O1V
Digital Mixing Console
Manual do Proprietário
INFORMAÇÕES IMPORTANTES
Leia as instruções antes de utilizar a O1V
AVISOS
*Não ponha a O1V em local de excessivo calor ou diretamente ao sol
*Não ponha a O1V em local de excessiva umidade ou poeira
*Conecte o fio de força da O1V somente na voltagem indicada neste manual
ou marcada na O1V
*Não conecte muitos aparelhos na mesma tomada, pois isto poderá
sobrecarregá-la e alterar a performance de alguns aparelhos
*Não coloque objetos pesados sobre o fio de força da O1V, pois isto poderá
causar choques elétricos
*Se o fio de força for danificado, procure o seu revendedor para substituí-lo,
Usar a O1V nestas condições poderá haver risco de choque ou fogo
*Ao ligar ou desligar da tomada segure-a pelo plugue e nunca pelo fio
*Não coloque pequenos objetos metálicos sobre a O1V, pois estes objetos
poderão cair na parte interna e haverá riscos de incêndio
*Não obstrua os furos de ventilação da O1V. Existem buracos para
ventilação em cima e na parte traseira da O1V para evitar que a temperatura
suba. Bloquear estas entradas poderá colocá-la em risco de incêndio
*Não tente modificar a O1V, isto poderá causar risco de incêndio
*A temperatura de operação da O1V é entre 5 C e 35 C
CUIDADOS
*Desligue todos os aparelhos de audio e falantes quando está ligando a O1V.
Consulte o manual do proprietário de cada aparelho. Utilize os cabos corretos e
conectores especificados
*Se você perceber alguma anormalidade, como fumaça, cheiro ou barulho,
desligue imediatamente a O1V. Remova o fio da tomada. Confirme se a
anormalidade não está mais presente. Consulte a assistência para efetuar o reparo,
utilizar a O1V nestas condições poderá causar risco de choques elétricos ou
incêndios
*Se algum objeto estranho ou água cair dentro da O1V, desligue-a
imediatamente, desligue-a da tomada de força e procure a assistência para o
reparo, utilizar a O1V nestas condições pode causar choques ou incêndio
*Se você não for utilizar a O1V por um longo período de tempo, desligue-a da
tomada. Deixar a O1V conectada pode causar risco de incêndio
*Não use thinner, benzina, detergente ou qualquer produto químico para limpar a
O1V. Use somente um pano seco e macio
*A O1V é um objeto pesado, sempre prenda-a por baixo, nunca levante-a pelos
painéis laterais
Interferências
A O1V utiliza circuitos digitais de alta freqüência e podem causar interferência
em rádios ou Tvs colocadas ao redor, se isto ocorrer, coloque os equipamentos em
outro lugar
Direitos
Nenhuma parte do software ou do manual do proprietário pode ser reproduzido
para qualquer fim sem prévia autorização de YAMAHA do BRASIL
Marcas Registradas
A interface digital Multicanal para ADAT e ALESIS são registradas pela ALESIS
CORPORATION. MACINTOSH é registrado pela PPLE CORPORATION. PRO
TOOLS é registrado pela DIGIDESIGN ou AVID TECHNOLOGY. TASCAM é
registrado pela TEAC CORPORATION. WINDOWNS é de MICROSOFT
CORPORATION.
Todas as outras marcas são registradas por seus respectivos detentores e em
virtude disto são reconhecidos
Conteúdo do pacote O1V
O1V Mixer Console Digital
Manual do proprietário
Se algo estiver faltando, consulte seu revendedor
Mantenha este manual para consultas futuras
Conteúdo
--------------------------------------------------------------------------------------------1 Benvindo a O1V................................................................................ 1
Benvindo a O1V.................................................................................... 2
Sobre o manual do proprietário............................................................... 2
Instalação da O1V.................................................................................. 2
Características da O1V........................................................................... 3
Principais características......................................................................... 4
2 Iniciando.............................................................................................9
Exemplo de sistema da O1V...................................................................10
Informações importantes sobre WORDCLOCK.......................................11
Conectando a alimentação.......................................................................11
Ligando a O1V.......................................................................................11
Desligando a O1V..................................................................................11
3 Conhecendo a O1V........................................................................... 13
Painel frontal...........................................................................................14
Entradas /Saídas........................................................................................20
Diagrama de bloco...................................................................................24
4 Sobre a Interface do usuário.............................................................27
Sobre a interface do usuário....................................................................28
Display..................................................................................................28
Elementos do display............................................................................. 30
Botões do cursor.....................................................................................31
Roda de parâmetros................................................................................31
Botões -1/DEC & +1/INC.......................................................................31
Botão de Enter........................................................................................31
Modos Fader..........................................................................................32
Edição de títulos da caixa de diálogos.....................................................37
5 Canais de entrada..............................................................................39
Vista geral dos canais de entrada.............................................................40
Alimentação fantasma ( PHANTOM POWERING )................................41
Chaves de Pad........................................................................................41
Programando ganho nos canais de entrada................................................41
Medidores para canais de entrada.............................................................41
Mudando as fases de entrada....................................................................42
Atenuando os sinais dos canais de entrada.................................................43
Aplicando EQ para os canais de entrada EQ..............................................44
Processadores dinâmicos...........................................................................44
Canal delay...............................................................................................45
Muting para os canais de entrada...............................................................46
Inserindo os níveis nos canais de entrada....................................................46
Pan para canais de entrada.........................................................................47
Routing para canais de entrada...................................................................49
Monitorando os canais de entrada...............................................................50
Canais de entrada & envios AUX...............................................................50
Canais de entrada e saídas OMNI...............................................................50
Canais de entrada e saídas opcionais I/O......................................................50
Trocando as entradas 1~8 & 17~24.............................................................51
Pares para canais de entrada........................................................................52
Grupos de faders.........................................................................................55
Grupos de Mute..........................................................................................56
Copiando e trocando os programas de canais................................................59
Diagrama de blocos para os canais de entrada...............................................60
6 EQ...........................................................................................................61
Sobre O1V EQ...........................................................................................62
Ajustando o EQ..........................................................................................63
EQ ESPCS.................................................................................................66
Bypassing o EQ..........................................................................................66
Resetando os controles de ganho do EQ......................................................66
Biblioteca EQ.............................................................................................67
Editando a lista de programas EQ................................................................67
Armazenando os programas EQ..................................................................68
Chamando os programas EQ.......................................................................69
Editando os títulos de programas EQ...........................................................70
Inserindo os parâmetros de programas EQ....................................................52
7 Solo, Monitor e Meter.............................................................................75
Sobre Monitor e Solo...................................................................................76
Saídas do monitor........................................................................................77
Fones...........................................................................................................77
Entrada 2TR IN...........................................................................................77
Monitorando................................................................................................78
Usando monitor...........................................................................................78
Diagrama de blocos do monitor...................................................................79
Solo............................................................................................................80
Usando Solo ...............................................................................................81
Diagrama de blocos de Solo.........................................................................82
Medindo níveis de sinais...............................................................................83
Medidores estéreo principais.........................................................................84
Peak Hold....................................................................................................84
Programando o ponto de medição.................................................................85
Medidores option I/O (Canais de entrada 17~24)...........................................85
Medidor de envio de efeitos..........................................................................86
8 Saída estéreo............................................................................................87
Sobre a saída estéreo....................................................................................88
Saída estéreo análoga...................................................................................88
2TR e Saída estéreo.....................................................................................88
Saída coaxial digital e saída estéreo..............................................................88
Opção I/O e saída estéreo.............................................................................88
OMNI e saída estéreo...................................................................................88
Solo e saída estéreo......................................................................................88
Monitorando a saída estéreo.........................................................................88
Medindo a saída estéreo...............................................................................89
Routing os sinais para a saída estéreo...........................................................89
Visualizando os programas das saídas estéreo...............................................89
Programando os níveis das saídas estéreo.....................................................90
Muting a saída estéreo..................................................................................90
Balanço para a saída estéreo.........................................................................90
Aplicando EQ para saída estéreo..................................................................90
Processador dinâmico para saída estéreo......................................................90
Delay para saída estéreo...............................................................................91
Diagrama de bloca para saída estéreo............................................................92
9 Aux Send.................................................................................................93
Sobre Aux Send...........................................................................................93
Opção I/O e Aux Send................................................................................94
Aux Send e saída OMNI ............................................................................94
Monitorando Aux Send................................................................................94
Medindo Aux Send......................................................................................94
Enviando sinais do canal para Aux Send.......................................................95
Pre-fader /Post fader / Aux send...................................................................97
Visualizando programas para Aux Send........................................................98
Muting Aux Send......................................................................................100
Aplicando EQ para Aux Send.....................................................................100
Processadores dinâmicos do Aux Send........................................................100
Estéreo par para Aux Send.........................................................................101
Diagrama de blocos para Aux Send par estéreo..........................................105
10 Bus de saída.........................................................................................107
Sobre Bus de saída.....................................................................................108
Saída Bus e Opção I/O..............................................................................108
Bus de saída e OMNI................................................................................108
Monitorando o Bus de saída.......................................................................108
Medindo o Bus de saída............................................................................108
Sinais routing para o Bus de saída...............................................................108
Inserindo nível master para o Bus de saída..................................................109
Muting o Bus de saída................................................................................109
Routing o sinal de Bus para o estéreo Bus..................................................110
Par estéreo para o Bus de saída..................................................................111
Diagrama de bloca do Bus de saída.............................................................112
Diagrama de blocos para Bus do par estéreo...............................................113
11 Saídas OMNI.......................................................................................115
Sobre as saídas OMNI ...............................................................................116
Programando as saídas OMNI....................................................................116
Delay para saída OMNI ............................................................................117
Diagrama de blocos para saídas OMNI ......................................................118
12 Efeitos..................................................................................................119
Sobre os efeitos internos.............................................................................120
Inserindo os programas de efeitos...............................................................121
Aplicando os efeitos...................................................................................123
Pre fader / post fader de envio de efeitos....................................................125
Visualizando os programas de efeitos..........................................................127
Medindo os envios de efeitos......................................................................127
Programas de efeitos e nível de envio Master..............................................128
Silenciando envio de efeitos........................................................................129
Visualizando os programas retorno de efeitos..............................................130
Medindo o retorno de efeitos......................................................................130
Aplicando EQ ao retorno de efeitos............................................................130
Silenciando retorno de efeitos....................................................................130
Nível do programa de retorno de efeitos .....................................................131
PAN para retorno de efeitos .......................................................................131
ROUTING para retorno de efeitos .............................................................131
Monitorando o retorno de efeitos ...............................................................131
Retorno de efeitos e envio AUX .................................................................131
Livraria de efeitos .....................................................................................132
Armazenando programas de efeitos.............................................................133
Chamando os programas de efeitos.............................................................134
Editando os títulos dos programas de feitos.................................................135
Programando parâmetros de DELAY, FREQ, NOTE & TEMPO ...............137
Parâmetros de efeitos..................................................................................138
Diagrama de blocos de efeitos....................................................................159
13 Processadores dinâmicos....................................................................161
Sobre os processadores dinâmicos..............................................................162
Usando os processadores dinâmicos............................................................164
Editando os processadores dinâmicos .........................................................166
Tipos de processador..................................................................................167
Biblioteca Dinâmica...................................................................................173
Armazenando um programa dinâmico.........................................................174
Chamando um programa dinâmico..............................................................175
Editando títulos de programas dinâmicos.....................................................176
Inserindo programas dinâmicos..................................................................177
14 Memórias de cena................................................................................183
Sobre as memórias de cena.........................................................................184
O que armazenar nas memórias de cena?.....................................................184
O que é edição de Buffer e indicador de edição...........................................185
Memória de cena 00...................................................................................185
Área do display da memória de cena...........................................................185
Armazenando cenas do mixer.....................................................................186
Chamando cenas do mixer usando programa de troca de mensagens MIDI ..188
Desfazendo a chamada de cenas do mixer...................................................189
Protegendo as memórias de cena.................................................................189
Editando os títulos de memória de cena.......................................................190
Renumerando memórias de cena.................................................................190
Inserindo Time fade....................................................................................191
Chamando os dados de cena armazenados...................................................192
15 Outras funções ....................................................................................193
Usando os botões FADER e ON ................................................................194
Usando o oscilado .....................................................................................202
Preferências O1V.......................................................................................203
Inicializando a O1V....................................................................................204
Calibrando os faders...................................................................................204
16 Usando as entradas e saídas Digitais ..................................................205
Sobre Wordclock......................................................................................206
Programando Wordclock ...........................................................................209
Saída estéreo digital...................................................................................211
Saída Dither...............................................................................................212
Entrada estéreo digital................................................................................213
Cascateando a O1V....................................................................................214
Sobre os cartões opcionais I/O....................................................................216
Instalando os cartões I / O opcionais ..........................................................218
Enviando aos cartões I / O opcionais digitais ............................................219
Diagrama de blocos dos opcionais I / O .....................................................220
17 Midi.....................................................................................................221
Midi e a O1V.............................................................................................222
Portas MIDI ..............................................................................................222
MIDI e indicador de recebimentos de dados................................................224
Estabelecendo Midi....................................................................................224
Chamando as cenas de mudanças de programas ..........................................227
Controle de parâmetros de mudanças de programas ....................................229
Sistema exclusivo de controle de parâmetros ..............................................231
BULK DUMP ...........................................................................................232
Controle local ............................................................................................234
MIDI MACHINE CONTROL ..................................................................236
Controles MIDI definidos pelo usuário .......................................................238
Conectando a O1V ....................................................................................239
18 Exemplo de sistemas ...........................................................................241
O1V e interface para gravador ADAT ........................................................242
Duas O1V e dois ADATS ........................................................................244
O1V e interface para gravador TASCAM ...................................................246
Duas O1V e dois TASCAM .....................................................................248
O1V e PRO TOOLS (AES / EBU) ...........................................................250
Resolvendo problemas.............................................................................253
Página 02
1-Benvindo a O1V
Obrigado por comprar o DIGITAL MIXING CONSOLE O1V da YAMAHA. Baseado no
sucesso dos mixers digitais da Yamaha, a O1V foi projetada para músicos MIDI e pequenos
PAs, contudo, sua versatilidade é indicada para usuários semi e profissionais.
Sobre o manual do proprietário
Este manual contém todas as informações necessárias para cuidar e operar o mixer digital
O1V da YAMAHA. Use a tabela de conteúdos para obter as informações gerais e
familiarizar-se com a organização deste manual, e use o índice para localizar itens
específicos. Aonde é possível, as seções individuais de um capítulo são organizadas em
ordem de curso de sinais. Por exemplo, o capítulo dos canais de entrada, começa pelos
conectores de entrada e como funciona cada função dos canais de entrada, finalizando pelos
BUSES.
Instalação da O1V
Posicione a O1V em um lugar estável, e pode também ser montada usando-se um kit
opcional para montagem em rack.
Página 03
Características O1V
Espectros sônicos da O1V
20 bits linear 128 vezes de oversampling A / D conversores
20 bits linear 8 vezes de oversampling D/A conversores (STEREO OUT)
105 dB de faixa dinâmica
20 Hz - 20 KHz (+1, -3 dB) de resposta de freqüência
Processador digital interno de 32 bits
44 bits de processador digital EQ
Características O1V
24 entradas ( incluindo 8 digitais )
14 saídas ( incluindo estéreo OUT, OMNI e 8 de envios de saída digitais )
Controle de ganhos variáveis e contínuos
Entradas balanceadas XLR com + 48 V de alimentação fantasma (1 ~12)
26 dB Pad sobre canais de entrada 1 a 12
4 saídas analógicas OMNI configuráveis (AUX, BUS, CH DIRECT, ST)
Entrada de fones balanceadas sobre as entradas 1 a 16
Slot para Interface com gravadores de 8 pistas digitais
8 saídas digitais com cartão opcional (TASCAM/ADAT/AES/EBU)
Entrads e saídas digitais tipo coaxiais
Modos de solo versáteis para fácil monitorização
3 grupos de faders para controles múltiplos de canais
3 grupos Mute para múltiplos canais
Delay de entrada de 250 ms (1~16) e de saída 300ms
Função de cópia de canal
Operação de par estéreo para canais de entrada, envio AUX e BUS de saída
100 memórias de cena
Equalizador paramétrico de 4 bandas (2 bandas para opcionais I/O)
Biblioteca EQ com 40 presets e 40 user programs
Controles dedicados para EQ
e PAN
2 processadores de efeitos internos com 42 programas e 57 user programs
Um equivalente a 22 Processadores dinâmicos internos
Biblioteca dinâmica com 40 presets programs e 40 user programs
Display de cristal líquido 320 x 80
Compreensiva implementação MIDI (controle remoto, MMC, BULK)
Interface interna para conexão TO HOST a um PC
Faders motorizados de 60mm
Página 04
Configuração
A O1V oferece um total de 24 canais, 12 entradas de canais mono ( 1 ~ 12 ) 2 canais
estéreos (13/14, 15/16), 8 entradas digitais (17 ~ 24)pelos cartões opcionais I/ O . Os sinais
da saída estéreo estão disponíveis pelos análogos ST OU e os coaxiais digitais STEREO
OUT., e podem ser enviados as saídas OMNI e digitais opcionais I /O . Os 4 Bus de saída,
4 Aux sends, podem ser enviados as saídas análogas OMNI e saídas opcionais digitas I/ O .
Os buses de efeitos 1 e 2 alimentam os multi processadores de efeitos interno, cada um com
EQ paramétrico de 4 bandas. Os canais de entrada de 1 a 12 possuem XLR balanceados e
conectores de fone jack. Canais de entrada de 17 a 24 são acessados via opcional I / O .
Benefícios de um mixer digital
Você provavelmente já está familiarizado com os muitos benefícios oferecidos por
aparelhos digitais de áudio, mas qual são exatamente estes benefícios para um mixer? Bem ,
um mixer tem a função de combinar sinais de áudio vindas de várias fontes, diferentes
níveis de impedância, normalmente indo para um mixer estéreo. Isto deve ser feito sem a
introdução de nenhuma distorção ou ruído. Mixers análogos fazem um bom trabalho,
porém, mesmo os melhores mixers, não evitam tais chiados causados por componentes dos
circuitos. No sistema digital, o mixer consiste em adicionar e multiplicar números binários
que representam os sinais de áudio. Os chips de DSP ( Digital Signal Processor ) são usados
para esta finalidade e nunca deixam que as somas dêem errado. Então, uma vez passada a
conversão inicial A/D, os sinais de áudio são imunes a degradações de sinais. Com a O1V,
chiados, distorções e barulhos, são virtualmente eliminados. Você vai ouvir uma nova
realidade em suas mixagens. Uma vez sob o domínio digital, faz sentido manter os sinais de
áudio na forma digital, as múltiplas conversões AD/DA podem degradar a qualidade do
sinal. Com a interface opcional I/ O, O1V pode ser conectada diretamente a máquina de
gravação digital, contudo, mantendo os dados do áudio sob o domínio digital para o mixer e
o gravador. O sinal estéreo final, pode ser transmitido para um 2 tracks gravador digital,
usando saída digital coaxial. Os efeitos internos e os processadores dinâmicos, significam
que os sinais permanecem sob o domínio digital, eliminando a necessidade de um AD / DA
conversor. Os processadores de sinais são a terceira geração de YAMAHA DSPs, os
mesmos usados no PROR3 reverber digital
Página 05
O1V performance sônica
A O1V linear 20-bit 128 vezes oversampling conversor AD proporciona a faixa dinâmica
de 105 dB. 20 bit 8 vezes oversampling para STEREO OUT para conversores D/A,
enquanto MONITOR OUT e OMNI OUT 18 bit, 8 vezes oversampling conversores D/A
O1V pode gerar sob a forma original, taxas de sampling de 44.i Hz e 48 KHz, ou
sincronizar com um wordclock externo com uma fonte de 32 KHz -6% a 48 Khz + 6%. A
saída estéreo e o monitor de saída permitem 20 bit 8 vezes oversampling D/A conversores,
enquanto os Aux sends e o Bus de saída 18 bit 8 vezes oversampling D/A conversores.
EQ de 4 bandas paramétricas e biblioteca
Os canais de entrada da O1V, canais de entrada 1 a 16, saída estéreo, bus de saída,
auxiliares SENDs e efeitos de retorna possuem como características EQ 4 bandas
paramétrico, ganho variável, freqüência, Q, e bypass. Canais de entrada de 17 a 24 possuem
um EQ simplificado de 2 bandas. As bandas altas e baixas podem ser usadas quando
necessárias, peaking ou HPF e LPF respectivamente. Procure EQ mais adiante neste manual
para maiores informações. Os programas EQ podem ser armazenados como programas de
biblioteca ( Library ) para todos os canais programados no canal de programas library, ou
para todos os sets de mixer ou cenas de mixer. As pré-programações de EQ são feitas
especificamente para serem aplicadas em instrumentos, e proporciona uma boa referência
ou um ponto de partida para fazer os ajustes de EQ. Veja mais adiante neste manual EQ
Library para maiores informações.
Faders motorizados
A O1V possui faders motorizados de 60mm que se movem automaticamente quando uma
cena é chamada, proporcionando uma clara identificação visual dos níveis de faders. Os
fade time acima de 25 segundos podem ser enviados individualmente para cada cena de
mixer. Os faders podem ser agrupados em um dos 3 grupos de fader para serem controlados
por múltiplos faders. Os fader da O1V são controles de múltiplas funções e sua operação
depende do modo fader selecionado. Os faders dos canais de entrada podem ser usados
como faders de canais, AUX ou controle de envio de efeitos. O fader STEREO pode ser
usado como fader de saída estéreo, AUX ou fader Master de nível de envio de efeitos.
Faders de 1 a 16 a Master podem controlar vários parâmetros internos em REMOTE página
1, ou usado como controladores MIDI na página 3.
Página 06
Processadores internos de efeitos
A O1V tem dois processadores internos multi efeitos: Efeitos 1 e Efeitos 2. Isto propicia
uma enorme qualidade de efeitos, incluindo, chorus, delay, flanger, amp simulator e mais.
Existem 34 diferentes tipos de efeitos disponíveis, os processadores de efeitos são
alimentados pelos Bus de efeitos 1 e 2, e os sinais processados retornam através dos canais
de retorno de efeitos. Os efeitos podem ser aplicados nos canal de 1 a 24. Retorno de efeitos
1 pode ser alimentado por efeitos 2 e retorno de efeitos 2 pode ser alimentado por efeito 1.
Outros tipos de efeitos externos podem ser usados na através dos Aux sends.
Processadores dinâmicos internos
Os processadores dinâmicos proporcionam compressão, Gate, ducking, expansão, e
compander, e estão disponíveis em todos os canais de entrada de 1 a 16, saída estéreo, Bus
de saída e aux send. Isto da um total de 22 processadores dinâmicos! Eles podem ser autotrigados ou trigados por um sinal de outro canal. Os ajustes dinâmicos podem ser
armazenados na biblioteca dinâmica, com todos os canais ajustados no canal de programa
library, ou na cena de mixer. A biblioteca dinâmica possui 40 programas pré-programados e
40 programas do usuário. Os programas de usuário permitem a você armazenar seus
próprios programas dinâmicos, e podem ser titulados para fácil identificação.
Opcionais I / O e Digital I/O
A O1V tem um Slot de entrada opcional I / O, proporcionando 8 canais de entrada digital
(17 a 24) e 8 canais mandados de saída digital. A O1V não aceita os mesmos cards da O2R
ou da O3D. Estes cards proporcionam uma saída direta para gravadores multi pistas digital,
como Alesis, Adat, Tascam, Yamaha etc E ainda, AES/EBU canal estéreo digital coaxial de
entrada e saída, permitindo a conexão direta com gravadores e outros aparelhos digitais. Os
sinais digitais estéreo podem ser enviados para o Bus estéreo para operação em cascata ou o
canais 13/14 de entrada para o mixer ou processamento.
GUI interface fácil de usar
As operações da O1V são lógicas e intuitivas. O grande display de 320 x 80 usa ícones
gráficos para representar os controles, e proporciona uma clara indicação para todas as
curvas de equalização. Controles dedicados permitem ajustes de EQ e PAN. As seleções de
parâmetros e edição de programas são feitos usando-se os botões de CURSOR, + / - 1,
ENTER e a roda de parâmetros.
Página 07
Memórias de cena
Em muitos mixers, o único jeito de armazenar os ajustes, é marcando com uma caneta e
grudando em cima dos faders. Na O1V contudo, todos os ajustes de cena podem ser
armazenados em uma das 99 memórias de cena. As memórias de cena podem ser chamadas
rapidamente pressionando somente um botão, ou através da troca de comando MIDI. Se
você necessita trabalhar com vários projetos ao mesmo tempo, você pode armazenar as
cenas de mixer atuais e chama-las de novo quando retornar ao mesmo projeto, rapidamente.
As memórias de cena também funcionam noite após noite com checagem de som, para
trabalhos em teatros por exemplo, permite a você trocar o som entre as cenas.
MIDI
Em adição ao conector MIDI original, a O1V permite um conector “TO HOST”. Isto
permite que a O1V seja conectada a um PC sem o uso de interface. Todos os parâmetros
podem ser armazenados na memória de cena e podem ser controlados usando um sistema
MIDI exclusivo de mensagens. As mudanças de mensagens do programa MIDI podem ser
usados para chamar as memórias de cena.. Os comandos MMC (MIDI machine control)
podem ser enviados para O1V para trabalhar com controle remoto (stop, play, ff e record).
Usando a função de controle remoto MIDI, outros aparelhos podem ser controlados pelos
faders da O1V, botões ON ou a roda de parâmetros
Página 09
INICIANDO A O1V
Página 10
Exemplo de sistema com a O1V.
(Veja figura na página 10 do manual)
Página 11
Informações importantes sobre WORDCLOCK
Diferente dos equipamentos de áudio analógicos, equipamentos digitais devem ser
sincronizados via Wordclock. Se a O1V é o único equipamento digital em seu sistema, não
precisa de programas wordclock especial, pois será sincronizada pelo marcador interno.
Adicionando-se um gravador multi pistas digital por exemplo, seu sistema deve ser
configurado com uma única fonte em comum de wordclock.
Conectando o cabo de força
Importante: Desligue todos os equipamentos antes de fazer qualquer conexão
Ligando a O1V
Sempre ligue os equipamentos na seguinte ordem:
1. Fontes sonoras
2. O1V
3. Amplificador de monitores
Para ligá-la, pressione a chave POWER no painel traseiro da O1V.
Desligando a O1V
Desligue sempre seu equipamento de áudio na seguinte ordem:
1. Amplificador
2. O1V
3. Fontes sonoras
Todos os parâmetros, memórias de cena, programas de biblioteca são armazenados quando
se desliga a O1V.
Página 14
Conhecendo a O1V
Painel de controle
(Veja figura da página 14 do manual)
As seções individuais serão mostradas nas páginas seguintes.
Página 15
Seções de controle análogos
(Veja fig na pg 15 do manual)
1. Botões de Pad - Estes botões são usados para ligar/desligar os Pads de entrada em 26dB
2. Chaves 15 / 16 - 2TR IN - São usadas para selecionar as fontes de sinais para os canais
15 e 16, fones ou 2TR IN.
3. Chave MONITOR-2 TR IN - São usadas para selecionar a fonte para os monitores de
saída e fones: Bus monitor ou 2TR IN
4. Controles de ganho - Estes botões são usados para ajustar a entrada de ganho do
pre-amplificador
5. Controle de saída do monitor - São usados para ajustar o nível de saída do monitor
6. Controles de níveis do fone - Estes controles são usados para ajustar os níveis dos
fones.
Página 16
Display , controle de seleção de canais e medidores
1. Display
O grande display com backlight fluorescente, proporciona uma clara indicação das funções
do mixer e o status de operação. Como mostra também os valores dos parâmetros
numéricos, as posições dos faders são representadas graficamente, e você realmente pode
ver a posição dos faders e dos pan. O display mostra também as curvas de EQ e os níveis de
sinais do meter.
2. Controle de seleções de canais
Estes controles são usados para ajustar PAN e EQ dos canais. Controles giratórios
dedicados para PAN, freqüência EQ (F) e ganho (G), EQ [HIGH], [HI-MID], [LO-MID] e
[LOW], fazem esta operação rapidamente.
3. Contraste
Este controle é usado para ajustar o contraste do display.
4. Meters de saída estéreo
Os 12 leds tipo barra do display mostram os níveis de saída estéreo dos sinais.
Roda de parâmetro, Cursor e Enter
Estes controles são utilizados para navegar pelo display de páginas e editar os parâmetros.
Página 17
Botões de funções
Estes botões são usados para selecionar as seguintes funções de paginas do display. O nome
da função selecionada e o número de página aparecem no canto superior esquerdo do
display
(Veja tabela 1 da pg 17do manual)
Botões de Modo Fader
Estes botões são usados para selecionar os seguintes modos de fader e páginas do display.
Pressionando repetidamente os botões selecionam-se as várias páginas disponíveis em cada
modo. O nome da função selecionada e o número de página aparecem no canto superior
esquerdo do display.
(Veja tabela 2 na página 17 do manual)
Página 18
SEL, SOLO, ON Botões e Faders
1. Botão SEL
Os botões SEL são usados para edição de parâmetros dos canais : canais de entrada de 1 a
24, retorno de efeitos 1 e 2, envio aux 1 a 4, envio de efeitos 1 e 2 e saída estéreo.
Pressionando o botão SEL 13/14 repetidamente seleciona-se os canais de entrada13 e 14 ou
repita o modo para selecionar os canais 15/16. Normalmente botões SEL de 1 a 8
selecionam os canais de 1 a 8. Contudo quando o botão OPTION I/ O é pressionado, eles
selecionam os canais de entrada de 1 a 24. Os botões SEL de 1 a 6 também selecionam
(MMC). Finalmente os botões SEL também são usados para fazer e desfazer pares e para
grupo de mute faders.
2. SOLO
O botão de SOLO são usados para solar canais: entrada 1 a 16 e retorno de efeitos 1 e 2.
Normalmente os botões SOLO selecionam canais de 1 a 8. Contudo se o botão OPTON I/
O é pressionado, selecionam os canais de 17 a 24.
3. Botões On
Os botões ON são usados para ligar e desligar os canais: entrada 1 a 24e retorno de efeitos 1
e 2, aux end 1 a 4, envio de efeitos 1 e 2 e saída estéreo. Normalmente os botões ON
selecionam canais de 1 a 8. Contudo se o botão OPTON I/ O é pressionado, selecionam os
canais de 17 a 24.
Página 19
4.Faders
Os botões faders são usados para ajustar os níveis dos canais de entrada e saída. A O1V tem
faders motorizados de 60mm. As funções de cada fader depende do modo de fader
selecionado. Normalmente os botões fader selecionam canais de 1 a 8. Contudo se o botão
OPTON I/ O é pressionado, selecionam os canais de 17 a 24. O modo fader selecionado é
mostrado no display. No modo MIDI remote, os faders 1 a 16 podem ser usados para
controlar outros equipamentos MIDI.
5. Controle RETURN
Estes controles são usados para ajustar o nível de retorno de efeitos, e suas posições são
mostradas no canto superior esquerdo do display.
6. Indicador do status SOLO
A luz indicadora de SOLO acende quando este canal é solado.
Página 20
Entrads e saídas
Painel de cima
1. Entradas 1 a 12 (BAL)
Os canais de entrada 1 a 12 são XLR-3 -31 balanceadas, com entrada nominal de freqüência
de -60dB a +10dB. Ligadas individualmente + 48 V mais a alimentação fantasma para os
conectores XLR com chaves liga desliga para canais 1 a 6, e 7 a 12.. O jack de fone tem
prioridade sobre o conector XLR, então quando o plugue está conectado, o conector XLR é
desligado. O jack do fone também pode ser usado como plugue de entrada desbalanceada.
Com sua alta sensibilidade e chaves de 26dB pad, estas entradas podem responder a uma
grande gama de sinais.
2. Entradas 13 a 16 (BAL)
Os canais de entrada 13 a 16, possuem jack conectores balanceados com uma freqüência
nominal de entrada de -20dB a +10dB. Conectores balanceados ou não podem ser
conectados aqui. Estas entradas são as melhores para nível de sinais de linha.
Página 21
3.2TR IN
Estes são jacks com um nível nominal de -10dBV. Os sinais de entrada aqui são
alimentados através do Monitor Out e fones quando 2TR IN é colocado em 2TR IN. A
saída estéreo para o gravador master pode ser conectada aqui para monitorização confiável
e master playback.
4. 2TR OUT
Estes são fone jacks com - 10 dBV de nível de saída nominal. Os sinais são os mesmos do
sinal de saída estéreo.
5. Fones
Este é um jack de saída estéreo para fones de ouvido. Um par de fones estéreo podem ser
conectados aqui para monitorização. Os sinais de fone são os mesmos do Monitor Out. O
nível dos fones são ajustados pelos controles de Phone Level.
Página 22
Painel Traseiro
1.Monitor Out
Estes são jacks balanceados de ¼ de polegada com + 4dB de nível de saída nominal. Os
plugues de fones balanceados ou não podem ser conectados aqui. Os sinais saem para os
monitores de saída e devem ser conectados em um amplificador monitor. A fonte de sinal
do monitor, é determinada pela chave do Monitor Out SOLO 2TR IN. O nível de saída é
ajustado pelo controle de monitor level.
2. Chaves liga / desliga PHANTOM + 48V
Os canais de 1 a 6 e 7 a 12 possuem chaves para ligar e desligar o PHANTOM para
entradas XLR de 1 a 6 e 7 a 12 respectivamente.
3. Saídas OMNI
Estes são jacks balanceados de ¼ de polegada com + 4dB de nível de saída nominal. Os
plugues de fones balanceados ou não podem ser conectados aqui. Podem ser configuradas
individualmente como bus de saída análoga, envio aux, saída estéreo ou saída direta para
canais de 1 a 16. Os bus de saída são normalmente conectados a gravadores multi pistas,
enquanto aux send são usados para alimentar os processadores de efeitos externos,
amplificadores e etc.
Página 23
4. Saída Estéreo
Estes jacks de entrada balanceadas XLR-3-32, com conectores balanceados com um nível
de saída nominal de + 4dB. Pino 1 = terra, pino 2 = positivo e pino 3 = negativo. Eles
enviam a saída do mix estéreo principal. Se você precisa conectar a saída ST OUT
balanceada a uma entrada tipo fone desbalanceada, use o cabo com o seguinte esquema:
(Veja figura 2 na página 23 do manual)
5. Saída digital estéreo
Estes conectores tipo fone enviam a saída digital estéreo formato audio digital de 24 bit,
permitindo a transferência digital para ADAT, MD ou outro gravador digital.
6. Entrada estéreo digital
Estes conectores aceitam cabo de audio em formato digital Coaxial de 24 bit. Os sinais
jogados aqui podem ser alimentados diretamente pelos estéreo Bus para operação em
cascata.
7. MIDI IN, OUT, THRU
São conexões usadas para interligar a O1V com outros aparelhos MIDI para controle
remoto e backup de dados. MIDI IN recebe mensagens, MIDI OUT envia e MIDI THRU
transmite todas as mensagens MIDI e recebe dados via MIDI IN.
8.TO HOST
Este conector 8-pin mini DIN é usado para conectar a O1V com um PC com um software
MIDI. Isto elimina a necessidade de uma interface MIDI, e faz com que a O1V possa ser
usada com qualquer outro equipamento MIDI.
9.Botão de força.
Ele é usado para ligar e desligar a O1V. O botão é colocado numa depressão para evitar
operações acidentais.
10. Slot OPTION I / O
Cartões opcionais podem ser instalados aqui, proporcionando a O1V entradas e saídas
digitais.
Página 24
Diagrama de bloco
(Veja figura nas páginas 24 e 25 do manual)
Página 27
Conhecendo as interfaces do usuário
Página 28
Sobre a interface do usuário
A interface do usuário da O1V é simples e fácil de usar. Controles de seletor de canais
dedicados, permitem um rápido ajuste de EQ e PAN. Os faders, são controles multi funções
e dependem do modo fader selecionado. As funções do mixer e as configurações
programadas são organizadas no display por páginas, e podem ser ligadas com mais de 5
páginas agrupadas juntas. Por exemplo, as páginas de entrada digital e de cascata, são
agrupadas sob a DIO ( digital I/0). A seleção de parâmetros e edição podem ser feitas pelos
botões de cursor, enter e a roda de parâmetro, o que acarreta numa edição precisa.
Display
O grande display 320 x 80 proporciona uma visualização clara de todas as operações.
Mostram também os valores numéricos de parâmetros, os faders e os botões de rotação são
representados graficamente, então você pode ver as posições de faders e pan rapidamente. O
display também proporciona as curvas de EQ e os níveis de sinal. A ilustração abaixo
mostram as diferentes áreas do display ( veja figura na página 28 do manual ), e serão
explicadas a seguir.
Funções
Esta área do display mostra nomes e funções selecionadas usando os botões de FADER e
FUNCTION. As funções estão divididas em páginas e cada uma identificada por números,
aqui está demonstrado como exemplo, página 1 da função selecionada VIEW, as seguintes
funções poderão ser selecionadas:
(Veja tabela na página 28 do manual)
Página 29
Memória
Esta área do display mostra o número da memória de cena selecionada e o título, se a
memória de cena está protegida ou se os conteúdos do Buffer Edit foram editados. Também
na memória estão os indicadores MIDI e HOST, que aparecem quando recebem dados
MIDI via MIDI IN ou TO HOST.
Retorno de efeitos
Esta área do display mostra dois ícones de controles que indicam a posição controle do
nível de efeitos e tipo de efeitos selecionados nos dois processadores de efeitos internos,
EFFECT 1 e EFFECT 2.
Selected Channel
Esta área do display mostra 3 ícones de controles:PAN, EQ freqüência e EQ ganho. Abaixo
dos indicadores de canal, mostram quais os canais estão atualmente selecionados. Os
seguintes canais podem ser selecionados:
CH 1 a CH 24 - Canais de entrada de 1 a 24.
ST - Saída estéreo
RTN1 e RTN2 - Retorno de efeitos 1 e 2.
AUX 1 a AUX 4 - Envio AUX 1 a 4.
EFF1, EFF2 - Envio de efeitos 1 e 2.
1 ~ 16 MAS - Funções remoto de canais
Quando canais de 13 a 16, canais de retorno de efeitos, pares de canais de entrada de 1 a 12
são selecionados, linhas pontilhadas aparecem a direita destes ícones de controle quando
canais esquerdo ou ímpares são selecionados. Do mesmo modo, linhas pontilhadas
aparecem quando canais direitos ou pares são selecionados.
Área de página
Esta área mostra as várias funções das páginas selecionadas, bem como valores numéricos
de parâmetros, faders, controles rotativos são mostrados graficamente, então você pode
realmente ver as posições de cada controle. Veja elementos do display na página 30 para
maiores informações. Um exemplo de página é mostrada abaixo.
(Veja figura 1 na página 29 do manual)
Página 30
Elementos do display
Esta seção mostra os vários elementos que aparecem nas páginas do display
Interruptores
Interruptores aparecem em caixas com as bordas sombreadas.
Interruptores simples tipo ON/OFF piscam no display quando são ligadas
Os selos dentro dos interruptores mudam quando são ligados ou desligados. Interruptores de
fase normal e reverso são indicados.
Existem 4 opções de tipos de interruptores, mas somente um pode ser utilizado por vez.
Neste exemplo, a fonte monitora pode ser programada ou para saída estéreo ou para ST
CASCADE IN. Para acionar o interruptor, use os botões do cursor para seleciona-lo, então
os botões ENTER ou +/- 1 para ligar ou desligar.
Botões rotativos
Parâmetros com uma gama variável aparecem com os botões rotativos. Para ajustar os
botões rotativos, use o botão do cursor para selecionar o controle e a roda de parâmetros
para ajustar os valores. Para ajustar os controles de parâmetros use os botões de cursor para
selecionar e a roda de parâmetros ou +/-1 para ajustá-los.
Caixas de parâmetros
Para ajustar os parâmetros da caixa de parâmetros use o botão do cursor para selecionar o e
a roda de parâmetros ou +/- 1 para ajustar os valores. Parâmetros que necessitem de
confirmação, pressione a tecla ENTER.
Faders
Algumas páginas, como a VIEW E bus master, mostram os faders graficamente. Mas
também podem ser ajustados usando a roda de parâmetros ou o mouse. Para ajustar os
faders, use os botões do cursor para selecionar e a roda de parâmetros ou +/- 1 para ajustálo. Os botões de fader aparecem piscando no diplay quando são colocados na posição
nominal.
Página 31
Botões de cursor
Estes botões são usados para mover o cursor sobre as páginas do display, selecionando
parâmetros e opções. O cursor aparece dentro de uma caixa piscando no visor, ficando fácil
visualizar qual parâmetro ou opção está selecionada. Segurando os botões do cursor, o
cursor move-se continuamente no sentido indicado pela flecha do cursor.
Roda de Parâmetros
Este botão é usado para selecionar os valores dos parâmetros, memórias de cena e
programas library, programas de efeitos e muito mais. Girando-a no sentido horário, os
valores aumentam e no sentido anti-horário, os valores diminuem. Girando-a rapidamente
permite uma rápida edição de parâmetros.
Botões -1/DEC & +1/DEC
Como a roda de parâmetros, estes botões são usados para ajustar valores de parâmetros
memórias de cena e programas library, programas de efeitos e muito mais. Pressionando
=1/DEC os valores aumentam e no -1/DEC os valores diminuem.
Botão Enter
Este botão é usado para ativar os programas de parâmetros selecionados usando os botões
de cursor e para ligar / desligar os tipos de parâmetros, como o EQ ON/OFF. É também
usado para confirmar os programas e registrar os caracteres quando está titulando as
memórias de cena, programas de efeitos e etc. Em algumas páginas, como a página EQ, os
botões enter são usados somente para ligar / desligar o EQ.
Página 32
Modos Fader
A O1V possui botões SEL, SOLO e ON, faders de canais e faders estéreo [MASTER] com
controles multi funções, e sua operação exata depende do modo fader selecionado. As
operações destes controles são mostradas a seguir.
Botões SEL
São usados para selecionar canais para operações de EQ, PAN, DYNAMICS e ROUTING.
CH 1 a CH 24 - Canais de entrada de 1 a 24.
ST - Saída estéreo
RTN1 e RTN2 - Retorno de efeitos 1 e 2.
AUX 1 a AUX 4 - Envio AUX 1 a 4.
EFF1, EFF2 - Envio de efeitos 1 e 2.
1 ~ 16 MAS - Funções remoto de canais
Os botões SEL também são usados para programar canais em MUTE ou pares.
(Veja tabela na página 32 do manual)
Exemplo de botões para canais de entrada [SEL]
Para selecionar a função EQ para o canal de entrada 3, pressione o botão [HOME] e então o
botão SEL 3. Use SELECTED CHANNEL F ou G para ajustar EQ. Para ajustar a função
PAN para canal de entrada 13, pressione o botão [HOME] e então o botão SEL 13 e 14 até
canal 13 aparecer no display. Use SELECTED CHANNEL PAN para ajustar pan. Se várias
funções dos canais de entrada 13 e 14 estão ligadas, a única vez que você precisa selecionar
os canais é para programar fase ou pan.
Página 33
Para selecionar a função EQ para canal de entrada 20, pressione o botão OPTION I/O e
pressione o botão SEL 20. Use os controles F e G para ajustar EQ.
Exemplos de botões MASTER [SEL]
Para selecionar a saída estéreo, pressione o botão HOME então pressione MASTER [SEL].
Para selecionar AUX 1 MASTER, pressione MASTER e MASTER [SEL]. Para selecionar
EFFECT 1, pressione EFFECT 1 e botão MASTER [SEL].
Botões SOLO
Estes botões são usados para monitorar canais solo. Os seguintes canais podem ser solados:
CH 1 a CH 24 - Canais de entrada de 1 a 24.
RTN1 e RTN2 - Retorno de efeitos 1 e 2.
(Veja tabela na página 33 do manual)
Os botões SOLO de 1 a 16 podem ser usados como controladores MIDI na página
REMOTE, veja página 238 para maiores informações.
Exemplos de usos
Para solar para canal de entrada 3, pressione o botão HOME e então pressione SEL 3. Para
solar canais de entrada 13 / 14, pressione HOME e então solo 13 /14. Para solar canal de
entrada 20, pressione OPTION I/O então pressione solo 20.
Página 34
Botões ON
A O1V possui botões ON que são usados para ligar / desligar . As operações destes
controles são mostradas a seguir.
CH 1 a CH 24 - Canais de entrada de 1 a 24.
ST - Saída estéreo
RTN1 e RTN2 - Retorno de efeitos 1 e 2.
AUX 1 a AUX 4 - Envio AUX 1 a 4.
EFF1, EFF2 - Envio de efeitos 1 e 2.
1 ~ 16 MAS - Funções remoto de canais
Os bus de saída bem como PAN/ROUT podem ser ligados / desligados
(Veja tabela na página 32 do manual)
Os botões on de 1 a 16 e master podem ser programados para controlar os vários parâmetros
internos na página REMOTE, ou usados como controladores MIDI na página 3.
Botões [ON] para canais de entrada
Para ligar / desligar o canal de entrada 3, pressione o botão [HOME] e então o botão SEL 3.
Use SELECTED CHANNEL F ou G para ajustar EQ. Para ligar / desligar o canal de
entrada 13, pressione o botão [HOME] e então o botão SEL 13 e 14 até canal 13 aparecer
no display. Para desligar o canal de entrada 20, pressione OPTION I/ O então pressione
ON 20
Exemplos de botões MASTER [ON]
Para selecionar a saída estéreo, pressione o botão HOME então pressione MASTER [SEL].
Para selecionar AUX 1 MASTER, pressione MASTER e MASTER [SEL]. Para selecionar
EFFECT 1, pressione EFFECT 1 e botão MASTER [ON].
Página 35
Faders (mais controles de retorno rotativos)
Estes faders são usados para ajustar o nível dos canais
(Veja tabela na página 35 do manual)
1. Retorno de efeitos 1 não podem ser alimentados por envio de efeitos 1
2. Retorno de efeitos 2 não podem ser alimentados por envio de efeitos 2
Faders de 1 a 16 e master podem ser programados para controlar vários parâmetros em
página REMOTE 1, ou usado como controladores MIDI na página REMOTE 3.
Exemplos de níveis para canais de entrada
Para ajustar o nível do canal de entrada 3, pressione o botão [HOME] e então o fader 3.
Para ajustar o nível do canal de entrada 13, pressione o botão [HOME] e então o fader 13 e
14 até canal 13 aparecer no display. Para desligar o canal de entrada 20, pressione OPTION
I/ O então fader 20
Exemplos de envio AUX para canais de entrada
Para ajustar o nível de envio de AUX 1 para canal de entrada 3, pressione o botão AUX1
então utilize o fader. Para ajustar o nível de envio de AUX 1 para canal de entrada 13 e 14,
pressione o botão AUX1 então utilize o fader 13 / 14.
Página 36
Exemplos de envio de efeitos para canais de entrada
Para ajustar o nível de envio de EFFECT1 para canal de entrada 3, pressione o botão
EFFECT1 então utilize o fader. Para ajustar o nível de envio de EFFECT1 para canal de
entrada 13 e 14, pressione o botão EFFECT1 então utilize o fader 13 / 14.
Exemplos de nível MASTER
Para ajustar o nível de saída estéreo , pressione o botão HOME então utilize o fader master.
Para ajustar o nível de aux 1, pressione AUX 1 então utilize o fader master .
Página 37
Edição de títulos da caixa de diálogos
A edição de títulos da caixa de diálogos são usadas para dar nome as cenas de mixer,
programas EQ, programas dinâmicos e programas de efeitos. Os títulos podem ter até 12
caracteres. E memórias de cena até 8 caracteres.
( Veja figuras 1 na página 37 do manual )
1. Use o botão de cursor para posicionar o cursor na janela de título
2. Use a roda de parâmetros para selecionar os caracteres
3. Use os botões de cursor para selecionar as seguintes chaves, então pressione o botão
ENTER para executar as funções
(INS) Use o botão INS para colocar um espaço na posição do cursor e mover os caracteres
subsequentes para a direita. Caracteres movidos para além do lado direito do visor serão
perdidos.
(DEL) Use o botão DEL para deletar os caracteres da posição do cursor e mover os
caracteres subsequentes para a esquerda.
4. Use o botão +1/INC para colocar um espaço na posição do cursor
5. Use o botão -1/DEC para alterar entre maiúsculas, minúsculas e numérico
6. Pressione o botão ENTER
7.
Página 39
4. Canais de Entrada
Página 40
Visão geral do canal de entrada
Canais de entrada 1 e 2.
Os canais de entrada 1 e 2 tem características balanceadas XLR-3-31 e plugues conectores
balanceados, ambos com uma entrada nominal de -60dB a + 10dB. Chaveados
individualmente para +48V com a alimentação fantasma abastecida por um conector XLR.
O fone jack tem prioridade sobre o conector XLR, então quando um plugue é insertado, o
conector XLR é desconectado.
Canais de entrada de 13 a 16.
Independente de serem canais de entrada estéreo, 13/14, 15/16 tem as mesmas
características dos canais de entrada de 1 a 12.
Canais 17 a 24 (OPTION I/ O)
Os canais de entrada de 17 a 24 não tem conectores de entrada análoga, botão de Pad,
controle de ganho ou saída direta. Estes canais de entrada são acessados através de entradas
digitais do Slot. (Figura da página 216)
Página 41
Alimentação fantasma (Phantom power)
Os canais de entrada de 1 a 12 são chaveados para alimentação fantasma de +48V para uso
com microfones tipo condensadores. A alimentação fantasma é abastecida pelo conector
balanceado tipo XLR-3-31, e pode ser chaveado individualmente para canais 1 a 6 e 7 a 12.
A alimentação fantasma deve ser ligada quando um microfone tipo condensador é
conectado.
Pad ( canais de entrada de 1 a 8 )
Os canais de entrada e 1 a 12 possuem botões pad com características de 26dB. As entradas
Pad atenuam o sinal de entrada para 26dB, permitindo a entrada do pré amplificador
trabalhar com sinais de alto nível. Você deve usar o pad com os sinais “quentes” dos
microfones de baixo ou caixa. Os pads não são armazenados na memória de cena ou
programas de canais.
Ganho
Os controles de ganho ajustam o ganho dos canais de pré amplificação. Eles são usados
para otimizar o nível do sinal de entrada para a melhor performance sinal/ruído, e devem ser
usadas em conjunto com o nível de medição. Idealmente, os controles de ganho devem ser
usados quando os níveis de sinais são relativamente altos, e não tem problemas se
alcançarem os picos eventualmente, porém , se isso ocorrer com freqüência, retorne um
pouco o controle de ganho, contudo pode ocorrer um sinal distorcido. O controle de ganho
deve ser utilizado com cuidado. Se for colocado muito baixo, irá comprometer a resposta
sinal/ruído, se for colocado muito alto, um sinal distorcido pode ocorrer nos picos. Os
controles de ganho nos canais de entrada de 1 a 12 são desenhados para serem usados com
sinais de microfone, e tem a sensibilidade de entrada de -16dB a -60dB. Usados em
conjunto com as chaves Pad 26dB, estes canais contudo podem ser usados como sinais de
linha comum ou sinais de microfone “hot”. Com os botões Pad ligados, a sensibilidade de
entrada é +10 a -34dB. Os controles de ganho dos canais 13 a 16 são projetados para serem
usados com sinais de linha e tem a faixa de ganho de -10dB a 20dB. Os ajustes de controle
de ganho não são armazenados nas memórias de cena.
Metering
Os níveis de sinais podem ser medidos nas páginas HOME (Veja página 83 para maiores
informações)
Página 42
.
Mudando as fases das entradas
As chaves de fase, disponíveis nos canais de 1 a 16, invertem as fases originais dos sinais
em 180 graus. Isto pode ser usado para compensar conexões incorretas de cabos e
microfones. Também para ser usado quando microfona-se uma caixa em cima e em baixo,
reverte-se a fase do de baixo para prevenir cancelamentos de sinais.
1. Use o botão DELAY para localizar a página, como mostrado abaixo
(Veja figura na página 42 do manual)
2. Use o botão ENTER ou +1/DEC, -1/INC para programar a fase normal ou invertida
As chaves de fases dos canais 13 e 14 (como os 15 e 16) não são ligadas, e podem ser
usadas independentes. Quando os canais 1 a 12 estão pareados, as fases continuam
trabalhando independentes. Canais de entrada de 17 a 24 não possuem chaves de fase.
Página 43
Atenuando os sinais de entrada dos canais
Os sinais podem ser atenuados de 0dB a -96dB em passos de 1dB. Para as entradas 1 a 24.
1.Pressione o botão (EQ LOW) para locar a página EQ mostrada abaixo
( Veja figura 1 na página 43)
2.Use os botões SEL para selecionar canais de 1 a 16
3.Use o botão de cursor para selecionar o controle Att e a roda de parâmetros ou
+1/DEC -1/INC para ajustá-lo.
A função de atenuação para canais 13 e 14 (como os 15 e 16), estão permanentemente
ligadas. Quando canais de 1 a 12 estão pareados, a atenuação está ligada e ajustes podem
ser feitos em cada canal selecionado.
A função de atenuação pode ser usada para compensar o aumento de nível causado pelo EQ
ou pelos processadores dinâmicos. Ao invés de usar os controles de ganho para ajustar o
“boosting”, é melhor usar a função atenuação. Embora os níveis possam ser reduzidos
usando-se os controles de ganho, isso também reduz os sinais alimentados pelo conversor
A/D, o que não é aconselhado. A função de atenuação vem depois da conversão A/D, então
a performance da conversão A/D não é afetada.
Para canais de entrada de 17 a 24.
1. Use o botão OPTION I/O para localizar a página 2 de OPTION
2. Use os botões SEL de 17 a 24 para selecionar os canais
3. Use os botões de cursor para selecionar o controle ATT, então use a roda de
parâmetros ou +1/INC -1/DEC para ajustá-los.
Página 44
Aplicando EQ nos canais de entrada
Canais de entrada de 1 a 16 possuem EQ paramétrico de 4 bandas, enquanto canais 17 a 24
EQ de 2 bandas.
Processadores dinâmicos aos canais de entrada
Canais de entrada de 1 a 16 possuem processadores dinâmicos. Eles podem ser ligados ou
desligados e suas curvas podem ser vistas na página VIEW.
Página 45
Delay para sinais dos canais
O canal Delay pode ser usado nos canais de 1 a 16 e são usados para compensar a
localização dos microfones ou simplesmente como efeito de retardo. Os parâmetros de
delay para os canais de 1 a 8 estão na página 2 de DELAY, enquanto os de 9 a 16 na página
3.
1.Use o botão Delay para locar a página do CH Delay como mostrado abaixo
( Veja figura 1 na página 45 do manual )
Use os botões Sel para selecionar os canais
3.Use os botões do cursor para selecionar os parâmetros de Delay e o botão Enter e a
roda de parâmetros ou -1/DEC +1/INC para ajustá-los.
PARÂMET
RO
ON/OFF
Delay
FAIXA
DESCRIÇÃO
ON/OFF
LIGA DESLIGA O DELAY
O delay pode ser especificado em segundos ou
amostras. O delay em segundos depende do
sampling rate.O delay máximo é de 44.1KHz e
200 milisegundos na faixa de frequência de
48KHz.
Mix Level
FB Ganho
SDetermina o nível de atraso dos sinais. 0 é sem
l delay. +50 é 50/50 mixado delay e sinal puro.
a +100 é Delay total. Valores negativos são os
pmesmos, porém com sinais invertidos.
E
c
h
o
EDetermina quanto de atraso de sinal é alimentado
c de volta para o Delay. 0 é sem retorno algum. +99
hé o máximo de retorno. Valores negativos são o
omesmo porém invertidos.
Página 46
“Muting” para os canais de entrada
Você pode deixar mudo os canais usando o botão ON. Estes botões possuem uma luz
indicadora que acende quando os canais estão ligados. Para ligar desligar canais de 1 a 16,
selecione o modo fader que não OPTION ou REMOTE e pressione o botão ON de 1 a 16.
Quando os canais estão configurados como par estéreo, os botões ON dos dois canais
funcionam juntos, e qualquer um pode ser usado para ligar ou desligar a função par.
Os canais podem também ser agrupados para múltiplos controles de Mute, usando-se
somente um botão ON. (Veja grupos de Mute na página 56 para maiores informações)
Programando os níveis dos sinais de entrada
Os níveis dos canais de entrada e dos canais de entrada estéreo, são controlados usando-se
faders de 60mm. Para ajustar o nível de entrada dos canais de 1 a 16, pressione o botão
HOME e então o fader de 1 a 16. Para ajustar os níveis dos canais de 17 a 24, pressione o
botão OPTION então opere os faders de 17 a 24.
Página 47
Pan para canais de entrada
Os PANs disponíveis nos canais de entrada de 1 a 24 entrada estéreo, pode ser usado para
os sinais dos canais direitos e esquerdo da saída estéreo, e par e ímpar para o bus de saída.
O Pan do canal de entrada estéreo pode ser ajustado usando o controle SELECTED
CHANNEL PAN.
Para canais de entrada de 1 a 16 e retorno de efeitos
1. Use o botão SEL para selecionar canais
Nos canais selecionados as letras R ou L aparecem no display ao lado do ícone de pan.
2. Use o controle de PAN no canal selecionado
A opção PANPOT AUTO SCREEN é acionada na preferências (página 203), a página
PAN/ROUT mostrada abaixo e o home fader está selecionado. Esta página também pode
ser selecionada via botão PAN/ROUTING.
(Veja figura 2 na página 47 do manual)
Os pans podem ser ajustados usando-se a roda de parâmetros ou +1/INC -1/DEC.
Para canais de entrada de 17 a 24
1. Pressione o botão OPTION I/O
2. Use os botões SEL de 17 a 24 para selecionar os canais
3. Utilize os controles de PAN para ajustar parâmetros
Página 48
Os controles de PAN também podem ser ajustados nesta página usando-se os botões de
cursor para selecionar os controles PAN e a roda de parâmetros ou os botões +1/ONC 1/DEC para ajustá-los.
Incluindo o centro, existem 33 posições (Veja gráfico na página 48 do manual)
Canais de entrada de 1 a 12 e 17 a 24 possuem apenas um controle de pan. Canais de
entrada 13/14 e 15/16 possuem dois controles de pan. Quando se trabalha com o sinal
estéreo estes dois controles podem ser usados para ajustar a profundidade dos sinais.
Modos PAN
Existem 3 modos PAN, INDIVIDUAL, GANG e INV.GANG, determinando como os
controles operam nos canais de entrada 13/14, 15/16 (e retorno de efeitos) e canais pareados
de entrada de 1 a 12. Desde que os canais de entrada de 17 a 24 não podem ser pareados,
eles não afetam os modos PAN.
1. INDIVIDUAL - Neste modo, os controles funcionam independentes
2. GANG - Neste modo, os controles funcionam juntos (ligados)
3. INV.GANG - Neste modo os controles funcionam juntos, porém as operações estão
invertidas (os controles se movem em direções opostas)
Página 49
Routing para Canais de entrada
As chaves ROUTING, disponíveis nos canais de 1 a 24 (e retorno de efeitos), são usados
para enviar os sinais aos 4 bus de saída, saída estéreo e saída direta.
Para canais de entrada de 1 a 16 & retorno de efeitos
1.Use o botão Pan/Routing para localizar a página 2 PAN/ROUT, como mostrada
abaixo (Veja figura 1 na página 49 do manual)
2.Use o Sel botão para selecionar os canais.
3.Use os botões de cursor para selecionar a chave ROUTING e o botão Enter para
ajustá-lo.
Para canais de entrada de 17 a 24
1. 1.Use o botão OPTION I/O para localizar a página 2 OPTION, como mostrada
abaixo (Veja figura 2 na página 49 do manual)
2.Use o Sel botão para selecionar os canais de 17 a 24.
3.Use os botões de cursor para selecionar a chave ROUTING e o botão Enter para
ajustá-lo.
A chave ROUTING fica piscando quando o canal foi selecionado.
Canais de entrada de 1 a 12 possuem 4 chaves ROUTING para os bus de saída (1,2,3 e 4)
uma para saída estéreo (ST) e uma para saída direta (D). As chaves são acionadas
automaticamente quando os canais de entrada são selecionados para fontes OPTION I/0.
Canais de entrada de 13 a 24 (e retorno de efeitos) possuem 4 chaves routing para bus de
saída. As chaves routing funcionam em conjunto com os controles de pan para alimentar
sinais dos canais direito e esquerdo da saída estéreo e pares e ímpares do bus de saída.. A
tabela a seguir mostra como funcionam.
Página 50
(Veja tabela na página 50 do manual)
Monitorando os canais de entrada
Os canais de entrada podem ser monitorados usando-se a saída monitor ou fones. Veja
Monitor setup na página 78 neste manual para maiores informações.
Canais de entrada & Envio de AUX
Sinais dos canais de entrada de 1 a 16 podem ser enviados aos AUX SEND1 a 4, enquanto
sinais dos canais 17 a 24 podem ser enviados aos AUX SEND 1 e 2. Os envios dos sinais
dos canais de entrada podem ser configurados como pré ou pós fader. Quando os envios
auxiliares estão pareados, os controles de pan estão disponíveis em cada canal de entrada.
Canais de entrada & saídas OMNI
Sinais diretos dos canais de entrada 1 a 16 podem ser selecionados para saídas OMNI. A
saída OMNI não é afetada pela chave D na página 2 de PAN/ROUT.
Canais de entrada & saídas OPTION I / O
Sinais diretos dos canais de entrada 1 a 16 podem ser selecionados para saídas OPTION
I/O.
Página 51
Trocando as entradas 1 - 8 & 17 - 24
Estes canais podem ser trocados individualmente ou todos juntos. Isto permite que os sinais
da entrada digital OPTION I/0 façam uso do EQ de 4 bandas, processadores dinâmicos e
outras funções dos canais de entrada de 1 a 8.
1. Use o botão OPTION I/0 para localizar a página 5 OPTION, como mostrado
abaixo. (Veja figura 1 na página 51 do manual)
2. Use os botões de cursor para selecionar GLOBAL ou chaves individuais SWAP e o
botão ENTER, roda de parâmetros ou +1/INC -1/DEC para programá-los.
As chaves SWAP aparecem piscando quando selecionamos a função.
Quando os canais são trocados, os números de medição aparecem piscando na página
HOME1 (como mostrado abaixo). Quando a troca de canais é selecionada, o canal
selecionado no display mostra alternadamente o número do canal e SWAP, como mostrado
abaixo. (Veja figuras 2 e 3 na página 51 do manual)
Página 52
Pares para canais de entrada
Canais de entrada de 1 a 12, podem ser configurados como operação de pares estéreos, bem
como canais de entrada pares e ímpares podem ser pareados juntos. Os seguintes
parâmetros abaixo são ligados quando os canais estão pareados: delay, EQ, atenuadores,
processadores dinâmicos, botões ON, programas de pré ou post para os aux sends e envio
de efeitos. As chaves ROUTING, botões SOLO, fase, controles de pan não são ligados. As
operações dos controles de PAN dependem do modo PAN selecionado.
Pareando os canais de entrada
1. Pressione o botão SEL para os dois canais de entrada simultaneamente. OU: Use o
botão SETUP para localizar a página 4 SETUP, como mostrado abaixo, e use os
botões de cursor para selecionar os canais pares, então pressione o botão ENTER.
(Veja figura 1 e 2 na página 52 do manual)
CH -1 - Programa de cópias do canal de entrada 1 ao canal de entrada 2
CH -2 - Programa de cópias do canal 2 ao canal 1
RESET BOTH - Os dois canais de entrada são colocados na posição original
2. Use os botões para selecionar o modo par, então pressione o botão ENTER
Página 53
Desfazendo os pares dos canais de entrada
1. Pressione o botão SEL para os dois canais de entrada simultaneamente. OU: Use o
botão SETUP para localizar a página 4 SETUP, e use os botões de cursor para
selecionar os canais pares, então pressione o botão ENTER.
O seguinte diagrama aparecerá (Veja figura 1 na página 53 do manual)
2. Selecione OK, então pressione o botão ENTER
Os canais estéreos estão desfeitos, e ambas entradas dos canais operam independentemente.
Página 54
Diagrama de blocos dos pares dos canais de entrada
( Veja figura na página 54 do manual )
Página 55
Agrupando Faders
Os faders dos canais de entrada de 1 a 6 podem ser colocados juntos num grupo de faders
para controle de multi canais usando-se um único fader. Três grupos estão disponíveis: A, B
e C.
Fazendo um grupo de faders
1. Use o botão SETUP para localizar a página 3 de SETUP, como mostrado abaixo.
(Veja figura 1 na página 55 do manual)
2. Use os botões do cursor para selecionar o grupo de faders, e os botões SEL para
adicionar ou remover faders de um grupo para outro.
Não podem ser feitos grupos de canais em mais de um por vez
Canais de entrada 13/14, 15/16 e canais de entrada pareados 1 a 12, são adicionados e
removidos em conjunto.
Opere somente um fader do grupo por vez. Se tentar ajustar 2 ou mais faders do mesmo
grupo, poderá danificar os motores causando mal funcionamento.
Habilitando e desabilitando grupos de faders
Utilize as chaves ENABLE. Desabilitar os grupos lhe permite ajustar os faders sem removêlos do grupo.
1. Use as teclas do cursor para selecionar o grupo de faders que deseja desabilitar: A,
B ou C.
2. Use o botão ENTER, a roda de parâmetros ou +1/INC -1/DEC para habilitar ou
desabilitar o grupo de faders
Página 56
Agrupando Mutes
Os botões ON dos canais de entrada 1 a 16 podem ser colocados juntos em um grupo de
mute para controle de multi canais utilizando-se um único botão. Três grupos estão
disponíveis: D, E e F. Os grupos de mute podem conter liga desliga canais, tornando fácil
alternar entre os canais.
Fazendo um grupo de mute
1. Use o botão SETUP para localizar a página 3 de SETUP, como mostrado abaixo.
(Veja figura 1 na página 56 do manual)
2. Use os botões do cursor para selecionar o grupo de mute, e os botões SEL para
adicionar ou remover canais de um grupo para outro.
Não podem ser feitos grupos de canais em mais de um por vez
Canais de entrada 13/14, 15/16 e canais de entrada pareados 1 a 12, são adicionados e
removidos em conjunto.
Opere somente um fader do grupo por vez. Se tentar ajustar 2 ou mais faders do mesmo
grupo, poderá danificar os motores causando mal funcionamento.
Habilitando e desabilitando grupos de faders
Utilize as chaves ENABLE. Desabilitar os grupos lhe permite ajustar os canais sem
removê-los do grupo.
1. Use as teclas do cursor para selecionar o grupo de mute que deseja desabilitar: D, E
ou F.
2. Use o botão ENTER, a roda de parâmetros ou +1/INC -1/DEC para habilitar ou
desabilitar o grupo de mute
Página 57
Visualizando os programas dos canais de entrada
Programas dos canais de entrada de 1 a 16 podem ser visualizados, e certos parâmetros
podem ser ajustados na página VIEW 1 e 2. Programas dos canais de entrada de 17 a 24
podem ser vistos e ajustados na página 2 de OPTION.
Canais de entrada 1 ~ 16
1. Use o botão VIEW para localizar a página VIEW 1 ou 2.
(Veja figuras 1, 2, 3 e 4 na página 57 do manual)
2. Use os botões SEL para selecionar canais de 1 a 16
3. Use as teclas do cursor para selecionar parâmetros, a roda de parâmetros, +1/INC -
1/DEC e a tecla ENTER para programá-los
Página 58
Canais de entrada de 17 a 24
1. Use os botões OPTION para localizar a página 2 OPTION, como mostrada
abaixo. (Veja figura 1 na página 58 do manual)
2. Use os botões SEL para selecionar os canais de 17 a 24
3. Use os botões de cursor para selecionar os parâmetros e a roda de parâmetros,
+1/IND -1/DEC, e ENTER para programá-los
A maioria dos parâmetros dos canais de entrada de 17 a 24 podem ser programados
somente na página 2 OPTION
Página 59
Copiando e trocando os programas dos canais de entrada
A função de cópia de canais é usada para copiar canais de um para outro. Cópia e troca são
usados para canais de entrada de 1 a 16
1. Use o botão VIEW para localizar a página VIEW, como mostrado abaixo. (Veja
figura 1 na página 59 do manual)
2. Use os botões de cursor e a roda de parâmetros para selecionar a fonte e o destino
3. Use os botões de cursor e o botão ENTER para selecionar CATEGORY
ALL - Todos os programas dos canais de entrada
EQ - Programas de EQ
DELAY - Programas delay
DYNAMICS - Programas de dinâmicos
FADER - Programas de faders
4. Use os botões de cursor para selecionar COPY ou SWAP, então utilize o botão
ENTER para executar a função
Página 60
Diagrama de blocos para canais de entrada
(Veja diagrama na página 60 do manual)
Página 62
Sobre o EQ da O1V
Os canais de entrada de 1 a 16, retorno de efeitos, envio aux e saída estéreo, possuem
equalizador paramétrico e de 4 bandas, com ganho variável, frequência, Q, e parâmetros
ON/OFF. Os canais de entrada 17 a 24 possuem um EQ simples de 2 bandas. As bandas
altas e baixas de cada EQ podem ser usados como SHELVING, PEAKING ou HPF/LPF,
respectivamente.. Quando os canais estão configurados como par estéreo usando-se o pair
function, a seção EQ, incluindo os atenuadores, os dois canais funcionam juntos, e os
ajustes dos parâmetros podem ser feitos nos dois canais selecionados. Você não pode enviar
parâmetros diferentes para os canais direito e esquerdo. Os programas de EQ podem ser
armazenados nos programas de EQ library. Esta seção possui 40 programas e + 40
programas de usuário. Os programas de EQ também são armazenados na memória de cena
e no canal library.
(Veja figuras 1 e 2 na página 62 do manual)
Página 63
Ajustando EQ
O EQ pode ser ajustado usando-se os controles SELECTED CHANEL, que é o método
mais rápido, ou página EQ em conjunto com os botões de cursor +1/INC -1?DEC e a roda
de parâmetros.
Para canais de entrada de 1 ~ 16
1.Use os botões Sel para selecionar os canais de 1 a 16
2.Use os botões LOW, LO-MID, HI-MID ou HIGH, para acessar as bandas de EQ, e
os controles F e G para ajustar a freqüência e ganho, respectivamente.
( Veja figura 1 na página 63 do manual )
Para canais de entrada de 17 a 24
1. Pressione o botão OPTION I/0
2. Use os botões SEL para selecionar canais de 17 a 24
3.Use os botões de LOW e HIGH para selecionar as bandas de EQ e os controles F e G
para ajustar a freqüência e ganho, respectivamente.
(Veja figura 3 na página 63 do manual)
Página 64
Para retorno de efeitos
1. Selecione pelo botão SEL e selecione retorno de efeitos 1 e 2
2. Use os botões [HIGH], [HI-MID], [LO-MID], e [LOW] para selecionar as bandas
de EQ e os controles F e G para ajustar a freqüência e ganho, respectivamente
Para envio AUX 1 a 4
1. Use o botão do modo fader AUX para selecionar AUX SEND
2. Pressione o botão MASTER [SEL]
3. Use os botões [HIGH], [HI-MID], [LO-MID], e [LOW] para selecionar as bandas de
EQ e os controles F e G para ajustar a freqüência e ganho, respectivamente
Página 65
Para saída estéreo
1. Pressione o botão HOME
2. Pressione o botão MASTER [SEL]
3. Use os botões [HIGH], [HI-MID], [LO-MID], e [LOW] para selecionar as bandas de
EQ e os controles F e G para ajustar a freqüência e ganho, respectivamente
Página 66
Espectros de EQ
(Veja tabela 1 na página 66 do manual)
1. Somente 4 bandas de equalização (bandas altas e baixas somente para canais de entrada
de 17 a 24)
2. Quando as bandas de EQ altas e baixas estão configuradas como HPF ou LPF, as chaves
de controles de ganho funcionam como liga desliga o filtro.
“Bypassing o EQ”
Para ligar / desligar o EQ do canal selecionado, simplesmente pressione o botão EQ ON ou
o botão ENTER.. Sobre a página EQ, o botão Enter pode ser usado para desligar o EQ, sem
levar em consideração a posição do cursor.
Zerando EQ
Para zerar os controles de EQ do canal selecionado, pressione junto os botões EQ (HIGH) e
(LOW) simultaneamente.
Página 67
Biblioteca EQ (Library)
Os programas de EQ podem ser armazenados como programas de EQ Library. Ela contém
40 programas presetados e mais 40 programas de usuário. Os programas de usuário
permitem guardar os programas de EQ mais utilizados, e podem ser titulados para fácil
localização e identificação. O EQ library pode também ser usado para transferir um
programa de EQ para outro. Por exemplo: O programa EQ da saída estéreo, pode ser
gravado como EQ program e pode ser enviado para qualquer Aux Send EQ. Uma exclusiva
coleção de programas de EQ são projetados para aplicações em instrumentos, e
proporcionam uma boa referência ou um ponto de partida quando está se fazendo ajustes de
EQ. Os programas de EQ são controlados pela página Library mostrada a seguir. Pressione
os botões [EQ/ATT] para acessar a página EQ.
( Veja tabela na página 67 do manual)
Quando cada programa é selecionado, as curvas de EQ aparecem na janela EQ CURVE.
Acima disto estão os medidores de níveis de sinais para cada canal selecionado.
Lista de programas de EQ.
(Veja tabela na página 67 do manual)
Página 68
Armazenando programas de EQ
Os programas de EQ são armazenados na página de EQ Library. Você pode armazenar
seus programas de EQ nos user programs 41 a 80, enquanto os programas de 1 a 40 já estão
prontos.
1.Pressione o botão (EQ/ATT) para acessar a página Library
(Veja figura na página 68 do manual)
2.Use os botões SEL para selecionar os canais os quais você deseja armazenar os
programas
3.Use a roda de parâmetros ou +1/INC -1/DEC para listar os programas de EQ.
4.Use o botão de cursor para selecionar a chave STORE, então pressione o botão
ENTER
5.Entre com um título para o programa de EQ
6.Selecione OK então pressione o botão ENTER.
O programa EQ está armazenado.
Página 69
Chamando os programas de EQ
Os programas de EQ podem ser chamados pela página EQ Library. Você pode chamar os
40 programas presetados e os 40 user programs
1.Pressione o botão (EQ/ATT) para acessar a página Library
(Veja figura na página 50 do manual )
2.Use os botões SEL para selecionar o canal o qual você deseja chamar o programa de
EQ
3. Use a roda de parâmetros ou +1/INC -1/DEC para listar os programas de EQ.
A cada programa selecionado, as curvas de EQ aparecem na janela.
4. Use os botões do cursor para selecionar a chave RECALL e pressione o botão
ENTER
Página 70
Editando os títulos de programas de EQ
Os títulos de programas de EQ podem ser editados usando-se a função TITLE EDIT, como
mostrado abaixo.
1.Pressione o botão (EQ/ATT) para acessar a página Library
( Veja figura na página 70 do manual )
2. Selecione o programa EQ usando a roda de parâmetros.
3. Use os botões de cursor para selecionar a chave de edição de títulos, então pressione
o botão ENTER.
4. Edite os títulos dos programas
5. Quando você terminar, selecione OK e pressione o botão ENTER.
Página 71
Programas presetados de EQ
(Veja as tabelas de programas nas página 71, 72, 73 e 74 do manual )
Página 76
6 - SOLO, Monitores e Meters
Sobre monitores e Solo
A O1V tem uma monitorização flexível, e as funções de solo são projetadas para uma
grande gama de aplicações. Os sinais de Pré ou Pós faders de todas as entradas e saídas
podem ser acompanhados via monitor de saída e headphones. Modo Solo e Mixdown Solo,
que permitem uma rápida monitoração dos canais de entrada e retorno de efeitos.
(Veja figura 1 na página 76 do manual)
Página 77
Monitores de saída
Os sinais de monitor e solo são saídas via monitor de saída e conectores de fone. Assegurese que a chave MONITOR 2-TR IN está em MONITOR. Os sinais de monitor são
convertidos para análogo usando um 18-bit 8 times D/A conversor, e suas saídas são
balanceadas via fone jack com um nível de saída nominal de +4dB.
O controle de MONITOR OUT LEVEL é usado para ajustar o nível de saída de sinal do
monitor.
Fones
Um par de fones estéreos podem ser conectados nos (TRS) fone jack. O sinal do fone é o
mesmo sinal do monitor de saída. O controle de PHONE LEVEL é usado para ajustar o
sinal do nível do fone.
Entrada TWO-TRACKS (2TR IN)
Os sinais conectados aos jacks 2TR IN podem ser monitorados via MONITOR OUT e
PHONES, quando a chave MONITOR-2TR IN está colocada em 2TR-IN. As saídas estéreo
de um gravador master podem ser conectadas aqui para monitoração de playback. As saídas
tem um valor nominal de entrada de -10 dBV.
Programando as chaves 15/16 - para 2TR IN, os sinais podem ser alimentados pelos canais
de entrada 15 e 16 para mixar outros sinais.
Os jacks 2TR IN serão explicados na página 88.
Página 78
Monitoração
As fontes de sinais para saída monitor e fones são selecionadas usando os parâmetros de
MONITOR SETUP na página 2 SETUP. As fontes selecionáveis são: saída estéreo, entrada
cascata estéreo, envio AUX de 1 a 4 ou BUS de saída de 1 a 4.
1. Use o botão SETUP para localizar a página 2 de SETUP, como mostrado abaixo:
(Veja figura 1 na página 78 do manual)
2.Use os botões de cursor para selecionar os parâmetros, e o botão enter e a roda de
parâmetros ou +1/IND -1 /DEC e o botão ENTER para ativá-lo.
Source - Estas chaves são usadas para selecionar as fontes de sinais para o monitor de saída
e os fones. Você pode selecionar a saída estéreo, aux send, bus de saída e entrada de cascata
estéreo.
Listen - Estas chaves programam as fontes de sinais do monitor para o (PFL) ou (AFL).
Este programa afeta todas as fontes de monitor.
MONI TRIM - Estes controles são usados para ajustar os níveis do sinal de monitor de 60dB a +6dB.
Mono - Estas chaves selecionam para o monitor e os sinais do fone, o mono ou estéreo.
Quando ligado, os sinais esquerdo e direito são somados para formar um mixer mono. O
nível desta soma de mix é atenuado em -3dB.
Usando Monitor
Para monitorar, por exemplo, a saída estéreo, faça como a seguir:
1. Conecte um sistema de monitoração em MONITOR OUT
2. Assegure-se que a chave MONITOR 2TR-IN está em MONITOR
3. Coloque o controle de nível da saída de monitor no meio
4. Use o botão SETUP para localizar a página 2 de SETUP, como demonstrado
anteriormente
5. Coloque SOURCE em STEREO OUT
Página 79
Diagrama de Blocos de Monitor
(Veja diagrama na página 79 do manual)
Página 80
Acionando o SOLO
A página de SOLO disponíveis nos canais de entrada de 1 a 24 e retorno de efeitos, é usada
para monitorar os canais individualmente. Dois modos Solos estão disponíveis: Recording
Solo e Mixdown Solo. Estes modos são usados em conjunto com os botões Solo e ON, que
são usados para selecionar canais. A página de Solo Setup é usada somente para acionar a
função Solo. Você não precisa selecioná-los em ordem para usar a função Solo.
1. Use o botão Setup para localizar a página 2 de Setup como mostrado abaixo.
(Veja figura 1 na página 80 do manual)
2. Use os botões de cursor para selecionar os parâmetros, e o botão Enter e a roda de
parâmetros para acioná-los.
SOLO - Esta chave é usada para ligar desligar a função SOLO
Modo SOLO - Esta chave é utilizada para selecionar o modo SOLO: RECORDING SOLO
ou MIXADOWN SOLO.
Modo SEL - Estas chaves enviam ao monitor o modo selecionado. No modo LAST SOLO,
somente uma fonte de monitor pode ser selecionada por vez, contudo, vários canais podem
ser solados simultaneamente.
Listen - Estas chaves enviam ao monitor as fontes de sinais do pré fader (PFL) ou post
fader (AFL). Isto afeta a todos os canais de entrada, entrada estéreo e retorno de efeitos. A
terceira chave, FADER GROUP AFL, funcionam como grupos de fader.. Estas chaves não
são acionadas no modo MIXDOWN SOLO, porque os sinais do monitor de saída e dos
fones são alimentados pelo Bus estéreo.
SOLO TRIM - Estes controles são usados para ajustar os níveis dos sinais de Solo de 60dB a +6dB.
Página 81
Usando Solo
1. Conecte um sistema de monitoração em MONITOR OUT
2. Assegure-se que a chave MONITOR 2TR-IN está em MONITOR
3. Coloque o controle de nível da saída de monitor no meio
4. Use o botão SETUP para localizar a página 2 de SETUP, como demonstrado
anteriormente
Para canais de entrada de 16 a 24
5. Use o botão SOLO para solar canais de 1 a 16
Para canais de entrada de 17 a 24
6. Pressione o botão OPTION I/O
7. Use o botão SOLO de 17 a 24 para solar os canais
Para retorno de efeitos 1 & 2
8. Use os botões SOLO de retorno de efeitos para selecionar retorno 1 e 2.
Página 82
Diagrama de blocos de solo
(Veja diagrama na página 82 do manual)
Página 83
Medindo os níveis de sinais
Os níveis dos medidores dos canais de entrada de 1 16, aux sends, bus de saída, retorno de
efeitos, saída OMNI e saída estéreo, são acessados na página HOME. As fontes de sinal
para entrada e saída de meters, podem ser programadas em pre/post page. Os meters podem
ser usados para medir os níveis de sinais, ou o total do ganho aplicado pelos processadores
dinâmicos.
1.Use os botões HOME para selecionar as páginas de HOME
Canais de entrada de 1 a 16
A página 1 HOME, mostra o nível de medição dos canais de entrada de 1 a 16. Os valores
de decibéis abaixo de cada meter, indica a posição do fader do canal correspondente. O
número piscante 1, 2 ou 3, podem ser trocados para os canais de entrada de 17, 18 e 19..
(Veja figura 1 na página 83 do manual)
Retorno de Efeitos, envio AUX e BUS de saída
A página HOME 2 mostra o nível dos sinais do retorno de efeitos, envio AUX e BUS de
saída. Os valores de decibéis abaixo de cada medidor indica a posição do fader
correspondente. A posição do fader ST também é mostrada.
(Veja figura 2 na página 83 do manual)
Medidores de retornos de efeitos também aparecem nas páginas EFFECT e VIEW.
Página 84
Saídas OMNI
A página 3 HOME mostra o nível de sinal para as quatro saídas OMNI. A fonte de envio as
saídas OMNI são mostradas abaixo dos medidores. Esta programação é feita na página 4 de
PAN/ROUT.
Saída estéreo
A página HOME 4 mostra o nível dos sinais para a saída estéreo. Comparado com o
medidor estéreo principal, estes tem uma escala maior desde - 72dB a CLIP.
Meter Principal Estéreo
Os sinais de saída estéreo são monitorados na página HOME 4 usando-se um segmento
específico de 12 Leds tipo barra-meter com PEAK HOLD ao lado do display. A faixa de
frequência do Meter vai de -48dB a CLIP. Quando o CLIP LED acende, abaixe o nível de
saída estéreo para prevenir as distorções do sinal.
PEAK HOLD - Esta função trabalha com HOME, OPTION I/O e meter da saída estéreo.
1. Use a roda de parâmetros, +1/INC -1/ DEC ou botão ENTER para ligar / desligar a
função PEAK HOLD
Página 85
Programando o ponto nos medidores
Os pontos para os medidores dos canais de 1 a 16 e retorno de efeitos podem ser
programados ou PRE EQ ou POST FADER.
1. Use o botão HOME para localizar a página 5 HOME, como mostrado abaixo.
(Veja figura 1 na página 85 do manual)
2. Use os botões do cursor para selecionar a chave e a roda de parâmetros ou +1/INC 1/DEC e então pressione o botão Enter para ativá-lo.
Entrada - A fonte do Meter Point dos canais de entrada 1 a 16, e retorno de efeitos, podem
ser programados como PRE-EQ ou PRE-FADER.
Saída - A fonte do Meter Point para os auxiliares Sends e bus de saída, podem ser
programados como PRE-EQ ou POST-ON.
Medidores OPTION I/O (Canais de entrada de 17 a 24)
1. Use os botões OPTION I/O para localizar as páginas OPTION
A página 1 HOME, mostra o nível de medição dos canais de entrada de 17 a 24. Os valores
de decibéis abaixo de cada meter, indica a posição do fader do canal correspondente. O
número piscante 20 e 22, podem ser trocados para os canais de entrada de 4 e 6.
(Veja figura 1 na página 85 do manual)
Página 86
Medidores de envio de efeitos
1. Use os botões EFFECT 1 ou 2 para selecionar envio de efeitos, então pressione o
botão MASTER [SEL]
2. Use o botão VIEW para localizar as páginas 1 e 2 como mostrado abaixo.
(Veja figuras 1, 2, 3 e 4 na página 86 do manual)
Página 87
8.Saída Estéreo
Página 88
Sobre a saída estéreo
O sinal de saída estéreo pode ser enviado para o conector análogo tipo XLR, REC OUT,
OMNI saída digital ou AES/EBU e saída digital coaxial. Estas saídas estéreo tem
equalizador gráfico de 4 bandas paramétricos e processadores dinâmicos.
Saída análoga estéreo
O sinal de saída estéreo é convertido para análogo usando-se um conversor 20 BIT
8TIMES OVERSAMPLING D/A, e tem vias de saídas balanceadas de conectores tipo XLR
3-32, com nível de saída nominal de +4dB.
Saída 2TR & Saída estéreo digital
O sinal de saída estéreo pode ser enviado digitalmente via conectores 2 TR OUT. Possuem
um nível de saída nominal de -10 dBV.
Saída Estéreo e Saída digital coaxial
Em adição a saída estéreo análoga e DIGITAL STEREO OUT, veja página 211 para
maiores informações.
Saída estéreo & OPTION I/O
Podem ser enviados as saídas digitais via cartões OPTION I/O , veja página 216 para
maiores informações.
Saída estéreo e saída OMNI
Veja página 116 para maiores informações
Solo e Saída Estéreo
Os modos Solo e MIXDOWN trabalham em conjunto com a saída estéreo.
Monitorando a Saída Estéreo
A saída estéreo pode ser monitorada usando a saída estéreo ou fones.
Página 89
Medindo a saída estéreo
Os sinais de saída podem ser medidos usando-se os METERS L R ESTEREO na página 4
de HOME.
Enviando os Sinais para a Saída Estéreo
Canais de entrada de 1 a 24 e sinais de retorno de efeitos podem ser enviados para a saída
estéreo.
Visualizando os programas de saída estéreo
Os programas para as saídas estéreo podem ser visualizados e certos parâmetros podem ser
ajustados nas páginas 1 e 2 de VIEW.
1. Pressione o botão HOME, então pressione o botão MASTER [SEL]
2. Use o botão VIEW para localizar as páginas 1 e 2 de VIEW, como mostrado abaixo.
(Veja figura na página 89 do manual)
3. Use os botões de cursor para selecionar os parâmetros, então utilize a roda de
parâmetros, +1/INC -1/DEC, e ENTER para acioná-los
Página 90
Determinando o nível da saída estéreo
O nível de saída estéreo é controlado usando-se o fader STEREO.
“MUTE” para Saída Estéreo
Pode-se acionar o MUTE para a saída estéreo usando-se o botão STEREO ON. Este botão
contém um indicador que acende quando a saída estéreo está ligada.
Balanço para Saída Estéreo
Os canais direito e esquerdo das saídas estéreo, podem ser balanceados movendo o controle
ST OUT na pag. Mostrada abaixo:
1.Use o botão HOME para localizar a página então pressione STERO [SEL]
2.Use os botões do PAN para ajustá-los.
Saída Estéreo de Processadores Dinâmicos
A saída estéreo caracteriza-se ao processador dinâmico estéreo. Veja página 161 para
maiores informações.
Página 91
DELAY para saída Estéreo
Pode-se aplicar o delay nos sinais direito e esquerdo das saídas estéreo análogas
individualmente, até 300 milisegundos. Isto pode ser usado para compensar a distância dos
falantes em um sistema multi-speaker.
1.Use o botão DELAY para localizar a página 4 DELAY.
2.Use os botões do cursor para selecionar os parâmetros do DELAY e o botão ENTER
e a Roda de parâmetros para acioná-los.
ON/OFF - Estas chaves são usadas para ligar e desligar o DELAY. Quando o cursor está
localizado dentro da janela de parâmetros, o botão ENTER pode ser usado para ligar e
desligar o DELAY sem ter sido selecionada a chave ON/OFF.
Página 92
Diagrama de Blocos para Saída Estéreo
(Veja figura 1 na pag.92 do manual ).
Página 93
9.Auxiliares SENDS
Página 94
Sobre auxiliares Sends
A O1V possui quatro auxiliares Sends . Canais de entrada, entrada estéreo e retorno de
efeitos podem alimentar os quatro auxiliares Sends. Cada auxiliar Send possui EQ
Paramétrico de quatro bandas e processador dinâmico. Auxiliares Send pode ser usado
individualmente ou como par estéreo. Os sinais de auxiliar Send são enviados
analogicamente via phone jacks. Também podem ser enviados via digital através da saída
OPTION I/O .A O1V não tem uma entrada auxiliar de retorno específica. Use os canais de
entrada, os canais de entrada estéreo para retorno dos sinais auxiliares. Os efeitos internos
serão explicados em capítulo específico.
Auxiliares Send e OPTION I/O
Os sinais de AUX SEND podem ser enviados as saídas digitais OPTION I/O.
Saída OMNI & AUX SEND
Veja página 116 para maiores informações
Monitorando AUX SEND
Veja página 78 para maiores informações
Medindo Auxiliar Send
Os níveis de sinal do auxiliar Send podem ser medidos na página HOME.
Página 95
Enviando sinais dos canais para auxiliares Sends
Os canais de entrada de 1 a 16, e retorno de sinais de efeitos podem ser enviados aos
Auxiliares Sends de 1 a 4.
Para canais de entrada de 1 a 16
1. Use os botões AUX para selecionar AUX SEND
2. Aumente o fader do canal que você deseja enviar para AUX SEND
Para canais de entrada de 17 a 24
1. Use os botões OPTION I/O para localizar a página 2 OPTION
2. Use os botões SEL para selecionar canais de 17 a 24
3. Use os botões de cursor para selecionar AUX fader, a roda de parâmetros ou
+1/IND -1 /DEC para programar os níveis
Página 96
Para retorno de efeitos 1 e 2.
1-Use os botões Auxiliares para selecionar o Auxiliar Send.
Os Faders agora funcionam como controles dos canais auxiliares Send para o auxiliar Send
selecionado.
2- Aumentando o Fader da fonte do canal.
A fonte de sinal do canal é enviada via auxiliar Send. Se o auxiliar Send está configurado
como post-fader send , você vai ter que subir o fader do canal para enviar o sinal para o
auxiliar send.
Página 97
PRE-FADER / POST-FADER AUX SEND
Os canais de entrada 1 a 24, entrada individual, retorno de efeitos e auxiliares sends, podem
ser configurados como pré ou post-faders.
Para canais de entrada de 1 a 16 & retorno de efeitos
1-Use os botões auxiliares para localizar as pags. Pré/Post.
( Veja figura na pag. 97 do manual ). As medições mostram os níveis do auxiliar send
selecionado e o total de redução de ganho. Os valores mostrados abaixo das chaves
Pré/Post indicam a posição dos faders dos auxiliares Sends.
2-Use os botões SEL ou do cursor para selecionar as chaves Pré/Post e o botão ENTER
para acioná-los.
Para canais de entrada de 17 a 24
1. Use os botões OPTION I/O para localizar a página 2 OPTION, como mostrado
abaixo.
(Veja figura 2 na página 97 do manual)
2. Use os botões SEL para selecionar canais de 17 a 24
3. os botões do cursor para selecionar AUX PRE/POST, e a roda de parâmetros ou
+1/INC -1/DEC para programá-los
Página 98
Visualizando os programas de AUX SEND
1. Use os botões AUX para selecionar AUX SEND, então pressione o botão MASTER
[SEL]
2. Use o botão VIEW para localizar as páginas 1 e 2 de VIEW, como mostrado abaixo.
(Veja figura 1 e 2 na página 98 do manual)
3. Use os botões do cursor para selecionar os parâmetros, a roda de parâmetros ou
+1/INC -1/DEC e o botão ENTER para programá-los.
Página 99
Programando o nível Master dos Aux. Sends
Os níveis Master do Aux Send são controlados usando-se os MASTER faders. As funções
destes faders dependem do modo fader selecionado.
1-Use o botão AUX para selecionar AUX SEND.
(Veja figura 2 na página 99 do manual)
2-Use o MASTER Fader para ajustar os níveis do Aux Send.
Quando os Aux Sends estão configurados como par estéreo, os master Faders dos canais
funcionam juntos.
Página 100
“MUTE” para os Aux Sends
Pode-se usar a função MUTE usando os botões MASTER ( ON ). Estes controles contém
luzes indicadoras que acendem quando o Aux Send está ligado.
1-Use o botão AUX para selecionar AUX SEND.
Os botões MASTERON funcionam como chaves liga desliga dos Aux Sends selecionados.
2-Pressione os botões MASTERON para ligar desligar AUX SEND
Quando os Aux Send estão configurados como par estéreo, os botões funcionam juntos.
Aplicando EQ os Aux Sends
Cada Aux Send possui um equalizador paramétrico de 4 bandas.
Processadores dinâmicos dos Aux Sends
Cada Aux Send possui um processador dinâmico.
Página 101
Par Estéreo para AUX SEND
Os Aux Sends 1 e 2 e 3 e 4 podem ser configurados como par estéreo. Quando os Aux
Sends estão pareados, os seguintes parâmetros estão ligados: EQ, Fader, Processadores
dinâmicos, botões On e monitor.
Fazendo pares em AUX SEND
1-Use os botões SETUP para localizar a página 4 SETUP
( Veja figura 1 na pag 101 do manual ).
2-Use os botões de cursor para selecionar pares AUX 1 e 2, 3 e 4, então pressione o
botão ENTER.
3-Use os botões do cursor para selecionar os modos PAIR, então pressione o botão
ENTER
Desfazendo os pares de AUX SEND
1. Na página 4 de SETUP, use os botões do cursor para selecionar a chave de pares
então pressione o botão ENTER
2. Selecione OK então pressione o botão ENTER
Página 102
PAN para canais de Aux Send
1. Use os botões AUX 1, 2, 3 ou 4 para localizar as páginas de PAN AUX 1, 2, 3 ou 4.
2. Use os botões SEL ou botões de cursor para selecionar os pan para canais e a roda
de parâmetros ou +1/INC -1/DEC para programá-los.
Página 103
Os controles de posições entre os dois extremos permitem a você programar a profundidade
do sinal estéreo. Para manter um balanço central você deve posicionar os dois controles nos
valores correspondentes. Por exemplo, L8 e R8, ou L10 e R10.
Página 104
Diagrama de blocos do Aux Send
( Veja diagrama na pag 104 do manual ).
Página 105
Diagrama de bloco dos envios AUX de pares estéreos
(Veja diagrama na página 105 do manual)
Página 107
10. Bus de Saída
Página 108
Sobre Bus de saída
A O1V possui 4 buses de saída que podem ser usados individualmente ou como par
estéreos. Canais de entrada de 1 a 24 e retorno de efeitos podem ser enviados aos bus 1 a 4.
A O!V não possui Bus de saídas dedicados, contudo podem ser enviados as saídas digitais
OMNI ou OPTION I/O .
Bus de saída e OPTION I/O
Os sinais dos Bus de saída podem ser enviados as saídas digitais OPTION I/O
Saída OMNI & Saída Bus
Os sinais dos Bus de saída podem ser enviados as saídas OMNI
Monitorando os Buses de saída
Os Bus de saída podem ser monitorados via MONITOR OUT ou fones de ouvido.
Medindo os Buses de saída
Os níveis de sinal dos Buses de saída podem ser medidos na página HOME.
Enviando sinais aos Buses de saídas
Canais de entrada de 1 a 24 e retorno de efeitos podem ser enviados aos Bus 1 a 4.
Pagina 109
Programando os níveis Master dos Buses de saída
O nível Master dos Buses de saída são controlados usando-se os Faders virtuais na página 3
PAN/ROUT
1-Use o botão PAN/ROUT para localizar a página 3 PAN/ROUT
Os Faders 13 a 16 funcionam agora como controle Master do nível dos Buses de saída.
2-Use os botões de cursor para selecionar o fader master do Bus de saída , a roda de
parâmetros ou +1/INC -1/DEC para programá-los.
Quando os buses de saída estão configurados como par estéreo, os Faders Masters
funcionam juntos.
“Mute” para os Buses de saída
Pode ser usado o mute para os buses de saída usando-se as chaves virtuais ON na página 3
PAN/ROUT.
1- Use o botão PAN/ROUT para localizar a página 3 PAN/ROUT.
2- Use o botão de cursor para selecionar a chave ON do Bus de saída, então utilize o
botão ENTER, a roda de parâmetros ou +1/INC -1/DEC para programá-los
Quando os buses de saída estão configurados como par estéreo os botões On funcionam
juntos.
Página 110
Enviando os sinais do Bus para o Estéreo Bus
Os sinais do Bus de saída podem ser enviados aos buses estéreos, permitindo que os buses
de saída sejam usados como subgrupos durante a mixagem.
1- Use os botões PAN/ROUTING para localizar a página 3 PAN/ROUT, como
mostrado abaixo:
( Veja figura 1 na pág. 110 do manual ).
2- Use os botões do cursor para selecionar as chaves TO ST e o botão ENTER e a roda
de parâmetro para acioná-los.
3- Use botões de cursor para selecionar os PANs e a roda de parâmetros ou +1/INC 1/DEC para programá-los.
Página 111
Bus de saída em Pares estéreo
Os buses de saída 1, 2, 3 e 4 podem ser configurados como saída estéreo.
Fazendo pares nos Bus de saídas
1. Use o botão SETUP para localizar a página 4 SETUP
2. Use os botões de cursor para selecionar pares 1 2, 3 ou 4 então pressione o botão
ENTER
3. Use o botão de cursor para selecionar o modo de pares então pressione o botão
ENTER
Desfazendo os pares dos Bus de saída
1. Na página 4 de SETUP, use os botões de cursor para selecionar as chaves de pares,
então pressione o botão ENTER
2. Selecione OK, então pressione o botão ENTER
Página 112
Diagrama de blocos dos Bus de saída
(Veja diagrama na página 112 do manual)
Página 113
Diagrama de blocos do par estéreo do Bus de saída
(Veja diagrama na página 113 do manual)
Página 115
11. SAÍDAS OMNI
Página 116
Sobre as saídas OMNI
A O1V possui 4 saídas OMNI que podem ser usadas como saídas de AUX SEND, saídas
estéreos adicionais, ou pós fader saída direta para canais de entrada de 1 a 16. Cada saída
OMNI possui um delay variável de até 300 milisegundos.
Saídas OMNI
Os sinais são convertidos para análogos usando conversores D/A 18 bit, e tem um nível de
saída nominal de +4 dB.
Envio das saídas OMNI
São inicialmente enviadas aos AUX SENDS de 1 a 4. Podem também ser enviados aos Bus
de saída, canais direito ou esquerdo da saída estéreo ou saída direta pós fader dos canais de
entrada 1 a 16.
1. Use os botões PAN/ROUT para localizar a página 4 PAN/ROUT
2. Use os botões de cursor para selecionar os parâmetros das saídas OMNI, e a roda de
parâmetros ou +1/INC -1/DEC para selecionar as fontes da saídas OMNI
3. Pressione o botão ENTER para confirmar sua seleção.
Página 117
Delay para saída OMNI
As saídas OMNI podem ser programadas com um delay individual de até 300 milisegundos.
1. Use o botão Delay para localizar a página 4 Delay
2. Use o botão do cursor para selecionar os parâmetros e o botão ENTER, a roda de
parâmetros ou +1/INC -1/DEC para programá-los
(Veja tabela na página 117 do manual)
Página 118
Diagrama de bloco das saídas OMNI
(Veja diagrama na página 118 do manual)
Página 119
12. EFEITOS
Página 120
Sobre os efeitos internos
A O1V possui dois processadores de efeitos internos, Efeitos 1 e 2, incluindo Delay,
Reverber, Chorus, Flange, Amp Simulator e Freeze. Existe um total de 42 tipos de efeitos.
Processadores de efeitos 1 e 2 são alimentados respectivamente pelos Bus de efeitos 1 e 2 e
os sinais retornam via retorno de efeitos 1 e 2.
Os programas de efeitos são armazenados numa biblioteca de efeitos que contém 42
programas e 57 programas de usuário. Os programas de efeitos são editados na página 1 de
EFFECT, como mostrado abaixo.
(Veja figura 1 na página 120 do manual)
O tipo do programa selecionado e o tipo de efeitos usado aparecem no topo da página.
Abaixo disso estão os parâmetros dos efeitos, o número deles varia de acordo com o tipo de
efeito selecionado. O tipo de efeito é mostrado acima do ícone de controle do nível de
retorno de efeitos.
Página 121
Programas de efeitos pré programados
A lista a seguir demonstra os programas de efeitos. Veja “Parâmetros de efeitos” na página
138 para maiores detalhes.
REVERB / EARLY
# TITULO
TIPO
01 Reverb Hall Reverb Hall
02 Reverb
Reverb
Room
Room
REFLECTION
DESCRIÇÃO
Simulação de Reverb Hall Standart
Simulação de Reverb em quarto
Standart com ênfase nas altas
freqüências
03 Reverb Stage Reverb Stage Simulação de acústicos para o
palco, mais brilhante que o Hall
04 Rev Plate
Reverb Plate Simulação de uma unidade de eco
05 Reverb Plate Reverb Plate Sensação de grande reflexão
06 Gate Reverb
Gate Reverb
Tipo de ER programado para
reverb
07 Reverse Gate Reverse Gate Reprodução invertida tipo ER
DELAY
TITULO
#
TIPO
DESCRIÇÃO
Mono2 Delay Mono Delay Delay Standart com simples
7
programação
Stereo
2 Delay Stereo Delay Independente direito e esquerdo
8
Mod.2Delay Mod. Delay Mono com modulação
9
Delay3 LCR Delay LCR Três tipos de delay
0
Echo3
Echo
Delay com controles de parâmetros
1
mais detalhados
TITULO
#
Chorus
3 1
2
Flange
3 1
5
Symphonic
3
8
Phase3
9
Auto4Pan
1
Tremulo
4
MODULATION - TYPE EFFECTS
TIPO
DESCRIÇÃO
Chorus
Programa de efeitos Chorus Standart
Flange
Programa de Efeitos Flange Standart
Symphonic
Phase
Programas de efeitos Symphonic
Standart
Simulação de Phase Standart
Auto Pan
Auto Pan Standart
Tremulo
Programa
de
efeito
Tremulo
2
HQ Pitch
HQ Pitch
Dual Pitch
Rotary
Dual Pitch
Rotary
Standart
Somente é produzida alteração de
tom em apenas uma nota
Alteração em notas em estéreo
Efeitos de rotação nos falantes
Página 122
TITULO
#
Distortion
5
6
Amp
Simulate
TIPO
Distortion
GUITAR
DESCRIÇÃO
Distorção
AMP
Simulate
Distorção de guitarra plugada via
linha direta
TITULO
#
TIPO
DYNA
5 filter DYNA.
8
Filter
DYNA
5
Flange
9
DYNA.
Flange
DYNA
6
Phaser
3
DYNA.
Phase
DYNAMICS EFFECTS
DESCRIÇÃO
Filtro usado para controlar o nível de
frequência de entrada standart auto
Wah
Efeito Flange que controla o ponto
de ressonância. Efeito auto Wah
pode ser produzido
Efetiva para instrumentos de
percussão
EFEITOS COMBINADOS
#
Título
Tipo
REV+CHO REV+CHO
29
REVREV->CHO
30
>CHO
Descrição
Reverber e chorus em paralelo
Reverber e chorus em serie
31
32
33
34
35
36
37
38
39
40
REV+FLA
NGE
REV>FLANGE
REV+SIM
PHO
REV>SYMPH
REV>PAN
DELAY +
ER
DELAY>ER
DELAY+R
EV
DELAY>REV
DIST>DELAY
REV+FLAN
GE
REV>FLANGE
REV+SIMP
HO
REV>SYMPH
REV->PAN
Reverber e flange em paralelo
DELAY +
ER
DELAY>ER
DELAY+RE
V
DELAY>REV
DIST>DELAY
Delay e ER em paralelo
OUTROS EFEITOS
#
Título
Tipo
MULTIMULTI41
FILTER
FILTER
42
FREEZE
FREEZE
Reverber e flange em série
Reverber e simphonic em paralelo
Reverber e simphonic em série
Reverber e auto pan em paralelo
Delay e ER em série
Delay e reverber em paralelo
Delay e reverber em série
Distorção e delay em série
Descrição
Filtro com 3 bandas paralelas. Fácil
acesso quando a função de
parâmetros
internos
está
em
REMOTE
Amostra básica
Página 123
Usando efeitos
Existem 2 fases para aplicações de efeitos: 1) Os envios de sinais dos canais de entrada para
os processadores de efeitos. 2) Os sinais processados que retornam ao mixer.
Para canais de entrada de 1 a 16
1-Use os botões HOME então aumente o fader do canal que você deseja aplicar efeitos
Este passo é necessário pois os efeitos enviados são inicialmente configurados como envio
pós fader. Se o fader do canal não for aumentado, os sinais não alimentarão os envios de
efeitos
2-Pressione os botões EFFECT 1 ou 2 para selecionar o processador de efeitos.
3-Aumente os faders dos canais
Os sinais serão enviados ao processador de efeitos selecionados. Estes efeitos retornam e
podem ser vistos pelos medidores do display de retorno de efeitos.
Para canais de entrada de 17 a 24
1. Use os botões OPTION I/O para localizar a página 2 OPTION, como mostrado
abaixo.
(Veja figura 2 na página 123 do manual)
2. Use os botões SEL para selecionar canais de 17 a 24
3. Aumente os faders dos canais que você deseja aplicar efeitos
Este passo é necessário pois os efeitos enviados são inicialmente configurados como envio
pós fader. Se o fader do canal não for aumentado, os sinais não alimentarão os envios de
efeitos
Página 124
4. Use os botões do cursor para selecionar o fader EFFECT, então use a roda de
parâmetros ou +1/IND -1/DEC para programar os níveis
Para retorno de efeitos 1 & 2
Para prevenir loops de sinais, o retorno de efeitos 1 pode ser alimentado somente por
retorno de efeitos 2 e vice versa
1-Use os botões HOME então aumente o nível de controle do RETURN que você
deseja aplicar efeitos
Este passo é necessário pois os efeitos enviados são inicialmente configurados como envio
pós fader. Se o fader do canal não for aumentado, os sinais não alimentarão os envios de
efeitos
2-Pressione os botões EFFECT 1 ou 2 para selecionar o processador de efeitos.
3-Aumente os níveis de controles de retorno dos sinais
Os sinais serão enviados ao processador de efeitos selecionados. Estes efeitos retornam e
podem ser vistos pelos medidores do display de retorno de efeitos.
Retornando os sinais processados
O estágio final para aplicação de efeitos é o retorno dos sinais processados ao mixer.
1-Use os botões HOME
Os faders funcionam agora como faders de canais normais
2-Aumente os controles de retorno de efeitos correspondentes aos efeitos que estão
sendo utilizados: RETURN 1 para EFFECT 1, RETURN 2 para EFFECT 2.
Os sinais processados retornam ao mixer
3-Programe EQ, PAN e o que mais desejar aos canais de retorno de efeitos.
Página 125
Envio de efeitos PRE / POST FADERS
Os envios de efeitos para canais de entrada 1 a 24 e retorno de efeitos 1 e 2, podem ser
configurados como pré ou post-faders.
Para canais de entrada de 1 a 16 & retorno de efeitos
1-Use os botões EFFECT 1 para localizar as páginas Pré/Post para efeitos 1 e use os
botões EFFECT 2 para localizar as páginas Pré/Post para efeitos 2.
2.Use os botões SEL ou os botões do cursor para selecionar as chaves PRE/POST,
então use o botão ENTER, a roda de parâmetros +1/INC -1/DEC para programá-los.
As chaves PRE/POST para os canais 13 e 14, 15 e 16 estão permanentemente ligadas.
Quando canais de entrada de 1 a 12 estão pareados, as chaves PRE/POST funcionam em
conjunto.
Página 126
Para canais de entrada de 17 a 24
1. Use os botões OPTION I/O para localizar a página 2 OPTION, como mostrado
abaixo.
(Veja figura 1 na página 126 do manual)
2. Use os botões SEL para selecionar canais de 17 a 24
3. Use os botões do cursor para selecionar as chaves EFFECT PRE/POST, e a roda de
parâmetros ou +1/INC -1/DEC para programá-los.
Página 127
Visualizando os programas de envio de efeitos
1. Use os botões EFFECT 1 ou 2 para selecionar envio de efeitos, então pressione o
botão MASTER [SEL]
2. Use o botão VIEW para localizar as páginas 1 e 2 de VIEW, como mostrado abaixo.
(Veja figura 1 e 2 na página 127 do manual)
3. Use os botões do cursor para selecionar os parâmetros, a roda de parâmetros ou
+1/INC -1/DEC e o botão ENTER para programá-los.
Medindo os envios de efeitos
Os níveis dos sinais de envio de efeitos podem ser medidos nas páginas VIEW. Veja página
127 para maiores informações.
Página 128
Programando o nível Master dos envios de efeitos
Os níveis Master do Aux Send são controlados usando-se os MASTER faders. As funções
destes faders dependem do modo fader selecionado.
1-Use os botões EFFECT 1 ou 2 para selecionar envio de efeitos.
(Veja figura 2 na página 128 do manual)
2-Use o MASTER Fader para ajustar os níveis do envios de efeitos.
A posição dos MASTER FADERS dos envios de efeitos são mostradas no topo da página
EFFECT PRE/POST.
Página 129
“MUTE” para envio de efeitos
Pode-se usar a função MUTE usando os botões MASTER ( ON ). Estes controles contém
luzes indicadoras que acendem quando ligado. As funções deste botão dependem do modo
fader selecionado.
1-Use o botão EFFECT 1 ou 2 para selecionar envio de efeitos.
A página EFFECT similar é mostrada como abaixo.
(Veja figura 1 na página 129 do manual)
2-Pressione os botões MASTERON para ligar desligar envio de efeitos
Estas chaves podem ser vistas na página VIEW.
Página 130
Visualizando os programas de Retorno de Efeitos
1. Use os botões AUX para selecionar AUX SEND, então pressione o botão MASTER
[SEL]
2. Use os botões SEL para localizar retorno de efeitos.
3. Use os botões VIEW para localizar as páginas 1 e 2 como mostrado abaixo.
(Veja figuras 1 e 2 na página 130 do manual)
4. Use os botões do cursor para selecionar os parâmetros, a roda de parâmetros ou
+1/INC -1/DEC e o botão ENTER para programá-los.
Medindo retorno de efeitos
O retorno de efeitos pode ser medido na página VIEW em EFFECT
Aplicando EQ ao retorno de efeitos
O retorno de efeitos possui em EQ de 4 bandas paramétricas. Veja página 61 para maiores
informações.
“Mute” para retorno de efeitos
Podem ser ligados ou desligados usando-se os botões ON. Quando esta função está
acionada, a luz indicadora se acende.
Página 131
Nível de retorno dos programas de efeitos
São programados usando-se os botões de controles rotativos de retorno de efeitos. Para
ajustar os níveis, pressione o botão HOME e use os controles rotativos. A operação dos
controles rotativos dependem do modo fader selecionado.
PAN para retorno de efeitos
São utilizados para balancear os sinais entre os canais direito e esquerdo de uma saída
estéreo, ou pares e ímpares das saídas BUS.
“ROUTING” para retorno de efeitos
Podem Ser enviados aos 4 buses e a saída estéreo.
Monitorando o retorno de efeitos
Podem ser monitorados usando-se os fones ou a saída MONITOR.
Retorno de efeitos & AUX SENDs
Os sinais dos retornos de efeitos 1 e 2 podem ser enviados aos envios AUX de 1 a 4.
Retorno de efeitos podem ser configurados como envios PRE/POST FADERS. Quando
AUX SEND está pareado, os pan de AUX SEND se tornam disponíveis em cada retorno de
efeitos. Veja página 93 para maiores informações.
Página 132
Biblioteca de Efeitos
Os programas de efeitos podem ser armazenadas como biblioteca de efeitos (Effect Library
) que contém 42 programas presetados ( 1 a 42 ) e 57 programas do usuário ( 43 a 99 ).
Estes programas lhe permitem armazenar os programas de efeitos mais utilizados e podem
ser titulados para fácil identificação. A biblioteca de efeitos também pode ser usada para
transferir os programas de um canal para outro. Por exemplo: os programas de efeitos 1,
podem ser armazenados depois chamado ao efeitos 2.
A biblioteca de efeitos é controlada pela página LIBRARY como mostrado abaixo. (Veja
figura 1 na página 132 do manual).
A metade de cima desta página contém as chaves de STORE, RECALL e TITLE EDIT. O
medidor indica o nível de retorno de sinais de cada processador de efeitos selecionado.
Página 133
Armazenando Programas de Canais
Programas de canais podem ser armazenados nos user programs 43 a 99.
1-Use o botão EFFECT 1 ou 2 para localizar a página Library.
( Veja figura 1 na pag. 133 do manual ).
2-Use a roda de parâmetros ou +1/INC -1/DEC para selecionar os programas de
usuário de 43 a 99.
3-Use o botão do cursor para selecionar a chave STORE e pressione o botão ENTER.
4-Entre com o título para o programa de efeitos.
5-Pressione OK então pressione ENTER.
Página 134
Chamando os programas de efeitos
Programas de efeitos de 1 a 99 podem ser chamados. Programas que utilizam HQ, PITCH
ou FREEZE podem ser chamados somente para efeitos 2.
1-Use o botão EFFECT para localizar a página Library.
( Veja figura 1 na pag. 134 do manual ).
2-Use a roda de parâmetro ou +1/INC -1/DEC para selecionar os programas
O tipo de programa é mostrado quando cada programa é selecionado.
2- Use os botões de cursor para selecionar as chaves RECALL então pressione o botão
ENTER
Página 135
Editando títulos de programas de efeitos
Os títulos de programas de efeitos podem ser editados a qualquer tempo usando a função
TITLE EDIT
1-Use o botão VIEW para localizar a página Library.
( Veja figura 1 na pag. 135 do manual ).
2-Selecione um programa de canal de 43 a 99 usando a roda de parâmetros ou +1/INC
-1/DEC, então pressione ENTER
3-Use o botão do cursor para seleciona a chave TITLE EDIT, então pressione o botão
ENTER.
4-Edite o título do programa.
Veja Edição de títulos na caixa de diálogos na página 37 para maiores informações.
5-Após terminada a edição, selecione OK pressione ENTER.
Página 136
Editando Efeitos
Os efeitos podem ser editados e armazenados como programas de usuário, como mostrado
abaixo:
1. Pressione os botões EFFECT 1 ou 2 para localizar a página EFFECT 1 ou 2
dependendo do efeito que deseja editar
( Vide figura 01 na página 136 do manual ).
2. Use os botões do cursor para selecionar parâmetros de efeitos, então use a roda de
parâmetros ou +1/IND -1/DEC para programá-los
Página 137
Programando DELAY, FREQ, NOTE & PARÂMETROS DE TEMPO
Os parâmetros de delay podem ser programados manualmente em milisegundos, ou
automaticamente pelos parâmetros TEMPO & NOTE. Por exemplo, com TEMPO
programado em 120 batidas por minuto e NOTE na oitava nota, o delay é automaticamente
colocado em 250 milisegundos, como mostrado abaixo. (Veja figura 1 na página 137 do
manual)
O parâmetro FREQ para modulação do tipo de efeito pode também ser programado
manualmente ou automaticamente. Por exemplo, com TEMPO colocado em 120 batidas por
minuto e NOTE na quarta nota, FREQ é automaticamente colocado em 2.00 HERTZ.
TEMPO pode ser colocado de 25 a 300 batidas por minuto, contudo esta faixa pode ser
diminuída se o cálculo de parâmetros de delay exceder ao tempo máximo de delay.
(Veja figura 2 na página 137 do manual)
Página 138
Parâmetros de efeitos
Reverb Hall, Reverb Room, Reverb Stage, Reverb Plate
( Vide tabela 01 da página 138 do manual ).
EARLY REF.
( Vide tabela 02 da página 138 do manual ).
REVERSE GATE, GATE REVERB
( Vide tabela 01 na página 139 do manual).
DELAY MONO
( Vide tabela 02 da página 139 do manual ).
DELAY ESTÉREO
( Vide tabela 01 da página 140 do manual ).
MOD. DELAY
( Vide tabela 02 da página 140 do manual ).
DELAY LCR
( Vide tabela 01 da página 141 do manual ).
ECHO
( Vide tabela 01 da página 142 do manual ).
CHORUS
( Vide tabela 02 da página 142 do manual ).
FLANGE
(Vide tabela 01 da página 143 do manual ).
SYMPHONIC
( Vide tabela 02 da página 143 do manual ).
PHASE
( Vide tabela 03 da página 143 do manual ).
AUTOPAN
( Vide tabela 01 da página 144 do manual ).
TREMULO
( Vide tabela 02 da página 144 do manual ).
HQ. PITCH ( EFFECT 2 ONLY )
( Vide tabela 03 na página 144 do manual ).
DUAL PITCH
( Vide tabela 01 da página 145 do manual ).
ROTARY
( Vide tabela 02 da página 145 do manual ).
RING MODE
( Vide tabela 01 da página 146 do manual ).
MOD. FILTER
( Vide tabela 02 da página 146 do manual ).
DISTORTION
( Vide tabela 03 da página 146 do manual ).
AMP. SIMULATE
( Vide tabela 01 da página 147 do manual ).
DYNA. FILTER
( Vide tabela 02 da página 147 do manual ).
DYNA FLANGE
( Vide tabela 03 da página 147 do manual ).
DYNA PHASER
( Vide tabela 01 da página 148 do manual ).
REV + CHORUS
( Vide tabela 02 da página 148 do manual ).
REV -> CHORUS
( Vide tabela 01 da página 149 do manual ).
REV + FLANGE
( Vide tabela 02 da página 149 do manual ).
REV -> FLANGE
( Vide tabela 01 da página 150 do manual ).
REV + SYMPHO
( Vide tabela 02 da página 150 do manual ).
REV -> SYMPHO
(Vide figura 01 na página 151 do manual ).
REV -> PAN
( Vide tabela 02 da página 151 do manual ).
DELAY + ER
( Vide tabela 01 da página 152 do manual ).
DELAY -> ER
( Vide figura 01 da página 153 do manual ).
DELAY + REV
( Vide tabela 01 da página 154 do manual ).
DELAY -> REV
( Vide tabela 01 da página 155 do manual ).
DIST - > DELAY
( Vide tabela 01 da página 156 do manual ).
MULTI FILTER
( Vide tabela 02 da página 156 do manual ).
FREEZE ( EFFECT 2 SOMENTE )
( Vide tabela 01 da página 157 do manual ).
Para gravar e reproduzir uma amostra: ,
1. Envie o sinal do canal ao efeito 2, então chame o efeito FREEZE
2. Use o botão EFFECT 2 para localizar a página EFFECT 2, como mostrado abaixo.
(veja figura 1 na página 157 do manual)
3. Selecione a chave REC, então pressione o botão ENTER. Notas que foram
anteriormente gravadas serão apagadas neste ponto.
Página 158
4. Selecione a chave PLAY e pressione o botão ENTER para iniciar a gravação.
5. Para reproduzir uma amostra, selecione a chave PLAY e pressione o botão ENTER
Página 159
Diagrama de Blocos do Efeitos
( Vide diagrama 01 na página 159 do manual ).
Página 161
13. PROCESSADORES DINÂMICOS
Página 162
Sobre os Processadores Dinâmicos
Os Processadores Dinâmicos estão disponíveis para os canais de entrada 1 a 16, saída
estéreo e Aux. Send. Os processadores dinâmicos podem ser configurados como
COMPRESSOR, GATE, DUCKER, LIMITER e COMPANDER.
Eles podem ser auto-trigados ou trigados por um sinal de outro canal. Quando os canais
estão configurados como par estéreo usando-se o Pair Function, os processadores dinâmicos
daqueles canais trabalham juntos, e os ajustes, dos parâmetros podem ser feitos em qualquer
um dos canais selecionados.
Os programas dinâmicos podem ser armazenados como programas na Dynamic Library. A
Dynamic Library contém 40 programas presetados e 40 programas de usuário. Os
programas dinâmicos também podem ser armazenados nas memórias de cena e no Channel
Library. Veja página 186 para maiores informações..
( Vide figura 01 na página 162 do manual ).
Página 163
Programas de dinâmicos
A lista a seguir mostra os programas pré programados de dinâmicos. Veja detalhes na
página 177 do manual.
(Veja tabela na página 163 do manual)
Página 164
Usando os processadores dinâmicos
Os canais de entrada de 1 a 16, envios AUX e saída estéreo possuem processadores
dinâmicos. Para chamar um programa dinâmico, Veja detalhes na página 175 do manual.
Para canais de entrada de 1 a 16
1. Use os botões SEL para selecionar canais de 1 a 16
2. Use os botões DYNAMICS para localizar a página DYNAMICS 1, como mostrado
abaixo ( Veja figura 1 na página 164 do manual)
3. Pressione o botão ENTER para ligar os processadores dinâmicos
4. Use os botões de cursor para selecionar os parâmetros e a roda de parâmetros ou
+1/INC -1/DEC para programá-los
Para envios AUX de 1 a 4
1. Use os botões AUX para selecionar um envio auxiliar
2. Use os botões DYNAMICS para localizar a página DYNAMICS 1, como mostrado
abaixo ( Veja figura 2 na página 164 do manual)
3. Pressione o botão ENTER para ligar os processadores dinâmicos
Página 165
4. Use os botões de cursor para selecionar os parâmetros e a roda de parâmetros ou
+1/INC -1/DEC para programá-los
Para saída estéreo
1. Pressione o botão HOME então o botão MASTER [SEL]
2. Use os botões DYNAMICS para localizar a página DYNAMICS 1, como mostrado
abaixo ( Veja figura 1 na página 165 do manual)
3. Pressione o botão ENTER para ligar os processadores dinâmicos
4. Use os botões de cursor para selecionar os parâmetros e a roda de parâmetros ou
+1/INC -1/DEC para programá-los
Página 166
Editando os processadores dinâmicos
1. Use os botões DYNAMICS para localizar a página DYNAMICS 1, como mostrado
abaixo ( Veja figura 1 na página 166 do manual)
2. Use os botões SEL para selecionar de 1 a 16 e MASTER para selecionar os canais
3. Use os botões de cursor para selecionar os parâmetros e a roda de parâmetros ou
+1/INC -1/DEC para programá-los
TYPE - É o nome do tipo do processador dinâmico atualmente selecionado
ON/OFF - è usada para ligar / desligar os processadores dinâmicos
KEY IN - è usada para selecionar a fonte trigada ao processador dinâmico e pode ser
colocada em SELF, e será acionada por sinais de canais de entrada de 1 a 16
CURVE - Esta janela mostra a curva do processador dinâmico. O eixo horizontal
corresponde ao sinal de entrada e o vertical ao sinal de saída.
PARAMETER - Estes controles são usados para ajustar os parâmetros dos processadores
dinâmicos
METERS - O medidor GR indica o total de redução de ganho que está sendo aplicada ao
canal selecionado.
Página 167
TIPOS DE PROCESSADORES
Os processadores dinâmicos são utilizados normalmente para corrigir os níveis de sinais.
Podem ser utilizados criativamente para dar forma envolvente à um som.
COMP
processador dinâmico do tipo COMP é um compressor que proporciona controle
automático do nível. Um compressor atenua sinais, cujo nível ultrapassam um valor
especificado. Os vocalistas que tendem a vir ao microfone e movimentarem-se enquanto
cantam, a canção produzirá níveis de sinais flutuantes; algumas vezes suaves outras fortes.
De forma similar, os instrumentos acústicos com um alcance dinâmico grande produzem
níveis de sons desde pianíssimo ( muito suave ) a fortíssimo ( muito forte ). Nestas
situações, se torna difícil às vezes ajustar um nível médio com os reguladores de nível que
permite escutar claramente uma voz ou instrumento por toda a canção ou da pedaço
musical. Aqui é onde entra em jogo o compressor com controle de nível. Reduzindo
automaticamente os níveis altos e reduzindo de forma efetiva a alcance dinâmico, o
compressor facilita muito o controle dos sinais e o ajuste apropriado dos reguladores de
níveis. A redução do alcance dinâmico significa também que os níveis de gravação podem
se ajustar a um valor mais alto a fim de melhorar a relação sinal-ruído. O tipo COMP se
utiliza também como limitador , que é essencialmente um compressor com um ajuste de
relação alto. As relações de compressão sobre 10:1 são utilizadas para limitar os sinais em
vez de comprimi-las. Quando um sinal de entrada ultrapassa o nível de especificado, seu
nível se reduzirá automaticamente até o nível mínimo. Isto significa que o nível de saída do
limitador não passará nunca do nível desejado. Os limitadores são utilizados para impedir
que os sinais sobrecarreguem amplificadores e gravadores de fita. Um limitador com um
sinal relativamente alto, por exemplo, poderá ser conectados às saídas estéreo para evitar
que se sobrecarregue o amplificador e os locutores.
Página 168
THRESHOLD - Este parâmetro determina o nível de sinal de entrada requerido para
disparar o compressor. Os sinais de nível inferior ao desejado passará através do compressor
sem ser afetado. Os sinais com nível de sinal superior se comprimirão à quantidade
especificada utilizando o parâmetro RATIO. O sinal de disparo se aplica utilizando o
parâmetro KEY IN.
RATIO - Este parâmetro determina a quantidade de compressão. Quer dizer , a mudança
do nível do sinal da saída em relação a mudança do nível de sinal de entrada. Para uma
relação de 2:1, por exemplo, a mudança de 10dB no nível de entrada resultará em uma
mudança de 5dB no nível de saída. Para uma relação de 5:1, a mudança de 10dB no nível de
entrada resultará em uma mudança de 2dB no nível de saída.
KNEE - Este parâmetro determina como se aplica a compressão de um ponto . Quando
estiver ajustado a uma parte , a compressão da relação especificada tão pronto como o nível
de sinal de entrada ultrapassa o nível especificado. Por tanto para ajustes de modo de 1 a 5, a
compressão se aplicará gradualmente quando o sinal ultrapassa o nível especificado.,
criando um som mais natural. Isto se denomina compressão de modo suave.
ATTACK - Este parâmetro determina o ponto que o sinal se comprimir depois de ter sido
disparado o compressor. Com um tempo de ataque rápido, o sinal irá se comprimir quase
que imediatamente. Por tanto, com um tempo de ataque lento, o percurso inicial de um som
passará sem ser afetado. Os tempos de ataque de 1-5ms são um bom lugar para começar.
RELEASE - Este parâmetro determina o ponto que o compressor voltará ao seu ganho
normal depois que o nível de sinal de disparo tenha caído por baixo do mínimo. Se o tempo
de liberação é muito curto, o ganho se recupera rapidamente, causando aumento do nível. Se
ajustar o tempo a um valor maior é possível que o compressor não tenha tempo para se
recuperar antes que apareça o seguinte sinal de alto nível e se comprimirá incorretamente.
Os tempos de liberação de 0,1-0,5s são um bom lugar para se começar.
OUT GAIN - Este parâmetro ajuste o nível de sinal de saída do compressor. Pode ser
utilizado para compensar a mudança de nível geral causado pelo processo de compressão.
GATE
Uma comporta, ou comporta de ruído, é essencialmente um interruptor de audio utilizado
para silenciar sinais por baixo do nível do mínimo estabelecido. Pode ser utilizado para
cortar ruídos do fundo captados por microfones abertos, ruídos de amplificadores de
válvulas e pedais de efeitos para guitarras e a fuga entre microfones de tambores. Também
pode ser usado de modo criativo. Por exemplo, aplicando uma comporta ao som de um
tambor com um tempo de extinção curto. Também, conectando uma comporta a um canal de
sintetizador de contrabaixo com zumbido, e depois disparando-a desde o canal do bumbo
fará com que o sintetizador passe somente quando tocar o bumbo, produzindo um “atrativo”
extra ao ritmo.
Página 169
THRESHOLD - Este parâmetro determina o nível o qual se fecha a comporta, cortando o
sinal. Os sinais sobre o nível mínimo passarão sem serem afetados. Os sinais com nível
inferior, farão com que a comporta se feche. O sinal de disparo se aplica utilizando o
parâmetro KEY IN.
RANGE - Este parâmetro determina o nível com que se fecha a comporta. Pense que se
trata de uma comporta de um jardim aberta de forma que sempre flua certa quantidade de
sinal. Para um ajuste de -70dB, a comporta se fechará completamente quando o sinal cair
completamente por baixo do mínimo. Para um ajuste de -30dB, a comporta somente se
fechará até um certo ponto. Para um ajuste de 0dB, a comporta não terá efeito. Quando se
aplica abruptamente a comporta aos sinais, desaparecerão repentina
se tornará
desagradável. Este parâmetro faz com que a comporta se reduza ao nível de sinal em vez
de se cortar completamente.
ATTACK - Este parâmetro determina o ponto que a comporta se fecha quando o sinal
ultrapassa o nível mínimo. Os tempos de ataque lento poderão ser utilizados para eliminar o
borde transitório inicial dos sons de percussão. Um tempo de ataque lento fará com que os
sons apareçam atrás.
HOLD - Este parâmetro determina quanto tempo permanecerá aberta a comporta depois
que o sinal de disparo tenha caído por baixo do nível mínimo.
DECAY - Este parâmetro determina a rapidez com que se fechará a comporta depois de
haver expirado o tempo de retenção. Um tempo de extinção mais largo produzirá um efeito
de comporta mais natural, permitindo que passe a extinção natural de um instrumento. Com
um tempo de extinção máxima de 42 a 63 segundos, você poderá utilizar este parâmetro
incluso para ter um som de fader.
DUCKING
Se utiliza normalmente para voz sobre aplicações, onde o nível da música de fundo se reduz
automaticamente quando tiver um locutor. “Ducking” se consegue disparando um
compressor com uma fonte de som diferente. Por exemplo, um “ducker” se conecta a um
canal de música de fundo, e o sinal de KEY IN se aplica desde o canal do microfone do
locutor. Quando o nível do microfone do locutor ultrapassa o nível especificado, o nível da
música de fundo se reduzirá automaticamente para poder ouvir claramente o locutor. A
mesma técnica poderá ser utilizada também para vozes de uma mesa. Por exemplo,
reduzindo os sons de fundo, como a guitarra rítmica e a bateria de sintetizador durante as
frases vocais, estas poderão serem ouvidas claramente. Isto também pode ser utilizado para
ressaltar instrumentos solos em uma mesa.
THRESHOLD - Este parâmetro determina o nível de sinal de disparo (KEY IN ) requerido
para ativar o “Ducking”. O sinal de disparo com nível inferior ao da entrada não ativarão o
“ducking”. Por tanto os sinais de disparo com nível de sinal superior ativarão o “ducking”
e o nível de sinal se reduzirá ao ajustado e ao parâmetro RANGE. O sinal de disparo se
aplica utilizando o parâmetro KEY IN.
Página 170
RANGE - Este parâmetro determina o nível em que será realizado o “Ducking” do sinal.
Para um ajuste de -80dB, o sinal praticamente será cortado. Por tanto, para um ajuste de 30dB, o sinal se reduzirá para 30dB. Para um ajuste de 0dB, não se produzirá o “Ducking”.
ATTACK - Este parâmetro determina o ponto em que se produzirá o “Ducking” do sinal
quando tenha disparado o “Ducker”. Com um tempo de ataque rápido, o “Ducking” do sinal
se produzirá quase que imediatamente. Por tanto com um tempo de ataque lento, se
produzirá o “Ducking” para desaparecer o sinal. Um tempo de ataque muito rápido pode
soar abrupto.
HOLD - Este parâmetro determina quanto tempo permanecerá ativo o “Ducking” depois de
o sinal de disparo ter caído por baixo do nível mínimo.
DECAY - Este parâmetro determina o ponto em que o “Ducker” voltará a seu ganho normal
depois de que o nível do sinal de disparo tenha caído por baixo do mínimo.
EXPAND
Um expansor é similar a um compressor, exceto que trabalhe com sinais de nível inferior ao
mínimo. Reduzindo os sinais por baixo do nível mínimo, o expansor atenua o ruído de
baixo nível aumentando efetivamente a gama dinâmica e melhorando a relação sinal ruído. Um expansor ajustado a relação infinita é essencialmente uma comporta. Nos gráficos
da página 170 do manual é apresentado as curvas típicas do expansor. O da esquerda mostra
um expansor com uma relação de 2:1. O da direita mostra um expansor com uma relação de
expansão de 2:1 e um ajuste 5.
THRESHOLD - Este parâmetro determina o nível de sinal de entrada requerido para
disparar o expansor. Os sinais de nível superior ao mínimo passarão através do expansor
sem serem afetadas. Os sinais com nível inferior se atenuarão na quantidade especificada
utilizando o parâmetro RATIO. O sinal de disparo se aplica utilizando o parâmetro KEY IN.
Página 171
RATIO - Este parâmetro determina a quantidade de expansão. Quer dizer ,a mudança do
nível do sinal de saída em relação a mudança do sinal de entrada . Para uma relação de 2:1,
por exemplo, um cambio de 5dB no nível de entrada ( por baixo do mínimo) resultará em
uma mudança de 10dB no nível de saída. Para uma relação de 5:1, uma mudança de 2dB no
nível de entrada resultará em uma mudança de 10dB no nível de saída.
KNEE - Este parâmetro determina como se aplica a expansão do ponto de sinal. Quando se
está ajustado a hard, a expansão com relação especificada se aplicará logo como o nível de
sinal de entrada caia por baixo do nível especificado. Por tanto, para ajustes de 1 a 5, a
expansão se aplicará gradualmente quando o sinal caia por baixo do especificado, criando
um som mais natural.
ATTACK - Este parâmetro determina o ponto que o sinal se expandirá depois de ter
disparado o expansor. Com um tempo de ataque rápido, o sinal se expandirá quase
imediatamente. Por tanto com um tempo de ataque lento, o transitório inicial de um som
passará sem ser afetado. Os tempos de ataque de 1-5 ms são um bom lugar para começar.
OUT GAIN - Este parâmetro ajusta o nível do sinal de saída do expansor. Pode
ser utilizado para compensar a mudança de nível geral causado pelo processo
de expansão.
COMPANDER ( HARD & SOFT )
Os hard companders e softs se compõem de um compressor, um expansor e um
limitador. O limitador impede que os sinais de saída ultrapassem 0dB. O
compressor comprime os sinais que ultrapassem o nível do mínimo. O expansor
atenua os sinais por baixo do treshold. O compander suave tem uma relação de
expansão de 1,5:1, enquanto que o compander tem uma relação de expansão de
5:1. Nos gráficos da página 155 do manual é apresentado as curvas típicas do
compander . O da esquerda mostra o compander hard. O da direita mostra o
compander soft.
( Vide gráficos e tabela na página 171 do manual ).
Página 172
THRESHOLD - Este parâmetro determina o nível de sinal de entrada com que
se aplica a compressão e a expansão. Os sinais de nível inferior ao de treshold
se atenuam mediante o expansor. Os sinais com nível superior se comprimem
na quantidade especificada utilizando o parâmetro RATIO. O sinal de disparo
se aplica utilizando o parâmetro KEY IN.
RATIO - Este parâmetro determina a quantidade de compressão. Quer dizer,
a mudança do nível do sinal de saída em relação a mudança do sinal de entrada.
Para uma relação de 2:1, por exemplo, uma mudança de 10dB no nível de
entrada resultará em uma mudança de 5dB em um nível de saída. Para uma
relação de 5:1, uma mudança de 10dB no nível de entrada resultará em uma
mudança de 2dB no nível de saída. As relações do expansor estão fixadas: 1,5:1
para o compressor soft 5:1 para o compressor hard.
WIDTH - Este parâmetro determina o quanto se aplica à expansão por baixo
do nível do treshold. O expansor essencialmente se desativará quando a largura
tenha sido ajustada a 90dB.
ATTACK - Este parâmetro determina o ponto em que o sinal se comprimirá e
expandirá depois de ter se disparado o compander. Com um tempo de ataque
rápido, o sinal se
compandirá quase imediatamente e com um tempo de ataque lento o transitório inicial de
um som passará sem ser afetado.. Os tempos de ataque de 1-5ms são um bom lugar para
começar.
RELEASE - Este parâmetro determina o ponto em que o compressor e o expansor
voltarão a seu ganho normal depois que o nível de sinal de disparo tenha caído por baixo do
treshold. Se o tempo de liberação é muito curto o ganho se recupera muito rápido, causando
aumento do nível (Quer dizer flutuações de ganho notável ).Se ajusta o tempo a um valor
muito longo é possível que o compressor não tenha tempo para se recuperar antes que
apareça o seguinte sinal de alto nível e se comprimirá incorretamente. Os tempos de
liberação de 0,1-0,5s são um bom lugar para começar.
OUT GAIN - Este parâmetro ajusta o nível do sinal de saída do compander. Pode ser
utilizado para compensar a mudança de nível geral causado pelos processos de compressão
e expansão.
Página 173
DYNAMICS LIBRARY
Os ajustes dinâmicos poderão ser armazenados na Dynamic Library. A Dynamic Library
contém 40 programas pre ajustados ( 1-40 ) e 40 programas de usuário ( 41 - 80 ). Os
programas do usuário permitirão armazenar os ajustes de efeitos atualmente utilizados e
você poderá dar títulos para facilitar sua identificação. A Dynamics Library também poderá
ser utilizada para transferir ajustes de um processador dinâmico a outro. Por exemplo, os
ajustes dinâmicos de saída estéreo poderá ser armazenado em um programa da Library e
depois chamá-los em um processador dinâmico de transmissão auxiliar. A exclusiva coleção
de programas dinâmicos vem sendo dada para aplicações e instrumentos específicos, e
proporciona um boa referência e ponto de partida para utilizar os processadores dinâmicos.
(Veja figura 1 na página 173 do manual)
A metade de cima da página LIBRARY contém as chaves de STORE, RECALL e TITLE
EDIT, abaixo disso, estão as janelas de LIBRARY que podem ser controladas usando-se a
roda de parâmetros. Em cada programa selecionado, aparece a curva dinâmica aplicada.
Página 174
Armazenamento de um Programa Dinâmico
Os programas dinâmicos são armazenados nos programas de usuário 41 a 80.
1. Selecione o canal cujos ajustes do processador dinâmico deve armazenar como um
programa.
2. Utilize o botão ( DYNAMICS ) para localizar a página Library.
( Vide figura 1 da página 174 do manual ).
3. Utilize a roda PARAMETER ou +1/IND -1/DEC para selecionar programas de 41 a
80.
4- Utilize os botões do cursor para selecionar o interruptor STORE e depois pressione
o botão ( ENTER ).
5- Introduza um título para o programa dinâmico.
6- Pressione OK no quadro de diálogo Title Edit. O programa dinâmico se armazenará.
Página 175
Chamando os Programas Dinâmicos
Os programas dinâmicos de 1 a 80 podem ser chamados
1. Selecione o canal que contém o programa dinâmico que você deseja chamar
2. Utilize o botão ( DYNAMICS ) para localizar a página Library.
( Vide figura 01 da página 175 do manual ).
3-Utilize a roda de parâmetros ou +1/INC -1/DEC para selecionar os programas
Quando selecionar qualquer programa, sua curva será mostrada
4-Utilize os botões do cursor para selecionar o interruptor RECALL e depois pressione
o botão ( ENTER ).
Página 176
Edição de Títulos de Programas Dinâmicos
Os títulos dos programas dinâmicos poderão ser editados à usando-se a função TITLE EDIT
1- Utilize o botão ( DYNAMICS ) para localizar a página Library.
2- Selecione o programa de usuário de 41 a 80 utilizando a roda de parâmetros ou
+1/INC -1/DEC
3- Utilize os botões do cursor para selecionar o interruptor TITLE EDIT, e depois
pressione o botão ( ENTER ).
4- Edite o título do programa.
5- Quando tiver finalizado, pressione OK e pressione ENTER
Página 177
PROGRAMAS DINÂMICOS PRÉ AJUSTADOS
( Vide tabelas nas páginas 177, 178, 179, 180, e 181 ).
Página 183
14 - MEMÓRIAS DE CENAS
Página 184
Memórias de Cenas
As memórias de Cenas são locais da memória que se utiliza para armazenar cenas de mixer.
Uma cena de mixer se compõe de todos os ajustes de mixer da O1V. Existem 100
memórias de Cena e você poderá usar títulos para sua melhor identificação. As memórias de
Cena poderão armazenar e se apresentar de várias formas :
Manualmente na página MEMORY 1 ( STORE )
Utilizando mensagens MIDI Program Change desde um computador ou um sequenciador
MIDI.
Os dados das memórias de Cena poderão ser copiados como proteção em um dispositivo
MIDI externo, como um arquivo de dados MIDI, utilizando MIDI Bulk Dump.
O Quê se armazena nas Memórias de Cena ?
Em uma Memória de Cena está armazenado praticamente todos os ajustes de Mixer da
O1V. Os ajustes que não se armazenam são principalmente os de controles e interruptores
analógicos. Para saber, os interruptores 26dB ( PAD ), os controles GAIN, o interruptor
SOLO / 2TR IN, o controle MONITOR OUT LEVEL, o controle PHONE LEVEL, o
contraste do visor em um painel superior, E os interruptores de alimentação fantasma..
Os tipos seguintes de dados não se armazenam nas Memórias de Cena: dados de
configuração da O1V, mapa de MIDI Program Change e mapa de MIDI Control Change, os
dados da Memória de Cena, a biblioteca de equalização, a biblioteca dinâmica, a biblioteca
de efeitos, os dados de Mixer automático e o controle remoto de MIDI. Por tanto, você
poderá copiar estes dados como proteção em um dispositivo MIDI externo, como um
arquivo de dados MIDI , utilizando o MIDI BULK DUMP.
Página 185
Sobre EDIT BUFFER & Indicador
A Memória Intermediária de Edição é uma área de memória da O1V que contém os ajustes
de Mixer atuais. Quando armazena uma Cena de Mixer, os ajustes de Mixer da memória
intermediária de edição aparecerá na Memória de Cena selecionada. Quando selecionada
uma Cena de Mixer, o conteúdo da memória de mixer selecionado será transferido para
memória intermediária de edição e este será convertido em ajustes de mixer atuais.
Quando ajustar um parâmetro depois de ter chamado uma Cena de Mixer na área da
memória de cena do visor aparecerá o indicador EDIT. Isto indica que os ajustes de Mixer
atuais não concordam com os de Cena de Mixer selecionada em último lugar.
02 INITDATA
A memória de Cena 02 acaba de ser chamada. Por tanto o conteúdo da memória
intermediária de edição coincide com a memória de Cena 2.
02
INITDATA
EDIT
Foi mudado um parâmetro desde que se selecionou a memória de Cena 02. Por tanto o
conteúdo da memória intermediária de edição não coincide com a memória de Cena , a qual
está visualizada no indicador EDIT.
Os ajustes da memória intermediária se conservam quando se desconectar a alimentação da
O1V. Por tanto você não terá que armazená-los em uma memória de Cena antes de
desconectar a alimentação da O1V.
MEMÓRIA DE CENA 00
As memórias de Cena 00 são um pouco diferentes das memórias de Cena 1 a 99. È uma
memória de leitura e contém os ajustes iniciais da O1V. Você poderá chamá-la, mas não
poderá armazenar nada nela. Quando quiser repor todos os ajustes de mixer a seus valores
iniciais, chame a memória de cena 00.
ÁREA DE VISUALIZAÇÃO DA MEMÓRIA DE CENA
A área de memória de cena do visor mostra o número de memória de cena selecionada, o
título, se a memória é somente de leitura ou está protegida e o estado da memória
intermediária de edição. A única memória de Cena de leitura somente é a 00. Qualquer
memória de Cena poderá se proteger contra a escrita. Quando selecionar uma memória de
cena que não seja a última chamada o número da memória de cena piscará. Volte a
selecionar a memória de cena chamada em último lugar, ou outra memória de cena
diferente, e o número deixará de aparecer.
Página 186
ARMAZENAMENTO DE CENAS DE MIXER
As cenas de mixer poderão ser armazenadas nas memórias de cana de 1 a 99.
Cuidado: Quando armazenar cenas de mixer, certifique-se de que não tenha ajustes de
mixer na memória intermediária de edição que não deseja armazenar. È possível que você
ou outra pessoa, tenham realizado acidentalmente outros ajustes. Se não está seguro do
conteúdo exato da memória intermediária de edição, chame a última cena de mixer ,
realize os ajustes que realmente necessita e depois armazene a cena de mixer.. Também
pode, por exemplo, armazenar os ajustes de mixer atuais em uma memória de cena não
utilizada.
1- Utilize os botões MEMORY para selecionar a página MEMORY 1 , como mostrado
abaixo. (Veja figura 1 na página 186 do manual)
2- Use a roda de parâmetros ou +1/INC -1/DEC para selecionar uma memória de cena
de 1 a 99.
3- Use o botão do cursor para selecionar a chave ( STORE ), então pressione o botão
ENTER.
4- Introduza um título para a cena de mixer.
5- Pressione OK então pressione ENTER.
A cena de mixer se armazenará na memória de cena selecionada, e o número da memória
de cena deixará de aparecer e o indicador EDIT desaparecerá.
Página 187
Chamando as cenas de mixer
As cenas de mixer podem ser chamadas das memórias de cena de 1 a 99 manualmente, ou
no modo remoto pelo MIDI PROGRAM CHANGE
1- Utilize o botão MEMORY para localizar a página MEMORY 1
( Vide figura na página 187 do manual ).
2- Utilize a roda de parâmetros ou +1/IND -1/DEC para selecionar as memórias de
cena.
3- Utilize os botões do cursor para selecionar o interruptor STORE e depois pressione
o botão ( ENTER )
Página 188
Utilizando as Mensagens MIDI Program Change
As mensagens MIDI Program Change poderão ser utilizadas para selecionar cenas de mixer,
que proporcionarão uma automatização do estilo instantânea.. As mensagens Program
Change poderão ser transmitidas desde um computador de controle, um sequenciador MIDI
ou um teclado MIDI conectado à O1V para chamar cenas de mixer. Por exemplo, a maioria
dos teclados MIDI transmitem uma mensagem Program Change quando se seleciona uma
voz. Isto poderá ser utilizado para chamar a cena de mixer correspondente à O1V. Por
tanto, pressionando um só botão, seu sintetizador e a O1V e estarão prontos para a seguinte
canção ou cena.
Para chamar as cenas de mixer utilizando mensagens MIDI Program Change terá que:
1- Conectar um equipamento MIDI capaz de transmitir mensagens Program Change
ao conector MIDI IN da
O1V.
2- Configurar a O1V para que possa receber mensagens Program Change.
3- Dar mensagens Program Change para memórias de cenas.
Página 189
Desfazendo seleções de cenas de mixer
As seleções de cenas de mixer poderão ser anuladas utilizando a função RECALL/ UNDO.
1. Use o botão MEMORY para localizar a página MEMORY 1, como mostrado abaixo
(Veja figura 1 na página 189 do manual)
2. Use os botões do cursor para selecionar as chaves RECALL UNDO
3. Pressione o botão ENTER
PROTEGENDO MEMÓRIAS DE CENA
As cenas de mixer poderão se proteger contra o apagamento. Os dados de uma memória de
cena recebidos como dados MIDI Bulk Dump se ignoraram quando a memória de cena
correspondente estiver protegida contra reprogramação.
1- Utilize o botão MEMORY para localizar a página MEMORY 1, como mostrado
abaixo. (Veja figura 2 na página 189 do manual)
2- Selecione a memória de cena utilizando a roda de parâmetros ou +1/INC -1/DEC
3- Utilize os botões do cursor para selecionar o interruptor PROTECT.
4- Pressione o botão ( ENTER ).
Quando uma memória de cena estiver protegida contra a escrita, a continuação de seu
número e título do quadro desaparecerão e na área da memória de cena da parte superior do
visor, aparecerá PROTECT.
Para desativar a proteção contra a escrita, volte a pressionar ( ENTER ).
Página 190
Edição de Títulos das Memórias de Cenas
Os títulos das memórias de cena poderão ser editadas usando-se a função TITLE EDIT
1- Utilize o botão MEMORY para localizar a página MEMORY 1 como mostrado
abaixo. (Veja figura 1 na página 190 do manual)
2- Selecione a memória de cena utilizando a roda de parâmetros ou +1/INC -1/DEC
3- Utilize os botões do cursor para selecionar TITLE EDIT e pressione o botão ENTER
4- Edite o título da memória de cena.
5- Quando tenha finalizado, pressione OK e pressione ENTER.
RENUMERANDO AS MEMÓRIAS DE CENAS
As memórias de cena poderão ser renumeradas utilizando a função SORT.
1- Utilize o botão MEMORY para localizar a página MEMORY 3 mostrada na figura
da página 190 do manual .
2- Utilize os botões do cursor para selecionar a lista a esquerda, e a roda de parâmetros
ou +1/INC -1/DEC para selecionar uma memória de cena
3- Utilize os botões do cursor para se mover até a lista da direita e a roda de
parâmetros ou +1/INC -1/DEC para selecionar um ponto de inserção
4- Utilize os botões do cursor para selecionar o interruptor EXECUTE.
Página 191
AJUSTANDO O TEMPO DE FADER
A função Time Fade poderá ser utilizada para especificar um tempo de regulagem comum
enquanto que os faders se moverão para suas novas posições. Isto poderá ser usado para
criar regulagens cruzadas entre cenas. O tempo de regulagem poderá ser aplicada
individualmente aos faders. Faders para os canais de entrada de 1 a 16, retorno de efeitos,
envios auxiliares, saídas BUS e saídas estéreo podem ser programados individualmente.
1- Utilize o botão MEMORY para localizar a página MEMORY 2 mostrada na figura
da página 194 do manual.
2- Use o botão do cursor para selecionar o controle TIME e a roda de parâmetro ou
+1/INC -1/DEC para ajustá-los.
3- Use os botões do cursor para selecionar as chaves FADE ENABLE, então pressione
o botão ENTER para acioná-los
4- Armazene os ajustes de mixer atuais em uma memória de cenas.
5- Chame as memórias de cena (Veja página 187 para maiores informações)
Página 192
SELEÇÃO SEGURA DE DADOS DE CENAS
Quando selecionar uma cena de mixer, os ajustes de mixer que não coincidirem com os da
memória intermediária de edição se atualizarão. Em algumas situações, é possível que você
deva conservar os ajustes de mixer de certos canais. Isto será possível utilizando a função de
seleção segura quando a memória de cena é chamada.
1. Use o botão MEMORY para localizar a página MEMORY 4 como mostrada abaixo
(Veja figura 1 na página 192 do manual)
2. Utilize os botões do cursor para selecionar SAFE CHANNEL e o botão ( ENTER )
para colocá-los à salvo.
3. Utilize os botões do cursor para selecionar MODE (ALL PARAM ou FADER
ONLY), e depois o botão ( ENTER ) para ativá-lo.
No modo ALL PARAMETERS, todos os parâmetros estarão à salvos. No modo FADERS
ONLY, somente estarão à salvo os faders.
4. Assegure-se que a chave SAFE está em ENABLE.
5. Utilize os botões do cursor para selecionar o interruptor ENABLE e pressione o
botão ( ENTER ) para habilitar a função de seleção segura.
6. Chamando uma cena de mixer, veja página 187 Para maiores informações.
Página 193
15 - OUTRAS FUNÇÕES
Página 194
Designando fader & botões ON
Os faders e os botões ON para os canais de entrada de 1 a 16 e a saída estéreo (MASTER)
podem ter suas funções designadas para outras que não as regulares. Os faders dos canais de
entrada de 1 a 4 por exemplo, pode ser usado para controlar o nível master da saída BUS, já
que não possuem faders dedicados. Quatro programas podem ser armazenados nos bancos
de 1 a 4.
1 - Utilize o botão REMOTE para localizar a página REMOTE 1 mostrada na figura
da página 194 do manual.
2 - Utilize os botões SEL de 1 a 16 e MASTER para selecionar os canais onde os botões
ON e faders que você deseja redesignar.
3 - Use os botões de cursor para selecionar as caixas de parâmetros, então a roda de
parâmetros ou +1/INC -1/DEC para programá-los.
5 - Utilize os botões do cursor para selecionar as chaves BANK e depois pressione o
botão ( ENTER ).
Página 195
Faders designados
Os faders de 1 a 16 e os masters podem ser designados conforme os parâmetros a seguir:
(Veja tabela na página 195 do manual)
Designando botões ON
Os botões de 1 a 16 e os masters podem ser designados conforme os parâmetros a seguir:
(Veja tabela na página 196 do manual)
Designação inicial para o BANK 1
Estes são os faders iniciais e as designações para os botões ON do banco 1
(Veja tabela na página 197 do manual)
Designação inicial para o BANK 2
Estes são os faders iniciais e as designações para os botões ON do banco 2
(Veja tabela na página 198 do manual)
Designação inicial para o BANK 3
Estes são os faders iniciais e as designações para os botões ON do banco 3
(Veja tabela na página 199 do manual)
Designação inicial para o BANK 4
Estes são os faders iniciais e as designações para os botões ON do banco 4
(Veja tabela na página 200 do manual)
Tabela de designação do usuário
Esta tabela é para suas próprias designações
(Veja tabela na página 201 do manual)
Utilização do Oscilador
A O1V se caracteriza por um oscilador de audio incorporado COM 100 Hz, 1 kHz e 10 kHz,
ruído rosa e ruído rosa burst Podem ser designados a saídas de bus, as saídas auxiliares, as
saídas estéreo e os efeitos incorporados. Este oscilador poderá ser utilizado para fins de
calibragem ou diagnóstico. A transferência de uma forma de onda de ruído aos
processadores de efeitos incorporados, por exemplo, é uma forma útil de escutar ajustes de
reverber.
1 - Utilize o botão (UTILITY ) para localizar a página UTILITY 1 mostrada na página
202 do manual.
2 - Utilize os botões do cursor para selecionar os parâmetros e o botão (ENTER) ou
+1/INC -1/DEC para programá-los.
WAVEFORM - Estes interruptores são usados para selecionar o tipo de forma de onda
gerada pelo oscilador : SINE 100Hz, SINE 10kHz, PINK NOISE, ou BURST NOISE, que
consiste de pulsos de ruído de 200ms a intervalos de quatro segundos.
LEVEL - Este controle é usado para ajustar o nível do sinal gerado pelo oscilador de 0 a -96
dB.
ASSIGN - Estes interruptores são utilizados para transferir o sinal do oscilador aos : buses,
transmissões auxiliares, saída estéreo e efeitos incorporados. Quando transfere um oscilador
a um bus, o sinal do oscilador terá prioridade e os demais sinais enviados ao bus se
silenciarão.
Página 203
Preferência da O1V
As Preferências são usadas para customizar as operações da O1V.
1 - Utilize o botão ( UTILITY ) para localizar a página UTILITY 2 mostrada na figura
da página 203 do manual.
2 - Utilize os botões do cursor para selecionar os parâmetros e o botão ( ENTER ) a
roda de parâmetros ou +1/INC -1/DEC para ajustá-los.
EQ AUTO SCREEN - Quando esta opção está ligada, as páginas de EQ 1 ou OPTION 2
aparecem quando os controles dos canais selecionados F ou G são ajustados.
PANPOT AUTO SCREEN - Quando esta opção está ligada, as páginas PAN/ROUT ou
OPTION 2 aparecem quando os controles de PAN dos canais selecionados são ajustados.
STORE COMFIRMATION - Quando esta preferência está ajustada a ON, o quadro de
diálogos Title Edit, que também funciona como quadro de confirmação, aparecerá quando
uma cena de mixer ou um programa de biblioteca. Isto será muito útil para evitar o
armazenamento acidental de cena de mixer e programas de bibliotecas.
RECALL CONFIRMATION - Quando esta preferência está ajustada a ON, a O1V
visualizará um quadro de diálogos de confirmação cada vez que chamada uma cena de
mixer ou um programa de biblioteca. Isto será muito útil para evitar a seleção acidental de
cena de mixer e programas de biblioteca.
DIGITAL ST IN SYNC CAUTION - Quando esta preferência está ajustada a ON,
aparecerá uma mensagem de advertência quando o sinal DIGITAL STEREO IN não estiver
sincronizado com a fonte do word clock master. O ajuste inicial é ON.
“SELECTED CH” MESSAGE - Quando esta opção está acionada, uma mensagem
indicando o canal selecionado aparece não importando qual a cena de mixer ou programa de
biblioteca está armazenado.
UNIDADE de DELAY - Os valores de delay para os canais de entrada, delay da saída
estéreo e delay da saída OMNI podem ser especificados em milisegundos, medição ou
amostras.
INC / DEC SCENE RECALL - Quando esta opção está acionada, os botões +1/INC 1/DEC são usados para selecionar e chamar as memórias de cena enquanto a página de
memória 1 é mostrada. Quando estes botões são pressionados, as cenas subsequentes são
selecionadas e chamadas.
Página 204
LIBRARY LIST ORDER - Quando esta opção está colocada em UP, EQ , efeitos,
dinâmicos e memórias de cena, a lista aparece com os programas / cenas mais baixos na
parte inferior e os mais altos na parte superior. Quando está colocado em DOWN, o mais
baixo aparecerá na parte superior e o mais alto na parte inferior.
Programas iniciais
(Veja tabela 1 na página 204 do manual)
Inicializando a O1V
A inicialização lhe permitirá reajustar os ajustes da
O1V, as memórias de cena e
bibliotecas a seus valores iniciais.
Para repor somente os ajustes de mixer, chame a cena de mixer 00.
1 - Desconecte a alimentação da O1V.
2 - Mantenha pressionado o botão ( MEMORY ), conecte a alimentação da O1V.
Aparecerá um quadro de diálogo <<INITIALIZE MEMORY?>>
3 - Solte o botão ( MEMORY ).
4- Pressione +1/DEC para inicializar a O1V e -1/INC para cancelar
Calibragem dos faders
1 - Antes de calibrar reguladores, desconecte a alimentação da O1V.
2 - Mantenha pressionado o botão ( ENTER ) conecte a alimentação da O1V.
Será iniciado o processo de calibragem dos faders. Quando os reguladores de nível voltarem
a suas posições originais, a calibragem será finalizada.
Página 205
16 USANDO ENTRADAS E SAÍDAS DIGITAIS
Página 206
Sobre os Wordclocks
Quando em um sistema estão configurados vários dispositivos audio digitais, será essencial
que todos estejam sincronizados a somente uma fonte de tempo. Esta não é a sincronização
com o código de tempos de SMPTE nem de MIDI. Sincronização de wordclock se refere a
sincronização dos circuitos do processo audio digital interiores de cada dispositivo audio
digital. Tipicamente um dispositivo audio digital funciona como wordclock master e os
demais como escravos do word clock .A frequência do wordclock é igual a de frequência
eleita.
Onde parece que alguns sistemas que trabalham bem com vários dispositivos audio digitais
que não comportam um wordclock comum ( todos os dispositivos estão ajustados a seu
próprio word clock interno ), os dados audio digitais não se processarão corretamente. Em
alguns sistemas, este problema é muito notável. Em outros pode causar certa distorção.
Tenha cuidado com isto.
Em um sistema em que todos os dispositivos compartilham um word clock comum, será
muito importante que a alimentação de todos esteja conectada , inclusive onde estejam
sendo utilizados todos. Ative em primeiro lugar o wordclock master e depois o dos escravos.
Quando desconectar a alimentação do sistema, desative em primeiro lugar os word clock
escravos, e depois o do master. Antes de iniciar uma seção de gravação, é uma boa idéia
certificar-se de que os wordclock escravos estão sincronizados com a fonte de wordclock
master. A maioria dos dispositivos possuem indicadores no painel frontal para mostrar se
estão sincronizados com um wordclock master interno ou externo.
A O1V poderá utilizar-se com freqüências de wordclock externo entre 44.1 kHz -10% e 48
kHz +6%. O sinais de wordclock podem ser distribuídos via cabos dedicados ou derivados
de conexões de áudio originais, como mostrado abaixo. Com conexões de áudio AES/EBU
e coaxiais digitais, o sinal de wordclock é transmitido mesmo quando não há sinal de áudio
presente. (Veja figura na página 206 do manual).
Os sistemas a seguir mostra exemplos típicos de três wordclocks setups com a O!V. Para
maiores detalhes veja página 241.
Página 207
Gravando digitalmente em DAT
(Veja figura 1 na página 207 do manual)
Neste sistema, o sinal de saída estéreo da O1V é transferido digitalmente para um gravador
DAT. A O1V funciona como wordclock master e o DAT como escravo. A O1V está
acionada com o wordclock interno. Ambos equipamentos operam com uma faixa de
sampling de 44.1 KHz.
Gravando em um multi pistas
(Veja figura 2 na página 207 do manual)
Neste sistema, o áudio é gravado e mixado por um gravador multi faixas digital. O sinal de
saída estéreo da O1V é transmitido digitalmente para um gravador DAT. A O1V e o DAT
funcionam como wordclock escravo e o gravador multi faixas digital como master. A O1V
está acionada com o wordclock interno. Ambos equipamentos operam com uma faixa de
sampling iguais aos quais fita foi gravada ou formatada.
Página 208
Gravando em um multi pistas com fonte de sinal digital DAT
(Veja figura 1 na página 208 do manual)
Neste sistema, o áudio é gravado e mixado por um gravador multi faixas digital. O sinal de
saída do DAT é transferido digitalmente para a O1V e gravado em um multi pistas digital.
A O1V e o gravador multi pistas digital funcionam como wordclock escravo e o DAT como
master. Ambos equipamentos operam com uma faixa de sampling de 44.1 KHz, faixa
originalmente utilizada nas gravações de CD.
Página 209
Programando o wordclock
A O1V pode gerar o wordclock interno numa faixa de 44.1 KHz ou sincronizada a um
externo dentro de uma faixa de 44.1 KHz -10% e 48 KHz +6%.
1 - Utilize o botão ( SETUP ) para localizar a página SETUP 1 mostrada na figura da
página 209 do manual.
Nota: Quando a fonte de wordclock é mudada é possível que se produza um ruído. Por
tanto, antes de selecionar uma fonte de wordclock , ajuste os reguladores de nível de saída
estéreo, de transmissão auxiliar, e da saída de bus ao mínimo e reduza o volume de seu
amplificador monitor.
2 - Utilize os botões do cursor para selecionar as opções SOURCE e depois ( ENTER )
para ajustá-las.
AUTO NAVIGATE - Esta função comprovará todas as fontes de wordclock possíveis e
depois visualizará um quadro de diálogo para recomendar a fonte adequada. Por tanto, leve
em conta que esta função não é perfeita e em certas ocasiões pode ser incapaz de
recomendar a fonte adequada. O quadro de diálogos aparecerá quando selecionar esta
função.
Estas opções lhe permitirão selecionar a fonte de wordclock manualmente:
INT 44,1K - wordclock interno de 44,1 kHz.
ST IN DIGITAL - wordclock externo através de DIGITAL STEREO IN. O interruptor
com uma única linha diagonal indica que o sinal de wordclock está
presente mas a O1V não está sincronizada a ele.
OPTION SLOT - Significa que não há sinal de wordclock presente nesta entrada.
Página 210
ST IN DIGITAL - Indica que o sinal não está sendo recebido pela fonte selecionada, e que
a janela FS provavelmente mostra UNLOCK. Esta situação é típica
quando a fonte externa está desligada ou o cabo está desconectado
Página 211
Saída Estéreo Digital
A O1V se caracteriza pelas saídas estéreo digitais de tipo COAXIAL. Dá-se saída ao mesmo
sinal de audio digital, mas com formatos diferentes. O conector de tipo XLR-3-32 da saída
de audio digital de formato AES/EBU, enquanto que o conector COAXIAL da saída de
audio digital de formato seja ajustado pelo usuário.
Do sinal de saída estéreo, os sinais de bus estéreo poderão ser selecionados como fonte para
estas saídas.
( Vide figura na página 211 do manual ).
Página 212
SAÍDA DITHER
Quando se transfere um sinal de audio digital de grande definição a um sistema de
definição inferior, alguns dos bits menos significativos (LSB) se ignoram em sistema de
recepção. Isto pode ser realizado com sinais de baixo nível que surgem granuladas e
escalonadas, de forma parecida à interrupção produzida pro um processador de reverber
digital de baixa definição a medida que o sinal desaparece. A conversão de um sinal de
audio digital deverá ser cortado para adaptá-la ao suporte do sistema receptor. A técnica de
DITHER é utilizado para otimizar este processo. A saída de um gerador de sequência de
número pseudoaleatório especial se compara com o bit mais baixo da conversão de dados e
os bits inferiores a ela se baseiam pelo processo ou por defeito antes da conversão D/A,
otimizando desta forma os sinais das saídas digitais da O1V
para ser utilizada com
sistemas de definição inferiores. O DITHER poderá ser ajustado independentemente para
DIGITAL STEREO OUT em para saída OPTION I/O. Se por exemplo, pode um
gravador digital de 20 bits SER conectadO a DIGITAL STEREO OUT para ser utilizado
como gravador master, ajuste a conversão a 20 e ative o DITHER para ST OUT DIGITAL.
1 - Utilize o botão ( SETUP ) paar localizar a página SETUP 5 mostrada na figura da
página 212 do manual.
2 - Utilize os botões do cursor para selecionar os interruptores WORD / LENGHT e
depois utilize o botão ( ENTER ) para ajustá-los.
Página 213
Entrada Estéreo Digital
Os sinais introduzidos aqui poderão ser aplicados aos canais de entrada
diretamente ao bus estéreo para a operação em cascata estéreo.
estéreo ou
1 - Utilize o botão ( PAN/ROUTING ) para localizar a página PAN/ROUT 4 mostrada
na figura da página 213 do manual.
2 - Utilize os botões do cursor para selecionar aschaves ON / OFF e ( ENTER ) para
ajustá-las.
FLIP - Este interruptor transfere o sinal de entrada estéreo dos canais de entrada 13 e 14 e
o sinal de entrada estéreo analógica ao bus estéreo.
ON/OFF - Este interruptor ativa e desativa a alimentação em cascata estéreo. A fonte de
sinal de escada estéreo se determina mediante as opções FLIP.
Nota : Quando utilizar a conexão AES/EBU ou DIGITAL STEREO IN coaxial, para evitar
ruido, o dispositivo transmissor e a O1V deverão estar sincronizadas com o word clock.
Página 214
Conexão em cascata de duas O1Vs
O jogo para conexão em cascata CD8-CS permite que duas O1V trabalhem juntas como um
console de mixer de 48 entradas, com ambas O1Vs compartilhando um mesmo sistema de
buses comuns. Quando tiver conectado dois consoles em cascata, um atuará como master e
o outro como escravo. O interruptor IN/OUT da interface CD8-CS instalada no console
escravo se ajustará a OUT.
Controle de MIDI local
Usando-se esta função, a O1V pode ser controlada pele 2A O1V. Quando esta função é
desligada, todos os controles da O!V retornam as suas funções normais. Veja página 234
para maiores informações.
LINK PORT
Para perações de SOLO simultânea, as páginas de display e a seleção do modo fader podem
ser ligadas juntas para TO HOST ou MIDI.
Cascateando saídas auxiliares
Envie AUX 1 da O1V-A para MONI OUT e conecte entrada 13 da O1V-B. Saídas
auxiliares podem ser cascateadas da mesma maneira utilizando-se as entradas 14, 15 e 16 da
O1V-B.
Página 215
DELAY em cascata
A O1V-A levará alguns micro segundos para processar os dados de áudio digitais, portanto
você poderá atrasar um pouco os sinais para casar os sinais.
Casacata para 2 ou mais O1Vs.
Neste exemplo, o delay do canal deve ser colocado em 14 samples na O1V-C e 28 samples
na O1V-B.
(Veja figura 2 na página 215 do manual)
Página 216
SOBRE INTERFACES OPTION I/O
O sistema de interface de audio digital OPTION I/O proporcionam oito entradas (17 a 24) e
saídas para diversos formatos e protocolos de audio digital. Estes cartões permitem a
conexão a outros equipamentos de audio digitais, incluindo gravadores multipistas digitais.
As interfaces YGDAI não são compatíveis com as utilizadas na O3D e O2R.
Interface MY8-AT ADAT - A interrface MY8-AT ADAT é utilizada para conectar uma
gravadora multipista digital compatível com a interface ótica multicanal ADAT, como
Alesis ADAT , Alesis ADATxt, ou Fostex D 90 ou gravador em HARD DISK.
Interface MY8-TDII Tascam - A interface MY8-TDII é utilizada para conectar uma
interface de audio digital Tascam de 8 pistas (TDIF-1) compatível com uma gravadora
multipista digital, como a Tascam DA-88 ou DA-38.
Interface MY8-AE-S AES/EBU - A interface MY8-AE-S é utilizada para conectar
equipamentos de audio digitais com entrada/saída digital AES/EBU. A conexão é realizada
através de um conector D-sub de 25 contatos.
Interface de saída análoga MY4-DA
Esta interface proporciona saída análogo XLR, totalizando 8 saídas análogas.
Página 217
Especificações das interfaces
Interface
MY8-AT
MY8-TDII
MY8-AE-S
(1)
MY4-DA
Descrição
ADAT digital I/O
Tascam TDIF-1 Digital
I/O
AES/EBU Digital I/O
Saída análoga
Conectores
Otico x 2
D-sub de 25 contatos x
1
D-sub de 25 contatos x
1
XLR 3 -32 x 4
1. Não se inclue cabo.
As oito saídas digitais são alimentados pelos canais de entrada de 17 a 24. Permite que se
usem os EQ de 4 bandas, processadores dinâmicos e todas as outras funções disponíveis
nos canais de 1 a 8.
Página 219
Instalações de Interface
ATENÇÃO : Antes de instalar a Interface, desconecte a alimentação da O1V. Se não o
fizer poderá sofrer uma descarga elétrica e danificar a O1V ou a Interface.
1 - Desconecte a alimentação da O1V.
2 - Solte os quatros parafusos de fixação e extraia a tampa do encaixe, como é
apresentado na figura da página 218 do manual.
Guarde a tampa em um lugar seguro para utilizá-la no futuro.
3 - Insira a Interface no encaixe como é apresentado na figura da página 218 do
manual. Empurre-a até o fundo de forma que o conector da mesma seja inserido
corretamente no conector interno da O1V.
4 - Fixe a Interface utilizando os quatro parafusos de fixação.
5 - Conecte a alimentação da O1V.
A O1V comprovará qual o tipo de Interface está instalada quando conectar a alimentação.Se
a instalação tiver resultado satisfatório, e a Interface funciona corretamente, o tipo de
Interface aparecerá na página OPTION 1.
Página 219
Transferência de Sinais das Saídas OPTION I/O
Na tabela seguinte é apresentado quais fontes de sinais poderão ser transferidos aos 4 BUS
de saídas, AUX OUT de 1 a 4, canais direito e esquerdo da saída estéreo e saída direta do
pos fader dos canais de entrada de 1 a 16.
1 - Utilize o botão (OPTION) para localizar a página OPTION 4 mostrada na figura
da página 219 do manual.
2 - Utilize os botões do cursor para selecionar os interruptores e o botão (ENTER ) ou
a roda de parâmetros ou +1/INC -1/DEC para ajustá-los.
Página 220
DIAGRAMA DE BLOCOS DE OPTION I/O
(Veja diagrama de blocos na página 220 do manual)
Página 221
17 - MIDI
Página 222
MIDI & O1V
A O1V trabalha com as funções MIDI seguintes:
Mensagens Program Change para chamar cenas de mixer.
Mensagens Control Change para controle de tempo real de parâmetros de mixer.
Colocação de mensagens System Exclusive .
Bulk Dump para cópia de proteção e transferência de dados entre a O1V.
MMC (MIDI MACHINE CONTROL ) para controle remoto.
MIDI LINK para operação simultânea
MIDI controle local para operação remota da O1V
MIDI NOTE ON para efeitos de playback e NOTE ON para DYNA FILTER, DYNA
FLANGE e DYNA PHASER
Conectores MIDI
Além dos conectores MIDI IN, OUT e THRU se caracteriza por um conector TO HOST.
Este conector permite conectar a O1V diretamente a um PC sem interface MIDI.
Conectando outro equipamento MIDI aos conectores MIDI estándar da O1V, esta poderá
ser utilizada também como interface MIDI para outro equipamento.
A conexão TO HOST poderá ser utilizada em um dos modos : STANDARD I/F ou
MULTIPORT. TO HOST poderá ser utilizada como interface MIDI de PC em qualquer um
dos modos.
Página 223
Usando o conector TO HOST
Neste sistema a O1V é conectada a um PC sem a necessidade de interface MIDI. Veja
página 224 para maiores informações.
(Veja figura 1 na página 223 do manual)
Usando os conectores MIDI
Neste sistema, a O1V, teclado MIDI, sequencer ou sampler podem ser conectados em um
computador via MIDI. Alternativamente, a interface MIDI pode ser usada com 2 ou + MIDI
IN.
(Veja figura 2 na página 223 do manual)
Página 224
Usando o conector LINK
Neste sistema, 2 O1Vs são conectadas jntas para operação simultânea. Veja página 214 para
maiores informações. (Figura 1 na página 224 do manual)
Indicadores de recebimento MIDI
MIDI - Aparece quando dados MIDI são recebidos
HOST - Quando dados são recebidos via TO HOST
SETUP MIDI
Os parâmetros MIDI como transmissão de canais (Tx) ou recebimento de canais (Rx),
OMNI e eco são programadas na página MIDI 1.
1. Use o botão MIDI para localizar a página MIDI 1, como mostrado abaixo
2. Use os botões de cursor para selecionar os parâmetros, o botão ENTER ou a roda de
parâmetros ou +1/INC -1/DEC para programá-los.
PORT / LINK PORT - Estes parâmetros são utilizados para operação de sinultânea em
cascata.
Página 225
Programa
MIDI
PC1
PC2
MAC
Plataforma de
computador
Original MIDI
Série NEC PC 9800
Compatível
IBM
PC
Macintosh (1 MHz)
Entrada
MIDI IN, OUT THRU
TO HOST
TO HOST
Velocidade de
transmissão
31.25 kbps
31.25 kbps
38.4 kbps
TO HOST
31.25 kbps
Tx CH - Este parâmetro determina qual canal MIDI será usado para transmitir as
mensagens e pode ser programado de 1 a 16.
Rx CH - Este parâmetro determina qual canal MIDI será usado para receber as mensagens e
pode ser programado de 1 a 16.
PROGRAM CHANGE - As mensagens Program Change se utilizam para chamar as cenas
de mixer . Os quatro interruptores deste grupo são os seguintes: Tx determina se a qual O1V
receberá as mensagens Program Change. OMNI determina se a O1V receberá ou não
mensagens Program Change em todos os 16 canais MIDI. Quando tiver ativado OMNI, as
mensagens. ECHO determina se as mensagens Program Change sairão ou não através de
MIDI OUT.
CONTROL CHANGE - As mensagens Control Chnage são utilizadas para controlar os
parâmetros da O1V em tempo real. Tx determina se A O1V transmitirá ou não mensagens
Control Change. Rx determina se a O1V receberá ou não mensagens Control Change.
OMNI determina se a O1V receberá ou não mensagens Control Change em todos os 16
canais MIDI. ECHO determina se as mensagens Control Change recebidos no canal MIDI
( RxCH ) sairão ou não através de MIDI OUT.
PARAMETER CHANGE - As mensagens Parameter Change System Exclusive se
utilizam para controlar os parâmetros da O3D em tempo real. Os três interruptores deste
grupo são os seguintes: Tx determina se a O3D transmitirá ou não mensagens Parameter
Change System Exclusive. Rx determina se a O3D receberá ou não mensagens Parameter
Change Exclusive. ECHO determina se as mensagens Parameter Change System Exclusive
recebidos no canal MIDI (Rx CH) sairão ou não através de MIDI OUT.
Página 226
BULK - Este interruptor determina se a O1V receberá ou não mensagens MIDI Bulk
Request e os dados MIDI Bulk Dump. Veja página 232 para maiores informações.
Página 227
Chamando as cenas de Program Change
Quando uma mensagem MIDI de program Change é recebida, uma cena de mixer é
chamada de acordo com a memória de cena de Program Change designada pela tabela.
Contudo, quando uma memória de cena é chamada, a O1V transmite as mensagens de
Program Change que podem ser usadas para chamar uma cena de mixer de outra O1V ou
gravada num sequenciador MIDI para chamada de cena automática.. Inicialmente memórias
de cena de 1 a 99 são designadas para para Program Changes de 1 a 99 como listado na
página 273, contudo, estes parâmetros podem ser editados na página MIDI 2.
1. Use o botão MIDI para localizar a página MIDI 2, como mostrado na página 227 do
manual.
2. Use os botões de cursor para selecionar a coluna de NO. TITLE, então use a roda de
parâmetros ou +1/INC -1/DEC para selecionar um Program Change.
3. Use os botões da direita do cursor para selecionar a coluna de NO. TITLE, então use
a roda de parâmetros ou +1/INC -1/DEC para selecionar memória de cena.
Para voltar as programações aos programas iniciais, use os botões de cursor para selecionar
a chave INITIAL, então pressione o botão ENTER. A caixa de diálogo mostrada aqui
aparecerá. Clique OK para inicializar. (Veja figura 2 na página 227 do manual).
A atual memória de cena de Program Change pode ser armazenada em um equipamento
MIDI externo, veja página 232 para maiores informações.
Se uma memória de cena é usada para 2 ou mais Program Change, o programa mais baixo é
transmitido quando a memória de cena é chamada.
Página 228
Usando Program Changes
No seguinte exemplo, memória de cena número 10 é chamada na O1V - A e e o Program
Change MIDI #10 é transmitido, por consequência, a memória de cena #10 também é
chamada na O1V - B. O Program Change # 10 pode ser usado para chamar diferentes
memórias de cena nas O1V A ou B, e podem ser transmitidos diferentes Program Change
quando a memória de cena #10 é chamada.
(Veja figura 1 na página 228 do manual)
No seguinte exemplo, programa ou patch # 5 é selecionado no teclado MIDI e o Program
Change é transmitido, consequentemente a memória de cena #5 é chamada na O1V.
Editando o Program Change para a memória de cena designada, o Program Change #5 pode
ser usado para chamar diferentes memórias de cena na O1V.
(Veja figura 2 na página 228 do manual)
No seguinte exemplo, Program Change # 26 foi inserido na canção por um sequenciador
MIDI. Quando a canção é reproduzida, o Program Change MIDI #26 é transmitido ao local
especificado e a memória de cena #26 é chamada automaticamente na O1V. Contudo as
sáidas de Program Change da O1V quando as memórias de cena são chamadas, são
gravadas em tempo real em um sequenciador MIDI.
(Veja figura 3 na página 228 do manual)
Página 229
Controles de parâmetros de Control Change
Quando uma mensagem MIDI é recebida, os parâmetros de mixer são ajustados de acordo
com os parâmetros de control Change designados. Contudo quando um parâmetros de mixer
é ajustado, a O!V transmite as mensagens de Control Change que podem ser usadas para
controlar outra O1V ou gravado num sequenciador MIDI para controle automático de
parâmetros. Até 114 parâmetros de mixer podem ser designados para Control Change 0 a 95
e 102 a 119. Os parâmetros iniciais da O1V são listados na página 274 do manual e podem
ser editados na página MIDI 3. A O1V recebe e transmite mensagens de Program Change ,
as chaves Rx e Tx na página MIDI 1 devem estar acionadas.
1. Use o botão MIDI para localizar a página MIDI 3, como mostrado na página 229 do
manual.
2. Use os botões de cursor para selecionar a coluna de CTL CHG., então use a roda de
parâmetros ou +1/INC -1/DEC para selecionar um Control Change.
3. Use os botões da direita do cursor para selecionar a coluna de PARAMETER, então
use a roda de parâmetros ou +1/INC -1/DEC para selecionar os parâmetros.
Para voltar as designações aos parâmetros originais, selecione a chave INITIALIZE então
pressione o botão ENTER. A caixa de diálogos aparecerá como ao lado. Selecione
DEFAULT para inicializar.
As chaves de P01 e O3D são usadas para configurar a O1V para trabalhar com os mixer
programáveis O3D E PROMIX 01.
O parâmetro atual de Control Change pode ser armazenado em um equipamento MIDI
externo, como o MDF-3 usando-se o MIDI BULK DUMP, veja página 232 para maiores
informações.
Página 230
Quando uma mensagem de Control Change é recebida enquanto a página 3 MIDI é
mostrada, o Control Change é selecionado automaticamente, tornando fácil a determinação
de qual Control Change é transmitido, quando por exemplo, está se usando um controlador
MIDI externo.
Usando Control Change
No seguinte exemplo, o MASTER fader da O1V - A e o Control Change #27 é transmitido,
por consequência, o MASTER fader da O1V - B também é operado. O Program Change #
27 pode ser usado para chamar diferentes memórias de cena nas O1V A ou B, e podem ser
transmitidos diferentes Program Change quando MASTER fader é operado.
(Veja figura 1 na página 230 do manual)
No seguinte exemplo, o MIDI controlador de um teclado MIDI é transmitido, ao Control
Change #85. Editando os parâmetros designados do Control Change, o controlador MIDI
pode ser usado para controlar vários parâmetros da O1V.
(Veja figura 2 na página 230 do manual)
Página 231
No seguinte exemplo, o fader do canal de entrada # 5, são gravadas em tempo real em um
sequenciador MIDI usando-se Control Change #5. Durante a reprodução, a sequência de
Control Change #5 é transmitida de volta a O1V e o fader # 5 move-se de acordo. Esta
técnica também pode ser usada para botões ON, PAN e efeitos, proporcionando um mixer
automatizado.
(Veja figura 1 na página 231 do manual)
Controle de Parâmetros de System Exclusive
Os parâmetros poderão ser controlados em tempo real transmitindo e recebendo mensagens
System Exclusive. Quando um parâmetro de mixer é ajustado, a O1V transmite o sistema
exclusivo de mensagens . Quando programas são chamados por EQ, dinâmicos ou livraria
de efeitos os parâmetros de Change Library também são transmitidos.
Página 232
Bulk Dump
Da página Bulk Dump, a O1V pode trocar dados entre dispositivos MIDI, tais como um
arquivo de dados MIDI, um computador de controle, ou outra O1V. Isto poderá ser utilizado
para realizar uma cópia de proteção de dados da O1V, ou para transferir dados entre
unidades O1V.
1 - Utilize o botão ( MIDI ) para localizar a página MIDI mostrada na figura da página
232 do manual
2 - Utilize os botões do cursor para selecionar um interruptor CATEGORY, e depois
pressione o botão ( ENTER ).
3 - Para as categorias de SCENE MEM, LIBRARY e REMOTE, utilize os botões do
cursor ou a roda de parâmetros para selecionar TYPE, FROM e TO.
Tipo de Dados Margem
ALL
--------------SETUP MEM.
-------PGM. TABLE
Descrição
Todos os dados a seguir
Diversos ajustes
Ajustes da página PGM Asgn.
(tabela de transferência de
memórias de cena a Program
Change)
-------Ajustes da página MIDI 3.
CLT. TABLE
(tabela de transferência de
parâmetros a Program Change)
SCENE MEM. 1-50, EDIT Dados de memória de cena
BUFFER,
ALL
de
usuário
da
EQ LIBRARY 41-80, ALL Programa
biblioteca de equalização
41-80, ALL Programa
de
usuário
de
DYN.
biblioteca dinâmica
LIBRARY
65-96, ALL Programa de usuário de bilioteca
EFF.
de efeitos
LIBRARY
1-4
Dados de controle remoto de
MDI
MIDI
REMOTE
4 - Utilize os botões para selecionar o interruptor REQUEST ou TRANSMIT e depois
pressione o botão ( ENTER ).
Quando tiver selecionado REQUEST, a O1V transmitirá uma mensagem MIDI Bulk Dump
Request. O dispositivo de recepção transmitirá depois os dados Bulk Dump solicitados a
O1V. Quando tiver selecionado TRANSMIT, a O1V transmitirá os dados especificados.
Página 233
TRANSMIT INTERVAL - Este parâmetro especifica o intervalo entre os blocos de dados
durante a transmissão Bulk Dump. Os dispositivos MIDI com uma memória intermediária
de dados relativamente pequena poderão sobrecarregar-se facilmente com os dados MIDI. O
ajuste de um intervalo de por exemplo, 300ms permitirá que um dispositivo mais lento
processe corretamente os dados MIDI recebidos. O ajuste de um intevalo 0 poderá ser
utilizado para trtanferir dados Bulk Dump entre as unidades O1V.
Usando MIDI BULK DUMP
No seguinte exemplo, as memórias de cena e os programas de efeitos da O1V - A são
transmitidos a O1V - B usando-se o MIDI BULK DUMP. Veja página 224 para maiores
informações.
(Veja figura 1 na página 233 do manual)
No seguinte exemplo, o os dados da O1V são trasmitidos para um MIDI DATA FILER. Os
dados podem também serem armazenados em um computador com um software com
características compatíveis com BULK DUMP.
(Veja figura 2 na página 233 do manual)
Página 234
Controle LOCAL
A função de controle LOCAL MIDI pode ser usada para controlar a distância outra O1V.
Quando este controle está desligado, os controles de parâmetros internos permanecem os
mesmos. Veja página 214 para maiores informações.
1. Use o botão MIDI para localizar a página MIDI 5, como mostrado na página 234 do
manual.
2. Use os botões de cursor para selecionar a chave LOCAL CONTROL então
pressione o botão ENTER
Quando o controle local é desligado, a área de função do display aparece piscando, como
mostrado aqui, servindo para lembrar que o controle LOCAL está desligado.
As funções REQUEST e TRANSMITI são usadas para acertar local e remoto quando a
primeira O1V é conectada. O controle LOCAL não pode ser desligado enquanto um cross fader está em progresso.
Página 235
No exemplo seguinte a O1V está funcionando em cascata como um mixer de 48 canais.
Veja página 224 para maiores informações
(Veja figura 1 na página 235)
Página 236
MIDI MACHINE CONTROL
Usando os comandos MMC, um gravador compatível pode ser controlado pela O1V. Os
botões ON de 1 a 6 são usados para controlar as funções de transportes, enquanto os botões
SEL de 1 a 6 são usados para localizar pontos definidos.
1. Use o botão REMOTE para localizar a página REMOTE 2, como mostrado abaixo
2. Use os botões de cursor para selecionar DEVICE e a roda de parâmetros ou +1/INC
-1/DEC para selecionar o número
3. Use os botões de 1 a 6 para transmitir os seguintes comandos para o gravador:
BOTÕES
ON
1
2
3
4
5
6
FUNÇÕES
REWIND
FAST
FORWARD
STOP
PLAY
PAUSE
RECORD
MMC
Valores
comando
05
04
de
01
02
09
06
4. Use os botões de cursor e a roda de parâmetros para selecionar o local em horas,
minutos, segundos ou frames.
5. Use os botões SEL de 1 a 6 para transmitir os comandos ao gravador.
Página 237
Veja os seguntes exemplos de MMC compatíveis com gravação em HARD DISK e
gravador multi pistas digitais.
(Veja figuras 1 e 2 na página 237 do manual)
Página 238
Controladores MIDI definidos pelo usuário
Os botões SOLO, ON, faders dos canais de 1 a 16 e MASTER podem ser usados como
controladores MIDI para controlar outros equipamentos.Quatro programas podem ser
armazenados de 1 a 4.
1. Use o botão REMOTE pra localizar a página
REMOTE 3, como mostrado
abaixo
2. Use os botões SEL para selecionar os canais de 1 a 16 ou MASTER, e os botões de
cursor e o botão ENTER para selecionar SOLO, ON, ou FADER.
3. Use os botões de cursor para selecionar os dados de parâmetros e a roda de
parâmetros ou +1/INC -1/DEC para programá-los.
4. Use os botões de cursor para selecionar as chaves BANK, então pressione o botão
ENTER para ativá-los.
Página 239
Para voltar a programação de BANK de volta ao original, selecione a chave INITIALIZE e
pressione o botão ENTER para confirmação.
Ligando 2 O1Vs
As conexões TO HOST podem ligar 2 ou mais O1Vs para trabalharem simultaneamente.
(Veja figura 1 na página 239 do manual)
Página 240
Ligando 2 O1V usando as saídas MIDI
Se as saídas TO HOST estão ligadas a um computador para propósitos MIDI, a operação
simultanea de 2 O1Vs pode ser feita através das conexões MIDI.
(Veja figura 1 na página 240 do manual)
Ligando 2 ou mais O1Vs em cascata
(Veja exemplo na página 240 do manual)
18 - Exemplos de Sistemas
Página 242
O1V e interface para ADAT
Componentes do sistema:
O1V
Interface opcional MY8-AT
Gravador digital de oito faixas ou gravador em HD
Dois cabos óticos
(Veja exemplos de sistemas na página 243)
Duas O1V e dois ADATs
Componentes do sistema:
Duas O1Vs
Duas Interfaces opcionais MY8-AT
Dois gravadores digitais de oito faixas ou gravador em HD
Quatro cabos óticos para ADAT
Cabo ADAT SYNC
(Veja exemplos de sistema na página 245 do manual)
Página 246
O1V e Interface para TASCAM
Componentes do sistema:
O1V
Interface opcional MY8-TD
Gravador digital de oito faixas ou gravador em HD
Cabo de áudio digital TASCAM PW-88
(Veja exemplos de sistema na página 247 do manual)
Página 248
Duas O1V e dois TASCAM
Componentes do sistema:
Duas O1Vs
Duas Interfaces opcionais MY8-TD
Dois gravadores digitais de oito faixas ou gravador em HD
Dois cabos digitais PW-88D
Cabo PW-88S SYNC
(Veja exemplos de sistema na página 249 do manual)
Página 250
O1V e PRO TOOLS (AES/EBU)
Componentes do sistema:
O1V
Interface opcional MY8-AE
Sistema PRO TOOLS DIGIDESIGN 888 I/O Interface
Caixa divisora XLR para 25 pinos (25 pin D-SUB para XLR)
Cabos 25-pin D-SUB e 50 pin PRO TOOLS
(Veja exemplos de sistema na página 251 do manual)
Página 253
SOLUÇÃO DE PROBLEMAS
1. Não é possível conectar a alimentação da O1V: Certifique-se de que o cabo de
alimentação está conectado a uma corrente de CA adequado.
Certifique-se de que o interruptor POWER da O1V está na posição ON.
2. O nível de sinal do canal de entrada é muito baixo: Certifique-se de que o controle
GAIN e o interuptor PAD estão corretamente ajustados.
3. Os reguladores de nível não ajustam o nível como se espera: Certifique-se de que foi
selecionado o modo FADER e o de mixer correto e de que a função de controle remoto de
MIDI está desativada.
4. Os botões [ON] e [SEL] selecionam canais errados : Certifique-se de que foi
selecionado o status de mixer correto.
5. Há sinais de entrada, mas os medidores não mostram nada : Certifique-se de que o
modo de medição está ajustado a GAIN REDUCTION que visualiza a quantidade de
redução de Gain realizada pelos processadores dinâmicos.
6. Há sinais de entrada, mas saída estéreo está morta : Aumente o regulador de nível ST
OUT e certifique-se de que o botão ST OUT [ON] está em ON. Certifique-se de que os
canais estão enviados a saída estéreo.
7. Há sinais de entrada mas saída de monitor está morta: Certifique-se de que o
interruptor MONITOR OUT SOLO / 2TR está ajustado a SOLO.
Certifique-se de que o controle MONITOR OUT está girado para cima, de que o controle
MONI TRIM da página Moni. Setup está girado para cima, e de que foi selecionado a
fonte de monitoração.
8. Se foi selecionado o modo de solo, mas não se aparece nada: Certifique-se de que o
interruptor MONITOR OUT SOLO /2TR está ajustado a SOLO.
Certifique-se de que o controle MONITOR OUT está girado para cima, de que o controle
SOLO TRIM da página SOLO Setup está girado para cima.
9. No modo de solo de mixer, alguns canais não aparecem em absoluto: Estes são canais
ajustados como canais salvo de solo.
10. Não é possível olhar os sinais dos canais de entrada 1 e 2:Há um processador externo
com alimentação desconectada conectada a tomada Insert.
11. Os canais parecem sair da gama dinâmicas, especialmente quando se aplica reforço
de equalização: Utilize a função Atenuador da página EQ para reduzir o nível
12. Há um sinal de AES/EBU conectado a DIGITAL STEREO IN, mas não aparece :
Certifique-se de que DIGITAL STEREO IN está ajustado a AES/EBU, de que o sinal
DIGITAL STEROE IN está enviada ao canal ST IN ou STEREO CASCADE e de que
CASCADE está em ON. Todos estes ajustes se realizam na página D.in Setup.
13. A gravações realizadas através de DIGITAL ST OUT soam ruins: Certifique-se de
que a função de ruido aleatório está ajustado de acordo com a conversão do dispositivo de
gravação.
14. Os sinais conectados através de DIGITAL ST IN soam como ruidos : Certifique-se
de que o dispositivo que está emitindo estes sinais está sincronizado com o word clock
master.
15. Há um par estéreo configurado. Mas o sinal aparece em forma monoaural
:Certifique-se de que o canal ímpar está panoramizado a sua esquerda e o canal direito
panoramizado a sua direita.
16. Há um par estéreo configurado, mas o sinal soa defasado : Certifique-se de que
ambos os canais de entrada do par estéreo está ajustada a mesma. Os ajustes de fase não se
enlaçam quando se configuram canais com um par estéreo.
17. Os sinais aparecem retardados : Certifique-se de que a função Channel Delay está
correstamente ajustada.
18. Se forem somados reguladores de nível a um grupo de reguladores de nível. Mas o
grupo não trabalha : Certifique-se de que o grupo de reguladores de canais está habilitado.
19. Se for somado canais a um grupo de silenciamento, mas o silenciamento de grupo
não trabalha : Certifique-se de que o grupo de silenciamento está habilitado.
20. Não é possível chamar os programas de efeitos a Effect 1 : Estes efeitos utilizam
efeitos de tipo HQ.PITCH e FREEZE e somente poderão ser chamados a Effect 2.
21. Não é possível chamar um programa de canais : Contém o programa dados que
corresponde ao canal selecionado?
22. Não é possível armazenar um mixer: A memória de cena selecionada está protegida ?
23. A seleção de uma cena de mixer não atualiza alguns canais : Estes são canais
ajustados como canais a salvo?
24. Não é possível chamar cenas de mixer utilizando mensagens MIDI Program
Change: Certifique-se de que a O3D está configurada para receber mensagens. Program
Change e de que os canais MIDI coincidam.
Comprove a tabela de transferência de cena de mixer a Program Change.
27. Não é possível controlar parâmetros de mixer utilizando mensagens MIDI Control
Change: Certifique-se de que a O3D está configurada para receber mensagens Control
Change e de que os canais MIDI coincidem.
28. O movimento dos reguladores de nível não é consistente : Calibre os reguladores de
nível.
DIAGRAMA DE NÍVEL DA O1V
(VIDE FIGURA NA PÁGINA 257 DO MANUAL).
MENSAGENS DO VISOR
BULK: BYTE COUNT MISMATCH! - O comutador de bytes dos dados Bulk Dump
não é correto.
BULK: CHECK SUM ERROR! - A soma de comprovação dos dados Bulk Dump não são
corretos.
BULK: MEMORY PROTECTED! - Os dados Bulk Dump não podem ser armazenados
porque o destino está protegido contra escritura.
DIGITAL ST IN SYNC ERROR! - O sinal de audio digital conectado através do conector
DIGITAL ST IN não está sincronizado com oword clock master. Este pode causar ruído.
Certifique-se de que o dispositivo conectado a DIGITAL ST IN está sincronizado com o
word clocl master, e converta a fonte do word clock DIGITAL ST IN. Esta mensagem
poderá inabilitar-se ajustando a preferência DIGITAL ST IN SYNC CAUTION da página
Prefer. Da função UTILITY a OFF.
FOR EFFECT 2 ONLY. - O programa de efeitos selecionado somente poderáselecionar-se
em Effect 2.
MIDI IN: DATA FRAMING ERROR! - Foi introduzido um sinal incorreto através de
MIDI IN.
MIDI IN: DATA OVERRUN! - Foi introduzido um sinal incorreto através de MIDI IN.
MIDI : Rx BUFFER FULL! - A O1V provavelmente está recebendo dados MIDI demais.
MIDI: Tx BUFFER FULL! - A O1V provavelmente está transmitindo dados MIDI
demais.
NO DATA TO RECALL - Não é possível chamar porque não se tem dados armazenados.
TO HOST: FRAME ERROR! - é possível que tenha sido introduzido um sinal incorreto
através do conector TO HOST.
TO HOST: DATA OVERRUN! - È possível que tenha sido introduzido um sinal incorreto
através do conector TO HOST.
TO HOST: RX BUFFER FULL! - A O1V está recebendo provavelmente dados MIDI
demais através do conector TO HOST.
TO HOST: TX BUFFER FULL! - A O1V está transmitindo provavelmente dados MIDI
demais através do conector TO HOST.
WRONG WORD CLOCK! - O word clock recebido não é correto e a O1V não pode
sincronizar corretamente. Selecione o word clock apropriado revisando as conexões do
sistema, ou utilize a função AUTO NAVIGATE da página D.in Setup página 1.
FIM
Download PDF