S225-11-1P Instrucoes de manutencao

S225-11-1P Instrucoes de manutencao
Reguladores de tensão
Informações de serviço
Instruções de manutenção, operação e instalação Comando Série CL-6
S225-11-1P
Figura 1-1.
Comando CL-6B.
Contents
Informações de Segurança. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Instruções de Segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Definições das Frases de Perigo. . . . . . . . . . . . . . . .
Informações do Produto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Aceitação e Inspeção Inicial . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Manuseio e Armazenamento . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Normas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Normas de Qualidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Descrição. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Seção 1: Painel do Comando. . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Painel Inferior (Cinza) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Chave Liga-Desliga. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Chave da Função do Comando. . . . . . . . . . . . . . . .
Chave de (Levantamento/Abaixamento) Manual . . .
Chave de Supervisão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Chave de Reinicialização de Arrasto Manual . . . . . .
Luz de Neutro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Terminais do Voltímetro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Fusível. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Terminais de Fonte Externa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
05/11 • Nova edição
ii
ii
ii
v
v
v
v
v
v
v
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
Conexão da Alimentação Elétrica nos terminais
da Força Externa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
Aplicações de 240 Vca para Comando 240 V
da Cooper . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
Aplicações de 240 Vca para Comando 120 V
da Cooper . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
Aplicações de 120 Vca para Comando 120 V
da Cooper . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
Painel Superior (Preto) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
Visor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
Teclado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
Indicadores de Alarme . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
Comunicações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
Indicadores de Status. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
Porta do Cartão de Memória Flash. . . . . . . . . . . . 10
Section 2: Instalação do comando. . . . . . . . . . . . . . 11
Montagem do comando. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Colocação do comando em serviço. . . . . . . . . . . . . . 11
Colocação do comando em serviço. . . . . . . . . . . 11
Verificação operacional. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
i
Comando Série CL-6 Instruções de instalação, operação e manutenção
!
SEGURANÇA
PARA A VIDA
SEGURANÇA PARA A VIDA
!
SEGURANÇA
PARA A VIDA
Os produtos da Cooper Power Systems atendem ou excedem todos os padrões aplicáveis do setor relativos à segurança
do produto. Promovemos ativamente práticas de segurança na utilização e manutenção de nossos produtos em nossa
literatura de serviço, nossos programas de treinamento e nos esforços contínuos de todos os funcionários da Cooper Power
Systems envolvidos no projeto, fabricação, comercialização e serviços dos produtos.
Recomendamos enfaticamente o seguimento de todos os procedimentos e instruções de segurança aprovados
localmente ao trabalhar em torno de linhas de alta tensão e o apoio à nossa missão de "Segurança para Vida".
INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA
As instruções contidas nesse manual não se destinam
a substituir o treinamento apropriado ou a experiência
adequada na operação segura do equipamento descrito.
Somente técnicos competentes, familiarizados com esse
equipamento deverão efetuar sua instalação, operação e
manutenção
Um técnico competente tem as qualificações abaixo:
nFamiliarização total com essas instruções.
nTreinamento em práticas e procedimentos de operação
segura em alta e baixa tensão aceito pelo setor.
nTreinamento e autorização para ligar, desligar, liberar e
aterrar equipamentos de distribuição de força.
nTreinamento em manutenção e utilização de equipamentos
de proteção, como vestimenta à prova de fogo, óculos de
segurança, proteção facial, capacete, luvas de borracha,
haste de manobra de proteção, etc.
Informações importantes de segurança são fornecidas
a seguir. Para instalação e operação segura desse
equipamento, leia e entenda todos os cuidados e
advertências.
Definições das Frases de Perigo
Este manual pode conter quatro tipos de frases de
perigo:
!
PERIGO:
!
ADVERTÊNCIA:
Indica uma situação de perigo iminente, a qual, se
não evitada, resultará em morte ou ferimento grave.
Indica uma situação de perigo potencial, a qual, se não
evitada, poderá resultar em morte ou ferimento grave.
!
CUIDADO:
Indica uma situação potencialmente perigosa, a
qual, se não evitada, poderá resultar em ferimento
leve ou moderado.
CUIDADO:
Indica
uma
situação
potencialmente perigosa, a qual, se não
evitada, poderá resultar em somente em
danos ao equipamento.
ii
Instruções de Segurança
Descrevemos a seguir as frases gerais de cuidados e
advertências aplicáveis a esse equipamento. Comandos
adicionais relacionados a tarefas e procedimentos
específicos são descritos em todo o manual.
!
PERIGO:
Tensão perigosa. O contato com tensão perigosa
provocará morte ou ferimento grave. Siga todos os
procedimentos de segurança aprovados no local ao
trabalhar com linhas e equipamentos de baixa tensão.
G103.3
!
ADVERTÊNCIA:
!
ADVERTÊNCIA:
Leia com cuidado e entenda o conteúdo
desse manual antes de instalar, operar, efetuar
manutenção ou testar esse equipamento.
Operação, manuseio ou manutenção inapropriados
poderão resultar em morte, ferimentos graves e
danos ao equipamento.
G101.0
Este equipamento não se destina à proteção da
vida humana. Siga todos os procedimentos e
práticas de segurança aprovados na instalação e
operação desse equipamento. O não atendimento
dessa advertência poderá resultar em morte,
ferimento grave e danos ao equipamento.
G102.1
!
ADVERTÊNCIA:
Equipamentos de distribuição e transmissão
de energia deverão ser selecionados de modo
apropriado para a aplicação pretendida. Eles
deverão ser instalados e mantidos por pessoal
c o m p e t e n t e , t re i n a d o e c o n h e c e d o r d o s
procedimentos de segurança apropriados. Essas
instruções são elaboradas para esse pessoal
e não se destinam a substituir o treinamento e
a experiência adequada em procedimentos de
segurança. A não execução apropriada da seleção,
instalação ou manutenção dos equipamentos de
distribuição e transmissão de energia pode resultar
em morte, ferimento grave e dano ao equipamento.
G122.3
!!
SEGURANÇA
SEGURANÇA
PARAAAVIDA
VIDA
PARA
Verificação de pré-instalação . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
Verificação em serviço . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
Testes do comando na bancada. . . . . . . . . . . . . . . 12
Verificação da calibração no campo. . . . . . . . . . . . . . . 13
Remoção de serviço . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
Determinaçao da posição de neutro. . . . . . . . . . . . 13
Retorne o regulador para neutro. . . . . . . . . . . . . . . 13
Remoção do comando . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
Substituição do comando . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
Section 3: Programação Inicial do comando. . . . . . . 15
Programação Básica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Programação e reconfiguração dos diferentes sistemas
de tensão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
Tensões permitidas do sistema e Cálculo da relação
total do TP. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
Determinação dos Valores de Leading ou Lagging
no Regulador com Conexão em Delta . . . . . . . . . 20
Section 4: Operação do Comando. . . . . . . . . . . . . . . 21
Operação automática. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Operação manual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Autodiagnósticos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Sistema de Segurança. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
Operações Básicas do Comando . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Tensão de Ajuste . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Largura de Banda. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Retardo de Tempo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Configurações de Compensação, Resistência e
Reatância da Linha . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Configuração do Regulador . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Modos de Operação do Comando. . . . . . . . . . . . . 23
Tensão de Linha do Sistema. . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Relação do Transformador de Potencial. . . . . . . . . 24
Especificação Nominal de corrente do Transformador de
Corrente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Reguladores com Conexão Delta
(Linha a Linha). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Section 5: Programação de controle . . . . . . . . . . . . . 25
Configuração Rápida. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
Menu de Funções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
Códigos de Funções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
Funções Especiais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
Alertas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
Eventos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
Condições de Acionamento/Reinicialização. . . . . . . . . 70
Mensagens de Indicação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
Metering-PLUS Formats. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
Corrente de Carga. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
Section 6: Recursos do Comando . . . . . . . . . . . . . . . 74
Calendário/Relógio. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
Medição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
Medição instantânea. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
Medição de demanda. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
Operação das tarefas de demanda. . . . . . . . . . . . . 74
S225-11-1P
Indicação da posição da derivação . . . . . . . . . . . . . . . 75
Tensão no lado da fonte. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
Tensão diferencial. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
Tensão da fonte externa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
Cálculo de tensão no lado da fonte . . . . . . . . . . . . 75
Operação de alimentação reversa . . . . . . . . . . . . . . . . 76
Modo travado para frente. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
Modo travado em reverso. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
Modo reverso ocioso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
Modo bidirecional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
Modo neutro ocioso. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
Modo de co-geração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
Modo bidirecional reativo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
Limitação da tensão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
Redução da tensão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
Modo Local/Digital Remoto . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
Recurso Soft ADD-AMP. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
Controle de Supervisão e
Aquisição de Dados (SCADA) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
Recuperação de Dados e Upload de configurações. . 81
SCADA Digital. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
SCADA Analógico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82
Controle remoto do motor e Auto-inibição . . . . . . 84
Configuração alternativa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
Conexões de transdutores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
Esquema de tensão Fooler . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
Section 7: Funções de comando avançadas. . . . . . . 86
Função de Medição-PLUS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
Tensão Compensada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
Tensão de carga. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
Corrente de carga. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
Posição de comutação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
Cartão Flash Compacto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
Funções do Cartão Flash . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
Comunicações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
Portas de Comunicação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
Protocolos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
Entrada e Saída Programáveis. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
Entradas e Saídas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
Entradas e Saídas Discretas (I/O Auxiliar) . . . . . . . . 94
Alarmes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
Eventos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
Gerador de Perfis. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
Histogramas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
Função TIME-ON-TAP . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
Comutação de Manutenção Preventiva . . . . . . . . . . . . 98
PMT Modo A . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
PMT Modo B . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
Monitor de Ciclo de Trabalho. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
Esquema Líder/Seguidor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
Section 8: Diagnóstico/Solução de falhas . . . . . . . . . 99
Verificação externa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
Definição do problema. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
Diagnóstico / solução de problemas do painel de
controle. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
Falta de energia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
iii
Comando Série CL-6 Instruções de instalação, operação e manutenção
Autodiagnóstico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
Mensagens de erro do diagnóstico . . . . . . . . . . . . 99
Mensagens indicativas ao se usar a tecla Edit. . . . . 100
Diagnóstico / solução de falhas da operação do
comutador de derivações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
Diagnóstico / solução de falhas em medições. . . . . . 103
Calibração dos controles. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
Calibração de tensão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
Calibração de corrente. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
Section 9: Acessórios de controle . . . . . . . . . . . . . . 105
Comunicações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
Software. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
Hardware . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
Montagem do Aquecedor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
Section 10: Apêndice. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
iv
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
Informações do produto
Introdução
Normas
Este documento descreve as instruções de operação e
manutenção para o Comando Série CL-6 dos reguladores
de tensão da Cooper Power Systems. Consulte a publicação de Informações de Serviço S225-10-30P da Cooper
Power Systems para obter informações de instalação
e operação do Regulador de Tensão da Cooper Power
Systems.
Os reguladores da Cooper Power System são projetados e
testados em conformidade com as normas abaixo:
!
Leia este Manual Primeiro
Leia e entenda o conteúdo desse manual e siga todos
os procedimentos e as prática de segurança aprovadas
localmente antes de instalar ou operar esse equipamento.
Leia e entenda o manual que detalha a operação e instalação
do regulador utilizado com esse controle.
Informações Adicionais
Essas instruções não abordam todos os detalhes e as
variações nos equipamentos, procedimentos ou processos
descritos e não fornecem orientações para o atendimento
de todas as contingências possíveis durante a instalação,
operação ou manutenção. Para obter informações
adicionais, entre em contato com o seu representante da
Cooper Power Systems.
Aceitação e Inspeção Inicial
Ele é cuidadosamente calibrado, ajustado e se encontra
em boas condições quando aceito pela transportadora
para remessa.
No recebimento, inspecione a embalagem cartonada em
busca de eventuais sinais de danos. Remova o comando
da embalagem e inspecione-o totalmente em busca de
danos ocorridos durante a remessa. Em caso de sinais
de danos, registre uma reclamação com a transportadora
imediatamente.
Manuseio e Armazenamento
Tome cuidado durante o manuseio e armazenamento do
equipamento para minimizar a possibilidade de danos.
IEEE Std C37.90.1™-2002
IEEE Std C37.90.2™-1995
IEEE Std C57.13™-1993
IEEE Std C57.15™-1999
IEEE Std C57.91™-1995
IEEE Std C57.131™-1995
EN 50081-2
EN 61000-4
IEC 60068-2
IEC 60214-1
IEC 610255-5
Normas de Qualidade
Sistema de Gestão de Qualidade Certificado ISO 9001.
Descrição
O comando CL-6 confiável da Cooper Power Systems
incorpora tecnologia digital de última geração para permitir o controle preciso, rápido e seguro de um regulador
de tensão de passo. Utilizando tecnologia de montagem
superficial e eletrônica de baixa potência, o comando CL-6
é compatível com as normas da Comunidade Européia
(CE). A plaqueta de identificação localizada na caixa de
controle define o circuito de alimentação elétrica.
O CL-6 permite programação pelo teclado, consultas de
status Metering-PLUS™, upload e download por meio de
cartão de memória Flash e conta com várias portas de
comunicação com protocolo DNP3 ou 2179 selecionável
pelo usuário. Os indicadores LED fornecem informações
instantâneas sobre status de alarmes, comunicações
e condições de regulação. AUm visor de quatro linhas
fornece informações mais detalhadas, simplificando
ainda mais a programação. Além disso, o comando
CL-6 é altamente configurável e preparado para uso em
aplicações que exigem controle de supervisão e aquisição
de dados (SCADA) analógicos e digitais.
v
Comando Série CL-6 Instruções de instalação, operação e manutenção
Visor de cristal
líquido 4 X 20
caracteres
Indicadores de alarme
Indicadores de
status
Porta do cartão de
memória Flash
e LED
Indicadores de
comunicação,
LEDs Coms Tx e Rx
Porta RS232 estilo
DB9
Teclado multiuso:
Teclas numéricas,
Teclas de função,
Teclas de atalho
Redundante
Luz (LED) indicadora de neutro
Chave da função de
comando:
Auto/Remote-OffManual
Chave liga-desliga:
Interna, desligada,
Externa
Chave de levantamento/
abaixamento manual
Supervisão
Chave liga/desliga (On/Off)
Terminais da
fonte externa
com terra
Chave de
reinicalização
de arrasto
manual
Figura 1-2.
Layout do painel de controle.
vi
Fusível
do
motor
Terminais do
voltímetro
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
Seção 1: Painel do comando
Painel Inferior (Cinza)
A seção inferior do comando contém os componentes
similares aos outros comandos da série CL da Cooper.
Consulte a Figura 1-2.
Chave Liga-Desliga
Na posição externa, o comando e o motor do trocador de
derivação são energizados por meio de uma fonte externa
conectada aos terminais da fonte externa (120 Vca padrão,
240 Vca como indicado pelo decalque). Na posição interna,
o comando e o motor são energizados a partir do regulador.
Na posição desliga (off) nenhuma alimentação é fornecida ao
comando ou ao motor.
Chave da Função de Comando
Na posição Auto/Remote, o motor do trocador de
derivação pode ser controlado pelo painel frontal (auto) ou
remotamente pelo SCADA. Na posição OFF, a operação
manual e automática e o controle remoto do motor são
inibidos. Na posição manual, a operação automática e
o controle remoto do motor são inibidos e o trocador de
derivação poderá ser levantado ou abaixado localmente
pela alternação momentânea da chave de levantamento/
abaixamento (raise/lower).
Chave de (Levantamento/Abaixamento)
Manual
Essa chave permite que o operador levante ou abaixe
manualmente o motor do trocador de derivação quando a
chave do comando estiver na posição Manual.
Terminais de Fonte Externa
CUIDADO: danos ao equipamento. Ao utilizar uma
fonte externa, certifique-se da polaridade correta. A
inversão da polaridade resultará em danos ao controle.
VR-T201.0
A alimentação desses terminais a 120 Vca energiza o
comando e o motor do trocador de derivação. Os comandos que têm fiação para uma fonte externa de 220–240
Vca recebem um decalque especificando “240” nos
terminais. Deve-se tomar cuidado ao conectar a tensão
externa nos terminais. A tensão deverá ser verificada para
assegurar que a polaridade está correta. O terminal preto
é o terminal 'quente', o terminal branco é neutro e o terminal verde, conectado diretamente ao chassi, é o terra da
alimentação externa
CUIDADO: danos ao equipamento. OSomente uma fonte
de alimentação CA deverá ser utilizada para energizar o
comando externamente. Não use um inversor de tensão
CC-CA. A não conformidade pode provocar a geração
excessiva de harmônicas e resultar em danos ao painel
frontal. VR-T204.1
O comando da série CL pode ser alimentado externamente
por meio dos pinos de ligação de ' força externa'. O próprio
painel de controle utiliza 120 Vca para operar. Entretanto,
existem configurações opcionais nas quais um gabinete
de controle de 240 Vca é fornecido. Em qualquer caso,
tome cuidado ao aplicar uma fonte externa no comando.
Chave de Supervisão
Essa chave é utilizada somente para comunicações digitais. Quando na posição On, o SCADA tem todas as suas
capacidades ativadas. Quando na posição Off, o SCADA
somente poderá ler o banco de dados de controle.
Chave de Reinicialização de Arrasto Manual
Essa chave opera um solenoide no Indicador de Posição
para mover o arrasto manual para a posição de derivação
atual.
Luz de Neutro
Essa é a principal indicação de que o trocador de derivação se encontra na posição de neutro. Veja a seção
Instalação do Comando: Determinação da Posição de
Neutro desse manual.
Terminais do Voltímetro
Permitem a conexão de um voltímetro para medição do
potencial detectado pelo comando [entre o isolador de
carga (L) e o isolador da carga da fonte (SL) do regulador].
Existem dois terminais: um terminal vermelho e um terminal branco.
Fusível
O fusível do motor é de 125 V, 6 A, queima rápida.
1
Comando Série CL-6 Instruções de instalação, operação e manutenção
Conexão da Alimentação Elétrica nos Terminais da Força Externa
Aplicações de 240 Vca para o Comando
de 240 V da Cooper
Opção 1:
Conjunto/Painel da Caixa do Comando conectado à terra
para proteção do pessoal de operação (aplicação típica
de campo onde o comando é montado no tanque do
Regulador aterrado ou poste suspenso com a caixa do
comando aterrada adequadamente).
O gabinete do comando 240 Vca da Cooper utiliza
um auto-transformador de 240 Vca a 120 VCA (2:1)
dentro do gabinete do comando (no painel traseiro. Este
transformador reduz a alimentação externa de 240 Vca
para fornecer 120 Vca ao painel de controle Dentro do
comando CL-6, neutro e terra são conectados em vários
locais. Deve-se tomar cuidado ao aplicar a alimentação
externa.
A fonte externa de 240 Vca deverá estar totalmente
isolada.Na maioria dos casos, existe a necessidade de um
transformador de isolação. Ele deverá isolar neutro e linha
no lado secundário. Além disso, neutro e terra no lado
secundário não deverão ser bondeados ou conectados.
Para verificar a isolação a partir da terra, verifique a
continuidade de cada condutor no transformador de
isolação em relação à terra (G).Verifique isso antes de
conectar os condutores no painel do comando.Veja a
Figura 1-3.
O conjunto do painel do comando é aterrado através
do tanque ou cinta de aterramento separada. O terra do
transformador de isolação não é conectado ao comando.
A única fonte de referência de terra no secundário do
transformador de isolação é através da conexão da caixa
do comando à terra.
2
Opção 2:
Conjunto flutuante da caixa do comando (aplicação típica
de oficina ou laboratório na qual o comando é montado no
tanque do regulador não aterrado ou apoiado na bancada
de trabalho).
A Cooper Power Systems oferece uma configuração
opcional do comando que aceita alimentação externa de
240 Vca. Nessa configuração, um autotransformador de
240 Vca para 120 Vca (2:1) é instalado dentro do gabinete
de controle (no painel traseiro).Este transformador reduz
a alimentação externa de 240 Vca para fornecer 120 Vca
ao painel de controle. Dentro do comando CL-6, neutro e
terra são conectados em vários locais.
A fonte externa de 240 Vca deverá estar totalmente
isolada. Na maioria dos casos, existe a necessidade de
um transformador de isolação. Ele deverá isolar neutro e
linha no lado secundário. Além disso, neutro e terra no lado
secundário não deverão ser bondeados ou conectados.
Para verificar a isolação a partir da terra, verifique a
continuidade de cada condutor no transformador de
isolação em relação à terra (G). Verifique isso antes de
conectar os condutores no painel do comando. Veja a
Figura 1-4.
Nesse caso, o terra do transformador de isolação é
conectado ao pino do terminal verde no comando da serie
CL-6. Nessa configuração, a única fonte de referência de
terra no lado secundário do transformador de isolação
é através da conexão da caixa do comando no terra do
transformador de isolação.
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
Painel CL-6
Transformador
de isolação 1:1
L
L
240V
240V
N
N
Neutro conectado à
terra no painel para
desvio (shunt) de
falhas/fuga de AT para
BT para a terra.
Não pode ser
removido.
A Cooper forneceu o
auto-transformador 2:1 no
painel traseiro do gabinete
do comando
Fonte externa
240 V
TB2-7
120V-L
TB2-8
Comum-N
TB2-5, 6
G
O núcleo pode ou
não ser ligado à
terra.
240V-L
Aterramento não conduzido ao painel
G
Para assegurar a
isolação da Terra,
verifique a continuidade
de cada condutor do
transformador de isolação
até G antes de conectar
os condutores no painel
do comando
Figura 1-3.
Aplicação de 240 Vca com o comando de 240 V da Cooper - Opção 1.
Painel CL-6
Transformador
de isolação 1:1
L
L
240V
240V
N
N
Neutro conectado à
terra no painel para
desvio (shunt) de
falhas/fuga de AT para
BT para a terra.Não
pode ser removido
A Cooper forneceu o autotransformador 2:1 no painel
traseiro do gabinete do
comando
Fonte externa
240 V
TB2-7
120V-L
TB2-8
Comum-N
TB2-5, 6
G
O núcleo pode ou
não ser ligado à
terra.
240V-L
G
Para assegurar a isolação
da Terra, verifique a
continuidade de cada
condutor do transformador
de isolação até G antes de
conectar os condutores no
painel do comando.
Figura 1-4.
Aplicação de 240 Vca com o comando de 240 V da Cooper - Opção 2.
3
Comando Série CL-6 Instruções de instalação, operação e manutenção
Aplicações de 240 Vca
ca para um Comando de 120 V da
Cooper
Opção 1:
Conjunto/Painel da Caixa do Comando conectado à terra
para proteção do pessoal de operação (aplicação típica
de campo onde o comando é montado no tanque do
Regulador aterrado ou poste suspenso com a caixa do
comando aterrada adequadamente).
Como o comando é configurado para 120 Vca, um
transformador de isolação 2:1 deverá ser utilizado para
incrementar e isolar a tensão de alimentação. Ele deverá
isolar neutro e linha no lado secundário. Além disso,
neutro e terra no lado secundário não deverão ser
bondeados ou conectados. Para verificar a isolação a
partir da terra, verifique a continuidade de cada condutor
no transformador de isolação em relação à terra (G).
Verifique isso antes de conectar os condutores no painel
do comando. Veja a Figura 1-5.
O conjunto do painel do comando é aterrado através
do tanque ou cinta de aterramento separada. O terra do
transformador de isolação não é conectado ao comando.
A única fonte de referência de terra no secundário do
transformador de isolação é através da conexão da caixa
do comando à terra.
4
Opção 2:
Conjunto flutuante da caixa do comando (aplicação típica
de oficina ou laboratório na qual o comando é montado no
tanque do regulador não aterrado ou apoiado na bancada
de trabalho).
Como o comando é configurado para 120 Vca, um
transformador de isolação 2:1 deverá ser utilizado para
incrementar e isolar a tensão de alimentação. Ele deverá
isolar neutro e linha no lado secundário. Além disso,
neutro e terra no lado secundário não deverão ser
bondeados ou conectados. Para verificar a isolação a
partir da terra, verifique a continuidade de cada condutor
no transformador de isolação em relação à terra (G).
Verifique isso antes de conectar os condutores no painel
do comando. Veja a Figura 1-6.
Nesse caso, o terra do transformador de isolação é
conectado ao pino do terminal verde no comando da serie
CL-6. Nessa configuração, a única fonte de referência de
terra no lado secundário do transformador de isolação
é através da conexão da caixa do comando no terra do
transformador de isolação.
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
Painel CL-6
Transformador
de isolação 2:1
L
240V
Neutro conectado à terra
no painel para desvio
(shunt) de falhas/fuga de AT
para BT para a terra.Não
pode ser removido.
Fonte externa
120V
L
120V
N
N
G
G
O núcleo pode ou
não ser ligado à
terra
Aterramento não conduzido ao painel
Para assegurar a isolação da Terra,
verifique a continuidade de cada
condutor do transformador de
isolação até G antes de conectar os
condutores no painel do comando.
Figura 1-5.
Aplicação de 240 Vca com o comando de 120 V da Cooper - Opção 1.
Painel CL-6
Transformador
de isolação 2:1
L
240V
N
Neutro conectado à terra
no painel para desvio
(shunt) de falhas/fuga de AT
para BT para a terra.Não
pode ser removido.
Fonte externa
120V
L
120V
N
G
O núcleo pode ou
não ser ligado à
terra
Para assegurar a isolação da Terra,
verifique a continuidade de cada
condutor do transformador de isolação
até G antes de conectar os condutores
no painel do comando.
Figura 1-6.
Aplicação de 240 Vca com o comando de 120 V da Cooper - Opção 2.
5
Comando Série CL-6 Instruções de instalação, operação e manutenção
120 Vca Applications to a Cooper 120 V
Control
Opção 1:
Conjunto/Painel da Caixa do Comando conectado à terra
para proteção do pessoal de operação (aplicação típica
de campo onde o comando é montado no tanque do
Regulador aterrado ou poste suspenso com a caixa do
comando aterrada adequadamente).
Opção 2:
Conjunto flutuante da caixa do comando (aplicação típica
de oficina ou laboratório na qual o comando é montado no
tanque do regulador não aterrado ou apoiado na bancada
de trabalho).
Como o comando é configurado para 120 Vca, um transformador de isolação 1:1 deverá ser utilizado para isolar
a tensão de alimentação. Ele deverá isolar neutro e linha
no lado secundário. Além disso, neutro e terra no lado
secundário não deverão ser bondeados ou conectados.
Para verificar a isolação a partir da terra, verifique a continuidade de cada condutor no transformador de isolação
em relação à terra (G). Verifique isso antes de conectar os
condutores no painel do comando. Veja a Figura 1-7.
A fonte externa de 120 Vca deverá estar totalmente
isolada. Na maioria dos casos, existe a necessidade de
um transformador de isolação. Ele deverá isolar neutro e
linha no lado secundário. Além disso, neutro e terra no lado
secundário não deverão ser bondeados ou conectados.
Para verificar a isolação a partir da terra, verifique a
continuidade de cada condutor no transformador de
isolação em relação à terra (G). Verifique isso antes de
conectar os condutores no painel do comando. Veja a
Figura 1-8.
O conjunto do painel do comando é aterrado através
do tanque ou cinta de aterramento separada. O terra do
transformador de isolação não é conectado ao comando.
A única fonte de referência de terra no secundário do
transformador de isolação é através da conexão da caixa
do comando à terra.
Nesse caso, o terra do transformador de isolação é
conectado ao pino do terminal verde no comando da serie
CL-6. Nessa configuração, a única fonte de referência de
terra no lado secundário do transformador de isolação
é através da conexão da caixa do comando no terra do
transformador de isolação.
6
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
Painel CL-6
Transformador
de isolação 1:1
Neutro conectado à terra
no painel para desvio
(shunt) de falhas/fuga de AT
para BT para a terra. Não
pode ser removido.
L
Fonte externa
120 V
L
120V
120V
N
N
G
G
O núcleo pode ou
não ser ligado à
terra.
Aterramento não conduzido ao painel.
Para assegurar a isolação da Terra,
verifique a continuidade de cada
condutor do transformador de isolação
até G antes de conectar os condutores
no painel do comando.
Figura 1-7.
Aplicação de 120 Vca com o comando de 120 V da Cooper - Opção 1.
Painel CL-6
Transformador
de isolação 1:1
Neutro conectado à terra
no painel para desvio
(shunt) de falhas/fuga de AT
para BT para a terra. Não
pode ser removido.
L
120V
N
Fonte externa
120 V
L
120V
N
G
O núcleo pode ou
não ser ligado à
terra.
Para assegurar a isolação da Terra,
verifique a continuidade de cada
condutor do transformador de isolação
até G antes de conectar os condutores
no painel do comando.
Figura 1-8.
de 120 Vca com o comando de 120 V da Cooper - Opção 2.
7
Comando Série CL-6 Instruções de instalação, operação e manutenção
Painel Superior (Preto)
Visor
O visor é uma tela de LCD com iluminação de fundo, na
qual as informações são exibidas em quatro linhas de vinte
caracteres, em quatro idiomas diferentes: inglês, francês,
português e espanhol. Veja a Figura 1-3.
Utilizando uma estrutura de 3 níveis de menus aninhados, os itens são estruturados nos níveis um e dois e os
parâmetros se encontram no nível três. O menu principal
é a exibição padrão. Consulte a Tabela 5-2 para obter o
menu aninhado completo. Quando um menu é exibido, o
item do menu atual é indicado por um cursor na tela de
exibição. Os valores dos parâmetros aparecem no visor de
LCD, justificados à direita, com um ponto decimal exibido
quando necessário.
Nota: Somente quatro itens de linha aparecem no visor por
vez. A movimentação do cursor a partir da quarta linha
deslocará os itens de linha para cima, um item por vez.
Pressione e segure a tecla Function e, a seguir, pressione
a tecla de seta de rolagem para cima para aumentar, ou
para baixo para diminuir, o contraste.
Teclado
A interface do painel frontal de comando CL-6 utiliza um
teclado tipo 'touchpad' de 16 teclas em um padrão de
losângulo. Consulte a Figura 1-4. O teclado permite três
modos de interface com os três níveis da estrutura de
menus aninhados: teclas numéricas, teclas de atalho e
teclas de rolagem.
Teclas Numéricas
Para utilizar o teclado como numérico para inserir códigos
de funções (FC) ou valores de parâmetros, pressione as
teclas Function ou Edit/Reset. Quando a inserção com
as teclas numéricas estiver concluída, pressione Enter.
Figura 1-3.
Telas Main Menu, Forward Directione e MeteringPLUS Tap PositionTap Position screens.
8
Utilize os códigos de funções para programação rápida
e leitura de parâmetros Nível 3. Para exibir um parâmetro
no visor de LCD via código de função (FC), pressione
a tecla Function, tecle o número do código da função
(FC) e, a seguir, pressione Enter. Para fins de segurança,
alguns parâmetros, como indicado na Tabela 1-4, somente
poderão ser acessados por meio do método do código
da função. Além disso, alguns parâmetros e dados, como
alarmes, lógica customizada, histogramas e dados de perfil, somente poderão ser acessados por meio do software
de interface.
Veja a Tabela 5-2 para obter uma lista de funções agrupadas por nível de menu e a Tabela 5-3 para obter uma
listagem numérica dos códigos de funções.
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
Tecla de rolagem
Tecla Edit
Teclas de função
Teclas numéricas
Tecla de rolagem
Figura 1-4.
Teclado totalmente numérico e rolável com Metering-PLUS.
Teclas de Atalho
Existem dois tipos de teclas de atalho que acessam locais
específicos na estrutura de menus aninhados. As teclas
*1–*4 oferecem suporte ao recurso Metering-PLUS que
fornece, com um toque, os dados de diagnóstico comumente solicitados; veja as Figuras 1–3 e 1–4. As teclas
5–9 e 0 oferecem suporte aos itens de menu de Nível 1;
pressione as teclas 5–9 e 0 oferecem suporte aos itens
de menu de Nível 1; pressione as teclas 5–9 e 0 and the
associated Level 2 menu items will display in the LCD.
Os dados Metering-PLUS incluem Tensão Compensada,
Tensão de Carga, Corrente de Carga e Posição de
Derivação; consulte a seção Recursos Avançados:
Metering-PLUS desse manual para obter mais informações.
Os itens de menu de Nível 1 incluem configurações
(Settings), recursos (Features), contadores (Counters),
medição (Metering), alarmes/eventos (Alarms/Events)
(ocorrências) e diagnósticos (Diagnostics).
Teclas de Rolagem
Utilize as teclas de rolagem para movimentar o cursor entre
itens dentro de um local em nível de menu. Por exemplo,
no submenu de Nível 2 para medição (Metering), as setas
irão controlar o cursor através das opções instantânea
(Instantaneous), demanda para frente (Forward Demand),
demanda para trás (Reverse Demand) e reinicialização
geral (Master Reset).
As teclas Enter e Escape são utilizadas para entrar na
estrutura de menus ou para se mover entre os níveis de
menus. Enter é utilizada para acessar submenus. Escape
é utilizada para retroceder ou sair dos submenus. O
acionamento repetitivo da tecla Escape retornará a tela
para o menu principal de nível um. (Um local de nível profundamente aninhado necessita de um maior número de
acionamentos da tecla.)
Nota: Somente quatro itens de linha aparecem no visor por
vez. A movimentação do cursor a partir da quarta linha
deslocará os itens de linha para cima, um item por vez.
9
Comando Série CL-6 Instruções de instalação, operação e manutenção
Indicadores
de alarme
Indicadores de
status
Comunicação
Indicadores
Porta Com 1
Figura 1-5.
Indicadores de alarme e comunicação e Porta Com 1.
Indicadores de Alarme
Esses LEDs indicam um Alarme ou uma Advertência,
condição definida pelo usuário ou um diagnóstico de erro.
Veja a Figura 1-5.
Comunicações
Indicadores de comunicação
Esses LEDs permitem visualizar as mensagens de transmissão e recepção ativas quando ocorre a transferência
de informações. Veja a Figura 1-5.
Porta de Comunicação 1
A porta Com 1 é do tipo RS232 (DCE) que serve de interface de comunicação local entre o comando e um PC
utilizando o cabo RS232 padrão estilo DB9. Não há necessidade de utilização de um modem nulo. Veja a Figura 1-5.
10
Porta do cartão de
memória Flash
Figura 1-6.
Indicadores de status e porta do cartão de memória
Flash.
Indicadores de Status
Esses LEDs indicam as condições de regulação: limitador
de tensão alta (Voltage Limiter High), alta fora da banda
(Out-of-Band High), baixa fora da banda (Out-of-Band
Low), limitador de tensão alta (Voltage Limiter Low), derivação bloqueada (Tapping Blocked), alimentação reversa
(Reverse Power) e redução de tensão (Voltage Reduction).
Consulte a Figura 1-6.
Consulte as seções Operação do Comando, Recursos
do Comando, e Recursos Avançados desse manual
para obter informações adicionais.
Porta do Cartão de Memória Flash
A porta do cartão de memória Flash é do Tipo 1 compacto. Ela é utilizada para a gravação dos dados existentes e
carga e salvamento de configurações padrão e customizadas. Veja a Figura 1-6. FC 350 a FC 368 são funções do
cartão de memória Flash. Consulte a lista apropriada na
Tabela 5-3. Veja a seção Recursos Avançados: Cartão
de Memória Flash Compacta desse manual para obter
mais informações.
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
Seção 2: Instalação do comando
advertência: Tensão perigosa. Para proteger o pessoal contra surtos durante a operação do
comando, siga esses procedimentos de aterramento do
gabinete do comando: a) Se o gabinete estiver conectado ao tanque do regulador ou estiver fora (remoto) do
tanque, mas somente acessível com uma escada,
conecte o gabinete no condutor da haste regulador-terra; b) Se o gabinete estiver acessível ao pessoal em
pé no solo, conecte o gabinete diretamente a uma
esteira de aterramento e haste de aterramento. A não
conformidade poderá resultar em ferimentos graves ou
morte. VR-T202.0
!
advertência: Tensão perigosa. A caixa do
comando deverá estar solidamente aterrada. A
não conformidade poderá provocar ferimentos e danos
ao equipamento. VR-T203.0
!
CUIDADO: Danos ao equipamento. Somente uma
fonte de alimentação CA deverá ser utilizada para
energizar o comando externamente. Não use um
inversor de tensão CC-CA. A não conformidade pode
provocar a geração excessiva de harmônicas e resultar
em danos ao painel frontal. VR-T204.1
CUIDADO: Danos ao equipamento. Ao utilizar uma
fonte externa, certifique-se da polaridade correta. A
inversão da polaridade resultará em danos ao controle.
VR-T201.0
Montagem do comando
O comando do regulador CL-6 da Cooper pode ser
montado sobre o tanque do regulador ou em ponto
remoto da unidade. O cabo com cobertura de borracha
está disponível para interconexão entre o comando e o
regulador. Consulte a seção Acessórios desse manual.
Tabela 2-1
Especificações de comando
Descrição
Dimensões físicas
Altura
Largura
Profundidade
Peso
Carga a 120 V
Faixa de temperaturas de operação
Precisão do sistema de comando
Especificações
417 mm (16.4”)
234 mm (9.2”)
81 mm (3.2”)
3,8 kg (8.4 lb)
4 VA
-40 °C a +85 °C
±1%
Tabela 2-2
Precisão de medição
Tensão de carga e tensão diferencial/fonte
80-137 Vca, 45-65 Hz com erro máximo de 0,5% *† da
leitura sob todas as condições.
O comando irá suportar até 137 V sem danos ou perda de
calibração.
Entrada de corrente
0-0,400 ACA, 45-65 Hz com erro máximo de 0,6% (0,0012
A)* da corrente de carga total nominal (0,200 A) sob todas
as condições. O comando suportará a especificação de
curto-circuito do regulador sem danos ou perda de
calibração.
Valores calculados, kVA, kW, kvar
0-9999, com erro não excedendo 1% * sob todas as condições.
Análise de harmônicas, harmônicas de corrente e tensão
2ª–15ª frequências de harmônicas e THD, com erro não
excedendo 5% sob todas as condições
* Precisão básica do dispositivo, excluindo erros do TP e TC.
† 0,5% com base em 120 V: (0,5%) (120) = 0.6 V
Colocação do comando em serviço
Colocação do comando em
serviço
O comando deverá ser programado de modo adequado
para o serviço. Consulte a seção Programação inicial do
comando desse manual.
Consulte o manual do regulador apropriado, conforme
indicado na plaqueta de identificação do regulador, para
obter informações específicas na instalação do regulador
(veja a Figura 3-3). Consulte as Tabelas 2-1 e 2-2 para
obter as especificações do comando e a precisão de
medição.
O comando deverá estar ligado para ser programado.
Aplique 120 Vca, ou outra tensão conforme indicado no
decalque, nos terminais da fonte externa. Verifique se o fio
terra está conectado ao terminal de terra e coloque a
chave liga/desliga na posição externa. Como alternativa, o
regulador poderá ser energizado no potencial da linha, cm
a chave liga/desliga colocada na posição interna.
Ao energizar o comando a partir de uma fonte externa,
utilize somente uma fonte de 120 Vca, exceto se o
comando foi configurado para 240 Vca, conforme indicado
por um decalque adjacente aos terminais.
Quando o comando é ligado, a rotina de autodiagnóstico
será iniciada e o visor de LCD será ativado, seguido por
uma mensagem PASS. Verifique a data e a hora exibidas
e reinicialize se necessário. Se as mensagens FAILURE ou
Diagnostic Error são exibidas, consulte a seção
Diagnóstico e Soluções de Problemas desse manual.
11
Comando Série CL-6 Instruções de instalação, operação e manutenção
Verificação operacional
Verificação de pré-instalação
O Comando CL-6 tem facilidades para operação manual
ou automática do trocador de derivação, utilizando a fonte
de alimentação interna (o regulador) ou uma fonte externa.
Para efetuar uma verificação operacional do comando
antes de instalar o regulador, siga os passos abaixo.
Nota: Para utilização em um regulador de tensão não fornecido
pela Cooper Power Systems, consulte o manual do fabricante do equipamento para obter informações específicas.
1.Abra as chaves tipo faca V1 (e V6, se presente)
localizada(s) no painel traseiro do gabinete do comando.
2.Coloque a chave POWER na posição Off e a chave
CONTROL FUNCTION na posição Off.
3.Conecte uma fonte variável de 120 Vca 50/60 Hz nos
terminais EXTERNAL SOURCE. Os comandos que
têm fiação para uma fonte externa de 220–240 Vca
recebem um decalque especificando “240” nos terminais. Verifique a polaridade apropriada.
4.Coloque a chave POWER na posição External.
5.Mova a chave CONTROL FUNCTION para Manual,
pressione e segure momentaneamente a chave oscilante Raise/Lower. Deixe o trocador de derivação
operar para 8 L, posição de 5% de transferência.
Verifque se a indicação da posição da derivação (TPI)
está registrando apropriadamente, pressionando a
tecla *Tap Position.
6.Levante e segure momentaneamente a chave oscilante
Raise/Lower. Deixe o trocador de derivação operar
para 8 R, posição de 5% de reforço.
7.Coloque a chave CONTROL FUNCTION na posição
Auto/Remote.
8.Aumente a fonte de tensão variável até que a tensão
aplicada fique fora da banda. Observe se o LED Outof-Band High no painel frontal acende. Após o período de retardo, o comando emitirá um sinal de troca de
derivação inferior. Verifique se a indicação da posição
(TPI) está sendo registrada apropriadamente, pressionando a tecla *Tap Position e comparando a leitura
com o indicador de posição da derivação na caixa de
junção do regulador.
9.Reduza a fonte de tensão variável até que a tensão
aplicada fique fora da banda. Observe se o LED Outof-Band Low no painel frontal acende. Após o período de retardo, o comando emitirá um sinal de troca de
derivação superior. Verifique se a indicação da posição
(TPI) está sendo registrada apropriadamente, pressionando a tecla *Tap Position e comparando a leitura
com o indicador de posição da derivação na caixa de
junção do regulador.
10.Coloque a chave CONTROL FUNCTION na posição
Manual e retorne o trocador de derivação para neutro.
Quando em neutro, a Luz de Neutro acenderá de
modo contínuo e o indicador de posição indicará zero.
11.Coloque a chave CONTROL FUNCTION na posição Off.
12
12.Pressione momentaneamente a chave oscilante DRAG
HAND Reset e solte. O indicador de arrasto manual
reinicializará para indicar manual.
13.Gire a chave POWER para Off e desconecte a fonte de
alimentação dos terminais EXTERNAL SOURCE.
Verificação em serviço
Com o comando programado para operação básica, execute uma verificação operacional da operação manual e
automática.
1.Pressione a tecla *Comp Voltage para exibir a tensão
compensada e ambas as bordas da banda no visor LCD.
2.Coloque a chave CONTROL FUNCTION na posição
Manual.
3.Alterne a chave Raise/Lower até ativar uma operação
de levantamento. Deixe o trocador de derivação operar
por incrementos suficientes para tirar a tensão fora da
banda. Observe se o LED Out-of-Band High no painel frontal acende.
4.Coloque a chave CONTROL FUNCTION na posição
Auto/Remote. Após o período de retardo de tempo,
o comando deverá fazer com que o regulador abaixe
até a borda superior da banda. Isso será exibido no
visor de LCD.
Exemplo: 120 V e largura de banda de 2 V = 121 V
borda superior da banda.
5.Após a colocação da tensão dentro da banda e a
parada da troca de derivação, mova a chave CONTROL
FUNCTION para a posição MANUAL.
6.Alterne a chave Raise/Lower até ativar uma operação
de abaixamento. Deixe o trocador de derivação operar
por incrementos suficientes para tirar a tensão fora da
banda. Observe se o LED Out-of-Band Low no painel
frontal acende.
7.Coloque a chave CONTROL FUNCTION na posição
Auto/Remote. Após o período de retardo de tempo,
o comando deverá fazer com que o regulador aumente até a borda inferior da banda. Isso será exibido no
visor de LCD.
Exemplo: 120 V e largura de banda de 2 V = 119 V
borda inferior da banda.
Testes do comando na bancada
Ao aplicar a tensão externa em um comando CL-6, desconectado do gabinete do comando, siga os passos abaixo:
1.Coloque um jumper entre as posições 7 e 8 do plugue
de desconexão no chicote de fiação do comando.
2.Coloque um jumper entre as posições 5 e 6 do plugue
de desconexão no chicote de fiação do comando.
3.Conecte a fonte externa no pino da fonte externa na
parte frontal do comando. Conecte o condutor energizado no pino do terminal preto, neutro no pino branco
e terra no pino do terminal verde. Veja as instruções
detalhadas para aplicação da alimentação elétrica nos
terminais da fonte externa na Seção 1 desse manual.
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
Verificação da calibração no
campo
Para verificar a calibração do comando, compare a tensão
informada pelo comando no visor com a tensão medida
nos terminais de teste.
Nota: As verificações da calibração no campo servem somente
como uma indicação da calibração e não são tão precisas como o procedimento descrito na seção Diagnóstico
e solução de problemas desse manual.
1.Conecte um voltímetro RMS real preciso nos terminais
de voltímetro.
2.Utilize o teclado para acessar o parâmetro FC 47. Tecle:
FUNCTION, 47, ENTER.
Ou acesse via menu: Features > Calibration >
Voltage Calibration.
3.Sob condições ideais, a tensão exibida do comando
igualará a tensão do voltímetro. Na realidade, as tensões podem ser ligeiramente diferentes, pois:
A.A medição e a operação se baseiam no valor RMS
da frequência fundamental da linha de força. Desse
modo, os valores medidos excluem a influência das
tensões harmônicas provavelmente presentes na
linha. Entretanto, um medidor RMS verdadeiro
incluirá essas tensões harmônicas em seus cálculos
da tensão RMS. Isso não representa um problema
para qualquer dispositivo de medição, pois cada um
utiliza uma abordagem diferente de medição.
B.A calibração do voltímetro em uso na medição
provavelmente não é exata. Mesmo um medidor
muito bom com precisão básica de 0,5% poderá
apresentar um erro de até 0,6 V (em 120 V) e ainda
ser considerado cmo "calibrado". O comando é
calibrado utilizando-se uma fonte de alimentação
condicionada e voltímetros de referência que são
periodicamente verificados em termos de calibração e
acompanhados pelo National Bureau of Standards.
Nota: O firmware de comando é projetado para executar
correção de relação. Por meio do transformador de
correção de relação (RCT) localizado no painel traseiro, a
tensão controlada é normalmente corrigida para tensão
básica de 120 V. Entretanto, existem algumas
especificações nominais nas quais essa tensão não é
corrigida pelo RCT. Consulte a plaqueta de identificação
do regulador para obter informações específicas sobre
ele. A Tabela 3-3 fornece uma indicação geral dessas
tensões.
Ao montar um comando CL-6 em um gabinete existente,
este não poderá ter RCTs instalados. Nesse caso, a
tensão medida nos terminais do voltímetro pode não
igualar a tensão lida no comando.
Qualquer tensão que resulte da divisão da tensão nominal
do sistema, FC 43, pela relação total do TP, FC 44, será
considerada pelo comando como a tensão nominal.
Portanto, quando a tensão aparece na entrada do
comando, 120 V serão reportados como a tensão de
saída, FC 6, independente de a tensão nominal real ser
120 V ou não. Similarmente, a tensão compensada, FC 8,
e a tensão de entrada, FC 7, serão escaladas de acordo.
Se o regulador estiver equipado e programado para opera-
ção de alimentação reversa, a tensão compensada estará
correta durante as condições de alimentação reversa.
A tensão de carga, FC 10; tensão da fonte, FC 11; e os
parâmetros calculados, como kVA, kW e kvar, não são
escalados de modo similar a FC 6 e FC 8. Em vez disso,
eles refletirão o valor real da tensão da linha.
Nota: A tensão medida nos terminais de teste durante o fluxo
de alimentação reversa é a nova tensão da fonte no isolador de carga do regulador.
Remoção de serviço
Consulte o manual do regulador apropriado conforme indicado na plaqueta de identificação para obter informações
adicionais.
Determinação da posição de neutro
!
perigo: Risco de explosão. Durante o
chaveamento de desvio, o regulador deverá
estar na posição de neutro. Antes de efetuar o
chaveamento de desvio: 1) O regulador deverá ser
colocado na posição de neutro; 2) A operação do
trocador de derivação deverá ser desabilitada durante
o chaveamento de desvio. Se o regulador estiver em
qualquer outra posição, uma parte do enrolamento em
série sofrerá curto com o fechamento da chave de
desvio, resultando em alta corrente em circulação. O
não atendimento dessa advertência poderá resultar em
morte ou ferimento grave e danos ao equipamento. .
VR-T205.0
!
Advertência: Risco de explosão. O desvio
de um regulador com a linha energizada somente
deverá ser executado se o indicador de posição e a luz
de neutro indicarem a posição de neutro. Se ambos
não indicarem neutro, a linha deverá ser desenergizada
para evitar o curto de uma parte do enrolamento em
série e resultará em circulação de corrente alta. O não
atendimento dessa advertência poderá resultar em
morte ou ferimento e danos ao equipamento. VR-T206.0
Retorne o regulador para neutro. Somente um regulador na
posição de neutro poderá ser removido com segurança
sem interromper a continuidade de carga. Recomendamos
a utilização de mais de um método para determinar a condição de neutro.
Retorne o regulador para neutro.
!
Advertência: Risco de explosão. Utilize
sempre a chave CONTROL FUNCTION (rotulada
Auto/Remote, Off, Manual e Raise ou Lower) para operar o regulador, e não a chave liga-desliga. A não conformidade poderá resultar na saída imediata do trocador de derivação da posição de neutro ao ser energizado, provocando ferimentos e danos ao equipamento. VR-T207.0
1.Use a chave Raise/Lower para levar o regulador para
a posição de neutro.
13
Comando Série CL-6 Instruções de instalação, operação e manutenção
!
ADVERTÊNCIA: Risco de explosão. Para parar
o regulador na posição de neutro, a chave
CONTROL FUNCTION deverá ser retornada para Off
durante a operação de chaveamento das posições 1R
ou 1L para a posição de neutro. A mudança para Off
antes de alcançar a posição de neutro evita nível
excessivo de sinal. O não atendimento dessa advertência poderá resultar em morte ou ferimento grave e
danos ao equipamento. VR-T208.0
2.Quando em neutro, a Luz de Neutro ficará
continuamente acesa no painel frontal do comando e
o indicador de posição apontará para zero.
3.Verifique a posição de neutro do regulador utilizando
quatro métodos.
A.Verifique se a luz indicadora de neutro no comando
está indicando a posição de neutro. O neutro é indicado somente quando a luz fica acesa continuamente.
B.Verifique se a posição da derivação do comando indica neutro (número 4 no teclado numérico).
C.Verifique se o indicador de posição no regulador se
encontra na posição de neutro.
D.Utilizando um método aceitável, verifique se não
existe nenhuma diferença de tensão entre os isoladores da fonte e da carga.
!
advertência: Risco de explosão. Após a
colocação do regulador na posição de neutro
para chaveamento de desvio, desabilite sempre o
motor para evitar a troca de derivação durante o
desvio, o que poderá resultar na saída do trocador de
derivação da posição de neutro. A não conformidade
poderá provocar morte ou ferimentos e danos ao
equipamento.
VR-T209.0
4.Quando o regulador for colocado na posição de neutro, mas antes de desviar, ações adicionais de segurança deverão ser tomadas para garantir que o trocador de derivação não será chaveado de modo inadvertido para uma posição desligado-neutro. Isso pode ser
efetuado como segue:
A.Coloque a chave CONTROL FUNCTION na posição
Off.
B.Remova o fusível do motor.
C.Coloque a chave POWER do comando na posição
Off.
D.Abra a chave tipo faca V1 (e V6 se presente)
localizada(s) no painel traseiro do comando.
Remoção do comando
O comando poderá ser removido com o regulador energizado. Anote as configurações, etc., para facilitar a substituição do comando.
Para abrir o comando, solte os parafusos recartilhados
cativos no lado esquerdo do painel. Isso permitirá que o
comando seja aberto por meio de basculamento em suas
14
dobradiças. Com o controle aberto, o painel traseiro fica
prontamente acessível. O projeto do gabinete, painel traseiro e do próprio comando permite fácil substituição do
comando, deixando o painel traseiro, gabinente do comando e cabos intactos. Para remover o comando, proceda
como segue:
!
Advertência: Risco de ignição instantânea.
Feche a chave de curto C antes de tentar a
remoção do painel frontal. A não conformidade poderá
abrir o circuito do TC do regulador, produzindo uma
ignição instantânea no comando, provocando
ferimentos e danos ao equipamento. VR-T210.0
1.Feche a chave de curto de corrente C. Essa ação efetuará o curto do secundário do TC do regulador.
Nota: Os reguladores enviados com cabo de desconexão
rápida contém um circuito de monitoramento do TC
de estado sólido na caixa de junção. Este dispositivo
automaticamente coloca uma carga no TC sempre
que o circuito do TC é aberto. Para fins de consistência, recmenda-se a utilização da chave de curto
do TC sempre que ela estiver presente no painel
traseiro.
2.Puxe a chave seccionadora V1 (e V6 se presente). Isso
irá desligar a placa de terminais TB2.
3.Desconecte o comando do painel traseiro em TB2,
localizado no fundo do painel traseiro.
4.Desconecte o condutor de terra do comando do painel
traseiro.
O comando pode agora ser levantado de suas dobradiças. Tome cuidado para evitar danos em um comando
durante transporte e/ou armazenamento.
!
Advertência: Risco de ignição instantânea.
Não abra a chave de curto de corrente C até
efetuar a conexão de TB2. A não conformidade poderá
abrir o secundário do TC do regulador, produzindo uma
ignição instantânea no comando, provocando
ferimentos e danos ao equipamento. VR-T211.0
Substituição do comando
Para colocar um comando no gabinete do comando, siga
o procedimento descrito a seguir:
1.Encaixe o comando nas dobradiças do gabinete.
2.Conecte o condutor de terra do comando no painel
traseiro.
3.Reconecte o comando no painel traseiro em TB2,
localizado no fundo do painel traseiro.
4.Feche a chave seccionadora V1 (e V6 se presente).
5.Abra a chave de curto de corrente C.
6.Feche o comando e aperte os parafusos de trava.
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
Seção 3: Programação inicial do comando
Esta seção explica cada passo para a execução inicial apropriada das configurações da programação de controle do
comando e painel traseiro de um regulador de tensão CL-6.
Verifique as especificações de Tensão de Linha do Sistema
na plaqueta de identificação do regulador. Consulte o
manual de serviço do regulador identificado na sua plaqueta de identificação para obter informações adicionais sobre
o equipamento.
Esta seção aborda os procedimentos de configuração
padrão dos comandos, inclusive sua substituição. Consulte
Programação e Reconfiguração dos Diferentes Sistemas
de Tensão, nessa seção do manual, ao instalar/substituir o
comando CL-6 e reconfigurar o regulador para um sistema
de tensão diferente.
1.Comece com todas as chaves no painel frontal do
comando desligadas (Off).
2.Existem duas opções para ligar o comando: alimentação interna ou externa. Escolha um método e siga os
passos apropriados.
A.Alimentação interna
Coloque a chave POWER na posição Internal a partir da posição Off.
B.Alimentação externa
Conecte a fonte de alimentação externa nos pinos de
ligação EXTERNAL SOURCE: condutor energizado
nos pinos de ligação pretos superiores; neutro nos
pinos de ligação brancos inferiores; terra nos pinos
de ligação verdes de terra. Veja as instruções
detalhadas para aplicação da alimentação elétrica
nos terminais da fonte externa na Seção 1 desse
manual.
Coloque a chave POWER na posição External a
partir da posição Off.
Programação Básica
Execute os passos na Tabela 3-1 para programar o comando para operação básica. Prossiga com os passos na
Tabela 3-2 para então programar o comando para os recursos adicionais ou para substitui-lo. Para cada item, observe
cada valor e verifique ou altere como apropriado.
Nota: Após ligar o controle e o visor de LCD exibir PASS, pressione Escape para utilizar o teclado.
Instruções passo a passo estão incluídas nas Tabelas 3-1 e
3-2. A coluna Instruções lista as teclas a serem pressionadas (isto é, Enter, Edit, 7, etc.). Além disso, as instruções
em itálico indicam uma opção ou entrada; Valor indica um
valor desejado inserido via teclados numéricos e, após cada
“Scroll” existe uma lista em itálico das alternativas que aparecem no visor, dentro daquele código de função. Role a
lista até selecionar a alternativa desejada e, a seguir, pressione Enter.
Execute uma Reinicialização Mestre de Demanda (FC 38)
após a execução da programação inicial do comando para
reinicializar os valores de demanda atuais.
Nota: Vá para FC 141 para alterar a configuração do idioma.
TaBELA 3-1
Programação das Operações Básicas
Código
de função
99
1
2
3
4
5
40
41
Descrição
Instruções
Função de segurança
Tensão ajustada para frente
Largura de banda para frente
Retardo de tempo para frente
Resistência comp. de queda da linha para frente
Reatância comp. de queda da linha para frente
Identificação do regulador
Configuração do regulador
Function, 99, Enter Password 32123 (default), Enter
Function, 1, Enter, Edit, Value, Enter
Function, 2, Enter, Edit, Value, Enter
Function, 3, Enter, Edit, Value, Enter
Function, 4, Enter, Edit, Value, Enter
Function, 5, Enter, Edit, Value, Enter
Function, 40, Enter, Edit, I. D. number, Enter
Function, 41, Enter, Edit, Scroll - Wye; Delta Lagging; Delta Leading,
Enter
Function, 42, Enter, Edit, Scroll - Sequential; Time Integrating; Voltage
Averaging, Enter
Function, 43, Enter, Edit, Value, Enter
Function, 44, Enter, Edit, Value, Enter
Function, 45, Enter, Edit, Value, Enter
Function, 46, Enter, Edit, Value, Enter
Function, 49, Enter, Edit, Scroll - Cooper QD8; Cooper QD5; Cooper
QD3; Cooper Spring Drive; Cooper Direct Drive; Siemens; General
Electric; Howard; LTC-Reinhausen, Enter
Function, 50, Enter, Edit, Month, Day, Year, Hour, Minute, Enter
Function, 140, Enter, Edit, Scroll - Type A; Type B; Type C; Type D, Enter
Function, 144, Enter, Edit, Value, Enter
Function, 145, Enter, Edit, Value, Enter
Function, 146, Enter, Edit, Scroll - Vdiff Mode; Vin Mode, Enter
Function, 69, Enter, Edit, Scroll - Normal; Blocked, Enter
42
Modo de operação do comando
43
44
45
46
49
Tensão de linha do sistema
Relação total do T.P.
Especificação nominal primária do T.C.
Intervalo de tempo de demanda
Tipo do trocador de derivação
50
140
144
145
146
69
Calendário/Relógio
Tipo do regulador
Limite alto P.I. ADD-AMP
Limite baixo P.I. ADD-AMP
Configuração Vin T.P.
Status de bloqueio da operação automática
continued on Page 16
15
Comando Série CL-6 Instruções de instalação, operação e manutenção
TabELA 3-2
Recursos adicionais de programação (continuação da página 16)
Código de Descrição
função
Instruções
Requisitos do Modo de Detecção Reversa sem IDPTs
039
Cálculo da tensão da fonte
Function, 39, Enter, Edit Scroll - On; Off, Enter
Obrigatório para os modos de detecção reversa
051
Tensão de ajuste reversa
Function, 51, Enter, Edit, Value, Enter
052
Largura de banda reversa
Function, 52, Enter, Edit, Value, Enter
053
Retardo de tempo reverso
Function, 53, Enter, Edit, Value, Enter
054
Resistência comp. de queda da linha reversa
Function, 54, Enter, Edit, Value, Enter
055
Reatância comp. de queda da linha reversa
Function, 55, Enter, Edit, Value, Enter
056
Modo de detecção reversa
Function, 56, Enter, Edit, Scroll - Locked Forward; Locked Reverse;
Reverse Idle; Bi-directional; Neutral Idle; Co-generation; React
Bi-directional, Enter
Obrigatório para o modo de redução de tensão
070
Modo de redução de tensão
Function, 70, Enter, Edit, Scroll - Off; Local/Digital Remote; Remote/
Latch; Remote/Pulse, Enter
072
Valor de redução local/digital
Function, 72, Enter, Edit, Value, Enter
073
Valor de redução nº 1
Function, 73, Enter, Edit, Value, Enter
074
Valor de redução nº 2
Function, 74, Enter, Edit, Value, Enter
075
Valor de redução nº 3
Function, 75, Enter, Edit, Value, Enter
076
nº de passos de redução dos pulsos
Function, 76, Enter, Edit, Value, Enter
077
% de red. de tensão por
passo de pulso
Function, 77, Enter, Edit, Value, Enter
Obrigatório para o modo de limite de tensão
080
Modo de limite de tensão
Function, 80, Enter, Edit, Scroll - Off; High Limit Only; High/Low Limits,
Enter
081
Limite de alta tensão
Function, 81 Enter, Edit, Value, Enter
082
Limite de baixa tensão
Function, 82, Enter, Edit, Value, Enter
16
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
Programação e reconfiguração dos
diferentes sistemas de tensão
A reconfiguração dos reguladores requer mais do que
simplesmente a reprogramação do comando. Na
reconfiguração, consulte a plaqueta de identificação e, se
necessário, altere a conexão dos transformadores de
correção de relação (RCT) no painel traseiro (veja a Figura
3-1). Em alguns casos, pode ser necessário reconectar os
enrolamentos de derivação no regulador através da tampa
com furo.
Consulte a plaqueta de identificação para obter informações
sobre programação e reconfiguração de um regulador: confirme a Configuração do Regulador (FC 41), Tensão de Linha
do Sistema (FC 43) e Relação Total do TP (FC 44). Consulte
Tensões disponíveis do sistema e Cálculo da relação
total do TP e Determinação dos Valores de Leading ou
Lagging no Regulador com Conexão em Delta, nessa
seção do manual.
Advertência:Risco de explosão. O desvio de
um regulador com a linha energizada somente
deverá ser executado se o indicador de posição e
a luz de neutro indicarem a posição de neutro. Se ambos
não indicarem neutro, a linha deverá ser desenergizada
para evitar o curto de uma parte do enrolamento em série
e resultará em circulação de corrente alta. O não
atendimento dessa advertência poderá resultar em morte
ou ferimento e danos ao equipamento. VR-T206.0
!
1.Comece com todas as chaves no painel frontal do
comando desligadas (Off).
Figura 3-1.
Conexões dos transformadores de correção de relação
2.Consulte a plaqueta de identificação. Se derivações do
enrolamento do comando precisam ser alteradas para
reconfiguração, desligue o regulador. Abra a tampa com
furo e reconecte o condutor de derivação E na placa de
terminais na parte superior do trocador de derivação.
(Exemplo: Se o regulador estiver sendo alterado de uma
tensão de carga de 7200 para 14400, a derivação do
enrolamento do comando precisará ser alterada de E2
para E1.) Veja a Figura 3-3 para observar as informações da plaqueta de identificação.
3.Abra a chave V1 e V6, se presente. Consulte a Figura
3-2
4.Conecte o RCT conforme as informações fornecidas na
plaqueta de identificação. O RCT deve ser conectado
ao valor listado na plaqueta de identificação para a tensão de carga a ser regulada. O condutor ajustável é
marcado e tem um loop.
5.Feche a chave V1 e V6, se presente.
6.Existem duas opções para ligar o painel do comando:
alimentação interna ou externa. Escolha um método e
siga os passos apropriados.
A.Alimentação interna
Coloque a chave POWER na posição Internal a partir da posição Off.
B.Alimentação externa
Conecte a fonte de alimentação externa no pino de
ligação EXTERNAL SOURCE: condutor energizado
Figura 3-2.
Conexões V1, V6 e C
17
Comando Série CL-6 Instruções de instalação, operação e manutenção
no pino de ligação preto superior; neutro no pino de ligação
branco inferior; terra no pino de ligação verde de
terra. Coloque a chave POWER na posição External
a partir da posição Off. Veja as instruções detalhadas
para aplicação da alimentação elétrica nos terminais
da fonte externa na Seção 1 desse manual.
Consulte as Tabelas 3-1 e 3-2 para obter os passos de
programação do painel do comando para operação.
Consulte o Apêndice para obter o esquema de fiação
Tensões permitidas do sistema e
Cálculo da relação total do TP
Se a tensão do sistema é diferente daquelas listadas na
plaqueta de identificação, é possível determinar se existe
correção de relação suficiente disponível a partir das derivações do enrolamento de controle (TP interno) e das derivações do Transformador de correção da relação (RCT) de
modo a permitir o funcionamento apropriado do comando
Série CL-6 e do motor. A diretriz geral é que a relação total
do TP será suficiente se a tensão liberada ao comando para
as condições de tensão nominal estiver na faixa de 115¬–
125 V.
Para determinar a tensão liberada ao comando, use o procedimento abaixo:
1.Calcule as relações de TP desejadas.
Relação de TP desejada = Tensão desejada do sistema ÷ 120 V
2.Escolha a relação do TP interno na plaqueta de identificação mais próxima à relação de TP desejada.
3.Calcule a tensão real na saída do TP interno.
Tensão de saída do TP interno= Tensão desejada do sistema ÷
Relação do TP interno selecionada
4.Escolha a derivação do RCT (133, 127, 120, 115, 110,
104) mais próxima à tensão de saída do TP interno.
5.Uma vez dada a derivação de entrada do RCT, use a
Tabela 3-3 para determinar a relação do RCT.
6.Calcule a tensão de entrada do comando.
Tensão de entrada do comando = Tensão de saída do TP interno ¬÷
(Relação do RCT)
7.Calcule a relação total do TP.
Relação total do TP = Relação do TP interno x (Relação do RCT)
18
EXEMPLO: Se um regulador de 60 Hz, 7620 V vai ser usado
em um sistema com tensão nominal de 2500 V, determine
o seguinte:
1.2500 V ÷ 120 V = 20.8
2.Escolha 20:1 para a relação do TP interno.
3.Tensão de saída do TP interno = 2500 V ÷ 20 = 125 V
4.A melhor derivação de entrada do RCT é a 127
5.A relação do RCT é 1,058.
6.Tensão de entrada do comando V = 125 ÷ 1,058 = 118 V
Está dentro da faixa permitida.
7.Relação total do TP = 20 x 1,058 = 21,2:1
tabELA 3-3
Relações do RCT
Derivação de entrada
do RCT
Relação do RCT
133
127
120
115
110
104
1.108
1.058
1.000
0.958
0.917
0.867
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
WA341B2006AF
0737XXXXXX
QD8
2075
4485
210
122
122
WAN22B2006AN
0737XXXXXX
QD5
692
1384
490
Figura 3-3.
Plaquetas de identificação, regulador de 60 Hz e regulador de 50 Hz mostrados.
19
Comando Série CL-6 Instruções de instalação, operação e manutenção
Determinação dos Valores de Leading ou
Lagging no Regulador com Conexão em
Delta
Para que o regulador opere de modo apropriado quando
conectado fase a fase é necessário que o comando seja
programado com a configuração correta do regulador em
FC 41. Deve-se determinar se ele está conectado em modo
leading ou lagging. O comando auxilia o operador nessa
determinação.
1.O regulador deverá ser instalado.
2.A chave POWER deverá ser colocada na posição
Internal.
3.A chave tipo faca V1 (e V6, se presente) deverá ser
fechada.
4.A chave tipo faca C deverá ficar aberta. A corrente
deverá fluir.
5.A chave CONTROL FUNCTION poderá estar em qualquer posição (Auto/Remote-Off-Manual).
6.Para o regulador nº 1, configure FC 41 para Delta
Lagging e anote o Fator de Potência, FC 13.
7.Para o mesmo regulador, configure FC 41 para Delta
Leading e anote o Fator de Potência.
8.Repita os passos 6 e 7 para cada regulador no banco.
9.Para cada regulador, um dos dois fatores de potência
será razoável e o outro não.
Defina a Configuração do regulador (FC 41) com o valor
que produziu o fator de potência razoável. Veja a Tabela
3-4.
20
Para um regulador:Configure FC 41 com o valor que produziu o fator de potência razoável.
Para dois reguladores em conexão delta aberta: Veja o
exemplo na Tabela 3-4. Em uma conexão delta aberta, um
dos reguladores será sempre leading e o outro lagging. O
fator de potência razoável de cada regulador deverá estar
muito próximo ao fator de potência típico do sistema. Nesse
exemplo, o regulador nº 1 é a unidade lagging e o regulador
nº 2 é a unidade leading.
Para três reguladores em conexão delta fechada: Na
conexão delta fechada, todos os três reguladores são
leading ou lagging, dependendo de como estão conectados
em relação à rotação de fase do gerador. Configure FC 41
de todos os três reguladores com o valor que produziu o
fator de potência razoável.
TabELA 3-4
Exemplos de valores do fator de potência para reguladores conectados em configuração delta aberta
Configuração (FC 41)
Fator de potência
registrado (FC 13
Reg. #1
Reg. #2
Delta Lagging
0.94*
-0.77
Delta Leading
0.17
0.93*
*Valores dos fatores de potência razoáveis.
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
Seção 4: Operação do comando
Operação automática
No modo de operação automática, a chave POWER será
colocada em Internal e a chave CONTROL FUNCTION será
colocada em Auto. O regulador assume como energizado
pelo circuito principal. Se o modo de operação sequencial
(modo padrão) estiver selecionado, a resposta do comando
em reguladores de tensão da Cooper Power Systems é a
seguinte:
1.À medida que a tensão primária se move para um nível
que representa a condição fora da banda, a tensão de
detecção refletirá de modo correspondente os mesmos resultados na base de 120 V. Supondo a queda
para tensão baixa, um sinal mais baixo que o normal
será observado nos terminais de entrada da placa de
circuito impresso.
2.O sinal é transformado e convertido para um formato
digital para uso do microprocessador.
3.Ao reconhecer a condição de tensão baixa, o microprocessador emite uma saída que ativa o indicador
Fora da Banda Baixo e aciona um temporizador interno equivalente ao ajuste do retardo de tempo.
10. Ao final dessa pausa, se a tensão ainda estiver fora da
banda, outra saída será emitida para reativar o triac
Raise, acionando, desse modo, outra sequência de
mudança de derivação.Se a tensão estiver dentro da
banda, o indicador Fora da Banda Baixo será desligado e o temporizador de retardo de tempo será reinicializado.
Esta sequência é ligeiramente alterada se a tensão média
ou o modo de integração no tempo é selecionado.Essas
características estão descritas em Modos de Operação
do Comando nessa seção do manual.
Operação manual
No modo de operação manual, a chave POWER será
colocada em Internal ou External e a chave de controle
será colocada em manual. Se a posição externa é escolhida, uma fonte externa deverá ser conectada aos terminais
no comando. Ela deverá ser uma fonte nominal de 120
VCA (ou outra tensão CA conforme indicado por um decalque) e não poderá ser um inversor de corrente contínua
para corrente alternada (CC-para-CA).
5.Ao final do período de retardo de tempo, o microprocessador emite uma saída que impulsiona a ativação
do triac RAISE.
A operação momentânea da chave oscilante Raise/Lower
energiza os contatos do sensor de fim de curso do indicador de posição diretamente para o motor do trocador de
derivação.À medida que o came do motor do trocador de
derivação gira, a chave de retenção será fechada, como
descrito acima na seção Operação automática. Essa
corrente da chave de retenção é detectada pela placa de
circuito e o contador de operações e o indicador da posição da derivação serão atualizados apropriadamente.
6.O motor do trocador de derivação começa a funcionar
como resultado do fechamento do triac e um came no
trocador de derivação fecha a chave de retenção
RAISE. Isso então fornece uma tensão alternada para
a corrente do motor que passa pelos terminais de
entrada no placa de circuito.
A operação de mudança da derivação prosseguirá enquanto a chave Raise/Lower for mantida na posição levantar
(raise) ou abaixar (lower) e o sensor de fim de curso ADDAMP™ não for acionado (circuito aberto).
Autodiagnósticos
7.O microprocessador agora reconhece que a corrente
está fluindo no circuito da chave de retenção.O triac
RAISE é desativado.
Há três eventos que acionam as rotinas de
autodiognóstico:energização inicial do comando, entrada
pelo operador no modo autoteste ou detecção de um
problema no firmware. Refere-se à seção de Solução de
Problemas deste manual para mais informações no controle de autodiagnóstico.
4.Durante o período de time-out, a tensão é continuamente detectada e amostrada.Se a tensão se mover
momentaneamente dentro da banda, o indicador Fora
da Banda Baixo será desativado e o temporizador
será reinicializado.
8.Como resultado da desativação do triac, a corrente do
motor é agora transportada somente pelo circuito da
chave de retenção.Quando a rotação do motor é efetuada, a chave de retenção abre como resultado da
ação do came e o motor para.
9.O microprocessador reconhece que a mudança da
derivação está agora concluída por meio da detecção
da ausência da corrente do motor.O contador de operações e a indicação da posição da derivação são
incrementados. Uma pausa de 2 segundos ocorre,
permitindo a estabilização da tensão detectada após a
operação do motor.
21
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle Série CL-6
Sistema de Segurança
O sistema de segurança (senha) implementado no comando é estruturado em quatro níveis. Ele permite acesso
seletivo a vários parâmetros conforme o nível de segurança ativo. A maioria dos códigos de funções pode ser lida
(acessada) em nível 0, que é o nível básico (sem segurança). O nível de segurança necessário para alterar ou reinicializar cada parâmetro está listado na Tabela 4-1. Os
códigos de acesso de segurança para os níveis 1, 2 e 3
foram programados dentro do comando na fábrica. Esses
códigos podem ser alterados pelo usuário de acordo com
a Tabela 4-1. O acesso ao sistema é efetuado pela inserção do código de segurança apropriado em FC 99.
O usuário tem a opção de ignorar (inibir) um ou mais níveis
de segurança escolhendo o Código de Contorno da
Segurança apropriado em FC 92. As opções em FC 92
são o modo de segurança padrão (sem contorno), contorno do nível 1, contorno dos níveis 2 e 1 e contorno dos
níveis 3, 2 e 1.
Os valores dos três códigos de segurança, FC 96, FC 97
e FC 98, podem ser lidos somente em nível 3. Se o código
de nível 3 foi alterado e esquecido, ele poderá ser recuperado com o cartão de memória Flash e a leitora ou com um
computador pessoal utilizando o programa Cooper Control
Interface™.
Tabela 4-1
Códigos de Segurança
Nível de segurança
Acessível em
Código de Função
Código Programado
na Fábrica
Definido pelo Usuário
Faixa
0
Nenhum Código é
Requerido
Nenhum Código é
Requerido
Nenhum Código é
Requerido
1
96
1234
1-9999
Leitura de todos os parâmetros descritos acima,
e reinicialização de todos os valores máximos e mínimos de medição de demanda e posição da derivação, e data/hora
2
97
12121
10000-19999
Leitura de todos os parâmetros descritos acima e reinicialização de todos os valores máximos e mínimos de
medição de demanda e posição da derivação data/
hora, e alteração de qualquer parâmetro operacional ou
de configuração.
3
98
32123
20000-32766
Leitura, reinicialização ou alteração de qualquer parâmetro.
22
Funções Disponíveis no Código Ativo
Leitura de todos os parâmertos, exceto de segurança
(FC 96, FC 97 e FC 98).
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
Operações Básicas do Comando
Tensão de Ajuste
A tensão de ajuste é o nível de tensão que o comando vai
regular na base de 120 V.Como o comando efetua correção da relação no firmware, esse valor será normalmente
configurado para 120,0 V, exceto quando se deseja operar
em nível de tensão mais alto ou mais baixo que o nominal.
Para operação apropriada, o transformador de correção
de relação, localizado no painel traseiro do gabinete do
comando, também deverá ser configurado para a derivação correta, como mostrado na plaqueta de identificação
do regulador.
Largura de Banda
A largura de banda é definida como a faixa total de tensão,
em torno do ajuste de tensão, que o comando vai considerar como uma condição satisfatória.Como exemplo,
uma largura de banda de 2 V em um ajuste de 120 V significa que o temporizador operacional não irá ser acionado
até que a tensão fique abaixo de 119 V ou acima de 121
V. Quando a tensão está dentro da banda, os indicadores
de borda da banda ficam desligados e o temporizador
(retardo de tempo) também.A escolha de uma largura de
banda pequena provocará um maior número de ocorrências de mudança de derivação, mas permitirá uma linha
com ajuste mais rigoroso.Por outro lado, uma largura de
banda maior resulta em menos mudanças de derivação,
porém em prejuízo de uma melhor regulagem. A escolha
das configurações de largura de banda e retardo de tempo
deverá ser efetuada reconhecendo-se a interdependência
desses dois parâmetros.
Retardo de Tempo
O retardo de tempo é o período (em segundos) que o
comando aguarda a partir da primeira ocorrência de tensão
fora da banda até emitir uma mudança de derivação.Se
uma resposta rápida é necessária, um ajuste mais curto
deverá ser utilizado. Se vários dispositivos na mesma linha
deverão ser coordenados (cascateados), diferentes ajustes
de retardo de tempo serão necessários para permitir a operação dos dispositivos apropriados na sequência desejada.
A partir da fonte, cada dispositivo deverá ter um retardo de
tempo mais longo do que o dispositivo precedente. Uma
diferença mínima de 15 segundos entre reguladores localizados na mesma fase no mesmo alimentador é recomendada. O retardo permite que o dispositivo acima execute
suas operações antes da reação do dispositivo abaixo. A
configuração de retardo de tempo de um comando de
capacitor ativo de minimização de tensão deverá ser ajustado com o mesmo valor de um comando de regulador.
Retardos de tempo alternativos estão disponíveis com o
recurso de limitação de tensão. Consulte a seção Limitação
de Tensão desse manual.
Configurações de Compensação,
Resistência e Reatância da Linha
Com muita frequência, os reguladores são instalados a
alguma distância do centro de carga teórico (o local no qual
a tensão deverá ser regulada). Isso significa que a carga não
será servida no nível de tensão desejado em decorrência de
perdas (queda de tensão) na linha entre o regulador e a
carga. Além disso, à medida que a carga aumenta, as
perdas de linha também aumentam, provocando a
ocorrência de uma tensão mais baixa durante o período de
carga mais pesada.
Para permitir que o regulador efetue a regulagem em um
centro de carga planejado, o comando tem elementos
internos de compensação de queda de linha. Esses
circuitos normalmente consistem em uma fonte de corrente
(TC) que produz uma corrente proporcional à corrente de
carga, e elementos resistivos (R) e reativos (X) através dos
quais a corrente flui. À medida que a carga aumenta, a
corrente resultante do TC fluindo através desses elementos,
produz quedas de tensão que simulam as quedas de
tensão na linha principal.
Dentro do comando, a corrente de entrada é amostrada e
utilizada em um algoritmo computacional que calcula as
respectivas quedas de tensão resistiva e reativa com base
nos valores de compensação da queda da linha programados no comando em FC 4 e FC 5 (ou FC 54 e FC 55
para condições de fluxo de potência reversa). Esse é um
meio preciso e econômico de desenvolvimento da tensão
compensada.
Para selecionar os valores de R e X, o usuário deverá
conhecer vários fatores sobre a linha sendo regulada.
Configuração do Regulador
O comando é projetado para operar em reguladores com
conexão wye (estrela)- e delta. Os reguladores conectados
entre linha e terra (wye) desenvolvem potenciais e correntes
adequados para implementação direta no comando. Os
reguladores conectados linha a linha (delta) desenvolvem
um deslocamento de fase entre potencial e corrente que
depende de o regulador estar definido como leading ou
lagging. O deslocamento de fase deverá ser conhecido
pelo comando para permitir cálculos precisos para
operação correta. Isso é obtido pela inserção da opção
apropriada em FC 41: Wye, Delta Lagging ou Delta
Leading.
Modos de Operação do Comando
O Comando CL-6 oferece suporte a três modos nos quais
ele responde a condições fora da banda, permitindo a
utilização do modo mais adequado à aplicação. Os três
modos são Sequencial, Integração no Tempo e Tensão
Média. A configuração do modo pode ser selecionada
rolando as opções em FC 42 ou por meio de Settings >
Configuration na estrutura de menus.
Modo Sequencial
Este é o modo padrão de resposta incorporado nos
comandos de reguladores CL-6. Quando a tensão de
carga sai da banda, o circuito de retardo de tempo é acionado. Quando o período de time-out expira, uma mudança de derivação é iniciada. Após cada mudança de derivação, um pausa de 2 segundos ocorre para permitir que o
comando efetue nova amostragem da tensão. Essa sequência prossegue até que a tensão volte para dentro da
banda, quando então o circuito de temporização é reinicializado. Sempre que a tensão entra dentro da banda, o
23
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle Série CL-6
temporizador é reinicializado.
Modo de Integração no Tempo
Quando a tensão de carga sai da banda, o circuito de retardo
de tempo é acionado. Quando o período de time-out expira,
uma mudança de derivação é iniciada. Após cada mudança
de derivação, um pausa de 2 segundos ocorre para permitir
que o comando efetue nova amostragem da tensão. Se a
tensão ainda permanecer fora da banda, outra mudança de
derivação será efetuada. A sequência prossegue até que a
tensão seja trazida de volta à banda. Quando a tensão entra
na banda, o temporizador é decrementado a uma taxa de 1,1
segundo a cada segundo decorrido, até alcançar zero.
Modo de Tensão Média
Quando a tensão de carga sai da banda, o circuito de
retardo de tempo é acionado. Durante esse período de
retardo de tempo, o microprocessador monitora e calcula
a média da tensão de carga instantânea. Ele então calcula
o número de mudanças de derivação necessárias para
trazer a tensão média de volta ao nível de tensão ajustado.
Quando o período de retardo de tempo se completa, o
número calculado de mudanças de derivação será executado sem nenhum retardo entre elas, até um máximo de
cinco mudanças consecutivas de derivação para evitar
acúmulo de erros. O temporizador não é reinicializado nas
excursões da tensão dentro e fora da banda, exceto se a
tensão permanecer dentro da banda por, no mínimo, dez
segundos consecutivos. Uma característica de erro de
média é inerente ao modo de tensão média.
Nota: Para proporcionar tempo suficiente ao microprocessador
no cálculo da média da tensão, o período de retardo de
tempo deverá ser igual ou maior que 30 segundos. Se o
retardo de tempo for menor que 30 segundos, o controle
ignora o ajuste e utiliza 30 segundos.
Tensão de Linha do Sistema
O comando efetua a correção de relação no firmware e,
consequentemente, a tensão primária deverá ser inserida
para que o comando efetue esse cálculo. Esse valor é
simplesmente a tensão monofásica nominal fornecida
através dos terminais L e SL. Reguladores despachados
da fábrica são ajustados para a tensão indicada pelo pino
na plaqueta de identificação e esse valor é programado no
comando. Se o regulador é instalado em qualquer outra
tensão de sistema, essa tensão deverá ser inserida para
operação apropriada.
Relação do Transformador de Potencial
Como o comando efetua a correção da relação no firmware,
a relação do TP para alimentação de detecção de tensão
deverá ser informada ao comando para a execução desse
cálculo. A relação a ser programada no comando é a
OVERALL PT RATIO, como mostrado na plaqueta de identificação do regulador para cada tensão de sistema aplicável
para o regulador particular. A relação do TP correspondente
à tensão nominal do regulador é ajustada na fábrica. Se o
regulador é instalado em qualquer outra tensão de sistema, a
relação correspondente do TP também deverá ser inserida
para operação apropriada. Esse valor inclui a correção efetuada pelo transformador de correção de relação (RCT) no
painel traseiro do gabinete do comando. A tensão a partir do
24
RCT é normalmente corrigida para 120 V. Entretanto, quando
essa tensão é diferente de 120 V, o controle irá calibrar a
tensão de entrada para uma base de 120 V e o valor de 120
V será exibido em FC 6. Os terminais de teste de tensão
continuarão a mostrar a tensão conforme aplicada ao
comando a partir do RCT.
Especificação Nominal de Corrente do
Transformador de Corrente
O comando é projetado para 200 mA (fundo de escala)
como a corrente nominal do TC e medirá até 400 mA
(200% da carga) sem nenhuma perda de precisão. A
correção de relação é efetuada pelo firmware e,
consequentemente, a especificação nominal primária do
TC deverá ser informada. A especificação nominal primária
do TC encontra-se disponível na plaqueta de identificação
do regulador.
EXEMPLO: Se uma relação de TC de 400/0.2 está indicada na plaqueta de identificação, o valor 400 deverá ser
inserido em FC 45.
Reguladores com Conexão Delta (Linha a Linha)
Quando um regulador está conectado linha a linha, o ângulo de fase da corrente de linha é de 30 graus deslocado da
tensão através do regulador. O ajuste correto da Configuração
do Regulador, FC 41, permitirá um relacionamento correto
entre tensão e corrente. O ajuste da configuração do regulador com o valor delta incorreto (lagging em vez de leading,
ou vice-versa) causará um erro de 60 graus no ângulo de
fase. Algumasconsiderações a respeito dos reguladores
com conexão delta são mostradas a seguir:
•A tomada de decisão básica do comando quando a
compensação de queda de linha não está sendo utilizada, não é afetada pelo ângulo de fase. Portanto, a operação será correta mesmo que FC 41 esteja ajustado em
um dos dois valores incorretos.Isso é verdadeiro para
operação para frente e reversa.
•Se a compensação de queda de linha está sendo utilizada, a escala dos valores R e X é controlada pelo FC
41. Portanto, é importante ajustar FC 41 corretamente
para que a tensão compensada seja ajustada corretamente.
•Os parâmetros de medição a seguir estarão corretos
somente se a Configuração do Regulador estiver ajustada corretamente:fator de potência, kVA, kW, kvar,
kVA de demanda, kW de demanda e kvar de demanda.
Nota: kVA, kW, kvar, kVA de demanda, kW de demanda e
kvar de demanda utilizam a tensão linha a linha.
Portanto, eles exibem o valor no regulador e não em
qualquer alimentador.Para determinar o valor trifásico
total de qualquer um desses parâmetros, cada valor do
regulador deverá ser dividido por √3 (1,732) antes de
efetuar a soma dos três valores.
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
SeÇÃO 5: PROGRAMAÇÃO DE CONTROLE
Configuração Rápida
Use o teclado frontal para programar o controle. Uma
programação Quik-Start é empregada para a programação das regulagens básicas. Consulte a seção Painel de
Controle Frontal neste manual para obter informações
sobre a utilização do painel frontal.
Observação: Após ligar os controles e os monitores LCD
PASS, pressione Escape para uso posterior do
teclado.
As funções de controle com os códigos de funções de
controle correspondentes são acessados por meio do
teclado. O sistema de menus é estruturado com um menu
principal (Nível 1), um submenu (Nível 2) e parâmetros
(Nível 3). Esses parâmetros e outras informações em forma
de texto estão disponíveis na tela LCD.
Consulte a tabela 5-2 para entender menu abrigado de
funções e parâmetros de três níveis.
Consulte a tabela 5-3 para conhecer uma lista numérica de
Códigos de Funções e menu correspondentes e informações de parâmetros.
São permitidos diversos itens de menu com o mesmo
código de função; o primeiro item de menu listado é, portanto, a função principal solicitada quando aquele código
de função é digitado no teclado. Acesse múltiplos itens de
menu com o mesmo código de função com as teclas de
rolagem .
Consulte a tabela 5-1 para obter um introdução rápida
sobre regulagens básicas. Ao usar as configurações QuikStart™, observe as informações a seguir sobre Códigos
de Funções.
99 Deve-se aplicar Código de Função de segurança e
senha antes que os parâmetros possam ser modificados.
39 A tensão deve ser ligada no lado da fonte para
operação em Fluxo de Energia Invertido caso se
use os cálculos do lado da fonte em vez de um
transformador potencial diferencial interno para
tensão do lado da fonte.
140 Reguladores Tipo A, B, C, ou D Devem ser
definidos como Tipo A (Projeto Simples), Tipo B
(Projeto Invertido), Tipo C (Tipo TX para reguladores
classificados em 2,5 kV e superiores a 875 A), ou
Tipo D (Tipo AX para reguladores classificados em
5,0 ou 7,53 kV e superiores a 875 A) quando FC 39
estiver ligado.
41 A Configuração do Regulador precisa ser programada quando for necessária uma mudança de
controles.
43 A Tensão da Linha do Sistema precisa ser programada quando for necessária uma mudança de
controles.
44 A taxa PT geral precisa ser programada quando for
necessária uma mudança de controles.
45 A taxa CT primária precisa ser programada quando
for necessária uma mudança de controles.
49 A seção de comutadores precisa ser programada
quando for necessária uma mudança de controles.
50 É necessário programar o relógio/calendário quando for necessária uma mudança de controles ou se
a energia for perdida por mais de 24 horas.
69 O Status de Bloqueio deve ser desligado para operar o regulador no modo automático.
25
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle Série CL-6
Tabela 5-1
Configuração Quik-Start para Regulagens Básicas
Código de
Função
Descrição
Instruções
Segurança
099
Segurança
Function, 99, Enter, Senha (32123), Enter
001
Tensão de Configuração Direta
Function, 1, Enter, Edit Valor, Enter
002
Largura de banda Direta
Function, 2, Enter, Edit Valor, Enter
003
Tempo de Atraso Direto
Function, 3, Enter, Edit Valor, Enter
004
Reatância a Compressão de Gotejamento Function, 4, Enter, Edit Valor, Enter
da Linha Invertida
005
Reatância a Compressão de Gotejamento Function, 5, Enter, Edit Valor, Enter
da Linha Invertida
Configurações Direta
Configurações para Inversão
056
Modo Reverso de Detecção
Function, 56, Enter, Rolar - Locked Forward; Locked Reverse; Reverse Idle;
Bi-Directional; Neutral Idle; Co-generation; React Bi-directional, Enter
039
Cálculo de Tensão da Fonte
Function, 39, Enter, Edit, Rolar On ou Off, Enter
140
Tipo de Regulador
Function, 140, Enter, Edit, Rolar - Tipo A; Tipo B; Tipo C; Tipo D, Enter
051
Inverter Tensão de Conjunto
Function, 51, Enter, Edit Valor, Enter
052
Largura de banda Reversa
Function, 52, Enter, Edit Valor, Enter
053
Tempo de Atraso de Direção Reversa
Function, 53, Enter, Edit Valor, Enter
054
Reatância a Compressão de Gotejamento Function, 54, Enter, Edit Valor, Enter
da Linha Invertida
055
Reatância a Compressão de Gotejamento Function, 55, Enter, Edit Valor, Enter
da Linha Invertida
Configurações
041
Configuração do Regulador
Function, 41, Enter, Edit, Rolar - Wye; Delta Lag; Delta Lead, Enter
042
Modo Operacional de Controle
Function, 42, Enter, Edit, Rolar - Sequential; Time-Integrating; VoltageAveraging, Enter
043
Tensão na Linha do Sistema
Function, 43, Enter, Edit Valor, Enter
044
Taxa T.T. Geral
Function, 44, Enter, Edit Valor, Enter
045
Razão Primária C.T.
Function, 45, Enter, Edit Valor, Enter
049
Tipo de Comutador
Function, 49, Enter, Edit, Rolar - Cooper QD8; Cooper QD5; Cooper QD3;
Cooper Spring Drive; Cooper Direct Drive; Siemens; General Electric;
Howard; LTC-Reinhausen, Enter
050
Calendário e Relógio do Sistema
Function, 50, Enter, Edit, Month, Day, Year, Hour, Minute, Enter
069
Status de Bloqueio de Operação
Automática
Function, 69, Enter, Edit, Scroll - Normal; Blocked, Enter
070
Modo de Redução de Tensão
Function, 70, Enter, Edit, Rolar - Off; Local/Digital Remote; Remote/Latch,
Remote/Pulse, Enter
072
Valor de redução Local/Digital
Function, 72, Enter, Edit Valor, Enter
073
Valor Remoto nº 1
Function, 73, Enter, Edit Valor, Enter
074
Valor Remoto nº 2
Function, 74, Enter, Edit Valor, Enter
075
Valor Remoto nº 3
Function, 75, Enter, Edit Valor, Enter
076
Nº de Etapas de Redução de Pulso
Function, 76, Enter, Edit Valor, Enter
077
% de Tensão Vermelha por Etapa de
Redução de Pulso
Function, 77, Enter, Edit Valor, Enter
080
Modo Limitador de Tensão
Function, 80, Enter, Edit, Rolar - Off; High Limit Only; High/Low Limit, Enter
081
Limite de Alta Tensão
Function, 81, Enter, Edit Valor, Enter
082
Limite de Baixa Tensão
Function, 82, Enter, Edit Valor, Enter
Redução de Tensão
Limitador de Tensão
26
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
Menu de Funções
Consulte a Tabela 5-2 para a estrutura abrigada de
menus em três níveis: Menu Principal, Submenu e
Parâmetros
Tabela 5-2
Menu de Funções
Menu Principal de
Nível 1
*Configurações
Submenu de Nível 2
*Direção Principal
Código
Tensão de Configuração Direta
001
Largura de banda Direta
002
Tempo de Atraso Direto
003
Reatância a Compressão de Gotejamento da Linha Invertida
004
Reatância a Compressão de Gotejamento da Linha Invertida
005
Inverter Tensão de Conjunto
051
Largura de banda Reversa
052
Tempo de Atraso de Direção Reversa
053
Resistência a Compressão de Gotejamento da Linha Invertida
054
Resistência a Compressão de Gotejamento da Linha Invertida
055
Identificação de Regulador
040
Tipo de Regulador
140
Tipo de Comutador
049
Configuração do Regulador
041
Modo Operacional de Controle
042
Tensão na Linha do Sistema
043
Taxa T.T. Geral
044
Razão Primária C.T.
045
Intervalo de Demanda de Tempo
046
P.I. ADD-AMP, Limite Alto
144
P.I. ADD-AMP, Limite Baixo
145
Vem P.T., Configuração
Calendário e Relógio do Sistema
146
*Calendário/Relógio
_Menu do Sistema
Escolha do idioma
141
Formato de Data
142
Formato de Hora
143
*Status de Bloqueio
Automático
Operação Automática, Status de Bloqueio
069
*Modo de energia Reversa
Modo Reverso de Detecção
056
Tensão Invertida, Limite do Detector
057
*Cálculo de Tensão,
Lado da Fonte
Cálculo de Tensão da Fonte
039
*Limitador de Tensão
Modo Limitador de Tensão
080
Limite de Alta Tensão
081
Limite de Baixa Tensão
082
Modo de Redução de Tensão
070
Redução em Efeito
071
Valor de redução Local/Digital
072
Valor Remoto nº 1
073
*Direção Invertida
*Configuração
*Características
Parâmetro
*Redução de Tensão
050
27
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle Série CL-6
Tabela 5-2, cont.
Menu de Funções
Menu Principal de
Nível 1
Submenu de Nível 2
Parâmetro
Código
*Características, cont.
Valor Remoto nº 2
074
Valor Remoto nº 3
075
Nº de Etapas de Redução de Pulso
076
% de Tensão Vermelha por Etapa de Redução de Pulso
077
*Alternar para Neutro
Comutador para Neutro
170
* Soft Add-Amp™
Limites Soft ADD-AMP
079
Soft ADD-AMP Limites Altos Soft ADD-AMP Limites
Baixos
176
Configuração Alternativa
450
Configuração Alternativa
451
Comunicações LoopShare
400
Estado de Comunicações LoopShare
401
Porta de Comunicação LoopShare
402
Tabela de Comunicações LoopShare
403
Atraso Tx em Comunicações LoopShare
404
Tempo Limite de Comunicações LoopShare
405
Líder/Seguidor
410
Estado Líder/Seguidor
411
Designação Líder/Seguidor
413
Dispositivos Seguidores Configurados
414
Temporizador de Comutador Líder/Seguidor
415
Tempo limite Líder/Seguidor
416
Atraso para nova tentaria Líder/Seguidor
417
Novas tentativas Líder/Seguidor
418
Monitor Líder/Seguidor
420
Protocolo de Porta de Comunicação nº1
060a
Velocidade de Porta de Comunicação nº1
061a
Tempo de Sincronização da Porta de Comunicação nº1
062a
Endereçamento Master DNP de Porta de
Comunicação nº1
063a
Endereçamento Remoto DNP de Porta de
Comunicação nº1
064a
Endereçamento 1 Remoto DNP de Porta de
Comunicação nº2
064a
Endereçamento 1 Remoto 2179 de Porta de
Comunicação nº2
064a
Porta de Comunicação nº1 Modo Handshake
065a
Porta de Comunicação nº1 Atraso de Ativação Tx
066a
Porta de Comunicação nº1 Atraso de Desativação Tx
067a
Mapa Ordinal 2179 de Porta de Comunicação nº1
266
Dicionário de Dados DNP de Porta de Comunicação nº1
267
Protocolo de Porta de Comunicação nº2
160
*Redução de Tensão, cont.
*Configuração Alternativa
*Líder/Seguidor
*Comunicações
a Configurações para Porta de Com nº também se aplicam para Porta de Com. nº 3
28
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
Tabela 5-2, cont.
Menu de Funções
Menu Principal de
Nível 1
*Características,
cont.
Submenu de Nível 2
*Comunicações, cont.
*Calibragem
*Compact Flash
Parâmetro
Código
Velocidade de Porta de Comunicação nº2
161
Tempo de Sincronização da Porta de Comunicação nº2
162
Endereçamento Master DNP de Porta de
Comunicação nº2
163
Endereçamento Remoto DNP de Porta de
Comunicação nº2
164
Endereçamento 2 Remoto DNP de Porta de
Comunicação nº2
164
Endereçamento 2 Remoto 2179 de Porta de
Comunicação nº2
164
Porta de Comunicação nº2 Modo Handshake
165
Porta de Comunicação nº2 Atraso de Ativação Tx
166
Porta de Comunicação nº2 Atraso de Desativação Tx
167
Mapa Ordinal 2179 de Porta de Comunicação nº2
268
Dicionário de Dados DNP de Porta de Comunicação nº2
269
Calibragem de Tensão
047
Calibragem de Corrente
048
Redefinir Calibragem
150
Registro de Dados CompactFlash
350
Personalização de Carga CompactFlash
351
Configuração Configuração Padrão de
Carregamento CompactFlash
352
Salvar Configuração Personalizada CompactFlash
353
Salvar Padrão de Configuração CompactFlash
354
Formatar Cartão CF CompactFlash
355
Carregar Configuração Básica Personalizada CF
357
Carregar Configuração Básica Padrão CF
358
Salvar Configuração Básica Personalizada CF
359
Salvar Configuração Básica Padrão CF
360
Carregar Configuração AdvFeat Personalizada CF
361
Carregar Configuração AdvFeat Personalizada CF
362
Salvar Configuração AdvFeat Personalizada CF
363
Salvar Configuração AdvFeat Padrão CF
364
Carregar Configuração Personalizada de
Comunicações CF
365
Carregar Configuração Padrão e Comunicações CF
366
Salvar Configuração Personalizada de
Comunicações CF
367
Salvar Configuração Padrão de Comunicações CF
368
29
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle Série CL-6
Tabela 5-2, cont.
Menu de Funções
Menu Principal de
Nível 1
Submenu de Nível 2
_­­Acesso de Segurança
*Contadores
*Medição
*Contador de
Operações
*Instantâneo
*Demanda Direta
30
Parâmetro
Código
Substituição de Segurança
092
Código de Segurança Nível 1
096
Código de Segurança Nível 2
097
Código de Segurança Nível 3
098
Operações Totais
000
Última Mudança de Contador
100
Habilitar Contadores de Intervalo
107
Operações das Últimas 24 Horas
101
Operações dos Últimos 30 Dias
102
Operações do Mês Atual
103
Operações do Último Mês
104
Operações do Ano Atual
105
Operações do Último Ano
106
Carga de Tensão Secundária
006
Fonte de Tensão Secundária
007
de Linha Tensão Secundária
008
Carga de Corrente Primária
009
Carga de Tensão Primária
010
Tensão Primária na Fonte
011
Posição Atual do Comutador
012
Porcentual de Regulação
112
Fator de Energia
013
Carga em kVA
014
Carga em kW
015
Carga em kvar
016
Frequência de Linha
017
THD de Tensão
018
Tensão, 2a. a 14a Harmônica
018
THD de Corrente
019
Corrente, 2a. a 14a Harmônica
019
kW-hora Direta de Energia
125
kW-hora Invertida de Energia
125
kvar-hora Direta de Energia
126
kvar-hora Invertida de Energia
126
Carga Direta de Alta Tensão
020
Carga Direta de Baixa Tensão
020
Carga Direta de Tensão Presente
020
Alta Tensão Compensada Direta
021
Baixa Tensão Compensada Direta
021
Tensão Presente Compensada Direta
021
Carga Direta de Corrente Alta
022
Carga Direta de Corrente Baixa
022
Carga Direta de Corrente Presente
022
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
Tabela 5-2, cont.
Menu de Funções
Menu Principal de
Nível 1
*Medição, cont.
Submenu de Nível 2
*Demanda Direta, cont.
*Demanda Invertida
_Master Reset
Parâmetro
Código
Fator de Energia a kVA Direta Máxima
023
Fator de Energia a kVA Direta Mínima
023
Carga Alta Direta em kVA
024
Carga Baixa Direta em kVA
024
Carga Direta Presente em kVA
024
Carga Alta Direta em kW
025
Carga Baixa Direta em kW
025
Carga Direta Presente em kW
025
Carga Alta Direta em kvar
026
Carga Baixa Direta em kvar
026
Carga Direta Presente em kvar
026
Posição Máxima de Comutador
027
Impulso Máximo %
127
Posição Mínima de Comutador
028
Buck Máximo %
128
Fonte Direta de Alta Tensão
029
Fonte Direta de Baixa Tensão
029
Fonte Direta de Tensão Presente
029
Carga Invertida de Alta Tensão
030
Carga Invertida de Baixa Tensão
030
Carga Invertida de Tensão Presente
030
Alta Tensão Compensada Invertida
031
Baixa Tensão Compensada Invertida
031
Tensão Presente Compensada Invertida
031
Carga Invertida de Corrente Alta
032
Carga Invertida de Corrente Baixa
032
Carga Invertida de Corrente Presente
032
Fator de Energia a kVA Máxima Invertida
033
Fator de Energia a kVA Mínima Invertida
033
Carga Alta Invertida em kVA
034
Carga Baixa Invertida em kVA
034
Carga Presente Invertida em kVA
034
Carga Alta Invertida em kW
035
Carga Baixa Invertida em kW
035
Carga Presente Invertida em kW
035
Carga Alta Invertida em kvar
036
Carga Baixa Invertida em kvar
036
Carga Presente Invertida em kvar
036
Fonte Invertida de Alta Tensão
037
Fonte Invertida de Baixa Tensão
037
Fonte Invertida de Tensão Presente
037
Master Reset
038
31
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle Série CL-6
Tabela 5-2, cont.
Menu de Funções
Menu Principal de
Nível 1
*Alertas/Eventos
Submenu de Nível 2
Parâmetro
Código
*Alertas Ativos
Desconhecido
(Lista de Alertas Ativos Desconhecidos)
–
(Lista de Alertas Ativos Reconhecidos)
–
*Alertas Ativos
Reconhecido
*Diagnóstico
_Eventos
(Registro de Eventos)
–
*Controle
Versão do Firmware
089
Versão do Banco de Dados
189
Versão PLD
190
Versão 2179
191
Versão DNP
192
Verificação DNP
193
Auto Teste
091
Mensagens Tx de Porta de Comunicação nº1
260
Mensagens Rx de Porta de Comunicação nº1
261
Erros Rx de Porta de Comunicação nº1
262
Mensagens Tx de Porta de Comunicação nº2
263
Mensagens Rx de Porta de Comunicação nº2
264
Erros Rx de Porta de Comunicação nº2
265
Monitor de Ciclo de Trabalho de Contato
333
Estado de Modo A PMT™
300
Atraso de Contagem de Modo A PMT
301
Atraso de Tempo de Modo A PMT
302
Teste de Emissão Modo A PMT
303
Estado de Modo B PMT™
320
Atraso de Contagem de Modo B PMT
321
Atraso de Tempo de Modo B PMT
322
Hora Inicial de Modo B PMT™
323
Hora Final de Modo B PMT™
324
Desvio Máximo de Modo B PMT
325
Designação de Modo B PMT™
326
Limite de Corrente Modo B PMT
327
Teste de Emissão Modo B PMT
328
*Comunicações
*Manutenção
_Medição PLUS
32
de Linha do Sistema
–
Tensão de Carga
–
Corrente de Carga
–
Posição de Comutador
–
LF TPI TRG STATUS
–
Reg TPI CompV BandE
–
sV Src Comp Carga
–
*LEDs de Teste
Sem Itens
–
*Desligar Tela
Sem Itens
–
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
Códigos de Funções
Consulte a Tabela 5-3 para conhecer uma listagem
numérica de códigos de funções. A tabela representa
de forma precisa a exibição de cada código de função e
identifica o nível de segurança para ler, editar e reiniciar
as configurações de fábrica, e os limites mais altos e
mais baixos para entradas digitadas. Isso é seguido por
uma descrição e, quando apropriado, uma lista de escolhas roláveis, exemplos e funções e recursos para cada
código de função.
TABELA 5-3
Códigos de Funções
Cód. de
Função
0
Nível 1
Menu Principal
Nível 2
Sub Menu
Contadores
Contador de
Operações
Nível de Segurança
Nível 3
Parâmetro
000 Operações
Operações
Leitura
Editar
Reiniciar
0
3
ND
Configuração de
Fábrica
ND
Limite de
Entrada Principal
Baixo
Alto
0
999999
XXXXX
• O contador total de operações é ativado com a detecção da operação do motor do comutador, a qual é determinada pela detecção do fluxo de
corrente no circuito de chave de retenção.
• O contador total de operações é registrado na memória não-volátil após cada contagem.
• Acesse outros contadores de operações em FC 100–FC 107.
1
Configurações
Direção
Principal
001 Configuração de
Tensão
do Sistema
120,0 Volts
0
2
ND
120.0
100.0
135.0
ND
2.0
1.0
6.0
•Tensão direta é o nível de tensão ao qual o controle regulará, em 120 V, durante o fluxo elétrico direto.
2
Configurações
Direção
Principal
002 Direta
Invertida
2,0 Volts
0
2
• A largura de banda é definida como a faixa de tensão total, ao redor da tensão definida, a qual o controle considerará como uma condição satisfeita (dentro da banda), durante o fluxo elétrico direto.
• Exemplo: Uma largura de banda de 3,0 V e uma tensão definida de 120 V estabelecerão um valor mais baixo de 118,5 V e um valor mais alto
de 121,5 V.
3
Configurações
Direção
Principal
003 Direta
Invertido
0
2
ND
45
5
180
45 s
• Atraso é o período que o controle espera, entre o momento em que a tensão sai primeiramente da "banda" até quando uma alteração no
comutador é iniciada, durante o fluxo elétrico direto.
• Consulte FC 42, Modo Operacional de Controle.
4
Configurações
Direção
Principal
001 Queda de Linha
Direta
de Linha Invertida
0,0 Volts
0
2
ND
0.0
-96.0
96.0
• O valor de compensação resistiva de queda de linha é usado como modelo para a queda de tensão de linha resistiva entre o regulador e o centro de regulação.
• O controle usa esse parâmetro, em conjunto com a configuração do regulador (FC 41) e a corrente de carga, para calcular e regular a tensão
compensada (exibida em FC 8) durante o fluxo elétrico direto.
33
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle Série CL-6
TABELA 5-3, cont.
Códigos de Funções
Cód. de
Função
5
Nível 1
Menu Principal
Nível 2
Sub Menu
Nível 3
Parâmetro
Configurações
Direção
Principal
005 Queda de Linha
Direta
de Linha
Invertida
0,0 Volts
Nível de Segurança
Leitura
Editar
Reiniciar
0
2
ND
Configuração de
Fábrica
0.0
Limite de
Entrada Principal
Baixo
Alto
-96.0
96.0
• O valor de compensação reativa de queda de linha é usado para modelar a queda de tensão de linha reativa entre o regulador e o centro da
regulação.
• O controle usa esse parâmetro, em conjunto com a configuração do regulador (FC 41) e a corrente de carga, para calcular e regular a tensão
compensada (exibida em FC 8) durante o fluxo elétrico direto.
6
Medição
Instantânea
006 Tensão de Carga
Compensada
XXX,X Volts
0
ND
ND
ND
ND
ND
• Essa é a tensão fundamental RMS, relacionada à secundária, a qual se apresenta nos terminais de saída (carga) do regulador.
• Uma vez realizada a taxa de correção por parte do firmware, esse parâmetro é escalado de acordo com as entradas em FC 43 (Tensão da Linha
do Sistema) e FC 44 (Taxa PT Geral).
• Durante a operação e energia invertida, o controle demanda tensão a partir de um transformador diferencial ou potencial de fonte ou a partir do
cálculo de tensão da fonte (consulte FC 39) para obter esse parâmetro. A ausência de tensão resultará em exibição de traços no parâmetro.
7
Medição
Instantânea
007 Tensão de Fonte
Compensada
XXX,X Volts
0
ND
ND
ND
ND
ND
• Essa é a tensão fundamental RMS, relacionada à secundária, a qual se apresenta nos terminais de entrada (fonte) do regulador.
• Uma vez realizada a taxa de correção por parte do firmware, esse parâmetro é escalado de acordo com as entradas em FC 43 (Tensão da Linha
do Sistema) e FC 44 (Taxa PT Geral).
• Durante a operação e energia direta, o controle demanda tensão a partir de um transformador diferencial ou potencial de fonte ou a partir do cálculo de tensão da fonte (consulte FC 39) para obter esse parâmetro. A ausência de tensão resultará em exibição de traços no parâmetro.
8
Medição
Instantânea
008 Tensão
Secundária
Compensada
XXX,X Volts
0
ND
ND
ND
ND
ND
• Essa é a tensão calculada no centro do regulador, relacionado à secundária.
• Isso é baseado na configuração de compensação resistiva (FC 4 ou FC 54), configuração de compensação reativa (FC 5 ou FC 55), e na corrente de carga.
• Essa é a tensão que o regulador está regulando durante o fluxo elétrico, seja direto ou invertido.
• Durante a operação e energia invertida, o controle demanda tensão a partir de um transformador diferencial ou potencial de fonte ou a partir do
cálculo de tensão da fonte (consulte FC 39) para obter esse parâmetro. A ausência de tensão resultará em exibição de traços no parâmetro.
9
Medição
Instantânea
009 Corrente de Carga
Primária
XXX,X A
0
ND
ND
ND
ND
ND
• Esta é a corrente RMS fundamental fluindo no circuito primário.
• Este parâmetro é escalado de acordo com a classificação primária CT a qual é inseria em FC 45.
• Durante a operação e energia invertida, o controle demanda tensão a partir de um transformador diferencial ou potencial de fonte ou a partir do
cálculo de tensão da fonte (consulte FC 39) para obter esse parâmetro. A ausência de tensão resultará em exibição de traços no parâmetro.
34
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
TABELA 5-3, cont.
Códigos de Funções
Cód. de
Função
10
Nível 1
Menu
Principal
Nível 2
Sub Menu
Medição
Instantânea
Nível 3
Parâmetro
Nível de Segurança
010 Tensão de Carga
kV primária
XX,XX kV
Leitura
Editar
Reiniciar
0
ND
ND
Configuração de
Fábrica
Limite de
Entrada Principal
ND
Baixo
Alto
ND
ND
• Essa é a tensão RMS fundamental, citada como primária, a qual aparece nos terminais de saída (carga) do regulador.
• Durante a operação e energia invertida, o controle demanda tensão a partir de um transformador diferencial ou potencial de fonte ou a partir do
cálculo de tensão da fonte (consulte FC 39) para obter esse parâmetro. A ausência de tensão resultará em exibição de traços no parâmetro.
11
Medição
Instantânea
011 Tensão de Fonte
kV primária
XX,XX kV
0
ND
ND
ND
ND
ND
• Essa é a tensão RMS fundamental, citada como primária, a qual aparece nos terminais de entrada (fonte) do regulador.
• Uma vez que a correção de razão é executada pelo firmware, esse parâmetro é escalado de acordo com as entradas em FC 43 (Tensão de
Linha do Sistema) e FC 44 (Razão PT Geral).
• Durante a operação e energia direta, o controle demanda tensão a partir de um transformador diferencial ou potencial de fonte ou a partir do
cálculo de tensão da fonte (consulte FC 39) para obter esse parâmetro. A ausência de tensão resultará em exibição de traços no parâmetro.
12
Medição
Instantânea
012 Posição Atual do
do Comutador
XX
0
3
ND
ND
-16
16
• Esta é a posição atual do comutador.
• A indicação de posição do comutador está sincronizada na posição neutra, conforme indicado pelo circuito de luz de neutra. As posições do comutador são exibidas de -16 a 16, de acordo com os 15 Reduzidos (regulador em resistência) aos 16 Elevados (regulador em amplificação).
• Consulte a seção Recursos de Controle: Posição do Comutador neste manual.
• Consulte Regulação Porcentual, FC 112.
13
Medição
Instantânea
013 Fator de Energia
0
ND
ND
ND
ND
ND
X,XXX
• Este é o fator de energia do circuito primário, conforme representado pela diferença de fase entre a tensão e a corrente da linha.
• Corrente atrasada, ou cargas indutivas, são designadas por um sinal (+), e a corrente principal, ou cargas capacitivas, são designadas por um
sinal (-). Consulte as Figuras 5-1 e 5-2.
Alimentação Inversa
I
Alimentação para Frente
I
Lagging
(+)
Unidade
I
Leading
(-)
E
Leading
(-)
Figura 5-1.
Diagrama de vetor de energia invertida
I
E
Unidade
Lagging
(+)
Figura 5-2.
Diagrama de vetor de energia invertida.
35
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle Série CL-6
TABELA 5-3, cont.
Códigos de Funções
Cód. de
Função
14
Nível 1
Menu
Principal
Nível 2
Sub Menu
Medição
Instantânea
Nível 3
Parâmetro
Nível de Segurança
Leitura
Editar
Reiniciar
0
ND
ND
014 Carga em kVA
XXXX,X kVA
Configuração de
Fábrica
ND
Limite de Entrada
Principal
Baixo
Alto
ND
ND
• Este é o total de kVA desenhado pela carga, conforme calculado pelo produto da tensão de carga primária em kV (FC 10) vezes a corrente de
carga primária (FC 9). Consulte a Figura 5-3.
Fator de Potência = kW
kVA
A
kV
kvar
kW=kVA cos q
kvar=kVA sin q
q
kW
Figura 5-3.
Triângulo de Força
15
Medição
Instantânea
015 Carga em kW
0
ND
ND
ND
ND
ND
XXXX,X kW
• Este é o total em kW (potência real) consumido pela carga.
• Este é o produto calculado do fator de energia (FC 13) vezes a carga em kVA (FC 14). Consulte a Figura 5-3.
• Durante a operação e energia invertida, o controle demanda tensão a partir de um transformador diferencial ou potencial de fonte ou a partir do
cálculo de tensão da fonte (consulte FC 39) para obter esse parâmetro. A ausência de tensão resultará em exibição de traços no parâmetro.
16
Medição
Instantânea
016 Carga em kvar
0
ND
ND
ND
ND
ND
XXXX,X kvar
• Este é o total reativo em kvar (energia reativa) desenhado pela carga. A energia reativa adiciona às perdas na linha, ainda que não realize
nenhum trabalho. Consulte a Figura 5-3.
• Durante a operação e energia invertida, o controle demanda tensão a partir de um transformador diferencial ou potencial de fonte ou a partir do
cálculo de tensão da fonte (consulte FC 39) para obter esse parâmetro. A ausência de tensão resultará em exibição de traços no parâmetro.
17
Medição
Instantânea
017 Frequência de
Linha
0
ND
ND
ND
ND
ND
ND
ND
ND
XX,XX Hz
• Esta é a frequência da linha de energia, conforme medido pelo controle.
• O controle é capaz de operar em sistemas de 45 a 65 Hz sem perda de precisão em suas medições.
18
Medição
Instantânea
018 THD de Tensão
0
ND
ND
XX,X %
•
•
•
•
36
A distorção harmônica total (THD) é exibida após a inserção FC 18.
A distorção harmônica total é computada como RSS (raiz quadrada da soma dos quadrados) dos valores harmônicos individuais.
Isso é exibido como porcentagem da tensão fundamental RMS.
Exemplo: 120,0 V de 60 Hz fundamental (frequência de linha de energia), com uma leitura de 0,5 à 7a harmônica (420 Hz), é de 0,6 V RMS.
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
TABELA 5-3, cont.
Códigos de Funções
Cód. de
Função
18
Nível 1
Menu
Principal
Nível 2
Sub Menu
Medição
Instantânea
Nível 3
Parâmetro
Nível de Segurança
018 Harmônica da Tensão
2a a 15a
XX,X %
Leitura
Editar
Reiniciar
0
ND
ND
0
ND
ND
Configuração de
Fábrica
Limite de
Entrada Principal
Baixo
Alto
ND
ND
ND
ND
ND
ND
• Os valores da 2a até a 15a harmônica são exibidos.
• Use as teclas de setas para rolar entre a 2a e a 15a harmônica.
19
Medição
Instantânea
019 THD de Corrente
XXX,X %
•
•
•
•
A distorção harmônica total (THD) é exibida após a inserção FC 19.
A distorção harmônica total é computada como RSS (raiz quadrada da soma dos quadrados) dos valores harmônicos individuais.
Isso é exibido como porcentagem da tensão fundamental RMS.
Exemplo: 200 A de 60 Hz fundamental (frequência de linha de energia), com uma leitura de 1,9 à 5a harmônica (300 Hz), é de 3,8 A RMS.
19
Medição
Instantânea
019 Harmônica de
Corrente de
2a a 15a
0
ND
ND
ND
ND
ND
0
ND
1
ND
ND
ND
XX,X %
• Os valores da 2a até a 15a harmônica são exibidos.
• Use as teclas de setas para rolar entre a 2a e a 15a harmônica.
20
Medição
Demanda
Direta
020 Tensão de Carga
de Fonte Invertida
XXX,X Volts
(Data / Hora exibida)
• Esta é a mais alta tensão secundária de saída do regulador (desde a última reinicialização), como um valor de demanda, de acordo com o intervalo de demanda em FC 46.
• São exibidas data e hora da ocorrência da mais alta tensão secundária de saída.
20
Medição
Demanda
Direta
020 Tensão de Carga
de Fonte Invertida
XXX,X Volts
(Data / Hora exibida)
0
ND
1
ND
ND
ND
• Esta é a mais baixa tensão secundária de saída do regulador (desde a última reinicialização), como um valor de demanda, de acordo com o
intervalo de demanda em FC 46.
• São exibidas data e hora da ocorrência da mais baixa tensão de carga.
20
Medição
Demanda
Direta
020 Tensão de Carga
de Fonte Invertida
XXX,X Volts
0
ND
ND
ND
ND
ND
• Esta é a presente leitura da tensão secundária de saída do regulador, como um valor de demanda, de acordo com o intervalo de demanda em
FC 46.
37
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle Série CL-6
TABELA 5-3, cont.
Códigos de Funções
Cód. de
Função
21
Nível 1
Menu
Principal
Nível 2
Sub Menu
Medição
Demanda Direta
Nível 3
Parâmetro
021 Tensão Compensada
de Fonte Invertida
XXX,X Volts
(Data / Hora exibida)
Nível de Segurança
Leitura
Editar
Reiniciar
0
ND
1
Configuração de
Fábrica
ND
Limite de Entrada
Principal
Baixo
Alto
ND
ND
• Este é o valor mais alto da tensão secundária calculada no centro do regulador (desde a última reinicialização), como um valor de demanda, de
acordo com o intervalo de demanda em FC 46.
• As configurações de compensação de queda direta para resistência e reatância (FC 4 e FC 5) são usadas nesse cálculo.
• São exibidas data e hora da ocorrência da mais alta tensão compensada.
21
Medição
Demanda Direta
021 Tensão Compensada
de Fonte Invertida
XXX,X Volts
0
ND
1
ND
ND
ND
• Este é o valor mais baixo da tensão secundária calculada no centro do regulador (desde a última reinicialização), como um valor de demanda, de
acordo com o intervalo de demanda em FC 46.
• As configurações de compensação de queda direta para resistência e reatância (FC 4 e FC 5) são usadas nesse cálculo.
• São exibidas data e hora da ocorrência da mais baixa tensão de carga.
21
Medição
Demanda Direta
021 Tensão Compensada
de Fonte Invertida
XXX,X Volts
0
ND
ND
ND
ND
ND
• Este é o valor presente da tensão secundária de saída calculada do regulador, como um valor de demanda, de acordo com o intervalo de
demanda em FC 46.
• As configurações de compensação de queda direta para resistência e reatância (FC 4 e FC 5) são usadas nesse cálculo.
22
Medição
Demanda Direta
022 Corrente de Carga
Alta Invertida
XXX,X A
(Data / Hora exibida)
0
ND
1
ND
ND
ND
• Este é o valor mais alto da corrente de carga (desde a última reinicialização), como um valor de demanda, de acordo com o intervalo de demanda em FC 46.
• São exibidas data e hora da ocorrência da mais alta corrente de carga.
22
Medição
Demanda Direta
022 Corrente de Carga
Baixa Invertida
XXX,X A
(Data / Hora exibida)
0
ND
1
ND
ND
ND
• Este é o valor mais baixo da corrente de carga (desde a última reinicialização), como um valor de demanda, de acordo com o intervalo de
demanda em FC 46.
• São exibidas data e hora da ocorrência da mais baixa corrente de carga.
22
Medição
Demanda Direta
022 Corrente de Carga
Presente Invertida
XXX,X A
0
ND
ND
ND
• Esta é a presente leitura da tensão de carga como um valor de demanda, de acordo com o intervalo de demanda em FC 46.
38
ND
ND
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
TABELA 5-3, cont.
Códigos de Funções
Cód. de
Função
23
Nível 1
Menu
Principal
Nível 2
Sub Menu
Medição
Demanda Direta
Nível 3
Parâmetro
023 Fator de Energia
em
Máx. kVA Direta
X,XX
(Data / Hora exibida)
Nível de Segurança
Leitura
Editar
Reiniciar
0
ND
ND
Configuração de
Fábrica
ND
Limite de Entrada
Principal
Baixo
Alto
ND
ND
• Este é um fator instantâneo de energia da carga à primeira vez em que ocorreu a demanda máxima de kVA, desde a última reinicialização.
• São exibidas data e hora da ocorrência da mais alta demanda máxima kVA.
• Observação: Este parâmetro é associado à demanda máxima em kVA; portanto, não pode ser reiniciado de forma independente do outro parâmetro.
23
Medição
Demanda Direta
023 Fator de Energia
em
kVA Direta Mínima
X,XX
(Data / Hora exibida)
0
ND
ND
ND
ND
ND
• Este é um fator instantâneo de energia da carga à primeira vez em que ocorreu a demanda mínima de kVA, desde a última reinicialização.
• São exibidas data e hora da ocorrência da mais baixa demanda mínima kVA.
• Observação: Este parâmetro é associado à demanda mínima em kVA; portanto, não pode ser reiniciado de forma independente desse parâmetro.
024
Medição
Demanda Direta
024 Carga Presente
Invertida em kVA
XXXX,X kVA
(Data / Hora exibida)
0
ND
1
ND
ND
ND
• Este é o valor mais alto da kVA de carga (desde a última reinicialização), como um valor de demanda, de acordo com o intervalo de demanda
em FC 46.
• São exibidas data e hora da ocorrência da mais alta kVA de carga.
24
Medição
Demanda Direta
024 Carga Presente
Invertida em kVA
XXXX,X kVA
(Data / Hora exibida)
0
ND
1
ND
ND
ND
• Este é o valor mais baixo da potência de carga (desde a última reinicialização), como um valor de demanda, de acordo com o intervalo de
demanda em FC 46.
• São exibidas data e hora da ocorrência da mais baixa kVA de carga.
24
Medição
Demanda Direta
024 Carga Presente
Invertida em kVA
XXXX,X kVA
0
ND
ND
ND
ND
ND
ND
ND
• Este é o valor presente da carga em kVA, como um valor de demanda, de acordo com o intervalo de demanda em FC 46.
25
Medição
Demanda Direta
025 Carga presente
0
ND
1
ND
• Este é o valor mais alto em kW de carga (desde a última reinicialização), como um valor de demanda, de acordo com o intervalo de demanda
em FC 46.
• São exibidas data e hora da ocorrência da mais alta potência de carga.
25
Medição
Demanda Direta
025 Carga presente
Invertida em kW
XXXX,X kW
(Data / Hora exibida)
0
ND
1
ND
ND
ND
• Este é o valor mais baixo da potência de carga (desde a última reinicialização), como um valor de demanda, de acordo com o intervalo de
demanda em FC 46.
• São exibidas data e hora da ocorrência da mais baixa carga em kW.
39
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle Série CL-6
TABELA 5-3, cont.
Códigos de Funções
Cód. de
Função
25
Nível 1
Menu
Principal
Nível 2
Sub Menu
Medição
Demanda
Direta
Nível 3
Parâmetro
Nível de Segurança
025 Carga presente
Invertida em kW
XXXX,X kW
Leitura
Editar
Reiniciar
0
ND
ND
Configuração de
Fábrica
ND
Limite de
Entrada
Principal
Baixo
Alto
ND
ND
ND
ND
• Este é o valor presente da carga em kW, como um valor de demanda, de acordo com o intervalo de demanda em FC 46.
26
Medição
Demanda
Direta
026 Carga Presente
Invertida em kvar
XXXX,X kvar
(Data / Hora exibida)
0
ND
1
ND
• Este é o valor mais alto da kvar de carga (desde a última reinicialização), como um valor de demanda, de acordo com o intervalo de demanda
em FC 46.
• São exibidas data e hora de quando ocorreu o valor mais baixo.
26
Medição
Demanda
Direta
026 Carga Presente
Invertida em kvar
XXXX,X kvar
(Data / Hora exibida)
0
ND
1
ND
ND
ND
• Este é o valor mais baixo de carga em kvar (desde a última reinicialização), como um valor de demanda, de acordo com o intervalo de demanda
em FC 46.
• São exibidas data e hora da ocorrência da mais baixa kvar de carga.
26
Medição
Demanda
Direta
026 Carga Presente
Direta em kvar
XXXXX,X kvar
0
ND
ND
ND
ND
ND
ND
ND
• Este é o valor presente da carga em kvar, como um valor de demanda, de acordo com o intervalo de demanda em FC 46.
27
Medição
Demanda
Direta
027 Posição Máxima
do Comutador
(Data / Hora exibida)
0
ND
1
ND
XX
• Esta é a posição mais alta do comutador que o regulador alcançou desde a última reinicialização.
• A posição máxima e a data e hora selecionadas podem ser reiniciadas por meio da chave de reinicialização ou por meio da reinicialização master, FC 38. Esse parâmetro não é reiniciado por meio da chave de reinicialização "drag-hand".
• São exibidas data e hora da ocorrência da posição máxima do comutador.
28
Medição
Demanda
Direta
028 Posição Mínima
do Comutador
(Data / Hora exibida)
0
ND
1
ND
ND
ND
XX
• Esta é a posição mais baixa do comutador que o regulador alcançou desde a última reinicialização.
• A posição mínima e a data e hora selecionadas podem ser reiniciadas por meio da chave de reinicialização ou por meio da reinicialização master, FC 38. Esse parâmetro não é reiniciado por meio da chave de reinicialização "drag-hand".
• São exibidas data e hora da ocorrência da posição mínima do comutador.
40
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
TABELA 5-3, cont.
Códigos de Funções
Cód. de
Função
029
Nível 1
Menu
Principal
Nível 2
Sub Menu
Medição
Demanda Direta
Nível 3
Parâmetro
029 Tensão Presente
de Fonte
Invertida
XXX,X Volts
(Data / Hora exibida)
Nível de Segurança
Leitura
Editar
Reiniciar
0
ND
1
Configuração de
Fábrica
ND
Limite de Entrada
Principal
Baixo
Alto
ND
ND
• Esta é a máxima tensão de fonte do regulador (desde a última reinicialização), como um valor de demanda, de acordo com o intervalo de
demanda em FC 46.
• São exibidas data e hora da ocorrência da mais alta tensão de fonte.
• O controle demanda tensão a partir de um transformador diferencial ou potencial de fonte ou a partir do cálculo de tensão da fonte (consulte FC
39) para obter esse parâmetro. A ausência de tensão resultará em exibição de traços no parâmetro.
29
Medição
Demanda Direta
029 Tensão Presente
de Fonte
Invertida
XXX,X Volts
(Data / Hora exibida)
0
ND
1
ND
ND
ND
• Esta é a mínima tensão de fonte do regulador (desde a última reinicialização), como um valor de demanda, de acordo com o intervalo de demanda em FC 46.
• São exibidas data e hora da ocorrência da mais baixa tensão de fonte.
• O controle demanda tensão a partir de um transformador diferencial ou potencial de fonte ou a partir do cálculo de tensão da fonte (consulte FC
39) para obter esse parâmetro. A ausência de tensão resultará em exibição de traços no parâmetro.
29
Medição
Demanda Direta
029 Tensão Presente
de Fonte
Invertida
XXX,X Volts
0
ND
ND
ND
ND
ND
• Este é o valor presente da tensão de fonte, como um valor de demanda, de acordo com o intervalo de demanda em FC 46.
• O controle demanda tensão a partir de um transformador diferencial ou potencial de fonte ou a partir do cálculo de tensão da fonte (consulte FC
39) para obter esse parâmetro. A ausência de tensão resultará em exibição de traços no parâmetro.
30
Medição
Demanda
Invertida
030 Tensão de Carga
de Fonte
Invertida
XXX,X Volts
(Data / Hora exibida)
0
ND
1
ND
ND
ND
• Este é o valor máximo da tensão secundária de saída do regulador durante o fluxo elétrico invertido (desde a última reinicialização), como um
valor de demanda, de acordo com o intervalo de demanda em FC 46.
• São exibidas data e hora da ocorrência da mais alta tensão de carga.
• O controle demanda tensão a partir de um transformador diferencial ou potencial de fonte ou a partir do cálculo de tensão da fonte (consulte FC
39) para obter esse parâmetro. A ausência de tensão resultará em exibição de traços no parâmetro.
30
Medição
Demanda
Invertida
030 Tensão de Carga
de Fonte
Invertida
XXX,X Volts
(Data / Hora exibida)
0
ND
1
ND
ND
ND
• Este é o valor mínimo da tensão secundária de saída do regulador durante o fluxo elétrico invertido (desde a última reinicialização), como um
valor de demanda, de acordo com o intervalo de demanda em FC 46.
• São exibidas data e hora da ocorrência da mais baixa tensão de carga.
• O controle demanda tensão a partir de um transformador diferencial ou potencial de fonte ou a partir do cálculo de tensão da fonte (consulte FC
39) para obter esse parâmetro. A ausência de tensão resultará em exibição de traços no parâmetro.
30
Medição
Demanda
Invertida
030 Tensão de Carga
de Fonte
Invertida
XXX,X Volts
0
ND
ND
ND
ND
ND
• Este é o valor presente da tensão secundária de saída do regulador durante o fluxo elétrico invertido (desde a última reinicialização), como um
valor de demanda, de acordo com o intervalo de demanda em FC 46.
• O controle demanda tensão a partir de um transformador diferencial ou potencial de fonte ou a partir do cálculo de tensão da fonte (consulte FC
39) para obter esse parâmetro. A ausência de tensão resultará em exibição de traços no parâmetro.
41
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle Série CL-6
TABELA 5-3, cont.
Códigos de Funções
Cód. de
Função
31
Nível 1
Menu
Principal
Nível 2
Sub Menu
Medição
Demanda
Invertida
Nível 3
Parâmetro
031 Tensão Presente
de Fonte
Invertida
XXX,X Volts
(Data / Hora exibida)
Nível de Segurança
Leitura
Editar
Reiniciar
0
ND
1
Configuração
de Fábrica
ND
Limite de
Entrada
Principal
Baixo
Alto
ND
ND
• Este é o valor mais alto da tensão secundária calculada no centro do regulador durante o fluxo elétrico invertido (desde a última reinicialização),
como um valor de demanda, de acordo com o intervalo de demanda em FC 46.
• As configurações de compensação de queda invertida para resistência e reatância (FC 54 e FC 55) são usadas nesse cálculo.
• São exibidas data e hora da ocorrência da mais alta compensada.
• O controle demanda tensão a partir de um transformador diferencial ou potencial de fonte ou a partir do cálculo de tensão da fonte (consulte FC
39) para obter esse parâmetro. A ausência de tensão resultará em exibição de traços no parâmetro.
31
Medição
Demanda
Invertida
031 Tensão Presente
de Fonte
Invertida
XXX,X Volts
(Data / Hora exibida)
0
ND
1
ND
ND
ND
• Este é o valor mais baixo da tensão secundária calculada no centro de carga durante o fluxo elétrico invertido (desde a última reinicialização),
como um valor de demanda, de acordo com o intervalo de demanda em FC 46.
• As configurações de compensação de queda invertida para resistência e reatância (FC 54 e FC 55) são usadas nesse cálculo.
• São exibidas data e hora da ocorrência da mais baixa tensão de carga.
• O controle demanda tensão a partir de um transformador diferencial ou potencial de fonte ou a partir do cálculo de tensão da fonte (consulte FC
39) para obter esse parâmetro. A ausência de tensão resultará em exibição de traços no parâmetro.
31
Medição
Demanda
Invertida
031 Tensão Presente
de Fonte
Invertida
XXX,X Volts
0
ND
ND
ND
ND
ND
• Este é o valor presente do centro secundário de carga durante o fluxo elétrico invertido (desde a última reinicialização), como um valor de
demanda, de acordo com o intervalo de demanda em FC 46.
• As configurações de compensação de queda invertida para resistência e reatância (FC 54 e FC 55) são usadas nesse cálculo.
• O controle demanda tensão a partir de um transformador diferencial ou potencial de fonte ou a partir do cálculo de tensão da fonte (consulte FC
39) para obter esse parâmetro. A ausência de tensão resultará em exibição de traços no parâmetro.
32
Medição
Demanda
Invertida
032 Corrente de Carga
Alta Invertida
XXX,X A
(Data / Hora exibida)
0
ND
1
ND
ND
ND
• Este é o valor mais alto da corrente de carga durante o fluxo elétrico invertido (desde a última reinicialização), como um valor de demanda, de
acordo com o intervalo de demanda em FC 46.
• São exibidas data e hora da ocorrência da mais alta corrente de carga.
• O controle demanda tensão a partir de um transformador diferencial ou potencial de fonte ou a partir do cálculo de tensão da fonte
(consulte FC 39) para obter esse parâmetro. A ausência de tensão resultará em exibição de traços no parâmetro.
32
Medição
Demanda
Invertida
032 Corrente de Carga Baixa Invertida
XXX,X A
(Data / Hora exibida)
0
ND
1
ND
ND
ND
• Este é o valor mais baixo da corrente de carga durante o fluxo elétrico invertido (desde a última reinicialização), como um valor de demanda, de
acordo com o intervalo de demanda em FC 46.
• São exibidas data e hora da ocorrência da mais baixa corrente de carga.
• O controle demanda tensão a partir de um transformador diferencial ou potencial de fonte ou a partir do cálculo de tensão da fonte (consulte FC
39) para obter esse parâmetro. A ausência de tensão resultará em exibição de traços no parâmetro.
42
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
TABELA 5-3, cont.
Códigos de Funções
Cód. de
Função
32
Nível 1
Menu
Principal
Nível 2
Sub Menu
Medição
Demanda
Invertida
Nível 3
Parâmetro
032 Corrente de Carga Presente Invertida
XXX,X A
Nível de Segurança
Leitura
Editar
Reiniciar
0
ND
ND
Configuração de
Fábrica
ND
Limite de
Entrada
Principal
Baixo
Alto
ND
ND
• Este é o valor presente da corrente de carga durante o fluxo elétrico invertido (desde a última reinicialização), como um valor de demanda, de
acordo com o intervalo de demanda em FC 46.
• O controle demanda tensão a partir de um transformador diferencial ou potencial de fonte ou a partir do cálculo de tensão da fonte (consulte FC
39) para obter esse parâmetro. A ausência de tensão resultará em exibição de traços no parâmetro.
33
Medição
Demanda
Invertida
033 Fator de Energia
em Máx. kVA invertida
X,XX
(Data / Hora exibida)
0
ND
ND
ND
ND
ND
• Este é um fator instantâneo de energia da carga à primeira vez em que ocorreu a demanda máxima de kVA, (desde a última reinicialização),
durante o fluxo elétrico invertido.
• Observação: Este parâmetro é associado à demanda máxima em kVA; portanto, não pode ser reiniciado de forma independente do outro parâmetro.
• O controle demanda tensão a partir de um transformador diferencial ou potencial de fonte ou a partir do cálculo de tensão da fonte (consulte FC
39) para obter esse parâmetro. A ausência de tensão resultará em exibição de traços no parâmetro.
33
Medição
Demanda
Invertida
033 Fator de Energia
em Mín. kVA invertida
X,XX
(Data / Hora exibida)
0
ND
ND
ND
ND
ND
• Este é um fator instantâneo de energia da carga à primeira vez em que ocorreu a demanda mínima de kVA durante o fluxo elétrico invertido
desde a última reinicialização.
• Observação: Este parâmetro é associado à demanda mínima em kVA; portanto, não pode ser reiniciado de forma independente desse parâmetro.
• O controle demanda tensão a partir de um transformador diferencial ou potencial de fonte ou a partir do cálculo de tensão da fonte (consulte FC
39) para obter esse parâmetro. A ausência de tensão resultará em exibição de traços no parâmetro.
34
Medição
Demanda
Invertida
034 Carga Presente
Invertida em kVA
XXXX,X kVA
(Data / Hora exibida)
0
ND
1
ND
ND
ND
• Este é o valor mais alto de carga em kVA durante o fluxo elétrico invertido (desde a última reinicialização), como um valor de demanda, de acordo com o intervalo de demanda em FC 46.
• São exibidas data e hora da ocorrência da mais alta kVA de carga.
• O controle demanda tensão a partir de um transformador diferencial ou potencial de fonte ou a partir do cálculo de tensão da fonte (consulte FC
39) para obter esse parâmetro. A ausência de tensão resultará em exibição de traços no parâmetro.
34
Medição
Demanda
Invertida
034 Carga Presente
Invertida em kVA
XXXX,X kVA
(Data / Hora exibida)
0
ND
1
ND
ND
ND
• Este é o valor mais baixo de carga em kVA durante o fluxo elétrico invertido (desde a última reinicialização), como um valor de demanda, de
acordo com o intervalo de demanda em FC 46.
• São exibidas data e hora da ocorrência da mais baixa kVA de carga.
• O controle demanda tensão a partir de um transformador diferencial ou potencial de fonte ou a partir do cálculo de tensão da fonte (consulte FC
39) para obter esse parâmetro. A ausência de tensão resultará em exibição de traços no parâmetro.
43
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle Série CL-6
TABELA 5-3, cont.
Códigos de Funções
Cód. de
Função
34
Nível 1
Menu
Principal
Nível 2
Sub Menu
Medição
Demanda
Invertida
Nível 3
Parâmetro
034 Carga Presente
Invertida em kVA
XXXX,X kVA
Nível de Segurança
Leitura
Editar
Reiniciar
0
ND
ND
Configuração de
Fábrica
ND
Limite de Entrada
Principal
Baixo
Alto
ND
ND
• Este é o valor presente de carga em kVA durante o fluxo elétrico invertido, como um valor de demanda, de acordo com o intervalo de demanda
em FC 46.
• O controle demanda tensão a partir de um transformador diferencial ou potencial de fonte ou a partir do cálculo de tensão da fonte (consulte FC
39) para obter esse parâmetro. A ausência de tensão resultará em exibição de traços no parâmetro.
35
Medição
Demanda
Invertida
035 Carga Presente
Invertida em kW
XXXX,X kW
(Data / Hora exibida)
0
ND
1
ND
ND
ND
• Este é o valor mais alto de carga em kW durante o fluxo elétrico invertido (desde a última reinicialização), como um valor de demanda, de acordo
com o intervalo de demanda em FC 46.
• São exibidas data e hora da ocorrência da mais alta potência de carga.
• O controle demanda tensão a partir de um transformador diferencial ou potencial de fonte ou a partir do cálculo de tensão da fonte (consulte FC
39) para obter esse parâmetro. A ausência de tensão resultará em exibição de traços no parâmetro.
35
Medição
Demanda
Invertida
035 Carga Presente
Invertida em kW
XXXX,X kW
(Data / Hora exibida)
0
ND
1
ND
ND
ND
• Este é o valor mais baixo de carga em kW durante o fluxo elétrico invertido (desde a última reinicialização), como um valor de demanda, de acordo com o intervalo de demanda em FC 46.
• São exibidas data e hora da ocorrência da mais baixa carga em kW.
• O controle demanda tensão a partir de um transformador diferencial ou potencial de fonte ou a partir do cálculo de tensão da fonte (consulte FC
39) para obter esse parâmetro. A ausência de tensão resultará em exibição de traços no parâmetro.
35
Medição
Demanda
Invertida
035 Carga Presente
Invertida em kW
XXXX,X kW
0
ND
ND
ND
ND
ND
• Este é o valor presente de carga em kW durante o fluxo elétrico invertido, como um valor de demanda, de acordo com o intervalo de demanda
em FC 46.
• O controle demanda tensão a partir de um transformador diferencial ou potencial de fonte ou a partir do cálculo de tensão da fonte (consulte FC
39) para obter esse parâmetro. A ausência de tensão resultará em exibição de traços no parâmetro.
36
Medição
Demanda
Invertida
036 Carga Baixa
Invertida em kvar
XXXX,X kvar
(Data / Hora exibida)
0
ND
1
ND
ND
ND
• Este é o valor mais alto de carga em kvar durante o fluxo elétrico invertido (desde a última reinicialização), como um valor de demanda, de acordo com o intervalo de demanda em FC 46.
• São exibidas data e hora da ocorrência da mais alta kvar de carga.
• O controle demanda tensão a partir de um transformador diferencial ou potencial de fonte ou a partir do cálculo de tensão da fonte (consulte FC
39) para obter esse parâmetro. A ausência de tensão resultará em exibição de traços no parâmetro.
44
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
TABELA 5-3, cont.
Códigos de Funções
Cód. de
Função
Nível 1
Menu
Principal
Nível 2
Sub Menu
Nível 3
Parâmetro
36
Medição
Demanda
Invertida
036 Carga Baixa
Invertida em kvar
XXXX.X kvar
(Data / Hora exibida)
Nível de Segurança
Leitura
Editar
Reiniciar
0
ND
1
Configuração de
Fábrica
ND
Limite de Entrada
Principal
Baixo
Alto
ND
ND
• Este é o valor mais baixo de carga em kvar durante o fluxo elétrico invertido (desde a última reinicialização), como um valor de demanda, de
acordo com o intervalo de demanda em FC 46.
• São exibidas data e hora da ocorrência da mais baixa kvar de carga.
• O controle demanda tensão a partir de um transformador diferencial ou potencial de fonte ou a partir do cálculo de tensão da fonte (consulte FC
39) para obter esse parâmetro. A ausência de tensão resultará em exibição de traços no parâmetro.
36
Medição
Demanda
Invertida
036 Carga Presente
Invertida em kvar
XXXX.X kvar
ND
ND
ND
ND
ND
ND
• Este é o valor presente de carga em kvar durante o fluxo elétrico invertido, como um valor de demanda, de acordo com o intervalo de demanda
em FC 46.
• O controle demanda tensão a partir de um transformador diferencial ou potencial de fonte ou a partir do cálculo de tensão da fonte (consulte FC
39) para obter esse parâmetro. A ausência de tensão resultará em exibição de traços no parâmetro.
37
Medição
Demanda
Invertida
037 Alta Tensão de
Fonte Invertida
XXX.X Volts
(Data / Hora exibida)
0
ND
1
ND
ND
ND
• Este é o valor mais alto da tensão primária de entrada do regulador durante o fluxo elétrico invertido (desde a última reinicialização), como um
valor de demanda, de acordo com o intervalo de demanda em FC 46.
• São exibidas data e hora da ocorrência da mais alta tensão de fonte.
37
Medição
Demanda
Invertida
037 Baixa Tensão de
Fonte Invertida
XXX.X Volts
(Data / Hora exibida)
0
ND
1
ND
ND
ND
• Este é o valor mais baixo da tensão primária de entrada do regulador durante o fluxo elétrico invertido (desde a última reinicialização), como um
valor de demanda, de acordo com o intervalo de demanda em FC 46.
• São exibidas data e hora da ocorrência da mais baixa tensão de fonte.
37
Medição
Demanda
Invertida
037 Tensão Presente
de Fonte Invertida
XXX.X Volts
0
ND
ND
ND
ND
ND
• Este é o valor presente da tensão primária de entrada do regulador durante o fluxo elétrico invertido (desde a última reinicialização), como um
valor de demanda, de acordo com o intervalo de demanda em FC 46.
45
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle Série CL-6
TABELA 5-3, cont.
Códigos de Funções
Cód. de
Função
38
Nível 1
Menu Principal
Nível 2
Sub Menu
Medição
Master Reset
Nível 3
Parâmetro
Nível de Segurança
038 Master Reset
(PRESSIONE RESET)
Leitura
Editar
Reiniciar
0
ND
1
Configuração de
Fábrica
ND
Limite de
Entrada Principal
Baixo
Alto
ND
ND
• Somente medição de demanda, direta e invertida, e redução máxima e mínima, amplificação, e valores de posição de comutador - e hora/data
relacionados - são reiniciados a seus valores correspondentes de demanda presente em FC 38: pressione Edit/Reset, e em seguida pressione
Enter.
• Se o valor de demanda presente ou a posição de comutador estiver em um estado inválido, indicado por traços, os valores altos e baixos também se tornarão inválidos e exibirão traços.
• Valores individuais máximos e mínimos e suas identificações de data/hora (consulte FC 20–FC 37, FC 127, e FC 128) podem ser reiniciados ao
valor de demanda presente: acesse o código de função apropriado na tela, pressione Edit/Reset, e em seguida pressione Enter.
• A reinicialização master executada com sucesso será indicada pela palavra (Done) aparecendo na tela.
• Consulte a seção Funções Especiais: Programação de Controle neste manual.
39
•
•
•
•
•
Recursos
Cálculo de
Tensão
Lateral de
Fonte
039 Cálculo de Tensão
de Fonte
Ligado
0
2
ND
On
ND
ND
12345
1
32766
A tensão lateral de fonte é calculada com base na posição do comutador e no tipo do regulador (consulte FC 140).
As opções incluem:
• calculadora de tensão de fonte desligada
• calculadora de tensão de fonte ligada
O cálculo de tensão de fonte oferece precisão com margem de erro máxima de ±1,5%.
Quando são usados os valores calculados, a tela LCD exibirá (Calculated).
Se a tensão de fonte for detectada, esta será sobreposta à tensão calculada.
40
Configurações
Configuração
040 Identificação
de Regulador
12345
0
2
ND
• Esta provisão é realizada digitando-se um número para identificar unicamente cada controle.
• O número de série do controle (conforme exibido no adesivo atrás do painel frontal) foi inserido em FC 40 na fábrica. Contudo, qualquer outro
número dentro dos limites acima definidos poderá ser escolhido.
• Ao usar flashcards para transferências de arquivos, a identificação do regulador é incluída nos arquivos transferidos. Consulte a seção Recursos
Avançados: Compact Flash Card deste manual.
41
Configurações
Configuração
041 Configuração
de Regulador
0
2
ND
Consulte a
Observação
ND
ND
Wye
• O controle é designado para operar em sistemas trifásicos conectados em Y ou em delta. As opções incluem:
• Wye (estrela)
• Delta-secundário
• Delta-principal
• Os reguladores conectados da linha para o aterramento (Y ou estrela) desenvolvem potenciais e correntes compatíveis para implantação direta
no controle.
• Os reguladores conectados de linha para linha (delta) desenvolvem uma troca de fase potencial para corrente a qual é dependente da condição
do regulador ser definido como principal ou secundário. A troca de fase deve ser conhecida pelo controle a fim de permitir cálculos precisos
para a operação correta.
• Consulte a seção Programação Inicial de Controle neste manual para determinar de o regulador está definido como principal ou secundário.
• Observação: Consulte o Boletim de Referência R225-10-1 para conhecer uma discussão sobre conexões delta.
• A tela LCD exibirá traços caso isso não esteja corretamente definido.
46
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
TABELA 5-3, cont.
Códigos de Funções
Cód. de
Função
42
Nível 1
Menu Principal
Configurações
Nível 2
Sub Menu
Configuração
Nível 3
Parâmetro
Nível de Segurança
042 Modo Operacional
de Controle
Sequencial
Leitura
Editar
Reiniciar
0
2
ND
Configuração de
Fábrica
Sequencial
Limite de
Entrada
Principal
Baixo
Alto
ND
ND
• A forma com a qual o controle responde a condições fora de banda é selecionável pelo usuário. O modo apropriado é selecionado ao se digitar
uma das opções correspondentes:
• Sequential (Padrão)
• Time Integrating
• Voltage Averaging
• Para obter informações detalhadas, consulte a seção Operação de Controle: Modos Operacionais de Controle deste manual.
43
•
•
•
•
•
Configurações
Configuração
043 Tensão de Linha
do Sistema
7200 Volts
0
2
ND
Consulte a
Observação
1200
36000
O controle é designado a operar nas tensões primárias do sistema de 1200 V a 36000 V.
A correção da razão é realizada pelo firmware e, consequentemente, a tensão primária deve ser inserida para cálculo.
Exemplo: Um regulador instalado em um sistema de 7200 V (linha para neutro) deve ter 7200 digitado em FC 43.
Exemplo: Um regulador instalado em um sistema de 11000 V (linha para linha) deve ter 11000 digitado em FC 43.
Observação: A correção de razão e realizada pelo firmware e, consequentemente a classificação da tensão de linha do sistema deve ser inserida. A classificação da tensão de linha está disponível na placa de identificação do regulador e é resumida nas tabelas 10-1 e 10-2 para a maioria
das classificações de reguladores.
44
Configurações
Configuração
044 Razão P.T.
Geral
0
2
ND
20.0
Consulte a
Observação
10.0
300.0
• O controle é designado a operar nas tensões primárias do sistema de 1200 V a 36000 V.
• A correção da razão é realizada pelo firmware e, consequentemente, a razão geral do transformador potencial deve ser inserida para cálculo.
• Observação: A razão geral PT está disponível na placa de identificação do regulador e é resumida nas tabelas 10-1 e 10-2 para a maioria das
classificações de reguladores.
• Exemplo: Um regulador de 13800 V, instalado em um sistema de 7970 V, deve ter 7970 inserido em FC 43 e 63,7 inserido em FC 44. O controle
então definirá 125.1 V (saída da correção da razão do painel traseiro) como tensão base de 120, e se exibirá 120 V em FC 6.
45
Configurações
Configuração
045 Classificação
Primária C.T.
100 Amps
0
2
ND
100
25
2000
• O controle é designado para 200 mA como a corrente de saída classificada do transformador de corrente (C.T.), e medirá a 400 mA (carga de
200%) sem perda de precisão.
• A correção de razão é executada pelo firmware e consequentemente a classificação primária C.T. deve ser inserida. A classificação C.T. primária
está disponível na plaqueta de identificação do regulador. EXEMPLO: Um regulador de 7620 V, 328A (250 kVA) deve possuir uma classificação
C.T. de 400:0,2 e portanto, deve-se inserir 400 em FC 45.
46
Configurações
Configuração
046 Intervalo de
Demanda
15,0 Minutos
0
2
ND
15.0
3.0
60.0
• Este é o período durante o qual a demanda integrante é executada para todas as leituras de demanda (FC 20-FC 36).
• As leituras de demanda são úteis pois representam os valores que produzem efeitos reais de aquecimento em equipamentos elétricos e não respondem às flutuações contínuas que ocorrem na linha.
47
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle Série CL-6
TABELA 5-3, cont.
Códigos de Funções
Cód. de
Função
47
Nível 1
Menu Principal
Recursos
Nível 2
Sub Menu
Calibragem
Nível 3
Parâmetro
047 Calibragem
de Tensão
110.0 Volts
Nível de Segurança
Leitura
Editar
Reiniciar
0
3
ND
Configuração de
Fábrica
Consulte a
Observação
Limite de
Entrada
Principal
Baixo
Alto
110.0
130.0
• A tensão que o controle mede realmente é exibida em FC 47. No exemplo demonstrado na descrição FC 44, FC 47 indicará 125,1 V quando FC
6 indicar 120 V.
• Para calibrar, esse valor é comparado ao multímetro de referência e, se for diferente, é alterado para exibir o valor correto.
• Observação: Um fator de calibragem padrão é programado na memória não-volátil na fábrica e não deve ser necessário no campo.
• Consulte a seção Solução de Problemas: Calibragem de Controle neste manual.
48
•
•
•
•
•
Recursos
Calibragem
048 Calibragem da
Corrente
100.0 mA
0
3
ND
Consulte a
Observação
100.0
400.0
A corrente que o controle realmente mede, em mA, é exibida em FC 48.
O controle é designado para 200 mA como a corrente de saída secundária do CT, e medirá a 400 mA (carga de 200%) sem perda de precisão.
Para calibrar, esse valor é comparado ao amperímetro de referência e, se for diferente, é alterado para exibir o valor correto.
Observação: Um fator de calibragem padrão é programado na memória não-volátil na fábrica e não deve ser necessário no campo.
Consulte a seção Solução de Problemas: Calibragem de Controle neste manual.
49
Configurações
Configuração
049 Tipo do Comutador
0
2
ND
Consulte a
Observação
ND
ND
Cooper QD8
• Este código de função identifica o tipo do comutador. Consulte a Informação de Serviço S225-10-10. Alterar esse código de função altera a taxa
de amostragem do controle para acomodar os tipos variados de comutador.
• As opções incluem:
• Cooper QD8
• Cooper QD5
• Cooper QD3
• Cooper Spring Drive • LTC Reinhausen
• Cooper Direct Drive
• Siemens
• General Electric
• Howard
• Nenhum
Observação: A tela LCD exibirá "_ _ _ _" (Inválido) se estiver definido como "None".
50
Configurações
Calendário/
Relógio
050 Calendário do
Sistema e Relógio
(Data / Hora exibida)
0
3
ND
ND
ND
ND
120.0
100.0
135.0
2.0
1.0
6.0
• A data e a hora do sistema utilizam o formato MM/DD/AAAA e formato de 24 horas.
• O padrão é Jan. 1, 1970.
• Consulte a seçãoRecursos de Controle: Calendário/Relógio neste manual para obter mais informações.
51
Configurações
Direção
Invertida
051 Tensão Invertida
Definida
120.0 Volts
0
2
ND
• A tensão definida é o nível de tensão ao qual o controle regulará, em 120 V, durante o fluxo elétrico invertido.
• Consulte FC 1 e a seção Recursos de Controle: Operação com Energia Invertida deste manual.
52
Configurações
Direção
Invertida
052 Largura de Banda
Invertida
2.0 Volts
0
2
ND
• A largura de banda é definida como a faixa total de tensão, em torno da tensão definida, que o controle considerará em condição satisfatória
(dentro da banda), durante o fluxo elétrico invertido.
• Exemplo: Uma banda de 3,0 V e uma tensão definida de 120,0 V estabelecerão um limite baixo de 118,5 V e um limite alto de 121,5 V.
• Consulte FC 2–FC 5 e a seção Recursos de Controle: Operação com Energia Invertida deste manual.
48
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
TABELA 5-3, cont.
Códigos de Funções
Cód. de
Função
53
Nível 1
Menu Principal
Configurações
Nível 2
Sub Menu
Direção
Invertida
Nível 3
Parâmetro
053 Atraso
Invertido
45 Segundos
Nível de Segurança
Leitura
Editar
Reiniciar
0
2
ND
Configuração de
Fábrica
45
Limite de
Entrada
Principal
Baixo
Alto
5
180
• Atraso é o período (em segundos) que o controle aguarda, entre o momento em que a tensão se encontra fora de banda até o tempo em que a
comutação é iniciada, durante o fluxo elétrico invertido.
• Consulte FC 2–FC 5 e a seção Recursos de Controle: Operação com Energia Invertida deste manual.
54
Configurações
Direção
Invertida
054 Reatância de
Comp. de Queda de
Linha Invertida
0.0 Volts
0
2
ND
0.0
-96.0
96.0
• O valor de compensação resistiva de queda de linha é usado como modelo para a queda de tensão de linha resistiva entre o regulador e o centro de regulação.
• O controle usa este parâmetro, em conjunto com a configuração regular (FC 41) e a corrente de carga, para calcular e regular a tensão compensada (exibida em FC 8) durante o fluxo elétrico invertido.
• Consulte FC 2–FC 5 e a seção Recursos de Controle: Operação com Energia Invertida deste manual.
55
Configurações
Direção
Invertida
055 Reatância de
Comp. de Queda de
Linha Invertida
0.0 Volts
0
2
ND
0.0
-96.0
96.0
• O valor de compensação reativa de queda de linha é usado para modelar a queda de tensão de linha reativa entre o regulador e o centro da
regulação.
• O controle usa este parâmetro, em conjunto com a configuração do regulador (FC 41) e a corrente de carga, para calcular e regular a tensão
compensada (exibida em FC 8) durante o fluxo elétrico invertido.
• Consulte FC 2–FC 5 e a seção Recursos de Controle: Operação com Energia Invertida deste manual.
56
Recursos
Modo
Invertido
de Energia
056 Modo de Detecção
Invertida
Direta Bloqueada
0
2
ND
Bloqueada
ND
ND
• O controle oferece sete características de respostas diferentes para operação em fluxo elétrico invertido, selecionáveis pelo usuário.
• As opções incluem:
• Locked Forward
• Locked Reverse
• Reverse Idle
• Bi-directional
• Neutral Idle
• Co-generation
• Reactive Bi-directional
• O limite de corrente definido em FC 57 deve ser excedido para que o modo de detecção reversa funcione.
• Consulte a seção Recursos de Controle: Operação com Energia Invertida deste manual.
57
Recursos
Modo
Invertido
de Energia
057 Limite de
Detecção em Corrente
Invertida
1%
0
2
ND
1
1
5
• Este é o limite de corrente ao qual o controle alterna a operação entre direta para invertida, ou invertida para direta.
• O limite é programável como porcentagem da classificação primária do CT classificado.
• Exemplo: Um regulador em 328 A utilizando um CT com uma classificação primária de 400 A e um valor de limite de 3% deve possuir um limite
de 12 A.
• A medição do controle se alterna em um limite fixo de 1%, totalmente independente de FC57.
• Consulte a seção Recursos de Controle: Operação com Energia Invertida deste manual.
49
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle Série CL-6
TABELA 5-3, cont.
Códigos de Funções
Cód. de
Função
60
•
•
•
Nível 1
Menu
Principal
Nível 2
Sub Menu
Recursos
Comunicações
Nível 3
Parâmetro
Nível de Segurança
Leitura
Editar
Reiniciar
0
2
ND
0
2
ND
060 Protocolo de
Porta de Comunicação
nº1
DNP
Configuração de
Fábrica
Limite de Entrada
Principal
Baixo
Alto
2179
ND
ND
9600
ND
ND
0
65535
A função define qual protocolo residente do controle será usado em Com1/Com3.
As opções incluem:
• DNP
• 2179
Consulte a seção Recursos de Controle: Digital SCADA neste manual.
61
Recursos
Comunicações
061 Velocidade de
Porta de Comunicação
nº1
9600
• O microprocessador do controle possui dois canais de comunicação, cada um com faixas de transmissão selecionáveis.
• Opções para Com1/Com3 incluem:
• 300
• 600 • 1200 • 2400
• 4800 • 9600 • 19200 • 38400
62
Recursos
Comunicações
062 Tempo de
Sincronização da
Porta de Comunicação
0 ms
0
2
ND
0
• Isso define o período, para Com1/Com3, em que a linha de dados recebidos deve aguardar para assumir o início da mensagem de solicitação.
• Consulte a seção Recursos de Controle: Digital SCADA neste manual.
63
Recursos
Comunicações
063 Endereço Master
DNP de Porta de
Comunicação nº1
1234
0
2
ND
1234
0
65535
0
2
ND
1
0
65535
0
2
ND
65519
0
65535
• O controle enviará respostas não-solicitadas a este endereço master para Com1/Com3.
64
Recursos
Comunicações
064 Endereço Remoto
DNP 1 de Porta de
comunicação nº1
1
• Este é o endereço DNP remoto primário usado pelo usuário.
• O Endereço DNP Remoto 1 para Com1/Com3 é inserido em FC 64.
64
Recursos
Comunicações
064 Endereço Remoto
DNP 2 de Porta de
comunicação nº1
65519
• Este é o endereço DNP remoto disponível para configuração remota. Para obter mais informações, entre em contato com seu representante
Cooper Power Systems.
• O Endereço DNP Remoto 2 para Com1/Com3 é inserido em FC 64.
50
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
TABELA 5-3, cont.
Códigos de Funções
Cód. de
Função
64
Nível 1
Menu Principal
Recursos
Nível 2
Sub Menu
Nível 3
Parâmetro
Comunicações
Nível de Segurança
064 CEndereço Remoto
DNP 2 de 2179 End.
Remoto
Leitura
Editar
Reiniciar
0
2
ND
Configuração de
Fábrica
1
Limite de
Entrada Principal
Baixo
Alto
0
2046
1
• Este é o endereço de controle remoto SCADA 2179 para Com1/Com3.
• Cada controle no sistema pode ser endereçado unicamente pela RTU SCADA ou outro dispositivo de comunicações. Para 2179, as opções
incluem:
• 0-2046 = Faixa única de endereço de dispositivo. Controles com endereços nesta faixa unicamente respondem quando é enviado o endereço
em particular.
• Todos os controles no sistema recebem e alteram conforme comandado, sem resposta, se uma mensagem for enviada ao endereço 2047.
• O endereço de controle SCADA para a Porta de comunicação nº1 é inserido em FC 64.
• Para 2179, O limite de entrada mais alta é 2046.
65
Recursos
Comunicações
065 Modo Handshake de
Porta de Comunicação
nº1 RTR sem CTS
0
2
ND
RTR
sem
CTS
ND
ND
• FC 65 permite que o usuário selecione o método apropriado para interação de mensagens (modo handshake) controle/SCADA em Com1/
Com3.
• O modo handshake de transmissão/recebimento permite adaptação a diferentes tipos de interfaces de sistemas de comunicação com o
controle. As opções incluem:
• RTS sem CTS - Solicitação de Envio (RTS) sem suporte a Limpar para Enviar (CTS)
• RTS com CTS - Solicitação de Envio (RTS) com suporte a Limpar para Enviar (CTS)
• RTR sem CTS - Pronto para Recebimento (RTR) sem suporte a Limpar para Enviar (CTS)
• RTR com CTS - Pronto para Recebimento (RTR) com suporte a Limpar para Enviar (CTS)
• Consulte FC 66 e FC 67 para programação das configurações de atraso de ativação de transmissão e e atraso de desativação de transmissão.
66
Recursos
Comunicações
066 Atraso de
Ativação de Tx para
Porta de Comunicação
nº1
0 ms
0
2
ND
0
0
1000
• Quando o controle está definido para transmitir handshake de controle, o usuário pode exigir um atraso (em milissegundos) em Com1/Com3
entre o momento em que a ativação de transmissão é ativada até quando os dados são transmitidos.
• Exemplo: Se a ativação de transmissão foi usada como dispositivo de modulação para um transmissor ou modem, pode ser necessário um período de "aquecimento" antes que os dados possam ser transmitidos.
• Para obter mais informações, consulte a seção Recursos Avançados de Controle: Comunicação neste manual.
67
Recursos
Comunicações
067 Atraso de
Desativação de Tx
para Porta de
Comunicação nº1
0
2
ND
0
0
1000
0 ms
• Quando o controle está definido para transmitir handshake de controle, o usuário pode exigir um atraso (em milissegundos) em Com1/Com3
entre o momento a transmissão de dados é finalizada e o sinal de ativação de transmissão é desativado.
• Consulte a Figura 5-4.
Ativação da
Transmissão
Desligado
Ativação da
Transmissão
Ligado
Mensagem
de Dados
FC 66
Atraso da
Transmissão
Ligado
FC 67
Atraso da
Ativação da
Transmissão
Desligado
Figure 5-4.
Transmissão de dados do controle CL-6 para o sistema de comunicação para aplicações "handshake".
51
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle Série CL-6
TABELA 5-3, cont.
Códigos de Funções
Cód. de
Função
69
Nível 1
Menu
Principal
Recursos
Nível 2
Sub Menu
Status de
Bloqueio
Automático
Nível 3
Parâmetro
Nível de Segurança
069 Status de Bloqueio
de Operação Automática
Normal
Leitura
Editar
Reiniciar
0
2
ND
Configuração de
Fábrica
Normal
Limite de
Entrada
Principal
Baixo
Alto
ND
ND
• O controle com as opções de comunicação permitem que o usuário controle completamente o regulador por meio do sistema SCADA. O sistema SCADA pode definir um estado de bloqueio ao regulador, inibindo com isso qualquer operação de comutador adicional iniciada pelo controle. As opções incluem:
• Normal
• Blocked
• "Normal" se refere à operação automática normal. "Blocked" se refere a um estado no qual a operação automática é impedida.
• Exemplo: Essa função pode ser usada para desempenhar uma determinada redução de tensão e então desabilitar o comutador (impedimento
de operações adicionais) por um período indefinido.
• O operador pode alterar o estado do código ao inserir a segurança em nível 2 no controle e pressionando a tecla Edit/Reset. Se o sistema
SCADA teve seu controle bloqueado, o operador pode se sobrepor ao sistema SCADA alterando FC 69 de bloqueado para normal, ou ainda, se
o operador decidir bloquear a operação automática, FC 69 pode ser alterado de normal para bloqueado.
• Consulte a seção Recursos de Controle: SCADA neste manual para obter informações adicionais a respeito da interação SCADA com o controle.
70
Recursos
Redução de
Tensão
070 Modo de Redução de
Tensão
Desligado
0
2
ND
Desligado
ND
ND
• O controle possui três modos de redução de tensão disponíveis para seleção do usuário. As opções incluem:
• Off • Local/Digital Remote
• Remote - Latch
• Remote - Pulse
• Consulte a seção Recursos de Controle: Redução de Tensão neste manual.
71
Limitador
de Tensão
Redução de
Tensão
071 Redução em Vigor
10.0 %
0
ND
ND
ND
ND
ND
0
2
ND
0.0
0.0
10.0
• Esta é a porcentagem real de redução de tensão atualmente ativa.
• Consulte a seção Recursos de Controle: Redução de Tensão neste manual.
72
Recursos
Redução de
Tensão
072 Local/Digital
Valor de Redução
0.0 %
• Estão disponíveis três níveis de redução de tensão de fechamento ativada remotamente.
• A porcentagem de redução de tensão a ser realizada é programada em FC 72. A ativação remota é então concluída por meio de comunicação
SCADA.
73
Recursos
Redução de
Tensão
073 Valor Remoto nº1
0
2
ND
0.0
0.0
10.0
0.0 %
• Estão disponíveis três níveis de redução de tensão de fechamento ativada remotamente.
• A porcentagem de redução de tensão a ser executada em Nível Remoto nº1 é programado em FC 73. A ativação remota é então concluída ao
se aplicar o sinal ao terminal de entrada apropriado quando FC 70 estiver definido em trava remota.
• Consulte a seção Recursos de Controle: Analog SCADA neste manual.
52
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
TABELA 5-3, cont.
Códigos de Funções
Cód. de
Função
74
Nível 1
Menu
Principal
Nível 2
Sub Menu
Recursos
Redução de
Tensão
Nível 3
Parâmetro
Nível de Segurança
074 Valor Remoto nº2
Leitura
Editar
Reiniciar
0
2
ND
Configuração de
Fábrica
0.0
Limite de Entrada
Principal
Baixo
Alto
0.0
10.0
0.0 %
• Estão disponíveis três níveis de redução de tensão de fechamento ativada remotamente.
• A porcentagem de redução de tensão a ser executada em Nível Remoto nº2 é programado em FC 74. A ativação remota é então concluída ao
se aplicar o sinal ao terminal de entrada apropriado quando FC 70 estiver definido em trava remota.
• Consulte a seção Recursos de Controle: Analog SCADA neste manual.
75
Recursos
Redução de
Tensão
075 Valor Remoto nº3
0
2
ND
0.0
0.0
10.0
0.0 %
• Estão disponíveis três níveis de redução de tensão de fechamento ativada remotamente.
• A porcentagem de redução de tensão a ser executada em Nível Remoto nº3 é programado em FC 75. A ativação remota é então concluída ao
se aplicar o sinal às duas entradas apropriadas.
• Consulte a seção Recursos de Controle: Analog SCADA neste manual.
76
Recursos
Redução de
Tensão
076 Nº de etapas de
redução de pulso
0
2
ND
0
0
10
0
• Estarão disponíveis até dez etapas de redução de tensão quando for selecionado o modo de redução pulsada de tensão (FC 70 definido para
remoto/pulso.)
• Em FC 76 é definido o número selecionado de etapas para a operação de redução pulsada. O porcentual de redução de tensão de cada etapa
está definido em FC 77.
• Consulte a seção Recursos de Controle: Analog SCADA neste manual.
77
Recursos
Redução de
Tensão
077 % de Tensão
Vermelha Por Etapa de
Pulso
0.0 %
0
2
ND
0.0
0.0
10.0
• Em FC 77 é definida a porcentagem de redução de tensão que será aplicada para cada etapa de redução de tensão pulsada selecionada em FC 76.
• Consulte a seção Recursos de Controle: Analog SCADA neste manual.
79
•
•
•
Recursos
SOFT-ADD-AMP
079 Limites Soft ADDAMP
Desligado
0
2
ND
Off
ND
ND
0
2
ND
Off
ND
ND
O controle possui capacidades Soft ADD-AMP. As opções incluem:
• Off • On • PIO Activate
O padrão é "Off"; "On" com Sobreposição Remota
Consulte a seção Recursos de Controle: Soft ADD-AMP neste manual.
80
Recursos
Limitador de
Tensão
080 Modo Limitador de
Tensão
Off
• O controle possui capacidades de limitação de tensão para condições de alta e baixa tensão. As opções incluem:
• Off
• Somente Limite Alto
• Limites alto/baixo
• Consulte a seção Recursos de Controle: Limite de Tensão neste manual.
53
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle Série CL-6
TABELA 5-3, cont.
Códigos de Funções
Cód. de
Função
81
Nível 1
Menu Principal
Recursos
Nível 2
Sub Menu
Limitador de
Tensão
Nível 3
Parâmetro
Nível de Segurança
081 Limite Alto de
Tensão
130.0 Volts
Leitura
Editar
Reiniciar
0
2
ND
Configuração de
Fábrica
130.0
Limite de
Entrada Principal
Baixo
Alto
120.0
135.0
• O limite mais alto de tensão é programado aqui.
• Quando a função de limite de tensão está ativada (FC 80, limite alto e baixo ativo), o controle evitará que a tensão de saída do regulador exceda
esse valor.
• Consulte a seção Recursos de Controle: Limite de Tensão neste manual.
82
Recursos
Limitador de
Tensão
082 Limite Baixo de
Tensão
105.0 Volts
0
2
ND
105.0
105.0
120.0
• O limite mais baixo de tensão é programado aqui.
• Quando a função de limite de tensão está ativada (FC 80, limite alto e baixo ativo), o controle evitará que a tensão de saída do regulador caia
abaixo desse valor.
• Consulte a seção Recursos de Controle: Limite de Tensão neste manual.
89
Diagnóstico
Controle
089 Versão de Firmware
0
ND
ND
ND
ND
ND
ND
ND
ND
XX.YY.ZZ
• XX=Número de versão. Usado para mudanças importantes que envolvam aprimoramentos de banco de dados.
• YY=Número de revisão. Usado para mudanças que não envolvam aprimoramentos de banco de dados.
• ZZ=Usado para novo lançamento de firmware.
91
Diagnóstico
Controle
091 Auto-teste
ND
ND
ND
• Acesse esta tela para iniciar o auto-teste.
• Com acesso a FC 91, o LCD exibirá (Enter): pressione a tecla Enter para selecionar e pressione Enter novamente para confirmar; o sistema
será reiniciado, e então exibirá a tela inicial. (Pressione Escape para uso posterior do teclado.)
• Consulte a seção Condições de Acionamento/Reinicialização nesta seção do manual.
92
Recursos
Acesso de
Segurança
092 Sobreposição de
Segurança
0
3
ND
0
0
3
ND
1234
1
9999
0
• O parâmetro de sobreposição de segurança de controle FC 92.
• Inserir o código de segurança nível 3 em FC 99 permitirá a modificação dos parâmetros de segurança.
• Consulte a seção Operação de Controle: Sistema de Segurança neste manual.
96
Recursos
Acesso de
Segurança
096 Código de
Segurança Nível 1
3
3
1234
• O número a ser usado como código de segurança nível 1 é inserido aqui.
• Inserir esse número em FC99 permite ao usuário alterar/reiniciar somente os parâmetros marcados como de segurança em nível 1 (leituras de
demanda e posição do comutador).
• Consulte a seção Operação de Controle: Sistema de Segurança neste manual.
54
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
TABELA 5-3, cont.
Códigos de Funções
Cód. de
Função
97
Nível 1
Menu
Principal
Nível 2
Sub Menu
Recursos
Acesso de
Segurança
Nível 3
Parâmetro
097 Código de
Segurança
Nível 2
Nível de Segurança
Leitura
Editar
Reiniciar
3
3
ND
Configuração de
Fábrica
12121
Limite de
Entrada Principal
Baixo
Alto
10000
19999
12121
• O número a ser usado como código de segurança nível 2 é inserido aqui.
• Inserir esse número em FC 99 permite ao usuário alterar/reiniciar somente os parâmetros marcados como de segurança em nível 2 (configurações de controle, configuração e relógio) e segurança em nível 1 (leituras de demanda e posições do comutador).
• Consulte a seção Operação de Controle: Sistema de Segurança neste manual.
98
Recursos
Acesso de
Segurança
098 Código de
Segurança
Nível 3
3
3
ND
32123
20000
32766
32123
• O número a ser usado como código de segurança nível 3 é inserido aqui.
• Inserir esse número em FC 99 permite ao usuário alterar/reiniciar qualquer parâmetro.
• Observação: Se o código nível 3 for alterado pelo usuário, o novo valor deve ser registrado e mantido em um local seguro. Em caso de perda,
os códigos de segurança podem ser recuperados com um flash card e o software CCI por meio de um PC conectado diretamente com o controle ou com o sistema de comunicações remotas.
• Consulte a seção Operação de Controle: Sistema de Segurança neste manual.
99
Recursos
Acesso de
Segurança
Código de Segurança
_____
3
3
ND
32123
20000
32766
• Este é o código de função usado para acessar o local do menu no qual os códigos de segurança são inseridos para acesso ao sistema.
• Não é permitido rolar até esse nível.
• Consulte a seção Operação de Controle: Sistema de Segurança neste manual.
100
Contadores
Contador de
Operações
100 Última Alteração
de Contador
0
ND
ND
ND
ND
ND
XXXXX
(Data / Hora exibida)
• Em FC 100 são exibidas data e hora desde a última alteração de contador total de operações, assim como a quantidade de operações desde a
última alteração.
• O código de função deve ser definido a um valor específico.
101
Contadores
Contador de
Operações
101 Operações das
Últimas 24 horas
0
ND
3
Consulte
a Observação
ND
ND
3
Consulte
a Observação
ND
ND
XXXXX
(Data / Hora exibida)
• Operações nas últimas 24 horas (atualizado de hora em hora e a cada mudança de comutador).
• Observação: Para reiniciar do zero, pressione Edit/Reset, e em seguida Enter.
102
Contadores
Contador de
Operações
102 Operações nos
últimos 30 dias
0
XXXXX
(Data / Hora exibida)
ND
• Operações nos últimos 30 dias (atualizado diariamente e a cada mudança de comutador).
• Observação: Para reiniciar do zero, pressione Edit/Reset, e em seguida Enter.
55
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle Série CL-6
TABLE 5-3, cont.
Function Codes
Cód. de
Função
103
Nível 1
Menu Principal
Contadores
Nível 2
Sub Menu
Contador de
Operações
Nível 3
Parâmetro
103 Operações do Mês
Atual
XXXXX
(Data / Hora exibida)
Nível de Segurança
Leitura
Editar
Reiniciar
0
ND
3
Configuração de
Fábrica
Consulte
a Observação
Limite de
Entrada Principal
Baixo
Alto
ND
ND
• Operações desde o começo do mês atual (atualizado a cada mudança de comutador e reiniciado quando muda o mês do relógio).
• Observação: Para reiniciar do zero, pressione Edit/Reset, e em seguida Enter.
104
Contadores
Contador de
Operações
104 Operações do
Último
Mês
XXXXX
(Data / Hora exibida)
0
ND
3
Consulte
a Observação
ND
ND
3
Consulte
a Observação
ND
ND
• Operações do último mês (caso reiniciado, este campo continuará zerado até a mudança do mês).
• Observação: Para reiniciar do zero, pressione Edit/Reset, e em seguida Enter.
105
Contadores
Contador de
Operações
105 Operações do Ano
Atual
XXXXX
(Data / Hora exibida)
0
ND
• Operações desde 1º de janeiro do ano atual (atualizado a cada mudança de comutador e reiniciado quando muda o ano do relógio).
• Observação: Para reiniciar do zero, pressione Edit/Reset, e em seguida Enter.
106
Contadores
Contador de
Operações
106 Operações do Ano
Anterior
XXXXX
(Data / Hora exibida)
0
ND
3
Consulte
a Observação
ND
ND
• Operações do último ano (caso reiniciado, este campo continuará zerado até a mudança do ano).
• Observação: Para reiniciar do zero, pressione Edit/Reset, e em seguida Enter.
107
Contador de
Contadores
Operações
107 Ativação de
Conta-dores de
Intervalo
Ativado
0
3
ND
Ativado
ND
ND
0
ND
ND
ND
ND
ND
• FC 107 é utilizado para ativar FC 101 para FC 106. As opções incluem:
• Ativado
• Desativado
112
Medição
Instantânea
112 Percentual de
Regulação
XX.X %
• Quando a tensão de saída do regulador for superior à tensão de entrada (regulador em amplificação), o sinal implícito será (+). Quando a tensão
de saída do regulador for inferior à tensão de entrada, o sinal implícito será (-).
• Esta é a porcentagem atual na qual o regulador está ativamente amplificando (aumentando) ou reduzindo a tensão (de fonte).
• A indicação de posição do comutador é calculada conforme a seguir: % regulação = [(saída÷entrada) - 1] x 100.
• Durante a operação e energia invertida, o controle demanda tensão a partir de um transformador diferencial ou potencial de fonte ou a partir do cálculo de tensão da fonte (consulte FC 39) para obter esse parâmetro. A ausência de tensão resultará em exibição de traços no parâmetro.
125
Medição
Instantânea
125 125 Alimentação
Direta em kWh
XXXX.X kW-h
0
ND
1
Consulte
a Observação
• Esta é a energia direta total, medida em quilowatt-hora.
• Observação: Para reiniciar do zero, pressione Edit/Reset, e em seguida Enter, e quando a Data/Hora for alterada.
56
ND
ND
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
TABLE 5-3, cont.
Function Codes
Cód. de
Função
125
Nível 1
Menu
Principal
Nível 2
Sub Menu
Medição
Instantânea
Nível 3
Parâmetro
Nível de Segurança
125 Alimentação
Invertida em kWh
XXXX.X kW-h
Leitura
Editar
Reiniciar
0
ND
1
Configuração de
Fábrica
Consulte a
Observação
Limite de
Entrada Principal
Baixo
Alto
ND
ND
• Esta é a energia invertida total, medida em quilowatt-hora.
• Observação: Para reiniciar do zero, pressione Edit/Reset, e em seguida Enter, e quando a Data/Hora for alterada.
126
Medição
Instantânea
126 Alimentação Direta
em kVAr
XXXX.X kvar-h
0
ND
1
ND
ND
ND
126 Alimentação Direta
em kWh
XXXX.X kvar-h
0
ND
1
ND
ND
ND
0
ND
1
ND
ND
ND
• Esta é a energia direta total, medida em kvar.
126
Medição
Instantânea
• Esta é a energia invertida total, medida em kvar.
127
Medição
Demanda Direta
127 % Máxima de
Amplificação
XX.X %
(Data / Hora exibida)
• Esta é a porcentagem mais alta em que o regulador elevou a tensão de entrada (desde a última reinicialização).
• Este parâmetro é o valor "drag-hand" mais alto para a porcentagem atual de regulação, FC12.
• O controle exige uma tensão de entrada a partir de um transformador potencial diferencial ou de fonte para obter este parâmetro. A ausência de
tensão resultará em exibição de traços no parâmetro.
128
Medição
Demanda Direta
128 % Máxima de
Redução
0
ND
1
ND
ND
ND
XX.X %
(Data / Hora exibida)
• Esta é a porcentagem mais alta em que o regulador reduziu a tensão de entrada (desde a última reinicialização).
• Este parâmetro é o valor "drag-hand" mais baixo para a porcentagem atual de regulação, FC12.
• O controle exige uma tensão de entrada a partir de um transformador potencial diferencial ou de fonte para obter este parâmetro. A ausência de
tensão resultará em exibição de traços no parâmetro.
140
Configurações
Configuração
140 Tipo do Regulador
0
2
ND
Consulte a
Observação
ND
ND
Type B
• O tipo do regulador define o tipo do regulador com base nos padrões ANSI. As opções incluem:
• Tipo A (projeto de série)
• Tipo B (projeto invertido)
• Tipo C (projeto de transformador de série) Série TX é listada na plaqueta de identificação. Usado no regulador de tensão Cooper com classificação de tensão de 2,5 kV e classificações de corrente acima de 875 A.
• Tipo D (projeto de autotransformador de série) Série TX é listada na plaqueta de identificação. Usado nos reguladores de tensão Cooper com
classificação de tensão de 5,0 kV e 7,2 kV e classificação de corrente acima de 875 A.
• Observação: O tipo do regulador está incluso nas plaquetas de identificação CPS.
141
Configurações
Sistema de
Menu
141 Seleção de Idioma
English
0
2
ND
English
ND
ND
• Esta configuração permite que o usuário selecione o idioma de exibição. As opções incluem:
• English
• Spanish
• French
• Portuguese
57
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle Série CL-6
TABELA 5-3, cont.
Códigos de Funções
Cód.
de
Função
142
Nível 1
Menu
Principal
Nível 2
Sub Menu
Contadores
Sistema de Menu
Nível de Segurança
Nível 3
Parâmetro
142 Formato de Data
Leitura
Editar
Reiniciar
0
2
ND
Configuração de
Fábrica
Limite de Entrada
Principal
Baixo
Alto
MM/DD/
ND
ND
12
Horas
ND
ND
ND
ND
MM/DD/AAAA
• Esta configuração permite que o usuário selecione como o formato de data será exibido. As opções incluem:
• MM/DD/AAAA
• DD/MM/AAAA
• AAAA/MM/DD
143
Contadores
Sistema de Menu
143 Formato de Hora
0
2
ND
12 Horas AM/PM
• Esta configuração permite que o usuário selecione se a hora será exibida em escala de 12 ou 24 horas. As opções incluem:
• 12 Horas AM/PM
• 24 Horas
144
Configurações
Configurações
144 Maior Limite
P.I. ADD-AMP
0
2
ND
16
16
• A localização física do limite mais alto de P.I. do indicador de posição, conforme definido pelo usuário, é inserida aqui pelo usuário-operador.
• Os valores permitidos são 16, 14, 12, 10, ou 8.
145
Configurações
Configurações
145 Menor Limite
P.I. ADD-AMP
0
2
ND
-16
ND
ND
-16
• A localização física do limite mais baixo de P.I. do indicador de posição, conforme definido pelo usuário, é inserida aqui pelo usuário-operador.
• Os valores permitidos são -16, -14, -12, -10, ou -8.
146
Configurações
Configurações
146 Configuração Vin
P.T.
Modo Vdiff
0
2
ND
Modo
Vdiff
ND
ND
• Isso define a configuração PT para a tensão no lado da fonte. As opções incluem:
• Modo Vdiff
• Modo Vin.
• O modo Vdiff é usado quando o regulador é fornecido com um PT diferencial interno ou se o Calculador de Tensão de Fonte (FC 39) estiver desligado. O Modo Vin é selecionado quando um PT de fonte externa é fornecido pelo usuário a fim de oferecer a tensão de fonte para o controle
CL-6.
• Consulte a seção Recursos de Controle: Limite de Tensão neste manual
150
Recursos
de Corrente
150 Reiniciar
Calibragem
0
3
ND
ND
ND
ND
• Isso é um comando. Quando a tecla Enter é pressionada, uma mensagem (CONFIRM) é exibida na quarta linha do monitor LCD. Quando a
tecla Enter é pressionada novamente, os fatores de calibragem de tensão e corrente são reiniciados.
151
Configurações
Relógio do
Calendário
151 Ativação da
Economia de energia
durante o dia
Desligado
0
3
ND
Desligado
ND
ND
ND
ND
ND
ND
ND
ND
DNP
ND
ND
• Esta função ativa a função de economia de energia durante o dia. As opções incluem:
• Desligado
• Ligado
152
Configurações
Relógio do
Calendário
152 Ativação da
Economia de Energia
durante o dia
0
Nº
• Esta função exibe se a economia de energia durante o dia está atualmente ativa (Sim ou Não).
160
Recursos
Protocolo de
Comunicação
160 Porta de
Comunicação nº2
0
2
DNP
• Esta função define qual protocolo residente do controle será usado na Porta de Comunicações nº2; as opções incluem:
• DNP
•2179
• Consulte a seção Recursos de Controle: Digital SCADA neste manual.
58
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
TABELA 5-3, cont.
Códigos de Funções
Cód. de
Função
161
Nível 1
Menu
Principal
Nível 2
Sub Menu
Nível 3
Parâmetro
Nível de Segurança
Recursos
Comunicações
161 Porta de
Comunicação nº2 de
Comunicação nº1
9600 BPS
Leitura
Editar
Reiniciar
0
2
ND
Configuração de
Fábrica
9600
Limite de Entrada
Principal
Baixo
Alto
ND
ND
0
65535
• O microprocessador do controle possui dois canais de comunicação, cada um com faixas de transmissão selecionáveis.
• As opções para a Porta de Comunicação nº2 incluem:
• 300 • 600 • 1200
• 2400
• 4800 • 9600 • 19200 • 38400
162
Recursos
Comunicações
162 Porta de
Comunicação nº2 da
Porta de Comunicação
0 ms
0
2
ND
0
• Isso define o período, para Porta de Comunicação nº2, em que a linha de dados recebidos deve aguardar para assumir o início da mensagem de
solicitação.
• Consulte a seção Recursos de Controle: Digital SCADA neste manual.
163
Recursos
Comunicações
163 Porta de
Comunicação nº2. Porta
de Comunicação nº1
1234
0
2
ND
1234
0
65535
0
2
ND
2
0
65535
• O controle enviará respostas não-solicitadas a este endereço master.
164
Recursos
Comunicações
1Porta de Comunicação
nº2. Porta de comunicação nº1
2
• Este é o endereço DNP primário remoto para a Porta de Comunicação nº2.
• O Endereço DNP Remoto 1 para Porta de Comunicação nº2 é inserido em FC 64 com o endereço pré-determinado de fábrica de 2.
164
Recursos
Comunicações
164 Porta de
Comunicação nº2. Porta
de comunicação nº1
65519
0
2
ND
65519
0
65535
• Este é o endereço DNP remoto disponível para configuração remota. Para obter mais informações, entre em contato com seu representante
Cooper Power Systems.
• O Endereço DNP Remoto 2 para Porta de Comunicação nº2 é inserido em FC 64 com o endereço pré-determinado de fábrica de 2.
164
Recursos
Comunicações
164 Porta de
Comunicação nº2. 2179
End. Remoto
0
2
ND
6
0
2046
6
• Este é o endereço de controle remoto SCADA 2179 para Porta de Comunicação nº2.
• Cada controle no sistema pode ser endereçado unicamente pela RTU SCADA ou outro dispositivo de comunicações. Para 2179, as opções
incluem:
• 0-2046 = Faixa única de endereço de dispositivo. Controles com endereços nesta faixa unicamente respondem quando é enviado o endereço em
particular.
• Todos os controles no sistema recebem e alteram conforme comandado, sem resposta, se uma mensagem for enviada ao endereço 2047.
• O Endereço SCADA de controle para Porta de Comunicação nº1 é inserido em FC 64 com o endereço pré-determinado de fábrica de 6.
• Para 2179, O limite de entrada mais alta é 2046.
59
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle Série CL-6
TABELA 5-3, cont.
Códigos de Funções
Cód. de
Função
165
Nível 1
Menu
Principal
Nível 2
Sub Menu
Recursos
Comunicações
Nível de Segurança
Nível 3
Parâmetro
Leitura
Editar
Reiniciar
0
2
ND
165 Porta de
Comunicação nº2 de
Porta de Comunicação
nº1 RTR sem CTS
Configuração de
Fábrica
RTR
sem
CTS
Limite de Entrada
Principal
Baixo
Alto
ND
ND
• FC 165 permite que o usuário selecione o método apropriado para interação de mensagens (modo handshake) controle/SCADA na Porta de
Comunicação nº2.
• O modo handshake de transmissão/recebimento permite adaptação a diferentes tipos de interfaces de sistemas de comunicação com o controle. As opções incluem:
• RTS sem CTS - Solicitação de Envio (RTS) sem suporte a Limpar para Enviar (CTS)
• RTS com CTS - Solicitação de Envio (RTS) com suporte a Limpar para Enviar (CTS)
• RTR sem CTS - Pronto para Recebimento (RTR) sem suporte a Limpar para Enviar (CTS)
• RTR com CTS - Pronto para Recebimento (RTR) com suporte a Limpar para Enviar (CTS)
• Consulte FC 166 e FC 167 para programação das configurações de atraso de ativação de transmissão e e atraso de desativação de transmissão.
166
Recursos
Comunicações
166 Porta de comunicação nº2 para Porta de
Comunicação nº1
0 ms
0
2
ND
0
0
1000
• Quando o controle está definido para transmitir handshake de controle, o usuário pode exigir um atraso (em milissegundos) na Porta de
Comunicação nº2 entre o momento em que a ativação de transmissão é ativada até quando os dados são transmitidos.
• Exemplo: Se a ativação de transmissão foi usada como dispositivo de modulação para um transmissor ou modem, pode ser necessário um
período de "aquecimento" antes que os dados possam ser transmitidos.
• Para obter mais informações, consulte a seção Recursos Avançados de Controle: Comunicações neste manual.
167
Recursos
Comunicações
167 Porta de comunicação nº2 para Porta de
Comunicação nº1
0 ms
0
2
ND
0
0
1000
• Quando o controle está definido para transmitir handshake de controle, o usuário pode exigir um atraso (em milissegundos) na Porta de
Comunicação nº2 entre o momento a transmissão de dados é finalizada e o sinal de ativação de transmissão é desativado.
170
Recursos
Comutador para
Neutro
170 Comutador para
Neutro
Desligado
0
2
ND
Desligado
ND
ND
16
ND
ND
• O recurso "Tap-to-Neutral" (comutador para neutro) é ativado aqui. As opções incluem:
• Desligado
• Ligado
• Para obter mais informações, consulte a seção Recursos de Controle: Comutador para Neutro neste manual.
175
Recursos
Soft ADD-AMP
175 SOFT-ADD-AMP
P.I. ADD-AMP
0
2
ND
16
• O recurso Soft ADD-AMP limita a faixa de lógica do firmware de regulação em oposição ao hardware no indicador de posição do comutador. O
limite mais alto é definido aqui.
• Os valores permitidos são 16, 14, 12, 10, ou 8.
176
Recursos
Soft ADD-AMP
176 SOFT-ADD-AMP
P.I. ADD-AMP
0
-16
• O limite mais baixo da restrição Soft ADD-AMP na faixa de regulação é definido aqui.
• Os valores permitidos são -16, -14, -12, -10, ou -8.
60
2
ND
-16
ND
ND
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
TABELA 5-3, cont.
Códigos de Funções
Cód. de
Função
189
Nível de Segurança
Nível 1
Menu Principal
Nível 2
Sub Menu
Nível 3
Parâmetro
Diagnóstico
Controle
189 Versão do Banco
de Dados
XX
Leitura
Editar
Reiniciar
0
ND
ND
0
ND
Configuração de
Fábrica
Limite de Entrada
Principal
Baixo
Alto
ND
ND
ND
ND
ND
ND
ND
• Este é o número da versão do banco de dados do firmware.
• XX = Número da Versão
190
Diagnóstico
Controle
190 Versão PLD
XX
• Este é o número de versão do PLD (Programmable Logic Device, dispositivo de lógica programável)
• XX = PLD (Programmable Logic Device, dispositivo de lógica programável)
191
Diagnóstico
Controle
Versão 191 2179
0
ND
ND
ND
ND
ND
0
ND
ND
ND
ND
ND
193 Verificação DNP
XXXX
0
ND
ND
ND
ND
ND
260 Com Port #1
Mensagens Tx
XXXXX
0
ND
1
ND
ND
ND
0
ND
1
ND
ND
ND
0
ND
1
ND
ND
ND
0
ND
1
ND
ND
ND
0
ND
1
ND
ND
ND
0
ND
1
ND
ND
ND
XX
• Este é o Número de Versão do Protocolo 2179
• XX = Número de Versão do Protocolo 2179
192
Diagnóstico
Controle
192 Versão DNP
XX
• Este é o Número de Versão do Protocolo DNP
• XX = Número de Versão do Protocolo DNP
193
Diagnóstico
Controle
• Esta é a Verificação do Protocolo DNP
260
Diagnóstico
Comunicações
• Esta é uma contagem de Mensagens Transmitidas de Com1/Com3.
261
Diagnóstico
Comunicações
261 Porta de
Comunicação nº1.
Mensagens Tx
XXXXX
• Esta é uma contagem de Mensagens Recebidas de Com1/Com3.
262
Diagnóstico
Comunicações
262 Porta de
Comunicação nº1
Erros Rx
XXXXX
• Esta é uma contagem de Erros Recebidos de Com1/Com3.
263
Diagnóstico
Comunicações
263 Porta de
Comunicação nº2
Mensagens Tx
XXXXX
• Esta é uma contagem de Mensagens Transmitidas da Porta de Comunicação nº2
264
Diagnóstico
Comunicações
264 Porta de
Comunicação nº2
Mensagens Rx
XXXXX
• Esta é uma contagem de Mensagens Recebidas da Porta de Comunicação nº2
265
Diagnóstico
Comunicações
265 Porta de
Comunicação nº2
Erros Rx
XXXXX
• Esta é uma contagem de Erros Recebidos da Porta de Comunicação nº2
61
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle Série CL-6
TABELA 5-3, cont.
Códigos de Funções
Cód. de
Função
266
Nível 1
Menu Principal
Recursos
Nível 2
Sub Menu
Comunicações
Nível 3
Parâmetro
266 Porta de
Comunicação nº1
Mapa Ordinal 2179
CL-6
Nível de Segurança
Leitura
Editar
Reiniciar
0
2
ND
Configuração de
Fábrica
CL-6
Limite de
Entrada
Principal
Baixo
Alto
ND
ND
• Isso permite que o usuário defina o controle para emular mapas diferentes para controles de reguladores CPS série CL diferentes para Com1/
Com3 ao usar o protocolo de comunicações 2179.
• As opções incluem:
• USER
• CL-5D
• CL-5E
• CL-6A
• CL-6 (default)
267
Recursos
Comunicações
267 Porta de
Comunicação nº1
Dicionário de Dados DNP
CL-6
0
2
ND
CL-6
ND
ND
• Isso permite que o usuário defina o controle para emular dicionários de dados diferentes para controles de reguladores CPS série CL diferentes
para Portas de Comunicação nº1/nº3 ao usar o protocolo de comunicações DNP.
• As opções incluem:
• USER
• CL-5D
• CL-5E
• CL-6A
• CL-6A w/Events
• CL-6 (default)
268
Recursos
Comunicações
268 Porta de
Comunicação nº2
Mapa Ordinal 2179
CL-6
0
2
ND
CL-6
ND
ND
• Isso permite que o usuário defina o controle para emular mapas diferentes para controles de reguladores CPS série CL diferentes para Porta de
Comunicação nº2 ao usar o protocolo de comunicações 2179.
• As opções incluem:
• USER
• CL-5D
• CL-5E
• CL-6A
• CL-6 (default)
269
Recursos
Comunicações
269 Porta de
Comunicação nº2
Dicionário de Dados DNP
CL-6
0
2
ND
CL-6
ND
ND
• Isso permite que o usuário defina o controle para emular dicionários de dados diferentes para controles de reguladores CPS série CL diferentes
para Porta de Comunicação nº2 ao usar o protocolo de comunicações DNP.
• As opções incluem:
• USER
• CL-5D
• CL-5E
• CL-6A
• CL-6A w/Events
• CL-6 (default)
300
Diagnóstico
Manutenção
300 Estado PMT Modo A
Desligado
0
2
ND
Desligado
ND
ND
• O recurso PMT (Preventive Maintenance Tapping, comutação de manutenção preventiva) Modo A aumentará e reduzirá automaticamente o
comutador para limpeza dos terminais de contato. O recurso PMT Modo A é ligado ou desligado aqui. As opções incluem:
• Desligado
• Ligado
301
Diagnóstico
Manutenção
301 Estado PMT Modo A
Atraso de Contagem
regressiva
20 Dias
0
ND
ND
ND
ND
ND
0
2
ND
7
1
99
• Este é o tempo restante até a próxima operação PMT Modo A.
302
Diagnóstico
Manutenção
302 Atraso PMT Modo A
7 Dias
• Este é o período definido pelo usuário entre as operações PMT Modo A.
62
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
TABELA 5-3, cont.
Códigos de Funções
Cód. de
Função
303
Nível 1
Menu Principal
Nível 2
Sub Menu
Diagnóstico
Manutenção
Nível de Segurança
Nível 3
Parâmetro
303 PMT Modo A
Teste de Emissão
Leitura
Editar
Reiniciar
ND
2
ND
Configuração de
Fábrica
ND
Limite de Entrada
Principal
Baixo
Alto
ND
ND
• O usuário pode forçar uma operação PMT Modo A independentemente da configuração de tempo.
• Isso é um comando. Quando a tecla Enter é pressionada, a mensagem (CONFIRM) é exibida na quarta linha do monitor LCD. Quando a tecla
Enter é pressionada novamente, a sequência de testes é iniciada.
320
Diagnóstico
Manutenção
320 Estado PMT Modo B
Desligado
ND
2
ND
Desligado
ND
ND
• O recurso PMT (Preventive Maintenance Tapping, comutação de manutenção preventiva) Modo B aumentará e reduzirá automaticamente o comutador para limpeza dos terminais de contato invertidos. O recurso PMT Modo B é ligado ou desligado aqui. As opções incluem:
• Desligado
• Ligado
321
Diagnóstico
Manutenção
321 PEstado PMT Modo B
Atraso de Contagem
regressiva
XX Dias
0
ND
ND
ND
ND
ND
0
2
ND
7
1
99
0
2
ND
22:00
00:00
23:59
• Este é o tempo restante até a próxima operação PMT Modo B.
322
Diagnóstico
Manutenção
322 Estado PMT Modo B
Invertido
7 Dias
• Este é o período definido pelo usuário entre as operações PMT Modo B.
323
Diagnóstico
Manutenção
323 PMT Modo B
Hora Inicial
22:00
• Quando o recurso PMT Modo B é ligado (FC 320), a operação é ativada somente durante um período específico. O limite mais alto é definido aqui.
324
Diagnóstico
Manutenção
324 Estado PMT Modo B
Hora Final
02:00
0
2
ND
02:00
00:00
23:59
0
2
ND
8
1
16
Desligado
ND
ND
• A operação PMT Modo B é desativada após o horário de parada definido aqui.
325
Diagnóstico
Manutenção
325 Estado PMT Modo B
Desvio Máximo
8
• Este é o número máximo de posições de comutador além do neutro para as quais está habilitado o PMT Modo B.
326
Diagnóstico
Manutenção
326 Estado PMT Modo B
Designação
Desligado
0
2
ND
• Isso permite que a execução de operações de manutenção PMT Modo B seja coordenada com diversos reguladores. As opções incluem:
• Desligado
• Mestre
• Escravo
63
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle Série CL-6
TABELA 5-3, cont.
Códigos de Funções
Cód. de
Função
327
Nível 1
Menu Principal
Diagnóstico
Nível 2
Sub Menu
Manutenção
Nível 3
Parâmetro
327 Estado PMT Modo B
Limite de corrente
50 %
Nível de Segurança
Leitura
Editar
Reiniciar
0
2
ND
Configuração de
Fábrica
Limite de
Entrada
Principal
Baixo
Alto
50
0
160
ND
ND
ND
• O PMT Modo B é ativado no limite de corrente configurado ou abaixo, definido como porcentagem do CT primário.
328
Diagnóstico
Manutenção
328 Estado PMT Modo B
Teste de Emissão
ND
2
ND
• Isso é um comando. Quando a tecla Enter é pressionada, a mensagem (CONFIRM) é exibida na quarta linha do monitor LCD. Quando a tecla
Enter é pressionada novamente, a sequência de testes é iniciada.
333
Diagnóstico
Manutenção
333 Monitor de Ciclo
de trabalho do Contato
XX.XXX%
0
ND
ND
ND
ND
ND
• A função de monitoramento do ciclo de trabalho do contato representa a quantidade de vida consumida, para o pior cenário do contato, exibido como
porcentual da vida total. Os níveis de desgaste de contatos individuais podem ser questionados por meio do software CCI.
350
Recursos
Compact Flash
350 CompactFlash
Registro de Dados
ND
ND
ND
ND
ND
ND
• Este é um comando para registrar informações no flash card compacto. Consulte a seção Recursos Avançados: Compact Flash Card deste
manual.
351
Recursos
Compact Flash
351 CompactFlash
Carregar configuração
Personalizada
ND
2
ND
ND
ND
ND
• Este é um comando para carregar uma configuração personalizada no controle CL-6. Consulte a seção Recursos Avançados: Compact Flash
Card deste manual.
352
Recursos
Compact Flash
352 CompactFlash
Carregar Configuração
Padrão
ND
2
ND
ND
ND
ND
• Este é um comando para carregar uma configuração personalizada no controle CL-6. Consulte a seção Recursos Avançados: Compact Flash
Card deste manual.
353
Recursos
Compact Flash
353 CompactFlash
Salvar Configuração
Personalizada
ND
ND
ND
ND
ND
ND
• Este é um comando para salvar uma configuração personalizada no controle CL-6. Consulte a seção Recursos Avançados: Compact Flash
Card deste manual.
354
Recursos
Compact Flash
354 CompactFlash
Salvar Configuração
Padrão
ND
ND
ND
ND
ND
ND
• Este é um comando para salvar uma configuração padrão no controle CL-6. Consulte a seção Recursos Avançados: Compact Flash Card
deste manual.
355
Recursos
Compact Flash
355 CompactFlash
Formatar Cartão CF
ND
ND
ND
ND
ND
ND
• Este é um comando para formatar o flash card compacto. Consulte a seção Recursos Avançados: Compact Flash Card deste manual.
357
Recursos
Compact
Flash
357 Carregar configuração Básica
Personalizada
ND
2
ND
ND
ND
ND
ND
ND
• Este é um comando para carregar uma configuração básica personalizada.
• Consulte as Funções de Flash Card na seção Recursos Avançados de Controle deste manual para obter mais informações.
358
Recursos
Compact
Flash
358 CF Carregar
Configuração Básica
Padrão
ND
2
ND
ND
• Este é um comando para carregar uma configuração básica padrão.
• Consulte as Funções de Flash Card na seção Recursos Avançados de Controle deste manual para obter mais informações.
64
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
TABELA 5-3, cont.
Códigos de Funções
Cód. de
Função
359
Nível 1
Menu Principal
Recursos
Nível 2
Sub Menu
Compact Flash
Nível 3
Parâmetro
359 CF Salvar configuração Básica personalizada
Nível de Segurança
Leitura
Editar
Reiniciar
ND
2
ND
Configuração de
Fábrica
ND
Limite de
Entrada
Principal
Baixo
Alto
ND
ND
ND
ND
ND
ND
ND
ND
ND
ND
ND
ND
ND
ND
ND
ND
ND
ND
ND
ND
• Este é um comando para salvar uma configuração básica personalizada.
• Consulte as Funções de Flash Card na seção Recursos Avançados de Controle deste manual para obter mais informações.
360
Recursos
Compact Flash
360 CF Salvar configuração Básica Padrão
ND
2
ND
ND
• Este é um comando para salvar uma configuração básica padrão.
• Consulte as Funções de Flash Card na seção Recursos Avançados de Controle deste manual para obter mais informações.
361
Recursos
Compact Flash
361 CF Carregar configuração personalizada AdvFeat
ND
2
ND
ND
• Este é um comando para carregar uma configuração personalizada de recurso avançado.
• Consulte as Funções de Flash Card na seção Recursos Avançados de Controle deste manual para obter mais informações.
362
Recursos
Compact Flash
362 CF Carregar configuração Padrão
AdvFeat
ND
2
ND
ND
• Este é um comando para carregar uma configuração padrão de recurso avançado.
• Consulte as Funções de Flash Card na seção Recursos Avançados de Controle deste manual para obter mais informações.
363
Recursos
Compact Flash
363 CF Salvar configuração Personalizada
AdvFeat
ND
2
ND
ND
• Este é um comando para salvar uma configuração personalizada de recurso avançado.
• Consulte as Funções de Flash Card na seção Recursos Avançados de Controle deste manual para obter mais informações.
364
Recursos
Compact Flash
364 CF Salvar configuração Padrão AdvFeat
ND
2
ND
ND
• Este é um comando para salvar uma configuração padrão de recurso avançado.
• Consulte as Funções de Flash Card na seção Recursos Avançados de Controle deste manual para obter mais informações.
365
Recursos
Compact Flash
365 CF Carregar configuração personalizada de Comunicações
ND
2
ND
ND
• Este é um comando para carregar uma configuração personalizada de comunicações.
• Consulte as Funções de Flash Card na seção Recursos Avançados de Controle deste manual para obter mais informações.
366
Recursos
Compact Flash
366 CF Carregar configuração Padrão de
Comunicações
ND
2
ND
ND
• Este é um comando para carregar uma configuração padrão de comunicações.
• Consulte as Funções de Flash Card na seção Recursos Avançados de Controle deste manual para obter mais informações.
367
Recursos
Compact Flash
367 CF Salvar configuração Personalizada de
Comunicações
ND
2
ND
ND
• Este é um comando para salvar uma configuração personalizada de comunicações.
• Consulte as Funções de Flash Card na seção Recursos Avançados de Controle deste manual para obter mais informações.
368
Recursos
Compact
Flash
368 CF Salvar configuração Padrão de
Comunicações
ND
2
ND
ND
• Este é um comando para carregar uma configuração básica personalizada.
• Consulte as Funções de Flash Card na seção Recursos Avançados de Controle deste manual para obter mais informações.
65
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle Série CL-6
TABELA 5-3, cont.
Códigos de Funções
Cód. de
Função
400
Nível 1
Menu Principal
Recursos
Nível 2
Sub Menu
Líder/Seguidor
Nível 3
Parâmetro
Nível de Segurança
Leitura
Editar
Reiniciar
0
2
ND
ND
2
0
400 Comunicação
LoopShare
Configuração de
Fábrica
Limite de
Entrada Principal
Baixo
Alto
Desligado
ND
ND
ND
ND
ND
ND
2
ND
COM3
ND
ND
0
2
ND
Passiva
ND
ND
0
2
ND
0
0
10000
• Isso ligará ou desligará a comunicação LoopShare. As opções incluem:
• Ligado
• Desligado
401
Recursos
Líder/Seguidor
401 Estado de comunicações
LoopShare
• Este é o estado das comunicações LoopShare. Exibirá Ativas ou Inativas
402
Recursos
Líder/Seguidor
402 Porta de comunicações LoopShare
• Esta é a porta que o LoopShare está usando. As opções são:
• COM2 • COM3
403
Recursos
Líder/Seguidor
403 Atribuição de
Tabela de comunicações LoopShare
• Este é o dispositivo na tabela LoopShare. As opções incluem:
• Dispositivo 1
• Dispositivo 2
• Dispositivo 3
• Passiva
404
Recursos
Líder/Seguidor
404 Atraso Tx em
comunicações
LoopShare
XXXXX ms
• Este é o atraso entre o momento em que um dispositivo recebe um LFDT atualizado e o momento em que o dispositivo passa isso adiante.
405
Recursos
Líder/Seguidor
405 Tempo limite de
comunicações
LoopShare
XX segundos
0
2
ND
3
1
60
Líder/Seguidor
410 Líder/Seguidor
Desligado
0
2
ND
Desligado
ND
ND
ND
2
ND
ND
ND
ND
0
2
ND
Seguidor
1
ND
ND
414 Dispositivos
Seguidores
Configurados
One
0
2
ND
Um
1
2
415 Temporizador de
espera de comutador
Líder/seguidor
XXXXX ms
0
2
ND
0
0
10000
• Tempo limite LoopShare.
410
Recursos
• Isso ligará ou desligará Líder/Seguidor. As opções incluem:
• Ligado
• Desligado
411
Recursos
Líder/Seguidor
411 Estado Líder/
Seguidor Ativo
• Este é o estado da função Líder/Seguidor. Exibirá Ativo, Inativo/Pronto ou Não Pronto.
413
Recursos
Líder/Seguidor
413 Designação Líder/
Seguidor
Seguidor 1
• Esta é a designação de tabela Líder/Seguidor. As opções incluem:
• Líder
• Seguidor 1
• Seguidor 2
414
Recursos
Líder/Seguidor
• O número de dispositivos Seguidores.
415
Recursos
Líder/Seguidor
• A duração do tempo em milissegundos que o dispositivo espera entre o recebimento do sinal de comutação e a comutação propriamente dita.
66
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
TABLE 5-3, cont.
Function Codes
Cód. de
Função
416
Nível 1
Menu Principal
Nível 2
Sub Menu
Recursos
Líder/Seguidor
Nível 3
Parâmetro
416 Tempo limite
Líder/Seguidor
XX Segundos
Nível de Segurança
Leitura
Editar
Reiniciar
0
2
ND
Configuração de
Fábrica
10
Limite de
Entrada Principal
Baixo
Alto
1
60
• A duração do tempo em segundos antes que o Líder retorne à posição inicial de comutação se um dispositivo Seguidor não comutar.
417
Recursos
Líder/Seguidor
417 Atraso de Nova
tentativa de
Líder/Seguidor
XX Segundos
0
2
ND
5
5
60
• A duração do tempo em segundos antes que o líder tente novamente inicia uma operação de comutação em caso de falha na tentativa inicial.
418
Recursos
Líder/Seguidor
418 Novas tentativas
Líder/Seguidor
XX
0
2
ND
3
1
10
• O número de tentativas de comutação antes que o Líder pare de tentar. Insira o número de vezes para tentativas de comutação.
420
Recursos
Líder/Seguidor
420 Monitor de Líder/
Seguidor
Desativado
ND
ND
ND
ND
ND
ND
0
2
ND
Desligado
ND
ND
• Este é o estado do Monitor Líder/Seguidor. Exibirá ativado ou desativado.
450
Recursos
Configuração
Alternativa
450 Configuração
Alternativa
Desligado
• Isso ativará as Configurações Alternativas. As opções são:
• Off • On • ARLH • ARLC • P.I.O.
• Selecionar "On" ativará as Configurações Alternativas básicas
• Selecionar ARLH ativará a função Auto-Restore Local Heartbeat (auto-restaurar os sinais vitais locais). Essa função reverterá as configurações de
controle modificadas por meio da comunicações SCADA de volta às configurações originais quando um sinal vital foi perdido ou descontinuado.
• Selecionar ARLH ativará a função Auto-Restore Local Comms (auto-restaurar as comunicações locais). Essa função reverterá as configurações de
controle modificadas por meio da comunicações SCADA de volta às configurações originais quando um sinal de comunicação foi perdido.
• Selecionar P.I.O. ativará as Configurações Alternativas ativadas ou desativadas com o uso de equações lógicas P.I.O.
451
Recursos
Configuração
Alternativa
451 Configuração
Alternativa
Inativa
0
ND
ND
ND
ND
ND
• Este é o estado da Configuração Alternativa. Exibirá Ativas ou Inativas.
67
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle Série CL-6
Funções Especiais
Inserir Código de Segurança - FC 99
Use estas funções para executar comandos por meio do
menu ou do sistema de códigos de função.
Insira FC 99 conforme a seguir:
Master Reset – FC 38
Function Code
Mensagem Inicial ao Pressionar Reset
Ao inserir o comando em FC 38 ou acessar a ele por
meio do sistema de menus fará com que o LCD mostre a
mensagem a seguir:
_99
faz com que o sistema de menus entre no modo de códigos de segurança:
038Master Reset
Security Code
-----
(PRESS RESET)
Enquanto a mensagem (PRESSIONE RESET) é exibida,
pressionar a tecla Escape fará com que o LCD saia da
exibição desse comando e exiba os itens anteriores de
submenu. Ou, pressionar o botão Edit/Reset demandará
uma "Confirmação" antes da reinicialização de todas as
medições de demandas e valores máximos e mínimos de
comutador.
Mensagem de Confirmação
Enquanto a mensagem (CONFIRM) é exibida: pressionar
038 Master Reset
(CONFIRM)
a tecla Escape pode fazer com que o LCD exiba a
mensagem inicial (PRESS RESET); pressionar a tecla
Enter causará a execução do comando e o LCD exibirá
(DONE).
Mensagem de Concluído
Enquanto a mensagem (DONE) é exibida:
038 Master Reset
(DONE)
pressionar a tecla Escape ou Enter fará com que o LCD
saia da visualização desse comando para exibir os itens
anteriores de submenu.
Esse código de funções não possui itens no sistema de
menus.
Auto-Teste - FC 91
Usar o Auto-teste, FC 91, reiniciará o sistema. Após
pressionar Function, -9-1-Enter e acessar a tela FC 91,
pressione Enter novamente para selecionar a opção e
mais uma vez para confirmar. Quando a reinicialização for
concluída, o LCD exibirá a tela inicial. Pressione Escape
para uso posterior do teclado.
LEDs de teste
Acesse este recurso a partir do Menu Principal (Nível 1).
Com o cursor selecionando "LEDs de Teste" no menu principal, pressione a tecla Enter e os LEDs do painel frontal
piscarão três vezes. Os LEDs de porta de comunicação e
de Neutro não piscarão.
Desligar o Display
Acesse este recurso a partir do Menu Principal (Nível 1).
Com o cursor selecionando “Turn Display Off” no menu
principal, pressione a tecla Enter e o LCD será desligado.
Para ligar o LCD, pressione qualquer botão no teclado.
Alertas
Use o menu abrigado para acessar as listas de alertas
conhecidos e desconhecidos do sistema. Nenhum código
de segurança é necessário para exibir um alerta, um código de segurança é necessário para reconhecer um alerta.
•Alertas/Eventos > Alertas Ativos Desconhecidos
Exibe uma lista de alertas do sistema ativos e desconhecidos.
•Alertas/Eventos > Alertas Ativos Conhecidos
Exibe uma lista de alertas do sistema ativos e conhecidos.
Esta seção cobre as exibições de alerta; para obter mais
informações, consulte a seção Recursos Avançados:
Alertas neste manual.
68
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
Caso não exista presença de alertas ativos desconhecidos
disponíveis , o LCD exibirá a mensagem a seguir:
No Unacknowledged
Active Alarms
• Tensão de carga secundária Alta
• Tensão de carga secundária Baixa
• Tensão de fonte secundária Alta
• Tensão de fonte secundária Baixa
• Tensão Compensada Alta
• Tensão Compensada Baixa
Caso não exista presença de alertas ativos conhecidos
disponíveis , o LCD exibirá a mensagem a seguir:
o Acknowledged
N
Active Alarms
• Tensão de carga primária Alta
• Tensão de carga primária Baixa
• Tensão de fonte primária Alta
• Tensão de fonte primária Baixa
• Corrente de Carga Alta
• Corrente de Carga Baixa
Segue exemplo real de exibição de alerta:
ystem Alarm #1 is
S
Active
01/14/2004 11:35:58a
(MORE...□)
Alertas de Status
Os alertas de status incluem os seguintes:
• Supervisory Active
• Reverse Power Flow
• No Input Voltage Detected
• No Output Voltage Detected
• Tap At Neutral
• PMT Mode A in Progress
• PMT Mode B in Progress
• Volt Limit On
• Reg Blocked Annunciator
• Voltage Reduct On Annunciator
• Alternate Profile Active
• Default Time
• Power Up Self Test Error
• Met Indeterminate Pwr Dir
•Fator de Energia Baixo (somente o limite BAIXO está
disponível)
• kVA Alta
• kVA Baixa
• kW Alta
• kW Baixa
• KVAR Alta
• kVAr Baixa
• kWh Alta Direta
• kWh Direta Baixa
• kWh Invertida Alta
• kWh Invertida Baixa
• kVArh Direta Alta
• kVArh Direta Baixa
• kVArh Invertida Alta
• kVArh Invertida Baixa
• Alta Frequência
• Baixa Frequência
• Distorção Harmônica Total da Tensão de carga (dis
ponível somente em limite alto)
• Distorção Harmônica Total da Corrente de carga (dis
ponível somente em limite baixo)
• Met Rev Pwr Flow
Quantidades do Contador
• LF Ldr Unable to Operate
Para a maioria das quantidades de Contador, haverá um alerta
de dados que pode ser acionado por um valor de limite ALTO.
• LF Ldr Inactive
• LF Follower Not Ready
• LS Loss of Comms
• Motor Trouble
Alertas de Dados
Quantidade de Medições Instantâneas
Para as quantidades mais instantâneas de Medição,
há dois alertas de dados disponíveis: Um que pode ser
acionado por um valor ALTO de limite e um que pode ser
adicionado por um valor de limite BAIXO.
• Posição Alta de Comutador
• Posição Baixa de Comutador
• Contador Total de Operações Alto
• Contador alto de Operações das últimas 24 horas
• Contador alto de Operações dos últimos 30 dias
• Contador Alto de Operações do mês atual
• Contador Alto de Operações do mês passado
• Contador Alto de Operações do ano atual
• Contador Alto de Operações do ano passado
69
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle Série CL-6
Quantidade de Manutenção
• Soft ADD-AMP High
Consulte a seção Recursos Avançados: Monitor de Ciclo
de Trabalho deste manual para obter mais informações
sobre esses alertas.
• Soft ADD-AMP Low
• DCM (Duty Cycle Monitor, monitor de ciclo de trabalho) Nível 1 Alto
• PMT Mode A Auto Wipe Complete
• PMT Mode B Auto Wipe Complete
• Input Voltage Missing
• DCM (Duty Cycle Monitor, monitor de ciclo de trabalho) Nível 2 Alto
• Input Voltage Restored
Eventos
• Output Voltage Restored
Use o menu abrigado para acessar as listas de eventos.
Nenhum código de segurança é necessário para exibir um
evento, um código de segurança é necessário para reconhecer um evento.
•Alertas/Eventos > Eventos
Exibição de uma lista de eventos do sistema.
Esta seção cobre as exibições de evento; para obter mais
informações, consulte a seção Recursos Avançados:
Eventos neste manual.
Os rótulos de eventos podem usar 2 linhas de LCD para
um total de até 40 caracteres. Segue exemplo real de
exibição de evento:
• Output Voltage Missing
Observação: quando um alerta é configurado para gerar um
evento, o rótulo de alerta será exibido como rótu
lo do evento.
Quando acessado por meio do teclado, somente os
últimos 50 eventos serão exibidos. Se houver muitos
eventos (mais de 100) que não tenham sido lidos a
partir do painel frontal, isso pode levar alguns segundos.
Enquanto isso ocorre, a mensagem a seguir pode
aparecer antes da exibição do último evento, indicando
que os eventos estão sendo lidos:
Events...
Caso não exista presença de eventos disponíveis, o LCD
exibirá a mensagem a seguir:
Supervisory On
01/14/2004 11:35:58a
Esta lista de eventos pode incluir o seguinte:
There Are No Events.
Condições de Acionamento/
Reinicialização
Quando o sistema é iniciado e não há detecção de erros,
o LCD apresenta a seguinte mensagem:
Self-Test Complete.
(Date/Time Shown)
(PASS)
Em caso de detecção de condições de erro, o LCD
poderá exibir as seguintes mensagens:
• User Reset
• Clock Has Been Set
• Factory Calibration Required
• No Data Acquisition
• Tap Raise
• Tap Lower
• Tap at Neutral Position
• Neutral Sync
Self-Test Complete.
Factory Calibration
Required!
(ATTENTION...MORE )
Self-Test Complete.
Data Acquisition!
(FAILURE...MORE
)
• Max Tap Position Sync
• Min Tap Position Sync
• Voltage Limit Activated
• Voltage Limiter High
• Voltage Limiter Low
• Voltage Reduction Activated
70
Self-Test Complete.
Configuração Value
Required!
(ATTENTION...MORE )
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
Se a mensagem "Configuration Value Required!" aparecer,
consulte a Seção 3: Programação Inicial. Execute as etapas de programação básica e então inicie um auto-teste.
Self-Test Complete.
Clock Needs Setting!
(ATTENTION...MORE )
Self-Test Complete.
Input Voltage
Missing!
(ATTENTION...MORE )
Self-Test Complete.
Output Voltage
Missing!
(FAILURE...MORE )
Self-Test Complete.
No Neutral
Sync Signal!
(ATTENTION...LAST )
Mensagens de Indicação
A quarta linha do LCD é usada para fornecer mensagens associadas a indicações de modo de menu. Essas
mensagens de indicação podem ser definidas em até 20
caracteres.
Exibida durante o modo de Acionamento/Reinicialização:
• (PASS)
• (ATTENTION)
• (ATTENTION...MORE )
• (ATTENTION...LAST )
• (FAILURE)
• (FAILURE...MORE )
• (FAILURE...LAST )
Exibida quando um código inválido de função é inserido:
• (INVALID FUNCTION)
Exibida quando um código inválido de segurança é
inserido:
• (INVALID SECURITY)
Exibida quando um parâmetro não pode ser lido, registrado ou reiniciado por falta do código de segurança apropriado:
• (IMPROPER SECURITY)
Exibida quando o modo edit/reset está ativo:
• (EDIT)
• (CONFIRM) (também exibida para consultar o usuário
durante a emissão de um comando a partir do sistema de
menus, ex.: Teste de Emissão de PMT Modo A)
Exibida quando um valor que foi inserido estiver fora da
faixa válida:
• (VALUE TOO HIGH)
• (VALUE TOO LOW)
• (OUT OF RANGE)
• (INVALID DATE)
• (INVALID TIME)
Exibida ao listar alertas ou eventos:
• (MORE... )
• (LAST... )
Exibida quando o usuário acessa Master Reset:
• (PRESS RESET)
• (DONE)
Exibida quando um alerta deve ser reconhecido ou desconhecido pelo usuário:
• (ACKNOWLEDGE)
• (UNACKNOWLEDGED)
Exibida quando um usuário acessa operações de
Compact Flash:
• (WRITING)
71
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle Série CL-6
• (WRITING COMPLETE)
• (WRITING FAILED)
• (WRITING ABORTED)
• (LOADING...)
• (LOADING COMPLETE)
• (LOADING FAILED)
• (LOADING ABORTED)
Quando estiver operando em modo de Co-geração, a
medição sempre operará na direção "para frente" exceto
se a tensão no centro de carga for calculada com base nas
configurações compensação de queda invertida quando o
limite fixo de medição de 1% estiver excedido em modo
invertido. Portanto, o LCD exibirá:
Comp Voltage
123.0
Band
119.0-121.0
Using Func 1-3,54,55
• (SAVING...)
• (SAVING COMPLETE)
• (SAVING FAILED)
Tensão de Carga
• (SAVING ABORTED)
Quando a tecla *Load Voltage é pressionada durante operação em Modo de Limite de Tensão = Limites Alto e Baixo
Ativos, o LCD exibirá:
• (FORMATTING...)
• (FORMATTING COMPLETE)
• (FORMATTING FAILED)
• (FORMATTING ABORTED)
Exibida ao indicar que os valores para Tensão de Carga
Secundária e Tensão de Fonte Secundária foram derivados
pelo controle:
• (CALCULATED)
Exibida ao indicar inconsistências entre o sinal de neutro
e o valor de Posição do Comutador inserido pelo usuário:
• (TAP AT NEUTRAL)
Load Voltage
115.0
Limiter119.0-121.0
Se o Modo de Limite de Tensão = Somente Limite Alto, o
LCD exibirá:
Load Voltage
Limiter
115.0
121.0
• (TAP NOT AT NEUTRAL)
Formatos Medição-Plus
Esta seção cobre as exibições Metering-PLUS; para
obter mais informações, consulte a seção Recursos
Avançados: Metering PLUS neste manual.
Se o Modo de Limite de Tensão = desligado, o LCD exibirá:
Load Voltage
Limiter
115.0
Off
Tensão Compensada
Quando a tecla *Comp Voltage é pressionada enquanto
o controle está operando em condições de fluxo elétrico
direto, o LCD exibirá:
Comp Voltage
125.0
Band 119.0-121.0
Using Func
1-5
Se o controle estiver operando em condições de fluxo
elétrico invertido, o LCD exibirá:
Comp Voltage
115.0
Band 108.0-112.0
Using Func
51-55
Corrente de Carga
Quando a tecla *Load Current estiver pressionada enquanto o controle estiver operando em condições de fluxo elétrico direto e a comutação automática estiver impedida, o
LCD exibirá:
oad Current 600 Fwd
L
Current Threshold 12
Mode
Locked Forward
Blocked:
TB8 - 4&5
Na primeira linha, "Fwd" corresponde à direção do fluxo
elétrico direto. A terceira linha é usada para exibir um dos
seguintes modos operacionais:
• Mode Locked Forward
• Mode Locked Reverse
• Mode Reverse Idle
• Mode Bi-directional
• Mode Neutral Idle
72
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
• Mode Cogeneration
Posição de Comutador
• Mode Reactive Bi-directional
Quando a tecla *Tap Position estiver pressionada enquanto o recurso Soft ADD-AMP feature = Ligado, o LCD exibirá
o seguinte:
Se a operação automática estiver bloqueada, a quarta linha
exibirá uma das seguintes condições de bloqueio:
• Blocked: Cntrl Switch
Tap Position
• Blocked: Tap-to-Neutral
SOFT-ADD-AMP -12, 14
P.I. ADD-AMP -14, 16
• Blocked: TB8-4&5
8
• Blocked: Func Code 069
• Blocked: Rev Pwr Mode
Se o controle estiver operando em condições de fluxo
elétrico invertido e a comutação automática não estiver
impedida, o LCD exibirá o seguinte:
Load Current 200 Rev
Current Threshold
2
Mode Bi-directional
Se o recurso Soft ADD-AMP = Ligado e a posição de
comutador atual indicar que o comutador está no limite, o
LCD exibirá o seguinte:
ap Position T
- 12
At Limit
SOFT-ADD-AMP -12, 14
P.I. ADD-AMP -14, 16
Se o recurso Soft ADD-AMP = Desligado e a posição de
comutador atual indicar que o comutador está em neutro,
o LCD exibirá o seguinte:
Tap Position
0
P.I. ADD-AMP -14, 16
Se o recurso Soft ADD-AMP feature = Desligado e se um
comutador estiver em ou além dos limites P.I. ADD-AMP
configurados pelo usuário, o LCD exibirá o seguinte:
Tap Position
At Limit
16
P.I. ADD-AMP -14, 16
73
Comando Série CL-6 Instruções de instalação, operação e manutenção
Seção 6: Recursos do comando
Calendário/Relógio
Operação das tarefas de demanda
Um calendário/relógio interno é parte integrante de várias
funções do comando. O relógio digital mantém ano, mês,
dia, hora, minutos e segundos, com precisão de 1
segundo. A formato de exibição é selecionável pelo
usuário (veja FC 142 e FC 143). A hora é sincronizada com
a frequência do sistema quando conectado em alimentação
CA. Em caso de queda da alimentação CA, o relógio
mantém a hora, durante 72 horas no mínimo, utilizando
um oscilador a cristal e um capacitor como fonte de
alimentação. Vinte minutos de conexão na alimentação CA
bastam para a recarga total do capacitor.
A função de medição de demanda se baseia no conceito
de janela deslizante, ou integral de movimento. O algoritmo
implementado simula a resposta de um medidor de
demanda térmica que alcançará 90% de seu valor final
após um intervalo de demanda em resposta a uma entrada
de função de passo. Veja a Figura 6.1.
O visor de LCD exibe a data e hora atuais ao final do autoteste, quando o painel frontal é ligado. Entretanto, na
energização após período prolongado sem energia, a hora
e a data do relógio do comando terão o valor padrão
(meia-noite, 1 de janeiro de 1970).
A data e a hora podem ser lidas e ajustadas em FC 50.
Durante o ajuste, todos os dígitos deverão serinseridos utilizando o formato padrão de 24 horas (MM/DD/AAAA
hh:mm). Se um erro ocorrer na entrada dos valores, retorne
os caracteres utilizando qualquer tecla de rolagem de seta.
O horário de verão está disponível começando com CL-6B.
O padrão de fábrica é desabilitar o horário de verão. O horário de verão pode ser habilitado usando FC 151.
Medição
O controle conta com recursos de medição abrangentes, categorizados cmo instantâneo (Instantaneous), demanda para
frente (Forward Demand) e demanda reversa (Reverse Demand)
Medição instantânea
Os valores de medição instantânea são atualizados uma vez
por segundo. Eles podem ser acessados diretamente em
FC 6 a FC 19, FC 125 e FC 126. Veja a Tabela 5-3 na seção
Programação de Controle desse manual para obter informações adicionais sobre esses códigos de função.
Medição de demanda
O comando fornece medição de demanda para os seguintes parâmetros: tensão de carga, demanda para frente e
reversa, tensão da fonte, tensão compensada, corrente de
carga, carga kVA, carga kW e carga kvar. Para cada um
desses parâmetros, o valor atual, valor alto desde a última
reinicialização e valor baixo desde a última reinicialização
são registrados, bem como a hora e data mais cedo de
ocorrência dos valores alto e baixo.
Além disso, os fatores de potência nas demandas kVA alta
e kVA baixa são registrados. Todos esses valores são
armzenados em memória não volátil separadamente para
as condições de alimentação para frente e reversa.
Veja a Tabela 5-3 na seção Programação de Controle
desse manual para obter informações sobre os códigos de
função associados à medição de demandas (FC 20 a FC
38, FC 127 e FC 128)
74
A tarefa funciona do seguinte modo:
1.Durante 3 minutos após uma queda de energia ou
reversão de energia, nenhuma demanda será calculada.
Isso permitirá que o sistema de utilidades se estabilize
a partir do evento que provocou a queda ou reversão
de energia.
2.Aos 3 minutos, as demandas atuais (para a direção de
alimentação apropriada) são ajustadas ao seu valor
instantâneo correspondente e o algoritmo de integração
é iniciado em conformidade com o intervalo de
demanda programado em FC 46.
3.Aos 15 minutos ou no intervalo do tempo de demanda (o
que for mais longo), os valores de demanda alta/baixa
começam a acompanhar a demanda atual, similar ao
arrasto manual. Todos os valores de demanda são
calculados continuamente e, em caso de alguma alteração,
as demandas altas/baixas são armazenadas na memória
não volátil a cada 15 minutos. Isso evitará perda de dados
durante uma interrupção ou queda de força.
Observe que provisões foram feitas para reinicializar
qualquer valor de demanda por si só via tecla change/
reset, ou todos os valores de demanda poderão ser
reinicializados simultaneamente inserindo-se FC 38.
Valores altos e baixos serão ajustados aos seus
correspondentes valores de demanda atuais e as datas e
horas serão ajustadas à hora/data atual.
Duas condições podem invalidar as demandas atuais
: A energização já foi aplicada (no período de congelamento
de 3 minutos) ou o fluxo de alimentação mudou de
direção. Se o controle está medindo na direção para
frente, as demandas atuais reversas serão inválidas. Caso
contrário, se a medição ocorre na direção reversa, as
demandas atuais para frente serão inválidas.
100%
90%
0
5T
2T
4T
6T
3T
1T
Intervalo de tempo de demanda
Figura 6-1.
Resposta do intervalo de tempo de demanda.
t
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
Indicação da posição da derivação
Tensão no lado da fonte
O controle tem a capacidade de acompanhar a posição do
trocador de derivação. A função de indicação da posição da
derivação (TPI) detecta o status dos circuitos do motor e da
luz de neutro e não requer tensão (de entrada) da fonte. A
posição atual da derivação é armazenada em FC 12.
Sem uma entrada de tensão da fonte, algumas funções
indicarão traços quando exibidas. Existem três métodos
para fornecimento de tensão no lado da fonte para o
comando CL-6: um transformador de potencial diferencial
(TP), um TP no lado da fonte externa ou cálclo da tensão
no lado da fonte
EXEMPLOS: “8” em FC 12 indica 8 levantar e “-7” indica 7
abaixar.
A função TPI é sincronizada com a posição do trocador de
derivação colocando-se o regulador na posição de neutro.
Para ajustar manualmente a posição atual da derivação:
Nível de segurança de acesso 3; acesse FC 12; use a tecla
Edit para alterar o valor desejado.
A posição máxima da derivação desde a última reinicialização
(valor de arrasto manual superior da posição atual da
derivação) e sua data e hora são armazenadas em FC 27. A
posição mínima da derivação desde sua última reinicialização
(valor de arrasto manual inferior da posição atual da derivação)
e sua data e hora são armazenadas em FC 28.
Os valores de arrasto manual e datas/horas de TPI são
reinicializados para os valores atuais pela reinicialização
geral (mestre) ou reinicializando cada valor individualmente.
A chave de reinicialização de arrasto manual reinicializa o
arrasto manual do indicador de posição somente, e não da
TPI. Todos os valores de TPI são armazenados em memória não volátil.
As condições a seguir ocorrem se a posição atual da derivação foi ajustada de forma incorreta manualmente:
•O valor atual da posição da derivação se tornará
inválido “---” se a posição de derivação atual é 0
(zero, neutro), mas nenhum sinal de neutro é detectado.
Por exemplo, esta condição ocorrerá se um controle
de substituição com posição de derivação atual
definido para "0" for instalado em um regulador que
não se encontra na posição de neutro.
•Se a função TPI detecta uma derivação para cima com
sucesso e o valor anterior de FC 12 era “16”, ou uma
derivação para baixo com sucesso e o valor anterior de
FC 12 era “–16,” o valor anterior será mantido.
O visor mostrará uma mensagem de erro de diagnóstico
na energização quando: (1) o valor da posição da
derivação atual antes da energização é “---” (inválido) e o
regulador não se encontra na posição de neutro; (2) o valor
da posição da derivação atual antes da energização é “0”
e o regulador não se encontra na posição de neutro. [Esta
condição invalidará o valor da posição da derivação atual
(“----”)]; e (3) Durante a operação automática ou manual, a
posição da derivação atual muda para “0”, porém um sinal
de neutro não é recebido. O sinal No Neutral Sync é um
sinal de atenção e não um sinal de falha.
Tensão diferencial
O regulador pode ser projetado e encomendado com um
transformador de potencial diferencial interno (IDPT). Esse
tipo é indicado no diagrama esquemático na plaqueta de
identificação do regulador de tensão. Um TP diferencial
fornece a diferença de tensão entre a fonte e os isoladores
de carga do regulador de tensão. Essa tensão diferencial
é então combinada com a tensão de carga para fornecer
a tensão no lado da fonte. Ao utilizar um IDPT em um
regulador de tensão da Cooper Power Systems, a precisão
de tensão da fonte fica em torno de ± 1%.
Tensão da fonte externa
Um TP no lado da fonte externa pode ser conectado ao
regulador de tensão para fornecer uma tensão da fonte
medida diretamente. Para usar um TP no lado da força
externa, o usuário deverá alterar a configuração de Vin do
TP, FC 146, do valor padrão Vdiff Mode para Vin Mode. A
utilização de um TP no lado da fonte pode ser desejável
caso os reguladores de tensão estejam em uma
configuração delta fechada. Em configuração delta
fechada, a tensão da fonte e a regulação percentual
somente refletirão os valores reais da fonte do sistema se
uma tensão de fonte externa for utilizada. O desempenho
do regulador de tensão não é afetado pela diferença entre
os parâmetros de medição ao utilizar um TP de fonte
externa: a precisão da tensão da fonte depende da
precisão do TP.
Cálculo de tensão no lado da fonte
O CL-6 tem a capacidade de calcular a tensão no lado da
fonte sem um TP de enrolamento de série ou um TP
externo. Quando esse recurso está ligado, o comando
utilizará a tensão de carga a partir do TP principal, tipo de
regulador (Tipo A, Tipo B, Tipo C ou Tipo D), posição da
derivação e impedância interna do regulador para calcular
a tensão no lado da fonte. Essa tensão calculada da fonte
fica em torno de ±1,5% da tensão real. Somente o tipo do
regulador precisa ser programado no comando. Os outros
valores já estão disponíveis no comando.
O TPI irá satisfazer a rotina de diagnóstico na energização
quando: (1) O regulador estiver em neutro e a posição da
derivação atual é “0”; (2) A posição da derivação atual não
é “0” e o regulador não está em neutro, inclusive quando
a posição da derivação não está ajustada corretamente; e
(3) Quando o regulador estiver em neutro e a posição da
derivação atual não é “0” (a TPI auto-corrigirá e reinicializará
a posição da derivação).
75
Comando Série CL-6 Instruções de instalação, operação e manutenção
A maioria dos reguladores de tensão são instalados em
circuitos com fluxo de alimentação bem definido da fonte
para carga. Entretanto, alguns circuitos têm interconexões
ou laços nos quais o sentido da alimentação através do
regulador pode mudar. Para um desempenho ótimo do
sistema de utilidades, um regulador instalado nesse
circuito deverá ter a capacidade de detectar fluxo de
alimentação reversa e detectar e controlar a tensão
independente do sentido do fluxo de alimentação.
O controle oferece recursos plenos para alimentação reversa. Para operação reversa totalmente automática, a tensão
da fonte deverá estar disponível ao comando. Consulte
Tensão no lado da fonte nessa seção do manual.
O controle oferece sete diferentes características de
resposta para detecção e operação de alimentação
reversa. Essas características são selecionáveis pelo
usuário por meio de programação do Modo de Detecção
Reverso (FC 56). Os sete modos são travado p/frente
(Locked Forward), travado em reverso (Locked Reverse),
reverso ocioso (Reverse Idle), bidirecional (Bidirectional),
neutro ocioso (Neutral Idle), co-geração (Cogeneration) e
bidirecional reativo (Reactive Bidirectional).
Essa seção explicará separadamente cada modo de
operação. Como o comando retém os valores de demanda
medida reversa separados dos valores medidos para frente,
a medição também será explicada para cada modo.
Na determinação do sentido da alimentação, o controle
detecta o componente real da corrente (exceto no modo
bidirecional reativo) e, a seguir, determina o sentido e a magnitude da corrente nesse sentido. Quando as condições
indicam que o sentido do fluxo da alimentação é reverso,
os parâmetros a seguir assumem novos valores e a operação do controle é afetada de acordo:
Tensão de cargaDetectada agora a partir daquela que era
previamente a alimentação de tensão da
fonte.
Tensão da fonte Detectada agora a partir daquela que era
previamente a alimentação de tensão de
carga.
Corrente de cargaNo sentido para frente, a corrente é utilizada diretamente como medida. No
sentido reverso, a corrente é escalada
para refletir a diferença de relação entre o
lado da fonte e o lado de carga do reguQ
lador, de acordo com a fórmula :
Corrente Alimentação
de Carga
de Tensão
para Frente de Tensão
Corrente de Carga Reversa =
76
Q
Alimentação de Tensão
Onde a alimentação da tensão da fonte
e a alimentação da tensão de carga estão
no sentido reverso.
Com base nos novos valores reversos medidos, kVA, kW,
kvar e % buck/boost são agora calculados.
Modo travado para frente
Quando FC 56 é configurado como Locked Forward,
nenhuma tensão da fonte é necessária. Este modo não se
destina à utilização em aplicações nas quais existe a
possibilidade de fluxo de alimentação reversa.
MEDIÇÃO: Sempre opera no sentido para frente
independente do sentido do fluxo de alimentação. Em
caso de ocorrência de alimentação reversa, as funções de
medição permanecem no lado normal de carga do
regulador - nenhuma leitura de demanda reversa ocorrerá.
OPERAÇÃO: (Figura 6-2) Sempre opera no sentido para
frente utilizando as configurações para frente em FC 1, FC
2, FC 3, FC 4 e FC 5. Isso permitirá a operação em
condições até corrente zero, pois não existe nenhum limiar
para frente envolvido. Uma proteção foi desenvolvida no
comando para evitar operação incorreta em caso de fluxo
de alimentação reversa. Em caso de ocorrência de mais
de 2% (0,004 A TC secundário) de corrente reversa, o
comando fica parado na última posição da derivação e os
indicadores de borda da banda serão desligados. Como o
fluxo de corrente retorna a um nível acima desse limiar
reverso, a operação normal para frente é retomada.
Os indicadores de borda
da banda são desativados
e a troca de derivação é
inibida quando a
componente real da
corrente é maior que
2% reversa.
Corrente reativa
Operação de alimentação reversa
2% 0
Corrente real (* TC primário)
Operação para frente =
Figura 6-2.
Operação em modo travado para frente.
Modo travado em reverso
Quando FC 56 é configurado como Locked Reverse, a
tensão da fonte é necessária. Este modo não se destina à
utilização em aplicações nas quais existe a possibilidade
de fluxo de alimentação para frente.
MEDIÇÃO: Sempre opera no sentido reverso independente
do sentido do fluxo de alimentação. Em caso de ocorrência
de alimentação para frente, as funções de medição
permanecem no lado da fonte (isolador S) do regulador e
nenhuma leitura de demanda para frente ocorrerá.
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
OPERAÇÃO: (Figura 6-3) Sempre opera no sentido reverso
utilizando as configurações reversas em FC 51, FC 52, FC
53, FC 54 e FC 55. Isso permitirá a operação em condições
até corrente zero, pois não existe nenhum limiar reverso
envolvido. Uma proteção foi desenvolvida no comando
para evitar operação incorreta em caso de fluxo de
alimentação para frente. Em caso de ocorrência de mais
de 2% (0,004 A TC secundário) de corrente para frente, o
comando fica parado na última posição da derivação e os
indicadores de borda da banda serão desligados. Como o
fluxo de corrente retorna a um nível acima desse limiar
para frente, a operação normal reversa é retomada.
Medição normal
para frente
Rev Pwr Off
Escala da medição
normal para frente
Rev Pwr On
1%
0
1%
Nível de Corrente
0 2%
Corrente real (* TC primário)
Reversa =
Figura 6-3.
Operação em modo travado reverso.
Modo reverso ocioso
OPERAÇÃO: (Figura 6-5.) O limiar no qual o comando
muda a operação é programável em FC 57 na faixa de 1 a
5% do corrente nominal do TC. Quando o componente
real da corrente fica acima desse limiar, o controle opera
no sentido para frente normal. Quando a corrente cai
abaixo desse limiar, qualquer mudança de derivação será
inibida.
O comando fica parado na última posição de derivação
antes do cruzamento do limiar. O temporizador operacional (retardo de tempo) é reinicializado em qualquer excursão abaixo desse limiar e os indicadores de borda da
banda são desligados.
A troca de derivação é
inibida quando a componente
real da corrente é igual ou
menor que o limiar da
operação, FC 57.
Corrente reativa
Corrente reativa
Figura 6-4.
Medição reversa ociosa.
Quando FC 56 é configurado como Reverse Idle, a tensão
da fonte é necessária somente para medição. Esse modo
é recomendado para instalação na possibilidade de
ocorrência de fluxo de alimentação reverso, porém, uma
tensão da fonte não está disponível.
MEDIÇÃO: (Figura 6-4.) Um nível de limiar de 1% (0,002 A)
da corrente do secundário do TC em carga total (0,200 A)
é utilizado na configuração do sentido da alimentação. A
medição será para frente até que a corrente exceda o
limiar de 1% no sentido reverso. Nesse momento, os
vários parâmetros utilizam as configurações reversas e o
indicador de alimentação reversa (Reverse Power) é ligado. O controle prossegue com a medição no sentido
reverso até que a corrente exceda o limiar de 1% no sentido para frente e, a seguir, a escala do parâmetro retorna
ao normal e o indicador de alimentação reversa (Reverse
Power) é desligado
0 0T
Corrente real (* TC primário)
Operação para frente =
OT= Limiar de operação, FC 57, 1-5%
Figura 6-5.
Operação em modo ocioso reverso*.
*A troca de derivação é inibida e os indicadores de borda da banda
são desativados.
77
Comando Série CL-6 Instruções de instalação, operação e manutenção
Modo bidirecional
Quando FC 56 é configurado como Bi-directional, a
tensão da fonte é necessária. Este modo é recomendado
em todas as instalações nas quais existe a possibilidade
de ocorrência de fluxo de alimentação reversa, onde a
fonte dessa alimentação reversa é uma facilidade de
co-geração ou um fornecedor de energia independente.
Modo neutro ocioso
Quando FC 56 é configurado como Neutral Idle, uma tensão da fonte é necessária.
Escala reversa
Medição reversa
Rev Pwr On
1%
0
1%
Nível de Corrente
Figura 6-6.
Medição bidirecional, neutro ocioso e bidiretional
reativo.
MEDIÇÃO: (Figura 6-6.) Um nível de limiar de 1% (0,002 A)
da corrente do secundário do TC em carga total (0,200 A) é
utilizado na configuração do sentido da alimentação. A
medição será para frente até que a corrente exceda o limiar
de 1% no sentido reverso. Nesse momento, os vários parâmetros utilizam as configurações reversas e o indicador de
alimentação reversa (Reverse Power) é ligado. O controle
prossegue com a medição no sentido reverso até que a
corrente exceda o limiar de 1% no sentido para frente e, a
seguir, a escala do parâmetro retorna ao normal e o indicador de alimentação reversa (Reverse Power) é desligado
Corrente reativa
Operação Normal
Reversa FC 51-55
Operação Normal
para Frente FC 1-5
MEDIÇÃO: (Figura 6-60 Um nível de limiar de 1% (0,002 A)
da corrente do secundário do TC em carga total (0,200 A) é
utilizado na configuração do sentido da alimentação. A
medição será para frente até que a corrente exceda o limiar
de 1% no sentido reverso. Nesse momento, os vários
parâmetros utilizam as configurações reversas e o indicador
de alimentação reversa (Reverse Power) é ligado. O controle
prossegue com a medição no sentido reverso até que a
corrente exceda o limiar de 1% no sentido para frente e, a
seguir, a escala do parâmetro retorna ao normal e o indicador
de alimentação reversa (Reverse Power) é desligado
OPERAÇÃO: (Figura 6-8) O comando opera no sentido para
frente sempre que a componente real da corrente estiver
acima do limiar para frente definido pela operação (FC 57).
Quando a corrente excede o limiar reverso definido pelo
operador (F 57) e se mantém por 10 segundos consecutivos,
o comando irá derivar para neutro. A posição de neutro é
definida utilizando-se Tap Position. Se a posição da
derivação não é válida, o neutro é determinado utilizando-se
a regulagem percentual (buck e boost). Quando a corrente
estiver na região entre os dois limiares, o controle para na
posição da última derivação antes do cruzamento do limiar
para frente. Ao derivar para a posição de neutro, se a
corrente cair abaixo do limiar reverso, o controle continua a
derivar até alcançar a posição de neutro. O temporizador
operacional (retardo de tempo) é reinicializado em qualquer
excursão abaixo do limiar para frente e os indicadores de
borda da banda são desligados.
Os indicadores de borda da
banda são desativados e a
troca de derivação é inibida
quando a componente real da
corrente é igual ou menor que
o limiar da operação, FC 57,
em qualquer direção.
Corrente reativa
Medição normal
para frente
Rev Pwr Off
A troca de
derivação é
inibida e os
indicadores de
borda da banda
são desativados.
operador (FC 57). Quando a corrente estiver na região entre
os dois limiares, o controle para na posição da última
derivação antes da corrente cair abaixo do limiar. O
temporizador operacional (retardo de tempo) é reinicializado
em qualquer excursão abaixo do limiar em qualquer sentido
e os indicadores de borda da banda são desligados.
OT 0 OT
Corrente real (* TC primário)
Operação reversa =
Operação para frente =
OT= Limiar de operação, FC 57, 1-5%
Figura 6-7.
Operação em modo bidirecional.
OPERAÇÃO: (Figura 6-7.) O comando opera no sentido para
frente sempre que a componente real da corrente estiver
acima do limiar para frente definido pelo operador (FC 57). O
controle opera no sentido reverso, utilizando as configurações
reversas em FC 51, FC 52, FC 53, FC 54 e FC 55, sempre
que a corrente estiver acima do limiar reverso definido pelo
78
OT 0 OT
Corrente real (% TC primário)
Tap-to-Neutral =
Operação para frente =
OT= Limiar de operação, FC 57, 1-5%
Figura 6-8.
Operação em modo ocioso neutro*.
* Os indicadores de borda da banda são desativados.
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
Modo de co-geração
Nos últimos anos tem ocorrido um aumento no número de
aplicações de reguladores de tensão envolvendo
co-geração por clientes de serviços públicos (utilidades). O
modo de co-geração foi desenvolvido para o comando de
regulador da Cooper de modo a satisfazer as necessidades
especializadas dessas aplicações. Normalmente, a
operação desejada de um regulador instalado em um
alimentador envolvendo co-geração consiste na regulação
da tensão na subestação do cliente nos períodos de fluxo
de alimentação dentro da instalação do cliente e na
regulação da tensão no regulador (no mesmo lado de
saída) durante fluxo de alimentação na rede da
concessionária de serviços públicos (utilidades). Isso é
alcançado simplesmente pela não reversão da tensão de
entrada de detecção do comando quando a alimentação
reversa é detectada e pela alteração das configurações de
compensação de queda de linha de modo a considerar
essa mudança no sentido do fluxo de alimentação. (Veja a
Figura 6-9.)
Diferença de
compensação de
queda de linha
Barramento
Rígido
Subestação da
concessionária
(utilidades)
Tensão regulada
durante fluxo de
alimentação reversa
Subestação
Instalação
do cliente de co-geração
Tensão regulada
durante fluxo de
alimentação para frente
Para frente
Reversa
Quando FC 56 é configurado para co-geração, uma tensão da fonte é necessária.
Medição normal
para frente
Rev Pwr Off
Medição reversa
com LDC reversa
Rev Pwr On
1%
0
1%
Nível de Corrente
Figura 6-10.
Medição de co-geração
OPERAÇÃO: (Figura 6-11.) O comando sempre opera no
sentido para frente. O controle irá operar no sentido para
frente, mas utilizará as configurações reversas de
compensação de queda de linha quando a componente
real da corrente estiver acima do o limiar fixo de medição
reversa de 1%. O comando continuará a utilizar as
configurações reversas de compensação de queda de
linha até que a componente real da corrente estiver acima
do o limiar fixo de medição para frente de 1%. O
temporizador operacional (retardo de tempo) não será
reinicializado em todas as transições entre a aplicação das
configurações para frente e reversas de compensação de
queda de linha.
Operações reversas
com LDC reversa
LDC reversa @ -1%
Operações para frente
com LDC para frente
Figura 6-9.
Pontos de regulação da co-geração.
MEDIÇÃO: (Figura 6-10.) Opera sempre no sentido para
frente, exceto pelo fato de que a tensão do centro de
carga é calculada com base nas configurações de
compensação de queda de linha (FC 54 e FC 55) quando
o limiar fixo de medição reversa de 1% é ultrapassado. O
indicador de alimentação reversa (Reverse Power) é
ligado quando esse limiar reverso é cruzado. As
configurações de compensação de queda de linha para
frente (FC 4 e FC 5) são utilizadas quando a corrente
excede o limiar fixo de medição para frente de 1%. Os
valores de demanda obtidos durante o fluxo de
alimentação reversa são armazenados como dados
medidos reversos, porém os valores não são escalados
(para refletir o outro lado do regulador), pois o sentido de
operação do regulador nunca reverte realmente.
Forward LDC @ +1%
-5
-4
-3
-2
-1
0
1
2
3
4
5
Percentual da especificação nominal do TC
Figura 6-11.
Operação em modo de co-geração.
79
Comando Série CL-6 Instruções de instalação, operação e manutenção
Modo bidirecional reativo
Limitação da tensão
Quando FC 56 é configurado como Reactive Bidirectional,
a tensão da fonte é necessária.
O recurso de limitação da tensão é utilizado para
estabelecer um limite alto e baixo na tensão de saída do
regulador. Uma vez habilitado, ele opera nos sentidos para
frente ou reverso e tem a mais alta prioridade de todas as
funções operacionais. A limitação da tensão é ignorada
somente quando o operador assume controle local ou por
um sistema SCADA interconectado O objetivo do limitador
da tensão é proteger o consumidor contra tensões
anormalmente altas ou baixas resultantes de:
Esse modo é recomendado para instalações onde existe a
possibilidade de ocorrência de fluxo de alimentação reversa e a componente da corrente estiver abaixo do limiar
definido pelo operador (FC 57), exceto onde a fonte da
alimentação reversa é uma facilidade de co-geração ou
produtor de energia independente.
MEDIÇÃO: (Figura 6-12.) Um nível de limiar de 1% (0,002 A)
da corrente do secundário do TC em carga total (0,200 A) é
utilizado na configuração do sentido da alimentação. A
medição será para frente até que a corrente exceda o limiar
de 1% no sentido reverso. Nesse momento, os vários parâmetros utilizam as configurações reversas e o indicador de
alimentação reversa (Reverse Power) é ligado. O controle
prossegue com a medição no sentido reverso até que a
corrente exceda o limiar de 1% no sentido para frente e, a
seguir, a escala do parâmetro retorna ao normal e o indicador de alimentação reversa (Reverse Power) é desligado
A troca de derivação é inibida
quando a corrente total estiver
dentro dos limiares de operação.
+
OT 0 OT
Corrente real (% TC primário)
Operação reversa =
Operação para frente =
OT= Limiar de operação, FC 57, 1-5%
Figura 6-12.
Operação em modo bidirecional reativo.
80
Corrente reativa
OPERAÇÃO: (Figura 6-12.) O controle determina quais
configurações (para frente/reverso) devem ser utilizadas por
meio da detecção das componentes reais e reativas da
corrente. O comando opera no sentido para frente sempre
que a magnitude da componente reativa da corrente excede
o limiar definido pelo operador (FC 57) na direção negativa. O
comando também opera no sentido para frente se a
magnitude da componente real da corrente excede o limiar
definido pelo operador (FC 57) na direção positiva enquanto
a magnitude da componente reativa da corrente estiver entre
os limiares definidos pelo operador (FC 57). O comando
opera no sentido reverso, utilizando as configurações reversas
em FC 51, FC 52, FC 53, FC 54 e FC 55, sempre que a
magnitude da componente reativa da corrente exceder o
limiar definido pelo operador (FC 57) na direção positiva. O
comando também opera no sentido reverso se a magnitude
da componente real da corrente excede o limiar definido pelo
operador (FC 57) na direção negativa enquanto a magnitude
da componente reativa da corrente estiver entre os limiares
definidos pelo operador (FC 57).
•Variações grandes e bruscas na tensão de transmissão
•Carga anormal do alimentador
•Configurações imprecisas de controle do regulador (nível
de tensão, largura de banda e compensação de queda
de linha)
•Carga pesada pelo primeiro cliente enquanto existir um
fator de potência 'leading' no alimentador
•Carga leve no primeiro cliente com carga pesada
no alimentador ao mesmo tempo
Os limites altos e baixos apropriados para a tensão de
saída podem ser programados no comando em FC 81 e
FC 82, respectivamente. O recurso é então ativado por
meio do acesso a FC 80 e inserindo a operação desejada:
desligar; limitação de tensão alta somente; ou limitação de
tensão alta e baixa. Se somente a limitação de tensão
baixa é desejada, FC 80 deverá ser configurado para
limitação de tensão alta e baixa para habilitar esse limite, e
o valor programado em FC 81 para o limite alto poderá ser
definido como um número muito grande (como 135) para
evitar a ativação desse limite.
O comando tem duas sensibilidades. Se a tensão de saída
excede o limite alto ou baixo em3 V ou mais, o comando
amostra a tensão durante dois segundos e, a seguir, deriva
imediatamente para trazer a tensão ao valor-limite. Se a
tensão de saída excede o limite alto ou baixo em menos
de 3 V, o comando amostra a tensão durante 10 segundos
e, a seguir, deriva para trazer a tensão ao valor-limite. O
retardo de 10 segundos é utilizado para evitar respostas
falsas às condições transitórias. O comando usa o método
sequencial de derivação, uma pausa de dois segundos
entre derivações para amostragem da tensão, ao trazer a
tensão de volta ao valor-limite. Os indicadores de limitador
de tensão alta (Voltage Limiter High) e limitador de tensão
baixa (Voltage Limiter Low) no visor indicarão os limites
ativos.
Para evitar a potencial ciclagem do regulador, defina os
limites de tensão alta e baixa no mínimo dois volts acima e
abaixo dos limites superior e inferior da largura de banda.
Isso estabelecerá uma "zona cinzenta" entre os limites de
tensão alta e baixa e os limites superior e inferior. Quando
a tensão de saída estiver nessa "zona cinzenta", o comando não realizará nenhuma mudança de derivação, levando
a tensão de saída próximo ao limite. Se a tensão estiver
diretamente na borda interna da zona cinzenta, o comando permitirá uma mudança de derivação de modo que a
tensão adentre a zona cinzenta em até 0,7 V.
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
Redução da tensão
Uma aplicação ideal do gerenciamento da carga do
sistema é o regulador da tensão de distribuição. Os
recursos de redução de tensão dentro do comando do
regulador permitem que ele acione o regulador para
reduzir a tensão em situações nas quais as demandas de
alimentação superam a capacidade disponível e quando
houver cargas de pico extraordinárias. O comando oferece
três modos de redução de tensão: Local/Digital Remoto,
Remoto/Latch analógico e Remoto/Pulso analógico. Todos
os modos operam em condições de fluxo de alimentação
para frente ou reversa. Para obter informações adicionais
sobre o modo Local/Digital Remoto, veja abaixo. Os
modos Remoto/Latch analógico e Remoto/Pulso analógico
são discutidos na seção do SCADA Analógico mais
adiante nessa seção do manual.
Todos os modos de redução de tensão do comando
funcionam por meio do cálculo de uma tensão de ajuste
eficaz, como segue:
Tensão de ajuste eficaz = Tensão de ajuste x [1- (% redução)]
Exemplo: Se a tensão de ajuste = 123 V e a redução de
tensão de 4,6% está ativa, o regulador irá regular a tensão
compensada para 117,3 V, ou seja, derivar 5,7 V para baixo.
Quando qualquer modo de redução de tensão estiver
ativo, o indicador de redução de tensão (Voltage Reduction)
será ligado. A redução da tensão ocorre após o timeout,
como estabelecido pelo retardo de tempo, FC3 ou FC 53,
e o Modo de Operação do Comando, FC 42. A redução
percentual em vigor é exibida em FC 71.
Modo Local/Digital Remoto
A redução da tensão pode ser realizada por meio da seleção
do modo Local/Digital Remoto em FC 70 e, a seguir, inserindo
em FC 72 o valor da redução necessária como um percentual
da tensão de ajuste. Para desativar a redução da tensão,
configure FC 70 para “Off” ou FC 72 para 0%.
Recurso Soft ADD-AMP
Este recurso (FC 79) permite que o usuário configure o
regulador para o recurso Soft ADD-AMP localmente no
comando, bem como remotamente por meio do SCADA.
Os limites do recurso Soft ADD-AMP podem ser ignorados
por um operador local operando o trocador de derivação
em modo manual de operação. Esse não é o caso dos
sensores de fim de curso '“hard” ADD-AMP' na face do
indicador de posição. O recurso Soft ADD-AMP pode ser
ignorado via SCADA digital se o modo ADD-AMP estiver
configurado como Remote Override.
Além da utilização da configuração padrão do Soft ADDAMP usando FC 79, o recurso Adaptive ADD-AMP está
disponível como um recurso de controle avançado. Ele
permite que o controle detecte as condições do sistema e
do regulador de tensão e ativa o recurso Soft ADD-AMP
em reação às condições especificadas. O recurso
Adaptive ADD-AMP é controlado pelos recursos de
Entrada e Saída Programável (PIO) do CL-6, que estão
descritas em mais detalhes na seção Recursos de Controle
Avançados desse manual.
Controle de Supervisão e
Aquisição de Dados (SCADA)
Com seu trocador de derivação, transformador de
potencial e transformador de corrente, o regulador é um
provável candidato para um sistema de Controle de
Supervisão e Aquisição de Dados, onde o serviço de
utilidades precisa ter controle de tensão centralizado para
corte de picos, economia de energia e outros objetivos.
Os reguladores podem ser conectados aos sistemas
SCADA Analógicos, nos quais o regulador é contrlado pelo
fechamento de contato e a realimentação é efetuada via
transdutor de tensão conectado ao circuito de detecção
de tensão do comando do regulador. O comando CL-6
conta com alguns recursos que permitem seu bom
funcionamento nesses tipos de sistema. Para obter
detalhes, veja SCADA Analógico nessa seção.
O comando CL-6 também é capaz de efetuar comunicação
digital bidirecional em tempo real. Para obter detalhes, veja
SCADA Digital nessa seção.
O controle também está bem adaptado ao usuário que
não tem o sistema SCADA, mas tem necessidade de obter
informações detalhadas sobre a carga no barramento ou
no alimentador. Para obter detalhes, veja Recuperação
de Dados e Upload de Configurações.
Recuperação de Dados e Upload de
Configurações
O canal de comunicação nº 1 do comando CL-6 é uma
porta RS232 estilo DB9 localizada na parte frontal do
comando, rotulada como Com 1. Ele permite conexão
temporária a um PC. Utilizando o software CCI, a conexão
permite ao usuário reinicializar todos os valores máximos e
mínimos de medição e posição de derivação, efetuar
upload de configurações específicas para o número de
identificação do comando e visualizar dados. O banco de
dados inteiro do comando pode ser transferido via
download.
A análise dos dados permite que o usuário verifique as
configurações do comando e avalie as condições do
alimentador, como segue:
•No momento do download (medição instantânea)
•Valores máximos e mínimos de demanda desde a última reinicialização (medição da demanda no tempo)
•Perfil dos parâmetros importantes (registrador de perfil)
A taxa de transmissão (baud rate) do Canal nº 1 é selecionável entre 300, 600, 1200, 2400, 4800, 9600, 19200 e
38400 Baud. O ajuste de fábrica é para 9600 Baud.
SCADA Digital
Consulte a seção Recursos de Controle Avançados
para obter informações sobre as interfaces de comunicação e físicas.
81
Comando Série CL-6 Instruções de instalação, operação e manutenção
Segurança do operador local
SCADA Analógico
Por meio do canal de comunicação, o SCADA mestre pode
ler os pontos de dados do comando CL-6, gravar alguns
pontos de dados ou reinicializar alguns pontos de dados.
A técnica de gravação de um ponto de dados é utilizada
para a execução de operações, como alteração de
configurações como tensão de ajuste (Set Voltage) ou
modo de alimentação reversa (Reverse Power Mode),
inibição de operação automática, controle do motor do
trocador de derivação, etc. Uma discussão dos níveis de
segurança utilizados para proteção do operador local é
mostrada a seguir.
O CL-6 pode ser utilizado com sistemas SCADA Analógicos.
As entradas discretas 1 a 3 foram programadas como
padrão (default) para uso como entradas para redução de
tensão e derivação para neutro (Tap-to-Neutral). O painel
traseiro tem provisões para controle remoto do motor,
auto-inibição e conexões de transdutores.
Chave de supervisão
O comando CL-6 é equipado com uma chave Supervisory
On/Off. Quando essa chave está na posição ligada (ON), o
SCADA poderá executar as atividades normais de leitura,
gravação e reinicialização. Quando a chave estiver na
posição desligada (OFF), o SCADA somente poderá ler o
banco de dados. Ela permite a proteção do operador local
no painel frontal, permitindo que o operador do sistema
mantenha a vigilância.
Chave de controle
Se o operador local muda a chave de controle (Auto/
Remote-Off-Manual) para Off ou Manual, os circuitos internos do comando proíbem o SCADA de controlar o motor
do trocador de derivação. Reinicializações e outras gravações serão permitidas.
Nível ativo de segurança do comando
Se o operador local muda o nível ativo de segurança do
comando para 1 ou acima, ou o parâmetro de contorno da
segurança (security override) é configurado para override 1
ou acima, isso não inibirá a atividade do SCADA, Para
inibir gravações e reinicializações do SCADA , o operador
local deverá girar a chave Supervisory switch para a posição Off.
Nota: Um operador local que deseja verificar a operação automática deverá se certificar que o status de bloqueio (Blocking
Status), FC 69, está configurado em Normal.
Nota: As alterações em quaisquer parâmetros de comunicação
entram em vigor de imediato, ao contrário do CL-4C que
exigia o desligamento e religamento para reinicializar esses
parâmetros na placa separada de comunicações de protocolos.
82
Redução de tensão discreta
Durante a redução de tensão, o comando permanece no
modo Automático. Veja as Figuras 6-13 e 6-14 para
conhecer a posição das conexões físicas. Para qualquer
um dos dois modos, Remote Latching e Pulse, uma
tensão nominal de 120 V ca precisa ser fornecida para
qualquer uma ou ambas as entradas discretas 1 e 2 (pinos 10
e 11, respectivamente). As entradas discretas 1 e 2 foram
configuradas como entradas de redução de tensão 1 e 2
como padrão. O usuário pode modificar essa configuração.
Veja a seção Recursos de Controle Avançados:
Entrada e Saída Programável desse manual.
Se o usuário fornece contatos secos, a tensão deverá ser
obtida no Pino 14 da porta de E/S discreta. Essa tensão
precisa somente estará disponível quando a chave do
comando estiver na posição Auto/Remote. Se o usuário
fornece contatos úmidos, as conexões deverão ser efetuadas como mostrado na Figura 6-13.
Modo Remoto Analógico/Latching
Esse recurso é configurado em FC 70. Até três valores
independentes de redução de tensão são possíveis (VR).
Os níveis 1, 2 e 3 são programados em FC 73, FC 74 e FC
75, respectivamente. VR 1 ativa o valor VR programado
em FC 73; a entrada VR 2 ativa o valor VR programado em
FC 74; e a configuração 'latching both contacts' ativa o
valor VR programado em FC 75. Cada um desses códigos
de funções pode ser configurado de 0,1 a 10,0%.
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
Modo Remoto Analógico/Pulso
Esse recurso é configurado em FC 70. Os mesmos
contatos são utilizados para esse modo como mostrado
nas Figuras 6-13 e 6-14, porém os contatos são pulsados
(momentaneamente fechados) em vez de fechados e
travados. O período de cada fechamento e espera entre
fechamentos tem duração prevista de 0,25 segundo.
1
2
3
4
O número de passos da redução pulsada, até 10, é
programado em FC 76. A redução percentual por passo é
programada em FC 77. Começando na redução percentual
zero, cada vez que o contato 1 é pulsado, um passo de
redução será adicionado ao total acumulado.
EXEMPLO: Se o número de passos é 3 e o percentual por
passo é 1,5%, quatro pulsos sucessivos de redução de
tensão provocarão os seguintes percentuais de redução:
1,5; 3,0; 4,5 e 0. Se um passo é pulsado acima do número
programado, a redução retorna a zero. Além disso, todas
as vezes em que a entrada VR 2 é pulsada, a redução
retorna a zero.
5
6
7
8
9
Entrada 1
10
Entrada 2
11
12
13
1
14
2
3
4
5
6
125 Vca
para Terminal G
Figura 6-14.
Conexões de contatos úmidos para os modos
latching e pulsado.
7
Derivação a Neutro
8
Quando ativado, o recurso de derivação a neutro (Tap-toNeutral) automaticamente levará o regulador de tensão para
a posição de neutro e, a seguir, bloqueará a operação
automática, até que o recurso seja desativado. Como
padrão, para ativar esse recurso, FC 170 é configurado
como “On” e uma tensão de 120 Vca será aplicada na
entrada discreta 3. A configuração em FC 170 habilita ou
desabilita a função de derivação a neutro. A opção
'Programmable Input/Output (PIO) tap-to-neutral' ativa ou
desativa o recurso. Como padrão, uma equação de PIO foi
elaborada de modo que e entrada discreta 3 ative o recurso
'PIO tap-to-neutral'. Para obter informações adicionais
sobre PIO, veja Entrada e Saída Programável na seção
Recursos de Controle Avançados desse manual.
9
10
11
12
13
14
Figura 6-13.
Conexões de contatos secos para os modos
latching e pulsado.
83
Comando Série CL-6 Instruções de instalação, operação e manutenção
Controle remoto do motor e Auto-inibição
Configuração alternativa
Nota: A placa de terminais TB8, localizada abaixo do RCT1 no
painel traseiro do comando, é fornecida para fins de
conexões do usuário para Auto-inibição (bloqueio) e
Controle do Motor. Veja a Figura 6-15. Quando o motor
estiver sendo controlado remotamente, é necessário inibir a operação automática. Para controlar a auto-inibição
remotamente, remova o jumper entre os terminais 4 e 5
e forneça uma tensão nominal de 120 Vca ao terminal 5.
Isso irá inibir a operação automática.
O painel do comando CL-6 normalmente opera com um
conjunto de configurações que são programadas ou
alteradas por meio do teclado ou um dos canais de
comunicação disponíveis, utilizando o software CCI (veja a
seção 'Comunicações nos acessórios de controle' desse
manual para obter mais informações sobre o software
CCI). O modo de Configuração Alternativa permite a
programação do comando CL-6 com um conjunto
adicional de configurações que podem ser ativadas em
FC 450. O status Alternate Configuration pode ser
monitorado em FC 451 e exibirá Active ou Inactive.
Para levantar ou abaixar remotamente o trocador de
derivação, o conjunto apropriado de contatos é
momentaneamente fechado. Se os relés interpostos
fornecidos pelo usuário são usados, de modo que não seja
possível fechar os contatos de levantar e abaixar
simultaneamente, o operador deverá efetuar uma conexão
permanente entre TB2-V9 e TB8-2.
G HS R1 L1 NL DHR VS V5
G
TB1
TB2 - V9
TB8
1 2 3 4 5 6 7
M
Alimentação
do Pino 14,
Porta PIO
Levantar Abaixar
8 7 6 5 J V9 V7 BR G VS VM C1 C3 HS R3 L3 NL DHR TB2
Painel traseiro
Figura 6-15.
Conexões de auto-inibição e controle remoto do
motor.
Para unidades fornecidas com o painel
traseiro TB3 (após outrubro de 2010)
Quando o motor estiver sendo controlado remotamente, é
necessário inibir a operação automática. Para controlar
remotamente a auto-inibição, forneça uma tensão
nominal de 120 Vca ao terminal BR (relé de bloqueio) em
TB3. Isso inibirá a operação automática.
Para levantar ou abaixar remotamente o trocador de
derivação, o conjunto apropriado de contatos é
momentaneamente fechado. Recomenda-se a
interposição de um relé fornecido pelo usuário de modo a
evitar o fechamento simultâneo dos contatos de levantar
e abaixar. Uma tensão de 120 Vca é necessária em R1
para levantar ou em L1 para abaixar. A tensão precisa
pode ser obtida do terminal TB3-V9.
84
O modo de configuração alternativa é ativado utilizandose FC 450. O conjunto de configurações alternativas será
ativado e usado como base da operação do comando.
Os parâmetros do comando inclusos no conjunto de
configurações alternativas são: Forward Direction (FC 1 a
FC 5), Reverse Direction (FC 51 a FC 55), Auto-Block
Status (FC 69), Reverse Power Mode (FC 56), Voltage
Limiter (FC 80 a FC 82), Voltage Reduction (FC 70 e FC
72 a FC 75), Tap-To-Neutral (FC 170) e Soft ADD-AMP
(FC 79 e FC 175 a FC 176).
As definições das Configurações Alternativas podem ser
inseridas utilizando-se dois métodos: 1) Ativar o modo
Alternate Configuration em FC 450 e, a seguir, definir as
configurações individuais utilizando cada código de
função. 2) Utilizar o software CCI, inserir as definições
das configurações alter nadas na tela Alter nate
Configuration Setting e carregar as configurações
utilizando um dos canais de comunicação.
Quando o controle estiver em modo Alter nate
Configuration, a exibição de cada um dos parâmetros de
controle afetados incluirá a indicação “(AltConfig)” na
parte inferior. Ela informa que uma definição de
configuração alternativa está ativa e em uso para
operação do comando (veja o exemplo abaixo).
001 Forward
Set Voltage
120.0 Volts
(AltConfig)
Quando o botão Metering-PLUS Comp Voltage é
pressionado, “AltConfig Active” será exibido na linha
inferior, como mostrado no exemplo abaixo.
Comp Voltage
120.0
Band119.0-121.0
Using Func
1-5
AltConfig Active
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
Auto-Restore Local (ARL)
Duas funções adicionais que podem ser habilitadas em
FC 450 são Auto-Restore Local Heartbeat (ARLH) e AutoRestore Local Comms (ARLC). Quando as comunicações
SCADA estão sendo utilizadas para modificação das
configurações básicas, a habilitação de Auto-Restore
Local permitirá reverter as configurações do comando
modificados por meio das comunicações SCADA de volta
às definições originais programadas no comando. Com o
ARLH, as configurações reverterão em caso de perda ou
discontinuidade de um sinal 'heartbeat'. Para ARLC, as
configurações reverterão em caso de perda do sinal de
comunicação. As configurações afetadas pelo ARL são
as mesmas que aquelas listadas para Alternate
Configurations. Quando qualquer função ARL estiver
ativa, o FC 451 exibirá Active.
Para obter informações adicionais sobre a configuração
das comunicações SCADA, entre em contato com o
representante da Cooper Power Systems.
Módulo remoto de redução
de tensão fornecido pelo usuário
Relé
K
Comum
V(IN)
Remover jumper
Entrada/Saída Programável (P.I.O.)
As definições em Alternate Configurations podem ser
habilitadas utilizando P.I.O. Para habilitar definições de
configurações alternativas utilizando P.I.O., Alternate
Configuration (FC 450) deverá ser configurado para P.I.O.
Equações deverão ser criadas utilizando o software CCI
que programa as condições nas quais as definições
Alternate Configuration ficarão ativas. Quando essas
definições estão ativas por causa da lógica de P.I.O., o
status em FC 451 será exibido como Active.
Para obter informações adicionais sobre as definições
Alternate Configuration usando P.I.O., entre em contato
com o representante da Cooper Power Systems.
Conexões de transdutores
Consulte a Figura 10-4. Para monitorar a tensão de carga
(sentido para frente), é possível conectar um transdutor,
entrada de 120 VCA nominais, como segue: Conecte o
condutor energizado do transdutor no terminal V4 em TB1
e seu terminal de terra em G em TB1. Um transdutor de
corrente, entrada 200 mA, poderá ser conectado, como
segue: Feche a chave tipo faca C. Remova o jumper entre
C2 e C4 em TB1, conecte o condutor energizado do
transdutor em C2 e seu condutor de terra em C4 e abra a
chave tipo faca C
V(OUT)
TB1
G
HS
R1
L1
NL DHR
VS
V5
Figura 6-16.
Módulo “Fooler Voltage” típico fornecido pelo usuário.
Esquema de tensão Fooler
A utilização desse método permite que a tensão detectada
pelo controle seja aumentada, "enganando" portanto o
comando na redução da tensão durante sua operação
automática normal. Esse método pode ser utilizado com
os comandos Série CL-6. Um módulo VR, como mostrado
na Figura 6-16, é normalmente fornecido pelo fabricante
da Unidade de Terminal Remoto (RTU). O módulo VR é
normalmente um auto-transformador com derivação e um
relé de indexação acionado por pulsos. Quando conectado
ao painel traseiro do comando como mostrado, a tensão
detectada pelo controle é aumentada à medida que o
módulo é pulsado para derivações superiores.
Como esse método mantém o contole em operação
automática, a Auto-Inibição não será utilizada. Uma
vantagem desse método é que ele pode ser aplicado em
muitos modelos diferentes de comandos de vários
fabricantes. Uma desvantagem é que, enquanto o VR
estiver ativado, a tensão de carga medida estará incorreta,
como todos os outros valores de medição calculados que
usam a tensão de carga. Para evitar os efeitos de
imprecisão de medição, o Modo de Pulso do VR deverá
ser utilizado.
85
Instruções de manutenção, operação e instalação - Comando Série CL-6
Seção 7: Funções de Comando Avançadas
Voltage Limiter High
Out-Of-Band High
Out-Of-Band Low
Voltage Limiter Low
Tapping Blocked
Reverse Power
Voltage Reduction
*Comp * Load * Load * Tap
1
2
3
4
Voltage Voltage Current Position
Figura 7-1.
Análise de operação usando função Metering-PLUS.
Função de Medição-PLUS
A função de Medição-PLUS foi projetada para permitir um
acesso imediato às informações de comando básico. No
teclado de controle, quatro teclas possuem um asterisco
(*), que as identifica como teclas de Medição-PLUS*. Estas
teclas acessam informações sobre a tensão compensada,
tensão de carga, tensão de corrente e posição de
comutação.
Tensão Compensada
Quando a tecla *Comp Voltage (Tensão Compensada)
é pressionada, o LCD irá mostrar a informação seguinte.
A primeira linha mostrar uma representação em tempo real
da tensão compensada. A tensão compensada está
disponível em FC (Código de Função) 8.
A segunda linha é usada para mostrar a a faixa entre
bandas de tensão compensada. A faixa de tensão depende
de quatro parâmetros separados: modo de operação,
direção da energia em medição, tensão configurada, e
largura de banda na direção correspondente da energia
em medição.
86
A terceira linha especifica a faixa de códigos de função
configuráveis que são usados para computar a faixa de
tensão compensada entre bandas e o atraso de tempo
correspondente.
Os LEDs Fora de Banda Alto e Fora de Banda Baixo são
usados para indicar uma condição fora de banda.
EXEMPLO 1:
*Comp
1
Voltage
Voltagem Compensada
125.0
Faixa
119.0-121.0
Usando Funções
1-5
•Tensão compensada = 125,0 V
•Largura de banda P/ frente = 120.0 V
•Largura de banda P/ frente = 2.0 V
•Situação no comando: Fluxo de energia para frente
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
EXEMPLO 2:
EXEMPLO 2:
*Comp
1
Voltage
Voltagem Compensada
115.0
Faixa
108.0-112.0
Usando Funções 51-55
* Load
2
ensão de carga115.0
T
Limitador
121.0
Voltage
•Tensão compensada = 115.0 V
•Tensão de carga = 115.0 V
•Tensão conf. em reverso = 110.0 V
•Modo de limitação de tensão = Apenas limite alto ativo
•Largura de banda em reverso = 4.0 V
•Limite alto de tensão = 121.0 V
•Situação no comando: Fluxo de energia em Reverso
EXEMPLO 3:
EXEMPLO 3:
*Comp
1
Voltage
Voltagem Compensada
123.0
Faixa
119.0-121.0
Usando Funções1-3,54,55
* Load
2
ensão de carga115.0
T
Limitador Desl.
Voltage
•Tensão de carga = 115.0 V
•Tensão compensada = 123.0 V
•Modo de limitação de tensão = Desl.
•Modo de co-geração
Corrente de carga
•Largura de banda P/ frente = 120.0 V
•Largura de banda P/ frente = 2.0 V
•Situação no comando: Fluxo de energia em Reverso
Obs.:
Ao operar no Modo de Co-geração, a medição sempre
opera na direção para a frente exceto quando a tensão
central da carga é calculada tendo como base os ajustes
de compensação de queda de linha quando o limiar de
medição em reverso de 1% é excedido.
Tensão de carga
Quando a tecla *Load Voltage (Tensão de Carga) é
pressionada, o LCD irá mostrar a informação seguinte.
A primeira linha mostrar uma representação em tempo real
da tensão de carga. A tensão de carga está disponível em
FC (Código de Função) 6.
A segunda linha mostra os limites de tensão a serem aplicados pela função de Limitação de Tensão (veja FC 80).
Caso uma faixa de tensão seja mostrada, um limite alto
e baixo é ativado. Um único valor significa que apenas o
limite alto está ativo.
Os LEDs do Limitador Alto de Tensão e Limitador Baixo de
Tensão são usados para indicar que o limitador está ativo.
EXEMPLO 1:
* Load
2
ensão de carga115.0
T
Limitador 119.0-121.0
Voltage
Quando a tecla *Load Current (Corrente de Carga) é
pressionada, o LCD irá mostrar a informação seguinte.
A primeira linha mostrar uma representação em tempo real
da corrente de carga. A corrente de carga está disponível
em FC 9. Esta linha também inclui uma abreviação do fluxo
de energia: "Fwd" corresponde a Forward (Para frente),
"Rev" corresponde a Reverse (Reverso).
A segunda linha mostra o ponto limiar de corrente no qual
o comando ativa a operação, seja ela de para frente para
reverso, ou de reverso para frente. O limiar de corrente é o
produto da capacidade nominal do primário do TC, e a
porcentagem de limiar em reverso.
EXEMPLO: Um regulador 328 A que utiliza um TC com
uma capacidade nominal do primário de 400 A e um valor
de limiar em reverso de 3% suportaria um limiar de corrente de 12 A.
A terceira linha mostra os modos de operação: Travado P/
Frente, Travado em Reverso, Reverso Ocioso, Bidirecional,
Neutro Ocioso, Co-geração, Bidirecional Reativo
Caso a operação automática seja bloqueada, a quarta
linha mostrará a condição de bloqueio. Caso múltiplas
condições de bloqueio existam, a condição de bloqueio
com prioridade maior será mostrada. Consulte a tabela
7-1 para saber sobre os níveis de prioridade das condições de bloqueio.
A condição ilustrada no Exemplo 1 indica que a operação
automática é inibida devido a uma condição aberta que
existe entre os terminais 4 e 5 e bloco de terminais 8.
•Tensão de carga = 115.0 V
•Modo de limitação de tensão = Limites alto e baixo
ativos
•Limite alto de tensão = 121.0 V
•Limite baixo de tensão = 119.0 V
87
Instruções de manutenção, operação e instalação - Comando Série CL-6
Tabela 7-1
Níveis de Prioridade de Condições de Bloqueio
N í v e l
(1 = Maior)
Condição de Bloqueio Automático
1
2
3
4
5
Chave de Função de Comando está em posição Desl. ou Manual .
Comutação a Neutro habilitada.
Tensão aplicada ao terminal 5, TB 8.
Bloquado devido à ajuste de configuração encontrado em FC 69.
Bloqueado devido ao modo de fluxo de energia reverso.
EXEMPLO 1:
* Load
3
Current
orrente de carga
C
600 P/
Frente
Limiar de Corrente12
ModoBidirecional
Bloqueado:TB8-4&5
•Corrente de carga = 600 A
•Fluxo de energia para frente
•Corrente de limiar em reverso = 12 A
•Modo de operação bidirecional
•Tensão aplicada ao Terminal 5, Bloco de Terminais no.
8. (Veja Comando remoto de motores e Auto inibição.)
EXEMPLO 2:
* Load
3
Current
orrente de carga200
C
Rev
Limiar de Corrente 2
ModoBidirecional
•Corrente de carga = 200 A
•Fluxo de energia em Reverso
•Corrente de limiar em reverso = 2 A
•Modo de operação bidirecional
•Comutação automática não é inibida
Posição de comutação
Quando a tecla *Tap Position (Posição de Comutação)
é pressionada, o LCD irá mostrar a informação seguinte.
A primeira linha mostra a posição de comutação atual. A
posição neutra de comutação é representada como "0".
Posições de comutação menores que zero são exibidas
com um sinal negativo; as posições de comutação acima
de não possuem sinal.
A segunda linha é usada para indicar quando o comutador
alcançou um limite de Soft ADD-AMP ou limite ADD-AMP
no Indicador de Posição (P.I) configurado pelo usuário. No
Exemplo 1, a segunda linha está em branco porque o
comutador não está em um limite de ADD-AMP.
Caso a função Soft ADD-AMP seja acionada, a terceira
linha será usada para mostrar os limites correspondentes
de Soft ADD-AMP.
A quarta linha é usada para mostrar os ajustes de ADD-AMP
físicos no P.I. que correspondem ao indicador físico de posição.
88
Texto no visor LCD (linha 4)
Bloqueado: Chave de Controle
Bloqueado:Comutação a Neutro
Bloqueado: TB8-4&5
Bloqueado:Cód. Func. 69
Bloqueado: Modo Energia Rev
Obs.: ADD-AMP físico sempre tem prioridade sobre o soft (configurável pelo comando).
EXEMPLO 1:
*
4
Posição de comutação8
Tap
Position
SOFT-ADD-AMP -12, 14
P.I. ADD-AMP -14, 16
•Posição atual de comutação = 8 Aumento
•Função Soft ADD-AMP = Ligada
•Função Soft ADD-AMP limite inferior de comutação =
-12
•Função Soft ADD-AMP limite superior de comutação =
14
•P.I. Configurado pelo usuário - ADD-AMP limite inferior
de comutação = -14
•P.I. Configurado pelo usuário - ADD-AMP limite alto de
comutação = 16
EXEMPLO 2:
*
4
Tap
Position
Posição de comutação-12
Em Limite
SOFT-ADD-AMP -12, 14
P.I. ADD-AMP -14, 16
•Posição atual de comutação = 12 Aumento
•Comutador em limite ADD-AMP
•Função Soft ADD-AMP = Ligada
•Função Soft ADD-AMP limite inferior de comutação =
-12
•Função Soft ADD-AMP limite superior de comutação =
14
•Limite inferior externo de comutação configurado pelo
usuário = -14
•Limite superior externo de comutação configurado
pelo usuário = 16
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
EXEMPLO 3:
*
4
Tap
Position
EXEMPLO 5:
Posição de comutação0
*
4
Tap
Position
P.I. ADD-AMP -14, 16
Posição de comutação15
Em Limite
P.I. ADD-AMP -14, 12
•Posição atual de comutação = Neutra
•Posição atual de comutação = 15
•Função Soft ADD-AMP = Desligada
•Comutador acima do limite ADD-AMP
•Limite inferior externo de comutação configurado pelo
usuário = -14
•Função Soft ADD-AMP = Desligada
•Limite superior externo de comutação configurado
pelo usuário = 16
EXEMPLO 4:
*
4
Tap
Position
Posição de comutação14
Em Limite
SOFT-ADD-AMP -12, 14
P.I. ADD-AMP -14, 14
•Limite inferior externo de comutação configurado pelo
usuário = -14
•Limite superior externo de comutação configurado
pelo usuário = 12
Obs.: O limite superior de comutação "P.I. ADD-AMP" configurado pelo usuário não corresponde ao ajuste físico do
limite de comutação no indicador de posição. Assumindo
que a posição atual de comutação esteja correta, o limite físico superior do P.I. deve estar na posição 16.
•Posição atual de comutação = 14
•Comutador em limite ADD-AMP
•Função Soft ADD-AMP = Ligada
•Função Soft ADD-AMP limite inferior de comutação = -12
•Função Soft ADD-AMP limite superior de comutação = 14
•Limite inferior externo de comutação configurado pelo
usuário = -14
•Limite superior externo de comutação configurado
pelo usuário = 14
Obs.:
Tanto a função Soft ADD-AMP quanto o ajuste físico de
ADD-AMP no indicador de posição irá evitar quaisquer
mudanças de comutação baixa posteriores. Esta conclusão se baseia na expectativa que os ajustes de configuração de ADD-AMP no P.I., feitos pelo usuário, correspondem aos ajustes físicos de limite no indicador de
posição.
Esta condição poderá ocorrer caso os limites de ADDAMP no P.I. configurados pelo usuário não correspondam aos ajustes físicos de posição de comutação ADDAMP no P.I. Neste exemplo, o regulador está na posição
15 de comutação, e mesmo assim, o limite superior de
ADD-AMP no P.I configurado pelo usuário está em 12. O
comando irá avançar o comutador além dos limites configurados pelo usuário, desde que as chaves mecânicas de
fim de curso no P.I. não impeçam esta operação. Caso o
comutador esteja em, ou além, do limite "P.I ADD-AMP"
configurado pelo usuário, At Limit (no limite) irá aparecer
na segunda linha.
Cartão Flash Compacto
O comando da série CL-6 possui uma entrada para cartão
flash (CF) compacto localizada na frente do comando. Esta
entrada permite ao operador importar configurações para
o comando ou salvar ajustes e dados do comando. Além
disso, as atualizações de firmware são carregadas com
um cartão flash. (Firmware é o programa [software] presente no comando que fornece algoritmos de funcionalidade ao hardware. Atualizações de firmware são fornecidas pela fábrica quando as revisões são necessárias.)
Cartões CF, prontamente disponíveis na maioria das lojas
de eletrônicos, são amplamente aceitos por dispositivos
de memória. A entrada do cartão CF foi projetada e testada com um cartão SanDisk® Tipo I CompactFlash®.
Cartões de outros fabricantes poderão funcionar, mas
seus desempenhos não foram avaliados. Quando o
comando salva dados no cartão CF, os arquivos variam
em tamanhos de 20 a 90 KB, dependendo do que está
sendo salvo. Cartões CF de qualquer tamanho poderão
ser usados, e um cartão CF padrão de 32 MB é capaz de
armazenar centenas destes arquivos.
O cartão flash compacto substitui o Leitor de Dados CPS.
Um leitor/gravador externo de cartões flash é necessário
para permitir que os dados sejam transferidos para um
computador. Determine o tipo apropriado de leitor/gravador, disponível na maioria das lojas de eletrônicos, de acordo
com a configuração do seu computador.
89
Instruções de manutenção, operação e instalação - Comando Série CL-6
Salvar Configurações Padrão, FC 354
A função Salvar Configurações Padrão salva todos os
dados de ajustes e configurações em um arquivo de nome
"STANDARD.CFG".
EXEMPLO: STANDARD.CFG
Após inserir um cartão CF, acesse FC 354. Aperte Enter.
O LCD do comando irá mostrar (CONFIRM). Aperte Enter
novamente para confirmar. O LED Flash Card Active
(Cartão Flash Ativo) irá se acender, o display LCD irá mostrar (SAVING [SALVANDO]...), e o comando irá gravar os
dados de configuração em um arquivo no cartão CF. Ao
término, o comando irá mostrar (SAVING COMPLETE
[GRAVAÇÃO COMPLETA]) O cartão CF poderá ser removido após a visualização desta mensagem.
Caso o comando tenha sido completado, porém com
erros, uma mensagem (SAVING FAILED [ERRO NA
GRAVAÇÃO]) será mostrada na quarta linha do LCD. Caso
o comando esteja em progresso e seja abortado pela tecla
ESC, uma mensagem (WRITING ABORTED [GRAVAÇÃO
ABORTADA]) será mostrada na quarta linha do LCD.
Salvar Configurações Customizadas, FC 353
Figura 7-2.
Inserindo cartão flash compacto na entrada.
Ao inserir um cartão CF na entrada, o operator tem a chance de transferir facilmente para e do comando. Tenha cautela ao inserir o cartão CF na entrada do cartão; não tente
forçar o cartão em sua entrada. Alinhe o cartão na guia,
com o conector voltado para o comando; consulte a Figura
7-2. Quando o cartão CF estiver adequadamente colocado,
o LED Flash Card Active (Cartão Flash Ativo), irá piscar.
Caso um cartão CF não esteja inserido e uma das funções
CF seja acessada, uma mensagem de erro aparecerá no
display.
Funções do Cartão Flash
Gravador de Dados, FC 350
O Gravador de Dados salva todos os dados presentes no
comando (dados de medição, ajustes, configurações, etc.)
em um arquivo com o formato "regulator ID-reading #.DAT.
EXEMPLO: 12345-001.DAT
Após inserir um cartão CF, acesse FC 350. Aperte Enter.
O LCD do comando irá mostrar (CONFIRM). Aperte Enter
novamente para confirmar. O LED Flash Card Active
(Cartão Flash Ativo) irá se acender, o display LCD irá mostrar (WRITING [GRAVANDO]...), e o comando irá gravar o
dado em um arquivo no cartão CF. Ao término, o comando
irá mostrar (WRITING COMPLETE [GRAVAÇÃO
COMPLETA]) O cartão CF poderá ser removido após a
visualização desta mensagem.
Caso o comando tenha sido completado, porém com
erros, uma mensagem (WRITING FAILED [ERRO NA
GRAVAÇÃO]) será mostrada na quarta linha do LCD. Caso
o comando esteja em progresso e seja abortado pela tecla
ESC, uma mensagem (WRITING ABORTED [GRAVAÇÃO
ABORTADA]) será mostrada na quarta linha do LCD.
90
A função Salvar Configurações Customizadas salva todos
os dados de ajustes e configurações em um arquivo com
o formato "regulator ID-reading #.CFG".
EXEMPLO: 12345-001.CFG
Após inserir um cartão CF, acesse FC 353. Aperte Enter.
O LCD do comando irá mostrar (CONFIRM). Aperte Enter
novamente para confirmar. O LED Flash Card Active
(Cartão Flash Ativo) irá se acender, o display LCD irá mostrar (SAVING [SALVANDO]...), e o comando irá gravar os
dados de configuração em um arquivo no cartão CF. Ao
término, o comando irá mostrar (SAVING COMPLETE
[GRAVAÇÃO COMPLETA]) O cartão CF poderá ser removido após a visualização desta mensagem.
Caso o comando tenha sido completado, porém com
erros, uma mensagem (SAVING FAILED [ERRO NA
GRAVAÇÃO]) será mostrada na quarta linha do LCD. Caso
o comando esteja em progresso e seja abortado pela tecla
ESC, uma mensagem (WRITING ABORTED [GRAVAÇÃO
ABORTADA]) será mostrada na quarta linha do LCD.
Carregar Configurações Padrão, FC 352
A função de Carregar Configurações Padrão carrega
todos os dados de ajustes e configurações do arquivo
rotulado com o arquivo nomeado "STANDARD.CFG".
EXEMPLO: STANDARD.CFG
Após inserir um cartão CF, acesse FC 352. Aperte Enter.
O LCD do comando irá mostrar (CONFIRM). Aperte Enter
novamente para confirmar. O LED Flash Card Active
(Cartão Flash Ativo) irá se acender, o display LCD irá mostrar (LOADING [CARREGANDO]...), e o comando irá carregar os dados de configuração do cartão CF. Ao término,
o comando irá mostrar (LOADING COMPLETE
[CARREGAMENTO COMPLETO]) O cartão CF poderá ser
removido após a visualização desta mensagem.
Caso o comando tenha sido completado, porém com
erros, uma mensagem (LOADING FAILED [ERRO NO
!
SEGURANÇA
PARA A VIDA
CARREGAMENTO]) será mostrada na quarta linha do
LCD. Caso o comando esteja em progresso e seja abortado pela tecla ESC, uma mensagem (LOADING ABORTED
[CARREGAMENTO ABORTADO]) será mostrada na quarta
linha do LCD.
Carregar Configurações Customizadas, FC 351
A função de Carregar Configurações Customizadas carrega todos os dados de ajustes e configurações do arquivo
rotulado com o arquivo nomeado "regulator ID-reading #.
CFG".
EXEMPLO: 12345-001.CFG
Após inserir um cartão CF, acesse FC 351. Aperte Enter.
O LCD do comando irá mostrar (CONFIRM). Aperte Enter
novamente para confirmar. O LED Flash Card Active
(Cartão Flash Ativo) irá se acender, o display LCD irá mostrar (LOADING [CARREGANDO]...), e o comando irá carregar os dados de configuração do cartão CF. Ao término, o
comando
irá
mostrar
(LOADING
COMPLETE
[CARREGAMENTO COMPLETO]) O cartão CF poderá ser
removido após a visualização desta mensagem.
Caso o comando tenha sido completado, porém com
erros, uma mensagem (LOADING FAILED [ERRO NO
CARREGAMENTO]) será mostrada na quarta linha do
LCD. Caso o comando esteja em progresso e seja abortado pela tecla ESC, uma mensagem (LOADING ABORTED
[CARREGAMENTO ABORTADO]) será mostrada na quarta
linha do LCD.
S225-11-1P
configurações padrão e customizadas, têm o mesmo
significado conforme o descrito para as FC 351 até 354.
Os FC 357 até FC 360 se aplicam ao carregamento e
salvamento de ajustes padrão ou customizados de
Configurações Básicas. Os ajustes de Configurações
Básica incluem todos os ajustes de regulagem de tensão
inseridos com o uso de um teclado de comando, exceto
para os ajustes de comunicações.
Os FC 361 até FC 364 se aplicam ao carregamento e
salvamento de ajustes padrão ou customizados de
Configurações de Funções Avançadas. Os ajustes de
Configuração de Funções Avançadas incluem ajustes de
Histogramas, Registradores de Alarme e Eventos, Dados
de Perfil, I/O Programável, e Líder/Seguidor.
Os FC 365 até FC 368 se aplicam ao carregamento e
salvamento de ajustes padrão ou customizados de ajustes
Configurações de Comunicação. Os ajustes de configuração
de Comunicação incluem todos os ajustes relacionados às
comunicações.
Uma lista destes ajustes pode ser
encontrada na Tabela 5-2 em *Funções/*Comunicações.
Veja a lista de funções na tabela 5-3.
Formatar Cartão Flash Compacto, FC 355
A função Formatar Cartão Flash Compacto apaga efetivamente todos os dados em um cartão CF e prepara o cartão para o uso nos comandos da séries CL-6. Um cartão
que não foi formatado para o uso no CL-6 poderá não
funcionar no comando (ex.: cartões usados para armazenar fotos digitais, etc.)
Após inserir um cartão CF, acesse FC 355. Aperte Enter.
O LCD do comando irá mostrar (CONFIRM). Aperte Enter
novamente para confirmar. O LED Flash Card Active
(Cartão Flash Ativo) irá se acender, o display LCD irá
mostrar (FORMATTING [FORMATANDO]...), e o comando
irá fomatar o cartão CF. Ao término, o comando irá mostrar
(FORMATTING COMPLETE [FORMATAÇÃO COMPLETA])
O cartão CF poderá ser removido após a visualização
desta mensagem.
Caso o comando tenha sido completado, porém com
erros, uma mensagem (FORMATTING FAILED [ERRO NA
FORMATAÇÃO]) será mostrada na quarta linha do LCD.
Caso o comando esteja em progresso e seja abortado
pela tecla ESC, uma mensagem (FORMATTING ABORTED
[FORMATAÇÃO ABORTADA]) será mostrada na quarta
linha do LCD.
Outras Funções de Cartão Flash Compacto
Existem outras funções de Cartão Flash Compacto
disponíveis, desde o FC 357 até o FC 368. Cada uma das
funções permite que se salve ou carregue subconjuntos de
ajustes de comando e comunicações, tanto como
operações padrão quanto customizadas. As funções e
carregamento e salvamento juntamente com as
91
Instruções de manutenção, operação e instalação - Comando Série CL-6
Comunicações
Protocolos
A comunicação pode ser feita com o CL-6 com ou uso de
software CCI ou protocolos tais como DNP3 ou 2179. O
software CCI, usado com um PC, pode fornecer uma
conexão local temporária com o comando.
Existem dois protocolos residentes no comando CL-6:
2179 e DNP3. Enquanto apenas um protocolo pode ser
selecionado para um única porta Com por vez, as duas
portas Com podem ser configuradas para protocolos
diferentes. Ambos protocolos são altamente configuráveis.
Portas de Comunicação
Existem três portas físicas de comunicação com o comando CL-6.
A porta de comunicação Com1 é para um uso de conexão
local temporária com o comando. A conexão é feita com
a Com1 se usando um cabo RS-232 padrão de 9 pinos
ligado ao conector fêmea RS-232 DCE de 9 pinos, localizado na frente do controle. As configurações de porta são
configuradas nos FC 60 até FC 67, FC 266 e FC 267.
Quando usar um software CCI, as modificações não são
normalmente necessárias para estas configurações.
A porta de comunicação Com2 é para um uso de conexão
permanente com o comando. A conexão é feita com o uso
de um cartão auxiliar de comunicação opcional, instalado no
painel traseiro dentro do invólucro do comando, tais como o
acessório de fibra ótica/RS-232. Os ajustes de porta são
configurados nos FC 160 até FC 169, FC 268 e FC 269.
A porta de comunicação Com3 é para um uso de conexão secundária permanente com o comando. A porta
compartilha sua fonte de dados com a porta Com1 e se
tornará inativa caso uma conexão local seja feita à porta
Com1. Com 2 e Com3 poderão estar ativas simultaneamente, e poderão se comunicar com duas estações mestras separadas. Os ajustes para estar porta estão são
configurados pelos FC 60 até 67.
Existem dois endereços lógicos DNP3 para cada porta.
Normalmente, o endereço remoto 2 da porta é usado apenas pelo software CCI para configuração. O endereço
remoto 1 da porta é designado para servir de interfações
com estações mestras. É possivel ter duas estações mestras separadas em comunicação com o dispositivo, através de um única porta de comunicação.
Dependendo do sistema de comunicação no qual o
comando está sendo implementado, a sincronização de
comunicação poderá precisar ser modificada. O parâmetro
do tempo de sincronização define um período de tempo
que o comando deve permanecer ocioso antes de reconhecer o início de uma mensagem. A quantidade de tempo de
sincronização poderá precisar ser aumentada quando o
comando é colocado em configuração de loop (anel) com
mais de três controles; consulte as Figuras 7-3 e 7-4.
DADOS
RECEBIDOS
RXD
Um ajuste do mapa 2179 dos pontos ordinais do
"USUÁRIO" e um ajuste do dicionário de dados DNP3 do
"USUÁRIO" também estão disponíveis. Estes podem ser
configurados por comunicação remota, incluindo software
CCI. Isto permite ao usuário criar um map para criar a
correspondência de outros equipamentos existentes ou
otimizar o seu sistema, conforme o necessário. Parâmetros
relacionados a DNP-3, incluindo configuração de Classe, e
bandas mortas (deadbands), também poderão ser
configurados por comunicações.
Entrada e Saída Programáveis
Entrada e Saída Programáveis (I/O Programáveis ou PIO) é
uma ferramenta poderosa, já que fornece ao usuário os
meios de se configurar equações lógicas gerais. Estas
equações lógicas poderão ser usadas para executar
funções SCADA discretas, modificar funções de controle,
ou adicionar pontos de dados. As PIO podem ser
configuradas por comunicação remota, incluindo software
CCI. A configuração de PIO está disponível via protocolos
de comunicação digital 2179 ou DNP3.
Para configurar PIO, o usuário deverá selecionar antes a
saída a ser executada. Então, a forma lógica da equação
será escolhida. Operações lógicas padrão, AND, OR,
poderão ser usadas na equação. Um usuário mais
avançado poderá também adicionar If-Then, If-Else,
If-Else-If e formas condicionais baseadas em Timers,
dentro das funções de I/O programáveis. Finalmente, as
entradas para a equação serão escolhidas. Um total de
dezoito entradas lógicas diferentes poderão ser incluídas
em uma expressão. As entradas ou saída da expressão
poderão ser invertidas logicamente.
TEMPO DE SINCR.
MENSAGEM
TEMPO DE SINCR.
MENSAGEM
DADOS TRANSMITIDOS
TXD
Figura 7-3.
Mensagem recebida pelo comando CL-6A; mensagem não é para o comando CL-6A.
92
O mapa 2179 de pontos ordinais é selecionado no FC 266
e o dicionário de dados DNP3 é selecionado no FC 267.
Ao se alterar do padrão CL-6 para o CL-5E ou CL-5D, o
comando irá aparentar como um CL-5E ou CL-5D para
uma estação mestre. Portanto, a estação mestre não precisa ser atualizada, a menos que algumas das novas funções, não disponíveis nos comandos mais antigos, precisem ser acessadas por comunicações remotas.
DADOS
RECEBIDOS
RXD
MENSAGEM
MENSAGEM
Figura 7-4.
Mensagem recebida pelo comando CL-6; mensagem não é para o comando CL-6.
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
Entradas e Saídas
Saídas
Controle de Portas
Saídas Discretas (Saídas de Uso Geral 1-4)
LED Definido pelo Usuário
Comando do Comutador (Aumento, Redução, Comutação
para Neutro)
Redução de Tensão Entradas 1 e 2
PMT Modo B Entrada Escrava (Slave)
Habilitar Histogramas, Gerador de Perfil, Eventos ou Alarmes
Formas do Usuário 1-20
Equações Intermediárias do Usuário 1-4
LoopShare (Compartilhamento de Laços) Habilitado
Líder/Seguidor Habilitado
Soft ADD-AMP
AltConfig
Status de Porta
Porta 1 (Estados de Entrada Física)
Reset do Ponteiro de Arraste Ligado
Posição Neutra
Relé de Bloqueio
Entradas Discretas (Entradas de Uso Geral 1-4)
Chave de Aumento de Comutação Ativa
Chave de Redução de Comutação Ativa
Chave Supervisora Ligada
Chave de Força é Interna
Chave de Força é Externa
Status de Chave de Função de Comando (Auto, Manual,
Desligado)
Porta 1 Saída Mestre PMT Modo B
Porta 2 (Comando vindo da porta de comunicações porta 2)
Comutação de Aumento
Comutação de Redução
Entradas
Comutação a Neutro
Status do Módulo (estados percebidos do
controle-processador)
Funções Habilitadas (Eventos, Alarmes, Histogrames,
Gerador de Perfil, Compartilhamento de Laço, Líder
Seguidor)
Alarmes Ativos
Indicadores de Status (Comutação Bloqueada, Energia
Reversa, etc.)
Status de Função de Controle
Comutação em Neutro
Nenhum Volt de Entrada Detectado
Entradas de Comunicações Digitais do Usuário (00 to 32)
Porta 3 (Comando vindo da porta de comunicações porta
1 ou 3)
Comutação de Aumento
Comutação de Redução
Nenhum Volt de Saída Detectado
Alarmes Status
Status PMT
Todos Alarmes de Status disponíveis
Erros de Sistema
Alarmes de Dados
Módulo de Controle (estados decididos
pela CPU de comando)
Todos Alarmes de Dados disponíveis
Funções Habilitadas (Eventos, Alarmes, Histogramas,
Gerador de Perfil)
Saídas Discretas (Saídas de Uso Geral 1-4)
Supervisor Ativo
Entrada de Comutação a Neutro Ativa
Entrada Analógica 1 de Redução de Tensão Ativa
Entrada Analógica 2 de Redução de Tensão Ativa
PMT Modo B Entrada Escrava (Slave) Ativa
Habilitar Compartilhamento de Laço (Loop)
Líder/Seguidor Habilitado
Compartillhamento de Laço (Loop) Ativo
Porta 1 Marcada
Controle de Portas
LED Definido pelo Usuário
Comando do Comutador (Aumento, Redução, Comutação
para Neutro)
Redução de Tensão Entradas 1 e 2
PMT Modo B Entrada Escrava (Slave)
Funções Habilitadas (Eventos, Alarmes, Histogramas,
Gerador de Perfil, Compartilhamento de Laço, Líder
Seguidor, Soft ADD-AMP, AltConfig)
Formas do Usuário 1-20
Equações Intermediárias do Usuário 1-4
Porta 2 Marcada
Porta 3 Marcada
93
Instruções de manutenção, operação e instalação - Comando Série CL-6
Entradas e Saídas Discretas
(I/O Auxiliar)
O CL-6 fornece ao usuário quatro entradas discretas e
quatro saídas discretas (contatos forma C); veja as Figuras
7-6 e 7-7. O usuário pode programar o CL-6 para usar
estados de entrada discretas. assim como outras
condições lógicos internas, para determinar a operação do
comando. Desta forma, o usuário poderá programar o
CL-6 para alternar entre estados de saída discreta
baseados em lógica de controle interno.
Obs.: Caso o CL-6 esteja sendo usado em uma aplicação CRA,
o usuário poderá configurar entradas discretas de 1 a 3.
A quarta entrada discreta deverá ser reservado para uso
do comando.
EXEMPLO:
Uma utilidade detectou que a chave de função de
comando e chave supervisora foram deixadas em posições
incorretas para uma função normal. A utilidade escolheu o
LED Definido pelo Usuário para ser a saída de uma
equação PIO. Elas usaram uma equação padrão com o
operador lógico OR. Por último, elas escolheram entradas
como a Chave Supervisora Ligada (Invertida) e a Chave
Auto/Remote de Status de Controle (Invertida). Consulte
a Figura 7-5.
Figura 7-6.
Conector de Entrada e Saída Discreta
Supervisor Ligado
OU
Chave de Comando Auto/Remoto
Figura 7-5.
Diagrama Lógico para o Exemplo I/O.
94
LED do Usuário Ligado
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
Isolação
Ótica
Pino 10
ENTRADA 1
Relé
Pino 1
Normalmente ABERTO
SAÍDA 1
Pino 2
Normalmente FECHADO
Pino 11
ENTRADA 2
Pino 3
Normalmente ABERTO
Pino 12
ENTRADA 3
SAÍDA 2
Pino 4
Normalmente FECHADO
Lógica de
Controle
Pino 13
ENTRADA 4
Pino 5
Normalmente ABERTO
SAÍDA 3
Painel de
Potência
Pino 6
Normalmente FECHADO
Conector de 14 Pinos
de Fileira Única
Pino 7
Normalmente ABERTO
1
SAÍDA 4
2
Pino 8
Normalmente FECHADO
3
4
5
Pino 9
Comum
6
7
8
9
10
11
12
13
14
Pino 14
Fusível do Motor
Tensão de
Controle
V Fonte
120 V vindo de
Interno ou Externo
Chave Manual
Auto-Desl.na Posição
Auto/Remoto
Figura 7-7.
Conexões I/O discretas.
95
Instruções de manutenção, operação e instalação - Comando Série CL-6
Alarmes
Erro de Autoteste Energia Ligada
Um alarme é uma sinalização (flag) binária (Lig./Desl/) que é
ativa quando uma condição definida pelo usuário é verdadeira. O status de um alarme pode ser visto no visor ou através
das comunicações, including o software CCI. Alarmes
podem ser configurados apenas via comunicações.
Líder LF Incapaz de Operar
O usuário pode definir a prioridade de um alarme para
fazer com que o LED de Alarme, LED de Aviso ou LED
nenhum, se acenda. A prioridade designada do alarme
também determina a ordem na qual os alarmes seram
visualizados pelo visor.
Configurar um Alarme de Supervisor Ativo a ser invertido com
uma Prioridade de 25 irá fazer o LED de Alarme piscar sempre que a Chave Supervisora estiver na posição de Desligado.
•Designar uma Prioridade de 0-50 irá fazer com que o
LED de Alarme se acenda quando a condição de alarme for ativada.
•Designar uma Prioridade de 51-100 irá fazer com que
o LED de Aviso se acenda, quando a condição de
alarme for ativada.
•Designar uma Prioridade de 100-127 não fará o LED
se acender, mas a condição poderá ser vista no visor
ou através das comunicações quanto a condição de
alarme estiver ativa.
Um temporizador (timer) também pode ser configurado
para cada alarme. Isto permitirá ao alarme se tornar ativo
apenas após que o temporizador (em segundos) se expire.
Quando um alarme se torna ativo, a ele é atribuído o estado de Não Reconhecido. Caso o alarme tenha sido configurado para acender um LED, o LED irá piscar enquanto
que o alarme estiver como Não Reconhecido. Para reconhecer um alarme, o usuário deverá entrar Alarme >
Alarme Ativos Não Reconhecidos via menu, visualizar o
alarme e pressionar a tecla Enter duas vezes. Caso o
alarme tenha sido configurado para acender um LED e
tenha sido reconhecido, a luz permanecerá ligada continuamente. O alarme será desligado sempre que a configuração de alarme não for mais verdadeira.
O comando poderá também registrar um evento ou tirar
uma foto rápida (snapshot) de perfil sempre que um alarme
se tornar ativo ou inativo. O comando contém dois tipos
de alarmes configuráveis pelo usuário: Alarmes de Status
de Alarmes de Dados.
O tipo de Alarme de Status é ativado tendo como base
a condiçao de um parâmetros binário (Lig./Desl.) Por
padrão, os Alarmes de Status se tornam inativos quando
o parâmetro está Ligado. O alarme, entretanto, poderá ser
invertido de forma que se torne ativo quando o parâmetro
está Desligado. A seguir está uma lista de alguns dos
parâmetros disponíveis para os Alarmes de Status:
Supervisor Ativo
Fluxo de energia em Reverso
Nenhum Volt de Entrada Detectado
Nenhum Volt de Saída Detectado
Comutação em Neutro
Problema no Motor
Configuração Alternativa Ativa
EXEMPLO:
O tipo de Alarme de Dados é ativado tendo como base a
condição de um parâmetro analógico (numérico) que
esteja acima ou abaixo de um valor de Limiar (Threshold).
Os contadores de operação de valores de medição estão
disponíveis como Alarmes de Dados. A seguir está um lista
de alguns dos Alarmes de Dados disponíveis:
Nível Alto de Tensão Carga Secundária
Nível Baixo de Tensão Carga Secundária
Nível Alto de Tensão Fonte Secundária
Nível Baixo de Tensão Fonte Secundária
Nível Alto de Tensão Compensada
Nível Baixo de Tensão Compensada
Nível Alto de Tensão Carga Primária
Nível Baixo de Tensão Carga Primária
Nível Alto de Tensão Fonte Primária
Nível Baixo de Tensão Fonte Primária
Nível Alto de Tensão de Salto / Aumento
Nível Baixo de Tensão de Salto / Aumento
Nível Alto de Corrente de Carga
Nível Baixo de Corrente de Carga
Fator de Potência Baixo
Posição de Comutação Alta
Posição de Comutação Baixa
Nível Alto de Contador de Total de Operações
Nível Alto de Contagem de Operações Últimas 24 Horas
EXEMPLO: Configurar um Alarme de Nível Baixo de
Voltagem Compensada com um Limiar de 115 V com uma
Prioridade de 75 irá fazer o LED de Aviso piscar sempre
que a voltagem compensada estiver abaixo de 115 V.
Eventos
Um Evento é um registro com marcação de tempo de uma
condição de Alarme. Os últimos cinquenta Eventos
podem ser vistos no visor a o usar o item '_Events' no
menu, em *Alarms/Events. Os últimos 300+ Eventos
podem ser vistos através das comunicações. Os eventos
são armazenados em uma memória não volátil.
Limite de Tensão Ligado
Gerador de Perfis
Anunciador de Regulador Bloqueado
O Gerador de Perfis de Dados registra o estado atual de
parâmetros escolhidos pelo usuário em uma memória não
Anunciador de Redução de Tensão Ligada
96
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
volátil, em intervalos regulares. O Gerador de Perfis de
Dados podem ser visto e configurado apenas através das
comunicações. O usuário pode decidir criar tantos perfis
quanto quiser dos parâmetros instantâneos e de demanda
(presentes). O usuário pode configurar o intervalo de
amostragem de 1 minuto para 1 dia. Quanto maior o
número de parâmetros escolhidos e mais rápido for o
intervalo de amostragem, menos tempo total irá passar
antes que os registros comecem a ser sobreescritos.
EXEMPLO:
Escolher que 10 parâmetros sejam amostrados a cada 10
minutos irá fornecer 4.460 amostras ou mais de 30 dias,
antes que os dados comecem a ser sobrescritos. Enquanto
escolher que 40 parâmetros sejam amostrados a cada 5
minutos, fará com que o Gerador de Perfis de Dados forneça 1550 amostras ou mais de 5 dias, antes que os
dados comecem a ser sobrescritos.
Outra consideração a ser feita quando for configurar o
gerador de perfis é de que a amostragem de parâmetros
desnecessários ou em uma frequência desnecessária
poderá diminuir a vida útil da memória não volátil no
comando. A vida útil da memória não-volátil quando
registrando amostras de 10 parâmetros a cada 10 minutos,
sob condições normais, será de mais de 100 anos
Figura 7-9.
Histograma de amostra.
O comando cria divisões conforme exibido na Figura 7-8.
Histogramas
O comando então faz amostragens de cada um destes
parâmetros uma vez por minuto, e incrementa a divisão
apropriada. O valor máximo e mínimo do parâmetro
amostrado é também armazenado nos dados de
histograma (observe que estes valores podem não se
igualar aos valores altos e baixo na seção de medição de
demanda, devido à amostragem usada).
Os histogramas oferecem ao usuário um método visual
rápido para o entendimento da operação do regulador de
voltagem. Os dados e configuração do histograma podem
ser acessados apenas através das comunicações. Os
dados de histograma são feitos para serem vistos na
forma de gráficos de barra. Os dados estão disponíveis
para Regulação de Porcentagem e os seguintes parâmetros de demanda de Para Frente e Reverso:
Após a passagem de um período de tempo, o histograma
para este exemplo está exibido na Figura 7-9, ao se usar
um software CCI para sua visualização. O Histograma de
amostra sugere que a tensão compensada está variando
muito. A causa desta variação deve ser investigada.
Causas possíveis incluem um sistema instável de tensão
de alimentação, ajustes impróprios de comando, ou uma
carga com grande variação.
•Corrente de Carga Primária
•Tensão de Carga Secundária
•Tensão de Fonte Secundária
•Tensão Compensada Secundária
•kVA de Carga
•kW de Carga
•kvar de Carga
O histograma também é configurado através das comunicações. O usuário configura um limite alto e baixo para
cada parâmetro, criando assim uma faixa de valores aceitáveis. O comando divide esta faixa em 10 divisões iguais,
e mais uma divisão Acima e outra Abaixo, para um total de
doze divisões; veja a Figura 7-8.
EXEMPLO:
O usuário determina um limite baixo de 118 V e um limite
alto de 122 V para o parâmetro de Tensão Compensada.
Figura 7-10.
Amostra de gráfico de barras TIME-ON-TAP.
Abaixo
118.0 a
118.4 a
118.4 a
119.2 a
119.6 a
120.0 a
120.4 a
120.8 a
121.2 a
121.6 a
Acima
118.0
118.4
118.8
119.2
119.6
120.0
120.4
121.8
121.2
121.6
122.2
122.0
Figura 7-8.
Exemplo de divisões de amostragem no Histograma
97
Instruções de manutenção, operação e instalação - Comando Série CL-6
Função TIME-ON-TAP
Monitor de Ciclo de Trabalho
A função TIME-ON-TAP™ registra a quantidade de tempo
gasto em cada posição do comutador. Os dados TIMEON-TAP são acessados pelo software CCI e estão visualizados em formato de gráficos de barra, veja a Figura 7-10.
O Monitor de Ciclo de Trabalho calcula a quantidade de
vida útil utilizada para cada superfície de contato de arco
no comutador Quik-Drive do regulador de voltagem. O
comando usa os valores de medição, tais como corrente,
tensão, fator de potência e posição de comutação, e
dados detalhados sobre o design interno do regulador de
voltagem para calcular a corrente de interrupção e tensão
de recuperação. Isto é então relacionado aos dados de
teste para o comutador Quik-Drive apropriado. O Monitor
de Ciclo de Trabalho funciona apenas em reguladores de
voltagem com um comutador Quik-Drive.
Comutação de Manutenção
Preventiva
A Comutação de Manutenção Preventiva (PMT) irá operar
automaticamente o comutador, baseando-se em parâmetros configurados pelo usuário. Sob certas condições de
operação e de carga, os contatos do comutador podem
se tornar suscetíveis a carbonizarem-se. A função PMT irá
operar o comutador para limpar as faces do contato e
evitar o acúmulo de carbono. Existem dois tipos diferentes
disponíveis de comutação de manutenção preventiva:
PMT Modo A ePMT Modo B.
PMT Modo A
Quando estiver habilitado, o comando monitorará a posição de comutação e se, permanecer em uma única
posição por um período de tempo definido pelo usuário
(Tempo de Atraso, FC 302), o comando irá mudar o comutador em uma posição para cima, duas posições para
baixo, e então novamente uma posição para cima.
Quando o PMT Modo A é executado em um comutador
Quik-Drive™, toda esta operação irá levar aproximadamente um segundo. O usuário poderá monitorar quanto
tempo resta antes que a comutação de manutenção seja
executada em Atraso de Contagem Regressiva, FC 301.
Para uma amostragem de como a PMT Modo A funciona,
o usuário poderá usar Teste de Problemas, FC 303.
PMT Modo B
Quando estiver habilitado, o comando monitorará a
posição de comutação, e caso não passe pela posição de
neutro por um período de tempo definido pelo usuário
(Tempo de Atraso, FC 322), o comando irá comutar além
e de volta por uma posição além da posição neutra. Isto
opera e limpa as faces do interruptor de reversão. E desta
forma retorna o comutador à posição original de
comutação. Devido a uma grande flutuação possível de
tensão enquanto a manutenção é feita, existem mais
pontos de configuração na PMT Modo B do que em Modo
A. O usuário poderá determinar a hora do dia que a PMT
Modo B é permitida, de forma que esta manutenção
possa ser feita a noite. Para limitar a quantidade de
variações de voltagem permitidas enquanto a manutenção
é feita, o usuário poderá ajustar o desvio máximo. Além
disso, o usuário poderá ajustar um limite de corrente, de
forma que a manutenção seja feita somente sob condições
de carga baixa. Complementando, um modo mestreescravo está disponível para que múltiplas unidades
possam agir ao mesmo tempo para manter o fornecimento
equilibrado para as cargas trifásicas que são sensíveis a
desequilíbrios. O usuário poderá monitorar quanto tempo
resta antes que a comutação de manutenção seja
executada em Atraso de Contagem Regressiva, FC 321.
Para uma amostragem de como a PMT Modo B funciona,
o usuário poderá usar Teste de Problemas, FC 328.
98
O FC 333 mostra os piores resultados de valores de vida
útil utilizados, expressos em porcentagem, até a terceira
casa decimal. Este valor poderá ser usado para gerar dois
Alarmes de Dados diferentes. O primeiro Alarme de Dados
DCM deve ser configurado de forma que a manutenção
possa ser agendada. O ajuste sugerido é de 75%. O
segundo Alarme de Dados deve ser ajustado a um nível
maior, em um ajuste sugerido de 90%, para notificar o
usuário que uma interrupção de serviço devido a falhas nos
contatos possa ser iminente. Para mais informações sobre
Alarmes, veja a seção de Alarmes deste manual.
Uma porcentagem detalhada de vida útil utilizada para
cada contato de arco voltaico está disponível via software
CCI. Quando for substituir um comando um regulador de
voltagem existente, o software CCI deve ser usado para
habilitar e configurar a função de Monitor de Ciclo de
Trabalho. Os valores de configuração programados no
software para um regulador de voltagem específico,
incluem o número de design e uma estimativa da vida útil
já utilizada.
Obs.: O Monitor do Ciclo de Trabalho é ativo apenas em reguladores CPS com comutadores Quik-Drive.
Esquema Líder/Seguidor
O Esquema Líder/Seguidor é um esquema eletrônico
projetado para manter dois ou três reguladores individuais
de tensão monofásicos na mesma posição mecânica de
comutação. Isto é usado principalmente por utilidades e
outros aparatos que necessitem de uma regulagem de
tensão monofásica em detrimento de um centro equilibrado
de tensão de carga com uma carga desbalanceada. Um
esquema em loop (laço) inteligente de fibra ótica é usado
entre os comandos para fornecer as comunicações
necessárias entre as fases para iniciar uma mudança de
comutação e fornecer um retorno (feedback) positivo para
manter estas posições de comutação iguais. Como o
resultado das comunicações entre todas as fases, o
acesso a certos dados provenientes de todas as fases
está disponível no visor de todos comandos envolvidos,
assim como no software CCI da Cooper Power Systems.
Este esquema pode ser usado também para uma ligação
em paralelo de reguladores de tensão de subestação com
um conjunto de transformadores de potência, usada para
um aumento de capacidade e para fornecer uma reserva
que mantenha a potência regulada. Para mais detalhes,
consulte a publicação informativa Cooper Power Systems
Service S225‑40-9.
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
Seção 8: Diagnóstico / solução de falhas
ATENÇÃO: Tensão perigosa. Ao procurar falhas
em um equipamento energizado, use dispositivos
de proteção para evitar contato com as partes energizadas. A inobservância dessa recomendação pode causar
ferimentos graves ou morte.
VR-T213.0
!
Ao utilizar o Controle CL-6 com um regulador CPS, consulte as Informações de Serviço S225-10-30P da Cooper
Power Systems para ter mais dados sobre operação e
manutenção do regulador.
Verificação externa
Examine primeiramente as conexões de alimentação. Veja,
por exemplo, se o terminal da carga está conectado à
bucha de fonte e se o terminal fronte-carga está conectado à bucha correspondente. Verifique outros possíveis
problemas, tais como conexões de terra abertas.
Definição do problema
Determine qual das seguintes categorias melhor descreve
o defeito e siga os passos correspondentes. Consulte as
Figuras 10-1 a 10-4 do Apêndice enquanto faz o diagnóstico do problema.
Nota: As opções de parâmetros acessadas via menu ou código de função aparecem em negrito.
Os ajustes das chaves do painel frontal aparecem em
negrito.
As operações de teclado são representadas da seguinte
forma: pressione teclas identificadas em negrito; digite
números identificados em itálico.
Diagnóstico / solução de
problemas do painel de controle
Falta de energia
Verifique o fusível de 6 A do motor, no painel frontal do controle. Remova o fusível do controle e veja se há continuidade
através dele. Fusíveis de reserva são fornecidos com cada
controle e podem ser encontrados na caixa do controle.
Nota: Use apenas fusíveis rápidos de 125 V / 6 A, que são os
valores nominais desse componente. A inobservância
dessa recomendação pode causar uma operação desnecessária do fusível ou proteção insuficiente, tanto para
o regulador como para o controle.
Se o fusível estiver queimado, o motor comutador de derivações não irá operar. Se o fusível de 6 A estiver OK,
comute a chave POWER do painel frontal para Internal
Power (Alimentação interna) e verifique o seguinte:
1.Com um voltímetro, meça a tensão entre TB2-VS e G.
O valor deve se aproximar da tensão configurada.
Caso haja tensão em TB2-VS, o problema estará no
controle. Substitua o controle.
rente, no painel traseiro existente no armário do controle. Feche as chaves de tensão V1 e V6 caso estejam
abertas. Abra a chave de curto CT caso esteja fechada.
3. Verifique a tensão entre t V1 e G. Se houver tensão entre
os pontos V1 e G, o problema poderá estar no chicote
de fios ou no transformador corretor de relação. Veja
se há conexões soltas ou fiação queimada. Verifique
também se o transformador corretor de relação RCT1
está na derivação correta para a tensão regulada,
como se vê na placa de características afixada na
porta do armário do controle.
4.Se não houver tensão, o problema talvez esteja no
cabo de controle, na conexão da caixa de junções ou
dentro do próprio regulador.
Autodiagnóstico
O hardware do controle realiza verificações físicas e de
memória através do autodiagnóstico. Há dois eventos que
forçam o controle a executar as rotinas de autodiagnóstico: (1) Ao se ligar o sistema; (2) Quando o operador entra
no modo de autoteste (FC 91).
Essa sequência de teste dura cerca de três segundos.
Uma vez concluída a sequência, a tela irá exibir a mensagem PASS ou então uma mensagem de erro, em caso de
problemas. (Veja Mensagens de Erro do Diagnóstico
na próxima seção deste manual). A mensagem PASS permanecerá na tela ate que o operador digite algo no teclado; caso contrário, a tela será apagada automaticamente
após 30 minutos.
O relógio irá manter o horário por 24 horas, no mínimo,
após a falta de energia CA no controle. A fonte de energia
de reserva exige 65 horas de operação com energia CA
para uma carga completa.
Nota: Após o autodiagnóstico, quando a tela de LCD exibe a
mensagem PASS, pressione Escape para usar o teclado.
Nota: A palavra ERROR na tela indica um erro de digitação e
não uma falha mostrada pelo diagnóstico. Veja
Mensagens Indicativas, na seção Programação do
Controle deste manual.
Mensagens de erro do diagnóstico
Caso o controle indique uma falha durante a energização,
a tela irá exibir uma mensagem de erro. Essa mensagem
irá dar informações sobre o problema detectado. Além
disso, sempre que houver uma mensagem de erro do
diagnóstico, o LED de erro do diagnóstico estará aceso.
As mensagens podem indicar No Neutral Sync Signal
(ausência do sinal de sincronismo de neutro), Input
Voltage Missing (ausência de tensão de entrada) ou
Configuration Value Required (valor de configuração
necessário), por exemplo. Para ter mais informações,
consulte Condições de Energização / Reset, na seçãoProgramação do Controle deste manual.
2.Verifique as chaves-faca V1, V6 seccionadoras de tensão (caso existam), e a chave faca C de curto da cor99
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle CL-6
No Neutral Sync Signal
(ausência do sinal de sincronismo de neutro)
dor de derivações, na chave da luz de neutro ou nos
segmentos atuadores da luz de neutro.
Sem controle instalado no regulador
No Input Voltage (ausência de tensão de entrada)
Isto ocorre com frequência ao se energizar um controle em
uma bancada de trabalho. A mensagem No Neutral Sync
Signal significa que o controle não encontrou um sinal de
neutro durante o autoteste de energização. Isto pode
ocorrer pela falta de um sinal de 120 V na entrada da luz
de neutro. Para confirmar esse fato e eliminar a mensagem
de erro, siga os passos de digitação abaixo:
A mensagem (No Input Voltage) surge quando não há
detecção da tensão de entrada e FC 56, Reverse Sensing
Mode (modo de detecção reverso) não está configurado
como Locked Forward (travado à frente). A tensão de
entrada é a tensão de fonte proveniente de um transformador de potencial do tipo diferencial ou fonte. O controle
poderá também calcular esse sinal de tensão caso FC 39,
Source Voltage Calculation (cálculo de tensão da fonte)
esteja ativado e o tipo de regulador seja configurado corretamente em FC 140, Regulator Type (tipo de regulador).
1.Escape.
2.Function, 99, Enter, 32123 (padrão), Enter.
3.Function, 12, Enter.
4.Edit/Reset, (algum número entre 1 e 16), Enter.
5.Inicie um autoteste.
Function, 91, Enter, Enter, Enter.
A mensagem (No Neutral Sync Signal) não deverá
reaparecer.
CONTROLE NO REGULADOR
Se o controle estiver em um regulador e a mensagem (No
Neutral Sync Signal) aparecer durante a energização ou
o autoteste, ou se não houver luz de neutro, verifique o
sinal de entrada entre TB1-NL e G. Se o regulador estiver
em condição neutra, deverá haver 120 V na entrada. Caso
não haja 120 V em TB1-NL na condição neutra, a luz de
neutro do painel de controle estará apagada.
Se não houver luz de neutro e nenhum sinal correspondente em TB1-NL, veja se o regulador está em condição
neutra. Para que o regulador esteja em condição neutra, o
indicador de posição deverá estar em neutro e, quando o
regulador for energizado, não deverá haver uma tensão
diferencial entre as buchas de fonte (S) e carga (L).
Quando não houver luz de neutro e o regulador for energizado por fonte interna ou enterna de energia, verifique os
seguintes pontos de entrada:
•TB2-NL, localizado na placa inferior de terminais, no
painel traseiro do conjunto de controle:
Caso não haja tensão, mas apareça tensão em TB1NL, o problema estará nas conexões do chicote de
fios, no painel traseiro. Se houver tensão em TB2-NL e
a luz de neutro estiver apagada, o problema estará no
painel de controle.
•TB1-NL, localizado na placa superior de terminais, no
painel traseiro do conjunto de controle:
Caso não haja tensão, o problema podera estar na
conexão desse ponto terminal, no cabo de controle, na
conexão da caixa de junções ou dentro do regulador.
•JBB-NL, localizado na placa de terminais interna da
caixa de junções, e TCB-NL, localizado no comutador
de derivações:
Se não houver tensão, o problema estará dentro do
regulador, talvez no ponto de conexão JBB-NL, sob o
conjunto da tampa, na conexão TCB-NL do comuta100
Quando aparecer essa mensagem e o regulador possuir
um transformador diferencial, veja se há tensão entre V6 e
G, se V6 estiver presente. Essa tensão será de 0 V quando
o regulador estiver em neutro. A tensão irá aumentar à
medida que as derivações do regulador forem comutadas
para cima. Quando o regulador estiver na derivação 16 de
elevação ("16 raise"), a tensão estará entre 11,5 e 12 VCA.
Caso não apareça tensão de entrada em FC 7, Source
Voltage Secondary (tensão de fonte no secundário), e o
regulador inclua um transformador diferencial, o problema
poderá estar no controle, nas conexões do painel traseiro,
no cabo do controle, na placa de terminais da caixa de
junções (sob a tampa) ou no transformador diferencial.
Se o regulador não possuir um transformador diferencial,
ative FC 39 para verificar esse indicador. O sinal de tensão
calculado irá então aparecer, eliminando a mensagem de
erro do diagnóstico referente à tensão de entrada.
Mensagens indicativas ao se usar a
tecla Edit
As mensagens indicativas abaixo podem surgir ao se usar
a tecla Edit :
•A mensagem (Improper Security ou segurança
incorreta) aparecerá ao se tentar empregar uma função de edição sempre que as mudanças forem desabilitadas pelo sistema de segurança. Para habilitá-las,
digite um código de segurança mais alto em FC 99,
Security Code (código de segurança):
Function, 99, Enter, código de segurança, Enter.
Continue então com as mudanças de valores e ajustes
do código de função.
•A mensagem (Value Too Low ou valor muito baixo)
significa que o valor de função digitado está abaixo do
limite aceitável.
•A mensagem (Value Too High ou valor muito alto)
significa que o valor de função digitado está acima do
limite aceitável.
Para ter mais informações, consulte Mensagens
Indicativas, na seção Programação de Controle deste
manual.
!
SEGURANÇA
PARA A VIDA
S225-11-1P
Diagnóstico / solução de falhas
da operação do comutador de
derivações
Problemas no capacitor do motor
O regulador não opera em manual ou
automático
1.Ligue um voltímetro entre TB1-R1 e G.
1.Ligue um voltímetro entre TB1-R1 e TB1-G. Coloque a
chave CONTROL FUNCTION em Manual.
2.Comute a chave Raise (elevar) e meça a tensão entre
os terminais R1 e G, na placa de terminais TB1. O
valor lido deve se aproximar da tensão configurada.
Um problema no capacitor do motor pode impedir que o
regulador opere de modo manual ou automático. Siga os
passos abaixo para verificar esse capacitor:
2.Com o controle já energizado, passe a chave Auto/
Remote/Manual para Manual.
3.Use a chave Raise/Lower para fornecer um sinal de
elevar.
4.A leitura do voltímetro deve se aproximar do valor configurado.
3.Coloque o terminal positivo do voltímetro em TB1-L1 e
comute a chave Lower (baixar).
5.Com o voltímetro ainda conectado entre TB1-R1 e G,
forneça um sinal de baixar.
4.Meça a tensão entre os terminais L1 e G, na placa de
terminais TB1. O valor lido deve se aproximar da tensão configurada.
6.O voltímetro deve apresentar uma leitura capacitiva. O
valor pode estar entre 60 e 90 VCA.
5.Se você obteve leituras corretas de tensão nos passos
2 e 4, o problema pode estar no indicador de posição,
na caixa de junções, no cabo do controle ou no capacitor do motor. Consulte a seção de diagnóstico /
solução de falhas da caixa de junções, referente à
publicação S225-10-30P de informações de serviço
da Cooper Power Systems.
6.Caso não haja leitura de tensão no passo 2 ou 4, faça
a medição correspondente (entre R3 e G e entre L3 e
G) na placa de terminais inferior TB2.
7.Se as tensões medidas no passo 6 estiverem próximas
dos valores configurados, é provável que a falha seja
uma conexão solta ou um terminal com defeito entre
TB1 e TB2.
8.Se não conseguir leituras de tensão nos passos 2, 4 e 6,
meça a tensão entre VM e G, na placa de terminais TB2.
O valor lido deve se aproximar da tensão configurada.
9.Se o passo 8 não fornecer uma leitura de tensão, verifique a tensão entre PD1-1 (V1) e terra (G), na chave
faca seccionadora de tensão.
10.Se o passo 8 não fornecer uma leitura de tensão, verifique a tensão entre PD1-1 (V1) e terra (G), na chave
faca seccionadora de tensão.
7.Uma leitura de 0 V ou de mV entre TB1-R1 e G é sinal
de capacitor com defeito.
8.Para confirmar, aplique os terminais do voltímetro entre
TB1-L1 e G.
9.Use a chave Raise/Lower para fornecer um sinal de
baixar.
10.A leitura do voltímetro deve se aproximar do valor
configurado.
11.Com o voltímetro ainda conectado entre TB1-L1 e G,
forneça um sinal de elevar.
12.O voltímetro deve apresentar uma leitura capacitiva. O
valor pode estar entre 60 e 90 VCA.
13.Uma leitura de 0 V ou de mV entre TB1-L1 e G é sinal
de capacitor com defeito.
14.Se tanto o circuito de Elevar como de Baixar fornecerem leituras de 0 V ou mV, quando deveria haver uma
tensão capacitiva, o capacitor do motor estará aberto
e deverá ser substituído.
O contador de operações não indica a
comutação de derivações
Verifique o seguinte, caso o contador de operação não
indique a comutação de derivações:
A.Caso obtenha algo próximo do valor configurado de
tensão, é provável que haja uma falha no interruptor
V1 ou no transformador corretor de relação (RCT1),
no circuito de sinal do painel traseiro.
1.O sinal de tensão em TB2-R3 e L3 deve ficar em torno de
120 VCA ao se comutar de uma derivação para outra.
Sempre que esse sinal de tensão for aplicado, o contador
de operações do painel de controle será atualizado.
B.Se não houver leitura de tensão, o problema estará
no cabo do controle, na caixa de junções ou no
tanque do regulador. Consulte a seção de
diagnóstico / solução de falhas da caixa de junções,
referente à publicação S225-10-30P de informações
de serviço da Cooper Power Systems. Se as
verificações nessa caixa forem satisfatórias, o
problema deverá estar no tanque do regulador. Para
saber os métodos de diagnóstico e solução de
falhas, consulte as publicações S225-10-2 e S22510-19 de informações de serviço da Cooper Power
Systems.
2.Meça a tensão em TB2-R3 ou L3 quando o comutador
de derivações recebe um comando para comutar, em
modo manual, pela chave Raise/Lower. Se o sinal
de tensão estiver presente, o problema estará no
conector do controle ou no próprio controle.
3.Se não houver sinal de tensão em TB2-R3 ou L3, o
problema poderá estar nas conexões do chicote de
fios (painel traseiro), em TB1-R1 ou L1, no cabo do
controle, nas conexões da caixa de junções ou na
chave retentora do comutador de derivações.
4.Verifique o sinal de tensão em TB1-R1 ou L1. Se o sinal
não aparecer nesses pontos, continue procurando
para trás nos vários componentes, até o regulador.
101
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle CL-6
em Manual e passe a chave Raise/Lower para a
posição desejada.
Posição de derivação fora de sincronismo
Caso o controle perca sincronismo com os indicadores de
posição (verifique FC 12, Present Tap Position ou posição
atual de derivação), verifique então FC 49, Tap-Changer
Type (tipo de comutador de derivações), em relação à
placa de características do regulador. Essas placa indica
que tipo de comutador de derivações está instalado no
regulador da Cooper Power Systems. É preciso configurar
FC 49 para o tipo correto de comutador (Spring Drive,
Direct Drive, QD8, QD5, QD3).
b.Se for preciso reter a chave Raise/Lower na posição
elevar ou baixar para fazer uma comutação, o
problema estará no circuito da chave retentora. Se a
chave retentora não estiver operando, o coumutador
de derivações do tipo Quik-Drive irá fazer várias
comutações, até que expire o tempo de comutação.
c.Veja se há tensão entre TB2-HS e G e entre TB1-HS e
G. Se houver tensão em TB1-HS, mas não em TB2HS, o problema estará no chicote de fios do painel
traseiro. Substitua o terminal laranja HS entre TB1-HS e
TB2-HS. Caso não haja tensão em TB1-HS, o problema
será no cabo do controle, na tampa da caixa de junções
ou na própria chave retentora (localizada no interior do
regulador). Verifique a continuidade do cabo até a caixa
de junções. Caso esteja normal, o problema estará na
chave retentora. Ajuste ou substitua essa chave (veja a
publicação S225-10-2 ou S225-10-19 de informações
de serviço da Cooper Power Systems). Se tudo parecer
em ordem, é muito provável que o problema esteja no
controle e não na chave retentora.
Se o controle estiver instalado em um regulador da concorrência, deve-se configurar FC 49 de acordo com o
nome do fabricante.
O regulador não comuta além de uma certa
posição de derivação
Caso o regulador não comute além de uma certa posição
de derivação, verifique o ajuste da chave limitadora, no
indicador de posição. Caso precise ajustar os limites, configure os limites superior e inferior para obter uma regulação adequada.
O regulador opera em manual, mas
funciona incorretamente em automático
Passe o regulador para a posição neutra por meio da
chave do controle. Verifique a tensão entre V4 e G, em
TB1. Trata-se do circuito sensor que fornece tensão a
partir da saída de RCT1, no painel traseiro. Caso essa
tensão esteja mais de 10% acima ou abaixo do nível programado de tensão do controle, a fonte estará fora da
faixa do regulador. Uma ausência de tensão irá indicar uma
problema de fiação, tal como um circuito aberto em algum
ponto da fonte de alimentação do controle. Se tais verificações derem resultados normais, faça o seguinte:
1.Caso o controle não opere automaticamente, veja se
os indicadores de limite de faixa estão operando (são
os indicadores Out-of-Band High (fora de faixa
superior) e Out-of-Band Low (fora de faixa
inferior), localizados no painel frontal). Se não
estiverem operando, verifique FC 56, Reverse Sensing
Mode (modo de detecção reverso). Configure FC 56
em Locked Forward (travado à frente) (caso já não
esteja nessa condição). Tente o modo de operação
automático novamente.
2.Veja se FC 69, Auto Blocking (bloqueio automático),
está configurado em Normal. Tente o modo de operação automático novamente.
3.Meça a tensão entre VS e G, na placa de terminais
inferior TB2.
a.Uma leitura aproximadamente igual à tensão configurada entre VS e G indicará um problema no controle.
b.Se não houver tensão entre VS e G, o problema
estará no interruptor V1 ou no transformador corretor
de relação, no circuito do painel traseiro. Substitua o
componente afetado.
4.Verifique o circuito da chave retentora.
102
a.Veja se o comutador de derivações efetua uma
comutação: coloque a chave CONTROL FUNCTION
Verifique FC 56, Reverse Sensing Mode (modo de
detecção reverso)
Quando não houver corrente de carga e o regulador não operar em automático, verifique a chave C do painel traseiro. Se a
chave C estiver fechada e FC 56, configurado em Bidirectional,
o regulador não irá operar em automático. Para se ter uma
operação normal, a chave C deve ficar aberta.
Verifique FC 69, Auto Operation Blocking Status
(Status de bloqueio da operação automática)
1.Verifique a chave Auto/Remote/Manual. Ela deve estar
na posição Auto/Remote.
2.Veja se FC 69 está configurado em Normal. Para verificar a configuração de FC 69:
Function, 69, Enter.
3.Caso não esteja em Normal e o reset esteja bloqueado
pelo recurso de segurança, digite o código de segurança no teclado, a fim de mudar o status de bloqueio:
a.Function, 99, Enter 32123 (padrão), Enter.
b.Function,69, Enter.
c.Edit/Reset, Role até Normal, Enter.
Verifique FC 170, Tap-to-Neutral (comutação
para neutro)
1.Veja se FC 170 está configurado em Off. Para verificar
a configuração de FC 170:
Function, 170, Enter.
2.Caso não esteja em Normal e o reset esteja bloqueado
pelo recurso de segurança, digite o código de segurança
no teclado, a fim de mudar o status de bloqueio:
a.Function, 99, Enter 12121 (padrão), Enter.
b.Function,170, Enter.
c.Edit/Reset, Role até Off, Enter.
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
Teste com limitador de tensão ativado e um
valor-limite configurado
CUIDADO: Perigo de danos ao equipamento. Esteja
atento à polaridade ao usar fontes externas. Uma inversão de polaridade irá danificar o controle.
VR-T201.0
Ao se testar um regulador com energia externa, é
recomendável configurar FC 80, Voltage Limiter Mode
(modo limitador de tensão), em Off.
Ao se fazer testes no modo automático, com o limitador
de tensão ativado, pode ser problemático fazer o regulador operar para elevar ou baixar, caso a tensão externa
seja maior que o ajuste dos limites de tensão.
Sem indicadores de faixa
Verifique o seguinte se os indicadores de faixa não operarem quando a tensão estiver fora de faixa:
1.Verifique FC 56, Reverse Sensing Mode (modo de
detecção reverso). Se FC 56 estiver configurado em
Lock Forward e não houver energia reversa, o
indicador não irá responder e a tensão não será
regulada.
do comutador de derivações, no interior do tanque.
Quanto às derivações P, podem estar situadas na
placa de terminais, no topo do comutador de
derivações, ou no transformador de potencial
diferencial, localizado no canal lateral, dentro do
tanque do regulador.
Quando todas as configurações forem feitas de acordo
com a placa de características, o regulador estiver em
neutro e a tensão de linha do sistema (ou tensão de carga)
coincidir com os valores dessa placa, os terminais de teste
do voltímetro, no painel de controle, vão apresentar o
mesmo valor da placa de características.
Sem corrente de carga
Se não houver leitura de corrente de carga em FC 9, Load
Current, Primary (corrente de carga, primário), ou em
qualquer componente de medição que exige corrente
como parte do cálculo, verifique a chave C no painel
traseiro. Essa chave deve estar aberta. Caso a chave C
esteja fechada, o transformador de corrente estará em
curto e não haverá leitura de corrente.
O regulador não comuta além de uma
certa posição de derivação
2.Verifique FC 57, Reverse Current Sense Threshold
(limiar de detecção de corrente reversa) e *Load
Current (corrente de carga) (*Medição PLUS). Se a
corrente de carga for inferior à corrente de limiar reversa, os indicadores não irão operar e o regulador não
fará a regulação.
Caso o regulador não comute além de uma certa posição
de derivação e as chaves limitadoras do indicador de posição estejam configuradas em 16 raise e 16 lower, verifique
a configuração de Soft ADD-AMP: FC 175, Soft ADD-AMP
High Limit (limite superior de Soft ADD-AMP) e FC 176,
Soft ADD-AMP Low Limit (limite inferior de Soft ADD-AMP).
3.Caso o regulador tenha passado por manutenção,
afetando de alguma forma o transformador de corrente, verifique a polaridade desse transformador. Se a
polaridade estiver invertida, os indicadores de faixa
deixarão de operar.
Calibração dos controles
Diagnóstico / solução de falhas
em medições
A tensão de carga no secundário (tensão
de saída) não corresponde à tensão nos
terminais de teste no voltímetro
Quando a tensão de saída em FC 6 tem uma diferença de
vários volts em relação à tensão nos terminais de teste do
voltímetro, veja se os seguintes códigos de função foram
configurados de acordo com a placa de características:
1.Veja se o valor de FC 43, System Line Voltage (Load
Voltage) (tensão de linha do sistema (tensão de carga))
está de acordo com a placa de características.
2.Veja se o valor de FC 44, Overall PT Ratio (relação geral
do TP), está de acordo com essa placa.
3.Veja se a Derivação de Controle RCT, localizada na
painel traseiro do conjunto de controle, está de acordo
com a placa.
4.Veja se a Derivação E do enrolamento do controle e as
derivações P do transformador diferencial (se hpuver)
estão de acordo com a placa de características. As
derivações E estão localizadas na placa de terminais
ATENÇÃO: Perigo de explosão. Veja se a luz de
neutro e o indicador de posição indicam a condição
neutra quando o comutador de derivações se encontra
fisicamente na posição neutra. A falta de sincronismo
causa uma indicação indefinida de NEUTRO. Sem as
duas indicações de neutro, não será possível desviar do
regulador posteriormente e a linha terá que ser
desenergizada para não colocar em curto uma parte do
enrolamento em série. A inobservância dessa
recomendação pode causar ferimentos graves ou morte
e danos ao equipamento.
VR-T212.0
!
CUIDADO: Perigo de danos ao equipamento. Esteja
atento à polaridade ao usar fontes externas. Uma inversão de polaridade irá danificar o controle.
VR-T201.0
Todos os controles são calibrados de fábrica e não
requerem uma recalibração pelo usuário. No entanto, é
possível calibrar os circuitos de tensão e corrente da
seguinte forma:
Calibração de tensão
1.Conecte um voltímetro preciso, com leitura real em
RMS, aos terminais de voltímetro. Esse voltímetro
deverá ter uma precisão básica de 0,1%, no mínimo,
com calibração rastreável ao NBS (National Bureau of
Standards).
103
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle CL-6
2.Conecte uma fonte de tensão estabilizada, de 50/60
Hz (com um teor de harmônicas inferior a 5%), aos
terminais External Source (fonte externa).
3.Para energizar o controle, conecte uma fonte de tensão de 120 VCA aos terminais EXTERNAL SOURCE.
3.Passe a chave POWER para a posição External.
4.Ajuste a fonte de tensão, para que forneça 120 VCA ao
controle, conforme a leitura do voltímetro de referência.
5.Ajuste a fonte de tensão, para que forneça 0,200 A ao
controle, conforme a leitura do amperímetro de referência.
5.Antes de efetuar a calibração, ative o Nível de
Segurança 3 digitando o código de segurança correto
em FC 99, Security Code (código de segurança).
6.Antes de efetuar a calibração, ative o Nível de
Segurança 3 digitando o código de segurança correto
em FC 99 , Security Code (código de segurança).
Function, 99, Enter; 32123 (padrão), Enter.
Function, 99, Enter, 32123 (padrão), Enter
6.Acesse então FC 47, Voltage Calibration (calibração de
tensão).
O nível adequado deve estar então ativado.
Function, 47, Enter.
7.A tela deve exibir a tensão aplicada ao controle. Ela
deve corresponder à leitura fornecida pelo voltímetro
de referência. Se a leitura no controle for significativamente diferente, altere a calibração com esta sequência: pressione Edit, digite a tensão correta (lida no
voltímetro de referência) e pressione Enter. O circuito
de tensão estará então calibrado.
Calibração de corrente
1.Conecte um amperímetro preciso, com leitura real em
RMS, em série à fonte de corrente.
2.Conecte uma fonte de corrente estabilizada, de 50/60
Hz (com um teor de harmônicas inferior a 5%), ao
amperímetro de referência e aos terminais de entrada de
corrente C1 e C3 na régua de terminais TB2 (C1 pode
ser identificado pelo fio vermelho e C3, pelo fio verde).
104
4.Passe a chave POWER para a posição External.
7.Acesse então FC 48, Current Calibration (calibração de
corrente).
Function, 48, Enter.
8.A tela deve exibir a corrente aplicada ao controle. Ela
deve corresponder à leitura fornecida pelo amperímetro
de referência. Se a leitura no controle for
significativamente diferente (erro superior a 0,6 mA),
altere a calibração com esta sequência: pressione
Edit, digite a corrente correta, como indicado pelo
medidor de referência, e pressione então Enter. O
circuito de corrente estará então calibrado.
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
Seção 9: Acessórios de Controle
O controle de regulador de tensão CL-6 possui diversos recursos acessórios disponíveis. Os acessórios disponíveis incluem
software e hardware de comunicação, um aquecedor integrado e um cabo de dados para comunicação com PC.
Comunicações
Software
Software CCI
O software Cooper Power System CCI foi desenvolvido
como um pacote de expansão para configurar, programar
e obter dados a partir de controles de reguladores de
tensão série CL-6 O CCI permite que o usuário:
•Crie configurações de controle
•Carregue configurações de controle
•Baixe as configurações do controle
•Forneça saída de configurações e leituras
•Gerencie efetivamente as configurações e leituras
O software CCI é totalmente compatível com sistemas
operacionais Microsoft® Windows® 95 ou superiores, com
sistemas operacionais Microsoft ® Windows NT®
Workstation Versão 4.0 ou superior, e com o sistema operacional Microsoft® Windows® XP. Tanto leituras como
configurações são armazenadas em formatos de arquivos
amigáveis do Microsoft® Excel (.XLS) a fim de permitir o
uso dos dados por outros aplicativos sem a necessidade
de conversões incômodas.
O software CCI é um programa amigável ao usuário e
orientado por gráficos, fácil de usar e de compreender.
Suporte online e um manual de usuário completo ajudaram a tornar o programa um dos mais abrangentes do
mercado. O software é projetado para a configuração do
controle do regulador usando os protocolos de dados
2179 e DNP3.
Hardware
Fibra óptica com placa de interface RS-232
Nesta configuração, são montados na placa de interface
um par de conectores tipo ST de fibra óptica e uma porta
RS-232 a fim de oferecer ao usuário conexão digital
SCADA via cabos de fibra óptica multimodais ou um cabo
padrão RS-232 de nove pinos DB-9. As configurações de
comunicação são alteradas de forma simples com o uso
das chaves DIP ou por meio do pacote de software CCI.
As conexões de fibra óptica são usadas para enlace da
parte da fibra (enlace da fibra ou fibra em estrela) com
outros controladores. A interface RS-232 fornece
comunicação externa da primária com o controle. Na
eventualidade de diversos controles estarem
interconectados, somente um dispositivo precisa estar
conectado à porta RS-232, enquanto os outros dispositivos
se comunicariam por meio de conexões de fibra óptica.
Consulte a Figura 9-1 para conhecer os diagramas
amostras de conexão.
Figura 9-1.
Fibra óptica com placa de interface RS-232.
Placa Ethernet
Nesta configuração, estão montados na placa de interface
um conector RJ-45 e conectores de fibra óptica tipo ST.
Esse conjunto oferece ao usuário a conexão SCADA por
meio de cabo "cat 5" ou por multimodais de fibra.
Placa de Interface RS-485
Nesta configuração, são montados terminais RS-485 de
par trançado na placa de interface a fim de oferecer ao
usuário conexão digital SCADA por meio de conexão
RS-485 de par trançado.
Montagem do Aquecedor
Um aquecedor controlado por termostato está disponível
para uso em áreas altamente úmidas. O termostato do
aquecedor ligará o aquecedor quando a temperatura estiver abaixo de 85 °F (29 °C) e desligará quando a temperatura ultrapassar 100 °F (38 °C). Para obter todos os detalhes, consulte o Suplemento 2 da publicação Informações
de Serviço Cooper Power Systems S225-10-1.
105
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle Série CL-6
Seção 10: Apêndice
Tabela 10-1
Conexões de comutador VR-32 e Níveis de Tensão
(60 Hz)
Classificação
de Tensão
do Regulador
1
2500
5000
7620
13800
14400
19920
34500
Tensão
Nominal
em
Fase
Única
2
2500
2400
5000
4800
4160
2400
8000
7970
7620
7200
6930
4800
4160
2400
13800
13200
12470
12000
7970
7620
7200
6930
14400
13800
13200
12000
7970
7620
7200
6930
19920
17200
16000
15242
14400
7960
7620
7200
34500
19920
Dados de ajuste de razão
Comutador
Interno*
3
Razão
PT
4
E1/P1
E1/P1
E1/P1
E2/P2
E1/P1
E1/P1
E1/P1
E1/P1
E1/P1
E2/P2
E2/P2
E3/P3
E1/P1
E1/P1
E1/P1
E1/P1
E2/P2
E2/P2
E2/P2
E2/P2
E1/P1
E1/P1
E1/P1
E1/P1
E2/P2
E2/P2
E2/P2
E2/P2
E1/P1
E1/P1
E2/P2
E2/P2
E2/P2
E3/P3
E3/P3
E3/P3
E1/P1
E2/P2
20:1
20:1
40:1
40:1
40:1
20:1
60:1
60:1
60:1
60:1
60:1
40:1
40:1
20:1
115:1
115:1
115:1
115:1
57.5:1
57.5:1
57.5:1
57.5:1
120:1
120:1
120:1
120:1
60:1
60:1
60:1
60:1
166:1
166:1
120:1
120:1
120:1
60:1
60:1
60:1
287.5:1
165.5:1
Comutador
RCT 5
120
120
120
120
104
120
133
133
127
120
115
120
104
120
120
115
104
104
133
133
120
120
120
115
110
104
133
127
120
115
120
104
133
127
120
133
127
120
120
120
Tensão
do
Terminal
de Teste
**
6
Razão
Potencial
Geral
**
7
125
120
125
120
120
120
120.5
120
120
120
120.5
120
120
120
120
120
125
125
125
120
120
120.5
120
120
120
115.5
120
120
120
120.5
120
119.5
120.5
120
120
120
120
120
120
120.5
20:1
20:1
40:1
40:1
34.7:1
20:1
66.5:1
66.5:1
63.5:1
60:1
57.5:1
40:1
34.7:1
20:1
115:1
110.2:1
99.7:1
99.7:1
63.7:1
63.7:1
57.5:1
57.5:1
120:1
115:1
110:1
104:1
66.5:1
63.5:1
60:1
57.5:1
166:1
143.9:1
133:1
127:1
120:1
66.5:1
63.5:1
60:1
287.5:1
165.5:1
* Os comutadores são usados com "E taps" comente em reguladores
nos quais seja usado um transformador potencial interno em conjunto
com o enrolamento do controle a fim de oferecer alimentação de tensão
para o controle. Consulte a plaqueta de identificação para verificação
deste tipo de fornecimento de controle.
** A tensão do terminal de teste e a razão potencial podem variar levemente de um regulador para outro. Consulte a plaqueta de identificação
do regulador para determinar os valores exatos.
106
Tabela 10-2
Conexões de comutador VR-32 e Níveis de Tensão
(50 Hz)
Classificação
de Tensão
do
Regulador
1
6600
11000
15000
22000
33000
Tensão
Nominal
em
Fase
Única
2
6930
6600
6350
6000
5500
11600
11000
10000
6930
6600
6350
6000
5500
15000
14400
13800
13200
12000
11000
10000
8600
23000
22000
20000
19100
15000
12700
11000
10000
34500
33000
30000
22000
20000
11600
11000
10000
Dados de ajuste de razão
Comutador
Interno*
3
Razão
PT
4
E1/P1
E1/P1
E1/P1
E2/P2
E2/P2
E2/P2
E2/P2
E2/P2
E1/P1
E1/P1
E1/P1
E1/P1
E1/P1
E2/P2
E2/P2
E3/P3
E1/P1
E1/P1
E1/P1
E1/P1
E2/P2
E2/P2
E3/P3
E3/P3
E1/P1
E1/P1
E1/P1
E2/P2
E2/P2
E3/P3
E3/P3
E3/P3
55:1
55:1
55:1
55:1
55:1
91.7:1
91.7:1
91.7:1
55:1
55:1
55:1
55:1
55:1
120:1
120:1
120:1
120:1
120:1
92.7:1
92.7:1
72.9:1
183.4:1
183.4:1
183.4:1
183.4:1
122.3:1
122.3:1
91.7:1
91.7:1
275:1
275:1
275:1
183.3:1
183.3:1
91.7:1
91.7:1
91.7:1
Comutador
RCT
5
127
120
115
110
104
127
120
110
127
120
115
110
104
120
120
115
110
104
120
110
120
127
120
110
104
120
104
120
110
127
120
110
120
110
127
120
110
Tensão
do
Terminal
de Teste
**
6
Razão
Potencial
Geral
**
7
119.1
120
120.5
119
115.4
119.5
120
119
119.1
120
120.5
119
115.4
125
120
120
120
115.4
118.7
117.7
118
118.5
120
119
120.2
122.6
119.8
120
119
118.5
120
119
120
119
119.5
120
119
58.2:1
55:1
52.7:1
50.4:1
47.7:1
96:1
91.7:1
84.1:1
58.2:1
55.1:1
52.7:1
50.4:1
47.7:1
120:1
120:1
115:1
110:1
104:1
91.8:1
84.1:1
72.9:1
194.1:1
183.4:1
168.1:1
158.9:1
122.3:1
106:1
91.7:1
84.1:1
291:1
275:1
252.1:1
183.3:1
168:1
97:1
91.7:1
84.1:1
* Os comutadores são usados com "E taps" comente em reguladores
nos quais seja usado um transformador potencial interno em conjunto
com o enrolamento do controle a fim de oferecer alimentação de tensão
para o controle. Consulte a plaqueta de identificação para verificação
deste tipo de fornecimento de controle.
** A tensão do terminal de teste e a razão potencial podem variar levemente de um regulador para outro. Consulte a plaqueta de identificação
do regulador para determinar os valores exatos.
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
Tabela 10-3
ADD-AMP Capacidades de avaliações de 60 Hz
Tensão
Classifi-
Classifi-
cação em
cada
kVA
2500
5000
7620*
13800
14400
19920
50
75
100
125
167
250
333
416.3
25
50
100
125
167
250
333
416.3
38.1
57.2
76.2
114.3
167
250
333
416.3
500
667
833
69
138
207
276
414
500
552
667
833
72
144
288
333
416
432
500
576
667
720
833
100
200
333
400
500
667
833
1000
†Avaliações de Corrente de Carga (A)
Faixa de Regulagem (Y e Delta Aberta) ±10%
±8,75% ±7,5% ±6,25% ±5%
Faixa de Regulagem (Delta Fechada)
Tensão
220
330
440
550
668
1000
1332
1665
55
110
220
275
367
550
668
833
55
83
110
165
241
361
482
603
668
875
1093
55
110
165
220
330
398
440
531
664
55
110
220
254
318
330
382
440
509
550
636
55
110
184
220
275
369
460
552
240
360
480
600
668
1000
1332
1665
60
120
240
300
401
600
668
833
60
90
120
180
263
394
526
658
668
875
1093
60
120
180
240
360
434
480
580
68
60
120
240
277
347
360
416
480
556
600
668
60
120
200
240
300
402
502
602
270
405
540
668
668
1000
1332
1665
68
135
270
338
451
668
668
833
68
101
135
203
296
443
591
668
668
875
1093
68
135
203
270
405
489
540
652
668
68
135
270
312
390
405
468
540
625
668
668
68
135
225
270
338
452
564
668
320
480
640
668
668
1000
1332
1665
80
160
320
400
534
668
668
833
80
120
160
240
350
525
668
668
668
875
1093
80
160
240
320
480
579
640
668
668
80
160
320
370
462
480
555
640
668
668
668
80
160
267
320
400
536
668
668
†Avaliações de Corrente de Carga (A)
Faixa de Regulagem (Y e Delta Aberta) ±10%
±8,75% ±7,5% ±6,25% ±5%
Faixa de Regulagem (Delta Fechada)
Classifi- cação em
cada
kVA
34500
172.5
345
517
690
±15% ±13,1% ±11,3% ±9,4% ±7,5%
200
300
400
500
668
1000
1332
1665
50
100
200
250
334
500
668
833
50
75
100
150
219
328
438
548
656
875
1093
50
100
150
200
300
362
400
483
604
50
100
200
231
289
300
347
400
463
500
578
50.2
100.4
167
200.8
250
335
418
502
Classifi-
±15% ±13,1% ±11,3% ±9,4% ±7,5%
50
100
150
200
55
110
165
220
60
120
180
240
68
135
203
270
80
160
240
320
†55/65 °C de aumento em classificações em reguladores VR-32 oferecem incremento adicional de 12% na capacidade caso não tenha sido
ultrapassada a avaliação máxima de corrente do comutador. Para cargas
em excesso dos valores acima, consulte seu representante da Cooper
Power Systems.
* Os reguladores são capazes de lidar com corrente correspondente à
classificação em kVA quando em operação em 7200 V.
Tabela 10-4
ADD-AMP Capacidades de avaliações de 50 Hz
†Avaliações de Corrente de Carga (A)
Tensão
Classifi-
Faixa de Regulagem (Y e Delta Aberta) ±10%
Classifi- cação em
cada
±8,75% ±7,5% ±6,25% ±5%
Faixa de Regulagem (Delta Fechada)
kVA
±15% ±13,1% ±11,3% ±9,4% ±7,5%
6600
11000
15000
22000
33000
33
66
99
132
198
264
330
396
55
110
165
220
330
440
550
660
75
150
225
300
450
600
750
110
220
330
440
660
880
165
330
495
333
660
50
100
150
200
300
400
500
600
50
100
150
200
300
400
500
600
50
100
150
200
300
400
500
50
100
150
200
300
400
50
100
150
231
200
55
110
165
220
330
440
550
660
55
110
165
220
330
440
550
660
55
110
165
220
330
440
550
55
110
165
220
330
440
55
110
165
254
220
60
120
180
240
360
480
600
668
60
120
180
240
360
480
600
668
60
120
180
240
360
480
600
60
120
180
240
360
480
60
120
180
277
240
68
135
203
270
405
540
668
668
68
135
203
270
405
540
668
668
68
135
203
270
405
540
668
68
135
203
270
405
540
68
135
203
312
270
80
160
240
320
480
640
668
668
80
160
240
320
480
640
668
668
80
160
240
320
480
640
668
80
160
240
320
480
640
80
160
240
370
320
†55/65 °C de aumento em classificações em reguladores VR-32 oferecem incremento adicional de 12% na capacidade caso não tenha sido
ultrapassada a avaliação máxima de corrente do comutador. Para cargas em excesso dos valores acima, consulte seu representante da
Cooper Power Systems.
107
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle Série CL-6
BRN
REBITE JBB BRN
RECE
REBITE DE 3/8" DA
CAIXA DE JUNÇÃO
INDICADOR DE POSIÇÃO
V
L
VRD/PRT
VRD/PRT
VRD/PRT
AZL
VRD/PRT
P
AZL
P
AZL
B
RECEPTÁCULO
AZL
REBITE (BRN)
BRN
CIRCUITO DE
PROTEÇÃO CT
V
A
VRD
BRN/PRT
VRM
V
PRT/BRN
AZL/PRT
LAR
VRM/PRT
AZL
LAR/PRT
VRD/PRT
REBITE DE 3/8" DA
CAIXA DE JUNÇÃO
PRT
LAR/PRT
V
RE
B
PRETO
BRANCO
VERMELHO
VERDE
LARANJA
AZUL
BRANCO/PRETO
VERMELHO/PRETO
VERDE/PRETO
LARANJA/PRETO
AZUL/PRETO
PRETO/BRANCO
VERDE/AMARELO
Figura 10-1.
Diagrama de fiação da caixa de junção.
108
13-MONTAGEM DE
CONEXÃO DO CABO [CC]
REBITE DE #10 DA
CAIXA DE JUNÇÃO
PARA A CAIXA DE CONTROLE
VRD
BRN/PRT
PRT
VRM
PRT/BRN
AZL/PRT
LAR
VRM/PRT
AZL
LAR/PRT
VRD/AMR
NÚM
TABELA DE CORES
COR
RECEPTÁCULO
VRD/PRT
RECEPTÁCULO
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
RS-1 (LAR/PRT)
CC (LAR/PRT)
INDICADOR DE POSIÇÃO
Chave de fim
de curso
inferior (LLS)
CC (VRM)
CC (AZL)
1
2
JBB-L (VRD/PRT)
CC (VRD/PRT)
Chave de fim
de curso
elevada (RLS)
1
2
CC (BRN/PRT)
CC (AZL/PRT)
JBB-R (AZL)
LLS-2 (VRD/PRT)
CC (PRT/BRN)
CC (AZL)
Posição de
Solenoid
indicador de
reinicio (RS)
PLACA DE TERMINAIS DA
CAIXA DE JUNÇÃO
(JBB)
RLS-2 (AZL)
R
S6
L
S7
HS
JBB-G (BRN)
S2
S4
C1
NL
C2
DHR (VRM)
TB2
(VRD)
TB1
G
Rebite de
Aterramento
M2
JBB-DHR (LAR)
CC (LAR)
CIRCUITO DE
PROTEÇÃO CT
Rebite de
Aterramento
CC (VRM/PRT)
CC (VRD)
CC (BRN)
RS-2 (BRN)
12-Cabo Condutor
Para o Controle
Figura 10-2.
Diagrama de fiação da caixa de junção Legacy.
109
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle Série CL-6
BLOCO DE TERMINAIS
DA CAIXA DE JUNÇÃO (JBB)
PARA O TERMINAL DE CONTROLE
E INDICADOR DE POSIÇÃO
PLACA DE TERMINAL
DO COMUTADOR
PRT
TERRA PARA
BRN
TRANSFORMADOR DE CORRENTE
BRN
PLACA DE TERMINAL
DO COMUTADOR
PRT
BRN
BRN
BRN
BRN
AZL/PRT
VRM/BRN
AZL
AZL/PRT
AZL/PRT
AZL
PRT/BRN
VRD/BRN
BRN
BRN
BRN
BRN
AZL
VRD/PRT
TRANSFORMADOR
ENROLAMENTO DE
CONTROLE (T)
LAR
LAR
BRN
VRM/PRT
VRM/BRN
L
CHAVE LÓGICA
DE REDUÇÃO (LLS)
VRM/PRT
BRN
VRM
AZL/PRT
AZL
BRN
AZL/BRN
CHAVE LÓGICA
DE ELEVAÇÃO (RLS)
AZL/PRT
CHAVE DE
CONTENÇÃO E
ELEVAÇÃO (RHS)
PRT
AZL
CHAVE DE
CONTENÇÃO DE
REDUÇÃO (LHS)
VRM
PRT
AZL/BRN
VRM/PRT
VRM/BRN
CHAVE DE SEGURANÇA
DE REDUÇÃO (LSS)
A
URANÇ
DE SEG
)
CHAVE EVAÇÃO(RSS
DE EL
VRM/AZL
MOTOR
RESISTOR (MR)
VRM/AZL
Figura 10-3.
Fiação interna típica para um regulador com comutador Quik-Drive QD3.
110
VRM
VRM/PRT
VRM/PRT
VRM
VRM/AZL
AZL/BRN
AZL/BRN
VRM/BRN
VRM/BRN
PRT
PRT
LAR
MOTOR DO
COMUTADOR (M)
R
VRM/AZL
BRN
BRN
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
PARA O TERMINAL DE
CONTROLE E INDICADOR
DE POSIÇÃO
TRANSFORMADOR
DE CORRENTE
PLACA DE TERMINAL
DO COMUTADOR
PRT
BRN
BRN
TERRA PARA
PRT
BRN
BRN
BLOCO DE TERMINAIS
DA CAIXA DE JUNÇÃO (JBB)
BRN
BRN
BRN
BRN
BRN
AZL
ENROLAMENTO DE
CONTROLE DO
TRANSFORMADOR (T)
AZL/PRT
VRM/BRN
AZL/PRT
AZL/PRT
VRM
VRM
AZL
BRN
CHAVE LÓGICA
DE ELEVAÇÃO (LLS)
AZL/PRT
VRM/PRT
VRM/PRT
AZL/BRN
AZL/BRN
AZL
VRM/BRN
VRM/BRN
VRM
AZL/BRN
PRT
PRT
VRM/PRT
VRM/BRN
AZL
VRD/PRT
LAR
LAR
CHAVE LÓGICA
DE REDUÇÃO (LSS)
BRN
BRN
BRN
AZL/PRT
PRT/BRN
VRD/BRN
VRM/PRT
PARA JBB-G
CHAVE DE SEGURANÇA
DE ELEVAÇÃO (RSS)
AZL/BRN
CHAVE DE CONTENÇÃO
E ELEVAÇÃO (RHS)
CHAVE DE LUZ
DO NEUTRO (NL)
LAR
BRN
VRM/PRT
CHAVE DE SEGURANÇA
DE REDUÇÃO (LSS)
CHAVE DE CONTENÇÃO
DE REDUÇÃO (LHS)
AZL
AZL
VRM
PRT
VRM/BRN
Figura 10-4.
Fiação interna típica para um regulador com comutador Quik-Drive QD5.
111
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle Série CL-6
PLACA DE TERMINAL
DO COMUTADOR
(TCB2)
PRT
PARA O TERMINAL DE
CONTROLE E INDICADOR
DE POSIÇÃO
BRN
TRANSFORMADOR DE CORRENTE
(C)
TERRA PARA
TCB1-G
BRN
PRT
BRN
BRN
BRN
BRN
BLOCO DE TERMINAIS DA
CAIXA DE JUNÇÃO (JBB)
PLACA DE TERMINAL
DO COMUTADOR
(TCB1)
MOTOR DO
COMUTADOR (M)
AZL PRT
VRM BRN
AZL
AZL
PRT BRN
VRD BRN
VRM
AZL
BRN
BRN
BRN
BRN
BRN
VRM
VRM
AZL
AZL
VRM
VRM
PRT
PRT
AZL
VRD PRT
LAR
LAR
VRM PRT
BRN
ENROLAMENTO DE
CONTROLE DO
TRANSFORMADOR (T)
BRN
BRN
CHAVE DE SEGURANÇA DE
ELEVAÇÃO (RSS)
CHAVE DE CONTENÇÃO
DE REDUÇÃO (LHS)
AZL
VRM
VRM
AZL
VRM
CHAVE DE SEGURANÇA DE
REDUÇÃO (LSS)
PRT
AZL
PRT
CHAVE DE LUZ
DO NEUTRO (NL)
LAR
BRN
Figura 10-5.
Fiação interna típica para um regulador com comutador Quik-Drive QD8.
112
CHAVE DE CONTENÇÃO
DE ELEVAÇÃO (RHS)
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
Esta página está propositalmente em branco.
113
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle Série CL-6
TRANSFORMADOR DE CORRENTE
(BOBINA TOROIDAL)
BUCHA
DE FONTE
S
L
ENROLAMENTO DE
SÉRIE
COMUTADA
J4-4
CIRCUITO DE
PROTEÇÃO CT
JBB-C1
JBB-C2
BUCHA DE CARGA
CT
INPUT
COUPLER
J4-3
ATERRAMENTO LOCALIZADO
NO PAINEL TRASEIRO
(INTEGRADO AO BLOCO
DO TERMINAL)
SD1
1
DF DHR EST
HSL
HSR
IRS
JB
JBB
LLS
LLS
LSS
MC
MF
MOV
MR
NL
NLC
NLS
PD
PF
PS
RCT
RLS
RLS
RSS
SCP
SD
TB
TCB
VM
VS
VTT
Fusível de Tensão Diferencial
Drag Hand Reset
Terminais de Fonte Externa
Chave de Trava Inferior
Chave de Trava Elevada
Solenoide do Indicador Reiniciada
(Indicador de Posição)
Caixa de Junção na Tampa do Regulador
Placa de Terminais da Caixa de Junção
na Tampa
Chave de Trava Inferior (Indicador de Posição)
Chave Lógica Inferior (Comutador)
Chave de segurança Inferior
Motor Capacitor
Fuso do Motor
Óxido metal varistor
Motor Resistor
Luz de Neutro
Capacitor de Luz do Neutro
Chave de Luz de Neutro
Dispositivo de Abertura Potencial
Fusível do Painel
Chave de Força
Transformador de Correção de Razão
Chave de Trava Elevada (Indicador de Posição)
Chave Lógica Elevada (Comutador)
Chave de segurança Elevada
Proteção contra Curto-circuito
Dispositivo de Corrente de Curto
Placa de Controle do Terminal
Placa de Terminal do Comutador
Tensão do Motor
Tensão de Detecção
Terminais de Teste de Tensão
2
TB1-C2
JUMPER
REMOVÍVEL
PARA
ACESSÓRIOS
PANEL
POWER
INPUT
TB1-C1
TB1-C3
TB1-C4
TB1-C3
TRANSFORMADOR
POTENCIAL
DIFERENCIAL
P3 P2 P1
P4
X2
COMUTADORES
LOCALIZADOS
NA PLACA DO TERMINAL
DO COMUTADOR
SOB ÓLEO
PS
X1
EXTERNAL
SOURCE
JBB-S4
INTERNAL
SOURCE
E3
ENROLAMENTO
DE
DERIVAÇÃO
E2
10
5
2
OFF
11
6
3
12
J4-14
JBB-S2
E1
G
TB2-VS
ENROLAMENTO DE
CONTROLE
TB1-G
TERRA REMOVÍVEL
NO BLOCO DO TERMINAL
DO PAINEL
1
(V1)
1
TB
TB2-V
(V6)
PD1
PD2
TB1-VS
2
2
TB1-V5
TB1-V4
133
127
120
115
110
SL
BUCHA DE
CARGA DE FONTE
104
COM
RCT1
133
127
120
115
110
104
COM
RCT2
Figura 10-6.
Diagrama de fiação para Regulador VR-32 Tipo B e controle CL-6 com transformador potencial diferencial.
114
1
J4-12
JBB-G
OBSERVAÇÃO: A parte do esquema exibida
em invólucros pontilhados está
localizada no tanque regulador.
4
REMOVAB
JUMPER
FOR
ACCESSORI
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
J4-4
PLACA DE
CIRCUITO
CL6
CONECTOR
DE ENTRADA
CT
J4-3
CONECTOR DE
CHAVE DE
SUPERVISÃO
V-OUT
(CARGA)
CONECTOR DE
ENTRADA
ENTRADA DE
ALIMENTAÇÃO
DO PAINEL
V-IN (CARGA)
CONECTOR
DE ENTRADA
CONECTOR
ATIVADO
AUTOMATICAMENTE
CONECTOR J4-7
DE DETECÇÃO
DE LÂMPADA
DE NEUTRO
CONECTOR DE
DETECÇÃO DE
CORRENTE
DO MOTOR
TRIACS
REDUÇÃO
DESLIGADO
FONTE
ELEVAÇÃO
AUTO
LIGADO
DESLIGADO
SUPERVISÃO
ELEVAÇÃO
DESLIGADO
MANUAL
REDUÇÃO
MF
6 AMP
DESLIGADO
REINICIAR
DRAG
HAND
SCP
PRT
VRD
PS
FONTE
EXTERNA
FONTE
INTERNA
4
1
5
2
6
3
VTT
BRN
BRN
DESLIGADO
11
12
J4-12
J4-14
TB2-VS
EST
10
VRM
TB2-V7
TB2-VM
J4-10
J4-11
TB2-8
J4-2
J4-1
J4-17
J4-13
J4-5
J4-15
J4-8
TB2-6
TB2-7
TB2-5
TB2-G
TB2-BR
TB2-V9
TB2-L3
TB8-3
TB1-VS
TB1-V5
TB1-V4
JUMPER REMOVÍVEL
PARA
FORNECIMENTO
DE RELÊ DE
BLOQUEIO
J4-9
TB2-R3
J4-6
J4-16
TB2-HS
TB2-DHR
TB2-NL
TB1-HS
TB1-DHR
TB1-NL
TB1-L1
TB1-R1
TB8-1
TB8-5
TB8-4
JB
1
2
LLS
1
2
RLS
JBB-L
JBB-R
JBB-S6
JUMPER
REMOVÍVEL
PARA ACESSÓRIOS
MR
NO NC
C
2
MC
JBB-S7
NC
LLS
C
1
JBB-DHR
JBB-HS
T3 T2
NC
TCB-G
NLS
C
C
1
IRS
2
RSS
C
HSL
JBB-G
C
RLS
NC
LSS
NO
NC
T1
C NO
HSR
JBB-NL
ATERRAMENTO
INTERNO REMOVÍVEL
EM CAIXA DE JUNÇÃO
115
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle Série CL-6
TRANSFORMADOR DE CORRENTE
(BOBINA TOROIDAL)
BUCHA
DE FONTE
S
L
ENROLAMENTO
DE SÉRIE
COMUTADA
JBB-C2
BUCHA
DE CARGA
J4-4
JBB-C1
CIRCUITO DE
PROTEÇÃO CT
SD1
JUMPER
REMOVÍVEL
PARA
ACESSÓRIOS
J4-3
V-OUT
(CARGA)
CONECTOR
DE ENTRADA
ATERRAMENTO LOCALIZADO
NO PAINEL TRASEIRO
(INTEGRADO AO
BLOCO DO TERMINAL)
TB3-C
1
(TB3-C)
CONECTOR
DE
ENTRADA CT
4
ENTRADA DE
ALIMENTAÇÃO
DO PAINEL
TB3-C1
TB3-C2
TB3-C3
V-IN/DIFF
CONECTOR
DE ENTRADA
TB3-C3
MF
6 AMP
SCP
VRD
PS
COMUTADORES LOCALIZADOS
NA PLACA DO
TERMINAL DO COMUTADOR
SOB ÓLEO
DF DHR EST
HSL
HSR
IRS
JB
JBB
LLS
LLS
LSS
MC
MF
MOV
MR
NL
NLC
NLS
PD
PF
PS
RCT
RLS
RLS
RSS
SCP
SD
TB
TCB
VM
VS
VTT
Fusível de Tensão Diferencial
E3
Drag Hand Reset
E2
Terminais de Fonte Externa
ENROLAMENTO
E1
Chave de Trava Inferior
DE DERIVAÇÃO
Chave de Trava Elevada
G
Solenoide do Indicador Reiniciada
ENROLAMENTO
(Indicador de Posição)
DE CONTROLE
Caixa de Junção na Tampa do Regulador
Placa de Terminais da Caixa de JunJBB-G
ção na Tampa
Chave de Trava Inferior (Indicador de
Posição)
Chave Lógica Inferior (Comutador)
Chave de segurança Inferior
Motor Capacitor
Fuso do Motor
Óxido metal varistor
Motor Resistor
Luz de Neutro
Capacitor de Luz do Neutro
Chave de Luz de Neutro
Dispositivo de Abertura Potencial
Fusível do Painel
SL
Chave de Força
BUCHA
DE
Transformador de Correção de Razão
CARGA
Chave de Trava Elevada (Indicador de
DE FONTE
Posição)
Chave Lógica Elevada (Comutador)
Chave de segurança Elevada
Proteção contra Curto-circuito
Dispositivo de Corrente de Curto
Placa de Controle do Terminal
Placa de Terminal do Comutador
Tensão do Motor
ATERRAMENTO LOCALIZADO
Tensão de Detecção
NO PAINEL TRASEIRO
Terminais de Teste de Tensão
(INTEGRADO AO
BLOCO DO TERMINAL)
FONTE
EXTERNA
FONTE
INTERNA
4
1
5
OFF
2
11
6
3
10
12
J4-12
J4-14
JBB-S2
TB3-VS
1
(TB3-V1)
TB3-V7
TB3-VM
TB3-VS
PD1
4
TB3-VS
TB3-V4
TB3-133
127
JUMPER
REMOVÍVEL
PARA
ACESSÓRIOS
120
115
110
104
COM
RCT1
TB3-G
TB3-G
Figura 10-7.
Diagrama de fiação para Regulador VR-32 Tipo B e controle CL-6 com transformador potencial diferencial e
projeto alternativo de painel traseiro.
116
J4-10
J4-11
TB3-8
J4J4-1
TB3TB3-7
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
J4-4
PLACA DE
CIRCUITO
CL6
CONECTOR
DE
ENTRADA CT
J4-3
CONECTOR
DE CHAVE
DE SUPERVISÃO
V-OUT
(CARGA)
CONECTOR
DE ENTRADA
ENTRADA DE
ALIMENTAÇÃO
DO PAINEL
V-IN/DIFF
CONECTOR
DE ENTRADA
CONECTOR
ATIVADO
AUTOMATICAMENTE
CONECTOR
DE DETECÇÃO J4-7
DE LÂMPADA
DE NEUTRO
TRIACS
REDUÇÃO
FONTE
CONECTOR
DE DETECÇÃO
DE CORRENTE
DO MOTOR
ELEVAÇÃO
DESLIGADO
AUTO
LIGADO
DESLIGADO
SUPERVISÃO
ELEVAÇÃO
MANUAL
DESLIGADO
REDUÇÃO
MF
6 AMP
DESLIGADO
SCP
PRT
VRD
PS
NTE
ERNA
NTE
ERNA
4
1
5
2
OFF
11
6
3
12
J4-12
J4-14
TB3-VS
EST
10
TB3-V7
TB3-VM
VTT
BRN
J4-10
J4-11
TB3-8
REINICIAR
DRAG
HAND
VRM
BRN
J4-2
J4-1
J4-17
J4-13
J4-5
J4-15
J4-8
TB3-6
TB3-7
TB3-5
TB3-G
TB3-BR
TB3-V9
TB3-L3
TB3-R3
TB3-L2
TB3-R2
TB3-L1
TB3-R1
J4-9
J4-6
J4-16
TB3-HS
TB3-DHR
TB3-NL
TB3-VS
TB3-BR
TB3-VS
JB
1
2
LLS
TB3-V4
1
2
RLS
JBB-L
JBB-R
JBB-S6
JUMPER
REMOVÍVEL
PARA
ACESSÓRIOS
MR
NO NC
C
2
MC
JBB-S7
NC
LLS
C
1
JBB-DHR
JBB-HS
T3 T2
NC
TCB-G
C
C
1
IRS
2
RSS
C
HSL
JBB-G
NLS
RLS
NC
LSS
NO
NC
C
T1
C NO
HSR
JBB-NL
ATERRAMENTO
INTERNO
REMOVÍVEL EM
CAIXA DE JUNÇÃO
117
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle Série CL-6
Branco
Laranja
Azul
Verde/Preto
Vermelho/Preto
Laranja/Preto
Azul/Preto
Preto/Branco
Branco/Preto
Preto
Vermelho
Verde
Observação: Jumper TB2-V7
para TB2-Vs aplicável somente
em montagens de painel traseiro com fluxo elétrico não-invertido fornecidas sem RCT2.
JBB-DHR
JBB-NL
G R2 L2 R4 L4 C2 C4 C4 C3
RCT1-120
SD1-2
RCT2-G
TB2-C3
1
(V6) (V1)
2
2
RCT2
TB2-C2
1
PD2 PD1
TB1
TB1-G
JBB-C2
JBB-S2
1
D
G HS R1 R1 L1 L1 NL H VS V5 V5 V4 V7 G
R
RCT1
2
SD1
3
(C)
4
TB2-C1
133
127
PD2-2
RCT2
120
TB2-V7
115
110
104
RCT1-G
TB1-G
G
133
127
PD1-2
TB1-V4
RCT1
120
115
110
104
TB2-G
8
7
6
Figura 10-8.
Circuito de sinal do painel traseiro.
5
J
V9
V7
TB8-4
BR
G
5
6
VS
7
VS
VM
C1
TB8
TB1-L1
TB1-HS
TB1-C3
TB1-VS
G
TB2-BR
4
RCT1-G
3
SD1-3
TB2-J
TB8-5
RCT2-120
2
TB2-G
1
G
TB1-L1
TB1-R1
RCT2-G
TB8-4
O TB2-V7 é conectado a RCT2120 em montagens de painel
traseiro designadas para fluxo
elétrico invertido fornecidas com
RCT2.
118
Montagem de Cabo,
Caixa de Controle
JBB-S4
TB2-VS
Branco
Branco/Marrom
Branco/Azul
Branco
Branco
Preto
Vermelho
Verde
Laranja
Azul
Branco/Verde
Branco/Vermelho
Branco/Laranja
LLS-1
TB2-NL
TB2-G – RCT2-120 – TB8-5 – TB8-4 – TB2-J – TB1-VS – SD1-3 – TB1-C3 – TB1-HS – TB1-R1 – TB1-L1 – TB1-NL – TB1-DHR – G
JBB-HS
RLS-1
TB2-DHR
Azul
Branco/Verde
Branco
Branco
Branco/Azul
JBB-S7
TB2-L3
TB1-R1 – TB1-L1 – TB2-G – RCT1-G – TB2-BR – JBB-S6
TB8-3
Branco/Marrom
Branco/Marrom
Branco
Branco
Preto
Preto
Branco
Branco
2
TB8-1
PD2-2 – TB2-V7 – RCT1-G – TB1-G – PD1-2 – TB1-V4 – RCT2-G –
TB8-4 – JBB-G
TB2-HS
Branco
Laranja
Azul
Azul
Branco/Verde
Branco/Verde
Branco/Vermelho
Branco/Laranja
Preto
Preto
Branco
Branco
Violeta
Verde
Branco/Marrom
Preto
Vermelho
1
JBB-C1
TB2-R3
TB1-G – TB2-HS – TB2-R3 – TB8-1 – TB2-L3 – TB8-3 – TB2-NL – TB2-DHR –
TB2-VS – RCT1-120 –
TB1-G – RCT2-G – SD1-2 – TB2-C3 – RCT2 – RCT1 – TB2-C1 – Capacidade do Motor
TB1-G
JBB-G – JBB-HS – RLS-1 – LLS-1 – JBB-NL – JBB-DHR – JBB-S6 – JBB-S7 – JBB-S4 – JBB-S2 – JBB-S1 – JBB-S2 – C3
TB1-R1
HS
R3
TB1-DHR
TB1-NL
L3
NL DHR
TB2
!
S225-11-1P
SEGURANÇA
PARA A VIDA
Capacidade do Motor
JBB-G – Branco
JBB-HS – Laranja
RLS-1 – Azul
LLS-1 – Verde/Preto
JBB-NL – Vermelho/Preto
JBB-DHR – Laranja/Preto
JBB-S6 – Azul/Preto
JBB-S7 – Preto/Branco
JBB-S2 – Preto
JBB-S1 – Vermelho
JBB-S2 – Verde
V1-120 10 Preto
V4-120 11 Preto
G-G
12 Branco
BR-BR 13 Branco/Azul
R3-R2 14 Azul
L3-L2 15 Branco/Verde
VS-VS 16 Preto
C-C2
17 Violeta
C3-C3 18 Verde
C1-C
19 Vermelho
VS-V7 20 Branco/Marrom
1
2
JBB-S6
JBB-S7
Montagem de Cabo,
Caixa de Controle
RCT1
RLS-1 LLS-1
1 2 3 11 4 5
6 7 12 13
14
JBB-C1 JBB-C2
JBB-S2
19 17
15 11 16 17 18 1
1
5
2
20 13 12
JBB-HS
20 16
19 18
JBB-NL JBB-DHR
14 15
133
127
120
120
115
110
110
104
G
G
BR
R1
R2
L1
L2
V4
VS
C2
C3
V1
C
C
8
7
6
5
J
V9
V7
BR
G
G
VS
VS
VM
C1
C3
HS
R3
L3
NL
DHR
2
JBB-G
10
3
4
6
7
TB3
3
4
10
Figura 10-9.
Circuito de sinal do painel traseiro alternativo.
119
Instruções de Instalação, Operação e Manutenção do Controle Série CL-6
!
SEGURANÇA
PARA A VIDA
© 2012 Cooper Industries. Todos os direitos reservados.
Cooper Power Systems, ADD-AMP, Cooper Control Interface, MeteringPLUS, PMT, Quik-Drive, Quik-Start, TIME-ON-TAP e ProView são marcas
registradas valiosas da Cooper Industries nos Estados Unidos e em outros
países. Você não tem permissão para usar as marcas registradas Cooper
Trademarks sem consentimento prévio por escrito de Cooper Industries.
SanDisk® e CompactFlash® são marcas registradas da SanDisk Corporation
Inc. nos Estados Unidos e/ou em outros países.
Microsoft® Windows®, ActiveSync® e Internet Explorer® são marcas registradas da Microsoft Corporation nos Estados Unidos e/ou em outros países.
Norma IEEE. C37.90.1™-2002, Norma IEEE. C37.90.2™-1995, Norma IEEE.
C57.13™-1993, Norma IEEE. C57.15™-1999, Norma IEEE. C57.91™-1995,
e Norma IEEE. C57.131™-1995 padrões e marcas registradas do Institute of
Electrical and Electronics Engineers, Inc., (IEEE - instituto de engenheiros elétricos e eletrônicos). Este produto não é endossado ou aprovado pelo IEEE.
IEEE® é uma marca registrada do Institute of Electrical and Electronics
Engineers, Inc., (IEEE).
One Cooper | www.cooperpower.com | Online
S225111P 0511
2300 Badger Drive
Waukesha, WI 53188 USA
Was this manual useful for you? yes no
Thank you for your participation!

* Your assessment is very important for improving the work of artificial intelligence, which forms the content of this project

Download PDF

advertisement