Mecânico de Manutenção Aeronáutica

Mecânico de Manutenção Aeronáutica
Mecânico de Manutenção
Aeronáutica
AVIÔNICOS II
ELETRÔNICA
1ª Edição
23 de Outubro de 2003
INSTITUTO DE AVIAÇÃO CIVIL
DIVISÃO DE INSTRUÇÃO PROFISSIONAL
PREFÁCIO
Este volume, Eletrônica, contendo as matérias necessárias ao
desenvolvimento da instrução referente a uma parte da habilitação Aviônicos,
tem por finalidade padronizar a instrução em todos os cursos de formação de
mecânicos de manutenção aeronáutica.
Este volume tem como complemento obrigatório, o conteúdo dos
volumes Instrumentos e Sistemas Elétricos e Matérias Básicas.
Os assuntos técnicos estão aqui apresentados sob um ponto de vista
generalizado e, de maneira nenhuma, devem substituir as informações e
regulamentos oficiais fornecidos pelos fabricantes das aeronaves e autoridades
aeronáuticas.
É proibida a reprodução total ou parcial deste volume sem a autorização
do IAC (DIP).
É de nosso interesse receber críticas e sugestões às deficiências
encontradas para as devidas alterações em uma próxima revisão.
A correspondência relativa a esse livro deverá ser endereçada a:
Instituto de Aviação Civil
Divisão de Instrução Profissional
Avenida Almirante Silvio de Noronha, 369, edifício anexo,
Rio de Janeiro - RJ - Brasil
CEP 20021-010
Ou enviada ao e-mail: [email protected]
AVIÔNICOS II - ELETRÔNICA
SUMÁRIO
CAPÍTULO 1 - CIRCUITOS REATIVOS
Circuito Reativo em série .................................................................................. 1-1
Circuito RC em série ........................................................................................... 1-5
Circuito RCL em série ......................................................................................... 1-8
Ressonância em série ........................................................................................ 1-10
Circuito RL em paralelo ..................................................................................... 1-16
Circuito RC em paralelo.................................................................................... 1-18
Circuito RCL em paralelo.................................................................................. 1-20
Ressonância em paralelo e circuito tanque ideal ..................................... 1-23
Circuito tanque real e circuito tanque com resistor em derivação ....... 1-26
Filtros de freqüência........................................................................................... 1-29
CAPÍTULO 2 - OSCILOSCÓPIO
Introdução ............................................................................................................ 2-1
Tubos de raios catódicos .................................................................................. 2-1
Circuito gerador de base de tempo ............................................................. 2-4
Funções básicas dos controles........................................................................ 2-5
CAPÍTULO 3 - REQUISITOS PARA ANÁLISE DE CIRCUITOS
Introdução............................................................................................................ 3-1
Fontes ou geradores de tensão constante .................................................. 3-1
Fontes ou geradores de corrente constante............................................... 3-2
Elementos de circuitos....................................................................................... 3-4
Teorema das estruturas elétricas..................................................................... 3-5
Divisor de tensão e divisor de corrente ......................................................... 3-9
Teorema da superposição ............................................................................... 3-10
Teorema de Thévenin........................................................................................ 3-11
Teorema de Norton............................................................................................ 3-16
Conversão do equivalente de Norton para o equivalente de
Thévenin e vice-versa........................................................................................ 3-20
Teorema da máxima transferência de energia .......................................... 3-22
CAPÍTULO 4 - DISPOSITIVOS SEMICONDUTORES
Introdução............................................................................................................ 4-1
Estrutura da matéria........................................................................................... 4-1
Ligação atômica ................................................................................................ 4-2
Materiais semicondutores ................................................................................. 4-2
Junção PN - Formação ..................................................................................... 4-4
Polarização de uma junção PN ...................................................................... 4-7
Diodo semicondutor........................................................................................... 4-7
Diodo retificador ................................................................................................. 4-8
Ruptura da junção PN ....................................................................................... 4-9
Aplicação do diodo retificador....................................................................... 4-9
I
Diodo em tensão alternada............................................................................ 4-10
CAPÍTULO 5 - FONTES DE FORÇA ELETRÔNICA
Tipos de fontes de força ................................................................................... 5-1
Circuitos retificadores ........................................................................................ 5-2
Filtros ...................................................................................................................... 5-5
Tipos de proteção contra sobrecarga.......................................................... 5-9
CAPÍTULO 6 - TRANSISTOR DE JUNÇÃO
Introdução ........................................................................................................... 6-1
Formação das junções PNP e NPN ................................................................ 6-1
Ganhos e amplificação no transistor ............................................................ 6-3
Amplificador em configuração emissor comum ........................................ 6-4
Curvas características do amplificador em emissor comum................... 6-6
Ganhos do transistor em emissor comum..................................................... 6-8
Características estáticas e dinâmicas em um amplificador em
emissor comum ............................................................................................ 6-9
Ganhos dinâmicos do circuito emissor comum .......................................... 6-11
Amplificador em configuração coletor comum ........................................ 6-12
Linha de carga no circuito coletor comum................................................. 6-14
CAPÍTULO 7 - ESTABILIZAÇÃO DA POLARIZAÇÃO DO TRANSISTOR
Introdução ........................................................................................................... 7-1
Limitações dos transistores bipolares ............................................................. 7-1
Curva de máxima dissipação de potência ................................................. 7-3
Instabilidade térmica dos transistores............................................................ 7-5
Valores típicos de tensões de junção para transistores ............................ 7-8
Métodos de polarização para estabilização da Ic ................................. 7-9
Estabilização da polarização de estágios de potência ........................... 7-11
Resumo ................................................................................................................. 7-13
CAPÍTULO 8 - AMPLIFICADORES TRANSISTORIZADOS
Classificação geral dos amplificadores........................................................ 8-1
Freqüências de operação ............................................................................... 8-1
Classes de operação. ....................................................................................... 8-1
Sistemas de acoplamento. .............................................................................. 8-3
Amplificadores de áudio básico..................................................................... 8-6
Amplificadores de áudio transistorizados...................................................... 8-6
CAPÍTULO 9 - OSCILADORES TRANSISTORIZADOS
Introdução ........................................................................................................... 9-1
Princípios de oscilação ..................................................................................... 9-1
Requisitos do circuito oscilador ....................................................................... 9-2
Circuitos osciladores básicos ........................................................................... 9-3
Multivibrador astável ......................................................................................... 9-7
II
CAPÍTULO 10 - TRANSISTORES ESPECIAIS
Introdução............................................................................................................ 10-1
Transistor de efeito de campo......................................................................... 10-1
Transistor de unijunção ...................................................................................... 10-4
CAPÍTULO 11 - CIRCUITOS INTEGRADOS
Introdução............................................................................................................ 11-1
Microeletrônica ................................................................................................... 11-1
Técnica de fabricação de circuitos integrados monolíticos.................... 11-1
Tipos de encapsulamento e contagem de pinos ...................................... 11-2
CAPÍTULO 12 - SENSORES
Sensor de umidade ............................................................................................ 12-1
Termistores. ........................................................................................................... 12-1
Dispositivos fotossensíveis .................................................................................. 12-2
CAPÍTULO 13 - REGULADORES DE TENSÃO
O diodo Zener como regulador de tensão.................................................. 13-1
Características do diodo Zener....................................................................... 13-1
Especificações da tensão Zener..................................................................... 13-2
Impedância dinânica........................................................................................ 13-3
Limitações do diodo Zener............................................................................... 13-4
Aplicações do diodo Zener.............................................................................. 13-4
Diodos Zener comerciais................................................................................... 13-5
Regulador eletrônico de tensão..................................................................... 13-7
Sumário.................................................................................................................. 13-8
CAPÍTULO 14 - DIODOS ESPECIAIS
Thyristores (RCR) ........................................................................................... 14-1
Curva característica de um Thyristor......................................................... 14-3
O Triac ................................................................................................................... 14-7
Diac........................................................................................................................ 14-8
Fotothyristores .............................................................................................. 14-9
Thyristor bloqueável ........................................................................................... 14-10
Q14-10uadrac.............................................................................................. 14-10
Diodo Shockley ............................................................................................ 14-10
Diodo Túnel .......................................................................................................... 14-10
Diodos emissores de luz (Led)........................................................................... 14-11
Sumário.................................................................................................................. 14-13
CAPÍTULO 15 - DECIBÉIS
Introdução............................................................................................................ 15-1
Relações de tensão e corrente ...................................................................... 15-2
Níveis de referência ........................................................................................... 15-2
Medida de potência ......................................................................................... 15-2
III
Medidores de potência .................................................................................... 15-4
Sumário ................................................................................................................. 15-4
CAPÍTULO 16 - AMPLIADORES OPERACIONAIS
Introdução ........................................................................................................... 16-1
Características elétricas.................................................................................... 16-1
Alimentação........................................................................................................ 16-1
Pinagem ............................................................................................................... 16-1
Ampliador operacional como amplificador................................................ 16-2
Aplicações dos ampliadores operacionais.................................................. 16-2
CAPÍTULO 17 - TÉCNICAS DIGITAIS
Sistema de numeração .................................................................................... 17-1
Operações binárias............................................................................................ 17-5
Álgebra de Boole ............................................................................................... 17-7
Circuitos de comutação................................................................................... 17-10
Famílias de circuitos lógicos............................................................................. 17-12
Circuitos combinacionais ................................................................................. 17-15
Circuitos seqüenciais ......................................................................................... 17-19
Memórias .............................................................................................................. 17-22
Conversão de sinais........................................................................................... 17-24
CAPÍTULO 18 - SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO
Princípios da comunicação............................................................................. 18-1
Principais sistemas de radiocomunicações.................................................. 18-12
Propagação das ondas eletromagnéticas e antenas ............................. 18-18
Finalidade de uma antena.............................................................................. 18-21
Antenas básicas.................................................................................................. 18-23
Sistemas de intercomunicação ...................................................................... 18-28
Sistema de alarme ............................................................................................. 18-42
Sistema gravador de voz.................................................................................. 18-49
Sistemas de radiocomunicação..................................................................... 18-52
Transmissor Localizador de Emergência ( ELT ) ............................................ 18-62
Sistema de Chamada Seletiva (SELCAL) ...................................................... 18-64
CAPÍTULO 19 - SISTEMAS DE NAVEGAÇÃO
Sistema anemométrico............................................................................ ........ 19-1
Instrumentos de navegação.................................................................. ........ 19-7
Sistema automático de direção ............................................................ ........ 19-16
Sistema VOR/LOC – GS - MB ................................................................... ........ 19-20
Equipamento Medidor de Distância (DME)......................................... ........ 19-29
Sistema TRANSPONDER............................................................................. ........ 19-36
Rádio altímetro .......................................................................................... ........ 19-39
Radar meteorológico............................................................................... ........ 19-42
Piloto automático............................................................................................... 19-49
Sistema de Referência de Atitude e Proa .................................................... 19-61
Sistema de Instrumentação de Vôo – FIS ..................................................... 19-71
IV
CAPÍTULO 20 - INTRODUÇÃO AOS COMPUTADORES
Histórico ................................................................................................................. 20-1
Aplicações............................................................................................................ 20-1
Termos e convenções ....................................................................................... 20-2
Memória................................................................................................................ 20-3
Entrada e saída................................................................................................... 20-3
Palavras do computador.................................................................................. 20-4
Princípios de funcionamento ........................................................................... 20-4
Unidade Central de Processamento (CPU) ................................................. 20-6
Conceitos de fluxograma................................................................................. 20-8
Linguagem do computador ............................................................................ 20-9
V
CAPÍTULO 1
CIRCUITOS REATIVOS
Desse modo, pode-se ver que a presença
do indutor no circuito, resulta uma defasagem
de 90º entre as tensões.
A tensão resultante de qualquer circuito
RL pode ser determinada por meio de vetores.
Assim sendo, por intermédio do gráfico da
figura 1-3, podemos achar a tensão resultante,
que vem a ser a própria tensão aplicada.
CIRCUITO REATIVO EM SÉRIE
Para que os equipamentos eletrônicos
(rádio, radar etc.) possam desempenhar suas
funções, os circuitos resistivos, indutivos e
capacitivos são combinados em associações RL,
RC e RLC. Em virtude de tais associações
conterem reatâncias, as mesmas são chamadas
de circuitos reativos. Todo circuito constituído
por resistores e que não contenham quantidades
apreciáveis de indutância ou capacitância, são
considerados como circuitos resistivos.
Quando uma corrente alternada (CA) é
aplicada a um circuito resistivo, a corrente e a
tensão do circuito estarão em fase, conforme
figura 1-1
Figura 1-3
A tensão no resistor é tomada sobre o
vetor horizontal e a tensão no indutor, sobre o
vetor vertical: como as tensões estão defasadas
de 90º, o ângulo entre elas será reto.
Traçando um paralelogramo baseado
nestes dois vetores, teremos um vetor resultante
(Ea) que é a hipotenusa de um triângulo
retângulo. Segundo o teorema de Pitágoras o
quadrado da hipotenusa é igual à soma dos
quadrados dos catetos; logo:
Figura 1-1
2
E 2 = E + E 2
Ao se ligar um indutor em série com um
resistor, a queda de tensão no resistor (ER)
estará em fase com a corrente (IR); porém, a
tensão no indutor (EL) está adiantada de 90º.
A figura 1-2A nos mostra um circuito RL
em série e a figura 1-2B, a relação de fase entre
a corrente e a tensão no indutor e resistor.
a
E
a
R
=
E
ou
L
2
R
+ E
2
L
Impedância
Quando um resistor e um indutor estão
ligados em série, a oposição total à passagem da
corrente não é uma simples soma aritmética,
mas sim uma soma vetorial, em virtude da
defasagem de 90º existente entre as tensões no
circuito.
Suponha-se, por exemplo, que um resistor
de 400 ohms esteja ligado em série com um
indutor, cuja reatância indutiva seja de 300
ohms.
A oposição total à passagem da corrente
não será de 700 ohms mas sim de 500 ohms.
A
Figura 1-2
1-1
Cálculo da Impedância
Assim, podemos traçar o diagrama
vetorial, conforme figura 1-4, uma vez que ZT
Por intermédio da lei de Ohm, a queda de
tensão num resistor (ER) é o produto da
resistência (R) pela corrente (IT), ou seja:
corresponde à hipotenusa e R + XL , à soma
dos quadrados dos catetos.
E
R
= R x I
2
Ângulo de Fase
T
Denomina-se ângulo de fase (θ), ao
ângulo formado pelo vetor da tensão aplicada ao
circuito (Ea), com o vetor da tensão (ER),
conforme a figura 1-5.
Tomando-se por base o valor da corrente,
o ângulo de fase θ será positivo, contando no
sentido inverso dos ponteiros do relógio, a partir
dessa referência. Uma vez conhecido o ângulo θ
podemos, também determinar se o circuito é
resistivo, indutivo ou capacitivo, da seguinte
forma: o circuito será resistivo quando θ, for
igual a zero, indutivo quando θ for positivo e
capacitivo quando θ for negativo.
Como XL representa a oposição ao fluxo
da corrente, a tensão no indutor (EL) será:
EL = X L × I T
Já que, a tensão aplicada (Ea) no circuito é
o produto da corrente (IT) pela oposição total
(ZT), logo:
E
a
= Z
T
× I
T
Uma vez que:
Ea =
2
2
2
ER + EL
Logo teremos:
E =
a
2
(R × I ) + ( X × I )
T
L
2
T
Figura 1-5
Z T × IT =
2
2
2
IT (R + XL )
Z T × IT = IT
ZT =
R
2
R
2
O ângulo de fase θ poderá ser
determinado por meio das funções trigonométricas dos diagramas das figuras 1-6 e 1-7
2
+ XL
2
+ XL
Desse modo, a impedância de um circuito
RL em série, é igual a raiz quadrada da soma dos
quadrados da resistência e da reatância indutiva.
Figura 1-6
Logo: tg θ =
E
L
ER
Figura 1-7
Figura 1-4
1-2
cos θ =
E
R
E
a
Logo: tg θ =
XL
R
cos θ =
resistor, a qual será o produto da tensão no
resistor (E R ) pela corrente (IT ) , ou seja:
R
Z
P = E .I
R
R T
T
Potência Elétrica
No estudo dos circuitos resistivos, a
potência
dissipada por um resistor, foi
determinada pelo produto de tensão (E a ) pela
corrente (IT ) , ou seja: P T = E a . IT isto, porém
não acontece num circuito de CA que contenha
resistência e indutância.
A corrente no circuito fluirá, sendo
limitada pela impedância, mas a energia
utilizada para produzir o campo magnético será
desenvolvida à fonte no desenvolvimento do
mesmo.
Portanto, num circuito de CA que
contenha resistência, parte da potência é
dissipada no resistor sob a forma de calor e
parte é devolvida à fonte.
Assim sendo, o produto, PT = E a . IT não
só dá a potência que realmente está sendo
consumida pelo circuito, mas sim uma potência
que aparenta estar sendo absorvida.
Este produto é chamado de potência
aparente (PA ) , sendo expresso volt/ampère
(VA), e não em watts, para diferenciar da
potência real.
A potência aparente (PA ) , poderá ser
calculada por qualquer uma das equações
abaixo:
Logo:
E
=E
R
a
=E
Portanto: P
R
E
R
E
a
. cos θ
a
.I
T
. cos θ
Fator de Potência:
O fator de potência de um circuito, é
muito importante, porque ele nos permite
converter a potência aparente, em potência real
ou efetiva.
Define-se como fator de potência ( fp ) , a
relação entre a potência real (Pr ) e a potência
aparente (Pa ) de um circuito.
f
P
= R
p P
A
Como:
P =E .I
. cos θ e P = E . I
R
a T
A
a T
Logo: f =
p
P =E . I
A
a
T
E
I . cos θ
a T
E
I
a T
f = cos θ
p
2
P =I .Z
A
T
T
E
P =
A
Z
cos θ =
Uma vez que:
Porém, como: cos θ =
2
Logo: fp =
T
R
Z
T
R
Z
T
Em conseqüência, o fator de potência
poderá ser calculado por qualquer um das três
equações apresentadas.
O fator de potência é usualmente expresso
em fração decimal ou percentagem.
Sempre que a corrente circula num
circuito que contenha resistência e reatância,
haverá sempre por parte do resistor, uma
dissipação de potência, que é chamada potência
Exercício resolvido:
real (PR ) , verdadeira ou efetiva do circuito,
sendo expressa em watts.
Portanto, para se achar a potência real de
um circuito que contenha resistência e reatância,
basta calcular apenas a potência dissipada pelo
Calcular o fator de potência de um
circuito, sabendo-se que a potência aparente é
de 400 VA (Volt/Ampère) e a potência real é de
200 Watts.
1-3
P = 400 VA
a
P = 200 W
R
Logo: I
T
=
100
100
I
T
= 1A
P
Como: f = R
p
Freqüência de Corte
P
A
200
400
Logo: f =
p
Qualquer circuito que contenha reatância,
não responderá igualmente a todas as
freqüências.
Ao analisarmos um circuito RL, vimos
que seu comportamento foi diferente nas altas
freqüências em relação às baixas. No processo
de análise, somente uma simples freqüência de
cada vez foi aplicada ao circuito.
Contudo, se um sinal contendo uma faixa
de freqüências é aplicado ao circuito série RL, a
reação do circuito será diferente para cada
freqüência individual contida neste sinal.
Por exemplo, conforme a freqüência
diminui, a corrente total aumenta. Haverá mais
corrente circulando para as baixas freqüências
do que para as altas freqüências.
O valor da resistência de um circuito,
todavia não é afetada por uma variação de
freqüência, mas XL é uma função direta da
freqüência. Portanto, num circuito de CC, a
oposição da bobina é desprezível e o circuito é
considerado resistivo; o ângulo de fase é zero e
a potência real estará no seu máximo valor.
f = 0,5 ou 50 %
p
Lei de Ohm
A lei de ohm para circuitos de CA, diz
que, a corrente (IT ) é diretamente proporcional
à tensão
e inversamente proporcional à
(E )
a
impedância ( Z T ) . Logo, teremos:
I
T
=
E
a
Z
T
Exercício resolvido
Calcule a corrente total do circuito da
figura 1-8.
Dados:
R = 60 ohms
E
a = 100 V
Exemplo:
Considere o circuito série consistindo de
um resistor de 80 ohms e uma bobina de 12,73
mH, com uma tensão aplicada de 100 vcc.
Desde que o ângulo de fase é zero, a
impedância do circuito será igual a 80 ohms. A
corrente será:
X L = 80 ohms
IT =
Figura 1-8
Uma vez que:
Z
T
R2 + X2
L
=
T
=
ZT
I
T
=
100
80
IT = 1, 25 A
A potência real do circuito terá como
valor:
R = E a x IT x cos θ
P
Logo:
Z
Ea
60
2
+ 80
E
Como: I
T
=
Z
2
Z
T
R = 100 x 1,25 x 1
P
= 100ohms
P
R = 125 W
A fonte de CC é substituída por uma fonte
de CA de freqüência variável, com 100v RMS
de saída. Ao se aumentar a freqüência de saída
da fonte, a reatância indutiva ( XL) aumentará,
a
T
1-4
enquanto o valor do resistor permanecerá em 80
ohms.
Quando
a
freqüência
atingir
a
500Hz, XL terá aumentando para 40 ohms.
O termo freqüência de corte é usado
porque, para freqüências abaixo do ponto de
corte, a resposta do circuito é considerada (em
muitos casos) abaixo de um valor utilizável.
Na freqüência de corte, a tensão de corte
(E co ) assim como a corrente de corte (Ico ) ,
serão respectivamente:
Calculando os valores teremos:
Z
I
T = 89,4 ohms
E co = E a x 0,707
T = 1,1 A
Ico = IM x 0,707
cos θ = 0,89
Uma fórmula pode ser deduzida para
determinar a freqüência de corte ( fco ) da
seguinte maneira:
Usando os valores acima observaremos
que a potência real do circuito diminui com o
aumento da freqüência:
Na freqüência de corte:
PR = Ea x I T x cosθ
P
R
R = XL
= 100 x 1,1 x 0,89
Como:
R = 97,9 W
P
XL = 2 π x f x L
Conforme a freqüência é aumentada ainda
mais, a corrente continuará a diminuir e XL
continuará a aumentar.
Eventualmente
atingiremos
uma
freqüência na qual XL será igual a resistência.
Teremos:
R = 2 π x fco x L
R
2π xL
Onde:
XL = 2 π x f x L
XL = 6,28 x 10
R=2πxf xL
fco =
Por exemplo em 1 KHz:
3
Então:
x 12,73 x 10
fco = freqüência de corte (Hertz)
−3
XL = 79,94 ohms
Portanto em 1 K H , XL = R. O ângulo de
z
fase do circuito é de 45º e a impedância total é
de 113 ohms.
Desde que
XL = R,
as tensões
R
= Resistência (Ohms)
L
= indutância em (Henry)
CIRCUITO RC EM SÉRIE
As considerações básicas feitas para o
circuito RL em série continuam a ter valor para
o circuito RC em série que agora vamos estudar
e no qual temos um resistor e um capacitor
associados, como mostra a figura 1-9.
EL e ER também são iguais.
A potência real do circuito é:
PR = E a x IT cos θ
PR = 100 x 0,884 x 0,707
PR = 62,5 W
Nota-se que a potência real foi diminuída
para a metade de seu valor máximo de 125W. A
freqüência em que XL = R EL = ER e a
potência real foi diminuída para à metade de seu
valor máximo, é denominada de freqüência de
corte, ponte de meia potência, ou ponto 0,707.
Figura 1-9
1-5
Num circuito série contendo resistor e
capacitor, a queda de tensão no resistor (ER )
está em fase com a corrente; porém, a queda de
tensão no capacitor (E C ) está atrasada de 90º,
em relação a ER , conforme nos mostra a figura
1-10.
De acordo com o gráfico da figura 1-12, a
impedância ou oposição total ao fluxo da
corrente no circuito, será expressa pela equação:
ZT =
R 2 + X C2
Figura 1-12
Ângulo de Fase
O ângulo de fase θ , como já vimos, é o
ângulo formado pelo vetor da tensão aplicada
(E ) com o vetor da tensão (E ) , conforme
Figura 1-10
a
Assim, por intermédio do gráfico da
figura 1-11, podemos achar a tensão resultante
(E a ) que vem a ser a própria tensão aplicada,
através da composição vetorial entre ER e E C .
nos mostra a figura 1-13. É fácil de se verificar
que o ângulo de fase é negativo.
Figura 1-13
Figura 1-11
O ângulo de fase θ poderá ser
determinado
por
meio
das
funções
trigonométricas dos diagramas das figuras 1-14
e 1-15.
Do gráfico, tiramos a seguinte equação
para o cálculo da tensão aplicada (E a ) ao
circuito:
E
a
=
E
T
2
2
+E
R
C
Como:
Ainda, podemos concluir que a tensão
resultante (E a ) está atrasada em relação a ER
de um ângulo 0 negativo.
Impedância
Figura 1-14
Num circuito contendo resistor e
capacitor, a oposição à passagem da corrente
não é uma soma aritmética, mas sim uma soma
vetorial semelhante ao circuito RL em série.
Logo: t θ =
g
1-6
E
E
C
R
cos θ =
E
R
E
a
Como:
de um circuito. O fator de potência ( f ) poderá
p
ser calculado por qualquer uma das equações
seguintes:
P
f = R
p P
A
f = cos θ
p
R
f =
p
Z
T
Freqüência de Corte
Figura 1-15
Logo: t θ =
g
X
C
R
Um circuito série RC apresentará uma
discriminação de freqüência similar, em muitos
aspectos, àquela encontrada em um circuito
série RL.
Os termos freqüência de corte, ponto de
meia potência e freqüência crítica têm o mesmo
significado, conforme previamente definidos.
Nos circuitos séries, a tensão desenvolvida nos
componentes reativos, depende da reatância do
componente a qual, por sua vez, depende da
freqüência.
é uma função inversa da
Como X
cos θ = R
Z
T
Potência Elétrica
Todo circuito que contenha resistência e
reatância, parte de potência é dissipada no
resistor sob a forma de calor e parte é devolvida
à fonte. Portanto, o produto P = E x I , não
T
a
T
nos dá a potência que está sendo consumida
pelo circuito.
Este produto é chamado de potência
aparente (P ) .
C
freqüência, logo, à medida que a freqüência for
aumentada, a reatância do capacitor diminuirá e
a tensão será dividida entre o resistor e o
capacitor.
A freqüência de corte será atingida
quando a tensão estiver dividida igualmente
entre R e C.
A freqüência de corte de um circuito série
RC pode ser determinada da seguinte maneira:
A
A potência aparente poderá ser calculada
por qualquer umas das equações abaixo:
P = E x I
A
a
T
2
P
= I xZ
A
T
T
Desde que a freqüência de corte ( f
2
E
PA = a
ZT
ocorre quando: R = X
C
C
R =
1
2 πxf x C
Substituindo f por f
R=
e
P = E x I x cos θ
R
a
T
co
, teremos:
1
2 π x f CO x C
Logo: fco =
1
2πxRxC
Fator de Potência
Onde:FCO = frequência de corte (Hertz)
Fator de potência é a relação entre a
potência real (P ) e a potência aparente (P )
R = resistência (ohms)
R
)
Substituindo a equação para X , teremos:
Sempre que a corrente circule num
circuito que contenha resistência e reatância,
haverá sempre por parte do resistor, uma
dissipação de potência, que é chamada de
potência real, verdadeira ou efetiva do circuito.
Podemos calcular a potência real de um
circuito, por intermédio das equações abaixo:
P = E x I
R
R
T
co
C = capacitância (Farad )
A
1-7
A
soma
vetorial
das
tensões
E , E e E e igual à tensão aplicada (E )
CIRCUITO RCL EM SÉRIE
R
Quando se aplica uma CA em um circuito
série contendo resistor, capacitor e indutor,
conforme figura 1-16, é necessário levar em
consideração o fato de que os ângulos de fase
entre a corrente e a tensão diferem em todos os
três elementos.
L
a
C
ao circuito. Como a tensão no capacitor E
tensão no indutor E
L
C
ea
estão defasadas 180º,
logo, a tensão resultante da composição vetorial
entre E e E é a diferença, já que são vetores
L
C
diretamente opostos entre si. Esta tensão
resultante será somada vetorialmente com a
queda de tensão no resistor (E ) , para a
R
determinação
da
tensão
aplicada
(E ) ao
a
circuito. Isto é expresso pelo gráfico da figura 118.
Figura 1-16
Pelo teorema de Pitágoras, teremos:
Tomando-se a corrente de um circuito
série como referência, temos: No resistor, a
tensão (E ) está em fase; no indutor, a tensão
E
R
a
=
E
2
R
+ (E
L
2
− E ) )
C
(EL) está adiantada de 90º e no capacitor, a
tensão (E ) está atrasada de 90º. Como em
C
qualquer circuito série, a corrente é a mesma,
através de todos seus componentes, podemos
concluir que E está adiantada de 90º de E e
L
R
E , atrasada de 90º de E , conforme nos
C
R
mostra a figura 1-17A.
Logo, podemos compor o diagrama vetorial,
conforme figura 1-17B:
Figura 1-18
Impedância
A
O raciocínio para o cálculo da impedância
de um circuito RCL em série de CA é
semelhante ao que foi visto para o cálculo da
Assim tensão aplicada., a primeira
operação será a diferença entre X e X , em
L
C
virtude de serem vetores diretamente opostos
entre si, conforme nos mostra a figura 1-19.
Este
resultado
será
composto
vetorialmente com o valor da impedância.
B
Pelo teorema de Pitágoras, teremos:
Z
Figura 1-17
1-8
T
=
R
2
+ (X − X )
L
C
2
cos θ =
R
Z
T
Classificação dos Circuitos RCL em Série:
a) Quando X for maior que X ou E
L
C
L
temos: θ positivo,
maior que E
C
circuito RL;
b) Quando X
Figura 1-19
for maior que X
C
L
ou
E maior que E temos: θ negativo,
C
Ângulo de Fase
L
circuito RC;
O ângulo de fase θ , como já vimos, é o
ângulo formado pelo vetor da tensão aplicada
(E ) , com o vetor da tensão (E ) e poderá ser
a
c) Quando
X
for igual a
L
X
C
ou
E igual a E temos: θ igual a zero,
R
L
determinado
por
meio
das
funções
trigonométricas dos diagramas das figuras 1-20
e 1-21.
Como:
C
circuito resistivo.
Potência aparente, real e fator de potência
Empregam-se as mesmas equações já
vistas nos circuitos RL ou RC, ou seja:
=E
P
A
a
xI
P
T
A
=I 2 x Z
T
T
E 2
A
R
T
R
x I
T
P
Logo:
f
E − EC
tg θ = L
ER
cos θ =
Z
=E
P
Figura 1-20
a
=
P
p
=
f =
E
p
R
E
a
R
P
P = E
R
a
x I
T
x cos θ
f p = cos θ
A
R
Z
T
Exercício resolvido:
Como:
Determine no circuito da figura 1-22, a
impedância, o fator de potência, a intensidade
da corrente, a potência aparente, real e a tensão
em cada um dos elementos.
Dados:
X
X
Figura 1-21
Logo: tg θ =
X
L
−X
L
C
= 900 ohms
= 500 0hms
R = 300 ohms
C
E
R
1-9
a
= 125 V
E
300 Ω
500 Ω
900 Ω
E = X
L
E
Figura 1-22
Z
Z
T
T
T
=
R
=
+ (X
300
2
L
E
−X )
2
E
C
+ (900 − 500 )
R
Z
cos θ =
T
300
500
Como: f = cos θ
p
Logo: f = 0,6 ou 60%
p
L
Cálculo da intensidade da corrente:
E
IT = a
ZT
= 0,25 A ou 250 mA
= E
P
= 31,25 VA
A
a
x I
= 125 x 0,25
P
T
A
Cálculo da potência real:
PR = E a x I T x cos θ
P
= 125 x 0,25 x 0,6
P
= 18,75 W
R
R
Cálculo da tensão no resistor:
E
R
= Rx I
T
= 900 x 0,25
C
C
=X
C
x I
T
E
C
= 500 x 0,25
= 125 V
E
R
C
L
= E , dizemos que o circuito
C
está em ressonância.
Esta condição é desejável em vários
circuitos usados em eletrônica, mas pode trazer
conseqüências desagradáveis, com danos para
os elementos de um circuito, quando não é
prevista.
Sabemos que a reatância indutiva é
diretamente proporcional à freqüência e que a
reatância
capacitiva
é
inversamente
proporcional à mesma.
Assim, quando aplicamos uma CA a um
circuito RCL em série e fazemos a freqüência
variar desde um valor praticamente nulo a um
valor alto, podemos observar o crescimento da
reatância indutiva e a queda da reatância
capacitiva.
Numa determinada freqüência as duas
grandezas tornam-se iguais, veja a figura 1-23, e
o circuito apresenta características que
correspondem
à
condição
denominada
ressonância.
Cálculo da potência aparente:
A
L
= 225 V
as tensões E
125
I =
T 500
P
E
Os fenômenos de um circuito ressonante
constituem
uma
característica
muito
significativa dos circuitos eletrônicos. São
encontrados em rádio, radar, televisão,
aplicações em projéteis teleguiados, etc. A
forma que um aparelho de rádio pode sintonizar
uma estação desejada, encontra sua resposta no
estudo dos circuitos ressonantes.
Quando é estabelecida a igualdade entre a
reatância indutiva e a reatância capacitiva
( X = X ) , a qual determina a igualdade entre
cos θ = 0,6
T
T
RESSONÂNCIA EM SÉRIE
Cálculo do fator de potência:
I
x I
2
= 500 Ω
cos θ =
L
L
Cálculo da tensão no capacitor:
Cálculo da impedância
Z
= 75 V
Cálculo da tensão no indutor:
125 V
2
R
= 300 x 0,25
1-10
Na figura 1-24, temos circuito RCL em
série, em que podemos calcular a tensão, a
corrente e a impedância.
A freqüência do gerador pode ser variada
de 100 a 600 K HZ , permitindo dessa maneira
que se observe a conduta do circuito ao entrar e
ao sair de ressonância.
A corrente do circuito é calculada para as
diversas freqüências do gerador. Empregando-se
as equações já conhecidas, para 100 K HZ , temse:
Figura 1-23
Impedância
X =2πf xL
Quando o circuito RCL em série entra em
ressonância, a reatância total do circuito é zero,
uma vez que X L e XC se anulam mutuamente
porque estão 180° defasadas. É claro, portanto,
que quando XL = XC a impedância ( Z ) do
L
X = 6,28 x 2 x 10
L
X
T
circuito será a própria resistência (R), uma vez
que:
Z
T
=
R
Como: X
Logo: Z
2
L
T
+ (X
= X
L
−X )
2
L
= 6,28 x 10
5
x 2 x 10
−3
X = 1256 ohms
L
2
Como: X C =
C
C
X
= R
X
Do exposto, é evidente, que quando um
circuito RCL em série entra em ressonância, a
corrente do circuito é máxima, uma vez que a
impedância é mínima, pois a única oposição que
o circuito oferece deve-se somente à sua
resistência. Portanto, a corrente de um circuito
RCL em série atinge seu maior valor no ponto
de ressonância.
C
C
1
2πf x C
1
=
6,28 x 10
5
x 8 x 10
−11
= 19890 ohms
A reatância efetiva ou total do circuito (X)
pode então ser calculada:
X= X
C
− X
L
X = 19890 − 1256
X = 18634
Análise do Circuito Ressonante
O estudo feito até agora registra as
condições de um circuito sintonizado no ponto
de ressonância; contudo, para que se possa
entender melhor o comportamento do circuito, é
necessário analisar as condições que nele
existem, em ambos os lados da ressonância.
A impedância do circuito será:
Z
T
=
R
2
+ X
2
Como X é 200 vezes maior que R, a
impedância pode ser considerada, na prática,
igual à própria reatância.
Então, ter-se-á:
R = 100 Ω
Z
T
= 18634
A corrente I , calcula-se pela Lei de
T
Ohm, logo teremos: IT =
Figura 1-24
1-11
E
Z
a
T
No circuito da figura 27, temos o circuito
RCL em ressonância, onde os medidores nos
mostram as leituras das tensões e correntes.
3000
I = 16 mA
T
18634
Em uma análise do comportamento do
circuito, podem-se calcular os valores acima
determinados entre os limites de trabalho do
equipamento (100 a 600KHz).
A tabela abaixo (figura 1-25) relaciona os
valores das reatâncias, a diferença entre elas, a
impedância e a corrente no circuito, para cada
freqüência de operação.
IT =
FREQ.
x
KHz
OHM
OHM
100
200
398
500
600
1256
2512
5000
6280
7536
19890 18634
9945 7433
5000 ZERO
3978 2302
3315 4221
l
x
c
x
R
Z
E
xi-xc
I
OHM
OHM
VOLT
AMPERE
100
100
100
100
100
18634
7433
100
2302
4221
300
300
300
300
300
0,016
0,04
3
0,13
0,071
Figura 1-27
E =I
L
E
Figura 1-25
= I
C
x X
T
x X
T
= 3 x 5000 = 15000 v
L
C
= 3 x 5000 = 15000 v
A tensão em L ou C é igual a 50 vezes a
tensão aplicada. A tensão reativa depende da
corrente que percorre o circuito a qual, por sua
vez, depende da resistência ôhmica.
Desta forma, um circuito ressonante de
resistência pequena é capaz de gerar tensões
elevadas através das reatâncias.
Isto se aplica a circuitos que necessitam
de um ganho de tensão, embora lhes seja
aplicada uma baixa tensão.
A figura 1-26 apresenta o gráfico da
variação da corrente em função da freqüência. O
conjunto gráfico e tabela mostra claramente que,
na freqüência de ressonância (398), a
impedância é mínima (igual a R), a corrente é
máxima e as reatâncias são iguais.
Portanto, um circuito série ressonante
RCL atua como se fora um circuito simples,
unicamente resistivo. O fluxo da corrente é
limitado exclusivamente pela resistência.
Freqüência de Ressonância
A freqüência em que um circuito RCL em
série entra em ressonância pode ser determinada
da seguinte maneira:
X =X
Como:
L
C
Logo teremos:
2π f x L =
4π
Figura 1-26
Todavia, as tensões nos elementos
reativos, embora iguais e opostas, podem atingir
valores bastante elevados. Essas tensões são
determinadas pela corrente que percorre o
circuito multiplicado pela reatância do elemento
(Lei de Ohm).
f
2
2
xf
2
4π
r
2
xLxC
1
2π
Onde:
1-12
x C xL =1
1
=
f =
1
2πf x c
LxC
f = freqüência de ressonância (Hertz )
r
L = indutância (Henry)
C = Capacitância (Farad)
Um exame da equação em apreço faz-nos
concluir que a resistência do circuito não influi
na sua freqüência de ressonância e que esta só
depende do produto LC. Isto significa que
circuitos com valores diferentes para L e para C
podem entrar em ressonância na mesma
freqüência, desde que os produtos LC sejam
iguais.
Por isto, podem-se fazer num circuito,
várias combinações de L e C, obtendo-se o
mesmo produto. Sendo constante o produto,
constante será também a freqüência de
ressonância. Exemplo: uma indutância de 0,5
mH e uma capacitância de 32 µµ F irão ressonar
na mesma freqüência (398HZ que uma bobina de
2 mH e uma capacitância de 80µµ F.
I
f = freqüência ressonante
r
Figura 1-28
Assim, o circuito perde a vantagem de
seletividade de freqüência.
O “Q” e a seletividade
A fim de que os receptores de rádio
possam desempenhar suas funções, é necessário
que este selecione uma estreita faixa de
freqüência, rejeitando as demais.
Só assim se conseguirá separar emissoras
que se acham muito próximas no dial do rádio.
Quanto mais estreita for a faixa de
freqüência, maior será sua seletividade.
Portanto, seletividade é a aptidão que tem um
receptor de selecionar um sinal, entre muitos
outros de freqüências próximas.
A seletividade de um aparelho é
determinada pelos seus circuitos sintonizados.
Quanto menor possamos fazer a
resistência de uma bobina, com respeito à sua
reatância, maior será a seletividade.
A seletividade de uma bobina é medida
pela relação “Q” que é igual à sua reatância
dividida pela sua resistência.
Como a resistência de um capacitor é
mais baixa do que a resistência de uma bobina,
esta constitui o elo mais fraco do circuito
sintonizado.
O “Q” do circuito sintonizado é o “Q” da
bobina.
Curvas de Ressonância
Como já foi visto, a freqüência de
ressonância independe do valor da resistência
do circuito. Um circuito que tenha uma
resistência de 100 ohms terá a mesma
freqüência de ressonância que um circuito com
1 ohm de resistência, desde que o produto LC
seja constante, em ambos os casos. Entretanto, a
intensidade da corrente no circuito cresce à
medida que a resistência diminui.
Se fosse possível montar um circuito com
resistência nula, a corrente na ressonância seria
infinitamente grande.
Na prática, a resistência nunca é nula, mas
pode ser elevada e dentro dos limites finitos. Na
figura 1-28, temos algumas curvas típicas de
ressonância para um circuito que tenha os
mesmos valores L de e C, mas valores
diferentes para a resistência.
A diferença entre os valores de pico de
cada um das curvas deve-se ao fato das
resistências possuírem valores diferentes.
Observe-se também que à medida que a
resistência R aumenta, as curvas de respostas
tornam-se mais achatadas e mais largas nas
proximidades da freqüência de ressonância.
Se a resistência de um circuito ressonante
for muito grande, o circuito perde sua utilidade
como seletor de freqüência, por ser diminuta a
discriminação do fluxo de corrente entre as
freqüências que são e as que não o são.
Q=
X
L
R
Como:
X =
L
1-13
E
I
L
T
e
R=
E
I
a
T
E
Logo: Q =
I
E
Largura de Faixa
L
T
Q=
a
E
I
L
T
I
x T
E
Largura de faixa (Band Width) ou faixa de
passagem de um circuito é uma faixa de
freqüência na qual a variação da tensão
aplicada, produz resposta que não difere muito
da obtida na freqüência de ressonância.
Os limites mínimos da resposta em geral,
são tomadas na curva de ressonância a 0,707 do
valor máximo da corrente ou tensão, conforme o
que se esteja calculando.
Na figura 1-29, a área sombreada
representa a faixa de freqüência para a qual a
corrente é maior que 0,707 do valor de pico.
Observe-se que a metade desta faixa fica acima
da freqüência de ressonância ( f até f ) e a
a
I T
Q =
E
E
L
a
Portanto, o “Q” de um circuito série
ressonante vem a ser também a relação que
existe entre a tensão no indutor ou no capacitor
(E = E ) e a tensão aplicada (E ) ao circuito.
L
C
a
A expressão anterior indica que o “Q”
varia inversamente com a resistência do
circuito; quanto mais baixa a resistência, maior
será o “Q”.
As curvas de ressonância indicam que,
quanto mais baixa for a resistência do circuito,
maior será sua discriminação de freqüência. Por
isto, o “Q” indica a capacidade de um circuito
ressonante para selecionar ou rejeitar uma
determinada faixa de freqüência, sendo por isso,
conhecido como fator de qualidade ou mérito de
um circuito.
Quanto maior for o “Q” de um circuito
ressonante em série, maior será seu valor como
seletor de freqüência.
r
r
1
As duas freqüências, uma acima e outra
abaixo da ressonância, nas quais são obtidas
respostas mínimas, formam os limites da largura
da faixa aceita do circuito.
Os pontos f e f são chamados pontos
1
2
de meia potência, em virtude desses pontos
corresponderem a 50% da potência máxima.
A largura da faixa de passagem, também
conhecida como passa banda (ban pass), pode
ser determinada pela seguinte equação:
Influência do “Q” no Ganho de Tensão
Bw = f
No circuito da figura 1-27, as tensões nas
reatâncias por ocasião da ressonância são de
15000 volts, ao passo que a tensão aplicada (que
é a mesma da resistência) é de 300 volts.
Esta alta tensão depende diretamente da
corrente que percorre o circuito, a qual, por sua
vez, depende da tensão aplicada e da resistência.
Comparando-se a tensão em uma das
reatâncias com a tensão aplicada, tem-se uma
idéia exata da qualidade do circuito ressonante.
O circuito ressonante em série amplifica a
tensão aplicada na freqüência de ressonância. Se
as perdas do circuito são baixas, o “Q” do
circuito será alto e a amplificação de tensão será
relativamente grande. A amplificação de tensão
do circuito da figura 1-27, será de:
Em que:
2
− f
1
Bw = faixa de passagem (Hertz )
f = freqüência mais alta que passa pelo
2
circuito (Hertz)
f = freqüência mais baixa que passa pelo
1
circuito (Hertz)
Todavia, como o “Q” do circuito
determina a largura total da curva de
ressonância, a faixa de passagem também pode
ser calculada baseando-se na freqüência de
ressonância ( f ) e no “Q” do circuito, ou seja:
r
E
Q= L
E
Bw =
a
15000
Q=
300
2
outra metade abaixo ( f até f ) .
fr
Q
Em que:
Q = 50
B
1-14
w
= faixa de passagem (Hertz)
f = freqüência de ressonância (Hertz)
r
Q = qualidade ou ganho
Nesta fórmula, permite ver-se que quanto
maior for o “Q”, menor será a faixa de
passagem e, inversamente, quanto menor for o
“Q”, maior será a faixa de passagem.
A freqüência mais baixa que passa pelo
circuito ( f ) assim como a mais alta ( f ) podem
1
XC = 400 Ω
2
Figura 1-30
ser calculadas da seguinte maneira:
Cálculo da corrente:
I =
E
R
I =
50
5
Q =
400
5
I = 10 A
Cálculo do “Q”:
Q = X
L
Q = 80
Cálculo da Faixa de Passagem:
Faixa de passagem:
f
r = 160000 = 2000 Hz
80
Q
Para a Curva de Ressonância, teremos:
Figura 1-29
Como:
=
Bw
2
= f −
Bw
2
f − f
r
1
e
f
2
− f =
Bw
2
= f
Bw
2
r
Logo:
f
1
r
f
2
r
+
Exercício resolvido:
Figura 1-31
Calcule a faixa de passagem do circuito da
figura 1-30, sabendo-se que sua freqüência de
ressonância é de 160HZ e monte sua curva de
ressonância.
Dados:
X = 400 ohms
No rádio, da mesma forma que nos outros
equipamentos eletrônicos, é muito freqüente o
uso e a aplicação dos circuitos reativos em
paralelo.
A importância dos circuitos reativos em
paralelo deve-se ao fato de que eles aparecem
no estudo dos amplificadores eletrônicos e,
devido a isso, é essencial a compreensão das
relações existentes entre tensões, intensidade de
corrente, impedância e potência nesses circuitos.
L
X
C
= 400 ohms
R = 5 ohms
f = 160000 Hz
r
E = 50v
a
1-15
CIRCUITO RL EM PARALELO
Vimos que, no circuito reativo em série,
por ser a corrente um elemento constante em
todos os pontos do circuito, tomávamos seu
vetor como referência, para representação
gráfica e cálculos.
No circuito reativo em paralelo, porém, o
elemento constante é a tensão, ou seja, a tensão
aplicada é a mesma em todos os ramos do
circuito. Além de terem o mesmo valor estão em
fase.
Daí a razão porque a tomaremos como
vetor referência.
Figura 1-33
No gráfico da figura 1-34, a corrente no
resistor I é representada pelo vetor horizontal e
Intensidade de corrente
R
Ao se ligar um indutor em paralelo com
um resistor, a tensão no indutor (E ) e no
a corrente no indutor I , pelo vetor vertical. O
L
vetor I é orientado no sentido negativo porque
L
L
resistor (E ) é idêntica à tensão aplicada e
está atrasado em relação a I .
R
R
estão em fase entre si.
Todavia, a corrente através do indutor está
atrasada de 90º em relação à tensão aplicada, e a
corrente através do resistor está em fase com a
tensão aplicada. Logo, podemos concluir que a
corrente no indutor (I ) está atrasada de 90º em
I
I
T =
2
R
+I
2
L
L
relação a corrente no resistor (I ) .
R
A figura 1-32, nos mostra um circuito RL
em paralelo e a figura 1-33, sua relação de fase.
A corrente total de qualquer circuito RL
em paralelo não pode ser determinada pela soma
aritmética das correntes nos vários ramais, por
causa da diferença de fase.
Figura 1-34
O módulo do vetor da corrente de linha I
é sempre maior do que I
R
T
ou I , porque ele é a
L
hipotenusa de um triângulo retângulo.
Para se calcular a corrente no resistor e no
indutor, emprega-se a Lei de Ohm:
E
E
IR = R
IL = L
R
XL
Como:
E
a
=E
R
= E
Logo:
Figura 1-32
I
R
1-16
=
E
a
R
IL =
Ea
XL
L
Em que:
E
E
E
a
= tensão aplicada (volts)
R =
L
I
L
Logo: tg θ =
I
R
tensão no resistor (volts)
E
Como: IL =
X
= tensão no indutor (volts)
a
e
I
R
L
E
=
a
R
Cálculo da Impedância
A impedância de um circuito RL em
paralelo pode ser determinada pela Lei de Ohm,
ou seja:
Z
T
=
E
I
a
T
Figura 1-36
Todavia, nos circuitos CC, vimos que,
para efetuar o cálculo da resistência equivalente
entre dois resistores no circuito, empregávamos
a seguinte fórmula:
R
T
=
R
x R
1
R
+ R
1
E
Logo: tg θ =
Z
T
=
R
2
x
E
2
tg θ =
E
X
a
L
a
R
E
x
L
tg θ =
a
R
X
L
Em função do diagrama da figura 1-36
temos que, o cos θ =
L
X
a
R
2
Analogamente, nos circuitos reativos em
paralelo, podemos calcular a impedância por
intermédio de uma fórmula semelhante a esta.
Donde, por analogia, teremos:
R x X
X
I
R
I
T
2
L
Como:
I
R
Ângulo de Fase
Denomina-se ângulo de fase (θ) , ao
ângulo que a corrente de linha (I ) forma com a
E
=
a
R
e
I
T
=
E
Z
a
T
Ea
Logo: cos θ = R
Ea
ZT
T
tensão aplicada (E ) . Veja a figura 1-35.
a
cos θ =
E
a
R
Z
x
E
T
a
cos θ =
Z
T
R
Potência Elétrica
Todo circuito que contenha resistência e
reatância, parte da potência é dissipada no
resistor sob a forma de calor e parte é devolvida
à fonte. O produto PT = Ea x I T , é chamado de
potência aparente, (P ) sendo sua unidade o
Figura 1-35
O ângulo de fase (θ) poderá ser
determinado
por
meio
das
funções
trigonométricas do diagrama vetorial da figura
1-36.
a
Volt Ampère (VA).
1-17
A potência aparente poderá ser calculada
por qualquer uma das equações abaixo:
P
A
P
a
P
a
= E
= I
x I
a
2
T
x Z
T
O fator de potência é usualmente expresso
em fração decimal ou percentagem.
CIRCUITO RC EM PARALELO
As considerações básicas, feitas para o
circuito RL em paralelo, continuam a ter valor
para o circuito RC em paralelo que agora vamos
estudar e no qual temos um resistor e um
capacitor associados, como mostra a figura 137.
Tratando-se de um circuito em paralelo, a
tensão é a mesma em qualquer ponto do circuito
e estão em fase entre si.
Contudo, a corrente que atravessa o
capacitor está adiantada de 90º em relação ã
tensão aplicada e a corrente que percorre o
resistor está em fase com a mesma tensão,
conforme nos mostra a figura 1-38.
Isto quer dizer que a corrente capacitiva se
apresenta defasada de 90º, em avanço sobre a
corrente resistiva.
T
E 2
a
=
Z
T
A potência dissipada pelo resistor é
chamada de potência real, verdadeira ou efetiva
do circuito, sendo sua unidade o Watt.
Podemos calcular a potência real ( PR ) de
um circuito por intermédio da seguinte equação:
P
R
= E
a
x I
R
Como:
I
cos θ = R
I
T
Logo::
P
R
= E
a
x I
x cos θ
T
Fator de Potência
Defini-se como fator de potência ( f ) , a
p
relação entre a potência real (P ) e a potência
R
aparente (P ) de um circuito.
A
f
p
=
Figura 1-37
P
R
P
A
Como:
P
R
= E
a
Logo: fp =
e
x I
R
E
E
a
a
x I
R
x I
p
A
f
T
Porém, como cos θ =
Logo: f
P
= E
a
x I
T
I
= R
p
I
T
I
R
I
T
= cos θ
Figura 1-38
No gráfico da figura 1-39, a corrente I
Em conseqüência, o fator de potência
poderá ser calculado por qualquer uma das
equações apresentadas.
R
é
representada pelo vetor horizontal e a corrente
no indutor I
1-18
C
pelo vetor vertical. O vetor I
C
é
orientado no sentido positivo porque está
adiantado em relação a I .
R
Figura 1-40
O ângulo de fase θ poderá ser
determinado
por
meio
das
funções
trigonométricas do diagrama vetorial da figura
1-41.
Figura 1-39
A corrente resultante (I ) ou de linha é a
T
soma vetorial destas duas correntes, ou seja:
Como:
I R2 + I C2
IT =
O módulo do vetor da corrente de linha
(IT) é sempre maior do que I ou I , porque ele
R
C
é a hipotenusa de um triângulo retângulo.
Para se calcular a corrente no resistor e no
capacitor, emprega-se a Lei de Ohm:
I
R
=
E
a
IC
R
=
Ea
XC
Figura 1-41
Logo: tg θ =
Cálculo da Impedância
I
C
I
R
A impedância de um circuito RC em
paralelo pode ser determinada pela lei de Ohm,
ou seja:
Porém, como: IC =
E
E
ZT = a
IT
X
Logo: tg θ =
E
Ou através da seguinte equação:
Z =
R x X
R
2
tg θ =
2
C
E
e IR =
a
R
a
C
a
tg θ =
E
X
a
x
C
R
E
a
R
X
C
C
Em função do diagrama da figura 1-41,
I
temos que, o cos θ = R
IT
Ângulo de Fase
O ângulo de fase θ , como já vimos, é o
ângulo formado pelo vetor da corrente de linha
(I ) com o vetor da tensão aplicada (E ) .
T
X
a
R
C
+ X
E
Como: IR =
a
1-19
E
a
R
e IT =
E
Z
a
T
Logo:
corrente (I ) está atrasada de 90º e no capacitor,
L
E
a corrente (I ) está adiantada de 90º.
a
cos θ = R
E
cos θ =
a
Z
Z
cos θ =
E
a
R
x
Z
E
C
T
a
T
T
R
Potência aparente e real
Figura 1-42
Como em qualquer circuito em paralelo, a
tensão é a mesma em qualquer ponto do circuito
e estão em fase entre si, podemos concluir que
I está atrasada de 90º de I e I adiantada de
Para se calcular a potência aparente (P ) e
a
a potência real (P ) , empregam-se as mesmas
R
equações já vistas no circuito RL em paralelo,
ou seja:
P
a
P
a
=E
=
R
T
E 2
a
Z
= E
P
x I
a
a
P
= I
P
= E
a
R
T
x I
T
2
T
a
x Z
L
R
C
90º de I , conforme nos mostra a figura 1-43.
R
Logo, podemos compor o diagrama vetorial,
conforme figura 1-44.
T
x I
R
x cos θ
Fator de Potência
Para o cálculo do fator de potência
empregam-se as mesmas equações vistas no
circuito RL em paralelo, em que:
f =
p
f
Figura 1-43
P
R
P
a
I
= R
p
I
T
f
p
= cos θ
CIRCUITO RCL EM PARALELO
Figura 1-44
Quando se aplica uma CA em um circuito
paralelo contendo resistor, capacitor e indutor,
conforme mostra a figura 1-42, é necessário
levar em consideração o fato de que os ângulos
de fase entre a corrente e a tensão diferem nos
três elementos.
Tomando-se a tensão de um circuito
paralelo como referência, temos: no resistor, a
corrente (I ) está em fase: no indutor, a
A
I , I
R
L
soma
vetorial
das
correntes
e I é igual a corrente total ou de linha
C
do circuito. Como a corrente no capacitor I
C
ea
corrente no indutor I estão defasadas de 180º,
L
logo, a corrente resultante da composição
vetorial entre I e I é a diferença, já que são
C
R
1-20
L
vetores diretamente apostos entre si. Esta
corrente resultante será somada vetorialmente,
com a corrente do resistor I , para a
I
determinação da corrente total ou de linha do
circuito. Isto é expresso pelo gráfico da figura 145.
I
C
E
=
X
R
L
E
=
X
a
C
a
L
Cálculo da Impedância
A impedância de um circuito RCL em
paralelo pode ser determinada pela Lei de Ohm,
em que:
Z
T
=
E
Figura 1-45
I
a
T
ou através da seguinte equação:
Pelo teorema de Pitágoras, teremos:
R x Z1
ZT =
2
IT =
I R + ( IC − I L )
Onde:
Neste tipo de circuito existe uma corrente
circulatória que vem a ser a menor entre as duas
correntes I e I . Esta corrente circula apenas
L
R 2 + Z12
2
ZT =
X L x XC
XC − X L
C
no circuito formado por L e C. Depois da carga
inicial do capacitor, ele descarrega através da
bobina.
O fluxo da corrente através da bobina
produz um campo magnético que se mantém,
enquanto a corrente estiver fluindo.
Quando a corrente se reduz a zero, o
campo magnético se desvanece, induzindo uma
corrente que carrega o capacitor, mas com
polaridade oposta à original. Aí o capacitor se
descarrega em sentido oposto.
Ângulo de Fase
O ângulo de fase θ poderá ser
determinado
por
meio
das
funções
trigonométricas do diagrama da figura 1-47.
Como:
Figura 1-46
Os ciclos se repetem e o capacitor volta a
se carregar ao seu estado original. Esses ciclos
se repetem periodicamente e a sua ação dá
origem a corrente circulatória, veja a figura 146.Para se calcular a corrente no resistor,
capacitor e indutor, emprega-se a Lei de Ohm.
I
R
=
E
Figura 1-47
Logo:
I − I
L
tg θ = C
I
a
R
R
1-21
cos θ =
I
R
I
T
ou
Z
T
R
Classificação dos circuitos RCL em paralelo:
a) Quando X
I
for menor que X ou
L
C
C
=
I maior que I , temos: θ negativo,
L
C
circuito R .
L
L
X
E
=
I
E
X
a
I
C
a
C
I
L
L
=
100 V
20 Ω
=
100 V
12,5 Ω
I
C
= 5A
I = 8A
L
b) Quando X for menor que X ou
C
L
I maior que I temos: θ positivo,
C
A corrente total ou de linha:
L
circuito R .
C
I
c) Quando X for igual a X ou I igual
L
C
L
a I , temos: θ igual a zero, circuito
C
I
RESISTIVO.
I
Potência aparente, real e fator de potência
T
T
T
=
I
2
+ (I
R
− I )
L
2
=
4
=
16 + 9
2
C
+ (8 − 5 )
2
I
= 5A
T
Para o cálculo, empregam-se as mesmas
equações já vistas nos circuitos R ou RC em
A impedância total do circuito:
paralelo, ou seja:
Z
L
P
A
P
A
= E
=
Z
P
= E
f
f
p
=
A
= I
x Z
T
Z
T
T
a
a
f
x I
p
R
x I
R
f
x cos θ
T
f
P
A
I
= R
p
I
p
f
T
o
p
I
R
I
f =
p
T
=
100 V
5A
4A
5A
= 0,8 ou 80%
Z
P
= 100 x 5 x 0,8
P
= 400 W
=
p
R
T
R
circuito
da
R
figura
1-48,
R
R
I
R
=
100
25 Ω
T
x cos θ
P
= E
P
= 100 x 5
P
= 500 VA
x I
a
T
A corrente circulante no tanque:
As intensidades de corrente I , I
a
x I
a
A potência aparente:
Figura 1-48
=
=
= E
R
A
R
T
= 20 Ω
P
A
I
T
= cos θ
A
E
Z
A potência real:
P
Dado
determinar:
T
I
a
O fator de potência:
a
= E
R
P
T
E 2
P
R
x I
a
2
T
E
=
I
R
C
A corrente circulatória é a menor entre as
duas correntes I ou I .
e I :
L
L
Como I
= 4A
C
C
é a menor corrente, logo, a
corrente circulatória será de 5A..
1-22
RESSONÂNCIA EM PARALELO
CIRCUITO TANQUE IDEAL
Para uma determinada freqüência a
reatância indutiva será igual à reatância
capacitiva ( X L = X C ) , logo, o circuito entra
em ressonância.
A figura 1-51 mostra o gráfico da variação
da reatância indutiva e capacitiva em função da
freqüência.
E
Ressonância em paralelo
O circuito sintonizado em paralelo é um
dos mais importantes da eletrônica, sendo
amplamente empregado em transmissores,
radio, radar, etc.
O fenômeno da ressonância em série,
também se presta a uma análise nos circuitos em
paralelo, entretanto, sua aplicação revela
condições diferentes de operação.
Um circuito em paralelo encontra-se em
ressonância quando é estabelecida a igualdade
entre a reatância indutiva e a reatância
capacitiva ( X = X ) a qual determina a
L
C
igualdade entre as correntes I
L
= I .
Figura 1-50
C
Circuito Tanque Ideal
Chama-se comumente tanque a qualquer
associação LC, particularmente quando as
reatâncias são ligadas, conforme a figura 1-49.
Figura 1-51
Figura 1-49
A designação tanque resulta da
capacidade que têm os circuitos LC de
armazenar energia. Embora o circuito tanque
ideal não seja exeqüível na prática, uma análise
de seu comportamento é instrutiva.
A figura 1-50 representa o esquema de um
circuito tanque ideal (R = 0) em que um
indutor e um capacitor estão associados em
paralelo e ligados a uma fonte de CA de
freqüência variável.
Há, portanto, dois caminhos por onde a
corrente pode circular; um pelo indutor e outro
pelo capacitor.
Se a fonte de CA operar em baixa
freqüência, a maior parte da corrente circulará
pelo indutor do que pelo capacitor, porque X é
Uma vez estando o circuito em
ressonância, a corrente através do indutor e do
capacitor são iguais (I = I ) , porém
L
C
defasadas de 180º. Assim sendo, a corrente total
ou de linha que é a soma vetorial de I e I , é
L
C
igual a zero. Este fato é mostrado por
intermédio do diagrama vetorial da figura 1-52.
Assim, nesse circuito ressonante em paralelo
hipotético, a impedância do circuito será infinita
e não haverá corrente de linha.
Todavia, haverá uma corrente circulatória
no tanque apesar de nenhuma corrente ser
fornecida pela fonte.
Depois da carga inicial do capacitor, ele
descarrega sobre o indutor, isto é, a energia
armazenada no capacitor fornece a corrente que
percorre o indutor.
O campo magnético resultante em torno
do indutor age como fonte de energia para
recarregar o capacitor.
L
menor que X . Se, porém, a fonte de CA
C
operar em alta freqüência, a maior parte da
corrente circulará pelo capacitor porque X é
C
menor que X .
L
1-23
Essa transferência de energia entre os dois
elementos continua na freqüência de
ressonância sem qualquer perda.
O sistema está em estado oscilatório e
pode ser comparado com um pêndulo em que,
não havendo atrito, oscila continuamente, desde
que tenha recebido um deslocamento inicial
devido a uma fonte de energia.
IL = I C
e
XL = XC
Figura 1-53
Figura 1-52
Mas, da mesma maneira que o pêndulo
real nunca é totalmente desprovido de atrito e
dissipa alguma energia durante a oscilação, os
circuitos ressonantes em paralelo, na prática,
incluem alguma resistência que absorve energia
da fonte original.
Conseqüentemente apesar da impedância
do circuito ser máxima na ressonância, tem
valor finito, e não infinito e a corrente de linha,
apesar de ser mínima e estar em fase com a
tensão aplicada, não é igual a zero.
Na figura 1-53, temos o gráfico
representativo da impedância e corrente em
relação à variação de freqüência.
A corrente circulatória no tanque tem o
mesmo sentido e é máxima quando o circuito
encontra-se em ressonância.
Veja a figura 1-54.
A corrente circulatória, é considerada
como sendo a corrente do capacitor I ou do
Figura 1-54
A ressonância nos circuitos paralelos é
chamada de anti-ressonante, por serem seus
efeitos exatamente opostos aos observados nos
circuitos em série.
Freqüência Anti-ressonante
Aplica-se a expressão de freqüência antiressonante ao circuito em paralelo e freqüência
de ressonância ao circuito em série. Em
qualquer caso, uma combinação LC tem uma
freqüência ressonante, qualquer que seja o nome
que esta receba.
A freqüência anti-ressonante de um
circuito paralelo é determinada da mesma
maneira que num circuito em série, ou seja:
fr =
C
indutor I , uma vez que I
L
= I e pode ser
L
C
Impedância no circuito tanque ideal
facilmente determinada pela Lei de Ohm:
I
C
=
E
X
a
C
e
2π
1
L x C
I
L
=
E
X
No circuito ressonante em paralelo a
tensão é a mesma e as correntes em cada ramo e
na linha são determinadas pela impedância total
da linha. Assim, a corrente no ramo indutivo ou
capacitivo em qualquer instante é:
a
L
1-24
E
=
I
L
a
X
I
L
A corrente total I
C
T
E
=
X
versátil. Pode ser usado para
substituir um capacitor ou um indutor.
a
C
Exercício resolvido
na linha, pela Lei de
A figura 1-55 mostra o esquema de um
circuito RC em paralelo. O gerador de
freqüência variável entrega 300V.
A freqüência anti-ressonante será:
Ohm, é:
I
T
E
=
Z
a
T
Além disso, como já foi visto, a corrente
total é igual à soma vetorial das correntes nos
ramos. Como essas correntes estão defasadas de
180º e X é convencionalmente negativo, temC
se:
I
T
= I
− I
L
C
Donde:
− I
I
L
Z
T
=
=
C
T
=
Z
E
E
a
X
Z
E
X
X
L
L
C
a
Z
T
T
=
E
I
L
Figura 1-55
a
− I
fr =
C
a
−
f
E
X
x X
a
C
1
=
r
6,28
4 x 10
−3
x 4 x 10
−11
f r = 398000 Hz
C
− X
2π
1
L x C
A corrente em qualquer um dos ramos é
determinada pela reatância nesse ramo. Como
I é igual a I , qualquer reatância pode ser
L
A impedância de um circuito em paralelo
difere de um circuito em série. Uma reatância
indutiva grande em um circuito em série faz
com que este haja indutivamente, porém, uma
grande reatância indutiva num circuito em
paralelo faz este agir capacitivamente, pois
passa mais corrente pelo ramo capacitivo.
Um circuito tanque ideal apresenta as
seguintes características:
L
C
usada.
X L = 2π x f x L
X = 6,28 x 398 x 10
3
L
x 4 x 10
−3
Logo:
=
I
L
a) Na ressonância, a impedância é
infinita;
X
b) À medida que a freqüência se afasta
da freqüência de ressonância, a
impedância se aproxima de zero;
L
E
X
a
L
= 10000 ohms
300
10000
I
=
I
= 0,03 A
L
L
Assim, a corrente circulatória no tanque é
de 0,03A, mas a corrente na linha é
praticamente nula; como já sabemos, a
freqüência de ressonância oferece o máximo de
impedância à linha.
Se a freqüência do gerador for mudada
para 200 KHz a corrente nos ramos diferirá:
c) O circuito se aproxima indutivamente
para as freqüências inferiores à de
ressonância e, capacitivamente, para
as freqüências maiores que a de
ressonância. Os pontos precedentes
indicam que o circuito tanque é muito
XL = 2 π x f x L
1-25
X
= 6,28 398 x 10
L
Logo:
L
X
L
=
X
x 4 x 10
−3
I
L
Assim, a corrente circulatória no tanque é
de 0,03A, mas a corrente na linha é
praticamente nula; como já sabemos, a
freqüência de ressonância oferece o máximo de
impedância à linha.
Empregando-se a fórmula da impedância,
tem-se:
Z
X L = 2π x f x L
X L = 6,28 x 2 x 105 x 4 x 10−3
Z
= 5024 ohms
L
Z
Logo:
E
=
I
L
X
a
I =
L
L
300
5024
L
XC
Como:
6,28 x 2 10
106
XC =
50,24
X
C
x 4 x 10
−11
= 19900 ohms
Logo:
C
C
=
E
X
a
I
C
C
=
300
19900
= 0,015 A
Como a corrente indutiva é maior que a
capacitiva, o circuito se conduz indutivamente.
A corrente de linha é:
I
T
= I
L
− I
T
=
X
L
C
x X
C
− X
L
5024 x 19900
19900 − 5024
= 6720 ohms
As conclusões obtidas no estudo do
circuito tanque ideal e os resultados da análise
do circuito anterior foram baseados na hipótese
da resistência nos ramos em paralelo ser nula ou
desprezível.
A figura 1-57 apresenta um diagrama
esquemático equivalente a um circuito real. O
ramo capacitivo contém uma resistência
desprezível, enquanto que o ramo indutivo
inclui toda a resistência do circuito.
A presença da resistência no circuito em
paralelo significa que as correntes dos
respectivos ramos não estão exatamente
defasadas de 180º na ressonância. A resistência
altera o ângulo de fase de cada ramo, como é
visto na figura 1-58.
Assim as correntes dos ramos não se
anulam completamente e resulta disso uma
corrente de linha.
1
5
T
X
Circuito Tanque Real
1
=
2π x f x c
=
C
T
=
CIRCUITO TANQUE REAL E CIRCUITO
TANQUE
COM
RESISTOR
EM
DERIVAÇÃO
= 0,059 A
I
I
T
Figura 1-56
Se a freqüência do gerador for mudada
para 200 KHz a corrente nos ramos diferirá:
I
T = 0,044A
= 0,03 A
L
X
= 0,059 − 0,015
= 10000ohms
L
I
X
T
Assim, a corrente na linha é de 44 mA,
atrasada de 90º em relação à tensão aplicada. A
figura 1-56, mostra o diagrama vetorial deste
circuito na freqüência de 200 KHz.
a
300
10000
=
I
I
E
3
C
1-26
Dessa forma, o valor da corrente de linha
na ressonância é, pois um indicativo da
quantidade de resistência presente no circuito.
À medida que a resistência diminui, a
corrente de linha tende para uma amplitude
mínima e a entrar em fase com a tensão
aplicada.
Como a corrente ressonante do tanque é
igual à corrente de menor valor, I ou I e em
C
L
virtude de I ser menor que I teremos:
L
Q =
I
C
I
E
Q =
E
T
a
X
Z
L
Q =
a
Z
T
X
L
T
Como: X
L
Logo: Q =
Figura 1-57
I
Q= L
I
tan que
=
Z
X
X
C
T
C
Obs.: esta equação, somente deve ser
empregada quando o valor de R for
muito baixo em relação a XL.
Assim, o Q de um circuito ressonante em
paralelo também é considerado como sendo a
relação entre a impedância e a reatância indutiva
ou capacitiva.
Os circuitos de Q elevados são, como já
vimos, muito úteis nos circuitos eletrônicos
seletivos. Quanto maior for o Q, maior será a
seletividade do circuito.
Curvas de Ressonância
Figura 1-58
Nos circuitos ressonantes em paralelo, a
curva de impedância é a curva característica de
ressonância (figura 1-59).
Como já foi visto, a freqüência de
ressonância independe do valor da resistência
do circuito.
Fator de Qualidade
O fator de qualidade ou “Q” de um
circuito ressonante em paralelo é igual ao de um
circuito ressonante em série, em que:
Q=
X
L
R
Porém, no circuito ressonante em série, a
qualidade ou Q do circuito também é
determinada pela relação entre a tensão em cada
reatância e a tensão aplicada. Como a tensão é a
mesma no circuito ressonante em paralelo, o Q
do circuito também é determinado pela relação
entre a corrente no tanque e a corrente na linha,
ou seja:
Q =
I
tan que
I
Figura 1-59
linha
1-27
A agudeza da curva depende do Q do
circuito e pode ser aumentada ou diminuída,
respectivamente com o acréscimo ou
decréscimo do valor da resistência. Se a
resistência do circuito ressonante for muito
grande, o circuito perde sua utilidade como
seletor de freqüência.
figura 1-61. O resistor R é chamado de “resistor
de amortecimento” e aumenta efetivamente a
largura de faixa de um circuito, porque ele será
responsável por uma parte da corrente de linha
que a ressonância não pode cancelar. O
amortecimento de derivação faz diminuir o Q do
circuito e portanto o circuito fica menos
seletivo.
Largura de Faixa
A largura de faixa do circuito ressonante
em paralelo, segue as especificações para a
largura de faixa do circuito ressonante em série.
Portanto, os limites efetivos da faixa de
passagem são tomados nos pontos da curva de
ressonância a 0,707 do valor de pico. Assim, as
duas freqüências, uma acima e outra abaixo da
ressonância (pontos de meia potência), formam
os limites da largura de faixa. Veja a figura 160.
Figura 1-61
Exercício resolvido
Estando o circuito da figura 1-62 em
ressonância, calcular:
f
Bw = r
Q
Q =
I
Z =
tan que
=
I =
T
P
R
=
Figura 1-60
A largura de faixa de um circuito
sintonizado pode ser determinada por meio da
fórmula:
Figura 1-62
Cálculo do Q:
f
X
Bw = r
Q
Q =
Onde:
Q = 50
Bw = largura de faixa (hertz)
Cálculo da impedância:
Fr =
Z = Q x X
freqüência anti-ressonante (hertz)
Q = Qualidade
L
Q =
R
L
10000
200
Z = 50 x 10000
Z = 500 KΩ
Circuito Tanque com resistor em derivação
Cálculo da corrente de linha:
Outro caso que deve ser mencionado é o
que acontece quando um resistor está ligado em
paralelo com o circuito tanque, conforme a
I
1-28
T
=
E
Z
a
T
I
T
=
300
500000
I
T
= 0,6 mA
O filtro “corta-faixa” barra as freqüências
que ficam dentro de uma faixa, deixando passar
todas as demais.
O ponto de corte em um circuito de filtro
pode ser facilmente determinado pelas equações
abaixo:
Cálculo da corrente no tanque:
Itanque = Q x IT
Itanque = 50 x 0,0006
Itanque = 30 mA
Cálculo da largura de faixa:
P
= E
= I
co
Bw =
f
r
Q
P
Bw =
100000
50
Em que:
co
P
co
Bw = 2 KHz
P
R
= I
2
R
x R
2
P
= 0,03
P
= 0,18 W
R
R
E
I
x 200
a
T
a
T
x 0,707 ou
x 0,707
= ponto de corte
= tensão aplicada
= corrente total
Desde que, idealmente, um filtro deve
deixar passar freqüências escolhidas sem
atenuação, as perdas de energia devem ser
baixas.
Em conseqüência, os componentes de um
circuito de filtro consistem comumente em
elementos reativos.
Pela disposição conveniente de indutores
e capacitores, os filtros podem ser construídos
de maneira a permitir qualquer característica de
seleção de freqüência.
FILTROS DE FREQÜÊNCIA
Comumente, a corrente em um circuito de
rádio contém vários componentes de freqüência.
A função de um circuito de filtro é efetuar uma
determinada separação destes componentes.
Assim, um filtro pode ser usado para separar os
componentes de corrente contínua dos de
corrente alternada ou para separar grupos de
componentes de corrente alternada por faixas de
freqüência.
Para conseguir esta finalidade, o filtro
deve apresentar baixa atenuação (oposição) para
componentes de freqüência dentro de uma faixa
particular, a faixa de passagem, e alta atenuação
em freqüências dentro de outras faixas
atenuadas.
Filtro Passa-Baixa
A figura 1-63 ilustra um filtro passabaixa. Na entrada, as altas freqüências
encontram uma reatância indutiva relativamente
elevada em L e uma baixa reatância capacitiva
em C.
Assim, as altas freqüências são detidas por
L e postas em curto circuito, por C. As
freqüências baixas encontram fraca oposição em
L e alta oposição em C.
Por conseguinte, as baixas freqüências
passam da entrada para a saída.
Portanto, um filtro pass-baixa destina-se a
conduzir todas as freqüências abaixo de uma
freqüência
crítica
pré-determinada
ou
freqüência de corte e a reduzir ou atenuar
consideravelmente as correntes de todas as
freqüências acima desta freqüência.
Nesse filtro passará também a freqüência
que se encontra no ponto de corte.
Na figura 1-64 vemos o gráfico
característico de seu ponto de corte.
Características dos circuitos de filtros
Os filtros são comumente classificados de
acordo com as suas características de
seletividade: o filtro “passa-baixa” transmite
todas as freqüências abaixo de uma freqüência
limite, chamada freqüência de corte ( f ) , e
co
barra as freqüências mais altas que a freqüência
de corte e o filtro “passa-alta” faz exatamente o
contrário.
O filtro “passa-faixa” deixa passar as
freqüências contidas numa faixa entre duas
freqüências de corte e elimina as freqüências
que ficarem acima e abaixo dos limites da faixa.
1-29
Figura 1-66
Figura 1-63
As figuras 1-67 e 1-68 mostram
respectivamente filtros passa-baixa e passa-alta
e do tipo “π”, assim designados por causa de
sua semelhança com a letra pi.
Os elementos mais perto da entrada
caracterizam o filtro. Assim, as figuras 1-69 e 170, mostram respectivamente, filtros passabaixa com entrada a indutor e passa-alta com
entrada a capacitor. Todavia, para que estes
filtros possam desempenhar satisfatoriamente
suas funções, os componentes reativos, devem
eL = L
ser iguais, ou seja: C = C
1
Figura 1-64
2
Filtro Passa-alta
Na figura 1-65 , temos um filtro passaalta. As baixas freqüências deparam com uma
reatância capacitiva relativamente alta em C e
uma reatância indutiva baixa em L. As altas
freqüências encontram diminuta oposição em C
e alta oposição em L. Por conseguinte, as altas
freqüências passam da entrada para a saída.
Portanto, um filtro desse tipo destina-se a deixar
passar correntes de todas as freqüências acima
do ponto de corte e atenuar todas as freqüências
abaixo desse ponto. Neste filtro passará também
a freqüência que se encontra no ponto de corte.
Na figura 1-66, vemos o gráfico característico
de seu ponto de corte. Para melhor a ação
seletiva dos filtros passa-alta e passa-baixa, eles
são projetados com duas ou mais secções.
Figura 1-67
Figura 1-68
Figura 1-69
Figura 1-65
1-30
1
2
Figura 1-72
Figura 1-70
Os circuitos sintonizados em série
oferecem dentro dessa faixa, uma pequena
impedância às correntes dessas freqüências e
fora dela uma alta impedância. Assim, as
correntes dessas freqüências desejadas dentro da
faixa circularão pelo circuito sem serem
afetadas, mas as correntes de freqüências
indesejadas, isto é, fora da faixa, encontrarão
grande impedância e não poderão passar.
Na figura 1-73, temos um circuito
ressonante em paralelo como filtro passa-faixa.
Filtros de circuitos sintonizados
Os circuitos ressonantes (sintonizados)
possuem características que os tornam ideais
para filtros, quando se deseja, grande
seletividade.
O circuito ressonante em série oferece
baixa impedância à corrente de freqüência em
que está sintonizado e uma impedância
relativamente grande às correntes das demais
freqüências.
O circuito ressonante em paralelo oferece
uma impedância muito grande à corrente de sua
freqüência ressonante e uma impedância
relativamente baixa às outras.
Filtro passa-faixa
Figura 1-73
Os filtros passa-faixa ou passa-banda
destina-se a deixar passar correntes dentro dos
limites de uma faixa contínua, limitada por uma
alta e por uma baixa freqüência de corte e para
reduzir ou atenuar todas as freqüências acima e
abaixo desta faixa.
Na figura 1-71, utiliza-se um circuito
ressonante em série como filtro passa-faixa.
Na figura 1-72 vemos o gráfico que ilustra
a faixa de freqüência desejada.
Os circuitos sintonizados em paralelo
oferecem, dentro dessa faixa, uma alta
impedância às correntes dessas freqüências e
fora dela uma baixa impedância.
De modo que as correntes das freqüências
fora da faixa serão desviadas pelo tanque, ao
passo que as correntes das freqüências dentro da
faixa circularão pelo circuito sem serem
afetadas pelo tanque.
Filtro corta-faixa
Os filtros corta-faixa são destinados a
suprimir as correntes de todas as freqüências
dentro de uma faixa contínua limitada por duas
freqüências de corte, um mais alta e outra mais
baixa, e a deixar passar todas as freqüências
acima e abaixo dessa faixa.
Na figura 1-74, temos um circuito
ressonante em paralelo com filtro corta-faixa e,
na figura 1-75, temos o seu gráfico
característico.
Figura 1-71
1-31
O circuito ressonante em paralelo é
sintonizado na freqüência do sinal que não se
deseja. Logo, o filtro apresenta alta impedância
às correntes dessa freqüência e permite a
passagem de todas as outras freqüências.
A figura 1-76 ilustra um circuito
ressonante em série como filtro corta-faixa.
Figura 1-74
Figura 1-76
O circuito ressonante em série é
sintonizado também, na freqüência do sinal
indesejado, e estas correntes indesejadas serão
eficazmente desviadas, geralmente, para a terra;
porém, as demais freqüências não serão
afetadas.
Figura 1-75
1-32
CAPÍTULO 2
OSCILOSCÓPIO
filamento e permitir que o feixe de elétrons seja
bem definido.
INTRODUÇÃO
O osciloscópio é considerado um
instrumento básico de teste em oficinas e na
indústria, assim como em laboratórios de
pesquisas e desenvolvimento de projetos
eletrônicos.
O osciloscópio permite ao técnico ou
engenheiro observar tanto o valor como a forma
do sinal em qualquer ponto de um circuito
eletrônico. Suas principais aplicações são:
– Medições de valores de: potência,
tensão, ângulo de fase etc.
– Comparação entre uma freqüência
desconhecida e uma freqüência padrão,
determinando
assim
o
valor
desconhecido.
O osciloscópio é um instrumento que
consiste basicamente de um tubo de raios
catódicos e de circuitos ampliadores auxiliares.
Canhão Eletrônico
A parte mais importante do TRC é o
canhão eletrônico, que está situado em um de
seus extremos e que tem por finalidade projetar
um feixe de elétrons de um extremo a outro do
tubo. Constituem o que denominamos “raio
catódico”.O canhão eletrônico consiste de um
filamento, um cátodo, uma grade de controle,
um ânodo focalizador (1º ânodo) e um ânodo
acelerador (2º ânodo). Esses elementos são
mostrados na figura 2-2.
TUBO DE RAIOS CATÓDICOS
O tubo de raios catódicos (TRC) é um
tubo de vidro projetado especialmente para
medir fenômenos elétricos que não podem ser
medidos por outros meios.
O tubo de raios catódicos não é só a parte
principal do osciloscópio como também é
amplamente usado nos equipamentos de radar
para observação visual das informações obtidas
pelo receptor deste.
Atualmente o TRC é largamente
difundido podendo ser encontrado em
equipamentos de eletromedicina, terminais de
vídeo de microcomputadores etc.
Figura 2-2 Canhão eletrônico
As conexões com os diversos elementos
são efetuadas por meio de pinos que estão na
base do tubo. Em muitos casos, o cátodo está
ligado internamente o filamento.
Os filamentos são aquecidos geralmente
por CA, aplicada por um transformador de
filamento, separado.
O cátodo é um cilindro de níquel cujo
extremo está coberto com óxido de bário e
estrôncio, de maneira que quando aquecido
emite elétrons livremente na direção desejada. O
ânodo acelerador também é um cilindro. Em seu
interior há um diafragma que tem uma abertura
em seu centro. Como o ânodo acelerador é
altamente positivo, atrairá os elétrons emitidos
pelo cátodo.
As tensões aplicadas ao ânodo acelerador
variam desde 250V até 10.000 V. Esta alta
tensão faz com que o feixe de elétrons (raio
catódico) adquira uma alta velocidade. Embora
a maioria dos elétrons seja atraída e capturada
pelo ânodo de aceleração, muitos podem passar
Figura 2-1 Tubo de raios catódicos
Os elementos de operação do tubo de
raios catódicos estão encerrados em seu interior
que contém um alto vácuo a fim de preservar o
2-1
O ânodo de focalização tem um potencial
de 1200V e o ânodo de aceleração tem 2.000V.
Por causa dessa diferença de 800V, existe um
campo eletrostático muito forte na região entre
os dois ânodos. A intensidade desse campo
pode ser variada, mudando-se as tensões do
ânodo focalizador.
através da abertura que existe no diagrama do
tubo.
A tela do TRC tem por finalidade
transformar a energia cinética do elétron em
energia luminosa. A tela é composta de uma
substância semitransparente, conhecida como
fósforo, e está situada na parte interior do tubo.
Quando o feixe de elétrons atinge a tela, esta
emite a luz cuja cor depende da composição do
fósforo.
O revestimento mais comumente usado é
o silicato de zinco que emite luz verde. Uma
consideração importante é a persistência que
indica a quantidade de tempo em que a tela
continuará incandescente, depois de ser atingida
pelo feixe.
Pode-se notar que se deve proporcionar
algum meio de eliminar os elétrons da tela; do
contrário, a carga negativa na tela aumentaria a
tal que ponto que não chegariam mais elétrons
até ela.
O método usado para eliminar tais
elétrons, é colocar um revestimento de condutor
de AQUADAG, ao longo de toda parte interior
do tubo, com exceção da tela, e conectá-la ao
cátodo. A emissão de elétrons secundários pode
assumir efeitos graves e, portanto, é coletada
pelo revestimento de AQUADAG e devolvido
ao cátodo.
O cátodo é circundando pela grade de
controle, a qual é mantida a um potencial mais
negativo que este e serve para controlar o fluxo
de elétrons que saem do cátodo.
A intensidade do brilho na tela é regulada
pelo valor da tensão negativa de polarização
aplicada à grade de controle, quanto mais
negativa for a tensão de polarização, menos
intenso será o brilho.
Se a grade se tornar suficientemente
negativa, não haverá mais fluxo de elétrons para
a tela e conseqüentemente, deixará de haver
brilho. O ajuste do potencial é feito pelo
controle de intensidade.
Se não houver um meio para proporcionar
o foco, os elétrons serão emitidos, mas devido a
repulsão mútua se difundirão e golpearão a tela
como uma massa dispersa que terá aspecto
embaçado.
Os ânodos de focalização e aceleração
agem como uma espécie de lente que concentra
o feixe e torna nítida a imagem na tela.
Figura 2-3 Processo de focalização
O campo eletrostático é representado
pelas linhas curvas.
Os elétrons que passarem por este campo
sofrerão a ação de uma força que tentará fazêlos seguir as linhas de força.
Um elétron que entra na lente tem sobre si
duas forças atuantes: uma força que é motivada
pela aceleração dada pela atração do ânodo
acelerador e outra motivada pelo campo
eletrostático que existe entre os ânodos. A
tendência do elétron é desviar-se, e em lugar de
se deslocar em linha reta, desloca-se em um
direção tangencial à das linhas de força.
Esta curvatura por sua vez depende da
diferença de potencial que existe entre os dois
ânodos. Todos os elétrons que passam pela lente
tendem a unir-se em um ponto chamado ponto
focal.
Variando-se o potencial aplicado ao ânodo
focalizador, pode-se conseguir uma focalização
correta na tela.
Deflexão vertical e horizontal
Se o TRC não possuísse outros elementos
além do canhão eletrônico e a tela, o feixe de
elétrons atingiria o centro desta e produziria um
ponto luminoso.
Para movimentar o feixe e colocar o ponto
luminoso em várias partes da tela, utiliza-se
sistemas de deflexão ou de desvio vertical e
horizontal.
Existem dois tipos de deflexão ou desvio:
o eletrostático e o eletromagnético.
2-2
para a direita da tela. Estas três situações são
mostradas na figura 2-4D, E e F.
Em qualquer caso, a distância em que o
ponto é afastado do centro da tela é diretamente
proporcional à tensão às placas defletoras.
Se forem aplicadas tensões positivas e
iguais, simultaneamente às placas V1 e H1, o
feixe será atraído para cima e para a esquerda,
por forças idênticas.
O resultado é um desvio do ponto
luminoso para uma posição de 45º do centro da
tela. Outras combinações de tensões aplicadas
às placas defletoras farão com que o ponto se
desloque para posições diferentes da tela do
TRC.
Até agora só estudamos os efeitos de
tensões contínuas (CC) aplicadas nas placas
defletoras verticais e horizontais.
A corrente alternada, ao contrário da
corrente contínua, está variando constantemente
de polaridade e valor.
Assim ao ser aplicada uma CA às placas
defletoras, o ponto luminoso se moverá
rapidamente para várias posições na tela, à
proporção que a tensão varia de polaridade e
valor. Isto ocorre da seguinte maneira:
Se uma CA é aplicada às duas placas de
deflexão vertical (V1 e V2), o ponto luminoso
se movimentará para cima e para baixo. Se a
freqüência da tensão aplicada for baixa, talvez
seja possível ver o ponto subir e descer.
Dois fatores, porém não permitem que
isso ocorra. A inércia do olho humano e também
a reação da camada do fósforo que reveste o
interior da tela do TRC.
Ambos os fatores fazem com que se tenha
a sensação de persistência luminosa na tela, em
forma de um traço luminoso.
Se a placa V1 for polarizada positiva em
relação a V2, durante o primeiro semiciclo
positivo, o ponto luminoso se movimentará para
cima e novamente para baixo, até retornar ao
centro. O semiciclo negativo movimentará o
ponto luminoso par baixo e novamente para
cima, até retornar ao centro.
A distância que o ponto se afasta do
centro para cima e do centro para baixo,
depende do valor da tensão de pico.
Em virtude da velocidade com que se
move o ponto luminoso, associado aos fatores
de inércia do olho humano e persistência
Desvio Eletrostático
Figura 2-4 Placas de desvio eletrostático
Figura 2-5 Disposição das placas
O desvio eletrostático utiliza dois pares de
placas de desvio, colocadas em ângulo reto
entre si e o feixe de elétrons passa entre elas,
como mostrado na figura 2-4.
A figura 2-5 mostra a vista de topo do
TRC mostrando a disposição das placas
defletoras ao feixe eletrônico, que é visto como
um ponto no centro.
Se não for aplicada uma tensão externa a
nenhum par de placas, o feixe permanecerá no
centro da tela produzindo um ponto luminoso.
Se a placa vertical V1 se torna positiva,
em relação a V2, o feixe será atraído em direção
a V1 e o ponto luminoso consequentemente
também subirá.
Se a placa vertical V1 é negativa com
respeito a V2, o ponto se desloca para baixo.
Estas três situações são ilustradas na figura 2-4
A, B e C. As três ilustrações pressupõem que
não exista tensão alguma nas placas defletoras
horizontais (H1 e H2).
Se as placas verticais estiverem a zero
volts e a placa horizontal H1 foi tornada
positiva em relação a H2, o feixe será atraído
em direção a H1e o ponto se moverá para a
esquerda da tela. Finalmente se a placa H2 é
positiva em relação a H1, o ponto será desviado
2-3
luminosa da tela do TRC, fazem com que aquele
ponto surja como um traço reto.
Quando uma CA é aplicada às placas
horizontais H1 e H2, teremos, pelas mesmas
razões já explicadas, um traço horizontal. Este
processo é ilustrado na figura 2-6 A e B.
Figura 2-8 Conjunto de bobinas
CIRCUITO GERADOR DE BASE DE
TEMPO
Figura 2-6 Aplicação de CA
Se forem aplicadas tensões alternadas
iguais, de maneira que V1 e H1 tenham a
mesma polaridade, assim como V2 e H2,
teremos um traço na tela em uma posição de 45°
entre a vertical e a horizontal.
Porém se V1 e H2 forem polarizados
igualmente, assim como V2 e H1, o traço ficará
também a 45° mas em direção invertida. Este
processo descrito está ilustrado na figura 2-7.
Para reproduzir as formas de onda que
surgem na tela de um osciloscópio é necessário
que este tenha, além do TRC, um circuito
gerador de base de tempo, também conhecido
como gerador dente de serra.
Sua finalidade é fazer com que o feixe
eletrônico se mova da esquerda para a direita da
tela a uma velocidade uniforme e logo regresse
rapidamente ao lado esquerdo. Este movimento
é chamado de varredura linear.
Para se dar a varredura no feixe
eletrônico, o gerador produz uma tensão que
cresce uniformemente de zero até um certo
ponto e decai rapidamente ao nível zero, como
mostra a figura 2-9.
Figura 2-7 Aplicação de tensões alternadas
iguais
Desvio Eletromagnético
O desvio eletromagnético é usado onde
não é possível obter uma tensão adequada para
o desvio eletrostático.
O desvio eletromagnético deve-se ao
campo magnético estabelecido dentro do tubo
de raios catódicos pelo conjunto de bobinas que
estão colocadas ao redor do tubo. O desvio
eletromagnético é mais sensível do que o
eletrostático.
As bobinas estão colocados proporcionalmente à corrente, como é mostrado na figura
2-8.
O deslocamento do feixe de elétrons é
afastado pelo campo magnético da mesma
forma que é afetado pelo campo eletrostático.
Figura 2-9 Tensão dente de serra
Este perfil é denominado dente de serra ou
triangular. Esta tensão é aplicada às placas de
deflexão horizontal.
O aumento gradual de tensão faz com que
a placa H1 se torne cada vez mais negativa e H2
cada vez mais positiva.
Assim, o feixe eletrônico vai se
deslocando da esquerda para a direita com
velocidade uniforme. A queda rápida da tensão
2-4
faz com que o feixe regresse em muito pouco
tempo, e esse tempo é denominado tempo de
retorno.
Dependendo da freqüência da tensão de
varredura teremos na tela um traço horizontal.
Se bem que uma tensão alternada aplicada
às placas horizontais produza também um traço
horizontal, esta não é adequada com base de
tempo linear porque não possui as
características desejáveis de uma tensão que se
eleva de zero ao máximo de modo linear e volta
a zero quase instantaneamente.
Para se examinar qualquer forma de onda
por intermédio do osciloscópio, é necessário que
apliquemos a tensão que se deseja analisar em
suas placas de deflexão vertical e mantenhamos
a tensão que se deseja analisar em suas placas
de deflexão vertical e mantenhamos a tensão de
dente de serra em suas placas horizontais. Isto
fará com que o feixe eletrônico se desloque para
cima ou para baixo e ao mesmo tempo para
frente.
Quando a freqüência da tensão de
varredura for igual à freqüência da tensão
aplicada nas suas placas verticais, surge um
ciclo na tela do TRC.
Diz-se que a relação da freqüência entre a
tensão de varredura e o sinal é de 1:1 (um para
um).
Quando a freqüência da tensão de
varredura é metade da freqüência do sinal
aplicado, teremos dois ciclos na tela do TRC,
conforme mostra a figura 2-10.
FUNÇÕES BÁSICAS DOS CONTROLES
a) Intensidade: varia a quantidade de
elétrons que chega à tela.
b) Focalização: os ânodos ajustam a
focalização do feixe na tela por
meio deste comando.
c) Posição vertical e horizontal:
desloca o feixe para cima, para
baixo, para esquerda ou para
direita respectivamente.
d) Entrada vertical: nessa entrada
aplicam-se os sinais a serem
medidos pelo aparelho.
e) Entrada horizontal: normalmente
às placas horizontais está aplicado
um sinal periódico gerado internamente no osciloscópio, o sinal
dente da serra, que tem uma
velocidade de varredura constante
na tela e faz com que o feixe vá de
um lado à outro e o regresso não
seja observado.
Injetando-se nessa entrada um
sinal estaremos modificando a
varredura; este procedimento é
empregado em alguns casos, como
na medida de fase entre dois sinais.
f)
Atenuador vertical:
O sinal aplicado à entrada vertical
antes de ser levado às placas
defletoras,
poderá
ter
sua
amplitude reduzida de múltiplos de
10.
g) Ganho vertical: permite variar de
maneira contínua a amplitude do
sinal, antes que ele seja levado às
placas defletoras.
Figura 2-10
h) Ganho horizontal: permite variar a
amplitude ao longo do eixo X.
Portanto, para se calcular o número de
ciclos que aparecem na tela de um osciloscópio
devemos empregar a seguinte equação:
Número de ciclos:
i)
Freq. aplicada
Freq. de var redura
2-5
Seletor de varredura: permite a
variação discreta na freqüência da
varredura interna.
j)
Varredura externa: usada quando
pretende-se atuar externamente nas
placas horizontais.
sincronismo
desejado.
k) Seletor de sincronismo: o sinal
estará
sincronizado
quando
tivermos uma configuração estável
do mesmo na tela, o que
corresponde a um sincronismo de
varredura com o sinal aplicado às
placas de deflexão vertical. O
seletor deverá ser colocado na
posição
LINHA
para
o
sincronismo
com
a
rede;
INTERNO para a varredura interna
e EXTERNO para a varredura
externa de um sinal colocado na
entrada horizontal.
l)
permite
o
ajuste
Figura 2-11 Exemplo de leitura com o
osciloscópio
Onde:
Vp = valor de pico de tensão
Chave de sincronismo: uma vez
escolhida
a
referência
de
sincronismo,
a
chave
de
Vpp = Valor pico a pico da tensão
T = Período do sinal.
2-6
CAPÍTULO 3
REQUISITOS PARA ANÁLISE DE CIRCUITOS
INTRODUÇÃO
O estudo referente à análise de circuitos
sob um ponto de vista completo, normalmente
envolve cálculos complicados e são muitos os
livros que podem ser encontrados tratando desse
assunto.
Aqui, abordaremos a análise de alguns
circuitos que empregam somente corrente
contínua,
onde
as
impedâncias
são
essencialmente resistências lineares e as tensões
são constantes.
Para o estudo de circuitos elétricos, dois
objetivos principais são importantes: um, é
determinar a impedância (ou resistência, para
circuitos de CC) de um dado circuito, entre dois
pontos quaisquer; outro é determinar a corrente
ou tensão através de um elemento qualquer do
circuito, quando uma tensão é aplicada a uma
outra parte do referido circuito.
Figura 3-2 Gerador de tensão real
Nota-se, em ambos os circuitos, uma seta
colocada ao lado da f. e m. A posição da seta é
para indicar que, caso a fonte atuasse sozinha,
provocaria o movimento de cargas positivas no
sentido mostrado, indicando desta forma, o
sentido da f. e. m. do gerador.
São vários os tipos de geradores de tensão
e poderíamos citar, como exemplos típicos
desses geradores encontrados na prática, as
fontes de C C reguladas, uma bateria ou
circuitos seguidores de emissor etc.
Os geradores de tensão constante têm
grandes aplicações em circuitos onde desejamos
que a tensão de saída seja estável ou constante.
É o caso, por exemplo, dos reguladores de
tensão eletrônicos, cuja finalidade é manter uma
tensão constante nos seus terminais de saída,
embora varie a tensão de entrada, ou o valor da
carga.
Ocorre, entretanto, que geradores de
tensão constante, a exemplo dos reguladores de
tensão eletrônicos, são constituídos de
dispositivos semicondutores, tais como: diodos
comuns, diodos zener e transistores, isto sem
falar de vários dispositivos totalmente
integrados, os chamados CI (circuitos
integrados). Portanto, uma análise, agora, destes
circuitos, certamente estaria fora dos nossos
objetivos iniciais. Circuitos dessa natureza
poderão ser abordados, quando tivermos alguns
conhecimentos
básicos
de
dispositivos
semicondutores, numa fase mais adiantada do
nosso curso de eletrônica.
No nosso estudo referente à análise de
circuitos, faremos utilização de um dispositivo
gerador de tensão constante, chamado
“Equivalente de Thévenin”, muito empregado
na resolução de circuitos considerados
complexos.
FONTES OU GERADORES DE TENSÃO
CONSTANTE
Uma fonte de tensão é, na verdade, um
gerador de tensão que possui uma resistência
interna muito baixa, entregando em sua saída
um valor de tensão constante, para uma extensa
gama de valores de carga a ele conectado.
Existe o gerador de tensão ideal e o
gerador de tensão real. No primeiro caso, a
diferença de potencial é mantida constante,
qualquer que seja a caga à qual esteja ligado.
Um gerador de tensão ideal, na prática, não
existe, pois todo gerador possui uma resistência
interna fazendo, com que a tensão nos seus
terminais dependa da carga, atuando, portanto,
com um gerador de tensão real. Nas figuras 3-1
e 3-2 ilustramos esquematicamente os dois tipos
de geradores de tensão acima mencionados.
Figura 3-1 Gerador de tensão ideal
3-1
Este dispositivo eletrônico representa o
circuito equivalente de qualquer circuito
eletrônico, que tenha características de manter
uma tensão constante de saída.
FONTES
OU
GERADORES
CORRENTE CONSTANTE
DE
Podemos definir fontes de corrente
constante como sendo dispositivos capazes de
fornecer uma corrente de valor constante a
qualquer carga, desde um circuito aberto (carga
infinita) até um curto-circuito (resistência de
carga zero).
Um gerador de corrente constante ideal,
na prática, não existe. O que existe é o gerador
de corrente real, possuindo certas limitações, e
sendo capaz de manter constante a corrente nos
terminais da carga, dentro de uma faixa de
variações desta referida carga.
As figuras 3-3 e 3-4 ilustram os dois tipos
de geradores, que acabamos de mencionar.
Naturalmente, trata-se de uma representação
simbólica.
Figura 3-5 Representação simbólica de
um gerador de corrente real
Um gerador de corrente constante prático
é, portanto, aquele capaz de estabilizar a
corrente em uma carga que varia dentro de uma
grande faixa de valores.
Queremos chamar a atenção dos nossos
leitores, para o seguinte: embora o assunto em
pauta não se trate propriamente de geradores de
corrente constante e geradores de tensão
constante, achamos por bem, dar alguns
conceitos básicos, os quais julgamos de grande
utilidade para que, juntando aos demais assuntos
que se seguirão, nos dêem uma melhor idéia
daquilo que pretendemos expor.
Na prática, os geradores de corrente
podem assumir diversas configurações. O que
vemos aqui, entretanto, serão alguns circuitos de
caráter puramente didáticos. Ocorre que, como
no caso dos geradores de tensão, os geradores
de corrente constante, na prática, envolvem
dispositivos semicondutores, tais como:
transistores, diodos, zener, etc. Uma análise,
agora, destes circuitos, estaria fora de nossas
cogitações iniciais. O leitor poderá ter uma
noção bem melhor de fontes de corrente
constante (fontes práticas), no assunto referente
a dispositivos semicondutores.
Conhecemos pelo circuito da figura 3-6
Figura 3-3 Gerador de corrente ideal
Figura 3-4 Gerador de corrente real
Figura 3-6 Circuito básico de um gerador
de corrente constante
O gerador de corrente ideal teria uma
altíssima resistência interna (idealmente
infinita). Um gerador de corrente real compõese de um gerador ideal em paralelo com sua
resistência interna.
Outro símbolo muito empregado para as
fontes de corrente constante é o da figura 3-5.
O circuito da figura 3-6 é constituído de
um gerador de tensão, que tem conectado um
resistor em série. Este dispositivo se aproxima
relativamente bem de um gerador de corrente
constante.
3-2
Aumentemos,
novamente
nossa
resistência de carga, agora de 10 de vezes (RL =
9V
900 : ). Aplicando a fórmula i
90 K: 900:
teremos i 0,099mA, que, também, é um valor
bem próximo de 0,1mA.
Se quisermos calcular o erro quando
utilizarmos a RL de 90 : a de 900 : , em
relação à corrente obtida para a condição de
curto-circuito, é só utilizarmos a seguinte
fórmula:
A bateria apresenta uma resistência
interna muito baixa. Nós levamos em conta o
valor dessa resistência interna.
Mas é necessário levarmos em conta a
resistência interna do conjunto, ou seja, do
nosso gerador. Essa resistência consideraremos,
a título de exemplo, como sendo igual a 90 K :
(Ri = 90K : ).
Agora, vamos supor que uma carga foi
ligada ao nosso gerador. Esta carga é
representada por RL, que neste exemplo assume
um valor inicial de 0 (zero) : , conforme nos
mostra o circuito da figura 3-7.
% Erro
I curto I c arg a
x 100
I curto
Para fixarmos melhor esta nossa
seqüência de raciocínio observemos a tabela da
figura 3-9.
Figura 3-7 Circuito simplificado de um gerador
de corrente constante, com a saída
em curto-circuito.
9V
90K:
0,1mA.
I CARGA
ERRO
90K :
Curto
0,1 mA
0%
90K :
90 :
0,0999 mA
0,1%
90K :
900 :
0,099 mA
1,0%
90K :
9000 :
0,0909 mA
9,1%
Se usarmos a fórmula, seguindo os dados
da tabela da figura 3-9, vamos notar que, no
caso do 90 : , o erro é de 0,1% enquanto que
com RL igual a 900 : temos 1% de erro.
Entretanto, se aumentarmos a carga para 9k : , a
corrente será 0,0909 mA, que corresponde a um
erro de 9,1%.
É importante observarmos que com uma
RL de até 900 : , seu valor é bem pequeno
quando comparado ao valor de Ri (90 k : ).
Neste caso, a variação de corrente entregue pelo
gerador se situa em 1%.
Com isso, podemos facilmente deduzir
que um bom critério para se obter uma fonte de
corrente constante, é fazer com que sua
resistência interna seja, no mínimo, 100 vezes o
valor da maior carga a ser utilizada. Isto nos
assegura um erro máximo de 1%.
É importante observarmos, aqui, que não é
o valor absoluto da resistência interna do
gerador, que irá qualifica-lo como um “bom”
gerador de corrente, e sim sua resistência
interna (Ri) comparada à resistência de carga
RL.
Agora, substituamos RL (0 : ), por que uma RL
de 90 : . Aplicando a lei de OHM, teremos:
i
RL
Figura 3-9 Percentagem de erro da corrente de
carga, em função de RL e em
relação a corrente de curto-circuito.
Conforme vemos na figura 3-7, o valor da
corrente que circula na carga, pode, facilmente
ser obtido pela lei de OHM: i
RI
90 v
.
90K: 90:
Observemos o circuito da figura 3-8.
Carga igual a
um curtocircuito
Figura 3-8 Gerador de corrente constante RL=
90 :
Calculando, então, a corrente, temos i =
0,0999 mA. Este valor mudou pouco, em
relação ao anterior (0,1mA).
Para fins práticos, dizemos que a corrente
praticamente se manteve constante.
3-3
Ainda, com referência aos dados da
tabela, podemos observar que, se quiséssemos
utilizar uma RL = 9K : , teríamos que dispor de
uma Ri = 900 K : m no mínimo. Entretanto,
para que a corrente fosse mantida em 0,1 mA,
necessitaríamos de uma fonte de 90 V, o que
nos levaria a uma solução não muito prática.
Queremos lembrar, aqui aos nossos
leitores, que qualquer circuito capaz de manter
uma corrente constante, independente do valor
da carga ( dentro de certos limites) estará sendo
representado por um circuito chamado
“Equivalente de Norton”.
Este será, portanto, nosso gerador de
corrente constante. A exemplo do “Equivalente
de Thévenin”, o “Equivalente de Norton”
encontra muita aplicação na resolução de
circuitos considerados complexos, conforme
veremos mais tarde nesse assunto referente a
análise de circuitos.
Terminologia usual
Como propósito de facilitar a análise de
circuitos elétricos, existem certos termos com os
quais devemos nos familiarizar.
a) Rede ou Circuito
Dá-se o nome de rede a um conjunto de
condutores, geradores e receptores ligados de
uma maneira qualquer, ou seja, em série em
triângulo, em paralelo, etc.
A figura 3-10 nos mostra um exemplo
de uma rede ou circuito.
b) Nó de Intensidade ou Nó (ou ainda
NODO)
Nó pode ser definido como a junção de
três ou mais elementos componentes de uma
rede. Se observarmos o circuito da figura 3-10,
vamos notar que existem pontos comuns a
diversos condutores, ou geradores, ou
receptores. A exemplo temos os pontos a, c, e e
f. Portanto, o Nó é o ponto de concorrência de
três ou mais braços.
ELEMENTOS DE CIRCUITOS
Denomina-se elemento de um circuito o
menor componente individual, que é
considerado na resolução de um problema. Tal
elemento pode ser uma simples resistência, uma
f. e. m., ou ainda um valor equivalente à
associação de diversas resistências ou tensões.
Na figura 3-10 temos uma representação
esquemática para ilustrar os elementos de um
circuito.
c) Braço ou Ramo
Qualquer porção de uma estrutura (de
um circuito), ligando diretamente dois nós, sem
passar através de um terceiro, chama-se braço
ou ramo. Na figura 3-10, podemos observar que
os elementos E1 e R1, por exemplo, constituem
um ramo que une os nós a e c; da mesma forma,
o elemento R2 forma o ramo que une os nós c e
f. Em um braço ou ramo, todos os elementos
que nele figuram estão em série. Neste circuito
temos seis braços.
d) Laço de Circuito
Observando a figura 3-10, notamos um
circuito fechado a, b, c, f, a, incluindo E1, R1,
R2 e R6. Isto constitui exemplo do laço ou
“loop”. Desta forma podemos dizer que o laço é
a combinação de todos os elementos formadores
de um circuito fechado. Outros exemplos de
laço: abcdefa, fcdef, etc.
Figura 3-10 Diagrama para ilustrar os elementos
de um circuito
e) Malha
Na figura 3-10, E1, E2, E3, R1, R2, R3 e
R4 são elementos do circuito. É importante
ressaltarmos que E1, E2 e E3 podem representar
uma simples pilha, um gerador, ou mesmo uma
fonte eletrônica (um retificador, por exemplo).
Da mesma forma, R!, por exemplo, tanto
pode ser um simples resistor, quanto a
resistência à CC de um indutor, etc.
Podemos dizer que a malha é o menor
laço. A malha nada mais é do que um laço, que
não pode ser subdividido em outros. São
exemplos de malhas: abcfa, fcdef e afegha.
Portanto, a malha é todo circuito
fechado que possa ser considerado dentro da
rede, que não pode ser dividido.
3-4
TEOREMAS
ELÉTRICAS
DAS
Em outras palavras: “a soma
algébrica de todas as quedas de potencial e a
f.e.m. devem ser iguais a zero”. R x I – E = 0
ESTRUTURAS
Os teoremas a serem abordados aqui,
serão enumerados sem qualquer comprovação.
Existem
quatro
teoremas
largamente
empregados na análise de circuitos, e que
constituem a base para muitos outros teoremas
existentes, São eles: Leis de Kirchoff, Teorema
de Thévenin, Teorema de Norton e Teorema de
Superposição.
2. Aplicação das Leis de Kirchoff
Para aplicarmos as leis de Kirchoff aos
circuitos elétricos, levamos em conta o sentido
do fluxo de elétrons através desses circuitos. Em
conseqüência usamos normalmente sentidos
arbitrários de circulação, desde que não sejam
evidentes os sentidos reais.
1. Leis de Kirchoff
Devemos empregar, por exemplo, a lei das
correntes ou lei dos nós, a fim de reduzirmos o
número das correntes desconhecidas. Em
seguida escrevemos uma equação de Kirchoff
relativa á segunda lei, ou lei das malhas, para
cada circuito fechado do conjunto; e assim
prosseguimos, escrevendo equações de modo
que cada elemento do conjunto seja usado pelo
menos uma vez em uma das equações. Deste
modo, resolveremos as equações resultantes,
determinando, em seguida, o valor de cada
corrente.
De um modo geral, é possível prescrever
várias regras que nos levem a escrever equações
de tensão, ou mesmo de corrente, para qualquer
circuito, todas conduzindo-nos a um resultado
correto. Entretanto, para atender nossos
objetivos, iremos nos limitar às seguintes regras:
Fundamentalmente existem duas Leis de
Kirchoff para o estudo das estruturas:
a) Primeira Lei de Kirchoff ou Lei dos
Nós
“A soma das correntes que entram
em um nó, é igual à soma das correntes que
saem do nó”. É o que nos ilustra a figura 3-11.
a) uma rede contendo b ramos, necessita
de b equações para a solução do
problema, já que, para cada ramo há
uma corrente.
Figura 3-11 Ilustração da primeira Lei de
Kirchoff
Da mesma forma, é válido enunciar
que: “a soma algébrica das correntes que entram
e saem de um nó é nula”. Então podemos
escrever inicialmente, que:
i i i
1
2
3
i
4
i
b) começamos
sempre
inicialmente a lei dos nós.
c) se houver n nós aplicamos a primeira
lei
n-1 vezes, conseguindo n-1
equações independentes entre si.
5
ou então:
i1 i2 i3 i4 i5
aplicando
d) em virtude de serem necessárias b
equações e a primeira lei ser utilizada
n-1 vezes, podemos aplicar a segunda
lei, b-(n-1) vezes, ou seja, igual ao
número de malhas.
0
b) Segunda Lei de Kirchoff ou Lei das
Malhas
Esta lei é relativa às tensões,
podendo ser enunciada da seguinte maneira:
e) devemos atribuir, arbitrariamente, um
sentido para a corrente em cada braço
ou ramo do circuito.
“Em qualquer circuito elétrico
fechado, a soma algébrica das quedas de
potencial deve ser igual à soma algébrica das
elevações de potencial”.
f)
R . I (Queda de potencial) = E (Elevação de potencial)
é necessário atribuirmos, também, um
sentido de percurso para cada malha.
g) a força
eletromotriz terá sinal
positivo, desde que não se oponha ao
3-5
sentido de percurso adotado; isto é ,
terá sinal positivo quando o sentido
do percurso bater no pólo positivo da
bateria.
h)
quando um resistor for percorrido
por uma corrente que tenha o mesmo
sentido que aquele arbitrado para o
percurso, o produto I x R será
positivo. Em caso contrário, esse
produto será negativo.
i)
se obtivermos um resultado negativo
de corrente, isto significará que o
sentido arbitrado inicialmente
é
oposto ao verdadeiro; entretanto, o
valor numérico não se alterará.
os produtos iR e iR são todos antecedidos de
2
1
um sinal positivo.
Assim, podemos afirmar, para o circuito
da figura 3-12, que: E iR1 iR2 iR3 .
Isto está de acordo com a 2ª Lei de
Kirchoff, que diz: “Em qualquer circuito
fechado, a soma algébrica das quedas de
potencial deve ser igual à soma algébrica das
elevações de potencial”.
Conforme já dissemos anteriormente, as
“elevações de potencial” são as fontes E. No
nosso exemplo, em questão, só existe uma
fonte, embora pudesse haver mais de uma, como
teremos oportunidade de ver em exemplos
subseqüentes.
(b) Seja, agora, o circuito da
(1) Exercícios de fixação
figura 3-13.
(a) Seja o circuito da figura 3-12
no qual queremos aplicar as leis de Kirchoff.
Sentido do
percurso
adotado
Sentido do
percurso
adotado
Figura 3-13 – Circuito para análise das leis de
Kirchoff
O circuito da figura 3-13 ainda é
relativamente simples, contendo dois geradores:
E e E . Observemos o sentido de percurso
Figura 3-12 Circuito para análise das Leis de
Kirchoff
1
Observando o circuito da figura 3-12,
vemos que se trata de um circuito bastante
simples. Trata-se de um circuito série contendo
um único gerador.
Agora, precisamos atribuir um sentido
arbitrário para a corrente, dentro da malha,
conforme ilustração na figura 3-12. É necessário
que atribuamos, também, um sentido de
percurso, para o nosso circuito.
Suponhamos, então que o nosso percurso
seja este: ABCDA. Deste modo, partindo do
ponto A, e movendo-se na direção ABCDA,
encontramos, inicialmente, a tensão E, que é
positiva no ponto A. Daí, dizemos que a fonte E
tem sinal positivo, porque ela não se opõe ao
sentido arbitrado para o percurso. Portanto, o
primeiro termo de nossa equação é +E.
Vejamos, em seguida, as quedas do
potencial (i.R): ora, no nosso exemplo, a
corrente que passa pelos resistores tem o mesmo
sentido que o arbitrado para o percurso. Logo,
2
adotado. É o sentido ABCDA. Partindo do
ponto A, seguindo a direção ABCDA, notamos
que a ponta da seta indicadora do percurso
aponta para o positivo da fonte E . Esta seta
1
não vai de encontro ao negativo de E . Assim
1
sendo, encontramos, a partir do ponto A, a
primeira tensão E , que é positiva, e vai ser o
1
primeiro termo da nossa equação. Continuando
nosso movimento de acordo com a orientação
indicada, vamos encontrar o segundo termo do
primeiro membro de nossa equação. Trata-se da
fonte E .Só que tem um detalhe: a ponta da seta
2
vai de encontro ao negativo da fonte.
Então, nós dizemos que a f.e.m. está se
opondo ao sentido de percurso adotado. Por este
motivo o 2º termo de nossa equação é negativo
( E ) . Quanto aos produtos iR, todos serão
2
positivos, pois a corrente i, que passe pelos
3-6
Uma vez achada a corrente, as quedas de
potencial podem ser facilmente encontradas.
É importante observarmos que, se o
sentido da corrente fosse arbitrado ao contrário,
certamente teríamos um resultado positivo para
a corrente, indicando, desta forma, que o sentido
arbitrado anteriormente para “i”, estaria errado.
Em ambos os casos, o resultado da corrente, em
módulo é o mesmo.
resistores, tem sentido igual ao arbitrado para o
percurso.
Portanto, de acordo com a 2ª Lei de
Kirchoff, podemos dizer que:
E E
1
iR iR
2
1
2
Invertendo as posições dos membros da
equação e colocando o fator i em evidência,
temos:
iR iR
1
2
E E
1
i (R R )
1
E E
2
1
(d) O circuito que analisaremos,
agora, já não é tão simples quanto os três
primeiros.
2
2
Agora, tirando o valor de i, vem:
i
E
1
E
R R
1
2
Sentido do
percurso
nas malhas
I e II
2
(c) Vejamos na figura 3-14 um
circuito idêntico ao anterior, sendo que seus
elementos têm valores numéricos.
Figura 3-15 Circuito para cálculo das leis
de Kirchoff
Cabem aqui,
importantes, a saber:
Sentido
de percurso
adotado
Figura 3-14
Circuito para comprovação das
Leis de Kirchoff
2. No circuito temos 2 malhas,
portanto a segunda lei será escrita
duas vezes.
3. Como no circuito há três ramos,
teremos 3 equações: uma para a
corrente e duas para as tensões.
+E1 – E2 = iR1 + iR2 + iR3
4. Aplicando a segunda lei na malha
I, adotando o percurso ABDCA,
obtemos:
Colocando “i” em evidência e tirando o
seu valor na equação, teremos:
-E1 = -I1R1 – I3R3 ?
-10V = -20I1 – 10I3 (segunda equação)
E1 E2
i
R1 R2 R3
5 Aplicando a segunda lei na malha
II, adotando o percurso CDFEC,
obtemos:
Substituindo
o
numerador
e
o
denominador por seus respectivos valores, vem:
4V 8V
2: 10: 4:
considerações
1. Como existem dois nós, D e C,
temos uma equação para a
primeira lei, ou Lei dos Nós.
Observando o circuito notamos
que a corrente I1 se subdivide em
I2 e I3 ; portanto: I1 = I2 + I3
(primeira equação).
Adotando o sentido ABCDA para o
percurso, bem como o sentido adotado para a
corrente, e aplicando a segunda lei de Kirchoff,
teremos:
i
algumas
+E2 = +I1R1 + I2R2 ?
+10V = 20I1 + 10I2 (terceira
equação)
i 0,25 A
3-7
6 Temos então três equações com
incógnitas.
Para
resolvermos
devemos fazer uso de um método
simples conforme se segue.
(a) Substituímos a primeira
equação (corrente) em uma das
equações de tensão, obtendo uma
quarta
equação
de
tensão.
Substituímos o valor de I3 na
segunda equação teremos:
I 3 = I 1 – I2
Figura 3-16 Circuito para análise das leis de
Kirchoff
Para encontrarmos os valores de I1, I2
e I3, seguiremos os sete passos
seguintes.
1 Pela primeira Lei de Kirchoff, ou
Lei dos Nós, obtemos a seguinte
equação: I3 = I1 + I2 (equação I)
2 Na malha I, pela segunda Lei de
Kirchoff, obtemos:
-E2 = I1R1 – I2R2
-5V = 5I1 – 5I2 (equação II)
3 Na malha II, pela segunda Lei de
Kirchoff, obtemos:
E1 + E2 = I2R2 + I3R3
10V = 5I2 + 5I3 (equação III)
4 Substituímos a equação I na
equação III:
10V = 5I2 + 5(I1 + I2)
10V = 5I2 + 5I1 + 5I2
10V = 5I1 + 10I2 (equação IV)
Comparamos a equação IV com
a equação de tensão que ainda
não foi usada, que é a II, que
possui as mesmas incógnitas que
a equação IV. Se multiplicarmos
a equação II por –1 podemos
cancelar I1 e encontrar o valor de
I2 .
Somando II com IV, obtemos:
5V = - 5I1 + 5I2
10V = +5I1 + 10I2
15V =
15I2
+10 = + 20I1 + 10(I1 – I2) ?
+10 + 30I1 – 10I2 (quarta
equação). Esta quarta equação
possui as mesmas incógnitas que a
terceira equação, assim podemos
compara-las, arranja-las e somalas, obtendo:
20 = 50I1 ? 2 = 5I1 ?
I1 = 2/5 A = 0,4 A
(b) Substituímos I1 na segunda
equação e obtemos:
10 = 20 x 0,4 + 10I3 ?
10 = 8 + 10I3 ? I 3
10 8
10
I3=0,2A
(c) Como I1 = I2 + I3
I2 = I1 – I3 = 0,4 – 0,2 = 0,2A
ou substituindo I1 na terceira
equação obtemos:
+10 = 20I1 + 10I2 ?
+10 = 20 x 0,4 + 10I2 ?
I2 = 0,2A
7 Verificando a primeira equação
I1 = I2 + I3 então 0,4 =
0,2A+0,2A. Esta equação está
correta com o resultado que
obtemos.
Podemos
também
verificar a igualdade de todas as
equações e chegamos à conclusão
que estão corretas.
? I2 = 1A
5 Aplicando o valor de I2 na
equação II obtemos o valor de I1:
-5V = 5I1 – 5I2
-5V = 5I1 – 5
6
e) Analisemos, agora, o circuito da
figura 3-16.
3-8
5I1 = 0 ? I1 = 0
Aplicando o valor de I2 na
equação III obtemos o valor de I3
10V = 5I2 + 5I3
10V = 5V + 5I3
5I3 = 10V – 5v
DIVISOR DE
CORRENTE
TENSÃO
E
DIVISOR
DE
Afim de melhor compreender como surgirão
as fórmulas de tensão e corrente nos teoremas de
Thévenin e Norton analisaremos os divisores de
tensão e corrente, conforme demonstrado a seguir.
I3 = 1A
5I3 = 5V ?
7 Fazendo a verificação de cada
equação teremos:
Divisor de tensão
a. I3 = I2 + I1 ? 1A = 1A + 0
b. -5V = 5I1 – 5I2
-5V = 5 x 0 – 5 x 1A
-5V = -5V
c. 10V = 5I2 + 5I3
10V = 5 x 1A + 5 x 1A
10V = 5V + 5V
10V = 10V
d. 10V = 5I1 + 10I2
10V = 5 x 0 + 10 x 1A
10V = 10V
Todas as equações formam uma
igualdade e chegamos à
conclusão que estão corretas.
Método para resolver Kirchoff com duas
malhas:
Figura 3-17 Divisor de tensão
No circuito da figura 3-17 temos:
ET = E1 + E2
IT
e
IT = I1 = I2
ET
E
; I1 1 ; I 2
R1 R2
R1
ET
R1 R2
E1
R1
E2
R2
E2
R2
1- Tirar uma equação para as correntes;
a) Cálculo de E1 :
2- Tirar duas equações para a tensão,
uma equação para cada malha;
ET
R1 R2
E1
? E1
R1
ET x R1
R1 R2
b) Cálculo de E2 :
3- Substituir a equação das correntes em
uma das equações de tensão obtendo
uma quarta equação;
ET
R1 R2
4- Esta quarta equação possui as mesmas
incógnitas que a equação de tensão
que não foi usada;
E2
? E2
R2
ET x R2
R1 R2
c) A finalidade do divisor de tensão é nos
proporcionar o cálculo de queda de
tensão nos resistores sem o uso da
corrente do circuito.
5- Preparamos esta quarta equação e
somamos com a equação ainda não
usada eliminando uma das incógnitas e
encontrando o valor de uma das
correntes;
Divisor de corrente
6- Por substituição obtemos os outros
valores de corrente do circuito;
7- Fazemos a verificação de todas as
equações da resolução do problema e
se todas formarem uma igualdade os
resultados estarão corretos;
8- Observação: Em todas as substituições
considere o módulo e o sinal
encontrados.
Figura 3-18
3-9
No circuito da figura 3-18 temos:
IT = I1 + I2
e
ET = E1 = E2
ET IT x
IT x
desejamos encontrar o valor e o sentido das
correntes em R1, R2 e R3.
R1 x R2
; E1 I1 R1 ; E2 I 2 R2 ?
R1 R2
R1 x R2
R1 R2
I1 R1
I 2 R2
a) Cálculo de I1
R xR
IT x 1 2 I1 R1
R1 R2
I1
I1
R1 x R2
x IT
R1 R2
R1
1
IT x R2
R1 R2
Figura 3-19
e
Primeiramente
usaremos
E1
substituiremos E2 por um curto (consideramos
E2 com Ri = 0).
R1 x R2 x IT 1
x
R1 R2
R1
b) Cálculo de I2
IT x
R 1 x R2
R1 R2
R1 x R2
R1 R2
R2
1
IT x R1
R1 R2
IT x
I2
I2
I 2 x R2
Figura 3-20
RT = R1 +
R1 x R2 x IT 1
x
R1 R2
R2
R2 x R3
63 9:
R2 R3
ET = R1 = 4V
I T I R1
4V
0,444 A
9:
As correntes no circuito ficam como
distribuídas a seguir:
c) A finalidade do divisor de corrente é
nos proporcionar o cálculo da corrente
que passa por um braço do circuito
sem o uso da tensão do circuito.
TEOREMA DA SUPERPOSIÇÃO
Enunciado
O teorema da superposição estabelece que
“em qualquer rede contendo uma ou mais fontes
de tensão (e/ou corrente), a corrente em
qualquer elemento do circuito é a soma
algébrica das correntes que seriam causadas por
cada fonte individualmente, estando as demais
substituídas por suas respectivas resistências
internas”.
Figura 3-21
Em seguida usaremos E2 e substituiremos
E1 por um curto (também consideramos R1 de
E1 = 0).
Aplicação
Para ilustrar a aplicação do teorema
vamos analisar o circuito da figura 3-19, onde
Figura 3-22
3-10
RT R3 R1 x R2
R1 R2
63
TEOREMA DE THÉVENIN
9:
Nem sempre as leis de Ohm e de Kirchoff
constituem a ferramenta necessária para a
resolução de circuitos mais complexos.
O teorema de Thévenin faz parte de um
grupo de teoremas sobre estruturas elétricas
complexas, possibilitando-nos meios mais
eficazes para a análise simplificada de circuitos
dessa natureza.
A técnica utilizada possibilita a redução
de um circuito complexo a um circuito
equivalente simples, que passa a atuar como a
rede original.
O teorema de Thévenin pode ser
enunciado da seguinte maneira: “qualquer rede
de dois terminais pode ser substituída por um
circuito equivalente simples, constituído por um
gerador, chamado gerador de Thévenin, cuja
tensão ETH, atuando em série com sua
resistência interna RTH, obriga a corrente a fluir
através de uma carga” (Ver a figura 325 b).
ET = E2 = 6 V
IT I R 3
6V
0,666 A
9
As correntes no circuito ficam como
distribuídas na figura 3-23:
Figura 3-23
Como
último
passo
fazemos
a
superposição das correntes causadas por E1 e
por E2.
Em R1 a corrente real será a soma
algébrica de 0,444A e 0,333A no mesmo
sentido, de F para A, de onde IR1 = 0,777 A.
a
Em R2 obtemos 0,333A de E para B, e
0,222A de B para E;. O resultado final é de
0,111A no sentido de E para B.
Em R3 obtemos 0,222A e 0,666A no
mesmo sentido, de C para D, de onde IR3 =
0,888A.
b
O resultado final está mostrado a seguir na
figura 3-24.
Verificação:
IR3 = IR1 + IR2
Figura 3-25
0,888A = 0,777A + 0,111A.
De acordo com a primeira Lei de Kirchoff
está correto.
Os circuitos a seguir nos mostram uma
sequência de operações, que visam a determinar
os dois elementos fundamentais constituintes do
teorema de Thévenin, ou seja, ETH e RTH.
Figura 3-24
(a)
3-11
terminais de carga aberta, quando olhamos para
a rede original, estando as fontes de tensão do
circuito substituídas por suas resistências
internas.
A figura 3-26c, ilustra o que acabamos de
mencionar. Neste caso, a fonte foi curtocircuitada e o circuito passou a ter: R1 em série
com R2; e as duas em paralelo com R3. Deste
modo, a resistência equivalente entre os pontos
A e B é 100:, que é a resistência de Thévenin.
(b)
3 – Agora, resta-nos fazer o equivalente
de Thévenin, para o circuito da figura 3-26 a. É
o que nos mostra a figura 3-26d.
Aí temos uma fonte de tensão de 50V, que
é o gerador de Thévenin; em série com esta
fonte temos uma resistência, que é a de
Thévenin (100:).
Este circuito, portanto, é capaz de fazer
fluir uma corrente (iL) através de uma carga
(RL), substituindo o circuito da figura 20a.
Para calcularmos a corrente iL no circuito
da figura 3-26d é só empregar a Lei de Ohm:
(c)
(d)
RTH
200 (195 5)
200 195 5
Figura 3-26
100:
iL
50V
# 0,111A
100: 350:
Bem, agora, perguntamo-nos: que
vantagem seria empregarmos tal método na
resolução dos circuitos, uma vez que,
aparentemente as coisas se tornaram mais
complicadas, pois se trata de um circuito muito
simples, podendo ser resolvido pela aplicação
das leis de Ohm e de Kirchoff ?
Realmente, para o circuito que acabamos
de analisar, isto constitui uma verdade.
Entretanto a veracidade do teorema de Thévenin
torna-se evidente se modificarmos o circuito.
Para isto, vamos supor que quiséssemos
achar o valor da corrente IL quando RL
assumisse diversos valores, como por exemplo:
Vejamos agora, algumas regras usadas na
determinação de ETH e RTH:
1 – Entendemos por tensão de Thévenin
(ETH) aquela tensão vista nos terminais de
carga, no circuito original, estando a resistência
de carga removida, isto é, tensão em circuito
aberto. É o que nos ilustra a figura 3-26 b.
Conforme observamos na figura 3-26 b,
para calcularmos a tensão de Thévenin (ETH),
removemos a carga RL. Neste caso a tensão de
Thévenin é a tensão vista nos terminais em
circuito aberto A-B. Isto significa que a tensão
de Thévenin é a própria queda de tensão em R3.
Assim, basta calcularmos a corrente total do
circuito e multiplicamos por R3:
VR3 it x R3
ETH
RTH RL
RL1 = 20:
RL2 = 50:
RL3 = 100:
RL4 = 1200:
E
x R3
R1 R2 R3
100V
x 200 : 50V
5 : 195 : 200 :
Se fôssemos aplicar as leis de Ohm e de
Kirchoff, por exemplo para calcular a IL em
cada RL diferente, não resta dúvida que seria
um trabalho bem laborioso. Entretanto,
calculando o equivalente de Thévenin,
facilmente determinamos os valores de corrente
para cada valor diferente de RL, uma vez que
Portanto, temos que: VR3 = VAB =
ETH = 50 V
2 – Quanto à resistência de Thévenin
(RTH), trata-se da resistência vista dos
3-12
ETH e RTH, são grandezas independentes do
valor de RL.
Vejamos mais um exemplo bem simples,
de aplicação do teorema de Thévenin, para em
seguida entrarmos na análise de circuitos mais
complexos.
Figura 3-29 Ilustração do teorema de Thévenin
Precisamos encontrar o equivalente de
Thévenin para o circuito da figura 3-29. Vamos
abrir o circuito nos pontos A e B, pois R2
representa nossa RL. O circuito passa a ser
como o da figura 3-30.
Figura 3-27
Para calcularmos a tensão de Thévenin
(ETH), basta acharmos a tensão entre os pontos
A e B. Portanto, ao retirarmos RL do circuito, a
E
x R2
tensão VAB =ETH =
R1 R2
E x R2
E x R2
=
x ETH sendo igual a
R1 R2
R1 R2
Figura 3-30 R2 removida do circuito
As fontes E1 e E2 estão em oposição. Logo
a corrente total será:
equivale à f.e.m. do gerador equivalente de
Thévenin.
Agora, com a fonte “E” em curto-circuito,
passemos ao cálculo de RTH, que por natureza
R1 x R2
do circuito, será: RAB RTH
R1 R2
20V 10V 10V
0,5 A
15: 5:
20:
Esta corrente, passando em R3 produzirá
uma queda de tensão de 2,5,V; e passando em
R1 produzirá uma queda de tensão de 7,5 V.
Assim, já podemos achar a tensão VAB que será
12,5 V, conforme ilustrado na figura 3-31.
It
Finalmente, teremos o circuito equivalente
de Thévenin, seguido dos seus elementos
fundamentais, (RTH e ETH), conforma a figura
3-28 a seguir.
Figura 3-31 Potencial entre os pontos A e B,
igual a 12,5 V
Pelo exposto no circuito da figura 3-31,
observamos que a fonte E1 é que determina o
fluxo de corrente, pois esta fonte tem valor
maior que E2. Assim sendo, de acordo com o
sentido de corrente estabelecido, temos que,
pelo lado de E2, a tensão VAB = E2 + VR3, pois
estas duas tensões estão em série e se somam,
dando VAB = 12,5 V.
Pelo lado de E1, a tensão VAB = E1 - VR1,
pois estas duas tensões estão se opondo.
Figura 3-28
RTH
R1 x R2
R1 R2
ETH
E x R2
R1 R2
Vamos supor que quiséssemos calcular a
potência dissipada no resistor R2 do circuito da
figura 3-29, aplicando o teorema de Thévenin.
3-13
Logo: VAB = 20V – 7,5V; ou VAB =
12,5V. Portanto, sendo VAB = 12,5V,
concluímos que a tensão de Thévenin é 12,5V.
Agora vamos calcular a resistência de
Thévenin. E só abrir o circuito da figura 3-29
nos terminais A e B e curto-circuitar as fontes
E1 e E2.
O circuito ficará como o da figura 3-32a e
3-32b.
Figura 3-34 a
a
(b)
b
Figura 3-32
Assim, podemos fazer o equivalente de
Thévenin para o circuito da figura 3-29, usando
o circuito da figura 3-33.
(c)
(d)
Figura 3-33 Equivalente de Thévenin
Deste modo, ficou fácil calcularmos a
potência de R2 É só achar a corrente total,
elevar ao quadrado e multiplicar por R2. Isto
pode ser feito da seguinte maneira:
(e)
ETH
; (It)2 x R2 = P2. Ou seja:
RTH R2
12,5V 2
P2 (
) x 10: 8,28W .
13,75 :
Outros exemplos
It
Exemplo 1
Vamos encontrar o equivalente
Thévenin do circuito da figura 3-34 a.
(f)
de
Figura 3-34 Ilustração do teorema de Thévenin
3-14
Solução:
Primeiro removemos a carga. Então,
determinamos a Resistência de Thévenin
(RTH), substituindo o gerador pela sua
resistência interna, conforme nos mostra a parte
“b”. A rede fica então simplificada (parte c).
A tensão em circuito aberto, ETH, é
determinada deixando-se a carga desconectada
(circuito aberto em A-B). Nestas condições
temos 3V em A-B (parte d).
Esta tensão de circuito aberto é
representada como um gerador de tensão
constante (parte e). Finalmente, temos os
circuitos das partes “c” e “e”, que são
combinados para produzir o Equivalente de
Thévenin, conforme a parte “f”.
Exemplo 2
Vamos encontrar o Equivalente
Thévenin do circuito da figura 3-35 a.
Figura 3-35 e
Figura 3-35f
Figura 3-35 Ilustração do Teorema de
Thévenin
de
Solução ;
Vamos remover a carga. Em seguida,
olhando para dentro dos terminais A e B,
determinemos a resistência de Thévenin (b).
Deste modo, o gerador de corrente de 10A foi
substituído por uma resistência infinita (circuito
aberto). Utilizando a fórmula a seguir,
(R R ) R
RTH R4 1 2 3 , podemos encontrar a
( R1 R2 ) R3
resistência equivalente, que é a resistência de
Thévenin. Pela parte “b” podemos observar que
R1 e R2 estão em série, e ambas estão em
paralelo com R3.. A resultante deste conjunto
está em série com R4. Então, substituindo na
fórmula os valores das resistências, teremos (na
parte ”c”):
Figura 3-35 a
Figura 3-35 b
RTH
= 1000 1K (100 500) 200
=
(100 500) 200
600 x 200
1000 150 ? RTH = 1150:
800
Na parte “d” observamos que uma porção
da corrente do gerador produz uma queda de
voltagem em R3. Aliás, não flui corrente em R4,
pois o circuito está aberto neste ponto. Em
consequência, a corrente de R2 é a mesma de R3.
Assim, a queda de tensão em R3 é a tensão de
Thévenin, pois é a tensão em circuito aberto.
Observando, portanto, a parte “d”, notamos que
10A entram no circuito pelo gerador. Temos
dois ramos de corrente, I1 e I2, uma vez que A-B
está aberto, conforme já mencionamos.
Figura 3-35 c
Figura 3-35d
3-15
O ramo de I2 possui uma resistência de
700: e o outro 100:. O ramo de R3 é o que nos
interessa, uma vez que precisamos conhecer a
queda de tensão em R3. Sabemos que correntes
em ramos paralelos se dividem inversamente
proporcionais às resistências. Portanto, podemos
afirmar que em R1 passa uma corrente sete
vezes maior que a do ramo de R2 com R3, pois
R1 = 100:, e R2 + R3 = 700:. Isto nos leva a
escrever o seguinte:
I1 + I2 = It = 10A
I1 = 7 I2
Figura 3-36
Pela figura 3-36b observamos que a
corrente de Norton (In) é distribuída entre a
resistência de Norton (Rn) e a resistência de
carga (RL). Podemos observar pelo circuito da
figura 3-36b, que: ERL = ERn. Ora, ERL = IL x
RL; ERn = I1 x Rn e In = I1 + IL. Assim sendo
, podemos estabelecer a seguinte proporção:
Rn IL
.
RL I1
Aplicando uma das propriedades das
proporções, teremos:
10
1,25 A
8
Mas, I2 = I3 = 1,25A. Então, VR3 = I3 x R3 =
= 1,25 x 200 = 250V. Assim, VR3 = VAB =
= ETH = 250V.
Na parte “f” temos o equivalente de
Thévenin, constituído por um gerador de tensão
constante e sua resistência interna.
7 I2 + I2 = 10A; 8 I2 = 10A ? I 2
TEOREMA DE NORTON
Rn RL IL I1
ou, então, IL(Rn + RL) =
Rn
IL
Até aqui observamos o uso do teorema de
Thévenin na simplificação da análise dos
circuitos de malhas complexas, pela substituição
do circuito original por um circuito equivalente
envolvendo uma fonte de tensão constante, e o
gerador de Thévenin (ETH), atuando em série
com uma resistência interna (RTH).
O gerador de Thévenin fornece corrente à
resistência de carga RL.
Estudaremos agora, o teorema de Norton,
que emprega uma técnica bem semelhante à
empregada pelo teorema de Thévenin, e que
pode ser enunciado do seguinte modo: “Dois
terminais de uma rede podem ser substituídos
por um circuito equivalente, que consiste de um
gerador de corrente constante In, em paralelo
com sua resistência interna Rn”.
Na figura 3-36 vemos uma malha original
atuando como um bloco bem como seu circuito
equivalente.
= Rn(IL + I1) ? IL =
Rn ( IL I1)
Rn RL
Rn x In
.
Rn RL
Portanto, para calcularmos a corrente em
RL, basta usarmos a fórmula:
In x Rn
IL
Rn RL
Seja agora, o circuito da figura 3-37
Figura 3-37a
Figura 3-37b
3-16
Figura 3-37c
Figura 3-38
Inicialmente, estabelecendo um curtocircuito em RL, forçosamente R3 ficará em
curto, o que nos permite empregar a seguinte
fórmula:
Figura 3-37d
Vamos determinar o equivalente de
Norton para o circuito da figura 3-37.
Para isto, inicialmente, coloquemos A e B
em curto-circuito, ou seja, daremos um curto em
RL.
Deste modo, a corrente externa será:
E
I AB I N
. Em seguida achemos a
R1
R1 x R2
resistência de Norton: RAB
, estando a
R1 R2
fonte em curto-circuito (3-37c).
Assim, podemos escrever duas regras
simples, para determinação da corrente e da
resistência de Norton:
a)
A corrente de Norton IN é uma
corrente constante que flui num
curto-circuito entre os terminais
da resistência de carga, quando
esta é substituída por um curtocircuito (figura 3-37b).
b)
A resistência de Norton RN é
aquela resistência vista dos
terminais da carga aberta,
olhando-se para a malha, quando
sua fonte de tensão é substituída
por sua resistência interna (RN é
definida da mesma maneira que a
resistência de Thévenin – RTH),
conforme a figura 3-37c. Na
figura 3-37d temos o equivalente
de Norton: um gerador de
corrente constante IN com sua
resistência interna, em paralelo
RN.
IN
E
R1 R2
100V
100V
500m A
5: 195: 200:
Figura 3-39
O circuito da figura 3-39 ilustra o que
acabamos de mencionar. A corrente IN é a
corrente que flui no curto-circuito (RL = 0).
Em seguida, calculamos a resistência de
Norton. Para tal, podemos utilizar o circuito da
figura 3-40.
Figura 3-40
Desta forma, teremos:
RN = RAB =
200(5 195)
100 Ohm
200 (5 195)
Finalmente, observando o circuito da
figura 3-41, temos o circuito equivalente,
contendo a corrente de Norton, a resistência de
Norton e a corrente IL.
Consideremos o circuito da figura 3-38,
no qual desejamos calcular a IN, RN e IL.
3-17
A corrente de Norton, na realidade, é a
corrente que passa em R4, estando RL em curto.
Sendo It = 1,8 A, IN será: It – IR3. Ou então,
IN
Pelo que já conhecemos, IL facilmente
pode ser calculada da seguinte maneira:
IL
12V
20 :
0, 6 A.
Passemos agora ao cálculo de RN, que é a
resistência vista dos terminais da carga aberta:
Figura 3-41
I N x RN
RN RL
ER 3
R4
RN
500 x 10 3 x 100
111mA
100 350
R4 20 ( R1 R2 ) x R3
R2 R1 R3
10 x 10
20
25 Ohms
E, agora, de acordo com a figura 3-42b,
passemos ao cálculo de It. Portanto, IL =
Vejamos mais um exemplo simples de
aplicação do Teorema de Norton, ilustrado na
figura 3-42.
0, 6 x 25
25 100
0,12 A
Outros exemplos:
Vamos achar o equivalente de Norton da
figura 3-43a.
Solução: Inicialmente vamos encontrar a
resistência de Norton que, conforme já
mencionamos anteriormente, é definida da
mesma maneira que a resistência de Thévenin
(RTH). Portanto, abrindo o circuito da parte”a”
nos pontos A e B, temos dois resistores de 6:
em paralelo, conforme nos mostra a figura 343b. Na figura 3-43c temos a resistência
equivalente (RN).
Figura 3-42a
Figura 3-42b
Primeiramente daremos um curto-circuito
em RL, no circuito da figura 3-42a, para
calcularmos a IN. Deste modo, teremos R3 em
paralelo com R4 e a resultante das duas, em
série com R1 e R2.
Assim, teremos uma Rt =
R1 R2 10 6,67
R3 x R4
R3 R4
1 9 10 x 20
10 20
16,67 Ohms. ? Rt
Portanto, I t =
Ea
It
30
16, 67
Figura 3-43a
16,67 Ohms,
1, 8 A
Figura 3-43b
3-18
Figura 3-43c
Figura 3-44b
Figura 3-43d
Figura 3-44c
Figura 3-44d
Figura 3-43e
Figura 3-44e
Figura 3-43f
Figura 3-43 Ilustração do Teorema de Norton
Para calcularmos a corrente de Norton (IN)
basta colocarmos um curto entre os pontos A e
B da figura 3-43d. A corrente no curto-circuito é
a corrente de Norton. Neste caso, IN é igual à
corrente total, podendo ser calculada assim:
6V
IN
1 A. Então, na parte”c” temos a
6
corrente equivalente de Norton (IN). Juntando a
resistência equivalente (parte “c”) à corrente
equivalente (parte “e”), formamos o equivalente
de Norton (figura 3-43 f).
Figura 3-44f
Figura 3-44 Ilustração do Teorema de Norton
Solução: Na figura 3-44b a carga foi
removida. Aí, temos R1 em série com R2. Estes
dois resistores estão em paralelo com R3. Este
conjunto está em série com R4. Portanto, o
cálculo da resistência equivalente de Norton
(RN) pode ser feito do seguinte modo:
( R R2 ) x R3
RN R4 1
( R1 R2 ) R3
Vamos encontrar o equivalente de Norton
da figura 3-44a.
600 x 200
1K 150: 1150:
800
A parte”c” nos mostra o que acabamos de
demonstrar.
1K Figura 3-44a
3-19
Ao colocarmos a fonte de corrente no
circuito (10A), e substituirmos RL por um
curto-circuito(figura 3-44d), vamos procurar a
corrente de Norton (IN). A corrente de Norton é
a mesma que flui nos terminais da carga em
curto.
Fazendo uma observação da figura 3-44d
vemos que a corrente total “It” se distribui do
seguinte modo: It = I1 + I2. E que I2 = I3 + I4.
Ocorre que I4 = IN, ou seja, I4 é igual à
corrente
de
curto-circuito
equivalente.
Resolvendo, inicialmente, o circuito da figura 344d por I2, temos:
I2
a
R1
It
R1 ( R2 10
Recordemos, agora, as fórmulas já vistas
anteriormente para o cálculo de IL, em ambos os
circuitos da figura 3-41.
R3 x R4
R3 R4
)
100
?
200 x 1 K
100 500 1200
b
100
1, 305 A
100 500 166, 67
Agora, resolvendo por I4, teremos:
I2
I4
I2
10
R3
R3 R4
1, 305
200
200 1 K
Figura 3-45 Conversão Norton para Thévenin e
vice-versa
Na figura 3-45, por exemplo, temos na
E
parte “a” IL =
,
RTH RL
I N x RN
e na parte “b” temos: I L
RN RL
0, 217 A
Logo, I4 = IN = 0, 217 A
O gerador equivalente de Norton é
mostrado na figura 3-44 f.
Uma vez que nos propomos a estabelecer
uma equivalência entre “a” e “b” da figura 3-45,
teremos:
E
I N x RN
.
RTH RL RN RL
CONVERSÃO DO EQUIVALENTE DE
NORTON PARA O DE THÉVENIN E
VICE-VERSA
Às vezes, por questões de conveniência,
torna-se mais fácil solucionar certos problemas
de análise de circuitos empregando um método
de equivalência entre geradores de corrente e de
tensão.
Para isto, é recomendável adotarmos uma
equivalência entre uma fonte de tensão e uma
fonte de corrente.
Considerando os circuitos da figura 3-45,
vamos observar que em “a” temos um gerador
de tensão e em “b”, um gerador de corrente.
Nestes dois circuitos, há uma carga RL que
é alimentada, portanto, por um gerador de
tensão e por um gerador de corrente.
Fazendo RTH = RN = r , teremos:
E
r RL
IN x r
r RL
Agora, eliminando o denominador da
equação, vem:
(IN x r) (r + RL) = E (r+RL).
Tirando o valor de IN , temos:
IN
3-20
E (r RL )
.
r (r RL
Simplificando
o
numerador e o
E
denominador, temos: I N
. Esta fórmula
r
nos dá o valor da corrente de Norton, em função
da tensão de Thévenin, não esquecendo que,
para tal, consideraremos as resistências internas
iguais, isto é: RTH = RN = r.
E
Portanto, da fórmula I N
, podemos
r
também tirar o valor de “E”, ou seja: E = IN x r,
que é a fórmula que nos dará o valor da tensão
de Thévenin, em função da corrente de Norton.
b
Figura 3-47 Convertendo o equivalente de
Thévenin para o de Norton
Resolvendo para IN o circuito da figura 347A, temos:
E 3V
1A .
IN
r 3:
Agora, é só colocarmos a resistência do
equivalente de Thévenin (RTH = r) em paralelo
com o gerador de corrente constante (IN = 1 A),
e teremos a solução, que é o circuito da figura 347b.
Vamos converter o equivalente de Norton
da figura 3-48a para o de Thévenin.
Exercícios de aplicação
Suponhamos, um gerador de tensão, cuja
“E” (ETH), seja igual a 20V sabendo-se que
RTH(r) é igual a 10:. Queremos saber o valor do
equivalente de Norton.
Solução: neste caso, a fonte ou o gerador
de corrente equivalente será:
IN
E
r
20V
10:
2A
Seja o circuito da figura 3-48 que
queremos converter num equivalente de Norton.
(a)
(b)
Figura 3-46 Equivalente de Thévenin
Solução: vamos colocar um curto-circuito
nos terminais A e B do circuito da figura 3-47
obtendo, assim, o circuito da figura 3-47a.
(c)
Figura 3-48 Convertendo Norton para Thévenin
Solução: vamos computar a queda de
tensão através de RN (figura 3-48b). Esta queda
IN x RN, nos dará RTH, que é aproximadamente
250 V. Agora, colocamos a resistência
a
3-21
equivalente (RN = r = RTH) em série com o
gerador de tensão constante (ETH).
Assim, obtemos o equivalente de
Thévenin, conforme a figura 3-48c.
TEOREMA DA MÁXIMA
RÊNCIA DE ENERGIA
d)Pelos cálculos executados fica demonstrado que a maior potência sobre RL foi
obtida quando RL foi igual a RTH.
A compreensão deste teorema é muito
importante para a futura aplicação deste
conceito em circuitos amplificadores, quando se
falar em casamento de impedâncias.
TRANSFE-
Este teorema estabelece que “a máxima
potência transferida por uma fonte a uma
determinada carga ocorre quando a impedância
da carga for igual a impedância da fonte”.
Uma vez que qualquer circuito ou fonte
pode ser representado por um circuito
equivalente de Thévenin, utilizaremos este
como base para os cálculos demonstrativos
deste teorema. Ver a figura 3-49.
APÊNDICE
Sumário
-Uma fonte de tensão constante deve ter
uma resistência interna muito baixa.
-Não existe, na prática, um gerador de
tensão ideal; o que existe é o gerador de tensão
real.
-Existem vários tipos de geradores de
tensão. Entre eles, temos uma bateria, uma fonte
de CC regulada ou um seguidor de emissor.
-O equivalente de Thévenin é um
dispositivo que atua como um gerador de tensão
constante.
-O equivalente de Thévenin é muito
empregado na resolução de circuitos
considerados complexos.
-Um gerador de tensão constante tem
como finalidade manter constante a tensão de
saída, independente do valor da carga.
-O gerador de corrente constante é capaz
de fornecer uma corrente de valor constante a
qualquer carga.
-Um gerador de corrente ideal, na prática,
não existe.
-Um gerador de corrente ideal teria
resistência interna idealmente infinita.
-O circuito equivalente de Norton, é um
gerador de corrente constante, muito empregado
na simplificação de circuitos complexos.
-Um gerador de corrente constante é
considerado “bom” quando o valor da sua
resistência interna for no mínimo 100 vezes
maior que o valor de RL.
-Existem diversos métodos que visam
solucionar redes de correntes contínuas, cujas
impedâncias são essencialmente resistências
lineares e as tensões são constantes.
-Quatro teoremas largamente empregados
na análise de circuitos são: Leis de Kirchoff,
teorema de Thévenin, teorema de Norton e
teorema de Superposição.
Figura 3-49
IL
ETH
RTH RL
PRL
I R2 x RL
Pelas fórmulas apresentadas podemos
fazer as seguintes verificações:
a) Se RL = RTH = 10:,
10V
0,5 A
10 10
e PRL = (10 x 0,5 x 0,5) w = 2,5w
então, IL =
b) Se RL = 2 x RTH = 20:,
10V
0,333 A
10 20
e PRL = (20 x 0,333 x 0,333) w # 2,20w
então, IL =
c) Se RL =
RTH
2
5: ,
10V
0,666 A
10 5
e PRL = (5 x 0,666 x 0,666) w # 2,21w
então, IL =
3-22
-No fornecimento de energia aos circuitos,
temos a considerar as fontes de tensão e as
fontes de corrente.
-Os geradores de tensão têm por
finalidade manter constante a diferença de
potencial entre dois pontos aos quais estejam
ligados.
-Um gerador de corrente é aquele que
mantém constante a corrente em seus terminais.
-É importante na análise de circuitos, a
familiarização com os seguintes termos: Rede,
Nó, Braço ou Ramo, Laço e Malha.
-As leis de Kirchoff empregadas na
solução de redes complexas são duas: 1ª Lei ou
“Lei dos Nós” e 2ª Lei ou “Lei das Malhas”.
-A 1ª Lei de Kirchoff diz o seguinte: “A
soma das correntes que entram em um nó, é
igual à soma das correntes que saem do nó”.
-A 2ª Lei de Kirchoff, no seu enunciado
diz: “Em qualquer circuito elétrico fechado, a
soma algébrica das quedas de potencial deve ser
igual à soma algébrica das elevações de
potencial”.
-Quando as leis de Ohm e Kirchoff já não
dispõem dos recursos necessários para a
resolução de circuitos mais complexos,
lançamos mão de outras ferramentas.
-O teorema de Thévenin é uma das formas
utilizadas na resolução de malhas complexas.
-O teorema de Thévenin pode ser assim
enunciado: “Qualquer rede de dois terminais
pode ser substituída por um circuito equivalente
simples, constituído por um gerador, chamado
de gerador de Thévenin, cuja tensão ETH,
atuando em série com sua resistência interna
RTH, obriga a corrente a fluir através da carga”.
-Outro teorema que emprega uma técnica
semelhante à do teorema de Thévenin, é o
teorema de Norton.
-Este teorema dez que:”Uma malha de
dois terminais, pode ser substituída por um
circuito equivalente, que consiste de um gerador
de corrente constante IN, em paralelo com sua
resistência interna RN.
-É possível fazermos uma equivalência
entre geradores de corrente e de tensão.
-Para isto tomamos as duas fórmulas de
IL, para cada gerador (de tensão e de corrente),
igualamos estas fórmulas e consideramos iguais
as resistências internas (RTH = RN = r).
-O Teorema da Superposição facilita os
cálculos de circuitos com duas ou mais fontes.
-Os estudos de divisores de tensão e de
corrente podem facilitar em muito a resolução
dos cálculos nos teoremas de Thévenin e de
Norton.
3-23
CAPÍTULO 4
DISPOSITIVOS SEMICONDUTORES
como sendo a menor porção que um material
pode ser dividido. Se da molécula partirmos a
uma nova divisão, chegaremos ao átomo, que
por sua vez não conservará mais as propriedades
do material subdividido.
Muitos modelos de átomos foram
apresentados, mas coube a Rutherford e Neil
Bohr o modelo do átomo atual.
Segundo este modelo o átomo é
constituído de um núcleo que contém partículas
denominadas prótons e nêutrons.
Em torno do núcleo giram, em órbitas
distintas, outras partículas denominadas
elétrons. Este modelo está representado na
figura 4-1.
INTRODUÇÃO
Os materiais semicondutores são
elementos cuja resistência situa-se entre a dos
condutores e a dos isolantes.
Dependendo de sua estrutura qualquer
elemento pode ser classificado como isolante,
semicondutor ou condutor. Atualmente os
principais componentes dos equipamentos
eletrônicos são dispositivos semicondutores tais
como: diodos, transistores e circuitos
integrados. Seu emprego deve-se à habilidade
de controlar o fluxo de corrente, executando as
mesmas funções das válvulas eletrônicas, porém
com grandes vantagens como tamanho, peso e
durabilidade.
Por estas razões o emprego dos
dispositivos semicondutores trouxe um grande
desenvolvimento à eletrônica. Os primeiros
conceitos de dispositivos semicondutores datam
do início do século.
Em 1906 descobriu-se que determinados
cristais, em contato com uma ponta metálica,
tinham a propriedade de conduzir corrente
elétrica somente numa direção criava-se então, o
diodo sólido. Com o desenvolvimento da teoria
atômica, os cientistas aperfeiçoaram o diodo
sólido até que durante a Segunda Grande
Guerra, em 1948 os cientistas W. Shockley, J.
Bardeen e W. H Brattain apresentaram um
pequeno dispositivo construído com cristal de
germânio, que tinha a capacidade de controlar e
amplificar a corrente elétrica. Este dispositivo
que foi chamado de transistor, foi aperfeiçoado
e seu desenvolvimento deu origem ao
aparecimento de muitos outros dispositivos que
hoje formam a grande família dos
semicondutores.
Devido
ao
funcionamento
dos
semicondutores estar ligado às características da
estrutura dos materiais, faremos um estudo
destas estruturas.
Núcleo
Elétron
Órbita de
elétrons
Figura 4-1 Desenho representativo de um átomo
Pela tabela periódica dos elementos
pode-se ver que existem 105 tipos de átomos. A
quantidade de partículas que contém um átomo
varia de espécie para espécie. Eletricamente, os
prótons e os elétrons têm a mesma carga, porém
de sinais contrários, sendo que a carga do próton
é positiva e a do elétron é negativa. Diz-se que o
átomo está eletricamente em equilíbrio, quando
o número de elétrons for igual ao número de
prótons. Caso contrário, o átomo é chamado de
íon.
Um íon pode ser de dois tipos: íon
positivo quando o átomo perdeu um ou mais
elétrons e íon negativo quando o átomo ganhou
um ou mais elétrons. Como citado
anteriormente, no átomo, os prótons e nêutrons
estão concentrados formando o núcleo, porém
os elétrons agrupam-se ao redor do núcleo, em
forma de camadas. Estas camadas têm um
número máximo de 7, e são designadas pelas
letras K, L, M, N, O, P, Q. Cada camada pode
ESTRUTURA DA MATÉRIA
Como se sabe, podemos dividir um
material em porções cada vez menores, até que
chegamos a menor das porções, que recebe o
nome de molécula. Podemos definir a molécula
4-1
Um exemplo simples de ligação
covalente é a combinação de dois átomos de
hidrogênio, como mostrado na figura 4-3.
ter um número máximo de elétrons e esses são
mostrados na figura 4-2.
Nº da
camada
1
2
3
4
5
6
7
Designação
K
L
M
N
O
P
Q
Nº máximo
de elétrons
2
8
18
32
32
18
8
Figura 4-2 Camadas atômicas
Devido ao fato do átomo ter a forma
esférica, muitas vezes ele é representado em
forma circular para facilitar o raciocínio.
Figura 4-3 Ligação covalente
Os átomos de silício e de germânio, que
são os mais importantes no estudo de semicondutores, também se ligam covalentemente e
embora tenham números atômicos diferentes
possuem valências iguais.
Esses átomos podem combinar-se covalentemente formando uma estrutura cristalina
que pode ser representada num plano conforme
a figura 4-4. Cada átomo compartilha seus
elétrons de valência com outros quatro, obtendo
uma estrutura eletricamente estável.
Definição de Número Atômico: Como já foi
dito, átomos diferentes possuem diferentes
números de partículas. Por exemplo, o átomo de
oxigênio possui 8 prótons e 8 elétrons, já o
átomo de alumínio possui 13 prótons e 13
elétrons. Para podermos identificar e classificar
os vários átomos existentes foi criado um
número que indica quantos prótons existem em
cada átomo.
Esse número é chamado de“número
atômico”.
Ligação
Covalente
LIGAÇÃO ATÔMICA
Vimos que com exceção da camada K
que se completa com dois elétrons, a camada
mais externa dos átomos pode conter oito
elétrons, no máximo.
Os átomos que não possuem este
número de elétrons tendem a se completarem
doando ou recebendo a fim de terem oito
elétrons na última camada.
A capacidade de combinação dos átomos
é chamada de valência. Os elétrons da última
camada dos átomos são chamados de elétrons de
valência, pois é através deles que a ligação
química se processa.
De acordo com a valência os elementos
podem ser: monovalentes, divalentes, trivalentes
etc.
Uma ligação covalente é uma
combinação química em que os elétrons são
compartilhados entre os átomos.
Elétrons de
valência
Figura 4-4 Ligação covalente, estrutura cristalina
MATERIAIS SEMICONDUTORES
Como já foi dito, semicondutores são
materiais cuja resistência se situa entre a dos
4-2
condutores e a dos isolantes. Cabe ressaltar
agora o conceito de condutores e a dos isolantes.
Um material condutor é caracterizado
por apresentar os elétrons de valência de seus
átomos fracamente ligados ao núcleo e, devido a
essa ligação não ser muito forte, esses elétrons
podem ser considerados livres.
Sendo assim, se aplicarmos uma
diferença de potencial à esse material ele
conduzirá facilmente uma corrente elétrica.
Exemplos de materiais condutores: cobre, ouro,
prata, ferro etc.
Quando os elétrons de valência do
átomo estão fortemente ligados ao núcleo, de tal
modo que não podem ser considerados elétrons
livres no material, este é dito “isolante”. Os
materiais isolantes apresentam então uma forte
oposição a passagem da corrente elétrica.
Exemplos de materiais isolantes: borracha,
porcelana, vidro etc.
Dos materiais semicondutores existentes
o germânio e o silício são atualmente os mais
empregados.
Esses átomos ao se unirem entre si
formam uma estrutura do tipo cristalina. Uma
estrutura é dita “cristalina” quando sua forma é
bem definida (sempre em forma de cristais). São
exemplos de materiais com estrutura tipo
cristalina: cobre, diamante, silício, germânio etc.
Quando a forma da estrutura formada
pela união dos átomos não é bem definida esta é
dita “amorfa”. São exemplos de materiais com
estrutura tipo amorfa: plásticos, gases, borracha
etc.
A figura 4-5 mostra a estrutura cristalina
do germânio e do silício.
Figura 4-5 Rede cristalina plana do Germânio (Ge) e do Silício (Si)
Nas duas estruturas, os átomos se
combinam covalentemente.
Cada átomo combina-se com mais
quatro, tomando e fornecendo seus elétrons de
valência. Observando as duas estruturas vemos
que cada elétron de valência no material está
preso a dois átomos, nessa condição não deverá
haver elétrons livres no material, logo as suas
características elétricas são de isolante. Na
realidade, isto só acontece se estes materiais
estiverem a uma temperatura de 0o absoluto.
serem rígidas, quando o cristal é submetido a
qualquer tipo de energia algumas delas chegam
a se romper.
O rompimento entre as uniões ocorre
quando o elétron de valência que pertence aos
dois átomos adquire energia suficiente para se
liberar.
Ligações covalentes são interrompidas
quando um dos cristais é submetido a certos
campos de energia como: calor, luz, raios X,
raios cósmicos etc.
O número de rompimentos é diretamente
proporcional à intensidade do campo de energia
aplicado ao cristal.
Cada rompimento gera um portador de
carga elétrica negativa e uma carga elétrica
positiva.
Processo de formação de portadores na rede
cristalina.
Apesar das ligações covalentes entre os
átomos de cristais puros de silício e de germânio
4-3
Pela figura 4-6 podemos observar que
com o rompimento da ligação covalente ocorre
a liberação do elétron, ficando no lugar deste
um buraco ou lacuna.
Esta lacuna tem característica positiva,
porque qualquer elétron próximo poderá ser
atraído por ela.
Elétron livre
Fluxo de lacunas
Quando uma ligação perde um elétron
de tal forma que exista uma lacuna, esta é fácil
de ser preenchida por um elétron de valência
que deixa uma ligação covalente de um átomo
vizinho; este elétron ao sair da ligação
covalente, deixa outra lacuna. Assim,
efetivamente, a lacuna se move na direção
oposta à direção do elétron. Esta lacuna, nesta
nova posição, pode ser agora preenchida por um
outro elétron proveniente de outra ligação
covalente. Temos assim um mecanismo para a
condução de eletricidade.
Um modo conveniente de ilustrar esse
movimento é mostrado na figura 4-7, em forma
de esferas.
Lacuna
Figura 4-6 Geração de lacuna
Como já foi dito, vários fatores podem
contribuir para a geração de portadores em
cristais de germânio e de silício, porém, a
variação de temperatura é o fator que mais os
afeta.
A 0o absoluto, o germânio e o silício têm
condições de serem isolantes, porém, na
temperatura ambiente, aproximadamente 25o C,
ambos cristais apresentam em suas estruturas
milhares de rompimentos entre as ligações,
criando milhares de portadores positivos e
negativos, lacunas e elétrons respectivamente.
Nesta situação tanto o germânio quanto
o silício tem características de semicondutores
intrínsecos, isto é possuem características
próprias.
Na temperatura ambiente de 250 C, um
cristal puro de silício apresenta aproximadamente 1010 lacunas e 1010 elétrons por cm3
e uma resistividade de 2,4 x 104 ohms/ cm3.
Para a mesma temperatura, um cristal
puro de germânio apresenta, aproximadamente,
1013 lacunas e 1013 elétrons por cm3 e uma
resistividade de 47 ohms/cm3.
Pelos valores de resistividade vemos que
na mesma temperatura a estrutura do silício tem
ligações covalentes mais estáveis que as do
germânio, ou seja, são mais difíceis de serem
rompidas.
Figura 4-7 Fluxo de lacunas
JUNÇÃO PN – FORMAÇÃO
Até agora estudamos os cristais de silício
e de germânio em suas formas puras. Porém,
partindo-se de um cristal puro, através de
técnicas específicas, consegue-se introduzir
neste cristal, átomos de um outro metal, de tal
modo a se conseguir o comportamento elétrico
desejado.
Esta operação é denominada “dopagem”
e o metal a ser introduzido no cristal é chamado
de impureza. Os metais usados como impureza
podem ter átomos trivalentes ou pentavalentes,
isto é, com três ou cinco elétrons na última
camada.
Se na dopagem usarmos impurezas
trivalentes (ou aceitadoras), cria-se no cristal
portadores de carga positiva ou lacunas, pois,
para participar da ligação covalente o átomo da
impureza necessita de um elétron para
4-4
Facilmente, entendemos que a dopagem
criará, no cristal, tantos elétrons livres ou
lacunas quantos forem os átomos de impurezas
doadoras ou aceitadoras introduzidos.
completar sua última camada com quatro
elétrons. Este cristal é chamado de positivo ou
P..
Porém, se na dopagem usarmos
impurezas pentavalentes ou doadoras, cria-se no
cristal elétrons livres, pois para participar da
ligação covalente o átomo da impureza doa um
elétron que estava em excesso. Este elétron
pode então ser considerado livre. Este cristal é
chamado de negativo ou N.
Para a criação de um cristal tipo N as
impurezas geralmente utilizadas são: fósforo,
arsênio, bismuto e antimônio.
A figura 4-8 mostra um bloco representativo do elemento N.
Polarização do elemento N
Ao polarizarmos um elemento N,
conforme a figura 4-10, teremos o aparecimento
de uma corrente elétrica, cujos portadores são
elétrons e cujo sentido é o indicado na figura. A
intensidade desta corrente é limitada pela
resistividade do elemento N, que depende da
quantidade de portadores, que, por sua vez
depende da quantidade de átomos da impureza.
Figura 4-8 Cristal tipo N (representação)
Figura 4-10 Polarização do elemento N
Os círculos pequenos representam os
átomos pentavalentes, o sinal negativo é o
quinto elétron do átomo pentavalente, que não
entrou na combinação.
Para a criação de um cristal tipo P as
impurezas normalmente utilizadas são: bário,
alumínio, gálio e índio.
A figura 4-9 mostra um bloco
representativo do elemento P.
Por serem portadores de carga negativa,
os elétrons livres no elemento são atraídos pelo
potencial positivo da fonte de tensão, dando à
corrente o sentido indicado na figura 4-10.
Polarização do elemento P
A figura 4-11 mostra a polarização de
um elemento P. Ao polarizarmos um elemento P
conforme indicado na figura 4-11, haverá uma
corrente de lacunas no cristal no sentido
mostrado.
Figura 4-9 Cristal do tipo P (representação)
Os pequenos círculos representam os
átomos trivalentes e os sinais positivos fora dos
círculos são as lacunas criadas por eles.
Figura 4-11 Polarização do elemento P
4-5
As lacunas, que são positivas, são
repelidas pelo seu positivo da fonte de tensão e
atraídas pelo pólo negativo da mesma.
Um elétron entra no cristal no lado
negativo da fonte e se combina com uma lacuna,
completando a união, estes já não existem mais
como portadores elétricos. Em seguida a bateria
que perdeu um elétron no lado negativo da
fonte, tira um elétron do cristal no lado positivo
da fonte, gerando assim, uma lacuna que é
imediatamente repelida pelo pólo positivo da
fonte e atraído pelo pólo negativo. Temos assim
uma corrente elétrica constante que é limitada
pela resistividade do elemento, que por sua vez,
depende do número de portadores criados na
dopagem do mesmo.
Quando se une um elemento P a um
elemento N, há uma combinação natural de
portadores ou seja, elétrons do elemento N e
lacunas do elemento P, em toda a estrutura das
superfícies unidas.
Porém, nem todos os elétrons e lacunas
se
recombinam
porque
as
primeiras
recombinações criam íons, que fazem uma
barreira ao processo de recombinação. Isto pode
ser visto na figura 4-13.
Portadores Majoritários e Minoritários nos
elementos
Figura 4-13 Formação de íons na junção PN
No elemento P os átomos que se ionizam
são os das impurezas aceitadoras e no elemento
N os das impurezas doadoras. Esta região
ionizada entre os elementos P e N é dotada de
um campo eletrostático negativo, no lado P e
positivo no lado N.
Esse campo é considerado como se fosse
um campo de força, cujo potencial negativo, da
região P, repele os portadores de elétrons, do
lado N e cujo potencial positivo, da região N,
repele as lacunas do lado P.
Por isso, embora os portadores de
elétrons e lacunas estejam em movimento, à
temperatura ambiente, eles não se difundem por
toda estrutura cristalina.
A figura 4-14 mostra uma junção PN
com os portadores de carga e as forças de
repulsão.
Como
vimos
anteriormente,
se
adicionarmos impurezas pentavalentes à um
cristal surgem nesse cristal tantos elétrons livres
quantos forem os átomos de impurezas
adicionados.
Sabemos que na temperatura ambiente o
cristal puro apresenta portadores positivos e
negativos em números iguais. Porém, com a
dopagem essa igualdade é alterada e o material
que possuía igual quantidade de portadores,
possui agora, maior número de elétrons do que
de lacunas. Dizemos então que os elétrons são
portadores majoritários e as lacunas portadores
minoritários no elemento N.
Elemento N
Elemento P
Figura 4-14 Campo eletrostático e forças de
repulsão na junção PN
Figura 4-12 Concentração de portadores nos
elementos P e N
4-6
Assim uma corrente elétrica é estabelecida
numa junção PN.
Esta corrente é denominada corrente
direta.
Devido a falta de portadores de carga
nessa região a mesma recebe o nome de região
de “depleção”.
POLARIZAÇÃO DE UMA JUNÇÃO PN
Junção PN inversamente polarizada
De acordo com a polaridade dos
elementos P e N da junção tem-se um
comportamento diferente da mesma.
A junção PN pode ser polarizada de duas
maneiras: direta ou inversa.
Diz-se que a junção PN está inversamente polarizada quando tem-se o positivo da
fonte de tensão no lado N e o negativo no lado
P, como mostra a figura 4-16.
Junção PN diretamente polarizada
Diz-se que a junção PN está diretamente
polarizada quando tem-se o positivo da fonte de
tensão ligado ao elemento P e o negativo ao
elemento N, como mostra a figura 4-15.
Figura 4-16 Junção PN inversamente polarizada
Podemos observar que o potencial
positivo, no lado N, é uma força de atração para
os elétrons e que o potencial negativo, no lado P
é uma força de atração para as lacunas.
A ação dessa força faz com que os
portadores se desloquem, temos então um
aumento na barreira de potencial, como é
mostrado na figura 4-16.
Este aumento é diretamente proporcional
ao aumento da tensão aplicada à junção PN.
Nesta situação não deve circular corrente
normal no circuito, porém, devido às características do cristal, haverá uma pequena corrente
que é denominada corrente de fuga.
Figura 4-15 Junção PN diretamente polarizada
Na polarização direta da junção PN,
temos uma diminuição da barreira de potencial
pois as lacunas, do lado P, são repelidas pelo
potencial positivo e os elétrons do lado N são
repelidos pelo potencial negativo da fonte de
tensão.
A região agora apresenta uma baixa
resistência, cerca de dezenas de ohms.
Os átomos pertencentes ao lado N
tornam-se íons positivos, porque seus elétrons
foram deslocados em direção da junção, tendo
agora condições de receberem elétrons da fonte
de tensão.
Por sua vez os átomos do lado P,
tornam-se íons negativos, porque suas lacunas
foram deslocadas para a junção, tendo
condições de fornecer elétrons para o lado
positivo da fonte de tensão.
Vemos que com essa polarização, temos
elétrons entrando no lado N e saindo no lado P.
Na região da junção, há um processo
constante de recombinação de elétrons e
lacunas.
DIODO SEMICONDUTOR
Vimos anteriormente que podemos
polarizar uma junção PN de duas maneiras
distintas, direta e inversamente.
Na primeira condição temos uma
corrente circulando pela junção e na segunda
esta corrente pode ser considerada desprezível.
vemos então que esse dispositivo possui
características de condução elétrica unidirecional. Tal elemento pelas características acima
descritas será amplamente empregado na
Eletrônica, principalmente na retificação de
sinais recebendo para tanto o nome de diodo de
junção ou diodo semicondutor.
4-7
DIODO RETIFICADOR
Existem muitos tipos de diodos, tais
como o diodo Zener, o SCR, o fotodiodo etc.
Porém, entre os vários tipos de diodos
existentes um dos mais usados na eletrônica é o
diodo retificador cujo símbolo é mostrado na
figura 4-17.
Figura 4-19 Curva da polarização direta do
diodo
Polarização inversa do diodo
Figura 4-17 Símbolo e polarização dos diodos
A figura 4-20 mostra o circuito de um
diodo polarizado inversamente.
Polarização direta do diodo
Como já foi visto, na polarização direta
da junção PN o lado N está ligado ao pólo
negativo da fonte de tensão e o lado P no pólo
positivo da mesma.
Figura 4-20 Diodo polarizado inversamente
Na polarização inversa da junção PN, o
lado N está ligado no pólo positivo da fonte de
tensão e o lado P no pólo negativo da mesma.
Figura 4-18 Circuito do diodo semicondutor
polarizado diretamente
I
Pelo circuito da figura 4-18 podemos
observar que, através do potenciômetro R,
conseguimos variar, a partir de zero volt, a
tensão aplicada ao diodo.
Como a variação de corrente é
diretamente proporcional à variação de tensão
veremos que ao aumentarmos a tensão sobre o
diodo a corrente também aumentará proporcionalmente.
Até um determinado valor de tensão este
comportamento é válido, a partir de tal ponto a
corrente cresce bruscamente e a tensão no diodo
tende a ficar constante.
Afigura 4-19 mostra a curva de
polarização direta de um diodo.
Tensão de ruptura
(Break down)
Região
direta
V
Região
reversa
Vd- Tensão direta
Id- Corrente direta
Vr- Tensão reversa
Ir- Corrente reversa
Figura 4-21 Curva de polarização inversa do
diodo
4-8
maior que a da capacidade de dissipação da
junção.
Para uma tensão inversa constante, a
corrente inversa pode ser aumentada pelo efeito
térmico, o que aumenta a potência da junção.
Com o aumento dessa potência haverá também
um aumento de temperatura o que resulta num
novo aumento da corrente inversa, esse aumento
de corrente tende a aumentar ainda mais a
potência e essa por sua vez a temperatura. E
assim sucessivamente até a ruptura.
Pelo circuito vemos que, através do
potenciômetro R, fazemos com que a tensão
negativa no elemento P aumente lentamente.
Nesta situação a corrente que flui no circuito é
desprezível, porém, se aumentarmos ainda mais
o valor da tensão sobre o diodo atingiremos um
valor em que há um aumento brusco da corrente
reversa, comprometendo até mesmo a
integridade da junção PN. Este valor de tensão é
denominado tensão de ruptura.
A curva de polarização reversa do diodo
semicondutor é mostrada na figura 4-21.
APLICAÇÃO DO DIODO RETIFICADOR
RUPTURA DA JUNÇÃO PN
Pelo que foi visto até aqui notamos que o
diodo pode ser considerado como sendo uma
chave eletrônica. Quando em polarização direta,
a corrente sobre ele fica limitada somente pelos
elementos do circuito externo. Porém, quando
está polarizado inversamente, a corrente do
circuito fica limitada por ele mesmo, tendo
assim, o comportamento de um circuito aberto.
A figura 4-22 mostra dois circuitos com diodos
polarizados direta e inversamente.
A ruptura da junção ocorre quando a
corrente reversa atinge um nível suficiente para
romper as ligações entre os átomos do cristal,
danificando a mesma.
O valor da tensão de ruptura é de suma
importância no projeto de circuitos utilizando
diodos polarizados inversamente. Os diodos
construídos com cristais de silício suportam
maiores tensões inversas do que os diodos de
germânio.
A ruptura da junção de um diodo pode
ser causada por vários fatores como tensão
inversa (ou avalanche) e por efeito térmico.
Ruptura por
Avalanche)
tensão
inversa
(efeito
Quando a tensão inversa atinge um valor
alto o suficiente para provocar o rompimento
das ligações entre os átomos do cristal diz-se
que a ruptura se dá por tensão inversa ou por
efeito avalanche, porque esses rompimentos
geram portadores, que por sua vez vão romper,
por choque, outras ligações e assim por diante
como numa avalanche.
Este processo de quebra e geração de
portadores diminui rapidamente a resistência da
junção aumentando bruscamente a corrente por
ela, podendo inclusive danifica-la.
Figura 4-22 Diodos polarizados inversa e direta
mente
No circuito com a polarização direta a
corrente que flui pelo circuito é uma junção da
tensão de 60 V e da tensão sobre o diodo, que é
muito pequena, pois em polarização direta o
diodo é praticamente um curto-circuito. Tem-se
então quase toda tensão (59,3 V) sobre a
resistência de 1,5 K:, restando apenas uma
pequena tensão (0,7 V) sobre o diodo. No
circuito com a polarização inversa não há
praticamente corrente fluindo, portanto não
Ruptura por efeito térmico
Como visto anteriormente, existe na
junção PN a geração de portadores minoritários
devido à temperatura.
A ruptura por efeito térmico se dá
quando os portadores minoritários provocam
uma corrente inversa que resulte numa potência
4-9
semiciclo em que está polarizado diretamente,
ou seja, durante o semiciclo em que a tensão de
anodo for maior que a de catodo, permanecendo
cortado no outro semiciclo.
A figura 4-23 apresenta um circuito com
um diodo operando em tensão alternada e
também as formas de onda de entrada e de
saída.
haverá queda de tensão sobre R. Tem-se então
toda a tensão da fonte sobre o diodo o qual pode
ser considerado um circuito aberto.
DIODO EM TENSÃO ALTERNADA
Quando polarizado com tensão alternada
o diodo retificador conduz somente durante o
Figura 4-23 Circuito retificador com tensão senoidal
Durante o semiciclo positivo de Vi (de
t0 a t1), o ponto A fica positivo em relação ao
ponto B, polarizando o diodo diretamente.
Nesta condição, o diodo é praticamente
um curto-circuito e a corrente no circuito
determina em R uma queda de tensão
proporcional à tensão entre os tempos t 0 e t 1
da tensão de entrada.
Durante o semiciclo negativo de Vi (de
t1 a t2),, o ponto A fica negativo em relação ao
ponto B, polarizando o diodo inversamente.
Nestas condições, o diodo pode ser
considerado um circuito aberto.
A ação descrita acima é chamada
retificação, e é onde o diodo tem a sua mais
importante aplicação.
Como outras aplicações do diodo
retificador podemos citar: em detectores de
pico, circuitos limitadores, circuitos de proteção
etc.
4-10
CAPÍTULO 5
FONTES DE FORÇA ELETRÔNICA
TIPOS DE FONTES DE FORÇA
Os circuitos que usam transistores,
diodos ou circuitos integrados geralmente
precisam de uma fonte de força CC para sua
operação. Existem basicamente três tipos de
fonte de força CC:
-
Pilhas e baterias
Geradores CC
Fontes de força eletrônica
As pilhas e baterias produzem tensão CC
através da ação química. Os geradores CC usam
movimento mecânico para girar um condutor
em seu campo magnético e assim produzir uma
tensão CC pulsante.
Pilhas e baterias são atualmente muito
utilizadas, pois os modernos circuitos em estado
sólido requerem potências muito baixas
comparadas com as necessárias aos antigos
equipamentos à válvula. Pilhas e baterias são
essenciais aos equipamentos portáteis e aos
equipamentos instalados em locais distantes da
energia CC.
Porém um equipamento mais potente,
nos quais o uso de pilhas ou baterias seria
impraticável, a energia CC é fornecida por uma
fonte de força eletrônica.
Uma fonte de força eletrônica é um
circuito que fornece uma tensão CC para a
operação de outros circuitos eletrônicos.
Existem as fontes eletrônicas que convertem
tensão CA em CC e as que convertem tensão
CC em CA, sendo a primeira a mais utilizada.
A energia primária para a maioria das
fontes de força eletrônica é a tensão CA de 60
Hz que encontramos nas tomadas. A fonte
converte esta tensão em tensão CC, à ser
utilizada pelos circuitos eletrônicos, de acordo
com as seguintes etapas:
-
Ajuste da amplitude da tensão CA
Retificação
Filtragem
Regulagem
A amplitude da tensão CA é ajustada
usando-se um transformador de núcleo de ferro.
5-1
Este transformador pode ser projetado para
elevar a tensão CA aplicada quando uma alta
tensão CC de saída for necessária, ou pode ser
projetado para reduzir a tensão CA quando uma
baixa tensão de saída é requerida.
Após efetuado o ajuste da amplitude da
tensão CA, a mesma é convertida em tensão
CC. Este processo é chamado de retificação.
A retificação é efetuada por diodos
retificadores que, como já sabemos, são
dispositivos que oferecem alta resistência ao
fluxo de corrente em uma direção(de catodo
para anodo) e baixa resistência no sentido
oposto (de anodo para catodo).
A tensão de saída no retificador pode ser
chamada de tensão CA retificada ou tensão CC
pulsante. Como na saída da fonte necessitamos
de uma tensão CC sem variações, um circuito
de filtro é empregado logo após o estágio
retificador. Este circuito eliminará as pulsações
existentes na saída do retificador. O filtro
normalmente consiste de um capacitor, uma
combinação de capacitores e indutores ou uma
combinação de capacitores e resistores.
A tensão obtida na saída do filtro pode
ser aplicada diretamente à carga. Porém essa
tensão poderá variar devido a variações da
tensão CA de entrada e da carga. Essas
variações poderiam prejudicar o desempenho do
circuito em operação.
Para obtermos uma tensão de saída
constante um circuito regulador é colocado
entre o estágio de filtragem e a carga. O
regulador efetua as compensações necessárias
causadas pelas variações da tensão CA de
entrada e as variações de carga, mantendo a
tensão de saída constante.
O regulador é normalmente um circuito
de controle por realimentação, composto por
transistores e outros semicondutores.
Ao utilizarmos uma pilha ou bateria
como fonte de energia a tensão fornecida pode
não ser adequada ao circuito a ser alimentado.
Neste caso é necessária uma fonte que
converta a tensão disponível na utilizável.
Essas fontes são chamadas de
conversores CC–CC. Essa conversão da tensão
CC de uma dada bateria em um valor mais alto,
implica na conversão da tensão CC da bateria
em tensão CA, através de um dispositivo de
chaveamento eletrônico.
Esta tensão é elevada ao valor desejado
por meio de um transformador.
A tensão alternada do secundário do
transformador é então retificada para a tensão
CC pulsante, filtrada e aplicada à carga através
de um regulador. Por último, existe o tipo de
fonte de força que converte energia CC em CA,
este é chamado de conversor.
Este dispositivo é necessário quando se
necessita de energia CA e só se dispõe de
baterias e pilhas como fonte de energia, ou seja,
só de energia CC. Como no caso de conversor
CC-CC a energia CC é transformada em CA,
por meio de chaveamento eletrônico, em
seguida é elevada ao valor desejado, retificada e
filtrada.
Os inversores são muito empregados em
aeronaves, onde existem equipamentos que são
alimentados com energia CA.
A figura a seguir mostra o diagrama
básico em blocos de uma fonte de força
eletrônica.
Figura 5-1 Diagrama básico de uma fonte de força eletrônica
CIRCUITOS RETIFICADORES
O retificador é aquela parte da fonte de
força que, através de diodos retificadores
converte a tensão CA do transformador em CC
pulsante.
No
retificador
os
diodos
semicondutores,
atuam
como
chaves
unidirecionais, sensíveis à polaridade e que
permitem o fluxo de corrente através da carga
em apenas uma direção.
Existem vários tipos de circuitos
retificadores como veremos a seguir.
Retificador de meia onda
No circuito retificador de meia onda
apenas um diodo é usado no processo de
retificação.
A figura 5-2 mostra o circuito retificador de
meia onda.
5-2
Figura 5-2 Circuito retificador de meia onda
Quando a polaridade da tensão no secundário polariza diretamente o diodo D, ocorre um
fluxo de corrente através de RL. Quando a
polaridade se inverte no ciclo seguinte, o diodo
é polarizado inversamente e não há fluxo de
corrente na carga como mostra a figura 5-3.
Pelas formas de onda da figura 5-3
podemos observar que durante o período de t1 a
t2, em que o diodo está conduzindo, parte da
tensão aparece através do retificador e da
resistência do secundário do transformador,
porém sua maior parte aparece sobre a
resistência de carga RL. O diodo e o secundário
do transformador apresentam uma resistência
pequena quando estão conduzindo. A queda de
tensão sobre o diodo é de aproximadamente 0,7
V, quando este está conduzindo para diodos de
silício e 0,2 V para os diodos de germânio.
diodo apresenta uma queda de tensão igual a
zero quando está diretamente polarizado e se
comporta como um circuito aberto, quando está
inversamente polarizado e o transformador tem
uma resistência de enrolamento igual a zero.
Durante os períodos t1, a t2 e t3 a t4,
toda a tensão do secundário do transformador
seria aplicada sobre a carga RL com estas
condições ideais e durante os períodos t2 a t3 e
t4 a t5, nenhuma tensão apareceria sobre RL.
O valor médio da forma de onda da
corrente ou tensão na saída do retificador de
meia onda é igual a 0,318 vezes o valor da
corrente ou tensão de pico. Esta seria a tensão
ou corrente indicada por um típico medidor CC
de D’Arsonval conectado à RL, se todos os
componentes fossem ideais. No entanto, na
prática esse valor é um pouco menor devido às
perdas no diodo e na resistência do enrolamento
secundário do transformador.
Retificador de onda completa
Figura 5-3 Formas de onda em um retificador de
meia onda
No período de t2 a t3 o diodo está
cortado pois, o ponto A no secundário do
transformador (figura 5-2) é negativo em
relação ao ponto B, o que polariza o diodo
inversamente. Nesta situação nenhuma corrente
fluirá através da carga, não havendo também
queda de tensão sobre a mesma, e toda a tensão
do secundário do transformador cairá sobre o
diodo.
No período seguinte, de t3 a t4, o diodo
conduzirá novamente e a operação será a
mesma verificada no período de t1 a t2,
analogamente, a operação de t4 a t5 será a
mesma verificada de t2 a t3. Com isso, teremos
sobre RL uma tensão que consistirá de uma
série de meias ondas senoidais de mesma
polaridade. A corrente através da carga RL será
uma série de pulsos que ocorrem na mesma
frequência da tensão CA da rede.
No circuito da figura 5-2 vemos que a
polaridade da tensão de saída através da carga é
positiva em relação à terra, porém, se o diodo
fosse invertido a saída seria negativa em relação
à terra, pois a corrente fluirá em direção oposta
à da análise anterior.
Se considerarmos o diodo e o
transformador como elementos ideais, ou seja, o
5-3
Como visto anteriormente o circuito
retificador de meia onda produz uma série de
pulsos a partir da tensão CA de entrada. Mesmo
com o uso de filtros, é difícil de se obter uma
tensão CC sem flutuações na saída do mesmo.
Um circuito retificador de onda completa utiliza
os dois semiciclos da tensão CA de entrada, de
tal modo a obter uma tensão de saída mais
estável.
Este circuito utiliza um transformador
com center-tape, dois diodos retificadores e um
resistor de carga, como mostra a figura 5-4.
Figura 5-4 Circuito retificador de onda completa
Quando o ponto A, no secundário do
transformador é positivo em relação ao ponto C,
o ponto B será negativo em relação ao mesmo.
Esta condição ocorre de t1 a t2 na figura 5-5.
Durante este período o diodo D1 conduzirá e o
diodo D2 não. A corrente será como indicado
pelas setas cheias da figura 5-4.
Note que a corrente flui somente na
metade do enrolamento do secundário do
transformador..
Durante o período de t2 a t3, o diodo D2
conduz e D1 não. A corrente é indicada pelas
setas tracejadas na figura 5-4.
A figura 5-5 mostra as formas de onda
das tensões nos pontos A, B e C.
unidirecionais, porém há o dobro de pulsos que
havia no retificador de meia onda.
Portanto, os pulsos de saída ocorrem em
uma frequência que é o dobro da de entrada.
Com isso temos que a tensão média
através do resistor de carga será o dobro da
tensão que era produzida no circuito retificador
de meia onda, ou seja, será 0,636 vezes o valor
de pico.
Um ponto importante a ser
observado no circuito é que apenas um diodo
conduz de cada vez, um no semiciclo positivo e
outro no semiciclo negativo da tensão de
entrada. O diodo que não conduz sofre uma
polarização reversa de todo enrolamento,
portanto, ambos os diodos devem ser capazes de
suportar esta tensão para garantir o bom
funcionamento do circuito.
Retificado em ponte
Figura 5-5 Formas de onda em um retificador de
onda completa
Vemos na figura 5-5 que a tensão
CC através da carga é uma série de pulsos
Um retificador em ponte é um circuito
formado por quatro diodos conectados de tal
forma que é desnecessário o uso de um
transformador com center-tape. Com essa
configuração obtem-se a retificação de onda
completa com um enrolamento simples de
secundário. A figura 5-6 mostra o circuito
retificador em ponte.
Figura 5-6 Circuito retificador em ponte
No instante em que temos Ep positivo,
ou seja o ponto 1 positivo em relação ao ponto
2, os diodos D2 e D4 conduzem (ficam em
série) pois, as tensões que aparecem sobre eles
propiciam um efeito como é mostrado na figura
5-7.
Estes diodos conduzindo farão com que
circule uma corrente no circuito, no sentido
indicado pelas setas cheias na figura 5-6.
5-4
Figura 5-7 Polarização de D2 e D4 no semiciclo
positivo da tensão de entrada
Quando Ep inverte a polarização, o
ponto 1 será negativo em relação ao ponto 2,
devido a estes potenciais os diodos D1 e D3
conduzem (ficam em série) como mostra a
figura 5-8.
diodos D2 e D4 será a mesma tensão que
aparece no secundário do transformador, e a
mesma na carga.
Figura 5-8 Polarização de D1 e D3 no semiciclo
negativo da tensão de entrada
Uma vez conduzindo, os diodos D1 e D3
propiciarão a circulação de uma corrente cujo
sentido é o indicado pelas setas tracejadas na
figura 5-6.
É fácil verificar que mesmo Vs mudando
de polaridade a corrente na carga circula sempre
no mesmo sentido, isto quer dizer que a corrente
I1 possue somente uma polaridade, ou seja, esta
corrente é contínua pulsante e conseqüentemente a tensão sobre a carga também o será.
A figura 5-9 mostra as formas de onda
no retificador em ponte.
Figura 5-10 Esquema equivalente do circuito
em ponte no semiciclo positivo da
tensão de entrada
Logo, pode-se concluir que a tensão de
pico reversa sobre os diodos terá o mesmo valor
da tensão máxima fornecida pelo secundário do
transformador.
FILTROS
Como vimos, a saída de qualquer
circuito retificador a diodos é uma corrente CC
pulsante. Este tipo de corrente é inadequado
para alimentar a maioria dos circuitos
eletrônicos, os quais geralmente requerem uma
tensão CC constante para funcionar.
Numa fonte de força eletrônica, é usado
um circuito de filtro para converter a onda CC
pulsante em uma onda CC pura. A seguir
veremos a definição de Ripple e os filtros mais
comumente usados bem como o seu
dimensionamento.
Fator de Ripple
Figura 5-9 Formas de onda da tensão de saída
no retificador em ponte
Quando os diodos D2 e D4 conduzem,
os diodos D1, D3, o secundário do
transformador e a carga R1 estão em paralelo.
Desta maneira o circuito comporta-se como
mostra o esquema da figura 5-10.
Da maneira que os diodos D1 e D3 se
encontram na figura 5-10, eles estão polarizados
inversamente e a tensão máxima que ficará
sobre eles é a tensão máxima fornecida pelo
secundário do transformador.
A tensão na carga também será igual à
tensão Vs. Analogamente, quando a tensão Vs
muda de polaridade, a tensão reversa sobre os
5-5
A saída CC pulsante produzida pelos
circuitos retificadores é uma forma de onda
complexa que pode ser dividida em
componentes CA e CC.
A finalidade do filtro é remover a
componente CA que é chamada de ondulação
ou ripple.
Figura 5-11 Forma de onda de saída de um
retificador de meia onda
A figura 5-11 mostra a forma de onda
CC pulsante da saída do retificador de meia
onda.
A tensão CC média é 0,318 vezes o
valor de pico da tensão de entrada CA. O ripple
ou correspondente CA, é indicado pelas áreas
sombreadas abaixo e acima da média CC.
Podemos considerar o ripple como
sendo uma forma de onda não senoidal
sobreposta ao nível médio CC. Note que se a
fonte de força opera com uma tensão de linha
cuja frequência é 60 Hz, a frequência de
oscilação do retificador de meia onda é 60 Hz.
Portanto, o período de oscilação é igual
1
a
0,01667 segundos ou 16,67 milisegundos
60
A forma de onda da tensão de saída em
um retificador de onda completa é mostrada na
figura 5-12.
Figura 5-12 Forma de onda de saída de um retificador de onda completa
Pela figura podemos observar que no
retificador de onda completa a média CC de
saída é o dobro da de um retificador de meia
onda ou seja, 0,636 Ep. Isso se deve ao fato de
termos mais um pulso CC de saída por ciclo de
entrada.
Novamente podemos considerar a
ondulação como sendo um sinal não senoidal
sobreposto ao nível CC médio.
O valor pico-a-pico da ondulação é igual
a Ep, entretanto, a frequência de ondulação é de
120 Hz, quando a frequência da tensão da linha
é de 60 Hz.
O período de oscilação é, portanto igual
1
0,00833 ou 8,33 ms. O filtro reduzirá a
a
120
amplitude pico-a-pico da ondulação e
aumentará a tensão média CC de saída.
O filtro mais simples e também mais
comumente empregado é o filtro a capacitor,
que consiste de um capacitor ligado diretamente
à carga RL tanto no retificador de meia onda
como no de onda completa.
A figura 5-13 mostra o filtro a capacitor.
5-6
Figura 5-13 Filtro a capacitor
As formas de onda de um circuito
retificador com filtro são mostradas na figura 514.
Figura 5-14 Forma de onda de tensão num
circuito retificador com filtro
Na figura 5-14 vemos a tensão do
secundário do transformador bem como a tensão
de saída da fonte de força EL. Inicialmente o
capacitor C está descarregado, porém quando
nele é aplicada a energia, se carrega
rapidamente com o valor da tensão de pico do
secundário durante o período de condução do
diodo. Sempre que a tensão do secundário
excede a tensão de carga do capacitor o diodo
conduz.
Quando a tensão do secundário cai
abaixo do valor da carga do capacitor, o diodo
fica polarizado inversamente e não conduz, com
isso o capacitor se descarrega através da
resistência RL. Se a constante de tempo RC do
capacitor for suficientemente grande, a
quantidade de energia que o capacitor
descarregará durante os picos da tensão CA será
pequena.
Como resultado teremos uma tensão CC
na saída aproximadamente constante. O
capacitor reduz bastante a ondulação bem como
aumenta a tensão média nos terminais de saída.
A tensão CC de saída se aproxima do valor de
pico do secundário. A redução na ondulação é
proporcional ao tamanho do capacitor. Quanto
maior a capacitância, menor será a descarga do
capacitor durante o tempo em que o diodo não
conduzir. O processo de filtragem da tensão de
saída do retificador de onda completa é idêntico
ao usado no retificador de meia onda, entretanto
no retificador de onda completa o capacitor de
filtro tem um tempo de descarga menor, antes
de ser carregado novamente, visto que neste
circuito cada semiciclo da entrada CA produz
um pulso através da carga.
No circuito de meia onda, o tempo de
descarga é aproximadamente igual a um período
completo da onda senoidal de entrada, ou seja,
aproximadamente 16 ms, para uma entrada CA
de 60 Hz.
Com isso temos que no circuito
retificador de onda completa, para a mesma
carga, o mesmo capacitor de filtro e tensão de
entrada, a ondulação será muito menor e a
tensão média CC de saída maior do que no
retificador de meia onda. A figura 5-15 mostra a
saída do retificador de onda completa com
filtro.
Figura 5-15 Saída do retificador de onda
completa com filtro
Teoria de
capacitor
funcionamento
do
filtro
a
Um método de analisar o funcionamento
do filtro é considerar as variações de corrente e
tensão em relação ao tempo.
A figura 5-16 mostra um circuito
equivalente simplificado de um retificador de
meia onda com filtro capacitivo.
Neste esquema simplificado, a fonte CA
é representada por um gerador e sua resistência
interna RS, o diodo é representado por uma
chave S que é sensível à polaridade e o
capacitor C é o filtro através da carga RL.
Figura 5-16 Circuito equivalente de um retificador de meia onda
Quando a polaridade do sinal CA for a
apresentada na figura 5-16a, o diodo conduzirá
e atuará como uma chave fechada. Tem-se então
corrente circulando que fará com que o
capacitor se carregue com a polaridade
indicada. Durante o semiciclo seguinte, a
polaridade se inverte e o diodo fica polarizado
inversamente, podendo ser considerado como
uma chave aberta, como mostrado na figura 516b. Nesse período o capacitor se descarrega
através da carga RL. No circuito de carga, o
capacitor se carrega de Rs para o pico da tensão
aplicada. Como Rs é muito pequena, o capacitor
se carrega rapidamente. Durante o semiciclo
5-7
seguinte, quando o diodo não conduz, o
capacitor se descarrega através da carga.
Como a resistência de carga RL é muito
maior que Rs, na descarga a constante de tempo
é maior. Para melhor filtragem e mínima
ondulação, a constante de tempo de descarga
deve ser grande. Este grande tempo de descarga
pode ser conseguido com um alto valor de
capacitância e resistência, portanto o capacitor
deve ser o maior possível.
Com isso a constante de tempo RC será
grande o bastante para tornar mínima a descarga
do capacitor, durante os períodos em que o
diodo não conduzir.
Cálculo do capacitor de filtro
Embora filtros mais complexos possam
ser construídos, para a maioria das aplicações, o
simples capacitor de filtro é mais adequado para
atender a filtragem requerida.
As relações entre corrente de carga,
tensão de ondulação, valor do capacitor e tempo
de descarga, podem ser formulados através de
uma simples equação, que é apresentada a
seguir:
C
Ixt
ER
onde:
C = Valor do capacitor de filtro em Farads
I = Corrente CC, na carga, em ampères
t= Período da tensão de ondulação CA, em
segundos
ER= Máxima tensão de ondulação pico-apico permitida, em volts.
Para determinarmos I, devemos
conhecer o valor da resistência de carga e a
tensão CC de saída desejada. O tempo t é o
período de descarga do capacitor de filtro e é
igual ao período de ondulação CA.
Nos circuitos retificadores de meia onda,
a frequência de oscilação é de 60 Hz, tornando t
= 0,01667 s.
Nos circuitos retificadores de onda
completa, a frequência de oscilação é de 120
Hz tornando t = 0,00833 s.
Na prática deve-se usar um capacitor de
valor um pouco superior a esse.
Um outro fator importante a ser
considerado na utilização do capacitor de filtro
é a tensão de operação do mesmo. Os
capacitores em sua maioria são projetados para
operarem com tensão abaixo de um limite
máximo.
Quando escolhermos a especificação da
tensão máxima do capacitor, devemos ter
certeza que ela é maior que a tensão de saída da
fonte de força. Geralmente é aconselhável
deixarmos uma faixa de segurança de 20 %.
O tipo de capacitor mais comumente
usado em filtros é o eletrolítico de alumínio.
Porém para aplicações em pequenas correntes,
algumas vezes são usados capacitores de
tântalum.
Tanto os capacitores eletrolíticos como
os de tântalum, são capacitores polarizados e
devem ser conectados no circuito com a
polaridade correta, para que funcionem
adequadamente.
Filtros LC e RC
Embora o filtro a capacitor seja o mais
simples, pode-se melhorar a filtragem usando-se
indutores (Choques) e resistores em combinação
com ele.
Um choque pode reduzir muito a
amplitude de ondulação, visto que ele se opõe
às variações de corrente através dele.
A figura 5-17 mostra um filtro típico
com choque de entrada.
Exemplo: Considere uma fonte de força com
retificador de onda completa, que tenha
uma tensão CC de saída igual a 5 V,
sendo a máxima ondulação pico-a-pico
permitida de 1 %. A corrente de carga é
200 mA. Qual o valor mínimo do
capacitor a ser usado?
I = 0,2 A
t = 0,00833 s
ER= 0,01 x 5 = 0,05 V
C=
It
ER
0,2 x 0,00833
0,05
Figura 5-17 Filtro típico com choque de entrada
0,0333 Farads
C = 33,33 MF
5-8
Para a mesma carga e mesmo retificador,
este circuito proporciona maior tensão de saída
e ondulação (ripple) mais baixa.
Os choques de filtro consistem de um
enrolamento feito sobre um núcleo de ferro
laminado. Em conseqüência, os choques são
grandes, pesados e caros, o que os tornam
geralmente incompatíveis com os circuitos de
estado sólido, que são pequenos e leves.
Pode-se também melhorar a qualidade
da filtragem usando-se resistores associados a
capacitores.
Usando-se resistores no lugar do choque
no circuito(figura 5-17), a tensão de ondulação
de saída pode ser reduzida a um valor menor
que aquele obtido com apenas um capacitor.
Quanto maior o valor do resistor, menor
a tensão de ondulação, porém, uma certa
quantidade da tensão produzida pela fonte cai
sobre esses resistores, o que reduz a tensão
disponível na saída.
TIPOS
DE
PROTEÇÃO
SOBRECARGA
CONTRA
A sobrecarga é uma das condições
anormais mais comuns de ocorrer no emprego
de fontes de força. Ela pode ser resultado de um
curto-circuito nos terminais da fonte ou mesmo
devido ao mau funcionamento de algum
componente do circuito. O método mais usado
para proteger as fontes de força contra
sobrecarga é o emprego de fusíveis, que é um
elemento sensível à corrente, ou seja, ele se abre
quando a corrente que o atravessa excede um
valor específico.
Fusíveis
Como vimos, o fusível é um elemento
dimensionado para proteger o circuito contra
uma corrente exclusiva. Ele consiste de um
dispositivo condutor conectado em série com o
circuito ao qual deverá proteger. Caso a corrente
no circuito exceda a um valor pré-determinado
para o fusível, o mesmo se romperá,
interrompendo o fluxo de corrente. Durante o
funcionamento normal, enquanto a corrente
estiver abaixo da especificação do fusível, o
mesmo simplesmente atuará como um resistor
de valor muito baixo.
Um ponto a ser considerado é que os
fusíveis não se abrem, ou se queimam
exatamente no instante em que a corrente
excede o valor especificado. Esse tempo de
rompimento dependerá da magnitude e da
duração da sobrecarga. Se a corrente através do
fusível exceder a sua especificação apenas
ligeiramente, ele levará muito tempo até se
aquecer, fundir e se romper.
5-9
Porém, se a sobrecarga é muito maior
que o valor especificado para o fusível, seu
aquecimento e queima serão rápidos. Quanto à
velocidade os fusíveis são disponíveis em três
faixas: ação retardada, retardo médio e alta
velocidade.
Os fusíveis de ação retardada são
dimensionados para circuitos que algumas vezes
devem suportar sobrecargas de 200 a 400%
acima da corrente nominal. Se essa sobrecarga
durar menos de 10 segundos, esse tipo de
fusível a suportará sem abrir.
Os fusíveis de ação retardada têm sua
maior aplicação em circuitos que são
submetidos a sobrecargas temporárias, tais
como: circuito de partida de motores e circuitos
de carga de capacitores.
Os fusíveis de retardo médio são
geralmente usados em circuitos que podem
suportar uma sobrecarga superior a 200% do
valor especificado, por cerca de um segundo.
Esses fusíveis são usados em aplicações onde os
componentes a serem protegidos poderão ser,
ocasionalmente, submetidos a uma corrente
ligeiramente superior ao valor máximo de
operação, sem se danificarem.
Os fusíveis de retardo médio se abrirão
em poucos segundos mediante sobrecargas de
100 a 200% do valor nominal. Os fusíveis de
ação rápida são projetados para abrir muito
rapidamente, mesmo com sobrecargas bem
pequenas. São geralmente empregados na
proteção de circuitos delicados ou críticos.
Numa fonte de força a principal
aplicação do fusível é na proteção do
transformador de força e dos diodos
semicondutores. Os fusíveis para a proteção do
transformador de força são conectados no
circuito do enrolamento primário. Usa-se
normalmente o de retardo médio. Qualquer
sobrecarga no secundário será refletida como
um aumento de corrente no primário e se não
forem removidas poderão danificar o
transformador.
Se a corrente de carga for excessiva, ou
se o capacitor de filtro entrar em curto, por
exemplo, pode-se usar um fusível para efetuar a
proteção apenas dos diodos retificadores.
Esse fusível é de ação rápida e é
conectado em série com a saída do circuito
retificador.
A figura 5-18 mostra a fonte de força
com os dois diodos de proteção.
Figura 5-18 Fonte de força com diodos de proteção
No cálculo do fusível a ser utilizado,
podemos adotar uma das fórmulas abaixo e
adquirir o valor padrão imediatamente superior
do encontrado.
Para o fusível de retardo médio:
Máxima corrente permitida
0,75
Para o fusível de ação retardada:
Máxima corrente permitida
0,85
Disjuntores (Circuit Breakers)
Disjuntores são dispositivos usados para
proteção de circuitos. Quando há uma
sobrecarga no circuito o disjuntor se abre
interrompendo o mesmo. A diferença entre o
disjuntor e o fusível é que o primeiro pode ser
rearmado mecanicamente, isto é o disjuntor não
se queima, ele se desarma.
5-10
Os disjuntores podem ser acionados
(desarmados) por magnetismo ou por efeito
térmico. Normalmente é por efeito térmico.
Os disjuntores ou circuit breakers têm
grande aplicação na aeronáutica. Na linha de
alimentação elétrica das aeronaves geralmente
cada equipamento possui seu circuit breaker
correspondente.
Quando houver o desarme de um
disjuntor, o mecânico ou o piloto poderá
verificar se existe alguma anormalidade no
circuito e, se nada for constatado, o dispositivo
poderá ser rearmado. No caso de novo desarme,
a existência de defeito está comprovada,
exigindo assim uma pesquisa mais detalhada no
circuito.
A figura 5-19 mostra os símbolos usados
na representação dos disjuntores.
Figura 5-19 Simbologia dos disjuntores
CAPÍTULO 6
TRANSISTOR DE JUNÇÃO
Os átomos ionizados com cargas
diferentes (negativos na região P, porque
recebem elétrons, e positivos na região N,
porque doavam elétrons), formam um campo
eletrostático que paralisa o processo de difusão.
A difusão é o movimento de portadores
numa área, onde estão mais concentrados, para
uma região onde sua concentração é menor.
INTRODUÇÃO
Com a compreensão da constituição e
comportamento dos elementos semicondutores,
os cientistas a partir de 1948, conseguiram
construir um dispositivo que podia executar a
função de uma válvula eletrônica, como
amplificador de corrente. Este dispositivo foi
determinado transistor.
Dos primeiros transistores cujas
características eram bastante limitadas, até os
atuais circuitos integrados, que englobam
dezenas ou centenas de diferentes dispositivos
num minúsculo sólido, o avanço tecnológico foi
muito grande.
Figura 6-2 Barreiras de potencial num transistor
PNP
FORMAÇÃO DAS JUNÇÕES PNP E NPN
Um transistor de junção consiste em um
cristal de silício ou de germânio no qual existe
uma camada de silício do tipo N entre duas
camadas de silício do tipo P, ou uma camada P
entre duas camadas N. No primeiro caso
teremos um transistor chamado PNP e, no
segundo, um transistor NPN, como mostra a
figura 6-1.
A figura 6-3 mostra a simbologia usada
na representação dos transistores PNP e NPN.
Figura 6-3 Símbolos dos transistores
Na representação simbólica do transistor,
a seta identifica o emissor, que é o elemento que
emite portadores. O elemento oposto ao emissor
é chamado coletor,pois recebe os portadores
enviados
pelo
emissor.
O
elemento
intermediário é denominado base.
A base controla o fluxo de portadores
entre o emissor e o coletor. A seta sempre
aponta para o elemento negativo. Assim, se a
seta apontar para o emissor, neste caso negativo,
teremos um transistor NPN. Se a seta apontar
para a base, o coletor e o emissor serão do tipo
P, teremos então um transistor tipo PNP.
Figura 6-1 Transistores PNP e NPN
Com a formação das três regiões,
aparecem
automaticamente
duas
outras
pequenas regiões internas, já conhecidas como
barreira de potencial ou região de depleção.
As barreiras de potencial são campos
eletrostáticos formados nas linhas de junção, da
seguinte maneira: na figura 6-2, os elementos P
possuem grande quantidade de portadores
positivos e o elemento N grande quantidade de
portadores negativos. A difusão de elétrons da
região N e lacunas das regiões P resultam em
recombinações nas linhas das junções,
ionizando os átomos das impurezas.
Polarização do transistor NPN
O transistor só irá funcionar corretamente se tiver uma polarização adequada.
Quando ligamos uma bateria na junção
base-emissor, como mostra a figura 6-4,
observamos que corresponde a uma polarização
direta.
6-1
divide em dois ramais uma que vai para o
terminal da base (IB) e outra que vai para o
coletor (IC), temos que: IE = IB + IC.
Apesar da polarização inversa entre base
e coletor, o valor da corrente do coletor é muito
superior ao da corrente que fluía quando o
transistor era polarizado isoladamente. Nesta
situação IC é aproximadamente 98% de IE , com
isso podemos concluir que a quantidade de
corrente IC depende da polarização direta entre
base e emissor. Este fenômeno pode ser
entendido analisando-se a figura 6-7.
Figura 6-4 Transistor NPN em polarização
direta
Dessa maneira fluirá então uma corrente
através da baixa resistência da junção emissorbase.
Se aplicarmos tensão através da segunda
junção, como mostrado na figura 6-5, fluirá uma
corrente muito pequena através da resistência da
junção base-coletor, pois a polarização é
inversa.
Figura 6-7 Portadores em movimento no
transistor NPN
Os elétrons na região do emissor são
repelidos pelo potencial negativo da fonte em
direção à base, passando com facilidade pela
junção base-emissor, pois a mesma está
polarizada diretamente apresentando assim uma
baixa resistência.
Alguns elétrons se recombinam com as
lacunas existentes na base, formando a corrente
de base.
Como o número de lacunas na base é
inferior ao número de elétrons que nela
penetram, e também devido ao fato da base ter
dimensões muito reduzidas, a maioria dos
elétrons atinge a junção base-coletor.
Esses elétrons que estão sendo atraídos
pelo potencial positivo do coletor ultrapassam a
junção base-coletor, chegando ao terminal
positivo da fonte.
Este movimento de elétrons nos
elementos do transistor constituem as correntes
elétricas através do mesmo.
Figura 6-5 Transistor NPN em polarização
inversa
Esta pequena corrente, que é causada
pelos portadores minoritários, é chamada de
corrente de fuga.
Consideramos até agora as duas junções
polarizadas separadamente. A seguir veremos o
comportamento do transistor quando nele
aplicamos as duas tensões ao mesmo tempo.
Polarização de um transistor PNP
Figura 6-6 Transistor NPN polarizado
A análise da polarização do transistor
PNP é análoga ao do NPN, entretanto, para que
a junção emissor-base seja polarizada
diretamente e a junção base-coletor inversa-
Analisando a figura 6-6, podemos ver
que a corrente que passa pelo emissor (IE) se
6-2
mente, é necessário mudar as polaridades das
fontes, com relação às usadas no transistor
NPN.
Estas polaridades estão apresentadas na figura
6-8.
GANHOS
E
TRANSISTOR
AMPLIFICAÇÃO
DO
Cada uma das junções de um transistor
apresenta uma queda de tensão, que é
denominada conforme a junção. Temos então:
VBE ou VEB = tensão entre base e emissor
VBC ou VCB = tensão entre base e coletor
VCE ou VEC = tensão entre coletor e emissor
A maioria deles é VCE. Podemos dizer
que VCE é a soma das outras duas, ou seja: VCE
= VBE + VBC. Podemos também medir a tensão
de um elemento qualquer do transistor em
relação à terra. Neste caso temos então:
Figura 6-8 Portadores no transistor PNP
As lacunas da região do emissor, que são
repelidas pelo potencial positivo da fonte em
direção à base, ultrapassam a junção emissorbase com facilidade, pois a mesma está
polarizada diretamente e sua resistência é baixa.
Novamente algumas destas lacunas se
recombinam com os elétrons existentes na base,
constituindo a corrente da base IB.
Devido ao baixo número de elétrons
existentes na base, a maioria das lacunas que
nela penetram alcançam a junção base-coletor.
Estas lacunas que estão sendo atraídas pelo
potencial negativo do coletor ultrapassam a
junção base-coletor, chegando ao terminal
negativo da fonte.
Portanto enquanto o potencial positivo
retira elétrons do emissor, o potencial negativo
fornece elétrons ao coletor.
VB = tensão entre base e terra
VE = tensão entre emissor e terra
VC = tensão entre coletor e terra
Estes termos são aplicados à qualquer
tipo de transistor em qualquer configuração.
Tipos de configuração
O transistor pode ser ligado em um
circuito de três formas distintas: base comum,
emissor comum ou coletor comum. O nome da
configuração é referenciado ao elemento do
transistor que é comum aos circuitos de entrada
e de saída. A figura 6-9 mostra um transistor
NPN nas três configurações, respectivamente:
base comum, emissor comum e coletor comum.
Vin
Vin
Figura 6-9 Transistores nas configurações BC, EC e CC
tensão ou corrente de saída deve ser maior que a
tensão ou corrente de entrada.
Normalmente o maior interesse é saber
os ganhos referentes à corrente alternada, mas
iniciaremos com exemplos do ganho com
corrente contínua.
Consideremos
o
transistor
na
configuração mostrada na figura 6-10.
Cada configuração apresente vantagens e
desvantagens que irão determinar a sua
aplicação.
Ganhos do transistor
Como a principal função do transistor é
amplificar sinais o mesmo deve apresentar um
“ganho” de tensão e de corrente, ou seja, a
6-3
Com os dados obtidos no exemplo
anterior podemos calcular o ganho de potência
Gp:
Gp =
Figura 6-10 Transistor na configuração base
comum
Corrente de saída
Corrente de entrada
IC
IE
9,8
0,98
10
Neste caso, o circuito não apresenta
ganho de corrente, ou seja há perda de corrente
no circuito porque a corrente de saída é menor
que a corrente de entrada.
O ganho de tensão é a relação entre a
tensão de saída Vo e a tensão de entrada Vi ou
seja:
Vo
Gv =
Vi
Vo é o produto da corrente de saída (Ic)
e a resistência de saída (Ro).
A Ro, que é a junção base-coletor
polarizada inversamente, é de valor elevado.
A Vi é o produto da corrente de entrada
(IE) e a resistência de entrada (Ri).
A Ri que é a junção base-emissor
polarizada diretamente é de valor baixo.
Para o mesmo circuito de figura 6-10
suponhamos Ro = 10 K e Ri = 30 :. Temos
então que:
Ganho de corrente = Gi =
Gi =
Gp
Gi
AMPLIFICADOR EM CONFIGURAÇÃO
EMISSOR COMUM
Vo = Ic x Ro = 9,8 mA x 10 K = 98 V
Vo
Vi
Gp
e Gv
Gv
Como os ganhos podem ser estáticos (referentes a corrente contínua) e dinâmicos (referentes a corrente alternada), usa-se a letra
maiúscula para diferencia-los.
Os ganhos estáticos são identificados
pela letra “G” e os dinâmicos pela letra “A”.
Os ganhos de corrente também podem
ser representados por uma letra grega que
também serve para identificar a configuração do
transdutor. A letra “D” (alfa) é usada na
configuração base comum, a letra “E” (beta) é
usada em emissor comum e a letra “J” (gama) é
usada em coletor comum.
Vi = IE x Ri = 10 mA x 30 : = 0,3 V
Gv =
98 x 9,8 mA
0,3 x 10 mA
960,4
320,2
3
Como podemos ver, apesar de não
termos obtido ganho de corrente, os ganhos de
tensão e de potência foram altos.
Esses ganhos são provocados pela
passagem de corrente de uma junção de baixa
resistência (base-emissor) para outra de alta
resistência (base-coletor).
Concluímos também que se soubermos
os valores de dois ganhos de um determinado
transistor, o outro ganho pode ser calculado de
forma simples e direta.
Uma vez que Gp = Gv x Gi como
consequência teremos:
Com os valores atribuídos para IE e IC
=
Vo x Ic
Vi x I E
=
temos:
Ganho de corrente =
Po
Pi
No circuito do amplificador na
configuração emissor comum o sinal de entrada
é aplicado entre o emissor e a base e o sinal de
saída é retirado entre o coletor e o emissor, ou
seja o emissor é o elemento comum à entrada e
à saída do circuito.
A figura 6-11 mostra o amplificador na
configuração emissor comum.
98
# 327
0,3
O ganho de potência Gp é a relação entre
a potência de saída (Po) e a potência de entrada
(Pi). A Po é o produto da tensão Vo e a corrente
Ic. A Pi é o produto da tensão Vi e a corrente IE.
6-4
Figura
6-11
Ampliador em
emissor comum
O valor da corrente direta base-emissor
(IB), depende dos valores de RB e da própria
tensão da fonte VBB.
O valor da corrente IC depende
praticamente do valor da corrente IB.
Geralmente o circuito é polarizado para
termos uma corrente média de base, em
consequência a corrente do coletor também será
média.
Essas correntes médias se estabelecem
no circuito tensões VBE e VCE constantes como
mostrado na figura 6-13.
configuração
Analisando o circuito, vemos que
a junção base-emissor está polarizada
diretamente e a junção base-coletor, inversamente.
Devido a esta polarização, o circuito de
entrada apresenta uma baixa resistência e o
circuito de saída uma alta resistência. A
resistência de base RB tem por finalidade limitar
a corrente no circuito de base-emissor no valor
desejado.
O resistor no circuito do coletor serve
para obter variações de VCE com as variações de
Ic, desenvolvendo no circuito de saída uma
variação de VCE dependente da variação da
tensão do sinal de entrada.
Descrição do funcionamento
O circuito da figura 6-12 refere-se a um
ampliador em emissor comum, com transistor
PNP.
O coletor é alimentado pela tensão Vcc,
através de RL e, através de RB, VBB polariza
diretamente a junção base-emissor.
Figura 6-13 Tensões VBE e VCE no transistor
PNP em configuração EC
Figura 6-12 Transistor PNP, em configuração
emissor comum
Se a corrente de base aumentar ou
diminuir a corrente do coletor, as tensões VRL e
VCE também sofrerão variações proporcionais à
estas.
Estas variações nas correntes e tensões
do circuito podem ser causadas por um sinal
senoidal aplicado à entrada do mesmo.
Faremos a seguir um estudo do comportamento do circuito emissor comum, com um
sinal senoidal aplicado entre a base e o emissor.
A figura 6-14 mostra um ampliador
emissor comum com transistor PNP e os
respectivos gráficos dos sinais de entrada e de
saída.
6-5
Figura 6-14 Amplificador emissor comum com sinais de entrada e de saída
variando do máximo até zero. A tensão VCE
tende a aumentar negativamente, devido a
diminuição de VBE, que por sua vez tende a
diminuir a IB e a IC. Com isso a queda da tensão
em RL também diminui.
Observando os gráficos de entrada e de
saída na figura 6-14, na configuração emissor
comum vemos que entre eles existe uma
defasagem de 180o. O funcionamento desse
ampliador, tal como o de base comum, é
caracterizado pela variação da corrente no
circuito de base-emissor que produz uma
variação de corrente e tensão no circuito coletor.
Estas variações, plotadas em gráficos,
representam as curvas características de entrada
e de saída de um transistor. Normalmente estas
e também outras curvas características são
fornecidas pelo fabricante do componente.
Admitamos que no instante inicial o
sinal senoidal aplicado ao circuito de base
aumente de zero a um máximo positivo, como
aparece na figura 6-14, no período de t0 a t1.
Como o circuito utiliza um transistor
PNP, o sinal positivo crescente, aplicado na
base, diminui a polarização direta base-emissor
(VBE), diminuindo a corrente de base (IB). A
diminuição de IB provoca a diminuição de IC e
da queda de tensão em RL. Com a diminuição da
tensão em RL, há um aumento da tensão
negativa entre o coletor e o emissor (VCE) como
mostra o gráfico de saída na figura 6-14.
Quando a tensão de entrada do circuito
diminuir do máximo positivo para zero, isto é,
entre os tempos t1 e t2, a polarização direta
aumenta proporcionalmente, aumentando IB e
consequentemente IC. Com o aumento de IC, a
queda de tensão em RL também aumenta. Com o
aumento da tensão em RL, a VCE diminui como
mostrado no gráfico da tensão de saída na figura
6-14 entre os tempos t1 e t2.
A variação da tensão de entrada entre os
tempos t2 e t3 continuará a aumentar a
polarização direta, diminuindo mais a VCE,
como também pode ser visto no gráfico da
tensão de saída na figura 6-14.
Entre os tempos t3 e t4, no gráfico do
sinal de entrada, a tensão é negativa e está
CURVAS
CARACTERÍSTICAS
DO
AMPLIFICADOR EM EMISSOR COMUM
Curva característica de entrada
Como vimos, a curva característica de
entrada de um transistor em configuração
emissor comum é traçada em função das
variações da VBE e IB, com determinada VCE de
valor constante.
Figura 6-15 Circuito e curva característica de entrada do emissor comum
6-6
Observando o circuito da figura 6-15
vemos que as variações de IB e VBE podem ser
conseguidas através da atuação de um
potenciômetro conectado à base do transistor.
Com a variação do cursor do
potenciômetro P1, haverá variação da VBE e de
IB. Variando-se a IB a partir de 0 µA, passo-apasso, observam-se as variações de VBE
correspondentes.
Com os dados obtidos, plota-se um
gráfico semelhante ao da figura 6-15. Através
dos gráficos das curvas de entrada do
amplificador, podemos obter dados para o
cálculo da polarização de base, da resistência de
base etc.
A resistência de entrada pode ser obtida
em função de uma dada variação de IB e de sua
correspondente variação de VBE da seguinte
maneira:
Ri =
No amplificador em configuração
emissor comum o valor da Ri é geralmente
baixo, porém maior que o valor da Ri do
circuito em base comum.
O resistor de base RB no circuito da
figura 6-15 tem a função de limitar a
corrente de base em um determinado valor.
O cálculo de RB pode ser feito da seguinte
forma:
RB =
VBB VBE
IB
Curva característica de saída
As características de saída do
amplificador em emissor comum, com
relação a tensões e correntes são obtidas
com um circuito semelhante ao da figura 616.
' VBE
'IB
Figura 6-16 Circuito para levantamento da curva característica de saída do amplificador em emissor
comum
Com o valor de IB ajustado e mantido
constante, varia-se a tensão VCE passo-a-passo,
anotando-se as variações de IC.
Com os dados obtidos das variações de
IC para cada variação da VCE, pode-se traçar a
curva de saída para a IB usada.
Por exemplo, podemos apresentar uma
curva com IB igual a zero e em seguida com IB =
20 µA.
Com a IB ajustada para zero, aumenta-se
a VCE de zero até 10 V, anotando-se as
variações de IC em cada lance de variação da
VCE, que pode ser de 1 em 1 Volt.
Plotando-se em um gráfico as variações
de VCE e IC com IB igual a zero e interligando os
pontos marcados, teremos
semelhante à da figura 6-17.
uma
curva
00 µA
µA
Figura 6-17 Variações de VCE e IC com IB
igual a zero
6-7
Em seguida, ajustando-se a IB para 20
µA, varia-se novamente a tensão VCE de zero a
10 V anotando-se as correspondentes variações
de IC.
Com os dados obtidos plota-se no
gráfico a curva característica correspondente às
variações de IC e VCE com IB igual a 20 µA. Essa
curva é mostrada na figura 6-18.
GANHOS
DO
TRANSISTOR
EMISSOR COMUM
EM
Ganho de corrente
O ganho de corrente de um amplificador
é a relação entre a corrente de entrada e a
corrente de saída, ou seja, entre IB e IC. Como a
corrente IC é bem maior que a corrente IB, o
transistor terá um alto ganho de corrente na
configuração emissor comum. Para designar o
ganho de corrente usa-se a letra grega “beta”ȕ”e
o mesmo é determinado pela fórmula:
20 µA
0 µA
ȕ=
' IC
, com VCE constante.
' IB
Os valores de IB e IC podem ser
encontrados no gráfico de curvas características
do transistor, como mostra a figura 6-19.
Figura 6-18 Variações de VCE e IC com IB igual
a 20 µA
Figura 6-19 Curvas características de ganho de corrente do transistor
Para encontrarmos os dados em curvas
para o cálculo de corrente, traça-se primeiro
uma perpendicular ao eixo VCE, por exemplo, 10
V, como na figura 6-19. A seguir verifica-se a
variação de IC para uma determinada variação
de IB.
Na figura 6-19, vemos que uma variação
de 20 a 25 µA na IB irá produzir na IC uma
variação de 12,5 mA. Neste caso, o ganho de
corrente será:
ȕ=
' IC
' IB
15 12,5 mA
25 20 PA
Ganho de tensão
Um transistor na configuração emissor
comum apresenta um alto grau de tensão. O
ganho de tensão, analogamente ao ganho de
corrente, é a relação entre a tensão de saída e a
tensão de entrada, ou seja:
Gv =
Vo
Vi
Para calcular o ganho de tensão
podemos usar ainda a seguinte expressão:
500
6-8
Gv = E x
Ro
Ri
Ro
é chamado de ganho de resistência,
Ri
pois consiste da relação entre a resistência de
saída e a resistência de entrada.
Onde
Ganho de potência
Geralmente, o ganho de potência nos
circuitos em configuração emissor comum é
muito alto.
O ganho de potência é o produto do
ganho de corrente (ȕ) pelo ganho de tensão (Gv)
GP = ȕ x Gv
CARACTERÍSTICAS
ESTÁTICAS
E
DINÂMICAS DE UM AMPLIFICADOR
EM EMISSOR COMUM
Figura 6-20 Curva característica com reta de
carga para o amplificador na
configuração emissor comum
O ponto de operação de um transmissor
é também denominado por ponto de trabalho ou
ponto quiescente.
Quando em operação sobre o transistor
são aplicadas tensões e correntes de modo a se
estabelecer uma polarização e fixarmos para o
mesmo um ponto de operação.
O ponto quiescente é designado pela
letra “Q”.
Temos então a reta de carga traçada
entre esses dois extremos. Se o IC máximo é de
12 mA e a VCC é 6 V, o valor da resistência de
carga RL pode ser calculado pela lei de Ohm:
RL =
Reta de carga
VCC
IC máxima
6V
12 mA
500 :
Ainda observando o gráfico da figura 620, partindo do cruzamento das curvas de IB
com a reta de carga, vemos que com 20 µA de
IB, a IC será aproximadamente 1,8 mA e a VCE
de 5,5 V.
Como a corrente de saída de um
amplificador depende da corrente de entrada,
devemos escolher qual corrente desejável para o
circuito de base.
No caso escolheremos uma IB de 40 µA.
Marcaremos no gráfico de saída, como ponto Q
o cruzamento da reta de carga com a curva de
40 µA de IB. Escolhida a IB podemos encontrar
o valor da VBE no gráfico da curva de entrada
que é aproximadamente 0,16 V.
Com esses dados o valor da resistência
de base (RB) pode ser encontrado pela fórmula
dada a seguir:
A linha ou reta de carga é a reta que
interliga, no gráfico de curva de saída, o ponto
de máxima IC ao de máxima VCE, para um
determinado circuito ampliador.
O ponto de máxima IC está relacionado
com a condição de saturação do transistor, que é
quando as junções coletor e emissor estão
diretamente polarizadas e o transistor é
considerado um circuito aberto.
Em resumo, a reta de carga traçada no
gráfico de curvas de saída nos mostra as
condições de funcionamento dinâmico do
circuito, entre os limites máximos e mínimos de
IC e VCE.
A figura 6-20 mostra a curva
característica de saída com a reta de carga para
o circuito em emissor comum.
Considerando o gráfico da figura 6-20,
adotaremos para VCC o valor de 6 V e para a
máxima IC o valor de 12 mA.
RB =
6-9
VBB VBE
IB
1 0,16V
4 PA
21 K:
Análise do
polarizado
circuito
emissor
comum
O circuito da figura 6-21 mostra um
transistor PNP, tipo 2N408. Como polarização o
fabricante sugere os seguintes valores:
RB = 21 Kȍ
VBB = 1 V
VCC = 6 V
Quando o circuito for ligado, o resistor
RB limitará a corrente de base em 40 µA. Essa
IB determinará uma IC de aproximadamente 3,5
mA, como poderá ser visto no gráfico da figura
6-20, pela projeção do ponto “Q”,
perpendicularmente ao eixo de IC.
Sendo IC § 3,5 mA, passando através de
RL, a qual podemos considerar 500 ȍ,
determinará uma queda de tensão que pode ser
calculada pela fórmula abaixo:
ERL = RL x IC = 500 x 0,0035 = 1,8 V
Figura 6-21 Amplificador em emissor comum com transistor PNP
Se a queda de tensão em RL é de 1,71, a
tensão VCE será igual a:
VCE = VCC – RL = 6 - 1,8 = 4,2 V
Um circuito polarizado com esses
valores encontrados tende a permanecer
estaticamente
nesta
situação.
Qualquer
desequilíbrio de corrente no circuito de base
tende a alterar as condições de IC e VCE, no
circuito de saída.
Aplicando-se um sinal senoidal de 0,04
VPQ na entrada desse circuito, todas as correntes
e tensões estáticas do circuito tendem a variar
na mesma relação senoidal.
Estas variações podem ser traçadas no
gráfico de curvas de entrada e no de saída
conforme mostra a figura 6-22.
Figura 6-22 Curvas de entrada e de saída em emissor comum
6-10
A figura 6-22 mostra o gráfico das
variações de IB em função das variações da VBB,
produzidas pelo sinal de 0,04 pp aplicado à base
do transistor.
Através dessas curvas podemos obter
dados para calcular os ganhos dinâmicos que se
referem a uma condição de funcionamento do
circuito.
O ganho dinâmico de um amplificador
depende das características do mesmo. Existem
amplificadores para ganho de tensão e outros
para ganho de corrente.
GANHOS DINÂMICOS DO CIRCUITO
EMISSOR COMUM
Ganho de corrente
No gráfico da figura 6-22 vemos que
uma variação de IB de 20 µA a 60 µA sobre a
linha de carga produz uma variação de IC de 1,7
a 5 mA. O ganho de corrente do amplificador
será aproximadamente igual a 82.
Ai =
' IC
' IB
5 1,7
60 20
0,0033
# 82
0,00004
A potência de saída conforme os dados
obtidos nos gráficos de saída do amplificador
em função do sinal de 0,04 Vpp, será:
Pout = ' VCE x ' IC = 1,8 x 0,0033 =
=0,0059 W = 59 x 10-4 W
Com isso o ganho de potência do
circuito será:
P out
Ap =
P in
59 x104 W
1,6 x10 6 W
3687
O amplificador em configuração emissor
comum, como verificamos, oferece ampliação
alta em relação ao de base comum.
Esta ampliação varia conforme o valor
da RL.
Com RL de valor alto o ganho de
corrente é baixo e o de tensão é alto. Com RL de
valor baixo o ganho de corrente é alto e o de
tensão é baixo.
A figura 6-23 mostra os gráficos de
ganhos de corrente e tensão, em função do valor
de RL.
Ganho de tensão
Para o circuito em estudo o ganho de
tensão pode ser encontrado através dos gráficos
de entrada e de saída do circuito.
No gráfico da figura 6-22 vemos que
uma variação de VBE de 0,14 a 0,18 V(ou seja
0,04 V) produzirá uma variação de IB de 40 a 60
µA. Esta variação de IB produz na VCE uma
variação de 3,5 a 5,3 V.
O ganho de tensão será, portanto:
AV =
' VCE
' VBE
5,3 3,5
0,18 0,14
1,8
0,04
45
Ganho de potência
A potência de entrada para o circuito da
figura 6-21 é dada por:
Pin = ' VBE x ' IB
Como ' VBE = 0,04 V
Pin = 0,04 x 0,00004 = 1,6 x 10-6 W
Figura 6-23 Ganhos de corrente e tensão em
função da resistência de carga
6-11
AMPLIFICADOR EM CONFIGURAÇÃO
COLETOR COMUM
No amplificador em configuração
coletor comum, o circuito de entrada de sinal é
entre a base e o coletor, e o circuito de saída é
entre o emissor e o coletor. O coletor é comum
aos circuitos de entrada e de saída.
Na figura 6-24 A vemos um circuito
coletor comum com um transistor PNP e na
figura 6-24 B o mesmo circuito com transistor
NPN.
Figura 6-24 Configuração coletor comum
O transistor em configuração coletor
comum é polarizado, como as outras
configurações, diretamente entre base e emissor
e inversamente entre base e coletor.
Nos circuitos da figura 6-24 a
polarização direta de base para emissor é feita
por VBB, enquanto que VCC polariza
inversamente o circuito base-coletor.
RB limita a IB ao valor desejado e RE, no
circuito de emissor, é a resistência de carga. A
finalidade desta resistência é permitir que se
desenvolva, na saída, uma variação de tensão
que depende da variação de tensão que depende
do sinal de entrada. Como neste tipo de circuito
a tensão de saída é retirada do emissor, ele é
também denominado seguidor de emissor.
Funcionamento do amplificador em coletor
comum
Na figura 6-25 está esquematizado um
circuito amplificador em emissor comum, com
transistor PNP, no qual vemos que a fonte de
tensão VCC alimenta o coletor e o emissor
através de RE e, VBB alimenta a junção baseemissor através de RB.
Supondo que o circuito esteja polarizado
para uma corrente de base média, a corrente de
emissor também será média.
Estas correntes médias estabelecem, no
circuito, tensões de base e de emissor
constantes, conforme pode ser visto nos gráficos
A e B da figura 6-25.
Figura 6-25 Amplificador em configuração coletor comum
6-12
Se VB variar em função de uma tensão
senoidal, a IB sofrerá variação, variando também
a IE que provocará a variação da tensão em RE.
A tensão em RE pode ser denominada de VE
(tensão de emissor).
Através do circuito da figura 6-26,
estudaremos o comportamento do amplificador
em coletor comum, com sinal senoidal aplicado
à base. O gráfico “A” representa a tensão do
sinal de entrada, dividida em tempos, e o gráfico
“B” representa o sinal de saída também dividido
em tempos.
Suponhamos inicialmente que o sinal
aplicado à base aumente de zero ao máximo
positivo, como de t0 a t1, no gráfico “A” da
figura 6-26. Sendo o transistor PNP este sinal
positivo crescente diminui a polarização direta
(VBE), diminuindo a IB. A diminuição da IB
produz a diminuição da IE e da tensão em RE,
como mostra o gráfico “B” da figura 6-26 entre
os tempos t0 e t1. Com a diminuição da tensão
do máximo positivo para zero, como aparece no
gráfico “A” entre os tempos t1 e t2, a
polarização
direta
na
base
aumente
proporcionalmente, aumentando a IB. Com o
aumento da IB há também um aumento da IE e
da queda de tensão em RE, com um conseqüente
aumento relativo de VE, como pode ser visto no
gráfico “B” da figura 6-26, entre os tempos t1 e
t2.
A variação da tensão de entrada, entre
os tempos t2 e t3, continuará a aumentar a
polarização direta (VBE), aumentando mais a IC,
com conseqüente aumento de VE.
Entre os tempos t3 e t4 da tensão de
entrada, a polarização direta diminui,
diminuindo a IB, a IC e a VE, como mostrado no
gráfico “B” entre os tempos t3 e t4.
Figura 6-26 Amplificador em configuração coletor comum com sinal aplicado à entrada
Através dos gráficos A e B,
verificamos que neste tipo de circuito os sinais
de entrada e de saída estão em fase.
Como vimos, o funcionamento do
amplificador em configuração coletor comum,
está ligado às variações de tensão e corrente do
emissor, produzidas pelas variações de corrente
na base. Estas variações de tensões e correntes
são plotadas em gráficos como nas outras
configurações. Estes gráficos representam as
características do transistor nesta configuração.
Características do amplificador em coletor
comum
Estudaremos neste tipo de montagem
do transistor, os ganhos relativos à tensão,
corrente, potência e resistência.
Ganho de tensão
O ganho de tensão do amplificador em
configuração coletor comum é definido como
sendo a relação entre as variações de tensão de
saída, que aparece em RE, e a de entrada
(aplicada na base).
Neste tipo de configuração, o valor
numérico do ganho de tensão depende do valor
de RE e nunca é maior que a unidade.
Isto acontece porque, conforme vemos
no circuito da figura 6-26, o sinal é aplicado na
base em série com RE.
As variações de tensão em RE
produzem uma forte realimentação negativa que
tende a diminuir a polarização direta baseemissor.
6-13
Ganho de corrente
Nas curvas características de saída do
circuito em configuração coletor comum, que
aparece na figura 6-28, vemos que a corrente de
saída é a IE e a de entrada é a IB. Sabendo-se que
o ganho de corrente é a relação entre as
correntes de saída e de entrada, concluímos que,
neste circuito, há um alto ganho de corrente, o
qual poderá ser calculado pela fórmula:
Ai
' IE
' IB
Ganho de potência
Embora o ganho de tensão desta
configuração seja muito baixo, o elevado ganho
de corrente determina um ganho de potência
considerado alto. O ganho de potência pode ser
determinado, multiplicando-se o ganho de
corrente pelo ganho de tensão.
Figura 6-27 Ganhos de tensão e corrente em
função da resistência de carga
LINHA
Ganho de resistência
Sendo o ganho de resistência a relação
entre a resistência de saída e a de entrada, faz-se
necessário conhecer estes dois valores para a
determinação do ganho de resistência.
1) Resistência de entrada: a resistência
de entrada do circuito em coletor comum
é normalmente muito alta, por causa da
realimentação negativa do circuito.
Também devemos considerar o circuito
de entrada base-coletor, que é polarizado
inversamente.
2) Resistência de saída: a resistência de
saída deste tipo de circuito é
normalmente pequena e depende quase
que exclusivamente do valor de RE.
Podemos concluir que este tipo de
configuração também não apresenta
ganho de resistência.
As características principais do circuito
em coletor comum são: ganho de tensão menor
que a unidade, alto ganho de corrente, alto
ganho de potência, alta resistência de entrada e
baixa resistência de saída.
Na figura 6-27 vemos dois gráficos que
mostram os ganhos de tensão e corrente,
conforme o valor de RE.
DE CARGA NO CIRCUITO
COLETOR COMUM
O gráfico apresentado na figura 6-28
representa a característica de saída do transistor
2N408 em coletor comum. Vemos nele que a
corrente de saída é a IE e a tensão de saída é a
VCE. No circuito, vemos que o valor da tensão
VCC é de 6 V e RL é de 500 ȍ.
A linha de carga liga os pontos de
máxima VCE, neste caso 6 V, e máxima IE, que
neste exemplo é de 12 mA. Devemos lembrar
que a máxima IE é a condição do circuito com o
transistor saturado ou em curto e a máxima VCE
é a condição do circuito com o transistor
considerado em circuito aberto.
Para o estudo das características deste
circuito, ele foi polarizado estaticamente
conforme aparece no gráfico da figura 6-28.
Neste gráfico vemos que a IB estática é
de 40 µA. Considerando o valor da tensão VBE
em 0,2 V com 40 µA de IB, o valor de RB poderá
ser calculado.
Observamos no gráfico que, com IB de
40 µA, a IE é, aproximadamente 2,9 mA. Esta
corrente passando por RL, cujo valor é de 500 Ƿ
determinará uma queda de tensão de 1,45 V
(500 Ƿ x 2,9 mA = 1,45 V).
Conforme vemos no circuito, o sentido
da corrente no resistor RE faz com que o emissor
fique com uma tensão negativa de 1,45 V.
6-14
Como o valor de VBE é de 0,2 V, para que a
junção base-emissor fique polarizada diretamente, a tensão de base deverá ser de –1,65 V,
visto que o emissor está com uma tensão
negativa de 1,45 V.
Se a tensão de base deve ser de –1,65 V,
podemos retirar esta tensão de VCC, intercalando
um resistor (RB) em série, como limitador da
tensão restante, ou seja, 4,35 V.
Sabendo-se que a corrente que deverá
circular por RB é a IB de 40 µA, o seu valor (RB)
pode ser calculado da seguinte forma:
RB=
VCC VB
IB
6 1,65
40
4,35
# 109 K:
4 x10 5
O comportamento dinâmico deste
circuito com transistor PNP pode ser agora
analisado. Notamos que a sua condição estática
com relação a correntes e tensões é vista nas
curvas características, ou medidas, se o circuito
fosse montado experimentalmente, conforme os
valores de tensão VCC, RE e RB, que o
constituem.
Nas curvas, vemos que com IB de 40 µA
a IE será de 2,9 mA e a VCE de 4,55 V. Nesta
situação, a VE será igual a –1,45 V (VCC – VCE =
VE).
Se um sinal com tensão senoidal for
aplicado no circuito de base, a IB variará,
variando a IE. A variação da IE produzirá
variação na VE. Estas variações de IB, IE e VCE
podem ser vistas no gráfico da figura 6-28.
Figura 6-28 Circuito e curva característica de
saída da configuração coletor
comum
6-15
CAPÍTULO 7
ESTABILIZAÇÃO DA POLARIZAÇÃO DE TRANSISTORES
de destruir os fios de conexão dos dispositivos,
embora a corrente necessária para tal, seja bem
maior que a especificada como corrente máxima
absoluta.
Embora o ȕ dependa do transistor, ele
pode sofrer variações de acordo com o valor de
IC. Assim, para valores muito elevados de
corrente, o ȕ diminui. A figura 7-1 nos mostra
três curvas para alguns tipos de transistores.
INTRODUÇÃO
Ao lançar um transistor no comércio, o
fabricante fornece todas as informações sobre
ele e as inclui em seus manuais para facilitar o
trabalho dos técnicos e projetistas de circuitos.
Uma das principais informações
fornecidas é a família de curvas características
de saída do transistor. De posse dela, entre
outras coisas, podemos traçar a linha de carga e
a curva de máxima dissipação de potência. A
primeira nos possibilita a escolha do ponto “Q”
(ponto quiescente) ou POE (ponto de operação
estática) e a segunda nos assegura se o transistor
está trabalhando dentro de seus limites.
Aparentemente, para que um transistor
não se danifique durante seu funcionamento,
baste que ele trabalhe dentro dos limites de
dissipação de potência. Entretanto, existem
outros aspectos a serem considerados, tais
como: corrente, tensão e temperatura.
Portanto, antes de entrarmos no traçado
da curva de máxima dissipação de potência,
faremos considerações sobre essas limitações.
LIMITAÇÕES
BIPOLARES
DOS
Figura 7-1 Ganho em função da IC para vários
transistores
TRANSISTORES
Na figura 7-2, são apresentadas as curvas
características de saída e é delimitada a faixa
possível de operação, em termos de corrente do
coletor. Nesta figura estamos considerando
apenas a limitação de corrente do coletor.
Ainda com relação às especificações de
correntes, o fabricante fornece, às vezes, os
valores limites das correntes de base e de
emissor.
Como qualquer componente eletrônico,
o transistor em funcionamento normal, não deve
ultrapassar os valores limites de tensão,
corrente, potência, temperatura e frequência,
fornecidos pelo fabricante, sob pena de
desempenho não satisfatório, diminuição do
tempo de vida ou mesmo destruição do
componente.
Limitações de tensões
Limitações de correntes
Como limitação de tensão, geralmente o
fabricante fornece os valores máximos das
tensões entre os três terminais, ou seja, os
valores máximos de VBE, VBC e VCE, quando as
junções são polarizadas inversamente.
Sabemos que, no funcionamento normal
do transistor, a junção base-emissor é polarizada
diretamente, mas o fabricante costuma dar a
tensão máxima inversa, caso ela venha a ser
polarizada inversamente, fato que ocorre,
quando o transistor é usado como chave.
O fabricante especifica a corrente de
coletor (máxima absoluta) que pode fluir no
transistor, embora esta definição não seja muito
clara, uma vez que na realidade, desde que a
potência dissipada não ultrapasse o valor
também especificado por ele, a corrente do
coletor pode ser aumentada até um ponto que
não destrua o material do transistor. Entretanto,
mesmo sem exceder a potência especificada, a
corrente pode ser suficientemente alta a ponto
7-1
A figura 7-3 mostra a ocorrência do fato
com diversos valores de corrente de emissor.
Esta figura mostra também que o fabricante
fornece a BVBCO , que é a tensão de ruptura
entre o coletor e a base. A letra “B” significa
ruptura (Breakdown em inglês) e a letra “O”
significa que o emissor está aberto (Open).
Geralmente, o fabricante especifica
também a tensão máxima permissível entre o
coletor e o emissor, com a base aberta. Esta
especificação é dada em termos de BVCEO,
tensão inversa de ruptura entre o coletor e o
emissor. O conjunto de curvas representativas
deste fenômeno é ilustrado na figura 7-4.
Quanto à junção base-coletor, ela
normalmente é polarizada no sentido inverso,
havendo portanto, necessidade de fornecer os
valores máximos inversos de VBC e VCE.
Figura 7-2 Delimitação da região de funcionamento de um transistor em
função da máxima IC
Lembramos que VCE = VBC + VBE.
Portanto, dados os valores de VBE e VCE, VBC
estará praticamente definida, pois basta verificar
a diferença entre os valores dados para se obter
VBC.
Por exemplo, se um transistor de silício
está funcionando em um circuito com VBE =
0,6V e VCE = 10V, forçosamente a tensão
inversa presente na junção base-coletor será:
Figura 7-4 Curvas características de saída da
configuração emissor comum, destacando a tensão de ruptura da junção
emissor-coletor
VBC = VCE – VBE = 10 – 0,6 = 9,4V
Os limites dessas tensões são fixados,
por causa do efeito de ruptura que ocorre
quando se aumenta a tensão inversa de uma
junção.
Por exemplo, se a tensão inversa entre
base e coletor for aumentando, com IE = 0, será
atingida a tensão de ruptura (tensão Zener) e
haverá um brusco aumento na corrente de
coletor. Isto acontece também quando a corrente
de emissor é diferente de zero.
Limitações de potência
Além das limitações de corrente e tensão
a limitação de potência é das mais importantes
para os transistores, bem como para todos os
dispositivos semicondutores e até mesmo para
todos os componentes elétricos.
No funcionamento do transistor, o calor
é gerado na junção base-coletor, onde quase
toda a tensão externa é aplicada.
Por exemplo, num circuito em emissor
comum, a potência gerada no transistor é dada
aproximadamente por IC x VCE .
Essa limitação de potência, ou seja, a
máxima potência que o transistor pode dissipar
com segurança, depende da temperatura
máxima permissível para a junção base-emissor
(especificada pelo fabricante), da máxima
temperatura ambiente de operação do circuito
(avaliada pelo projetista) e dos meios utilizados
para dissipar o calor produzido na junção baseemissor.
Figura 7-3 Curvas características de saída da
configuração base comum, destacando a tensão de ruptura da junção
base-coletor.
7-2
O fabricante especifica a potência
máxima para o transistor, considerando o seu
funcionamento à temperatura de 25o C.
De posse do valor de Pmáx podemos
atribuir valores a VCE, encontrar os valores
correspondentes de IC e determinar os vários
pontos da curva, que possibilitarão o seu
traçado.
Por exemplo, se um transistor pode
dissipar no máximo 1W a 25o C, podemos
determinar que ele opere com uma VCE de 4 V,
e assim determinarmos a sua IC.
CURVA DE MÁXIMA DISSIPAÇÃO DE
POTÊNCIA
O traçado dessa curva é feito sobre as
curvas características de saída do transistor.
Para facilitar a compreensão, serão omitidos os
valores da corrente de entrada.
Sendo a potência dissipada no transistor
igual ao produto de IC pela VCE, temos:
P = IC x VCE
Se fixarmos a potência máxima que o
transistor pode dissipar, em uma determinada
temperatura, e considerarmos IC e VCE como
variáveis, teremos:
Pmáx = IC x VCE
Pmáx 1W
0,25 A
VCE
4V
Com o valor suposto de VCE e o valor de
IC encontrado, determinamos o ponto “X”, que
será um dos pontos da curva, ilustrada na figura
7-5. Se montarmos uma tabela e atribuirmos
valores a VCE, encontraremos os valores
correspondentes de IC que, combinados com os
valores de tensão, determinarão os pontos A, B,
C, D, E, F e G, no gráfico da figura 7-5.
IC
P em W
1
1
1
1
1
1
1
VCE em V
1
2
3
5
6
8
10
IC em mA
1000
500
333
200
166
125
100
Tabela para determinar IC em função de VCE com “P” constante
Figura 7-5 Curva de máxima dissipação
Quanto mais alta for a temperatura de
trabalho do transistor, menor será a sua região
de operação. A figura 7-6 mostra como a
variação de temperatura afeta a região de
A curva é obtida, interligando-se os
pontos encontrados na tabela. Esta curva é
também chamada de curva de potência
constante.
7-3
operação do transistor. Em alguns casos, em que
o transistor precisa operar com altas correntes
(da ordem de Ampères), são usados sistemas de
refrigeração para reduzir a temperatura e
ampliar a região de operação.
Pelo que já vimos até aqui, fica evidente
que a reta de carga é determinada por dois
valores: tensão de alimentação e valor de RL .
Figura 7-7 Traçado da reta de carga
Na escolha da tensão de alimentação e
do valor de RL, devemos observar a máxima
dissipação de potência especificada. Para maior
segurança, não devemos permitir que a reta
toque a curva de máxima dissipação, pois se o
circuito de polarização não contar com uma boa
estabilidade, qualquer aumento na temperatura
ambiente poderá fazer com que a potência,
dissipada pelo transistor utilizado, ultrapasse a
especificada pelo fabricante, levando o
transistor à sua danificação permanente.
Na figura 7-8 temos a curva de saída
com três linhas de carga, referentes a um
amplificador na configuração emissor comum,
onde podemos selecionar diferentes valores de
RL e de VCC.
Quando queremos que o circuito opere
como amplificador de potência, escolhemos
valores que determinem uma reta de carga mais
inclinada, como a de RL1 , aproveitando toda a
potência que o transistor pode oferecer. Nesse
caso o circuito deve contar com uma ótima
estabilização de polarização que, geralmente,
exige o emprego de diodos termistores.
É bom observar que na especificação da
potência máxima de um transistor, feita pelo
fabricante, é deixada uma pequena margem de
segurança com a qual o técnico e o projetista
não devem contar.
Observando ainda a figura 7-8, é fácil
concluir que com a mesma VCC (6 V) podemos
determinar a reta de carga que mais interessar,
variando apenas a RL, a exemplo das retas
correspondentes à RL2 e RL3.
Figura 7-6 Efeito da variação de temperatura
sobre a região de operação do
transistor
Linha de carga
A linha de carga (ou reta de carga) é a
linha que cruza a família de curvas de saída.
Essa linha possibilita aos técnicos e projetistas,
a escolha do ponto “Q”, que determina os
valores de tensão e corrente que polarizam o
transistor.
Em qualquer das três configurações ela é
traçada, levando-se em conta a curva de máxima
dissipação de potência.
Duas situações de funcionamento do
transistor determinam as extremidades da linha
de carga de um amplificador: corte e saturação.
Para encontrar o extremo inferior da reta (ponto
“A” no gráfico da figura 7-6), supomos o
transistor em corte (IC = 0).
Nesse caso VCE é igual à tensão da fonte
de alimentação.
O extremo superior (ponto’B”) é
encontrado, supondo-se o transistor em
saturação.
Nessa situação ele apresenta resistência
nula
em
sua
junção
coletor-emissor,
determinando uma VCE igual a zero volt,
ficando a corrente de coletor limitada apenas
pelo resistor de carga (RL).
7-4
Figura 7-8 Traçado da reta de carga em função de RL e VCC
INSTABILIDADE
TRANSISTORES
TÉRMICA
direta de coletor). Isto pode ser provado através
da seguinte equação:
DOS
IC = ȕ x IB + ICO
Já é de nosso conhecimento que os
transistores são instáveis à variação de
temperatura. Esse fenômeno é devido às
características intrínsecas do material básico,
usado na sua confecção.
Por causa dessas características, quando
polarizado, o transistor apresenta uma pequena
corrente indesejável, chamada de corrente
inversa, corrente de fuga ou ainda ICBO. Esta
ICBO é a corrente que flui entre o coletor e a
base, estando o emissor em circuito aberto,
conforme aparece na figura 7-9.
Quando o transistor é polarizado como
na figura 7-10, ao atingir o circuito de base a
ICBO sofre uma amplificação, conforme o fator
beta do transistor. Esta amplificação da ICBO dá
origem à ICO, que é definida como sendo a
corrente inversa do transistor, no circuito
coletor. O valor de ICO pode ser calculado
através da seguinte fórmula:
Substituindo ICO pela
correspondente, teremos:
sua
equação
IC = ȕ x IB + (ȕ + 1) ICBO
Figura 7-9 Corrente entre base e coletor, com
emissor aberto
ICO = (ȕ + 1) ICBO
Se o valor de ICBO se mantiver a um
nível pequeno, como o normal previsto para
uma determinada temperatura, os problemas
apresentados não serão prejudiciais ao circuito.
Porém, se a ICBO sofrer um aumento,
principalmente ocasionado pelo efeito térmico,
o resultado será um aumento de IC (corrente
Figura 7-10 Correntes inversas no transistor
polarizado
7-5
são os sistemas de polarização automática. É
importante frisar que a ICO flui no coletor,
independente da corrente de base. Isto pode ser
verificado na curva característica de saída do
transistor, ilustrada na figura 7-11.
Nesta curva vemos que com IB igual a
zero flui uma pequena IC.
No caso da IC aumentar em função do
aumento da ICBO , o ponto “Q” do circuito
sofrerá um deslocamento ao longo da reta de
carga.
A mudança do ponto “Q” pode ser
cumulativa e pode destruir o transistor. As
medidas utilizadas para contornar esta situação
Figura 7-11 Curva característica de saída de um transistor em configuração emissor comum.
polarização se não forem empregados circuitos
de compensação.
A figura 7-12 mostra a variação da ICBO
em função da variação de temperatura da junção
base-coletor. O valor da corrente de fuga é de
1 mA a 125o C. Em temperaturas abaixo de 10o
C a corrente não causa problema.
A ICO é normalmente especificada pelo
fabricante e consta nas características do
transistor. Seu valor é fornecido para
determinadas temperaturas, geralmente 25o C.
O aumento de temperatura nas junções
de um transistor começa, normalmente, por um
aumento na temperatura ambiente ou mesmo
devido ao funcionamento normal do circuito,
ainda que instantâneo. Neste caso, por causa do
transiente que leva o transistor a dissipar maior
potência.
Em qualquer situação, o circuito deve
estar em condições de manter-se em bom
funcionamento e, para isto, depende de como
ele está polarizado e estabilizado.
Já é de nosso conhecimento que a
polarização é estabelecida para um transistor
pela especificação dos valores quiescentes da
tensão entre coletor e emissor e da corrente de
coletor. Uma operação confiável do transistor
dentro de um grande intervalo de temperatura,
requer que a tensão e a corrente de polarização
permaneçam estáveis. Todavia, variações da
corrente inversa em função da variação de
temperatura, prejudicam a estabilidade da
Figura 7-12 Variação de ICBO em função da
temperatura da junção basecoletor
7-6
constante. Tomemos como exemplo o transistor
2N408, cujas características de saída aparecem
no gráfico da figura 7-13.
Através deste gráfico verificamos as
condições de trabalho do transistor. A linha de
carga foi traçada entre os limites de 6V, para
máxima VCE, e 60 mA, para máxima IC .
Análise da polarização de um transistor
A polarização de um transistor, em
princípio, seria bastante simples. Bastaria
aplicar tensões contínuas aos elementos do
transistor, de modo que as correntes
permanecessem estáticas, em um nível médio e
Figura 7-13 Curva característica de saída de um transistor em configuração emissor comum, com reta
de carga e ponto “Q”
Pela análise do circuito e das curvas
características de saída, podemos verificar os
valores de tensão e corrente CC, estáticos, para
o circuito. Com a projeção de perpendiculares,
do ponto de cruzamento de IB com a linha de
carga, para os eixos de IC e VCE, verificamos
que a IC e a VCE serão, respectivamente, 26 mA
e 3,4V.
Nesta situação podemos dizer que, com
IB de 0,3 mA, a IC será de 26 mA e a VCE será
de 3,4 V, no circuito da figura 7-14.
A IC, para uma IB de 0,3 mA, pode ainda
ser calculada através do fator beta do transistor,
que neste caso será em torno de 86.
Na figura 7-14, o transistor utilizado é de
germânio e a IB escolhida foi de 0,3 mA. O valor
de RB foi determinado da seguinte forma:
RB=
VCC VBE
IB
6V 0,2V
0,3mA
5,8V
19,3 K:
0,3 mA
E
' IC
? IC
' IB
E x IB
86 x 0,3 m A # 26 mA
Já vimos que IC, considerando-se ICO,
pode ser formulada da seguinte forma:
Figura 7-14 Transistor PNP polarizado
IC = ȕ x IB - ICO
7-7
Se a ICO aumentar, com o acréscimo da
temperatura, a IC também aumentará.
Observe, no circuito da figura 7-10, que
IC e ICO têm o mesmo sentido.
Logo, se a ICO aumentar, por qualquer
motivo, a Ic aumentará, mudando o ponto “Q”
do circuito.
Na equação apresentada, “S” é o fator de
estabilidade de corrente e seu valor ideal é a
unidade.
VALORES TÍPICOS DE TENSÕES DE
JUNÇÃO PARA TRANSISTORES
A figura 7-15 mostra as características
da IC, como função da VBE, para transistores de
germânio e de silício tipo NPN, e indica as
várias regiões para um transistor na configuração emissor comum. Os valores numéricos
indicados são obtidos experimentalmente ou a
partir de equações teóricas. A região de corte é
definida como sendo a região onde a IE = 0 e IC
= ICO, quando a polarização da junção baseemissor não existe (VBE d 0V).
Fator de estabilidade
Para a análise da estabilidade da polarização estática de um circuito amplificador, é
usada a seguinte equação:
S=
' IC
' I CO
Figura 7-15 Curvas de IC em função de VBE para transistores de germânio e de silício
7-8
Quando a junção base-emissor é
polarizada inversamente, a IB é muito pequena,
sendo da ordem de nanoampères ou microampères para os transistores de silício e de germânio,
respectivamente.
Nenhuma IB apreciável flui até que a
junção base-emissor seja polarizada diretamente, de modo que: VBE > V W , onde V W é
chamada de tensão de limiar.
Como a IC é nominalmente proporcional
à IB, nenhuma corrente apreciável fluirá pelo
circuito de coletor, até que exista uma corrente
apreciável no circuito de base.
Podemos estimar a V W , supondo que
VBE = V W quando a IC alcançar aproximadamente 1% da corrente de saturação, no
circuito em emissor comum. Valores típicos de
V W são 0,1 V para os transistores de germânio e
0,5 V para os de silício.
O transistor estará na região ativa
sempre que houver uma polarização direta entre
base e emissor, suficientemente grande. A
região ativa é atingida efetivamente quando
tivermos VBE > V W .
Os fabricantes especificam os valores de
saturação das tensões de entrada e de saída de
vários modos. Por exemplo, podem fornecer
curvas de VCE e VBE de saturação, como funções
de IB e IC.
As tensões de saturação dependem não
somente do ponto de operação, mas também do
material semicondutor e das características de
fabricação do transistor.
RB
VCE VBE
IB
3,4 0,2
300 x 10 6
10667 ohms
Em situações normais, o resistor RB
limitará o valor de IB em 300 µA. Esta IB produz
uma IC de 26 mA, que determina em RC uma
queda de tensão de 2,6 V. Portanto, a tensão
VCE será igual a VCC – VCR = 3,4 V, que é o
mesmo valor observado no gráfico da figura 713.
RB, cujo valor é de 10667 ohms, limita a
IB em 300 µA, desde que a VCE permaneça em
3,4 V. Suponhamos agora um aumento de ICO,
que por sua vez tende a aumentar a IC. Se a IC
aumentasse, aumentaria também a VRC, o que
diminuiria a VCE. Com a diminuição da VCE, a
corrente através de RB também seria menor.
Com menor IB, menor seria a IC. Observamos
então que qualquer tentativa de aumento de IC
produz uma diminuição de IB e a IC tende a
diminuir. O resultado é que a IC tende a manterse no ponto de operação escolhido, que no caso
é de 26 mA.
MÉTODOS DE POLARIZAÇÃO PARA
ESTABILIZAÇÃO DA IC
Existem vários meios de se conseguir
uma estabilização térmica da IC. Todos os
sistemas têm vantagens e desvantagens.
Figura 7-16 Polarização automática com RB
ligado ao coletor
Polarização automática com RB ligado ao
coletor
O sistema de estabilização por
realimentação de CC tirada do coletor é bom,
mas tem o inconveniente da realimentação de
CA. Neste caso, referimo-nos às variações da
VCE em trabalhos dinâmicos.
Para atenuar a realimentação de CA, os
projetistas que usam esse sistema, costumam
desmembrar RB em dois resistores.
O uso de um capacitor, como aparece na
figura 7-17, também ajuda na redução dessa
realimentação.
Na figura 7-16 podemos ver um circuito
de estabilização com RB ligado ao coletor. Os
valores de RB e RC devem estar de acordo com
as características que se desejam para o circuito.
Mas considerando-se o gráfico da figura 7-13,
cuja reta de carga é para uma RC de 100 Ohms,
verificamos que com uma IB de 300 µA, a VCE
será de 3,4 V. O cálculo de RB neste caso é dado
pela seguinte equação:
7-9
muito pequeno não entrará em cogitação. A VE
é a queda em RE e pode ser encontrada pela Lei
de Ohm.
VE = RE x IE = 26 mA x 10 ohms = 0,26 V
Sendo a VE de –0,26 V, para que a VBE
seja de 0,2 V, a VB debe ser igual a –0,46 V.
Se a VCC é de –6 V, RB deverá limita-la.
Neste caso o valor de RB é encontrado pela
equação:
RB
Figura 7-17 Polarização automática com atenuação da realimentação CA
Estabilização por realimentação de CC com
RE
Os resistores RC e RE constituem a RL do
circuito e a soma de seus valores deve ser
equivalente ao valor do resistor usado na linha
de carga.
Para esse caso, consideraremos o gráfico
da figura 7-13, cuja linha de carga foi traçada
para um resistor de 100 ohms.
Como o valor de RE não deve ser muito
alto, porque afeta o ganho do circuito,
consideraremos como sendo de 10 ohms e RC
será de 90 ohms, conforme pode ser visto na
figura 7-18.
VCC VB
IB
6 0,46
0,0003
18460 ohms
Observando o circuito da figura 7-18,
concluímos que ao ser ligado, a IB será limitada
em 300 µA, determinando uma VB de –0,46V.
A IB de 300 µA produz uma IC de 26 mA
que fluindo em RE causa, sobre este, uma VRE
de –0,26V. Vemos então que sendo a VE igual a
–0,26V e a VB de –0,46V, a VBE será de –0,2V,
o que constitui uma polarização direta.
Através da fórmula IC = ȕ x IB + ICO ,
sabemos que se a ICO aumentar por qualquer
razão, a IC também aumentará, saindo o circuito
do ponto de operação escolhido.
No circuito da figura 7-18, se a IC
aumentar, a VE aumenta e a VBE diminui. Com
VBE menor, a IB também será menor. A
diminuição da IB resulta em diminuição da IC.
Concluímos então, que neste circuito, se a IC
tende a aumentar, RE provoca uma
realimentação negativa, que tende a diminuí-la e
assim, o circuito tende a estabilizar-se
automaticamente.
Uma das desvantagens de se usar o RE é
que, em circuitos de potência, ele tende a
diminuir a potência útil do circuito. Além da
estabilização, o uso de RE tem como vantagem,
aumentar a Ri.
Polarização por divisor de tensão
Figura 7-18 Estabilização por realimentação de
CC, com RE
No gráfico, vemos que com uma IB de
300 µA, a IC é igual a 26 mA.
No resistor RE fluirá esta corrente de 26
mA mais a IB de 300 µA, que por ser de valor
Em um circuito polarizado, a VB deve
manter-se constante para que o circuito se
mantenha estável. Um dos sistemas usados para
manter constante a VB, partindo de uma fonte
de tensão de valor muito maior que VB, emprega
um divisor de tensão, conforme é visto na figura
7-19.
Conforme as características do divisor de
tensão, a VRB será mais estável, se a corrente
7-10
que fluir por ela for muito maior que a da base.
O ideal seria uma IRB várias dezenas de vezes
maior que a IB. Há, porém, vários inconvenientes. Uma IB muito alta resulta em um valor
de RB muito baixo, o que diminui a impedância
de entrada do circuito, acarretando sérios
problemas para os sistemas de acoplamento
entre estágios. Também deve ser considerada a
energia que será consumida pelo divisor de
tensão.
Em um equipamento existem dezenas de
estágios com dezenas de resistores em sistemas
de divisores de tensão, consumindo energia
inutilmente, já que a potência consumida por
eles é só para tentar manter pequenas tensões
constantes.
Na prática, usa-se elaborar um divisor de
tensão para polarização da base, com IRB igual a
IB ou várias vezes maior que esta.
por divisor de tensão, mostrado na figura 7-19.
RE realimenta negativamente a corrente
contínua de base, pelo efeito térmico. RB tende a
manter a VB em seu nível estável.
ESTABILIZAÇÃO DA POLARIZAÇÃO DE
ESTÁGIOS DE POTÊNCIA
Os projetos de amplificadores de
potência requerem uma atenção especial com
relação à polarização. Primeiro, porque neste
caso o transistor irá trabalhar aquecido, o que
poderá desencadear a instabilidade do mesmo.
Segundo, porque o uso de uma RE pode
diminuir a capacidade útil de potência do
estágio. Dois dispositivos são usados
comumente em estágios de potência, para sua
estabilização térmica. Tais dispositivos são o
diodo retificador e os termistores ou resistores
NTC.
Circuitos de estabilização com termistores
Figura 7-19 Polarização por divisor de tensão
Calculemos os valores de RF e RB, do
divisor de tensão da figura 7-19, utilizando os
valores de VB de –0,46V e IB de 300 µA.
Observe que estes valores já foram vistos em
circuitos anteriores; logo, os detalhes sobre eles
podem ser recordados.
O valor de RB, supondo que a IRB seja
igual a duas vezes a IB, é facilmente encontrado
pela Lei de Ohm.
RB
VB
I RB
0,46V
600 PA
0,46V
6 x10 4 PA
Já sabemos que a corrente de polarização
do transistor é sensível à temperatura. Especificamente, a IC aumenta com o aumento da
temperatura. A estabilização da IC pode ser feita
utilizando-se circuitos externos, com elementos
eletricamente sensíveis à temperatura. Um
desses elementos é o termistor.
O termistor usado, neste caso, tem uma
resistência com coeficiente negativo de
temperatura, isto é, o valor de sua resistência
diminui com o aumento da temperatura. Este
tipo de termistor é chamado de resistor NTC
(Coeficiente de Temperatura Negativo).
O circuito da figura 7-20 tem sua
estabilização de polarização controlada por um
termistor.
760 ohms
O valor de RF é calculado pela equação:
VCC VB
6V 0,46V
6150 ohms
I RB I B 300 PA 600 PA
O sistema de polarização mais usado,
por apresentar melhor estabilização térmica, é o
RF
Figura 7-20 Polarização de base controlada por
NTC
7-11
Os valores de RB e do NTC dependem
das características do circuito, mas o seu
funcionamento é simples. A VBE no circuito é
0,2V e a IB é 300 µA. Com o aumento da
temperatura ambiente, a IC tende a aumentar
devido ao aumento da ICO. Porém, este aumento
da temperatura afeta também o NTC,
diminuindo a sua resistência, com o
conseqüente aumento da corrente através dele.
Essa maior corrente solicitada, aumenta
a VRF, diminuindo a VBE e menor serão a IB e a
IC. Como vemos, o efeito térmico que tende a
aumentar a IC no circuito, diminui a resistência
do NTC, que provoca uma diminuição da IB,
que por sua vez diminui a IC. O resultado é que
este simples dispositivo tende a manter o
circuito no seu ponto de operação.
Controle da tensão de emissor
evitado pela redução da polarização direta. Isto
é feito pela ação do divisor de tensão
constituído por R2 e pelo termistor RT1. Devido
ao aumento da temperatura, a resistência de RT1
é diminuída, provocando maior fluxo de
corrente através do divisor de tensão. O
aumento de corrente aumenta o potencial
negativo da conexão do resistor R2 ao emissor.
Esta ação aumenta a polarização inversa
aplicada ao emissor e diminui a polarização
direta base-emissor. O resultado é que a IC é
reduzida. Analogamente, a diminuição da
temperatura ocasiona ações inversas e evita o
decréscimo da IC.
C1 bloqueia a tensão CC do estágio
anterior e acopla o sinal CA ao circuito baseemissor. C2 mantém constante a VE R3 é o
resistor de carga do coletor e onde se
desenvolve o sinal de saída. C3 bloqueia a
tensão CC do coletor e acopla o sinal CA ao
estágio seguinte.
Controle da tensão de base
Figura 7-21 Polarização de emissor controlada
por termistor
O circuito apresentado na figura 7-21,
emprega um termistor para variar a VE com a
temperatura, a fim de minimizar as variações da
IE. Este circuito contém dois divisores de
tensão: o primeiro é constituído por R1 e R4, e o
segundo por R2 e o termistor RT1.
O primeiro divisor permite a aplicação
de uma parte da VCC entre o terminal de base e
terra. A VB é desenvolvida em R1e determina
uma tensão negativa na base de Q1.
O segundo divisor de tensão aplica uma
parte da VCC no terminal de emissor. A VE é
desenvolvida em R2 e determina uma tensão
negativa no emissor de Q1. A tensão direta
aplicada ao terminal de base é maior que a
inversa aplicada ao terminal emissor, de tal
modo que a polarização base-emissor resultante
é direta.
Com um aumento de temperatura a IC
aumentaria normalmente, se o transistor não
estivesse estabilizado. O aumento da IC pode ser
Figura 7-22 Amplificador com controle de
polarização de base
O circuito apresentado na figura 7-22
emprega um termistor para variar a VB com a
temperatura, minimizando as variações da IE.
Este circuito contém um divisor de tensão
constituído por R1 e RT1.
O divisor de tensão aplica uma parte da
VCC no circuito base-emissor. O fluxo de
corrente dos elétrons através do divisor está na
direção da seta. Esta corrente produz uma
tensão de polaridade indicada em RT1. Este
circuito produz polarização direta no transistor.
Se a temperatura do transistor aumentar,
a IE tende a aumentar. Todavia, a resistência de
RT1 diminui com o aumento da temperatura,
provocando maior fluxo de corrente através do
divisor de tensão. Este aumento de corrente
7-12
ocasiona um aumento na VR1. A tensão de
polarização direta é reduzida e assim a IE
também é reduzida.
T1 acopla o sinal CA ao circuito de baseemissor. C1 mantém constante a tensão em RT1.
O primário de T2 atua como carga do coletor e é
onde se desenvolve o sinal de saída que é
acoplado ao secundário.
Os diodos, quando empregados adequadamente na estabilização de um circuito,
funcionam mais ou menos como os NTC. A
instabilidade térmica que afeta o transistor afeta
também a eles. No circuito da figura 7-24
aparece um diodo com função de estabilização
térmica.
Circuitos de estabilização com diodos
O diodo pode ser usado em circuitos de
estabilização. A principal vantagem do seu uso
como elemento sensível à temperatura é por ele
poder ser feito do mesmo material que o
transistor.
Os coeficientes de temperatura das
resistências do diodo e do transistor de mesmo
material, são os mesmos. Esta condição permite
uma IC mais constante em um grande intervalo
de temperatura, porque as variações no diodo
acompanham as variações no transistor. Os
diodos de junção têm uma resistência com
coeficiente de temperatura negativo.
Estabilização com um diodo
O circuito apresentado na figura 7-23
emprega um diodo de junção, diretamente
polarizado, como elemento sensível à
temperatura, para compensar as variações da
resistência da junção base-emissor.
Considere o divisor de tensão constituído
por R1 e D1, com a polaridade indicada. Esta
tensão é uma polarização direta. Com o
aumento da temperatura, a IC tenderia a
aumentar. Todavia, a resistência de D1 diminui.
Como resultado, a VR1 aumenta. Há uma queda
de tensão em D1, que provoca redução na
polarização direta e, consequentemente, na IC.
Figura 7-24 Circuito com estabilização térmica
feita por diodo
D1 tem sua junção semelhante à junção
base-emissor de Q1. Logo, os diodos serão
afetados igualmente pela variação de temperatura.
Analisando o comportamento do
circuito, vemos que se a IC tender a aumentar
pelo efeito térmico, a corrente através do diodo
também aumentará.
Com maior corrente através do diodo,
maior será a VRF, resultando em uma menor VBE
e assim, a IB também será menor e, logicamente
a IC. Como resultado, D1 tende a manter a IC
estabilizada, mantendo o circuito no ponto de
operação escolhido.
RESUMO
1 – A corrente ICO ou de fuga existe nos
transistores, devido aos portadores minoritários
existentes em suas estruturas.
2 – A principal corrente de fuga de um
transistor, é a de coletor para base, cuja
denominação é ICBO.
Figura 7-23 Estabilização com um diodo diretamente polarizado
3 – A corrente ICO, em um circuito amplificador,
tende a ser amplificada em uma razão (ȕ + 1)
ICBO.
7-13
4 – A corrente IC, considerando-se a ICO, é
equacionada como sendo: IC = ȕ x IB + ICO .
5 – Em temperatura constante e normal,
conforme a especificada pelo fabricante, a ICO
não constitui problema num amplificador.
6 – Com o aumento da temperatura, a IC tende a
aumentar de acordo com a fórmula:
IC = ȕ x IB + (ȕ + 1)x ICO , tirando o
circuito de seu ponto de operação.
7 – Vários sistemas são usados para manter a IC
constante mesmo com o aumento da ICO.
8 – Os sistemas que tendem a manter a IC
constante, consistem em polarizar o transistor de
tal maneira que haja uma pequena
realimentação CC, ou ainda por estabilização da
VBE.
9 – Um dos métodos de estabilização por realimentação CC é polarizar a base com a tensão
VCE. Neste caso, se a IC aumentar estaticamente, a VCE diminui, reduzindo a IB.
10 – O método mais usado para manter
constante a IC, é a realimentação CC por
resistência de emissor. Neste caso, se a IC
aumentar, haverá também um aumento da VE,
que diminui a VBE, diminuindo a IB, que por sua
vez diminui a IC.
11 – Através de um circuito divisor de tensão
pode-se manter a VBE dentro dos limites de
estabilização. Neste caso, o divisor deve ser
projetado levando-se em conta as suas
desvantagens, como por exemplo, o alto
consumo de energia e a diminuição da
impedância de entrada.
12 – O sistema de polarização mais adequado
para uma boa estabilização em circuitos
amplificadores de baixa potência, é constituído
por um RE e por um divisor de tensão. Este
sistema é o mais usado.
temperatura negativo, desde que a tensão de
polarização inversa não iguale ou exceda à
tensão de ruptura.
15 – Diodos com a mesma característica da
junção base-emissor de um transistor, podem ser
usados em circuitos estabilizadores de
polarização.
Neste
caso,
quando
instalado
adequadamente, poderá estabilizar a VBE. Isto
porque o efeito térmico que agir sobre o
transistor, agirá também sobre o diodo.
16 – As correntes e tensões desenvolvidas num
amplificador transistorizado estabilizado em
temperatura, podem ser utilizadas para estabilizar em temperatura outros amplificadores
transistorizados.
17 – Os resistores NTC, têm a resistência
diminuída com o aumento da temperatura.
Logo, se colocados no circuito de base, eles
poderão diminuir a VBE que provoca a
diminuição da IB e da IC. Isto acontece porque o
efeito térmico que agirá sobre o transistor,
também agirá sobre ele.
18 – A reta de carga é a linha que possibilita a
escolha do ponto de operação do transistor.
19 – A curva de máxima dissipação de potência
é a curva que possibilita a limitação da região de
operação do transistor.
20 – Todo componente elétrico possui uma
potência de trabalho especificada pelo
fabricante.
Em se tratando de transistores, existem
mais razões para se obedecer a essa
especificação.
21 – Para cada temperatura de trabalho do
transistor, há uma curva de máxima dissipação
de potência.
22 – Um aumento de temperatura reduz a região
de operação do transistor.
13 – Em circuitos de potência, a estabilização
térmica da IC é conseguida através de
transistores, diodos e resistores NTC.
23 – A fórmula para se calcular a potência de
dissipação do transistor, é: P = VCE x IC.
14 – Um diodo de junção polarizado inversamente tem uma resistência com coeficiente de
24 – A região de operação de um transistor é a
parte onde pode ser traçada a linha de carga.
7-14
25 – Na curva de máxima dissipação, a potência
é a mesma em todos os pontos.
26 – Os limites de tensões são especificados
para transistores, por causa do efeito de ruptura
que ocorre quando há um aumento da tensão
inversa da junção.
27 – A fim de deixar o transistor operar à
temperatura
ambiente,
são
colocados
dissipadores de calor em contato com seu corpo.
28 – No traçado da reta de carga faz-se duas
suposições extremas do funcionamento do
transistor: corte e saturação.
29 – A reta de carga do amplificador de
potência é mais inclinada que a do amplificador
de tensão.
30 – O sistema de estabilização da polarização
dos amplificadores de potência deve ser de boa
eficiência. Geralmente são empregados diodos,
termistores e transistores.
31 – Com a mesma tensão de alimentação
podemos traçar várias linhas de carga diferentes,
variando apenas o valor de RL.
7-15
CAPÍTULO 8
AMPLIFICADORES TRANSISTORIZADOS
Amplificadores de radiofreqüência
CLASSIFICAÇÃO GERAL DOS AMPLIFICADORES
Diferenciam-se dos outros dois tipos
porque ampliam uma estreita faixa de
frequência
dentro
do
espectro
de
radiofreqüência, que vai de 30 kHz até vários
GHz. São usados em vários equipamentos.
Quando sintonizamos uma emissora de rádio
estamos deslocando a estreita faixa de
ampliação do circuito, dentro do espectro de
frequência.
Os amplificadores podem ser classificados de acordo com:
A frequência de operação:
Amplificadores de áudiofrequência(AF)
Amplificadores de videofreqüência
Amplificadores de radiofreqüência(RF)
A classe de operação:
Classe A
Classe B
Classe C
Classes intermediárias(A2, B2, AB1,
AB2)
CLASSES DE OPERAÇÃO
De acordo com a polarização empregada
para o transistor, podemos atribuir as classes de
operação.
A classe de operação é determinada pelo
circuito de polarização de entrada. Na maioria
dos circuitos amplificadores a polarização e a
reta de carga têm valores fixos, definidos pelos
valores de seus componentes.
Consideraremos, em nossas análises,
somente os efeitos do circuito de polarização de
entrada.
O sistema de acoplamento:
Acoplamento RC
Acoplamento a transformador
Acoplamento por impedância
Acoplamento direto
O uso:
Amplificadores de potência ou corrente
Amplificadores de tensão
Amplificador classe “A”
Os amplificadores da classe “A” operam
durante os dois semiciclos do sinal de entrada,
(360°). São polarizados para trabalhar na região
ativa da curva de saída.
Geralmente operam na parte linear das
curvas características, a fim de obter na saída
uma resposta fiel (não distorcida) do sinal de
entrada.
O primeiro passo para a determinação da
classificação do amplificador é a construção da
reta de carga como mostrado na figura 8-1 Em
seguida, deve-se selecionar um ponto quiescente
de modo a permitir que um sinal de entrada
varie através da parte linear da curva
característica. Neste exemplo foi escolhida uma
IB estática de 500 µA e a VCC é selecionada em
seguida para um valor de 9 Volts para o circuito
em classe “A”.
Veja na figura 8-1 o circuito de entrada e
as formas de onda para um ponto “Q” de 500
µA, em classe A.
FREQUÊNCIAS DE OPERAÇÃO
As faixas de frequência de operação
determinam o tipo de amplificador a ser usado.
Amplificadores de áudiofrequência
Estes amplificadores atuam numa faixa
de frequência que vai de 20 Hz a 20 kHz, faixa
esta, sensível ao ouvido humano e por esta razão
recebe o nome de áudiofrequência. Estes
amplificadores são encontrados em receptores
de rádio, intercomunicadores e outros.
Amplificadores de videofreqüência
Estes amplificadores abrangem uma
ampla faixa de frequência que vai de 30 kHz a 6
MHz. Eles são empregados em circuitos que
ampliam sinais que devem ser vistos em telas de
radares, televisores etc.
8-1
Assim, uma tensão de saída de 3,2 Vpp e
uma variação na corrente de saída de 10,4 mA
são obtidas.
Podemos notar que quando a IB aumenta
negativamente, a IC fica mais negativa e a VCE
menos negativa. Por outro lado, quando a IB
diminui negativamente, a IC fica menos negativa
e a VCE mais negativa. Isto indica que as
correntes de entrada e de saída estão em fase
enquanto que as tensões de entrada e de saída
estão fora de fase. Portanto, há uma inversão de
180° na configuração de emissor comum.
Amplificador classe “B”
Figura 8-1 Circuito de entrada e formas de onda
em classe “A”
Os amplificadores classe “B” operam na
região ativa das curvas, durante um semiciclo
do sinal de entrada, e permanecem em corte
durante o outro (180°).
Visto que somente metade do sinal de
entrada é amplificada, os amplificadores classe
“B” são normalmente montados na configuração
“Push-pull”, que são amplificadores de potência
formados por dois transistores que conduzem
alternadamente, mas que na saída, produzem um
sinal que é idêntico ao sinal de entrada.
O ponto quiescente (POE) é estabelecido
no cruzamento da reta de carga com a curva de
IB igual à zero como se vê na figura 8-2.
Em seguida determinaremos o valor de
RB e, para calcular esse valor é necessário que
se leve em consideração o valor da VBE do
transistor. Assim, a equação correta para o
cálculo de RB é a seguinte:
RB =
(VCC − VBE )
IB
Na prática, porém, podemos desprezar o
valor de VBE, e desta forma teremos:
RB =
VCC
IB
Substituindo a VCC e IB pelos
valores de 9V e 500 µA respectivamente
teremos:
RB =
9V
= 18 kΩ
500 µA
O circuito de polarização de entrada está
completamente mostrado na parte superior
direita da figura 8-1.
Quando o sinal de entrada é zero (ver a
figura 8-1), a IB é –500 µA, a IC é –17 mA e a
VCE é –3,9 V (valores do ponto quiescente).
Uma variação da corrente de entrada
para o seu valor máximo negativo de 250 µA,
elevará a IB para –750 µA, logo a IC aumentará
para –22,2 mA, enquanto que a VCE diminuirá
para –2,3 V.
Quando a IB diminui para –250 µA, a IC
diminui para –11,8 mA enquanto que a VCE
aumenta para –5,5 V.
Figura 8-2 Circuito de entrada e formas de onda
em classe “B”
Uma fonte de polarização de entrada não
é requerida, já que a corrente quiescente da base
é zero.
Uma RB relativamente grande (18 kΩ) é
usada para limitar a dissipação do sinal de
entrada do circuito de polarização. Assim, o
circuito de polarização de entrada contém
8-2
somente um resistor de polarização, como se vê
na figura 8-2.
No ponto quiescente, IB e IC são iguais a
zero e VCE é igual a –9V. Quando o sinal de
entrada se torna negativo, polariza diretamente a
junção emissor-base.
Na alternância positiva a junção emissorbase está polarizada inversamente. O transistor
fica cortado e parte da corrente de entrada passa
através de RB, durante esta alternância.
Na prática, um sinal de entrada muito
maior será usado para obter amplificação em
classe “C”.
Na figura 8-4 vemos as formas de onda
de saída, com relação às de entrada para cada
classe de operação. Os sinais não foram
mostrados com amplificação, nem com inversão
de fase, pois nosso interesse está somente no
período de condução.
Amplificador classe “C”
A operação em classe “C” é conseguida
pela polarização inversa da junção de entrada do
transistor. Com polarização inversa aplicada ao
transistor, a corrente de base permanece em zero
até que a corrente de entrada produza uma
queda de tensão através da resistência de
entrada. Esta queda de tensão deve estar com
polaridade oposta à fonte de polarização do
circuito de entrada e deve superar a tensão da
fonte.
Figura 8-4 Formas de onda de saída com relação
às de entrada para cada classe de
operação.
SISTEMAS DE ACOPLAMENTO
Figura 8-3 Circuito de entrada e formas de
ondas em classe “C”
Na figura 8-3, IB permanece em zero até
que a corrente de entrada se torne igual a –
100µA. Quando isto ocorre, a VBE é igual a zero.
VBE = EBB + (Iin x RB) =
= 1,5V + (-100µA x 15k) =
= 1,5V + (-1,5V) = 0
Um simples estágio amplificador,
normalmente não é suficiente nas aplicações em
aparelhos receptores, transmissores e outros
equipamentos eletrônicos.
Um ganho mais elevado é obtido pelo
acoplamento de vários estágios amplificadores.
Desta equação podemos deduzir que a
junção
emissor-base
estará
polarizada
diretamente, quando a corrente de entrada for
maior que –100µA. Um sinal de saída é obtido
para a porção de corrente de entrada que é maior
que –100µA
Casamento de impedâncias
Para que haja a máxima transferência de
sinal, o estágio de entrada deve ter a impedância
equilibrada com a da fonte de sinal (microfone,
8-3
antena etc); e o estágio final deve ter a
impedância equilibrada com a da carga( fone,
alto-falante, linha de transmissão etc)
Da mesma forma, a impedância de saída
de um estágio deve estar “casada” com a
impedância de entrada do estágio seguinte.
Além do equilíbrio de impedância, é de
vital importância isolar a passagem de corrente
contínua, de uma etapa para outra.
Acoplamento RC
A figura 8-5A apresenta um amplificador de dois estágios acoplados mediante
uma rede RC.
O capacitor de acoplamento C1 tem
como primeira função isolar a tensão de CC
presente no coletor do primeiro estágio, para
que ela não apareça na base do transistor do
estágio seguinte e, como segunda função
transferir o sinal de um estágio para o outro.
O capacitor de acoplamento deve ter,
também, uma reatância reduzida para as tensões
de sinal e, portanto, seu valor de capacitância
deve ser relativamente alto.
Os valores típicos de capacitância vão de
1 a 30µF. É necessário que o valor do capacitor
seja alto, por causa da baixa impedância de
entrada do estágio seguinte.
Tipos de acoplamento
A) Redes RC
B) Transformadores
C) Acoplamento por impedância
D) Acoplamento direto
Figura 8-5 Amplificador com acoplamento RC
O sinal que sai do primeiro estágio,
desenvolve-se no resistor RB. O capacitor C1 e o
resistor R1 constituem a rede RC de
acoplamento entre os dois estágios.
A eficiência do amplificador acoplado
mediante uma rede RC é baixa, por causa da
dissipação de potência de CC no resistor de
carga.
Resposta de freqüência
As freqüências muito baixas são
atenuadas pelo capacitor de acoplamento,
porque a sua XC torna-se alta, com a diminuição
da frequência. A resposta em altas freqüências,
para o transistor está limitada pelo efeito
“Shunt” da capacitância emissor-coletor do
8-4
ponto de operação de CC. Com um resistor na
entrada do emissor, o fator de estabilidade de
corrente é quase ideal.
Como não há resistor de carga de coletor
para dissipar potência, a eficiência do
amplificador acoplado a transformador se reduz,
teoricamente, para 50%. Por este motivo, o
processo de acoplamento a transformador é
muito usado em equipamentos portáteis e
operados com baterias.
primeiro estágio, e da capacitância baseemissor do segundo estágio.
Figura 8-6 Capacitância entre os elementos do
transistor
Observe na figura 8-6 que CC e RB estão
em série e em baixas freqüências e, que a XC é
consideravelmente alta, provocando assim o
máximo de queda de sinal em CC e o mínimo
em RB. No entanto, para as altas freqüências,
aparece uma XC mínima, em paralelo com RC,
resultando numa resistência total mínima
possibilitando o desvio de grande parte ou até
mesmo de todo o sinal para a terra.
Figura 8-7 Acoplamento a transformador
Vantagens e desvantagens do acoplamento a
transformador
Os transformadores facilitam o equilíbrio da carga de saída do transistor e o
equilíbrio da fonte, à entrada do transistor, para
se obter o máximo de ganho de potência, para
um determinado estágio.
A resposta de frequência de um estágio
acoplado por intermédio de transformador não é
tão boa quanto a do estágio acoplado por rede
RC.
A resistência “Shunt” do enrolamento
primário, nas baixas freqüências, causa a queda
de resposta nestas freqüências. Nas altas
freqüências, a resposta é reduzida pela
capacitância de coletor e pela reatância de saída,
entre os enrolamentos do transformador.
Além da resposta de frequência ser
pobre, os transformadores são mais caros, mais
pesados, e ocupam maior área que os resistores
e capacitores empregados no acoplamento RC.
Portanto, o uso do acoplamento a
transformador é limitado, normalmente, àquelas
aplicações que requerem alta eficiência de
potência de saída.
Vantagens e desvantagens do acoplamento
por rede RC
O acoplamento RC é bastante usado em
circuitos transistorizados, por oferecer uma boa
resposta de frequência, sendo de simples
confecção e preço relativamente baixo.
Porém, embora esse acoplamento
ofereça uma boa resposta em frequência, não é o
tipo de maior eficiência, em face das
dificuldades em casar as impedâncias entre
estágios.
Outra desvantagem desse tipo de
acoplamento está no fato de apresentar grandes
perdas quando usado em freqüências muito
baixas.
Acoplamento a transformador
No acoplamento a transformador o
enrolamento do primário do transformador (T1)
é a impedância de carga do coletor do primeiro
estágio.
O enrolamento secundário de T1
desenvolve o sinal de CA, para a base do
transistor do segundo estágio e também age
como caminho de retorno de CC, da base.
A resistência muito baixa, no circuito de
base, auxilia a estabilização da polarização no
Acoplamento por impedância
O acoplamento por impedância é similar
ao acoplamento por rede RC, com exceção de
que o resistor de carga é substituído por um
indutor (L1), como apresentado na figura 8-8
8-5
fluxo de corrente é indicada pelas setas. Se a
corrente do coletor do primeiro estágio for
maior que a corrente de base do estágio
seguinte, devemos ligar o resistor RC (carga do
coletor), como está indicado pela linha
tracejada.
Como o número de componentes necessários no amplificador acoplado diretamente é
mínimo, teremos o máximo de economia e
também a máxima fidelidade de sinal.
Entretanto, o número de estágios que podem ser
acoplador diretamente é limitado.
Figura 8-8 Acoplamento por impedância
A resistência de carga é somente a
resistência do fio do enrolamento, o qual
proporciona uma queda mínima de tensão de
CC. Grandes valores de indutância devem ser
usados, para que seja oferecida uma alta
reatância, nas baixas freqüências.
O ganho do estágio acoplado por
impedância cresce com o aumento da
frequência, já que a reatância indutiva é
diretamente proporcional à frequência.
Na faixa de altas freqüências, a reatância
diminui, por causa da capacitância distribuída
no circuito, que desvia o sinal.
Os campos magnéticos que cercam a
impedância de carga podem causar, também,
um acoplamento indesejável a outros circuitos.
Por isso, esses campos devem ser controlados,
através de indutâncias apropriadas.
AMPLIFICADORES DE ÁUDIO BÁSICO
Antes de iniciarmos os estudos destes
amplificadores, é interessante lembrar, que a
finalidade de um amplificador é a de aumentar a
tensão, a corrente, ou o nível de potência de um
sinal, a um valor necessário, a fim de operar um
dispositivo de saída.
Esse dispositivo pode necessitar de
considerável energia ou pode exigir uma alta
tensão, com baixa potência, para sua operação.
Os amplificadores de tensão (baixo
nível) são estágios de amplificação projetados
para produzir um grande valor de tensão,
através da carga do circuito de coletor. Para
produzir uma alta tensão, utilizável através de
um circuito de carga, é necessário que a
oposição à variação de IC seja a máxima
possível, qualquer que seja a carga (resistor,
reatância ou impedância).
Os amplificadores de potência (alto
nível) são estágios amplificadores, construídos
para fornecer grandes quantidades de potência
para a carga no circuito coletor.
Num amplificador de potência, deve
haver uma grande corrente no circuito do
coletor, uma vez que a potência é o produto da
resistência, pelo quadrado da corrente.
Os pré-amplificadores são etapas de
baixo nível, que se destinam à amplificação de
sinais originários de dispositivos, tais como
microfones, detectores, cápsulas magnéticas etc.
Acoplamento direto
Quando o transistor de um estágio
amplificador é ligado diretamente ao transistor
do estágio seguinte dizemos que o acoplamento
é direto, como mostrado na figura 8-9.
Figura 8-9 Acoplamento direto
AMPLIFICADORES DE ÁUDIO TRANSISTORIZADOS
Este tipo de acoplamento é usado para a
amplificação de sinais chamados de “corrente
contínua”, em virtude da frequência ser muito
baixa.
Observando o circuito da figura 8-9,
vemos que um transistor PNP está ligado
diretamente a um transistor NPN. A direção do
Os circuitos amplificadores de áudio são
projetados especificamente para ampliar sinais
da faixa de áudio frequência, isto é, sinais
compreendidos entre 20 Hz e 20kHz.
8-6
O circuito de entrada de um
amplificador
transistorizado
deve
ser
alimentado com a corrente de saída de um préamplificador. Neste caso, cada transistor é
considerado como um amplificador de corrente
ou potência, operando a um nível de corrente ou
de potência, mais elevado que o nível do estágio
anterior e menos elevado que o do estágio
seguinte. Uma vez que os transistores são,
essencialmente, dispositivos amplificadores de
potência, seu uso nos circuitos de áudio é
classificado nas categorias amplificador de
áudio de baixo nível e amplificador de áudio de
alto nível.
O nível de potência de um estágio
amplificador de áudio é determinado pelos
requisitos do projeto. Em alguns casos, os
amplificadores de baixo nível (também
chamados de amplificadores de sinal) podem
operar com potências variando de “picowatts”
até “miliwatts”, enquanto que em outras
situações (amplificadores de potência) podem
operar com vários Watts.
Circuito amplificador de áudio básico
O circuito da figura 8-10 apresenta um
estágio amplificador básico de áudio.
A estabilização para esse amplificador é
estabelecida pela corrente de base-emissor. Essa
corrente cria uma tensão que polariza
diretamente o circuito de entrada.
O resistor de base RB limita a corrente
de polarização estabelecendo assim o ponto
quiescente.
Durante o semiciclo positivo do sinal de
entrada a polarização direta diminui. Isso
provoca uma conseqüente diminuição da
corrente de coletor, através de RL, e a tensão em
RL diminui. Assim, a tensão de coletor aumenta,
em direção a um valor negativo de VCC.
Durante o semiciclo negativo do sinal de
entrada, a polarização direta aumenta. Isso faz
com que a corrente através de RL aumente,
aumentando também a queda de tensão sobre a
mesma, tornando negativa a tensão de coletor.
O capacitor C1 acopla o sinal de entrada
e o capacitor C2 o sinal de saída.
RE é o resistor de estabilização de
emissor e está ligado em paralelo com o
capacitor de desacoplamento CE.
Ainda na figura 8-10 podemos ver que o
sinal de saída está 180 ° defasado do sinal de
entrada. Como o sinal de saída é maior que o
sinal de entrada, há um ganho de tensão.
Figura 8-10 Amplificador de áudio básico
8-7
CAPÍTULO 9
OSCILADORES TRANSISTORIZADOS
mecânica é o pêndulo do relógio. Ele oscila
mecanicamente de um lado para o outro com
intervalos de tempo iguais, afastando-se do
ponto central (ou de repouso) igualmente para
os dois lados.
A figura 9-1 ilustra o movimento do
pêndulo mediante uma onda senoidal.
INTRODUÇÃO
Os osciladores são dispositivos cuja
função principal é transformar energia CC
aplicada, em energia AC.
Para que haja essa transformação é
necessário que parte do sinal de saída retorne à
entrada de forma adequada, ou seja, é necessário
que haja uma realimentação positiva (regeneração).
Além da necessidade de uma
realimentação positiva, devem ser incorporados
ao circuito oscilador a transistor, elementos
determinantes da frequência e as necessárias
tensões CC de polarização.
O transistor atua como uma chave e
conduz periodicamente, sempre que a energia é
realimentada desde o circuito sintonizado, a fim
de manter as oscilações do circuito tanque.
Para determinar a frequência de
operação do oscilador, podem ser incorporados
ao circuito, conjuntos indutância-capacitância,
um cristal ou ainda uma rede resistivacapacitiva.
As tensões de polarização para o
oscilador são as mesmas necessárias para um
amplificador a transistor.
Um fator de suma importância é a
estabilização do ponto “Q” do oscilador a
transistor, pois a instabilidade da operação CC
afetará consideravelmente a amplitude do sinal
de saída, a forma de onda e ainda a estabilidade
de frequência.
Os osciladores são usados para uma
infinidade de aplicações, sendo as mais comuns
o osciloscópio, o gerador de frequência variável,
o injetor de sinais, a televisão, o rádiotransmissor, o receptor, o radar, o sonar etc.
Antes de estudarmos os osciladores
eletrônicos, recordaremos os princípios básicos
da oscilação.
Figura 9-1 Movimento de um pêndulo simples
Por convenção dizemos que os
movimentos à esquerda são positivos e à direita
negativos. Esse movimento se manterá
constante enquanto houver corda no relógio e se
faltar corda o pêndulo inicialmente diminuirá a
distância do ponto central até parar.
Como vimos na figura 9-1 o movimento
do pêndulo pode ser comparado com uma onda
senoidal. No caso da falta de corda do relógio a
onda senoidal será uma “onda amortecida”,
como mostra a figura 9-2.
Figura 9-2 Formas de onda do pêndulo
A onda amortecida é uma onda senoidal,
mas a amplitude dos ciclos sucessivos vai
diminuindo
gradativamente,
porém,
os
intervalos de tempo se mantêm constantes,
como pode ser visto na figura 9-2.
Se quisermos evitar o amortecimento da
onda senoidal ou a parada do movimento
PRINCÍPIOS DE OSCILAÇÃO
Oscilação mecânica
Todo equipamento que recebe ou
transmite energia possui um dispositivo
oscilador. O exemplo mais clássico de oscilação
9-1
devemos adicionar mais energia ao sistema. No
caso do relógio, dar mais corda antes que o
mesmo pare definitivamente.
Funcionamento
Para entendermos como a oscilação se
processa, consideremos o que ocorre ao se
carregar o capacitor da figura 9-3.
1º Passo – O capacitor C1 se carrega com o
valor de VCC, com a polaridade
indicada.
2° Passo – O capacitor C1 se descarrega sobre o
indutor L1.
3º Passo – A energia está agora acumulada no
indutor, em forma de campo
magnético.
4° Passo – L1 induz uma corrente no mesmo
sentido mostrado no segundo passo.
5° Passo – O capacitor C1 se carrega com
polaridade contrária à do segundo
passo.
6° Passo – O capacitor se descarrega sobre L1
com corrente oposta à do segundo
passo.
7° Passo – A energia está novamente acumulada
em L1 em forma de campo magnético.
8° Passo – O indutor induz uma corrente no
mesmo sentido do passo 6.
9° Passo – O capacitor C1 fica carregado novamente conforme o passo 1.
Oscilação eletrônica
Como foi dito anteriormente o oscilador
eletrônico transforma a energia CC em energia
CA. Para que haja essa transformação é
necessário que parte do sinal de saída retorne à
entrada de forma adequada, ou seja, é necessário
que haja uma realimentação positiva.
O transistor funciona como uma chave e
conduz periodicamente sempre que a energia é
realimentada desde o circuito sintonizado, a fim
de manter as oscilações do circuito tanque.
Para obtenção da frequência de operação
do oscilador podem ser incorporados ao
circuito, conjuntos indutância-capacitância, um
cristal ou ainda uma rede resistiva capacitiva.
As tensões de polarização para o oscilador são
as mesmas necessárias para um amplificador a
transistor.
Um fator muito importante no projeto de
osciladores é a estabilização do ponto “Q” do
circuito, pois a instabilidade de operação CC
afetará a amplitude do sinal de saída bem como
a sua frequência. Os circuitos osciladores são
largamente usados em radiocomunicação e em
eletrônica industrial.
Tanques ressonantes
Se o capacitor e o indutor fossem ideais
(sem perdas), esse processo continuaria
indefinidamente, mas na prática não é isso o que
ocorre, pois o indutor e o capacitor apresentam
uma resistência a qual dissipa parte do sinal em
forma de calor, havendo portanto a necessidade
de ligar a chave novamente na bateria, a fim de
carregar mais uma vez o capacitor C1
compensando a referida perda de energia.
A oscilação eletrônica é feita por um
circuito que consiste de uma bobina e um
capacitor ligados em paralelo.
REQUISITOS DO CIRCUITO OSCILADOR
Amplificador
O circuito oscilador é basicamente um
amplificador que sofre uma realimentação, ou
seja, para gerar uma energia CA, uma porção da
energia de saída do amplificador a transistor
deve ser retornada ao circuito de entrada, com
uma correta relação de fase, para dar uma
Figura 9-3 Funcionamento do circuito oscilador
9-2
resultado seria um sinal de saída cada vez
menor. Concluindo, para manter a oscilação, o
fator de ganho de potência do amplificador deve
ser maior que a unidade.
realimentação regenerativa com a energia de
entrada.
A energia enviada à carga será a energia
de saída (Es) menos a energia de realimentação
(Er):
Ec = Es - Er
CIRCUITOS OSCILADORES BÁSICOS
A potência de realimentação (Er) não é a
potência de saída, pois a rede de alimentação
age como um atenuador, causando perdas no
sinal realimentado.
Na figura 9-4 temos o diagrama bloco do
oscilador, com as potências Ec, Es e Er e o
resistor de realimentação.
Oscilador Armstrong
O oscilador Armstrong é o mais simples
dos osciladores a transistor. Seu circuito é
mostrado na figura 9-5
Figura 9-5 Oscilador Armstrong
Estando o circuito energizado, qualquer
pequena variação na corrente de emissor é
ampliada por Q1 e aparece no coletor com uma
variação maior.
A variação de corrente através da bobina
de coletor (L2) gera um campo magnético, que é
induzido em L1. Essa tensão variável é acoplada
por C2 à base de Q1, onde é ampliada.
Essa tensão ampliada é novamente
aplicada à bobina L2 que por sua vez a induz em
L1 e assim, sucessivamente.
Este ciclo continuará até que a tensão
induzida em L1 seja suficientemente grande para
tornar a base de Q1 positiva em relação ao
emissor. Quando isso ocorre a junção baseemissor fica polarizada inversamente e Q1 entra
em corte. O campo magnético nas bobinas
torna-se agora estacionário e não há mais tensão
induzida em L1.
O capacitor C2 que se carregou com a
tensão induzida, se descarrega através de R1.
Tão logo se tenha descarregado até um valor
suficientemente baixo, que permita ao transistor
conduzir novamente, o ciclo de operação se
repete.
R1 e C2 são selecionados para dar uma
constante de tempo que forneça tensão de
polarização suficiente para manter Q1
Figura 9-4 Representação em bloco do oscilador
Como citado anteriormente o resistor
“R” simula um atenuador para o sinal
realimentado.
Se o oscilador necessita, para seu
funcionamento de um sinal de entrada (Ee) de
2 mW, sendo a perda na rede de realimentação
de 1 mW, a potência do sinal de realimentação
deverá ser, no mínimo de 3 mW, ou seja:
Ee = Er – perdas
Quando a potência no amplificador é
menor que a unidade, ocorrem oscilações
amortecidas que vão se tornando cada vez
menores até desaparecerem completamente.
Por exemplo, suponhamos que não haja
atenuação do sinal realimentado e que o ganho
de potência do amplificador seja 0,9.
Para um sinal de entrada de 1mW, a
potência de saída do primeiro pulso seria de 0,9
mW. Se toda essa potência fosse realimentada
para a entrada e fosse amplificada, a potência do
segundo pulso seria de 0,81 mW.
Realimentando essa potência para a
entrada, teríamos um pulso de 0,73 mW na
saída, e assim sucessivamente. Como vemos, o
9-3
A partir daí C1 começa a se descarregar e
quando estiver totalmente descarregado,
teremos a energia em forma de campo. Este
campo por sua vez, induzirá uma corrente que
irá carregar C1 novamente com polaridade
oposta à anterior. Quando a tensão do tanque
ultrapassar, em sentido oposto, a polarização
base-emissor o transistor entrará em corte.
C1 começará a se descarregar novamente
e o transistor Q1 sairá do corte. Nesse ponto,
com a descarga de C1, a parte superior de L1
estará novamente menos negativa. Teremos
então a repetição do ciclo.
O transistor conduz aproximadamente
120°, isto é, permanece em corte a maior parte
do ciclo. Ele conduz somente no momento
preciso, para repor energia, que é consumida
pelos componentes do circuito.
No circuito da figura 9-6, C1 e L1
constituem o circuito tanque ressonante.
R1 e R2 são os componentes que
fornecem a polarização para o transistor Q1.
O capacitor C2 bloqueia a CC e acopla as
oscilações para Q1, que por sua vez amplifica
essas oscilações.
C3 bloqueia a CC e acopla as variações
para L1.
O CRF é um “Choque de Radiofrequência” que serve para evitar que as oscilações
atinjam a fonte CC.
L1 (parte inferior) é a bobina de realimentação.
A fórmula para determinação da
frequência de oscilação é a mesma usada para o
oscilador Armstrong, ou seja:
inoperante durante quase todo ciclo exceto nos
picos negativos da tensão de entrada.
A frequência de oscilação é determinada
por L1 e C1 e L2 é a bobina de realimentação.
R1 fornece passagem para a corrente de
polarização e C2 acopla o sinal para o circuito
de base e bloqueia a componente CC do mesmo.
A frequência de oscilação do tanque
ressonante é calculada pela seguinte fórmula:
Fo
1
2 3 Lc
0,159
Lc
Oscilador Hartley
Neste circuito a realimentação é obtida
através de uma indutância e temos osciladores
desse tipo, alimentados em série e em paralelo.
Essas alimentações se referem ao método de
obtenção da polarização de coletor.
No circuito alimentado em série a
corrente constante e a variável passam pelo
circuito tanque.
A figura 9-6 mostra o oscilador Hartley
Figura 9-6 Oscilador Hartley
Fo
Ao aplicarmos energia ao circuito flui
uma corrente instantânea através de Q1 que é
acoplada por C3 à parte inferior de L1. Esta parte
de L1 gera um campo magnético e induz uma
tensão na parte superior da mesma, fazendo com
que a parte superior do tanque fique positiva.
Isso faz com que a polarização direta da
junção base-emissor aumente, fluindo então
maior corrente, até que Q1 atinja a saturação.
Neste ponto o capacitor C1 estará carregado com
sua placa superior positiva e a parte inferior de
L1 deixará de induzir tensão, uma vez que não
haverá mais nenhuma corrente variável através
dela.
0,159
Lc
Isto, uma vez que o circuito tanque deste
oscilador é constituído pelo conjunto LC.
Oscilador Colpitts
O oscilador Colpitts assemelha-se ao
oscilador Hartley, alimentado em paralelo. A
diferença está em que o Colpitts, ao invés de ter
o conjunto de indutância dividida, para se obter
a realimentação, usa um conjunto de capacitância dividida.
O oscilador Colpitts é mostrado na
figura 9-7.
9-4
Entre esses poucos cristais encontram-se
o quartzo, o sal de Rochelle e a Turmalina.
Dos três tipos citados o sal de Rochelle é
o que tem atividade piezoelétrica mais ativa, ou
seja, gera uma maior quantidade de tensão por
uma dada pressão mecânica. Estas substâncias,
porém, são mecânica e eletricamente instáveis,
o que as torna inadequadas para o controle de
freqüências em circuitos osciladores.
Normalmente, em circuitos osciladores o
cristal usado é o quartzo, devido ao seu baixo
custo, robustez mecânica e a pouca variação de
frequência em função da temperatura.
É um dos materiais mais permanentes
que se conhece, sendo quimicamente inerte e
fisicamente resistente.
De todos os materiais encontrados é o
mais satisfatório, embora sua faixa de operação
esteja limitada entre 50 kHz e 50 MHz, ou seja,
fora da faixa de áudio.
Figura 9-7 Oscilador Colpitts
Os resistores R1 e R2 dão a polarização
ao transistor Q1. O capacitor C2 bloqueia a
componente CC do sinal e acopla as oscilações
do tanque à base de Q1, que por sua vez amplia
essas oscilações.
C1B constitui o componente que
realimenta o circuito tanque e C3, além de
bloquear a componente CC, acopla as variações
do coletor Q1 ao circuito tanque que é formado
por L1, C1A e C1B.
Relação entre frequência, espessura e largura
A frequência de oscilação fundamental
de um cristal depende da largura, da espessura e
do tipo de corte do cristal. Quanto mais delgado
for o cristal, mais elevada será a frequência de
oscilação.
A frequência fundamental de oscilação é
dada pela fórmula
Oscilador a cristal
Quando certos cristais são comprimidos
ou expandidos em direções específicas, os
mesmos geram cargas elétricas em suas
superfícies. Este fenômeno é chamado de efeito
piezoelétrico.
Se um cristal piezoelétrico, geralmente
quartzo, possui eletrodos localizados nas faces
opostas e se um potencial é aplicado entre esses
eletrodos, serão exercidas forças que farão com
que o cristal vibre mecanicamente num
movimento de contração e expansão.
Estas vibrações é que darão origem ao
aparecimento de cargas elétricas nas superfícies
desses cristais.
Para oscilarem perfeitamente, os cristais
devem ainda ser submetidos a um tratamento de
laboratório, onde sofrerão um determinado tipo
de corte, que é um dos fatores determinantes da
frequência de oscilação.
F
K
T
onde: F – Frequência, em MHz;
K – Constante que depende do tipo
de corte do cristal;
T – Espessura, que é dada em milésimos de polegada.
A fórmula anterior se refere à vibração
com relação a espessura, porém podemos
calcular a frequência de oscilação com relação a
largura, para isso basta substituir na fórmula
dada, a espessura (T) do cristal pela largura(W)
do mesmo. De tal modo que temos:
Tipos de cristais
Podemos dizer que a maioria dos cristais
apresenta o efeito piezoelétrico, mas poucos são
adequados
para
serem
usados
como
equivalentes de circuitos sintonizados para fins
de frequência.
F
K
W
onde: W é a largura em milésimos de polegada.
9-5
A tabela das constantes de frequência
(K) para quatro diferentes tipos de cortes é dada
a seguir.
CORTES
(K)
X
112,6
Y
77,2
AT
66,2
BT
100,7
Circuitos osciladores a cristal
O oscilador Armstrong a cristal funciona
de maneira semelhante ao oscilador Armstrong
elementar.
Com a inserção do cristal na trajetória de
realimentação, consegue-se um aumento na
estabilidade da frequência de operação. O cristal
é o elemento determinante da frequência de
operação, de tal modo que para se obter
freqüências diferentes, outros cristais deverão
ser usados.
A figura 9-11 mostra o oscilador
Armstrong a cristal.
Figura 9-8 Tabela dos valores de “K” em função
do corte do cristal
Circuito equivalente do cristal
Em sua frequência de ressonância o
cristal comporta-se como um circuito
sintonizado, no que se refere aos circuitos
elétricos a ele associados. Portanto um cristal
pode ser substituído por um circuito
equivalente, o qual é mostrado na figura 9-9.
Figura 9-11 Circuito do oscilador Armstrong a
cristal
Na figura 9-11 as bobinas L1 e L2 são
responsáveis pela realimentação.
Os resistores RB, RF e RC fornecem a
polarização ao transistor Q1.
O resistor RE é desacoplado pelo
capacitor CE, para tensões CA. A impedância do
cristal aumenta fora da frequência de
ressonância ou de operação, com isso tem-se
uma redução na realimentação total, o que evita
que o cristal oscile em outra frequência
diferente daquela de ressonância.
Figura 9-9 Circuito equivalente de um cristal
sem placas
A figura 9-9 mostra um circuito equivalente de um cristal desprezando-se o efeito
das placas que o envolverem.
A figura 9-10 mostra o circuito equivalente de um cristal colocado entre suas placas.
Nesta figura vemos o aparecimento da
capacitância “C” que representa a capacitância
das placas.
Oscilador Colpitts
A figura 9-12 mostra um oscilador a
cristal na configuração base-comum com a
realimentação fornecida do coletor para o
emissor, através do capacitor C1. Os resistores
RB, RC e RF dão as condições adequadas de
polarização para o circuito. O capacitor C2
desacopla o resistor RB nas tensões CA.
A frequência de oscilação desse circuito
não é determinada somente pelo cristal, mas
Figura 9-10 Circuito equivalente de um cristal
entre as placas
9-6
conduzem alternadamente. Enquanto um dos
transistores é levado ao corte o outro é levado à
saturação, pois o corte de um transistor produz
um pulso que satura o outro.
Se todos os componentes do circuito
fossem exatamente iguais e se os transistores
conduzissem exatamente a mesma quantidade
de corrente, na prática o circuito nunca oscilaria.
O início das oscilações dá-se devido ao
fato de que na prática os elementos nunca são
exatamente iguais.
também pela capacitância em paralelo formada
pelos capacitores C1 e CE. Estes capacitores são
normalmente grandes, a fim de reduzir as
capacitâncias de entrada e de saída do transistor
e assim tornas as oscilações independentes das
mudanças dos parâmetros do transistor.
Figura 9-12 Circuito do oscilador Colpitts a
cristal
MULTIVIBRADOR ASTÁVEL
Figura 9-13 Multivibrador astável
Introdução
Funcionamento
Com o desenvolvimento dos sistemas
eletrônicos, houve a necessidade de se criar
circuitos que operem ou que forneçam sinais
não senoidais. Esses sinais podem ser definidos
como variações momentâneas de tensão ou
correntes. Estes sinais incluem tensões de onda
quadrada, onda retangular ou pulsos.
O multivibrador é um circuito eletrônico capaz de produzir uma tensão de saída em
forma de onda quadrada ou retangular. Estes
sinais podem ser contínuos, como uma cadeia
repetitiva de ondas quadradas ou simples pulsos
produzidos em intervalos retangulares de tempo.
Existem diversos tipos de multivibradores, cada um elaborado para uma aplicação
específica.
Os circuitos multivibradores são
atualmente muito usados em receptores de TV,
osciloscópios, computadores e sistemas digitais
em geral.
Ao conectarmos ao circuito a fonte de
alimentação VCC, os capacitores C1 e C2 que
estavam descarregados, começarão a se carregar
através dos resistores R1 e R2 fechando-se o
circuito através das bases de T1 e T2. A figura 913 ilustra melhor esse processo.
Figura 9-14 Circuito do multivibrador
Para que possamos compreender melhor
o funcionamento do circuito, vamos estabelecer
as seguintes condições:
a) Quando T1 ou T2 estiverem cortados,
a tensão nos pontos A e B, será aproximadamente a da VCC.
Circuito multivibrador astável
O circuito multivibrador astável é aquele
que não necessita de pulsos de excitação na
entrada, para o seu funcionamento. Basicamente
o circuito é formado por dois transistores que
9-7
b) Quando T1 ou T2 estiverem saturados,
a tensão nos pontos A ou B da figura 9-13 será
aproximadamente 0,3 volts, recebendo a
denominação de VCE de saturação.
c) Quando T1 ou T2 estiverem cortados, a
tensão VBE de início de condução (0,6V),
caracterizando o estado em que se encontram T1
e T2.
d) Quando T1 ou T2 estiverem saturados,
a tensão VBE de T1 ou T2 será denominada VBE
de saturação, e seu valor 0,7V
De posse dessas condições, ficará mais
simples descrevermos o comportamento do
circuito apresentado.
Como ponto de partida, vamos
considerar o instante “t0”, admitindo que nesse
instante T1 esteja cortado e T2 saturado, logo
teremos no ponto B da figura 9-13 uma tensão
igual a VCC e no ponto A igual a 0,3V.
Consideremos agora o estado do circuito
após decorrido um tempo “t”, ou seja: t = t0+t.
Ainda com relação às condições
adotadas temos que o ponto A estará
praticamente em terra (0,3V), logo, C2 se
descarregará através do coletor de T2,
carregando-se em sentido contrário, agora
através de R4 elevando desta maneira o
potencial do ponto E, fazendo com que T1 que
estava cortado, caminhe para a saturação.
T1 indo para a saturação, leva T2 para o
corte, dessa maneira o ponto B será de
aproximadamente 0,3V (praticamente o ponto B
estará em terra), e o capacitor C1 se descarregará
pelo coletor de T1, carregando-se agora em
sentido contrário por R3.
Desta forma o potencial do ponto D irá
aumentar e T2 será levado à saturação fazendo
com que T1 vá para o corte, estabelecendo-se
assim um estado oscilatório.
A figura 9-15 mostra as formas de onda
de saída do multivibrador astável.
Como principais características do
multivibrador astável podemos citar:
- tem sua frequência de oscilação
controlada pelas constantes de tempo de carga e
descarga dos capacitores.
- a saída pode ser retirada de qualquer
um dos coletores dos dois transistores
usados.
Figura 9-15 Formas de onda de saída do multivibrador astável
9-8
CAPÍTULO 10
TRANSISTORES ESPECIAIS
INTRODUÇÃO
Os laboratórios das grandes fábricas de
dispositivos
semicondutores
procuram
continuamente melhorar as características e
diminuir as limitações dos transistores utilizados
e também descobrir novos tipos com
características
diferentes
que
permitam
aplicações até então fora do campo dos
transistores e, de maneira geral, dos semicondutores.
Foram estão criados numerosos tipos de
transistores, muitos dos quais baseados no
mesmo princípio de operação do transistor
bipolar, mas, fabricados por meio de técnicas
novas ou modificações das técnicas já
conhecidas. Outros tipos de transistores
baseiam-se em princípios diferentes do
transistor bipolar. São esses tipos que
estudaremos a seguir.
da barra, é aplicada uma camada de silício do
tipo oposto ao do material do canal (tipo N ou
P). Neste material é feito contato ôhmico,
formando a porta ou gatilho (gate).
A figura 10-2 ilustra a constituição física
dos transistores TECJ com canais tipo N e P e
os respectivos símbolos. Conforme o material
do canal seja do tipo N ou P, a seta aponta
respectivamente, para dentro ou para fora do
transistor.
No TEC canal P, por exemplo, a seta é
dirigida para fora do transistor. Com efeito, se o
material do canal é do tipo N, o gatilho é
formado de material tipo P e, portanto, a seta
aponta para dentro.
NOTA: Usaremos indistintamente as seguintes
nomenclaturas: porta ou gatilho (P de porta ou
G de gatilho); fonte ou supridouro (S de source
ou de supridouro).
TRANSISTOR DE EFEITO DE CAMPO
O transistor de efeito de campo,
conhecido como TEC ou FET (Field Effect
Transistor), apresenta características elétricas
bastante interessantes que permitem sua
utilização numa gama muito grande de
aplicações práticas.
A diferença fundamental entre os
transistores de efeito de campo e os de junção
convencionais é que nos primeiros, a corrente é
dada pelo fluxo de portadores de um só tipo. Por
este motivo, os transistores de efeito de campo
são conhecidos como transistores unipolares em
contraposição aos demais que são bipolares.
Construção física
O mais comum dos transistores de efeito
de campo é o tipo de junção, também chamado
de TECJ ou JFET. A figura 10-1 ilustra uma
sequência da constituição física do TEC. Ele é
formado por uma minúscula barra de silício, que
pode ser tipo “N” ou “P”, formando o que é
conhecido com o nome de canal.
Em cada extremo da barra são feitos
contatos ôhmicos que são chamados de dreno
(drain) ou fonte (source). No centro, em torno
Figura 10-1 Seqüência da constituição física do
TEC canal N
10-1
Podemos observar, em A da figura 10-3,
onde a polarização é somente de 2 volts, que a
corrente através do canal do transistor é grande;
ao contrário, em B, onde temos a tensão de –6V
no gatilho, a corrente é bem menor. A diferença
entre um TEC canal N e outro de canal P é a
inversão da polaridade de todas as tensões, da
mesma forma como nos transistores comuns do
tipo PNP e NPN.
Curvas características
Figura 10-2 Constituição física e símbolos dos
transistores TEC canal tipo N e
canal tipo P
Funcionamento
Podemos observar, na figura 10-3, a
polarização normal de funcionamento do TEC
canal tipo N.
O gatilho, normalmente polarizado
inversamente em relação à fonte, faz com que a
entrada tenha alta impedância. A tensão
aplicada ao gatilho tem alto poder de controle
sobre a corrente fonte-dreno, por causa do
aumento da área de depleção e redução da área
efetiva de condução.
Figura 10-3 Variação da corrente em função da
polarização inversa
A figura 10-4 mostra as curvas
características de um TEC típico canal N.
Observamos que a corrente de dreno é
máxima, ou seja, a corrente de saturação (8
mA), quando a polarização entre gatilho e
supridouro é igual a zero.
Quando aumentamos a polarização
inversa, a corrente no dreno diminui gradativamente até chegar a zero. Isto acontece quando
a tensão é de –6V aproximadamente. Esta
polarização inversa, necessária para suprimir
totalmente a corrente através do transistor, é
chamada de tensão de corte.
Figura 10-4 Curvas características de um TEC
canal N
10-2
Esta tensão de corte, para a maioria dos
transistores TEC está situada entre –6 e –10V.
Podemos também verificar, através de
curvas, que a variação de tensão do dreno acima
do joelho (5 volts) tem pouca influência sobre a
corrente de dreno (ID).
Pelo espaçamento regular que se obtém
com polarizações até –2 volts nota-se que o
transistor pode amplificar sinais pequenos com
um mínimo de distorção.
A resistência interna entre dreno e fonte
varia conforme a polarização; assim, temos com
zero volts no gatilho (porta) uma resistência
interna por volta de 150 ohms, enquanto que
com polarização inversa acima de –6 volts
obtem-se valores superiores a 1000 megohms.
O TEC, da mesma forma como os
transistores comuns, também pode ser usado em
3 configurações, sendo que a mais usada é o
supridouro ligado à massa, que corresponde ao
circuito emissor à massa.
Como podemos observar, o circuito é
muito semelhante ao de um amplificador usando
válvula triodo.
A autopolarização do TEC pode ser feita
da mesma maneira como na válvula, isto é, pelo
resistor do supridouro. Por exemplo, se
escolhermos o ponto de trabalho do transistor
em 5 miliampéres e verificarmos, pelas curvas
características, que para isso é necessária uma
polarização no gatilho de –1 volt, o resistor de
supridouro (R1) deve ter um valor de:
1V
200 ohms .
R1 =
0,005 A
O resistor é normalmente escolhido em
função da frequência de trabalho. O resistor R2
corresponde à resistência de carga (RL). A fase
do sinal de saída está 180 graus invertida em
relação ao sinal de entrada.
A principal vantagem do transistor de
efeito de campo diz respeito à sua impedância
de entrada que, na realidade, é dada pela
impedância de um diodo inversamente
polarizado, podendo atingir, dependendo do tipo
do TEC, valores tão altos como centenas de
megohms.
Isto
possibilita
aplicações
impossíveis para os transistores bipolares.
Finalmente devemos apresentar outro
tipo de transistor de efeito de campo, o chamado
IGFET (Insulated Gate Field Effect Transistor),
também chamado MOSFET (Metal Oxide
Semiconductor Field Effect Transistor).
O funcionamento deste transistor é
diferente do anterior no sentido de que, com
tensão VGS nula, não há nenhuma condução no
dreno.
Quando aplicamos uma tensão positiva,
por exemplo, no caso da figura 10-6, surge na
superfície da região N um canal tipo P,
correspondente ao dreno e à fonte, possibilitando, então, o deslocamento de buracos
entre a fonte e o dreno.
A vantagem deste tipo de transistor é a
elevadíssima impedância de entrada, e é com
este tipo que se consegue obter os valores mais
elevados.
Outra extraordinária vantagem deste
último tipo de FET é que ele possibilita a fácil
fabricação de complexos arranjos integrados
com aplicações sem limites no campo digital.
Figura
Figura 10-5 Amplificador típico com TEC
10-3
10-6
Constituição e símbolo
MOSFET canal P
do
TRANSISTOR DE UNIJUNÇÃO
O transistor de junção única (TJU ou
UJT) é um dispositivo semicondutor de três
terminais que tem sua principal aplicação em
circuitos osciladores não senoidais e de
comutação.
A figura 10-7 mostra a constituição
física e o símbolo do transistor de unijunção.
Ele é constituído por uma pequena barra de
silício do tipo N, na qual são feitos contatos
ôhmicos nos extremos que são denominados
Base 1 (B1) e Base 2 (B2) e na parte lateral é
feita uma junção PN, na qual também é feito um
contato ôhmico, o que constitui o emissor.
Eletricamente, o TJU atua como divisor
resistivo de tensão, entre B1 e B2 e um diodo no
centro.
quando IB2 for igual a zero, a curva
característica relacionando IE e VE será a de um
diodo comum, como podemos observar na
“curva 1” da figura 10-8.
Devemos observar que nesta figura a
corrente IE está representada no eixo das
abscissas e a tensão VE no eixo das ordenadas, o
que explica o aparecimento diferente da “curva
1” de um diodo comum.
Além disto, devemos salientar que a
“curva 2” foi traçada para uma dada tensão VBB,
obtendo-se curvas com aspecto semelhante para
diferentes tensões de VBB.
Figura 10-8 Curvas características de um
transistor unijunção
Figura
10-7
Partindo do ponto “A”, à medida que a
tensão VE aumenta, a corrente vai aumentando
lentamente até que seja atingido o ponto
“B”(chamado de ponto de pico), a partir do qual
a tensão diminui e a corrente aumenta. Portanto,
o trecho BC é caracterizado pelo fato,
aparentemente contraditório, de uma diminuição da tensão provocar um aumento de
corrente.
Isto é explicado se considerarmos que,
no trecho BC, o dispositivo apresenta uma
resistência negativa, característica esta que
permite a aplicação do transistor de unijunção
em osciladores (geradores dentes-de-serra, multivibradores, etc).
A figura 10-9 mostra as curvas
características de saída do transistor de
unijunção.
Podemos observar a relação entre a
corrente IB2 e a tensão de saída, entre as bases,
para diferentes valores da corrente no emissor
(IE).
Construção física, circuito
equivalente e símbolo elétrico
do TJU
Curvas características
Vimos que entre as bases B1 e B2, o
dispositivo apresenta a característica de um
resistor comum. Quando a base B2 está aberta,
isto é, quando IB2 é igual a zero, temos apenas
no circuito a junção E-B1, polarizada
diretamente pela bateria VEE. Isto significa que,
10-4
Figura 10-9 Curvas características de um
transistor
de
unijunção,
relacionando IB2, VBB e IE
Aplicação
Um exemplo simples da aplicação do
TJU é o circuito da figura 10-10 que é um
oscilador de relaxação.
Quando o interruptor é ligado, a ação
divisora de tensão, da resistência da barra de
silício do TJU, da base um e da base dois, em
série produz uma queda de 12 volts,
aproximadamente, entre a base um e o lado N
da junção do emissor.
Neste momento, a tensão do emissor é
zero, por causa do capacitor C1. O capacitor C1
começa a adquirir carga através do resistor R1.
Quando a tensão do capacitor chega a 12 volts,
a junção do emissor se polariza diretamente e
começará a fluir uma corrente pela base um,
reduzindo a resistência interna. Esta ação
descarrega a energia armazenada no capacitor,
através do resistor R3. Logo, o ciclo se repete e
o capacitor se recarrega e volta a descarregar-se.
Figura 10-10 Oscilador de relaxação
Cada vez que o emissor se polariza
diretamente, diminui a resistência total entre as
bases um e dois, o que permite um aumento na
corrente que passa pelo TJU.
Como resultado, na base um aparecerá
um pulso positivo e na base dois um pulso
negativo, no momento em que o capacitor se
descarrega. Assim temos no emissor uma onda
dente-de-serra.
10-5
CAPÍTULO 11
CIRCUITOS INTEGRADOS
INTRODUÇÃO
Com a invenção do transistor os
projetistas puderam produzir equipamentos
eletrônicos menores, mais versáteis e de maior
confiabilidade. Porém o transistor foi apenas o
primeiro passo para um avanço tecnológico
ainda maior, a implementação do circuito
integrado monolítico.
Os circuitos integrados, com as funções
próprias de um circuito completo, em um
espaço comparável ao que antes era ocupado
por um único transistor, estão convertendo-se
nos componentes básicos dos equipamentos
eletrônicos.
Para a construção de um circuito
integrado efetua-se uma série de operações de
difusão gasosa e centenas de circuitos
integrados são produzidos simultaneamente em
uma pastilha de silício, com cerca de 3 cm de
diâmetro.
MICROELETRÔNICA
Na eletrônica sempre houve uma
tendência de miniaturização dos equipamentos.
O aparecimento do transistor e do diodo semicondutor depois da guerra, incentivou mais o
desenvolvimento dessa miniaturização.
A utilização dos elementos semicondutores em miniatura foi possível devido às
características do transistor permitir o
funcionamento dos circuitos com baixa tensão e
potência.
A montagem de transistores e outros
componentes em pequenas placas de circuitos
impressos proporcionou uma redução significativa no tamanho e peso dos equipamentos.
O resultado, mesmo em miniatura era,
todavia, convencional no que se refere à
montagem dos diversos componentes, formando
o que se poderia chamar de micromontagem. A
partir daí as pesquisas se desenvolveram,
chegando atualmente à chamada microeletrônica.
Um circuito integrado é um caso
particular de microeletrônica, recebendo essa
denominação um conjunto inseparável de
componentes eletrônicos, em uma única
estrutura, a qual não pode ser dividida sem que
se destruam suas propriedades eletrônicas.
Os circuitos integrados de semicondutores podem ser divididos em dois grupos: os
circuitos monolíticos e os circuitos híbridos.
Nos circuitos monolíticos todos os componentes
dos circuitos são fabricados por meio de uma
tecnologia especial dentro de uma mesma
pastilha de silício, enquanto que nos circuitos
híbridos, várias pastilhas são colocadas em um
mesmo invólucro e são conectadas entre si.
TÉCNICA DE FABRICAÇÃO DE CIRCUITOS INTEGRADOS MONOLÍTICOS
Como mencionado anteriormente os
circuitos integrados monolíticos são aqueles em
que todos os componentes do circuito são
fabricados simultaneamente em um único cristal
de silício com menos de 1mm2 de área.
O processo usado atualmente para a
fabricação de CI (circuito integrado), é baseado
na técnica de difusão do silício, que foi
desenvolvida para a fabricação de transistores
de silício.
Inicialmente o material é um cristal de
silício simples, do tipo P ou do tipo N, como
mostrado em “A”.
As técnicas de difusão permitem a
introdução de impurezas nas profundidades e
larguras desejadas no material inicial. A
penetração vertical das impurezas é controlada
pela temperatura de difusão e pelo tempo. O
controle lateral de difusão torna-se possível pela
combinação das propriedades de vedação do
dióxido de silício com as técnicas fotoquímicas.
Quando determinadas regiões do tipo N
são difundidas em um material inicial do tipo P,
como mostrado na figura “B”, são formados
núcleos isolados no circuito.
Os diodos formados pela substância P e
os núcleos do material tipo N, fornecem o
isolamento elétrico entre os núcleos.
A difusão de regiões adicionais do tipo P
e do tipo N formam transistores, como mostrado
na figura “C”.
As fases básicas às quais é submetido o
silício, durante o processo de fabricação do CI
são mostradas na figura 11-1
11-1
Figura 11-1 Fases do processo de fabricação do CI
A placa de silício é então, revestida com
uma camada de óxido isolante. Essa camada é
aberta nos pontos adequados, para permitir a
metalização e a interconexão, como mostrado na
figura “D”.
Quando se necessita de resistores no
circuito, a difusão do emissor do tipo N é
omitida e dois controles ôhmicos são
estabelecidos para uma região do tipo P,
formada simultaneamente com a difusão da
base, como mostrado na figura “E”.
Quando se necessita de capacitores, o
próprio óxido é usado como dielétrico, como
mostrado na figura “F”.
A figura “G” mostra a combinação de
três tipos de elementos em uma placa simples.
Devido ao fato do processo básico de
fabricação dos circuitos integrados ser idêntico
ao usado para fabricar transistores, estes em um
circuito integrado feito por esse processo são
similares aos convencionais. Por outro lado, os
resistores dos circuitos integrados são
completamente diferentes dos comuns.
Nos resistores comuns os diferentes
valores ôhmicos são obtidos variando-se a
resistência do material condutor, já nos circuitos
integrados a resistência do material não pode
variar para se obter valores diferentes de
resistores, porque a resistência do material é
determinada pelo valor requerido para a
fabricação do transistor, e seu valor ôhmico
depende basicamente de sua forma geométrica.
O valor do resistor é determinado pelo
produto de sua espessura “S” de difusão pela
razão entre o comprimento “L” e a largura “W”,
ou seja:
L
R = S•
W
O valor da capacitância de um capacitor
integrado é dado pelo produto de uma superfície
“A” e a razão entre a constante dielétrica “E” do
material difundido e a espessura do óxido “d”,
ou seja:
E
C = A•
d
TIPOS
DE
ENCAPSULAMENTO
CONTAGEM DE PINOS
E
O invólucro de um circuito integrado
desempenha quatro funções importantes:
a) Protege a pastilha de silício contra a
ação do meio ambiente, que de certo modo pode
alterar as características do CI;
b) Protege mecanicamente a pastilha do
circuito integrado;
c) Possibilita um meio simples de
interligar o CI com os outros componentes do
circuito;
11-2
d) Dissipa o calor dentro da pastilha,
durante o funcionamento do CI.
Na figura 11-2 são mostrados alguns dos
invólucros usados na prática.
Os dois primeiros CI’s possuem
invólucro do tipo “dual” em linha, sendo a
cápsula geralmente de material plástico e
moldada em torno dos terminais do suporte
onde a pastilha de silício foi montada.
O último CI mostrado na figura possui
invólucro
do
tipo
TO
(metálico),
extensivamente usado em muitos tipos de
transistores.
Figura 11-3 Contagem de pinos em CI’s
Já para o CI com encapsulamento do
tipo TO a contagem é feita do pino guia para a
direita no sentido horário, quando a vista
interior de sua base estiver voltada para o
observador. Essa contagem é mostrada na figura
11-4.
Figura 11-2 Invólucros usados em CI’s
A contagem de pinos de circuitos
integrados com encapsulamento do tipo “dual” é
feita, contando-se a partir do guia de referência
no sentido anti-horário como mostrado na figura
11-3
Figura 11-4 Contagem de pinos para CI com
encapsulamento do tipo TO.
11-3
CAPÍTULO 12
SENSORES
SENSOR DE UMIDADE
Existem certos materiais semicondutores
cuja resistência varia com a umidade relativa do
ar. Estes materiais têm um certo padrão
específico de carga elétrica em suas moléculas e
os níveis de energia entre elas são controlados
mediante a umidade do ar.
Este tipo de dispositivo semicondutor é
fabricado na forma de película delgada,
depositada sobre os eletrodos que estão
dispostos um ao lado do outro. A resistência
entre os eletrodos varia com a quantidade de
umidade do meio ambiente, pela qual é possível
medir a umidade relativa do ar.
A figura 12-1 mostra a curva
característica, dada pelo fabricante. Por essa
curva pode-se observar que o sensor de umidade
apresenta uma resistência elevada que decresce
rapidamente com o aumento da umidade.
Figura 12-2 Circuito medidor da umidade
relativa do ar
O circuito da figura 12-2 possui o
funcionamento descrito a seguir.
Havendo um aumento da umidade
relativa do ar, a resistência do sensor de
umidade diminui, ocasionando um aumento da
polarização direta base-emissor e com isso
também um aumento de IC.
Se o miliamperímetro estiver graduado
em percentagem de umidade do ar, teremos
desta forma uma indicação precisa dessa
umidade.
Porém, se a umidade do ar continuar a
aumentar, o relé K1 será ativado através do
aumento de IC, fazendo com que a lâmpada L1
acenda, indicando que a umidade está sendo
prejudicial aos componentes.
TERMISTORES
Figura 12-1 Curva de variação da resistência
com a umidade
A figura 12-2 mostra um circuito que
pode ser usado, por exemplo, para medir a
umidade relativa do ar de um depósito de
componentes eletrônicos.
A lâmpada L1 acenderá todas as vezes
que a umidade do ar atingir níveis prejudiciais
aos componentes eletrônicos do depósito.
Os termistores são componentes
eletrônicos que têm a capacidade de alterar a
resistência ôhmica com a variação da
temperatura.
Existem termistores com coeficiente de
temperatura positiva (PTC) e negativo (NTC),
ou seja, no primeiro caso teremos um aumento
de resistência quando ocorrer um aumento de
temperatura e no segundo caso teremos uma
diminuição no valor ôhmico do termistor
quando ocorrer um aumento de temperatura.
12-1
Os
termistores
são
amplamente
utilizados em circuitos de polarização de
transistores pois neste caso, eles compensariam
as variações da polarização devido ao aumento
ou diminuição da temperatura.
Figura 12-3 Circuito com estabilização de
polarização
Os termistores com coeficiente negativo
de temperatura (NTC) são os mais utilizados.
Um circuito com estabilização de
polarização através de um NTC é mostrado na
figura 12-3.
A tensão VBE do circuito é 0,2V e a IB é
300 mA. Com o aumento da temperatura
ambiente a IC tende a aumentar devido ao
aumento da ICO.
Porém, esse aumento da temperatura
afeta também o NTC, diminuindo sua
resistência, ocasionando um aumento da
corrente através dele.
Essa maior corrente solicitada aumenta a
queda de tensão em RF, diminuindo a VBE e com
isso menores serão a IB e a IC.
O resultado é que este dispositivo tende
a manter o circuito no seu ponto de operação.
A figura 12-4 a seguir mostra as curvas
características de um NTC e um PTC
respectivamente.
Figura 12-4 Curvas características de um NTC e de um PTC
DISPOSITIVOS FOTOSSENSÍVEIS
Células fotocondutivas
Diz-se que um dispositivo é fotossensível se o mesmo alterar suas características
mediante a incidência de luz.
Dentro do grupo de componentes fotossensíveis, destacam-se as células fotoelétricas
que podem ser a gás ou a vácuo, as células
fotocondutivas que podem ser do tipo fotor
resistor, fotodiodo e fototransistor e as células
fotovoltaicas.
Estas células baseiam-se no fenômeno
descrito a seguir, que ocorre quando um fluxo
luminoso
incide
sobre
um
material
semicondutor.
Quando isso acontece, os fótons
(partículas que compõem a luz) podem fornecer
aos elétrons energia suficiente para produzir a
ruptura das ligações covalentes, um elétron
abandona a ligação deixando uma lacuna em seu
12-2
lugar. Portanto a ação dos fótons ocasiona a
produção de pares elétron-lacuna, o que provoca
o aumento da condutividade no semicondutor.
Este fenômeno é conhecido como fotocondutividade.
Entre os dispositivos que funcionam
baseados no fenômeno da fotocondutividade
temos os fotorresistores, fotodiodos e os fototransistores.
Fotorresistores
Os fotorresistores são constituídos de
material semicondutor.
Quando um fluxo luminoso incide sobre
eles a sua condutividade aumenta, ou seja, a sua
resistência diminui.
Os materiais mais utilizados para a
construção dos fotorresistores são o sulfato de
cádmio e o sulfeto de chumbo.
Os fotorresistores são caracterizados
pelas iniciais LDR (Light Dependent Resistor),
ou seja, resistor dependente da luz.
Os fotorresistores são geralmente
aplicados em circuitos para a operação de relés.
A figura 12-5 ilustra esse processo.
Figura 12-5 Circuito de aplicação do fotorresistor
Quando não há fluxo luminoso, a
resistência do LDR é alta e a corrente que
circula na bobina do relé não é suficiente para
aciona-lo. Quando um fluxo luminoso incide
sobre o fotorresistor a sua resistência diminui, a
corrente aumenta atingindo um valor suficiente
para acionar o relé.
Consequentemente, com esse simples
circuito é possível efetuar o controle automático
de portas, alarmes de segurança, controles de
iluminação de ambientes etc.
Fotodiodo
Os fotodiodos são constituídos de
maneira análoga aos diodos de função já
estudados..
Figura 12-6 Aplicação do fotodiodo
12-3
A única diferença é que a função PN é
influenciada pela intensidade da luz, através de
uma janela de material transparente adaptada na
parte superior de seu invólucro.
Alguns fotodiodos possuem nesta janela
uma pequena lente convergente que concentra
ainda mais os feixes de luz.
O fotodiodo, em condições normais é
polarizado no sentido inverso e, portanto,
circula através do diodo apenas a corrente de
fuga.
Quando um feixe luminoso incide na
função, são quebradas ligações covalentes,
aumentando a concentração de portadores
minoritários e conseqüentemente, a corrente de
fuga aumenta.
Esse aumento da corrente vai atuar num
circuito acoplado ao fotodiodo.
O circuito da figura 12-6 tem por
objetivo processar a contagem de produtos que
estão sendo transportados por uma correia
O fluxo luminoso proveniente de uma
lâmpada é interrompido quando o produto se
interpõe entre a lâmpada e o fotodiodo.
Quando isso ocorre a corrente através do
diodo diminui, fazendo com que a tensão
estática aplicada na base do transistor
amplificador aumente. Isso provoca um
aumento da polarização direta base-emissor,
logo, a IC aumenta, fazendo com que a tensão
coletor-terra diminua.
Desta forma temos na saída do circuito
um pulso que é acoplado ao contador. Estes
pulsos serão registrados pelo contador, o qual
informará a quantidade de objetos.
Fototransistores
Esses dispositivos são constituídos por
duas funções PN acondicionados num
invólucro, tendo uma pequena lente que
converge o fluxo luminoso sobre a função baseemissor, a qual é denominada função
fotossensível.
Quando a luz incide em sua função baseemissor
sua
condutividade
aumenta,
ocasionando um aumento na corrente de coletor.
Quanto mais intenso for o fluxo
luminoso, mais intensa será a corrente de
coletor.
Devido a sua amplificação, o
fototransistor fornece dez vezes mais corrente
que o fotodiodo, sob as mesmas circunstâncias.
Os fototransistores possuem as mesmas
aplicações dos fotodiodos tais como a leitura
ótica, controle automático de brilho etc.
Todavia, apresentam a vantagem de não
necessitar de ampliação adicional.
Células fotovoltaicas
Como o nome indica, essas células
produzem uma tensão elétrica quando
submetidas a ação de um fluxo luminoso.
Uma das aplicações mais típicas das
células fotovoltaicas é nos chamados fotômetros
que são instrumentos usados pelos fotógrafos
para obterem informações sobre a iluminação
do ambiente.
Quando a luz incide sobre a fotocélula,
que é normalmente de selênio, é produzida uma
tensão que é aplicada a um milivoltímetro
graduado em unidades de intensidade de luz.
Bateria solar
Uma aplicação moderna de grande
importância das células fotovoltaicas é nas
chamadas “baterias solares”.
Células são colocadas, em grande
número, lado a lado e ligadas de maneira
conveniente, em série, em paralelo ou em
combinação série-paralelo.
Quando exposto à luz solar, o conjunto
pode fornecer energia suficiente para o
funcionamento dos instrumentos de um farol, de
uma estação meteorológica e principalmente de
um satélite artificial.
12-4
CAPÍTULO 13
REGULADORES DE TENSÃO
O DIODO ZENER COMO REGULADOR
DE TENSÃO
O diodo Zener é um dispositivo
semicondutor, de dois terminais, diferente dos
diodos comuns, tanto na sua construção física,
quanto no seu funcionamento.
O Zener possui uma junção maior que a
do diodo comum, o que possibilita uma
dissipação de potência.
Quanto ao seu funcionamento, foi
projetado para operar na região inversa da curva
característica e assim sendo, sua polarização
normal é a polarização inversa.
Apesar do seu funcionamento diferir um
pouco do diodo comum, o Zener pode operar do
mesmo modo que o diodo anteriormente
estudado.
Os diodos que operam na região inversa
da curva característica são chamados Zener, ou
diodo de referência, ou ainda diodo de
avalanche.
Por exemplo, um diodo comum de Ge,
com uma corrente de 1 mA, dissipa:
Pj = 1 mA x 0,25 V = 0,25 mW
Como o diodo Zener opera com tensões
mais elevadas (6 volts), teríamos, com a mesma
corrente de 1 mA, a potência:
Pj = 1 mA x 6 V 6 mW
Por este motivo é que a junção do diodo
Zener deve ser maior que a de um diodo
comum, a fim de possibilitar uma dissipação
maior.
O diodo Zener pode ser usado em
substituição à válvula VR, como mostra a figura
13-5. Isso se deve à característica do Zener que
mantém a tensão constante, dentro de
determinados limites, quando está operando na
região de Zener.
Funcionamento
CARACTERÍSTICAS DO DIODO ZENER
A diferença essencial, entre um diodo
Zener e um diodo comum, está no grau de
definição do ponto (tensão) de Zener.
O diodo Zener possui um joelho de alta
tensão, de curvatura bastante acentuada, ao
passo que outros diodos possuem uma curvatura
mais suave, como se vê na figura 13-1.
Figura 13-1 Curva na região inversa do diodo
comum
Outra característica importante do diodo
Zener é a maior largura física da junção. A
razão de ser desta característica está na potência
que a junção pode dissipar.
O diodo comum não deve atingir a zona
Zener, sob pena de possível destruição,
enquanto que o Zener é projetado e fabricado
para trabalhar nesta região.
Quando o diodo Zener é polarizado
inversamente, uma corrente muito pequena
circula através dele – é a corrente de fuga. À
medida que a tensão inversa cresce, também
cresce o campo elétrico existente na região de
transição. Este campo pode acelerar,
suficientemente, os elétrons livres, fazendo com
que eles adquiram bastante energia, para
provocar por choque, o rompimento das
ligações covalentes.
Consideremos de início, a situação de
um elétron livre. Quando este elétron sofre a
ação de um campo elétrico, adquire uma
aceleração suficiente, para romper uma ligação
covalente. Com isso, passam a existir três
portadores – uma lacuna e dois elétrons. Estes
dois elétrons podem ser acelerados e provocar o
rompimento de duas outras ligações, fornecendo
agora, sete portadores – quatro elétrons e três
lacunas. Em pouquíssimo tempo ocorre uma
multiplicação de portadores de carga – avalan-
13-1
che – a corrente cresce, sendo limitada somente
pela resistência externa do circuito.
A tensão sobre o diodo se mantém
aproximadamente constante, o que indica que o
diodo possui uma resistência muito pequena
nessa região. Esse fenômeno é chamado
“ruptura da junção por avalanche” ou mais
comumente “ruptura por avalanche”.
Dependendo da construção da junção, da
tensão aplicada e da corrente, pode produzir-se
a ruptura, mesmo que os elétrons livres não
tenham sido acelerados o suficiente para romper
as ligações covalentes. É o caso em que o
campo elétrico, produzido pela aplicação da
tensão inversa, é suficiente para provocar, ele
próprio, a quebra das ligações covalentes e,
portanto, a rápida multiplicação dos portadores
de carga.
Este tipo de ruptura é chamado de
“ruptura Zener”, e o ponto no qual ela se inicia é
chamado “ponto de tensão Zener”.
Nesse caso a corrente também aumenta
bruscamente e a tensão no diodo se mantém
quase constante.
Praticamente a ruptura por avalanche
distingue-se da ruptura Zener, pelo seu
coeficiente de temperatura. Costuma-se chamar
de região de Zener ou tensão de Zener, à região
e à tensão nas quais a corrente inversa cresce
rapidamente e a tensão se mantém quase
constante, qualquer que seja o motivo real da
ruptura.
definida e que a tensão se mantenha a mais
estável possível, durante a ruptura. Por esse
motivo, prefere-se fabricar diodos Zener de
silício e não de germânio, pois estas
características são mais definidas no Si, que no
Ge.
Cada diodo Zener comercial possui sua
tensão característica. Entretanto, esta tensão
varia ligeiramente com a corrente, pois a
característica não é exatamente vertical.
Vejamos a curva característica do diodo
OAZ203, na figura 13-3. O fabricante fornece
os seguintes dados:
Iz = corrente de Zener
Vz = tensão de Zener
Para Iz de 1mA temos Vz de 6,2V
Para Iz de 5mA temos Vz de 6,3V
Para Iz de 20mA temos Vz de 6,4V
Figura 13-3 Curva característica inversa do
diodo Zener OAZ203
Figura 13-2 Símbolos do diodo Zener
Como o diodo Zener possui mais de um
símbolo para sua representação, vamos escolher
para emprego em nosso curso o símbolo “D” da
figura 13-2.
ESPECIFICAÇÕES DA TENSÃO ZENER
Existem diodos Zener comerciais, com
tensão variando de alguns volts até centenas de
volts. Para aplicações práticas deste dispositivo,
é desejado que a região de ruptura seja bem
Falamos anteriormente em tensão média,
porque os valores da tensão Zener variam para o
mesmo tipo de diodo, de unidade para unidade,
dentro das tolerâncias de fabricação, que podem
ser de 10%, 5%, 1% ou ainda menores,
dependendo do tipo de diodo. Isto obriga o
fabricante a fornecer os valores máximos e
mínimos para a tensão Zener conforme mostra a
figura 13-3.
Observe também na tabela a seguir, as
características do diodo OAZ203, à 25° C.
Tensão Zener
Iz = 1mA
Iz = 5mA
Iz = 10mA
13-2
Valores típicos
Mínimo, médio, máximo
Vz = 5,8V
6,2V.....6,6V
Vz = 6,1V
6,3V 6,8V
Vz = 6,1V
6,4V 6,9V
IMPEDÂNCIA DINÂMICA
Efeito da temperatura
O fato da tensão Zener não se manter
exatamente constante, com a variação da
corrente inversa, indica que o diodo Zener não
tem uma resistência nula, na região inversa,
porém apresenta uma certa resistência, embora
baixa. É a impedância dinâmica, que
corresponde à inclinação da curva característica.
A impedância dinâmica também varia de
diodo para diodo, dependendo de sua tensão
Zener e, para um mesmo diodo, varia com a
corrente.
Por exemplo, na figura 13-4, a curva
característica do diodo OAZ201, para tensão
Zener baixa, apresenta uma Rz de 340 ohms
para uma Iz de 1 mA. Quando a corrente cresce,
a curva característica se aproxima de uma linha
vertical e a impedância dinâmica diminui.
Ainda para o mesmo diodo temos: Rz de
40 ohms para Iz de 5 mA – Rz de 4,7 ohms para
Iz de 20 mA – estes valores de Rz são os valores
médios, correspondendo às tensões médias de
Zener.
Para diodos de Vz mais elevadas, nas
baixas correntes, Rz é mais baixa, porque o
joelho da curva é quase reto: Rz de 21 ohms
para Iz de 1 mA, para o diodo OAZ213.
Quando a corrente se eleva, a curva
característica não é tão vertical, quanto àquela
dos diodos de baixa tensão. A impedância é
maior para diodos de alta tensão (7 ohms para
20 mA, para o diodo OAZ213).
Como do ponto de vista dos circuitos
que utilizam o Zener, é geralmente mais
interessante ter diodos, cuja impedância seja a
menor possível, o projetista deve ter cuidado na
hora da escolha do diodo e da corrente de
operação, a fim de obter a mínima variação de
tensão, quando a corrente se modifica.
Conforme
já
sabemos,
muitas
características dos dispositivos semicondutores
dependem da temperatura. O efeito causador da
ruptura determina o sentido da variação. Se a
ruptura for por avalanche, a tensão Zener cresce
com a temperatura, isto é, o coeficiente de
temperatura é positivo. Se a ruptura for do tipo
Zener, a tensão Zener decresce com a
temperatura, o que equivale ao coeficiente
negativo de temperatura.
Nas aplicações práticas, se a temperatura
do equipamento onde é utilizado o diodo Zener
variar, é importante saber qual será o sentido da
variação da tensão Zener. Ás vezes, deve ser
procurado, um ponto onde a tensão não varie,
ou pelo menos varie o mínimo possível ( ponto
de coeficiente nulo de temperatura).
O coeficiente de temperatura varia de
diodo para diodo, pois depende da tensão Zener
e, para um mesmo diodo, ele varia de acordo
com a corrente de operação.
Os diodos Zener com tensões maiores
que 6 volts têm coeficientes positivos de
temperatura, enquanto que os de tensões
menores que 4,5 volts têm coeficientes
negativos de temperatura. Por exemplo, o diodo
OAZ203, com tensão Zener de 6,3 volts, tem os
seguintes coeficientes de temperatura: para Iz de
1mA, o coeficiente é de +0,5 mV/ grau centígrado, o que significa um acréscimo de 0,5 mV,
para cada grau centígrado de aumento de
temperatura. À medida que a corrente cresce, o
coeficiente de temperatura também cresce.
Corrente
Coeficiente
5 mA
+1,7 mV/ ° C
20 mA
+2,6 mV/ ° C
Para diodos de tensões mais elevadas, o
coeficiente é também mais elevado. Vejamos,
por exemplo, os coeficientes para o diodo
OAZ213, com tensão Zener média de 12,2 V.
Corrente
1 mA
5 mA
20 mA
Figura 13-4 Curvas características de três
diodos Zener
Coeficiente
+ 9,2 mV/ ° C
+ 9,3 mV/ ° C
+ 9,4 mV/ ° C
Para diodos, cuja tensão Zener está
compreendida entre 4,5 e 6 volts, o coeficiente
de temperatura passa de negativo para positivo,
à medida que a corrente cresce. O diodo
13-3
OAZ201, com tensão média de 5,6 volts, tem os
coeficientes a seguir.
Corrente
1 mA
20 mA
Coeficiente
- 1,6 mV/ ° C
+ 1,0 mV/ ° C
Com estes dados que o fabricante
fornece é possível fixar a corrente de operação,
de tal modo que o coeficiente de temperatura
seja o mais próximo de zero. Por exemplo, no
caso do diodo OAZ201, poder-se-ia escolher
uma corrente compreendida entre 5 e 20 mA,
intervalo no qual o coeficiente de temperatura,
passando do negativo para o positivo, em algum
ponto se anulará.
correspondente
em
equipamentos.
O
aproveitamento da característica da região Zener
(tensão constante com corrente variável) leva,
com efeito, à aplicação mais importante do
diodo Zener que é a regulação de tensão em
fontes reguladas.
Entre outras aplicações, citamos o seu
emprego como chave, em circuitos limitadores,
em circuitos de estabilização da polaridade de
transistores, na proteção de circuitos e de
medidores, na supressão de faísca e na
regulação de tensão alternada.
LIMITAÇÕES DO DIODO ZENER
As limitações do diodo Zener são: a
corrente máxima direta (caso venha a trabalhar
naquela região), a corrente máxima inversa e a
máxima dissipação. Esse último dado é muito
importante e depende da temperatura na qual o
diodo vai operar; para os diodos de potência,
depende também dos meios utilizados para
dissipar o calor produzido, conforme já
assinalamos no caso dos diodos retificadores e
conforme será visto no apêndice.
Quando se necessita de tensão Zener
elevada, é preferível, às vezes, colocar vários
diodos de baixa tensão, em série, em vez de usar
um diodo de alta tensão, pois esses últimos têm
coeficiente de temperatura maior, impedância
dinâmica maior e necessitariam ser de maior
dissipação. Os diodos de baixa tensão, em série,
podem ter dissipações mais baixas, por
dividirem entre si a dissipação total.
Notamos que existem diodos Zener de
tolerância muito pequena, em relação à tensão, e
de grande estabilidade, em relação à
temperatura, que servem como elementos de
referência de grande precisão. São constituídos
geralmente de dois ou três diodos, em série,
colocados no mesmo invólucro, sendo um ou
dois no sentido direto, a fim de conseguir uma
compensação dos efeitos de temperatura.
APLICAÇÕES DO DIODO ZENER
Inúmeras são as aplicações do diodo
Zener, substituindo nos circuitos transistorizados, a válvula reguladora de tensão, sua
Figura 13-5 Diodo Zener em proteção de
circuitos
Proteção de circuitos
Os circuitos elétricos e eletrônicos
costumam ser protegidos contra sobrecarga de
tensão ou corrente por fusíveis que interrompem
a corrente quando esta ultrapassar um valor
prefixado.
Em certos casos, torna-se difícil escolher
um fusível que interrompa o circuito no
momento de uma sobrecarga e, ainda assim, não
chagar a fundir quando operado continuamente
no valor máximo de corrente perto da
sobrecarga.
Uma solução para esse problema
consiste em escolher um fusível que esteja
afastado do ponto de fusão, quando o circuito
opera no valor máximo de corrente, e colocar
em paralelo com a carga um diodo Zener com
tensão um pouco superior à tensão máxima
permissível para a carga como mostrado na
figura 13-5.
Havendo uma elevação da tensão, essa
tensão é ultrapassada, é atingida a tensão Zener,
o diodo oferece uma resistência muito menor
que a carga, a corrente aumenta muito e funde o
fusível que abre o circuito.
Uma aplicação baseada no mesmo
princípio exposto acima é a proteção de
13-4
medidores com diodo Zener. Para evitar que
uma tensão alta demais possa ser aplicada
inadvertidamente a um medidor colocado em
uma escala baixa, que poderia danificar o
sensível sistema de medição, coloca-se um
diodo Zener em paralelo com o medidor, cuja
tensão seja um pouco maior que a tensão
máxima aceitável. Se esta tensão for
ultrapassada, o diodo Zener a conduzirá e toda a
corrente passará por ele, deixando o medidor
fora do circuito. Veja a figura 13-6.
Figura 13-6 Diodo Zener como proteção de
medidores
Regulação da tensão alternada
Quando a rede de alimentação (CA)
varia a sua tensão, o efeito pode ser prejudicial
em muitos casos, citando-se como exemplo, a
alimentação de lâmpadas fornecedoras de luz
para células fotoelétricas, porque uma ligeira
variação na tensão da rede modifica a
intensidade luminosa da lâmpada e a resposta da
célula fotoelétrica.
Para diminuir essas variações, usam-se
dois diodos Zener, em oposição (figura 13-8).
Na alternância positiva, o diodo de cima entra
na região Zener, quando a tensão alternada
iguala a tensão de ruptura, estando o outro diodo
sempre polarizado diretamente e funcionando
praticamente como um curto-circuito.
Na alternância negativa, o diodo de cima
funciona como um curto e o outro limita a
tensão no valor Zener. Quando a tensão de CA
altera seu valor, seja para mais ou para menos,
os diodos Zener limitam a onda de tensão
sempre nos mesmos valores, fixados pelas suas
tensões Zener.
Supressão de faíscas
Quando são interrompidos circuitos em
que existem cargas indutivas (transformadores,
relés,
solenóides),
aparecem
oscilações
transitórias, com amplitudes que podem
ultrapassar o valor normal de funcionamento e
provocar faíscas nos contatos do interruptor.
Para evitar a aplicação dessas altas
tensões ao circuito e o faiscamento dos contatos,
pode-se colocar um diodo Zener em paralelo
com a carga indutiva, com um resistor de
proteção em série, para absorver a oscilação,
tanto com alimentação CC (figura 13-7 A) ou
CA (figura 13-7 B).
A
Figura 13-8 Diodos Zener em circuito de regulação de tensão alternada
DIODOS ZENER COMERCIAIS
Existem diodos comerciais, com tensões
Zener variando de alguns volts até centenas de
volts, dissipações permissíveis, variando de
algumas centenas de mW até alguns W e
correntes máximas de algumas centenas de mA
até dezenas de Ampéres. A figura 13-10
apresenta um quadro comparativo de alguns
diodos Zener comerciais da IBRAPE.
Curva característica do diodo Zener
Figura 13-7 Diodo Zener como supressor de
faíscas
A curva característica do diodo Zener é
bem semelhante à curva do diodo comum. As
13-5
poucas diferenças existentes são a regularidade
da intensidade de corrente, até que atinja o
ponto de Zener e, a queda brusca na região
inversa da curva (mais intensa que nos diodos
comuns).
O diodo Zener, quando trabalha na
região direta, trabalha como um diodo comum.
Na região inversa, entretanto, há uma alta
resistência até que atinja o ponto de ruptura; daí
em diante a resistência é baixa.
Figura 13-9 Curva característica do diodo Zener
Características a 25º C
Impedân
Para
Para
Para
Coeficien
corrente cia dinâ- corrente te de tem corrente
Máxima Zener
mica R Zener peratura Zener
(V)
-I (mA)
(:)
-I (mA) (mV/ ºC) -I (mA)
Tensão Zener
Diodo
Dissipa
Cão
(mW)
Mínima
(V)
Média
(V)
BZZ10
5,3
6,0
6,6
1
27
5
+ 1,0
5
280
OAZ201
5,2
5,6
6,0
5
45
5
- 0,6
5
320
OAZ202
5,6
6,0
6,3
5
24
5
+ 0,6
5
320
OAZ203
6,1
6,3
6,8
5
9,5
5
+1,7
5
320
OAZ213
9,4
12,2
15,3
5
12
5
+ 9,3
5
320
BZZ14
5,3
5,6
6,0
20
13
20
Min.Max.
- 0,4 +2,5
20
8W
Figura 13-10 Quadro comparativo de alguns diodos Zener da IBRAPE
13-6
REGULADOR
TENSÃO
ELETRÔNICO
DE
No estudo anterior sobre reguladores
com Zener, pudemos ver que, embora o Zener
regule a tensão, razoavelmente, há necessidade
de se elaborar um circuito mais complexo que
resulta da combinação de diodos Zener e de
transistores.
Esta combinação apresenta como
resultado uma regulação quase perfeita.
O regulador que vamos estudar nesta
unidade é um regulador eletrônico em série.
Uma tensão bastante constante na saída,
às vezes torna-se necessária, pois existem
equipamentos bastante sensíveis, nos quais um
mínimo de variação na sua alimentação é o
bastante para que afete o seu funcionamento
ideal.
Funcionamento
O circuito que analisaremos a seguir é
um dispositivo conhecido como regulador em
série.
Observe que o transistor Q1 está ligado
diretamente ao terminal negativo da fonte de
força não regulada; o terminal positivo passa
diretamente para a saída do regulador. O
transistor Q1 é denominado “transistor de
passagem” e sua resistência depende do grau de
polarização direta.
Quando sua base se faz mais negativa,
com respeito ao emissor, sua resistência
diminui.
Figura 13-11 Regulador em série
A tensão de entrada está dividida entre a
rede sensora e o transistor em série com esta
rede.
O resistor de passagem se comporta
como um resistor variável. Toda variação de
tensão que poderia ocorrer na saída ocorre na
VCE de Q1.
Q2 é denominado “transistor de controle”
e determina a quantidade de polarização de base
de Q1 e, portanto, a resistência em série de Q1.
A tensão de entrada do regulador é
sempre maior que a tensão requerida para a
saída.
Observe que o potenciômetro e o resistor
em série com Q1 ligam-se diretamente aos
terminais de saída de CC. Estes resistores são
conhecidos como “rede sensora” ou “detectora
de tensão”.
Quando diminui a corrente contínua de
carga, a tensão contínua de saída tende a
aumentar. À medida que há esse aumento, a
rede detectora varia a polarização da base de Q2
e isto torna a base mais positiva. Como
consequência, a resistência de Q1 aumenta, para
compensar a tendência ao aumento da tensão de
saída.
Quando a carga requer uma corrente
considerável, a tensão da rede sensora tende a
diminuir, variando a polarização de Q2, de tal
forma que a base de Q1 torna-se mais negativa;
assim, a resistência de Q1 diminui, reduzindo a
queda de tensão em Q1, compensando a
tendência de diminuir a tensão de carga.
O diodo Zener possui duas funções. A
primeira é regular as variações na tensão
contínua de entrada, como já foi visto
13-7
anteriormente. A segunda e mais importante
função é manter uma tensão constante no
emissor de Q2. Esta tensão é quase igual a
normal que se desenvolve na base de Q1,
mediante a rede sensora.
Quando a tensão contínua de saída tende
a aumentar ou diminuir, a diferença entre esta
tensão de referência e a da rede sensora,
controla a corrente de base de Q1; assim pois, a
resistência de Q1 varia em forma ascendente ou
descendente, dependendo da forma de variação
da tensão de entrada, para mais ou para menos,
com a variação da corrente de carga ou com a
variação da tensão de linha.
Este tipo de regulador possuía vantagem
de poder regular maiores tensões contínuas de
saída, com mais capacidade de corrente que o
regulador que usa apenas o diodo Zener. Este
tipo de regulador permite fazer variar a tensão
regulada, para alguns valores desejados.
SUMÁRIO
O diodo Zener é um dispositivo
semicondutor de dois terminais, projetado para
funcionar na região inversa da curva
característica.
Região Zener é a região onde a corrente
de Zener aumenta e a tensão permanece
constante.
Existem dois tipos de ruptura: uma por
avalanche e outra por Zener.
Cada diodo Zener possui sua tensão
característica.
É desejável escolher-se diodos, cuja
impedância dinâmica seja a menos possível.
Diodos Zener com tensões acima de 6 V
possuem coeficientes de temperatura positivos.
Diodos Zener com tensões abaixo de
4,5V possuem coeficientes de temperatura
negativos.
As limitações do Zener são corrente
máxima direta, corrente máxima inversa e a
máxima dissipação.
O Zener é o substituto da válvula Vr.
A principal aplicação do Zener é como
regulador de tensão.
O regulador eletrônico é uma
combinação de dispositivos semicondutores que
regulam com bastante precisão tensões de
corrente contínua.
No regulador da figura 13-11, o diodo
Zener possui duas funções: fornecer uma tensão
de referência para a base de Q2 e regular as
variações da tensão de entrada.
Os resistores na saída do regulador
constituem a rede sensora ou detectora de
tensão.
É possível variar a tensão de saída
regulada, através do controle do potenciômetro
ligado à base de Q2.
13-8
CAPÍTULO 14
DIODOS ESPECIAIS
THYRISTORES (SCR)
O Thyristor é um comutador quase ideal,
é retificador e amplificador ao mesmo tempo.
Constitui-se um componente de escolha para a
eletrônica
de
potência.
Concebido,
originalmente para substituir a válvula
“thyratron” à gás, o thyristor se impôs,
rapidamente, em diversos domínios, cujos mais
importantes são a comutação pura e simples, a
variação de velocidade dos motores e a variação
da intensidade luminosa.
O thyristor permanece normalmente
bloqueado, até o momento em que se deseja que
ele se torne condutor.
O termo “thyristor” designa uma família
de
elementos
semicondutores,
cujas
características, originalmente, estão próximas às
das antigas válvulas thyratrons. O nome
thyristor é uma contração de THYRatron e
transISTOR.
Os thyristores, também conhecidos por
SCR (Silicon Controlled Rectifier) são
elementos unidirecionais a três saídas (anodo,
cátodo e gatilho).
Os TRIACS, são chamados “thyristores
triodos bidirecionais”. O nome Triac provém da
contração de “TRIode AC Switch”.
Fazem parte ainda da família dos
thyristores, os fotothyristores ou thyristores
fotossensíveis, os thyristores bloqueáveis, os
comutadores unilateral e bilateral SUS e SBS
(Silicon Unilateral Switch e Silicon Bilateral
Switch, respectivamente) e o diodo Shockley,
também conhecido por diodo thyristor ou diodo
de quatro camadas.
comuns, o sentido é, repetimos, do cátodo para
o anodo.
Figura 14-1 Estrutura e símbolo do thyristor
Thyristor sob tensão
O thyristor pode ser comparado com
dois diodos, montados em oposição, conforme
mostrado na figura 14-2.
Para simplificação da análise que se
segue, vamos admitir que o cátodo está ligado à
massa e o gatilho está desligado, isto é, no ar.
Estrutura e símbolo do thyristor
Figura 14-2 Comparação do thyristor com
diodos
O thyristor é um semicondutor de silício
a quatro camadas alternadas.
Duas conexões principais são
realizadas para o anodo e o cátodo. A condução,
no sentido direto (corrente de cátodo para
anodo) é comandada por um eletrodo, chamado
gatilho (em inglês – gate). Após a aplicação de
um sinal de comando no gatilho, o thyristor
deixa passar por ele uma corrente unidirecional,
isto é, só num sentido. A exemplo dos diodos
As camadas P1N2 formam o diodo em
oposição, que assegura a não condução do
dispositivo.
Se o anodo está positivo, os diodos P2N2
e P1N1 estão polarizados diretamente, porém, o
diodo P1N2 bloqueia a condução. Se, ao
contrário, o anodo é negativo, os diodos P2N2 e
P1N1 estão polarizados inversamente. Por causa
da tensão de avalanche de P1N1 ser baixa, a
14-1
limitação da corrente inversa de fuga é feita por
P2N2. Na prática, a tensão máxima é limitada
pela tensão de avalanche dos diodos P2N2 e
P1N1. Neste caso, só haverá condução se a
tensão inversa alcançar a tensão de ruptura dos
diodos, o que poderá danifica-lo.
Thyristor sob tensão direta
O comportamento do thyristor é melhor
compreendido se fizermos uma analogia com
dois transistores PNP e NPN.
Veja a figura 14-3.
Figura 14-3 Thyristor sob tensão direta
Estes dois transistores são montados de
modo que uma realimentação positiva seja
realizada. Suponhamos que a região P2 seja
positiva em relação à região N1. As junções J3 e
J1 ficam polarizadas diretamente e deixam
passar, respectivamente, os portadores positivos
e negativos para as regiões N2 e P1. Estes, após
se espalharem pelas bases de cada um dos
transistores, alcançam a junção J2, onde a carga
espacial cria um intenso campo.
Se α2 é o ganho de corrente, que dá a
fração da corrente de buracos injetados no
emissor e que atinge o coletor do PNP, e se de
outra parte α1 é o ganho de corrente, que dá a
fração de corrente de elétrons injetados no
emissor e que atinge o coletor do NPN,
podemos escrever que:
IC2 = IA · α2
e IC1 = IA · α1
A corrente total de anodo é,
evidentemente, a soma de IC1 e IC2, as quais se
somam à corrente de fuga residual (ICX), através
da junção central. A IA será então:
IA = α1 ·IA + α2 · IA + ICX
IA =
que nos dá:
Icx
1 − (α1 + α 2 )
Para a maioria dos transistores de silício,
o ganho é baixo para as baixas correntes e
cresce muito quando a corrente aumenta.
Portanto, se ICX é baixa, o denominador da
equação anterior está próximo de 1 (para as
pequenas correntes), e a corrente IA permanece
um pouco superior à corrente de fuga.
A estrutura PNPN, ainda que polarizada
diretamente, está bloqueada, e oferece uma
grande impedância à passagem da corrente.
Quando, por qualquer razão, ICX
aumenta, a corrente e os ganhos aumentam
também. A soma α1 + α2 tende para 1 e a
corrente IA tende para o infinito. Em realidade,
ela toma um valor bem elevado, que é limitado
somente pelo circuito exterior. O thyristor está
então no estado de condução, dizendo-se então
que ele está desbloqueado.
Observação: Este tipo de disparo do thyristor é
desaconselhado na maioria dos
casos.
Princípio de disparo pelo gatilho
O disparo do thyristor pelo gatilho é o
mais comumente utilizado. A explicação será
mais clara, se observarmos a figura 14-4.
O
thyristor
estando
polarizado
diretamente, uma impulsão positiva (IG) de
comando será injetada no gatilho. O transistor
Q1, recebendo a IG, como corrente de base, tem
sua corrente de coletor igual a I · β1, onde β1 é o
seu ganho de corrente (montagem emissor
14-2
comum). Esta corrente é, por sua vez, injetada
na base do transistor Q2, que produz uma IC2
igual a IG · β1 · β2, onde β2 é o ganho de corrente
de Q2. Esta corrente é então reaplicada à base de
Q1. Duas situações podem ocorrer:
Figura 14-4 Disparo pelo gatilho
Se o produto β1 · β2 for menor que 1, o
dispositivo não será disparado.
Se o produto β1 · β2 tender à unidade (1),
o processo de amplificação irá se manifestar e o
thyristor irá conduzir..
Desde que o disparo do thyristor
ocorreu, a realimentação dos transistores os faz
conduzir à saturação. Eles se mantêm neste
estado, mesmo que a impulsão inicial do gatilho
desapareça e que o circuito exterior mantenha a
corrente IA.
Como um thyristor pode ser disparado
Como já vimos, o thyristor dispõe dos
seguintes estados: bloqueado, quando polarizado diretamente e não tenha sido disparado;
bloqueado, quando polarizado inversamente;
condutor, se polarizado diretamente e tenha sido
disparado.
Quando o thyristor passa do estado
bloqueado para o de condutor, é porque o
transistor de silício teve um ganho de corrente, o
qual fez aumentar a corrente de emissor.
Consequentemente, todos os mecanismos capazes de provocar um aumento da
corrente IE são utilizados. Os principais são:
1TENSÃO – Quando a tensão
cátodo-anodo do thyristor aumenta, chega a um
ponto onde a corrente de fuga é suficiente para
provocar um crescimento abrupto da IE. Este
modo de disparo é principalmente empregado
com diodos de quatro camadas (diodos-thyristores).
2AUMENTO DA TENSÃO –
Sabemos que toda junção PN apresenta uma
certa capacitância de junção. Se aplicarmos uma
tensão brusca entre anodo e cátodo, carrega-se
esta
capacitância
com
uma
corrente
proporcional à variação de tensão e logo que
esta tensão seja suficiente, o thyristor dispara.
3TEMPERATURA – A corrente
inversa de fuga em transistor de silício, aumenta
com o aumento da temperatura. Quando a
corrente de fuga for suficiente, teremos o
disparo do thyristor.
4EFEITO TRANSISTOR – É o
modo clássico de disparar um thyristor,
injetando-se portadores suplementares na base
do transistor equivalente, ou seja, no gatilho do
thyristor.
5EFEITO FOTOELÉTRICO –
Provocando-se a criação de pares elétronlacuna, um foco de luz pode disparar um
thyristor. Neste caso utiliza-se um fotothyristor;
que consiste em um tipo de thyristor, no qual
existe uma “janela”, ou seja, uma lente
transparente aos raios luminosos.
CURVA CARACTERÍSTICA
THYRISTOR
DE
UM
A curva típica de um thyristor, elemento
unidirecional, é mostrada na figura 14-5. Ela
representa a corrente IA em função da tensão
anodo-cátodo.
Figura 14-5 Curva característica de um thyristor
14-3
VD = Tensão direta em bloqueio
VDRM = Valor máximo de tensão direta (em
bloqueio)
VDSM = Máxima tensão direta não repetitiva (em
bloqueio)
VT = Tensão sobre o thyristor desbloqueado (em
condução)
IH = Corrente mínima de condução
VRWM = Tensão máxima inversa
Quando a tensão “V” é nula, a IA
também será nula. A tensão “V”, ao crescer no
sentido direto, será denominada VF (“F” de
forward, em inglês). É necessário atingir um
valor mínimo (VD), para disparar o thyristor.
Nesse momento, o thyristor torna-se condutor e
a queda de tensão entre seus bornes diminui,
enquanto que a corrente IA aumenta. Esta
corrente direta será denominada IF.
Se polarizarmos inversamente o
thyristor, com a aplicação de uma tensão VR
(“R” de reverse, em inglês), observa-se o
aparecimento de uma pequena corrente de fuga
(IR), até que uma tensão máxima inversa que se
for aplicada ao thyristor o destruirá.
O thyristor é, portanto, condutor somente
no primeiro quadrante. Note-se que o disparo
direto foi provocado pelo aumento da tensão
direta.
Se aplicarmos uma corrente de comando
no gatilho, deslocaremos o ponto VD para a
esquerda. Ver a figura 14-5.
Disparo do thyristor (SCR)
O processo de disparo pode ser
considerado separadamente do mecanismo de
condução do anodo.
O desempenho do circuito de controle
dependerá, porém, sob certo aspecto, do circuito
do anodo.
Um SCR nunca disparará, se o circuito
do anodo limitar a sua corrente a um valor
menor que IH (corrente de manutenção). Com
correntes de anodo inferiores a IH, um SCR
comportar-se-á como um transistor; quando a
corrente de disparo for interrompida, a corrente
de anodo cessará.
Entre os terminais de disparo e de
cátodo, há uma junção PN. Esta junção
comporta-se como um diodo e suas
características são pouco afetadas pela presença
das outras duas camadas, mesmo quando existe
uma diferença de potencial entre anodo e
cátodo.
A figura 14-6 mostra uma característica
típica do - diodo gatilho cátodo, obtida com a
aplicação de uma tensão positiva ao primeiro
elétrodo.
A curva se aplica para as condições
“ligado” e “desligado” do SCR, já que a
alteração de impedância entre ambas é pequena.
A característica de impedância varia com
a temperatura, para diferentes SCR do mesmo
tipo, mas, sempre dentro dos limites
apresentados nas publicações.
Na figura 14-6, podemos ver a
característica desse diodo em diferentes
temperaturas.
Figura 14-6 Variações da característica de impedância em temperaturas diferentes
Consideremos um SCR com a
característica de impedância conforme a figura
14-6. Se uma tensão positiva for aplicada entre
o anodo e o cátodo, e a tensão do disparados for
aumentada, a corrente deste elétrodo aumentará
segundo a curva da figura 14-6.
Em certo ponto da curva haverá o
disparo e este ponto é bastante independente da
tensão do anodo, isto é, quando a IGF atingir o
valor de disparo, o SCR disparará, qualquer que
seja a tensão positiva do anodo.
Evidentemente há um valor de potencial
mínimo de não disparo.
Os valores de corrente e tensão do
gatilho, em que há o disparo, variarão de um a
outro SCR do mesmo tipo; isto se deve à
variação da impedância do gatilho, entre os
limites mostrados na figura 14-7 e à diferença
de sensibilidade entre os SCR’s.
14-4
Figura 14-7 Limites da variação da impedância do gatilho
Fora da área hachurada da figura 14-7 e
dentro dos limites de RG, quaisquer valores de
corrente e de tensão dispararão qualquer SCR
desse tipo particular. Tensões e correntes que se
localizem no interior da área hachurada
dispararão alguns, mas não todos os diodos da
série.
Os limites da área de disparo eventual
são definidos, com referência às características
mostradas na figura 14-7, na sequência a seguir.
1LIMITES DE TENSÃO – A
tensão limite é a requerida para disparar o SCR,
que é menos sensível à tensão, na mais baixa
temperatura de operação. Em temperaturas mais
altas, a variação da tensão requerida não é muito
grande e é possível simplificar o diagrama,
considerando a tensão constante e igual à
requerida na mais baixa temperatura de
operação.
turas indicadas. As características discutidas até
agora determinam o limite inferior do nível de
disparo, sob todas as condições. O limite
superior é determinado por uma combinação da
potência média de disparo (pico de disparo), e
das máximas correntes e tensões diretas do
gatilho.
4MÉTODOS DE DISPARO DO
SCR – Um circuito de disparo, quando bem
projetado, deve disparar o SCR sem exceder a
qualquer dos valores máximos de tensão e
corrente do componente.
a) Disparo por corrente contínua –
Quando o valor da tensão entre o gatilho e o
cátodo, isto é, VG atingir o valor de disparo, o
SCR conduzirá. Se a tensão VG for reduzida a
zero, o SCR continuará a conduzir, por causa da
baixa impedância de sua estrutura interna.
2LIMITES DE CORRENTE – A
corrente limite é a requerida para disparar o
SCR menos sensível à corrente, na mais baixa
temperatura de operação. Nas mais altas
temperaturas é requerida menor corrente e os
limites para –40, +25 e +100 graus centígrados
são mostrados na figura 14-7.
3LIMITES DE BAIXO NÍVEL –
Estes limites indicam níveis de tensão, abaixo
dos quais nenhum SCR disparará, nas tempera14-5
Neste caso pode-se obter um melhor
controle da energia consumida na carga. O
circuito básico de controle de energia com SCR
é visto na figura 14-9.
Figura 14-8 Disparo por corrente contínua
O SCR será bloqueado se a tensão
positiva de anodo for reduzida até que a
corrente de anodo seja menor que IH.
No circuito da figura 14-8 B, a carga a
ser alimentada foi colocada no circuito do
cátodo (a carga está representada por um
resistor). Neste caso, quando o SCR dispara, a
tensão no cátodo se torna mais positiva que a
tensão no gatilho. O diodo D1 é, então, colocado
no circuito de porta (ou gatilho) para evitar a
sua ruptura.
Se a tensão que alimenta o anodo for de
corrente alternada, o SCR conduzirá durante as
alternâncias positivas e bloqueará, sempre que a
tensão de anodo cair abaixo da tensão de
manutenção.
b) Disparo por corrente alternada –
Se o anodo de um SCR for alimentado com
tensão alternada, o disparo poderá ser efetuado
também com tensão de CA.
Figura 14-9 Disparo por corrente alternada
Podemos observar que a tensão do
gatilho (VG) pode sofrer um deslocamento de
fase, com relação à fase da tensão no anodo.
Este deslocamento de fase é efetuado pela rede
R1 C1. Devido a este deslocamento de fase, a
corrente através do SCR pode circular durante
um tempo menor do que 180° do ciclo da tensão
aplicada.
Através do gráfico da figura 14-10
podemos ver o trabalho do SCR. Vemos em EA
a alternância positiva da tensão aplicada no
circuito. EG é a tensão entre gatilho e cátodo e
conforme o valor de R1 poderá estar atrasada de
EA, num ângulo de 0° a 90°.
Podemos ver, ainda, como pode ser
variado o tempo de condução do SCR, pelo
deslocamento da fase de EG. O controle da fase
entre EG e EA, no circuito da figura 14-9, é
efetuado através do potenciômetro R1.
Figura 14-10 Trabalho do SCR
14-6
O TRIAC
O triac é um dispositivo semicondutor a
três eletrodos, sendo um de comando (o gatilho)
e dois de condução principal. Este dispositivo
pode passar de um estado bloqueado a um
regime de condução nos dois sentidos de
polarização e voltar ao estado bloqueado, por
inversão da tensão ou pela diminuição da
corrente, abaixo do valor da corrente de
manutenção (IH).
Figura 14-12 Estrutura de um triac
As junções N1P1 e N2P2 constituem um
Thyristor, e as junções N3P2 e N2P1 constituem
o outro. As junções N4P1 e N2P2,, formam o
thyristor de disparo.
O disparo do triac
Se nós aplicarmos a tensão V1 ao anodo
A1, V2 ao anodo A2 e a tensão VG ao gatilho, e
se tomarmos V1 como referência de massa (V1 =
0), podemos definir quatro quadrantes de
polarização. Veja na figura 14-13.
QUADRANTE
V2
VG
I
II
III
IV
+
+
-
+
+
Figura 14-13 Quadrantes de polarização
Figura 14-11 Curvas e símbolo do triac
O triac é, portanto uma versão
bidirecional do thyristor. Em sua representação
elétrica, podemos compara-lo com associação
anti-paralela de dois thyristores.
Estrutura do triac
Para se realizar um triac, recorre-se a
diversas estruturas de camadas espalhadas,
como na figura 14-12.
Disparo no primeiro quadrante (+ +)
O triac dispara como um thyristor
normal. A zona P1 é o gatilho e a junção N1P1
injeta os portadores, disparando o thyristor entre
P2 e N1 (Ver na figura 14-14)
A corrente de disparo IG mínima, é
função da repartição das lacunas entre N1 e P1,
ou seja, do valor da resistência “R” shunt entre
o gatilho e A1.
Neste quadrante, o thyristor se comporta
como um thyristor N1P1N2P2.
14-7
A junção de gatilho efetiva deste
thyristor é o diodo N3P2 e para que ocorra o
disparo é, portanto necessário, que N3P2 injete
seus portadores. Uma melhor compreensão será
possível, através da figura 14-15.
O transistor Q1 é formado das camadas
N4P1N2 e T2 das camadas P2N2P1. O resistor
“R” é a impedância entre N3 e P2. Para que o
thyristor Th2 dispare, é necessário que a
corrente de emissor de Q2 atravessando R
polarize suficientemente a junção gate-cátodo
de Th2. Temos, portanto:
IB2 = α1 · IG
Figura 14-14 Esquema de um triac
IE2 = β2 IB2 = α1 β1 IG onde:
Disparo do segundo quadrante (+ -)
A corrente de disparo circula de P1 para
N4 e dispara o thyristor N4P1N2P2 (figura 1414). Devido à geometria, a corrente principal de
N4P1N2P2 polariza as bases P1N2 e o thyristor
N1P1N2P2 conduz. Este último tendo uma
impedância mais baixa abre N4P1N2P2 (por IH),
salvo se a corrente de gatilho for mantida.
Assim, a corrente principal, flui como para o
primeiro quadrante, entre P2 e N1.
Disparo do terceiro quadrante (- -)
Neste caso, a situação é um pouco mais
complexa.Usemos como referência o esquema
da figura 14-14.
O potencial de P1 é superior ao de N1. A
junção P1N4 está, portanto polarizada
diretamente e injeta seus portadores. O thyristor
que iremos disparar é composto das camadas
N3P2N2P1 (cátodo em N3 e anodo em P1).
IE2 é a corrente de gatilho real de Th2;
IG é a corrente injetada no gatilho do triac.
Nota-se que o transistor Q1 tem suas
junções emissor-base e coletor-base polarizadas diretamente, estando portanto saturado e
α1 é um “alfa” forçado. Portanto, de um modo
geral, α1 β2 não é muito diferente da unidade,
se bem que os triacs têm neste quadrante,
sensibilidades próximas às dos quadrantes
precedentes.
Em conclusão: Th2 é disparado por uma
corrente IE2, criada através dos transistores Q1 e
Q2 por IG.
Disparo no quarto quadrante (- +)
O processo de disparo é idêntico ao do
terceiro quadrante, sendo que a camada N1 faz o
que no terceiro quadrante foi feito pela camada
N4. Entretanto, a zona de N3P2N2P1 susceptível
de disparar é fisicamente grande e, portanto, a
sensibilidade será reduzida.
DIAC
Figura 14-15 Disparo do terceiro quadrante
O Diac é um elemento simétrico, que
consequentemente não possui polaridade. Sua
etmologia é a contração de “Diode Alternative
Current”. Sua estrutura é muito simples, sendo
bastante similar a de um transistor bipolar. A
diferença é que a concentração de impurezas é
aproximadamente a mesma em ambas as
14-8
junções e que não existe nenhum contato na
camada que no transistor constitui a base.
As concentrações iguais de impurezas
resultam em características de bloqueiocondução, segundo a figura 14-16.
negativa, ou seja, a corrente aumenta consideravelmente enquanto a tensão diminui.
Os Diacs são muito usados em
dispositivos de disparo para controle de fase de
Triacs (em controles graduais de luminosidade),
controle de velocidade de motores universais,
controle de calefação, e diversas outras
aplicações similares.
FOTOTHYRISTORES
Figura 14-16 Curvas características e símbolo
do Diac
A tensão de retorno é geralmente
próxima de 30 volts. Tensões mais baixas são
difíceis de se obter, com uma resistência
negativa suficiente, enquanto que valores mais
elevados reduziriam as possibilidades de
controle.
Quando se aplica uma tensão positiva ou
negativa sobre os terminais de um Diac, se
produz um fluxo muito pequeno de corrente de
fuga I(BO), até que a tensão chega no ponto de
ruptura V(BO). Neste momento, a junção
polarizada inversamente sofre uma ruptura por
avalanche e acima deste ponto, a característica
“tensão x corrente” equivale a uma resistência
Para disparar um thyristor, injeta-se uma
corrente na base de um dos transistores que o
constitui, o que leva à saturação. Pode-se ainda
dispará-lo, criando-se através da luz, uma
corrente em sua base. Para isto, criamos pares
de elétrons-lacunas que serão separados por um
campo elétrico ao nível da junção, e que são
injetados na base do transistor considerado, sob
a forma de portadores majoritários, criando
assim a corrente de base.
Quanto maior for o número de elétronslacunas criados, maior será esta corrente. Isto é
conseguido escolhendo-se um comprimento de
onda ótimo, próximo de 1 µm, e tendo-se uma
superfície de junção, a maior possível com
polarização inversa e exposta aos raios
luminosos.
O fotothyristor é o único elemento capaz
de comutar sob a influência da luz, que possui
dois estados estáveis, Na figura 14-17, vemos a
estrutura, o símbolo e o aspecto de um
fotothyristor.
Figura 14-17 Estrutura, símbolo e aspecto de um fotothyristor
14-9
THYRISTOR BLOQUEÁVEL
O thyristor bloqueável pode ser
disparado quando lhe aplicamos uma tensão
positiva ao seu elétrodo de comando e será
rebloqueado se aplicarmos uma impulsão
negativa a este mesmo elétrodo.
QUADRAC
A partir dos thyristores, triacs e diodos,
os
fabricantes
idealizaram
dispositivos
compostos, visando simplificar os esquemas de
aplicações e o uso prático dos elementos.
Normalmente utiliza-se um diac para
disparar um triac. Pode-se muito bem conceber
um elemento composto, compreendendo estes
dois componentes. Este é o quadrac, cujo
esquema é apresentado na figura 14-18.
Figura 14-18 Esquema de um quadrac
DIODO SHOCKLEY
O diodo Shockley, também conhecido
como diodo thyristor ou diodo de quatro
camadas, é um dispositivo bipolar PNPN
comparável em todos os sentidos à um thyristor,
porém, estando disponíveis somente os bornes
de anodo e cátodo.
Quando aplicarmos em seus bornes
(entre cátodo e anodo), uma tensão crescente,
mas inferior a um certo nível VS , sua resistência
será elevada e somente uma pequena corrente o
atravessará.
Esta corrente é da ordem de alguns
microampéres. Este é o seu primeiro estado
estável, pois o diodo está bloqueado.
Figura 14-19 Estrutura, curva e símbolo de um
diodo Shockley
Quando a tensão VS é atingida, chegamos na segunda zona, na qual o diodo apresenta
uma região negativa. Este é um estado instável.
A resistência do diodo vai decrescendo
rapidamente e a partir do ponto IH ela não tem
mais do que alguns ohms. O diodo está
plenamente condutor e assim permanece
enquanto existir a corrente de manutenção, cujo
valor mínimo é IH. Esta é a terceira zona cujo
funcionamento é estável. A queda de tensão
introduzida pelo dispositivo é da ordem de 1V
para os diodos de germânio e 1,3V a 1,7V para
os de silício.
O rebloqueio efetua-se reduzindo-se a
corrente, abaixo do valor de IH ou a tensão,
abaixo de VH .
As tensões VS são da ordem de 20 a
100V, enquanto que IH é da ordem de 1 a 50
mA.
DIODO TÚNEL
Um diodo túnel é um pequeno
dispositivo formado por uma junção PN, que
tem uma elevada concentração de impurezas
nos materiais semicondutores P e N. Esta alta
densidade de impurezas faz tão estreita a região
de depleção da junção (ou região de carga
espacial), que as cargas elétricas podem se
transferir através dela, mediante um efeito
mecânico-quântico denominado “efeito túnel”.
Este efeito túnel produz uma zona de resistência
negativa, sobre a curva característica do diodo
14-10
de referência, que o habilita para desempenhar
as funções de amplificação, geração de pulsos e
geração de energia de RF.
Características
Na figura 14-20 temos a característica
típica de uma curva tensão-corrente de um
diodo túnel e seu símbolo.
A linha de carga de CC, mostrada em
linha cheia na figura 14-21 deve ter uma
inclinação tal, que intercepte a região de
resistência negativa somente em um ponto.
A linha de carga de CA pode ser bem
inclinada, com uma só interseção (B) como no
caso de um amplificador, ou um pouco
inclinada, com três interseções (C, D, E)como
ocorre em um oscilador.
Figura 14-20 Curva característica de um diodo
túnel e seu símbolo
Os diodos normais, quando polarizados
inversamente, são percorridos por uma pequena
corrente até que se atinja a tensão de ruptura.
Com polarização direta, a condução
começa aproximadamente com 300 mV. Nos
diodos túnel, ao contrário, uma pequena
polarização inversa faz com que os elétrons de
valência dos átomos do material semicondutor
próximo à junção, atravessem a mesma por
efeito túnel. Assim, o diodo túnel é altamente
condutor para todas as polarizações inversas. Do
mesmo modo, com pequenas polarizações
diretas, os elétrons da região N passam por
“efeito túnel” através da junção à região do tipo
P, e a corrente do diodo cresce rapidamente até
um valor de pico (IP).
Com valores intermediários de polarização o diodo túnel apresenta uma característica
de resistência negativa, e a corrente cai a um
valor mínimo, denominado IV (corrente de vale).
Com valores crescentes de polarização, o
diodo túnel apresenta uma característica
diódica. Devido à redução da corrente com o
aumento da polarização na região de resistência
negativa, o diodo túnel tem a capacidade de
amplificar, oscilar e comutar.
Ponto de funcionamento
Quando se usa um diodo túnel em
circuitos tais como amplificadores e osciladores,
deve-se estabelecer um ponto de funcionamento
na região de resistência negativa.
Figura 14-21 Linhas de carga
DIODOS EMISSORES DE LUZ (LED)
Num diodo com polarização direta, os
elétrons livres atravessam a junção e combinamse com as lacunas. À medida que esses elétrons
caem de um nível mais alto de energia para um
mais baixo, eles irradiam energia. Nos diodos
comuns essa energia é dissipada na forma de
calor. Mas no diodo emissor de luz (LED), a
energia é irradiada na forma de luz.
Os LEDs substituíram as lâmpadas de
incandescência em várias aplicações devido a
sua baixa tensão, vida longa, e rápido
chaveamento liga-desliga.
Os diodos comuns são feitos de silício,
um material opaco que bloqueia a passagem da
luz. Os LEDs são diferentes. Usando-se
elementos como o gálio, o arsênio e o fósforo,
um fabricante pode produzir LEDs que irradiam
no vermelho, verde, amarelo, azul, laranja ou
infravermelho (invisível).
Os LEDs que produzem radiação visível
são úteis em instrumentos, calculadoras etc. Os
LEDs infravermelhos encontram aplicação em
sistemas de alarme contra roubo e outras áreas
que exijam radiação invisível.
Tensão e corrente do LED
Os LEDs têm uma queda de tensão típica
de 1,5 a 2,5 V para correntes entre 10 e 50 mA.
14-11
A queda de tensão exata depende da
corrente, da cor, da tolerância do LED. A menos
que seja feita alguma recomendação em
contrário, use uma queda nominal de 2 V
quando estiver verificando defeitos ou
analisando circuitos com LEDs. Se tiver que
fazer algum projeto, consulte a folha de dados,
porque as tensões do LED têm uma grande
tolerância.
A figura 14-22(a) mostra o símbolo
esquemático de um LED, as setas para fora
simbolizam a luz irradiada. Admitindo uma
queda no LED de 2 V, pode-se calcular a
corrente do LED, do seguinte modo:
10V − 2V
= 11,8 m
680 Ω
Tipicamente, a corrente do LED está
entre 10 e 50 mA porque essa faixa produz luz
suficiente para a maioria das aplicações.
O brilho de um LED depende da
corrente. Idealmente, a melhor forma de se
controlar o brilho é vincular o LED a uma fonte
de corrente. A melhor coisa para se obter uma
fonte de corrente é uma grande tensão de
alimentação seguida de uma grande resistência
em série. Neste caso, a corrente do LED é dada
por:
V − VLED
I = S
RS
I=
Figura 14-22 (a) Um circuito com LED.
(b) Indicador de sete-segmentos.
(c) Diagrama esquemático
de 120 Ω. A corrente variará então cerca de 16,7
a 26,7 mA; isto causará uma variação sensível
no brilho. Portanto, para se obter um brilho
aproximadamente constante com LEDs,
devemos utilizar tanto uma fonte de tensão
como uma resistência em série o maior possível.
Figura 14-23 Fotodiodo
Quanto maior a tensão da fonte, menor o
efeito que VLED produz. Em outras palavras, um
alto valor de VS encobre a variação na tensão
do LED.
Por exemplo, um TIL222 é um LED
verde com uma queda mínima de 1,8V e uma
queda máxima de 3V para uma corrente de
aproximadamente 25 mA.
Se ligarmos um TIL222 a uma fonte de
20 V e a um resistor de 750 Ω, a corrente
variará de 22,7 a 24,3 mA. Isto implica um
brilho que é essencialmente o mesmo para todos
os TIL222. Por outro lado, suponhamos que no
circuito se utilize uma fonte de 5V e um resistor
Indicador de sete-segmentos
A figura 14-22(b) mostra um indicador
de sete-segmentos que contém sete LEDs
retangulares (de A a G). Cada LED é chamado
de um segmento porque ele faz parte do dígito
que está sendo exibido. A figura 14-22(c) é o
diagrama esquemático de um indicador de setesegmentos; são incluídos resistores externos em
série para limitar as correntes a níveis seguros.
Aterrando-se um ou mais resistores,
podemos formar qualquer dígito de 0 a 9. Por
exemplo, aterrando A, B e C, obtemos o 7.
Aterrando A, B, C, D e G produzimos um 3.
Um indicador de sete-segmentos
também pode exibir as letras maiúsculas A, C, E
14-12
e F, mais as letras minúsculas b e d. Os
instrutores
de
microprocessadores
freqüentemente usam uma exibição de setesegmentos para mostrar todos os dígitos de 0 a
9, mais A, b, C, d, E e F.
SUMÁRIO
1 – O thyristor (SCR), é um comutador quase
ideal. Uma de suas várias funções é controlar a
energia consumida em vários tipos de máquinas.
2 – O termo thyristor, designa uma família de
elementos semicondutores, cujas características
estão próximas às das antigas válvulas
thyratron.
3 – O nome thyristor é uma contração de
THYRatron e transISTOR.
4 – O thyristor básico é denominado SCR
(retificador controlado de silício).
5 – Dos vários tipos de thyristores, os que se
destacam atualmente são os SCR, triac,
fotothyristor, diac, diodo Shockley, etc.
6 – O SCR é um diodo semicondutor de silício,
a quatro camadas alternadas PNPN, com três
terminais de saída, que são denominados anodo,
cátodo e gatilho.
7 – Quando o anodo de um SCR é positivo em
relação ao cátodo, duas junções internas ficam
polarizadas diretamente, e uma junção fica
polarizada inversamente. Neste caso, o diodo
poderá conduzir, desde que o potencial de
anodo seja suficiente para romper a junção com
polarização inversa.
8 – O SCR poderá conduzir facilmente se
estiver polarizado diretamente e se um potencial
positivo for aplicado ao gatilho.
9 – Um SCR poderá disparar (conduzir) quando
um sinal de comando é aplicado ao terminal
gatilho, mas o seu bloqueio, só poderá ocorrer,
diminuindo-se a corrente de anodo a um
determinado nível.
10 – A tensão de disparo de um SCR depende
da tensão VG, mas o seu bloqueio não depende
desta tensão.
11 – Um SCR pode controlar a energia
dissipada em uma carga, através de um sistema
que defasa a tensão VG com relação a tensão de
anodo.
12 – O triac é um dispositivo semicondutor de
três terminais, sendo um de comando e dois de
condução principal.
13 – Este dispositivo, pode passar de um estado
bloqueado a um regime de condução nos dois
sentidos de polarização.
14 – O triac poderá conduzir nos dois sentidos,
desde que comandado, mas o seu bloqueio só se
efetuará pela inserção da tensão de anodo ou
pela diminuição da corrente, abaixo do valor da
corrente de manutenção.
15 – O triac pode ser disparado por uma
corrente negativa ou positiva no gatilho.
16 – O diac é um dispositivo semicondutor de
dois terminais, que não possui polaridade. A sua
condução é bidirecional.
17 – A condução de um diac é por ruptura das
junções que o constituem.
18 – Quando conduz, o diac apresenta uma
região de resistência negativa.
19 – Os diacs são muito usados em sistemas de
disparo para controle de fase de triacs em
controles de energia.
20 – Os fotothyristores, são SCR, cujo disparo é
efetuado por um foco luminoso.
21 – O quadrac é um dispositivo semicondutor
cuja estrutura é constituída de triacs e diacs.
22 – O diodo Shockley é aparentemente um
thyristor SCR com apenas dois terminais.
23 – O diodo Shockley, tem três estados: o
primeiro é o de não condução; o segundo é o de
disparar quando apresentar um estado de
resistência negativa e o terceiro é quando a sua
condução é normal e igual a um diodo
convencional.
24 – O bloqueio de um diodo Shockley é através
da redução de IH.
25 – O diodo túnel é um pequeno dispositivo
formado por uma junção PN, com alta
concentração de impurezas.
26 – O diodo túnel, altamente dopado, quando
polarizado diretamente, apresenta inicialmente
uma região de resistência negativa.
27 – A região de resistência negativa é devido a
diminuição da corrente com o aumento da
tensão direta.
28 – Devido a esta característica, o diodo túnel
pode ser usado como amplificador ou oscilador.
14-13
CAPÍTULO 15
DECIBÉIS
generalizou-se pela simplificação que ele traz,
passando a ser aplicado em antenas,
amplificadores, linhas de transmissão, etc.
Vejamos alguns exemplos de aplicação
do dB:
a) Um amplificador requer 2 W de
potência para excitá-lo na entrada.
Sabendo-se que a potência de saída do
amplificador é de 8 W, qual será o ganho do
amplificador em dB?
Solução:
INTRODUÇÃO
É muito comum ouvirmos, em
eletrônica, frases como: “O atenuador reduz de
5 dB”; “Resposta plana de frequência dentro de
3 dB”; “Amplificador com ganho de 10 dB”;
“Antena com ganho de 9 dB”, etc. Mas quantos
são os que realmente têm uma exata noção do
valor destes números? Pouquíssimos são os que
estão familiarizados com o termo dB
(abreviatura de decibel).
O decibel, que é a décima parte do Bel, é
a unidade usada para se fazer a comparação
entre quantidades de energia, seja na forma de
potência ou de som. Para nós, quando nos
referirmos a decibel, entenderemos como sendo
dez vezes o logaritmo decimal da relação entre
dois níveis de potência expressos em Watt.
P0 = 2 W
P1 = 8 W
G(dB) = ?
P1
P0
8
G(dB) = 10 log = 10 log 4
2
G(dB) = 10 log
Nº dB = 10 x log (P2 : P1 )
G(dB) = 10 (0,602) = 6,02
Antes de prosseguirmos neste assunto,
torna-se mister tecermos algumas considerações
sobre a forma com que o ouvido humano
responde (reage) aos diferentes estímulos
sonoros.
Imaginemos um aparelho fornecendonos uma potência de 10 Watts e observemos a
sensação auditiva. Aumentemos a potência
sonora, até o nosso ouvido sentir o dobro do
nível sonoro anterior. Se neste exato momento
medirmos a potência, verificaremos que se trata
de 100 W e não 20 W, como era de se supor.
Se aumentarmos ainda mais a potência
até que dobre novamente, mediremos 1000 W,
e, assim, sucessivamente.
Isso mostra que o ouvido humano reage
ao som, não de maneira linear, mas muito
aproximadamente, de acordo com uma curva
logarítmica, razão pela qual os engenheiros, ao
estabelecerem uma fórmula para a comparação
de duas intensidades sonoras, tiveram que fazer
com que ela obedecesse à mesma curva
matemática que os logaritmos.
b) Um transmissor entrega uma potência
de 500 W, mas na antena chegam apenas 455
W. Qual é o ganho de potência em dB?
Solução:
P0 = 500 W
P1 = 455 W
G(dB) = 10 log
G(dB) = ?
455
500
G(dB) = 10 log 0,91
G(dB) = -10(0,041) = -0,41
Façamos algumas considerações sobre
os dois resultados obtidos nos exercícios
anteriores.
O primeiro resultado significa que a
potência de saída do amplificador está 6,02 dB
acima do nível de potência de entrada.
No segundo resultado, observamos o
aparecimento do sinal - (menos). Este sinal
indica que não se trata de ganho de potência,
mas sim uma atenuação (perda de potência) e o
resultado em si, significa que a potência que
chega à antena está 0,41 dB abaixo do nível de
potência entregue pelo transmissor.
Aplicações
Inicialmente a aplicação do decibel
restringia-se somente ao áudio. Mais tarde
15-1
Solução:
P0 = 1mW
P1 = 5 mW
G (dBm) = ?
RELAÇÕES DE TENSÃO E CORRENTE
A partir da definição de ganho em
potência e do conhecimento de que: P = E x I =
= I2 x R = E2 : R, podemos deduzir o ganho de
tensão e ganho de corrente, sobre impedâncias
iguais.
G(dB) = 10 log P1 : P0
Supondo R1 = R0 e substituindo os
pelos valores
valores de P0 e de P1
correspondentes em tensão e resistência,
teremos:
10 log ( E12 x R0 )
G(dB) =
( E02 x R1 )
G(dBm) = 10 log (5 : 1) = 10 log 5
G(dBm) = 10 x 0,6990
G (dBm) = 6,99 = ± 7
Então, o nível de potência de saída do
amplificador, está a 7 dB acima do nível de
referência de 0,001 W.
b) Sabendo-se que um amplificador tem
uma potência de saída de 6 Watts, calcular o seu
ganho em dB.
G(dB) = 10 log ( E12 : E02 ) que pode ser
escrito como:
Solução:
P1 = 6 · 10-3 W
P0 = 6 W
G (dB) = ?
G(dB) = 20 log (E1 : E0 ). Da mesma
forma podemos deduzir para o ganho de
corrente:
G(dB) = 20 log (I1 : I0 )
G (dB) = 10 log (6 : 6 · 10-3) = 10 log 103
G (dB) = 30 log 10
G (dB) = 30
NÍVEIS DE REFERÊNCIA
O decibel, sendo essencialmente uma
relação, ou mais exatamente, dez vezes o
logaritmo decimal da relação entre duas
potências, exige que se explicite ou subentendase uma referência, de acordo com convenções
existentes. Por exemplo, quando se diz que o
ganho de um amplificador é de tantos dB, isto
equivale a expressar em dB o sinal de saída,
tomando-se como referência o sinal de entrada.
Existem também alguns níveis de tensão
ou de potência padronizados, escolhidos como
referência, e freqüentemente os níveis de tensão
ou de potência são expressos em relação a tais
referências.
Os níveis mais comuns são 1 miliwatt e
6 miliwatt. O nível de 0,006 W corresponde a
zero dB, enquanto que o nível 0,001 W
corresponde ao nível zero dBm. Em outras
palavras: dBm significa, dB relativo a 1
miliwatt.
Alguns exemplos a seguir elucidarão o
emprego do dB e do dBm no cálculo do ganho
ou atenuação de um circuito ou equipamento:
a) Sabendo-se que a potência de saída de
um amplificador é 5 miliwatt, calcular o nível
de potência de saída do amplificador, em dB.
Este resultado indica que a potência de
saída do amplificador está a 30 dB acima do
nível de potência de referência de 0,006 W.
MEDIDA DE POTÊNCIA
O dBm é usado para descrever níveis de
potência em decibéis, com referência a potência
de 1mW sobre 600 ohms. Um miliwatt é
representado como zero dBm, 10 miliwatts
como 10 dBm, e 100 miliwatts como 20 dBm.
As figuras 15-1 e 15-2 são úteis na
conversão direta de Volts rms em dBm (15-1)
ou mW para dBm (15-2). A diagonal de cada
gráfico marca os valores de tensão (15-1) ou a
junção de dBm e miliwatts (15-2)
a) Para converter 10 volts rms em dBm,
localize 10 volts na escala inferior da figura 151, movendo para cima (verticalmente) até
encontrar a linha diagonal. Deste ponto mova
horizontalmente para a esquerda, até encontrar
+22 dBm.
b) Para converter 1000 mW em dBm,
localize 1000 na parte inferior da figura 15-2.
15-2
ohms para o atual valor de carga, deve ser
somado ou subtraído dos valores encontrados
para 600 ohms, com o auxílio do gráfico
apropriado. A fórmula para encontrar o fator de
correção é:
F.C. = 10 log (600 : R1), onde R1 é a
atual resistência de carga.
Como exemplo do uso do fator de
correção, consideremos um amplificador com
uma carga de 8 ohms que dissipa 1000 mW
(1W).
Siga a linha de 1000 mW até encontrar a linha
diagonal. Deste ponto, mova horizontalmente
até +30 dBm na margem esquerda do gráfico.
c) Para converter +15 dBm em mW,
localize +15 dBm na margem esquerda do
gráfico (figura 15-2), movendo horizontalmente
até encontrar a linha diagonal. Deste ponto,
mova verticalmente para baixo, até encontrar a
linha inferior que corresponde ao ponto 33,3
mW da escala.
d) Para cargas diferentes de 600 ohms,
um fator de correção, baseado na razão de 600
Figura 15-1 Conversão de volts rms em dBm
Figura 15-2 Conversão de mW em dBm
15-3
A figura 15-2 nos mostra que
corresponde a +30 dBm numa carga de 600
ohms. Para determinarmos o verdadeiro valor
em dBm sobre a resistência de 8 ohms, devemos
calcular primeiramente o fator de correção.
F.C. = 10 log (600 : 8) = 10 log 75 =
= 10 (1,875) = 18,75
Como a nossa impedância é inferior a
600 ohms, teríamos que, do valor encontrado no
gráfico, subtrair o fator de correção.
MEDIDORES DE POTÊNCIA
Um medidor de dB, mede, na realidade,
tensão de CA e inclui-se uma escala de decibéis
no mostrador do medidor, de modo que a leitura
possa fazer-se em decibéis, em lugar de volts de
CA.
A figura 15-3 ilustra um volt ohmímetro
eletrônico com a escala inferior graduada em
dB.
Figura 15-3 Mostrador de um volt ohmímetro eletrônico
los em logaritmos preparados a fim de facilitar o
cálculo.
e) O decibel é muito usado em
eletrônica, para comparação de níveis de tensão
e de potência, sempre relacionados com um
padrão de referência.
f) Quando medirmos a potência
dissipada sobre uma impedância diferente de
600 ohms, devemos calcular o fator de correção,
que deve ser somado ou subtraído dos valores
em dBm, encontrados nos gráficos “dBm x
volts rms” e “dBm x mW”.
SUMÁRIO
a) Logaritmo de um número, real e
positivo N, em uma base a positiva e diferente
da unidade, é o expoente real x que se deve
elevar essa base a para obter o número N.
b) Somente números positivos têm
logaritmos.
c) A mantissa do logaritmo de um
número é fornecida em tábuas logarítmicas.
d) Todas as vezes que nos defrontarmos
com logaritmos negativos, devemos transformá-
15-4
CAPÍTULO 16
AMPLIADORES OPERACIONAIS
A alimentação pode ser obtida das
seguintes maneiras:
-Duas
fontes
iguais,
perfeitamente
sincronizadas;
-Circuito divisor de tensão, com resistores
exatamente iguais;
-Uma fonte simétrica, com valores típicos entre
± 10 V e ± 20 V.
INTRODUÇÃO
O nome Ampliador Operacional (A.O.)
deve-se ao fato do dispositivo ser empregado
para realizar operações matemáticas, como
multiplicação, integração, diferenciação e
também para uma infinidade de funções.
Com esse dispositivo podem ser
conseguidos amplificadores capazes de operar
com sinais que vão desde corrente contínua até
vários megahertz.
PINAGEM
O ampliador operacional mais difundido
é o 741 (TBA221B). É um circuito integrado
monolítico construído numa única base de
silício.
Caracteriza-se por apresentar um alto
ganho e uma elevada impedância de entrada.
Esse ampliador operacional é encontrado com
diversas denominações: µA 741, LM 741, CA
741, MC 741 e TBA 221B.
Simbologia
Na figura 16-1 é mostrado o símbolo do
ampliador operacional.
Figura 16-1 Símbolo do ampliador operacional
A entrada diferencial amplia a diferença
dos sinais aplicados às entradas.
Figura 16-2 Pinagem do ampliador operacional
741
CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS
O ampliador operacional ideal apresenta
as seguintes características:
- Impedância de entrada infinita.
- Impedância de saída nula.
- Ganho de tensão infinito.
- Atraso nulo.
- Tensão de saída nula de V2 = V1.
- Resposta em frequência infinita.
Pinos:
1 – Ajuste de offset.
2 – Entrada inversora.
3 – Entrada não inversora.
4 – Alimentação (- V).
5 – Ajuste de offset.
6 – Saída (Vb).
7 – Alimentação (+ V)
8 – Sem uso.
ALIMENTAÇÃO
Na maioria das aplicações usa-se uma
fonte simétrica ( ± V ), porém há casos em que a
fonte simples pode ser usada.
O ajuste de offset compensa a diferença
entre os dois sinais de entrada.
2
16-1
AMPLIADOR OPERACIONAL
AMPLIFICADOR
O sinal negativo na fórmula deve-se ao fato
do extremo de Z2 estar aplicado no terminal
inversor do ampliador operacional (ponto A).
Com essa demonstração chegamos a
algumas conclusões importantes:
1)
Podemos determinar o ganho em
malha aberta (sem realimentação, ou seja Z1 e
Vo
Z2): A=
Vi
2)
O ganho do ampliador em malha
fechada será A= - (Z2/Z1) = - VO/Vi
3)
A tensão de saída será negativa ou
não, dependendo da aplicação do
sinal de entrada : VO = -A • Vi,
ampliador inversor de ganho –A
4)
Se Z1 = Z2, o circuito comporta-se
como um simples inversor: VO = -VS
5)
Se Z1 < Z2, o circuito amplifica e
inverte
6)
Se Z1 > Z2, o circuito atenua e
inverte.
COMO
O ampliador operacional como amplificador é mostrado na figura 16-3.
Figura 16-3 Ampliador operacional típico
O sinal de saída VO é proporcional a
VBA; (VB – VA).
Como sabemos o ªº apresenta uma
impedância de par entrada infinita, logo a
corrente I passará de Z1 a Z2, de onde podemos
tirar a seguinte relação:
VS Vi
Z1
Z2
Z1
APLICAÇÕES
DOS
OPERACIONAIS
Aplicações lineares
VO Vi
ou seja:
Z2
São circuitos que exercem funções
analógicas. Circuitos analógicos ou lineares são
os que processam ou manipulam sinais cujas
amplitudes variam continuamente dentro de um
certo período. Nessa categoria encontram-se os
osciladores, os ampliadores, os filtros ativos, os
circuitos somadores e outros.
VO Vi
= (1)
VS Vi
Como o ampliador operacional apresenta
ganho 00 temos:
Ampliador com inversão
VO = A • Vi
Vi =
AMPLIADORES
O circuito da figura 16-4 mostra um
ampliador com inversão.
VO
A
Portanto se o ganho “A” tende a “00”, a
diferença de sinal ‘Vi’ tende a zero.
Com isso a expressão (1) pode ser escrita
como:
VO
VS
Z2
V
, como “A” = O temos que:
Z1
VS
Figura 16-4 Ampliador com inversão
Suponhamos que os componentes do
circuito da figura 16-4 assumam os seguintes
valores: R1 = 20K, R2 = 100K e R3 = 0. Com
isso tem-se que o ganho (A) será:
Z2
A =
Z1
16-2
A=
R2
5
R1
Caso usemos R3, o seu valor será:
R3 =
R1 x R2
R1 R2
Portanto, se o sinal de entrada aplicado
ao circuito for de 1V, a saída será de –5V. Esse
circuito então executa também a função de
multiplicador.
Figura 16-6 Ampliador com ganho unitário
Ampliador sem inversão
VO
VS
como VO = VS temos A = 1
No circuito, A =
O ampliador nessa configuração é
empregado como isolador ou “buffer”. O
circuito isolador permite que possamos medir
tensões em circuitos de alta impedância
utilizando um voltímetro de baixa impedância.
Circuito somador
Figura 16-5 Ampliador sem inversão
Como o nome indica o circuito somador
tem por objetivo fornecer na saída uma tensão
cujo valor é igual a soma das tensões aplicadas à
entrada.
Tal circuito é mostrado na figura 16-7.
Pelo circuito da figura 16-5 vemos que
V
I = S , teremos, nesse circuito que:
R1
VO = VR2 + VS.
V
Porém, como VR2 = S temos que:
R1
R
R
VS x 2 VS VO ? VO VS (1 2 )
R1
R1
Por outro lado:
Ou seja: A
VO
VS
R1 R2
R1
R1 R2
R1
Figura 16-7 Circuito somador
Observando o circuito podemos escrever
a equação da tensão de saída:
VO = - I x R = -( I1 + I2 + I3 ) x R
Ampliador com ganho unitário
O ampliador com ganho unitário
apresenta uma elevada impedância de entrada
(cerca de 400 Mȍ), devido a alta realimentação
e baixa impedância de saída (inferior a 1).
O ampliador com ganho unitário é
mostrado na figura 16-6.
Ou ainda:
V1 V2 V3
)xR
R1 R2 R3
Se considerarmos R1 = R2 = R3 = R teremos:
VO = - (V1 + V2 + V3 )
VO = - (
16-3
Circuito subtrator
Aplicações não lineares
É o circuito projetado para fornecer na
saída um valor de tensão igual a diferença entre
as tensões de entrada.
Para que o circuito funcione como
subtrator é necessário que a seguinte relação
seja obedecida:
Circuitos não lineares são aqueles que ao
contrário dos analógicos, sempre nos
fornecerem saídas totalmente diferentes da
forma de onda de entrada.
R2
R1
Circuitos comparadores – São circuitos cuja
função principal é comparar o sinal de entrada
V1 com um sinal de referência VR.
A figura 16-9 mostra um circuito
comparador.
R4
R3
O circuito subtrator é mostrado na figura
16-8
Figura 16-9 Circuito comparador
Comparador com tensão de referência nula –
Um circuito comparador com tensão de
referência nula é mostrado na figura 16-10.
Figura 16-8 Circuito subtrator
Consideremos inicialmente todos os
resistores iguais a “R”.
VR1 VR2
Temos então que: I
,
R1
R2
Mas como VR1 = V1 – VX e VR2 = VX – VO
V1 VX VX VO
R
R
Logo: V1 - VX = VX - VO
A corrente “I” será: I =
Figura 16-10 Circuito comparador com tensão
de referência nula
e VO = 2 VX – V1
No circuito temos que quando a tensão
V2 for positiva em relação à tensão V1 de
referência, a saída VO será negativa.
E quando V2 for negativa em relação à
mesma tensão Vi , teremos uma VO positiva.
V2
V
e VO 2 ( 2 ) V1
2
2
Finalmente tem-se que: VO = V2 - V1
Se Vy =
16-4
CAPÍTULO 17
TÉCNICAS DIGITAIS
1 x 103 + 5 x 102 + 9 x 101 + 2 x 100 = 1592
1000 + 500 + 90 + 2
= 1592
SISTEMAS DE NUMERAÇÃO
Os sistemas de numeração foram
desenvolvidos na história da humanidade
atendendo às crescentes necessidades.
Inicialmente o homem, por conveniência
utilizou-se dos dedos como forma de contagem,
criando o sistema decimal.
Com o advento do computador, outros
sistemas vieram a ser criados, visando maior
facilidade de representação interna codificada.
Dentre os mais comuns podemos citar os
sistemas Binário, Octal e Hexadecimal, que
adequam-se às necessidades ou funções internas
de diversos equipamentos.
O sistema decimal, porém, nunca foi
deixado de lado como forma de representação
numérica, convencionada para nós, humanos.
Exemplo 3:
(583,142)10
Notamos que no exemplo 3 temos um
número com uma parte fracionária. Vejamos
então sua decomposição em potência de dez:
5 x 102 + 8 x 101 + 3 x 100 + 1 x 10-1 + 4 x 10-2
+ 2 x 10-3 ou
500 + 80
+ 3
+ 2 / 1000 ou ainda
+ 1 / 10 + 4 / 100
500 + 80 + 3 + 0,1 + 0,04 + 0,002 =
= 583,142
Sistema binário de numeração
Sistema decimal de numeração
No sistema binário a base é 2 (b = 2) e
existem apenas dois algarismos para representar
uma determinada quantidade: o algarismo 0
(zero) e o algarismo 1 (um).
Para representar a quantidade zero,
utilizamos o algarismo 0, para representar a
quantidade um, utilizamos o algarismo 1.
No sistema decimal, nós não possuímos
o algarismo dez e representamos a quantidade
de uma dezena utilizando o algarismo 1 (um)
seguido do algarismo 0 (zero). Nesse caso, o
algarismo 1 (um) significa que temos um grupo
de uma dezena e o algarismo 0 (zero) nenhuma
unidade, o que significa dez.
No sistema binário agimos da mesma
forma, para representar a quantidade dois,
utilizamos o algarismo 1 (um) seguido do
algarismo 0 (zero). O algarismo 1 (um)
significará que temos um grupo de dois
elementos e o 0 (zero) um grupo de nenhuma
unidade, representando assim o número dois.
Exemplo:
Seja o número (1011)2 e façamos a sua
decomposição em potência só que desta vez a
base será dois:
1 x 23 + 0 x 22 + 1 x 21 + 1 x 20
O sistema decimal é um sistema de base
10, no qual existem dez algarismos para
representação de uma quantidade: 0, 1, 2, 3, 4,
5, ........., 9.
O menor algarismo de uma determinada
base é zero (0) e o maior é igual a base menos 1
(10 – 1 = 9).
No exemplo 1 a seguir temos um número
na base 10.
(583)10
Podemos decompor este número em
potência de dez, já que sua base é 10 e fazendo
isso teremos:
(5 x 100) + (8 x 10) + (3 x 1) = 583
Neste exemplo podemos notar que o
algarismo menos significativo (no caso o três)
multiplica-se a unidade (1 ou 100), o segundo
algarismo (o oito) multiplica-se a dezena (10 ou
101) e o mais significativo (no caso o cinco)
multiplica-se a centena (100 ou 102). A soma
desses resultados irá representar o número.
Exemplo 2:
(1592)10
Decompondo o mesmo teremos:
1000 + 000
17-1
+
10
+
1 = (1011)2
Sistema octal de numeração
Hex
A
B
C
D
E
F
No sistema octal a base é oito e temos
oito algarismos para representar qualquer
quantidade. Esses algarismos são: 0, 1, 2, 3, ...7.
Para a formação de um número,
utilizam-se esses algarismos e toda vez que
tivermos uma quantidade igual ao valor da base,
soma-se um (1) ao algarismo de valor posicional
imediatamente superior como fazemos no
sistema decimal.
Notamos também que, em qualquer base
o maior algarismo é igual ao valor da base
menos um (1) e o número de algarismos é
sempre igual ao da base.
Exemplo:
Decompondo o número (361)8 em
potência de base oito temos:
Dec
10
11
12
13
14
15
Exemplo:
Tomemos o número (2C0A)16 e
façamos sua decomposição.
2 x 163 + C x 162 + 0 x 161 + A x 160 ou
2 x 4096 + 12 x 256 + 0 x 16 + 10 x 1 =
= 8192
+
3072
+
0
+
10
=
= (11274)10
3 x 82 + 6 x 81 + 1 x 80
Complemento de um número
3 x 100 + 6 x 10 + 1 x 1 =(361)8
O complemento de um número é o que
falta a este número para atingir o valor da base.
Podemos escrever que a base elevada a
uma determinada potência é igual a um (1
seguido de tantos zeros quantos forem os
valores das potências, assim temos:
23 = 1000
22 = 100
21 = 10
103 = 1000
102 = 100
101 = 10
83 = 1000
82 = 100
81 = 10
Exemplo:
Complemento de (7)10
10 – 7 = 3
No sistema binário para chegar-se ao
complemento, obtem-se primeiramente o falso
complemento.
(1011)2
0100
No sistema decimal, o número 100
aparece após o número 99 na ordem crescente.
No sistema binário, o número 100
aparece após o número 11 na ordem crescente.
No sistema octal, o número 100 aparece
após o número 77 na ordem crescente.
Complemento falso
Complemento verdadeiro consiste em
somar-se 1 (um) ao complemento falso.
0100
+1
0101
Sistema hexadecimal de numeração
Conversão de bases
No sistema hexadecimal de numeração,
a base é dezesseis e dispomos de dezesseis
algarismos para representação de uma
determinada quantidade de coisas. Como
existem apenas dez algarismos numéricos
utilizamos também algarismos alfanuméricos.
Portanto temos os seguintes algarismos:
Conversão para base decimal – Para
convertermos um número representado em
qualquer sistema numérico, para o sistema
decimal usamos a notação posicional e
resolvemos a expressão como na base decimal.
Seja o número 1101 no sistema binário.
A notação posicional seria:
0, 1, 2, 3,......9, A, B, C, D, E e F.
17-2
1 x 23 + 1 x 22 + 0 x 21 + 1 x 20 =
Portanto (12 )10 = (1100)2
1x8 + 1x4+0x2+1x1 =
8
+
4
+
0 +
Contagem nas diversas bases
1 = (13)10
Portanto (1101)2 = (13)10
Na tabela de contagem nos sistemas
de base decimal, binária, octal e
hexadecimal observa-se que um número
expresso num sistema de base menor exige
maior quantidade de algarismos do que
outro, de base maior, para representar a
mesma quantidade.
Como segundo exemplo o número 107
do sistema octal. A notação posicional seria:
1 x 82 + 0 x 81 + 7 x 80 =
1 x 64 + 0 x 8 + 7 x 1 =
64
+
0
+
7
= (71)10
Portanto (107)8 = (71)10
Conversão do sistema decimal para outras bases
– Para conversão da base 10 para outras bases, o
método consiste em divisões sucessivas pela
base desejada, até que o quociente seja nulo. Os
restos das divisões indicarão o resultado da
conversão, sendo o primeiro resto equivalente
ao dígito menos significativo e o último ao mais
significativo.
Exemplo 1
Façamos a conversão do número (934)10
para base hexadecimal.
(10
934
A)
16
1º resto 6
58
16
2º resto 10
3
3º resto 3
16
0
Portanto (934)10 = (3A6 )16
Exemplo 2
Conversão do número (76)10 para a
base 8.
76
8
4
9
8
1
1
8
0
1
Portanto (76010 = (114 )8
Exemplo 3
Conversão do número (12 )10 para a
base 2.
12
0
2
6
0
2
3
1
2
1
1
2
0
17-3
DECIMAL
BINARIA
0
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
31
32
63
64
99
100
127
128
255
256
-
0
1
10 = 21
11
100 = 22
101
110
111
1000 = 23
1001
1010
1011
1100
1101
1110
1111
10000=24
11111
100000=25
111111
1000000=26
1100011
1100100
1111111
10000000=27
11111111
100000000=28
-
OCTAL
HEXADEC.
0
0
1
1
2
2
3
3
4
4
5
5
6
6
7
7
1
10 = 8
8
11
9
12
A
13
B
14
C
15
D
16
E
17
F
20
10=161
37
1F
40
20
77
3F
2
100=8
40
143
63
144
64
177
7F
200
80
377
FF
400
100=162
3
1000=8
Códigos
6
7
8
9
Ao códigos
são
formas de
representação de caracteres alfanuméricos.
São vários os códigos existentes
havendo porém vantagens de um ou outro,
de acordo com a aplicação ou funções
internas do equipamento.
4
0
0
0
0
1
1
1
1
0
0
2
0
0
1
1
0
0
1
1
0
0
DECIMAL
0
1
2
3
4
5
6
7
8
9
1
0
1
0
1
0
1
0
1
0
1
1
0
1
0
JOHNSON
0 0 0 0 0
0 0 0 0 1
0 0 0 1 1
0 0 1 1 1
0 1 1 1 1
1 1 1 1 1
1 1 1 1 0
1 1 1 0 0
1 1 0 0 0
1 0 0 0 0
Código Gray ou sistema de numeração refletido
– Sua principal característica é que, em contagens sucessivas, apenas um “bit” varia.
A codificação Gray é mostrada na tabela
a seguir, onde os campos em destaque
representam um “espelho” a ser refletido para a
contagem seguinte, acrescentando-se um “bit” 1
(um) imediatamente à esquerda.
O número de “bits” de um código é o
número de dígitos binários que este possui.
O código BCD 8421 é um código de 4
“bits”.
DECIM.
0
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
Código excesso 3 – Consiste na transformação
do número decimal, no binário correspondente,
somando-se a ele três unidades.
Exemplo:
(0)10 = (0000)2
Somando-se três unidades, teremos 0011
DECIMAL
0
1
2
3
4
5
0
1
1
0
Código Johnson – Baseia-se no deslocamento
de “bits” e é utilizado na construção do
Contador Johnsos.
1 = 20. O valor corresponderá à soma dos pesos
onde na coluna houver o “bit” um (1).
BCD 8
0
0
0
0
0
0
0
0
1
1
0
0
0
1
O código Excesso 3 é utilizado em
circuitos aritméticos.
Código BCD 8421 – A sigla BCD representa as iniciais de “Bynary Coded
Decimal”, que significa uma codificação no
sistema decimal em binário. Os termos
seguintes (8421) significam os pesos de
cada coluna, isto é, 8 = 23, 4 = 22, 2 = 21 e
DECIMAL
0
1
2
3
4
5
6
7
8
9
1
1
1
1
EXCESSO 3
0 0 1 1
0 1 0 0
0 1 0 1
0 1 1 0
0 1 1 1
1 0 0 0
17-4
BINÁRIO
0 0 0 0 0
0 0 0 0 1
0 0 0 1 0
0 0 0 1 1
0 0 1 0 0
0 0 1 0 1
0 0 1 1 0
0 0 1 1 1
0 1 0 0 0
0 1 0 0 1
0 1 0 1 0
0 1 0 1 1
0 1 1 0 0
0 1 1 0 1
0 1 1 1 0
0 1 1 1 1
1 0 0 0 0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
1
GRAY
0 0 0
0 0 0
0 0 1
0 0 1
0 1 1
0 1 1
0 1 0
0 1 0
1 1 0
1 1 0
1 1 1
1 1 1
1 0 1
1 0 1
1 0 0
1 0 0
1 0 0
0
1
1
0
0
1
1
0
0
1
1
0
0
1
1
0
0
Este tipo de codificação garante que,
com a variação de apenas um “bit” de uma
contagem
para
outra,
reduzam-se
as
conseqüências negativas geradas pela mudança
de estado simultânea de registradores.
OPERAÇÕES BINÁRIAS
A eletrônica em seus primórdios, tinha
sus cálculos baseados em álgebra convencional,
através de sistemas analógicos ou lineares.
Com o advento de máquinas mais
sofisticadas, processadores eletrônicos, sistemas
de comunicação e controle digitais, os
problemas vieram a ser resolvidos baseados em
álgebra especial, não linear, mas binária, isto é,
baseada em dois valores. É a álgebra Booleana.
Código ASCII – O código ASCII é um tipo de
codificação BCD, largamente utilizado em
computadores digitais e em equipamentos de
comunicação de dados. A sigla ASCII é
formada pelas iniciais de American Standard
Code for Information Interchange (Código
Padrão Americano para Intercâmbio de
Informações).
Consiste de um código binário de sete
“bits” para transferir informações entre
computadores e seus periféricos e em
comunicação de dados a distância.
Com um total de sete “bits”, podemos
representar 27 = 128 estados diferentes ou
caracteres, que são usados para representar os
números decimais de 0 a 9, letras do alfabeto e
alguns caracteres especiais de controle.
É formado por dois grupos de “bits”,
sendo um de 4 “bits” e outro de 3 “bits”.
Aritmética binária
As regras utilizadas em operações
binárias no sistema decimal, são também
seguidas nas mesmas operações em outros
sistema de numeração. Neste capitulo
trataremos de algumas técnicas que tornam mais
simples a efetuação destas operações.
Adição no sistema binário – Para efetuarmos a
adição no sistema binário, devemos agir como
uma adição no sistema decimal, lembrando que
no sistema binário temos apenas dois
algarismos.
Grupo de 4 “bits”
1 0 0 1
7
6
5
4
3
2
1
1
vai um
Grupo de 3 “bits”
1 0 1 0
0 0 1 1
1 0 0 0
Formato do caráter no Código ASCII
ASCII
CARACTER
7 6 5
4 3 2 1
0
0 1 1
0 0 0 0
1
0 1 1
0 0 0 1
2
0 1 1
0 0 1 0
9
0 1 1
1 0 0 1
A
1 0 0
0 0 0 1
B
1 0 0
0 0 1 0
Z
1 0 1
1 0 1 0
a
1 1 0
0 0 0 1
b
1 1 0
0 0 1 0
z
1 1 1
1 0 1 0
a
+
b
soma
transporte ou
carreamento
A tabela mostra a operação soma e o
transporte em separado. O símbolo + é o
operador soma.
Como 1 + 1 = 10 no sistema binário, o
resultado é 0 (zero) e o transporte para a coluna
imediatamente à esquerda é 1 (um). Esse
transporte é idêntico ao do sistema decimal, pois
quando tivermos uma soma igual ou maior que
a base, haverá um “vai um” que será somado ao
dígito de valor posicional imediatamente
superior.
Exemplo 1:
1
vai um
a + b
1 1
a
(11)2 + (10)2 = (101)2
+
3 + 2 = 5
1 1
b
1 0 1 soma
Exemplos de representações no código ASCII
17-5
Exemplo 2:
a + b
(110)2 + (111)2 = (1101)2 +
6 + 7 =
13
Neste exemplo, seguindo-se as regras
anteriores,
observa-se que houve um
empréstimo que ficou devedor. Nesta situação
efetua-se a operação “ complemento” , que
consiste em inverter-se os bits “0” por “1” e
vice-versa, somando-se “1” em seguida.
1 1
vai um
1 1 0 a
1 1 1 b
1 1 0 1soma
1 1 1 0 1
0 0 0 1 0
+
1
0 0 0 1 1
0 0 0 1 1
Exemplo 3
1 1
a + b
1 1 0 0 1 a
11001 + 1011 = 100100 +
25 + 11 =
36
1 0 1 1 b
soma 1 0 0 1 0 0
0
0
1
1
a
b
diferença
resultado final
0
1
0
1
=
=
=
=
0
0
0
1
Exemplo 1
Exemplo 1
1 1 1
a
-1 0 0
b
0 1 1 diferença
x
1 0 0 0
1
1 0 0 0
a
b
produto
Exemplo 2
1 0 1
a
x b
x
10101 x 10 = 101010
0 0 0
21 x 2 = 42
1 0 1 0
produto 1 0 1 0
Exemplo 2
a - b
1000 - 111 = 1
8 - 7 = 1
x
x
x
x
a x b
1000 x 1 = 1000
8 x 1 = 8
a - b
111 - 100 = 011
7 - 4 = 3
resultado invertido
(complemento)
Multiplicação no sistema binário- Procede-se
como em multiplicações no sistema decimal,
tendo-se como regra básica:
Subtração no sistema binário- O método de
resolução é análogo a uma subtração no sistema
decimal:
0 0 0 1 empréstimo
0 1 1 0
- 0 1 0 1
0 0 0 1
resultado parcial
1 empréstimo
1 0 0 0
a
1 1 1
b
0 0 0 1 diferença
0 1 a
1 0 b
0 0
1 ____
1 0
Divisão no sistema binário- Procede-se como
em divisões no sistema decimal.
Exemplo:
Nos exemplos acima foram utilizados
números tais que a > b. Consideremos agora
um caso com a < b.
a
: b
111100 : 1100 = 101
60
: 12 = 5
a
b
10110 - 11001 = -00011
22 - 25 =
-3
1 0 1 1 0
-1 -1
-1
1 1 0 0 1
1 1 1 0 1
1
- 1
0
-
a
empréstimo
b
resultado parcial
17-6
1
1
0
0
0
-
1
0
1
0
1
1
0
1
1
1
0
1
1
0
0 0
1 1 0 0
1 0 1
0
0
0 0
0 0
0 0 resto
ÁLGEBRA DE BOOLE
Concluímos que a lâmpada só acenderá
quando a Ch 1 e a Ch 2 estiverem fechada,
correspondendo a equação A . B = S
Em meados do século passado G. Boole
desenvolveu um sistema matemático de análise
lógica. Esse sistema é conhecido como Álgebra
de Boole.
A álgebra booleana é baseada em apenas
dois estados. Estes estados poderiam, por
exemplo, ser representados por tensão alta e
tensão baixa ou tensão positiva e tensão
negativa.
Assim como na álgebra linear,
encontramos vários tipos de funções, como
veremos a seguir.
Tabela Verdade da função E ou AND – É um
mapa onde colocamos todas as situações
possíveis, com os respectivos resultados.
A
0
0
1
1
B
0
1
0
1
S=A.B
0
0
0
1
Simplificação de funções
Função “E” ou “AND” – É aquela cujo
resultado equivale à multiplicação de duas ou
mais variáveis.
S = A . B (onde se lê A e B)
Para melhor entendimento veja a figura
17-1.
Figura 17-2 Simbologia da função E ou AND
O número de situações possíveis
constante na tabela verdade é igual a 2N, onde N
é o número de variáveis de entrada.
Uma porta “E” com duas entradas tem
N
2 = 22 = 4 situações possíveis.
Podemos encontrar portas lógicas com
três ou mais entradas como mostrado na figura
17-3.
Figura 17-1 Circuito da função E ou AND
Convenções:
Chave aberta
Chave fechada
Lâmpada apagada
Lâmpada acesa
=
=
=
=
0
1
0
1
Situações possíveis:
Ch 1 aberta e Ch 2 aberta
0
*
0
=lâmpada apagada
=
0
Ch 1 aberta e Ch 2 fechada =lâmpada apagada
0
*
1
=
0
Ch 1 fechada e Ch 2 aberta =lâmpada apagada
1
*
0
=
0
Figura 17-3 Portas E ou AND de três e de cinco
entradas.
Ch 1 fechada e Ch 2 fechada=lâmpada acesa
1
*
1
=
1
17-7
Função OU ou OR – É aquela que assume o
valor um (1) na saída, quando uma ou mais
variáveis na entrada forem iguais a um (1), e
assume o valor zero (0) se, e somente se, todas
as entradas forem iguais a zero (0).
Tabela Verdade da função OU ou OR
A
0
0
1
1
S = A + B (S igual a A ou B)
Para melhor compreensão veja a figura
17-4
B
0
1
0
1
S=A+B
0
1
1
1
Portas OR também podem
encontradas com 3 ou mais entradas.
ser
Figura 17-4 Circuito da função OU ou OR
Convenções:
Chave aberta
Chave fechada
Lâmpada apagada
Lâmpada acesa
=
=
=
=
0
1
0
1
Figura 17-6 Exemplos de portas OR
Função NOT ou NÃO – A função NÃO,
complemento ou inversão, é aquela que inverte
o estado da variável, isto é, “0” inverte para”1”
e “1” inverte para “0”. Veja a figura 17-7.
Situações possíveis:
Ch 1 aberta e Ch 2 aberta
0
+
0
=lâmpada apagada
=
0
Ch 1 aberta e Ch 2 fechada
0
+
1
=lâmpada acesa
=
1
Ch 1 fechada e Ch 2 aberta
1
+
0
=lâmpada acesa
=
1
Ch 1 fechada e Ch 2 fechada =lâmpada acesa
1
+
1
=
1
Concluímos que a lâmpada acenderá
quando pelo menos uma das chaves estiver
ligada, correspondendo à equação A + B = S.
Figura 17-7 Circuito da função NOT ou NÃO
Convenções:
Chave aberta
Chave fechada
Lâmpada apagada
Lâmpada acesa
=
=
=
=
0
1
0
1
Situações possíveis:
Chave 1 aberta
0
= lâmpada acesa
=
1
Chave 1 fechada = Lâmpada apagada
1
=
0
Figura 17-5 Simbologia da função OU ou OR
17-8
Funções XOR ou XNOR – As portas NAND e
NOR são ditas portas universais, porque vários
circuitos podem ser derivados, utilizando apenas
estes tipos de portas.
Podemos criar diversas funções combinando os vários tipos de portas lógicas, dentre
elas as denominadas XOR e XNOR.
Tabela verdade da função NOT ou NÃO
A
0
1
A
1
0
Onde A representa o inverso de A
Tabela Verdade e simbologia
a) XOR ou “OU EXCLUSIVO” – Nesta
função teremos “1” na saída, quando as entradas
forem desiguais.
Função NÃO E ou NAND – É uma combinação
das funções “E” e “NÃO”, que é representada
da seguinte forma:
S = A * B ( S igual a A e B barrados, ou A e B
“not”).
A
0
0
1
1
B
0
1
0
1
S=A+B
0
1
1
0
Figura 17-8 Simbologia NAND
Tabela Verdade da função NAND
A
B
A*B (S)
0
0
1
1
0
1
0
1
1
1
1
0
Figura 17-10 Simbologia XOR
b) XNOR ou “NOR EXCLUSIVO”Nesta função teremos “1” na saída, quando as
entradas forem iguais.
S=A+B
A
B
0
0
1
0
1
0
1
0
0
1
1
1
Função “NÃO OU” ou NOR – É a combinação
das funções OU e NÃO, que é representada da
seguinte forma:
S = A + B (S igual a A ou B barrado, ou A ou
B “not”).
Tabela Verdade NÃO OU ou NOR
A
0
0
1
1
B
0
1
0
1
S=A+B
1
0
0
0
Figura 17-11 Simbologia XNOR
As portas XOR e XNOR são
denominadas portas COMPARADORAS.
A porta XOR é denominada comparadora de desigualdade e a porta XNOR comparadora de igualdade.
Formas canônicas
Figura 17-9 Simbologia NOR
As tabelas verdade de circuitos padrão
nem sempre conseguem representar todas as
17-9
funções lógicas. Há circuitos cujas funções
diferem do padrão. Estes circuitos poderão ser
representados através de FORMAS CANÔNICAS.
Dentre as características dos circuitos de
comutação, podemos citar o nível lógico, o
tempo de propagação, a potência dissipada, a
imunidade à ruídos e o “fan-out”.
Forma canônica disjuntiva–´E a forma canônica
mais utilizada. Para cada uma das entradas,
atribui-se o valor “0” ou “1”, estabelecendo-se
uma expressão representativa da função f = 1.
Níveis lógicos
ENTRADAS
A
0
0
1
1
B
1
1
0
1
C
0
1
0
0
SAÍDA
f
1
1
1
1
f=ABC+ABC+ABC+ABC
A*B*C
A*B*C
A*B*C
A*B*C
Forma Canônica
Circuitos geradores de produtos canônicos- São
circuitos que geram as formas canônicas
básicas, onde são estabelecidas e combinadas as
entradas para todas as variações.
Se quisermos gerar os produtos
canônicos possíveis com “n” variáveis,
necessitaremos de 2n portas de “n” entradas.
Figura 17-12 Exemplos com duas variáveis
CIRCUITOS DE COMUTAÇÃO
Os circuitos lógicos de um equipamento
precisam ser compatíveis às necessidades do
projeto. Na execução de funções lógicas, as
entradas e saídas são variáveis, requisitando
padrões de comutação.
Os níveis lógicos são as tensões
designadas como estado “1” e estado “0”
binários, para um certo tipo de circuito digital.
Os valores nominais para os dois níveis
são bem determinados mas, na prática, os
valores obtidos podem variar, devido à
tolerância dos componentes internos do circuito
integrado, variações da fonte de alimentação,
temperatura e outros fatores. Geralmente os
fabricantes fornecem os valores máximos e
mínimos admitidos para cada um dos níveis
lógicos.
É muito importante conhecer os níveis
lógicos de um determinado tipo de integrado
pois, deste modo, ao trabalhar com
equipamentos digitais, será fácil identificar os
estados lógicos das entradas e saídas.
Tempo de propagação
O tempo de propagação (Propagation
Delay) é a medida do tempo de operação de um
circuito lógico. A velocidade de operação é uma
das características mais importantes e, para a
maior parte das aplicações digitais, uma alta
velocidade de operação, ou seja, um baixo
tempo de propagação é benéfico.
O tempo de propagação exprime o
espaço de tempo necessário para que a saída de
um circuito digital responda a uma mudança de
nível de entrada; é composto pelo acúmulo de
tempos de transição e retardo associados a
qualquer circuito lógico.
Quando a tensão de entrada de um
circuito digital muda de “0” para “1”, ou viceversa, a saída deste circuito responderá após
certo período de tempo finito.
A figura 17-13 dá um exemplo de tempo
de propagação; temos aí representada a entrada
de um circuito digital e, logo abaixo, a saída
correspondente.
Veja que a transição de “0” para “1” na
entrada ocasiona uma transição de “1” para “0”
na saída e que a transição de saída ocorre um
certo tempo após a transição de entrada. Isto é
que chamamos de tempo de propagação.
17-10
Figura 17-13 Tempo de propagação
O tempo de propagação (tp) é medido
geralmente entre os pontos de 50% de
amplitude, da transição inicial da entrada para a
transição inicial da saída ou da transição final da
entrada para a transição final da saída.
Observe ainda que existem dois tipos de
tempo de propagação: um deles ocorre quando a
entrada passa do nível baixo para o nível alto
(tpBA), e o outro quando a entrada passa de alto
para baixo (tpAB). Os dois tipos de tempos de
propagação são geralmente diferentes, devido às
características dos circuitos lógicos.
Os tempos de subida e descida dos
pulsos de entrada e saída também são
importantes. Define-se tempo de subida (ts),
como o período de tempo tomado pelo pulso
para subir de 10% a 90% de sua amplitude
máxima. O tempo de descida (td), é o necessário
para o pulso descer de 90% a 10% dessa mesma
amplitude.
Para a maioria dos circuitos integrados
digitais, os tempos de subida e descida são
bastante reduzidos. Podem ser conseguidos
tempos de transição de 1 nanosegundo. Alguns
tipos de circuitos digitais modernos apresentam
tempos de propagação que chegam a apenas
algumas dezenas de nanosegundos. Os tempos
de transição são normalmente menores que os
tempos de propagação.
Os tempos de propagação podem variar
consideravelmente devido a tolerâncias de
fabricação, fiação, etc. e são cumulativos.
Quando portas e outros circuitos lógicos
combinacionais são ligados uns aos outros, os
tempos de propagação se somam.
Se existe mais de um nível de lógica, isto
é, mais de uma estrutura, o tempo de
propagação total, de entrada e saída, é a soma
dos tempos de propagação de cada um dos
níveis.
Potência dissipada
É a potência consumida por um circuito
lógico operando em um ciclo de carga de 50%,
isto é, tempos iguais nos estados “0” e “1”.
A potência total dissipada por um
circuito é uma consideração importante no
projeto de um equipamento digital, pois uma
elevada dissipação em potência, significa um
grande consumo de energia elétrica.
Além disso, a potência total dissipada irá
determinar o tamanho e o custo da fonte de
alimentação.
O calor liberado pelos circuitos, também
relacionado à potência dissipada pelos mesmos,
às vezes torna necessário o seu resfriamento ou
o uso de aparelhos de ar condicionado, para
garantir o bom funcionamento do equipamento.
A potência dissipada por uma porta pode
variar da ordem de alguns microwatts até 100
miliwatts.
Compromisso velocidade-potência
As duas características descritas,
velocidade potência dissipada, são diretamente
interdependentes em todos os tipos de circuitos
lógicos digitais. A relação entre elas é tal que a
velocidade se apresenta proporcional à potência
dissipada, ou seja, tanto mais rápida a
comutação de um circuito lógico, maior será a
potência dissipada.
Os circuitos lógicos de alta velocidade
empregam transistores bipolares não saturados
que, associados a resistências internas de baixos
17-11
valores, produzem um alto consumo de
potência.
Os circuitos integrados do tipo MOS
(Metal-Oxide-Semiconductor), consomem um
mínimo de potência devido as altas impedâncias
inerentes a esses componentes. No entanto,
refletem em velocidades de comutação muito
baixas, limitando sua operação a freqüências
baixas. Pelo seu consumo bastante reduzido,
adequam-se perfeitamente aos equipamentos
portáteis operados a bateria, onde a alta
velocidade não for necessária.
Imunidade a ruídos
A imunidade a ruídos é uma medida da
característica de baixa ou não interferência de
sinais externos indesejáveis. Considera-se ruído
qualquer sinal estranho, gerado externamente ou
pelo próprio equipamento, e que é acrescentado
ou superposto aos sinais padrão do sistema.
Esse ruído pode ser um nível de tensão
variando lentamente, picos de tensão, ou sinais
de alta frequência e pequena duração. O ruído
pode provocar uma comutação no circuito
lógico, para um estado indesejável num
momento impróprio.
A imunidade da maioria dos circuitos
lógicos é de aproximadamente 10% a 50% do
valor da tensão de alimentação. Isto significa
que um pico será rejeitado, caso sua amplitude
seja inferior a 10% ou 50% da tensão de
alimentação.
A imunidade a ruídos é uma
consideração de grande importância, porque a
maioria dos sistemas digitais gera uma
quantidade considerável de ruído
em
comutações de alta velocidade. Além disso,
muitos equipamentos digitais são utilizados em
ambientes industriais de ruído intenso, onde
transientes provenientes das linhas de força e de
outros equipamentos elétricos podem causar
falsas comutações nos circuitos lógicos.
“Fan-out”
“Fan-out” é uma característica que
indica o quanto de carga pode ser ligado à saída
de um circuito digital. É geralmente expresso
em termos de número de cargas padrão que a
saída de uma porta lógica aceita, sem afetar o
nível lógico nominal, velocidade, temperatura
ou outras características.
Uma porta lógica pode, por exemplo,
apresentar um “Fan-out” igual a 10, o que indica
que até dez entradas de portas poderiam ser
ligadas à saída deste circuito lógico, sem afetar
a sua operação.
FAMÍLIAS DE CIRCUITOS LÓGICOS
Como podem ser notados, os circuitos
lógicos possuem características que deverão ser
observadas durante o projeto, para que o mesmo
utilize os componentes adequados à aplicação
do equipamento. De acordo com estas
características, os circuitos lógicos são
agrupados em famílias.
Entende-se por famílias de circuitos
lógicos, os tipos de estruturas internas que
permitem a confecção dos blocos lógicos em
circuitos integrados.
-
Dentre as famílias podemos destacar:
RTL (Resistor-Transistor Logic).
DTL (Diode-Transistor Logic).
HTL (High Threshold Logic).
TTL (Transistor-Transistor Logic).
ECL (Emitter-Coupled Logic).
C-MOS (Complementary MOS).
Tecnologia MOS
A família MOS
(Metal Oxide
Semiconductor)
compõe-se de circuitos
formados por MOSFETS, que são transistores
de efeito de campo construídos a partir da
tecnologia
MOS,
apresentando
como
características o baixo consumo e uma alta
capacidade de integração, isto é, a colocação de
uma grande quantidade de componentes lógicos
num mesmo encapsulamento.
Comparação entre famílias
Família RTL (Resistor-Transistor Logic)
Utiliza transistores e resistores, sendo
das primeiras famílias utilizadas, formando
portas NOR como principal bloco lógico.
Suas principais características são:
- Possui boa imunidade a ruídos
- Tempo de propagação da ordem de 12 ns
- Potência dissipada por bloco lógico, da ordem
de 10 mw.
- Alimentação 3V ± 10%
17-12
Família DTL (Diode-Transistor Logic)
Família C-MOS (Complementary MOS)
Utiliza diodos e transistores, sendo um
desenvolvimento da lógica de diodos,
permitindo a formação de blocos “E”, “OU”,
“NAND” e “NOR”.
Suas principais características são:
- Imunidade a ruídos da ordem de 0,8V.
- Tempo de propagação da ordem de 30ns.
- Potência dissipada da ordem de 10 mw por
bloco lógico.
- Alimentação 5V ± 10%.
É uma variação da família MOS,
consistindo basicamente de pares de canais
MOS complementares. Esta técnica tem como
vantagem em relação ao MOS convencional,
uma maior velocidade de comutação, da ordem
de 80 ns, contra 300 ns.
Suas principais características são:
- Baixa dissipação de potência, da ordem de
10µw.
- Alto índice de integração.
- Alta imunidade a ruídos
- Ainda elevado tempo de propagação, da ordem
de 60 a 70 ns.
Família HTL (High Threshold Logic)
Utiliza diodos e transistores como a
DTL, acrescentando um diodo Zener, para
aumento do nível de entrada, estabelecendo alta
imunidade à ruídos.
Suas principais características são:
- Alta imunidade a ruidos.
- Alto tempo de propagação.
- Alta potência dissipada, da ordem de 60 mw.
Família TTL (Transistor-Transistor Logic)
É oriunda da família DTL, porém
utilizando transistores multiemissores, que
permitem a eliminação dos diodos e resistores
de entrada, trazendo maior velocidade e menor
custo, tornando-a das mais difundidas.
Suas principais características são:
- Boa imunidade a ruídos
- Tempo de propagação da ordem de 10 ns.
- Potência dissipada da ordem de 20 mw por
bloco lógico.
- Identificação Comercial – série 74 – Faixa de
temperatura de 0° a 75° C.
Família ECL (Emitter Coupled Logic)
Utiliza nos circuitos, acoplamento pelo
emissor dos transistores, o que os faz operar em
regime de não saturação, permitindo a mais alta
velocidade de comutação dentre as famílias.
Suas principais características são:
- Boa imunidade a ruídos.
- Muito baixo tempo de propagação, da ordem
de 3 ns.
- Potência dissipada da ordem de 25 mw por
bloco.
- Alimentação -5,2 V ± 20%.
- Larga faixa de alimentação de 3 a 18 V.
Métodos de fabricação
Existem três formas básicas de se
fabricar circuitos integrados. O método mais
difundido é o chamado monolítico; os outros
são o de película fina, o de película espessa e o
híbrido.
Método Monolítico – O circuito integrado
monolítico é construído inteiramente de um
único pedaço de silício semicondutor, chamado
pastilha ou “chip”. Materiais semicondutores
são difundidos sobre esta base, dando origem a
diodos, transistores e resistores. Como
resultado, o circuito inteiro, com todos os
componentes e interligações, forma-se sobre
uma base única, dando origem ao termo
“monolítico”.
Os circuitos integrados monolíticos
digitais se subdividem em dois tipos básicos: os
Bipolares e os do tipo MOS, diferindo
fundamentalmente no tipo de transistor
utilizado.
Os circuitos MOS, são mais fáceis de
obter e ocupam menos espaço, desta forma é
possível incluir muito mais circuitos num “chip”
apresentando uma maior densidade de
componentes e custo menor.
Método de película fina ou espessa – Neste
método, os circuitos são obtidos depositando-se
os materiais sobre uma base não condutora,
como a cerâmica, formando resistores,
capacitores e indutores. Normalmente os
17-13
dispositivos semicondutores não são obtidos por
este processo.
Método Híbrido – O circuito integrado híbrido é
formado pela combinação de circuitos
monolíticos e circuitos de película. Os híbridos
oferecem uma grande variedade de combinações
entre circuitos integrados e componentes,
resultando em várias funções que não poderiam
ser obtidas com circuitos integrados específicos.
seu grande poder de dissipação de calor, e por
esta razão encontra maior aplicação nos
circuitos lineares.
Classificação dos circuitos integrados digitais
Encapsulamento chato (Flat Pack) – Apresenta
o menor tamanho entre todos eles, sendo assim
empregado onde se deseja uma elevada
densidade de componentes na placa. Os
invólucros têm um formato achatado e são
apropriados para soldagem sobre circuitos
impressos, podendo ficar muito próximos um
dos outros.
Encontram aplicações onde o espaço é
crítico, como por exemplo, em aviação, sistemas
militares de alta confiabilidade e equipamentos
industriais especiais.
Os circuitos integrados digitais podem
ser classificados basicamente em três grupos:
SSI – Small Scale Integration (Integração em
Pequena Escala);
MSI – Médium Scale Integration (Integração
em Média Escala);
LSI – Large Scale Integration (Integração em
Grande Escala).
Os circuitos SSI representam a forma
mais básica e simples dos circuitos integrados:
são amplificadores ou portas, que realizam uma
função elementar, devendo ser interligados
externamente, caso queiramos formar circuitos
funcionais completos..
Os circuitos MSI são mais complexos,
formados por várias portas interligadas,
compondo circuitos funcionais completos, a
maioria contendo doze ou mais circuitos,
desempenhando
funções
como
um
decodificador, um contador, um multiplexador.
Os circuitos LSI contêm 100 ou mais
portas ou dispositivos equivalentes, formando
grandes circuitos funcionais, equivalentes a
vários circuitos MSI. Seu maior campo de
aplicação é o das memórias e micro processadores.
Figura 17-14 Encapsulamento tipo caneca(TO5)
Figura 17-15 Encapsulamento “ chato” (Flat
Pack)
Encapsulamento DIP (Dual In-Line Package) –
O DIP ou encapsulamento em linha dupla, é
assim chamado porque exibe duas fileiras
paralelas de terminais, tendo sido projetado para
adaptar-se às máquinas de inserção automática
de componentes em placas de circuitos
impressos.
Encapsulamento de integrados
Atualmente há três tipos de encapsulamento para acomodar “chips”:
TO5 ou “caneca”.
FLAT PACK ou invólucro chato.
DIP (Dual In-line Pack) ou em linha
dupla.
Encapsulamento TO5 – Esta foi a primeira
versão de encapsulamento usada em circuitos
integrados, a partir de um invólucro padrão para
transistores. Sua principal vantagem reside em
Figura 17-16 Encapsulamento em linha dupla
(DIP)
17-14
Pode ser encontrado desde o MINI-DIP
de oito pinos, ao gigante de quarenta pinos. A
maioria dos SSI apresenta-se em encapsulamentos de 8, 14 ou 16 pinos, enquanto o MSI
com 14, 16 ou 24 pinos. Finalmente os LSI são
encontrados mais freqüentemente com 24, 28 ou
40 pinos.
Circuitos Lógicos Universais – Dentre todas as
portas lógicas, as portas NAND e NOR, são as
mais utilizadas, pois qualquer tipo de circuito
lógico pode ser obtido através delas.
CIRCUITOS COMBINACIONAIS
Conceitos
Circuito lógico combinacional, ou
simplesmente circuito combinacional, é aquele
cujo estado de saída é uma função exclusiva das
combinações possíveis das variáveis de entrada.
Os circuitos lógicos combinacionais que
iremos estudar, são divididos em três categorias:
a – Circuitos Lógicos Básicos
- Porta AND (E).
- Porta OR (OU).
- Porta NOT (NÃO).
Figura 17-18 Portas NAND e NOR
Circuitos Comparadores – As portas XOR e
XNOR são consideradas circuitos comparadores
e encontram vasta aplicação onde for necessário
comparar expressões ou tomar uma decisão.
b – Circuitos Lógicos Universais
- Porta NAND (NÃO E).
- Porta NOR (NÃO OU).
C – Circuitos Comparadores
- Porta XOR (OU EXCLUSIVO).
- Porta XNOR (NÃO OU EXCLUSIVO)
Circuitos Lógicos Básicos – As portas E, OU e
INVERSORA, são ditas básicas porque, através
delas, todas as funções lógicas podem ser
obtidas.
Figura 17-17 Portas básicas
Figura 17-19 Portas XOR e XNOR
Codificadores e decodificadores
Um Codificador tem a função de
“tradutor” de um código (linguagem) conhecido
ou comum, para um código desconhecido ou
incomum.
Um Decodificador tem a função de
“tradutor” de um código (linguagem)
desconhecido ou incomum, para um código
conhecido ou comum.
Da relação dos “bits” 0 e 1 do sistema
binário, com os estados lógicos 0 e 1, surgiu a
aplicação de circuitos lógicos em calculadoras,
com operações realizadas no sistema binário.
Cabe aqui uma pergunta. Por que não
empregar nas calculadoras eletrônicas circuitos
que realizem operações diretamente no sistema
decimal?
A resposta é simples: os circuitos teriam
que discernir 1 entre 10 níveis diferentes, contra
17-15
1 entre 2, o que os tornaria complicados, caros e
volumosos.
Para facilitar a operação da máquina, a
entrada dos dados a serem calculados e o
resultado das operações, devem estar na forma
decimal, que é o código comum aos humanos.
Vê-se, então, a necessidade de
componentes lógicos conversores, dotados de
circuitos codificadores e decodificadores que
realizem as conversões decimal-binário ou
binário-decimal.
Estes codificadores e decodificadores,
são na verdade circuitos lógicos combinacionais
cujas saídas dependem dos estados lógicos das
entradas.
Um número decimal pode ser codificado
de tal maneira que a operação digital possa ser
desempenhada utilizando-se números binários.
A conversão de um sistema para o outro é
realizada por circuitos codificadores. O circuito
que tem a função inversa é denominado
decodificador.
Figura 17-20 Diagrama bloco básico de uma calculadora
Circuito Codificador –
Um codificador consiste de portas
lógicas que convertem um número decimal para
outro código de representação.
Na figura 17-21 a seguir, temos um
circuito codificando um grupo de chaves que
representam
números
decimais,
para
fornecimento de um código binário de 4 ”bits”.
Figura 17-21 Circuito codificador
Quando todas as chaves estiverem
abertas, teremos nível “1” (alto) na entrada de
todas as portas NAND, ocasionando todas as
saídas em nível “0” (baixo), gerando o
binário”0000”.
Ao pressionarmos a chave “1”, um nível
baixo na entrada da porta “A”, ocasionará um
alto em sua saída, indicando o binário “0001”.
Pressionando a chave “2”, teremos um
nível alto da saída da porta “B”, acendendo o
Led correspondente, indicando o binário”0010”.
Acionando a chave ”6”, as portas B e C
terão saída alta, ocasionando a indicação binária
“0110”.
“Display” de segmentos – A apresentação do
resultado anteriormente descrita, não é
satisfatória, pois nem todos os humanos
compreendem a representação binária. São
necessários então, componentes que nos
proporcionem uma forma simples de
representação.
17-16
Os “displays” de sete segmentos são
componentes mais comuns para representação
numérica.
Estes
“displays”
possibilitam
representarmos números de cimais e alguns
outros símbolos. São compostos por segmentos
que podem ser ativados individualmente,
permitindo combinações.
Figura 17 24 Representação do quatro (4)
Circuito Decodificador – Como o código
interno normalmente utilizado é o binário,
torna-se necessário um decodificador que
permita a ativação individual dos segmentos.
Este decodificador possui a seguinte tabela
verdade:
Figura 17-22 “Display” de sete segmentos
DECIMAL
Para formação do algarismo zero (0),
necessitamos ativar os segmentos “a”, “b”, “c”,
“d”, “e” e “f”, desativando o segmento “g”.
0
1
2
3
4
5
6
7
8
9
Figura 17 23 Representação do zero (0)
A representação do algarismo quatro (4)
requer a ativação dos segmentos “b”, “c”, “f” e
“g”.
BCD 8421
A B C D
8 4 2 1
CÓDIGO DE 7
SEGMENTOS
a b c d e f g
0
0
0
0
0
0
0
0
1
1
1
0
1
1
0
1
1
1
1
1
0
0
0
0
1
1
1
1
0
0
0
0
1
1
0
0
1
1
0
0
0
1
0
1
0
1
0
1
0
1
1
1
1
1
1
0
0
1
1
1
1
1
0
1
1
1
1
1
1
1
1
0
1
1
0
1
1
0
1
1
1
0
1
0
0
0
1
0
1
0
1
0
0
0
1
1
1
0
1
1
0
0
1
1
1
1
1
0
1
1
As funções da tabela poderão ser obtidas
através do circuito da figura 17-25.
Figura 17-25 Decodificador para “Display” de sete segmentos
17-17
Somadores e subtratores
Somador – Se quisermos somar dois dígitos
binários, teremos duas entradas para o circuito
de soma, havendo quatro combinações para
estas entradas: (0 + 0), (0 + 1), (1 + 0) e (1 + 1).
Na aritmética binária, “1” mais “1”
(1+1) é igual a 0 (zero) e um dígito 1 é
transportado para a coluna da esquerda.
A + B
=
S
T
0 +
0 +
1 +
1 +
= 0
= 1
= 1
= 0
0
0
0
1
0
1
0
1
De acordo com a tabela verdade, a
função soma (S) pode ser executada por uma
porta XOR (OU EXCLUSIVA)), e a função
transporte (T) por uma porta AND.
O somador que executa a soma dos
dígitos mais significativos e que possui uma
terceira entrada para o transporte, é denominado
Somador Completo (Full Adder), sendo
formado por dois “Half Adders” (HÁ) e uma
porta OR.
Um somador será composto de vários
“Full Adder” (HÁ), para a coluna menos
significativa.
Figura 17-28 Somador para dois dígitos de três
“bits”
Subtrator – Na aritmética binária, “0” menos
“1” (0 – 1) é igual a “1” e um dígito 1 é tomado
emprestado da coluna da esquerda.
Figura 17-26 Meio Somador (Half Adder)
Para somar
as colunas menos
significativas, será suficiente o circuito acima,
com duas entradas, que é denominado Meio
Somador (Half Adder), porém ao somarmos as
demais colunas teremos que considerar uma
terceira entrada, o transporte da coluna anterior.
A
-
B
=
S
E
0
0
1
1
-
0
1
0
1
=
=
=
=
0
1
1
0
0
1
0
0
Toma 1
emprestado
Analogamente ao
somador, para
subtrairmos
dígitos
na coluna menos
significativa, fazemos uso de um Meio Subtrator
(Half Subtractor) e, para as demais colunas,
utilizamos o Subtrator Completo (Full
Subtractor).
Figura 17-29 Meio Subtrator (Half Subtractor)
Figura 17-27 Somador Completo (Full Adder)
Um subtrator será composto de vários
“Full Subtractors” (FS), para as colunas mais
significativas e um “Half Subtractor” (HS), para
a coluna menos significativa.
17-18
Figura
17-30
Subtrator Completo
Subtractor)
(Full
chave. No multiplexador, a seleção é feita de
acordo como valor digital das entradas de
seleção (S0), (S1) e (S2), com pesos binários 1,
2 e 4, respectivamente. As entradas de “A” a
“H”, corresponderão a valores decimais de 0 a
7. Na saída, teremos o nível da entrada, cujo
valor decimal corresponde ao valor binário das
entradas seletoras.
Os Demultiplexadores são componentes
que distribuem o nível de uma única entrada,
para uma, dentre as várias saídas, de acordo
com o valor binário das entradas seletoras.
Figura 17-31 Subtrator para dois dígitos de três
“Bits”
Multiplexadores e Demultiplexadores
Figura 17-34 Demultiplexador
Os Multiplexadores são componentes
que permitem selecionar um dado, dentre
diversas fontes, como uma chave seletora de
várias posições.
Figura 17-35 Circuito equivalente
Figura 17-32 Multiplexador
Figura 17-33 Circuito equivalente
Através
do
circuito
equivalente
verificamos que a saída poderá estar ligada a
qualquer das entradas, bastando posicionar a
CIRCUITOS SEQUENCIAIS
Os circuitos combinacionais vistos
anteriormente apresentam as saídas dependentes
de variáveis de entrada.
Os circuitos seqüenciais têm as saídas
dependentes de variáveis de entrada e de seus
estados anteriores que foram armazenados.
Circuitos seqüenciais são normalmente
sistemas pulsados, isto é, operam sob o
comando de pulsos denominados “Clock”.
Dentre os componentes utilizados em
circuitos seqüenciais, o “Flip-Flop” é um
dispositivo fundamental, que permite, por suas
características, o armazenamento de estados
lógicos anteriores.
17-19
Flip-Flop
Flip-Flop é um dispositivo que possui
dois estados estáveis. Um pulso em suas
entradas poderá ser armazenado, e transformado
em nível lógico estável.
Há vários tipos de Flip-Flop, que podem
ser representados basicamente conforme a
figura 17-36.
Figura 17-38 Flip-Flop “RS” comandado por
CLOCK
Flip-Flop JK – Os Flip-Flop “RS” possuem um
estado não permitido, quando as entradas “R” e
“S” são iguais a “1” acarretando uma saída
indeterminada. O Flip-Flop “JK” resolve este
problema, utilizando um “RS” realimentado.
Figura 17-36 Flip-Flop
Um pulso na entrada “S”,
armazenado, tornando “Q” verdadeiro e
falso. Um pulso na entrada “ R” ,
armazenado, tornando “Q” falso e
verdadeiro.
será
“Q”
será
“Q”
Flip-Flop tipo “RS” (Latch)
Figura 17-39 Flip-Flop “JK”
A
B
C
D
E
S
R
S1
1
0
0
0
1
0
0
1
0
1
0
1
1
1
R1
Q,
Q
1
1
1
1
0
0
1
0
ilegal
0
0
1
1
De acordo com o circuito, o FF JK, com
as entradas J e K no estado “1”, terá seu estado
complementado a cada “clock”, isto é, se estiver
“setado” (saída Q = 1), complementará (Q - >0
e Q - > 1), se estiver “ressetado” (saída Q = 0),
complementará (Q - > 1 e Q - > 0).
Flip-Flop “JK” Mestre-Escravo – No FF JK, no
momento em que o Clock for igual a “1”, o
circuito funcionará como um combinacional,
passando o estado das entradas J e K
diretamente para a saída.
Para evitar este inconveniente, criou-se o
Flip-Flop JK Mestre-Escravo (Master-Slave),
que consiste basicamente de dois FF JK,
permitindo a comutação do FF, apenas na
transição positiva ou negativa do Clock.
Figura 17-37 Flip-Flop tipo “RS”
Flip-Flop “RS” comandado por Clock –
Substituem-se os inversores na entrada do RS
básico, por portas NAND.
A
B
C
D
S
R
1
1
0
1
0
0
0
1
CLK S1
0
1
0
1
1
0
1
R1
Q
Q
1
0
1
1
1
1
ilegal
0
0
0
Figura 17-40 Flip-Flop JK Mestre-Escravo
17-20
Flip-Flop tipo “T” – Consiste de um FF JK com
as entradas J e K interligadas. Sua característica
é de complementar-se toda vez que a entrada
estiver igual a “1”, mantendo-se no último
estado quando a entrada for igual a “0”.
Figura 17-42 Flip-Flop tipo “D”
Contadores
Figura 17-41 Flip-Flop tipo “T”
Flip-Flop tipo “D” – Consiste de um FF JK com
as entradas interligadas através de um inversor,
permitindo que seja “setado” (colocado no
estado “1”) quando, no momento do Clock a
entrada estiver igual a “1”, e que seja
“ressetado” (colocado no estado “0”), quando,
no momento do Clock a entrada estiver igual a
“0”.
São circuitos digitais compostos de FlipFlops, que variam seus estados, sob comando de
um Clock, de acordo com uma sequência prédeterminada.
O que determinará a capacidade de um
contador, será o número de Flip-Flop utilizados.
Contador de pulsos – Consiste de um grupo de
FF Master-Slave de comutação na transição
negativa do Clock, configurados em série, de tal
modo que a saída de cada estágio terá a metade
da
frequência
do
estágio
anterior.
Figura 17-43 Contador de pulsos
Contadores decrescentes
O circuito que efetua a contagem
crescente é o mesmo para contagem
decrescente, com a diferença de utilizar as
saídas ”Q” dos FFs. A tabela verdade de um
contador
crescente
corresponderá
ao
complemento da tabela de um contador
decrescente.
Figura 17-44 Contador decrescente
17-21
Registradores (Shift Registers)
O flip-Flop tem a característica de
armazenar o valor de um “bit”, mesmo que sua
entrada não esteja mais presente. Se
necessitarmos guardar informações com uma
quantidade de “bits” maior que um (1), o FlipFlop será insuficiente. Para isso utilizamo-nos
de um componente denominado Registrador de
Deslocamento (Shift Register), que compõe-se
de um certo número de Flip-Flops, de forma que
as saídas de um alimentem as entradas do FF
seguinte. Cada estágio do registrador
armazenará o sinal de entrada no momento do
Clock. Serão necessários tantos “Clocks”,
quantos forem os “bits” a serem armazenados.
Figura 17-45 Registrador de Deslocamento (Shift Register)
Este tipo de registrador é bastante
utilizado nas conversões de sistemas seriais para
sistemas paralelos, onde a entrada recebe os
sinais serialmente, recebendo ao final a
informação completa paralela.
MEMÓRIAS
Memórias
são
dispositivos
que
armazenam informações. Essas informações
poderão ser números, letras, ou caracteres
quaisquer
Tipos de memórias
Podemos classifica-las quanto a:
a) Acesso.
b) Volatilidade.
c) Possibilidade de regravação.
d) Retenção.
Acesso – As memórias armazenam as
informações em áreas internas chamadas
“endereços”.
Dependendo da codificação utilizada,
cada endereço conterá um conjunto de “bits”, ao
qual chamamos “palavra”.Cada endereço
conterá uma palavra de memória.
Podemos acessar palavras de memória
de duas maneiras:
-Acesso Seqüencial.
-Acesso Aleatório.
No acesso Seqüencial, o endereçamento
será feito em sequência, isto é, para uma dada
posição de memória todos os endereços
precisam ser acessados desde o primeiro
endereço. Em virtude disto, o tempo de acesso
dependerá do lugar onde a informação estiver
armazenada.
Como exemplo comparativo, podemos
citar a fita cassete. Para acessarmos uma música
que esteja no meio da fita, precisaremos
percorre-la desde o princípio.
No acesso Aleatório, o endereçamento é
feito diretamente na palavra desejada, sem
necessidade de passar-se pelas posições
intermediárias. Estas memórias são conhecidas
por RAM (Random Access Memory). Como
principal vantagem têm o tempo de acesso, que
é reduzido e idêntico para qualquer endereço.
Como exemplo comparativo, podemos
citar um disco. Para acessarmos qualquer
música, bastará posicionar o braço do tocadiscos na mesma.
Volatilidade – Podem ser voláteis e não
voláteis. As memórias voláteis são aquelas que
perdem a informação armazenada quando da
interrupção da sua alimentação.
As memórias não voláteis são aquelas
que mantém armazenadas as informações,
mesmo na ausência de alimentação.
Possibilidade de regravação – As memórias de
Escrita / Leitura permitem o acesso a qualquer
17-22
endereço, para consulta da informação (Leitura)
(Leitura) ou para alteração da informação
(Gravação).
São utilizadas em processos onde é
necessária
a
constante
alteração
das
informações. São normalmente identificadas
como RAM (Random Access Memory).
As memórias apenas de Leitura (Read
Only Memory ou ROM) são aquelas cuja
informação somente estará disponível para
Leitura.
São utilizadas em processos onde a
informação é necessária para consulta ou
inicialização
de uma rotina. Possuem
capacidade de armazenamento, isto é,
quantidade de endereços, inferior às RAM´s.
Quanto a esta classificação podemos citar:
a) PROM (Programable Read Only
Memory) - São memórias apenas para
leitura, que permitem que a sua
programação, isto é, a gravação inicial
seja feita pelo usuário. Esta gravação é
permanente, não permitindo alterações,
passando ela a operar como uma ROM.
b) EPROM (Eraseble / Programable Read
Only Memory) – São memórias que
funcionam
como
PROM´s,
que
permitem, porém o seu apagamento e
posterior regravação. O processo de
apagamento é possível por meio de um
“banho” ultravioleta, através de janelas
no seu encapsulamento.
c) EEPROM – São EPROM´s que
permitem sua regravação por meios
elétricos, sem necessidade de banhos
Ultravioleta.
É conveniente lembrar que, embora as
EEPROM´s permitam regravações, a sua
aplicação é diferente das RAM´s. As
EEPROM´s, assim como as EPROM´s,
PROM´s e ROM´s, são utilizadas para
armazenamento de informações que durante um
processo são apenas consultadas, como as
instruções para sequência de um programa. A
característica de regravação em alguns tipos de
ROM, tem por finalidade permitir alterações
nestas instruções, sem a necessidade de
substituição de componentes.
Retenção – Classificam-se em Estáticas e
Dinâmicas.
As memórias de armazenamento
Estático, retém os dados inseridos enquanto a
alimentação estiver presente.
As memórias Dinâmicas, por outro lado,
possuem um efeito capacitivo, isto é, perdem as
informações carregadas, após um determinado
tempo, necessitando de ciclos periódicos de
“recarga” (Refresh Cycle). As memórias
Estáticas são mais caras e de menor capacidade.
Endereçamento
Como já foi visto anteriormente, cada
posição de memória, é acessada através de um
endereço, logo teremos tantos endereços
quantas forem as posições de memória. A
capacidade de memória corresponderá à
quantidade de endereços possíveis.
Com dois “bits” como variáveis,
obtemos quatro combinações, que nos permitem
acessar quatro endereços: posições 00, 01, 10 e
11. Com “n” bits variáveis podemos obter 2n
endereços.
Figura 17-46 Memória RAM de quatro “bits”
17-23
Palavra de memória – Cada endereço de
memória corresponderá a quantidade mínima de
informações que poderá ser acessada. Esta
informação poderá compor-se de um ou mais
“bits”.
Esta quantidade de “bits” por endereço,
chamada de “palavra de memória”, dependerá
dos circuitos associados a ela e ao código
interno utilizado.
As palavras mais comuna compõem-se
de 8, 16 ou mesmo 32 “bits”. A cada posição
acessada, serão lidos paralelamente 8, 16 ou 32
“bits”.
Byte – É o nome dado ao agrupamento de “bits”
que represente um tipo de informação
identificável e dependerá da filosofia do
fabricante do equipamento.
Normalmente um “byte” é composto por
8 “bits”.
Qualquer caractere significativo será
representado na forma de um “BYTE”. Uma
memória com 1 kilobytes (1 kB), indica uma
capacidade de armazenamento de 1000
caracteres.
Os conversores têm por finalidade
transformar sinais digitais em analógicos e viceversa.
Sistemas Analógicos e Digitais
Entende-se por ANALÓGICA, toda
variação linear ou contínua de um sinal.
Grandezas físicas como temperatura, pressão,
tensão, resistência, variam de forma analógica.
Figura 17-47 Gráfico de variação Analógica
Entende-se por DIGITAL, toda variação
discreta, isto é, em degraus definidos ou “steps”.
Aplicação
Memórias são aplicadas de formas
diversas, mas sempre que for necessário o
armazenamento temporário ou permanente de
informações.
Uma informação poderá ser um valor a
ser processado, o resultado de uma operação, ou
mesmo a própria sequência com as instruções da
operação.
Valores fixos ou variáveis, em
processamento, são chamados “DADOS”.
Seqüências de instruções de operação são
chamadas de “PROGRAMAS”.
As instruções de um programa, são
normalmente armazenadas em memórias do tipo
“ROM”, pois são informações fixas. Dados são
armazenados normalmente em memórias do tipo
“RAM.
Figura 17-48 Gráfico de variação Digital
Os sistema digitais, como internamente
se utilizam de valores binários, somente
reconhecem duas variações discretas, o zero (0)
e o um (1). Aos sinais utilizados por estes
sistemas chamamos digitais binários.
Figura 17-49 Gráfico de variação digital binária
CONVERSÃO DE SINAIS
Existem basicamente dois tipos de
sinais: Analógicos e Digitais
Sistemas digitais e analógicos não são
compatíveis entre si, necessitando de
conversores.
Amplificadores operacionais– São componentes
lineares cuja finalidade é amplificar uma
diferença entre dois sinais, possuindo ganho
controlável. Diferenças de amplitude entre dois
sinais são amplificadas gerando uma saída
proporcional a entrada.
17-24
O limite de amplificação, isto é, o valor
máximo de amplitude de saída, dependerá das
alimentações do amplificador, limitando-se aos
seus valores. A partir daí, o amplificador estará
saturado, mantendo a saída fixa até que a
diferença entre as entradas seja reduzida.
Conversor Digital-Analógico
Figura 17-50 Amplificador operacional
A existência de duas entradas, sendo
uma inversora e a outra não inversora permite
que, dependendo de sua utilização, o sinal de
saída seja normal ou invertido.
É utilizado quando for necessária a
conversão de uma variável digital em variável
analógica.
A variável digital é normalmente
codificada em BCD 8421. A saída analógica
assumirá valores de grandeza correspondentes
às variações digitais da entrada.
Figura 17-51 Conversor D / A
Figura 17-52 Circuito básico
Sistemas de computação digital, não são
capazes de gerar sinais analógicos linearmente,
mas dependendo da precisão desejada, poderão
ser utilizados mais “bits”, que gerando mais
“steps”, darão condições de geração de sinais
bastante próximos dos analógicos.
Conversor Analógico-Digital
É utilizado quando for necessária a
conversão de uma variável analógica em
variável digital.
O conversor efetua vários passos até a
conversão final, utilizando-se de um contador,
um conversor D / A, um amplificador
operacional atuando como comparador e FlipFlops.
O circuito é basicamente constituído por
um contador de década, gerando um código
BCD 8421, que é aplicado ao conversor D/A,
que por sua vez apresenta na saída uma tensão
de referência (VR). Esta tensão de referência é
comparada no amplificador operacional, com o
sinal analógico de entrada (Ve).
17-25
Figura 17-53 Conversor A / D
Enquanto VR for menor que Ve, a saída
do operacional habilitará o incremento do
contador a cada “clock”.Quando VR = Ve, o
operacional dará saída “0” desabilitando o
contador e, simultaneamente habilitando a
transferência do conteúdo do contador para os
Flip-Flops, que apresentarão na saída o valor
digital correspondente à entrada analógica.
17-26
CAPÍTULO 18
SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO
Ao produzir esta descarga nos eletrodos
do transmissor, outra faísca semelhante, mas de
menor
intensidade,
era
produzida,
simultaneamente, no receptor que estava
colocado a uma distância de dois metros do
transmissor.
Hertz demonstrou com esta experiência
que certa classe de eletricidade podia ser
conduzida através do espaço (uma vez que não
existia nenhum condutor metálico entre o
transmissor e o receptor), de modo que assim foi
descoberto o princípio da telegrafia sem fio.
Nas experiências realizadas posteriormente por Hertz, ele descobriu que essa classe
de ondas se propaga em círculos concêntricos,
em todas as direções, e que são refletidas por
metais, do mesmo modo que os raios de luz são
refletidos por um espelho. Além disso,
descobriu que esta classe de ondas é capaz de
atravessar substâncias como a madeira, o vidro,
tecidos etc.
Na parte superior da figura 18-2
ilustramos a maneira como as ondas se
dispersam, ou seja, de maneira circular, tendo
como centro os eletrodos.
PRINCÍPIOS DA COMUNICAÇÃO
Hertz, um jovem físico alemão, foi quem
no ano de 1888 realizou uma série de
experiências, que revelaram ao mundo científico
a existência e características que ele, na época,
chamou de forças elétricas que se dispersam, e
que correspondem às ondas eletromagnéticas,
cuja
existência
havia
sido
provada
matematicamente pelo grande físico inglês
Maxwell.
Para descobrir as ondas eletromagnéticas, ou ondas de rádio, Hertz utilizou vários
aparelhos de laboratórios que consistiam,
primariamente, de uma garrafa de Leyden ou
capacitor, utilizado como fonte de energia
elétrica; a eletricidade armazenada na garrafa de
Leyden era conduzida por dois arcos metálicos,
que terminavam em duas bolas de Cobre
chamadas de eletrodos. Este conjunto constituía
o transmissor ou gerador das ondas magnéticas.
Como receptor, Hertz utilizou um anel
de cobre que terminava em dois eletrodos
similares aos do transmissor.
A figura 18-1 ilustra os dois aparelhos
utilizados por Hertz em sua experiência original.
Figura 18-2 Propagação das ondas eletromagnéticas
Figura 18-1 Experiência de Hertz
Quando a eletricidade armazenada na
garrafa de Leyden alcançava sua intensidade
máxima, uma descarga elétrica ocorria entre os
eletrodos ou bolas de cobre, produzindo uma
faísca elétrica.
A figura 18-3 ilustra graficamente que as
ondas que atravessam substâncias tais como a
madeira, são refletidas pelas superfícies
metálicas, como folhas de zinco do teto da casa.
18-1
de maneira semelhante ao código Morse, usado
então na telegrafia com fio.
A primeira comunicação por rádio – Assim é
que, no ano de 1895, Guilherme Marconi, um
jovem cientista italiano, utilizando as idéias
originais de Hertz e Branly, intercalou uma
chave telegráfica no circuito do transmissor,
para obter uma aplicação prática dos citados
aparelhos. Além disso, Marconi acrescentou
uma antena ao transmissor, e outra ao receptor,
e, utilizando uma bobina de indução, que é um
dispositivo capaz de proporcionar uma corrente
eletrônica de maior intensidade que a garrafa de
Leyden, conseguiu aumentar a potência das
ondas irradiadas pelo transmissor.
Mediante o emprego de tais dispositivos,
Marconi, em 1898, conseguiu fazer uma
comunicação sem fios (radiotelegráfica) a uma
distância de dois quilômetros, sendo que, nesta
data, lhe foi concedida na Inglaterra a primeira
patente sobre aparelhos de telegrafia sem fio.
A partir dessa data Marconi fez rápidos
progressos, conseguindo, em 1898, estabelecer
uma comunicação sem fios entre dois navios de
guerra separados por uma distância de 40
quilômetros. Nessa altura, Marconi já havia
instalado e era proprietário da primeira estação
telegráfica comercial, situada na Ilha de Wight,
na Inglaterra. Nos primeiros meses de 1901,
Marconi alcançou seu maior êxito ao receber a
letra “S” através do Atlântico; a transmissão foi
feita de Gales, na Inglaterra, e recebida em St.
John Newfoundland, no Canadá.
Figura 18-3 Propagação das ondas através dos
corpos
Hertz também mediu a velocidade destas
ondas, descobrindo que era a mesma das ondas
de luz, isto é, aproximadamente 300.000.000 de
metros por segundo (300.000 quilômetros por
segundo).
Hertz não deu nenhuma aplicação prática
às suas experiências, uma vez que ele era apenas
um cientista. Entretanto, a posteridade honrou
seu nome, batizando esta classe de ondas como
“Ondas Hertzianas” (ou Artesianas), expressão
esta comumente usada para identificar as ondas
de rádio.
Como resultado das explicações dadas
anteriormente, deduzimos que o transmissor
utilizado originalmente por Hertz era um
gerador de faíscas ou descarga elétrica. Em
realidade, cada vez que se produz uma faísca
elétrica geram-se ondas de rádio.
O aluno, provavelmente, terá notado isso
ao escutar o ruído que produz um receptor de
rádio, quando ligamos ou desligamos um
aparelho da linha de força, quando apagamos
uma lâmpada ou quando é produzida uma
descarga elétrica entre a terra e as nuvens (raio).
Isto se deve a que, em todos esses casos, são
reproduzidas faíscas elétricas que dão origem às
ondas de rádio, as quais são captadas pelo
receptor, interferindo com os programas que
estamos escutando.
Mais tarde o cientista francês Branly
aperfeiçoou o aparelho inventado por Hertz,
conseguindo maior sensibilidade.
No ano de 1891, a maior parte dos
cientistas da época compreendeu a grande
aplicação prática que se podia dar às ondas
hertzianas, como um meio para manter
comunicações sem fio, mediante uma
combinação de sinais de longa e curta duração,
A válvula Audion – Durante o processo de
aperfeiçoamento da lâmpada incandescente, o
seu inventor, Thomas Alva Edison, observou
que, ao colocar uma placa metálica no interior
do bulbo de vidro de sua lâmpada
incandescente, conforme mostrado na figura 184, os elétrons fluíam do filamento para a placa,
embora não houvesse uma ligação física entre
aqueles dois eletrodos (em lições futuras
mostraremos com mais detalhes tal fenômeno).
Edison registrou também em seus
apontamentos, que a corrente eletrônica
somente circulava do filamento para a placa;
porém, como ele estava apenas interessado em
aperfeiçoar sua lâmpada incandescente, ele não
deu muita importância a esse fenômeno. Não
obstante, o físico inglês Sir Ambrose Fleming
interessou-se vivamente por essa descoberta e
lhe deu uma aplicação prática, utilizando esse
18-2
princípio como um meio para fazer com que a
corrente eletrônica fluísse em uma só direção.
intensidade no audífono; daí o nome AUDION
sugerido por De Forest para sua válvula
eletrônica.
Apesar da enorme importância desta
descoberta, usada então somente para receber
sinais provenientes de transmissores de faíscas,
muito tempo se passou até que o mundo
compreendesse seu verdadeiro valor.
Ondas ou vibrações produzidas ao se agitar a
água – Você, certamente já terá observado o
fenômeno ou efeito interessante que ocorre na
água ao arremessarmos uma pedra na superfície
tranqüila de um lago.
Recordar-se-á que uma série de
ondulações
se
estendem
em
círculos
concêntricos, a partir do lugar onde cair a pedra.
Figura 18-4 Experiência de Thomas Edison
Somente mais tarde é que a grande
importância de tal descoberta foi posta em
prática, graças aos trabalhos do Dr. Lee De
Forest, outro grande cientista, cujas descobertas
abriram as portas para o desenvolvimento da
radiotécnica.
A figura 18-5 mostra o novo conjunto
onde De Forest conseguiu fazer com que os
sinais escutados no audífono fossem mais fortes.
Figura 18-6 Propagação de ondas na água
A figura 18-7 mostra um corte
transversal da superfície do lago. Como vemos,
a linha horizontal que atravessa a figura
representa o ponto de repouso, ou seja, a
superfície que marcaria o nível da água se ela
estivesse absolutamente tranqüila.
Figura 18-5 Válvula de De Forest
Figura 18-7 Forma da onda
Com esta descoberta realizada em 1906,
era possível agora não somente detectar as
ondas de rádio como também amplifica-las,
produzindo-se, desta forma, sons de suficiente
Usando esta linha como ponto de
referência, observa-se que uma parte da
ondulação é formada por uma crista, ou ponto,
onde a superfície da água alcança sua maior
18-3
altura. A outra parte da ondulação está
constituída por um fundo, ou ponto, onde a água
alcança seu nível mínimo.
Se colocarmos um pedaço de madeira ou
cortiça, sobre a superfície da água, no local
onde caiu a pedra, observaremos que a madeira,
ou cortiça, não se movimenta em direção à
margem do lago, como sucede com as
ondulações, porém sobe e desce marcando as
cristas e os fundos das ondas que se propagam
na superfície da água.
Assim fica demonstrado que a água é
somente o meio propagador das vibrações, ou
ondas, originadas ao se chocar a pedra com a
água, pois nem o pedaço de madeira, ou cortiça,
e nem a água se movimentam para a margem do
lago, como sucede com as ondas.
Na figura 18-8 eliminamos a água, de
modo que somente fica a representação gráfica
das ondas, produzidas como resultado do
choque da pedra na água.
Conforme ilustra a figura 18-9, a
distância compreendida entre a linha que marca
o nível normal (nível zero) e uma crista, ou um
fundo, chama-se amplitude da onda.
Desta
característica
depende
a
intensidade ou potência da onda, pois quanto
maior for a intensidade da onda, tanto maior
será sua amplitude.
Figura 18-8 Representação gráfica das ondas
Figura 18-9 Amplitude de onda
Por exemplo, no caso das ondas
produzidas na água, quanto maior for a distância
entre as cristas e os fundos, tanto maior será a
intensidade das mesmas.
oposição causada pela separação de ar entre os
dois eletrodos, antes que se forme o arco
voltaico produzido pela faísca.
Assim que o arco voltaico é produzido,
as ondas geradas alcançam sua máxima
amplitude, caindo de intensidade logo em
seguida, devido à queda de potencial na fonte de
energia que produziu a faísca.
Esta representa uma grande desvantagem
pois, como podemos observar, o ponto de maior
intensidade das ondas é de muito pouca
duração, de modo que grande parte da energia
do transmissor é perdida na formação de ondas
de pouca intensidade.
Como essas ondas vão gradualmente
perdendo sua intensidade, elas são conhecidas
pelo nome de ondas amortecidas.
Na figura 18-10B temos um outro tipo
de onda no qual a amplitude se mantém
constante desde o momento em que se inicia a
Ondas de rádio amortecidas e contínuas
Na figura 18-10A, ilustramos a forma
das ondas irradiadas por um transmissor de
faíscas.
Pelas explicações dadas anteriormente,
deduzimos que esta forma de onda se inicia com
uma amplitude ou intensidade mínima e que vai
aumentando progressivamente até alcançar sua
intensidade máxima, passando novamente a cair
de intensidade até se extinguir completamente.
Isto se explica pelo fato da energia
eletrônica entre os eletrodos do transmissor de
faísca ter que vencer nos primeiros instantes a
18-4
transmissão até o momento em que se suspende
a mesma.
Essas são as ondas que podem ser
produzidas por meio da válvula inventada por
De Forest e que proporciona uma maior
eficiência.
Hertz (Hz) - em lugar de ciclos por segundo
(C/s)
Quilohertz (KHz) - em lugar de quilociclos por
segundo (KC/s)
Megahertz (mHz) – em lugar de megaciclos por
segundo (mC/s)
O termo frequência indica o número de
ciclos (ondas completas) produzidos num
determinado período de tempo.
Por exemplo: a figura 18-12 ilustra uma
frequência de quatro ciclos por segundo, ou
seja, quatro ondas são produzidas no espaço de
um segundo. A frequência das ondas é expressa
em Hertz. Portanto, a representação gráfica da
figura 18-12 corresponde a uma onda, cuja
frequência é de 4 Hz.
Figura 18-10 Ondas amortecidas e contínuas
O ciclo - Uma onda completa constitui um ciclo.
Cada metade de uma onda, ou meio ciclo,
apresenta uma alternância da onda ou semiciclo.
Cada onda, ou ciclo apresenta duas
alternâncias: a alternância situada acima do
nível normal é considerada positiva e a situada
abaixo do nível normal é considerada negativa.
A figura 18-11 ilustra claramente o que
acabamos de explicar.
Figura 18-12 Onda com frequência de 4 Hz
Prefixo
Terá
Giga
Mega
Kilo
Hecto
Deca
Deci
Centi
Mili
Micro
Nano
Pico
Fento
Atto
Valor
1012
109
106
103
102
10
10-1
10-2
10-3
10-6
10-9
10-12
10-15
10-18
Símbolo
T
G
M
K
h
da
d
c
m
µ
n
p
f
a
Figura 18-11 Alternâncias da onda ou ciclo
Tabela de prefixos
Frequência – Antes de abordarmos os assuntos
relativos a frequência, gostaríamos de esclarecer
que, em homenagem a Rudolf Hertz, foi
adotado o termo Hertz em lugar de ciclo por
segundo. Assim sendo, teremos:
Relação entre frequência e comprimento de
onda – Para maior simplicidade, considere um
alternador fornecendo energia elétrica com a
frequência de 60 Hz por meio de uma linha de
transmissão ligando São Paulo a Manaus,
18-5
correspondente a um ciclo. O símbolo para
comprimento de onda é a letra grega lambda (λ).
Do mesmo modo, o comprimento de
onda de qualquer onda irradiada pode ser
determinado multiplicando-se a velocidade
constante pela duração de um ciclo. Como a
duração de um ciclo é igual a um (1) dividido
pela freqüência (1 / f), o comprimento de onda é
igual à velocidade constante dividida pela
freqüência ( λ = V/F) ou a velocidade é igual à
freqüência multiplicada pelo comprimento de
onde (V = f.λ). Como V é constante, quanto
maior a freqüência, menor o comprimento de
onda a vice-versa.
passando por Recife. Admita que a velocidade
de propagação a CA seja igual à velocidade de
irradiação eletromagnética no espaço livre, que
é constante e de 300.000 km por segundo,
independentemente da frequência.
Se o gerador iniciar sua ação geradora no
ponto de tensão zero da senóide, depois de
decorrido meio ciclo (1 / 120 de segundo), o
ponto de tensão zero terá percorrido uma
distância que pode ser determinada pelo produto
da velocidade da onda pela duração de meio
ciclo. Esta distância corresponderá a cerca de
2.500 km (300.000 x 1/120), que é
aproximadamente a distância entre São Paulo e
Recife.
Propriedades das ondas sonoras
Até agora, ao falarmos das ondas em
geral,
somente
mencionamos
aquelas
produzidas na água como resultado das
vibrações causadas pelo choque da pedra contra
a água. Não obstante, as características das
ondas de rádio e das ondas sonoras são
semelhantes as que observamos no lago.
Embora as características de propagação
tanto das ondas de sonoras como das ondas de
rádio ou eletromagnéticas sejam idênticas, elas
são de natureza diferente, pois as ondas sonoras
são vibrações mecânicas, ao passo que as ondas
eletromagnéticas são vibrações eletrônicas.
No caso das ondas geradas na superfície
do lago, o meio condutor é a água, ao passo que
no caso das ondas sonoras, o meio condutor ou
de propagação é geralmente o ar. Quanto às
ondas eletromagnéticas, o seu meio de
propagação continua a ser motivo de
controvérsia entre os cientistas, de modo que
apenas diremos que elas se propagam em todos
os meios.
Figura 18-13
Decorrido o outro meio ciclo (1/60 de
segundo) o ponto terá percorrido uma distância
de 5.000 km (300.000 x 1/60), que é a distância
aproximada de São Paulo a Manaus.
Representação gráfica das ondas sonoras – A
figura 18-15 ilustra graficamente um som ou
ruído produzido por uma campainha que vibra
numa velocidade de quatro vezes por segundo.
Observe que, na parte superior da figura estão
ilustradas as compressões do ar por meio de
uma concentração dos pontos que representam
as partículas de ar. Na parte inferior aparece a
forma das ondas produzidas por essa vibração.
Neste caso, como em exemplos semelhantes, a
amplitude mínima das ondas corresponde ao
grau mínimo de compressão das partículas de
ar, ou seja, à rarefação do ar. Na figura 18-15 a
Figura 18-14
Esta distância de 5.000 km é o
comprimento de onda da CA de 60 Hz, que é a
distância percorrida pela onda durante o tempo
18-6
linha horizontal que atravessa as ondas
corresponde à condição normal ou estado das
partículas de ar, quando não há compressão ou
rarefação.
único som, mas sim como ruídos separados. Isto
é, o ouvido somente percebe como um único
som às vibrações acima de 16 Hz; as vibrações
abaixo de 16 Hz são ouvidas a intervalos e são
classificadas
como
ruídos,
geralmente
desagradáveis ao ouvido.
Os sons acima de 20.000 Hz não são
percebidos pelo ouvido humano. O vôo do
mosquito, que corresponde mais ou menos a
esta freqüência, é o som com maior número de
vibrações que podemos perceber. Os sons de
freqüência mais alta não podem ser escutados,
mesmo que sejam de alta intensidade, porque as
membranas auditivas são incapazes de
responder a uma vibração superior a 20.000 Hz,
embora animais como cães possam perceber
sons mais altos. Esta é a razão porque pastores
usam apitos especiais para chamar cães que
cuidam de suas ovelhas.
Como os sons cujas freqüências estão
compreendidas entre 16 e 20.000 Hz são os que
o ouvido humano pode perceber, essas são
conhecidas pelo nome de áudiofrequência ou
frequência audíveis. Embora o ouvido humano
possa perceber essa gama ou escala de
freqüências, as estações radiodifusoras de AM e
os receptores utilizados para receber os
programas das mesmas somente reproduzem
sons compreendidos entre 50 e 5.000 Hz. Não
obstante, no sistema de transmissão e recepção
de frequência modulada, é possível reproduzir
toda classe de sons cujas freqüências estejam
compreendidas entre 30 e 15.000 Hz.
Figura 18-15 Representação gráfica das ondas
sonoras
Todos os termos referentes às
características das ondas já estudadas são
aplicáveis à descrição de sua forma. Por isso,
quanto maior a amplitude das ondas sonoras,
tanto maior será a intensidade do som percebido
pelo ouvido.
Na campainha elétrica, quanto mais forte
for o golpe do martelo na campânula, tanto
maior será a amplitude da onda produzida. A
forma das ondas sonoras pode ser vista num
instrumento especial denominado osciloscòpio.
Nas ondas sonoras, a freqüência ou
número de vibrações por segundo é o fator que
determina o que comumente se conhece como
tom. O tom de uma nota ou som musical é
classificado de acordo com a freqüência do som.
Os sons de tom baixo ou grave são as notas
musicais cuja freqüência é baixa, ao passo que
os sons de tom alto ou agudo são aqueles cuja
freqüência ou número de vibrações por segundo
é alto.
Por exemplo: o violoncelo produz notas
graves ou baixas, porque sua freqüência está
compreendida entre 60 a 213 Hertz.
Por outro lado, o violino produz notas
agudas ou altas, porque a freqüência dos sons
emitidos
por
esse
instrumento
está
compreendida entre 230 e 3.072 Hertz.
Meios em que se propagam as ondas sonoras –
Segundo mencionamos ao iniciar as explicações
sobre as ondas sonoras, estas são o resultado das
vibrações mecânicas de um objeto no meio
condutor. Esse meio deve ser matéria, esteja ele
no estado sólido, líquido ou gasoso.
Algumas substâncias, como a água por
exemplo,pode se apresentar em qualquer dos
três estados. O estado sólido é o gelo; o líquido,
a água; e o gasoso, o vapor da água.
O meio condutor utilizado com mais
frequência para a propagação do som é o ar
(estado gasoso), porém o som pode ser
propagado tanto nos líquidos como nos sólidos.
O som, entretanto, não se propaga no vácuo
porque, neste caso, não há um meio condutor
que faça chegar as vibrações até o ouvido,
conforme demonstra a experiência ilustrada na
figura 18-16.
Freqüências que o ouvido humano pode
perceber – As freqüências dos sons que o
ouvido
humano
pode
perceber
estão
compreendidas entre 16 Hz como limite mínimo
e 20.000 Hz como limite máximo.
As ondas sonoras mais baixas, ou seja,
inferiores a 16 Hz, não são escutadas como um
18-7
Praticamente, podemos definir o decibel
como a mudança mínima de intensidade do som
que o ouvido humano pode perceber. Por
exemplo, para escutar uma variação na
intensidade do som de uma nota musical, cuja
intensidade é de um decibel, a intensidade do
mesmo som tem que subir a 2 decibéis antes que
o ouvido possa perceber a diferença.
O ruído excessivo não prejudica apenas os
ouvidos, mas atinge também o sistema nervoso.
Pode provocar o aumento da pressão sanguínea,
problemas de audição e cardíacos. Muitas vezes
é por causa do barulho que perdemos o sono,
ficamos irritados e cansados, sem explicação
aparente. Estamos cercados de barulho por
todos os lados.
A relação a seguir lhe dará uma idéia dos
ruídos que nos perturbam.
Figura 18-16 Experiência de propagação do som
no vácuo
Observe a campainha elétrica instalada
no interior de uma campânula de vidro, da qual
é possível se extrair o ar por meio de uma
bomba pneumática que rarefaz totalmente o ar
no interior da campânula.
A experiência em questão é iniciada com
a campainha funcionando. Á medida que o ar é
extraído do interior da campânula, os sons vão
gradualmente se extinguindo, até desaparecer
por completo, quando todo o ar for bombeado
para fora.
Tique-taque de relógio
Conversação normal
Liquidificador
Limite permitido por lei no RJ
Apitos e sirenes
Buzina estridente de automóvel
Serra circular ou trem
Conjunto de guitarras
Motor a jato
Perigo
Gol do Flamengo no Maracanã
Fogos de estampido
Liminar de audibilidade humana
Foguete espacial
Velocidade de propagação do som – A
velocidade de propagação do som depende da
matéria que é utilizada como meio condutor.
Entretanto, podemos dizer que o som se propaga
com maior velocidade e eficiência nos líquidos
e nos sólidos que no ar.
Na tabela a seguir podemos comparar a
velocidade de propagação do som em diversas
substâncias.
Substância
Ar
Ferro ou aço
Água
Cobre
Vidro
20 db
50 db
80 db
85 db
90 db
100 db
110 db
120 db
130 db
130 db
130 db
140 db
180 db
Somente sons e ruídos na faixa de 10 a
140 decibéis são captados pelo ouvido humano.
Os de menos de 10 são inaudíveis e os
superiores a 140 provocam ruptura dos
tímpanos.
Velocidade em metros
por segundo
331
5.100
1.400
3.292
5.500
Velocidade e frequência das ondas de rádio –
Como mencionamos no princípio desta lição, a
velocidade de propagação das ondas de rádio é
igual à velocidade de propagação da luz ou
ondas luminosas. Isto se deve ao fato das ondas
de rádio, as ondas luminosas e as ondas
caloríficas
apresentarem
as
mesmas
características, ou seja, todas elas pertencerem
ao tipo de ondas de freqüências muito altas,
conhecidas como ondas eletromagnéticas ou
irradiações eletromagnéticas.
Deduzimos, então, que as ondas de rádio
são apenas uma variedade ou gama diferente das
ondas eletromagnéticas, distinguindo-se das
Intensidade do som – A unidade empregada
para descrever a intensidade do som (amplitude
de onda) é o decibel, que corresponde a um
décimo da unidade utilizada originalmente, a
qual recebeu o nome de “BEL” em honra a
Alexandre Graham Bell, inventor do telefone.
18-8
outras por sua frequência e comprimento de
onda.
A figura 18-17 ilustra a classificação ou
escala das ondas eletromagnéticas, de acordo
com sua frequência e comprimento de onda.
Observe que as ondas de rádio correspondem às
ondas eletromagnéticas de frequência mais
baixa, vindo em seguida as ondas caloríficas, as
ondas luminosas, os raios ultravioletas, etc.
Figura 18-17 Classificação das ondas eletromagnéticas
correspondem a comprimentos de onda
inferiores a 0,03 cm (0,3 mm). A partir dessas
ondas, como a freqüência é excessivamente
elevada e o comprimento da onda é tão
pequeno, adotou-se uma unidade especial que
permite indicar mais facilmente o comprimento
de onda. Esta unidade se chama “Unidade
Angstrom” (A), e equivale a décima
milionésima parte de um milímetro (0,0000001
mm). É evidente que é infinitamente pequena
para se poder ter um conceito prático de sua
dimensão.
Em unidades Angstrom as ondas de
calor estão compreendidas entre três milhões de
“A” (0,3 mm) e 8.000 A.
Tais ondas são emitidas pelos aquecedores de
água ( vapor d’água), ferros elétricos de
engomar, etc. É interessante observar que uma
grande parte dessas ondas são irradiadas pelo
Sol, como ondas luminosas e raios ultravioletas.
Ondas de rádio
As ondas de rádio, ou seja, as usadas nos
sistemas
de
radiocomunicação,
estão
compreendidas entre 100 quilohertz e 1.000.000
megahertz. Essas ondas, expressas segundo seu
comprimento de onda, correspondem as
compreendidas entre 3.000 metros e 0,03 centímetros (0,3 mm). Essas são as ondas
descobertas por Hertz, por meio do transmissor
de faísca. Uma das características das ondas de
rádio é que não são perceptíveis aos sentidos,
exceto por seus efeitos quando são aplicados ao
corpo humano com grande intensidade, por
meio de eletrodos especiais, como nos aparelhos
médicos de diatermia.
Ondas infravermelhas ou ondas caloríficas – As
ondas infravermelhas são de freqüências
superiores a 1.000.000 de megahertz e
18-9
Figura 18-18 Espectro de radiação eletromagnética
Ondas luminosas (a luz) – Estas ondas se
caracterizam por pertencerem à única classe de
ondas eletromagnéticas que a vista humana
pode perceber, sem necessidade de um
dispositivo especial.
Apresentam
características
muito
parecidas às ondas caloríficas, e alguns
cientistas as consideram como o fim do
espectro. A prova disso é que, quando um corpo
alcança uma temperatura muito elevada, ele
começa a emitir raios luminosos.
Além disso, a luz pode ser convertida em
calor, quando os raios luminosos são
concentrados por meio de uma lente.
A luz está compreendida entre 8.000 e
4.000 unidades Angstrom. Os raios solares
abrangem toda esta gama do espectro das ondas
eletromagnéticas.
18-10
Raios ultravioletas – A luz ou raios ultravioletas
estão compreendidos entre 4.000 a 120 unidades
Angstrom. Parte desses raios são produzidos
pelo Sol. Artificialmente, eles podem ser
produzidos por meio de lâmpadas elétricas
especiais, as quais são usadas freqüentemente
no tratamento de certas enfermidades.
Raios X – Os raios X estão compreendidos entre
os comprimentos de onda correspondentes a 120
unidades Angstrom e 0,06 da mesma unidade (6
centésimos de 1 Angstrom). A característica
principal dessas ondas eletromagnéticas é que
são capazes de atravessar toda sorte de tecidos,
couros, telas, madeiras e uma grande parte dos
metais.
Os raios X são usados, principalmente,
para tirar fotografias do interior do corpo
humano, sendo, também, usados na indústria
para fotografar a estrutura de peças metálicas de
alumínio, aço, etc.
Estas
explicações
servirão,
indubitavelmente, para dar ao aluno um
conceito mais definido da classificação e
características das ondas eletromagnéticas, a
cuja família pertencem as ondas de rádio que,
no momento, nos interessam. Não obstante, ao
estudarmos a televisão, teremos a oportunidade
de utilizar os conhecimentos adquiridos sobre as
outras classes de ondas eletromagnéticas.
Apesar das ondas de rádio, as ondas
caloríficas e as ondas luminosas pertencerem à
mesma família, seria errôneo crer que são
parecidas em todos os aspectos, pois a diferença
em frequência e comprimento de onda entre elas
é enorme. Entretanto, devemos ter presente que
todas as classes de ondas eletromagnéticas são
manifestações de energia em diversas formas e,
em muitos casos, é possível transforma-las em
movimentos mecânicos, como sucede com o
calor utilizado para impulsionar máquinas ou
locomotivas.
Raios Gama e Raios Cósmicos – As ondas
eletromagnéticas de maior frequência e menos
comprimento
de
onda
que
se
tem
conhecimentos definidos são os raios gama, que
são o produto das emissões ou irradiações de
elementos radioativos, como o Rádio e o
Urânio.
Os raios são produzidos nesses
elementos
pela
desintegração
atômica
espontânea dos mesmos. Não obstante, grande
parte desses raios pode ser produzida
artificialmente por meio de possantes aparelhos
de Raios X ou, pela desintegração artificial,
como no caso da bomba atômica.
Na medicina, esses raios de baixa
intensidade são usados para destruir tumores
cancerosos, empregando-se neste caso, o Rádio.
Os sais radioativos são usados também na
indústria, pois têm a propriedade de emitir raios
de baixa proporção e, como são visíveis na
obscuridade
(fosforescentes)
encontram
aplicações na fabricação de mostradores de
relógios e ponteiros.
Embora os Raios Gama sejam os últimos
a respeito dos quais se tenham noções claras,
sabe-se que existem outros raios de menor
comprimento de onda que a ciência chama de
raios cósmicos secundários, por se acreditar que
sejam encontrados nos espaços interplanetários.
Isso é tudo que se sabe a respeito dos mesmos
até hoje.
Classificação detalhada das ondas de rádio – As
ondas eletromagnéticas, que correspondem às
ondas de rádio utilizadas hoje em dia, são
classificadas em várias faixas, de acordo com o
comprimento de onda e com os serviços a que
se destinam nos sistemas de radiocomunicações.
Como se observa na parte inferior da
figura 18-19, as ondas de rádio normalmente
utilizadas podem ser divididas em seis blocos
principais, que englobam as diversas faixas de
freqüências.
No primeiro bloco temos as freqüências
compreendidas entre 100 kHz e 550 kHz,
freqüências estas que correspondem à faixa de
ondas longas. Essa faixa compreende diversos
tipos de comunicações, inclusive os radiofaróis
(para orientação da navegação aérea). Além
disso, na Europa, existe também radiodifusão
(emissoras comerciais) nessa faixa.
No segundo bloco temos as freqüências
compreendidas entre 550 kHz e 1600 kHz, que
correspondem à faixa de ondas médias. Nesta
faixa, estão localizadas, exclusivamente,
emissoras
comerciais
de
radiodifusão
(Broadcasting).
No terceiro bloco temos as freqüências
compreendidas entre 1600 kHz e 30 MHz, que
correspondem à faixa de ondas curtas. Nessa
importante parte das ondas de rádio estão
localizadas as radiodifusoras internacionais (nas
faixas de 49, 31, 25, 16 e 13 metros), bem como
18-11
as radiodifusoras das chamadas “faixas
tropicais” (90 e 60 metros). Também na faixa de
ondas curtas estão localizadas diversas faixas
destinadas às comunicações entre radioamadores (160, 80, 40, 20, 15, 11 e 10 metros).
Além disso, localizam-se também nessa faixa
inúmeros outros serviços de radiocomunicações,
tanto governamentais como de empresas
privadas, operando em fonia, telegrafia e
teletipo.
No quarto bloco estão as freqüências
compreendidas entre 30 MHz e 300 MHz, que
correspondem à faixa de freqüências muito
elevadas (VHF). Nesta faixa temos as emissoras
de TV em VHF, radiodifusão em FM, além de
diversos sistemas de radiocomunicação ( radioamadores,
aeronáutica,
polícia, serviços
públicos, etc.).
FAIXA DE
DESIGNAÇÃO
FREQUÊNCIA
TÉCNICA
300 Hz a
E. L. F.
3000 Hz
3 KHz a
V. L. F.
30 KHz
30 KHz a
L. F.
300 KHz
300 KHz a
M. F.
3000 KHz
3 MHz a
H. F.
30 MHz
30 MHz a
V. H. F.
300 MHz
300 MHz a
U. H. F.
3000 MHz
3 GHz a
S. H. F.
30 GHz
30 GHz a
E. H. F.
300 GHz
E.L.F. - Extremely Low Frequency
V.L.F. - Very Low Frequency
L.F.
- Low Frequency
M.F. - Medium Frequency
H.F.
- High Frequency
No quinto bloco temos as freqüências
compreendidas entre 300 e 3.000 MHz, que
correspondem à faixa de freqüências ultraelevadas (UHF).
Esta
faixa
compreende
radiocomunicações em geral, radioamadores,
estações repetidoras, emissoras de TV em UHF,
radares, radioastronomia, etc.
No sexto e último bloco estão as
freqüências compreendidas entre 3.000 e
300.000 MHz, que abrangem freqüências superelevadas (SHF de 3.000 a 300.000 MHz) e
freqüências extremamente elevadas (EHF de
30.000 a 300.000 MHz), que correspondem à
faixa de microondas.
Estas faixas compreendem sistemas de
rastreamento de satélites artificiais, telemetria,
sistemas de radioenlaces, etc.
DESIGNAÇÃO
LEIGA
Ondas Extremamente
Longas
Ondas Muito Longas
Ondas Longas
Ondas Médias
Ondas Tropicais
Ondas Curtas
EXEMPLOS DE
UTILIZAÇÃO
Comunicação para submarinos, para
escavação de minas e etc.
Auxílio à navegação aérea, serviços
marítimos, radiodifusão local.
Radiodifusão local e distante, serviços
marítimos (Estações Costeiras).
Transmissão de TV, sistemas comerciais e
particulares de comunicação, serviços de
segurança pública (poli-cia, bombeiros, etc).
Comunicação pública à longa distância:
sistemas interurbanos e internacionais em
radiovisibilidade, tropodifusão e satélite.
V.H.F. - Very High Frequency
U.H.F. - Ultra High Frequency
S.H.F. - Super High Frequency
E.H.F. - Extremely High Frequency
Figura 18-19 Classificação de sistemas rádio
emitido pela antena de um radiotransmissor é
usualmente, chamado de “Onda Portadora”.
Convém salientar que a onda portadora
não é a mensagem propriamente dita, mas sim o
“veículo” que leva tal mensagem para um ponto
distante.
Nas
últimas
décadas
foram
desenvolvidas
inúmeras
técnicas
para
“modificar” uma onda portadora, a fim de que
ela possa transportar uma informação útil. Cada
Principais sistemas de radiocomunicações
Num transmissor de onda contínua o
sinal de saída possui sua amplitude uniforme em
todos os ciclos.
Um sinal de RF desse tipo, por si só, não
contém nenhuma informação útil. Entretanto é
possível introduzir-lhe certas “modificações”,
tornando-o capaz de “transportar” uma
mensagem; por este motivo, o sinal de RF
18-12
uma dessas técnicas caracteriza os diversos
sistemas de radiocomunicações atualmente em
uso, entre os quais iremos estudar os seguintes
sistemas:
Devido às suas excelentes características, ele é usado em larga escala pelas
estações de radioamadores, estações de grupos
comerciais, pelos serviços de utilidade pública,
etc.
Radiotelegrafia ( ou CW)
Modulação em Amplitude (ou AM)
Modulação em Frequência (ou FM)
Banda Lateral Única (ou SSB)
Transmissão de uma onda contínua manipulada
No Sistema de Radiotelegrafia, a
mensagem é transmitida sob a forma de um
código pré-estabelecido.
Este tipo de transmissão (talvez o mais
eficiente e seguro) é utilizado nas comunicações
entre estações de radioamadores, nas
comunicações entre estações de grupos
comerciais (bancos, empresas de transporte
aéreo e marítimo), pelos correios, etc.
No Sistema de Modulação em
Amplitude ou Sistema de Amplitude Modulada
(AM), a técnica empregada consiste em fazer
com que a amplitude da onda portadora (sinal
de RF) varie no mesmo ritmo da amplitude do
sinal correspondente à informação (ou
mensagem)que se quer transmitir. Aqui, a
frequência da portadora não varia. Este tipo de
transmissão é largamente adotado pelas
emissoras de radiodifusão (Broadcasting), nas
faixas de ondas médias e ondas curtas, sendo
também utilizado nas comunicações entre
estações de radioamadores, estações comerciais,
etc.
No Sistema de Modulação em
Frequência ou Sistema de Frequência Modulada
(FM), a técnica utilizada consiste em fazer com
que a frequência da onda portadora sofra
deslocamentos num e noutro sentido, num ritmo
igual à frequência do sinal correspondente à
informação que se quer transmitir. Aqui, a
amplitude da portadora não varia.
Este tipo de transmissão é adotado pelas
estações de radiodifusão que transmitem música
em alta fidelidade (transmissões monofônicas e
estereofônicas).
Ele
também
é
utilizado
nas
comunicações de grandes responsabilidades
como nos serviços de utilidade pública (corpo
de bombeiros, ambulâncias, radiopatrulhas, etc.)
entre aviões e a torre de controle dos aeroportos,
etc.
O Sistema de Banda Lateral Única
(SSB) é uma variante do AM.
Figura 18-20 Transmissão por onda contínua
No sistema de radiotelegrafia existem
vários métodos para se transmitir uma
mensagem sob a forma de código.
O mais usado na prática consiste em
interromper-se a portadora de RF (onda
contínua) durante intervalos de tempo regulares,
seguindo um código convencional.
Esse
método
é
denominado
“Manipulação da portadora”, e neste tipo de
transmissão utiliza-se o “Código Telegráfico
Internacional”, também conhecido por “Código
Morse”, em homenagem ao cientista que o
idealizou, o físico norte-americano Samuel
Morse.
No código Morse, cada letra do alfabeto
(A, B, C,...X, Y, Z), cada algarismo arábico (0,
1, 2,...7, 8, 9) e cada símbolo de pontuação
(vírgula, ponto de interrogação, ponto de
exclamação, etc.) são representados por uma
combinação adequada de Traços e Pontos.
A título de ilustração, mencionamos que
a letra “C” é representada por um traço, um
ponto, um traço e um ponto, nessa sequência, ou
seja: _ . _ .
Para se transmitir uma mensagem em
código Morse, os traços e os pontos são
emitidos sob a forma de grupos de ciclos (ou
“trens de ondas”) com diferentes durações.
Os pontos correspondem a um grupo de
ciclos com pequena duração, enquanto que os
traços correspondem a um grupo de ciclos com
longa duração (três vezes maior que a dos
pontos). Deste modo, combinando-se grupos de
pequena duração e de longa duração, é possível
transmitir-se letras, algarismos e símbolos de
18-13
pontuação, de modo a se formar palavras,
frases, etc.
Transmissor básico de CW – Na figura 18-21
temos o diagrama em blocos, simplificado de
um
transmissor
de
CW.
Figura 18-21 Diagrama de um transmissor de CW
Para se produzir os grupos de ciclos com
longa ou curta duração, utiliza-se um interruptor
especial chamado “Manipulador ou Chave
Telegráfica”.
Quando o braço do manipulador é
pressionado para baixo, os seus contatos se
fecham e o transmissor irradia a portadora de
RF. Dosando-se os intervalos de tempo durante
os quais os contatos do manipulador
permanecem abertos ou fechados, é possível
transmitir-se uma mensagem em código Morse.
Na figura 18-21 também são mostradas a
forma de onda do sinal produzido pelo oscilador
de RF (onda contínua pura) e a forma de onda
do sinal RF
transmissor.
irradiado
pela
antena
do
Modulação de Amplitude (AM) – Uma onda de
RF (onda contínua), cujas amplitude e
frequência não variam nos ciclos sucessivos,
chama-se “Onda portadora não modulada”.
Para se transmitir uma mensagem útil,
vimos que é preciso “modificar” essa onda
portadora.
Por exemplo, podemos interrompe-la
durante intervalos de tempo regulares, tal como
se faz nas transmissões em código Morse (ou
CW); a figura 18-22 ilustra este processo.
Figura 18-22 Transmissão de AM
18-14
Se quisermos transmitir, pelo rádio, os
sons da voz humana ou da música, deveremos
“modular” a onda portadora de RF. Há várias
técnicas usadas na “modulação” de uma onda
portadora. Primeiramente estudaremos o
processo da “Modulação em Amplitude”, ou
simplesmente AM (do inglês Amplitude
Modulation).
A técnica utilizada no AM consiste em
fazer com que a amplitude da onda portadora
varie na mesma cadência da amplitude do sinal
que se quer transmitir. Por outro lado, a
frequência da onda portadora não se altera
durante a modulação. Como sabemos, os sons
(vibrações mecânicas) produzidos pela voz
humana ou pelos instrumentos musicais estão na
faixa
das
“Freqüências
Audíveis”
ou
“Áudiofrequências
(AF)”.
Essa
faixa
compreende as freqüências que vão desde 16 Hz
até 20 kHz (ou 20.000 Hz).
Vamos
imaginar
que
queremos
transmitir uma nota musical de 2 kHz,
produzida por um piano. Para isso, em primeiro
lugar deveremos transformar as vibrações
sonoras, produzidas pelo piano, num sinal
elétrico de mesma frequência (2 kHz, nesse
exemplo), o que será feito utilizando-se um
microfone.
O processo da modulação em amplitude
está ilustrado na figura 18-23.
Figura 18-23 Processo da modulação em amplitude
Em “A” temos a forma de onda do sinal
de AF (2 kHz), fornecido pelo microfone. Em
“B” temos a forma de onda da portadora não
modulada; este sinal é produzido por um
oscilador de RF. Como o sinal de AF “modula”
o sinal de RF, ele é denominado de “sinal
modulador”. Em “C” temos a forma de onda da
portadora de RF (700 kHz) modulada em
amplitude pelo sinal de AF (sinal modulador).
Observe que a amplitude da portadora
modulada (figura “C”) varia de ciclo para ciclo,
sendo que esta variação é comandada pelo sinal
modulador de AF.
Na figura “C”, as linhas interrompidas
(ou tracejadas) denominam-se “envoltórias de
AF” ou “envolventes de modulação” e sua
forma de onda é a mesma do sinal modulador
(sinal de AF).
Em resumo, o processo da modulação
em amplitude consiste em “misturar” ou
“combinar” o sinal de RF com o sinal de “AF”,
num dispositivo eletrônico de características não
lineares, ao qual damos o nome de “Modulador
de AM”.
Mais uma vez convém salientar que, no
AM, a frequência da portadora modulada
permanece constante (não varia) durante a
modulação. Como essa frequência é bastante
elevada (700 kHz, no exemplo dado), o sinal de
RF modulado em amplitude, irá propagar-se
18-15
facilmente através do espaço, podendo ser
captado pela antena de um receptor situado a
milhares de quilômetros do transmissor.
As envoltórias do sinal de RF,
modulado, terão a mesma forma de onda do
sinal modulador.
Na figura 18-24 A, reproduzimos
novamente a forma de onda de um sinal de RF
(700 kHz), modulado em amplitude por um
sinal de AF (2 kHz).
Se fizermos uma análise mais profunda
desse sinal de RF modulado, iremos verificar
que ele corresponde à soma de três outros sinais
de RF, os quais possuem amplitudes constantes
e freqüências iguais a: 700 kHz (frequência
central), 702 kHz (frequência soma), e 698 kHz
(frequência diferença).
Em outras palavras, quando um sinal de
RF é modulado em amplitude por um sinal de
AF, além da portadora de 700 kHz, em nosso
exemplo (figura 18-24 C), pela antena do
transmissor também são irradiados outro a dois
sinais de RF: um deles terá frequência igual à
soma das freqüências dos sinais dos sinais de
RF e AF, isto é, 700 kHz + 2 kHz = 702 kHz,
que é chamada “Frequência Lateral Superior”
(por ser maior que a frequência da portadora); o
outro sinal terá frequência igual à diferença
entre as freqüências dos sinais de RF e AF, isto
é 700 kHz – 2 kHz = 698 kHz, que é chamada
“Frequência Lateral Inferior”(por ser menor que
a frequência da portadora). Esses dois sinais
estão representados na figura 18-24 B e D,
respectivamente.
Figura 18-24 Forma de onda de um sinal RF
Uma outra maneira de representar o
fenômeno da modulação em amplitude, descrito
anteriormente, consiste no chamado “Espectro
de freqüências” tal como ilustra a figura 18-25.
Num eixo horizontal são marcadas as
freqüências
dos
sinais
de
RF;
perpendicularmente a esse eixo e através de
pequenos segmentos de reta são indicadas as
amplitudes relativas dos sinais de RF.
Observando o espectro de freqüências da
figura 18-25, é fácil notar que quanto maior a
frequência do sinal modulador tanto maior será
o afastamento das freqüências laterais em
relação à frequência central. Por exemplo, se a
frequência do sinal modulador fosse igual a
4 kHz, as freqüências laterais (inferior e
superior) seriam 696 kHz e 704 kHz,
respectivamente.
Figura 18-25 Espectro de freqüências
Modulação em SSB – Conforme estudado
previamente, os componentes de um sinal de
amplitude modulada padrão, são a portadora e
duas freqüências laterais, espaçadas acima e
18-16
-Largura da faixa.
-Potência de sinal modulante.
-Sigilo nas comunicações.
-“Fading” seletivo.
Como desvantagens podemos citar:
-Usa filtros especiais tornando mais caro
o equipamento.
-Utiliza modulador e demodulador
especiais.
-Necessita de oscilador com alta
estabilidade
abaixo da portadora numa quantidade igual a
frequência do sinal de modulação.
Os sinais de amplitude modulada
utilizados em “Broadcasting” padrão requerem
uma faixa de passagem de 10 kHz, ou seja,
admite uma frequência de áudio para modulação
de no máximo 5 kHz, enquanto que os sinais de
comunicação tanto militares como comerciais
possuem uma faixa de passagem de 6 kHz.
As freqüências laterais que são
produzidas pelo processo de modulação em
amplitude, são na realidade imagens refletidas
de si mesmas, e qualquer das duas pode ser
modulada para obter a informação transmitida.
Admitindo-se uma frequência portadora
de 100 kHz e a informação modulante (voz) de
300 a 3.000 Hz, a largura de faixa total do
sistema que opera com as duas faixas laterais
será de 6.000 Hz, ou seja, duas vezes a maior
frequência de modulação.
Com os mesmos sinais de portadora e
modulação, a largura da faixa do sistema SSB é
de apenas 3.000Hz, pois neste levando-se em
conta que as bandas laterais possuem as mesmas
informações e que a portadora não transporta
mensagem alguma, transmite-se apenas uma das
bandas laterais.
Com a diminuição da largura de faixa
total em SSB para a metade da largura de faixa
do AM convencional, é possível aumentar para
o dobro o número de canais utilizados dentro de
uma mesma faixa de frequência. A figura 18-26
mostra a comparação entre os espectros de
frequência do AM convencional e do SSB.
Das vantagens que um sistema SSB
oferece em relação a um sistema AM
destacamos:
-Economia de potência.
Figura 18-26 Comparação entre os espectros de
freqüência do AM e do SSB
Modulação de freqüência (FM) – No sistema de
AM, vimos que a amplitude da onda portadora
modulada variava de acordo com a amplitude do
sinal modulador.
Figura 18-27 Transmissão de FM
18-17
Quanto maior (dentro de certos limites) a
amplitude do sinal modulador, tanto maior era a
amplitude da onda portadora modulada. Por
outro lado, durante a modulação, a freqüência
daquela portadora permanecia constante (não
variava).
Já no sistema de modulação em
frequência (FM), podemos dizer que as coisas
acontecem exatamente ao contrário. Neste
sistema, a amplitude da portadora de RF
permanece constante durante a modulação,
enquanto que a sua frequência sobre
deslocamentos (para mais e para menos)
proporcionalmente à amplitude do sinal
modulador.
Para entendermos melhor o processo de
modulação em frequência, vamos analisar a
figura 18-28.
Figura 18-28 Modulação em freqüência
Em “A” temos a forma de onda da
portadora não modulada (sinal de RF); em “B”
temos a forma de onda do sinal modulador(sinal
de AF) e, finalmente, em “C” podemos observar
a forma de onda da portadora modulada em
frequência.
Observe que o aumento e a redução da
frequência da portadora de RF depende da
amplitude do sinal modulador.
Durante os semiciclos positivos do sinal
modulador ocorre um aumento na frequência da
portadora de RF, enquanto que, durante os
semiciclos negativos do sinal modulador ocorre
uma diminuição na frequência da portadora de
RF (Figura 18-28 C).
Por outro lado, a amplitude da portadora
de RF não varia.
A “velocidade” com que a frequência da
portadora de RF varia (para mais ou para
menos) depende da frequência do sinal
modulador: quanto maior a frequência do sinal
modulador de AF, tanto mais rapidamente irá
variar a frequência da portadora de RF
modulada.
Se a frequência do sinal modulador for
de 1 kHz (ou 1000Hz), então a frequência da
portadora de RF modulada irá aumentar e
diminuir do sinal modulador de AF, na razão de
1.000 vezes por segundo.
Esses “desvios” de frequência, como
vemos, ocorrem sempre em relação a frequência
da portadora não modulada.
PROPAGAÇÃO DAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E ANTENAS
A função de uma antena é a irradiação
de energia eletromagnética no espaço. Após sua
irradiação pela antena, a energia se propaga
através do espaço até ser captada por uma
antena receptora ou ser refletida por um objeto,
como acontece com o radar.
É importante conhecer o que acontece a
uma onda irradiada (sua trajetória, se é
absorvida pelo solo, se é refletida pela
atmosfera, etc.) para saber a distância que a
onda é capaz de percorrer antes de ser captada.
O estudo do que acontece a uma onda
18-18
eletromagnética, após deixar a antena, é
chamado “propagação das ondas”.
Quando uma onda irradiada deixa a
antena, parte da energia se propaga pelo solo,
acompanhando a curvatura da terra e é chamada
“onda terrestre”. O resto da energia é irradiado
pelo espaço em todas as direções. As ondas que
atingem o solo entre o transmissor e o horizonte
recebem o nome de “ondas espaciais”. As ondas
que deixam a antena em um ângulo maior do
que o formado pela antena e o horizonte são as
“ondas celestes” ou “ionosféricas”.
A onda terrestre, as ondas
espaciais e as ondas ionosféricas contêm a
informação transmitida. Entretanto, em certas
freqüências uma dessas ondas será muito mais
eficiente na transmissão da informação do que
as outras.
Figura 18-29 Componentes de uma onda irradiada
Na
transmissão
de
freqüências
relativamente baixas, a maior parte da energia
irradiada está na onda terrestre. Como o solo é
um mau condutor, a onda terrestre é atenuada
rapidamente e, portanto, não é eficaz para
transmissão a grandes distâncias a não ser que
se utilize muita potência. As estações de rádio
locais são exemplos de transmissão por meio de
ondas terrestres. Nas freqüências em apreço, a
irradiação efetiva está limitada a um raio de
cerca de 200 quilômetros do transmissor. Em
consequência, transmissores em cidades
separadas por mais de 200 quilômetros de
distância podem transmitir na mesma
frequência, sem interferência mútua.
Contudo, abaixo de certa frequência
crítica a onda ionosférica não se propaga em
linha reta, e sim se dobra nas camadas
superiores da atmosfera, voltando à terra. Esta
onda não é propriamente refletida, como
acontece, à luz quando incide em um espelho.
Ela é dobrada gradualmente, descrevendo uma
curva, e é, portanto, chamada “onda refratada”.
Esta onda assim que volta à terra, é refletida
outra vez para o espaço, onde, novamente, é
refratada e retorna à terra. Este processo de
refração da atmosfera e reflexão da terra
continua até que a atenuação completa da onda,
pois a energia de uma onda irradiada diminui à
medida que aumenta a distância percorrida
desde a antena transmissora.
Uma antena receptora poderá captar o
sinal em qualquer local que incidam as ondas
refratadas. Se as ondas ionosféricas fossem
irradiadas para as altas camadas da atmosfera
em um único ângulo, não haveria sinal entre os
pontos de incidência da onda refratada com a
terra. Contudo, as ondas ionosféricas são
irradiadas em todos os ângulos e, assim, a
superfície terrestre (além de uma certa distância
Ondas ionosféricas, espaciais e terrestres
À primeira vista, poderia parecer que as
ondas ionosféricas não têm utilidade,
propagando-se em linha reta e perdendo-se no
espaço. Isto realmente pode acontecer com
freqüências muito altas e, portanto, neste caso a
onda ionosférica se perderá.
18-19
mínima da antena) é totalmente coberta por
sinais de rádio.
Com o crescimento do ângulo de
irradiação, chega-se a um ângulo em que a onda
deixa de ser refratada e continua a se propagar
pelo espaço. Em consequência, há uma zona em
torno da antena que não é alcançada por ondas
refratadas.
A onda terrestre só é eficiente para
pequenas distâncias. Portanto, a zona entre a
máxima distância de irradiação efetiva da onda
terrestre e o ponto em que a primeira onda
ionosférica volta à terra é uma área sem sinais
de rádio chamada “Zona de Silêncio”.
A freqüência crítica, isto é, a freqüência
acima da qual não há retorno das ondas
ionosféricas, depende de numerosos fatores, tais
como a hora do dia, a época do ano, as
condições meteorológicas, etc.
Figura 18-30 Ondas ionosféricas, espaciais e terrestres
Como resultado, algumas vezes são
estabelecidas
comunicações
a
grandes
distâncias, por meio de freqüências que
normalmente não apresentam ondas de retorno.
freqüências elevadas, a onda terrestre é atenuada
rapidamente e a onda ionosférica não sofre
refração e não volta à terra.
Como resultado, a única onda irradiada
que pode ser usada para transmissão nessas
freqüências é a que se propaga em linha reta da
antena transmissora para a receptora. Este tipo
de transmissão é chamado “Transmissão de
horizonte ótico”, e a onda irradiada é uma “onda
direta”.
Ondas diretas e desvanecimento (“*Fading”)
Em freqüências superiores à frequência
crítica, a onda terrestre e a onda ionosférica não
podem ser usadas para transmissão. Nessas
Figura 18-31 Transmissão de horizonte ótico
18-20
Este sistema de transmissão é usado em
radar para a detecção de aviões e na
comunicação entre navio e avião.
As freqüências usadas são geralmente
superiores a 30 MHz. Às vezes, uma antena
receptora capta dois sinais provenientes da
mesma antena transmissora e que percorreram
caminhos diferentes, por exemplo: um sinal
pode ser recebido diretamente da antena
transmissora e o outro ser refletido por um
objeto, digamos um avião.
Figura 18-32 Desvanecimento
peculiar de se propagar através do espaço sem o
auxílio de fios.
Todas as antenas funcionam segundo o
mesmo princípio – a corrente na antena cria um
campo eletromagnético que deixa a antena e se
propaga sob a forma de uma onda
eletromagnética..
Estudaremos agora as antenas projetadas
para transmissão.
As antenas transmissoras trabalham em
freqüências muito mais elevadas do que as da
rede de distribuição industrial, e atuam com
muito maior eficiência (quanto à irradiação).
Contudo, é sempre a corrente na antena
que produz o campo eletromagnético a ser
irradiado.
Como o comprimento relativo dos caminhos
está variando constantemente, os dois sinais ora
estarão em fase, ora defasados, e haverá a
tendência de um anular ou reforçar o outro. O
resultado é uma variação na intensidade do sinal
que
chega
ao
receptor,
denominada
desvanecimento (“Fading”).
FINALIDADE DE UMA ANTENA
A finalidade de uma antena transmissora
é converter a energia entregue à linha de
transmissão em uma onda chamada “onda
eletromagnética”. Esta onda tem a propriedade
Figura 18-33 Antena transmissora
18-21
Você pode observar um exemplo
interessante da ação de uma antena, tocando
com o dedo o terminal de entrada vertical de um
osciloscópio.
Você verá na tela do aparelho uma forma
de onda de 60 Hz, que, evidentemente, provém
do seu corpo.
O que realmente acontece é que o seu
corpo capta ondas eletromagnéticas de 60 Hz
que são irradiadas pelas redes que conduzem
correntes de 60 Hz.
Estas linhas agem como antenas
transmissoras, embora não sejam projetadas
para a finalidade em apreço.
Figura 18-34 Teste de captação de energia pelo próprio corpo
comprimento de onda do extremo aberto, formase uma antena simples conhecida como “Dipolo
de meia onda” (“doublet”) ou “Antena Hertz”.
A distribuição de tensão e corrente na
antena é igual à da linha de transmissão original.
Funcionamento da antena
Quando os fios de uma linha de
transmissão aberta são dobrados em ângulo reto
com a linha, em um ponto distante um quarto de
Figura 18-35 Antena dipolo de meia onda
Embora os potenciais de dois pontos
quaisquer dos fios da antena (e também da linha
de transmissão), eqüidistantes dos extremos
tenham amplitudes iguais, suas polaridades são
opostas, tal como acontece com os extremos de
um enrolamento de transformador, cujos
potenciais têm amplitudes iguais e polaridade
opostas. O mesmo é válido para a corrente.
Portanto, para indicar a polaridade e a amplitude
nos fios que compõem a linha de transmissão e
a antena, as formas de onda são desenhadas
conforme a figura 18-36.
18-22
Figura 18-36 Formas de onda mostrando a polaridade e a amplitude
Observe que as ondas estacionárias de
tensão e de corrente indicam que os extremos da
antena são pontos de tensão máxima e de
corrente mínima, enquanto que no centro da
antena a corrente é máxima e a tensão é mínima.
Sempre que há uma diferença de
potencial entre dois pontos, estabelece-se um
campo elétrico entre eles. Você aprendeu em
Eletricidade básica que, quando um capacitor se
carrega, uma placa fica positiva e a outra
negativa. Em consequência, estabelece-se um
campo elétrico entre as placas do capacitor, no
sentido da placa carregada positivamente, de
acordo com a figura 18-37. Da mesma forma, a
diferença de potencial entre os dois fios de uma
antena também gera um campo elétrico com a
forma e o sentido mostrados abaixo.
perpendicular à direção da corrente e, portanto,
à antena.
Figura 18-38 Campo magnético em torno de
uma antena
Os campos elétrico e magnético são, assim,
perpendiculares.
O campo elétrico e o magnético se
alternam em torno da antena, crescendo,
atingindo o valor máximo, entrando em colapso
e crescendo novamente em sentido oposto, na
mesma frequência da corrente da antena.
Neste processo de crescimento e de
extinção, estes campos dão origem às ondas
eletromagnéticas que se propagam através do
espaço, conduzindo a informação transmitida
aos receptores distantes.
ANTENAS BÁSICAS
O dipolo de meia onda ou antena Hertz é
um tipo de antena básica de ampla aplicação em
muitos tipos de equipamentos transmissores e
receptores.
Outra antena básica é a vertical de um
quarto de onda com extremo ligado à terra
(massa), também conhecida como “Antena
Marconi”. Se um dos elementos de uma antena
Figura 18-37 Campo elétrico em torno de uma
antena
Além deste campo elétrico, há também
um campo magnético gerado pela corrente na
antena. O plano deste campo magnético é
18-23
Hertz for removido e o fio que estava preso a
ele for ligado à terra, o resultado será uma
antena Marconi. Realmente a antena toma o
lugar de um dos elementos de um quarto de
onda, de modo que a terra e o elemento de um
quarto de onda restante formam efetivamente
um dipolo de meia onda.
A figura 18-39 mostra os pontos de
corrente máxima e tensão mínima na base da
antena.
Figura 18-39 Antenas básicas
Quando se usa uma antena Marconi, o
solo diretamente sob a antena deve ser um bom
condutor elétrico. Algumas vezes são enterrados
tubos de cobre na base da antena para melhorar
a condutividade do solo.
Nos navios, uma antena vertical de um
quarto de onda pode ficar um pouco acima do
convés. Pode-se simular uma terra com
vergalhões metálicos ligados à massa, pelo
menos com um comprimento de um quarto de
onda, colocados na base da antena. Esta terra
simulada é chamada “Plano de terra”
(antigamente chamava-se “contrapeso”).
Como uma antena dipolo de um quarto
de onda tem fisicamente a metade do
comprimento de uma antena de meia onda
ligada à terra, é quase sempre preferida nas
baixas freqüências (grandes comprimentos de
onda), especialmente quando há limitações de
espaço para a montagem da antena.
Nas altas freqüências, o dipolo de meio
comprimento de onda é amplamente usado
porque, embora seja maior do que a antena de
um quarto de onda, seu comprimento total será
pequeno, e ele pode ser feito de tubos metálicos
auto-sustentáveis.
Resistência de irradiação
Em uma antena dipolo de meia onda, a
tensão no centro é mínima (praticamente nula),
enquanto que a corrente é máxima.
Você deve lembrar que a tensão no
circuito em série de ressonância é mínima
quando a corrente através dele é máxima. Em
seu centro, um dipolo de meia onda equivale a
um circuito ressonante em série, quando opera
na frequência correta.
Um gerador que fornece energia a um
circuito ressonante em série trabalha com
resistência pura, pois XL e XC se anulam – a
resistência é, praticamente a oferecida pelo fio
da bobina.
Da mesma forma, quando um dipolo de
meia onda é ligado a uma linha de transmissão,
ela trabalha com resistência pura. Esta
resistência compreende a resistência do fio e a
chamada “resistência de irradiação”.
A resistência do fio é desprezível, e,
assim, só se considera a resistência de
irradiação.
Entretanto, a resistência de irradiação
não é uma resistência real.
18-24
Quando a frequência do transmissor se
eleva, a antena torna-se maior do que meio
comprimento de onda. O circuito em série está,
então, operando em uma frequência superior à
sua frequência de ressonância. Nesta frequência
aplicada, a reatância indutiva é maior do que a
reatância capacitiva e a antena é “vista” pelo
transmissor como uma carga “indutiva”.
Figura 18-40 Resistência de irradiação
É, antes, uma resistência equivalente
que, se fosse ligada em lugar da antena,
dissiparia a mesma quantidade de energia que a
antena irradia pelo espaço.
O valor da resistência de irradiação pode
ser determinado com a fórmula de potência R =
P/I2, onde “P” é a energia irradiada pela antena
e “I” é igual à intensidade da corrente no centro
da antena.
Para um dipolo de meia onda, a
resistência de irradiação é de aproximadamente
73 Ohms, medida no centro da antena.
Este valor é praticamente constante para
dipolos de meia onda trabalhando em qualquer
freqüência.
Figura 18-43 Dipolo Maior, visto como Indutivo
Quando a frequência do transmissor é
reduzida, a antena torna-se ligeiramente menor
do que meio comprimento de onda. O circuito
em série está, então, operando em uma
frequência inferior à sua frequência de
ressonância.
A reatância capacitiva é maior do que a
reatância indutiva e a antena é “vista” pelo
transmissor como uma carga “capacitiva”.
Figura 18-41 Resistência de irradiação
Figura 18-44 Dipolo Menor, visto como
Capacitivo
Impedância da antena
Como um dipolo de meia onda atua
como um circuito ressonante em série, ele pode
apresentar
propriedades
indutivas
ou
capacitivas, à medida que varia a frequência da
R.F. aplicada à antena.
Quando a frequência da R.F. é a correta,
o dipolo tem exatamente meio comprimento de
onda e é ressonante em série: sua impedância é
puramente resistiva e igual à resistência de
irradiação.
Em transmissão, sempre é desejável que
a antena ofereça uma carga resistiva à linha de
transmissão, de modo que o máximo de energia
seja absorvido e irradiado pela antena.
Sintonia da antena
Você aprendeu que quando a frequência
do transmissor varia, também variam o
comprimento elétrico da antena e a impedância
em sua entrada.
Você também sabe que é desejável que a
impedância da antena seja resistiva para todas as
freqüências do transmissor (para o máximo de
energia irradiada), e, para tanto, a antena pode
ser posta em ressonância pela adição de
indutores ou capacitores para efetivamente
aumentar ou diminuir o seu comprimento
elétrico.
Por exemplo, se uma antena vertical de
quarto de onda, com extremo à terra, for mais
curta do que um quarto de comprimento de
onda, a impedância de entrada em sua base será
resistiva e capacitiva.
O comprimento da antena pode ser
aumentado
eletricamente
(para
torna-la
Figura 18-42 Irradiação máxima de energia
18-25
ressonante) pela adição de um indutor com o
valor correto para anular o efeito da
capacitância, tornando a antena resistiva.
O indutor deve ser ligado em série com a
antena, em sua base, de acordo com a figura 1845.
Figura 18-45 Sintonizando uma antena Marconi
Se uma antena vertical de quarto de
onda, com extremo à terra, tiver comprimento
maior do que um quarto de onda, a impedância
de entrada na base será resistiva e indutiva. O
comprimento elétrico da antena pode ser
diminuído com um capacitor de valor adequado,
para anular o efeito da indutância, tornando a
antena resistiva.
Figura 18-46 Anulando o efeito da indutância
Os transceptores usados nas comunicações podem fazer uso de acopladores
automáticos de antena que fornecem o
casamento automático de impedância da antena
com a saída do transmissor.
A antena é considerada direcional ao
longo da linha de irradiação mais intensa, que é
perpendicular à parte de corrente máxima na
antena. Se estas leituras forem usadas para fazer
um gráfico em três dimensões, as curvas obtidas
constituirão o diagrama de irradiação da antena.
O diagrama de irradiação de um dipolo de meia
onda disposta horizontalmente tem o formato
mostrado na figura 18-47.
Observe que a parte mais espessa do
diagrama está em um plano perpendicular ao
centro da antena. Neste plano ocorre o máximo
Diagrama de irradiação
Quando uma antena irradia ondas
eletromagnéticas, a irradiação é mais forte em
algumas direções do que em outras.
18-26
de irradiação. A parte mais delgada do diagrama
está ao longo do seu eixo que corresponde à
linha de irradiação máxima.
Girando-se a antena 90 graus, em um
plano vertical, a irradiação máxima tem lugar
em um plano horizontal.
Figura 18-47 Diagrama de irradiação do dipolo de meia onda
A figura 18-47 ilustra o caso em que a
antena está isolada no espaço, afastada da terra.
Na prática, a antena fica próxima do solo, de
modo que o padrão de irradiação se altera
apreciavelmente.
Diagramas polares
A variação da intensidade de um sinal ao
redor da antena pode ser representada
graficamente por meio dos diagramas polares
como na figura 18-48.
A distância zero se supõe encontrar no
centro do gráfico que indica o centro da antena e
as circunferências dos círculos tangentes se
expressam em graus.
Os valores calculados ou medidos de
intensidade de campo podem ser representados
radialmente numa forma que mostra tanto a
magnitude como a direção para determinada
distância a partir da antena.
As intensidades de campo no plano
vertical se representam sobre diagramas polares
semicirculares (não indicados na figura) e são
conhecidos como “diagramas polares verticais”.
Figura 18-48 Diagramas polares
A figura 18-49 apresenta alguns tipos de
antenas usadas em aeronaves.
18-27
Figura 18-49 Tipos de antenas de aeronaves
3 – Dois interruptores PTT / HOT MIC,
instalados nos manches.
4 – Fones e “Jack” de fones, instalados nos
consoles laterais e dois alto-falantes, instalados
no teto da cabine de comando.
SISTEMAS DE INTERCOMUNICAÇÃO
Sistema integrado de áudio
O sistema integrado de áudio tem as
seguintes finalidades: selecionar, amplificar e
distribuir os sinais de áudio, dos receptores, aos
fones e alto-falantes; comunicação entre a
cabine de comando e equipes de manutenção,
através do interfone de rampa; comunicação
entre os tripulantes, através do interfone de
cabine, comunicação entre tripulantes e
passageiros, controle do nível dos sinais de
áudio, interconexão do microfone com os
transmissores, apresentação simultânea de
alarmes sonoros com o sistema geral de alarmes
e fornecimento de sinais de áudio para o
gravador de voz da cabine.
Painel de controle de áudio (ACP) – Os painéis
de controle de áudio, um localizado no lado
esquerdo do painel de instrumentos (piloto) e o
outro localizado no lado direito (co-piloto),
proporcionam, independentemente, as seguintes
finalidades:
a) Teclas seletoras de microfone.
b) Botões de áudio dos receptores.
c) Botão seletor de sensibilidade do Marker
Beacon.
d) Botão de filtro.
e) Botão seletor de microfone e controle de
volume principal.
f) Botões seletores dos receptores de
Marker Beacon.
g) Botão de seleção do modo automático.
h) Botão do modo emergência.
i) Botão dos alto-falantes.
j) Botão de chamada da atendente.
Descrição e localização dos componentes:
1 – Dois painéis de controle de áudio (CP)
instalados no painel principal e mais um
opcional.
2 – Uma unidade eletrônica remota (VER),
instalada no compartimento eletrônico.
18-28
Figura 18-50 Sistema integrado de áudio
18-29
Figura 18-51 Localização dos componentes do sistema integrado de áudio
18-30
O botão externo é do tipo rotativo, para
seleção do microfone da máscara de oxigênio ou
microfone labial.
O botão interno é um potenciômetro para
o controle principal de volume.
a)Teclas Seletoras de Microfone
Localizadas ao longo da parte superior do
painel, são teclas do tipo INTERLOCK e
permitem a seleção das seguintes funções:
VHF1, VHF2, VHF3, HF, CABIN, CKPT
RAMP e PAX ADDRS.
Quando pressionada, cada tecla atua do
seguinte modo:
- VHF1: O microfone é conectado ao VHF1.
- VHF2: O microfone é conectado ao VHF2.
- VHF3: O microfone é conectado ao VHF3.
- HF: O microfone é conectado ao HF.
- CAB: Possibilita a comunicação com a
atendente.
- CKP RAMP: Possibilita a comunicação com
o operador de solo.
- PAX ADDRS: Possibilita a comunicação com
a cabine.
f) Botões Seletores dos Receptores do Marker
Beacon
Localizados na parte inferior do painel
de controle, estes botões são do tipo PUSH-ON
/ PUSH-OFF e selecionam o áudio dos
receptores Marker 1 e Marker 2.
g) Botão do Modo Automático (AUTO-SEL)
Localizado no lado direito inferior do
painel de controle, este botão é do tipo PUSHON / PUSH-OFF e, quando pressionado,
possibilita a seleção automática do receptor
correspondente ao transmissor selecionado.
Neste caso, somente é possível, o
controle individual de volume, dos receptores.
b) Botões seletores de Áudio dos receptores
Localizados na parte central do painel de
controle, estes botões são do tipo PULL-ON /
PUSH-OFF (combinado com um supressor de
ruído) que ligam ou desligam os seguintes
receptores e controlam seus respectivos sinais
de áudio: VHF1, VHF2, DME1, DME2, ADF1,
NAV1, NAV2. Os botões VHF3, HF e ADF2
são opcionais.
h) Botão do Modo Emergência (EMERG)
Localizado na parte inferior direita do
painel de controle, este botão do tipo PUSH-ON
/ PUSH-OFF, quando pressionado, em caso de
falha de um canal de áudio, proporciona uma
conexão em paralelo com o outro canal, para os
fones e conexão do microfone para o VHF
(VHF1 para o piloto e VHF2 para o lado do copiloto).
As atuações do botão de emergência em
ambos os lados (canais) ou a perda de energia
em ambos, proporciona a conexão do microfone
e fones do piloto para o VHF1 e ADF1 e o do
co-piloto para o VHF2 e NAV1.
c) Botão de sensibilidade do Marker Beacon
Localizado na parte central inferior do
painel de controle, este botão é do tipo de ação
momentânea e, quando pressionado, permite a
mudança de sensibilidade do receptor de Marker
Beacon selecionado.
d) Botão Filtro (FILT)
Localizado na parte central inferior do
apinel de controle, entre os botões seletores de
áudio dos receptores NAV1 e ADF2, este botão
é do tipo PUSH-ON / PUSH-OFF e, quando
atuado, o sinal de identificação de 1020 Hz,
associado aos sinais de NAV e ADF é filtrado,
deixando passar somente os sinais de voz.
i) Botão do Alto-falante (SPKR)
Localizado na parte inferior esquerda do
painel de controle, este botão, do tipo PUSHON / PUSH-OFF, quando pressionado, permite
a escuta simultânea dos sinais de áudio, nos
fones e alto-falantes da cabine de comando.
e) Botão Seletor de Microfone e Controle
Principal de Volume
Localizado na parte central do painel de
controle, este botão é a combinação de dois
botões.
j) Botão de chamada da Atendente (ATDT
CALL)
Localizado na parte inferior esquerda do
painel de controle, este botão é de ação
momentânea e, quando pressionado, envia um
tom de áudio para a chamada da atendente, à
cabine de comando.
18-31
Figura 18-52 Painel de controle de áudio
Unidade Eletrônica Remota (REU) – A unidade
eletrônica remota é a unidade central do sistema
de áudio e possui dis canais idênticos e
independentes, um para o piloto e outro para o
co-piloto. Um terceiro canal é agora instalado
para o sistema de áudio do observador.
Esta unidade possui todos os circuitos,
de
comutação,
necessários
para
o
funcionamento do sistema.
Todos os ajustes de SIDETONE são
acessíveis pela parte frontal da unidade.
Os controles e ajustes de SIDETONE,
identificados na parte frontal da unidade, são:
f) - VHF2 ST – Ajusta o nível de SIDETONE
do microfone, para o amplificador do fone,
durante a operação do VHF2.
g) – SPKR ST – Ajusta o nível do SIDETONE,
do alto-falante da cabine de comando, durante a
transmissão.
a) – PAST – Ajusta o nível de SIDETONE dos
alto-falantes dos passageiros, em função do
áudio do microfone.
b) – INPH ST – Ajusta o nível do SIDETONE
para os fones, durante a operação do interfone.
c) – HS ST – Opcional (Ver ajustes VHF1 /
VHF2).
Figura 18-53 Unidade central do áudio
d) – VHF3 ST – Opcional (Ver ajustes VHF1 /
VHF2).
Interruptor PTT / HOT MIC – Os dois
interruptores PTT / HOT MIC, instalados no
manche de ambos os postos de pilotagem, são
usados para transmissão e intercomunicação
entre os pilotos.
e) – VHF1 ST – Ajusta o nível de SIDETONE
do microfone, para o amplificador do fone
durante a operação do VHF1.
18-32
Este interruptor é do tipo deslizante e
possui três posições a saber:
a) – Posição central – o interruptor está
desligado.
b) – Posição PTT – é uma posição momentânea
e possibilita a transmissão em VHF ou HF e a
comunicação entre pilotos.
c) – Posição HOT – é uma posição fixa e
possibilita de maneira contínua acomunicação
entre pilotos.
Figura 18-55 Localização dos alto-falantes da
cabine de comando
Cada painel de controle transmite as
seguintes informações para a unidade eletrônica:
seleção de todos os transmissores, seleção de
todos os interfones, seleção de mensagens aos
passageiros, o controle de volume de todos os
receptores e posições dos interruptores
ON/OFF, seleção do microfone de mão ou da
máscara de oxigênio, controle principal de nível
de volume, seleção da posição filtro, seleção do
MKR1 e MKR2, sensibilidade do Marker
Beacon, seleção de alto-falante e controle da
função emergência.
Há outra linha, para cada painel de
controle de áudio, conectada diretamente à
unidade central de áudio, que permite a ativação
do gerador de tons a fim de efetuar a função de
chamada da atendente.
Figura 18-54 Interruptor PTT / HOT MIC
Fone, Microfone e Alto-falantes – Ambos os
postos de pilotagem possuem um par de fones,
um microfone de mão e um microfone instalado
na máscara de oxigênio.
Os “Jacks” estão instalados nos consoles
laterais. Dois alto-falantes são instalados no teto
da cabine de comando, um em cada posto de
pilotagem, permitindo a recepção de áudio,
sempre que desejada.
Dois outros alto-falantes, exclusivos dos
sistemas de alarme, também são instalados no
teto da cabine de comando, um em cada posto
de pilotagem.
Interfone
O avião está equipado com um sistema
de interfone o qual é constituído por quatro
modos de operação: Interfone da cabine de
comando / rampa, interfone de cabine, interfone
do observador, interfone de cabine de comando.
Operação do sistema – Cada painel de controle
de áudio possui uma linha, conectada à unidade
eletrônica remota, cuja linha envia todas as
informações, sobre as posições dos controles,
para esta unidade (REU).
1) Interfone Cabine de Comando / Rampa É usado para comunicação entre o
operador de solo e a cabine de comando.
18-33
2) Interfone de Cabine – É usado para
comunicação entre a cabine de comando
e a atendente e vice-versa.
3) Interfone do Observador – É usado para
comunicação entre pilotos e observador.
4) Interfone de Cabine de Comando – É
parte do sistema integrado de áudio (já
descrito).
Figura 18-56 Interfone de Cabine de Comando / Rampa
É composto de um painel que contém
um “Jack” de interfone e um botão de ação
momentânea,
COCKPIT-CALL,
para
a
chamada da cabine de comando.
Um painel de interfone de rampa,
instalado no lado esquerdo do nariz do avião.
O interfone cabine de comando / rampa é
ativado pela seleção da tecla CKP / RAMP, no
painel de controle de áudio ou através do botão
COCKPIT-CALL, instalado no painel de
interfone de rampa.
Neste modo é possível que o piloto ou o
co-piloto
mantenha
uma
conversação
simultânea ou não, com o operador de terra,
através do HOT-MIC.
Operação do sistema – Quando o interruptor
COCKPIT-CALL é pressionado, no painel de
controle do interfone de rampa, um tom de
600Hz, gerado pela unidade eletrônica remota,
será ouvido nos fones e alto falantes da cabine.
18-34
Em seguida o piloto(e ou copiloto)pressiona o botão CKPT / RAMP, cuja
luminosidade aumenta (no painel de controle de
áudio) e posiciona o interruptor PTT / HOT
MIC para HOT MIC, então ele poderá falar com
o operador de solo.
Figura 18-57 Painel de interfone de rampa
18-35
Figura 18-58 Sistema de Interfone de Cabine de Comando / Rampa
18-36
Interfone de Cabine –
Este modo possibilita, ao piloto ou copiloto, falar simultaneamente ou não, com a
atendente, através do HOT-MIKE.
Quando o modo interfone de cabine é
ativado a indicação através do anunciador CAB
é visível simultaneamente em ambos os painéis
de controle de áudio e seu sinal sonoro HI-LO é
apresentado pelo sistema de endereçamento aos
passageiros.
O interfone de cabine é constituído de:
-Uma unidade central de áudio, instalada no
compartimento eletrônico.
-Um conjunto de interfone da atendente,
instalado no lado esquerdo da cabine, atrás do
assento do piloto.
Figura 18-59 Localização dos componentes do interfone da cabine de passageiros
A unidade central de áudio recebe sinais
do microfone da cabine de comando e da
estação da atendente e controla os sinais de PTT
da cabine de comando e da atendente e envia
sinais para os alto-falantes da cabine de
passageiros, SIDETONE de endereçamento aos
passageiros, sinais sonoros para a cabine de
comando e para os fones dos pilotos e
atendente.
A unidade possui internamente um
gerador de tons.
Os tipos de tons gerados e apresentados,
com o propósito de chamada e endereçamento,
são:
18-37
a) Chamada da atendente, pela cabine de
comando – TOM-HI-LO.
b) Chamada da cabine de comando, pela
atendente – TOM HI-LO.
c) Chamada para endereçamento aos passageiros – TOM-HI.
d) Aviso – APERTE O CINTO – TOM-LO.
e) Aviso – NÃO FUME – TOM-LO.
f) Chamada da atendente, pelos passageiros –
TOM-HI.
PAX, MUS e botão com a função de PTT,
localizado no interfone.
a) Botão CAB – Este botão é responsável pela
chamada da cabine de comando, através de
um sinal HI-LO. Quando pressionado, ele
cicla até que o piloto e/ou co-piloto
selecione o anunciador correspondente.
b) Botão PAX – Quando pressionado, esse
botão
iluminar-se-á
possibilitando
a
comunicação entre a atendente e os
passageiros..
c) Botão MUS – Quando pressionado, ativa o
sistema de entretenimento aos passageiros.
O suporte da estação da atendente possui
três botões para a seleção das funções CAB,
DET. A
Figura 18-60 Instalação do painel de controle de áudio
Operação – A comunicação entre pilotos e
atendente e vice-versa, é efetuada pressionandose o botão CAB num dos painéis de controle de
áudio ou na unidade de controle da atendente.
Na unidade central de áudio um sinal de
áudio HI-LO (DIM / DOM) é gerado e
distribuído aos alto-falantes para chamar a
atenção.
O botão CAB fica ciclando até que seja
pressionado.
Quando a atendente remove o fone de
seu braço o interruptor ON/HOOK/OFF HOOK
conecta o microfone ao sistema.
Quando termina a comunicação, a
ligação é desativada automaticamente, quando a
atendente coloca o seu fone no gancho (berço).
18-38
Figura 18-61 Operação do modo interfone cabine dos pilotos
Modo interfone do observador – O modo
interfone do observador possibilita comunicação
entre pilotos e observador.
Há duas versões para o modo de
interfone do observador.
a) Versão Certificado FAA – Esta versão tem
meios de controlar o áudio dos receptores e
selecionar o modo de intercomunicação da
tripulação. Ela é normalmente instalada em
aeronaves com certificado FAA.
b) Versão Certificado CTA – Esta versão
somente controla o volume e o PTT do
modo intercomunicação. Não existem meios
de controlar o áudio dos receptores. O modo
interfone do observador consiste de:
a) Um painel de controle de áudio,
instalado á direita do painel de forração
da linha do duto do ar condicionado.
b) Um painel de interconexão de fone e
microfone, instalado abaixo do painel de
controle de áudio do observador.
c) Um microfone labial, instalado acima da
cadeira do co-piloto.
18-39
Figura 18-62 Painel de áudio do observador
Na versão Certificado FAA, o painel de
áudio do observador é composto dos controles
abaixo discriminados.
Botões dos Receptores – Ligam,
desligam e controlam o volume para seleção das
seguintes funções: VHF 1, VHF 2, VHF 3, HF,
DME 1, DME 2, ADF 1, ADF 2, NAV 1 e NAV
2. Se dois botões forem selecionados os seus
sinais serão superpostos.
Botões de seleção de Microfone e
Volume Principal – O seletor externo, seleciona
microfone labial ou microfone de máscara. O
18-40
O microfone labial do observador é
constituído de um fone e um microfone, cujos
“jacks” deverão ser conectados ao painel de
controle de áudio, do observador.
Através do interruptor PTT (HOT), do
painel de controle de áudio do observador, este
se comunica com os pilotos.
A comunicação, entre o piloto ou o copiloto e o observador, é efetuada por meio do
interruptor PTT / HOT MIC (nos manches) ou
por meio do botão CKP / RAMP (no painel de
controle de áudio do piloto ou do co-piloto).
interno é o controle principal de volume,
atuando sobre os sinais que estão sendo
enviados para os fones ou auto-falantes da
cabine de comando.
- Botão Marker Beacon 1 (MKR1) - Possibilita
a seleção de áudio do Marker Beacon nº 1.
- Botão Marker Beacon 2 (MKR2) - Possibilita
a seleção de áudio do Marker Beacon nº 2.
- Botão Intercomunicação (IC) - Possibilita
comunicação contínua entre o observado e os
pilotos.
- Botão filtro (FILTER) - Quando pressionado
possibilita a audição do sinal de identificação de
1020 Hz do VHF, NAV e ADF.
Sistemas de Endereçamento aos passageiros
Os sistemas de endereçamento aos
passageiros e entretenimento, possibilitam um
aviso de voz e música para os passageiros.
Possibilita também a transmissão de um aviso
para os passageiros através dos pilotos e
atendente, assim como, sinais de tom.
O avião é opcionalmente provido de
música de bordo para entretenimento dos
passageiros.
O painel de interconexão de fone /
microfone do observador possui os seguintes
“Jacks” e interruptores:
a) “Jack” de Microfone – Conecta o
microfone de máscara ou o microfone
labial.
b) “Jack” de fone – Conecta o fone do
observador.
c) Interruptor PTT / HOT – PTT é uma
posição momentânea que permite
comunicação entre observador e pilotos.
d) “HOT” é uma posição fixa.
Descrição e localização dos componentes – O
sistema de endereçamento aos passageiros,
possibilita um aviso de voz, comunicação entre
pilotos e atendente e chamada da atendente
pelos passageiros, assim como geração de tons
para a sinalização de áudio.
Na versão Certificado CTA, o painel de
áudio do observador possui os controles
discriminados a seguir:
- Interruptor Seletor Piloto/Co-piloto – Possibilita ao observador selecionar o áudio do piloto
ou co-piloto.
- Interruptor PTT / HOT – Possibilita intercomunicação com os pilotos. Este interruptor
possui três posições
a) Posição central – o interruptor está
desligado.
b) Posição PTT – é uma posição
momentânea e possibilita a comunicação
com os pilotos.
c) Posição HOT – é uma posição fixa e
também permite a comunicação com os
pilotos.
O endereçamento aos passageiros é
efetuado através de:
a) Alto-falantes instalados na cabine dos
passageiros e no teto do toalete.
b) Dois interruptores de avisos aos
passageiros – “Não fume” e “Aperte os
cintos” – instalados no painel superior
afim de ativas sinais de áudio aos
passageiros.
c) Avisos – “Não fume” e “Aperte os
cintos” – instalados nas unidades de
serviço dos passageiros e na parte
superior direita do armário da atendente.
d) Aviso “Retorne ao seu lugar” –
Instalado no toalete e conectado ao
aviso - “Aperte o cinto”.
e) Botões de chamada da Atendente,
instalados na unidade de serviço dos
passageiros e toalete.
- Controle de volume – É um potenciômetro
usado para controlar o volume de áudio, no fone
do observador.
- HDPH-MIC – “Jack” de fone e microfone.
18-41
Figura 18-63 Localização dos componentes do sistema de avisos aos passageiros
Operação – Os avisos aos passageiros, pelo
piloto/co-piloto, são selecionados no painel de
controle de áudio (PCA). Os avisos de
mensagens aos passageiros (PAX ADRS) têm o
brilho aumentado em ambos os painéis (PCA) e,
simultaneamente, o anunciador PAX iluminarse-á na unidade da atendente.
O tom da cabine é ativado em HI (DIM).
O piloto e/ou co-piloto pressiona o PTT
do manche ou o PTT do microfone e fala.
Terminada a comunicação, a função é
automaticamente desativada, quando o piloto ou
o co-piloto seleciona outra função relacionada
ao microfone.
-Dois pares de luzes de alarme geral, instaladas
nos lados esquerdo e direito do PMA.
-Dois botões de cancelamento, instalados ao
lado de cada par das luzes de alarme geral.
-Um controlador das luzes de alarme, instalado
no console lateral direito.
-Um interruptor BAT/DIM/TEST, instalado no
painel superior.
-Várias luzes discretas de indicação de alarme,
distribuídas em diversos painéis da cabine de
comando.
-Uma unidade de alarme sonoro, instalada no
compartimento eletrônico e dois alto-falantes,
instalados no teto da cabine de comando.
Sistema de alarme
Painel Múltiplo de Alarmes (PMA) – Este
painel consiste de um mostrador de falhas, com
capacidade de apresentar até 40 legendas
coloridas e iluminadas.
Estas legendas são agrupadas em
módulos de atenção (WARNING) e alerta
(CAUTION),
os
quais
identificam
imediatamente o sistema ou equipamento em
falha.
O sistema de alarme alerta os membros
da tripulação, por meios visuais e sonoros,
quando da ocorrência de qualquer situação
anormal de vôo.
Descrição e localização dos componentes:
-Um painel múltiplo de alarmes (PMA),
instalado no painel principal.
18-42
Figura 18-64 Painel Múltiplo de Alarmes
As legendas em vermelho (WARNING),
quando acesas, indicam a necessidade de uma
ação corretiva imediata e as legendas em âmbar
(CAUTION),
quando
não
se
requer
necessariamente uma ação corretiva e imediata.
As legendas dos módulos são ilegíveis
quando não estão iluminadas.
Quando uma falha ocorre, o módulo
correspondente é iluminado de modo
intermitente, a uma frequência de 4 Hz. Assim
que o piloto percebe o alarme, ele pode, através
do botão ALARM CANCEL, cancelar a
alternância
da
luz,
que
permanecerá
continuamente acesa enquanto a falha persistir.
Se o sinal de falha for removido antes ou depois
da operação de cancelamento, o módulo
indicador apagar-se-á imediatamente, indicando
que a falha não mais existe.
Sempre que o módulo âmbar é ativado
(acende-se) são gerados dois sinais: um sinal de
massa (4 Hz negativo) para comandar as luzes
de alarme geral (âmbar) de advertência
(CAUTION) e um outro sinal típico, para
disparar o sistema de alarme sonoro.
Existem também, avisos sonoros
associados às lâmpadas vermelhas. Os sinais de
comandos para estes avisos são gerados no
PMA.
O PMA tem um circuito que continuamente
monitora o suprimento de energia. Caso uma
das entradas de alimentação seja cortada, o
módulo POWER OFF ficará piscando. Uma vez
rearmado, o módulo iluminar-se-á num nível
estável, até que a energia seja restabelecida ou a
segunda entrada também seja cortada.
Existem dois tipos de legendas:
a) Legendas específicas – São as que permitem
aos pilotos a identificação do sistema em falha,
sem a necessidade de maiores informações de
qualquer outro painel.
b) Legendas de sistema – São as que indicam
aos pilotos somente o sistema que apresenta-se
em falha. O piloto precisa olhar para o painel
correspondente ao sistema em falha e observar
qual a lâmpada de indicação ou alarme que está
acesa, a fim de identificar a falha.
Exemplo:
- Porta de entrada dianteira destravada.
- Legenda DOOR, no painel múltiplo de
alarmes.
- Luz discreta de indicação e alarme
FORWARD, no painel de portas,
piscando, indicando a porta dianteira
destravada.
18-43
Figura 18-65 Diagrama bloco de legenda específica
Figura 18-66 Sistema tipo Legenda Cativa
18-44
Unidades de Alarme Sonoro – O sistema de
alarme sonoro pertence ao sistema de alarme e
funciona em conjunto com o sistema de alarme
visual.
A unidade de alarme sonoro está
instalada no compartimento eletrônico. Algumas
condições de alerta, em alguns sistemas
essenciais, são anunciadas em ambos os
sistemas, visual e sonoro.
O sistema de alarme sonoro apresenta
dois tipos de alarmes: mensagens faladas e/ou
sons.
As mensagens faladas são precedidas por três
alarmes de apito que chamam a atenção para a
mensagem que virá logo a seguir.
As mensagens faladas e os alarmes de
apito são apresentados, na cabine de comando,
por dois alto-falantes e também pelo sistema de
áudio.
A unidade de alarme sonoro pode ser
cancelada, inibindo as mensagens faladas e os
apitos de alarme, por intermédio dos botões de
cancelamento, ALARM CANCEL, das luzes de
alarme geral.
Figura 18-67 Unidade de alarme sonoro
A unidade de alarme sonoro constitui-se
de dois canais idênticos, para maior segurança.
Durante a operação normal, somente um deles é
ativado.
Um circuito de falha, interno, detecta
qualquer falha em qualquer das partes
especificadas da unidade, automaticamente,
efetua a troca entre os dois canais.
Em caso de falha do segundo canal, a luz
do sistema de alarme sonoro, no painel múltiplo
de alarmes, será ativada e a unidade de alarme
sonoro deverá ser desativada.
18-45
Figura 18-68 Diagrama de bloco da unidade de alarme sonoro
Quando a unidade do alarme sonoro é
ligada, pela primeira vez, ambos os canais
executam um teste funcional, com entradas e
saídas de sinais inibidas, a fim de evitar
informações errôneas.
Se não for detectada nenhuma falha no
auto teste, a unidade de alarme sonoro anuncia
AURAL UNIT OK e o canal B será desativado,
permanecendo na reserva.
Se um dos dois canais, A ou B, falhar no
auto teste, ele será comandado para desligar-se,
pelo detector de falha (monitor) e o canal
remanescente anunciará: AURAL UNIT ONE
CHANNEL (Unidade sonora com um canal).
Uma falha nos dois canais desconecta (do
sistema) a unidade de alarme sonoro e uma luz
de alerta acender-se-á no painel múltiplo de
alarmes.
Em qualquer situação os amplificadores
de áudio continuarão em funcionamento.
Durante a operação normal, alguns testes
dos multiplexadores RAM, ROM, sintetizador
de voz, são efetuados, semelhantes ao auto teste
feito quando a unidade é ligada pela primeira
vez. Sempre que for pressentido algum
problema interno, a unidade de alarme sonoro
agirá como se estivesse sendo ligada pela
primeira vez, efetuando um teste completo.
A unidade de alarme sonoro possui dois
conjuntos de entrada de alimentação elétrica,
internamente intercruzados com diodos, para
prevenir um novo ciclo de partida, se um dos
conjuntos entrar em falha.
Em caso de interrupção na alimentação,
a unidade não reiniciará o funcionamento, antes
de decorridos dez segundos
18-46
Figura 18-69 Diagrama de bloco da alimentação de energia elétrica na unidade de alarme sonoro
Operação do sistema – As luzes discretas de
indicação de alarme, as luzes do painel múltiplo
de alarmes e as luzes de alarme geral,
permanecem apagadas durante o vôo normal.
Tão logo ocorra uma falha, a luz de
alarme geral WARNING ou a CAUTION
começará a piscar. Antes de cancelar estas
luzes, o piloto deverá olhar no PMA e observar
qual a legenda que também está piscando.
As luzes de alarme geral (LAG) e a cor
na legenda, no painel múltiplo de alarmes,
fornecem ao piloto uma classificação da
seriedade da falha.
No caso de um alarme vermelho, o
sistema de alarme sonoro gerará um triplo sinal
de campainha, seguido de uma mensagem
falada.
No caso de um alarme âmbar, o sistema
de alarme sonoro gerará somente um sinal de
campainha.
Pressionando-se qualquer um dos dois
botões do cancelamento de alarme, ao lado das
LAGs, ambas as LAGs apagam-se, a legenda,
no PMA, fica com a luz acesa constante e os
sinais sonoros são cortados.
O sistema de alarme sonoro gera, além
das mensagens faladas, seis diferentes tipos de
sons discretos.
Três deles são usados em falhas específicas
e são definidos de acordo com padrões
largamente utilizados em aviação, de maneira
que a tripulação possa associá-las mais
facilmente às falhas.
a) Estalido (clacker): Onda quadrada 1600
Hz modulada por um sinal de 20 Hz,
dois segundos ligado e dois segundos
desligado, que é ativado quando a
aeronave aproxima-se da condição de
STALL
.
18-47
Figura 18-70 Operação do sistema de alarme
b) Campainha: Um toque de onda quadrada
de 700 Hz modulada por um sinal de 20
Hz, usado para alarme de fogo.
c) Som para ALTITUDE ALERTER: Três
tons de 2900 Hz, espaçados, 0,4
segundos ligado e 0,4 segundos
desligado.
Existe também, um som de bip e dois tipos
de som mestre, para chamar a atenção
(ATENÇÃO).
a) Beep : sinal de 1000 Hz com duração de
0,06s.
b) ATENÇÃO Nível 3 (3 chamadas): Onda
quadrada modulada por um sinal de 4 Hz
gerada sempre que uma falha de
emergência for sentida.
c) ATENÇÃO nível 2 (1 chamada): Similar
ao ATENÇÃO nível 3, mas com
somente uma chamada, repetida a cada 5
18-48
segundos. O som WHOOP-WHOOP e
as mensagens faladas PULL UP e
GLIDE
SLOPE,
são
gerados
externamente por um equipamento
opcional que é o Sistema de Alarme de
Aproximação do Solo (GPWS).
piloto, co-piloto, sistema de endereçamento aos
passageiros e área da cabine de comando.
Os sinais são gravados numa fita
magnética, protegida contra quaisquer acidentes
da aeronave.
Descrição e localização dos componentes: - O
sistema de gravação de voz é composto de:
1) Uma unidade de controle, instalada
no painel dianteiro do pedestal.
2) Uma unidade gravadora, instalada no
cone de cauda.
3) Um balizador acústico submarino,
instalado no mesmo conjunto da
unidade gravadora.
4) Um interruptor de impacto, instalado
no cone de cauda.
SISTEMA GRAVADOR DE VOZ
O sistema gravador de voz registra toda
conversação e comunicação entre a tripulação
de vôo, com o propósito de auxiliar as
investigações, em caso de acidente da aeronave.
O sistema prevê uma gravação contínua,
nos últimos 30 minutos de vôo e oferece quatro
pistas separadas para gravação de sinais
transmitidos e recebidos pelas estações do
Figura 18-71 Localização dos componentes do sistema Gravador de voz
18-49
CANAL 2 – Sistema de áudio do co-piloto.
CANAL 3 – Sistema de áudio do piloto.
CANAL 4 – Microfone de área.
Unidade de controle – A unidade de controle
provê meios, à tripulação de, remotamente,
controlar e testar a unidade gravadora de voz e
também apaga a gravação, se algumas
condições porem satisfeitas.
A unidade de controle contém um
microfone de área, um indicador de nível de
sinal, um “Jack” para fones e interruptores de
teste e apagamento da fita.
O microfone de área detecte qualquer
ruído da cabine de comando e envia este sinal
para a unidade gravadora de voz a fim de ser
gravado em uma das quatro pistas.
O medidor indica o nível dos sinais
sendo gravados.
Um “Jack” de fone é instalado, a fim de
monitorar o sinal de áudio do teste, que é gerado
através da unidade gravadora de voz, quando o
interruptor TEST é pressionado.
O interruptor de apagamento tem a
finalidade de apagar a gravação da fita, depois
do vôo, quando desejado.
O sistema inicia a gravação destes sinais,
sempre que as barras CC são energizadas.
Portanto não existe nenhum interruptor
(ON/OFF) no sistema de alimentação. Há um
disjuntor para proteção dos circuitos internos,
assim como um interruptor de impacto, o qual é
instalado em série com a alimentação de 28
VCC de entrada, para prevenir o apagamento da
fita, após o impacto.
A unidade gravadora de voz suporta um
impacto de até 100 Gs e uma temperatura de
1100º C. A unidade não é afetada por água doce
ou salgada.
Balizador acústico submarino – O balizador
acústico submarino está instalado na unidade
gravadora de voz, a fim de auxiliar a equipe de
busca e salvamento, na localização da unidade
gravadora, em caso da aeronave acidentar-se no
mar.
Ele consiste de uma bateria de mercúrio,
um módulo eletrônico e um transdutor.
A bateria fornece energia para o módulo
eletrônico, por um período de 12 a 30 dias
(dependendo do tipo instalado), assim que a
unidade entra em contato com a água. O módulo
eletrônico, que nada mais é que um oscilador
aciona o transdutor que, por sua vez, produz
uma onda acústica de 37 KHz, que pode ser
detectada por um sonar, num raio de
aproximadamente, até 2 milhas náuticas.
Figura 18-72 Unidade de controle
Unidade gravadora de voz – A unidade é uma
caixa de cor laranja (internacional), para fácil
localização do gravador de voz, em caso de
acidente da aeronave.
Esta unidade contém uma fita magnética
para gravação simultânea, nas quatro pistas, dos
últimos 30 minutos de comunicação da
aeronave.
A fita é do tipo sem fim (LOOP) e
sempre inicia uma regravação após decorridos
os 30 minutos iniciais.
As quatro pistas disponíveis, recebem
sinais da estação do piloto, co-piloto, microfone
de área e sistema de endereçamento aos
passageiros. As pistas estão distribuídas como
abaixo indicadas.
CANAL 1 – Sistema de endereçamento aos passageiros (ou observador).
Figura 18-73 Balizador acústico submarino
18-50
Figura 18-74 Sistema Gravador de voz
18-51
-
Um
transceptor
instalado
no
compartimento eletrônico.
- Um painel de controle de VHF, instalado
no painel principal.
Uma antena de VHF, instalada na
fuselagem.
SISTEMAS DE RADIOCOMUNICAÇÃO
Sistema de comunicação em VHF
Normalmente
as
aeronaves
são
equipadas
com dois sistemas distintos de
comunicação em VHF. O sistema VHF opera na
faixa de frequência de 118.00 MHz a 135.975
MHz, perfazendo um total de 720 canais, com
espaçamento de 25 KHz entre eles.
Descrição e localização dos componentes –
Cada sistema é composto por:
Figura 18-75 Comunicação em VHF
Figura 18-76 Localização dos componentes do sistema VHF
18-52
Painel de controle de VHF – O painel de
controle estabelece e apresenta as condições de
operação para todas as funções do transceptor
de VHF.
Dependendo da posição, o seletor de
função ativa, desativa, ou testa a operação do
transceptor.
Cada painel possui os seguintes
controles:
- Seletor – Com as posições OFF – PWR –
TEST
- TEST – O circuito do abafador
(Squelch) é removido, permitindo a recepção de
qualquer ruído de fundo no áudio.
- Controle de volume – Permite ajustar o nível
de saída de áudio do receptor.
- Chaves seletoras de frequência – A chave da
esquerda, concêntrica ao seletor (OFF-PWRTEST), seleciona as freqüências de VHF em
intervalos de 1MHz. A chave da direita,
concêntrica ao controle de volume, seleciona as
freqüências de VHF em intervalos de 0.025
MHz. As freqüências selecionadas são
mostradas na janela indicadora.
- OFF – Desliga o sistema VHF.
- PWR – O sistema é alimentado,
permitindo transmissão e recepção.
Figura 18-77 Painel de controle de VHF
Transceptor de VHF
O transceptor de VHF é uma unidade
totalmente transistorizada, dispondo de 720
canais para comunicação em voz.
Antena de VHF
A antena de VHF é do tipo “Blade”. A
antena do VHF 1 está instalada na parte superior
da fuselagem e a do VHF 2 na parte inferior.
18-53
Figura 18-78 Transceptor de VHF
18-54
Especificações técnicas:
Energia requerida
Recepção
Transmissão
Frequência
Faixa
Canais
Incrementos
F.I.
Modulação
Potência de saída
R.F. nominal
R.F. mínimo
Áudio
Peso do transceptor
Temperatura
Umidade
Altitude
Tempo
Troca de canal
Intervalo Rx / Tx
Impedância
Saída de antena
Saída de áudio
Entrada de áudio
Antena 37R-2
Polarização vertical
Resposta de áudio
27,5 VCC 1A max.
27,5 VCC 7A Max.
118.00 a 135.95 MHz
720
25 KHz
20 MHz
90% AM
Figura 18-79 Sistema de comunicação HF
25 Watts
20 Watts
10 mW com 30% de
modulação
4,99 Kg
-54 a +55ºC
95%
55000 pés
Descrição e localização dos componentes
- O sistema é composto por:
-
40 ms max.
40 ms max.
-
52 Ohms
600 Ohms
150 (carvão ou dinâmico transistorizado
-
Um painel de controle de HF, instalado
no painel principal.
Um transceptor de HF, instalado no
compartimento eletrônico.
Um amplificador de potência instalado
no compartimento eletrônico.
Um acoplador automático de antena,
instalado no armário elétrico.
Uma antena, instalada na parte superior
da aeronave.
Painel de controle do HF: Esse painel é uma
unidade fundamentada em um microprocessador
que eletricamente varre os interruptores do
painel frontal para as informações de modo e
frequência / canal, as quais são apresentadas no
“display” e provê dados seriados para o
transceptor.
O microprocessador, também aplica um
pulso para o acoplador sempre que a frequência
é trocada ou quando o interruptor FREQ/CHAN
é trocado de posição.
O painel de controle CTL-230, possui na
sua parte frontal os seguintes controles e
indicações:
- Botão CLARIFIER – Este controle permite
que o sinal recebido possa ser variado a ± 100
Hz, quando o sistema estiver operando nas
modalidades SSB. O ajuste é feito para o ponto
de máxima inteligibilidade do sinal recebido. A
função desempenhada por este controle não
afeta a recepção em AM e é desativada, durante
a transmissão.
- Botão OFF / VOL – Permite ligar e desligar o
sistema e controlar o nível de áudio.
52 Ohms
300 a 2500 Hz
Sistema de comunicação HF-230
É um equipamento de bordo que permite
comunicação a longa distância através de sinais
modulados por voz em AM ou em SSB, abrange
a faixa de frequência de 2 a 29.999 MHz
perfazendo um total de 280.000 canais
espaçados em 100Hz.
O sistema provê operação simplex, semiduplex ou somente recepção.
As freqüências discretas em USB e AM
são para operação SIMPLEX somente, ou seja,
transmissão e recepção na mesma frequência.
Na posição CHAN qualquer um dos 40 canais
programados pelo usuário ou um dos 176 canais
ITU (International Telecommunication Union)
programados, pode ser selecionado.
A sintonia do conjunto HF 230 é
totalmente automática, tem uma potência de RF
de 100W p.e.p.(potência de envelope de pico).
18-55
Figura 18-80 Localização dos componentes do sistema HF
- Botão SQUELCH / TEST – Com o botão na
posição TEST o circuito abafador de ruído é
eliminado do circuito áudio do receptor; nesta
posição será ouvido o máximo ruído de fundo
(dependendo da posição do botão VOL).
Girando-se no sentido horário obtem-se
o limiar requerido para recepção em todas as
modalidades do sistema.
- Botão CHAN / FREQ – Este interruptor
seleciona dois modos de operação: CHAN e
FREQ.
-
Na posição FREQ, qualquer um dos
280.000 canais podem ser selecionados
com incrementos de 100 Hz.
Na posição CHAN qualquer dos 40
canais programados pelo usuário ou um
dos 176 canais ITU programados pode
ser selecionado.
Todos os 176 canais ITU são semiduplex ou
seja, transmitem numa frequência e recebe em
outra.
18-56
Figura 18-81 Instalação da antena de HF
- Botão de programação (PGM) – É usado para
programar os 40 canais, selecionados pelo
usuário.
- 1 MHz CONTROL – Montado concêntricamente com o controle PULL MODE / 100 kHz,
seleciona os dígitos de 1 MHz quando no modo
FREQ e os dígitos de centésimo e milésimo
quando em CHAN, que correspondem os 2
dígitos indicadores de faixa dos canais ITU, no
display CHAN.
- PULL MODE / 100 kHz – Quando pressionado, este controle seleciona os dígitos de
18-57
100 kHz no display de frequência, com o
controle CHAN / FREQ na posição FREQ.
Quando puxado seleciona os modos de
operação AM, USB e LSB, quando o controle
CHANEL / FREQUENCY estiver na posição
FREQ; se estiver na posição CHANEL com um
canal ITU selecionado, selecionará as
modalidades TEL.
Se estiver, com um dos 40 canais
selecionados
pelo
operador,
poder-se-á
selecionar um dos cinco modos de operação.
- 10 kHz CONTROL – Este controle montado
concentricamente com o controle de 100 Hz / 1
kHZ, seleciona os dígitos de 10 kHz, quando o
controle CHAN / FREQ estiver na posição
FREQ. Quando estiver em CHAN, seleciona os
dígitos das unidades e das dezenas, que
corresponde ao número do canal selecionado no
display CHAN.
- CHAN DISPLAY – Mostra o canal de ITU ou
os canais programados pelo usuário, quando o
sistema estiver posicionado para CHAN.
Quando em FREQ aparecerão traços no display.
- MODE DISPLAY – Mostra o modo de
operação do sistema (USB – AM – LSB – TEL
SUP CAR ou TEL PLT CAR).
- FREQ kHz DISPLAY – Mostra a frequência
de operação e os indicadores de recepção (R) ou
transmissão (T).
Figura 18-82 Painel de controle do HF
- Transceptor de HF- Faz parte do sistema de
comunicação, o qual opera na faixa de
frequência de 2 a 29.999 MHz, perfazendo um
total de 280.000 canais com espaçamento de
100 Hz.
- Amplificador de potência – A finalidade do
amplificador
de
potência
é
fornecer
amplificação de HF capaz de produzir uma
potência de 100W PEP na saída, a qual
corresponde a 25W médio.
- Acoplador Automático de Antena – Este
acoplador, fornece o casamento automático de
impedância, de várias antenas, de modo a
apresentar uma carga resistiva de 50 Ohms ao
amplificador de potência.
Esse efeito é conseguido pela detecção
de uma amostra do sinal de RF a fim de
determinar sua carga. Então, os controles
lógicos internos comutam uma quantidade de
impedância e/ou capacitância, capaz de
sintonizar o acoplador automático de antena,
para o perfeito casamento (de 50 Ohms, com o
amplificador de potência).
Operação do Sistema HF
Ajuste inicial do sistema – Assegure-as de que
os interruptores estejam em ON e os disjuntores
pressionados. Gire o interruptor ON-OFF para a
direita e espere 15 minutos (tempo para
estabilização de frequência).
OBS: Sempre que um novo canal é
selecionado, o acoplador de antena estará
desalinhado. Isto faz com que a antena fique
fora de sintonia para o novo canal selecionado,
reduzindo a sensibilidade do receptor. Para
evitar a perda de recepção de sinais de menor
intensidade, recomenda-se que o PTT seja
18-58
pressionado momentaneamente para que o
acoplador de antena inicie um ciclo de sintonia
para o novo canal. O tempo necessário de
sintonia é de 5 a 15 segundos, durante os quais
um sinal contínuo de 1000 Hz será ouvido nos
fones ou alto-falantes. Um segundo após ter
completado o ciclo de sintonia, o sinal cessa,
indicando que o equipamento está pronto para
uso. Caso não haja a sintonia do acoplador em
±30 segundos o tom de 1000 Hz inicia um BIP
indicando uma falha do equipamento ou a
necessidade da tentativa de um novo ciclo de
sintonia.
As freqüências de transmissão e
recepção do sistema são fornecidas pelo
sintetizador do transceptor.
No modo de sintonia direta o
programador do painel de controle envia dados
da freqüência selecionada sob a forma seriada
para o sintetizador.
No modo de sintonia por canal o painel
de controle usa informações armazenadas na
memória para enviar ao programador.
Se o sintetizador não estiver locado ao
oscilador padrão, um BIP é levado ao sistema de
áudio e o transmissor é inibido.
Comunicação em voz – A transmissão ou
recepção do sinal de áudio pode ser efetuada na
mesma frequência ou em freqüências diferentes,
dependendo do modo de operação selecionado
no painel de HF.
NOTA: Se o sintetizador não sintonizar,
na frequência selecionada, um tom BIP, será
injetado no sistema de áudio e o transmissor
será inibido.
Para recepção, o controle individual de
volume, do sistema de HF, no painel de controle
de áudio, deve ser puxado e girado de modo a
obter-se um nível de áudio confortável. Gire
lentamente para a direita, o controle “S”, até que
o ruído desapareça.
ATENÇÃO: Não gire o controle muito
rapidamente, o circuito”Squelch” tem uma
constante de tempo relativamente larga e se o
controle for muito além do ponto correto,
poderá resultar no emudecimento dos sinais
fracos.
Seleção de freqüência – A seleção de freqüência
envolve a chave CHAN / FREQ e o controle de
freqüência/canal do painel de controle, assim
como da programação utilizada e do
multiplicador/divisor
de
freqüência
do
transceptor.
A sintonia direta do painel de controle
permite a seleção de qualquer freqüência dentro
da faixa operacional de 2.0 a 29.999 kHz, com
espaçamento de 100 Hz. As linhas Freq/Data do
painel de controle enviam os dados da
freqüência selecionada em forma seriada ao
programador.
A sintonia por canal, no painel de
controle, permite a operação de qualquer um
dos 40 canais programados pelo operador ou
qualquer um dos 176 canais pré-programados
pelo fabricante.
- Programação – Os 40 canais programados pelo
usuário podem ser conseguidos (programados)
facilmente tanto em terra como em vôo. Todas
as
informações
de
programação
são
armazenadas numa memória não volátil e
podem
ser
facilmente
requisitados,
selecionando-se o número do canal desejado.
Há três tipos de programação:
- Semiduplex – Duas freqüências diferentes
são programadas: uma para recepção e uma
para transmissão. Um dos modos
disponíveis.(LSB, USB, AM, TEL SUP
CAR ou TEL PLT CAR) também é
atribuído ao canal selecionado. A semiduplex é uma modalidade também utilizada
pelas estações de radiotelefonia marítima.
- Simplex – A mesma freqüência é
programada para recepção e para
transmissão. Um dos modos de operação
disponíveis (LSB, USB, AM, TEL SUP
CAR ou TEL PLT CAR) é também
atribuído ao canal selecionado.
- Somente recepção – O usuário programa
uma freqüência para recepção e a ela atribui
um dos modos de operação disponível, mas
não programa a freqüência de transmissão.
Os canais somente para a recepção são
usados para escuta de freqüência padrão
(tempo, horário, informações sobre estações
OMEGA, estações de BROADCASTS, para
alerta a geofísica).
Procedimentos de programação
Modo Simplex
a) Com o sistema energizado, certifique-se
que o seletor CHAN / FREQ esteja
posicionado em CHAN.
18-59
Somente para Recepção – Quando programado
um canal somente para recepção, só a
frequência de recepção é introduzida e
armazenada. Esta programação é semelhante ao
do canal simplex, exceto que o botão PGM é
pressionado somente uma vez após a entrada da
frequência de recepção e do modo de operação.
A programação é encerrada sem entrar
sem entrara com a frequência de transmissão.
Este encerramento pode ser efetuado de
um dos seguintes modos:
a) Esperando 20 segundos;
b) Ativando o microfone momentâneamente; ou
c) Posicionando-se para FREQ o controle
CHAN/FREQ e, em seguida de volta a
CHAN.
b) Gire o seletor externo, da esquerda, até
que um dos canais (1 a 40) apareça no
lado direito do display de CHAN. Em
seguida, opere o seletor externo da
direita a fim de selecionar o número do
canal desejado.
c) Pressione o botão PGM uma vez a fim
de dar início à seqüência de
programação. Todo display FREQ kHz,
começa a piscar lentamente.
Selecione a freqüência de operação através
dos quatro seletores de freqüência. Este
procedimento
é
idêntico
ao
descrito
anteriormente para sintonia se sua freqüência
discreta.
A frequência selecionada aparecerá no
display. Em seguida selecione o modo de
operação desejado, puxando o botão PULL
MODE e girando-o até que o modo de operação
desejado apareça no display.
Com a frequência e modo desejado sendo
mostrados, pressione o botão PGM uma vez
mais, a fim de armazenar os dados. O display do
CTL ficará apagado por um curto espaço de
tempo, confirmando o armazenamento dos
dados.
Quando o display retornar a sua condição
normal, estará piscando mais rapidamente,
mostrando a frequência de transmissão (a
mesma programada para recepção). A partir
deste ponto, há 20 segundos disponíveis para
completar a programação.
Se nenhuma modificação for efetuada a
frequência de transmissão torna-se inválida e a
programação terá sido somente para a
frequência de recepção. Contudo se o PGM for
pressionado uma vez mais, a frequência será
armazenada e o display ficará apagado, por um
curto espaço de tempo, como confirmação do
armazenamento.
Em seguida o display volta a sua condição
normal, mostrando o número do canal, o modo
de operação e a frequência.
Na operação simplex as freqüências de
transmissão e recepção são iguais. A frequência
de recepção aparece no display, indicada com a
letra “R” à direita, até que o microfone seja
acionado quando, então, a letra “T” aparecerá a
fim de indicar a frequência de transmissão. Se
as letras aparecem piscando, é sinal de alguma
falha no equipamento.
Quando somente a recepção for
selecionada, os amplificadores de potência e o
transmissor ficam automaticamente desativados.
Neste caso, mesmo que o microfone seja
acionado, nenhum sinal será transmitido. Se o
indicador “R” (recepção) piscar no CTL 230,
significa que a frequência de recepção da CTL
não bate com a do TCR 230, havendo alguma
discrepância no equipamento.
Semi Duplex – Esta operação é possível
somente quando o sistema é operado no modo
CHAN.
Para programar os canais em “semiduplex” obedecerá os seguintes passos:
a) Com energia aplicada ao sistema,
certifique-se de que o controle
CHAN/FREQ seja posicionado em
CHAN;
b) Gire o botão seletor de canais, externo à
esquerda, para que apareça um número
do canal (de 1 a 40), no display de
CHAN à direita.
Em seguida use o botão seletor de
canais, externo da direita, para conseguir o
número do canal desejado a ser programado.
Pressione o botão PGM uma vez a fim
de iniciar a sequência de programação. Neste
ponto todo o display (FREQ kHz) começa a
piscar lentamente.
Ajuste a frequência desejada para
recepção, usando os quatro botões de seleção de
frequência e, em seguida, o modo desejado para
operação puxando o botão PULL MODE e
girando-o até que o modo correto apareça no
18-60
display. Com a freqüência de recepção e o modo
desejado sendo mostrado pressione o botão
PGM novamente para armazenar os dados. O
display ficará apagado por um curto espaço de
tempo confirmando o armazenamento.
Quando o display retornar ao normal,
estará piscando mais rapidamente, com a
frequência de transmissão sendo mostrada (no
início é a mesma frequência que foi programada
para a recepção). A partir deste momento, há 20
segundos disponíveis para que seja programada
a frequência de transmissão desejada. Se após
decorridos 20 segundos, não for programada
uma frequência para transmissão, aquela que
está piscando torna-se inoperante e o
equipamento terá sido programado somente para
recepção.
Se, ainda não decorridos os 20 segundos,
ajuste a frequência de transmissão, usando os
quatro botões de seleção de frequência. Este
procedimento é igual ao descrito acima, para a
frequência de recepção.
Figura 18-83 Diagrama de bloco do sistema HF
Agora, com a freqüência desejada para
transmissão mostrada no display, pressione
novamente o botão PGM a fim de armazenar os
dados.
Como no procedimento anterior, o
display ficará apagado por um curto espaço de
tempo, confirmando o armazenamento. Em
seguida voltará a sua condição normal, com os
18-61
dados do novo canal (número, modo e
freqüência de recepção).
Na operação semi-duplex, o modo
selecionado controlará, tanto a freqüência de
transmissão, como a de recepção.
A freqüência de recepção é mostrada no
display e identificada pela letra “R”, até que o
microfone seja acionado, ocasião em que a
freqüência de transmissão passa a ser mostrada
e identificada com a letra “T”.
Se a letra “T” ou a “R” (conforme o caso)
piscar, indica que a freqüência do TCR é a
mesma selecionada na CTL, logo há uma
discrepância no equipamento.
TRANSMISSOR
LOCALIZADOR
EMERGÊNCIA (ELT)
c) Um interruptor ARM/ON-REARM,
instalado no painel principal.
Transmissor de emergência – O transmissor
localizador de emergência foi projetado a fim de
transmitir sinais de freqüências de 121.5 e 243.0
MHz, automaticamente, em condições de
emergência ou manualmente como pedido de
socorro em caso de acidente do avião.
O transmissor de emergência é equipado
com um interruptor de três posições (ON –
AUTO – OFF), uma bateria e um interruptor de
impacto.
O interruptor seletor controla o modo de
operação do transmissor. Na posição ON, opera
manualmente o equipamento. Em AUTO, a
operação será automática, quando o interruptor
de impacto sentir uma desaceleração de 5 a 7 G,
no sentido da linha de vôo. Com o interruptor na
posição OFF o sistema estará desativado.
Quando ativado, esta unidade pode transmitir
por 48 horas contínuas.
DE
O
Transmissor
Localizador
de
Emergência destina-se em casos de emergência,
a fornecer uma orientação para busca e
salvamento.
O sistema irradia omnidirecionalmente
uma portadora de RF modulada em amplitude
por um tom cíclico variável e decrescente de
1600 a 300 Hz, nas freqüências simultâneas de
121.5 e 243.0 MHz.
Antena – Uma antena flexível é conectada ao
transmissor através de um cabo coaxial de RF, a
fim de irradiar o sinal transmissor.
Interruptor ARM/ON/REARM – Ele é um
interruptor protegido por uma guarda de
segurança, montado em um painel, o qual
possibilita à tripulação, ligar manualmente o
transmissor.
Este
interruptor
é
normalmente
conservado na posição ARM, a qual
corresponde à posição AUTO do interruptor
seletor do transmissor. Se comandado para a
posição ON/REARM, ele sobrepuja a posição
AUTO do interruptor do transmissor e a
transmissão é ativada.
Operação do sistema – O transmissor é
comandado manual ou automaticamente. No
caso de comando manual, aciona-se para a
posição LIGA O INTERRUPTOR localizado no
painel principal. O comando automático é feito
por um acelerômetro, localizado no próprio
transmissor, quando a aeronave for submetida a
uma força de desaceleração de 5 (+2, -0) G, no
sentido de seu eixo longitudinal.
A operação do transmissor de
emergência é restrita a condições específicas.
Fora destas condições, o transmissor somente
poderá ser operado, obedecendo à autorização
do DAC.
Figura 18-84 Localização do ELT
Descrição e localização dos componentes – O
sistema é composto por:
a) Um transmissor, instalado no cone de
cauda.;
b) Uma antena, instalada no cone de cauda;
18-62
Figura 18-85 Componentes do sistema ELT
Figura 18-86 Transmissor de emergência
18-63
Figura 18-87 Sistema Transmissor de Emergência
SISTEMA DE
(SELCAL)
CHAMADA
SELETIVA
Introdução
O Sistema de Chamada Seletiva
(SELCAL) possibilita, a uma estação de terra,
chamar um avião particular, através do sistema
rádiocomunicação VHF ou HF, sem a
necessidade do piloto monitorar constantemente
as freqüências de comunicação.
As estações de terra, com equipamentos
de transmissão codificados, podem chamar um
avião, individualmente, através da transmissão
de 4 tons de áudio, modulando uma frequência
de VHF ou HF, os quais ativarão uma unidade
única decodificadora, que será ajustada a fim de
receber esta combinação, em particular.
Figura
18-88
Comunicação pelo sistema
SECAL
Localização e descrição dos componentes
Um sistema SELCAL, é constituída de:
1 – Um decodificador SELCAL, instalado no
compartimento eletrônico.
2 – Um painel anunciador, instalado no painel
principal.
18-64
Figura 18-89 Localização dos componentes do sistema SELCAL.
Decodificador SELCAL – A unidade
decodificadora contém dois canais idênticos e
independentes. A seleção de código é efetuada
por oito seletores rotativos, sendo quatro por
canal, instalados na parte frontal da unidade.
Acima de cada seletor há uma janela,
onde aparece a letra indicativa da frequência
selecionada. A cada letra é atribuída uma
frequência de áudio (veja tabela abaixo). Deste
modo a combinação das letras, em cada canal,
fornece o código selecionado para uma
aeronave, em particular, para a qual o
decodificador
responderá
sempre
que
interrogado.
18-65
Letras
A
B
C
D
E
F
G
H
J
K
L
M
sincronizado para a frequência de transmissão
da estação de terra, amplifica, detecta e envia o
sinal recebido, ao decodificador.
Estes códigos são interpretados e se
combinam com as freqüências dos códigos da
unidade decodificadora. Uma luz, no painel
anunciador, relacionada ao receptor ativo, cicla
e a palavra SELCAL é anunciada na cabine,
através da unidade de alarme sonoro.
Freqüências em Hz
312.6
346.7
348.6
426.6
473.2
524.8
582.1
645.7
716.1
794.3
881.0
977.2
Tabela de Frequência x Código
Painel anunciador – O painel anunciador
compreende dois botões PUSH BUTTON com
inscrições HF e VHF 1 (poderia ser VHF 2 ou
VHF 3), que ciclam sempre que o codificador é
ativado, por um canal de HF ou VHF, de uma
estação de terra.
Figura 18-90 Painel anunciador
O piloto reconhecerá o transmissor,
através do qual ele está sendo chamado.
Pressionando o botão PUSH – BOTTON ele
rearma o canal e seleciona o microfone, no
painel de áudio, para iniciar a comunicação
entre a aeronave e a estação de terra.
Operação do sistema
Quando um codificador SELCAL, de
terra, enviar 4 tons correspondentes ao código
do avião que se deseja chamar, o receptor de
bordo (HF ou VHF), que deve estar ligado e
NOTA: Se o piloto pressionar o PTT, antes do
botão PUSH-BOTTON, do painel anunciador, o
mesmo também será cancelado.
Figura 18-91 Diagrama em bloco do sistema SELCAL.
18-66
CAPÍTULO 19
SISTEMAS DE NAVEGAÇÃO
pequena garrafa de plástico transparente, com a
finalidade de recolher toda água que penetre na
linha correspondente.
SISTEMA ANEMOMÉTRICO
Geral
O sistema anemométrico consiste de
duas linhas Pitot e de duas linhas estáticas
independentes. A finalidade do sistema é o
suprimento de pressão estática e dinâmica para
os instrumentos e sistemas que operam baseados
na pressão atmosférica ou na de impacto de ar.
Os instrumentos e componentes que
utilizam o sistema anemométrico são os
seguintes:
Dois velocímetros;
Dois altímetros;
Dois indicadores de razão de subida;
Um indicador duplo de altitude da
cabine e pressão diferencial;
Um sensor de velocidade de piloto
automático;
Um controlador de altitude do diretor de
vôo.
Sistema Estático
O avião utiliza dois sistemas estáticos
independentes: um para os instrumentos
anemométricos do painel do co-piloto
(altímetro, velocímetro e indicador de razão de
subida),
outro
para
os
instrumentos
anemométricos do painel do piloto e também
para o controlador de altitude do sistema diretor
de vôo. Cada sistema estático possui duas
tomadas instaladas uma em cada lado do avião
no início do cone de cauda, logo após a caverna
de pressão. As tomadas dos dois sistemas ficam
juntas, sendo que a superior direita é ligada à
inferior esquerda e vice-versa.
As
tomadas
estáticas
possuem
resistências elétricas incorporadas para impedir
a formação de gelo.
Esses elementos aquecedores são
controlados pelos pilotos por meio de
interruptores situados no painel superior e são
comuns também aos tubos Pitot.
A linha estática esquerda possui três
pontos para drenagem, enquanto que a linha
direita possui dois pontos, sendo todos idênticos
aos existentes nas linhas de Pitot.
As linhas estáticas possuem uma câmara
de amortecimento em cada linha, com a
finalidade de diminuir o tempo de resposta do
sistema, evitando oscilações indesejáveis nas
indicações dos instrumentos.
Descrição
Sistema Pitot
O sistema Pitot consiste de duas linhas
de Pitot, um dreno e respectivas tubulações. A
linha de pitot esquerda fornece pressão
dinâmica para o velocímetro do painel do piloto
e para o sensor de velocidade do piloto
automático. A linha de Pitot direita fornece
pressão dinâmica somente para o velocímetro
do painel do co-piloto.
Cada linha tem seu tubo de Pitot
instalado no lado correspondente na parte
superior do nariz do avião; os tubos possuem
resistências elétricas incorporadas para impedir
a formação de gelo. Esses elementos
aquecedores são controlados pelos pilotos por
meio de interruptores situados no painel
superior e são comuns também às tomadas
estáticas.
Cada linha tem seu dreno instalado no
lado correspondente, na parte inferior do nariz
do avião, podendo ser inspecionado e removido
através de uma janela de inspeção identificada
com a inscrição “Dreno Pitot”. Consiste de uma
Operação
Os dois tubos de Pitot fornecem ar sob
pressão proporcional à velocidade do avião, aos
respectivos velocímetros e também ao sensor de
velocidade do piloto automático (somente o
esquerdo).
Os dois sistemas estáticos fornecem
pressão ambiente para os velocímetros,
altímetros e indicadores de razão de subida. O
esquerdo fornece também pressão ambiente para
o controlador de altitude do sistema diretor de
vôo.
19-1
Figura 19-1 Sistemas Pitot e Estático
nariz do avião. Quatro tomadas estáticas
instaladas duas em cada lado da fuselagem.
Sistema Pitot / Estático
O sistema Pitot Estático tem por
finalidade sentir e distribuir as pressões estática
e dinâmica, do ar para os instrumentos que
dependam de dados do ar para uma operação
precisa.
Pressão Dinâmica – Com o avião parado a
pressão do pitot é igual à pressão estática. Com
o deslocamento do avião, para frente, a pressão
do pitot é igual à pressão estática mais a pressão
de impacto, que é proporcional à velocidade do
avião.
Descrição e localização dos componentes - Dois
tubos de pitot, instalados um em cada lado do
19-2
Figura 19-2 Localização do tubo de Pitot
.
O sistema pitot consta de dois tubos,
Sistema de instrumentação de dados do ar
instalados um em cada lado do nariz do avião.
Um dos tubos é ligado ao velocímetro do painel
A instrumentação de dados do ar, tem a
do piloto e o outro ao velocímetro do painel do
finalidade de indicar a velocidade do avião e sua
co-piloto.
altitude baseando-se em dados atmosféricos.
Ambas as ligações possuem, derivações
para a drenagem da linha.
Descrição e localização dos componentes – O
Cada tubo de pitot possui, internamente,
sistema é composto por:
uma
resistência
elétrica
destinada
ao
- dois velocímetros:
aquecimento para evitar a possibilidade de
- dois indicadores de velocidade vertical;
formação de gelo no tubo.
Os tubos de pitot enviam também
- um altímetro servo codificador;
informações para o sensor de dados do ar.
- um altímetro sensitivo;
-
Pressão Estática – A pressão atmosférica, que
circunda o avião, diminui a medida que a
altitude aumenta. A fim de medir essa pressão,
quatro tomadas, são utilizadas.
As duas tomadas inferiores são ligadas
aos instrumentos do painel do piloto e as
superiores, ao painel do co-piloto e também ao
sensor de dados do ar, instalado no
compartimento eletrônico.
As tomadas estáticas são dotadas de
resistência elétrica para aquecimento, destinado
a impedir a formação de gelo.
altitude alerta.
Todos os instrumentos estão instalados no
painel principal.
Velocímetro – A diferença entre as pressões das
linhas estática e dinâmica, fornece a indicação
da velocidade do ar.
O indicador possui uma cápsula que
transforma essa diferença de pressão em
movimento de seu ponteiro, em torno de uma
escala.
19-3
Figura 19-3 Pressão estática
Figura 19-3A Painel principal
Possui também, um dispositivo elétrico
que aciona internamente uma bandeira com a
inscrição UC (Undercarriage), quando a
velocidade da aeronave atinge um valor abaixo
de 120 nós, com o trem de pouso não travado
em baixo.
As mascas de operação no velocímetro
são as seguintes:
- duas radiais vermelhas, uma para Vmca
(Velocidade
mínima
de
controle
-
19-4
aerodinâmico) em 84 Kt; e outra para
velocidade máxima de operação em 230
Kt;
uma radial azul em 115 Kt para melhor
razão de subida monomotor;
uma semicircular branca de 72 a 148 Kt
para operação com flape;
uma semicircular verde de 91 a 230 Kt
para operação normal.
Altímetro – Os altímetros apresentam a altitude
barométrica corrigida, indicando as relações
entre pressões estáticas e altitudes. Esses
altímetros são do tipo indicação por ponteiro.
Eles incorporam um botão o qual seleciona a
pressão barométrica, indicada em polegadas de
mercúrio e em milibares.
Dois altímetros são instalados: servo
codificador e sensitivo.
Alerta de altitude – O sistema de alerta de
altitude fornece sinais audíveis e visuais a fim
de alertar ao piloto quanto à aproximação ou
afastamento de uma altitude pré-selecionada.
O sistema constitui-se de um painel
alerta de altitude, instalado no painel de alarmes
(painel pala).
O sistema de alerta de altitude possui os
seguintes controles e fornece as seguintes
indicações:
- Botão seletor – Permite a pré-seleção de
altitude, na faixa de 0 a 43.000 pés, em
incrementos de 100 pés.
- Contador digital – Indica a altitude préselecionada de vôo, através de 5 dígitos,
sendo que os três primeiros indicam
milhares e centenas de pés e os zeros são
caracteres fixos.
- Luz de alerta – Traz a inscrição ‘ALT” e,
quando iluminada, indica que o avião
aproxima-se ou afasta-se da altitude de
vôo pré-selecionada.
- Bandeira de alarme – Traz a inscrição
“OFF” e, quando visível, indica a perda da
alimentação elétrica ou informação de
altitude sem validade.
Figura 19-4 Velocímetro
Indicador de velocidade vertical – Dois
indicadores de velocidade vertical são instalados
no painel de instrumentos e recebem pressão das
lindas estáticas.
Estes instrumentos indicam a variação de
subida ou descida do avião em pés por minuto.
Um só ponteiro indica a razão de subida de 0
(zero) a 6.000 pés por minuto quando gira no
sentido horário e indica a razão de descida de 0
(zero) a 6.000 pés por minuto quando gira no
sentido anti-horário. Como os outros
instrumentos de vôo, estes também, são em
número de dois e cada um está ligado a uma das
linhas de pressão estática.
O ponteiro deste instrumento deve
permanecer em zero quando o avião está parado
ou quando em vôo nivelado.
Por razões diversas, sem constituir pane,
o ponteiro desloca-se esporadicamente para fora
do zero. Para ajustar novamente em zero, há, no
canto esquerdo do indicador, um parafuso de
ajuste.
Figura 19-5 Indicador de velocidade vertical
Figura 19-6 Painel de alerta de altitude
19-5
atinge um limite de 400 pés, antes da altitude
pré-selecionada.
As luzes permanecerão acesas até que o
limite de 200 pés seja atingido (momento em
que se apagam).
Se o avião não mudar de altitude,
passará pela altitude pré-selecionada, quando a
diferença será zero e continuará aumentando (a
diferença) num outro sentido.
Quando atingir 200 pés, afastando-se da
altitude pré-selecionada, as luzes acender-se-ão
e a buzina será ativada.
As luzes permanecerão acesas até que o
avião retorne para o limite de 200 pés ou seja
selecionada uma nova altitude.
O alerta de altitude também fornece um
sinal de erro de altitude para o computador do
piloto automático.
Operação
O pré-seletor de altitude e o servo
altímetro alertam, ao piloto, quando o avião
aproxima-se ou afasta-se de uma altitude de vôo
pré-selecionada. Ele é energizado desde que as
barras de distribuição da aeronave estejam
energizadas e o disjuntor correspondente,
pressionado.
O alerta de altitude recebe informação de
altitude do servo altímetro e a compara com a
altitude pré-selecionada, a fim de ativar a luz de
alerta, e uma buzina instalada acima da janela
do piloto.
O sistema de alerta de altitude fornece
um alarme visual (luz âmbar com a inscrição
“ALT”, no painel de alerta de altitude e no
servo altímetro) e auditivo, quando o avião
Figura 19-7 Sequência de operação
Altímetro Servo codificador – Esse altímetro
fornece uma saída codificada de altitude para o
“Transponder” e uma saída síncrono para o
sistema alerta de altitude.
O potenciômetro de ajuste é acessível
pela frente do instrumento. Um ajuste é
necessário quando da instalação inicial ou
sempre que a indicação da pressão barométrica
não coincidir com a elevação do campo.
O altímetro servo codificador possui
uma bandeira de cor laranja e não se pode fazer
leitura de altitude quando esta bandeira estiver
visível.
A presença da bandeira indica perda de
energia elétrica ou que o indicador não alcançou
uma leitura correspondente a pressão estática.
Enquanto a bandeira estiver visível, a ligação
comum do digitador estará interrompida,
evitando informações errôneas de altitude.
Esta função é automática e não requer nenhuma
ação do piloto. Quando a bandeira desaparecer a
unidade estará confiável.
Altímetro sensitivo – É um instrumento que tem
dois ponteiros e um arco branco. Os ponteiros se
deslocam sobre o mostrador com as escala
graduadas em pés.
O ponteiro maior indica centenas de pés
por divisão e completa uma volta a cada 1.000
pés.
O ponteiro menor indica milhares de pés
por divisão e completa uma volta a cada 10.000
pés.
Um botão na parte inferior do
instrumento permite que ele seja ajustado à
pressão barométrica, cujo valor aparecerá em
uma janela na parte inferior do mostrador do
instrumento.
19-6
Figura 19-8 Servo altímetro
-
Figura 19-9 Altímetro sensitivo
INSTRUMENTOS DE NAVEGAÇÃO
-
Indicador de atitude, de reserva
-
Este instrumento fornece uma indicação
visual das atitudes de ‘ROLL” e “PITCH” do
avião. É um sistema substituto para caso de
falha do sistema principal e está instalado no
painel principal do avião. Este indicador é um
giro atuado eletricamente, cuja atitude vertical é
mantida por um dispositivo mecânico de ereção
e fornece ao piloto as indicações a seguir.
-
19-7
Linha do Horizonte – É uma linha branca
que indica a relação entre o horizonte e a
atitude de “Pitch” do avião.
Ponteiro de “Roll” – É um ponteiro que
indica a atitude de rolamento.
Índice de rolamento – Através de um
ponteiro, fornece a indicação do ângulo de
rolamento, do avião. O instrumento
permite movimento total de rolamento em
360º, em uma escala graduada tanto para a
direita como para a esquerda, em
intervalos de 10º, até 30° e, em intervalos
de 30º, até 90º.
Tambor – O tambor possibilita a leitura de
“Roll” ou “Pitch”. A área preta indica
descida e a azul, subida.
Avião miniatura – Indica atitude de “Roll”
e “Pitch”, com relação ao horizonte.
Botão “Caging” – Botão para ereção do
giro.
Bandeira de alarme de Energia Elétrica –
É uma bandeira vermelha que, quando à
vista, indica falta de alimentação e giro
abaixo da rotação nominal de operação.
Figura 19-10 Indicador de atitude, de reserva
-
Operação do sistema
O indicador de atitude, de reserva, é
alimentado pela barra de emergência, mas é
também conectado a uma bateria de emergência,
a qual assegura operação confiável, pelo menos,
por 30 minutos após falha total do sistema de
geração de CC da aeronave.
O sistema de ereção mecânica e a
velocidade do rotor capacitam ao indicador
fornecer informações confiáveis por, no
mínimo, 9 minutos após total interrupção de
energia.
Com o indicador de atitude, de reserva,
energizado, a bandeira de alarme fica visível e o
giro parado numa posição aleatória.
Quando o giro é alimentado, o
mecanismo de pressão faz com que o tambor
oscile.
O botão de travamento é utilizado para
apressar a ereção, estabilizar e travar o giro.
A posição do avião miniatura é ajustada
girando-se o botão de travamento em qualquer
dos dois sentidos.
A bandeira de alarme estará visível
quando o giro estiver travado ou em caso de
interrupção de energia.
O sistema é comandado através do
painel “BATERIA EMERG”, localizado na
parte superior do painel de instrumentos.
O painel possui uma luz indicadora, que
acende quando a bateria de emergência está
alimentando o indicador de atitude, de reserva, e
um interruptor com as seguintes posições:
-
-
ARM – O sistema fica armado para
alimentar os computadores do AHRS e o
indicador de atitude, de reserva, no caso
de tensão da barra de emergência cair
abaixo dos valores normais.
.DESL – O sistema da bateria de
emergência é desativado. Após o corte dos
motores, o interruptor deve ser deixado
nesta posição para impedir a descarga da
bateria.
TESTE – A bateria de emergência
alimenta os computadores do AHRS e o
indicador de atitude, de reserva, com ou
sem energia na barra de emergência. Para
testar a integridade do sistema, a barra de
emergência deve estar desenergizada.
Figura 19-11 Funções do indicador de atitude
de reserva
19-8
O flange de fixação possui duas fendas
que permitem a rotação de dez graus para cada
lado.
Estas fendas destinam-se a permitir a
ajustagem de posição do eixo da linha de fé da
bússola com o eixo longitudinal do avião.
Um diafragma interno permite a
dilatação do líquido, devida às variações de
pressão.
As discrepâncias entre os rumos
magnéticos e as indicações obtidas, devem ser
marcadas no cartão de correção de 30 em 30°.
Bússola magnética
A bússola magnética indica a proa do
avião com respeito ao norte magnético. É
utilizada pelos pilotos para uma rápida
referência direcional, como auxílio à navegação
e está instalada na parte central, superior do
pára-brisas.
Sempre que for feita a compensação do
sistema AHRS, deverá ser feita a verificação de
compensação da bússola magnética, ou viceversa, e se necessário compensá-la.
4
Figura 19-12 Bússola magnética
Figura 19-13 Mecanismo da bússola magnética
19-9
-
Indicador Radiomagnético (RMI)
É um instrumento que fornece indicação
de proa magnética, num cartão compasso
calibrado cuja leitura é efetuada com referência
à linha de fé. Ele recebe dados de VOR e ADF,
bem como entrada dos AHRS numa
configuração cruzada.
Dois indicadores radiomagnéticos estão
instalados no painel principal de instrumentos.
O RMI apresenta um cartão compasso,
uma linha de fé, uma bandeira de falha de proa
magnética, dois ponteiros (um simples e um
duplo) e dois botões de controle dos ponteiros.
- Cartão compasso/Linha de fé – O cartão
compasso mostra a proa magnética do
avião, lida contra uma linha de fé fixa. A
informação de proa magnética, de cada
RMI, é fornecida cruzada com o
computador do AHRS do lado oposto
(AHRS 1 com o RMI 2 e AHRS 2 com o
RMI 1).
-
-
-
Bandeira de falha de Proa Magnética – É
visível em caso de falha do sincronismo
entre o RMI e o computador AHRS, falha
de indicação magnética ou falha de
energia elétrica no instrumento.
Ponteiros Simples e Duplo – Ambos
podem indicar orientação de ADF ou
VOR. Eles indicarão a posição 3 horas nos
seguintes casos:
• Falha de ADF.
• Falha ou falta de alimentação no
sistema VOR.
• Seleção de uma frequência de ILS.
Botão do Ponteiro de barra Simples –
Seleciona o modo de operação (ADF 1 ou
VOR 1), associado ao ponteiro de barra
simples.
Botão do Ponteiro de barra Dupla –
Seleciona o modo de operação (ADF 2 ou
VOR 2), associado ao ponteiro de barra
dupla.
Figura 19-14 Instalação do indicador radio-magnético
19-10
Figura 19-15 Indicador radiomagnético RMI-36
-
Operação típica como VOR
-
-
Energiza os receptores de navegação.
Selecione um canal de VOR.
Pressione o botão VOR/ADF a fim de
selecionar VOR, no indicador. O ponteiro
selecionado indicará a proa relativa do
avião para a estação VOR selecionada.
Se o sinal do VOR não for satisfatório o
ponteiro do RMI indicará a posição de 3
horas.
-
Pressione o interruptor VOR / ADF, do
RMI, a fim de selecionar ADF, no
indicador.
O ponteiro do RMI indicará a proa relativa
para a estação de ADF selecionada. Se o
sinal recebido pelo ADF não for
satisfatório, o ponteiro do RMI indicará a
posição 3 horas.
Figura 19-17 Comando de operação ADF
Bússola magnética C-14
Figura 19-16 Comando de operação VOR
Os sistemas de bússola giromagnética
destinam-se a fornecer aos pilotos uma
indicação de rumo magnético estabilizadas por
meio de giroscópio, possuindo também recursos
para funcionar com rumo não magnético
estabilizado pelo giroscópio e selecionado pelos
pilotos.
Operação típica como ADF
-
Sintonize a unidade de controle do ADF
para a frequência desejada.
Gire o seletor de função, na unidade de
controle do ADF, para a posição ADF.
19-11
Possui dois sistemas independentes e
idênticos de bússola giromagnética.. Cada
sistema envia sinais de rumo magnético para um
indicador de curso. Estes sinais são repetidos
nos indicadores RMI. O indicador RMI do copiloto repete os sinais de rumo magnético do
indicador de curso do piloto e vice-versa.
Em algumas versões, os sinais, antes de
irem para os Indicadores de Curso e RMIs,
passam por um sistema de transferência de
Bússola Giromagnética que faz o cruzamento
dos mesmos.
O sistema que envia sinais para o
indicador de curso do piloto é o que faz parte
dos componentes do diretor de vôo.
Os componentes exclusivos de cada
sistema de bússola giromagnética (Figuras 1918 e 19) são os seguintes:
- Um detector de fluxo situado na ponta da
asa.
- Um conjunto de giroscópio e sincronizadpr situado no compartimento de
bagagem do nariz.
- Um compensador remoto DRC-1 comum
aos dois sistemas.
- Um painel de controle.
Operação
Cada sistema de bússola giromagnética
C-14 possui um painel de controle (figura 1919) por meio do qual o piloto pode desacoplar o
giroscópio do detector de fluxo e selecionar um
rumo não magnético.
não será o rumo magnético, podendo ser
selecionado por meio do interruptor
momentâneo existente no painel de
controle.
-
Figura 19-18 Componentes da bússola Giromagnética C-14.
Descrição dos componentes
-
Detector de fluxo – Capta o componente
horizontal do campo magnético da terra e
converte a informação em sinal elétrico de
referência para o sistema.
-
Conjunto de Giroscópio e Sincronizador –
Consiste realmente de dois conjuntos
separados; o do giroscópio e o do sincronizador. O conjunto do giroscópio possui
um amplificador, cuja função é mantê-lo
acoplado ao rumo magnético captado pela
válvula de fluxo. Os circuitos normal e
rápido de acoplamento, bem como os de
monitoramento são contidos no conjunto
sincronizador, que serve também de
suporte para o conjunto de giroscópio.
-
Compensador remoto – Sua função é
compensar os desvios causados no campo
magnético sentido pelo detector de fluxo,
devido às peças ferromagnéticas existentes
nas proximidades do detector. Isto é feito,
aplicando quantidades controladas de
corrente nas bobinas do detector de fluxo.
Esta
corrente
é
controlada
por
potenciômetros
de precisão.
Cada
compensador
tem
provisões
para
compensar dois sistemas independentes.
Com o giroscópio acoplado
-
-
Energizando o sistema, após três minutos
o indicador de curso e o RMI
correspondente deverão estar indicando o
rumo magnético captado pelo detector de
fluxo.
O tempo inicial de sincronização é de 45
segundos no máximo. A sincronização
rápida processa-se na razão de 50 graus
por minuto, podendo ser verificada
desacoplando
momentaneamente
o
giroscópio, mudando o rumo e acoplando
novamente.
Com o giroscópio desacoplado
Com o giroscópio desacoplado, o rumo
dado pelo indicador de curso e pelo RMI
19-12
Chave na posição
CRUZADO
Figura 19-19 Painel de controle da Bússola
Giromagnética.
Sistema de Transferência da Bússola Magnética
- Os sinais da bússola giromagnética
passam por uma caixa de transferência
antes de alimentarem os indicadores de
curso, indicadores radiomagnéticos (RMI)
e Piloto Automático.
- O sistema é comandado através da chave
“Seletor Bússola Giromagnética” de duas
posições, localizada no painel do piloto
abaixo do Indicador de Curso, conforme
descritas a seguir.
- Posição “Normal” - Nesta posição, o
Giro Direcional 1 alimenta o Indicador
de Curso do piloto, o RMI do co-piloto
e o Piloto Automático; o Giro
Direcional 2 alimenta o Indicador de
Curso do co-piloto e o RMI do piloto.
- Posição “Cruzado” – Nesta posição as
funções dos Giros são invertidas,
passando o Giro 1 a alimentar o
Indicador de Curso do co-piloto e o
RMI do piloto; e o Giro 2 a alimentar
o Indicador de Curso do piloto, o RMI
do co-piloto e o Piloto Automático.
- Cada piloto tem em seu painel um
indicador magnético (figura 19-20), sendo
que o do piloto está junto com a chave
“Seletor Bússola Giromagnética”. Os
indicadores informam aos pilotos, através
das inscrições “GC1” ou “GC2”, qual
sistema de bússola está alimentando seu
Indicador de Curso, como é explicado a
seguir.
Avião desenergizado:
Chave em qualquer
posição
Avião energizado:
Chave na posição
NORMAL
19-13
Compensação do Sistema de Bússola
Giromagnética C-14
- Depois da remoção, reinstalação ou
substituição de um detector de fluxo, ou
periodicamente, o sistema deve ser
compensado novamente.
- Para uma compensação rigorosa deste
sistema, proceda de acordo com os
seguintes passos:
NOTA – Antes de executar os ajustes a
seguir, todos os componentes e instrumentos do Sistema Diretor de Vôo devem
estar instalados e os potenciômetros de
compensação, no compensador remoto,
colocados em suas posições centrais
(metade do curso).
- A válvula de fluxo deve ser
substituída, caso não funcione
satisfatoriamente ao ser verificada
quanto a desvio magnético, erro de
índice ou compensação adequada.
Figura 19-20 Chave de transferência da Bússola
Giromagnética e os indicadores
magnéticos.
ADVERTÊNCIA – Para fazer o teste de
continuidade na válvula de fluxo, use o
verificador de continuidade T321188 ou
similar, isto evitará possíveis danos nas
espiras e magnetização do núcleo.
Não permita que passe uma corrente maior
que 1 miliampére através do elemento
sensor da válvula de fluxo, pois esta irá
permanentemente magnetizar o elemento e
torna-lo inútil. Na escala “R x 100” o
multímetro conduzirá uma corrente de 1
miliampére. Mesmo que se vá fazer uma
leitura de baixa resistência, não use uma
escala menor que “R x 100” no medidor.
externos, devem ser anulados usandose o Compensador Magnético Remoto.
Verifique a saída de outros multímetros
antes de usá-los como miliamperímetros.
-
NOTA:Os motores não precisam estar ligados
durante este ajuste.
Neste caso, a aeronave é alimentada por
uma fonte externa. A viragem no solo
poderá ser mais rápida e convenientemente executada com o uso do conjunto
calibrador de bússolas MC-1 ou MC-2.
-
-
-
Coloque a aeronave numa Rosa dos
Ventos e dirija a proa para cada um
dos quatro pontos cardeais.
Registre as diferenças de leituras entre
o mostrador do indicador de curso e a
Rosa dos Ventos, tanto positivas
quanto negativas, dependendo se as
leituras no mostrador são maiores ou
menores que as da Rosa dos Ventos. A
cada mudança de direção da proa para
os pontos cardeais, espere até que o
mostrador se estabilize, antes de fazer
as novas leituras.
Adicione os erros algebricamente e
divida por quatro. O resultado é o erro
de índice.
Solte os parafusos que fixam o flange
da válvula de fluxo à sua superfície de
montagem e gire o flange da unidade
para cancelar o erro de índice.
Se o erro for positivo, o flange deve
ser girado no sentido anti-horário
(dando assim, uma leitura “menos” no
flange), como visto por cima da
unidade.
Se o erro for negativo, gire o flange no
sentido horário (dando uma leitura
“mais” no flange). O giro da válvula
de fluxo deve ser igual ao erro de
índice.
Aperte os parafusos de fixação e
verifique novamente as leituras nos
quatro pontos cardeais. Recalcule o
erro de índice para se certificar de que
este é zero. Caso não seja zero,
reajuste o flange da válvula de fluxo
até que o erro seja cancelado.
Quaisquer
erros
que
ainda
permaneçam maiores do que ± 1 grau,
causados por campos magnéticos
19-14
Ajustes do Compensador Remoto
NOTA – Antes de iniciar os ajustes a seguir,
no compensador remoto, faça a instalação da
válvula de fluxo e o ajuste do erro de índice
descrito no item anterior.
a Remova a tampa do compensador
remoto.
b Certifique-se de que os potenciômetros
de compensação estejam em suas
posições centrais (metade do curso
total).
c Com o avião na Rosa dos Ventos, dirija
o nariz do avião para o ponto cardeal
NORTE e deixe que o cartão de bússola
do Indicador de Curso se estabilize.
d Compense qualquer diferença entre a
proa atual e a indicada no Indicador de
Curso, soltando a porca-freno e ajustando o potenciômetro N-S no compensador. Aperte a porca-freno.
e Repita o item “c”, colocando o nariz do
avião para o ponto cardeal LESTE.
f Repita o item “d”, ajustando o
potenciômetro E-W.
g Repita o item “c”, para o ponto cardeal
SUL.
h Repita o item “d”, ajustando o
potenciômetro N-S de modo a
compensar apenas a metade do erro.
i Repita o item “c” para o ponto cardeal
OESTE.
j Repita o item “h” ajustando o
potenciômetro E-W
k Como teste, gire a aeronave em
incrementos de 30 graus e anote as
leituras do mostrador da bússola. Todas
as leituras devem estar, no máximo, a
um grau da proa real. Se os erros forem
maiores que um grau, repita o ajuste do
erro de índice descrito no item anterior,
e os ajustes acima, para uma maior
precisão.
NOTA – O conjunto Calibrador de Bússola
MC-1 ou MC-2 pode ser usado para
ajustar o erro de índice e o Compensador
Remoto
em
substituição
aos
procedimentos descritos acima.
Figura 19-21 Indicador de Curso RD-44.
Figura 19-22 Indicador do Diretor de Vôo GH-14.
19-15
SISTEMA AUTOMÁTICO DE DIREÇÃO
O sistema ADF é projetado para fornecer
informações de proa relativa, ou seja, com
relação a uma estação de terra sintonizada e a
recepção de áudio, para sinais de AM de baixa e
média frequência, na faixa de 190 a 1750 kHz.
A informação de proa relativa (da
estação) é apresentada nos indicadores
radiomagnéticos (RMI) e nos indicadores de
situação horizontal (EHSI).
O conceito de navegação ADF é baseado
na habilidade que tem o sistema de bordo, de
fornecer indicação de proa, relativa à direção de
uma estação de rádio selecionada. Quando o
cartão compasso de um RMI indica a proa do
avião, a leitura do ponteiro indicador, contra o
cartão compasso, fornece a direção magnética
para a estação.
A aeronave emprega dois receptores
ADF em sistemas independentes, cujas
indicações são apresentadas nos indicadores
RMI e EHSI.
Os ADFs são usados nas seguintes funções:
- Como radiogoniômetro automático, para
fornecer
indicações
contínuas
de
marcações magnéticas das estações
sintonizadas.
- Como receptores convencionais para
permitir a recepção auditiva de sinais
modulados em amplitude na faixa de
frequência abrangida.
Figura 19-23 Sistema de navegação ADF
Descrição e localização dos componentes
Cada sistema é composto por:
- Um receptor ADF COLLINS 51Y-7,
instalado no compartimento eletrônico.
- Um painel de controle COLLINS 614L-13
instalado no painel principal.
- Uma antena LOOP TECNASA ADF-500,
instalada na parte inferior da aeronave.
- Uma antena SENSE, instalada na
barbatana dorsal da aeronave.
- Dois
indicadores
radiomagnéticos
COLLINS-RMI 36
- Um corretor quadrantal.
Receptor de ADF – O receptor de ADF é do
tipo sintonia digital conectado ao painel de
controle, através de barras de dados digitais,
para seleção de freqüências; e a antena, a fim de
receber informações de RF.
As saídas do receptor são conectadas ao
EHSI, RMI e sistema de áudio, do avião a fim
de fornecer indicação de proa e identificação em
áudio, respectivamente.
Painel de controle – Os sistemas ADF1 e ADF2
são comandados por meio de um painel de
controle duplo, localizado no painel principal,
que possui os seguintes comandos e indicações:
-
19-16
Seletores de função.
Controles de ganho(GAIN)
Seletores de frequência.
Janelas indicadoras de freqüência.
Interruptor TONE.
Figura 19-24 Localização dos componentes do sistema ADF.
Figura 19-25 Painel de controle do ADF
19-17
indicada pelos dois últimos algarismos da janela
indicadora.
Descrição e Localização dos componentes
Seletores de função
Janelas indicadoras de frequência
Os seletores de função estão localizados
exatamente no centro do painel. São dois
interruptores rotativos idênticos, cada um com
quatro posições. O interruptor superior controla
o ADF1 e o inferior controla o ADF2.
As posições com as respectivas funções
são:
- OFF – Desliga o sistema.
- ANT – Liga o receptor à antena SENSE
(não direcional). Nesta posição, o sistema
funciona como radioreceptor convencional
e é usado também para recepção de sinais
auditivos das estações de radiofaixa.
- ADF – Liga o receptor à antena SENSE e
à antena LOOP (direcional). Nesta
posição, o sistema funciona como
radiogoniômetro automático.
- TEST – Nesta posição é acionado o
circuito-teste do receptor, o ponteiro dos
indicadores RMI deverá colocar-se em 45º
e um tom de 1020 Hz deverá ser ouvido.
Controle de ganho (GAIN)
Existem duas janelas: a da esquerda
indica a frequência do ADF1 e a da direita a
frequência do ADF2.
Interruptor TONE
Este interruptor é usado para a recepção
de sinais de CW (não modulados). Na posição 1
um oscilador de 1020 Hz do ADF1 é ligado para
modular os sinais de CW recebidos. Na posição
2, é ligado o oscilador de 1020 Hz do ADF2.
Dessa maneira, a recepção audível de
sinais CW, só é possível através de um ADF por
vez. Durante a recepção CW, um tom de 1020
Hz será ouvido através dos fones ou autofalantes.
Antena LOOP
As antenas LOOP (direcionais) são do
tipo TECNASA ADF-500 e estão instaladas na
parte inferior da fuselagem.
Estes controles permitem ajustar o nível
de saída de áudio. Existem dois controles, um
para o ADF1 e o outro para o ADF2. Estes
controles são botões concêntricos aos seletores
de função. O botão superior é o controle de
ganho do ADF1 e o botão inferior é o controle
de ganho do ADF2.
Antenas SENSE
Seletores de freqüência
O avião está equipado com dois RMIs
(COLLINS RMI-36), localizados no painel de
instrumentos do piloto e do co-piloto. Cada
RMI possui dois ponteiros. O ponteiro de haste
simples indica a estação sintonizada pelo ADF1
ou pelo VOR1 e o ponteiro de haste dupla
indica a estação sintonizada pelo ADF2 ou
VOR2. Para os indicadores radiomagnéticos que
não possuem teclas próprias, a seleção de ADF
ou VOR é feita através de duas chaves BRG1 e
BRG2, instaladas nos painéis de instrumentos,
abaixo de cada RMI.
São dois conjuntos, cada um formado
por três botões concêntricos e estão localizados
na parte inferior do painel. O conjunto da
esquerda seleciona a frequência do ADF1 e o
conjunto e o conjunto da direita seleciona a
frequência do ADF2.
Em cada conjunto, o botão externo
seleciona a frequência em intervalos de 100 kHz
a qual é indicada pelos dois primeiros
algarismos da janela indicadora.
O botão intermediário seleciona a
frequência em intervalos de 10 kHz, a qual é
indicada pelo terceiro algarismo da janela
indicadora; o botão interno seleciona a
frequência em intervalos de 0,5 kHz, a qual é
As antenas SENSE (não direcionais) são
montadas na barbatana dorsal do avião,
formando um único conjunto.
Indicadores Radiomagnéticos
Corretor Quadrantal
O Corretor Quadrantal QCA 7301 está
instalado entre o receptor ADF1 e a antena
19-18
O sistema envia as seguintes informações:
- Saída de sinal SEM / COS para o RMI.
- Saída de sinal SEM / COS para o sistema
EHSI.
- Saída de áudio, para o sistema de áudio do
avião.
LOOP do adf1 para corrigir as informações da
antena ao receptor, devido ao comprimento do
cabo coaxial.
Operação do sistema
Os sinais da estação de terra são
recebidos através das antenas SENSE e LOOP e
são enviados ao receptor. O receptor fornece
informações de proa relativa à estação
sintonizada, nos indicadores.
O painel de controle proporciona a seleção
de frequência e de modo de operação e transfere
dados para o receptor.
Figura 19-26 Diagrama bloco do sistema ADF.
19-19
Figura 19-27 Indicador EHSI
SISTEMA VOR / LOC – GS – MB
VOR / LOC a função básica do VOR
(VHF – OMNIDIRECTIONAL RANGE) é
fornecer meios para que seja determinada a
posição do avião, com referência a uma estação
de terra e, também seguir uma rota em direção à
estação ou no afastamento da mesma. Isto é
efetuado pela indicação do posicionamento do
avião, na radial da estação de VOR selecionada
ou determinando-se a radial na qual a aeronave
se encontra.
A diferença de fase entre os dois sinais
que são gerados pelo VOR (estação de terra) é
avaliada de acordo com a direção do avião em
relação à estação (de terra), de modo que uma
determinada radial é representada por uma
diferença de fase.
É gerado um sinal de referência, não
direcional, cuja fase é a mesma a qualquer
momento e em todas as direções.
O outro sinal apresenta variações de
fase a cada instante e em cada direção. Os dois
sinais terão a mesma fase somente a zero graus,
ou radial norte.
19-20
Os sinais de referência são variáveis. São
voltagens derivadas da variação (modulação) de
30 Hz, sobre uma RF portadora.
A diferença de fase é indicada no EHSI
ou RMI.
ILS – Este sistema proporciona, durante
a fase de pouso, de um vôo, informações para
que o avião seja dirigido diretamente para a
pista e como descer em um ângulo correto. Para
tanto foram projetados um sistema de VHF
(orientação horizontal) e um de UHF
(orientação vertical).
O LOCALIZER é uma estação que
transmite a orientação horizontal para a pista e
opera em VHF, na faixa de frequência de 108 a
111.95 MHz, sempre que o decimal for ímpar.
Uma portadora modulada em 90 Hz e
150 Hz é transmitida, pela antena, de modo que
toda a energia é concentrada em uma faixa
estreita, perpendicular à pista.
Um avião voando à direita dessa faixa
vertical recebe um sinal predominante de 150
Hz e, à esquerda, recebe o sinal de 90 Hz.
Quando o avião estiver perfeitamente alinhado
em direção à pista, os sinais serão nulos.
Figura 19-28 Determinação de uma radial.
Esta posição relativa, depois de recebida e
decodificada, é mostrada na instrumentação de
vôo com as informações de desvio.
O GLIDESLOPE transmite uma
orientação vertical da pista e opera na faixa de
frequência de 329.15 a 335.00 MHz irradiando
dois sinais modulados; um em 90 Hz e o outro
em 150 Hz. Neste caso a energia transmitida é
concentrada numa faixa estreita, que determina
a rampa de descida para o avião. Se o avião
estiver acima da rampa, recebe a modulação de
90 Hz e, estando abaixo, a de 150 Hz.
Se o avião estiver na rampa correta, os
sinais se anulam. Esta posição relativa, após
recebida, é mostrada na instrumentação de vôo
com as informações de desvio.
Figura 19-29 Rampa de descida do ILS.
19-21
MARKER BEACON – É um sistema
constituído de três transmissores alinhados com
o eixo da pista. Os três marcadores conhecidos
como externo, intermediário e interno, operam
numa frequência de 75 MHz, sendo cada
portadora modulada por um tom diferente de
áudio: 3.000 Hz para o interno; 1300 Hz para o
intermediário; e 400 Hz para o externo.
A energia é concentrada segundo um
feixe cônico de pequena abertura e, por este
motivo, o receptor de bordo só acusa a presença
de sinal quando a aeronave estiver bloqueando o
respectivo marcador.
Como as distâncias entre os marcadores
e a cabeceira de aproximação são padronizadas
intencionalmente, os marcadores indicam, ao
piloto, o progresso da aeronave ao longo da
perna final. O equipamento de bordo propicia
indicações visuais através de lâmpadas
indicadoras de cores distintas, e auditivas, por
meio de um tom específico,
modulação.
para cada
A correspondência de cores e tons é
apresentada a seguir, para cada marcador.
-
EXTERNO – Cor azul e tom de 400 Hz,
audível em baixo tom e identificado em
código Morse, pela emissão contínua de
dois traços por segundo.
-
INTERMEDIÁRIO – Cor âmbar e tom de
1.300 Hz, audível em tom médio e emite
um código Morse, alternando pontos e
traços, na razão de 95 unidades (pontos e
traços) por minuto.
-
INTERNO – Cor branca e tom de 3.000
Hz, audível em tom bem agudo e pontos
contínuos em código Morse, na razão de 6
pontos por segundo.
Figura 19-30 Marcadores do sistema Marker Beacon
Localização dos componentes
-
Cada sistema compõe-se de:
- Um painel de controle de VHF / NAV,
instalado no painel principal (L)
- Um receptor VOR / ILS / MB, instalado
no compartimento eletrônico (C)
- Antena GS instalada sob o radome (D)
-
19-22
Antena de MB, instalada na parte inferior
da fuselagem (A)
Antena VOR / LOC (B)
Um indicador ADI-84 (H)
Um indicador EFD-74 (G)
Um indicador RMI (J)
Um anunciador de MB (K)
Figura 19-31 Localização dos componentes do sistema VOR / ILS / MB
19-23
Figura 19-32 Localização dos componentes do sistema VOR / ILS / MB
Painel de controle
– Cada sistema é controlado por um painel
Collins Modelo 313N-2D.
Somente a parte “NAV” do referido
painel é usada para o controle do sistema de
navegação.
O setor “NAV” do painel de controle
possui os seguintes controles e indicações:
19-24
-
Chave Seletora de Função – Essa chave
possui cinco posições:
- OFF – Os sistema VOR/ILS/MB e
MDE permanecem desligados
- NAV – Energiza o receptor VOR/LOC
- STBY – O sistema de navegação
continua em operação e o sistema
DME entra em STBY (aquecimento)
-
DME – Permite operação normal do
receptor DME
OVRD – INOPERANTE
a fim de receber sinais modulados, transmitidos
pelo MB.
Chaves Seletoras de Frequência – São
usadas duas chaves, uma à esquerda,
concêntrica com a chave seletora de
função, que ajusta a frequência em
intervalos de 1 MHz. A outra chave, à
direita, concêntrica com o comando de
volume, ajusta a frequência em intervalos
de 0,05 MHz. A frequência selecionada
aparece na janela indicadora.
Indicador ADI-84 – Consultar a seção
referente ao sistema de instrumentos de vôo.
Indicador EFD-74 - Consultar a seção
referente ao sistema de instrumentos de vôo.Ver
a Figura 19-22, deste Capítulo.
Indicador Radiomagnético – Ver a Figura 1915, deste Capítulo.
Anunciador de MARKER BEACON
-
-
Comando de volume (VOL) – Controla o
volume de áudio do sistema. Está
localizado na extremidade inferior direita
do painel de controle e é concêntrica com
a chave seletora de frequência de 0,05
MHz.
A indicação de Marker Beacon é
apresentada no Anunciador de modos do piloto
automático MAP-65.
Chave NAV / TEST – Permite testar os
sistemas VOR / ILS, DME e MB.
Figura 19-34 Luzes do MB (Painel anunciador
de modos MAP-65)
Figura 19-33 Painel de controle do sistema
VOR/ILS/MB
Receptor VOR / ILS / MB – O receptor NAV,
é uma unidade integrada que contém
separadamente, três receptores de navegação
para receber e processar sinais de VOR/LOC,
GLIDESLOPE e MARKER BEACON.
Antena VOR/LOC – É uma antena instalada
no estabilizador vertical e consiste de duas
partes interligadas através de um acoplador de
fase.
Antena GLIDESLOPE – É uma antena dupla,
instalada no nariz do avião e opera com cada
receptor de GS independentemente.
Antena de MARKER BEACON – É uma
antena instalada na parte inferior da fuselagem,
19-25
Operação e teste de VOR / ILS
- Adicione o seletor NAV, no painel de
áudio.
- Posicione o seletor de função em NAV,
para energizar o sistema.
- Coloque em VOR as teclas seletoras
VOR-ADF do RMI correspondente.
- Botão VOL na metade do seu curso.
- Sintonize
a
frequência
desejada,
observando os algarismos correspondentes, na medida em que eles aparecem
na janela do mostrador.
- Identifique a estação sintonizada através
do código Morse.
- Proceda o teste do sistema do seguinte
modo:
- Posicione
manualmente
a
seta
indicadora de rumo em 5º e coloque
o seletor NAV/TEST em VOR.
- A bandeira NAV deverá desaparecer.
- A barra de desvio lateral deverá ficar
aproximadamente centrada.
- Os ponteiros do RMI e do EFD-74
deverão indicar aproximadamente 5º.
Figura 19-35 Diagrama de bloco do sistema VOR/ILS/MB VIR-31A
19-26
-
-
-
-
As luzes de Marker Beacon deverão
ficar acesas e cintilando, no MAP-65.
Um tom de 3.000 Hz deverá ser
ouvido.
Sintonize uma estação de Localizer e
coloque o seletor NAV/TEST em
VOR.
A barra de desvio lateral deverá se
deslocar para a direita e a bandeira
NAV e GS deverão desaparecer.
O ponteiro de Glideslope deverá se
deslocar aproximadamente um ponto
para baixo (Há 5 pontos no indicador).
As luzes de Marker Beacon deverão
piscar no MAM-65.
Um tom de 3.000 Hz deverá ser
ouvido. A bandeira NAV deverá
aparecer 1 segundo após terminado
cada um dos testes (VOR e LOC). Ao
ser sintonizada qualquer estação de
VOR ou LOC, a bandeira deverá
desaparecer. A bandeira do Glideslope
deverá aparecer 0,5 segundo após
terminado o teste de Localizer. Ao ser
sintonizada qualquer estação, a mesma
deverá desaparecer.
Especificações do equipamento
Alimentação: 27 VCC 800ma / 26 VCA 400Hz
2,5 ma
Faixa de Frequência (VOR/LOC): 108 a 117.95
MHz com espaçamento de 50 kHz.
Controle de frequência: 2 em 5 – ARINC.
Canais: VOR – 160 e LOC – 40
Sensibilidade da bandeira –3.0 µV
Sensibilidade do VOR (desvio) – 150 mV para
10º.
Sensibilidade do LOC (desvio) – 90 mV.
Saída de áudio – 100mW, 600 Ohm
Faixa de frequência (GS) – 329.15 a 335.00
MHz com espaçamento de 150 kHz.
Canais - GS – 40.
Controle de frequência – 2 em 5 – ARINC.
Sensibilidade da bandeira – 5.0 µV.
Sensibilidade GS (desvio) – 78 mV.
Frequência – MB – 78 mV – 75MHz.
Sensibilidade – MB – Alta: 200 µV.
Baixa: 1500µV.
Capacidade de Carga – Duplo conjunto de 3
lâmpadas (6.3 V, bulbo 200 mA)
Saída de áudio – 100 mW, 600 Ohm.
Todas as indicações do sistema são
apresentadas no sistema de instrumentos de vôo
e RMI..
Figura 19-36 Indicadores de Atitude
19-27
Figura 19-37 Unidades principais do sistema VOR/ILS/MB
Figura 19-38 Indicador RMI
19-28
EQUIPAMENTO
DISTÂNCIA – DME
MEDIDOR
pelo sinal, para atingir a repetidora e retornar, é
proporcional à distância entre o transmissor e a
repetidora. O sinal a ser transmitido sofre um
processo de caracterização que o torna
inconfundível entre todos os sinais transmitidos
para a estação no solo.
DE
O princípio de fundamento do DME está
baseado na transmissão de um sinal de RF para
uma estação repetidora no solo. O tempo gasto
Figura 19-39 Teoria de operação do sistema DME.
19-29
para eliminar a possibilidade de operação
descoordenada quando a aeronave e a estação de
terra estiverem muito próximas.
Após decorrido o tempo de 50µs a
estação de terra transmite pares de pulsos de
volta para a aeronave numa frequência desviada
em 63 MHz do sinal de interrogação.
A gama de frequência do receptor de
DME, cobre a faixa de 962 a 1213 MHz.. Da
informação recebida o DME computa a
distância segundo a fórmula apresentada a
seguir:
Este processo consiste em transmitir os
sinais em intervalos irregulares por um método
aleatório.
A figura 19-39 exemplifica três situações
de funcionamento do sistema DME.
No primeiro exemplo, não há nenhuma
aeronave no perímetro de alcance da estação do
solo e o transceptor a bordo do avião não
consegue receber uma quantidade mínima de
pulsos, desta maneira não efetuando nenhuma
transmissão.
No segundo exemplo existe uma
aeronave no perímetro de alcance e seu receptor
consegue captar a quantidade mínima de pulsos
e passa a transmitir sinais de interrogação.
A estação do solo ao receber os sinais,
acrescenta-os aos seus próprios sinais na
transmissão deste modo permitindo estabelecer
a distância.
D=
T − 50µ s
12359
Onde:
O terceiro exemplo mostra como
é possível trabalhar com diversas
aeronaves dentro do perímetro de
alcance da estação
Descrição
A operação do sistema DME é baseada
na transmissão de pares de pulsos em intervalos
específicos emitidos pela aeronave, que são
recebidos e retransmitidos por uma estação de
terra.
A retransmissão pela estação de terra
consiste de pares de pulsos sendo que a
frequência da retransmissão é diferente da
recepção.
O tempo decorrido entre a ida e a volta
desse sinal é medido pelo equipamento da
aeronave e transformado em distância, em
milhas náuticas, a partir da aeronave até a
estação de terra.
O ciclo de operação do sistema inicia-se
quando o transceptor de bordo transmite pares
de pulsos na frequência de recepção da estação
de terra em um dos 252 canais na gama de 1025
a 1159 MHz.
Após a recepção da interrogação, a
estação de terra, decodifica o sinal recebido e
responde a interrogação após um tempo de
50µs. Este tempo de 50µs é pré-estabelecido
19-30
D = Distância em milhas náuticas entre a
aeronave e a estação DME
T = Tempo em microssegundos entre a
transmissão dos pares de pulsos e a
recepção dos pares de pulsos de retorno.
50µs = Tempo que a estação DME de terra
retarda entre a recepção da interrogação
e a transmissão da resposta.
12359 = Tempo que a energia de RF demora
para se propagar num espaço de 1 milha
náutica (ida e volta).
Em adição às respostas das interrogações
a estação DME de terra gera o “Squitter” e o
código de identificação da estação para uso no
sistema do equipamento da aeronave.
Quando operado nos canais “X” tanto o
equipamento de bordo quanto a estação de terra,
usam pares de pulsos transmitidos e recebidos
em 12 µs.
Nos canais “Y” os pares de pulsos
transmitidos pela aeronave são espaçados de 36
µs e a estação de terra retransmite estes mesmos
pares em espaçamentos de 30µs.
Existem 200 canais (DME/VHF–NAV)
na faixa de 108 a 117.90 MHz, e mais 52 canais
entre as freqüências de 133.30 a 135.95 MHz
que são usadas normalmente pelo sistema
TACAN.
A frequência matriz (frequência do
painel de controle VHF-NAV) é usada para
determinar o canal DME.
Figura 19-40 Operação do DME.
Descrição e localização dos componentes
– O sistema é composto por:
- Um transceptor Collins DME-42
- Um indicador Collins IND-41A, instalado no painel principal.
- Dois indicadores Collins EFD-74 instala- dos em cada um dos painéis de instrumentação de vôo.
- Uma antena Collins 2372-1, instalada sob a fuselagem.
- Um controle de volume instalado no painel principal.
A tabela a seguir mostra o inter-relacionamento entre as freqüências de VOR/ILS e DME.
19-31
Figura 19-41 Tabela de inter-relacionamento de freqüências.
Transceptor
O transceptor DME possui uma potência
de saída de 300W operando na faixa de
frequência de 960 a 1215 MHz, perfazendo um
total de 252 canais DME.
O transceptor fornece uma saída, no
formato ARINC 568 para indicação no sistema
de RFIS.
Indicador IND-41A
A unidade indicadora IND-41A é do tipo
leitura digital e indica a distância entre o avião e
a estação de terra em milhas náuticas, a
velocidade verdadeira de aproximação em nós
ou o tempo para atingir a estação (TTG), em
minutos, dependendo da seleção das teclas no
indicador. O indicador possui na sua parte
frontal os seguintes controles e indicação:
19-32
-
Interruptor TEST – Permite o teste inicial
do receptor-transmissor DME-42 para
calibração adequada da distância. Está
localizado no lado esquerdo do painel do
indicador.
Botão DIM – Permite variar a intensidade
luminosa do mostrador.
Teclas seletoras NM-MIN-KTS-TIMER –
Selecionam a informação que aparece no
mostrador. Quando a tecla NM é
pressionada, aparecem no mostrador as
informações da distância para a estação
(distância oblíqua), em milhas náuticas.
A informação é mostrada em cada EFD74, na forma de três dígitos, situados no canto
superior esquerdo, abaixo das letras DME.
A faixa de operação é de 0 a 300 milhas
náuticas (556 km).
Figura 19-42 Localização dos componentes do sistema DME-42.
Quando a tecla MIN é pressionada,
aparece no mostrador a informação do tempo
para atingir a estação em minutos. A informação
é mostrada em cada EFD-74, na forma de três
dígitos, situados no canto inferior esquerdo,
abaixo das letras TTG. A faixa de operação é de
0 a 120 minutos.
Quando a tecla KTS é pressionada,
aparece no mostrador a informação da
velocidade verdadeira de aproximação em nós.
19-33
A informação é mostrada em cada EFD74, na forma de três dígitos, situados no canto
inferior esquerdo, abaixo das letras SPD. A
faixa de operação é de 0 a 999 nós.
Quando a tecla TIMER é pressionada,
aparece no mostrador do IND-41A a informação
do tempo decorrido em minutos e segundos.
A indicação de que a função TIMER
selecionada são DOIS PONTOS que aparecem
no mostrador.
Cada vez que a tecla TIMER for
pressionada, um dos três modos de operação
seguintes é selecionado:
- Modo zero – O indicador é fixado em
00:00.
- Modo movimento – Inicia a contagem até
59-59. Se a tecla TIMER não for
pressionada novamente, a contagem
prossegue incrementando os dígitos dos
segundos.
- Modo parada – A contagem é interrompida e o valor aparece fixo no
mostrador. A seleção das teclas NM, MIN
ou KTS não altera o modo estabelecido
para a tecla TIMER.
Botão seletor de modo (NAV1-HOLDNAV2)Permite selecionar as informações
enviadas pelos painéis de controle NAV 3132D, assim como a função HOLD.
As informações enviadas pelo painel
NAV 1, selecionadas através da posição “1”,
aparecem nos dois mostradores EFD-74 na cor
verde e, para a posição “2”, informações do
painel NAV 2, na cor âmbar.
Figura 19-43 Unidade Indicadora IND 41A.
19-34
Antena
É do tipo banda “L”, conectada
diretamente ao transceptor, através de um cabo
coaxial. A antena está instalada na parte inferior
da fuselagem e é intercambiável com a antena
do Transponder.
Controle de Volume
O sinal de áudio, identificando a estação
de DME, é controlado pelo botão de controle de
volume localizado no painel principal do lado
direito da unidade indicadora IND-41A.
Figura 19-44 Botão de controle do volume dos
sinais de DME.
Indicador COLLINS EFD-74
Os indicadores Collins EFD-74 estão
localizados em cada um dos painéis móveis dos
pilotos e cada um deles recebe as mesmas
informações enviadas à unidade indicadora
IND-41A, exceto a função TIMER.
Operação do sistema
O sinal de DME pode ser distinguido
pela tonalidade diferente. O mesmo é modulado
por 1350 Hz, enquanto que os sinais de VOR
são modulados por 1020 Hz.
Quando um canal de DME é sintonizado,
o sistema envia pares de pulsos codificados, na
frequência da estação de terra, que os recebe e
os envia de volta ao sistema de bordo. Baseado
no tempo transcorrido entre a transmissão e o
retorno dos pulsos, o sistema fornece a distância
entre o avião e a estação de terra.
Imediatamente após o sistema ter
sintonizado uma estação de DME, há um
período de busca de, aproximadamente, 1
segundo, durante o qual o indicador digital e o
indicador EFD-74 apresentam traços em suas
telas, até que seja encontrada a distância correta.
Figura 19-45 Indicador Collins EFD-74.
Assim que isso acontecer, os traços
desaparecerão e uma indicação contínua de
distância será obtida.
O DME entra, então, no modo de
operação chamado “Rastreio”. Os traços
aparecerão, também, durante o tempo de
aquecimento
do sistema, que é de
aproximadamente 60 segundos.
A função “Hold” do DME é selecionada
pelo botão seletor de modo, localizado no painel
IND-41A, na posição “H”. Esta função é
mostrada nos indicadores EFD-74, através da
letra “H”, no lado esquerdo dos mostradores.
A função “Hold” permite operar o
sistema na estação previamente sintonizada e
operar de modo independente do sistema VOR
(ou ILS).
Teste do Sistema
-
-
Ligar ao avião uma fonte externa de
energia de 28 VCC.
Posicionar o interruptor “Seletor Bateria”
do painel superior, em “Fonte externa”.
Observar se o indicador magnético se
alinha com as marcas do painel.
Posicionar o interruptor ”Conversor 1” no
painel superior, na posição “Liga”.
Observar se o indicador magnético se
alinha com as marcas do painel.
19-35
-
Pressionar o interruptor “Test” na unidade
indicadora e observar:
- A programação interna deste acende a
luz “NM” (Nautical Mile).
- “O.O” deverá aparecer na tela do
EFD-74 e “AOK” é ouvido em código
Morse nos fones.
- “O.O” deverá aparecer na tela do
EFD-74 quando apenas a tecla “NM”
for selecionada.
- Soltando o interruptor “TEST”, a
legenda e o ponto decimal previamente
selecionado iluminar-se-ão no IND41A e os números “8888” deverão
aparecer por um período de 8 a 12
segundos.
- Traços aparecerão no indicador até que
o DME-42 receba um sinal válido de
uma estação de terra.
- Posicionar o interruptor “Conversor 1”
no painel superior, em “DESL.
Observar se o indicador magnético
desalinha.
- Posicionar o interruptor “Seletor
Bateria”, no painel superior, em
“DESL”. Observar se o indicador
magnético desalinha.
- Retirar do avião a fonte externa de
energia elétrica de 28 VCC.
O radar primário é usado para localizar e
determinar o curso das aeronaves na área de
controle.
O radar secundário, sincronizado com o
primário, é utilizado para identificar as
aeronaves equipadas com Transponder, pela
transmissão de sinais de interrogação e de
respostas codificadas.
SISTEMA TRANSPONDER
O sistema Transponder responde as
interrogações válidas do sistema radar ATC
com um sinal resposta codificado.
O Transponder transmite na frequência
de 1090 MHz e recebe na frequência de 1030
MHz.
Figura 19-46 Esquema de operação do Transponder
.
O TDR-90 é interrogado através de um
Neste caso, a resposta do Transponder inclui a
método de três pulsos.
informação de altitude da aeronave. O modo
O espaço de tempo entre o primeiro e o
“D”, atualmente não está em uso.
terceiro pulso determina o modo de operação.
O sinal de interrogação recebido é
Existem quatro modos de operação,
analisado pelo TDR-90 para determinar sua
denominados A, B, C e D. No modo “A”, o
validade e o modo de operação. Para este sinal
sistema transmite somente sua identificação. O
ser válido, ele deve ser do lóbulo principal do
modo “B”, em alguns paises, ocasionalmente
SSR e ser do modo “A” ou do modo “C”.
substitui o modo “A”. O modo “C” é usado
Quando um sinal de interrogação é válido, o
quando a aeronave possui altímetro codificador.
sinal resposta é transmitido.
19-36
Figura 19-47 Pulsos de interrogação do sistema Transponder
.
O sinal resposta codificado é composto
Um pulso de identificação é também
de um trem de pulsos.
transmitido 4,35 microssegundos após o último
O TDR-90 é capaz de produzir de 2 a 16
pulso de enquadramento.
pulsos de resposta codificada. O número de
O pulso de identificação está presente
pulsos gerados num sinal resposta é
somente quando o interruptor “IDENT” da
determinado pelo código selecionado na caixa
caixa de controle 613L-3 for liberado e por
de controle 613L-3 ou gerado pelo altímetro
aproximadamente 20 segundos após sua
codificador.
liberação.
Figura 19-48 Posição dos pulsos do sinal resposta
Descrição e localização dos componentes
O sistema é composto por:
- Um painel de controle instalado, no painel
principal.
19-37
-
Um transceptor instalado sob o piso.
Uma antena, instalada na parte superior da
fuselagem.
Figura 19-49 Componentes do sistema Transponder.
Chave seletora de função – É uma chave
rotativa de três posições: STBY, ON e LO.
Quando o interruptor “Seletor Bateria”,
no painel superior, é posicionado para “BAT”
ou “FONTE EXTERNA”, a alimentação é
automaticamente aplicada ao Transponder. A
chave seletora de função deve permanecer na
posição “STBY” durante 5 minutos para
aquecimento do equipamento.
Quando a chave seletora de função é
posicionada para “ON”, o sistema passa a
operar normalmente.
Na posição “LO”, a intensidade do sinal
transmitido pelo Transponder diminui. Este tipo
de operação é usado quando a intensidade do
sinal de vídeo na tela do radar é muito forte.
Painel de controle
O painel de controle, instalado na parte
inferior do painel rádio, possui na sua parte
frontal os seguintes controles e indicações:
Figura 19-50 Painel de controle
19-38
Durante o Vôo a chave seletora de
função só deverá ser colocada nas posições
“STBY” e “LO”, quando os pilotos recebem
instruções neste sentido pela estação de terra.
Em caso contrário, deverá permanecer sempre
na posição “ON”.
Chaves Seletoras de Código - São usadas para
selecionar o código de operação. As duas
chaves concêntricas da esquerda selecionam os
algarismos dos milhares e das centenas. As duas
chaves concêntricas da
direita selecionam os algarismos das dezenas e
das unidades.
Janela Indicadora de Código - Apresenta o
código selecionado através de seus quatro
dígitos.
Controle ALT / OFF – É um interruptor de duas
posições. Na posição ALT o Transponder inclui
informação de altitude da aeronave, quando
interrogado no modo”C”.
Quando a aeronave não possuir altímetro
codificador o interruptor deverá permanecer na
posição “OFF” (desligado). Neste caso, o
Transponder
responderá
somente
as
interrogações do modo “A”.
Lâmpada RPLY – A lâmpada RPLY opera
normalmente, com a chave MON/TEST na
posição “MON”. Cada vez que o TDR-90
transmite uma resposta, a lâmpada RPLY
acende e permanece acesa por 1 segundo.
Operação do sistema
Quando a aeronave atinge a área de
controle de determinada estação de terra, o
piloto é instruído para selecionar no
equipamento o código informado pela
respectiva estação.
A mudança de código é feita através de
controles próprios existentes na unidade de
controle.
O sistema Transponder TDR-90 opera
nos modos “A” e “C” e é alimentado pela barra
de emergência de 28 VCC..
O sistema Transponder transmite um
sinal codificado, em resposta aos sinais de
interrogação do radar de terra. A estação de
terra usa o sinal de resposta, para localizar e
identificar a aeronave equipada com o sistema
Transponder.
O sistema de radar de terra inicialmente
detecta a presença da aeronave, como um radar
comum. Em seguida envia um sinal de
interrogação que é captado pela antena do
Transponder. O próprio sinal de interrogação
dispara o transmissor do TDR-90 que por sua
vez emite um sinal de resposta.
RÁDIO ALTÍMETRO
Introdução
O sistema de rádio altímetro fornece
indicações acuradas e confiáveis, da altura do
avião com relação ao solo, durante as fases
críticas de aproximação. O sistema proporciona
continuamente sinais de saída para o sistema de
piloto automático e ao diretor de vôo.
Chave MON / TEST – A posição TEST desta
chave possibilita a operação do TDR-90, e
fornece uma indicação confiável das condições
de operação do sistema.
Quando a chave MON / TEST é
colocada na posição TEST, uma interrogação
simulada, do módulo “A”, é gerado no TDR-90.
O teste pode ser feito para o modo”C”, desde
que a chave ALT / OFF esteja na posição
“ALT”. A resposta gerada no TDR-90 e, se o
mesmo estiver operando normalmente, a
lâmpada RPLY acende.
Controle IDENT – Quando o controle IDENT é
pressionado, um pulso adicional é incluído nos
pulsos de resposta. O controle IDENT,
normalmente, só é acionado quando solicitado
pela estação de terra.
Figura 19-51 Sinais do sistema de rádio
altímetro
19-39
Descrição e localização dos componentes
-
O sistema Collins ALT-50 é composto por:
- Um transceptor Collins, instalado sob o
piso.
-
Um indicador, instalado no painel
principal.
Duas antenas, uma para transmissão e
outra para recepção, localizadas na parte
inferior da fuselagem.
Figura 19-52 Localização dos componentes do sistema de rádio altímetro.
19-40
Figura 19-53 Indicador do sistema rádio altímetro
.
Transceptor – O transceptor de rádio altímetro,
O ajuste da altura de decisão é feito
recebe e processa sinais de ondas curtas
posicionando-se, através do seletor, o índice
moduladas em freqüência, para produzir um
triangular “DH” sobre o valor desejado no
sinal de modulação em freqüência, cuja razão é
mostrador do instrumento; durante a descida da
proporcional a altitude do avião, em relação ao
aeronave, ao ser atingido o valor em questão, o
solo.
piloto tem uma indicação visual através da luz
O transceptor proporciona continua“DH” localizada na extremidade superior
mente saída para o piloto automático e diretor
esquerda do instrumento.
de vôo.
Um botão de teste localizado na
extremidade inferior esquerda do instrumento
Indicador – O indicador de rádio altímetro,
possibilita, quando pressionado, o teste
fornece a indicação em pés da altitude do avião
funcional do sistema. Uma bandeira de alarme,
em relação ao solo, dentro da faixa de 0 a 2.000
quando visível sobre o dial do instrumento
pés. O indicador possui em seu canto inferior
indica o mau funcionamento do sistema ou
direito, um seletor de altura de decisão (DH).
perda de alimentação elétrica.
Este seletor permite ao piloto a seleção manual
de uma altura mínima que, ao ser atingida,
Operação
acionará um sistema de aviso. Este sistema pode
ser usado durante os vôos de patrulha para
O sistema de rádio altímetro Collins
alertar o piloto quando for atingido um limite
ALT-50 provê ao piloto indicações precisas da
inferior que não deve ser ultrapassado, ou
altitude do avião em relação ao solo na faixa de
durante uma aproximação de precisão, de
0 a 2.000 pés, durante as fases de aproximação.
acordo com a altura de decisão do procedimento
O transceptor que é alimentado por 28
de descida.
VCC, produz um sinal de saída de frequência
19-41
variável entre 4250 MHz e 4350 MHz, que é
enviado ao solo através da antena de
transmissão.
O tempo transcorrido entre a transmissão
e a recepção do sinal, é convertido, no
transceptor, em uma tensão CC proporcional a
altitude do avião em relação ao solo. Esta tensão
CC é enviada ao indicador que, por sua vez, a
converte em uma indicação visual de altura, em
pés.
Figura 19-54 Diagrama bloco do sistema rádio
altímetro.
RADAR METEOROLÓGICO
Introdução
O sistema de radar meteorológico é
projetado para detectar e mostrar as condições
meteorológicas na rota do avião.
Energia de radiofreqüência ou ondas de
rádio
eletromagnéticas
são
comumente
chamadas de energia de radar. Ao atingirem
uma superfície refletora essas ondas (ou
energia) produzem um eco, ou seja, parte da
energia é refletida.
A energia de radar é transmitida em
pulsos de curta duração.
O intervalo entre os pulsos é destinado à
recepção do eco. Essa energia percorre o espaço
em linha reta e a uma velocidade aproximada de
186.000 milhas por segundo (300.000 Km /
seg); durante um microssegundo um pulso
percorre 984 pés.
De posse desses dados a distância, de um
objeto ou de um avião, pode ser determinada
com precisão.
Na terminologia do radar uma milha
náutica de radar – 12,34 microssegundos- é o
tempo que um pulso gasta para percorrer uma
milha até o objeto e retornar.
O sistema radar meteorológico Bendix
RDS-82 tem como propósito detectar e
apresentar em quatro cores, de rápida
interpretação as condições meteorológicas.
O sistema pode ser usado como auxílio à
navegação no modo mapeamento de solo ou
mesmo como radar meteorológico.
Figura 19-55 Apresentação de uma precipitação pelo radar meteorológico.
19-42
Descrição e localização dos componentes
-
O sistema RDS-82 é constituído por:
-
Um sensor de radar Bendix RS-181A,
instalado sob o radome.
Uma unidade indicadora Bendix IN-182A,
instalada no painel principal.
Figura 19-56 Localização dos componentes do sistema de radar RDS-82
.
O transmissor de radar emite pulsos de
Sensor de Radar RS-181A
RF na frequência de 9345 ± 25 MHz (banda X),
O sensor de radar RS-181A, compõe-se
com uma potência de pico de saída de 1 KW.
de um receptor de radar, um transmissor de
A frequência de repetição do pulso
radar e uma antena, formando uma única
depende do alcance selecionado. Pulsos
unidade.
refletidos pelos alvos são recebidos pelo sensor
19-43
de radar, através da antena, para serem
mostrados na tela do indicador.
A antena dirigida é fixada em um
conjunto de microonda do sensor de radar e os
dois se movem juntos na varredura do radar.
A antena possui um ângulo de inclinação
de 15º acima e abaixo do eixo horizontal,
comandável através do botão de controle de
TILT no painel do indicador.
O indicador de atitude do piloto envia ao
sistema informações de rolamento e arfagem da
aeronave. Essas informações são processadas e
usadas para estabilizar a antena. O máximo
ângulo possível de correção é de ±25º.
Unidade indicadora IN-182A
O indicador de radar abriga internamente
os dispositivos eletrônicos de controle e sua face
dianteira incorpora todos os controles,
indicadores e a tela de imagens.
O painel indicador inclui os controles
necessários para alimentação do sistema,
seleção de alcance e do TILT da antena,
controle do ganho do receptor (no modo de
mapeamento do solo), funções de varredura e
teste. As marcas de alcance geradas
internamente
aparecem
como
círculos
concêntricos espaçados regularmente na tela,
para auxiliar na determinação do alcance dos
alvos.
O indicador mostra as condições
meteorológicas em quatro cores: verde, amarelo,
vermelho e magenta e os alvos no modo de
mapeamento de solo em três cores: verde
amarelo e vermelho.
O indicador de radar possui os seguintes
controles:
- Chave de funções – É uma chave
rotatória com cinco posições, cada uma
com as funções a seguir.
- OFF – Desliga o sistema.
- STBY – Coloca o sistema na condição
de STANDBY, durante o período de
aquecimento e quando o sistema não
está em uso. A palavra STBY é
mostrada no canto inferior esquerdo da
tela.
- TST – Seleciona a função de teste para
verificar a operacionalidade do sistema.
Nesta condição não há transmissão.
- ON – Seleciona a condição para
operação normal. Na posição “ON”, o
19-44
radar está transmitindo. O modo de
operação “Wx” e o alcance de 80 milhas
são
automaticamente
selecionados
quando na posição “ON”.
- LOG – Esta função é inoperante, quando
não há equipamento “NAV” conectado
ao sistema. Quando esta função é
selecionada a palavra “NO LOG”
aparecerá na tela.
-
Botão “Wx” – Quando pressionado
seleciona o modo de mapeamento
meteorológico. “Wx” é mostrado no canto
inferior esquerdo da tela.
-
Botão “WxA” – Quando pressionado
seleciona o modo de alerta meteorológico.
A área na cor magenta cintila e “WxA” é
mostrado no canto inferior esquerdo da
tela.
-
Botão “MAP” – Quando pressionado,
seleciona o modo de mapeamento de solo.
”MAP” é mostrado no canto inferior
esquerdo da tela.
-
Botão “NAV” – É inoperante quando um
equipamento opcional “NAV” não é
conectado ao sistema radar. As palavras
“NO NAV” serão mostradas no canto
inferior esquerdo da tela.
-
Botões de rastreamento – TRACK” –
Quando um dos dois botões é mantido
pressionado, uma linha amarela do cursor
de rastreamento aparece e se movimenta
para a esquerda ou para a direita(passos de
um grau), de acordo com o botão
selecionado. Ao se liberar o botão, o
cursor de rastreamento pára e permanece
cerca de 10 a 15 segundos, desaparecendo
em seguida, a não ser que o botão seja
pressionado novamente. A proa diferencial
será indicada em algarismos amarelos no
canto superior esquerdo do vídeo e
desaparecer
-
Botão de aumento de alcance-RANGE –
Apaga a imagem e avança o indicador até
o alcance imediatamente superior, cada
vez que o botão for pressionado até o
máximo de 240 milhas. O alcance
selecionado é mostrado no canto superior
mover o feixe de radar até um máximo de
15º para cima ou para baixo do eixo
horizontal. A posição horizontal é indicada
como zero grau, no controle. O ângulo de
“TILT” selecionado é mostrado no canto
direito da tela. Se o sistema está em uma
instalação não estabilizada, as palavras
“NO STB” aparecerão no canto superior
esquerdo da tela.
direito da tela, na última marca de alcance.
A distância para cada um dos demais
círculos de marca de alcance é apresentada
ao longo da margem direita dos círculos
(arcos).
-
-
Botão de decréscimo de alcanceRANGE – Apaga a imagem e avança o
indicador até o alcance imediatamente
inferior, cada vez que o botão for
pressionado, até que seja obtido o alcance
mínimo.
Botão de controle de “TILT” – Quando
este botão é puxado, desestabiliza a antena
e as palavras “STAB OFF” piscarão no
canto superior esquerdo da tela. Quando o
botão é empurrado a estabilização da
antena é rearmazenada. Quando o botão é
girado, ajusta eletricamente a antena para
-
Controle de ganho – “GAIN” – Varia o
ganho do receptor do radar, quando no
modo “MAP”. As posições “GAIN” e
“STC” são pré-ajustadas na função “TST”
e nos modos “Wx” e “WxA”.
-
Controle de brilho – “BRT” – Controla o
brilho da tela de acordo com as diversas
condições da iluminação da cabine.
Figura 19-57 Indicador de radar IN-182A
.
captados pela antena e introduzidos no
Operação
transceptor.
O sistema é alimentado eletricamente
Após serem amplificados os pulsos são
pela barra de 28 VCC e pela barra de 115 VCA
apresentados na tela do indicador de radar
400 HZ.
dando indicação da existência de obstáculos. O
O transceptor do sensor de radar
indicador
de
radar
fornece
indicação
transmite pulsos de radiofreqüência através da
meteorológica em quatro cores e indicação de
antena. Esses pulsos são refletidos por
alvos no solo em três cores, dentro da área
obstáculos dentro do alcance do sistema, são
varrida pelo radar.
19-45
O indicador de radar pode ser expandido,
com equipamentos adicionais, para um
indicador
de
multifunção,
fornecendo
informações de navegação (NAV) e de
radionavegação (RNAV), informações de
relatório de vôo e páginas de informações de
“check-list”. A tela do indicador de radar é do
tipo “PPI” (Indicador de Posição Plana),
apresentando os alvos detectados numa
representação plana, como se vistos de cima.
Através de uma análise de imagem mostrada na
tela, o piloto toma conhecimento da existência
de tempestade ou de outro alvo, obtém a
distância entre o avião e o alvo, bem como a
direção desta em relação ao eixo longitudinal do
avião.
Figura 19-58 Configuração do sistema de radar meteorológico
19-46
Verificação Operacional e Teste do Sistema
do Radar
12
Durante a operação do radar no solo,
deverão ser tomadas as seguintes precauções de
segurança:
• Apontar o nariz do avião para uma direção
que não atinja grandes massas metálicas, tais
como hangares, caminhões, outros aviões etc
que estejam num raio de 100 metros, a fim de
evitar o retorno de fortes quantidades de
energia refletidas ao sistema.
• Não operar o radar durante qualquer
operação de reabastecimento num raio de
100 metros.
• Não operar o radar a menos de 10 metros de
distância de locais que contenham material
explosivo ou inflamável.
• Não operar o radar com pessoas à frente da
antena, a menos de 10 metros de distância.
1 Ligue ao avião uma fonte externa de
energia de 28 VCC.
2 Posicione o interruptor “Seletor de
Bateria” em “Fonte externa”. Observe se
o indicador magnético se alinha com as
marcas do painel.
3 Posicione o interruptor “Conversor 1”
em “Liga”. Observe se o indicador
magnético se alinha com as marcas do
painel.
4 Posicione a Chave de funções, do
indicador de radar em “TST”.
5 Posicione o controle de brilho, “BRT” a
meio curso.
6 Posicione o controle “TILT”, para
qualquer posição, com a antena
estabilizada (STAB ON).
7 Após sete a oito segundos o padrão de
teste deve aparecer na tela do indicador.
8 Ajuste o controle de brilho como
desejar.
9 O padrão de teste mostrará na tela quatro
faixas coloridas de mesma largura.
Partindo da faixa externa para a interna,
as faixas serão: verde, amarela, vermelha
e magenta.
10 O alcance será automaticamente
posicionado para 80 milhas. Todas as
marcas de alcance estarão visíveis e
mostradas em letras de cor azul.
11 A ação de atualização da imagem deve
ser observada como uma pequena
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
ondulação ou pequeno movimento, ao
longo da faixa verde externa.
Posicione a Chave de funções em
“SBY”. Observe que a antena
movimenta-se para baixo para a posição
de -25º.
Volte a Chave de funções para a
posição”TST”.
Gire o controle de “TILT”, no sentido
horário, para “UP”. Verifique se a
antena se inclina para cima, suavemente
e sem interferência.
Gire o controle de “TILT”, no sentido
anti-horário, para “DN”. Verifique se a
antena se inclina para baixo, suavemente
e sem interferência.
Volte o controle de “TILT” para zero.
Posicione a Chave de funções para
“ON”.
O indicador deverá automaticamente
estar no modo “Wx”, e o alcance em 80
milhas. Certifique-se de que a antena
está estabilizada.
Ajuste o controle de “TILT”, no sentido
horário, em pequenos incrementos, até
que uma imagem nítida apareça na tela,
sob qualquer condição meteorológica
local.
a) Os alvos próximos ao solo deverão
aparecer na tela.
b) Quando a antena atingir +15º, todos
os alvos próximos ao solo deverão
desaparecer.
Repita o passo “16” para verificação de
todas as faixas restantes.
Posicione a Chave de funções, em
“OFF”.
Posicione o interruptor “Conversor 1”,no
painel superior, em “DESL”. Verifique
se o indicador magnético desalinha.
Retorne o interruptor “Seletor Bateria”
no painel superior, para “DESL”.
Observe se o indicador magnético
desalinha.
Retire do avião a fonte externa de
energia de 28 VCC.
Estabilização da antena
Teste de “TILT”
1 Posicione a Chave de funções em “TST”.
2 Puxe o controle de “TILT” (“STAB OFF”).
19-47
3 Pressione os botões “Wx” e “WxA” simultaneamente. Verifique se o “HIDDEN
PAGE” é mostrado na tela do indicador.
4 Pressione o botão de aumento de alcance
(“Range”) para selecionar “R/T Calibration
Data”, no painel indicador.
5 Verifique se a página “R/T Calibration
Data” é mostrada na tela.
6 Mantenha o indicador de atitude nivelado.
7 Verifique se na tela do indicador é mostrado
“Pitch Angle” e “Roll Angle” iguais a 0.00
± 1º.
8 Gire o controle de “TILT”, no indicador,
para 0º.
9 Verifique se na tela do indicador os ângulos
de “Antenna Elevation” são: “L” = 0.00 ±
1º; “C” = 0.00 ± 1º; e “R” = 0.00 ± 1º.
10 Gire o controle de “TILT” no sentido
horário para + 10º, conforme indicado em
“TILT SETTING: 10.00 U na tela do
indicador.
11 Verifique se na tela do indicador os ângulos
de”Antenna Elevation” são: “L” = 0.00 ± 1º,
“C” = 10.0 U ± 1º e “R” = 0.00 ± 1º.
12 Gire o controle de “TILT” no sentido antihorário para -10º, conforme indicado em
“TILT SETTING”: 10.00 “D” na tela do
indicador.
13 Verifique se na tela do indicador os ângulos
de “Antenna Elevation” são: “L” = 0.00± 1º,
“C” = 10.0 “D” ± 1º e “R” = 0.00 ± 1º.
14 Gire o controle de “TILT” para 0º.
15 Pressione o botão “Wx”. Verifique se na tela
do indicador é mostrado o modo teste
(imagem padrão).
Figura 19-59 Formato de “Hidden Page” para os dados de calibração da R/T.
Teste de calibração de “PITCH”
O teste de “TILT” deve ser executado
antes do teste e calibragem de “PITCH”.
1 Posicione a Chave de funções em “TST”.
2 Pressione o botão de controle de “TILT”
(STAB ON).
3 Pressione os botões “Wx” e “WxA” simultaneamente. Verifique se na tela do
indicador é mostrado o menu “Hidden
Page”.
4 Pressione o botão de aumento de alcance
(Range) para selecionar “R/T Calibration
Data, no painel do indicador.
5 Verifique se a página “R/T Calibration
Data” é mostrada na tela.
19-48
6 Posicione o indicador de atitude para 10º de
arfagem e 0º de rolamento.
7 Verifique se na tela do indicador o “Pitch
Angle” é indicado 10.00 U ± 1º e os ângulos
de “Antenna Elevation” são: L = 7.07 D ±
1º, C = 10.0 D ± 1º e R = 7.07 D ± 1º.
8 SE OS ÂNGULOS DE “Antenna Elevation”
não são corretos, ajuste o controle de ângulo
de Pitch, na base da antena, para uma
indicação correta na tela do indicador.
9 Puxe o botão de controle de “TILT” (Stab
OFF).
10 Verifique se na tela do indicador os ângulos
de “Antenna Elevation” são: L = C+R+0.00
± 1º.
11 Empurre o botão de controle de “TILT (Stab
ON)
12 Pressione o botão “Wx”. Verifique se na tela
do indicador é mostrado o modo teste
(Imagem padrão).
Teste de calibração de ”ROLL”
O teste de “TILT”, e teste e calibração de
“PITCH”, devem ser executados antes do teste e
calibragem de “ROLL”.
1 Posicione a Chave de funções em “TST”.
2 Pressione o botão de controle de “TILT”
(Stab ON).
3 Gire o controle de “TILT” para 0º conforme
indicado em “TILT Setting” na tela.
4 Pressione os botões “Wx” e “WxA” simultaneamente. Verifique se na tela do
indicador é mostrado o menu “Hidden Page”
5 Pressione o botão de aumento de alcance
(Range) para selecionar “R/T Calibration
Data”, no painel do indicador.
6 Verifique se a página”R/T Calibration Data”
é mostrada na tela.
7 Mantenha o indicador de atitude alinhado.
8 Ajuste o potenciômetro de compensação de
“ROLL” no indicador de radar, para zero
grau, como indicado na tela.
9 Posicione o indicador de atitude para 0º de
arfagem e 30º de rolamento à direita.
10 Verifique se na tela do indicador é mostrado
“Pitch Angle” e “TILT Setting” iguais a
0.00 ± 2º, e os ângulos de “Antenna
Elevation” são: L = 21.0 D ± 2º, C = 0.00 ±
2º e R = 21.0 U ± 2º.
11 Posicione o indicador de atitude para 0º de
arfagem e 30º de rolamento à esquerda.
12 Verifique se na tela do indicador é mostrado
“Pitch Angle” e “TILT Setting” iguais a:
0.00 ± 2º, e os ângulos de Antenna
Elevation” são: L = 21.0 U ± 2º, C = 0.00 ±
2º e R = 21.0 ± 2º.
13 Ajuste o controle de ângulos de “ROLL” na
base da antena, se não foram encontrados os
ângulos de “Antenna Elevation”, nos passos
10 e 12. Então, repita os passos de 9 a 12.
14 Pressione o botão “W”. Verifique se na tela
do indicador é mostrado o modo teste.
PILOTO AUTOMÁTICO
Figura 19-60 Diagrama de bloco do sistema Piloto Automático.
19-49
PILOTO AUTOMÁTICO
diretor de vôo para arfagem e rolagem, sistema
de alarmes e anunciadores de modos.
Introdução
Descrição e localização dos componentes
O sistema de piloto automático / diretor de
vôo, através do computador APC65B, fornece
controle automático para os sistemas de
comando dos ailerons, profundor e leme, de
acordo com os modos de vôo selecionados e um
controle automático do compensador do
profundor. Fornece, também, comandos do
O sistema é composto por:
1 Um computador APC65.
2 Um painel do piloto automático APP65A.
3 Um painel de controle de vôo FCP65.
4 Um painel anunciador de modos MAP65.
5 Um sensor de dados do ar ADS65C
6 Chaves e botões externos.
Figura 19-61 Localização dos componentes do Piloto Automático(cabine).
19-50
Figura 19 62 Localização dos componentes do Piloto Automático(fuselagem).
Computador APC65B
– O computador do piloto automático é o centro
de controle do sistema. Ele processa todos os
sinais recebidos e os envia ao canal
correspondente.
19-51
A interligação entre o computador e o
seletor anunciador de modos FCP65 é feita
através de uma barra de dados seriados.
Faz parte deste sistema a compensação
elétrica manual do compensador do profundor
(Trim), cujo módulo de controle está embutido
no computador do piloto automático APC65A,
sendo comandado através dos interruptores
COMP / PROF, localizados nos manches.
Os dados requeridos para operação do
computador são basicamente os seguintes:
•
•
•
•
•
Dados de arfagem, rolamento, razão de
guinada, aceleração lateral, aceleração
vertical, fornecidos pelo sistema de
Referência de Atitude de Proa (AHRS).
Altitude e velocidade do sistema de dados
do ar (ADS).
Curso e erro de proa do EHSI.
Sinais de radionavegação.
Sinais discretos dos painéis de controle,
monitores, bandeiras de alarme e outros.
Os sinais de
computador são:
saída
fornecidos
pelo
•
Comandos de direção de arfagem e
rolamento.
• Comandos de direção do motor para cada
servo.
• 28 VCC e um sinal de terra controlado,
gerado para cada canal de comando, o qual
permite o controle do campo magnético de
cada servo.
• Aviso de falhas de AP, TRIM e SERVO.
Os sinais de radionavegação ligados ao
piloto automático / diretor de vôo são:
•
•
•
•
O computador de comando do diretor de
vôo processa os sinais dos circuitos periféricos e
apresenta os resultados através dos “FIS”
(Sistema de Instrumentos de Vôo).
Ao sinais de arfagem e os de rolagem são
enviados para os computadores dos servos de
arfagem e rolagem (microprocessadores). Este
cartões de servos combinam-se na computação
de atitude básica com o sinal de direção
apropriada do diretor de vôo. O sinal assim
obtido é utilizado para atuar os respectivos
servos (arfagem e rolamento).
Os sinais de guinada como “ERRO DE
PROA (Heading Course) e DADOS DE
CURSO (Course Datum) são provenientes do
Computador de Dados de Proa (HPU) e os
sinais de RAZÃO DE CURVA (Turn Rate) e
ACELERAÇÃO
LATERAL
(Lateral
Acceleration) são provenientes do AHRS e
processados através de microprocessadores para
o funcionamento correto do AMORTECEDOR
DE GUINADA (Yaw Damper) e coordenação
de curva.
A operação do compensador é feita através
do servo compensador do profundor. A
excitação para o servo é fornecida pelas chaves
do compensador do profundor, o qual permite o
ajuste manual através do sistema do
compensador elétrico ou através do APC65B
para a atuação automática do compensador do
profundor com o piloto automático engajado.
Painel do Piloto Automático – É um painel
montado através de “DZUS”, ao pedestal de
manetes, provido de controles do piloto
automático e de anunciadores.
O painel do piloto automático (APP65A) é
interligado, no sistema do piloto automático
(APS65), ao computador do sistema (APC65B)
e ao painel de controle de vôo (FCP65).
O painel possui as teclas AP ENG, YAW
ENG, SR e 1/2 0 , os controles de inclinação
lateral (TURN) e vertical (DN / UP).
Possui também, na parte superior, o
anunciador Queridos pais, fornece indicações
contínuas da operação do sistema.
VOR / LOC (V / L).
GLIDESLOPE (GS).
MARKER BEACON (MB).
Rádio Altímetro.
Os componentes do computador do piloto
automático mostrado na figura 19-63, são
divididos em duas partes:
•
Um computador de comando do diretor de
vôo, composto basicamente de um microprocessador 6802.
• Quatro
cartões
independentes
nos
computadores dos servos, um para cada
canal(arfagem,
rolamento,
guinada
e
compensador elétrico), baseados em microprocessadores 6502.
A função de cada tecla e controle do painel do
piloto automático são descritos a seguir.
Tecla YAW ENG – Engaja e desengaja o servo
do leme.
19-52
Figura 19-63 Diagrama bloco do computador do Piloto Automático.
Tecla AP ENG – Engaja todos os servos do
piloto automático, incluindo o do leme e o servo
do compensador do profundor (TRIM) e
desengaja todos os servos do piloto automático
exceto o do leme. O servo do leme será
desengajado quando a tecla YAW ENG ou os
interruptores do desengajamento do sistema,
localizado no manche, forem acionados.
Tecla SR – Ativa o modo SOFT-RIDE no
computador do piloto automático para fornecer
19-53
O anunciador DIS piscará por 5 segundos e
apagar-se-á. O anunciador também iluminará
quando o amortecedor de guinada estiver
engajado e o botão SYNC for pressionado.
AP (verde) – Indica que o piloto automático
está engajado.
DIS (AP) (âmbar) – Indica que o piloto
automático está desengajado. O anunciador DIS
piscará por 5 segundos e apagar-se-á. O
anunciador também iluminará quando o piloto
automático estiver engajado e o botão PILOT
AUTOM SYN for pressionado.
T (âmbar) – Indica falha do servo do
compensador do profundor (TRIM).
AP (vermelho) – Indica falha do piloto
automático.
A (âmbar) – Indica falha do servo do aileron.
R (âmbar) – Indica falha do servo do leme.
E (âmbar) – Indica falha do profundor.
1/2 Ø (verde) – Indica que o modo HALFBANK foi selecionado.
SR (verde) – Indica que o modo SOFT-RIDE
foi selecionado.
TRIM (vermelho) – Indica falha do sistema do
compensador do profundor.
TRIM (branco) – Indica que o sistema do
compensador
está
em
operação.
incrementos que suavizem o comando do avião,
melhorando o conforto dos passageiros durante
condições de turbulência.
Tecla 1/2 Ø – Ativa o modo HALF-BANK,
limitando o comando do ângulo de inclinação
num limite de metade do valor normal. Pode ser
selecionado em conjunto com os modos HDG e
rolamento básico.
Controle vertical DN/UP – Proporciona o
controle manual do eixo de arfagem quando o
piloto automático está engajado. É um controle
balanceado através das molas com duas
posições de contatos momentâneos (DN e UP),
e é atuado quando mantido em uma das
posições por mais de um segundo.
Controle L/R (TURN) – Controla o ângulo de
inclinação
lateral,
sendo
esse
ângulo
proporcional ao deslocamento do botão de
rolamento.
Os anunciadores do painel do piloto
automático são codificados através de cores
para melhor reconhecimento do estado do modo
selecionado:
YAW (verde) – Indica que o amortecedor de
guinada está engajado.
DIS (YAW) (âmbar) – Indica que o
amortecedor de guinada está desengajado.
Figura 19-64 Painel do Piloto Automático
.
Painel de Controle de Vôo – O painel de
teclas do tipo “pressiona-liga / pressionacontrole de vôo FCP 65 é instalado com “dzus”,
desliga”, com indicação da função selecionada,
usado para selecionar e mostrar os modos de
apresentada pelo anunciador de modos na parte
operação do diretor de vôo ou sistema do piloto
superior do próprio painel e pelos repetidores
automático. O painel de controle FCP 65
anunciadores de modo MAP 65, localizados no
provê a seleção de modo de operação através de
painel de instrumentos.
19-54
B/C – Seleciona o modo aproximação pelo
curso reverso.
ALT SEL – Seleciona o modo altitude préselecionada.
IAS – Seleciona o modo velocidade do ar,
indicada.
VS – Seleciona o modo velocidade vertical.
CLIMB – Seleciona o modo subida.
DSD – Seleciona o modo descida.
TEST – Ativa o procedimento de autoteste e
seleciona o modo diagnóstico, constituído de
uma lâmpada-teste e outras rotinas, que podem
ser executadas em solo como ajuda na
manutenção. O modo teste pode ser usado
quando em vôo, porém o botão TEST deve ser
pressionado e mantido até a leitura do
diagnóstico, e então liberado.
A seleção de modos através do painel de
controle é interligada ao computador do piloto
automático AP 65B, para assegurar que somente
modos compatíveis são selecionados ao mesmo
tempo.
O painel de controle de vôo também envia
os comandos do piloto automático para o
computador do piloto automático e a lógica do
modo de controle de vôo para outros
equipamentos no sistema.
A função de cada botão no painel de
controle de vôo FCP 65 é descrita a seguir:
HDG – Seleciona o modo proa(HEADING).
NAV – Seleciona o modo navegação.
APPR – Seleciona o modo aproximação.
ALT – Seleciona o modo altitude.
Figura 19-65 Painel de controle de vôo.
Painel anunciador de modos – O painel MAP 65
possuem codificação através de cores para
provê uma completa apresentação de todas as
melhor reconhecimento do estado do modo.
funções do piloto automático, através de
As cores são:
anunciadores de modo e anunciadores que
VERDE – Para condição ativa;
indicam a passagem pelos sinais dos marcadores
BRANCO – Para condição armada;
interno, intermediário e externo. Os anúncios
VERMELHO – Para condição de falha..
Figura 19-66 Anunciador de modos.
19-55
ANUNCIADOR
HDG
NAV
APPR
GS
AP
ALT
IAS
VS
DSC
GA
CLM
YAM
DR
ARM
B/C
DIS
ALT ARM
AP
TRIM
TRIM
1/2Ø
S/R
OM
MM
IN
CONDIÇÃO PARA ATIVAR
COR ATIVA
Mostra a proa selecionada. Iluminará
automaticamente se NAV, APPR ou B/C
Verde
forem selecionados, mas não ocorrerá
captura.
Seleção do modo NAV.
Verde
Seleção do modo APPR.
Verde
Indica captura GLIDESLOPE.
Verde
Indica PA engajado.
Verde
Seleção do modo ALT HOLD ou após
Verde
captura de ALT SEL.
Seleção do modo velocidade do ar (IAS).
Verde
Seleção do modo velocidade vertical.
Verde
Seleção do modo descida
Verde
Indica que o sistema está no modo
Verde
arremetida.
Seleção do modo CLIMB
Verde
Indica que o canal guinada está engajado.
Verde
Indica computação mantida no cone de
Verde
silêncio sobre o VOR.
Indica condições de modo armado para
captura.
Indica condição do modo reverso.
Verde
Anuncia que YAM e AP foram desengajados.
Piscará por aproximadamente 5 segundos.
Durante o tempo em que a chave SYNC
Âmbar
estiver pressionada o DIS estará aceso.
Quando a chave SYNC for liberada, o
anunciador apagará.
Mostra que a altitude pré-selecionada está
Verde(ALT)
armada para a captura automática.
Indica falha entre funções duplas de segurança. Piloto automático desengaja automáticamente.
Indica falha do servo do compensador no
piloto automático ou operação elétrica
manual.
Indica movimento do servo do profundor
para operação do piloto automático.
Indica seleção de modo HALF BLANK.
Indica seleção de modo SOFT-RIDE
Indica passagem sobre o marcador externo
(MAP) somente.
Indica passagem sobre o marcador intermediário (MAP somente).
Indica passagem sobre o marcador externo
(MAP somente).
COR ARM
Branco
Branco
(ARM)
Vermelho
Vermelho
Branco
Verde
Verde
Âmbar
Âmbar
Branco
Esta tabela mostra a relação dos anunciadores do MAP 65 e do FCP 65.
19-56
COR
ALARME
Sensor de dados do ar
– É um sensor utilizado para converter as
variações de pressão estática e dinâmica em
sinais analógicos usados pelo sistema de piloto
automático ou diretor de vôo.
O sensor de dados do ar fornece
informações de velocidade do ar, altitude
barométrica, velocidade vertical, altitude
indicada, e erro de velocidade vertical indicada
usadas no computador do piloto automático ou
no computador do diretor de vôo.
O sensor de dados do ar possui capacidade
de sincronização interna e contém circuitos
internos de autoteste para auxiliar na pesquisa
de panes.
As saídas do sensor de pressão fornecem
sinais analógicos para o controlador diretor de
vôo ou computador do piloto automático, com
informações de velocidade do ar (proveniente
do sensor de pressão diferencial) e altitude
barométrica (proveniente do sensor de pressão
absoluta).
A informação de velocidade vertical é
derivada da razão de variação do sinal de
altitude barométrica.
Chaves e botões externos:
Botão PILOTO AUTOM SYNC – Localizado
no manche, permite manobras da aeronave para
nova altitude, sem desengajar o piloto
automático.
Botão ARREM – Localizado na manete de
potência, permite selecionar o modo arremetida.
Botão PILOTO AUTOM DESC – Localizado
no manche, permite desengajar o piloto
automático rapidamente.
Botão COMP / PROF – Localizados no
manche, comandam o motor do servo do
compensador do profundor.
Interruptor SEL NAV / HDG PA – Seleciona a
fonte de navegação (HPU1 ou HPU2) a qual o
piloto automático irá acoplar. O circuito possui
um circuito de proteção que impede a mudança
de fonte pelo interruptor, enquanto o piloto
automático estiver acoplado.
Figura 19-67 Comandos externos do piloto automático.
19-57
Operação
Engajamento - As teclas de ação momentânea
(pressiona-liga/pressiona-desliga) do painel do
piloto automático são utilizadas para engajar os
três eixos do piloto automático e o comando
automático do servo do compensador do
profundor.
Nota - Caso ocorra uma condição insatisfatória,
a bandeira do computador aparecerá no
ADI.
As seguintes funções são monitoradas pelo
computador:
• Monitoramento da informação de atitude.
• Validade do receptor de navegação.
• Validade do receptor de GLIDESLOPE.
• Fluxo do programador do microcomputador.
• Corrente do servomotor e razão do comparador.
• Monitoramento do ADS.
O engajamento não ocorrerá se a atitude
do avião exceder 30º em arfagem e 45º de
rolamento. Se o piloto automático já estiver
engajado, nestas condições ele será desengajado
automaticamente. Se o piloto automático estiver
engajado e for usado o modo SYNC, para
pilotar a aeronave, além de seus limites de
arfagem e rolamento, a aeronave retornará ao
limite máximo quando o botão PILOTO
AUTOM SYNC for solto.
Nota: O limite de comando de atitude para
inclinação é de ± 30º no modo básico de
arfagem / inclinação (PITCH / BANK) e 25º nos
modos laterais (exceto após a captura do feixe
de GS, o qual prevê 15º de comando de
inclinação), sendo que o limite de comando de
arfagem é de +20° e –10°.
Modos laterais
– Quando os modos laterais não são
selecionados no painel de controle de vôo FCP
65, o engajamento do piloto automático será no
modo básico. O modo básico lateral do piloto
automático é acionado através do botão de
controle TURN (L / R), que comanda
suavemente o ângulo de inclinação do avião,
proporcional ao deslocamento do botão.
Quando o botão está na posição central
(DETENT),
a
tensão
enviada
pelo
potenciômetro (acoplado ao controle TURN) do
computador do piloto automático é de 0 VCC e
19-58
portanto 0º de inclinação, fazendo com que o
sistema mantenha as asas niveladas.
Os modos laterais para operação com o
sistema de Piloto automático/Diretor de vôo são
os seguintes:
Nota – Quando um dos modos laterais é
selecionado, as barras de comando
aparecem no ADI.
HDG (proa) – Quando o modo HDG é
selecionado com o sistema do piloto automático
engajado, este comandará o vôo da aeronave, e
manterá fixada no índice de proa, no indicador
de situação horizontal eletrônico (EHSI). Para
operação correta o índice de proa não deve ser
indicado, mais que 135º da proa do avião,
quando o modo HDG é selecionado.
NAV (navegação) – Quando o modo NAV é
selecionado com o modo HDG pré-selecionado,
os anunciadores HDG verde, NAV verde e
ARM branco, se iluminarão; e o ponteiro de
curso, no EHSI deve estar posicionado para o
curso desejado. Nesta condição, o sistema
intercepta e captura o curso de VOR ou LOC, e
o modo HDG então se desacoplará; os
anunciadores HDG e ARM apagar-se-ão e a
aeronave girará para o curso central do feixe
(VOR ou LOC). Vento cruzado de até 45 graus
é automaticamente computado após a captura do
curso.
APPR (aproximação) – O modo APPR pode
ser usado quando uma aproximação ILS é
desejada.
Aproximação VOR – Quando o receptor NAV
é sintonizado para uma frequência de VOR e o
modo APPR é selecionado, o sistema entra por
si só no submodo NAV-ARM, para um dos
ângulos de captura, similar ao modo NAV.
Nesta condição, o computador seleciona o
ganho interno e provê o comando de direção
para os submodos de captura e curso.
No espaço de tempo sobre a estação, o
sistema é provido com o mínimo de sinal
requerido para o piloto fazer alguma mudança
necessária de curso, para uma aproximação
VOR de vento a favor.
Neste submodo a operação GLIDESLOPE
é desativada e o sistema anunciará o APPR,
ARM e DR (zona de silêncio), a cada estágio
apropriado de aproximação.
Aproximação ILS – O sistema de direção de
vôo configura uma total aproximação ILS
quando o receptor NAV é sintonizado a uma
frequência LOC com o modo APPR
selecionado.
A operação LOC é similar à descrita para
o modo NAV, exceto que os canais apropriados
são providos no computador (curso e captura),
permitindo operação adaptada para o feixe
geométrico do LOC. Quando o sistema está
preparado para rastreamento, o anunciador GS
ARM no painel de controle iluminará, indicando
que o sistema está em captura do feixe do
Glideslope.
Quando no modo Glideslope, qualquer
outro
modo vertical selecionado será
automaticamente desativado.
AUTOM SYNC, um sinal de sincronismo é
aplicado ao computador, que interrompe o
engajamento da embreagem dos servos.
Soltando o botão PILOTO AUTOM SYNC, é
liberado o reengajamento dos servos através do
computador que volta a comandar a atividade do
modo lateral e sincronismo do ângulo de
arfagem para a presente condição. O retorno da
atividade do modo lateral é reforçado pelo
comando do circuito de suavização.
Aproximação BACK-COURSE (Reverso) –
Este modo é similar ao modo aproximação ILS,
exceto que com o modo B / C selecionado, o
anunciador B / C iluminará e a operação
Glideslope é bloqueada. Os anunciadores B / C,
APPR e ARM são ativados neste modo, em
estágios apropriados de aproximação.
Modos verticais – Quando um modo lateral é
selecionado no diretos de vôo e o piloto
automático é engajado sem que um modo
vertical esteja selecionado, comandos são
fornecidos pelo computador para manter a
presente condição de arfagem no instante da
seleção do modo.
Se o modo lateral é cancelado e o piloto
automático permanece engajado, ou quando o
piloto automático é engajado sem que os modos
laterais estejam selecionados, o sistema mantém
o avião fixo na presente condição de arfagem.
Através do controle vertical DN / UP,
localizado no painel do piloto automático APP
65, é possível fornecer incrementos à atitude
vertical, de maneira a provocar uma primeira
mudança de arfagem ou uma razão constante de
arfagem se o controle for mantido acionado por
mais de um segundo. Os incrementos fornecidos
são:
ALT – Quando o modo ALT (altitude) é
selecionado, o piloto automático, em conjunto
com o sensor de dados do ar, provê comandos
ao sistema para manter a altitude selecionada pR
o avião, no momento da seleção do modo.
Os desvios de altitude, no instante em que
o modo foi selecionado, são apresentados no
ADI como comando de arfagem.
Durante uma apresentação com altitude
pré-selecionada, a velocidade vertical será
reduzida para 500 pés/minuto ou menos, até a
altitude requerida ser alcançada. Nestas
condições, o anunciador ALT (verde) iluminarse-á. O modo ALT pode ser cancelado se os
modos IAS ou VS forem selecionados, ou se o
botão ALT for pressionado novamente.
Nota – O piloto automático mantém a aeronave
na altitude selecionada pela mudança de
arfagem da mesma. O piloto deve
manter suficiente potência ajustada para
garantir uma velocidade de segurança.
Os seguintes modos verticais podem ser
selecionados para o sistema de Piloto
automático/Diretor de vôo:
•
Modo Básico – 0,5 grau por passo ou 1 grau
por segundo, continuamente pressionando a
chave.
• IAS – 1 nó por passo.
• ALT – 25 pés por passo.
• V / S – 200 pés / min por passo.
O sistema de sincronização permite ao
piloto sobrepujar os controles através do botão
PILOTO AUTOM SYNC localizado no
manche. Quando pressionado o botão PILOTO
19-59
PITCH –
O
computador
APC
65
permanece
automaticamente no modo PITCH HOLD,
quando o modo vertical não é selecionado. O
dado de arfagem presente é verificado e
armazenado pelo computador para gerar
comandos de direção de arfagem para manter a
aeronave no novo ângulo de arfagem
referenciado.
A referência do ângulo de arfagem pode
ser modificada pelo botão PILOTO AUTOM
SYNC no manche. Este botão quando
pressionado, interrompe a entrada do
computador e desengaja o piloto automático
momentaneamente, para permitir ao piloto o
controle da aeronave manualmente.
As barras de comando do ADI então
provêem comando para manter a nova
referência de atitude de arfagem.
Com um modo vertical selecionado (ALT,
IAS ou VS), a operação do botão SYNC cancela
o modo vertical e sincroniza o sistema com a
presente atitude de arfagem.
O botão PILOTO AUTOM SYNC quando
pressionado, não cancela o modo vertical
durante o rastreamento do Glideslope.
Quando o botão PILOTO AUTOM SYNC
é liberado, o piloto automático reengaja e o
computador auto-sincroniza o presente (novo)
ângulo de arfagem. Os comandos de atitude de
arfagem são referenciados para o novo ângulo
de arfagem.
IAS – O modo IAS (Velocidade do ar indicada)
provê comandos para manter a aeronave a uma
velocidade de referência, como a presente no
tempo da seleção do modo. O sistema provê
comando para o piloto automático, o qual
mantém a velocidade de referência da aeronave
no momento da mudança de atitude de arfagem.
Estes comandos são apresentados pelas barras
de comando do ADI. Neste modo, o anunciador
IAS (verde) ilumina-se no painel de controle de
vôo. O modo IAS pode ser cancelado pela
seleção dos modos ALT ou VS, ou –
pressionando-se o botão IAS outra vez, ou ainda
pelo uso do botão SYNC no manche.
O modo IAS pode ser selecionado durante
todos os modos de operação, exceto após a
captura do Glideslope no modo APPR.
VS – O modo Velocidade Vertical provê
comandos para manter a aeronave na velocidade
vertical presente no momento da seleção do
modo. Neste modo o anunciador VS (verde)
ilumina-se no painel de controle de vôo. O
modo VS pode ser cancelado selecionando-se os
modos ALT ou IAS, ou pressionando-se o botão
VS outra vez ou ainda pressionando-se o botão
SYNC no manche. O modo VS pode ser
selecionado durante todos os modos de
operação, exceto após a captura de Glidespote
no modo APPR.
ALT SEL – O modo Altitude Pré-selecionada
trabalha em conjunto com o sistema Altitude
Alerta. Quando o ALT SEL é selecionado, o
sistema é armado para prover comando, o qual
dirige a aeronave para a altitude préselecionada. Ao alcançar a altitude préselecionada, o sistema automaticamente comuta
para o modo ALT HOLD, e então funciona
19-60
como se tal modo tivesse sido selecionado no
painel. Os anunciadores ALT (verde) e ARM
(branco) se iluminarão.
GA – Arremetida (Go Around)
Nota – O modo Arremetida (GA) pode ser
selecionado a qualquer tempo, bem
como interromper a aproximação. O
sistema do piloto automático permite
aos pilotos escolher uma arremetida
(GA) desacoplada usando somente o
Diretor de Vôo.
O modo Arremetida (GA) é um modo de
cabrar fixado em sete graus de arfagem, o qual é
selecionado pressionando-se o botão ARREM,
localizado na manete de potência. O modo
arremetida (GA), com o PA desacoplado, pode
ser selecionado em qualquer modo lateral,
quando usando diretor de vôo e é cancelado pela
seleção de um modo lateral. O modo
Arremetida (GA), com PA engajado, poderá ser
acoplado somente no modo aproximação
(APPR) e desacoplado como no caso do diretor
de vôo. O sistema é internamente sincronizado
para a atitude de arfagem da aeronave, no
período de arremetida e manterá o comando do
ângulo de arfagem após ter sido selecionado um
modo lateral.
A operação do botão PILOTO AUTOM
SYNC cancelará o modo GA e sincronizará o
comando vertical à altitude da aeronave.
O reengajamento do piloto automático
durante a condição de arremetida (GA), cancela
este modo e sincroniza os comandos do piloto
automático para o ângulo de arfagem da
aeronave no instante do engajamento e mantém
a asa nivelada.
CLIMB (subida) – Antes de selecionar o modo
CLIMB, a altitude desejada deve ser
selecionada no pré-seletor de altitude. Quando o
modo CLIMB é selecionado, o piloto
automático começa uma subida gradual,
estabilizando-se em uma velocidade indicada,
definida pelo perfil de subida. Este perfil é uma
constante de 155 KIAS até 20.000 pés e
decresce com uma razão de aproximadamente
2 kts / 1000 pés para 140 KIAS até 27.500 pés.
Quando a altitude é capturada, o sistema
engaja automaticamente o modo de altitude
HOLD (ALT) e o modo CLIMB é cancelado.
Os anunciadores CLM e ALT ARM acendem
quando o modo é selecionado.
Nota – Se o modo CLIMB for selecionado a
uma velocidade abaixo da padrão do
perfil de subida, o piloto automático
diminuirá a razão de subida para 50
pés por minuto de modo a aumentar a
velocidade aerodinâmica do perfil de
subida.
O
piloto
tem
a
responsabilidade de manter a potência
adequada para garantir um perfil
padrão de velocidade de subida.
DSC (descida)
– Antes de selecionar o modo DSC, a altitude
desejada deve ser selecionada no pré-seletor de
altitude.
Quando o modo de descida (DSC) é
selecionado, o piloto automático começa a
descida gradual, estabilizando em uma razão
média de 2000 pés por minuto.
O piloto pode variar a razão de descida
operando a chave do controle vertical (DN /
Luz anunciadora
AP
DIS(AP)
YAW
DIS (YAW)
HDG
NAV
ARM (NAV)
DR
B/C
ALT
ALT / ARM
GS
ARM (GS)
IAS
GA
TRIM
UP). Os anunciadores DSC e ALT ARM
acendem quando este modo é selecionado.
Teste do sistema
Teste no solo – Ao pressionar-se o botão TEST,
no painel de controle de vôo FCP65, todos os
anunciadores de modo iluminam-se e apagam
dentro de alguns segundos, ficando aceso
apenas o anunciador GA, indicando não uma
falha, mas uma condição perfeita de teste no
solo. Ao pressionar o botão TEST novamente, o
anunciador GA apaga-se.
Teste em vôo – É realizado pressionando-se
continuamente o botão TEST. Todos os
anunciadores se acendem, e se apagam em
seguida , exceto em caso de falha. Liberando-se
o botão TEST, os anunciadores voltam à
condição normal de vôo.
BANDEIRAS DO MONITOR DO DIRETOR DE VÔO
Indicação
Falha do Servo de Arfagem
Falha do Servo de Rolagem
Falha do Servo do Compensador
Falha do Servo de Guinada
Falha do Cartão Compasso
Falha do Giro
Falha do Monitor do Giro Cosseno
Falha dos Sensores de Dados Ambientais
Falha do Temporizador do Computador
Falha de Energia Elétrica no Computador
Falha da Barra Serial de Dados do Computador
Falha da Memória do Computador ou Controle Seqüencial de Espera
Falha do Comando Integrado de Arfagem e Rolamento
Falha da Razão do Teste do IAS
Indicador de Teste de Solo (não indica falha)
Falha do Pré-engajamento
Cor
Verde
Âmbar
Verde
Âmbar
Verde
Verde
Branca
Verde
Verde
Verde
Verde
Verde
Branca
Verde
Verde
Branca
SISTEMA DE REFERÊNCIA DE ATITUDE
E PROA
aeronave possui dois sistemas idênticos e
independentes.
O Sistema de Referência de Atitude e Proa
COLLINS AHRS-85, sente a velocidade
angular e a aceleração linear sobre os três eixos
do avião e processa esses dados, juntamente
com a informação de compensação do diretor de
fluxo, a fim de fornecer a indicação de atitude e
proa do avião.
O sistema envia sinais para o piloto
automático, diretor de vôo, radar e RMI. A
Descrição e localização dos componentes
19-61
Cada AHRS consiste de:
Um computador AHC-85, instalado no
compartimento eletrônico.
• Uma unidade detectora de fluxo FDU-70,
instalada na ponta da asa.
• Uma unidade de controle de compensação
CCU-65, instalada no painel principal.
•
Figura 19-68 Localização do Computador AHC-85
Figura 19-69 Localização do Detector de Fluxo FDU-70
19-62
Figura 10-70 Localização da Unidade de Controle e Compensação CCU-65
Computador de Atitude e Proa – O AHC-85
fornece a orientação do avião, gerando uma
velocidade angular e uma aceleração linear,
através de seus elementos sensores.
O AHC compreende dois sensores
inerciais, computação e circuito I/O, necessários
para gerar saídas analógicas e digitais.
Os dois sensores inerciais recebem energia
e excitação do motor, independentemente. A
operação dos sensores é baseada no uso de
acelerômetros piezoelétricos. Cada sensor
contém quatro elementos piezoelétricos os
quais, montados em uma estrutura giratória de
velocidade constante, fornecem sinais de
velocidade e aceleração.
Dois elementos sensores de velocidade,
montados ortogonalmente em um eixo giratório,
19-63
medem a velocidade angular e dois elementos
sensores de aceleração, montados ao longo do
eixo giratório do conjunto sensor, medem a
aceleração linear.
Um sensor mede a razão de inclinação e
guinada, PITCH e YAW e o outro mede o
rolamento e guinada, ROLL e YAW.
Deste modo, o único risco de perder a
informação de proa é a falha de ambos os
sensores.
O AHC-85 recebe sinal do detector de
fluxo - FDU e do sensor de dados do ar – ADS.
Cada computador recebe um sinal
indicador de condição de vôo ou de solo, de um
sensor, instalado no amortecedor do trem de
pouso (esquerdo e direito), para determinar o
tempo de inicialização do sistema.
•
Cada computador envia os seguintes
sinais:
• Sinal discreto de validade de atitude (ATTVALID) para o computador do piloto
automático.
• Sinal discreto de validade de proa (HDGVALID) para o computador do piloto
automático, unidade de processamento HPU74 e RMI-36.
• Sinal síncrono de proa para o RMI-36.
• Sinais de rolamento e arfagem, razão de
rolamento, razão de arfagem, razão de curva,
aceleração normal, aceleração lateral para o
computador do piloto automático.
• Sinais de excitação para o detector de fluxo
FDU-70 e unidade de controle e
compensação CCU-65.
Sinal para a respectiva lâmpada de teste, de
modo a indicar aos pilotos que o computador
está realizando seu teste interno.
Somente o AHC 1 envia sinais de arfagem
e rolamento para estabilização da antena de
radar RDS 82.
A alimentação do AHC 1 é feita pela barra
de emergência, enquanto que, o AHC 2 é
alimentado pela barra principal. No caso da
tensão em qualquer das barras cair abaixo dos
valores normais, a bateria de emergência
assume a alimentação do AHC, até que a tensão
primária volte ao valor normal.
A alimentação de 28 V/400 Hz do AHC 1
é feita pela barra de emergência enquanto que o
AHC 2 é alimentado pela barra principal.
Figura 19-71 Computador de proa e atitude AHC-85
19-64
Unidade detectora de fluxo – O detector de
fluxo FDU-70, é um sensor que consiste de duas
bobinas montadas ortogonalmente, suspensas,
no plano horizontal. Este sensor percebe e
converte a componente horizontal do campo
magnético da terra, em sinais elétricos, como
componentes de seno e cosseno.
O computador envia um sinal de excitação
às bobinas do detector de fluxo e processa a
saída do detector, a fim de obter informação de
proa magnética.
As detectoras de fluxo estão instaladas
uma em cada ponta de asa, alinhada com o eixo
longitudinal do avião.
Figura 19-72 Detector de fluxo
Unidade de Controle e Compensação – É uma
unidade usada para controle e compensação do
sistema. Estas unidades estão instaladas no
painel principal, uma para cada piloto.
A CCU-65 possui ajustes do SLAVE, um
botão (Push-button) do modo de operação DG,
um INDICADOR SLAVE e dois PUSHBUTTONS SLEW.
19-65
a) Ajustes de SLAVE – São três
potenciômetros
usados
para
compensação do sistema compasso. A
unidade possui seis pontos de testes que
auxiliam na compensação.
b) Botão do modo DG (Giro Direcional) –
Seleciona, no AHC-85, dois modos de
operação do giro, o DG ou modo
SLAVE. Quando selecionado o modo
DG, o PUSH-BUTTON iluminar-se-á, e
a informação do detector de fluxo não é
utilizada. No modo SLAVE, o giro é
acoplado ao detector de fluxo.
c) Indicador de SLAVE – Fornece uma
indicação
visual do
estado
de
escravização do giro dentro do AHC-85,
com respeito ao campo magnético
sentido pelo detector de fluxo FDU-70.
Após o modo SLAVE ter sido
selecionado, A agulha do indicador de
SLAVE oscila em torno da posição
central. Após o modo DG ter sido
selecionado, a agulha move-se para a
esquerda ou para a direita, indicando a
direção do erro ocorrido.
d) Botão SLEW – São usados para
correções periódicas do desvio do giro e
serão operados somente quando o modo
DG for selecionado.
e)
Figura 19-73 Unidade de controle e compensação CCU-65
Figura 19-74 Controle de compensação e pontos de testes –CCU-65
19-66
Operação do sistema
Os sistemas de atitude e proa são
energizados desde que as barras de 28 VCC
(principal e emergência) e as barras de 26 VCA
(emergência e principal) estejam energizadas e
os respectivos disjuntores pressionados.
Em aproximadamente 70 segundos as
bandeiras vermelhas de proa (HDG) e atitude
(ATT-FAIL) desaparecem e as informações de
validade de atitude e proa são fornecidas no
EADI e EHSI.
O sistema opera não escravizado pelo
detector de fluxo. Ambos os modos de operação
são selecionados através do PUSH-BUTTON
DG, na unidade de controle e compensação
CCU-65.
a) Operação com Giro Escravizado (GIRO
SLAVE) – Em condição normal, o
sistema permanece acoplado ao detector
de fluxo. No modo SLAVE, o PUSHBUTTON DG, não é iluminado; um
sinal é enviado para o computador, o
qual utiliza informação do detector de
fluxo. A indicação de giro escravizado é
mostrada através da agulha do medidor,
a qual oscila em torno da posição
central.
b) Operação Giro não Escravizado –
Quando o PUSH-BUTTON DG é
pressionado ele ilumina-se e um sinal é
enviado ao computador, o qual não
utiliza o sinal do detector de fluxo.
Quando o giro não é escravizado,
apresenta erros que exigem correções
periódicas. Esses erros são manualmente
corrigidos através dos botões SLEW de
ação momentânea. O botão SLEW da
esquerda deve ser pressionado caso a
agulha, no medidor, apresente um erro à
direita. O botão SLEW da direita deve
ser pressionado quando a agulha, do
medidor, apresentar um erro para a
esquerda.
Figura 19-75 Diagrama de bloco do sistema de proa e atitude AHS-85
19-67
•
Verificação Operacional do Sistema - Esta
verificação é feita para confirmar se os
componentes do sistema estão operando dentro
das faixas de tolerância prescritas. O teste
verifica
se
as
indicações
direcionais
correspondem às posições reais do avião, se
estão dentro das tolerâncias e se os tempos de
recuperação estão dentro dos padrões. Esta
verificação deve ser feita nos dois sistemas
AHRS e, numa área livre de interferências
magnéticas externas como hangares, ductos de
ferro, rede elétrica, etc.
Nota: Para a verificação operacional do sistema,
é necessário utilizar a fonte estabilizada
28VCC.
1 – Conecte ao avião uma fonte externa de 28
VCC.
2 – Verifique se a chave BATERIA EMERG.
no painel de instrumentos, está em DESL.
3 – Posicione a chave SELETOR BATERIA, no
painel superior, para FONTE EXTERNA
e verifique se a luz situada logo acima da
chave acende, indicando que a fonte
externa alimenta a barra principal.
4 – Arme os seguintes disjuntores, no painel
esquerdo de disjuntores: HPU 1 e HPU 2,
EFD 1 e EFD 2, ADI 1 e ADI 2, AHRS 1
e AHRS 2 (CC e CA).
5 – Verifique após 70 segundos (período de
inicialização) as seguintes indicações:
• No EFD 1 e EFD 2, o cartão
compasso gira no sentido horário de
360º e a bandeira vermelha HDG
desaparece.
• No ADI 1 e ADI 2 a bandeira
vermelha ATT desaparece, dando
lugar às escalas de PITCH e ROLL.
Nota: Se a tecla DG na CCU-65 estiver
pressionada,
o
período
de
inicialização será de 10 minutos.
6 - Se após o período de inicialização, passo 5,
as bandeiras ATT e HDG permanecem
visíveis, execute os procedimentos a
seguir:
• Desarme os disjuntores CC e CA do
sistema AHRS sob teste.
• Posicione e mantenha pressionada a
chave AHRS TESTE 1 ou 2, no console
lateral direito, para TESTE por 10
segundos e, simultaneamente, rearme
os disjuntores.
19-68
Libere a chave e verifique se a
indicação do item 5 ocorre no EFD e no
ADI do sistema sob teste.
7 – Se após o período de inicialização, passo 5,
somente a bandeira ATT permanece
visível, a instalação do AHC está
incorreta, ocasionando erro de orientação.
Verifique se a lâmpada de aviso COMP
ATTITUDE está acesa.
8 – Remova o painel que dá acesso ao painel de
teste do AHRS, localizado no console
lateral direito. Execute o passo 9 e então
repita os procedimentos do passo 5.
Nota: Quando o AHC-85 está em modo teste, o
anunciador âmbar TESTE AHRS 1 ou
TESTE AHRS 2, no painel de cada piloto
acenderá a inscrição vermelha STIM,
seguida do número de vezes que o botão
AHR TESTE é pressionado, aparece no
respectivo EFD-74. Se a chave AHRS 1
TESTE ou AHRS 2 TESTE for mantida
na posição TEST em qualquer dos passos
seguintes, por mais de 32 segundos, o teste
será repetido e as bandeiras GYRO e HDG
reaparecem.
9 – (1ª pressionada) Posicione e mantenha
pressionada a chave AHRS 1 TESTE para
a posição TESTE e verifique as seguintes
indicações:
• No EFD-74 aparece a bandeira
vermelha HDG por 3 segundos, além
do ponteiro de curso indicar
seguidamente os valores de 15º, 30º e
90º (para a esquerda) e –15º, -30º, -90º
(para a direita).
• No ADI-84 aparece a bandeira
vermelha GIRO por 3 segundos, além
das escalas de PITCH indicarem
seguidamente os valores de 02º, 04º e
12º (para cima) e –02º, -04 e –12º
(para baixo) e de ROLL 05º, 10º e 30º
(para a esquerda) e –05º, -10º e –30º
(para a direita).
10 – Se as indicações de PITCH ou ROLL
forem superiores a 6º, a lâmpada de aviso
amarela COMP ATTITUDE, acende no
painel de instrumentos e, para apaga-la,
basta posicionar e manter a chave COMP
ATTITUDE, situada logo abaixo da
lâmpada, para RESET, e solte-a após
soltar a chave AHRS 1 TESTE.
11 – (2a pressionada) Novamente, posicione e
mantenha pressionada a chave AHRS 1
TESTE para a posição TESTE e verifique
as seguintes indicações:
• No EFD-74 aparece a bandeira
vermelha HDG por 3 segundos, além
do cartão compasso do piloto girar 90º
no sentido anti-horário e o do co-piloto
girar 90º no sentido horário.
• No ADI-84 aparece a bandeira
vermelha GYRO além da escala de
ROLL indicar seguidamente os valores
do item 8.
12 – Repita o passo 9.
13 – (3a pressionada) Novamente, posicione e
mantenha pressionada a chave AHRS 1
TESTE para TESTE e verifique as
seguintes indicações:
• No EFD-74 aparece a bandeira
vermelha GYRO por 3 segundos.
• No ADI-84 aparece a bandeira
vermelha GYRO por 3 segundos, além
da escala de PITCH indicar os valores
do item 8.
14 – Repita o passo 9.
15 – (4a pressionada) Novamente, posicione e
mantenha pressionada a chave AHRS 1
TESTE para a posição TESTE e, verifique
as seguintes indicações;
• No EFD-74 aparece a bandeira
vermelha HDG por 3 segundos, além
do ponteiro de curso indicar
seguidamente os valores do item 8.
16 – Repita o passo 9.
17 – (5a pressionada) Novamente, pressione a
chave AHRS 1 TESTE e libere-a.
Verifique se as bandeiras vermelhas HDG
no EFD-74 e GYRO no ADI-84
desaparecem, além do anunciador AHRS
TESTE 1 se apagar, indicando o fim do
teste.
Nota: Se a chave for pressionada novamente,
recomeçará a sequência de teste, que
deverá ser realizado até o fim para que o
computador saia do modo de teste.
Compensação do AHRS-85 – O sistema deve
ser compensado periodicamente ou sempre que
o detector de fluxo ou a unidade de controle e
compensação forem substituídos ou instalados.
Todos os equipamentos, proteções de painéis e
outros dispositivos, próximos ao detector de
fluxo, devem estar fixos em suas posições
normais de vôo.
19-69
Figura 19-76 Painel AHRS de teste
Todos os controles de vôo devem estar
travados. Todos os objetos magnéticos, do
pessoal envolvido na compensação, devem ser
removidos.
Os ventos devem ter velocidade inferior
a 28 km / h (15 kt), quando da realização da
compensação.
A “rosa-dos-ventos” deve estar aferida,
sendo que o período de aferição da mesma é de
6 meses.
1 – Posicione a aeronave na ”rosa-dos-ventos”
com a proa direcionada para o norte.
Nota: Na ausência da “rosa-dos-ventos”, utilize
uma bússola-padrão, em uma área livre de
interferência magnética, para compensar o
sistema.
2 – Remova o painel do CCU-65
Nota: Os procedimentos descritos a seguir
devem ser feitos, simultaneamente, nos
dois CCU-65. As leituras de prova devem
ser feitas nos correspondentes EFD-74.
3 – Pressione a chave de modo SET UP e anote,
na correspondente coluna da tabela de
compensação, a proa indicada no EFD-74.
Nota: Para fazer esta leitura, o cartão do EFD74 deve estar estabilizado. Caso isto não
ocorra, pressione e solte a tecla DG no
CCU-65 e aguarde até que o cartão se
estabilize.
4 – Solte a chave SET UP MODE, após ter feito
a leitura.
5 – Meça a tensão VCC entre os pontos
VOLTAGE ANALÓGICA SEN (terminal
amarelo) e o MASSA (terminal preto) e
registre
o
valor
encontrado
na
correspondente coluna SEN da tabela de
compensação.
PROA INDICADA
(Graus)
Rosa-dos- EFD EFD
Ventos
1P
2P
Norte
000
TESTE
090
SUL
180
OESTE
270
Média
COMPEN
ÍNDICE
TENSÃO VCC
1P
2P
SEN
COS
SEN COS
Tabela de Dados para Compensação
6 – Meça a tensão VCC entre os pontos
VOLTAGE ANALÓGICA COS(terminal
vermelho) e o MASSA (terminal preto) e
registre
o
valor
encontrado
na
correspondente coluna COS da tabela de
compensação.
7 – Repita os procedimentos descritos nos
passos 3, 4, 5 e 6 para as proas Leste, Sul e
Oeste, registrando os valores encontrados
nas correspondentes colunas da tabela de
compensação.
8 – Calcule o valor médio entre os valores
registrados na coluna SEN (1P) e o valor
médio para a coluna SEN (2P) e registre
os
resultados
na
linha
MÉDIA
correspondente.
9 – Multiplique por 8 os resultados encontrados
no passo8 e registre os valores na linha
COMPEN correspondente.
10 – Proceda analogamente aos passos 8 e 9
para os valores registrados nas colunas
COS (1P) e (2P) e registre os valores
obtidos nas linhas MÉDIA e COMPEN
correspondentes
11 – Meça a tensão VCC entre os pontos de
teste SINAL COMPENSAÇÃO SEN
(terminal branco) e o massa (terminal
preto) e ajuste o potenciômetro
CONTROLE COMPENSAÇÃO SEN até
obter os valores registrados na linha
COMPEN da tabela de compensação, para
cada CCU-65 (1P) e (2P).
12 – Meça a tensão VCC entre os pontos de
teste SINAL COMPENSAÇÃO COS
(terminal verde) e o MASSA (terminal
preto) e ajuste o potenciômetro
19-70
CONTROLE COMPENSAÇÃO COS até
obter os valores registrados na linha
COMPEN da tabela de Dados para
Compensação CCU-65 (1P) e (2P).
13 – Pressione a chave SET UP MODE e ajuste,
caso
necessário,
o
potenciômetro
CONTROLE COMPENSAÇÃO ÍNDICE
até obter a indicação exata de 270º no
EFD-74 correspondente.
14 – Solte a chave SET UP MODE após ter
feito este ajuste.
15 – Meça a tensão VCC entre os pontos
SINAL
COMPENSAÇÃO
ÍNDICE
(terminal laranja) e o MASSA (terminal
preto) para cada CCU-65 (1P) e (2P) e
anote os valores obtidos na linha ÍNDICE
da tabela de Dados para Compensação.
16 - Pressione a chave SET UP MODE.
PROA INDICADA
NA ROSA-DOSVENTOS (Graus)
DESVIO DE PROA
EFD
(1P)
EFD
(2P)
RMI
(1P)
RMI
(2P)
270
315
000
045
090
135
180
225
Tabela de Verificação da Compensação
17 - Verifique os desvios residuais de proa entre
as leituras efetuadas no EFD (1P) e (2P),
RMI (1P) e (2P) e as correspondentes
proas indicadas na rosa-dos-ventos e
registre
os
valores
obtidos
nas
correspondentes colunas da tabela de
Verificação da Compensação. Os desvios
não devem ser maiores que ±2º
Nota: Para fazer estas leituras, o cartão do EFD74 deve estar estabilizado. Caso isto não
ocorra, pressione e solte a tecla DG do
CCU-65 e aguarde até que o cartão se
estabilize. Observar que a posição final
não seja no modo DG.
SISTEMA DE INSTRUMENTAÇÃO DE
VÔO – FIS
Introdução
O sistema de Instrumentação de Vôo –
FIS mostra aos pilotos as indicações essenciais
do sistema de Atitude e Proa AHRS-85 e de
Navegação VOR / ILS.
•
Descrição e localização dos componentes
•
Dois indicadores diretores de vôo
ADI-84
•
Um
computador
comparador
CWC-85
•
Dois indicadores eletrônicos de
vôo EFD-74
•
O Sistema FIS consiste de:
Dois painéis de controle HCP-74
Duas
unidades
HPU-74.
Figura 19-77 Localização do indicador Diretor de Vôo - ADI-84
19-71
processadoras
Figura 19-78 Localização do Computador Comparador de Alarme CWC-85
19-72
Figura 19-79 Localização do Indicador Eletrônico de Vôo EFD-74
19-73
Figura 19-80 Localização do Painel de Controle de Proa HCP-74
19-74
Figura 19-81 Localização da Unidade de Processamento HPU-74
Indicador Diretor de Vôo – ADI-84
Este é um instrumento eletromecânico
alimentado por 26CA.
O indicador Diretor de Vôo é um
instrumento de múltipla função, que fornece
informações de atitude e trajetória de vôo da
aeronave sob a forma de indicações simbólicas e
visão direta. O indicador fornece informações
de arfagem e de rolamento a partir dos dados
19-75
enviados pelo computador AHRS-85. Também
são fornecidas pelo indicador, informações
referentes ao controle manual da aeronave por
parte dos pilotos, baseadas nos sinais enviados
pelo computador APC-65B do sistema de piloto
automático.
O indicador fornece informações do
sistema VOR / ILS a partir dos sinais enviados
pelo sistema VIR-31A.
Figura 19-82 Sistema diretor de vôo
O indicador DIRETOR DE Vôo ADI-84
possui as seguintes funções:
Indicador de atitude – A atitude do avião é
mostrada como uma relação entre o símbolo do
avião representado por um triângulo laranja e
uma fita flexível, que é movimentada em
rolamento e arfagem. A fita é colorida acima e
abaixo da linha do horizonte para representar o
céu e a terra, e é marcada para mostrar ângulos
de arfagem em 5, 10, 15, 20, 30, 50, 70 e 90
graus para cima ou para baixo. O rolamento é
indicado por um ponteiro móvel contra uma
escala graduada em 0, 10, 20, 30 e 60 graus,
fixa.
Barras de comando – Mostra os comandos
direcionais integrados (arfagem e rolamento)
provenientes dos computadores de vôo APC65B. São duas barras amarelas formando a letra
“V” invertida e estão à frente do aviãominiatura. As barras podem desaparecer de vista
no indicador, quando estão fora de uso.
Ponteiro do desvio de GLIDESLOPE – O
ponteiro verde mostra, numa escala branca, o
grau de afastamento do avião em relação ao
feixe eletrônico de GLIDESLOPE.
Ponteiro do desvio de LOCALIZER – O
ponteiro verde mostra, numa escala branca, o
19-76
desvio da aeronave com relação ao feixe
eletrônico do LOCALIZER.
Inclinômetro – Fornece informação adicional
do movimento de inclinação, derrapagem ou
vôo coordenado.
As bandeiras de aviso do ADI-84 são as
seguintes:
Bandeira GS – A bandeira vermelha de aviso
de GLIDESLOPE aparece para indicar que o
sinal de GLIDESKOPE não é confiável. A
escala e o ponteiro ficam obscurecidos
parcialmente pelas letras GS.
Bandeira COMPUTER – A bandeira vermelha
de aviso aparece para alertar ao piloto que as
indicações da barra de comando não são
confiáveis. As barras de comando desaparecem.
Bandeira GYRO – A bandeira vermelha de
aviso indica falta de alimentação de atitude ou
que os circuitos internos apresentam falha ou
ainda que o sinal de monitor não está presente.
Todas as indicações e o ponteiro de rolamento
estarão fornecendo informações não confiáveis.
Obturador do Ponteiro de LOCALIZER – O
obturador, de cor preta, aparece na frente do
ponteiro de LOCALIZER para alertar ao piloto
que o sinal de LOCALIZER está perdido ou o
sinal é tão fraco que a sua indicação não é
confiável.
Figura 19-83 Indicados do Diretor de Vôo ADI-84
19-77
arfagem. Quando um destes comparadores
sentir uma diferença de 6 graus, a saída é
ativada, informando aos pilotos uma possível
falha dos ADIs.
O sistema pode ser testado através de um
interruptor, logo abaixo da lâmpada de aviso e
que possui duas posições. A posição TESTA
simula um erro de arfagem ou de rolamento no
sistema, assegurando que o sistema funciona
corretamente. A posição RESETA apaga a luz
de aviso, todavia se o sistema estiver com
defeito, a luz de aviso permanecerá acesa.
Computador Comparador CWC-85
O computador comparador para alarme
CWC-5 recebe sinais de CA que representam o
seno e o cosseno da diferença do ângulo entre os
dois indicadores diretor de vôo ADI-84.
O
CWC-85
está
instalado
no
compartimento eletrônico. A saída do CWC-85
é utilizada para alimentar a luz de cor âmbar
COMP ATTITUDE.
A saída é um sinal ativo baixo (terra),
composto dos comparadores de rolamento e
Figura 19-84 Computador Comparador para alarme CWC-85
Indicador Eletrônico de Vôo EFD-74
É uma unidade que possui como bloco
principal o tubo de raios catódicos (CRT)
multicoloridos e de alta resolução, existindo
ainda blocos que auxiliam na formação das
imagens que são os amplificadores de áudio e
vídeo e a fonte de alimentação de alta voltagem.
Existem dois indicadores EFD-74, um
para cada piloto, localizados em cada um dos
painéis móveis entre o indicador de vôo ADI-84
e o painel de controle de proa HCP-74. O
indicador eletrônico de vôo recebe os sinais da
unidade processadora HPU-74 para gerar as
imagens que são controladas pelo painel de
controle de indicação eletrônico de proa HCP74. O indicador pode gerar três formatos de
imagens distintas:
Modo HSI – Este modo é selecionado
pressionando-se a tecla DISPLAY HSI no
19-78
painel HCP-74 e, mostra uma rosa-dos-ventos
completa acrescida de dados fornecidos pelo
DME, rumo para a estação selecionada, pontos
de referência e as fontes selecionadas.
O modo HSI apresenta as seguintes
indicações:
• Cartão Compasso – É um cartão
monitorado pelo sistema de referência de
atitude e proa AHRS-85 que consiste de um
limbo de 360º com as letras designativas dos
pontos cardeais, marcas de 30º e marcações
de 45º ao redor da periferia do cartão No
mostrador pode-se ver ainda marcas de
referência, a linha de fé e a aeronave
simbólica.
• Mostrador de Curso Selecionado – O
curso é selecionado no painel HCP-74 e,
mostra a relação do ponteiro de curso com o
cartão compasso e esta informação é repetida
digitalmente no canto superior direito com a
•
•
•
•
•
legenda
CRS.
Esta
legenda
muda
automaticamente para B/C quando é
sintonizada uma frequência de LOCALIZER
e o ponteiro de curso está mais de 105º da
linha de referência.
Anunciador da Fonte de Navegação – A
fonte de navegação é mostrada ao lado do
cartão compasso, no canto inferior direito.
Barra de Desvio de Curso – O desvio do
curso
selecionado
é indicado
pelo
deslocamento lateral da porção central do
ponteiro de curso em relação à aeronave
simbólica e aos quatro pontos de desvio. O
desvio pode ser angular (cada ponto vale 5º)
ou linear (cada ponto vale 5 milhas náuticas),
porém, somente o desvio angular é aplicado à
fonte de navegação VOR.
Indicador TO–FROM – Indica se o curso
de VOR selecionado está indo para ou vindo
de uma estação. A indicação TO-FROM é
representada na tela do EFD-74 por um
triângulo, o qual desaparece quando uma
frequência de LOCALIZER é selecionada.
Indicador de Proa Selecionada – A proa
selecionada é indicada por dois retângulos
adjacentes em relação ao cartão compasso.
Ponteiro de Rumo – É selecionado no
painel de controle HCP-74. A fonte de
navegação primária selecionada aparece no
EFD-74 através de um ponteiro simples e, a
fonte secundária aparece no EFD-74 através
de um ponteiro duplo. A letra que aparece na
porção inferior do ponteiro de rumo
apresenta a fonte de navegação selecionada
(V – VOR, A – ADF, W – ponto de
referência). Toda informação primária
aparece sempre na cor verde e, toda
informação secundária aparece sempre na cor
magenta.
• Desvio de GLIDESLOPE – Esta indicação
é feita por um ponteiro triangular e uma
escala, situados do lado esquerdo do cartão
compasso. A escala é formada por quatro
pontos, separados dois a dois por uma linha
central. O ponteiro e a escala desaparecem da
tela quando a aeronave realiza a operação
curso reverso.
• Anunciador de Distância – Mostra a
distância à estação selecionada de DME ou a
ponto de referência abaixo das letras DME
ou WPT no canto superior esquerdo do EFD74. Quando a função DME HOLD é
selecionada na unidade indicadora IND 41A,
a letra “H” aparece do lado direito da
inscrição DME. Quando a função DME está
em “modo teste” a letra “T” aparece do lado
esquerdo dos dígitos.
• Anunciador de Dados – O anunciador de
dados indica o tempo para a estação (TTG)
ou velocidade relativa ao solo (SPD) no
canto inferior esquerdo, abaixo das letras
TTG ou SPD.
Figura 19-85 Modo HSI do Indicador de Vôo
19-79
Modo ARC – Este modo é selecionado
pressionando-se a tecla DISPLAY ARC no
painel de controle HCP-74. Um formato de
setor de bússola expandida consiste em um
segmento de bússola de 80º no topo do
mostrador, com o símbolo da aeronave na parte
inferior. O curso da aeronave é mostrado pelo
movimento do ponteiro de curso no cartão de
bússola com a barra e escala de desvio perto do
símbolo da aeronave.
As informações que o Modo ARC
apresenta, são as seguintes:
• Anunciador TO-FROM – O anunciador
TO-FROM consiste das letras TO ou FR
acima da indicação digital da fonte de
navegação no canto inferior direito.
• Índice de proa – Quando o índice de proa
estiver fora da escala uma linha de proa
aparece e é rotacionada em torno do símbolo
da aeronave para indicar a posição relativa
•
•
da proa selecionada e é indicada
digitalmente no final do setor de bússola.
Ponteiro de Rumo – O rumo é mostrado
através do ponteiro e digitalmente à
esquerda do centro do setor de bússola com
a informação da fonte de navegação
mostrada acima do anunciador de dados.
Anunciador de Tempo para a Estação
(TTG) e Velocidade Relativa ao SOLO
(SPD) – Opera da mesma forma que o
formato HSI, com a capacidade adicional de
mostrar ambos os dados com as respectivas
letras TTG e SPD, à direita do centro do
setor de bússola. Quando se deseja só uma
informação na tela, basta pressionar a tecla
HSI e, para a troca da informação deve-se
mudar o formato. Quando as informações
não forem confiáveis, aparecerão traços no
lugar dos dígitos.
Figura 19-86 Modo ARC do indicador de vôo
19-80
Modo MAP – Este modo utiliza o mesmo setor
de bússola do modo ARC, todavia provê
indicação de rumo e de distância para a estação
VOR ou ponto de referência selecionado.
O modo selecionado no HCP 74, através
da tecla DISPLAY MAP. As informações que o
modo MAP apresenta são as seguintes:
• Linha de Curso Selecionado – O curso
selecionado é mostrado por uma linha
girando ao redor da estação selecionada ou
do ponto de referência. O curso TO é
representado por uma linha verde sólida e o
curso FROM por uma linha verde tracejada.
Se a distância da estação estiver abaixo do
símbolo do avião, a indicação do tipo “mapa”
é substituída por um ponteiro de rumo.
• Arco de Meia Escala – É o arco que é
interceptado pela linha de curso selecionado
e suas graduações são selecionadas através
da tecla DISPLAY MAP, no HCP-74. O
fundo de escala mostrado é a metade da faixa
selecionada. O final da faixa, não mostrado,
está localizado abaixo das marcas do cartão
da bússola.
• Barra de Desvio Lateral – Só aparece no
EFDD-74 quando uma frequência de ILS é
sintonizada.
• Anunciador de Dados – A seleção da
informação de tempo para a estação (TTG)
ou de velocidade relativa ao solo (SPD), não
pode ser trocada no modo MAP. Porém, esta
informação permanece a mesma como era,
quando o modo MAP foi selecionado.
• Símbolo da Estação – O símbolo aparece
no cruzamento da linha de curso selecionada
e a escala média de distância. A estação VOR
/ DME é representada com um octógono e o
Ponto de Referência é representado por uma
estrela de quatro pontas.
Figura 19-87 Modo MAP do Indicador de Vôo
Bandeiras no EFD-74 – Aparecem quatro
bandeiras de aviso de falha e as informações
inválidas de tempo (TTG), velocidade (SPD) e
de distância (DME) são substituídas por traços.
Existe, ainda, uma lâmpada de aviso
EFD FLAG relacionada ao indicador que está
situada na parte frontal da unidade processadora
HPU-74 que é iluminada quando existe falha no
EFD-74, o que acarreta o apagamento da tela.
As bandeiras de aviso que aparecem na
tela do EFD-74 são as seguintes:
• Bandeira de Aviso HDG – Representa
falha no sistema de referência de proa e de
atitude AHRS-85. A linha de fé é substituída
19-81
por dez segundos e, após esse tempo
permanecem acesas na tela.
• Bandeira de Advertência FAIL –
Representa falha no sistema HPU-74. As
letras amarelas FAIL, contidas num
retângulo amarelo aparecem no canto inferior
direito. Simultaneamente, a lâmpada de aviso
HPU FLAG relacionada à unidade
processadora, situada na parte frontal da
HPU-74, acende para sinalizar a mesma
falha. Todas as bandeiras de aviso nos
formatos HSI e ARC são as mesmas e o
formato MAP não mostra nenhuma bandeira
de aviso.
por um retângulo vermelho contendo as
letras HDG também em vermelho. As letras
piscam por dez segundos e, após esse tempo
permanecem acesas na tela.
• Bandeira de Aviso NAV – Representa falha
no sistema de navegação. Os pontos de
desvio desaparecem e as letras vermelhas
NAV, contidas num retângulo vermelho,
aparecem logo acima do símbolo do avião.
As letras piscam por dez segundos e, após
esse tempo permanecem acesas na tela.
• Bandeira de Aviso GLS – Representa falha
no sistema ILS. A escala e a indicação ILS
são removidas e as letras vermelhas GLS
aparecem no lugar da escala e ficam piscando
Figura 19-88 Bandeiras de aviso e advertência no EFD-74
O botão HDG SYNC, quando
pressionado, alinha o índice de proa com a linha
de fé. O botão CRS monitora as informações de
curso. O botão, quando rotacionado, seleciona
as informações de direção e de distância para
mover o ponteiro de curso no EFD-74.
O botão CRS DIRECT, quando
pressionado rotaciona o ponteiro de curso até a
fonte de navegação selecionada, resultando num
desvio de rota zero.
Painel de controle
O painel de controle de proa está
localizado na parte inferior de cada um dos
painéis móveis, provê controles e comandos
para o EFD-74.
O botão HDG monitora as informações
de proa. Quando este botão é rotacionado,
seleciona as informações de direção e distância
para mover o índice de proa no EFD-74.
19-82
As teclas BRG, NV1, ADF e NV2
selecionam qual indicador de curso está
mostrado no EFD-74. A remoção na tela de um
indicador é feita pressionando-se a tecla
correspondente novamente, ou selecionando
outra fonte de navegação.
Ao pressionar a tecla NV1 uma primeira
vez, o EFD-74 mostra a fonte de navegação
primária e, pressionando-se uma segunda vez, é
removida a informação sendo esta sequência
válida para as teclas NV2 e ADF e para todos os
três formatos.
O controle de intensidade luminosa do
EFD-74 é feito girando-se o botão INT, sendo
que no sentido horário a intensidade luminosa é
aumentada.
O formato que o indicador EFD-74 pode
assumir é selecionado pelas teclas DISPLAY.
São elas:
HSI – Seleciona o formato de 360 graus.
Também controla a seleção TTG ou SPD.
ARC – Seleciona o formato expandido
de 80 graus.
MAP – Acrescenta ao formato ARC os
pontos de rumo e distância da estação
selecionada.
A tecla DISPLAY HSI também é usada
para selecionar a informação de velocidade ao
solo (SPD) ou tempo para a estação (TTG) no
indicador EFD-74, independentemente do
formato em uso.
Figura 19-89 Painel de controle de proa HCP-47
Unidade Processadora
A unidade de processamento HPU-74 é
parte integrante do sistema FIS e tem as
seguintes atribuições:
• Gera sinais de deflexão e vídeo requeridos
na tela do EFD-74.
• Executa a interface entrada / saída com os
demais sistemas da aeronave.
São utilizadas duas unidades de
processamento HPU-74, localizadas no piso
superior do compartimento eletrônico, uma de
cada lado.
A unidade processadora recebe sinais do
painel de controle HCP-47 através do
processador de entrada / saída e seleciona os
dados necessários a serem enviados a um
gerador de caracteres, que irá enviar e monitorar
as imagens reproduzidas na tela do EFD-74.
A fonte de alimentação provê toda a
voltagem necessária não só para o HPU-74,
19-83
como também para os sinais de vídeo e deflexão
enviados ao EFD-74.
As informações da unidade de
processamento HPU-74, seja do piloto ou do copiloto, podem ser transferidas para o
computador do piloto automático APC–65B,
através da chave de transferência PA SEL NAV,
localizada no pedestal de manetes.
A indicação de falha no HPU é
sinalizada por uma luz vermelha, com a
inscrição HPU FLAG, na parte frontal do HPU74 e pela inscrição FAIL na tela do EFD-74. Se
ocorrer falha nos sinais de vídeo e deflexão do
EFD-74, este envia um sinal para o HPU-74,
que irá acender a luz vermelha com a inscrição
EFD FLAG localizada na parte frontal do HPU74.
Operação
O sistema de instrumentos de vôo FIS
mostra aos pilotos as indicações essenciais do
O sistema FIS é alimentado por 26
VCA, 400 Hz e por 28 VCC. Os ADI-84 estão
conectados à barra de emergência 26 VCA, a
HPU-74 do piloto está conectada à barra de
emergência 28 VCC e a HPU-74 do co-piloto à
barra principal 28 VCC. A iluminação dos
painéis HCP-74 é através de 5 VCC.
sistema de atitude e proa AHRSS-85 e de
navegação VOR / ILS.
O computador comparador para alarme
CWC-85 monitora a diferença entre os sinais de
atitude provenientes de cada um dos indicadores
ADI-84 (Diretor de Vôo) e avisa aos pilotos de
uma possível falha dos ADI, quando a diferença
entre os indicadores exceder a um valor prédeterminado.
Figura 19-90 Unidade de processamento HPU-74
19-84
Figura 19-91 Sistema FIS
19-85
CAPÍTULO 20
INTRODUÇÃO AOS COMPUTADORES
controle e processamento de sistemas em geral.
Isto representa um passo decisivo em direção a
uma disseminação extensiva do processamento
de dados nos aspectos mais triviais da vida
moderna.
HISTÓRICO
Um microprocessador é um circuito
eletrônico muito complexo. Consiste em
milhares
de
transistores
microscópicos
compactados em uma minúscula pastilha de
silício (Chip), que na maioria das vezes não
ocupa mais que um oitavo de polegada
quadrada. A pastilha é colocada num invólucro
contendo aproximadamente 40 pinos (ou
pernas).
Os milhares de transistores que
compõem o microprocessador são arranjados
para formar muitos circuitos diferentes dentro
da pastilha. Do ponto de vista de aprendizagem
de como o micro processador opera, os circuitos
mais importantes são os registradores,
contadores e decodificadores.
Um “µp” é uma parte de um
computador, apenas a porção responsável pelo
controle e processamento dentro de um sistema.
Para um computador, é necessário acrescentar
memória para o programa de controle e circuitos
de I/O para a comunicação com equipamento
periférico.
Mais especificamente é o tipo de
processador que pode ser implementado em um
único “chip” LSI (Integração em Larga Escala).
Desde a construção dos primeiros
computadores a válvula, como o UNIVAC I
(1950) o desenvolvimento de sistemas de
processamento de dados tem sofrido uma
evolução
acelerada.
Enquanto
esses
computadores primitivos só podiam ser
justificados como objeto de pesquisa (sem
questionar a validade econômica), os modernos
sistemas revolucionaram praticamente todos os
campos de atividade do homem moderno. Isto
se deveu, unicamente, à evolução da tecnologia
eletrônica do estado-sólido, que reduziu o
tamanho e o custo dos sistemas de computação,
entre inúmeros equipamentos.
Em 1960, o baixo preço dos
computadores justificava o aparecimento dos
computadores de propósito geral, para
processamento de dados.
Atualmente, o advento de microprocessadores permite a aplicação de métodos
computacionais de custo extremamente baixo ao
APLICAÇÕES
Computador de escritório
O baixo custo de um microcomputador
permite a sua utilização em escritórios
comerciais de pequeno porte. O sistema básico
compreende, geralmente, um console de vídeoteclado, uma unidade de disco magnético e
impressora. Aumentando-se o número destes
periféricos, pode-se acompanhar o crescimento
das exigências da automação.
A finalidade deste equipamento é
controlara folhas de pagamento, fazer controle
de estoque, manipular informações de
contabilidade, fazer processamento de texto,
tudo isto aliado à possibilidade de se disseminar
a informação simultaneamente através de
diversos terminais.
Computador pessoal
Atualmente em fase de rápida expansão
no Brasil esta aplicação possibilita trazer a
revolução da informática para o lar. Além de
usar o microcomputador, para jogos eletrônicos,
pode-se fazer o controle dos gastos domésticos,
sistemas de alarme contra roubos etc. Através
da ligação telefônica, o computador pessoal
pode ter acesso a informações tais como cotação
de ações na Bolsa, jornais ou bancos de dados.
Num prazo maior, poderemos fazer encomendas
num supermercado pelo microcomputador,
consultando os preços dos artigos em estoque e
até mesmo trabalhar em casa, enviando e
recebendo informações do computador da
empresa.
Computador de bordo
Microcomputadores são empregados em
sistemas de computação para automóveis,
barcos e aeronaves.
20-1
Quando se levam em conta as técnicas
militares modernas, que exigem a colocação de
ogivas com limite de erro de 20 a 30 metros
após um vôo transcontinental, é enorme a
capacidade de processamento de dados
necessária para os cálculos.
As primeiras experiências militares
mostraram que o problema fundamental da
tecnologia de mísseis estava no fato de que
eram impossíveis correções no seu trajeto após
ter sido feito o lançamento. A primeira grande
conquista deu-se com o desenvolvimento de
sistemas de orientação capazes de calcular a
posição do foguete em relação a um ponto na
superfície (local de lançamento) pela dedução
da distância percorrida e de sua direção. Mas até
mesmo os equipamentos modernos de alta
qualidade estão sujeitos a erros graves.
Outro método mais preciso utiliza
satélite em órbita geoestacionária como ponto
de referência. A principal desvantagem desses
sistemas é que a linha de vôo do míssil – e
provavelmente seu alvo – pode ser calculada
pelo inimigo imediatamente após o lançamento,
dada a capacidade dos modernos radares de
longo
alcance.
Para
eliminar
essa
vulnerabilidade, projetou-se um míssil capaz de
voar a baixa altura, provido de radar de
0varredura horizontal, que avalia dados para o
cálculo do percurso até o alvo. Assim nasceu o
míssil “Cruise”.
Além de fornecerem informações sobre
navegação, consumo, condições do veículo etc,
poderão receber dados de outros computadores.
Isto permitirá que um piloto receba instruções
de controle para pouso ou decolagem através de
um monitor de vídeo situado no painel,
agilizando e aumentando a capacidade do
controle de tráfego aéreo.
Equipamentos automáticos de teste
Para o controle de qualidade, é possível
elaborar sistemas capazes de fazer o teste de
equipamentos, numa rapidez e precisão
impossível para o ser humano, a um custo
reduzido.
Máquinas com “inteligência”
O uso de processadores em equipamentos de uso geral permite sofisticá-los com
funções até então inviáveis economicamente.
Balanças e Caixas Eletrônicas, por exemplo, são
aplicações recentes de microprocessadores.
Deve-se lembrar também que a manutenção
desses equipamentos é simplificada por
programas de diagnóstico e até de calibração
automática.
Robôs
Recentemente, a indústria japonesa
desenvolveu uma variedade de máquinas
capazes de executar tarefas repetitivas, como
robôs industriais. Este é um dos campos mais
promissores e polêmicos de aplicação de microprocessadores.
TERMOS E CONVENÇÕES
Um microprocessador é um dispositivo
lógico que é usado em sistemas eletrônicos
digitais. Também é usado como passatempo,
como computador de uso geral de baixo custo,
para técnicos e grupos de pesquisa com baixo
nível orçamentário. Mas, uma distinção deverá
ser feita entre o microprocessador e o microcomputador.
Um microcomputador contém um microprocessador, mas também contém outros
circuitos como um dispositivo de memória para
armazenar informação e adaptadores de
interface para conecta-lo com o mundo externo.
A figura 20-1 mostra um microcomputador típico no qual esses circuitos adicionais
são acrescentados. As setas representam
condutores nos quais seguem as informações
binárias. As setas largas representam vários
condutores conectados em paralelo. Um grupo
Armamento – Míssil auto dirigido
O primeiro passo de Neil Armstrong na
superfície da Lua foi possível, em grande parte,
em decorrência dos sistemas de orientação
computadorizados.
Evidentemente, a engenharia de foguetes
interplanetários apóia-se em uma tecnologia
muito precisa, mas, sem o “hardware” e o
“software” de computadores, jamais seria
possível executar cálculos de posição com
rapidez e exatidão suficientes para permitir o
acoplamento de dois objetos a uma grande
distância – mesmo que um desses objetos tenha
o tamanho da Lua.
20-2
de condutores paralelos, que transportam
informação, é chamado barramento (bus).
O computador possui dois barramentos
principais: o “ADDRESS BUS” (ADD BUS)e o
“DATA BUS”. O ADD BUS é unidirecional,
isto é, possui um único sentido para o fluxo. O
DATA BUS é bidirecional permitindo, por
exemplo o fluxo de dados da CPU para a
unidade de entrada e saída (I/O) ou desta para a
memória.
MEMÓRIA
O conjunto de dados e de instruções
necessários à operação de um computador fica
localizado numa unidade chamada memória.
Podemos imaginar a memória como
sendo um conjunto de escaninhos, cada qual
com um endereço e contendo uma unidade de
informações (palavras).
Existem diversos tipos de memória,
classificados segundo suas características. De
um modo geral, temos memórias voláteis ou não
voláteis. A memória volátil é aquela cuja
informação se perde quando a alimentação é
interrompida. As memórias RAM são um
exemplo deste tipo. Memórias não-voláteis, por
outro lado, retêm a informação mesmo após
interrupção da alimentação. Um exemplo deste
tipo é a memória ROM.
-ROM (“Read Only Memory”) – Como
o nome indica, este tipo de memória não
permite realizar operações de escrita, apenas de
leitura. Também chamada de memória morta, é
gravada durante a fabricação, retendo sempre
esta informação.
Figura 20-1 Computador básico
O programa do computador é um
conjunto ordenado de instruções que são
executadas uma a uma, seqüencialmente, na
ordem estipulada. Instrução é uma palavra
chave (ordem) que diz ao computador qual a
tarefa específica que deve executar.
O microcomputador é composto por tudo
o que está dentro da linha pontilhada na figura
20-1. Tudo o que está fora da linha pontilhada
refere-se ao mundo externo e todos os microcomputadores precisam ter alguns meios de
comunicação com ele.
A informação recebida do mundo
externo pelo microcomputador é chamada de
entrada de dados. A informação que transmita
do microcomputador para o mundo externo é
chamada de saída de dados.
O computador pode ser definido como
um sistema complexo capaz de receber
informações, processá-las e fornecer resultados.
A entrada de informações poderá ser gerada de
dispositivos como memória de massa (disco ou
fita magnética), relés ou até mesmo outros
computadores.
A saída de informações poderá ser
enviada aos terminais de vídeo, memórias
impressoras etc. O ponto no qual o dispositivo
de I/O conecta-se ao microcomputador é
chamado de “pórtico”.
-RAM (“Random Access Memory”) –
Esta memória se caracteriza por permitir tanto a
leitura como a escrita, sendo, entretanto volátil.
Memórias magnéticas
Devido às suas propriedades este tipo de
memória é sempre não-volátil. Além disso,
geralmente são capazes de armazenar grandes
quantidades de dados, embora a velocidade de
leitura/escrita seja baixa. Por isso são mais
usadas como memória de massa, isto é, uma
espécie de armazém de programas e de dados,
de onde a CPU os retira para processamento em
RAM.
Os tipos mais comuns são discos
magnéticos e fitas magnéticas.
ENTRADA E SAÍDA
São unidades que permitem ao
microcomputador comunicar-se com o mundo
externo. É através de operações de entrada e
saída que um operador utiliza um terminal de
vídeo-teclado para “conversar” com um
computador.
20-3
O elemento que serve de ligação entre o
microcomputador e o periférico é chamado
“interface”.
A transferência pode ser feita de vários
modos, segundo as necessidades ou limitações
do sistema. Transmissões por via telefônica, por
exemplo, são feitas no modo serial, isto é, um
“bit” por vez.
Por outro lado, entre um teclado e a
CPU, a transmissão pode ser em paralelo, com 7
ou 8 “bits” transmitidos de uma só vez.
PRINCIPIOS DE FUNCIONAMENTO
Código de máquina
O código de máquina é a linguagem
entendida pelo microprocessador (a CPU), que
constitui o cerne do computador e pode apenas
executar funções muito simples (adiciona dois
dígitos a um número, por exemplo, mas não os
multiplica). Faz isso, no entanto, a velocidades
muito altas. Cada operação do microprocessador
é especificada de acordo com o número de
“ciclos de relógio” empregados. Se a CPU em
seu computador funcionar a 1 MHz, o “ciclo de
relógio” será de 1 microssegundo, e uma
operação que requer quatro “ciclos de relógio”
será realizada em 4 milionésimos de segundo,
pois a F = 1 / T.
Como conseqüência, um programa
desenvolvido em código de máquina vai
requerer grande quantidade de instruções e
qualquer função deverá ser elaborada “à mão”, a
partir de operações simples. Toda a
programação consistirá na manipulação de
“bits” ou “bytes” isolados de memória,
empregando-se funções lógicas simples como
AND, OR e NOT, além de aritmética elementar.
Esse é um dos motivos por que o
desenvolvimento de programas nessa linguagem
se torna uma tarefa lenta; o outro reside no fato
de o programador ser obrigado a saber a
localização de tudo que está armazenado na
memória.
Ao iniciar a programação em código de
máquina, você descobre que tem de especificar
um endereço (uma posição de memória) para
cada conjunto de dados a armazenar. E cabe
também a você garantir que não haja
superposição acidental com outros conjuntos de
dados.
Examinemos em que consiste o código
de máquina. Todos os exemplos a seguir serão
relacionados a CPUs de 8 “bits” de capacidade,
como a do Z80 e do 6502. O microprocessador
conecta-se à memória do computador por meio
de dois “buses” (vias): o “bus” de endereços e o
de dados. Há também um elemento denominado
“bus” de controle que fornece apenas sinais de
cronometragem à CPU e não é utilizado pelo
programador.
O “bus” de endereços tem capacidade de
16 “bits” e a atribuição de um padrão de “bits” a
esse “bus” possibilita à CPU selecionar
PALAVRAS DO COMPUTADOR
Na terminologia de computação, a
palavra é um conjunto de dígitos binários que
pode ocupar um local de armazenamento.
Embora a palavra seja constituída de vários
dígitos binários, o computador manipula cada
palavra como se ela fosse uma simples unidade.
Portanto, a palavra é a unidade fundamental de
informação usada no computador.
Uma palavra pode ser um número
binário que está sendo manipulado como um
dado. Ou, a palavra pode ser uma instrução que
diz ao computador que operação deve executar.
A palavra poderá representar, também, um
endereço.
Tamanho da palavra
Nos últimos anos, uma ampla variedade
de microcomputadores tem sido desenvolvida.
Seu custo e su capacidade variam grandemente.
Uma das mais importantes características de um
microprocessador é o tamanho da palavra que
ele pode manipular, que se refere ao tamanho
em “bits” da maior unidade fundamental de
informação.
O tamanho da palavra mais comum para
o microprocessador é 8 “bits”. Números,
endereços, instruções e dados são representados
por números binários de 8 “bits”.
O menor número binário de 8 “bits” é
0000 00002 ou 0016. O maior é 1111 11112 ou
1116.
Em decimal, o alcance é de 0 a 25510.
Então, um número binário de 8 “bits” pode ter
algum dos 25510 possíveis valores.
Uma palavra de 8 “bits” pode especificar
números positivos ou negativos.
20-4
qualquer dos 65.536 “bytes” em seu “mapa de
memória”. Em microcomputadores comuns,
algumas dessas posições estarão na RAM,
outras na ROM, algumas nos “chips” especiais
de entrada-saída e ainda existirão as que não
serão utilizadas.
Se a CPU quiser ler determinada posição
de memória (uma das linhas no “bus” de
controle indica se deve haver leitura ou
registro), o “byte” selecionado coloca seus
conteúdos no “bus” de dados, na forma de um
padrão de 8 “bits”. De modo semelhante, a CPU
pode registrar um padrão de 8 “bit” em qualquer
posição escolhida. A CPU não sabe quais as
partes da memória em que estão a ROM e a
RAM; desse modo, determinar o endereço
correto é outra responsabilidade importante do
programador.
No interior do microprocessador, há
talvez meia dúzia de “registros”, semelhantes a
posições individuais de memória, utilizados
para o armazenamento de resultados
temporários e execução de funções aritméticas,
lógicas e binárias. A maior parte desses
registros corresponde a 1 “byte” de memória,
embora algumas tenham 02 “bytes” de
capacidade.
Outro registro muito importante (mas,
agora, com apenas 8 “bits” de extensão) é o
“acumulador”. Como o nome indica, esse
registro acumula totais, isto é, “bytes” que
podem se somar ou subtrair. Na verdade, esse é,
em geral, o único registro que pode executar
qualquer tipo de procedimento aritmético.
O motivo comum para o emprego do
código de máquina é a velocidade: ao endereçar
diretamente o processador, o programa não
precisa ser traduzido ou interpretado. Com a
eliminação desse estágio intermediário, reduz-se
bastante o tempo de execução do programa. No
entanto, o processo de codificação, teste,
depuração, modificação e manutenção de um
código de máquina exigirá, com certeza, duas
vezes mais tempo do que levaria num programa
em linguagem de alto nível (BASIC, por
exemplo).
A falta de interação com o programador
e a dificuldade de se lidar com o código de
máquina foi o principal estímulo para a criação
das linguagens de alto nível, como COBOL e
BASIC. Vimos que o conjunto de instruções em
código de máquina equivale ao conjunto de
operações do processador.
Execução do programa mnemônico
É a forma de representação de tal modo
que haja facilidade de retenção na memória, isto
é, que haja memória.
Como exemplos de mnemônicos no
nosso cotidiano, podemos considerar os termos:
“SAMPA”, “BELZONTE”, etc.
Em se tratando de computação e
programação em linguagem de máquina, os
mnemônicos mais usados são:
LDA (LOAD ACCUMULATOR) –
Carregar Acumulador;
STA (STORAGE ACCUMULATOR) –
Armazenar acumulador;
ADC (ADD WITH CARRY) – Somar
com transporte.
Consideremos que o programa já tenha
sido adequadamente escrito no computador pelo
processo tradicional: o programador lê o
programa, no papel e introduz, via teclado, no
computador.
O programa é armazenado, em línguagem de máquina, numa área de memória,
embora os dados que ele opera possam estar em
alguma outra posição.
Observe que os operandos, por exemplo,
$3F80 estão armazenados em dois “bytes”, com
o “byte” menor ($80) situado antes do maior
($3F).
O símbolo Dólar ($), usado na frente de
uma seqüência, indica que a representação está
no sistema de base hexadecimal.
Todos os programas em código de
máquina são constituídos por operações simples
que transportam “bytes” de memória para os
registros internos da CPU, realizam seu
processamento e, a seguir, os remetem de novo
a uma posição de memória.
A figura 20-2 apresenta o programa
necessário para somar os conteúdos de duas
posições de memória e armazenar o resultado de
uma terceira.
O contador do programa (PC) é um
registro no interior da CPU que indica a
instrução que está sendo executada.
A primeira instrução fornece os
conteúdos da posição $3F80, isto é, o valor “5”
ao acumulador.
O terceiro armazena o conteúdo do
acumulador, agora o “08”, na posição de
memória $0493.
20-5
Nota: Como o próprio nome indica, o Registrador acumulador “acumula” resultados das
operações lógicas ou aritméticas. Em
conseqüência o resultado das operações
será enviado para esse registrador.
Como a operação anterior já foi
completada, o PC é devidamente incrementado
(PC + 1, PC + 2 e PC + 3), e os conteúdos
das posições subseqüentes serão enviados à
CPU e devidamente interpretados como:
armazenar o conteúdo do acumulador na
posição de memória $0493.
ACC
Funcionamento com o programa
Com isso chega-se ao objetivo final do
programa proposto que foi: somar os conteúdos
de duas posições de memória e colocar o
resultado em uma terceira.
Pelo
exposto,
também
podemos
escrever:
O conteúdo das posições de memória
$00, $01 e $02 (LDA, $3F80), é colocado na
CPU.
CPU
M
M
A CPU decodifica essa instrução e a
interpreta como: carregar o acumulador com o
conteúdo da posição de memória $3F80.
M
ACC
CPU
Em seguida a CPU interpreta os códigos
e conclui que deverá “somar” o conteúdo atual
do Acumulador com o conteúdo da posição de
memória $3F81.
ACC
CPU; ACC +
DE
PROCES-
Em termos simples, a CPU (“Central
Processing Unit”, ou Unidade Central de
Processamento) do computador não passa de um
interruptor que controla o fluxo de corrente num
sistema de computação. Compõe esse sistema a
ALU (“Arithmetic and Logic Unit”, ou Unidade
Aritmética e Lógica), o PC (Contador de
Programa), ACC (Acumulador) e outros
registradores.
Ao acionar uma tecla, você introduz
alguma informação na máquina por meio de
uma configuração de voltagem gerada na
unidade de teclado. A CPU transfere essa
configuração de voltagem para uma posição da
memória. Em seguida, transfere uma
configuração correspondente, proveniente de
algum outro lugar da memória, para a tela, de
Após a execução dessa operação, o
contador de programa (PC) será incrementado
(PC + 1, PC + 2 e PC + 3) acessando os
conteúdos das próximas posições de memória
(endereços): $03, $04 e $05. Esses conteúdos
são enviados para a unidade central de
processamento.
ACC + $0F81
CPU; M
ACC; M
ACC; ACC
M
UNIDADE CENTRAL
SAMENTO (CPU)
ASS = 03
M
ACC = 08
Nota: O efeito real desta transferência é de
cópia onde o conteúdo origem não é
apagado. Daí conclui-se que o conteúdo
final do registrador acumulador será o
último obtido.
Figura 20-2 Execução de um programa
M
$0493
ACC = 08
20-6
modo a gerar um determinado padrão de
caracteres.
Esse processo é semelhante ao
funcionamento de uma máquina de escrever,
mas com a diferença de que nesta há uma
conexão mecânica entre o acionamento de uma
tecla e a impressão do caractere, enquanto num
computador essa ligação ocorre porque a CPU
transfere configurações corretas de voltagem de
um lugar para outro.
subseqüente adição com o outro. Por exemplo,
7 + 5 = 12 significa:
+ 7 somado a + 5 é igual a + 12;
enquanto 7 - 5 = 2 equivale a:
+ 7 somado a – 5 é igual a + 2.
A multiplicação e a divisão são
consideradas adições ou subtrações repetidas, de
modo que também é possível programar a CPU
para simular essas operações. Se a CPU
consegue realizar as quatro operações
aritméticas, então pode efetuar qualquer outro
cálculo matemático. No entanto, lembre-se de
que todo o seu potencial matemático depende
simplesmente da capacidade de somar dois
números.
As operações lógicas efetuam a
comparação de dois números não apenas em
termos de quantidades relativas, mas também
em termos da configuração de seus dígitos. É
fácil ver que sete é maior que cinco porque
extraímos cinco de sete e obtemos um resultado
positivo. Além de fazer esse tipo de
comparação, a CPU também verifica que, por
exemplo, 189 e 102 têm o mesmo dígito na
coluna das centenas.
As operações de memória envolvem
tanto a cópia de informações de uma posição
qualquer da memória externa para sua própria
memória (registro), como de seu registro para
uma outra posição da RAM.
Executando
essas
operações
em
seqüência, a CPU transfere informações de uma
parte qualquer da memória para outra. Para que
a memória do computador tenha alguma
utilidade, é absolutamente necessário que a CPU
seja capaz de realizar essas duas operações. Só
assim torna-se possível um controle completo
da memória.
As operações de controle consistem, na
verdade, em decisões quanto à seqüência pela
qual a CPU executa as outras operações
descritas. Por enquanto, tudo o que precisamos
saber sobre as operações de controle é que a
CPU pode tomar determinadas decisões a
respeito de sua própria atividade.
Portanto, a CPU executa operações
aritméticas,
compara
números,
desloca
informações na memória e decide sobre sua
própria seqüência de operações. Essa lista de
procedimentos é suficiente para definir uma
máquina de computação ideal.
Figura 20-3 O Centro do Sistema
Nem sempre o acionamento de uma tecla
faz aparecer um caractere no vídeo: pode
também destruir um asteróide, gravar um
programa, apagar um arquivo em disco, ou
imprimir uma carta. O resultado da operação
depende do modo e da finalidade com que a
CPU transfere a corrente elétrica.
Modo de funcionamento da CPU
Os procedimentos executados pela CPU
classificam-se, para nossos objetivos, nas
operações: aritméticas, lógicas, de memória e de
controle. Todas resultam de transferência de
informações através de diferentes trajetos, no
sistema e na CPU, ou seja, para esta todas as
operações se assemelham.
Operações aritméticas, como adição e
subtração constituem a característica mais
importante da máquina. Ela subtrai por meio da
representação negativa de um dos números e sua
20-7
Cartão Perfurado: Entrada ou saída
através de cartão perfurado.
CONCEITOS DE FLUXOGRAMA
O fluxograma é uma representação
gráfica das tarefas de um programa, por meio de
símbolos que fornecem uma visualização
imediata do significado da tarefa.
Teclado: Entrada de informação
através do teclado.
Impressora: Saída de informações
através da impressão em papel.
Definição dos elementos de fluxograma
Abaixo seguem-se os símbolos mais
usados nas representações gráficas.
Terminal: Início, término
interrupção de um programa.
Exemplos do uso de fluxograma
Equação Quadrática – Vamos examinar alguns
exemplos
simples,
para
termos
uma
visualização de fluxograma.
O passo inicial é examinar um
fluxograma genérico que represente os passos
do programa para calcular as raízes da equação
quadrática: ax2 + bx + c = 0
Também podemos escrever que:
ou
Processamento: Uma ação que deve
ser tomada.
Decisão: Desvio para diversos
pontos do programa de acordo com
uma situação testada.
1
x ,x
Entrada / Saída: Qualquer função
relacionada com dispositivos de
entrada ou saída em geral.
Ler a
equação
b r b 2 4ac
2a
b r '
2a
A solução deste problema pode ser representada como no fluxograma da figura 20-5.
Visor: Terminal de vídeo ou Display.
INICIO
2
Não é
Equação
quadrátic
a=0
=
Calcular
Delta
Não é
Campo
real
Delta
=0 ?
=
x1
x2
b '
2a
b '
2
x1 , x 2
b
2a
x1
x2
Figura 20-5 Fluxograma de Equação Quadrática
20-8
FIM
Na figura temos que I = I + 1, o que seria
um absurdo, matematicamente falando. Lembrese que esta operação refere-se à variável
controladora “I” que é incrementada ou
atualizada.
Impressão de números
O fluxograma da figura 20-6 é um
programa para imprimir cinco números pares
em uma impressora.
INÍCIO
I = 0
Ler o
cartão
y 2
=
d
Resto
= 0
=
Número
par
I5
?
I=I+1
FIM
t
Figura 20-6 Fluxograma dos números pares
Cotidiano
Consideremos um problema do
nosso cotidiano: “Levantar-se pela manhã”.
Neste programa o computador toma a decisão
de seguir determinado caminho em função de
um resultado pré-estabelecido.
Fazer
café
INÍCIO
S
Despertar e
ver horas
Cochilar
Vai
tomar
café?
1
N
Vestir-se
e sair
FIM
1
N
É
hora ?
S
Levantar
Figura 20-7 Fluxograma do “Cotidiano”
Como se pode notar, tanto o computador
como a máquina utiliza-se apenas de níveis de
tensão, chamados níveis lógicos.
A grande preocupação do homem é
utilizar o computador em todas as áreas e, para
isso, necessita de uma comunicação de fácil
LINGUAGEM DO COMPUTADOR
Desde o princípio da era do computador,
a principal preocupação foi de como poderia ser
feita a comunicação entre o homem e a
máquina.
20-9
acesso com o meio externo. Isto, em outras
palavras, significa transformar níveis de tensão
em informações, com o tipo de linguagem
empregada pela maioria dos homens.
Uma das primeiras comunicações com o
computador foi a linguagem de máquina ou
objeto. Esta linguagem é muito cansativa por
lidar diretamente com códigos binários, isto é,
níveis lógicos “zero” e “um”.
Em função da dificuldade apresentada
por esta linguagem, surgiu a linguagem
“Assembly”, que transforma códigos binários
em mnemônicos, isto é, nomeia cada código
para que este possa ser utilizado mais
facilmente.
Com o surgimento desta linguagem,
houve a necessidade de transformas os
mnemônicos em códigos binários. Esta
transformação é chamada de “Compilador
Assembler”.
Mesmo com o surgimento da linguagem
Assembly, o operador continuava encontrando
muitas dificuldades para manusear este grupo de
instruções. Mediante estas dificuldades, outras
linguagens foram sendo desenvolvidas.
Com o aparecimento de outras
linguagens, houve uma divisão entre as
linguagens de baixo nível e as de alto nível. As
de alto nível surgiram especificamente para
cada área, como “Fortran” para a área científica,
“Cobol” para a área comercial e outras
linguagens para cada finalidade como “Basic”,
“Pascal”, “PL/1”, etc.
As linguagens de alto nível deram
margem ao surgimento dos programas
tradutores. Como o próprio nome está dizendo,
o computador necessita de um programa que
traduza tais linguagens para que tenha
condições de executar as instruções a ele
designadas.
A linguagem de máquina pode ser
escrita em octal, hexadecimal ou binário. O
programa fonte recebe a denominação de
linguagem de programação; e o programa
resultante da conversão em linguagem de
máquina recebe a denominação de programa
objeto.
Programa de processamento é aquele que
traduz a linguagem de programação para
linguagem de máquina.
Figura 20-8 Representação em blocos do fluxo das linguagens.
Programa
Maquina
Fonte
Máquina
Não há necessidade
Hexadecimal
Hexadecimal loader
Assembly
Processamen
-to
Processamento
Alto nível
(Compliler)
Hand Assembly
Observações
Este programa é escrito na linguagem
binária
É usado o carregador hexadecimal
É a linguagem de programação escrita
em Mnemônicos
TradutorConverte linha a linha e a tradução é feita
Interpretador/Compilador de uma só vez
O operador faz a tradução do Assembly
Hexadecimal Loader
para o Hexa, isto é, age como programa
de processamento
Assembler
Figura 20-9 Quadro geral de linguagens.
20-10
Was this manual useful for you? yes no
Thank you for your participation!

* Your assessment is very important for improving the work of artificial intelligence, which forms the content of this project

Download PDF

advertisement