Fagor CNC 8055 Manual do usuário

Adicionar a Meus manuais
112 Páginas

Propaganda

Fagor CNC 8055 Manual do usuário | Manualzz
CNC
8055 MC
Manual de auto-aprendizagem
REF. 1010
SOFT: V01.0X
Todos os direitos reservados. Não se pode reproduzir nenhuma parte desta
documentação, transmitir-se, transcrever-se, armazenar-se num sistema de
recuperação de dados ou traduzir-se a nenhum idioma sem o consentimento
expresso de Fagor Automation. Proíbe-se qualquer reprodução ou uso não
autorizado do software, quer seja no conjunto ou em parte.
A informação descrita neste manual pode estar sujeita a variações motivadas
por modificações técnicas. Fagor Automation se reserva o direito de modificar
o conteúdo do manual, não estando obrigado a notificar as variações.
Todas as marcas registradas ou comerciais que aparecem no manual pertencem
aos seus respectivos proprietários. O uso destas marcas por terceiras pessoas
para outras finalidades pode vulnerar os direitos dos proprietários.
É possível que o CNC possa executar mais funções que as captadas na
documentação associada; não obstante, Fagor Automation não garante a
validez das referidas aplicações. Portanto, a menos que haja licença expressa
de Fagor Automation, qualquer aplicação do CNC que não se encontre indicada
na documentação deve-se considerar como "impossível". De qualquer maneira,
Fagor Automation não se responsabiliza por lesões, danos físicos ou materiais
que possa sofrer ou provocar o CNC se este é utilizado de maneira diferente à
explicada na documentação relacionada.
Se há contrastado o conteúdo deste manual e sua validez para o produto
descrito. Ainda assim, é possível que se tenha cometido algum erro involuntário
e é por isso que não se garante uma coincidência absoluta. De qualquer maneira,
se verifica regularmente a informação contida no documento e se procede a
realizar as correções necessárias que ficarão incluídas numa posterior edição.
Agradecemos as suas sugestões de melhoramento.
Os exemplos descritos neste manual estão orientados para uma melhor
aprendizagem. Antes de utilizá-los, em aplicações industriais, devem ser
convenientemente adaptados e também se deve assegurar o cumprimento das
normas de segurança.
Neste produto se está utilizando o seguinte código fonte, sujeito aos termos da licença GPL. As aplicações busybox
V0.60.2; dosfstools V2.9; linux-ftpd V0.17; ppp V2.4.0; utelnet V0.1.1. A livraria grx V2.4.4. O kernel de linux V2.4.4. O
carregador de linux ppcboot V1.1.3. Se você deseja que lhe seja enviada uma cópia em CD deste código fonte, envie 10
euros a Fagor Automation em conceito de custos de preparação e envio.
   Manual de auto-aprendizagem
INDICE
CAPÍTULO 1
QUESTÕES TEÓRICAS SOBRE A MÁQUINA-CNC.
1.1
1.2
1.3
1.4
1.5
1.6
CAPÍTULO 2
QUESTÕES TEÓRICAS SOBRE A FERRAMENTA.
2.1
2.2
2.3
CAPÍTULO 3
Descrição da tela e do teclado. ............................................................................... 25
Descrição do teclado. .......................................................................................... 26
Descrição da tela padrão..................................................................................... 28
Descrição da tela auxiliar..................................................................................... 29
Busca de referência de máquina............................................................................. 30
Eixo-árvore. ............................................................................................................. 31
Gamas de velocidade. ......................................................................................... 32
Deslocamento dos eixos. ........................................................................................ 33
Volantes............................................................................................................... 34
Movimento em jog. .............................................................................................. 35
Deslocamento de um eixo a uma cota. ............................................................... 36
Troca de ferramenta. ............................................................................................... 37
Ponto da troca da ferramenta. ............................................................................. 38
Regulagem da ferramenta. .................................................................................. 39
Como modificar qualquer dado da tabela de ferramentas................................... 42
Verificação da correta calibragem. ...................................................................... 43
OPERAÇÕES OU CICLOS.
4.1
4.2
4.3
4.3.1
4.3.2
4.3.3
CAPÍTULO 5
A troca de ferramenta.............................................................................................. 17
A tabela de ferramentas. ......................................................................................... 18
Calibragem de ferramentas. .................................................................................... 20
APLICAÇÃO MANUAL.
3.1
3.1.1
3.1.2
3.1.3
3.2
3.3
3.3.1
3.4
3.4.1
3.4.2
3.4.3
3.5
3.5.1
3.5.2
3.5.3
3.5.4
CAPÍTULO 4
Eixos da máquina. ..................................................................................................... 7
Zero máquina e zero peça......................................................................................... 9
Busca de referência de máquina............................................................................. 10
Limites do percurso. ................................................................................................ 11
Seleção do zero peça.............................................................................................. 12
Unidades de trabalho. ............................................................................................. 13
Descrição da tela e do teclado. ............................................................................... 47
Modos de trabalho................................................................................................... 49
Operações ou ciclos. ............................................................................................... 50
Editar uma operação ou ciclo. ............................................................................. 51
Simular uma operação ou ciclo. .......................................................................... 54
Executar uma operação ou ciclo. ........................................................................ 60
RESUMO DOS CICLOS DE TRABALHO.
5.1
5.2
5.3
5.4
5.5
5.6
5.7
5.8
5.9
5.10
5.11
5.12
5.13
5.14
5.15
5.16
Operação de fresagem em perfil. ............................................................................ 65
Operação de fresagem plana e ranhura.................................................................. 66
Ciclo de bolsão com perfil. ...................................................................................... 67
Ciclos de relevo retangular e circular. ..................................................................... 68
Ciclos de bolsão retangular e circular. .................................................................... 69
Posicionamento. ...................................................................................................... 71
Operação de mandrilamento. .................................................................................. 72
Operação de escareado. ......................................................................................... 73
Operação de rosqueamento com macho. ............................................................... 74
Operações de furação e puncionamento. ............................................................... 75
Posicionamento múltiplo em vários pontos. ............................................................ 77
Posicionamento múltiplo em linha reta.................................................................... 78
Posicionamento múltiplo em arco............................................................................ 79
Posicionamento múltiplo formando um paralelogramo. .......................................... 80
Posicionamento múltiplo formando uma malha....................................................... 81
Editor de perfis. ....................................................................................................... 82
Opção ·MC·
REF. 1010
3
   Manual de auto-aprendizagem
CAPÍTULO 6
PROGRAMAS PEÇA CONVERSACIONAIS.
6.1
6.2
6.3
6.4
6.5
6.6
6.7
6.8
APÊNDICES
Opção ·MC·
REF. 1010
4
O que é um programa de usinagem conversacional?............................................. 85
Edição de um programa de usinagem..................................................................... 86
Modificar um programa de usinagem. ..................................................................... 89
Simular / executar uma operação............................................................................ 93
Simular / executar um programa peça. ................................................................... 94
Simular / executar um programa de usinagem a partir de uma operação. ............. 95
Copiar um programa de usinagem em outro........................................................... 97
Apagar um programa de usinagem. ........................................................................ 98
EXEMPLO DE PROGRAMAÇÃO.
1
QUESTÕES TEÓRICAS SOBRE A MÁQUINA-CNC.
Como se denominam os eixos da máquina.
Significado do zero peça e do zero máquina.
Significado de "Buscar marca de Referência de máquina".
Que são os limites de curso.
Como se pré-seleciona um zero peça.
Quais são as unidades de trabalho.
Opção ·MC·
QUESTÕES TEÓRICAS SOBRE A MÁQUINA-CNC.
1
1.1 Eixos da máquina.
A orientação dos eixos depende do tipo de máquina, e vem impostos pela "Regra da mão direita".
Eixos rotativos.
Orientação dos eixos.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
7
Opção ·MC·
QUESTÕES TEÓRICAS SOBRE A MÁQUINA-CNC.
1
No manual se segue a seguinte configuração de eixos.
Na máquina se diferenciam dois movimentos; os que
realizam os carros e o que realiza a ferramenta. Para a
programação de movimentos vamos supor que sempre se
move a ferramenta. Portanto os eixos serão.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
8
Opção ·MC·
QUESTÕES TEÓRICAS SOBRE A MÁQUINA-CNC.
1
1.2 Zero máquina e zero peça.
São as referências que precisa a máquina para poder trabalhar.
Zero máquina (OM)
É posto pelo fabricante e é o ponto de origem dos eixos.
OM
OP
Zero peça (OP)
É posto pelo operador. É o ponto de origem da peça, a partir do qual
se programam os movimentos. Se pode colocar em qualquer parte
da peça.
OP
OM
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
9
Opção ·MC·
QUESTÕES TEÓRICAS SOBRE A MÁQUINA-CNC.
1
1.3 Busca de referência de máquina.
Quando o CNC está apagado os eixos se podem deslocar manualmente ou acidentalmente. Nestas condições o CNC perde
a posição real dos eixos, por isso na ligação é recomendável (não necessário) realizar a operação de "Buscar marca de
Referência de máquina". Com esta operação, a ferramenta se move a um ponto definido pelo fabricante e o CNC sincroniza
a sua posição, assumindo as cotas definidas pelo fabricante para esse ponto, referidas no zero máquina.
Referência máquina.
=
Referência de ferramenta.
Referência de máquina.
Referência de ferramenta.
OM
OM
Referência de máquina: É o ponto ao que se desloca a ferramenta em busca de referência de máquina.
NOTA:
Os novos sistemas de captação (Io codificados) permitem saber a posição dos eixos, mediante um curto
deslocamento dos mesmos. Desta forma desaparece o conceito de referência de máquina.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
10
Opção ·MC·
QUESTÕES TEÓRICAS SOBRE A MÁQUINA-CNC.
1
1.4 Limites do percurso.
Este tipo de máquinas têm dois tipos de limites:
• Limites físicos. São impostos pela máquina, para evitar que os carros saiam das guias (ressaltos e topes mecânicos).
• Limites do CNC. São determinados pelo fabricante no CNC, para evitar que os carros alcancem os limites físicos.
Limites físicos.
Limites do CNC.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
11
Opção ·MC·
QUESTÕES TEÓRICAS SOBRE A MÁQUINA-CNC.
1
1.5 Seleção do zero peça.
A seleção do zero peça se realiza nos três eixos.
Quando se usinam várias peças, a distância do zero
máquina (OM) à peça é diferente para cada uma. Seria
necessário realizar um programa para cada peça.
Programando desde um zero peça (OP), é independente
onde esteja amarrada a peça.
OP
A programação se complica se se executa desde o zero
máquina (OM) e só serve para essa peça nessa posição.
Programando desde um zero peça (OP), as dimensões da
peça se podem extrair do plano.
OM
OM
OP
OP
OM
OM
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
12
Opção ·MC·
QUESTÕES TEÓRICAS SOBRE A MÁQUINA-CNC.
1
1.6 Unidades de trabalho.
Unidades de programação.
Velocidade do eixo-árvore.
Avanço dos eixos.
São fixadas pelo fabricante e poderão
ser milímetros ou polegadas.
A velocidade de rotação do eixoárvore se programa em rpm.
O avanço (F) dos eixos se programa
em mm/min (polegadas/min).
Milímetros.
RPM
Polegadas.
F
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
F
13
Opção ·MC·
QUESTÕES TEÓRICAS SOBRE A MÁQUINA-CNC.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
1
14
2
QUESTÕES TEÓRICAS SOBRE A FERRAMENTA.
Como se supervisiona a troca de ferramenta.
O que é a tabela de ferramentas e que tipo de informação é guardada na mesma.
O que é a calibragem da ferramenta.
Defeitos devidos a erros na tabela de ferramentas.
Opção ·MC·
QUESTÕES TEÓRICAS SOBRE A FERRAMENTA.
2
2.1 A troca de ferramenta.
As ferramentas com as quais vai trabalhar o CNC podem estar colocadas num armazém na máquina. Dependendo se a
máquina tem ou não armazém, a troca se realizará de diferente forma:
• Se a máquina não possui armazém de ferramentas, a troca se realiza de forma manual (como numa máquina convencional).
• Se a máquina possui armazém de ferramentas, o CNC se encarrega de realizar a troca de forma automática.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
17
Opção ·MC·
QUESTÕES TEÓRICAS SOBRE A FERRAMENTA.
2
2.2 A tabela de ferramentas.
Nesta tabela se guarda a informação relativa às ferramentas. Quando se realiza a troca da ferramenta, o CNC assume os
dados definidos na tabela para essa ferramenta.
A informação incluída na tabela é:
• ·T· Número de ferramenta.
• ·D· Corretor associado à ferramenta.
No corretor se definem as dimensões da ferramenta.
·L· Comprimento da ferramenta.
·R· Raio da ferramenta.
·J· Desgaste de raio.
·K· Desgaste em comprimento.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
18
Opção ·MC·
QUESTÕES TEÓRICAS SOBRE A FERRAMENTA.
2
• Vida nominal.
Tempo de usinagem ou número de operações que a ferramenta pode efetuar.
• Vida real.
Tempo de usinagem ou número de operações realizadas.
• Família.
Ferramentas das mesmas características.
• Status.
Estes dados os atualiza o CNC. O operador não pode modificá-los.
Tipo de ferramenta.
·N· Ferramenta normal.
·S· Ferramenta especial.
Estado da ferramenta.
·A· Ferramenta disponível.
·E· Ferramenta gasta (vida real > vida nominal).
·R· Ferramenta recusada pelo autômato.
Se se solicita uma ferramenta com desgaste ou recusada, o CNC busca uma ferramenta da mesma família. Se existe, o
CNC selecionará a ferramenta e se não mostrará o erro correspondente.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
19
Opção ·MC·
QUESTÕES TEÓRICAS SOBRE A FERRAMENTA.
2
2.3 Calibragem de ferramentas.
A calibragem de ferramentas é a operação mediante a qual definimos no CNC as dimensões da ferramenta. É muito importante
fazer bem esta operação para que as peças saiam com as dimensões corretas, e para que ao fazer uma troca de ferramenta,
se continue controlando o mesmo ponto.
X
00044.000
Y
-00443.331
Z
00000.000
T2
T1
L1
X
00044.000
Y
-00443.331
Z
00000.000
L2
Dimensões diferentes da ferramenta. Mesmo ponto.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
20
Opção ·MC·
QUESTÕES TEÓRICAS SOBRE A FERRAMENTA.
2
DEFEITOS DEVIDOS À MÁ CALIBRAGEM DO COMPRIMENTO.
Peça a usinar.
·Z1· Comprimento real.
Peça com as dimensões corretas.
·Z2· Comprimento falso.
Peça com as dimensões incorretas.
·Z2· > Comprimento falso.
Usinagem incorreta.
Ferramentas mal calibradas.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
Ferramentas.
Usinagem correta.
Ferramentas bem calibradas.
21
Opção ·MC·
QUESTÕES TEÓRICAS SOBRE A FERRAMENTA.
2
DEFEITOS DEVIDOS À MÁ CALIBRAGEM DO RAIO.
Perfil desejado.
Perfil real.
Excesso de espessura de
material.
Ferramenta.
Raio real.
Raio falso.
Devido à diferença entre ambos os raios, fica um excesso de espessura de
material.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
22
3
APLICAÇÃO MANUAL.
Descrição do teclado e da tela.
Como realizar uma busca de referência de máquina.
Trabalho com o eixo-árvore.
Modos de deslocamento dos eixos (volantes, jog contínuo, jog incremental).
Ferramentas.
Opção ·MC·
APLICAÇÃO MANUAL.
3
3.1 Descrição da tela e do teclado.
Depois da ligação, o CNC mostrará a seguinte tela.
Se não aparece esta tela, pode ser que o CNC esteja no modo ·M·.
Para entrar no modo ·MC· pressionar as seguintes teclas.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
25
Opção ·MC·
APLICAÇÃO MANUAL.
3
3.1.1 Descrição do teclado.
1· Teclas para a definição das operações de usinagem.
2· Teclas para os dispositivos externos.
3· Teclas alfanuméricas e teclas de comando.
4· Painel de comando.
Descrição do painel de comando.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
26
Opção ·MC·
APLICAÇÃO MANUAL.
Teclado jog para o deslocamento
manual dos eixos.
3
Eleição do sentido de rotação e colocação em
funcionamento do eixo-árvore.
Variação percentual da velocidade de
rotação.
Variação percentual do avanço.
Tecla [MARCHA].
Seletor do modo de trabalho.
Tecla [STOP].
Jog contínuo.
Jog incremental.
Volantes.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
27
Opção ·MC·
APLICAÇÃO MANUAL.
3
3.1.2 Descrição da tela padrão.
1· Hora, tipo de execução (bloco a bloco/continua), número de programa, estado da
execução (em posição, execução, interrompido ou reset) e mensagens do PLC.
2· Mensagens do CNC.
3· Posição da ferramenta com respeito ao zero peça e do zero máquina. Rotações
reais do eixo-árvore.
4· Avanço dos eixos e percentagem aplicada.
5· Informação da ferramenta.
6· Informação do eixo-árvore. Velocidade de trabalho selecionada, percentagem
aplicada, estado do eixo-árvore (rodando para à direita, esquerda ou parado) e
gama ativa.
7· Mensagens de ajuda.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
28
Opção ·MC·
APLICAÇÃO MANUAL.
3
3.1.3 Descrição da tela auxiliar.
Troca de tela.
1· Hora, tipo de execução (bloco a bloco/continua), número de programa, estado da
execução (em posição, execução, interrompido ou reset) e mensagens do PLC.
2· Mensagens do CNC.
3· Blocos do programa que se encontra selecionado.
4· Informação dos eixos. Ponto final do movimento (COMANDO), posição atual dos
eixos (ATUAL), distância que falta por percorrer (RESTO), e diferença entre a
posição teórica e real da posição (ERRO DE SEGUIMENTO).
5· Informação do eixo-árvore. Velocidade teórica programada, velocidade real e erro
de seguimento.
6· Funções G e M ativas.
Número de peças consecutivas executadas com o programa (PARTC), tempo de
execução da peça (CYTIME) e temporizador do autômato.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
29
Opção ·MC·
APLICAÇÃO MANUAL.
3
3.2 Busca de referência de máquina.
Depois de ligar a máquina, é recomendável realizar uma busca de referência de máquina dos eixos, por se acaso se moveram,
estando a máquina desligada. Existem duas formas de realizar a busca de referência de máquina.
Busca de referência de máquina automática.
Busca de referência de máquina manual.
A busca de referência de máquina se realiza em todos os
eixos ao mesmo tempo, conforme uma sub-rotina prédefinida pelo fabricante. O CNC conserva o zero peça.
A busca de referência de máquina de cada eixo, se realiza
em separado. O CNC não conserva o zero peça.
Pressionar:
Pressionar:
OM
OP
Pressionar:
OM
Pressionar:
O CNC mostra as cotas referidas ao zero peça (OP) levando
em consideração as dimensões da ferramenta.
O CNC mostra as cotas referidas ao zero máquina (OM)
levando em consideração as dimensões da ferramenta.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
30
Opção ·MC·
APLICAÇÃO MANUAL.
3
3.3 Eixo-árvore.
No relativo ao eixo-árvore, o CNC mostra a seguinte informação.
Velocidade selecionada.
Percentagem aplicada.
Sentido de rotação.
Gama ativa do eixo-árvore.
Para selecionar a velocidade de trabalho (em rpm.), pressionar a seguinte seqüência de teclas.
+ Velocidade de rotação. +
Para colocar em funcionamento o eixo-árvore usar as teclas do painel de comando.
Rotação do eixo-árvore à direita. Sentido horário.
Detém a rotação do eixo-árvore.
Rotação do eixo-árvore à esquerda. Sentido anti-horário.
Aumenta ou diminui em percentagem a velocidade de rotação.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
31
Opção ·MC·
APLICAÇÃO MANUAL.
3
3.3.1 Gamas de velocidade.
O CNC permite que a máquina tenha uma caixa de velocidades (redutores). Mediante as faixas, escolhemos o torque-motor
(redutor) que melhor se adapta à velocidade programada. Se recomenda trabalhar sempre em potência constante para alargar
a vida da ferramenta.
Potência.
Potência.
Potência constante.
GAMA DE VELOCIDADE ·1·
Potência constante.
GAMA DE VELOCIDADE ·2·
Se a velocidade de trabalho está entre N1 e N2, terá que usar a GAMA 1.
Se a velocidade de trabalho está entre N2 e N3, terá que usar a GAMA 2.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
32
Opção ·MC·
APLICAÇÃO MANUAL.
3
3.4 Deslocamento dos eixos.
Os eixos se podem deslocar desde o teclado de jog ou mediante volantes.
Pode ter um, dois ou três volantes. Se respeita o
sentido de rotação do volante.
Cada tecla serve para movimentar um eixo num
sentido, conforme os eixos da máquina.
Teclado jog.
Volantes.
Para selecionar o modo de avanço, utilizar o comando seletor.
Movimento com volantes.
Movimento em jog Incremental.
Movimento em jog contínuo.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
33
Opção ·MC·
APLICAÇÃO MANUAL.
3
3.4.1 Volantes.
• Selecionar o tipo de avanço com o comando seletor.
(1)
Deslocamento: 1 micro.
(10)
Deslocamento: 10 micros.
(100)
Deslocamento: 100 micros.
• Se a máquina tem 1 volante.
Selecionar o eixo mediante as teclas de JOG. A máquina desloca o eixo conforme se gira o volante.
• Se a máquina tem 2 ou mais volantes.
A máquina desloca um eixo com cada volante.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
34
Opção ·MC·
APLICAÇÃO MANUAL.
3
3.4.2 Movimento em jog.
Jog incremental.
Jog contínuo.
Cada vez que se pressiona uma tecla de jog, os eixos se
deslocam considerando o incremento selecionado e à
velocidade de avanço programada (se F=0, em avanço
rápido).
Enquanto se mantém pressionada uma tecla de jog, os
eixos se deslocam no avanço selecionado, levando em
consideração a percentagem (0% a 120%) selecionada.
• Introduzir o avanço desejado.
• Selecionar o tipo de avanço com o comando seletor.
(1)
Deslocamento: 0.001 mm.
(10)
Deslocamento: 0.010 mm.
(100)
Deslocamento: 0.100 mm.
(1000)
Deslocamento: 1.000 mm.
(10000)
Deslocamento: 10.000 mm.
+ Avanço. +
• Selecionar o tipo de avanço com o comando seletor e
escolher a percentagem de avanço a aplicar.
• Movimentar os eixos mediante o teclado de jog.
• Movimentar os eixos mediante o teclado de jog.
• Se durante o deslocamento se pressiona a tecla de
"rápida", os eixos se deslocam ao máximo avanço
possível (determinado pelo fabricante).
Tecla de "rápido".
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
35
Opção ·MC·
APLICAÇÃO MANUAL.
3
3.4.3 Deslocamento de um eixo a uma cota.
Mediante a tecla de [FUNCIONAMENTO], o CNC permite deslocar um eixo a uma cota determinada. Os passos a seguir são
os seguintes:
Na tela padrão, selecionar o eixo a deslocar.
Introduzir a cota onde se desloca o eixo.
Introduzir a cota onde se desloca o eixo.
O eixo se desloca ao ponto programado, à velocidade de avanço selecionada.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
36
Opção ·MC·
APLICAÇÃO MANUAL.
3
3.5 Troca de ferramenta.
Máquina com trocador manual.
Máquina com trocador automático.
A troca se realiza como numa máquina convencional.
O CNC supervisa a troca.
1· Trocar a ferramenta na máquina.
1· Pressionar a tecla [T].
2· Pressionar a tecla [T].
2· Introduzir o número de ferramenta.
3· Introduzir o número de ferramenta para que o
CNC aceite os dados da nova ferramenta.
3· Pressionar [MARCHA].
4· Pressionar [MARCHA].
4· O CNC realiza a troca de ferramenta e assume os
dados da nova ferramenta.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
37
Opção ·MC·
APLICAÇÃO MANUAL.
3
3.5.1 Ponto da troca da ferramenta.
O fabricante pode permitir escolher o ponto donde se realizará a troca da ferramenta.
Posição do ponto de troca com respeito ao zero máquina.
Introduzir em X, Y e Z, os valores do ponto onde se quer realizar o cambio de ferramenta.
+
+ (Valor em X)
+
+
+ (Valor em Y)
+
+
+ (Valor em Z)
+
Quando for necessário a troca da ferramenta, se o fabricante assim o definiu, o CNC levará os eixos até esse ponto para que
se realize a mudança.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
38
Opção ·MC·
APLICAÇÃO MANUAL.
3
3.5.2 Regulagem da ferramenta.
• Antes de fazer a regulagem das ferramentas, deve-se realizar a busca de referência de máquina.
Busca de referência de máquina no eixo Z.
Busca de referência de máquina nos eixos X, Y.
Pressionar:
Pressionar:
Pressionar:
OM
OM
• Para fazer a regulagem é necessário uma superfície lisa. Usar JOG contínuo ou volantes para realizar uma fresagem plana.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
39
Opção ·MC·
APLICAÇÃO MANUAL.
3
• Entrar no modo de calibragem de ferramentas. O CNC mostra a tela de calibragem das ferramentas
Po s i ç ã o r e a l d o s e i x o s e
condições de corte.
Modo de trabalho.
Gráfico de ajuda.
N ú m e r o d e fe r r a m e n t a e
dimensões da ferramenta.
Altura da peça que se utiliza na
medição da ferramenta.
Informação sobre o estado atual
da ferramenta.
Para deslocar o cursor, utilizar as
teclas:
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
40
Opção ·MC·
APLICAÇÃO MANUAL.
3
• Calibrar a ferramenta da seguinte maneira.
1· Medir a peça.
• Ir à janela de medição da ferramenta.
• Introduzir o valor em Z.
Altura da peça.
2· Coloca em funcionamento o eixo-árvore.
3· Selecionar a ferramenta T a ser medida. O CNC lhe atribuirá o mesmo número de corretor (D).
+ (Número de ferramenta)
+
4· Movimentar os eixos em modo manual até tocar a peça conforme o eixo Z.
• Pression
• O CNC calcula e atribui o novo comprimento.
• O valor do desgaste (K) se inicializa a zero.
5· Introduzir manualmente os outros dados (raio, vida nominal, vida real e código de família).
Se se quer medir outra ferramenta, repetir os passos 3, 4 e 5.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
41
Opção ·MC·
APLICAÇÃO MANUAL.
3
3.5.3 Como modificar qualquer dado da tabela de ferramentas.
Para modificar os dados da ferramenta (T, D, R, L, I, K, vida nominal, vida real ou família), entrar no modo de calibragem e
visualizar os dados da ferramenta.
+ (Número de ferramenta)
+
O CNC mostra os dados dessa ferramenta. Para modificar os dados, situar-se acima do valor a ser modificado, teclar o novo
valor e pressionar [ENTER]. Para abandonar a opção de calibragem, pressionar [ESC].
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
42
Opção ·MC·
APLICAÇÃO MANUAL.
3
3.5.4 Verificação da correta calibragem.
• Pré-seleção do zero peça.
OM
Aproximar a ferramenta em X.
Aproximar a ferramenta em Y.
Aproximar a ferramenta em Y.
Pressio
Pressio
Pressio
Retirar a ferramenta.
OP
OM
Posição do zero peça.
• Colocar em funcionamento o eixo-árvore e tocar com várias ferramentas a superfície da peça, verificando o valor na tela.
Mesmo que as ferramentas são diferentes, o valor na tela deve ser o mesmo.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
43
Opção ·MC·
APLICAÇÃO MANUAL.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
3
44
4
OPERAÇÕES OU CICLOS.
Teclas associadas às operações automáticas.
Diferentes modos de trabalho.
Editar os parâmetros de uma operação.
Simular uma operação.
Executar uma operação.
Opção ·MC·
OPERAÇÕES OU CICLOS.
4
4.1 Descrição da tela e do teclado.
Posição das teclas de funções automáticas.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
47
Opção ·MC·
OPERAÇÕES OU CICLOS.
4
Teclas de operações.
Mandrilamento.
Escareado.
Rosqueamento.
; Furação e puncionamento.
Posicionamento.
Bolsão Retangular e Circular.
Relevo retangular e circular
Bolsão com perfil.
Fresagem plana.
Fresagem em Perfil.
Escolha do nível do ciclo.
Teclas para associar um posicionamento múltiplo ao ciclo, de maneira que este se repita em vários
pontos. Nem todos os ciclos admitem posicionamentos múltiplos.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
48
Opção ·MC·
OPERAÇÕES OU CICLOS.
4
4.2 Modos de trabalho.
Há dois modos de trabalho.
Modo de edição.
Modo de execução.
Edição dos parâmetros da operação ou
ciclo.
Simulação de uma operação ou ciclo.
Simulação de uma operação ou ciclo.
Execução de uma operação ou ciclo.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
49
Opção ·MC·
OPERAÇÕES OU CICLOS.
4
4.3 Operações ou ciclos.
Todos os ciclos possuem vários níveis de edição. Cada nível dispõe do seu própria tela e a janela principal do ciclo indica
mediante pestanas os níveis disponíveis e o que se está selecionando.
Para cambiar de nível, usar a tecla [LEVEL CYCLE], ou as teclas [Página acima] e [Página abaixo] para percorrer os diferentes
níveis tanto para cima como para baixo.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
50
Opção ·MC·
OPERAÇÕES OU CICLOS.
4
4.3.1 Editar uma operação ou ciclo.
Como exemplo, escolher a operação de bolsão retangular.
Ciclo de trabalho.
Po s i ç ã o r e a l d o s e i x o s e
condições de corte.
Gráfico de ajuda.
Definição da geometria do ciclo.
Condições de usinagem do
ciclo.
Mediante a tecla [LEVEL CYCLE], selecionar o nível de ciclo que se quer executar. Lembrar que nem todos os ciclos possuem
vários níveis.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
51
Opção ·MC·
OPERAÇÕES OU CICLOS.
4
DEFINIR OS DADOS DA OPERAÇÃO OU CICLO.
Para selecionar um ícone, dado ou cota:
Desloca o cursor pelos dados ou ícones.
O CNC seleciona a primeira cota correspondente ao referido eixo. Pressionando outra vez se seleciona
a segunda cota.
O CNC seleciona o avanço para o desbaste. Pressionando outra vez se seleciona o avanço para o
acabamento.
O CNC seleciona a ferramenta para o desbaste. Pressionando outra vez se seleciona a ferramenta para
o acabamento.
O CNC seleciona o dado "S" para o desbaste. Pressionando outra vez se seleciona o dado "S" para o
acabamento.
Depois de fazer a seleção:
Se é um dado, teclar o novo valor e pressionar [ENTER].
Se é um ícone, pressionar a tecla bicolor até escolher o adequado, e pressionar [ENTER].
+
Se é uma cota, tem duas possibilidades:
• Teclar o novo valor e pressionar [ENTER].
• Atribuir ao dado a posição que atualmente ocupa o cursor. Pressionar [RECALL]+[ENTER].
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
52
Opção ·MC·
OPERAÇÕES OU CICLOS.
4
ASSOCIAR UM POSICIONAMENTO MÚLTIPLO A UMA OPERAÇÃO.
Alguns ciclos podem efetuar-se na posição que ocupa a ferramenta ou então associar-lhes um posicionamento múltiplo, de
forma que o ciclo se repita em vários pontos. O CNC permite associar posicionamentos múltiplos aos seguintes ciclos.
• Operações de mandrilagem, escareado, roscado, furos e puncionamento.
• Bolsões (incluídos os bolsões 2D e 3D).
• Relevos.
Operação ou ciclo.
Posicionamento múltiplo.
Cada posicionado se pode definir de
diferentes modos. Para escolher o grupo
de dados adequado, situar-se acima do
ícone e pressionar a tecla bicolor.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
53
Opção ·MC·
OPERAÇÕES OU CICLOS.
4
4.3.2 Simular uma operação ou ciclo.
A simulação permite comprovar na tela as trajetórias da ferramenta.
O CNC acessa à janela de simulação gráfica e mostra no menu de softkeys o menu associado. Para acessar às
diferentes funções, utilizar as teclas [F1] a [F7].
Para começar a simulação, pressionar a tecla [START].
A velocidade de simulação se pode regular mediante o comutador FEED.
Outras teclas úteis são:
Interromper a simulação.
Se a simulação está interrompida, se inicia de novo.
Se a simulação está interrompida, cancela-a definitivamente.
Qualquer das duas teclas, abandona o modo simulação.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
54
Opção ·MC·
OPERAÇÕES OU CICLOS.
4
OPÇÕES GRÁFICAS. TIPO DE GRÁFICO.
• Gráfico "3D".
Mediante linhas em cores se descreve a trajetória da ferramenta em três dimensões.
• Gráfico "XY, XZ, YZ".
Mediante linhas em cores se descreve a trajetória da ferramenta no plano selecionado.
• Gráfico "Conjunta".
A tela se divide em quatro quadrantes, realizando em cada quadrante a representação gráfica de um plano XY, XZ, YZ,
e a representação tridimensional (3D).
• Gráfico "Planta".
Realiza uma representação sólida do plano XY, com diferentes níveis de cinzas que indicam a profundidade da peça.
Também se representam duas seções (XZ e YZ) da peça.
• Gráfico "Sólido".
Realiza uma representação sólida tridimensional. Se começa com um bloco inicial. Durante a simulação, se vê como a
ferramenta elimina material. Se vê a forma da peça resultante.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
55
Opção ·MC·
OPERAÇÕES OU CICLOS.
4
OPÇÕES GRÁFICAS. ZONA A VISUALIZAR.
Permite definir a zona de visualização, definindo as cotas máximas e mínimas de cada eixo.
Selecionar as cotas.
Validar os novos valores.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
56
Opção ·MC·
OPERAÇÕES OU CICLOS.
4
OPÇÕES GRÁFICAS. ZOOM.
Serve para ampliar ou reduzir o desenho ou parte. A nova zona a visualizar se escolhe mediante uma janela superposta na
trajetória representada.
Para ampliar ou reduzir o gráfico, usar as softkeys "ZOOM+" e "ZOOM-".
Desloca a janela do zoom.
Validar os novos valores.
Desenha a parte escolhida.
Para voltar à zona de visualização original, escolher a opção "valor inicial".
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
57
Opção ·MC·
OPERAÇÕES OU CICLOS.
4
OPÇÕES GRÁFICAS. PARÂMETROS GRÁFICOS.
Velocidade de simulação: Permite selecionar a percentagem da velocidade de simulação que se deseja aplicar.
Cores da trajetória: Permite mudar as cores das trajetórias nos gráficos “3D”, “XY, XZ, YZ”, “Conjunta”.
Cores do sólido: Permite mudar as cores da ferramenta e da peça nos gráficos “Planta”, “Sólido”.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
58
Opção ·MC·
OPERAÇÕES OU CICLOS.
4
OPÇÕES GRÁFICAS. APAGAR A TELA.
Apaga a tela. Estando em modo de gráfico "Sólido", mostra a peça sem usinar.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
59
Opção ·MC·
OPERAÇÕES OU CICLOS.
4
4.3.3 Executar uma operação ou ciclo.
Depois de definidos todos os dados pressionar a tecla [ESC]. O CNC mostra na tela o símbolo "funcionamento", indicativo
de que se permite executar a operação.
Com esta tecla se pode selecionar, se as operações se poderem executar de princípio a fim ou passada a passada.
Inicia a execução da operação ou ciclo.
Depois de iniciada a execução:
Interromper a execução.
Se a execução está interrompida, se inicia de novo.
Se a execução está interrompida, cancela-a definitivamente.
Acessa ao modo de representação gráfica.
A execução pode ser interrompida a qualquer momento, exceto durante a operação de rosqueamento. Neste caso, a execução
se deterá ao acabar o rosqueamento.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
60
Opção ·MC·
OPERAÇÕES OU CICLOS.
4
INSPEÇÃO DE FERRAMENTA.
Esta opção permite interromper a execução da operação para inspecionar a ferramenta, modificar o desgaste, substitui-la, etc.
• Interromper a execução.
• Dependendo do fabricante, para entrar na inspeção em algumas máquinas deverá pressionar também a tecla [T].
• O CNC escreve a mensagem "INSPEÇÃO" na parte superior da tela. Dentro do modo "inspeção de ferramenta"
se podem movimentar os eixos (jog ou volantes), revisar a ferramenta, trocar a ferramenta, parar e colocar em
funcionamento o eixo-árvore, modificar o desgaste da ferramenta, etc.
• Reposicionar os eixos. Se se moveu mais de um eixo, o CNC pedirá a ordem de reposição.
• Continuar com a execução.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
61
Opção ·MC·
OPERAÇÕES OU CICLOS.
4
MODIFICAÇÃO DO DESGASTE DA FERRAMENTA.
Esta opção permite variar os valores de I, K. Os valores introduzidos são incrementais, e somam-se aos que estavam
armazenados previamente. Esta opção se pode executar durante a inspeção da ferramenta ou com a máquina em
funcionamento.
• O CNC entra em modo calibragem da ferramenta e mostra os dados dessa ferramenta.
• Selecionar com o cursor o dado I.
• Introduzir o valor de I e pressionar [ENTER].
• Selecionar com o cursor o dado K.
• Introduzir o valor de K e pressionar [ENTER].
• Para modificar o corretor de outra ferramenta, selecioná-la.
+ (Número de ferramenta)
+
• Para finalizar pressionar [ESC].
NOTA: As modificações não se aceitam até que se seleciona a ferramenta.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
62
5
RESUMO DOS CICLOS DE TRABALHO.
Opção ·MC·
RESUMO DOS CICLOS DE TRABALHO.
5
5.1 Operação de fresagem em perfil.
Neste nível de ciclo, o perfil se define mediante pontos. (Até um
máximo de 12 pontos).
Neste nível de ciclo o perfil se define mediante o editor de perfis.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
65
Opção ·MC·
RESUMO DOS CICLOS DE TRABALHO.
5
5.2 Operação de fresagem plana e ranhura.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
66
Opção ·MC·
RESUMO DOS CICLOS DE TRABALHO.
5
5.3 Ciclo de bolsão com perfil.
Bolsão com perfil 2D.
Bolsão com perfil 3D.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
67
Opção ·MC·
RESUMO DOS CICLOS DE TRABALHO.
5
5.4 Ciclos de relevo retangular e circular.
Relevo retangular.
Relevo circular.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
68
Opção ·MC·
RESUMO DOS CICLOS DE TRABALHO.
5
5.5 Ciclos de bolsão retangular e circular.
Bolsão simples.
Bolsão retangular.
Neste nível se pode escolher o tipo de canto e o ângulo de
inclinação do bolsão com respeito ao eixo de abcissas.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
69
Opção ·MC·
RESUMO DOS CICLOS DE TRABALHO.
Bolsão circular.
5
Bolsão pré-esvaziado.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
70
Opção ·MC·
RESUMO DOS CICLOS DE TRABALHO.
5
5.6 Posicionamento.
Neste nível de ciclo se podem definir as funções auxiliares que se
vão executar antes ou depois do deslocamento.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
71
Opção ·MC·
RESUMO DOS CICLOS DE TRABALHO.
5
5.7 Operação de mandrilamento.
Este nível só está disponível quando se trabalha com parada
orientada do eixo-árvore. Este nível permite, depois de efetuar a
penetração da ferramenta de mandrilar, orientar o eixo-árvore e
retroceder a ferramenta de mandrilar antes do movimento de saída,
evitando desta forma marcas da peça.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
72
Opção ·MC·
RESUMO DOS CICLOS DE TRABALHO.
5
5.8 Operação de escareado.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
73
Opção ·MC·
RESUMO DOS CICLOS DE TRABALHO.
5
5.9 Operação de rosqueamento com macho.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
74
Opção ·MC·
RESUMO DOS CICLOS DE TRABALHO.
5
5.10Operações de furação e puncionamento.
Furação.
Furação.
Neste nível se permite fixar a distância (B) que retrocede depois
de cada aprofundamento.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
75
Opção ·MC·
RESUMO DOS CICLOS DE TRABALHO.
Furação.
5
Puncionamento
Neste nível se permite fixar uma cota de retrocesso (Zr) depois
de cada aprofundamento.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
76
Opção ·MC·
RESUMO DOS CICLOS DE TRABALHO.
5
5.11Posicionamento múltiplo em vários pontos.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
77
Opção ·MC·
RESUMO DOS CICLOS DE TRABALHO.
5
5.12Posicionamento múltiplo em linha reta.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
78
Opção ·MC·
RESUMO DOS CICLOS DE TRABALHO.
5
5.13Posicionamento múltiplo em arco.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
79
Opção ·MC·
RESUMO DOS CICLOS DE TRABALHO.
5
5.14Posicionamento múltiplo formando um paralelogramo.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
80
Opção ·MC·
RESUMO DOS CICLOS DE TRABALHO.
5
5.15Posicionamento múltiplo formando uma malha.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
81
Opção ·MC·
RESUMO DOS CICLOS DE TRABALHO.
5
5.16Editor de perfis.
O editor de perfis permite definir os perfis nos ciclos de "Fresagem em perfil" e "Bolsão com perfil".
O editor de perfis permite definir os trechos retos e curvos do perfil (o editor resolve os problemas de interseções e tangência),
e posteriormente, modificar estes trechos acrescentando arredondamentos, chanfrados e entradas e saídas tangenciais.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
82
6
PROGRAMAS PEÇA CONVERSACIONAIS.
O que é um programa de usinagem conversacional.
Como se pode editar um programa peça conversacional.
Como se pode modificar um programa peça conversacional (inserir ou apagar operações).
Simular / executar uma operação.
Simular / executar um programa a partir de uma operação.
Simular / executar um programa peça.
Copiar um programa peça.
Apagar um programa de usinagem.
Opção ·MC·
PROGRAMAS PEÇA CONVERSACIONAIS.
6
6.1 O que é um programa de usinagem conversacional?
Um programa de usinagem conversacional é um conjunto de operações ordenadas seqüencialmente. Cada operação se
define separadamente, e depois se vai guardando uma a seguir da outra num programa. O nome do programa de usinagem
pode ser um número entre 1 - 899999.
Fresagem plana.
Bolsão circular.
PROGRAMAS - PEÇA
Furação + Posicionamento
múltiplo em arco.
CICLOS
- - - CRIAÇÃO NOVA PEÇA - - -
1 - POSICIONAMENTO 1
111 - MOLDE
2 - FRESAGEM PLANA BIDIR. EM X
122 – PEÇA NÚMERO 3
3 - BOLSÃO CIRCULAR
333 -
4 - CAVIDADE CIRCULAR
5 - BOLSÃO RETANGULAR
Relevo circular.
6 – FURAÇÃO1+POSIC. EM ARCO
Bolsão retangular.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
85
Opção ·MC·
PROGRAMAS PEÇA CONVERSACIONAIS.
6
6.2 Edição de um programa de usinagem.
Para editar o programa peça, primeiro tem que se escolher as operações necessárias para executar a peça e a ordem em
que se vão executar. Uma peça pode ter diferentes maneiras de executar-se.
Furação + Posicionamento múltiplo em arco.
Fresagem plana.
Bolsão simples.
Perfil.
Depois de decidida a seqüência de operações, o programa de usinagem se faz editando as operações uma a uma.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
86
Opção ·MC·
PROGRAMAS PEÇA CONVERSACIONAIS.
6
TELA PADRÃO
PROGRAMAS - PEÇA
CICLOS
PROGRAMAS - PEÇA
- - CRIAÇÃO NOVA PEÇA - -
CICLOS
- - CRIAÇÃO NOVA PEÇA - -
111 - MOLDE
111 - MOLDE
122 – PEÇA NÚMERO 3
122 – PEÇA NÚMERO 3
333 -
333 -
444 - BASE
444 - BASE
CRIAR PEÇA N...
Selecionar com o foco "Criação nova peça".
Introduzir o número do programa peça.
PROGRAMAS - PEÇA
CICLOS
- - CRIAÇÃO NOVA PEÇA - 111 - MOLDE
(Introduzir número) + [ENTER] + (comentário) + [ENTER]
122 – PEÇA NÚMERO 3
333 -
555 + [ENTER] + EXEMPLO + [ENTER]
444 - BASE
555 - EXEMPLO
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
87
Opção ·MC·
PROGRAMAS PEÇA CONVERSACIONAIS.
PROGRAMAS - PEÇA
E s c o l h e r um a op e ra ç ã o e
definir os seus parâmetros.
Quando a operação esteja
definida, pressionar [P.PROG].
CICLOS
- - CRIAÇÃO NOVA PEÇA - -
PROGRAMAS - PEÇA
CICLOS
- - CRIAÇÃO NOVA PEÇA - -
1 - FRESAGEM PLANA BIDIR.
EM X
111 - MOLDE
111 - MOLDE
122 – PEÇA NÚMERO 3
122 – PEÇA NÚMERO 3
333 -
333 -
444 - BASE
444 - BASE
555 - EXEMPLO
555 - EXEMPLO
6
Selecionar com o foco o programa.
Repetir estes passos com as
outras operações. No nosso
caso, o programa de usinagem
terminado ficará como segue.
PROGRAMAS - PEÇA
CICLOS
- - CRIAÇÃO NOVA PEÇA - -
1 - FRESAGEM PLANA BIDIR.
EM X
111 - MOLDE
2 - PERFIL
122 – PEÇA NÚMERO 3
3 - BOLSÃO SIMPLES
333 -
4 – FURAÇ.1 + POS. EM LINHA
444 - BASE
555 - EXEMPLO
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
88
Opção ·MC·
PROGRAMAS PEÇA CONVERSACIONAIS.
6
6.3 Modificar um programa de usinagem.
Substituir
uma
Escolher uma operação e pressionar
[RECALL].
PROGRAMAS - PEÇA
CICLOS
- - CRIAÇÃO NOVA PEÇA - -
1 - FRESAGEM PLANA BIDIR. EM
X
111 - MOLDE
2 - PERFIL
122 – PEÇA NÚMERO 3
3 - BOLSÃO SIMPLES
333 -
4 – FURAÇ.1 + POS. EM LINHA
444 - BASE
555 - EXEMPLO
PROGRAMAS - PEÇA
CICLOS
- - CRIAÇÃO NOVA PEÇA - -
1 - FRESAGEM PLANA BIDIR. EM
X
111 - MOLDE
2 - PERFIL
122 – PEÇA NÚMERO 3
3 - BOLSÃO SIMPLES
333 -
4 – FURAÇ.1 + POS. EM LINHA
444 - BASE
O C N C p e d i r á u m a o p ç ã o.
Escolher a opção "SUBSTITUIR"
e pressionar [ENTER].
O CNC mostra a operação com
todos os dados. Modificar os
parâmetros igual que no modo
de edição.
Depois de modificar os dados,
pressionar [P.PROG].
A nova operação substitui a
anterior.
555 - EXEMPLO
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
89
Opção ·MC·
PROGRAMAS PEÇA CONVERSACIONAIS.
6
O CNC também permite inserir operações novas num programa de usinagem.
Inserir uma operação.
Escolher uma operação.
Definir os parâmetros da
operação e pressionar
[P.PROG] para acessar ao
programa de usinagem.
PROGRAMAS - PEÇA
CICLOS
- - CRIAÇÃO NOVA PEÇA - -
1 - FRESAGEM PLANA BIDIR. EM
X
111 - MOLDE
2 - PERFIL
122 – PEÇA NÚMERO 3
3 - BOLSÃO SIMPLES
333 -
4 – FURAÇ.1 + POS. EM LINHA
444 - BASE
555 - EXEMPLO
Escolher a posição onde se
deseja inserir a operação e
pressionar [ENTER].
PROGRAMAS - PEÇA
CICLOS
- - CRIAÇÃO NOVA PEÇA - -
1 - FRESAGEM PLANA BIDIR. EM
X
111 - MOLDE
2 - PERFIL
122 – PEÇA NÚMERO 3
3 - BOLSÃO SIMPLES
333 -
4 - CAVIDADE RETANGULAR
444 - BASE
5 – FURAÇ.1 + POS. EM LINHA
A nova operação se insere detrás
da posição escolhida.
555 - EXEMPLO
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
90
Opção ·MC·
PROGRAMAS PEÇA CONVERSACIONAIS.
6
O CNC também permite apagar operações de um programa de usinagem.
Apagar uma operação.
Escolher a operação a ser
apagada e pressionar [CLEAR].
PROGRAMAS - PEÇA
CICLOS
- - CRIAÇÃO NOVA PEÇA - -
1 - FRESAGEM PLANA BIDIR. EM
X
111 - MOLDE
2 - PERFIL
122 – PEÇA NÚMERO 3
3 - BOLSÃO SIMPLES
333 -
4 - CAVIDADE RETANGULAR
444 - BASE
5 – FURAÇ.1 + POS. EM LINHA
O CNC pedirá confir mação.
Pressionar [ENTER].
555 - EXEMPLO
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
91
Opção ·MC·
PROGRAMAS PEÇA CONVERSACIONAIS.
6
O CNC também permite mudar a posição de uma operação.
Mudar a posição de uma operação.
Es colher a operaç ão para
deslocar e pressionar a tecla
bicolor.
PROGRAMAS - PEÇA
CICLOS
- - CRIAÇÃO NOVA PEÇA - -
1 - FRESAGEM PLANA BIDIR. EM
X
111 - MOLDE
2 - PERFIL
122 – PEÇA NÚMERO 3
3 - BOLSÃO SIMPLES
333 -
4 – FURAÇ.1 + POS. EM LINHA
Escolher a nova posição para a
operação e pressionar
[ENTER].
444 - BASE
555 - EXEMPLO
PROGRAMAS - PEÇA
CICLOS
- - CRIAÇÃO NOVA PEÇA - -
1 - FRESAGEM PLANA BIDIR. EM
X
PROGRAMAS - PEÇA
- - CRIAÇÃO NOVA PEÇA - -
CICLOS
1 - PERFIL
2 - BOLSÃO SIMPLES
111 - MOLDE
2 - PERFIL
111 - MOLDE
122 – PEÇA NÚMERO 3
3 - BOLSÃO SIMPLES
122 – PEÇA NÚMERO 3
3 - FRESAGEM PLANA BIDIR. EM
X
333 -
4 – FURAÇ.1 + POS. EM LINHA
333 -
4 – FURAÇ.1 + POS. EM LINHA
444 - BASE
444 - BASE
555 - EXEMPLO
555 - EXEMPLO
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
A nova operação se insere
detrás
da
posição
escolhida.
92
Opção ·MC·
PROGRAMAS PEÇA CONVERSACIONAIS.
6
6.4 Simular / executar uma operação.
Escolher a operação que se deseja simular e pressionar [RECALL].
PROGRAMAS - PEÇA
CICLOS
- - CRIAÇÃO NOVA PEÇA - -
1 - FRESAGEM PLANA BIDIR. EM
X
111 - MOLDE
2 - PERFIL
122 – PEÇA NÚMERO 3
3 - BOLSÃO SIMPLES
333 -
4 – FURAÇ.1 + POS. EM LINHA
Tela de representação gráfica.
444 - BASE
555 - EXEMPLO
Escolher a operação que se deseja simular e pressionar [RECALL].
PROGRAMAS - PEÇA
CICLOS
- - CRIAÇÃO NOVA PEÇA - -
1 - FRESAGEM PLANA BIDIR. EM
X
111 - MOLDE
2 - PERFIL
122 – PEÇA NÚMERO 3
3 - BOLSÃO SIMPLES
333 -
4 – FURAÇ.1 + POS. EM LINHA
444 - BASE
555 - EXEMPLO
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
93
Opção ·MC·
PROGRAMAS PEÇA CONVERSACIONAIS.
6
6.5 Simular / executar um programa peça.
Escolher o programa de usinagem que se quer simular e pressionar [GRAPHICS].
PROGRAMAS - PEÇA
CICLOS
- - CRIAÇÃO NOVA PEÇA - -
1 - FRESAGEM PLANA BIDIR. EM
X
111 - MOLDE
2 - PERFIL
122 – PEÇA NÚMERO 3
3 - BOLSÃO SIMPLES
333 -
4 – FURAÇ.1 + POS. EM LINHA
Tela de representação gráfica.
444 - BASE
555 - EXEMPLO
Escolher o programa de usinagem que se deseja executar e pressionar [START].
PROGRAMAS - PEÇA
CICLOS
- - CRIAÇÃO NOVA PEÇA - -
1 - FRESAGEM PLANA BIDIR. EM
X
111 - MOLDE
2 - PERFIL
122 – PEÇA NÚMERO 3
3 - BOLSÃO SIMPLES
333 -
4 – FURAÇ.1 + POS. EM LINHA
444 - BASE
555 - EXEMPLO
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
94
Opção ·MC·
PROGRAMAS PEÇA CONVERSACIONAIS.
6
6.6 Simular / executar um programa de usinagem a partir de uma
operação.
Escolher a operação a partir da qual se quer iniciar a simulação e pressionar [GRAPHICS].
PROGRAMAS - PEÇA
CICLOS
- - CRIAÇÃO NOVA PEÇA - -
1 - FRESAGEM PLANA BIDIR. EM
X
111 - MOLDE
2 - PERFIL
122 – PEÇA NÚMERO 3
3 - BOLSÃO SIMPLES
333 -
4 – FURAÇ.1 + POS. EM LINHA
Tela de representação gráfica.
444 - BASE
555 - EXEMPLO
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
95
Opção ·MC·
PROGRAMAS PEÇA CONVERSACIONAIS.
6
Escolher a operação a partir da qual se quer iniciar a execução e pressionar [START].
PROGRAMAS - PEÇA
CICLOS
- - CRIAÇÃO NOVA PEÇA - -
1 - FRESAGEM PLANA BIDIR. EM
X
111 - MOLDE
2 - PERFIL
122 – PEÇA NÚMERO 3
3 - BOLSÃO SIMPLES
333 -
4 – FURAÇ.1 + POS. EM LINHA
444 - BASE
555 - EXEMPLO
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
96
Opção ·MC·
PROGRAMAS PEÇA CONVERSACIONAIS.
6
6.7 Copiar um programa de usinagem em outro.
PROGRAMAS - PEÇA
- - CRIAÇÃO NOVA PEÇA - -
CICLOS
1 - FRESAGEM PLANA BIDIR. EM
X
PROGRAMAS - PEÇA
- - CRIAÇÃO NOVA PEÇA - -
CICLOS
1 - FRESAGEM PLANA BIDIR. EM
X
111 - MOLDE
2 - PERFIL
111 - MOLDE
2 - PERFIL
122 – PEÇA NÚMERO 3
3 - BOLSÃO SIMPLES
122 – PEÇA NÚMERO 3
3 - BOLSÃO SIMPLES
333 -
4 – FURAÇ.1 + POS. EM LINHA
333 -
4 – FURAÇ.1 + POS. EM LINHA
444 - BASE
555 - EXEMPLO
444 - BASE
555 - EXEMPLO
COPIAR A PEÇA N...
Escolher o programa para copiar e pressionar
[P.PROG].
Introduzir o número do novo programa.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
97
Opção ·MC·
PROGRAMAS PEÇA CONVERSACIONAIS.
6
6.8 Apagar um programa de usinagem.
PROGRAMAS - PEÇA
CICLOS
- - CRIAÇÃO NOVA PEÇA - -
1 - FRESAGEM PLANA BIDIR. EM
X
111 - MOLDE
2 - PERFIL
122 – PEÇA NÚMERO 3
3 - BOLSÃO SIMPLES
333 -
4 – FURAÇ.1 + POS. EM LINHA
O CNC pedirá confir mação.
Pressionar [ENTER].
444 - BASE
555 - EXEMPLO
PROGRAMAS - PEÇA
CICLOS
- - CRIAÇÃO NOVA PEÇA - -
Escolher o programa que se deseja apagar e pressionar
[CLEAR].
111 - MOLDE
122 – PEÇA NÚMERO 3
333 444 - BASE
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
98
A
EXEMPLO DE PROGRAMAÇÃO.
Opção ·MC·
A
Passo 0: Peça a usinar.
CONSIDERAÇÕES PRÉVIAS.
Neste capítulo se mostra um exemplo de programação de
um programa peça.
Convém recordar que o número de ferramenta pode ser
diferente, dependendo da máquina. As ferramentas
empregadas neste exemplo são:
T1: Fresa Ø40.
T2: Fresa Ø25.
T3: Fresa Ø10.
T4: Broca de puncionamento.
T5: Broca Ø8.
T6: Broca Ø5.
T7: Macho M-6.
As velocidades de rotação e avanço são para simples
orientação, podendo ser diferentes as que aqui se
mostram.
Este símbolo representa a posição do zero peça.
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
101
Opção ·MC·
A
Passo 1: Fresagem plana.
1
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
102
Opção ·MC·
A
Passo 2: Usinagem de perfil.
2
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
103
Opção ·MC·
A
Passo 3: Relevo retangular.
3
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
104
Opção ·MC·
A
Passo 4: Bolsão circular.
4
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
105
Opção ·MC·
A
Passo 5: Bolsão retangular.
5
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
106
Opção ·MC·
A
Passo 6: Puncionamento + Posicionamento multíplice em vários pontos.
6
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
107
Opção ·MC·
A
Passo 7: Puncionamento + Posicionamento múltiplo formando um paralelogramo.
7
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
108
Opção ·MC·
A
Passo 8: Furação + Posicionamento multíplice em vários pontos.
8
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
109
Opção ·MC·
A
Passo 9: Furação + Posicionamento múltiplo formando um paralelogramo.
9
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
110
Opção ·MC·
A
Passo 10: Rosqueamento com macho + Posicionamento múltiplo formando um paralelogramo.
10
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
111
Opção ·MC·
A
MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM
112

Propaganda

Manuais relacionados

Baixar PDF

Propaganda