clique aqui - SPI - Sociedade Portuguesa da Inovação

clique aqui  - SPI - Sociedade Portuguesa da Inovação
1
???????????????????????????????
FMD iv.p65
1
12-01-2004, 12:38
2
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
FICHA TÉCNICA
TÍTULO
C ONCEITOS B ÁSICOS PARA O D ESENVOLVIMENTO
DE C URSOS M ULTIMÉDIA
AUTOR
C ARLOS VAZ DE C ARVALHO
EDITOR
Sociedade Portuguesa de Inovação
Consultadoria Empresarial e Fomento da Inovação, S.A.
Edifício “Les Palaces”, Rua Júlio Dinis, 242,
Piso 2-208, 4050-318 PORTO
Tel: 22 607 64 00; Fax: 22 609 91 64
[email protected]
www. s p i . p t
PRODUÇÃO
EDITORIAL
Principia, Publicações Universitárias e Científicas, Lda.
Av. Marques Leal, 21, 2º
2765-495 S. João do Estoril
Tel: 21 467 87 10; Fax: 21 467 87 19
[email protected]
www.principia.pt
Revisão
Projecto Gráfico
e Design
Paginação
Impressão
Marília Correia de Barros
Mónica Dias
Xis e Érre, Estúdio Gráfico, Lda.
SSL, Soluções de Marketing Relacional, Lda.
Produção apoiada pelo Programa Operacional Emprego, Formação e Desenvolvimento
Social (POEFDS), co-financiado pelo Estado Português, e pela União Europeia, através do
Fundo Social Europeu.
Ministério da Segurança Social e do Trabalho.
Sociedade Portuguesa de Inovação, S.A.
© Sociedade Portuguesa de Inovação, S.A., 2003, 1.ª Edição
A reprodução, neste livro, de imagens constantes de sites da Internet foi feita mediante a autorização
das seguintes empresas: IBM, Tegrity, SyberWorks, KnowlegdeNet, MindLeaders, WebCT, Macromedia,
Corel, Microsoft e QSR International Pty Ltd..
I S B N 972-8589-28-X
FMD iv.p65
2
D E P Ó S I T O L E G A L 204914/03
12-01-2004, 12:38
3
???????????????????????????????
FMD iv.p65
3
12-01-2004, 12:38
4
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
FMD iv.p65
4
12-01-2004, 12:38
5
???????????????????????????????
I
N
T
R
O
D
U
Ç
Ã
O
APRESENTAÇÃO DO LIVRO
A
© IBM
criação de cursos de e-learning multimédia é um processo complexo e
multidisciplinar. O produto resultante destina-se a alunos que não disporão
da presença física de um professor/tutor e que dependerão fundamentalmente dos
conteúdos, actividades e recursos fornecidos para atingir com sucesso os objectivos
de aprendizagem traçados. Por esta razão, exigem-se elevados padrões de qualidade e integridade.
Isto implica, entre outras condições, que os objectivos de aprendizagem devem
ser explícitos, realizáveis e corresponder às necessidades detectadas; os conteúdos
devem estar organizados modularmente, com prazos bem definidos para as actividades a desenvolver; as instruções devem ser simples e claras e não corresponder a
tarefas demasiadamente complicadas; as leituras devem ser reduzidas e complementadas por actividades que promovam a aplicação dos conceitos; a tecnologia de
apoio deve ser facilitadora da aprendizagem, amigável e adequada ao nível de conhecimento e recursos financeiros dos alunos.
A utilização de metodologias de desenvolvimento instrucional permite abordar
este processo de forma sistemática, através da análise, concepção, desenvolvimento, implementação e avaliação de materiais e actividades pedagógicas, com ganhos
evidentes na eficiência do processo e na qualidade do produto final.
FIG. 1.1. • Curso de e-learning multimédia, com integração de vídeo,
da IBM Learning Services
Dentro do processo de criação de um curso de e-learning, o desenvolvimento de
conteúdos multimédia representa a fatia mais significativa do investimento. Normalmente implica a existência de uma equipa multidisciplinar que inclui:
FMD iv.p65
5
12-01-2004, 12:38
6
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
© Tegrity
• Criadores de conteúdos, especialistas nas áreas de conhecimento;
• Designers gráficos, responsáveis pela imagem e organização visual;
• Técnicos didácticos, responsáveis pela conversão dos conteúdos para uma
linguagem digital;
• Técnicos de som e imagem, responsáveis pela produção e edição de componentes foto, áudio e vídeo;
• Técnicos informáticos, responsáveis pelo desenvolvimento de guiões, animações e simulações;
• Pessoas ligadas à produção, edição, promoção e comercialização do curso.
A utilização de ferramentas de autoria (authoring) permite simplificar e reduzir
o tempo de desenvolvimento, pela introdução de formatos predefinidos, bibliotecas de componentes e reutilização de materiais. No entanto, a criação de cursos
será sempre uma actividade extremamente complexa e dispendiosa que exige
uma análise prévia rigorosa dos benefícios e limitações da introdução de componentes multimédia no curso.
FIG. 1.2. • WebLearner, ferramenta de apoio ao desenvolvimento de cursos
de e-learning multimédia da Tegrity.com
OBJECTIVOS
Este módulo pretende descrever, de forma necessariamente sintética, as etapas associadas à criação de cursos de e-learning multimédia. No final, o leitor
deverá compreender os conceitos básicos da concepção e desenvolvimento de
cursos multimédia e ajustá-los de acordo com as matérias a ensinar e com o
perfil dos formandos (utilizadores). Deverá ainda dominar as principais fases do
FMD iv.p65
6
12-01-2004, 12:38
7
Introdução
desenvolvimento de cursos multimédia – análise e especificação, concepção,
desenvolvimento e integração, avaliação e manutenção – incluindo a compreensão da importância de cada etapa, as ferramentas a utilizar e as competências
necessárias.
PÚBLICO-ALVO
Este manual destina-se a funcionar como referência para interessados no processo de criação e desenvolvimento instrucional:
• Gestores de projectos de criação de cursos de e-learning, pela perspectiva
global apresentada;
• Especialistas em conteúdos que pretendem ter uma ideia do processo de conversão desses conteúdos para um formato que seja eficaz para a aprendizagem;
• Formadores ou professores que pretendem iniciar-se ou desenvolver as suas
capacidades de produção de conteúdos e cursos;
• Técnicos didácticos que procuram melhorar a sua visão global do processo.
Será ainda útil para quem se inicia na criação e desenvolvimento de cursos de e-learning, numa perspectiva de documento de base.
Os pré-requisitos para a leitura deste manual e cumprimento dos objectivos de
aprendizagem traçados passam pelo domínio, ao nível do utilizador, das tecnologias
de informação e comunicação, incluindo a prévia utilização das ferramentas da Internet e multimédia, e dos conceitos básicos sobre aprendizagem e e-learning. Para
esse fim recomenda-se a leitura prévia do módulo 1 desta série.
METODOLOGIA
A metodologia do módulo baseia-se numa apresentação dos conceitos, apoiada por exemplos de boas práticas e exercícios formativos, permitindo ao leitor uma
melhor interiorização das questões abordadas no decorrer das unidades. Ao longo
do módulo, pretende-se que o leitor vá desenvolvendo o seu próprio projecto de
curso acompanhando as várias unidades. Com isto não se espera que o leitor
desenvolva completamente um curso (tarefa realizada normalmente por uma equipa, como vimos) mas antes que se tenha apercebido das dificuldades e potencialidades deste tema.
FMD iv.p65
7
12-01-2004, 12:38
8
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
ESTRUTURA
O módulo está dividido nas seguintes Unidades:
Metodologias de desenvolvimento instrucional
Neste capítulo serão apresentadas as principais metodologias de desenvolvimento instrucional e a sua relação com as teorias de aprendizagem predominantes
ao longo do século.
Análise e design instrucional
Nesta unidade será apresentada a fase de análise e especificação de um curso
multimédia, incluindo a determinação de necessidades, a caracterização do público-alvo, a definição das metas de aprendizagem e a estimação de custos. Também
será apresentada a fase de concepção e as respectivas etapas, incluindo a definição
dos objectivos particulares de aprendizagem, a selecção de estratégias de aprendizagem e a definição e sequenciamento das actividades.
Design multimédia
Este capítulo preocupa-se com a concepção de conteúdos multimédia, focando
particularmente os conceitos relacionados com a interface com o utilizador, nomeadamente em termos de construção visual e navegação.
Desenvolvimento multimédia
Esta unidade descreve aspectos práticos do desenvolvimento multimédia, nomeadamente em termos de ferramentas disponíveis, vantagens e desvantagens da utilização de componentes multimédia, o teste e manutenção do curso.
Avaliação
O processo de avaliação de um curso é fundamental porque permite o seu aperfeiçoamento e progressão. Os níveis de avaliação e as diferentes etapas do processo
serão detalhados neste capítulo.
NOMENCLATURA
No texto optou-se por referenciar indiferentemente o utilizador final do curso como
aluno, estudante ou formando, de forma a evitar a repetição sistemática e cansativa
do mesmo identificador, embora na cultura educacional nacional possam ter âmbitos
de aplicação diferentes. Da mesma forma, o professor pode ser referenciado também por formador ou tutor.
FMD iv.p65
8
12-01-2004, 12:38
9
???????????????????????????????
U
N
I
D
A
D
1
E
METODOLOGIAS
DE CONCEPÇÃO
E DESENVOLVIMENTO
DE CURSOS
O
FMD iv.p65
B
J
E
C
T
I
V
O
S
Identificar as principais metodologias de
concepção e desenvolvimento de cursos
Identificar os pontos fortes e fracos de cada
metodologia
Compreender a importância de cada uma
das fases das metodologias
Seleccionar a metodologia mais adequada
à sua organização
9
12-01-2004, 12:38
10
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
O desenvolvimento instrucional consiste num processo sistemático de análise, concepção, desenvolvimento, implementação e avaliação de materiais e
actividades pedagógicas, baseado em teorias de aprendizagem e tendo em
vista a qualidade dos materiais e do curso. Assim, um sistema instrucional será
um agregado de recursos e procedimentos organizados de forma a promover a
aprendizagem.
O termo instrução (instruction) deve ser entendido na sua definição americana,
ou seja, como o processo de facilitar a aprendizagem do aluno, o qual pode incluir o
processo de ensinar, mas não está a ele limitado. A definição de instrução em
português, que segue a europeia, tem uma conotação menos nobre, de um processo de ensino/aprendizagem de grau inferior e de menor qualificação (instrução
primária, instrução militar, etc.).
A formalização do desenvolvimento instrucional como uma disciplina científica data de meados do século XX. Até aí, os processos de desenvolvimento instrucional partiam de iniciativas experimentais, isoladas, na área da psicologia
educativa. As várias metodologias de desenvolvimento instrucional foram aparecendo fortemente ligadas às teorias da aprendizagem, ou seja, as teorias que
procuram explicar como cada pessoa interioriza a informação e a transforma em
conhecimento.
O aparecimento dos computadores e a sua utilização como suporte ao ensino
e à aprendizagem (desde a década de 60) deu um forte incentivo à divulgação
destas metodologias, pela necessidade de criar mais cursos, com mais qualidade e com menos custos. A generalização do microcomputador permitiu alargar o
âmbito de aplicação e, simultaneamente, introduzir gráficos e interacção, sobretudo a partir do final da década de 70 com o aparecimento do Apple Macintosh. Já na
década de 90, a Internet e a World Wide Web transformaram o panorama da
utilização informática, permitindo criar cursos de acesso generalizado, com processos de interacção sofisticados e a criação de turmas virtuais com colegas
situados em locais distantes.
TEORIAS DE APRENDIZAGEM
A identificação do processo de aprendizagem, ou seja, a forma como cada
pessoa cria o seu conhecimento, tem estado bastante dependente da evolução
da psicologia e das ciências sociais. As várias teorias que entretanto foram propostas têm, sucessivamente, ampliado o modelo mental cognitivo.
Behaviorismo
No início do século XX o desenvolvimento da teoria comportamental (behaviorista) que liga a resposta mental à existência de um estímulo (Thorndike) promoveu a ideia de que a aprendizagem era mais eficiente quando ligada à execução
de tarefas.
FMD iv.p65
10
12-01-2004, 12:38
11
Metodologias de concepção e desenvolvimento de cursos
A teoria comportamental (behaviorismo) foca o estudo de comportamentos que
podem ser observados e medidos. A mente é encarada como uma caixa preta cuja
resposta a estímulos pode ser quantificada, ignorando a existência de processos
de raciocínio. O conhecimento é adquirido pela execução repetida de tarefas.
Esta teoria, ligada à industrialização e consequente preocupação com a produtividade, gerou modelos mecânicos de instrução, utilizados principalmente por
entidades militares preocupadas em fornecer instrução a um grande número de
soldados com poucas qualificações. Constituiu também a base do modelo educacional de massas, em que a preocupação com o indivíduo é inexistente.
Na década de 40, a formulação de objectivos de aprendizaREFLEXO CONDICIONADO DE PAVLOV
gem precisos, em função do que
avlov é a referência máxima da teoria comporo formando seria capaz de comtamental, com a sua experiência sobre condicionapreender/executar no fim da formamento, efectuada com cães. Pavlov observou que, quanção, permitiu conceber estratégido um cão cheirava comida, salivava automaticamente.
as de instrução mais eficazes.
Tocando uma campainha sempre que oferecia comida a
um cão verificou que, a dado momento, bastava tocar a
A década de 50 regista o apacampainha para provocar a salivação do cão, mesmo
recimento de modelos teóricos de
sem a presença da comida. Assim concluiu que os comaprendizagem comportamental (B.
portamentos, depois de treino, podem ser condicionaF. Skinner) com estímulo-reforço.
dos a responder a um estímulo.
Este é considerado o ponto de
partida para os processos actuais
de desenho instrucional através da formulação de objectivos comportamentais,
pela modularização dos conteúdos e pela introdução do reforço positivo imediato
para respostas correctas.
A teoria comportamental está na base do Instructional System Design (ISD),
cujos modelos ainda estão hoje em uso, embora com adaptações introduzidas
pelas teorias mais recentes.
P
Cognitivismo
A teoria comportamental tem limitações na explicação de alguns processos de
aprendizagem, nomeadamente em situações em que se faz uso do conhecimento anterior ou em situações em que o conhecimento é adquirido não pela própria
prática mas pela observação da prática de outros.
A teoria cognitiva procura resolver essas ambiguidades identificando estruturas mentais de raciocínio e memória.
A aprendizagem envolve a aquisição ou reorganização de estruturas cognitivas
através das quais as pessoas processam e armazenam a informação (Good and
Brophy, 1990, pp. 187).
Na década de 60, Robert Glaser introduziu o conceito de instructional design
com um modelo que relaciona as necessidades dos formandos com a concepção
e desenvolvimento instrucional. Nesta década é fundamental o trabalho de Robert
Gagné que distingue os vários níveis de competências: psicomotoras, verbais, inte-
FMD iv.p65
11
12-01-2004, 12:38
12
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
lectuais, estratégias e metacognição. Gagné apresenta igualmente os eventos de
instrução para que a aprendizagem ocorra, ainda hoje tomados como base do
desenvolvimento instrucional. Os elementos base da teoria cognitiva são:
•
Schema – Uma estrutura interna de conhecimento – a informação nova é
comparada com schemas já existentes. Estas podem ser combinadas,
alteradas ou estendidas para acomodar a informação nova;
•
Modelo de processamento com três etapas – A informação é registada por
um elemento sensorial (durante 1 a 4 segundos), é processada (se for
relevante) na memória de curto prazo (capaz de reter cerca de sete elementos durante 20 segundos) e armazenada na memória de longo prazo.
A teoria cognitiva explica alguns factos relacionados com a aprendizagem:
•
Informação relevante é mais fácil de ler e relembrar. O mesmo acontece
com informação relacionada com schemas anteriores. O contrário acontece com informação que não se encaixe nesses schemas;
•
É mais fácil relembrar itens do início ou do fim de uma lista que os que
estão no meio, excepto se estes forem notoriamente diferentes;
•
O exercício e a prática repetidos melhoram a capacidade de retenção, sobretudo quando é aplicado em contextos diferentes;
•
A estruturação da informação a aprender ajuda a relembrar (por exemplo,
uma lista de compras);
•
Se a aprendizagem tem lugar num contexto específico será mais fácil de
relembrar nesse contexto do que num contexto novo;
•
A utilização de mnemónicas permite organizar informação não relacionada
num contexto semântico ou visual, facilitando a retenção;
•
A utilização de organizadores prévios de informação prepara os formandos
para o material que vão aprender e ajuda-os a extrair significado da lição.
Um aspecto importante do cognitivismo tem a ver com a atenção e importância
dedicadas à participação activa do aluno na aprendizagem, com implicações no
desenvolvimento instrucional ao nível da interacção e motivação do aluno. A motivação é apresentada (Malone e Lepper, 1987) como sendo dependente de:
FMD iv.p65
•
Grau de desafio permanente que o aluno tem perante a aprendizagem. O
aluno deve sentir-se perante uma competição que pode vencer se se esforçar,
pelo que o grau de dificuldade deve ser ajustado ao aluno, individualmente;
•
Curiosidade que o aluno sente por aprender, por receber informação que
contraria ou completa o conhecimento que já tem ou por que é atraído pela
própria informação;
•
Controlo sobre a própria aprendizagem o que torna o aluno extremamente
motivado por sentir que domina o seu próprio destino;
•
Fantasia que promova a associação da informação recebida pelo aluno a
um contexto em que ele se consiga visualizar.
12
12-01-2004, 12:38
13
Metodologias de concepção e desenvolvimento de cursos
Construtivismo
O construtivismo defende que os formandos constroem a sua própria realidade a partir das suas próprias percepções das experiências. Assim, o conhecimento individual é baseado nas experiências prévias, estruturas mentais e crenças,
usadas para interpretar objectos e eventos.
Aquilo que cada um conhece está baseado na percepção das experiências físicas e sociais entendidas pela mente (Jonasson, 1991).
A construção individual da realidade é, no entanto, limitada pela existência de
um mundo regido por leis físicas e que é percepcionado de forma semelhante por
todas as pessoas. Um processo de negociação social ajuda a tornar ainda mais
semelhante a realidade de cada indivíduo.
O construtivismo identifica a aprendizagem da seguinte forma:
•
A aprendizagem é um processo activo em que o conhecimento é construído
a partir da experiência pessoal prévia;
•
A aprendizagem é a interpretação pessoal do mundo;
•
O crescimento conceptual resulta da negociação dos significados, da partilha de múltiplas perspectivas e da alteração das representações interiores através da aprendizagem colaborativa;
•
A aprendizagem deve ser realizada em contextos reais, com a integração
de processos de avaliação e teste.
Thomas Duffy e Seymour Papert sugerem a introdução de aspectos socioculturais e cognitivos na concepção de ambientes educativos apoiados por computador, como sistemas de ajuda on-line e comunidades virtuais de aprendizagem.
O advento da Internet favoreceu a generalização da abordagem construtivista
pelo ambiente exploratório que oferece. Duas teorias normalmente associadas
ao construtivismo e à Internet são:
FMD iv.p65
•
Teoria sociocultural de Vygotsky: Defende que o conhecimento provém da
nossa sociedade ou cultura, e que ocorre em primeiro lugar através da
interacção com o ambiente social (ponto de vista interpessoal). Limita o
potencial para o desenvolvimento cognitivo a uma «zona de desenvolvimento próxima» (ZDP), como sendo a distância entre o nível de desenvolvimento (real) necessário para a resolução independente de problemas e
o nível de desenvolvimento (potencial) necessário para a resolução de
problemas com a colaboração de companheiros mais capacitados.
•
Teoria da flexibilidade cognitiva: Corresponde à capacidade de restruturar
de forma espontânea o próprio conhecimento, para responder a situações
de mudança, tanto na representação do conhecimento, como nos processos de representação mental. Esta teoria é uma referência para a organização de informação em ambientes de aprendizagem pouco estruturados. A
ideia de flexibilidade surge pela necessidade de formar pessoas para que
13
12-01-2004, 12:38
14
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
possam dar resposta a situações que habitualmente têm soluções muito
variadas. A teoria da flexibilidade cognitiva dá um grande relevo à aprendizagem baseada em casos (vários) autênticos.
COMPARAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA ATÓMICA
E DAS TEORIAS DE APRENDIZAGEM
B
renda Mergel (1998) propôs uma analogia
entre o desenvolvimento da teoria atómica
e as teorias de aprendizagem.
Inicialmente a matéria era pensada como
sendo composta por quatro elementos:
fogo, água, terra e ar. Seguidamente apa-
receu a noção de elementos indivisíveis
(átomos) que compunham a matéria. Finalmente demonstrou-se a existência de partículas componentes dos átomos (electrões, neutrões e protões) para se chegar
ao modelo orbital.
FIG. 2.1. • Comparação entre o desenvolvimento da teoria atómica
e as teorias de aprendizagem
Será possível assumir exclusivamente uma única
teoria de aprendizagem no processo de desenvolvimento instrucional?
Dê a sua própria definição de aprendizagem.
EVENTOS DE INSTRUÇÃO
A aprendizagem tem como finalidade o aumento do conhecimento ou capacidade do aluno numa área específica. A simples publicação de páginas Web com
conteúdos e/ou ligações para outras páginas ou recursos digitais não organiza a
aprendizagem de forma efectiva e eficaz. Alessi e Trollip (2001) propõem as seguintes fases de instrução que devem acontecer para garantir que a aprendizagem seja eficaz e eficiente:
FMD iv.p65
•
Apresentação da informação, quer pelo professor (por exemplo, na sala),
quer através de algum meio de apoio (livro, site Web, vídeo, etc.). Numa
perspectiva puramente construtivista este passo não será necessário, já
que o aluno é responsável pela pesquisa da informação;
•
Condução do aluno, quer pelo professor quer pelo próprio material (por
exemplo, sistemas tutoriais adaptativos). É uma fase naturalmente mais
interactiva;
14
12-01-2004, 12:38
15
Metodologias de concepção e desenvolvimento de cursos
•
Repetição e prática, em que o aluno repete a aplicação prática e demonstração dos conhecimentos adquiridos. O professor pode acompanhar no
sentido de corrigir erros;
•
Avaliação da aprendizagem, tentando determinar o nível da aprendizagem
atingido, a qualidade da instrução e a eficácia dos recursos usados.
Estes quatro passos, com uma perspectiva construtivista, resultam da simplificação dos eventos de instrução cognitivistas propostos por Robert Gagné:
1. Ganhar a atenção e motivar o aluno: O sucesso de um aluno depende do
seu nível de motivação e do seu nível de interesse pelo curso. A atenção do
aluno deve ser despertada e mantida. Por exemplo, o curso ou a lição
podem começar com efeitos animados e sonoros. Ou pode iniciar-se a
lição com uma pergunta provocatória que desperte a curiosidade dos alunos. O curso deve ainda incluir:
• Tecnologias auxiliares, como ferramentas de videoconferência, quando
garantidamente melhoram a interactividade com os alunos, aumentando assim o seu nível de motivação;
• Princípios básicos de motivação;
• Princípios de usabilidade e amigabilidade.
2. Identificar os objectivos de aprendizagem: Num curso é essencial que os
alunos saibam exactamente o que se espera que eles sejam capazes de
realizar no final. Isto ajuda-os a focalizarem-se na informação relevante e a
tomarem a responsabilidade pela sua aprendizagem.
3. Relacionar com conhecimentos anteriores: Identificando semelhanças e diferenças entre o conhecimento existente e o conhecimento a ser
ensinado, os alunos identificam mais rapidamente a informação relevante. Os materiais a desenvolver devem estimular o reconhecimento,
pelos alunos, das relações entre o que já sabem e o que deverão aprender. O ambiente hipermédia WWW permite aos alunos escolher as ligações de suporte mais adequadas aos seus conhecimentos e capacidades, relembrando ou aprendendo áreas essenciais ao curso que estão
a frequentar.
4. Reforçar a apresentação dos conteúdos: A apresentação da matéria a
leccionar deverá ter em conta algo mais do que a simples interface
gráfica. Os cursos de e-learning devem oferecer um ambiente dinâmico
onde múltiplas estratégias de apresentação sejam possíveis, de forma
a acomodar diferentes estilos de aprendizagem. Diferentes tipos de apresentação poderão ser utilizados em função das capacidades/grau de
formação de cada aluno devendo existir ligações para recursos adicionais que possibilitem melhorar os conhecimentos em áreas necessárias ao curso.
5. Guiar o aluno: O curso ou o professor devem guiar o aluno no sentido de
sugerir qual a melhor linha de raciocínio a adoptar e não no sentido de
fornecer resposta a questões. O aluno deve ser incentivado a procurar as
FMD iv.p65
15
12-01-2004, 12:38
16
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
suas próprias soluções mas garantindo que o faz de forma eficiente, não
perdendo demasiado tempo em caminhos sem saída.
6. Requerer envolvimento activo: O design instrucional do curso deve exigir o
envolvimento activo do aluno no processo de aprendizagem, uma vez que
produz melhores resultados. Genericamente falando, podemos dizer que
um aluno activo aprende mais rapidamente que um aluno passivo, tendo
também um menor grau de desmotivação. Os mecanismos que promovem
a participação activa incluem actividades que os alunos devem ser incentivados a realizar, e que vão desde comparar, classificar, induzir, deduzir e analisar erros, até pesquisar áreas semelhantes, fazer abstracções, ou analisar
diferentes perspectivas. Por exemplo, o ambiente de hipermédia WWW permite que os alunos façam associações individuais com materiais da aprendizagem enquanto navegam e que cada aluno possa seguir um conjunto de
ligações numa sequência diferente, criando assim as suas próprias associações e conexões com o material da aprendizagem. Isto é positivo porque
permite que os alunos explorem os materiais de acordo com os seus próprios padrões de pensamento, o que aumenta a retenção.
7. Proporcionar feedback: O apoio e o feedback devem estar sempre presentes. Em sistemas em que a integração de tecnologias o permita, como videoconferência ou chats, o apoio e feedback podem ser imediatos. De uma
maneira geral, devem ser providenciadas ligações que permitam acesso a:
• Endereços electrónicos dos professores e/ou responsáveis pelo apoio
e esclarecimento de dúvidas;
• Fórum de discussão, onde o aluno possa deixar mensagens escritas,
com comentários, dúvidas, opiniões, etc., sendo possível obter respostas a essas mensagens. Aqui poderá ser o instrutor ou outros alunos a
responder às mensagens, podendo essas respostas ser dadas individualmente, ao grupo, ou ficando simplesmente gravadas no fórum de
discussão;
• Chats: dependendo do tipo de curso poderão ser incluídas ferramentas
que permitam a discussão on-line em tempo real (chats). Este género
de solução deve ser disponibilizado com alguns cuidados adicionais,
uma vez que a sua utilização poderá distrair os alunos do seu objectivo
principal: a aprendizagem;
• Exemplos: o ambiente Web permite que a informação seja facilmente
estruturada e que os exemplos sejam integrados na apresentação dos
materiais educativos. Através dos exemplos, os alunos conseguem relacionar a nova informação num contexto mais familiar e perceptível;
• Resposta ou sugestões de resposta a exercícios, indicando a opção
certa e uma explicação sucinta do porquê da alternativa estar correcta
ou incorrecta, encaminhando os alunos devidamente para outras fontes
de informação.
8. Avaliar os conhecimentos: A avaliação permite assegurar que os estudantes assimilaram os conhecimentos pretendidos e verificar a necessidade
de apoio adicional. Poderão ser colocados exercícios de avaliação no final
de cada capítulo, podendo o acesso aos capítulos seguintes ser limitado
FMD iv.p65
16
12-01-2004, 12:38
17
Metodologias de concepção e desenvolvimento de cursos
consoante os resultados desses testes. O teste final serve, não só para
avaliação individual, mas também para verificar os níveis de sucesso atingidos que podem reflectir aspectos menos conseguidos na realização/
/implementação do curso e que devem ser corrigidos/melhorados no futuro. A avaliação pode ser realizada on-line ou off-line, através de testes objectivos ou subjectivos, ou através do desenvolvimento de actividades ou
portfolios.
• Nos testes on-line as respostas dadas pelos alunos são comparadas
com valores armazenados em bases de dados e os resultados são
revelados de imediato (testes objectivos). Uma alternativa será gravar
as respostas fornecidas em bases de dados para posterior análise, por
parte dos professores, sendo depois enviado o respectivo feedback ao
aluno (testes subjectivos). Além dos resultados e das classificações,
deverão ser explicadas, se aplicável e de uma maneira sucinta, as respostas correctas e incorrectas, com sugestões de melhorias ou áreas a
desenvolver;
• A avaliação off-line poderá ser feita através de actividades/trabalhos
desenvolvidos pelos alunos por sugestão do tutor ou por iniciativa própria. Essas actividades podem ser constituídas por tarefas, como projectos, estudos de casos, trabalhos escritos, pesquisas na Internet,
desenvolvimento de teorias, exercícios práticos, etc., com o objectivo de
integrar, aumentar e consolidar os conhecimentos adquiridos. Desta
maneira, o processo de avaliação funciona como parte integrante da
aprendizagem.
9. Potenciar a retenção e aplicação: A etapa final na aprendizagem consiste
em fornecer aos alunos meios adicionais para suprir lacunas em áreas de
conhecimento ou enriquecer o seu conhecimento com informação associada. Num ambiente on-line, podem ser fornecidas ligações para recursos
adicionais.
Como se relacionam os eventos de instrução de
Gagné com as fases de instrução de Alessi e
Trollip?
METODOLOGIAS MAIS UTILIZADAS
De uma forma genérica, as metodologias de desenvolvimento instrucional
projectam, com maior ou menor detalhe, três objectivos fundamentais:
1. Identificar os resultados a atingir com a aprendizagem;
2. Desenvolver a instrução;
3. Avaliar a eficácia da instrução.
A forma de endereçar estes aspectos é que distingue as metodologias, sobretudo pelo grau de planeamento e análise prévios e pela integração da avaliação
no ciclo completo.
FMD iv.p65
17
12-01-2004, 12:38
18
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
ADDIE
A metodologia ADDIE, que retira o seu nome das fases que a compõem, Análise
e Especificação (analysis), Concepção (design), Desenvolvimento (development),
Implementação (implementation) e Avaliação (evaluation), apresenta uma abordagem sistémica ao processo de criação instrucional. Sendo a metodologia mais
divulgada confunde-se com a própria definição de Instructional System Design (ISD)
e aparece com ambas as designações. A ADDIE consiste numa metodologia que
parte da definição de metas de aprendizagem e chega à implementação através de
um conjunto de passos relacionados e permanentemente sujeitos a avaliação:
•
Análise
– Fazer levantamento de necessidades
– Definir metas de aprendizagem para o curso
– Seleccionar estratégias de ensino/aprendizagem adequadas ao curso,
ao público-alvo e à própria instituição
– Definir tarefas
– Estimar os recursos e custos necessários
•
Concepção
– Definir os pré-requisitos que o aluno deve possuir antes de iniciar a
aprendizagem
– Desenvolver os objectivos de aprendizagem para cada unidade
– Identificar e sequenciar os passos de aprendizagem necessários para
atingir os objectivos
– Desenvolver os métodos de avaliação que demonstrem que o aluno
atingiu os objectivos
•
Desenvolvimento
– Listar as actividades que irão ajudar os alunos a atingir os objectivos
– Seleccionar a metodologia de distribuição
– Desenvolver/reutilizar os materiais formativos
– Sintetizar e sequenciar os recursos de forma a constituir um curso
•
Implementação
– Criar um plano de gestão do curso
– Conduzir a implementação
•
Avaliação
– Rever e avaliar cada fase, garantindo que o produto resultante é o que
seria de esperar
– Recorrer a avaliações externas.
Embora seja comum a noção de que as metodologias ISD são rígidas e lineares, na realidade é uma forma extremamente estruturada, mas dinâmica de
concepção e desenvolvimento, assente num processo de avaliação permanente.
Este processo inclui a integração do utilizador final desde os primeiros passos da
análise, reconhecendo as suas características próprias através de inquéritos,
entrevistas e treino em protótipos.
FMD iv.p65
18
12-01-2004, 12:38
19
Metodologias de concepção e desenvolvimento de cursos
FIG 2.2. • Ciclo de vida ADDIE
Como é visível na figura, trata-se de um processo contínuo e cíclico de desenvolvimento da instrução, adaptado à introdução de tecnologia em ensino/aprendizagem e à alteração do paradigma do professor, centro do conhecimento para o
paradigma da centragem no aluno, com a consideração dos estilos de aprendizagem individuais. Permite construir ambientes de aprendizagem ricos em que os
alunos podem trabalhar ao seu ritmo e em função das suas possibilidades e
capacidades. Tal como noutras metodologias, deve ter-se sempre em conta a
flexibilidade necessária para reagir rapidamente a questões que se levantem.
A metodologia ISD será aplicável quando os recursos (humanos e financeiros)
disponíveis são escassos? E no caso de um professor querer desenvolver, de forma
solitária, o seu próprio curso, em que medida esta metodologia o pode ajudar?
Outras críticas ao modelo referem a sua complexidade, o longo tempo exigido
de análise prévia e a incapacidade de se adaptar ao desenvolvimento de casos
mais simples. Em simultâneo critica-se a ênfase colocada na instrução e a pouca
atenção dedicada ao aluno, à sua aprendizagem e outros factores como o raciocínio, a reflexão e a memória.
Dick e Carey
W. Dick e L. Carey (1990) introduziram um modelo adaptado ao desenvolvimento de unidades e módulos programáticos que consiste em nove etapas:
1. Identificação das metas instrutivas, definidas como o estado desejável após
a instrução. Implica o levantamento de necessidades entendido como a
diferença entre o estado presente e as metas apontadas;
2. Realização da análise instrucional em que se determinam as competências necessárias para atingir uma meta de aprendizagem. Implica os seguintes passos:
• Análise de tarefas donde resulta a lista de passos e as competências
necessárias para executar cada passo;
• Análise do processamento de informação onde se definem as operações mentais necessárias em cada passo;
FMD iv.p65
19
12-01-2004, 12:38
20
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
•
Análise das tarefas de aprendizagem onde se definem os objectivos de
aprendizagem que envolvem capacidades intelectuais.
3. Identificação de pré-requisitos e características dos formandos, em que se
determinam as competências que os formandos devem possuir à entrada
para o curso:
• Competências intelectuais;
• Orientação espacial;
• Compreensão verbal;
• Traços de personalidade.
FIG. 2.3. • Modelo de Dick e Carey
4. Especificação dos objectivos de aprendizagem, onde se traduzem as necessidades e metas, baseadas em objectivos detalhados e específicos,
de forma a relacionar o processo instrutivo com as metas. Permite:
• Focar o planeamento dos conteúdos e actividades de acordo com as
condições de aprendizagem;
• Guiar o desenvolvimento de medidas de desempenho do formando;
• Assistir o formando no seu processo de aprendizagem.
5. Desenvolvimento de testes adaptados aos critérios de desempenho.
Permite:
• Detectar o domínio dos pré-requisitos pelos alunos;
• Verificar os resultados da aprendizagem do aluno durante uma lição;
• Proporcionar evidência do progresso do formando;
• Proporcionar dados para a própria avaliação do processo instrucional.
6. Desenvolvimento da estratégia instrucional que envolve o planeamento das
actividades de aprendizagem no sentido do cumprimento dos objectivos
de aprendizagem. Inclui também a selecção do sistema de distribuição da
instrução, nomeadamente em termos de metodologia de aprendizagem
(grupo guiado pelo professor, aprendizagem individual tutoriada, etc.);
7. Desenvolvimento de materiais instrutivos onde se procede à selecção dos
meios de apoio às actividades de aprendizagem e à adaptação e/ou desenvolvimento de conteúdos;
8. Avaliação formativa, de forma a obter dados para rever e melhorar os materiais e o processo formativo. Exemplo de ferramentas são os questionários, entrevistas, grupos de debate, etc.;
FMD iv.p65
20
12-01-2004, 12:38
21
Metodologias de concepção e desenvolvimento de cursos
9. Avaliação sumativa, onde se pretende avaliar a eficiência do sistema
formativo no seu todo. É executada após o sistema passar pela etapa
formativa.
Rapid Prototyping Design (RPD)
Rapid Prototyping Design (RPD), proposto por Dorsey, Goodrum e Schwen
(1997), é um modelo baseado em testes de usabilidade de protótipos. O resultado destes testes, efectuados pelos utilizadores e por especialistas, é utilizado
para modificar e melhorar iterativamente o produto. Tem vindo a ser usado crescentemente devido à necessidade de redução dos custos e do tempo de desenvolvimento.
A análise prévia é reduzida e integrada no processo de desenvolvimento e
de avaliação de conteúdos, objectivos e materiais. Assim, um primeiro protótipo é produzido quase de imediato e serve de base para desenvolvimentos
posteriores. A avaliação é uma acção permanente que actua sobre temas gerais (navegação, estrutura, design, etc.) e/ou específicos (semântica, componentes, etc.).
Este modelo reforça a participação dos alunos, como utilizadores, no processo de desenvolvimento, diminuindo o tempo dedicado à análise prévia. Por outro
lado, como os testes são realizados sobre protótipos e não sobre ideias em
papel, o feedback obtido é mais concreto e preciso, pelo que os custos de revisão
e aperfeiçoamento são menores (menos iterações).
Os problemas que o modelo introduz têm a ver com a gestão da equipa de
produção, uma vez que o processo deixa de ser tão modular. São tomadas
decisões estratégicas antes de se ter completado a análise, o que pode implicar erros graves, os ciclos de revisão de conteúdos aumentam de complexidade e de frequência (usando o tempo da equipa e dos utilizadores) e a qualidade final do produto pode não ser tão boa como com uma metodologia mais
planeada.
Alessi e Trollip
Alessi e Trollip (2001) propõem um modelo simplificado, baseado em três
fases diferentes mas sujeitas permanentemente a três processos adicionais de
controlo e gestão:
FMD iv.p65
•
Standards, com a definição de guias de estilo visual, de programação e de
execução de tarefas;
•
Avaliação formativa ao longo de todo o percurso;
•
Aplicação de regras de gestão de projecto.
21
12-01-2004, 12:38
22
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
FIG. 2.4. • Modelo de Alessi e Trollip
É um modelo adequado a processos simples, muito ao nível de cursos ou
módulos de dimensão reduzida e bastante vocacionado para cursos multimédia.
As três fases propostas são:
FMD iv.p65
•
Planeamento
– Definir o âmbito do curso
– Identificar as características do aluno
– Estabelecer as limitações
– Identificar custos
– Produzir um documento de planificação
– Produzir um manual de estilo, incluindo look and feel
– Reunir recursos
– Obter aprovação do cliente
•
Concepção ou Design
– Desenvolver as ideias iniciais sobre o conteúdo
– Conduzir a análise de tarefas e conceitos
– Realizar uma descrição preliminar do curso
– Preparar um protótipo
– Criar fluxogramas e storyboards
– Preparar scripts
– Obter aprovação do cliente
•
Desenvolvimento
– Preparar o texto
– Escrever o código dos programas
– Criar os gráficos
– Produzir o áudio e o vídeo
– Reunir os componentes
– Preparar os materiais de apoio
– Fazer teste alfa
– Rever os materiais
– Fazer teste beta
– Revisão final dos materiais
– Obter aprovação do cliente
– Validar
22
12-01-2004, 12:38
23
Metodologias de concepção e desenvolvimento de cursos
Olhando para as várias metodologias atrás descritas qual é a que se adequa melhor ao seu caso?
Considera possível utilizar uma metodologia mista,
ou seja, que extrai os melhores aspectos de todas
as referidas? Justifique.
As metodologias referidas serão mutuamente exclusivas? Comente.
FMD iv.p65
23
12-01-2004, 12:38
24
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
FMD iv.p65
24
12-01-2004, 12:38
25
???????????????????????????????
U
N
I
D
A
D
2
E
ANÁLISE E DESIGN
PEDAGÓGICO
O
FMD iv.p65
B
J
E
C
T
I
V
O
S
Compreender o processo de análise de
cursos de e-learning
Identificar os meios de apoio e as tecnologias de distribuição do e-learning
Compreender o processo de design pedagógico de cursos de e-learning
Conhecer as estratégias de ensino/aprendizagem que podem ser utilizadas no e-learning
25
12-01-2004, 12:38
26
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
O primeiro passo de qualquer projecto consiste na análise e identificação de
problemas. No caso de um curso de e-learning multimédia pretende-se saber quem
vai aprender o quê, quando, onde e como. A fase seguinte consiste no design pedagógico, ou seja, na concepção e sequenciamento das actividades de aprendizagem
de forma a garantir o máximo rendimento dos alunos. A divisão de etapas aqui
apresentada aproxima-se da proposta pela metodologia ADDIE, embora com alterações resultantes da necessidade de cursos mais interactivos e distribuídos.
ETAPAS DA ANÁLISE
O processo de análise passa pelas seguintes etapas:
Detectar necessidades
Um curso só deve ser criado se satisfizer uma necessidade real e concreta e
se for a forma mais eficaz de suprir essa lacuna. O curso pode assumir a forma de
uma disciplina académica, um curso especializado ou um módulo de formação
contínua, mas deve corresponder a um pedido que um determinado público-alvo
faz para essa acção.
O levantamento de necessidades é realizado recorrendo a:
•
Análise de literatura;
•
Observação directa dos potenciais formandos;
•
Inquéritos e/ou entrevistas a gestores e responsáveis pela formação;
•
Inquéritos e entrevistas a eventuais formandos.
Definir metas de aprendizagem
A partir das necessidades identificadas parte-se para a definição das metas
de aprendizagem que as permitam satisfazer. As metas de aprendizagem são
afirmações genéricas sobre o impacto que o curso terá sobre os alunos. Estabelecem os aspectos que permitirão verificar se os alunos obtiveram ou não sucesso no final do período de instrução. Exemplos de metas de aprendizagem podem
ser: «O curso…
FMD iv.p65
•
irá aumentar o conhecimento e compreensão do aluno na área…
•
irá promover a comunicação acerca de…
•
irá estabelecer um consenso sobre…
•
familiarizará os alunos com…
•
introduzirá os conceitos e teorias relacionados com…
•
irá expor os participantes aos princípios de…»
26
12-01-2004, 12:38
27
Análise e design pedagógico
Caracterizar o público-alvo
Quanto mais completa for a informação obtida sobre os alunos, melhor será a
adequação dos materiais e tecnologias utilizadas. A caracterização do público-alvo implica conhecer:
•
O número de formandos;
•
A média de idades;
•
A formação e experiência profissional prévias;
•
Competências culturais e mentais;
•
Competências de leitura;
•
Motivação e interesses;
•
Familiaridade com o computador;
•
Familiaridade com a Web;
•
Acesso a computadores;
•
Acesso à Web;
•
Disponibilidade de tempo;
•
Deficiências físicas.
O ambiente do curso de e-learning deve ser flexível e integrar diversas actividades que se adaptem a vários estilos de aprendizagem e necessidades pessoais.
Por exemplo, alunos introvertidos preferem comunicar via computador a fazê-lo
presencialmente. O ambiente on-line também proporciona uma abordagem menos hierárquica e menos linear, o que vai ao encontro das pessoas que gostam de
assumir o controlo da sua aprendizagem.
A seguinte categorização de estilos de aprendizagem1, segundo o modelo VAK
(Visual, Auditory, Kinesthetic), reflecte precisamente os diferentes canais de percepção (visão, audição, tacto):
• Visual/Verbal
Estes alunos aprendem melhor quando a informação é apresentada textualmente. Numa sala de aula, preferem os professores que
usam auxiliares visuais (quadro preto, slides PowerPoint,
etc.) para mostrar os pontos essenciais de uma lição. Beneficiam da informação obtida nos livros da disciplina e dos
apontamentos do curso. Gostam de estudar em ambientes
tranquilos. Visualizam a informação para recordar algo. O
ambiente on-line é especialmente apropriado para eles porque a maior parte da informação é apresentada numa forFIG. 3.1. • A utilização
ma escrita.
de auxiliares audiovisuais
facilita a aprendizagem
de alunos com este estilo
de aprendizagem
FMD iv.p65
27
12-01-2004, 12:38
28
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
• Visual/Não Verbal
Estes alunos aprendem melhor quando a informação é apresentada graficamente,
através de figuras, desenhos, imagens, etc. Numa sala de aula, beneficiam quando os
professores complementam as suas lições com vídeo, mapas, diagramas, etc. Relacionam bem a informação obtida das imagens e dos gráficos nos livros da disciplina.
Tendem a preferir trabalhar sozinhos em ambientes tranquilos. Visualizam uma imagem na sua mente ao tentar recordar. O ambiente on-line é adequado para este tipo de
estudantes porque as representações gráficas da informação ajudam-nos a recordar
conceitos e ideias. A informação gráfica pode ser apresentada usando gráficos, tabelas
e imagens.
• Auditivo/Verbal
Estas pessoas aprendem melhor quando a informação é apresentada verbalmente. Numa sala de aula, preferem escutar a lição e participar em discussões
de grupo. Beneficiam também ao obter informação através de áudio. Ao tentar
recordar algo, repetem-no frequentemente em voz alta e mentalmente. Aprendem
melhor ao conversar com os outros. O áudio e as conferências verbais por computador podem ser incorporados num curso para se adequar melhor ao estilo da
aprendizagem destes estudantes.
• Cinestésico/Corporal
Estes alunos aprendem melhor em situações fisicamente activas da aprendizagem. Na aula, preferem laboratórios onde podem manipular materiais. Preferem os professores que usam demonstrações para a classe, experiências de
aprendizagem e trabalho de campo fora da sala de aula. Os ambientes on-line
podem fornecer oportunidades de aprendizagem para estes alunos. As simulações com gráficos 3D podem replicar demonstrações físicas. O trabalho exterior
pode ser incorporado no curso com a discussão on-line que precede e que segue
a experiência. Finalmente, o ambiente on-line é adequado para a apresentação e
a discussão do grupo ou de projectos individuais e de actividades.
Identificar restrições
Este passo consiste em identificar restrições que possam condicionar as opções
a tomar em termos de tecnologias multimédia. É importante considerar os sistemas
que irão ser usados pelos alunos (processador, memória, disco, monitor, disponibilidade de CD ou DVD, acesso à Internet por modem telefónico ou banda larga, disponibilidade de áudio), o que inclui também o software neles disponíveis (sistema operativo, browser WWW, outras aplicações).
Estimar custos
Embora não seja sempre referido, este passo é importante para garantir que o
processo de desenvolvimento não seja interrompido por falta de fundos. A previsão de custos deve incluir os seguintes aspectos:
FMD iv.p65
28
12-01-2004, 12:38
29
Análise e design pedagógico
•
Aquisição dos conteúdos, ou seja, a contratação de algum especialista na
área ou o número de horas que um membro da equipa terá de gastar para
dominar os conteúdos;
•
Desenvolvimento de guias de estilo para o curso, nomeadamente em termos de design e aspecto gráfico (logótipos, cores, estilo de texto), metáforas a utilizar, convenções gramaticais, funcionalidades (dimensão dos ficheiros para aplicações Web, por exemplo), etc.;
•
Tempo de desenvolvimento dos conteúdos
– Programação de scripts
– Criação das páginas de conteúdos
– Edição de gráficos
– Produção e edição de vídeo
– Produção e edição de áudio
– Desenvolvimento de actividades de interacção;
•
Despesas de gestão do projecto, incluindo despesas administrativas e
correlacionadas.
Em projectos que estão a ser desenvolvidos a partir de um contrato, convém que o cliente esteja sempre a par das etapas e no final de cada uma dê a
sua concordância escrita para o prosseguimento
das actividades. Só assim se pode negociar a incorporação de requisitos adicionais surgidos a meio
do desenvolvimento.
No final do processo de análise, que informação
deverá estar disponível?
ETAPAS DO DESIGN PEDAGÓGICO
Para existir aprendizagem deve acontecer a interacção propositada e apoiada
entre aluno e fonte de informação, realizada em várias etapas e com o objectivo de
aumentar o conhecimento e as capacidades do aluno numa determinada área.
A fase de design pedagógico é o momento em que se prepara a estratégia de
desenvolvimento instrutivo. O objectivo final é o de construir um mapa, mostrando os
passos sucessivos a executar para atingir os objectivos traçados, tendo em conta que
os estudantes irão aceder aos materiais do curso de forma independente, e a sua
aprendizagem é conseguida pela consulta guiada das fontes de informação. Estas
podem ser tão variadas como um livro-base, pesquisa nos recursos da Internet, CD/
/DVD, comunicação com colegas e professor, através de software de conferência síncrona ou assíncrona, e correio electrónico.
Definir objectivos de aprendizagem
Para além das metas genéricas da aprendizagem, devem ser estabelecidos
objectivos concretos que permitam aos alunos saber, em cada passo do curso, o
FMD iv.p65
29
12-01-2004, 12:38
30
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
que se espera que eles aprendam. Estes objectivos permitem estabelecer os
critérios de desempenho dos alunos e identificar as estratégias educativas e as
ferramentas tecnológicas mais adequadas.
Os objectivos podem ser terminais, correspondentes ao que aluno deverá ser
capaz de fazer ou compreender no final de cada unidade instrucional, ou subordinados que definem as competências e os conhecimentos intermédios que os
alunos devem adquirir para atingir os objectivos terminais. Os objectivos são apresentados da seguinte forma:
•
«No final desta unidade, o aluno será capaz de compreender, executar,
aplicar, reconhecer, identificar…»
Merril (1983) introduziu uma matriz que permite identificar, para cada tipo de
conteúdo, o uso que o aluno lhe dará. Esta identificação simplifica o processo de
selecção da estratégia de ensino/aprendizagem.
QUADRO 3.1. • Tabela de Merril
Memorizar
Usar
Pesquisar
Factos
Conceitos
Processos
Procedimentos
Princípios
Definir tarefas
Este passo corresponde em determinar, em função dos objectivos, o que os
alunos deverão fazer. A finalidade consiste em dividir tarefas complexas em tarefas mais simples que conduzam a competências e conhecimentos elementares.
O sequenciamento da aquisição destas competências conduz à competência
global. Cada tarefa tem as seguintes características:
FMD iv.p65
–
Início e fim;
–
Realização num tempo relativamente curto;
–
Possibilidade de serem observadas e medidas;
–
Independência de outras tarefas;
–
Pré-requisitos (competências, qualificações) para a sua realização;
–
Critério para se considerar cumprida.
30
12-01-2004, 12:38
31
Análise e design pedagógico
FIG. 3.2. • Análise de tarefas
Sequenciar as tarefas de ensino/aprendizagem
A análise de conteúdos deve ser projectada numa sequência de módulos ou
lições. A sequência pode ser linear (como na figura seguinte) ou não, de acordo
com a análise realizada.
FIG. 3.3. • Sequenciamento dos conteúdos
Por sua vez, cada módulo/lição deve incluir uma sequência de actividades. Por
exemplo, para cada módulo pode-se considerar a seguinte planificação:
1. Eventos pré-instrutivos: introdução, objectivos, revisões, pré-avaliação de
conhecimentos;
2. Apresentação da informação, complementada periodicamente com exercícios;
3. Participação dos alunos: consulta da informação, discussão, projecto, etc.;
4. Sumário;
5. Avaliação;
6. Actividades de recuperação e seguimento, para alunos com dificuldades
de aprendizagem.
FMD iv.p65
31
12-01-2004, 12:38
32
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
Seleccionar os modos de distribuição
e as tecnologias de apoio
A definição dos objectivos de aprendizagem, a caracterização do público-alvo e
a análise de tarefas e conceitos conduzem à definição das estratégias de aprendizagem e à selecção dos meios de apoio e distribuição, ou seja, o tipo de recursos que serão usados, a forma como as actividades serão enquadradas dentro
do curso e o seu correcto sequenciamento.
Os modos de distribuição mais comuns são:
•
Sala de aula com formador: este é o modelo clássico de formação presencial, em que o formador fornece a informação aos alunos e estabelece o
ritmo de progressão do curso;
•
Vídeo ou audioconferência: sistema que permite a comunicação bidireccional através de vídeo ou áudio entre professor e alunos, que podem estar
no mesmo local ou em locais distintos;
•
Computer Based Training (CBT): sistema instrucional que permite a um
aluno aprender através da interacção com uma aplicação informática local;
•
Web Based Training (WBT): sistema instrucional ao qual o aluno acede
através da Internet ou Intranet, normalmente com um explorador WWW. O
sistema permite normalmente a interacção com um tutor e com outros
alunos, através de ferramentas de conferência assíncronas (correio electrónico, fórum de discussão, etc.) ou síncronas (chat, conferência por computador, etc.). Neste último caso também são designados por Ambientes
de Aprendizagem Colaborativos;
ASPECTOS A CONSIDERAR
A
utilização de um suporte instrutivo baseado em
tecnologia tem impacto na eficiência do processo
de aprendizagem. Um determinado número de aspectos
deve ser imediatamente considerado nesta fase do ID:
• Quais são as competências técnicas dos alunos e
professores e o que deve ser feito para garantir que
estarão confortáveis com as ferramentas disponibilizadas?
• Existem recursos humanos disponíveis (e tempo) para
fazer a formação necessária na tecnologia seleccionada?
• Existem recursos para suportar tecnicamente os professores e alunos durante o curso?
• Qual a disponibilidade e meios que serão exigidos
aos professores para atendimento aos alunos?
• Quais os recursos existentes para o desenvolvimento de material?
• Qual o equipamento e software disponível para utilização de professores e alunos? Satisfaz os requisitos
mínimos exigidos?
FMD iv.p65
32
• Blended Learning 2 : em que
existe complementaridade entre formação presencial e Web
Based Training;
• Electronic Performance Support
Systems: sistemas que fornecem informação sobre a execução de uma determinada tarefa.
Também proporcionam apoio na
tomada de decisões relativas a
determinados problemas.
Por seu turno, as tecnologias
de distribuição agrupam-se em:
• Aplicações multimédia, como
simuladores, jogos, tutoriais;
• Suporte impresso, como livros
e apontamentos;
12-01-2004, 12:38
33
Análise e design pedagógico
•
Suporte electrónico, como CD/DVD, sites Web;
•
Áudio e vídeo, quer como suporte documental quer como forma de comunicação;
•
Comunicação electrónica assíncrona, como correio electrónico, grupos
de discussão, etc. e síncrona, como chats, partilha de aplicações, whiteboard, etc.
Seleccionar a metodologia de ensino/aprendizagem
Este passo corresponde a escolher estratégias de ensino/aprendizagem adequadas quer ao público-alvo, quer às metas de aprendizagem e correspondentes
tarefas. Quando o ambiente Web começou a ser usado como suporte instrutivo, o
primeiro passo, em muitos casos, consistiu na simples transposição das actividades tradicionais para um novo meio. Por exemplo, os textos de apoio eram
simplesmente colocados on-line sem nenhum elemento adicional. A eficácia desta estratégia simples é muito reduzida e não introduz mais-valias em relação ao
processo tradicional.
A selecção das actividades e ferramentas de apoio deve ter em consideração
a eficácia e eficiência do processo instrutivo, no sentido de:
1. Encorajar o contacto entre alunos e professor;
2. Desenvolver a colaboração entre alunos;
3. Promover a aprendizagem activa;
4. Favorecer o feedback;
5. Respeitar as capacidades e os estilos de cada aluno.
As estratégias de ensino/aprendizagem mais comuns são as seguintes:
•
Prelecção;
•
Trabalho de grupo;
•
Discussão;
•
Projecto;
•
Aprendizagem colaborativa;
•
Auto-aprendizagem;
•
Estudo de casos;
•
Tutoria;
•
Entrevista a especialistas;
•
Aprendizagem por problemas.
A abordagem mais comum consiste em integrar várias destas estratégias. Por
exemplo, promovendo a discussão a partir da entrevista a um especialista, combinando a prelecção com estudo de casos, etc.
FMD iv.p65
33
12-01-2004, 12:38
34
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
Desenvolver os métodos de avaliação
Corresponde a seleccionar as ferramentas adequadas para fazer a verificação
dos conhecimentos adquiridos pelos alunos, no curso e por módulo ou unidade.
Para ser eficaz, a avaliação deve:
•
Ser relevante para os objectivos de aprendizagem definidos;
•
Testar os mesmos objectivos antes e depois do curso e do módulo, para
verificar o acréscimo de conhecimento e/ou competência.
As formas mais comuns de avaliar os alunos são através de questionários
com questões de escolha múltipla ou descritiva, realização de trabalhos (pesquisas, sínteses, artigos, etc.), participação activa em discussões e análise de
portfolio.
A avaliação dos alunos em cursos de e-learning traz problemas acrescidos de
autenticidade, segurança e confidencialidade. Há estratégias que podem reduzir
a tentação dos alunos copiarem ou prevenir a possibilidade de terem «ajuda»:
•
A utilização do sistema de verificação de utilizador (login/password) limita o
acesso ao sistema;
NÍVEIS DE CLASSIFICAÇÃO
A
utilização de níveis de classificação bem
especificados fornece um feedback mais
útil aos alunos. Cada nível representa uma
lista de verificação de características que um
produto da aprendizagem deve possuir. A granularidade da escala deve ser definida sempre em função dos objectivos de aprendizagem. A título de exemplo apresenta-se em
seguida uma escala de classificação de cinco níveis.
A = excepcional: a qualidade e quantidade
vão além das expectativas; digno de um portfolio profissional; abrange todos os itens do
trabalho; demonstra domínio do conteúdo usando exemplos e/ou reflexões personalizadas
sobre o conteúdo do capítulo; demonstra um
nível aplicado da compreensão com as reflexões personalizadas sobre as estratégias e
os procedimentos usados para ler e apreender o conteúdo do capítulo.
B = excelente: qualidade e quantidade superior às expectativas; digno de um portfolio
profissional; endereça a maioria dos itens do
trabalho; demonstra domínio do conteúdo
usando exemplos e/ou reflexões personalizadas sobre o conteúdo do capítulo; demonstra um nível aplicado da compreensão com as
reflexões personalizadas sobre as estratégi-
FMD iv.p65
34
as e os procedimentos usados para ler e apreender o conteúdo do capítulo.
C = aceitável: qualidade e quantidade satisfatórias de acordo com as expectativas; necessita de revisão substancial para ser digna
de um portfolio profissional; endereça metade
dos temas do trabalho; inclui um sumário ou
cópia do conteúdo do capítulo; demonstra domínio no uso de exemplos e/ou reflexões personalizadas sobre o conteúdo do capítulo; demonstra um nível aplicado da compreensão com
as reflexões personalizadas sobre as estratégias e os procedimentos usados para ler e
aprender o conteúdo do capítulo.
D = inaceitável: não satisfaz as expectativas; necessita de revisão substancial para ser
digna de um portfolio profissional; endereça
menos de metade dos tópicos do trabalho; consiste primeiramente num sumário de ideias principais do conteúdo do capítulo; a informação
sumariada é exacta.
E = sem crédito: esforço indigno de crédito;
necessita de revisão substancial para ser digna de um portfolio profissional; dirige-se a não
mais de um tópico do trabalho; consiste primeiramente num sumário de ideias principais do
conteúdo do capítulo; a informação sumariada
é incorrecta.
12-01-2004, 12:38
35
Análise e design pedagógico
•
Obter a ajuda de alguém num curso de e-learning implica um esforço substancial e, na maioria dos casos, é uma ajuda não consistente ao longo de
vários testes. Os resultados do aluno serão assim muito variáveis;
•
Muitos exames curtos integrados na sequência normal dos exercícios, tornam difícil a um aluno ter sempre «ajuda»;
•
Pedir aos estudantes que relacionem a matéria com as suas próprias
experiências pessoais/profissionais de modo a que as respostas sejam
personalizadas e difíceis de replicar;
•
Requerer que os alunos submetam um esboço dos trabalhos antes de a
versão final estar pronta. Desta maneira, o professor pode ver o trabalho
em andamento;
•
A existência de um grande repositório de perguntas permite que um programa automatizado possa seleccionar perguntas de forma aleatória, gerando testes diferentes para cada aluno;
•
Limitar os períodos em que os testes on-line estão disponíveis.
Finalmente, os testes não devem ser o único meio de avaliação dos alunos.
Se forem avaliados com vários métodos diferentes, terão a melhor garantia de
que os resultados obtidos traduzem com segurança o grau de conhecimento
do aluno.
Quais são as diferenças fundamentais entre a
avaliação em regime presencial e em regime de
e-learning?
TECNOLOGIAS DE APOIO
O desenvolvimento de cursos deve adequar-se ao contexto geral de implementação. Por exemplo, a aprendizagem baseada na Web é eficaz para a comunicação
entre professor e alunos, colaboração e aquisição da informação mas não para ler
longos ficheiros de texto. Assim, os materiais de um curso de e-learning devem ser
projectados com recurso às ferramentas de apoio adequadas. Algumas destas são
apresentadas em seguida:
Aplicações Multimédia
Podemos classificar as aplicações multimédia nos seguintes tipos:
FMD iv.p65
•
Tutoriais – Tutoriais são programas que substituem o professor, apresentando informação e guiando o aluno nas fases iniciais de aprendizagem.
•
Hipermédia – As aplicações hipermédia são outra forma de apresentar informação e guiar o aluno, mas de uma forma muito mais flexível e adaptada ao
35
12-01-2004, 12:38
36
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
modelo construtivista, uma vez que permitem ao aluno explorar novos caminhos e gerir o seu próprio caminho.
•
Drill and Practice – Estas ferramentas permitem aos alunos praticar o
conhecimento adquirido através de repetições (exemplos e exercícios, etc.)
da aplicação prática dos conceitos aprendidos.
•
Simulações – Uma aplicação de simulação pode criar, por si só, toda uma
experiência de aprendizagem, já que permite apresentar informação, guiar
o aluno, facultar a prática e avaliar os conhecimentos adquiridos. Tem ainda a possibilidade de permitir a instrução mais ou menos flexível, ou seja,
condicionando as opções do aluno ou deixando-o explorar e testar os seus
próprios limites.
•
Jogos – Os jogos permitem ao aluno praticar a aplicação dos conceitos, um
pouco da mesma forma que as aplicações do tipo drill. Tem a vantagem de
não repetir as situações que o aluno enfrenta, tornando-se bastante motivadoras (e inclusivamente aditivas) para ele.
•
Ambientes abertos – Consistem num grupo de aplicações flexíveis e abertas na sua interacção e que, em simultâneo com outras ferramentas, permitem a aprendizagem por exploração.
•
Testes – Os testes podem ser usados para avaliação sumativa dos alunos, ou seja, saber se eles atingiram os objectivos de aprendizagem traçados, e também para avaliação formativa, para que o aluno se aperceba das
suas próprias limitações e falhas. Neste sentido, ao receber as respostas
correctas o aluno vai aprendendo.
Os benefícios principais da utilização de aplicações multimédia estão relacionados com os seguintes pontos:
•
O material pode ser utilizado de forma e ritmo pessoais;
•
O material que não é facilmente adaptado ao formato impresso pode ser
apresentado desta forma;
•
Os programas podem conter tutoriais para informações específicas que os
alunos necessitem;
•
O software pode ser distribuído através da Internet.
Os inconvenientes prendem-se com o custo das aplicações, a exigência em
termos de software e, por vezes, a curva de aprendizagem da ferramenta.
Material Impresso
A utilização de um livro como elemento de um curso de e-learning pode parecer
estranho e alheio a um ambiente tecnológico. No entanto, é um meio de apoio a
actividades exploratórias, por exemplo:
FMD iv.p65
36
12-01-2004, 12:38
37
Análise e design pedagógico
•
Atribuir um segmento de um capítulo a um indivíduo ou equipa;
•
Fornecer perguntas de discussão que exijam a leitura ou requerer que sejam
os alunos a colocar as perguntas em função da leitura feita;
•
Fornecer perguntas de discussão que exijam a síntese da leitura;
•
Fornecer uma actividade que requeira que os alunos apliquem a informação lida.
•
Benefícios:
– São relativamente baratos;
– Os alunos não necessitam de nenhum equipamento adicional para
usar o material;
– Os alunos podem voltar atrás e recuperar a informação quando necessitam.
•
Inconvenientes:
– Só podem ser obtidos em pontos de venda ou distribuídos pelo correio;
– Só transmitem a informação por texto e figuras estáticas;
– É impossível obter feedback ou fazer perguntas ao autor.
FIG. 3.4. • Alguns cursos usam manuais impressos
como fonte principal de informação
Artigos da Web
Cada participante pesquisa na Internet artigos sobre um determinado tópico:
lê, sumaria e critica o artigo. Outros participantes podem aceder ao artigo e comentar a crítica do seu colega.
FMD iv.p65
37
12-01-2004, 12:38
38
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
•
Benefícios:
– Permite aos alunos escolher aquilo que querem pesquisar e assumir o
controlo da sua própria experiência de aprendizagem;
– O número de artigos e a quantidade de informação que os alunos podem consultar são ilimitados;
– Traz recursos exteriores ao curso que podem ser sumariados e arquivados para uso posterior;
– Os alunos estão a aprender e, simultaneamente, a praticar capacidades de pesquisa.
•
Inconvenientes:
– A informação em alguns sites da Web pode não ser de qualidade;
– A multiplicidade de artigos pode confundir os alunos.
Sites Web
Os alunos acedem a sites Web exteriores ao curso, onde dispõem de informação actualizada (por vezes em formato vídeo e áudio) relacionada com o curso.
•
Benefícios:
– Os alunos têm contacto directo com outros alunos;
– Os alunos têm contacto directo com uma variedade de professores e
são expostos a estilos diferentes de ensinar;
– Os alunos comunicam em tempo real através de correio electrónico e
chat com outros alunos e professores.
•
Inconvenientes:
– Esta actividade pode distrair os alunos de outras tarefas do estudo.
Grupos de Notícias/Discussão
Os alunos acedem a grupos de discussão exteriores ao curso para discutir ou
ler tópicos relacionados com o conteúdo do curso.
•
Benefícios:
– Há uma grande quantidade de material novo, actualizado periodicamente;
– Muitos grupos de notícias têm um excelente arquivo de material.
•
Inconvenientes:
– Existe uma grande percentagem de lixo na informação disponível.
Listas de Distribuição
As listas de distribuição permitem a comunicação por correio electrónico para
um conjunto alargado de remetentes, criando discussões focalizadas em tópicos
do curso.
FMD iv.p65
38
12-01-2004, 12:38
39
Análise e design pedagógico
•
Benefícios:
– Existem listas de distribuição, de âmbito global ou local, focando quase
todos os assuntos possíveis;
– A discussão fornece uma troca de ideias com as pessoas não inscritas
no curso.
•
Inconvenientes:
– O tempo extra de leitura de um largo número de mensagens geradas
por uma lista de distribuição activa.
Chat
As ferramentas de chat permitem discussões síncronas on-line entre dois ou
mais participantes.
•
Benefícios:
– Uma sessão de chat periódica como complemento de um curso pode
fornecer um fórum mais interactivo para os participantes;
– Os professores podem marcar horas para que os alunos disponham
de feedback imediato.
•
Inconvenientes:
– Com mais de duas pessoas no chat, pode tornar-se confuso seguir
diversos fios de pensamento;
– É difícil coordenar uma sessão onde todos os alunos possam participar (diferentes fusos horários, etc.).
Vídeo
Os conceitos básicos do tema do curso ou os conteúdos para a discussão na sala
de aula virtual podem ser fornecidos através de vídeo. Os alunos podem ver os vídeos
fora da aula e depois discutir/criticar na sala de aula virtual.
FMD iv.p65
•
Benefícios:
– O vídeo transmite informação (como conceitos visuais ou processuais)
difícil de expressar em forma impressa;
– O vídeo ajuda os alunos com um estilo de aprendizagem visual;
– Se o vídeo for transmitido através da Web a informação pode ser distribuída assincronamente e cada aluno pode ver o material que mais lhe
convém;
– As transmissões de televisão podem ser gravadas para posterior estudo ou revisão.
•
Inconvenientes:
– É requerido que os alunos tenham televisão e/ou vídeo;
– Alguns programas só estão disponíveis a certas horas;
– Cassetes de vídeo só podem ser distribuídas via correio ou através de
posto de venda;
39
12-01-2004, 12:38
40
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
–
Quando distribuído via WWW requerem muito tempo de transmissão,
devido à dimensão dos ficheiros de vídeo.
REGRAS PRÁTICAS
• Usar apenas tecnologias que efectivamente
ajudem a transmitir a mensagem: O facto de
uma determinada tecnologia existir não significa que se deva usar. O ambiente deve
ser concebido de acordo com o menor denominador comum em termos de acesso e
capacidades técnicas para garantir que o
maior número de alunos terá possibilidade
de usar o curso.
• Uma tecnologia só deve ser usada se contribuir para a experiência de aprendizagem
de uma forma que nenhuma outra consiga.
Se os alunos se concentrarem na tecnolo-
gia não estarão concentrados na aprendizagem.
• Usar as tecnologias que os alunos podem
usar: mesmo que seja possível fornecer
registos em áudio e vídeo das lições, quantos alunos terão a largura de banda suficiente para as receber? Quanto lhes custará manter uma ligação Internet através de
um Internet Service Provider para as ouvir/ver? Sempre que se recorrer às tecnologias avançadas devem ser fornecidos
meios alternativos com tecnologias mais
económicas.
Áudio
Os conceitos básicos do conteúdo do curso ou recursos para as discussões
na sala de aula virtual podem ser fornecidos por este meio.
•
Benefícios:
– Os custos do equipamento técnico são menores que no vídeo;
– Os ficheiros de áudio podem ser descarregados da Internet;
– As transmissões de rádio podem ser gravadas para um estudo posterior.
•
Inconvenientes:
– Falta a componente visual;
– Embora os ficheiros digitais de áudio sejam menores que os de vídeo,
gravações longas exigem muito tempo de transmissão.
ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM
Numa sala de aula tradicional os professores detinham o controlo do
ambiente porque eram a fonte de informação. Num curso de e-learning, com
acesso rápido a vastos recursos de dados e informação, os estudantes não
estão dependentes do professor, tornando-se a experiência mais colaborativa, contextual e activa. Para que a aprendizagem em e-learning seja bem
sucedida, os professores e os alunos têm de desempenhar novos papéis,
mas o próprio curso deve estar preparado para permitir o controlo dos alunos, utilizando estratégias de ensino/aprendizagem múltiplas que garantam
a eficácia da aprendizagem.
FMD iv.p65
40
12-01-2004, 12:38
41
Análise e design pedagógico
Muitas das estratégias disponíveis para o ambiente de ensino on-line foram
adaptadas, com sucesso, do ensino presencial. De seguida apresentam-se estratégias usadas eficazmente na sala de aula tradicional mas que podem também ser
usadas no ambiente de aprendizagem on-line.
Trabalho de Grupo
Em grupos pequenos, os alunos podem discutir os conteúdos, compartilhar
ideias e resolver problemas. Apresentam as suas próprias ideias e consideram as
dos outros. Desta forma, são expostos a uma variedade de pontos de vista sobre
um determinado assunto. Há vários formatos de grupo que incentivam e fornecem
oportunidades para a interacção:
•
O grupo de discussão permite que os alunos reflictam sobre um assunto
e apresentem os seus pontos de vista. A discussão dentro do grupo realiza-se em níveis intelectuais elevados – especificamente análise, síntese e
avaliação;
•
O projecto guiado incentiva a interacção em grupos pequenos. Aqui o foco
está no desenvolvimento da capacidade de decisão dos alunos. Os participantes trabalham para resolver problemas abertos que requerem trabalho
de recolha de informação exterior à aula. Este formato incentiva os alunos
a pensar logicamente, comunicar ideias e aplicar etapas num processo de
tomada de decisão. Os alunos necessitam de aplicar a informação que
aprenderam, trocar ideias e reflectir sobre várias hipóteses de solução. O
professor funciona como consultor do grupo;
•
A dramatização (role-playing) é outro formato disponível para grupos pequenos e implica recriar uma situação real em que os participantes assumem papéis. Isto promove a compreensão dos procedimentos que são
usados no diagnóstico e resolução de problemas. A dramatização pode ser
usada para simular situações de trabalho de grupo da vida real e ajuda os
alunos a ganhar uma compreensão mais vasta de um problema ou de uma
situação;
•
Os jogos requerem que dois ou mais grupos compitam enquanto tentam
satisfazer os objectivos do jogo. O jogo segue um conjunto de regras, e são
fornecidos os procedimentos e a informação necessários para tomar decisões. A maioria dos jogos reflecte situações da vida real.
Os ambientes on-line de aprendizagem permitem que os grupos pequenos
trabalhem independentemente, sem a presença do professor, organizados de
acordo com os seus fusos horários. Grupos maiores podem comunicar assincronamente através dos programas de conferência. Outra vantagem dos ambientes
on-line para o trabalho do grupo é que nivelam o controlo entre participantes.
Factores como a geografia, o género ou as deficiências não prejudicam os alunos
neste ambiente.
FMD iv.p65
41
12-01-2004, 12:38
42
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
Discussão
A discussão é a estratégia preferida pelos alunos adultos porque é interactiva
e incentiva a aprendizagem activa e participativa. O formato da discussão incentiva
os alunos a analisar maneiras alternativas de pensar e agir e ajuda-os a explorar
as suas próprias experiências. A discussão é frequentemente o coração de um
curso de e-learning.
A Internet oferece muitos modos de discussão, incluindo listas de distribuição, grupos de discussão e grupos de notícias que se focam em tópicos particulares. Todas estas opções utilizam comunicação assíncrona. A comunicação
síncrona (tempo real) pode ser oferecida utilizando mecanismos de chat ou
ambientes virtuais conhecidos como domínios multi-utilizador (MUD-Multi User
Dungeons ou MOO-Multi User Object Oriented Environments).
Projecto
Os projectos dão aos alunos uma oportunidade de explorar os seus interesses particulares, podendo ser realizados individualmente ou em grupo. Os projectos promovem também o sentido de realização dos alunos. Os produtos resultantes podem ser partilhados com os outros alunos e criticados. Desta forma o aluno
tem a oportunidade de obter outros pontos de vista e um melhor feedback.
Os projectos de grupo podem incluir simulações, troca de papéis, estudos de
casos, resolução de exercícios e problemas, trabalho cooperativo, debates e discussão. Tal como nos projectos individuais, os participantes em projectos de
grupo devem receber o feedback dos seus pares para conhecer pontos de vista
diversos.
A Internet fornece ainda o potencial para receber feedback de peritos ou de
outros interessados não pertencentes ao curso.
Prelecção (Lecture)
A prelecção é um dos métodos mais frequentemente usados na educação de
adultos. Desde que o prelector seja um perito é uma maneira eficiente de distribuir informação. A finalidade da prelecção é criar alicerces para o trabalho posterior do aluno. As prelecções serão tanto mais eficazes quanto mais usadas em
combinação com outras estratégias.
As prelecções on-line podem ser apresentadas de várias formas, seja vídeo,
áudio ou textualmente. As notas da prelecção podem ser colocadas numa página
Web para o aluno rever, ou podem ser agrupadas para consulta local, após fazer
o carregamento via Internet.
As prelecções on-line devem ser mais curtas e concisas do que as prelecções
nas salas de aula tradicionais.
FMD iv.p65
42
12-01-2004, 12:38
43
Análise e design pedagógico
Aprendizagem Colaborativa
A aprendizagem colaborativa é o processo de organizar dois ou mais alunos num trabalho comum. Os grupos são compostos por alunos com capacidades diferentes e usando uma variedade de actividades de aprendizagem de
modo a dominar o material apresentado. Cada membro da equipa é responsável por aprender o que é ensinado mas também por ajudar os colegas da
equipa a aprender.
A aprendizagem colaborativa pode ser mais eficaz do que as competições
interpessoais e os esforços individuais na promoção das competências sociais e
pessoais e no desenvolvimento cognitivo, da auto-estima e dos relacionamentos
positivos entre alunos.
Os modelos de aprendizagem on-line são ambientes naturais para a aprendizagem colaborativa. No entanto, os alunos podem interagir com outros participantes sem colaborarem, pelo que as actividades de aprendizagem têm de ser projectadas especificamente.
Auto-Aprendizagem
A auto-aprendizagem é iniciada e dirigida pelo aluno. Os alunos activos aprendem mais do que os passivos já que aderem premeditadamente e com uma
maior motivação. Tendem também a reter mais e a empregar o que aprendem por
muito mais tempo.
O ambiente de ensino on-line apoia o aluno na exploração de actividades
de aprendizagem individuais. O aluno, trabalhando num computador num momento e lugar convenientes, pode procurar e utilizar os vastos recursos da
pesquisa Internet. Os estudantes podem visitar bibliotecas, museus e vários
institutos no mundo, conversar com profissionais, rever pesquisas recentes,
ler jornais on-line, etc.
Estudo de Casos
O estudo de casos é uma estratégia de ensino que requer que os alunos trabalhem sobre experiências passadas. É participativa, enfatiza o pensamento prático e
ajuda os alunos a identificar e aplicar princípios, após terem examinado os factos do
caso. A chave para um estudo de caso bem sucedido é a selecção de uma situação
apropriada que seja relevante para os interesses e nível da experiência dos alunos e
para os conceitos a ser aprendidos.
O relatório do caso deve incluir os factos do problema, do contexto ambiental e
dos caracteres dos intervenientes envolvidos no caso. Deve ser concreto, mas
incluir também as opiniões das pessoas envolvidas.
Os alunos devem ter acesso à solução do problema, depois de tirarem as
suas próprias conclusões, a fim de poderem comparar os seus resultados com a
decisão real tomada de modo a resolver o problema.
FMD iv.p65
43
12-01-2004, 12:38
44
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
No ambiente on-line os estudos de casos podem ser apresentados em páginas da Web e ser discutidos em grupos. Os casos podem ser desenvolvidos por
grupos da classe como projectos cooperativos. Além disso, os recursos da Internet podem ser pesquisados tanto por estudantes como por tutores, contribuindo
com dados, informação e o conselho de especialistas no desenvolvimento e análise do caso.
Tutoria
A tutoria promove o desenvolvimento do aluno de uma forma que prolonga o
que ele já sabe. Um mentor ou tutor serve de guia e introduz o aluno numa
situação nova, ajudando-o a interpretá-la e a aprender o que necessita para
funcionar nela.
O principal benefício da tutoria on-line é a oportunidade da comunicação frequente entre o tutor e o estudante, que apoia o desenvolvimento do relacionamento entre ambos e oferece oportunidades para um feedback oportuno nas questões, interesses e problemas do aluno.
Fórum
O fórum é uma discussão aberta e continuada entre várias pessoas de um
grupo. O moderador guia a discussão, e a audiência levanta e discute problemas,
faz comentários, oferece informações ou faz perguntas. Há duas variações do
fórum: o painel e o simpósio.
O painel consiste num grupo de pessoas conversando sobre um tópico em
que têm conhecimento especializado. Guiado por um moderador, o painel é informal por natureza, mas permite pouca participação da assistência.
O simpósio é uma série de apresentações sobre aspectos diferentes do mesmo tema. Embora o simpósio seja de natureza mais formal, as perguntas da
assistência são incentivadas depois das apresentações. O simpósio expõe os
alunos a uma variedade de pontos de vista dos peritos e oferece-lhes uma oportunidade de colocar questões.
Como o ambiente on-line facilita a comunicação de grupo, é ideal para os tipos
de troca de informação típicos nos fóruns. De facto, o fórum pode ser mais conveniente e eficaz no ambiente on-line do que na sala de aula, porque peritos e
moderador podem participar sem viajar. Ambas as formas de comunicação (síncrona ou assíncrona) podem ser utilizadas em aprendizagem on-line para apoiar
os fóruns.
Entrevistas
Aos estudantes é atribuída a tarefa de entrevistar um profissional ou outro indivíduo
que tenha uma relação significativa com o material a ser discutido. Posteriormente
FMD iv.p65
44
12-01-2004, 12:38
45
Análise e design pedagógico
a informação obtida é relatada ao grupo. A entrevista pode ser realizada electronicamente, por correio electrónico ou chat.
Desta forma os estudantes podem falar com pessoas envolvidas no tema em
estudo, em qualquer ponto do mundo, e aumentar o seu conhecimento sobre o
assunto.
Problem Based Learning
Numa situação de aprendizagem por resolução de problemas (PBL, Problem
Based Learning) os conceitos a aprender são introduzidos na descrição de um
problema a ser resolvido. Os alunos recebem o problema e têm de encontrar a
informação necessária para o resolver. Isto contrasta com o ensino tradicional,
onde os estudantes ouvem uma prelecção e depois são testados os conteúdos
da leitura ou a aplicação dos conteúdos dessa prelecção.
O PBL é similar à aprendizagem colaborativa porque os alunos trabalham em
grupos pequenos. Os problemas são complexos e requerem muitas ideias, aproximações diferentes e muita informação para resolvê-los, tornando-os ideais para
projectos do grupo.
•
Benefícios:
– Os alunos aprendem que tipos de informação são usados para resolver
problemas reais da vida;
– Os alunos aprendem a pensar criticamente e a resolver problemas complexos;
– Os alunos aprendem a auto-orientar-se;
– Os alunos aprendem a trabalhar cooperativamente como parte de um
grupo pequeno. Os problemas do grupo incluem responsabilidade,
dependência, avaliação de capacidades pessoais e a avaliação do processo do grupo;
•
Inconvenientes:
– Em certas situações, pode perder-se muito tempo na resolução dos
problemas e a quantidade de material coberta ser menor do que num
ensino mais tradicional. Na realidade, e embora já existam muitos problemas preparados, por exemplo, na Internet, recolher informação para
criar problemas reais pode fazer o professor gastar uma quantidade de
tempo considerável;
– Os alunos estão habituados a ser ensinados e muitos ressentem-se
de ter de procurar a informação por si próprios. Também podem sentir-se incomodados com o funcionamento em grupo e de depender de
outros alunos para o seu curso.
Descreva outras estratégias de aprendizagem
que entenda não estarem presentes na listagem
anterior.
Quais dos aspectos referidos para o design pedagógico considera mais importantes? Justifique.
FMD iv.p65
45
12-01-2004, 12:38
46
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
FMD iv.p65
46
12-01-2004, 12:38
47
???????????????????????????????
U
N
I
D
A
D
3
E
DESIGN MULTIMÉDIA
O
FMD iv.p65
B
J
E
C
T
I
V
O
S
Identificar os conceitos relacionados com
o design multimédia
Identificar as questões relacionadas com a
organização dos conteúdos
Reconhecer as etapas do design multimédia
Compreender os conceitos de design visual
e navegação
47
12-01-2004, 12:38
48
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
© SyberWorks
O design multimédia destina-se a conceber ambientes de aprendizagem amigáveis, que o aluno tenha facilidade de manipular, exijam um tempo de familiarização curto e proporcionem uma imagem de identificação do curso e da instituição
formadora.
O design multimédia preocupa-se assim com o acesso às ferramentas, a
navegação no curso e a criação de uma imagem visual agradável e orientadora,
estando subordinado à especificação e análise prévias e tendo em conta as capacidades e necessidades da audiência.
FIG. 4.1. • Curso da SyberWorks com destaque do logótipo da empresa
Os melhores ambientes são aqueles em que os alunos se orientam e movem rapidamente, graças a uma estrutura simples e a uma disposição geral
consistente.
A integração de tecnologias mais avançadas, como vídeo, áudio, conferência síncrona, etc., podem aumentar a interactividade e a motivação do aluno. No
entanto, é preciso garantir que todos os alunos dispõem de computadores
capazes de utilizar essas tecnologias e que elas aparecerão identicamente a
cada aluno. Por exemplo, os exploradores (browser) Web podem representar a
mesma página HTML de forma diferente, e nem todos suportam tecnologias
como Java, Flash, etc. Ao projectar o ambiente para um curso é necessário
garantir que, pelo menos, as ferramentas mais comuns são apresentadas de
forma aceitável. É igualmente importante ter em atenção o nível de literacia
informática do público-alvo, porque muitas destas tecnologias implicam a instalação de software adicional com as consequentes dificuldades dos alunos
menos experientes.
FMD iv.p65
48
12-01-2004, 12:38
49
Design multimédia
ETAPAS
O design multimédia integra as seguintes fases:
Produzir o manual de estilo
O manual de estilo estabelece uma série de regras que tornam consistente o
produto final, pela normalização de procedimentos e acções. O manual de estilo
inclui definições sobre:
• A apresentação (look and feel) do curso, incluindo logótipos, estilos e tamanho de texto, uso de cores, organização dos ecrãs e aparência dos
botões e outros objectos de interacção;
• Convenções gramaticais (tempo verbal, etc.) e pontuação;
• Funcionalidades genéricas como regras para combinações de teclas, tipos e dimensões de gráficos, etc.;
• Aspectos culturais e de linguagem, no caso de se prever uma distribuição
internacional;
• Aspectos de acessibilidade.
Criar storyboard
Um guião (storyboard) é um documento que descreve, em detalhe, a forma
como o texto, gráficos, áudio, vídeo e outros elementos se integram no conteúdo.
O guião combina a descrição gráfica com a descrição funcional do que acontece
quando um dos elementos é activado (por exemplo, botões de navegação). No
exemplo seguinte, o guião é linear mas pode ter uma estrutura de árvore ou rede,
dependendo da organização planeada para o curso.
FIG. 4.2. • Exemplo de guião gráfico, com actividades e materiais
FMD iv.p65
49
12-01-2004, 12:38
50
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
O guião pode ser combinado com um fluxograma que demonstre o fluxo decorrente das várias acções do utilizador.
Qual a relação entre a produção de um guião para
cinema e para conteúdos multimédia?
Preparar um protótipo
A preparação de um protótipo não funcional, ou com um conjunto mínimo de
funcionalidades, permite que os utilizadores finais ou a entidade que contratou o
desenvolvimento tenham uma primeira ideia sobre o aspecto visual do curso, a metodologia de aprendizagem definida e os meios de distribuição e apoio a utilizar. Os
comentários recebidos podem ser imediatamente incorporados no processo de desenvolvimento, evitando iterações posteriores.
Permite detectar problemas como:
•
Falta de indicações de utilização;
•
Limitações à interacção;
•
Tópicos pouco desenvolvidos;
•
Apresentação confusa, muito densa ou esparsa;
•
Páginas com conteúdos pouco utilizados ou irrelevantes;
•
Falta de controlo do utilizador;
•
Necessidade de apoiar texto com gráficos e/ou animações;
•
Transição mal conseguida entre conteúdos.
ORGANIZAÇÃO DOS MATERIAIS
Para transmitir as mensagens educativas da melhor maneira possível, devem
ser utilizados métodos e tecnologias que optimizem o processo de aprendizagem.
Por exemplo, um estudo de John Morkes e Jakob Nielsen (1998) determinou que a
leitura se torna cerca de 25% mais lenta quando é feita a partir do ecrã de um
computador, não sendo, portanto, aconselhada a utilização de longos textos em
ambientes Web. A organização dos conteúdos influi na eficácia da própria aprendizagem, ajudando o aluno a encontrar mais rapidamente a informação que procura.
Informação concisa
Para facilitar a leitura on-line, torna-se importante focar os pontos essenciais
do conteúdo a apresentar. Aplica-se aqui a regra do «dizer apenas o que precisa
de ser dito». Por exemplo:
FMD iv.p65
50
12-01-2004, 12:38
51
Design multimédia
•
Mau: «Este curso vai tentar explorar os conceitos mais importantes desta
matéria, tendo em conta os desafios existentes à volta do sempre crescente campo da gestão de construção através da verificação de questões colocadas; da verificação de regulamentos do governo; e da verificação de regulamentos do trabalho que entrem em conflito com o processo de
construção.»
•
Bom: «Este curso vai estudar a gestão da construção através da verificação de:
– Questões colocadas;
– Regulamentos do governo;
– Regulamentos do trabalho.»
Pirâmide inversa
Esta técnica consiste em começar a apresentação da matéria com um pequeno sumário da informação, expandindo sucessivamente para maior detalhe. Desta forma, os estudantes conseguem assimilar rapidamente a ideia principal do
tema e determinar se continuam a leitura ou se saltam para o próximo tópico.
Salientar conceitos importantes
Ao salientar visualmente os conceitos mais importantes, a leitura do aluno concentra-se nos conceitos mais importantes. Isto pode ser conseguido através de:
•
Listas: colocar os conceitos-chave em pequenas listas permite aos estudantes ler a matéria mais rapidamente;
•
Parágrafos: partir a informação modularmente permite aos alunos perceber mais claramente os conceitos apresentados;
•
Cabeçalhos: usar um cabeçalho em cada tópico apresentado, torna mais
claro o seguimento da matéria de tópico em tópico;
•
Negrito (bold): salientar cabeçalhos ou palavras relevantes a negrito permite aos alunos identificar rapidamente aspectos-chave.
Ajustar ao público-alvo
A estrutura do curso deverá estar de acordo com a caracterização dos alunos.
Aluno inexperiente – Estrutura linear
Se a matéria a leccionar é nova para o aluno e este não está ambientado com
o e-learning, então a informação deve ser apresentada de maneira linear, com
FMD iv.p65
51
12-01-2004, 12:38
52
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
pouca ou nenhuma flexibilidade. Este tipo de apresentação permite ao aluno concentrar-se nos conceitos da matéria sem se distrair com outras actividades. O
processo de aprendizagem deverá ser desenhado de forma a avançar de página
em página (ou tópico).
FIG. 4.3. • Estrutura tipo linear
Aluno intermédio 1
– Estrutura de fluxo simples
Os alunos do nível seguinte necessitam de um maior controlo sobre o seu
próprio processo de aprendizagem, pelo que é utilizada uma estrutura de
fluxo simples como a apresentada na figura seguinte. Esta estrutura é utilizada em muitos sites educativos e permite uma fácil adaptação e navegação. O
aluno tem alguma capacidade de decisão sobre a sequência de acesso à
informação.
FIG. 4.4. • Estrutura de fluxo simples
Aluno intermédio 2
– Estrutura de fluxo complexo
Alguns alunos conseguem gerir uma estrutura mais complexa, mas continuam a necessitar de uma ideia clara sobre a navegação no curso. Deverá existir
uma estrutura base, sendo a interactividade aumentada à medida que o curso
avança. Os caminhos de aprendizagem são mais flexíveis, podendo ser escolhidos de acordo com os critérios do aluno.
FMD iv.p65
52
12-01-2004, 12:38
53
Design multimédia
FIG. 4.5. • Estrutura de fluxo complexo
Aluno avançado – Estrutura de exploração
Aos alunos que demonstrem à vontade no ambiente Web e/ou nas matérias
que são leccionadas, bastará indicar como os diferentes tópicos do curso interagem entre si e sugerir caminhos de estudo possíveis. A estrutura é de todas a
mais complexa, aumentando sucessivamente o número de ligações que podem
ser seguidas, até chegar a uma zona em que a exploração fica totalmente entregue ao critério do aluno.
FIG. 4.6. • Estrutura de exploração
Para determinar qual a melhor estrutura a usar é necessário ter em conta a
matéria, o tipo de aluno e o seu estilo de aprendizagem. Idealmente os cursos
combinam as estruturas apresentadas, adequando-se a vários tipos de alunos.
FMD iv.p65
53
12-01-2004, 12:38
54
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
VISUALIZAÇÃO DE CONTEÚDOS
Regra geral, a forma de apresentar a informação
induz a sequência de visualização dos conteúdos. Deve existir liberdade de navegação, isto é,
o estudante deve ser livre de seguir o caminho
de aprendizagem que escolher, podendo partir
para temas que mais lhe interessem. Claro que
existem excepções em que o acesso a parte da
matéria pode ser limitado. Por exemplo, quem não
passou por capítulos obrigatórios não poderá
aceder aos finais, ou quem não se submeteu a
um exame de avaliação não pode passar à parte
seguinte do curso.
Comente a caixa de destaque anterior.
DESIGN E ORGANIZAÇÃO VISUAL
As interfaces gráficas são concebidas para dar aos utilizadores controlo directo sobre os computadores. Actualmente as pessoas já apresentam grandes exigências a nível da interface gráfica de todas as aplicações, incluindo as correspondentes a cursos de e-learning.
O processo de teste através de ferramentas de usabilidade, descrito mais à
frente, permite obter feedback dos utilizadores finais, garantindo o máximo de
amigabilidade.
Design de páginas
Num curso, tal como num livro, procura-se informação fiável e actual. Para que
essa procura seja rápida e eficaz é necessário existir ordem e estrutura. A forma
como a informação é apresentada ao aluno, isto é, a organização dos gráficos e
do texto, permite criar um impacto inicial, chamar a atenção e tornar a interacção
mais agradável e eficiente.
Desenho e lógica visual
O desenho gráfico deve criar uma lógica visual e um equilíbrio entre o conforto visual e a informação textual e gráfica. Sem o impacto visual da forma, da cor
e dos contrastes, as páginas tornam-se aborrecidas e desinteressantes. Documentos com demasiado texto ou gráficos, que não tenham equilíbrio na apresentação, na quantidade de texto, nos tipos de letra, etc., devem ser evitados. A
chave para o sucesso do design visual de conteúdos multimédia está no bom
senso e na manutenção do sentido de proporção. A aplicação prática destes
factores depende, no entanto, dos conteúdos a transmitir e do público-alvo (maturidade, formação, expectativas, etc.).
FMD iv.p65
54
12-01-2004, 12:38
55
Design multimédia
Estabelecer uma hierarquia visual
O primeiro passo no desenho gráfico de páginas é estabelecer uma hierarquia visual forte e consistente, onde os elementos importantes estão bem visíveis
e o conteúdo está organizado de uma maneira lógica e previsível. Ao olhar para
uma página, os alunos vêm primeiro as formas e cores. Depois começam a «ler»
alguma informação, primeiro a partir dos gráficos, se existirem, depois do texto
em maior destaque, de acordo com o tamanho, tipo de letra, etc., e finalmente o
texto normal.
FIG. 4.7. • Leitura progressiva de conteúdos
Por esta razão, o equilíbrio gráfico e a organização da página são aspectos
fundamentais: uma página só com texto aborrece, ao passo que páginas com
equilíbrio e contraste adequados atraem e promovem a aprendizagem. No exemplo seguinte, o logótipo do curso funciona como foco visual, atraindo o olhar do
aluno para a zona de texto imediatamente por debaixo. Outros elementos (lição,
objectivos, transcrição de áudio) são agrupados na zona superior do texto, garantindo que, desde o momento em que o aluno se concentra na leitura, não sofre
interrupções visuais distractivas. A zona lateral de menu destaca-se igualmente
mas sem distrair o aluno.
FIG. 4.8. • Construção de foco visual
FMD iv.p65
55
12-01-2004, 12:38
56
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
Proporção
© KnowledgeNet
O sentido da proporção deve reflectir-se na dimensão dos vários elementos
componentes das páginas dos conteúdos. Textos longos, sem outras actividades, aborrecem os formandos e são desaconselhados a esta forma de aprendizagem. É preferível sintetizar o texto, procurando transmitir as noções fundamentais e complementá-lo com gráficos e/ou imagens relevantes para a mensagem
que se pretende transmitir. Os gráficos devem ser compatíveis com a noção de
equilíbrio da página e com o ambiente de utilização: o ambiente on-line exige
ficheiros pequenos enquanto um curso off-line pode tirar partido de imagens/
/gráficos mais complexos. Outros elementos a colocar na página (botões de navegação, ligações, logótipos, etc.) devem igualmente respeitar este equilíbrio, permitindo que os conteúdos ocupem a área central.
A imagem seguinte apresenta, precisamente, uma organização de curso (oferta de e-learning do Institute of Electronic and Electrotechnic Engineers – IEEE,
suportado pela Knowledge Net) que privilegia a zona central para os conteúdos,
incluindo gráficos, reservando a parte inferior para navegação e indicações de
estado. Neste caso particular é dada alguma relevância aos gráficos que documentam o texto.
FIG. 4.9. • Organização de componentes em cursos da KnowledgeNet
Dimensão dos gráficos
A selecção dos gráficos deve ter em consideração o ecrã (dimensão, resolução) em que o curso será previsivelmente utilizado. Os gráficos a inserir nas
páginas devem ser pequenos, tanto no tamanho dos ficheiros (demoram menos
tempo a carregar), como no espaço visual que ocupam, de acordo com a regra de
equilíbrio referida anteriormente.
FMD iv.p65
56
12-01-2004, 12:38
57
Design multimédia
Animações
Os olhos são atraídos pelo movimento. Se a animação não fizer parte do conteúdo, os alunos concentrar-se-ão numa parte do site que não fornece nenhum
valor educativo. Os ficheiros de imagens animadas tendem a ter dimensões grandes, uma vez que contêm várias imagens, provocando perdas de tempo e dinheiro
aos alunos quando fizerem o carregamento das páginas.
Largura dos blocos de texto
A largura dos blocos de texto deve permitir que o utilizador/aluno consiga ler uma
linha completa sem necessitar de mover a cabeça e sem grandes movimentos
laterais dos olhos (tal como a leitura de um livro). O texto deve ainda ocupar a zona
central do ecrã, que é menos sujeita a distorção e é melhor iluminada. O espaço
lateral que é deixado livre pode ser aproveitado para a colocação de outros componentes (por exemplo, navegação, realce da mensagem, etc.). No exemplo seguinte,
do Instituto Superior de Engenharia do Porto, a visibilidade da mancha de texto é
realçada pelos espaços vazios laterais e pelo contraste com o fundo escuro das
zonas de menu.
FIG. 4.10. • Mancha de texto dos cursos do ISEP
Comprimento das páginas
As páginas dos conteúdos nunca devem ser muito longas, para facilitar a
legibilidade. Páginas longas exigem que o aluno se lembre de muita informação
que já não se encontra visível no ecrã.
No entanto, alguns sites académicos necessitam desse aspecto de modo a
tornar o acesso fácil à informação do curso. Uma única página longa é mais fácil
de imprimir do que várias páginas pequenas. Se se criar uma página longa devem-se incluir pontos de navegação ao longo dela, permitindo saltar para o topo
FMD iv.p65
57
12-01-2004, 12:38
58
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
ou para o fim, ou mesmo para outras secções sem que o aluno tenha de utilizar os
elevadores (scrollbar) laterais.
Considerações de impressão
Um aspecto importante a considerar é que o ecrã de um computador difere em
muitos pontos de uma página impressa. É necessário ter em conta o tamanho e
a resolução standard do ecrã, devendo existir a preocupação de disponibilizar
páginas ou documentos para impressão.
REGRAS PRÁTICAS:
• Direccionar a visão do aluno: O sentido
da leitura na cultura ocidental é da esquerda
para a direita e de cima para baixo. A organização visual dos elementos deverá estar de
acordo com esta regra de forma a aproveitar a «habituação» do utilizador. O topo da
página é a zona visualizada em primeiro lugar pelo utilizador: aqui devem ser colocados elementos especiais, como as barras
de navegação, títulos e subtítulos (por esta
razão é que as mensagens publicitárias aparecem normalmente nesta parte do ecrã).
• Cores: As cores primárias ou muito carregadas só devem ser utilizadas em áreas que
necessitem de grande destaque, uma vez que
podem prejudicar a leitura dos conteúdos. Em
áreas de consulta frequente deverão ser
usadas cores leves e que garantam um forte
contraste entre o texto, os elementos gráficos e o fundo. No seu todo, a página deverá
ter uma organização simples e agradável à
vista, com um número limitado de cores.
– É possível reduzir o número de cores presente numa imagem sem que se altere a sua
qualidade visual. Basta deixar de usar imagens com 16 milhões de cores e utilizar uma
paleta com 256 ou menos cores. Em imagens JPEG deve-se experimentar vários
graus de qualidade para ver a degradação
visual que a imagem pode suportar.
• Elementos gráficos: Grafismos excessivos,
como linhas de separação, ícones, animações,
etc., atraem a atenção do utilizador e distraem-no do essencial dos conteúdos. A utilização
destes elementos deve ser limitada aos casos
em que a sua colocação orienta o utilizador
para aspectos a realçar. Para além disso, estes
elementos dificultam o acesso ao curso pela
Internet, uma vez que correspondem a elementos adicionais que têm de ser carregados com
FMD iv.p65
58
–
–
–
•
–
–
•
o consequente dispêndio de tempo (a capacidade de espera de uma pessoa dura aproximadamente sete segundos!).
Os gráficos devem aparecer correctamente
com uma definição baixa (640x480), pois nem
todos os computadores estão preparados
para a alta resolução.
A imagem de fundo, se existir, deve ter uma
finalidade e ser de boa qualidade em baixa
definição. Nesse caso deve-se evitar:
– Cores escuras combinadas com fontes
escuras de texto;
– Fundos que se confundem com as imagens.
Se o mesmo gráfico for usado repetidamente em todo o curso, o tempo de carregamento será reduzido. Quando a imagem é carregada pela primeira vez é armazenada no
computador local. Nas vezes seguintes é
usada a cópia local.
Texto: Manter as mensagens concisas.
É necessário assumir um compromisso entre
o tamanho e o número de páginas. Idealmente
não deverá haver páginas que ocupem mais
de dois ecrãs. Se se começar a ter o texto
dividido em muitas páginas, deve existir um
recurso adicional que permita aos alunos imprimir o texto completo de uma só vez.
Recomenda-se normalmente que cada linha
de texto tenha entre 40 a 60 caracteres.
Detalhes: A atenção aos detalhes deve garantir que:
– O título combina com o conteúdo da
página;
– Não há erros de sintaxe e/ou ortografia;
– Existe consistência no design dos elementos;
– Existe uma ligação para o endereço de
correio electrónico do Webmaster ou
outro responsável.
12-01-2004, 12:38
59
Design multimédia
Tipografia
Uma boa tipografia depende do contraste visual entre diferentes tipos de letra, e
entre os blocos de texto e o espaço vazio à sua volta. Deve existir uma distinção entre
os vários componentes de uma página: títulos, subtítulos, ligações, blocos de texto,
etc., para tornar clara a relação entre eles.
Legibilidade
A leitura de texto inicia-se pelo reconhecimento da forma das palavras. O uso
de maiúsculas deve ser limitado ao máximo (apenas para títulos, por exemplo),
uma vez que a sua leitura é mais difícil do que a de minúsculas. Pela mesma
razão, deve-se evitar usar maiúsculas no início de cada palavra para evitar interromper o reconhecimento da forma da palavra.
Tipos de letra
Na escolha dos tipos de letra a utilizar, deve-se optar por tipos de texto standard. Tipos menos comuns podem não estar disponíveis nos sistemas dos alunos e, ao serem substituídos, gerar texto ilegível.
Design do ambiente de aprendizagem
Não existe um esquema organizativo único que se possa indicar como o mais
apropriado para o e-learning. Deve antes estabelecer-se uma organização agradável e consistente, em que os principais componentes mantêm o seu lugar de página para página, criando uma identidade gráfica do curso e tornando a navegação
fácil e previsível para que os alunos se sintam confiantes de que saberão encontrar
o que procuram.
Para uma funcionalidade e legibilidade máximas o desenho da página e do
site deve ser feito baseado num padrão consistente de unidades modulares, todas partilhando o mesmo layout gráfico e respeitando os padrões estabelecidos.
Mesmo que não sejam usados gráficos, a utilização consistente de títulos, subtítulos, rodapés e
ligações de navegação, através do site, vai também reforçar a identidade deste e o sentido de orientação do aluno dentro dele.
FIG. 4.11. • Qual destas páginas
transmite a sensação de organização
e hierarquia?
FMD iv.p65
59
12-01-2004, 12:38
60
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
© MindLeaders
O exemplo seguinte, da MindLeaders, aposta em três zonas que se repetem, de
forma consistente, nos conteúdos do curso, nas ferramentas de apoio, na ajuda ao
aluno e na zona pessoal deste (armário virtual). Estas três zonas são: a zona de
menu, à esquerda, a zona de navegação, em baixo, e a zona central de informação.
FIG. 4.12. • Organização visual dos cursos da MindLeaders
Consistência
Ao longo do curso deve ser mantido um estilo de organização, texto e gráficos,
constante. Esta consistência facilita a utilização do curso pelo aluno, dá-lhe uma
sensação de familiaridade e aumenta a produtividade. No entanto, para evitar a possível monotonia, podem ser incorporadas alterações ligeiras, mantendo-se, por exemplo, a organização dos elementos mas adoptando cores diferentes para cada secção.
Elementos adicionais que apareçam repetidos em todas as páginas reforçam
a consistência. Por exemplo, colocando sempre:
•
Número de página;
•
Nome do módulo e unidade;
•
Indicador de progresso na unidade.
Estabilidade funcional
Para garantir aos alunos que o conteúdo do site é de qualidade e tem credibilidade é necessário assegurar que todos os componentes do site funcionam e
que todas as ligações de cada página conduzem ao destino desejado.
FMD iv.p65
60
12-01-2004, 12:38
61
Design multimédia
Feedback e diálogo
O desenho Web deve incluir confirmações visuais e funcionais constantes do
que está a ser ou vai ser efectuado, sobretudo para operações que impliquem a
eliminação de informação. Feedback também significa providenciar ligações de
apoio ao esclarecimento de qualquer dúvida que possa surgir.
Interacção
A interacção do utilizador com os materiais do curso é extremamente importante para o motivar. A interacção pode ser classificada em quatro categorias:
1. Passiva: O aluno age simplesmente como receptor da informação, lendo o
texto, vendo os gráficos e as animações e usando os botões de navegação
para progredir ou para aceder a alguns recursos exteriores;
2. Interacção limitada: O aluno tem a possibilidade de responder a actividades simples propostas no curso, como questões de escolha múltipla relacionadas com o texto;
3. Participação complexa: O aluno responde de formas variadas às actividades propostas. Pode incluir as actividades anteriores juntamente com a
manipulação de objectos gráfiCUSTO DE DESENVOLVIMENTO
cos e outros;
O
custo médio de desenvolvimento, segundo a
American Society for Training and Development,
duplica por cada nível de interacção, começando em
cerca de 200 horas de desenvolvimento por cada hora
de formação até 1600 horas de desenvolvimento por
hora de formação.
4. Participação em tempo real: O
aluno está envolvido num ambiente que exige a resposta em
tempo real, como simulações
de situações reais, jogos, etc.
Navegação
Os alunos necessitam de ter um sentido de contexto, de saber onde estão
para uma melhor orientação e navegação dentro do site. Um dos problemas mais
comuns das interfaces dos cursos é a falta de noção da localização do aluno
dentro da estrutura de informação do site. Devem ser usados ícones consistentes
e claros, esquemas gráficos e sumários que permitam uma visão geral do site e
uma fácil navegação.
Indicações visuais de navegação
As páginas devem dar pistas explícitas do contexto e da organização da informação. A sequência de páginas deve ser bem ponderada e é necessário estar
atento a certos aspectos importantes em termos de navegação, como, por
FMD iv.p65
61
12-01-2004, 12:38
62
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
exemplo, a diferença entre seleccionar o botão back do explorador ou um botão
«página anterior», como a seguinte figura demonstra:
FIG. 4.13. • Diferença entre opções back e anterior
Acesso rápido a páginas importantes
Os alunos devem conseguir regressar facilmente à página inicial e aceder a
outras páginas importantes do site, a partir de qualquer outra página. Por exemplo, nos cursos da MindLeaders existe permanentemente a seguinte barra de
botões de navegação na parte inferior de cada página.
© MindLeaders
FIG. 4.14. • Acesso rápido a páginas importantes (MindLeaders)
A barra de botões é muito útil (várias opções num pequeno espaço), previsível
(está em todas as páginas) e proporciona uma identidade gráfica consistente
para cada página do site.
Os botões seguintes devem estar sempre disponíveis:
FMD iv.p65
•
Página principal (home ou menu): permite regressar ao ponto de partida;
•
Saída (exit): permite abandonar o curso;
•
Anterior (back): salta para a página imediatamente anterior;
•
Próxima (next): salta para a página seguinte;
•
Glossário: permite consultar (em página auxiliar) definições de termos
menos comuns;
•
Ajuda (help): conduz o utilizador a ajuda sobre a utilização das ferramentas.
62
12-01-2004, 12:38
63
Design multimédia
Não utilizar páginas «terminais»
Páginas sem ligações para qualquer outra página constituem uma frustração
para os alunos. Se uma página não tiver ligações para as páginas principais da
hierarquia e/ou para a página anterior ou seguinte, o estudante perde o acesso
directo à restante informação, sendo obrigado a aceder aos botões do próprio
explorador para regressar.
FIG. 4.15. • Eliminar páginas terminais
Acesso à informação
As páginas principais de estudo, onde os alunos irão despender mais tempo,
deverão ser facilmente acedidas e ser passíveis de ser marcadas (uso de bookmarks). O objectivo é proporcionar ao aluno a informação pretendida com o menor
número de passos possíveis. Isto significa que deve ser criada uma hierarquia de
informação eficiente, para minimizar o número de páginas que se atravessam. Como
se pode verificar na tabela em baixo não são necessários muitos níveis de menus para
incorporar um elevado número de opções:
QUADRO 4.1. • Número de opções em função do número de menus e do número de itens por menu
Número de itens por menu
5
7
8
10
1
5
7
8
10
2
25
49
64
100
3
125
343
512
1000
Número de menus
encaixados
Ligações (links)
As ligações para o exterior do curso devem ser usadas eficientemente, de
forma a reforçar os conteúdos do curso mas sem provocar confusão no aluno.
FMD iv.p65
63
12-01-2004, 12:38
64
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
É necessário rever as ligações periodicamente de modo a garantir que os sites
apontados ainda existem (algumas aplicações, como o Microsoft FrontPage, verificam automaticamente a validade das ligações).
A cor por defeito de uma ligação por visitar é o azul e a cor de uma ligação
visitada é o roxo. Os alunos habituados a usar a Web já estarão acostumados a
estas cores.
REGRAS PRÁTICAS
• Um site cheio de recursos não será explorado completamente a não ser que seja óbvio como chegar até eles. Alunos que se
percam ao navegar pelo site não são susceptíveis de aprender muito.
• Os alunos devem ter uma imagem mental da
estrutura do curso para saber sempre onde
estão e como se mover para outras partes
do curso. Há diversas maneiras de ajudar
os alunos neste aspecto:
– Criar um gráfico que mostre todas as páginas como ícones, como se organizam e
se interligam;
– Usar uma analogia para organizar páginas. Criar um índice (como num livro) e
usar as ligações no lugar dos números de
página. As secções principais no índice
correspondem aos capítulos;
– Fornecer uma ligação para uma página
com o mapa do site com um breve descritivo de todas as possibilidades. Usar
ícones para representar o tipo de informação existente (por exemplo, um en-
FMD iv.p65
64
•
•
•
•
•
velope para significar correio electrónico).
Em páginas HTML longas, colocar ligações
para retornar ao topo nas secções e no fundo.
Colocar ligações (em cada página) ao índice, à ajuda e a outras páginas de utilização
frequente.
Ser consistente na navegação: Por exemplo, se se usar uma seta vermelha (?) para ir
para trás e uma seta verde para a frente,
usar sempre setas vermelhas e verdes para
a mesma navegação. Se apresentar repentinamente setas azuis e amarelas, os alunos
podem pensar que há algum significado na
mudança da cor.
Colocar os dispositivos de navegação na
mesma posição em todas as páginas.
Fornecer navegação redundante. Usar mais
de uma forma de navegação. Se se usar em
gráficos, usar também ligações em texto. Se
se tiver um mapa gráfico, ter uma barra de
navegação em texto no fundo ou no topo.
12-01-2004, 12:38
65
???????????????????????????????
U
N
I
D
A
D
4
E
DESENVOLVIMENTO
MULTIMÉDIA
O
B
J
E
C
Identificar as etapas do desenvolvimento
multimédia
Distinguir as categorias de aplicações de
desenvolvimento multimédia
FMD iv.p65
65
T
I
V
O
S
Conhecer as principais ferramentas de desenvolvimento multimédia disponíveis no
mercado
Compreender os conceitos relacionados
com acessibilidade de direitos de autor
12-01-2004, 12:38
66
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
A fase de desenvolvimento corresponde ao passo de concretização do projecto com a criação e integração dos textos, gráficos, áudio, vídeo, etc. A equipa
de desenvolvimento é normalmente grande e multidisciplinar. Quando um autor
tenta assumir todo o processo de desenvolvimento, o produto final não é de
grande qualidade e tem uma função limitada. No entanto, o conhecimento e a
experiência de utilização das várias ferramentas de desenvolvimento são fundamentais para que um autor possa manter o diálogo com os técnicos e extrair as
melhores características dos produtos.
ETAPAS
As etapas do processo de desenvolvimento multimédia dependem da tipologia dos meios e recursos seleccionados. Naturalmente, um curso de e-learning
que recorra exclusivamente a texto e gráficos tem um processo de desenvolvimento mais simples do que um curso que integre sequências de vídeo.
Gerir o desenvolvimento
Atendendo à dimensão habitual da equipa de desenvolvimento é necessário
encarar este processo numa perspectiva de gestão de projectos, com a correcta
alocação de tempo e recursos. Isto é feito através de diagramas de Gantt ou de
Pert que estabelecem a distribuição e sequenciamento de recursos e actividades
ao longo do tempo.
Ferramentas, tal como a aplicação Microsoft Project, permitem automatizar
grande parte destas tarefas, reduzindo o tempo despendido com esta actividade.
Pesquisar recursos
A realização de uma pesquisa prévia para determinar a existência de recursos
que possam ser reutilizados no curso acelera e reduz o custo do desenvolvimento.
No entanto, deve-se ter em linha de conta:
•
O grau de adequação destes recursos aos objectivos de aprendizagem e
estratégia do curso;
•
Os custos de actualizar/modificar os recursos:
•
Os direitos de autor.
Estes recursos podem estar directamente relacionados com os conteúdos
mas podem também corresponder ao processo de desenvolvimento instrucional,
à gestão do projecto e à avaliação (por exemplo, reutilizando questionários já
validados).
FMD iv.p65
66
12-01-2004, 12:38
67
Desenvolvimento multimédia
Escrever conteúdos
De forma geral, os autores dos conteúdos (normalmente professores) criam-nos em formato de texto, assinalando os momentos em que outros componentes
(gráficos, animações, vídeo, etc.) serão incorporados. Para a produção destes
documentos, os autores utilizam ferramentas de processamento de texto normais, como Microsoft Word, que têm a vantagem de fazer a verificação sintáctica,
simplificando o trabalho de revisão. Permitem igualmente a gravação em vários
formatos que podem ser reutilizados noutras ferramentas.
Criar e editar gráficos
© WebCT
A criação e edição de gráficos e imagens estáticas documentam e complementam os textos, permitindo tornar mais rica a informação transmitida. A definição prévia do manual de estilo garante que a qualidade, tipo e consistência dos
gráficos e imagens se manterão coerentes ao longo de todo o curso, utilizando
uma metáfora comum. A definição do estilo terá obviamente a ver com o curso e
o público a que se destina. Por exemplo, a um público mais jovem corresponderá um estilo gráfico mais livre, a um público profissional corresponderá um estilo
mais formal.
FIG. 5.1. • Estilo informal de gráficos utilizados em cursos de e-learning
geridos pela ferramenta WebCT
Os gráficos produzidos poderão ser do tipo vectorial ou bitmapped. Os primeiros correspondem a um tipo de desenho em que os elementos são identificados pelas suas coordenadas (por exemplo, um círculo é identificado pelas
coordenadas do centro e pelo raio). Os segundos correspondem a matrizes de
pixels, em que o valor associado a cada posição da matriz corresponde à cor
do pixel.
Os gráficos vectoriais têm a vantagem de gerar ficheiros mais pequenos (importante para cursos na Web), serem escaláveis e mais facilmente manipuláveis.
As aplicações de edição permitem a criação de gráficos complexos e incluem
bibliotecas de componentes que permitem gerar rapidamente novos desenhos.
Os gráficos geralmente designados por clip art correspondem na sua quase totalidade a gráficos vectoriais.
As aplicações mais conhecidas para manipular gráficos vectoriais são
Corel Draw e Macromedia FreeHand, da qual vemos uma imagem na figura
seguinte.
FMD iv.p65
67
12-01-2004, 12:38
68
© Macromedia
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
FIG. 5.2. • Ambiente de trabalho do Macromedia FreeHand
© Corel
As aplicações de edição de imagens destinam-se ao tratamento de gráficos bitmapped. Estas aplicações permitem manipular imagens, alterando as
suas dimensões, mudando cores, aplicando filtros, integrando várias imagens,
etc. Atendendo à facilidade actual de produzir imagens digitais através de câmaras fotográficas digitais, estas aplicações são extremamente interessantes. De entre as mais conhecidas, podemos destacar Adobe Photoshop e Corel Photo Paint.
FIG. 5.3. • Ambiente de trabalho do Corel PhotoPaint
FMD iv.p65
68
12-01-2004, 12:38
69
Desenvolvimento multimédia
Criar e editar animações
As animações destinam-se normalmente a exemplificar um processo não
estático, em que a simples descrição pode não ser suficiente para a compreensão do aluno. A utilização de animações simplesmente para «alegrar» um curso
deve ser evitada.
As aplicações mais conhecidas e com mais funcionalidades são as aplicações da Macromedia, Flash e Director.
Macromedia Flash
© Macromedia
A ferramenta Macromedia Flash oferece um ambiente para a criação de
conteúdos e aplicações para a Internet. Não sendo exclusivamente destinada
ao e-learning apresenta vários componentes pré-formatados para esse fim.
Como grandes vantagens tem o facto de gerar aplicações relativamente pequenas em tamanho (para o impacto visual que produzem), o que permite o carregamento rápido através da Internet. O facto de exigir aos exploradores (browsers)
um software adicional já não é problema uma vez que o Flash já é utilizado por
mais de 400 milhões de utilizadores em todo o mundo (dados Macromedia), não
só em plataformas PC mas também Pocket PC (dispositivos móveis), MAC e
Microsoft® TV.
FIG. 5.4. • Ambiente de trabalho do Macromedia Flash
A ferramenta Flash permite integrar vídeo, áudio, gráficos vectoriais e bitmapped, para além do texto. Suporta multilinguismo e o standard Unicode que permite
vários sistemas de escrita.
FMD iv.p65
69
12-01-2004, 12:38
70
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
Outra característica da aplicação é a simplicidade inerente à criação de
animações complexas: baseando-se na organização temporal dos vários quadros (frames), o autor pode criar rapidamente animações através do método
tradicional (criando as imagens uma a uma e reproduzindo-as rapidamente
em sequência), definindo alterações aos objectos (rotação, escalamento, transparência, etc.) e, inclusivamente, definindo caminhos que os objectos devem
percorrer.
A linguagem de programação associada, ActionScript, é baseada no paradigma da programação por objectos e permite ao autor acrescentar todas as funcionalidades que desejar. Não sendo uma linguagem fácil de dominar para o
utilizador iniciante, é sem dúvida extremamente poderosa porque permite ligar a
aplicação Flash a outras aplicações, como Bases de Dados, servidores, etc.
A integração de XML permite também interagir com um sem-número de outros
sistemas, incluindo os sistemas de gestão da aprendizagem.
A última versão introduz templates que permitem ao utilizador iniciado tornar-se rapidamente produtivo, utilizando componentes preexistentes que podem ser
editados e melhorados. O facto de ser uma ferramenta muito utilizada garante
ainda a existência de um grande número de recursos disponíveis, já criados por
outros utilizadores.
Macromedia Director
O Macromedia Director permite criar um curso e distribuí-lo para qualquer
sistema on-line ou off-line (CD/DVD, Intranets ou Internet). Tal como a ferramenta Flash, o Macromedia Director permite criar conteúdos multimédia, agora não exclusivamente vocacionados para a Internet, e que integram áudio
(MP3, WAV, AIF e RealAudio), vídeo (RealVideo, QuickTime e AVI), bitmapps (JPG,
GIF, PNG, BMP, PSD, TIFF e PICT), vectores (incluindo objectos a 3D), texto, e
outros, num total de mais de 40 formatos diferentes, produzindo aplicações
com grande nível de interactividade. Foi dedicado especial cuidado à gestão e
manipulação de áudio e vídeo, permitindo controlar facilmente periféricos, como
câmaras, microfones, etc.
Associada à ferramenta está a linguagem de programação Lingo que tem
como característica o facto de suportar duas sintaxes diferentes: uma mais ajustada ao discurso comum, para os utilizadores básicos, e uma mais sucinta, para
os utilizadores experimentados.
A preocupação com a acessibilidade também está presente e, por exemplo, é
possível sincronizar, de forma fácil, texto com áudio.
Uma aposta da empresa produtora (Macromedia) consiste na estandardização das interfaces de todos os seus produtos, permitindo que utilizadores de
Director possam trabalhar facilmente em Flash e Authorware e vice-versa.
FMD iv.p65
70
12-01-2004, 12:38
71
© Macromedia
Desenvolvimento multimédia
FIG. 5.5. • Componentes principais do Macromedia Director
Criar e editar áudio e vídeo
O processo de criação e edição de áudio e vídeo encontra-se extremamente
facilitado devido à digitalização de todos os procedimentos. Utilizando câmaras
digitais é possível produzir um sinal e enviá-lo directamente para o computador,
podendo ser processado em aplicações de edição extremamente complexas e
poderosas como Adobe Premiere.
No entanto, a utilização de vídeo e áudio é extremamente dispendiosa e a sua
integração num curso deve ser sempre objecto de uma reflexão cuidada. Por
exemplo, num curso sobre operações médicas a documentação em vídeo do
procedimento é de valor inestimável. O mesmo já não acontecerá num curso de
programação de aplicações.
Por outro lado, a produção amadora de vídeo e áudio é algo que se nota
imediatamente e afasta os alunos. Em cursos de e-learning para a Internet, o
tempo para descarregar as sequências também pode ser proibitivo. Outros aspectos que devem ser considerados são:
•
O vídeo deve ser usado exclusivamente em situações em que outros meios não consigam ter a mesma eficácia;
•
Todos os custos associados à produção de vídeo devem ser cuidadosamente planeados. Isto inclui o custo do equipamento de filmagem e edição, os actores, o realizador, os produtores e o editor;
•
A utilização de sequências de vídeo já existentes pode ter consequências a
nível de direitos de autor.
O áudio não impõe tantas restrições mas deve igualmente ser usado apenas
quando é fundamental para os objectivos de aprendizagem, devendo ser evitada a
FMD iv.p65
71
12-01-2004, 12:38
72
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
sua utilização para a simples narração de eventos. Quando for utilizado, deve
existir uma transcrição em texto do registo de áudio por questões de acessibilidade. É igualmente necessário ter presente que a utilização de excertos musicais
pode entrar em conflito com a legislação de direitos de autor.
Desenvolver o curso
As ferramentas de autor (authoring tools) permitem integrar diversos meios
(texto, gráficos, imagens, etc.) de forma a criar os conteúdos multimédia de
aprendizagem de acordo com princípios pedagógicos. Permitem reutilizar conteúdos já existentes optimizando o esforço e reduzindo o custo de produção. A
actual divulgação destas ferramentas tem a ver com a expansão do e-learning e
com a necessidade de produzir economicamente novos conteúdos ou adaptar
os já existentes. A personalização exige que os cursos sejam mais flexíveis e
reduz o número de interessados no mesmo curso, o que obriga a uma filosofia
de desenvolvimento mais rápido, verdadeiramente just-in-time.
Procura-se igualmente produzir, de uma só vez, conteúdos para diferentes
formas de distribuição: CD-ROM, Internet, Intranet, etc.
A selecção das ferramentas tem necessariamente a ver com os conteúdos a
produzir: conteúdos multimédia simples que integrem texto e gráficos podem ser
produzidos com ferramentas tipo Microsoft FrontPage. Conteúdos mais complexos integrando avaliação, simulações, personalização de objectos educativos e
conteúdos para dispositivos móComo é que este requisito se adequa às metodolo- veis exigem ferramentas dedicagias de desenvolvimento instrucional propostas na das como Macromedia AuthorwaUnidade 1?
re, Click2Learn Toolbook ou Trivantis Lectora.
As ferramentas de autor oferecem interfaces baseadas em:
FMD iv.p65
•
Scripting – Esta metáfora de desenvolvimento aproxima-se de uma linguagem de programação tradicional em que os vários elementos componentes são integrados e relacionados explicitamente através de código. Actualmente a maior parte das abordagens adopta um paradigma orientado a
objectos, extremamente potente, versátil e de grande capacidade de reutilização. A utilização de linguagens de scripting permite grande flexibilidade
na criação dos conteúdos à custa de complexidade no domínio da ferramenta, tornando o desenvolvimento mais demorado.
•
Ícones – As ferramentas baseadas nesta metáfora permitem um desenvolvimento rápido de conteúdos baseado na apresentação visual dos
componentes, das suas relações e da sequência a estabelecer entre
eles. A visualização gráfica de todo o projecto de desenvolvimento é
extremamente útil, de fácil manipulação e permite a compreensão global de todo o projecto. No entanto, se o projecto crescer demasiado, a
representação gráfica torna-se confusa e retira flexibilidade ao autor,
72
12-01-2004, 12:38
73
Desenvolvimento multimédia
que está limitado aos componentes existentes. Esta metáfora é interessante para projectos essencialmente lineares, tornando-se difícil de
manejar quando se abrem várias linhas que os alunos poderão percorrer. Exemplos de ferramentas que usam esta metáfora são IconAuthor e
Authorware.
•
Frames – Esta metáfora, tal como a anterior, apresenta uma paleta de
componentes e interacções. No entanto as relações são conceptuais e
não de fluxo. Um exemplo de ferramenta que usa esta metáfora é Quest.
•
Cartões/Scripting – Esta metáfora, também conhecida por livro/página,
permite criar conteúdos por páginas individuais interligadas por objectos
que executam código predefinido. É uma filosofia semelhante à que se
encontra na World Wide Web, que associa a existência de elementos multimédia às hiperligações. Esta metáfora permite uma abordagem muito
estruturada e facilita a navegação ao longo dos conteúdos. A ferramenta
mais conhecida que utiliza esta metáfora é o Toolbook.
•
Cast/Score/Scripting – Esta metáfora apresenta semelhanças com uma
pauta musical, com os elementos dispersos por camadas, ao longo do
tempo. É possível assim associar um comportamento individual a cada
componente. As ferramentas anteriormente referidas, Flash e Director, utilizam esta metáfora.
Na selecção da ferramenta adequada para um projecto de desenvolvimento
deve-se levar em consideração:
FMD iv.p65
•
Facilidade de utilização: A existência de templates de criação de conteúdos permite a um novo utilizador tornar-se rapidamente produtivo;
•
Flexibilidade criativa: Para um utilizador experimentado os templates constituem uma camisa-de-forças que não permite libertar a sua criatividade. A
aplicação deve permitir a estes utilizadores imprimir a sua marca pessoal
e criar situações de aprendizagem diferentes. A aplicação ideal deve acompanhar o autor à medida que ele vai ganhando experiência;
•
Distribuição múltipla: Uma aplicação que permita gerar automaticamente
resultados para vários meios de distribuição simplifica enormemente a
tarefa do autor. Por exemplo, gerando XML para além dos formatos nativos
da aplicação;
•
Standards3 e interoperabilidade: A capacidade de gerar resultados que
possam ser lidos por outras aplicações é importante para os autores e
companhias produtoras. Para isso é necessário que a aplicação esteja
conforme aos standards e às especificações existentes;
•
Plataformas suportadas: Uma aplicação disponível para PC’s e MAC’s
pode ser utilizada em diferentes ambientes profissionais. Também a produção de conteúdos para dispositivos móveis começa a ser relevante;
•
Avaliação: Um aspecto importante nos cursos de e-learning consiste na
criação de testes. Na sua forma mais simples os testes são compostos por
73
12-01-2004, 12:38
74
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
perguntas de resposta múltipla. No entanto, por vezes, é conveniente utilizar
outras formas, como verdadeiro/falso, respostas abertas, manipulação gráfica, selecção de imagens, preenchimento de espaços e, inclusivamente,
escolher aleatoriamente as perguntas e gerar caminhos de aprendizagem
diferentes, de acordo com as respostas dos alunos a uma determinada
questão. Esta é uma característica extremamente interessante das ferramentas de autor;
•
Meios suportados: As aplicações de autor devem suportar a integração de
imagens estáticas ou animadas, vídeo e áudio;
•
Personalização: Por vezes é interessante poder personalizar a própria
aplicação de autor com funcionalidades que podem inclusivamente ser
desenvolvidas pelo próprio autor. A possibilidade de criar estes comandos adicionais (macros) e de os integrar na aplicação pode ser importante;
•
Custo: Dependendo da complexidade, as ferramentas podem variar de
algumas centenas até centenas de milhares de euros. A selecção da ferramenta a usar depende assim necessariamente do levantamento de necessidades realizado e da disponibilidade da instituição.
SELECÇÃO DE FERRAMENTAS DE AUTOR
N
1.
2.
3.
4.
5.
6.
7.
8.
9.
10.
11.
FMD iv.p65
a escolha de uma ferramenta de autor
pode-se colocar as seguintes perguntas:
Quem irá usar a ferramenta? (Autores dos
conteúdos, técnicos de desenvolvimento,
técnicos didácticos, etc.).
Que requisitos serão necessários para
usar a ferramenta? (Formação dos utilizadores, hardware, sistema operativo, outras
aplicações, etc.).
Custo de aquisição e manutenção?
Permite criar gráficos e multimédia?
Exige algum software adicional (plugin)
para que os produtos resultantes sejam
visualizados?
Os conteúdos produzidos serão correctamente apresentados em todos os exploradores ou só nalgumas versões?
A ferramenta aceita qualquer tipo de gráfico?
Qual é a interface de autor?
Qual é o formato de saída? É possível exportar noutros formatos?
A ferramenta apresenta algum auxílio de
criação instrucional, ou só apresenta ecrãs
em branco para preencher?
É possível acompanhar os resultados dos
alunos?
74
12. Que tipos de multimédia podem ser integrados?
13. Pode-se copiar/colar informação de outras
aplicações (por exemplo, Office?).
14. A ferramenta gere a sequência do curso (e
as ligações respectivas) e gera uma tabela de conteúdos?
15. A ferramenta dispõe de templates para
questionários, testes, glossário, FAQ, etc.?
16. Que tipo de apoio é fornecido pela empresa vendedora? É exigido algum pagamento
adicional?
17. É possível alterar os conteúdos depois de
criar o curso?
18. Que standards suporta?
19. Quais são os requisitos para o servidor?
20. Quão grandes são os ficheiros gerados
(quanto tempo tardarão a ser carregadas
pelos alunos)?
21. A ferramenta permite criar uma organização exploratória ou apenas linear?
22. A ferramenta integra-se com Sistemas de
Gestão da Aprendizagem? A que nível de
detalhe?
23. Que medidas de acessibilidade estão incorporadas na ferramenta?
12-01-2004, 12:38
75
Desenvolvimento multimédia
Microsoft FrontPage
© Microsoft
O desenvolvimento de um ambiente para a Internet parte normalmente da
criação de páginas HTML, mediante uma ferramenta como o Microsoft FrontPage. Através de ajudas automatizadas (wizzards e templates), é relativamente
fácil e rápido desenvolver um site simples mas funcional. Estas ferramentas
permitem ainda esconder os detalhes de implementação da linguagem HTML,
que pode ser complexa para um iniciante.
O Microsoft FrontPage permite escolher tipos de sites predefinidos (por
exemplo, pessoais, projectos, empresas, etc.), elementos standard a incluir
(botões, menus, formulários, etc.) e um estilo (cores, imagens, tipos de texto
predefinido, etc.).
FIG. 5.6. • Visualização da navegação num determinado site (Microsoft FrontPage)
Uma funcionalidade importante é a de verificação automática das ligações
incluídas nas páginas. A existência de elementos que não conduzem a lado nenhum transmite uma sensação de insegurança aos alunos, pelo que este aspecto é relevante.
Click2Learn Toolbook
A ferramenta Click2Learn ToolBook (nas versões Instructor e Assistant) permite criar soluções multimédia para e-learning, para diferentes meios de distribuição, baseando-se numa metáfora de livro/páginas, associado a uma linguagem
de scripting. É uma das ferramentas com maior história e presença no mercado,
FMD iv.p65
75
12-01-2004, 12:38
76
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
contando com mais de 10 000 clientes, entre os quais 500 universidades (dados
da Click2Learn).
A ferramenta permite criar facilmente simulações para visualização de fenómenos ou para testar o próprio aluno num ambiente tipo laboratório virtual. A avaliação do aluno pode ainda ser feita por questionários com respostas verdadeiro/
/falso, resposta múltipla, drag-and-drop, preencher espaços, etc.
Tem um mecanismo de extensibilidade designado por Action Event que permite acrescentar funcionalidade à própria aplicação. Suporta as especificações
SCORM e AICC, relacionadas com e-learning, o que permite interoperabilidade e
portabilidade com outras aplicações (nomeadamente o sistema de gestão e produção de conteúdos da Click2Learn, Aspen).
Macromedia Authorware
Esta ferramenta assenta numa metáfora icónica, de fácil utilização. Permite
integrar, de forma visual, gráficos, áudio, vídeo, animações, texto, etc. O autor
começa por definir o esquema lógico dos conteúdos, e a seguir integra os vários
elementos constituintes.
Apresenta a possibilidade de monitorizar o percurso do aluno ao longo do
curso, pela utilização de uma base de dados associada, o que facilita ainda o
processo de avaliação do aluno e da própria ferramenta.
O suporte de XML torna a ferramenta capaz de reconhecer conteúdos produzidos noutras aplicações e vice-versa.
É uma ferramenta muito ajustada à metodologia RPD, já que permite criar
rapidamente um protótipo interactivo do curso, visualmente e sem recurso a código, apenas através de templates e wizzards. Este protótipo pode ir evoluindo pela
incorporação de novos elementos, novos caminhos e pela linguagem de scripting
associada.
O resultado pode ser distribuído em várias formas como CD/DVD, Internet, ou
Intranet.
A ferramenta apresenta ainda o conceito de Knowledge Objects configuráveis e
extensíveis, como questionários, questões, entrada de alunos, etc.
Respeita os princípios relacionados com a acessibilidade através da Authorware Application Accessibility Kit, que consiste num conjunto de objectos, comandos
e modelos que garantem a satisfação das regras de acessibilidade.
Em termos de formatos multimédia suporta todos os tipos fundamentais relacionados com áudio, vídeo, gráficos, etc., sendo capaz de sincronizar os vários
meios de acordo com as instruções do autor.
Integrar componentes
A integração de componentes implica algum cuidado com:
•
FMD iv.p65
O layout, ou seja, o processo de organizar espacialmente os elementos.
Uma organização eficaz orienta a atenção do utilizador através da
76
12-01-2004, 12:38
77
Desenvolvimento multimédia
hierarquia de elementos, proporcionando uma sensação de profundidade, criando contraste entre as camadas ou sequenciando os elementos
intuitivamente. No caso da integração com vídeo, por exemplo, a inclusão
de elementos que aparecem e desaparecem (pop-up) atrai a atenção do
utilizador. A utilização das mesmas zonas de ecrã para apresentar informação relacionada ajuda o utilizador a reconhecer e a familiarizar-se com
a mensagem;
•
Duração do evento, ou seja, o tempo em que haverá sincronização entre
dois ou mais canais;
•
Transições, ou seja, mecanismos que permitem inserir ou eliminar elementos visuais através de processos graduais em vez do simples aparecer-desaparecer. Os casos mais comuns são o processo de fade-in e
fade-out, o aparecimento e rolling lateral ou vertical, a composição progressiva, etc.;
•
A concorrência de elementos, ou seja, a forma como se organizam temporalmente;
•
Localização e configuração, ou seja, a possibilidade de se adaptar a utilizações particulares ou em determinadas regiões do globo;
•
A garantia de que o utilizador pode controlar a reprodução do vídeo e áudio,
ou seja, pode interromper a reprodução, acelerá-la, retardá-la, repeti-la, etc.;
•
O controlo das versões de cada um dos elementos. Cada curso disporá de
vários elementos que serão editados individualmente e cuja integração
deve ser gerida com rigor.
SMIL
A
linguagem SMIL – Synchronized Multimedia
Integration Language, apresenta uma forma de declarar e sincronizar diferentes tipos de
meios. O projecto SMIL começou em 1998, mas
só em meados do ano 2001, com a versão 2.0, a
sua importância e interesse foram reconhecidos.
Na realidade, SMIL consiste numa forma de reutilizar e integrar módulos já existentes (animações, esquemas de apresentação, vídeo, áudio,
etc.), sendo mais do que uma linguagem propriamente dita. Cada grupo de elementos é designado por um módulo.
Os módulos são desenhados de forma a poderem ser usados como parte de documentos
XML, suportado, por exemplo, pelo Internet
Explorer a partir da versão 6.0.
A ideia de utilizar algo como SMIL tem a ver
com a possibilidade de integrar dados de diversa natureza numa mesma imagem. Por exemplo, quando um canal televisivo transmite um
FMD iv.p65
77
jogo de futebol, sobrepõe à imagem do jogo
propriamente dito, o logo do canal, informação
sobre o tempo de jogo e resultado, informações sobre o jogo e os jogadores, eventualmente publicidade, etc. No entanto, no caso da
transmissão por televisão, todos estes diferentes sinais são integrados antes da emissão
e o utilizador não pode seleccionar apenas alguma dessa informação.
No caso de apresentações por DVD/CD-ROM
ou Web, a utilização de SMIL permite integrar
os vários canais, mantendo a sua independência e permitindo que o utilizador escolha o que
quer ver. Por exemplo, é possível ao utilizador
escolher se quer ver um filme com ou sem legendas num DVD. Para além disto, através de
SMIL é possível posicionar cada camada de
conteúdo e, inclusivamente, localizar algumas
dessas camadas de forma a que sejam apenas
visíveis numa determinada região do mundo.
12-01-2004, 12:38
78
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
Produzir materiais de apoio
Para além do curso propriamente dito é necessário produzir materiais que apoiem o professor e o aluno ao longo do curso. Tipicamente o manual do aluno cobre:
•
Avisos sobre acções que possam ter consequências sobre os materiais
do curso;
•
Descrição dos objectivos do curso;
•
Requisitos técnicos para frequentar o curso (equipamento, acesso à Internet, etc.);
•
Como iniciar o curso (comandos para arrancar, etc.);
•
Manual do utilizador, que deverá ser complementado com a ajuda dos próprios materiais do curso;
•
Informação suplementar que possa ser relevante;
•
Informação técnica;
•
Sugestões para pesquisa exploratória individual;
•
Guia rápido de consulta.
Para o professor, o manual respectivo, além dos tópicos anteriores escritos
numa linguagem diferente, endereça ainda:
•
A configuração de equipamento;
•
Questionários adicionais a submeter aos alunos;
•
Um manual técnico mais detalhado.
Testar o curso
O teste do curso avalia a sua usabilidade através da observação de um
conjunto de alunos enquanto executam tarefas, e destina-se a determinar as
alterações a efectuar a nível de conteúdo, apresentação e interface com o utilizador. Corresponde assim a um processo de avaliação formativa.
Deste modo é possível compreender como o utilizador extrai sentido do produto a partir da interface, o que permite aumentar a intuitividade na utilização do
produto, permitindo que a atenção do aluno esteja concentrada no conteúdo e
não na ferramenta de distribuição. O teste de usabilidade pode ainda detectar a
existência de pré-requisitos de aprendizagem não previstos.
O teste de usabilidade com utilizadores reais é o método fundamental, uma
vez que proporciona informação directa sobre como as pessoas usam computadores e quais os seus problemas com a interface testada (Nielsen, 1993, p. 165).
Basicamente, procura-se conhecer os requisitos do utilizador e construir os
materiais de forma a satisfazê-los. Isto integra o utilizador no ciclo de criação dos
materiais, o que maximiza o retorno do investimento pela utilização de medidas
realísticas no processo de desenvolvimento.
FMD iv.p65
78
12-01-2004, 12:38
79
Desenvolvimento multimédia
Um teste de usabilidade passa pelas seguintes fases:
•
Sessão de planeamento, onde são identificados os tópicos a testar, o momento do teste e é definido o grupo de teste;
•
Sessões de observação, onde são observados os alunos;
•
Reunião de resultados, onde são sintetizados os resultados e extraídas
recomendações para alterações.
A realização de projectos de desenvolvimento complexos exige testes de usabilidade conduzidos em laboratório com capacidade de gravação vídeo e observação através de monitores e espelhos. Em situações menos exigentes os testes
consistem em ter o avaliador a acompanhar o utilizador enquanto este percorre
um conjunto de tarefas predefinidas. Este teste pode ser afectado pela parcialidade do observador e pela proximidade entre este e o utilizador.
Em qualquer das situações é normalmente pedido ao utilizador que vá descrevendo oralmente (think-aloud) todo o processo de utilização e raciocínio, o qual vai
sendo registado automaticamente, ou pelo avaliador. Alternativamente pode ser
entregue um questionário detalhado ao aluno sobre a sua experiência. É importante que os cenários a serem submetidos ao utilizador correspondam a situações realísticas e passíveis de observação, para que os resultados sejam fiáveis.
Os dados recolhidos são analisados no sentido de se encontrar padrões de
comportamento. O grande número de dados qualitativos recolhidos exige normalmente um processo rigoroso de armazenamento e análise desses dados, nomeadamente através de:
•
Um registo temporizado de eventos críticos, comentários e problemas;
•
Uma transcrição abreviada produzida pelos observadores.
FIG. 5.7. • Questionário de usabilidade da Human Performance Technologies
FMD iv.p65
79
12-01-2004, 12:38
80
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
Assegurar a manutenção
A evolução natural, quer tecnológica quer social, implica actualizações regulares, quer em termos de componentes utilizados no curso, quer no próprio modelo
pedagógico. Como o retorno do investimento feito em cursos de e-learning se faz
apenas passados alguns anos é importante criar um plano de revisões periódicas, actualizando conteúdos ou adicionando novos pontos e novos mecanismos
que facilitem a aprendizagem. Este plano já deve incorporar a possibilidade de
recorrer a novos elementos da equipa de desenvolvimento.
ACESSIBILIDADE
A utilização de ambientes de e-learning multimédia não é igualmente acessível a todos. Para além das preferências pessoais, há pessoas com limitações
físicas visuais, auditivas ou outras. Da mesma forma, pessoas que trabalhem em
certos ambientes (ruidosos, comunitários, etc.) podem estar limitadas nas ferramentas que podem usar. É necessário considerar estes aspectos quando se
criam ambientes de aprendizagem, de forma a garantir que o curso é igualmente
acessível a todos.
As deficiências mais comuns são:
•
Deficiências visuais: Pessoas com grande limitação da visão ou mesmo
cegas usam dispositivos especiais que reproduzem em voz alta o texto que
aparece nos ecrãs do computador. Se houver conteúdo relevante em forma
de imagem, os dispositivos não conseguem captá-lo. Outro problema consiste na utilização de navegação através de imagens (por exemplo, clicando num determinado ponto da imagem acede-se a uma ferramenta do
curso). Pessoas com menores limitações visuais recorrem a aplicações
que ampliam a imagem. Os conteúdos devem estar igualmente preparados para isso;
•
Deficiências auditivas: Pessoas com limitações auditivas não podem usufruir de registos sonoros, por exemplo em filmes, entrevistas, audioconferência, etc.;
•
Deficiências motoras: A metáfora de interacção predominante recorre ao
rato como dispositivo apontador. Pessoas com limitações físicas podem
não ter a destreza suficiente para apontar, com precisão, para uma determinada zona do ecrã se esta for muito reduzida.
As recomendações mais frequentes de acessibilidade incluem:
•
FMD iv.p65
Criar ambientes que podem ser percorridos sequencialmente pelo
teclado: Alguns utilizadores preferem (ou estão limitados a) usar o teclado em vez do rato, utilizando tipicamente a tecla TAB para se mover de
um elemento para outro e activando-o com a tecla ENTER. Na sociedade
80
12-01-2004, 12:38
81
Desenvolvimento multimédia
ocidental o utilizador estará habituado a que esta sequência se faça do
topo para o fundo e da esquerda para a direita;
•
Manter o ambiente simples: Incluir apenas elementos essenciais. Molduras decorativas, animações e outros elementos desnecessários tornam
difícil o estabelecimento de prioridades de consulta para os alunos com
dificuldades;
•
Usar elementos alternativos de transcrição para imagens e gráficos;
•
Usar esquemas de navegação auxiliares, caso recorra a navegação por
imagens;
•
Assegurar a conformidade com standards de acessibilidade, como Web
Content Acessibility Guidelines (WCAG), emanados pela W3-Web Accessibility Initiative e a Section 508, emanado pela Electronic and Information
Technology Access Advisory Committee do Governo Federal Americano.
Começa a ser frequente encontrar, ao lado de um elemento multimédia integrado numa página Web, uma ligação assinalada por um D. Esta ligação conduz a uma
página de texto onde é descrito o conteúdo do elemento multimédia.
Como vimos, algumas ferramentas de autor já incluem modos de teste de
acessibilidade dos conteúdos produzidos, simplificando a tarefa de desenvolvimento.
Verifique até que ponto este curso respeita as regras de acessibilidade. Consulte as referências indicadas para maior detalhe dos requisitos.
DIREITOS DE AUTOR
Os direitos de autor são um conceito genérico de protecção ao criador de propriedade intelectual na área do conhecimento, descoberta científica e técnica, na área
das artes (música, pintura, escrita, etc.), na produção de documentos didácticos,
software e na produção multimédia, entre outros. Regem a autoria e cedência dos
direitos de reprodução das obras produzidas.
Em termos nacionais, os direitos de autor dividem-se em morais, que pertencem ao criador da obra não podendo ser negociados, e patrimoniais, que podem
ser transferidos. Isto implica que o autor pode não permitir que uma determinada
obra seja modificada, mesmo que tenha cedido os direitos patrimoniais da mesma.
A utilização ou reprodução de conteúdos preexistentes para efeitos didácticos
está assim limitada pelos direitos de autor associados a esses conteúdos. Algumas excepções são:
•
A citação de elementos escritos;
•
A utilização para finalidades educativas não comerciais.
Em qualquer dos casos, deverá sempre ser explicitamente referenciado o
nome do autor, do editor e a forma de obter os originais.
FMD iv.p65
81
12-01-2004, 12:38
82
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
No termo do desenvolvimento de um curso é necessário proteger os conteúdos
desenvolvidos, através dos direitos de autor para que todo o processo de desenvolvimento não seja aproveitado de forma ilegal por outros.
Da mesma forma, no processo de desenvolvimento de cursos de e-learning,
todo o material usado deve estar livre de direitos de autor. Caso contrário deve
ser solicitada autorização ao autor para a utilização do referido material.
FMD iv.p65
82
12-01-2004, 12:38
83
Desenvolvimento multimédia
U
N
I
D
A
D
5
E
AVALIAÇÃO
O
B
J
E
C
Compreender a importância da avaliação
de cursos de e-learning
Identificar os níveis de avaliação
FMD iv.p65
83
T
I
V
O
S
Conhecer as etapas da avaliação
Aplicar os conceitos aprendidos na definição de uma metodologia de avaliação
12-01-2004, 12:38
84
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
A avaliação, qualquer que seja o campo de aplicação, permite identificar caminhos bem ou mal sucedidos para atingir objectivos predefinidos.
A avaliação pode ser definida como a determinação sistemática de mérito ou
importância, que permite a identificação de problemas (ou potenciais problemas) e
a realização de classificações ou comparações (Scriven, 1999).
Na criação de cursos de e-learning, a avaliação desempenha um papel fundamental, porque garante a qualidade da concepção e desenvolvimento e proporciona ao e-learning uma reputação social equivalente, ou mesmo superior, à da
formação presencial. A abordagem formativa da avaliação permite ainda compreender as razões e reduzir as elevadas taxas de desistência que ainda ocorrem
com esta metodologia de ensino.
Como tal, a criação de cursos de e-learning deve integrar o processo de
avaliação desde o primeiro minuto, já que o seu sucesso depende grandemente
de uma monitorização adequada (Moore, 1993), particularmente em organizações que oferecem sistematicamente cursos com este formato.
No entanto, a aprendizagem é uma actividade pessoal e sujeita ao contexto, e
a qualidade da experiência de aprendizagem depende de muitos factores, pelo
que não é possível definir e aplicar, de forma igualmente eficaz, a mesma metodologia de avaliação a situações diferentes. Alguns dos factores que podem influenciar os resultados da avaliação são:
•
Desconhecimento, por parte dos formadores e/ou formandos, dos objectivos da avaliação, com a consequente resistência;
•
Natureza e tipo da organização;
•
A utilização de avaliadores internos ou externos;
•
Falta de pessoal com competências de avaliação;
•
Falta de recursos (tempo, dinheiro, pessoal) para realizar adequadamente
a avaliação.
Assim, para cada caso, deve
RECOMENDAÇÕES DO BANCO MUNDIAL
ser desenhada uma metodologia
de avaliação que leve em linha de
Banco Mundial sugere a adopção das seguintes
recomendações (World Bank, 2001):
conta os objectivos, o público-alvo,
Métodos de concepção de cursos que permitam defio contexto de aprendizagem, o sunir padrões de qualidade;
porte de distribuição, etc.
Definição clara de objectivos de aprendizagem que
É, no entanto, possível identipermitam traçar caminhos para os alcançar;
ficar
linhas mestras e proceIdentificação de requisitos de entrada, selecção de
alunos e acompanhamento de alunos de risco;
dimentos que transmitam ao
Estratégias que maximizem a confiança dos alunos
aluno segurança na sua aprenna utilização dos materiais.
dizagem.
O
•
•
•
•
FMD iv.p65
84
12-01-2004, 12:38
85
Avaliação
NÍVEIS DA AVALIAÇÃO
Bramely e Newby (1984) identificaram os seguintes objectivos para a avaliação:
•
Feedback – Relacionando os resultados da aprendizagem com os objectivos traçados de forma a fazer um controlo de qualidade da formação;
•
Controlo – Relacionando a formação com as actividades organizacionais
para fazer uma análise de custos;
•
Investigação – Determinando a relação entre a aprendizagem e a transferência de conhecimentos para a profissão;
•
Intervenção – Influenciando o contexto da formação;
•
Poder – Manipulando os dados da avaliação para a política organizacional.
No entanto, o modelo mais utilizado e que hierarquiza os objectivos de avaliação em quatro níveis foi idealizado por Kirkpatrick (1983). Este modelo responde
essencialmente a quatro questões:
• Os alunos gostaram da experiência?
• Os alunos atingiram os objectivos de aprendizagem traçados?
• Os alunos foram capazes de transferir o conhecimento adquirido para a
sua vida profissional/social?
• Houve algum retorno, a longo prazo, da aprendizagem?
1. Reacção: mede a percepção dos alunos em relação ao curso. É normalmente utilizado um questionário como ferramenta de avaliação, abordando
áreas como o formador (técnicas de apresentação, capacidade de motivação dos alunos, domínio das matérias, etc.), os módulos do curso (grau de
detalhe, complexidade, relação com os outros módulos, etc.), os materiais
e actividades (relevância, qualidade, interacção, etc.) e o próprio curso.
Este nível destina-se a determinar problemas existentes com o curso, caso
os formandos não estejam satisfeitos. Sobretudo porque os alunos aprendem
melhor quando estão satisfeitos com o ambiente de aprendizagem.
2. Aprendizagem: mede o grau de aprendizagem que os alunos conseguiram atingir, ou seja, em que medida o curso mudou atitudes, graus de
conhecimento ou competências. Neste sentido é necessário conhecer o
que os alunos sabiam no início do curso para determinar o que realmente
aprenderam durante o curso. Este processo serve igualmente para validar
os objectivos de aprendizagem traçados: se um grande número de alunos
não atinge os objectivos é provavelmente porque eles são demasiado
ambiciosos para o público-alvo a que se destinam.
3. Comportamento: este nível mede a mudança de comportamento do formando como resultado da frequência do curso, ou seja, a capacidade de
aplicar, no seu trabalho, as competências aprendidas. A medição pode ser
realizada formalmente (testes) ou informalmente (observação) e normalmente é conduzida por um supervisor directo do formando.
FMD iv.p65
85
12-01-2004, 12:38
86
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
Este nível é importante porque responde ao objectivo principal da formação: melhorar os resultados de uma organização através da aprendizagem.
4. Impacto: este nível mede a capacidade dos alunos em aplicar as competências aprendidas em situações novas, ou seja, a eficácia do treino realizado.
Verifica se a formação está a resultar em valor acrescentado (financeiramente, eficiência, espírito de equipa, etc.) para a organização. A este nível é normalmente difícil de analisar processos individuais de formação e relacionálos com mudanças organizacionais, pelo que é mais corrente analisar todo
o projecto de formação e correlacioná-lo com a mudança organizacional.
A passagem do nível 1 ao 4 representa um caminho progressivamente mais complexo, quer nas
ferramentas a usar, quer na recolha de dados e na própria análise, mas simultaneamente representa um caminho
em que os resultados são de maior valor para a organização.
Consegue relacionar as duas taxionomias propostas?
ETAPAS DE AVALIAÇÃO DE UM CURSO
Cada processo de avaliação inicia-se com uma fase de planeamento que
inclui a definição:
•
Do objectivo da avaliação e dos actores envolvidos (PORQUÊ);
•
Dos problemas e questões que o avaliador deve endereçar (O QUÊ);
•
Das fontes de dados e métodos de recolha que irão ser usados (COMO);
•
De (QUEM) irá fazer a avaliação;
•
De (QUANDO) será feita a avaliação;
•
Dos (RECURSOS) necessários para implementar a metodologia de avaliação.
O gestor da avaliação e os actores principais do curso devem seleccionar os
problemas e as questões a endereçar para avaliação. Definem, igualmente, os
critérios a utilizar para medir os aspectos a avaliar. O envolvimento dos utilizadores finais é fundamental, uma vez que os resultados só serão aceites se a metodologia de avaliação for compreendida.
O avaliador procede então à concepção e escolha das ferramentas de recolha
de dados que permitam reunir evidências fiáveis e válidas que sustentem a resposta às questões formuladas. Estas ferramentas podem incluir entrevistas, questionários, registo de dados, etc.
A implementação da avaliação corresponde à recolha de informação e evidências, de diversas fontes, em paralelo com o próprio processo de aprendizagem.
Na terceira fase o avaliador sintetiza e triangula os dados e formula conclusões, cuja credibilidade depende obviamente da quantidade, profundidade e qualidade dos dados. Depende igualmente da interpretação efectuada pelo avaliador,
FMD iv.p65
86
12-01-2004, 12:38
87
Avaliação
pelo que a experiência deste é fundamental. As conclusões levam ao estabelecimento de recomendações.
A última fase envolve a apresentação dos resultados da avaliação, das conclusões e recomendações. Dissemina estes aspectos pelos intervenientes e
interessados, oralmente, por escrito ou electronicamente, dependendo da
metodologia seleccionada.
Planeamento
Todos os processos de avaliação começam por uma análise cuidadosa, focada no objectivo da avaliação, nos principais problemas e questões a endereçar,
na selecção das ferramentas de recolha de dados, nos critérios para medir os
dados obtidos, no responsável pela avaliação, na temporização desta, etc.
Porquê
Avaliar é uma tarefa cara em tempo e recursos. Assim, os seus objectivos
devem ser definidos muito claramente de forma a parametrizar todo o processo.
Para além dos quatro níveis de Kirkpatrick é necessário particularizar mais. Podemos questionar:
•
Destina-se a fazer uma avaliação diagnóstica dos alunos?
•
Destina-se a melhorar cursos já existentes (formativa)?
– Numa perspectiva de desenvolvimento, focada na análise dos conteúdos, na sua utilização e relevância, na interacção entre alunos, entre
estes e o professor, etc.
•
Destina-se a medir quão eficaz um curso foi (sumativa)?
– Numa abordagem a nível de curso, focado no professor, nas actividades de aprendizagem, na implementação, no apoio técnico, na tecnologia e ferramentas, etc.
Numa abordagem a nível de aluno, focada nos objectivos de aprendizagem,
nos estilos ou preferências de aprendizagem, etc.
O quê
Depois de definir o objectivo da avaliação, o gestor do processo, conjuntamente com os intervenientes responsáveis, define os problemas e os participantes na
avaliação e estabelece critérios de medida destes aspectos, que podem incluir:
•
FMD iv.p65
Características de acesso dos alunos:
– Conhecimento geral e específico a priori;
– Estilos de aprendizagem e capacidade de resolução de problemas;
87
12-01-2004, 12:38
88
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
–
–
Personalidade e factores motivadores;
Factores ambientais.
•
Características do grupo: tamanho, homogeneidade, etc.;
•
Características do pessoal docente: conhecimento didáctico e dos conteúdos, criatividade, motivação, etc.;
•
Apoio logístico e técnico: salas de apoio, bibliotecas, meios tecnológicos, serviços de apoio e aconselhamento, apoio do professor;
•
Metodologia do curso:
– Adequação e relevância dos objectivos de aprendizagem;
– Meio de distribuição.
•
Formato do curso: eficácia das estratégias usadas (prelecção, discussão, etc.);
•
Interacção entre alunos e professor: qualidade e quantidade;
•
Conteúdo do curso: clareza, relevância, corpo de conhecimento criado, organização;
•
Estilo de apresentação: apresentação, motivação para o uso, coerência, etc.;
•
Tarefas e avaliação: utilidade, grau de dificuldade e tempo exigido, frequência, relevância, feedback dos resultados;
•
Usabilidade da tecnologia: amigabilidade, familiaridade, problemas, atitude para com a tecnologia;
•
Aluno: participação, qualidade da aprendizagem, alcance dos objectivos,
atitude;
•
Professor: contribuição como líder da discussão, eficácia, organização, preparação, entusiasmo, abertura às opiniões dos alunos;
•
Satisfação dos intervenientes (alunos, professores, gestores, companhia,
fornecedores, etc.);
•
Comparação com outras metodologias de aprendizagem, como o método
presencial: carga de trabalho, percepção da aprendizagem alcançada;
•
Visão geral do curso: interesse, relevância e utilidade percebidas, grau de
dificuldade;
•
Relação custo/benefício, eficácia, retorno do investimento;
•
Impacto do curso na sociedade.
Como
Dependendo dos objectivos da avaliação, o avaliador escolhe e/ou concebe
métodos e instrumentos de recolha de dados que lhe permitam obter informações válidas e fiáveis. Os dados recolhidos podem ser de carácter quantitativo ou
qualitativo, podendo ambos ser usados no decurso de processos de avaliação
sumativa ou formativa.
FMD iv.p65
88
12-01-2004, 12:38
89
Avaliação
Ferramentas quantitativas implicam responder a questões ou analisar registos usando uma escala, lista de entradas ou respostas sim/não. São sobretudo
utilizadas para recolher informação de um grande número de respondentes, o que
inviabiliza uma análise mais individualizada e profunda. Apresentam assim algumas desvantagens:
•
Limitam as respostas às categorias fornecidas, inviabilizando o aparecimento de perspectivas novas e diferentes;
•
Necessitam de um número elevado de respostas para ter significado estatístico, o que pode não ser fácil de obter em cursos de e-learning;
•
Tem geralmente uma taxa de resposta limitada e são sobretudo os alunos
que ficaram muito satisfeitos ou insatisfeitos que respondem;
•
A análise estatística pode induzir conclusões que não representam a realidade.
As ferramentas qualitativas produzem resultados mais subjectivos, com informação mais profunda e ampla, mas mais difícil de tabelar e categorizar. É ideal
para números mais pequenos de alunos, é mais flexível e dinâmica e não está
limitada a tópicos predefinidos. Por exemplo, podem ser usados questionários
abertos que permitam aos respondentes identificar fraquezas e forças do curso,
sugerir mudanças, aperfeiçoamentos, etc.
Em qualquer dos casos, as ferramentas devem ser adequadas ao público-alvo e à metodologia escolhida. Por exemplo, não faz sentido administrar questionários rígidos em situações de auto-aprendizagem. Neste caso seria mais interessante obter as opiniões pessoais e percepções dos alunos. A existência de um
grande número de ferramentas disponíveis, já formalmente testadas e cientificamente garantidas, facilita enormemente o trabalho do avaliador.
Alguns tipos de ferramentas que podem ser utilizados:
Questionários
Os questionários são a ferramenta mais utilizada em processos de avaliação, sendo úteis para grandes números de avaliados. Embora possam incluir
questões abertas (opiniões e descrições, por exemplo), são normalmente usados para obter dados factuais muito concretos. No entanto, as questões fechadas apresentam um número limitado de hipóteses de resposta, escolhidas pelo
avaliador, e que obrigam a antecipar as respostas prováveis não permitindo que
o utilizador expresse a sua própria opinião. As questões abertas, por seu lado,
obrigam a maior reflexão por parte do respondente e são, como tal, menos
susceptíveis de serem respondidas. Outro problema dos questionários relaciona-se com o baixo nível de resposta típico desta ferramenta, resultando em
dados não representativos.
Registos
A informação administrativa é armazenada e registada sistematicamente podendo ser utilizada para avaliação. Por exemplo:
• Número de alunos candidatos e/ou seleccionados;
• Número de alunos que se submetem a provas de avaliação com ou sem
sucesso;
FMD iv.p65
89
12-01-2004, 12:38
90
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
•
•
•
•
Qualificação do corpo docente;
Acesso à tecnologia e ferramenta de apoio;
Recursos consultados (incluindo momentos e tempo despendido);
Registo da interacção do utilizador com o ambiente do curso.
Entrevistas
As entrevistas proporcionam grande riqueza de resposta, difícil de obter através de questionários, de um grupo pequeno de pessoas. Necessitam, no entanto, de ser conduzidas por um avaliador experiente ou especialmente treinado
para o efeito, através de entrevistas individuais ou de grupo. A entrevista pode ser
estruturada, decorrendo a partir de um guião fixado, semi-estruturada, tendo o
entrevistado liberdade para propor novos temas, ou livre, em que o entrevistado
discorre de forma quase livre. Assim, as entrevistas, mais do que factos, recolhem opiniões, e as respostas necessitam de corroboração posterior ou de
explicação. São extremamente úteis, ainda, para a selecção de temas a incluir
em questionários.
Grupos-foco
Um grupo-foco é um encontro guiado de pessoas que discutem uma determinada experiência de aprendizagem. É particularmente interessante numa perspectiva formativa, após os membros terem usado um determinado recurso ou
também com finalidade sumativa para medição de eficácia. A discussão do grupo,
embora os participantes possam influenciar-se mutuamente, provoca o aparecimento de outras ideias. Os grupos devem ser organizados por pessoas de grau
idêntico, como alunos, professores, técnicos, etc., de modo a evitar o aparecimento de pessoas dominantes.
Método Delphi
Neste caso são enviadas questões a um conjunto de especialistas e respondidas por escrito. As respostas são resumidas e postas a circular entre os respondentes, a quem é pedido que reanalisem a sua posição em função das outras propostas.
Este método impede a existência de uma pessoa dominante. Uma variação consiste
em utilizar meios electrónicos para disseminar e motivar a discussão.
Observação
A observação pode ser formal ou informal. No primeiro caso, é necessário
estabelecer um conjunto de categorias predefinidas, como, por exemplo, o tempo
gasto em grupos de discussão, em auto-estudo, etc. A observação informal olha
para as pessoas e para o seu contexto de uma forma mais holística, como num
estudo etnográfico. Os dois modos podem ser complementares, fornecendo informação que se completa. O avaliador pode ser um participante activo, formulando questões ocasionais mas sem nunca guiar o observado para um determinado
caminho. A observação é muito útil na avaliação do efeito de um recurso no comportamento de alunos ou professores.
A observação é normalmente acompanhada por um processo de think-aloud
em que o observado vai descrevendo verbalmente os raciocínios e processos
mentais que vai experimentando.
FMD iv.p65
90
12-01-2004, 12:38
91
Avaliação
Registos de comunicação
As ferramentas de comunicação electrónica permitem registar e gravar as conversas entre utilizadores. Estes documentos são extremamente úteis para uma
análise posterior da discussão, não apenas numa perspectiva de saber quem interveio, quando e com que frequência mas sobretudo para medir a qualidade das
intervenções. Pode ainda ser possível medir o efeito num determinado aluno de
uma intervenção do professor ou de um colega.
Quem
A avaliação pode ser apenas interna, conduzida com recursos internos, ou
pode ser efectuada recorrendo a consultores externos. A participação dos restantes intervenientes deve ser definida neste momento.
De qualquer forma, todos os participantes no sistema de formação devem estar
envolvidos numa avaliação interna, particularmente em termos do processo instrucional e dos ganhos de aprendizagem (níveis 1 e 2 de Kirkpatrick).
A avaliação externa é normalmente utilizada quando se pretende avaliar se os
alunos conseguem executar as tarefas para que foram treinados (nível 3). Em caso
negativo, a formação não está bem desenhada e necessita de ser reconfigurada.
Quando
Os processos de avaliação acompanham todo o processo de concepção, desenvolvimento e implementação da aprendizagem. Assim, o tempo de execução da
avaliação está muito dependente do próprio curso e do seu calendário. No entanto
convém sempre estabelecer alguns pontos-chave:
•
Momentos de início e fim, por objectivo;
•
Momentos de aplicação de eventos discretos de avaliação (questionários,
entrevistas, etc.);
•
Intervalos de tempo de aplicação de processos contínuos de avaliação
(registos, observação, etc.).
Da mesma forma, o tempo de aplicação da avaliação também depende do
objectivo e da natureza da mesma. Por exemplo, uma avaliação sumativa tendente
a determinar se o aluno atingiu os objectivos de aprendizagem traçados só pode
ser conduzida após a conclusão do curso.
A avaliação formativa implica uma menor definição temporal, uma vez que se
destina a permitir à equipa de concepção e desenvolvimento melhorar o curso.
Pode começar informalmente através de comentários críticos de colegas aos conteúdos (adequação, relevância, dificuldade, correcção factual e conceptual, estilo de
apresentação, etc.). A introdução de especialistas externos pode ajudar a este passo da avaliação formativa, juntamente com um processo formal de peer-reviewing,
ou seja, de revisão por colegas.
FMD iv.p65
91
12-01-2004, 12:38
92
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
A implementação de um protótipo permite identificar falhas no planeamento instrucional e a necessidade de ajustes, por exemplo através de testes de usabilidade,
conduzidos por colegas ou por alunos. A implementação de cursos-piloto pode complementar este processo, reproduzindo toda a situação efectiva de ensino/aprendizagem.
Recursos
Neste passo é necessário organizar e definir os processos de administração
e distribuição de recursos físicos ou humanos considerando-se a complexidade
da avaliação e as implicações em termos de:
•
Tipo e número de alunos envolvidos;
•
Tempo a dedicar à avaliação;
•
Integração com outras actividades de aprendizagem;
•
Lista de recursos necessários.
Implementação
Durante a fase de implementação, os dados são recolhidos através do conjunto de ferramentas seleccionado, garantindo que tal é feito de forma ética e
independente.
Análise
© QSR International Pty Ltd.
Nesta fase, é feita a análise e a síntese de dados de fontes diversas e de natureza
muito distinta. Os dados são triangulados de forma a permitir e validar o estabelecimento
de conclusões credíveis. A qualidade da interpretação dos dados, realizada pelo avaliador, também influi na qualidade das conclusões. A utilização de ferramentas estatísticas
(por exemplo, SPSS) ou de análise qualitativa (por exemplo, NUD*IST) é de grande ajuda
para o avaliador, porque sintetizam
e visualizam os dados de forma
intuitiva. Na figura seguinte, retirada da utilização do NUD*IST,
pode-se apreciar o processo de
identificação de unidades de texto que caracterizam qualitativamente um documento, identificando os temas em debate.
As conclusões formuladas
podem levar à proposição de
recomendações, de acordo
com o contexto e a estratégia
da avaliação.
FIG. 6.1. • Definição de unidades de texto no NUD*IST.
FMD iv.p65
92
12-01-2004, 12:38
93
Avaliação
Apresentação
A apresentação dos resultados da avaliação e das recomendações formuladas é
um passo importante, uma vez que o estudo será desperdiçado se a mensagem
resultante não tiver o impacto desejado. Os resultados podem ser apresentados de
forma escrita, na forma de um relatório, ou verbalmente, em reunião de responsáveis,
do grupo de concepção e desenvolvimento ou em comunicações científicas. O relatório
deve proporcionar vários graus de síntese: um sumário breve com as conclusões
principais, uma secção mais detalhada com os dados de suporte a essas conclusões
e, finalmente, quando se justificar, o conjunto completo de todos os dados recolhidos.
Um relatório em formato electrónico tem a vantagem acrescida da rápida disseminação e de funcionar como base de apoio a eventuais discussões electrónicas. Este formato pode incluir a criação de um site Web.
Finalmente, em certos casos, a publicação científica permite o peer-reviewing
tratando o estudo de avaliação de uma forma científica. Esta apresentação permite ainda que outros avaliadores repliquem o processo e validem a metodologia
desenvolvida.
Relembre alguns exemplos de avaliação a nível académico ou de formação
que tenha experimentado e discuta-os.
Em seguida são apresentados alguns exemplos de questionários de avaliação, relembrando, no entanto, que estes devem constituir apenas parte de toda a
metodologia de avaliação:
EXEMPLO 1: Avaliação pelos Alunos – Universidade de Pensilvânia, EUA (http://www.upenn.edu/)
1
2
3
4
5
s/ opinião
0
1
2
3
4
s/ opinião
Globalmente estou satisfeito com a tecnologia usada
O áudio e vídeo funcionaram eficazmente
O chat funcionou eficazmente
O sistema de conferência funcionou eficazmente
Os materiais Web funcionaram eficazmente
Perdi informação importante devido a problemas com a
aplicação de vídeo
Perdi informação importante devido a problemas com a
aplicação de chat
O meu computador foi capaz de suportar todas as tecnologias
de apoio
Eu frequentaria outro curso que usasse as mesmas tecnologias
Quantas mensagens diárias colocou nos sistemas de
comunicação do curso, destinadas ao:
Professor
Assistentes
Outros Alunos
FMD iv.p65
93
12-01-2004, 12:38
94
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
Avalie a importância da interacção para a sua
aprendizagem.
1
2
3
4
5
s/ opinião
1
2
3
4
5
s/ opinião
1
2
3
4
5
s/ opinião
1
2
3
4
5
s/ opinião
Aluno - professor
Aluno - assistente
Aluno - aluno
Indique a qualidade dos seguintes aspectos, de acordo
com a sua experiência:
Capacidade de comunicação do professor
Capacidade de comunicação do assistente
Apoio técnico
Sinto-me confortável ao participar em discussões de grupo
Faço perguntas quando me sinto confuso
As perguntas que faço são respondidas
O professor demonstra interesse pelo que digo
Sinto que sou reconhecido pelo professor
Sinto que sou reconhecido pelos assistentes
Sinto que sou reconhecido pelos colegas
Sinto que estou a aprender os conteúdos
Estou satisfeito com o grau de interacção com o professor
Estou satisfeito com o grau de interacção com o assistente
Estou satisfeito com o grau de interacção com os outros alunos
Nas questões seguintes, compare com os cursos
presenciais que já frequentou
Tive mais oportunidade de interagir com o professor e
assistentes do que em situações presenciais
Tive mais oportunidade de interagir com os outros alunos
do que em situações presenciais
Senti-me mais confortável ao participar em discussões do que
em situações presenciais
Sinto que a aprendizagem foi mais eficaz do que em situações
presenciais
Existe uma maior variedade de ferramentas de aprendizagem
do que em situações presenciais
FMD iv.p65
94
12-01-2004, 12:38
95
Avaliação
EXEMPLO 2: Avaliação pelos Professores – Universidade de Pensilvânia, EUA (http://www.upenn.edu/)
Em relação às seguintes ferramentas como
classifica o seu funcionamento
Pior que o Como Melhor que o
Não utilizado
esperado esperado esperado
Centro de comunicação
Correio electrónico
Discussão assíncrona (fórum)
Chat
Gestor de exames
Gestor de questionários
Livro de classificações
Registo de actividades do aluno
Programa da disciplina
Registo de anotações
Partilha de documentos
Conteúdos e materiais Web
Áudio/Vídeo/Multimédia
Sistema de gestão do curso
Curso de orientação e familiarização com o ambiente
Ajuda on-line de utilização do ambiente
Documentação impressa sobre o ambiente
Discordo
Discordo
fortemente
Neutro
Concordo
Concordo
fortemente
Muito
satisfeito
S/ opinião
Recomendaria este ambiente a outros
professores
Usaria este ambiente em novos cursos
Muito
Insatisfeito Satisfeito
insatisfeito
Sente-se
Sendo um professor on-line
Com o ambiente dos cursos on-line
Com a facilidade de utilização do ambiente
Com a facilidade de gerir os cursos on-line
Com a facilidade de criar e editar os cursos
FMD iv.p65
95
12-01-2004, 12:38
96
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
N
O
T
A
S
1 No módulo 2 desta colecção é efectuada
uma análise mais aprofundada dos estilos
de aprendizagem, pelo que neste módulo
se optou por fazer uma referência mais ligeira mas que permitisse realçar a sua importância na caracterização do público-alvo.
2 O módulo 2 desta colecção debruça-se
especialmente sobre processos de formação combinados.
3 A emergência do processo de normalização
é a resposta à necessidade de reduzir os
custos associados à produção de conteúdos educativos, permitindo a sua edição em
grande escala e a sua interoperabilidade. A
inexistência destes standards conduz inevitavelmente a uma multiplicidade de produtos caros e não integráveis. As principais
organizações envolvidas no processo de
normalização de ambientes de ensino/aprendizagem são as seguintes:
• IEEE 1484 (LTSC Learning Technologies
Standards Committee) Comité de estandardização acreditado. Responsável pelo
Standard Learning Objects Metadata
(LOM);
• CEN/ISSS é o órgão Europeu de estandardização. O grupo LTW (Learning Te-
FMD iv.p65
96
chnologies Workshop) é responsável por
esta área;
• ADL (Advanced Distributed Learning):
Iniciativa do Departamento de Defesa dos
Estados Unidos. Responsável pela especificação Shareable Courseware Object Reference Model (SCORM);
• AICC (Aviation Industry CBT Committee):
Consórcio da indústria de aviação, desenvolve standards para a própria indústria;
• IMS (Educom’s Instructional Management
Systems): Consórcio de Universidades,
agências governamentais, companhias
e outras instituições que visa estabilizar a tecnologia através de implementações;
• ANSI (American National Standards Institute, ISO (International Standards Organisation) e IEC são as organizações
internacionais responsáveis pela aprovação de standards. O comité SC36 diz
respeito especificamente a Tecnologias Educativas (ISO/IEC JTC1);
• W3C produz standards específicos para
a Internet e WWW.
No módulo 3 desta colecção é feita uma descrição mais exaustiva deste tema.
12-01-2004, 12:38
97
???????????????????????????????
G
L
O
S
S
R
I
O
Navigator e Microsoft Internet Explorer são
os mais utilizados.
A
Acessibilidade
Conjunto de especificações que garantem o mesmo grau de acesso
a pessoas com limitações físicas visuais,
auditivas ou outras.
Metodologia de desenvolvimento
ADDIE
instrucional. Ver Instructional System Design
ASCII (American Standard Code for Information Interchange)
Um código numérico de representação de caracteres.
Um ficheiro ASCII, também dito de texto,
contém apenas caracteres legíveis pelos
utilizadores.
Integram diAutoria (Ferramentas de)
versos meios (texto, gráficos, imagens, etc.),
respeitando um guião preestabelecido, de
forma a criar os conteúdos multimédia de
aprendizagem de acordo com princípios pedagógicos. Permitem ainda reutilizar conteúdos já existentes de forma a optimizar o esforço e a reduzir o custo de produção.
B
Behaviorismo
Teoria de aprendizagem
que foca o estudo de comportamentos que
podem ser observados e medidos. A mente é
encarada como uma caixa preta cuja resposta a estímulos pode ser quantificada, ignorando a existência de processos de raciocínio. O conhecimento é adquirido pela execução repetida de tarefas.
Bitmap
Imagem formada por uma matriz de pontos aos quais é atribuído um
código numérico correspondente à cor
desse ponto.
Bookmarks
Endereços de sites importantes ou interessantes, que se guardam para
acesso posterior.
Browser (Explorador) WWW
Aplicação
cliente que acede a documentos e outro material existente em servidores HTTP remotos
e os visualiza de acordo com o formato HTML.
MOSAIC foi o primeiro browser utilizado de
forma generalizada. Actualmente Netscape
FMD iv.p65
Á
97
C
Cabeçalho (Header)
Parte de uma mensagem de correio electrónico contendo informação respeitante ao remetente: endereço, nome, data de envio, etc.
Cable Modem Um dispositivo que permite ligar um computador a uma rede de distribuição de televisão por cabo, permitindo velocidades muito mais elevadas que a ligação
por rede telefónica convencional.
Compressão Técnica algorítmica que permite reduzir a dimensão de um ficheiro. Antes de poder ser utilizado, o ficheiro deverá
ser descomprimido. Este procedimento permite reduzir o tempo de transmissão de ficheiros.
Cognitivismo
Teoria de aprendizagem
que identifica estruturas mentais de raciocínio e memória (schema) que permitem aumentar o conhecimento de cada indivíduo.
Construtivismo Teoria de aprendizagem
que defende que os formandos constroem
a sua própria realidade a partir das suas
próprias percepções das experiências. Assim, o conhecimento individual é baseado
nas experiências prévias, estruturas mentais e crenças, usadas para interpretar objectos e eventos.
D
Digest Colecção resumida das mensagens
mais relevantes de uma lista de distribuição,
enviada regularmente aos utilizadores.
Domínio Parte de um endereço na Internet que identifica a rede onde se localiza
uma determinada máquina. Por exemplo edu
(redes educacionais), com (redes comerciais) e pt (redes em Portugal).
Transferência de um ficheiro
Download
de um computador remoto para o computador do utilizador.
12-01-2004, 12:38
98
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
E
E-Mail ou Electronic mail (Correio electrónico) Método de transmitir mensagens
entre utilizadores de redes de computadores, nomeadamente a Internet. O endereço
de cada utilizador é composto pelo seu nome
de utilizador seguido da máquina que funciona como posto de correio, no seguinte esquema <nome>@<maquina>.<dominio>. Por
exemplo, [email protected]
Ensino a Distância Processo de Ensino/
/Aprendizagem em que o aluno se encontra
distante do professor/instituição de ensino
em termos geográficos e/ou temporais e em
que a comunicação entre eles é suportada
por meios tecnológicos ou não.
Ensino Distribuído
Ensino a Distância
em que a comunicação entre aluno e professor/instituição de Ensino (e entre alunos) é
suportada por ferramentas tecnológicas distribuídas.
Forma prefeEstilos de Aprendizagem
rida de obter e processar a informação por
cada indivíduo.
F
DoFAQ (Frequently Asked Questions)
cumento que esclarece dúvidas frequentes sobre um determinado tema. Em português não
há uma designação corrente mas poder-se-ia
traduzir por QMF (Questões Mais Frequentes).
Flame Mensagem electrónica ou artigo em
grupo de notícias de natureza insultuosa ou
provocatória.
FTP (File Transfer Protocol)
Protocolo
para transferência de ficheiros entre dois
computadores ligados à Internet.
G
Aplicações de troca
Grupos de Notícias
de mensagens com conteúdos específicos.
As mensagens são guardadas em sistemas
servidores aos quais acedem as aplicações
clientes.
FMD iv.p65
98
InterfaGUI (Graphical User Interface)
ces em que o utilizador interage com a aplicação através de menus, objectos, ícones e
imagens.
H
Hiperligações
Elementos (texto ou imagens) embebidos em documentos multimédia
e que permitem «saltar» para outros documentos se forem seleccionados. Estabelecem assim pontes ou ligações entre documentos.
Documentos que combinam
Hipermédia
referências hipertextuais com elementos multimédia.
Hipertexto
Um documento de texto que
contém referências para outros documentos. Quando um utilizador consulta o documento original pode «saltar» rapidamente para
os outros documentos clicando nessas referências.
HTML (Hyper Text Markup Language)
A linguagem hipertextual que permite, através da inserção de etiquetas especiais, a
criação e consulta de documentos multimédia interactivos, através da Internet, recorrendo aos browsers WWW. Neste momento
há várias versões em uso HTML1, HTML +,
HTML 2 e HTML 3, embora o utilizador não
necessite de se preocupar com isso, já que
as aplicações se encarregam de determinar
qual a versão dos documentos. HTML é um
subconjunto da SGML (Standard Generalized
Markup Language) criada para visualizar textos jurídicos, mas que rapidamente se tornou
um standard para gestão e intercâmbio de
grandes bases de dados documentais.
I
IAP ou ISP (Internet Access Provider ou
OrganizaInternet Service Provider)
ção que estabelece a ligação de empresas e
particulares à Internet.
Instructional System Design (ISD)
Processo sistémico e baseado em teorias
de aprendizagem, de análise, concepção,
12-01-2004, 12:38
99
Glossário
desenvolvimento, implementação e avaliação de materiais e actividades pedagógicas.
IP (Internet Protocol) Protocolo base da
Internet. Especifica o modo como os pacotes
de informação são compostos e como devem ser transferidos através da rede.
IP Endereço Um endereço da Internet em
formato numérico. É composto por quatro conjunto de números, entre 2 e 255, separados
por pontos e identificam univocamente uma
máquina ligada à Internet. Exemplo:
192.65.245.76.
IRC (Internet Relay Chat)
Protocolo e
aplicações que permitem a vários utilizadores conferenciar em tempo real através da
Internet.
J
JAVA Uma linguagem de programação orientada a objectos, desenvolvida pela SUN e
cujas aplicações podem ser transportadas
para diversos sistemas. Permite criar pequenas aplicações (applets) que podem ser embebidos em páginas HTML.
JPEG (Joint Photographic Experts Group)
Standard internacional para a compressão
e armazenamento de imagens gráficas estáticas.
L
Metas de Aprendizagem Afirmações genéricas sobre o impacto que um curso deve
ter sobre os alunos. Estabelecem os aspectos que permitirão verificar se os alunos obtiveram, ou não, sucesso.
Modem Um dispositivo que permite a ligação de computadores através da rede telefónica, modulando os dados digitais em frequências analógicas, para o envio, e desmodulando-os na recepção, de forma a transformálos de novo em dados digitais.
Moderador Pessoa que gere uma lista de
distribuição ou grupo de notícias. Filtra as
mensagens enviadas para a lista ou grupo,
de acordo com a sua relevância, garantindo
que não chega lixo aos restantes membros.
Multimédia Documentos que podem conter elementos de texto, som, gráficos, vídeo
e elementos de interacção com o utilizador
(botões, etc.).
N
Netetiquette
Regras de comportamento
na Internet, no uso do correio electrónico e
na participação em listas de distribuição e
grupos de notícias.
Newsgroup
Ver Grupo de Notícias.
O
Largura de Banda Quantidade de dados
que se pode enviar, em simultâneo, através
de uma conexão.
Lista de Distribuição (Mailing List)
Discussão em grupo e partilha de informação através de correio electrónico. Cada
lista concentra-se num determinado tema
permitindo que só se associem pessoas
nele interessadas. Os interessados aderem às listas enviando uma mensagem electrónica com a indicação subscribe. O software de gestão da lista garante que cada
mensagem enviada é distribuída por todos
os utilizadores.
FMD iv.p65
M
99
Objectivos de Aprendizagem
Objectivos concretos que indicam, para cada
passo do curso, o que os alunos devem
saber ou fazer. Estes objectivos permitem
estabelecer os critérios de desempenho e
identificar as estratégias educativas e as
ferramentas tecnológicas mais adequadas
para o curso.
P
Pacote Unidade de informação básica usada para a transferência de dados. Para além
dos dados, contêm os endereços do remetente e destinatário.
12-01-2004, 12:38
100
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
Plugin Pequena aplicação que permite a
exploradores WWW visualizar outros formatos para além do HTML, como Flash, Shockwave, etc.
Posting Termo inglês que designa o acto
de enviar um artigo ou uma mensagem para
um grupo de notícias.
R
RDIS (Rede Digital Integrada de Serviços) Rede telefónica digital que permite a
ligação de computadores domésticos a redes remotas de forma mais rápida.
S
Servidor (Server) Computador que partilha os seus recursos respondendo a pedidos de programas chamados clientes (por
exemplo, os browsers WWW) que correm
noutros computadores na Internet.
SGML (Standard Generalized Markup
Language) Uma linguagem genérica para
representar documentos. Está na base do
HTML.
SMTP (Simple Mail Transfer Protocol)
Protocolo da Internet para transferir mensagens de correio electrónico entre computadores.
T
TCP/IP (Transmission Control Protocol/
Conjunto de protoco/Internet Protocol)
los que a Internet usa como base para serviços como e-mail, FTP e WWW. O protocolo
IP é responsável pelo envio de pacotes entre
sistemas, enquanto o protocolo TCP é responsável pela fiabilidade da transmissão e
garante a reorganização da mensagem.
Thread
Colecção de artigos referentes a
um mesmo tema.
FMD iv.p65
100
U
Upload Transferência de um ficheiro desde o computador, onde o utilizador se encontra até um computador remoto. Contrário de
download.
EnURL (Uniform Resource Locator.)
dereço de um item (ficheiro, site, serviço,
etc.) na Internet e identificação do protocolo
de acesso a esse item (http, nntp, ftp, file,
etc.).
A rede de computadores que
USENET
suporta o serviço de NEWSGROUPS. Os
grupos são organizados por temas de interesse e permitem aos utilizadores discutir
com outras pessoas de forma assíncrona.
As mensagens enviadas designam-se por
artigos e são trocadas entre as máquinas
desta rede.
V
VRML (Virtual Reality Modeling Language) Uma linguagem criada para transmitir
informação tridimensional através da Internet. Permite, por exemplo, a criação de mundos virtuais.
W
Wireless Network
Método para interligar computadores através de infravermelhos, ultravioletas ou ondas rádio em vez de
cablagem física.
O
World Wide Web (WWW ou W3)
nome dado à rede de computadores que
suporta o protocolo http para trocar informação hipertextual em formato HTML. Lançado por Tim Berners-Lee, no Centro Europeu de Pesquisa Nuclear (CERN). Consiste num conjunto de serviços, recursos
e protocolos acedidos por quem utiliza a
Internet.
12-01-2004, 12:38
101
???????????????????????????????
R
E
C
U
BIBLIOGRAFIA
S
O
S
education/coursework/802papers/mergel/
brenda.htm.
Alessi, S. & Trollip, S. (2000). Multimedia
for Learning: Methods and Development (3rd
Edition), ISBN: 0205276911, Allyn & Bacon.
Bramely, P. & Newby, A. C. (1984). «The
Evaluation Of Training Part II: The Organisational Context», in Journal of European
& Industrial Training, pp. 8,7,17- 21.
Carey, J., Briggs, L. J. (1990). «Teams as
Designers», in Instructional design: Principles and applications, L. J. Briggs (Ed.).
Englewood Cliffs, NJ: Educational Technology Publications.
Clark, D. (2000), Introduction to Instructional
System
Design,
http://
www.nwlink.com/~donclark/hrd/sat1.html.
Dorsey, L. T., Goodrum, D. A., Schwen,
T.M. (1997). «Rapid collaborative prototyping as an instructional development paradigm», in C.R. Dills & A.J. Romiszowski
(Eds.), Instructional Development Paradigms, C. R. Dills & A. J. Romiszowski (Eds.),
pp. 445-465. Englewood Cliffs, NJ: Educational Testing Publications.
Gagné, R., Briggs, L., Wager, W. (1992).
Principles of Instructional Design (4th Edition). ISBN: 0-03-034757-2, Wadsworth/
/Thomson Learning.
Good, T. L. & Brophy, J. E. (1990). Educational Psychology: A Realistic Approach
(4th Edition), New York: Longman.
Kirkpatrick, D. (1983). Four Steps to Measuring Training Effectiveness. Personnel
Administrator, pp. 28,11, 19-25.
Malone, T. W., & Lepper, M. R. (1987). «Making
learning fun: A taxonomy of intrinsic motivations for learning», in Aptitude, learning and
instruction, R. E. Snow & M. J. Farr (Eds.),
vol. 3: Cognitive and affective process analysis. Hillsdale, NJ: Lawrence Erlbaum.
Mergel, B. (1998). Instructional Design &
Learning Theories. http://www.usask.ca/
FMD iv.p65
R
101
Merril, M. D., Richards, L. (1983). «Component Display Theory», in Instructional
Design Theories and Models: An Overview of their Current Status, Reigeluth,
C. M. (1983) (e. d.), Hillsdale, NJ: Prentice-Hall.
Moore, M. (1993). «Is teaching like flying?
A total systems view of distance education», in The American Journal of Distance
Education, 7 (1), 1-10.
Morkes, J., and Nielsen, J. (1998). Applying
Writing Guidelines to Web Pages. http://
w w w. u s e i t . c o m / p a p e r s / w e b w r i t i n g /
rewriting.html.
Scriven, M. (1999). «The Nature of Evaluation Part I: Relation to psychology», in Practical Assessment, Research & Evaluation, vol. 6, number 11.
Verduin, J. R. Jr. & Clark, T. A. (1991). Distance education: The foundations of effective practice. San Francisco: Jossey-Bass.
World Bank Group (2001), Global Distance Education,
http://wbweb4.worldbank.org/DistEd/Management/Benefits/course.html.
SITES
Digital Think – Empresa fornecedora de cursos de e-learning
(http://www.digitalthink.com)
Element K – Empresa fornecedora de cursos de e-learning e de soluções para e-learning (http://www.elementk.com)
IBM Learning Services – Oferta de cursos
de e-learning (http://www-3.ibm.com/services/learning/index.html)
Knowledge Net – Empresa fornecedora
de cursos de e-learning (http://
www.knowledgenet.com)
12-01-2004, 12:38
102
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
MindLeaders - Empresa fornecedora de
cursos de e-learning
(http://www.mindleaders.com)
ADOBE (http://www.adobe.com)
• PHOTOSHOP – Edição de imagens
• PREMIERE – Edição de vídeo
Section 508 – Site do governo federal americano com informação sobre os standards de acessibilidade
(http://www.section508.gov/)
CLICK2LEARN (http://www.click2learn.com)
• TOOLBOOK - Criação de cursos de e-learning
Syber Works – Empresa fornecedora de
cursos de e-learning
(http://www.syberworks.com)
Tegrity – Empresa fornecedora de cursos
de e-learning (http://www.tegrity.com)
W3 Web Acessibility Initiative – Promoção
da acessibilidade em ambientes Web (http:/
/www.w3.org/wai)
WebCT – Ferramentas de gestão de cursos e-learning (http://www.webct.com)
COREL (http://www.corel.com)
• COREL DRAW – Edição de gráficos vectoriais
• COREL PHOTOPAINT – Edição de imagens
MACROMEDIA (http://www.macromedia.com)
• AUTHORWARE – Criação de cursos de
e-learning
• DIRECTOR, FLASH – Criação de conteúdos animados
• DREAMWEAVER - Criação de sites para
a WWW
• FREEHAND – Criação de gráficos
MICROSOFT (http://www.microsoft.com)
• FRONTPAGE – Criação de sites para a
WWW
• PROJECT – Gestão de projectos
FERRAMENTAS
QSR (http://www.qsr.com.au)
• NUD*IST – Análise qualitativa
TRIVANTIS (http://www.trivantis.com)
SPSS (http://www.spss.com)
• SPSS – Análise estatística
LECTORA - Criação de cursos de e-learning
FMD iv.p65
102
12-01-2004, 12:38
103
???????????????????????????????
Í
N
D
I
C
E
INTRODUÇÃO .............................................
Apresentação do livro ................................
Objectivos ...................................................
Público-alvo .................................................
Metodologia .................................................
Estrutura ......................................................
Nomenclatura ..............................................
5
5
6
7
7
8
8
UNIDADE 1
METODOLOGIAS DE CONCEPÇÃO
E DESENVOLVIMENTO DE CURSOS ........ 9
Teorias de aprendizagem ......................... 10
Behaviorismo ......................................... 10
Cognitivismo ........................................... 11
Construtivismo ....................................... 13
Eventos de instrução ................................ 14
Metodologias mais utilizadas .................... 17
ADDIE ..................................................... 18
Dick e Carey .......................................... 19
Rapid Prototyping Design (RPD) ........... 21
Alessi e Trollip ....................................... 21
UNIDADE 2
ANÁLISE E DESIGN PEDAGÓGICO .......
Etapas da análise .....................................
Detectar necessidades ........................
Definir metas de aprendizagem ...........
Caracterizar o público-alvo ..................
Identificar restrições .............................
Estimar custos .......................................
Etapas do design pedagógico .................
Definir objectivos de aprendizagem ....
Definir tarefas .......................................
Sequenciar as tarefas de ensino/
/aprendizagem .......................................
Seleccionar os modos de distribuição
e as tecnologias de apoio ....................
Seleccionar a metodologia de ensino/
/aprendizagem .......................................
Desenvolver os métodos
de avaliação ..........................................
Tecnologias de apoio ................................
Estratégias de aprendizagem ..................
25
26
26
26
27
28
28
29
29
30
31
32
Etapas .......................................................
Produzir o manual de estilo ..................
Criar storyboard ....................................
Preparar um protótipo ...........................
Organização dos materiais ......................
Informação concisa ..............................
Pirâmide inversa ....................................
Salientar conceitos importantes ...........
Ajustar ao público-alvo .........................
Design e organização visual ...................
Design de páginas ...............................
Design do ambiente de aprendizagem ..
49
49
49
50
50
50
51
51
51
54
54
59
UNIDADE 4
DESENVOLVIMENTO MULTIMÉDIA .......
Etapas .......................................................
Gerir o desenvolvimento .......................
Pesquisar recursos ..............................
Escrever conteúdos .............................
Criar e editar gráficos ...........................
Criar e editar animações ......................
Criar e editar áudio e vídeo ..................
Desenvolver o curso ............................
Integrar componentes ...........................
Produzir materiais de apoio ..................
Testar o curso .......................................
Assegurar a manutenção .....................
Acessibilidade ...........................................
Direitos de autor .......................................
65
66
66
66
67
67
69
71
72
76
78
78
80
80
81
UNIDADE 5
AVALIAÇÃO .............................................
Níveis da avaliação ...................................
Etapas de avaliação de um curso ...........
Planeamento ..........................................
Implementação .......................................
Análise ...................................................
Apresentação .......................................
83
85
86
87
92
92
93
33
NOTAS ....................................................... 96
34
35
40
GLOSSÁRIO ............................................. 97
RECURSOS ............................................. 101
UNIDADE 3
DESIGN MULTIMÉDIA ............................. 47
FMD iv.p65
103
ÍNDICE ..................................................... 103
12-01-2004, 12:38
104
Conceitos básicos para o desenvolvimento de cursos multimédia
FMD iv.p65
104
12-01-2004, 12:38
Was this manual useful for you? yes no
Thank you for your participation!

* Your assessment is very important for improving the work of artificial intelligence, which forms the content of this project

Download PDF

advertisement