Multicanal Sistema de medição e de regulação DULCOMARIN® II

Multicanal Sistema de medição e de regulação DULCOMARIN® II
Manual completo
Multicanal Sistema de medição e de regulação
DULCOMARIN® II Controlador de piscinas e
Disinfection Controller DXCa
A0204
Introduzir aqui o código identificação do seu aparelho! DXCa _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
Ler primeiro o manual de instruções na sua totalidade! · Não o deitar fora!
Por de danos devido a erros de instalação e comando, a empresa operadora se responsabiliza!
Reservadas as modificações técnicas!
985692
BA DC 012 04/12 PT
ProMinent Dosiertechnik GmbH
Im Schuhmachergewann 5 - 11
69123 Heidelberg
Telefone: +49 6221 842-0
Fax: +49 6221 842-419
E-Mail: [email protected]
Internet: www.prominent.com
985692, 2, pt_PT
© 2012
2
Instruções complementares
Igualdade de tratamento geral
Neste documento é utilizada a forma gramatical masculina num
sentido neutro, para tornar a leitura do texto mais fácil. No entanto,
é sempre dirigido a mulheres e homens de igual forma. Apelamos
à compreensão das leitoras para esta simplificação do texto.
Instruções adicionais
Leia as seguintes instruções complementares.
Dá-se especial relevo no texto ao seguinte:
n Enumerações
Instruções de manuseio
ð Resultados das instruções de manuseio
Informações
Uma informação serve para dar indicações impor‐
tantes para o funcionamento correcto do aparelho ou
para facilitar o seu trabalho.
Indicações de segurança
As indicações de segurança contêm vastas descrições da situação
de perigo, ver Ä Capítulo 2.1 “Identificação das instruções de
segurança” na página 15
3
Índice geral
Índice geral
4
PT
Multicanal Sistema de medição e de regulação DULCO‐
MARIN® II Controlador de piscinas e Disinfection Con‐
troller DXCa ......................................................................... 8
1 Identificação de aparelhos/código de identificação....... 12
2 Introdução...................................................................... 15
2.1 Identificação das instruções de segurança................. 15
2.2 Qualificação do utilizador............................................ 17
3 Segurança e responsabilidade...................................... 18
3.1 Indicações de segurança gerais................................. 18
3.2 Utilização correcta...................................................... 19
4 Ajudas de planeamento e pedidos no local de insta‐
lação ............................................................................. 20
4.1 Pedidos no local de instalação................................... 20
4.2 Determinar a necessidade de cabos e acessórios..... 21
4.3 Dispor os módulos de unidade da alimentação eléc‐
trica (DULCOMARIN® II DULCO-Net)........................ 25
4.4 Instalar a linha principal de bus CAN.......................... 26
5 Montar e instalar............................................................ 27
5.1 Procedimento Caixa DXC (grande)............................ 27
5.2 Procedimento Caixa DXM (pequena)......................... 34
5.3 Instalar o cabo bus CAN............................................. 37
6 Visão geral do aparelho e elementos de operação....... 43
7 Descrição funcional (geral)............................................ 45
8 Manutenção, reparação e eliminação............................ 48
8.1 Eliminação de peças antigas...................................... 49
9 Dados técnicos, peças sobressalentes e acessórios.... 50
10 Declaração de Conformidade CE e normas cum‐
pridas........................................................................... 51
11 Esquema de conexão de bornes DULCOMARIN® II
compact ...................................................................... 52
PT
Multicanal Sistema de medição e de regulação DULCO‐
MARIN® II Controlador de piscinas e Disinfection Con‐
troller DXCa .......................................................................
1 Documentos aplicáveis..................................................
2 Introdução......................................................................
2.1 Identificação das instruções de segurança.................
2.2 Qualificação do utilizador............................................
3 Segurança e responsabilidade......................................
3.1 Instruções Gerais de Segurança................................
3.2 Utilização correcta......................................................
4 Descrição funcional.......................................................
5 Elementos de operação ................................................
5.1 Função das teclas.......................................................
5.2 Código de acesso (palavra-passe).............................
6 Colocação em funcionamento: Configurar módulos
CAN...............................................................................
6.1 Ligar e desligar módulos.............................................
6.2 Colocar a bomba Beta CAN em funcionamento.........
6.3 Colocar módulo R em funcionamento........................
7 Estrutura dos menus de operação.................................
7.1 Estrutura principal.......................................................
7.2 Indicação contínua......................................................
59
63
64
64
66
67
67
69
70
71
71
73
75
75
77
80
82
82
83
Índice geral
7.3 Item central de menu.................................................. 84
7.4 Cartão SD removido com segurança.......................... 85
7.5 Estados universais...................................................... 86
7.6 Menus em baixo do item de menu central.................. 88
7.7 Submenus do menu de parametrização..................... 90
8 Calibração...................................................................... 91
8.1 Calibrar variável de medição pH................................. 92
8.2 Verificar variável de medição Redox.......................... 96
8.3 Calibrar a variável de medição "Cloro livre"............... 97
8.4 Calibrar a variável de medição "Cloro total"............. 102
8.5 Calibrar a variável de medição Fluoreto (F-)............. 108
8.6 Calibrar variável de medição dióxido de cloro
(ClO2)........................................................................ 110
8.7 Calibrar a variável de medição peróxido de hidro‐
génio (H2O2).............................................................. 114
8.8 Variável de medição clorite (ClO2 -) calibrar............. 117
8.9 Calibrar a variável de medição Ácido paracético
(PES)........................................................................
8.10 Calibrar a variável de medição Temperatura..........
9 Parametrizar................................................................
9.1 Todos os parâmetros................................................
9.2 Medição....................................................................
9.3 Controlo....................................................................
9.4 Ajustar a saída mA...................................................
9.5 Ajustar o alarme........................................................
9.6 Parametrização Medidor de caudal..........................
9.7 Ajustar Eco!Modo.....................................................
9.8 Dosagem de cloro dependente de Redox................
10 Configurar..................................................................
10.1 Configurar o módulo DXMaM.................................
10.2 Configurar o módulo DXMaA..................................
10.3 Configurar o módulo DXMaP..................................
10.4 Configurar o módulo de cloro livre..........................
10.5 Configurar o módulo de cloro total..........................
10.6 Configurar o módulo de cloro.................................
10.7 Módulo R (módulo de accionamento para aparelho
de dosagem de gás cloro) .....................................
10.8 Configurar o módulo P1 (módulo das bombas de
dosagem) ...............................................................
10.9 Configurar o módulo G (módulo do valor limite).....
10.10 Configurar o módulo I (módulo de entrada de cor‐
rente) ...................................................................
11 Manutenção ..............................................................
11.1 Configurar o temporizador de manutenção............
12 Eliminação de erros...................................................
PT
DULCOMARIN® II, Gravador de monitor Operação.........
1 Sobre este produto......................................................
1.1 Armazenamento e transporte...................................
2 Configurar o gravador de monitor................................
3 Estrutura e funcionamento do gravador de monitor....
4 Utilizar o cartão SD......................................................
5 Eliminação de erros.....................................................
120
122
123
123
124
131
146
147
150
151
152
154
155
162
169
171
172
173
174
176
178
179
183
183
185
201
206
206
207
210
212
215
5
Índice geral
6 Dados técnicos e acessórios....................................... 216
6
PT
DULCOMARIN® II, Módulo A (módulo de accionamento,
bombas e saídas de sinal padrão mA) DXMaA................
1 Código identificação....................................................
2 Sobre este aparelho....................................................
2.1 Capítulo sobre a segurança......................................
2.2 Armazenamento e transporte...................................
3 Montar e instalar..........................................................
4 Dados técnicos............................................................
217
222
224
224
224
225
228
PT
DULCOMARIN® II, Módulo G (Módulo transmissor de
valor limite e de alarme) DXMaG......................................
1 Código identificação....................................................
2 Sobre este aparelho....................................................
2.1 Capítulo sobre a segurança......................................
2.2 Armazenamento e transporte...................................
3 Montar e instalar..........................................................
4 Dados técnicos............................................................
229
234
235
235
235
236
238
PT
DULCOMARIN® II, Módulo I (módulo de entrada de cor‐
rente, entradas de sinal padrão mA) DXMal.....................
1 Código identificação....................................................
2 Sobre este aparelho....................................................
2.1 Capítulo sobre a segurança......................................
2.2 Armazenamento e transporte...................................
3 Montar e instalar..........................................................
4 Dados técnicos............................................................
239
244
246
246
246
247
249
PT
DULCOMARIN® II, Módulo M DXMaM (módulo de
medição para pH, Redox, temperatura)............................
1 Código identificação....................................................
2 Segurança e responsabilidade....................................
3 Manuseamento do aparelho........................................
4 Esquema de conexão de bornes.................................
5 Elementos de operação...............................................
5.1 Estrutura do menu de operação...............................
6 Ajustar..........................................................................
6.1 Ajustes base.............................................................
6.2 Calibração.................................................................
251
256
258
259
260
263
264
267
267
268
PT
DULCOMARIN® II, Módulo N (módulo da unidade de ali‐
mentação eléctrica sem relé) DXMaN..............................
1 Código identificação....................................................
2 Sobre este aparelho....................................................
2.1 Capítulo sobre a segurança......................................
2.2 Armazenamento e transporte...................................
3 Montar e instalar..........................................................
3.1 Reparação (apenas substituição do fusível).............
279
284
286
286
286
287
290
PT
DULCOMARIN® II, Módulo P (módulo da unidade de ali‐
mentação eléctrica com relé) DXMaP..............................
1 Código identificação....................................................
2 Sobre este aparelho....................................................
2.1 Capítulo sobre a segurança......................................
2.2 Armazenamento e transporte...................................
3 Montar e instalar..........................................................
291
296
298
298
298
299
Índice geral
3.1 Reparação (apenas substituição do fusível).............
3.2 Disposição dos LED.................................................
3.3 Exemplo de ligação de uma válvula solenóide.........
4 Dados técnicos............................................................
301
302
303
304
PT
DULCOMARIN® II, Módulo R (aparelho de accionamento
para aparelho de dosagem de gás cloro) DXMaR............
1 Código identificação....................................................
2 Segurança e responsabilidade....................................
3 Manuseamento do aparelho........................................
4 Esquema de conexão de bornes.................................
305
308
310
311
312
PT
DULCOMARIN® II Extensão da função com módulo M, A
e P..................................................................................... 315
1 Função MAP................................................................ 320
2 Atribuição da quantidade de circulação....................... 321
2.1 Definição das respectivas condições operacionais da
circulação.................................................................. 323
3 Monitorização de débito [fluxo de água] ..................... 325
4 Ajuste do temporizador................................................ 328
5 Abastecimento de água............................................... 331
6 Accionamento da válvula de retrolavagem.................. 332
7
Instruções de montagem
Multicanal Sistema de medição e de regulação
DULCOMARIN® II Controlador de piscinas e
Disinfection Controller DXCa
Parte 1: Montar e instalar
A0507
Introduzir aqui o código identificação do seu aparelho! DXCa _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
Ler primeiro o manual de instruções na sua totalidade! · Não o deitar fora!
Por de danos devido a erros de instalação e comando, a empresa operadora se responsabiliza!
Reservadas as modificações técnicas!
N.º peça 985691
BA DC 014 04/12 PT
ProMinent Dosiertechnik GmbH
Im Schuhmachergewann 5 - 11
69123 Heidelberg
Telefone: +49 6221 842-0
Fax: +49 6221 842-419
E-Mail: [email protected]
Internet: www.prominent.com
985691, 2, pt_PT
© 2012
9
Instruções complementares
Documentos aplicáveis
Este manual de instruções ou complementar é válido apenas jun‐
tamente com os seguintes manuais de operação ou complemen‐
tares:
n Manual de instruções Multicanal Sistema de medição e de
regulação DULCOMARIN® II, Controlador de piscinas e Disin‐
fection Controller DXCa Parte 2: Operação
n Manual complementar DULCOMARIN® II, Gravador de monitor
Operação
n Manual complementar DULCOMARIN® II, Ligar módulo M
(módulo de medição para pH, Redox, temperatura) DXMaM
n Manual complementar DULCOMARIN® II, Módulo A (módulo
de accionamento, bombas e saídas de sinal padrão mA)
DXMaA
n Manual complementar DULCOMARIN® II, Módulo N (módulo
de unidade da alimentação eléctrica sem relé) DXMaN
n Manual complementar DULCOMARIN® II, Módulo P (módulo
de unidade da alimentação eléctrica com relé) DXMaP
n Manual complementar DULCOMARIN® II, Módulo I (módulo de
entrada de corrente, entradas de sinal padrão mA) DXMaI
10
Índice
Índice
1
Identificação de aparelhos/código de identificação............ 12
2
Introdução........................................................................... 15
2.1 Identificação das instruções de segurança................. 15
2.2 Qualificação do utilizador............................................ 17
3
Segurança e responsabilidade........................................... 18
3.1 Indicações de segurança gerais................................. 18
3.2 Utilização correcta...................................................... 19
4
Ajudas de planeamento e pedidos no local de instalação .
4.1 Pedidos no local de instalação...................................
4.2 Determinar a necessidade de cabos e acessórios.....
4.3 Dispor os módulos de unidade da alimentação eléc‐
trica (DULCOMARIN® II DULCO-Net)........................
4.4 Instalar a linha principal de bus CAN..........................
20
20
21
5
Montar e instalar.................................................................
5.1 Procedimento Caixa DXC (grande)............................
5.1.1 Montagem na parede...............................................
5.1.2 Montagem do painel de controlo.............................
5.1.3 Instalação (eléctrica)................................................
5.1.4 Ligar o cabo coaxial.................................................
5.1.5 Conectar borne........................................................
5.2 Procedimento Caixa DXM (pequena).........................
5.2.1 Montar (mecanicamente).........................................
5.2.2 Instalação (eléctrica)................................................
5.3 Instalar o cabo bus CAN.............................................
5.3.1 Ligações fora da caixa.............................................
5.3.2 Ligações dentro da caixa DXC................................
27
27
27
29
30
33
33
34
34
35
37
38
41
6
Visão geral do aparelho e elementos de operação............ 43
7
Descrição funcional (geral)................................................. 45
8
Manutenção, reparação e eliminação................................. 48
8.1 Eliminação de peças antigas...................................... 49
9
Dados técnicos, peças sobressalentes e acessórios......... 50
10
Declaração de Conformidade CE e normas cumpridas...... 51
11
Esquema de conexão de bornes DULCOMARIN® II com‐
pact .................................................................................... 52
12
Índice remissivo.................................................................. 58
25
26
11
Identificação de aparelhos/código de identificação
1
Identificação de aparelhos/código de identificação
O código de identificação descreve o controlador com‐
pacto DULCOMARIN® II
1) O cabo fornecido destina-se à ligação a um curso,
Switch, Router ou a uma Intranet.
Para a ligação directa do DULCOMARIN® II a um PC/
MAC, é necessário um acoplamento LAN e o cabo
Cross-Over Cat. 5.
O comprimento máximo do cabo LAN é de aprox. 100
m.
Para a operação do servidor Web num PC, recomen‐
damos o browser Microsoft® Internet Explorer 5 ou
superior.
No fornecimento de DXCa encontra-se:
–
–
–
–
–
DXCa
1 distribuidor T
1 cabo de ligação CAN
1 resistência terminal Acoplamento e 1 resistência
terminal Ficha
1 cartão SD 64 MB ou superior
1 leitor de cartões para PC
Multicanal Sistema de medição e de regulação DULCOMARIN® II Série DXC
Tipo de montagem:
W
Montagem na parede (IP 65)
S
Armário de distribuição (IP 54)
Versão:
0
com elementos de comando
D
com elementos de comando, área de utilização Água potável/desinfecção
Interfaces de comunicação:
0
nenhuma
5
Embedded Web-Server, LAN incl. LAN cabo de interconexões 1:1 de 5 m,
acoplamento LAN, cabo Cross-Over de 5 m 1)
6
OPC-Server + Embedded Web-Server, LAN incl. LAN cabo de intercone‐
xões 1:1 de 5 m, acoplamento LAN, cabo Cross-Over de 5 m 1)
Opção:
1
Gravador de monitor com registo de dados incl. cartão SD e leitor de
cartões USB para PC
Módulo 1:
M
Módulo M, módulo de medição pH, Redox, temperatura
I
Módulo I, módulo de entrada de corrente, 3x mA, 0/4 ... 20
mA
Módulo 2:
0
12
não ocupado
Identificação de aparelhos/código de identificação
DXCa
Multicanal Sistema de medição e de regulação DULCOMARIN® II Série DXC
A
Módulo A, módulo de accionamento: 3 saídas de
bombas e 4 saídas analógicas
I
Módulo I, módulo de entrada de corrente, 3x mA,
0/4 ... 20 mA
Área de utilização:
S
Piscina
D
Desinfecção, geral
Pré-ajuste Idioma:
DE
Alemão
EN
Inglês
ES
Espanhol
FR
Francês
IT
Italiano
PL
Polaco
Autorizações:
01
Marcação CE
O código de identificação descreve a unidade central
completa DULCOMARIN® II DULCO®-Net.
Se a unidade central tiver de ser ocupada com
módulos, aplica-se:
Módulo 1 preferencialmente como módulo M
Módulo 2 ocupado preferencialmente como módulo A.
O módulo 3 deve ser sempre ocupado como módulo P
ou módulo N.
1)Módulo
2)
1 preferencialmente como módulo M
apenas na versão: 2 sem operação
DXCa Multicanal Sistema de medição e de regulação DULCOMARIN® II Série DXC
Tipo de montagem:
W Montagem na parede (IP 65)
S Armário de distribuição (IP 54)
Versão:
0
com elementos de comando
2
sem elementos de comando
Interfaces de comunicação:
0
nenhuma
5
Embedded Web-Server, LAN incl. LAN cabo de interconexões 1:1 de 5 m, acopla‐
mento LAN, cabo Cross-Over de 5 m 1)
13
Identificação de aparelhos/código de identificação
DXCa Multicanal Sistema de medição e de regulação DULCOMARIN® II Série DXC
6
OPC-Server + Embedded Web-Server, LAN incl. LAN cabo de interconexões 1:1
de 5 m, acoplamento LAN, cabo Cross-Over de 5 m 1)
Opção:
0
sem gravador de monitor 2)
1
Gravador de monitor com registo de dados incl. cartão SD e leitor de car‐
tões USB para PC
Módulo 1:
0
não ocupado
M
Módulo M, módulo de medição pH, Redox, temperatura
A
Módulo A, módulo de accionamento: 3 saídas de bombas e 4 saídas
analógicas
I
Módulo I, módulo de entrada de corrente, 3x mA, 0/4 ... 20 mA
Módulo 2:
0
não ocupado
A
Módulo A, módulo de accionamento: 3 saídas de bombas e 4
saídas analógicas
M
Módulo M, módulo de medição: pH, Redox, temperatura
I
Módulo I, módulo de entrada de corrente, 3x mA, 0/4 ... 20
mA
Módulo 3:
0
não ocupado
P
Módulo P, unidade da alimentação eléctrica, 1 relé de
alarme, 3 relé da válvula solenóide
N
Módulo N, unidade da alimentação eléctrica sem relé
A
Módulo A, módulo de accionamento: 3 saídas de
bombas e 4 saídas analógicas
M
Módulo M, módulo de medição: pH, Redox, tempera‐
tura
Área de utilização:
S
Piscina
D
Desinfecção, geral
Pré-ajuste Idioma:
DE
Alemão
EN
Inglês
ES
Espanhol
FR
Francês
IT
Italiano
PL
Polaco
Autorizações:
01
14
Marcação CE
Introdução
2
Introdução
Este manual de instruções descreve os dados técnicos e funções
do multicanal Sistema de medição e de regulação
DULCOMARIN® II Controlador de piscinas e Disinfection Controller
DXCa. No decorrer do manual de instruções, o aparelho é denomi‐
nado apenas de DXCa.
2.1 Identificação das instruções de segurança
Introdução
Este manual de instruções descreve os dados técnicos e as fun‐
ções do produto. O manual de instruções fornece instruções de
segurança em detalhe e está dividido em passos de actuação
claros.
As instruções de segurança e as advertências estão agrupadas
segundo o esquema seguinte. Neste sentido, utilizam-se variados
pictogramas, adequados à situação. Os pictogramas aqui repre‐
sentados servem apenas de exemplo.
PERIGO
Tipo e origem do perigo
Consequência: Morte ou ferimentos muito graves.
Medidas que têm de ser tomadas para evitar este
perigo.
Perigo!
–
Assinala a ameaça de perigo iminente. Se não for
evitado, a consequência é morte ou ferimentos
muito graves.
ATENÇÃO
Tipo e origem do perigo
Possível consequência: Morte ou ferimentos muito
graves.
Medidas que têm de ser tomadas para evitar este
perigo.
Aviso!
–
Assinala uma situação possivelmente perigosa. Se
não for evitada, a consequência pode ser morte ou
ferimentos muito graves.
15
Introdução
CUIDADO
Tipo e origem do perigo
Possível consequência: Ferimentos ligeiros ou insigni‐
ficantes. Deterioração de propriedade.
Medidas que têm de ser tomadas para evitar este
perigo.
Cuidado!
–
Assinala uma situação possivelmente perigosa. Se
não for evitada, a consequência pode ser feri‐
mentos ligeiros ou insignificantes. Também pode
ser usada para aviso relativo a deteriorações de
propriedade.
AVISO
Tipo e origem do perigo
Deterioração do produto ou da sua área envolvente.
Medidas que têm de ser tomadas para evitar este
perigo.
Advertência!
–
Assinala uma situação possivelmente prejudicial.
Se não for evitada, pode ser danificado o produto
ou alguma coisa que esteja na sua área envol‐
vente.
Tipo de informação
Sugestões de utilização e informação adicional.
Origem da informação. Medidas adicionais.
Informação!
–
16
Assinalam sugestões de utilização e outras infor‐
mações especialmente úteis. Não é uma palavra
chave para uma situação perigosa ou prejudicial.
Introdução
2.2 Qualificação do utilizador
ATENÇÃO
Perigo de ferimento no caso de qualificação insufici‐
ente do pessoal!
O proprietário da instalação/do aparelho é responsável
pela observância das qualificações.
Se forem realizados trabalhos no aparelho por pessoal
não qualificado ou se este permanecer na área de
perigo do aparelho, existem perigos que podem
causar graves ferimentos e danos materiais.
–
–
Quaisquer actividades só podem ser realizadas
por pessoal qualificado para o efeito
Manter pessoal não qualificado afastado das áreas
de perigo
Formação
Definição
pessoal instruído
O pessoal instruído são pessoas que receberam instruções e eventualmente
frequentaram sessões de aprendizagem sobre as tarefas a realizar e possí‐
veis perigos no caso de comportamento incorrecto, bem como informações
sobre os equipamentos e medidas de protecção.
utilizador qualificado
Os utilizadores qualificados são pessoas que preenchem os requisitos
impostos ao pessoal com formação e, adicionalmente, frequentaram uma for‐
mação específica para a instalação na ProMinent ou num parceiro comercial
autorizado.
técnicos qualificados
Os técnicos qualificados são pessoas que sabem avaliar as tarefas que lhe
são incumbidas e detectar possíveis perigos, com base na sua formação,
conhecimentos e experiência, bem como no conhecimento das disposições
aplicáveis. Para avaliar uma formação técnica também pode ser considerada
uma actividade ao longo de vários anos na área de trabalho em questão.
Pessoal electrotécnico
Pessoal electrotécnico é aquele que, graças à sua formação técnica, conheci‐
mentos e experiência, assim como ao seu conhecimento das normas e regu‐
lamentos relevantes, é capaz de executar trabalhos em instalações eléctricas
e de reconhecer e evitar por conta própria eventuais perigos.
O pessoal electrotécnico foi especialmente formado para o campo em que
está activo e está a par das normas e regulamentos relevantes.
O pessoal electrotécnico deve cumprir as prescrições dos regulamentos de
prevenção de acidentes em vigor.
Serviço de apoio ao cliente O serviço de apoio ao cliente é realizado por técnicos de assistência técnica,
que receberam formação e autorização comprovadas por parte da ProMinent
para realizar trabalhos na instalação.
Observações para o proprietário
Respeitar os regulamentos aplicáveis relativos à pre‐
venção de acidentes, bem como todas as regras de
segurança geralmente reconhecidas!
17
Segurança e responsabilidade
3
Segurança e responsabilidade
3.1 Indicações de segurança gerais
ATENÇÃO
Arranque inesperado
O DULCOMARIN® II não possui qualquer interruptor
para ligar/desligar. Este inicia o funcionamento assim
que existir tensão no cabo de rede.
Consequência possível: Morte ou lesões graves
–
–
Medida: Proteja o aparelho contra acesso não
autorizado
Adapte as suas actividades a esta característica
– Ligue o aparelho apenas à rede eléctrica, se
todas as actividades preliminares tiverem ter‐
minado e se for possível o aparelho continuar
em funcionamento sem perigo
ATENÇÃO
Possibilidade de sobredosagem de meios de dosagem
Evitar a sobredosagem de meios de dosagem em
caso de falha ou desmontagem do sensor.
Consequência possível: Morte ou lesões graves
–
Medida: Ajuste o seu processo de modo que não
seja possível uma dosagem não controlada
aquando da selecção do sensor ou anomalia do
sensor
ATENÇÃO
Cumprimento do tipo de protecção
Aparafuse novamente a cobertura transparente da
interface sobre os LED de forma hermética, se tiver
sido aberta uma vez.
Caso contrário, não é alcançado o tipo de protecção
IP 65.
CUIDADO
Utilize aparelhos certificados descritos neste manual
de instruções, apenas juntamente com aparelhos
CANopen de outra marca.
18
Segurança e responsabilidade
3.2 Utilização correcta
AVISO
Estabilizar desvios
Danos no produto ou na área ambiente
–
O controlador pode ser utilizado em processos que
requeiram uma estabilização > 30 segundos
AVISO
Utilização correcta
O aparelho destina-se a medir e a controlar meios
líquidos. A identificação da variável de medição
encontra-se no controlador e é absolutamente vincula‐
tiva.
O aparelho só pode ser utilizado de acordo com as
características técnicas e especificações mencionadas
no presente manual de instruções e manuais de ins‐
truções dos componentes individuais (por ex., sen‐
sores, guarnições de montagem, aparelhos de cali‐
bração, bombas de dosagem, etc.).
São proibidas todas as outras utilizações ou uma alte‐
ração.
19
Ajudas de planeamento e pedidos no local de instalação
4
Ajudas de planeamento e pedidos no local de instalação
Condições ambientais
CUIDADO
Proteja também o módulo embalado contra humidade
e a acção de produtos químicos.
O DULCOMARIN® II é resistente a atmosferas nor‐
mais em espaços técnicos
Armazene e transporte o módulo na embalagem original.
Condições ambientais para armazenamento e transporte:
n Temperatura: -10 °C ... 70 °C
n Humidade relativa máx. permitida: 95 %, sem condensação
(DIN IEC 60068-2-30)
Condições ambientais para a operação:
n Temperatura: 0 °C ... 50 °C
n Humidade relativa máx. permitida: 95 %, sem condensação
(DIN IEC 60068-2-30)
4.1 Pedidos no local de instalação
n
n
n
n
20
Não coloque o DULCOMARIN® II ao ar livre
Proteja o DULCOMARIN® II contra sol e geada
Proteja o DULCOMARIN® II contra acesso não autorizado
É necessária uma ligação à rede eléctrica
Ajudas de planeamento e pedidos no local de instalação
4.2 Determinar a necessidade de cabos e acessórios
Fig. 1: Um ponto de medição completo pode parecer como ilustrado:
Pos.
Quantidade
Designação
N.º encomenda
1
3
Distribuidor T M12 5 pól. CAN
1022155
2
1
Módulo M DXMa M W 0 S DE 01
3
4
Cabo de ligação - CAN, M 12, 5 pól., 0,5 m
1022137
4
1
Cloro Sensor CLE 3.1-CAN-10 ppm
1023426
5
1
Cloro Sensor CTE 1 CAN-10 ppm
1023427
6
1
Redox Sensor RHES-Pt-SE
150703
7
1
Sensor pH PHES 112 SE
150702
Cabo coaxial 2 m - SN6 - pré-montado
1024106
8
9
2
Cabo de comando 2 x 0,25 mm2
725122
10
2
Cabo de ligação - CAN, M 12, 5 pól., 0,5 m
1022137
-
1
Sonda contínua DGMa 3 2 2 T 0 0 0
A unidade central e cada módulo externo estão incluídos nos acessórios.
21
Ajudas de planeamento e pedidos no local de instalação
Fig. 2: Unidade central DXCa
Acessórios, fornecidos
Pos.
Quantidade
Designação
N.º encomenda
1
1
Cabo de ligação - CAN, M 12, 5 pól., 0,5 m
1022137
2
1
Distribuidor T, M 12, 5 pól. CAN
1022155
-
1
Resistência terminal M 12-Acoplamento [male ]
1022154
-
1
Resistência terminal M 12-Ficha [female]
1022592
22
Ajudas de planeamento e pedidos no local de instalação
A0487
Fig. 3: Módulos externos DXMa
Acessórios, fornecidos
Pos.
Quantidade
Designação
N.º encomenda
1
1
Distribuidor T, M 12, 5 pól. CAN
1022155
2
1
Cabo de ligação - CAN, M 12, 5 pól., 0,5 m
1022137
23
Ajudas de planeamento e pedidos no local de instalação
Fig. 4: Beta/4 CANopen
Acessórios, fornecidos
Pos.
Quantidade
Designação
N.º encomenda
1
1
Distribuidor T, M 12, 5 pól. CAN
1022155
2
1
Cabo de ligação - CAN, M 12, 5 pól., 1 m
1022139
Fig. 5: Sensores DXUa
Acessórios, fornecidos
Pos.
Quantidade
Designação
N.º encomenda
1
1
Distribuidor T, M 12, 5 pól. CAN
1022155
2
1
Cabo de ligação - CAN, M 12, 5 pól., 0,5 m
1022137
24
Ajudas de planeamento e pedidos no local de instalação
1.
Determine a necessidade de módulos de unidade da alimen‐
tação eléctrica, ver Ä Capítulo 4.3 “Dispor os módulos de
unidade da alimentação eléctrica (DULCOMARIN® II
DULCO-Net)” na página 25
2.
Determine a necessidade de cabos de ligação entre os
módulos externos
3.
Determine a necessidade de grampos de fixação para o
cabo de ligação (ASV grampo do tubo, 16 mm, n.º de enco‐
menda 359904
4.3 Dispor os módulos de unidade da alimentação eléctrica (DULCOMARIN® II
DULCO-Net)
Determinar a quantidade adicional necessária de módulos de uni‐
dade da alimentação eléctrica (módulos N e módulos P).
1.
Assegure-se de que existe uma ficha de rede em cada
módulo de unidade da alimentação eléctrica
A distância entre os módulos de unidade da alimen‐
tação eléctrica não deve ultrapassar 50 m.
2.
Distribua os módulos de unidade da alimentação eléctrica o
mais uniformemente possível através de linha de bus CAN
3.
No caso de um módulo A com gravadores ligados: Disponha
um dos módulos de unidade da alimentação eléctrica o mais
próximo possível do módulo A
Dispor os módulos da unidade de ali‐
mentação eléctrica na linha principal
de bus CAN (DULCOMARIN® II
DULCO-Net)
Na unidade central encontra-se sempre um módulo da unidade de alimentação eléctrica.
Quantidade Tanques
Módulos N ou P adicio‐
nais
Quantidade Tanques
Módulos N ou P adicio‐
nais
1
-
9
4
2
-
10
5
3
1
11
5
4
2
12
6
5
2
13
6
6
3
14
7
7
3
15
7
8
4
16
8
Dividir a quantidade de tanques por “2” . Se permanecer um resto: arredondar: (Excepção: quantidade de
tanques = 2)
25
Ajudas de planeamento e pedidos no local de instalação
4.4 Instalar a linha principal de bus CAN
CUIDADO
Comprimento máximo de bus principal
Consequência possível: anomalias.
–
O comprimento máximo de bus principal (sem
linhas de derivação) deve ser inferior a 400 m
CUIDADO
Comprimento máximo das linhas de derivação
Consequência possível: anomalias.
Devem ser obrigatoriamente utilizadas as peças em T
e tubagens de ligação (linhas de derivação) que
ocupam os módulos (módulos M, A, G, N, R, I, sen‐
sores CAN e bombas de dosagem com CAN Bus).
As linhas de derivação são as ligações que se
separam da linha principal de bus CAN para os
módulos.
A sequência dos módulos externos na linha principal
de bus CAN é arbitrária. O manual de instruções
indica a sequência exemplificativa dos módulos
externos.
Cada cabo CAN possui uma ficha ou um acoplamento
na sua extremidade de modo a poder acoplá-los
sucessivamente para prolongar.
Regulação
Disponha os módulos externos em grupo para cada
tanque.
Monte e instale primeiro os módulos externos e os
seus elementos complementares. Ligue apenas os
módulos externos à linha principal de bus CAN através
do trajecto mais curto.
26
Designação
N.º enco‐
menda
Cabo de ligação – CAN, M 12, 5 pól., 0,5 m
1022137
Cabo de ligação – CAN, M 12, 5 pól., 1 m
1022139
Cabo de ligação – CAN, M 12, 5 pól., 2 m
1022140
Cabo de ligação – CAN, M 12, 5 pól., 5 m
1022141
Cabo de ligação – CAN ao metro
1022160
Montar e instalar
5
Montar e instalar
5.1 Procedimento Caixa DXC (grande)
A caixa DXC adequa-se à montagem numa parede ou num painel
de controlo
5.1.1 Montagem na parede
Material de montagem (incluído no fornecimento)
n
n
n
n
Montagem na parede
1 x suporte de parede
4 x parafusos PT 5 x 35 mm
4 x arruelas planas 5.3
4 x buchas Ø 8 mm, plástico
Remover o suporte de parede da caixa DXC
A0490
Fig. 6: Desmontar o suporte de parede
1.
Retire os dois mosquetões (1)
ð O suporte de parede bloqueia um pouco para baixo.
2.
Pressione o suporte de parede da caixa DXC para baixo (2)
e retire-o (3)
3.
Assinale quatro orifícios de perfuração, utilizando assim o
suporte de parede como modelo de perfuração
4.
Perfure os orifícios: Ø 8 mm, t = 50 mm
27
Montar e instalar
A0491
Fig. 7: Instale o suporte de parede
5.
Aparafuse o suporte de parede com arruelas planas, ver
Fig. 7
A0492
Fig. 8: Montar o suporte de parede
28
6.
Suspenda a caixa DXC em baixo (1) no suporte de parede
7.
Pressione ligeiramente a caixa DXC a partir de cima (2)
contra o suporte de parede
8.
Verifique se a caixa DXC está suspensa a partir de cima e
pressione-a para baixo (3) até esta encaixar audivelmente
Montar e instalar
5.1.2 Montagem do painel de controlo
CUIDADO
Espessura do painel de controlo
O painel de controlo deve possuir uma espessura de
forma a não deflectir após a montagem. No caso de
aço com pelo menos 2 mm de espessura; seleccionar
plástico com a respectiva espessura.
Apenas assim é alcançado o tipo de protecção IP 54.
A caixa DXC ergue-se no estado montado aprox. 45
mm em frente do painel de controlo. Está incluído um
modelo de perfuração.
A0493
Fig. 9: Montagem do painel de controlo
1.
Ajuste a posição exacta da caixa DXC com o auxílio do
modelo de perfuração no painel de controlo e fixe-a
2.
Marque os orifícios para os parafusos de fixação e os orifí‐
cios de perfuração para a fenda através dos modelos de per‐
furação
3.
Perfure os quatro orifícios de fixação com uma broca de Ø 5
mm
CUIDADO
Perigo de ferimentos nas arestas resultantes.
4.
Puncione a fenda ou perfure os quatro orifícios internos com
uma broca de Ø 5 mm e serre a fenda com uma serra pen‐
dular
5.
Rebarbe as arestas resultantes
6.
Desaperte os quatro parafusos da caixa
29
Montar e instalar
7.
Eleve a parte dianteira e solte o cabo de fita plana do módulo
P
8.
Remova a parte dianteira
9.
Efectuar agora os orifícios roscados necessários na linha
inferior, ver Ä Capítulo 5.1.3 “Instalação (eléctrica)”
na página 30
10.
Aparafuse a parte traseira no painel de controlo (com os
parafusos PT incluídos)
11.
Insira novamente o cabo de fita plana
12.
Coloque a parte dianteira na “posição estacionária”
ð Instalar electricamente agora em primeiro lugar o DUL‐
COMARIN® II e posteriormente finalizar a montagem do
painel de controlo.
13.
Coloque a parte dianteira na parte traseira da caixa DXC e
aparafuse-a
14.
CUIDADO
Tipo de protecção IP 54
Verifique novamente a fixação da vedação. O
tipo de protecção IP 54 é alcançado apenas se a
montagem estiver correcta.
5.1.3 Instalação (eléctrica)
ATENÇÃO
Falha das bombas de circulação
Caso a bomba de circulação falhar, não é suficiente
utilizar apenas o contacto de limite de água de
medição da sonda contínua para parar o controlo do
respectivo tanque (contacto K1 do módulo M).
A regulação do tanque deve ser também colocada em
pausa através do contacto K2 “Pausa Controlo” do
módulo M.
Como actuador adequa-se:
–
–
–
30
o contacto isento de potencial do controlo de filtro
o contacto isento de potencial do interruptor de
protecção do motor da bomba de circulação
um disp. controlo de débito na tubagem de circu‐
lação
Montar e instalar
ATENÇÃO
Estado de funcionamento seguro
Deve-se tomar medidas de segurança relativamente
ao hardware e ao software que coloquem o
DULCOMARIN® II num estado de funcionamento
seguro em caso de erro. Utilizar por ex. interruptores
de valor limite, bloqueios mecânicos, ...
Aquando da instalação, o aparelho não pode estar sob
tensão eléctrica.
A instalação apenas pode ser efectuada por pessoal
com formação técnica.
Tenha em atenção os dados técnicos neste manual.
AVISO
Descarga de tracção do cabo
Durante a montagem do painel de controlo deve des‐
locar o cabo para descarga da tracção por parte do cli‐
ente num canal de cabo.
1.
Planeie quais os orifícios roscados que devem ser efectu‐
ados (marcar orifícios roscados pretendidos)
CUIDADO
Ao efectuar os orifícios roscados, evite que a chave de
parafusos entre demasiado na caixa. As peças no
interior do aparelho podem ficar danificadas.
A0494
Fig. 10: Efectuar orifícios roscados
2.
Para efectuar os orifícios roscados, force a ranhura no meio
dos orifícios roscados com uma chave de parafusos (largura
da lâmina 3,5 – 4 mm, ver Fig. 10) e retire o material, ele‐
vando-o
3.
Rebarbe as arestas resultantes
31
Montar e instalar
5.
4.
3.
2.
1.
A0495
Fig. 11: Montar uniões roscadas
1.
2.
3.
4.
5.
4.
Aparafusar e apertar bem as uniões roscadas (4) com
porcas de fixação (5)
5.
Colocar as inserções vedantes múltiplas (3) consoante a
secção do cabo utilizada nas uniões roscadas
6.
Insira o cabo nas uniões roscadas
7.
Encontra os passos seguintes em Ä Capítulo 5.1.4 “Ligar o
cabo coaxial” na página 33 e Ä Capítulo 5.1.5 “Conectar
borne” na página 33.
8.
Aperte bem as porcas de união (2) das uniões roscadas de
forma a estarem vedadas
9.
Coloque a parte dianteira na parte traseira
10.
Aperte manualmente os quatro parafusos da caixa
11.
32
Cavilha de enchimento
Porca de união
Inserção vedante múltipla
União roscada
Porca de fixação
CUIDADO
Tipo de protecção IP 54
Verifique novamente a fixação da vedação. O
tipo de protecção IP 54 é alcançado apenas se a
montagem estiver correcta.
Montar e instalar
5.1.4 Ligar o cabo coaxial
O sensor de pH ou Redox é ligado
através de um cabo coaxial
A0496
Fig. 12: Remover o isolamento do cabo
1.
Coloque a blindagem do cabo conforme Fig. 12 livre
2.
Bloqueie a blindagem
5.1.5 Conectar borne
O esquema de conexão de bornes encontra-se em
anexo.
Além disso, nos módulos dos terminais encontra-se
um campo com informações de ligação.
A0508
Fig. 13: Remover o isolamento do cabo
1.
Retire o isolamento das extremidades do cabo de acordo
com Fig. 13 e pressione as mangas da extremidade do con‐
dutor
2.
Retire os blocos de bornes P1 a P4 para instalar
3.
Para instalar os cabo, coloque completamente a chave de
parafusos incluída na abertura quadrangular no respectivo
borne para inserir a extremidade do cabo no bloco de bornes
4.
Ligue o cabo ao respectivo esquema de conexão de bornes
33
Montar e instalar
5.
Coloque novamente os blocos de bornes retirados após
conectar o cabo à placa
6.
Verifique a cablagem com base no esquema de conexão de
bornes
5.2 Procedimento Caixa DXM (pequena)
5.2.1 Montar (mecanicamente)
Aquando da montagem de parede, ter
em atenção os seguintes passos:
Material de montagem (incluído no fornecimento):
n
n
n
n
n
n
1 x suporte de parede/tubos
2 x parafusos de cabeça semi-redonda 5x45 mm
2 x arruelas planas 5.3
2 x buchas Ø 8 mm, plástico
1 x capa de vedação
1 x parafuso de segurança (PT)
2
1
A0273
34
1.
Remover o suporte de parede/tubos de DXM
2.
Retire os dois mosquetões e pressione-os para cima (1)
3.
Retire o suporte de parede/tubos e remova-o para baixo (2)
4.
Assinale quatro orifícios de perfuração na diagonal entre si,
utilize o suporte de parede/tubos como modelo de perfu‐
ração
5.
Perfure os orifícios: Ø 8 mm, t = 50 mm
Montar e instalar
A0274
6.
Aparafuse o suporte de parede/tubos
7.
Suspenda a caixa a partir de cima no suporte de parede/
tubos e pressione ligeiramente em baixo contra o suporte de
parede/tubos. Pressione a caixa para baixo, até a caixa
encaixar audivelmente
5.2.2 Instalação (eléctrica)
ATENÇÃO
Estado de funcionamento seguro
Aquando da instalação, o aparelho não pode estar sob
tensão eléctrica.
A instalação apenas pode ser efectuada por pessoal
com formação técnica.
Tenha em atenção os dados técnicos neste manual.
AVISO
Descarga de tracção do cabo
Durante a montagem do painel de controlo deve des‐
locar o cabo para descarga da tracção por parte do cli‐
ente num canal de cabo.
Aquando da montagem de parede
1.
2.
Soltar os quatro parafusos da caixa.
AVISO
A dobradiça entre a parte dianteira e a parte tra‐
seira da caixa apenas pode suportar mecanica‐
mente uma carga reduzida. Durante trabalhos na
parte dianteira da caixa, deve fixá-la.
Eleve a parte dianteira ligeiramente para a frente e abrir pos‐
teriormente para a esquerda.
35
Montar e instalar
A0272
3.
A grande união roscada (M20x1,5) está prevista
apenas para o cabo coaxial.
Efectuar a quantidade de orifícios roscados necessária na
parte inferior da parte traseira
A0497
Fig. 14
1.
2.
3.
4.
36
União roscada
Inserção de redução
Porca de bloqueio
Esquema de borne
4.
Aparafuse as respectivas uniões roscadas (1) e aperte-as
bem
5.
Coloque as inserções de redução (2) consoante a secção do
cabo utilizada nas uniões roscadas
6.
Insira o cabo nas uniões roscadas
Montar e instalar
7.
Encontra os passos seguintes em Ä Capítulo 5.1.4 “Ligar o
cabo coaxial” na página 33 e Ä Capítulo 5.1.5 “Conectar
borne” na página 33
ð Posteriormente, prosseguir com os seguintes passos:
8.
Aperte bem as porcas de bloqueio (3) das uniões roscadas
de forma a estarem vedadas
9.
Mova a parte dianteira para a parte traseira
10.
AVISO
Tipo de protecção IP 65
Verifique novamente a fixação da vedação. O
tipo de protecção IP 65 é alcançado apenas se a
montagem estiver correcta.
Se necessário, desloque a parte dianteira ligeira‐
mente para a frente para descarregar a vedação.
Aperte manualmente os parafusos da caixa
Aquando da montagem do painel de
controlo (módulo interno)
AVISO
Descarga de tracção do cabo
Durante a montagem do painel de controlo deve des‐
locar o cabo para descarga da tracção por parte do cli‐
ente num canal de cabo.
Ligue o cabo da seguinte forma: Ä Capítulo 5.1.4 “Ligar o
cabo coaxial” na página 33 e Ä Capítulo 5.1.5 “Conectar
borne” na página 33
5.3 Instalar o cabo bus CAN
CUIDADO
Comprimento máximo de bus principal
Consequência possível: anomalias.
–
O comprimento máximo de bus principal (sem
linhas de derivação) deve ser inferior a 400 m
CUIDADO
Comprimento máximo das linhas de derivação
Consequência possível: anomalias.
Devem ser obrigatoriamente utilizadas as peças em T
e tubagens de ligação (linhas de derivação) que
ocupam os módulos (módulos M, A, G, N, R, I, sen‐
sores CAN e bombas de dosagem com CAN Bus).
As linhas de derivação são as ligações que se
separam da linha principal de bus CAN para os
módulos.
37
Montar e instalar
5.3.1 Ligações fora da caixa
CUIDADO
Distribuidor T
Nunca ligue um distribuidor T directamente à caixa. O
conector de montagem na caixa pode desprender-se.
CUIDADO
Tipo de protecção IP65
Aparafuse manualmente as uniões roscadas do cabo
CAN até ao batente. Caso contrário, não é alcançado
o tipo de protecção IP65.
AVISO
Aparafusar em sequência as peças individuais da
linha de bus CAN começando a partir de um lado.
Caso contrário, em um ou mais locais pode existir
conector a conector ou ficha a ficha.
Nos aparelhos CAN existe sempre uma ficha e
nenhum conector.
Linha de bus CAN
Módulos externos, sensor de cloro na versão CAN e
do DULCOMARIN® II são ligados uns aos outros
através de uma linha de bus CAN. Nesta linha de bus
CAN são ligados os aparelhos CAN individuais. Existe
uma resistência terminal em cada extremidade da
linha de bus CAN.
38
1.
Em cada módulo e DULCOMARIN II ligue as linhas de derivação
fornecidas (por ex. 0,5 m) a uma peça em T na extremidade
2.
Aparafuse as peças em T dos módulos CAN em sequência
com os cabos CAN ou directamente em conjunto
3.
Aperte em ambas as extremidades restantes da linha de bus
CAN por cada resistência terminal (1 x com ligação de ficha,
1 x com ligação de conector).
®
Montar e instalar
Fig. 15: Ligação de módulos na linha de bus CAN, Compact-Version
1.
2.
3.
4.
5.
Cabo de ligação CAN (linha de derivação 0,5
m)
Resistência terminal M12-Acoplamento
Distribuidor T
Cabo de ligação CAN
Cloro Sensor CTE
6.
7.
8.
9.
Cloro Sensor CLE
Cabo de ligação CAN (linha de derivação 0,5
m)
Distribuidor T
Resistência terminal M12-Ficha
39
Montar e instalar
I.
II.
III.
A0499
Fig. 16: Ligação de módulos na linha de bus CAN
I.
II.
40
Centro de controlo
Espaço técnico por ex. tanque 1
III.
A.
Espaço técnico por ex. tanque 2
Resistência terminal na extremidade da linha
de bus CAN (daqui em diante, a unidade pode
ser ampliada)
Montar e instalar
5.3.2 Ligações dentro da caixa DXC
Em geral, não é necessário efectuar alterações nas
uniões de cabo dentro da caixa DXC
Todos os cabos de bus CAN terminam no módulo P (módulo da
unidade de alimentação eléctrica com relé) ou no módulo N
(módulo da unidade de alimentação eléctrica):
n os 5 condutores do conector de montagem CAN 1 (4) com (3)
n o cabo de fita plana de 16 pólos do módulo de indicação e de
operação (não representado) com (2)
n o cabo de fita plana de 10 pólos do módulo A (módulo de
accionamento) (6) e do módulo M (módulo de medição) (5)
com (1)
A0500
Fig. 17: Cablagem CAN dentro da caixa DXC
1.
2.
3.
4.
União de cabo para módulo de indicação e ope‐
ração
União de cabo para módulo A e módulo M
União de cabo para conector de montagem
CAN 1
Conector de montagem CAN 1
5.
6.
7.
Módulo M (módulo de medição)
Módulo A (módulo de accionamento)
Módulo P (módulo da unidade de alimentação
eléctrica com relé)
41
Montar e instalar
Se nenhum módulo P ou módulo N na caixa DXC estiver dispo‐
nível:
n Utilizar uma denominada placa L como distribuidor para as
linhas de bus CAN
2.
1.
4.
3.
A0501
Fig. 18: Utilização Placa L
1.
2.
42
União de cabo para módulo A e módulo M
União de cabo para módulo de indicação e ope‐
ração
3.
4.
União de cabo para conector de montagem
CAN 1
Conector de montagem CAN 1
Visão geral do aparelho e elementos de operação
6
Visão geral do aparelho e elementos de operação
Teclas
A0502
Fig. 19: Teclas
1.
2.
3.
Tecla Enter
Tecla Start/Stop
Tecla ESC
4.
5.
Teclas de seta
Teclas de função, distribuídas variavelmente
43
Visão geral do aparelho e elementos de operação
Indicação
A0503
Fig. 20: Indicação
1. Display LCD
2. CAN LED 1
3. Device LED
44
Descrição funcional (geral)
7
Descrição funcional (geral)
A0504
Fig. 21: Sistema de medição e de regulação para um circuito de filtragem
1.
2.
3.
4.
5.
6.
7.
8.
Multicanal Sistema de medição e de regulação
DULCOMARIN® II
Sonda contínua DGMa
Cloro Sensor CLE
Cloro Sensor CTE
Distribuidor T
Resistência terminal M12-Acoplamento
Resistência terminal M12-Ficha
Cabo de ligação CAN
9.
10.
11.
12.
13.
14.
15.
I.
Sensor pH
Redox-Sensor
Cabo coaxial
Cabo de comando
Bomba de dosagem 1
Bomba de dosagem 2
Buzina de alarme
Espaço técnico
O multicanal Sistema de medição e de regulação
DULCOMARIN® II destina-se à regulação de um ou mais sistemas
(circuitos de filtragem, tanque ...) (consoante a versão).
As funções base dividem-se nos seguintes módulos:
n
n
n
n
Módulo M (módulo de medição)
Módulo I (módulo de entrada de corrente)
Módulo A (módulo de accionamento)
Módulo R (módulo de accionamento para aparelhos de
dosagem de gás cloro)
45
Descrição funcional (geral)
n Módulo P (módulo da unidade de alimentação eléctrica com
relé)
n Módulo N (módulo da unidade de alimentação eléctrica)
Módulo M (módulo de medição)
n
n
n
n
n
n
n
n
n
Medição e regulação do valor de pH
Medição e indicação (regulação opcional) do potencial Redox
Medição e indicação da temperatura da água de medição
Medição e indicação do débito de circulação
Monitorização da água de medição
Medição da temperatura da água de medição
Medição do cloro livre
Medição de cloro total
Indicação de cloro combinado
– opcional; calculada a partir de cloro total e cloro livre
Cloro Sensores:
n Medição do cloro livre e temperatura
n Medição do cloro total disponível e temperatura
n Medição do cloro combinado como medição da diferença de
cloro
Módulo I (módulo de entrada de corrente)
n Monitorização da água de medição e pausa (2 entradas de
contacto)
n Ligação de 3 sensores
– (3 entradas de sinal padrão 0/4...20 mA, 2 das quais como
ligação de 2 condutores)
n Medição e regulação de fluoreto
n Medição e regulação de ClO2
n Medição e regulação de clorite
n Medição e regulação de H2O2
n Medição de PA (ácido paracético)
n Medição e indicação de oxigénio dissolvido
n Medição e indicação de amoníaco
n Medição e indicação de condutibilidade condutiva
n Medição e indicação de débito
n Medição e indicação de turvamento
n Medição e indicação de intensidade de UV
Módulo A (módulo de accionamento)
n Accionamento de bombas de dosagem para correcção de pH
e dosagem de produtos de desinfecção (através de 3 saídas
de frequência, 3 entradas de contacto para falha da bomba ou
monitorização do nível de enchimento de recipiente)
n Emitir valores de medição para valor pH, potencial Redox,
cloro livre, cloro total ou cloro combinado ou temperatura (4
saídas analógicas 0/4...20 mA, livremente programável e esca‐
lável)
Módulo R (módulo de accionamento para aparelhos de dosagem
de gás cloro)
n Accionamento de um motor de ajuste com resposta de posição
para dosagem de produtos de desinfecção (2 saídas de relé,
entrada da resposta de posição)
46
Descrição funcional (geral)
Módulo P (módulo da unidade de alimentação eléctrica com relé)
n Accionamento da válvula solenóide ou bomba de mangueira
para correcção de pH (através da saída de duração de um
impulso)
n Accionamento da válvula solenóide ou bomba de mangueira
para produto de desinfecção (através da saída de duração de
um impulso)
n Accionamento da bomba de mangueira para agente de flocu‐
lação (através da saída de duração de um impulso) ou minimi‐
zação do cloro combinado (através da saída de relé)
n Alarme (através da saída de relé)
n Alimentação de bus CAN com tensão de alimentação
Módulo N (módulo da unidade de alimentação eléctrica)
n Alimentação de bus CAN com tensão de alimentação
Bombas de dosagem CANopen (Beta/4a, delta DLTa, Sigma
S1Ca-S2Ca-S3Ca)
n Dosagem de produtos de correcção de pH, produtos de desin‐
fecção ou agentes de floculação
47
Manutenção, reparação e eliminação
8
Manutenção, reparação e eliminação
Manutenção
CUIDADO
Solvente
Nunca utilize solvente para a limpeza em superfícies.
Deste modo, as superfícies podem ficar corroídas.
Limpe a caixa com um pano húmido. Em seguida,
secar bem.
O DULCOMARIN® II não necessita de manutenção. Substitua cui‐
dadosamente a bateria após 10 anos. O DULCOMARIN® II exibe
um aviso, caso a substituição seja necessária mais cedo.
Tipo de bateria: CR2032, 3 V ca. 190 mAh
A bateria fixa num suporte na parte traseira da parte superior da
caixa DXC.
A0505
Fig. 22: Remover bateria
1.
Solte os quatro parafusos de fixação à frente na parte supe‐
rior da caixa e remova a parte superior da caixa da parte
inferior da caixa
AVISO
Resíduos tóxicos
A bateria é considerada resíduos tóxicos. Estas
devem ser eliminadas separadamente. Respeite os
regulamentos locais em vigor.
2.
Pressione a lingueta do suporte para soltar a bateria do
suporte, ver Fig. 22
3.
Insira a nova bateria no suporte
ð Evite impressões digitais nos pólos da bateria. Estas
causam problemas de contacto.
Reparação
48
4.
Coloque a parte superior da caixa na parte inferior da caixa
5.
Aperte manualmente os quatro parafusos de fixação
Para reparar, envie o DULCOMARIN® II ao fabricante.
Manutenção, reparação e eliminação
8.1 Eliminação de peças antigas
n Qualificação do utilizador: pessoa instruída, ver Ä Capítulo 2.2
“Qualificação do utilizador” na página 17
AVISO
Prescrições eliminação de peças antigas
– Tenha em atenção as prescrições e normas legais
nacionais em vigor para si no momento em
questão
ProMinent Dosiertechnik GmbH, Heidelberg aceita a devolução de
aparelhos antigos descontaminados, mediante uma franquia de
envio suficiente.
49
Dados técnicos, peças sobressalentes e acessórios
9
Dados técnicos, peças sobressalentes e acessórios
Dados técnicos
Encontra os dados técnicos nos manuais de instruções dos
módulos individuais, ver também o capítulo "Documentos aplicá‐
veis".
Peças sobressalentes e acessórios
Designação:
N.º encomenda
Distribuidor T M12 5 pól. CAN
1022155
Resistência terminal M12-Acoplamento
1022154
Resistência terminal M12-Ficha
1022592
Cabo de ligação - CAN M12, 5 pól. 0,5 m
1022137
Cabo de ligação - CAN M12, 5 pól. 1m
1022139
Cabo de ligação - CAN M12, 5 pól. 2 m
1022140
Cabo de ligação - CAN M12, 5 pól. 5 m
1022141
Cabo de ligação - CAN M12, 5 pól. ao metro
1022160
Ficha CAN M12 5 pól. conexão roscada
1022156
Acoplamento CAN M12 5 pól. conexão roscada
1022157
Combinação de cabo coaxial 0,8 m-SN6, pré-montado
1024105
Combinação de cabo coaxial 2 m-SN6, pré-montado
1024106
Combinação de cabo coaxial 5 m-SN6, pré-montado
1024107
Cabo de comando ao metro 2x0,25 mm2
725122
Fusível 5x20 de acção retardada 0.63 AT VDE
712030
Bateria 3 V aprox. 190 mAh Li - célula BR2032
732829
Solução tampão pH 4, vermelho, 50 ml
506251
Solução tampão pH 7, verde, 50 ml
506253
Solução tampão Redox 465 mV, 50 ml
506240
Redox Sensor RHES-Pt-SE
150703
Sensor pH PHES 112 SE
150702
Cloro Sensor CLE 3-CAN-10 ppm*
1023425
Cloro Sensor CLE 3,1-CAN-10 ppm*
1023426
Cloro Sensor CTE 1 CAN-10 ppm*
1023427
Cloro Sensor CGE 2-CAN-10 ppm*
1024420
* Capas do diafragma e electrólitos para sensores de cloro, ver o respectivo manual de instruções do
sensor
50
Declaração de Conformidade CE e normas cumpridas
10
Declaração de Conformidade CE e normas cumpridas
Declaração
de Conformidade CE
EG -Konformitätserklärung
A
empresa
Hiermit
erklären wir,
ProMinent Dosiertechnik GmbH
Im Schuhmachergewann 5-11
5 - 11
D69123
Heidelberg
D - 69123 Heidelberg
declara
por
este meio que
o produtoProdukt
abaixo aufgrund
descrito se
encontra,
devido àund
suaBauart
concepção
tipo
dass das
nachfolgend
bezeichnete
seiner
Konzipierung
sowiee in
derdevon uns in
construção,
assim como
na versão
por
nós comercializada,
em conformidade
osGesundheitsanforderequisitos relevantes
Verkehr gebrachten
Ausführung
den
einschlägigen
grundlegenden
Sicherheitscom
- und
básicos
de segurança
e saúde
da directiva CE.
rungen der
EG - Richtlinie
entspricht.
Esta
declaração
perde
a sua validade Änderung
no caso dedes
uma
alteraçãoverliert
do produto
acordada
Bei einer
nicht mit
uns abgestimmten
Produktes
diese não
Erklärung
ihre connosco.
Gültigkeit.
Designação
produto:
Bezeichnungdo
des
Produktes :
Aparelho
medição eDULCOMARIN
de regulação DULCOMARIN
II
Mess- unddeRegelgerät
II
Modelo
do produto:
Produkttyp
:
DXCa,
DXMaN _ _ _ _ _ _ _
DXMaP _ _ _ _ _ _ _
Série
: :
Serienn.º
- Nr.
aparelho
ver
placa
de características
siehe
Typenschild
am Gerätno
Directivas
CE
Einschlägige
relevantes:
EG - Richtlinien :
Directiva
CE Baixa Tensão(2006/95/CE)
EG - Niederspannungsrichtlinie
(2006/95/EG)
Directiva
Compatibilidade
Electromagnética (2004/108/CE)
EG - EMVCE
- Richtlinie
(2004/108/EG)
Normas
harmonizadas
Angewandte
harmonisierte
aplicadas
Normen especialmente:
insbesondere :
DIN
DIN EN
EN 60068-2-30,
60068-2-30, DIN
DIN EN
EN 61010-1,
61010-1, DIN
DIN EN
EN 60335-1,
60335-1,
DIN
DIN EN
EN 50106,
50106, DIN
DIN EN
EN 60204-1,
60204-1, DIN
DIN EN
EN 60529,
60529,
DIN
DIN EN
EN 61326,
61326, DIN
DIN EN
EN 61000-3-2,
61000-3-2, DIN
DIN EN
EN 61000-3-3,
61000-3-3,
DIN
DIN EN
EN 50325-4,
50325-4, DIN
DIN EN
EN 60746-1
60746-1
Data
/ Assinatura
fabricante: :
Datum
/ Herstellerdo
- Unterschrift
07.03.2012
Dados
do zum
signatário:
Angaben
Unterzeichner :
Joachim Schall,
Schall, Geschäftsführer
Director-geral para
a Inovação
Tecnologia
Joachim
Innovation
und eTechnologie
Fig. 23: Declaração de Conformidade CE
51
Esquema de conexão de bornes DULCOMARIN® II compact
11
Esquema de conexão de bornes DULCOMARIN® II compact
A0506
Fig. 24: Esquema de conexão de bornes DULCOMARIN® II compact (disposição exemplificativa dos
módulos)
I. Módulo M (módulo de medição) DXMaM
II. Módulo A (módulo de accionamento) DXMaA
III. Módulo P (módulo da unidade de alimentação eléctrica com relé) DXMaP
52
Esquema de conexão de bornes DULCOMARIN® II compact
As opções de ocupação detalhadas encontram-se no "Manual
complementar DULCOMARIN® II, Módulos DXMa".
Módulo M (módulo de medição) DXMaM
Designação
Desig‐
nação do
borne
N.º do
borne
Pólo
Função
Cabo
⌀
N.º de ori‐
fício de
perfu‐
ração
Observação
Tamanho
Entrada temp.
Pt1000/100
RTD
Entrada Redox 1
ORP(pH)
1
+
2
-
3
Ref.
4
meas
sig.
Ligação equipo‐
tencial 1
Pot.1
5
Ligação equipo‐
tencial 2
Pot.2
6
Entrada pH 2
ORP(pH)
7
Ref.
8
meas
sig.
9
+
10
-
11
+
12
-
13
+
14
-
Entrada de con‐
tacto 1
K1
Entrada de con‐
tacto 2
K2
Entrada de con‐
tacto 3
K3
Sensor temp.
d5
1/M16
Redox-Sensor
d3/d5
2/M20
11/M12
Sensor pH
Deslocar o cabo
através da
inserção
vedante múltipla
2x5 ou 2x4
11/M12
d3/d5
2/M20
Deslocar o cabo
através da
inserção
vedante múltipla
2x5
d4
3/M16
Deslocar o cabo
através da
inserção
vedante múltipla
2x4
Pausa (lavagem d4
retorno)
3/M16
"
ECO!Modo
12/M12
Erro Água
medição
d4
53
Esquema de conexão de bornes DULCOMARIN® II compact
Módulo A (módulo de accionamento) DXMaA
Designação
Desig‐
nação do
borne
N.º do
borne
Pólo
Função*
Cabo
⌀
N.º de ori‐ Observação
fício de
perfu‐
ração
Tamanho
Saída do relé 1
R1
1
+
2
-
Accionamento
Bomba Ácido
d5
13/M12
d5
14/M12
d5
15/M12
d4
4/M20
Deslocar 2
cabos através da
inserção vedante
múltipla 2x4
d4
4/M20
Deslocar 2
cabos através da
inserção vedante
múltipla 2x4
d4
5/M16
Deslocar 2
cabos através da
inserção vedante
múltipla 2x4
Ligação do gra‐
vador pH
d4
6/M16
Deslocar 2
cabos através da
inserção vedante
múltipla 2x4
Ligação do gra‐
vador Redox
d4
6/M16
Deslocar 2
cabos através da
inserção vedante
múltipla 2x4
Ligação do gra‐
vador Cloro livre
d4
/M16
Deslocar 2
cabos através da
inserção vedante
múltipla 2x4
ou
Accionamento
Bomba Lixívia
Saída do relé 2
R2
3
+
4
-
Accionamento
Bomba Cloro
Accionamento
Bomba Ácido
Accionamento
Bomba Redox
Saída do relé 3
R3
5
+
6
-
Accionamento
Bomba Agentes
de floc.
Accionamento
Bomba Cloro
Accionamento
Bomba Redox
Entrada de con‐
tacto 1
K1
7
+
Erro Bomba
8
-
ou
Nível de enchi‐
mento
Entrada de con‐
tacto 2
K2
9
+
Erro Bomba
10
-
ou
Nível de enchi‐
mento
Entrada de con‐
tacto 3
K3
11
+
Erro Bomba
12
-
ou
Nível de enchi‐
mento
Saída de cor‐
I out 1
rente 0/4-20mA 1
13
+
14
-
Saída de cor‐
I out 2
rente 0/4-20mA 2
15
+
16
-
Saída de cor‐
I out 3
rente 0/4-20mA 3
17
+
18
-
54
Esquema de conexão de bornes DULCOMARIN® II compact
Designação
Desig‐
nação do
borne
N.º do
borne
Pólo
Função*
Cabo
⌀
N.º de ori‐ Observação
fício de
perfu‐
ração
Tamanho
Saída de cor‐
I out 4
rente 0/4-20mA 4
19
+
20
-
Ligação do gra‐
d4
vador Cloro comb.
ou
Ligação do gra‐
vador Tempera‐
tura
7/M16
Deslocar 2
cabos através da
inserção vedante
múltipla 2x4
55
Esquema de conexão de bornes DULCOMARIN® II compact
Módulo P (módulo da unidade de alimentação eléctrica com relé) DXMaP
Designação
Designação
do borne
N.º do
borne
Pólo
Função
Cabo
⌀
N.º de ori‐
fício de
perfuração
Tamanho
Relé de alarme
P1
1
Accionamento Buzina
d6,5
8/M16
Accionamento Válvula sole‐
nóide Ácido
d6,5
9/M16
d6,5
18/M12
d6,5
19/M12
d6,5
10/M16
2
3
Relé de potência
1
P2
4
5
ou
Accionamento Válvula sole‐
nóide Lixívia
Relé de potência
2
P3
6
Accionamento Válvula sole‐
nóide Cloro
7
ou
Accionamento Válvula sole‐
nóide Redox
ou
Accionamento Válvula sole‐
nóide Ácido
ou
Accionamento Válvula sole‐
nóide Lixívia
Relé de potência
3
P4
8
Accionamento UV (ozono,
carvão activo)
9
ou
Accionamento Válvula sole‐
nóide Redox
ou
Accionamento Válvula sole‐
nóide Cloro
ou
Accionamento Aquecimento
Rede
X1
10
PE
11
N
12
L(1)
Módulo de ligação CAN
Designação
Designação do N.º do borne
borne
Pólo
Cabo ⌀
N.º de orifício
de perfuração
Tamanho
CAN 1 - Ligação de
bus
56
CAN 1
1
Blindagem
Ficha
2
24 V
Codificação A
16/M12
Esquema de conexão de bornes DULCOMARIN® II compact
Designação
Designação do N.º do borne
borne
Pólo
Cabo ⌀
N.º de orifício
de perfuração
Tamanho
3
ground
4
CAN high
5
CAN low
57
Índice remissivo
12
Índice remissivo
A
Acessórios............................................................ 50
Acoplamento LAN................................................ 12
Ao metro............................................................... 26
Aparelhos CANopen de outra marca................... 18
Arranque automático............................................ 18
C
Cabo de fita plana de 10 pólos............................ 41
Cabo de fita plana de 16 pólos............................ 41
Chave de parafusos............................................. 30
Código identificação............................................. 12
Comprimento máximo das linhas de derivação... 26
Condições ambientais.......................................... 20
CR2032................................................................ 48
D
Descarga de tracção do cabo.............................. 30
DIN IEC 60068-2-30............................................. 20
Distribuidor T........................................................ 38
DULCO-Net.......................................................... 25
E
Eliminação............................................................ 48
Estado de funcionamento seguro........................ 30
F
Falha das bombas de circulação......................... 30
I
Indicação.............................................................. 44
Instruções de Segurança..................................... 15
Internet Explorer................................................... 12
IP 54..................................................................... 32
L
Linha de bus CAN................................................ 38
Linha principal de bus CAN.................................. 26
58
Linhas de derivação.............................................
M
Material de montagem (incluído no forneci‐
mento)..................................................................
Microsoft Internet Explorer...................................
Módulos da unidade de alimentação eléctrica.....
Módulos externos na linha principal de bus CAN
Montagem na parede...........................................
P
Peças sobressalentes..........................................
Pedidos no local de instalação ...........................
Placa L.................................................................
Q
Qualificação do utilizador.....................................
R
Reparação............................................................
Resíduos tóxicos..................................................
Resistência terminal.............................................
S
Substâncias tóxicas.............................................
Suporte de parede/tubos.....................................
T
Teclas...................................................................
Tipo de bateria: CR2032, 3 V ca. 190 mAh.........
Tipo de protecção................................................
Tipo de protecção IP65........................................
U
Unidade central....................................................
26
34
12
25
26
34
50
20
42
17
48
48
39
18
35
43
48
18
38
25
Instruções de operação
Multicanal Sistema de medição e de regulação
DULCOMARIN® II Controlador de piscinas e
Disinfection Controller DXCa
Parte 2: Operação
A0204
Ler primeiro o manual de instruções na sua totalidade! · Não o deitar fora!
Por de danos devido a erros de instalação e comando, a empresa operadora se responsabiliza!
Reservadas as modificações técnicas!
N.º peça 985690
BA DC 003 11/11 PT
ProMinent Dosiertechnik GmbH
Im Schuhmachergewann 5 - 11
69123 Heidelberg
Telefone: +49 6221 842-0
Fax: +49 6221 842-419
E-Mail: [email protected]
Internet: www.prominent.com
985690, 3, pt_PT
© 2011
60
Índice
Índice
1
Documentos aplicáveis....................................................... 63
2
Introdução........................................................................... 64
2.1 Identificação das instruções de segurança................. 64
2.2 Qualificação do utilizador............................................ 66
3
Segurança e responsabilidade........................................... 67
3.1 Instruções Gerais de Segurança................................ 67
3.2 Utilização correcta...................................................... 69
4
Descrição funcional............................................................. 70
5
Elementos de operação ..................................................... 71
5.1 Função das teclas....................................................... 71
5.2 Código de acesso (palavra-passe)............................. 73
6
Colocação em funcionamento: Configurar módulos CAN. .
6.1 Ligar e desligar módulos.............................................
6.2 Colocar a bomba Beta CAN em funcionamento.........
6.3 Colocar módulo R em funcionamento........................
75
75
77
80
7
Estrutura dos menus de operação......................................
7.1 Estrutura principal.......................................................
7.2 Indicação contínua......................................................
7.3 Item central de menu..................................................
7.4 Cartão SD removido com segurança..........................
7.5 Estados universais......................................................
7.6 Menus em baixo do item de menu central..................
7.7 Submenus do menu de parametrização.....................
82
82
83
84
85
86
88
90
8
Calibração........................................................................... 91
8.1 Calibrar variável de medição pH................................. 92
8.1.1 Calibração de 1 ponto pH........................................ 92
8.1.2 Calibração de 2 ponto pH........................................ 94
8.2 Verificar variável de medição Redox.......................... 96
8.3 Calibrar a variável de medição "Cloro livre"............... 97
8.4 Calibrar a variável de medição "Cloro total"............. 102
8.5 Calibrar a variável de medição Fluoreto (F-)............. 108
8.6 Calibrar variável de medição dióxido de cloro
(ClO2)........................................................................ 110
8.7 Calibrar a variável de medição peróxido de hidro‐
génio (H2O2).............................................................. 114
8.8 Variável de medição clorite (ClO2 -) calibrar............. 117
8.9 Calibrar a variável de medição Ácido paracético
(PES)........................................................................ 120
8.10 Calibrar a variável de medição Temperatura.......... 122
9
Parametrizar.....................................................................
9.1 Todos os parâmetros................................................
9.2 Medição....................................................................
9.2.1 Parametrização pH................................................
9.2.2 Parametrização Redox..........................................
9.2.3 Parametrização "Cloro livre"..................................
9.2.4 Parametrização "Cloro combinado".......................
9.2.5 Parametrização Fluoreto (F-).................................
9.2.6 Parametrização ClO2.............................................
123
123
124
125
126
127
128
129
130
61
Índice
9.2.7 Parametrização H2O2............................................. 130
9.3 Controlo....................................................................
9.3.1 Controlo pH............................................................
9.3.2 Controlo Redox......................................................
9.3.3 Controlo Cloro livre................................................
9.3.4 Controlo Cloro combinado.....................................
9.3.5 Controlo Temperatura............................................
9.3.6 Controlo Agente de floculação...............................
9.3.7 Controlo Fluoreto (F-).............................................
9.3.8 Controlo Dióxido de cloro (ClO2)...........................
131
132
134
136
137
138
140
141
143
9.3.9 Controlo H2O2........................................................ 145
9.4
9.5
9.6
9.7
9.8
10
62
Ajustar a saída mA...................................................
Ajustar o alarme........................................................
Parametrização Medidor de caudal..........................
Ajustar Eco!Modo.....................................................
Dosagem de cloro dependente de Redox................
146
147
150
151
152
Configurar.........................................................................
10.1 Configurar o módulo DXMaM.................................
10.1.1 Configurar o módulo DXMaM Modo ECO...........
10.2 Configurar o módulo DXMaA..................................
10.2.1 Configurar o módulo DXMaP Bomba de circu‐
lação....................................................................
10.3 Configurar o módulo DXMaP..................................
10.4 Configurar o módulo de cloro livre..........................
10.5 Configurar o módulo de cloro total..........................
10.6 Configurar o módulo de cloro.................................
10.7 Módulo R (módulo de accionamento para aparelho
de dosagem de gás cloro) .....................................
10.8 Configurar o módulo P1 (módulo das bombas de
dosagem) ...............................................................
10.9 Configurar o módulo G (módulo do valor limite).....
10.10 Configurar o módulo I (módulo de entrada de cor‐
rente) ...................................................................
154
155
157
162
165
169
171
172
173
174
176
178
179
11
Manutenção ..................................................................... 183
11.1 Configurar o temporizador de manutenção............ 183
12
Eliminação de erros.......................................................... 185
13
Glossário........................................................................... 192
14
Índice remissivo................................................................ 199
Documentos aplicáveis
1
Documentos aplicáveis
Este manual de instruções ou complementar é válido apenas jun‐
tamente com os seguintes manuais de instruções ou complemen‐
tares:
n Manual de instruções Multicanal Sistema de medição e de
regulação DULCOMARIN® II Controlador de piscinas e Disin‐
fection Controller DXCa
– Parte 1: Montar e instalar
n Manual complementar DULCOMARIN® II Gravador de monitor
Operação
n Manual complementar DULCOMARIN® II, Operar módulo M
(módulo de medição para pH, Redox, temperatura) DXMaM
n Manual complementar DULCOMARIN® II, Módulo I (módulo de
entrada de corrente, entradas de sinal padrão mA) DXMaI
63
Introdução
2
Introdução
Este manual de instruções descreve os dados técnicos e funções
do multicanal Sistema de medição e de regulação
DULCOMARIN® II Controlador de piscinas e Disinfection Controller
DXCa. No decorrer do manual de instruções, o aparelho é denomi‐
nado apenas de DXCa.
2.1 Identificação das instruções de segurança
Introdução
Este manual de instruções descreve os dados técnicos e as fun‐
ções do produto. O manual de instruções fornece instruções de
segurança em detalhe e está dividido em passos de actuação
claros.
As instruções de segurança e as advertências estão agrupadas
segundo o esquema seguinte. Neste sentido, utilizam-se variados
pictogramas, adequados à situação. Os pictogramas aqui repre‐
sentados servem apenas de exemplo.
PERIGO
Tipo e origem do perigo
Consequência: Morte ou ferimentos muito graves.
Medidas que têm de ser tomadas para evitar este
perigo.
Perigo!
–
Assinala a ameaça de perigo iminente. Se não for
evitado, a consequência é morte ou ferimentos
muito graves.
ATENÇÃO
Tipo e origem do perigo
Possível consequência: Morte ou ferimentos muito
graves.
Medidas que têm de ser tomadas para evitar este
perigo.
Aviso!
–
64
Assinala uma situação possivelmente perigosa. Se
não for evitada, a consequência pode ser morte ou
ferimentos muito graves.
Introdução
CUIDADO
Tipo e origem do perigo
Possível consequência: Ferimentos ligeiros ou insigni‐
ficantes. Deterioração de propriedade.
Medidas que têm de ser tomadas para evitar este
perigo.
Cuidado!
–
Assinala uma situação possivelmente perigosa. Se
não for evitada, a consequência pode ser feri‐
mentos ligeiros ou insignificantes. Também pode
ser usada para aviso relativo a deteriorações de
propriedade.
AVISO
Tipo e origem do perigo
Deterioração do produto ou da sua área envolvente.
Medidas que têm de ser tomadas para evitar este
perigo.
Advertência!
–
Assinala uma situação possivelmente prejudicial.
Se não for evitada, pode ser danificado o produto
ou alguma coisa que esteja na sua área envol‐
vente.
Tipo de informação
Sugestões de utilização e informação adicional.
Origem da informação. Medidas adicionais.
Informação!
–
Assinalam sugestões de utilização e outras infor‐
mações especialmente úteis. Não é uma palavra
chave para uma situação perigosa ou prejudicial.
65
Introdução
2.2 Qualificação do utilizador
ATENÇÃO
Perigo de ferimento no caso de qualificação insufici‐
ente do pessoal!
O proprietário da instalação/do aparelho é responsável
pela observância das qualificações.
Se forem realizados trabalhos no aparelho por pessoal
não qualificado ou se este permanecer na área de
perigo do aparelho, existem perigos que podem
causar graves ferimentos e danos materiais.
–
–
Quaisquer actividades só podem ser realizadas
por pessoal qualificado para o efeito
Manter pessoal não qualificado afastado das áreas
de perigo
Formação
Definição
pessoal instruído
O pessoal instruído são pessoas que receberam instruções e eventualmente
frequentaram sessões de aprendizagem sobre as tarefas a realizar e possí‐
veis perigos no caso de comportamento incorrecto, bem como informações
sobre os equipamentos e medidas de protecção.
utilizador qualificado
Os utilizadores qualificados são pessoas que preenchem os requisitos
impostos ao pessoal com formação e, adicionalmente, frequentaram uma for‐
mação específica para a instalação na ProMinent ou num parceiro comercial
autorizado.
técnicos qualificados
Os técnicos qualificados são pessoas que sabem avaliar as tarefas que lhe
são incumbidas e detectar possíveis perigos, com base na sua formação,
conhecimentos e experiência, bem como no conhecimento das disposições
aplicáveis. Para avaliar uma formação técnica também pode ser considerada
uma actividade ao longo de vários anos na área de trabalho em questão.
Pessoal electrotécnico
Pessoal electrotécnico é aquele que, graças à sua formação técnica, conheci‐
mentos e experiência, assim como ao seu conhecimento das normas e regu‐
lamentos relevantes, é capaz de executar trabalhos em instalações eléctricas
e de reconhecer e evitar por conta própria eventuais perigos.
O pessoal electrotécnico foi especialmente formado para o campo em que
está activo e está a par das normas e regulamentos relevantes.
O pessoal electrotécnico deve cumprir as prescrições dos regulamentos de
prevenção de acidentes em vigor.
Serviço de apoio ao cliente O serviço de apoio ao cliente é realizado por técnicos de assistência técnica,
que receberam formação e autorização comprovadas por parte da ProMinent
para realizar trabalhos na instalação.
Observações para o proprietário
Respeitar os regulamentos aplicáveis relativos à pre‐
venção de acidentes, bem como todas as regras de
segurança geralmente reconhecidas!
66
Segurança e responsabilidade
3
Segurança e responsabilidade
3.1 Instruções Gerais de Segurança
ATENÇÃO
Peças sob tensão!
Possível consequência: Morte ou ferimentos muito
graves.
–
–
Medida: Antes de abrir o corpo, puxar a ficha de
rede.
Colocar sem tensões os aparelhos danificados,
defeituosos ou manipulados, puxando a ficha de
rede.
ATENÇÃO
Intervenção não autorizada!
Possível consequência: Morte ou ferimentos muito
graves.
–
Medida: Assegure o aparelho contra intervenção
não autorizada.
ATENÇÃO
Erro de operação!
Possível consequência: Morte ou ferimentos muito
graves.
–
–
–
Deixar o aparelho ser operado somente por pes‐
soal suficientemente qualificado e especializado.
Respeite também o manual de instruções dos
reguladores e ferragens de montagem e de outros
eventuais módulos, tais como sensores, bomba de
medição de água ...
A empresa operadora é responsável pela qualifi‐
cação do pessoal.
CUIDADO
Anomalias electrónicas
Possível consequência: Deterioração de propriedade
que pode ir até à destruição do aparelho.
–
–
A linha de ligação à rede e a linha de transmissão
de dados não podem ser colocadas juntamente
com linhas perturbadoras.
Medida: Encontrar as respectivas medidas de
supressão de interferências.
67
Segurança e responsabilidade
AVISO
Utilização apropriada
Deterioração do produto ou da sua área envolvente.
–
–
O aparelho não se destina a medir ou regular
meios gasosos ou sólidos.
O aparelho só deve ser utilizado em conformidade
com os dados técnicos e as especificações refe‐
ridos neste manual de instruções e nos manuais
de instruções dos componentes independentes.
AVISO
Perfeito funcionamento dos sensores / tempo de esta‐
bilização inicial
Deterioração do produto ou da sua área envolvente.
–
–
–
–
–
Uma correcta medição e doseamento só é pos‐
sível com um funcionamento perfeito dos sen‐
sores.
Os tempos de estabilização inicial dos sensores
têm de ser obrigatoriamente respeitados.
Os tempos de estabilização inicial têm de ser con‐
siderados por ocasião do planeamento da entrada
em funcionamento.
A estabilização inicial do sensor pode necessitar
de um dia inteiro de trabalho.
É preciso respeitar o manual de instruções do
sensor.
AVISO
Perfeito funcionamento dos sensores
Deterioração do produto ou da sua área envolvente.
–
–
Uma correcta medição e doseamento só é pos‐
sível com um funcionamento perfeito dos sen‐
sores.
O sensor tem de ser examinado e calibrado com
regularidade.
AVISO
Regulação de desvios do regulador
Deterioração do produto ou da sua área envolvente.
–
68
Em circuitos de regulação que exigem uma rápida
regulação (< 30 s), este regulador não é utilizável.
Segurança e responsabilidade
3.2 Utilização correcta
AVISO
Estabilizar desvios
Danos no produto ou na área ambiente
–
O controlador pode ser utilizado em processos que
requeiram uma estabilização > 30 segundos
AVISO
Utilização correcta
O aparelho destina-se a medir e a controlar meios
líquidos. A identificação da variável de medição
encontra-se no controlador e é absolutamente vincula‐
tiva.
O aparelho só pode ser utilizado de acordo com as
características técnicas e especificações mencionadas
no presente manual de instruções e manuais de ins‐
truções dos componentes individuais (por ex., sen‐
sores, guarnições de montagem, aparelhos de cali‐
bração, bombas de dosagem, etc.).
São proibidas todas as outras utilizações ou uma alte‐
ração.
69
Descrição funcional
4
Descrição funcional
O DXCa é um aparelho de medição e de regulação concebido
para os pedidos especiais na preparação de água potável.
É possível combiná-lo com diferentes módulos de medição e do
actuador e, por isso, é aplicável de forma flexível.
Com o DXCa a ProMinent define um sistema de bus para interco‐
nexão dos sensores e actuadores ao aparelho de regulação.
É utilizado o sistema de bus normalizado CANopen®.
Todos os módulos funcionam de acordo com o princípio Plug &
Play. Um sistema flexível que pode ser efectuado de acordo com
os pedidos como compacto ou como sistema modular descentrali‐
zado e está preparado para todos os futuros pedidos.
O DXCa pode processar os valores de medição de até 16 sis‐
temas/tanques.
O módulo I permite por sistema/tanque a ligação de até 3 sen‐
sores (de outra marca) com sinais mA, por ex. para débito, turva‐
mento e intensidade UV.
Dependendo do parâmetro medido, as bombas de dosagem, os
aparelhos de dosagem de gás cloro ou instalações de produção
de dióxido de cloro podem ser accionados directamente. Existe a
possibilidade de utilizar o sinal de débito como variável de interfe‐
rência para as variáveis de medição controladas.
O DXCa possui um registo de dados integrado e opcionalmente
um Embedded Web Server e OPC Server que permite enviar o
valor de medição e mensagens através de LAN/Ethernet num
posto de comando.
Variáveis de medição possíveis
Variável de medição
pH compensado
pH
Cloro livre (Cl)
X
Cloro total disponível (Cl)
X
Oxigénio (02)
Fluoreto (F−)
X
Dióxido de cloro (ClO2)
Clorite (HClO2)
Amoníaco (NH3) /Amónio (NH4+)
Turvamento
Peróxido de hidrogénio (H2O2)
Temperatura
Ácido paracético (PES) (C2H4O3)
Condutibilidade
Raios ultravioletas (UV)
70
X
Elementos de operação
5
Elementos de operação
Fig. 1: As teclas e indicações
1
2
3
4
5
Tecla ENTER
LED de LAN
CAN LED 1
LED de DXC
LED da unidade
6
7
8
9
10
Tecla START/STOP
Tecla ESC
Teclas de seta
Teclas de função, distribuídas variavelmente
Display LCD
5.1 Função das teclas
Navegar no menu de operação
Função da tecla ENTER:
n no menu de operação comutar de item de menu para itens de
menu – na direcção para dentro do menu de operação
n nos separadores de um item de menu aceder a uma selecção
e confirmar uma alteração
Função da tecla ESC:
n no menu de operação comutar de item de menu para itens de
menu – na direcção para fora do menu de operação
Tecla ESC
Prima repetidamente a tecla ESC para retroceder de
qualquer item de menu do menu de operação para a
indicação contínua.
Função das teclas: PARA CIMA, PARA BAIXO, PARA A
ESQUERDA, PARA A DIREITA:
n comutar para um item de menu entre os separadores de um
item de menu
n comutar para um separador entre as selecções
71
Elementos de operação
MED
pH
CONT
SAÍD
ALARM
Parâmetros Medição
Redox
Cl livre
Cl tot.
Monit. sensor:
Reg. temp.:
Valor temp. =
LIGADO
Introd.
25,6 °C
Temp
Floc.
11
AJUDA
DATA
INÍCIO
HORA
IDIOMA
A0130
Fig. 2: Comutar entre separadores
M
DXMaM
RTD
POT
ORP 1 2 pH
Ligações Sensores
RTD: Pt1000/100
(pH)ORP: Redox-Sensor
POT1 livre
POT2 livre
pH(ORP): Sensor pH
K1
K2
K3
Entr. de contacto
K1: Água medição
K1 tipo: NO
K2: ControloPausa
K2 tipo: NO
K3: livre
K3 tipo: NO
PREDEF. GUARDAR
A0131
Fig. 3: Selecções num separador
A0132
Fig. 4: Alteração de um valor numé‐
rico
Numa selecção é possível alterar o valor numérico indicado ou a
variável indicada com as teclas de seta PARA CIMA, PARA
BAIXO. Com as teclas de seta PARA A ESQUERDA, PARA A
DIREITA é possível seleccionar num valor numérico os decimais
que devem ser alterados.
Apenas com a função GUARDAR pode guardar os
valores numéricos ou variáveis em separadores. Os
valores numéricos individuais como em PAL-PA,
HORA ou DATA são guardados com a tecla ENTER.
AJUDA
CAL
PARAM
CONFIG
A0133
Fig. 5: Exemplo para a distribuição das teclas de função
72
Elementos de operação
ATENÇÃO
Função da tecla START/STOP
Com a tecla START/STOP apenas pode desligar ou
ligar o respectivo símbolo exibido no ecrã.
Com a tecla START/STOP não influencia o sistema
que não foi exibido no ecrã.
Seleccione apenas o respectivo sistema, antes de uti‐
lizar a tecla START/STOP.
Função da tecla START/STOP
n Com a tecla START/STOP é possível iniciar ou parar comple‐
tamente a regulação ou dosagem. Posteriormente, surge a
indicação contínua e o item de menu central “Dosagem
LIGADA” ou “Dosagem DESLIGADA” .
5.2 Código de acesso (palavra-passe)
O acesso ao aparelho pode ser ampliado gradualmente através do
ajuste de um código de acesso. O DXCa é fornecido com o código
de acesso da seguinte tabela.
Substitua o código de acesso indicado de fábrica
por um código de acesso próprio.
Caso contrário, a protecção dos menus que se
seguem é muito baixa
Ao retroceder para uma indicação contínua, a defi‐
nição do DXCa é reposta automaticamente para o
nível “0” para “Todos”
Pode definir imediatamente o nível “0” se, a partir
do item de menu central, premir esta sequência de
teclas: F4 (CONFIG), F2 (OPÇÃO), F5 (RES‐
TART) - desse modo é iniciada manualmente a
detecção do módulo
Pode calibrar livremente no nível “0” e “1” se
ajustar a palavra-passe em “0000” para o nível “1”
(utilizador).
–
–
–
–
Os diferentes níveis permitem o seguinte:
Nível
0
1
2
3
4
5
(Todos)
(Utilizador)
(Instalador)
(Serviço)
(Supervisor)
(ProMinent)
0000
1111
2222
3333
4444
privado
Ver
X
X
X
X
X
X
Calibração
X
X
X
X
X
X
Parametrizar
X
X
X
X
Configurar
X
X
X
X
Calibrar Cl
NP
X
X
X
X
Palavra-passe
(predef.)
73
Elementos de operação
Nível
0
1
2
3
4
5
(Todos)
(Utilizador)
(Instalador)
(Serviço)
(Supervisor)
(ProMinent)
Configurar
bus
X
X
X
Actualização
de todos os
módulos
X
X
X
X
X
Actualização
de módulos
singulares
Actualização
da unidade
central
X
Através do código de acesso de áreas protegidas:
–
–
–
–
–
Item central de menu
Indicação contínua
Redox
mV
Cl livre
mg/l Cl comb.
mg/l
Cltotal
mg/l Temp
pH
7,12
1,12
1,25
Q
1
Temp 4-20 mA
10.0 °C
654
0,13
PT1000/100
34,2
Sistema
ClO210.00
7,12
pH
Calibrar sensor!
°C
1
Dosagem: DESLIG
01.04.10
16:19:21
16:28:57
Tanque
1
Piscina para crianças
Redox
Cl
livre
Nominal Dosagem:
0,00
90 %
1,12 mg/l
0.92
Temp
20. 0
1! Redox
AJUDA
Menu de calibração
01.04.05
PT 1000/100
mg/l
°C
CAL
pH
654 mV
Cl comb.
Indicação contínua
Item central de menu
Menu de calibração
Menu de parametrização
Menu de configuração
Calibração Sensor pH
Redox
Q
1.32
Sensor Valor =
Ponto zero
=
Inclinação
=
Cl livre
Nominal Dosagem:
0,00
AUS
Cl total
Cl tot.
mg/l
Temp
1
--> Valor demasiado baixo
CAL
LISTA
PARÂM CONFIG
pH 7,12
0,24 mV
59,23 mV/pH
CAL1Pt.: Calibrar com um valor de referência
ou uma solução tampão
CAL2Pt.: Calibrar com 2 soluções tampão
AJUDA
DESLIG
INÍCIO
CAL1Pt.
CAL2Pt.
Menu de parametrização
Tanque 1
MED
pH
Redox
Cl livre
Cl tot.
CONT
SAÍD
MED
ALARM
pH
Parâmetros Medição
Monit. sensor:: LIGADO
Reg. temp.:
Introd.
Valor temp. = 25,6 °C
Parâmetros Medição
Monit. sensor:
Reg. temp.:
Valor temp. =
LIGADO
Introd.
25,6 °C
Temp
Floc.
Palavra-passe pedida
AJUDA
INÍCIO
DATA
HORA
PREDEF. GUARDAR
IDIOMA
Menu de configuração
Tanque 1
M
DXMaM
Tanque 1
RTD
POT
ORP 1 2 pH
Ligações Sensores
RTD: Pt1000/100
(pH)ORP: Redox-Sensor
POT1 livre
POT2 livre
pH(ORP):Sensor pH
K1
K2
K3
Entr. de contacto
K1: Água medição
K1 tipo: NO
Atraso=0000s
K2: ControloPausa
K2 tipo: NO
Atraso=0000s
K3: livre
K3 tipo: NO
PREDEF. GUARDAR
M
DXMaM
RTD
POT
ORP 1 2 pH
Ligações Sensores
RTD: Pt1000/100
(pH)ORP: Redox-Sensor
POT1 livre
POT2 livre
pH(ORP): Sensor pH
K1
K2
K3
Entr. de contacto
K1: Água medição
K1 tipo: NO
Atraso=0000s
K2: ControloPausa
K2 tipo: NO
Atraso=0000s
K3: livre
K3 tipo: NO
PREDEF. GUARDAR
A0261
Fig. 6: Código de acesso (palavra-passe)
Idioma
Pode ajustar o idioma no submenu [IDIOMA]. Para tal,
prima a tecla de função F5 (IDIOMA) no menu de
parâmetros.
74
Colocação em funcionamento: Configurar módulos CAN
6
Colocação em funcionamento: Configurar módulos CAN
CUIDADO
Processamento de dados em atraso
No caso destes procedimentos, deve aguardar sempre
alguns segundos entre a última mensagem ou a última
barra de progresso e o próximo procedimento.
Através do menu de BUS pode ligar ou desligar os
módulos, mas não temporariamente. A unidade central
não guarda todos os dados necessários para a read‐
missão inconsútil da operação do módulo.
Actualizar software
Pode requisitar na ProMinent Dosiertechnik GmbH o
manual de actualização adequado para a presente
actualização.
6.1 Ligar e desligar módulos
Introduzir novo módulo
Inserir um módulo novo na configuração CAN do DXCa ou um
módulo que foi apagado da unidade central:
A unidade central ainda não tem dados sobre o
módulo.
1.
Ligue o módulo à linha de bus CAN
ð no item de menu central surge a mensagem
[Iniciada configuração automática - nós LSS detec‐
tados ...] com barra de progresso.
2.
Na indicação contínua surge a mensagem
[Novo módulo! Premir ENTER.].
3.
Prima a tecla ENTER
ð o item de menu central surge com a mensagem
[Novo módulo! Premir ENTER.].
4.
Prima a tecla ENTER
ð surge o menu [Reconfiguração concluída. Premir ESC.].
5.
Prima a tecla ESC
ð surge o item de menu central.
Separar módulo temporariamente
Separar um módulo temporariamente, sem substituição provisória,
da linha de bus CAN:
75
Colocação em funcionamento: Configurar módulos CAN
A unidade central guarda todos os dados necessários
para uma nova detecção do módulo.
1.
Separe o módulo da linha de bus CAN
ð no item de menu central surge a mensagem
[Módulo desligado! Premir ENTER.].
2.
Prima a tecla ENTER
ð surge o menu [Módulos desligados].
3.
Prima F4 (GUARDAR) de modo que o módulo permaneça
guardado na configuração CAN
ð Surge a mensagem
[Reconfiguração concluída. Premir ESC].
4.
Prima a tecla ESC
No menu de configuração, a vista geral no início
do submenu [BUS] indica que o módulo está
[em falta].
ð surge o item de menu central.
Introduzir novamente o módulo tem‐
porariamente separado
Ligar novamente à linha de bus CAN um módulo que foi separado
temporariamente sem substituição provisória da linha de bus CAN:
A unidade central guardou todos os dados necessá‐
rios para uma nova detecção do módulo.
1.
Ligue o módulo à linha de bus CAN
ð no item de menu central surge a mensagem
[Iniciada configuração automática - nós LSS detec‐
tados ...] com barra de progresso.
2.
Na indicação contínua surge a mensagem
[Módulo novamente ligado! Premir ENTER.].
3.
Prima a tecla ENTER
ð o item de menu central surge com a mensagem
[Módulo novamente ligado! Premir ENTER.].
4.
Prima a tecla ENTER
ð surge o menu [Módulos novamente ligados detectados].
5.
Prima F4 (ASSUM.) de modo que o módulo funcione nova‐
mente de acordo com a configuração CAN guardada no bus
CAN
ð surge uma barra de progresso e depois a mensagem
[Reconfiguração concluída. Premir ESC].
6.
Prima a tecla ESC
ð Surge o item de menu central. O módulo está novamente
ligado ao bus CAN.
76
Colocação em funcionamento: Configurar módulos CAN
Módulo separado definitivamente
Separar definitivamente um módulo do seu tanque ou DXCa ou
colocar noutro tanque ou noutro DXCa: (a unidade central apagará
todos os seus dados juntamente com o módulo.)
A unidade central apagará todos os seus dados junta‐
mente com o módulo.
1.
Separe o módulo da linha de bus CAN
ð no item de menu central surge a mensagem
[Módulo desligado! Premir ENTER.].
2.
Prima a tecla ENTER
3.
Prima F2 (ELIMINAR)
4.
Prima a tecla ESC
ð Surge o item de menu central. O módulo está desligado
do bus CAN e todos os dados do módulo foram apa‐
gados da unidade central
O módulo é agora detectado como novo módulo
aquando da nova introdução no bus CAN.
6.2 Colocar a bomba Beta CAN em funcionamento
Siga estas instruções de manuseio com precisão para
garantir uma detecção correcta da bomba Beta CAN
no bus CAN.
Colocar em funcionamento a bomba
Beta CAN nova ou não guardada
Preparações
1.
Caso ainda não tenha acontecido, inicie a unidade central
2.
Ajuste a bomba ao comprimento do curso necessário
(predef. 95 %)
3.
Verifique se o interruptor multifunções está em BUS
4.
Ligue a bomba ao bus CAN
5.
Ligue a bomba à tensão de alimentação
ð no item de menu central surge a mensagem
[Iniciada configuração automática - nós LSS detec‐
tados ...] com barra de progresso.
6.
Na indicação contínua surge a mensagem
[Novo módulo! Premir ENTER.].
7.
Prima a tecla ENTER
ð surge o item de menu central.
8.
Prima a tecla ENTER
ð surge o menu [Novo módulo detectado].
77
Colocação em funcionamento: Configurar módulos CAN
Atribuir um sistema (tanque, circuito
de filtragem, ...)
DXMaM DXMaR DXMaG
Sistema
DXMaS1
DXMaS2
DXMaS3
1
DXMaA Cl
DXMaI
DXMaP CL tot.
Bomba1 Bomba2 Bomba3 Bomba4
Ocupado
Esperado
Livre
Novo módulo detectado
1
Novo módulo detectado
Bomba1
Número de série
1
2006036753
O módulo é configurado em:
Sistema
1
N.º:
1
AJUDA
ELIMINAR
OK
ASSUM.
A0266
Fig. 7: Novo módulo detectado
Determinar número de bomba
1.
Seleccione a tecla ENTER com as teclas de seta [Sistema] e
prima a tecla ENTER
2.
Com as teclas de seta introduza o número de sistema pre‐
tendido e prima a tecla ENTER
1.
Seleccione com as teclas de seta [N.º] e prima a tecla
ENTER
2.
Com as teclas de seta introduza o número pretendido para a
bomba (1 .. 4) e prima a tecla ENTER
Gravar configuração CAN
Sistema 1
Nome:
DXMaM
DXMaA
DXMaP
DXMaR
Cl
Cl tot.
Bomba1
Bomba2
Bomba3
Bomba4
DXMaS1
DXMaS2
DXMaS3
DXMaG
DXMaI
Piscina para crianças
2004106040
1254552546
5445454444
1212144665
2154545665
5442121212
1121121212
Não ligado
Não ligado
Não ligado
Não ligado
Não ligado
Não ligado
Não ligado
16554323565
17
14
13
16
11
12
10
15
GUARDAR
A0267
Fig. 8: Guardar atribuição
1.
Prima F4 (ASSUM.) de modo que a configuração CAN seja
guardada ou prima a tecla ENTER para alterar as introdu‐
ções
2.
Prima a tecla ENTER para alterar o nome do sistema (por
ex. de “piscinas para crianças” para “piscinas de maior
profundidade” .)
3.
F5 (GUARDAR) no ecrã, ver Fig. 8
ð Dados são guardados
78
Colocação em funcionamento: Configurar módulos CAN
4.
Prima a tecla ESC
ð Surge a indicação contínua. A configuração CAN é agora
guardada
Atribuir à bomba um objectivo de apli‐
cação
1.
Prima esta sequência de teclas no item de menu central para
atribuir à bomba um objectivo de aplicação: F4 (CONFIG)
2.
PARA A ESQUERDA/PARA A DIREITA (separador P1 ou
P2 ...)
ð O separador com o número de atribuição da respectiva
bomba foi seleccionado.
3.
Prima a tecla ENTER
4.
Prima a tecla ENTER
5.
Seleccione com as teclas de seta verticais o objectivo de
aplicação pretendido e prima a tecla ENTER
ð Surge no ecrã por ex. [Bomba de dosagem Bus P1]
6.
Prima F5 (GUARDAR)
ð Surge o pedido
[Guardar diálogo; Gravar realmente?; Não=ESC;
Sim=ENTER]
7.
Prima a tecla ENTER
8.
Prima posteriormente a tecla ESC
ð A bomba foi atribuída e guardada. Pode sair do menu
agora com a tecla ESC
Colocar a bomba Beta CAN guardada
em funcionamento
Preparações
1.
Caso ainda não tenha acontecido, inicie a unidade central
2.
Ajuste a bomba ao comprimento do curso necessário
(predef. 95 %)
3.
Verifique se o interruptor multifunções está em BUS
4.
Ligue a bomba ao bus CAN
5.
Ligue a bomba à tensão de alimentação
ð no item de menu central surge a mensagem
[Iniciada configuração automática - nós LSS detec‐
tados ...] com barra de progresso.
6.
Na indicação contínua surge a mensagem
7.
Prima a tecla ENTER
[Módulo novamente ligado! Premir ENTER.].
ð surge o item de menu central.
8.
Prima a tecla ENTER
ð surge o menu [Módulo reconhecido].
9.
Prima F4 (ASSUM.)
ð O módulo é assumido
10.
Prima a tecla ESC
ð Surge a indicação contínua
79
Colocação em funcionamento: Configurar módulos CAN
6.3 Colocar módulo R em funcionamento
ATENÇÃO
Medidas em caso de emergência
O operador da instalação é responsável pela elabo‐
ração de medidas em caso de emergência no caso de
escape de gás cloro.
Qualquer pessoa com capacidade para a execução de
medidas em caso de emergência é responsável pela
mesma no caso de escape de gás cloro.
ATENÇÃO
O gás cloro pode escapar
Consequência possível: Morte ou lesões graves
Desligue a dosagem de gás cloro antes da colocação
em funcionamento. Caso contrário, o gás cloro pode
escapar.
Antes da colocação em funcionamento, verifique e
permita as possibilidades de uma paragem de emer‐
gência da dosagem de gás cloro e medidas em caso
de emergência.
Testar a ligação ao módulo R
Parar a dosagem do gás cloro
Pode cancelar o teste a qualquer momento com F2
(PARAGEM) - posteriormente o aparelho de dosagem
de gás cloro fecha. O transporte de gás cloro é então
parado.
1.
Prima a tecla F4 (TESTE)
ð surge o menu TESTE.
Calibrar módulo R
80
2.
Controle manualmente a título de experiência o aparelho de
dosagem de gás cloro com as teclas F3 (FECHAR) e F4
(ABRIR)
3.
Para sair do menu, prima a tecla F5 (SAIR)
Parar a dosagem do gás cloro
Pode cancelar o teste a qualquer momento com F2
(PARAGEM) - posteriormente o aparelho de dosagem
de gás cloro fecha. O transporte de gás cloro é então
parado.
Colocação em funcionamento: Configurar módulos CAN
A qualquer momento, o separador indica o actual
ângulo de abertura da válvula no aparelho de
dosagem de gás cloro (= posição em %; pequena
quantidade = válvula relativamente fechada, grande
quantidade = válvula relativamente aberta).
1.
Prima em sequência as teclas F2 (CAL) e F2 (START)
ð No ecrã surge a mensagem [Calibração em curso]. O
DXCa fecha o aparelho de dosagem de gás cloro em pri‐
meiro lugar.
De seguida, este realiza processos de calibração (abrir e
fechar). Nas respectivas posições finais, o DXCa
aguarda brevemente para avaliar a constância do sinal
do potenciómetro.
Se a calibração estiver concluída, surge
[Calibração concluída] [Premir SAIR].
2.
Prima a tecla F5 (SAIR) para sair do menu de calibração.
ð Após premir a tecla F5 (GUARDAR) e premir a tecla
ENTER, o DXCa abre o aparelho de dosagem de gás
cloro de acordo com a variável de ajuste actual.
81
Estrutura dos menus de operação
7
Estrutura dos menus de operação
7.1 Estrutura principal
Indicação contínua
pH
Cl livre
1,12
Cltotal
1,25
Q
1
mg/l Clcomb.
654
0,13
10.00
mg/l
PT1000/100
34,2
°C
Sistema
1
ERRO
Piscina para crianças
Dosagem:
DESLIG
01.04.10
16:19:21
10.0 °C
16:28:57
Tanque
1
Piscina para crianças
Redox
Cl
livre
Cl comb.
Temp
1! Redox
AJUDA
Menu de calibração
01.04.05
Nominal Dosagem:
0,00
90 %
7,12
pH
Calibrar sensor!
mg/l Temp
ClO2-
Temp 4-20 mA
Item central de menu
mV
Redox
7,12
1,12 mg/l
0.92
mg/l
PT 1000/100
20. 0
°C
Cl total
Q
CAL
pH
654 mV
Calibração Sensor pH
Redox
Nominal Dosagem:
0,00
DESLIG
1.32
Sensor Valor =
Ponto zero
=
Inclinação
=
Cl livre
Cl tot.
mg/l
Temp
1
--> Valor demasiado baixo
CAL
LISTA
PARÂM CONFIG
pH 7,12
0,24 mV
59,23 mV/pH
CAL1Pt.: Calibrar com um valor
de referência ou uma solução tampão
CAL2Pt.: Calibrar com 2 soluções tampão
10
AJUDA
DESLIG
INÍCIO
CAL1Pt.
CAL2Pt.
Menu de parametrização
Tanque 1
MED
pH
Palavra-passe pedida
CONT
SAÍD
Cl livre
Cl tot.
Monit. sensor:
Reg. temp.:
Valor temp. =
Tanque 1
MED
ALARM
pH
Parâmetros Medição
Redox
MED
Parâmetros Medição
LIGADO
Introd.
25,6 °C
Monit. sensor:
Reg. temp.:
Valor temp. =
pH
Parâmetros Medição
LIGADO
Introd.
25,6 °C
Monit. sensor:
Reg. temp.:
Valor temp. =
LIGADO
Introd.
25,6 °C
Temp
Flock
?
Pedido SIM/NÃO
11
AJUDA
INÍCIO
DATA
HORA
111
Sensorüberwg:
PREDEF. GUARDAR
IDIOMA
?
Menu de configuração
Tanque 1
Tanque 1
Tanque 1
M
M
M
DXMaM
RTD
POT
ORP 1 2 pH
Ligações Sensores
RTD: Pt1000/100
(pH)ORP: Redox-Sensor
POT1 livre
POT2 livre
pH(ORP): Sensor pH
K1
K2
DXMaM
K3
RTD
Entr. de contacto
K1: Água medição
K1 tipo: NO
Atraso=0000s
K2: ControloPausa
K2 tipo: NO
Atraso=0000s
K3: livre
K3 tipo: NO
POT
ORP 1 2 pH
Ligações Sensores
RTD: Pt1000/100
(pH)ORP: Redox-Sensor
POT1 livre
POT2 livre
pH(ORP): Sensor pH
DXMaM
K1
K2
RTD
K3
POT
ORP 1 2 pH
Ligações Sensores
RTD: Pt1000/100
(pH)ORP: Redox-Sensor
POT1 livre
POT2 livre
pH(ORP): Sensor pH
Entr. de contacto
K1: Água medição
K1 tipo: NO
Atraso=0000s
K2: ControloPausa
K2 tipo: NO
Atraso=0000s
K3: livre
K3 tipo: NO
101
101
PREDEF. GUARDAR
PREDEF. GUARDAR
K1
K2
K3
Entr. de contacto
K1: Água medição
K1 tipo: NO
Atraso=0000s
K2: ControloPausa
K2 tipo: NO
Atraso=0000s
K3: livre
K3 tipo: NO
?
A0134
Fig. 9: Estrutura principal do menu de operação
Pode alterar da indicação contínua para o item de menu central.
Aqui o menu de operação ramifica-se no menu de ajuste:
n Calibração, ver Ä Capítulo 8 “Calibração” na página 91
n Parametrização, ver Ä Capítulo 9 “Parametrizar”
na página 123
n Configuração, verÄ Capítulo 10 “Configurar” na página 154
82
Estrutura dos menus de operação
7.2 Indicação contínua
pH
mV
mg/l Cl comb.
mg/l
7,12
Cllivre
1,12
Cl total
1,25
Q
Redox
654
0,13
Calibrar sensor!
mg/l Temp
PT1000/100
ClO2-
1
10.00
Temp 4-20 mA
10.0 °C
°C
Sistema 1
ERRO
Piscina para crianças
Dosagem:
DESLIG
01.04.05
16:19:21
A0140
Fig. 10: A indicação contínua para todas as variáveis de medição
medidas
A indicação contínua indica-lhe todos os valores de medição exis‐
tentes da água de medição de um sistema. Se um valor limite tiver
sido ultrapassado (vermelho) ou não tiver sido alcançado (azul),
surge um ângulo vermelho ou azul próximo do valor de medição e
o valor de medição surge na mesma cor.
Se ocorrer um erro relacionado com um sensor ou a calibração
estiver com falhas, surge uma mensagem de erro no campo da
respectiva variável de medição. No campo à direita em baixo, a
indicação contínua indica o número de sistema, data e hora e se a
dosagem foi ligada ou desligada através da tecla START/STOP,
por isso dosagem “LIGADA” ou “DESLIGADA” .
Premindo F4 (GLOBAL) é possível a exibição de uma vista geral
relativamente aos valores de medição e aos valores nominais de
todos os sistemas/tanques, caso sejam configurados mais sis‐
temas/tanques.
–
–
–
O valor indicado para o cloro combinado é calcu‐
lado pelo DXCa enquanto diferença dos valores de
medição dos sensores para cloro livre e cloro total
Cada variável de medição é atribuída a uma cor
(por ex. pH = cor-de-laranja, Redox = amarelo, ... )
Pode retroceder de qualquer item de menu do
menu de operação para a indicação contínua, se
premir a tecla ESC até a indicação contínua surgir
83
Estrutura dos menus de operação
7.3 Item central de menu
Sistema
1
7,12
pH
livre
1,12 mg/l
Cl comb.
0.92
Temp
20. 0
1! Redox
HELP/SD
Nominal Dosagem:
inactivo
680
mg/l
Redox
Cl
Nominal Dosagem:
6,00
DESLIG
PT 1000/100
CAL
mg/l
°C
Nominal Dosagem:
1,20
DESLIG
Cl total
Q
1.32
mg/l
1
Valor demasiado baixo
SAIR
PARÂM CONFIG
A0338
Fig. 11: Item de menu central para todas as variáveis de medição
medidas
O item de menu central indica-lhe os mesmos dados que na indi‐
cação contínua. Para além disso, este ainda lhe pode indicar os
valores nominais, o ponto de comutação para o cloro combinado
ou a temperatura.
Se uma variável de medição for controlada, a barra colorida des‐
loca-se por toda a largura do ecrã. Se uma variável de medição
apenas for indicada, a barra colorida desloca-se apenas por
metade da largura do ecrã.
Se todas as variáveis de medição não estiverem no local da indi‐
cação, mas tiverem de ser ser visíveis, então deve dividi-las.
Deste modo, um conjunto exclui variáveis de medição e atribui um
segundo tanque virtual. Estes dois tanques são declarados como
subsistemas e igualmente denominados por si, mas diferenciam-se por ex. através das extensões de nomes “_A” e “_B” .
Contrariamente à indicação contínua, o item de menu central para
variáveis de medição individuais de um sistema indica se a
dosagem está em “DESLIGADA” ou “ LIGADA” . Posteriormente,
indica-lhe o valor da variável de ajuste. Se tiver ajustado a
dosagem em “DESLIGADA” , então não é possível ligar através da
tecla START/STOP.
Sob o campo com as variáveis de medição, o item de menu cen‐
tral indica-lhe as mensagens de erro. Se existir mais do que uma
mensagem de erro, então surge a função “LISTA” após confirmar
um alarme através de F5: Se premir a tecla F5, surge uma lista de
erros. Aqui tem a possibilidade com F5 (ARQUIVO) de comutar no
arquivo para mensagens de erro anteriores se existir um cartão
SD como localização de armazenamento. Regressa-se para a indi‐
cação anterior através da tecla ESC.
Para cada ocorrência podem ser indicados:
n 1.º bloco: número, data, hora, VIR / IR *
– * Designa se o erro ocorreu ou desapareceu neste
momento
n 2. bloco: ID do nó, número do sistema
n 3. bloco: Mensagem de erro
No cartão SD são guardados estes dados no ficheiro
“eventlog.txt” . Este pode ser consultado num PC com um pro‐
grama de processamento de texto.
84
Estrutura dos menus de operação
O item de menu central ramifica-se no menu de ajuste
n Calibração, ver Ä Capítulo 8 “Calibração” na página 91
n Parametrização, ver Ä Capítulo 9 “Parametrizar”
na página 123
n Configuração, verÄ Capítulo 10 “Configurar” na página 154
7.4 Cartão SD removido com segurança
Cartão SD removido com segurança
Sistema
1
7,12
pH
livre
1,12 mg/l
Cl comb.
0.92
Temp
PT 1000/100
1! Redox
HELP/SD
Nominal Dosagem:
inactivo
680
mg/l
Redox
Cl
Nominal Dosagem:
6,00
DESLIG
20. 0
CAL
mg/l
°C
Nominal Dosagem:
1,20
DESLIG
Cl total
Q
1.32
mg/l
1
Valor demasiado baixo
SAIR
PARÂM CONFIG
A0338
Fig. 12: Cartão SD removido com segurança
1.
Prima no item de menu central a tecla F1 “HELP/SD”
85
Estrutura dos menus de operação
AJUDA:
CAL - calibração dos sensores
PARÂM - ajuste dos parâmetros do processo
CONFIG - configuração das ligações do aparelho
Info sobre DULCOMARIN:
DXCAW061MAPDDR
1404143403
Versão: 1006
Data do software: 31.02.2010 13.62.00
Serviço de assist. ao cliente:
Empresa:
Muster
Nome:
Muster
Telefone fixo:
6
Telemóvel:
8
AJUDA
DESLIG
Ejectar
CARTÃO SD
AJUDA
VER.
SISTEMA
A0138
Fig. 13: Ejectar CARTÃO SD
2.
Prima a tecla F2 “Ejectar CARTÃO SD”
Agora pode retirar o CARTÃO SD!
A0339
Fig. 14: Remover cartão SD
ð Agora pode retirar o CARTÃO SD com segurança!
7.5 Estados universais
Os estados da regulação são sinalizados como se segue:
Indicação
Mensagem
inactivo
Se o parâmetro “Regulação” está inactivo
100,0 %
Se a unidade estiver em “lig.” e o parâmetro “Regulação” estiver “activo”
PAUSA
Se o relé “K2 ” estiver fechado
PARAGEM
Se os valores de medição e a calibração forem inválidos
Q!
10,5 % de variável de interferência está activa com a variável de medição
Q mín.!
0,0 % com todos os controladores porque Q < Qmín.
ORP!
12,0 % apenas com cloro
ECO
20,8 % com todos os controladores
86
Estrutura dos menus de operação
Os estados da regulação são sinalizados como se segue:
Indicação
Mensagem
Tempo de controlo
Par. inválido!
Se um parâmetro “Par” estiver fora do limite permitido (por ex. Xp = 0)
Os estados dos valores de medição são sinalizados como se segue:
Indicação
Cor da indicação
Mensagem
0,00
Preto
Água de medição normal sem
erro
0,00
Azul
O valor de medição é inferior ao
valor limite inferior
0,00
Vermelho
O valor de medição é superior ao
valor limite superior
--,--
Preto
< do que 0,10
Erro de medição
Preto. Fundo vermelho
Se o valor de medição for inválido
Motivos:
Água de medição Erro (todas as
variáveis de medição indicam
valores incorrectos)
A calibração está incorrecta
Um valor de correcção está invá‐
lido (por ex. pH)
Calibrar sensor!
Preto
A calibração está incorrecta
Sensor não pronto para medição
Preto
Sensor Corrente negativa
Correcção pH Valor
Preto. Fundo vermelho
Para o sensor CLE é o valor > 8,5
pH; para todos os outros sensores
existe um valor pH inválido
Sistema
1
7,12
pH
livre
1,12 mg/l
Cl comb.
0.92
Temp
20. 0
1! Redox
HELP/SD
Nominal Dosagem:
inactivo
680
mg/l
Redox
Cl
Nominal Dosagem:
6,00
DESLIG
PT 1000/100
CAL
mg/l
°C
Cl total
Q
Nominal Dosagem:
1,20
DESLIG
1.32
mg/l
1
Valor demasiado baixo
SAIR
PARÂM CONFIG
A0338
Fig. 15: Estados universais
Barra de indicação mais larga
Valor de medição com regulação
Barra de indicação mais estreita Valor de medição sem regulação
87
Estrutura dos menus de operação
7.6 Menus em baixo do item de menu central
Menu de calibração
CAL
pH
Calibração Sensor pH
Redox
Sensor Valor =
Ponto zero
=
Inclinação
=
Cl livre
Cl tot.
Temp
Q
ClO2
pH 7,12
0,24 mV
59,23 mV/pH
CAL1Pt.: Calibrar com um valor de referência
ou uma solução tampão
CAL2Pt.: Calibrar com 2 soluções tampão
AJUDA
CAL1Pt.
CAL2Pt.
A0135
Fig. 16: Primeiro item de menu do menu de calibração
Pode aceder ao menu de calibração para todas as variáveis de
medição no item de menu central através da tecla de função F2
(CAL).
Menu de parametrização
MED
pH
Redox
Cl livre
Cl tot.
CONT
SAÍD
ALARM
ECO
Parâmetros Medição
Monit. sensor:
Reg. temp.:
Valor temp. =
LIGADO
Introd.
25,6 °C
INÍCIO
DATA
Temp
Floc.
AJUDA
HORA
IDIOMA
A0136
Fig. 17: Primeiro item de menu do menu de parametrização
Pode aceder ao menu de parametrização no item de menu central
através da tecla de função F3 (PARÂM).
A estrutura do menu de parametrização assemelha-se a uma
pasta (com separadores horizontais e verticais):
n a inscrição vertical cria variáveis de medição (pH, Redox, ...)
n a horizontal cria grupos de parâmetros (como por ex. medição,
regulação, ...)
88
Estrutura dos menus de operação
Menu de configuração
M
A
P
RTD
Cl
Cl
POT
ORP 1 2 pH
R
K1
Ligações Sensores
RTD: Pt1000/100
(pH)ORP: Redox Sensor
POT1 :livre
POT2 :livre
pH(ORP): Sensor pH
Vers. soft. 2903
I
P1
K2
K3
Entr. de contacto
K1:Água medição
K1 tipo: NO
K2: ControloPausa
K2 tipo: NO
K3: livre
K3 tipo: NO
N.º de série
ID d.nó
14
2004033100
1
AJUDA
OPÇÃO
PAL-PA
ACT.
BUS
A0137
Fig. 18: Primeiro item de menu do menu de configuração
Pode aceder ao menu de configuração no item de menu central
através da tecla de função F4 (CONFIG).
A estrutura do menu de configuração indica novamente a configu‐
ração dos módulos de hardware existentes. Para cada módulo
existe um separador.
Exemplo de uma indicação de ajuda
AJUDA:
CAL - calibração dos sensores
PARÂM - ajuste dos parâmetros do processo
CONFIG - configuração das ligações do aparelho
Info sobre DULCOMARIN:
DXCAW061MAPDDR
1404143403
Versão: 1006
Data do software: 31.02.2010 13.62.00
Serviço de assist. ao cliente:
Empresa:
Muster
Nome:
Muster
Telefone fixo:
6
Telemóvel:
8
AJUDA
DESLIG
Ejectar
CARTÃO SD
AJUDA
VER.
SISTEMA
A0138
Fig. 19: Exemplo de uma indicação de ajuda
Pode aceder ao menu de ajuda no item de menu central através
da tecla de função F1 (HELP) se estiver neste item de menu
através da tecla F1 “ AJUDA” .
A partir do item de menu central acedido, a indicação de ajuda
indica-lhe adicionalmente a versão de software da unidade central
e a data de fabrico. No menu de calibração pode mostrar ou
ocultar textos de ajuda associados nos separadores através de F1
(AJUDA) para todos os itens de menu do menu de calibração.
89
Estrutura dos menus de operação
7.7 Submenus do menu de parametrização
MED
pH
Redox
Cl livre
Cl tot.
CONT
SAÍD
ALARM
Parâmetros Medição
Monit. sensor: LIGADO
Reg. temp.:
Introd.
Valor temp. = 25,6 °C
Temp
Floc.
AJUDA
INÍCIO
DATA
1
HORA
2
IDIOMA
3
A0139
Fig. 20: Acesso aos submenus
1
2
3
Submenu DATA (F3)
Submenu HORA (F4)
Submenu IDIOMA (F5)
Pode alcançar os submenus DATA, HORA e IDIOMA através das
teclas de função do menu de parametrização.
Comutação Hora de Verão
O DXCa não tem qualquer comutação automática da
hora de Verão.
90
Calibração
8
Calibração
AVISO
Manuais de instruções
Aquando da calibração, tenha em atenção impreteri‐
velmente os manuais de instruções e outros docu‐
mentos técnicos do sensor e sonda contínua mon‐
tados.
CAL
pH
Calibração Sensor pH
Redox
Sensor Valor =
Ponto zero
=
Inclinação
=
Cl livre
Cl tot.
Temp
Q
ClO2
pH 7,12
0,24 mV
59,23 mV/pH
CAL1Pt.: Calibrar com um valor de referência
ou uma solução tampão
CAL2Pt.: Calibrar com 2 soluções tampão
AJUDA
CAL1Pt.
CAL2Pt.
A0135
Fig. 21: Menu de calibração
Durante a calibração, o DXCa define as saídas de
ajuste “0” . Excepção: se uma carga base ou uma vari‐
ável de ajuste manual tiver sido ajustada, esta
mantém-se durante a calibração. As saídas do sinal
padrão mA são congeladas. No caso de calibração
com sucesso, começaram novamente todas as aná‐
lises de erro que se relacionam com o valor de
medição. O DXCa guarda os dados calculados para
ponto zero e inclinação.
Início da calibração (para todas as variáveis de medição):
n Bloqueie a água de medição (se necessário, confirmar o
alarme ocorrido com a tecla ENTER)
n Prima no item de menu central a tecla F2 (CAL)
n Introduza o código de acesso, ver Ä Capítulo 5.2 “Código de
acesso (palavra-passe)” na página 73
n Seleccione o separador SRV com a variável de medição pre‐
tendida (teclas de seta)
Texto de apoio
Pode mostrar ou ocultar o texto de apoio com a tecla
F1 (Ajuda).
91
Calibração
8.1 Calibrar variável de medição pH
CAL
pH
Calibração Sensor pH
Redox
Sensor Valor =
Ponto zero
=
Inclinação
=
Cl livre
Cl tot.
Temp
Q
ClO2
pH 7,12
0,24 mV
59,23 mV/pH
CAL1Pt.: Calibrar com um valor de referência
ou uma solução tampão
CAL2Pt.: Calibrar com 2 soluções tampão
AJUDA
CAL1Pt.
CAL2Pt.
A0135
Fig. 22: Calibrar variável de medição pH
Elimine a solução tampão usada
8.1.1 Calibração de 1 ponto pH
CAL
pH
Calibração Sensor pH
Redox
Sensor Valor =
Ponto zero
=
Inclinação
=
Cl livre
Cl tot.
Temp
pH 7,12
0,24 mV
59,23 mV/pH
CAL1Pt.: Calibrar com um valor
de referência ou uma solução tampão
CAL2Pt.: Calibrar com 2 soluções tampão
AJUDA
DESLIG
10
INÍCIO
CAL1Pt.
CAL2Pt.
Fonte 1
Fonte 1
CAL
pH
pH
Sensor Valor =
Temp. tampão =
Valor tampão =
CAL
pH
pH
pH 7,12
26,7 °C
7,00 pH
Det. tampão em curso
Introduzir o sensor limpo no tampão
Ligar a detecção do tampão com TAMPÃO
Ajustar a temp. tampão e o valor tampão
Premir a tecla CAL
A0142
TAMPÃO
pH
pH
Sensor Valor =
Puffertemp =
Pufferwert =
pH 7,12
26,7 °C
7,00 pH
Introduzir o sensor limpo no tampão
Ligar a detecção do tampão com TAMPÃO
Ajustar a temp. tampão e o valor tampão
Premir a tecla CAL
AJUDA
DESLIG
Fonte 1
CAL
CAL
AJUDA
DESLIG
Sensor Valor =
Temp. tampão =
Valor tampão =
Introduzir o sensor limpo no tampão
Ligar a detecção do tampão com TAMPÃO
Ajustar a temp. tampão e o valor tampão
Premir a tecla CAL
A0143
TAMPÃO
pH 7,12
26,7 °C
7,00 pH
CAL
AJUDA
DESLIG
A0142
TAMPÃO
CAL
A0144
Fig. 23: Calibração de 1 ponto pH
92
Calibração
Calibração de 1 ponto pH
O DXCa calibra:
n o ponto zero, quando o valor tampão se encontrar entre 6,8 pH
e 7,5 pH
n a inclinação, quando o valor tampão for inferior a 6,8 pH ou
superior a 7,5 pH
1.
Bloqueie a água de medição (se necessário, confirmar o
alarme ocorrido com a tecla ENTER)
2.
Desaparafuse o cabo coaxial do sensor de pH
3.
Desmonte o sensor de pH (água de medição bloqueada?)
4.
Lave o sensor de pH com água destilada
5.
Seque as manchas do sensor de pH cuidadosamente com
um pano (sem gordura, sem fios)
6.
Aparafuse novamente o cabo coaxial do sensor de pH
7.
Seleccione com F4 (CAL1Pt.) uma calibração de 1 ponto
8.
Mergulhe o sensor de pH na solução tampão (por ex. pH 7) e
mexa com o mesmo
Se tiver sido medido com o pino de ligação equi‐
potencial, então mergulhe-o também na solução
tampão
9.
Seleccione nos separadores a temperatura do tampão
(teclas de seta) e prima a tecla ENTER
10.
Introduza a temperatura da solução tampão (teclas de seta)
e prima a tecla ENTER
11.
Prima F4 (Tampão) (detecção do tampão)
ð surge a indicação da evolução e “Detecção do tampão
em curso” .
12.
Prima a tecla ESC para repetir a calibração
13.
Para terminar a calibração e guardar os valores, prima F5
(CAL)
14.
Se não pretender mais calibrações, regresse com a tecla
ESC à indicação contínua ou ao item de menu central
15.
Desaparafuse o cabo coaxial do sensor de pH
16.
Monte novamente o sensor de pH na sonda contínua
17.
Aparafusar novamente o cabo coaxial do sensor de pH
18.
Instale novamente o pino de ligação equipotencial
19.
Abra as torneiras de passagem da água de medição
ð primeiro admissão, depois descarga.
93
Calibração
8.1.2 Calibração de 2 ponto pH
CAL
pH
Calibração Sensor pH
Redox
Sensor Valor =
Ponto zero
=
Inclinação
=
Cl livre
Cl tot.
Temp
pH 7,12
0,24 mV
59,23 mV/pH
CAL1Pt.: Calibrar com um valor
de referência ou uma solução tampão
CAL2Pt.: Calibrar com 2 soluções tampão;
AJUDA
DESLIG
10
INÍCIO
CAL1Pt.
CAL1Pt.
Fonte 1
Fonte 1
Fonte 1
CAL
pH
Tampão 1
Sensor Valor =
Temp. tampão =
Valor tampão =
pH
pH
pH 4,57
26,7 °C
4,00 pH
Tampão 1
pH
pH
Sensor Valor =
Temp. tampão =
Valor tampão =
pH 4,57
26,7 °C
7,00 pH
Det. tampão em curso
Introduzir o sensor limpo no tampão
Ligar a detecção do tampão com TAMPÃO
Ajustar a temp. tampão e o valor tampão
Premir a tecla CAL
TAMPÃO
AJUDA
DESLIG
CAL
TAMPÃO
CAL
Sensor Valor =
Temp. tampão =
Valor tampão =
pH
pH
TAMPÃO
Tampão 2
pH
AJUDA
DESLIG
CAL
TAMPÃO
CAL
CAL
pH
Tampão 2
Sensor Valor =
Temp. tampão =
Valor tampão =
pH 7,12
26,7 °C
7,00 pH
Det. tampão em curso
Introduzir o sensor limpo no tampão
Ligar a detecção do tampão com TAMPÃO
Ajustar a temp. tampão e o valor tampão
Premir a tecla CAL
Introduzir o sensor limpo no tampão
Ligar a detecção do tampão com TAMPÃO
Ajustar a temp. tampão e o valor tampão
Premir a tecla CAL
AJUDA
DESLIG
AJUDA
DESLIG
Sensor Valor =
Puffertemp =
Pufferwert =
pH 7,12
26,7 °C
7,00 pH
pH 4,57
26,7 °C
4,00 pH
Fonte 1
CAL
CAL
Tampão 2
pH
Introduzir o sensor limpo no tampão
Ligar a detecção do tampão com TAMPÃO
Ajustar a temp. tampão e o valor tampão
Premir a tecla CAL
Fonte 1
Fonte 1
pH
Tampão 1
Sensor Valor =
Puffertemp =
Pufferwert =
Introduzir o sensor limpo no tampão
Ligar a detecção do tampão com TAMPÃO
Ajustar a temp. tampão e o valor tampão
Premir a tecla CAL
AJUDA
DESLIG
CAL
CAL
TAMPÃO
pH
pH 7,12
26,7 °C
7,00 pH
Introduzir o sensor limpo no tampão
Ligar a detecção do tampão com TAMPÃO
Ajustar a temp. tampão e o valor tampão
Premir a tecla CAL
CAL
AJUDA
DESLIG
TAMPÃO
CAL
A0145
Fig. 24: Calibração de 2 ponto pH
Calibração de 2 ponto pH
1.
Bloqueie a água de medição (se necessário, confirmar o
alarme ocorrido com a tecla ENTER)
2.
Desaparafuse o cabo coaxial do sensor de pH
3.
Desmonte o sensor de pH (água de medição bloqueada?)
4.
Lave o sensor de pH com água destilada
5.
Seque as manchas do sensor de pH cuidadosamente com
um pano (sem gordura, sem fios)
6.
Aparafuse novamente o cabo coaxial do sensor de pH
7.
Seleccione com F5 (CAL2Pt.) uma calibração de 2 pontos
8.
Mergulhe o sensor de pH na solução tampão (por ex. pH 7) e
mexa com o mesmo
Se tiver sido medido com o pino de ligação equi‐
potencial, então mergulhe-o também na solução
tampão
94
9.
Seleccione nos separadores (Tampão 1) a temperatura do
tampão (teclas de seta) e prima a tecla ENTER
10.
Introduza a temperatura da solução tampão (teclas de seta)
e prima a tecla ENTER
Calibração
11.
Prima F4 (Tampão) (detecção do tampão)
ð surge a indicação da evolução e “Detecção do tampão
em curso” .
O DXCa detectou e assumiu o valor da solução tampão
pH 7 (Tampão 1)
12.
Prima a tecla ESC para repetir a calibração
13.
Para continuar em calibração prima a tecla F5 (CAL)
14.
Remova o sensor de pH da solução tampão pH7 (Tampão 1)
e lave-o com água destilada
15.
Seque as manchas do sensor de pH cuidadosamente com
um pano (sem gordura, sem fios)
16.
Mergulhe o sensor de pH na solução tampão pH4 (Tampão
2) e mexa com o mesmo
Se tiver sido medido com o pino de ligação equi‐
potencial, então mergulhe-o também na solução
tampão
17.
Seleccione nos separadores agora indicados (Tampão 2) a
temperatura do tampão (teclas de seta) e prima a tecla
ENTER
18.
Introduza a temperatura da solução tampão (teclas de seta)
e prima a tecla ENTER
19.
Prima F4 (Tampão) (detecção do tampão)
ð surge a indicação da evolução e “Detecção do tampão
em curso” .
O DXCa detectou e assumiu o valor da solução tampão
pH 4 (Tampão 2)
20.
Para repetir a calibração prima a tecla ESC
21.
Para terminar a calibração e guardar os valores, premir a
tecla F5 (CAL).
ð No caso de calibração bem sucedida, surge brevemente
“Calibração OK” .
22.
Se não pretender mais calibrações, regresse com a tecla
ESC à indicação contínua ou ao item de menu central
23.
Desaparafuse o cabo coaxial do sensor de pH
24.
Monte novamente o sensor de pH na sonda contínua
25.
Aparafusar novamente o cabo coaxial do sensor de pH
26.
Instale novamente o pino de ligação equipotencial
27.
Abra as torneiras de passagem da água de medição
ð primeiro admissão, depois descarga.
95
Calibração
8.2 Verificar variável de medição Redox
Verificar sensor Redox
Não pode calibrar um sensor Redox. Um sensor
Redox apenas pode ser verificado. Se o valor do
sensor Redox tiver de divergir mais de ± 50 mV do
valor da solução tampão, deve verificar o sensor
Redox conforme descrito no seu manual de instruções
e, se necessário, substituir.
CAL
pH
Verific. Sensor
Redox
Cl livre
Sensor Valor =
459 mV
Cl tot.
Valor ajuste =
465 mV
Temp
O valor só pode ser ajustado dentro
de um intervalo de ± 50 mV
CAL
A0146
Fig. 25: Verificar variável de medição Redox
Apenas pode ajustar verificar desvios entre o sensor
Redox e a solução tampão numa largura de banda de
± 50 mV.
Se o valor do sensor Redox tiver de divergir mais de ±
50 mV do valor da solução tampão, deve verificar o
sensor Redox conforme descrito no seu manual de
instruções e, se necessário, substituir.
Eliminar soluções tampões usadas
96
1.
Seleccione o separador [Redox ] (teclas de seta) e prima a
tecla CAL (F5)
2.
Bloqueie a água de medição (se necessário, confirmar o
alarme ocorrido com a tecla ENTER)
3.
Desaparafuse o cabo coaxial do sensor Redox
4.
Desmonte o sensor de Redox (água de medição blo‐
queada?)
5.
Lave o sensor Redox com água destilada
6.
Seque as manchas do sensor Redox cuidadosamente com
um pano (sem gordura, sem fios)
7.
Aparafuse novamente o cabo coaxial do sensor Redox
Calibração
8.
Mergulhe o sensor Redox na solução tampão (por ex. com
465 mV).
Se tiver sido medido com o pino de ligação equi‐
potencial, então mergulhe-o também na solução
tampão
9.
Se o valor indicado estiver estável, compare-o com o valor
mV registado na garrafa da solução tampão - este não pode
divergir mais do que ± 50 mV do valor tampão
10.
Prima a tecla ENTER
11.
Ajuste o valor de ajuste com as teclas de seta. Apenas pode
ajustar verificar desvios entre o sensor Redox e a solução
tampão numa largura de banda de ± 50 mV.
12.
Prima a tecla ENTER
13.
Prima a tecla F5 (ASSUM.)
14.
Se não pretender mais verificações, regresse com a tecla
ESC à indicação contínua ou ao item de menu central
15.
Desaparafuse o cabo coaxial do sensor Redox
16.
Monte novamente o sensor Redox na sonda contínua
17.
Aparafusar novamente o cabo coaxial do sensor Redox
18.
Instale novamente o pino de ligação equipotencial
19.
Abra as torneiras de passagem da água de medição
ð primeiro admissão, depois descarga.
8.3 Calibrar a variável de medição "Cloro livre"
CAL
pH
Calibração Sensor
Redox
Sensor Valor =
1,12 mg/l
Inclinação =
110,43 %
Calibração: DPD <fotómetro>
Cl livre
Cl tot.
Temp
Premir CAL antes da recolha da amostra
AJUDA
DESLIG
30
INÍCIO
CAL
A0147
Fig. 26: Calibrar a variável de medição "Cloro livre"
97
Calibração
Calibrar Ponto zero Variável de
medição "Cloro livre"
CUIDADO
– Tenha em atenção os manuais de instruções do
sensor e da sonda contínua
– Pode configurar uma medição de diferença de
cloro apenas juntamente com um sensor de pH
calibrado
– Se tiver sido calibrado com correcção de pH,
então apenas pode medir com correcção de pH!
Se tiver calibrado sem correcção de pH, então
apenas pode medir sem correcção de pH
– Após a substituição da capa do diafragma ou do
electrólito do sensor, terá de efectuar um ajuste da
inclinação
– Para um funcionamento perfeito do sensor, deve
repetir o ajuste da inclinação em intervalos regu‐
lares. Na área da piscina ou água potável o sensor
pode ser ajustado suficientemente a cada 3-4
semanas
– Evite bolhas de ar na água de medição. As bolhas
de ar presas no diafragma do sensor podem ori‐
ginar um valor de medição demasiado baixo e,
deste modo, levar à sobredosagem
– Tenha em atenção as normas nacionais em vigor
para os intervalos de calibração
Requisitos
n débito constante na sonda contínua - no mínimo 40 l/h
n o sensor está introduzido
CAL
CAL
pH
pH
Calibração Sensor
Sensor Valor =
Inclinação =
Ponto zero =
Calibração: DPD <fotómetro>
Cl livre
Cl tot.
Temp
Cl livre
1,12 mg/l
110,43 %
0.00 pA
Cl tot.
Temp
30
CAL DPD
Calibração Sensor
Redox
Sensor Valor =
Inclinação =
Ponto zero =
Calibração: DPD <fotómetro>
0,00 mg/l
110,43 %
0.00 pA
Cl tot.
Temp
Calibração
Nullpunkt
Sensor Valor =
Ponto zero =
Inclinação =
Calibração :
Cl livre
Premir CAL antes da recolha da amostra
Premir CAL antes da recolha da amostra
AJUDA
DESLIG
CAL
pH
Calibração Sensor
Redox
Redox
0,00 mg/l
10.00 pA
110,43 %
Nullpunkt
Introduzir o sensor na água sem cloro
Aguardar até valor medido com cerca de 0 mg/l
estabilizou-se
Premir a tecla CAL
AJUDA
DESLIG
CAL
Ponto zero
CAL
Calibração ponto zero
Calibração Sensor
INFO
CAL
pH
Calibração Sensor
Redox
Cl livre
Sensor Valor =
Corr. sensor =
Valor temp. =
0,00 mg/l
10 pA
25,6 °C
Sensor Valor =
Inclinação =
Ponto zero =
0,00 mg/l
142,26 %
10.00 pA
Cl tot.
Temp
Calibração iniciada, com CAL
conclui-se a calibração!
ESC interrompe a calibração!
Calibração concluída
CAL
INÍCIO
Sensor Valor =
Ponto zero =
Inclinação =
Calibração : Ponto zero
Cl livre
0.00 mg/l
10.00 pA
142,26 %
Introduzir o sensor na água sem cloro
Aguardar até valor medido com cerca de 0 mg/l
estabilizou-se
Premir a tecla CAL
AJUDA
DESLIG
CAL
Ponto zero
ESC
Item central
de menu
Fig. 27: Calibrar ponto zero "Cloro livre"
98
A0148
Calibração
–
–
O sensor tem de estar introduzido
Efectue um ajuste do ponto zero apenas se:
– aplicar o sensor no limite inferior da gama de
medição
– pretender medir cloro combinado (medição da
diferença de cloro)
1.
Seleccione o separador “Cl livre” - “Calibrar Sensor” (teclas
de seta) e prima a tecla ENTER
2.
Seleccione o “Ponto zero” (teclas de seta) e prima a tecla
ENTER
3.
Bloqueie a água de medição (se necessário, confirmar o
alarme ocorrido com a tecla ENTER)
ð - primeiro admissão, depois descarga.
4.
Desmonte o sensor
ð Não desaparafusar o cabo CAN do sensor CLE.
5.
Lave o sensor com água sem cloro
Verifique se a água canalizada com um instrumento
de medição contém cloro
6.
Mergulhe o sensor CLE num balde com água canalizada
limpa e sem cloro (ou água mineral sem gás ou água desti‐
lada)
ð A água sem cloro deve estar à mesma temperatura que
a água de medição.
7.
Mexa com o sensor até que o valor de medição do sensor
permaneça estável durante aprox. 5 min e quase a zero
8.
Para terminar a calibração e guardar os valores, prima a
tecla F4 (CAL ponto zero)
ð introduzir código de acesso solicitado.
9.
Termine a calibração com a tecla F5 (CAL)
ð Indicação: [Calibração ponto zero concluída]
10.
Accione a tecla F2 (INÍCIO)
ð A calibração ponto zero está concluída.
11.
Saia do menu com a tecla ESC
12.
Monte novamente o sensor na sonda contínua
13.
Abra as torneiras de passagem da água de medição
ð primeiro admissão, depois descarga.
14.
15.
Antes da calibração da inclinação, aguarde até que o valor
de medição fique constante (no mínimo 15 min)
CUIDADO
Calibre agora, impreterivelmente, a “Inclinação”
99
Calibração
Calibrar Inclinação Variável de
medição "Cloro livre"
Sensor Valor =
Inclinação =
Ponto zero =
Calibração: DPD <fotómetro>
Cl tot.
Temp
Calibração DPD
Calibração DPD
Calibração Sensor
Cl livre
CAL
CAL
CAL
pH
Redox
Cl livre
0,96 mg/l
110,43 %
10.00 pA
1,01 mg/l
1,11 mg/l
27,4 °C
CAL DPD
AJUDA
DESLIG PREDEF.
INFO
MED
Valor DPD :
Sensor Valor=
Valor temp. =
Cl livre
CAL
1,01 mg/l
1,01 mg/l
27,4 °C
Medir a concentração de cloro com o fotómetro.
Introduzir o valor e premir CAL
Calibração iniciada, com CAL
conclui-se a calibração!
ESC interrompe a calibração!
Medir a concentração de cloro com o fotómetro.
Introduzir o valor e premir CAL
Calibração iniciada, com CAL
conclui-se a calibração!
ESC interrompe a calibração!
Premir CAL antes da recolha da amostra
AJUDA
DESLIG
Valor DPD :
Sensor Valor =
Valor temp. =
Valor DPD =
01.01 mg/l
Área:
0,01 .. 10,00 mg/l
pH
Calibração Sensor
CAL
Valor DPD :
Sensor Valor =
Valor temp. =
Cl livre
1,30 mg/l
0,90 mg/l
27,4 °C
PREDEF.
INFO
MED
CAL
Redox
Medir a concentração de cloro com o fotómetro.
Introduzir o valor e premir CAL
Calibração iniciada, com CAL
conclui-se a calibração!
ESC interrompe a calibração!
AJUDA
DESLIG
INFO
Calibração Sensor
Calibração DPD
Sensor Valor =
Inclinação =
Ponto zero =
1,01 mg/l
132,71 %
10.00 pA
Cl livre
Cl tot.
Temp
Sensor Valor =
1,01 mg/l
Inclinação =
132.71 %
Ponto zero =
10.00 pA
Calibração: DPD <fotómetro>
Premir CAL antes da recolha da amostra
Calibração concluída
AJUDA
DESLIG
INÍCIO
CAL
CAL
ESC
Item central
de menu
A0149
Fig. 28: Calibrar inclinação "Cloro livre"
CUIDADO
Deve existir sempre cloro na água de medição (aprox.
0,5 mg/l). Caso contrário, não é possível calibrar o sis‐
tema de medição.
1.
Seleccione o separador [Cl livre] - [Calibração Sensor]
(teclas de seta) e prima a tecla ENTER
2.
Seleccione o [DPD (fotómetro)] (teclas de seta) e prima a
tecla ENTER
3.
Quando o [Sensor Valor] estiver estável, prima F5 (CAL
DPD)
4.
Imediatamente a seguir, recolha uma amostra da água de
medição na sonda contínua
5.
Calcule, logo a seguir, o teor de cloro da água de medição
com um fotómetro e um instrumento de medição adequado
(por ex. DPD 1 para cloro livre (sensor CLE))
6.
Prima a tecla ENTER
7.
Introduza o teor de cloro (teclas de seta) e prima a tecla
ENTER
8.
Para terminar a calibração e guardar os valores, prima F5
(CAL)
ð surge [Calibração concluída].
100
9.
Prima a tecla F2 (INÍCIO) para regressar ao menu de cali‐
bração.
10.
Se não pretender mais calibrações, regresse com a tecla
ESC à indicação contínua
Calibração
Se também medir o cloro total, calibre esta variável de medição
com a mesma amostra (ver Ä Capítulo 8.4 “Calibrar a variável de
medição "Cloro total"” na página 102).
Repita a calibração passado um dia.
Com F4 (MED) pode consultar o valor pH, a corrente
do sensor e a temperatura no momento em que a
tecla é premida.
–
Se, na calibração de um sensor de cloro, surgir
uma mensagem de erro, pode aceder com F3
INFO a dados mais detalhados. Estes dados são
também úteis no caso de consultar a Assistência
Técnica.
Caso o DXCa, após o tempo de aquecimento do sensor (para CLE
3.1 e CTE/CGE aprox. 2-6 h, para CLE 3 aprox. 2 h), indique um
valor de medição claramente demasiado baixo ou se não for pos‐
sível calibrá-lo (na água de medição deve estar aprox. 1 mg/l de
cloro livre, o valor de pH deve ser de 7,2 e a bomba de água de
medição e de circulação devem funcionar), deve duplicar o tempo
de aquecimento ou prolongue-o até ao dia seguinte.
Caso ainda não seja possível calibrar o sensor, contactar a assis‐
tência ao cliente da ProMinent. Mantenha disponíveis os seguintes
dados:
n Valor de DPD1 (cloro livre)
n Valor 3 + DPD1 (cloro total)
n Corrente de sensor primário em pA (através de F4 MED no
menu de calibração para inclinação)
n Valor pH
n Valor Redox (caso a medição Redox esteja disponível)
n Volume da água de medição em metros cúbicos
Ajustar o sensor CLE para cloro livre
em valores "PREDEF."
1.
Seleccione o separador [Cl livre] - [Calibração Sensor]
(teclas de seta) e prima a tecla F5 (CAL DPD)
2.
Prima a tecla F2 (PREDEF.), ver Fig. 29
ð O ponto zero situa-se em 0 pA e a inclinação a 100 %.
Todos os valores de calibração anteriores foram substi‐
tuídos.
3.
Agora terá de calibrar a nova variável de medição “Cloro
livre” , ver Fig. 30
ð Prima também a tecla ESC.
4.
Prima a tecla F5 (CAL)
101
Calibração
CAL
Calibração DPD
▶Valor DPD =
Cl livre
1,00 mg/l
Sensor Valor =
Valor temp. =
1,00 mg/l
25,0 °C
Calibração iniciada, com KAL
conclui-se a calibração!
ESC interrompe a calibração!
PREDEF. INFO
AJUDA
MED
CAL
A0335
Fig. 29: Seleccionar [PREDEF.]
Aviso:
Calibrar sensor
Tecla ESC - retroce. para o menu
A0336
Fig. 30: Premir a tecla ESC
8.4 Calibrar a variável de medição "Cloro total"
CAL
pH
Calibração Sensor
Redox
Sensor Valor =
1,12 mg/l
Inclinação =
110,43 %
Ponto zero =
0.00 pA
Calibração: DPD <fotómetro>
Cl livre
Cl tot.
Temp
Premir CAL antes da recolha da amostra
AJUDA
DESLIG
CAL DPD
A0150
Fig. 31: Calibrar a variável de medição "Cloro total"
102
Calibração
Calibrar Ponto zero Variável de
medição "Cloro total"
CUIDADO
– Aqui calibra o sensor CTE para cloro total.
– O valor indicado para o cloro combinado é calcu‐
lado pelo DXCa enquanto diferença dos valores de
medição dos sensores para cloro livre e cloro total
– O sensor para “cloro livre” tem de ser um sensor
CLE 3.1 para a medição da diferença.
– Tenha em atenção os manuais de instruções do
sensor e da sonda contínua
– Pode configurar uma medição de diferença de
cloro apenas juntamente com um sensor de pH
calibrado
– Se tiver sido calibrado com correcção de pH,
então apenas pode medir com correcção de pH!
Se tiver calibrado sem correcção de pH, então
apenas pode medir sem correcção de pH
– Após a substituição da capa do diafragma ou do
electrólito do sensor, terá de efectuar um ajuste da
inclinação
– Para um funcionamento perfeito do sensor, deve
repetir o ajuste da inclinação em intervalos regu‐
lares. Na área da piscina ou água potável o sensor
pode ser ajustado suficientemente a cada 3-4
semanas
– Evite bolhas de ar na água de medição. As bolhas
de ar presas no diafragma do sensor podem ori‐
ginar um valor de medição demasiado baixo e,
deste modo, levar à sobredosagem
– Tenha em atenção as normas nacionais em vigor
para os intervalos de calibração
Requisitos
n débito constante na sonda contínua - no mínimo 40 l/h
n o sensor está introduzido
n um sensor CLE 3.1 para cloro livre tem de estar disponível em
sistema (tanque, circuito de filtragem, ...)
103
Calibração
CAL
CAL
pH
pH
Calibração Sensor
Sensor Valor =
Inclinação =
Ponto zero =
Calibração: DPD <fotómetro>
Cl livre
Cl tot.
Temp
0,00 mg/l
145,06 %
0.00 pA
Sensor Valor =
Inclinação =
Ponto zero =
Calibração: DPD <fotómetro>
Cl tot.
Temp
0,00 mg/l
145,06 %
0.00 pA
30
Cl tot.
Temp
Calibração
Ponto zero
Sensor Valor =
Ponto zero =
Inclinação =
Calibração : Ponto zero
Cl livre
Premir CAL antes da recolha da amostra
CAL DPD
Calibração Sensor
Redox
Cl livre
Premir CAL antes da recolha da amostra
AJUDA
DESLIG
CAL
pH
Calibração Sensor
Redox
Redox
0,00 mg/l
0.00 pA
145,06 %
Introduzir o sensor na água sem cloro
Aguardar até valor medido com cerca de 0 mg/l
estabilizou-se
Premir a tecla CAL
AJUDA
DESLIG
CAL
Ponto zero
CAL
Cl tot.
Calibração ponto zero
Calibração Sensor
INFO
CAL
pH
Calibração Sensor
Redox
Sensor Valor =
Corr. sensor =
0,00 mg/l
100 pA
Sensor Valor =
Inclinação =
Ponto zero =
0,00 mg/l
142,26 %
0.00 pA
Cl tot.
Temp
Calibração iniciada, com CAL
conclui-se a calibração!
ESC interrompe a calibração!
Calibração concluída
CAL
Sensor Valor =
Ponto zero =
Inclinação =
Calibração : Ponto zero
Cl livre
Introduzir o sensor na água sem cloro
Aguardar até valor medido com cerca de 0 mg/l
estabilizou-se
Premir a tecla CAL
AJUDA
DESLIG
INÍCIO
0.00 mg/l
0.00 pA
142,26 %
CAL
Ponto zero
ESC
Item central
de menu
A0151
Fig. 32: Calibrar ponto zero "Cloro total"
–
–
O sensor tem de estar introduzido
Efectue um ajuste do ponto zero apenas se:
– aplicar o sensor no limite inferior da gama de
medição
– pretender medir cloro combinado (medição da
diferença de cloro)
1.
Seleccione o separador “Cl comb” - “Calibrar Sensor”
(teclas de seta) e prima a tecla ENTER
2.
Seleccione o “Ponto zero” (teclas de seta) e prima a tecla
ENTER
3.
Bloqueie a água de medição (se necessário, confirmar o
alarme ocorrido com a tecla ENTER)
ð - primeiro admissão, depois descarga.
4.
Desmonte o sensor
ð Não desaparafusar o cabo CAN do sensor CTE.
5.
Lave o sensor com água sem cloro
Verifique se a água canalizada com um instrumento
de medição contém cloro
6.
Mergulhe o sensor CTE num balde com água canalizada
limpa e sem cloro (ou água mineral sem gás ou água desti‐
lada)
ð A água sem cloro deve estar à mesma temperatura que
a água de medição.
104
Calibração
7.
Mexa com o sensor até que o valor de medição do sensor
permaneça estável durante aprox. 5 min e quase a zero
8.
Para terminar a calibração e guardar os valores, prima a
tecla F4 (CAL ponto zero)
ð introduzir código de acesso solicitado.
9.
Termine a calibração com a tecla F5 (CAL)
ð Indicação: [Calibração ponto zero concluída]
10.
Monte novamente o sensor na sonda contínua
11.
Abra as torneiras de passagem da água de medição
ð primeiro admissão, depois descarga.
12.
Antes da calibração da inclinação, aguarde até que o valor
de medição fique constante (no mínimo 15 min)
13.
CUIDADO
Calibre agora, impreterivelmente, a “Inclinação”
Calibrar Inclinação Variável de
medição "Cloro total"
CAL
CAL
pH
Cl tot.
Calibração Sensor
Redox
Sensor Valor =
Inclinação =
Ponto zero =
Calibração: DPD <fotómetro>
Cl livre
Cl tot.
Temp
Valor DPD :
Sensor Valor =
Valor temp. =
1,65 mg/l
160,43 %
10.00 pA
Cl tot.
CAL DPD
AJUDA
DESLIG PREDEF.
CAL
Cl tot.
Calibração DPD
Valor DPD :
Sensor Valor =
Valor temp. =
1,01 mg/l
1,65 mg/l
27,4 °C
INFO
MED
CAL
1,01 mg/l
1,01 mg/l
27,4 °C
Medir a concentração de cloro com o fotómetro.
Introduzir o valor e premir CAL
Calibração iniciada, com CAL
conclui-se a calibração!
ESC interrompe a calibração!+
Medir a concentração de cloro com o fotómetro.
Introduzir o valor e premir CAL
Calibração iniciada, com CAL
conclui-se a calibração!
ESC interrompe a calibração!
Premir CAL antes da recolha da amostra
AJUDA
DESLIG
Calibração DPD
Valor DPD =
01.01 mg/l
Área::
0,01 .. 10,00 mg/l
pH
Calibração Sensor
CAL
Calibração Sensor
Calibração DPD
Valor DPD :
Sensor Valor =
Valor temp. =
1,30 mg/l
0,90 mg/l
27,4 °C
INFO
MED
CAL
Redox
Medir a concentração de cloro com o fotómetro.
Introduzir o valor e premir CAL
Calibração iniciada, com CAL
conclui-se a calibração!
ESC interrompe a calibração!
AJUDA
DESLIG PREDEF.
INFO
CAL
Sensor Valor =
Inclinação =
Ponto zero =
1,70 mg/l
232,71 %
10.00 pA
Cl livre
Cltot.
Temp
Sensor Valor =
1,01 mg/l
Inclinação =
132.71 %
Ponto zero =
10.00 pA
Calibração: DPD <fotómetro>
Premir CAL antes da recolha da amostra
Calibração concluída
INÍCIO
AJUDA
DESLIG
CAL DPD
ESC
Item central
de menu
A0152
Fig. 33: Calibrar inclinação "Cloro total"
105
Calibração
CUIDADO
Deve existir sempre cloro na água de medição (aprox.
0,5 mg/l). Caso contrário, não é possível calibrar o sis‐
tema de medição.
1.
Seleccione o separador [Cl comb] - [Calibração Sensor]
(teclas de seta) e prima a tecla ENTER
2.
Seleccione o [DPD (fotómetro)] (teclas de seta) e prima a
tecla ENTER
3.
Quando o [Sensor Valor] estiver estável, prima F5 (CAL
DPD)
4.
Imediatamente a seguir, recolha uma amostra da água de
medição na sonda contínua
5.
Calcule, logo a seguir, o teor de cloro da água de medição
com um fotómetro e um instrumento de medição adequado
(por ex. 3 + DPD 1 para cloro total (sensor CTE))
6.
Prima a tecla ENTER
7.
Introduza o teor de cloro (teclas de seta) e prima a tecla
ENTER
8.
Para terminar a calibração e guardar os valores, prima F5
(CAL)
ð surge [Calibração concluída].
9.
Prima a tecla F2 (INÍCIO) para regressar ao menu de cali‐
bração.
10.
Se não pretender mais calibrações, regresse com a tecla
ESC à indicação contínua
Repita a calibração passado um dia.
Com F4 (MED) pode consultar o valor pH, a corrente
do sensor e a temperatura no momento em que a
tecla é premida.
–
Ajustar o sensor CTE para cloro total
em valores "PREDEF."
Se, na calibração de um sensor de cloro, surgir
uma mensagem de erro, pode aceder com F3
INFO a dados mais detalhados. Estes dados são
também úteis no caso de consultar a Assistência
Técnica.
1.
Seleccione o separador [Cl tot.] - [Calibração Sensor] (teclas
de seta) e prima a tecla F5 (CAL DPD)
2.
Prima a tecla F2 (PREDEF.), ver Fig. 34
ð O ponto zero situa-se em 0 pA e a inclinação a 100 %.
Todos os valores de calibração anteriores foram substi‐
tuídos.
3.
Agora terá de calibrar a nova variável de medição “Cloro
livre” , ver Fig. 35
ð Prima também a tecla ESC.
106
Calibração
4.
Prima a tecla F5 (CAL)
CAL
Cl tot.
Calibração DPD
▶Valor DPD =
1,00 mg/l
Sensor Valor =
Valor temp. =
1,00 mg/l
25,0 °C
Calibração iniciada, com KAL
conclui-se a calibração!
ESC interrompe a calibração!
AJUDA
PREDEF. INFO
MED
CAL
A0337
Fig. 34: Seleccionar [PREDEF.]
Aviso:
Calibrar sensor
Tecla ESC - retroce. para o menu
A0336
Fig. 35: Premir a tecla ESC
107
Calibração
8.5 Calibrar a variável de medição Fluoreto (F-)
CAL
pH
Calibração Sensor
Fluor.
Redox
Sensor Valor =
Inclinação =
Temp
F
1,25 mg/l
59,20 mV/dec
CAL1Pt.: Calibrar com um valor de referência
ou uma solução tampão
CAL1Pt.: Calibrar com 2 soluções tampão
AJUDA
DESLIG
INÍCIO
CAL1Pt
CAL2Pt
A0153
Fig. 36: Calibrar a variável de medição Fluoreto (F-)
Calibração de 1 ponto (através de
fotómetro)
CUIDADO
– Tenha em atenção os manuais de instruções do
sensor, da sonda contínua, ...
– Para um funcionamento perfeito do sensor, este
deve ser verificado em intervalos regulares e, se
necessário, deve ser calibrado
– Evite bolhas de ar na água de medição. As bolhas
de ar presas no diafragma do sensor podem ori‐
ginar um valor de medição demasiado baixo e,
deste modo, levar à sobredosagem
– Aquando da primeira colocação em funciona‐
mento, deve efectuar uma calibração de 2 pontos
– Tenha em atenção as normas nacionais em vigor
para os intervalos de calibração
Requisitos
n o sensor está introduzido (no mín. 1 h)
108
Calibração
CAL
pH
Calibração Sensor
Fluor.
Redox
Sensor Valor =
Inclinação =
Temp
F
1,12 mg/l
59,20 mV/dec
Cal1Pt.: Calibrar com um valor de referência
ou uma solução tampão
Calibrar com 2 soluções tampão
CalPt:
AJUDA
DESLIG
Início
Cal1Pt.
Cal2Pt.
CAL
F
CAL
F
Fluor.
Sensor Valor =
Corr. sensor =
Valor de calibr. =
Valor temp. =
0,00 mg/l
0,000 mA
1,00 mg/l
50,0 °C
Sensor Valor =
Corr. sensor =
Valor de calibr. =
Valor temp. =
Introduzir o valor e premir CAL
Introduzir o sensor limpo no tampão
Ajustar a temp. tampão e o valor tampão
Premir a tecla CAL
AJUDA
DESLIG
Fluor.
Valor de calibr.
01,00 mg/l
Área
Fluor.
Sensor Valor =
Corr. sensor =
Valor de calibr. =
Valor temp. =
1,00 mg/l
0,000 mA
1,00 mg/l
50,0 °C
Introduzir o valor e premir CAL
Introduzir o sensor limpo no tampão
Ajustar a temp. tampão e o valor tampão
Premir a tecla CAL
CAL
CAL
F
0,00 ... 99,99 mg/l
0,00 mg/l
0,000 mA
1,00 mg/l
50,0 °C
Introduzir o valor e premir CAL
Introduzir o sensor limpo no tampão
Ajustar a temp. tampão e o valor tampão
Premir a tecla CAL
AJUDA
DESLIG
CAL
A0154
Fig. 37: Calibração de 1 ponto (através de fotómetro)
1.
Para a calibração extraia uma amostra de água de uma tor‐
neira de recolha de amostras
2.
Meça a amostra de água de acordo com as instruções do
fabricante do fotómetro
3.
Posteriormente, comute directamente para o menu de cali‐
bração com F2 CAL
4.
Seleccione o separador "F-" (teclas de seta) e prima a tecla
F4 CAL 1Pt
5.
Seleccione [Valor temp. ] (teclas de seta) caso a temperatura
da água não coincida e prima a tecla ENTER
6.
Introduza a temperatura da água medida actualmente (teclas
de seta) e prima a tecla ENTER
7.
Seleccione o [Valor de calibr.] (teclas de seta) e prima a tecla
ENTER
8.
Introduza a concentração de fluoreto medida com o fotó‐
metro (teclas de seta) e prima a tecla ENTER
9.
Prima F5 CAL
10.
Se não pretender mais calibrações, regresse com a tecla
ESC à indicação contínua
Calibração de 2 ponto (através de
fotómetro)
109
Calibração
CAL
pH
Calibração Sensor
Fluor.
Redox
Sensor Valor =
Inclinação =
Temp
F
1,12 mg/l
59,20 mV/dec
Cal1Pt.: Calibrar com um valor de referência
ou uma solução tampão
Calibrar com 2 soluções tampão
CalPt:
AJUDA
DESLIG
Início
CAL1Pt
CAL2Pt
CAL
F
Tampão 1
Sensor Valor =
Corr. sensor =
Valor de calibr. =
Valor temp. =
Fluor.
CAL
F
0,00 mg/l
0,000 mA
1,00 mg/l
50,0 °C
Sensor Valor =
Corr. sensor =
Valor de calibr. =
Valor temp. =
Introduzir o valor e premir CAL
Introduzir o sensor limpo no tampão
Ajustar a temp. tampão e o valor tampão
Premir a tecla CAL
AJUDA
DESLIG
CAL
Tampão 1
Fluor.
Tampão 2
Sensor Valor =
Corr. sensor =
Valor de calibr. =
Valor temp. =
Fluor.
0,00 mg/l
0,000 mA
1,00 mg/l
50,0 °C
Introduzir o valor e premir CAL
Introduzir o sensor limpo no tampão
Ajustar a temp. tampão e o valor tampão
Premir a tecla CAL
AJUDA
DESLIG
CAL
Sensor Valor =
Corr. sensor =
Valor de calibr. =
Valor temp. =
AJUDA
DESLIG
0,00 ... 99,99 mg/l
CAL
F
Tampão 2
Sensor Valor =
Corr. sensor =
Valor de calibr. =
Valor temp. =
Fluor.
Valor de calibr.
01,00 mg/l
Área
0,00 ... 99,99 mg/l
0,00 mg/l
0,000 mA
0,00 mg/l
50,0 °C
CAL
CAL
Tampão 2
F
Sensor Valor =
Corr. sensor =
Valor de calibr. =
Valor temp. =
1,00 mg/l
0,000 mA
1,00 mg/l
50,0 °C
Introduzir o valor e premir CAL
Introduzir o sensor limpo no tampão
Ajustar a temp. tampão e o valor tampão
Premir a tecla CAL
Fluor.
Introduzir o valor e premir CAL
Introduzir o sensor limpo no tampão
Ajustar a temp. tampão e o valor tampão
Premir a tecla CAL
Introduzir o valor e premir CAL
Introduzir o sensor limpo no tampão
Ajustar a temp. tampão e o valor tampão
Premir a tecla CAL
Valor de calibr.
00,00 mg/l
Área
Tampão 1
1,00 mg/l
0,000 mA
1,00 mg/l
50,0 °C
CAL
F
CAL
F
Fluor.
0,00 mg/l
0,000 mA
1,00 mg/l
50,0 °C
Introduzir o valor e premir CAL
Introduzir o sensor limpo no tampão
Ajustar a temp. tampão e o valor tampão
Premir a tecla CAL
AJUDA
DESLIG
CAL
A0155
Fig. 38: Calibração de 2 ponto (através de fotómetro)
8.6 Calibrar variável de medição dióxido de cloro (ClO2)
Calibração no caso de aumento de temperatura
Uma vez que o dióxido de cloro na água de medição,
contrariamente ao cloro, apenas é dissolvido fisica‐
mente, desgasifica muito rapidamente da água de
medição no caso de aumento da temperatura (> 30
°C). Por isso, são necessários trabalhos rápidos
aquando da medição DPD. Entre a recolha de amostra
e a mistura de reagentes nunca deve passar mais de
1 minuto. Neste caso, deve criar o corante vermelho
directamente no local da recolha da amostra através
da junção de reagentes e posteriormente efectuar a
medição em laboratório o mais rapidamente possível.
Caso o DXCa, após o tempo de aquecimento do
sensor (para CDE aprox. 2-6 h), indique um valor de
medição claramente demasiado baixo ou se não for
possível calibrá-lo, duplicar o tempo de aquecimento
ou prolongá-lo até ao dia seguinte.
Caso continue sem conseguir calibrar o sensor, con‐
tactar a assistência ao cliente da ProMinent.
110
Calibração
CAL
pH
Calibração Sensor
Redox
Sensor Valor =
Inclinação =
Ponto zero =
Cl livre
Temp
4,8 mg/l
4,008 mA
0,004 mA
ClO2
Premir CAL antes da recolha da amostra
AJUDA
DESLIG
CAL
A0156
Fig. 39: Calibrar variável de medição dióxido de cloro (ClO2)
Variável de medição dióxido de cloro
(ClO2) Calibração ponto zero
CUIDADO
– Tenha em atenção os manuais de instruções do
sensor e da sonda contínua
– Após a substituição da capa do diafragma ou do
electrólito do sensor, terá de efectuar um ajuste da
inclinação
– Evite bolhas de ar na água de medição. As bolhas
de ar presas no diafragma do sensor podem ori‐
ginar um valor de medição demasiado baixo e,
deste modo, levar à sobredosagem
– Para um funcionamento perfeito do sensor, o
ajuste da inclinação tem de ser repetido em inter‐
valos regulares
– Tenha em atenção as normas nacionais em vigor
para os intervalos de calibração
Requisitos
n débito constante na sonda contínua - no mínimo 20 l/h
n temperatura constante da água de medição
n mesma temperatura da água de medição e do sensor
(aguardar aprox. 15 min)
n o sensor está introduzido
111
Calibração
CAL
pH
Sensor Valor =
Inclinação =
Ponto zero =
Temp
Calibração Sensor
Calibração Sensor
Redox
Cl livre
4,8 mg/l
4,008 mA
0,004 mA
Valor de calibr. =
Valor temp. =
1,8 mg/l
32,0 °C
ClO2
ClO2
Corr. sensor =
ClO2
Premir CAL antes da recolha da amostra
AJUDA
DESLIG
CAL
CL
Calibração Sensor
Valor de calibr. =
Valor temp. =
Corr. sensor =
0,003 mA
1,12 mg/l
32,0 °C
4,030 mA
Calibração ponto zero
Premir a tecla CAL
Introduzir o valor e premir CAL
CAL
CAL
Valor de calibr. =
0,000 mg/l
Área: 0,000...9,999 mg/l
CAL
CAL
pH
Calibração Sensor
Calibração Sensor
Redox
ClO2
Valor de calibr. =
Valor temp.:
Corr. sensor =
0,0 mg/l
32,0 °C
Cl frei
Temp
Sensor Valor =
Inclinação
Ponto zero =
4,6 mg/l
4,006 mA
0,004 mA
ClO2
0,003 mA
Calibração ponto zero
Premir a tecla CAL
Premir CAL antes da recolha da amostra
CAL
AJUDA
DESLIG
CAL
A0157
Fig. 40: Dióxido de cloro (ClO2) Calibrar ponto zero
CUIDADO
– O sensor tem de estar introduzido
– Efectue um ajuste do ponto zero apenas se:
– aplicar o sensor no limite inferior da gama de
medição
– utilizar a variante 0,5 ppm
1.
Seleccione o separador "ClO2" - “Calibrar Sensor” (teclas de
seta) F5 CAL e prima a tecla ENTER
2.
Introduza em [valor DPD] o valor 0.00 mg/l e prima a tecla
ENTER - surge no separador agora
[Calibração do ponto zero]
3.
Bloqueie a água de medição (se necessário, confirmar o
alarme ocorrido com a tecla ENTER)
ð - primeiro admissão, depois descarga.
4.
Desmonte o sensor
5.
Lave o sensor com água sem cloro
6.
Mergulhe o sensor CDE num recipiente com água mineral
sem gás ou água destilada. Esta água tem de estar à
mesma temperatura da água de medição.
7.
Mexa com o sensor até que o valor de medição do sensor
permaneça estável durante aprox. 5 min e quase a zero
8.
Prima F5 CAL
9.
Monte novamente o sensor na sonda contínua
10.
Abra as torneiras de passagem da água de medição
ð primeiro admissão, depois descarga.
112
Calibração
CUIDADO
Calibre agora, impreterivelmente, a “Inclinação”
Variável de medição dióxido de cloro
(ClO2) Calibrar inclinação
CAL
pH
Sensor Valor =
Inclinação =
Ponto zero =
Cl livre
Temp
Calibração Sensor
Calibração Sensor
4,8 mg/l
4,008 mA
0,004 mA
Valor de calibr. =
Valor temp. =
1,8 mg/l
32,0 °C
ClO2
ClO2
Corr. sensor =
ClO2
Premir CAL antes da recolha da amostra
AJUDA
DESLIG
CAL
CAL
Calibração Sensor
Redox
Corr. sensor =
4,030 mA
1,80 mg/l
32,0 °C
4,030 mA
Calibração ponto zero
Premir a tecla CAL
Premir CAL antes da recolha da amostra
CAL
Valor de calibr. =
Valor temp. =
CAL
Valor de calibr. =
1,800 mg/l
Área: 0,000...9,999 mg/l
CAL
CAL
pH
Calibração Sensor
Calibração Sensor
Redox
ClO2
Valor de calibr. =
Valor temp.:
Corr. sensor =
1,8 mg/l
32,0 °C
Cl livre
Temp
Sensor Valor =
Inclinação
Ponto zero =
4,6 mg/l
4,006 mA
0,004 mA
ClO2
4,003 mA
Calibração ponto zero
Premir a tecla CAL
Premir CAL antes da recolha da amostra
CAL
AJUDA
DESLIG
CAL
ESC
Item central
de menu
A0158
Fig. 41: Dióxido de cloro (ClO2) Calibrar inclinação
CUIDADO
– Antes da calibração da inclinação, aguarde até
que o valor de medição fique constante (aguardar
no mínimo 15 min)
– Deve existir sempre dióxido de cloro na água de
medição (aprox. 0,5 mg/l).
– Caso contrário, não é possível calibrar o sis‐
tema de medição
– Após uma primeira colocação em funcionamento,
verifique a calibração através do DPD, passadas
24 h
1.
Seleccione o separador "ClO2" - “Calibrar Sensor” (teclas de
seta)
2.
Quando o [Sensor Valor] estiver estável, prima F5 (CAL
DPD)
3.
Imediatamente a seguir, recolha uma amostra da água de
medição na sonda contínua
4.
Calcule, logo a seguir, o teor de dióxido de cloro da água de
medição com um fotómetro e um instrumento de medição
adequado (por ex. DPD)
5.
Introduza o teor de dióxido de cloro (teclas de seta) e prima
F5 CAL
113
Calibração
6.
Se não pretender mais calibrações, regresse com a tecla
ESC à indicação contínua
8.7 Calibrar a variável de medição peróxido de hidrogénio (H2O2)
Variável de medição peróxido de
hidrogénio (H2O2) Calibrar ponto zero
CAL
pH
Calibração Sensor
Redox
Sensor Valor =
Inclinação =
Ponto zero =
Cl livre
Temp
4,8 mg/l
4,008 mA
0,004 mA
H2O2
Premir CAL antes da recolha da amostra
AJUDA
DESLIG
CAL
A0159
Fig. 42: Calibrar a variável de medição peróxido de hidrogénio
(H2O2)
CUIDADO
– Tenha em atenção os manuais de instruções do
sensor e da sonda contínua
– Após a substituição da capa do diafragma ou do
electrólito do sensor, terá de efectuar um ajuste da
inclinação
– Para um funcionamento perfeito do sensor, o
ajuste da inclinação tem de ser repetido em inter‐
valos regulares
– Tenha em atenção as normas nacionais em vigor
para os intervalos de calibração
Requisitos
n a concentração H2O2 da água de medição é ao mesmo tempo
suficientemente constante (ter em atenção ao tempo de res‐
posta do sensor de 8 min)
n débito constante permitido na sonda contínua
n mesma temperatura da água de medição e do sensor
(aguardar cerca de 15 min)
n o sensor está introduzido
114
Calibração
CAL
pH
Sensor Valor =
Inclinação =
Ponto zero =
Cl livre
Temp
Calibração Sensor
Calibração Sensor
4,8 mg/l
4,008 mA
0,004 mA
Valor de calibr. =
Valor temp. =
1,8 mg/l
32,0 °C
H2O2
H2O2
Corr. sensor =
H2O2
Premir CAL antes da recolha da amostra
AJUDA
DESLIG
CAL
CAL
Calibração Sensor
Redox
Valor de calibr. =
Valor temp. =
Corr. sensor =
4,030 mA
1,80 mg/l
32,0 °C
4,030 mA
Calibração ponto zero
Premir a tecla CAL
Introduzir o valor e premir CAL
CAL
CAL
Valor de calibr. =
0,000 mg/l
Área: 0,000...9,999 mg/l
CAL
CAL
pH
Calibração Sensor
Calibração Sensor
Redox
H2O2
Valor de calibr. =
Valor temp.:
Corr. sensor =
0,0 mg/l
32,0 °C
Cl livre
Temp
Sensor Valor =
Inclinação
Ponto zero =
4,6 mg/l
4,006 mA
0,004 mA
H2O2
0,003 mA
Calibração ponto zero
Premir a tecla CAL
Premir CAL antes da recolha da amostra
CAL
AJUDA
DESLIG
CAL
A0160
Fig. 43: Calibrar ponto zero
CUIDADO
– O sensor tem de estar introduzido
– Efectue um ajuste do ponto zero apenas se:
– aplicar o sensor no limite inferior da gama de
medição
1.
Seleccione o separador "H2O2" [Calibrar Sensor] (teclas de
seta), F5 CAL e prima a tecla ENTER
2.
Introduza em [valor DPD] o valor 0.00 mg/l e prima a tecla
ENTER - surge no separador agora
[Calibração do ponto zero]
3.
Bloqueie a água de medição (se necessário, confirmar o
alarme ocorrido com a tecla ENTER)
ð - primeiro admissão, depois descarga.
4.
Desmonte o sensor
5.
Lave o sensor com água sem H2O2
6.
Mergulhe o sensor PER num recipiente com água mineral
sem gás ou água destilada. Esta água tem de estar à
mesma temperatura da água de medição.
7.
Mexa com o sensor até que o valor de medição do sensor
permaneça estável durante aprox. 5 min e quase a zero
8.
Prima F5 CAL
9.
Monte novamente o sensor na sonda contínua
10.
Abra as torneiras de passagem da água de medição
ð primeiro admissão, depois descarga.
115
Calibração
CUIDADO
Calibre agora, impreterivelmente, a “Inclinação”
Variável de medição peróxido de
hidrogénio (H2O2) Calibrar inclinação
CAL
pH
Sensor Valor =
Inclinação =
Ponto zero =
Temp
Calibração Sensor
Calibração Sensor
Redox
Cl livre
CAL
CAL
Calibração Sensor
4,8 mg/l
4,008 mA
0,004 mA
Valor de calibr. =
Valor temp. =
1,8 mg/l
32,0 °C
H2O2
H2O2
Corr. sensor =
H2O2
Premir CAL antes da recolha da amostra
AJUDA
DESLIG
Valor de calibr. =
Valor temp. =
Corr. sensor =
4,030 mA
1,80 mg/l
32,0 °C
4,030 mA
Calibração ponto zero
Premir a tecla CAL
Introduzir o valor e premir CAL
CAL
CAL
Valor de calibr. =
1,800 mg/l
Área: 0,000...9,999 mg/l
CAL
CAL
pH
Calibração Sensor
Calibração Sensor
Redox
H2O2
Valor de calibr. =
Valor temp.:
Corr. sensor =
Cl livre
1,8 mg/l
32,0 °C
Temp
Sensor Valor =
Inclinação
Ponto zero =
4,6 mg/l
4,006 mA
0,004 mA
H2O2
4,003 mA
Calibração ponto zero
Premir a tecla CAL
Premir CAL antes da recolha da amostra
CAL
AJUDA
DESLIG
CAL
ESC
Item central
de menu
A0161
Fig. 44: Calibrar inclinação
CUIDADO
– Antes da calibração da inclinação, aguarde até
que o valor de medição fique constante (aguardar
no mínimo 15 min)
– Após uma primeira colocação em funcionamento,
verifique a calibração através do DPD, passadas
24 h
– Repetir a calibração se a concentração de H2O2
divergir do valor de referência em mais de 15 %
116
1.
Seleccione o separador "H2O2" [Calibrar Sensor] (teclas de
seta)
2.
Quando o [Sensor Valor] estiver estável, prima F5
3.
Imediatamente a seguir, recolha uma amostra da água de
medição na sonda contínua
4.
Calcule, logo a seguir, o teor de H2O2 da água de medição
com um fotómetro e um instrumento de medição adequado
(por ex. DPD)
5.
Introduza o teor de H2O2 (teclas de seta) e prima F5 CAL
6.
Se não pretender mais calibrações, regresse com a tecla
ESC à indicação contínua
Calibração
Caso o DXCa, após o tempo de aquecimento do sensor (para
H2O2 aprox. 6-12 h), indique um valor de medição claramente
demasiado baixo ou se não for possível calibrá-lo, duplique o
tempo de aquecimento ou prolongue-o até ao dia seguinte
Caso continue sem conseguir calibrar o sensor, contactar a assis‐
tência ao cliente da ProMinent.
8.8 Variável de medição clorite (ClO2 -) calibrar
Variável de medição clorite (ClO2 -)
calibrar o ponto zero
CAL
pH
Calibração Sensor
Redox
Sensor Valor =
Inclinação =
Ponto zero =
Cl livre
Temp
4,8 mg/l
4,008 mA
0,004 mA
ClO2Premir CAL antes da recolha da amostra
AJUDA
DESLIG
CAL
A0162
Fig. 45: Variável de medição clorite (ClO2 -) calibrar
CUIDADO
– Tenha em atenção os manuais de instruções do
sensor e da sonda contínua
– Após a substituição da capa do diafragma ou do
electrólito do sensor, terá de efectuar um ajuste da
inclinação
– Evite bolhas de ar na água de medição. As bolhas
de ar presas no diafragma do sensor podem ori‐
ginar um valor de medição demasiado baixo e,
deste modo, levar à sobredosagem
– Para um funcionamento perfeito do sensor, o
ajuste da inclinação tem de ser repetido em inter‐
valos regulares
– Tenha em atenção as normas nacionais em vigor
para os intervalos de calibração
Requisitos
n débito constante na sonda contínua - no mínimo, 20 l/h
n temperatura constante da água de medição
n mesma temperatura da água de medição e do sensor
(aguardar cerca de 15 min)
n o sensor está introduzido
n valor pH constante na área permitida (pH 6,5 - 9,5)
117
Calibração
CAL
pH
Sensor Valor =
Inclinação =
Ponto zero =
Temp
ClO2-
Calibração Sensor
Calibração Sensor
Redox
Cl livre
4,8 mg/l
4,008 mA
0,004 mA
Valor de calibr. =
Valor temp. =
1,8 mg/l
32,0 °C
Valor de calibr. =
0,000 mg/l
ClO2-
ClO2Corr. sensor =
Premir CAL antes da recolha da amostra
AJUDA
DESLIG
CAL
CAL
Calibração Sensor
Corr. sensor =
4,030 mA
0,000 mA
Calibração ponto zero
Premir a tecla CAL
Introduzir o valor e premir CAL
CAL
CAL
Valor de calibr. =
0,000 mg/l
Bereich: 0,000...9,999 mg/l
CAL
CAL
pH
Calibração Sensor
Calibração Sensor
Redox
ClO2-
Valor de calibr. =
Valor temp.:
Corr. sensor =
0,0 mg/l
32,0 °C
Cl livre
Temp
ClO2-
0,003 mA
Calibração ponto zero
Premir a tecla CAL
Sensor Valor =
Inclinação
Ponto zero =
4,6 mg/l
4,006 mA
0,004 mA
Premir CAL antes da recolha da amostra
CAL
AJUDA
DESLIG
CAL
A0163
Fig. 46: Clorite (ClO2 -) calibrar o ponto zero
CUIDADO
– O sensor tem de estar introduzido
– Efectue um ajuste do ponto zero apenas se:
– aplicar o sensor no limite inferior da gama de
medição
1.
Seleccione o separador "ClO2-" - “Calibrar Sensor” (teclas de
seta) F5 CAL e prima a tecla ENTER
2.
Introduza em [valor DPD] o valor 0.00 mg/l e prima a tecla
ENTER - surge no separador agora
[Calibração do ponto zero]
3.
Bloqueie a água de medição (se necessário, confirmar o
alarme ocorrido com a tecla ENTER)
ð - primeiro admissão, depois descarga.
4.
Desmonte o sensor
5.
Lave o sensor com água sem cloro
6.
Mergulhe o sensor CLT num recipiente com água mineral
sem gás ou água destilada. Esta água tem de estar à
mesma temperatura da água de medição.
7.
Mexa com o sensor até que o valor de medição do sensor
permaneça estável durante aprox. 5 min e quase a zero
8.
Prima F5 CAL
9.
Monte novamente o sensor na sonda contínua
10.
Abra as torneiras de passagem da água de medição
ð primeiro admissão, depois descarga.
118
Calibração
CUIDADO
Calibre agora, impreterivelmente, a “Inclinação”
Variável de medição clorite (ClO2 -)
Calibrar inclinação
CAL
pH
Sensor Valor =
Inclinação =
Ponto zero =
Cl livre
Temp
ClO2-
Calibração Sensor
Calibração Sensor
4,8 mg/l
4,008 mA
0,004 mA
Valor de calibr. =
Valor temp. =
1,8 mg/l
32,0 °C
ClO2-
ClO2Corr. sensor =
Premir CAL antes da recolha da amostra
AJUDA
DESLIG
CAL
CAL
Calibração Sensor
Redox
Valor de calibr. =
Valor temp. =
Corr. sensor =
4,030 mA
1,80 mg/l
32,0 °C
4,030 mA
Calibração ponto zero
Premir a tecla CAL
Introduzir o valor e premir CAL
CAL
CAL
Valor de calibr. =
1,800 mg/l
Área: 0,000...9,999 mg/l
CAL
CAL
pH
Calibração Sensor
Calibração Sensor
Redox
ClO2-
Valor de calibr. =
Valor temp.:
Corr. sensor =
1,8 mg/l
32,0 °C
Cl livre
Temp
ClO2-
4,003 mA
Calibração ponto zero
Premir a tecla CAL
Sensor Valor =
Inclinação
Ponto zero =
4,6 mg/l
4,006 mA
0,004 mA
Premir CAL antes da recolha da amostra
CAL
AJUDA
DESLIG
CAL
ESC
Item central
de menut
A0164
Fig. 47: Clorite (ClO2 -) Calibrar inclinação
CUIDADO
– Antes da calibração da inclinação, aguarde até
que o valor de medição fique constante (aguardar,
no mínimo, 15 min)
– Tem de ser sempre superior à clorite na água de
medição (aprox. 0,5 mg/l)! Caso contrário, não é
possível calibrar o sistema de medição
– Após uma primeira colocação em funcionamento,
verifique a calibração através do DPD, passadas
24 h
1.
Seleccione o separador "ClO2-" - “Calibrar Sensor” (teclas de
seta)
2.
Quando o [Sensor Valor] estiver estável, prima F5
3.
Imediatamente a seguir, recolha uma amostra da água de
medição na sonda contínua
4.
Calcule, logo a seguir, o ClO2 - da água de medição com um
fotómetro e um instrumento de medição adequado (por ex.
DPD)
5.
Introduza o teor de ClO2 - (teclas de seta) e prima F5 CAL
6.
Se não pretender mais calibrações, regresse com a tecla
ESC à indicação contínua
119
Calibração
Caso o DXCa, após o tempo de aquecimento do sensor (para CLT
aprox. 2-6 h), indique um valor de medição claramente demasiado
baixo ou se não for possível calibrá-lo, duplique o tempo de aque‐
cimento ou prolongue-o até ao dia seguinte
Caso continue sem conseguir calibrar o sensor, contactar a assis‐
tência ao cliente da ProMinent.
8.9 Calibrar a variável de medição Ácido paracético (PES)
Variável de medição Ácido paracético
(PES) Calibrar inclinação
CAL
pH
Calibração Sensor
Redox
Sensor Valor =
Inclinação =
Ponto zero =
Cl livre
Temp
4,8 mg/l
4,008 mA
0,004 mA
PES
Premir CAL antes da recolha da amostra
AJUDA
DESLIG
CAL
A0165
Fig. 48: Calibrar a variável de medição Ácido paracético (PES)
CUIDADO
– Tenha em atenção os manuais de instruções do
sensor e da sonda contínua
– Após a substituição da capa do diafragma ou do
electrólito do sensor, terá de efectuar um ajuste da
inclinação
– Evite bolhas de ar na água de medição. As bolhas
de ar presas no diafragma do sensor podem ori‐
ginar um valor de medição demasiado baixo e,
deste modo, levar à sobredosagem
– Para um funcionamento perfeito do sensor, o
ajuste da inclinação tem de ser repetido em inter‐
valos regulares
– Tenha em atenção as normas nacionais em vigor
para os intervalos de calibração
Requisitos
n débito constante na sonda contínua - no mínimo, 20 l/h
n temperatura constante da água de medição
n o sensor está introduzido
Não é necessário um ajuste do ponto zero
120
Calibração
CAL
pH
Sensor Valor =
Inclinação =
Ponto zero =
Temp
Calibração Sensor
Calibração Sensor
Redox
Cl livre
4,8 mg/l
4,008 mA
0,004 mA
Valor de calibr. =
Valor temp. =
1,8 mg/l
32,0 °C
Corr. sensor =
Premir CAL antes da recolha da amostra
Valor de calibr. =
Valor temp. =
PES
PES
PES
AJUDA
DESLIG
CAL
CAL
Calibração Sensor
Corr. sensor =
4,030 mA
1,80 mg/l
32,0 °C
4,030 mA
Introduzir o valor e
Premir a tecla CAL
Introduzir o valor e premir CAL
CAL
CAL
Valor de calibr. =
1,800 mg/l
Área: 0,000...9,999 mg/l
CAL
CAL
pH
Calibração Sensor
Calibração Sensor
Redox
PES
Valor de calibr. =
Valor temp.:
Corr. sensor =
1,8 mg/l
32,0 °C
Cl livre
Temp
Sensor Valor =
Inclinação
Ponto zero =
4,6 mg/l
4,006 mA
0,004 mA
PES
4,003 mA
Introduzir o valor e
Premir a tecla CAL
Premir CAL antes da recolha da amostra
CAL
AJUDA
DESLIG
CAL
ESC
Item central
de menu
A0166
Fig. 49: Ácido paracético (PES) Calibrar inclinação
CUIDADO
– Após uma primeira colocação em funcionamento,
verifique a calibração após 24 h
– Repetir a calibração se a concentração de PES
divergir do valor de referência em mais de 15 %
1.
Seleccione o separador[PES] - “Calibrar Sensor” (teclas de
seta) F5 CAL e prima a tecla ENTER
2.
Quando o Sensor Valor estiver estável, prima F5 CAL
3.
Bloqueie a água de medição (se necessário, confirmar o
alarme ocorrido com a tecla ENTER)
ð - primeiro admissão, depois descarga.
4.
Coloque uma solução padrão com uma concentração de
PES conhecida, por ex. no recipiente da sonda contínua
DLG III
5.
Mexa o conteúdo do recipiente com uma vareta magnética
6.
Mergulhe o sensor no recipiente até que o valor de medição
permaneça constante (15 min). Introduza de imediato o teor
de PES (teclas de seta) e prima F5 CAL.
7.
Abra as torneiras de passagem da água de medição
ð primeiro admissão, depois descarga.
8.
Se não pretender mais calibrações, regresse com a tecla
ESC à indicação contínua
121
Calibração
Caso o DXCa, após o tempo de aquecimento do sensor (para PAA
aprox. 1-2 h), indique um valor de medição claramente demasiado
baixo ou se não for possível calibrá-lo, duplique o tempo de aque‐
cimento ou prolongue-o até ao dia seguinte
Caso continue sem conseguir calibrar o sensor, contactar a assis‐
tência ao cliente da ProMinent.
8.10
Calibrar a variável de medição Temperatura
Calibrar a variável de medição Tem‐
peratura
CAL
pH
Redox
Cl livre
Cl tot.
Verific. Sensor
Medição temp. com Pt1000<100>
Sensor Valor =
24,9 °C
Valor ajuste =
26,2 °C
Temp
O valor só pode ser ajustado dentro de um intervalo
de +- 4 °C de desvio em relação
à calibração de fábrica
INÍCIO
CAL
A0167
Fig. 50: Calibrar a variável de medição Temperatura
–
–
–
122
Apenas deverá calibrar um sensor de temperatura
externo se:
– utilizar a medição da temperatura de sensores
de cloro
– tiver um sensor de temperatura do tipo PT100
– tiver um aparelho de medição de referência
preciso
Durante a calibração não substitua o sensor de
temperatura
O valor de medição da temperatura pode ser ajus‐
tado para o valor de calibração de fábrica apenas
dentro de uma amplitude de ± 4 ℃
1.
Recolha uma amostra da água de medição de, no mínimo,
250 ml
2.
Mergulhe o sensor de temperatura externo PT100 do DXCa
e o aparelho de medição de referência simultaneamente
3.
Prima a tecla ENTER quando o Sensor Valor estiver estável
4.
Introduza em [Valor ajuste] o valor do aparelho de medição
de referência (teclas de seta) e prima a tecla ENTER
5.
Prima F5 (GUARDAR) para concluir a calibração e gravar os
valores
6.
Se não pretender mais calibrações, regresse com a tecla
ESC à indicação contínua
Parametrizar
9
Parametrizar
MED
pH
Redox
Cl livre
Cl tot.
CONT
SAÍD
ALARM
ECO
Parâmetros Medição
Monit. sensor:
Reg. temp.:
Valor temp. =
LIGADO
Introd.
25,6 °C
INÍCIO
DATA
Temp
Floc.
AJUDA
HORA
IDIOMA
A0136
Fig. 51: Parametrizar
Este capítulo descreve os itens de menu para os grupos de parâ‐
metros:
n
n
n
n
n
Medição
Controlo
Saída mA
Alarme
Eco!Modo
para as diferentes variáveis de medição do DXCa e o agente de
floculação.
9.1 Todos os parâmetros
Valores predefinidos
Os valores predefinidos podem ser carregados no
segundo item de menu para o separador actual com
F4 (PREDEF.)
Sair de um separador do menu de
parametrização:
1.
sem gravar: prima a tecla ESC várias vezes até que o DXCa
se encontre novamente na indicação contínua
2.
gravar: prima F5, quando surgir GUARDAR em cima. Con‐
firme a pergunta “Gravar realmente?” com a tecla ENTER.
Se não pretender realizar mais parametrizações, regressar
com a tecla ESC à indicação contínua ou ao item de menu
central.
123
Parametrizar
9.2 Medição
Aceder ao ajuste da medição
1.
Retroceder com ESC
O retorno ao menu anterior é possível com a
tecla ESC.
O acesso ao ajuste do controlo é efectuado através do item
de menu central
2.
Prima a tecla F3 (PARÂM)
3.
Seleccione a variável de medição desejada com as teclas de
seta verticais
4.
Seleccione o separador [MED] com as teclas de seta hori‐
zontais
5.
Accione a tecla ENTER
ð Encontra-se agora na área ajustável do controlo.
6.
Seleccione o parâmetro desejado com as teclas de seta ver‐
ticais
7.
Accione a tecla ENTER
8.
Ajuste o parâmetro com as teclas de seta verticais ou hori‐
zontais
9.
Mova o cursor para a esquerda ou direita com as teclas de
seta horizontais
10.
Conclua a introdução com a tecla ENTER
11.
Fechar o separador sem gravar: premir a tecla ESC.
Fechar o separador e gravar: premir F5, quando surgir
[GUARDAR]. Confirme a pergunta [Gravar realmente?] com
a tecla ENTER.
124
Parametrizar
9.2.1 Parametrização pH
MED
pH
Parâmetros Medição
Monit. sensor:
Reg. temp.:
Valor temp. =
LIGADO
Introd.
25,6 °C
PREDEF. GUARDAR
A0168
Fig. 52: Medição pH
Variáveis ajustáveis
Incremento
Monit. sensor
deslig
Observação
lig
Potencial líq.
Reg. temp.
deslig
surge apenas com o pino de ligação equipotencial configu‐
rado
lig
O pino de ligação equipotencial tem de estar ligado
PT1000 (100)
Sensor de cloro ou sensor de temperatura separado
Introdução
Valor temp.
Monitorização do sensor
0,0 ... 99,9 °C
Com a [introdução do Reg. temp.]
Seleccione em "Monit. sensor" [lig] ou [desl] para ligar ou desligar
a monitorização do sensor pH.
Com a monitorização do sensor activa, mede-se o valor da resis‐
tência do sensor pH.
Se o valor da resistência se encontrar, durante a operação, mais
de 1 minuto abaixo de 2 MΩ, surge no item de menu central a
mensagem de erro [Sensor pH danificado!]. Se, pelo contrário, se
encontrar acima dos 200 MΩ e, além disso, o sinal de medição
apresentar uma forte oscilação, surge a mensagem de erro
[Avaria Entrada pH!].
125
Parametrizar
9.2.2 Parametrização Redox
Sistema
1
MED
Redox
Parâmetros Medição
Monit. sensor:
Potencial líq:
LIGADO
LIGADO
PREDEF. GUARDAR
A0170
Fig. 53: Medir Redox
Variáveis ajustáveis
Incremento
Observação
Monit. sensor
deslig
O aparelho pode indicar um valor pH corrigido para cloro
livre
lig
Potencial líq.
Monitorização do sensor
deslig
surge apenas com o pino de ligação equipotencial configu‐
rado
lig
O pino de ligação equipotencial tem de estar ligado
Seleccione em [Monit. sensor] [LIG] ou [ DESL] para ligar ou des‐
ligar a monitorização do sensor Redox.
Com a monitorização do sensor activa, mede-se o valor da resis‐
tência do sensor Redox.
Se o valor da resistência se encontrar, durante a operação, mais
de 1 minuto abaixo de 2 MΩ, surge no item de menu central a
mensagem de erro [Sensor Redox danificado!]. Se, pelo contrário,
se encontrar acima dos 200 MΩ e, além disso, o sinal de medição
apresentar uma forte oscilação, surge a mensagem de erro
[Avaria Entrada Redox!].
126
Parametrizar
9.2.3 Parametrização "Cloro livre"
MED
Parâmetros Medição
Correcção pH:
LIGADO
Cl livre
PREDEF. GUARDAR
A0169
Fig. 54: Medição Cloro livre
Variáveis ajustáveis
Incremento
Observação
Correcção pH
lig
O aparelho pode indicar um valor pH corrigido para cloro
livre
deslig
AVISO
Se tiver sido calibrado com correcção de pH, então
apenas pode medir com correcção de pH! Se tiver
calibrado sem correcção de pH, então apenas pode
medir sem correcção de pH
127
Parametrizar
9.2.4 Parametrização "Cloro combinado"
Sistema
1
MED
Parâmetros Medição
Correcção pH:
LIGADO
Cl comb.
PREDEF. GUARDAR
A0171
Fig. 55: Medição Cloro combinado
Variáveis ajustáveis
Incremento
Observação
Correcção pH
lig
O aparelho pode indicar um valor pH corrigido para cloro
combinado
deslig
AVISO
Se tiver sido calibrado com correcção de pH, então
apenas pode medir com correcção de pH. Se tiver
calibrado sem correcção de pH, então apenas pode
medir sem correcção de pH.
O valor indicado para o cloro combinado é calculado
pelo DXCa enquanto diferença dos valores de
medição dos sensores para cloro livre e cloro total
(CLE e CTE).
128
Parametrizar
9.2.5 Parametrização Fluoreto (F-)
Tanque 1
MED
Parâmetros Medição
Reg. temp.:
Valor temp. =
Introd.
32,0 °C
F
PREDEF. GUARDAR
A0172
Fig. 56: Medição Fluoreto (F-)
Disponível apenas se o borne [I in 2 ] do módulo I tiver sido confi‐
gurado para a variável de medição "F-".
Variáveis ajustáveis
Incremento
Observação
Reg. temp.
desligado
O aparelho pode indicar um valor pH corrigido para cloro
livre
Introdução
Sensor *
Valor temp.
0,0 ... 99,9 °C
Com a [introdução do Reg. temp.]
* Disponível apenas se o borne [I in 3 ] do módulo I tiver sido configurado para a variável de medição
[Temperatura]
129
Parametrizar
9.2.6 Parametrização ClO2
Tanque 1
MED
Parâmetros Medição
Reg. temp.:
Valor temp. =
Introd.
32,0 °C
ClO2
PREDEF. GUARDAR
A0173
Fig. 57: Medição ClO2
Disponível apenas se o borne [ I in 2] do módulo I tiver sido confi‐
gurado para a variável de medição ClO2 e não tiver sido ligado
qualquer sensor de cloro.
Variáveis ajustáveis
Incremento
Observação
Reg. temp.
desligado
O aparelho pode indicar um valor pH corrigido para cloro
livre
Introdução
Sensor *
Valor temp.
0,0 ... 99,9 °C
Com a [introdução do Reg. temp.]
* Disponível apenas se o borne [I in 3 ] do módulo I tiver sido configurado para a variável de medição
[Temperatura]
9.2.7 Parametrização H2O2
Sistema
1
MED
Parâmetros Medição
Reg. temp.:
Valor temp. =
Introd.
32,0 °C
H2O2
PREDEF. GUARDAR
A0174
Fig. 58: Medição H2O2
130
Parametrizar
Disponível apenas se o borne [I in 2] do módulo I tiver sido confi‐
gurado para a variável de medição "ClO2" e não tiver sido ligado
qualquer sensor de cloro.
Variáveis ajustáveis
Incremento
Observação
Reg. temp.
desligado
O aparelho pode indicar um valor pH corrigido para cloro
livre
Introdução
Sensor *
Valor temp.
Com a [introdução do Reg. temp.]
0,0 ... 99,9 °C
* Disponível apenas se o borne [I in 3 ] do módulo I tiver sido configurado para a variável de medição
[Temperatura]
9.3 Controlo
Aceder ao ajuste do controlo
1.
Retroceder com ESC
O retorno ao menu anterior é possível com a
tecla ESC.
O acesso ao ajuste do controlo é efectuado através do item
de menu central
2.
Prima a tecla F3 (PARÂM)
3.
Seleccione a variável de medição desejada com as teclas de
seta verticais
4.
Seleccione o separador [MED] com as teclas de seta hori‐
zontais
5.
Accione a tecla ENTER
ð Encontra-se agora na área ajustável do controlo.
6.
Seleccione o parâmetro desejado com as teclas de seta ver‐
ticais
7.
Accione a tecla ENTER
8.
Ajuste o parâmetro com as teclas de seta verticais ou hori‐
zontais
9.
Mova o cursor para a esquerda ou direita com as teclas de
seta horizontais
10.
Conclua a introdução com a tecla ENTER
11.
Fechar o separador sem gravar: premir a tecla ESC.
Fechar o separador e gravar: premir F5, quando surgir
[GUARDAR]. Confirme a pergunta [Gravar realmente?] com
a tecla ENTER.
131
Parametrizar
9.3.1 Controlo pH
CUIDADO
Verifique impreterivelmente se, para os ajustes em
[Controlo] ou [Direcção de controlo], os requisitos do
menu de configuração foram realmente definidos.
Sistema
1
CONT
pH
Parâmetro Controlo
Tipo control.:
Valor nominal =
Carga base =
Zona neutra =
Xp =
Tn =
Tv =
Tempo de controlo =
Ligação Var. pert.:
Controlo:
PID bilateral
7,20 pH
0,0 %
0,05 pH
1,5 pH
0s
0s
0 min
inactivo
activo
PREDEF. GUARDAR
A0175
Fig. 59: Controlo pH
Variáveis ajustáveis
Incremento
Tipo de controlo
Manual
Observação
PID bilateral
ver Fig. 60
PID unilateral
ver Fig. 61
P bilateral
P unilateral
Valor nominal
0,00 ... 12,00 pH
Carga base
-100,0 ... 100,0 %
Zona neutra
0,00 ... 1,00 pH
xp*
0,01 ... 70,00 pH
Tn
0 ... 9999 s
Com [Controlo] [PID]
Tv
0 ... 2500 s
Com [Controlo] [PID]
Direcção de controlo
Redutor pH
Ácido, com controlo unilateral
Increm. pH
Lixívia, com controlo unilateral
Tempo de controlo
0 ... 999 min
Não com [Controlo] [manual]
Ligação Variável de
interferência
inactivo
Dosagem man.
mult.
Variável de interferência multiplicativa de[ I in 1]
ad.
Aditivo
-100,0 ... 100,0 %
Com [Controlo] [manual]
* Definição xp, ver o glossário
132
Parametrizar
Variáveis ajustáveis
Incremento
Observação
Controlo
activo
O circuito de controlo pode ser desligado independente‐
mente da tecla START/STOP. A tecla START/STOP inter‐
rompe todos os circuitos de controlo do sistema seleccio‐
nado
inactivo
* Definição xp, ver o glossário
Recomendamos-lhe o valor pH de 7.2, uma vez que o
cloro desenvolve uma boa capacidade de desinfecção
nesta área. Além disso, com este valor de pH, verifica-se uma boa compatibilidade com a pele.
Fig. 60: Tipo de controlo PID bilateral, sem e com zona neutra
I. Variável de ajuste
II. Zona neutra
III. Valor nominal
A0177
Fig. 61: Tipo de controlo PID unilateral, direcção redutor pH e direcção increm. pH
I. Variável de ajuste
II. Valor nominal
133
Parametrizar
9.3.2 Controlo Redox
Não se aplica o Redox no controlo do cloro.
Sistema
1
CONT
Parâmetro Controlo
Redox
Tipo control.:
Valor nominal =
Carga base =
Xp =
Tn =
Tv =
Tempo de controlo =
Controlo :
PID bilateral
750 mV
0,0 %
20 mV
0 s
0 s
0 min
activo
PREDEF. GUARDAR
A0178
Fig. 62: Controlo Redox
Variáveis ajustáveis
Incremento
Tipo de controlo
PID bilateral
Disinfection Controller
P bilateral
Contacto de 2 pt.
Observação
ver Fig. 63
Manual
Tipo de controlo
PID unilateral
Controlador de piscinas P unilateral
Contacto de 2 pt.
ver Fig. 63
Manual
Valor nominal
700 ... 850 mV
Carga base
0,0 ... 100,0 %
xp*
1 ... 1.000 mV
Tn
0 ... 9999 s
Com [Controlo] [PID]
Tv
0 ... 2500 s
Com [Controlo] [PID]
Distância de comutação 0 ... 50 mV
Tempo ligação MÍN
0 ... 6000 s
Tempo desconexão
MÍN
0 ... 6000 s
Tempo de controlo
0 ... 999 min
* Definição xp, ver o glossário
134
Não com [Controlo] [manual]
Parametrizar
Variáveis ajustáveis
Incremento
Observação
Controlo
activo
O circuito de controlo pode ser desligado independente‐
mente da tecla START/STOP. A tecla START/STOP inter‐
rompe todos os circuitos de controlo do sistema seleccio‐
nado
inactivo
* Definição xp, ver o glossário
CUIDADO
Verifique impreterivelmente se, para os ajustes em
[Controlo] ou [Direcção de controlo], os requisitos do
menu de configuração foram realmente definidos.
A0179
Fig. 63: Exemplificação do tipo de controlo do contacto de 2
pontos
I.
II.
III.
IV.
Variável de ajuste
Pontos de comutação
Valor nominal
Distância de comutação
135
Parametrizar
9.3.3 Controlo Cloro livre
Sistema 1
CONT
Parâmetro Controlo
Cl livre
Contacto 2 pt.
Tipo control.:
1,50 mg/l
Valor nominal =
=
0,05 mg/l
Dist. comut.
120 s
Tempo ligação MÍN =
Tempo desc. MÍN =
120 s
0 min
Tempo de controlo =
inactivo
Ligação Var. pert.:
activo
Controlo:
PREDEF. GUARDAR
A0181
Fig. 64: Controlo Cloro livre
Variáveis ajustáveis
Incremento
Tipo de controlo
PID bilateral
Disinfection Controller
P bilateral
Contacto de 2 pt.
Observação
ver Fig. 65
Manual
Tipo de controlo
PID unilateral
Controlador de piscinas P unilateral
Contacto de 2 pt.
ver Fig. 65
Manual
Valor nominal
0,00 ... 20,00 mg/l
Carga base
0,0 ... 100,0 %
xp*
0,10 ... 99,99 mg/l
Tn
0 ... 9999 s
Com [Controlo] [PID]
Tv
0 ... 2500 s
Com [Controlo] [PID]
Distância de comutação 0,00 ... 0,50 mg/l
Tempo ligação MÍN
0 ... 6000 s
Tempo desconexão
MÍN
0 ... 6000 s
Tempo de controlo
0 ... 999 min
Não com [Controlo] [manual]
Controlo
activo
O circuito de controlo pode ser desligado independente‐
mente da tecla START/STOP. A tecla START/STOP inter‐
rompe todos os circuitos de controlo do sistema seleccio‐
nado
inactivo
* Definição xp, ver o glossário
136
Parametrizar
CUIDADO
Verifique impreterivelmente se, para os ajustes em
[Controlo] ou [Direcção de controlo], os requisitos do
menu de configuração foram realmente definidos.
A0180
Fig. 65: Exemplificação do tipo de controlo do contacto de 2 pontos e do controlador PID para cloro
I.
II.
III.
Variável de ajuste
Pontos de comutação
Valor nominal
IV.
V
Distância de comutação
Diferença de controlo
9.3.4 Controlo Cloro combinado
Sistema 1
CONT
Parâmetro Controlo
Cl comb.
Tipo control.:
Ponto comut. =
Dist. comut. =
Tempo de ligação =
Tempo de corte
Controlo
2 Pt. Contacto
1,50 mg/l
0,05 mg/l
120 s
600 s
LIGADO
PREDEF. GUARDAR
A0182
Fig. 66: Controlo Cloro combinado
Variáveis ajustáveis
Incremento
Observação
Ponto de comutação
0,00 ... 20,00 mg/l
Acima do ponto de comutação, o relé P4 pode ligar uma
unidade UV
Distância de comutação 0,00 ... 0,50 mg/l
Tempo ligação MÍN
0 ... 9999 s
Possível apenas [Tipo de controlo] [Contacto de 2 pt.]
137
Parametrizar
Variáveis ajustáveis
Incremento
Tempo desconexão
MÍN
0 ... 9999 s
Controlo
activo
Observação
O circuito de controlo pode ser desligado independente‐
mente da tecla START/STOP. A tecla START/STOP inter‐
rompe todos os circuitos de controlo do sistema seleccio‐
nado
inactivo
Possível apenas [Tipo de controlo] [Contacto de 2 pt.]
AVISO
– Para que as introduções tenham algum efeito, é
necessário que um relé de potência esteja configu‐
rado
– O controlo Cl comb destina-se à minimização do
cloro combinado, por ex. através de uma unidade
UV
Para explicações, ver [Valor limite] no glossário (O ponto de comu‐
tação corresponde a um [Limite máx.].)
A0179
Fig. 67: Exemplificação do tipo de controlo do contacto de 2
pontos
I.
II.
III.
IV.
Variável de ajuste
Pontos de comutação
Valor nominal
Distância de comutação
9.3.5 Controlo Temperatura
Variáveis ajustáveis
Incremento
Observação
Ponto de comutação
0,0 ... 40,0 °C
Comparável com valor nominal. O relé P4 pode ligar uma vál‐
vula solenóide de água quente de um permutador de calor
Distância de comu‐
tação
0,0 ... 1,5 °C
Tempo ligação MÍN
0 ... 9999 s
Tempo desconexão
MÍN
0 ... 9999 s
Possível apenas [Tipo de controlo] [Contacto de 2 pt.]
138
Parametrizar
Variáveis ajustáveis
Incremento
Observação
Controlo
activo
O circuito de controlo pode ser desligado independentemente
da tecla START/STOP. A tecla START/STOP interrompe
todos os circuitos de controlo do sistema seleccionado
inactivo
Possível apenas [Tipo de controlo] [Contacto de 2 pt.]
AVISO
– Para que as introduções tenham algum efeito, é
necessário que um relé de potência esteja configu‐
rado
Para explicações, ver [Valor limite] no glossário (O ponto de comu‐
tação corresponde a um [Limite máx.].)
A0179
Fig. 68: Exemplificação do tipo de controlo do contacto de 2
pontos
I.
II.
III.
IV.
Variável de ajuste
Pontos de comutação
Valor nominal
Distância de comutação
139
Parametrizar
9.3.6 Controlo Agente de floculação
Sistema 1
CONT
Floc.
Parâmetros Dosagem
Circulação=
Concentração=
Ligação Var. pert.:
Controlo:
100,00
0,1 mg/l
inactivo
activo
PREDEF. GUARDAR
A0183
Fig. 69: Controlo Agente de floculação
Variáveis ajustáveis
Incremento
Observação
Circulação
0,0 ... 500,0 m3/h
Concentração
0,1 ... 9,9 mg/l
concentração de agente de floculação desejada
Controlo
activo
O circuito de controlo pode ser desligado independente‐
mente da tecla START/STOP. A tecla START/STOP inter‐
rompe todos os circuitos de controlo do sistema seleccio‐
nado.
inactivo
Ligação Variável de
interferência
inactivo
mul.
Possível apenas [Tipo de controlo] [Contacto de 2 pt.]
Potência da bomba
Se estiver configurada uma bomba de agente de floculação, o
DXCa indica a sua potência de dosagem depois da gravação em
Potência da bomba (calculada a partir da circulação e concen‐
tração, implementada através da frequência do curso) - percen‐
tagem relativa à potência máx., em baixo.
Em potência máx., o DXCa indica a potência de dosagem máxima
calculada do tipo de bomba - com o comprimento do curso ajus‐
tado, 100 % de frequência do curso e 1,5 bar de pressão de
retorno (idêntica à potência no separador P1, P2 ou P3 no menu
de configuração).
140
Parametrizar
9.3.7 Controlo Fluoreto (F-)
Sistema 1
CONT
Parâmetro Controlo
F
Tipo control.:
Valor nominal =
Xp =
Tn =
Tv =
Carga base =
Tempo de controlo =
Controlo:
Controlador PID
7,50
00,50
0s
0s
0,0 %
0 min
inactivo
A0184
Fig. 70: Controlo Fluoreto (F-)
Variáveis ajustáveis
Incremento
Tipo de controlo
Controlador PID
Observação
Controlador P
Contacto 2 pt.
ver Ä na página 141
Manual
Valor nominal
0,00 ... 9,99 ppm
Carga base
0,0 ... 100,0 %
xp*
0 ... 1000 ppm
Tn
0 ... 9999 s
Com [Controlo][ PID]
Tv
0 ... 2500 s
Com [Controlo] [PID]
Distância de comutação 0 ... 50 ppm
Tempo ligação MÍN
0 ... 6000 s
Tempo desconexão
MÍN
0 ... 6000 s
Tempo de controlo
0 ... 999 min
Ligação Variável de
interferência
inactivo
Não com [Controlo] [manual]
mult.
Variável de interferência multiplicativa de[ I in 1]
ad.
Variável de interferência aditiva de [I in 1]
* Definição xp, ver o glossário
141
Parametrizar
Variáveis ajustáveis
Incremento
Observação
Controlo
activo
Controlo apenas com bombas de dosagem com bus
CANopen. O circuito de controlo pode ser desligado inde‐
pendentemente da tecla START/STOP. A tecla START/
STOP interrompe todos os circuitos de controlo do sistema
seleccionado.
inactivo
* Definição xp, ver o glossário
CUIDADO
Verifique impreterivelmente se, para os ajustes em
[Controlo] ou [Direcção de controlo], os requisitos do
menu de configuração foram realmente definidos.
A0179
Fig. 71: Exemplificação do tipo de controlo do contacto de 2
pontos
I.
II.
III.
IV.
142
Variável de ajuste
Pontos de comutação
Valor nominal
Distância de comutação
Parametrizar
9.3.8 Controlo Dióxido de cloro (ClO2)
Fonte 1
CONT
Parâmetro Controlo
ClO2
Tipo control.:
Valor nominal =
Xp =
Tn =
Tv =
Carga base =
Tempo de controlo =
Controlo:
Controlador PID
7,50
00,50
0s
0s
0,0 %
0 min
inactivo
A0185
Fig. 72: Controlo Dióxido de cloro (ClO2)
Variáveis ajustáveis
Incremento
Tipo de controlo
Controlador PID
Observação
Controlador P
Contacto 2 pt.
ver Fig. 73
Manual
Valor nominal
0,00 ... 9,99 ppm
Carga base
0,0 ... 100,0 %
xp*
0 ... 1000 ppm
Tn
0 ... 9999 s
Com [Controlo] [PID]
Tv
0 ... 2500 s
Com [Controlo] [PID]
Distância de comutação 0 ... 50 ppm
Tempo ligação MÍN
0 ... 6000 s
Tempo desconexão
MÍN
0 ... 6000 s
Tempo de controlo
0 ... 999 min
Ligação Variável de
interferência
inactivo
Não com [Controlo] [manual]
mult.
Variável de interferência multiplicativa de[ I in 1]
ad.
Variável de interferência aditiva de [I in 1]
* Definição xp, ver o glossário
143
Parametrizar
Variáveis ajustáveis
Incremento
Observação
Controlo
activo
Controlo apenas com bombas de dosagem com bus
CANopen. O circuito de controlo pode ser desligado inde‐
pendentemente da tecla START/STOP. A tecla START/
STOP interrompe todos os circuitos de controlo do sistema
seleccionado.
inactivo
* Definição xp, ver o glossário
CUIDADO
Verifique impreterivelmente se, para os ajustes em
[Controlo] ou [Direcção de controlo], os requisitos do
menu de configuração foram realmente definidos.
A0179
Fig. 73: Exemplificação do tipo de controlo do contacto de 2
pontos
I.
II.
III.
IV.
144
Variável de ajuste
Pontos de comutação
Valor nominal
Distância de comutação
Parametrizar
9.3.9 Controlo H2O2
Fonte 1
CONT
Parâmetro Controlo
H2O2
Tipo control.:
Valor nominal =
Xp =
Tn =
Tv =
Carga base =
Tempo de controlo =
Controlo:
Controlador PID
7,50
00,50
0s
0s
0,0 %
0 min
inactivo
A0186
Fig. 74: Controlo H2O2
Variáveis ajustáveis
Incremento
Tipo de controlo
Controlador PID
Observação
Controlador P
Contacto 2 pt.
ver Fig. 75
Manual
Valor nominal
0,00 ... 1999 ppm
Carga base
0,0 ... 100,0 %
xp*
0 ... 1000 ppm
Tn
0 ... 9999 s
Com [Controlo] [PID]
Tv
0 ... 2500 s
Com [Controlo] [PID]
Distância de comutação 0 ... 50 ppm
Tempo ligação MÍN
0 ... 6000 s
Tempo desconexão
MÍN
0 ... 6000 s
Tempo de controlo
0 ... 999 min
Ligação Variável de
interferência
inactivo
Controlo
Não com [Controlo] [manual]
mult.
Variável de interferência multiplicativa de[ I in 1]
ad.
Variável de interferência aditiva de [I in 1]
activo
Controlo apenas com bombas de dosagem com bus
CANopen. O circuito de controlo pode ser desligado inde‐
pendentemente da tecla START/STOP. A tecla START/
STOP interrompe todos os circuitos de controlo do sistema
seleccionado.
inactivo
* Definição xp, ver o glossário
145
Parametrizar
CUIDADO
Verifique impreterivelmente se, para os ajustes em
[Controlo] ou [Direcção de controlo], os requisitos do
menu de configuração foram realmente definidos.
A0179
Fig. 75: Exemplificação do tipo de controlo do contacto de 2
pontos
I.
II.
III.
IV.
Variável de ajuste
Pontos de comutação
Valor nominal
Distância de comutação
9.4 Ajustar a saída mA
Efectuar uniformemente para todas
as variáveis de medição
Aceder ao ajuste da saída de mA
1.
Retroceder com ESC
O retorno ao menu anterior é possível com a
tecla ESC.
O acesso ao ajuste do controlo é efectuado através do item
de menu central
2.
Prima a tecla F3 (PARÂM)
3.
Seleccione a variável de medição desejada com as teclas de
seta verticais
4.
Seleccione o separador [SAÍD] com as teclas de seta hori‐
zontais
5.
Accione a tecla ENTER
ð Encontra-se agora na área ajustável do controlo.
146
6.
Seleccione o parâmetro desejado com as teclas de seta ver‐
ticais
7.
Accione a tecla ENTER
8.
Ajuste o parâmetro com as teclas de seta verticais ou hori‐
zontais
9.
Mova o cursor para a esquerda ou direita com as teclas de
seta horizontais
10.
Conclua a introdução com a tecla ENTER
Parametrizar
11.
Fechar o separador sem gravar: premir a tecla ESC.
Fechar o separador e gravar: premir F5, quando surgir
[GUARDAR]. Confirme a pergunta [Gravar realmente?] com
a tecla ENTER.
Sistema
1
SAÍD
pH
Parâmetros Saída mA
Valor 0/4 mA =
Valor 20 mA =
Área:
Valor com erro =
0,00 pH
14,00 pH
0-20 mA
23 mA
PREDEF. GUARDAR
A0187
Fig. 76: Ajustar a saída mA no exemplo pH
Variáveis ajustáveis
Incremento
Observação
Valor 0/4 mA
0,00 ... xx,xx Y *
valor mA dependente da [Área]
Valor 20 mA
0,00 ... xx,xx Y *
Área
0-20 mA
Não com [Iout ] [livre] (ver configuração)
4-20 mA
Valor com erro
Não com [Iout ] [livre] (ver configuração)
23 mA
DESLIG
3,7 mA
22 mA
* "x,xx Y" representa o valor e a unidade de medida de uma variável de medição do presente controlador
9.5 Ajustar o alarme
Efectuar uniformemente para todas
as variáveis de medição
Aceder ao ajuste do alarme
1.
Retroceder com ESC
O retorno ao menu anterior é possível com a
tecla ESC.
O acesso ao ajuste do controlo é efectuado através do item
de menu central
2.
Prima a tecla F3 (PARÂM)
147
Parametrizar
3.
Seleccione a variável de medição desejada com as teclas de
seta verticais
4.
Seleccione o separador [ALARME] com as teclas de seta
horizontais
5.
Accione a tecla ENTER
ð Encontra-se agora na área ajustável do controlo.
6.
Seleccione o parâmetro desejado com as teclas de seta ver‐
ticais
7.
Accione a tecla ENTER
8.
Ajuste o parâmetro com as teclas de seta verticais ou hori‐
zontais
9.
Mova o cursor para a esquerda ou direita com as teclas de
seta horizontais
10.
Conclua a introdução com a tecla ENTER
11.
Fechar o separador sem gravar: premir a tecla ESC.
Fechar o separador e gravar: premir F5, quando surgir
[GUARDAR]. Confirme a pergunta [Gravar realmente?] com
a tecla ENTER.
Sistema 1
AL
pH
Parâmetros Alarme
Limite mín. =
Alarme mín. :
Limite máx. =
Alarme máx. :
Atraso =
5,00 pH
inactivo
8,00 pH
activo
10 s
PREDEF. GUARDAR
A0188
Fig. 77: Ajustar o alarme no exemplo pH
148
Parametrizar
ALARM
Q
Parâmetros Alarme
Limite mín. =
Alarme mín. :
Limite máx. =
Alarme máx. :
Atraso =
Desl. o controlador:
20,0
inactivo
80,0
inactivo
0s
inactivo
PREDEF. GUARDAR
A0270
Fig. 78: Ajustar o alarme no exemplo Medidor de caudal
Variáveis ajustáveis
Incremento
Observação
Limite mín.
0,00 ... xx,xx Y *
Alarme mín.
Inactivo
Com erros, apenas mensagem de erro
Activo
Com erros, mensagem de erro, buzina de alarme, relé.
Tem de ser confirmado
Limite máx.
0,00 ... xx,xx Y *
Alarme máx.
Inactivo
Com erros, apenas mensagem de erro
Activo
Com erros, mensagem de erro, buzina de alarme, relé.
Tem de ser confirmado
Atraso
0 ... 3600 s
* "x,xx Y" representa o valor e a unidade de medida de uma variável de medição do presente controlador
149
Parametrizar
9.6 Parametrização Medidor de caudal
ALARM
Q
Parâmetros Alarme
Limite mín. =
Alarme mín. :
Limite máx. =
Alarme máx. :
Atraso =
Desl. o controlador:
20,0
inactivo
80,0
inactivo
0s
inactivo
PREDEF. GUARDAR
A0270
Fig. 79: Alarme Medidor de caudal
Variáveis ajustáveis
Incremento
Limite mín.
0,00 ... 99,99 m3/h
Alarme mín.
activo
inactivo
Limite máx.
0,00 ... 99,99 m3/h
Alarme máx.
activo
inactivo
Atraso
0 ... 3600 segundos
Desligar o controlador
activo
inactivo
150
Observação
Parametrizar
9.7 Ajustar Eco!Modo
Para mais explicações relativamente às Variáveis
ajustáveis, ver Ä Capítulo 9.1 “Todos os parâmetros”
na página 123
Aceder ao ajuste do modo ECO
1.
Retroceder com ESC
O retorno ao menu anterior é possível com a
tecla ESC.
O acesso ao ajuste do controlo é efectuado através do item
de menu central
2.
Prima a tecla F3 (PARÂM)
3.
Seleccione a variável de medição desejada com as teclas de
seta verticais
4.
Seleccione o separador [ECO] com as teclas de seta hori‐
zontais
5.
Accione a tecla ENTER
ð Encontra-se agora na área ajustável do controlo.
6.
Seleccione o parâmetro desejado com as teclas de seta ver‐
ticais
7.
Accione a tecla ENTER
8.
Ajuste o parâmetro com as teclas de seta verticais ou hori‐
zontais
9.
Mova o cursor para a esquerda ou direita com as teclas de
seta horizontais
10.
Conclua a introdução com a tecla ENTER
11.
Fechar o separador sem gravar: premir a tecla ESC.
Fechar o separador e gravar: premir F5, quando surgir
[GUARDAR]. Confirme a pergunta [Gravar realmente?] com
a tecla ENTER.
Sistema
pH
1
ECO
Parâmetro Eco!Modo
Tipo control.:
Nom. E =
XpE =
TnE =
TvE =
PID bilateral
7,20 pH
1,50 pH
0s
0s
GUARDAR
A0189
Fig. 80: Ajustar Eco!Modo
151
Parametrizar
No Eco!Modo, é possível comutar temporariamente para activo um
2.º conjunto de parâmetros para o controlo, de modo a poupar
energia. Tal pode ocorrer, por exemplo, de modo sincronizado
com a descida da potência de circulação. Assim que um contacto
na entrada de contacto K3 do módulo M se ligar, o Eco!Modo fica
activo ou inactivo. O Eco!Modo está disponível com todas as variá‐
veis de medição do módulo M, caso sejam controladas:
n
n
n
n
n
n
pH
Redox
Cloro livre
Cloro combinado
Temperatura
Agente de floculação
Assim que o 2.º conjunto de parâmetros estiver activado, o item de
menu central exibe um identificador verde ECO. Para o activar, no
menu de configuração do separador DXMaM , ajustar a ligação K3
para "Eco!Modo".
9.8 Dosagem de cloro dependente de Redox
Sistema 1
AL
Redox
Parâmetros Alarme
Limite mín. =
Alarme mín. :
Limite máx. =
Alarme máx. :
Atraso =
5,00 pH
inactivo
8,00 pH
activo
10 s
Dosagem de cloro dependente de Redox:
Factor K =
Redox -> Cl Limite =
Xp Redox -> Cl =
activo
1,00
800 mV
100 mV
PREDEF. GUARDAR
A0340
Fig. 81: Dosagem de cloro dependente de Redox
Este ajuste em Parâmetros > Redox > Alarme permite influenciar a
dosagem do “Cloro” através do valor de medição “Redox” .
Exemplo: “Dosagem de cloro dependente de Redox” está activa e
o valor de ajuste do cloro é 100%
k=0,5 e Redox ➨ "Cl limite" = 800 mV
n O valor de medição “Redox” é < ao Redox ➨ “Cl limite” = 800
mV
– então o valor de ajuste “Cl” fica inalterado 100 %
n O valor de medição “Redox” é > ao Redox ➨ “Cl limite” = 800
mV
– então o valor de ajuste “Cl” é multiplicado por “k”
– ➨ 100 % * 0,50 ➨ 50 % de redução da dosagem de “Cl”
152
Parametrizar
k real=1, então Xp = 100 mV valor para uma dosagem proporci‐
onal
n O valor de medição “Redox” é < ao Redox ➨ “Cl limite” = 800
mV
– então o valor de ajuste “Cl” fica inalterado 100 %
n O valor de medição “Redox” (801 mV) é > ao Redox ➨ “Cl
limite” = 800 mV
– então o valor de ajuste “Cl” é 100 % - (801-800) * 100 % /
100 = 99 %
n O valor de medição “Redox” (900 mV) é > ao Redox ➨ “Cl
limite” = 800 mV
– então o valor de ajuste “Cl” é 100 % - (900-800) * 100 % /
100 = 0 %
n O valor de medição “Redox” (910 mV) é > ao Redox ➨ “Cl
limite” = 800 mV
– então o valor de ajuste “Cl” é 100 % - (910-800) * 100 % /
100 = 0 %
Este comportamento permite uma diminuição da
dosagem de cloro, embora, de acordo com a medição,
a componente “Cloro” na água de medição seja
demasiado baixa. No entanto, devido ao elevado
potencial Redox, continua a verificar-se um efeito
desinfectante suficiente.
153
Configurar
10
Configurar
Tanque
Ligações
RTD:
(pH)ORP:
POT1:
POT2:
(pH)ORP:
Sensores
livre
Redox-Sensor
livre
livre
Sensor pH
Vers. soft. 0967
AJUDA
OPÇÃO
Entr. de contacto
K1: Água medição
K1: Tipo: NO
Atraso= 0s
K2: Pausa/Controlo
K2: Typ: NO
Atraso= 0s
K3: Eco!Modo
K3: Tipo: NO
ID d.nó
15
N.º de série 2004106040
PAL-PA
ACT.
BUS
A0190
Fig. 82: Configurar
Os separadores dos vários módulos CAN indicam, no canto infe‐
rior esquerdo, a versão do software do módulo e, no canto inferior
direito, o número do nó CAN atribuído (ID do nó) e o número de
série (R.no. na placa de características do módulo).
–
–
–
Aceder ao ajuste da configuração
1.
Também os sensores de cloro CAN e as
bombas CAN são módulos
Os bornes não ocupados têm de ser configurados
como “ livres ”
Como auxiliar de memória, cada separador supe‐
rior, com fundo colorido, indica a atribuição dos
bornes do módulo
Retroceder com ESC
O retorno ao menu anterior é possível com a
tecla ESC.
O acesso ao ajuste do controlo é efectuado através do item
de menu central
2.
Prima a tecla F4 (CONFIG)
3.
Seleccione a variável de medição desejada com as teclas de
seta horizontais
4.
Accione a tecla ENTER
ð Encontra-se agora na área ajustável do controlo.
5.
Seleccione o parâmetro desejado com as teclas de seta ver‐
ticais/horizontais
ð o parâmetro seleccionado apresenta fundo preto
154
6.
Accione a tecla ENTER
7.
Ajuste o parâmetro com as teclas de seta verticais ou hori‐
zontais
8.
Mova o cursor para a esquerda ou direita com as teclas de
seta horizontais
9.
Conclua a introdução com a tecla ENTER
Configurar
10.
Fechar o separador sem gravar: premir a tecla ESC.
Fechar o separador e gravar: premir F5, quando surgir
[GUARDAR]. Confirme a pergunta [Gravar realmente?] com
a tecla ENTER.
10.1
Configurar o módulo DXMaM
Módulo M (módulo de medição)
Tanque
Ligações
RTD:
(pH)ORP:
POT1:
POT2:
(pH)ORP:
Sensores
Pt1000/100
Redox-Sensor
livre
livre
Sensor pH
Entr. de contacto
K1: Água medição
K1: Tipo: NO
Atraso= 0s
K2: Pausa/Controlo
K2: Tipo: NO
Atraso= 0s
K3: Eco!Modo
K3: Tipo: NO
Eco!Modo
CONFIG
PREDEF. GUARDAR
Fig. 83: Módulo M (módulo de medição)
Ligações Sensores
Bornes/Variáveis ajustáveis
Incremento
Observação
RTD (temperatura)
PT1000/PT100
PT1000/PT100 (autodetecção) se não for
utilizado qualquer sensor de cloro
livre
não ocupado
(pH) ORP
POT1
POT2
Redox-Sensor
livre
não ocupado
Potencial líq.*
Para [(pH) ORP]
livre
não ocupado
Potencial líq.*
Para [(pH) ORP]
livre
não ocupado
* Para pino de ligação equipotencial. Não ligar à terra! Sem necessidade de ponte.
155
Configurar
Bornes/Variáveis ajustáveis
Incremento
pH (ORP)
Sensor pH
livre
Observação
não ocupado
* Para pino de ligação equipotencial. Não ligar à terra! Sem necessidade de ponte.
Entradas de contacto
Bornes/Variáveis ajustáveis
Incremento
Observação
K1
Água medição
Monitorização da água de medição
K1 tipo
NC
NO
Atraso (contacto)
0 ... 3600 s
K2
NC
NO
Atraso (contacto)
0 ... 3600 s
K3
Eco!Modo
2. conjunto de parâmetros para todas as
variáveis controladas não ocupado
Super-cloração
Super-cloração &
Eco!Modo
livre
K3 tipo
NC
NO
K1 – K3 são as entradas de contacto do módulo M DXMaM (O módulo A DXMaA apresenta as mesmas
designações!).
Lavagem de retorno do filtro
Super-cloração Descrição funcional:
n A lavagem de retorno do filtro é ligada por um controlo externo
n Os circuitos de controlo de pH, cloro, Redox e floculação são
definidas para Pausa através do contacto K2 do módulo M.
“K2 ACTIVO”
n Através do contacto K3 do módulo M (este deve situar-se em
“Super-cloração” ou “Super-cloração & Eco!Modo” ), o ele‐
mento de ajuste do cloro fica obrigatoriamente “activo” se K2
e K3 estiverem ambos “activos” .
n Accionado com a introdução de uma percentagem ajustável
(0-100%) e uma duração ajustável com um limite de 1..20
minutos
n Tal aplicação apenas para a variável de ajuste do cloro - todas
as outras ficam em Pausa.
n O accionamento ocorre sem controlo e sem observação das
mensagens de erro da água de medição
n Na indicação, lê-se mensagem: “N.º tanque "n" Cloro: Super-
-cloração”
156
Configurar
n A lavagem de retorno do filtro não funciona com o módulo R
n Parar/ligar com o accionamento da tecla STOP/START, mas o
tempo da super-cloração continua a correr, independente‐
mente do accionamento da paragem. Após a ligação, o tempo
restante continua a ser doseado
Todas as mensagens são gravadas no “ficheiro de
evento” .
10.1.1
Configurar o módulo DXMaM Modo ECO
Parâmetros Modo ECO
1.
Seleccione o menu “Configuração” , ver Ä “Aceder ao ajuste
da configuração” na página 154
2.
Seleccione o menu “Configurar módulo DXMaM” , ver
Ä Capítulo 10.1 “Configurar o módulo DXMaM”
na página 155
3.
Prima no menu “Configurar módulo DXMaM” a tecla F2
[CONFIG Eco!Modo]
ð surge o seguinte ecrã:
Sistema 1
Parâmetros Modo ECO
ECO DIN:
ECO Contacto:
ECO 0-24 h:
ECO Tempo:
activo
inactivo
inactivo
activo
Diariamente
ECO Hora início:
das: 10 : 11 horas
ECO Hora de fim:
às: 12 : 10 horas
ECO demora: 02 horas
NORMA ISO
CONFIG
GUARDAR
A0614
Fig. 84: Ecrã: DXMaM Configurar Parâmetros Modo ECO
157
Configurar
4.
Seleccione aqui com as teclas de seta verticais o parâmetro
pretendido e accione a tecla ENTER
ð surge o seguinte ecrã:
Sistema 1
Parâmetros Modo ECO
ECO DIN:
ECO Contacto:
ECO 0-24 h:
ECO Tempo:
activo
inactivo
inactivo
activo
Diariamente
ECO Hora início:
das: 10 : 11 horas
ECO Hora de fim:
às: 12 : 10 horas
ECO demora: 02 horas
ECO DIN:
activo
A0617
Fig. 85: Ajustar parâmetro
5.
seleccione aqui com as teclas de seta verticais o estado pre‐
tendido, por ex. activo/inactivo, e accione a tecla ENTER
ð surge o seguinte ecrã:
Sistema 1
Parâmetros Modo ECO
ECO DIN:
ECO Contacto:
ECO 0-24 h:
ECO Tempo:
activo
inactivo
inactivo
activo
Diariamente
ECO Hora início:
das: 10 : 11 horas
ECO Hora de fim:
às: 12 : 10 horas
ECO demora: 02 horas
NORMA ISO
CONFIG
GUARDAR
A0614
Fig. 86: Ecrã: DXMaM Configurar Parâmetros Modo ECO
Pode realizar este processo para todos os parâmetros
indicados
158
Configurar
Parâmetro DIN
6.
Prima no menu Parâmetros Modo ECO a tecla
F2[ CONFIG Norma ISO]
ð surge o seguinte ecrã:
Sistema 1
Parâmetro DIN
Activar/desactivar valores DIN
pH
Redox
Cl
Cl comb.
Temp
VALORES MÍNIMOS
pH =
6,50 pH
activo
inactivo
inactivo
inactivo
inactivo
VALORES MÁXIMOS
pH =
7,60 pH
GUARDAR
A0615
Fig. 87: Ecrã: Parâmetro DIN
7.
Seleccione aqui com as teclas de seta verticais o parâmetro
pretendido e accione a tecla ENTER
ð surge o seguinte ecrã:
Sistema 1
Parâmetro DIN
Activar/desactivar valores DIN
pH
Redox
Cl
Cl comb.
Temp
VALORES MÍNIMOS
pH =
6,50 pH
pH =
06.50 pH
Área:
activo
inactivo
inactivo
inactivo
inactivo
VALORES MÁXIMOS
pH =
7,60 pH
0,00 ... 14,00 pH
A0618
Fig. 88: Ajustar parâmetro
159
Configurar
8.
seleccione aqui com as teclas de seta verticais o valor pre‐
tendido, por ex. 06.51 pH, e accione a tecla ENTER
ð surge o seguinte ecrã:
Sistema 1
Parâmetro DIN
Activar/desactivar valores DIN
pH
Redox
Cl
Cl comb.
Temp
VALORES MÍNIMOS
pH =
6,50 pH
activo
inactivo
inactivo
inactivo
inactivo
VALORES MÁXIMOS
pH =
7,60 pH
GUARDAR
A0615
Fig. 89: Ecrã: Parâmetro DIN
9.
Proceda do seguinte modo:
n Agora pode repetir este processo sempre que pretender
para os parâmetros seleccionáveis
n ou sair do menu através da tecla ESC, não sendo assu‐
midos os parâmetros ajustados
n ou prima a tecla F5 [GUARDAR], sendo assumidos os
parâmetros ajustados
F5 [GUARDAR]: Os parâmetros são escritos no controlo.
ð Após premir a tecla ESC ou F5, surge o seguinte ecrã:
Sistema 1
Parâmetros Modo ECO
ECO DIN:
ECO Contacto:
ECO 0-24 h:
ECO Tempo:
activo
inactivo
inactivo
activo
Diariamente
ECO Hora início:
das: 10 : 11 horas
ECO Hora de fim:
às: 12 : 10 horas
ECO demora: 02 horas
NORMA ISO
CONFIG
GUARDAR
A0614
Fig. 90: Ecrã: DXMaM Configurar Parâmetros Modo ECO
160
Configurar
10.
Proceda do seguinte modo:
n Agora pode repetir este processo sempre que pretender
para os parâmetros seleccionáveis
n ou sair do menu através da tecla ESC, não sendo assu‐
midos os parâmetros ajustados
n ou prima a tecla F5 [GUARDAR], sendo assumidos os
parâmetros ajustados
F5 [GUARDAR]: Os parâmetros são escritos no controlo.
ð Depois de premir as teclas ESC ou F5, encontra-se
novamente aqui Ä Capítulo 10.1 “Configurar o módulo
DXMaM” na página 155
#
Parâmetro
0
SEM ECO
1
DIN + Contacto +24 h
2
DIN + Contacto + Tempo
3
DIN + Contacto
4
DIN + Tempo
5
DIN + 24 h
6
Contacto + Tempo
7
Contacto + 24 h
8
Contacto
9
Tempo
10
24 h - não permitido
11
DIN
161
Configurar
10.2
Configurar o módulo DXMaA
Módulo A (módulo de accionamento)
Sistema
1
DXMaA
R1 R2 R3 K1 K2 K3 Iout1 Iout2 Iout3 Iout4
Ligações Bombas
Registador
R1: Bomba Redutor pH
Iout1: Valor pH
Freq. máx.
= 180 Curs/min
Iout2 :Valor Redox
K1 Temp
NO
Iout3 :Valor Cloro
R2: BombaCloro
Iout4 :Valor Cloro comb
Freq. máx.
= 180 Curs/min
K2 Tipo
NO
R3: BombaFloculação
= 180 Curs/min
Freq. máx.
Potência=
1,40 l/h
K3 Tipo
NO
Circulação
SERVIÇO CONFIG
PREDEF. GUARDAR
A0192
Fig. 91: Configurar o módulo DXMaA
Ligações Bombas:
Bornes/Variáveis ajustáveis
Incremento
Observação
R1
Bomba Redutor pH
Para entrada externa Bomba Ácido
Bomba Increm. pH
Para entrada externa Bomba Lixívia
livre
não ocupado
freq. máx.
0 ... 500 cursos
Apenas com bomba seleccionada
K1 tipo
NO
Apenas com bomba seleccionada
NC
Apenas com bomba seleccionada
livre
não ocupado
Bomba Cloro
Para entrada externa Bomba Hipoclorito de
sódio cálcio
Bomba Redutor pH
Para entrada externa Bomba Ácido
Bomba Redox
Para entrada externa
livre
não ocupado
Valor ajuste I2 mA
Se DXMaI seleccionado no bus
0 ... 500 cursos
Apenas com bomba seleccionada
NO
Apenas com bomba seleccionada
NC
Apenas com bomba seleccionada
livre
não ocupado
Bomba Floculação
Para entrada externa Bomba Agente de flo‐
culação
Bomba Cloro
Para entrada externa Bomba Hipoclorito de
sódio cálcio
Bomba Redox
Para entrada externa
R2
freq. máx.
R3
R1 – R3 são saídas de frequência; K1 – K3 são entradas de contacto. K1 – K3 são as entradas de con‐
tacto do módulo A DXMaM (O módulo M DXMaA apresenta as mesmas designações!)
162
Configurar
Bornes/Variáveis ajustáveis
Incremento
Observação
livre
não ocupado
freq. máx.
0 ... 500 cursos
Apenas com bomba seleccionada
Potência
0,10 ... 18,00 l/h
Apenas com bomba seleccionada
K3 tipo
NO
Apenas com bomba seleccionada
NC
Apenas com bomba seleccionada
R1 – R3 são saídas de frequência; K1 – K3 são entradas de contacto. K1 – K3 são as entradas de con‐
tacto do módulo A DXMaM (O módulo M DXMaA apresenta as mesmas designações!)
163
Configurar
Saídas 0/4-20 mA (saídas de sinal padrão):
Bornes/Variáveis ajustáveis
Incremento
Observação
lout1
Valor pH
para gravador
Variável aj. Redutor
pH
Variável de ajuste
Variável aj. Increm.
pH
Variável de ajuste
Variável aj. Cloração
Variável de ajuste
Variável aj. Flocu‐
lação
Variável de ajuste
Valor ajuste Redox
Variável de ajuste
Valor I2
Valor ajuste I2
Valor I3
Variável aj Cloração
Variável aj Redox
Iout2
livre
não ocupado
Valor Redox
para gravador
Variável aj. Redutor
pH
Variável de ajuste
Variável aj. Increm.
pH
Variável de ajuste
Variável aj. Cloração
Variável de ajuste
Variável aj. Flocu‐
lação
Variável de ajuste
Valor ajuste Redox
Variável de ajuste
Valor I2
Valor ajuste I2 mA
Valor I3
Variável aj Cloração
Variável aj Redox
Variável aj. Circu‐
lação
Iout3
164
livre
não ocupado
Valor Cloro
para gravador
Variável aj. Redutor
pH
Variável de ajuste
Variável aj. Increm.
pH
Variável de ajuste
Variável aj. Cloração
Variável de ajuste
Variável aj. Flocu‐
lação
Variável de ajuste
Valor ajuste Redox
Variável de ajuste
Configurar
Bornes/Variáveis ajustáveis
Incremento
Observação
Valor I2
Valor ajuste I2
Valor I3
Variável aj Cloração
Variável aj Redox
lout4
livre
não ocupado
Val. Cloro comb
para gravador "Val. Cloro comb" é a dife‐
rença dos valores de medição de CLE e
CTE
Variável aj. Redutor
pH
Variável de ajuste
Variável aj. Increm.
pH
Variável de ajuste
Variável aj. Cloração
Variável de ajuste
Valor ajuste Redox
Variável de ajuste
Valor Temperat.
para gravador: O valor da temperatura
provém do sensor de cloro ou PT1000/
PT100
Valor I2
Valor ajuste I2
Valor I3
Variável aj Cloração
Variável aj Redox
livre
10.2.1
não ocupado
Configurar o módulo DXMaP Bomba de circulação
1.
Seleccione o menu “Configuração” , ver Ä “Aceder ao ajuste
da configuração” na página 154
2.
Seleccione o menu “Configurar módulo DXMaA” , ver
Ä Capítulo 10.2 “Configurar o módulo DXMaA”
na página 162
165
Configurar
Configurar o parâmetro Bomba de cir‐
culação
3.
Prima no menu “Configurar módulo DXMaA” a tecla F3
[CONFIG Circulação]
ð surge o seguinte ecrã:
Sistema 1
Parâmetro Circulação
Área:
Valor 0/4 mA=
Valor 20 mA=
0-20 mA
0 m3/h
1000 m3/h
Pot. circulação Modo normal =
Pot. circulação Lav. retorno =
Pot. circulação Modo ECO mín =
Erro DIN-> Circulação -> 100 % :
70 %
85 %
40 %
inactivo
Redox->Circ.
(dependência)
Corr.: inactivo
Descida circulação =
Tempo descida circulação =
5%
20 s
GUARDAR
A0620
Fig. 92: Ecrã: Configurar DXMaA parâmetro circulação
4.
Seleccione aqui com as teclas de seta verticais o parâmetro
pretendido e accione a tecla ENTER
ð surge o seguinte ecrã:
Sistema 1
Parâmetro Circulação
Área:
Valor 0/4 mA=
Valor 20 mA=
0-20 mA
0 m3/h
1000 m3/h
Pot. circulação Modo normal =
Pot. circulação Lav. retorno =
Pot. circulação Modo ECO mín =
Erro DIN-> Circulação -> 100 % :
70 %
85 %
40 %
inactivo
Redox->Circ.
(dependência)
Corr.: inactivo
Descida circulação =
Tempo descida circulação =
5%
20 s
Pot. circulação Modo ECO mín =
040 %
Área:
0 .. 100 %
A0619
Fig. 93: Ajustar parâmetro
166
Configurar
5.
Seleccione aqui com as teclas de seta verticais o valor pre‐
tendido por ex. 040 % e accione a tecla ENTER
ð surge o seguinte ecrã:
Sistema 1
Parâmetro Circulação
Área:
Valor 0/4 mA=
Valor 20 mA=
0-20 mA
0 m3/h
1000 m3/h
Pot. circulação Modo normal =
Pot. circulação Lav. retorno =
Pot. circulação Modo ECO mín =
Erro DIN-> Circulação -> 100 % :
70 %
85 %
40 %
inactivo
Redox->Circ.
(dependência)
Descida circulação =
Tempo descida circulação =
Corr.: inactivo
5%
20 s
GUARDAR
A0620
Fig. 94: Ecrã: Configurar DXMaA parâmetro circulação
Pode realizar este processo para todos os parâmetros
indicados
167
Configurar
6.
Proceda do seguinte modo:
n Agora pode repetir este processo sempre que pretender
para os parâmetros seleccionáveis
n ou sair do menu através da tecla ESC, não sendo assu‐
midos os parâmetros ajustados
n ou prima a tecla F5 [GUARDAR], sendo assumidos os
parâmetros ajustados
F5 [GUARDAR]: Os parâmetros são escritos no controlo.
ð Após premir a tecla ESC ou F5, surge o seguinte ecrã:
Sistema
1
DXMaA
R1 R2 R3 K1 K2 K3 Iout1 Iout2 Iout3 Iout4
Ligações Bombas
Registador
R1: Bomba Redutor pH
Iout1: Valor pH
Freq. máx.
= 180 Curs/min
Iout2 :Valor Redox
K1 Temp
NO
Iout3 :Valor Cloro
R2: BombaCloro
Iout4 :Valor Cloro comb
Freq. máx.
= 180 Curs/min
K2 Tipo
NO
R3: BombaFloculação
= 180 Curs/min
Freq. máx.
Potência=
1,40 l/h
K3 Tipo
NO
Circulação
SERVIÇO CONFIG
PREDEF. GUARDAR
A0192
Fig. 95: Configurar o módulo DXMaA
Valores de ajuste permitidos
Parâmetro
Ajuste de fábrica
Valor possível
Área
4-20 mA
0-20 mA / 4-20 mA
Valor 0/4 mA
0 m3/h
0 ... 9.999 m3/h
Valor 20 mA
1.000 m3/h
0 ... 9.999 m3/h
Pot. circulação Modo normal
70 %
0 % ... 100 %
Pot. circulação Lav. retorno
85 %
0 % ... 100 %
Pot. circulação Lav. retorno
40 %
0 % ... 100 %
Erro DIN Circulação
inactivo
activo / inactivo
Redox Circulação
inactivo
activo / inactivo
Descida circulação
5%
0 % ... 100 %
Tempo descida circulação
20 s
0 ... 9999 s
168
Configurar
10.3
Configurar o módulo DXMaP
Módulo P (módulo da unidade de ali‐
mentação eléctrica)
Tanque 1
P
DXMaP
P1
P1: Alarme Buzina
P2: MLP Redutor pH
P3: MLP Cloro
P4: Activação UV
L
N
PE
Saídas do relé
P2 P3 P4
Tempo do ciclo=
Tempo lig. mín.=
Tempo do ciclo=
Tempo lig. mín.=
10,0 s
1,0 s
10,0 s
1,0 s
PREDEF. GUARDAR
A0193
Fig. 96: Configurar o módulo DXMaP
Abrir e fechar sempre em conjunto os relés de
potência P1 (alarme) de todos os módulos P.
Ligações Bombas:
Bornes/Variáveis ajustáveis
Incremento
P1
Buzina de alarme
P2
MLP Redutor pH
Válvula solenóide ou activação bomba
(ácido)
MLP Increm. pH
Válvula solenóide ou activação bomba
(lixívia)
livre
não ocupado
MLP Increm. pH
Válvula solenóide ou activação bomba
(lixívia)
MLP Cloro
Válvula solenóide ou activação bomba
(hipoclorito de sódio cálcio)
MLP Redox
Válvula solenóide ou activação bomba
MLP Redutor pH
Válvula solenóide ou activação bomba
(ácido)
P3
Observação
MLP I2 mA
Lavagem de retorno
P4
livre
não ocupado
Activação UV
desbloqueia o bloqueio
MLP Cloro
Válvula solenóide ou activação bomba
(hipoclorito de sódio cálcio)
No accionamento de válvulas solenóides (MLP = modulação por largura de pulso), devem ser observados
os tempos do ciclo.
169
Configurar
Bornes/Variáveis ajustáveis
Incremento
Observação
MLP Redox
Válvula solenóide ou activação bomba
Activação Aqueci‐
mento
livre
Tempo do ciclo
0,0..999,0 s
tempo ligação mín.
0,0...500,0 s
não ocupado
No accionamento de válvulas solenóides (MLP = modulação por largura de pulso), devem ser observados
os tempos do ciclo.
Relé da válvula magnética
Ciclo
t on
Electroválvula
on
Tempo min
deslig.
t
Valor comando: 80 %
t on
= 0,80
Ciclo
t
Valor comando: 50 %
t on
= 0,50
Ciclo
Ciclo
t on
on
deslig.
A0025
Fig. 97: Válvulas solenóides
Os tempos de comutação do DXCa (válvula magnética) dependem
da variável de ajuste e do “tempo mín.” (duração de funciona‐
mento mínima permitida do aparelho ligado). A variável de ajuste
determina a relação ton/ciclo e, deste modo, os tempos de comu‐
tação (ver Fig. 97). O “tempo mín.” influencia os tempos de comu‐
tação em duas situações:
tempo de comutação teórico < tempo
mín.
Ciclo
Ciclo
Ciclo
Tempo min
on
teórico
deslig.
Ciclo
Ciclo
Ciclo
t
Tempo min
on
real
deslig.
t
A0026
Fig. 98: tempo de comutação teórico < tempo mín.
O DXCa não liga os ciclos enquanto a soma dos tempos de comu‐
tação teóricos exceder o “tempo mín.” Este liga pelo período da
soma de tempos.
170
Configurar
tempo de comutação teórico > (ciclo tempo mín.) e tempo de comutação
calculado < ciclo
Ciclo
Ciclo
Ciclo
Tempo min
on
teórico
deslig.
Ciclo
Ciclo
t
Ciclo
Tempo min
on
real
deslig.
t
A0027
Fig. 99: tempo de comutação teórico > (ciclo - tempo mín.) e tempo de comutação calculado < ciclo
O DXCa não liga os ciclos enquanto as diferenças entre o ciclo e o
tempo de comutação teórico exceder o “tempo mín.”
10.4
Configurar o módulo de cloro livre
Sensor CLE
O sensor de cloro para cloro livre CLE3, a partir da
versão 3014 do software, pode ser ajustado para uma
gama de medição de até 100 ppm. O ajuste da gama
de medição de origem é de até 10 ppm.
ATENÇÃO
Perigo de sobredosagem
Consequência possível: morte ou ferimentos muito
graves.
Medida: se a gama de medição elevada for activada
ou desactivada, os parâmetros de controlo e os limites
de alarme têm de ser ajustados às circunstâncias alte‐
radas.
Tanque
M A P Cl Cl R
livre
l
P3
Gama med. elevada: inactivo
Após a activ./desact. da gama de medição elevada,
reajustar todos os parâmetros (alarmes, controlo)
Vers. soft. 0967
AJUDA
INÍCIO
ID d.nó
15
N.º de série 2004106040
PAL-PA
ACT.
BUS
A0194
Fig. 100: Módulo Cl livre
171
Configurar
O separador indica apenas a versão do software, o número do nó
CAN (ID do nó) e o número de série (R.no. na placa de caracterís‐
ticas do módulo), dado não ser necessário configurar a ligação
CAN do sensor de cloro.
10.5
Configurar o módulo de cloro total
Sensor CTE
Tanque
total
Indicação:
Cl total:
CL comb.:
INÍCIO
inactivo
activo
ID d.nó
15
N.º de série 2004106040
Vers. soft. 0967
AJUDA
l
P3
M A P Cl Cl R
PAL-PA
ACT.
BUS
A0195
Fig. 101: Configurar o módulo de cloro total
O separador indica apenas a versão do software, o número do nó
CAN (ID do nó) e o número de série (R.no. na placa de caracterís‐
ticas do módulo). Além disso, é possível ajustar em [Indicação]
que concentrações de cloro do DXCa devem ser exibidas.
Variável ajustável
Incremento
Cl total
inactivo
activo
CL combinado
inactivo
activo
172
Observação
Configurar
10.6
Configurar o módulo de cloro
Sensor CGE
Tanque
M A P Cl Cl R
Vers. soft. 0967
AJUDA
INÍCIO
l
P3
ID d.nó
15
N.º de série 2004106040
PAL-PA
ACT.
BUS
A0196
Fig. 102: Configurar o módulo de cloro
O separador indica apenas a versão do software, o número do nó
CAN (ID do nó) e o número de série (R.no. na placa de caracterís‐
ticas do módulo), dado não ser necessário configurar a ligação
CAN do sensor de cloro.
173
Configurar
10.7
Módulo R (módulo de accionamento para aparelho de dosagem de gás
cloro)
Módulo DXMaR
Fechar
Controlo:
Fechada Aberta
Posição
Abrir
Controlo Cloro
Fechada
Posição
A0197
Fig. 103: Módulo R (módulo de accionamento para aparelho de
dosagem de gás cloro)
Variável ajustável
Incremento
Controlo
Controlo Cloro
Observação
Controlo Redox
Mensagem de erro no Dulcomarin Causa
II
Resolução
Ponto de calibração superior ultra‐ O interruptor de came superior
passado
não foi accionado
Verificar o sistema mecânico do
aparelho de dosagem de gás
cloro
Ponto de calibração inferior ultra‐
passado
O interruptor de came inferior não
foi accionado
Verificar o sistema mecânico do
aparelho de dosagem de gás
cloro
Potenciómetro não ligado
Nenhuma resposta de posição
para o módulo R
Verificar se a cablagem do poten‐
ciómetro do aparelho de dosagem
de gás cloro e do módulo R está
correctamente ligada
Sentido de rotação incorrecto
O sentido de rotação do motor
Verificar se a cablagem do poten‐
não está de acordo com o sentido ciómetro e do accionamento do
de rotação do potenciómetro
relé no aparelho de dosagem de
gás cloro e do módulo R está cor‐
rectamente ligada
Posição não atingida
O aparelho de dosagem de gás
cloro não atinge a posição calcu‐
lada
Alimentação de tensão interrom‐
pida, verificar a cablagem, folga
do sistema mecânico demasiado
grande
Comunicação Tempo limite
O módulo M não responde dentro
da janela de tempo permitida
O módulo não respondeu, veri‐
ficar a cablagem BUS
Limite inferior demasiado baixo
O interruptor de came não foi
accionado
Verificar o sistema mecânico, fixar
o came
174
Configurar
Mensagem de erro no Dulcomarin Causa
II
Resolução
Limite superior demasiado ele‐
vado
O interruptor de came não foi
accionado
Verificar o sistema mecânico, fixar
o came
Processos de calibração irregu‐
lares
Verificam-se diferenças no
período de funcionamento entre
os dois processos de calibração
Verificar o sistema mecânico, se
necessário, substituí-lo
Pontos de calibração fora da área
admissível
Ponto inferior < 2 %, superior > 98 Ajustar o came do interruptor de
%
fim de curso
175
Configurar
10.8
Configurar o módulo P1 (módulo das bombas de dosagem)
CAN-Beta®
Bomba de dosagem Bus
BombaCloro
Código
de identificação:
PREDEF. GUARDAR
A0198
Fig. 104: Configurar o módulo P1 (módulo das bombas de
dosagem)
Utilização de bomba
Variáveis ajustáveis
Incremento
Observação
P1
Bomba Redutor pH
para ácido
Bomba Cloro
Bomba Floculação
Bomba Increm. pH
para lixívia
Bomba Redox
Bomba CloroBomba Standby Cloro
apenas com módulo I e sensor de cloro
Bomba NH4OH
apenas com módulo I e sensor de cloro
Bomba RedoxBomba I2
Bomba F-
apenas se ajustada no módulo I
Bomba ClO2
apenas se ajustada no módulo I, sem sensor de cloro
Bomba H2O2
apenas se ajustada no módulo I, sem sensor de cloro
livre
No caso de várias bombas no bus CAN, surge para cada bomba um separador: P1, P2 e P3.
O separador indica ainda os valores momentâneos das seguintes variáveis:
Variáveis
Incremento
Observação
Potência da bomba
0 ... 100 %
Indicação da potência momentânea e relativa da
bomba
Comprimento do curso
0 ... 100 %
abaixo de 30 %, a precisão de dosagem diminui
176
Configurar
Variáveis
Incremento
Observação
Nível de enchimento
> 10 %
Nível de enchimento OK
< 10 %
Preparar a substituição do recipiente
Recipiente vazio
Substituir o recipiente
Potência
Estado da bomba
Potência de dosagem máxima calculada do tipo de
bomba, com o comprimento do curso ajustado, 100
% de frequência do curso e 1,5 bar
DESLIG
Interruptor multifunções da Beta em STOP
LIGADO
Interruptor multifunções da Beta não está em STOP
Bus
Interruptor multifunções da Beta em BUS
Manual
Interruptor multifunções da Beta não está em BUS
Calibrar bomba !
Calibração OK !
Também nas unidades com apenas um tanque, as bombas CAN
têm de ser atribuídas a este tanque. Nos diferentes Beta/4-CANopen, as curvas da potência de dosagem estão definidas
para cada comprimento do curso com uma pressão de retorno
constante de 1,5 bar. Se o comprimento do curso da Beta for alte‐
rado em mais de ±10 %, o DXCa emite um alarme e surge uma
mensagem no ecrã. No entanto, a bomba continua a funcionar.
Após a gravação das definições (calibração), a mensagem desa‐
parece e o DXCa adapta a potência da bomba de acordo com a
nova curva de potência de dosagem.
Bomba Standby Cloro
O DXCa pode controlar até 4 bombas de dosagem com a ligação
de Bus CAN. É possível configurar uma bomba de dosagem para
cloro juntamente com a bomba principal de cloro como bomba
Standby.
Neste caso, o gravador de monitor tem de estar activado e inse‐
rido um cartão SD, pois aquele grava os estados de funciona‐
mento no ficheiro de evento do cartão SD (ver Manual comple‐
mentar Gravador de monitor).
As seguintes circunstâncias resultam na comutação para a bomba
Standby:
n Avaria da bomba principal de cloro
n A reserva de produtos químicos da bomba principal de cloro
encontra-se vazia
n A bomba principal foi ajustada para “Stop” no interruptor multi‐
funções
Uma falha de corrente ou a desconexão da ligação de Bus à
bomba principal, por outro lado, não resulta na comutação para a
bomba Standby.
Bomba NH4OH
Se as bombas CAN estiverem configuradas para o controlo de
cloro, também pode ser configurada uma bomba através de
"Bomba NH4OH" para a aplicação de cloramina. Para tal, esta
doseia, paralelamente à solução de cloro, uma solução de amónio.
Para uma estequiometria correcta, a concentração da solução de
amónio e o comprimento do curso da bomba de amónio têm de
ser ajustados à concentração de cloro na água processada.
177
Configurar
10.9
Configurar o módulo G (módulo do valor limite)
Módulo DXMaG
Saídas do relé
Fontes de alarme Relé1
Água medição
pHmín.
pHmáx.
Clmín
Clmáx
livre
livre
Atraso=30 min
ipo: predef. inactivo
Fontes de alarme Relé2
Tanque
livre
livre
livre
livre
livre
livre
Atraso= 0 min
ipo: predef. inactivo
A0199
Fig. 105: Configurar o módulo G (módulo do valor limite)
Variáveis
Incremento
Observação
Fontes de alarme
Tanque
Com “Tanque” é possível seleccionar todas as fontes
de alarme. Apenas com fonte de alarme 1
Água medição
Monitorização da água de medição
pH mín
pH máx
Cl mín
Cl máx
I1 mín
I1 máx
I2 mín
I2 máx
I3 mín
I3 máx
livre
Atraso (erro)
0 ... 999 min
P1 Tipo
predef. inactivo
(NO)
Relé de potência P1 de todos
predef. activo (NC)
Módulos P
predef. inactivo
(NO)
Relé de potência P2 de todos
predef. activo (NC)
Módulos P
P2 Tipo
É possível seleccionar até 7 fontes de alarme por relé de potência (as fontes de alarme ficam ligadas com
OU.).
178
Configurar
10.10 Configurar o módulo I (módulo de entrada de corrente)
Módulo DXMaI
Tanque
XE2
123
+24V IN GND
XE1
12
IN GND
Débito
EDIT 1111
Temp
K1:
K1 Tipo:
0-20mA
4-20mA
4-20mA
Água medição
NO
Vers. soft. 0967
AJUDA
OPÇÃO
XE3
123
+24V IN GND
0,0 - 100,0 m3/h
0,00 - 27,0 xyz
0,0 - 100,0 °C
K2:
K2 Tipo:
livre
NO
ID do nó
15
N.º de série 2004106040
PAL-PA
ACT.
BUS
A0269
Fig. 106: Ajustar Débito
Variáveis ajustáveis
Incremento
Observação
Variável de medição
Água medição
apenas no K1
Pausa
apenas no K2
Débito Q
apenas no “ I in 1” ; pode ser utilizada para variáveis
de medição no “I in 2” como variável de interferência
Turvamento
apenas no “ I in 1” ou “ I in 3”
Condutibilidade
apenas no “I in 2”
F-
apenas no “I in 2”
O2
apenas no “I in 2”
ClO2-
apenas no “ I in 2” ou “ I in 3”
H2O2
apenas no “I in 2”
UV
apenas no “I in 3”
Temp.
apenas no “I in 3”
PES
apenas no “ I in 3” ; ácido paracético
Área
0-20 mA
4-20 mA
Unidade/Variáveis ajustá‐
veis
Incremento
Débito Q
m3/h
Observação
l/h
Turvamento
NTU
FNU
FTU
179
Configurar
Unidade/Variáveis ajustá‐
veis
Incremento
Observação
FAU
EBC
Condutibilidade
μS/cm
mS/cm
S/cm
UV
W/m2
mW/cm2
Outras
mg/l
Para F-, O2, ClO2, ClO2 -, H2O2, PES
ppm
Variáveis ajustá‐
veis
Casas decimais
Incremento
Amplitude de valores para
0/4 mA
20 mA
0
0...9000
0...9999
1
0...900,0
0...999,9
2
0...90,00
0...99,99
3
0...9,000
0...9,999
Unidade/Variáveis ajustá‐
veis
Incremento
Observação
Valor 0/4 mA
0...9999
com 0 casas decimais
0...999,9
com 1 casas decimais
0...99,99
com 2 casas decimais
0...9,999
com 3 casas decimais
0...9999
com 0 casas decimais
0...999,9
com 1 casas decimais
0...99,99
com 2 casas decimais
0...9,999
com 3 casas decimais
Valor 20 mA
Ajustar as variáveis de medição
Com o módulo I, podem ser processados os sinais de sensores ou aparelhos que emitem um sinal padrão
mA para as seguintes variáveis de medição:
Variável de medição
Sensor ou aparelho
Fluoreto (F-)
Transdutor de medição 4-20 mA FP V1
Oxigénio dissolvido (O2)
DULCOMETER® Controlador Tipo D1C para oxigénio dissol‐
vido
Dióxido de cloro (ClO2
Sensor DULCOTEST® amperimétrico
180
Configurar
Variável de medição
Sensor ou aparelho
Clorite (ClO2 -)
Sensor DULCOTEST® amperimétrico
Amoníaco (NH3)
Transdutor de medição 4-20 mA A V1
Peróxido de hidrogénio (H2O2)
Sensor DULCOTEST® amperimétrico
Ácido paracético (PES)
Sensor DULCOTEST® amperimétrico
Condutibilidade condutiva
Transdutor de medição DMT Condutibilidade
Temperatura
Transdutor de medição 4-20 mA Pt 100 V1
Débito
Aparelho de outro fabricante adequado
Intensidade UV (UV)
Aparelho de outro fabricante adequado
Turvamento
Aparelho de outro fabricante adequado
Indicações e valores limite
Os sinais são exibidos e podem ser monitorizados através dos
valores limite (PARÂM - AL).
Compensação da temperatura
No caso de fluoreto, é possível seleccionar uma compensação da
temperatura em PARÂM - MED. Para tal, é necessário ligar na
entrada “ I in 3” um sensor de temperatura.
Configurar
As variáveis de medição aqui seleccionáveis estão distribuídas por
3 linhas, podendo ser seleccionadas com as teclas de seta. Tem
de ligar os sensores das variáveis de medição da linha 1 ao borne
XE1, os sensores das variáveis de medição da linha 2 ao borne
XE2 ... .
Configurar um sensor ou um apa‐
relho:
1.
Seleccione a linha correcta de acordo com o borne (teclas de
seta PARA CIMA/BAIXO; para KE1 - linha 1, ... ) e prima a
tecla ENTER
ð surge uma indicação para a selecção da variável de
medição
2.
Prima a tecla ENTER
3.
Seleccione a variável de medição correcta e prima a tecla
ENTER
4.
Assuma o ajuste com F5 ASSUM
ð Surge uma barra de progresso. Para a nova variável de
medição foram carregados agora pré-ajustes. Alterar
parâmetros da configuração eventualmente determi‐
nados:
5.
Seleccione em “Área” a área correcta do sinal padrão
6.
Seleccione com a tecla PARA A DIREITA o bloco de parâ‐
metros seguinte
7.
Seleccione em “Unidade” a unidade correcta
8.
Seleccione em “Casas decimais” o número desejado de
casas decimais após a vírgula que deverá ser exibido
9.
Seleccione com a tecla PARA A DIREITA o bloco de parâ‐
metros seguinte
10.
Ajuste em “0/4 mA” o valor zero da variável de medição cor‐
recto
11.
Ajuste em “20 mA” o valor máximo da variável de medição
correcto
181
Configurar
12.
Grave todos os ajustes com F5 GUARDAR
13.
Prima a tecla ENTER na caixa de diálogo seguinte para
14.
Verifique se no menu PARÂM ainda é necessário adaptar
parâmetros, tais como alarmes ou uma compensação da
temperatura
“Sim”
ð Agora terá de calibrar a nova variável de medição.
Editar a designação das entradas mA
Sistema
Entrada 0/4-20 mA
XE2
123
+24V IN GND
Variável de med.:
EDIT
Nome Var. de medição:1111
Nome unidade:
xyz
Edite a designação da variável de medição
e da unidade!
ASSUM.
A0334
Fig. 107: Editar a designação das entradas mA
A designação das três entradas mA indicadas no ecrã pode ser
editada.
Unidade/Variáveis ajustá‐
veis
Incremento
Variável de medição
EDIT
Observação
sem sensor
F-
Fluoreto (F-)
O2
Oxigénio dissolvido (O2)
ClO2
Dióxido de cloro (ClO2
ClO2-
Clorite (ClO2 -)
H2O2
Peróxido de hidrogénio (H2O2)
NH3
Amoníaco (NH3)
Nome Variável de medição
de edição livre em
4 posições
Estão disponíveis todos os algarismos, letras e carac‐
teres especiais
Nome Unidade
de edição livre em
4 posições
Estão disponíveis todos os algarismos, letras e carac‐
teres especiais
182
Manutenção
11
Manutenção
Trabalhos de manutenção DXCa
Temporizador de manutenção
O DXCa possui um temporizador de manutenção.
Este indica no ecrã os trabalhos de manutenção
necessários.
São indicados também os dados de contacto do téc‐
nico responsável.
INFO Temp. manutenção Lembrete
Manutenção necess. !
Dados de contacto:
Empresa:
Musterfrima GmbH & Co. KGaA
Nome:
Musti Mustermann
Telefone fixo:
+49 0 6221 XXXXXXX
Telemóvel:
+49 0 177 XXXXXXX
F1 confirmar serviço !
ESC relembrar
A0263
Fig. 108: INFO Temp. manutenção Lembrete
F1 confirmar
serviço!:
Confirma o serviço efectuado e repõe, assim, o
temporizador de manutenção (palavra-passe
necessária)
ESC relembrar: Oculta a mensagem. A mensagem surge nova‐
mente passada uma semana
11.1
Configurar o temporizador de manutenção
PLOT WEB
SRV
Temporiz. manutenção

Empresa:
Musterfirma GmbH & Co. KGaA
Nome:
Musti Mustermann
Telefone fixo:
+49 0 6221 XXXXXXX
Telemóvel:
+49 0 177 XXXXXXX
Intervalo:
12 meses
Última manutenção a 30.02.2009
0
Válido para todo o sistema.
SomDesl
RESET
RESTART
A0262
Fig. 109: Configurar o temporizador de manutenção
Ajustar o temporizador de manu‐
tenção
1.
Prima no item de menu central a tecla F4 (CONFIG)
ð Surge o menu de configuração
183
Manutenção
2.
Prima a tecla F2 (OPÇÃO)
ð Surge o menu de opção
3.
Seleccione o separador [SRV] com as teclas de seta hori‐
zontais
4.
Prima a tecla ENTER
5.
Introduza a palavra-passe [MP Instalação]
ð Surge o ecrã com os parâmetros ajustáveis.
6.
Seleccione com as teclas de seta horizontais o parâmetro a
alterar
ð o parâmetro seleccionado apresenta fundo preto.
7.
Prima a tecla ENTER
SRV
Temporiz. manutenção
Empresa:
Nome:
Telefone fixo:
Telemóvel:
Intervalo:

Musterfirma GmbH & Co. KGaA
Musti Mustermann
+49 0 6221 XXXXXXX
+49 0 177 XXXXXXX
12 meses
Empresa:
Musterfirma GmbH & Co. KGaA
A0268
Fig. 110: Temporizador de manutenção Ecrã de alteração
8.
No canto inferior esquerdo do display surge o parâmetro a
alterar
9.
Ajuste o parâmetro com as teclas de seta horizontais e verti‐
cais
ð Confirme as alterações com a tecla ENTER
10.
Repita o processo a partir do ponto 6 até que todos os parâ‐
metros em questão estejam alterados
11.
Prima a tecla F5 (GUARDAR) para gravar as alterações
12.
Com a tecla ESC pode regressar ao item de menu central
Variável ajustável
Incremento
Observação
Intervalo
Inactivo
Desliga o tempori‐
zador de manu‐
tenção
1 mês
3 meses
6 meses
9 meses
12 meses
184
Eliminação de erros
12
Eliminação de erros
O número da mensagem de erro indica, no Dulco-Net,
o número do tanque (número do sistema) do respec‐
tivo tanque (sistema).
Com F4 (MED) pode consultar o valor pH, a corrente
do sensor e a temperatura no momento em que a
tecla é premida.
Se, na calibração de um sensor de cloro, surgir uma
mensagem de erro, pode aceder com F3 INFO a
dados mais detalhados. Estes dados são também
úteis no caso de consultar a Assistência Técnica.
Mensagens de erro Item de menu central e resolução
Mensagens de erro
Reacção DXCa e resolução
Erro Água medição
Dosagem para carga base, valores de medição incorrectos, verificar
o débito da água de medição
Sensor pH danificado
Dosagem para carga base, valores de medição incorrectos, substi‐
tuir o sensor
Valor pH demasiado baixo
Dosagem para carga base, identificar a causa, se necessário,
comutar para a dosagem manual
Valor pH demasiado alto
Dosagem para carga base, identificar a causa, se necessário,
comutar para a dosagem manual
Entrada pH ligada em curto-circuito
Dosagem para carga base, valores de medição incorrectos, identi‐
ficar a causa (ligação incorrecta)
Sensor de pH não ligado
Dosagem para carga base, valor de medição incorrecto, identificar a
causa (ligação incorrecta)
Erro Bomba Redutor pH
Verificar o recipiente, verificar a bomba, ventilar, valor de medição
OK
Redutor pH Recipiente vazio
Substituir o recipiente, ventilar, valor de medição OK
Erro Bomba Increm. pH
Verificar o recipiente, verificar a bomba, ventilar, valor de medição
OK
Increm. pH Recipiente vazio
Substituir o recipiente, ventilar, valor de medição OK
Sensor Redox danificado
Valor de medição incorrecto, dosagem para carga base (se controlo
Redox activo)
Valor Redox demasiado baixo
Valor de medição incorrecto, dosagem para carga base (se controlo
Redox activo)
Valor Redox demasiado alto
Valor de medição incorrecto, dosagem para carga base (se controlo
Redox activo)
Entrada Redox ligada em curto-cir‐
cuito
Valor de medição incorrecto, dosagem para carga base (se controlo
Redox activo)
Sensor Redox não ligado
Valor de medição incorrecto, dosagem para carga base (se controlo
Redox activo)
Cloro livre CLE – sensor danificado
Valor de medição incorrecto, substituir o sensor
185
Eliminação de erros
Mensagens de erro
Reacção DXCa e resolução
Cloro livre CLE – valor demasiado
baixo
Dosagem para carga base, identificar a causa, se necessário,
comutar para a dosagem manual
Cloro livre CLE – valor demasiado
alto
Dosagem para carga base, identificar a causa, se necessário,
comutar para a dosagem manual
Cloro livre CLE – sensor não ligado
Ligar o sensor
Cloro livre CLE – valor de cor‐
recção temp em falta
Dosagem para carga base, valores de medição incorrectos, substi‐
tuir o sensor
Cloro livre CLE – valor de cor‐
recção em falta
Sem sensor de pH, comutar a correcção de pH para pH manual
Erro Bomba Cloro
Verificar o recipiente, verificar a bomba, ventilar, valor de medição
OK
Recipiente de cloro vazio
Substituir o recipiente, ventilar, valor de medição OK
Cloro total Sensor CTE danificado
Valor de medição incorrecto, substituir o sensor
Cloro combinado – valor demasiado Recalibrar os sensores de cloro
baixo
Cloro combinado – valor demasiado Necessário o fornecimento de água fresca
alto
Cloro total CTE – valor de cor‐
recção temp em falta
Valor de medição incorrecto, substituir o sensor
Cloro total CTE – valor de cor‐
recção pH em falta
sem sensor de pH, comutar a correcção de pH para manual
Cloro total CTE – sensor não ligado Ligar o sensor
Temperatura – sensor danificado
Valor de medição incorrecto, substituir PT1000 (100)
Temperatura – valor demasiado
baixo
Identificar a causa
Temperatura – valor demasiado
alto
Identificar a causa
Temperatura – entrada ligada em
curto-circuito
Valor de medição incorrecto, identificar a causa (ligação incorrecta)
Temperatura – sensor não ligado
Valor de medição incorrecto, identificar a causa (ligação incorrecta)
Erro Bomba Agente de floculação
Verificar o recipiente, verificar a bomba, ventilar
Recipiente de agente de floculação
vazio
Substituir o recipiente, ventilar
Módulo erro de bus DXMaM
Informar o serviço de assistência ao cliente
Módulo erro de bus DXMaA
Informar o serviço de assistência ao cliente
Módulo erro de bus DXMaP
Informar o serviço de assistência ao cliente
Cloro livre CLE – erro de bus da
sonda
Informar o serviço de assistência ao cliente
Cloro total CLE – erro de bus da
sonda
Informar o serviço de assistência ao cliente
Bomba MANUAL
Manual não permitido. Bomba parada (desligado do bus, continua a
funcionar)
Bomba STOP
Manual não permitido. Bomba parada
Bomba TESTE
Manual não permitido. Bomba em funcionamento
186
Eliminação de erros
Mensagens de erro
Reacção DXCa e resolução
Bomba Comprimentos do curso
Ajuste
Comprimento do curso ajustado >10 %
Motor de ajuste não operacional
Carga base? Ver ainda "Erro específico..." Ä “Erros específicos do
motor de ajuste do separador "Erros na operação"” Quadro
na página 187
Mensagens de erro nos campos da variável de medição e resolução
Mensagens de erro
Reacção DXCa e resolução
Erro do sensor
Identificar a causa, se necessário, substituir o sensor
Calibrar sensor
Calibrar sensor
Eliminação de erros do motor de
ajuste
Anote os valores de calibração do motor de ajuste
antes de contactar o serviço de assistência da ProMi‐
nent: prima no separador “módulo R” a tecla F1
(AJUDA) - surge a tabela com os valores de cali‐
bração
1.
Se na indicação contínua surgir a mensagem de erro “ Motor
de ajuste: não operacional” , premir no separador módulo R a
tecla F4 (ERRO)
ð surge o separador “Erros na operação” .
2.
Anote a mensagem de erro específica para o motor de ajuste
3.
Eliminar o erro de acordo com Ä “Erros específicos do motor
4.
Prima a tecla F2 (RESET) para sair do menu e confirmar o
erro
de ajuste do separador "Erros na operação"” Quadro
na página 187.
Erros específicos do motor de ajuste do separador "Erros na operação"
Mensagem de erro
Causa
Resolução
Ponto de calibração superior ultra‐ O interruptor de came superior
passado
não disparou
Verificar o sistema mecânico do
aparelho de dosagem de gás
cloro
Ponto de calibração inferior ultra‐
passado
O interruptor de came inferior não
disparou
Verificar o sistema mecânico do
aparelho de dosagem de gás
cloro
Potenciómetro não ligado
Nenhuma resposta de posição
para o módulo R
Verificar se a cablagem do poten‐
ciómetro do aparelho de dosagem
de gás cloro e do módulo R está
correctamente ligada
Sentido de rotação incorrecto
O sentido de rotação do motor de
ajuste não está de acordo com o
sentido de rotação do potenció‐
metro
Verificar se a cablagem do poten‐
ciómetro e do accionamento do
relé no aparelho de dosagem de
gás cloro e do módulo R está cor‐
rectamente ligada
187
Eliminação de erros
Mensagem de erro
Causa
Resolução
Posição não atingida
O motor de ajuste não atinge a
posição calculada
Alimentação de tensão interrom‐
pida, verificar a cablagem, folga
do sistema mecânico demasiado
grande
Comunicação Tempo limite
O módulo R não responde dentro
da janela de tempo permitida
Verificar a ligação BUS Módulo M
Heartbeat Tempo limite
Módulo ligado incorrectamente
Verificar a cablagem BUS
Limite inferior demasiado baixo
O interruptor de came não dis‐
parou
Verificar o sistema mecânico, fixar
o came
Limite superior demasiado ele‐
vado
O interruptor de came não dis‐
parou
Verificar o sistema mecânico, fixar
o came
Processos de calibração irregu‐
lares
Verificam-se diferenças no
período de funcionamento entre
os dois processos de calibração
Verificar o sistema mecânico, se
necessário, substituí-lo
Motor demasiado rápido
O potenciómetro ou o sistema
mecânico saltam
O potenciómetro ou o sistema
mecânico saltam
Características de dosagem com diferentes estados do controlador
man.
STOP
START
Parâ‐
metro
Água de
medição
Menu
Erro
Contacto
de pausa
Valor de
medição
Indicação
man.
man.
Variável
de ajuste
Obser‐
vação
Erro
Controlo:
DESLIG
Contro‐
lador
60 %
X
man.
0%
para
todas as
variáveis
de
medição
do tanque
indicado
0%
para uma
variável
de
medição
DESLIG
X
man.
DESLIG
X
man.
0%
DESLIG
Men‐
sagem de
erro
X
man.
0%
Pausa
X
man.
10%
188
Carga
base
ajustável
Eliminação de erros
man.
STOP
START
Parâ‐
metro
Água de
medição
Menu
Erro
Contacto
de pausa
Valor de
medição
Indicação
man.
Obser‐
vação
Dosagem
man.
valor
ajustado
ajustável
0%
para
todas as
variáveis
de
medição
do tanque
indicado
0%
para uma
variável
de
medição
Erro
Controlo:
DESLIG
Manual
20 %
X
Dosagem
man.
DESLIG
X
Dosagem
man.
DESLIG
X
Dosagem
man.
0%
DESLIG
Men‐
sagem de
erro
X
X
Dosagem
man.
0%
Dosagem
man.
valor
ajustado
ajustável
LED esquerdo (Device LED)
Cor
Código de inter‐
mitência
Causa
Consequência
Resolução
vermelho
aceso
arbitrário
aviso ou mensa‐
gens de erro
confirmadas
eliminação de erros,Ä Capí‐
tulo 12 “Eliminação de erros”
na página 185
vermelho
intermitente
mensagem de
erro não confir‐
mada
Alarme
confirmar o alarme, elimi‐
nação de erros
verde
aceso
nenhum erro do
modo normal
aparelho existente
DXCa
-
189
Eliminação de erros
LED direito (LED CANopen)
Cor
Código de intermi‐
tência
Causa
Consequência
Resolução
verde
aceso
Estado de bus
Modo normal Bus
-
de momento, sem
transmissão do valor
de medição
aguardar breves
instantes
OPERACIONAL
verde
intermitente
Estado de bus
PRÉ-OPERACI‐
ONAL
Depois da ligação do DXCa, ignorar os códigos de intermitência
durante aprox. 2 min. Se necessário, confirmar o alarme ocorrido.
Se os LED começarem novamente do início a enviar a mesma
sequência de códigos de intermitência, o bus tem de alimentar
demasiados aparelhos. Ligue então um (outro) módulo N ou P ao
Bus (parte 1 do manual de instruções).
Informe-se junto do serviço de assistência ao cliente relativamente
aos outros códigos de intermitência.
Código de intermitência LED DXCa
(unidade central DXCa)
LED esquerdo (Device LED)
Cor
Código de intermi‐
tência
Causa
Consequência
Resolução
vermelho
aceso
Erro do sistema elec‐
trónico
Sensor danificado
Enviar o sensor ou
informar o serviço
de assistência ao
cliente
vermelho
intermitente*
Fase de arranque
Sem transmissão do
valor de medição
aguardar breves
instantes
vermelho
intermitência única**
A calibração está
incorrecta
O valor de medição
está incorrecto
recalibrar
vermelho
intermitência dupla*** 0 ppm > valor de
medição
Valor de medição
demasiado elevado /
demasiado baixo
Verificar o teor de
cloro da água de
medição
Violação do valor
limite
Identificar a causa;
se necessário, rea‐
justar os valores
> 10 ppm
Valor de medição ≠
valor limite
Não transmitir nenhum Valor de correcção
valor de correcção pH pH em falta
Verificar o parâ‐
metro e a configu‐
ração. Verificar o
sensor pH
-
verde
aceso
Nenhum erro do apa‐
relho existente
Modo normal Sensor
-
escuro
Sem tensão de ali‐
mentação
Sensor fora de funcio‐ Verificar as uniões
namento
de cabos
190
Eliminação de erros
*
**
***
A0203
Fig. 111: Código de intermitência
Código de intermitência LED DXCa
(unidade central DXCa)
LED direito (LED CANopen)
Cor
Código de intermi‐
tência
Causa
Consequência
Resolução
vermelho
arbitrário
Erro de bus
Sem transmissão do
valor de medição
Informar o serviço
de assistência ao
cliente
verde
aceso
Estado de bus
Modo normal Bus
-
De momento, sem
transmissão do valor
de medição
Erro de bus
OPERACIONAL
verde
intermitente
Estado de bus
PRÉ-OPERACIONAL
Depois da ligação do sensor, ignorar os códigos de intermitência
durante aprox. 2 min. Se necessário, confirmar o alarme ocorrido.
Se os LED começarem novamente do início a enviar a mesma
sequência de códigos de intermitência, o bus tem de alimentar
demasiados aparelhos. Ligue então um (outro) módulo N ou P ao
Bus (parte 1 do manual de instruções).
Informe-se junto do serviço de assistência ao cliente relativamente
aos outros códigos de intermitência.
LED dos módulos da unidade de ali‐
mentação eléctrica
Ambos os díodos luminosos LED 1 e LED 2 (ver Manual comple‐
mentar dos módulos da unidade de alimentação eléctrica) indicam
a carga da alimentação de tensão de 24 V para o bus CAN.
Código de intermitência LED Monitorização da unidade de alimentação eléctrica DXCa (módulo N e P)
Estado de funcio‐
namento
LED 1
LED 2
Corrente
Observação
(H2, corrente)
(H3, tensão)
Normal
escuro
verde
< 1,1 A
Tudo OK
Carga limite
vermelho
escuro
> 1,1 A
Ligar um outro
módulo da unidade
de alimentação
eléctrica
Sobrecarga/Curto-circuito
vermelho, intermi‐
tente
escuro
> 1,35 A
Verificar a
cablagem
191
Glossário
13
Glossário
Abreviaturas das variáveis téc‐
nicas de controlo:
x: variável de controlo, valor real (por ex. valor pH)
KPR: coeficiente proporcional
xp: 100 %/KPR (coeficiente proporcional recíproco)
Xmáx: valor real máximo do controlador (por ex. pH 14)
y: variável de ajuste (por ex. frequência dos impulsos da
bomba)
Yh: área de ajuste (por ex. 180 impulsos/min)
yp: variável de ajuste do controlador P [%]
w: variável de guia ou valor nominal (por ex. pH 7,2)
e: diferença de controlo, e = w-x
xw: desvio da norma, xw = x-w
TN: tempo de reajuste do controlador I [s]
TV: tempo de acção da derivação do controlador D [s]
Atraso (Alarm Limits)
Após a violação de um limite de alarme, o DXCa emite uma
mensagem de erro somente depois do atraso aqui ajustado.
Deste modo, é possível evitar que uma breve violação de
um limite de alarme accione uma mensagem de erro.
Atraso (contacto)
Assim que um contacto estiver fechado externamente numa
entrada de contacto K do módulo M, o DXCa define as
saídas de ajuste para “0” enquanto este contacto estiver
fechado e para um atraso subsequente (contacto) (se ajus‐
tado). Enquanto o contacto estiver fechado, o DXCa omite o
processamento dos erros. Assim que o contacto for aberto,
o DXCa retoma o processamento dos erros - decorrido o
atraso (contacto) (se ajustado). Após a abertura do con‐
tacto, as saídas de ajuste para a duração do atraso (con‐
tacto) permanecem em “0” . O atraso (contacto) tem de ser
ajustado de modo que, neste período de tempo, por
exemplo, a água de medição flua até ao sensor com a con‐
centração actual relativa ao processo. O atraso (contacto)
de "Pausa Controlo" tem uma prioridade superior à do
atraso (contacto) da “ água de medição” . As saídas 0/4-20
mA (saídas do sinal padrão) para o valor de medição ou
valor de correcção não são afectadas por esta função.
Atraso (erro)
Após uma violação do valor limite, o relé relativo ao mesmo
liga o módulo G somente depois do atraso aqui ajustado.
Deste modo, é possível evitar que uma breve violação do
valor limite accione uma mensagem de erro.
Calibração (ajuste do sensor)
Todos os sensores pH divergem dos valores teóricos. Deste
modo, no transdutor de medição, tem de ser efectuada uma
calibração (ajuste do ponto zero e da inclinação do sensor).
No caso de uma calibração de um ponto, esta é efectuada
com uma solução tampão de pH 7. Isto é, aqui calibra-se
apenas o ponto zero.
No caso de uma calibração de dois pontos, é necessário
escolher um segundo valor para o ajuste da inclinação: por
ex. pH 4 ou pH 10. O segundo valor está dependente da
gama de medição efectiva (alcalina ou ácida).
192
Glossário
Na tecnologia de piscinas, é suficiente efectuar o ajuste do
ponto zero (com pH 7) e controlar com uma solução tampão
de pH 4 ou pH 10 a função do sensor. Uma vez que a
medição é efectuada em torno do ponto zero, um erro ligeiro
na inclinação não tem qualquer influência.
Com o desgaste e a sujidade, a inclinação do sensor altera-se.
Código de acesso (palavra-passe)
O acesso ao aparelho pode ser ampliado gradualmente
através do ajuste de um código de acesso. Ver também:
Ä Capítulo 5.2 “Código de acesso (palavra-passe)”
na página 73
Controlo
O controlador DXCa pode ser aplicado como controlador P,
PI ou PID. Tal depende do ajuste dos parâmetros de con‐
trolo.
A variável de ajuste é calculada uma vez por segundo.
Em circuitos de controlo que necessitam de um ajuste
rápido dos desvios da norma (inferior a cerca de 30
segundos), este controlador não pode ser aplicado.
É possível desligar através da entrada de comando Pausa a
função de comando (emissão da variável de ajuste).
O cálculo da variável de ajuste tem início com a eliminação
da pausa.
Determinar o tempo de controlo
Requisito:
A unidade atingiu os valores nominais da concentração de
cloro (0,45 mg/l), bem como o valor pH.
Interromper o controlo com a tecla Start/Stop.
Aguardar até que a concentração de cloro tenha caído para
0,1 mg/l.
Reiniciar o controlo com a tecla Start/Stop.
Interromper o tempo até que o valor nominal tenha sido
novamente atingido.
Introduzir este tempo multiplicado por 1,5 como tempo de
controlo para a concentração de cloro.
Se as variáveis da bomba tiverem sido seleccionadas cor‐
rectamente, este tempo de controlo também pode ser intro‐
duzido para o valor pH.
Eco!Modo
No “Eco!Modo” , é possível comutar para activo, entretanto,
um 2.º conjunto de parâmetros para o controlo, de modo a
poupar energia. Tal pode ocorrer, por exemplo, de modo
sincronizado com a descida da potência de circulação.
Assim que um contacto na entrada de contacto K3 do
módulo M se ligar, o “Eco!Modo” fica activo ou inactivo. O
Eco!Modo está disponível com todas as variáveis de
medição do módulo M, caso sejam controladas:
pH
Redox
Cloro livre
Cloro combinado
Temperatura
Agente de floculação
Assim que o 2.º conjunto de parâmetros estiver activado, o
item de menu central exibe um identificador verde ECO.
193
Glossário
Equações do controlador:
Normal
Um valor de medição é comparado com um valor nominal.
No caso de uma diferença de controlo (diferença do valor
nominal menos o valor real), é calculada uma variável de
ajuste que contraria a diferença de controlo.
Inclinação/sensibilidade
Este valor é indicado, por exemplo, em mV/pH com 25 °C.
Pausa
Se o contacto de pausa estiver fechado, o DXCa define as
saídas de ajuste para “0” enquanto o contacto de pausa
estiver fechado. Enquanto o contacto de pausa estiver
fechado, o DXC calcula em segundo plano a componente P.
Ponto zero
Por ponto zero entende-se, por exemplo, a tensão que um
sensor pH emite com um valor pH 7. Com o desgaste e a
sujidade, o ponto zero do sensor pH altera-se.
O ponto zero dos sensores pH encontra-se teoricamente
nos 0 mV. Para um bom funcionamento do sensor, na prá‐
tica, um ponto zero entre -30 mV e +30 mV ainda é conside‐
rado aceitável. Os sensores novos têm um desvio do ponto
zero de, no máx., ±30 mV.
Tempo de controlo
CUIDADO: Não confundir a função “Tempo de controlo
Controlo” com a “Tempo de controlo Valor de medição” do
DULCOMETER® D1C!
A função “Tempo de controlo Controlo” proporciona uma
protecção contra a sobredosagem. Após a expiração do
tempo de controlo, liga o respectivo circuito de controlo na
dosagem 0 %, accionando uma mensagem de erro, se:
no controlo P simples: a componente P da variável de ajuste
for superior a 40 %.
no controlo PID: a variável de ajuste PID Y for superior a 90
%.
Para reiniciar o respectivo circuito de controlo e eliminar a
mensagem de erro do circuito de controlo, premir duas
vezes a tecla Start/Stop.
Tensão Redox
A tensão Redox depende da soma das substâncias de
efeito redutor e oxidante existentes na água: é uma medida
para o poder de desinfecção na água. Quanto maior a con‐
centração das substâncias oxidantes, maior é o valor da
tensão Redox (oxidação = desinfecção).
Na piscina, o ácido hipocloroso é a substância de efeito oxi‐
dante determinante. As matérias poluentes têm um efeito
redutor.
O valor pH e a temperatura influenciam o valor Redox na
cloração do seguinte modo:
valor pH crescente --> tensão Redox decrescente
temperatura crescente --> tensão Redox crescente
Especialmente importante é um valor pH estável!
Não se verifica uma dependência clara entre a concen‐
tração de desinfectante e a tensão Redox. Com uma tensão
Redox de 750 mV, garante-se que os microrganismos regis‐
tados sejam exterminados ou inactivados em segundos.
Com menos de 600 mV, o período de desinfecção pode
durar de minutos a horas.
Tipos de controlador:
Controlador P:
é aplicado em processos de controlo com um efeito de inte‐
gração (por ex. neutralização de lotes).
194
Glossário
Controlador PI:
pode ser aplicado no caso de processos de controlo sem
um efeito de integração (por ex. neutralização contínua).
Controlador PID:
é aplicado em processos de controlo em que ocorrem picos
que têm de ser controlados.
Com zona morta:
No caso de um controlo da zona morta (controlo da zona
neutra), é necessário indicar dois valores nominais. Se o
valor de medição se encontrar dentro da zona morta, não é
emitida qualquer variável de ajuste.
O valor nominal 2 deve ser superior ao valor nominal 1!
Manual
ATENÇÃO: o controlador não abandona este modo de fun‐
cionamento automaticamente. O modo de funcionamento
Manual apenas pode ser utilizado para a colocação em fun‐
cionamento e para fins de teste.
Não ocorre qualquer controlo. É introduzida manualmente
uma variável de ajuste:
Variável de ajuste: 0...+100 % (elevar a saída de ajuste
activa) Variável de ajuste: -100...0 % (baixar a saída de
ajuste activa)
Este função destina-se à verificação de elementos de
ajuste.
Carga base aditiva:
à variável de ajuste actual é adicionada uma carga base.
Com a carga base aditiva, é possível, por exemplo, com‐
pensar uma perda constante.
YTot = Yp + 15 % (carga base aditiva = 15 %)
Exemplo 1 (controlo unilateral): YTot = 85 % + 15 %; YGes =
100 %
Exemplo 2 (controlo bilateral): YTot = -75 % + 15 %; YGes =
-60 %
Valores limite
“limite mín.” significa que o critério do valor limite está a ser
violado ao não se atingir o nível pretendido.
“limite máx.” significa que o critério do valor limite está a ser
violado ao ser excedido o nível pretendido.
Valor nominal
O valor nominal é o valor a manter estável no processo,
através do controlo, de modo constante.
Valor pH
Por valor pH entende-se um medida para a concentração
(actividade) de iões de hidrogénio ou, de um modo simplifi‐
cado, uma medida para o carácter ácido ou alcalino de uma
água.
No tratamento da água de piscinas de maior profundidade, o
valor pH assume uma grande importância. Tem influência
sobre:
o efeito de desinfecção: o efeito de desinfecção do cloro
diminui com o aumento do valor pH
a floculação: cada agente de floculação tem apenas uma
certa área de pH, na qual actua na perfeição
195
Glossário
a corrosividade: com a diminuição do valor pH, aumenta a
capacidade de corrosão da água. Os materiais metálicos
são corroídos
a compatibilidade com a pele: a camada de protecção
natural da nossa pele apresenta um pH de 5.5. Uma água
de banho com valores pH demasiado altos é agressiva para
a camada de protecção e provoca irritações cutâneas
Um valor pH demasiado baixo favorece a formação de triclo‐
ramina. Tal dá origem a irritações oculares (vermelhidão e
ardor) e das mucosas (por ex. tosse). Pelos motivos enume‐
rados, o valor pH da piscina deve situar-se, por norma, entre
6.5 e 7.6 (idealmente: pH ideal do agente de floculação apli‐
cado). Numa piscina privada, que, por norma, não utiliza
nenhum agente de floculação, o valor de pH deve situar-se
entre 7 e 7.2.
Por outro lado, a medição do pH é influenciada pelos
seguintes factores:
a cloração: todos os produtos de cloro alteram o valor pH
o circuito de água: o ácido carbónico (CO2) desinfectado
com gás da água da piscina aumenta o valor pH. Este efeito
pode ainda ser acentuado através de um circuito de água
desfavorável ou através de arejadores, fungos aquáticos,
etc.
Pelos motivos enumerados, é necessário medir e regular
constantemente o valor pH.
Valor xp
Influencia o comportamento proporcional dos controladores.
Deste modo, por exemplo, um xp de 1,4 pH, com um desvio
de +1,4 pH, resulta numa variável de ajuste de -100 % ou,
com um desvio de -1,4 pH, numa variável de ajuste de +100
%. Se se verificar, portanto, um desvio na variável de xp, o
resultado é uma variável de ajuste de 100 %.
Variável de ajuste
Com variável de ajuste descreve-se a variável (por ex. fre‐
quência, sinal mA) que o controlador emite para o elemento
de ajuste, por ex. uma bomba de dosagem, para voltar a
atingir o valor nominal (com uma variável de ajuste de 100
%, a bomba funciona com a capacidade máxima).
Variável de controlo (valor de
medição, valor real)
A variável de controlo é a variável a medir ou registar (por
ex. valor pH, valor Redox).
Variável de interferência
O controlo pode processar um sinal de um medidor de
caudal na entrada analógica “I in 1” do módulo DXMaI
enquanto variável de interferência para as variáveis de
medição controladas do módulo I. Esta variável de interfe‐
rência influencia a variável de ajuste calculada pelo contro‐
lador em função deste sinal externo.
Consoante o tipo de influência sobre a variável de ajuste,
temos:
variável de interferência multiplicativa (influência proporci‐
onal ao débito)
variável de interferência aditiva (influência em função da
variável de interferência)
Na “colocação em funcionamento” , o sinal do ponto zero do
medidor de caudal tem de ser verificado sem débito (tem de
ser ≥ 0).
196
Glossário
Variável de interferência Aditiva
A ligação da variável de interferência aditiva adequa-se às
tarefas de dosagem, nas quais a quantidade de dosagem
depende, primeiramente, da variável de interferência (por
ex. débito) e necessita apenas de uma ligeira correcção
posterior. Este tipo de processamento da variável de interfe‐
rência é utilizado, por exemplo, na cloração de água com
uma capacidade de absorção de cloro quase constante.
À "variável de ajuste calculada" pelo controlador primeira‐
mente é adicionada ou subtraída uma dosagem de carga
base dependente da variável de interferência. A variável de
ajuste pode ser de, no máximo, 100 %.
Variável de ajuste em relação ao elemento de ajuste [%] =
(variável de ajuste calculada [%] + variável de ajuste aditiva
máx. [%] * variável de interferência actual [mA] ) / valor
nominal da variável de interferência [mA]
Legenda: A variável de interferência aditiva máxima indica
que variável de interferência máxima deverá ser adicionada
(com variável de interferência actual = valor nominal da vari‐
ável de interferência). Outro legenda em “Variável de
interferência multiplicativa” .
CUIDADO: Se não existir uma variável de interferência
actual (débito = 0), mas uma variável de ajuste calculada do
controlador PID, a variável de ajuste definitiva corresponde
à variável de ajuste calculada do controlador PID. Se existir
uma variável de interferência actual (débito > 0) e a variável
de ajuste calculada do controlador PID for igual a “0” , a
variável de ajuste definitiva corresponde ao 2.º termo da fór‐
mula anterior: (variável de ajuste aditiva máx. * variável de
interferência actual) / valor nominal da variável de interfe‐
rência
Variável de interferência Multiplica‐
tiva
Este tipo de processamento da variável de ajuste é utilizada,
por exemplo, na neutralização contínua. A variável de ajuste
calculada em primeiro lugar pelo controlador é influenciada
por um factor F multiplicativo. O factor encontra-se na área
0 ≤ F ≤ 1 (0 ~= 0 %, 1 ~= 100 %). Por isso, a variável de
ajuste pode ser de, no máximo, 100 %.
Variável de ajuste em relação ao elemento de ajuste [%] =
(variável de ajuste calculada [%] * variável de interferência
actual [mA])/valor nominal da variável de interferência [mA]
Uma “variável de interferência actual” superior ou igual ao
“valor nominal da variável de interferência” não influencia a
variável de ajuste.
Legenda: A variável de ajuste calculada é a variável de
ajuste que o controlador emitiria sem variável de interfe‐
rência. O valor nominal da variável de interferência limita a
área utilizada.
Exemplo: É aplicado, por exemplo, um medidor de caudal
que possa medir um débito máximo Q = 250 m3/h. A saída
analógica do medidor de caudal emite um sinal de acordo
com 4 mA = 0 m3/h, 20 mA = 250 m3/h. O débito máximo
atingido na aplicação, porém, deve ser de apenas 125 m3/h.
Se o sinal padrão-sinal de saída do medidor de caudal do
medidor de caudal não for ajustado à área de 4...20 mA do
D1C (possível na maioria dos medidores de caudal), o sinal
padrão com 125 m3/h é de apenas 12 mA. Introduzir este
valor no menu “Ajustar a variável de interferência?” em
“Valor nominal Variável de interferência” .
197
Glossário
A variável de interferência é a corrente analógica actual que
abastece os medidores de caudal. A variável de ajuste defi‐
nitiva é transmitida ao elemento de ajuste.
A variável de interferência multiplicativa não está prevista
para a desconexão permanente da variável de ajuste! Provi‐
dencie aqui uma desconexão através da função de pausa.
198
Índice remissivo
14
Índice remissivo
"
"Calibrar" bomba.................................................. 79
A
Aceder à função de ajuda.................................... 89
Acesso Submenus............................................... 90
Actualização do software..................................... 75
Actualizar software............................................... 75
Alterar idioma....................................................... 74
Alterar valores numéricos.................................... 72
Atribuir à bomba um objectivo de aplicação........ 79
Atribuir bomba a um sistema (tanque, circuito
de filtragem, ...).............................................. 78, 79
Â
Ângulo azul.......................................................... 83
Ângulo de abertura da válvula no aparelho de
dosagem de gás cloro.......................................... 81
Ângulo vermelho.................................................. 83
C
Calibrar bomba .................................................... 79
Calibrar módulo R................................................ 81
CANopen.............................................................. 70
Cartão SD...................................................... 84, 85
Código de acesso de áreas protegidas............... 74
Colocar a bomba Beta CAN guardada em
funcionamento...................................................... 79
Colocar a bomba em funcionamento................... 79
Colocar Beta CAN em funcionamento........... 77, 79
Comutação da hora de Verão.............................. 90
Comutação Hora de Verão.................................. 90
Configurar módulos CAN..................................... 75
Cor da variável de medição................................. 83
D
Desligar a dosagem do gás cloro........................ 80
Detecção do tampão............................................ 95
Determinar número de bomba....................... 78, 79
Dosagem DESLIGADA........................................ 73
Dosagem LIGADA................................................ 73
DULCO-Net........................................................ 185
E
Editar a designação das entradas mA............... 182
Editar as entradas mA........................................ 182
eventlog.txt........................................................... 85
F
F1 (Ajuda)............................................................ 91
F2 (CAL)............................................................... 91
F4 (CAL1Pt.)........................................................ 93
F4 (GLOBAL)....................................................... 83
F5 (ARQUIVO)..................................................... 84
G
Gravar configuração CAN.................................... 79
GUARDAR........................................................... 72
I
Indicações e teclas............................................... 71
Instruções de Segurança..................................... 64
Introduzir módulo que foi separado tempora‐
riamente............................................................... 77
Introduzir novos módulos..................................... 75
Item central de menu........................................... 82
L
LAN/Ethernet ....................................................... 70
M
Mensagens de erro.............................................. 84
Menu de calibração.............................................. 82
Menu de calibração para todas as variáveis
de medição........................................................... 88
Menu de configuração.......................................... 82
Menu de configuração, primeiro item de menu.... 89
Menu de parametrização..................................... 82
Menu de parametrização, primeiro item de
menu.................................................................... 88
Módulo desligado................................................. 77
Módulo novamente ligado.................................... 77
Módulo separado definitivamente........................ 77
N
Nível Código de acesso....................................... 74
Nós LSS............................................................... 75
Número do tanque............................................. 185
O
OPC Server.......................................................... 70
P
Palavra-passe...................................................... 73
Para alterar o nome do sistema........................... 79
Parar a dosagem do gás cloro............................. 80
Pino de ligação equipotencial.............................. 93
Posto de comando............................................... 70
Princípio Plug & Play............................................ 70
Q
Qualificação do utilizador..................................... 66
Quantidade máxima de sensores mA por sis‐
tema/tanque......................................................... 70
Quantidade máxima de sistemas/tanques........... 70
R
Registo de dados................................................. 70
199
Índice remissivo
S
Saídas de ajusta em "0"....................................... 91
Separar módulo temporariamente....................... 76
Solução tampão............................................. 93, 95
Soluções tampão ................................................
Submenus Acesso...............................................
Substituir o código de acesso..............................
T
Tanques virtuais...................................................
Tecla de função F5..............................................
200
92
90
73
84
74
Tecla de seta PARA BAIXO.................................
Tecla de seta PARA CIMA...................................
Tecla ENTER.......................................................
Tecla ESC............................................................
Tecla PARA A DIREITA.......................................
Tecla PARA A ESQUERDA.................................
Tecla PARA BAIXO..............................................
Tecla PARA CIMA................................................
Teclas e indicações..............................................
Tecla START/STOP.............................................
72
72
71
71
72
72
72
72
71
73
Instruções de operação
DULCOMARIN® II, Gravador de monitor
Operação
A0469
Ler primeiro o manual de instruções na sua totalidade! · Não o deitar fora!
Por de danos devido a erros de instalação e comando, a empresa operadora se responsabiliza!
Reservadas as modificações técnicas!
N.º peça 985689
BA DC 004 11/11 PT
ProMinent Dosiertechnik GmbH
Im Schuhmachergewann 5 - 11
69123 Heidelberg
Telefone: +49 6221 842-0
Fax: +49 6221 842-419
E-Mail: [email protected]
Internet: www.prominent.com
985689, 1, pt_PT
© 2011
202
Instruções complementares
Documentos aplicáveis
Este manual de instruções ou complementar é válido apenas jun‐
tamente com os seguintes manuais de operação ou complemen‐
tares:
n Manual de instruções Multicanal Sistema de medição e de
regulação DULCOMARIN® II Controlador de piscinas e Disin‐
fection Controller DXCa Parte 2: Operação
n Manual complementar DULCOMARIN® II, Módulo M Tipo de
produto: DXMaM (módulo de medição para pH, Redox, tempe‐
ratura)
n Manual complementar DULCOMARIN® II, Módulo I Tipo de
produto: DXMaI (módulo de entrada de corrente, entradas de
sinal padrão mA)
203
Instruções complementares
204
Índice
Índice
1
Sobre este produto........................................................... 206
1.1 Armazenamento e transporte................................... 206
2
Configurar o gravador de monitor..................................... 207
3
Estrutura e funcionamento do gravador de monitor.......... 210
4
Utilizar o cartão SD........................................................... 212
5
Eliminação de erros.......................................................... 215
6
Dados técnicos e acessórios............................................ 216
205
Sobre este produto
1
Sobre este produto
O gravador de monitor para o controlador de piscinas DULCO‐
MARIN® II é uma solução de software que torna desnecessário um
aparelho adicional dispendioso. Trata-se de um gravador de 2 x 5
canais de 16 vezes. Indica os valores de medição para valor pH,
valor Redox, concentração para Cl livre e Cl comb e a tempera‐
tura, assim como as respectivas variáveis de ajuste (não para a
temperatura), e isto para até 16 tanques. Sem cartão SD, pode
gravar os resultados de medição de 24 h, com cartão SD os resul‐
tados de medição de 35 dias até 12 anos, consoante os requisitos.
Os ficheiros TXT simples podem ser copiados do cartão SD para
um PC e, por exemplo, transformados em gráficos com o EXCEL.
1.1 Armazenamento e transporte
CUIDADO
– Armazene e transporte o leitor de cartões e o
cartão SD na embalagem original
– Proteja também todo o kit de actualização DXCa
da humidade e da acção de produtos químicos
O kit de actualização DXCa está incluído no fornecimento e é com‐
posto pelo seguinte:
n Cartão SD
n Leitor de cartões
Condições ambientais para o armazenamento e transporte
n Temperatura: 0 ℃ ... 45 ℃
n Humidade do ar: 10 % ... 90 % de humidade relativa, sem con‐
densação
206
Configurar o gravador de monitor
2
Configurar o gravador de monitor
Rotinas de arranque
Somente depois do DULCOMARIN® II ter concluído as
rotinas de arranque (duração aprox. 4 min), o gravador
de monitor começa a trabalhar.
PLOT
Ajustes gravador
Gravador :
AJUDA
inactivo
SomDesl
GUARDAR
A0470
Fig. 1: O separador [PLOT] com gravador de monitor inactivo
Se o símbolo do gravador de monitor não estiver totalmente à
esquerda no item de menu central, deve proceder do seguinte
modo:
1.
Prima no item de menu central a tecla de função
2.
Prima no menu de configuração a tecla de função
3.
Prima no separador [PLOT] a tecla [ENTER] (se necessário,
introduzir o código de acesso)
4.
Com as teclas de seta [PARA CIMA] ou [PARA BAIXO],
seleccione “activo” e prima a tecla [ENTER]
5.
Prima a tecla de função [F5 GUARDAR]
6.
Regresse com a tecla [ESC] ao item de menu central
[F4 CONFIG ]
[F2 OPÇÃO]
207
Configurar o gravador de monitor
Ajustar a interface do gravador de
monitor
PLOT
Ajustes gravador
Gravador :
Espessura linha=
Linhas grelha:
AJUDA
activo
1 pixel
ligado
SomDesl
GUARDAR
A0471
Fig. 2: O separador [PLOT] com gravador de monitor activo
208
1.
Prima no item de menu central a tecla de função
[F4 CONFIG ]
2.
Prima no menu de configuração a tecla de função
[F2 OPÇÃO]
3.
Seleccione no separador [PLOT] ou a “espessura da linha”
ou “linhas de grelha” (teclas de seta) (se necessário, intro‐
duzir o código de acesso)
4.
Prima a tecla [ENTER]
5.
Realize com as teclas de seta [PARA CIMA] e
[PARA BAIXO] a selecção pretendida e prima a tecla
[ENTER]
6.
Prima a tecla de função [F5 GUARDAR]
7.
Regresse com a tecla [ESC] ao item de menu central
Configurar o gravador de monitor
Ver os diagramas
Tanque
Piscina para crianças
Nominal Dosagem:
Redox
Cl
livre
Nominal Dosagem:
DESLIG
Cl
comb.
Comut.
Cloro Sensor
Temp
Redox
AJUDA
CAL
Valor demasiado baixo
LISTA
PARÂM CONFIG
A0472
Fig. 3: O item de menu central com gravador de monitor activo
Prima no item de menu central as teclas de seta
[PARA CIMA] ou [PARA BAIXO]
ð Os diagramas para o valor pH surgem em primeiro lugar.
209
Estrutura e funcionamento do gravador de monitor
3
Estrutura e funcionamento do gravador de monitor
A0473
Fig. 4: Estrutura da janela do gravador
A janela do gravador é composta pelo seguinte:
n
n
n
n
n
n
Designação da variável de medição
Número e nome do tanque (no caso de vários)
Diagrama da variável de medição
Diagrama da variável de ajuste da variável de medição
Linha informativa relativa ao valor de medição seleccionado
Barras com teclas de função
Designação da variável de medição
Seleccione a variável de medição com as teclas de seta
[PARA CIMA] e [PARA BAIXO].
Número e nome do tanque
Seleccione o tanque com as teclas de seta [PARA A ESQUERDA]
e [PARA A DIREITA].
Diagrama da variável de medição
O diagrama da variável de medição indica totalmente à esquerda o
eixo y com a unidade. Entre o diagrama da variável de medição e
o diagrama da variável de ajuste, encontra-se o eixo temporal
(eixo x). Indica sempre 24 horas. Exibe horas apenas onde exis‐
tirem também valores de medição. Caso contrário, exibe “00:00” .
As linhas vermelhas indicam os valores limite ajustados (no menu
de parametrização: Parâmetros Alarme). Se os valores de
medição violarem os valores limite, a curva de medição surge a
vermelho.
A linha azul é um cursor com o qual se pode seleccionar diferentes
valores de medição, de modo a consultar os seus valores exactos
(ver em “Linha informativa relativa ao valor de medição
seleccionado” e “Barras com teclas de função” ). Inicialmente,
encontra-se precisamente sobre o eixo y.
Diagrama da variável de ajuste da
variável de medição
210
O diagrama da variável de ajuste da variável de medição indica
totalmente à esquerda o eixo y com a unidade “%” . Entre o dia‐
grama da variável de medição e o diagrama da variável de ajuste,
encontra-se o eixo temporal (eixo x). Indica sempre 24 horas.
Estrutura e funcionamento do gravador de monitor
Linha informativa relativa ao valor de
medição seleccionado
A linha informativa relativa ao valor de medição seleccionado
indica os seus valores precisos. Com o curso, seleccione um valor
de medição (ver em “Barras com teclas de função” ).
A sequência dos valores indicados é a seguinte:
n
n
n
n
n
n
Barras com teclas de função
N.º do valor de medição
Valor de medição
Valor da variável de ajuste
Data da medição
Hora da medição
(número no ecrã)
Vista normal
Quando o gravador regista o valor de medição
seguinte, a vista regressa à normal (após, o mais
tardar, 5 min). Também a comutação para uma outra
indicação repõe a vista para a normal.
Com a tecla de função [ARQUIVO], é possível verificar no
DULCOMARIN® II os valores de medição de dias anteriores (até
uma semana). Para tal, necessita de um cartão SD. Na barra com
as teclas de função, existe a tecla de função [ARQUIVO] e os
pares de teclas de função [F2 ZOOM- ]/ [F3 ZOOM+]
e[ F4 <CURSOR ]/ F5 CURSOR>:
com o par de teclas de função [F2 ZOOM-] / [F3 ZOOM+], é pos‐
sível efectuar um zoom do eixo y da variável de medição.
Com o par de teclas de função [F4 <CURSOR] / [F5 CURSOR>], é
possível movimentar o cursor azul no diagrama da variável de
medição (poderá encontrar-se inicialmente no eixo y).
Outras informações
A distância temporal com que o DULCOMARIN® II regista os
valores de medição é de 5 min. Quando a curva de medição tiver
atingido a largura do diagrama, para cada valor novo à direita é eli‐
minado um valor antigo do lado esquerdo.
O DULCOMARIN® II grava os valores de medição do dia em
curso. O DULCOMARIN® II grava os valores de medição do último
dia das 0 às 24 horas enquanto ficheiros para cada variável de
medição e para cada tanque.
Se estiver inserido um cartão SD, o DULCOMARIN® II grava estes
ficheiros no cartão SD até que este esteja cheio.
Com a tecla de função [ARQUIVO], é possível verificar os valores
de medição de dias anteriores no DULCOMARIN® II - até uma
semana. No arquivo, pode avançar de dia para dia com as teclas
de função [<< ]e [>>]. Os números dos dias são indicados no canto
superior direito.
211
Utilizar o cartão SD
4
Utilizar o cartão SD
AVISO
Deve substituir atempadamente, antes da expiração
do número máximo de dias memorizáveis, o cartão SD
cheio por um cartão SD vazio.
Caso contrário, os dados dos restantes dias perdem-se, uma vez que o DULCOMARIN® II não consegue
limpar o cartão SD.
Requisito
Um PC com, no mínimo, WIN98 e adaptador USB.
Se os valores de medição do gravador tiverem de ser
superiores a 24 h, tem de utilizar um cartão SD.
O gravador de monitor exibe os valores de medição
das últimas 24 h. Pode consultar valores de medição
mais antigos através da tecla de função [ARQUIVO]
ou carregá-los para um PC
A capacidade de memória necessária depende do número de dias e tanques.
Capacidade de memória
32 MB
64 MB
128 MB
256 MB
Número de tanques
Dias
Dias
Dias
Dias
1
564
1128
2256
4512
2
282
564
1128
2256
3
188
376
752
1504
4
141
282
564
1128
5
112
224
448
896
6
94
188
376
752
7
80
160
320
640
8
70
140
280
560
9
62
124
248
496
10
56
112
224
448
11
51
102
204
408
12
47
94
188
376
13
43
86
172
344
14
40
80
160
320
15
37
74
148
296
16
35
70
140
280
Formato cartão SD: FAT 16 ou FAT 32
Formato do nome do ficheiro: AAMMDDTT.txt
com AA = ano, MM = mês, DD = dia, T ou TT = número do tanque
212
Utilizar o cartão SD
Inserir o cartão SD
A0474
Fig. 5: As interfaces com a cobertura da interface do DXCa aberta
1. Ranhura para cartões
2. Cartão SD
3. Cobertura da interface
1.
2.
Para a introdução do cartão SD, abra a cobertura transpa‐
rente da interface (3) na parte inferior da caixa DXC do
DULCOMARIN® II (está representado aberto no Fig. 5)
Se pretender trocar o cartão SD por um outro
cartão SD, terá de efectuar sempre um reset
antes da introdução.
Caso se tenha esquecido do reset antes da
introdução, terá de limpar por completo o cartão
SD e efectuar o reset.
Prima sucessivamente: [F4 CONFIG], [F2 OPÇÃO] e
[F3 RESET].
3.
Se o DULCOMARIN® II já tiver gravado dados, este copia os
ficheiros do último dia e os valores de medição do dia actual
no próximo valor de medição para o cartão SD (tempo de
espera: até 5 min) - surge o identificador “SD” , com fundo
vermelho
ð Não retirar agora o cartão SD!
213
Utilizar o cartão SD
Tipo de protecção IP 65
A cobertura transparente da interface (3) doFig. 5 tem
de ser novamente aparafusada de forma a ficar
estanque. Caso contrário, não é alcançado o tipo de
protecção IP 65.
Avaliação dos ficheiros do cartão SD
1.
Para a remoção do cartão SD, abra a cobertura transparente
da interface (3) na parte inferior da caixa DXC do
DULCOMARIN® II (está representado aberto no Fig. 5)
2.
Retire o cartão SD (2) da respectiva ranhura (1), quando o
identificador “SD” , no canto superior direito do LCD, apre‐
sentar fundo verde. Não quando apresentar fundo vermelho!
O gravador está a gravar os dados. Neste caso, aguardar
brevemente.
ð Assim que tiver retirado o cartão SD, o identificador “SD”
do canto superior direito do LCD desaparece. Além
disso, na indicação contínua e no item de menu central,
surge a mensagem de erro “! Inserir o cartão SD !!”
3.
Copiar os ficheiros do cartão SD para o PC através do leitor
de cartões e limpar o cartão SD.
4.
Insira o cartão SD (2) na ranhura para cartões (1) até
encaixar
ð Surge, depois, no canto superior direito do LCD, um
identificador “SD” , com fundo verde. Além disso, desa‐
parece a mensagem de erro “! Inserir o cartão SD !”
Para proteger os dados, o DULCOMARIN® II grava os
ficheiros “com protecção contra escrita” . Trabalhe
apenas com cópias e cancele no PC, em
“Características” , a protecção contra escrita.
Caso tenha mudado a hora do DULCOMARIN® II de
ou para a hora de Verão, tenha em conta este aspecto
aquando da avaliação.
214
Eliminação de erros
5
Eliminação de erros
Mensagem de erro
Causa
Resolução
! Inserir o cartão SD!!
O gravador está activado, mas não
está inserido um cartão SD
Inserir o cartão SD
! Cartão SD não formatado!!
O cartão SD não está formatado em
FAT 16 ou FAT 32
Formatar o cartão SD no PC em
FAT 16 ou FAT 32. Todos os
ficheiros do cartão SD são assim
eliminados!
! Cartão SD protegido contra
escrita!!
a patilha lateral do cartão SD está na
posição “LOCK”
Deslizar a patilha lateral do cartão
SD, retirando-a da posição “
! Cartão SD cheio. Substituí-lo!!
O cartão SD está cheio
Copiar todos os ficheiros do
cartão SD para o PC e apagar o
conteúdo do cartão SD
Às curvas de medição faltam
os valores directamente após
24:00 horas depois da substi‐
tuição do cartão SD
Antes da substituição do cartão SD
não foi efectuado qualquer reset
Efectuar um reset. Premir sucessi‐
vamente:[ F4 CONFIG],
[F2 OPÇÃO] e [F3 RESET]
LOCK”
215
Dados técnicos e acessórios
6
Dados técnicos e acessórios
Dados técnicos
Tipo de gravador: Gravador de 2 x 5 canais de 16 vezes (16 tan‐
ques, variável de medição e variável de ajuste, 5 variáveis de
medição)
Condições ambientais para armazenamento e transporte: kit de
actualização DXCa
n Temperatura: 0 ℃ ... 45 °C
n Humidade do ar: 10 % ... 90 % de humidade relativa, sem con‐
densação
Condições ambientais para operação: Leitor de cartões
n Temperatura: 0 ℃ ... 45 °C
n Humidade do ar: 20 % ... 85 % de humidade relativa, sem con‐
densação
Condições ambientais para operação: Cartão SD
n Temperatura: -25 °C ... 85 °C
Acessórios
Acessórios
Número de peça
Kit de actualização DXCa (incluído no fornecimento), composto pelo cartão SD e
pelo leitor de cartões
1025885
Cartão de memória SD 64 MB ou superior
732483
216
Instruções de montagem e operação
DULCOMARIN® II, Módulo A
(módulo de accionamento, bombas e saídas de
sinal padrão mA) DXMaA
Introduzir aqui o código identificação do seu aparelho! DXMa _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
Ler primeiro o manual de instruções na sua totalidade! · Não o deitar fora!
Por de danos devido a erros de instalação e comando, a empresa operadora se responsabiliza!
Reservadas as modificações técnicas!
N.º peça 985688
BA DC 005 11/11 PT
ProMinent Dosiertechnik GmbH
Im Schuhmachergewann 5 - 11
69123 Heidelberg
Telefone: +49 6221 842-0
Fax: +49 6221 842-419
E-Mail: [email protected]
Internet: www.prominent.com
985688, 1, pt_PT
© 2011
218
Instruções complementares
Documentos aplicáveis
Este manual de instruções ou complementar é válido apenas jun‐
tamente com os seguintes manuais de operação ou complemen‐
tares:
n Manual de instruções Multicanal Sistema de medição e de
regulação DULCOMARIN® II Controlador de piscinas e Disin‐
fection Controller DXCa Parte 1: Montar e instalar
n Manual de instruções Multicanal Sistema de medição e de
regulação DULCOMARIN® II Controlador de piscinas e Disin‐
fection Controller DXCa Parte 2: Operação
219
Instruções complementares
220
Índice
Índice
1
Código identificação.......................................................... 222
2
Sobre este aparelho.......................................................... 224
2.1 Capítulo sobre a segurança...................................... 224
2.2 Armazenamento e transporte................................... 224
3
Montar e instalar............................................................... 225
4
Dados técnicos................................................................. 228
221
Código identificação
1
Código identificação
O código identificação descreve os módulos externos
para DULCOMARIN® II, série DXM
Apenas o módulo M no tipo de montagem “W”
“montagem na parede” pode ser encomendado com
elementos de comando e diferentes idiomas.
DXMa
Módulos externos para DULCOMARIN® II série DXM
Módulo:
M
Módulo M, módulo de medição: pH, Redox, temperatura
A
Módulo A, módulo de accionamento: 3 saídas de bombas e 4 saídas analógicas
R
Módulo R, módulo de accionamento: aparelho de dosagem de gás cloro com men‐
sagem de resposta 1) 2)
N
Módulo N, módulo da unidade de alimentação eléctrica sem relé 1) 2)
P
Módulo P, módulo da unidade de alimentação eléctrica com relé, apenas tipo de
montagem “0” 2)
I
Módulo I, módulo de entrada de corrente, entradas 3 mA, 2 entradas digitais
Tipo de montagem:
0
sem caixa, apenas módulo P (IP 00)
W
Montagem na parede (IP 65)
H
Calha DIN (IP 20)
E
Módulo de montagem posterior (módulo de montagem para DXCa, IP 20)
Versão:
0
com operação
2
sem operação
3
sem operação (apenas tipo de montagem “E” )
Área de utilização:
0
Padrão
S
Piscina (apenas módulo M)
Idioma:
00
sem operação 2)
DE
Alemão
EN
Inglês
ES
Espanhol
FR
Francês
IT
Italiano
Certificação:
222
Código identificação
DXMa
Módulos externos para DULCOMARIN® II série DXM
00
sem autorização, apenas módulo P
sem caixa
01
Certificação CE
2) apenas no tipo de montagem W montagem na parede / 2)
apenas na versão “2” sem operação
223
Sobre este aparelho
2
Sobre este aparelho
O módulo de accionamento DXMaA possibilita ao
DULCOMARIN® II o accionamento de 3 bombas de dosagem
através da frequência dos impulsos, por ex. para aumentar ou
baixar o valor pH ou a dosagem de desinfectante.
O módulo de accionamento DXMaA possui as seguintes saídas:
n Quatro saídas de sinal padrão 0/4...20 mA, de livre progra‐
mação e escalável para os valores de medição, tais como
valor pH, tensão Redox, a concentração de cloro livre ou cloro
total ou cloro combinado ou a temperatura
n Três saídas de frequência para o accionamento de bombas de
dosagem, por exemplo, para aumentar e baixar o valor pH ou
a dosagem de desinfectante
e as seguintes entradas:
n Três entradas de contacto para avaliação dos relés de indi‐
cação de falha das bombas de dosagem e monitorização do
nível de enchimento do recipiente
2.1 Capítulo sobre a segurança
O módulo de accionamento DXMaA apenas pode ser utilizado
como parte do DULCOMARIN® II.
A instalação apenas pode ser efectuada por pessoal com for‐
mação técnica.
2.2 Armazenamento e transporte
CUIDADO
Proteja também o módulo embalado contra humidade
e a acção de produtos químicos.
Armazene e transporte o módulo na embalagem original.
Condições ambientais para o armazenamento e o transporte:
n Temperatura: -10 °C ... 70 °C
n Humidade relativa máx. permitida: 95 %, sem condensação
(DIN IEC 60068-2-30)
224
Montar e instalar
3
Montar e instalar
AVISO
A instalação apenas pode ser efectuada por pessoal
com formação técnica.
Na montagem e instalação deste aparelho, observe as
indicações do manual de instruções "Multicanal Sis‐
tema de medição e de regulação DULCOMARIN® II
Controlador de piscinas e Disinfection Controller
DXCa, Parte 1: Montar e instalar".
Valores de medição adulterados
Os sinais padrão podem ser adulterados, eventual‐
mente, com consequências para o processo.
Às saídas de sinal padrão apenas podem ser ligados
directamente aparelhos isolados das diferentes
entradas de sinal padrão (por ex. entradas de sinal
padrão de um gravador,...) por galvanização própria!
Se pretender ligar a várias saídas de sinal padrão do
módulo DXMaA um módulo de entrada de sinal
padrão multicanal de um PLC, terá de conduzir todos
os cabos de sinal padrão através de um separador de
sinal padrão de 3 vias. Um separador de sinal padrão
de 3 vias isola galvanicamente a entrada, a saída e a
tensão de alimentação umas das outras.
No caso de vários cabos de sinal padrão, pode utilizar-se um amplificador de isolamento multicanal. A Pro‐
Minent recomenda um amplificador de isolamento de 4
canais do tipo LC-TV-4I.4I da Rinck
www.rinck-electronic.de ou do tipo 6185D da PR Elec‐
tronics www.prelectronics.de para a ligação de até 4
cabos de sinal padrão.
Estabelecer a ligação CAN de acordo com o "Manual de instru‐
ções Multicanal Sistema de medição e de regulação DULCO‐
MARIN® II Controlador de piscinas e Disinfection Controller DXCa,
Parte 1, Montar e instalar".
225
Montar e instalar
A0476
Fig. 1: Esquema de conexão de bornes
I. Tensão baixa Saídas do relé
II. Entradas de contacto DXMa A
III. Saídas de sinal padrão 0/4 - 20 mA
Ocupação dos bornes
Designação
Designação do borne
N.º do borne
Pólo
Função
Saída de fre‐
quência 1
R1
1
+
2
-
Bomba Redutor pH (acciona‐
mento
3
+
Saída de fre‐
quência 2
Saída de fre‐
quência 3
R2
Bomba Increm. pH
Bomba Cloro (accionamento)
Bomba Redox
R3
4
-
Bomba Redutor pH
5
+
Bomba Floculação
Bomba Redox
6
-
Bomba Cloro
7
+
Erro Bomba
8
-
9
+
10
-
11
+
12
-
I out 1
13
+
Valor pH
Saída de corrente 0/4-20 mA 1
14
-
Variável de ajuste Redutor pH
Entrada de con‐
tacto 1
K1
Entrada de con‐
tacto 2
K2
Entrada de con‐
tacto 3
K3
Erro Bomba
Erro Bomba
Variável de ajuste Increm. pH
Variável de ajuste Cloração
226
Montar e instalar
Designação
Designação do borne
N.º do borne
Pólo
Função
Variável de ajuste Floculação
Variável de ajuste Redox
(ligação do gravador)
VarCirculação
Saída de corrente
0/4-20 mA 2
I out 2
15
+
Valor Redox
16
-
Variável de ajuste Redutor pH
Variável de ajuste Increm. pH
Variável de ajuste Cloração
Variável de ajuste Floculação
Variável de ajuste Redox
(ligação do gravador)
Saída de corrente
0/4-20 mA 3
I out 3
17
+
Valor Cloro
18
-
Variável de ajuste Redutor pH
Variável de ajuste Increm. pH
Variável de ajuste Cloração
Variável de ajuste Floculação
Variável de ajuste Redox
(ligação do gravador)
Saída de corrente
0/4-20 mA 4
I out 3
19
+
Cloro combinado
20
-
Variável de ajuste Redutor pH
Variável de ajuste Increm. pH
Variável de ajuste Cloração
Variável de ajuste Floculação
Variável de ajuste Redox
(ligação do gravador)
227
Dados técnicos
4
Dados técnicos
Dados eléctricos
Saídas de frequência (relé óptico MOS) para o accionamento da
bomba (R1, R2, R3):
n Tipo de contacto: normalmente aberto com eliminação de
interferências por indutividades de série
n Capacidade de carga: picos de 400 V, 250 mA corrente de
comutação, máx. 0,8 W
n Frequência máxima: 8,33 Hz (500 cursos/min)
n Tempo de fecho/Tempo de abertura: 5 ms
Entradas de contacto (K1, K2, K3) (cl. 9 – 14):
n
n
n
n
n
isoladas umas das outras por galvanização
Tensão de isolamento: 500 V
Frequência máx. de contacto: 2 kHz
Contactos conectáveis: relés mecânicos
Comprimento máx. conectável do cabo: 20 m
Saídas do sinal padrão mA (I out 1 - I out 4):
n
n
n
n
n
Materiais
228
Tensão de isolamento: 500 V
Gama de saída: 0/4-20 mA (programável)
23 mA para a mensagem de erro
Carga máxima: 400 Ω
Precisão: 0,5 % da gama de saída
Caixa: PPE-GF 10
Instruções de instalação
DULCOMARIN® II, Módulo G
(Módulo transmissor de valor limite e de alarme)
DXMaG
A0787
Introduzir aqui o código identificação do seu aparelho! DXMa _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
Ler primeiro o manual de instruções na sua totalidade! · Não o deitar fora!
Por de danos devido a erros de instalação e comando, a empresa operadora se responsabiliza!
Reservadas as modificações técnicas!
N.º peça 985687
BA DC 006 11/11 PT
ProMinent Dosiertechnik GmbH
Im Schuhmachergewann 5 - 11
69123 Heidelberg
Telefone: +49 6221 842-0
Fax: +49 6221 842-419
E-Mail: [email protected]
Internet: www.prominent.com
985687, 1, pt_PT
© 2011
230
Instruções complementares
Documentos aplicáveis
Este manual de instruções ou complementar é válido apenas jun‐
tamente com os seguintes manuais de operação ou complemen‐
tares:
n Manual de instruções Multicanal Sistema de medição e de
regulação DULCOMARIN® II Controlador de piscinas e Disin‐
fection Controller DXCa Parte 1: Montar e instalar
n Manual de instruções Multicanal Sistema de medição e de
regulação DULCOMARIN® II Controlador de piscinas e Disin‐
fection Controller DXCa Parte 2: Operação
n Manual complementar DULCOMARIN® II, Operar módulo M
(módulo de medição para pH, Redox, temperatura) DXMaM
n Manual complementar DULCOMARIN® II, Módulo I (módulo de
entrada de corrente, entradas de sinal padrão mA) DXMaI
231
Instruções complementares
232
Índice
Índice
1
Código identificação.......................................................... 234
2
Sobre este aparelho.......................................................... 235
2.1 Capítulo sobre a segurança...................................... 235
2.2 Armazenamento e transporte................................... 235
3
Montar e instalar............................................................... 236
4
Dados técnicos................................................................. 238
233
Código identificação
1
Código identificação
O código identificação descreve os módulos externos
para DULCOMARIN® II, série DXM
DXMa
Módulos externos para DULCOMARIN® II série DXM
Módulo:
G
Módulo G, módulo transmissor de valor limite e de alarme 1) 2)
Tipo de montagem:
W
Montagem na parede (IP 65)
Versão:
2
sem operação
Área de utilização:
0
Padrão
Idioma:
00
sem operação 2)
Certificação:
01
Certificação CE
apenas no tipo de montagem W montagem na parede / 2)
apenas na versão “2” sem operação
2)
234
Sobre este aparelho
2
Sobre este aparelho
O módulo transmissor de valor limite e de alarme DXMaG com
dois relés de valor limite ou alarme sinaliza violações do alarme,
erros gerais e erros da água de medição.
2.1 Capítulo sobre a segurança
O módulo transmissor de valor limite e de alarme DXMaA apenas
pode ser utilizado como parte do DULCOMARIN® II.
A instalação apenas pode ser efectuada por pessoal com for‐
mação técnica.
2.2 Armazenamento e transporte
CUIDADO
Proteja também o módulo embalado contra humidade
e a acção de produtos químicos.
Armazene e transporte o módulo na embalagem original.
Condições ambientais para o armazenamento e o transporte:
n Temperatura: -10 °C ... 70 °C
n Humidade relativa máx. permitida: 95 %, sem condensação
(DIN IEC 60068-2-30)
235
Montar e instalar
3
Montar e instalar
Descrição do módulo G, DXMaG
O módulo G é um módulo transmissor de valor limite ou de alarme.
Possui 2 relés de contacto bidireccional isento de potencial para
sinalização de estados de alarme.
Ambos os relés têm diferentes possibilidades de ajuste, que
podem influenciar os relés.
Ambos os relés fornecem as mesmas possibilidades de ajuste.
Deste modo, com a utilização de diferentes tempos de retarda‐
mento, podem ser gerados sinais para os dispositivos de pré-alarme ou de desconexão.
AVISO
A instalação apenas pode ser efectuada por pessoal
com formação técnica.
Na montagem e instalação deste aparelho, observe as
indicações do manual de instruções "Multicanal Sis‐
tema de medição e de regulação DULCOMARIN® II
Controlador de piscinas e Disinfection Controller
DXCa, Parte 1: Montar e instalar".
Estabelecer a ligação CAN de acordo com o "Manual
de instruções DULCOMARIN® II Controlador de pis‐
cinas e Disinfection Controller DXCa, Parte 1: Montar
e instalar".
236
Montar e instalar
A0788
Fig. 1: Esquema de conexão de bornes Módulos G / Saídas do relé de potência
I. Transmissor de valor limite/de alarme 1
II. Transmissor de valor limite/de alarme 2
Ocupação dos bornes
Designação
Saída do relé de potência 1
Saída do relé de potência 2
Bornes
Bornes
Designação
Número
P1
P2
Pólo
Função
1
C
2
NO
Transmissor de valor limite/
de alarme 1
3
NC
1
C
2
NO
3
NC
Transmissor de valor limite/
de alarme 2
Os bornes XR não funcionam.
237
Dados técnicos
4
Dados técnicos
Dados eléctricos
Saída do relé de potência (P1, P2):
n Tipo de contacto: contacto bidireccional com eliminação de
interferências por varistores
n Capacidade de carga: 250 V AC, 3 A máx., 700 VA
n Vida útil do contacto: > 20 x 105 ciclos de comutação
Materiais
238
Caixa: PPE-GF 10
Instruções de operação
DULCOMARIN® II, Módulo I
(módulo de entrada de corrente, entradas de sinal
padrão mA) DXMal
A0483
Introduzir aqui o código identificação do seu aparelho! DXMA _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
Ler primeiro o manual de instruções na sua totalidade! · Não o deitar fora!
Por de danos devido a erros de instalação e comando, a empresa operadora se responsabiliza!
Reservadas as modificações técnicas!
N.º peça 985686
BA DC 007 11/11 PT
ProMinent Dosiertechnik GmbH
Im Schuhmachergewann 5 - 11
69123 Heidelberg
Telefone: +49 6221 842-0
Fax: +49 6221 842-419
E-Mail: [email protected]
Internet: www.prominent.com
985686, 1, pt_PT
© 2011
240
Instruções complementares
Documentos aplicáveis
Este manual de instruções ou complementar é válido apenas jun‐
tamente com os seguintes manuais de operação ou complemen‐
tares:
n Manual de instruções Multicanal Sistema de medição e de
regulação DULCOMARIN® II Controlador de piscinas e Disin‐
fection Controller DXCa Parte 1: Montar e instalar
n Manual de instruções Multicanal Sistema de medição e de
regulação DULCOMARIN® II Controlador de piscinas e Disin‐
fection Controller DXCa Parte 2: Operação
n Manual complementar DULCOMARIN® II Gravador de monitor
Operação
241
Instruções complementares
242
Índice
Índice
1
Código identificação.......................................................... 244
2
Sobre este aparelho.......................................................... 246
2.1 Capítulo sobre a segurança...................................... 246
2.2 Armazenamento e transporte................................... 246
3
Montar e instalar............................................................... 247
4
Dados técnicos................................................................. 249
243
Código identificação
1
Código identificação
O código identificação descreve os módulos externos
para DULCOMARIN® II, série DXM
Apenas o módulo M no tipo de montagem “W”
“montagem na parede” pode ser encomendado com
elementos de comando e diferentes idiomas.
DXMa
Módulos externos para DULCOMARIN® II série DXM
Módulo:
M
Módulo M, módulo de medição: pH, Redox, temperatura
A
Módulo A, módulo de accionamento: 3 saídas de bombas e 4 saídas analógicas
R
Módulo R, módulo de accionamento: aparelho de dosagem de gás cloro com men‐
sagem de resposta 1) 2)
N
Módulo N, módulo da unidade de alimentação eléctrica sem relé 1) 2)
P
Módulo P, módulo da unidade de alimentação eléctrica com relé, apenas tipo de
montagem “0” 2)
I
Módulo I, módulo de entrada de corrente, entradas 3 mA, 2 entradas digitais
Tipo de montagem:
0
sem caixa, apenas módulo P (IP 00)
W
Montagem na parede (IP 65)
H
Calha DIN (IP 20)
E
Módulo de montagem posterior (módulo de montagem para DXCa, IP 20)
Versão:
0
com operação
2
sem operação
3
sem operação (apenas tipo de montagem “E” )
Área de utilização:
0
Padrão
S
Piscina (apenas módulo M)
Idioma:
00
sem operação 2)
DE
Alemão
EN
Inglês
ES
Espanhol
FR
Francês
IT
Italiano
Certificação:
244
Código identificação
DXMa
Módulos externos para DULCOMARIN® II série DXM
00
sem autorização, apenas módulo P
sem caixa
01
Certificação CE
2) apenas no tipo de montagem W montagem na parede / 2)
apenas na versão “2” sem operação
245
Sobre este aparelho
2
Sobre este aparelho
O módulo de entrada de corrente DXMaI possibilita ao
DULCOMARIN® II o accionamento de 2 interruptores / relés e 3
sensores através de entradas 0/4...20 mA.
O módulo de accionamento DXMaI possui as seguintes entradas:
n Entradas de contacto para monitorização da água de medição
e pausa
n 3 entradas de sinal padrão 0/4...20 mA
Os valores mA dos sensores de débito, turvamento, intensidade
UV, condutibilidade condutiva, oxigénio dissolvido e amoníaco são
assumidos como processados (compensados e calibrados).
Os valores mA dos sensores para ClO2, H2O2, PES, fluoreto e
clorite podem ser compensados termicamente. Para tal, tem de
ser ligado um sensor PT1000 com conversor de mA a uma
entrada mA.
2.1 Capítulo sobre a segurança
O módulo de entrada de corrente DXMaI apenas pode ser utilizado
como parte do DULCOMARIN® II.
A instalação apenas pode ser efectuada por pessoal com for‐
mação técnica.
2.2 Armazenamento e transporte
CUIDADO
Proteja também o módulo embalado contra humidade
e a acção de produtos químicos.
Armazene e transporte o módulo na embalagem original.
Condições ambientais para o armazenamento e o transporte:
n Temperatura: -10 °C ... 70 °C
n Humidade relativa máx. permitida: 95 %, sem condensação
(DIN IEC 60068-2-30)
246
Montar e instalar
3
Montar e instalar
AVISO
A instalação apenas pode ser efectuada por pessoal
com formação técnica.
Na montagem e instalação deste aparelho, observe as
indicações do manual de instruções "Multicanal Sis‐
tema de medição e de regulação DULCOMARIN® II
Controlador de piscinas e Disinfection Controller
DXCa, Parte 1: Montar e instalar".
Estabelecer a ligação CAN de acordo com o "Manual de instru‐
ções Multicanal Sistema de medição e de regulação DULCO‐
MARIN® II Controlador de piscinas e Disinfection Controller DXCa,
Parte 1, Montar e instalar".
Ocupação dos bornes
Designação
Designação do borne
N.º do borne
Pólo
Função
Entrada de con‐
tacto 1
K1
1
-
Erro Água medição
2
+
Entrada de con‐
tacto 2
K2
3
-
4
+
Entrada analógica I in 1
1
5
in
6
GND
(-)
Entrada analógica I in 2
2
7
V+
Fluoreto
8
in
O2, ClO2, ClO2 -,
9
GND
(-)
H2O2, NH4OH)
10
V+
Temperatura
11
in
(UV, turvamento,
12
GND
(-)
condutibilidade, ClO2 -)
Entrada analógica I in 3
3
Pausa Controlo (por ex.
lavagem de retorno)
Débito (turvamento)
247
Montar e instalar
Fig. 1: Esquema de conexão de bornes
I.
Variantes de ocupação
II.
ProMinent® conversor/sensor
PLC Controlador lógico programável
Para as variáveis de medição que funcionam através do borne "I in 2", estão disponíveis no software as
seguintes funcionalidades:
F-
O2
ClO2
ClO2-
H2O2
Regulação ✱
-
-
X
X
X
Calibração
X
-
X
-
X
✱ Para tal, calibrar uma bomba previamente (ver "Manual de ins‐
truções Multicanal Sistema de medição e de regulação
DULCOMARIN® II Disinfection Controller DXCa, Parte 2: Ope‐
ração")
248
Dados técnicos
4
Dados técnicos
Dados eléctricos
Entradas digitais (K1 - K2):
n 2 entradas: para contactos, transístores de comutação e para
saídas analógicas do PLC conforme DIN EN 61131-2
n Tensão de isolamento: 500 V
n Resistência de entrada: 3,5 kΩ
n Tensão nominal: 10 V ... 12 V
n Ponto de comutação:
– passivo: 1750 Ω, tipicamente
– activo: 3,15 mA, tipicamente
n Corrente de entrada:
– 4 mA (0 V)
– 5,8 mA (30 V)
n Capacidade de entrada: 100 nF
n Histerese de comutação: 20 μA
n Frequência máx. de comutação: 1 kHz
Saídas do sinal padrão mA (I in 1 - I in 3):
3 entradas: 0/4 ... 20 mA, com isolamento eléctrico
Tensão de isolamento: 500 V
Resistência de entrada: 50 Ω
Capacidade de carga: 30 mA
2 entradas com ligação de 2 condutores (alimentação de ciclo)
(I in 2, I in 3): Tensão de alimentação 22,0 V- 25,0 V
n Precisão de medição: ± 0,5 % da gama de medição (com 25
°C)
n Dissolução: 1/215
n
n
n
n
n
Condições ambientais
Temperatura de armazenamento: -10...70 °C
Tipo de protecção:
n Tipo de protecção: como módulo interno IP 20
n como módulo externo, montado na parede IP 65, de acordo
com IEC 60529, DIN EN 60529, VDE 0470
n como módulo externo, montado no painel de controlo IP 54, de
acordo com IEC 60529, DIN EN 60529, VDE 0470
Materiais
Caixa: PPE-GF 10
249
Dados técnicos
250
Instruções de montagem e operação
DULCOMARIN® II, Módulo M
DXMaM (módulo de medição para pH, Redox,
temperatura)
Introduzir aqui o código identificação do seu aparelho! DXMA _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
Ler primeiro o manual de instruções na sua totalidade! · Não o deitar fora!
Por de danos devido a erros de instalação e comando, a empresa operadora se responsabiliza!
Reservadas as modificações técnicas!
N.º peça 985685
BA DC 008 11/11 PT
ProMinent Dosiertechnik GmbH
Im Schuhmachergewann 5 - 11
69123 Heidelberg
Telefone: +49 6221 842-0
Fax: +49 6221 842-419
E-Mail: [email protected]
Internet: www.prominent.com
985685, 1, pt_PT
© 2011
252
Instruções complementares
Documentos aplicáveis
Este manual de instruções ou complementar é válido apenas jun‐
tamente com os seguintes manuais de operação ou complemen‐
tares:
n Manual de instruções Multicanal Sistema de medição e de
regulação DULCOMARIN® II Controlador de piscinas e Disin‐
fection Controller DXCa Parte 2: Operação
n Manual complementar DULCOMARIN® II Gravador de monitor
Operação
253
Instruções complementares
254
Índice
Índice
1
Código identificação.......................................................... 256
2
Segurança e responsabilidade......................................... 258
3
Manuseamento do aparelho............................................. 259
4
Esquema de conexão de bornes...................................... 260
5
Elementos de operação.................................................... 263
5.1 Estrutura do menu de operação............................... 264
6
Ajustar...............................................................................
6.1 Ajustes base.............................................................
6.2 Calibração.................................................................
6.2.1 Calibração pH........................................................
6.2.2 Verificação do sensor Redox.................................
6.2.3 Calibração de um sensor de temperatura.............
6.2.4 Calibração de um sensor de cloro para cloro livre
6.2.5 Calibração de um sensor de cloro para cloro total
6.2.6 Temperatura Sensor de cloro................................
267
267
268
268
273
274
275
276
277
255
Código identificação
1
Código identificação
O código identificação descreve os módulos externos
para DULCOMARIN® II, série DXM
Apenas o módulo M no tipo de montagem “W”
“montagem na parede” pode ser encomendado com
elementos de comando e diferentes idiomas.
DXMa
Módulos externos para DULCOMARIN® II série DXM
Módulo:
M
Módulo M, módulo de medição: pH, Redox, temperatura
A
Módulo A, módulo de accionamento: 3 saídas de bombas e 4 saídas analógicas
R
Módulo R, módulo de accionamento: aparelho de dosagem de gás cloro com men‐
sagem de resposta 1) 2)
N
Módulo N, módulo da unidade de alimentação eléctrica sem relé 1) 2)
P
Módulo P, módulo da unidade de alimentação eléctrica com relé, apenas tipo de
montagem “0” 2)
I
Módulo I, módulo de entrada de corrente, entradas 3 mA, 2 entradas digitais
Tipo de montagem:
0
sem caixa, apenas módulo P (IP 00)
W
Montagem na parede (IP 65)
H
Calha DIN (IP 20)
E
Módulo de montagem posterior (módulo de montagem para DXCa, IP 20)
Versão:
0
com operação
2
sem operação
3
sem operação (apenas tipo de montagem “E” )
Área de utilização:
0
Padrão
S
Piscina (apenas módulo M)
Idioma:
00
sem operação 2)
DE
Alemão
EN
Inglês
ES
Espanhol
FR
Francês
IT
Italiano
Certificação:
256
Código identificação
DXMa
Módulos externos para DULCOMARIN® II série DXM
00
sem autorização, apenas módulo P
sem caixa
01
Certificação CE
2) apenas no tipo de montagem W montagem na parede / 2)
apenas na versão “2” sem operação
257
Segurança e responsabilidade
2
Segurança e responsabilidade
Sobre este aparelho
O módulo de medição DXMaM permite ao DULCOMARIN® II, por
ex.:
n
n
n
n
a medição e regulação do valor de pH
a medição e indicação do potencial Redox (controlo opcional)
a medição e indicação da temperatura da água de medição
a monitorização do débito da água de medição
O módulo de medição DXMaM possui as seguintes entradas:
n Uma entrada de temperatura para Pt1000 (Pt100, detecção
automática do sensor)
n Duas entradas do sensor para medição de pH ou Redox com
ligação equipotencial
n Três entradas de contacto para pausa, comutação do conjunto
de parâmetros, monitorização da água de medição
Segurança
AVISO
Documentos aplicáveis
Este manual de instruções é válido apenas juntamente
com o "Manual de instruções DULCOMARIN® II, Parte
1: Montar e instalar".
Todas as indicações de segurança e explicações aqui
incluídas são absolutamente vinculativas.
ATENÇÃO
Perigo de falhas de funcionamento
A instalação do módulo M DXMaR apenas pode ser
efectuada por pessoal com formação técnica. Apenas
deste modo se garante que todos os componentes do
circuito de controlo estejam ajustados entre si e fun‐
cionem correctamente
AVISO
Ligar e desligar componentes no bus CAN
O sensor de cloro tem de ser ligado ou desligado no
bus CAN. Pode obter informações sobre este aspecto
no "Manual de instruções DULCOMARIN® II Contro‐
lador de piscinas e Disinfection Controller DXCa Parte
2: Operação".
258
Manuseamento do aparelho
3
Manuseamento do aparelho
Armazenamento e transporte
CUIDADO
Proteja também o módulo embalado contra humidade
e a acção de produtos químicos!
Armazene e transporte o módulo na embalagem original.
Condições ambientais para armazenamento e transporte:
n Temperatura: -10 °C ... 70 °C
n Humidade relativa máx. permitida: 95 %, sem condensação
(DIN IEC 60068-2-30)
Montar e instalar
ATENÇÃO
Perigo de falhas de funcionamento
A instalação do módulo M DXMaM apenas pode ser
efectuada por pessoal com formação técnica. Apenas
deste modo se garante que todos os componentes do
circuito de controlo estejam ajustados entre si e fun‐
cionem correctamente
AVISO
Esquema de conexão de bornes
O esquema de conexão de bornes encontra-se no
final do presente manual de instruções, ver .
Estabelecer a ligação CAN de acordo com o "Manual de instru‐
ções DULCOMARIN® II, Parte 1: Montar e instalar".
259
Esquema de conexão de bornes
4
Esquema de conexão de bornes
Sensor "Cadeia de medição combi‐
nada"
Entrada temp.
+
Entrada 1
Ligação equipotencial
Entr. de contacto
Entrada 2
-
+
W
-
+
-
+
-
X
Pino de ligação equipot. ORP (pH)*
Temperatura
Externo
Pino de ligação equipot. pH (ORP)*
Interno
3 4
Blindagem no
suporte de blindagem
7 8
A0451
Fig. 1: Sensor "Cadeia de medição combinada"
✱ A função "Ligação equipotencial" tem de ser activada no software
260
Esquema de conexão de bornes
Sensor: "Cadeia de medição sepa‐
rada"
Entrada temp.
Entrada 1
Entrada 2
Ligação equipotencial
Entr. de contacto
3 4
Sinal
Blindagem
Eléctrodo de ref.
Pino de ligação equipot.
Pino de ligação equipot.
Blindagem
Eléctrodo de ref.
Temperatura
Externo
Sinal
Interno
Blindagem no
suporte de blindagem
7 8
Fig. 2: Sensor: "Cadeia de medição separada"
✱ A função "Ligação equipotencial" tem de ser activada no software
Ocupação dos bornes
Designação
Designação do
borne
N.º do borne Pólo
Função
Entrada temp.
RTD
1
+
2
-
Pt1000(100 (sensor
temp.)
3
Ref.
4
meas sig.
Pt1000/100
Entrada pH/Redox 1
pH (ORP)
Ligação equipotencial 1
POT 1
5
Ligação equipotencial 2
POT 2
6
Entrada pH/Redox 2
pH (ORP)
7
Ref.
8
meas sig.
9
+
Entrada de contacto 1
K1
Redox-Sensor
Sensor pH
Água de medição (erro)
261
Esquema de conexão de bornes
Designação
Entrada de contacto 2
Entrada de contacto 3
Dados eléctricos
Designação do
borne
K2
K3
N.º do borne Pólo
10
-
11
+
12
-
13
+
14
-
Função
Pausa Controlo (lavagem
retorno)
ECO!MODO
Entrada Pt1000/Pt100 (RTD) (cl. 1, 2):
n Gama de entrada: -20 ... 150 °C
n Precisão: ± 0,5 °C
n Dissolução: 0,1 °C
Entrada do sensor ORP (cl. 3, 4) para Redox:
n Resistência de entrada: > 1012 Ohm
n Podem ser ligados todos os eléctrodos de referência com dia‐
fragma.
n Gama de entrada: Redox: -1.200 mV ... +1.200 mV
n Precisão: ± 0,5 % da gama de entrada
n Dissolução: 1 mV (0,01 pH)
n Ligação do eléctrodo de referência através da camada de blin‐
dagem
n Possibilidade de ligação para um eléctrodo de ligação equipo‐
tencial
Entrada do sensor (pH) (cl. 7, 8) para pH:
n
n
n
n
Resistência de entrada: > 1012 Ohm
Gama de entrada: pH: -1 ... 15 (0 ... 100 °C)
Dissolução: 0,01 pH
Outros dados como “entrada do sensor (ORP)” .
Entradas de contacto (K1, K2, K3) (cl. 9 – 14):
n
n
n
n
n
Condições ambientais
isoladas umas das outras por galvanização
Tensão de isolamento: 500 V
Frequência máx. de contacto: 2 kHz
Contactos conectáveis: relés mecânicos
Comprimento máx. conectável do cabo: 20 m
Temperatura de armazenamento: -10...70 °C
Tipo de protecção: IP 20 (na caixa DXM: IP 65)
Clima: Humidade relativa permitida: 95 % sem condensação (DIN
IEC 60068-2-30)
Materiais
262
Caixa: PPE-GF 10
Elementos de operação
5
Elementos de operação
Fig. 3: Elementos de operação
1.
2.
3.
4.
Etiqueta Tipo de módulo
Indicação LCD
Tecla CAL
Tecla ENTER
Funções das teclas
5.
6.
7.
8.
Tecla PARA CIMA
Tecla PARA BAIXO
Tecla ESC
Tecla de comutação
Por meio das teclas, pode alterar definições do DULCOMARIN® II.
As teclas têm as seguintes funções:
Tecla
na indicação contínua ou nas indicações nos itens de menu
de info
Tecla de comu‐
tação
Comutação entre indicações contínuas
Comutação entre as variáveis ajustáveis do
item de menu actual
Tecla ESC
Passar das indicações de info para as
indicações contínuas
Passar para a indicação de info sem gravar
as variáveis ajustáveis
Tecla Enter
Comutação para item de menu (a partir
de uma indicação de info)
Gravação das variáveis ajustáveis do item
de menu actual e comutação para a indi‐
cação de info
Tecla CAL
Comutação para uma indicação de info
do menu de calibração (a partir da indi‐
cação contínua)
Execução dos passos de calibração no
menu de calibração (apenas com pH)
Tecla Para baixo
------
Alteração de uma variável ajustável
Tecla Para cima
263
Elementos de operação
5.1 Estrutura do menu de operação
O menu de operação é composto pelo seguinte:
n indicações contínuas (nível Indicações contínuas)
n indicações de info (nível Info) para a indicação dos parâmetros
de calibração ajustados ou dos ajustes base
n menu de calibração
n itens de menu (nível de ajuste) para a alteração dos parâme‐
tros de calibração ou dos ajustes base
Indicação
contínua1
Indicação de info
Item de menu
Indicação
contínua 2
Indicação de info
Item de menu *
Indicação
contínua X
Indicação de info
Item de menu
=
A0454
Fig. 4: Estrutura do menu de operação
I.
II.
III.
Menu de calibração
Indicações contínuas
Nível Info
Navegar pelo menu de operação
IV.
V.
Nível de ajuste
Consulta do código de acesso (apenas se acti‐
vado pelo utilizador)
Com a tecla ESC é possível, por predefinição, fechar o menu de
operação em qualquer janela. Onde quer que se encontre no
menu de operação, o retrocesso ocorre ou para a respectiva indi‐
cação contínua ou para a indicação de info.
Caso não prima qualquer tecla num período de 5 minutos, a indi‐
cação retorna automaticamente para a indicação contínua (sem
gravar as variáveis ajustáveis).
Se um código de acesso tiver sido activado pelo utilizador, os itens
de menu do nível de ajuste têm de ser bloqueados em primeiro
lugar. Para o “Desbloqueio” , é necessário introduzir na respectiva
consulta o código de acesso e confirmar com a tecla Enter. Assim
que o DXMaM se encontrar novamente na indicação contínua,
este “Desbloqueio” é cancelado. O código de acesso está definido
de fábrica para “0000” e, deste modo, encontra-se inactivo.
264
Elementos de operação
Indicações contínuas
Cl:
pH
Variável de ajuste:
Cl livre
Controlo: não activado
Cl geb (Cl tot.)
Temp. Sensor Cl
Cl geb
Variável de ajuste:
Cloro total:
0.45 ppm
Sensor Cl
A0455
Fig. 5: Indicações contínuas
I.
Indicação contínua 1
Durante a operação, pode monitorizar os valores de medição do
respectivo tanque através das indicações contínuas. As indicações
contínuas do DXMaM estão dependentes dos sensores que estão
ligados e configurados no DULCOMARIN® II. A indicação contínua
1 pode apresentar até quatro variáveis de medição. Além disso,
para cada variável de medição existe uma outra indicação con‐
tínua própria.
As indicações contínuas podem apresentar o seguinte:
n Variáveis de medição [pH], [Redox], [Cl livre], [Cl comb]
([Cl tot.] no rodapé), temperatura (Pt1000 e sensor Cl sepa‐
rados)
n Actividade de controlo de uma variável de medição e, por con‐
seguinte, da variável de ajuste
Indicações de info
A partir de uma indicação contínua, aceda com a tecla Enter ou a
tecla CAL à respectiva indicação de info (nível Info).
Menu de calibração
A partir de uma indicação contínua, aceda com a tecla CAL ao res‐
pectivo menu de calibração
Itens de menu
A partir das indicações de info, aceda com a tecla Enter aos itens
de menu correspondentes (nível de ajuste)
Navegar no item de menu
–
–
As suas introduções serão agora gravadas efec‐
tiva e permanentemente, premindo a tecla Enter
Se não pretender gravar as variáveis ajustadas,
saia do item de menu com a tecla ESC: regressa à
indicação de info correspondente
265
Elementos de operação
Registo
Unidade:
Corr.± =
Valor de medição
A0457
Fig. 6: Navegar no item de menu
I.
Valor numérico/termo alterável intermitente
Num item de menu, é possível activar todas as variáveis ajustáveis
com a tecla ESC. Se a variável ajustável ficar intermitente, pode
ser alterada. Por meio das teclas de seta, pode alterar os valores
numéricos ou os termos.
Assim:
n premir brevemente 1x significa que um valor numérico é redu‐
zido/aumentado 1 nível ou que um termo é alterado
n premir por mais tempo significa uma alteração mais rápida dos
valores numéricos.
n Com a tecla Enter, é possível gravar as variáveis do item de
menu ajustadas. Simultaneamente, regressa à indicação de
info.
266
Ajustar
6
Ajustar
pH:
Redox:
Temp:
Cl:
7.12
654 mV
25 ˚C
1.12 mg/l
Idioma:
Ajustes base
Versão:
alemão
Palavra-passe
:4444
2001
A quantidade de indicações contínuas depende dos sensores atribuídos
7.12
pH
Variável de ajuste: 24%
Calibrar com CAL!
Ponto zero=12 mV
Inclinação =58,32 mV/pH
Temp. tampão=25,2 ˚C
Det. tampão
T. = 20.3 ˚C
Det. tampão
T. = 20.3 ˚C
Temp. tampão= 25,2 ˚C
Calibrar com CAL!
Equilíbrio
T. = 20.3 ˚C
Equilíbrio
T. = 20.3 ˚C
Fim=
ou cal2=CAL
T. = 20.3 ˚C
Calib. concluída com
T. = 20.3 ˚C
Ponto zero
Inclinação
Assumir
Valor de medição
654
mV
Redox
Controlo: não activado
25.6
˚C
Temp:
Pt1000
1.12
mg/l
Cl
Variável de ajuste: 24 %
0.13
mg/l
Cl comb.
Cloro total: 0.45 ppm
25.3
°C
Temp:
Sensor Cl
Ajustar com CAL!
Offset = 2 mV
Assumir
Valor ajust.654 mV
Valor de medição= 654 mV
Valor de medição= 652 mV
Calibrar com CAL!
Offset = 1,1 °C
Assumir
Valor ajust. 21,7 ˚C
Valor de medição= 20,6 ˚C
Valor de medição= 20,6 ˚C
Calibrar com CAL!
Ponto zero= 5 pA
Inclinação= 105,22 %
Assumir
Valor DPD:
: 0,56 mg/l
Valor de medição= 0,52 mg/l
Valor de medição= 0,52 mg/l
Calibrar com CAL!
Ponto zero= 5 pA
Inclinação= 105,22 %
Assumir
Valor DPD: 0,56 mg/l
Valor de medição= 0,52 mg/l
Valor de medição= 0,52 mg/l
= I.
A0458
Fig. 7: Vista geral do menu
I.
Consulta do código de acesso (apenas se activado pelo utilizador)
6.1 Ajustes base
AVISO
Código de acesso de fábrica
Substitua o código de acesso indicado de fábrica por
um próprio. Caso contrário, a protecção dos menus
que se seguem é muito baixa.
Ao retroceder para uma indicação contínua, o
DULCOMARIN® II cancela de novo e automatica‐
mente o acesso concedido.
267
Ajustar
Código de acesso (palavra-passe)
Pode limitar o acesso ao aparelho com a definição de
um código de acesso.
Os ajustes do idioma e do código de acesso podem ser realizados
no menu “Ajustes base” :
1.
Prima na indicação contínua 1 a tecla Enter 2x
2.
Ajuste em “Idioma” o idioma desejado com as teclas de seta
3.
Comute com a tecla de comutação para a selecção
4.
Ajuste em “Palavra-passe” o código de acesso desejado
com as teclas de seta
5.
Prima a tecla ENTER para assumir os valores ou a tecla
ESC para não assumir os valores
“Palavra-passe”
ð A indicação comuta para a indicação de info.
6.
Regresse com a tecla ESC à indicação contínua
ð Deste modo, os menus ficam novamente protegidos por
palavra-passe.
6.2 Calibração
6.2.1 Calibração pH
Calibração da medição pH
Detecção automática do tampão
O estado de um sensor de pH é determinante para a
qualidade da medição. Por isso, todos os sensores de
pH têm de ser periodicamente calibrados de novo com
a ajuda de soluções tampão. O DXMaM dispõe de
uma detecção automática do tampão para a respec‐
tiva solução tampão utilizada.
A seguinte tabela de tampões está gravada na memória do programa:
Temperatura Tampão em
°C
pH
0
4,05
7,13
10,26
5
4,04
7,07
10,17
10
4,02
7,05
10,11
15
4,01
7,02
10,05
20
4,00
7,00
10,00
25
4,00
6,98
9,94
30
4,00
6,98
9,90
40
4,00
6,97
9,82
50
4,00
6,96
9,75
Recomenda-se a utilização exclusiva de soluções tampão da ProMinent® para a calibração.
268
Ajustar
Temperatura Tampão em
°C
pH
60
4,00
6,97
9,68
70
4,01
6,98
9,62
80
4,02
6,99
9,55
Recomenda-se a utilização exclusiva de soluções tampão da ProMinent® para a calibração.
Execução da calibração pH
–
–
–
–
Com a tecla ESC pode, por predefinição, fechar o
menu de calibração em qualquer item. Regressa-se à indicação contínua
A variável de ajuste é congelada no último valor
(HOLD) durante a calibração
Os valores inadmissíveis invalidam a calibração
em curso. Mantêm-se os valores de calibração
anteriores
Elimine a solução tampão usada
Vista geral do menu de calibração
7.12
Calibração Sensor
Ponto zero= 12 mV
Inclinação = 58,32 mV/pH
Temp. tampão= 25,2 °C
pH
Variável de ajuste: 24 %
Temp. tampão=20.3 °C
Det. tampão
Equilíbrio
Det. tampão
Equilíbrio
Ponto zero
Inclinação
Assumir
Valor de medição
Calib. concluída com
I.
II.
A0459
Fig. 8: Calibração de 2 pontos
I. A comutação da indicação ocorre somente quando a barra de tempo estiver completamente cheia
II. Consulta do código de acesso (apenas se activado pelo utilizador)
269
Ajustar
Calibração Sensor
Ponto zero=12 mV
Inclinação =58,32 mV/pH
Temp. tampão= 25,2 °C
pH
Variável de ajuste: 24 %
Temp. tampão= 20.3 °C
Equilíbrio
Det. tampão
Fim=
ou cal2=CAL
Ponto zero
Inclinação
Assumir
Valor de medição
A0460
Fig. 9: Calibração de 1 pontos
I. A comutação da indicação ocorre somente quando a barra de tempo estiver completamente cheia
II. Consulta do código de acesso (apenas se activado pelo utilizador)
Variável de ajuste:
Calibração Sensor
Ponto zero= 12 mV
Inclinação =58,32 mV/pH
Temp. tampão= 25,2 °C
Temp. tampão = 25,2 °C
A0461
Fig. 10: Para aceder ao menu de calibração, proceda do seguinte modo:
Iniciar a calibração
1.
Prima na indicação contínua “pH” a tecla CAL 2x enquanto o
sensor de pH ainda se encontra na água de medição
2.
Ajuste em “ Temp. tampão” , com as teclas de seta, a tempe‐
ratura do tampão
ð Este ajuste apenas é válido durante o processo de cali‐
bração.
3.
Retire o sensor de pH da água de medição, lave-o e mer‐
gulhe-o na primeira solução tampão (aqui com pH 4)
Equilíbrio
Det. tampão
Fim
ou
A0462
Fig. 11: Detecção automática do tampão
4.
Premir a tecla CAL para inicial a detecção automática do
tampão
ð A evolução da detecção do tampão é indicada com uma
barra de tempo.
270
Ajustar
Com “T” é indicada a temperatura do tampão ajustada
manualmente.
5.
Após a detecção do tampão, inicia-se automaticamente o
cálculo dos parâmetros de calibração (ajuste). Tal é igual‐
mente indicado com uma barra de tempo
Pode corrigir o valor tampão durante o ajuste com as teclas de
seta. Se o sinal do sensor estiver instável, a barra de tempo pára
até este estabilizar. Após o ajuste, surge o item de menu final da
calibração de 1 ponto. Aqui, pode corrigir novamente o valor
tampão com as teclas de seta.
O restante procedimento depende de se deseja uma calibração de
1 ou 2 pontos (recomendada!).
1.
Calibração de 1 pontos
Prima a tecla ENTER para concluir a calibração de 1 pontos
ð O ponto zero é calibrado quando o valor tampão se
encontrar entre 5,5 pH e 8,0 pH.
Ponto zero
Inclinação
Assumir
Valor de medição
A0464
Fig. 12: Ponto zero e inclinação
2.
Os valores da calibração (ponto zero e inclinação) são agora
exibidos
Em “Valor de medição” é indicado o valor pH actual
com vista à verificação.
3.
Prima a tecla ENTER para assumir os valores ou a tecla
ESC para não assumir os valores
ð A indicação comuta para a indicação de info, a cali‐
bração está concluída.
4.
Regresse com a tecla ESC à indicação contínua
ð Deste modo, os menus ficam novamente protegidos por
palavra-passe
271
Ajustar
1.
Calibração de 2 pontos
Det. tampão
Para uma calibração de 2 pontos, retire o sensor de pH da
primeira solução tampão, lave-o com água limpa e mergulhe-o na segunda solução tampão
Equilíbrio
Calib. concluída com
A0463
Fig. 13: Detecção automática do tampão
2.
Premir a tecla CAL para inicial a detecção automática do
tampão
3.
Após o ajuste, surge o item de menu final da calibração de 2
pontos
ð Pode corrigir novamente o valor tampão com as teclas
de seta.
4.
Prima a tecla ENTER para concluir a calibração de 2 pontos
Ponto zero
Inclinação
Assumir
Valor de medição
A0464
Fig. 14: Ponto zero e inclinação
5.
Os valores da calibração (ponto zero e inclinação) são agora
exibidos
Em “Valor de medição” é indicado o valor pH actual
com vista à verificação.
6.
Prima a tecla ENTER para assumir os valores ou a tecla
ESC para não assumir os valores
ð A indicação comuta para a indicação de info, a cali‐
bração está concluída.
7.
Regresse com a tecla ESC à indicação contínua
ð Deste modo, os menus ficam novamente protegidos por
palavra-passe
272
Ajustar
Mensagens de erro
Os valores inadmissíveis invalidam a calibração em
curso. Mantêm-se os valores de calibração anteriores.
Mensagem de erro
Causa
Efeito
Ponto zero < -60 mV !!!
N < -60 mV
o ponto zero e a inclinação anteriores
mantêm-se
Calibr. inválida
Substituir o sensor
Ponto zero > 60 mV !!!
N > +60 mV
o ponto zero e a inclinação anteriores
mantêm-se
Calibr. inválida
Substituir o sensor
Inclinação < 40 mV/pH !
S < 47 mV/pH
o ponto zero e a inclinação anteriores
mantêm-se
Calibr. inválida
Substituir o sensor
Inclinação > 65 mV/pH !
S > 63 mV/pH
o ponto zero e a inclinação anteriores
mantêm-se
Calibr. inválida
Substituir o sensor
Distância do tampão dema‐
siado reduzida !
Δ tampão < 2 pH
Calibrar novamente o tampão 2
Calibr. inválida
6.2.2 Verificação do sensor Redox
AVISO
Sem controlo
A variável de ajuste é congelada no último valor
(HOLD) durante a verificação do sensor Redox.
Verificar sensor
Offset= 2 mV
Controlo: não activado
Valor med. = 654 mV
Tampão com
Valor ajust.: 654 mV
Valor med. = 652 mV
A0465
Fig. 15: Verificação do sensor Redox
Pode verificar o sensor através da medição da tensão Redox
numa solução tampão
1.
Prima na indicação contínua "Redox" a tecla CAL
2.
Prima a tecla CAL quando o “Valor de medição” estiver
estável
3.
Introduza em “Valor ajust.” a tensão Redox da solução
tampão indicada (teclas de seta)
4.
Prima a tecla ENTER - o valor tampão é comparado com o
valor de medição no aparelho e é exibido “Offset” no item de
menu seguinte. O offset não pode ser superior a ± 40 mV
273
Ajustar
5.
Regresse com a tecla ESC à indicação contínua
ð Deste modo, os menus ficam novamente protegidos por
palavra-passe.
Mensagem de erro
Causa
Efeito
Calibração inválida
Diferença de tensão Redox > 40
mV
Substituir o sensor
Offset demasiado elevado
6.2.3 Calibração de um sensor de temperatura
AVISO
Não é necessário calibrar o sensor de temperatura do
sensor de cloro (esta indicação contínua não surge
nos sensores de cloro).
Apenas deverá calibrar o sensor de temperatura se:
–
–
tiver um sensor de temperatura do tipo Pt100
tiver um aparelho de medição de referência pre‐
ciso
Durante a calibração não substitua o sensor de tempe‐
ratura:
–
–
Pode ajustar o valor de medição da temperatura
para o valor de calibração de fábrica apenas
dentro de uma amplitude de ± 4 ℃
Na indicação contínua “Temperatura, Sensor Cl”
não existe um menu de calibração
Calibração Sensor
Offset= 1,1
Valor ajust.: 26,7
Valor med. = 26,7
Valor med. = 25,6
A0466
Fig. 16: Calibração de um sensor de temperatura
Para aceder ao menu de calibração, proceda do seguinte modo:
1.
Prima na indicação contínua “Temperatura, Pt1000” a tecla
CAL
2.
Recolha uma amostra da água de medição de, no mínimo,
250 ml
Imediatamente após a recolha da amostra, efectue a
medição antes que a temperatura da amostra da água
de medição se altere.
3.
274
Mergulhe o sensor de temperatura externo Pt100 do DUL‐
COMARIN® II e o aparelho de medição de referência na
amostra da água de medição
Ajustar
4.
Prima a tecla ENTER quando o “Valor de medição” estiver
estável
5.
Introduza em “Valor ajust.” o valor do aparelho de medição
de referência (teclas de seta) e prima a tecla ENTER
6.
Regresse com a tecla ESC à indicação contínua
ð Deste modo, os menus ficam novamente protegidos por
palavra-passe.
Mensagem de erro
Causa
Efeito
Calibração inválida
Diferença de temperatura > 4 °C
Substituir o sensor
Offset demasiado elevado
6.2.4 Calibração de um sensor de cloro para cloro livre
AVISO
Qualidade da medição
O estado de um sensor de cloro é determinante para a
qualidade da medição. Por isso, todos os sensores de
cloro têm de ser periodicamente calibrados de novo
com a ajuda de um instrumento de medição DPD.
AVISO
Documentos aplicáveis
Tenha em atenção os manuais de instruções do
sensor e da sonda contínua!
Variável de ajuste: 24 %
Calibração Sensor
Ponto zero= 5 pA
Inclinação= 105,22 %
Valor med. = 1,16 mg/l
Valor DPD: 1,16 mg/l
Valor med. = 1,12 mg/l
A0467
Fig. 17: Calibração de um sensor de cloro para cloro livre
Para aceder ao menu de calibração, proceda do seguinte modo:
1.
Bloqueie a água de medição
2.
Prima na indicação contínua “Cl” a tecla CAL
3.
Prima a tecla CAL quando o “Valor de medição” estiver
estável
4.
Imediatamente a seguir, recolha uma amostra da água de
medição na sonda contínua
5.
Calcule, logo a seguir, o teor de cloro da água de medição
com um fotómetro e um instrumento de medição adequado,
por ex. DPD 1 para cloro livre (sensor CLE)
6.
Introduza o teor de cloro calculado logo no “Valor DPD”
(teclas de seta)
275
Ajustar
7.
Prima a tecla Enter
ð - agora são exibidos os novos valores de calibração.
8.
Prima a tecla ESC para regressar à indicação contínua
ð deste modo, os menus ficam novamente protegidos por
palavra-passe.
9.
Se também for medido o cloro total, calibre logo também
esta variável de medição
Repita a calibração passado um dia.
10.
Abra novamente as torneiras de passagem da água de
medição
Mensagem de erro
Causa
Efeito
Calibração inválida
Erro na calibração
o ponto zero e a inclinação ante‐
riores mantêm-se, recalibrar
6.2.5 Calibração de um sensor de cloro para cloro total
AVISO
Qualidade da medição
O estado de um sensor de cloro é determinante para a
qualidade da medição. Por isso, todos os sensores de
cloro têm de ser periodicamente calibrados de novo
com a ajuda de um instrumento de medição DPD.
AVISO
Aqui é calibrado o sensor de cloro CTE para cloro
total.
O valor indicado para o cloro combinado é calculado
pelo DULCOMARIN® II enquanto diferença dos
valores de medição dos sensores para cloro livre e
cloro total
O sensor de cloro para cloro livre tem de ser um CLE
3.1 para a medição da diferença.
AVISO
Documentos aplicáveis
Tenha em atenção os manuais de instruções do
sensor e da sonda contínua!
276
Ajustar
Calibração Sensor
Ponto zero= 5 pA
Inclinação= 105,22 %
Valor med. = 0,48 mg/l
Cl comb.
Cloro total: 0.45 ppm
Valor DPD: 0,48 mg/l
Valor med. = 0,45 mg/l
A0468
Fig. 18: Calibração de um sensor de cloro para cloro total
Para aceder ao menu de calibração, proceda do seguinte modo:
1.
Bloqueie a água de medição
2.
Prima na indicação contínua “Cl comb” a tecla CAL
3.
Prima a tecla CAL quando o “Valor de medição” estiver
estável
4.
Imediatamente a seguir, recolha uma amostra da água de
medição na sonda contínua
5.
Calcule, logo a seguir, o teor de cloro da água de medição
com um fotómetro e um instrumento de medição adequado,
por ex. DPD 1 para cloro livre (sensor CLE)
6.
Introduza o teor de cloro calculado logo no “Valor DPD”
(teclas de seta)
7.
Prima a tecla Enter
ð - agora são exibidos os novos valores de calibração.
8.
Prima a tecla ESC para regressar à indicação contínua
ð deste modo, os menus ficam novamente protegidos por
palavra-passe.
9.
Se também for medido o cloro total, calibre logo também
esta variável de medição
Repita a calibração passado um dia.
10.
Abra novamente as torneiras de passagem da água de
medição
6.2.6 Temperatura Sensor de cloro
Para a temperatura do sensor de cloro, existe apenas uma indi‐
cação contínua. Não é possível calibrar o sensor de temperatura
do sensor de cloro - não surge na indicação contínua qualquer
menu de calibração.
277
Ajustar
278
Instruções de montagem e operação
DULCOMARIN® II, Módulo N
(módulo da unidade de alimentação eléctrica sem
relé) DXMaN
Introduzir aqui o código identificação do seu aparelho! DXMa _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
Ler primeiro o manual de instruções na sua totalidade! · Não o deitar fora!
Por de danos devido a erros de instalação e comando, a empresa operadora se responsabiliza!
Reservadas as modificações técnicas!
N.º peça 985684
BA DC 009 11/11 PT
ProMinent Dosiertechnik GmbH
Im Schuhmachergewann 5 - 11
69123 Heidelberg
Telefone: +49 6221 842-0
Fax: +49 6221 842-419
E-Mail: [email protected]
Internet: www.prominent.com
985684, 1, pt_PT
© 2011
280
Instruções complementares
Documentos aplicáveis
Este manual de instruções ou complementar é válido apenas jun‐
tamente com os seguintes manuais de operação ou complemen‐
tares:
n Manual de instruções Multicanal Sistema de medição e de
regulação DULCOMARIN® II Controlador de piscinas e Disin‐
fection Controller DXCa Parte 1: Montar e instalar
281
Instruções complementares
282
Índice
Índice
1
Código identificação.......................................................... 284
2
Sobre este aparelho.......................................................... 286
2.1 Capítulo sobre a segurança...................................... 286
2.2 Armazenamento e transporte................................... 286
3
Montar e instalar............................................................... 287
3.1 Reparação (apenas substituição do fusível)............. 290
283
Código identificação
1
Código identificação
O código identificação descreve os módulos externos
para DULCOMARIN® II, série DXM
Apenas o módulo M no tipo de montagem “W”
“montagem na parede” pode ser encomendado com
elementos de comando e diferentes idiomas.
DXMa
Módulos externos para DULCOMARIN® II série DXM
Módulo:
M
Módulo M, módulo de medição: pH, Redox, temperatura
A
Módulo A, módulo de accionamento: 3 saídas de bombas e 4 saídas analógicas
R
Módulo R, módulo de accionamento: aparelho de dosagem de gás cloro com men‐
sagem de resposta 1) 2)
N
Módulo N, módulo da unidade de alimentação eléctrica sem relé 1) 2)
P
Módulo P, módulo da unidade de alimentação eléctrica com relé, apenas tipo de
montagem “0” 2)
I
Módulo I, módulo de entrada de corrente, entradas 3 mA, 2 entradas digitais
Tipo de montagem:
0
sem caixa, apenas módulo P (IP 00)
W
Montagem na parede (IP 65)
H
Calha DIN (IP 20)
E
Módulo de montagem posterior (módulo de montagem para DXCa, IP 20)
Versão:
0
com operação
2
sem operação
3
sem operação (apenas tipo de montagem “E” )
Área de utilização:
0
Padrão
S
Piscina (apenas módulo M)
Idioma:
00
sem operação 2)
DE
Alemão
EN
Inglês
ES
Espanhol
FR
Francês
IT
Italiano
Certificação:
284
Código identificação
DXMa
Módulos externos para DULCOMARIN® II série DXM
00
sem autorização, apenas módulo P
sem caixa
01
Certificação CE
2) apenas no tipo de montagem W montagem na parede / 2)
apenas na versão “2” sem operação
285
Sobre este aparelho
2
Sobre este aparelho
O módulo N DXMaN (módulo de potência sem relé) alimenta
módulos de um sistema DULCOMARIN® II com tensão eléctrica.
2.1 Capítulo sobre a segurança
O módulo N DXMaN apenas pode ser utilizado como alimentação
de tensão do DULCOMARIN® II.
O módulo N DXMaN apenas pode ser utilizado como parte de um
DULCOMARIN® II.
A instalação do módulo N DXMaN apenas pode ser efectuada por
pessoal com formação técnica.
2.2 Armazenamento e transporte
CUIDADO
Proteja também o módulo embalado contra humidade
e a acção de produtos químicos.
Armazene e transporte o módulo na embalagem original.
Condições ambientais para o armazenamento e o transporte:
n Temperatura: -10 °C ... 70 °C
n Humidade relativa máx. permitida: 95 %, sem condensação
(DIN IEC 60068-2-30)
286
Montar e instalar
3
Montar e instalar
AVISO
A instalação apenas pode ser efectuada por pessoal
com formação técnica.
Na montagem e instalação deste aparelho, observe as
indicações do manual de instruções "Multicanal Sis‐
tema de medição e de regulação DULCOMARIN® II
Controlador de piscinas e Disinfection Controller
DXCa, Parte 1: Montar e instalar".
A unidade central não atribui aos módulos N quaisquer
“ID de nó” . Não são uma parte activa do sistema de
bus.
Estabelecer a ligação CAN de acordo com o "Manual de instru‐
ções Multicanal Sistema de medição e de regulação DULCO‐
MARIN® II Controlador de piscinas e Disinfection Controller DXCa,
Parte 1, Montar e instalar".
ATENÇÃO
Tensão de rede
Consequência possível: morte ou ferimentos muito
graves.
Necessária protecção externa.
Se se verificar tensão de rede no aparelho, também o
porta-fusíveis está sob tensão.
Antes de qualquer trabalho no aparelho, desligá-lo da
tensão de rede e bloqueá-lo contra uma nova ligação
indesejada.
287
Montar e instalar
A0478
Fig. 1: Esquema de conexão de bornes
1.
2.
3.
4.
Fusível 5x20 de acção retardada
Ligação CAN Ficha M12 5 pól.
LED 2
LED 1
5.
6.
✱
Ligação para unidade central✱
Ligação para bus CAN aos módulos✱
se utilizado como módulo interno
Ocupação dos bornes
Designação
Designação dos bornes
N.º do borne
Pólo
Rede
X1
11
N
12
L(1)
288
Montar e instalar
Ambos os díodos luminosos LED 1 e LED 2 indicam a
carga da alimentação de tensão de 24 V para o bus
CAN.
Código de intermitência LED Monitorização da unidade de alimentação eléctrica DULCOMARIN® II (módulo
N e P)
Estado de funcionamento LED 1
LED 2
Corrente
Observação
(H2, corrente)
(H3, tensão)
Normal
escuro
verde
< 1,1 A
Tudo OK
Carga limite
vermelho
escuro
> 1,1 A
Ligar um outro
módulo da unidade
de alimentação
eléctrica
escuro
> 1,35 A
Verificar a
cablagem
Sobrecarga/Curto-circuito vermelho, inter‐
mitente
Módulos da unidade de alimentação
eléctrica
Dispor os módulos da unidade de alimentação eléctrica na linha
principal de bus CAN (DULCOMARIN® II DULCO-Net)
Na unidade central encontra-se sempre um módulo da unidade de alimentação eléctrica.
Quantidade Tanques
Módulos N ou P adicio‐
nais
Quantidade Tanques
Módulos N ou P adicio‐
nais
1
-
9
4
2
-
10
5
3
1
11
5
4
2
12
6
5
2
13
6
6
3
14
7
7
3
15
7
8
4
16
8
(Excepção: quantidade de tanques = 2)
Dados eléctricos
n Tensão nominal (X1): 90 - 253 V AC (50/60 Hz)
n Consumo máximo de corrente: 500 mA com 90 V AC // 180
mA com 253 V AC
n Protecção no interior com: microfusível de baixa intensidade 5
x 20 mm, 630 mA, 250 V, de acção retardada
O módulo N DXMaN é uma unidade de alimentação eléctrica de
corrente contínua de 24 V (24 V DC, 1 A). Tipo de protecção: IP 20
(na caixa DXM: IP 65)
289
Montar e instalar
3.1 Reparação (apenas substituição do fusível)
ATENÇÃO
Tensão de rede
Consequência possível: morte ou ferimentos muito
graves.
Necessária protecção externa.
Se se verificar tensão de rede no aparelho, também o
porta-fusíveis está sob tensão.
Antes de qualquer trabalho no aparelho, desligá-lo da
tensão de rede e bloqueá-lo contra uma nova ligação
indesejada.
AVISO
Apenas o fusível pode ser substituído por pessoal com
formação técnica. Todos os outros trabalhos de repa‐
ração só podem ser efectuados pelo serviço de assis‐
tência ao cliente.
De resto, aplicam-se as normas de segurança gerais.
Utilizar apenas fusíveis originais: microfusível de baixa intensidade
5 x 20 mm, 630 mA, 250 V, de acção retardada (n.º enc. 712030).
290
Instruções de montagem e operação
DULCOMARIN® II, Módulo P
(módulo da unidade de alimentação eléctrica com
relé) DXMaP
A0479
Introduzir aqui o código identificação do seu aparelho! DXMa _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
Ler primeiro o manual de instruções na sua totalidade! · Não o deitar fora!
Por de danos devido a erros de instalação e comando, a empresa operadora se responsabiliza!
Reservadas as modificações técnicas!
N.º peça 985683
BA DC 010 11/11 PT
ProMinent Dosiertechnik GmbH
Im Schuhmachergewann 5 - 11
69123 Heidelberg
Telefone: +49 6221 842-0
Fax: +49 6221 842-419
E-Mail: [email protected]
Internet: www.prominent.com
985683, 1, pt_PT
© 2011
292
Instruções complementares
Documentos aplicáveis
Este manual de instruções ou complementar é válido apenas jun‐
tamente com os seguintes manuais de operação ou complemen‐
tares:
n Manual de instruções Multicanal Sistema de medição e de
regulação DULCOMARIN® II Controlador de piscinas e Disin‐
fection Controller DXCa Parte 1: Montar e instalar
n Manual de instruções Multicanal Sistema de medição e de
regulação DULCOMARIN® II Controlador de piscinas e Disin‐
fection Controller DXCa Parte 2: Operação
293
Instruções complementares
294
Índice
Índice
1
Código identificação.......................................................... 296
2
Sobre este aparelho.......................................................... 298
2.1 Capítulo sobre a segurança...................................... 298
2.2 Armazenamento e transporte................................... 298
3
Montar e instalar...............................................................
3.1 Reparação (apenas substituição do fusível).............
3.2 Disposição dos LED.................................................
3.3 Exemplo de ligação de uma válvula solenóide.........
4
Dados técnicos................................................................. 304
299
301
302
303
295
Código identificação
1
Código identificação
O código identificação descreve os módulos externos
para DULCOMARIN® II, série DXM
Apenas o módulo M no tipo de montagem “W”
“montagem na parede” pode ser encomendado com
elementos de comando e diferentes idiomas.
DXMa
Módulos externos para DULCOMARIN® II série DXM
Módulo:
M
Módulo M, módulo de medição: pH, Redox, temperatura
A
Módulo A, módulo de accionamento: 3 saídas de bombas e 4 saídas analógicas
R
Módulo R, módulo de accionamento: aparelho de dosagem de gás cloro com men‐
sagem de resposta 1) 2)
N
Módulo N, módulo da unidade de alimentação eléctrica sem relé 1) 2)
P
Módulo P, módulo da unidade de alimentação eléctrica com relé, apenas tipo de
montagem “0” 2)
I
Módulo I, módulo de entrada de corrente, entradas 3 mA, 2 entradas digitais
Tipo de montagem:
0
sem caixa, apenas módulo P (IP 00)
W
Montagem na parede (IP 65)
H
Calha DIN (IP 20)
E
Módulo de montagem posterior (módulo de montagem para DXCa, IP 20)
Versão:
0
com operação
2
sem operação
3
sem operação (apenas tipo de montagem “E” )
Área de utilização:
0
Padrão
S
Piscina (apenas módulo M)
Idioma:
00
sem operação 2)
DE
Alemão
EN
Inglês
ES
Espanhol
FR
Francês
IT
Italiano
Certificação:
296
Código identificação
DXMa
Módulos externos para DULCOMARIN® II série DXM
00
sem autorização, apenas módulo P
sem caixa
01
Certificação CE
2) apenas no tipo de montagem W montagem na parede / 2)
apenas na versão “2” sem operação
297
Sobre este aparelho
2
Sobre este aparelho
O módulo da unidade de alimentação eléctrica com relé DXMaP
com relé de alarme e relé de válvula solenóide alimenta o DULCO‐
MARIN® II compact com tensão de rede e permite-lhe o acciona‐
mento de 3 válvulas solenóides ou bombas de mangueira através
da frequência dos impulsos, por ex. para:
n
n
n
n
aumentar ou baixar o valor pH
a dosagem de desinfectante
a dosagem de agente de floculação
minimização do cloro combinado
O módulo da unidade de alimentação eléctrica com relé DXMaP
possui as seguintes saídas:
n saída do relé de potência para emissão do alarme
n saída do relé de potência para válvula solenóide ou bomba de
mangueira (correcção de pH)
n saída do relé de potência para válvula solenóide ou bomba de
mangueira (desinfectante)
n saída do relé de potência para bomba de mangueira (agente
de floculação) ou saída do relé (minimização do cloro combi‐
nado)
n uma entrada de rede
2.1 Capítulo sobre a segurança
CUIDADO
Segurança no manuseamento do módulo P
–
–
–
O módulo da unidade de alimentação eléctrica
com relé DXMaP apenas pode ser utilizado para o
accionamento de buzinas de alarme, válvulas
solenóides e bombas de mangueira, bem como
como alimentação de tensão do DULCOMARIN® II
DXCa.
O módulo da unidade de alimentação eléctrica
com relé DXMaP apenas pode ser utilizado como
parte do DULCOMARIN® II
A instalação apenas pode ser efectuada por pes‐
soal com formação técnica
2.2 Armazenamento e transporte
CUIDADO
Proteja também o módulo embalado contra humidade
e a acção de produtos químicos.
Armazene e transporte o módulo na embalagem original.
Condições ambientais para o armazenamento e o transporte:
n Temperatura: -10 °C ... 70 °C
n Humidade relativa máx. permitida: 95 %, sem condensação
(DIN IEC 60068-2-30)
298
Montar e instalar
3
Montar e instalar
AVISO
A instalação apenas pode ser efectuada por pessoal
com formação técnica.
Na montagem e instalação deste aparelho, observe as
indicações do manual de instruções "Multicanal Sis‐
tema de medição e de regulação DULCOMARIN® II
Controlador de piscinas e Disinfection Controller
DXCa, Parte 1: Montar e instalar".
Estabelecer a ligação CAN de acordo com o "Manual de instru‐
ções Multicanal Sistema de medição e de regulação DULCO‐
MARIN® II Controlador de piscinas e Disinfection Controller DXCa,
Parte 1, Montar e instalar".
Ocupação dos bornes
Designação
Designação do borne
N.º do borne
Relé de alarme
P1
1
Pólo
Função
Buzina de alarme (acciona‐
mento)
2
3
Relé de potência 1
P2
4
MLP Redutor pH (acciona‐
mento válvula solenóide
DULCO®flex)
5
MLP Increm. pH (acciona‐
mento)
Relé de potência 2
P3
6
Livre
7
MLP Cloro
MLP Redox
MLP Increm. pH
MLP Redutor pH
Lavagem de retorno
Relé de potência 3
P4
8
Activação Unidade UV
9
MLP Cloro (accionamento)
MLP Redox (accionamento)
Activação Aquecimento
Alimentação de tensão
X1
10
PE
11
N
12
L(1)
299
Montar e instalar
A0480
Fig. 1: Esquema de conexão de bornes
I.
II.
Relé de potência
Fusível 0,63 A, de acção retardada
Módulos da unidade de alimentação
eléctrica
III.
IV.
Tensão de alimentação
Alarme (buzina)
Dispor os módulos da unidade de alimentação eléctrica na linha
principal de bus CAN (DULCOMARIN® II DULCO-Net)
Na unidade central encontra-se sempre um módulo da unidade de alimentação eléctrica.
Quantidade Tanques
Módulos N ou P adicio‐
nais
Quantidade Tanques
Módulos N ou P adicio‐
nais
1
-
9
4
2
-
10
5
3
1
11
5
4
2
12
6
5
2
13
6
6
3
14
7
7
3
15
7
8
4
16
8
(Excepção: quantidade de tanques = 2)
300
Montar e instalar
Ambos os díodos luminosos LED 1 e LED 2 indicam a
carga da alimentação de tensão de 24 V para o bus
CAN.
Código de intermitência LED Monitorização da unidade de alimentação eléctrica DULCOMARIN® II (módulo
N e P)
Estado de funcionamento LED 1
LED 2
Corrente
Observação
(H2, corrente)
(H3, tensão)
Normal
escuro
verde
< 1,1 A
Tudo OK
Carga limite
vermelho
escuro
> 1,1 A
Ligar um outro
módulo da unidade
de alimentação
eléctrica
escuro
> 1,35 A
Verificar a
cablagem
Sobrecarga/Curto-circuito vermelho, inter‐
mitente
3.1 Reparação (apenas substituição do fusível)
ATENÇÃO
Tensão de rede
Consequência possível: morte ou ferimentos muito
graves.
Necessária protecção externa.
Se se verificar tensão de rede no aparelho, também o
porta-fusíveis está sob tensão.
Antes de qualquer trabalho no aparelho, desligá-lo da
tensão de rede e bloqueá-lo contra uma nova ligação
indesejada.
AVISO
Apenas o fusível pode ser substituído por pessoal com
formação técnica. Todos os outros trabalhos de repa‐
ração só podem ser efectuados pelo serviço de assis‐
tência ao cliente.
De resto, aplicam-se as normas de segurança gerais.
Utilizar apenas fusíveis originais: microfusível de baixa intensidade
5 x 20 mm, 630 mA, 250 V, de acção retardada (n.º enc. 712030).
301
Montar e instalar
3.2 Disposição dos LED
A0481
Fig. 2: Disposição dos LED
302
Montar e instalar
3.3 Exemplo de ligação de uma válvula solenóide
ATENÇÃO
Necessária protecção externa
Exemplo de ligação de uma válvula solenóide (ou bomba de man‐
gueira DULCO®flex DF2a e/ou bomba de dosagem do motor
alpha).
A0482
Fig. 3: Exemplo de ligação de uma válvula solenóide
I. Fusível 0,63 A, de acção retardada
II. Ligação de rede
303
Dados técnicos
4
Dados técnicos
Dados eléctricos
O módulo da unidade de alimentação eléctrica com
relé DXMaP inclui a unidade de alimentação eléctrica
de corrente contínua de 24 V DC, 1 A.
Saída do relé de potência para emissão do alarme (P1):
n Tipo de contacto: contacto bidireccional com eliminação de
interferências por varistores
n Capacidade de carga: 250 V AC, 3 A máx., 700 VA
n Vida útil do contacto: > 105 ciclos de comutação (com 3 A)
Saída do relé de potência para emissão da variável de ajuste ou
comunicação do valor limite (P2 – P4):
n Tipo de contacto: normalmente aberto com eliminação de
interferências por varistores
n Capacidade de carga: 250 V AC, 3 A máx., 700 VA
n Vida útil do contacto: > 20 x 106 ciclos de comutação
Tensão nominal (X1):
n 90 - 253 V AC (50/60 Hz)
n Consumo máximo de corrente: 500 mA com 90 V AC // 180
mA com 253 V AC
n Protecção no interior com: microfusível de baixa intensidade 5
x 20 mm 630 mA, 250 V, de acção retardada
n Potência eléctrica consumida: 30 W
Tipo de protecção: IP 20
Condições ambientais: Temperatura de armazenamento: -10...70
°C
304
Instruções de montagem e operação
DULCOMARIN® II, Módulo R
(aparelho de accionamento para aparelho de
dosagem de gás cloro) DXMaR
A0448
Introduzir aqui o código identificação do seu aparelho! DXMA _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
Este manual de instruções é válido apenas juntamente com o "Manual de instruções DULCOMARIN® II, Parte 1: Montar e
instalar".
Ler primeiro o manual de instruções na sua totalidade! · Não o deitar fora!
Por de danos devido a erros de instalação e comando, a empresa operadora se responsabiliza!
Reservadas as modificações técnicas!
N.º peça 985682
BA DC 011 11/11 PT
ProMinent Dosiertechnik GmbH
Im Schuhmachergewann 5 - 11
69123 Heidelberg
Telefone: +49 6221 842-0
Fax: +49 6221 842-419
E-Mail: [email protected]
Internet: www.prominent.com
985682, 1, pt_PT
© 2011
306
Índice
Índice
1
Código identificação.......................................................... 308
2
Segurança e responsabilidade......................................... 310
3
Manuseamento do aparelho............................................. 311
4
Esquema de conexão de bornes...................................... 312
307
Código identificação
1
Código identificação
O código identificação descreve os módulos externos
para DULCOMARIN® II, série DXM
Apenas o módulo M no tipo de montagem “W”
“montagem na parede” pode ser encomendado com
elementos de comando e diferentes idiomas.
DXMa
Módulos externos para DULCOMARIN® II série DXM
Módulo:
M
Módulo M, módulo de medição: pH, Redox, temperatura
A
Módulo A, módulo de accionamento: 3 saídas de bombas e 4 saídas analógicas
R
Módulo R, módulo de accionamento: aparelho de dosagem de gás cloro com men‐
sagem de resposta 1) 2)
N
Módulo N, módulo da unidade de alimentação eléctrica sem relé 1) 2)
P
Módulo P, módulo da unidade de alimentação eléctrica com relé, apenas tipo de
montagem “0” 2)
I
Módulo I, módulo de entrada de corrente, entradas 3 mA, 2 entradas digitais
Tipo de montagem:
0
sem caixa, apenas módulo P (IP 00)
W
Montagem na parede (IP 65)
H
Calha DIN (IP 20)
E
Módulo de montagem posterior (módulo de montagem para DXCa, IP 20)
Versão:
0
com operação
2
sem operação
3
sem operação (apenas tipo de montagem “E” )
Área de utilização:
0
Padrão
S
Piscina (apenas módulo M)
Idioma:
00
sem operação 2)
DE
Alemão
EN
Inglês
ES
Espanhol
FR
Francês
IT
Italiano
Certificação:
308
Código identificação
DXMa
Módulos externos para DULCOMARIN® II série DXM
00
sem autorização, apenas módulo P
sem caixa
01
Certificação CE
2) apenas no tipo de montagem W montagem na parede / 2)
apenas na versão “2” sem operação
309
Segurança e responsabilidade
2
Segurança e responsabilidade
AVISO
Documentos aplicáveis
Este manual de instruções é válido apenas juntamente
com o "Manual de instruções DULCOMARIN® II, Parte
1: Montar e instalar".
Todas as indicações de segurança e explicações aqui
incluídas são absolutamente vinculativas.
AVISO
Utilização correcta
– Apenas pode utilizar o módulo R DXMaR para o
accionamento de um motor de ajuste
– Apenas pode utilizar o módulo R DXMaR como
parte de um DULCOMARIN® II
– Não lhe é permitida qualquer outra utilização ou
alteração
ATENÇÃO
Perigo de falhas de funcionamento
A instalação do módulo R DXMaR apenas pode ser
efectuada por pessoal com formação técnica. Apenas
deste modo se garante que todos os componentes do
circuito de controlo estejam ajustados entre si e fun‐
cionem correctamente
310
Manuseamento do aparelho
3
Manuseamento do aparelho
Armazenamento e transporte
CUIDADO
Proteja também o módulo embalado contra humidade
e a acção de produtos químicos!
Armazene e transporte o módulo na embalagem original.
Condições ambientais para armazenamento e transporte:
n Temperatura: -10 °C ... 70 °C
n Humidade relativa máx. permitida: 95 %, sem condensação
(DIN IEC 60068-2-30)
Montar e instalar
ATENÇÃO
Perigo de falhas de funcionamento
A instalação do módulo R DXMaR apenas pode ser
efectuada por pessoal com formação técnica. Apenas
deste modo se garante que todos os componentes do
circuito de controlo estejam ajustados entre si e fun‐
cionem correctamente
AVISO
Esquema de conexão de bornes
O esquema de conexão de bornes encontra-se no
final do presente manual de instruções, ver Ä Capí‐
tulo 4 “Esquema de conexão de bornes”
na página 312.
Estabelecer a ligação CAN de acordo com o “Manual de
instruções DULCOMARIN® II, Parte 1: Montar e instalar” .
311
Esquema de conexão de bornes
4
Esquema de conexão de bornes
ATENÇÃO
Perigo de morte devido ao gás cloro
Através de um aparelho de dosagem de gás cloro des‐
controlado em “ABERTO” podem sair grandes quanti‐
dades de gás cloro. O gás cloro pode escapar na pis‐
cina.
Consequência possível: Morte ou lesões graves
Medida: bloqueie a alimentação de tensão do aparelho
de dosagem de gás cloro, para o caso de uma falha,
bem como as alimentações de tensão da bomba de
água motriz e da bomba de circulação, de modo que
estas bombas fiquem imobilizadas.
312
Esquema de conexão de bornes
Saídas do relé de potência
Entrada do sinal de transmissão da posição
Interno
aberto
fechado
abrir
fechar
Externo
Tensão de alimentação
A0449
Fig. 1: Esquema de conexão de bornes
313
Esquema de conexão de bornes
Ocupação dos bornes
Designação
Designação do borne
N.º do borne
Pólo
Função
Saída do relé de
potência 1
P1
1
C
2
NO
Desligar o motor de
ajuste
3
NC
4
C
5
NO
6
NC
7
-
8
S
9
+
Saída do relé de
potência 2
P2
Entrada do sinal de XR
transmissão da
posição
Dados eléctricos
Ligar o motor de ajuste
Confirmar a posição
do motor de ajuste
Saída do relé de potência (P1, P2):
n Tipo de contacto: contacto bidireccional com eliminação de
interferências por varistores
n Capacidade de carga: 250 V AC, 3 A máx., 700 VA
n Vida útil do contacto: > 20 x 105 ciclos de comutação
Entrada da resposta de posição: XR
Isolada galvanicamente dos contactos do relé de potência
Tensão de isolamento: 500 V
Potenciómetro a ligar: 0 Ω ... 1 kΩ
Precisão (sem erro de potenciómetro): 1 % da gama de
entrada
n Dissolução: 0,5 % da gama de entrada
n Tempo de ajuste: mín.: 25 s / máx.: 180 s
n
n
n
n
314
Manual complementar
DULCOMARIN® II
Extensão da função com módulo M, A e P
Ler primeiro o manual de instruções na sua totalidade! · Não o deitar fora!
Por de danos devido a erros de instalação e comando, a empresa operadora se responsabiliza!
Reservadas as modificações técnicas!
Número de peça 985559
Apenas válido em conjunto com o manual completo do DULCOMARIN® II
BA DC 013 04/12 PT
ProMinent Dosiertechnik GmbH
Im Schuhmachergewann 5 - 11
69123 Heidelberg
Telefone: +49 6221 842-0
Fax: +49 6221 842-419
E-Mail: [email protected]
Internet: www.prominent.com
985559, 1, pt_PT
© 2012
316
Instruções complementares
Princípio de igualdade de tratamento
Neste documento é gramaticalmente utilizada a forma masculina
em sentido neutro, por forma a tornar a leitura mais fluida. O texto
é dirigido a mulheres e homens igualmente. Pedimos a compre‐
ensão das leitoras por esta simplificação no texto.
Instruções adicionais
Leia as instruções adicionais.
Dá-se especial relevo no texto ao seguinte:
n Enumerações
Instruções de manuseio
ð Resultados das instruções de manuseio
Informações
Uma informação serve para dar indicações impor‐
tantes para o funcionamento correcto do aparelho ou
para facilitar o seu trabalho.
Indicações de segurança
São fornecidas indicações de segurança com descrições deta‐
lhadas da situação de perigo.
317
Instruções complementares
318
Índice
Índice
1
Função MAP..................................................................... 320
2
Atribuição da quantidade de circulação............................ 321
2.1 Definição das respectivas condições operacionais da
circulação.................................................................. 323
3
Monitorização de débito [fluxo de água] .......................... 325
4
Ajuste do temporizador..................................................... 328
5
Abastecimento de água.................................................... 331
6
Accionamento da válvula de retrolavagem....................... 332
7
Índice remissivo................................................................ 333
319
Função MAP
1
Função MAP
Extensão da função com módulo M, A
eP
Com os módulos padrão M, A e P é possível activar as seguintes
funções adicionais:
n Nível da água (4) com abastecimento (5)
n Accionamento da circulação (3) com/sem interruptor de
palhetas (2)
n Retrolavagem automática (1)
n Controlo do aquecimento (7)
n Função de limpeza da calha (6)
6.
7.
5.
1.
2.
4.
3.
A1103
Fig. 1: Extensão da função com módulo M, A e P
As seguintes versões de software (inclusive) têm de estar disponí‐
veis para que estas funções possam ser activadas:
n
n
n
n
320
DXCa 3021
Módulo M 3010
Módulo A 3010
Módulo P 3000
Atribuição da quantidade de circulação
2
Atribuição da quantidade de circulação
Neste item de menu é possível definir os pontos de funcionamento
da circulação.
As configurações neste item de menu são:
n modo normal
n Retrolavagem
n [Circulação]ECO mín
Para um funcionamento eficiente e ecológico, necessita de ajustar
os dados da bomba de circulação para o sinal analógico.
Configurar o módulo DXMaA
Sistema
1
DXMaA
R1 R2 R3 K1 K2 K3 Iout1 Iout2 Iout3 Iout4
Ligações Bombas
Registador
R1: Bomba Redutor pH
Iout1: Valor pH
Freq. máx.
= 180 Curs/min
Iout2 :Valor Redox
K1 Temp
NO
Iout3 :Valor Cloro
R2: BombaCloro
Iout4 :Valor Cloro comb
Freq. máx.
= 180 Curs/min
K2 Tipo
NO
R3: BombaFloculação
= 180 Curs/min
Freq. máx.
Potência=
1,40 l/h
K3 Tipo
NO
Circulação
SERVIÇO CONFIG
PREDEF. GUARDAR
A0192
Fig. 2: Configurar o módulo DXMaA (menu de configuração)
1.
Na vista [indicação contínua] prima a tecla[ENTER]
ð Poderá ver agora o [item de menu central].
2.
Na vista [item de menu central] prima a tecla[F4] [KONFIG]
ð Poderá ver agora o menu de configuração.
3.
Com as teclas de seta horizontais seleccione o cursor [A] e
prima em seguida a tecla [ENTER]
ð Introduza agora a sua palavra-passe.
4.
Com as teclas de seta introduza a sua palavra-passe e prima
a tecla [ENTER]
ð Poderá ver agora o menu de configuração do seu
módulo A.
321
Atribuição da quantidade de circulação
Em primeiro lugar, deverá activar as saídas analó‐
gicas:
–
–
Saída analógica 2 [Iout2] para a circulação 1
(UW1)
Saída analógica 4 [Iout4] para a circulação 2
(UW2)
Sistema
1
DXMaA
R1 R2 R3 K1 K2 K3 Iout1 Iout2 Iout3 Iout4
Ligações Bombas
Registador
R1: Bomba Redutor pH
Iout1: Valor pH
Freq. máx.
= 180 Curs/min
Iout2 : VarCirculação 1
K1 Temp
NO
Iout3 :Valor Cloro
R2: BombaCloro
Iout4 : VarCirculação 2
Freq. máx.
= 180 Curs/min
K2 Tipo
NO
R3: BombaFloculação
= 180 Curs/min
Freq. máx.
Potência=
1,40 l/h
K3 Tipo
NO
Circul. 2
CONFIG
Circul. 1
SERVIÇO CONFIG
PREDEF. GUARDAR
A1129
Fig. 3: Configurar o módulo DXMaA (menu de configuração)
5.
Se a saída analógica 2 [Iout2] e a saída analógica 4 [Iout4]
ainda não tiverem sido activadas para as bombas de circu‐
lação, deverá fazê-lo agora. Com as teclas de seta navegue
até ao ajuste da saída analógica [Iout] e prima de seguida a
tecla [ENTER]
ð No ecrã surgem as configurações do ajuste da saída
analógica [Iout].
6.
Com as teclas de seta verticais defina a respectiva saída de
ajuste [lout2] ou [lout4] [VarCirculação] (1 ou 2) e prima
então a tecla [ENTER]
ð Poderá ver agora o menu de configuração do seu
módulo A.
7.
Prima agora a tecla [F5] [GUARDAR] e responda à seguinte
consulta com a tecla [ENTER]
ð O controlador escreve os valores dos parâmetros alte‐
rados no seu controlo.
8.
Prima a tecla [ENTER]
ð Poderá ver agora o menu de configuração do seu
módulo A.
9.
Seleccione com a tecla [F3] a bomba de circulação 1
[Parâmetro Circulação 1] ou seleccione com a tecla [F1] a
bomba de circulação2 [Parâmetro Circulação 2]
ð Poderá ver agora o menu de configuração da bomba de
circulação seleccionada
322
Atribuição da quantidade de circulação
10.
Com as teclas de seta seleccione o parâmetro pretendido e
prima em seguida a tecla [ENTER]
Efectue as seguintes configurações:
n Área: 0-20 mA / 4-20 mA
n Valor 0/4 mA: potência de circulação mínima da bomba
de circulação 1 ou 2 instalada em m3/h
n Valor 20 mA: potência de circulação máxima da bomba
de circulação 1 ou 2 instalada em m3/h
2.1 Definição das respectivas condições operacionais da circulação
Condições operacionais de circulação adicionais:
n Pot. circulação Modo normal
– em %, ajustável 0 ... 100 %
n Pot. circulação retrolavagem
– em %, ajustável 0 ... 100 %
n Pot. circulação Modo ECO mín
– em %, ajustável 0 ... 100 %
n Erro DIN ➨ Circulação ➨ 100 %:
– activo / inactivo
n [Redox ➨ Circul. (dependência) corr.: inactivo]
– activo / inactivo
n Descida circulação =
– em %, ajustável 0 ... 100 %
n Tempo descida circulação =
– 0 ... 9999 segundos
CUIDADO
Sobrecarga térmica do motor da bomba
Consequência: O motor da bomba e o respectivo meio
ambiente podem ficar danificados
Medida: Equipe o motor da bomba e/ou o conversor
de frequência com um disjuntor térmico adequado e
eventualmente com um ventilador.
Tenha em atenção as especificidades das suas condi‐
ções ambientais locais e os regulamentos e normas
nacionais.
O modo de operação [Pot. circulação Modo ECO mín.] determina
quanto é que a potência de circulação da bomba de circulação em
[Modo ECO] irá baixar.
Em caso de infracção, o modo de operação [Erro DIN ➨ 100%],
ajusta imediatamente o valor limite activo ECO da circulação para
o modo de operação [Modo normal]. Caso contrário ele aumenta a
circulação em paralelo com os valores do modo de descida.
O modo de operação
[Redox ➨ Circul. (dependência) corr.: activo]: Neste modo de ope‐
ração, a taxa de descida é influenciada pelo actual valor Redox. É
definido um valor Redox inicial e um valor Redox final. A partir do
valor Redox inicial, começa a operação de descida. A operação de
descida baixa a potência das bombas de circulação gradualmente
até atingir o valor Redox final no valor mín do [Modo ECO]. Se o
valor Redox da água baixar para menos do valor de Redox inicial,
então a circulação é novamente iniciada com uma potência de 100
%.
323
Atribuição da quantidade de circulação
O modo de operação
[Redox ➨ Circul. (dependência) corr.: inactivo]: Neste modo de
operação, a taxa de descida [Descida circulação %] e o período de
tempo [Tempo descida circulação = segundos ] podem ser ajus‐
tados. Esta descida [Descida gradual] irá efectuar-se até ao valor
de ajuste mínimo do [Modo ECO].
O modo de operação [Redução da circulação em %] em qualquer
período de tempo em [Seg]. Esta descida [Descida gradual] irá
efectuar-se até ao valor de ajuste mínimo do [Modo ECO].
324
Monitorização de débito [fluxo de água]
3
Monitorização de débito [fluxo de água]
AVISO
Alarme com verificação lógica
Causa: Alarme com verificação lógica.
Erro: A monitorização de débito indica que está dispo‐
nível um fluxo de água, embora a bomba de circulação
esteja desligada.
Medida: O controlador faz disparar um alarme. Veri‐
ficar monitorização de débito.
AVISO
Sem débito
Causa: Não existe fluxo no ciclo da água.
Erro: Por exemplo, não existe água no sistema ou
uma válvula de esfera está fechada.
O controlador desliga a bomba de circulação e dispara
um alarme.
Ajuste do temporizador em duas bombas de circu‐
lação
Quando duas bombas de circulação estão ligadas,
estas devem ser sempre inicializadas em simultâneo
através do temporizador. Uma ligação retardada e,
portanto, temporariamente irregular da bomba não é
permitida, porque isso envia uma mensagem de erro
para o comando fazendo com que a segunda bomba
de circulação não seja inicializada.
Exemplo: As duas bombas de circulação são interrom‐
pidas pelo temporizador. O tanque exibe o estado
[Paragem] e, como consequência, os sinais do inter‐
ruptor de palhetas não são avaliados pelo controlador.
Quando o temporizador da bomba de circulação1 se
inicia, o interruptor de palhetas deve emitir no espaço
de 30 segundo [1] a mensagem de resposta sobre o
fluxo de água. O interruptor de palhetas [2] fornece o
sinal [sem fluxo de água] (que também é correcto),
mas o controlo indica o erro [Sem débito]. Por isso, a
bomba de circulação [2] não pode ser inicializada
automaticamente através do temporizador.
Resolução: Ajuste o temporizador de forma que as
duas bombas de circulação arranquem em simultâneo.
Deste modo é evitado que uma das duas bombas de
circulação não arranque.
A monitorização de débito [Fluxo de água] monitoriza o débito da
bomba de circulação. Para a monitorização de débito
[Flow Control] pode ser utilizado um interruptor de palhetas ou um
interruptor térmico.
A monitorização de débito [Fluxo de água] pretende evitar um fun‐
cionamento a seco do sistema ou que a bomba de circulação não
seja alimentada devido a uma válvula fechada. Se a monitorização
de débito [Fluxo de água] for activada no módulo A, então é
necessário um contacto fechado [NC], de modo a permitir o funcio‐
namento contínuo da circulação.
325
Monitorização de débito [fluxo de água]
O cabo de dois fios do dispositivo de verificação de débito (inter‐
ruptor de palheta ou térmico) deve ser ligado ao borne [R2] do
módulo A. Se, durante o accionamento da bomba de circulação, o
contacto permanecer em [passivo], então a bomba de circulação é
interrompida após um tempo de retardamento e o controlo exibe
uma mensagem de erro. Esta mensagem de erro só pode ser eli‐
minada no modo de operação manual.
Sistema
1
DXMaA
R1 R2 R3 K1 K2 K3 Iout1 Iout2 Iout3 Iout4
Ligações Bombas
Registador
R1: livre
Iout1: Valor pH
K1: Nível de enchimento
Iout2 : VarCirculação 1
K1 Tipo: NC
Iout3 :Valor Cloro
Time: 30 s
Iout4 : VarCirculação 2
livre
R2:
K2 Fluxo de água_1
K2 Tipo: NC
R3: livre
K3 Fluxo de água_2
K3 Tipo
NC
Circul. 2
Circul. 1
CONFIG
SERVIÇO CONFIG
PREDEF. GUARDAR
A1130
Fig. 4: R1, R2 e R3 em [livre] e K1 tipo, K2 tipo e K3 tipo em [NC]
Parâmetros necessários de bornes e relé
Relé
Borne
Tipo de borne
K1 tipo
NC
K2 tipo
NC
K3 tipo
NC
R1
livre
K1
R2
livre
K2
R3
livre
K3
Fluxo de água_1
Sistema
1
DXMaA
R1 R2 R3 K1 K2 K3 Iout1 Iout2 Iout3 Iout4
Ligações Bombas
Registador
R1: Bomba Redutor pH
Iout1: Valor pH
Freq. máx.
= 180 Curs/min
Iout2 :Valor Redox
K1 Temp
NO
Iout3 :Valor Cloro
R2: BombaCloro
Iout4 :Valor Cloro comb
Freq. máx.
= 180 Curs/min
K2 Tipo
NO
R3: BombaFloculação
= 180 Curs/min
Freq. máx.
Potência=
1,40 l/h
K3 Tipo
NO
Circulação
SERVIÇO CONFIG
PREDEF. GUARDAR
A0192
Fig. 5: Configurar o módulo DXMaA
1.
Na vista [indicação contínua] prima a tecla[ENTER]
ð Poderá ver agora o [item de menu central].
2.
Na vista [item de menu central] prima a tecla[F4] [KONFIG]
ð Poderá ver agora o menu de configuração.
326
Monitorização de débito [fluxo de água]
3.
Com as teclas de seta horizontais seleccione o cursor [A] e
prima em seguida a tecla [ENTER]
ð Introduza agora a sua palavra-passe.
4.
Com as teclas de seta introduza a sua palavra-passe e prima
a tecla [ENTER]
ð Poderá ver agora o menu de configuração do seu
módulo A.
5.
Com as teclas de seta seleccione o parâmetro que deve ser
alterado e prima, em seguida, a tecla [ENTER]
ð No ecrã surgem as configurações do parâmetro a
ajustar.
6.
Com as teclas de seta verticais introduza o valor respectivo e
prima a tecla [ENTER]
ð Poderá ver agora o menu de configuração do seu
módulo A.
7.
Prima agora a tecla [F5] [GUARDAR] e responda à seguinte
consulta com a tecla [ENTER]
ð O controlador escreve os valores dos parâmetros alte‐
rados no seu controlo.
8.
Prima a tecla [ENTER]
ð Poderá ver agora o menu de configuração do seu
módulo A.
9.
Repita este processo para todos os parâmetros que pre‐
tende alterar.
327
Ajuste do temporizador
4
Ajuste do temporizador
Causa: Ajuste do temporizador, o que significa que a
circulação só fica activa quando a entidade operadora
activar esta circulação para a operação de lavagem.
O estado de funcionamento de todo o sistema pode
ser alterado a qualquer momento dentro do funciona‐
mento automático do controlador. Nesta caso, a
bomba de circulação, o aquecimento, etc., podem a
qualquer momento ser interrompidos ou inicializados.
Através do ajuste do temporizador é possível ajustar as funções e
tempos de operação, a circulação e a retrolavagem.
No modo de operação [Módulo do actuador] é possível efectuar
em [Opções], no modo de operação [Circulação] na activação da
circulação, os vários ajustes do temporizador.
Ao ajustar o temporizador certifique-se de que deve
memorizar cada ajuste de temporizador. Se ajustar o
temporizador do 1 ... 6 e depois gravar, apenas o tem‐
porizador 6 ficará gravado.
Estão disponíveis 12 funções de temporizador para um ciclo de
tanque:
n Temporizador 1 ... 6 com utilização da Circulação 1
n Temporizador 7 ... 12 com utilização da Circulação 2
Configurar temporizador
Ajuste do temporizador em duas bombas de circu‐
lação
Quando duas bombas de circulação estão ligadas,
estas devem ser sempre inicializadas em simultâneo
através do temporizador. Uma ligação retardada e,
portanto, temporariamente irregular da bomba não é
permitida, porque isso envia uma mensagem de erro
para o comando fazendo com que a segunda bomba
de circulação não seja inicializada.
Exemplo: As duas bombas de circulação são interrom‐
pidas pelo temporizador. O tanque exibe o estado
[Paragem] e, como consequência, os sinais do inter‐
ruptor de palhetas não são avaliados pelo controlador.
Quando o temporizador da bomba de circulação1 se
inicia, o interruptor de palhetas deve emitir no espaço
de 30 segundo [1] a mensagem de resposta sobre o
fluxo de água. O interruptor de palhetas [2] fornece o
sinal [sem fluxo de água] (que também é correcto),
mas o controlo indica o erro [Sem débito]. Por isso, a
bomba de circulação [2] não pode ser inicializada
automaticamente através do temporizador.
Resolução: Ajuste o temporizador de forma que as
duas bombas de circulação arranquem em simultâneo.
Deste modo é evitado que uma das duas bombas de
circulação não arranque.
1.
Na vista [indicação contínua] prima a tecla[ENTER]
ð Poderá ver agora o [item de menu central].
328
Ajuste do temporizador
2.
Na vista [item de menu central] prima a tecla[F4] [KONFIG]
ð Poderá ver agora o menu de configuração.
3.
Com as teclas de seta horizontais seleccione o cursor [A] e
prima em seguida a tecla [F2] [OPÇÃO]
ð Introduza agora a sua palavra-passe.
4.
Com as teclas de seta introduza a sua palavra-passe e prima
a tecla [ENTER]
ð Poderá ver agora o menu de configuração da [OPÇÃO]
do módulo A
5.
Com as teclas de seta horizontais seleccione o separador
pretendido [Circul.] e prima em seguida a tecla [ENTER]
ð Poderá ver agora o separador [Circul.]
Circ.
Temporizador
Intervalo:
Seg.
Retrolavagem 1
Tempo de início:
2 : 00 horas
Tempo descida:
0 seg.
Tempo retrolavagem: 120 castanho / 2min
Tipo de temporizador:
INFO
Temporizador 1 - 6 para: Circ. 1 e Backwash 1
Temporizador 1 - 12 para: Circ. 2 e Backwash 2
ELIMINAR GUARDAR
Fig. 6: A1105
A1105
6.
Com as teclas de seta horizontais poderá agora seleccionar
o temporizador pretendido (1 ... 12)
7.
Com as teclas de seta verticais poderá seleccionar agora os
parâmetros pretendidos, em função do [Tipo de Tempori‐
zador] escolhido, e seleccionando a [tecla]:
n [Intervalo]
– A cada semana
– livre
– Seg. - Sext.
– Sáb. - Dom.
– Seg. - Dom.
n [Tipo de temporizador]
– livre
– Circulação 1 ou 2
– Retrolavagem 1 ou 2
n [Tempo de início:]
– 0 ... 24
n [Tempo de paragem:]
– 0 ... 24
n [Tempo descida:]
– 0 ... 50
n [Tempo retrolavagem:]
– 0 ... 480 segundos no somatório dos 33 níveis
329
Ajuste do temporizador
330
8.
Com a tecla [F4] [Eliminar] poderá apagar todas as introdu‐
ções [Estado = livre] ou então com a tecla [F5] [Guardar]
guardar as introduções no controlador = [gravar parâmetro!!!]
9.
Com a tecla [ESC] poderá agora retroceder à estrutura de
menu, até à vista [indicação contínua]
Abastecimento de água
5
Abastecimento de água
Através de um contacto de nível é possível efectuar o abasteci‐
mento automático de água no escumador ou no depósito de água.
Certifique-se de que a ligação da água potável não está conectada
ao ciclo do tanque. Tenha em atenção as disposições relevantes
da DVGW ou da FIGAWA , ou das suas normas nacionais.
1.
Ligar o interruptor de nível simples ao borne [K1 7/8] do
módulo A
2.
Na configuração do módulo A, colocar o borne [R1] em
3.
Em seguida. o borne [K1] pode ser activado como nível de
enchimento de água
“livre”
4.
Se o [TIME] [nível de enchimento] estiver em
[0 s], a avaliação de nível reage após 10
segundos de nível mínimo constante através da
abertura da válvula solenóide para a alimen‐
tação de água. Após 10 segundos de estado
constante de nível de enchimento máximo, a vál‐
vula solenóide é fechada para a alimentação de
água. Se o [TIME] [nível de enchimento] for defi‐
nido para, p. ex. [30 s], durante esses 30
segundos, haverá fornecimento de água, atin‐
gindo, assim, o nível máximo.
O [TIME] [nível de enchimento] pode ser definido desde 0 ...
a 480 segundos, de forma gradual
5.
Para accionar uma válvula solenóide com 230 V é neces‐
sário ligá-la à placa do módulo P, no borne 2 (para uma cir‐
culação) ou no borne 1 (para duas circulações)
6.
Programe no menu de configuração este relé com a função
[Abastecimento de água]
ð
Se o abastecimento de água durar mais de
180 minutos, o controlador emite erro e inter‐
rompe o abastecimento.
Então, esta função fica activa
7.
Se o tempo de controlo já tiver decorrido e o controlador
ainda mostrar erro, então deverá confirmar no menu de con‐
figuração do módulo A, em Serviço [F2], premindo a tecla
[F3] para o [Reset] do tempo de controlo, para que a alimen‐
tação de água se possa inicializar novamente no modo de
operação [AUTO]
331
Accionamento da válvula de retrolavagem
6
Accionamento da válvula de retrolavagem
AVISO
O estado predefinido da válvula de retrolavagem está
sem tensão
Erro: A retrolavagem não é possível se as válvulas de
retrolavagem não controlam.
Consequência: Os parâmetros de higiene deterioram-se e a resistência hidráulica do filtro aumenta.
Medida: Verifique a intervalos regulares (em função da
aplicação) a função de retrolavagem do filtro.
Não é possível utilizar uma válvula direccional de 6
vias automática.
Para accionar a retrolavagem é possível utilizar, p. ex , uma vál‐
vula selectora Besgo®.
Neste caso, a válvula selectora deve ser ligada ao borne P3 no
módulo P. Para existirem dois ciclos em funcionamento, a
segunda válvula selectora deve estar ligada ao borne P2.
Para activar esta função, é necessário activar no módulo P a
função [Retrolavagem 1] ou [Retrolavagem 2].
O ajuste dos tempos de retrolavagem encontram-se descritos no
ajuste do temporizador Ä Capítulo 4 “Ajuste do temporizador”
na página 328.
n
n
n
n
n
332
em que dia ou em que sequência
que retrolavagem 1 ou 2
Hora de início
o tempo de descida
a duração do tempo de retrolavagem
Índice remissivo
7
Índice remissivo
A
Abastecimento automático de água...................
Ajuste dos tempos de retrolavagem..................
C
Configurar temporizador....................................
D
Depósito de água...............................................
E
Escumador.........................................................
Estado de funcionamento de todo o sistema.....
Estados das versões de software......................
I
Igualdade de tratamento....................................
O
Os parâmetros de higiene deterioram-se..........
P
Parâmetros da retrolavagem..............................
331
332
328
331
331
328
320
317
332
332
Pergunta: A partir de que versões de software
é possível o MAP?............................................. 320
Pergunta: É possível definir temporizadores
em tudo?............................................................ 328
Pergunta: Quais as causas ou efeitos de uma
retrolavagem incorrecta?...................................
Pergunta: Qual é o objectivo da monitori‐
zação de débito?................................................
Pergunta: Que funções tem o MAP?.................
Pergunta: Que parâmetros de bornes e relé
são necessários para a monitorização de
débito?...............................................................
Pergunta: Que parâmetros posso influenciar
com as condições operacionais da circulação?.
Pergunta: Que possibilidades de ajuste per‐
mite a atribuição de quantidade de circulação?.
Princípio de igualdade de tratamento................
R
Resistência do filtro aumenta.............................
S
Sobrecarga térmica do motor da bomba...........
V
Válvula direccional de 6 vias..............................
332
325
320
326
323
321
317
332
323
332
333
Índice remissivo
334
Was this manual useful for you? yes no
Thank you for your participation!

* Your assessment is very important for improving the work of artificial intelligence, which forms the content of this project

Download PDF

advertisement