirmaram o papel da alta freqüência de ingestão alimentar na ocorrência da
cárie dentária (Grytten et al, 1988, Paunio et al, 1993; Rajab & Hamdan, 2002; Jin et al,
2003; Mariri et al, 2003; Bankel et al, 2006; Tsai et al, 2006). O processo pelo qual esta
relação se estabelece é a constante produção de ácido e queda de pH bucal a que estão
68
expostas crianças que consomem carboidratos freqüentemente entre as refeições,
impedindo a reposição fisiológica de minerais nos ciclos de des-remineralização.
Esta prática parece ser particularmente freqüente, e portanto nociva, para
crianças pré-escolares. Isto ocorre em função de alguns fatores, como o pensamento de
que a criança deve ser constantemente alimentada para estar bem nutrida e saudável ou
para compensar o fato de que a criança não se alimentou da forma como os responsáveis
julgam necessário, gerando um ciclo repetitivo de comer entre refeições e falta de
apetite. Além disso, é de fundamental importância compreender a dimensão não
biológica da alimentação, que faz com que alimentos sejam oferecidos com outros
significados, como culpa ou recompensa (Baric et al, 1974; Chestnutt et al, 2003;
Stevens & Freeman, 2004).
O consumo de alimentos entre refeições pode ocorrer em relação a carboidratos
na forma sólida, como biscoitos e doces em geral, ou líquidos, como chás, sucos,
refrigerantes e leite com ou sem adição de outros carboidratos. Vários estudos
transversais e alguns longitudinais têm descrito que o consumo de carboidratos em alta
freqüência, particularmente os ricos em sacarose, é considerado um importante preditor
do desenvolvimento de cárie precoce da infância (Grindefjord et al, 1996; Milgrom et
al, 2000; Jin et al, 2003; Tsai et al, 2006). Além da sacarose, os monossacarídeos
glicose e frutose, encontrados naturalmente nas frutas, vegetais e mel, e o polissacarídeo
amido, também devem ser considerados em relação a sua cariogenicidade. O processo
de refinamento ou industrialização, de uma forma geral, torna os carboidratos mais
suscetíveis à fermentação pelos microrganismos cariogênicos. Assim, alimentos
refinados contendo amido como pão ou biscoitos são potencialmente mais cariogênicos
em relação a carboidratos não refinados (Thylstrup & Fejerskov, 1995). O mel, a par de
69
sua reputação no meio leigo, também é contra-indicado no primeiro ano de vida sob o
ponto de vista de saúde bucal. Apresentando uma forma física altamente pegajosa e
composto principalmente por frutose e glicose, é metabolizado por bactérias
cariogênicas (Thylstrup & Fejerskov, 1995). Quando oferecido freqüentemente,
inclusive tendo como veículo a chupeta, pode ser fator importante na etiologia de cárie
precoce da infância.
A associação sugerida por alguns estudos entre o consumo de medicamentos e
xaropes e cárie nos primeiros anos de vida possivelmente está relacionada ao conteúdo
de açúcar, podendo ocorrer quando sua utilização é por longos períodos e com alta
freqüência (Rytömaa et al, 1994; Kiwanuka et al, 2004). Esta relação, no entanto, não é
consistente, não tendo sido observada em outros estudos (Karjalainen et al, 2001;
Martens et al, 2006). É possível que variações entre países nos produtos usados para
adoçar medicamentos - na Finlândia, por exemplo, são utilizados xilitol e sorbitol expliquem em parte os diferentes resultados (Karjalainen et al, 2001).
Por outro lado, a alta freqüência de ingestão de líquidos açucarados na
mamadeira ou de aleitamento materno durante a noite após o primeiro ano de vida
parecem desempenhar um papel importante na ocorrência de cárie precoce da infância,
motivo pelo qual são abordados separadamente.
A relação entre alta freqüência de ingestão de carboidratos e cárie dentária em
crianças, consistentemente descrita na literatura, tem embasado a recomendação de
manter intervalos entre as refeições, permitindo equilíbrio entre os processos de des e
remineralização.
70
Aleitamento materno prolongado e em alta freqüência
O aleitamento materno exclusivo até os 6 meses é inegavelmente a prática mais
importante a ser implementada para a saúde nesta fase da vida e para a saúde futura da
criança (WHO, 2000; Brasil, MS, 2002). A literatura tem descrito que crianças que não
tiveram acesso a aleitamento materno ou que amamentaram por curto período
apresentam maior prevalência de cárie (Wendt & Birkhed, 1995; Mattos-Graner &
Zelante 1998; Dini et al, 2000; Sayegh et al, 2002; Feldens, 2004; Hallet & O’Rourke,
2003), sugerindo efeito protetor do aleitamento materno em relação a este agravo. A
provável explicação para este achado é a introdução precoce de hábitos potencialmente
cariogênicos nas crianças que tiveram pouco ou nenhum tempo de aleitamento materno.
Por outro lado, tem sido relatado que o aleitamento materno em alta freqüência e
por tempo prolongado, principalmente durante a noite e após um ano de idade, se
constitui em fator de risco para cárie precoce da infância e cárie severa da infância,
tanto no Brasil (Dini et al, 2000; Azevedo et al, 2005; Oliveira et al, 2006) quanto em
outros países do mundo (Kotlow, 1977; Dillley et al, 1980; Derkson & Ponti, 1982;
Williams & Hargreaves, 1990; Degano & Degano, 1993; Tsubouchi et al, 1994;
Hallonsten et al, 1995; Al-Dashti et al, 1995; Wendt & Birkhed, 1995; Kawabata et al,
1997; Sayegh et al, 2002; Hallet & O’Rourke, 2003; van Palenstein Helderman et al,
2006). O possível mecanismo, neste sentido, é a estagnação do leite materno e
conseqüente metabolização da lactose, um carboidrato fermentável por microrganismos
cariogênicos, encontrado em maior concentração no leite humano em relação ao leite
bovino, determinando produção de ácidos na região dos incisivos superiores, os mais
afetados por esta condição. A manutenção constante do leite materno possivelmente
resulta em condições acidogênicas que propiciam a desmineralização dos cristais de
71
esmalte. A diminuição do fluxo salivar e capacidade tampão da saliva durante o sono
são fatores que potencializam a perda mineral. Por outro lado, o fato dos incisivos
inferiores serem os menos atingidos parece estar associado à proteção da língua e
proximidade de glândulas salivares (Milnes, 1996; Brice et al, 1996).
A alta freqüência de aleitamento materno, além de propiciar a manutenção quase
que constante do pH ácido, faz com que os intervalos de reparo por meio da
remineralização sejam pequenos ou inexistentes, permitindo o início e progressão de
lesões de cárie. Já a plausibilidade do prolongamento do aleitamento materno após o
primeiro ano de vida, por si só, como fator de risco para a ocorrência de CPI não é
descrita na literatura.
O fato de que ambas as categorias (nenhum/pouco tempo e tempo prolongado de
aleitamento materno) constituem-se em fator de risco para cárie em relação a um tempo
intermediário de amamentação foi relatado (Wendt & Birkhed, 1995; Sayegh et al,
2002), inclusive com crianças brasileiras. Avaliando pré-escolares de 3 a 4 anos de
idade em estudo transversal no município de Araraquara (SP), Dini et al (2000)
observaram uma chance três vezes maior de ocorrência de cárie (critério: OMS) em
molares e incisivos se a criança não houvesse amamentado por pelo menos um mês ou
quando o tempo de aleitamento materno total fosse superior a 24 meses, comparado
com a categoria intermediária (RC 3,1; IC 95% 1,1-8,4). Vários estudos que avaliaram a
associação entre tempo de aleitamento materno e cárie utilizaram apenas duas
categorias para a variável de exposição, impedindo que semelhante efeito seja
verificado e explicando, ao menos parcialmente, resultados aparentemente controversos
em relação à associação entre a exposição e cárie precoce da infância. É possível que a
72
relação entre as práticas de aleitamento materno e cárie na infância, desta forma, seja
não linear, dificultando sua detecção.
Outro fator que pode ter contribuído neste sentido é que alguns estudos que não
observaram associação entre tempo prolongado e alta freqüência de aleitamento
materno e CPI foram conduzidos com amostras menores que 200 crianças (Weerheijm,
1998; Olmez et al, 2003), em que o poder do estudo pode ter sido pequeno para detectar
efeito das exposições avaliadas. Outros autores têm sugerido que a associação entre
aleitamento prolongado e cárie precoce da infância possa ocorrer por comportamentos
alimentares paralelos como o consumo de açúcar, e não especificamente em função do
leite materno (Hallonsten et al, 1995; Seow, 1999). Entretanto, algumas investigações
detectaram a associação em questão mesmo após ajuste para outras práticas
cariogênicas (Dini et al, 2000; Hallett & O’Rourke, 2002, Oliveira et al, 2006).
Em uma revisão sistemática da literatura sobre tal questão de pesquisa, Valaitis
et al (2000) selecionaram 3 estudos com evidência considerada “moderada” (Derkson &
Ponti, 1982; Williams & Hargreaves, 1990; Al-Dashti et al, 1995), sugerindo que o
aleitamento materno além de um ano de idade está associado com alguma forma de
cárie precoce da infância. Em um estudo de coorte recentemente publicado, van
Palenstein Helderman et al (2006) não encontraram associação entre aleitamento
materno diurno aos 12 meses e ocorrência de CPI em crianças de 25 a 30 meses de
Myanmar. Entretanto, uma forte associação foi descrita entre aleitamento materno com
freqüência maior ou igual a três vezes durante a noite. No Brasil, em estudo longitudinal
com crianças de João Pessoa - PB (Oliveira et al, 2006), a ocorrência de cárie aos 36
meses foi duas vezes maior se a criança amamentava durante a noite aos 18 meses (RC
2,1; IC 95%: 1,0-4,4).
73
Desta forma, as evidências até o momento indicam que políticas e programas
devem continuar a promover o aleitamento materno, parecendo razoável considerar que,
se esta prática persistir após 12 meses de idade, não deve ser oferecido em alta
freqüência, principalmente durante a noite, a fim de não se constituir em fator de risco
para cárie precoce da infância.
Uso de mamadeira
A literatura tem embasado a recomendação de que crianças devem ser
encorajadas a utilizar copos ou xícaras para o consumo de líquidos após encerrarem o
ciclo de aleitamento materno exclusivo (Department of Health, 1994; Brasil, MS,
2002a). Entretanto, a mamadeira continua a ser largamente utilizada no mundo por uma
parcela significativa das crianças, desde o nascimento até a fase escolar (Davies et al,
2005; Azevedo et al, 2005; Martens et al, 2006). Vários estudos longitudinais e
transversais demonstram associação entre o uso de mamadeira para sucos, refrigerantes
e mesmo leite e cárie precoce da infância, confirmando o conhecimento sugerido pela
experiência clínica de profissionais que atendem crianças (Wendt & Birkhed, 1995;
Ollila et al, 1998; Marshall et al, 2003). A consistência desta associação, observada em
diferentes países do mundo, fez com que a própria terminologia referente à cárie em
dentes anteriores superiores se adequasse durante décadas ao suposto fator de risco:
“cárie de mamadeira”.
A cariogenicidade observada com a utilização de mamadeiras decorre, por um
lado, do seu conteúdo - geralmente líquidos adocicados e com baixo pH (Schröder &
Granath, 1983; Stacey & Wright, 1991; Silver, 1992; Paunio et al, 1993; StecksenBlicks & Holm, 1995; Wendt & Birkhed, 1995; Grindefjord et al, 1996; Holt et al,
1996; Dini et al, 2000; Hallett & O’Rourke, 2002; Mariri et al, 2003) - e de algumas
74
peculiaridades inerentes à mamadeira (Weinstein et al, 1992; Hallett & O’Rourke,
2002): consumo em alta freqüência, muitas vezes em livre demanda; oferta durante o
sono ou imediatamente antes (Wendt & Birkhed, 1995; Milnes, 1996; Hallet &
O’Rourke, 2003; Bankel et al, 2006; Azevedo et al, 2005; Martens et al, 2006) e o
padrão muscular de sucção característico envolvido, permitindo o acúmulo do conteúdo
ao redor dos dentes anteriores superiores, local de mais difícil acesso à saliva (Dreizen
& Brown, 1976; Bowen, 1998). De uma maneira geral, a mamadeira é bem aceita pelas
crianças e permite que os pais tenham “segurança” de que a criança está “se
alimentando bem”. Além disso, é um instrumento rotineiramente utilizado para
manifestação da dimensão não biológica do alimento: para acalmar, fazer dormir ou
recompensar ou com conotações e significados ainda não conhecidos em profundidade
(Baric et al, 1974; Chestnutt et al, 2003; Stevens & Freeman, 2004). Tais circunstâncias,
muitas vezes simultâneas, têm o potencial de determinar uma preponderância dos
eventos de desmineralização, o que pode ocorrer desde o início da erupção dos
diferentes grupos dentários. O oferecimento da mamadeira para dormir ou durante o
sono, quando há diminuição do fluxo salivar e movimentos de auto-limpeza, faz com
que aumente drasticamente o desafio cariogênico (Dreizen & Brown, 1976; Milnes,
1996; Bowen, 1998; Azevedo et al, 2005).
Sucos de frutas naturais, sucos artificiais, refrigerantes e a adição de açúcar e
outros carboidratos ao leite ou ao chá representam os conteúdos mais freqüentes
oferecidos por meio da mamadeira e que têm sido descritos como de maior
cariogenicidade (Powell, 1976; Smith & Shaw, 1987; Marshall et al, 2003). Um amplo
estudo longitudinal realizado em uma coorte acompanhada desde o nascimento em Iowa
(Estados Unidos) identificou forte associação entre o consumo de bebidas doces no
primeiro ano de vida e cárie entre 4 e 7 anos de idade (Marshall et al, 2003). No Brasil,
75
estudo transversal com crianças de 36 a 71 meses demonstrou forte associação entre a
utilização de mamadeira noturna em substituição à chupeta ou em alta freqüência
durante o dia e CSI (Azevedo et al, 2005). Já a utilização de sucos e refrigerantes no
primeiro ano de vida esteve fortemente associada à ocorrência de cárie precoce da
infância entre 12 e 16 meses em crianças que foram acompanhadas desde o nascimento
no município de São Leopoldo (Feldens, 2004). O risco de apresentar ao menos uma
lesão de cárie (critério: incluindo lesão sem cavidade) foi 80% maior em crianças que
apresentavam o hábito de tomar sucos, refrigerantes ou outros líquidos além do leite na
mamadeira (RR 1,8; IC 95% 1,1-2,9) A menor cariogenicidade do leite bovino, quando
oferecido sem adição de outros carboidratos, possivelmente está associada ao fato da
lactose ser menos cariogênica que a sacarose e porque contém fosfo-proteínas que
poderiam inibir a dissolução do esmalte e fatores antibacterianos que poderiam interferir
no metabolismo ácido (Weiss & Bibby, 1966). Dependendo da freqüência, conteúdo da
mamadeira e momento de consumo, em poucos meses os dentes anteriores superiores
podem passar da higidez à destruição coronária completa, necrose pulpar e perda
dentária.
3.5.4.2 Nutrição
Os principais mecanismos pelos quais é sugerida influência de problemas
nutricionais no risco de cárie são: (1) formação de defeitos estruturais do esmalte; e (2)
alterações no fluxo e composição salivar (Rugg-Gunn, 1996).
A teoria relacionada a defeitos de desenvolvimento dentário é a mais difundida,
foi proposta a partir dos trabalhos de Mellanby (1923) e defendida por outros autores
posteriormente. Esta proposta sugere uma ligação entre carências nutricionais durante a
formação de matriz de esmalte e hipoplasia (Alvarez & Navia, 1989). Defeitos
76
estruturais do esmalte, por sua vez, determinam maior rugosidade na superfície de
esmalte, permitindo maior acúmulo de placa e tornando as superfícies mais facilmente
colonizáveis por Estreptococos do grupo Mutans (Li et al, 1994). Além disso,
aumentaria a porosidade do esmalte por deficiência de maturação ou mineralização
(Norén, 1983), o que explicaria o achado de que hipoplasias estão associadas com cárie
dentária futura (Li et al, 1996). Em relação a esta “cadeia causal”, sugere-se, baseado
em pesquisas realizadas em vários países, que há associação consistente entre hipoplasia
e cárie precoce da infância (Infante & Gillespie, 1977; Matee et al, 1992; Al-Dashti et
al, 1995; Seow et al, 1996; Oliveira et al, 2006), o que presumivelmente teria origem na
subnutrição ou desnutrição durante o período pré-natal (Norén, 1983). Entretanto,
embora uma maior prevalência de hipoplasias seja descrita em crianças prematuras, de
baixo peso e de muito baixo peso ao nascer, não há dados definitivos que associem estes
defeitos estruturais a carências nutricionais específicas. Assim, os caminhos desta teoria
ainda não estão definitivamente esclarecidos.
Na mesma linha, Alvarez & Navia (1989) descreveram que a erupção dentária é
atrasada em crianças mal nutridas e que nestas crianças a severidade de cárie é maior.
Estudos que observaram erupção atrasada de dentes decíduos em crianças no Peru,
China, Tanzânia, África do Sul e Austrália demonstraram também uma prevalência
relativamente alta de defeitos estruturais do esmalte, tornando-os, possivelmente por
esta via, mais suscetíveis à cárie dentária (Thibodeau et al, 1993; Li et al, 1995; Milnes,
1996; Berkowitz, 1996; Lai et al, 1997).
A segunda teoria postula que a subnutrição afeta as glândulas salivares,
determinando redução no fluxo salivar e alterações na composição da saliva, o que
aumenta o risco de cárie após a erupção dentária (efeito “pós-eruptivo”). Conforme
77
Johansson et al (1992), crianças mal nutridas tiveram taxas de secreção salivar
reduzidas, menor capacidade tampão, menor secreção de íons cálcio e proteínas na
saliva estimulada e piora nos fatores imunológicos presentes na saliva não estimulada.
De uma maneira geral, pode-se afirmar que o efeito de carências nutricionais na
ocorrência de cárie precoce da infância não é consenso. Tem sido descrito que crianças
com CPI tendem a apresentar menor peso que crianças sem a condição (Acs et al,
1992). Entretanto, é possível que estas crianças apresentem baixo peso em função da
dor e dificuldades mastigatórias associadas à CPI, indicando a possibilidade de
causalidade reversa (Sheiham, 2006). Esta parece ser uma questão que ainda deva ser
investigada com mais profundidade e rigor metodológico para confirmar a direção da
associação (Li et al, 1994). Outra dificuldade metodológica é uma coleta abrangente de
dados e a construção de modelos de análise que permitam detectar possíveis
confundidores da relação entre nutrição e cárie dentária. As relações descritas entre
carência de elementos, como o ferro (Bruun et al, 1977; Miguel et al, 1997), ingestão de
outros elementos, como o chumbo (Gil et al, 1996), e cárie dentária não são consistentes
na literatura. Mesmo admitindo que existam, persiste dúvida se estas associações são
causais ou representam confundimento.
Em estudo de base populacional recentemente publicado, foi relatada maior
probabilidade de cárie em pré-escolares com baixo peso para idade mesmo após ajuste
para variáveis socioeconômicas, sugerindo associação entre estado nutricional e cárie
dentária (Oliveira et al, 2008). Entretanto, o delineamento foi transversal, persistindo a
limitação quanto à inferência sobre causalidade.
Em uma coorte de crianças do sul do Brasil foi observada associação causal
entre déficit de altura para idade aos 12 meses e severidade de cárie aos 6 anos de idade.
78
Entretanto, peso ao nascer, uma medida crítica em relação ao curso futuro de saúde, não
esteve associado à cárie dentária (Peres et al, 2005). Todos estes aspectos configuramse, desta forma, em importantes questões a serem esclarecidas em futuras investigações.
3.5.4.3 Práticas de higiene bucal
Um grande número de estudos investigou o efeito de escovar os dentes na
ocorrência de cárie dentária em crianças. Os dados descritos a respeito são
absolutamente controversos: se por um lado há estudos descrevendo associação entre
medidas de higiene bucal e cárie dentária (Peres et al, 2005; Martens et al, 2006), outros
não observaram efeito protetor da higiene bucal (Milgrom et al, 2000; Reisine & Psoter,
2001; Feldens, 2004). Alguns estudos encontraram, inclusive, maior ocorrência de
lesões de cárie em pacientes que relatam escovar mais os dentes (Reisine et al, 1994;
Reisine & Psoter, 2001).
Medidas de higiene visam, entre outros fatores, à remoção da placa bacteriana,
cuja atividade metabólica pode resultar na perda mineral. Sob o ponto de vista de
mecanismo fisiopatológico, portanto, é plausível que escovar os dentes seja um
comportamento protetor em relação à cárie dentária. Entretanto, muitas variáveis podem
interferir nos resultados que estimam tal associação.
Em primeiro lugar, a validade do dado coletado depende da recordação do
responsável e, mais criticamente, da veracidade da informação, que pode ser afetada,
entre outros fatores, pelo receio de censura. Pode ser difícil para mães ou pais
reconhecer que não utilizam medidas de higiene ou que não o fazem da maneira “que os
dentistas tradicionalmente recomendam: três vezes ao dia”. Secundariamente, o tipo de
variável relacionada à higiene bucal, coletada de forma diversa entre os estudos,
79
também pode interferir nos resultados. Na verdade, em relação à cárie dentária, há mais
evidências do benefício de escovar os dentes uma ou mais vezes ao dia comparado com
escovar menos que uma vez ao dia do que quando se avalia a idade em que iniciou a
escovação de dentes ou a supervisão ou não dos pais (Harris et al, 2004). Além disso, é
possível que a qualidade de higiene, mais do que o hábito de escovar ou não os dentes,
seja uma variável importante (Milgrom et al, 2000). Essa é, provavelmente, uma das
razões de não se observar associação entre práticas de higiene e cárie dentária em
crianças menores de 3 anos (Milgrom et al, 2000; Feldens, 2004). Por fim, uma vez que
durante a higiene rotineiramente é utilizado dentifrício fluoretado, é difícil separar o
efeito benéfico do flúor do efeito da remoção mecânica de placa nos estudos que
relatam associação entre escovar os dentes e cárie dentária (Reisine & Psoter, 2001).
Considerando a indicação sugerida por alguns estudos, aliada às dificuldades
metodológicas de demonstrar associação entre práticas de higiene e cárie precoce da
infância, parece conveniente que orientação de controle de placa continue a fazer parte
de estratégias individuais e coletivas de promoção de saúde bucal. Neste sentido,
também contribui a ampla documentação sobre a associação entre presença de placa e
gengivite ou doença periodontal, inclusive em pré-escolares (Feldens et al, 2006), o que
por si só já justificaria tais medidas. Já a utilização de dentifrício fluoretado, embora
traduza um “comportamento” dos responsáveis, será abordada no item 3.6 (estratégias
de intervenção).
3.5.5 Experiência anterior de cárie
Estudos longitudinais indicam que crianças com experiência prévia de cárie
apresentam maior risco de novas lesões no futuro (Grindefjord et al, 1995b; Wendt et al,
1999). Entretanto, deve-se considerar que: (a) nos primeiros meses após a erupção
80
dentária esta variável não pode ser utilizada como preditora de risco porque a criança
ainda não esteve exposta, não tendo sido possível “acumular” uma experiência anterior
de doença; (b) mesmo sendo inquestionável a capacidade preditora desta variável nos
períodos subseqüentes, a interpretação deste achado deve ser cuidadosa. Mais do que
associado a um efeito de “contaminação”, o maior risco de cárie em crianças com
experiência anterior de doença deve estar relacionado à manutenção dos fatores causais
que geraram o desequilíbrio e que determinaram o surto anterior de doença.
Desta forma, apesar da demonstrada capacidade preditora da “experiência
anterior de cárie” para detectar maior risco de lesões futuras, há uma limitação para sua
utilização para identificar crianças com maior risco de CPI. Este conhecimento
demonstra a necessidade de identificação de outros fatores de risco de cárie na infância.
3.5.6 Fatores microbiológicos
A CPI é considerada uma doença infecciosa cuja ocorrência depende da
colonização e presença do agente responsável. Da mesma forma que em outros agravos,
a identificação do agente e o entendimento de aspectos relacionados à sua colonização
têm sido extensamente investigados. Serão abordadas a seguir características
microbiológicas e referentes à sua manifestação clínica - placa visível - que têm sido
descritas em relação à CPI.
3.5.6.1 Estreptococos do grupo Mutans
Desde o nascimento e por toda a vida as superfícies da cavidade bucal são
colonizadas por microrganismos. Um mililitro de saliva pode conter mais de 200
milhões de microrganismos, incluindo mais de 250 diferentes espécies. Em condições
81
normais, a presença de microrganismos, por si só, não resulta em doença (Thylstrup &
Fejerskov, 1995).
Nos primeiros dias de vida do bebê ocorre uma grande variação microbiana, com
a maioria dos microrganismos sendo encontrada em pequeno número, a partir da
contaminação inicial por microrganismos do trato genital materno (Nikiforuk, 1985).
Nas primeiras semanas após o nascimento parece haver predominância de espécies de
Estreptococos, como S. mitis e S. salivarius. O aparecimento de novos micro-ambientes
com a erupção dentária parece ter um impacto importante na composição da microbiota,
com destaque para a presença de S. mutans, S. sobrinus, S. sanguis e microrganismos
anaeróbicos (Nikiforuk, 1985; Thylstrup & Fejerskov, 1995).
Os Estreptococos do grupo Mutans (EGM), que incluem Estreptococos Mutans e
Estreptococos Sobrinus, são os agentes descritos como responsáveis pela ocorrência de
cárie em crianças (Thibodeau & O’Sullivan, 1996; Mattos-Graner et al, 1998; Harris et
al, 2004; Corby et al, 2005). A idade da criança em que é detectada a presença de EGM
varia entre populações e conforme características metodológicas. Embora a maioria dos
estudos indique a presença destas bactérias apenas após o início da erupção dentária, há
descrição de sua detecção em crianças edêntulas (Milgrom et al, 2000; Ramos-Gomez et
al, 2002), nas quais chegou a ser descrita prevalência de 25% (Milgrom et al, 2000).
Desta forma, a proposta de uma “janela de infectividade” para EGM ocorrendo apenas
entre 19 e 31 meses de idade (Caufield et al, 1993) não condiz com estudos recentes
indicando colonização de EGM em crianças menores de um ano de idade (Karn et al,
1998; Milgrom et al, 2000). Além disso, a colonização bacteriana após os 19 meses é
inconsistente com a observação de que CPI pode se manifestar clinicamente bem antes
disso. A época de colonização por EGM parece ter uma implicação clínica direta, a
82
partir da observação de que crianças colonizadas após completarem 3 anos de idade
apresentam menor incidência de cárie (Tenovuo et al, 1992).
Entre os fatores que influenciam na variação observada em relação à época de
colonização por EGM, destaque tem sido reconhecido para as práticas alimentares (van
Houte, 1994; van Palenstein Heldermann et al, 1996; Milgrom et al, 2000; Wan et al,
2003; Olmez et al, 2003), particularmente a exposição à sacarose. Seu consumo em alta
freqüência provoca uma pressão ecológica em que microrganismos acidogênicos e
acidúricos apresentam grande vantagem, aumentando decisivamente a cariogenicidade
da placa (Wan et al, 2003). O papel das práticas alimentares na expressão da infecção
por bactérias cariogênicas demonstra, mais uma vez, a interação entre diferentes
determinantes e confirma a complexidade da rede de causalidade da cárie precoce da
infância.
Outro aspecto que mereceu destaque há alguns anos foi a identificação da mãe
como principal fonte da infecção por bactérias cariogênicas, contribuindo para um
conceito da cárie dentária como uma “doença transmissível” (Horowitz, 1998b). Os
genótipos de EGM isolados de bebês são, na maioria das vezes, homólogos aos
presentes na saliva da mãe, o que possivelmente está associado ao grau de envolvimento
nos cuidados da criança (Davey & Rogers, 1984; Berkowitz & Jones, 1985). Em alguns
locais este conhecimento foi interpretado, durante alguns anos, como indicação de
orientar mães para evitarem o compartilhamento de utensílios com a criança (por
exemplo, testando previamente na mesma colher o alimento a ser oferecido) e contato
físico direto na forma de beijo na boca. Estudos posteriores, no entanto, além de não
encontrarem evidências para tal orientação, sugeriram que este contato poderia ter efeito
protetor: crianças com alta freqüência de contatos com a saliva materna antes da
83
erupção dentária tinham menor contagem de EGM e menor severidade de cárie dentária
(Aaltonen, 1991; Aaltonen and Tenovuo, 1994). Embora esta direção de associação
possa ser determinada ou ao menos influenciada por variáveis confundidoras não
coletadas nos estudos, pode-se afirmar que não há embasamento para a orientação
clínica anteriormente descrita.
A associação entre presença de EGM e cárie em crianças é bem determinada na
literatura, observando-se maior experiência de cárie em crianças com altos níveis deste
microrganismo na placa ou saliva (Mattos-Graner et al, 1998; Seow et al, 1999;
Milgrom et al, 2000; Ramos-Gomez et al, 2002). Os EGM, presentes em menos de
0,1% da flora da placa bacteriana de crianças sem atividade de cárie, chegam a
constituir 30% da placa de crianças com cárie precoce da infância (Berkowitz et al,
1984; Berkowitz, 2003). É interessante observar que os níveis de EGM necessários para
a ocorrência de CPI em crianças muito jovens foram descritos como bem inferiores aos
níveis associados com cárie em crianças maiores (Ramos-Gomez et al, 2002). Embora a
presença de Lactobacilos tenha sido relatada em crianças muito pequenas, não parece
haver correlação entre sua contagem e experiência de cárie, indicando que este
microrganismo não é capaz, isoladamente, de iniciar o processo de cárie.
Os conhecimentos anteriormente descritos sugerem duas aplicações práticas em
nível individual ou coletivo: (a) utilizar a contagem de EGM para determinar o risco de
cárie; e (b) procurar intervir na infecção como estratégia de prevenir a ocorrência de
cárie precoce da infância. A contagem de EGM na saliva em crianças muito jovens foi
observada como sendo preditora da ocorrência de cárie em crianças pré-escolares
(Alaluusua & Renkonen, 1983; Thibodeau & O’Sullivan, 1996; Milgrom et al, 2000).
Entretanto, esta não tem sido uma prática corrente na determinação do risco de cárie, o
84
que possivelmente está associado à dificuldade de coletar saliva em crianças muito
pequenas e ao fato de que há outros indicadores com melhor acurácia e menor custo
(Alaluusua & Malmivirta, 1994). Deve-se considerar que a infecção por EGM não é um
fator suficiente para o desenvolvimento de lesões, uma vez que estão presentes mesmo
em crianças livres de cárie (Toi et al, 1999; Harris et al, 2004). Além disso, a presença
de baixos níveis salivares em crianças mais jovens é um indicador mais provável de que
a microbiota está se desenvolvendo do que da ausência de risco de cárie (Alaluusua &
Renkonen, 1983) Os estudos sobre tentativas de intervenção na infecção, por sua vez,
são descritos à parte.
3.5.6.2 Placa visível
Alguns estudos observaram uma forte associação entre presença de placa visível
e cárie precoce da infância (Alaluusua & Malmivirta, 1994; Mattos-Graner et al, 1998;
Feldens, 2004; Bankel et al, 2006; Oliveira et al, 2008). Dois estudos transversais
realizados no Brasil demonstraram que crianças entre um e dois anos e meio de idade
com placa visível na superfície vestibular de incisivos superiores apresentaram
significativamente maior prevalência e severidade de cárie em relação a crianças sem
placa visível nestes dentes (Mattos-Graner et al, 1998; Feldens, 2004). Outro estudo
transversal recentemente publicado com crianças pré-escolares brasileiras de um a 5
anos (Oliveira et al, 2008) demonstrou que a chance de apresentar lesão de cárie foi
duas vezes e meia maior em crianças com placa visível em dentes anteriores (RC 2,6; IC
95%: 1,6-4,4). Além disso, estudos longitudinais têm demonstrado que, particularmente
em crianças bem jovens, a presença de placa visível é um bom preditor de saúde bucal
(Alaluusua & Malmivirta, 1994; Wendt et al, 1994).
85
Os dados acima, entretanto, devem ser interpretados cuidadosamente. Embora
placa visível seja um indicador do grau de higiene, sua presença em crianças de um ano
de idade parece estar mais associada com práticas alimentares do que com o
comportamento relatado de higiene bucal (Habibian et al, 2001).
3.5.7 Considerações finais
Embora os estudos indiquem consistência em relação a alguns fatores
analisados, poucas pesquisas tiveram delineamento longitudinal, representando
limitações para inferir-se sobre causalidade. Dentre estes, em apenas um estudo as
crianças foram acompanhadas desde o nascimento (Peres et al, 2005). Entretanto,
práticas alimentares nos primeiros anos de vida, indicadas em outras pesquisas como
relacionadas à ocorrência e severidade de cárie em crianças pré-escolares, não foram
coletadas. Em outro estudo de coorte em que as crianças foram registradas ao
nascimento e que avaliou a associação entre cárie precoce da infância e defeitos de
desenvolvimento de esmalte, as variáveis preditoras incluindo práticas alimentares
foram coletadas após a criança completar o primeiro ano de vida (Oliveira et al, 2006).
Assim, a identificação de fatores de risco para a ocorrência e severidade de cárie em
pré-escolares ainda se constitui, na atualidade, em uma importante questão de pesquisa.
Mesmo reconhecendo as limitações decorrentes de considerar estudos com
delineamentos
diversos
e
realizados
em
populações
com
caracterísiticas
socioeconômicas e comportamentais distintas, o desenho de um quadro conceitual
sumarizando os achados descritos neste capítulo pode contribuir para uma melhor
compreensão em relação à causalidade da cárie na infância. Neste sentido, a Figura 3.4
apresenta fatores de diferentes níveis descritos como associados à ocorrência deste
desfecho, selecionados a partir da presente revisão da literatura. Deve-se salientar,
86
ainda, que estudos de boa qualidade metodológica ainda não confirmam definitivamente
a importância de todos os componentes citados.
NÍVEL COMUNITÁRIO
- Adição de flúor em concentração adequada na estação
de tratamento da água de abastecimento público
NÍVEL INDIVIDUAL
Fatores socioeconômicos
Fatores
demográficos
- Escolaridade (mãe/pai)
- Renda familiar
- Sexo
- Idade
Fatores comportamentais
Dieta / 1º. ano de vida
-Aleitamento materno exclusivo
- Introdução precoce da sacarose
Dieta / anos subseqüentes
- Aleitamento materno: duração e
freqüência durante a noite
- Freqüência de ingestão de
carboidratos / sacarose
-Mamadeira: freqüência e
composição
Higiene bucal
- Idade de início de hábitos de
higiene bucal
-Freqüência com que os dentes
são escovados
Uso de flúor
-Dentifrício fluoretado:
uso e freqüência
Fatores biológicos / cavidade bucal
Dente
-Defeitos estruturais do esmalte
Microrganismos
-Composição da placa / nível de
colonização por EGM
- Presença de placa visível
Saliva
- Fluxo
- Capacidade tampão
CÁRIE NA INFÂNCIA: Ocorrência e severidade
Figura 3.4 - Modelo de determinação da ocorrência e severidade de cárie na infância.
87
3.6 - ESTRATÉGIAS DE INTERVENÇÃO CONTRA CÁRIE PRECOCE DA
INFÂNCIA
Intervenção é definida como um conjunto de ações com um objetivo coerente de
modificar ou produzir desfechos positivos identificáveis. Estas ações podem incluir
políticas, iniciativas regulatórias, estratégias específicas ou programas com múltiplos
componentes. São classificadas em intervenções coletivas, cujo objetivo é promover
saúde ou prevenir doenças em comunidades ou populações, ou intervenções em nível
individual, em que o objetivo é prevenir ou tratar doenças em indivíduos (Rychetnik et
al, 2002).
Sob o ponto de vista de saúde geral, intervenções em nível coletivo podem ter
direcionamentos diversos. Em uma perspectiva de alto risco (na língua inglesa: highrisk approach), as medidas são direcionadas para indivíduos de alto risco, detectados
por meio de testes de varredura com um bom nível de sensibilidade e especificidade
(Rose, 1992). Após sua identificação, os indivíduos de alto risco passam a ser o foco de
medidas com vistas ao controle da doença em questão. A dimensão clínica associada a
este tipo de direcionamento possivelmente contribui para sua aceitação junto a muitos
profissionais da saúde. Entretanto, o fato das ações geralmente se basearem em testes de
pouco poder preditivo e não serem direcionadas a determinantes mais importantes de
doença representa limitações destas estratégias, com implicações importantes em sua
efetividade (Batchelor & Sheiham, 2002).
Intervenções com uma perspectiva populacional (population approach)
envolvem medidas para reduzir o nível de risco de toda a população, modificando a
curva de distribuição de doença para a esquerda (Rose, 1992). Entretanto, medidas
direcionadas indiscriminadamente a toda a população podem conjugar pouco benefício
88
a alto custo, uma vez que muitos indivíduos podem ser atingidos desnecessariamente.
Além disso, estratégias populacionais podem determinar um aumento ainda maior na
desigualdade na distribuição de doenças, considerando que o benefício pode não ser
homogeneamente distribuído (Antunes & Peres, 2006).
Alguns autores têm defendido uma perspectiva populacional direcionada
(targeted ou directed population approach), em que as ações são focadas em grupos de
alto risco ou sub-populações. Neste caso, ao invés de se utilizar levantamentos para
identificação de indivíduos de alto risco, dados epidemiológicos envolvendo, por
exemplo, características socioeconômicas, são levados em consideração para definir
sub-populações de maior risco (Watt, 2005). No mesmo sentido, as metas em saúde
bucal para o ano 2.020, estabelecidas pela Organização Mundial da Saúde (OMS),
Federação Dentária Internacional (FDI) e International Association of Dental Research
(IADR) destacam, ao longo do texto, a necessidade de atenção especial aos grupos de
alto risco, considerando os valores médios e as respectivas distribuições (Hodbell et al,
2003). Esta perspectiva reconhece a desigualdade na distribuição da doença cárie e
atribui-lhe importância fundamental na compreensão da magnitude e determinação de
intervenções (Antunes & Peres, 2006).
Outro aspecto inerente à reflexão sobre definição de estratégias refere-se ao
nível de evidência científica em relação a cada agravo. A implementação de programas
de intervenção depende, em nível público e privado, das políticas estabelecidas nos
governos e instituições. As políticas, definidas como ações desenvolvidas para
influenciar decisões ou programas, têm como pressuposto a definição de objetivos
articulados a serem atingidos com medidas baseadas em evidências científicas
(Edelstein, 1998). Neste sentido, emerge uma questão central na avaliação de
89
intervenções: “quando uma evidência é suficiente para definir se um programa deve ou
não ser implementado?” (Rychetnik et al, 2002).
A falta de compreensão de forma abrangente dos mecanismos envolvidos na
ocorrência das doenças, e em particular da cárie precoce da infância, dificulta a
determinação de estratégias a serem investigadas e implementadas com vistas à
prevenção e controle em comunidades ou em indivíduos. Com exceção da adição de
flúor na água de abastecimento público, considerada uma das 10 intervenções mais
importantes de saúde pública no século XX, poucas estratégias têm sido testadas com
metodologia adequada, sendo grande parte delas baseadas na lógica de mecanismos
fisiopatológicos (Weintraub, 1998; Ismail, 2003). Este fato permite que ações isoladas
e voltadas muitas vezes para um fator específico de risco sejam implementadas, na
maioria das vezes sem efeito positivo em desfechos relevantes. Tudo isso faz com que a
qualidade das evidências que baseiam intervenções propostas para CPI seja
insatisfatória (Ismail, 2003). Isto não significa que necessariamente não funcionem, mas
que não há segurança ou embasamento para sua implementação.
Todo este quadro dificulta o direcionamento de estratégias formuladas pela
OMS para melhorar a saúde bucal, incluindo a saúde bucal infantil: (1) reduzir a carga
de doenças bucais, especialmente em comunidades carentes; (2) promover estilos de
vida saudáveis e reduzir fatores de risco que decorrem de causas ambientais,
econômicas, sociais e comportamentais; (3) desenvolver sistemas de saúde com
eqüidade que melhorem desfechos de saúde bucal e atendam à demanda; (4) integração
da saúde bucal com programas coletivos de saúde (Weintraub, 1998; Ismail, 2003).
Em relação à necessidade de diminuição de carga de doença, deve ser enfatizado
que o tratamento de lesões não é sinônimo de tratamento da doença cárie. Assim, o
90
tratamento restaurador, por si só, não é resolutivo a médio e longo prazo. A recidiva da
condição apresenta taxas superiores a um terço das crianças tratadas e inicia poucas
semanas após o tratamento (Chase et al, 2004). Desta forma, estratégias baseadas em
atenção exclusivamente restauradora tendem a gerar um ciclo repetitivo de intervenções
de alto custo sem reflexo positivo na melhora da saúde infantil (Sheiham, 2005). Este
fato, por si só, demonstra que estratégias de combate à cárie dentária devem superar
propostas baseadas em um paradigma cirúrgico-restaurador e buscar alternativas
baseadas em evidências a respeito da etiologia, prevenção e tratamento deste agravo.
Além disso, outras questões emergem quando se discute avaliação de estratégias
ou intervenções: (1) os resultados das pesquisas são aplicáveis a outros indivíduos ou
populações? (2) o sucesso detectado de uma intervenção contribuirá para diminuir ou
acentuar desigualdades, já que normalmente indivíduos com melhores recursos são
capazes de se beneficiar mais? (3) O insucesso detectado de uma intervenção é inerente
à intervenção ou deve-se a falha em sua implementação? Estas são questões importantes
da avaliação de intervenções e demonstram a complexidade desta tarefa (Schou &
Wight, 1994; Rychetnik et al, 2002; Watt, 2005).
Da mesma forma que no item relacionado aos fatores associados à CPI, é difícil
analisar separadamente intervenções que são mais ou menos abrangentes, pertencem a
diferentes níveis hierárquicos, são designadas para ação individual ou coletiva e ainda
apresentam conexões entre si. Mesmo assim, serão destacadas aquelas que mais têm
sido abordadas na literatura especializada.
91
3.6.1 Fluoretação da água de abastecimento público
A propriedade do flúor em paralisar ou reverter o início e progressão da cárie
dentária constitui-se em evidência universalmente aceita. Entre os métodos que trazem
benefício, destaca-se a água de abastecimento público, natural ou artificialmente
fluoretada, considerada uma das dez medidas principais de saúde pública no século 20
(Anonymus, 2001). A ingestão de água fluoretada em concentração adequada propicia
ação tópica do flúor, agindo diretamente nos processos de desmineralização e
remineralização na cavidade bucal. Para que este efeito seja constante, trazendo maior
impacto na redução de cárie, a fluoretação deve ser contínua e sem interrupções
(Anonymus, 2001).
Embora seja difícil avaliar o efeito de uma medida preventiva isoladamente,
sugere-se que a redução de cárie em crianças atribuível à água fluoretada pode variar
entre 14% e 60%, dependendo da disponibilidade de flúor de outras fontes (McDonagh
et al, 2000). Tais benefícios estendem-se inclusive à dentição decídua, havendo relato
de redução do índice ceo-d em crianças de 5 anos de idade, o que demonstra um papel
fundamental na prevenção e redução de cárie precoce da infância (Jones et al, 1997a;
Riley et al, 1999; McDonagh et al, 2000; Armfield & Spencer, 2004). Além disso, a
despeito de um estudo em que resultados diversos foram descritos (Peres et al, 2006), a
fluoretação das águas parece contribuir para a redução nas disparidades na experiência
de cárie entre crianças de diferentes níveis socioeconômicos, o que vai ao encontro das
propostas da OMS anteriormente descritas (Provart & Carmichael, 1995; Slade et al,
1996b; Jones et al, 1997a; Rilley et al, 1999).
O fato de uma parcela importante da população estar privada do benefício da
água fluoretada no Brasil (Brasil, MPOG, 2000) e outros países do mundo (Taylor,
92
1995) ocorre porque: (a) a fluoretação da água de abastecimento público não é uma
medida universalmente aplicada, atingindo menos de 50% da população brasileira
(Brasil, MPOG, 2000); e (b) é deficiente o controle em relação à adequação da
concentração nos municípios em que é adicionado flúor à água de abastecimento
(Narvai, 2001; Leivas, 2004). Desta forma, mais do que uma questão de pesquisa,
melhorar o acesso à água de abastecimento público e adicionar e monitorar a
concentração adequada de flúor constituem-se em políticas a serem implementadas para
que o benefício desta medida seja estendido à maioria da população.
A falta de acesso à água fluoretada em algumas comunidades baseou no passado
a indicação de flúor na forma de comprimidos ou gotas para gestantes ou bebês,
designados de suplementos de flúor pré e pós-natal, respectivamente. Em relação aos
suplementos de flúor pré-natais, há evidências claras de que não trazem benefício em
relação à prevenção da cárie dentária (Leverett et al, 1997), o que claramente contraindica sua prescrição. Já a utilização de suplementos pós-natais entre 18 meses e 6 anos
parece não proteger contra o desenvolvimento de cárie nos anos seguintes (Kalsbeek et
al, 1992). Além disso, a incerteza em relação ao risco de fluorose (Kalsbeek et al, 1992;
Ismail, 1994) e a necessidade de um alto nível de comprometimento dos responsáveis
para sua administração (Ismail, 1998) torna a indicação de suplementos pós-natais de
flúor uma medida insegura e de praticabilidade e efetividade duvidosas.
3.6.2 Utilização de flúor tópico
A observação do benefício do consumo de água fluoretada fez com que fossem
desenvolvidos, a partir da década de 50, métodos tópicos de aplicação profissional de
flúor. As concentrações utilizadas são maiores, permitindo a formação de uma camada
de fluoreto de cálcio sobre o esmalte. À medida que ocorre a queda de pH no meio
93
bucal, o fluoreto é liberado para participar ativamente diminuindo a desmineralização e
promovendo a remineralização. Assim são descritos, resumidamente, os principais
mecanismos de ação do flúor tópico (Thylstrup & Fejerskov, 1995).
A utilização tópica de flúor inclui métodos auto-aplicados, como o dentifrício
fluoretado e o bochecho com solução fluoretada e métodos de aplicação profissional,
como a utilização de gel e vernizes fluoretados. Métodos aplicados pelo profissional
normalmente envolvem maiores concentrações e menor freqüência, enquanto que
métodos caseiros usam menor concentração e alta freqüência, geralmente diária.
Com exceção do bochecho com solução fluoretada, indicado apenas para
crianças com pelo menos 6 anos em função do risco de deglutição, as demais são
alternativas importantes para a prevenção e controle da CPI, devendo ser analisadas
separadamente.
3.6.2.1 Dentifrício fluoretado
O uso de dentifrício fluoretado é universalmente aceito como a principal razão
para o declínio da cárie dentária a partir da década de 70 nos países mais desenvolvidos
(Bratthall et al, 1996). Uma vez que água fluoretada não está disponível universalmente,
dentifrícios fluoretados podem se constituir na mais importante fonte de flúor. Quando o
dentifrício é utilizado, o flúor é absorvido diretamente pela placa bacteriana (Sidi, 1989;
Duckworth & Morgan, 1991) e esmalte desmineralizado (Reintsema
et al, 1985),
aumentando também sua concentração na saliva (Bruun et al, 1984).
Ensaios clínicos sobre a utilização de dentifrício fluoretado demonstram que sua
eficácia está diretamente associada ao número de escovações por dia e à concentração
de flúor. Estudos indicam que escovar os dentes com dentifrício fluoretado duas vezes
94
ao dia é provavelmente mais efetivo do que uma vez ou menos (Ronis et al, 1993),
sendo indicadas concentrações acima de 1.000 ppmF (O’Mullane et al, 1997; Davies et
al, 2002). Há evidências também de uma relação dose-resposta entre a concentração de
flúor no dentifrício e o efeito na prevenção de lesões de cárie (Twetman et al, 2003).
A preocupação de que crianças muito pequenas poderiam ingerir quantidades
importantes de dentifrício fluoretado, resultando em fluorose dentária, baseou no
passado a recomendação de utilizar dentifrícios de baixa concentração de flúor (Bentley
et al, 1999). Entretanto, Davies et al (2002) demonstraram em um ensaio randomizado
que dentifrícios com baixa concentração de flúor (440 ppmF) não são efetivos em
prevenir ou controlar a cárie dentária em crianças de 5 anos de idade vivendo em
comunidades carentes, ao mesmo tempo em que foi observado benefício com a
concentração de 1.450 ppmF (Davies et al, 2002).
O risco de fluorose está relacionado à dose de flúor ingerida e esta é uma função
da quantidade e concentração do dentifrício. Há indicações de que a utilização de uma
quantidade semelhante ao tamanho de um grão de ervilha (até 0,25g) duas vezes ao dia
é uma conduta segura, com baixo risco de fluorose (Pendrys, 1995; Anonymous, 2001).
Assim, visando ao benefício na redução de cárie sem o efeito colateral da fluorose, a
medida mais racional parece ser proporcionar dentifrício em concentrações mais altas
controlando a quantidade de dentifrício aplicado na escova de dentes.
3.6.2.2 Géis e vernizes fluoretados
Géis e vernizes fluoretados são produtos de alta concentração indicados para
aplicação profissional em indivíduos com atividade de cárie ou comunidades de alto
95
risco. Embora não haja protocolos universalmente aceitos, a freqüência de aplicações de
ambos deve ser proporcional à atividade de cárie da criança ou da comunidade.
Os géis fluoretados apresentam-se geralmente na forma de flúor fosfato
acidulado ou fluoreto de sódio. A concentração varia de 9.000 a 12.300 ppmF e podem
ser aplicados individualmente em ambiente clínico - geralmente em pacientes com
atividade de cárie - ou em ambientes coletivos - geralmente comunidades com alta
prevalência de cárie ou com baixa ou nula exposição ao flúor de outras formas
(Anonymus, 2001).
A aplicação tópica de géis fluoretados, usados em média duas vezes ao ano, tem
demonstrado reduzir entre 20% e 25% a experiência de cárie em dentes permanentes
(Wei & Yiu, 1993; Marinho et al, 2003). Os estudos na dentição decídua são escassos e
não quantificam de forma consistente o benefício da aplicação de géis fluoretados, mas
é plausível que não haja diferenças significativas em relação ao efeito na dentição
permanente.
Verniz fluoretado é uma forma de flúor tópico de alta concentração (entre 7.000
e 22.300 ppmF) com uma base sintética ou resinosa aplicada pelo profissional em
pequena quantidade (Weintraub, 2006), permitindo aderência à superfície dentária e
lenta liberação de flúor. A maioria dos trabalhos a respeito de verniz fluoretado foi
realizada em dentes permanentes de crianças em idade escolar, tendo sido demonstrado
efeito benéfico (Bader & Shugars, 2001). Uma revisão sistemática baseada em três
ensaios clínicos com crianças maiores demonstrou uma fração prevenível de 33% no
índice ceo-s (Marinho et al, 2002).
96
Um ensaio clínico desenhado especificamente para avaliar o efeito da aplicação
de verniz fluoretado na prevenção de cárie precoce da infância detectou efeito protetor
na incidência de cárie de crianças com uma média de idade de 1,8 anos. Observou-se
também efeito dose resposta, sendo mais efetiva a aplicação duas vezes ao ano em
relação a uma aplicação única (Weintraub et al, 2006). Estes resultados referem-se a
uma população de menor nível socioeconômico, o que deve ser considerado na sua
generalização.
Uma vez que o procedimento de aplicação de verniz fluoretado é simples, rápido
e bem aceito pelos pacientes, sua utilização está especialmente indicada em crianças
menores de 3 anos, não havendo contra-indicação neste sentido (Weintraub et al, 2006).
Embora alguns trabalhos sugiram alguma superioridade do verniz com flúor, o
que estaria possivelmente associado à sua aderência à superfície dentária, lenta
liberação e maior concentração, não há evidências definitivas de superioridade.
Aplicações duas vezes ao ano de géis ou vernizes parecem determinar o mesmo efeito
benéfico (Seppä et al, 1995). Assim, a escolha do método tópico profissional está mais
relacionada às características da população e indivíduos (aplicação em ambiente
coletivo ou individual, idade e cooperação do paciente).
Recentemente foi sugerida a utilização conjunta de verniz fluoretado com
clorexidina para o controle da cárie na infância, associando desta forma a ação
remineralizadora e antimicrobiana. Amorim et al (2008) descreveram que uma
combinação destes dois agentes, aplicados alternadamente, foi mais eficaz na
remineralização de lesões incipientes na dentição decídua três meses após do que ambos
os agentes aplicados isoladamente. Se confirmada uma melhora nos desfechos clínicos a
97
médio e longo prazo, estes resultados indicam um caminho promissor para o controle da
cárie em crianças menores e diminuição da necessidade restauradora.
3.6.3 Selante de fissuras
A análise da distribuição das lesões de cárie precoce da infância demonstra que
fossas e fissuras de molares decíduos estão entre as superfícies mais atingidas em
crianças com mais de três anos de idade (Reichmann, 2006). Selantes de fissuras são
materiais à base de resina ou cimento de ionômero de vidro desenvolvidos para
bloquear mecanicamente estas superfícies e que requerem aplicação profissional em
nível individual.
Ensaios clínicos randomizados e revisões sistemáticas recentes têm indicado que
selantes são efetivos em prevenir lesões de cárie em fossas e fissuras, apresentando
superioridade em relação a outros métodos preventivos (Ahovuo-Saloranta et al, 2004;
Bravo, 2005, Hiiri et al, 2006). A aplicação de selantes de fossas e fissuras está indicada
primariamente em indivíduos e populações com risco/atividade de cárie, grupos em que
sua efetividade tem sido demonstrada (Zabos et al, 2002; Ahovuo-Saloranta et al, 2004;
Bravo, 2005, Hiiri et al, 2006).
Os dentes mais beneficiados com utilização de selantes são primeiros molares
permanentes (Bhuridej et al, 2005), que apresentam macromorfologia caracterizada por
fossas e fissuras profundas, particularmente nos anos imediatamente após a erupção
(Carvalho et al, 1989). A utilização de selantes para a prevenção de cárie precoce da
infância ainda não foi testada, não havendo evidências definitivas da efetividade em
molares decíduos (Mejare et al, 2003). Uma vez que a retenção dos selantes em molares
decíduos, uma condição para sua efetividade, não é inferior a primeiros molares
98
permanentes (Duggal et al, 1997), é provável que crianças pré-escolares consigam se
beneficiar de sua utilização (Weintraub, 1989). Entretanto, as dificuldades técnicas de
manutenção do campo seco em crianças de 3 ou 4 anos podem representar uma
limitação importante para que este método seja implementado de forma rotineira em
crianças menores (Feigal et al, 1993).
De qualquer maneira, considerando a efetividade demonstrada em primeiros
molares permanentes, avaliar a aplicação de selantes em molares decíduos de crianças /
comunidades com risco/atividade de cárie parece ser uma importante questão de
pesquisa da atualidade.
3.6.4 Prevenção da transmissão de bactérias cariogênicas
O conhecimento de que bactérias cariogênicas são transmitidas principalmente
das mães para seus bebês (Caufield et al, 1993; Li & Caufield, 1995) e que a época de
infecção influencia no risco de cárie (Tenovuo et al, 1992) tem motivado o teste de
produtos antimicrobianos com vistas a prevenir ou retardar a infecção por EGM. Em
função de suas propriedades antimicrobianas amplamente descritas na literatura, a
clorexidina é o produto mais utilizado neste sentido, podendo estar ou não associado ao
flúor (Bratthall et al, 1995). Entre as intervenções sugeridas para prevenir a infecção
destaca-se a aplicação em gestantes ou mães de bebês. Além disso, a possibilidade de
aplicação na forma de verniz, prescindindo de um rígido controle em relação à umidade,
seria um fator que indicaria sua utilização em bebês e crianças pequenas.
A utilização de fluoreto de sódio e gel de clorexidina por mães foi efetiva em
reduzir seu nível de EGM e posteriormente de seus bebês (Brambilla et al, 1998).
Entretanto, este se constitui em desfecho intermediário, não significando que desfechos
99
de real significado como redução de cárie serão obtidos. Outro estudo não randomizado,
portanto com limitações metodológicas para avaliar o efeito de uma intervenção, relatou
resultados positivos na prevenção de infecção e redução de cárie com medidas que
incluíram aplicações de flúor e clorexidina (Köhler et al, 1984). Entretanto, um estudo
longitudinal de 3 anos para avaliar a efetividade de gel de clorexidina e flúor em mães
para evitar o estabelecimento de EGM e o desenvolvimento de cáries em bebês
encontrou um impacto modesto na incidência de cárie (Tenovuo et al, 1992). Além
disso, um ensaio clínico randomizado que avaliou a efetividade de 6 aplicações de
soluções antimicrobianas à base de flúor em mães na época da erupção dentária de seus
bebês não demonstrou impacto positivo na colonização de EGM ou na incidência de
cárie em crianças (Dasanayake et al, 1993).
Mesmo que pesquisas indiquem algum benefício, poucos estudos têm sido
desenvolvidos a respeito nos últimos anos, o que está relacionado aos custos e à
cooperação e motivação requeridas para seu sucesso, sugerindo a inviabilidade de tais
programas (Ismail, 1998).
3.6.5 Estratégias de educação em saúde bucal
Educação em saúde envolve a construção do aprendizado e atitudes que
promovem saúde, compreendendo melhora no conhecimento e o desenvolvimento de
habilidades em nível individual e comunitário. Estratégias de educação em saúde podem
envolver o ambiente clínico (consultório) ou terem como palco a comunidade
(Blinkhorn, 1998), onde a atenção pode ser individual/familiar, direcionada para um
determinado grupo ou envolvendo toda a comunidade. As estratégias de educação
podem ter por objetivo aumentar o conhecimento, mudar comportamentos ou práticas e
estimular a utilização de materiais ou técnicas preventivas. Modificar comportamentos
100
relacionados à higiene bucal, práticas alimentares e utilização de flúor tem sido o foco
da maioria das estratégias de educação em saúde tradicionais.
De uma maneira geral, estratégias educativas voltadas para a prevenção de cárie
precoce da infância têm demonstrado um efeito positivo no nível de conhecimento das
mães. Entretanto, mesmo que as mães “aprendam” que determinadas práticas podem
levar à ocorrência de lesões de cárie e mantenham um bom nível de conhecimento a
respeito nos primeiros anos de vida, freqüentemente as orientações não são seguidas
(Ismail, 1998; Blinkhorn et al, 2001). Reconhecidamente, na saúde bucal como em
outros campos, uma melhora no conhecimento não implica melhora em atitudes
(Johnsen, 1982; Kay & Locker, 1996; Harrison & White, 1997; Vachirarojpisan et al,
2005).
Por outro lado, alguns programas têm descrito efeito positivo de estratégias
preventivas em práticas (Hamilton et al, 1999) ou em outros fatores associados à cárie
precoce da infância como acúmulo de placa bacteriana (Kay & Locker, 1996).
Entretanto, estes se constituem em desfechos intermediários e podem não repercutir na
ocorrência de cárie. Vachirarojpisan et al (2005) avaliaram uma estratégia de orientação
de higiene e uso de dentifrício em um ensaio clínico randomizado com 520 mães de
crianças de 6 a 19 meses de 21 centros da Tailândia. Embora tenha sido detectada
melhora nas práticas de higiene com o programa de orientações, não houve diferença no
incremento de cárie entre os grupos. Da mesma forma, Petersen et al (2004) observaram
que um projeto de promoção de saúde em escolas da China (WHO health promoting
schools project) trouxe efeitos benéficos na higiene, consumo de doces e índice de
sangramento gengival, mas sem redução nos níveis de cárie dentária. Pode-se afirmar
101
que as estratégias que visam à mudança de comportamento, de uma maneira geral, não
têm demonstrado efeito positivo na redução de cárie precoce da infância.
Além disso, deve-se destacar que alguns programas de educação em saúde
descrevem melhoras em desfechos relevantes em estudos não randomizados. Kowash et
al (2000) avaliaram a efetividade de um programa de visitas trimestrais às residências
durante os primeiros três anos de vida que envolvia orientação de dieta e orientação de
higiene com dentifrício fluoretado, separadamente ou de forma combinada. Embora os
resultados tenham demonstrado menor prevalência de cárie em relação ao grupo
controle, o fato deste último não ter características basais semelhantes aos grupos de
intervenção dificulta a generalização dos resultados (Kowash et al, 2000). Gomez et al
(2001) avaliaram o efeito de um programa pré-natal e pós natal de prevenção em 180
crianças de um a três anos e meio de idade em Valparaíso (Chile) e detectaram menor
prevalência de cárie no grupo intervenção. Davies et al (2005) compararam 2 distritos
em Manchester (Inglaterra) e relataram menor prevalência de cárie no grupo
intervenção a partir de um programa de promoção de saúde que envolvia orientação de
dieta e entrega de materiais como pasta e escova de dentes. Wennhall et al (2005)
compararam 804 crianças de 2 anos que foram submetidas a um programa de orientação
de higiene e utilização de flúor com 217 crianças de uma população de referência na
Suécia. Os autores descreveram que o programa diminuiu vários fatores de risco e a
prevalência de cárie. Estudo longitudinal no Brasil demonstrou que crianças de 3 anos
de idade que freqüentam creches que utilizam diretrizes para redução do consumo de
açúcar tiveram significativamente menos cárie do que crianças de creches tradicionais
(Rodrigues & Sheiham, 2000).
102
Todos estes estudos, como tantos outros, apresentam em comum o fato de que os
grupos intervenção e controle foram definidos por conveniência ou, mesmo que
sorteados, possuem presumivelmente características diferentes entre si, uma vez que os
indivíduos são de comunidades distintas. Este fato indica falta de comparabilidade entre
os grupos, o que se constitui em uma limitação fundamental quando se avalia a
efetividade de uma intervenção (Fletcher et al, 1996; Rothman & Greenland, 1998). Da
mesma forma, estudos que concluem pela não efetividade de determinados programas
comparando grupos não randomizados devem ser considerados com reserva. É possível
que aspectos metodológicos possam explicar, ao menos em parte, os resultados
descritos.
Considerando a
adequação
do
delineamento,
dois
estudos
avaliaram
recentemente a efetividade de intervenções de educação em saúde na prevenção de cárie
precoce da infância comparando grupos randomizados. Weinstein et al (2006) avaliaram
240 crianças descendentes de asiáticos (Surrey, Canadá) de 6 a 18 meses de idade em
que a intervenção consistiu em um protocolo de entrevista motivacional com
aconselhamento (motivational interviewing) e 6 ligações telefônicas de reforço durante
12 meses para orientar em relação à dieta, práticas de higiene e necessidade de consulta
profissional para uso de flúor. As mães do grupo controle receberam orientações
tradicionais de educação em saúde. Os autores observaram menor incidência de CPI no
grupo intervenção após 2 anos do início do programa. Entretanto, indicaram que o
possível caminho pelo qual a intervenção obteve resultados positivos foi a maior adesão
das famílias a programas de utilização de flúor, que fazia parte da intervenção. A
integração de estratégias clínicas e educativas dificulta a identificação do mecanismo
pelo qual eventuais resultados positivos são obtidos.
103
Feldens et al (2007) avaliaram, por meio de um ensaio de campo randomizado, a
efetividade da um programa de orientação nutricional implementado durante o primeiro
ano de vida na ocorrência de cárie precoce da infância em crianças de 1 ano de idade.
As recomendações nutricionais, detalhadas no item 3.7 da presente tese, consistiam nos
Dez Passos para uma Alimentação Saudável e se baseavam no Guia Alimentar para
Crianças Menores de 2 anos (Brasil, MS, 2002b), uma iniciativa do Ministério da Saúde
do Brasil e da Organização Panamericana de Saúde (OPAS). Entre as práticas
potencialmente protetoras para cárie precoce da infância, estas recomendações incluíam
estímulo ao aleitamento materno e orientações para retardar a introdução do açúcar e
evitar alimentos doces e mamadeiras durante o primeiro ano de vida. A chance de
apresentar cárie dentária com um ano de idade foi 48% menor no grupo intervenção
(RC 0,52; IC 95% 0,27-0,97), demonstrando a efetividade do programa. Além disso, a
severidade de cárie, medida pelo índice ceo-d, também foi significativamente menor nas
crianças cujas mães receberam orientação nutricional. O grupo intervenção apresentou
menores freqüências de práticas cariogênicas, o que não garante que tenha sido este o
mecanismo pelo qual a intervenção foi efetiva. Além disso, deve-se considerar que a
redução de cárie no grupo intervenção pode não se manter nos anos seguintes, havendo
necessidade de avaliar os resultados deste programa a longo prazo (Feldens et al, 2007).
Deve-se ainda destacar que o objeto da intervenção anteriormente descrita aconselhamento nutricional e dietético - tem sido apontado como um dos grandes
desafios para a Organização Mundial de Saúde com vistas à melhora de desfechos em
saúde geral e saúde bucal (Petersen, 2003). Entre outros fatores, destaca-se a
racionalidade de que melhores práticas alimentares representam a redução de fatores de
risco tradicionalmente associados a doenças crônicas.
104
3.6.6 Barreiras para a implementação de estratégias
Tem sido postulado que o sucesso nas estratégias de educação em saúde só é
possível se houver uma apreciação das barreiras de acesso e de aceitação das
orientações e dos cuidados (Freeman, 1999). Entre as barreiras destaca-se a falta de
recursos direcionados para a saúde, sem o que nenhuma proposta para melhora na saúde
física, mental e social das crianças pode ser obtida (Acs et al, 1992; Horowitz, 1998a).
Entretanto, é possível que a destinação de recursos, por si só, não tenha o efeito
desejado na melhora das condições de saúde bucal. Há outros fatores, com relação
direta ou indireta com recursos, que devem ser mencionados separadamente:
(1) Não reconhecimento da CPI como problema
Os profissionais da Odontologia não têm uma visão clara do que representa a
CPI, incluindo o conhecimento em relação à possibilidade de prevenção. Ao mesmo
tempo, outros profissionais da saúde não reconhecem a doença como um problema
importante que atinge crianças. Com efeito, a população em geral não reconhece a CPI
como um problema a não ser que alguma criança das relações tenha experienciado tal
condição. Por exemplo, ao mesmo tempo em que 90% dos estudantes universitários nos
Estados Unidos já ouviram falar da síndrome da morte súbita, menos de 40%
reconheciam ter ouvido falar de CPI (Logan et al, 1996). Este fato parece ter
implicações importantes. Conforme Wendt et al (1992), uma das razões pelas quais as
intervenções comportamentais não têm produzido resultado é que mães ou responsáveis
não conseguem introduzir ou manter comportamentos saudáveis que não são
compartilhados pela comunidade na qual estão inseridos. Assim, será difícil obter
resultados positivos se os grupos locais não reconhecerem e aceitarem como importante
a saúde bucal, incluindo a necessidade de práticas saudáveis para o controle da doença.
105
(2) Estratégias superadas de intervenção
Grande parte das intervenções propostas de educação em saúde propõe o “ensino
de comportamentos saudáveis” a partir do “conhecimento do profissional”. Geralmente
tais modelos são os que melhoram conhecimentos imediatos sem melhora em atitudes
ou desfechos relevantes. Mais do que uma participação passiva, entre os modelos mais
recentes de educação de saúde tem se sugerido a necessidade de métodos participativos,
em que os membros da comunidade tornam-se agentes da melhora na saúde (Laverack
et al, 1997; Horowitz, 1998a; Ismail, 2003). O treinamento de educadores da própria
comunidade, que reconheçam crenças e práticas comuns e compreendam como superar
dificuldades inerentes à cultura local pode trazer uma contribuição significativa neste
sentido (Laverack et al, 1997; Ismail et al, 2003).
Outra barreira nítida que demonstra o esgotamento dos modelos atuais é que, de
uma maneira geral, não há planos integrados de combater as questões sociais, de saúde,
nutricionais e econômicas que atingem famílias de baixo nível socioeconômico.
Estratégias isoladas que tenham por objetivo exclusivo a melhora da saúde bucal
apresentam menores probabilidades de sucesso.
Tem sido argumentado que o entendimento da cárie precoce da infância como
um problema “dentário” ou da Odontologia limita significativamente o interesse que
esta condição desperta, tanto pela comunidade científica como pelos indivíduos em
geral (Edelstein, 1998; Davies, 1998). Considerar a CPI como um problema de saúde
geral permite que sua ocorrência integre outros agravos cuja diminuição se constitua em
metas de programas. Neste sentido, a compreensão de que os agravos à saúde infantil,
incluindo a cárie precoce da infância, compartilham os mesmos fatores de risco, tem
indicado estratégias interdisciplinares de educação em saúde. Desta forma, intervenções
106
integradas poderiam repercutir positivamente em diferentes desfechos (Stevenson et al,
1994; Sheiham, 2005; Vítolo et al, 2005).
(3) Limitação no fomento de pesquisas relacionadas a CPI
O limitado orçamento para pesquisas em epidemiologia, etiologia, prevenção e
tratamento da CPI representa um dos fatores que tem dificultado o planejamento e
implementação de pesquisas de fatores de risco e de intervenções para prevenção desta
condição (Ripa, 1988; Edelstein, 1998). Como conseqüência, uma parte significativa
das pesquisas têm utilizado amostras pequenas, menos pessoal, menor tempo de
acompanhamento ou um delineamento inadequado para a questão de pesquisa. Tais
circunstâncias têm claras implicações nos resultados obtidos e nas limitações de sua
utilização. Além disso, a escassez de estudos randomizados que demonstre efetividade
de programas de intervenção na redução de CPI impede ou ao menos dificulta a
possibilidade de estudos de custo-efetividade, em que o custo e benefício de estratégias
são comparados. Estratégias descritas como tendo melhor relação de custo-efetividade,
como visitas às residências para educação em saúde (Kowash et al, 2006), necessitam
ser testadas em estudos randomizados para permitir a generalização de seus resultados.
(4) Complexidade das intervenções necessárias
O aspecto comportamental da CPI confere uma dimensão extremamente
complexa para a definição de estratégias de prevenção. Uma vez que CPI atinge bebês e
crianças bem jovens, é necessário que se promovam modificações nas práticas de seus
responsáveis, que muitas vezes são reproduzidas a cada geração (Horowitz, 1998a).
Além disso, é mais difícil realizar intervenções de educação em saúde em
comunidades de baixa renda e/ou escolaridade, em que a doença é mais prevalente
107
(Davies et al, 2005). Na maioria dos países em desenvolvimento, as crianças que
freqüentam pré-escolas, onde o acesso seria facilitado, não são representativas da
comunidade em geral (Davies et al, 2005).
Por fim, é plausível que estratégias de desenvolvimento da comunidade,
incluindo melhora nos indicadores socioeconômicos associados à doença, como
escolaridade materna, possa ter um impacto positivo na saúde infantil, incluindo a cárie
precoce da infância (Ismail, 1998). Entretanto, não há estudos publicados que avaliem
tal impacto.
3.6.7 Política Brasil Sorridente: novas perspectivas?
A Política Nacional de Saúde Bucal “Brasil Sorridente” contempla, em suas
linhas de ação, a reorganização da Atenção Básica, com destaque para a estratégia de
Saúde da Família, e da Atenção Especializada, com ênfase para a implantação de
Centros de Especialidades Odontológicas (Brasil, 2008). A estratégia de Saúde da
Família, anteriormente designada de Programa de Saúde da Família (PSF), faz parte de
um projeto mais amplo do Ministério da Saúde do Brasil para o aprimoramento do
Sistema Único de Saúde (SUS) com vistas à maior efetividade e eqüidade em relação a
desfechos em saúde. Este projeto visa à ampliação do acesso aos serviços de saúde,
contribuindo para a universalização do cuidado em um contexto de recursos limitados
(Stein & Harzheim, 2006).
De uma maneira geral, as equipes de saúde da família representam uma
estratégia de reorientação do modelo assistencial por meio da implantação de equipes
multiprofissionais em unidades básicas. Estas são responsáveis pelo acompanhamento
de um determinado número de famílias, circunscritas a uma área definida. Tais equipes
108
estão designadas a intervir sobre fatores de risco presentes na comunidade, prestar
assistência de qualidade, realizar atividades de educação e promoção da saúde, além de
realizar ações de recuperação e reabilitação dos agravos mais freqüentes (Brasil, 2008).
A implantação da estratégia de saúde da família já determinou impacto em desfechos
relevantes. Entre 1990 e 2002, foi observado um declínio nas taxas de mortalidade
infantil de 49,7 para 29,9 por 1000 nascidos vivos. Neste período, a cobertura da
estratégia de Saúde da Família aumentou de 0% para 36%, tendo sido relatado que um
acréscimo de 10% na cobertura esteve associado com um decréscimo de 4,5% na
mortalidade infantil, após controle para outros determinantes de saúde (Macinko et al,
2006).
Desde 2000, o modelo ampliado da equipe de saúde da família incorpora o
cirurgião-dentista, auxiliar de consultório dentário e um técnico em higiene dental, com
o objetivo de propiciar educação em saúde e atendimentos de menor complexidade
(Brasil, 2007). Este redirecionamento da atenção odontológica tem sido considerado
uma ótima oportunidade de romper com os modelos tradicionais de assitência em saúde
bucal, caracterizados por tecnicismo e curativismo, já que a estratégia de Saúde da
Família articula propostas com base na integralidade, tendo como princípio a busca
ativa de famílias para promoção de saúde (Matos & Tomita, 2004; Souza & Roncalli,
2007).
O impacto desta política na saúde bucal a médio e longo prazo ainda não foi
avaliado. Embora a perspectiva seja de melhora no quadro epidemiológico da população
brasileira, indicando a necessidade de sua consolidação, alguns problemas têm sido
relatados e devem ser foco de reflexão e correções: (a) falta de propostas
institucionalizadas e integradas ao sistema de saúde dos municípios, com os programas
109
dependendo de iniciativas pessoais e isoladas. (b) relações de trabalho dos profissionais
com os municípios muitas vezes baseados em contratos temporários ou informais; (c)
inadequação dos sistemas de referência e contra-referência em vários municípios; (d)
ações intersetoriais limitadas a mutirões ou palestras, (e) atividades de educação em
saúde realizadas normalmente nas escolas, o que pode reproduzir a exclusão de modelos
anteriores; (f) falta de critérios e controle da eficácia de medidas como aplicações de
flúor e escovação supervisionada (Souza & Roncalli, 2007).
Além disso, o princípio da integralidade, em que todos os níveis de
complexidade do tratamento deveriam estar sendo oferecidos à população, parece não
estar sendo suprido em muitos municípios (Souza & Roncalli, 2007). Além de
problemas de implantação do próprio sistema, os Centros de Especialidades
Odontológicas, designados para o atendimento especializado, não incluem a
Odontopediatria entre as áreas contempladas. Isso dificulta ou impede o atendimento de
maior complexidade em crianças, representando um particular problema em relação à
cárie precoce da infância.
O próprio Ministério da Saúde reconhece algumas destas questões como
desafios institucionais para expansão e qualificação da atenção básica no país. Revisões
no modelo de atenção devem considerar ainda algumas particularidades inerentes à
própria prática da Odontologia, das quais duas merecem referência: (a) a necessidade de
utilização de tecnologias duras na atenção básica, o que tem se constituído em problema
em muitos municípios (Souza & Roncalli, 2007); (b) recursos humanos cuja formação
foi baseada, majoritariamente, em um modelo anterior de atuação do profissional de
saúde bucal. Em relação a esta última questão, a articulação entre o ensino superior e a
saúde, materializada nas novas Diretrizes Curriculares com vistas à formação de um
110
profissional com formação mais integral na promoção, prevenção e reabilitação da
saúde, indica boas perspectivas para a gradativa transformação deste quadro (Matos &
Tomita, 2004).
3.6.8 Considerações finais
A análise da efetividade de diferentes estratégias para a prevenção e controle da
cárie precoce da infância demonstra que até o momento não há um método definitivo
que possa resolver ou ao menos reduzir de forma significativa a ocorrência e severidade
a médio e longo prazo. Reduções importantes na magnitude e transcendência da CPI e
CSI pressupõem, primeiramente, o delineamento de estudos que determinem a real
efetividade de intervenções (Horowitz, 1998b; Ismail, 1998). Estas pesquisas devem ser
desenvolvidas e medidas preferentemente no “mundo real”, tendo por base a
comunidade, exatamente para quem os dados necessitam ser extrapolados e onde as
estratégias devem ser implementadas (Edelstein, 1998; Horowitz, 1998b; Ismail, 2003).
Da mesma forma, programas de atenção à saúde em curso em diferentes comunidades
devem ser constantemente monitorados em relação à sua efetividade. Mais do que isso,
a estimativa de “resultado” é apenas parte da avaliação da qualidade na atenção à saúde
de programas implementados em uma população (Antunes & Peres, 2006). Para que
políticas e programas sejam equânimes e com custos suportáveis, definindo uma boa
qualidade de atenção à saúde, devem ser levados a efeito também: (a) avaliação de
estrutura, correspondendo a recursos humanos e materiais para que cada nível de
atenção seja atendido; e (b) avaliação de processo, em que, entre outros fatores, destacase a importância de aferir a integralidade de ações (Antunes & Peres, 2006). Entretanto,
não há registro de estudos avaliando conjuntamente estrutura, processo e resultado para
os sistemas de atenção em saúde bucal.
111
Outro aspecto a ser destacado é que, na atualidade, já há consenso de que
estratégias isoladas determinam apenas efeitos limitados a curto prazo, podendo ainda
contribuir para um aumento nas desigualdades em saúde (Schou & Wight, 1994;
Sheiham & Watt, 2000). Desta forma, tem se preconizado o desenvolvimento e
implementação de um rol de estratégias complementares para promover saúde que
tenham demonstrado algum grau de efetividade (WHO, 1986; Ismail, 1998). Nesta linha
de argumentação, contribui o reconhecimento de que as doenças bucais apresentam
fatores de risco em comum com outras doenças crônicas, reforçando a plausibilidade de
intervenções integradas (Sheiham & Watt, 2000; Petersen, 2003).
Assim, profissionais da Odontologia devem reconhecer que os resultados serão
absolutamente limitados se não houver integração (a) com profissionais de saúde de
outras áreas, incluindo médicos, nutricionistas, enfermeiros, psicólogos, higienistas e
educadores em geral; (b) com líderes e representantes comunitários, organizações
voltadas ao desenvolvimento da criança e líderes políticos (Ismail, 1998). Todo este
processo de intersetorialidade deve ser construído, evidentemente, a partir do modelo de
atenção à saúde nos diferentes países, regiões ou comunidades, integrando todos os
atores envolvidos, como o setor público, privado e sociedade civil.
No Brasil, a reorientação do modelo assistencial com a implantação da estratégia
de Saúde da Família já demonstrou impacto em desfechos relevantes. Emboras algumas
avaliações iniciais indiquem a necessidade de correções de rumo, esta parece ser a via
adequada para a melhora de desfechos de saúde bucal na população. Para este fim,
políticas de saúde bucal não devem ser isoladas, o que pode ser reafirmado a partir da
constatação de que os municípios com um perfil insatisfatório do modelo assistencial de
saúde bucal são os mesmos que apresentam menor renda per capita, maior
112
analfabetismo, maior mortalidade infantil e menor esperança de vida (Souza & Roncalli,
2007). Este quadro demonstra que, com vistas à melhora de saúde bucal da população, a
oferta de serviços é apenas parte de um sistema macro que deve incluir melhor
distribuição de oportunidades de emprego, renda e educação.
Assim, a implementação de estratégias efetivas envolve também o
reconhecimento da dimensão integral da saúde e da dimensão política associada à
solução de problemas (Ismail, 1998; Sheyham, 2005).
113
3.7 - UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO CONTRA CÁRIE PRECOCE DA
INFÂNCIA
Os Dez Passos para uma Alimentação Saudável, baseado no Guia alimentar para
crianças menores de 2 anos, representam a base da intervenção do presente estudo com
vistas à redução da ocorrência e severidade de cárie na infância. Em função disso,
aspectos referentes à sua elaboração, difusão e conteúdo são sumarizados a seguir.
3.7.1 Guia alimentar para crianças menores de 2 anos
O “Guia alimentar para crianças menores de 2 anos”, publicação do Ministério
da Saúde do Brasil a partir de recomendações da Organização Pan-Americana de Saúde
/ Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS), compilou evidências científicas sobre
alimentação de crianças no início da vida e apresentou os Dez Passos para uma
Alimentação Saudável (Brasil, MS, 2002b). Representando um instrumento que adapta
conhecimentos científicos em mensagens práticas, o Guia foi elaborado por
profissionais de saúde de todo o Brasil vinculados a ensino, pesquisa e serviços de
saúde e é dirigido a trabalhadores da saúde e educação, gestores, professores da rede de
ensino e universitários, bem como à agroindústria.
O Guia teve como base científica: (a) uma ampla revisão de literatura
internacional, fundamentada nos anais da reunião OMS / UNICEF sobre alimentação
complementar realizada em Montpellier (França) em 1995 e publicada em 1998 (WHO,
1998); (b) levantamento de informações regionais relativas à situação nutricional de
crianças pequenas, incluindo percepções, crenças e tabus a respeito de práticas
alimentares.
114
A aplicação das recomendações contidas no Guia tem por objetivo contribuir
para a melhoria da alimentação de crianças nos seguintes níveis:
(1) individual - estimulando práticas alimentares que promovam o crescimento e
desenvolvimento saudável, respeitando os aspectos culturais de cada comunidade;
(2) institucional - subsidiando o planejamento de políticas e programas de alimentação e
nutrição por meio de profissionais de educação e saúde, em suas respectivas
instituições;
(3) industrial - fornecendo informações e incentivando a produção de alimentos
saudáveis e o aprimoramento dos alimentos comercializados.
Com vistas à operacionalização das recomendações por profissionais e agentes
comunitários de saúde, foi elaborada uma versão resumida e ilustrada do Guia,
intitulada “Dez Passos para uma Alimentação Saudável - Guia Alimentar para Crianças
Menores de 2 anos” (Brasil, MS, 2002a). O conteúdo desta publicação é apresentado de
forma sintética no item 3.7.2.
3.7.2 Os Dez Passos para uma Alimentação Saudável
São sumarizados a seguir os Dez Passos Passos para uma Alimentação Saudável,
seguidos de uma breve justificativa e/ou argumentação.
115
Passo 1
Dar somente leite materno (LM) até os seis meses, sem oferecer água, chás
ou qualquer outro alimento.
A motivação da mãe e uma correta orientação em relação ao aleitamento materno exclusivo
(AME) e problemas comumente apresentados representam importantes fatores para o sucesso
deste passo.
Entre os problemas mais apresentados pelas mães e que interrompem o ciclo de AME
destaca-se o oferecimento de chás, água ou outro alimento. Isto normalmente ocorre porque:
a) mães acham que a criança está com sede;
b) para diminuir as cólicas;
c) para acalmar a criança;
d) mães consideram que o leite é fraco ou pouco (não sustentando a criança).
Há necessidade de orientar a mãe sobre os seguintes aspectos:
1. O leite dos primeiros dias após o parto (colostro) é produzido em pequena quantidade e é o
ideal para os primeiros dias de vida pelo alto teor de proteínas.
2. O leite materno possui tudo que o bebê necessita até completar o 6º mês de vida, inclusive
água. A oferta de chás: (a) é desnecessária; (b) fará que o bebê mame menos leite (o
volume do chá substitui); (c) representa um meio de contaminação que aumenta o risco de
doenças; (d) se for usada mamadeira, o bebê engolirá mais ar, formará mais gases e terá
mais cólicas; (e) confusão de bicos, dificultando a pega correta.
3. Pega errada prejudica o esvaziamento de toda a mama, impedindo que o bebê mame o
leite posterior (final da mamada) que é rico em gordura, diminuindo a saciedade e
encurtando os intervalos entre as mamadas. Com isso a mãe pode imaginar que o leite é
fraco. Intervalos mais curtos entre as mamadas levam ao aumento da fermentação da
lactose (açúcar do leite), agravando as cólicas do bebê.
4. O não esvaziamento completo das mamas pode diminuir a produção de leite por aumento
da concentração de substâncias inibidoras da produção do leite.
Passo 2
•
•
•
•
•
•
•
A partir dos seis meses, introduzir de forma lenta e gradual outros
alimentos, mantendo o leite materno até os dois anos de idade.
Algumas características da criança a partir dos 6 meses são importantes:
As necessidades nutricionais da criança já não são mais atendidas só com o leite materno a
partir dos 6 meses.
A partir de então a criança já apresenta maturidade fisiológica e neurológica para receber
outros alimentos (semi-sólidos): não há mais o reflexo de protrusão da língua; já são
produzidas as enzimas digestivas para essa nova fase; o pescoço não tomba mais.
O leite materno continua a alimentar e proteger a criança após os 6 meses.
Com a introdução de alimentos complementares (AC), deve ser oferecida água nos
intervalos.
AC especialmente preparados para a criança são chamados de alimentos de transição. A
partir dos 8 meses a criança já pode receber os alimentos preparados para a família, desde
que amassados, triturados ou em pequenos pedaços e sem temperos picantes.
Introdução de AC deve ser lenta e gradual. Mãe deve ser alertada em relação ao fato de
que a criança tende a rejeitar as primeiras ofertas.
AC é para complementar e não substituir as mamadas.
116
Passo 3
•
•
•
AC são constituídos pela maioria dos alimentos básicos que compõem a alimentação do
brasileiro. AC como refeição básica, 3 vezes ao dia, no primeiro ano de vida, vão
contribuir para o fornecimento de energia, proteína e micronutrientes, além de preparar a
criança para a formação de hábitos alimentares futuros.
Se a criança estiver desmamada, a oferta de AC deve ser de 5 vezes ao dia a partir dos 6
meses.
É importante oferecer carnes e vísceras pela diminuição de absorção do ferro do leite
materno (que ocorre quando a criança começa a receber outro tipo de alimento).
Passo 4
•
•
•
•
•
•
Alimentação complementar deve ser oferecida sem rigidez de horários,
respeitando-se a vontade da criança.
Crianças amamentadas desenvolvem cedo a capacidade de autocontrole sobre a ingestão
de alimentos, segundo suas necessidades, pelo aprendizado: (a) da saciedade após a
comida; (b) da sensação fisiológica de fome, durante o período de jejum.
A mãe deve procurar distinguir o desconforto resultante de fome daqueles causados por
outros fatores como sede, fraldas sujas e molhadas, calor ou frio, necessidade de carinho e
presença da mãe/pai. Desta forma, não deve oferecer alimentos a toda hora, o que inclui
situações em que a criança não tem fome.
Há um ciclo vicioso que envolve: preocupação dos pais com quantidade que os filhos
necessitam comer/ oferecimento de volume maior que a capacidade gástrica/ recusa da
criança/ aumento da ansiedade dos pais. Isto pode ser mais adiante fator de risco para
ingestão alimentar excessiva e sobrepeso.
O tamanho da refeição está relacionado positivamente com intervalos entre as refeições:
grandes refeições estão associadas a longos intervalos e vice-versa.
Passo 5
•
Após seis meses, dar alimentos complementares (cereais, tubérculos,
carnes, leguminosas, frutas, legumes) 3 vezes ao dia se a criança recebe LM
e 5 vezes ao dia se estiver desmamada.
Alimentação complementar deve ser espessa desde o início e oferecida com
colher; começar com consistência pastosa (papas/purês) e, gradativamente,
aumentar a consistência até chegar à alimentação da família.
Dietas mais espessas e consistentes apresentam maior densidade energética (caloria/g de
alimento) do que as dietas diluídas como sucos e sopas. Está contra-indicado uso de
liquidificador e peneiras.
Introdução de AC espessa estimula a criança nas funções de lateralização da língua e
reflexo de mastigação.
A partir dos 8 meses a criança que recebe papas com consistência espessa vai desenvolver
melhor a musculatura facial e capacidade de mastigação, aceitando com maior facilidade a
alimentação da família. Feijão, arroz, carne cozida desfiada e legumes podem ser
oferecidos.
117
Passo 6
•
•
•
•
Oferecer à criança diferentes alimentos ao dia. Uma alimentação variada é
uma alimentação colorida.
Os nutrientes estão distribuídos nos alimentos de forma variada. São classificados em
grupos, de acordo com o nutriente que apresenta maior quantidade.
Todos os dias devem ser oferecidos alimentos de todos os grupos, variando os alimentos
dentro de cada grupo (pois podem ser fonte de diferentes nutrientes). A oferta de
diferentes alimentos, como frutas e papas salgadas, vai garantir o suprimento de todos os
nutrientes necessários ao crescimento e desenvolvimento normais.
Carnes e fígado contêm ferro inorgânico de alto aproveitamento biológico e facilitam a
absorção de ferro inorgânico dos vegetais e outros alimentos, mesmo que em pequenas
porções.
Feijões e leguminosas também são importantes fontes de ferro inorgânico.
Passo 7 Estimular o consumo diário de frutas, verduras e legumes nas refeições.
•
•
Frutas e hortaliças (legumes e verduras) são as principais fontes de vitaminas, minerais e
fibra.
Técnicas inadequadas: (a) desistir de oferecer alimentos que a criança não aceitou bem nas
primeiras vezes, imaginando que a criança não os aprecia; (b) misturar vários alimentos,
comumente liquidificados; (c) substituir refeição por bebidas lácteas quando a criança
recusa o novo alimento (mesmo pequena, está demonstrado que a criança se condiciona ao
oferecimento de um substituto para a alimentação recusada).
Passo 8
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
Evitar açúcar, café, enlatados, frituras, refrigerantes, balas, salgadinhos e
outras guloseimas nos primeiros anos de vida. Usar sal com moderação.
A adição de açúcar é desnecessária e pode ser evitada nos 2 primeiros anos, mesmo que
haja demonstração científica de que a criança nasce com preferência para o sabor doce.
Introduzir açúcar precocemente faz a criança se desinteressar por cereais, verduras e
legumes, alimentos que têm outros sabores.
A oferta de café, enlatados e refrigerantes no primeiro ano de vida pode irritar a mucosa
gástrica do bebê, que é mais sensível. Além disso, estas substâncias têm baixo valor
nutricional e seu consumo pode comprometer a digestão e absorção dos nutrientes.
Alimentos industrializados, enlatados, embutidos, frituras, com sal em excesso, aditivos e
conservantes artificiais devem ser evitados. Sal deve ser usado apenas nas papas salgadas.
Frituras são desnecessárias, especialmente nos primeiros anos de vida. O óleo de frituras
sofre superaquecimento, liberando radicais livres que são prejudiciais à mucosa intestinal
do bebê e, a longo prazo, tem efeitos danosos sobre a saúde.
O mel é totalmente contra-indicado no primeiro ano de vida pelo risco de contaminação
com o Clostridium botulinum.
A criança pequena não deve experimentar todos os alimentos da família, como iogurtes
industrializados, queijinhos petit suisse, macarrão instantâneo e salgadinhos.
Irmãos maiores devem ser orientados a não oferecerem doces, sorvetes e refrigerantes
para a criança pequena.
Bebidas como sucos e refrescos não devem substituir os alimentos sólidos nem o leite
materno. Qualquer líquido deve ser oferecido sempre após as refeições. Chá preto, chá
mate, café e mate reduzem a absorção de ferro: não devem ser oferecidos próximos às
refeições.
Assim, NÃO DEVEM SER OFERECIDOS à criança pequena: refrigerantes, produtos
industrializados com conservantes e corantes artificiais, doces industrializados, café, chás,
frituras, alimentos muito salgados ou adocicados.
118
Passo 9
•
•
•
A introdução de alimentos além do LM expõe a criança a microrganismos patogênicos. A
introdução da AC aumenta a possibilidade de doenças diarréicas, que são uma importante
causa de morbidade e mortalidade em crianças pequenas.
Os maiores problemas são a contaminação da água e alimentos durante sua manipulação e
preparo, inadequada higiene pessoal e dos utensílios, alimentos mal cozidos e conservação
dos alimentos em temperatura inadequada.
O uso de mamadeira representa um risco de contaminação do alimento pela dificuldade de
limpeza adequada.
Passo10
•
•
•
•
Cuidar da higiene no preparo e manuseio dos alimentos; garantir o
armazenamento e conservação adequados.
Estimular a criança doente a se alimentar, oferecendo sua alimentação
habitual e seus alimentos preferidos, respeitando sua aceitação.
Criança com infecção ingere menos alimentos pela falta de apetite, pelos vômitos ou
cólicas, e gasta mais energia pela febre e aumento na produção de hormônios e anticorpos.
Aumenta o catabolismo de proteínas com perdas significativas de nitrogênio pela via
urinária e, nos casos de diarréia, perdas gastrintestinais de energia e micronutrientes.
Episódios freqüentes de infecção podem levar a atraso no desenvolvimento e a
deficiências nutricionais (vitamina A, zinco e ferro). Estes fatores aumentam a
vulnerabilidade a novos episódios de infecção, formando um ciclo vicioso que vai
comprometer o estado nutricional.
O AM é a prática mais eficiente para prevenção de infecções, limitando efeitos negativos
e fornecendo agentes imunológicos eficazes e micronutrientes que são melhor absorvidos
e aproveitados.
A prioridade dietética para a criança doente é a manutenção da ingestão adequada de
calorias, utilizando alimentos complementares pastosos ou em forma de purês com alta
densidade energética.
119
3.8 - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DA REVISÃO DE LITERATURA
1. Acs G, Lodolini G, Kaminsky S, Cisneros GJ. Effect of nursing caries on body weight
in a pediatric population. Pediatr Dent. 1992;14:302-5.
2. Acs G, Pretzer S, Foley M, Ng MW. Perceived outcomes and parental satisfaction
following dental rehabilitation under general anesthesia. Pediatr Dent. 2001; 23:419-23
3. Aerts D, Drachler Mde L, Giugliani ER. Determinants of growth retardation in Southern
Brazil. Cad Saude Publica. 2004;20:1182-90.
4. Ahovuo-Saloranta A, Hiiri A, Nordbald A et al. Pit and fissure sealants for preventing
dental decay in the permanent teeth of children and adolescents. Cochrane Database
Syst Rev 2004; (3): CD001830.
5. Alaluusua S, Malmivirta R. Early plaque accumulation - a sign for caries risk in young
children. Community Dent Oral Epidemiol. 1994;22:273-6.
6. Alaluusua S, Renkonen OV. Streptococcus mutans establishment and dental caries
experience in children from 2 to 4 years old. Scand J Dent Res. 1983; 91:453-7.
7. Al-Dashti AA.; Williams SA; Curzon ME. Breast feeding, bottle feeding and dental
caries in Kuwait, a country with low-fluoride levels in the water supply. Community
Dent Health. 1995; 12:42-47.
8. Al Ghanin NA, Adenubi JO, Wyne AA, Khan NB. Caries prediction model in preschool children in Riyadh, Saudi Arabia. Int J Paediatr Dent. 1998; 8:115-22.
9. Ali YA, Chandranee NJ, Khan A, Khan ZH. Prevalence of dental caries in nursery
school children of Akola city. J Indian Soc Pedod Prev Dent. 1998; 16:21-5.
10. Alvarez JO, Navia JM. Nutritional status, tooth eruption and dental caries: a review. Am
J Clin Nutr. 1989; 49:417-26.
11. Amarante E, Raadal M, Espelid I. Impact of diagnostic criteria on prevalence of dental
caries in Norwegian children aged 5, 12 and 18 years. Community Dent Oral
Epidemiol. 1998; 26:87-94.
12. American Academy of Pediatric Dentistry (AAPD). Infant oral health care. Pediatr
Dent. 1996;18:25.
120
13. American Academy of Pediatric Dentistry (AAPD). Policy on early childhood caries
(ECC): unique challenges and treatment options. Pediatr Dent. 2003; 24 Suppl:24-25.
14. American Academy of Pediatrics Policy Statement. Organizational principles to guide
and define the child heath system and/or improve the health of all children: section on
pediatric dentistry. Oral Health Risk Assess Timing and Establishment of the Dental
Home. Pediatrics. 2003; 111:1113-6.
15. Amorim RG, Leal SC, Bezerra AC, Amorim FP, Toledo OA. Association of
chlorhexidine and fluoride for plaque control and white spot lesion remineralization in
primary dentition. Int J Paediatr Dent.. 2008 [in print].
16. Amstutz RD, Rozier RG. Community risk indicators for dental caries in school children.
Community Dent Oral Epidmiol 1995;23:129-37.
17. Anonymous. Criteria for Standardised Clinical Assessment of Dental Health. British
Association for the Study of Community Dentistry. 1992.
18. Anonymous. Recommendations for using fluoride in prevent and control dental caries
in the United States. Centers for Disease Control and Prevention. MMWR 2001;50:142.
19. Antunes JLF, Peres MA. Epidemiologia da saúde bucal. Rio de Janeiro: Guanabara
Koogan; 2006.
20. Antunes JLF, Peres MA, Mello TRC, Waldman EA. Multilevel assessment of
determinants of dental caries experience in Brazil. Community Dent Oral Epidemiol.
2006; 34:146-52.
21. Armfield JM, Spencer AJ. Consumption of nonpublic water: implications for children's
caries experience. Community Dent Oral Epidemiol. 2004;32:283-96.
22. Azevedo TD, Bezerra AC, de Toledo OA. Feeding habits and severe early childhood
caries in Brazilian preschool children. Pediatr Dent. 2005;27:28-33.
23. Bader JD, Shugars DA, Bonito AJ. Systematic reviews of selected dental caries
diagnostic and management methods. J Dent Educ. 2001;65:960-8.
24. Bankel M, Eriksson UC, Robertson A, Kohler B. Caries and associated factors in a
group of Swedish children 2- 3 years of age. Swed Dent J. 2006;30:137-46.
121
25. Baric L, Blinkhorn AS, MacArthur G. A health education approach to nutrition and
dental health education. Health Educ J. 1974; 33:79-90.
26. Batchelor P, Sheiham A. The limitations of a 'high-risk' approach for the prevention of
dental caries. Community Dent Oral Epidemiol. 2002;30:302-12.
27. Bentley EM, Ellwood RP, Davies RM. Fluoride ingestion from toothpaste by young
children. Br Dent J. 1999;186:460-2.
28. Berkowitz RJ, Turner J, Hughes C. Microbial characteristics of the human dental caries
associated with prolonged bottle-feeding. Arch Oral Biol. 1984;29:949-51.
29. Berkowitz RJ, Jones P. Mouth-to-mouth transmission of the bacterium Streptococcus
mutans between mother and child. Arch Oral Biol. 1985;30:377-9.
30. Berkowitz RJ. Etiology of nursing caries: a microiologic perspective. J Public Health
Dent. 1996; 56:51-5.
31. Berkowitz RJ. Causes, treatment and prevention of early childhood caries: a
microbiologic perspective. J Can. Dent Assoc. 2003; 69:304-7.
32. Bezerra ACB, Toledo, OA. Nutrição, dieta e cárie. In: Kriger L (coord.): ABOPREV Promoção de saúde bucal. São Paulo: Artes Médicas; 1997. p.43-67.
33. Bhayat A, Cleaton-Jones P. Dental clinic attendance in Soweto, South Africa, before
and after the introduction of free primary dental health services. Community Dent Oral
Epidemiol. 2003;31:105-10.
34. Blinkhorn AS, Wainwright-Stringer YM, Holloway PJ. Dental health knowledge and
attitudes of regularly attending mothers of high-risk, pre-school children. Int Dent J.
2001;51:435-8.
35. Blinkhorn AS. Dental health education: what lessons have we ignored? Br Dent J. 1998;
184: 58-59.
36. Bönecker MJS, Guedes-Pinto AC, Walter LRF. Prevalência, distribuição e grau de
afecção de cárie dentária em crianças de 0 a 36 meses de idade. J APCD. 1997; 51:535540.
37. Bönecker MJS, Marcenes, W, Sheiham A, Caries reductions between 1995, 1997 and
1999 in preschool children in Diadema, Brazil. Int J Paediatr Dent. 2002;12:183-188.
122
38. Bönecker M, Cleaton-Jones P. Trends in dental caries in Latin American and Caribbean
5-6- and 11-13-year-old children: a systematic review. Community Dent Oral
Epidemiol. 2003;31:152-7.
39. Bowen WH. Response to Seow: Biologiccal mechanisms of earaly childhood caries.
Community Dent Oral Epidemiol. 1998: 26 Suppl 1:28-31.
40. Brambilla E, Felloni A, Gagliani DMS, Malerba A, Garcia-Godoy F, Strohmenger L.
Caries prevention during pregnancy: results of a 30-month study. JADA. 1998; 129:
871-877.
41. Brasil. Ministério da Saúde. Dez passos para uma Alimentação Saudável - Guia
Alimentar para Crianças Menores de 2 anos. Brasília: Ministério da Saúde; 2002a. 45p.
42. Brasil. Ministério da Saúde. Guia Alimentar para Crianças menores de 2 anos. Brasília:
Ministério da Saúde; 2002b.
43. Brasil, MS/SAS. Projeto SB Brasil 2003. Condições de saúde bucal da população
brasileira 2002-2003 - Resultados principais. Brasília, 2004.
44. Brasil, MS. Departamento de Atenção Básica - Atenção Básica: Saúde Bucal.
Disponível
em
<http://dtr2004.saude.gov.br/dab/saudebucal/brasil_sorridente.php>
(Acessado em 21/Nov/2007).
45. Brasil, MS. Departamento de Atenção Básica - Atenção Básica: Saúde Bucal.
Disponível em <http://dtr2004.saude.gov.br/dab/atencaobasica.php#saudedafamilia>
(Acessado em 19/Ago/2008).
46. Brasil, Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de
Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Saneamento Básico, 2000. Disponível em
< http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/27032002pnsb.shtm> (Acessado
em 26/Nov/2007).
47. Bratthall D, Serinirach R, Rapisuwon S, Kuratana M, Luangjarmekorn V, Luksila K,
Chaipanich P. A study into the prevention of fissure caries using an antimicrobial
varnish. Int Dent J. 1995;45:245-54.
48. Bratthall D, Hänsel-Petersson G, Sundberg H. Reasons for the caries decline: what do
the experts believe? Eur J Oral Sci. 1996;104:433-435.
123
49. Bratthall D. Introducing the Significant Caries Index together with a proposal for a new
global oral health goal for 12-year-olds. Int Dent J. 2000;50:378-84.
50. Bravo M, Montero J, Bravo JJ, Baca P, Llodra JC. Sealant and fluoride varnish in
caries: a randomized trial. J Dent Res. 2005;84:1138-43.
51. Brice DM, Blum JR, Steinberg BJ. The etiology, treatment and prevention of nursing
caries. Compend Contin Dent Educ. 1996;17:92-103.
52. Brooks-Gunn J, Duncan GJ. The effects of poverty on children. Future Child.
1997;7:55-71
53. Brudevold F, Aasenden R, Srinivasian BN, Bakhos Y. Lead in enamel and saliva, dental
caries and the use of enamel biopsies for measuring past exposure to lead. J Dent Res.
1977;56:1165-71.
54. Bruun C, Givskov H, Thylstrup A. Whole saliva fluoride after toothbrushing with NaF
and MFP dentifrices with different F concentrations. Caries Res. 1984;18:282-8.
55. Bhuridej P, Damiano PC, Kuthy RA et al. Natural history of treatment outcomes of
permanent first molars: a study of sealant effectiveness. J Am Den Assoc 2005; 136(9):
1265-72.
56. Campus G, Lumbau A, Sanna AM, Solinas G, Luglie P, Castiglia P. Oral health
condition in an Italian preschool population. Eur J Paediatr Dent. 2004; 2:86-91.
57. Cariño KM, Shinada K, Kawaguchi Y. Early childhood caries in northern Philippines.
Community Dent Oral Epidemiol. 2003; 31:81-9.
58. Carvalho JC, Ekstrand KR, Thylstrup A. Dental plaque and caries on occlusal surfaces
of first permanent molars in relation to stage of eruption. J Dent Res. 1989; 68:773-779.
59. Carvalho JC, Mestrinho HD, Bezerra AC, Maltz M. Preschool child dental health status
in the Federal District of Brazil. Caries Res. 1990; 30:300.
60. Caufield PW, Cutter GR, Dasanayake AP. Initial acquisition of mutans streptococci by
infants: evidence for a discrete window of infectivity. J Dent Res. 1993;72:37-45.
61. Chase I, Berkowitz RJ, Proskin HM, Weinstein P, Billings R.Clinical outcomes for
Early Childhood Caries (ECC): the influence of health locus of control. Eur J Paediatr
Dent. 2004;5:76-80.
124
62. Chestnutt IG, Murdoch C, Robson KF.Parents and carers' choice of drinks for infants
and toddlers, in areas of social and economic disadvantage. Community Dent Health.
2003;20:139-45.
63. Chu CH, Fung DS, Lo EC. Dental caries status of preschool children in Hong Kong. Br
Dent J. 1999; 187:616-20.
64. Cleaton-Jones P, Williams S, Fatti P. Surveillance of primary dentition caries in
Germiston, South Africa, 1981-97. Community Dent Oral Epidemiol. 2000;28:267-7
65. Corby PM, Lyons-Weiler J, Bretz WA, Hart TC, Aas JA, Boumenna T, Goss J, Corby
AL, Junior HM, Weyant RJ, Paster BJ. Microbial risk indicators of early childhood
caries. J Clin Microbiol 2005;43:5753-9.
66. Corrêa MSNP. Odontopediatria na primeira infância. São Paulo: Livraria Santos; 2005.
67. Cypriano S, de Sousa Mda L, Rihs LB, Wada RS. Oral health among preschool children
in Brazil, 1999. Rev Saude Publica. 2003;37:247-53.
68. Dasanayake AP, Caufield PW, Cutter GR, Stiles HM. Transmission of mutans
streptococci to infants following short term application of an iodine-NaF solution to
mothers' dentition. Community Dent Oral Epidemiol. 1993;21:136-42.
69. Davey AL, Rogers AH. Multiple types of the bacterium Streptococcus mutans in the
human mouth and their intra-family transmission. Arch Oral Biol. 1984;29:453-60.
70. Davies GN. Early childhood caries - a synopsis. Community Dent Oral Epidemiol.
1998;26 Suppl 1:106-16.
71. Davies GM, Blinkhorn FA, Duxbury JT. Caries among 3-year-olds in greater
Manchester. Br Dent J. 2001;190:381-4.
72. Davies GM, Worhington HV, Ellwood RP, Bentley EM, Blinkhorn AS, Taylor GO,
Davies RM. A randomised controlled trial of the effectiveness of providing free fluoride
toothpaste from the age of 12 months on reducing caries in 5-6-year old children.
Community Dent Health. 2002; 19:131-136.
73. Davies GM, Duxbury JT, Boothman NJ, Davies RM, Blinkhorn AS. A staged
intervention dental health promotion programme to reduce early early childhood caries.
Community Dental Health 2005; 22: 118-122.
125
74. Degano MP, Degano RA. Breastfeeding and oral health. A primer for the dental
practitioner. N Y State Dent J. 1993;59:30-2.
75. Department of Health: An Oral Health Strategy for England. London: HMSO. 1994.
76. Derkson GD, Ponti P. Nursing bottle syndrome: prevalence and etiology in a nonfluoridated city. J Can Dent Assoc. 1982; 6: 389-393.
77. Desai S, Alva S. Maternal education and child health: is there a strong causal
relationship? Demography 1998;35:71-81.
78. Diez-Roux AV. Bringing context back in epidemiology: variables and fallacies in
Multilevel analysis. Am J Public Health 1998;88:216-222
79. Dilley GJ, Dilley DH, Machen JB. Prolonged nursing habit: a profile of patients and
their families. ASDC J Dent Child. 1980;47:102-8.
80. Dini E, Holt RD, Bedi R. Comparison of two indicies of caries atterns in 3-6-year-old
Brazilian children from areas with different fluoride histories. Int Dent J. 1998; 48:37885.
81. Dini EL, Holt RD, Bedi R. Caries and its association with infant feeding and oral
health-related behaviours in 3-4-year-old Brazilian children. Community Dent Oral
Epidemiol. 2000;28:241-8.
82. Douglass JM, Tinanoff N, Tang JM, Altman DS. Dental caries patterns and oral health
behaviors in Arizona infants and toddlers. Community Dent Oral Epidemiol.
2001;29:14-22.
83. Dreizen S, Brown LR. Xerostomia and dental caries. In: Stiles HM, Loesche WJ,
O’Brien T, editors. Microbial aspects of dental caries. Washington (DC): IRL;
1976.p.263-73.
84. Drury TF, Horowitz AM, Ismail AI, Maertens MP, Rozier RG, Selwitz RH. Diagnosing
and reporting early childhood caries for research purposes. A report of a workshop
sponsored by the National Institute of Dental and Craniofacial Research, the Health
Resources and Services Administration, and the Health Care Financing Administration.
J Public Health Dent. 1999;59:192-7.
85. Duckworth RM, Morgan SN. Oral fluoride retention after use of fluoride dentifrices.
Caries Res. 1991;25:123-9.
126
86. Duggal MS, Tahmassebi JF, Toumba KJ, Mavromati C. The effect of different etching
times on the retention of fissure sealants in second primary and first permanent molars.
Int J Paediatr Dent. 1997;7:81-6.
87. Duncan C, Jones K, Moon G. Health-related behaviour in context: a multilevel
modelling approach. Soc Sci Med 1996; 42:817-30.
88. Easton JA, Landgraf JM, Casamassimo PS, Wilson S, Ganzberg S. Evaluation of a
generic quality of life instrument for early childhood caries-related pain. Community
Dent Oral Epidemiol. 2008 [Epub ahead of print].
89. Edelstein B. Policy issues in early childhood caries. Community Dent Oral Epidemiol.
1998; 26 Suppl 1: 96-103.
90. Faraco Junior IM, Feldens CA. Dor em Odontopediatria. In: Estrela C: Dor
Odontogênica. São Paulo: Artes Médicas; 2001; 185-209.
91. Feigal RJ, Hitt J, Splieth C. Retaining sealant on salivary contaminated enamel. J Am
Dent Assoc. 1993;124:88-97.
92. Feitosa S, Colares V. Caries prevalence in 4-year-old preschoolers attending public
schools in Recife, Pernambuco, Brazil. Cad Saude Publica. 2004; 20:604-9
93. Feitosa S, Colares V; Pinkham J. The psychosocial effects of severe caries in 4-year-old
children in Recife, Pernambuco, Brazil. Cad Saude Publica. 2005; 21:1550-56.
94. Fejerskov O, Kidd E. Dental Caries. The Disease and its Clinical Management. Oxford:
Blackwell Munksgaard, 2003.
95. Feldens EG, Kramer PF, Feldens CA, Ferreira SH. Distribution of plaque and gingivitis
and associated factors in 3- to 5-year-old Brazilian children. J Dent Child. (Chic)
2006;73:4-10.
96. Feldens CA. Efetividade de um programa de orientação nutricional na prevenção de
cárie precoce da infância: ensaio clínico randomizado. Dissertação (Mestrado) Universidade do Vale do Rio dos Sinos. 2004. 129f.
97. Feldens CA, Vítolo MR, Drachler ML. A randomized trial of the effectiveness of home
visits in preventing early childhood caries. Community Dent Oral Epidemiol.
2007;35:215-23.
127
98. Ferreira SH, Béria JU, Kramer PF, Feldens EG, Feldens CA. Dental caries in 0- to 5year-old Brazilian children: prevalence, severity, and associated factors. Int J Paediatr
Dent. 2007;17:289-96.
99. Ferro R, Besostri A, Meneghetti B. Dental caries experience in preschool children in
Veneto region (Italy). Community Dent Health. 2006;23:91-4.
100.
Finlayson TL, Siefert K, Ismail AI, Sohn W. Psychosocial factors and early
childhood caries among low-income African-American children in Detroit. Community
Dent Oral Epidemiol. 2007;35:439-48.
101.
Fisher FJ. A field study of dental caries, periodontal disease and enamel defects in
Tristan da Cunha. Br Dent J. 1968; 125:447-53.
102.
Fletcher RH, Fletcher SW, Wagner EH. Clinical epidemiology: the essentials. 3 ed.
Baltimore: Williams & Wilkins; 1996.
103.
Freeman R. Barriers to accessing and accepting dental care. Br Dent J. 1999;187:81-
84.
104.
Gift HC, Reisine ST, Larach DC. The social impact of dental problems and visits.
Am J Public Health. 1992;82:1663-8.
105.
Gil F, Facio A, Villanueva E, Pérez ML, Tojo R, Gil A. The association of tooth
lead content with dental health factors. Sci Total Environ. 1996;192:183-91.
106.
Gomez SS, Weber AA. Effectiveness of a caries preventive program in pregnant
women and new mothers on their offspring. Int J Paediatr Dent. 2001;11:117-122.
107.
Goose DH. Infant feeding and caries of the incisors: an epidemiological approach.
Caries Res. 1967;1:166-73.
108.
Greenwell A, Johnsen D, Disantis T, Gerstenmaier J, Limbert N. Longitudinal
evaluation of caries patterns from the primary to the mixed dentition. Pediatr Dent.
1990, 12:278-282.
109.
Grindefjord M, Kahllöf G, Nilsson B, Modéer T. Prediction of dental caries
development in 1-year-old children. Caries Res. 1995a;29:343-8.
110.
Grindefjord M, Dahllöf G, Modéer T. Caries development in children from 2.5 to
3.5 years of age: a longitudinal study. Caries Res. 1995b; 29: 449-454.
128
111.
Grindefjord M, Dahllöf G, Nilsson B, Modéer T. Stepwise prediction of dental
caries in children up to 3.5 years of age. Caries Res. 1996;30:256-66.
112. Grytten J, Rossow I, Holst D, Steele L. Longitudinal study of dental health behaviors
and other caries predictors in early childhood. Community Dent Oral Epidemiol.
1988;16:356-9.
113. Guedes-Pinto AC. Odontopediatria. São Paulo: Santos; 2003.
114. Gustafsson BE, Quensel CE, Lanke LS, Lundqvist C, Grahnen H, Bonow BE, Krasse B.
The Vipeholm dental caries study; the effect of different levels of carbohydrate intake
on caries activity in 436 individuals observed for five years. Acta Odontol Scand.
1954;11:232-64
115. Habibian M, Roberts G, Lawson M, Stevenson R, Harris S. Dietary habits and dental
health over the first 18 months of life. Community Dent Oral Epidemiol. 2001;29:23946.
116. Hallett KB, O'Rourke PK. Early childhood caries and infant feeding practice.
Community Dent Health. 2002;19:237-42.
117. Hallett KB, O'Rourke PK. Social and behavioural determinants of early childhood
caries. Aust Dent J. 2003;48:27-33.
118. Hallett KB, O'Rourke PK. Pattern and severity of early childhood caries. Community
Dent Oral Epidemiol. 2006; 34:25-35.
119. Hallonsten AL, Wendt LK, Mejáre I, Birkhed D, Hakansson, C, Lindvall AM,
Edwardsson E, Koch G. Dental caries and prolonged breast-feeding in 18-month-old
Swedish children. Int J Paediatr Dent. 1995; 5:149-155.
120. Hamilton FA, Davis KE, Blinkhorn AS. An oral health promotion programme for
nursing caries. Int J Paediatr Dent. 1999; 9:195-200.
121. Harris R, Nicoll AD, Adair PM, Pine CM. Risk factors for dental caries in young
children: a systematic review of the literature. Community Dental Health 2004; 21
Suppl:71-85.
122. Harrison R, White L. A community-based approach to infant and child oral health
promotion in a British Columbia first nations community. Can J Community Dent
1997;12:7-14.
129
123. Hashim R, Thomson WM, Ayers KMS, Lewsey J D; Awad M. Dental caries experience
and use of dental services among preschool children in Ajman,UAE. Int J Paediatr
Dent. 2006; 16: 257-262.
124. Haugejorden O, Birkeland JM. Evidence for reversal of the caries decline among
Norwegian children. Int J Paediatr Dent. 2002;12:306-15.
125. Henon DK; Stookey GK, Muhler JC. Prevalence and distribution of dental caries in
preschool children. J Am Dent Assoc. 1969; 79:1405-1414.
126. Hiiri A, Ahovuo-Saloranta A, Nordblad A, Mäkelä M. Pit and fissure sealants versus
fluoride varnishes for preventing dental decay in children and adolescents. Cochrane
Database Syst Rev. 2006; (4):CD003067
127. Hobdell M, Petersen PE, Clarkson J, Johnson N. Global goals for oral health 2020. Int
Dent J. 2003;53:285-8.
128. Holland TJ; Crowley MJ. Detailed examination of caries progression in 4 year-old
children in a non-fluoridated area in Ireland. Community Dent Oral Epidemiol. 1982;
10:144-147.
129. Holt RD, Winter GB, Downer MC, Bellis WJ, Hay IS. Caries in pre-school children in
Camden 1993/94. Br Dent J. 1996:181:405-10.
130. Horowitz AM. Response to Weinstein: Public health issues in early childhood caries.
Community Dent Oral Epidemiol. 1998a; 26 Suppl 1:91-5.
131. Horowitz HS. Research issues in early childhood caries. Community Dent Oral
Epidemiol. 1998b;26 Suppl 1:67-81.
132. Howat AP, Holloway PJ, Brandt RS. The effect of diagnostic criteria on the sensitivity
of dental epidemiological data. Caries Res. 1981;15:117-23.
133. Hugoson A, Koch G, Hallonsten AL, Norderyd J, Aberg A. Caries prevalence and
distribution in 3-20-year-olds in Jönköping, Sweden, in 1973, 1978, 1983, and 1993.
Community Dent Oral Epidemiol. 2000;28:83-9.
134. Infante PF, Gillespie GM. Dental caries experience in the deciduous dentition of rural
Guatemalan children ages 6 months to 7 years. J Dent Res. 1976;56:493-8.
135. Ismail
AI.
Fluoride
supplements:
current
effectiveness,
side
effects,
and
recommendations. Community Dent Oral Epidemiol. 1994;22:164-172.
130
136. Ismail AI. Clinical diagnosis of precavitated carious lesions. Community Dent Oral
Epidemiol. 1997; 25:13-23.
137. Ismail AI. Prevention of early childhood caries. Community Dent Oral Epidemiol.
1998; 26:49-61.
138. Ismail AI, Sohn W. A systematic review of clinical diagnostic criteria of early
childhood caries. J Public Health Dent. 1999;59:171-91.
139. Ismail AI. Determinants of health in children and the problem of early childhood caries.
Pediatr Dent. 2003; 25:328-333.
140. James PMC, Parfitt GJ, Falkner F. A study of the aetiology of labial caries of the
deciduous incisor teeth in small children. Br Dent J. 1957; 103:37-40.
141. Jin BH, Ma DS, Moon HS, Paik DI, Hahn SH, Horowitz AM. Early childhood caries:
prevalence and risk factors in Seoul, Korea. J Public Health Dent. 2003; 63:183-88.
142. Johansson I, Saellström AK, Rajan BP, Parameswaran A. Salivary flow and dental
caries in Indian children suffering from chronic malnutrition. Caries Res. 1992;26:3843.
143. Johnsen DC. Characteristics and backgrounds of children with “nursing caries”. Pediatr
Dent. 1982; 4:218-224.
144. Johnsen DC, Bhat M, Kim MT, Hagman FT, Allee LM, Creedon RL, Easley MW.
Caries levels and patterns in head start children in fluoridated and non-fluoridated,
urban and non-urban sites in Ohio, USA. Community Dent Oral Epidemiol.
1986;14:206-10.
145. Jones C, Taylor G, Woods K, Whittle G, Evans D, Young P. Jarman underprivileged
area scores, tooth decay and the effect of water fluoridation. Community Dent Health.
1997a;14:156-60.
146. Jones CM, Taylor GO, Whittle JG, Evans D, Trotter DP. Water fluoridation, tooth
decay in 5 year olds, and social deprivation measured by the Jarman score: analysis of
data from British dental surveys. BMJ 1997b;315:514-7.
147. Jones CM, Worthington H. The relationship between water fluoridation and
socioeconomic deprivation on tooth decay in 5-year-old children. Br Dent J.
1999;186:397-400.
131
148. Jones S, Hussey R, Lennon MA. Dental health related behaviors in toddlers in low and
high caries areas in St Helens, North West England. Br Dent J. 1996; 181: 13-7.
149. Kalsbeek H, Verrips E, Dirks OB. Use of fluoride tablets and effect on prevalence of
dental caries and dental fluorosis. Community Dent Oral Epidemiol. 1992;20:241-5.
150. Karjalainen S, Söderling E, Sewón L, Lapinleimu H, Simmel O. A prospective study of
sucrose consumption, visible plaque and caries in children from 2 to 6 years of age.
Community Dent Oral Epidemiol. 2001; 29:136-42.
151. Karn TA, O'Sullivan DM, Tinanoff N. Colonization of mutans streptococci in 8- to 15month-old children. J Public Health Dent. 1998;58:248-9.
152. Kaste LM, Gift HC. Inappropriate infant bottle feeding. Status of the healthy people
2000 objective. Arch Pediat Adolesc 1995;149:786-91.
153. Kaste LM, Marianos D, Chang R, Phipps KR. The assessment of nursing caries and its
relationship to high caries in the permanent dentition. J Public Health Dent. 1992;52:648.
154. Kawabata K. et al. Development of an oral health indicator in infants. Community Dent
Health. 1997; 14:79-83.
155. Kay EJ, Locker D. Is dental health education effective? A systematic review of current
evidence. Community Dent Health. 1996; 24:231-5.
156. Kerosuo H; Honkala E. Caries experience in the primary dentition among groups of
Tanzanian and Finnish 3-7 year-old children. Community Dent Oral Epidemiol. 1991;
19:272-276.
157. King JM. Patterns of sugar consumption in early infancy. Community Dent Oral
Epidemiol. 1978; 6:47-52.
158. Kiwanuka SN, Astrom AN, Trovik TA. Dental caries experience and its relationship to
social and behavioural facctors among 3-5-year-old children in Uganda. Int J Paediatr
Dent. 2004; 14:336-346.
159. Köhler B, Andréen I, Jonsson B. The effect of caries-preventive measures in mothers on
dental caries and the oral presence of the bacteria Streptococcus mutans and lactobacilli
in their children. Arch Oral Biol. 1984;29:879-83.
132
160. Köhler B, Andréen I. Influence of caries-preventive measures in mothers on cariogenic
bacteria and caries experience in their children. Arch Oral Biol. 1994;39:907-11.
161. Kotlow LA. Breast feeding: a cause of dental caries in children. ASDC J Dent Child.
1977;44:192-3.
162. Kowash MB, Pinfield A, Smith J, Curzon ME. Effectiveness on oral health of a longterm health education programme for mothers with young children. Br Dent J.
2000;188:201-5.
163. Kowash MB, Toumba KJ, Curzon ME. Cost-effectiveness of a long-term dental health
education program for the prevention of early childhood caries. Eur Arch Paediatr Dent.
2006;7:130-5.
164. Kramer PF, Feldens CA, Romano AR. Promoção de Saúde Bucal em Odontopediatria.
São Paulo: Artes Médicas; 2000.
165. Kramer PF, Ardenghi TM, Ferreira SH, Fischer LA, Cardoso L, Feldens CA. Use of
dental service for 0 to 5 year old children in Canela, Rio Grande do Sul State, Brazil.
Cad Saude Publica. 2008; 24:150-6.
166. Krieger N. Epidemiology and the web of causation: has anyone seen the spider? Soc.
Sci. Med 1994;39:887-903.
167. Krieger N, Williams DR, Moss NE. Measuring social class in U.S. public health
research: concepts, methodologies and guidelines. Annu Rev Publ Health 1997; 18:34178.
168. Leivas LL. Heterocontrole da fluoretação das águas de abastecimento público do
município de Canoas, RS. Canoas, 2004. Dissertação (Mestrado em Odontologia) Universidade Luterana do Brasil. 2004
169. Leverett DH, Adair SM, Vaughan BW, Proskin HM, Moss ME. Randomized clinical
trial of the effect of prenatal fluoride supplements in preventing dental caries. Caries
Res. 1997;31:174-9
170. Lai PY, Seow WK, Tudehope DI, Rogers Y. Enamel hypoplasia and dental caries in
very-low birthweight children: a case-controlled, longitudinal study. Pediatr Dent.
1997;19:42-9.
133
171. Laverack G, Sakyi B, Hubley J. Participatory learning materials for health promotion in
Ghana-a case study. Health Promotion International 1997;12:21-26
172. Li Y, Navia JM, Caufield PW. Colonization by mutans Streptococci in the mouths of 3
and 4 year-old Chinese children with or without enamel hypoplasia. Arch Oral Biol.
1994;39:1057-62.
173. Li Y, Caufield PW. The fidelity of initial acquisition of mutans streptococci by infants
from their mothers. J Dent Res. 1995;74:681-85.
174. Li Y, Navia JM, Bian JY. Prevalence and distribution of developmental enamel defects
in primary dentition of Chinese children 3-5 years old. Community Dent Oral
Epidemiol. 1995;23:72-9.
175. Li Y, Navia JM, Bian JY. Caries experience in deciduous dentition of rural Chinese 3-5
years old in relation to the presence or absence of enamel hypoplasia. Caries Res.
1996;30:8-15.
176. Li Y, Wang W. Predicting caries in permanent teeth from caries in primary teeth: an
eight-year cohort study. J Dent Res. 2002;81:561-6.
177. Logan HL, Baron RS, Kanellis M, Brennan M, Brunsman BA. Knowledge of male and
female midwestern college students about baby bottle tooth decay. Pediatr Dent.
1996;18:219-23.
178. Lopez Del Valle L, Velazquez-Quintana Y, Weinstein P, Domoto P, Leroux B. Early
childhood caries and risk factors in rural Puerto Rican children. ASDC J Dent Child.
1998;65:132-5.
179. Low W, Tan S, Schwartz S. The effect of severe caries on the quality of life in young
children. Pediatr Dent. 1999;21:325-6.
180. Lynch JW, Kaplan GA, Salonen JT. Why do poor people behave poorly? Variation in
adult health behaviours and psychosocial characteristics by stages of socioeconomic
lifecourse. Soc Sci Med 1997;44:809-819.
181. Lynch J, Kaplan G. Socioeconomic position. In: Berkman LF, Kawachi I, editors.
Social epidemiology. New York: Oxford Press; 2000.p.13-35.
134
182. Maciel SM, Marcenes W, Sheiham A. The relationship between sweetness preference,
levelsof salivary mutans streptococci and caries experience in Brazilian pre-school
children. Int J Paediatr Dent. 2001; 11:123-30.
183. Macinko J, Guanais FC, de Fátima M, de Souza M. Evaluation of the impact of the
Family Health Program on infant mortality in Brazil, 1990-2002. J Epidemiol
Community Health 2006; 60:13-9.
184. Malden PE, Thomson WM, Jokovic A, Locker D. Changes in parent-assessed oral
health-related quality of life among young children following dental treatment under
general anaesthetic. Community Dent Oral Epidemiol.. 2008;36:108-17.
185. Manor O, Matthews S, Power C. Comparing measures of health inequality. Soc Sci
Med 1997;45:761-71.
186. Marinho VC, Higgins JP, Logan S, Sheiham A. Fluoride varnishes for preventing dental
caries in children and adolescents. Cochrane Database Syst Rev 2002;(3):CD002279.
187. Marinho VC, Higgins JP, Logan S, Sheiham A. Systematic review of controlled trials
on the effectiveness of fluoride gels for the prevention of dental caries in children. J
Dent Educ. 2003;67:448-58.
188. Mariri BP, Levy SM, Warren JJ, Bergus GR, Marshall TA, Broffitt B. Medically
administered antibiotics, dietary habits,
intake and dental caries experience in the
primary dentition. Community Dent Oral Epidemiol. 2003;31: 40-51.
189. Marshall TA, Levy SM, Broffitt B, Warren JJ, Eichenberger-Gilmore JM, Burns TL,
Stumbo PJ. Dental caries and beverage consumption in young children. Pediatrics.
2003;112:184-91.
190. Martens
L,
Vanobbergen
J,
Willems
S,
Aps
J,
De
Maeseneer
J.
Determinants of early childhood caries in a group of inner-city children. Quintessence
Int 2006; 37:527-36.
191. Matee MIN, Mikx FHM, Maselle YM, van Palenstein Helderman WH. Rampant caries
and linear hypoplasia. Caries Res. 1992;26:205-8.
192. Matos PE, Tomita NE. Oral health in the Brazilian Family Health Program: from the
university to training centers. Cad Saude Publica. 2004;20:1538-44.
135
193. Mattila ML, Rautava P, Sillanpää M, Paunio P. Caries in five-year-old children and
associations with family-related factors. J Dent Res. 2000;79:875-81
194. Mattos-Graner RO, Zelante F, Line RC, Mayer MPA. Association between caries
prevalence and clinical, microbiological and dietary variables in 1.0 to 2.5-year-old
brazilian children. Caries Res. 1998; 32:319-23.
195. Mayanagi H, Saito T, Kamiyama K. Cross-sectional comparisons of caries time trends
in nursery school children in Sendai, Japan. Community Dent Oral Epidemiol.
1995;23:344-9.
196. McDonagh MS, Whiting PF, Wilson PM, Sutton AJ, Chestnutt I, Cooper J, Misso K,
Bradley M, Treasure E, Kleijnen J. Systematic review of water fluoridation. BMJ
2000;321:855-9
197. McDonald, R.E., Avery, D.R., Dean, J.A., Dentistry for the Child and Adolescent, 8th
edition, 2004, Mosby, Inc.
198. Mejare I, Lingstrom P, Petersson LG et al. Caries-preventive effect of fissure sealants: a
systematic review. Acta Odontol Scand. 2003; 61(6):321-30.
199. Mellanby M. The relation of caries to the structure of teeth. Br Dent J. 1923;44:1-13.
200. Miguel JC, Bowen WH, Pearson SK. Influence of iron alone or with fluoride on caries
development in desalivated and intact rats. Caries Res. 1997;31:244-8;
201. Milgrom P, Riedy CA, Weinstein P, Tanner AC, Manibusan L, Bruss J. Dental caries
and its relationship to bacterial infection, hypoplasia, diet, and oral hygiene in 6- to 36month-old children. Community Dent Oral Epidemiol. 2000;28:295-306.
202. Milnes AR, Rubin CW, Karpa M, Tate R. A retrospective analysis of the costs
associated with the treatment of nursing caries in a remote Canadian aboriginal
preschool population. Community Dent Oral Epidemiol. 1993;21:253-60.
203. Milnes AR. Description and epidemiology of nursing caries. J Public Health Dent.
1996; 56: 38-50.
204. Moynihan PJ, Holt RD. The national diet and nutrition survey of 1.5 to 4.5 year-old
children. Summary of the findings of the dental survey. Br Dent J. 1996;181:328-32.
136
205. Narvai PC. Vigilância Sanitária da Fluoretação das Águas de Abastecimento Público no
Município de São Paulo, Brasil, no Período 1990-1999 (Tese de Livre Docência). São
Paulo: Faculdade de Saúde Pública. Universidade de São Paulo.
206. Newacheck PW, Hughes DC, Hung YY, Wong S, Stoddard JJ. The unmet health needs
of America's children. Pediatrics. 2000;105:989-97.
207. Newbrun E. Sucrose in the dynamics of the carious process. Int Dent J. 1982;32:13-23.
208. Newton JT, Bower EJ. The social determinants of health: new approaches to
conceptualizing and researching complex causal networks. Community Dent Oral
Epidemiol. 2005; 33:25-34.
209. Ngatia EM, Imungi JK, Muita JW, Nganga PM. Dietary patterns and dental caries in
nursery school children in Nairobi, Kenya. East Afr Med J. 2001;78:673-7.
210. Nicolau B, Marcenes W, Sheiham A. The relationship between traumatic dental injuries
and adolescents' development along the life course. Community Dent Oral Epidemiol.
2003;31:306-13.
211. Nikiforuk G. Understanding dental caries. New York: Karger; 1985.
212. Norén JG. Enamel structure in deciduous teeth from low-birth-weight infants. Acta
Odontol Scand. 1983;41:355-62.
213. Oliveira AF, Chaves AM, Rosenblatt A. The influence of enamel defects on the
development of early childhood caries in a population with low socioeconomic status: a
longitudinal study. Caries Res. 2006;40:296-302.
214. Oliveira LB, Sheiham A, Bönecker M. Exploring the association of dental caries with
social factors and nutritional status in Brazilian preschool children. Eur J Oral Sci.
2008;116:37-43.
215. Ollila P, Niemela M, Uhari M, Larmas M. Prolonged pacifier-sucking and use of a
nursing bottle at night: possible risk factors for dental caries in children. Acta Odontol
Scand. 1998;56:233-7.
216. Olmez S, Uzamiş M, Erdem G. Association between early childhood caries and clinical,
microbiological, oral hygiene and dietal variables in rural Turkish children. Turk J
Pediatr. 45: 231-236, 2003.
137
217. O'Mullane DM, Kavanagh D, Ellwood RP, Chesters RK, Schafer F, Huntington E,
Jones PR. A three-year clinical trial of a combination of trimetaphosphate and sodium
fluoride in silica toothpastes. J Dent Res. 1997;76:1776-81.
218. O’Sullivan DM, Tinanoff N. Social and biological factors contribution to caries of the
maxillary anterior teeth. Pediatr Dent. 1993; 15:41-4.
219. O'Sullivan DM, Tinanoff N. The association of early dental caries patterns with caries
incidence in preschool children. J Public Health Dent. 1996;56:81-3.
220. Paunio P, Rautava P, Helenius H, Alanen P, Sillanpää M. The Finnish Family
Competence Study: the relationship between caries, dental health habits and general
health in 3-year-old Finnish children. Caries Res. 1993;27:154-60.
221. Patel RR, Tootla R, Inglehart MR. Does oral health affect self perceptions, parental
ratings and video-based assessments of children's smiles? Community Dent Oral
Epidemiol. 2007;35:44-52.
222. Pearce N. Traditional epidemiology, Modern Epidemiology, and Public Health. Am J
Public Health. 1996;86:678-683.
223. Pendrys DG. Risk for fluorosis in a fluoridated population: implications for the dentist
and hygienist. J Am Dent Assoc. 1995;126:1617-24.
224. Peres MA, Latorre MRDO, Sheiham A, Peres KGA, Barros FC, Hernandez PG, Maas
AMN, Romano AR, Victora, CG. Social and biological early life influences on severity
of dental caries in children aged 6 years. Community Dent Oral Epidemiol. 2005;
33:53-63.
225. Peres MA, Antunes JL, Peres KG. Is water fluoridation effective in reducing
inequalities in dental caries distribution in developing countries? Recent findings from
Brazil. Soz Praventivmed. 2006;51:302-10.
226. Persson LA, Samuelson G. From breastmilk to family food. Infant feeding in three
Swedish communities. Acta Paediatr Scand. 1984;73:685-92.
227. Petersen PE. The World Oral Health Report 2003: continuous improvement of oral
health in the 21st century--the approach of the WHO Global Oral Health Programme.
Community Dent Oral Epidemiol. 2003;31 Suppl 1:3-23.
138
228. Petersen PE, Peng B, Tai B, Bian Z, Fan M. Effect of a school-based oral health
education programme in Wuhan City, Peoples Republic of China. Int Dent J.
2004;54:33-41.
229. Pine C, Adair PM, Petersen et al. Developing explanatory models of health inequalities
in childhood dental caries. Community Dent Health. 2004; Suppl: 86-95.
230. Pinkham JR. Odontopediatria da infância à adolescência. São Paulo: Artes Médicas;
1996.
231. Pitts NB, Evans DJ, Pine C. British Association for the Study of Community Dentistry
(BASCD) diagnostic criteria for caries prevalence surveys - 1996/97. Community
Dental Health 1997; 14 Suppl 1:6-9
232. Pitts NB, Evans DJ, Nugent ZJ. The dental caries experience of 5-year-old children in
Great Britain. Surveys coordinated by the British Association for the Study of
Community Dentistry in 1999/2000. Community Dent Health. 2001; 18:49-55.
233. Pitts NB, Boyles J, Nugent ZJ, Thomas N, Pine CM. The dental caries experience of 5year-old children in England and Wales. Surveys coordinated by the British Association
for the Study of Community Dentistry in 2001/2002. Community Dent Health. 2003;
20:45-54.
234. Powell D. Milk...is it related to rampant caries of the early primary dentition? J Calif
Dent Assoc. 1976; 4:58-63
235. Provart SJ, Carmichael CL. The relationship between caries, fluoridation and material
deprivation in five-year-old children in Country Durham. Community Dent Health.
1995;12:200-3.
236. Rajab LD, Hamdan MA. Early childhood caries and risk factors in Jordan. Community
Dent Health. 2002;19:224-9.
237. Ramos-Gomez FJ, Huang GF, Masouredis CM, Braham RL. Prevalence and treatment
costs of infant caries in Northern California. ASDC J Dent Child. 1996;63:108-12.
238. Ramos-Gomez FJ, Shepard DS. Cost-effectiveness model for prevention of early
childhood caries. J Calif Dent Assoc. 1999;27:539-44.
239. Ramos-Gomez FJ, Weintraub JA, Gansky SA, Hoover CI, Featherstone JDB. Bacterial,
behavioral and environmental factors associated with early childhood caries. J Clin
139
Pediatr Dent. 2002; 26:165-173.
240. Reichmann, ACMP Distribuição de lesões de cárie na dentição decídua em préescolares do município de Canoas - RS. (Dissertação Mestrado). Universidade Luterana
do Brasil, 2006. Orientador: Paulo Floriani Kramer. 66f.
241. Reintsema H, Schuthof J, Arends J. An in vivo investigation of the fluoride uptake in
partially demineralized human enamel from several different dentifrices. J Dent Res.
1985;64:19-23
242. Reisine S, Litt M, Tinanoff N. A biopsychosocial model to predict caries inpreschool
children. Pediatr Dent. 1994;16:413-8.
243. Reisine S, Douglass JM. Psychosocial and behavioural issues in early childhood caries.
Community Dent Oral Epidemiol. 1998; 26 Suppl:32-44.
244. Reisine ST, Psoter W. Socioeconomic status and selected behavioral determinants as
risk factors for dental caries. J Dent Educ. 2001;65:1009-16.
245. Riley JC, Lennon MA, Ellwood RP. The effect of water fluoridation and social
inequalities on dental caries in 5-year-old children. Int J Epidemiol. 1999;28:300-5.
246. Ripa LW. Nursing caries: a comprehensive review. Pediatr Dent. 1998; 10:268-282.
247. Robert Y, Sheiham A. The burden of restorative dental treatment for children in Third
World countries. Int Dent J. 2002;52:1-9.
248. Rodrigues CS, Sheiham A. The relationships between dietary guidelines, sugar intake
and caries in primary teeth in low income Brazilian 3-year-olds: a longitudinal study.
Int J Paediatr Dent. 2000;10:47-55.
249. Ronis DL, Land WP, Passow E. Tooth brushing, flossing, and preventive dental visits
by Detroitarea residents in relation to demographic and socioeconomic factors. J Public
Health Dent. 1993;53:138-45.
250. Rose G. The strategy of preventive medicine. Oxford: Oxford University Press; 1992.
251. Rosenblatt A, Zarzar P. The prevalence of early childhood caries in 12- to 36- monthold children in Recife, Brazil. ASDC J Dent Child. 2002;69:319-24.
252. Rossow I, Kjaernes U, Holst D. Patterns of sugar consumption in early childhood.
Community Dent Health. 1990;18:12-6.
140
253. Rothman KJ, Greenland S. Modern Epidemiology. 2 ed. Philadelphia: Lippincott
Williams & Wilkins; 1998.
254. Rugg-Gunn: Diet and dental caries. In: Murray JJ. The prevention of oral disease. p.331; 3rd edition; Oxford: Oxford University Press; 1996.
255. Ruottinen S, Karjalainen S, Pienihäkkinen K, Lagström H, Niinikoski H, Salminen M,
Rönnemaa T, Simell O. Sucrose intake since infancy and dental health in 10-year-old
children. Caries Res. 2004;38:142-8.
256. Rychetnik L, Frommer M, Hawe P, Shiell A. Criteria for evaluating evidence on public
halth interventions. J Epidemiol Community Health. 2002; 56:119-127.
257. Rytömaa I, Järvinen V, Heinonen OP. Occupational syrup-tasting and dental health.
Acta Odontol Scand. 1994;52:20-4.
258. Saravanan S, Madivanan I, Subashini B, Felix JW. Prevalence pattern of dental caries in
the primary dentition among school children. Indian J Dent Res. 2005;16:140-6.
259. Sayegh A, Dini EL, Holt RD, Bedi R. Caries prevalence and patterns and their
relationship to social class, infant feeding and oral hygiene in 4-5-year-old children in
Amman, Jordan. Community Dent Health. 2002;19:144-51.
260. Schröder U, Granath L. Dietary habits and oral hygiene as predictors of caries in 3-yearold children. Community Dent Oral Epidemiol. 1983;11:308-11.
261. Schou L, Wight C. Does dental health education affect inequalities in dental health?
Community Dent Health. 1994;11:97-100.
262. Schroth RJ, Moore P, Brothwell DJ. Prevalence of early childhood caries in 4 Manitoba
communities. J Can Dent Assoc. 2005;71:567.
263. Selwitz RH, Ismail AI, Pitts NB. Dental caries. Lancet. 2007;369:51-9.
264. Seow WK, Amaratunge A, Bennett R, Bronsch D, Lai PY. Dental health of aboriginal
pre-school children in Brisbane, Australia. Community Dent Oral Epidemiol.
1996;24:187-90.
265. Seow WK. Biological mechanisms of early childhood caries. Community Dent Oral
Epidemiol. 1998;26 Suppl 1:8-27.
266. Seow WK, Amaratunge A, Sim R, Wan A. Prevalence of caries in urban Australian
aborigines aged 1-3.5 years. Pediatr Dent. 1999; 21: 91-96.
141
267. Seppä L, Leppänen T, Hausen H. Fluoride varnish versus acidulated phosphate fluoride
gel: a 3-year clinical trial. Caries Res. 1995;29:327-30.
268. Sheiham A, Watt RG. The common risk factor approach: a rational basis for promoting
oral health. Community Dent Oral Epidemiol. 2000; 28:399-406.
269. Sheiham A, Steele J. Does the condition of the mouth and teeth affect the ability to eat
certain foods, nutrient and dietary intake and nutritional status amongst older people?
Public Health Nutr. 2001; 4:797-803.
270. Sheiham A. Oral health, general health and quality of life. Bull World Health Organ.
2005;83:644.
271. Sheiham A. Dental caries affects body weight, growth and quality of life in pre-school
children. Br Dent J. 2006; 201:625-6.
272. Sidi AD. Effect of brushing with fluoride toothpastes on the fluoride, calcium, and
inorganic phosphorus concentrations in approximal plaque of young adults. Caries Res.
1989;23:268-71
273. Silver DH. A comparison of 3-year-olds' caries experience in 1973, 1981 and 1989 in a
Hertfordshire town, related to family behaviour and social class. Br Dent J.
1992;172:191-7.
274. Slade GD, Spencer AJ, Davies MJ, Burrow D. Intra-oral distribution and impact of
caries experience among South Australian school children. Aust Dent J. 1996a; 5:343350.
275. Slade GD, Spencer AJ, Davies MJ, Stewart JF. Influence of exposure to fluoridated
water on socioeconomic inequalities in children's caries experience. Community Dent
Oral Epidemiol. 1996B; 24:89-100.
276. Smith AJ, Shaw L. Baby fruit juices and tooth erosion. Br Dent J. 1987;162:65-7.
277. Souza TM, Roncalli AG. Oral health in the Brazilian Family Health Program: a health
care model evaluation. Cad Saude Publica. 2007;23:2727-39.
278. Stacey MA, Wright FAC. Diet and feeding patterns in high risk pre-school children.
Aust Dent J. 1991; 36:421-7.
142
279. Stecksen-Blicks C, Holm AK. Between-meal eating, tooth brushing frequency and
dental caries in 4-year-old children in the North of Sweden. Int J Paediatr Dent.
1995;5:67-72.
280. Stein AT, Harzheim E. Effectiveness of primary health care evaluated by a longitudinal
ecological approach. J Epidemiol Community Health. 2006; 60:3-4.
281. Stevens A, Freeman R. The role of the mother-child interaction as a factor in nursing
caries (ECC): a preliminary communication. Eur J Paediatr Dent. 2004;5:81-5.
282. Stevenson LJ, Coody DK, Evans KD, Plumb SC, Montgomery DF, Yetman RJ.
Providing better access to health care: a pediatric nurse practitioner WIC-based clinic
for one-stop health care. J Pediatr Health Care. 1994;8:168-72.
283. Tanzer JM. On changing the cariogenic chemistry of coronal plaque. J Dent Res.
1989;68 Spec Iss:1576-87.
284. Taylor GO. North West Water and water fluoridation. Br Dent J. 1995; 178:47-48.
285. Tenovuo J, Häkkinen P, Paunio P, Emilson CG. Effects of chlorhexidine-fluoride gel
treatments in mothers on the establishment of mutans streptococci in primary teeth and
the development of dental caries in children. Caries Res. 1992;26:275-80.
286. Thibodeau EA, O'Sullivan DM. Salivary mutans streptococci and dental caries patterns
in pre-school children. Community Dent Oral Epidemiol. 1996;24:164-8.
287. Thitasomakul S, Thearmontree A, Piwat S, Chankanka O, Pithpornchaihakul W
Teanpaisan R, Madyusoh S. A longitudinal study of early childhood caries in 9-to18month-old Thai infants. Community Dent Oral Epidemiol. 2006; 34:429-36.
288. Thylstrup A, Fejerskov O. Carologia clínica. 2ª.ed. São Paulo: Santos; 1995.
289. Tinanoff N. Introduction to the Early Childhood Caries Conference: initial description
and current understanding. Community Dent Oral Epidemiol. 1998:26:5-7.
290. Toi CS, Cleaton-Jones PE, Daya NP. Mutans streptococci and other caries-associated
acidogenic bacteria in five-year-old children in South Africa. Oral Microbiol Immunol.
1999;14:238-43.
291. Toledo AO. Odontopediatria - Fundamentos para a Prática Clínica. São Paulo: Premier;
2005.
143
292. Tomita NE, Bijella VT, Lopes ES, Franco LJ. Prevalence of dental caries in preschool
children attending nursery: the influence of sócio-economic factors. Rev Saude Publica.
1996; 30:413-420.
293. Tsai AI, Chen CY, Li LA, Hsiang CL, Hsu KH. Risk indicators for early childhood
caries in Taiwan. Community Dent Oral Epidemiol. 2006; 34:437-445.
294. Tsakos G, Steele JG, Marcenes W, Walls AW, Sheiham A. Clinical correlates of oral
health-related quality of life: evidence from a national sample of British older people.
Eur J Oral Sci. 2006;114:391-5.
295. Twetman S, Axelsson S, Dahlgren H, Holm AK, Källestål C, Lagerlöf F, Lingström P,
Mejàre I, Nordenram G, Norlund A, Petersson LG, Söder B. Caries-preventive effect of
fluoride toothpaste: a systematic review. Acta Odontol Scand. 2003;61:347-55.
296. Vachirarojpisan T, Shinada K, Kawaguchi Y. The process and outcome of a programme
for preventing early childhood caries in Thailand. Community Dent Health. 2005;
22:253-259.
297. Valaitis R, Hesch R, Passarelli C, Sheehan D, Sinton J. A systematic review of the
relationship between breastfeeding and early childhood caries. Can J Public Health.
2000;91:411-7.
298. van Houte J. Role of micro-organisms in caries etiology. J Dent Res. 1994;73:672-81.
299. Vanobbergen J, Martens L, Lesaffre E, Bogaerts K, Declerck D. Assessing risk
indicator factors for dental caries in the primary dentition. Community Dent Oral
Epidemiol. 2001; 29:424-434.
300. van Palenstein Heldermann WH, Matee MI, van der Hoeven JS, Ikx FH. Cariogenicity
depends more on diet than the prevailing mutans streptococcal species. J Dent Res.
1996; 75:535:45.
301. van Palenstein Helderman WH, Soe W, van 't Hof MA. Risk factors of early childhood
caries in a Southeast Asian population. J Dent Res. 2006;85:85-8.
302. Vehkalahti M, Tarkkonen L, Varsio S, Heikkilä P. Decrease and polarization of dental
caries occurrence among child and youth populations, 1976-1993. Caries Res.
1997;31161-5.
144
303. Victora CG, Huttly SR, Barros FC, Lombardi C, Vaughan JP. Maternal education in
relation to early and late child health outcomes: findings from a Brazilian cohort study.
Soc Sci Med. 1992;34:899-905.
304. Victora CG, Huttly SR, Fuchs SC, Olinto MT. The role of conceptual frameworks in
epidemiological analysis: a hierarchical approach. Int J Epidemiol. 1997;26:224-7.
305. Vitolo MR, Bortolini GA, Feldens CA, Drachler ML. Impacts of the 10 Steps to
Healthy Feeding in Infants: a randomized field trial. Cad Saude Publica. 2005;21:144857.
306. Walter LR, Ferelle A, Issao M. Odontologia para o bebê: Odontopediatria do
nascimento aos 3 anos. São Paulo: Artes Medicas, 1997.
307. Wan AK, Seow WK, Purdie DM, Bird PS, Walsh LJ, Tudehope DI. A longitudinal
study of Streptococcus mutans colonization in infants after tooth eruption. J Dent Res.
2003;82:504-8.
308. Watt RG. Strategies and approaches in oral disease prevention and health promotion.
Bull World Health Organ. 2005;83:711-718.
309. Weerheijm KL, Uyttendaele-Speybrouck BF, Euwe HC, Groen HJ. Prolonged demand
breast-feeding and nursing caries. Caries Res. 1998;32:46-50.
310. Wei S, Holm AK, Tong LSM, Yuen SWH. Dental caries prevalence and related factors
in 5-year-old children in Hong Kong. Pediatric Dentistry 1993; 15:116-119.
311. Wei SHY, Yiu CKY. Evaluation of the use of topical fluoride gel. Caries Res. 1993;27
Suppl I:29-34.
312. Weinstein P, Domoto P, Wohlers K, Koday M. Mexican-American parents with
children at risk for baby bottle tooth decay: pilot study at a migrant farmworkers clinic.
ASDC J Dent Child. 1992;59:376-83.
313. Weinstein P, Harrison R, Benton T. Motivating mothers to prevent caries: confirming
the beneficial effect of counseling. J Am Dent Assoc. 2006;137:789-93.
314. Weintraub J. The effectiveness of pit and fissures sealants. J Pubic Health Dent.
1989;49 Spec Iss:317-30.
315. Weintraub JA. Prevention of early childhood caries: a public health perspective.
Community Dent Oral Epidemiol. 1998;26 Suppl 1:62-6.
145
316. Weintraub JA, Ramos-Gomez F, Jue, B, Shain S, Hoover CI, Featherstone JDB, Gansky
SA. Fluoride varnish efficacy in preventing early childhood caries. J Dent Res. 2006;
85:172-176.
317. Weiss RL, Trithart AH. Between-meal eating habits and dental caries experience in
preschool children. Am J Publ Health 1960;50:1097-1104.
318. Weiss ME, Bibby BG. Effects of Milk on enamel solubility. Arch Oral Biol.
1966;11:49-57.
319. Wendt LK, Hallonsten AL, Koch G. Oral health in preschool children living in Sweden.
Part II--A longitudinal study. Findings at three years of age. Swed Dent J. 1992;16:41-9.
320. Wendt LK, Hallonsten AL, Koch G, Birkhed D. Oral hygiene in relation to caries
development and immigrant status in infants and toddlers. Scand J Dent Res.
1994;102:269-73.
321. Wendt LK, Birkhed D. Dietary habits related to caries development and immigrant
status in infants and toddlers living in Sweden. Acta Odontol Scand. 1995;53:339-44.
322. Wendt LK, Hallonsten AL, Koch G. Oral health in pre-school children living in
Sweden. Part III - A longitudinal study. Risk analyses based on caries prevalence at 3
years of age and immigrant status. Swed Dent J. 1999;23:17-25.
323. Wendt LK, Carlsson E, Hallonsten AL, Birkhed D. Early dental caries risk assessment
and prevention in pre-school children: evaluation of a new strategy for dental care in a
field study. Acta Odontol Scand. 2001;59:261-6.
324. Wennhall I, Mårtensson EM, Sjunnesson I, Matsson L, Schröder U, Twetman S. Cariespreventive effect of an oral health program for preschool children in a low socioeconomic, multicultural area in Sweden: results after one year. Acta Odontol Scand.
2005;63:163-7.
325. Williams SA, Hargreaves JA. An inquiry into the effects of health related behaviour on
dental health among young Asian children resident in a fluoridated city in Canada.
Community Dent Health. 1990;7:413-20.
326. Winter GB, Hamilton MC, James PMC. Role of the comforter as an aetiological factor
in rampant caries of the deciduous dentition. Arch Dis Child. 1966; 41:207-212.
146
327. World Health Organization. The Ottawa Charter for Health Promotion. Geneva: WHO;
1986.
328. World Health Organization. Oral Health Surveys Basic Methods, 4th edn. Geneva:
WHO; 1997.
329. World Health Organization. Complementary feeding of young children in developing
countries: a review of current scientific knowledge. Geneva: WHO; 1998.
330. World Health Organization. Collaborative study team on the role of breastfeeding on
the prevention of infant mortality: how much does breastfeeding protect against infant
and child mortality due to infections diseases: a pooled analysis of six studies from less
developed countries. Lancet 2000; 355:451-455.
331. World Health Organization. Strategies for Oral Disease Prevention and Health
Promotion.
Geneva,
Switzerland:
WHO.
Disponível
em:
<http://www.who.int/oral_health/strategies/en/> (Acessado em 10/Nov/2006).
332. Wyne AH, Adenubi JO, Shalan T et al. Feeding and socioeconomic characteristics of
nursing caries children in a Saudi population. Pediatr Dent. 1995; 7:451-3.
333. Wyne AH. Early childhood caries: nomenclature and case definition. Community Dent
Oral Epidemiol. 1999; 27:313-5.
334. Wyne A, Darwish S, Adenubi J, Battata S, Khan N. The prevalence and pattern of
nursing caries in Saudi preschool children. Int J Paediatr Dent. 2001;11:361-4.
335. Wyne AH, Al-Gahnnam NA, Al-Shammery AR, Khan NB. Caries prevalence, severity
and pattern in preschool children. Saudi Med J. 2002; 5:580-584.
336. Yee R, McDonald N. Caries experience of 5-6-year-old and 12-13-year-old
schoolchildren in central and western Nepal. Int Dent J. 2002;52:453-60.
337. Zabos G P, Glied S A, Tobin J N, Amato E, Turgeon L, Mootabar R N, Nolon A K.
Cost-effectiveness analysis of a school-based dental sealant program for lowsocioeconomic-status children: a practice-based report. J Health Care Poor
Underserved. 2002;13:38-48.
147
4. OBJETIVOS
4.1 - Objetivo Geral
Avaliar o impacto da implementação do Programa Dez Passos para uma
Alimentação Saudável durante o primeiro ano de vida na ocorrência e severidade da
cárie dentária aos 4 anos de idade.
4.2 - Objetivos Específicos
Estimar a redução no risco de cárie precoce da infância e cárie severa da infância
aos 4 anos de idade decorrente da intervenção.
Comparar as crianças dos grupos intervenção e controle em relação ao número
de dentes cariados (incluindo lesões sem cavidade), extraídos e obturados (índice c1+eod) aos 4 anos de idade.
Confrontar as proporções de práticas alimentares durante o primeiro ano de vida
dos grupos intervenção e controle.
Avaliar a associação entre práticas alimentares no primeiro ano de vida e a
ocorrência de Cárie Severa da Infância (CSI) aos 4 anos de idade.
148
5. ARTIGO 1
Efetividade a longo prazo de um programa de orientação nutricional
na redução de Cárie Precoce da Infância (CPI): ensaio randomizado
Long-term effectiveness of a nutritional programme in reducing Early
Childhood Caries (ECC): a randomized trial
Carlos Alberto Feldens, Doutorando em Epidemiologia pela UFRGS
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL (UFRGS)
A ser submetido ao periódico: Community Dentistry and Oral Epidemiology
149
Long-term effectiveness of a nutritional programme in reducing Early
Childhood Caries (ECC): a randomized trial
Carlos Alberto Feldens1
Elsa Regina Justo Giugliani2
Bruce Bartholow Duncan2
Márcia Regina Vítolo3
1. Department of Paediatric Dentistry, Universidade Luterana do Brasil, Brazil
2. Post-Graduate Programme in Epidemiology, School of Medicine, Universidade
Federal do Rio Grande do Sul, Brazil
3. Post-Graduate Programme, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto
Alegre, Brazil.
Running title: A nutritional programme to reduce Early Childhood Caries
Correspondence author:
Carlos Alberto Feldens
Rua João Telles 185/1301, Porto Alegre, RS.
ZIP Code 90.035.121, Brazil.
150
Abstract
Objectives: Assess the long-term effectiveness of home visits for advising mothers
about healthy feeding practices during the first year of life on the occurrence of early
childhood caries (ECC) and severe early childhood caries (S-ECC) at the age of 4 years.
Methods: A randomized trial was conducted in mothers who gave birth within the
public health system in the Brazilian city of São Leopoldo (intervention group =200;
controls = 300). The intervention group received the advice monthly up to 6 months and
at 8, 10 and 12 months, based on the "Ten Steps for Healthy Feeding", a Brazilian
national health policy for primary care, based on WHO guidelines. Advices included
promotion of exclusive breastfeeding, gradual introduction of complementary foods;
reasonable intervals between meals; encourage consumption of fruits and vegetables
and avoid high fat and sugar foods. Both groups had research assessment at 6 and 12
months and at 4 years of age; 160 (32%) children were lost in the fourth year follow-up;
340 were assessed for ECC and S-ECC occurrence. Results: 53.9% (76/141) of the
children in the intervention group and 69.3% (138/199) of the controls had ECC. The
risk of presenting ECC was 22% lower for the intervention group (RR 0.78; 95% CI
0.65-0.93; NNT 6.5). S-ECC was found in 29.1% (41/141) of the children in the
intervention group and 42.7% (85/199) of the controls, being 32% lower for the
intervention group (RR 0.68; 95% CI 0.50-0.92; NNT 7.3). The number of decayed
(white spots and cavities), missing and filled teeth (d1+mft) was lower for the
intervention group (3.25) compared with the control group (4.15) (Mann Whitney Utest; p=0.023). Conclusions: These findings suggest the feasibility and long-term
effectiveness of the home-visit intervention in the first year of life in reducing caries
occurrence and severity at four years of age in a low income community. This general
health intervention should be linked to evidence based specific measures to prevent
dental caries in young children.
Key words: Dental caries; early childhood caries; nutrition policy; diet; randomized
controlled trial; primary care; breastfeeding; nutrition.
151
INTRODUCTION
Early Childhood Caries (ECC) is the single most prevalent chronic childhood
disease, representing a public health problem that affects infants and preschoolers
worldwide (1-3). In Brazil, national data on dental caries collected in 2003 among 5
year-old children (4) showed a high prevalence (d3mft≥1: 60%) and the WHO target for
the year 2010, which proposes that 90% of 5-year-olds should be caries-free, is still far
from being achieved. Furthermore, a strong polarization of disease distribution has been
reported, even in very young children (5-6). The register of a more severe pattern of
disease, designated as Severe-Early Childhood Caries (S-ECC), have demonstrated that
a high proportion of children does not benefit from any preventive approaches (7-8).
Early childhood caries may cause pain, chewing difficulty, respiratory and
speech problems and hinder the supply of important nutrients (9-11). The problems
resulting from the destruction of anterior teeth may deteriorate children’s relationships
with their environment, which therefore determines the psychosocial dimension of this
morbidity (9-10). In addition, the treatment of dental caries in very young children is
expensive and sometimes requires general anaesthesia and hospitalization (1).
Although there is a growing understanding that health research must give
priority to intervention studies, paying special attention to the effects of early
interventions in childhood (12), few randomized clinical trials have evaluated the effect
of ECC prevention programmes (13-14). Also, educational strategies which yielded
positive results need to have their effectiveness assessed in the medium and long term
(11).
152
WHO has pointed out that public health approach to disease prevention and
health promotion represents the main strategy for combating chronic diseases (15). A
common risk factor approach has been proposed to address risk factors common to
many chronic conditions, including oral diseases (16). In Brazil, the implementation of
the “Ten Steps to Healthy Feeding” (17), based on home visits for nutritional advice in
the first year of life, allowed reducing the incidence of diarrhoea and of respiratory
disease symptoms, as well as decreasing the occurrence of ECC by 50% in children
aged 12 to 16 months from families with a low socioeconomic background (18-20).
However, the intervention had no effect on the occurrence of anaemia and low heightfor-age. The aim of the present study is to assess the effectiveness of the intervention on
the occurrence of ECC and S-ECC at the age of 4 years.
METHODS
Subjects and study design
This
randomized
trial
(registration
site:
clinicaltrials.gov,
number
NCT00629629) was conducted in mothers who gave birth from October 2001 to June
2002, in the public health system in São Leopoldo, Brazil, to an apparently normal,
single, full-term (≥37 weeks) baby with birth weight equal to or greater than 2500g. The
exclusion criteria were: impediment to breastfeeding (HIV/AIDS) or congenital
malformation. Mothers giving birth in the public health system in Southern Brazil
usually have a low socioeconomic background. São Leopoldo has a population of about
200,000 inhabitants and almost all households have access to public water supply with
fluoride level of 0.7 ppm, but restorative or preventive dental care is not provided for
young children.
153
Randomization was conducted by a researcher not involved in the eligibility and
entry of subjects into the study to warrant treatment allocation concealment. Block
randomization was used to avoid imbalance at any point of the randomization process.
Mothers who had agreed to participate were sequentially included in a list based on time
of delivery, grouped in blocks of five, and their names were separated and placed in
opaque, sealed envelopes. Two mothers from each block were assigned to the
intervention group while the other ones were allocated to the control group. This
process was repeated for consecutive blocks.
The intervention group received nutritional advice within 10 days of the child’s
birth, on a monthly basis up to 6 months, at 8, 10 and 12 months, based on the “Ten
Steps to Healthy Feeding”, a public health policy for primary care established by the
Brazilian Ministry of Health with the support of the Pan American Health Organization.
The dietary advice aimed at exclusive breastfeeding up to 6 months, without water, tea
or any other food; after 6 months, mothers were encouraged to continue breastfeeding
and gradually introduce other kinds of food. Complementary food (cereals, vegetables,
meat, fruits) should be given three times a day if the child is being breastfed and five
times a day if the child is no longer breastfed. These foods should gradually get thicker
up to the time when the child is able to eat a family meal. The mothers were advised not
to use bottle or breastfeeding as pacifiers, respecting the child’s appetite and
maintaining reasonable intervals between meals. Daily intake of fruits and vegetables
was stimulated. All mothers were also advised against the addition of sugars (sugar
cane, honey) in fruits, porridge, juices, milk or other liquids and against the provision of
soft drinks, sweets and savoury snacks. Fieldworkers who implemented the intervention
(12 nutrition graduate students) were extensively trained in terms of content and
communication skills. They received 8 hours of theoretical training and 8 hours of
154
practical training based on a detailed advisor’s guide prepared for the study. At each
visit (approximately 30 minutes in duration) messages had to be clarified and reinforced
respecting the mother’s level of cognition as well as cultural and economic aspects.
The hypothesis in this trial are: home visits for dietary advice are expected to
promote healthy dietary behaviours and reduce the introduction of cariogenic feeding
practices such as the intake of sugar and lipids, night-time bottle feeding and use of a
bottle for drinking liquids other than milk (usually given as pacifiers) in the first year of
life. These practices are expected to have a positive long-term effect on the child’s
overall health and nutrition (not examined in the current study) and effects on the
occurrence of ECC and S-ECC at 4 years of age (the main hypothesis in this study). An
effect of the intervention on oral hygiene behaviour is not expected in this study, since
the Ten Steps to Healthy Feeding does not include any advice about oral hygiene.
Further details about methodology, including randomization, and effects on general and
oral health in the first-year assessment have been previously published (18-20).
At the 4-year follow up, a sample of 300 children (intervention=120;
control=180) was required to detect a difference of 35% in the occurrence of ECC
(RR≤0.65), considering a study power of 80%, statistical significance of 5%,
unexposed/exposed ratio of 3:2 and caries prevalence of 48% (5). The 397 mother-child
pairs who completed the first phase of the study were tracked down in their homes and
the mothers were then invited to take part in the second phase, which included the
collection of anthropometric data and also of data on both general and oral health.
Figure 1 shows the diagram of the randomized trial, from recruitment of mother-child
pairs to the assessment of outcomes at the age of 4 years.
155
Research assessment questionnaires
Blinded nutrition graduate students not involved in the intervention carried out
face-to-face structured interviews with the mothers of all children in their homes when
they were 6 and 12 months old. Socioeconomic variables (mother’s education, mother’s
and father’s occupation status and family income) were investigated in the sixth-month
assessment. Dietary behaviour variables were assessed at 6 and 12 months, using faceto-face structured interviews regarding the beginning, duration and frequency of feeding
practices during the previous 6 months. These interviews investigated, separately for
each month, breast and bottle feeding during day and night, frequency and composition
of complementary foods, use of sugar, honey, sweetened beverages, biscuits, chocolate,
and salty snacks. At 12 months, a 24-hour dietary recall was used by fieldworkers for
obtaining data about intake frequency (number of meals and snacks), frequency of
breastfeeding, bottles for liquids other than milk and night-time bottle use. Mothers
were also asked about the intake of foods with high density of sugar and lipids in the
last month. High density of sugar was regarded as a proportion greater than 50% of
simple carbohydrates in 100 grams of food (e.g. candies, soft drink, sugar and honey)
whereas high density of lipids referred to a fat content greater than 30% in 100 grams of
food (e.g. salty snacks, filled cookies and chocolate) (21).
Clinical Dental Examination
Dental examinations in the fourth-year assessment were performed at a
municipal health centre by the same examiner of the first-year follow up. After the child
was seated in an ordinary chair, teeth were brushed and dried with gauze and each
dental surface was inspected with the help of a mouth mirror. Outcomes in this trial
were number of decayed (d1+: non-cavitated or cavitated), missed (due to caries) and
156
filled (f) teeth (d1+mft) and occurrence of ECC and S-ECC according to NIH case
definition (22). Occurrence of ECC (primary outcome) was defined as the presence of
one or more decayed (d1+), missing or filled tooth surfaces in any primary tooth
(d1+mfs≥1). S-ECC was defined as one or more cavitated, missing, or filled smooth
surfaces in primary maxillary anterior teeth, or decayed (d1+), missing or filled surface
(d1+mfs) values of 5 or higher. The examiner was blinded to the children’s group status
and intra-examiner reproducibility was previously assessed in two dental examinations
14 days apart in 20 children aged 3-5 years (weighted kappa score=0.90).
Statistical analysis
The database was constructed using Epi Info version 6.0, with double entry of
data; the statistical analyses were performed by SPSS, version 13.0. Baseline
comparisons between groups regarding important prognostic variables in childhood
outcomes were initially reported. Number of teeth at 12 months of age (collected at the
first-year assessment) and age in months at the fourth-year dental assessment were also
compared, since these variables could differ by chance and determine imbalance across
groups. A non-parametric Mann-Whitney test was used to compare the d1+mft variable
among children from the intervention and control groups, due to the asymmetric
distribution of frequencies of this variable. The effect of the intervention on the
occurrence of ECC and S-ECC was measured using Relative Risks, 95% Confidence
Intervals and number of child/mother pairs needed to treat/advice (NNT) to prevent one
event of ECC and S-ECC. Proportions of cariogenic feeding practices tackled by the
intervention were compared between groups by the chi-square test (using Yates’
correction for variables with two categories). Comparisons between children who were
lost in the follow up and those who remained in the trial regarding prognostic variables
157
in childhood outcomes were also performed using chi-square and t test for independent
samples. A two-tailed p-value of less than 0.05 was considered statistically significant.
Ethical aspects
The trial was approved by the Ethical Committee of the Federal University of
Rio Grande do Sul. A parent gave a written informed consent for the various research
procedures. Both groups received routine assistance by their paediatricians. In the
fourth-year assessment, the two groups had a nutritional evaluation (anthropometric
measurements, blood haemoglobin measurement), child development and dental
examinations and their dwellings were assessed for risk factors for childhood injuries.
Children with dental caries were referred for paediatric dental treatment. Children with
anaemia, overweight, wasting, stunting or developmental problems were also referred to
their primary care doctors for further assessment and treatment.
RESULTS
Among the 500 initially recruited children, 340 (68%) received the fourth-year
assessment. Losses comprised 122 children (intervention: n=42/200, 21%; controls:
n=80/300, 27%) at the first-year dental examination and 38 additional children
(intervention: n=17, 8.5%; controls: n=21, 7.0%) at the fourth-year assessment;
proportions were similar between groups. The reasons for losses at the first-year
assessment were previously published (18) and were alike between groups. Losses
between the first and fourth-year assessment were due to family moving to another city
(intervention n=11; controls n=13); address not found (intervention n=4; controls n=6)
and refusal (intervention n=2; controls n=2).
158
Of the 340 children examined in the fourth-year assessment, 195 (57.4%) were
boys; maternal level of education varied from 1 to 13 years of schooling (mean 6.9, SD
2.7, median 7.0); and the family income was low for most families, of which 69.7% had
an income/month below three national minimum wages (approximately U$ 240.00).
Table 1 shows that there was no evidence of imbalance between the intervention and
control groups in the distribution of the following baseline characteristics: sex, weight
and length at birth, maternal level of education, maternal age at child’s birth and family
income. Additionally, the mean number of teeth in the first-year assessment was similar
between groups, corresponding to 7.2 (SD 3.3) in the intervention and 7.6 (SD 3.0) in
the control group. Age of children in the fourth-year assessment varied from 48 to 53
months and the mean age in the intervention and control groups were 50.6 (SD 1.7) and
50.4 (SD 1.7) months, respectively.
The clinical examination in the fourth-year assessment revealed that 37%
(126/340) of children had no visible signs of caries and 63% (214/340) presented ECC
while 37% (126/340) had S-ECC. Mean d1+mft was 3.78 (SD 4.46) and median (Q1Q3) was 2.0 (0-6). The “d1+” component (non-cavitated or cavitated) contributed mostly
to the d1+mft index (96.7%) while filled (2.3%) and missing teeth (1.0%) were
uncommon. The proportion of children with ECC (main outcome) was 53.9% (76/141)
across the intervention group and 69.3% (138/199) among controls (Table 2), indicating
that the risk of ECC was 22% lower for the intervention group (RR 0.78; 95% CI 0.650.93). The frequency of children with S-ECC was 29.1% (41/141) in the intervention
group and 42.7% (85/199) among controls, representing a relative risk reduction of 32%
in the intervention group (RR 0.68; 95% CI 0.50-0.92). The number of children
requiring visits (number needed to treat: NNT) to prevent one event of ECC and S-ECC
was 6.5 and 7.3, respectively. The mean number of dmft was 3.25 (SD 4.25) in the
159
intervention group and 4.15 (SD 4.57) in the controls and this difference was
statistically significant (Mann-Whitney U, p=0.023).
Table 3 shows that the intervention group was associated with some of the
feeding practices targeted by the nutritional intervention: the intervention group had
longer duration of exclusive breastfeeding (χ2; p=0.008), later introduction of sugar (χ2;
p=0.01), lower frequency of dietary intake (χ2; p=0.035), and smaller probability of
high density of lipids (χ2; p<0.001) and sugar (χ2; p=0.002) in the first year of life.
However, no evidence of difference between groups was found in the frequency of
night-time bottle use (χ2; p=0.382), introduction of solid foods (χ2; p=0.089) and daily
consumption of fruits and vegetables at one year (χ2; p=0.744). No difference was
found between children who were lost in the follow up and those who were remained at
the fourth year assessment regarding weight at birth (χ2; p=0.871), length at birth (χ2;
p=0.121), maternal age at child’s birth (χ2; p=0.898), maternal level of education (χ2;
p=0.323) and family income (χ2; p=0.259) (not in a Table).
DISCUSSION
The main result of the present study is the significantly lower occurrence of ECC
and S-ECC at four years of age for the intervention group compared with controls.
These findings suggest the long-term effectiveness of the home-visit intervention in
reducing caries experience and severity in early childhood. The smaller consumption of
high density of sugar in the intervention group and lower frequency of dietary intake
may represent possible mechanisms that explain these results, since these variables are
strongly associated with ECC (8, 23-24). Furthermore, the higher proportion of
exclusive breastfeeding and later introduction of sugar in the intervention group
represent healthy dietary practices and some indirect impact on dental caries may have
160
occurred. Sugar consumption practices established in infancy tend to be maintained
through the first years of life (25-27), and the data collected in the first year of life may
represent dietary patterns which will develop or intensify in subsequent years.
On the other hand, results show that a significant proportion of children from the
intervention group had ECC and S-ECC. In addition, some feeding practices targeted by
the intervention did not differ across groups, indicating hindrance to programmes that
promote eating behaviour. Negative findings might be attributable to poor
implementation or represent an inherent inadequacy of the intervention (13). In fact, an
analysis of the practices modified by the intervention showed higher compliance with
practices whose implementation appears more objective, easy learned by mothers and
accepted by children, such as delaying the introduction of sugar, avoiding sweets and
maintaining reasonable intervals between meals. This programme was not successful in
promoting consumption of fruits and vegetables or reducing complex practices, such as
night-time bottle use or use of bottle for juices and soft drinks, which are embedded in
psychological aspects of a mother-and-child relationship.
In general, strategies targeted at behavioural changes have been successful in
intermediate outcomes, such as parent’s cognition, hygiene and feeding practices or
presence of plaque, but did not reduce the prevalence of dental caries (28-31).
Nevertheless, one should underscore that most of these studies do not compare
randomized groups or communities (14). On the other hand, in a randomized trial,
Weinstein et al (32) found a lower incidence of ECC (odds ratio 0.35; 95% CI=0.150.83) among children whose parents had been given advice, for 6 to 18 months, on
feeding and hygiene practices and advice to seek professional help for fluoride use.
However, it was not possible to identify the mechanism whereby positive results were
161
obtained. Although the results of the present study need to be reproduced in other
populations, they support the hypothesis that dietary guidance in the first year of life
may contribute towards reducing the occurrence and severity of dental caries in
subsequent years. Changing eating behaviour is difficult, involves acceptance on part of
the child and some interventions have not met this goal. The essence of the current
intervention, an intensive face-to-face counselling during the first year of life,
promoting introduction of dietary practices more than their modification, may have
played an important role in its success. Non-intensive interventions, even in the first
months of life, are not sufficient for improving dietary practices or to reduce health
outcomes (33).
Some aspects of methodology which may represent sources of potential bias
should be pointed out. Although losses to follow up were fairly high, no difference was
found regarding prognostic variables between children who were lost and those who
remained in the trial. Additionally, losses in this study were similar to other cohort
studies conducted with families from low socioeconomic status living in developing
countries, representing a common limitation in such studies. The similarity in baseline
characteristics between groups achieved by randomisation and the similar proportion of
losses represent evidence that selection bias is unlikely to be a problem. The inclusion
of white spot lesions in caries diagnosis is important because they are highly prevalent
in the first years of life, indicate caries activity, its detection might contribute to early
intervention and the precision in clinical trials of preventive agents is improved (34-35).
Although the difficulty in distinguishing white spots from hypoplastic defects may lead
to misclassification, the error in the diagnosis of caries is likely to be small and equally
distributed among the intervention and control groups, since the intra-examiner
reproducibility was optimal and the examiner was blinded to the child’s group status.
162
However, mothers possibly knew which group they belonged to, as they received
dietary advice and were visited regularly. This represents a possible source of
information bias in dietary practices, since it is possible that these mothers were more
likely than the controls to report that they followed the dietary advice, when they did
not carry out such behaviours, in order to please the research staff. To minimize this
problem, the research assessments were carried out by fieldworkers who had not applied
the intervention. It is impossible to blind patients in studies in which the intervention
involves dietary guidance (36).
This programme was implemented in a low-income community with inadequate
access to dental services. This population represents those with the higher levels of
disease, and this context should be considered to assess the generalizability of the
intervention (9, 13). The estimates observed here might be smaller for populations with
a lower incidence of dental caries among preschoolers. However, interventions should
be focused on individuals from low socioeconomic status and public policies are needed
to address this problem (37). The Family Health Program, which was demonstrated to
be associated with reduced infant mortality rates in Brazil (38), represents a potential
strategy to implement the present intervention in developing countries.
The aim of the present intervention - dietary guidance - has been regarded as one
of the major challenges for WHO regarding the improvement of general and oral health
outcomes (9, 39). Better feeding practices reduce risk factors that are traditionally
associated with chronic diseases, such as coronary heart disease, stroke, diabetes,
cancers and dental caries (16). A major contribution of the present study is that it
corroborates the feasibility and effectiveness of an integrated intervention based on
general health guidelines on oral health outcomes. Isolated oral health interventions are
163
recognized as innefective, wasteful of limited resources and may increase inequalities
(16). The implementation of similar programmes in other communities is based on
integration with other health professionals and should be built upon the healthcare
model of each country or region (1, 9, 11). Programmes for family health promotion
may be a great opportunity in this respect. Additionally, dental procedures with a
reasonable level of evidence, such as providing fluoride toothpaste and professional use
of fluoride (40-41) should be incorporated into general health programmes to improve
health and reduce inequalities in high-risk communities (11, 39).
164
REFERENCES
1. Ismail AI. Prevention of early childhood caries. Community Dent Oral Epidemiol.
1998; 26:49-61.
2. Finlayson TL, Siefert K, Ismail AI, Sohn W. Psychosocial factors and early childhood
caries among low-income African-American children in Detroit. Community Dent Oral
Epidemiol. 2007;35:439-48.
3.
Selwitz RH, Ismail AI, Pitts NB. Dental caries. Lancet. 2007;369:51-9.
4. Brasil, MS/SAS. Projeto SB Brasil 2003. Condições de saúde bucal da população
brasileira 2002-2003 - Resultados principais. Brasília, 2004.
5. Ferreira SH, Béria JU, Kramer PF, Feldens EG, Feldens CA. Dental caries in 0- to 5year-old Brazilian children: prevalence, severity, and associated factors. Int J Paediatr
Dent. 2007;17:289-96.
6. Declerck D, Leroy R, Martens L, Lesaffre E, Garcia-Zattera MJ, Vanden Broucke S,
Debyser M, Hoppenbrouwers K. Factors associated with prevalence and severity of
caries experience in preschool children. Community Dent Oral Epidemiol. 2008;
36:168-78.
7. Jin BH, Ma DS, Moon HS, Paik DI, Hahn SH, Horowitz AM. Early childhood caries:
prevalence and risk factors in Seoul, Korea. J Public Health Dent. 2003; 63:183-88.
8. Hallett KB, O'Rourke PK. Pattern and severity of early childhood caries. Community
Dent Oral Epidemiol. 2006; 34:25-35.
9. Petersen PE. The World Oral Health Report 2003: continuous improvement of oral
health in the 21st century--the approach of the WHO Global Oral Health Programme.
Community Dent Oral Epidemiol. 2003;31 Suppl 1:3-23.
10. Feitosa S, Colares V; Pinkham J. The psychosocial effects of severe caries in 4-yearold children in Recife, Pernambuco, Brazil. Cad Saude Publica. 2005; 21:1550-56.
11. Watt RG. Strategies and approaches in oral disease prevention and health promotion.
Bull World Health Organ. 2005;83:711-718.
12. Pine CM, Adair PM, Petersen PE et al. Developing explanatory models of health
inequalities in childhood dental caries. Community Dent Health. 2004; 21 Suppl: 86-95.
165
13. Rychetnik L, Frommer M, Hawe P, Shiell A. Criteria for evaluating evidence on public
halth interventions. J Epidemiol Community Health. 2002; 56:119-127.
14. Ismail AI. Determinants of health in children and the problem of early childhood caries.
Pediatr Dent. 2003; 25:328-333.
15. World Health Organization. Global strategy for the prevention and control of
noncommunicabole diseases. Geneva: World Health Organization; 2000.
16. Sheiham A, Watt RG. The common risk factor approach: a rational basis for promoting
oral health. Community Dent Oral Epidemiol. 2000; 28:399-406.
17. Brazil. Health Ministry. Ten Steps for Healthy Feeding. Brasília: Health Ministry; 2002.
18. Vitolo MR, Bortolini GA, Feldens CA, Drachler ML. Impacts of the 10 Steps to
Healthy Feeding in Infants: a randomized field trial. Cad Saude Publica. 2005;21:144857.
19. Feldens CA, Vítolo MR, Drachler ML. A randomized trial of the effectiveness of home
visits in preventing early childhood caries. Community Dent Oral Epidemiol.
2007;35:215-23.
20. Vítolo MR, Bortolini GA, Campagnolo PD, Feldens CA. Effectiveness of a nutrition
program in reducing symptoms of respiratory morbidity in children: a randomized field
trial. Prev Med. 2008 [in print].
21. Drewnowski A. Concept of a nutritious food: toward a nutrient density score. Am J Clin
Nutr. 2005; 82:721-32.
22. Drury TF, Horowitz AM, Ismail AI, Maertens MP, Rozier RG, Selwitz RH. Diagnosing
and reporting early childhood caries for research purposes. A report of a workshop
sponsored by the National Institute of Dental and Craniofacial Research, the Health
Resources and Services Administration, and the Health Care Financing Administration.
J Public Health Dent. 1999;59:192-7.
23. Peres MA, Latorre MRDO, Sheiham A, Peres KGA, Barros FC, Hernandez PG, Maas
AMN, Romano AR, Victora, CG. Social and biological early life influences on severity
of dental caries in children aged 6 years. Community Dent Oral Epidemiol. 2005;
33:53-63.
166
24. Ruottinen S, Karjalainen S, Pienihäkkinen K, Lagström H, Niinikoski H, Salminen M,
Rönnemaa T, Simell O. Sucrose intake since infancy and dental health in 10-year-old
children. Caries Res. 2004;38:142-8.
25. Jamel HA, Sheiham A, Cowell CR, Watt RG. Taste preference for sweetness in urban
and rural populations in Iraq. J Dent Res. 1996;75:1879-84.
26. Lipsit LP, Crook C, Booth CA. The transitional infant: behavioral development and
feeding. Am J Clin Nutr. 1985;41:485-96.
27. Rossow I, Kjaernes U, Holst D. Patterns of sugar consumption in early childhood.
Community Dent Health. 1990;18:12-6.
28. Kay EJ, Locker D. Is dental health education effective? A systematic review of current
evidence. Community Dent Health. 1996; 24:231-5.
29. Hamilton FA, Davis KE, Blinkhorn AS. An oral health promotion programme for
nursing caries. Int J Paediatr Dent. 1999; 9:195-200.
30. Vachirarojpisan T, Shinada K, Kawaguchi Y. The process and outcome of a programme
for preventing early childhood caries in Thailand. Community Dent Health. 2005;
22:253-259.
31. Petersen PE, Peng B, Tai B, Bian Z, Fan M. Effect of a school-based oral health
education programme in Wuhan City, Peoples Republic of China. Int Dent J.
2004;54:33-41.
32. Weinstein P, Harrison R, Benton T. Motivating mothers to prevent caries: confirming
the beneficial effect of counseling. J Am Dent Assoc. 2006;137:789-93.
33. de Oliveira LD, Giugliani ER, do Espírito Santo LC, França MC, Weigert EM, Kohler
CV, de Lourenzi Bonilha AL. Effect of intervention to improve breastfeeding technique
on the frequency of exclusive breastfeeding and lactation-related problems. J Hum Lact.
2006;22:315-21.
34. Howat AP, Holloway PJ, Brandt RS. The effect of diagnostic criteria on the sensitivity
of dental epidemiological data. Caries Res. 1981;15:117-23.
35. Ismail AI, Sohn W. A systematic review of clinical diagnostic criteria of early
childhood caries. J Public Health Dent. 1999;59:171-91.
167
36. Fletcher RH, Fletcher SW, Wagner EH. Clinical epidemiology: the essentials. 3 ed.
Baltimore: Williams & Wilkins; 1996.
37. Sisson KL. Theoretical explanations for social inequalities in oral health. Community
Dent Oral Epidemiol. 2007; 35:81-88.
38. Macinko J, Guanais FC, de Fátima M, de Souza M. Evaluation of the impact of the
Family Health Program on infant mortality in Brazil, 1990-2002. J Epidemiol
Community Health. 2006; 60:13-9.
39. Sheiham A. Oral health, general health and quality of life. Bull World Health Organ.
2005;83:644.
40. Davies GM, Worhington HV, Ellwood RP, Bentley EM, Blinkhorn AS, Taylor GO,
Davies RM. A randomised controlled trial of the effectiveness of providing free fluoride
toothpaste from the age of 12 months on reducing caries in 5-6-year old children.
Community Dent Health. 2002; 19:131-136.
41. Weintraub JA, Ramos-Gomez F, Jue, B, Shain S, Hoover CI, Featherstone JDB, Gansky
SA. Fluoride varnish efficacy in preventing early childhood caries. J Dent Res. 2006;
85:172-176.
168
Assessed for eligibility
(n=559)
Refused to participate
(n=59)
Randomized
(n=500)
Allocated to intervention (n=200)
Received allocated intervention (n=197)
Did not receive allocated intervention:
address not found (n=3)
Allocated to control (n=300)
Started the follow-up (n=272)
Did not start the follow-up:
address not found (n=28)
First year assessment
Lost to follow-up (n=34)
Dietary behaviour variables (n=163)
Did not attend dental examination (n=5)
Dental examination (n=158)
Excluded for being predentulous (n=1)
Analysed (n=157)
First year assessment
Lost to follow-up (n=38)
Dietary behaviour variables (n=234)
Did not attend dental examination (n=14)
Dental examination (n=220)
Excluded for being predentulous (n=1)
Analysed (n=219)
Fourth year assessment
Lost to follow-up (n=17)
Reasons:
Family moved to another city (n=11);
address not found (n=4); refusal (n=2)
Dental examination (n=141)
Analysed (n=141)
Fourth year assessment
Lost to follow-up (n=21)
Reasons:
Family moved to another city (n=13);
address not found (n=6); refusal (n=2)
Dental examination (n=199)
Analysed (n=199)
Figure 1 - Trial Profile
169
Table 1 - Baseline comparison of children’s/mothers’ characteristics at enrollment
Intervention
Control
Variables
(n=141)
(n=199)
Sex, Males: N (%)
85 (60.3)
110 (55.3)
Weight at birth, g: Mean (SD)
3,374 (485)
3,353 (460)
Length at birth, cm: Mean (SD)
48.7 (2.0)
48.8 (2.1)
Maternal age at child’s birth, y: Median (Q1-Q3) 26.0 (21.0-30.5) 25.0 (20.0-30.0)
Maternal level of education: N (%)
141 (70.9)
103 (73.0)
≤ 8 years
58 (29.1)
38 (27.0)
> 8 years
Family income: N (%)
131 (67.9)
99 (72.3)
< 3.0 BMW*
62 (32.1)
38 (27.7)
> 3.0 BMW
* 1 BMW (Brazilian Minimum Wage): U$ 80.00
170
Table 2 - Number of children assessed for dental caries, number of children with ECC
and S-ECC, relative risks and NNT for ECC and S-ECC and distribution of d1+mft by
group status at the age of 4 years.
Intervention
Control
Outcome
P value
(n=141)
(n=199)
Primary outcome
Children with ECC§
N (%)
76 (53.9)
138 (69.3)
0.004
RR (95% CI)
0.78 (0.65-0.93)
1.00
NNT (95% CI)
6.5 (3.9-20.0)
Secondary outcomes
Children with S-ECC†
N (%)
41 (29.1)
85 (42.7)
0.010
RR (95% CI)
0.68 (0.50-0.92)
1.00
NNT (95% CI)
7.3 (4.2-29.4)
d1+mft ‡
Mean (SD)
3.25 (4.25)
4.15 (4.57)
0.023*
Minimum-maximum
0-18
0-20
Median (Q1-Q3)
2.00 (0-5)
2.00 (0-7)
§ ECC defined as d1+mft≥1
†
S-ECC defined as one or more cavitated, missing, or filled smooth surfaces in primary maxillary anterior
teeth, or d1+mfs≥5.
‡ d1+mft: number of decayed (cavitated or not), missing or filled teeth.
* Mann Whitney p-value for differences in average number of decayed teeth
171
Table 3 - Comparability between the intervention and control groups for feeding
behaviours targeted by the dietary intervention.
Feeding practices
Duration of exclusive breastfeeding
<4 months
≥4 months
Total
Age at which sugar was introduced
≤ 6 months
> 6 months
Total
Complementary foods
Thick
Liquid
Total
Daily consumption of fruits and vegetables
at 1 year
Yes
No
Total
Night-time bottle use at 1 year
Yes
No
Total
Number of daily meals and snacks at 1 year
<7
7-8
>8
Total
High density of lipids at 1 year
Yes
No
Total
High density of sugar at 1 year
Yes
No
Total
n
Group
Intervention
Control
n (%)
n (%)
p*
0.008
260
74
334
97 (70.3)
41 (29.7)
138
163 (83.2)
33 (16.8)
196
292
47
339
112 (80.0)
28 (20.0)
140
180 (90.5)
19 (9.5)
199
250
81
331
109 (80.7)
26 (19.3)
135
141 (71.9)
55 (28.1)
196
0.010
0.089
0.744
50
280
330
22 (16.3)
113 (83.7)
135
28 (14.4)
167 (85.6)
195
197
141
338
86 (61.4)
54 (38.6)
140
111 (56.1)
87 (43.9)
198
136
114
90
61 (43.3)
53 (37.6)
27 (19.1)
141
75 (37.7)
61 (30.7)
63 (31.7)
199
158
173
331
48 (35.6)
87 (64.4)
135
110 (56.1)
86 (43.9)
196
91
240
331
24 (17.8)
111 (82.2)
135
67 (34.2)
129 (65.8)
196
0.382
0.035
<0.001
0.002
* Chi-square test (variables with two categories: Yates’ correction)
172
RESUMO DO ARTIGO 1 NA LÍNGUA PORTUGUESA
Objetivos: Investigar a efetividade a longo prazo de visitas às residências para orientar
mães sobre práticas alimentares saudáveis no primeiro ano de vida na ocorrência de
cárie precoce da infância (CPI) e cárie severa da infância (CSI) aos 4 anos de idade.
Métodos: Um ensaio randomizado (grupo intervenção=200; grupo controle=300) foi
realizado com mães de crianças que nasceram no Hospital de São Leopoldo, Brasil, no
setor do Sistema Único de Saúde (SUS). O grupo intervenção recebeu aconselhamento
mensalmente até o 6o. mês e de dois em dois meses até completar o primeiro ano de
vida, baseado nos “Dez Passos para uma Alimentação saudável”, uma política nacional
do Brasil para atenção primária basada nas diretrizes da OMS. O aconselhamento
nutricional incluía promoção do aleitamento materno exclusivo, introdução gradual de
alimentação complementar, intervalos razoáveis entre as refeições, encorajar o consumo
de frutas e vegetais e evitar alimentos com alta densidade de gordura e açúcar. Variáveis
de ambos os grupos foram coletadas aos 6 e 12 meses e 4 anos de idade; 160 crianças
foram perdidas no seguimento de 4 anos; 340 foram avaliadas em relação à ocorrência
de CPI e CSI.
Resultados: 53,9% (76/141) das crianças do grupo intervenção e 69,3% (138/199) do
grupo controle apresentaram CPI, com um risco 22% menor no grupo intervenção (RR
0,78; IC 95% 0,65-0,93; NNT 6,5); 29,1% (41/141) das crianças do grupo intervenção e
42,7% (85/199) do grupo controle apresentavam CSI. O risco de apresentar CSI foi 32%
menor para o grupo intervenção (RR 0,68; IC 95% 0,50-0,92; NNT 7,3). O número de
dentes cariados (lesão com ou sem cavidade), perdidos e restaurados (c1+eo-d) foi
menor para o grupo intervenção (3,25) em relação ao grupo controle (4,15) (teste de
Mann Whitney; p=0,023).
173
Conclusões: Estes achados sugerem a exeqüibilidade e efetividade de uma intervenção
envolvendo visitas às residências no primeiro ano de vida na redução da ocorrência e
severidade de cárie aos 4 anos de idade em uma comunidade de baixa renda. Esta
intervenção de saúde geral deve ser conjugada com medidas específicas baseadas em
evidências para prevenir cárie dentária em crianças.
174
6. ARTIGO 2
Práticas alimentares no primeiro ano de vida e cárie severa da infância
(CSI) aos 4 anos de idade em crianças do sul do Brasil
Early feeding practices and Severe Early Childhood Caries (S-ECC)
in 4-year-old children from Southern Brazil
Carlos Alberto Feldens, Doutorando em Epidemiologia pela UFRGS
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL (UFRGS)
A ser submetido ao periódico: Community Dentistry and Oral Epidemiology
175
Early feeding practices and Severe Early Childhood Caries (S-ECC)
in 4-year-old children from Southern Brazil
Carlos Alberto Feldens1
Elsa Regina Justo Giugliani2
Álvaro Vigo2
Márcia Regina Vítolo3
1. Department of Paediatric Dentistry, Universidade Luterana do Brasil
2. Post-Graduate Programme in Epidemiology, School of Medicine, Universidade
Federal do Rio Grande do Sul
3. Post-Graduate Programme, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto
Alegre
Running title: Early feeding practices and Severe Early Childhood Caries
Correspondence author:
Carlos Alberto Feldens
Rua João Telles 185/1301, Porto Alegre, RS.
ZIP Code 90.035.121, Brazil.
176
Abstract
Objective: To investigate the relationship between feeding practices in the first year of
life and the occurrence of S-ECC at four years of age. Methods: A birth cohort study
was conducted in children who were born within the public health system in the
Brazilian city of São Leopoldo. The cohort started with 500 children; losses comprised
122 (24.4%) children at the first-year dental examination and 38 (7.6%) additional
children in the fourth-year assessment. Feeding practices were assessed using
standardised methods at 6 and 12 months of age. A total of 340 children were examined
at 4 years of age, with dental caries being recorded at the level of non-cavitated lesions.
S-ECC was defined as recommended by an expert panel for research purposes: one or
more cavitated, missing, or filled smooth surfaces in primary maxillary anterior teeth or
d1+mfs≥5. Poisson regression with robust variance was used in order to determine the
early feeding practices which represent risk factors for the occurrence of S-ECC at 4
years of age. Relative risks were adjusted for possible confounders, including
socioeconomic variables and group status of children. Results: 37% of children
(126/340) presented S-ECC at 4 years. Multivariable model showed higher adjusted risk
of S-ECC for the following dietary practices at 12 months: breastfeeding ≥ 7 times daily
(RR 1.97; 95% CI 1.45-2.68), high density of sugar (RR 1.43; 95% CI 1.08-1.89), bottle
use for liquids other than milk (RR 1.41; 95% CI 1.08-1.86), number of meals and
snacks >8 (RR 1.42; 95% CI 1.02-1.97). Mother’s education ≤8 years (RR 1.50; 95% CI
1.03-2.19) and number of teeth at 12 months were also associated with the outcome.
Conclusions: The present study identified early feeding practices which represent risk
factors for caries severity in subsequent years. These findings may contribute to
developing general and oral health interventions, with special attention to families with
low maternal education.
Key words: Dental caries; early childhood caries; severity; diet; nutrition; risk factors,
cohort study.
177
INTRODUCTION
Severe Early Childhood Caries (S-ECC) refers to a more progressive and acute
pattern of childhood caries, and the term was developed to identify those children with
the highest level of disease in each population (1). Children with S-ECC are those who
are more likely to present pain, chewing difficulties, speech problems, general health
disorders and psychological problems (2-4). Furthermore, children with high severity of
caries attend dental services with more treatment need, which is expensive, difficult to
access in most developing countries and may require general anaesthesia (2, 5).
Aetiology of childhood caries is complex and there are several unknown risk
factors. Therefore, scientific evidence on which to base public health interventions to
prevent the disease is still insufficient (2-3, 6-9). WHO has indicated dietary guidance
as one of the major challenges to reduce obesity and other outcomes such as coronary
heart disease, stroke, diabetes, cancers and dental caries (10). Although dietary
behaviour is a crucial element in the causality of dental caries (11), especially in very
young children, few cohort studies have assessed the effects of early dietary factors on
childhood caries, and none of them was conducted on children under 1 year of life.
Thus, recognizing feeding practices in the early years of life that may pose a risk for the
future occurrence of S-ECC can be beneficial to oral health and significantly contribute
to the improvement of programmes targeted at reducing disease burden in different
populations (5, 8, 12).
Therefore, the aim of the present study is to investigate feeding practices in the
first year of life associated with S-ECC at the age of 4 years.
178
METHODS
Subjects and study design
This prospective cohort study is part of a randomized trial which recruited 500
infants at birth in São Leopoldo, southern Brazil. The overall project consisted of two
components: (1) the effectiveness of an intervention based on nutritional advice on
diarrhoea, respiratory disease symptoms, anaemia, low height-for-age and ECC at 12
months and 4 years of age; and (2) the investigation of risk factors for these general and
oral health outcomes.
São Leopoldo has a population of about 200,000 inhabitants and almost all
households have access to public water supply with fluoride level of 0.7 ppm, but
restorative or preventive dental care is not provided through public services for young
children. The mothers were recruited from the maternity ward of the city’s only publicly
funded hospital, which serves mainly the low-income population. All mothers who gave
birth to an apparently normal, single, full-term (≥37 weeks) baby with normal birth
weight (≥2500g) were invited to take part in the study. The exclusion criteria were:
impediment to breastfeeding (HIV/AIDS) or congenital malformation. The intervention
group received dietary advice during home visits in the first year of life, based on the
"Ten Steps to Healthy Feeding", a Brazilian national health policy for primary care,
supported by WHO. Details on the methodology and outcomes when children were 12
to 16 months old, including dental caries, were previously published (13-15).
The present study investigated feeding practices in the first year of life
associated with S-ECC at the age of 4 years. Socioeconomic factors and hygiene
practices were also assessed, given the possibility of confounding the association
179
between feeding practices and S-ECC. A new sample size was calculated based on the
following parameters: 95% confidence interval, power of 80%, unexposed (maternal
schooling > 8 years) to exposed (maternal schooling ≤ 8 years) ratio of 1:2, prevalence
of outcome in unexposed and exposed of 30% and 50%, respectively (Peres et al, 2005).
These parameters determined the need to examine 233 children, 155 exposed and 78
unexposed ones. The required sample size (n=233) was increased by 30%, thus
including 303 children, for the sake of the multivariate analysis. All the children in the
cohort were invited for the fourth-year assessment.
Research assessment questionnaires
Nutrition graduate students not involved in the intervention carried out face-toface structured interviews with the mothers of all children in their homes when they
were 6 and 12 months. Socioeconomic variables (mother’s education, mother’s and
father’s occupation status and family income) were investigated in the sixth-month
assessment. Dietary behaviour variables were assessed at 6 and 12 months, using faceto-face structured interviews of the beginning, duration and frequency of the feeding
practices during the previous 6 months. These interviews investigated, separately for
each month, breast and bottle feeding during day and night, frequency and composition
of complementary foods, use of sugar, honey, sweetened beverages, biscuits, chocolate,
and salty snacks. At 12 months, a 24-hour dietary recall was used by fieldworkers for
obtaining data about the number of meals and snacks, frequency of breastfeeding, cow’s
milk volume, bottles for liquids other than milk (generally fruit juices, beverages or
teas) and night-time bottle use. The sum of the number of times an infant was breastfed
during the day and night allowed determining the breastfeeding frequency. Mothers
were also asked about the intake of foods with high density of sugar and lipids in the
180
last month. High density of sugar was regarded as a proportion greater than 50% of
simple carbohydrates in 100 grams of food (e.g. candies, soft drink, sugar and honey)
whereas high density of lipids referred to a fat content greater than 30% in 100 grams of
food (e.g. salty snacks, filled cookies and chocolate) (16). Brushing with a fluoride
toothpaste was also investigated at 12 months.
The questionnaires were tested in a pilot study of 16 mothers of children aged 6
months and 12 months attending primary care services, and modified accordingly. In
order to warrant methodological quality of data collection fieldworkers were submitted
to a: (a) training programme (12 hours), which included simulated questions and
answers using a standardised questionnaire and a 24-hour dietary recall; (b) blinding to
the child’s group status; and (c) supervision during fieldwork and checking of data by
an experienced nutritionist.
Clinical Dental Examination
Dental examinations at the fourth-year assessment were performed at a
municipal health centre by the same examiner of the first-year follow up, with the child
seated in an ordinary chair. Teeth were brushed and dried with gauze and each dental
surface was inspected with the help of a mouth mirror. Outcome in this study was SECC according to NIH case definition (1): one or more cavitated, missing, or filled
smooth surfaces in primary maxillary anterior teeth, or decayed (d1+), missing or filled
surface (d1+mfs) values of 5 or higher. The examiner was blinded to the children’s
independent variables and intra-examiner reproducibility was previously assessed in
two dental examinations 14 days apart in 20 children aged 3-5 years (kappa
score=0.90). Number of teeth at 12 months had been assessed at the first-year dental
examination.
181
Statistical analysis
This study examines the effects of dietary practices in the first year of life on the
occurrence of S-ECC at 4 years of age. The following feeding practices were
investigated: night-time bottle use, bottle use for drinks other than milk, frequency of
breastfeeding, high frequency of daily meals/snacks, high density of sugar, high density
of lipids and among those who do not eat family meals at 12 months.
The statistical analyses were performed using SAS (17). Unadjusted and
adjusted relative risks of developing S-ECC were estimated in robust Poisson regression
models fit using PROC GENMOD of the SAS software. First, the relative risks and
95% confidence intervals (95%CI) of each variable were estimated separately. Since the
effects of dietary practices on S-ECC may be confounded by maternal schooling, per
capita income, gender, toothbrushing with fluoride paste and number of teeth at 12
months, these variables were included in the analysis. We performed multivariable
modeling starting with all available risk factors and confounders for S-ECC using
backward elimination if Wald p-value was higher than 0.05, except for the variable that
represent the intervention, which remained in the models irrespective of the statistical
significance. Interactions were evaluated by Wald tests in the final model.
Ethical aspects
This study was approved by the Ethical Committee of Universidade Federal do
Rio Grande do Sul. A parent gave a written informed consent for the various research
procedures. Both groups received routine assistance by their paediatricians. In the
fourth-year assessment, the two groups had a nutritional evaluation (anthropometric
measurements, blood haemoglobin measurement), child development and dental
examinations and their dwellings were assessed for risk factors for childhood injuries.
182
Children with dental caries were referred for paediatric dental treatment. Children with
anaemia, overweight, wasting, stunting or developmental problems were referred to
their primary care doctors for further assessment and treatment.
RESULTS
Oral examinations were carried out in 68% (n =340/500) of the initially recruited
children. Age of children varied from 48 to 53 months (mean 50.5; SD 1.7); 195
(57.4%) were boys; maternal level of education varied from 1 to 13 years of schooling,
with 71.2% of mothers having ≤ 8 years of schooling; and family income was low for
most families, of which 82% had an income per capita below one national minimum
wage (approximately U$ 80.00). Losses comprised 122 children at the first-year dental
examination (24.4%) and 38 additional children in the fourth-year assessment (7.6%).
Reasons for losses between birth and the fourth-year assessment were: family moved to
another city (n=67), refusal to participate (n=45), address not found (n=41), infant given
up for adoption (n=1), genetic illness (n=2), child’s death (n=2), severe illness of the
mother (n=1) and maternal death (n=1).
Of the 340 children examined in the fourth-year assessment, 126 (37%) were
caries-free, 88 (26%) presented dental caries but did not present S-ECC and 126 (37%)
presented S-ECC. The d1+mft index ranged from 0 to 20 (Mean 3.78; SD=4.46) and
median (Q1-Q3) was 2.0 (0-6). Among children with S-ECC, 50% (63/126) presented
both conditions which define the disease (d1+mfs ≥5 and at least one maxillary anterior
teeth with cavitation) and the others presented just one condition: in 36.5% (46/126) of
children S-ECC was defined by d1+mfs ≥5 and in 13.5% (17/126) of them S-ECC was
defined by at least one maxillary anterior teeth with cavitation.
183
Results of the univariable Poisson regression analysis are shown in Table 1.
Significant associations were observed between the occurrence of S-ECC at 4 years of
age and the following feeding practices: breastfeeding duration, frequency of
breastfeeding, night-time bottle use, bottle use for liquids other than milk, high density
of sugar and high density of lipids. Both socioeconomic variables - maternal schooling
and per capita income - and number of teeth at 12 months were also associated with the
outcome. No association was found in the univariable analysis between S-ECC and
gender, age at which sugar was introduced, number of daily meals or eating family
meals at 12 months and toothbrushing with fluoride paste.
Table 2 presents the final multivariable model for the effects of feeding practices
at 12 months on S-ECC. The risk of S-ECC was higher for children currently being
breastfed ≥ 7 times daily (RR 1.97; 95% CI 1.45-2.68) or 3 to 6 times a day (RR 2.04;
95% CI 1.22-3.39) compared to those breastfed once or twice a day or not breastfed; for
those currently using a bottle for drinking other liquids besides milk (RR 1.41; 95% CI
1.08-1.86) as well as for those with consumption of high-density sugar (RR 1.43; 95%
CI 1.08-1.89). Although the frequency of dietary intake was not associated in the
univariable analysis, the adjusted model showed that the risk of S-ECC was higher for
children having more than eight daily meals or snacks (RR 1.42; 95% CI 1.02-1.97)
compared to those who had less than seven meals or snacks. This model also shows that
the risk of S-ECC was higher when maternal schooling was less than or equal to 8 years
(RR 1.50; 95% CI 1.03-2.19) and for children presenting more than six teeth at 12
months (RR 1.42; 95% CI 1.50-1.12). Per capita income, breastfeeding duration, nighttime bottle use and high density of lipids lost their significance after adjusting for the
confounding effect of the other variables. No statistically significant interactions were
found between variables.
184
DISCUSSION
Dietary practices during the first year of life in a birth cohort were assessed to
answer the central question of this study: “What are the feeding practices in the first
year of life associated with S-ECC at 4 years of age?” The results confirmed the
hypothesis that some early life feeding practices have an influence on severity of dental
caries in subsequent years.
High frequency of breastfeeding at the age of 1 year was shown to increase the
risk of S-ECC as reported in previous research (18-21), but breastfeeding duration lost
its significance after adjustment. WHO guidelines recommend breastfeeding up to 2
years or more, with appropriate solid food being introduced after the age of 6 months to
complement the nutrients supplied by breast milk (22). Our finding suggests that
prolonged breastfeeding per se is not a risk factor if it occurs once or twice a day.
However, most children in this population who continued to be breastfed after 12
months were breastfed several times a day. Prolonged contact of human milk with teeth
has been shown to result in acidogenic conditions, since the re-/demineralization
equilibrium is shifted toward demineralization and increasing the time per day that
fermentable carbohydrates are available may lead to softening of enamel (21, 23). One
should argue that high frequency of breastfeeding might be related to other cariogenic
dietary factors, but the association remained statistically significant after adjustment for
other dietary practices in the first year of life. On the other hand, exposure to sugars
before 12 months in practically all children in this study possibly contributed to a high
level of Streptococcus mutans (24). This characteristic might have increased the
cariogenic effect of high frequency of breastfeeding and should be taken into account
when extrapolating this finding to other populations.
185
The association between S-ECC and using a bottle for drinking liquids other
than milk is also in line with other longitudinal studies and may be explained by the low
pH of fruit juices and beverages and their frequent use in bottles as a child pacifier (2527). Providing fruit juices in the bottle allows them to drink them constantly during the
day, which is also a problem from the nutritional standpoint (27). Despite the
recommendation that children should use glasses or cups for consumption of liquids
after the exclusive breastfeeding period (29-30), the bottle is still widely used by a
remarkable number of preschoolers (31-32). The hypothesis that risk of S-ECC
increases with night-time bottle use at 12 months was not confirmed in our findings.
Interestingly, as reported by Milgrom et al (33), the crude point estimate, in this study,
for sleeping with the bottle suggests that this factor may be protective against caries
severity. In fact, this association was clearly confounded by breastfeeding frequency
(children without night-time bottle use were more likely to breastfeed), and lost
significance after adjustment.
Some studies found an association between S-ECC and high frequency of food
intake, whereas others described weak or no association (34-35). Although the distinct
characteristics
of
populations
may
explain
the
differences
obtained,
some
methodological aspects should be considered. It is quite likely that directly asking “how
many times the child consumes sugar or feeds throughout the day” is not sensitive
enough to determine a high frequency of food intake. In addition, significant changes in
the estimates of this variable occurred after adjusting it for confounding factors,
showing how complex it is to analyse interdependent feeding practices. The association
observed suggests that, regardless of their contents, there should be intervals between
meals, confirming that this general health recommendation (29) also offers benefits to
oral health in very young children.
186
The amount and frequency of sugar, as well as the time of consumption have
been found to be significantly related to childhood caries (11). The present study
assessed “high density of sugar”, which is especially relevant to general health. As
sugar consumption is associated with obesity and type 2 diabetes, WHO has cautioned
against the excessive consumption of energy-dense foods, notably those high in sugar
and fat (16). The results of this study demonstrate that, regardless of the frequency of
food intake, high density of sugar at 12 months is a risk factor for S-ECC at the age of 4
years. Therefore, besides the benefits to general health, reduction in the consumption of
sugar in the first year of life is a protective measure in terms of oral health in subsequent
years.
The effect of maternal education on S-ECC was attenuated by the mediating
effect of dietary practices. This finding suggests that dietary practices represent a
possible pathway by which maternal education is protective against dental caries.
Fatalistic belief or knowledge of children’s hygiene needs represent maternal
psychosocial characteristics associated with childhood caries (8) and probably represent
other ways whereby maternal schooling plays a role. However, the exact mechanism
remains incompletely explained (8, 36) and our results can not help explain this issue.
More comprehensive models are needed to investigate how socioeconomic conditions
may affect childhood caries. The finding that toothbrushing with fluoride dentifrice was
not associated with S-ECC may be partly explained by the general quality of brushing
in children younger than 12 months. Also, it is possible that toothbrushing habit at the
age of 1 year may not predict oral hygiene practices in subsequent years, just as with the
consumption of sugar. Similar results have been already described in young children
(33).
187
Some aspects of the methodology of this investigation need to be commented.
First, losses were fairly high, especially between birth and the first-year assessment. To
minimise this problem, identification data were extensively collected by researchers at
the beginning of the study. However, a significant number of families moved away
within the first weeks after the child’s birth without letting the research staff know
about it or refused to participate in the study. This is a common problem in cohort
studies, chiefly in populations with high mobility, and constitutes a limitation of the
present study.
The possibility of information bias has to be considered in studies that
investigate dietary practices, since investigators have to rely on participants’ memories.
In the present study, the period between the feeding practices and data collection was
never longer than 6 months, thus limiting the bias. Furthermore, the effects of the
variables may be attenuated rather than increased by this phenomenon (37). A particular
methodological aspect of the present study concerns the rigour with which data on
feeding practices were collected, including an intensively trained staff supervised by an
experienced nutritionist in order to reduce information bias, a common problem in
studies of this type (11). In addition, the variables were collected where families lived,
which possibly contributed towards the report of actual feeding behaviour by the
mothers.
The results of the present study can be generalised for populations with similar
levels of exposure, such as low socioeconomic status, poor access to professional
healthcare and early introduction of sugar in children’s diet. The estimates might be
smaller in populations with a healthier eating behaviour or with better access to early
preventive care.
188
In conclusion, based on the early dietary variables identified as risk factors for
S-ECC, general and health promotion programmes targeted at infants and toddlers
should emphasise the need to (1) avoid/reduce the consumption of foods with high
density of sugar; and (2) keep intervals between meals. These are simpler and more
objective implementation recommendations to which new mothers are especially
sensitive (14).
On the other hand, further studies are recommended to develop
strategies that can positively interfere in more complex feeding practices, such as bottle
use for the consumption of fruit juices, soft drinks and other beverages. Mothers should
be advised mainly in the first months of life, before children make transitions from the
exclusive milk diet to a variety of foods, representing an important time to exert positive
influence on eating habits (38). Finally, those recommendations should also include
improvement in educational level, a crucial policy for reducing a whole gamut of
childhood diseases.
189
REFERENCES
1. Drury TF, Horowitz AM, Ismail AI, Maertens MP, Rozier RG, Selwitz RH.
Diagnosing and reporting early childhood caries for research purposes. A report of a
workshop sponsored by the National Institute of Dental and Craniofacial Research,
the Health Resources and Services Administration, and the Health Care Financing
Administration. J Public Health Dent. 1999;59:192-7.
2. Ismail AI. Prevention of early childhood caries. Community Dent Oral Epidemiol.
1998; 26 Suppl 1:49-61.
3. Ramos-Gomez FJ, Weintraub JA, Gansky SA, Hoover CI, Featherstone JD. Bacterial,
behavioral and environmental factors associated with early childhood caries. J Clin
Pediatr Dent. 2002; 26:165-73.
4. Feitosa S, Colares V; Pinkham J. The psychosocial effects of severe caries in 4-yearold children in Recife, Pernambuco, Brazil. Cad Saude Publica. 2005; 21:1550-56.
5. Peres MA, Latorre MRDO, Sheiham A, Peres KGA, Barros FC, Hernandez PG, Maas
AMN, Romano AR, Victora, CG. Social and biological early life influences on
severity of dental caries in children aged 6 years. Community Dent Oral Epidemiol.
2005; 33:53-63.
6. Pine C, Adair PM, Petersen PE et al. Developing explanatory models of health
inequalities in childhood dental caries. Community Dent Health. 2004; 21 Suppl: 8695.
7. Hallett KB, O'Rourke PK. Pattern and severity of early childhood caries. Community
Dent Oral Epidemiol. 2006; 34:25-35.
8. Finlayson TL, Siefert K, Ismail AI, Sohn W. Psychosocial factors and early childhood
caries among low-income African-American children in Detroit. Community Dent
Oral Epidemiol. 2007;35:439-48.
9. Selwitz RH, Ismail AI, Pitts NB. Dental caries. Lancet. 2007;369:51-9.
10. World Health Organization. Global strategy for the prevention and control of
noncommunicable diseases. Geneva: World Health Organization; 2000.
190
11. Harris R, Nicoll AD, Adair PM, Pine CM. Risk factors for dental caries in young
children: a systematic review of the literature. Community Dental Health. 2004; 21
Suppl:71-85.
12. Sanders D, Labonte R, Baum F, Chopra M. Making research matter: a civil society
perspective on health research. Bull World Health Organ. 2004; 82:757-63.
13. Vitolo MR, Bortolini GA, Feldens CA, Drachler ML. Impacts of the 10 Steps to
Healthy Feeding in Infants: a randomized field trial. Cad Saude Publica.
2005;21:1448-57.
14. Feldens CA, Vítolo MR, Drachler ML. A randomized trial of the effectiveness of
home visits in preventing early childhood caries. Community Dent Oral Epidemiol.
2007;35:215-23.
15. Vítolo MR, Bortolini GA, Campagnolo PD, Feldens CA. Effectiveness of a nutrition
program in reducing symptoms of respiratory morbidity in children: a randomized
field trial. Prev Med 2008 [in print].
16. Drewnowski A. Concept of a nutritious food: toward a nutrient density score. Am J
Clin Nutr. 2005; 82:721-32.
17. SAS Institute Inc. SAS/STAT Users Guide, Version 9. Cary, NC: SAS Institute Inc;
2003.
18. Dini EL, Holt RD, Bedi R. Caries and its association with infant feeding and oral
health-related behaviours in 3-4-year-old Brazilian children. Community Dent Oral
Epidemiol. 2000;28:241-8.
19. Sayegh A, Dini EL, Holt RD, Bedi R. Caries prevalence and patterns and their
relationship to social class, infant feeding and oral hygiene in 4-5-year-old children in
Amman, Jordan. Community Dent Health. 2002; 19:144-51.
20. Valaitis R, Hesch R, Passarelli C, Sheehan D, Sinton J. A systematic review of the
relationship between breastfeeding and early childhood caries. Can J Public Health.
2000; 91:411-417.
21. van Palenstein Helderman WH, Soe W, van 't Hof MA. Risk factors of early
childhood caries in a Southeast Asian population. J Dent Res. 2006;85:85-8.
191
22. World Health Organization. Complementary feeding of young children in developing
countries: a review of current scientific knowledge. Geneva: WHO; 1998.
23. Thomson ME, Thomson CW, Chandler NP. In vitro and intra-oral investigations into
the cariogenic potential of human milk. Caries Res. 1996;30:434-38.
24. Wan AK, Seow WK, Purdie DM, Bird PS, Walsh LJ, Tudehope DI. A longitudinal
study of Streptococcus mutans colonization in infants after tooth eruption. J Dent Res.
2003;82:504-8.
25. Wendt LK, Birkhed D. Dietary habits related to caries development and immigrant
status in infants and toddlers living in Sweden. Acta Odontol Scand. 1995; 53:339-44.
26. Ollila P, Niemela M, Uhari M, Larmas M. Prolonged pacifier-sucking and use of a
nursing bottle at night: possible risk factors for dental caries in children. Acta Odontol
Scand. 1998;56:233-7.
27. Marshall TA, Levy SM, Broffitt B, Warren JJ, Eichenberger-Gilmore JM, Burns TL,
Stumbo PJ. Dental caries and beverage consumption in young children. Pediatrics.
2003;112:184-91.
28. American Academy of Pediatrics: The use and misuse of fruit juice in pediatrics.
Pediatrics. 2001;107:1210-3.
29. Brazil. Health Ministry. Feeding Guidelines for children from birth to two years.
Brasília: Health Ministry; 2002.
30. Department of Health. Weaning and the weaning diet. Report of the Working Group
on the Weaning Diet of the Committee on Medical Aspects of Food Policy. Rep
Health Soc Subj (Lond).1994;45:1-113.
31. Davies GM, Duxbury JT, Boothman NJ, Davies RM, Blinkhorn AS. A staged
intervention dental health promotion programme to reduce early childhood caries.
Community Dental Health. 2005; 22: 118-122.
32. Azevedo TD, Bezerra AC, de Toledo OA. Feeding habits and severe early childhood
caries in Brazilian preschool children. Pediatr Dent. 2005;27:28-33.
33. Milgrom P, Riedy CA, Weinstein P, Tanner AC, Manibusan L, Bruss J. Dental caries
and its relationship to bacterial infection, hypoplasia, diet, and oral hygiene in 6- to
36-month-old children. Community Dent Oral Epidemiol. 2000;28:295-306.
192
34. Jin BH, Ma DS, Moon HS, Paik DI, Hahn SH, Horowitz AM. Early childhood caries:
prevalence and risk factors in Seoul, Korea. J Public Health Dent. 2003; 63:183-88.
35. Tiberia MJ, Milnes AR, Feigal RJ, Morley KR, Richardson DS, Croft WG, Cheung
WS. Risk factors for early childhood caries in Canadian preschool children seeking
care. Pediatr Dent. 2007;29:201-8.
36. Declerck D, Leroy R, Martens L, Lesaffre E, Garcia-Zattera MJ, Vanden Broucke S,
Debyser M, Hoppenbrouwers K. Factors associated with prevalence and severity of
caries experience in preschool children. Community Dent Oral Epidemiol. 2008;
36:168-78.
37. Rothman KJ, Greenland S. Modern Epidemiology. 2 ed. Philadelphia: Lippincott
Williams & Wilkins; 1998.
38. Birch LL; Fisher JA. Appetite and eating behavior in children. Pediatr Clin North
Am. 1995; 42:931-53.
193
Table 1 - Sociodemographic factors, dietary and oral hygiene behaviours, number of teeth and
Severe Early Childhood Caries (S-ECC) among children aged 4 years
S-ECC †
RR c§
Variables
N
(95% CI)
p
n
(%)
Gender
0.868
Male
195
73
(37.4)
1.02
(0.77-1.36)
Female
145
53
(36.6)
1.00
Maternal schooling
0.007
1.67
(1.15-2.44)
≤ 8 years
244
102 (41.8)
> 8 years
96
24
(25.0)
1.00
Per capita income (BMW)*
0.027
< 1.0
279
111 (39.8)
1.84
(1.07-3.17)
≥ 1.0
51
11
(21.6)
1.00
Age at which sugar was introduced
0.303
≤ 6 months
292
111 (38.8)
1.28
(0.80-2.03)
> 6 months
47
14
(29.8)
1.00
Daily breastfeeding frequency at 12
0.000
months
0-2
192
52
(27.1)
1.00
3-6
31
13
(41.9)
1.55
(0.96-2.49)
≥7
117
61
(52.1)
1.92
(1.44-2.57)
0.001
Breastfeeding duration
1.00
(28.0)
< 12 months
164
46
(1.21-2.17)
80
(45.5)
1.62
176
≥ 12 months
Night-time bottle use
0.007
Yes
197
61
(31.1)
0.68
(0.52-0.90)
No
141
64
(45.4)
1.00
Bottle use for other drinks
0.032
Yes
129
57
(44.2)
1.35
(1.03-1.78)
No
205
67
(32.7)
1.00
0.175
Number of daily meals and snacks
1.00
(38.2)
52
136
<7
(0.57-1.14)
0.80
(30.7)
35
114
7-8
(0.82-1.56)
1.13
(43.3)
39
90
>8
0.010
High density of sugar
91
43
(47.3)
1.45
(1.10-1.93)
Yes
240
78
(32.5)
1.00
No
High density of lipids
0.036
Yes
158
67
(42.4)
1.36
(1.02-1.81)
No
173
54
(31.2)
1.00
0.315
Eating family meals at 12 months
108 (37.8)
1.00
286
Yes
0.79
(0.50-1.25)
(29.8)
No
47
14
Toothbrushing with fluoride paste
0.799
Yes
285
106 (37.2)
1.00
No
46
18
(39.1)
0.95
(0.64-1.40)
Number of teeth at 12 months
0.007
>6
202
87
(43.1)
1.54
(1.12-2.11)
≤6
136
38
(27.9)
1.00
† S-ECC: Defined as one or more cavitated, missing, or filled smooth surfaces in primary maxillary
anterior teeth or d1+mfs≥5
§ RRc: Relative Risk (crude)
*1 BMW (Brazilian Minimum Wage): U$ 80.00
194
Table 2 - Final model. Association of early dietary practices, maternal schooling and
number of teeth at 12 months with S-ECC at 4 years of age.
Variables
Maternal schooling
≤ 8 years
> 8 years
RRa †
(95% CI)
1.50
1.00
(1.03-2.19)
0.034
0.000
Daily breastfeeding frequency at 12 months
0-2
3-6
≥7
Number of daily meals and snacks
<7
7-8
>8
Bottle use for fruit juices/soft drinks
Yes
No
High density of sugar
Yes
No
Number of teeth at 12 months
>6
≤6
p
1.00
2.04
1.97
(1.22-3.39)
(1.45-2.68)
0.025
1.00
0.99
1.42
(0.70-1.39)
(1.02-1.97)
0.025
1.41
1.00
(1.08-1.86)
1.43
1.00
(1.08-1.89)
0.003
0.005
1.50
1.00
(1.12-2.03)
† RRa: Relative Risks adjusted for the other variables in the model and group status of children
195
RESUMO DO ARTIGO 2 NA LÍNGUA PORTUGUESA
Objetivo - Investigar a relação entre práticas alimentares no primeiro ano de vida e a
ocorrência de CSI em crianças de 4 anos de idade.
Métodos: Um estudo de coorte que fez parte de um ensaio randomizado foi conduzido
em crianças que nasceram no setor do sistema público de saúde no município de São
Leopoldo, Brasil. A coorte iniciou com 500 crianças; as perdas compreenderam 122
crianças na avaliação odontológica dos 12 meses (24,4%) e 38 perdas adicionais até o
exame aos 4 anos de idade (7,6%). Práticas alimentares foram coletadas por meio de
questionários padronizados aos 6 e 12 meses de idade. Um total de 340 crianças foram
examinadas aos 4 anos de idade, sendo registradas as lesões de cárie dentária a partir de
lesões sem cavidade. A definição de CSI baseou-se na orientação de um seminário de
experts: uma ou mais superfícies com cavidade, perdidas ou restauradas em dentes
ântero-superiores ou c1+eo-s≥5. Regressão de Poisson com variância robusta foi usada
para determinar as práticas alimentares no primeiro ano de vida que representam fatores
de risco para a ocorrência de CSI aos 4 anos de idade. Os riscos relativos foram
ajustados para possíveis confundidores, incluindo variáveis socioeconômicas e grupo da
criança.
Resultados: 37% das crianças (126/340) apresentaram CSI aos 4 anos de idade. O
modelo multivariado mostrou maior risco de CSI para as seguintes práticas alimentares
aos 12 meses: aleitamento materno ≥7 vezes ao dia (RR 1,97; IC 95% 1,45-2,68),
consumo de alimentos com alta densidade de açúcar (RR 1,43; IC 95% 1,08-1,89), uso
da mamadeira para outros líquidos além do leite (RR 1,41; IC 95% 1,08-1,86), número
de refeições por dia > 8 (RR 1,42; IC 95% 1,02-1,97). Escolaridade materna ≤ 8 years
(RR 1,50; IC 95% 1,03-2,19) e número de dentes aos 12 meses também estiveram
associados ao desfecho.
196
Conclusões: O presente estudo identificou práticas alimentares no primeiro ano de vida
que representam fatores de risco para severidade de cárie nos anos seguintes. Estes
achados podem contribuir para o desenvolvimento de intervenções em saúde geral e
bucal, com especial atenção a crianças de famílias com baixa escolaridade materna..
197
7. CONCLUSÕES E CONSIDERAÇÕES FINAIS
A análise dos resultados da presente tese permitiu concluir que o Programa Dez
Passos para uma Alimentação Saudável, implementado em visitas às residências de
crianças de São Leopoldo (sul do Brasil) durante o primeiro ano de vida, foi efetivo em
reduzir a ocorrência de CPI e CSI aos 4 anos de idade. Além disso, promoveu práticas
alimentares saudáveis que potencialmente poderão contribuir em outros desfechos de
saúde geral. Inobstante o efeito protetor observado com este programa, uma razoável
proporção de crianças do grupo intervenção ainda apresentou lesões de cárie, indicando
a necessidade de integrar medidas específicas de saúde bucal nesta população.
A investigação das práticas alimentares durante o primeiro ano de vida
associadas à ocorrência de CSI aos 4 anos de idade demonstrou que o comportamento
alimentar no início da vida exerce uma influência importante na severidade de cárie
dentária nos anos seguintes. O consumo de alimentos com alta densidade de açúcar,
maior freqüência de ingestão alimentar, uso de mamadeira para sucos, chás e
refrigerantes e aleitamento materno em alta freqüência aos 12 meses foram identificados
como fatores de risco para a ocorrência de CSI aos 4 anos de idade.
Além de tais conclusões, parecem pertinentes algumas considerações a partir da
execução da presente pesquisa. O sofrimento físico e emocional descrito na literatura
em famílias com crianças apresentando cárie dentária com maior severidade pôde ser
repetidamente constatado durante o trabalho de campo. Relatos freqüentes dos
responsáveis como “sente dor”, “não consegue comer”, “fala errado” ou “tem vergonha
dos colegas” são complementados pelo diagnóstico de características clínicas que
identificam comprometimento do equilíbrio funcional, estético e emocional. Crenças
como “dentes fracos são herança de família”, “não adianta fazer nada” ou “dentes de
198
leite são descartáveis” denunciam falta de acesso a informações específicas e indicam
possíveis caminhos, como pensamentos fatalistas em relação a doenças, pelos quais
possivelmente fatores socioeconômicos determinam agravos. Além disso, dois fatores
parecem paralisar as famílias e justificam a sua falta de reação frente à destruição e
perda precoce de dentes decíduos: a representação do atendimento odontológico como
gerador de sofrimento, a partir de experiências vivenciadas ou transmitidas; e a falta de
acesso a tratamento especializado para crianças nos primeiros anos de vida. Tais
observações demonstram a transcendência e complexidade da cárie precoce da infância
e apontam para a necessidade de ações em nível político, social e educacional
direcionados à rede de causalidade deste agravo, bem como o aprimoramento dos
serviços de saúde bucal ofertados.
Neste contexto, o presente estudo contribuiu para o conhecimento e práticas ao
apontar uma alternativa viável de redução da carga de cárie dentária em crianças. A
definição quanto à implementação de programas semelhantes na atenção básica à saúde
no Brasil e outros países deve considerar que sua intensidade, envolvendo visitas
freqüentes em residências para orientação das mães, e o treinamento e supervisão do
pessoal envolvido na intervenção possivelmente foram fatores decisivos para redução
nos desfechos. Por outro lado, a intervenção se caracteriza por orientações simples e foi
aplicada por pessoal não especializado, sugerindo que indivíduos da própria
comunidade poderiam ser agentes de sua implementação, desde que efetivamente
capacitados.
A identificação de práticas alimentares no primeiro ano de vida associadas à
ocorrência de cárie dentária nos anos subseqüentes reforça a importância da orientação
nutricional como uma das ferramentas insubstituíveis na aplicação de medidas de
prevenção e controle da doença, tanto em nível coletivo quanto individual. Ao mesmo
199
tempo, alerta o cirurgião-dentista para que sua atuação não se restrinja a procedimentos
restauradores ciclicamente repetidos, que balizou a Odontologia no século passado e
contribuiu para as representações sociais negativas da profissão e perpetuação do estado
precário de saúde bucal da população.
Por fim, a aplicação deste programa propiciou benefício para a saúde bucal a
partir de um programa direcionado a desfechos de saúde geral, demonstrando a
exeqüibilidade de ações integradas. A estratégia de Saúde da Família parece ser a via
mais indicada de implementação desta intervenção. Da mesma forma que o Programa
de Saúde da Família determinou redução nas taxas de mortalidade infantil, é plausível
que a inclusão de intervenções que cientificamente se mostram efetivas, incorporando o
conhecimento adquirido às práticas e políticas de saúde (“knowledge translation”),
amplie ainda mais o espectro de benefícios em desfechos com real significado para os
indivíduos.
Conforme preconizado por experts na literatura científica mundial, a cárie
precoce da infância deve ser dimensionada como um problema de saúde infantil que
atinge a sociedade, com todas as implicações que isto representa, e não um problema
exclusivamente dentário. Desta forma, o alívio da dor, escopo único da profissão
odontológica nas décadas passadas, será uma conseqüência natural da implementação
de políticas que promovam saúde utilizando o conhecimento cientificamente produzido.
Sob uma ótica que transcende o papel tradicional dos profissionais de saúde e baseados
em evidências científicas, tais investimentos poderão redundar em maior qualidade de
vida para a criança, seu núcleo familiar e à própria sociedade.
200
8. ANEXOS
A - PROJETO DE PESQUISA
B - APROVAÇÃO PELO COMITÊ DE ÉTICA
C - FICHA DE COLETA DE DADOS CLÍNICOS ODONTOLÓGICOS
201
ANEXO A - PROJETO DE PESQUISA
SUMÁRIO
1.1 - JUSTIFICATIVA......................................................................................................
1.2 OBJETIVOS............................................................................................................
1.2.1 Objetivo geral..............................................................................................
1.2.2 Objetivos específicos..................................................................................
1.3 - MÉTODOS..............................................................................................................
1.3.1 Delineamento do estudo e sujeitos............... .............................................
1.3.2 Coleta de dados..........................................................................................
1.3.3 Análise dos dados.......................................................................................
1.4 - CRONOGRAMA......................................................................................................
1.5 - QUESTÕES ÉTICAS...............................................................................................
1.6 - ORÇAMENTO.........................................................................................................
1.7 - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DO PROJETO DE PESQUISA...................
202
1.1 - JUSTIFICATIVA
Dados recentes indicam que a cárie precoce da infância (CPI) apresenta alta
prevalência em diferentes regiões do mundo, incluindo populações de países
desenvolvidos e em desenvolvimento (Ismail, 1998; Ramos-Gomez et al, 2002;
Berkowitz, 2003; Finlayson et al, 2007; Selwitz et al, 2007). No Brasil, a prevalência de
cárie aos 5 anos de idade é de 60%, ainda distante da meta estabelecida pela
Organização Mundial de Saúde para o ano 2000: 50% das crianças livres de cárie nesta
faixa etária (Brasil, 2004). O registro de um padrão ainda mais severo da doença,
designado de Cárie Severa da Infância (CSI), tem indicado também alta prevalência em
diversas populações do mundo (Jin et al, 2003; Hallet & O’Rourke, 2006; Thitasomakul
et al, 2006).
A cárie precoce da infância determina dor e alterações na função mastigatória,
fala e respiração (Petersen, 2003). Além disso, pode ser inviabilizado o consumo de
alimentos fibrosos e de consistência mais sólida, com potencial para influenciar no
aporte de nutrientes importantes e de comprometer o crescimento e desenvolvimento
(Sheiham & Steele, 2001; Feitosa et al, 2005). Alterações de maior severidade na forma
e função interferem na estética, expressão facial e auto-estima, podendo comprometer as
relações da criança em seu meio, o que demonstra a dimensão psicossocial da cárie na
infância (Petersen, 2003; Feitosa et al, 2005). Por outro lado, o tratamento da cárie
dentária em crianças muito jovens é de alto custo e às vezes exige anestesia geral e
hospitalização (Ismail, 1998). Estas conseqüências não se restringem à época em que se
manifestam. Crianças que apresentam cárie na dentição decídua tendem a continuar
apresentando novas lesões em superfícies não atingidas da própria dentição decídua
203
(Hallonsten et al, 1995; O’Sullivan & Tinanoff, 1996) e representam maior risco de
cárie na dentição permanente (Kaste et al, 1992; Li & Wang, 2002).
A magnitude e transcendência da cárie precoce da infância têm indicado a
necessidade de implementação de programas preventivos. Estratégias de prevenção
devem se basear no conhecimento da etiologia da doença, reconhecidamente complexa
e multifatorial, da qual participam fatores socioeconômicos, comportamentais e
microbiológicos (Ismail, 1998; Ramos-Gomez et al, 2002; Hallet & O’Rourke, 2006;
Finlayson et al, 2007; Selwitz et al, 2007). Neste sentido, poucos estudos longitudinais
têm avaliado o efeito de variáveis socioeconômicas e comportamentais no início da vida
no desenvolvimento futuro de cárie (Peres et al, 2005).
Mesmo que se reconheça que práticas alimentares cariogênicas destacam-se
como condição necessária para a ocorrência de cárie em pré-escolares, poucos estudos
investigaram o impacto de programas de orientação nutricional sobre sua ocorrência
(Rozier et al, 2003; Davenport et al, 2004; Davies et al, 2005). Estudo recente com
crianças de São Leopoldo-RS demonstrou que orientação nutricional durante o primeiro
ano de vida reduziu a ocorrência de cárie precoce da infância aos 12 meses em quase
50% (Feldens et al, 2007). Entretanto, o efeito da intervenção necessita ser reavaliado a
médio e longo prazo.
Assim, constitui-se em relevante questão de pesquisa na atualidade a
investigação da rede causal e de estratégias preventivas da cárie dentária em préescolares (Wendt et al, 2001; Petersen, 2003; Selwitz et al, 2007).
204
1.2 - OBJETIVOS
1.2.1 - Objetivo Geral
Avaliar o impacto da implementação do Programa dos Dez Passos para uma
Alimentação Saudável durante o primeiro ano de vida na ocorrência e severidade da
cárie dentária aos 4 anos de idade.
1.2.2 - Objetivos Específicos
Comparar as crianças dos grupos intervenção e controle em relação ao número
de dentes cariados (incluindo lesões sem cavidade), perdidos e obturados (índice c1+eod) aos 4 anos de idade.
Estimar a redução no risco de cárie precoce da infância e cárie severa da infância
aos 4 anos de idade decorrente da intervenção.
Confrontar as proporções de práticas alimentares cariogênicas aos 4 anos de
idade dos grupos intervenção e controle.
Avaliar a associação entre práticas alimentares no primeiro ano de vida e a
ocorrência de Cárie Severa da Infância (CSI) aos 4 anos de idade.
205
1.3 - MÉTODOS
1.3.1 Delineamento do estudo e sujeitos
O presente estudo se constitui em um ensaio clínico randomizado com crianças
recrutadas ao nascimento no Hospital Centenário de São Leopoldo entre outubro de
2001 e julho de 2002. Após o nascimento, mães com gestação a termo (>37 semanas),
sem impedimento para aleitamento materno (HIV/AIDS) e que tiveram filhos com peso
normal ao nascer (≥2.500 g) e sem malformação congênita foram convidadas a
participar do ensaio, não havendo nenhuma discriminação na seleção dos sujeitos. A
cada cinco mães que concordavam em participar, duas eram randomizadas para o grupo
intervenção e três para o grupo controle por um pesquisador não envolvido no processo
de seleção, obedecendo aos princípios do sigilo de alocação. A randomização em bloco
prosseguiu até que fosse atingido o número amostral para a avaliação dos desfechos aos
12 meses de idade (200 crianças do grupo intervenção e 300 do controle). Análise das
variáveis basais preditoras dos desfechos demonstrou que a randomização determinou
homogeneidade entre os grupos (Feldens et al, 2007).
A intervenção deste ensaio consistiu em orientações para as mães do grupo
intervenção em 10 visitas domiciliares durante o primeiro ano de vida em relação aos
Dez Passos para uma Alimentação Saudável: Guia Alimentar para Crianças Menores de
Dois Anos (Brasil, 2002), desenvolvido a partir de iniciativa do Ministério da Saúde e
da Organização Panamericana de Saúde. A orientação nutricional foi realizada por
estudantes de graduação de Nutrição, devidamente treinadas. Entre as orientações,
destacam-se práticas protetoras em relação à cárie dentária, como estímulo ao
206
aleitamento materno exclusivo até os 6 meses, retardar a introdução do açúcar e evitar o
consumo de refrigerantes, balas, salgadinhos e outras guloseimas. Mais detalhes sobre a
metodologia utilizada e a efetividade em desfechos de saúde geral e na ocorrência de
cárie precoce da infância quando as crianças apresentavam um ano de idade foram
anteriormente publicados (Vítolo et al, 2005; Feldens et al, 2007)
Na presente fase do estudo será avaliado o impacto do programa na ocorrência e
severidade de cárie precoce da infância aos 4 anos de idade e verificadas as práticas
alimentares do primeiro ano de vida associadas à ocorrência de CSI. Um novo cálculo
do tamanho da amostra, considerando nível de confiança de 95%, poder de 80%, razão
de não expostos para expostos de 3:2 e uma prevalência de cárie precoce da infância aos
4 anos de idade de 48% (Ferreira et al, 2007) estimou uma amostra de 300 crianças, 120
no grupo intervenção e 180 no controle para detectar uma redução de 35% na ocorrência
de cárie do grupo intervenção (Risco Relativo≤0,60). Além disso, foi realizado cálculo
do tamanho da amostra para investigar os fatores associados à ocorrência de cárie
severa na infância considerando os seguintes parâmetros: nível de confiança de 95%,
poder de 80%, razão de não expostos (escolaridade materna > 8 anos) para expostos
(escolaridade materna ≤ 8 anos) de 1:2, prevalência de desfecho em não expostos e
expostos de 30% e 50%, respectivamente (Peres et al, 2005). Tais parâmetros
determinaram a necessidade de exame de 233 crianças, 155 expostos e 78 não expostos.
Para permitir análise multivariada, o número amostral exigido (n=233) foi acrescido de
30%, atingindo 303 crianças.
1.3.2 - Coleta de dados
Na primeira fase do estudo, foram coletados dados socioeconômicos,
antropométricos e dietéticos por meio de questionários padronizados, respondidos pelas
207
mães de ambos os grupos logo após o nascimento, aos 6 e aos 12 meses. Após os 12
meses, um cirurgião-dentista examinou as crianças que compareceram ao Posto de
Saúde Municipal para verificar a ocorrência de cárie dentária.
As medidas utilizadas para diminuir a probabilidade de erro sistemático na
primeira fase do estudo foram:
(a) Pesquisadores que realizaram a intervenção (n=12):
treinamento teórico (8 horas), prático (8 horas) e calibração, baseado em um guia
especialmente produzido para o estudo;
supervisão durante o período de trabalho de campo.
(b) Pesquisadores que coletaram os dados socioeconômicos e comportamentais (n=16):
programa de treinamento (12 horas), simulando perguntas e respostas e utilizando
questionário padronizado;
cegamento para o grupo ao qual pertencia a criança;
supervisão durante o período de trabalho de campo.
(c) Pesquisador que coletou dados antropométricos (n=1)
Treinamento teórico-prático (4 horas) para a coleta do peso e estatura em crianças
de 12 meses de idade.
(d) Pesquisador que coletou dados clínicos odontológicos (n=1)
Treinamento para verificar as condições de exame em projeto piloto com exame de
42 crianças entre 10 e 18 meses;
208
Calibração para o exame de cárie dentária, sendo re-examinadas 10 dias após 35
crianças (escore Kappa=0,88);
Cegamento em relação às variáveis de exposição, incluindo o grupo a que pertencia
a criança.
As 397 crianças que completaram a primeira fase do estudo serão visitadas em
seus domicílios por entrevistadores treinados que convidarão os responsáveis a
participar da segunda fase. Esta será realizada nas dependências do Programa
Interdisciplinar de Promoção e Atenção à Saúde de São Leopoldo-RS (PIPAS) e
constará de coleta de dados socioeconômicos, antropométricos, comportamentais (dieta
e higiene) e clínicos. Os dados socioeconômicos e comportamentais serão obtidos por
questionário estruturado, a ser preenchido por outra equipe de estudantes de graduação
de Nutrição (n=16). O pesquisador que coletará os dados antropométricos será o mesmo
da primeira fase.
Os dados clínicos de saúde bucal serão obtidos por meio de exame físico
odontológico. O examinador da primeira etapa seguirá o mesmo protocolo clínico e de
biossegurança, de acordo com os métodos preconizados pela Organização Mundial da
Saúde (WHO, 1997) e utilizando uma Ficha Clínica Odontológica padronizada (Anexo
C). Os desfechos avaliados serão: severidade de cárie dentária, a partir do número de
dentes cariados, extraídos e obturados (índice ceo-d), incluindo e excluindo lesões sem
cavidade, e ocorrência de cárie precoce da infância (CPI) e cárie severa da infância
(CSI), segundo critérios internacionalmente aceitos (Drury et al, 1999).
As medidas de controle de qualidade para esta coleta de dados, que incluem o
programa de treinamento, calibração e supervisão, foram semelhantes em tempo e
conteúdo às da primeira etapa. O pesquisador que coletará os dados clínicos calibrou-se
209
em relação à cárie dentária com 20 crianças de 3 a 5 anos de idade, e o escore kappa
obtido (0,90) demonstrou ótima reprodutibilidade. Além disso, o examinador será
mantido cego em relação às variáveis de exposição, incluindo o grupo da criança.
As variáveis de ambas as fases e que serão incluídas neste estudo, na forma
original ou derivando outras, são descritas nos Quadros 1 e 2, de acordo com a forma
como foram coletadas.
O Quadro 1 apresenta as variáveis dependentes a serem utilizadas, para atender
aos objetivos dos dois artigos.
Quadro 1 - Variáveis dependentes a serem utilizadas no estudo
Variável
Descrição
c1+eo-d
CPI
Classificação
Número de dentes cariados (lesão com ou sem cavidade), perdidos e
Quantitativa discreta
obturados - critério incluindo lesão sem cavidade
Ocorrência de cárie precoce da infância: presença de uma ou mais lesões
Qualitativa nominal
de cárie (com ou sem cavidade): sim ou não
Ocorrência de cárie severa da infância: presença de uma ou mais
CSI
Qualitativa nominal
superfícies cariadas (cavidade), perdidas ou obturadas em dente ânterosuperior OU c1+eo-d≥5 (c:incluindo lesão sem cavidade): sim ou não
O Quadro 2 apresenta as variáveis independentes coletadas durante o primeiro
ano de vida da criança.
Quadro 2 - Variáveis independentes coletadas até os 12 meses
Variável
Descrição
Grupo
Classificação
Grupo para o qual a criança foi randomizada:
Qualitativa nominal
intervenção ou controle
Sexo
Sexo da criança: masculino ou feminino
Qualitativa nominal
Escolaridade materna
Escolaridade materna ao nascimento (em anos completos
Quantitativa
de estudo), posteriormente categorizada
discreta
Renda familiar ao nascimento: originalmente coletada
Quantitativa
em
contínua
Renda familiar
reais,
transformada
em
salários
mínimos
e
categorizada
Idade da mãe
Idade da mãe ao nascimento (em anos)
Quantitativa
contínua
210
Variável
Aleitamento
Descrição
materno
Classificação
Tempo de aleitamento materno exclusivo: coletado em
Quantitativa
meses
discreta
Tempo de aleitamento materno exclusivo: coletado em
Quantitativa
meses
discreta
Tempo em meses de aleitamento materno total,
Quantitativa
materno total
posteriormente categorizada
contínua
Freqüência de aleitamento
Número de vezes que a criança tem aleitamento materno
Quantitativa
materno aos 12 meses
aos 12 meses, posteriormente categorizada
discreta
Freqüência de aleitamento
Número de vezes que a criança tem aleitamento materno
Quantitativa
materno aos 12 meses
aos 12 meses, posteriormente categorizada
discreta
Idade em que a criança consumiu açúcar pela primeira
Quantitativa
açúcar
vez: em meses
discreta
Alimentação complementar
A alimentação complementar da criança era espessa: sim
Qualitativa nominal
espessa
ou não
Alimentação da família aos
A criança consome a alimentação da família aos 12
12 meses
meses: sim ou não
Mamadeira noturna aos 12
A criança toma mamadeira para dormir ou durante a
meses
noite aos 12 meses: sim ou não
exclusivo
Aleitamento
materno
exclusivo
Tempo
Idade
de
da
Mamadeira
aleitamento
introdução
para
do
outros
líquidos aos 12 meses
A criança usa mamadeira para tomar outros líquidos
Qualitativa nominal
Qualitativa nominal
Qualitativa nominal
além do leite aos 12 meses: chá, refrigerante, sucos ou
outro: sim ou não
Número de refeições por dia
Número
de
refeições
por
dia,
posteriormente
Quantitativa
categorizada
discreta
Consumo de alimentos com
Criança consome alimentos com densidade de açúcar >
Qualitativa nominal
alta densidade de açúcar
50%
Consumo de alimentos com
Criança consome densidade de lipídios > 30%
Qualitativa nominal
Os dentes da criança são escovados com dentifrício
Qualitativa nominal
alta densidade de lipídios
Higiene
bucal
com
dentifrício fluoretado aos 12
fluoretado aos 12 meses: sim ou não
meses
Número de dentes aos 12
Número de
dentes erupcionados aos 12 meses,
meses
posteriormente categorizada
Quantitativa
discreta
211
1.3.3 - Análise dos dados
O banco de dados será montado no Programa Epi Info versão 6.0 com dupla
digitação. As análises serão realizadas no Programa SPSS, versão 13.0. Serão descritas
as medidas de tendência central (média e mediana) e medidas de dispersão (desvio
padrão, Q1 e Q3), menor e maior valor da variável c1+eo-d de toda a população de
estudo. Da mesma forma, serão descritas as freqüências simples e relativas de crianças
com cárie precoce da infância (CPI) e cárie severa da infância (CSI).
No estudo que avalia o impacto do programa de intervenção, serão descritas as
freqüências das variáveis anteriores nos grupos intervenção e controle. Para comparar as
crianças de ambos os grupos em relação à severidade de cárie, será verificado se há
diferença na variável c1+eo-d entre as crianças do grupo intervenção e controle. Para
isso, será realizado teste de Mann-Whitney, em função de que a distribuição destas
variáveis não atende aos pressupostos de normalidade em crianças pré-escolares. Para
estimar a redução no risco de CPI e CSI em função da intervenção, serão calculados e
descritos o Risco Relativo (RR) e Intervalo de Confiança 95% (IC 95%)
correspondente, a Redução no Risco Relativo (RRR) e o número de pares mãe/filho
necessário tratar/orientar (NNT) para evitar um evento de CSI. Por fim, para confrontar
as proporções de práticas alimentares cariogênicas aos 4 anos de idade dos grupos
intervenção e controle será realizado teste qui-quadrado. O nível de significância
adotado será de p<0,05.
Para investigar os fatores de risco para a ocorrência de cárie severa da infância
será utilizada Regressão de Poisson com variância robusta, uma vez que a freqüência do
desfecho foi > 20% (Barros & Hirakata, 2003). Primeiramente serão estimados os riscos
relativos e intervalos de confiança 95% (IC 95%) de cada variável isoladamente.
212
Considerando que os efeitos das práticas alimentares na ocorrência de CSI podem ser
confundidos pela escolaridade materna, renda per capita, gênero da criança, escovação
com dentifrício fluoretado e número de dentes aos 12 meses, estas variáveis serão
incluídas na análise. Inicialmente, todas as variáveis serão incluídas no modelo, sendo
retirada, uma a uma, a variável com maior valor de p e assim sucessivamente. A
variável grupo será mantida como variável de ajuste independente da significância
estatística. Após permanecerem no modelo apenas variáveis significativamente
associadas ao desfecho (p<0.05), será testada, uma a uma, o efeito da inclusão das
variáveis anteriormente eliminadas. Por fim, serão testadas interações entre as variáveis
que ficarem no modelo final.
213
1.4 - CRONOGRAMA
O Cronograma das fases subseqüentes do presente estudo é apresentado no
Quadro 3.
Quadro 3 - Cronograma
2008
J F M A M J J A S O N D
Digitação dos dados
X
Análise dos dados
X
Redação do artigo
X X X
Defesa preliminar
X
Sessão Pública final da Tese
X
Tarefas/Período
214
1.5 - QUESTÕES ÉTICAS
A realização do ensaio randomizado e o exame odontológico das crianças foram
aprovados pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Rio Grande do
Sul, sob o número 200245 e 200286, respectivamente, por estarem adequados ética e
metodologicamente e de acordo com a Resolução 196/96 do Conselho Nacional de
Saúde. A orientação nutricional se constituiu em intervenção com grande probabilidade
dos sujeitos do grupo intervenção serem beneficiados e não prejudicados. Os pais
assinaram Termo de consentimento livre e esclarecido, após a explicação da intervenção
e de todas as fases da coleta de dados. Aos 6 meses, 12 meses e 4 anos de idade, ambos
os grupos foram avaliados em relação às medidas antropométricas, e as crianças que
necessitavam foram referenciadas ao serviço de saúde. Aos 12 meses e 4 anos de idade
ambos os grupos receberam avaliação nutricional (medidas antropométricas e medida de
hemoglobina no sangue), do desenvolvimento e exame clínico odontológico, sendo após
orientados em relação à dieta, higiene e prevenção de acidentes.
A coleta de dados clínicos odontológicos aos 12 meses e 4 anos de idade observa
as condições necessárias de biossegurança, não representa risco para sujeitos da
pesquisa e examinador, prevendo-se ainda que o conhecimento gerado justifique a
coleta de dados. Assim, estima-se como adequada a relação risco-benefício do presente
estudo. O Anexo B desta Tese apresenta as resoluções do Conselho de Ética em
Pesquisa para a Implementação e Avaliação do Impacto do Programa dos Dez Passos
(ensaio randomizado) e para o exame odontológico das crianças. O Anexo 3 do Projeto
de Pesquisa apresenta o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido em relação ao
exame bucal, atendendo às normas vigentes. Além disso, a preservação da privacidade
215
dos dados, confidencialidade e anonimato dos sujeitos será garantida aos responsáveis,
com especial atenção pelos sujeitos consistirem em crianças.
216
1.6 - ORÇAMENTO
Os custos relativos ao exame odontológico são financiados pelo autor e
envolvem o material de consumo para a esterilização e coleta de dados clínicos e
passagens de ônibus para o deslocamento para o local da coleta de dados (Quadro 4).
Quadro 4 - Orçamento do estudo
Item orçado
Valor
(em reais)
Passagens de ônibus
1.200,00
Material de escritório
200,00
Material reprográfico
400,00
Luvas descartáveis
350,00
Gaze esterelizada
30,00
Escovas de dente
350,00
Material para esterilização
200,00
Instrumental odontológico
80,00
Total
2.810,00
217
1.7 - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DO PROJETO DE PESQUISA
1. Barros AJ, Hirakata VN. Alternatives for logistic regression in cross-sectional
studies: an empirical comparison of models that directly estimate the prevalence
ratio. BMC Med Res Methodol 2003;3:21.
2. Berkowitz RJ. Causes, treatment and prevention of early childhood caries: a
microbiologic perspective. J. Can. Dent Assoc. 2003; 69:304-7.
3. Brasil, MS/SAS. Projeto SB Brasil 2003. Condições de saúde bucal da população
brasileira 2002-2003 - Resultados principais. Brasília, 2004.
4. Brasil. Ministério da Saúde. Dez passos para uma Alimentação Saudável - Guia
Alimentar para Crianças Menores de 2 anos. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.
45p.
5. Davenport ES, Litenas C, Barbayiannis P, Williams CE. The effects of diet, breastfeeding and weaning on caries risk for pre-term and low birth weight children. Int J
Paediatr Dent. 2004; 14:251-9.
6. Davies GM, Duxbury JT, Boothman NJ, Davies RM, Blinkhorn AS. A staged
intervention dental health promotion programme to reduce early childhood caries.
Community Dent Health. 2005; 22:118-22.
7. Drury TF, Horowitz AM, Ismail AI, Maertens MP, Rozier RG, Selwitz RH.
Diagnosing and reporting early childhood caries for research purposes. A report of a
workshop sponsored by the National Institute of Dental and Craniofacial Research,
the Health Resources and Services Administration, and the Health Care Financing
Administration. J Public Health Dent. 1999;59:192-7.
8. Feitosa S, Colares V; Pinkham J. The psychosocial effects of severe caries in 4year-old children in Recife, Pernambuco, Brazil. Cad Saude Publica. 2005; 21:155056.
9. Feldens CA, Vítolo MR, Drachler ML. A randomized trial of the effectiveness of
home visits in preventing early childhood caries. Community Dent Oral Epidemiol.
2007;35:215-23.
10. Ferreira SH, Béria JU, Kramer PF, Feldens EG, Feldens CA. Dental caries in 0- to
5-year-old Brazilian children: prevalence, severity, and associated factors. Int J
Paediatr Dent. 2007;17:289-96.
11. Finlayson TL, Siefert K, Ismail AI, Sohn W. Psychosocial factors and early
childhood caries among low-income African-American children in Detroit.
218
Community Dent Oral Epidemiol. 2007;35:439-48.
12. Hallett KB, O'Rourke PK. Pattern and severity of early childhood caries.
Community Dent Oral Epidemiol. 2006; 34:25-35.
13. Hallonsten AL, Wendt LK, Mejáre I, Birkhed D, Hakansson, C, Lindvall AM,
Edwardsson E, Koch G. Dental caries and prolonged breast-feeding in 18-month-old
Swedish children. Int J Paediatr Dent. 1995; 5:149-155.
14. Ismail AI. Prevention of early childhood caries. Community Dent Oral Epidemiol.
1998; 26:49-61
15. Jin BH, Ma DS, Moon HS, Paik DI, Hahn SH, Horowitz AM. Early childhood
caries: prevalence and risk factors in Seoul, Korea. J Public Health Dent. 2003;
63:183-88.
16. Kaste LM, Marianos D, Chang R, Phipps KR. The assessment of nursing caries and
its relationship to high caries in the permanent dentition. J Public Health Dent.
1992;52:64-8.
17. Li Y, Wang W. Predicting caries in permanent teeth from caries in primary teeth: na
eight-year cohort study. J Dent Res. 2002; 81:561-6.
18. O'Sullivan DM, Tinanoff N. The association of early dental caries patterns with
caries incidence in preschool children. J Public Health Dent. 1996;56:81-3.
19. Peres MA, Latorre MRDO, Sheiham A, Peres KGA, Barros FC, Hernandez PG,
Maas AMN, Romano AR, Victora, CG. Social and biological early life influences
on severity of dental caries in children aged 6 years. Community Dent Oral
Epidemiol. 2005; 33:53-63.
20. Petersen PE. The World Oral Health Report 2003: continuous improvement of oral
health in the 21st century--the approach of the WHO Global Oral Health
Programme. Community Dent Oral Epidemiol. 2003;31 Suppl 1:3-23.
21. Ramos-Gomez FJ, Weintraub JA, Gansky SA, Hoover CI, Featherstone JDB.
Bacterial, behavioral and environmental factors associated with early childhood
caries. J Clin Pediatr Dent. 2002; 26:165-173.
22. Rozier RG, Sutton BK, Bawden JW, Haupt K, Slade GD, King RS. Prevention of
early childhood caries in North Carolina medical practices: implications for research
and practice. J Dent Educ. 2003; 67:876-85.
23. Selwitz RH, Ismail AI, Pitts NB. Dental caries. Lancet. 2007;369:51-9.
24. Sheiham A, Steele J. Does the condition of the mouth and teeth affect the ability to
eat certain foods, nutrient and dietary intake and nutritional status amongst older
219
people? Public Health Nutrition. 2001; 4:797-803.
25. Thitasomakul S, Thearmontree A, Piwat S, Chankanka O, Pithpornchaihakul W
Teanpaisan R, Madyusoh S. A longitudinal study of early childhood caries in 9to18-month-old Thai infants. Community Dent Oral Epidemiol. 2006; 34:429-36.
26. Vitolo MR, Bortolini GA, Feldens CA, Drachler ML. Impactos da implementação
dos dez passos da alimentação saudável para crianças: ensaio de campo
randomizado. Cad Saúde Publ 2005;21:1448-1457.
27. Wendt LK, Carlsson E, Hallonsten AL, Birkhed D. Early dental caries risk
assessment and prevention in pre-school children: evaluation of a new strategy for
dental care in a field study. Acta Odontol Scand. 2001;59:261-6.
28. World Health Organization. Oral Health Surveys Basic Methods, 4th edn. Geneva:
WHO, 1997.
220
ANEXO B - APROVAÇÃO PELO COMITÊ DE ÉTICA
221
ANEXO C - FICHA DE COLETA DE DADOS CLÍNICOS ODONTOLÓGICOS
FICHA CLÍNICA NÚMERO: __ __ __
Dados de identificação
Já foi ao dentista? (1) Sim (2) Não (9)IGN
Nome da criança: ........................................................ Data do exame:......./......./.......
Data de nascimento: ......./......./........ Sexo: (1)M (2)F Idade: .......meses...... dias
IPV
Índice ceo
H = Hígido
Mb = mancha branca
c = cariado
e = extração indicada
o = obturado
X = ausente
55
54
85
84
Alterações estruturais
HC = hipocalcificação
HP = hipoplasia
0 - Sem placa visível
1 - Com placa visível
53
52
IPV
IPV
51
61
62
63
64 65
71
72
73
74
V
P
L
V
83
82
TRAUMA: Sinal clínico? ( ) Sim
81
75
( ) Não
( ) Escurecimento:__________
( ) Tecidos duros
( ) Frat. E:_________
( ) Frat. E/D:_______
( ) Frat. C/R:_______
( ) Tecidos moles
( ) Fístula.:________
( ) Mobilid.:________
( ) Edema:________
( ) Tecidos de sustentação
(
(
(
(
(
) Sublux.:_________
) Lux.lat.:_________
) Lux.intr.:________
) Lux.extr.:________
) Avulsão:_________
222
Was this manual useful for you? yes no
Thank you for your participation!

* Your assessment is very important for improving the work of artificial intelligence, which forms the content of this project

Download PDF

advertisement