Edital - Telebras

Edital - Telebras
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Pregão
TERMO DE RETIRADA DO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO
PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 02/2010-TB
Empresa:
Endereço:
CNPJ:
Telefone:
e-mail:
Pessoa para
contato:
Retirei da TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. - TELEBRÁS, cópia do Edital do Pregão
Eletrônico para Registro de Preços nº 02/2010-TB.
Cidade,___________, ______ de _________ de 2010.
_______________________________
Assinatura
ATENÇÃO:
As respostas aos pedidos de esclarecimentos formulados serão divulgadas mediante publicação de
nota na página web da TELEBRÁS, no sítio www.telebras.com.br, ficando as empresas
interessadas em participar do certame obrigadas a acessá-lo para a obtenção das informações
prestadas.
________________________________________
Adailton de Brito Gois
Pregoeiro
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Pregão
EDITAL
PREGÃO ELETRÔNICO PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 02/2010-TB
PROCESSO Nº 47/2010-TB
OBJETO: Contratação, mediante Registro de Preços, de solução de infraestrutura básica, com
fornecimento de contêineres, gabinetes e materiais, necessária para o funcionamento e proteção dos
equipamentos ópticos, rádio e IP, a serem utilizados na rede nacional de telecomunicações, incluindo
garantia e assistência técnica, instalação, treinamento e operação inicial. Destaca-se que a solução será
implantada em diversos estados do país, para cumprir as disposições contidas nos artigos 1º e 4º do
Decreto nº 7.175, de 12 de maio de 2010, que estabelece as diretrizes do Programa Nacional de Banda
Larga – PNBL, de acordo com as especificações e quantidades estimadas constantes deste instrumento e
seus anexos.
ANEXOS:
I - Termo de Referência e seus Anexos
II - Modelo de Proposta
III - Minuta da Ata de Registro de Preços
IV - Minuta de Contrato
ITEM
ASSUNTO
1-
DO OBJETO
2-
DA PARTICIPAÇÃO
34-
DA REPRESENTAÇÃO E DO CREDENCIAMENTO
DO ENVIO DA PROPOSTA DE PREÇOS
5-
DA ACEITABILIDADE DA PROPOSTA
6-
DA ABERTURA DA SESSÃO
7-
DA FORMULAÇÃO DOS LANCES
8-
DA DESCONEXÃO
9-
DO JULGAMENTO DAS PROPOSTAS
10-
DA HABILITAÇÃO
11 -
DA MANUTENÇÃO DAS CONDIÇÕES HABILITATÓRIAS
12 -
DA IMPUGNAÇÃO DO INSTRUMENTO CONVOCATÓRIO
13 -
DOS PEDIDOS DE ESCLARECIMENTOS
14 -
DOS RECURSOS
15 -
DA FORMALIZAÇÃO DA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS
16 -
DA VIGÊNCIA DA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Pregão
17 -
DA ADESÃO POR OUTROS ÓRGÃOS
18 -
DO PREÇO REGISTRADO
19 -
DO CANCELAMENTO DO REGISTRO DE PREÇO
20 21 -
DO CONTRATO
DAS OBRIGAÇÕES DA TELEBRÁS
22 -
DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA
23 -
DO PAGAMENTO
24 -
DA DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA
25 -
DAS SANÇÕES ADMINISTRATIVAS
26 -
DAS DISPOSIÇÕES GERAIS
27 -
DO FORO
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Pregão
Processo nº: 47/2010-TB
Tipo de Licitação: MENOR PREÇO POR GRUPO
Data de abertura da sessão do Pregão Eletrônico: 25/10/2010 - 10:00 horas (horário de Brasília).
Data e horário de início de recebimento das propostas: 13/10/2010 – 08:00 horas (horário de Brasília).
Data e horário de término de recebimento das propostas: 25/10/2010 – 10:00 horas (horário de Brasília).
Endereço: www.comprasnet.gov.br
A Telecomunicações Brasileiras S/A - TELEBRÁS, por intermédio de seu Pregoeiro, designado
pela DEM-1000/7221, de 15/09/2010, torna público para conhecimento dos interessados, que na data,
horário e local acima indicados fará realizar licitação na modalidade de PREGÃO PARA REGISTRO DE
PREÇOS na forma ELETRÔNICA, do tipo menor preço por grupo, conforme descrito neste Edital e
seus Anexos.
O procedimento licitatório obedecerá, integralmente, a Lei nº 10.520, de 17 de julho de 2002, o
Decreto no 5.450, de 31 de maio de 2005, o Decreto nº 3.931, de 19 de setembro de 2001, o Decreto nº
4.342, de 23 de agosto de 2002, o Decreto nº 3.722, de 09 de janeiro de 2001, a Lei complementar nº 123,
de 14 de dezembro de 2006, o Decreto nº 6.204, de 05 de setembro de 2007, a Lei nº 8.666, de 21 de
junho de 1993, legislação correlata, e demais exigências previstas neste Edital e seus anexos.
1 - DO OBJETO
Contratação, mediante Registro de Preços, de solução de infraestrutura básica, com fornecimento
de contêineres, gabinetes e materiais, necessária para o funcionamento e proteção dos equipamentos
ópticos, rádio e IP, a serem utilizados na rede nacional de telecomunicações, incluindo garantia e
assistência técnica, instalação, treinamento e operação inicial. Destaca-se que a solução será implantada
em diversos estados do país, para cumprir as disposições contidas nos artigos 1º e 4º do Decreto nº 7.175,
de 12 de maio de 2010, que estabelece as diretrizes do Programa Nacional de Banda Larga – PNBL, de
acordo com as especificações e quantidades estimadas constantes deste Edital e seus anexos.
2 - DA PARTICIPAÇÃO
2.1
Poderão participar deste pregão as pessoas jurídicas, inclusive reunidas em consórcio, que
desempenhem atividades pertinentes e compatíveis com o objeto dessa licitação e atendam a
todas as condições estabelecidas neste Edital e seus anexos, consoante a legislação vigente, no
que concerne aos requisitos exigidos para classificação e habilitação.
2.2
Não será admitida nesta licitação a participação de LICITANTES que estejam em qualquer
das seguintes situações:
2.2.1 Em processo de falência, recuperação judicial, extrajudicial, ou de insolvência, ou sob
outra forma de concurso de credores, em dissolução ou em liquidação;
2.2.2 Com o direito suspenso de licitar e contratar com a TELEBRÁS;
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Pregão
2.2.3 Com o direito suspenso de licitar e contratar a União, bem como aquelas declaradas
inidôneas para licitar e contratar com a Administração Pública;
2.2.4 Estrangeiras que não funcionem no País;
2.2.5 Sociedades cooperativas.
3 - DA REPRESENTAÇÃO E DO CREDENCIAMENTO
3.1
O credenciamento dar-se-á pela atribuição de chave de identificação e de senha pessoal e
intransferível, para acesso ao sistema eletrônico, no Portal de Compras do Governo Federal –
Comprasnet, no sítio http://www.comprasnet.gov.br.
3.2
O credenciamento da LICITANTE, bem assim a sua manutenção, dependerá de registro
cadastral atualizado no Sistema de Cadastramento Unificado de Fornecedores – SICAF.
Alternativamente o credenciamento poderá ser feito no Sistema de Credenciamento de
Fornecedores do Comprasnet, o que permite ao fornecedor obter Login e Senha e participar de
Pregões e Cotações eletrônicas sem que haja a necessidade de se cadastrar no SICAF.
3.3
O credenciamento junto ao provedor do sistema implica responsabilidade legal da
LICITANTE ou de seu representante legal e presunção de sua capacidade técnica para
realização das transações inerentes ao pregão eletrônico.
3.4
O uso da senha de acesso pela LICITANTE é de sua responsabilidade exclusiva, incluindo
qualquer transação efetuada diretamente ou por seu representante, não cabendo ao provedor
do sistema ou à TELEBRÁS, promotora da licitação, responsabilidade por eventuais danos
decorrentes de uso indevido da senha, ainda que por terceiros.
4 – DO ENVIO DA PROPOSTA DE PREÇOS
4.1
A participação no pregão dar-se-á por meio da digitação da senha privativa da LICITANTE,
com o subseqüente encaminhamento da proposta de preço, a partir da data da liberação do
presente Edital no sítio www.comprasnet.gov.br até o horário limite de início da sessão
pública, ou seja, às 10 horas do dia 25/10/2010 horário de Brasília - DF, exclusivamente
por meio do sistema eletrônico.
4.2
A LICITANTE deverá apresentar, via sistema, declaração de que conhece e concorda com
todas as condições estabelecidas neste Edital e seus anexos.
4.3
Os preços propostos, computando todos os custos necessários para o fornecimento de
equipamentos, materiais e serviços, bem como todos os impostos, fretes, seguros, encargos
trabalhistas, comerciais e quaisquer outras despesas que incidam ou venham a incidir sobre o
objeto desta licitação serão de exclusiva responsabilidade da proponente.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Pregão
4.4
A proposta inicial e os lances deverão ser formulados e enviados exclusivamente por meio
do sistema eletrônico.
4.5
Quaisquer tributos, custos e despesas diretas ou indiretas omitidas da proposta ou
incorretamente cotadas serão consideradas como inclusas nos preços, não sendo aceitos
pleitos de acréscimos, a esse ou a qualquer título, devendo os serviços e os equipamentos
serem fornecidos sem ônus adicional para a TELEBRÁS.
4.6
A LICITANTE será responsável por todas as transações que forem efetuadas em seu nome
no sistema eletrônico, assumindo como firmes e verdadeiras suas propostas e lances.
4.7
Incumbirá, ainda, à LICITANTE acompanhar as operações no sistema eletrônico durante a
sessão pública do pregão, ficando responsável pelo ônus decorrente da perda de negócios
diante da inobservância de quaisquer mensagens emitidas pelo sistema ou de sua
desconexão.
4.8
Serão desclassificadas as propostas que não atenderem às exigências do presente Edital e
seus anexos, sejam omissas, apresentem irregularidades ou defeitos capazes de dificultar o
julgamento.
4.9
As propostas terão validade de, no mínimo, 60 (sessenta) dias, contados da data de abertura
da sessão pública.
4.9.1 Decorrido o prazo de validade das propostas, sem convocação para contratação, ficam
as LICITANTES liberadas dos compromissos assumidos.
4.10 A apresentação da proposta implicará plena aceitação, por parte da LICITANTE, das
condições estabelecidas neste Edital e seus anexos.
5 – DA ACEITABILIDADE DA PROPOSTA
5.1
O pregoeiro efetuará a análise da aceitabilidade da proposta, verificando se os objetos
cotados estão adequados às especificações contidas neste Edital.
5.2
O pregoeiro desclassificará as propostas em desacordo com as especificações exigidas neste
Edital e seus anexos ou que apresentem valores que contenham erros insanáveis e
classificará as propostas que participarão da fase de lances.
5.3
A desclassificação de propostas será sempre fundamentada e registrada no sistema, com
acompanhamento em tempo real por todos os participantes.
5.4
O sistema disponibilizará campo próprio para troca de mensagens entre o pregoeiro e as
LICITANTES, após a fase de lances.
6 – DA ABERTURA DA SESSÃO
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Pregão
6.1
A abertura da presente licitação dar-se-á em sessão pública, por meio de sistema eletrônico
(comunicação pela Internet), dirigida por um pregoeiro, a ser realizada, de acordo com o
Decreto nº 5.450, de 31/05/2005, na data, horário e local indicados no preâmbulo deste
Edital.
7 - DA FORMULAÇÃO DOS LANCES
7.1
Aberta a etapa competitiva, as LICITANTES poderão registrar lances exclusivamente por
meio do sistema eletrônico, sendo a LICITANTE imediatamente informada do seu
recebimento e respectivo horário de registro e valor.
7.2
As LICITANTES poderão oferecer lances sucessivos, observado o horário fixado para a
abertura da sessão e as regras de aceitação dos mesmos.
7.3
As LICITANTES somente poderão oferecer lances inferiores aos últimos por elas ofertados
e registrados pelo sistema.
7.4
Não serão aceitos dois ou mais lances de mesmo valor para o mesmo item, prevalecendo
aquele que for recebido e registrado em primeiro lugar.
7.5
Durante a sessão pública, as LICITANTES serão informadas, em tempo real, do valor do
menor lance registrado, vedada a identificação da LICITANTE.
7.6
O encerramento da etapa de lances da sessão pública ocorrerá , a critério do pregoeiro, sendo
que o sistema eletrônico encaminhará aviso de fechamento iminente dos lances, após o que
transcorrerá período de tempo de até trinta minutos, aleatoriamente determinado, findo o
qual será automaticamente encerrada a recepção de lances.
7.7
Para efeito de classificação das propostas será considerado o menor lance resultante da
cotação do grupo.
7.8
Se incorreta a proposta, será desclassificada e se passará à análise da proposta seguinte,
observando a ordem de classificação de cada grupo.
8 – DA DESCONEXÃO
8.1
No caso de desconexão do pregoeiro, no decorrer da etapa de lances, o sistema eletrônico
poderá permanecer acessível às LICITANTES para a recepção dos lances, retornando o
pregoeiro, quando possível, para sua atuação no certame, sem prejuízo dos atos realizados.
8.1.1 Quando a desconexão do pregoeiro persistir por tempo superior a dez minutos, a
sessão do pregão, na forma eletrônica, será suspensa e reiniciada somente após
comunicação às participantes, no endereço eletrônico utilizado para divulgação.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Pregão
9 – DO JULGAMENTO DAS PROPOSTAS E DA HABILITAÇÃO
9.1
O critério de julgamento adotado será o menor preço por grupo, conforme definido neste
Edital e seus anexos.
9.2
Após o encerramento da etapa de lances da sessão pública, o pregoeiro poderá encaminhar,
pelo sistema eletrônico, contraproposta à LICITANTE que tenha apresentado lance mais
vantajoso, para que seja obtida melhor proposta, observado o critério de julgamento, não se
admitindo negociar condições diferentes daquelas previstas no Edital.
9.3
A negociação será realizada por meio do sistema, podendo ser acompanhada pelas demais
LICITANTES.
9.4
Encerrada a etapa de lances, o pregoeiro examinará a proposta classificada em primeiro lugar
quanto à compatibilidade do preço em relação ao estimado para a contratação e sua
exeqüibilidade, podendo, neste momento, ser exigida a apresentação de amostras e a
realização de diligências.
9.5
Poderá ser solicitado o encaminhamento da proposta final de preços, a qual deverá ser
encaminhada no prazo máximo de 2 (duas) horas, contendo: razão social, endereço,
telefone/fax, número do CNPJ/MF, dados bancários (banco, agência, número da contacorrente e praça de pagamento), prazo de validade de no mínimo 60 (sessenta) dias a contar
da data da abertura da sessão deste Pregão e as especificações do objeto de forma clara,
atualizada com lance final ofertado. O envio poderá ser efetuado por meio do campo “Anexo
da Proposta” ou caso haja algum problema, pelo fax nº (61) 3415-2783 ou pelo e-mail:
[email protected]
9.5.1 A proposta de preços descrita no subitem anterior deverá ser redigida em língua
portuguesa, datilografada ou digitada, em uma via, sem emendas, rasuras, entrelinhas
ou ressalvas, devendo a última folha ser assinada e as demais rubricadas pelo
representante legal da LICITANTE, nos termos do Modelo da Proposta, constante do
Anexo II deste Edital.
9.6
Em caso de ocorrência de participação de LICITANTE que detenha a condição de
microempresa ou de empresa de pequeno porte aplicar-se-ão as determinações contidas na Lei
Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006.
9.7
No caso da proposta válida, classificada em primeiro lugar, não ser de empresa desse porte,
serão adotados os seguintes procedimentos:
9.7.1 Será assegurado, como critério de desempate, preferência de contratação para as
microempresas e empresas de pequeno porte, entendendo-se por empate aquelas
situações em que as propostas apresentadas pelas microempresas e empresas de
pequeno porte sejam iguais ou até 5% (cinco por cento) superiores à proposta mais
bem classificada.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Pregão
9.7.2 Para efeito do disposto no subitem acima, ocorrendo o empate, proceder-se-á da
seguinte forma:
9.7.2.1 A microempresa ou empresa de pequeno porte mais bem classificada será
convocada para apresentar nova proposta no prazo máximo de 5 (cinco)
minutos após o encerramento dos lances, sob pena de preclusão;
9.7.2.2 A microempresa ou empresa de pequeno porte mais bem classificada poderá
apresentar proposta de preço inferior àquela considerada vencedora do
certame, situação em que será adjudicado em seu favor o objeto licitado;
9.7.2.3 Não ocorrendo a adjudicação em favor da microempresa ou empresa de
pequeno porte, na forma do inciso anterior, serão convocadas as
remanescentes que porventura se enquadrem na hipótese do subitem 9.7.1, na
ordem classificatória, para o exercício do mesmo direito;
9.7.2.4 No caso de equivalência de valores apresentados pelas microempresas e
empresas de pequeno porte que se encontrem enquadradas no subitem 9.7.1,
será realizado sorteio entre elas para que se identifique aquela que primeiro
poderá apresentar a melhor oferta; e
9.7.2.5 O disposto neste subitem somente se aplicará quando a melhor oferta inicial
não tiver sido apresentada por microempresa ou empresa de pequeno porte.
9.7.3 Na hipótese da não adjudicação nos termos previstos no subitem 9.7.1, o objeto
licitado será adjudicado em favor da proposta originalmente vencedora do certame.
9.8
Se a proposta vencedora for desclassificada o pregoeiro examinará a proposta subseqüente e
assim, sucessivamente, na ordem de classificação, até a apuração da proposta que atenda as
exigências contidas neste Edital.
9.8.1 Ocorrendo à situação a que se refere o subitem anterior, o pregoeiro poderá negociar
com a LICITANTE, no intuito de obter preço melhor.
9.9
Encerrada a fase de classificação da proposta a LICITANTE classificada em primeiro lugar
deverá comprovar, no prazo máximo de 2 (duas) horas, sua condição de habilitação, na
forma que determina o item 10 deste Edital, podendo esta comprovação se dar por meio do
fax nº (61) 3415-2783 ou pelo e-mail: [email protected] e, no que couber, por meio
de consulta ao SICAF, conforme o caso.
9.9.1 Os originais dos documentos exigidos deverão ser encaminhados no prazo máximo de
48 (quarenta e oito) horas, a contar da solicitação do pregoeiro.
9.10 Constatado o atendimento às exigências fixadas neste Edital, a LICITANTE será declarada
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Pregão
vencedora do grupo.
9.11 Da sessão pública do pregão divulgar-se-á ata no sistema eletrônico, na qual constará a
indicação do lance vencedor, a classificação dos lances apresentados e demais informações
relativas ao certame licitatório, sem prejuízo das demais formas de publicidade previstas na
legislação pertinente.
10 – DOS DOCUMENTOS DA HABILITAÇÃO
10.1
A habilitação da LICITANTE será verificada por meio da extração de relatório do SICAF,
quanto aos documentos por ele abrangidos.
10.2
Caso os documentos exigidos para habilitação não estejam contemplados no SICAF, ou não
haja disponibilidade de realizar a consulta aos sítios emitentes das certidões vencidas, será
exigido o envio da documentação via fac-símile, no prazo máximo de 01 (uma) hora, após
solicitação do pregoeiro no sistema eletrônico.
10.2.1
10.3
Os documentos e anexos exigidos, quando remetidos via fax, pelo nº (61) 34152783 ou pelo e-mail: [email protected], deverão ser apresentados em
original ou por cópia autenticada, no prazo máximo de 48 (quarenta e oito) horas.
Para a habilitação, a LICITANTE detentora da melhor oferta deverá apresentar os
documentos a seguir relacionados:
10.3.1
Relativos à Habilitação Jurídica:
10.3.1.1 Registro comercial, no caso de empresário;
10.3.1.2 Ato constitutivo, estatuto ou contrato social em vigor, devidamente
registrado, em se tratando de sociedades comerciais, e, no caso de
sociedades por ações, acompanhado de documento de eleição de seus
administradores;
10.3.1.3 Os documentos de que trata a alínea anterior, deverão estar acompanhados
de todas as alterações ou da consolidação respectiva;
10.3.1.4 Decreto de autorização, em se tratando de empresa ou sociedade estrangeira
em funcionamento no País, e ato de registro ou autorização, para
funcionamento expedido por órgão competente, quando a atividade assim
o exigir; e
10.3.1.5 Inscrição do ato constitutivo, no caso de sociedades civis, acompanhada de
prova de administração em exercício.
10.3.2 Relativos à Regularidade Fiscal:
10.3.2.1 Prova de inscrição no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas - CNPJ;
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Pregão
10.3.2.2 Prova de regularidade com a Fazenda Federal (Certidão Negativa ou
Positiva com efeito de negativa de Débitos de Tributos e Contribuições
Federais, emitida pela Secretaria da Receita Federal – SRF e Certidão
quanto à Dívida Ativa da União emitida pela Procuradoria-Geral da
Fazenda Nacional – PGFN), e com a Fazenda Estadual e a Municipal, do
domicílio ou sede da LICITANTE, na forma da lei;
10.3.2.3 Prova de regularidade perante a Seguridade Social (INSS) e perante o
Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) demonstrando situação
regular no cumprimento dos encargos sociais instituídos por lei;
10.3.2.4 As microempresas e empresas de pequeno porte deverão apresentar toda a
documentação exigida para efeito de comprovação da regularidade fiscal,
mesmo que esta apresente alguma restrição;
10.3.2.5 Havendo alguma restrição na comprovação da regularidade fiscal, será
assegurado o prazo de 2 (dois) dias úteis, cujo termo inicial corresponderá
ao momento em que o proponente for declarado o vencedor do certame,
prorrogáveis por igual período, a critério da Administração, para a
regularização da documentação, pagamento ou parcelamento do débito, e
emissão de eventuais certidões negativas ou positivas com efeito de
certidão negativa; e
10.3.2.6 A não-regularização da documentação no prazo previsto no subitem
anterior implicará decadência do direito à contratação, sem prejuízo das
sanções previstas no item 25 deste Edital, sendo facultado à Administração
convocar as LICITANTES remanescentes, na ordem de classificação, para
a assinatura da Ata de Registro de Preços ou revogar a licitação.
10.3.3
Relativos à Qualificação Econômico - Financeira:
10.3.3.1 Certidão negativa de feitos sobre falência, recuperação judicial ou
recuperação extrajudicial, expedida pelo distribuidor da sede da
LICITANTE;
10.3.3.2 Na certidão referida na alínea anterior, em que não estiver mencionando
explicitamente o prazo de validade, somente será aceita com o prazo
máximo de 90 (noventa) dias, contados da data de sua emissão;
10.3.3.3 Balanço patrimonial e demonstrações contábeis do último exercício social,
já exigíveis e apresentados na forma da lei, que comprovem a boa situação
financeira da empresa, vedada a sua substituição por balancetes ou
balanços provisórios, podendo ser atualizados por índices oficiais quando
encerrados há mais de 3 (três) meses da data de apresentação da proposta;
10.3.3.4 A boa situação financeira da LICITANTE será avaliada pelos Índices de
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Pregão
Liquidez Geral (LG), Solvência Geral (SG) e Liquidez Corrente (LC),
maiores que 1 (um), resultantes da aplicação das fórmulas abaixo, com os
valores extraídos de seu balanço patrimonial ou apurados mediante
consulta “online” no caso de empresas inscritas no SICAF:
LG =
Ativo Circulante + Realizável a Longo
Prazo
Passivo Circulante + Exigível a Longo
Prazo
SG =
Ativo Total
Passivo Circulante + Exigível a Longo
Prazo
LC =
Ativo Circulante
Passivo Circulante
10.3.3.5 A LICITANTE que apresentar índices econômicos igual ou inferior a 1
(um) em quaisquer dos índices de Liquidez Geral, Solvência Geral e
Liquidez Corrente, deverá comprovar que possui patrimônio líquido de no
mínimo 10% (dez por cento) do valor total estimado do grupo a que
concorrer, por meio de Balanço Patrimonial e demonstrações contábeis do
último exercício, já exigíveis e apresentados na forma da lei, vedada a sua
substituição por balancetes ou balanços provisórios.
10.3.3.6 A condição do item 10.3.3.5 acima é aplicável apenas para as empresas que
não possuam índice superior a 1 (um). Não obstante, será exigida da
LICITANTE detentora da melhor oferta, a comprovação de possuir capital
social ou patrimônio líquido de no mínimo 1% (um por cento) do valor por
ela proposto para o grupo objeto da disputa, sendo que no caso de
participação em consórcio essa exigência aplicar-se-á, única e
exclusivamente, à empresa-líder.
10.3.4
Relativo à Qualificação Técnica:
10.3.4.1 Para os serviços de engenharia, as LICITANTES deverão apresentar
registro ou inscrição na entidade profissional competente, Conselho
Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia – CREA.
10.3.4.2 Apresentar atestado(s) ou declaração(ões) de capacidade técnica (A.C.T),
expedido(s) por pessoa(s) jurídica(s) de direito público ou privado, que
comprove(m) que a LICITANTE tenha executado serviços ou fornecido
produtos compatíveis em características e quantidades com o objeto deste
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Pregão
Termo, em que conste referência às parcelas de maior relevância, assim
consideradas:
10.3.4.2.1
Fornecimento e instalação de no mínimo de 5 (cinco)
contêineres com aplicação padrão para telecomunicações.
10.3.4.2.2
Fornecimento e instalação de no mínimo de 10 (dez)
gabinetes outdoor, com aplicação padrão para
telecomunicações.
10.3.4.2.3
Fornecimento e instalação de no mínimo de 10 (dez)
infraestruturas básicas para estações de telecomunicações,
repetidoras ou terminais.
10.3.4.3 Os consorciados que desenvolvam serviços de engenharia, arquitetura e
agronomia, deverão apresentar registro ou inscrição na entidade
profissional competente, Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e
Agronomia – CREA.
10.3.4.4 Prestação de serviço de operação, monitoração e manutenção preventiva
e/ou corretiva de infraestrutura de estações de telecomunicações, conforme
descritos no ANEXO II do Termo de Referência, e
10.3.4.5 Declaração de que possui aparelhamento técnico adequado para a
execução do objeto, discriminando as suas instalações, apresentando a
relação do pessoal técnico especializado incumbido da execução dos
serviços, com a indicação da qualificação profissional dos principais
membros da sua equipe técnica.
10.3.5 Demais declarações, a serem enviadas via sistema:
10.3.5.1 Declaração da inexistência de fatos supervenientes impeditivos para a sua
habilitação neste certame, sob as penalidades cabíveis.
10.3.5.2 Declaração de que a empresa cumpre o disposto no inciso XXXIII do art.
7º da Constituição Federal e no inciso XVIII do art. 78 da Lei nº
8.666/1993, conforme o art. 14, inciso VI, do Decreto nº 5.450/2005.
10.3.5.3 Declaração de que é Microempresa, Empresa de Pequeno Porte ou
Cooperativa, de acordo com o art. 11 do Decreto nº 6.204/2007, se for o
caso.
10.3.5.4 Declaração de Elaboração Independente de Proposta, de acordo com o
determinado na IN 02/2009, de 16/09/2009, da Secretaria de Logística e
Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento, Orçamento e
Gestão, publicada no DOU, de 17/09/2009.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Pregão
10.4
Da participação de empresas em consórcios:
10.4.1
Quando da participação de empresas em consórcio, deverão ser atendidas as
seguintes exigências:
10.4.1.1 comprovação do compromisso público ou particular de constituição de
consórcio, subscrito pelos consorciados;
10.4.1.2 indicação da empresa-líder, empresa brasileira, responsável pelo consórcio,
que deverá atender às condições de liderança, comprovando a outorga de
poderes pelas demais consorciadas, no sentido de administrar e representar o
consórcio perante terceiros, por meio de contrato social, procuração ou qualquer
instrumento legal aplicável, conforme a natureza da empresa;
10.4.1.3 cada consorciado atenda os requisitos de habilitação abrangidos nos
subitens 10.3.1 a 10.3.3, observando o que estabelece o subitem 10.4.1.4.1
abaixo, no que concerne à comprovação da qualificação técnica.
10.4.1.4 nenhuma das empresas integrantes do consórcio participe isoladamente ou
de outro consórcio, nesta licitação;
10.4.1.4.1 as exigências de qualificação técnica, de que trata o subitem 10.3.4
deverão ser atendidas pelo consórcio, por intermédio de qualquer dos
consorciados, isoladamente, admitida a soma das qualificações técnicas
apresentadas por ambos. Não será aceito atestado emitido de um
consorciado para outro integrante do mesmo consórcio.
10.4.2
Responderão solidariamente todos os consorciados pelos atos praticados em
consórcio, tanto na fase de licitação quanto na execução do contrato.
10.4.3 A LICITANTE já regularmente cadastrada e habilitada parcialmente no Sistema de
Cadastramento Unificado de Fornecedores – SICAF - ficará dispensada de apresentar
os documentos relacionados nos subitens 10.3.1, 10.3.2 e no subitem 10.3.3.2,
devendo comprovar a exigência contida no subitem 10.3.3.1 e, se for o caso, a situação
especificada no subitem 10.3.3.4.
10.4.4 Os documentos, dentro de seus prazos de validade, poderão ser apresentados em
original, por qualquer processo de cópia autenticada em cartório competente, sendo,
também, válidas: a autenticação efetuada mediante cotejo entre as cópias e originais
por empregado da TELEBRÁS e, ainda, as cópias das publicações efetuadas em órgão
da imprensa oficial.
10.4.5 Será inabilitada a LICITANTE que deixar de apresentar qualquer documento exigido,
ou apresentá-lo em desacordo com o estabelecido neste Edital.
11 - DA MANUTENÇÃO DAS CONDIÇÕES HABILITATÓRIAS
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Pregão
11.1
Na assinatura da ata de registro de preços e do contrato será exigida a comprovação das
condições de habilitação consignadas neste Edital, as quais deverão ser mantidas pela
LICITANTE durante a vigência da ata e do contrato, exceto quanto ao enquadramento do
porte de microempresa e empresa de pequeno porte e opção de regime tributário.
11.1.1
Quando a vencedora da licitação não fizer a comprovação referida no subitem
anterior ou quando, injustificadamente, recusar-se a assinar a ata ou o contrato,
poderá ser convocada outra LICITANTE, respeitando a ordem de classificação, para,
após comprovados os requisitos habilitatórios e feita a negociação, assinar a ata ou o
contrato, sem prejuízo das multas previstas neste Edital das demais cominações
previstas em Lei.
12 - DA IMPUGNAÇÃO DO INSTRUMENTO CONVOCATÓRIO
12.1
Qualquer pessoa poderá impugnar o ato convocatório do Pregão, na forma eletrônica, até 02
(dois) dias úteis antes da data fixada para abertura da sessão pública.
12.1.1
Caberá ao pregoeiro, auxiliado pela equipe técnica que gerou a demanda, decidir
sobre a impugnação no prazo de até vinte e quatro horas.
12.1.2
Acolhida à impugnação contra o ato convocatório, constatando-se que as alterações
afetarão a formulação das propostas, será designada nova data para a realização do
certame.
13 - DOS PEDIDOS DE ESCLARECIMENTOS
13.1
Os pedidos de esclarecimentos referentes ao presente Edital deverão ser enviados ao
pregoeiro, até três dias úteis anteriores à data fixada para abertura da sessão pública,
exclusivamente por meio eletrônico via internet, no endereço: [email protected]
13.1.1. As respostas aos pedidos de esclarecimentos e demais informações relevantes, serão
divulgadas mediante publicações de notas na página web da TELEBRÁS, no
endereço www.telebras.com.br, bem como no portal COMPRASNET, ficando as
empresas interessadas em participar do certame, obrigadas a acessá-las para a
obtenção das informações prestadas.
14 - DOS RECURSOS
14.1
Declarada a vencedora, qualquer LICITANTE poderá, durante a sessão pública, de forma
imediata e motivada, em campo próprio do sistema, manifestar sua intenção de recorrer,
quando lhe será concedido o prazo de três dias para apresentar as razões do recurso, ficando
as demais LICITANTES, desde logo, intimadas para, querendo, apresentarem contra-razões
em igual prazo, que começará a contar do término do prazo da recorrente, sendo-lhes
assegurada vista imediata dos elementos indispensáveis à defesa dos seus interesses.
14.1.1
Intenção motivada de recorrer é aquela que indica, objetivamente, o fato e o direito
que a LICITANTE deseja ser revisto pela autoridade superior àquela que proferiu a
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Pregão
decisão.
14.2
A manifestação motivada da intenção de recorrer será realizada exclusivamente no âmbito do
Sistema Eletrônico, em campos próprios.
14.3
A falta de manifestação imediata e motivada da LICITANTE quanto à intenção de recorrer,
nos termos do subitem 14.1, importará decadência desse direito, ficando o pregoeiro
autorizado a adjudicar o objeto da licitação à LICITANTE declarada vencedora.
14.4
O acolhimento de recurso importará invalidação apenas dos atos insuscetíveis de
aproveitamento.
14.5
Decididos os recursos e constatada a regularidade dos atos praticados, a autoridade
competente adjudicará o objeto da licitação à LICITANTE vencedora e homologará o
procedimento licitatório.
14.6
Os recursos e impugnações interpostos fora dos prazos não serão conhecidos.
14.7
Os autos do processo permanecerão com vista franqueada aos interessados, nos dias úteis, no
horário de 8 às 12 horas e de 14 às 18:00 horas, na sede da TELEBRÁS, SCN Quadra 04 –
Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig - CEP: 70714-900 – Brasília/DF.
15 - DA FORMALIZAÇÃO DA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS
15.1
Homologada a licitação, será formalizada a ata de registro de preços, com a LICITANTE
vencedora.
15.2
A TELEBRÁS convocará formalmente a vencedora, com antecedência mínima de 02 (dois)
dias úteis, para assinatura da ata de registro de preços.
15.2.1
15.3
O prazo previsto no subitem 15.2 poderá ser prorrogado uma vez, por igual período,
quando, durante o seu transcurso, for solicitado pela LICITANTE convocada, desde
que ocorra motivo justificado e aceito pela TELEBRÁS.
A TELEBRÁS será responsável pelos atos de controle e administração da ata de registro de
preços decorrentes desta licitação e indicará, sempre que solicitado pelos órgãos interessados,
o prestador de serviços para o qual será formulada consulta, visando a adesão.
16 - DA VIGÊNCIA DA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS
16.1
A ata a ser firmada, de acordo com a minuta anexa a este Edital – Anexo III – terá vigência de
12 (doze) meses, a contar da data de sua assinatura.
17 – DA ADESÃO POR OUTROS ÓRGÃOS
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Pregão
17.1
Poderá utilizar-se da ata de registro de preços qualquer órgão ou entidade da Administração
Púbica que não tenha participado do certame, mediante prévia consulta ao órgão gerenciador,
desde que devidamente comprovada a vantagem e respeitadas, no que couber, as condições e
as regras estabelecidas no Decreto nº 3.931/2001 e na Lei n.º 8.666/1993.
17.2
Caberá ao detentor da ata de registro de preços, observadas as condições nela estabelecidas,
optar pela aceitação ou não do fornecimento e da prestação dos serviços, desde que esta
aceitação não prejudique as obrigações anteriormente assumidas.
18 - DO PREÇO REGISTRADO
18.1
Durante a vigência da ata, os preços registrados serão fixos e irreajustáveis, exceto nas
hipóteses, devidamente comprovadas, de ocorrência de situação prevista na alínea “d” do
inciso II do art. 65 da Lei nº 8.666/93 ou de redução dos preços praticados no mercado.
18.1.1
18.2
Mesmo comprovada a ocorrência de situação prevista na alínea “d” do inciso II do
art. 65 da Lei nº 8.666/93, a TELEBRÁS, se julgar conveniente, poderá optar por
cancelar a Ata e iniciar outro processo licitatório.
Comprovada a redução dos preços praticados no mercado nas mesmas condições do registro e
definido o novo preço máximo a ser pago, o detentor da ata será convocado pela TELEBRÁS
para alteração do preço da ata.
19 - DO CANCELAMENTO DO REGISTRO DE PREÇO
19.1
O detentor da ata terá o seu registro de preços cancelado:
19.1.1 A pedido, quando:
19.1.1.1 comprovar a sua impossibilidade de cumprir as exigências da ata, por ocorrência
de casos fortuitos ou de força maior;
19.1.1.2 o seu preço registrado se tornar, comprovadamente, inexeqüível em função da
elevação dos preços de mercado dos insumos que compõem o custo do serviço.
19.2
Por iniciativa da TELEBRÁS, quando o detentor da ata:
19.2.1 não aceitar reduzir o preço registrado, na hipótese deste se tornar superior àqueles
praticados no mercado;
19.2.2 não mantiver as condições de habilitação ou qualificação técnica exigida no processo
licitatório;
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Pregão
19.2.3 por razões de interesse público, devidamente motivadas e justificadas;
19.2.4 não cumprir as obrigações decorrentes da ata de registro de preços;
19.2.5 se recusar a executar os serviços nos prazos estabelecidos neste Edital e seus anexos;
19.2.6 na ocorrência de inexecução total ou parcial das condições estabelecidas na ata de
registro de preços ou nos pedidos dela decorrentes.
19.3
A ata de registro de preços será cancelada automaticamente:
19.3.1 por decurso de prazo de vigência;
19.3.2 quando não restarem fornecedores registrados.
19.4
Em qualquer das hipóteses acima, concluído o processo, a TELEBRÁS fará o devido
apostilamento na ata de registro de preços e informará aos proponentes a nova ordem de
registro.
19.5
O cancelamento do registro de preços será formalizado por intermédio de processo
administrativo específico, ficando assegurado, nos casos de cancelamento por iniciativa da
TELEBRÁS, o contraditório e a ampla defesa.
20 – DO CONTRATO
20.1
O prazo de vigência dos contratos será de 42 (quarenta e dois) meses,a partir da data de sua
assinatura.
20.2
Após a assinatura da ata de registro de preços, a LICITANTE vencedora, quando convocada,
terá o prazo de 02 (dois) dias úteis, contados da data de sua convocação, por escrito, para
assinatura do contrato, sob pena de decair o direito à contratação, sem prejuízo das sanções
previstas neste Edital, observando o seguinte:
20.2.1
O prazo previsto no subitem anterior poderá ser prorrogado, por igual período, por
solicitação justificada da adjudicatária e aceita pela TELEBRÁS.
20.2.2 Para assinatura do contrato, será exigida a apresentação de instrumento público de
procuração ou de instrumento particular com firma reconhecida do representante que
irá assiná-lo, onde comprove a outorga de poderes, na forma da lei.
20.2.3 Sendo sócio, proprietário, dirigente ou assemelhado da empresa, deverá apresentar
cópia do respectivo estatuto ou contrato social, no qual estejam expressos seus poderes
para exercer direitos e assumir obrigações em decorrência de tal investidura.
20.3
Se a adjudicatária se recusar a assinar o contrato no prazo estipulado, serão convocadas as
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Pregão
LICITANTES remanescentes, sem prejuízo das sanções previstas neste Edital, respeitando a
ordem seqüencial de classificação, mantidas as condições de preço e prazo da LICITANTE
vencedora e as demais exigências a estas feitas em razão do que dispõe este pregão.
20.4
Antes da celebração do contrato, a TELEBRÁS realizará consulta “online” ao Sistema de
Cadastramento Unificado de Fornecedores – SICAF, e ao Cadastro Informativo de Créditos
não Quitados – CADIN, cujos resultados serão anexados aos autos.
20.5
Durante a vigência do contrato, a fiscalização será exercida por um representante da
TELEBRÁS, ao qual competirá registrar, em relatório, todas as ocorrências e as deficiências
verificadas e dirimir as dúvidas que surgirem no curso da prestação dos serviços e de tudo
dará ciência à Administração, conforme art.67 da Lei nº 8.666/93.
21 - DAS OBRIGAÇÕES DA TELEBRÁS
21.1
As obrigações da TELEBRÁS estão descritas no item 16 do Termo de Referência e na minuta
do contrato, respectivamente no anexo I (Termo de Referência) e anexo IV (Minuta do
Contrato) deste Edital.
22 - DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA
22.1
As obrigações da CONTRATADA estão descritas no item 15 do Termo de Referência e na
minuta do contrato, respectivamente no anexo I (Termo de Referência) e anexo IV (Minuta do
Contrato) deste Edital.
23 - DO PAGAMENTO
23.1
O pagamento será efetuado após a confirmação de que os itens contratados foram
efetivamente fornecidos, respeitando os termos definidos no item 5 do Termo de Referência e
nos seus anexos I e II, e em conformidade com a nota fiscal e fatura emitidas pela
CONTRATADA, devidamente atestadas pelo gestor do contrato designado pela
CONTRATANTE.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Pregão
23.2
No caso de constar mais de uma unidade em uma mesma ordem de serviço, admitir-se-á o
faturamento por unidade concluída.
23.3
As faturas serão atestadas em até 15 (quinze) dias contados a partir da data de entrega na
CONTRATANTE.
23.4
Os pagamentos serão efetuados pela CONTRATANTE, em até 15 (quinze) dias contados a
partir do atesto da Nota Fiscal pelo Fiscal do Contrato.
23.5
Somente serão pagos os quantitativos efetivamente confirmados pelo Fiscal do Contrato.
23.6
A CONTRATANTE não efetuará o pagamento se os serviços executados e produtos
adquiridos não estiverem de acordo com as especificações apresentadas neste termo de
referência e em perfeitas condições de funcionamento.
23.7
A CONTRATANTE poderá deduzir da importância a pagar os valores correspondentes a
multas ou indenizações devidas pela CONTRATADA.
23.8
Nenhum pagamento será efetuado à CONTRATADA enquanto pendente de liquidação
qualquer obrigação financeira, sem que isso gere direito a reajustamento de preços ou
correção monetária.
23.9
Os pagamentos serão efetuados conforme descrição abaixo e com base na confirmação, por
parte da CONTRATANTE, da realização dos eventos vinculados.
23.10 Ordens de serviço de Equipamentos e Serviços.
23.11
23.10.1
70% na conclusão da instalação do equipamento e serviços mediante o TERMO
de RECEBIMENTO.
23.10.2
30% na Homologação, mediante TERMO de ACEITAÇÃO DEFINITIVA.
Ordem de Serviço de Serviços de Treinamento
23.11.1
23.12.
100% na Entrega do ITEM, mediante TERMO de RECEBIMENTO.
Ordem de Serviço do Serviço de Operação Inicial
23.12.1 1/6 do valor a cada mês de prestação do serviço, mediante TERMO DE
RECEBIMENTO.
23.13
Observando o que estabelece a legislação vigente, por ocasião do pagamento, a
CONTRATANTE, na condição de substituta tributária, efetuará a retenção na fonte dos
tributos devidos, tomando por base o valor total da respectiva nota fiscal.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Pregão
23.14
Havendo erro na nota fiscal ou circunstância que impeça a liquidação da despesa, a mesma
será devolvida à CONTRATADA, e o pagamento ficará pendente até que a mesma
providencie as medidas saneadoras. Nesta hipótese, o prazo para pagamento iniciar-se-á
após a regularização da situação ou reapresentação do documento fiscal não acarretando
qualquer ônus para a CONTRATANTE.
23.15
Ocorrendo eventuais atrasos de pagamento, provocados exclusivamente pela
CONTRATANTE, o valor devido deverá ser acrescido de atualização financeira, e sua
apuração se fará desde a data de seu vencimento até a data do efetivo pagamento, em que os
juros de mora serão calculados à taxa de 0,5% (meio por cento) ao mês, ou 6% (seis por
cento) ao ano, mediante a aplicação das seguintes fórmulas:
I = (TX/100) / 365
EM = I x N X VP
Onde:
I = Índice de atualização financeira;
TX = Percentual da taxa de juros de mora anual;
EM = Encargos moratórios;
N = Número de dias entre a data prevista para o pagamento e a do efetivo
pagamento;
VP = Valor da parcela em atraso.
23.16 Nenhum pagamento será realizado pela CONTRATANTE sem que antes seja procedida
prévia e necessária consulta ao Sistema de Cadastramento de Fornecedores – SICAF - para
comprovação da regularidade da CONTRATADA, bem como do recolhimento das
contribuições sociais.
24 - DA DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA
24.1
As despesas decorrentes da presente contratação, objeto desta licitação, correrão à conta dos
recursos consignados no Orçamento Anual, a cargo da TELEBRÁS, cujos programas de
trabalho e elementos de despesa específica constarão da respectiva Ordem de Compra.
25 - DAS SANÇÕES ADMINISTRATIVAS
25.1
A LICITANTE que deixar de entregar ou de apresentar documentação exigida no Edital,
apresentar documentação falsa, ensejar o retardamento da execução de seu objeto, não
mantiver a proposta, falhar ou fraudar na execução do contrato ou pedido de compra,
comportar-se de modo inidôneo, fizer declaração falsa ou cometer fraude fiscal e que
convocado dentro do prazo de validade de sua proposta, não assinar a ata de registro de
preço, o contrato ou o pedido de compra, ficará sujeita às seguintes sanções, sem prejuízo da
reparação dos danos causados à CONTRATANTE:
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Pregão
25.1.1 Advertência formal;
25.1.2 Multa:
25.1.2.1Conforme tabela abaixo:
Inciso
I
II
III
Descrição
Não cumprir o prazo definido no
item 11 do TR, referente à entrega
dos equipamentos contratados com
o serviço de instalação no prazo
definido
Não iniciar a o Serviço de
Operação Inicial conforme prazo
definido no Item 11 do TR.
Não iniciar o Serviço de
Treinamento
conforme
prazo
definido no Item 11 do TR.
Emergencial
IV
Níveis de
Atendimento
Alta Prioridade
Média Prioridade
Penalidade
Multa de 0,5% (zero vírgula cinco por cento) por dia de
atraso, limitado a 20% (vinte por cento), calculada sobre
o valor do Item atrasado.
Multa de 0,5% (zero vírgula cinco por cento) por dia de
atraso, limitado a 20% (vinte por cento), calculada sobre
o valor do Item atrasado.
Multa de 0,5% (zero vírgula cinco por cento) por dia de
atraso, limitado a 20% (vinte por cento), calculada sobre
o valor do Item atrasado.
Multa de 0,1% (zero vírgula
um por cento) por hora de
Tempo
para atraso, limitada a 5% (cinco
restabelecimento
do por cento), calculada sobre
sistema
o valor da mensalidade
correspondente à operação
inicial da respectiva estação.
Multa de 0,1% (zero vírgula
um por cento) por hora de
atraso, limitada a 5% (cinco
Tempo para solução
por cento), calculada sobre
definitiva do problema
o valor da mensalidade
correspondente à respectiva
operação inicial
Multa de 0,1% (zero vírgula
um por cento) por hora de
Tempo
para atraso, limitada a 5% (cinco
restabelecimento
do por cento), calculada sobre
sistema
o valor da mensalidade
correspondente à operação
inicial da respectiva estação.
Multa de 0,1% (zero vírgula
um por cento) por hora de
atraso, limitada a 5% (cinco
Tempo para solução
por cento), calculada sobre
definitiva do problema
o valor da mensalidade
correspondente à operação
inicial da respectiva estação.
Multa de 0,05% (zero
vírgula zero cinco por
cento) por hora de atraso,
Tempo
para
limitada a 5% (cinco por
restabelecimento
do
cento), calculada sobre o
sistema
valor
da
mensalidade
correspondente à operação
inicial da respectiva estação.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Pregão
Consulta
V
Não atender prazo de Reparo de
Hardware
VI
Não atender o prazo
substituição de Hardware
campo
de
em
Multa de 0,05% (zero
vírgula zero cinco por
cento) por hora de atraso,
Tempo para solução limitada a 5% (cinco por
definitiva do problema
cento), calculada sobre o
valor
da
mensalidade
correspondente à operação
inicial da respectiva estação.
Multa de 0,05% (zero
vírgula zero cinco por
cento) por hora de atraso,
Tempo para atendimento limitada a 5% (cinco por
da consulta
cento), calculada sobre o
valor
da
mensalidade
correspondente à operação
inicial da respectiva estação.
Multa de 1% (um por cento) por dia de atraso, calculado
a partir do preço do item, limitado ao valor do próprio
item.
Multa de 1% (um por cento) por dia de atraso, calculado
a partir do preço do item, limitado ao valor do próprio
item.
25.1.2.2.
Compensatória no percentual de 10% (dez por cento), calculada
sobre o valor total do contrato, pela recusa em assinar o contrato ou
ata de registro de preço, no prazo de até 05 (cinco) dias úteis, após
regularmente convocada, sem prejuízo da aplicação de outras
sanções previstas no Edital.
25.1.2.3.
Compensatória no percentual de 10% (dez por cento), calculada
sobre o valor total do contrato pela inadimplência superior a 45
(quarenta e cinco) dias, além dos prazos contidos na tabela do
subitem 25.1.2.1, ou pelo cometimento de falta considerada de
natureza grave, o que poderá ensejar também a rescisão do contrato.
25.1.3 Suspensão temporária do direito de licitar e de contratar com a TELEBRÁS por
período não superior a 02 (dois) anos;
25.1.4 Impedimento de licitar e contratar com a União, Estados, Distrito Federal ou
Municípios, com o descredenciamento no SICAF, pelo prazo de até 5 (cinco) anos,
sem prejuízo das multas previstas no Edital e no contrato e das demais cominações
legais.
25.3
A multa deverá ser recolhida no prazo máximo de 10 (dez) dias corridos, a contar da data do
recebimento da comunicação enviada pela TELEBRÁS.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Pregão
25.4
O valor da multa poderá ser descontado da nota fiscal ou do crédito existente na TELEBRÁS
em relação à CONTRATADA. Caso o valor da multa seja superior ao do crédito existente, a
diferença será cobrada na forma da lei.
25.5
As multas e outras sanções aplicadas só poderão ser relevadas, motivadamente e por
conveniência administrativa, mediante ato da Administração, devidamente justificado.
25.6
As penalidades, por descumprimento parcial ou total do contrato, serão obrigatoriamente
registradas no SICAF, e no caso de suspensão de licitar, a LICITANTE deverá ser
descredenciada por igual período, ou seja, por prazo não superior a 02 (dois) anos, conforme
inciso III do artigo 87 da Lei nº 8.666/93, sem prejuízo das multas previstas neste Edital e das
demais cominações legais.
25.7
As sanções aqui previstas são independentes entre si, podendo ser aplicadas isoladas ou
cumulativamente, sem prejuízo de outras medidas cabíveis.
25.8
Em
qualquer
hipótese
de
aplicação
de
sanções,
LICITANTE/CONTRATADA o contraditório e a ampla defesa.
será
assegurado
a
26 - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS
26.1
É facultada ao pregoeiro ou à Autoridade Superior, em qualquer fase da licitação, a promoção
de diligência destinada a esclarecer ou complementar a instrução do processo, vedada a
inclusão posterior de documento ou informação que deveria constar no ato da sessão pública.
26.2
Fica assegurado à TELEBRÁS o direito de revogar a licitação decorrente de fato
superveniente devidamente comprovado, pertinente e suficiente para justificar tal conduta,
devendo anulá-la por ilegalidade, de ofício ou por provocação de terceiros, mediante parecer
escrito e devidamente fundamentado.
26.3
No julgamento da habilitação e das propostas, o pregoeiro poderá sanar erros ou falhas que
não alterem a substância das propostas, dos documentos e sua validade jurídica, mediante
despacho fundamentado, registrado em ata e acessível a todos, atribuindo-lhes a eficácia para
fins de habilitação e classificação.
26.4
As LICITANTES assumem todos os custos de preparação e apresentação de suas propostas e
a TELEBRÁS não será, em nenhum caso, responsável por esses custos, independentemente
da condução ou do resultado do processo licitatório.
26.5
As LICITANTES são responsáveis pela fidelidade e legitimidade das informações e dos
documentos apresentados em qualquer fase da licitação.
26.6
Após apresentação da proposta, não caberá desistência, salvo por motivo justo decorrente de
fato superveniente e aceito pelo pregoeiro.
26.7
Não havendo expediente ou ocorrendo qualquer fato superveniente que impeça a realização
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Pregão
do certame na data marcada, a sessão será automaticamente transferida para o primeiro dia
útil subseqüente, no mesmo horário e local anteriormente estabelecido, desde que não haja
comunicação do pregoeiro em contrário.
26.8
Na contagem dos prazos estabelecidos neste Edital e seus anexos, excluir-se-á o dia do início
e incluir-se-á o do vencimento, só se iniciando e vencendo os prazos em dias de expediente na
TELEBRÁS.
26.9
O desatendimento de exigências formais não essenciais não importará o afastamento da
LICITANTE desde que seja possível o aproveitamento do ato, observados os princípios da
isonomia e do interesse público nos termos do § 2º do art. 26 do Decreto nº 5.450/2005.
26.10 As normas que disciplinam este pregão serão sempre interpretadas em favor da ampliação da
disputa entre os interessados, desde que não comprometam o interesse da Administração, o
princípio da isonomia, a finalidade e a segurança da contratação.
26.11 No caso de alteração deste Edital no curso do prazo estabelecido para o recebimento das
propostas de preços, o prazo será reaberto, quando inquestionavelmente a alteração afetar a
formulação das propostas.
26.12 Os pedidos de esclarecimentos deverão ser apresentados até às 17h45min do dia 20/10/2010 e
as impugnações até às 17h45min do dia 21/10/2010, sendo que não serão conhecidos pedidos
protocolados após essas datas e horários.
26.13 A homologação do resultado desta licitação não implicará direito à contratação.
26.14 Para o exercício do direito de preferência para as microempresas e empresas de pequeno
porte, aplicar-se-ão, no curso desta licitação, as determinações contidas na Lei Complementar
nº 123, de 14 de dezembro de 2006, as quais deverão comprovar sua condição quando da
apresentação dos documentos relativos à habilitação, resguardando-se a TELEBRÁS a
faculdade de realizar as diligências que julgar necessárias.
26.15 Excepcionalmente será admitida a subcontratação de serviços acessórios e complementares.
No entanto, a CONTRATADA será a única e exclusiva responsável pela execução do objeto,
não tendo a SUBCONTRATADA qualquer vínculo com a TELEBRÁS.
26.16 Será admitido o faturamento diretamente do valor correspondente à subcontratação apenas
para as subcontratadas que sejam micro ou empresas de pequeno porte, conforme preceitua a
Lei Complementar nº 123/2002, sendo vedado o faturamento de subcontratadas nos demais casos.
26.17 No tocante às amostras, caso sejam apresentados pela Licitante detentora da melhor oferta,
laudo expedido por empresas, institutos, laboratórios, e outras entidades de origem nacional
ou internacional, de reconhecida idoneidade, a TELEBRÁS, a seu critério, poderá prescindir
da análise de amostras, sendo-lhe, facultado, todavia, testar os equipamentos.
26.18 Aos casos omissos aplicar-se-ão as demais disposições constantes da Lei n. º 10.520, de 17 de
julho de 2002, do Decreto nº 5.450, de 31 de maio de 2005, do Decreto nº 3.931, de 19 de
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Pregão
setembro de 2001, da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993 e demais normas aplicáveis.
26.19 Este Edital e seus anexos estão disponibilizados, na íntegra e poderá ser obtido na
TELEBRÁS, situada no endereço: Edifício Sede, SCN Quadra 04 – Bl. “B” - 9º andar - Sala
903 – Centro Empresarial VARIG – Brasília – DF, CEP: 70.308-200, de segunda a sextafeira, no horário das 8 às 12 horas e das 13h45min às 17h45min, cujo telefone para contato é
(61) 3415-2800 e o Fax: (61) 3415-2783.
27 – DO FORO
27.1
A Justiça Federal – Seção Judiciária do Distrito Federal é o foro competente para solucionar
os litígios decorrentes deste Edital, ficando excluído qualquer outro, por mais privilegiado que
seja.
Brasília/DF, 04 de Outubro de 2010.
__________________________
Adailton de Brito Gois
Pregoeiro
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
ANEXO I DO PREGÃO ELETRÔNICO PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº
02/2010-TB
TERMO DE REFERÊNCIA
0B
Contratação de solução infraestrutura, contêineres e gabinetes
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
ÍNDICE
TERMO DE REFERÊNCIA ................................................................................................................ 1
U
U
1
U
OBJETO .......................................................................................................................... 6
U
U
2
U
U
INTRODUÇÃO ................................................................................................................ 6
U
U
3
U
U
JUSTIFICATIVA ............................................................................................................... 9
U
U
4
U
U
MODALIDADE DE CONTRATAÇÃO.............................................................................. 11
U
U
U
5
U
DESCRIÇÃO DO OBJETO .............................................................................................. 12
U
U
6
U
U
DA PROPOSTA E CRITÉRIO DE JULGAMENTO ............................................................ 71
U
U
7
U
U
REGIME DE EXECUÇÃO ............................................................................................... 73
U
U
8
U
U
VIGÊNCIA..................................................................................................................... 73
U
U
U
CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO .................................................................................. 74
9
U
U
U
10
U
U
11
U
U
12
U
U
13
U
U
14
U
U
15
U
U
16
U
U
17
U
U
18
U
U
19
U
U
20
U
U
U
HABILITAÇÃO .............................................................................................................. 75
U
U
DOS PRAZOS DE FORNECIMENTO DOS EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS...................... 79
U
U
DA AMOSTRA .............................................................................................................. 85
U
U
FORMA DE PAGAMENTO............................................................................................ 87
U
U
DA GARANTIA DE EXECUÇÃO DO CONTRATO ........................................................... 89
U
U
DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA ......................................................................... 90
U
U
DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATANTE ....................................................................... 95
U
U
SANÇÕES ADMINISTRATIVAS ..................................................................................... 97
U
U
GESTÃO E FISCALIZAÇÃO .......................................................................................... 100
U
U
DAS DESPESAS .......................................................................................................... 100
U
U
DISPOSIÇÕES GERAIS ................................................................................................ 101
U
U
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
ÍNDICE DE TABELAS
Tabela 1 – Quantitativo de Anéis, PoPs e Municípios ............................................................. 14
U
U
U
U
Tabela 2 – Quantitativos para o Anel SUDESTE ...................................................................... 67
U
U
Tabela 3 – Quantitativos para Anel NORDESTE ...................................................................... 68
U
U
Tabela 4 – Quantitativos para Anel SUL .................................................................................. 69
U
U
Tabela 5 – Quantitativos para REDE NORTE ........................................................................... 70
U
U
ÍNDICE DE FIGURAS
Figura 1 – Anéis e Rede do backbone óptico .......................................................................... 13
U
U
Figura 2 – Contêiner 12,00 m – configuração 1 – 13 bastidores............................................. 19
U
U
Figura 3 – Estação de Telecom. Contêiner 12,00 m – configuração 1 – 13 bastidores........... 20
U
U
Figura 4 – Contêiner 12,00 m – configuração 2 – 13 bastidores............................................. 20
U
U
Figura 5 – Estação de Telecom. Contêiner 12,00 m – configuração 2 – 13 bastidores........... 21
U
U
Figura 6 – Contêiner 12,00 m – configuração 3 – 11 bastidores............................................. 22
U
U
Figura 7 – Estação de Telecom. Contêiner 12,00 m – configuração 3 – 11 bastidores........... 23
U
U
Figura 8 – Contêiner 12,00 m – configuração 4 – 11 bastidores............................................. 23
U
U
Figura 9 – Estação de Telecom. Contêiner 12,00 m – configuração 4 – 11 bastidores........... 24
U
U
Figura 10 – Contêiner 12,00 m – configuração 5 – 10 bastidores .......................................... 25
U
U
Figura 11 – Estação de Telecom. Contêiner 12,00 m – configuração 5 – 10 bastidores ........ 26
U
U
Figura 12 – Contêiner 12,00 m – configuração 6 - 9 bastidores ............................................. 27
U
U
Figura 13 – Estação de Telecom. Contêiner 12,00 m – configuração 6 – 9 bastidores .......... 28
U
U
Figura 14 – Contêiner 12,00 m – 8 bastidores – configuração 7............................................. 28
U
U
Figura 15 – Estação de Telecom. Contêiner 12,00 m – 8 bastidores – configuração 7 .......... 29
U
U
Figura 16 – Contêiner 8,00 m – 7 bastidores .......................................................................... 31
U
U
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Figura 17 – Estação de Telecom.Contêiner 8,00 m – configuração 1 – 7 bastidores ............. 32
U
U
Figura 18 – Contêiner 7,00 m – 6 bastidores .......................................................................... 33
U
U
Figura 19 – Estação de Telecom. Contêiner 8,00 m – configuração 2 – 6 bastidores ............ 34
U
U
Figura 20 – Gabinete para 4 bastidores .................................................................................. 37
U
U
Figura 21 – Estação de Telecomunicações Gabinete – 4 bastidores ...................................... 38
U
U
Figura 22 – Gabinete para 3 bastidores .................................................................................. 39
U
U
Figura 23 – Estação de Telecomunicações Gabinete – 3 bastidores ...................................... 39
U
U
Figura 24 – Gabinete para 2 bastidores .................................................................................. 40
U
U
Figura 25 – Estação de Telecomunicações Gabinete – 2 bastidores ...................................... 40
U
U
Figura 26 – Gabinete para 1 bastidor ...................................................................................... 41
U
U
Figura 27 – Estação de Repetidora de Rádio Gabinete – 2 bastidores ................................... 41
U
U
Figura 28 – Gabinete para 2 bastidores .................................................................................. 42
U
U
Figura 29 – Estação de Terminal de Rádio Gabinete – 2 bastidores ....................................... 43
U
U
Figura 30 – Gabinete para 2 bastidores .................................................................................. 44
U
U
Figura 31 – Estação de Terminal de Rádio Gabinete – 2 bastidores ....................................... 44
U
U
Figura 32 – Infraestrutura básica autônoma - estação de Telecom. (15 m X 26 m) ............... 46
U
U
Figura 33 – Infraestrutura básica autônoma estação de Telecom. (15 m X 22 m) ................. 47
U
U
Figura 34 – Infraestrutura básica autônoma estação de Telecom. (15 m X 20 m) ................. 48
U
U
Figura 35 – Infraestrutura básica autônoma estação de Telecom. (10 m X 10 m) ................. 49
U
U
Figura 36 – Modelo de Infraestrutura Básica Compartilhada Contêiner de 12,00 m ............. 50
U
U
Figura 37 – Modelo de Infraestrutura Básica Compartilhada Contêiner de 8,00 m ............... 50
U
U
Figura 38 – Modelo de Infraestrutura Básica Compartilhada Gabinetes com espaço para
torre 51
U
U
Figura 39 – Modelo de Infraestrutura Básica Compartilhada Gabinetes com espaço para
poste 52
U
U
Figura 40 – Modelo de Infraestrutura Básica Compartilhada apenas Gabinetes ................... 52
U
U
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Figura 41 – Rede de cabos ópticos para acesso ...................................................................... 55
U
U
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
1
OBJETO
1B
1.1
Contratação, mediante Registro de Preços, de solução de infraestrutura
básica, com
fornecimento de
contêineres, gabinetes e materiais,
necessária para o funcionamento e proteção dos equipamentos ópticos,
rádio e IP, a serem utilizados na rede nacional de telecomunicações,
incluindo garantia e assistência técnica, instalação, treinamento e
operação inicial. Destaca-se que a solução será implantada em diversos
estados do país, para cumprir as disposições contidas nos artigos 1º e 4º
do Decreto nº 7.175, de 12 de maio de 2010, que estabelece as diretrizes
do Programa Nacional de Banda Larga – PNBL, de acordo com as
especificações e quantidades estimadas constantes deste instrumento e
seus anexos.
2B
2
INTRODUÇÃO
3B
O Programa Nacional de Banda Larga (PNBL) – Brasil Conectado – foi
criado pelo Governo Federal com o objetivo de ampliar o acesso à internet
em banda larga no país. A banda larga é uma importante ferramenta de
inclusão, que contribui para reduzir as desigualdades e garantir o
desenvolvimento econômico e social brasileiro.
2.1
4B
2.2
A implantação do Programa teve início com a publicação do Decreto nº
7.175, de 12 de maio de 2010, que lançou as bases para as ações a serem
construídas e implantadas coletivamente.
5B
2.3
As ações do Programa estão organizadas em quatro grandes dimensões:
6B
2.3.1
Ações regulatórias que incentivem a competição e normas de
infraestrutura que induzam à expansão de redes de telecomunicações;
2.3.2
451B
2.3.3
Ações de Incentivos fiscais e financeiros à prestação do serviço de
acesso em banda larga, com o objetivo de colaborar para a redução do
preço ao usuário final;
452B
Ações de política produtiva e tecnológica, capazes de atender
adequadamente à demanda gerada pelo PNBL; e
453B
2.3.4
2.4
Ações de implantação de uma rede nacional de telecomunicações,
com foco de atuação no atacado, neutra e disponível para qualquer
prestadora que queira prestar o serviço de acesso em banda larga.
45B
Especificamente, em relação à última dimensão do PNBL, caberá a
TELEBRÁS a implantação e gestão desta rede de telecomunicações,
conforme descrito no artigo 4º do referido decreto:
7B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Art. 4º Para a consecução dos objetivos previstos no art. 1º, nos termos do
inciso VII do art. 3º da Lei nº 5.792, de 11 de julho de 1972, caberá à
Telecomunicações Brasileiras S.A. - TELEBRÁS:
45B
I - implementar a rede privativa de comunicação da administração pública
federal;
751B
II - prestar apoio e suporte a políticas públicas de conexão à Internet em
banda larga para universidades, centros de pesquisa, escolas, hospitais,
postos de atendimento, telecentros comunitários e outros pontos de
interesse público;
752B
III - prover infraestrutura e redes de suporte a serviços de
telecomunicações prestados por empresas privadas, Estados, Distrito
Federal, Municípios e entidades sem fins lucrativos; e
753B
IV - prestar serviço de conexão à Internet em banda larga para usuários
finais, apenas e tão somente em localidades onde inexista oferta adequada
daqueles serviços.
754B
2.5
Além da revitalização da TELEBRÁS, o Decreto nº 7.175/2010 instituiu
que:
8B
Art. 1º Fica instituído o Programa Nacional de Banda Larga - PNBL com o
objetivo de fomentar e difundir o uso e o fornecimento de bens e serviços
de tecnologias de informação e comunicação, de modo a:
9B
I - massificar o acesso a serviços de conexão à Internet em banda larga;
456B
II - acelerar o desenvolvimento econômico e social;
457B
III - promover a inclusão digital;
458B
IV - reduzir as desigualdades social e regional;
459B
V - promover a geração de emprego e renda;
460B
VI - ampliar os serviços de Governo Eletrônico e facilitar aos cidadãos o
uso dos serviços do Estado;
461B
VII - promover a capacitação da população para o uso das tecnologias de
informação; e
462B
VIII - aumentar a autonomia tecnológica e a competitividade brasileiras.
463B
2.6
Para cumprir as obrigações emanadas do Decreto nº 7.175/2010, a
TELEBRÁS elaborou um projeto de implantação de uma rede de
transporte de dados que contempla:
10B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
2.6.1
A utilização das fibras óticas disponíveis nas empresas do Governo
Federal,
2.6.2
46B
Uma solução baseada na tecnologia DWDM (Dense Wavelength Division
Multiplexing), que irá criar um meio de transporte de dados óptico –
Backbone Óptico,
465B
2.6.3
Uma solução baseada na tecnologia Ethernet/ IP/ MPLS que irá dotar a
rede de flexibilidade e qualidade para a implementação de diversos
serviços de transporte de dados,
46B
2.6.4
Uma solução baseada na tecnologia sem fio, que irá possibilitar a
capilarização da rede nacional de telecomunicações, por meio da
implantação de backhaul, que são redes de transporte de dados que irão
interligar os municípios ao backbone,
2.6.5
467B
2.7
2.8
Uma solução de abrigos padronizados de telecomunicações do tipo
container e gabinetes com os respectivos equipamentos de energia,
climatização, segurança, aterramento, entre outros, que serão implantados
para suportar os elementos anteriores.
468B
Para compor o processo de contratação foram elaborados Termos de
Referência, conforme os itens descritos acima, visando a modularidade do
conjunto com objetivo de possibilitar a participação de vários fornecedores
especializados em cada segmento.
1B
Neste termo de referência e em seus anexos estão contempladas as
especificações técnicas detalhadas de cada modelo de abrigo (contêiner
ou gabinete), bem como as infraestruturas básicas autônomas e
compartilhadas que deverão ser fornecidas e implantadas para garantir a
integridade física e lógica dos equipamentos da rede nacional de banda
larga.
12B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
3
JUSTIFICATIVA
3.1
13B
3.2
3.3
Consoante o exposto, extrai-se que mediante o Decreto nº 7.175, de 12 de
maio de 2010, o Governo Federal busca melhorar o paradigma da
infraestrutura de telecomunicações no país, ao instituir o PNBL, no qual
estabelece à Telecomunicações Brasileiras S.A – TELEBRÁS, as
seguintes competências: provimento da rede privativa de comunicação da
administração pública federal; suporte a políticas públicas de conexão a
Internet em banda larga; provimento da infraestrutura e redes de suporte a
serviços de telecomunicações; e, prestação de serviço de conexão em
banda larga aos usuários finais, apenas e tão somente em localidades
onde inexista oferta adequada desse serviço.
14B
A migração e massificação de vários serviços baseados na Web, a
convergência de tecnologias e a estratégia de utilizar a Internet como
ferramenta importante para o Governo interagir com o próprio Governo,
com as empresas e principalmente com o cidadão, têm elevado a
demanda por infraestrutura de redes de telecomunicações, tanto para o
transporte de alta capacidade de dados, quanto para a entrega dos dados
em diversos locais, a chamada “última milha” ou acesso..
15B
O cenário atual de telecomunicações do país é caracterizado por uma
oferta deficitária de infraestrutura em vários municípios, baixa
concorrência, cobertura limitada e prática de preços elevados, fatores que
restringem o acesso à banda larga a muitos cidadãos e não permite a
adoção da estratégia de utilizar a Internet como instrumento para fomentar
o desenvolvimento e a integração da sociedade.
16B
3.4
3.4.1
A implantação de uma rede de telecomunicações de abrangência nacional
proporcionará benefícios ao desenvolvimento do Brasil, cujos principais
ganhos esperados são:
17B
Maior integração dos Governos – federal, estadual, distrital e municipal
proporcionando agilidade, eficiência e transparência nos processos, como
a troca de informações (cadastros), convênios para repasse de verbas,
entre outros.
18B
3.4.2
3.4.3
Maior integração e compartilhamento de infraestrutura de rede com os
Governos – federal, estadual, distrital e municipal.
19B
Maior oferta de serviços de governo eletrônico proporcionando uma maior
interação e atendimento das necessidades do cidadão, como serviços
relacionados à saúde, educação, segurança pública, previdência, entre
outros.
20B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
3.4.4
Maior
desenvolvimento
regional
(interiorização)
proporcionando
alternativas de emprego e renda, como a instalação de unidades de “Call
Center” no interior, o desenvolvimento de pequenos prestadores locais de
serviço de internet, entre outros.
21B
3.4.5
Oferta de uma infraestrutura alternativa de transporte de dados para
governos e iniciativa privada, dotando o país de uma malha de transporte
robusta, interconectando diversas redes e proporcionando, em casos de
falhas, rotas físicas distintas para o transporte dos dados.
2B
3.4.6
3.5
Oferta de acessos a Internet, em banda larga, a preços acessíveis às
classes C, D e E, apoiados pela implantação da infraestrutura de backbone
e backhaul da rede nacional de telecomunicações e pela parceria com
prestadores de serviços de telecomunicações.
23B
Para as finalidades já descritas, será necessário implantar uma rede
nacional de telecomunicações com alta escalabilidade, modularidade e
capacidade técnica, mediante a instalação e configuração de
equipamentos de altíssima capacidade de tráfego no seu núcleo, rádios de
comunicação de alta capacidade nas infraestruturas de derivação
intermediárias, bem como de equipamentos IP/MPLS para modelar os
serviços e para suportar toda a eletrônica implantada.
3.6
24B
3.7
3.8
Registra-se que já existe infraestrutura de cabos óticos, que compõe as
redes da ELETROBRAS e da PETROBRAS, instalados em diversas
regiões do país, os quais serão disponibilizados à TELEBRÁS, consoante
as determinações contidas no Decreto nº 7.175, de 12 de maio de 2010.
De sorte que tal realidade foi fundamental para nortear a decisão do
Governo Federal no sentido de instituir o Programa Nacional de Banda
Larga, fato este que reduzirá de forma significativa os custos e os prazos
para a sua implantação.
25B
O projeto da rede nacional de telecomunicações considerou como
principais premissas a confidencialidade de informações estratégicas
governamentais, a alta capacidade de transporte de dados, a flexibilidade,
escalabilidade e, principalmente, a disponibilidade da rede, visando suprir
as demandas do Programa Nacional de Banda (PNBL) – Brasil Conectado.
26B
Para a construção dessa rede nacional faz-se necessária a aquisição de
infraestrutura básica das estações de telecomunicações com fornecimento
de contêineres, gabinetes e materiais para o funcionamento e acomodação
dos equipamentos dos sistemas ópticos, de rádio e da rede IP.
27B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
4
4.1
4.2
MODALIDADE DE CONTRATAÇÃO
28B
O objeto desse termo de referência enquadra-se na categoria de bens e
serviços comuns, de que trata a Lei nº 10.520/2002 e o Decreto nº
5.450/2005, por possuir padrões de desempenho e características gerais e
específicas usualmente encontradas no mercado, podendo ser licitado por
meio da modalidade Pregão.
29B
As contratações em questão serão realizadas mediante Sistema de
Registro de Preços (SRP), conforme o Decreto nº 3.931, de 19 de
setembro 2001.
30B
4.3
A agilidade e simplicidade proporcionada pelo Pregão, aliada ao SRP,
possibilita que a contratação seja ajustada à necessidade de cada projeto
executivo. Essa flexibilidade é imprescindível uma vez que ajustes finais
são necessários após a realização de medidas de campo.
31B
4.4
O SRP também possibilitará à TELEBRÁS a adequação das contratações
às prioridades decorrentes das políticas públicas, bem como à
disponibilidade orçamentária para implementação da rede.
4.5
A contratação tem por objetivo, respeitada a isonomia entre os
LICITANTES, selecionar a proposta mais vantajosa para a Administração e
promover o desenvolvimento nacional, garantindo a boa qualidade dos
equipamentos e softwares de empresas comprometidas com o
desenvolvimento do país e a custos mais reduzidos, contribuindo para o
fortalecimento dos vários segmentos da economia brasileira e para a
diminuição dos gastos governamentais.
32B
3B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5
5.1
5.2
5.3
DESCRIÇÃO DO OBJETO
34B
O objeto deste Termo é a contratação de solução de infraestrutura básica,
com fornecimento de contêineres, gabinetes e materiais, necessária para
o funcionamento e proteção dos equipamentos ópticos, rádio e IP a serem
utilizados na rede nacional de telecomunicações, incluindo garantia e
assistência técnica, serviços de instalação, treinamento e operação inicial
descritos e especificados nos ANEXOS I, II, e III.
35B
Esta solução irá preparar a rede para receber os equipamentos ópticos
DWDM (Dense Wavelength Division Multiplexing) e em conjunto com as
fibras ópticas irá formar o Backbone Óptico, que é a camada óptica de
transporte de dados da rede nacional de telecomunicações.
36B
O Backbone Óptico usará como a base a topologia em anéis e será
composto de 3 (três) anéis DWDM interconectados: Anel Sudeste, Anel
Nordeste, Anel Sul e terá ramificações, conforme trajeto de fibras ópticas a
serem utilizadas. Neste termo de referência, estas ramificações na região
Norte e Centro-Oeste serão denominadas como Rede Norte. Os possíveis
trajetos estão apresentados no mapa abaixo.
37B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Figura 1 – Anéis e Rede do backbone óptico
38B
5.3.1
A partir do backbone óptico foram considerados os municípios cujas sedes
se situam até 50 km e 100 km dos PoPs (Pontos de Presença), como
potenciais locais de atendimento por meio do PNBL. Na tabela 1 estão
apresentados os quantitativos de PoPs, municípios e a extensão do
backbone óptico instalado.
39B
Qtde. Municípios Potenciais
(distância do backbone)
entre 50 km e
até 50 km
100 km
Extensão das
fibras ópticas
(km)
Qtde.
PoPs
Anel Sudeste
3.872
59
472
517
989
Anel Nordeste
5.941
73
783
502
1.285
Anel Sul
2.892
32
547
0
547
Rede Norte
6.364
77
224
0
224
Total
19.069
241
2.026
1.019
3.045
Qtde. Total
Municípios
Tabela 1 – Quantitativo de Anéis, PoPs e Municípios
40B
5.4
5.5
5.6
5.6.1
Para abrigar os equipamentos ópticos, de rádio e de IP, ao longo do
backbone em fibras dos setores elétrico e petrolífero serão necessárias a
criação de estações de telecomunicações.
41B
Para efeito desse documento, define-se como estação de
telecomunicações o local onde serão instalados os abrigos dos
equipamentos (contêineres e gabinetes), bem como toda a infraestrutura
necessária para o perfeito funcionamento e segurança dos equipamentos
que irão compor a rede nacional de banda larga.
42B
Para essa contratação entende-se como:
43B
Rota - é o conjunto de radioenlaces necessário para atender um ou mais
municípios a partir de uma estação de telecomunicações do backbone
(PoP).
4B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.6.2
5.6.3
Um radioenlace é a conexão de dois pontos distintos com equipamentos
de rádio de alta capacidade.
45B
Uma rota pode ser composta por vários radioenlaces.
46B
5.6.4
5.6.5
5.7
A estação terminal de rádio é a estação que está localizada na sede do
município.
47B
A estação repetidora de rádio é a estação intermediária que será
implantada sempre que não for possível um enlace direto entres as
estações de telecomunicações (PoP) e a estação terminal de rádio.
48B
O objeto desse Termo de Referência será composto por itens, os quais
estão descritos abaixo e organizados em uma lista para cotação e
formação de Registro de Preços.
49B
Contêiner de 12,00 m - configuração 1 – 13 bastidores.
5.7.1
50B
Contêiner de 12,00 m - configuração 2 – 13 bastidores.
5.7.2
51B
Contêiner de 12,00 m - configuração 3 – 11 bastidores.
5.7.3
5.7.4
5.7.5
52B
Contêiner de 12,00 m - configuração 4 – 11 bastidores.
53B
Contêiner de 12,00 m - configuração 5 – 10 bastidores.
54B
Contêiner de 12,00 m - configuração 6 – 9 bastidores.
5.7.6
5B
Contêiner de 12,00 m - configuração 7 – 8 bastidores.
5.7.7
56B
Contêiner de 8,00 m – configuração 1- 7 bastidores.
5.7.8
57B
Contêiner de 8,00 m – configuração 2 - 6 bastidores.
5.7.9
5.7.10
58B
Gabinete outdoor com 4 bastidores com ar condicionado.
5.7.11
59B
Gabinete outdoor com 3 bastidores com ar condicionado.
5.7.12
60B
Gabinete outdoor com 2 bastidores com ar condicionado.
5.7.13
61B
Gabinete para Estação Repetidora Rádio.
5.7.14
62B
Gabinete para Estação Terminal de Rádio com trocador de calor.
5.7.15
63B
5.7.16
Gabinete para Estação Terminal de Rádio com ar condicionado.
64B
Infraestrutura Básica Autônoma (15,0 m X 26,0 m).
65B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.7.17
Infraestrutura Básica Autônoma (15,0 m X 22,0 m).
5.7.18
6B
Infraestrutura Básica Autônoma (15,0 m X 20,0 m).
5.7.19
67B
Infraestrutura Básica Autônoma (10,0 m X 10,0 m).
5.7.20
68B
Infraestrutura Básica Compartilhada (Contêiner de 12,00 m).
5.7.21
69B
Infraestrutura Básica Compartilhada (Contêiner de 8,00 m).
5.7.22
70B
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor com espaço para
torre).
5.7.23
71B
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor com espaço para
poste).
5.7.24
72B
5.7.25
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor).
73B
Infraestrutura Básica para Roof Top (Estação Terminal Rádio).
74B
5.7.26
5.7.27
Lançamento de cabos ópticos subterrâneos em rede existente.
75B
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas subterrânea.
76B
5.7.28
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas aérea.
5.7.29
7B
Cabos ópticos subterrâneo de 24 fibras.
5.7.30
78B
Cabos ópticos subterrâneo de 36 fibras.
5.7.31
79B
Cabos ópticos subterrâneo de 48 fibras
5.7.32
80B
Cabos ópticos aéreo de 48 fibras.
5.7.33
81B
5.7.34
Distribuidor Geral Óptico - DGO - 24 posições
82B
Rack de parede padrão 19” com 10 Us
83B
5.7.35
Sistema Retificador de 600 A.
5.7.36
84B
Sistema Retificador de 1200 A.
5.7.37
85B
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 3 TR.
5.7.38
86B
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 4 TR.
5.7.39
87B
Grupo Motor Gerador de 105 kVA.
5.7.40
8B
5.7.41
Grupo Motor Gerador de 75 kVA.
89B
Grupo Motor Gerador de 45 kVA.
90B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.7.42
Transformador de 112,5 kVA.
5.7.43
91B
Transformador de 75 kVA.
5.7.44
92B
Transformador de 45 kVA.
5.7.45
93B
Sistema de Circuito Fechado de TV.
5.7.46
94B
5.7.47
Câmeras coloridas fixas de alta definição.
95B
Instalação do Sistema de Circuito Fechado de TV
96B
Treinamento para grupo de 10 pessoas – Módulos de 40:horas
5.7.48
97B
5.7.49
Operação Inicial - Lotes de 10 estações
98B
Operação Inicial – Lotes de 1 estação
5.7.50
9B
5.8
Quando da aquisição de contêineres ou gabinetes referentes aos itens
5.7.1 a 5.7.15, a CONTRATADA deverá realizar vistoria para elaboração
do Projeto Preliminar de Instalação – PPI e com as informações levantadas
em campo, deverá apresentar uma planilha preliminar, para aprovação da
CONTRATANTE, indicando quais itens da ata de registro de preços serão
necessários para a implantação da infraestrutura da estação adquirida.
10B
A CONTRATADA deverá apresentar o Projeto Preliminar de Instalação –
PPI para aprovação da CONTRATANTE conforme Cronograma previsto no
item 11.5.2 deste termo.
5.9
10B
5.10
O PPI deverá conter no mínimo as informações descritas no item 6 da
Seção I do Anexo II.
102B
5.11
Para a instalação das estações de telecomunicações serão utilizados
modelos de infraestrutura básica autônoma e compartilhada. Os modelos
de infraestrutura básica serão definidos de acordo com o tipo de contêiner
ou gabinete, torre ou poste e se o ambiente será próprio ou de parceiros
para cada estação a ser implantada.
103B
5.11.1
Infraestrutura básica autônoma é aquela que será implantada em ambiente
próprio da CONTRATANTE e indicado por ela.
5.11.2
104B
5.12
Infraestrutura básica compartilhada é aquela que será implantada em
ambientes cedidos por parceiros e indicados pela CONTRATANTE.
105B
Requisitos Gerais para o fornecimento de Contêineres de 12,00 m:
106B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.12.1
O contêiner deverá ser formado por uma estrutura de piso e teto metálica,
sobre a qual serão instalados os painéis de paredes, dotado de aberturas
para instalação de equipamentos de ar condicionado, placas de passagem
para cabos de fibra óptica, energia e aterramento, e placas de passagem
do tipo ROXTEC para os cabos de RF e FI dos radioenlaces.
107B
5.12.2
Por se tratar de um conjunto totalmente montado em fábrica e integrado
com os equipamentos de infraestrutura, o contêiner deverá ser todo
montado em uma estrutura monobloco rígido e estanque, não sendo aceito
contêineres montados com painéis térmicos. Todo o detalhamento técnico
que deve ser observado e fornecido consta no Anexo I – Especificações
Técnicas de Infraestrutura.
108B
5.12.3
5.12.4
Os sistemas de energia CC e banco de baterias devem ser dimensionados
conforme os dados apresentados no Anexo I – Especificações Técnicas de
Infraestrutura. Todos os equipamentos ópticos, de rádio e IP serão
alimentados por tensão de – 48 V CC. O fornecimento do banco de
baterias deverá contemplar a instalação e o cabeamento.
109B
O preço do contêiner deverá contemplar, sistema de detecção e combate à
incêndio com gás homologado, banco de baterias, sistema de aterramento,
QDCA, QTA, QDCC e demais quadros necessários, iluminação normal e
de emergência, e em conformidadee os dados apresentados no Anexo I –
Especificações Técnicas de
5.12.5
O sistema de ar condicionado deve ser dimensionado conforme as
informações do consumo e dissipação apresentados no Anexo I –
Especificações Técnicas de Infraestrutura. Devem ser redundantes e
controlados por PLC (controlador lógico programável) fornecido pela
CONTRATADA.
10B
5.12.6
Os esteiramentos para cabos de energia, RF e FI e as calhas para os
cabos ópticos devem ser instalados de forma a facilitar a passagem dos
cabos e evitando sobreposições.
5.12.7
1B
5.12.8
A base onde será instalado o contêiner deve seguir rigorosamente as
especificações contidas no Anexo I e deverá possuir três furos para a
passagem dos cabos ópticos, cabos de energia e de aterramento e devem
ser protegidos por seal tube de 100 mm.
12B
Adicionalmente às informações do Anexo I - Especificações Técnicas de
Infraestrutura, os bastidores destinados aos equipamentos IP devem ser
compatíveis com a instalação de diversos modelos/fabricantes, tais como:
Cisco (CRS1, ASR9010), Juniper (MX960), Alcatel (7750 SR12), entre
outros.
13B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.9
Requisitos Específicos de cada item de contêiner de 12,00 m a ser
fornecido:
14B
Contêiner de 12,00 m - configuração 1 – 13 bastidores
5.10
15B
5.10.1
As dimensões dos contêineres desse item deverão ser: 2,90 m interno,
área útil (L) X 12,00 m (C) X 3,20 m (A).
469B
5.10.2
A configuração 1 é formada por uma fila de 13 (treze) bastidores
distribuídos conforme apresentado na figura abaixo:
470B
DWDM
DWDM DWDM
DWDM DWDM
DWDM DWDM
1,00
DWDM
RÁDIO
IP
IP
IP
IP
IP
IP
IP
DGO
0,60
0,60
0,84
Figura 2 – Contêiner 12,00 m – configuração 1 – 13 bastidores
16B
5.10.3
Deverão ser fornecidos, juntamente com o contêiner, 9 (nove) bastidores
padrão 19”, sendo que os 7 (sete) bastidores de equipamentos IP deverão
ter largura externa de 84 cm, enquanto os bastidores de Rádio e DGO
terão largura externa de 60 cm e todos os bastidores deverão ter a
profundidade de 1,00 m. Os bastidores fornecidos não deverão ter portas
frontais e traseiras.
5.10.4
Os bastidores DWDM não fazem parte do escopo deste termo de
referência sendo fornecidos pelos próprios fabricantes dos equipamentos
ópticos.
5.10.5
5.10.6
471B
472B
Os sistemas de energia CA (posto de transformação) e Grupo Motor
Gerador (GMG) de 105 KVA, quando houverem, devem seguir
rigorosamente as especificações contidas no Anexo I – Especificações
Técnicas de Infraestrutura.
473B
A seguir apresentamos um esboço da estação de telecomunicações
completa:
47B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
12,00
2,90
5,00
AR 01
4 TR
AR 02
4 TR
GMG
PLC
0,93
DWDM
DWDM DWDM
DWDM DWDM
DWDM DWDM
RÁDIO
IP
IP
IP
IP
IP
IP
IP
DGO
0,60
2,70
1,00
1,00
DWDM
AT
Banco
de
Baterias
600Ah
AT
0,60
0,84
SR
Banco
de
Baterias
600Ah
2,90
2,00
ESPAÇO RESERVADO
PARA A TORRE
QMI
1,28
0,91
0,60
2,00
Vinculada ao Ministério das Comunicações
CA
FO
AR 02
4 TR
15,00
AR 03
4 TR
2,50
GMG
FO
1,50
AT: Aterramento
FO: Fibra Ótica
CA: Corrente Alternada
Furo de Passagem
AT
CA
2,00
3,00
26,00
Figura 3 – Estação de Telecomunicações - Contêiner 12,00 m – configuração 1 – 13
bastidores
17B
Contêiner de 12,00 m - configuração 2 – 13 bastidores
5.11
18B
5.11.1
As dimensões dos contêineres desse item deverão ser: 2,90 m interno,
área útil (L) X 12,00 m (C) X 3,20 m (A).
475B
5.11.2
A configuração 2 é formada por uma fila de 13 (treze) bastidores
distribuídos conforme apresentado na figura abaixo:
476B
RÁDIO
IP
IP
IP
IP
IP
IP
IP
IP
DGO
DWDM
DWDM DWDM
DWDM
DWDM DWDM
0,60
1,00
0,84
Figura 4 – Contêiner 12,00 m – configuração 2 – 13 bastidores
19B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.11.3
Deverão ser fornecidos, juntamente com o contêiner, 10 (dez) bastidores
padrão 19”, sendo que os 8 (oito) bastidores de equipamentos IP deverão
ter largura externa de 84 cm, enquanto os bastidores de Rádio e DGO
terão largura externa de 60 cm e todos deverão ter a profundidade de 1,00
m. Os bastidores fornecidos não deverão ter portas frontais e traseiras.
47B
5.11.4
Os bastidores DWDM não fazem parte do escopo deste termo de
referência sendo fornecidos pelos próprios fabricantes dos equipamentos
ópticos.
478B
5.11.5
Os sistemas de energia CA e Grupo Motor Gerador (GMG) de 105 KVA,
quando houverem, devem seguir rigorosamente as especificações contidas
no Anexo I – Especificações Técnicas de Infraestrutura.
479B
5.11.6
A seguir apresentamos um esboço da estação de telecomunicações
completa:
12,00
2,90
5,00
AR 01
4 TR
AR 02
4 TR
GMG
1,28
2,70
RÁDIO
0,89
Banco
de
Baterias
600Ah
AT
0,84
IP
IP
IP
IP
IP
IP
IP
IP
DGO
DWDM
DWDM DWDM
DWDM
DWDM DWDM
SR
1,00
AT
1,00
ESPAÇO RESERVADO
PARA A TORRE
PLC
0,60
2,00
QMI
Banco
de
Baterias
600Ah
2,90
0,65
0,60
2,00
480B
CA
FO
AR 02
4 TR
15,00
AR 03
4 TR
2,50
GMG
FO
1,50
AT: Aterramento
FO: Fibra Ótica
CA: Corrente Alternada
Furo de Passagem
AT
CA
2,00
3,00
26,00
Figura 5 – Estação de Telecomunicações - Contêiner 12,00 m – configuração 2 – 13
bastidores
120B
5.12
Contêiner de 12,00 m - configuração 3 – 11 bastidores
12B
5.12.1
5.12.2
As dimensões dos contêineres desse item deverão ser: 2,90 m interno,
área útil (L) X 12,00 m (C) X 3,20 m (A).
481B
A configuração 3 é formada por uma fila de 11 (onze) bastidores
distribuídos conforme apresentado na figura abaixo:
482B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
1,00
DWDM DWDM
RÁDIO
IP
IP
IP
IP
IP
IP
IP
DGO
DWDM DWDM
0,60
0,84
Figura 6 – Contêiner 12,00 m – configuração 3 – 11 bastidores
12B
5.12.3
5.12.4
Deverão ser fornecidos, juntamente com o contêiner, 9 (nove) bastidores
padrão 19”, sendo que os 7 (sete) bastidores para equipamentos IP
deverão ter largura externa de 84 cm, enquanto os bastidores de Rádio e
DGO terão largura externa de 60 cm e todos deverão ter a profundidade de
1,00 m. Os bastidores fornecidos não deverão ter portas frontais e
traseiras.
483B
Os bastidores DWDM não fazem parte do escopo deste termo de
referência sendo fornecidos pelos próprios fabricantes dos equipamentos
ópticos.
48B
5.12.5
Os sistemas de energia (posto de transformação) CA e Grupo Motor
Gerador (GMG) de 105 KVA, quando houverem, devem seguir
rigorosamente as especificações contidas no Anexo I – Especificações
Técnicas de Infraestrutura.
5.12.6
A seguir apresentamos um esboço da estação de telecomunicações
completa:
485B
486B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
12,00
2,90
5,00
AR 01
4 TR
AR 02
4 TR
GMG
1,28
2,00
ESPAÇO RESERVADO
PARA A TORRE
QMI
PLC
1,20
RÁDIO
IP
IP
IP
IP
IP
IP
IP
DWDM DWDM
DGO
0,60
2,70
SR
1,00
1,00
DWDM DWDM
AT
Banco
de
Baterias
600Ah
AT
0,84
Banco
de
Baterias
600Ah
2,90
1,76
0,60
2,00
Vinculada ao Ministério das Comunicações
CA
FO
AR 02
4 TR
15,00
AR 03
4 TR
2,50
GMG
FO
1,50
AT: Aterramento
FO: Fibra Ótica
CA: Corrente Alternada
Furo de Passagem
AT
CA
2,00
3,00
26,00
Figura 7 – Estação de Telecomunicações - Contêiner 12,00 m – configuração 3 – 11
bastidores
123B
Contêiner de 12,00 m - configuração 4 – 11 bastidores
5.13
124B
5.13.1
5.13.2
As dimensões dos contêineres desse item deverão ser: 2,90 m interno,
área útil (L) X 12,00 m (C) X 3,20 m (A).
487B
A configuração 4 é formada por uma fila de 11 (onze) bastidores
distribuídos conforme apresentado na figura abaixo:
48B
0,84
1,00
DWDM
RÁDIO
IP
IP
IP
IP
IP
IP
DGO
DWDM DWDM
DWDM DWDM
0,60
0,60
Figura 8 – Contêiner 12,00 m – configuração 4 – 11 bastidores
125B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
A seguir apresentamos um esboço da estação de telecomunicações
completa:
492B
12,00
2,90
2,00
5.13.6
Os sistemas de energia CA e Grupo Motor Gerador (GMG) de 105 KVA,
quando houverem, devem seguir rigorosamente as especificações contidas
no Anexo I – Especificações Técnicas de Infraestrutura.
491B
5,00
AR 01
4 TR
AR 02
4 TR
GMG
1,28
2,11
2,00
ESPAÇO RESERVADO
PARA A TORRE
QMI
PLC
1,10
1,00
DWDM
RÁDIO
IP
2,70
IP
IP
IP
IP
IP
DGO
DWDM DWDM
DWDM DWDM
0,60
AT
Banco
de
Baterias
600Ah
AT
0,84
SR
Banco
de
Baterias
600Ah
CA
2,90
5.13.5
Os bastidores DWDM não fazem parte do escopo deste termo de
referência sendo fornecidos pelos próprios fabricantes dos equipamentos
ópticos.
490B
0,60
5.13.4
Deverão ser fornecidos, juntamente com o contêiner, 8 (oito) bastidores
padrão 19”, sendo que os 6 (seis) bastidores para equipamentos IP
deverão ter largura externa de 84 cm, enquanto os bastidores de Rádio e
DGO terão largura externa de 60 cm e todos deverão ter a profundidade de
1,00 m. Os bastidores fornecidos não deverão ter portas frontais e
traseiras.
489B
1,00
5.13.3
FO
AR 02
4 TR
15,00
AR 03
4 TR
2,50
GMG
FO
1,50
AT: Aterramento
FO: Fibra Ótica
CA: Corrente Alternada
Furo de Passagem
AT
CA
2,00
3,00
26,00
Figura 9 – Estação de Telecomunicações - Contêiner 12,00 m – configuração 4 – 11
bastidores
126B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Contêiner de 12,00 m - configuração 5 – 10 bastidores
5.14
127B
5.14.1
As dimensões dos contêineres desse item deverão ser: 2,90 m interno,
área útil (L) X 12,00 m (C) X 3,20 m (A).
5.14.2
A configuração 5 é formada por uma fila de 10 (dez) bastidores distribuídos
conforme apresentado na figura abaixo:
493B
49B
0,84
RÁDIO
IP
IP
IP
IP
IP
IP
DGO
DWDM
DWDM
DWDM
DWDM
0,60
1,00
0,60
Figura 10 – Contêiner 12,00 m – configuração 5 – 10 bastidores
128B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Deverão ser fornecidos, juntamente com o contêiner, 8 (oito) bastidores
padrão 19”, sendo que os 6 (seis) bastidores para equipamentos IP
deverão ter largura externa de 84 cm, enquanto os bastidores de Rádio e
DGO terão largura externa de 60 cm e todos deverão ter a profundidade de
1,00 m. Os bastidores fornecidos não deverão ter portas frontais e
traseiras.
495B
5.14.4
5.14.5
Os sistemas de energia CA e Grupo Motor Gerador (GMG) de 75 kVA,
quando houverem, devem seguir rigorosamente as especificações contidas
no Anexo I – Especificações Técnicas de Infraestrutura.
497B
A seguir apresentamos um esboço da estação de telecomunicações
completa do item 5:
498B
12,00
2,90
2,00
5.14.6
Os bastidores DWDM não fazem parte do escopo deste termo de
referência sendo fornecidos pelos próprios fabricantes dos equipamentos
ópticos.
496B
5,00
AR 01
4 TR
AR 02
4 TR
GMG
1,28
2,67
2,00
QMI
PLC
1,15
Banco
de
Baterias
600Ah
AT
0,84
DWDM DWDM
IP
IP
IP
IP
IP
IP
DGO
DWDM DWDM
SR
1,00
RÁDIO
2,70
0,60
AT
1,00
ESPAÇO RESERVADO
PARA A TORRE
0,60
0,60
Banco
de
Baterias
600Ah
CA
2,90
5.14.3
FO
AR 02
4 TR
15,00
AR 03
4 TR
2,50
GMG
FO
1,50
AT: Aterramento
FO: Fibra Ótica
CA: Corrente Alternada
Furo de Passagem
AT
CA
2,00
3,00
26,00
Figura 11 – Estação de Telecomunicações - Contêiner 12,00 m – configuração 5 – 10
bastidores
129B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Contêiner de 12,00 m – configuração 6 - 9 bastidores
5.15
130B
5.15.1
As dimensões dos contêineres desse item deverão ser: 2,90 m interno,
área útil (L) X 12,00 m (C) X 3,20 m (A).
49B
5.15.2
A configuração 6 é formada por uma fila de 9 (nove) bastidores distribuídos
conforme apresentado na figura abaixo:
50B
RÁDIO
IP
0,60
IP
IP
DGO
DWDM
DWDM
DWDM
DWDM
DWDM
DWDM
DWDM
DWDM
0,60
1,00
0,84
Figura 12 – Contêiner 12,00 m – configuração 6 - 9 bastidores
13B
5.15.3
5.15.4
5.15.5
5.15.6
Deverão ser fornecidos, juntamente com o contêiner, 5 (cinco) bastidores
padrão 19”, sendo que os 3 (três) bastidores para equipamentos IP
deverão ter largura externa de 84 cm, enquanto os bastidores de Rádio e
DGO terão largura externa de 60 cm e todos deverão ter a profundidade de
1,00 m. Os bastidores fornecidos não deverão ter portas frontais e
traseiras.
501B
Os bastidores DWDM não fazem parte do escopo deste termo de
referência sendo fornecidos pelos próprios fabricantes dos equipamentos
ópticos.
502B
Os sistemas de energia CA e Grupo Motor Gerador (GMG) de 75 KVA,
quando houverem, devem seguir rigorosamente as especificações contidas
no Anexo I – Especificações Técnicas de Infraestrutura.
503B
A seguir apresentamos um esboço da estação de telecomunicações
completa:
504B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
12,00
2,90
5,00
AR 01
4 TR
GMG
QMI
1,28
2,00
0,84
ESPAÇO RESERVADO
PARA A TORRE
DWDM
DWDM DWDM
IP
IP
DGO
DWDM DWDM
DWDM DWDM
0,60
IP
SR
1,00
1,00
RÁDIO
2,70
Banco
de
Baterias
600Ah
2,00
AT
0,60
DWDM
AT
PLC
Banco
de
Baterias
600Ah
CA
2,90
AR 02
4 TR
3,15
0,60
2,00
Vinculada ao Ministério das Comunicações
FO
AR 02
4 TR
15,00
AR 03
4 TR
2,50
GMG
FO
1,50
AT: Aterramento
FO: Fibra Ótica
CA: Corrente Alternada
Furo de Passagem
AT
CA
2,00
3,00
26,00
Figura 13 – Estação de Telecomunicações - Contêiner 12,00 m – configuração 6 – 9
bastidores
132B
Contêiner de 12,00 m – configuração 7 - 8 bastidores
5.16
13B
5.16.1
As dimensões dos contêineres desse item deverão ser: 2,90 m interno,
área útil (L) X 12,00 m (C) X 3,20 m (A).
50B
5.16.2
A configuração 7 é formada por uma fila de 8 (oito) bastidores distribuídos
conforme apresentado na figura abaixo:
506B
RÁDIO
IP
0,60
IP
IP
DGO
DWDM
DWDM
DWDM
DWDM
DWDM
DWDM
0,60
1,00
0,84
Figura 14 – Contêiner 12,00 m – 8 bastidores – configuração 7
134B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.16.3
Deverão ser fornecidos, juntamente com o contêiner, 5 (cinco) bastidores
padrão 19”, sendo que os 3 (três) bastidores para equipamentos IP
deverão ter largura externa de 84 cm, enquanto os bastidores de Rádio e
DGO terão largura externa de 60 cm e todos deverão ter a profundidade de
1,00 m. Os bastidores fornecidos não deverão ter portas frontais e
traseiras.
5.16.4
Os bastidores DWDM não fazem parte do escopo deste termo de
referência sendo fornecidos pelos próprios fabricantes dos equipamentos
ópticos.
5.16.5
508B
A seguir apresentamos um esboço da estação de telecomunicações
completa:
510B
12,00
2,90
5,00
AR 01
4 TR
AR 02
4 TR
GMG
QMI
PLC
1,28
3,75
2,00
0,84
IP
IP
IP
DWDM DWDM
DWDM
DWDM DWDM
SR
AT
Banco
de
Baterias
600Ah
2,90
DGO
DWDM
1,00
RÁDIO
2,70
0,60
AT
1,00
ESPAÇO RESERVADO
PARA A TORRE
Banco
de
Baterias
600Ah
2,00
0,60
0,60
2,00
5.16.6
Os sistemas de energia CA e Grupo Motor Gerador (GMG) de 75 KVA,
quando houverem, devem seguir rigorosamente as especificações contidas
no Anexo I – Especificações Técnicas de Infraestrutura.
509B
CA
FO
AR 02
4 TR
15,00
AR 03
4 TR
2,50
GMG
FO
1,50
AT: Aterramento
FO: Fibra Ótica
CA: Corrente Alternada
Furo de Passagem
AT
CA
2,00
3,00
26,00
Figura 15 – Estação de Telecomunicações - Contêiner 12,00 m – 8 bastidores –
configuração 7
135B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.17
Requisitos Gerais para o fornecimento de Contêineres de 8,00 m
136B
5.17.1
5.17.2
5.17.3
O contêiner deverá ser formado por uma estrutura de piso e teto metálica,
sobre a qual serão instalados os painéis de paredes, dotado de aberturas
para instalação de equipamentos de ar condicionado e passagem para
cabos de fibra óptica, energia e aterramento, além dos cabos de RF e FI
para os radioenlaces.
51B
Por se tratar de um conjunto totalmente montado em fábrica e integrado
com os equipamentos de infraestrutura, o contêiner deverá ser todo
montado em uma estrutura monobloco rígido e estanque, não sendo aceito
contêineres montados com painéis térmicos. Todo o detalhamento técnico
que deve ser observado e fornecido consta no Anexo I – Especificações
Técnicas de Infraestrutura.
512B
Os sistemas de energia CC e banco de baterias devem ser dimensionados
conforme os dados apresentados no Anexo I – Especificações Técnicas de
Infraestrutura. Todos os equipamentos ópticos, de rádio e IP serão
alimentados por tensão de – 48 V CC.
513B
5.17.4
O sistema de ar condicionado deve ser dimensionado conforme as
informações do consumo e dissipação apresentados no Anexo I –
Especificações Técnicas de Infraestrutura. Devem ser redundantes e
controlados por PLC (controlador lógico programável).
514B
5.17.5
5.17.6
Os esteiramentos para cabos de energia, RF e FI e as calhas para os
cabos ópticos devem ser instalados de forma a facilitar a passagem dos
cabos e evitando sobreposições.
51B
A base onde será instalado o contêiner deve seguir rigorosamente as
especificações contidas no Anexo I e deverá possuir três furos para a
passagem dos: cabos ópticos, cabos de energia e o aterramento e devem
ser protegidos por seal tube de 100 mm.
516B
5.17.7
Adicionalmente às informações do Anexo I - Especificações Técnicas de
Infraestrutura, os bastidores destinados aos equipamentos IP devem ser
compatíveis com a instalação de diversos modelos/fabricantes, tais como:
Cisco (CRS1, ASR9010), Juniper (MX960), Alcatel (7750 SR12), entre
outros.
5.18
517B
5.19
5.19.1
Requisitos Específicos de cada item de contêiner de 8,00 m a ser
fornecido:
137B
Contêiner de 8,00 m – configuração 1 – 7 bastidores
138B
As dimensões dos contêineres desse item deverão ser: 2,90 m interno,
área útil (L) X 8,00 m (C) X 3,20 m (A).
518B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.19.2
A configuração é formada por uma fila de 7 (sete) bastidores distribuídos
conforme apresentado na figura abaixo:
519B
0,84
1,00
DWDM DWDM
RÁDIO
IP
IP
IP
DGO
DWDM
DWDM
0,60
0,60
Figura 16 – Contêiner 8,00 m – 7 bastidores
139B
5.19.3
Deverão ser fornecidos, juntamente com o contêiner, 5 (cinco) bastidores
padrão 19”, sendo que os 3 (três) bastidores para equipamentos IP
deverão ter largura externa de 84 cm, enquanto os bastidores de Rádio e
DGO terão largura externa de 60 cm e todos deverão ter a profundidade de
1,00 m. Os bastidores fornecidos não deverão ter portas frontais e
traseiras.
5.19.4
Os bastidores DWDM não fazem parte do escopo deste termo de
referência sendo fornecidos pelos próprios fabricantes dos equipamentos
ópticos.
521B
5.19.5
Os sistemas de energia CA e Grupo Motor Gerador (GMG) de 45 KVA,
quando houverem, devem seguir rigorosamente as especificações contidas
no Anexo I – Especificações Técnicas de Infraestrutura.
5.19.6
A seguir apresentamos um esboço da estação de telecomunicações
completa:
52B
523B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
2,90
8,00
5,00
AR 01
3 TR
AR 02
3 TR
GMG
1,10
0,84
2,70
IP
IP
DGO
DWDM
DWDM
SR
600 A
AR 03
3 TR
CA
AT
1,00
IP
0,60
AT
1,00
DWDM DWDM
RÁDIO
Banco
de
Baterias
300Ah
0,60
2,90
2,00
ESPAÇO RESERVADO
PARA A TORRE
PLC
1,29
1,35
QMI
0,60
2,00
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Banco
de
Baterias
300Ah
FO
15,00
AR 04
3 TR
2,00
3,00
2,50
FO
1,50
AT: Aterramento
FO: Fibra Ótica
CA: Corrente Alternada
Furo de Passagem
AT
CA
GMG
22,00
Figura 17 – Estação de Telecomunicações - Contêiner 8,00 m – configuração 1 – 7
bastidores
140B
5.20
Contêiner de 8,00 m – configuração 2 – 6 bastidores
14B
5.20.1
5.20.2
As dimensões dos contêineres desse item deverão ser: 2,90m interno,
área útil (L) X 8,00 m (C) X 3,20 m (A).
524B
A configuração é formada por uma fila de 6 (seis) bastidores distribuídos
conforme apresentado na figura abaixo:
52B
1,00
DWDM DWDM
RÁDIO
&
IP
DGO
DWDM
DWDM DWDM
DWDM DWDM
DWDM
0,60
0,60
Figura 18 – Contêiner 8,00 m – 6 bastidores
142B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.20.3
Deverão ser fornecidos, juntamente com o contêiner, 2 (dois) bastidores
padrão 19”, com largura externa de 60 cm, e todos deverão ter a
profundidade de 0,60 m. Os bastidores fornecidos não deverão ter portas
frontais e traseiras.
526B
5.20.4
Os bastidores DWDM não fazem parte do escopo deste termo de
referência sendo fornecidos pelos próprios fabricantes dos equipamentos
ópticos.
527B
5.20.5
Os sistemas de energia CA e Grupo Motor Gerador (GMG) de 45 KVA,
quando houverem, devem seguir rigorosamente as especificações contidas
no Anexo I – Especificações Técnicas de Infraestrutura.
528B
5.20.6
A seguir apresentamos um esboço da estação de telecomunicações
completa:
2,90
8,00
5,00
AR 01
3 TR
AR 02
3 TR
GMG
2,00
0,60
2,70
DGO
DWDM DWDM
DWDM DWDM
DWDM
SR
600 A
CA
2,90
DWDM
AT
Banco
de
Baterias
300Ah
FO
AR 04
3 TR
15,00
AR 03
3 TR
IP
1,00
1,00
RÁDIO
Banco
de
Baterias
300Ah
0,60
DWDM DWDM
AT
PLC
1,10
0,84
ESPAÇO RESERVADO
PARA A TORRE
QMI
1,29
1,85
0,60
2,00
529B
2,50
GMG
1,50
AT: Aterramento
FO: Fibra Ótica
CA: Corrente Alternada
Furo de Passagem
FO
AT
CA
2,00
3,00
22,00
Figura 19 – Estação de Telecomunicações - Contêiner 8,00 m – configuração 2 – 6
bastidores
143B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.21
Requisitos Gerais para o fornecimento de Gabinetes/Armários Outdoor
14B
5.21.1
O gabinete/armário é estruturado internamente com perfis de alumínio e
magnésio (alumínio naval – liga de alumínio 5052-H32), que tem por
finalidade assegurar a rigidez e robustez mecânica do conjunto. O alumínio
naval tem propriedade superior no quesito resistência a corrosão quando
submetido às intempéries e a ambientes agressivos. As paredes que
revestem o armário são formadas por chapas laminadas da mesma liga de
alumínio utilizada nos perfis estruturais.
5.21.2
530B
O gabinete/armário do ponto de vista mecânico deverá ser constituído por
três compartimentos: o compartimento dos equipamentos e fonte CC, o
compartimento de distribuição óptica – DGO e o compartimento de
baterias.
531B
5.21.3
Os dois primeiros serão constituídos de modo a garantir a estanqueidade e
atender os requisitos das normas TELEBRÁS. O compartimento de
baterias por outro lado é aberto e deverá ter circulação de ar para evitar a
possibilidade de acúmulo de gases gerados pelas reações eletrolíticas
durante o funcionamento das baterias. Este compartimento também deverá
atender os requisitos das normas TELEBRÁS.
532B
5.21.4
As chapas laminadas de alumínio e de aço carbono devem ter espessuras
mínimas de 2 mm e 1 mm, respectivamente.
5.21.5
53B
No revestimento externo poderão ser usadas chapas de aço carbono nas
portas e no teto e nas demais podem ser de alumínio, com vistas a reduzir
o peso do conjunto.
534B
5.21.6
As paredes que revestem a estrutura serão duplas e montadas de modo a
confinar entre elas, um colchão de ar, que atuará como uma barreira para
a condução do calor absorvido, devido à insolação, para o interior do
armário.
5.21.7
53B
O colchão de ar deverá ter no mínimo 10 mm de espessura e protegerá
principalmente as áreas expostas ao tempo no compartimento dos
equipamentos.
5.21.8
536B
5.21.9
O travamento das portas deverá ser em quatro pontos nas portas maiores
e no mínimo em dois pontos nas portas menores. As fechaduras deverão
ser dotadas de caixa de proteção e dissimulação da fechadura.
537B
As portas deverão ser equipadas com sensores que indiquem o estado
aberto ou fechado, estes sensores acionam alarmes que são monitorados
pelo sistema de supervisão de energia.
538B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.21.10
O sistema de ventilação/refrigeração poderá ser do tipo: ar condicionado
ou trocador de calor, desde que sejam garantidas as condições de
funcionamento dos equipamentos bem como os espaços internos
necessários para os mesmos. Ficará a critério da CONTRATANTE a
definição do tipo de sistema de ventilação a ser utilizado em cada
gabinete.
539B
5.21.11
No caso de usar trocador de calor a temperatura máxima admissível no
interior do gabinete será de até 10º C superior à temperatura externa.
5.21.12
540B
No caso do uso de ar condicionado a configuração das máquinas deve ser
redundante e controlado por PLC (controlador lógico programável).
5.21.13
541B
O fornecimento dos gabinetes deverá ser totalmente integrado, ou seja,
deve contemplar a instalação do sistema de corrente contínua (Fonte e
Baterias), QDG, QDCC, dos rack’s 19 polegadas, sistema de ar
condicionado ou trocadores de calor acoplados em suas portas,
iluminação, detecção de incêndio e tomadas, devendo possuir acesso
traseiro para manutenção na totalidade dos equipamentos.
542B
5.21.14
Todos os gabinetes deverão passar por inspeção em fábrica (modelo
construtivo, integração e testes de estanqueidade), também deve ser
fornecido o “check list” de integração e planilhas dos testes dos
equipamentos.
5.21.15
543B
A CONTRATADA tem a responsabilidade de fornecer e instalar os
gabinetes perfeitamente preparados para acolher todos os equipamentos.
5.21.16
54B
5.21.17
Os sistemas de energia CC e banco de baterias devem ser dimensionados
conforme os dados apresentados no Anexo I – Especificações Técnicas de
Infraestrutura. Todos os equipamentos ópticos, de rádio e IP serão
alimentados por tensão de – 48 V CC.
54B
A base onde será instalado o gabinete deve seguir rigorosamente as
especificações contidas no Anexo I e deverá possuir três furos para a
passagem dos: cabos ópticos, cabos de energia e o aterramento e devem
ser protegidos por seal tube de 100 mm, caso necessário.
546B
5.21.18
Na área da estação de telecomunicações deverão ser implantadas pelo
menos três caixas de visita, sendo uma para cabos ópticos, uma para
energia CA e a última para o aterramento.
5.21.19
O sistema de aterramento do gabinete e da própria estação de
telecomunicações deve seguir rigorosamente as informações contidas no
Anexo I – Especificações Técnicas de Infraestrutura.
547B
548B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.21.20
Os sistemas de energia CA devem seguir rigorosamente as especificações
contidas no Anexo I – Especificações Técnicas de Infraestrutura.
549B
5.21.21
Deverá ser fornecido um sistema de vigilância por câmera IP com
sensores de presença, gravação, armazenamento local e a transmissão
das imagens pela estrutura de rede IP do sistema. Deverá ser fornecido
também um elemento de rede que faça a agregação das imagens das
diversas câmeras e que possa ser interconectado à rede IP do sistema.
50B
5.21.22
A estação de telecomunicações deverá ser provida com sistema de
iluminação incluindo o fornecimento de postes, luminárias, lâmpadas,
sensores, entre outros, de forma a garantir que a segurança da estação
bem como o perfeito funcionamento do sistema de vigilância.
5.21.23
As informações detalhadas para os fornecimentos da urbanização da
estação de telecomunicações, das cercas, dos portões, da entrada de
energia CA, do posto de transformação (quando for o caso), do controle de
acesso, das fechaduras, entre outros, encontra-se no Anexo I –
Especificações Técnicas de Infraestrutura.
5.22
51B
52B
Requisitos Específicos de cada item de Gabinete/Armário a ser fornecido:
145B
5.23
5.23.1
5.23.2
Gabinete Outdoor para 4 bastidores com ar condicionado
146B
O gabinete outdoor deverá possuir dimensões suficientes para acomodar 4
(quatro) bastidores padrão 19” com 40 U’s disponíveis para os
equipamentos ópticos, de rádio e de IP. Para essa configuração aceita-se
o fornecimento de dois gabinetes duplos, desde que os gabinetes possuam
comunicação entre eles para a passagem de cabos e não gerem falhas de
estanqueidade e/ou segurança.
53B
Para este item, a base dos gabinetes deve ter as dimensões suficientes
para a instalação de novos gabinetes com até 2 (dois) bastidores,
conforme apresentado na figura abaixo:
54B
Bastidor
Reserva
Bastidor
Reserva
Bastidor
DWDM /
IP / RÁDIO
Bastidor
DWDM /
IP / RÁDIO
Bastidor
DWDM /
IP / RÁDIO
Bastidor
CC/DGO/
ALARME
Figura 20 – Gabinete para 4 bastidores
147B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.23.3
A seguir apresentamos um esboço da estação de telecomunicações
completa:
2,20
2,00
5B
CA
AT
Bastidor
Reserva
Bastidor
Reserva
Bastidor
DWDM /
IP / RÁDIO
Bastidor
DWDM /
IP / RÁDIO
Bastidor
DWDM /
IP / RÁDIO
Bastidor
CC/DGO/
ALARME
2,04
4,22
CA
FO
FO
AT
ESPAÇO RESERVADO
PARA A TORRE
2,00
15,00
AT
AT: Aterramento
FO: Fibra Ótica
CA: Corrente Alternada
Furo de Passagem
20,00
Figura 21 – Estação de Telecomunicações Gabinete – 4 bastidores
148B
5.24
5.24.1
5.24.2
Gabinete Outdoor para 3 bastidores com ar condicionado
149B
O gabinete outdoor deverá possuir dimensões suficientes para acomodar 3
(três) bastidores padrão 19” com 40 U’s disponíveis para os equipamentos
ópticos, de rádio e de IP. Para essa configuração aceita-se o fornecimento
de dois gabinetes duplos, desde que os gabinetes possuam comunicação
entre eles para a passagem de cabos e não gerem falhas de
estanqueidade e/ou segurança.
56B
Para este item, a base dos gabinetes deve ter as dimensões de suficientes
para a instalação de novo gabinetes com até 3 (três) bastidores, conforme
apresentado na figura abaixo:
57B
Bastidor
Reserva
Bastidor
Reserva
Bastidor
Reserva
Bastidor
DWDM /
IP / RÁDIO
Bastidor
DWDM /
IP / RÁDIO
Bastidor
CC/DGO/
ALARME
Figura 22 – Gabinete para 3 bastidores
150B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.24.3
A seguir apresentamos um esboço da estação de telecomunicações
completa:
2,20
2,00
58B
CA
AT
Bastidor
Reserva
Bastidor
Reserva
Bastidor
Reserva
Bastidor
DWDM /
IP / RÁDIO
Bastidor
DWDM /
IP / RÁDIO
Bastidor
CC/DGO/
ALARME
2,00
4,16
CA
FO
FO
AT
ESPAÇO RESERVADO
PARA A TORRE
2,00
15,00
AT
AT: Aterramento
FO: Fibra Ótica
CA: Corrente Alternada
Furo de Passagem
20,00
Figura 23 – Estação de Telecomunicações Gabinete – 3 bastidores
15B
5.25
Gabinete Outdoor para 2 bastidores com ar condicionado
5.25.1
152B
5.25.2
O gabinete outdoor deverá possuir dimensões suficientes para acomodar 2
bastidores padrão 19” com 40 U’s disponíveis para os equipamentos
ópticos, de rádio e de IP. Para essa configuração aceita-se o fornecimento
de dois gabinetes duplos, desde que os gabinetes possuam comunicação
entre eles para a passagem de cabos e não gerem falhas de
estanqueidade e/ou segurança.
59B
Para este item, a base dos gabinetes deve ter as dimensões suficientes
para a instalação de novos gabinetes com até 4 (quatro) bastidores para
futuras expansões, conforme apresentado na figura abaixo:
560B
2,051
1,21
Bastidor
Reserva
Bastidor
Reserva
Bastidor
Reserva
Bastidor
Reserva
DWDM /
IP / RÁDIO
CC/DGO/
ALARME
Figura 24 – Gabinete para 2 bastidores
153B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.25.3
A seguir apresentamos um esboço da estação de telecomunicações
completa:
2,20
2,00
561B
4,07
Bastidor
Reserva
Bastidor
Reserva
Bastidor
Reserva
Bastidor
Reserva
AT
CA
CA
Bastidor
DWDM /
IP / RÁDIO
Bastidor
CC/DGO/
ALARME
2,10
FO
FO
AT
ESPAÇO RESERVADO
PARA A TORRE
2,00
15,00
AT
AT: Aterramento
FO: Fibra Ótica
CA: Corrente Alternada
Furo de Passagem
20,00
Figura 25 – Estação de Telecomunicações Gabinete – 2 bastidores
154B
5.26
Gabinete para Estação Repetidora de Rádio
5.26.1
15B
5.26.2
A estação repetidora de rádio será composta por gabinete(s) outdoor. O(s)
gabinete(s) deverá(ão) possuir dimensões suficientes para acomodar 2
bastidores, sendo o primeiro para sistema de energia e baterias e o
segundo com padrão 19”, somente para equipamentos de rádio e com
capacidade de pelo menos 30 U’s.
562B
Para este item, a base dos gabinetes deve ter as dimensões suficientes
para a instalação de novo gabinete com até 1 (um) bastidor de
equipamentos para futuras expansões, conforme apresentado na figura
abaixo:
563B
2,051
Bastidor
Reserva
Bastidor
Reserva
Eqpto.
RÁDIO
CC/DGO/
ALARME
Figura 26 – Gabinete para 1 bastidor
156B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.26.3
A seguir apresentamos um esboço da estação de repetidora de rádio
completa:
564B
3,21
2,42
AT: Aterramento
FO: Fibra Ótica
CA: Corrente Alternada
Furo de Passagem
2,00
AT
CA
Bastidor
Reserva
Bastidor
Reserva
Bastidor
RÁDIO
Bastidor
CC/DGO/
ALARME
2,00
FO
4,87
AT
2,41
12,00
ESPAÇO
RESERVADO
PARA A TORRE DE
ATÉ 80 m
FO
AT
CA
20,00
Figura 27 – Estação de Repetidora de Rádio Gabinete – 2 bastidores
157B
5.27
5.27.1
5.27.2
Gabinete para Estação Terminal de Rádio com trocador de calor
158B
A estação terminal de rádio será composta por gabinete outdoor. O
gabinete deverá possuir dimensões suficientes para acomodar 2
bastidores, sendo o primeiro para sistema de energia e baterias e o
segundo com padrão 19”, somente para equipamentos de rádio e com
capacidade de pelo menos 30 U’s. Este gabinete deverá ser equipado com
trocador de calor.
56B
Para este item, a base dos gabinetes deve ter as dimensões suficientes
para a instalação de novos gabinetes com até 4 (quatro) bastidores para
futuras expansões, conforme apresentado na figura abaixo:
56B
2,051
Bastidor
Reserva
Bastidor
Reserva
Eqpto.
RÁDIO
CC/DGO/
ALARME
Figura 28 – Gabinete para 2 bastidores
159B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.27.3
A seguir apresentamos um esboço da estação de telecomunicações
completa:
1,00
567B
3,00
CA
1,20
AT
FO
3,00
AT
10,00
1,81
Bastidor
CC/DGO/
ALARME
AT
Bastidor
RÁDIO / IP
Bastidor
Reserva
FO
CA
Bastidor
Reserva
AT: Aterramento
FO: Fibra Ótica
CA: Corrente Alternada
Furo de Passagem
10,00
Figura 29 – Estação de Terminal de Rádio Gabinete – 2 bastidores
160B
5.28
Gabinete para Estação Terminal de Rádio com ar condicionado
16B
5.28.1
5.28.2
A estação terminal de rádio será composta por gabinete(s) outdoor. O(s)
gabinete(s) deverá(ão) possuir dimensões suficientes para acomodar 2
bastidores, sendo o primeiro para sistema de energia e baterias e o
segundo com padrão 19” somente para equipamentos de rádio e com
capacidade de pelo menos 30 U’s. Este gabinete deverá ser equipado com
ar condicionado.
568B
Para este item, a base dos gabinetes deve ter as dimensões de suficientes
para a instalação de novos gabinetes com até 4 (quatro) bastidores para
futuras expansões, conforme apresentado na figura abaixo:
569B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
2,051
Bastidor
Reserva
Bastidor
Reserva
Eqpto.
RÁDIO
CC/DGO/
ALARME
Figura 30 – Gabinete para 2 bastidores
162B
5.28.3
A seguir apresentamos um esboço da estação de terminal de rádio
completa:
570B
Figura 31 – Estação de Terminal de Rádio Gabinete – 2 bastidores
163B
5.29
Características Gerais para o fornecimento da infraestrutura Básica
Autônoma.
164B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.29.1
Será de total responsabilidade da CONTRATADA: realização das vistorias;
elaboração de todos os projetos e croquis das estações; fornecimento de
todos os materiais e execução de todos os serviços pertinentes à
construção das estações para contêineres de 8,0 m e 12,00 m, Gabinetes
de 2, 3 e 4 bastidores, Estações Repetidoras de Rádio e Estações
Terminais de Rádio.
571B
5.29.2
Deverá ser fornecido um sistema de vigilância por câmeras IP com
sensores de presença, gravação, armazenamento local e a transmissão
das imagens pela estrutura de rede IP do sistema. Deverá ser fornecido
também um elemento de rede que faça a agregação das imagens das
diversas câmeras e que possa ser interconectado à rede IP do sistema.
572B
5.29.3
A estação de telecomunicações deverá ser provida com sistema de
iluminação incluindo o fornecimento de postes, luminárias, lâmpadas,
sensores, e todo o material necessário para a instalação/funcionamento,
de forma a garantir a segurança da estação bem como o perfeito
funcionamento do sistema de vigilância.
5.29.4
As informações detalhadas para os fornecimentos da urbanização da
estação de telecomunicações, das cercas, dos portões, da entrada de
energia CA, do posto de transformação, quando for o caso, do controle de
acesso, das fechaduras, e todo o material necessário para a
instalação/funcionamento devem seguir rigorosamente as informações
contidas no Anexo I e II.
573B
574B
5.30
Infraestrutura Básica Autônoma (15,00 m X 26,00 m).
165B
5.30.1
O terreno com as dimensões de 15,00 m X 26,00 m será destinado para
instalação de contêineres de 12,00 m
5.30.2
Será de total responsabilidade da CONTRATADA: realização das vistorias;
elaboração de todos os projetos e croquis das estações; fornecimento de
todos os materiais e execução de todos os os serviços pertinentes à
construção das estações para contêineres de 12,00 m.
57B
576B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
12,00
2,90
5,00
AR 01
4 TR
AR 02
4 TR
GMG
1,28
2,70
RÁDIO
0,89
Banco
de
Baterias
600Ah
AT
0,84
IP
IP
IP
IP
IP
IP
IP
IP
DGO
DWDM
DWDM DWDM
DWDM
DWDM DWDM
SR
1,00
AT
1,00
ESPAÇO RESERVADO
PARA A TORRE
PLC
0,60
2,00
QMI
Banco
de
Baterias
600Ah
2,90
0,65
0,60
2,00
Vinculada ao Ministério das Comunicações
CA
FO
AR 02
4 TR
15,00
AR 03
4 TR
2,50
GMG
FO
1,50
AT: Aterramento
FO: Fibra Ótica
CA: Corrente Alternada
Furo de Passagem
AT
CA
2,00
3,00
26,00
Figura 32 – Infraestrutura básica autônoma - Estação de Telecomunicações (15 m X
26 m)
16B
5.31
5.31.1
5.31.2
Infraestrutura Básica Autônoma (15,00 m X 22,00 m)
167B
O terreno com as dimensões de 15,00 m X 22,00 m será destinado para
instalação de contêineres de 8,00 m.
57B
Será de total responsabilidade da CONTRATADA: realização das vistorias;
elaboração de todos os projetos e croquis das estações; fornecimento de
todos os materiais; e, execução de todos os serviços pertinentes à
construção das estações para contêineres de 8,00 m.
578B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
2,90
8,00
5,00
AR 01
3 TR
AR 02
3 TR
GMG
1,10
0,84
0,60
2,70
IP
IP
DWDM
DWDM
SR
600 A
CA
AT
Banco
de
Baterias
300Ah
FO
AR 04
3 TR
15,00
AR 03
3 TR
DGO
1,00
IP
0,60
AT
1,00
DWDM DWDM
RÁDIO
Banco
de
Baterias
300Ah
2,90
2,00
ESPAÇO RESERVADO
PARA A TORRE
PLC
1,29
1,35
QMI
0,60
2,00
Vinculada ao Ministério das Comunicações
2,50
GMG
FO
1,50
AT: Aterramento
FO: Fibra Ótica
CA: Corrente Alternada
Furo de Passagem
AT
CA
2,00
3,00
22,00
Figura 33 – Infraestrutura básica autônoma Estação de Telecomunicações (15 m X 22
m)
168B
5.32
5.32.1
5.32.2
Infraestrutura Básica Autônoma (15,00 m X 20,00 m)
169B
O terreno com as dimensões de 15,00 m X 20,00 m será destinado para
instalação de gabinetes com 2, 3 e 4 bastidores.
579B
Será de total responsabilidade da CONTRATADA: realização das vistorias;
elaboração de todos os projetos e croquis das estações; fornecimento de
todos os materiais; e, execução de todos os serviços pertinentes à
construção das estações para gabinetes com 2, 3 e 4 bastidores.
580B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
2,20
2,00
Vinculada ao Ministério das Comunicações
CA
AT
Bastidor
Reserva
Bastidor
Reserva
Bastidor
DWDM /
IP / RÁDIO
Bastidor
DWDM /
IP / RÁDIO
Bastidor
DWDM /
IP / RÁDIO
Bastidor
CC/DGO/
ALARME
2,04
4,22
CA
FO
FO
AT
ESPAÇO RESERVADO
PARA A TORRE
2,00
15,00
AT
AT: Aterramento
FO: Fibra Ótica
CA: Corrente Alternada
Furo de Passagem
20,00
Figura 34 – Infraestrutura básica autônoma Estação de Telecomunicações (15 m X 20
m)
170B
5.33
Infraestrutura Básica Autônoma (10,00 m X 10,00 m)
5.33.1
17B
5.33.2
O terreno com as dimensões de 10,00 m X 10,00 m será destinado para
instalação de estação terminal de rádio.
581B
Será de total responsabilidade da CONTRATADA: realização das vistorias;
elaboração de todos os projetos e croquis das estações; fornecimento de
todos os materiais; e, execução de todos os serviços pertinentes à
construção das estações terminais de rádio.
582B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
1,00
Vinculada ao Ministério das Comunicações
3,00
CA
1,20
AT
FO
3,00
AT
10,00
1,81
Bastidor
CC/DGO/
ALARME
AT
Bastidor
RÁDIO / IP
Bastidor
Reserva
FO
CA
Bastidor
Reserva
AT: Aterramento
FO: Fibra Ótica
CA: Corrente Alternada
Furo de Passagem
10,00
Figura 35 – Infraestrutura básica autônoma estação de Telecom. (10 m X 10 m)
172B
5.34
5.34.1
5.34.2
Características Gerais para o fornecimento da infraestrutura Básica
Compartilhada.
173B
Será de total responsabilidade da CONTRATADA: realização das vistorias;
elaboração de todos os projetos e croquis das estações; fornecimento de
todos os materiais; e, execução de todos os serviços pertinentes à
construção das estações para contêineres de 12,00 m, 8,00 m e Gabinetes
de 2, 3 e 4 bastidores.
583B
O fornecimento da infraestrutura básica compartilhada será aplicado à
estações que serão implantadas em ambiente existentes das empresas do
Governo Federal ou outras empresas e desta forma serão necessários os
matérias e serviços para a execução de bases de contêiner, gabinetes e
GMG, padrões de energia, projetos e execuções de aterramento e todo os
materiais e serviços necessários para a instalação, devendo seguir
rigorosamente as informações contidas no Anexo I e II.
584B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.35
5.35.1
Infraestrutura Básica Compartilhada (Contêiner de 12,00 m).
174B
As configurações serão as mesmas utilizadas para instalação de
contêineres de 12,00 m.
58B
5.35.2
Será de total responsabilidade da CONTRATADA: realização das vistorias;
elaboração de todos os projetos e croquis das estações; fornecimento de
todos os materiais; e, execução de todos os serviços pertinentes à
construção das estações para contêineres de 12,00 m.
586B
24,00
1,00
12,00
CA
GMG
1,28
2,00
0,89
IP
IP
FO
Banco
de
Baterias
600Ah
IP
IP
IP
IP
DGO
IP
DWDM
DWDM DWDM
DWDM
DWDM DWDM
AR 03
4 TR
AT
CA
GMG
IP
0,60
RÁDIO
PLC
0,60
AT
1,00
ESPAÇO RESERVADO
PARA A TORRE
QMI
0,84
1,00
7,00
0,65
AT
AR 01
4 TR
AR 02
4 TR
27,50
SR
Banco
de
Baterias
600Ah
AR 02
4 TR
FO
Figura 36 – Modelo de Infraestrutura Básica Compartilhada Contêiner de 12,00 m
175B
5.36
5.36.1
5.36.2
Infraestrutura Básica Compartilhada (Contêiner de 8,00 m)
176B
As configurações serão as mesmas utilizadas para instalação de
contêineres de 8,00 m.
587B
Será de total responsabilidade da CONTRATADA: realização das vistorias;
elaboração de todos os projetos e croquis das estações; fornecimento de
todos os materiais; e, execução de todos os serviços pertinentes à
construção das estações para contêineres de 8,00 m.
58B
20,00
1,00
8,00
CA
PLC
1,29
1,10
0,84
2,65
IP
0,60
2,00
IP
AR 03
3 TR
DGO
DWDM
DWDM
1,00
1,00
7,00
AT
IP
0,60
0,60
DWDM DWDM
RÁDIO
Banco
de
Baterias
300Ah
SR
600 A
3,50
QMI
GMG
GMG
ESPAÇO RESERVADO
PARA A TORRE
FO
AR 01
3 TR
AR 02
3 TR
1,35
AT
Banco
de
Baterias
300Ah
AR 04
3 TR
2,00
Figura 37 – Modelo de Infraestrutura Básica Compartilhada Contêiner de 8,00 m
17B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.37
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor com espaço para
torre)
178B
5.37.1
As configurações serão as mesmas utilizadas para instalação dos
gabinetes com 2, 3 e 4 bastidores.
589B
5.37.2
Será de total responsabilidade da CONTRATADA: realização das vistorias;
elaboração de todos os projetos e croquis das estações; fornecimento de
todos os materiais; e, execução de todos os serviços pertinentes à
construção das estações para gabinetes com 2, 3 e 4 bastidores.
590B
1,00
17,00
2,16
AT
CA
FO
AT
CA
Bastidor
Reserva
Bastidor
Reserva
Bastidor
DWDM /
IP / RÁDIO
Bastidor
DWDM /
IP / RÁDIO
Bastidor
DWDM /
IP / RÁDIO
Bastidor
CC/DGO/
ALARME
7,00
FO
ESPAÇO RESERVADO
PARA A TORRE
AT
AT
2,00
Figura 38 – Modelo de Infraestrutura Básica Compartilhada Gabinetes com espaço
para torre.
179B
5.38
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor com poste)
180B
5.38.1
5.38.2
As configurações serão as mesmas utilizadas para instalação dos
gabinetes com 2, 3 e 4 bastidores.
591B
Será de total responsabilidade da CONTRATADA: realização das vistorias;
elaboração de todos os projetos e croquis das estações; fornecimento de
todos os materiais; e, execução de todos os serviços pertinentes à
construção das estações para gabinetes com 2, 3 e 4 bastidores.
592B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
3,00
1,20
8,50
3,00
AT
Bastidor
CC/DGO/
ALARME
AT
Bastidor
RÁDIO / IP
FO
Bastidor
Reserva
FO
CA
CA
AT
Bastidor
Reserva
4,00
Figura 39 – Modelo de Infraestrutura Básica Compartilhada Gabinetes com poste
18B
5.39
Infraestrutura Básica Compartilhada apenas com Gabinete outdoor
182B
5.39.1
5.39.2
As configurações serão as mesmas utilizadas para instalação dos
gabinetes com 2, 3 e 4 bastidores.
593B
Será de total responsabilidade da CONTRATADA: realização das vistorias;
elaboração de todos os projetos e croquis das estações; fornecimento de
todos os materiais; e, execução de todos os serviços pertinentes à
construção das estações para gabinetes com 2, 3 e 4 bastidores.
594B
FO
CA
Bastidor
Reserva
Bastidor
Reserva
Bastidor
DWDM /
IP / RÁDIO
Bastidor
DWDM /
IP / RÁDIO
Bastidor
DWDM /
IP / RÁDIO
Bastidor
CC/DGO/
ALARME
2,00
AT
7,50
Figura 40 – Modelo de Infraestrutura Básica Compartilhada apenas Gabinetes
183B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.40
5.40.1
Infraestrutura Básica para Roof-Top (Estação Terminal Rádio).
184B
Para implantação de um gabinete outdoor em topo de prédio, deverá
obrigatoriamente ser apresentado pela CONTRATADA o estudo da
estrutura, com a emissão de laudo técnico por empresa ou profissional
especializado, acompanhado da respectiva ART da edificação, de modo a
garantir a estabilidade da estrutura, devido a introdução da sobrecarga
inclusive dos mastros para antenas de transmissão.
59B
5.40.2
Caso seja necessário, deverá ser executada uma estrutura metálica para
distribuição do acréscimo de carga em aço carbono, galvanizada a quente
para suportar o gabinete outdoor e as estruturas verticais.
5.40.3
596B
Se não for possível acessar as áreas onde ficarão localizados os
equipamentos e antenas pelos meios de acesso existentes, deverão ser
projetadas e executadas escadas, plataformas, passarelas, entre outros,
sempre com guarda corpo e em perfis metálicos de aço carbono,
galvanizados a quente. Da mesma forma deverá ser provida a proteção
dos cabos, tampa para todos os trechos de esteiramento cruzando os
caminhos de acesso, de forma a evitar que os cabos sejam pisados.
5.40.4
597B
O piso das escadas, plataformas e passarelas será em chapa metálica,
expandida e galvanizada a quente, em requadros de perfis laminados
também galvanizados a quente, grade de fibra de vidro reforçada ou em
chapa galvanizada similar Celmec.
5.40.5
598B
Caberá à CONTRATADA apresentar desenhos em formato eletrônico com
detalhamento dos seguintes elementos:
5.40.5.1
59B
Planta baixa dos pavimentos onde houver necessidade de alguma
intervenção da CONTRATADA.
5.40.5.2
60B
Fechamento lateral (se houver).
5.40.5.3
601B
Indicação do Norte (verdadeiro e magnético).
5.40.5.4
602B
Portões de acesso.
5.40.5.5
603B
Base e skid do armário.
5.40.5.6
604B
5.40.5.7
Instalações elétricas.
605B
Aterramento.
60B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.40.5.8
Entrada de energia.
607B
5.41
Requisitos Gerais para o fornecimento de redes de fibras ópticas
185B
5.41.1
Para o lançamento dos cabos ópticos, a CONTRATADA deverá prever
todos os serviços de terminação necessários à instalação de redes tanto
nas caixas de sangria quanto nos DGOs, bem como todo o material
necessário para tal serviço. Deverá prever também todas as reservas
técnicas e operacionais do cabo.
186B
5.41.2
Todo o caminho a ser percorrido pelos cabos de fibra óptica deverá ser
apresentado na PPI indicando quais as redes que serão construídas e as
existentes utilizadas para a passagem dos cabos.
187B
5.41.3
Na área interna das salas de operação, a CONTRATADA fará a instalação
em parede do rack de 19” com 10 Us e dos DGOs necessários para a
terminação de todas as fibras do cabo lançado, desde a caixa de emenda
do backbone até a sala de operações, as fusões e todos os serviços
necessários a conectorização do cabo óptico.
18B
5.41.4
A CONTRATADA lançará cabo óptico em rede de duto e subdutos a ser
construída desde a sala de operações até a estação de telecomunicações,
onde também fará a instalação dos DGOs necessários à terminação de
todas as fibras ópticas do cabo lançado, fusões e todos os serviços
necessários a conectorização do cabo óptico.
189B
5.41.5
As especificações do rack e DGO a serem utilizados estão descritos na
Seção XV item 3 do Anexo I.
190B
5.41.6
Em todas as etapas da instalação devem ser seguidas as normas e
padrões da ANATEL e da ABNT pertinentes ao tipo de serviço e à
qualidade dos materiais aplicados nos acessos.
608B
5.41.7
Para garantir a qualidade dos cabos e serviços executados, a
CONTRATADA deverá executar testes de pré e pós-lançamento em OTDR
e medições de certificações nas fibras ópticas.
5.41.8
Todas as certificações deverão ser feitas entre os pontos finais da fibra
quais sejam: a partir do DGO instalado na estação de telecomunicações A
até o DGO da estação B onde a fibra termina.
5.41.9
Para a instalação das estações, a CONTRATADA deverá prever a dupla
abordagem com os cabos ópticos, ou seja, por caminhos distintos até aos
DGOs a serem instalados na sala de operação existente partindo-se de
caixas de sangria em pontos diferentes do backbone. Para essa parte da
instalação, os cabos ópticos serão lançados em rede existente.
609B
19B
192B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.41.10
Para a interligação da sala de operações até a estação de
telecomunicações, a CONTRATADA lançará um único cabo em rede
subterrânea a ser construída conforme apresentado na figura abaixo:
193B
DGO
Cabo Óptico
Cabo Óptico
Sala de Operações Existente
Estação de
Telecomunicações
Cabo Óptico
Figura 41 – Rede de cabos ópticos para acesso
194B
5.41.11
Nas redes a serem construídas, serão utilizados cabos ópticos de 24, 36
e/ou 48 fibras, que levarão o sinal óptico das caixas de sangria do
backbone até o Distribuidor Geral Óptico (DGO) localizado em cada sala
de operação e até a estação de telecomunicações atendida conforme
mostra o esquemático da figura 41.
195B
5.41.12
Para a instalação das redes ópticas, a CONTRATADA deverá seguir as
exigências dos manuais de compartilhamento de cada parceiro a ser
disponibilizado pela CONTRATANTE.
5.41.13
196B
Todas as informações referentes à materiais e serviços são apresentados
nos ANEXOS I e II.
5.42
197B
5.42.1
Lançamento de cabos ópticos subterrâneos em rede existente
198B
A CONTRATADA deverá lançar os cabos ópticos em redes de dutos ou
calhas existentes dentro do ambiente dos parceiros desde a caixa de
sangria do backbone até a sala de operações.
610B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.43
Infraestrutura Básica para rede fibras ópticas subterrânea.
19B
5.43.1
A instalação será composta pela construção de rede através de abertura
de vala em solos (bruto e ou asfáltico) utilizando-se de métodos destrutivo
(MD) e/ou não destrutivo (MND), para o lançamento de dutos, subdutos e
cabos ópticos subterrâneos, caixas do tipo R1 e R2, fusões em caixas de
sangria e terminação em DGOs.
61B
5.43.2
Deverá ser incluído neste serviço o lançamento dos cabos ópticos
contratados que serão adquiridos a parte de acordo com a necessidade de
cada acesso.
612B
5.44
Infraestrutura Básica para rede fibras ópticas aérea
20B
5.44.1
A CONTRATADA deverá instalar postes, quando necessário, espinar o
cabo óptico, instalar raquetes de reserva e prever toda a ferragem utilizada
para a instalação de rede aérea.
201B
5.44.2
5.45
Deverá ser incluído neste serviço o lançamento dos cabos ópticos
contratados que serão adquiridos a parte de acordo com a necessidade de
cada acesso.
613B
Os requisitos específicos dos cabos ópticos utilizados nos acessos às
estações de telecomunicações deverão ser homologados pela ANATEL ou
estarem em processo de homologação e seguir as normas ABNT.
5.46
5.46.1
Cabos ópticos subterrâneos de 24 fibras.
203B
O cabo óptico subterrâneo monomodo deverá possuir todo material
necessário do tipo “loose” ou “tight”, que trabalhe na janela de 1310 nm ou
1550 nm, com as fibras revestidas em acrilato, posicionadas em tubos e
protegidos por uma capa interna contra roedores e uma capa externa de
polietileno retardante a chama, com designação CFOA-SM-DDR-G24-R
com atenuação máxima 0,36 dB/km e de 0,22 dB/km e dispersão
cromática máxima de 3,5 ps/nm.Km e 18 ps/nm.Km, respectivamente, para
as janelas indicadas acima.
614B
5.47
5.47.1
Cabos ópticos subterrâneos de 36 fibras.
204B
O cabo óptico subterrâneo monomodo deverá possuir todo material
necessário do tipo “loose” ou “tight”, que trabalhe na janela de 1310 nm ou
1550 nm, com as fibras revestidas em acrilato, posicionadas em tubos e
protegidos por uma capa interna contra roedores e uma capa externa de
polietileno retardante a chama, com designação CFOA-SM-DDR-G36-R
com atenuação máxima 0,36 dB/km e de 0,22 dB/km e dispersão
cromática máxima de 3,5 ps/nm.Km e 18 ps/nm.Km, respectivamente, para
as janelas indicadas acima.
615B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.48
5.48.1
Cabos ópticos subterrâneos de 48 fibras.
205B
O cabo óptico subterrâneo monomodo deverá possuir todo material
necessário do tipo “loose” ou “tight”, que trabalhe na janela de 1310 nm ou
1550 nm, com as fibras revestidas em acrilato, posicionadas em tubos e
protegidos por uma capa interna contra roedores e uma capa externa de
polietileno retardante a chama, com designação CFOA-SM-DDR-G48-R
com atenuação máxima 0,36 dB/km e de 0,22 dB/km e dispersão
cromática máxima de 3,5 ps/nm.Km e 18 ps/nm.Km, respectivamente, para
as janelas indicadas acima.
61B
5.49
5.49.1
5.50
Cabos ópticos aéreo de 48 fibras.
206B
Cabo óptico aéreo monomodo com todo o material necessário do tipo
“loose tube”, que trabalhe na janela de 1310 nm ou 1550 nm, constituído
por fibras ópticas revestidas em acrilato, posicionadas em tubos
preenchidos com geléia reunidos ao redor de um elemento central
dielétrico, sendo protegidos por uma camada de fios de sustentação, fita
de enfaixamento e capa externa de polietileno resistente à luz solar,
retardante a chamas com designação CFOA-SM-AE-GXXX-NR (onde XXX
indica a quantidade de vias do cabo), atenuação máxima 0,36 dB/Km e de
0,22 dB/Km e dispersão cromática máxima de 3,5 ps/nm.Km e 18
ps/nm.Km, respectivamente
617B
Requisitos Gerais para o fornecimento de sistema retificador
207B
5.50.1
UR - unidade retificadora chaveada em alta frequência que utiliza sistema
de ventilação forçada. A UR é responsável pela conversão de energia CA
em CC.
618B
5.50.2
USCC - Unidade de Supervisão de Corrente Contínua.
5.50.3
619B
5.50.4
SR (Sistema de Retificadores) - conjunto formado pelas unidades: de
supervisão, de distribuição (consumidores e baterias) e retificadoras,
utilizando tecnologia de chaveamento em alta frequência, associadas em
paralelo (sistema hot stand by), com obrigatoriedade de equalização da
corrente de saída entre as mesmas.
620B
Entrada da UR - terminal de entrada da unidade localizado antes do
disjuntor/fusível de entrada correspondente.
621B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.50.5
Saída da UR - terminal de saída da unidade localizado imediatamente
após o disjuntor/fusível de saída correspondente.
62B
5.50.6
Características Gerais
623B
5.50.6.1
Chaveamento em alta frequência.
624B
5.50.6.2
Microprocessada.
625B
5.50.6.3
Sistemas modulares, permitindo o crescimento da capacidade de acordo
com a necessidade.
62B
5.50.6.4
Incorporação do sistema de distribuição de CC.
627B
5.50.6.5
Acesso frontal.
5.50.6.6
628B
Alto fator de potência.
5.50.6.7
629B
Compensação da tensão de flutuação das baterias, em função da
temperatura.
5.50.6.8
630B
Controle ativo de tensão.
5.50.6.9
631B
Configuração local e remota.
5.51
632B
Sistema Retificador de 600 A
208B
5.51.1
Deverá ser fornecida Fonte SR de 600 A com URs modulares na
capacidade total.
63B
5.51.2
As fontes SR de 600 A deverão ter homologação Anatel.
5.52
634B
Sistema Retificador de 1200 A
5.52.1
209B
Deverá ser fornecida Fonte SR de 1200 A com URs modulares na
capacidade total.
5.52.2
635B
5.53
As fontes SR de 1200 A deverão ter homologação Anatel.
63B
Requisitos Gerais para o fornecimento de sistema ar condicionado
210B
5.53.1
5.53.2
O sistema de ar condicionado será formado por 4 (quatro) máquinas do
tipo Wall Mounted controladas por PLC.
637B
O gabinete do ar condicionado não deverá emitir ruído superior a 50 dB a
1,5m do equipamento, de acordo com a Norma ABNT NBR 10151 e 10152
- Acústica - Avaliação do Ruído em Áreas Habitadas, visando o conforto da
comunidade.
638B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.53.3
5.54
As informações detalhadas para os fornecimentos do sistema de ar
condicionado encontram-se no Anexo I – Especificações Técnicas de
Infraestrutura.
639B
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 3 TR
21B
5.54.1
Deverão ser fornecidas 4 (quatro) máquinas de ar condicionado de 3 TR
por estação de telecomunicações em contêiner conforme tabelas de
quantitativos por grupo ou anel descritos nesse documento.
5.55
640B
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 4 TR
5.55.1
21B
5.56
Deverão ser fornecidas 4 (quatro) máquinas de ar condicionado de 3 TR
por estação de telecomunicações em contêiner conforme tabelas de
quantitativos por grupo ou anel descritos nesse documento.
641B
Requisitos Gerais para o fornecimento de Grupo Motor Gerador (GMG)
213B
5.56.1
O motor deverá ser a diesel, injeção direta, ignição por compressão,
resfriado à água. Partida e parada elétrica, construído conforme norma
BS551401.3.2 e equipado com sistema de refrigeração.
642B
5.56.2
O motor será completo com radiador tropicalizado e ventilador de serviço
pesado, para resfriamento do motor em temperatura ambiente tropical. O
radiador possui compensação interna em sua construção, para casos de
obstrução por sujeira do núcleo;
643B
5.56.3
O GMG deverá ser do tipo cabinado, ou seja, montado em container para
proteção de intempéries e para isolamento acústico, conforme especificado
no Anexo I.
5.56.4
64B
A montagem do conjunto motor/gerador deverá ser realizada em uma base
construída em aço reforçada. Pontos de içamento equilibrados deverão ser
previstos e inclusos.
5.56.5
645B
Deverá ser previsto o fornecimento de um tanque para cada gerador com
capacidade que assegure autonomia de 4 horas. Deverá ser fornecido
completo com bomba elétrica para abastecimento, indicador de nível,
tampa de abastecimento de combustível com respiradouro e coador, linhas
de alimentação e retorno de combustível do motor e tampão de
escoamento, e com sistema de aterramento. O gerador deverá ser
interligado ao tanque de combustível e deverá ser ter base de contenção.
5.57
64B
5.57.1
Grupo Motor Gerador de 105 kVA
214B
Deverão ser fornecidos GMGs de 105 kVA conforme tabelas de
quantitativos por grupo ou anel descritos nesse documento.
647B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.57.2
O GMG deverá ser fornecido completo, com todos os acessórios e
materiais, bem como os não expressamente mencionados neste termo ou
no Anexo I deste documento, mas necessários ao perfeito funcionamento
do equipamento.
648B
5.58
Grupo Motor Gerador de 75 kVA
215B
5.58.1
Deverão ser fornecidos GMGs de 75 kVA conforme tabelas de
quantitativos por grupo ou anel descritos nesse documento.
649B
5.58.2
O GMG deverá ser fornecido completo, com todos os acessórios e
materiais, bem como os não expressamente mencionados neste termo ou
no Anexo I deste documento, mas necessários ao perfeito funcionamento
do equipamento.
650B
5.59
Grupo Motor Gerador de 45 kVA
216B
5.59.1
Deverão ser fornecidos GMGs de 45 kVA conforme tabelas de
quantitativos por grupo ou anel descritos nesse documento.
651B
5.59.2
O GMG deverá ser fornecido completo, com todos os acessórios e
materiais, bem como os não expressamente mencionados neste termo ou
no Anexo I deste documento, mas necessários ao perfeito funcionamento
do equipamento.
652B
5.60
Requisitos Gerais para o fornecimento de transformador
217B
5.60.1
Instalação em estações de telecomunicações para rebaixamento de tensão
primária para tensão secundária
5.60.2
653B
O tipo de transformador poderá ser a Seco ou a Óleo de Média Tensão,
dependendo da concessionária local para instalação em estação de
telecomunicações.
5.60.3
654B
O transformador deverá ser de construção robusta, levando em
consideração as exigências de instalação em poste.
5.60.4
65B
5.60.5
Deverá suportar, sem sofrer danos, os efeitos térmicos e dinâmicos
resultantes de sobrecargas provocadas por curto-circuito nos terminais, em
qualquer um dos seus enrolamentos, com tensão e freqüência nominais
mantidas nos terminais do outro enrolamento, de acordo com a norma
NBR 10295.
65B
Os requisitos básicos ao fornecimento, relativos às características, projeto,
fabricação e ensaios de Transformadores de Distribuição para utilização
em estações de telecomunicações encontram-se no Anexo I –
Especificações Técnicas de Infraestrutura.
657B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.61
5.61.1
Transformador de 112,5 kVA
218B
Deverão ser fornecidos transformadores de 112,5 kVA conforme tabelas
de quantitativos por grupo ou anel descritos nesse documento.
658B
5.61.2
O transformador deverá ser fornecido completo, com todos os acessórios e
materiais, bem como os não expressamente mencionados neste termo ou
no Anexo I deste documento, mas necessários ao perfeito funcionamento
do equipamento.
5.62
659B
Transformador de 75 kVA
5.62.1
219B
Deverão ser fornecidos transformadores de 75 kVA conforme tabelas de
quantitativos por grupo ou anel descritos nesse documento.
5.62.2
60B
O transformador deverá ser fornecido completo, com todos os acessórios e
materiais, bem como os não expressamente mencionados neste termo ou
no Anexo I deste documento, mas necessários ao perfeito funcionamento
do equipamento.
5.63
61B
Transformador de 45 kVA
5.63.1
20B
Deverão ser fornecidos transformadores de 45 kVA conforme tabelas de
quantitativos por grupo ou anel descritos nesse documento.
5.63.2
62B
O transformador deverá ser fornecido completo, com todos os acessórios e
materiais, bem como os não expressamente mencionados neste termo ou
no Anexo I deste documento mas necessários ao perfeito funcionamento
do equipamento.
5.64
63B
5.64.1
Sistema de Circuito Fechado de TV
21B
O sistema de circuito fechado de TV – CFTV, tem como principal objetivo
possibilitar o monitoramento de vários locais em um único ponto,
centralizando o gerenciamento e facilitando a tomada de decisões. O
sistema de CFTV será instalado em todas as estações do PNBL e terá
como função principal o auxílio ao gerenciamento, segurança e controle.
64B
5.64.2
5.64.2.1
Normas Técnicas aplicadas:
65B
ABNT NBR 6150:1980 - Eletrodutos de PVC rígido – Especificação.
6B
ABNT NBR 13300:1995 – Redes Telefônicas internas em prédios –
Terminologia.
5.64.2.2
5.64.2.3
67B
5.64.2.4
ABNT NBR
internacional.
68B
IEC
60050
(826):1997
–
Vocabulário
eletrotécnico
4. IEC 61000-2-5:1995 – Electromagnetic Compatibility (EMC).
69B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.64.3
Definições
5.64.3.1
670B
As Câmeras quanto a sua localização e utilização podem ser:
5.64.3.2
671B
Câmera externa fixa
672B
5.64.3.2.1 A Câmera é definida como externa fixa, quando se encontra instalada em
ambiente aberto, ou exposta ao tempo, locais com grandes variações de
luminosidade.
673B
5.64.3.2.2 A Câmera externa fixa é formada pelos seguintes componentes:
674B
5.64.3.2.3 Câmera Colorida
675B
5.64.3.2.4 Lente com Auto Íris
67B
5.64.3.2.5 Fonte de alimentação
67B
5.64.3.2.6 Caixa de Proteção
678B
5.64.3.2.7 Suporte para Caixa de Proteção
679B
5.64.3.3
Câmera interna fixa
680B
5.64.3.3.1 A Câmera é definida como Interna Fixa, quando se encontra instalada em
ambiente protegido do tipo contêiner ou gabinete com pouca variação de
luminosidade.
681B
5.64.3.3.2 A Câmera interna fixa é formada pelos seguintes componentes:
682B
5.64.3.3.3 Câmera colorida
683B
5.64.3.3.4 Lente com Auto iris
684B
5.64.3.3.5 Fonte de alimentação
685B
5.64.3.3.6 Suporte para Câmera
68B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.65
Serviço de Treinamento
5.65.1
2B
No treinamento deverão ser ministrados cursos relativos aos equipamentos
retificadores e GMG, conforme especificado no ANEXO II.
5.65.2
687B
Deverá ser previsto treinamento para grupos de 10 pessoas.
5.65.3
68B
Os cursos deverão ser realizados preferencialmente em Brasília, em local
que possua todas as facilidades para um perfeito desempenho das
atividades especificadas no Serviço de Treinamento.
5.65.4
689B
Toda documentação fornecida e todos os cursos deverão ser ministrados
obrigatoriamente em língua portuguesa.
5.65.5
690B
Todos os custos relativos ao deslocamento, passagens, estadia e
alimentação serão de responsabilidade da CONTRATADA, caso os cursos
sejam ministrados fora de Brasília.
5.65.6
691B
A CONTRATADA deverá apresentar em até 5 (Cinco) dias corridos, após a
assinatura do contrato, um Plano de Treinamento, com a indicação dos
cursos com os respectivos sumários, carga horária, informações de prérequisitos para aprovação da CONTRATANTE.
5.65.7
692B
O treinamento será um ITEM, com as especificações mínimas
apresentadas no ANEXO II, e poderá ser contratado conforme à
necessidade da CONTRATANTE.
5.66
693B
Operação Inicial
5.66.1
23B
O serviço de operação inicial consiste em disponibilizar serviços de
operação e manutenção, preventiva e corretiva, para as estações que irão
compor a rede nacional de telecomunicações, conforme especificado no
ANEXO II.
5.66.2
694B
O Serviço de Operação Inicial terá a duração de 180 (cento e oitenta) dias,
a contar de 15 dias após a emissão da ORDEM DE SERVIÇO, sendo que
seu encerramento ficará condicionado à aprovação por parte da
CONTRATANTE.
5.66.3
695B
5.66.4
O Serviço de Operação Inicial foi definido em 2 ITENS, conforme abaixo:
69B
Serviço de Operação Inicial - lote de 10 estações: Serviço de operação e
manutenção para um lote inicial de 10 estações.
697B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.66.5
Serviço de Operação Inicial - estação individual: Serviço de operação e
manutenção a ser acrescentado quando da ativação de uma nova estação
junto à rede já em operação. Este item deverá ter preço não superior a
10% do preço do item do Serviço de operação inicial do lote de 10
estações.
5.66.6
698B
Os serviços devem ser considerados separadamente para cada grupo,
definido no item 5.64, ou seja, deverão existir ITENS de cotação para os 2
(dois) tipos de Operação inicial (10 estações e individual) e em cada grupo,
conforme as especificações descritas no ANEXO II.
5.66.7
69B
A cada contratação de Operaçao Inicial será iniciado novo prazo de 180
(cento e oitenta) dias.
5.66.8
70B
Todas as despesas necessárias ao deslocamento de pessoal para a
execução desse serviço será de responsabilidade da CONTRATADA.
701B
5.66.9
Todo instrumental necessário às intervenções de manutenção para
solução de problemas, serão de responsabilidade da CONTRATADA.
5.66.10
702B
Os detalhes dos serviços de operação inicial encontram-se no Anexo II Especificações dos Serviços.
5.67
703B
Garantia e Assistência Técnica
5.67.1
24B
O período de garantia e assistência técnica da solução e serviços deverá
ser de 36 (trinta e seis) meses, contado a partir da Aceitação Definitiva,
que ocorrerá após a Homologação, conforme descrito e especificado no
ANEXO II.
5.67.2
25B
A CONTRATADA deve garantir que os Equipamentos fornecidos sejam
apropriados para suportar, nos locais onde serão instalados, as condições
climáticas constantes das especificações técnicas, simultaneamente e sem
prejuízo das características técnicas estabelecidas nas especificações.
5.67.3
26B
A Garantia e a Assistência técnica são partes integrantes da solução, pois
definem a condição do fornecimento.
5.68
27B
5.68.1
Quantitativos por grupo:
28B
As tabelas a seguir apresentam os itens que compõe os grupos para a
contratação, bem como sua descrição sucinta.
704B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.68.2
Essas tabelas indicam os quantitativos estimados para cada um dos itens
da contratação. Esses valores servem para balizar a LICITANTE em
relação à expectativa para as futuras aquisições da TELEBRÁS.
Destacando-se que esses quantitativos não representam qualquer
compromisso ou obrigação de contratação por parte da TELEBRÁS.
705B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.68.3 GRUPO I – ANEL SUDESTE
29B
ANEL SUDESTE
Item
Referência
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
36
37
38
39
40
41
42
Preço Total
1
2
3
7
9
10
11
12
13
14
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
36
37
38
39
40
41
42
43
44
45
46
47
48
49
50
Descrição
Contêiner de 12,00 m - configuração 1 – 13 bastidores (unidade)
Contêiner de 12,00 m - configuração 2 – 13 bastidores (unidade)
Contêiner de 12,00 m - configuração 3 – 11 bastidores (unidade)
Contêiner de 12,00 m - configuração 7 – 8 bastidores (unidade)
Contêiner de 8,00 m – configuração 2 - 6 bastidores (unidade)
Gabinete outdoor com 4 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 3 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 2 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete para Estação Repetidora Rádio (unidade)
Gabinete para Estação Terminal de Rádio com trocador de calor (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (15,0 m X 20,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (10,0 m X 10,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Contêiner de 12,00 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor comespaço p/ torre) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor com espaço p/ poste) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor) (unidade)
Infraestrutura Básica para Roof Top (Estação Terminal Rádio) (unidade)
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas subterrânea (m)
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas aérea (m)
Lançamento de cabos ópticos em dutos e canaletas existentes (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 24 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 36 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 48 fibras (m)
Cabos Ópticos Aéreos de 48 fibras (m)
Distribuidor Geral Óptico - DGO - 24 posições
Rack de parede padrão 19” com 10 Us
Sistema Retificador de 600 A (unidade)
Sistema Retificador de 1200 A (unidade)
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 3 TR (unidade)
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 4 TR (unidade)
Grupo Motor Gerador de 105 kVA (unidade)
Grupo Motor Gerador de 75 kVA (unidade)
Grupo Motor Gerador de 45 kVA (unidade)
Transformador de 112,5 kVA (unidade)
Transformador de 75 kVA (unidade)
Transformador de 45 kVA (unidade)
Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Câmeras coloridas fixas de alta definição (unidade)
Instalação Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Treinamento para grupo de 10 pessoas (unidade) - módulos de 40:00h
Operação Inicial - Lotes de 10 estações (unidade)
Operação Inicial - Lotes de 1 estação (unidade)
Quatidade
Estimada
2
Preço Unitário (R$)
2
2
2
2
4
5
44
267
989
120
692
6
40
297
17
49
21.301
38.820
49.703
30.571
7.396
33.037
43.867
276
52
2
8
8
32
8
4
4
8
6
320
63
252
63
6
2
500
Tabela 2 – Quantitativos para o Anel SUDESTE
230B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
Preço Total (R$)
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.68.4 GRUPO II – ANEL NORDESTE
231B
ANEL NORDESTE
Item
Referência
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
Preço Total
5
6
7
10
11
12
13
15
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
36
38
40
43
44
45
46
47
48
49
50
Descrição
Contêiner de 12,00 m - configuração 5 – 10 bastidores (unidade)
Contêiner de 12,00 m - configuração 6 – 9 bastidores (unidade)
Contêiner de 12,00 m - configuração 7 – 8 bastidores (unidade)
Gabinete outdoor com 4 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 3 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 2 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete para Estação Repetidora Rádio (unidade)
Gabinete para Estação Terminal de Rádio com ar condicionado (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (15,0 m X 20,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (10,0 m X 10,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Contêiner de 12,00 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor comespaço p/ torre) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor com espaço p/ poste) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor) (unidade)
Infraestrutura Básica para Roof Top (Estação Terminal Rádio) (unidade)
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas subterrânea (m)
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas aérea (m)
Lançamento de cabos ópticos em dutos e canaletas existentes (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 24 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 36 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 48 fibras (m)
Cabos Ópticos Aéreos de 48 fibras (m)
Distribuidor Geral Óptico - DGO - 24 posições
Rack de parede padrão 19” com 10 Us
Sistema Retificador de 1200 A (unidade)
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 4 TR (unidade)
Grupo Motor Gerador de 75 kVA (unidade)
Transformador de 75 kVA (unidade)
Transformador de 45 kVA (unidade)
Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Câmeras coloridas fixas de alta definição (unidade)
Instalação Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Treinamento para grupo de 10 pessoas (unidade) - módulos de 40:00h
Operação Inicial - Lotes de 10 estações (unidade)
Operação Inicial - Lotes de 1 estação (unidade)
Quatidade
Estimada
Preço Unitário (R$)
2
2
2
8
8
53
333
1.285
169
900
4
233
386
31
64
13.759
16.720
32.103
19.746
4.777
21.339
18.894
384
44
6
24
8
6
402
73
292
75
2
2
600
Tabela 3 – Quantitativos para Anel NORDESTE
23B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
Preço Total
(R$)
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.68.5 GRUPO III – ANEL SUL
23B
ANEL SUL
Item
Referência
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
36
37
38
39
Preço Total
4
8
10
11
12
13
14
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
36
37
38
39
41
42
44
45
46
47
48
49
50
Descrição
Contêiner de 12,00 m - configuração 4 – 11 bastidores (unidade)
Contêiner de 8,00 m – configuração 1- 7 bastidores (unidade)
Gabinete outdoor com 4 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 3 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 2 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete para Estação Repetidora Rádio (unidade)
Gabinete para Estação Terminal de Rádio com trocador de calor (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (15,0 m X 22,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (15,0 m X 20,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (10,0 m X 10,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Contêiner de 12,00 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Contêiner de 8,00 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor comespaço p/ torre) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor com espaço p/ poste) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor) (unidade)
Infraestrutura Básica para Roof Top (Estação Terminal Rádio) (unidade)
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas subterrânea (m)
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas aérea (m)
Lançamento de cabos ópticos em dutos e canaletas existentes (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 24 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 36 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 48 fibras (m)
Cabos Ópticos Aéreos de 48 fibras (m)
Distribuidor Geral Óptico - DGO - 24 posições
Rack de parede padrão 19” com 10 Us
Sistema Retificador de 600 A (unidade)
Sistema Retificador de 1200 A (unidade)
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 3 TR (unidade)
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 4 TR (unidade)
Grupo Motor Gerador de 105 kVA (unidade)
Grupo Motor Gerador de 45 kVA (unidade)
Transformador de 112,5 kVA (unidade)
Transformador de 45 kVA (unidade)
Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Câmeras coloridas fixas de alta definição (unidade)
Instalação Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Treinamento para grupo de 10 pessoas (unidade) - módulos de 40:00h
Operação Inicial - Lotes de 10 estações (unidade)
Operação Inicial - Lotes de 1 estação (unidade)
Quatidade
Estimada
Preço Unitário (R$) Preço Total
2
2
2
3
25
167
547
2
80
383
2
2
100
164
13
27
8.831
44.460
20.605
12.674
3.066
13.696
50.240
150
22
2
2
8
8
4
4
2
199
34
128
32
2
2
270
Tabela 4 – Quantitativos para Anel Sul
234B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
(R$)
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.68.6 GRUPO IV – REDE NORTE
235B
REDE NORTE
Item Referência
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
Preço Total
Descrição
Contêiner de 8,00 m – configuração 2 - 6 bastidores (unidade)
Gabinete outdoor com 4 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 3 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 2 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete para Estação Repetidora Rádio (unidade)
Gabinete para Estação Terminal de Rádio com ar condicionado (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (15,0 m X 20,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (10,0 m X 10,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Contêiner de 8,00 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor comespaço p/ torre) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor com espaço p/ poste) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor) (unidade)
Infraestrutura Básica para Roof Top (Estação Terminal Rádio) (unidade)
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas subterrânea (m)
Lançamento de cabos ópticos em dutos e canaletas existentes (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 24 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 36 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 48 fibras (m)
Distribuidor Geral Óptico - DGO - 24 posições
Rack de parede padrão 19” com 10 Us
Sistema Retificador de 600 A (unidade)
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 3 TR (unidade)
Grupo Motor Gerador de 45 kVA (unidade)
Transformador de 45 kVA (unidade)
Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Câmeras coloridas fixas de alta definição (unidade)
Instalação Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Treinamento para grupo de 10 pessoas (unidade) - módulos de 40:00h
Operação Inicial - Lotes de 10 estações (unidade)
Operação Inicial - Lotes de 1 estação (unidade)
9
10
11
12
13
15
18
19
21
22
23
24
25
26
28
29
30
31
33
34
35
37
41
44
45
46
47
48
49
50
Quatidade
Estimada
Preço Unitário (R$) Preço Total (R$)
2
6
6
64
142
221
90
155
2
128
66
10
11
13.472
31.434
19.334
4.678
20.893
412
48
2
8
4
220
77
308
78
2
2
110
Tabela 5 – Quantitativos para REDE NORTE
236B
5.68.7
A especificação detalhada dos equipamentos e serviços encontra-se
descrita nos anexos I e II, partes integrantes desse documento.
706B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
6
DA PROPOSTA E CRITÉRIO DE JULGAMENTO
237B
6.1
Essa contratação é composta por itens organizados em grupos para a
formação de ata de registro de preços. Os lances deverão ser oferecidos
por item, ou seja, a disputa se dará por item, mas será considerado, para
fins de classificação, o menor VALOR GLOBAL para cada um dos grupos,
segundo os quantitativos discriminados no ANEXO III - Planilhas de
Formação de Preço.
6.2
O critério de julgamento e classificação das propostas será o de menor
preço por grupo, ou seja, para cada grupo será considerada vencedora
aquela LICITANTE que apresentar o menor VALOR GLOBAL, que é
aquele resultante da somatória de todos os valores totais dos itens que
compõem o grupo. Assim, os lances concedidos serão aplicados ao valor
inicial proposto de cada item e estarão refletidos no somatório desses itens
para gerar o VALOR GLOBAL do grupo. Dessa forma, não está prevista,
portanto, a contratação de itens dentro do mesmo grupo junto a
fornecedores distintos.
6.3
A LICITANTE deverá apresentar proposta de preço conforme o ANEXO III
- Planilhas de Formação de Preço desse Termo de Referência. Os preços
deverão ser expressos em reais (R$) com duas casas decimais e conter
todos os tributos e encargos decorrentes do fornecimento dos
equipamentos e da prestação dos serviços relativos a esta contratação. Ou
seja, a Planilha de Formação de Preços deverá ser preenchida com os
preços cotados para cada item do grupo.
6.4
Os lances propostos e levados em consideração para efeito de julgamento
serão de exclusiva e total responsabilidade da LICITANTE. Para fins de
julgamento, não serão consideradas propostas com oferta de vantagem
não prevista no EDITAL.
6.5
As propostas apresentadas serão analisadas pelo Pregoeiro e Equipe de
Apoio, sendo desclassificadas aquelas que não atenderem integralmente a
esse Termo de Referência e anexos desse edital.
6.6
Após o encerramento da etapa de lances da sessão pública, o Pregoeiro
poderá encaminhar, pelo sistema eletrônico, contraproposta à LICITANTE
que tenha apresentado lance mais vantajoso, para que seja obtida melhor
proposta, observado o critério de julgamento, não se admitindo negociar
condições diferentes daquelas previstas no Edital.
6.7
A negociação será realizada por meio do sistema, podendo ser
acompanhada pelas demais LICITANTES.
6.8
Encerrada a etapa de lances, o Pregoeiro examinará a proposta
classificada em primeiro lugar quanto à compatibilidade do preço em
relação ao estimado para a contratação e sua exeqüibilidade, a habilitação
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
da LICITANTE e o atendimento de todas as exigências conforme
disposições do Edital.
6.9
Constatado o atendimento às exigências fixadas no Edital, a LICITANTE
será declarada vencedora do grupo.
6.10
Se a proposta vencedora não for aceitável, ou se a LICITANTE desatender
às exigências habilitatórias, ou ainda se não ocorrer atendimento de todas
as exigências do Edital, o Pregoeiro examinará a proposta subseqüente e,
assim sucessivamente, na ordem de classificação, até a apuração da
proposta que atenda a todas as exigências do Edital.
6.11
Ocorrendo à situação a que se refere o subitem anterior, o Pregoeiro
poderá negociar com a LICITANTE para que seja obtido preço melhor.
6.12
Após o encerramento da sessão da etapa de lances a(s) LICITANTE(s)
detentora(s) da(s) melhor(es) oferta(s) deverá(ao) encaminhar,
impreterivelmente no prazo máximo de 2 (duas) horas, por meio do campo
“Anexo da Proposta”, ou caso haja algum problema pelo fax nº (61) 34152783 ou pelo e-mail institucional: [email protected], a proposta de
preços contendo: razão social, endereço, telefone/fax, número do
CNPJ/MF, dados bancários (como: banco, agência, número da contacorrente e praça de pagamento), prazo de validade de no mínimo 60
(sessenta) dias a contar da data da abertura da sessão deste Pregão, e
conter as especificações do objeto de forma clara, atualizada com lance
final ofertado.
H
H
6.13
A proposta de preços descrita no subitem anterior deverá ser redigida em
língua portuguesa, digitada, em uma via, sem emendas, rasuras,
entrelinhas ou ressalvas, devendo a última folha ser assinada e as demais
rubricadas pelo representante legal da LICITANTE, nos termos do Modelo
da Proposta Comercial, anexa ao Edital.
6.14
A LICITANTE detentora da melhor oferta deverá comprovar, no prazo
máximo de 01 (uma) hora, sua condição de habilitação, na forma do que
determina o Edital, podendo esta comprovação se dar por meio do fax nº
(61) 3415-2783 ou pelo email institucional: [email protected] no
que couber, por meio de consulta ao SICAF, conforme o caso.
H
H
6.15
Os originais dos documentos relativos às propostas e à habilitação
deverão ser encaminhados no prazo determinado no Edital, a contar da
solicitação do Pregoeiro no sistema eletrônico.
6.16
No julgamento da proposta de preços e habilitação, o Pregoeiro poderá
sanar erros ou falhas que não alterem a substância dos documentos e sua
validade jurídica, mediante despacho fundamentado, registrado em ata e
acessível a todos, atribuindo-lhes a eficácia para fins de habilitação e
classificação.
6.17
Ao final da sessão pública do Pregão divulgar-se-á ata no sistema
eletrônico, na qual constará a indicação do lance vencedor, a classificação
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
dos lances apresentados e demais informações relativas ao certame
licitatório, sem prejuízo das demais formas de publicidade previstas na
legislação pertinente.
7
REGIME DE EXECUÇÃO
7.1
238B
O objeto será fornecido mediante a forma de execução indireta, sob regime
de EMPREITADA POR PREÇO GLOBAL, nos termos da Lei nº 8.666/93.
8
239B
VIGÊNCIA
8.1
240B
O prazo de vigência da Ata de Registro de Preços será de 01 ano, a contar
da data de sua assinatura.
8.2
241B
8.3
A existência de preços registrados não obriga a TELEBRÁS a firmar
contratações que deles poderão advir, facultando-se a realização
licitação específica para o objeto pretendido, sendo assegurada
detentor do registro a preferência no fornecimento dos equipamentos e
execução dos serviços em igualdade de condições.
24B
as
de
ao
na
O prazo de vigência dos contratos, que poderão ser celebrados a partir da
adesão a ata em questão, será de 42 (quarenta e dois) meses, a contar da
data de sua assinatura.
243B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
9
9.1
9.2
CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO
24B
Poderão participar deste certame empresas interessadas que atenderem a
todas as exigências constantes do Edital.
245B
NÃO PODERÃO participar da licitação:
246B
9.2.1
Empresas que estejam com o direito de licitar e contratar suspensos com a
União, bem como com a Telebrás, conforme o art. 7º da Lei 10.520/2002;
9.2.2
70B
Empresas que tenham sido declaradas Inidôneas por órgão da
Administração Pública.
9.2.3
708B
Empresas que se encontrem sob o regime falimentar;
9.2.4
709B
Empresas estrangeiras que não funcionem no País;
9.2.5
710B
9.3
Sociedades cooperativas.
712B
A declaração falsa relativa ao cumprimento dos requisitos de habilitação e
à proposta sujeitará o LICITANTE às sanções previstas no Edital.
247B
9.4
9.4.1
9.4.2
Caso a LICITANTE participe por meio de consórcio, as seguintes regras
deverão ser observadas, sem prejuízo de outras existentes no restante do
Edital:
248B
Cada consorciado deverá atender individualmente as exigências relativas à
regularidade jurídica, fiscal e econômico-financeira contidas no Edital;
713B
As exigências de qualificação técnica deverão ser atendidas pelo
consórcio, por intermédio de qualquer dos consorciados isoladamente,
admitida a soma das qualificações técnicas apresentadas pelos
consorciados. Não será aceito atestado emitido de um consorciado para
outro integrante do mesmo consórcio.
714B
9.4.3
9.4.4
O não atendimento das normas previstas no Edital por qualquer
consorciado acarretará a automática desclassificação ou inabilitação do
consórcio;
715B
Não há limite de número de empresas para constituição do consórcio;
716B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
9.4.5
A LICITANTE que participar desta licitação em consórcio, não poderá
participar também de forma isolada ou como membro de mais de um
consórcio.
71B
9.4.6
Só poderão participar do certame, consórcios cuja liderança seja exercida
por empresa brasileira, quando em consórcio formado por empresas
brasileiras e estrangeiras.
718B
9.4.7
É obrigatória a constituição do consórcio e o seu registro para participar da
licitação através de comprovação do compromisso público ou particular de
constituição de consórcio, subscrito pelos consorciados.
719B
9.4.8
As empresas consorciadas responderão solidariamente pelos atos
praticados pelo consórcio que constituírem, desde a fase da licitação, até o
final da execução do contrato.
720B
9.5
9.6
Excepcionalmente, será admitida a subcontratação de serviços acessórios
e complementares. No entanto, a CONTRATADA será a única e exclusiva
responsável pela execução do objeto, não tendo a SUBCONTRATADA
qualquer vínculo com a TELEBRÁS.
721B
Será admitido o faturamento diretamente do valor correspondente à
subcontratação apenas para as subcontratadas que sejam micro ou
empresas de pequeno porte, conforme preceitua a Lei Complementar nº
123/2002, sendo vedado o faturamento de subcontratadas nos demais
casos.
10
10.1
10.2
10.3
HABILITAÇÃO
249B
Para aferir a habilitação (jurídica, fiscal, econômico-financeira e técnica)
dos LICITANTES observar-se-á as determinações contidas na legislação
vigente, em especial na Lei 8.666/93, destacando-se o seguinte:
72B
A LICITANTE já regularmente cadastrada e habilitada parcialmente no
Sistema de Cadastramento Unificado de Fornecedores – SICAF - ficará
dispensada de apresentar os documentos nele contemplados, observando,
ainda, as determinações contidas na INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5, de
21.07.1995.
723B
A LICITANTE que optar pela habilitação por meio do SICAF, registro
cadastral oficial do Poder Executivo Federal, nos termos da INSTRUÇÃO
NORMATIVA nº 5, de 21.07.1995, do extinto Ministério de Administração e
Reforma do Estado – MARE e Decreto nº 3.722, 09.01.2001 e atualizações
posteriores, deverá atender às seguintes exigências:
724B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
10.3.1
Apresentar, no SICAF, todos os índices relativos à situação financeira;
725B
10.3.2
As LICITANTES que apresentarem, no SICAF, qualquer dos índices
relativos à boa situação financeira igual ou menor que 1,0 (um) deverão
comprovar possuir capital social ou patrimônio líquido de, no mínimo, 10%
(dez por cento) do valor estimado para a contratação do grupo, objeto da
disputa, devendo a comprovação ser feita relativamente à data da
apresentação da proposta, na forma da lei, devendo ser feita a atualização
para essa data por meio índices oficiais. A comprovação será feita
mediante apresentação do balanço patrimonial e demonstrações contábeis
do último exercício social, já exigíveis e apresentados na forma da
legislação em vigor;
726B
10.3.3
A condição do item 10.3.2 é aplicável apenas para as empresas que não
possuam índice superior a 1. Não obstante, será exigida da LICITANTE
detentora da melhor oferta, a comprovação de possuir capital social ou
patrimônio líquido de no mínimo 1% (um por cento) do valor por ela
proposto para o grupo objeto da disputa.
72B
10.3.4
No caso de participação em consórcio a exigência de que trata o item
10.3.3 aplicar-se-á, única e exclusivamente, à empresa-líder.
728B
10.3.5
10.3.6
A comprovação da HABILITAÇÃO JURÍDICA, da REGULARIDADE
FISCAL e da QUALIFICAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA se fará
mediante consulta on-line ao SICAF, depois de encerrada a etapa de
lances;
729B
Os interessados em participar da presente licitação, que não estejam
habilitados parcialmente no SICAF, poderão habilitar-se em qualquer
“Unidade Cadastradora” do Sistema. A relação das unidades
cadastradoras poderá ser obtida, via internet, no endereço
http://www.comprasnet.gov.br;
730B
UH
10.4
Qualificação econômico-financeira
731B
10.4.1
Certidão negativa de pedido de falência, concordata ou recuperação
judicial, expedida pelo distribuidor da sede do LICITANTE que esteja
dentro do prazo de validade expresso na própria certidão. Caso as
certidões sejam apresentadas sem indicação do prazo de validade, serão
consideradas válidas, para este certame, aquelas emitidas há no máximo
90 (noventa) dias da data estipulada para a abertura da sessão;
732B
10.5
10.5.1
UH
Documentos Complementares
73B
As LICITANTES
complementares:
734B
deverão
apresentar
os
seguintes
documentos
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
10.5.1.1
Declaração de que não existe em seu quadro, funcionários menores de 18
(dezoito) anos efetuando trabalho noturno, perigoso ou insalubre ou ainda,
empregado com idade inferior a 16 (dezesseis) anos efetuando qualquer
trabalho, salvo na condição de aprendiz, a partir dos 14 (quatorze) anos
(via sistema Comprasnet);
10.5.1.2
735B
Apresentar declaração de inexistência de fato superveniente impeditivo a
sua habilitação no SICAF, que o impeça de participar de licitações (via
sistema Comprasnet);
10.5.1.3
736B
No caso de Microempresas-ME e Empresas de Pequeno Porte-EPP,
declaração de enquadramento nessas situações (via sistema Comprasnet);
10.5.1.4
73B
10.5.1.5
A não apresentação dos documentos exigidos no Edital implicará na
desclassificação ou na inabilitação da LICITANTE e a aplicação das
penalidades previstas no item 16 do Termo de Referência - Sanções
Administrativas;
738B
Aplicar-se-á à empresas na condição de microempresas ou empresas de
pequeno porte a legislação pertinente, notadamente a Lei Complementar
nº 123, de 14.12.2006 e do Decreto nº 6.204, de 05.09.2007.
739B
10.6
10.6.1
10.6.2
Relativos à qualificação técnica:
740B
Para os serviços de engenharia, as LICITANTES deverão apresentar
registro ou inscrição na entidade profissional competente, Conselho
Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia – CREA.
741B
Apresentar atestado(s) ou declaração(ões) de capacidade técnica (A.C.T),
expedido(s) por pessoa(s) jurídica(s) de direito público ou privado, que
comprove(m) que a LICITANTE tenha executado serviços ou fornecido
produtos compatíveis em características e quantidades com o objeto deste
Termo, em que conste referência às parcelas de maior relevância, assim
consideradas:
742B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
10.6.2.1
Fornecimento e instalação de no mínimo de 5 (cinco) contêineres com
aplicação padrão para telecomunicações.
10.6.2.2
Fornecimento e instalação de no mínimo de 10 (dez) gabinetes outdoor,
com aplicação padrão para telecomunicações.
10.6.2.3
Fornecimento e instalação de no mínimo de 10 (dez) infraestruturas
básicas para estações de telecomunicações, repetidoras ou terminais.
10.6.2.4
Os consorciados que desenvolvam serviços de engenharia, arquitetura e
agronomia, deverão apresentar registro ou inscrição na entidade
profissional competente, Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e
Agronomia – CREA .
10.6.2.5
Prestação de serviço de operação, monitoração e manutenção preventiva
e/ou corretiva de infraestrutura de estações de telecomunicações,
conforme descritos no ANEXO II deste Termo de Referência.
748B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
11
DOS PRAZOS DE FORNECIMENTO DOS EQUIPAMENTOS
E SERVIÇOS
250B
11.1
O fornecimento de equipamentos e serviços ocorrerá a partir de contratos
gerados da ata de registro de preços. A partir desse contrato serão
geradas Ordens de Serviço para a execução do objeto.
251B
11.2
Os prazos de fornecimento dos equipamentos e serviços se iniciarão a
partir da emissão de uma Ordem de Serviço (O.S.) pela CONTRATANTE.
A entrega e instalação dos itens deverão ser feitas parceladamente, de
acordo com o cronograma descrito a seguir.
25B
11.3
A CONTRATANTE criará tantas Ordens de Serviços quantas forem
necessárias para a execução do(s) contrato(s).
253B
11.4
As Ordens de Serviço serão divididas em tipos, visando realizar as
entregas de acordo com o andamento do cronograma.
254B
11.5
11.5.1
A seguir são apresentadas as possíveis Ordens de Serviço com os prazos
e cronograma de eventos:
25B
Ordem de Serviço de equipamento e instalação
256B
11.5.1.1
Esta Ordem de Serviço engloba a entrega dos Equipamentos com todas as
atividades descritas no serviço de instalação, de forma a disponibilizar
todas as funcionalidades descritas na respectiva especificação.
257B
11.5.1.2
Para formalizar a conclusão da instalação do equipamento e serviços a
CONTRATANTE emitirá o TERMO de RECEBIMENTO.
258B
11.5.1.3
Para formalizar a conclusão satisfatória da instalação do equipamento e
serviços do evento de homologação, a CONTRATANTE emitirá o TERMO
de ACEITAÇÃO DEFINITIVA.
259B
11.5.1.4
A homologação das estações acontecerá em lotes (quantidades) de
estações conforme definição da CONTRATANTE, tomando como base o
cronograma abaixo e ocorrerá em um período de até 90 dias, a contar da
emissão do TERMO de RECEBIMENTO.
260B
11.5.2
11.5.3
Cronograma
261B
Para toda e qualquer estação, ou conjunto de estações, o prazo de entrega
do Projeto Preliminar de Instalação - PPI será de até 15 dias, a contar da
emissão da ordem de serviço.
26B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
11.5.4
Quando da aquisição de contêineres ou gabinetes referentes aos itens
5.7.1 a 5.7.15, a CONTRATADA deverá realizar vistoria para elaboração
do Projeto Preliminar de Instalação – PPI e com as informações levantadas
em campo, deverá apresentar uma planilha preliminar, para aprovação da
CONTRATANTE, indicando quais itens da ata de registro de preços serão
necessários para a implantação da infraestrutura da estação adquirida.
11.5.5
263B
Anel Sudeste - A entrega dos equipamentos, instalados, configurados e em
funcionamento, conforme características descritas no ANEXO II, para os
59 PoPs, deverá seguir o cronograma abaixo:
11.5.5.1
264B
11.5.5.2
11.5.5.3
32 PoPs até 45 dias após a emissão da ordem de serviço,
265B
14 PoPs até 75 dias após a emissão da ordem de serviço,
26B
13 PoPs até 45 dias após a emissão da ordem de serviço.
267B
11.5.5.4
Os 13 PoPs do item 11.5.5.3 não ocorrerão em paralelo com os PoPs dos
itens 11.5.5.1 e 11.5.5.2.
11.5.6
Anel Sudeste - A entrega dos equipamentos, instalados, configurados e em
funcionamento, conforme características descritas no ANEXO II, para as
estações repetidoras e das estações terminais deverá seguir o cronograma
abaixo:
268B
11.5.6.1
269B
Para lotes de 1 a 50 estações (terminal ou repetidora): Todo o lote em até
30 dias após emissão da Ordem de Serviço.
11.5.7
270B
11.5.7.1
Anel Nordeste - A entrega dos equipamentos, instalados, configurados e
integrados à gerência, conforme características descritas no ANEXO II,
para os 73 PoPs, deverá seguir o cronograma abaixo:
271B
36 PoPs até 45 dias após a emissão da ordem de serviço,
27B
11.5.7.2
11.5.8
37 POPs até 75 dias após a emissão da ordem de serviço,
273B
Anel Nordeste - A entrega dos equipamentos, instalados, configurados e
em funcionamento, conforme características descritas no ANEXO II, para
as estações repetidoras e das estações terminais deverá seguir o
cronograma abaixo:
274B
11.5.9
Para lotes de 1 a 50 estações (terminal ou repetidora): Todo o lote em até
30 dias após emissão da Ordem de Serviço
11.5.10
275B
Anel Sul - A entrega dos equipamentos, instalados, configurados e em
funcionamento, conforme características descritas no ANEXO II, para os
32 PoPs, deverá seguir o cronograma abaixo:
276B
11.5.10.1 32 PoPs em até 45 dias após a emissão da Ordem de Serviço.
27B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
11.5.10.2 A entrega dos equipamentos do Anel Sul não acontecerá em paralelo com
os Anéis Sudeste e Nordeste.
278B
11.5.11
Anel Sul - A entrega dos equipamentos, instalados, configurados e em
funcionamento, conforme características descritas no ANEXO II, para as
estações repetidoras e das estações terminais deverá seguir o cronograma
abaixo:
11.5.12
279B
Para lotes de 1 a 50 estações (terminal ou repetidora): Todo o lote em até
30 dias após emissão da Ordem de Serviço
11.5.13
280B
Rede Norte - A entrega dos equipamentos, instalados, configurados e em
funcionamento, conforme características descritas no ANEXO II, para os
77 PoPs, deverá seguir o cronograma abaixo:
281B
11.5.13.1 38 PoPs: em até 45 dias após a emissão da Ordem de Serviço.
28B
11.5.13.2 39 PoPs: em até 75 dias após a emissão da Ordem de Serviço.
283B
11.5.13.3 A entrega dos equipamentos da Rede Norte não acontecerá em paralelo
com os Anéis Sudeste e Nordeste.
284B
11.5.14
Rede Norte - A entrega dos equipamentos, instalados, configurados e em
funcionamento, conforme características descritas no ANEXO II, para as
estações repetidoras e das estações terminais deverá seguir o cronograma
abaixo:
11.5.15
285B
Para lotes de 1 a 50 estações (terminal ou repetidora): Todo o lote em até
30 dias após emissão da Ordem de Serviço.
11.5.16
286B
Ordem de Serviço de Treinamento
287B
11.5.16.1 O prazo de entrega do Serviço de Treinamento será definido quando da
emissão da Ordem de Serviço, sendo que um período mínimo de 15 dias
será obedecido para fins de preparação da CONTRATADA.
28B
11.5.16.2 A CONTRATADA deverá apresentar em 5 (cinco) dias, após a assinatura
do contrato um Plano de Treinamento, com a indicação dos cursos com os
respectivos sumários, carga horária, informações de pré-requisitos para
aprovação da CONTRATANTE.
289B
11.5.16.3 Para formalizar a conclusão do evento de Entrega a CONTRATANTE
emitirá o TERMO de RECEBIMENTO
290B
11.5.17
Ordem de Serviço de Operação Inicial
291B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
11.5.17.1 Esta Ordem de Serviço engloba o serviço de operação inicial que consiste
em disponibilizar serviços de operação e manutenção, preventiva e
corretiva dos equipamentos contratados para as estações que irão compor
a rede nacional de telecomunicações.
29B
11.5.17.2 O serviço de operação inicial tem seu início ao final do Período de
Homologação que se dá com a emissão do TERMO de ACEITAÇÃO
DEFINITIVA. A entrega deste serviço será aferida mensalmente.
293B
11.5.17.3 Para formalizar a conclusão do evento de Entrega a CONTRATANTE
emitirá o TERMO de RECEBIMENTO.
294B
11.5.18
Cronograma
295B
Evento
Operação inicial
11.6
11.9
30
30
30
30
30
Total
30
180
As não conformidades identificadas e comunicadas no TERMO DE
RECEBIMENTO deverão ser corrigidas pela CONTRATADA, sem ônus
para a CONTRATANTE
296B
11.7
11.8
Prazo (dias corridos)
Excepcionalmente,
desde
que
devidamente
justificado
pela
CONTRATADA, na ocorrência de eventuais dificuldades em campo
quando da implantação dos equipamentos e serviços, ficará a critério da
TELEBRÁS a possível ampliação dos prazos das entregas dos
equipamentos e execução dos serviços em até 50% daqueles informados
neste Termo de Referência.
297B
Para fins de entrega, a CONTRATANTE poderá especificar qualquer ponto
do território nacional para entrega do equipamento, correndo o custo de
transporte, frete, seguros, despesas tributárias e quaisquer outros ônus
referentes a essa entrega ao CONTRATADO.
298B
A CONTRATANTE poderá, segundo sua conveniência, solicitar a
suspensão da contagem do prazo de entrega em virtude de atrasos na
preparação dos pontos onde serão instalados os equipamentos.
29B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
11.10
A data e hora de entrega deverão ser agendadas com antecedência de 10
dias úteis de forma que haja tempo hábil para planejamento das ações
referentes à fiscalização da entrega do objeto.
11.11
30B
A CONTRATADA deverá apresentar documentação sobre os itens
ofertados em nível de detalhe, que comprove as características e recursos
técnicos dos mesmos, conforme exigido no Edital e Termo de Referência.
11.12
301B
A referida documentação deverá conter descrição integral dos itens
ofertados, incluindo catálogos dos modelos ofertados de todos os
componentes.
11.13
302B
Os itens deverão ser fornecidos com todas as documentações, manuais,
cabos (incluindo fibras ópticas), conectores, adaptadores, acessórios,
drivers e demais softwares necessários para a instalação e funcionamento
dos itens.
11.14
30B
Todos os softwares necessários deverão ser fornecidos em CD ou DVD e
devidamente licenciados.
11.15
304B
A documentação técnica completa original de todos os componentes de
hardware/software fornecidos que visem à instalação, configuração e
operação dos itens, deverá ser fornecida em CD ou DVD.
11.16
305B
11.17
Os equipamentos/materiais fornecidos devem ser novos e sem uso, sendo
de linha normal de produção do fabricante.
306B
No caso de licenças de software, as mesmas deverão ser fornecidas em
sua versão mais atual homologada pelo fabricante.
307B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
12
DA AMOSTRA
308B
12.1
As características definidas nas Especificações Técnicas poderão ser
comprovadas pelas LICITANTES DETENTORAS DOS MENORES
PREÇOS, na fase de aceitação das propostas, por meio de dois
instrumentos:
309B
12.1.1
Comprovação por escrito da LICITANTE de que os equipamentos e
softwares ofertados atendem aos requisitos especificados nesse termo, ou,
no caso em que esse Termo expressamente admitir a entrega futura de
funcionalidades, compromisso do fabricante com a entrega no prazo aqui
estipulado.
12.1.2
Apresentação de amostra cuja avaliação compreenderá testes em
laboratório ou diligências, realizadas a critério da TELEBRÁS, podendo
esses testes serem efetuados em todos ou em determinados itens do
grupo.
310B
31B
12.2
A LICITANTE ofertante do melhor lance, no prazo de até 5 (cinco) dias
úteis, a contar da convocação, a critério da TELEBRÁS, deverá
disponibilizar uma amostra da solução, objeto desta contratação.
312B
12.3
A avaliação da amostra visa a aferição da real capacidade técnica dos
equipamentos ofertados pela LICITANTE. Tal medida busca comprovar
tecnicamente se os equipamentos de fato atendem aos requisitos das
Especificações Técnicas. O laboratório onde se realizará a avaliação da
amostra deve simular a operação real do equipamento dentro de arranjo
análogo ao proposto para rede.
12.4
A amostra deverá ser disponibilizada em local a ser definido pela
TELEBRÁS, ou alternativamente, a LICITANTE poderá sugerir um local,
que atenda todos os requisitos aqui descritos e submeter a proposição à
aprovação da TELEBRÁS, permitindo o livre acesso aos demais
interessados que queiram assistir aos procedimentos de teste.
12.5
Todas as despesas decorrentes do processo de avaliação da amostra são
de responsabilidade da LICITANTE ofertante do melhor lance. Entretanto,
os custos relativos ao deslocamento e estadia da equipe técnica designada
serão de responsabilidade da TELEBRÁS.
12.6
31B
314B
315B
Caberá à LICITANTE, prover todos os recursos necessários para a
realização dos testes, incluindo: amostras dos equipamentos propostos, na
quantidade necessária para simular sua operação dentro da arquitetura
desenhada para a rede do PNBL e pessoal qualificado para instalar toda a
infraestrutura necessária e apoiar a equipe designada pela TELEBRÁS
para acompanhar os testes.
316B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
12.7
12.8
Sobre a amostra, serão aplicados todos os testes e procedimentos
pertinentes, visando a verificar o atendimento às especificações técnicas
exigidas.
317B
Antes do início da realização dos testes, a LICITANTE deverá detalhar sua
sugestão de Protocolo de Testes num prazo máximo de 72 (setenta e
duas) horas contado a partir da solicitação da TELEBRÁS para a
realização de testes. Este Protocolo deverá conter todos os detalhes dos
testes para validação dos parâmetros contidos nesta Especificação
Técnica, bem como os procedimentos de execução a serem seguidos.
318B
12.9
Este protocolo de testes será analisado pela equipe técnica da
TELEBRÁS, podendo ser modificado ou adequado para melhor avaliar as
especificações técnicas aqui contidas.
12.10
319B
A TELEBRÁS emitirá, no prazo de até 15 (quinze) dias após a entrega da
amostra, o TERMO DE AVALIAÇÃO DE AMOSTRA. Este Termo informará
se a amostra está ou não de acordo com as especificações técnicas
exigidas.
12.11
320B
12.12
Caso o TERMO DE AVALIAÇÃO DE AMOSTRA indique a sua total
conformidade às especificações técnicas exigidas, a mesma será
considerada homologada e a proposta aceita.
321B
Caso o TERMO DE AVALIAÇÃO DE AMOSTRA indique a sua não
conformidade às especificações técnicas exigidas, as não conformidades
serão nele listadas e a LICITANTE ofertante do melhor lance poderá ter, a
critério da TELEBRÁS, o prazo de 3 (três) dias úteis, não prorrogáveis, a
contar da data de emissão do Termo, para proceder aos ajustes
necessários na amostra.
32B
12.13
A Equipe Técnica da TELEBRÁS emitirá, no prazo de até 10 (dez) dias
após a entrega da amostra ajustada, novo TERMO DE AVALIAÇÃO DE
AMOSTRA, que informará se o equipamento ajustado, que passará a ser
considerado a nova amostra, está ou não de acordo com as especificações
técnicas exigidas.
32B
12.14
12.15
Caso o novo TERMO DE AVALIAÇÃO DE AMOSTRA indique a total
conformidade da amostra ajustada às especificações técnicas exigidas, a
mesma será considerada homologada e a proposta aceita.
324B
Caso o novo TERMO DE AVALIAÇÃO DE AMOSTRA indique a não
conformidade da amostra ajustada às especificações técnicas exigidas, a
detentora do melhor lance será desclassificado do processo licitatório.
325B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
12.16
Se a LICITANTE comprovar a impossibilidade de apresentar a amostra da
solução, com o(s) equipamento(s) proposto(s) no prazo definido
anteriormente será desclassificado do processo licitatório.
326B
12.17
No caso de eliminação do processo licitatório, a LICITANTE terá o prazo
de até 30 (trinta) dias para retirar a amostra das instalações da
TELEBRÁS, em caso aplicável.
12.18
Poderão implicar na desqualificação da LICITANTE: atendimento parcial
ou não atendimento aos requisitos funcionais e de desempenho mínimos
exigidos; inoperância, funcionamento irregular ou parcial de qualquer
funcionalidade nos testes de laboratório; características de funcionamento
que possam implicar em riscos à continuidade operacional da solução ou
ao atendimento das metas do Plano Nacional de Banda Larga e da
TELEBRÁS.
12.19
12.20
327B
A adjudicação do vencedor da licitação está condicionada à aprovação da
amostra pela TELEBRÁS.
32
No tocante às amostras, caso sejam apresentados pela Licitante detentora
da melhor oferta, laudo expedido por empresas, institutos, laboratórios e
outras entidades de origem nacional ou internacional, de reconhecida
idoneidade, a TELEBRÁS, a seu critério, poderá prescindir da análise de
amostras, sendo-lhe, facultado, todavia, testar os equipamentos.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
13
FORMA DE PAGAMENTO
13.1
30B
O pagamento será efetuado após a confirmação de que os itens
contratados foram efetivamente fornecidos, respeitando os termos
definidos no item 5 deste Termo e nos anexos I e II , e em conformidade
com a nota fiscal e fatura emitidas pela CONTRATADA, devidamente
atestadas pelo gestor do contrato designado pela CONTRATANTE.
31B
X
13.2
No caso de constar mais de uma unidade em uma mesma ordem de
serviço, admitir-se-á o faturamento por unidade concluída.
32B
13.3
13.4
As faturas serão atestadas em até 15 (quinze) dias contados a partir da
data de entrega na CONTRATANTE.
3B
Os pagamentos serão efetuados pela CONTRATANTE, em até 15 (quinze)
dias contados a partir do atesto da Nota Fiscal pelo Fiscal do Contrato.
34B
13.5
13.6
X
Somente serão pagos os quantitativos efetivamente confirmados pelo
Fiscal do Contrato.
35B
A CONTRATANTE não efetuará o pagamento se os serviços executados e
produtos adquiridos não estiverem de acordo com as especificações
apresentadas neste termo de referência e em perfeitas condições de
funcionamento.
36B
13.7
A CONTRATANTE poderá deduzir da importância a pagar os valores
correspondentes a multas ou indenizações devidas pela CONTRATADA.
37B
13.8
Nenhum pagamento será efetuado à CONTRATADA enquanto pendente
de liquidação qualquer obrigação financeira, sem que isso gere direito a
reajustamento de preços ou correção monetária.
13.9
Os pagamentos serão efetuados conforme descrição abaixo e com base
na confirmação, por parte da CONTRATANTE, da realização dos eventos
vinculados.
13.9.1
13.9.1.1
13.9.1.2
38B
39B
Ordens de serviço de Equipamentos e Serviços.
340B
70% na conclusão da instalação do equipamento e serviços mediante o
TERMO de RECEBIMENTO.
341B
30% na Homologação, mediante TERMO de ACEITAÇÃO DEFINITIVA.
342B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
13.9.2
13.9.2.1
Ordem de Serviço de Serviços de Treinamento
34B
100% na Entrega do ITEM, mediante TERMO de RECEBIMENTO.
34B
13.9.3
Ordem de Serviço do Serviço de Operação Inicial
345B
13.9.3.1
13.10
13.14
1/6 do valor a cada mês de prestação do serviço, mediante TERMO DE
RECEBIMENTO.
346B
Observando o que estabelece a legislação vigente, por ocasião do
pagamento, a CONTRATANTE, na condição de substituta tributária,
efetuará a retenção na fonte dos tributos devidos, tomando por base o
valor total da respectiva nota fiscal.
347B
Nenhum pagamento será realizado pela CONTRATANTE sem que antes
seja procedida prévia e necessária consulta ao Sistema de Cadastramento
de Fornecedores – SICAF, para comprovação da regularidade da
CONTRATADA, bem como do recolhimento das contribuições sociais
(FGTS e Previdência Social).
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
14
DA GARANTIA DE EXECUÇÃO DO CONTRATO
348B
14.1
A CONTRATADA se obriga a manter durante o período de garantia e
assistência técnica dos equipamentos, garantia do fiel cumprimento das
obrigações contratuais, correspondente a 5% do valor global do contrato.
349B
14.2
A CONTRATADA poderá optar por uma das seguintes modalidades de
garantia:
350B
14.2.1
Caução em dinheiro;
351B
14.2.2
Seguro Garantia;
352B
14.2.3
Fiança Bancária.
35B
14.3
Em caso de fiança bancária, deverão constar no instrumento, os seguintes
requisitos:
354B
14.3.1
Prazo de validade correspondente ao período de vigência do contrato;
35B
14.3.2
Expressa afirmação do fiador de que, como devedor solidário e principal
pagador, fará o pagamento a CONTRATANTE, independentemente de
interpelação judicial, caso o afiançado não cumpra suas obrigações;
356B
14.3.3
Expressa renúncia do fiador ao benefício de ordem e aos direitos previstos
nos artigos 827 e 838 do Código Civil; e
357B
14.3.4
Cláusula que assegure a atualização do valor afiançado.
358B
14.4
Não será aceita fiança bancária que não atenda aos requisitos
estabelecidos no item anterior do Edital.
359B
14.5
Em se tratando de seguro-garantia, a apólice deverá indicar:
360B
14.6
A CONTRATANTE como beneficiário; e que o seguro garante o fiel
cumprimento das obrigações assumidas pela contratada, no instrumento
contratual, inclusive as de natureza trabalhista e/ou previdenciária, até o
valor da garantia fixado na apólice; não será aceita apólice que contenha
cláusulas contrárias aos interesses da CONTRATANTE.
14.7
361B
14.8
O valor da garantia será atualizado sempre que houver alteração no valor
contratual, obrigando-se a CONTRATADA a tomar todas as providências,
às suas exclusivas expensas, para assegurar o cumprimento desta
obrigação, tempestivamente.
362B
Sem prejuízo das demais hipóteses previstas no contrato e na
regulamentação vigente, a Garantia de Execução do Contrato poderá ser
utilizada nos seguintes casos:
36B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
14.9
- Quando a CONTRATADA não executar as obrigações previstas, ou ainda
quando as executar em desconformidade com o estabelecido;
364B
14.10
Quando a CONTRATADA não proceder ao pagamento das multas que lhe
forem aplicadas, na forma do contrato e de regulamentos da
CONTRATANTE;
365B
14.11
Quando a União ou entidade de sua administração direta ou indireta vier a
ser responsabilizada em razão da ação ou omissão da CONTRATADA.
36B
14.12
Utilizada a Garantia de Execução do Contrato, a CONTRATADA obriga-se
a integralizá-lo no prazo de 5 (cinco) dias úteis contando da data em que
for notificada formalmente pela CONTRATANTE.
367B
14.13
A garantia será liberada no prazo de até 30 (trinta) dias, após o perfeito
cumprimento do contrato, e, quando em dinheiro, atualizada
monetariamente pela variação do índice que remunere a Caderneta de
Poupança, no período compreendido entre a data da retenção e a da
restituição, adotando-se o critério “pró-rata temporis” para as atualizações
nos sub-períodos inferiores a 30 (trinta) dias.
15
368B
DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA
15.1
369B
Manter, durante a vigência da Ata de Registro de Preços e durante toda a
execução do Contrato, todas as condições estabelecidas no EDITAL e em
seus
ANEXOS,
comprovando,
sempre
que
solicitado
pela
CONTRATANTE, a sua regularidade perante a Secretaria da Receita
Federal, o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, a Seguridade Social
(CND-INSS), e assim como em relação às demais exigências contratuais;
370B
Depositar a Garantia de Execução Contratual de acordo com o Item – Da
garantia de execução do Contrato.
15.2
371B
15.3
Fornecer documentação comprobatória de que os equipamentos possuem
garantia do fabricante de 36 (trinta e seis) meses;
372B
Providenciar, quando couber, a Anotação de Responsabilidade Técnica –
ART nos termos da lei 6.496/77;
15.4
15.5
37B
Garantir o fornecimento de todos os itens propostos durante o prazo da
validade da Ata de Registro de Preços, bem como do prazo de vigência
dos contratos advindos das adesões à Ata de Registro de Preços;
374B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
15.6
Entregar, instalar, integrar e testar os equipamentos adquiridos com
qualidade, eficiência, presteza e pontualidade, em conformidade com os
termos e prazos estabelecidos.
15.7
375B
15.8
Aceitar, a critério do CONTRATANTE, no todo ou em parte, a rejeição de
equipamentos entregue em desacordo com o Edital e este Termo ou com a
proposta vencedora.
376B
Reparar, corrigir, ou substituir, às suas expensas, no todo ou em parte, o
objeto em que se verificarem defeitos de fabricação ou que simplesmente
não funcionem a contento, assim como substituir equipamentos e sistemas
que, durante a vigência da garantia, comprovadamente não se mostrarem
capazes de cumprir os padrões de desempenho, níveis de serviço,
padrões de qualidade e funcionalidades estabelecidas por este termo
dentro das condições reais de operação da rede.
37B
15.9
Responsabilizar-se pelo perfeito cumprimento do objeto do contrato, arcar
com os eventuais prejuízos causados à CONTRATANTE ou a terceiros,
provocados por ineficiência ou irregularidade cometida por seus
empregados ou prepostos envolvidos na execução dos serviços,
respondendo integralmente pelo ônus decorrente de sua culpa ou dolo na
entrega dos serviços, o que não exclui nem diminui a responsabilidade
pelos danos que se constatarem, independentemente do controle e
fiscalização exercidos pelo CONTRATANTE.
15.10
378B
15.11
Comunicar à CONTRATANTE, por escrito, quaisquer anormalidades, que
ponham em risco o êxito e o cumprimento dos prazos de execução dos
serviços, propondo as ações corretivas necessárias.
379B
Prover mão-de-obra especializada, qualificada e em quantidade suficiente
à perfeita prestação dos serviços.
380B
15.12
Cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e saúde do trabalho,
previstas na legislação pertinente.
15.13
381B
15.14
Cumprir as condições de garantia, assistência técnica e suporte do objeto
contratual de acordo com o Termo de referência e seus anexos.
382B
Prestar assistência técnica, durante a vigência dos contratos, capaz de
atender em todo território nacional prestando, no mínimo, o serviço de
atendimento telefônico gratuito (0800), com atendimento em língua
portuguesa, e suporte remoto via Web, ambos em regime de 7 (sete) dias
por semana, 24 (vinte e quatro) horas por dia. Esse serviço poderá ser
usado para abrir solicitações de informações, reportar incidentes ou
esclarecer dúvidas quanto à utilização dos produtos e soluções fornecidos.
38B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
15.15
Fornecer as devidas notas fiscais/faturas, nos termos da lei e cumprir
todas as obrigações fiscais decorrentes da execução do Contrato,
responsabilizando-se por quaisquer infrações fiscais daí advindas, desde
que a infração fiscal tenha resultado de obrigação da CONTRATADA.
15.16
384B
Manter todas as condições de habilitação jurídica, fiscal, trabalhista e
qualificação técnica, que ensejaram a sua contratação, devidamente
atualizadas, durante toda a vigência do contrato, sob pena de retenção dos
valores, até sua regularização, sem ônus para o CONTRATANTE, bem
como a aplicação das demais penalidades.
15.17
385B
Entregar
as
documentações
eventualmente
solicitadas
pelo
CONTRATANTE no prazo de 5 (cinco) dias úteis, sob pena de retenção de
pagamentos.
15.18
386B
Prestar esclarecimentos à CONTRATANTE sempre que necessário.
15.19
387B
Fornecer à CONTRATANTE relatório detalhado, através de consulta em
página WEB pelo prazo de vigência do contrato, com a facilidade de
download das informações mínimas descritas no ANEXO II.
15.20
38B
Assumir total responsabilidade pelo sigilo das informações e dados,
contidos em quaisquer mídias e documentos, que seus empregados ou
prepostos vierem a obter em função dos serviços prestados à
CONTRATANTE, respondendo pelos danos que venham a ocorrer.
15.21
389B
15.22
Contratar todos os seguros a que estiver obrigada pelas leis brasileiras, em
qualquer tempo, sem ônus para a CONTRATANTE.
390B
Fornecer à CONTRATANTE, os manuais dos equipamentos, objeto do
Contrato, em português.
391B
15.23
Repassar todo o conhecimento adquirido ou produzido na execução dos
serviços para os técnicos da CONTRATANTE.
15.24
392B
Garantir a execução dos serviços sem interrupção, substituindo, caso
necessário, sem ônus para a CONTRATANTE, qualquer profissional por
outro de mesma qualificação ou superior em até 5 dias úteis.
15.25
39B
15.26
Manter seus empregados, quando nas dependências da CONTRATANTE
ou de suas parceiras, nos locais da prestação dos serviços (estações),
devidamente identificados com crachá subscrito pela CONTRATADA, no
qual constará, no mínimo, sua razão social, nome completo do empregado
e sua fotografia.
394B
Responsabilizar-se por quaisquer acréscimos ou ônus adicionais
decorrentes de falha ou omissão no projeto técnico, quando de sua autoria,
conforme especificações técnicas descritas no ANEXO I e no ANEXO II.
395B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
15.27
Informar ao responsável da CONTRATANTE, antes do efetivo envio dos
equipamentos e materiais, o local de entrega, o volume e a data prevista
para a chegada.
15.28
396B
Enviar uma cópia da Nota Fiscal, imediatamente após sua emissão, aos
responsáveis pela execução das atividades de controle fiscal da
CONTRATANTE.
15.29
397B
Fornecer os respectivos Certificados de Registro homologados junto à
ANATEL para os produtos que compõem a solução ofertada. Para
referência, a CONTRATADA deverá informar-se sobre as premissas de
certificação via INTERNET, através da web site www.anatel.gov.br.
398B
HU
15.30
Afixar nos equipamentos e produtos passíveis de Certificação, quando da
entrega, as plaquetas de identificação com o código de Certificação
ANATEL, bem como informar a CONTRATANTE quais são estes
produtos/equipamentos. O não cumprimento desta exigência obriga a
CONTRATADA, em qualquer época, a assumir toda a responsabilidade
pelas penalidades cabíveis, inclusive, a produção e afixação das plaquetas
nos respectivos produtos/equipamentos.
39B
15.31
15.32
UH
Fornecer à CONTRATANTE, bens novos, de manufatura recente, de
primeira qualidade e de tecnologia de vanguarda, não só no que se refere
à matéria-prima utilizada para sua fabricação, mas, também, no que tange
a design e técnica empregada e deve apresentar declaração do respectivo
fabricante. Consideram-se novos, para os efeitos deste dispositivo, os
bens que forem submetidos ao seu primeiro uso e não tenham sofrido
reparo e/ou reconstrução, ou não tenham sido instalados anteriormente,
ainda que como teste.
40B
Garantir o fornecimento dos sobressalentes necessários, por um período
de 10 (dez) anos, ao preço máximo registrado em Ata de Registro de
Preços, ressalvada a possibilidade de correção cambial, tecnológica e
atualização monetária. No caso de não dispor de sobressalente para o
bem correspondente, deverá indicar um sobressalente equivalente, com a
garantia da qualidade e da funcionalidade dos bens adquiridos. A
obrigação de reposição em comento será válida pelo período mínimo de 10
(dez) anos contados da data de entrega de cada um dos equipamentos.
401B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
15.33
Remover quaisquer sobras e restos de materiais, às suas custas, dos
locais de instalação, restituindo as dependências à CONTRATANTE, ao
final dos serviços, conforme lhes foram entregues, respeitando a ecologia
e cumprindo as exigências dos órgãos de controle ambiental,
responsabilizando-se ainda por quaisquer danos causados em decorrência
do transporte ou dos serviços. Caso não cumprido o estabelecido, a
CONTRATADA será devidamente notificada e a CONTRATANTE poderá
proceder à retenção do valor, referente à próxima parcela de pagamento,
até a devida regularização.
15.34
402B
Reparar, exclusivamente às suas custas, todos os defeitos, erros, falhas,
omissões e quaisquer irregularidades verificadas no fornecimento dos
produtos e na execução dos serviços, bem como responsabilizar-se por
qualquer dano ou prejuízo daí decorrente.
15.35
403B
Manter as dependências da CONTRATANTE e de suas parceiras,
utilizadas durante a execução dos serviços, em perfeitas condições de
conservação e limpeza.
15.36
40B
Aceitar as determinações da CONTRATANTE, efetuadas por escrito, para
a substituição imediata dos empregados cuja atuação, permanência ou
comportamnto forem, a seu critério, considerados prejudiciais e
inconvenientes à execução dos serviços.
15.37
405B
Responder pelo cumprimento dos postulados legais, cíveis, trabalhistas e
tributários vigentes no âmbito federal, estadual ou do Distrito Federal.
15.38
406B
Prestar as informações e esclarecimentos relativos ao objeto desta
contratação que venham a ser solicitados pelos agentes designados pela
CONTRATADA.
15.39
407B
15.40
Não veicular publicidade ou qualquer informação quanto à prestação do
objeto desta contratação sem prévia autorização da CONTRATANTE.
408B
Aceitar, nas mesmas condições contratuais, os acréscimos e supressões
até o limite de 25% (vinte e cinco por cento) do valor atualizado do
contrato.
409B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
16
DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATANTE
410B
16.1
Fiscalizar o perfeito cumprimento do objeto e das demais cláusulas do
Edital e do Contrato.
41B
16.2
Comunicar a CONTRATADA, por escrito, sobre as possíveis
irregularidades observadas no decorrer da instalação dos produtos ou
quando do funcionamento irregular para a imediata adoção das
providências para sanar os problemas eventualmente ocorridos.
412B
16.3
Proporcionar as condições necessárias para que a CONTRATADA possa
cumprir o que estabelecem o Edital e o Contrato.
413B
16.4
Compor equipe técnica para realizar testes na amostra.
41B
16.5
Receber os equipamentos, acompanhar a instalação e testes.
415B
16.6
Atestar as notas fiscais/faturas desde que tenham sido entregues como
determina este contrato, verificar os relatórios apresentados, encaminhar
as notas fiscais e/ou faturas, devidamente atestadas, para pagamento no
prazo determinado.
416B
16.7
Comunicar a CONTRATADA para que seja efetuada a substituição de
empregado que, por qualquer motivo, não esteja correspondendo às
expectativas.
16.8
417B
16.9
16.10
Notificar a CONTRATADA, por escrito, sobre as imperfeições, falhas,
defeitos, mau funcionamento e demais irregularidades constatadas na
execução dos procedimentos previstos no presente Edital e no Contrato ou
nos equipamentos fornecidos pela mesma, inclusive nos serviços de
assistência técnica, a fim de serem tomadas as providências cabíveis para
correção do que for notificado.
418B
Permitir a entrada dos funcionários da CONTRATADA, desde que
devidamente identificados, garantindo o pleno acesso aos equipamentos,
bem como fornecendo todos os meios necessários à execução dos
serviços.
419B
Efetuar os pagamentos, no prazo e nas condições indicadas neste
instrumento, dos produtos e serviços que estiverem de acordo com as
especificações, comunicando à CONTRATADA quaisquer irregularidades
ou problemas que possam inviabilizar os pagamentos.
420B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
16.11
Respeitar os direitos de propriedade intelectual relativo ao uso, proteção e
segurança dos programas, notificando a CONTRATADA de eventuais
violações.
421B
16.12
Prestar as informações e esclarecimentos relativos ao objeto desta
contratação que venham a ser solicitados pelo preposto da
CONTRATADA.
42B
16.13
Dirimir, por intermédio do fiscal do Contrato, as dúvidas que surgirem no
curso da prestação dos serviços.
423B
17
SANÇÕES ADMINISTRATIVAS
42B
17.1
A LICITANTE que deixar de entregar ou de apresentar documentação
exigida no Edital, apresentar documentação falsa, ensejar o retardamento
da execução de seu objeto, não mantiver a proposta, falhar ou fraudar na
execução do contrato ou pedido de compra, comportar-se de modo
inidôneo, fizer declaração falsa ou cometer fraude fiscal e que, convocado
dentro do prazo de validade de sua proposta, não assinar a ata de registro
de preço, o contrato ou o pedido de compra, ficará sujeita às seguintes
sanções, sem prejuízo da reparação dos danos causados à
CONTRATANTE, garantido o direito à ampla defesa:
425B
17.1.1
Advertência formal;
4
17.1.2
Multa:
17.1.2.1
Conforme descrição da tabela 6 deste Termo de Referência.
Inciso
Descrição
Penalidade
I
Não cumprir o prazo definido
no item 11 deste TR, referente
à entrega dos equipamentos
contratados com o serviço de
instalação no prazo definido
Multa de 0,5% (zero vírgula cinco por cento) por
dia de atraso, limitado a 20% (vinte por cento),
calculada sobre o valor do Item atrasado.
II
Não iniciar a o Serviço de
Operação
Inicial
conforme
prazo definido no Item 11 deste
TR.
Multa de 0,5% (zero vírgula cinco por cento) por
dia de atraso, limitado a 20% (vinte por cento),
calculada sobre o valor do Item atrasado.
III
Não iniciar o Serviço de
Treinamento conforme prazo
definido no Item 11 deste TR.
Multa de 0,5% (zero vírgula cinco por cento) por
dia de atraso, limitado a 20% (vinte por cento),
calculada sobre o valor do Item atrasado.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Tempo
para
restabelecimento do
sistema
Multa de 0,1% (zero
vírgula um por cento) por
hora de atraso, limitada a
5% (cinco por cento),
calculada sobre o valor
da
mensalidade
correspondente
à
operação
inicial
da
respectiva estação.
Tempo para solução
definitiva do problema
Multa de 0,1% (zero
vírgula um por cento) por
hora de atraso, limitada a
5% (cinco por cento),
calculada sobre o valor
da
mensalidade
correspondente
à
respectiva
operação
inicial
Tempo
para
restabelecimento do
sistema
Multa de 0,1% (zero
vírgula um por cento) por
hora de atraso, limitada a
5% (cinco por cento),
calculada sobre o valor
da
mensalidade
correspondente
à
operação
inicial
da
respectiva estação.
Tempo para solução
definitiva do problema
Multa de 0,1% (zero
vírgula um por cento) por
hora de atraso, limitada a
5% (cinco por cento),
calculada sobre o valor
da
mensalidade
correspondente
à
operação
inicial
da
respectiva estação.
Tempo
para
restabelecimento do
sistema
Multa de 0,05% (zero
vírgula zero cinco por
cento) por hora de
atraso, limitada a 5%
(cinco
por
cento),
calculada sobre o valor
da
mensalidade
correspondente
à
operação
inicial
da
respectiva estação.
Emergencial
IV
Níveis de
Atendimento
Alta Prioridade
Média Prioridade
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Tempo para solução
definitiva do problema
Multa de 0,05% (zero
vírgula zero cinco por
cento) por hora de
atraso, limitada a 5%
(cinco
por
cento),
calculada sobre o valor
da
mensalidade
correspondente
à
operação
inicial
da
respectiva estação.
Consulta
Tempo
atendimento
consulta
Multa de 0,05% (zero
vírgula zero cinco por
cento) por hora de
atraso, limitada a 5%
(cinco
por
cento),
calculada sobre o valor
da
mensalidade
correspondente
à
operação
inicial
da
respectiva estação.
V
Não atender prazo de Reparo
de Hardware
Multa de 1% (um por cento) por dia de atraso,
calculado a partir do preço do item, limitado ao
valor do próprio item.
VI
Não atender o prazo de
substituição de Hardware em
campo
Multa de 1% (um por cento) por dia de atraso,
calculado a partir do preço do item, limitado ao
valor do próprio item.
para
da
Tabela 06 – Sanções Administrativas
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
17.1.2.2
Compensatória no percentual de 10% (dez por cento), calculada
sobre o valor total do contrato, pela recusa em assinar o contrato ou
ata de registro de preço, no prazo de até 05 (cinco) dias úteis, após
regularmente convocada, sem prejuízo da aplicação de outras
sanções previstas no Edital.
17.1.2.3
Compensatória no percentual de 10% (dez por cento), calculada
sobre o valor total do contrato pela inadimplência superior a 45
(quarenta e cinco) dias, além dos prazos contidos na tabela da
subitem 17.1.2.1, ou pelo cometimento de falta considerada de
natureza grave, o que poderá ensejar também a rescisão do
contrato.
17.1.3
Suspensão temporária do direito de licitar e de contratar com a TELEBRÁS
por período não superior a 02 (dois) anos;
17.1.4
Impedimento de licitar e contratar com a União, Estados, Distrito Federal
ou Municípios, com o descredenciamento no SICAF, pelo prazo de até 5
(cinco) anos, sem prejuízo das multas previstas no Edital e no contrato e
das demais cominações legais;
17.2
Nenhuma sanção será aplicada sem o devido processo administrativo, que
prevê defesa prévia do interessado e recurso nos prazos definidos em lei,
sendo-lhe franqueada vista ao processo.
17.3
As
penalidades
impostas
à
LICITANTE/CONTRATADA
obrigatoriamente registradas no SICAF.
17.4
Conforme a gravidade das faltas cometidas, a sanção de multa pode ser
aplicada à CONTRATADA, juntamente com a de advertência, suspensão
temporária para licitar e contratar com a CONTRATANTE e declaração de
inidoneidade para licitar ou contratar com a Administração Pública.
serão
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
18
GESTÃO E FISCALIZAÇÃO
438B
18.1
Durante a execução do objeto contratado caberá à CONTRATANTE,
diretamente ou por quem vier a indicar, o direito de fiscalizar a fiel
observância das disposições do presente Termo de Referência, bem como
vistoriar as instalações da LICITANTE a fim de verificar as condições para
atendimento.
439B
18.1.1
Para os fins previstos no item 18.1, a CONTRATANTE registrará em
relatório as deficiências verificadas na execução do contrato,
encaminhando cópia à CONTRATADA, para a imediata correção das
irregularidades apontadas, sem qualquer ônus à CONTRATANTE e sem
prejuízo da aplicação das penalidades previstas neste contrato.
749B
18.1.2
A ausência ou omissão da fiscalização da CONTRATANTE não eximirá a
CONTRATADA das responsabilidades previstas neste contrato.
750B
18.2
A CONTRATANTE deverá indicar os Fiscais dos Contratos e a
CONTRATADA o seu preposto.
40B
18.3
Os Fiscais dos Contratos serão os responsáveis por todas as atividades
pertinentes ao projeto, tais como planejamento, execução, monitoramento
e controle.
41B
18.4
Os Fiscais dos Contratos serão responsáveis pelo acompanhamento do
contrato, administrativamente. Estes deverão interagir para solucionar
qualquer assunto administrativo que impacte na execução do contrato.
42B
18.5
A CONTRATANTE poderá designar fiscal(ais) de campo para acompanhar
o andamento das atividades da CONTRATADA.
43B
19
19.1
19.2
DAS DESPESAS
4B
Nos preços propostos já deverão estar computados os impostos, fretes,
seguros, materiais, taxas e demais despesas que, direta ou indiretamente
tenham relação com o objeto.
45B
As despesas decorrentes da presente contratação, objeto desta licitação,
correrão à conta dos recursos consignados no Orçamento Anual, a cargo
da TELEBRÁS, cujos programas de trabalho e elementos de despesa
específica constarão da respectiva Ordem de Compra.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
20
20.1
DISPOSIÇÕES GERAIS
47B
A TELEBRÁS reserva-se o direito de efetuar diligências para comprovação
dos itens obrigatórios, para certificação da capacitação técnica dos
profissionais, bem como, das características técnicas dos equipamentos.
Poderá ser exigida, nestas diligências, documentação comprobatória da
especialização da empresa, dos profissionais e dos equipamentos.
48B
20.2
20.3
Este documento não é vinculante nem enseja à TELEBRÁS qualquer
obrigação de contratar, a qualquer tempo, as soluções descritas.
49B
Este documento apresenta as características da solução desejada e todas
as informações nele contidas são de propriedade da TELEBRÁS.
450B
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
ANEXO I DO TERMO DE REFERÊNCIA
ANEXO I - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MATERIAIS E
EQUIPAMENTOS DE INFRAESTRUTURA
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
ÍNDICE
ANEXO I - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE
INFRAESTRUTURA .............................................................................................................. 1
SEÇÃO I – ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERAIS E EQUIPAMENTOS DE
INFRAESTRUTURA PARA ESTAÇÃO DE TELECOMUNICAÇÕES ..................................... 7
1.
OBJETIVO .................................................................................................... 8
2.
DISPOSIÇÕES GERAIS .............................................................................. 8
3.
DESCRIÇÃO DAS ESTAÇÕES .................................................................... 9
4.
ESCOPO DO FORNECIMENTO ................................................................ 11
5.
DESCRIÇÃO DA INFRAESTRUTURA BÁSICA ......................................... 11
SEÇÃO II – ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE INFRAESTRUTURA PARA CONTÊINERES17
1.
OBJETIVO .................................................................................................. 18
2.
CARACTERÍSTICAS GERAIS DE CONSTRUÇÃO .................................... 18
3.
CARACTERÍSTICAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO ...................................... 24
4.
CARACTERÍSTICAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO ................................... 24
5.
IDENTIFICAÇÃO ........................................................................................ 26
6.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA .................................................................... 26
7.
CERTIFICADOS E GARANTIAS ................................................................ 26
8.
TESTES ..................................................................................................... 27
9.
NORMAS APLICÁVEIS .............................................................................. 28
SEÇÃO III– ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE INFRAESTRUTURA PARA INSTALAÇÕES
ELÉTRICAS ......................................................................................................................... 29
1.
OBJETIVO .................................................................................................. 30
2.
SISTEMA DE ENERGIA EM CORRENTE ALTERNADA ............................ 30
3.
SISTEMA DE ENERGIA EM CORRENTE CONTÍNUA .............................. 36
4.
SISTEMA DE PROTEÇÃO ELÉTRICA ....................................................... 36
5.
MANUAIS ................................................................................................... 38
6.
CERTIFICADOS DE GARANTIAS.............................................................. 39
SEÇÃO IV – ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE INFRAESTRUTURA PARA SISTEMAS
RETIFICADORES CHAVEADOS EM ALTA FREQÜÊNCIA ................................................ 40
1.
OBJETIVO .................................................................................................. 41
2.
DEFINIÇÕES.............................................................................................. 41
3.
CARACTERÍSTICAS GERAIS .................................................................... 41
4.
CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS ............................................................... 42
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.
CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS ..................................................... 49
6.
CODIFICAÇÃO........................................................................................... 51
7.
UNIDADE DE CONTROLE E SUPERVISÃO DA SR .................................. 52
8.
ALARMES .................................................................................................. 54
9.
DISTRIBUIÇÃO .......................................................................................... 55
10.
CIRCUITO DE DESCONEXÃO DAS BATERIAS ........................................ 56
11.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA .................................................................... 57
12.
RESPONSABILIDADE ............................................................................... 57
13.
SOBRESSALENTES .................................................................................. 57
14.
CERTIFICADOS DE GARANTIAS.............................................................. 57
SEÇÃO V – ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE INFRAESTRUTURA PARA BATERIAS ... 58
1.
OBJETIVO .................................................................................................. 59
2.
DEFINIÇÕES.............................................................................................. 59
3.
COMPONENTES ....................................................................................... 59
4.
ESTANTE ................................................................................................... 60
5.
INTERLIGAÇÕES ...................................................................................... 61
6.
CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS ............................................................. 61
7.
RENDIMENTO ........................................................................................... 62
8.
REGIME DE FLUTUAÇÃO ......................................................................... 63
9.
REGIME DE CARGA PARA ACUMULADORES VENTILADOS ................. 64
10.
IDENTIFICAÇÃO ........................................................................................ 64
11.
INSTALAÇÃO ............................................................................................. 65
12.
ACESSÓRIOS ............................................................................................ 65
13.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA .................................................................... 65
14.
CERTIFICADO DE QUALIDADE ................................................................ 65
15.
RESPONSABILIDADE ............................................................................... 66
SEÇÃO VI – ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE INFRAESTRUTURA PARA UNIDADES
INVERSORAS ..................................................................................................................... 67
1.
OBJETIVO .................................................................................................. 68
2.
DEFINIÇÕES.............................................................................................. 68
3.
CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS ............................................................... 68
4.
CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS E ELÉTRICAS .................................... 68
5.
CARACTERÍSTICAS AMBIENTAIS ............................................................ 69
6.
CARACTERÍSTICAS DE FUNCIONAMENTO ............................................ 69
7.
CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS ..................................................... 70
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
8.
MATERIAIS E ACABAMENTOS ................................................................. 70
9.
CONDIÇÕES DE ACESSO ........................................................................ 71
10.
IDENTIFICAÇÕES...................................................................................... 71
11.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA .................................................................... 72
12.
RESPONSABILIDADE ............................................................................... 72
13.
SOBRESSALENTES .................................................................................. 72
14.
CERTIFICADOS DE GARANTIAS.............................................................. 72
SEÇÃO VII – ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE INFRAESTRUTURA PARA SISTEMA DE
CLIMATIZAÇÃO .................................................................................................................. 73
1.
OBJETIVO .................................................................................................. 74
2.
CONDICIONADOR DE CONDENSAÇÃO À AR ......................................... 74
3.
CERTIFICADOS DE GARANTIA ................................................................ 79
SEÇÃO VIII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE INFRAESTRUTURA DE CONTROLADOR
LÓGICO PROGRAMÁVEL - PLC...........................................................................................80
1.
OBJETIVO .................................................................................................. 82
2.
DEFINIÇÕES.............................................................................................. 82
3.
CARACTERÍSITCAS GERAIS .................................................................... 82
4.
CARACTERÍSITICAS TÉCNICAS .............................................................. 82
5.
INSTALAÇÃO ELÉTRICA........................................................................... 84
6.
MATERIAIS E ACABAMENTOS ................................................................. 85
7.
OPERAÇÃO ............................................................................................... 85
8.
MENSAGENS DE DEFEITO E STATUS DE FUNCIONAMENTO .............. 88
9.
GENERALIDADES ..................................................................................... 89
10.
IDENTIFICAÇÕES...................................................................................... 89
11.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA .................................................................... 89
12.
RESPONSABILIDADE ............................................................................... 90
13.
SOBRESSALENTES .................................................................................. 90
14.
CERTIFICADOS DE GARANTIA ................................................................ 90
SEÇÃO IX - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE INFRAESTRUTURA DE
TRANSFORMADORES..........................................................................................................90
1.
OBJETIVO .................................................................................................. 92
2.
ESPECIFICAÇÕES DE TRANSFORMADORES ........................................ 92
3.
CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS ..................................................... 92
4.
VERIFICAÇÃO ........................................................................................... 93
5.
ENSAIOS ................................................................................................... 93
6.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA .................................................................... 94
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
7.
CERTIFICADOS E GARANTIAS ................................................................ 94
SEÇÃO X – ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA INFRAESTRUTURA PARA GABINETES
OUTDOOR EQUIPADOS COM SISTEMA DE RETIFICADORES 300A/-48V...................... 95
1.
OBJETIVO .................................................................................................. 95
CARACTERÍSTICAS GERAIS .................................................................... 96
3.
GABINETES DE SERVIÇO OUTDOOR EQUIPADOS COM SISTEMA DE
RETIFICADORES 300A/-48V ................................................................................ 96
4.
COMPOSIÇÃO ........................................................................................... 96
5.
ATERRAMENTO ........................................................................................ 98
6.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA .................................................................... 98
7.
CERTIFICADOS E GARANTIAS ................................................................ 99
SEÇÃO XI– ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE INFRAESTRUTURA DE GRUPO MOTO
GERADOR 45-75-105 KVA ............................................................................................... 100
1.
OBJETIVO ................................................................................................ 100
2.
CARACTERÍSTICAS GERAIS .................................................................. 101
3.
MONTAGEM ............................................................................................ 103
4.
NÍVEIS DE PERFORMANCE ................................................................... 103
5.
CERTIFICADOS DE GARANTIA .............................................................. 104
SEÇÃO XII– ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE SERVIÇOS PARA INFRAESTRUTURA DE
SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO ........................................................................... 105
1.
OBJETIVO ................................................................................................ 106
2.
CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SISTEMA ........................................... 106
3.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA .................................................................. 107
4.
CERTIFICADOS DE GARANTIA .............................................................. 107
SEÇÃO XIII– ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE SERVIÇOS PARA INFRAESTRUTURA DE
SISTEMA DE CFTV ........................................................................................................... 108
1.
OBJETIVO...................................................................................................108
2.
ESPECIFICAÇÕES GERAIS .................................................................... 109
3.
ESPECIFICAÇÕES DE SOFTWARE ....................................................... 110
4.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA .................................................................. 110
5.
CERTIFICADOS DE GARANTIAS............................................................ 111
SEÇÃO XIV– ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA INFRAESTRUTURA DE SISTEMAS DE
TELEMETRIA E CONTROLE REMOTOS ........................................................................ 112
1.
OBJETIVO ................................................................................................ 113
2.
CARACTERÍSTICAS ................................................................................ 113
3.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA .................................................................. 114
4.
CERTIFICADOS DE GARANTIAS............................................................ 114
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
SEÇÃO XV – ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE INFRAESTRUTURA DE REDES DE
FIBRAS ÓPTICAS ............................................................................................................. 115
1.
OBJETIVO ................................................................................................ 116
2.
DEFINIÇÕES GERAIS ............................................................................. 116
3.
MATERIAIS DE IMPLANTAÇÃO .............................................................. 116
4.
MATERIAS PARA CONEXÃO EM BASTIDOR......................................... 121
5.
CERTIFICADOS DE GARANTIAS............................................................ 121
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
SEÇÃO I – ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERAIS E
EQUIPAMENTOS DE INFRAESTRUTURA PARA ESTAÇÃO DE
TELECOMUNICAÇÕES
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
1.
OBJETIVO
1.1
Esta seção tem como objetivo apresentar as especificações da Contratação
de solução de infraestrutura básica, com fornecimento de contêineres,
gabinetes e materiais, necessária para o funcionamento e proteção dos
equipamentos ópticos, rádio e IP a serem utilizados na rede de nacional
telecomunicações, incluindo garantia e assistência técnica, serviços de
instalação, treinamento e operação inicial.
2.
DISPOSIÇÕES GERAIS
2.1
Normas Aplicáveis
2.1.1
ABNT
2.1.1.1
NBR-5419 – Proteção de Edificações contra Descargas Atmosféricas;
2.1.1.2
NBR-6118 - Projeto e Execução de Obras de Concreto Armado;
2.1.1.3
NBR-6122 - Projeto e Execução de Fundação;
2.1.1.4
NBR-7678 - Segurança na Execução de Obras e Serviços de Construção;
2.1.1.5
NBR-8036 – Programação de Sondagens de Simples Reconhecimento dos
solos para Fundação de Torres e Postes;
2.1.1.6
NBR-8196, 8402, 8403, 8404, 8993, 10067, 10068, 10126, 10582 e 10647:
Coletâneas de Normas de Desenho Técnico;
2.1.1.7
NBR-8681 - Ações e Segurança nas Estruturas.
2.1.1.8
NBR-14306 – Proteção Elétrica e Compatibilidade Eletromagnética em
Redes Internas de Telecomunicações em Rdificações - Projeto
2.1.2
Decretos e Portarias
2.1.2.1
Portaria 1.141/GM5 e seus anexos de, 08/12/87, do Ministério da
Aeronáutica;
2.1.2.2
Norma Regulamentadora No. 6 – NR6 – da Portaria 3.214, de 08/06/78, do
Ministério do Trabalho.
2.1.3
Todos os materiais e equipamentos necessários para a instalação dos
sistemas deverão ser fornecidos pela CONTRATADA.
2.1.4
Em caso de omissão ou impossibilidade de aplicação de algum processo
executivo ou material discriminado nestas Especificações, caberá à
CONTRATADA definir soluções e submetê-las à apreciação da
CONTRATANTE, por escrito, em até 10 dias corridos.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
2.1.5
A CONTRATADA ficará obrigada a demolir e a refazer os trabalhos que
estejam em desacordo com o projeto executivo, logo após o recebimento da
ordem de serviço lavrada no Diário de Obras, ficando, por sua conta
exclusiva, todas as despesas e prazos decorrentes destas providências.
3.
DESCRIÇÃO DAS ESTAÇÕES
3.1
As informações a seguir visam apenas caracterizar cada tipo de estação,
sendo que os materiais relacionados não encerram todas as obrigações da
CONTRATADA, cuja proposta deverá considerar todos os serviços listados
no ANEXO II necessários à implantação das estações, com exceção
daqueles itens não previsíveis e expressamente destacados nestas
Especificações.
3.2
Deverão ser previstos também, mas, não comporão os modelos de
infraestrutura extensões de rede em baixa tensão, valor por km de rede
construída:
3.3
Modelos de Estações e itens a serem fornecidos:
3.3.1
Contêiner de 12,00 m - configuração 1 – 13 bastidores.
3.3.2
Contêiner de 12,00 m - configuração 2 – 13 bastidores.
3.3.3
Contêiner de 12,00 m - configuração 3 – 11 bastidores.
3.3.4
Contêiner de 12,00 m - configuração 4 – 11 bastidores.
3.3.5
Contêiner de 12,00 m - configuração 5 – 10 bastidores.
3.3.6
Contêiner de 12,00 m - configuração 6 – 9 bastidores.
3.3.7
Contêiner de 12,00 m - configuração 7 – 8 bastidores.
3.3.8
Contêiner de 8,00 m – configuração 1- 7 bastidores.
3.3.9
Contêiner de 8,00 m – configuração 2 - 6 bastidores.
3.3.10
Gabinete outdoor com 4 bastidores com ar condicionado.
3.3.11
Gabinete outdoor com 3 bastidores com ar condicionado.
3.3.12
Gabinete outdoor com 2 bastidores com ar condicionado.
3.3.13
Gabinete para Estação Repetidora Rádio.
3.3.14
Gabinete para Estação Terminal de Rádio com trocador de calor.
3.3.15
Gabinete para Estação Terminal de Rádio com ar condicionado.
3.3.16
Infraestrutura Básica Autônoma (15,0 m X 26,0 m).
3.3.17
Infraestrutura Básica Autônoma (15,0 m X 22,0 m).
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
3.3.18
Infraestrutura Básica Autônoma (15,0 m X 20,0 m).
3.3.19
Infraestrutura Básica Autônoma (10,0 m X 10,0 m).
3.3.20
Infraestrutura Básica Compartilhada (Contêiner de 12,00 m).
3.3.21
Infraestrutura Básica Compartilhada (Contêiner de 8,00 m).
3.3.22
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor com espaço para
torre).
3.3.23
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor com espaço para
poste).
3.3.24
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor).
3.3.25
Infraestrutura Básica para Rooftop (Estação Terminal Rádio).
3.3.26
Lançamento de cabos ópticos subterrâneos em rede existente.
3.3.27
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas subterrânea.
3.3.28
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas aérea.
3.3.29
Cabos ópticos subterrâneo de 24 fibras.
3.3.30
Cabos ópticos subterrâneo de 36 fibras.
3.3.31
Cabos ópticos subterrâneo de 48 fibras
3.3.32
Cabos ópticos aéreo de 48 fibras.
3.3.33
Distribuidor Geral Óptico – DGO de 24 posições.
3.3.34
Rack de parede padrão 19” com 10 Us.
3.3.35
Sistema Retificador de 600 A.
3.3.36
Sistema Retificador de 1200 A.
3.3.37
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 3 TR.
3.3.38
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 4 TR.
3.3.39
Grupo Motor Gerador de 105 kVA.
3.3.40
Grupo Motor Gerador de 75 kVA.
3.3.41
Grupo Motor Gerador de 45 kVA.
3.3.42
Transformador de 112,5 kVA.
3.3.43
Transformador de 75 kVA.
3.3.44
Transformador de 45 kVA.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
3.3.45
Sistema de Circuito Fechado de TV.
3.3.46
Câmeras coloridas fixas de alta definição.
3.3.47
Instalação do Sistema de Circuito Fechado de TV
3.3.48
Treinamento para grupo de 10 pessoas – módulos de 40 horas
3.3.49
Operação Inicial - Lotes de 10 estações
3.3.50
Operação Inicial – Lotes de 1 estação
3.3.51
As informações de que trata esta Seção deverão ser fornecidas
explicitamente para os equipamentos e materiais específicos deste
FORNECIMENTO e apresentadas na forma de resumo técnico para cada
tipo de equipamento e material, complementadas com folhetos, catálogos e
prospectos específicos, anexados à PROPOSTA.
3.3.52
A CONTRATANTE se reserva o direito de desclassificar qualquer
PROPOSTA que não contenha todos os dados especificados nesta Seção
ou que não contenha informações suficientes para a análise da mesma.
4.
ESCOPO DO FORNECIMENTO
4.1
Para cada um dos modelos de estação, deverão ser fornecidos todos os
equipamentos e materiais tais como: contêiner, gabinete outdoor, ar
condicionados, PLC, banco de baterias, fonte, sistema de detecção e
combate a incêndio, quadros de energia, racks, DGOs, sistema de CFTV,
controle de acesso, sistema remoto de coleta de alarrmes, sistema de
proteção elétrica e aterramento e etc.
4.2
A logística de entrega, guarda, deslocamentos e seguro dos equipamentos e
matérias necessários a instalação das estações de telecomunicações, são
de responsabilidade da PROPONETNE
4.3
A entrega dos matérias e equipamentos descritos nesse ANEXO deverão
cumprir os prazos descritos no cronograma de instalação das estações
conforme o item 11.5.2 do TERMO DE REFERÊNCIA.
5.
DESCRIÇÃO DA INFRAESTRUTURA BÁSICA
5.1
Para a instalação das estações de telecomunicação, serão utilizadas
modelos de infraestrutura básica autônoma, compartilhada e roof top
(estação terminal rádio).
5.1.1
Infraestrutura básica autônoma é aquela que será implantada em ambiente
próprio da CONTRATANTE e indicado por ela.
5.1.2
Infraestrutura básica compartilhada é aquela que será implantada em
ambientes cedidos por parceiros e indicados pela CONTRATANTE.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.1.3
Infraestrutura básica para estação tipo roof top será implantado um gabinete
outdoor em topo de prédio.
5.2
A PROPONETE deverá fornecer skid metálico galvanizado a fogo conforme
padrão dos gabinetes outdoor que serão utilizados em cada estação de
telecomunicação.
5.3
As especificações listadas abaixo servem
infraestruturas básicas autônoma dos Tipos:
5.3.1
Tipo 1- Infraestrutura Básica Padrão Terreno 15,00 m X 26,00 m (contêiner
12,00 m).
5.3.2
Tipo 2 - Infraestrutura Básica Padrão Terreno 15,00 m X 22,00 m (contêiner
8,00 m).
5.3.3
Tipo 3 - Infraestrutura Básica Padrão Terreno 15,00 m X 20,00 m (Gabinete
e Repetidor de rádio).
5.3.4
Tipo 4 - Infraestrutura Básica Padrão Terreno 10,00 m X 10,00 m (Estação
terminal rádio - sede distribuição para os municípios).
5.3.5
Características Básicas
5.3.5.1
Fechamento da estação de telecomunicações em alambrado com estacas
tipo broca de concreto armado a cada 2,5 m com profundidade mínima 1,5
m e diâmetro de 0,5 m com 4 ferros de Ø 8” e estribo espiral com ferro de Ø
5 mm de diâmetro, concreto 20 Mpa. Viga baldrame unindo todas as brocas
em concreto armado, seção de 0,4 x 0,20 m, sendo 0,20 m enterrados,
armadura com 4 ferros longitudinais com Ø 6,3 mm e estribos a cada 0,20
m com Ø 5 mm, acabamento chapiscado na parte aparente. Mourões de
concreto armada de seção “T” engemolde ou similar aprovado pela
CONTRATANTE, com 1,80 m aprumados acima da viga baldrame e mai
0,40 m inclinados a 45º para dentro do terreno {pescoço de ganço}
colocados a cada 2,5 m. Nos cantos do terreno e a cada 6 vãos deverão ser
colocados reforços tipo “mão francesa”. Tela de arame galvanizada, fio 12
BWG tipo losangular com malha de 2” e 1,80 m de altura livre acrescida de
0,10 m que ficarão presos no concreto, amarrada aos mourões com fios de
arame galvanizados 10 BWG em todos os furos existentes. Nas
extremidades superior e inferior serão passados no sentido longitudinal, fios
de arame galvanizado 10 BWG esticados de modo a garantir o alinhamento.
Na parte inclinada dos mourões serão passadas 4 fiadas de arame farpado,
em fio galvanizado 14 BWG, amarrados com fios de arame galvanizado 16
BWG esticados a garantir o alinhamento.
5.3.5.2
Defensas em tubo industrial de 2”, inclinação de 45°, com 4 fios de arame
farpado.
5.3.5.3
Mãos francesas com tubo industrial a cada 8 vãos de alambrado
necessárias para garantir a estabilidade do conjunto.
de
parâmetro
para as
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.3.5.4
As hastes de aterramento serão de aço revestido por uma camada de cobre
com 254 µm 5/8” (16 mm x 2.400 mm) e deverão ter no máximo duas
conexões por haste. A malha de aterramento deverá ocupar a maior área
dentro do terreno da estação, sendo executada em cordoalha de cobre nu
de 50 mm2 interligando todas as hastas distantes no mínimo 60 cm do radie,
das fundações das torres e do alambrado, sendo enterrado no mínimo 50
cm abaixo do nível do solo. A distância entre as hastes não poderão ser
inferior a 3 m e deverão ser unidas formando um anel. Para a realização das
emendas, deverão ser utilizados conectores de compressão tipo FCIBURNDY ou similar.
5.3.5.5
Padrão de medição e entrada de energia de acordo com as especificações
da concessionária local.
5.3.5.6
Quadro de chapa de aço tratada, espessura mínima de 14 USG, invólucro
para uso em mureta de alvenaria ou interno com grau de proteção mínimo
IP-55 e pintura em epóxi pó por deposição eletrostática, na cor cinza nas
dimensões externas mínimas 600 x 800 220 mm largura (LxHxP).
5.3.5.7
Nas redes subterrâneas a serem construídas desde a entrada do terreno até
sua respectiva terminação dentro da estação para elétrica e aterramento,
deverá ser lançado dutos em PEAD de 100 mm. Para a rede óptica deverá
ser lançado dutos de PEAD de 100 mm com 4 subdutos de 26 mm de
diâmetro, coloridos, em vala.
5.3.5.8
Caixas de passagem subterrânea para elétrica, óptica e aterramento
deverão
ser
construída
em
blocos
de
concreto
(9 x 19 x 39) com revestimento interno em argamassa, areia, traço 1:3 ou
em concreto armada ou pré-moldado em concreto com espessura mínima
de 70 mm. Dimensões internas acabada 600 x 600 x 600 mm e fundo com
dreno de Ø de 6” e 1.000 mm de profundidade preenchido com brito nº 2.
5.3.5.9
Poste tipo teleconico curvo de aço galvanizado a fogo, altura de 6 m e Ø de
2” no topo com janela de inspeção e luminária para lâmpada mista de
250W/220W, posicionado de modo a iluminar o acesso a estação e a
entrada do container ou gabinete outdoor. O poste será fixado em base de
concreto armado com as dimensões especifica das pelo fabricante. O
eletroduto de alimentação elétrica será posicionado no centro da base antes
da concretagem.
5.3.5.10
Brita tipo 2 em toda a área da estação de telecomunicação.
5.3.5.11
Portão de acesso deverá ser executado em duas folhas com dimensão total
de 4,00 x 2,00 m em tubos DIN 2440, sem costura (espessura da parede de
3,65 mm), com diâmetro nominal (6) externo de 2” (50 mm). Requadros de
cantoneira (L) 1” x 3/16” e barra chata de 1” x 3/16” formando U com
quadros de tela soldada nervurada, malha 50 x 50 mm barrar com Ø 2,50
mm, ou equivalente, fixada a estrutura por barras chatas de 2” por ¼” e
arame farpado em fio galvanizado 14 BWG com cadeado tipo Mul-T-Lock.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.3.5.12
Cantoneira 1” x 1” x 1/8” soldada no quadro do tubo;“Defensa” em aço CA24 D=12 mm com ponta cônica afiada.
5.3.5.13
As defensas serão executadas no próprio portão, garantindo a abertura total
na altura do mesmo.
5.4
As especificações listadas abaixo servem de
infraestruturas básicas compartilhada dos Tipos:
5.4.1
Tipo 1 - Item x – Infraestrutura Básica Compartilhada (contêiner 12,00 m).
5.4.2
Tipo 2 - Item x – Infraestrutura Básica Compartilhada (contêiner 8,00 m).
5.4.3
Tipo 3 - Item x – Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete e Repetidor
de rádio).
5.4.4
Tipo 4 - Item x – Infraestrutura Básica Compartilhada (Estação terminal rádio
- sede distribuição para os municípios).
5.4.5
Características Básicas
5.4.5.1
As hastes de aterramento serão de aço revestido por uma camada de cobre
com 254 µm 5/8” (16 mm x 2.400 mm) e deverão ter no máximo duas
conexões por haste. A malha de aterramento deverá ocupar a maior área
dentro do terreno da estação, sendo executada em cordoalha de cobre nu
de 50 mm2 interligando todas as hastas distantes no mínimo 60 cm do radie,
das fundações das torres e do alambrado, sendo enterrado no mínimo 50
cm abaixo do nível do solo. A distância entre as hastes não poderão ser
inferior a 3 m e deverão ser unidas formando um anel. Para a realização das
emendas, deverão ser utilizados conectores de compressão tipo FCIBURNDY ou similar.
5.4.5.2
Padrão de medição e entrada de energia de acordo com as especificações
da concessionária local.
5.4.5.3
Quadro de chapa de aço tratada, espessura mínima de 14 USG, invólucro
para uso em mureta de alvenaria ou interno com grau de proteção mínimo
IP-55 e pintura em epóxi pó por deposição eletrostática, na cor cinza nas
dimensões externas mínimas 600 x 800 220 mm largura (LxHxP).
5.4.5.4
Nas redes subterrâneas a serem construídas desde a entrada do terreno até
sua respectiva terminação dentro da estação para elétrica e aterramento,
deverá ser lançado dutos em PEAD de 100 mm. Para a rede óptica deverá
ser lançado dutos de PEAD de 100 mm com 4 subdutos de 26 mm de
diâmetro, coloridos, em vala.
parâmetro
para as
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.4.5.5
Caixas de passagem subterrânea para elétrica, óptica e aterramento
deverão
ser
construída
em
blocos
de
concreto
(9 x 19 x 39) com revestimento interno em argamassa, areia, traço 1:3 ou
em concreto armada ou pré-moldado em concreto com espessura mínima
de 70 mm. Dimensões internas acabada 600 x 600 x 600 mm e fundo com
dreno de Ø de 6” e 1.000 mm de profundidade preenchido com brito nº 2
5.4.5.6
Poste tipo teleconico curvo de aço galvanizado a fogo, altura de 6 m e Ø de
2” no topo com janela de inspeção e luminária para lâmpada mista de
250W/220W, posicionado de modo a iluminar o acesso a estação e a
entrada do container ou gabinete outdoor. O poste será fixado em base de
concreto armado com as dimensões especifica das pelo fabricante. O
eletroduto de alimentação elétrica será posicionado no centro da base antes
da concretagem.
5.5
As especificações listadas abaixo
infraestruturas básicas tipo roof top.
5.5.1
As hastes de aterramento serão de aço revestido por uma camada de cobre
com 254 µm 5/8” (16 mm x 2.400 mm) e deverão ter no máximo duas
conexões por haste. A malha de aterramento deverá ocupar a maior área
dentro do terreno da estação, sendo executada em cordoalha de cobre nu
de 50 mm2 interligando todas as hastas distantes no mínimo 60 cm do radie,
das fundações das torres e do alambrado, sendo enterrado no mínimo 50
cm abaixo do nível do solo. A distância entre as hastes não poderão ser
inferior a 3 m e deverão ser unidas formando um anel. Para a realização das
emendas, deverão ser utilizados conectores de compressão tipo FCIBURNDY ou similar.
5.5.2
Padrão de medição e entrada de energia de acordo com as especificações
da concessionária local
5.5.3
Quadro de chapa de aço tratada, espessura mínima de 14 USG, invólucro
para uso em mureta de alvenaria ou interno com grau de proteção mínimo
IP-55 e pintura em epóxi pó por deposição eletrostática, na cor cinza nas
dimensões externas mínimas 600 x 800 220 mm largura (LxHxP).
5.5.4
Nas redes subterrâneas a serem construídas desde a entrada do terreno até
sua respectiva terminação dentro da estação para elétrica e aterramento,
deverá ser lançado dutos em PEAD de 100 mm. Para a rede óptica deverá
ser lançado dutos de PEAD de 100 mm com 4 subdutos de 26 mm de
diâmetro, coloridos, em vala.
5.5.4.1
Caixas de passagem subterrânea para elétrica, óptica e aterramento
deverão
ser
construída
em
blocos
de
concreto
(9 x 19 x 39) com revestimento interno em argamassa, areia, traço 1:3 ou
em concreto armada ou pré-moldado em concreto com espessura mínima
de 70 mm. Dimensões internas acabada 600 x 600 x 600 mm e fundo com
dreno de Ø de 6” e 1.000 mm de profundidade preenchido com brito nº 2.
servem
de
parâmetro
para as
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.5.4.2
Poste tipo telefônico curvo de aço galvanizado a fogo, altura de 6 m e Ø de
2” no topo com janela de inspeção e luminária para lâmpada mista de 250 W
/ 220 W, posicionado de modo a iluminar o acesso a estação e a entrada do
container ou gabinete outdoor. O poste será fixado em base de concreto
armado com as dimensões especifica das pelo fabricante. O eletroduto de
alimentação elétrica será posicionado no centro da base antes da
concretagem.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
SEÇÃO II – ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE INFRAESTRUTURA PARA
CONTÊINERES
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
1.
OBJETIVO
1.1
Esta seção tem por objetivo especificar os contêineres a serem contratados
para abrigar equipamentos de redes IP, DWDM e Rádio. Devem ser
configurados para permitir facilidade de transporte e instalação dos
equipamentos, bem como rigidez estrutural, isolamento termo-acústico e
estanqueidade.
1.2
É obrigatório o fornecimento de equipamento homologado pelos órgãos
competentes.
2.
CARACTERÍSTICAS GERAIS DE CONSTRUÇÃO
2.1
Os contêineres deverão ser construídos com materiais de elevada
hermeticidade à passagem de ar e resistência à agressividade atmosférica e
adequada impermeabilidade.
2.2
Os parâmetros verticais interiores e exteriores serão projetados para
suportar as ações previstas pelo uso ao tempo. Devem ser contempladas as
seguintes instalações:
2.2.1
Ferragens (esteiras).
2.2.2
Quadro Geral de Distribuição em CA.
2.2.3
Rack de 19”, para instalação de equipamentos de transmissão.
2.2.4
Quadro para distribuição de alarme (QSTM).
2.2.5
Sistema de alimentação do PLC em CC
2.2.6
Banco de baterias (fazer parte do fornecimento dos contêineres).
2.2.7
Sistema de aterramento interno (incluindo placas para aterramento de
equipamentos).
2.2.8
Iluminação (interna, emergência e externa), com as respectivas tomadas.
2.2.9
Supressor de surtos de tensão transitória.
2.2.10
Sistema de climatização.
2.2.11
PLC para o controle do sistema de climatização e alarmes, vide seção VIII
deste documento.
2.2.12
Sistema de detecção de incêndios com sensores de temperatura e fumaça.
2.2.13
Sistema de combate ao incêndio com cilindro de gás FM 200.
2.2.14
Bastidores DGO/DID.
2.2.15
Placa de passagem (2 unidades).
2.3
Os contêineres e todos os componentes metálicos que o constituam,
deverão ser fabricados em aço carbono galvanizado a fogo, alumínio
estrutural, poliéster reforçado com fibra de vidro e revestimento metálico, ou
outro material aprovado pela CONTRATANTE, que atenda às normas
nacionais. Em caso de omissão das normas nacionais, permite-se o uso de
normas internacionais, desde que aprovadas pela CONTRATANTE.
2.4
Deverá ter resistência mínima a fogo dos painéis de fechamento.
2.5
Os contêineres deverão possuir cantos reforçados, de modo que o içamento
seja realizado pela parte superior, e equipados com os acessórios
necessários para içamento durante o transporte e a instalação.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
2.6
Todos os elementos estruturais deverão ser galvanizados a quente, de
acordo com as normas vigentes. Quando do uso de outros materiais, o
fabricante fornecerá garantia das características mecânicas e químicas dos
produtos utilizados, apresentando os certificados correspondentes e
submetendo à previa homologação da CONTRATANTE.
2.7
Em geral, os contêineres são confeccionados em painéis estruturais, com o
objetivo de facilitar a instalação. As quinas da parte externa não deverão ter
arestas vivas. As superfícies deverão ser uniformes e livres de defeitos, tais
como: perfurações não previstas no projeto, bordas salientes, fendas, etc., e
igualmente todas as suas paredes devem estar perfeitamente niveladas.
2.8
O chassi (composto por transversinas e longarinas) deverá proteger e isolar
a estrutura do solo e ser reforçada em toda a sua extensão, permitindo,
quando necessário, realocação dos equipamentos para futuras adequações,
quando da expansão da planta.
2.9
A estrutura do contêiner deverá ser projetada de modo a suportar o
seguinte carregamento:
2.9.1
Carga distribuída característica em todo o contêiner de 1.000 kgf/m2.
2.9.2
Carga de 2.500 kgf distribuído em uma região de 1m x 1m, considerando o
restante do contêiner descarregado.
2.10
Quando deste carregamento, a flecha máxima deverá ser de 0,8 cm.
2.11
Observar que, para efeito de ensaio, o contêiner deverá se manter estável e
com a porta abrindo e fechando com um carregamento de 1.200 kgf/m2,
admitindo-se assim uma margem de segurança igual a 20%.
2.12
Os contêineres serão equipados com pés de apoio metálicos, com
regulagem de altura entre 20 cm e 30 cm. Estes pés de apoio devem ser
removíveis e deverão ser instalados sobre uma base de concreto.
2.13
O isolamento deve oferecer continuidade para evitar pontes térmicas.
2.14
O piso deverá ser de madeira compensada, padrão naval, com espessura
maior ou igual a 20 mm, com tratamento contra fungos e insetos, revestido
com material vinílico, Paviflex TP, referência 615 - Camurça, com dimensões
de 30 cm x 30 cm x 0.2 cm. Para o assentamento do Paviflex deverá ser
utilizada cola recomendada pelo fabricante. Quando da confecção dos
contêineres que possuam laje estrutural de piso, a espessura do
compensado naval poderá ser maior ou igual a 9 mm, já que não possuem
função estrutural.
2.15
Na face externa do compensado deverá ser colocada chapa de alumínio,
com espessura maior ou igual a 0,7 mm.
2.16
O teto deve apresentar as mesmas características técnicas das paredes
laterais e inclinação de 2° a 8°, com caída em duas águas para o perfeito
escoamento de água e acabamento com total estanqueidade.
2.17
As portas de acesso ao interior das cabinas serão do tipo Mul-T-Lock, com
dimensões de 1,08 x 2,10 m, porta de pressão estanque, fixadas aos
batentes através de dobradiças que permitam abertura normal para fora,
com ângulo de 180°, e quando fechada, possibilitem adequada pressão
sobre as guarnições de borracha.
2.18
O mecanismo de acionamento do trinco deve ser de tal forma que possibilite
o comando da porta, tanto do exterior quanto do interior da cabina.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
2.19
As fechaduras deverão ser padrão com segredo único para todos os
contêineres. Será adotada a fechadura embutida e cilindro de alta
segurança tipo Mul-T-Lock.
2.20
Sobre as portas de acesso ao interior da cabina devem ser colocados toldos
em alumínio fixados no corpo da cabina de maneira a proteger a entrada e
saída do pessoal contra chuvas. As escadas para acesso ao interior da
cabina devem ser providas de regulagem de altura de maneira a compensar
as diferenças de nível em relação ao solo nos locais de implantação das
mesmas, sendo os degraus com piso de material antiderrapante.
2.21
Os contêineres não devem incorporar janelas de iluminação ou de
ventilação, para não ficarem vulneráveis frente às agressões diversas.
Dispondo de uma única porta de entrada para equipamentos e pessoas
credenciadas, conforme projeto padrão em anexo.
2.22
Deverão ser previstas a uma altura em torno de 2,35m a partir do piso do
contêiner seis aberturas retangulares para entrada dos cabos de RF e guia
de ondas, locadas em três posições distintas, conforme o projeto padrão a
ser apresentado pela CONTRATADA. Apenas uma das aberturas deverá ser
equipada com bloco hermético, tipo multi-diâmetro regulável, para 12 furos
de 1½”, que permita o acesso de cabos de diâmetros distintos, sem
necessidade de acréscimo de perfurações. As demais aberturas deverão ser
protegidas com tampas cegas com as mesmas características das paredes
laterais. Nos contêineres deverão ser previstas aberturas para a passagem
de cabos, 02 (duas) placas por contêiner de dimensões 224 mm x 125 mm
cada, compostos por 12 módulos similar a Roxtec RM60.
2.23
a quantidade, bitola e locação dos furos deverão ser definidas no projeto a
ser apresentado pela CONTRATADA. As passagens deverão ser
executadas através de eletrodutos passantes, rosqueadas nas duas
extremidades, sendo que a extremidade no interior deverá ter acabamento
com bucha e a outra deverá ser fornecida com um cap para a proteção da
rosca e vedação do contêiner.
2.24
Todas as partes metálicas deverão ser acopladas ao terra de proteção.
2.25
As dimensões dos contêineres devem ser de:
2.25.1
2,90 m interno, área útil (L) X 12,00 m (C) X 3,20 m (A).
2.25.2
2,90 m interno, área útil (L) X 8,00 m (C) X 3,20 m (A).
2.26
Instalações Internas
2.26.1
A empresa CONTRATADA irá elaborar o projeto básico de instalações com
todos os desenhos, detalhes e diagramas necessários ao seu perfeito
entendimento e submeter à CONTRANTE para aprovação.
2.26.2
A utilização de componentes não especificados neste memorial, deverão ser
previamente autorizados pela CONTRATANTE.
2.27
Sistema de Aterramento
2.27.1
O contêiner deverá ser fornecido com os seguintes componentes do sistema
de aterramento:
2.27.1.1
Barra de Aterramento Interno: Confeccionada em perfil retangular de cobre
eletrolítico, tratada com estanho em toda extensão. Deverá ser instalada
abaixo da placa de passagem dos cabos de rádio freqüência, centralizada
em relação a esta. A barra deverá ser ligada em um único ponto à rede de
terra externa conforme detalhes de montagem mostrados no projeto. O
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
projeto também contempla as dimensões, características construtivas da
barra, bem como número de barras e seu correto posicionamento dentro do
contêiner.
2.27.1.2
Anel Interno: Deverá ser executado em todo o perímetro do contêiner,
exceto sobre a porta, utilizando-se barra de cobre eletrolítico de 1”1/4x1/4”.
Ao anel interno serão interligadas todas as carcaças dos equipamentos e
quadros elétricos. O anel deverá ser fixado a 35 mm do teto. A barra que
compõe o anel deverá ser fixada em conectores e isoladores epóxi. O anel
deverá ser conectado à barra de aterramento interna conforme detalhes
apresentados no projeto.
2.27.1.3
Barra de Aterramento Externa: Construtivamente idêntica à interna, deverá
ser instalada no lado externo do contêiner, sob a placa de entrada dos
cabos, centralizada em relação a esta, e a uma distância de 150 mm abaixo
de sua borda inferior. À barra deverá ser aterrada a placa de passagem dos
cabos, utilizando-se cabo isolado de secção igual a #50 mm2. Ver detalhes
no projeto.
2.27.2
Na instalação dos componentes do aterramento devem ser observados os
seguintes pontos principais:
2.27.2.1
Devem ser evitadas curvaturas acentuadas nos cabos (cotovelos),
observando-se o raio mínimo de 200 mm.
2.27.2.2
Aterrar todas as estruturas metálicas existentes. Especial atenção ao
aterramento das esteiras, que deverá ser feito por um único ponto de forma
a se evitar caminhos secundários para eventuais correntes circulantes.
2.27.2.3
Nas emendas de eletrocalhas, perfilados e esteiras devem ser instalados
“jumpers”, feitos de cabo isolado secção #16mm2 com conectores de
compressão em ambas as pontas, de dois furos, interligando as duas peças
e firmemente conectados as extremidades, a fim de garantir a continuidade
elétrica nos percursos.
2.27.2.4
Os jumpers deverão ser feitos com condutores isolados nas cores
verde/amarelo, conforme padrão da ABNT, com secção nunca inferior a #16
mm2.
2.27.2.5
As barras de aterramento internas e externas deverão receber tratamento
antioxidante, após sua instalação.
2.28
Esteiramento:
2.28.1
O contêiner deverá ser fornecido com todos os esteiramentos necessários
para passagem dos cabos de energia CC/CA e para os cabos de fibra óptica
deverá ser fornecido calhas plásticas fechadas ao longo de todo o
esteiramento. As calhas deverão ter descidas em todos os gabinetes. O
Esteiramento deverá ser composto de armação suporte de 600 mm de
largura, longarina de 3000 mm de comprimento e espaçamento entre
travessas de 250 mm, com pintura eletrostática na cor cinza Munsell 6,5.
2.28.2
As esteiras deverão ser necessariamente instaladas a partir dos furos de
entrada da placa de passagem de cabos e deverão passar sobre os
bastidores dos equipamentos. Também deverá ser contemplada a
instalação de esteiras que permitam a passagem de cabos de energia CC
interligando bancos de baterias e bastidor da fonte de corrente continua
(FCC) e entre FCC e bastidores dos equipamentos de telecomunicações,
bem como entre FCC e QDCA.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
2.28.3
Os cabos de RF, FI e Fibra óptica e energia CC deverão ser instalados em
lados opostos em todos os percursos.
2.29
Iluminação e Tomadas.
2.29.1
A iluminação interna será composta de 4 luminárias 2x32W, modelo 410,
fabricação Itaim ou similar: duas de 2x32W com lâmpadas fluorescentes
com reator eletrônico de alto fator de potência, fabricação Philips ou similar,
e duas de 2x32W com lâmpadas fluorescentes alimentadas pelas baterias 48Vcc ou +24Vcc instaladas de forma intercalada, com comando via
interruptor independente. As luminárias alimentadas pelas baterias
funcionarão como emergência na falta de energia comercial.
2.29.2
Para a iluminação externa deverá ser instalada uma luminária junto à porta,
conforme indicado no projeto em anexo.
2.29.3
Deverá ser prevista a instalação de quatro tomadas universais (2P+T) em
conduítes tipo E, com tensão de 220 V para os sistemas trifásicos de 380 V
ou então duas tomadas 127 V e duas tomada 220 V para os sistemas
trifásicos de 220 V. Todas as tomadas deverão possuir indicações visuais da
tensão de uso, empregando-se etiquetas adesivas resistentes ao calor.
Todos os eletrodutos empregados deverão ser de ferro galvanizado pintados
na cor cinza.
2.30
Quadro de Distribuição de Corrente Alternada (QDCA)
2.30.1
Adotar os procedimentos, conforme a Especificação Técnica deste edital.
2.31
Detecção e Combate à Incêndio
2.31.1
Os contêineres deverão ser fornecidos com um sistema de detecção de
incêndio composto de um detector de fumaça e um detector
termovelocimétrico com todas as interfaces necessárias a conexão ao PLC.
2.31.2
Todas os contêineres deverão ser fornecidas com um extintor de incêndio
de CO2 de 6kg devidamente instalado do lado direito do acesso ao
contêiner.
2.32
Sistema de Ar Condicionado
2.32.1
Conforme especificação contida na seção VII deste Edital.
2.32.2
Os condicionadores de ar-condicionadodeverão
especificações indicadas na seção VII deste Edital.
2.32.3
O sistema de climatização deverá ser fixado na parede do contêiner, com 4
(quatro) máquinas do tipo wall mounted conforme o caso.
2.32.4
A fixação das máquinas de ar condicionado no lado externo deverá ser
executada com parafusos com cabeça redonda, ficando a porca no lado
interno do contêiner, com um acabamento de proteção sobre as porcas,
prevendo a instalação das máquinas de capacidades previstas nesta
especificação, incluindo-se as aberturas. As aberturas não utilizadas
deverão ser fechadas com chapas do mesmo material do contêiner.
2.32.5
O sistema de climatização sempre deverá ser instalado nas laterais
correspondentes à face menor do contêiner, concentrado em uma única
lateral. A referida lateral deverá ser devidamente reforçada para evitar
deformações em virtude da carga.
2.33
Sistema de Ventilação Forçada e Venezianas
2.33.1
Os equipamentos de ventilação deverão ter as seguintes características:
ter
atendidas
as
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
2.33.2
Caixa de ventilação de alumínio ou ferro galvanizado, pintadas interna e
externamente com tinta epóxi, com estrutura em travessas de encaixe de
alumínio extrudado, interligados através de cantos de nylon enriquecido com
fibra de vidro ou soldadas e/ou parafusadas, devidamente isolada
acusticamente, de modo a atender a norma ABNT de ruído em regiões
habitadas.
2.33.3
OPÇÃO I – Para estações em locais pouco povoados ou interior: no
contêiner deverá ser instalado um ventilador de emergência, modelo CVO 3,
-48 Vcc, vazão de ar 1.500m³/h, potência do motor de 300W.
2.33.4
OPÇÃO II – Para estações em locais povoados ou áreas residenciais:
no contêiner deverá ser instalado um ventilador de dupla aspiração com
rotor tipo Sirocco, de vazão de 4.000 m³/h, a pressão estática deve ser
compatível com a topografia do container, de 24 Vcc, potência do motor de
1.200W.
2.33.5
O nível de ruído externo não deverá ser superior a 50 db à 1,5m do
ventilador.
2.33.6
Para a tomada de ar, deverá ser instalada uma veneziana tipo TAE, com
damper de sobre-pressão e filtro em manta sintética lavável, tipo G3.
Dimensões detalhadas em projeto e previamente aprovada pela
CONTRATANTE.
2.33.7
A instalação da caixa de ventilação deve contemplar:
2.33.7.1
Instalação da caixa e grelha com todas as furações, reforços e
recomposições necessárias no container;
2.33.7.2
Instalação do quadro elétrico e transdutor de umidade/ temperatura para
realizar o controle de entalpia;
2.33.7.3
Interligação entre o quadro da ventilação e o QDG interno;
2.33.7.4
Interligação de comando entre o quadro de ventilação e o PLC existente
(quando não houver PLC realizar a função entálpica com os transdutores de
umidade/temperatura e quadro próprio de ventilação);
2.33.7.5
Intertravar a ventilação com o ar condicionado via PLC, garantindo que não
ocorra sobreposição de funcionamento dos mesmos;
2.33.7.6
Apresentar projeto executivo prévio e “as built” das instalações.
2.33.8
Para funcionamento da Ventilação Forçada deverão ser obedecidos os
seguintes parâmetros de operação:
2.33.8.1
1ª Condição - como ciclo economizador:
2.33.8.1.1 TBS externo:  21°C
2.33.8.1.2 UR externa:  80%
2.33.8.2
2ª Condição – como ventilação de emergência:
2.33.8.2.1 TBS interno:  28°C
2.33.9
Em estações próximas da orla marítima (<30 Km) a 1ª Condição – como
ciclo economizador, não deverá ser adotada, mantendo somente a 2ª
Condição – como ventilação de emergência.
2.34
Controlador Lógico Programável - PLC
2.34.1
Ver Especificações na Seção VIII deste documento.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
2.35
Quadro de Distribuição de Alarmes (QSTM)
2.35.1
Instalar um quadro de alarmes com bornes de interligação para
centralização dos alarmes dos diversos elementos de infra. A lista dos
alarmes pertinentes deverá ser sugerida pela CONTRATADA. A lista deve
contemplar posições de reserva que serão utilizadas para os alarmes
específicos.
2.35.2
Mesmo para os equipamentos não fornecidos pela integradora do contêiner,
os cabos de alarme devem ser instalados do bloco de alarmes até as
posições dos equipamentos a serem instalados, deixando-se uma folga de
2,0 m.
2.35.3
Todos os cabos deverão ser identificados em suas extremidades, inclusive
as suas veias internas.
2.36
Sistema de Alimentação CC
2.36.1
Para todos os equipamentos alimentados em CC, a CONTRATADA deverá
fornecer o cabeamento entre o equipamento e a fonte CC, deixando uma
folga em cada cabo de 2,0 m para interligação futura.
3.
CARACTERÍSTICAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO
3.1
As superfícies externas deverão ser estanques à água, conforme critério
ABNT 5965 para proteção IP 55.
3.2
As superfícies externas terão superfície uniforme e deverão estar livres de
defeitos, tais como:
3.2.1
Perfurações.
3.2.2
Bordas não retilíneas.
3.2.3
Rupturas.
3.2.4
Fendas.
3.2.5
Juntas inadequadas.
3.2.6
Protuberâncias.
3.2.7
Rachaduras.
4.
CARACTERÍSTICAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO
4.1
Composição.
4.1.1
Poderá ser realizado mediante lâminas ou injeção de espuma de
poliuretano, nas densidades nominais de: 32, 35, 40 e 70 kg/m3.
4.1.2
A espessura mínima das lâminas de poliuretano será de 30 mm.
4.1.3
O tempo de queima da espuma de poliuretano estará compreendido entre 5
e 60s, ou seja, o tempo de demora para começar a reagir a partir do início
da perturbação, se determinando por apreciação visual e coincidindo com o
começo da gaseificação e com a alteração brusca da viscosidade e da cor
dos conservantes.
4.1.4
O tempo de solidificação da espuma de poliuretano estará compreendido
entre 30 e 500s, ou seja, tempo de demora para que a espuma se solidifique
a partir do início da perturbação. Também é determinado por apreciação
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
visual e coincide com o momento em que, ao ser depositado um fio de metal
sobre a superfície da espuma, é possível extrair um filamento da mesma.
4.1.5
Poderá ser utilizado outro material básico de emprego fundamental para
isolamento térmico das vedações, desde que sejam atendidas as exigências
requeridas. Neste caso, o fabricante indicará os valores das características
higrotérmicas especificadas no sistema internacional de medidas.
4.1.6
Nos contêineres metálicos, entre a espuma de poliuretano e o revestimento
interno, deverá ser instalado em toda a extensão das paredes, compensado
naval de 12 mm.
4.2
Condutividade Térmica.
4.2.1
Os coeficientes de condutividade térmica equivalente dos materiais
utilizados na confecção das paredes não deverão ser superiores a 0,6
kcal/h°Cm².
4.2.2
Para materiais isolantes comercializados em espessuras consistentes e
determinados, deverá ser indicada, além de sua condutividade térmica, a
resistência térmica correspondente.
4.3
Densidade Aparente.
4.3.1
É a relação entre o peso da amostra em gramas e seu volume aparente em
cm3, ou kg/m3. O fabricante deverá indicar a densidade aparente de cada
um dos tipos de produtos fabricados, relacionando-os com a condutividade
térmica para cada tipo específico e com sua resistência térmica em
materiais comercializados em espessuras determinadas.
4.4
Permeabilidade ao Vapor D‟água.
4.4.1
É a quantidade de vapor d‟água que se transmite através de um material de
densidade especificada por unidade de área, unidade de tempo e da
diferença de pressão parcial de vapor d‟água. Considerando a importância
que o conteúdo de umidade de um material isolante tem entre outras
propriedades como a condutividade térmica e a densidade, esta propriedade
deverá ser indicada em cada um dos tipos de materiais isolantes, bem como
sua resistividade ao vapor e resistência à difusão ao vapor.
4.5
Outras Propriedades.
4.5.1
O fabricante deverá indicar outras propriedades que possam ser relevantes
em função do material e das condições em que se irá instalar o material
isolante, tais como: resistência à compressão e à flexão, envelhecimento
ante a umidade, ao calor e às radiações, deformação sob carga, coeficiente
de dilatação linear, comportamento frente a parasitas, agentes químicos e
fogo.
4.6
Apresentação de Medidas e Tolerâncias.
4.6.1
Os materiais isolantes, em suas distintas formas de apresentação, deverão
ser expedidos em embalagens que garantam seu transporte sem
deterioração até sua montagem, devendo ser indicadas as características
dos mesmos. Além disso, o fabricante deverá especificar na documentação
técnica de seus produtos, as dimensões e tolerâncias dos mesmos.
4.7
Pintura.
4.7.1
A CONTRATADA deverá prover a pintura do contêiner conforme as
especificações da ABNT.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.
IDENTIFICAÇÃO
5.1
Todos os painéis, componentes, fiação interna, tomadas e interruptores
deverão ser identificados conforme padrão a ser definido pela
CONTRANTE.
6.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA
6.1
Os projetos e a documentação técnica aplicáveis deverão ser apresentados
quando da entrega da proposta.
6.2
A CONTRATADA deverá entregar, antes de começar a fabricação, toda a
documentação técnica complementar, contendo os cálculos justificativos das
dimensões, os materiais empregados, de acordo com as especificações
técnicas adotadas, e os procedimentos de fabricação, para aprovação
prévia.
6.3
Os projetos executivos dos contêineres devem ser apresentados para
aprovação da CONTRATANTE com todo detalhamento construtivo bem
como indicação dos materiais de acabamento, isolamento, pintura e outros
julgados necessários para boa definição dos projetos.
6.4
Devem ser encaminhados para aprovação os seguintes documentos
técnicos:
6.4.1
Projetos (plantas, vistas e cortes) do container;
6.4.2
Projeto de Iluminação e Tomadas;
6.4.3
Esquema unifilar, trifilar, funcional, ligação e interligação de equipamentos e
quadros;
6.4.4
Plantas do Container mostrando tubulações, eletrocalhas, esteiras, etc.
destinadas a cabeação de interligação de quadros e equipamentos (força e
controle);
6.4.5
Lista de material dos componentes utilizados, mencionando claramente o
fabricante e o tipo;
6.4.6
Catálogos com literatura técnica de todos os componentes;
6.4.7
Lista de componentes sobressalentes a ser mantida pela CONTRATANTE;
6.4.8
Memória de cálculo dos projetos;
6.5
Após a aprovação dos projetos a empresa CONTRATADA deverá fornecer o
“As Built” do projeto em meios magnéticos (AutoCad – arquivos DWG). Uma
cópia da documentação acima deverá ser fornecida junto com os
contêineres e outra enviada a CONTRATANTE.
7.
RESPONSABILIDADE, GARANTIA E ASSISTÊNCIA TÉCNICA
7.1
O contêiner será garantido por um período mínimo de 5 (cinco) anos,
contados a partir da data da aceitação. Deverá também ser fornecida a
documentação completa do contêiner com todos os projetos, manuais
técnicos de operação e manutenção, instruções para içamento, bem como
de todos os equipamentos que fazem parte da integração, com os seus
respectivos certificados de garantia. Esta documentação deverá ser
entregue encadernada no formato A4.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
7.2
A CONTRATADA assumirá integral responsabilidade pela boa execução e
eficiência dos serviços que executar conforme especificado no ANEXO II, de
acordo com os projetos e especificações técnicas fornecidas.
7.3
Por tal garantia, entende-se a obrigatoriedade de substituir todos os
componentes que, comprovadamente, apresentem defeito de fabricação ou
montagem.
8.
TESTES
8.1
Antes de serem transportados para os locais determinados pela engenharia,
o contêiner e todos os equipamentos e unidades que fazem parte da semiintegração deverão ser testados. Em qualquer momento que julgar
necessário, a CONTRATANTE poderá solicitar a realização de testes em
fábrica, conforme a seguir relacionados:
8.2
Ensaio de Resistência
8.2.1
Na condição de içamento superior com carregamento distribuído de
1.000kg/m², simulando assim as condições previstas para uso do contêiner,
o mesmo deverá se manter estável e não apresentar deformações. Deverá
ser feita a verificação das deformações na cabine para cada passo do
carregamento.
8.3
Tabela Resumo de Ensaio
%
25
50
75
100
120
Q (kgf/m2)
P (Tf)
250
500
750
1.000
(içamento)
1.200
NA
ΔL
ΔP (porta) (Lat.)
NA
NA
Tabela 1 – Resumo de Ensaio
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
8.3.1
Onde,
8.3.1.1
Q = Carga distribuída (kgf/m2) por metro ao quadrado;
8.3.1.2
P = Peso total (Tf);
8.3.1.3
ΔP = Deflexão máxima (mm) do lado da porta oposta ao canto;
8.3.1.4
ΔL = Deflexão máxima (mm) do lado oposto ao da porta, no meio do vão do
contêiner.
8.3.2
Na condição de capacidade resistente apoiado no solo, com um
carregamento uniformemente distribuído de 1.200 kgf/m2 a estrutura não
deverá sofrer qualquer dano e a porta deverá continuar funcionando
perfeitamente.
8.3.3
Na condição capacidade resistente apoiado, será instalado um
carregamento 2.500 kgf distribuído em uma região de 1,0 m x 1,0 m no
centro do contêiner e na lateral, alternadamente (não concomitante),
estando o restante do contêiner descarregado. Nesta condição de ensaio, a
estrutura não deverá sofrer qualquer dano e a porta deverá continuar
funcionando perfeitamente.
8.4
Ensaio de Estanqueidade
8.4.1
Hermeticidade do Contêiner (inclusive porta) - jateamento de água em alta
pressão sobre a superfície da mesma, conforme ABNT 5965 IP 55.
8.5
Testes Elétricos
8.5.1
QDCA – Teste de continuidade e isolação;
8.5.2
PLC - Simulações para acionamento da ventilação de emergência e
comutação entre máquinas.
8.6
Nota - Todos os equipamentos ofertados, quando aplicável, deverão estar
homologados pela ANATEL, devendo os mesmos possuir códigos já
autorizados por aquela Agência.
9.
NORMAS APLICÁVEIS
9.1
As normas abaixo citadas devem ser aplicadas na fabricação e semiintegração do contêiner:
9.1.1
ABNT NBR 5410 - Instalações Elétricas de Baixa Tensão
9.1.2
ABNT NBR 6123 - Forças Devidas ao Vento em Edificações
9.1.3
ABNT NBR 6118 - Projeto de Execução de Obras de Concreto Armado
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
SEÇÃO III– ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE INFRAESTRUTURA PARA
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
1.
OBJETIVO
1.1
Esta seção tem como objetivo apresentar o detalhamento, ou seja, as
especificações dos itens que irão compor a lista relativa ao sistema em
corrente alternada para a composição dos modelos.
2.
SISTEMA DE ENERGIA EM CORRENTE ALTERNADA
2.1
Esta seção especifica requisitos gerais aplicáveis no todo ou em parte para
o fornecimento de equipamentos, materiais a serem aplicados nas
instalações do Sistema de Energia em Corrente Alternada.
2.1.1
Todos os equipamentos e materiais a serem fornecidos bem como a
execução das instalações elétricas, deverão obedecer às seguintes normas:
2.1.2
ABNT
2.1.2.1
NBR 5410 - Instalações Elétricas de Baixa Tensão.
2.1.2.2
NBR 5419 - Proteção de Estruturas Contra Descargas Atmosféricas.
2.1.2.3
NBR 14039 – Instalações Elétricas de Alta Tensão (de 1,0 kV a 36,2 kV).
2.1.2.4
Normas das Concessionárias de Energia Local que atendam a região de
implantação da estação a ser construída.
2.1.3
ANATEL
2.1.3.1
Certificados de Homologação para todos os equipamentos da Série
Infraestrutura.
2.1.4
ANEEL
2.1.4.1
Resolução nº 456/2000 – Condições Gerais de Fornecimento de Energia
Elétrica.
2.1.5
Situações Específicas.
2.1.5.1
Nos casos em que ocorram situações que não se enquadrem em nenhuma
das normas técnicas anteriormente citadas, os problemas e possíveis
soluções devem ser encaminhadas à CONTRATANTE, que após análise e
verificação definirá qual norma deve ser adotada.
2.1.6
Quadros de Distribuição para alimentação de equipamentos Indoor.
2.1.6.1
O Quadro de Distribuição de Corrente Alternada (QDCA), é o quadro
destinado a abrigar os dispositivos de proteção dos circuitos elétricos de
distribuição, de forma individualizada, para atender a alimentação dos
consumidores em CA, internos aos abrigos.
2.1.6.2
O QDCA deverá ser equipado com supressores de surtos nas três fases e
neutro, conforme especificações indicadas a seguir.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
2.1.6.2.1
As entradas das tubulações nas caixas de passagem, devem ser
preferencialmente em 90º e com instalação de buchas e arruelas nas
extremidades.
2.1.6.3
Todos os quadros de energia devem ter:
2.1.6.3.1
Bandeja de montagem, trilho para disjuntores, barramento, tampa com
dobradiça e trinco, fabricado em chapa metálica com espessura mínima de
#16MSG e pintura eletrostática na cor cinza – código Munsell N6,5, atender
as especificações dos projetos.
2.1.6.3.2
Tomada de uso geral (127 V ou 220V), para serviço.
2.1.6.3.3
Barramentos de Neutro e Terra independentes.
2.1.7
Barramentos.
2.1.7.1
Os barramentos de cobre devem ser dimensionados, observando os
seguintes critérios:
2.1.7.2
Capacidade de 110% (cento e dez por cento) da corrente nominal do
quadro, em função de:
2.1.7.2.1
Perda de condução pela diminuição da seção, em função dos furos para a
fixação nas barras.
2.1.7.2.2
Temperatura ambiente de 40°C.
2.1.7.2.3
Disposição das barras no quadro.
2.1.7.3
Quanto às cores dos barramentos, caso a Concessionária Local não defina
em suas normas, deverão ser padronizados e pintados com as seguintes
cores:
2.1.7.3.1
Fase A – Amarelo.
2.1.7.3.2
Fase B – Branco.
2.1.7.3.3
Fase C – Cinza.
2.1.7.3.4
Neutro - Azul claro.
2.1.7.3.5
Terra - Verde.
2.1.7.4
Os barramentos devem ser de cobre eletrolítico apropriado para fins
elétricos (teor de pureza aproximada de 99,5 % e condutividade mínima de
91% IACS - International Annealed Copper Standard, para cobre).
2.1.7.5
Os locais de conexão devem ser convenientemente tratados (prateado por
eletro deposição ou estanhados) de forma que as perdas sejam mínimas.
2.1.8
Disjuntores
2.1.8.1
Devem ser mini disjuntores do tipo termo-magnético, protegendo fios, cabos
e barramentos contra sobrecargas e curto-circuitos, com as seguintes
características:
2.1.8.1.1
Os disjuntores de alimentação dos equipamentos, devem ter capacidade de
ruptura para atender o nível de curto-circuito dimensionado para o local da
instalação, não devendo a capacidade de ruptura ser inferior a 4,5kA em
380V, em qualquer situação.
2.1.9
Esteiras, Eletrocalhas ou Perfilados
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
2.1.9.1
Todas as estruturas metálicas (Esteiras, Eletrocalhas ou Perfilados), devem
ter galvanização a fogo para as instalações externas e galvanização
eletrolitica e pintados com acabamento final na cor cinza - código Munsell
N6,5, para as instalações internas, mantendo sempre o padrão existente.
2.1.9.2
As dimensões dos esteiramentos ou eletrocalhas devem atender a
necessidade de cada projeto (200, 300, 400, ou 600 mm).
2.1.9.3
As esteiras devem ser tipo longarinas finas (costelas de vaca) e
devidamente soldadas, com emendas apropriadas para a garantia da rigidez
e continuidade elétrica.
2.1.9.4
As eletrocalhas devem ser do tipo perfurada, com tampa, acessórios e
instaladas de forma a manter a continuidade elétrica em toda a sua
extensão.
2.1.9.5
Os perfilados metálicos, quando necessário, devem ser do tipo perfurado e
de dimensões 38 x 38 mm.
2.1.10
Qualquer corte em campo, durante as instalações, deve sofrer tratamento
adequado com fundo e galvanização a frio.
2.1.11
Caixas de Passagem.
2.1.11.1
Todas as caixas de passagem subterrâneas, para elétrica ou transmissão,
devem ter dimensões internas de 60 x 60 x 60 cm, com tampa de ferro
fundido e identificada na própria fundição.
2.1.12
Eletrodutos.
2.1.12.1
Os eletrodutos expostos ao tempo devem ser do tipo Ferro Zincado (FºZº),
ou do tipo “seal tube”, fixado por abraçadeiras metálicas a cada 40 cm de
espaçamento máximo.
2.1.12.2
Os eletrodutos embutidos (parede ou piso), enterrados ou aparentes indoor,
deverão ser de PVC rígido, roscável, com todos os acessórios apropriados.
2.1.12.3
Para passagem de Fibra Óptica, sempre instalar curvas longas ou caixas de
passagem nos trechos maiores que 15,00 m e utilizar 2”.
2.1.13
Tomadas
2.1.13.1
As tomadas devem ser instaladas e distribuídas de forma a atender as
necessidades específicas.
2.1.13.2
As tomadas devem ser do tipo universal, tripolar, com dois pinos redondos e
chatos e mais o terra (2P + T) para 15 A / 250 V, com tampa para a
instalação em condulete.
2.1.14
Interruptores
2.1.14.1
Os interruptores devem ser localizados próximos às portas de acesso,
sendo individualizados e com comando independente para cada ambiente.
2.1.14.2
A iluminação externa e o balizamento aéreo noturno devem ser comandados
por relés fotoelétricos independentes.
2.1.14.3
Os interruptores devem ser do tipo fosforescente 10 A / 250 V, com tampa
para instalação em condulete. A distribuição de carga nos interruptores deve
ser limitada a 6 A.
2.1.15
Luminárias
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
2.1.15.1
As luminárias internas devem ser do tipo instalação aparente, para 2
lâmpadas fluorescentes de 32 W.
2.1.15.2
Devem ser equipadas com reator eletrônico ou magnético com alto fator de
potência e partida rápida, com lâmpadas de 32 W, do tipo branca Confort ou
similar de alto rendimento;
2.1.15.3
Luminária para iluminação externa, deve ser do tipo a prova de tempo,
umidade, gases, vapores e pós, com lâmpada mista 250W, instalada
conforme recomendações do fabricante e na tensão nominal local.
2.1.16
Níveis de Iluminamento.
2.1.16.1
Os níveis de iluminamento recomendáveis para os ambientes de
equipamentos devem ter no mínimo 500 lux.
2.1.17
Circuitos.
2.1.17.1
Os circuitos de iluminação e tomadas devem ser independentes.
2.1.17.2
Para alimentação dos Quadros de Ar Condicionado (QAC), os circuitos de
alimentação devem ser independentes e na tensão disponível na Estação.
2.1.18
Condutores
2.1.18.1
Para ambientes internos e instalados em eletrodutos, eletrocalhas ou
esteiramentos, utilizar condutores com isolação de PVC para tensão de
isolamento de 0,45/0,75 kV.
2.1.18.2
Para ambientes externos ou subterrâneos, instalados em eletrodutos ou em
canaleta no piso, utilizar condutores com isolação de PVC para tensão de
isolamento de 0,6/1,0 kV.
2.1.18.3
As seções devem ser dimensionadas de acordo com critérios e
recomendações da NBR-5410 – Instalações Elétricas em Baixa Tensão.
2.1.18.4
A seção mínima para as instalações de iluminação e tomadas, deve ser de
2,5 mm².
2.1.18.5
Todos os circuitos elétricos devem ser executados, obrigatoriamente, com
cabos flexíveis.
2.1.18.6
Devem ser identificados pelas seguintes cores:
2.1.18.6.1 Fase A – Amarela.
2.1.18.6.2 Fase B – Branca.
2.1.18.6.3 Fase C – Cinza.
2.1.18.6.4 Neutro – Azul claro.
2.1.18.6.5 Terra – Verde-Amarelo.
2.1.18.6.6 Retorno - Vermelho.
2.1.18.7
Devem ser evitadas as emendas dos condutores, quando necessárias estas
devem ser feitas dentro das caixas de passagens, utilizando terminais
apropriados do tipo compressão e isolados com capa termo-contrátil, ou
com fita de auto-fusão.
2.1.18.8
Nas tubulações subterrâneas não serão permitidas emendas nos cabos.
2.1.19
Identificações
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
2.1.19.1
Os quadros de distribuição devem ser identificados por placas de acrílico na
cor azul escuro, com letras brancas tipo arial negrito, nos tamanhos
indicados na vista frontal dos mesmos.
2.1.19.2
Os disjuntores devem ser identificados com número, por placa de acrílico na
cor azul escuro, com letras brancas tipo arial negrito, nos tamanhos
indicados nos desenhos e colados lateralmente a cada disjuntor.
2.1.19.3
Os quadros de cargas (após “as built”) devem ser plastificados e colados no
lado interno das respectivas tampas dos mesmos.
2.1.19.4
Os condutores devem ser identificados através de anilhas com o número do
circuito na extremidade de cada cabo, junto ao disjuntor.
2.1.19.5
Os espelhos dos interruptores e tomadas devem ser identificados, com o
número do circuito e tensão, por gravação com letras de forma em baixo
relevo (Ex.: C01-220V).
2.2
Entrada de Energia em Baixa Tensão
2.2.1
As capacidades das entradas de energia em baixa tensão devem atender o
estabelecido nas normas técnicas das Concessionárias de Energia locais,
devendo ser atendido no padrão Trifásico (F, F, F e N), de acordo com a
necessidade de cada estação, e segundo os padrões das Concessionárias
de Energia.
2.2.2
Todos os padrões de entrada de energia devem ser instalados com
medidores de energia.
2.2.3
Adotar como instalação básica a entrada de energia aérea, com a caixa de
medidores fixada em poste, porém, em caso específicos a entrada de
energia poderá ser subterrânea.
2.2.4
Os alimentadores até a medição, em qualquer situação, devem ter seção
mínima de 35 mm².
2.2.5
As tubulações subterrâneas devem ser em eletroduto de PVC de diâmetro
compatível com os padrões de entrada de energia e dos cabos a serem
utilizados, entretanto não devem ter diâmetro inferior a 2”.
2.2.6
Os cabos a serem utilizados devem ser do tipo unipolar, com isolação de
PVC e isolamento para 0,6/1,0 kV.
2.2.7
O neutro da rede e demais partes metálicas da entrada de energia em baixa
tensão, devem ser aterrados na malha de aterramento e interligado com a
malha da Estação.
2.2.8
As caixas de medição devem ser conforme padrões definidos pelos
parceiros cedentes do local.
2.2.9
As proteções nas caixas de medições devem ser feitas, sempre com
disjuntores termomagnéticos.
2.2.10
As caixas de passagens devem ser construídas junto ao ramal de entrada,
com dimensões mínimas de 60 x 60 x 60 cm, adotando-se caixas
intermediárias a cada 15,00 m de distância.
2.2.11
Elaborar os projetos específicos para cada instalação e solicitar aprovação
da Concessionária de Energia, se necessário, assim como a verificação da
CONTRATANTE;
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
2.2.12
Todos os processos administrativos e custos decorrentes para aprovação
dos projetos, pedidos de ligações, contatos com a Concessionária de
energia e solicitações das extensões / reforços das redes de energia elétrica
para atenderem as Estações, devem ser de total responsabilidade da
CONTRATADA.
2.3
Extensão de Rede de Energia em Baixa Tensão
2.3.1
Conforme condições da Resolução nº 456/2000 da ANEEL, é de
responsabilidade da concessionária de energia elétrica, disponibilizar
energia até o padrão de entrada de energia para atendimento aos
consumidores em Baixa Tensão, de acordo com a necessidade de cada
Estação, e segundo os padrões dos parceiros cedentes.
2.3.2
Em situações especiais e de conveniências para a CONTRATANTE, quando
o parceiro cedente apresentar dificuldades nos atendimentos, podem ser
necessários às execuções das redes de extensões em Baixa Tensão,
nestes casos, devem ser analisados e verificados junto à concessionária de
energia a participação financeira deste na obra.
2.3.3
Qualquer valor ressarcido pela Concessionária de energia a título de
participação financeira na obra, a única beneficiária será a CONTRATANTE.
2.3.4
A extensão de rede e energia em Baixa Tensão deve ser compatível com os
padrões de entrada de energia respectiva.
2.4
Posto de Transformação.
2.4.1
As capacidades dos Postos de Transformação devem ser conforme
estabelecidos nas normas técnicas das Concessionárias de Energia local,
podendo ser atendidos nos padrões Monofásico (F e N), Bifásico (F, F e N)
e Trifásico (F, F, F e N), de acordo com a necessidade de cada Estação, e
segundo os padrões das Concessionárias de Energia. Sempre que possível
as alimentações devem ser trifásicas.
2.4.2
Adotar como instalação básica, o Posto de Transformação aéreo, com
caixas de medidores fixadas em mureta de alvenaria, conforme padrões
definidos pelas Concessionárias de Energia elétrica local.
2.4.3
Os alimentadores, a partir da medição até o quadro de distribuição, em
qualquer situação, devem ser embutidos ou subterrâneos;
2.4.4
A tubulação subterrânea deve ser de ferro zincado ou PVC, de diâmetro
compatível com os padrões de entrada de energia e dos cabos a serem
utilizados;
2.4.5
Os cabos a serem utilizados devem ser do tipo unipolar, com isolação de
PVC e isolamento para 0,6/1,0 kV;
2.4.6
As proteções nas caixas de medições devem ser feitas, sempre com
disjuntores termomagnéticos;
2.4.7
O neutro da rede, o pára-raios e demais partes metálicas do Posto de
Transformação, devem ser aterrados na malha de aterramento e interligado
com a malha da Estação;
2.4.8
A CONTRATADA será responsável pelas providências junto às
Concessionárias de Energia, para a ligação e energização definitiva do
Posto de Transformação, inclusive registros de projeto e execução.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
2.4.9
Uma via da ART deverá ser entregue a CONTRATANTE, juntamente com
uma cópia do projeto aprovado pela Concessionária.
2.5
Considerações Gerais para Energia CA
2.5.1
Considerar que todos os modelos possuem energia CA em baixa tensão
disponível em poste na entrada do terreno a ser construída a estação.
2.5.2
Contudo a CONTRATADA deve prever na LPU o custo de implantação da
rede de energia CA por km implantado.
2.5.3
A CONTRATADA quando for o caso deverá elaborar o contrato de doação
do posto de transformação para que a concessionária possa dar
manutenção.
3.
SISTEMA DE ENERGIA EM CORRENTE CONTÍNUA
3.1
As Especificações deste item estão apresentadas na Seção VI –
Especificações Técnicas de Infraestrutura para sistemas de Retificadores
Chaveados em alta Freqüência.
4.
SISTEMA DE PROTEÇÃO ELÉTRICA
4.1
Este item especifica requisitos gerais aplicáveis para o fornecimento de
equipamentos, materiais a serem aplicados nas instalações do Sistema de
Proteção Elétrica.
4.2
O Sistema de Proteção Elétrica está composto das seguintes instalações:
4.2.1
Sistema de Aterramento.
4.2.2
Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas.
4.2.3
Sistema de Proteção Contra Surtos de Tensão.
4.3
Normas Aplicáveis.
4.3.1
Todos os equipamentos e materiais a serem fornecidos bem como a
execução das instalações de proteções elétricas, além das normas citadas
no item 01.0 – Sistemas de Instalação em Corrente Alternada, deverá
obedecer a NBR 5419 – Proteção de estruturas contra descargas
atmosféricas.
4.4
Sistemas de Aterramento.
4.4.1
A malha de aterramento, além de atender as normas da ABNT, devem ser
projetadas e executadas para suportar correntes de alta amplitude e alta
freqüência, correntes de amplitudes variáveis e de baixa freqüência (60Hz),
correntes de amplitudes variáveis e correntes de origem eletrostática.
4.4.2
Na malha de aterramento devem ser previstos elementos para proteção
contra corrosão galvânica (anodos de zinco), principalmente em localidades
situadas em regiões litorâneas ou com solo agressivo. Os anodos de zinco
não devem ser utilizados como elementos de dissipação das correntes de
descargas atmosféricas.
4.4.3
A malha de aterramento e as suas ligações devem ser compatíveis com a
necessidade dos equipamentos e seus periféricos e de outros equipamentos
existentes na Estação.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
4.4.4
A malha de aterramento deve ser única para a Estação, ou seja, as malhas
de terra dos equipamentos CC, CA, estruturas metálicas e de proteção
contra descargas atmosféricas devem ser interligadas de forma
conveniente.
4.4.5
Todas as conexões subterrâneas (cabo x cabo, cabo x barra, cabo x
eletrodo, etc.), devem ser do tipo HYGROUND com conector de alta
pressão.
4.4.6
As conexões externas protegidas podem ser através de conectores de
compressão apropriados que garantam ótima conexão dos materiais.
4.4.7
A malha de aterramento deve ser composta de:
4.4.7.1
Hastes de aterramento de diâmetro 3/4” com 3,0 m de comprimento, tipo
COPPERWELD, com alma de aço e revestimento de cobre eletrodepositado
com espessura mínima de 254μ.
4.4.7.2
Cabo de cobre nu, têmpera meio mole, formação 7 fios, seção nominal de
50 mm² ou cordoalha de aço cobreado.
4.4.7.3
A profundidade da malha de aterramento deve ser de no mínimo 60 cm e o
valor da resistência da malha de terra, de forma geral, não deve ser superior
a 10 .
4.4.8
A CONTRATADA deverá prever medições de malhas de aterramento
quando necessário, devendo ser apresentado à CONTRATANTE, relatório
para futura tomada de providências;
4.4.9
Todas as carcaças dos equipamentos, quadros elétricos, ferragens e partes
metálicas (esteiras ou eletrocalhas, eletrodutos, dutos de ar condicionado,
etc.), devem ser aterradas convenientemente, obedecendo a critérios
específicos para cada tipo de instalação.
4.4.10
As cercas do terreno quando forem metálicas, devem ser aterradas em
todos os lados e sempre que sofrer descontinuidade, na malha de
aterramento da Estação.
4.4.11
As ligações de terra a partir da malha de aterramento para a barra geral na
base do SKID devem ser feitas com cabos de cobre nu 50 mm². As ligações
da barra geral no SKID metálico, para as carcaças, ferragens, etc., serão
feitas com cabo isolado verde, conforme desenho de implantação.
4.4.12
Os condutores internos de equalização de potencial dos equipamentos e
quadros, que interligam ao barramento geral de aterramento, devem possuir
seção mínima de 35 mm², isolado para 750 V e na cor verde ou
verde/amarela.
4.4.13
As barras de aterramento a serem instaladas na Caixa Subterrânea e no
“SKID” metálico, nas dimensões de 300 mm x 50 mm x 6,35 mm, devem ser
de cobre estanhado, bem como todas as conexões dos cabos internos de
ligação de aterramento.
4.4.14
O positivo de todo o sistema de CC de cada Estação é aterrado em apenas
um ponto, sendo este ponto a barra positiva do QDCC principal.
4.5
Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas.
4.5.1
Para os contêineres metálicos, não há necessidade de instalar captores
adicionais, utilizar a própria estrutura metálica como tal, deve ser aterrada a
estrutura metálica na malha de terra, em dois pontos de forma diagonal.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
4.6
Sistema de Proteção Contra Surtos e Transitórios.
4.6.1
Os supressores de surtos de tensão devem ter características técnicas
adequadas para as necessidades dos locais a serem instalados.
4.6.2
Devem ser previstos supressores de surto de tensão preferencialmente nos
seguintes casos (quando de responsabilidade da CONTRATADA).
4.6.2.1
No Quadro de Distribuição de Corrente Alternada (QDCA).
4.6.2.2
Na entrada CA da fonte CC (SR) e na entrada CC do QDCC.
4.6.2.3
Sempre que houver interligação elétrica entre prédios ou trechos longos de
condutores, devem ser instalados os supressores nos quadros terminais, ou
blindagem dos circuitos por “seal tube” ou eletrodutos zincados com as
extremidades devidamente aterradas.
4.6.3
Os supressores de tensão devem ser instalados de forma que os condutores
de ligação, do supressor para as fases e do supressor para a carcaça,
tenham os menores comprimentos possíveis (máximo de 50 cm no total).
4.6.4
Os supressores de surto de tensão devem ser dimensionados e instalados
convenientemente, de forma a possibilitar uma proteção coordenada e
efetiva nas instalações e equipamentos de uma Estação, atendendo sempre
as recomendações dos fabricantes indicados.
4.6.5
No SR instalar supressores nas três fases e neutro se existir (fase A, B, C e
N). As ligações dos supressores nas respectivas fases e neutro devem ser
feitas nos barramentos, junto ao disjuntor principal e na barra de
aterramento ou no ponto de ligação do cabo terra na carcaça do quadro.
4.6.6
Nos QDCCs, instalar supressores nos pólos negativo e positivo, observando
o seguinte: quando o positivo estiver aterrado no quadro, não há
necessidade do supressor. As ligações dos supressores nos respectivos
pólos devem ser feitas nos barramentos, junto à entrada do quadro e na
barra de aterramento ou na carcaça do quadro, adotando sempre a solução
que utiliza o menor comprimento de cabo.
5.
MANUAIS
5.1
Serão exigidos, por ocasião da entrega do equipamento, os seguintes
documentos:
5.1.1
Certificados de Homologação ANATEL.
5.1.2
Diagramas de força e controle.
5.1.3
Manual de manutenção preventiva e corretiva.
5.1.4
Manual de operação.
5.1.5
Relação de defeitos mais comuns e possíveis de ocorrer, causas mais
prováveis e procedimentos para correção.
5.1.6
Relação de componentes que deverão compor um estoque mínimo de
reposição, incluindo marca, nome do fabricante e eventuais similares.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
6.
CERTIFICADOS DE GARANTIAS
6.1
Os equipamentos e materiais deverão ter garantia integral contra defeitos de
projeto, fabricação, instalação e desempenho inadequado, conforme o item
5.67 do Termo de Referencia.
6.2
A CONTRATADA deverá fornecer equipamentos com certificado de
homologação na ANATEL.
6.3
Os certificados aceitos, em caso de equipamentos cuja homologação não
seja compulsória pela ANATEL, serão aqueles emitidos por organizações
designadas pela ANATEL.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
SEÇÃO IV – ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE INFRAESTRUTURA PARA
SISTEMAS RETIFICADORES CHAVEADOS EM ALTA FREQÜÊNCIA
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
1.
OBJETIVO
1.1
Esta Especificação tem por objetivo estabelecer as características técnicas a
serem atendidas pelas unidades retificadoras, chaveadas em alta
freqüência, contemplando unidades que utilizam sistema de ventilação
forçada.
1.2
É obrigatório o fornecimento de equipamento homologado pelos órgãos
competentes.
2.
DEFINIÇÕES
2.1
UR (Unidade Retificadora) – unidade responsável pela conversão de energia
CA em CC.
2.2
UR - unidade retificadora chaveada em alta freqüência que utiliza sistema de
ventilação forçada.
2.3
USCC - Unidade de Supervisão de Corrente Contínua.
2.4
SR (Sistema de Retificadores) - conjunto formado pelas unidades: de
supervisão, de distribuição (consumidores e baterias) e retificadoras,
utilizando tecnologia de chaveamento em alta freqüência, associadas em
paralelo (sistema hot stand-by), com obrigatoriedade de equalização da
corrente de saída entre as mesmas.
2.5
Entrada da UR - terminal de entrada da unidade localizado antes do
disjuntor/fusível de entrada correspondente.
2.6
Saída da UR - terminal de saída da unidade localizado imediatamente após
o disjuntor/fusível de saída correspondente.
3.
CARACTERÍSTICAS GERAIS
3.1
Chaveamento em alta freqüência.
3.2
Micro-processada.
3.3
Sistemas modulares, permitindo o crescimento modular conforme a
necessidade.
3.4
Incorporação do sistema de distribuição de CC.
3.5
Acesso frontal.
3.6
Alto fator de potência.
3.7
Compensação da tensão de flutuação das baterias, em função da
temperatura.
3.8
Controle ativo de tensão.
3.9
Configuração local e remota.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
4.
CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS
4.1
Características Funcionais.
4.1.1
As URs devem funcionar em paralelo (sistema hot stand-by), com
obrigatoriedade de equalização da corrente de saída entre as mesmas,
mantendo comunicação com a unidade de supervisão.
4.1.2
Situação de desligado – a UR deve ser retirada de serviço (flutuação ou
carga), sem possibilidade alguma de ser ligada, ainda que receba sinal de
comando interno (via borne de teste) ou externo (telecomando).
4.1.3
Situação de ligado
4.1.3.1
Flutuação - a UR entra em funcionamento com nível de tensão de flutuação
das baterias.
4.1.3.2
Carga - a UR funciona com nível de tensão de carga das baterias.
4.1.4
A UR deve possuir na saída, características que impeçam que qualquer
módulo desligado (ou defeituoso) passe a consumir corrente dos demais,
com exceção daquela necessária para os circuitos de supervisão, controle e
instrumentação.
4.1.5
A UR deve permitir facilidade de ajuste/teste, conectada ao SR em
operação.
4.1.6
Quando utilizado, todos os potenciômetros de ajuste deverão ser do tipo
“multe-voltas” permitindo o ajuste fino das funções controladas.
4.1.7
Partida seqüencial – deverá possuir sistema de partida gradativa, controle
sobre o tempo total para a UR assumir toda a carga requerida, de forma a
evitar sobrecargas de corrente.
4.2
Características Elétricas Básicas.
4.2.1
Valores nominais de tensão de entrada:
4.2.1.1
UR trifásica (potência nominal > 2880 W): 220V, 380V.
4.2.2
Faixa de variação de tensão de entrada - a UR deve operar em regime
contínuo, com variação de até +15% da tensão nominal de entrada,
mantendo inalteradas todas as suas características. Não deve se danificar
quando submetida às variações na tensão alternada de alimentação até
30% abaixo da nominal e 20% acima da nominal, até 1 hora de duração.
4.2.3
Freqüência - deve ser de 60Hz + 5% em regime contínuo, devendo ser
tolerada uma variação de até 20% durante 500 ms.
4.2.4
Interferência Eletromagnética - a UR não deve emitir perturbações que
excedam os limites discriminados a seguir, sob quaisquer condições de
trabalho.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
4.2.5
Limites para perturbações
alimentação CA da UR:
FAIXA DE FREQUÊNCIA
(MHz)
conduzidas,
emitidas
LIMITES QUASI-PEAK
nos
terminais
de
dB(V) MÉDIO
0,15 a 0,50
79
66
0,50 a 30
73
60
Tabela 1 – Limitações para perturbações conduzidas.
4.2.6
Limites para perturbações radiadas a distância de 10m:
FAIXA DE FREQUÊNCIA (MHz)
LIMITES QUASI-PEAK
30 a 230
230 a 1000
40
47
Tabela 2 – Limitações para perturbações radiadas
4.2.7
Distorção Harmônica Total (THD) de Corrente - para UR, a unidade
retificadora não deve provocar distorção na corrente de entrada superior a
15%, para qualquer condição de saída, considerando uma distorção máxima
na tensão da rede de 2% e impedância de rede máxima de 1% (corrente de
curto circuito igual a 100 vezes a corrente nominal de entrada da UR).
4.2.8
Tensão Nominal de Saída
4.2.8.1
-48Vcc
4.2.8.2
As faixas de ajuste garantidas da tensão de saída e a tensão de ajuste de
referência, para as URs, devem atender aos valores abaixo relacionados:
(positivo aterrado)
Ajuste de
Referência (volts)
Faixas de Ajustes (volts)
Tensão
Nominal
da UR
-48Vcc
Flutuação
Mínima
45,0
Carga
Máxima
56,0
Mínima
48,0
Flutuação Carga
Máxima
59,0
52,8
57,6
Tabela 3 – Faixas de Ajustes (Volts)
4.2.8.3
Há necessidade das faixas de ajustes garantidos, considerando as
variações dos valores de ajustes ideais das tensões de flutuação e de carga
normal, recomendadas pelo fabricante da bateria, em função das condições
ambientais e das características próprias de cada bateria.
4.2.8.4
Os valores de ajuste em campo devem ser determinados em função do tipo
de bateria (regulada por válvula) e das tensões de flutuação e carga
recomendadas pelo fabricante da bateria.
4.2.8.5
Todos os ajustes devem ser independentes entre si.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
4.2.8.6
SR deverá permitir o ajuste da corrente de carga da bateria de 5 a 100%, via
programação pelo painel frontal e/ou via RS232.
4.2.8.7
Tolerância adicional no ajuste de tensão: é admitida uma tolerância de +
10% em relação ao limite superior e de – 10% em relação ao limite inferior.
4.2.9
Fator de Potência
4.2.10
O fator de potência deverá atender aos seguintes limites:
FATOR DE POTÊNCIA
≥ 0,94
UR
Tabela 4 – Fator de Potência
4.2.10.1
Os valores especificados acima são para as seguintes condições:
4.2.10.1.1 SR na condição de carga.
4.2.10.1.2 Corrente de saída variando de 50% a 100% do valor nominal.
4.2.10.1.3 Tensão e freqüência de entradas nominais.
4.2.11
Regulação Estática da Tensão de Saída - a variação máxima admissível
deve ser de + 1% da tensão de saída (V/s), para variações da rede
comercial de +15% em relação ao valor nominal, e a carga na saída
variando de 5% da corrente nominal (IN) a 100% da corrente nominal (IN),
considerando as combinações mais desfavoráveis, inclusive de temperatura
e umidade relativa do ar. Na condição de funcionamento com corrente de
saída menor que 5% da corrente nominal (IN), a tensão não deve
ultrapassar a 2% do valor ajustado.
4.2.12
Resposta Dinâmica da Tensão de Saída (tempo decorrido após a aplicação
de um degrau de corrente na saída, para que a tensão não apresente
valores fora da faixa determinada para regulação estática da tensão de
saída) - deve ser <25ms. O desvio máximo da tensão de saída, durante o
transitório, deve estar compreendido entre + 8% do valor ajustado para a
tensão de saída.
4.2.12.1
Degrau (crescente ou decrescente) de 50% da corrente nominal, através de
carga resistiva, de modo que os valores, inicial e final, estejam
compreendidos entre 10% e 100% da corrente nominal de saída da unidade,
sem bateria em paralelo com a UR.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
4.2.13
Tensão de Ondulação (ripple) - devem ser atendidos simultaneamente nos
terminais de saída da UR, sem bateria, os seguintes valores máximos:
4.2.13.1
1mV psofométrico.
4.2.13.2
50mV em RMS, medido com largura de banda de 3kHz, na faixa de
freqüência de 10 kHz a 20 MHz.
4.2.13.3
200mV pico a pico, medido na faixa de freqüência até 20MHz.
4.2.14
Rendimento – O rendimento deve ser superior ou igual a 85%, para
qualquer capacidade da UR.
4.2.14.1
Nas dissipações internas máximas, computáveis no valor de rendimento
acima, estão incluídos os consumos de todos os circuitos e subsistemas da
UR, e a eventual corrente de estabilização em vazio.
4.2.15
Limitação de Corrente - deve ser garantido ajuste entre 70% e 110% da
corrente nominal de saída para as condições de flutuação e carga.
4.2.15.1
Os valores de ajustes definidos se referem ao início da limitação de corrente
(corrente de saída no qual a tensão correspondente atinge o valor mínimo
de faixa especificada para regulação estática de tensão).
4.2.15.2
É imprescindível que a UR ofereça condições para execução de todos os
testes elétricos, nas condições nominais de corrente de saída.
4.2.16
Regulação Estática da Corrente em Limitação - para cada valor ajustado,
conforme item anterior, a corrente limitada não deve variar mais do que 10%
do valor nominal, considerando a tensão de saída variando desde o início da
limitação até uma tensão correspondente a, pelo menos, o final de descarga
de bateria. Na variação permissível de 10% não são admissíveis valores
inferiores ao correspondente ao início de limitação, ou ocorrência de
oscilações que possam representar instabilidade.
4.2.17
Devem ser atendidos os seguintes requisitos de Isolamento Elétrico.
4.2.17.1
Tensão aplicada - a UR deve suportar a aplicação das seguintes tensões
durante 1 minuto:
4.2.17.2
1500 Vca entre as entradas CA interligadas entre si e a massa (carcaça do
gabinete).
4.2.17.3
1000 Vca entre as entradas CA interligadas entre si e as saídas (+) e ()
interligadas entre si.
4.2.17.4
1000 Vca entre as saídas (+) e () interligadas entre si e a massa (carcaça
do gabinete).
4.2.18
Admite-se alternativamente a aplicação da tensão de 1500 Vcc entre os
mesmos pontos.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
4.2.19
Resistência de Isolamento - a UR deve atender aos valores abaixo
discriminados, medidos através de MEGGER:
4.2.19.1
> 20M  entre as entradas CA interligadas entre si e a massa (carcaça do
gabinete).
4.2.19.2
> 20M  entre as entradas CA interligadas entre si e as saídas (+) e ()
interligadas entre si.
4.2.19.3
> 20M  entre as saídas (+) e () interligadas entre si e a massa (carcaça
do gabinete).
4.2.20
Inrush - a corrente de surto na entrada da UR, no instante de ligamento,
deve ser limitada a 2 vezes a corrente nominal de entrada.
4.3
Características Ambientais
4.3.1
Condições Ambientais - a UR deve atender às condições de temperatura de
0 a 45 oC e umidade relativa do ar de 5 a 95%.
4.3.2
Ruído Acústico - o limite máximo para emissão de ruído acústico da UR
medido a 1,2m acima do piso e a 1m da unidade deve ser:
4.3.2.1
UR: 60 dBA
4.4
Características dos Circuitos.
4.4.1
A UR deve possuir seus próprios circuitos de regulação, proteção e controle,
desvinculados e independentes de outras unidades comuns ao mesmo SR.
4.4.2
Circuito de Regulação e Controle
4.4.2.1
A estabilidade de saída da UR deve ser garantida para qualquer condição
de funcionamento, desde a condição em vazio até o valor final de regulação
de tensão.
4.4.2.2
Após a ocorrência de quaisquer tipos de perturbações de caráter transitório
(não oscilatório), seja na tensão de entrada ou na carga, as características
de saída devem retornar à situação estável dentro das estabelecidas para
regulação dinâmica de tensão.
4.4.2.3
A UR deve ser auto-excitada, ou seja, deve ser ligada e entrar em
funcionamento requerendo apenas o suprimento de CA na entrada.
4.4.2.4
A SR deverá ser capaz de realizar o ajuste automático da tensão de saída
em função da temperatura das baterias, incluindo o fornecimento dos
sensores necessários. A ausência deste comando não deve provocar
sobretensão na saída da unidade.
4.4.3
Circuito de Desconexão das Baterias:
4.4.3.1
A SR deve ser equipada com contatora de desconexão dos bancos de
baterias por baixa tensão.
4.5
Circuitos de Proteção.
4.5.1
Disjuntor de entrada - a UR deve dispor de disjuntor em cada fase de
entrada.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
4.5.2
Disjuntor/Fusível de saída - a UR deve dispor de disjuntor no pólo não
aterrado. No caso de uso de disjuntor, este deve ser adequado à interrupção
de curto circuito.
4.5.3
Os fusíveis/disjuntores utilizados para proteção dos circuitos de energia CA
e CC devem ser normalizados pela ABNT, sendo de fácil substituição. Os
fusíveis deverão ser do Tipo NH e os disjuntores para fixação em trilho de
35 mm do tipo especificado pela DIN.
4.5.4
A corrente de saída deve subir, no tempo máximo de 10s, de forma
gradativa até o valor da limitação de corrente, sem ocorrência de transitórios
em relação aos valores de regulação estática da tensão e corrente, mesmo
quando a UR estiver ligada a uma bateria completamente descarregada.
4.5.5
A UR deve desligar após a ocorrência de curto-circuito na saída e enviar um
alarme de defeito do retificador.
4.5.6
A falha de quaisquer das fases de entrada, desde que comprometa o
funcionamento da unidade, deve provocar o bloqueio imediato da UR, sem
memorização.
4.5.7
A UR deve ser protegida contra danos por subtensão, além do limite
estabelecido no item 4.5.9 desta especificação, bem como por sobretensão
de +25% do valor nominal, em qualquer condição de trabalho.
4.5.8
A UR deve ser bloqueada e protegida contra danos devido à elevação de
temperatura interna, observando-se a faixa de operação estabelecida em
8.5.2.1.
4.5.9
A UR deve ser bloqueada por sobretensão intrínseca com memorização. As
faixas de ajustes garantidas do sensor, para cada tensão nominal de saída,
devem ser:
TIPO DA UR
48V
FAIXAS DE AJUSTE (V)
MÍNIMA
52,2
MÁXIMA
58,8
Tabela 5 – Faixa de Ajustes (Volts)
4.5.10
A tolerância adicional na faixa de ajuste garantida do sensor: +10% em
relação ao limite superior e -10% em relação ao limite inferior.
4.5.11
O tempo de atuação do sensor deve ser necessariamente superior ao tempo
de resposta dinâmica da UR, limitado a 100ms, para um degrau de tensão
de 1 V acima do valor ajustado. A corrente mínima para atuação do sensor
deve ser <10% da corrente nominal (IN).
4.5.12
A UR deve prever bloqueio por comando externo proveniente da unidade de
supervisão.
4.5.13
A UR deve ser imune a surtos elétricos em modo comum e diferencial nos
terminais de entrada da alimentação CA.
4.5.14
A UR deve ser bloqueada, na ocorrência de falha do sistema de ventilação,
somente quando houver risco de danos à unidade.
4.5.15
A UR deverá possuir recursos suficientes para manter a programação dos
ajustes de tensão de flutuação e limitações de corrente e tensão em caso de
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
perda da unidade de supervisão e controle, garantindo o funcionamento do
sistema.
4.6
Sinalização e Comandos Externos.
4.6.1
A UR deve dispor das seguintes indicações para sinalização local, no painel
frontal externo da unidade:
4.6.1.1
UR em serviço: quando a unidade se encontrar nas condições normais de
funcionamento (sem bloqueio) - LED de sinalização: VERDE.
4.6.1.2
UR com defeito: quando da ocorrência de bloqueio da UR ou no caso da
mesma estar na condição de serviço e não se encontrar em funcionamento,
exceto para os casos previstos no item 7.2.4 - LED de sinalização:
VERMELHO.
4.6.1.3
Falha de ventilação: quando da ocorrência de qualquer falha no sistema de
ventilação – LED de sinalização: VERMELHO.
4.6.2
A UR deve emitir, no mínimo, os seguintes sinais externos para a unidade
de supervisão do SR:
4.6.2.1
UR anormal.
4.6.2.2
Falha de ventilação.
4.6.2.3
Fusível interrompido / disjuntor aberto.
4.6.3
A UR deve estar preparada para o recebimento, no mínimo, dos seguintes
sinais de comando externo provenientes da unidade de supervisão:
4.6.3.1
Reposição.
4.6.3.2
Carga.
4.6.3.3
Desligamento.
4.6.3.4
Bloqueio de alarme por CA anormal.
4.6.3.5
Correção da tensão de saída em função da temperatura de baterias.
4.6.3.6
Desligamento: condição reserva.
4.6.4
A UR deve estar preparada para operação e supervisão remota. Os sinais e
comandos devem estar disponíveis para processamento pelo sistema de
gerência de rede.
4.7
Comandos Manuais.
4.7.1
A UR deve dispor de chaves / disjuntores apropriados, instalados em local
de fácil acesso para, no mínimo, os seguintes comandos:
4.7.1.1
Ligado - a UR entra em funcionamento na condição de tensão de saída
determinada por comando externo.
4.7.1.2
Desligado - a UR é retirado de serviço, não entrando em funcionamento por
nenhum outro comando.
4.7.1.3
Saída da unidade - posições:
4.7.1.4
Ligado - a UR é conectada ao sistema.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
4.7.1.5
Desligado - a UR é desconectada do sistema, permanecendo em
funcionamento.
4.7.1.6
Reposição da unidade: função de cancelamento dos alarmes memorizados
habilitando para o funcionamento.
4.7.1.7
Admite-se que as chaves / disjuntores de entrada e saída da unidade sejam
localizadas no SR, desde que individualizadas por UR e adequadamente
identificadas.
4.7.1.8
A função de reposição pode ser executada pela chave / disjuntor de entrada
da unidade.
4.8
Comandos Automáticos.
4.8.1
A UR deve ser bloqueada e emitir sinalização imediata de defeito, qualquer
que seja sua condição de funcionamento, nos seguintes casos:
4.8.1.1
Sobretensão intrínseca à unidade.
4.8.1.2
Falha de qualquer uma das fases da tensão de alimentação CA, antes dos
fusíveis / disjuntores de entrada.
4.8.1.3
Falha do sistema de ventilação.
4.8.1.4
Atuação de dispositivo de proteção ou interrupção de qualquer fusível
vinculado a circuito, com função expressiva ao funcionamento ou à proteção
da unidade.
4.8.2
A UR somente deve ser desbloqueada mediante reposição manual (local ou
remota).
4.8.3
No caso do item 4.8.1.2, o desbloqueio deve ser automático (sem
memorização), uma vez confirmado o fim da anormalidade externa à UR.
4.9
Medição e Testes.
4.9.1
A UR deve conter, no painel frontal, amperímetro digital para indicar a
corrente de saída, com exatidão melhor que 0,5% da leitura + 1 dígito e
precisão mínima de 3 algarismos significativos.
4.9.2
Caso o SR disponha de facilidade para leitura de corrente individual por UR,
é dispensada a utilização de instrumento no painel da UR.
5.
CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS
5.1
Sistema de Ventilação – UR.
5.1.1
A UR deve ser projetada para funcionamento com ventilação forçada,
devendo atender às condições ambientais citadas no item 4.3.1. desta
Especificação.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.1.2
O projeto do sistema de ventilação deve levar em conta o atendimento às
especificações sobre confiabilidade individual do ventilador.
5.1.3
A qualquer falha do sistema de ventilação deve corresponder a emissão de
alarmes/sinalização, além de desligamento da UR, se aplicável.
5.1.4
O projeto mecânico da UR deve prever facilidades para substituição de
ventiladores, assegurando um tempo máximo de 10 minutos, por ventilador.
5.1.5
O projeto do sistema de ventilação deve considerar a necessidade ou não
da utilização de filtros apropriados, cujas instruções de manutenção devem
constar nas recomendações contidas no manual técnico da UR.
5.1.6
As prescrições sobre instalação da UR não devem exigir afastamentos
superiores a 0,10m entre a face da instalação do ventilador e eventuais
obstáculos, como pré-requisito para eficiência do sistema de ventilação.
5.1.7
O(s) ventilador/exaustor(es) deve(m) possuir vida útil superior a 10 anos à
25ºC.
5.2
Identificações.
5.2.1
Cada cartão de circuito deve conter, no mínimo, o código do fabricante e o
seu respectivo número de série.
5.2.2
Externamente à unidade, deve ser afixada por processo eficiente plaqueta
de identificação do equipamento, confeccionada em material não
deteriorável e de boa resistência mecânica, contendo os seguintes dados:
5.2.2.1
Corrente nominal de saída.
5.2.2.2
Tensão nominal de saída.
5.2.2.3
Tensão nominal de entrada.
5.2.2.4
Potência aparente nominal de entrada.
5.2.2.5
Número de série de fabricação.
5.2.2.6
Mês / ano de fabricação.
5.2.2.7
Código / modelo do fabricante.
5.2.3
Na estrutura de cada gabinete deve constar a placa de identificação exigida
pela ANATEL.
5.2.4
As dimensões do gabinete do SR tanto de 1200 A quanto de 600 A devem
ser de 60 cm (L) x 60 cm (P)
5.2.4.1
Todos os blocos de terminais e conectores do tipo plug-in devem ser
identificados.
5.2.4.2
Todas as extremidades de fios e cabos condutores singelos devem ser
identificadas por meio de anilhas adequadas, contendo números ou letras
correspondentes aos terminais de destinação de acordo com o manual
técnico.
5.2.4.3
A identificação de fios e cabos deve obedecer à padronização de cores,
tomando-se por base as cores universalmente adotadas.
5.2.5
Quando do uso de flat cable ou similar, o critério para identificação deve ser
racional e prático.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
6.
CODIFICAÇÃO
6.1
De acordo com a alimentação CA de entrada trifásica, a tensão de saída e a
corrente nominal de saída, devem ser dadas a seguinte codificação para a
UR: UR (x) A / (y) V / z k m
6.2
Onde:
X
Indica a corrente nominal na saída da UR
Y
Indica a tensão nominal na saída da UR
Z
Sistema de
Alimentação
K
Tipo de Alimentação
M
Tensão de alimentação
4
Forçada
1
Trifásica
1
220/380V
2
380V
Tabela 6 – Entrada CA
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
7.
UNIDADE DE CONTROLE E SUPERVISÃO DA SR
7.1
A SR deverá possuir uma unidade de controle com a função de
supervisionar as condições de operação do sistema, possibilitando
visualização dos alarmes ativos, do histórico de alarmes, do status de
funcionamento e possibilitando ajustes dos parâmetros de operação. A
unidade de supervisão deverá ter as seguintes características mínimas:
7.2
Interfaces com o Usuário.
7.2.1
Display de Cristal Líquido.
7.2.1.1
A SR deverá possuir Display de Cristal Líquido instalado na porta frontal,
capaz de apresentar para o operador os dados e alarmes do sistema (ativos
e histórico de alarmes) e, através de teclado, permitir a navegação pelos
menus e ajuste dos parâmetros de operação.
7.2.2
Software de Supervisão e Controle.
7.2.2.1
A SR deverá possuir software de supervisão e controle capaz de configurar,
monitorar e controlar a operação do sistema. Deverá possuir interfaces
abertas, padronizadas e inteiramente documentadas em todas as suas
variantes, baseadas nas versões mais recentes de pelo menos um dos
seguintes protocolos, em ordem de preferência: TCP/IP, RS-232.
7.2.2.2
O software de supervisão deverá permitir a configuração dos parâmetros
operacionais do sistema e ser capaz de enviar mensagens espontâneas
referentes a alarmes, receber comandos e enviar respostas a estes
comandos e enviar através de comando do operador todos os dados de
desempenho coletados.
7.2.2.3
O fabricante deverá fornecer toda a documentação referente ao software
empregado e no mínimo uma cópia do software, reproduzível, para
utilização da CONTRATANTE ou quem ela definir.
7.2.3
Porta RS-232/RS-485.
7.2.3.1
A SR deverá ser fornecida com pelo menos uma porta de comunicação RS232 e uma RS-485 que permita a conexão de laptop/PC ou modem para o
emprego do software de supervisão e controle, local e remotamente.
7.2.4
Leds Indicativos.
7.2.4.1
A Unidade de Supervisão e Controle deverá possuir ou comandar no mínimo
os seguintes leds indicativos de defeitos:
7.2.4.1.1
No painel frontal: leds de alarme não urgente e alarme urgente.
7.2.4.1.2
Leds indicativos de fusíveis interrompidos e disjuntores abertos.
7.3
Monitoração e Visualização.
7.3.1
A Unidade de Supervisão e Controle deverá ser capaz de monitorar e
permitir a visualização no Display e via software, no mínimo, das seguintes
grandezas:
7.3.1.1
Corrente total do Sistema –48 V.
7.3.1.2
Corrente fornecida aos consumidores.
7.3.1.3
Corrente fornecida às baterias.
7.3.1.4
Tensão do Barramento –48 V.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
7.3.1.5
Corrente fornecida por cada retificador, individualmente.
7.3.1.6
Alarmes ativos.
7.3.1.7
Temperatura nas Baterias.
7.3.1.8
Histórico de alarmes.
7.3.2
As grandezas identificadas no display não deverão ultrapassar a faixa de
1,5% de distorção dos valores reais.
7.4
Programação e Parametrização
7.4.1
A Unidade de Supervisão e Controle deverá permitir a programação pelo
operador dos seguintes parâmetros mínimos, conforme item 7.1:
7.4.1.1
Ajuste da tensão de flutuação do sistema.
7.4.1.2
Ajuste da máxima tensão de operação do sistema (proteção contra
sobretensão).
7.4.1.3
Ajuste da mínima tensão de operação do sistema (proteção contra
subtensão).
7.4.1.4
Ajuste dos parâmetros de compensação de temperatura das baterias.
7.4.1.5
Ajuste dos parâmetros de limite de corrente de carga das baterias.
7.4.1.6
Ajuste dos parâmetros de desconexão do Banco de Baterias por Baixa
Tensão.
7.4.1.7
Ajuste dos parâmetros da equalização forçada.
7.4.1.8
Ajuste dos parâmetros de funcionamento dos Retificadores.
7.4.2
Programação das funções dos relês para sinalização remota (ver item 8.2).
7.5
Memória
7.5.1
A unidade de Supervisão e Controle deverá ter memória suficiente para
manter o histórico de alarmes com no mínimo os cem últimos eventos, com
identificação de data e hora, e manter toda a programação no caso de
desligamento total do sistema.
7.6
Equalização Forçada e Controle da Tensão do Sistema
7.6.1
A Unidade de Supervisão e Controle deverá ser capaz de:
7.6.1.1
Permitir a programação e controlar a tensão desejada e o nível de tensão
que o sistema devera fornecer na distribuição;
7.6.1.2
Atuar na tensão e corrente de saída das unidades retificadoras de forma a
promover a divisão de carga entre elas.
7.6.2
A máxima diferença de tensão entre retificadores capaz de habilitar a divisão
de carga deverá ser menor que 5% da tensão do sistema.
7.6.3
Na ocorrência de sobretensões ou mau funcionamento em um ou mais
retificadores, a Unidade de Supervisão e Controle deverá ser capaz de
desabilitar e desligar a unidade defeituosa, gerar alarme de falha de
retificador e promover a distribuição da carga pelos retificadores restantes.
7.6.4
Em caso de falha na unidade de supervisão e controle ou perda de
comunicação entre esta e os retificadores, as UR deverão assumir os
parâmetros de funcionamento previamente ajustados ou “default” de fábrica,
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
gerando alarme de falha e garantindo a continuidade da alimentação das
cargas.
8.
ALARMES
8.1
Todos os alarmes necessários à perfeita diagnose de defeitos do sistema
deverão ser indicados no display frontal e via software. Além disto, A SR
deverá ser fornecida com um conjunto mínimo de saídas digitais
programáveis a relê, com os sinais disponíveis em bornes. Os relês deverão
possuir contatos reversíveis (NA e NF) livres de tensão, com capacidade de
0,5 A e 220 V destinados à sinalização remota de eventos e/ou alarmes.
8.2
As saídas digitais a relê deverão permitir a programação para sinalização
remota, no mínimo, dos seguintes eventos distintos:
8.2.1
Manutenção
8.2.1.1
Compreende a sinalização na ocorrência de um ou mais dos seguintes
eventos:
8.2.1.2
Desconexão, involuntária ou pela ação do operador, de unidades
retificadoras e/ou qualquer módulo tipo “plug-in” da USCC, incluindo a
desconexão acidental e o encaixe inadequado.
8.2.1.3
Alarmes Desligados: Quando a saída de alarmes do sistema é inibida pelo
operador em função da execução de serviços de teste ou reparos no SR.
8.2.1.4
Bateria em Carga: Indicando que cargas manuais, automáticas ou cíclicas
dos bancos de baterias estão em progresso.
8.2.2
Alimentação CA Anormal
8.2.2.1
Compreende a sinalização devido à falha na alimentação CA, falta de uma
das fases, inversão da seqüência de fases ou devido à tensão de entrada
fora da faixa de operação (freqüência, sobretensão e subtensão);
8.2.3
Fusível de Bateria Interrompido
8.2.3.1
Compreende a sinalização quando um ou mais dos fusíveis de proteção dos
bancos de baterias estiveram atuados;
8.2.4
Falha na Alimentação do Consumidor (– 48 V)
8.2.4.1
Compreende a sinalização devido à atuação de um ou mais dos dispositivos
de proteção (disjuntores ou fusíveis) das unidades de distribuição de
consumidores.
8.2.4.2
Este alarme deverá atuar de forma distinta do alarme de fusível de bateria
interrompido.
8.2.5
Tensão Alta Consumidor:
8.2.5.1
Compreende a sinalização quando o sensor de sobretensão detectar a
tensão de saída para os consumidores acima do limite superior configurado.
8.2.6
Flutuação anormal:
8.2.6.1
Compreende a sinalização quando os sensores de tensão detectarem a
tensão de saída para os consumidores fora dos limites, superior e inferior,
configurados conforme manual do fabricante.
8.2.7
Bateria em Descarga:
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
8.2.7.1
Compreende a sinalização de baixa tensão no barramento principal. O
alarme deverá atuar quando a tensão no barramento estiver compreendida
no intervalo de 75% < capacidade < 85%.
8.2.8
Baterias Desconectadas:
8.2.8.1
Compreende a sinalização devido à atuação do dispositivo de desconexão
do banco de baterias.
8.3
Falha no Controle dos Retificadores:
8.3.1
Compreende a sinalização em caso de falha da unidade de supervisão e
controle ou perda de comunicação entre esta e os retificadores, com
conseqüente perda da equalização forçada e controle dos limites de
corrente e tensão;
8.4
Falha em um Retificador (UR Anormal):
8.4.1
Esta sinalização deverá atuar em caso de falha em um único retificador;
8.5
Falha em mais de um Retificador:
8.5.1
Compreende a sinalização em caso de falha de mais de uma das UR. Este
alarme deverá ser distinto do alarme de falha em um único retificador.
8.6
Notas:
8.6.1
Entende-se por falha no retificador o funcionamento anormal da unidade ou
a atuação de qualquer uma das proteções existentes, como tensão de
entrada fora da faixa de operação, desconexão por sub e sobretensão de
entrada, desconexão por sub ou sobretensão de saída, desconexão por alta
temperatura, ocorrência de falha interna (queima de componentes, curtocircuito interno, etc.), curto-circuito na saída, falha no ventilador ou qualquer
uma das demais proteções necessárias e disponíveis.
8.6.2
A falta de alimentação CA do retificador provocada pelo desligamento do
dispositivo de proteção de entrada, seja pela atuação voluntária do
operador, seja devido à presença real de falhas de funcionamento, deverá
ser entendida pelo sistema de supervisão e controle da SR como falha no
retificador e este alarme deverá ser devidamente sinalizado.
9.
DISTRIBUIÇÃO
9.1
Os fusíveis/disjuntores utilizados para distribuição de energia CC devem ser
normalizados pela ABNT, sendo de fácil substituição. As proteções deverão
em fusíveis em bases para fusíveis NH ou em disjuntores vinculados ao
barramento não aterrado de saída do SR. Os disjuntores serão do tipo para
fixação em trilho de 35mm seguindo o especificado pela DIN e IEC 68947.
9.2
Deverá ser possível a substituição dos disjuntores de forma individual, sem
a necessidade de desligamento do SR.
9.3
Quantidade mínima de posições para consumidores:
SR
Base Fusível
Quantidades
Até 600A
NH00(160A) / NH1(250A)
24 / 2
1.200A
NH1(250A) / NH2(400A) / NH3(630A)
2/4/6
Tabela 7 – Quantidade de Fusíveis
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
9.4
Distribuição dos Disjuntores para consumidores em Fonte SR 1200A
9.4.1
2 réguas superiores com 7 disjuntores 10A cada régua;
9.4.2
2 réguas no meio com 7 disjuntores de 16A cada régua;
9.4.3
2 régua inferior do lado direito com 7 disjuntores de 32A cada régua;
9.4.4
2 régua inferior do lado esquerdo com 7 disjuntores de 63A cada régua.
9.4.5
2 régua inferior no meio com 7 disjuntores de 63A cada régua.
9.5
Distribuição dos Disjuntores para consumidores em Fonte SR 600A
9.5.1
2 réguas superiores com 7 disjuntores 10A cada régua;
9.5.2
2 réguas do meio com 7 disjuntores de 16A cada régua;
9.5.3
1 régua inferior do lado direito com 7 disjuntores de 32A cada régua;
9.5.4
1 régua inferior do lado esquerdo com 7 disjuntores de 63A cada régua.
9.5.5
1 régua inferior no meio com 7 disjuntores de 63A cada régua.
9.6
As bases para fusíveis de baterias deverão ser NH1 para SRs até 600 A, e
NH2 para SRs de 1.200A possibilitando a conexão de até seis cabos por
pólo no barramento não aterrado de saída para as baterias.
9.7
Quantidade de posições para baterias: 4.
9.8
Para SRs com capacidade superiores a 1.200A, as quantidades de posições
de fusíveis serão definidas conforme projeto especifico.
10.
CIRCUITO DE DESCONEXÃO DAS BATERIAS
10.1
A SR deverá possuir um dispositivo de desconexão do banco de baterias
para atuação na ocorrência dos seguintes eventos:
10.1.1
Desconexão dos Bancos de Baterias, em caso de falha CA, quando a
tensão nas baterias atingir a tensão de corte previamente programada.
10.1.2
Desconexão dos consumidores em função da temperatura ambiente. O
fabricante deverá disponibilizar uma entrada digital disponível em bornes,
necessárias a instalação de dois termostatos reguláveis (30º à 60º) externos
equipados com contatos livres de tensão, para indicação da temperatura de
desligamento dos consumidores em caso de temperatura elevada no
ambiente.
10.2
Na ocorrência da desconexão dos consumidores em função da temperatura
elevada no ambiente, a unidade de supervisão e controle deverá comandar
o desligamento automático dos retificadores.
10.3
Cessado o sinal externo dos termostatos, com a volta da temperatura,
ambiente aos níveis normais de operação dos consumidores, os bancos de
baterias deverão ser re-conectados e a unidade de supervisão e controle
deverá comandar a retomada do funcionamento normal das UR;
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
11.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA
11.1
A CONTRATADA deverá entregar, antes de começar a fabricação, toda a
documentação técnica contendo os cálculos justificativos das dimensões, os
materiais empregados, de acordo com as especificações técnicas adotadas,
os procedimentos de fábrica, para aprovação prévia e 01 (um) manual do
equipamento, em português, para cada estação, que deve conter, no
mínimo o seguinte:
11.1.1
Descrição Geral.
11.1.2
Características Elétricas.
11.1.3
Características mecânicas.
11.1.4
Descrição do funcionamento dos circuitos.
11.1.5
Diagrama de blocos e esquemas elétricos.
11.1.6
Diagrama de fiação; instruções para instalação, operação e ajustes, para
manutenção preventiva e corretiva.
11.1.7
Relação de materiais/componentes.
12.
RESPONSABILIDADE
12.1
A CONTRATADA assumirá integral responsabilidade pela boa execução e
eficiência dos serviços conforme especificado no ANEXO II que executar, de
acordo com os projetos e especificações técnicas fornecidas.
12.2
O equipamento será garantido por um período mínimo de 5 (cinco) anos a
partir da data do Termo de Aceitação Definitivo. Por tal garantia, entende-se
a obrigatoriedade de substituir todos os componentes que,
comprovadamente apresentem defeito de fabricação ou montagem e
quando da necessidade de substituição destes equipamentos defeituosos
não haverá ônus para a CONTRATANTE.
13.
SOBRESSALENTES
13.1
A CONTRATADA deverá enviar uma lista de preços de peças
sobressalentes, baseando-se nas quantidades de peças previstas no Edital
para fornecimento para cada Centro de Manutenção.
13.2
A CONTRATADA deverá garantir o fornecimento de peças sobressalentes
por um período de 10 (dez) anos.
15.
CERTIFICADOS DE GARANTIAS
15.1
Os equipamentos e materiais deverão ter garantia integral contra defeitos de
projeto, fabricação, instalação e desempenho inadequado, conforme o item
5.67 do Termo de Referencia.
15.2
A CONTRATADA deverá fornecer equipamentos com certificado de
homologação na ANATEL.
15.3
Os certificados aceitos, em caso de equipamentos cuja homologação não
seja compulsória pela ANATEL, serão aqueles emitidos por organizações
designadas pela ANATEL.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
SEÇÃO V – ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE INFRAESTRUTURA PARA
BATERIAS
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
1.
OBJETIVO
1.1
Esta seção tem por objetivo estabelecer as características técnicas para
aquisição de baterias a serem utilizadas em estações com Equipamentos
DWDM, Switches, Rádios, etc.
1.2
É obrigatório o fornecimento de equipamentos homologados pelos órgãos
competentes.
2.
DEFINIÇÕES
2.1
Baterias são dispositivos que armazenam, sob a forma de energia química,
a energia elétrica que lhe é fornecida, restituindo-a em condições
determinadas. Assim, através de reações quase reversíveis, transforma
energia química em elétrica e vice-versa. Além disso, oferecem energia
alternativa em caso de picos de consumo, falha no sistema de retificação
e/ou falta de energia primária.
2.2
As baterias são constituídas de uma ou mais células interligadas
eletricamente, tendo cada uma delas, quatro componentes principais,
conforme abaixo discriminados:
2.2.1
Eletrodo Positivo - recebe elétrons do circuito externo quando a célula é
descarregada.
2.2.2
Eletrodo Negativo - envia elétrons para o circuito externo enquanto a célula
descarrega.
2.2.3
Eletrólito - fornece um mecanismo de carga que flui entre os eletrodos
positivo e negativo.
2.2.4
Separador - peça de material isolante, permeável ao eletrólito, que separa
eletricamente os eletrodos, positivo e negativo.
2.3
Em alguns projetos, a distância física entre os eletrodos fornece isolamento
elétrico e o separador não é necessário.
3.
COMPONENTES
3.1
Placa
3.1.1
Conjunto formado pela grade e matéria ativa.
3.2
Grade
3.2.1
Estrutura metálica de liga de chumbo ou chumbo com alto teor de pureza
destinada a conduzir a corrente elétrica e suportar a matéria ativa.
3.3
Matéria ativa
3.3.1
Parte das placas que é submetida a uma transformação química durante a
passagem da corrente elétrica.
3.4
Placa positiva
3.4.1
Conjunto constituído pela grade e matéria ativa e que tem o potencial mais
elevado em condições normais de operação.
3.5
Placa negativa
3.5.1
Conjunto constituído pela grade e matéria ativa e que tem o potencial menos
elevado em condições normais de operação.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
3.6
Grupo
3.6.1
Placa ou conjunto de placas de mesma polaridade, interligadas,
pertencentes ao mesmo elemento.
3.7
Válvula reguladora
3.7.1
Dispositivo que impede a entrada de ar no elemento e evita possível
derramamento de eletrólito, permitindo, contudo, o escape do excesso de
gases, quando se alcança uma pressão interna de valor pré-determinado.
Além disso, protege o elemento contra eventual risco de explosão,
impedindo que faíscas causem ignição do gás interno do elemento e
qualquer emanação de partículas de ácido durante a carga.
3.8
Separador
3.8.1
Peça de material isolante, permeável ao eletrólito, que separa as placas de
polaridades opostas.
3.9
Pólo
3.9.1
Peça metálica, em liga de cobre, emergente da barra coletora, que permite a
ligação com o circuito externo.
3.10
Eletrolítico
3.10.1
Solução aquosa de ácido sulfúrico, imobilizada na forma de um gel ou
absorvida nos separadores, que banha as placas, permitindo a condução de
íons.
3.11
Vaso
3.11.1
Recipiente que contém os grupos, os separadores e o eletrolítico. Deve ser
selado e ter alta resistência térmica e mecânica.
3.12
Monobloco
3.12.1
Conjunto de dois ou mais vasos moldados em uma única peça.
3.13
Tampa
3.13.1
Peça de cobertura do vaso, fixada ao mesmo, com aberturas para
passagem dos pólos e para as válvulas reguladoras.
3.14
Tensão nominal do elemento
3.14.1
Valor da tensão característica para um determinado tipo de acumulador.
Para o acumulador chumbo-ácido, a tensão nominal de um elemento é de
2V à temperatura de referência.
3.15
Conexão intercelular
3.15.1
Ligação em série ou paralelo entre os elementos de um monobloco, através
da parede interna do vaso.
4.
ESTANTE
4.1
A estante deverá ter estrutura rígida para não se deformar em serviço.
Quando os quadros, tirantes e longarinas, forem compostos de perfis de
aço, estes devem ser protegidos por processo de fosfatização por deposição
eletrostática ou galvanização por imersão a quente, ou a outro tratamento de
eficácia equivalente, desde que aprovado pela CONTRATANTE. Como
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
acabamento, será utilizado pintura eletrostática do tipo epóxi pó na cor
cinza.
4.2
As longarinas (perfis) das estantes, depois da montagem, devem ser
revestidas com uma calha de proteção em PVC, acomodada na superfície
de assentamento dos elementos.
4.3
No projeto da estante deverá ser observada a necessidade de distribuição
do peso do banco ao longo do comprimento do mesmo, evitando-se a
concentração das cargas em pontos.
5.
INTERLIGAÇÕES
5.1
As interligações entre elementos poderão ser de:
5.1.1
Cabos de cobre flexíveis, totalmente isolados e projetados para conexão
aparafusada com os pólos das baterias.
5.2
Devem ser dimensionados para resistir a corrente máxima de curto circuito,
por no mínimo 60 segundos e suportar a corrente das baterias com o
mínimo de queda de tensão.
5.3
Os cabos flexíveis de cobre devem possuir tamanho adequado, para que
não fiquem tracionados, introduzindo esforços nos pólos da bateria.
6.
CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS
6.1
A bateria ao ser inserida no circuito completa um loop que faz com que a
carga flua uniformemente ao redor do mesmo.
6.2
Externamente, o fluxo de carga é composto de elétrons que resultam em
corrente elétrica.
6.3
Dentro da célula, o fluxo de carga, na forma de íons, trafega de um eletrodo
para o outro.
6.4
Os elétrons do circuito, recebidos pelo eletrodo positivo durante a descarga,
reagem com os materiais ativos do mesmo, em reações de “redução” que
continuam o fluxo de carga do eletrólito para o eletrodo negativo.
6.5
No eletrodo negativo, reações de “oxidação” entre os materiais e a carga
que flui através do eletrólito, resultam num excesso de elétrons que podem
passar para o circuito externo.
6.6
Acumulador elétrico estacionário
6.6.1
Trabalhando em regime de flutuação, fornece energia elétrica em caso de
picos de consumo ou falha no sistema de retificação e/ou falta de energia
primária.
6.7
Acumulador chumbo-ácido gel regulado por válvula
6.7.1
O eletrólito é imobilizado na forma de gel, constituído por solução aquosa de
ácido sulfúrico e matriz gelificante.
6.8
Acumulador chumbo-ácido regulado por válvula com eletrólito absorvido
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
6.8.1
O eletrólito é constituído por solução aquosa de ácido sulfúrico absorvido no
separador.
6.9
Acúmulo de energia de corrente contínua
6.9.1
Efetuado por uma bateria ou pela associação de baterias em paralelo, supre
os consumidores em casos de picos de consumo, falha de corrente
alternada ou falha do conjunto de retificação. As baterias contribuem para
redução da ondulação da tensão de saída para os consumidores e para
garantia da estabilidade do sistema de corrente contínua, contra oscilações
resultantes de interações entre as unidades do sistema.
6.10
Elemento
6.10.1
Conjunto formado por dois grupos de placas de polaridades opostas
isolados entre si por meio de separadores, banhados pelo mesmo eletrólito
e mais o vaso que os contém.
6.11
Elemento piloto
6.11.1
É aquele em que os valores de tensão e temperatura servem como
referência para bateria.
6.12
Vida útil de um acumulador
6.12.1
Intervalo de tempo entre o início de operação e o instante no qual a sua
capacidade atinge 80% da capacidade nominal, dentro das condições
normais de manutenção e operação.
6.13
Vida útil projetada
6.13.1
A vida útil projetada baseia-se nas características de projeto, fabricação e
aplicação.
6.14
Quando as tensões limites, existentes nos terminais das baterias, em final
de plena carga e descarga, forem compatíveis com a faixa de tensão de
alimentação do consumidor, é dispensável o uso do regulador de tensão,
como indicado na figura acima.
6.15
Quando da aquisição de baterias, os critérios utilizados devem satisfazer às
condições abaixo relacionadas:
6.15.1
Reserva de capacidade;
6.15.2
Vida Útil;
6.15.3
Mínima manutenção;
6.15.4
Espaço ocupado;
6.15.5
Confiabilidade;
6.15.6
Possibilidade de operação entre -20°C a +40°C;
6.15.7
Susceptibilidade a avalanche térmica.
7.
RENDIMENTO
7.1
Tensão e capacidade são parâmetros que definem o rendimento da bateria.
7.2
Genericamente, tensão é a força que impele os elétrons na saída da bateria;
capacidade é a quantidade de carga que a bateria pode fornecer por
unidade de tempo.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
7.3
Tensão
7.3.1
A tensão de uma bateria é determinada em função dos materiais que a
compõem. As reações de redução e oxidação produzem um potencial fixo,
onde a soma desses potenciais determina a tensão na célula.
7.4
Capacidade
7.4.1
Enquanto a tensão na célula é limitada pela sua química, sua capacidade
varia em função da quantidade de materiais ativos que a constituem.
Células individuais variam em capacidade de frações, a milhares de
Ampére-hora.
7.4.2
Capacidade é a quantidade de carga que a célula pode ceder por unidade
de tempo e é normalmente medida em Ampére-hora.
7.5
Baterias X tensão e capacidade
7.5.1
Baterias consistem normalmente de células múltiplas conectadas
eletricamente. As conexões devem ser executadas conforme ilustrado
abaixo e determinam a tensão e a capacidade da célula.
-
+
-
+
Baterias
-
+
-
+
conectadas em Série
7.5.2
A tensão deste tipo de conexão é a soma das tensões individuais das
células; a capacidade nesta configuração é fixada no valor individual das
células.
7.5.3
As células utilizadas numa bateria devem ser sempre idênticas. Misturar
células de diferentes elementos químicos é prejudicial ao sistema e tem que
ser evitado.
7.6
Capacidade Nominal
7.6.1
Capacidade em Ampère-hora, definida para um regime de descarga em
corrente constante, à temperatura de 25º C, até a tensão final de 1,75 V por
elemento (VPE).
7.7
Capacidade Padrão
7.7.1
Ficam definidas as seguintes capacidades para os acumuladores regulados
por válvula (1,75 VPE): 600, 500, 400, 300, 150 Ah/10hs.
7.7.2
Para o caso de monoblocos de 12 V, a capacidade será de 50 a 200 Ah.
8.
REGIME DE FLUTUAÇÃO
8.1
Regime de carga onde a bateria é mantida a plena carga. Neste regime, é
mantido um nível de tensão que garante a circulação de corrente, suficiente
para compensar as perdas por auto-descarga e repor a energia consumida
por pequenos picos e pulsos de demanda do equipamento consumidor.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Antes de entrar em regime de flutuação, a bateria deverá estar
completamente carregada.
9.
REGIME DE CARGA PARA ACUMULADORES VENTILADOS
9.1
Equalização
9.1.1
Para correção de qualquer não uniformidade da bateria, seja de tensão ou
densidade, que possa ter ocorrido ao longo de um período de uso e,
principalmente, garantir a plena carga, aplica-se uma carga de equalização.
9.1.2
As não uniformidades poderão ser conseqüentes das anormalidades
descritas abaixo:
9.1.2.1
Escolha de uma tensão de flutuação baixa demais;
9.1.2.2
Ajuste de uma tensão de flutuação imprópria no carregador;
9.1.2.3
A leitura do voltímetro no painel mostrar valores superiores aos reais,
resultando em baixas tensões nos elementos;
9.1.2.4
Temperaturas desiguais nos elementos.
9.1.2.5
A carga de equalização deve ser realizada numa tensão mais alta que a
tensão de flutuação. Assim, normalmente aplica-se a máxima tensão que o
equipamento conectado (consumidor) tolera.
9.2
Carga Inicial
9.2.1
Durante o armazenamento e a instalação, a bateria perde parte de sua
carga por auto-descarga. Antes de entrar em serviço, a bateria deverá
receber uma carga inicial para restabelecer a plena capacidade. Esta carga
inicial deve ser dada como carga especial (profunda).
10.
IDENTIFICAÇÃO
10.1
Todos os elementos devem ser identificados na carcaça, de forma legível e
indelével os seguintes dados:
10.1.1
Nome do fabricante/CONTRATADA.
10.1.2
Tipo.
10.1.3
Mês e ano de fabricação (gravado no pólo).
10.1.4
Número de série de fabricação (gravado no pólo).
10.1.5
Capacidade nominal.
10.1.6
Número do elemento.
10.1.7
Identificação dos pólos.
10.1.8
Tensão nominal do elemento.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
10.1.9
Identificação dos pólos (+/- ou vermelho/azul).
10.2
A placa de identificação das baterias deve ser de material resistente à
corrosão e conter, impressos em letras legíveis, os seguintes dados:
10.2.1
Tipo.
10.2.2
Capacidade nominal.
10.2.3
Tensão nominal.
10.2.4
Tensão final.
10.2.5
Tensão de flutuação (25°C).
10.2.6
Data de instalação.
10.2.7
Número de série do conjunto.
10.2.8
Número de elementos da bateria.
10.2.9
Data de término da garantia total.
10.3
As informações que não puderem ser preenchidas em fábrica devem ser
preenchidas em campo.
10.4
Na estrutura de cada bateria deve constar a placa de identificação exigida
pela ANATEL.
11.
INSTALAÇÃO
11.1
Além das especificações feitas neste Edital, deve-se garantir o adequado
aterramento da estante com cabo de no mínimo 25 mm2, flexível e isolado
na cor verde.
12.
ACESSÓRIOS
12.1
Bases para a estante: pés de porcelana ou de plástico.
12.2
Válvula de segurança para baterias ventiladas, com quantidade igual ao
número de baterias mais 10% para sobressalente.
12.3
Jogo de chaves para as bitolas dos parafusos utilizados.
12.4
Termômetro para cada banco de baterias.
13.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA
13.1
A CONTRATADA deverá entregar, antes de começar a fabricação, toda a
documentação técnica contendo os cálculos justificativos das dimensões,
materiais empregados, de acordo com as especificações técnicas adotadas,
manuais técnicos, em português, e os procedimentos de fábrica, para
aprovação prévia.
13.2
Após a fabricação deverão ser enviados os relatórios dos testes de
capacidade realizados nos bancos adquiridos pela CONTRATANTE.
14.
CERTIFICADO DE QUALIDADE
14.1
Todos os produtos devem estar homologados comprovadamente pelo
CPQD ou Órgão similar nacional, segundo Norma ABNT NBR 14205 –
Acumulador regulado por válvula - Ensaios.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
14.2
Independente da homologação do produto, a CONTRATANTE se reserva o
direito de, a qualquer momento, efetuar ensaios de aceitação em fábrica por
critério de amostragem.
15.
RESPONSABILIDADE
15.1
A CONTRATADA assumirá integral responsabilidade pela boa execução e
eficiência dos serviços conforme especificado no ANEXO II que executar, de
acordo com os projetos e especificações técnicas fornecidas. O
equipamento será garantido integralmente por um período mínimo de 5
(cinco) anos a partir da data de emissão do Termo de Aceitação Definitivo
do sistema, por tal garantia, entende-se a obrigatoriedade de substituir todos
os componentes sem ônus, que comprovadamente apresentem defeito de
fabricação ou montagem. Após este período deverá ser acionada a garantia
pró-rata.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
SEÇÃO VI – ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE INFRAESTRUTURA PARA
UNIDADES INVERSORAS
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
1.
OBJETIVO
1.1
Esta Especificação tem como objetivo estabelecer as características
técnicas a serem atendidas pelas Unidades Inversoras.
1.2
É obrigatório o fornecimento de equipamento homologado pelos órgãos
competentes.
2.
DEFINIÇÕES
2.1
UI (Unidade Inversora) – equipamento que se destina à geração de uma
voltagem alternada com forma de onda senoidal, suprindo a potência
necessária para operação através de bancos de baterias. Os inversores
estáticos terão a função exclusiva de alimentar o sistema de ventilação dos
aparelhos de ar condicionado (um inversor para cada duas maquinas de ar)
para que na falta de energia comercial ou eventual parada do sistema de
climatização, o sistema de ventilação das máquinas de ar continuem
funcionado e com isso minimizem a elevação da temperatura interna no
contêiner.
3.
CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS
3.1
Tensão de saída senoidal com baixa distorção harmônica, com carga linear
em torno de 5%.
3.2
Sinalizações de alarmes, local e remoto.
4.
CARACTERÍSTICAS MECÂNICAS E ELÉTRICAS
4.1
Características Mecânicas:
4.1.1
Gabinete: com bastidor padrão de 19” ou em gabinete próprio.
4.1.2
Dimensões: Para rack 19” x 60 cm ou gabinete próprio.
4.1.3
Pintura: Tipo epoxi / eletrostática;
4.2
Características Elétricas:
4.2.1
Potência: 3,0 KVA.
4.2.2
Tensão de Entrada de Bateria:
4.2.2.1
-48 VCC (42 a 60 VCC)
4.2.3
Tensão de Entrada na Rede:
4.2.4
Tensão de Saída: 127 VAC / 220VAC, Senoidal, com variação de 2%.
4.2.5
Freqüência: 60Hz
4.2.6
Aterramento: O equipamento terá a carcaça e a porta aterrados por meio de
conector de terra específico para interligação com condutor flexível de cobre
isolado (na cor verde) à barra de terra da estação.
4.2.7
Rendimento:
4.2.7.1
A 100% de carga  80%
4.2.7.2
A 50% de carga  80%
4.2.7.3
A 25 % de carga  70%
127VAC / 220VAC
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
4.2.8
Taxa de Distorção Harmônica: Para uma carga de 80% da capacidade da
unidade inversora, a distorção harmônica total será menor ou igual a 5%,
para o caso de carga linear.
4.2.9
Regulação Estática:  2%.
4.2.10
Proteções: Sobrecarga, sobretensão, sensor de curto, sobre-temperatura e
subtensão de entrada, sensor de curto na ponte.
4.2.11
Características do by-pass: Chave de transferência, seleção de prioridade
de alimentação, rede ou inversor.
4.2.12
Sinalizações:
4.2.12.1
Local: Inversor ligado ou desligado, defeito, cabos de bateria invertidos,
sonora e visual (led no painel).
4.2.12.2
Remota: defeito e falha na rede.
4.2.13
Alarmes:
4.2.13.1
O inversor deve dispor de duas saídas a contato seco livre de tensão e
isoladas entre si para fins de tele-sinalização da condição de inversor
inoperante e inibição do gerenciamento da ventilação de emergência do
controlador. Estas saídas devem apresentar contato fechado sempre e
somente se o inversor estiver em operação normal e, portanto fornecendo a
tensão de saída 127 / 220VCA adequada.
4.2.13.2
Sempre que o inversor deixar de operar qualquer que seja o motivo as
saídas de alarmes deverão apresentar contato aberto.
4.2.14
Comandos:
4.2.14.1
Liga/desliga inversor.
4.2.14.2
Contatores intertravados para as tensões da Rede e do Inversor.
4.2.14.3
Reset.
5.
CARACTERÍSTICAS AMBIENTAIS
5.1
Condições Ambientais - a Unidade Inversora deve atender às condições de
temperatura de 0 a 45 oC e umidade relativa do ar de 5 a 95%.
6.
CARACTERÍSTICAS DE FUNCIONAMENTO
6.1
Entrada em Funcionamento
6.1.1
A UI deve ser colocada em funcionamento apenas com um comando de
Ligar, podendo ser um botão ou chave. Um Led indicativo deverá acender
indicando que o equipamento está pronto para funcionar.
6.1.2
No caso de ausência de alimentação externa um Led deverá indicar essa
anormalidade.
6.2
Funcionamento com a Rede Externa em Carga
6.2.1
Em condição normal de funcionamento a carga é alimentada pela rede
elétrica externa através do circuito “by-pass” do equipamento ou pelo
sistema de climatização, quando este já possuir o intertravamento.
6.3
Funcionamento na Ausência de Rede Elétrica Externa
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
6.3.1
No caso de falha da rede elétrica externa a UI deve entrar em
funcionamento imediatamente e o painel do equipamento deve indicar o seu
funcionamento.
6.3.2
No retorno da rede elétrica a UI deve entrar novamente em sincronia com a
rede, e a carga novamente chaveada para o lado da rede. O painel deve
indicar este retorno.
6.4
Funcionamento em Condição de Sobrecarga
6.4.1
A sobrecarga é a solicitação de altas correntes pela carga de modo que a
tensão do inversor cai abaixo do valor especificado. Na detecção da
sobrecarga o painel deve indicar a ocorrência e o controlador do inversor
deve aguardar alguns segundos para a normalização da situação. Se este
tempo for ultrapassado, o controlador chaveia a carga para o lado da rede e
permanece em vazio.
6.5
Funcionamento com Sobreaquecimento do Equipamento
6.5.1
O sobreaquecimento do equipamento pode ocorrer depois de um período de
operação muito prolongado em condições de carga acima do especificado.
Este fenômeno só ocorre quando a unidade inversora está em carga e a
rede externa não está presente, e representa uma falha térmica que deve
ser sinalizada por um dos dois termostatos (um no transformador principal e
outro no módulo de saída).
6.5.2
Nesta situação o controlador deve chavear a carga para o lado da rede para
o inversor assumir a condição de funcionamento em vazio e o ventilador ser
mantido ligado. Dessa forma o inversor vai esfriando até o termostato
verificar que as condições térmicas retornaram ao normal e assumir
novamente a posição de carga.
6.6
Funcionamento com Carga Anormal e Falha do Módulo de Saída
6.6.1
Quando uma carga anormal é ligada ou no caso de alguma falha no módulo
de saída o microprocessador deve suspender a operação do módulo por
algum tempo e depois fazê-lo voltar à operação novamente.
6.7
Circuito de Proteção
6.7.1
O circuito de proteção principal deverá ser protegido sempre através de um
disjuntor, com a capacidade nominal 10% acima da potência nominal da
unidade inversora.
7.
CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS
7.1
Gabinete
7.1.1
O gabinete deve ter estrutura rígida, constituída por material apropriado e
deve ser projetado de forma a ser carregado em qualquer posição, sem
danos a componentes internos e estrutura.
7.1.2
O gabinete deve ter características adequadas ao fácil manuseio para
conexão/desconexão.
8.
MATERIAIS E ACABAMENTOS
8.1
Todas as peças metálicas usadas para fixação e sustentação de
componentes devem ser submetidas, depois de furadas, a processo de
fosfatização eletrostática ou galvanização por imersão a quente, ou a outro
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
tratamento de eficácia
CONTRATANTE.
equivalente,
desde
que
aprovado
pela
8.2
Toda a fração utilizada deve ser devidamente protegida contra contatos
prejudiciais com peças salientes que possam afetar o isolamento dos cabos.
8.3
A terminação de cabos flexíveis deve ter folga adequada, a fim de evitar o
rompimento quando sujeitos a esforços e, também, permitir eventuais
reparos sem necessidade de refazer o chicote.
8.4
Todos os condutores e ligações removíveis, conectados diretamente a
parafusos, devem ter suas extremidades soldadas ou prensadas à terminais
adequados e de boa qualidade. No caso de extremidades de condutores
conectados a blocos terminais do tipo compressão indireta, é dispensada a
utilização de terminais.
8.5
Os terminais devem ser de liga de cobre, devidamente dimensionados e
com tratamento superficial condizente com o respectivo uso.
8.6
Todos os parafusos, porcas e arruelas devem ser de material de boa
qualidade, não sujeitos à oxidação.
9.
CONDIÇÕES DE ACESSO
9.1
É indispensável o acesso fácil a todos os componentes de manutenção mais
freqüentes.
10.
IDENTIFICAÇÕES
10.1
Cada cartão de circuito deve conter, no mínimo, o código do fabricante e o
seu respectivo número de série. Externamente à unidade deve ser afixada
por processo eficiente plaqueta de identificação do equipamento,
confeccionada em material não deteriorável e de boa resistência mecânica,
contendo os seguintes dados:
10.1.1
Corrente nominal de saída.
10.1.2
Tensão nominal de saída.
10.1.3
Tensão nominal de entrada.
10.1.4
Potência aparente nominal de entrada.
10.1.5
Número de série de fabricação.
10.1.6
Mês / ano de fabricação.
10.1.7
Código / modelo do fabricante.
10.2
Na estrutura de cada gabinete deve constar a placa de identificação exigida
pela ANATEL.
10.3
Todos os blocos de terminais e conectores do tipo plug-in devem ser
identificados.
10.4
Todas as extremidades de fios e cabos condutores singelos devem ser
identificadas por meio de anilhas adequadas, contendo números ou letras
correspondentes aos terminais de destinação.
10.5
A identificação de fios e cabos deve obedecer à padronização de cores,
tomando-se por base as cores universalmente adotadas.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
11.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA
11.1
Na entrega de cada equipamento deverá ser acompanhado de um Manual
Técnico de Operação e Manutenção na língua portuguesa incluindo
especificação dos consumíveis para eventual substituição.
12.
RESPONSABILIDADE
12.1
A CONTRATADA assumirá integral responsabilidade pela boa execução e
eficiência dos serviços conforme especificado no ANEXO II que executar, de
acordo com os projetos e especificações técnicas fornecidas.
13.
SOBRESSALENTES
13.1
A PROPONETE garante fornecer à CONTRATADA os sobressalentes
necessários para que os Bens funcionem conforme suas especificações
técnicas de acordo com o item 15.36 do Termo de Referencia
14.
CERTIFICADOS DE GARANTIAS
14.1
Os equipamentos e materiais deverão ter garantia integral contra defeitos de
projeto, fabricação, instalação e desempenho inadequado, conforme o item
5.67 do Termo de Referencia.
14.2
A CONTRATADA deverá fornecer equipamentos com certificado de
homologação na ANATEL.
14.3
Os certificados aceitos, em caso de equipamentos cuja homologação não
seja compulsória pela ANATEL, serão aqueles emitidos por organizações
designadas pela ANATEL.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
SEÇÃO VII – ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE INFRAESTRUTURA
PARA SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]om.br
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
1.
OBJETIVO
1.1
Esta seção tem por objetivo especificar os equipamentos e materiais de
instalação, e integração dos sistema de climatização a serem contratados
junto com o contêiner e gabinetes outdoor para climatizar equipamentos de
redes IP, DWDM e Rádio.
2.
CONDICIONADOR DE CONDENSAÇÃO À AR
2.1
Classificados como Sistemas de Expansão Direta, podendo contemplar,
pelo menos:
2.1.1
Self contained a ar incorporado, tipo wall mounted.
2.2
Filtros de ar.
2.2.1
* NB10 – (NBR 6401) - Instalações centrais de ar condicionado - Parâmetros
básicos de projeto.
2.3
A caixa elétrica deverá ser de fácil acesso para os demais componentes
localizados no interior do condicionador.
2.4
O interfaceamento da caixa elétrica com o sistema de alimentação e com o
sistema de automação será através de régua de bornes.
2.5
Estrutura e Gabinete.
2.5.1
Deverá ser construído em estrutura e painéis de chapa de alumínio ou de
aço galvanizado, protegidos contra ferrugem através de zincagem,
fosfatização, pintura composta por tinta de base e acabamento polimerizada
em estufa (epoxi), própria para ambientes tropicais, ou conforme padrão do
fabricante, desde que aprovado.
2.5.2
Deverá ser isolado termicamente com 3/4" de lã de rocha ou material
equivalente (exceto lã de vidro), devendo ser isolante térmico, não
inflamável e não tóxico sob ação da chama.
2.5.3
O gabinete não deverá emitir ruído superior a 50 dB a 1,5m do
equipamento, de acordo com a Norma ABNT NBR 10151 e 10152 - Acústica
- Avaliação do Ruído em Áreas Habitadas, visando o conforto da
comunidade.
2.5.4
O gabinete deverá ser provido de conexão flexível de lona na descarga do
ventilador, quando a aplicação assim exigir (ex: rede de dutos).
2.5.5
O gabinete deverá possuir bandeja na serpentina do evaporador e armação
para filtros. A bandeja para recolhimento de água deverá ser protegida por
pintura à base de borracha ou material equivalente, e ter queda para os
drenos.
2.5.6
Todos os parafusos e arruelas utilizados na confecção do gabinete do
sistema de climatização devem ser fabricados em aço galvanizado ou inox.
2.5.7
O gabinete deverá ser posicionado sobre amortecedores, convenientemente
dimensionados, quando aplicado.
2.5.8
As partes removíveis para manutenção deverão ser de encaixe, sendo as
juntas providas de guarnições de borracha, devidamente coladas, para
evitar a penetração de líqüidos. Suas as vias de acesso aos elementos a ele
incorporados devem ser facilmente removíveis, para facilitar os serviços de
manutenção corretiva e/ou preventiva.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
2.6
Compressor.
2.6.1
O compressor deve ser do tipo scroll, hermético, com válvulas de serviço
para refrigerante, utilizando gás R22 ou Gás Ecológico. O compressor será
acionado por motor elétrico trifásico, com tensão a ser definida conforme
projeto, 60Hz, fator de potência maior ou igual a 0,92, rotor em curto-circuito
com potência frigorígena suficiente para atender a carga térmica calculada.
2.6.2
Deve ser limitado o uso de compressores com capacidade nominal de até
7,5TR. Para os casos com capacidades superiores a 7,5TR deve ser
utilizado, preferencialmente, 02 (dois) compressores, ou mais
compressores, dependendo da necessidade.
2.6.3
O compressor deverá ser provido de proteção térmica contra altas
temperaturas internas. Caso seja solicitado pela CONTRATANTE deverão
ter tratamento acústico (encapsulamento).
2.6.4
Para o caso de aplicações com o uso de condicionadores tipo wall mounted
deve ser prevista a possibilidade de posicionamento dos compressores em
ambos os lados (direito/esquerdo), dependendo da configuração desses
condicionadores na parede da estação.
2.7
Evaporador.
2.7.1
Deve ser provido com circuitos independentes para cada compressor,
construídos em tubos de cobre sem costura, com 12 a 16 aletas de alumínio
ou cobre por polegada linear, planas ou onduladas, expandidas
mecanicamente.
2.7.2
Deverão ser previstas 3 ou 4 fileiras de tubos em profundidade.
2.7.3
Cada circuito deverá ter a sua respectiva válvula de expansão regulável.
2.7.4
A velocidade do ar através da serpentina não deverá ser superior a 2,5m/s.
2.7.5
Deverão possuir um fator de calor sensível maior ou igual que 0,85.
2.7.6
As cabeceiras serão de alumínio, cobre ou aço galvanizado.
2.8
Condensador.
2.8.1
Deve ser construído em tubos de cobre sem costura, com 12 a 16 aletas de
alumínio com proteção fenólica ou cobre por polegada linear, planas ou
onduladas, expandidas mecanicamente.
2.8.2
Deverão ser previstas 3 ou 4 fileiras de tubos em profundidade.
2.8.3
As cabeceiras serão de alumínio, cobre ou aço galvanizado.
2.9
Ventiladores.
2.9.1
Os ventiladores deverão proporcionar pressão estática suficiente (mínima de
20mm.c.a.) para vencer as perdas de carga do sistema e pressão dinâmica
para manter o ar em movimento.
2.9.2
Os rotores devem apresentar acabamento cromatizado sobre zinco, ou
padrão do fabricante, desde que aprovado pela CONTRATANTE.
2.9.3
Em aplicações com polias, estas deverão ser ajustáveis para facilitar a troca
de correias.
2.9.4
Seus eixos devem ser bipartidos com acoplamento de luva(s) elástica(s),
para mais de um ventilador.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
2.9.5
Motor do evaporador - tipo centrífugo, dupla aspiração, construído em
chapas de aço. Os rotores com pás curvadas para a frente, serão
balanceados estática e dinamicamente, com baixa velocidade do ar na
descarga não superior a 10 m/s, e mancais de rolamento autocompensáveis, de lubrificação permanente e destinados à serviço contínuo.
2.9.6
Motor do condensador - preferencialmente do tipo centrífugo, com hélices
de alumínio. Opcionalmente, quando solicitado, será do tipo axial,
obedecendo às mesmas características descritas para o evaporador. Os
ventiladores dos condensadores deverão ter dispositivo de controle de
rotação, melhorando o desempenho e o ruído do equipamento. Deverão ter
angulação das pás projetadas para gerar o menor nível de ruído possível
quando acionadas. Além disso, deverão possibilitar (quando solicitado em
projeto) a instalação de dutos abafadores de ruído na tomada/descarga de
ar de condensação e seu nível de ruído deve atender as normas ABNT
10151 e 10152.
2.10
Resistência de Aquecimento.
2.10.1
Será obtida por meio de resistências elétricas do tipo rígida, aletadas, com
baixa dissipação de calor por unidade de superfície a serem instaladas no
interior do condicionador.
2.10.2
Deverão ser montadas em suportes de ferro, convenientemente isoladas.
2.10.3
A instalação deverá ser feita de tal modo, que assegure em toda a sua
superfície, velocidade de ar compatível com as indicadas pelo fabricante, de
modo que não surjam danos às mesmas.
2.10.4
O acionamento das mesmas deverá ser feito por estágios de, no máximo,
1,5 KW, de acordo com as necessidades.
2.10.5
A fiação elétrica deve ser executada com cabo especial para suportar altas
temperaturas e revestido de material incombustível (exceto amianto).
2.10.6
Seu fornecimento será definido conforme projeto.
2.10.7
As resistências elétricas devem atuar apenas como reaquecimento do
ambiente, e não devendo sobrepor-se ao funcionamento do compressor no
processo de desumidificação.
2.11
Desumidificação
2.11.1
Este processo, conforme projeto, poderá ser com o recurso de resistências
de aquecimento ou sistemas “hot gas by- pass”.
2.12
Proteções.
2.12.1
Devem ter as seguintes proteções para cada circuito frigorígeno:
2.12.1.1
Pressostato de alta e baixa pressão de refrigerante, com retenção na alta
(pressostato de alta) ou rearme automático.
2.12.1.2
Pressostato de óleo, sempre que o compressor dispuser de bomba de óleo.
2.12.1.3
Termostato limite de temperatura, para as resistências de aquecimento.
2.12.1.4
Pressostato diferencial de ar (Flow switch) em número e localização
adequada, de modo a evitar a operação do sistema ou de parte dele sem a
devida circulação de ar.
2.12.1.5
Controle de pressão de alta, de modo a permitir o funcionamento do sistema
de refrigeração, mesmo nos períodos frios.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
2.12.1.6
Resistência de aquecimento do óleo do cárter (quando solicitado pela
CONTRATANTE).
2.12.1.7
Relé térmico para proteção de sobre-aquecimento do bobinado do
compressor.
2.12.1.8
Temporizador (Anti short cicle), para inibir o funcionamento do compressor
em ciclos curtos temporizando o seu arranque.
2.12.1.9
Relé de encravamento, para inibir o rearme automático da unidade após
disparo por alta ou baixa pressão. Um contato livre de tensão ligado aos
terminais, da placa de bornes de comando, permitem a sinalização remota
do disparo.
2.13
Circuito Frigorígeno.
2.13.1
Deve ser composto de elementos que garantam a perfeita funcionalidade e
operacionalidade
dos
condicionadores,
devendo
compreender
necessariamente:
2.13.1.1
Circuito de refrigerante, constituído de tubos de cobre com espessura de
parede de acordo com as normas ASTM-B-88-62, nas bitolas adequadas, e
isoladas onde necessário. O dimensionamento e execução das linhas
devem garantir o retorno de óleo ao compressor, e permitirem a absorção
das vibrações do compressor e protegidas, onde necessário, por
passadores de neoprene. As linhas de sucção serão isoladas termicamente,
com exceção para os trechos localizados no compartimento do evaporador.
2.13.1.2
Válvula para controle de líquido na saída do condensador.
2.13.1.3
Válvula solenóide na linha de líquido.
2.13.1.4
Tanque de líquido.
2.13.1.5
Filtros secadores de umidade (antiácidos) rosqueados.
2.13.1.6
Visor de líquido com indicadores de umidade.
2.13.1.7
Válvula de expansão com equalizador de pressão.
2.13.1.8
Válvula de serviço na linha de sucção e de liquido.
2.13.1.9
Válvula Schraider para tomada de pressão na alta e na baixa.
2.14
Filtros de ar.
2.14.1
Os condicionadores deverão ser providos de 2 (dois) estágios de filtragem
de ar, sendo:
2.14.1.1
1º estágio – Classe G-0 da NB-10* da ABNT.
2.14.1.2
2º estágio – Classe G-3 da NB-10* da ABNT.
2.14.1.2.1 *NB10 – (NBR 6401) - Instalações centrais de ar condicionado para conforto
- Parâmetros básicos de projeto
2.14.2
Devem ser montados em baterias, que deverão acompanhar a forma
construtiva do gabinete, não permitindo passagens falsas de ar, e com fácil
acesso para remoção.
2.14.3
Estes filtros devem fazer parte integrante do condicionador.
2.14.4
A área de face dos filtros deve equivaler, no mínimo, à área de face da
serpentina, observada a velocidade de face adequada para o filtro.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
2.15
Vazão de ar.
2.15.1
O condicionador deve possuir uma vazão mínima de 680 (m 3 / h) / TR.
2.16
Quadro Elétrico e de Comando
2.16.1
Será construído em chapa de aço devidamente tratado contra a corrosão e
com acabamentos iguais aos aplicados ao gabinete do equipamento, com
os seguintes elementos:
2.16.1.1
Disjuntor geral.
2.16.1.2
Disjuntor motor tripolar, para cada motor elétrico do condicionador.
2.16.1.3
Disjuntor monopolar / bipolar termomagnético, para proteção do circuito de
comando.
2.16.1.4
Contator para acionamento de cada motor elétrico do condicionador, dotado,
no caso dos compressores, de contatos auxiliares.
2.16.1.5
Um auto-transformador à seco, com isolamento de 0,6KV, instalação
interna, elevação máxima de temperatura de 55º C em serviço contínuo,
operando a 80% da tensão nominal, para o circuito de comando, quando a
tensão de alimentação for 380V ou 220V.
2.16.2
A caixa elétrica deverá ser de fácil acesso para os demais componentes
localizados no interior do condicionador.
2.16.3
O interfaceamento da caixa elétrica com o sistema de alimentação e com o
sistema de automação será através de régua de bornes.
2.16.4
Deverá ser instalado barramento de terra para fazer a interconexão dos
equipamentos.
2.16.5
A cabeação de força, comando, controle e sinalização será flexível,
isolamento PVC- 70 ºC, classe 750V, na cor preta ou conforme código de
cores definido pelo fabricante, devidamente identificado. A seção mínima
dos condutores será de 2,5mm2 para força e de 1,0mm2 para comando,
controle e sinalização. A fiação energizada pelo sistema de automação será
na cor azul.
2.16.6
Toda a cabeação possuirá terminais adequados aos dispositivos de
conexão, sendo admitidos dois condutores, no máximo, por ponto de
ligação.
2.16.7
A cabeação será acondicionada em calhas de PVC (na cor cinza,
incombustível, dimensionadas a fim de facilitar a manutenção), ou será
reunida em chicote por meio de braçadeiras plásticas, tipo espiral, para
permitir a arrumação interna dos condutores.
2.16.8
Os condutores serão identificados através de anilhas anelares
correspondentes à sua bitola e com números ou letras nos pontos
interligados. Será admitida a utilização de códigos de cores definido pelo
fabricante do equipamento, desde que, legendados nos respectivos
diagramas de força e controle.
2.16.9
A identificação de cada componente será frontal feita em etiqueta autoadesiva não deteriorável e estará junto ao mesmo, em posição de fácil
visualização.
2.16.10
O dimensionamento dos componentes elétricos e a determinação das
bitolas da cabeação de força, bem como a definição das classes de
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
isolamento e das capacidades de interrupção aplicáveis, não explicitadas
nesta Especificação serão de responsabilidade da CONTRATADA.
2.16.11
A instalação elétrica deve ser executada de acordo com o prescrito pela
norma ABNT NBR-5410 - Instalações Elétricas de Baixa Tensão.
2.16.12
O circuito de comando do condicionador deverá ter tensão de 24 VCA.
2.17
Motor Elétrico (EVAPORADOR E CONDENSADOR)
2.17.1
Será trifásico/monofásico, de indução, com rotor em gaiola, isolamento
classe B, proteção IP54 totalmente fechada com ventilação externa, quatro
pólos e montados sobre dispositivos que permitam fácil ajustagem das
correias de transmissão (quando aplicável).
2.17.2
O motor não pode ser montado sobre os painéis laterais, frontais ou
posteriores.
2.17.3
Os motores elétricos com potências iguais ou superiores a 5 CV sofrerão
correção do fator de potência para o valor 0,92, dotados de terminal para
aterramento de carcaça.
2.17.4
Os motores elétricos devem ser projetados para uso contínuo, possuindo
mancais com vida útil maior ou igual a 20.000 horas.
2.18
Fator de Potência
2.18.1
O fator de potência, medido à montante do equipamento de ar condicionado,
deverá apresentar um valor médio superior a 0,92.
2.19
Controle de Entalpia
2.19.1
Será exigido o controle entálpico ou ciclo economizador e ventilação de
emergência. Sua filosofia consiste, basicamente, na comparação das
condições climáticas (temperatura/umidade relativa) do ar exterior em
relação às do ar interno da estação. Uma vez que as condições externas
estiverem favoráveis em relação às internas, um sistema auxiliar (que usa
do próprio sistema de ventilação do evaporador) entra em operação para
proporcionar a climatização interna, através da abertura de damper para
captação externa do ar.
2.19.2
Esse sistema também será utilizado, no caso de falta de energia, pois a
unidade possuirá alimentação CC/AC (inversor), e se o circuito frigorígeno
apresentar problema.
2.20
Controle de baixa temperatura.
2.20.1
Este recurso consiste, basicamente, em atender as aplicações onde existem
grandes variações climáticas em curtos períodos de tempo. Neste caso, o
ventilador do condensador é operado ciclicamente por comando de
pressostato. O ventilador deve ligar a 240 PSIG ( 3%) e desligar a 109
PSIG. ( 3%).
3.
CERTIFICADOS DE GARANTIA
3.1.
Os equipamentos e materiais deverão ter garantia integral contra defeitos de
projeto, fabricação, instalação e desempenho inadequado, conforme o item
5.67 do Termo de Referencia.
3.2.
A CONTRATADA deverá fornecer equipamentos com certificado de
homologação na ANATEL.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
3.3.
Os certificados aceitos, em caso de equipamentos cuja homologação não
seja compulsória pela ANATEL, serão aqueles emitidos por organizações
designadas pela ANATEL.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
SEÇÃO VIII – ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA INFRAESTRUTURA DE
CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL – PLC
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
1.
OBJETIVO
1.1
Esta seção tem por objetivo estabelecer as características técnicas a serem
atendidas pelo PLC - Controladores Lógicos Programáveis, fornecidos pela
CONTRATADA para monitorar o sistema de ar condicionado da estação de
telecomunicações.
2.
DEFINIÇÕES
2.1
PLC – Controlador Lógico Programável: é um equipamento microprocessado
utilizado para a supervisão, controle e sinalização dos equipamentos
responsáveis pela climatização, entrada de energia e combate a incêndio
das Estações.
3.
CARACTERÍSITCAS GERAIS
3.1
O PLC deverá ser programável e autônomo e possuir todas as interfaces
necessárias (sensores, controladores, atuadores, receptores, relês, etc.) ao
gerenciamento automático das seguintes funções:
3.1.1
Controlar a temperatura interna do contêiner por meio do sistema de ar
condicionado e do sistema de ventilação forçada.
3.1.2
Monitorar o acesso ao interior do contêiner, informando a presença de
pessoal dentro da Estação.
3.1.3
Monitorar a entrada de energia CA comercial e emitir sinais de alarmes em
caso de anormalidades.
3.1.4
Detectar e emitir sinais de alarme na ocorrência de incêndios no interior da
Estação.
3.1.5
Sinalizar eventos e alarmes referentes aos sistemas ou equipamentos
controlados.
3.1.6
Armazenar dados de operação e emitir relatórios.
4.
CARACTERÍSITICAS TÉCNICAS
4.1
O gabinete deverá prever as seguintes características:
4.1.1
O PLC e todas as interfaces necessárias deverão, preferencialmente, ser
instalados em uma única caixa de montagem ou gabinete, com as menores
dimensões possíveis, sem prejuízo da acessibilidade de partes e/ou
componentes.
4.1.2
O gabinete do PLC deverá ter estrutura suficientemente rígida para permitir
o transporte em qualquer posição, sem danos a componentes internos e à
estrutura.
4.1.3
O gabinete deve ter características adequadas ao fácil manuseio para
conexão/desconexão do PLC. As vias de acesso aos elementos a ele
incorporados devem ser facilmente removíveis e as conexões com
equipamentos e interfaces deverão ser feitas através de bornes com fácil
acessibilidade.
4.1.4
É indispensável o acesso fácil a todos os componentes de manutenção mais
freqüentes. Os dispositivos de ajuste mais utilizados devem ser facilmente
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
acessíveis, para facilitar os serviços de manutenção corretiva e/ou
preventiva.
4.1.5
Adicionalmente, deverá ser garantida a continuidade elétrica de todas as
superfícies metálicas externas do PLC com o terra de proteção da estrutura
metálica (gabinete).
4.2
Requisitos Mínimos de Hardware
4.2.1
O PLC deverá apresentar os seguintes requisitos mínimos de hardware:
4.2.1.1
Tensão de Alimentação: Deverá utilizar fonte chaveada, isolada
galvanicamente, que aceite variações de tensão de entrada entre +30 e –60
Vcc, podendo ser alimentada – 48 Vcc, sem a necessidade independente da
polaridade.
4.2.1.2
Temperatura de funcionamento:
4.2.1.2.1
0º à 55ºC - condições normais de operação;
4.2.1.2.2
70ºC - limite crítico para início de dano no PLC.
4.2.1.3
Umidade Relativa:
4.2.1.3.1
5 a 90% - sem condensação para o controlador;
4.2.1.3.2
5 a 99% - sem condensação para os transdutores.
4.2.1.4
Altitude Máxima: 2000m – condições normais.
4.2.1.5
Proteção: Filtros contra interferência eletromagnética e proteção contra
transitórios de tensão.
4.2.1.6
Microprocessador de 8 bits.
4.2.1.7
Memória Flash-EEPROM com capacidade suficiente para armazenagem de
parâmetros, configurações de entradas e saídas e de restrição de acesso.
Capacidade para armazenar registros de temperatura e umidade dos últimos
31 dias e registro cronológico cíclico de no mínimo 99 ocorrências.
4.2.1.8
Os componentes deverão apresentar montagem com a tecnologia SMD –
montagem de superfície ou equivalente.
4.2.1.9
Conexões de placas tipo plug in.
4.2.1.10
Interfaces serial RS 232 e/ou RS 485 isoladas.
4.2.1.11
Relógio/calendário interno com bateria recarregável com autonomia de até
60 dias.
4.2.1.12
Display de Cristal Líquido e Teclado capazes de permitir a visualização e
programação de parâmetros operacionais ajustáveis, visualização de
alarmes ativos e histórico de alarmes, bem como o estado das operações
controladas pelo PLC.
4.2.1.13
Leds indicativos de defeito de funcionamento, alarmes ativos e operação
manual/automática.
4.2.1.14
Chave Automático/Manual e termostatos com sensor metálico, manualmente
ajustáveis, para permitir a operação manual local dos condicionadores de ar
em caso de falhas no PLC.
4.2.1.15
Sinalizador sonoro para indicação de alarmes ou mau funcionamento.
4.2.1.16
Capacidade de expansão futura.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
4.2.1.17
As Entradas Digitais deverão possuir isolação por acoplamento óptico
superior a 2,5 kV com proteção de sobretensões e transientes e alimentação
para contatos secos em +24 /-48 Vcc.
4.2.1.18
As entradas analógicas deverão ser compostas de módulos conversores
A/D e possuir proteção contra transientes na entrada, precisão e linearidade
de 0,1% a 25 C e entrada bipolar de +5 mA a –5 mA.
4.2.1.19
Saídas Digitais isoladas a reles com contatos para 5 A/-48 Vcc e isolação
superior a 2,5 kV.
4.3
Requisitos Mínimos de Software
4.3.1
O software de supervisão e controle deverá ser capaz de configurar,
monitorar e controlar a operação do sistema, executando as funções de
aquisição de dados e processamento local. Deverá possuir interfaces
abertas, padronizadas e inteiramente documentadas em todas as suas
variantes para uso da CONTRATANTE, baseadas nas versões mais
recentes de pelo menos um dos seguintes protocolos, em ordem de
preferência: TCP/IP, RS-232.
4.3.2
O software de supervisão deverá permitir a configuração dos parâmetros
operacionais do sistema e ser capaz de enviar mensagens espontâneas
referentes a alarmes, receber comandos e enviar respostas a estes
comandos e enviar através de comando do operador todos os dados de
desempenho coletados.
4.3.3
O software deverá possuir ainda os seguintes requisitos mínimos:
4.3.3.1
O aplicativo deverá ser instalado e executado em PC compatível conectado
a saída serial do PLC, local ou remotamente (via modem e/ou telefone
celular);
4.3.3.2
Permitir a comunicação com níveis superiores;
4.3.3.3
Segurança para acesso através de senhas, divididas em no mínimo três
níveis.
4.3.3.4
Permitir a monitoração de parâmetros “on-line”;
4.3.3.5
Permitir a interface com reles, transdutores digitais e outros equipamentos
via interface RS-485 com protocolos apropriados.
4.3.3.6
Possuir capacidade para aceitação, validação e execução de comandos;
4.3.3.7
Possuir capacidade para aquisição, tratamento e armazenamento de
entradas digitais e analógicas com indicação do horário e data da aquisição;
4.3.3.8
Incorporar rotinas de auto-diagnose por software, informando a ocorrência
de anormalidades e disponibilizando os resultados via canal de
comunicação, local ou remotamente;
4.3.3.9
Permitir a retirada ou inclusão de pontos a serem monitorados, permitindo
alterações nos parâmetros existentes e desenvolvimento de novos
parâmetros operacionais.
5.
INSTALAÇÃO ELÉTRICA
5.1
A instalação do PLC e de todas as interfaces necessárias deverá ser feita
tendo em vista compatibilidade eletromagnética entre equipamentos
eletrônicos e o processo elétrico, empregando-se técnicas e padrões
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
recomendados pelas normas da ABNT – Associação Brasileira de Normas
Técnicas – de forma a limitar a influência eletromagnética a níveis
recomendados por estas normas.
5.2
Nota: No caso de inexistência ou inaplicabilidade de normas da ABNT ou
ainda em caráter suplementar, as instalações deverão atender as
recomendações de normas internacionalmente reconhecidas.
5.3
Todos os cabos utilizados na interligação do PLC com equipamentos ou
periféricos deverão possuir blindagem metálica a fim de se evitar
interferências eletromagnéticas. Os eletrodutos empregados deverão ser de
ferro galvanizado e as tubulações deverão ser distintas para condutores de
energia e condutores de sinal.
5.4
O PLC deverá ser aterrado por meio de condutor flexível de cobre isolado,
na cor verde, e a fiação de aterramento não deve ser compartilhada com
outros equipamentos que operem com altas correntes.
6.
MATERIAIS E ACABAMENTOS
6.1
Todas as peças metálicas usadas para fixação e sustentação de
componentes devem ser submetidas, depois de furadas, a processo de
fosfatização, ou a outro tratamento de eficácia equivalente, desde que
aprovado pela CONTRATANTE.
6.2
Todos os parafusos, porcas e arruelas deverão ser confeccionados com
material de não sujeitos à oxidação.
7.
OPERAÇÃO
7.1
Sistema de Climatização
7.1.1
Introdução
7.1.1.1
O PLC deverá ser integrado ao sistema de climatização por meio de
monitoração e controle.
7.1.2
Lógica de Controle
7.1.2.1
O objetivo é manter a temperatura e a umidade ambiente dentro dos valores
determinados, por meio da utilização do sistema de climatização.
7.1.2.2
O PLC deverá ser capaz de controlar automaticamente o funcionamento dos
condicionadores de ar e da ventilação forçada em conjunto, quando houver,
tendo como base as temperaturas interna e externa e as umidades relativas
do ar interno e ar externo a Estação.
7.1.2.3
Em condições normais de operação o PLC controlará o funcionamento dos
condicionadores de ar de forma a manter a temperatura interna e a umidade
relativa do ar dentro de parâmetros previamente ajustados. O conjunto
deverá operar de forma sincronizada, acionando cada condicionador quando
a carga térmica exigir, ou em caso de falha de uma das máquinas em
operação.
7.1.2.4
O PLC empregará a ventilação forçada em substituição aos condicionadores
de ar, promovendo o ciclo economizador (controle entálpico) com a
utilização do ar externo para refrigerar o ambiente, sempre que as condições
externas permitirem, tendo como base parâmetros previamente ajustados de
temperatura e umidade relativa do ar externo.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
7.1.2.5
O PLC também acionará a ventilação forçada, operando como ventilação de
emergência, quando houver falta de energia AC comercial ou quando
houver falha simultânea nos condicionadores de ar. Nestas condições a
ventilação forçada deverá ser acionada assim que a temperatura interna
exceda o limite crítico permitido e previamente ajustado. Enquanto
permanecerem as condições de falha, o PLC deverá manter a ventilação
forçada em operação, independentemente da temperatura e umidade
internas.
7.1.2.6
O PLC deverá permitir que a operação da ventilação forçada como ciclo
economizador seja facilmente inibida, mantendo a função de ventilação de
emergência.
7.1.3
Gerenciamento de Funções
7.1.3.1
O PLC deverá ser fornecido com todos os equipamentos e interfaces
necessárias para gerenciar automaticamente as seguintes funções do
sistema de climatização das Estações:
7.1.3.1.1
Partida escalonada dos ventiladores dos condicionadores de ar.
7.1.3.1.2
Controle da temperatura interna.
7.1.3.1.3
Controle da umidade relativa do ar interno.
7.1.3.1.4
Monitoramento da Temperatura/umidade relativa externa.
7.1.3.1.5
Partida seqüencial de equipamentos no início de operação ou após falha de
energia.
7.1.3.1.6
Partida de compressores/condensadores em função do controle de
temperatura e umidade relativa interna.
7.1.3.1.7
Partida da ventilação forçada em substituição aos condicionadores de ar
promovendo a realização do ciclo economizador (controle entálpico).
7.1.3.1.8
Partida da ventilação forçada em função das falhas dos condicionadores de
ar ou queda de energia e do diferencial das temperaturas externa e interna.
7.1.3.1.9
Rodízio programável dos condicionadores de ar (principal e reserva) em
função do número de horas em funcionamento, garantindo igual número de
horas trabalhadas para ambos.
7.1.3.1.10 Substituição do ar condicionado que apresentar falha ou baixo rendimento,
pelo reserva.
7.1.3.1.11 Impedir o funcionamento dos condicionadores de ar e da ventilação forçada
na ocorrência de alarmes de incêndio.
7.1.3.1.12 Monitorar o status dos condicionadores de ar (evaporador, compressor e
aquecimento).
7.1.3.1.13 Monitorar o status da ventilação forçada.
7.1.3.1.14 Informar falhas no funcionamento dos condicionadores de ar e da ventilação
forçada.
7.1.3.1.15 Informar em tempo real as temperaturas e umidades internas e externas.
7.1.3.1.16 Emitir alarmes de temperatura interna alta e temperatura interna crítica
tendo como base valores previamente ajustados.
7.1.4
Os algoritmos de controle deverão ser os seguintes:
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
7.1.4.1
Controle liga / desliga.
7.1.4.2
Proteção contra ciclagem de equipamentos.
7.1.4.3
Programação para executar limitações de intervalo mínimo entre partidas de
motores (máximo de 6 partidas por hora).
7.1.4.4
Programação horária semanal.
7.1.4.5
Escalonamento de operação de equipamentos de ar condicionado.
7.1.4.6
Entrada seqüenciada de equipamentos em partidas normais, em situações
de retorno de energia.
7.1.5
O PLC deverá ainda:
7.1.5.1
Permitir o ajuste dos “set-points” das temperaturas interna e externa,
umidade relativa do ar interno e externo para o funcionamento dos
condicionadores de ar e da ventilação forçada, via display frontal e/ou PC
compatível conectado a saída serial.
7.1.5.2
Permitir o funcionamento em “modo manual-local”, aceitando comandos de
liga/desliga dos condicionadores de ar e/ou da ventilação forçada
independentemente da temperatura e umidade internas.
7.1.5.3
Permitir a operação em “modo manual-local” dos aparelhos de ar
condicionado em caso de manutenção ou falha no PLC.
7.1.5.4
Permitir que seja inibido o funcionamento da ventilação forçada.
7.1.5.5
Manter os dados coletados por um período mínimo de 31 dias e permitir
análise gráficas e emissão de relatórios sobre o funcionamento dos
condicionadores de ar e da ventilação forçada em função da temperatura,
umidade e tempo de funcionamento.
7.1.6
Alarme de Intrusão
7.1.6.1
O PLC deverá ser capaz de monitorar o acesso e a permanência de pessoal
no interior da estação através de um micro-switch instalado na porta de
acesso e de um sensor indutivo de presença a ser instalado internamente
nas proximidades da entrada, de forma a abranger a maior área interna
possível.
7.1.6.2
Além de externar o sinal de alarme de intrusão, o PLC deverá emitir sinal
sonoro após o decurso de um intervalo de tempo, facilmente ajustável, entre
o acionamento efetivo do alarme e o início do sinal sonoro. Deverão ser
providos os meios necessários para que o sinal sonoro seja manualmente
silenciado durante um período de tempo também programável, voltando a
operar caso o alarme de intrusão permaneça ativo.
7.1.7
Entrada de Energia AC
7.1.7.1
O PLC deverá externar sinal de alarme de falha na alimentação CA
empregando o relê de mínima e máxima tensão, supervisão de falta fase e
inversão de fases existentes no QDG.
7.1.8
Sistema de Detecção de Incêndio
7.1.8.1
Na detecção de incêndio dentro das Estações deverão ser empregados no
mínimo um detector de fumaça e um detector termo-velocimétrico. Através
de interfaces apropriadas, na ocorrência de incêndios, o PLC deverá ser
capaz de receber os sinais destes detectores, inibir o funcionamento dos
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
condicionadores de ar e da ventilação forçada e externar o sinal de alarme
de incêndio.
7.1.8.2
Para o perfeito funcionamento deste sistema, em casos de falhas no PLC e
na eventual ocorrência de incêndio, deverão ser previstos outros meios de
inibição do funcionamento dos condicionadores de ar e da ventilação
forçada.
7.1.8.3
Além dos aspectos descritos acima, o PLC deverá emitir sinal sonoro de
alarme dentro da estação quando houver detecção de focos de incêndio.
8.
MENSAGENS DE DEFEITO E STATUS DE FUNCIONAMENTO
8.1
No mínimo, as seguintes mensagens deverão estar disponíveis no display
frontal:
8.1.1
Falha na alimentação AC1
8.1.2
Defeito no Ventilador AC1
8.1.3
Defeito no Compressor AC1
8.1.4
Falha na alimentação AC2
8.1.5
Defeito no Ventilador AC2
8.1.6
Defeito no Compressor AC2
8.1.7
Defeito na Ventilação Forçada
8.1.8
Alarme de Incêndio.
8.1.9
Rede Anormal.
8.1.10
Umidade alta.
8.1.11
Porta aberta.
8.1.12
Temperatura alta.
8.1.13
Falha de alimentação CC.
8.1.14
Falha do PLC.
8.1.15
Status do funcionamento do Ventilador do AC1, ON/OFF.
8.1.16
Status do funcionamento do Compressor do AC1, ON/OFF.
8.1.17
Status do alimentação CA do AC1, ON/OFF.
8.1.18
Status do funcionamento do Ventilador do AC2, ON / OFF.
8.1.19
Status do funcionamento do Compressor do AC2, ON/OFF.
8.1.20
Status da alimentação CA do AC2, ON/OFF.
8.1.21
Status de funcionamento da Ventilação Forçada, ON/OFF/Desabilitada.
8.1.22
Indicação da temperatura e umidade internas
8.1.23
Indicação da temperatura e umidade externas.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
8.2
Os seguintes alarmes deverão ser externados através das saídas digitais a
relê:
8.2.1
Defeito no AC1.
8.2.2
Defeito no AC2.
8.2.3
Defeito na Ventilação Forçada.
8.2.4
Temperatura Alta.
8.2.5
Umidade Alta.
8.2.6
Falha no PLC.
8.2.7
Alarme de Intrusão.
8.2.8
Alarme de Incêndio.
8.2.9
Falha na Alimentação CA Comercial.
8.3
Todos os eventos registrados no painel deverão ser armazenados em um
histórico, com data e hora da ocorrência.
9.
GENERALIDADES
9.1
Antes da entrega deverão ser enviados relatórios de testes realizados em
fábrica, datados e assinados, acompanhado do respectivo certificado de
garantia.
9.2
Caso seja solicitado, a CONTRATADA deverá dispor, no prazo máximo de
24 horas, do equipamento ofertado e de instrumentos para testes e inspeção
da CONTRATANTE.
10.
IDENTIFICAÇÕES
10.1
Externamente à unidade deve ser afixada, por processo eficiente, plaqueta
de identificação do equipamento, confeccionada em material não
deteriorável e de boa resistência mecânica, contendo os seguintes dados :
10.1.1
número de série de fabricação.
10.1.2
mês / ano de fabricação.
10.1.3
código / modelo do fabricante.
10.2
Na estrutura de cada gabinete deve constar a placa de identificação exigida
pela ANATEL.
11.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA
11.1
O projeto de interligação e a documentação técnica aplicável deverão ser
apresentados quando da entrega da proposta.
11.2
A CONTRATADA deverá entregar, toda a documentação técnica
complementar, contendo os cálculos justificativos das dimensões, os
materiais empregados, de acordo com as especificações técnicas adotadas,
e os procedimentos de fábrica, para aprovação prévia.
11.3
Deverão ser entregues todos os relatórios de testes emitidos pelo setor de
controle de qualidade da CONTRATADA.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
12.
RESPONSABILIDADE
12.1
A CONTRATADA assumirá integral responsabilidade pela boa execução e
eficiência dos serviços conforme especificado no ANEXO II que executar, de
acordo com os projetos e especificações técnicas fornecidas.
13.
SOBRESSALENTES
13.1
A PROPONETE garante fornecer à CONTRATADA os sobressalentes
necessários para que os Bens funcionem conforme suas especificações
técnicas de acordo com o item 15.36 do Termo de Referencia
14.
CERTIFICADOS DE GARANTIA
14.1
Os equipamentos e materiais deverão ter garantia integral contra defeitos de
projeto, fabricação, instalação e desempenho inadequado, conforme o item
5.67 do Termo de Referencia.
14.2
A CONTRATADA deverá fornecer equipamentos com certificado de
homologação na ANATEL.
14.3
Os certificados aceitos, em caso de equipamentos cuja homologação não
seja compulsória pela ANATEL, serão aqueles emitidos por organizações
designadas pela ANATEL.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
SEÇÃO IX – ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE INFRAESTRUTURA DE
TRANSFORMADORES
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
1.
OBJETIVO
1.1
Esta seção tem por objetivo especificar os materiais e equipamentos de
instalação e integração dos transformadores a serem instalados para
alimentar em baixa tensão as estações de telecomunicações.
2.
ESPECIFICAÇÕES DE TRANSFORMADORES
2.1
A CONTRATADA deverá considerar os requisitos técnicos ao fornecimento,
relativos às características, projeto, fabricação e ensaios de
Transformadores de Distribuição para utilização em estações de
telecomunicações.
2.2
Os transformadores para atender as estações de telecomunicações deverão
ser dos tipos a Seco ou Óleo de Média Tensão
2.3
Aplicação:
2.3.1
Instalação em estações de telecomunicações para rebaixamento de tensão
primária para tensão secundária.
2.4
Normas Específicas:
2.4.1
NBR 5356 – Transformadores de potência.
2.5
Características Técnicas:
2.5.1
O transformador deverá ser projetado, fabricado e ensaiado de acordo com
as prescrições da norma ABNT NBR 10295 e NBR 5356.
2.6
Potências Nominais:
2.6.1
45 kVA.
2.6.2
75 kVA.
2.6.3
112,5 kVA.
2.6.4
Tensão Primária: 13,8 kV / 460 VCA.
2.6.5
Fator de Potência: 0,8
2.6.6
Ligação do enrolamento primário: Delta.
2.6.7
Tensão Secundária: 380 VCA.
2.6.8
Nível de isolamento do enrolamento primário: 13,8 kV.
2.6.9
Nível de isolamento do enrolamento secundário: 600V.
2.6.10
Número de fases: 3 (trifásico).
2.6.11
Freqüência: 60Hz.
2.6.12
A CONTRATADA deverá fornecer o transformador completo, com todos os
acessórios e materiais, cruzetas, Isoladores, pinos, mão francesas, cintas,
isoladores tipo bastão, suportes, pára-raios, caixa de passagem, luvas,
hastes de aterramento miscelâneas e materiais complementares bem como
os não expressamente mencionados nesse ANEXO, e todos os materiais
necessários ao perfeito funcionamento do equipamento.
3.
CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
3.1
O equipamento deverá ser de construção robusta, levando em consideração
as exigências de instalação em poste ou em solo confinado em cubículo
fechado com alambrado.
3.2
Suportar, sem sofrer danos, os efeitos térmicos e dinâmicos resultantes de
sobrecargas provocadas por curto-circuito nos terminais, em qualquer um
dos seus enrolamentos, com tensão e freqüência nominais mantidas nos
terminais do outro enrolamento, de acordo com a norma NBR 10295.
3.3
Deverá ser projetado e fabricado de acordo com a NBR 5440, incorporando
os melhoramentos que a técnica moderna sugere e sempre utilizando
materiais novos, da melhor qualidade, mesmo quando não referidos
implicitamente nesta especificação. Os enrolamentos devem ser de cobre ou
alumínio e devem atender à características elétricas especificadas.
3.4
Características:
3.4.1
Suportar sobrecargas de até 10% de sua capacidade nominal.
3.4.2
Possuir dois pontos de aterramento instalados na ferragem do núcleo.
3.4.3
Possuir olhais para tração e içamento do transformador.
3.4.4
Placa de identificação em alumínio.
4.
VERIFICAÇÃO
4.1
É de total responsabilidade da CONTRATADA conferir a integridade da
embalagem.
5.
ENSAIOS
5.1
A CONTRATADA deverá executar, de acordo com a norma NBR 10295, os
seguintes ensaios:
5.1.1
Resistência elétrica dos enrolamentos.
5.1.2
Resistência de isolamento.
5.1.3
Relação de tensões.
5.1.4
Deslocamento angular.
5.1.5
Tensão aplicada.
5.1.6
Tensão induzida.
5.1.7
Descargas parciais.
5.1.8
Perdas em vazio e em carga.
5.1.9
Corrente de excitação.
5.1.10
Impedância percentual.
5.1.11
Verificação do funcionamento dos acessórios.
5.2
Deverão ser, ainda, executados os ensaios abaixo:
5.2.1
Impulso de alta tensão (se for o caso);
5.2.2
Elevação de temperatura; e
5.2.3
Nível de ruído.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
6.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA
6.1
A CONTRATADA deverá entregar os protocolos de ensaios realizados em
unidades similares, a saber:
6.1.1
Elevação de temperatura.
6.1.2
Impulso atmosférico.
6.1.3
Descargas parciais.
6.1.4
Nível de ruído.
6.1.5
Croqui dimensional.
6.1.6
Esquema do circuito de proteção térmica.
6.1.7
Esquema de pintura.
7.
CERTIFICADOS E GARANTIAS
7.1.
Os equipamentos e materiais deverão ter garantia integral contra defeitos de
projeto, fabricação, instalação e desempenho inadequado, conforme o item
5.67 do Termo de Referencia.
7.2.
A CONTRATADA deverá fornecer equipamentos com certificado de
homologação na ANATEL.
7.3.
Os certificados aceitos, em caso de equipamentos cuja homologação não
seja compulsória pela ANATEL, serão aqueles emitidos por organizações
designadas pela ANATEL.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
SEÇÃO X – ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA INFRAESTRUTURA PARA
GABINETES OUTDOOR EQUIPADOS COM SISTEMA DE
RETIFICADORES 300A/-48V
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
1.
OBJETIVO
1.1
Esta seção tem por objetivo especificar os equipamentos e materiais para a
instalação e integração dos gabinetes outdoor a serem contratados para as
estações de telecomunicações.
2.
CARACTERÍSTICAS GERAIS
2.1
Os equipamentos deverão possuir as seguintes características:
2.2
Grau de proteção IP 55.
2.3
Equipado com 2 máquinas de ar-condicionado de 1 TR controlado por PLC.
2.4
Corrente de saída: 300 A.
2.5
Tipo de entrada: Trifásico;
2.6
Tensão de entrada nominal: 220 VCA, 380 VCA;
2.7
Corrente de entrada nominal: 46 A;
2.8
Potência de entrada: 17,79 kVA; e
2.9
Potência de saída: 16,20 kW.
3.
GABINETES DE SERVIÇO OUTDOOR EQUIPADOS COM
SISTEMA DE RETIFICADORES 300A / -48V
3.1
Os sistemas de energia deverão ser do tipo Modular, com Unidade de
Supervisão.
3.2
Os sistemas de retificadores deverão ser instalado em subrack, dentro dos
Gabinetes Outdoor no padrão rack 19”.
3.3
Cada gabinete deverá ser composto por Sistema de Retificadores, baterias,
trocador de calor ou ar-condicionado, e deverá ser acompanhando de toda a
documentação do produto em forma de papel e em CD, com todos os
manuais.
4.
COMPOSIÇÃO
4.1
Deverá ter placa com entradas digitais e saídas de relés de alarmes com
unidade de distribuição CA para retificadores (UDCA):
4.2
Unidade de entrada CA (UDCA) composta por bornes de entrada CA para
as Fases, Neutro e terra, bem como um disjuntor para cada retificador,
devendo estar internos ao gabinete.
4.3
A Alimentação de entrada CA poderá ser Entrada: 220VCA (2 F+T),
380VCA(F+N+T) ou 380 VCA (2F+N+T).
4.4
Deverá ter a unidade de distribuição de baterias (UDB):
4.5
Ser composta por disjuntores, contator para desconexão das baterias e
shunt para informação de corrente de bateria. Com o sistema, deverá vir
barra para “jumpear” o contator.
4.6
Cada disjuntor deverá ser monitorado através de um fio de alarme que leva,
em caso de queima ou desarme do disjuntor, a informação de alarme para a
placa que irá monitorar o alarme e o envia para a unidade de
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
supervisão/controlador, que deverá reportar o alarme, conforme a
configuração de cada sistema.
4.7
O contator de bateria deverá possuir monitoramento através de contato
auxiliar que, ao abrir, envia alarme para unidade de supervisão/controlador,
devendo o alarme ser externado por associação em um relé de saída de
alarme.
4.8
Para a informação de corrente de bateria, a unidade de baterias deverá
possuir um shunt de informação que, através de amostra de tensão (mV),
informará a corrente das baterias à supervisão/controlador.
4.9
O sistema deverá possuir barra para realizar by-pass no contator, com
necessidade de substituição do mesmo, quando houver.
4.10
Deverá ter a unidade de distribuições de cargas de consumidores (UDCs):
4.11
Composição dos disjuntores:
4.11.1
Cada gabinete deverá vir com a seguinte configuração de disjuntores: 22 x
10 A, 4 x 20 A, 4 x 32 A e 4 x 80 A.
4.12
Os gabinetes deverão ser entregues com a quantidade de 6 retificadores de
50 A, compondo a SR 300A/-48Vcc.
4.13
Unidade de supervisão:
4.13.1
A unidade de supervisão deverá ter a função de monitorar e controlar o
sistema de retificadores, fazendo a interface homem-máquina, informando
tensões, correntes, temperatura, alarmes e parâmetros de ajuste do
sistema.
4.13.2
A informação deverá ser feita através de display e por comunicação com
PC, utilizando o software apropriado;
4.13.3
A informação de alarme deverá ser fornecida por relés, com contatos secos,
que deverão estar dentro da unidade de supervisão/controlador. Cada saída
possuirá um contato comum, um aberto e um fechado, dando flexibilidade
para configuração dos alarmes de saída, que serão ligados através dos
conectores na placa de expansão de alarmes;
4.14
Alarmes que deverão ser disponibilizados:
4.14.1
Porta aberta.
4.14.2
Trocador de calor ou de ar-condicionado, quando for o caso.
4.14.3
Disjuntor de bateria.
4.14.4
Disjuntor dos consumidores.
4.14.5
Fumaça.
4.14.6
AC/Bateria em descarga.
4.14.7
Falha de UR.
4.14.8
Flutuação anormal CC.
4.14.9
Alta temperatura.
4.14.10
Incêndio.
4.15
Condições ambientais de operação:
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
4.15.1
O sistema deverá operar normalmente, em gabinetes OUTDOOR, com os
devidos sistemas de refrigeração interna, trocador de calor ou arcondicionado.
4.16
Temperatura de operação : -40 à +70°C (-40 à +158°F).
4.17
Temperatura de armazenamento : -40 à +85°C (-40 à +185°F).
4.18
Umidade Operação: 5% a 95% RH, não condensada.
4.19
Armazenamento: 0% a 99% RH, não condensada.
5.
ATERRAMENTO
5.1
O sistema deverá possuir barra ou borne para aterramento.
5.2
Deverá ser feito o aterramento do equipamento, garantindo o mesmo
potencial de aterramento do site.
5.3
Todos os cabos e terminais deverão ter certificação, conforme Norma
NBR5410 - Instalações Elétricas de Baixa Tensão.
5.4
Distribuição Corrente Contínua:
5.4.1
As distribuições de carga de consumidores (UDCs) do sistema deverão
disponibilizar disjuntores para conexões dos negativos das cargas.
5.4.2
Cada disjuntor deverá ser monitorado através de um fio de alarme, que leva,
em caso de queima ou desarme do disjuntor, a informação de alarme para
uma placa que o monitora e o envia para a unidade de
supervisão/controlador. Esta unidade deverá reportar o alarme conforme a
configuração de cada sistema. Os positivos das cargas deverão ser
conectados na barra comum 0 V.
5.5
Iluminação interna:
5.5.1
Deverá ser através de lâmpada Led DC 42 a 58V e deverá proporcionar
super brilho, com leds brancos e proteção transparente. Deverá ser
resistente a choque, poeira e de baixa potência.
5.6
Içamento e Fixação:
5.6.1
O sistema deverá ser montado em um gabinete auto suportado. Cada
gabinete deverá ser enviado com embalagem de plástico de alta resistência
e fixado em palete de madeira.
5.6.2
Deverão existir quatro olhais de içamento, sendo um em cada lado do
gabinete.
5.6.3
Os módulos retificadores e os opcionais de expansão deverão ser
embalados em caixas separadas.
5.7
Detectores de Fumaça:
5.7.1
O sistema deverá vir com detectores de fumaça de alta eficiência, para
detecção de fumaça e prevenção de incêndios;
5.7.2
Deverão ser instalados na parte superior dos gabinetes e deverão possuir
alarmes - contato seco - (NA – C -NF).
6.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
6.1
A CONTRATADA deverá entregar toda a documentação técnica referente
aos materiais e equipamentos utilizados na instalação.
7.
CERTIFICADOS E GARANTIAS
7.1
Os equipamentos e materiais deverão ter garantia integral contra defeitos de
projeto, fabricação, instalação e desempenho inadequado, conforme o item
5.67 do Termo de Referencia
7.2
A CONTRATADA deverá fornecer equipamentos com certificado de
homologação na ANATEL.
7.3
Os certificados aceitos, em caso de equipamentos cuja homologação não
seja compulsória pela ANATEL, serão aqueles emitidos por organizações
designadas pela ANATEL.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
SEÇÃO XI– ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE INFRAESTRUTURA DE
GRUPO MOTO GERADOR 45-75-105 KVA
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
1.
OBJETIVO
1.1
Esta seção tem por objetivo especificar materiais e equipamentos dos
GMGS a serem contratados para alimentar as estações de
telecomunicações em caso de falta de energia.
1.2
É obrigatório o fornecimento de equipamento homologado pela ANATEL e
pelos órgãos competentes.
2.
CARACTERÍSTICAS GERAIS
2.1
Especificação Técnica para GMGs 45 KVA, 75 KVA e 105 KVA
2.2
A CONTRATADA deverá prever os valor de fornecimento dos equipamentos
seguros, start-up, comissionamento, treinamento ou outro item que se fizer
necessário para a ativação do sistema.
2.3
As características técnicas detalhadas dos equipamentos se encontram
descritas a seguir.
2.3.1
Características dos Geradores
Potência nominal:
Tensão de nominal:
Potência Kw:
Freqüência nominal:
Fator de potência:
N° de fases:
Ligação:
N° de pólos:
Serviço:
Operação:
45 kVA (prime)
380/220V 3F + N
36 kW (prime)
60 HZ
0,8
3
Estrela
4
75 kVA (prime)
380/220V 3F + N
60 kW (prime)
60 HZ
0,8
3
Estrela
4
105 kVA (prime)
380/220V 3F + N
84 kW (prime)
60 HZ
0,8
3
Estrela
4
Emergência
(stand-by)
Emergência
(stand-by)
Emergência
(stand-by)
Automático / Manual
Automático / Manual Automático / Manual
Carga a ser
alimentada:
Carga Deformante,
UPS, fontes de
corrente contínua,
iluminação,Self
contained a ar
incorporado, tipo wall
mounted.
Carga Deformante,
UPS, fontes de
corrente contínua,
iluminação,Self
contained a ar
incorporado, tipo
wall mounted.
Carga Deformante,
UPS, fontes de
corrente contínua,
iluminação,Self
contained a ar
incorporado, tipo wall
mounted.
Instalação:
Abrigado container
silenciado.
Abrigado container
silenciado.
Abrigado container
silenciado.
2.3.2
Característica do motor.
2.3.2.1
A diesel, injeção direta, ignição por compressão, resfriado à água. Partida e
parada elétrica, construído conforme BS5514, com capacidade de
sobrecarga de 10% por 1 hora a cada 12 horas de funcionamento. Completo
com ventilador de refrigeração, filtros de óleo de lubrificação, filtros de ar,
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
motor de partida, alternador de carga de bateria, multi cilindros, bomba de
injeção de combustível, solenóide de controle de combustível, bomba de
elevação de combustível, regulador de velocidade do motor. O motor terá
um volante pesado balanceado dinamicamente para velocidade constante
do gerador. Possui um sistema automático de pre-aquecimento do motor. O
regulador de velocidade está aprovado para manter a rotação constante no
motor, em qualquer condição de carga, de acordo com o requerido na
BS5514 e SAE-3 B-16 e DIN-6270B, com nível de ruído máximo 70 dB a 7
metros.
2.3.2.2
Equipado com Controle de Velocidade Eletrônico, para aplicações em que
não seja permitida qualquer variação de freqüência.
2.3.3
Sistema de Refrigeração.
2.3.3.1
O motor será completo com radiador tropicalizado e ventilador de serviço
pesado, para resfriamento do motor em temperatura ambiente tropical. O
radiador possui compensação interna em sua construção, para casos de
obstrução por sujeira do núcleo;
2.3.3.2
Tipo brushless, auto excitado, auto regulado com regulador eletrônico.
Classe de isolamento „H‟, grau de proteção IP23 (drip proof). Projeto elétrico
conforme BS5000 Parte 99, IEC60034-I, VDE0530, UTE51100, alternador é
acoplado diretamente ao motor diesel, e estão inclusos o sistema de
excitação, regulador automático de tensão com sensor nas três fases,
potenciômetro de ajuste de tensão, ímã permanente e proteção de
subvelocidade. O sistema de excitação garante uma excepcional resposta a
transientes e variações de carga, e o alternador foi desenhado para suportar
altas correntes de partida de motores. O alternador possui isolação
tropicalizada, e todos os enrolamentos são impregnados com verniz isolante
térmico para uso em clima tropical. O rotor é dinamicamente balanceado
para o mínimo de vibração. Um ventilador centrífugo montado no próprio
eixo garante ampla ventilação. Possui telas de proteção e o regulador de
tensão tem fácil acesso, distorção harmônica total, com 100% de carga,
menos que ou igual a 3%. Com fator de potência 0,8.
2.3.4
Acoplamento.
2.3.4.1
Acoplamento direto ao motor através de discos flexíveis, arrefecimento por
ventilador montado no próprio eixo, com regulador de tensão, 60 Hz, fator de
potência 0,8 indutivo, 1800 RPM, nas tensões trifásicas de 220, 380VCA.
2.3
Tanque de combustível.
2.3.1
Deverá ser previsto o fornecimento de um tanque para cada gerador com
capacidade a ser calculada para autonomia de 4 horas.
2.3.4.2
Deverá ser fornecido completo com bomba elétrica para abastecimento,
indicador de nível, tampa de abastecimento de combustível com
respiradouro e coador, linhas de alimentação e retorno de combustível do
motor e tampão de escoamento, e com sistema de aterramento. O gerador,
deverá ser interligado ao tanque de combustível e deverá ter base de
contenção
2.4
Juntamente com o equipamento deverá ser fornecido KIT para execução de
manutenção corretiva composto dos seguintes materiais:
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
2.4.1
Filtro de ar, filtro de óleo, óleo lubrificante do carter, retentores de óleo,
galão de tinta especial para alta temperatura. O tanque de óleo deverá ser
entregue abastecido.
2.5
A CONTRATADA deverá fornecer o tanque de combustível completo e
todos os componentes necessários, inclusive aqueles que, embora não
citados claramente, sejam necessários e indispensáveis para se atingir o
perfeito funcionamento de todo o sistema.
2.6
Caberá a CONTRATADA o transporte horizontal e vertical de materiais para
a obra e na obra.
2.7
Deverão ser observadas as normas, códigos de obras e prescrições da
ABNT em relação à montagem de tubulações e tanques.
2.8
Com resistências de pré-aquecimento, própria para manter todo o sistema
de água em temperatura adequada e carregador flutuador de baterias.
2.9
Quadro de transferência automática (QTA/USCA).
2.10
Tem a função de transferir automaticamente a alimentação do barramento
de carga para a rede ou para o grupo gerador.
2.11
Sistema de controle/unidade de supervisão de corrente alternada (usca)
montada interno ao contêiner.
2.12
Unidade de Supervisão de Corrente Alternada (USCA) será
microprocessada com a finalidade de supervisionar fontes de energia CA
(Rede/GMG), devendo conter todo o automatismo de partida, parada e
supervisão automática, assim como demais circuitos auxiliares necessários
ao funcionamento do GMG, ser montada sobre o skid do Gerador no interior
de container. Unidade USCA deverá, OBRIGATORIAMENTE, ser
homologada pela ANATEL.
3.
MONTAGEM
3.1
A base do conjunto motor/gerador deverá ser construída em aço reforçado
com pontos de içamento equilibrados.
3.2
O conjunto deverá ser montado em container abrigado à prova de ruídos.
3.3
Amortecedor de Vibração
3.3.1
A base de montagem deverá ser complementada com amortecedores de
vibração, para fixação da base ao solo.
4.
NÍVEIS DE PERFORMANCE
4.1
Os seguintes valores deverão ser garantidos e condicionarão a aceitação do
grupo:
4.1.1
Regulagem de Tensão: +/- 0,5 % em estado constante a partir de sem carga
ate plena carga.
4.1.2
Freqüência: +/- 0,25 para carga constante de sem carga ate plena carga.
4.1.3
Distorção: Harmônica THD < 4% sem carga.
4.1.4
Interferência na radiorecepção: conformidade com Padrão BS5000 e Classe
G EN de VDE.
4.1.5
Interferência na Recepção Telefônica TIF <50, THF < 2%.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
4.1.6
Limite de Sobrevelocidade: 2250 rpm.
4.1.7
Aumento de Temperatura: dentro dos limites da Classe H.
4.2
Tempo de Partida do GMG
4.2.1
Desde a ordem de partida até estabilizar a rotação e tensão dentro das
tolerâncias: < 15 seg.
4.3
Regulação de Tensão
4.3.1
Com qualquer carga constante entre 0 e 100% da potência nominal do
grupo, com fator de potência indutivo de 1,0 a 0,4: < 2 Seg.
4.3.2
Queda de tensão máxima quando da aplicação súbita de uma carga de 60%
da potência com fator de potência 0,4 indutivo ao gerador estando em vazio
com tensão nominal: < 10 seg.
4.3.3
Tempo de estabilização de tensão quando da aplicação súbita de uma carga
de 60% da potência nominal, com fator de potência 0,4 indutivo, ao gerador
girando em vazio com tensão nominal: < 1 seg.
4.4
Quadro de Comando Automático
4.4.1
A ser fornecido em conjunto para comando local. Fixado na base do GMG
em local de fácil acesso/visualização, contendo:
4.4.2
Instrumentos: Voltímetros, amperímetros, frequencímetros, contador de
horas de funcionamento, indicador elétrico de temperatura da água,
indicador elétrico de pressão de óleo e voltímetro de bateria.
4.4.3
Controles: Chave seletora liga/desliga/auto, botões pulsantes parada,
partida, reset e teste de lâmpadas, chave seletora de fases volumétricas,
chave seletora de fases amperimétrica, temporizador para 3 tentativas de
partida, terminais para remota pôr emergência, terminais para alarme
remoto.
4.4.4
Proteções com indicação por led: Falha de partida, alta temperatura, baixa
pressão de óleo e sobrevelocidade.
4.4.5
Dispositivo de proteção do GMG: Disjuntor trifásico com proteção de
sobrecorrente térmica e magnética.
4.4.6
Painel: Será completo com toda fiação necessária, relês de controle,
terminais e bornes, circuitos eletrônicos, chaves de controles, botões de
comando, tudo claramente identificado pôr números e códigos.
4.4.7
Dispositivos de Transferência: através contatores como dispositivos de
transferência rede/gerador;
4.5
Painel de Controle
4.5.1
Painel Digital, microprocessado.
5.
CERTIFICADOS DE GARANTIA
5.1
Os equipamentos e materiais deverão ter garantia integral contra defeitos de
projeto, fabricação, instalação e desempenho inadequado, conforme o item
5.67 do Termo de Referencia.
5.2
A CONTRATADA deverá fornecer equipamentos com certificado de
homologação na ANATEL.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.3
Os certificados aceitos, em caso de equipamentos cuja homologação não
seja compulsória pela ANATEL, serão aqueles emitidos por organizações
designadas pela ANATEL.
SEÇÃO XII– ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE SERVIÇOS PARA
INFRAESTRUTURA DE SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
1.
OBJETIVO
1.1
Esta seção tem por objetivo especificar os equipamentos e softwares do
sistema de controle de acesso a serem contratados para controlar o acesso
as estações de telecomunicações.
2.
CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SISTEMA
2.1
O software de operação do sistema de Controle de Acesso deverá rodar em
PC, plataforma livre.
2.2
Leitora de Cartão de Proximidade
2.2.1
Deve ser de construção robusta totalmente vedada contra umidade e poeira,
permitindo a instalação ao tempo, com grau de proteção estabelecido pela
norma NEMA-N ou equivalente e totalmente compatível com a Controladora.
2.3
Fechos Eletromagnéticos (eletroímãs).
2.3.1
Os fechos eletromagnéticos, usados para travamento de portas, deverão ser
controlados diretamente pelas controladoras de acesso.
2.4
No caso de falta de energia em seus terminais, deverá ser garantido o
destravamento da porta.
2.5
Deverão possuir características mecânicas e força de atraque compatíveis
com a estrutura das portas que controlarão.
2.6
Sensor Magnético de Porta.
2.6.1
Dispositivo que detecta a alteração do estado da porta e envia um sinal à
controladora da porta. Os sensores fornecidos deverão ser compatíveis à
estrutura de construção da porta que estarão controlando. Basicamente
serão necessários 2 (dois) tipos de sensores: para portas metálicas e para
portas em vidro ou madeira.
2.7
Botoeira de Emergência.
2.7.1
De características semelhantes às citadas para os dispositivos remotos de
destravamento de portas, com a diferença de serem instalados em caixas
lacradas, do tipo ”quebre o vidro”.
2.8
Dispositivo de Retorno Automático de Porta.
2.8.1
Dispositivo do tipo “mola de retorno” que garanta o fechamento da porta
após sua abertura causada por um acesso autorizado, a ser instalado em
portas que não possuam esta característica. O objetivo deste dispositivo é o
de evitar falsos alarmes de porta aberta indevidamente, por falha no seu
fechamento.
2.9
Acionador de Cargas.
2.9.1
Dispositivo do sistema de acesso que é responsável pela interface com o
controle de energia para o destravamento de fechaduras das portas ou
catracas ou acionamento de cancelas.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
3.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA
3.1.
Lista de material dos componentes utilizados, mencionando claramente o
fabricante e o tipo.
3.2.
Catálogos com literatura técnica de todos os componentes.
3.3.
Lista de componentes sobressalentes a ser mantida pela CONTRATANTE.
4.
CERTIFICADOS DE GARANTIA
4.1.
Os equipamentos e materiais deverão ter garantia integral contra defeitos de
projeto, fabricação, instalação e desempenho inadequado, conforme o item
5.67 do Termo de Referencia.
4.2.
A CONTRATADA deverá fornecer equipamentos com certificado de
homologação na ANATEL.
4.3.
Os certificados aceitos, em caso de equipamentos cuja homologação não
seja compulsória pela ANATEL, serão aqueles emitidos por organizações
designadas pela ANATEL.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
SEÇÃO XIII– ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE SERVIÇOS PARA
INFRAESTRUTURA DE SISTEMA DE CFTV
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
1.
OBJETIVO
1.1
Esta seção tem por objetivo especificar os materiais e equipamentos do
sistema de
CFTV
para controlar o acesso as estações de
telecomunicações.
2.
ESPECIFICAÇÕES GERAIS
2.1
As câmeras de vídeo deverão estar dispostas nos pontos definidos, para
cada instalação, para visualização da entrada, saída e/ou circulação interna
de pessoas bem como no pátio interno da ESTAÇÃO.
2.2
Câmeras de Vídeo:
2.2.1
02 câmeras completas (cúpula, suporte, etc) Day/Night de alta resolução
(520 linhas) para área externa.
2.2.2
02 Com infra-vermelho (cúpula, suporte, etc) de alta resolução (520 linhas)
interna ao container.
2.2.3
01 central de alarmes para 6 zonas.
2.2.4
06 sensores infravermelho passivos de 16 metros.
2.2.5
01 receptor de alarme para 1 linha discada e 1 linha celular GSM/GPRS
2.2.6
01 gravadores DVR (16 câmeras por DVR) de imagens com autonomia
mínima de 30 dias de gravação
2.2.7
01 monitor 15‟‟ LCD.
2.2.8
Teclado e mouse.
2.2.9
Rack com chave que suporte todo o sistema de CFTV e alarme.
2.3
Lentes
2.3.1
A lente utilizada na câmera deverá ser do tipo auto íris, com distância focal
de 3,5 mm à 8,0 mm e montagem tipo C/CS.
2.4
Suporte para Câmera fixa
2.4.1
O suporte será utilizado para a fixação da câmera no local desejado,
devendo ter as seguintes características mínimas.
2.4.2
Próprio para fixação em paredes ou forro.
2.4.3
Construído em alumínio e com base fixa.
2.5
Monitoração remota
2.5.1
A monitoração remota deverá possibilitar a verificação e apresentação das
imagens emitidas através das câmeras de vídeo instaladas nos ambientes.
2.6
Unidade Integrada de Transmissão de Imagem.
2.6.1
O sistema de transmissão de imagens/dados deverá apresentar no mínimo
as seguintes características:
2.7
Unidade integrada de transmissão de imagens com entrada para, pelo
menos, 8 (oito) câmeras de vídeo, canal de comunicação remoto utilizando
linha telefônica, rede ethernet ou fibra óptica e capacidade de
armazenamento de, pelo menos, 120 Gb de memória (HD).
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
2.8
Entradas para sinais de alarmes tais como sensores de presença, sensores
de porta e outros.
2.9
Capacidade de sinalização simultânea de no mínimo 8 imagens nos
monitores das Estações de Operação.
2.10
Verificação rápida e fácil, através de software específico, para acessar as
imagens.
2.11
Envio de mensagens automáticas por e-mail ou pager em caso de
identificação de alarmes.
2.12
Disparo de gravação de imagens por vídeo detecção de movimento
(detecção de mudança da imagem visualizada por alteração de parâmetros
internos do software de controle, não dependendo de dispositivos externos
como sensores e comandos diversos)
3.
ESPECIFICAÇÕES DE SOFTWARE
3.1
O software de operação do sistema de CFTV deve ser totalmente integrado
ao software de gerenciamento e monitoramento de segurança. Este
software deverá possuir todos os recursos de cadastro e controle de acesso
subordinados ao software de gerenciamento, quer seja diretamente ou
através de processos de integração. Deverá possuir ainda as seguintes
características mínimas:
3.2
Possibilitar o aperfeiçoamento das imagens digitais através da magnificação
ou zoom das imagens gravadas ou ao vivo;
3.3
Possibilitar a gravação e verificação das imagens, consistentes e
transparentes, provenientes das unidades integradas de transmissão das
imagens.
3.4
Possibilitar a investigação de imagens gravadas, em ordem de ano, mês,
dia, hora e minuto de todos os eventos e imagens pré-gravadas, tanto no
disco rígido do PC, como nas unidades integradas de transmissão de
imagens.
3.5
Estabelecer a programação horária automática, possibilitando a vigilância e
monitoramento automático em horários pré-determinados, nos dias de
semana, finais de semana e feriados.
3.6
Efetuar liga/desliga de alarmes automaticamente.
3.7
Disponibilizar ao operador do sistema a função „help‟, com instruções
sucintas sobre procedimentos de operação do software e no caso de
alarmes, estabelece instruções ao operador.
3.8
Gerar relatórios de alarmes.
3.9
Possibilitar o endereçamento dos equipamentos (câmera, unidades
integradas de transmissão de imagens, dispositivos externos de alarmes,
etc.).
4.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA
4.1.
Lista de material dos componentes utilizados, mencionando claramente o
fabricante e o tipo.
4.2.
Catálogos com literatura técnica de todos os componentes;
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
4.3.
Lista de componentes sobressalentes a ser mantida pela CONTRATANTE.
5.
CERTIFICADOS DE GARANTIAS
5.1
Os serviços deverão ter garantia integral contra defeitos de projeto,
fabricação, instalação e desempenho inadequado, conforme o item 5.67 do
Termo de Referencia.
5.2
A CONTRATADA deverá fornecer equipamentos com certificado de
homologação na ANATEL.
5.1.
Os certificados aceitos, em caso de equipamentos cuja homologação não
seja compulsória pela ANATEL, serão aqueles emitidos por organizações
designadas pela ANATEL.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
SEÇÃO XIV– ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA
INFRAESTRUTURA DE SISTEMAS DE TELEMETRIA E CONTROLE
REMOTOS
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
1.
OBJETIVO
1.1
Esta seção tem por objetivo especificar os equipamentos e materiais do
sistema de telemetria e controle remotos das estações de telecomunicação.
2.
CARACTERÍSTICAS
2.1
As unidades remotas deverão ter robustez e atender as mais variadas
aplicações em sistemas de gerenciamento de alarmes, telemetria e controle
remoto.
2.2
A remota deverá ser configurada para o telesupervisionamento e controle
de um grande número de parâmetros de infraestrutura, enlaces de rádio,
máquinas de ar-condicionado, sensores de temperatura e presença, bem
como a segurança do local onde os equipamentos estão instalados.
2.3
A unidade remota deverá possuir memória interna para registro com
intervalo de tempo programado, de todos os parâmetros das entradas
digitais, analógicas e telecomandos. Estas informações serão usadas para a
criação de um “data logger” para comprovação da performance dos pontos
monitorados.
2.4
A remota deverá oferecer recursos de controle dos diagnósticos de
hardware e software, monitoramento e programação de parâmetros críticos,
notificação de alarmes, registro de alarmes na própria unidade remota sem
perdas mesmo após desligamento, programação de desconexões de
chamadas para linhas fixas e celulares
2.5
Deverá ter imunidade à RF.
2.6
Baixo consumo de energia.
2.7
Memória interna dimensionada para gravação de registros para datalogger.
2.8
Arquitetura modular para associações e personalizações, através de
cascateamento de unidades, adequando perfeitamente a qualquer
necessidade de monitoração
2.9
Facilidade de instalação e operação.
2.10
Painel de conexões integrado de rápido acesso.
2.11
Integração o serviço de comunicação Always On Connect.
2.12
Modo dial-back para conexão somente em caso de alarmes.
2.13
Interfaces RS-232, RS-485 e Ethernet.
2.14
Entradas digitais opto-acopladas.
2.15
Modularidade:
2.15.1
Deverá possibilitar a associação de várias unidades remotas para obter
diferentes configurações de porta de entrada e saída.
2.15.2
Tensão de entrada: -48 Vcc.
2.15.3
Consumo: Deverá ser menor que 20 W.
2.15.4
Temperatura de operação: 0 a 50 ºC.
2.15.5
Telecomandos
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
2.15.5.1
Quantidade: 16
2.15.5.2
Conector: tipo borne
2.15.5.3
Contato de relé: NA, NA/NF
2.15.5.4
Potência máxima: 60 W
2.15.5.5
Corrente máxima: 2 A
2.16
Entradas analógicas
2.16.1
Quantidade: 16
2.16.2
Conector/Impedância: bornes/15 ohms
2.16.3
Nível: 0 a 5V/4 a 20 mA
2.16.4
Resolução: 12 bits
2.17
Entradas digitais
2.17.1
Quantidade: 16
2.17.2
Conector/Impedância: bornes/15 ohms
2.17.3
Nível: 0 a 5V/4 a 20 mA
2.17.4
Nível lógico baixo: 0 a 1,5 V
2.17.5
Nível lógico alto: 3,5 a 20 V
2.17.6
Nível máximo: 20 V
2.18
Isolação: Opto-acoplada(interno)
2.19
Deverão ser 4 (quatro) unidades por estação de telecomunicação e 2 (dois)
por estação com gabinete.
3.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA
3.1.
Lista de material dos componentes utilizados, mencionando claramente o
fabricante e o tipo.
3.2.
Catálogos com literatura técnica de todos os componentes;
3.3.
Lista de componentes sobressalentes a ser mantida pela CONTRATANTE.
4.
CERTIFICADOS DE GARANTIAS
4.1
Os serviços deverão ter garantia integral contra defeitos de projeto,
fabricação, instalação e desempenho inadequado, conforme o item 5.67 do
Termo de Referencia.
4.2
A CONTRATADA deverá fornecer equipamentos com certificado de
homologação na ANATEL.
4.3
Os certificados aceitos, em caso de equipamentos cuja homologação não
seja compulsória pela ANATEL, serão aqueles emitidos por organizações
designadas pela ANATEL.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
SEÇÃO XV – ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE INFRAESTRUTURA DE
REDES DE FIBRAS ÓPTICAS
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
1.
OBJETIVO
1.1
Esta seção tem como objetivo apresentar as especificações técnicas dos
materiais que irão compor a lista relativa a construção de infraestrutura de
redes ópticas no atendimento de cada modelo de estação de
telecomunicação.
2.
DEFINIÇÕES GERAIS
2.1
Para a instalação das redes ópticas de interligação do backbone as
estações de telecomunicação, é necessária cabos ópticos subterrâneos e
aéreos, dutos e subdutos, caixas de passagem do tipo R1 e R2, fusões,
postes e materiais necessários a implantação da rede.
2.2
Todo o material utilizado na construção da rede óptica deve seguir as
normas e padrões da ANATEL e da ABNT, sendo que os requisitos
específicos para os cabos ópticos utilizados nos acessos às estações de
telecomunicações deverão ser homologados pela ANATEL ou estarem em
processo de homologação.
2.3
As especificações técnicas dos serviços de instalação dos acessos estão
descritos na seção XV do Anexo II.
3.
MATERIAIS DE IMPLANTAÇÃO
3.1
Para a construção dos acessos, serão utilizados cabos de 24, 36 e/ou 48
fibras ópticas subterrâneas e de 48 fibras ópticas aéreas, de acordo com a
indicação da CONTRATANTE para cada acesso, que levarão o sinal óptico
da caixa de emenda do backbone mais próxima até o DGO localizado em
cada estação abordada.
3.2
Os cabos ópticos utilizados em cada acesso subterrâneo e aéreo deverão
trabalhar nas janelas de 1310 nm ou 1550 nm, e devem seguir as seguintes
especificações técnicas:
3.2.1
Cabo óptico subterrâneo monomodo com todo material necessário do tipo
“loose” ou “tight”, que trabalhe na janela de 1310 nm ou 1550 nm, com as
fibras revestidas em acrilato, posicionadas em tubos e protegidos por uma
capa interna contra roedores e uma capa externa de polietileno retardante a
chama, com designação CFOA-SM-DDR-GXXX-R (onde XXX indica a
quantidade de vias do cabo,), atenuação máxima 0,36 dB/km e de 0,22
dB/km e dispersão cromática máxima de 3,5 ps/nm.Km e 18 ps/nm.Km,
respectivamente, para as janelas indicadas acima.
3.2.2
Cabo óptico aéreo monomodo com todo o material necessário do tipo
“loose tube”, que trabalhe na janela de 1310 nm ou 1550 nm, constituído por
fibras ópticas revestidas em acrilato, posicionadas em tubos preenchidos
com geléia reunidos ao redor de um elemento central dielétrico, sendo
protegidos por uma camada de fios de sustentação, fita de enfaixamento e
capa externa de polietileno resistente à luz solar, retardante a chamas com
designação CFOA-SM-AE-GXXX-NR (onde XXX indica a quantidade de vias
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
do cabo), atenuação máxima 0,36 dB/Km e de 0,22 dB/Km e dispersão
cromática máxima de 3,5 ps/nm.Km e 18 ps/nm.Km, respectivamente.
3.3
A CONTRATADA deverá identificar o cabo óptico em seu percurso para
facilitar a identificação e organização dos cabos ópticos. As plaquetas
deverão ser fabricadas com 3 mm (9 x 5) em termo-plástico de alto impacto
(PS) amarelo injetado, com as inscrições em relevo com a logomarca
impressa em local determinado pela CONTRATANTE. Também deverá
possuir espaço para as inscrições da rota dos cabos ópticos
3.4
Material utilizado em área externa.
3.4.1
Nas redes subterrâneas a serem construídas, a CONTRATADA deverá
lançar dutos de PEAD de 100 mm com 4 subdutos de 26 mm de diâmetro,
coloridos, em vala.
3.4.2
Durante o percurso subterrâneo na rede construída, deverão ser instaladas
caixas de passagem do tipo R1 medindo, na parte interna, 55 cm de
profundidade, 35 cm de largura e 55 cm de comprimento com tampa de ferro
fixada à caixa com concreto, tendo a parte de concreto medida mínima de 8
cm. Tampa de ferro pintada com anti-corrosivo, com trava de segurança e
dobradiças reforçadas que garantam o uso prolongado, com logotipo da
CONTRATANTE, medindo 35 cm de largura por 55 cm de comprimento, com
o referido material civil. As caixas deverão ser instaladas com distâncias de
aproximadamente 100 m entre as caixas e ou em curvas.
3.4.3
Também deverá ser construídas, durante o percurso subterrâneo, quando
solicitado pela CONTRATANTE, caixas do tipo R2 para a instalação de
caixas FOSC ou FIST para futuras sangrias ou emenda do cabo óptico. A
caixa de passagem tipo R2 deverá medir na parte interna 80 cm de
profundidade, 55 cm de largura e 105 cm de comprimento, com tampa de
ferro pintada com anti-corrosivo, com trava de segurança e dobradiças
reforçadas que garantam o uso prolongado, com logotipo da
CONTRATANTE, medindo 35 cm de largura por 55 cm de comprimento, com
o referido material civil.
3.4.4
A CONTRATADA deverá fornecer caixas padrão FOSC e FIST de 24, 36
e/ou 48 de fibras ópticas com kits de fusão para cada tipo de caixa
correspondente e suporte para fixação em alvenaria quando solicitado pela
CONTRATANTE.
3.4.5
Nas redes aéreas construídas, a CONTRATADA deverá usar postes de
concreto armado conforme especificações da concessionária local, bem
como, raquetes para acomodação das reservas técnicas e toda a ferragem
necessária à instalação de redes aéreas.
3.5
Material utilizado em área interna.
3.5.1
Para a terminação das fibras ópticos nas salas de operação e nas estações
de telecomunicação, deverão ser utilizado Distribuidor Geral Óptico – DGO,
bastidores e racks homologados pela ANATEL.
3.5.2
Características do DGO.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
3.5.2.1
DGO - Distribuidor Geral Óptico com altura máxima de 1 U padrão 19‟‟, com
três módulos em estrutura de alumínio com capacidade mínima de 24 fibras
cada, composto de módulos para acomodação das emendas, inclusos pigtail, adaptadores SC-APC, protetores de emenda, e abraçadeiras para
fixação dos cabos, com funções de emenda (BEO) e distribuição (DGO)
numa mesma peça, e possibilidade de acesso total às fibras, adaptadores,
conectores e dispositivos de emenda.
3.5.2.2
Suportar adaptadores ópticos (ST, SC, LC Duplex, FC e MT-RJ).
3.5.2.3
O Sub-bastidor deverá possuir gavetas que permitam o armazenamento de
reservas técnicas para tube loose, fibras nuas e cordões, tornando possível a
remoção dos módulos de emendas e de distribuição para fora da caixa, em
ocasiões de montagem e manutenção.
3.5.2.4
A gaveta utilizada para acomodação de reserva técnica de tube loose deverá
possuir entrada traseira e lateral com um kit de condução/proteção de tube
loose.
3.5.2.5
Deverá permitir a retirada do módulo para confecção das emendas em
bancada ou na própria bandeja.
3.5.2.6
O módulo interno deverá ser constituído de bandejas de emendas com
pentes anti-tração, painel de conectores, protetores de emenda e pigtails
com gaveta deslizante.
3.5.2.7
Todos os orifícios de entrada e saída de cabos/cordões deverão ser
protegidos com friso de borracha (ou plástico).
3.5.2.8
Possuir painel frontal articulável, permitindo o acesso aos cordões sem expor
as fibras conectorizadas internamente.
3.5.2.9
A estrutura do sub-bastidor deverá ser confeccionada em aço SAE 1010 ou
alumínio e ter acabamento com proteção contra oxidação e fungos, bem
como serem pintadas, apresentando coloração uniforme.
3.5.2.10
Área de armazenamento de excesso de fibras, acomodação, emenda deve
ficar internos à estrutura (conferindo maior segurança aos sistema)
3.5.2.11
As bandejas de acomodação de emendas devem ser em material plástico
com resistência e/ou proteção contra a corrosão.
3.5.2.12
Possibilitar configuração com diferentes tipos de terminações ópticas.
3.5.2.13
A bandeja de emenda óptica (BEO) deverá possuir as seguintes
características:
3.5.2.14
A bandeja BEO/DGO deverá permitir atender as funções de emenda (BEO) e
distribuição (DGO) num mesmo equipamento, possibilitando o acesso total
às fibras, adaptadores, conectores e dispositivos de emenda.
3.5.2.15
A bandeja BEO/DGO deverá possuir módulos para emenda e distribuição
óptica com capacidade para 24 fibras.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
3.5.2.16
Os adaptadores ópticos deverão ser do tipo SC/APC, com bucha de
alinhamento de cerâmica, com 0,5 dB de perda máxima por inserção e perda
de retorno mínima de 50 dB, para os comprimentos de onda de 1330 nm e
1500 nm.
3.5.2.17
Os “kits” para emenda/conectorização deverão ser compatíveis para uso em
fibra óptica monomodo.
3.5.2.18
A bandeja BEO/DGO deverá permitir o armazenamento de reservas técnicas
para tube loose, fibras nuas e cordões, tornando possível a remoção dos
módulos de emendas e de distribuição para fora da caixa, durante montagem
e manutenção.
3.5.2.19
A gaveta utilizada para acomodação de reserva técnica de tube loose deve
possuir entrada traseira e um kit de condução e proteção de “loose”.
3.5.3
Características do Bastidor.
3.5.4
Metálico de 19‟‟ (dezenove) polegadas com porta frontal perfurada para
ventilação natural e com chave
3.5.5
Altura total de até 508 mm, com espaço interno de 10 U, dependendo do
projeto da estação, com 570 mm de profundidade.
3.5.6
Altura total de até 2200 mm, com espaço interno de 40 U, dependendo do
projeto da estação, com 570 mm de profundidade.
3.5.7
Possuir plano de fixação frontal e traseiro móveis para ajustes da altura das
bandejas e instalação dos equipamentos com ajustes de ½ em ½ U.
3.5.8
Capacidade de carga mínima de 700 kg para bastidores de 2200 mm
3.5.9
Acesso lateral e traseiro removíveis, sendo que o acesso traseiro possui
chave e aletas/furos/ranhuras/perfuração de ventilação.
3.5.10
A tampa superior com aletas/furos/ranhuras/perfuração para ventilação
3.5.11
Entrada de cabos pela parte superior e inferior do bastidor.
3.5.12
Todas as chaves devem possuir o mesmo segredo em todos os bastidores a
serem fornecidos.
3.5.13
Estar em conformidade com a norma EIA 310-C.
3.5.14
As estruturas metálicas deverão ter acabamento com proteção contra
oxidação e fungos, bem como serem pintadas, apresentando coloração
uniforme na cor cinza Munsell n.º 6.5.
3.5.15
Permitir sua instalação na configuração lado a lado, possibilitando a
execução de “jumpers” na mesma face.
3.5.16
Barra de aterramento de cobre, com conector apropriado para a conexão ao
sistema de aterramento externo.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
3.5.17
Possuir 01 (uma) bandeja, com aletas/furos/ranhuras/perfuração de
ventilação, para sustentação de pequenos equipamentos.
3.5.18
Possuir 02 (duas) bandejas, com aletas/furos/ranhuras/perfuração de
ventilação, para acomodação de path cords, UTP e cordões ópticos.
3.5.19
Com no mínimo 04(quatro) tomadas CA tipo 2P+T para fins de manutenção
e/ou alimentação dos equipamentos instalados no referido bastidor.
3.5.20
Os bastidores deverão ser fornecidos com no mínimo 4 organizadores de
Cabos Horizontal e 2 organizadores de Cabos Vertical.
3.5.21
Prever e fornecer no bastidor um local para acomodação de cópia dos
diagramas de fiação interna dos mesmos.
3.5.22
O bastidor deverá ser fornecido com plaqueta de identificação contendo
nome do fabricante.
3.5.23
Possuir ventilador bivolt para forçar saída de ar quente.
3.5.24
Deverão ser fornecidos no bastidor distribuidores de supervisão (DIS),
equipados com blocos de corte, para todas as estações, para interligação
dos pontos monitorados dos sistemas auxiliares.
3.6
Organizador de cabos Horizontal e Vertical.
3.6.1
Organizador de cabos horizontal:
3.6.1.1
Com tampa frontal removível de 1U.
3.6.1.2
7 (sete) grampos passa-cabo.
3.6.1.3
ANSI/TIA/EIA-310D.
3.6.1.4
Instalação em bastidor de 19 (dezenove) polegadas.
3.6.1.5
Devem ser fornecidos como composição do bastidor de 19 polegadas.
3.6.2
Organizador de cabos vertical:
3.6.2.1
Com tampa frontal removível de 1U.
3.6.2.2
ANSI/TIA/EIA-310D.
3.6.2.3
Instalação em bastidor de 19 (dezenove) polegadas.
3.6.2.4
Devem ser fornecidos como composição do bastidor de 19 polegadas
3.7
Bastidor vertical do tipo rack.
3.7.1
Preparado para fixação em parede, padrão 19” (dezenove polegadas) e 10
U de altura, com dimensões (L= 56 cm, A= 50 cm e P= 68 cm), que abrigará
em seu interior DGO.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
3.7.2
O rack deverá ser confeccionado em aço, com porta frontal de vidro
temperado e acesso lateral removível.
4.
MATERIAS PARA CONEXÃO EM BASTIDOR
4.1
Cordão óptico duplex monomodo SC/APC, SM, de 3 m e/ou 10 m préconectorizado e testado em fábrica. Deverá ser constituído por um par de
fibras ópticas monomodo 9/125 μm, tipo “tight” que utilize padrão “zip-cord”
de reunião das fibras para diâmetro de 2 mm. A fibra óptica deste cordão
deverá possuir revestimento primário em acrilato e revestimento secundário
em PVC. Sobre o revestimento secundário deverão existir elementos de
tração e capa em PVC não propagante à chama. As extremidades deste
cordão óptico duplo devem vir devidamente conectorizadas e testadas de
fábrica. Possuir impresso na capa externa nome do fabricante, identificação
do produto e data de fabricação.
5.
CERTIFICADOS DE GARANTIAS
5.1
Os serviços deverão ter garantia integral contra defeitos de projeto,
fabricação, instalação e desempenho inadequado, conforme o item 5.67 do
Termo de Referencia.
5.2
A CONTRATADA deverá fornecer equipamentos com certificado de
homologação na ANATEL.
5.3
Os certificados aceitos, em caso de equipamentos cuja homologação não
seja compulsória pela ANATEL, serão aqueles emitidos por organizações
designadas pela ANATEL.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61) 3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
ANEXO II DO TERMO DE REFERÊNCIA
ANEXO II - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE SERVIÇOS PARA
INFRAESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
ÍNDICE
ANEXO II - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE SERVIÇOS PARA INFRAESTRUTURA ....................................... 1
SEÇÃO I – ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE SERVIÇOS PARA INFRAESTRUTURA DE ESTAÇÃO DE
TELECOMUNICAÇÕES ............................................................................................................................... 8
1.
OBJETIVO .................................................................................................... 9
2.
DISPOSIÇÕES GERAIS .............................................................................. 9
3.
DESCRIÇÃO DAS ESTAÇÕES .................................................................. 10
4.
ESCOPO DO FORNECIMENTO ................................................................ 12
5.
DESCRIÇÃO DA INFRAESTRUTURA BÁSICA ......................................... 13
6.
PROJETO PRELIMINAR DE IMPLANTAÇÃO - PPI ................................... 18
SEÇÃO II – ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE SERVIÇOS PARA INFRAESTRUTURA DE CONTÊINERES ........ 20
1.
OBJETIVO .................................................................................................. 21
2.
CARACTERÍSTICAS GERAIS DE instalação ............................................. 21
3.
VERIFICAÇÃO DOS SISTEMAS ELÉTRICOS DA FONTE CC .................. 22
4.
MONTAGEM DAS BATERIAS NAS BANDEJAS ........................................ 23
5.
ENTRADA CA PARA ALIMENTAÇÃO DOS CONDICIONADORES DE AR 23
6.
ATERRAMENTO ........................................................................................ 23
7.
UNIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE BATERIAS (UDB) ................................ 24
8.
IÇAMENTO E FIXAÇÃO ............................................................................. 24
9.
IDENTIFICAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS E MATERIAIS........................... 24
10.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA .................................................................... 24
11.
RESPONSABILIDADE ............................................................................... 25
12.
ENSAIOS ................................................................................................... 25
13.
TESTES ..................................................................................................... 26
14.
PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA ............................................................. 27
15.
NORMAS APLICÁVEIS .............................................................................. 28
16.
CERTIFICADOS E GARANTIAS ................................................................ 28
SEÇÃO III– ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE SERVIÇOS PARA INFRAESTRUTURA DE INSTALAÇÕES
ELÉTRICAS ............................................................................................................................................... 29
1.
OBJETIVO .................................................................................................. 30
2.
SISTEMA DE ENERGIA EM CORRENTE ALTERNADA ............................ 30
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
3.
SISTEMA DE ENERGIA EM CORRENTE CONTÍNUA .............................. 33
4.
SISTEMA DE PROTEÇÃO ELÉTRICA ....................................................... 33
5.
ENSAIOS ................................................................................................... 35
6.
CERTIFICADOS E MANUAIS .................................................................... 35
7.
GARANTIA ................................................................................................. 36
SEÇÃO IV – ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE SERVIÇOS DE INFRAESTRUTURA DE INSTALAÇÃO DE
SISTEMAS RETIFICADORES CHAVEADOS EM ALTA FREQÜÊNCIA ........................................................... 37
1.
OBJETIVO .................................................................................................. 38
2.
DEFINIÇÕES.............................................................................................. 38
3.
CARACTERÍSTICAS GERAIS DE INSTALAÇÃO ...................................... 38
4.
PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA ............................................................. 39
5.
FERRAMENTAS DE INSTALAÇÃO ........................................................... 39
6.
INSTALAÇÃO ............................................................................................. 39
7.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA .................................................................... 39
8.
RESPONSABILIDADE ............................................................................... 40
9.
SOBRESSALENTES .................................................................................. 40
10.
CONTROLE DE QUALIDADE .................................................................... 40
11.
CERTIFICADOS DE GARANTIAS.............................................................. 40
SEÇÃO V – ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE SERVIÇOS PARA INFRAESTRUTURA DE BATERIAS............... 41
1.
OBJETIVO .................................................................................................. 42
2.
IDENTIFICAÇÃO ........................................................................................ 42
3.
INSTALAÇÃO ............................................................................................. 43
4.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA .................................................................... 43
5.
CONTROLE DE QUALIDADE .................................................................... 43
6.
RESPONSABILIDADE ............................................................................... 43
7.
CERTIFICADOS DE GARANTIAS.............................................................. 43
SEÇÃO VI – ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE SERVIÇOS PARA INFRAESTRUTURA DE UNIDADES
INVERSORAS ...........................................................................................................................................45
1.
OBJETIVO .................................................................................................. 46
2.
DEFINIÇÕES.............................................................................................. 46
3.
FUNCIONAMENTO .................................................................................... 46
4.
CONDIÇÕES DE ACESSO ........................................................................ 47
5.
IDENTIFICAÇÕES...................................................................................... 47
6.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA .................................................................... 48
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
7.
RESPONSABILIDADE ............................................................................... 48
8.
SOBRESSALENTES .................................................................................. 48
9.
CONTROLE DE QUALIDADE .................................................................... 48
10.
CERTIFICADOS E GARANTIA................................................................... 48
SEÇÃO VII – ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE SERVIÇOS PARA INFRAESTRUTURA DE SISTEMA DE
CLIMATIZAÇÃO .......................................................................................................................................49
1.
OBJETIVO .................................................................................................. 50
2.
INSTALAÇÃO ............................................................................................. 50
3.
FERRAMENTAS DE INSTALAÇÃO ........................................................... 50
4.
CONDICIONADOR DE CONDENSAÇÃO À AR ......................................... 50
5.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA .................................................................... 51
6.
RESPONSABILIDADE ............................................................................... 52
7.
PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA ............................................................. 52
8.
SOBRESSALENTES .................................................................................. 52
9.
CONTROLE DE QUALIDADE .................................................................... 52
10.
CERTIFICADOS E GARANTIAS ................................................................ 52
SEÇÃO VIII – ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE SERVIÇOS PARA INFRAESTRUTURA DE CONTROLADOR
LÓGICO PROGRAMÁVEL -PLC ................................................................................................................. 54
1.
OBJETIVO .................................................................................................. 55
2.
DEFINIÇÕES.............................................................................................. 55
3.
INSTALAÇÃO ELÉTRICA........................................................................... 55
4.
SERVIÇOS DE ACABAMENTOS ............................................................... 55
5.
OPERAÇÃO ............................................................................................... 56
6.
MENSAGENS DE DEFEITO E STATUS DE FUNCIONAMENTO .............. 59
7.
GENERALIDADES ..................................................................................... 60
8.
IDENTIFICAÇÕES...................................................................................... 60
9.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA .................................................................... 61
10.
RESPONSABILIDADE ............................................................................... 61
11.
SOBRESSALENTES .................................................................................. 61
12.
CONTROLE DE QUALIDADE .................................................................... 61
13.
CERTIFICADOS E GARANTIAS ................................................................ 61
SEÇÃO IX – ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE SERVIÇOS DE INSTALAÇÃO PARA INFRAESTRUTURA DE
TRANSFORMADORES ............................................................................................................................. 62
1.
OBJETIVO .................................................................................................. 63
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
2.
ESPECIFICAÇÕES DE TRANSFORMADORES ........................................ 63
3.
INSTALAÇÃO ............................................................................................. 63
4.
PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA ............................................................. 63
5.
FERRAMENTAS DE INSTALAÇÃO ........................................................... 64
6.
VERIFICAÇÃO ........................................................................................... 64
7.
IDENTIFICAÇÕES...................................................................................... 65
8.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA .................................................................... 65
9.
RESPONSABILIDADE ............................................................................... 66
10.
CONTROLE DE QUALIDADE .................................................................... 66
11.
CERTIFICADOS E GARANTIAS ................................................................ 66
SEÇÃO X – ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE SERVIÇOS DE INSTALAÇÃO DE INFRAESTRUTURA PARA
GABINETES OUTDOOR EQUIPADOS COM SISTEMA DE RETIFICADORES 300 A/-48V ............................ 67
1.
OBJETIVO .................................................................................................. 68
2.
CARACTERÍSTICAS GERAIS DE INSTALAÇÃO ...................................... 68
3.
INSTALAÇÃO ............................................................................................. 69
4.
PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA ............................................................. 69
5.
MONTAGEM DAS BATERIAS NAS BANDEJAS ........................................ 70
6.
INSTALAÇÃO ELÉTRICA........................................................................... 70
7.
VERIFICAÇÃO ........................................................................................... 71
8.
ENTRADA CA PARA ALIMENTAÇÃO DOS CONDICIONADORES DE AR.
72
9.
ATERRAMENTO ........................................................................................ 72
10.
ENTRADA E DISTRIBUIÇÃO CC ............................................................... 72
11.
UNIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE BATERIAS (UDB) ................................ 73
12.
IÇAMENTO E FIXAÇÃO ............................................................................. 73
13.
IDENTIFICAÇÃO ........................................................................................ 73
14.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA .................................................................... 73
15.
RESPONSABILIDADE ............................................................................... 74
16.
CERTIFICADOS E GARANTIAS ................................................................ 74
SEÇÃO XI– ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE SERVIÇOS DE INSTALAÇÃO PARA INFRAESTRUTURA DE
GRUPO MOTO GERADOR 45-75-105 KVA .............................................................................................. 75
1.
OBJETIVO .................................................................................................. 76
2.
INSTALAÇÃO ELÉTRICA........................................................................... 76
3.
VERIFICAÇÃO ........................................................................................... 76
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
4.
ATERRAMENTO ........................................................................................ 76
5.
IÇAMENTO E FIXAÇÃO ............................................................................. 77
6.
IDENTIFICAÇÃO ........................................................................................ 77
7.
TESTES ..................................................................................................... 77
8.
PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA ............................................................. 78
9.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA .................................................................... 78
10.
CERTIFICADOS DE GARANTIA ................................................................ 79
SEÇÃO XII– ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE SERVIÇOS PARA INFRAESTRUTURA DE SISTEMA DE
CONTROLE DE ACESSO ........................................................................................................................... 80
1.
OBJETIVO .................................................................................................. 81
2.
IDENTIFICAÇÃO ........................................................................................ 81
3.
INSTALAÇÃO ............................................................................................. 81
4.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA .................................................................... 81
5.
CERTIFICADOS DE GARANTIA ................................................................ 82
SEÇÃO XIII– ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE SERVIÇOS PARA INFRAESTRUTURA DE SISTEMA DE CFTV ... 83
1.
OBJETIVO .................................................................................................. 82
2.
INSTALAÇÃO ............................................................................................. 84
3.
IDENTIFICAÇÃO ........................................................................................ 85
4.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA .................................................................... 85
5.
CERTIFICADOS DE GARANTIAS.............................................................. 85
SEÇÃO XIV– ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE SERVIÇOS PARA INFRAESTRUTURA DE SISTEMAS DE
TELEMETRIA E CONTROLE REMOTOS.................................................................................................... 86
1.
OBJETIVO .................................................................................................. 85
2.
VERIFICAÇÃO ........................................................................................... 87
3.
IDENTIFICAÇÃO ........................................................................................ 87
4.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA .................................................................... 87
5.
CERTIFICADOS DE GARANTIAS.............................................................. 88
SEÇÃO XV – ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE SERVIÇOS PARA INFRAESTRUTURA DE REDES DE
FIBRAS ÓPTICAS......................................................................................................................................89
1.
OBJETIVO .................................................................................................. 90
2.
DEFINIÇÕES GERAIS ............................................................................... 90
3.
SERVIÇOS DE IMPLANTAÇÃO ................................................................. 91
4.
TESTES E MEDIÇÕES .............................................................................. 94
SEÇÃO XVI – ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS DE TREINAMENTO ......................................................... 96
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
1.
OBJETIVO .................................................................................................. 97
2.
DEFINIÇÕES GERAIS ............................................................................... 97
SEÇÃO XVII – ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS OPERAÇÃO INICIAL ....................................................... 99
1.
OBJETIVO ................................................................................................ 100
2.
DEFINIÇÕES GERAIS ............................................................................. 100
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
SEÇÃO I – ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE SERVIÇOS PARA
INFRAESTRUTURA DE ESTAÇÃO DE TELECOMUNICAÇÕES
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
1.
OBJETIVO
1.1
Esta seção tem como objetivo apresentar as especificações da Contratação
de solução de infraestrutura básica, com fornecimento de contêineres,
gabinetes e materiais, necessária para o funcionamento e proteção dos
equipamentos ópticos, rádio e IP a serem utilizados na rede de nacional
telecomunicações, incluindo garantia e assistência técnica, serviços de
instalação, treinamento e operação inicial.
2.
DISPOSIÇÕES GERAIS
2.1
Normas Aplicáveis
2.1.1
ABNT
2.1.1.1
NBR-5419 – Proteção de Edificações contra Descargas Atmosféricas;
2.1.1.2
NBR-6118 - Projeto e Execução de Obras de Concreto Armado;
2.1.1.3
NBR-6122 - Projeto e Execução de Fundação;
2.1.1.4
NBR-7678 - Segurança na Execução de Obras e Serviços de Construção;
2.1.1.5
NBR-8036 – Programação de Sondagens de Simples Reconhecimento dos
solos para Fundação de Torres e Postes;
2.1.1.6
NBR-8196, 8402, 8403, 8404, 8993, 10067, 10068, 10126, 10582 e 10647:
Coletâneas de Normas de Desenho Técnico;
2.1.1.7
NBR-8681 - Ações e Segurança nas Estruturas.
2.1.1.8
NBR-14306 – Proteção Elétrica e Compatibilidade Eletromagnética em
Redes Internas de Telecomunicações em Edificações - Projeto
2.1.2
Decretos e Portarias
2.1.2.1
Portaria 1.141/GM5 e seus anexos de, 08/12/87, do Ministério da
Aeronáutica;
2.1.2.2
Norma Regulamentadora No. 6 – NR6 – da Portaria 3.214, de 08/06/78, do
Ministério do Trabalho.
2.2
Todos os serviços necessários para a instalação dos sistemas deverão ser
fornecidos pela LICITANTE.
2.2.1
Serão de inteira e exclusiva responsabilidade da CONTRATADA todos os
serviços e providências necessárias para garantir a perfeita execução e
segurança da obra.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
2.2.2
Os projetos deverão ser fielmente obedecidos, assim como todas as Normas
da ABNT vigentes e aplicáveis.
2.2.3
Toda a mão-de-obra necessária para a execução das obras e serviços
denominados instalações deverão englobar as atividades de: logística,
caracterização das estações, elaboração de projeto executivo, instalações,
configurações e integrações.
2.2.4
Em caso de omissão ou impossibilidade de aplicação de algum serviço
executivo discriminado nestas Especificações, caberá à CONTRATADA
definir soluções e submetê-las à apreciação da CONTRATANTE, por
escrito, em até 10 dias corridos.
2.2.5
A CONTRATANTE rejeitará os serviços que não apresentarem condições de
correta execução ou aqueles cujo resultado final não atender aos objetivos
do projeto executivo previamente aprovado.
2.2.6
A CONTRATADA ficará obrigada a refazer os serviços que estejam em
desacordo com o projeto executivo, logo após o recebimento da ordem de
serviço lavrada no Diário de Obras, ficando, por sua conta exclusiva, todas
as despesas e prazos decorrentes destas providências.
2.2.7
A relação de serviços que serão apresentados a seguir é orientativa, não
podendo ser utilizada para alegações futuras para questionar serviços não
considerados.
3.
DESCRIÇÃO DAS ESTAÇÕES
3.1
As informações a seguir visam apenas caracterizar cada tipo de estação,
sendo que os serviços relacionados não encerram todas as obrigações da
CONTRATADA, cuja proposta deverá considerar todos os serviços
necessários à implantação das estações, com exceção daqueles itens não
previsíveis e expressamente destacados nestas Especificações.
3.2
Os custos dos serviços contratados para a implantação de cada tipo de
estação englobam a execução de todas as intervenções de infraestrutura
indispensáveis à implantação da estação, incluindo, quando necessário,
reforços estruturais (estações roof top), fechamentos, urbanizações,
sistemas de acesso e proteção física, adequações em coberturas,
impermeabilizações, adequações em entradas de energia, inclusive
agrupamentos, derivações, esteiramentos, etc.
3.3
Modelos de Estações e itens a serem fornecidos:
3.3.1
Contêiner de 12,00 m - configuração 1 – 13 bastidores.
3.3.2
Contêiner de 12,00 m - configuração 2 – 13 bastidores.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
3.3.3
Contêiner de 12,00 m - configuração 3 – 11 bastidores.
3.3.4
Contêiner de 12,00 m - configuração 4 – 11 bastidores.
3.3.5
Contêiner de 12,00 m - configuração 5 – 10 bastidores.
3.3.6
Contêiner de 12,00 m - configuração 6 – 9 bastidores.
3.3.7
Contêiner de 12,00 m - configuração 7 – 8 bastidores.
3.3.8
Contêiner de 8,00 m – configuração 1- 7 bastidores.
3.3.9
Contêiner de 8,00 m – configuração 2 - 6 bastidores.
3.3.10
Gabinete outdoor com 4 bastidores com ar condicionado.
3.3.11
Gabinete outdoor com 3 bastidores com ar condicionado.
3.3.12
Gabinete outdoor com 2 bastidores com ar condicionado.
3.3.13
Gabinete para Estação Repetidora Rádio.
3.3.14
Gabinete para Estação Terminal de Rádio com trocador de calor.
3.3.15
Gabinete para Estação Terminal de Rádio com ar condicionado.
3.3.16
Infraestrutura Básica Autônoma (15,0 m X 26,0 m).
3.3.17
Infraestrutura Básica Autônoma (15,0 m X 22,0 m).
3.3.18
Infraestrutura Básica Autônoma (15,0 m X 20,0 m).
3.3.19
Infraestrutura Básica Autônoma (10,0 m X 10,0 m).
3.3.20
Infraestrutura Básica Compartilhada (Contêiner de 12,00 m).
3.3.21
Infraestrutura Básica Compartilhada (Contêiner de 8,00 m).
3.3.22
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor com torre).
3.3.23
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor com poste).
3.3.24
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor).
3.3.25
Infraestrutura Básica para Rooftop (Estação Terminal Rádio).
3.3.26
Lançamento de cabos ópticos subterrâneos em rede existente.
3.3.27
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas subterrânea.
3.3.28
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas aérea.
3.3.29
Cabos ópticos subterrâneo de 24 fibras.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
3.3.30
Cabos ópticos subterrâneo de 36 fibras.
3.3.31
Cabos ópticos subterrâneo de 48 fibras
3.3.32
Cabos ópticos aéreo de 48 fibras.
3.3.33
Distribuidor Geral Óptico – DGO de 24 posições.
3.3.34
Rack de parede padrão 19” com 10 Us.
3.3.35
Sistema Retificador de 600 A.
3.3.36
Sistema Retificador de 1200 A.
3.3.37
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 3 TR.
3.3.38
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 4 TR.
3.3.39
Grupo Motor Gerador de 105 kVA.
3.3.40
Grupo Motor Gerador de 75 kVA.
3.3.41
Grupo Motor Gerador de 45 kVA.
3.3.42
Transformador de 112,5 kVA.
3.3.43
Transformador de 75 kVA.
3.3.44
Transformador de 45 kVA.
3.3.45
Sistema de Circuito Fechado de TV.
3.3.46
Câmeras coloridas fixas de alta definição.
3.3.47
Instalação do Sistema de Circuito Fechado de TV
3.3.48
Treinamento para grupo de 10 pessoas
3.3.49
Operação Inicial - Lotes de 10 estações
3.3.50
Operação Inicial – Lotes de 1 estação
4.
ESCOPO DO FORNECIMENTO
4.1
Para cada um dos modelos de estação, deverão ser fornecidos todos
serviços para as implantações, instalações, adequações, correções,
integrações e remanejamentos que se fizerem necessárias, incluindo os
serviços para alimentação de energia, serviços de aterramentos e conexões
às malhas de aterramentos novas e existentes, serviços de alimentação em
CA, alimentação em CC, serviços de instalação de placas de passagem de
cabos em contêineres e esteiramentos. Toda e qualquer intervenção
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
indispensável à instalação dos equipamentos, garantidas a qualidade e a
boa técnica.
4.2
Será de total responsabilidade da CONTRATADA a elaboração das
vistorias, croqui das estações, elaboração de todos os projetos,
fornecimento de todos os serviços pertinentes à construção das estações
para os quais o projeto executivo deverá, dentro das condições existentes,
buscar atender as seguintes premissas.
5.
DESCRIÇÃO DA INFRAESTRUTURA BÁSICA
5.1
Para a instalação das estações de telecomunicação, serão utilizadas
modelos de infraestrutura básica autônoma, compartilhada e roof top
(estação terminal rádio) de acordo com a situação de cada localidade a ser
implantada.
5.1.1
Infraestrutura básica autônoma é aquela que será implantada em ambiente
próprio da CONTRATANTE e indicado por ela.
5.1.2
Infraestrutura básica compartilhada é aquela que será implantada em
ambientes cedidos por parceiros e indicados pela CONTRATANTE.
5.1.3
Infraestrutura básica para estação tipo rooftop será implantado um gabinete
outdoor em topo de prédio
5.1.4
A CONTRATADA deverá fixar e instalar base de skid metálico galvanizado a
fogo conforme padrão dos gabinetes outdoor que serão utilizados em cada
estação de telecomunicação.
5.2
As especificações listadas abaixo servem de parâmetro para as
infraestruturas básicas autônomas dos tipos:
5.2.1
Tipo 1- Infraestrutura Básica Autônoma Terreno 15,00 m X 26,00 m
(contêiner 12,00 m).
5.2.2
Tipo 2 - Infraestrutura Básica Autônoma Terreno 15,00 m X 22,00 m
(contêiner 8,00 m).
5.2.3
Tipo 3 - Infraestrutura Básica Autônoma Terreno 15,00 m X 20,00 m
(Gabinete e Repetidor de rádio).
5.2.4
Tipo 4 - Infraestrutura Básica Autônoma Terreno 10,00 m X 10,00 m
(Estação terminal rádio - sede distribuição para os municípios).
5.2.5
Serviços Básicos.
5.2.5.1
Para a definição dos recuos da estação de telecomunicação a
CONTRATADA deverá seguir os padrões exigidos pela legislação municipal
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
ou do parceiro compartilhado, conforme as condições do terreno disponível,
tamanho, etc.
5.2.5.2
A CONTRATADA deverá definir a alocação do equipamento (contêiner ou
gabinete externo) o mais próximo da Estrutura Vertical – EV diminuindo o
lance horizontal de cabos (deverão ser avaliados os possíveis reforços de
fundação).
5.2.5.3
A CONTRATADA deverá definir a alocação do equipamento (contêiner ou
gabinete externo) na parte da frente do terreno. Portas de acesso ao
equipamento (contêiner ou gabinete externo) lateral a entrada da
estação (portão de acesso) conforme orientações do ANEXO I.
5.2.6
Caberá à CONTRATADA apresentar desenhos em dwg, padrão AutoCAD,
com detalhamento dos seguintes elementos:
5.2.6.1
Levantamento topográfico.
5.2.6.2
Fechamento lateral (dimensões da estação).
5.2.6.3
Indicação do Norte (verdadeiro e magnético).
5.2.6.4
Portões de acesso.
5.2.6.5
Base e skid do contêiner/armário.
5.2.6.6
Instalações elétricas.
5.2.6.7
Aterramento.
5.2.6.8
Entrada de energia.
5.2.6.9
Tubulação para entrada de fibra óptica.
5.2.7
Executar os serviços de fechamento da estação.
5.2.8
Instalação de defensas e mão francesas.
5.2.9
Execução do aterramento em malha, proteção elétrica e plano de bloqueio.
5.2.10
Fornecimento e instalação de padrão de medição e entrada de energia.
5.2.11
Execução de valas e tubulações subterrâneas, para passagem de cabos
elétricos, aterramento e de cabos ópticos, desde a entrada do terreno até
sua respectiva terminação dentro da estação.
5.2.12
Execução de caixas de passagem subterrâneas para elétrica, óptica e
aterramento e para as indicadas no esquemático de instalação das
estações.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.2.13
Execução do sistema de iluminação da estação (incluindo o fornecimento do
poste)
5.2.14
Instalação do alimentador do poste de iluminação da estação.
5.2.15
Medição e emissão de laudo de aterramento.
5.2.16
Execução de uma entrada de energia CA para um medidor, conforme
especificações da concessionária de energia elétrica local
5.2.17
Execução das bases de concreto para fixação do poste de iluminação
5.2.18
Execução de jumpers de interligação dos esteiramentos.
5.2.19
Aterramento dos Quadros de Distribuição de Energia – QDE e de todas as
partes metálicas da estação.
5.2.20
Lançamento de brita tipo 2 nas áreas definidas no projeto executivo.
5.2.21
Todos os profissionais que atuarem na implantação da estação deverão
portar crachá com foto, nome e número da identidade, além da logomarca
da empresa. Deverão também estar uniformizados
5.2.22
Caberá a CONTRATADA, registrar em uma via do projeto as alterações que
ocorrerem durante a obra para execução do “AS BUILT”.
5.3
As especificações listadas abaixo servem de parâmetro para as
infraestruturas básicas compartilhada dos tipos:
5.3.1
Tipo 1 – Infraestrutura Básica Compartilhada (contêiner 12,00 m).
5.3.2
Tipo 2 – Infraestrutura Básica Compartilhada (contêiner 8,00 m).
5.3.3
Tipo 3 – Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete e Repetidor de
rádio).
5.3.4
Tipo 4 – Infraestrutura Básica Compartilhada (Estação terminal rádio - sede
distribuição para os municípios).
5.4
Serviços Básicos
5.4.1
Para a definição dos recuos da estação de telecomunicação a
CONTRATADA deverá seguir os padrões exigidos pela legislação municipal
ou do parceiro compartilhado, conforme as condições do terreno disponível,
tamanho, etc.
5.4.2
A CONTRATADA deverá definir a alocação do equipamento (contêiner ou
gabinete externo) o mais próximo da Estrutura Vertical - EV diminuindo o
lance horizontal de cabos (deverão ser avaliados os possíveis reforços de
fundação).
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.4.3
A CONTRATADA deverá definir a alocação do equipamento (contêiner ou
gabinete externo) na parte da frente do terreno. Portas de acesso ao
equipamento (contêiner ou gabinete externo) lateral a entrada da
estação (portão de acesso) conforme orientações no ANEXO I.
5.4.4
Caberá à CONTRATADA apresentar desenhos em dwg, padrão AutoCAD,
com detalhamento dos seguintes elementos:
5.4.4.1
Levantamento topográfico.
5.4.4.2
Indicação do Norte (verdadeiro e magnético).
5.4.4.3
Base e skid do contêiner/armário.
5.4.4.4
Instalações elétricas.
5.4.4.5
Aterramento.
5.4.4.6
Entrada de energia.
5.4.4.7
Tubulação para entrada de fibra óptica.
5.4.4.8
Execução do aterramento em malha, proteção elétrica e plano de bloqueio.
5.4.4.9
Fornecimento e instalação de padrão de medição e entrada de energia.
5.4.4.10
Execução de valas e tubulações subterrâneas, para passagem de cabos
elétricos, aterramento e de cabos ópticos, desde a entrada do terreno até
sua respectiva terminação dentro da estação.
5.4.4.11
Execução de caixas de passagem subterrâneas para elétrica, óptica,
aterramento e as indicadas no esquemático de instalação das estações.
5.4.4.12
Execução do sistema de iluminação da estação (incluindo o fornecimento do
poste)
5.4.4.13
Instalação do alimentador do poste de iluminação da estação.
5.4.4.14
Medição e emissão de laudo de aterramento.
5.4.4.15
Execução de uma entrada de energia CA para um medidor, conforme
especificações da concessionária de energia elétrica local
5.4.4.16
Execução das bases de concreto para fixação do poste de iluminação.
5.4.4.17
Execução de jumpers de interligação dos esteiramentos.
5.4.4.18
Aterramento dos Quadros de Distribuição de Energia – QDE e de todas as
partes metálicas da estação.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.4.4.19
Todos os profissionais que atuarem na implantação da estação deverão
portar crachá com foto, nome e número da identidade, além da logomarca
da empresa. Deverão também estar uniformizados
5.4.4.20
Caberá a CONTRATADA, registrar em uma via do projeto as alterações que
ocorrerem durante a obra para execução do “AS BUILT”.
5.5
As especificações listadas abaixo servem de parâmetro para as
infraestruturas básicas tipo rooftop.
5.5.1
Para implantação de um gabinete outdoor em topo de prédio, deverá
obrigatoriamente ser realizado pela CONTRATADA, estudo da estrutura da
edificação, com emissão de laudo técnico, acompanhado da respectiva
ART, por empresa ou profissional especializado de modo a garantir a sua
estabilidade devido introdução da sobrecarga inclusive para instalação de
mastros para antenas de transmissão.
5.5.2
Caso seja necessário, deverá ser executada uma estrutura metálica em aço
carbono, galvanizada a quente, para a distribuição do acréscimo de carga
de forma a suportar a instalação de gabinete outdoor e das estruturas
verticais.
5.5.3
Se não for possível acessar as áreas onde ficarão localizados os
equipamentos e antenas pelos meios de acesso existentes, deverão ser
projetadas e executadas escadas, plataformas, passarelas, entre outros,
sempre com guarda corpo e em perfis metálicos de aço carbono,
galvanizados a fogo. Da mesma forma deverá ser provida de proteção dos
cabos, tampa para todos os trechos de esteiramento cruzando caminhos de
acesso, evitando que se pise nos cabos.
5.5.4
O piso das escadas, plataformas e passarelas será em chapa metálica
expandida galvanizada a quente em requadros de perfis laminados também
galvanizados a quente, grade de fibra de vidro reforçada ou em chapa
galvanizada similar Celmec.
5.5.5
Caberá à CONTRATADA apresentar desenhos em dwg, padrão AutoCAD,
com detalhamento dos seguintes elementos:
5.5.5.1
Planta baixa dos pavimentos onde houver necessidade de alguma
intervenção da CONTRATADA.
5.5.5.2
Fechamento lateral (se houver).
5.5.5.3
Indicação do Norte (verdadeiro e magnético).
5.5.5.4
Portões de acesso.
5.5.5.5
Base e skid do armário.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.5.5.6
Instalações elétricas.
5.5.5.7
Aterramento.
5.5.5.8
Entrada de energia.
5.5.5.9
Base da torre ou poste.
5.5.5.10
Tubulação para entrada de fibra óptica.
5.5.6
Sempre que a base dos equipamentos for projetada com altura igual ou
superior a 0,50 m acima do nível do solo, será obrigatório a construção de
passarela com 1,00 m de largura e guarda corpo em todo o perímetro com
altura de 0,90 m.
5.5.7
Sempre que forem projetados mastros para instalação de antenas nas
bordas de prédio sem platibanda, deverão ser incluídos no projeto guarda
corpos com 2,00 m de extensão para cada lado de cada mastro. Todos os
projetos de mastro deverão ser aprovados pela CONTRATANTE, de quem
inclusive pode-se buscar modelos pré-aprovados.
5.5.8
Todos os mastros com altura superior a 2,00 m deverão ser providos de
pedaleira e cabo trava-quedas, bem como de esteiramento tipo costela de
vaca posicionado ortogonalmente à pedaleira localizada de forma a facilitar
a subida dos técnicos.
5.5.9
Quando não houver no local ou não atender a norma, deverá ser instalado
um sistema de balizamento aéreo (noturno) com fotocélula para
acionamento e luminárias duplas, que deverá atender a portaria nº 1141 de
08 de dezembro de 1987 do Ministério da Aeronáutica ou quando for feita
consulta para emissão de Portaria especifica atender o que ela determinar,
inclusive nos mastros que representarem um aumento na altura do prédio.
Deve-se possibilitar o acesso para manutenção do sistema
5.5.10
Caberá a CONTRATADA, registrar em uma via do projeto as alterações que
ocorrerem durante a obra para execução do “AS BUILT”.
6.
PROJETO PRELIMINAR DE IMPLANTAÇÃO - PPI
6.1
Projeto Preliminar de Implantação (PPI)
6.1.1
A emissão da execução da obra para cada localidade deverá ser precedida
da apresentação pela CONTRATADA do Projeto Preliminar de Implantação
(PPI), que consistirá, quando aplicável, no seguinte:
6.1.1.1
Memorial descritivo.
6.1.1.2
Representação da estação, com todas as características e informações
disponíveis, incluindo a locação através de cotas relacionadas a todas as
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
laterais do terreno, tipos de fechamento, portões e vias de acesso ao terreno
quando for o caso.
6.1.1.3
Locação e identificação das soluções a serem adotadas para os segmentos
de energia, aterramento, distribuição interna dos equipamentos e
esteiramentos, redes ópticas e etc.
6.1.1.4
Interferências existentes sobre o terreno, como: entrada de energia, caixas
de passagem, reservatórios, tanques de combustível, prédios, contêineres,
torres, bases para torres de arrefecimento de ar condicionado, cabines
transportáveis, torres para telecomunicações, etc.
6.1.1.5
Deverão ser apresentadas, no PPI, as localizações georeferenciadas das
estações de telecomunicação, salas de operação, caixas de passagem e
postes instalados na construção das redes ópticas e pontos de derivação
dos cabos ópticos.
6.2
O PPI deverá ser entregue pela CONTRATADA em até 15 (dez) dias
corridos, após a solicitação formal em 3 vias impressas e uma cópia digital.
6.3
Cronograma.
6.3.1
Juntamente com o PPI, a CONTRATADA deverá apresentar o cronograma
de instalação, conforme o tipo de estação a ser implantada. Os prazos
poderão ser negociados conforme a complexidade da implantação, mas
estarão limitados a, no máximo, 30 (trinta) dias corridos.
6.3.2
Deverão constar no Cronograma Físico os seguintes eventos mínimos,
quando aplicáveis:
6.3.2.1
Projetos (Arquitetônico, Fundações, Estrutura, Instalações).
6.3.2.2
Locação da Obra.
6.3.2.3
Execução das Obras.
6.3.2.4
Execução das Instalações.
6.3.2.5
Entrega da Obra, de Documentações e de Legalizações.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
SEÇÃO II – ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE SERVIÇOS PARA
INFRAESTRUTURA DE CONTÊINERES
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
1.
OBJETIVO
1.1
Esta seção tem por objetivo especificar os serviços de instalação e
integração dos contêineres a serem contratados para abrigar equipamentos
de redes IP, DWDM e Rádio.
1.2
É obrigatório o fornecimento dos serviços com a qualidade homologada
pelos órgãos competentes.
2.
CARACTERÍSTICAS GERAIS DE INSTALAÇÃO
2.1
Organizar o local de instalação garantindo as distâncias mínimas para
acesso ao contêiner conforme manual do fabricante. A base deve ser
nivelada capaz de suportar o peso total contêiner incluindo todos os
equipamentos e baterias.
2.2
Na instalação devem ser evitados ambientes explosivos. E sempre garantir
uma ventilação apropriada.
2.3
A CONTRATADA deverá fornecer ferramentas isoladas e próprias para
instalação de equipamentos de telecomunicações.
2.4
No ato da instalação a CONTRATADA deverá verificar se todas as partes
foram entregues, se o contêiner está correto, documentação, baterias,
gabinetes e etc.
2.5
Deverão ser inspecionados todos os equipamentos para verificar se existem
defeitos físicos, caso haja a CONTRATADA deverá informar imediatamente
a CONTRATANTE.
2.6
Posicionar e fixar o contêiner.
2.7
A CONTRATADA deverá ajustar os pés com niveladores se necessário.
Caso o contêiner tenha a necessidade de ser fixado ao chão, os pés
deverão ser desparafusados e utilizados parafusos apropriados para
prendê-lo. É indispensável seguir as orientações de fixação descritas no
manual do fabricante.
2.8
No momento da instalação o sistema elétrico deverá estar completamente
livre de tensão (desligado).
2.9
Desligue a chave ou remova todos os fusíveis e/ou disjuntores de carga,
fusíveis e/ou disjuntores de bateria e os fusíveis e/ou disjuntores CA.
2.10
Conexões CA:
2.10.1
Os terminais CA deverão estar conectados corretamente e configurados
para a alimentação CA externa, caso contrário deverão ser reconfigurados.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
2.10.2
O fio terra CA deverá ser conectado no borne de entrada terra.
2.10.3
A barra de terra deverá ser utilizada para aterramento do contêiner.
2.10.4
A CONTRATADA deverá garantir que a ligação entre os cabos e os bornes
estão correspondendo com suas identificações e documentação elétricas.
2.11
Conexões CC Circuitos de Carga.
2.11.1
Terminais de terra CC, garantir que o barramento de saída comum CC (0 V)
está conectado ao terra.
2.11.2
Para cada carga CC, conecte um dos cabos para o barramento de saída CC
comum, e a outra ponta diretamente ao disjuntor ou fusível de carga.
2.12
Conexões CC Alarme & Circuitos de Sinal.
2.12.1
Os cabos do circuito CC de alarme deverão ser ligados aos terminais do relé
de alarme.
2.12.2
Os cabos do circuito CC deverão ser ligadas aos terminais de entrada e
saída digital.
2.13
Conexões CC Cabos de Bateria:
2.13.1
Deverá ser utilizada a polaridade correta para cada bandeja de baterias.
2.13.2
Deverão ser ligados os blocos de bateria em série.
2.13.3
Os cabos de bateria deverão ser ligados nos fusível/disjuntores e
barramento CC comum, e nos terminais exteriores das bandejas; (+), (-).
2.13.4
O cabo do sensor de temperatura das baterias deverá ser conectado ao
sensor da fonte de CC e ao sensor de temperatura que será instalado no
centro do banco de bateria.
3.
VERIFICAÇÃO DOS SISTEMAS ELÉTRICOS DA FONTE CC
3.1.
A CONTRATADA deverá verificar os seguintes itens:
3.1.1.
Realizar vistoria em todo o sistema antes de ligar.
3.1.2.
Ligar o sistema com a carga desconectada e ajustar a tensão de saída.
3.1.3.
Ajustar a tensão nominal de saída com as baterias e carga conectadas.
3.1.4.
Antes de ligar o sistema, verifique o seguinte:
3.1.4.1.
Instalação do sistema está completa.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
3.1.4.2.
Assegurar que a instalação do sistema está correta, na polaridade de todas
as conexões. Todos os cabeamentos e bornes estão seguramente presos,
sem folgas.
3.1.4.3.
Verificar se a identificação de todos os componentes, blocos de terminais,
fusíveis, entre outros, está clara.
3.1.4.4.
Certificar de que nenhuma parte metálica está possibilitando curto-circuito.
3.1.4.5.
Bateria e fusíveis de carga estão desconectados.
3.1.4.6.
Verifique que todas as baterias e fusíveis de carga estão desligados ou
removidos.
3.1.4.7.
Cabos de entrada CA e fio terra estão terminados.
3.1.4.8.
Certificar que os cabos de entrada CA estão conectados corretamente nos
terminais CA.
3.1.4.9.
Verificar se os cabos de entrada CA e os fusíveis CA externos estão
dimensionados corretamente.
3.1.4.10.
Verificar se o terra CA está com terminal e eletricamente conectado a barra
terra.
3.1.4.11.
Ter conhecimento
documentos.
4.
MONTAGEM DAS BATERIAS NAS BANDEJAS
4.1.
Todas as informações necessárias para a montagem das baterias estão
descritas na Seção V desse ANEXO.
5.
ENTRADA
CA
PARA
CONDICIONADORES DE AR
5.1.
Os cabos da rede de alimentação CA deverão ser conectados aos bornes
conforme manual do fabricante.
5.2.
Verificar a documentação mecânica e elétrica do equipamento buscando
informação adequada.
5.3.
Verificar se os fusíveis do quadro de alimentação principal foram retirados
ou se o disjuntor geral está na posição desligado.
6.
ATERRAMENTO
6.1.
Verificar se o sistema possui barra para aterramento.
das
especificações
do
fabricante,
desenhos
ALIMENTAÇÃO
e
DOS
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
6.2.
Verificar no desenho mecânico a sua localização e fazer o aterramento do
equipamento, garantindo o mesmo potencial de aterramento na estação.
6.3.
Utilizar a barra de aterramento para conectar o contêiner ao aterramento da
estação.
6.4.
Utilizar sempre cabos e terminais com certificação conforme Norma
NBR5410 – Instalações Elétricas de Baixa Tensão.
7.
UNIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE BATERIAS (UDB)
7.1.
A unidade de distribuição de bateria possui disjuntor para conexão do
negativo do banco de baterias, capacidades, vide diagrama elétrico
conforme manual do fabricante.
7.2.
A unidade de distribuição de baterias também possui em cada disjuntor o
monitoramento através de um fio de alarme que leva, em caso de desarme,
sinal para a borneira de alarme
7.3.
Os positivos do banco de bateria deve ser conectado na barra comum 0 V.
Verificar localização no desenho mecânico do Sistema conforme manual do
fabricante.
7.4.
Utilize sempre cabos e terminais com certificação conforme Norma
NBR5410 – Instalações Elétricas de Baixa Tensão.
8.
IÇAMENTO E FIXAÇÃO
8.1.
É de responsabilidade da CONTRATADA seguir todos os procedimento de
carga e descarga do contêiner, bem como reparar quaisquer avarias que
possivelmente ocorra nesse procedimento
8.2.
A CONTRATADA deverá observar todos os procedimentos de segurança
para o içamento conforme manual do fabricante.
9.
IDENTIFICAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS E MATERIAIS
9.1.
Todos os painéis, componentes, fiação interna, tomadas e interruptores
deverão ser identificados conforme padrão a ser definido pela
CONTRATANTE.
10.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA
10.1.
Os manuais e a documentação técnica aplicável deverão ser apresentados
quando da entrega do contêiner.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
10.2.
A CONTRATADA deverá entregar, antes de iniciar as instalações e
integrações, as especificações técnicas adotadas, e os procedimentos para
aprovação prévia.
10.3.
Devem ser encaminhados para aprovação os seguintes documentos
técnicos em dwg, padrão AutoCAD:
10.3.1.
Projetos (plantas, vistas e cortes) do contêiner.
10.3.2.
Projeto de Iluminação e Tomadas.
10.3.3.
Esquema unifilar, trifilar, funcional, ligação e interligação de equipamentos e
quadros.
10.3.4.
Plantas do contêiner mostrando tubulações, eletrocalhas, esteiras, etc.
destinadas a cabeação de interligação de quadros e equipamentos (força e
controle).
10.4.
Lista de material dos componentes utilizados, mencionando claramente o
fabricante e o tipo.
10.5.
Catálogos com literatura técnica de todos os componentes.
10.6.
Lista de componentes sobressalentes.
10.7.
Memória de cálculo dos projetos.
10.8.
Após a instalação do contêiner a PROPONENTE deverá fornecer o “AS
BUILT” do projeto mencionado acima em meios magnéticos no formato dwg,
padrão AutoCAD e 3 (três) vias impressas.
11.
RESPONSABILIDADE
11.1.
A CONTRATADA assumirá integral responsabilidade pela boa execução e
eficiência dos serviços que executar, de acordo com os projetos e
especificações técnicas fornecidas.
11.2.
Por tal garantia, entende-se a obrigatoriedade de substituir todos os
componentes que, comprovadamente, apresentem defeito de fabricação ou
durante a montagem.
12.
ENSAIOS
12.1
Serão realizados todos os ensaios previstos nas normas que regem a
instalação de contêiner, na presença de representante indicado pela
CONTRATANTE.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
12.2
A CONTRATADA deverá ter em mãos todo o instrumental, ferramental e
equipamentos para efetivação dos testes, tais como: carga resistiva para
100% da capacidade nominal, fluke gráfico, multiteste digital, etc.
12.3
A CONTRATADA deverá notificar a CONTRATANTE com antecedência
mínima de 5 (cinco) dias úteis, sobre a data de realização dos ensaios por
lotes.
12.4
Deverão ser fornecidos, em duas vias, relatórios completos dos ensaios
realizados no pré-teste, para posterior conferência nos testes de aceitação
definitiva.
12.5
A CONTRATANTE se reserva o direito de acompanhar a execução de todos
os testes em fábrica e/ou em campo, sendo que os testes de campo nunca
serão dispensados.
12.6
A CONTRATANTE se reserva o direito de solicitar outros instrumentos de
testes, exeqüíveis em campo, que não os mencionados acima. Todos os
instrumentos necessários aos testes de aceitação serão de responsabilidade
do CONTRATADA.
13.
TESTES
13.1.
Antes de serem transportados para os locais determinados pela
CONTRATANTE, o contêiner e todos os equipamentos e unidades que
fazem parte da semi-integração deverão ser testados. Em qualquer
momento que julgar necessário, a CONTRATANTE poderá solicitar a
realização de testes em fábrica, conforme a seguir relacionados:
13.2.
Testes de Resistência.
13.2.1.
Na condição de içamento superior com carregamento distribuído de
1.000kg/m², simulando assim as condições previstas para uso do contêiner,
o mesmo deverá se manter estável e não apresentar deformações. Deverá
ser feita a verificação das deformações na cabine para cada passo do
carregamento.
13.2.2.
Tabela Resumo de Ensaio
%
25
50
75
100
120
Q (kgf/m2)
P (Tf)
250
500
750
1.000
(içamento)
1.200
NA
ΔL
ΔP (porta) (Lat.)
NA
NA
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Tabela 1 – Resumo de Ensaio
13.2.3.
Onde,
13.2.4.
Q = Carga distribuída (kgf/m2) por metro ao quadrado;
13.2.5.
P = Peso total (Tf);
13.2.6.
ΔP = Deflexão máxima (mm) do lado da porta oposta ao canto;
13.2.7.
ΔL = Deflexão máxima (mm) do lado oposto ao da porta, no meio do vão do
contêiner.
13.3.
Na condição de capacidade resistente apoiado no solo, com um
carregamento uniformemente distribuído de 1.200 kgf/m2 a estrutura não
deverá sofrer qualquer dano e a porta deverá continuar funcionando
perfeitamente.
13.4.
Na condição capacidade resistente apoiado, será instalado um
carregamento 2.500 kgf distribuído em uma região de 1,0 m x 1,0 m no
centro do contêiner e na lateral, alternadamente (não concomitante),
estando o restante do contêiner descarregado. Nesta condição de ensaio, a
estrutura não deverá sofrer qualquer dano e a porta deverá continuar
funcionando perfeitamente.
13.5.
Ensaio de Estanqueidade.
13.5.1.
Hermeticidade do Contêiner (inclusive porta) - jateamento de água em alta
pressão sobre a superfície da mesma, conforme ABNT 5965 IP 65.
13.6.
Testes Elétricos.
13.6.1.
QDCA – Teste de continuidade e isolação.
13.6.2.
PLC - Simulações para acionamento da ventilação de emergência e
comutação entre máquinas.
13.6.3.
Todos os equipamentos ofertados, quando aplicável, deverão estar
homologados pela ANATEL, devendo os mesmos possuir códigos já
autorizados por aquela Agência.
14.
PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA
14.1.
A CONTRATADA deverá seguir as normas e orientações sobre segurança
na operação de equipamentos energizados.
14.2.
Na instalação é importante que todas as pessoas envolvidas na instalação,
operação ou manipulação dos equipamentos possuam treinamento de
acordo com a norma regulamentadora NR10.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
14.3.
A CONTRATADA é responsável por todo e qualquer acidente de trabalho
que ocorra durante a instalação do contêiner.
14.4.
Os equipamentos deverão ser manipulados por técnicos capacitados para
tal. No interior dos equipamentos existem componentes que operam com
tensões elevadas de até 500 V e também capacitores que armazenam
energia e que podem apresentar tensões perigosas mesmo depois da
alimentação AC ser desligada.
14.5.
A instalação dos equipamentos será conforme normas e padrões prédefinidos e devem sempre seguir as recomendações existentes nos
respectivos manuais dos fabricantes.
15.
NORMAS APLICÁVEIS
15.1.
As normas abaixo citadas devem ser aplicadas na fabricação e semiintegração do contêiner:
15.2.
ABNT NBR 5410 - Instalações Elétricas de Baixa Tensão.
15.3.
ABNT NBR 6123 - Forças Devidas ao Vento em Edificações.
15.4.
ABNT NBR 6118 - Projeto de Execução de Obras de Concreto Armado.
16.
CERTIFICADOS E GARANTIAS
16.1.
Os equipamentos e materiais deverão ter garantia integral contra defeitos de
projeto, fabricação, instalação e desempenho inadequado, conforme o item
5.6.7 do Termo de Referência.
16.2.
A CONTRATANTE deverá fornecer equipamentos com certificado de
homologação na ANATEL.
16.3.
Os certificados aceitos, em caso de equipamentos cuja homologação não
seja compulsória pela Anatel, serão aqueles emitidos por organizações
designadas pela ANATEL.
16.4.
Deverá também ser fornecida a documentação completa do contêiner com
todos os projetos, manuais técnicos de operação e manutenção, instruções
para içamento, bem como de todos os equipamentos que fazem parte da
integração, com os seus respectivos certificados de garantia. A
documentação deverá ser entregue encadernada no formato A4.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
SEÇÃO III– ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE SERVIÇOS PARA
INFRAESTRUTURA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
1.
OBJETIVO
1.1
Esta seção tem como objetivo apresentar o detalhamento dos serviços
necessários para executar todas as instalações elétricas.
2.
SISTEMA DE ENERGIA EM CORRENTE ALTERNADA
2.1
Esta seção especifica os serviços gerais aplicáveis no todo ou em parte
para o fornecimento de serviços a serem aplicados nas instalações do
Sistema de Energia em Corrente Alternada.
2.2
O Sistema de Energia em Corrente Alternada está composto das seguintes
instalações:
2.2.1
Entrada de Energia em Baixa Tensão.
2.2.2
Posto de Transformação, quando aplicável
2.3
Normas Aplicáveis.
2.3.1
Todos os serviços a serem fornecidos bem como a execução das
instalações elétricas, deverão obedecer às seguintes normas ABNT:
2.3.1.1
NBR 5410 - Instalações Elétricas de Baixa Tensão.
2.3.1.2
NBR 5419 - Proteção de Estruturas Contra Descargas Atmosféricas.
2.3.1.3
NBR 14039 – Instalações Elétricas de Alta Tensão (de 1,0 kV a 36,2 kV).
2.3.1.4
Normas das Concessionárias de Energia Local que atendam a região de
implantação da estação a ser construída.
2.3.1.5
Resolução nº 456/2000 – Condições Gerais de Fornecimento de Energia
Elétrica.
2.3.2
Situações Específicas.
2.3.2.1
Nos casos em que ocorram situações que não se enquadrem em nenhuma
das normas técnicas anteriormente citadas, os problemas e possíveis
soluções devem ser encaminhadas à CONTRATANTE, que após análise e
verificação definirá qual norma deve ser adotada.
2.3.3
Quadros de Distribuição
2.3.3.1
Para alimentação de equipamentos Indoor:
2.3.3.1.1
O QDCA deve ser instalado aparente, de sobrepor, próximo da carga,
dimensionado para atender todos os novos consumidores, prevendo 30% de
disjuntores reservas, mais espaços vagos para ampliações futuras.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
2.3.3.1.2
O QDCA deverá ser energizado a partir do Quadro de Distribuição Geral
(QDG).
2.3.3.1.3
O disjuntor geral a ser instalado no QDG, o encaminhamento (esteiras,
eletrocalhas ou eletrodutos), o QDCA e os circuitos alimentadores até os
consumidores, será de responsabilidade da CONTRATADA.
2.3.3.2
Todas as furações em caixas metálicas devem ser executadas com serra
copo, não se admitindo rebarbas.
2.3.3.3
A barra de neutro deve ser eletricamente isolada da carcaça, sendo que:
2.3.3.3.1
Deve ser interligada à barra da carcaça, quando o quadro for ligado
diretamente da entrada de energia.
2.3.3.4
A carcaça do quadro deverá ser ligada à barra geral de aterramento.
2.3.4
Qualquer corte em campo, durante as instalações, deve sofrer tratamento
adequado com fundo e galvanização a frio.
2.3.4.1
Para passagem de Fibra Óptica, sempre instalar curvas longas ou caixas de
passagem nos trechos maiores que 15,00 m e utilizar 2”.
2.3.5
Tomadas.
2.3.5.1
As tomadas devem ser instaladas e distribuídas de forma a atender as
necessidades específicas.
2.3.5.2
Devem ser instalados em eletrodutos, eletrocalhas ou esteiramentos,
formando um circuito completo (trifásico, bifásico ou monofásico com
neutro). Não devem ser instalados condutores de um mesmo circuito em
eletrodutos separados.
2.3.5.3
Devem ser evitadas as emendas dos condutores, quando necessárias estas
devem ser feitas dentro das caixas de passagens, utilizando terminais
apropriados do tipo compressão e isolados com capa termo-contrátil, ou
com fita de auto-fusão.
2.3.6
Identificações.
2.3.6.1
Os quadros de distribuição devem ser identificados por placas de acrílico na
cor azul escuro, com letras brancas tipo arial negrito, nos tamanhos
indicados na vista frontal dos mesmos.
2.3.6.2
Os disjuntores devem ser identificados com número, por placa de acrílico na
cor azul escuro, com letras brancas tipo arial negrito, nos tamanhos
indicados nos desenhos e colados lateralmente a cada disjuntor.
2.3.6.3
Os quadros de cargas (após “AS BUILT”) devem ser plastificados e colados
no lado interno das respectivas tampas dos mesmos.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
2.3.6.4
Os condutores devem ser identificados através de anilhas com o número do
circuito na extremidade de cada cabo, junto ao disjuntor.
2.3.6.5
Os espelhos dos interruptores e tomadas devem ser identificados, com o
número do circuito e tensão, por gravação com letras de forma em baixo
relevo (Ex.: C01-220 V).
2.3.7
Todos os padrões de entrada de energia devem ser instalados com
medidores de energia.
2.3.8
Quando não for possível definir um padrão de entrada de energia com
medidor, verificar junto com a concessionária a possibilidade do
fornecimento energia por estimativa de consumo.
2.3.9
Adotar como instalação básica a entrada de energia aérea, com a caixa de
medidores fixada em poste, porém, em caso específicos a entrada de
energia poderá ser subterrânea.
2.3.10
Elaborar os projetos específicos para cada instalação e solicitar aprovação
da Concessionária de Energia, se necessário, assim como a verificação da
CONTRATANTE;
2.3.11
Todos os processos administrativos e custos decorrentes para aprovação
dos projetos, pedidos de ligações, contatos com a Concessionária de
energia e solicitações das extensões / reforços das redes de energia elétrica
para atenderem as Estações, devem ser de total responsabilidade da
CONTRATADA.
2.4
Extensão de Rede de Energia em Baixa Tensão
2.4.1
Em situações especiais e de conveniências para a CONTRATANTE, quando
a concessionária de energia apresentar dificuldades nos atendimentos,
podem ser necessários às execuções das redes de extensões em Baixa
Tensão, nestes casos, devem ser analisados e verificados junto à
concessionária de energia a participação financeira deste na obra.
2.4.2
Qualquer valor ressarcido pela Concessionária de energia a título de
participação financeira na obra, a única beneficiária será a CONTRATANTE.
2.4.3
A extensão de rede e energia em Baixa Tensão deve ser compatível com os
padrões de entrada de energia respectiva.
2.5
Posto de Transformação
2.5.1
As capacidades dos Postos de Transformação devem ser conforme
estabelecidos nas normas técnicas das Concessionárias de Energia local,
podendo ser atendidos nos padrões Monofásico (F e N), Bifásico (F, F e N)
e Trifásico (F, F, F e N), de acordo com a necessidade de cada Estação, e
segundo os padrões das Concessionárias de Energia. Sempre que possível
as alimentações devem ser trifásicas.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
2.5.2
Adotar como instalação básica, o Posto de Transformação aéreo, com
caixas de medidores fixadas em mureta de alvenaria, conforme padrões
definidos pelas Concessionárias de Energia elétrica local.
2.5.3
O neutro da rede, o pára-raios e demais partes metálicas do Posto de
Transformação, devem ser aterrados na malha de aterramento e interligado
com a malha da Estação;
2.5.4
A CONTRATADA será responsável pelas providências junto às
Concessionárias de Energia, para a ligação e energização definitiva do
Posto de Transformação, inclusive registros de projeto e execução.
2.5.5
Uma via da ART deverá ser entregue a CONTRATANTE, juntamente com
uma cópia do projeto aprovado pela Concessionária.
2.6
Considerações Gerais para Energia CA
2.6.1
Considerar que todos os modelos possuem energia CA em baixa tensão
disponível em poste na entrada do terreno a ser construída a estação.
2.6.2
A proponente quando for o caso deverá elaborar o contrato de doação do
posto de transformação para que a concessionária possa dar manutenção.
3.
SISTEMA DE ENERGIA EM CORRENTE CONTÍNUA
3.1
As Especificações desses serviços estão apresentadas na Seção IV –
Especificações Técnicas de serviços para Infraestrutura para sistemas de
Retificadores Chaveados em alta freqüência.
4.
SISTEMA DE PROTEÇÃO ELÉTRICA
4.1
Este item seção especifica requisitos gerais aplicáveis para o fornecimento
de serviços a serem aplicados nas instalações do Sistema de Proteção
Elétrica.
4.2
O Sistema de Proteção Elétrica está composto das seguintes
instalações:
4.2.1
Sistema de Aterramento.
4.2.2
Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas.
4.2.3
Sistema de Proteção Contra Surtos de Tensão.
4.3
Normas Aplicáveis
4.3.1
Todos os serviços fornecidos para instalações de proteções elétricas, além
das normas citadas no , Sistemas de Instalação em Corrente Alternada,
deverá obedecer a NBR 5419 – Proteção de estruturas contra descargas
atmosféricas.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
4.4
Sistemas de Aterramento.
4.4.1
A instalação da malha de aterramento, além de atender as normas da
ABNT, devem ser executadas para suportar correntes de alta amplitude e
alta freqüência, correntes de amplitudes variáveis e de baixa freqüência
(60Hz), correntes de amplitudes variáveis e correntes de origem
eletrostática.
4.4.2
Na malha de aterramento devem ser previstos elementos para proteção
contra corrosão galvânica (anodos de zinco), principalmente em localidades
situadas em regiões litorâneas ou com solo agressivo. Os anodos de zinco
não devem ser utilizados como elementos de dissipação das correntes de
descargas atmosféricas.
4.4.3
A malha de aterramento e as suas ligações devem ser compatíveis com a
necessidade dos equipamentos e seus periféricos e de outros equipamentos
existentes na Estação.
4.4.4
A malha de aterramento deve ser única para a Estação, ou seja, as malhas
de terra dos equipamentos CC, CA, estruturas metálicas e de proteção
contra descargas atmosféricas devem ser interligadas de forma
conveniente.
4.4.5
A CONTRATADA deverá prever medições de malhas de aterramento,
devendo ser apresentado à CONTRATANTE, relatório para futura tomada
de providências;
4.4.6
Todas as carcaças dos equipamentos, quadros elétricos, ferragens e partes
metálicas (esteiras ou eletrocalhas, eletrodutos, ar condicionado, etc.),
devem ser aterradas convenientemente, obedecendo a critérios específicos
para cada tipo de instalação.
4.4.7
As cercas do terreno quando forem metálicas, devem ser aterradas em
todos os lados e sempre que sofrer descontinuidade, na malha de
aterramento da Estação.
4.5
Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas.
4.5.1
Para os contêineres metálicos, não há necessidade de instalar captores
adicionais, utilizar a própria estrutura metálica como tal, deve ser aterrada a
estrutura metálica na malha de terra, em dois pontos de forma diagonal.
4.6
Sistema de Proteção Contra Surtos e Transitórios
4.6.1
Os supressores de tensão devem ser instalados de forma que os condutores
de ligação, do supressor para as fases e do supressor para a carcaça,
tenham os menores comprimentos possíveis (máximo de 50 cm no total).
4.6.2
Os supressores de surto de tensão devem ser instalados convenientemente,
de forma a possibilitar uma proteção coordenada e efetiva nas instalações e
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
equipamentos de uma Estação, atendendo sempre as recomendações dos
fabricantes indicados.
4.6.3
No SR instalar supressores nas três fases e neutro se existir (fase A, B, C e
N). As ligações dos supressores nas respectivas fases e neutro devem ser
feitas nos barramentos, junto ao disjuntor principal e na barra de
aterramento ou no ponto de ligação do cabo terra na carcaça do quadro.
4.6.4
Nos QDCCs, instalar supressores nos pólos negativo e positivo, observando
o seguinte: quando o positivo estiver aterrado no quadro, não há
necessidade do supressor. As ligações dos supressores nos respectivos
pólos devem ser feitas nos barramentos, junto à entrada do quadro e na
barra de aterramento ou na carcaça do quadro, adotando sempre a solução
que utiliza o menor comprimento de cabo.
5.
ENSAIOS
5.1
Serão realizados todos os ensaios previstos nas normas que regem o
assunto, na presença de representante indicado pela CONTRATANTE.
5.2
A CONTRATADA deverá ter em mãos todo o instrumental, ferramental e
equipamentos para efetivação dos testes, tais como: carga resistiva para
100% da capacidade nominal, fluke gráfico, multiteste digital, etc.
5.3
A CONTRATADA deverá notificar a CONTRATANTE com antecedência
mínima de 5 (cinco) dias úteis, sobre a data de realização dos ensaios por
lotes.
5.4
Deverão ser fornecidos, em duas vias, relatórios completos dos ensaios
realizados no pré-teste, para posterior conferência nos testes de aceitação
definitiva.
5.5
A CONTRATADA se reserva o direito de acompanhar a execução de todos
os testes em fábrica e/ou em campo, sendo que os testes de campo nunca
serão dispensados.
5.6
A CONTRATANTE se reserva o direito de solicitar outros instrumentos de
testes, exeqüíveis em campo, que não os mencionados acima. Todos os
instrumentos necessários aos testes de aceitação serão de responsabilidade
da CONTRATADA.
6.
CERTIFICADOS E MANUAIS
6.1
Serão exigidos, na entrega dos equipamentos, os seguintes documentos:
6.1.1
Certificados de Homologação ANATEL.
6.1.2
Diagramas de força e controle.
6.1.3
Manual de manutenção preventiva e corretiva.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
6.1.4
Manual de operação.
6.1.5
Relação de defeitos mais comuns e possíveis de ocorrer, causas mais
prováveis e procedimentos para correção.
6.1.6
Relação de componentes que deverão compor um estoque mínimo de
reposição, incluindo marca, nome do fabricante e eventuais similares.
7.
GARANTIA
7.1
Os serviços devem ter garantia integral contra defeitos de projeto, fabricação,
instalação e desempenho inadequado conforme o item 5.6.7 do Termo de
Referência.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
SEÇÃO IV – ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE SERVIÇOS DE
INFRAESTRUTURA DE INSTALAÇÃO DE SISTEMAS RETIFICADORES
CHAVEADOS EM ALTA FREQÜÊNCIA
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
1.
OBJETIVO
1.1
Esta seção tem por objetivo estabelecer os serviços de instalação e
operação de unidades retificadores chaveados em alta freqüência a serem
utilizadas em estações com Equipamentos DWDM, Switches, Rádios, etc.
2.
DEFINIÇÕES
2.1
UR (Unidade Retificadora) – unidade responsável pela conversão de energia
CA em CC.
2.2
UR - unidade retificadora chaveada em alta freqüência que utiliza sistema de
ventilação forçada.
2.3
USCC - Unidade de Supervisão de Corrente Contínua.
2.4
SR (Sistema de Retificadores) - conjunto formado pelas unidades: de
supervisão, de distribuição (consumidores e baterias) e retificadoras,
utilizando tecnologia de chaveamento em alta freqüência, associadas em
paralelo (sistema hot stand-by), com obrigatoriedade de equalização da
corrente de saída entre as mesmas.
2.5
Entrada da UR - terminal de entrada da unidade localizado antes do
disjuntor/fusível de entrada correspondente.
2.6
Saída da UR - terminal de saída da unidade localizado imediatamente após
o disjuntor/fusível de saída correspondente.
3.
CARACTERÍSTICAS GERAIS DE INSTALAÇÃO
3.1
O sistema deverá ser montado em gabinete padrão 19” auto suportado.
3.2
A CONTRATADA deve usar equipamentos adequados para o transporte e
instalação dos equipamentos.
3.3
Para a instalação, é necessária a preparação do local, garantido as
distâncias mínimas para acesso a fonte conforme manual do fabricante.
3.4
A base deve ser nivelada capaz de suportar o peso total da fonte incluindo
todos os equipamentos e baterias.
3.5
Na instalação é necessário garantir uma ventilação apropriada.
3.6
A CONTRATADA é responsável pela verificação dos equipamentos no
momento da abertura das embalagens no ato da instalação. Caso tenha
alguma inconformidade a CONTRATANTE deverá ser informada
imediatamente.
3.7
Verificar se todas as partes foram entregues, se a fonte está correta,
documentação, gabinetes, quantidades, e etc.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
4.
PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA
4.1.
A CONTRATADA deverá seguir as normas e orientações sobre segurança
na operação de equipamentos energizados. No caso é importante que todas
as pessoas envolvidas na instalação, operação ou manipulação dos
equipamentos possuam treinamento de acordo com a norma
regulamentadora NR10.
4.2.
A CONTRATADA é responsável por todo e qualquer acidente de trabalho
que ocorra durante a instalação do contêiner.
4.3.
Os equipamentos deverão ser manipulados por técnicos capacitados para
tal. No interior dos equipamentos existem componentes que operam com
tensões elevadas de até 500 V e também capacitores que armazenam
energia e que podem apresentar tensões perigosas mesmo depois da
alimentação AC ser desligada.
4.4.
A instalação dos equipamentos será conforme normas e padrões prédefinidos e devem sempre seguir as recomendações existentes nos
respectivos manuais dos fabricantes.
4.5.
Os retificadores são construídos para operarem conforme normas e padrões
pré-definidos, portanto a instalação deve sempre seguir as recomendações
existentes nos respectivos manuais.
5.
PREPARAR AS FERRAMENTAS DE INSTALAÇÃO
5.1.
Deverão ser utilizadas somente ferramentas isoladas e próprias para
instalação de equipamentos de telecomunicações.
6.
INSTALAÇÃO
6.1.
Na instalação do SR deverão ser observados os seguintes itens:
6.1.1.
Instalação de cabos de telessinalização entre o SR e o ponto de
monitoração de alarmes externos.
6.1.2.
Execução do aterramento de carcaça e da barra de 0 V do SR, com cabo de
35 mm isolado na cor verde.
7.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA
7.1.
A CONTRATADA deverá entregar, antes de começar a fabricação, toda a
documentação técnica contendo os cálculos justificativos das dimensões, os
materiais empregados, de acordo com as especificações técnicas adotadas,
os procedimentos de fábrica, para aprovação prévia e 01 (um) manual do
equipamento, em português, para cada estação, que deve conter no mínimo
o seguinte:
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
7.1.1.
Descrição Geral.
7.1.2.
Características Elétricas.
7.1.3.
Características mecânicas.
7.1.4.
Descrição do funcionamento dos circuitos.
7.1.5.
Diagrama de blocos e esquemas elétricos.
7.1.6.
Diagrama de fiação; instruções para instalação, operação e ajustes, para
manutenção preventiva e corretiva.
7.1.7.
Relação de materiais/componentes.
8.
RESPONSABILIDADE
8.1.
A CONTRATADA assumirá integral responsabilidade pela boa execução e
eficiência dos serviços que executar, de acordo com os projetos e
especificações técnicas fornecidas.
9.
SOBRESSALENTES
9.1.
A CONTRATADA garante fornecer à CONTRATANTE os sobressalentes
necessários para que os Bens funcionem conforme suas especificações
técnicas de acordo com o item 15.36 do Termo de Referência.
10.
CONTROLE DE QUALIDADE
10.1.
A CONTRATADA deverá contar com a Certificação ou estar em fase de
obtenção, independente da homologação do produto, a CONTRATANTE se
reserva o direito de, a qualquer momento, efetuar ensaios de aceitação em
fábrica por critério de amostragem.
11.
CERTIFICADOS DE GARANTIAS
11.1.
Os serviços deverão ter garantia integral contra defeitos de projeto,
fabricação, instalação e desempenho inadequado, conforme o item 15.36 do
Termo de Referência.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
SEÇÃO V – ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE SERVIÇOS PARA
INFRAESTRUTURA DE BATERIAS
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
1.
INTRODUÇÃO
1.2
Esta seção tem por objetivo estabelecer os serviços de instalação e
operação de baterias a serem utilizadas nos modelos de contêiner e
gabinetes outdoor utilizados nas estações de telecomunicação.
1.3
É obrigatório o fornecimento de equipamentos homologados pelos órgãos
competentes.
2.
IDENTIFICAÇÃO
2.1
A CONTRATADA deverá identificar na carcaça, de forma legível e
indelével os seguintes dados:
2.1.1
Nome do fabricante/CONTRATANTE.
2.1.2
Tipo.
2.1.3
Mês e ano de fabricação (gravado no pólo).
2.1.4
Número de série de fabricação (gravado no pólo).
2.1.5
Capacidade nominal.
2.1.6
Número do elemento.
2.1.7
Identificação dos pólos.
2.1.8
Tensão nominal do elemento.
2.1.9
Identificação dos pólos (+/- ou vermelho/azul).
2.2
A placa de identificação das baterias deve ser de material resistente à
corrosão e conter, impressos em letras legíveis, os seguintes dados:
2.2.1
Tipo.
2.2.2
Capacidade nominal.
2.2.3
Tensão nominal.
2.2.4
Tensão final.
2.2.5
Tensão de flutuação (25°C).
2.2.6
Data de instalação.
2.2.7
Número de série do conjunto.
2.2.8
Número de elementos da bateria.
2.2.9
Data de término da garantia total.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
2.3
As informações que não puderem ser preenchidas em fábrica devem ser
preenchidas em campo.
2.4
Na estrutura de cada bateria deve constar a placa de identificação exigida
pela ANATEL.
3.
INSTALAÇÃO
3.1
As baterias deverão ser instaladas inicialmente nas bandejas mais baixas
primeiro. Os números de série das baterias, deverá ficar em seqüência.
3.2
Além das especificações feitas neste Edital, deve-se garantir o adequado
aterramento da estante com cabo de no mínimo 25 mm2, flexível e isolado
na cor verde.
4.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA
4.1
AS CONTRATADAS deverão entregar, antes de começar a fabricação, toda
a documentação técnica contendo os cálculos justificativos das dimensões,
materiais empregados, de acordo com as especificações técnicas adotadas,
manuais técnicos, em português, e os procedimentos de fábrica, para
aprovação prévia.
4.2
Após a fabricação deverão ser enviados os relatórios dos testes de
capacidade realizados nos bancos adquiridos pela CONTRATANTE.
5.
CONTROLE DE QUALIDADE
5.1
As CONTRATADAS deverão contar com a Certificação ANATEL, ou estar
em fase de obtenção.
5.2
Todos os produtos devem estar homologados comprovadamente pelo
CPQD ou Órgão similar nacional, segundo Norma ABNT NBR 14205 –
Acumulador regulado por válvula - Ensaios.
5.3
Independente da homologação do produto, a CONTRATANTE se reserva o
direito de, a qualquer momento, efetuar ensaios de aceitação em fábrica por
critério de amostragem.
6.
RESPONSABILIDADE
6.1
A CONTRATADA assumirá integral responsabilidade pela boa execução e
eficiência dos serviços que executar, de acordo com os projetos e
especificações técnicas fornecidas.
7.
CERTIFICADOS DE GARANTIAS
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
7.1
Os equipamentos e materiais deverão ter garantia integral contra defeitos de
projeto, fabricação, instalação e desempenho inadequado, conforme o item
5.6.7 do Termo de Referência.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
SEÇÃO VI – ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE SERVIÇOS PARA
INFRAESTRUTURA DE UNIDADES INVERSORAS
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
1.
OBJETIVO
1.1
Esta seção tem por objetivo estabelecer os serviços de instalação e
operação das unidades inversoras a serem utilizadas em estações com
Equipamentos DWDM, Switches, Rádios, etc.
1.2
É obrigatório o fornecimento de equipamento homologado pelos órgãos
competentes.
2.
DEFINIÇÕES
2.1
Unidade Inversora - UI é equipamento que se destina à geração de uma
voltagem alternada com forma de onda senoidal, suprindo a potência
necessária para operação através de bancos de baterias.
3.
FUNCIONAMENTO
3.1
Entrada em Funcionamento
3.1.1
A UI deve ser colocada em funcionamento apenas com um comando de
Ligar, podendo ser um botão ou chave. Um Led indicativo deverá acender
indicando que o equipamento está pronto para funcionar.
3.1.2
No caso de ausência de alimentação externa um Led deverá indicar essa
anormalidade.
3.2
Funcionamento com a Rede Externa em Carga
3.2.1
Em condição normal de funcionamento a carga é alimentada pela rede
elétrica externa através do circuito “by-pass” do equipamento ou pelo
sistema de climatização, quando este já possuir o intertravamento.
3.3
Funcionamento na Ausência de Rede Elétrica Externa
3.3.1
No caso de falha da rede elétrica externa a UI deve entrar em
funcionamento imediatamente e o painel do equipamento deve indicar o seu
funcionamento.
3.3.2
No retorno da rede elétrica a UI deve entrar novamente em sincronia com a
rede, e a carga novamente chaveada para o lado da rede. O painel deve
indicar este retorno.
3.4
Funcionamento em Condição de Sobrecarga
3.4.1
A sobrecarga é a solicitação de altas correntes pela carga de modo que a
tensão do inversor cai abaixo do valor especificado. Na detecção da
sobrecarga o painel deve indicar a ocorrência e o controlador do inversor
deve aguardar alguns segundos para a normalização da situação. Se este
tempo for ultrapassado, o controlador chaveia a carga para o lado da rede e
permanece em vazio.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
3.5
Funcionamento com Sobreaquecimento do Equipamento
3.5.1
O sobreaquecimento do equipamento pode ocorrer depois de um período de
operação muito prolongado em condições de carga acima do especificado.
Este fenômeno só ocorre quando a unidade inversora está em carga e a
rede externa não está presente, e representa uma falha térmica que deve
ser sinalizada por um dos dois termostatos (um no transformador principal e
outro no módulo de saída).
3.5.2
Nesta situação o controlador deve chavear a carga para o lado da rede para
o inversor assumir a condição de funcionamento em vazio e o ventilador ser
mantido ligado. Dessa forma o inversor vai esfriando até o termostato
verificar que as condições térmicas retornaram ao normal e assumir
novamente a posição de carga.
3.6
Funcionamento com Carga Anormal e Falha do Módulo de Saída
3.6.1
Quando uma carga anormal é ligada ou no caso de alguma falha no módulo
de saída o microprocessador deve suspender a operação do módulo por
algum tempo e depois fazê-lo voltar à operação novamente.
3.7
Circuito de Proteção
3.7.1
O circuito de proteção principal deverá ser protegido sempre através de um
disjuntor, com a capacidade nominal 10% acima da potência nominal da
unidade inversora.
4.
CONDIÇÕES DE ACESSO
4.1
É indispensável o acesso fácil a todos os componentes de manutenção mais
freqüentes.
5.
IDENTIFICAÇÕES
5.1
Cada cartão de circuito deve conter, no mínimo, o código do fabricante e o
seu respectivo número de série. Externamente à unidade deve ser afixada
por processo eficiente plaqueta de identificação do equipamento,
confeccionada em material não deteriorável e de boa resistência mecânica,
contendo os seguintes dados:
5.1.1
Corrente nominal de saída.
5.1.2
Tensão nominal de saída.
5.1.3
Tensão nominal de entrada.
5.1.4
Potência aparente nominal de entrada.
5.1.5
Número de série de fabricação.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.1.6
Mês / ano de fabricação.
5.1.7
Código / modelo do fabricante.
5.2
Na estrutura de cada gabinete deve constar a placa de identificação exigida
pela ANATEL.
5.3
Todos os blocos de terminais e conectores do tipo plug-in devem ser
identificados.
5.4
Todas as extremidades de fios e cabos condutores singelos devem ser
identificadas por meio de anilhas adequadas, contendo números ou letras
correspondentes aos terminais de destinação.
5.5
A identificação de fios e cabos deve obedecer à padronização de cores,
tomando-se por base as cores universalmente adotadas.
6.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA
6.1
Na entrega de cada equipamento deverá ser acompanhado de um Manual
Técnico de Operação e Manutenção na língua portuguesa incluindo
especificação dos consumíveis para eventual substituição.
7.
RESPONSABILIDADE
7.1
A CONTRATADA assumirá integral responsabilidade pela boa execução e
eficiência dos serviços que executar, de acordo com os projetos e
especificações técnicas fornecidas.
8.
SOBRESSALENTES
8.1
A CONTRATADA garante fornecer à CONTRATANTE os sobressalentes
necessários para que os Bens funcionem conforme suas especificações
técnicas de acordo com o item 15.36 do Termo de Referência.
9.
CONTROLE DE QUALIDADE
9.1
A CONTRATADA deverá contar com a Certificação ANATEL ou estar em
fase de obtenção, independente da homologação do produto, a
CONTRATANTE se reserva o direito de, a qualquer momento, efetuar
ensaios de aceitação em fábrica por critério de amostragem.
10.
CERTIFICADOS E GARANTIA
10.1
Os equipamentos e materiais deverão ter garantia integral contra defeitos de
projeto, fabricação, instalação e desempenho inadequado, conforme o item
5.6.7 do Termo de Referência.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
SEÇÃO VII – ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE SERVIÇOS PARA
INFRAESTRUTURA DE SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
1.
OBJETIVO
1.1
Esta seção tem por objetivo especificar os serviços de instalação, e
integração dos sistema de climatização a serem contratados junto com o
contêiner e gabinetes outdoor para climatizar equipamentos de redes IP,
DWDM e Rádio.
2.
INSTALAÇÃO
2.1.
Esta seção descreve como instalar sistema de climatização.
2.2.
O sistema é montado em self contained a ar incorporado, tipo wall mounted,
são pesados, tenha cuidado. Use equipamento adequado para transportar e
instalar
2.3.
Passos de instalação.
2.3.1.
Preparando o local de instalação
2.3.2.
Inicie preparando o seguinte:
2.3.3.
Organizar o local de instalação distâncias mínimas para acesso: conforme
manual do fabricante.
3.
PREPARAR AS FERRAMENTAS DE INSTALAÇÃO
3.1.
Deverão ser utilizadas somente ferramentas isoladas e próprias para
instalação de equipamentos de telecomunicações.
4.
CONDICIONADOR DE CONDENSAÇÃO À AR
4.1.
Classificados como Sistemas
contemplar, pelo menos:
4.1.1
Self contained a ar incorporado, tipo wall mounted.
4.1.2
Deverá ser instalado barramento de terra para fazer a interconexão dos
equipamentos.
4.1.3
Toda a cabeação possuirá terminais adequados aos dispositivos de
conexão, sendo admitidos dois condutores, no máximo, por ponto de
ligação.
4.1.4
A cabeação será acondicionada em calhas de PVC (na cor cinza,
incombustível, dimensionadas a fim de facilitar a manutenção), ou será
reunida em chicote por meio de braçadeiras plásticas, tipo espiral, para
permitir a arrumação interna dos condutores.
4.1.5
Os condutores serão identificados através de anilhas anelares
correspondentes à sua bitola e com números ou letras nos pontos
de
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
Expansão
Direta,
podendo
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
interligados. Será admitida a utilização de códigos de cores definido pelo
fabricante do equipamento, desde que, legendados nos respectivos
diagramas de força e controle.
4.1.6
A identificação de cada componente será frontal feita em etiqueta autoadesiva não deteriorável e estará junto ao mesmo, em posição de fácil
visualização.
4.1.7
A instalação elétrica deve ser executada de acordo com o prescrito pela
norma ABNT NBR-5410 - Instalações Elétricas de Baixa Tensão.
4.1.8
O motor não pode ser montado sobre os painéis laterais, frontais ou
posteriores.
4.1.9
Os motores elétricos com potências iguais ou superiores a 5 CV sofrerão
correção do fator de potência para o valor 0,92, dotados de terminal para
aterramento de carcaça.
4.2
Fator de Potência.
4.2.1
O fator de potência, medido à montante do equipamento de ar condicionado,
deverá apresentar um valor médio superior a 0,92.
4.3
Controle de Entalpia.
4.3.1
Será exigido o controle entálpico ou ciclo economizador e ventilação de
emergência. Sua filosofia consiste, basicamente, na comparação das
condições climáticas (temperatura/umidade relativa) do ar exterior em
relação às do ar interno da estação. Uma vez que as condições externas
estiverem favoráveis em relação às internas, um sistema auxiliar (que usa
do próprio sistema de ventilação do evaporador) entra em operação para
proporcionar a climatização interna, através da abertura de damper para
captação externa do ar.
4.3.2
Esse sistema também será utilizado, no caso de falta de energia, pois a
unidade possuirá alimentação CC/AC (inversor), e se o circuito frigorígeno
apresentar problema.
4.4
Controle de baixa temperatura.
4.4.1
Este recurso consiste, basicamente, em atender as aplicações onde existem
grandes variações climáticas em curtos períodos de tempo. Neste caso, o
ventilador do condensador é operado ciclicamente por comando de
pressostato. O ventilador deve ligar a 240 PSIG ( 3%) e desligar a 109
PSIG. ( 3%).
5.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.1
Na entrega de cada equipamento deverá ser acompanhado de um Manual
Técnico de Operação e Manutenção na língua portuguesa incluindo
especificação dos consumíveis para eventual substituição.
6.
RESPONSABILIDADE
6.1
A CONTRATADA assumirá integral responsabilidade pela boa execução e
eficiência dos serviços que executar, de acordo com os projetos e
especificações técnicas fornecidas.
7.
PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA
7.1.
A CONTRATADA deverá seguir as normas e orientações sobre segurança
na operação de equipamentos energizados.
7.2.
Na instalação é importante que todas as pessoas envolvidas durante a
operação ou manipulação dos equipamentos possuam treinamento de
acordo com a norma regulamentadora NR10.
7.3.
A CONTRATADA é responsável por todo e qualquer acidente de trabalho
que ocorra durante a instalação do contêiner.
7.4.
Os equipamentos deverão ser manipulados por técnicos capacitados para
tal. No interior dos equipamentos existem componentes que operam com
tensões elevadas de até 500 V e também capacitores que armazenam
energia e que podem apresentar tensões perigosas mesmo depois da
alimentação AC ser desligada.
7.5.
A instalação dos equipamentos será conforme normas e padrões prédefinidos e devem sempre seguir as recomendações existentes nos
respectivos manuais dos fabricantes.
8.
SOBRESSALENTES
8.1.
A CONTRATADA garante fornecer à CONTRATANTE os sobressalentes
necessários para que os Bens funcionem conforme suas especificações
técnicas de acordo com o item 15.36 do Termo de Referência.
9.
CONTROLE DE QUALIDADE
9.1.
A CONTRATADA deverá contar com a Certificação ANATEL ou estar em
fase de obtenção, independente da homologação do produto, a
CONTRATANTE se reserva o direito de, a qualquer momento, efetuar
ensaios de aceitação em fábrica por critério de amostragem.
10.
CERTIFICADOS E GARANTIAS
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
10.1.
Os equipamentos e materiais deverão ter garantia integral contra defeitos de
projeto, fabricação, instalação e desempenho inadequado, conforme o item
5.6.7 do Termo de Referência.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
SEÇÃO VIII – ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE SERVIÇOS PARA
INFRAESTRUTURA DE CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL PLC
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
1.
OBJETIVO
1.1
Esta seção tem por objetivo estabelecer as características técnicas dos
serviços de instalação e integração a serem atendidas pelo PLC Controladores Lógicos Programáveis, fornecidos pela CONTRATADA para
monitorar o sistema de ar condicionado da estação de telecomunicações.
2.
DEFINIÇÕES
2.1
Controlador Lógico Programável - PLC é um equipamento microprocessado
utilizado para a supervisão, controle e sinalização dos equipamentos
responsáveis pela climatização, entrada de energia e combate a incêndio
das Estações.
3.
INSTALAÇÃO ELÉTRICA
3.1
A instalação do PLC e de todas as interfaces necessárias deverá ser feita
tendo em vista compatibilidade eletromagnética entre equipamentos
eletrônicos e o processo elétrico, empregando-se técnicas e padrões
recomendados pelas normas da ABNT – Associação Brasileira de Normas
Técnicas – de forma a limitar a influência eletromagnética a níveis
recomendados por estas normas.
3.2
Caso haja a inexistência ou inaplicabilidade de normas da ABNT ou ainda
em caráter suplementar, as instalações deverão atender as recomendações
de normas internacionalmente reconhecidas.
3.3
Todos os cabos utilizados na interligação do PLC com equipamentos ou
periféricos deverão possuir blindagem metálica a fim de se evitar
interferências eletromagnéticas. Os eletrodutos empregados deverão ser de
ferro galvanizado e as tubulações deverão ser distintas para condutores de
energia e condutores de sinal.
3.4
O PLC deverá ser aterrado por meio de condutor flexível de cobre isolado,
na cor verde, e a fiação de aterramento não deve ser compartilhada com
outros equipamentos que operem com altas correntes.
4.
SERVIÇOS DE ACABAMENTOS
4.1
Todas as peças metálicas usadas para fixação e sustentação de
componentes devem ser submetidas, depois de furadas, a processo de
fosfatização, ou a outro tratamento de eficácia equivalente, desde que
aprovado pela CONTRATANTE.
4.2
Todos os parafusos, porcas e arruelas deverão ser confeccionados com
material de não sujeitos à oxidação.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.
OPERAÇÃO
5.1
O PLC deverá ser integrado ao sistema de climatização por meio de
monitoração e controle.
5.2
Lógica de Controle
5.2.1
O objetivo é manter a temperatura e a umidade ambiente dentro dos valores
determinados, por meio da utilização do sistema de climatização.
5.2.2
O PLC deverá ser capaz de controlar automaticamente o funcionamento dos
condicionadores de ar e da ventilação forçada em conjunto, quando houver,
tendo como base as temperaturas interna e externa e as umidades relativas
do ar interno e ar externo a Estação.
5.2.3
Em condições normais de operação o PLC controlará o funcionamento dos
condicionadores de ar de forma a manter a temperatura interna e a umidade
relativa do ar dentro de parâmetros previamente ajustados. O conjunto
deverá operar de forma sincronizada, acionando cada condicionador quando
a carga térmica exigir, ou em caso de falha de uma das máquinas em
operação.
5.2.4
O PLC empregará a ventilação forçada em substituição aos condicionadores
de ar, promovendo o ciclo economizador (controle entálpico) com a
utilização do ar externo para refrigerar o ambiente, sempre que as
condições externas permitirem, tendo como base parâmetros previamente
ajustados de temperatura e umidade relativa do ar externo.
5.2.5
O PLC também acionará a ventilação forçada, operando como ventilação de
emergência, quando houver falta de energia AC comercial ou quando
houver falha simultânea nos condicionadores de ar. Nestas condições a
ventilação forçada deverá ser acionada assim que a temperatura interna
exceda o limite crítico permitido e previamente ajustado. Enquanto
permanecerem as condições de falha, o PLC deverá manter a ventilação
forçada em operação, independentemente da temperatura e umidade
internas.
5.2.6
O PLC deverá permitir que a operação da ventilação forçada como ciclo
economizador seja facilmente inibida, mantendo a função de ventilação de
emergência.
5.3
Gerenciamento de Funções
5.3.1
O PLC deverá ser fornecido com todos os equipamentos e interfaces
necessárias para gerenciar automaticamente as seguintes funções do
sistema de climatização das Estações:
5.3.2
Partida escalonada dos ventiladores dos condicionadores de ar.
5.3.3
Controle da temperatura interna.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.3.4
Controle da umidade relativa do ar interno.
5.3.5
Monitoramento da Temperatura/umidade relativa externa.
5.3.6
Partida seqüencial de equipamentos no início de operação ou após falha de
energia.
5.3.7
Partida de compressores/condensadores em função do controle de
temperatura e umidade relativa interna.
5.3.8
Partida da ventilação forçada em substituição aos condicionadores de ar
promovendo a realização do ciclo economizador (controle entálpico).
5.3.9
Partida da ventilação forçada em função das falhas dos condicionadores de
ar ou queda de energia e do diferencial das temperaturas externa e interna.
5.3.10
Rodízio programável dos condicionadores de ar (principal e reserva) em
função do número de horas em funcionamento, garantindo igual número de
horas trabalhadas para ambos.
5.3.11
Substituição do ar condicionado que apresentar falha ou baixo rendimento,
pelo reserva.
5.3.12
Impedir o funcionamento dos condicionadores de ar e da ventilação forçada
na ocorrência de alarmes de incêndio.
5.3.13
Monitorar o status dos condicionadores de ar (evaporador, compressor e
aquecimento).
5.3.14
Monitorar o status da ventilação forçada.
5.3.15
Informar falhas no funcionamento dos condicionadores de ar e da ventilação
forçada.
5.3.16
Informar em tempo real as temperaturas e umidades internas e externas.
5.3.17
Emitir alarmes de temperatura interna alta e temperatura interna crítica
tendo como base valores previamente ajustados.
5.4
Os algoritmos de controle deverão ser os seguintes:
5.4.1
Controle liga / desliga.
5.4.2
Proteção contra ciclagem de equipamentos.
5.4.3
Programação para executar limitações de intervalo mínimo entre partidas de
motores (máximo de 6 partidas por hora).
5.4.4
Programação horária semanal.
5.4.5
Escalonamento de operação de equipamentos de ar condicionado.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.4.6
Entrada seqüenciada de equipamentos em partidas normais, em situações
de retorno de energia.
5.4.7
O PLC deverá ainda:
5.4.8
Permitir o ajuste dos “set-points” das temperaturas interna e externa,
umidade relativa do ar interno e externo para o funcionamento dos
condicionadores de ar e da ventilação forçada, via display frontal e/ou PC
compatível conectado a saída serial.
5.4.9
Permitir o funcionamento em “modo manual-local”, aceitando comandos de
liga/desliga dos condicionadores de ar e/ou da ventilação forçada
independentemente da temperatura e umidade internas.
5.4.10
Permitir a operação em “modo manual-local” dos aparelhos de ar
condicionado em caso de manutenção ou falha no PLC.
5.4.11
Permitir que seja inibido o funcionamento da ventilação forçada.
5.4.12
Manter os dados coletados por um período mínimo de 31 dias e permitir
análise gráficas e emissão de relatórios sobre o funcionamento dos
condicionadores de ar e da ventilação forçada em função da temperatura,
umidade e tempo de funcionamento.
5.5
Alarme de Intrusão.
5.5.1
O PLC deverá ser capaz de monitorar o acesso e a permanência de pessoal
no interior da estação através de um micro-switch instalado na porta de
acesso e de um sensor indutivo de presença a ser instalado internamente
nas proximidades da entrada, de forma a abranger a maior área interna
possível.
5.5.2
Além de externar o sinal de alarme de intrusão, o PLC deverá emitir sinal
sonoro após o decurso de um intervalo de tempo, facilmente ajustável, entre
o acionamento efetivo do alarme e o início do sinal sonoro. Deverão ser
providos os meios necessários para que o sinal sonoro seja manualmente
silenciado durante um período de tempo também programável, voltando a
operar caso o alarme de intrusão permaneça ativo.
5.6
Entrada de Energia AC
5.6.1
O PLC deverá externar sinal de alarme de falha na alimentação CA
empregando o relê de mínima e máxima tensão, supervisão de falta fase e
inversão de fases existentes no QDG.
5.7
Sistema de Detecção de Incêndio
5.7.1
Na detecção de incêndio dentro das Estações deverão ser empregados no
mínimo um detector de fumaça e um detector termo-velocimétrico. Através
de interfaces apropriadas, na ocorrência de incêndios, o PLC deverá ser
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
capaz de receber os sinais destes detectores, inibir o funcionamento dos
condicionadores de ar e da ventilação forçada e externar o sinal de alarme
de incêndio.
5.7.2
Para o perfeito funcionamento deste sistema, em casos de falhas no PLC e
na eventual ocorrência de incêndio, deverão ser previstos outros meios de
inibição do funcionamento dos condicionadores de ar e da ventilação
forçada.
5.7.3
Além dos aspectos descritos acima, o PLC deverá emitir sinal sonoro de
alarme dentro da estação quando houver detecção de focos de incêndio.
6.
MENSAGENS DE DEFEITO E STATUS DE FUNCIONAMENTO
6.1
No mínimo, as seguintes mensagens deverão estar disponíveis no
display frontal:
6.1.1
Falha na alimentação AC1
6.1.2
Defeito no Ventilador AC1
6.1.3
Defeito no Compressor AC1
6.1.4
Falha na alimentação AC2
6.1.5
Defeito no Ventilador AC2
6.1.6
Defeito no Compressor AC2
6.1.7
Defeito na Ventilação Forçada
6.1.8
Alarme de Incêndio.
6.1.9
Rede Anormal.
6.1.10
Umidade alta.
6.1.11
Porta aberta.
6.1.12
Temperatura alta.
6.1.13
Falha de alimentação CC.
6.1.14
Falha do PLC.
6.1.15
Status do funcionamento do Ventilador do AC1, ON/OFF.
6.1.16
Status do funcionamento do Compressor do AC1, ON/OFF.
6.1.17
Status do alimentação CA do AC1, ON/OFF.
6.1.18
Status do funcionamento do Ventilador do AC2, ON / OFF.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
6.1.19
Status do funcionamento do Compressor do AC2, ON/OFF.
6.1.20
Status da alimentação CA do AC2, ON/OFF.
6.1.21
Status de funcionamento da Ventilação Forçada, ON/OFF/Desabilitada.
6.1.22
Indicação da temperatura e umidade internas
6.1.23
Indicação da temperatura e umidade externas
6.2
Os seguintes alarmes deverão ser externados através das saídas
digitais a relê:
6.2.1
Defeito no AC1
6.2.2
Defeito no AC2
6.2.3
Defeito na Ventilação Forçada
6.2.4
Temperatura Alta
6.2.5
Umidade Alta
6.2.6
Falha no PLC
6.2.7
Alarme de Intrusão
6.2.8
Alarme de Incêndio
6.2.9
Falha na Alimentação CA Comercial
6.3
Todos os eventos registrados no painel deverão ser armazenados em um
histórico, com data e hora da ocorrência.
7.
GENERALIDADES
7.1
Antes da entrega deverão ser enviados relatórios de testes realizados em
fábrica, datados e assinados, acompanhado do respectivo certificado de
garantia.
7.2
Caso seja solicitado, o CONTRATADA deverá dispor, no prazo máximo de
24 horas, do equipamento ofertado e de instrumentos para testes e inspeção
da CONTRATANTE.
8.
IDENTIFICAÇÕES
8.1
A plaqueta de identificação do equipamento deverá ser fixada externamente
à unidade e confeccionada em material não deteriorável e de boa resistência
mecânica, contendo os seguintes dados :
8.1.1
número de série de fabricação.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
8.1.2
mês / ano de fabricação.
8.1.3
código / modelo do fabricante.
8.2
Na estrutura de cada gabinete deve constar a placa de identificação exigida
pela ANATEL.
9.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA
9.1
A CONTRATADA deverá entregar, toda a documentação técnica
complementar, contendo os cálculos justificativos das dimensões, os
materiais empregados, de acordo com as especificações técnicas adotadas,
e os procedimentos de fábrica, para aprovação prévia.
9.2
Deverão ser entregues todos os relatórios de testes emitidos pelo setor de
controle de qualidade do CONTRATADA.
10.
RESPONSABILIDADE
10.1
A PROPONENTE assumirá integral responsabilidade pela boa execução e
eficiência dos serviços que executar, de acordo com os projetos e
especificações técnicas fornecidas.
11.
SOBRESSALENTES
11.1
A PROPONETE garante fornecer à CONTRATADA os sobressalentes
necessários para que os Bens funcionem conforme suas especificações
técnicas de acordo com o item 15.36 do Termo de Referência.
12.
CONTROLE DE QUALIDADE
12.1
A PROPONENTE deverão contar com a Certificação ANATEL ou estar em
fase de obtenção.
13.
CERTIFICADOS E GARANTIAS
13.1
Os equipamentos e materiais deverão ter garantia integral contra defeitos de
projeto, fabricação, instalação e desempenho inadequado, conforme o item
5.6.7 do Termo de Referência.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
SEÇÃO IX – ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE SERVIÇOS DE INSTALAÇÃO
PARA INFRAESTRUTURA DE TRANSFORMADORES
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
1.
OBJETIVO
1.1
Esta seção tem por objetivo especificar os serviços de instalação e
integração dos transformadores a serem instalados para alimentar em baixa
tensão as estações de telecomunicações.
2.
ESPECIFICAÇÕES DE TRANSFORMADORES
2.1
Instalação em estações de telecomunicações para rebaixamento de tensão
primária para tensão secundária.
2.1.1
Normas Específicas:
2.1.1.1
NBR 5356 – Transformadores de potência
3.
INSTALAÇÃO
3.1
A CONTRATADA deverá instalar poste através de escavação manual ou
mecânica e acentamento, inclusive chumbação e estaiamento, quando
necessário.
3.2
Deverá também prever a instalação dos equipamentos de proteção e
medição, com a execução do aterramento do conjunto e ligação do conjunto
à rede de distribuição de energia e teste do conjunto.
3.3
Todos os serviços deverão ser de acordo com as especificações da
concessionária local.
4.
PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA
4.1.
A CONTRATADA deverá seguir as normas e orientações sobre segurança
na operação de equipamentos energizados.
4.2.
Na instalação é importante que todas as pessoas envolvidas na instalação,
operação ou manipulação dos equipamentos possua treinamento de acordo
com a norma regulamentadora NR10.
4.3.
A CONTRATADA é responsável por todo e qualquer acidente de trabalho
que ocorra durante a instalação do contêiner.
4.4.
Os equipamentos deverão ser manipulados por técnicos capacitados para
tal. No interior dos equipamentos existem componentes que operam com
tensões elevadas de até 500 V e também capacitores que armazenam
energia e que podem apresentar tensões perigosas mesmo depois da
alimentação AC ser desligada.
4.5.
A instalação dos equipamentos será conforme normas e padrões prédefinidos e devem sempre seguir as recomendações existentes nos
respectivos manuais dos fabricantes.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.
FERRAMENTAS DE INSTALAÇÃO
5.1.
Deverão ser utilizadas somente ferramentas isoladas e próprias para
instalação de equipamentos de telecomunicações.
6.
VERIFICAÇÃO
6.1.
A CONTRATADA deverá executar os seguintes procedimentos:
6.1.1.
Realizar verificação inicial antes de ligar o sistema.
6.1.2.
Ligar o sistema com a carga desconectada.
6.1.3.
Assegurar que a instalação do sistema está correta, na polaridade de todas
as conexões. Todos os cabeamentos e bornes estão seguramente presos,
sem folgas
6.1.4.
Nenhuma parte metálica possibilitando curto-circuito.
6.1.5.
Cabos de entrada CA e fio terra estão terminados.
6.1.6.
Verificar se os cabos de entrada CA estão conectados corretamente nos
terminais CA.
6.1.7.
Verificar que os cabos de entrada CA e os fusíveis CA externos estão
dimensionados corretamente.
6.1.8.
Verificar que o terra CA está com terminal, e eletricamente conectado a
barra terra.
6.1.9.
É de responsabilidade da CONTRATADA a verificação da integridade da
embalagem.
6.2.
Documentação Técnica:
6.3.
A PROPONENTE deverá apresentar no ato da instalação a seguinte
documentação técnica:
6.3.1.
Protocolos de ensaios de realizados em unidades similares, a saber:
6.3.1.1.
Elevação de temperatura;
6.3.1.2.
Impulso atmosférico;
6.3.1.3.
Descargas parciais;
6.3.1.4.
Nível de ruído;
6.3.1.5.
Croqui dimensional;
6.3.1.6.
Esquema do circuito de proteção térmica; e
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
6.3.1.7.
Esquema de pintura.
6.3.2.
Após a liberação do transformador, pelo corpo técnico da CONTRATANTE,
a mesma deverá enviar.
6.3.2.1.
Protocolos de ensaios.
6.3.2.2.
Manual de Operação e Manutenção.
6.3.2.3.
Certificado de Garantia.
6.4.
Homologação:
6.4.1.
O transformador a ser adquirido deverá ser de fabricante homologado pela
Concessionária Local. Antes da compra do equipamento, deverá ser
providenciado parecer desta, dando aceite no equipamento.
6.4.2.
A CONTRATADA deverá atender todos os requisitos da Concessionária
Local para a instalação do transformador, pois estará sujeito à aprovação da
referida Concessionária.
6.4.3.
Deverão ser fornecidos todos os laudos técnicos solicitados pela
Concessionária Local
6.4.4.
A CONTRATADA deverá prever todos os serviços necessários a instalação
com todos os acessórios e materiais, bem como os não expressamente
mencionados nesta Especificação, mas, necessários ao perfeito
funcionamento do equipamento.
7.
IDENTIFICAÇÕES
7.1.
Externamente à unidade deve ser afixada, por processo eficiente, plaqueta
de identificação do equipamento, confeccionada em material não
deteriorável e de boa resistência mecânica, contendo os seguintes dados:
7.1.1.
Número de série de fabricação.
7.1.2.
Mês / ano de fabricação.
7.1.3.
Código / modelo do fabricante.
7.2.
Na estrutura de cada transformador deve constar a placa de identificação
exigida pela ANATEL.
8.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA
8.1.
A CONTRATADA deverá entregar toda a documentação técnica
complementar, contendo os serviços executados, de acordo com as
especificações técnicas adotadas.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
8.2.
Deverão ser entregues todos os relatórios de testes emitidos após a
instalação.
9.
RESPONSABILIDADE
9.1.
A CONTRATADA assumirá integral responsabilidade pela boa execução e
eficiência dos serviços que executar, de acordo com os projetos e
especificações técnicas fornecidas.
10.
CONTROLE DE QUALIDADE
10.1.
A CONTRATADA deverá apresentar Certificados de homologação da
ANATEL.
11.
CERTIFICADOS E GARANTIAS
11.1.
Os equipamentos e materiais deverão ter garantia integral contra defeitos de
projeto, fabricação, instalação e desempenho inadequado, conforme o item
5.6.7 do Termo de Referência
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
SEÇÃO X – ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE SERVIÇOS DE INSTALAÇÃO
DE INFRAESTRUTURA PARA GABINETES OUTDOOR EQUIPADOS
COM SISTEMA DE RETIFICADORES 300 A/-48V
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
1.
OBJETIVO
1.1
Esta seção tem por objetivo especificar os serviços de instalação e
integração dos gabinetes outdoor a serem contratados para as estações de
telecomunicações.
2.
CARACTERÍSTICAS GERAIS DE INSTALAÇÃO
2.1
A CONTRATADA deverá organizar o local de instalação e considerar as
distâncias mínimas para acesso ao gabinete conforme manual do fabricante.
2.2
A base deve ser nivelada capaz de suportar o peso total gabinete incluindo
todos os equipamentos e baterias.
2.3
A CONTRATADA deverá fornecer ferramentas isoladas e próprias para
instalação de equipamentos de telecomunicações.
2.4
No ato da instalação a CONTRATADA deverá verificar se todas as partes
foram entregues, se o gabinete está correto, documentação, baterias,
gabinetes e etc.
2.5
Deverão ser inspecionados todos os equipamentos para verificar se existem
defeitos físicos, caso haja a CONTRATADA deverá informar imediatamente
a CONTRATANTE.
2.6
Posicionar e prender o gabinete:
2.6.1
A CONTRATADA deverá ajustar os pés com niveladores se necessário.
Caso o gabinete tenha a necessidade de ser fixado ao chão, os pés deverão
ser desparafusados e utilizados parafusos apropriados para prendê-lo. É
indispensável seguir as orientações de fixação descritas no manual do
fabricante.
2.7
No momento da instalação o sistema elétrico deverá estar completamente
livre de tensão (desligado).
2.8
Deverá desligar a chave ou remova todos os fusíveis e/ou disjuntores de
carga, fusíveis e/ou disjuntores de bateria e os fusíveis e/ou disjuntores CA.
2.9
Conexões CA:
2.9.1
Os terminais CA deverão estar conectados corretamente e configurados
para a alimentação CA externa, caso contrário deverão ser reconfigurados
novamente.
2.9.2
O fio terra CA deverá ser conectado no borne de entrada terra.
2.9.3
A barra de terra deverá ser utilizada para aterramento do gabinete.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
2.9.4
A CONTRATADA deverá certifique-se que a ligação entre os cabos e os
bornes estão correspondendo com suas identificações e documentação
elétricas.
2.10
Conexões CC Circuitos de Carga.
2.10.1
Terminais de terra CC, verifique que o barramento de saída comum CC (0V)
está conectado ao terra.
2.10.2
Para cada carga CC, conecte um dos cabos para o barramento de saída CC
comum, e a outra ponta diretamente ao disjuntor ou fusível de carga.
2.11
Conexões CC Alarme & Circuitos de Sinal.
2.11.1
Os cabos do circuito CC de alarme deverão ser ligados aos terminais do relé
de alarme.
2.11.2
Os cabos do circuito CC deverão ser ligadas aos terminais de entrada e
saída digital.
2.12
Conexões CC Cabos de Bateria:
2.12.1
Deverá ser utilizada a polaridade correta para cada bandeja de baterias.
2.12.2
Deverão ser ligados os blocos de bateria em série.
2.12.3
Os cabos de bateria deverão ser ligados nos fusível/disjuntores e
barramento CC comum, e nos terminais exteriores das bandejas: (+), (-).
2.12.4
O cabo do sensor de temperatura das baterias deverá ser conectado ao
sensor da fonte de CC e ao sensor de temperatura que será instalado no
centro do banco de bateria.
3.
INSTALAÇÃO
3.1
A CONTRATADA deverá montar o sistema em gabineteo.
3.2
Deverá usar equipamentos adequados para transportar e instalar os
gabinetes.
3.3
Os sistemas de retificadores deverão ser instalado em subrack, dentro dos
gabinetes Outdoor.
3.4
Os sistemas de retificadores deverão ser instalados em racks no padrão
19‟‟.
4.
PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA
4.1.
A CONTRATADA deverá seguir as normas e orientações sobre segurança
na operação de equipamentos energizados.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
4.2.
Na instalação é importante que todas as pessoas envolvidas na instalação,
operação ou manipulação dos equipamentos possua treinamento de acordo
com a norma regulamentadora NR10.
4.3.
A CONTRATADA é responsável por todo e qualquer acidente de trabalho
que ocorra durante a instalação do contêiner.
4.4.
Os equipamentos deverão ser manipulados por técnicos capacitados para
tal. No interior dos equipamentos existem componentes que operam com
tensões elevadas de até 500 V e também capacitores que armazenam
energia e que podem apresentar tensões perigosas mesmo depois da
alimentação AC ser desligada.
4.5.
A instalação dos equipamentos será conforme normas e padrões prédefinidos e devem sempre seguir as recomendações existentes nos
respectivos manuais dos fabricantes.
5.
MONTAR AS BATERIAS NAS BANDEJAS
5.1.
Todas as informações necessárias para a montagem das baterias estão
descritas na Seção V desse ANEXO.
6.
INSTALAÇÃO ELÉTRICA
6.1.
A CONTRATADA deverá verificar os seguintes itens:
6.1.1.
Realizar vistoria em todo o sistema antes de ligar.
6.1.2.
Ligar o sistema com a carga desconectada e ajustar a tensão de saída.
6.1.3.
Ajustar a tensão nominal de saída com as baterias e carga conectadas.
6.1.4.
Antes de ligar o sistema, verifique o seguinte:
6.1.4.1.
Instalação do sistema está completa.
6.1.4.2.
Assegurar que a instalação do sistema está correta, na polaridade de todas
as conexões. Todos os cabeamentos e bornes estão seguramente presos,
sem folgas.
6.1.4.3.
Verificar se a identificação de todos os componentes, blocos de terminais,
fusíveis, etc está clara.
6.1.4.4.
Certificar de que nenhuma parte metálica está possibilitando curto-circuito.
6.1.4.5.
Bateria e fusíveis de carga estão desconectados.
6.1.4.6.
Verifique que todas as baterias e fusíveis de carga estão desligados ou
removidos.
6.1.4.7.
Cabos de entrada CA e fio terra estão terminados.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
6.1.4.8.
Certificar que os cabos de entrada CA estão conectados corretamente nos
terminais CA.
6.1.4.9.
Verificar se os cabos de entrada CA e os fusíveis CA externos estão
dimensionados corretamente.
6.1.4.10.
Verificar se o terra CA está com terminal, e eletricamente conectado a barra
terra.
6.2.
Ter conhecimento
documentos.
7.
VERIFICAÇÃO
7.1.
Realizar verificação inicial antes de ligar o sistema.
7.2.
Ligar o sistema com a carga desconectada.
7.3.
Ajustar a tensão de saída.
7.4.
Ajustar a tensão nominal de saída com as baterias e carga conectadas
7.5.
Deverão ser verificados os seguintes itens:
7.5.1.
Instalação completa do sistema.
7.5.2.
Assegurar que a instalação do sistema está correta, na polaridade de todas
as conexões.
7.5.3.
Todos os cabeamentos e bornes estão seguramente presos, sem folgas.
7.5.4.
Todos os componentes, blocos de terminais, fusíveis e etc,. deverão estar
claramente identificados
7.5.5.
Não existe parte metálica possibilitando curto-circuito.
7.5.6.
Bateria e fusíveis de carga estão desconectados.
7.5.7.
As baterias e fusíveis de carga estão desligados ou removidos.
7.5.8.
Cabos de entrada CA e fio terra estão terminados.
7.5.9.
Os cabos de entrada CA estão conectados corretamente nos terminais CA.
7.5.10.
Os cabos de entrada CA e os fusíveis CA externos estão dimensionados
corretamente.
7.5.11.
O terra CA está com terminal, e eletricamente conectado a barra terra.
7.5.12.
Os parâmetros e os ajustes específicos do local são conhecidos.
7.5.13.
As especificações do fabricante, desenhos e documentos deverão ser
conhecidos dos técnicos.
das
especificações
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
do
fabricante,
desenhos
e
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
7.5.14.
Verificar o desligamento da alimentação CA e todos os disjuntores e
fusíveis.
8.
ENTRADA
CA
PARA
CONDICIONADORES DE AR.
8.1.
Os cabos da rede de alimentação CA deverão ser conectados aos bornes
conforme manual do fabricante.
8.2.
Verificar a posição de desligado do disjuntor geral e a retirada dos fusíveis
do Quadro de Alimentação principal.
9.
ATERRAMENTO
9.1.
Verificar se o sistema possui barra para aterramento.
9.2.
Verificar no desenho mecânico a sua localização e fazer o aterramento do
equipamento, garantindo o mesmo potencial de aterramento na estação.
9.3.
Utilizar a barra de aterramento para conectar o gabinete outdoor ao
aterramento da estação.
9.4.
Utilizar sempre cabos e terminais com certificação conforme Norma
NBR5410 – Instalações Elétricas de Baixa Tensão.
10.
ENTRADA E DISTRIBUIÇÃO CC
10.1.
As distribuições de carga de consumidores (UDCs) do sistema
disponibilizam disjuntores para conexões dos negativos das cargas,
capacidades vide diagrama elétrico.
10.2.
Cada fusível ou disjuntor é monitorado através de um fio de alarme que leva
em caso de queima ou desarme do disjuntor a informação de alarme para
uma placa que monitora, e o disponibiliza na borneira de alarme, verifique a
documentação elétrica.
10.3.
Os positivos das cargas deverão ser conectados na barra comum 0V,
verificar sua localização no desenho mecânico do Sistema.
10.4.
Ao realizar a conexão do cabo negativo da carga no fusível ou disjuntor não
retire o fio de alarme, verifique se ambos estão bem conectados para
garantir a informação de alarme em caso de queima do fusível ou desarme
do disjuntor.
10.5.
Verifique no desenho mecânico a posição de entrada da alimentação
10.6.
Consulte os desenhos mecânicos e elétricos do sistema, anexo à
documentação do sistema ou no CD Manuais do fabricante.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
ALIMENTAÇÃO
DOS
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
10.7.
Para o dimensionamento dos cabos de entrada CC, é necessário se obter o
consumo de todos os equipamentos, que serão instalados e alimentados
através da distribuição CC do gabinete.
10.8.
Utilize sempre cabos e terminais com certificação conforme Norma
NBR5410 – Instalações Elétricas de Baixa Tensão.
11.
UNIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE BATERIAS (UDB)
11.1.
A unidade de distribuição de bateria possui disjuntor para conexão dos
negativo do banco de baterias, capacidades vide diagrama elétrico no
manual do fabricante.
11.2.
A unidade de distribuição de baterias também possui em cada disjuntor o
monitoramento através de um fio de alarme que leva em caso de desarme
sinal para a borneira de alarme.
11.3.
Os positivos do banco de bateria deve ser conectado na barra comum 0V.
Verificar localização no desenho mecânico do Sistema.
11.4.
Utilize sempre cabos e terminais com certificação conforme Norma
NBR5410 – Instalações Elétricas de Baixa Tensão.
12.
IÇAMENTO E FIXAÇÃO
12.1.
O sistema é montado em um gabinete auto suportado. Como os gabinetes
são pesados, tenha cuidado ao desembalar reduzindo assim o risco de
danificar o equipamento. Utilize equipamento adequado para transportar o
gabinete.
13.
IDENTIFICAÇÃO
13.1.
Todos os painéis, componentes, fiação interna, tomadas e interruptores
deverão ser identificados conforme padrão a ser definido pela
CONTRATANTE.
14.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA
14.1.
A CONTRATADA deverá entregar, antes de iniciar as instalações e
integrações, as especificações técnicas adotadas, e os procedimentos para
aprovação prévia.
14.2.
Devem ser encaminhados para aprovação os seguintes documentos
técnicos em dwg, padrão AutoCAD:
14.2.1.
Projetos (plantas, vistas e cortes).
14.2.2.
Projeto de Iluminação e Tomadas.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
14.2.3.
Esquema unifilar, trifilar, funcional, ligação e interligação de equipamentos e
quadros.
14.3.
Após a instalação do contêiner a CONTRATADA deverá fornecer o “As Built”
do projeto mencionado acima em meios magnéticos em dwg, padrão
AutoCAD e impressos.
14.4.
Lista de material dos componentes utilizados, mencionando claramente o
fabricante e o tipo.
14.5.
Catálogos com literatura técnica de todos os componentes.
14.6.
Lista de componentes sobressalentes.
14.7.
Memória de cálculo dos projetos.
14.8.
Plantas do gabinete mostrando tubulações, eletrocalhas, etc.
14.9.
Lista de material dos componentes utilizados, mencionando claramente o
fabricante e o tipo.
14.10.
Catálogos com literatura técnica de todos os componentes
14.11.
Os manuais e a documentação técnica aplicável, deverão ser apresentados
quando da entrega do gabinete.
15.
RESPONSABILIDADE
15.1.
A CONTRATADA assumirá integral responsabilidade pela boa execução e
eficiência dos serviços que executar, de acordo com os projetos e
especificações
15.2.
O CONTRATADA assumirá integral responsabilidade pela boa execução e
eficiência dos serviços que executar, de acordo com os projetos e
especificações técnicas fornecidas.
15.3.
Por tal garantia, entende-se a obrigatoriedade de substituir todos os
componentes que, comprovadamente, apresentem defeito de fabricação ou
montagem.
16.
CERTIFICADOS E GARANTIAS
16.1.
Os serviços deverão ter garantia integral da instalação e desempenho
conforme o item 5.6.7 do Termo de Referência.
16.2.
Deverá também ser fornecida a documentação completa do contêiner com
todos os projetos, manuais técnicos de operação e manutenção, instruções
para içamento, bem como de todos os equipamentos que fazem parte da
integração, com os seus respectivos certificados de garantia. A
documentação deverá ser entregue encadernada no formato A4.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
SEÇÃO XI– ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE SERVIÇOS DE INSTALAÇÃO
PARA INFRAESTRUTURA DE GRUPO MOTO GERADOR 45-75-105
KVA
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
1.
INTRODUÇÃO
1.1
Esta seção tem por objetivo especificar os serviços de instalação e
integração dos GMGS a serem contratados para alimentar as estações de
telecomunicações em caso de falta de energia.
2.
INSTALAÇÃO ELÉTRICA
2.1.
A CONTRATADA deverá certificar-se que o sistema está completamente
livre de tensão.
2.2.
Verificar a configuração CA:
2.2.1.
Os terminais CA estão conectados corretamente e configurados para a
alimentação CA externa, caso contrário reconfigure os terminais.
2.2.2.
Conecte o fio terra CA no borne de entrada terra.
2.3.
Utilizar a barra de terra para aterramento do GMG.
2.4.
Conectar os cabos de entrada CA nos bornes e certificar que a ligação entre
os cabos e os bornes está correspondendo com suas identificações e
documentação elétrica.
3.
VERIFICAÇÃO
3.1.
Ligue o sistema com a carga desconectada; ajuste a tensão de saída.
3.2.
Ajuste a tensão nominal de saída com a carga não conectada.
3.3.
Antes de ligar o sistema, verifique o seguinte:
3.3.1.
Instalação do sistema está completa
3.3.2.
Assegurar que a instalação do sistema está correta, na polaridade de todas
as conexões. Todos os cabeamentos e bornes estão seguramente presos,
sem folgas
3.3.3.
Todos os componentes, blocos de terminais, fusíveis, etc. Estão claramente
identificados
3.3.4.
Nenhuma parte metálica possibilitando curto-circuito
3.3.5.
Cabos de entrada CA e fio terra estão terminados.
4.
ATERRAMENTO
4.1.
A CONTRATADA deverá verificar se o sistema possui barra para
aterramento e fazer a interligação do aterramento do equipamento,
garantindo o mesmo potencial de aterramento da estação
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
4.2.
Deverá ser apenas utilizado cabos e terminais com certificação conforme
Norma NBR5410 – Instalações Elétricas de Baixa Tensão
5.
IÇAMENTO E FIXAÇÃO
5.1.
O sistema GMG deverá ser enviado com embalagem apropriada de alta
resistência e fixado em palete de madeira.
5.2.
O sistema deverá ser montado em um gabinete auto suportado.
5.3.
Deverão existir quatro olhais de içamento, sendo um em cada lado do GMG.
6.
IDENTIFICAÇÃO
6.1.
Todos os painéis, componentes, fiação interna, tomadas e interruptores
deverão ser identificados conforme padrão a ser definido pela
CONTRATANTE.
7.
TESTES
7.1
Partida e parada automática.
7.2
Parada Automática na condição de falha através de solenóide.
7.3
Display, tipo LCD de ícones gráficos.
7.4
Configurável por PC usando software à base de MS-Windows e/ou Linux.
7.5
Disponibiliza instrumentação do motor.
7.6
Disponibiliza a instrumentação de rendimento do gerador.
7.7
Oferece instrumentações do status e alarme.
7.8
Operação simples controlada por interruptor seletor.
7.9
Entrada para partida remota externa.
7.10
Indicação de alarme LED e LCD.
7.11
Ciclos/tentativas de partidas ajustáveis.
7.12
Quatro canais programáveis para proteção ou alarmes.
7.13
Botão de emergência, para corte imediato.
7.14
Proteções e Alarmes.
7.15
Painel composto de proteções padrão e outras habilitáveis, conforme a
aplicação.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
7.16
Deverá permitir a mudança via PC da programação, aumentando o nível de
proteção:
7.16.1
Proteção para alta temperatura do líquido de resfriamento.
7.16.2
Proteção para baixa pressão de óleo.
7.16.3
Proteção por sobrevelocidade.
7.16.4
Proteção para falha de partida.
7.16.5
Indicação de parada de emergência.
7.16.6
Proteção por sub e sobre-tensão
7.17
Testes do Sistema:
7.17.1
Após o término dos serviços deverá ser testados e ter seu desempenho
comprovado pela CONTRATANTE. Ao final da obra todos os equipamentos,
instalações fornecidas e locais de trabalhos devem estar limpos.
8.
PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA
8.1.
A CONTRATADA deverá também seguir as normas e orientações sobre
segurança na operação de equipamentos energizados. No caso é
importante que todas as pessoas envolvidas na instalação, operação ou
manipulação dos equipamentos possuam treinamento de acordo com a
norma regulamentadora NR10
8.2.
A CONTRATADA é responsável por todo e qualquer acidente de trabalho
que ocorra durante a instalação do contêiner.
8.3.
Os equipamentos deverão ser manipulados por técnicos capacitados para
tal.
8.4.
A instalação dos equipamentos será conforme normas e padrões prédefinidos e devem sempre seguir as recomendações existentes nos
respectivos manuais dos fabricantes.
9.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA
9.1.
A CONTRATADA deverá entregar, antes de iniciar as instalações as
especificações técnicas adotadas, e os procedimentos para aprovação
prévia.
9.2.
Lista de material dos componentes utilizados, mencionando claramente o
fabricante e o tipo.
9.3.
Catálogos com literatura técnica de todos os componentes.
9.4.
Lista de componentes sobressalentes a ser mantida pela CONTRATANTE.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
10.
CERTIFICADOS DE GARANTIA
10.1.
Os serviços deverão ter garantia integral da instalação e desempenho
conforme o item 5.6.7 do Termo de Referência.
10.2.
Deverá também ser fornecida a documentação completa do GMG com todos
os projetos, manuais técnicos de operação e manutenção, instruções para
içamento, bem como de todos os equipamentos que fazem parte da
integração, com os seus respectivos certificados de garantia. A
documentação deverá ser entregue encadernada no formato A4
10.3.
A CONTRATADA assumirá integral responsabilidade pela boa execução e
eficiência dos serviços que executar, de acordo com os projetos e
especificações técnicas fornecidas.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
SEÇÃO XII– ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE SERVIÇOS PARA
INFRAESTRUTURA DE SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
1.
INTRODUÇÃO
1.1
Esta seção tem por objetivo especificar os serviços de instalação dos
sistemas de controle de acesso as estações de telecomunicações.
2.
IDENTIFICAÇÃO
2.1
Todos os painéis, componentes, fiação interna, tomadas e interruptores
deverão ser identificados conforme padrão a ser definido pela
CONTRATANTE.
3.
INSTALAÇÃO
3.1
Deverá ser instalado o software de operação do sistema de Controle de
Acesso em PC, plataforma livre.
3.2
Deverá ser instalada a leitora de Cartão de Proximidade.
3.2.1
Deverão ser instalados Fechos Eletromagnéticos (eletroímãs), que serão
usados para travamento de portas, deverão ser controlados diretamente
pelas controladoras de acesso.
3.3
Deverá ser instalado o Sensor Magnético de Porta.
3.3.1
Instalar dispositivo de Retorno Automático de Porta, do tipo “mola de
retorno” que garanta o fechamento da porta após sua abertura causada por
um acesso autorizado, a ser instalado em portas que não possuam esta
característica. O objetivo deste dispositivo é o de evitar falsos alarmes de
porta aberta indevidamente, por falha no seu fechamento.
3.4
Instalar o acionador de Cargas.
3.5
As instalações devem seguir o manual do fabricante do sistema e ser
configurado conforme orientação do CONTRATANTE.
4.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA
4.1.
Os projetos e a documentação técnica aplicáveis deverão ser apresentados
quando da entrega da proposta.
4.2.
A CONTRATADA deverá entregar, antes de iniciar as instalações e
integrações as especificações técnicas adotadas, e os procedimentos para
aprovação prévia.
4.3.
Devem ser encaminhados para aprovação os seguintes documentos
técnicos:
4.4.
Projetos (plantas, vistas e cortes);
4.5.
Lista de material dos componentes utilizados, mencionando claramente o
fabricante e o tipo;
4.6.
Catálogos com literatura técnica de todos os componentes;
4.7.
Lista de componentes sobressalentes a ser mantida pela CONTRATANTE;
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
5.
CERTIFICADOS DE GARANTIA
5.1.
Os serviços deverão ter garantia integral contra defeitos de projeto,
fabricação, instalação e desempenho inadequado, conforme o item 5.67 do
Termo de Referência.
5.2.
A CONTRATADA deverá fornecer equipamentos com certificado de
homologação na ANATEL.
5.3.
Os certificados aceitos, em caso de equipamentos cuja homologação não
seja compulsória pela Anatel, serão aqueles emitidos por organizações
designadas pela ANATEL.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
SEÇÃO XIII– ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE SERVIÇOS PARA
INFRAESTRUTURA DE SISTEMA DE CFTV
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
1.
OBJETIVO
1.1
Esta seção tem por objetivo especificar os serviços de instalação do sistema
de CFTV para controlar o acesso as estações de telecomunicações.
2.
INSTALAÇÃO
2.1.
Deverão ser instaladas câmeras de vídeo nos pontos definidos, para cada
instalação, para visualização da entrada, saída e/ou circulação interna de
pessoas bem como no pátio interno da ESTAÇÃO.
2.2.
As câmeras fixas de vídeo serão coloridas e de alta resolução.
2.3.
Deverão ser instalados suporte para Câmera fixa
2.4.
O suporte será utilizado para a fixação da câmera no local desejado,
devendo ter as seguintes características mínimas:
2.5.
Deverá ser configurada a monitoração remota para possibilitar a verificação
e apresentação das imagens emitidas através das câmeras de vídeo
instaladas nos ambientes.
2.6.
Deverá ser fornecido rack de parede para abrigar a Unidade e seus
acessórios;
2.7.
Deverá ser configurado a capacidade de sinalização simultânea de no
mínimo 8 imagens nos monitores das Estações de Operação;
2.8.
Deverá ser configurado o envio de mensagens automáticas por e-mail ou
pager em caso de identificação de alarmes;
2.9.
Deverá ser configurado o disparo de gravação de imagens por vídeo
detecção de movimento (detecção de mudança da imagem visualizada por
alteração de parâmetros internos do software de controle, não dependendo
de dispositivos externos como sensores e comandos diversos)
2.10.
Possibilitar o aperfeiçoamento das imagens digitais através da magnificação
ou zoom das imagens gravadas ou ao vivo;
2.11.
Possibilitar a gravação e verificação das imagens, consistentes e
transparentes, provenientes das unidades integradas de transmissão das
imagens;
2.12.
Possibilitar a investigação de imagens gravadas, em ordem de ano, mês,
dia, hora e minuto de todos os eventos e imagens pré-gravadas, tanto no
disco rígido do PC, como nas unidades integradas de transmissão de
imagens;
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
2.13.
Estabelecer a programação horária automática, possibilitando a vigilância e
monitoramento automático em horários pré-determinados, nos dias de
semana, finais de semana e feriados;
2.14.
Efetuar liga/desliga de alarmes automaticamente;
2.15.
Disponibilizar ao operador do sistema a função „help’, com instruções
sucintas sobre procedimentos de operação do software e no caso de
alarmes, estabelece instruções ao operador;
2.16.
Gerar relatórios de alarmes;
2.16.1.
Possibilitar o endereçamento dos equipamentos (câmera, unidades
integradas de transmissão de imagens, dispositivos externos de alarmes,
etc.).
3.
IDENTIFICAÇÃO
3.1.
Todos os painéis, componentes, fiação interna, tomadas e interruptores
deverão ser identificados conforme padrão a ser definido pela
CONTRATANTE.
4.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA
4.1.
Os projetos e a documentação técnica aplicáveis deverão ser apresentados
quando da entrega da proposta.
4.2.
A CONTRATADA deverá entregar, antes de iniciar as instalações e
integrações as especificações técnicas adotadas, e os procedimentos para
aprovação prévia.
4.3.
Devem ser encaminhados para aprovação os seguintes documentos
técnicos:
4.4.
Projetos (plantas, vistas e cortes);
4.5.
Lista de material dos componentes utilizados, mencionando claramente o
fabricante e o tipo;
4.6.
Catálogos com literatura técnica de todos os componentes;
4.7.
Lista de componentes sobressalentes a ser mantida pela CONTRATANTE.
5.
CERTIFICADOS DE GARANTIAS
5.1.
Os serviços deverão ter garantia integral contra defeitos de projeto,
fabricação, instalação e desempenho inadequado, conforme o item 5.6.7 do
Termo de Referência.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
SEÇÃO XIV– ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE SERVIÇOS PARA
INFRAESTRUTURA DE SISTEMAS DE TELEMETRIA E CONTROLE
REMOTOS
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
1.
OBJETIVO
1.1
Esta seção tem por objetivo especificar os serviços de instalação e
integração dos sistemas de telemetria e controle remotos das estações de
telecomunicação
2.
VERIFICAÇÃO
2.1.
A CONTRATADA é responsável pela remoção da embalagem e verificar o
equipamento.
2.2.
Verificar se todas as partes foram entregues, se o sistema está correto, com
suas documentações pertinentes.
Inspecione o equipamento verificando defeitos físicos (avise sobre qualquer
defeito).
2.3.
A remota deverá ser configurada para o telesupervisionamento e controle
de um grande número de parâmetros de infraestrutura, enlaces de rádio,
máquinas de ar-condicionado, sensores de temperatura e presença, bem
como a segurança do local onde os equipamentos estão instalados.
2.4.
Deverá ser configurada para operar com os mais variados meios de
comunicação como linhas fixas, linhas celulares (GSM, CDMA e TDMA),
redes TCP/IP, rádio modem, rádio Ethernet.
2.5.
A unidade remota deverá possuir memória interna para registro com
intervalo de tempo programado, de todos os parâmetros das entradas
digitais, analógicas e telecomandos. Estas informações serão usadas para a
criação de um “data logger” para comprovação da performance dos pontos
monitorados.
2.6.
A remota deverá oferecer recursos de controle dos diagnósticos de
hardware e software, monitoramento e programação de parâmetros críticos,
notificação de alarmes, registro de alarmes na própria unidade remota sem
perdas mesmo após desligamento, programação de desconexões de
chamadas para linhas fixas e celulares.
3.
IDENTIFICAÇÃO
3.1.
Todos os painéis, componentes, fiação interna, tomadas e interruptores
deverão ser identificados conforme padrão a ser definido pela
CONTRATANTE.
4.
DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA
4.1.
Devem ser encaminhados para aprovação os seguintes documentos
técnicos:
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
4.2.
Projetos (plantas, vistas e cortes).
4.3.
Lista de material dos componentes utilizados, mencionando claramente o
fabricante e o tipo.
4.4.
Catálogos com literatura técnica de todos os componentes.
4.5.
Lista de componentes sobressalentes a ser mantida pela CONTRATANTE.
5.
CERTIFICADOS DE GARANTIAS
5.1
Os materiais e equipamentos deverão ter garantia integral contra defeitos de
projeto, fabricação, instalação e desempenho inadequado, conforme o item
5.6.7 do Termo de Referência.
5.2
A CONTRATADA deverá fornecer equipamentos com certificado de
homologação na ANATEL.
5.3
Os certificados aceitos, em caso de equipamentos cuja homologação não
seja compulsória pela Anatel, serão aqueles emitidos por organizações
designadas pela ANATEL.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
SEÇÃO XV – ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE SERVIÇOS PARA
INFRAESTRUTURA DE REDES DE FIBRAS ÓPTICAS
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
1.
OBJETIVO
1.1
Esta seção tem como objetivo apresentar o detalhamento e especificações
do conjunto de serviços necessários para a construção de infraestrutura de
redes ópticas no atendimento de cada modelo.
2.
DEFINIÇÕES GERAIS
2.1
Ao longo do backbone foram instaladas caixas de emenda para sangria, a
partir das quais serão derivadas fibras ópticas para atendimento das
estações.
2.2
Serão utilizados cabos de 24, 36 e/ou 48 de fibras ópticas subterrâneas e de
48 fibras ópticas aéreas, que levarão o sinal óptico da caixa de emenda
mais próxima até o Distribuidor Geral Óptico (DGO) localizado nas salas de
operação indicada pela CONTRATANTE e até a estação de
telecomunicação atendida.
2.3
Na parte externa, antes de chegar à estação a ser atendida, será utilizada
para passagens dos cabos rede subterrânea de dutos existente até a sala
de operação onde serão feitas fusões em DGOs. Em seguido o será lançado
outro cabo em rede subterrânea a ser construída pela CONTRATADA até a
estação.
2.4
Quando for necessário, a CONTRATADA fará a instalação de caixa de
emenda para a sangria no backbone. O cabo óptico será decapado
longitudinalmente e a caixa será fixada na torre de transmissão ou no local
indicado pela CONTRATANTE, de acordo com as normas vigentes de
compartilhamento que serão apresentadas no momento da execução dos
serviços.
2.5
Serão fornecidos, pela CONTRATADA, todos os acessórios e materiais
necessários para o serviço de instalação do cabo óptico desde a caixa de
derivação do backbone até a estação a ser atendida.
2.6
As especificações técnicas dos materiais utilizados na instalação dos
acessos estão descritos na seção XV do Anexo I.
2.7
Esquema de ligação das estações
2.7.1
Cada uma das estações deverá ser atendida por dois cabos de fibras
ópticas, ou seja, abordagem dupla com a quantidade de fibras a definir pela
CONTRATANTE. A CONTRATADA deverá construir a infraestrutura
necessária ao lançamento dos cabos ou lançá-los em redes existentes.
2.7.2
Os cabos ópticos serão lançados desde a caixa de sangria indicada pela
CONTRATANTE até a sala de operações em dupla abordagem por
caminhos diferente através de subdutos e canaletas existentes até os DGOs
de terminação do cabo.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
2.7.3
Partindo da sala de operações deverá ser lançado um novo cabo de fibras
ópticas, em rede subterrânea a ser construída até a estação de
telecomunicações instalada, conforme esquemático apresentado no item
5.41.10 do Termo de Referencia.
2.7.4
A localização do ponto de origem e destino das fibras serão determinados
pelo CONTRATANTE quando da solicitação do serviço.
2.7.5
Para a realização dos serviços nas áreas externas e internas da estação
abordada, a CONTRATADA deverá apresentar na PPI o caminho da fibra
óptica a ser lançada desde a caixa de emenda do backbone passando ao
longo do terreno até as suas terminações.
2.7.6
Deverá apresentar também no PPI a localização das caixas de passagem,
de emenda ou sangria e postes.
2.7.7
A CONTRATADA deverá apresentar junto com a PPI as localizações
georeferenciadas conforme descrito no item 6 desse ANEXO.
3.
SERVIÇOS DE IMPLANTAÇÃO
3.1
A CONTRATADA deverá considerar todas as reservas técnicas e
operacionais do cabo óptico para a construção das redes a serem
implantadas.
3.2
Serão fornecidos, pela CONTRATADA, todos os acessórios e materiais
necessários para o serviço de instalação do cabo óptico desde a caixa de
derivação do backbone até a estação a ser atendida.
3.3
Na parte externa (antes de chegar à estação a ser atendida), deverá ser
usada rede subterrânea de dutos existentes. Caso não haja rede subterrânea
existente a CONTRATADA executará a infraestrutura necessária para o
lançamento dos cabos.
3.4
Quando for necessário, a CONTRATADA fará a instalação de caixa de
emenda para a sangria ou continuidade no backbone, conforme
detalhamento no item 3.4.4 da Seção XV do Anexo I. Neste caso o cabo
óptico será decapado longitudinalmente e a caixa será fixada na torre de
transmissão ou no local indicado pela CONTRATANTE, de acordo com as
normas vigentes de compartilhamento que serão apresentadas no momento
da execução dos serviços.
3.5
Para cada acesso ou conjunto de acessos que deva ser atendido, a
CONTRATADA apresentará para a fiscalização dos parceiros um
cronograma de atividades na rede do mesmo que necessitem de
acompanhamento. Tal cronograma é necessário para agendar ou designar
junto às cedentes um fiscal para o acompanhamento das atividades.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
3.6
A CONTRATADA deverá prever em sua proposta todos os custos
associados à execução dos serviços e fornecimento dos materiais
especificados para a construção dos acessos.
3.7
Em todas as etapas da implantação devem ser seguidas as normas descritas
nos manuais técnico de cada parceiro e ou concessionária local. Também
devem ser obedecidas as normas e padrões da ANATEL e da ABNT
pertinentes ao tipo de serviço e à qualidade dos materiais aplicados nos
acessos.
3.8
As atividades nas redes das cedentes devem ser executadas por
profissionais devidamente habilitados, obedecendo a todos os requisitos de
segurança, tais como: uso de Equipamento de Proteção Individual – EPI,
Equipamento de Proteção Coletiva - ERP, entre outros, nos termos das
normas específicas sobre segurança em instalações elétricas. Qualquer
acidente que por ventura venha a ocorrer com os técnicos envolvidos na
instalação do cabo óptico será de única e exclusiva responsabilidade do
executante do serviço.
3.9
A CONTRATADA é responsável por todas as providências necessárias junto
aos parceiros para a realização do serviço de lançamento e fixação das
fibras ópticas nos seus dutos e postes a fim de atender cada um dos acessos
3.10
Nos acessos abordados, a CONTRATADA deverá executar a infraestrutura e
fornecimento de materiais necessários para condução do cabo óptico desde
as caixas de sangria do backbone mais próximas ao acesso abordado e
definido pela CONTRATANTE até o acesso da estação a ser contemplada
com a infraestrutura da rede óptica.
3.11
Devem ser efetuadas todas as identificações necessárias nos cabos ópticos
na rede aérea e ou subterrânea, bem como no interior das estações
abordadas e nas tampas das caixas subterrâneas, segundo as normas
estabelecidas.
3.12
A identificação do cabo em todo o percurso aérea e/ou subterrânea deverá
ser a cada 100,00 m na parte externa e 5,00 m na parte interna.
3.13
Serão fornecidos, pela CONTRATADA, todos os acessórios e materiais
necessários para o serviço de lançamento e instalação do cabo óptico na
parte interna e mediações externas dos acessos, inclusive para pequenas
obras civis, tais como recomposição de acabamentos em gesso, furação de
lajes, cortinas de concreto ou paredes, pintura de paredes, entre outros,
necessários à entrega da infraestrutura em estado igual, ou melhor, ao
encontrado originalmente em prédios e ou nas estações.
3.14
A CONTRATADA deverá entregar, após a instalação, o mapa de fusões
feitas nas caixas de sangria do backbone, nos DGOs instalados nas salas de
operação e nas estações indicando a rota com a numeração das fibras
utilizadas em cada cabo.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
3.15
Estações Abordadas
3.15.1
Infraestrutura Externa
3.15.1.1
A CONTRATADA deverá executar o lançamento do cabo óptico desde a
caixa de sangria do backbone mais próxima até a sala de operações
definida pela CONTRATANTE através de rede de dutos ou calhas
existentes.
3.15.1.2
Na rede subterrânea a ser construída entre a sala de operações até a
estação, a CONTRATADA deverá construir infraestrutura básica de redes
subterrânea e instalar caixas de passagem do (tipo R1) em intervalos de
aproximadamente 50,00 m. Os cabos devem ser acomodados em suporte
do tipo “J” que deve ser fixado na parede da caixa. As caixas servirão para
facilitar o lançamento dos cabos ópticos e acomodação das reservas
técnicas e operacionais. E do (tipo R2) para instalação de caixas de sangria
e ou continuidade do cabo, com todo o material necessário a instalação,
quando solicitado pela CONTRATANTE
3.15.1.3
A rede subterrânea deve ser construída através de abertura e fechamento
de vala em solo bruto (areia, terra, grama, solo asfáltico, etc), em método
destrutivo (MD) com 50,00 cm de largura e 80,00 cm de profundidade, com
cobertura de concreto magro para a proteção dos mesmos e para
lançamento de dutos ou subdutos.
3.15.1.4
Quando necessário e de acordo com as normas vigentes de
compartilhamento dos parceiros, a CONTRATADA deverá utilizar método
não destrutivo (MND) com perfuratriz horizontal de monitoramento pela
superfície, com todo material necessário incluso, inclusive tubo PEAD de 50
mm.
3.15.1.5
Os subdutos subterrâneos que serão lançados para a passagem dos cabos
ópticos, devem ser de polietileno de alta densidade coloridos (subdutos
quádruplos).
3.15.1.6
A CONTRATADA deverá, ainda, acessar a caixa de emenda de sangria do
backbone e efetuar todas as fusões e identificações necessárias nas fibras
ópticas para conexão das estações, de acordo com as normas e padrões de
qualidade exigidos para tal serviço. O acesso às caixas de sangria será feito
com o acompanhamento de um técnico indicado pelos parceiros e de acordo
com o cronograma pré-definido.
3.15.1.7
Quando necessário deverá ser feito abertura e recomposição de cortina em
concreto com HILT, impermeabilização com espuma HILT.
3.15.1.8
O mapa de fibras ópticas do backbone que serão utilizadas para cada
acesso, será disponibilizado pela CONTRATANTE no momento da
elaboração da PPI.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
3.15.1.9
Todo o caminho da fibra óptica, na rede subterrânea existente e a ser
construída e na rede aérea, deverá ser apresentado na PPI que indicará as
redes construídas e existentes utilizadas para a passagem do cabo.
3.15.2
Infraestrutura Interna
3.15.2.1
Na sala de operação a ser instalada os racks de 10 U e DGOs, a
CONTRATADA realizará todos os serviços de acabamento na chegada e
saída da infraestrutura de condução do cabo óptico.
3.15.2.2
As instalações internas deverão seguir as normas pertinentes para
cabeamento óptico estruturado e, em qualquer caso, a padronização e
orientação existente em cada estação abordada no acesso.
3.15.2.3
Para as terminações das fibras ópticas derivadas do backbone, deverá ser
instalado rack e DGOs nas sala de operação dos parceiros em local a ser
indicada pela CONTRATANTE.
3.15.2.4
A CONTRATADA lançará cabo de fibras ópticas da sala de operações até a
estação de telecomunicação a ser instalada. A terminação do cabo de fibra
óptica deverá ser feito nos DGOs instalados no bastidor da estação.
3.15.2.5
As especificações estão descritas na Seção XV do Anexo I.
3.15.2.6
A CONTRATADA deverá fornecer todos os serviços necessários à conexão
da fibra óptica no rack e DGO.
3.15.2.7
A CONTRATADA deverá ainda, identificar rack, DGO e portas do DGO com
a numeração de cada fibra óptica.
3.15.2.8
Serão fornecidos, pela CONTRATADA, todos os acessórios e materiais
necessários para o serviço de instalação do cabo óptico na parte interna.
4.
TESTES E MEDIÇÕES
4.1
Para garantir a qualidade dos cabos e serviços executados, a
CONTRATADA deverá executar os seguintes testes e medições nas fibras
ópticas prezando as especificações de qualidade descritas na Norma ABNT
NBR ISSO 9001/2008 Sistema de Gestão e Qualidade.
4.2
Os equipamentos utilizados para as medições e testes das fibras ópticas,
deverão possuir certificado de calibração emitido pelos órgãos competentes
dentro do prazo de validade.
4.2.1
Testes de OTDR: Executar testes de pré-lançamento para lances de cabo
acima de 1.000 (mil) metros para a verificação da continuidade e possíveis
avarias causadas na manipulação do cabo óptico antes do seu lançamento.
4.2.2
Certificações e testes de enlace:
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
4.2.2.1
Avaliar a integridade das fibras, verificar se há inversão de fibras, fibras
quebradas ou fibras trincadas e a atenuação causada por emendas,
conectores e pela distância e teste de potência óptica para verificar a
diferença da potência emitida e da recebida.
4.2.2.2
Todas as certificações deverão ser feitas entre os pontos finais de fusão,
quais sejam: o DGO instalado na estação de telecomunicação, denominado
ponto A, e o DGO instalado na próxima terminação do cabo óptico do
backbone, denominado ponto B para ambos os lados da rede.
4.2.2.3
Também deverá ser feito os testes no sentido inverso, ou seja, do ponto B
para o ponto A.
4.2.2.4
Todos os testes deverão ser feitos em todas as fibras conectadas ao DIO
nos dois sentidos, do ponto A para o ponto B e vice-versa.
4.2.2.5
Todos os testes deverão ser executados na janela 1310 nm e 1550 nm,
devendo ser gravados em mídia eletrônica, identificando perfeitamente o
número da fibra, a rota de A para B e a rota de B para A, data e hora em que
o teste foi executado, nome do técnico e endereço de cada ponto. Esses
dados devem ser apresentados em forma de relatório a fim de espelhar as
medidas efetuadas em campo de forma clara e concisa. Esses relatórios
devem ser entregues junto com o Projeto Definitivo de Implantação - PDI,
impressos e em mídia eletrônica, sempre após a conclusão dos testes,
medições e instalação da estão de telecomunicação.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
SEÇÃO XVI – ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS DE TREINAMENTO
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
1.
OBJETIVO
1.1
Esta seção tem como objetivo apresentar o detalhamento e especificações
do conjunto de serviços treinamento.
2.
DEFINIÇÕES GERAIS
2.1
O Programa Treinamento deverá ser reflexo do objeto especificado nesse
Termo de Referência, ou seja, deverão ser ministrados cursos relativos aos
equipamentos instalados e aos serviços de instalação, manutenção e
operação.
2.2
O Programa de Treinamento deverá ser elaborado considerando a
realização de cursos, com no mínimo os conteúdos abaixo e com carga
horária mínima condizente com sua ementa.
2.3
Operação e manutenção de equipamento GMG
2.3.1
Instalação, inspeção, operação e manutenção
2.3.2
Configuração e funcionamento
2.3.3
Monitoração dos equipamentos
2.3.4
Interpretação de alarmes
2.3.5
Testes e ajustes
2.3.6
Utilização de instrumentos de testes
2.4
Operação e manutenção de equipamento Sistema Retificador
2.4.1
Instalação, inspeção, operação e manutenção
2.4.2
Configuração e funcionamento
2.4.3
Monitoração dos equipamentos
2.4.4
Interpretação de alarmes
2.4.5
Testes e ajustes
2.4.6
Utilização de instrumentos de testes
2.5
Deverá ser previsto treinamento para grupos de 10 pessoas.
2.6
Os treinamentos devem ter duração mínima de 40 horas com pelo menos
30% de carga horária prática.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
2.7
Toda a documentação didática necessária aos cursos de treinamento
deverá ser provida pela CONTRATADA em português, impressos e em
mídia magnética.
2.8
Os cursos deverão ser realizados obrigatoriamente no Brasil e em
português, preferencialmente em Brasília, em local que possua todas as
facilidades para um perfeito desempenho das atividades especificadas no
Serviço de Treinamento.
2.9
Em caso de fornecimento de equipamentos fabricados no exterior, a
CONTRATADA deverá providenciar todo material necessário para ministrar
o treinamento, tanto na parte teórica quanto na prática de cada curso do
treinamento.
2.10
Todos os custos relativos ao deslocamento, passagens, estadia e
alimentação serão de responsabilidade da CONTRATADA, caso os cursos
sejam ministrados fora de Brasília.
2.11
A CONTRATADA deverá apresentar em até 5 (cinco) dias corridos, após a
assinatura do contrato, um Plano de Treinamento, com a indicação dos
cursos com os respectivos sumários, carga horária, informações de prérequisitos para aprovação da CONTRATANTE.
2.12
O cronograma para realização dos cursos será definido pela
CONTRATANTE em conjunto com a CONTRADADA, após a assinatura do
contrato.
2.13
Os tipos de cursos especificados nesse item deverão, em princípio, ser
realizados em etapas distintas, sem superposição de datas, de maneira à
permitirem a participação de uma mesma pessoa em mais de um desses
cursos.
2.14
O treinamento será um único ITEM, com as especificações mínimas
descritas acima, e poderá ser contratado conforme à necessidade da
CONTRATANTE.
2.15
Deverá ser apresentado adicionalmente, na PROPOSTA, o custo individual
para inclusão de mais participantes nos treinamentos. A CONTRATANTE
não será obrigada a contratar tal adicional. Este item deverá ter preço não
superior a 10% do preço do item do Serviço de Treinamento.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
SEÇÃO XVII – ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS OPERAÇÃO INICIAL
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
1.
OBJETIVO
1.1
Esta seção tem como objetivo apresentar o detalhamento e especificações
do conjunto de serviços operação inicial.
2.
DEFINIÇÕES GERAIS
2.1
O serviço de operação inicial consiste em disponibilizar serviços de
operação e manutenção, preventiva e corretiva, para as estações que irão
compor o a rede nacional de telecomunicações.
2.2
O Serviço de Operação Inicial terá a duração de 180 (cento e oitenta) dias, a
contar 15 (quinze) dias após a emissão da ORDEM DE SERVIÇO, sendo
que seu encerramento ficará condicionado a aprovação por parte da
CONTRATANTE.
2.3
A CONTRATADA deverá operar, monitorar e executar a manutenção,
preventiva e corretiva em todo objeto homologado, incluindo desde
monitoração ininterrupta, a qual deve ser realizada em regime 7 x 24, ou
seja 7 (sete) dias por semana e 24 (vinte e quarto) horas por dia, através da
gerência da rede até a realização de qualquer intervenção necessária, seja
para recuperação de serviço ou reparação de falhas, tanto nos
equipamentos e software como nos sistemas de gerência e administração,
sempre com supervisão e aprovação prévia da CONTRATANTE.
2.4
A qualidade do Serviço de Operação Inicial será avaliada pela
CONTRATANTE com base na correta execução dos procedimentos de
operação e manutenção, preventiva e corretiva, análise dos indicadores de
desempenho operacional e disponibilidade dos equipamentos.
2.5
A aceitação do Serviço de Operação Inicial está condicionada aos
resultados obtidos nos indicadores de desempenho.
2.6
O Serviço de Operação Inicial foi definido em 2 ITENS, conforme abaixo:
2.6.1
Serviço de Operação Inicial - lote de 10 estações: Serviço de operação e
manutenção para um lote inicial de 10 estações.
2.6.2
Serviço de Operação Inicial - estação individual: Serviço de operação e
manutenção a ser acrescentado quando da ativação de uma nova estação
junto à rede já em operação. Este item deverá ter preço não superior a 10%
do preço do item do Serviço de operação inicial do lote de 10 estações.
2.7
A CONTRATADA deverá realizar as atividades de operação, monitoramento
e manutenção preventiva e corretiva de todo objeto.
2.8
Tais atividades deverão ser realizadas por profissionais devidamente
treinados, atualizados e capacitados nos equipamentos instalados.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
2.9
O Serviço de Operação Inicial deverá ser executado pela CONTRATADA a
partir dos Centros de Operações, utilizando como ferramenta a Plataforma
de Gerência.
2.10
Qualquer intervenção necessária na rede, para recuperação de serviços ou
reparação de falhas, tanto nos equipamentos como na Plataforma de
Gerencia, deverá ter sempre a supervisão, mesmo que remota, e aprovação
prévia da CONTRATANTE.
2.11
A CONTRATADA será responsável por acionar todo e qualquer nível de
suporte necessário para a realização deste serviço, seja de seu próprio
corpo técnico ou de algum fornecedor de sua solução.
2.12
Todas as despesas necessárias na disponibilização de pessoal, inclusive
deslocamento e estadia, para a execução desse serviço será de
responsabilidade da CONTRATADA.
2.13
Todo instrumental necessário às intervenções de manutenção para solução
de problemas, será de responsabilidade da CONTRATADA.
2.14
A CONTRATANTE será responsável por prover os sobressalentes, antes do
início da operação inicial.
2.15
A CONTRATADA deverá, ao identificar um evento passível de manutenção,
informar imediatamente a CONTRATANTE para definição de sua criticidade.
2.16
Os eventos serão classificados conforme descrito na Tabela 1, sendo sua
criticidade definida pela CONTRATANTE.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
(A)
EMERGENCIAL
São consideradas como “Emergência” todas as falhas cujas
conseqüências tenham impactos sobre o serviço, o tráfego, a tarifação
e/ou recursos de manutenção (Ex.: sistema de gerência) que exigem
ação corretiva imediata (independente da hora do dia ou do dia da
semana).
Ex: Perda de tráfego, gerência ou tarifação.
(B)
ALTA PRIORIDADE
Situações que podem configurar uma severidade emergencial. São
situações potenciais e exigem atenção imediata. São situações
potenciais que, na maioria das vezes, precedem uma situação que
pode ser classificada, num segundo momento, como severidade
emergencial.
Ex: Perda de redundância ou situação de funcionamento parcial que
pode levar a interrupção de serviços, Perda de trafego, de gerência ou
de tarifação.
(C)
MÉDIA PRIORIDADE
Problemas que não prejudicam significativamente o funcionamento
dos sistemas / serviços. São problemas graves ou perturbações que
afetam uma área específica de determinada funcionalidade. Exemplos:
degradação de performance, perda de funcionalidades.
Ex: Sistema de gerência com funcionalidade limitada
(D) CONSULTA
Consulta geral e problemas secundários que têm um efeito pequeno
na funcionalidade do produto.
Exemplos: Falhas de documentação,
questionamentos operacionais.
falhas
no
projeto
e
Tabela 1 – Classificação de Eventos
2.17
Os Níveis de Serviço encontram-se na Tabela 2.
Nível
SEVERIDADE
TEMPO DE
TEMPO PARA
TEMPO PARA
ATENDIMENTO RESPOSTA DE RESTABELECIMENTO
DO TÉCNICO DIAGNÓSTICO
DO SISTEMA
A
EMERGENCIAL
Até 10 minutos
Até 20
minutos
Até 30 minutos
Até 03 dias
corridos
B
ALTA
PRIORIDADE
Até 10 minutos
Até 20
minutos
Até 04 horas
Até 05 dias
corridos
C
MEDIA
PRIORIDADE
Até 10 minutos
Até 01 hora
Até 24 horas
Até 10 dias
corridos
D
CONSULTA
Até 10 minutos
2 dias
Tabela 2 – Níveis de Atendimento
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TEMPO PARA
SOLUÇÃO
DEFINITIVA DO
PROBLEMA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
2.18
A classificação da severidade do evento será determinada a critério da
CONTRATANTE, pela sua necessidade, respeitando-se o descrito na
Tabela 1.
2.19
Todos os tempos especificados na tabela acima são exclusivos e
conseqüentes. Exemplo:
2.19.1
Para uma situação de GRAU A:
2.19.2
TEMPO DE RECUPERAÇÃO DO SISTEMA = TEMPO DE ATENDIMENTO
DO TÉCNICO + TEMPO PARA RESPOSTA DE DIAGNÓSTICO + TEMPO
PARA RESTABELECIMENTO DO SISTEMA = 60 MINUTOS
2.20
Decorrido tais prazos, sem o atendimento devido, fica a CONTRATANTE
autorizada a multar a CONTRATADA dentro dos parâmetros explicitados
neste Termo de Referência.
2.21
O serviço de Operação Inicial deverá incluir, no mínimo, as seguintes
atividades:
2.21.1
Execução de atividades operacionais utilizando os procedimentos
recomendados pelo fornecedor dos equipamentos para cada rotina.
2.21.2
Execução de atividades de manutenção corretiva utilizando os
procedimentos recomendados pelo fornecedor dos equipamentos e
plataforma de gerência, que permitam maior eficiência e eficácia na solução
de falhas.
2.21.3
Execução de atividades de manutenção preventiva, rotinas de testes,
análises e medidas, utilizando os procedimentos recomendados pelo
fornecedor dos equipamentos e plataforma de gerência, que assegurem
mínima interferência na operação e máxima disponibilidade dos produtos.
2.21.4
Elaboração de procedimentos especiais ou detalhamento dos
procedimentos padrão recomendados pelo fornecedor dos equipamentos e
plataforma de gerência, caso seja necessário intervenções diferenciadas.
2.21.5
Elaboração de relatórios de atividades detalhando os procedimentos
realizados e eventuais ajustes, se executados.
2.21.6
O serviço de Operação Inicial deverá incluir também a substituição e Reparo
de Hardware
2.21.7
As unidades que apresentarem defeitos, durante o Período do Serviço de
Operação inicial, deverão ser encaminhadas para a CONTRATADA para
recuperação, sendo que as despesas de transportes deverão ser de
responsabilidade da CONTRATADA.
2.21.8
Deverá ser realizada através de troca de unidades, ou do reparo destas pela
CONTRATADA, em até 30 (trinta) dias após a entrega da unidade
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
defeituosa. Este prazo se inicia a partir da substituição em campo e termina
na data da efetiva devolução à CONTRATANTE.
2.22
Caso a unidade não possa ser devolvida reparada neste prazo, a
CONTRATADA deverá substituí-la imediatamente por outra, igual ou
equivalente, de modo a manter o prazo acima definido. Quando da
devolução da unidade reparada, junto a ela, deve ser apresentado
obrigatoriamente relatório técnico com, pelo menos, as seguintes
informações:
2.22.1
Código da unidade
2.22.2
Número de série
2.22.3
Falha informada
2.22.4
Falha constatada (*)
2.22.5
Ação para retirada da falha
2.22.6
Componentes substituídos/ajustes realizados
2.22.7
Número de série da unidade substituída(no caso de substituição da unidade
enviada)
2.22.8
Razão da substituição da unidade
2.22.9
(*) Fornecedor deve informar a falha constatada, assim como propor
sugestões para correção destas.
2.22.10
Caso não haja atendimento ao prazo de 30 (trinta) dias corridos para a
entrega das unidades reparadas e/ou substituídas, o Período do Serviço de
Operação Inicial para estas unidades será automaticamente estendido pelo
mesmo tempo do atraso ocorrido.
2.22.11
A CONTRATANTE rejeitará e devolverá à CONTRATADA, qualquer unidade
reparada ou substituída, sempre que constatar dano em qualquer de suas
partes, observadas em inspeção visual; funcionamento fora das
especificações originais; defeito constatado durante a execução de testes
para verificação de funcionamento. O tempo em dias corridos, contado entre
a comunicação da irregularidade à CONTRATADA e a efetiva reposição da
unidade defeituosa, será computado como atraso para efeito de
penalização.
2.23
O Serviço de Operação Inicial deve produzir os seguintes artefatos:
2.23.1
Documento de Procedimentos de operação e manutenção, possibilitando
que a CONTRATANTE assuma as atividades com sua própria equipe no
menor tempo possível.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
2.23.2
Relatório mensal contendo informações sobre as atividades executadas e os
índices de desempenho.
2.23.3
Relatório ao final do período de Operação Inicial contendo informações
sobre atividades executadas e recomendações sobre como executar as
atividades de operação e manutenção com efetividade e eficácia.
2.24
Garantia, Assistência Técnica e Níveis de Serviços
2.24.1
O período de garantia de equipamentos, plataforma de gerência e serviços
deverá ser de 36 (trinta e seis) meses. O período de garantia tem seu início
quando da Aceitação Definitiva.
2.24.2
A CONTRATADA deve garantir que os equipamentos fornecidos serão
apropriados para suportar, nos locais onde serão instalados, as condições
climáticas constantes das especificações técnicas, simultaneamente e sem
prejuízo das características técnicas estabelecidas no Contrato.
2.24.3
A CONTRATADA deve garantir o funcionamento dos equipamentos, bem
como a qualidade e o funcionamento de cada uma de suas partes,
separadamente, de acordo com as características descritas no Termo de
referência, ressalvados os casos de manutenção inadequada ou operação
incorreta por parte da CONTRATANTE.
2.24.4
A CONTRATADA deve garantir o funcionamento dos equipamentos,
considerados isoladamente ou interligados aos demais, de acordo com as
características descritas nos manuais e nas especificações aplicáveis,
desde que o restante dos equipamentos se mantenha em condições
normais de operação.
2.24.5
A CONTRATADA deverá disponibilizar recursos e sistemas para o
atendimento remoto, via contato telefônico gratuito, do tipo Central de
Atendimento, visando solução de problemas decorrentes de defeitos e
falhas nos equipamentos, Plataforma de Gerência e software, ou seja,
problemas decorrentes do fato dos equipamentos não realizar uma
funcionalidade especificada ou esperada.
2.24.6
Esta Central de Atendimento da CONTRATADA deverá estar disponível em
regime de 7 (sete) dias por semana e 24 (vinte e quarto) horas por dia, em
língua portuguesa e com o número de chamados ilimitado.
2.24.7
A CONTRATADA deverá estar apta a manter e disponibilizar todo o
acompanhamento de todas as ações relacionadas a cada chamado,
permitindo que a CONTRATANTE possa rastrear cada chamado.
2.24.8
Os atendimentos deverão seguir as tabelas Classificação de Eventos / Grau
de Serviço Desejado, descritos nas Tabelas 1 e 2 respectivamente.
2.24.9
Caso a CONTRATANTE não consiga resolver o problema através de
assistência remota, a CONTRATADA deverá realizar uma ação local (na
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Estação) de manutenção preventiva e/ou corretiva para sanar o problema e
restabelecer o funcionamento normal do sistema. A CONTRATADA, neste
caso, deve prover suporte no local (na Estação) e se responsabilizará pelas
despesas de deslocamento dos seus especialistas.
2.25
Manutenção de Hardware
2.25.1
A CONTRATANTE será responsável pelo envio das unidades que
apresentarem defeitos durante o período de garantia à CONTRATADA para
recuperação.
2.25.2
A CONTRATADA deverá realizar reparo ou troca, em até 30 (trinta) dias
após a entrega da unidade defeituosa na CONTRATADA (este prazo se
inicia a partir do recebimento da unidade na CONTRATADA) e responsável
pela devolução a CONTRATANTE.
2.25.3
Caso a unidade não possa ser devolvida reparada neste prazo, a
CONTRATADA,deve substituí-la imediatamente por outra, igual ou
equivalente, de modo a manter o prazo acima definido. Quando da
devolução da unidade reparada, junto a ela, deve ser apresentado
obrigatoriamente relatório técnico com, pelo menos, as seguintes
informações:
2.25.3.1
Código da unidade
2.25.3.2
Número de série
2.25.3.3
Falha informada
2.25.3.4
Falha constatada (*)
2.25.3.5
Ação para retirada da falha
2.25.3.6
Componentes substituídos/ajustes realizados
2.25.3.7
Número de série da unidade substituta (no caso de substituição da unidade
enviada)
2.25.3.8
Razão da substituição da unidade
2.25.3.9
(*) Fornecedor deve informar a falha constatada, assim como propor
sugestões para correção destas quando cabível.
2.25.4
Caso não haja atendimento ao prazo de 30 (trinta) dias corridos para a
entrega das unidades reparadas e/ou substitutas, o período de garantia para
estas unidades será automaticamente estendido pelo mesmo tempo do
atraso ocorrido.
2.25.5
A CONTRATANTE rejeitará e devolverá à CONTRATADA, qualquer unidade
reparada ou substituta, sempre que constatar: dano em qualquer de suas
partes, observadas em inspeção visual; funcionamento fora das
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
especificações originais; defeito constatado durante a execução de testes
para verificação de funcionamento.
2.25.6
O tempo em dias corridos, contado entre a comunicação da irregularidade à
CONTRATADA e a efetiva reposição da unidade defeituosa, será
computado como atraso para efeito de penalização.
2.25.7
Caso,
durante
o
período
de
garantia,
o
MTBF
da(s)
unidade(s)/equipamento(s) não atinja o valor definido em contrato,
independente de qualquer outra ação a ser tomada pela CONTRATADA,
este deverá fornecer tanta(s) unidade(s)/equipamento(s) quanto forem
necessárias para restabelecer o MTBF contratado, sem qualquer ônus para
a CONTRATANTE.
2.25.8
A CONTRATADA deve substituir qualquer unidade que apresente defeito na
ativação dentro de um prazo de 48 (quarenta e oito) horas.
2.25.9
A CONTRATADA deve enviar relatórios trimestrais confrontando o MTBF
calculado com o real.
ANEXO II - Especificações Técnicas de Serviços – INFRA-ESTRUTURA
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS Vinculada ao Ministério das Comunicações
ANEXO III DO TERMO DE REFERÊNCIA
PLANILHAS DE FORMAÇÃO DE PREÇO
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS Vinculada ao Ministério das Comunicações
ANEL SUDESTE
Item
Referência
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
36
37
38
39
40
41
42
Preço Total
1
2
3
7
9
10
11
12
13
14
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
36
37
38
39
40
41
42
43
44
45
46
47
48
49
50
Descrição
Contêiner de 12,00 m - configuração 1 – 13 bastidores (unidade)
Contêiner de 12,00 m - configuração 2 – 13 bastidores (unidade)
Contêiner de 12,00 m - configuração 3 – 11 bastidores (unidade)
Contêiner de 12,00 m - configuração 7 – 8 bastidores (unidade)
Contêiner de 8,00 m – configuração 2 - 6 bastidores (unidade)
Gabinete outdoor com 4 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 3 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 2 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete para Estação Repetidora Rádio (unidade)
Gabinete para Estação Terminal de Rádio com trocador de calor (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (15,0 m X 20,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (10,0 m X 10,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Contêiner de 12,00 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor comespaço p/ torre) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor com espaço p/ poste) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor) (unidade)
Infraestrutura Básica para Roof Top (Estação Terminal Rádio) (unidade)
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas subterrânea (m)
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas aérea (m)
Lançamento de cabos ópticos em dutos e canaletas existentes (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 24 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 36 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 48 fibras (m)
Cabos Ópticos Aéreos de 48 fibras (m)
Distribuidor Geral Óptico - DGO - 24 posições
Rack de parede padrão 19” com 10 Us
Sistema Retificador de 600 A (unidade)
Sistema Retificador de 1200 A (unidade)
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 3 TR (unidade)
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 4 TR (unidade)
Grupo Motor Gerador de 105 kVA (unidade)
Grupo Motor Gerador de 75 kVA (unidade)
Grupo Motor Gerador de 45 kVA (unidade)
Transformador de 112,5 kVA (unidade)
Transformador de 75 kVA (unidade)
Transformador de 45 kVA (unidade)
Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Câmeras coloridas fixas de alta definição (unidade)
Instalação Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Treinamento para grupo de 10 pessoas (unidade) - módulos de 40:00h
Operação Inicial - Lotes de 10 estações (unidade)
Operação Inicial - Lotes de 1 estação (unidade)
Quatidade
2
2
2
2
2
4
5
44
267
989
120
692
6
40
297
17
49
21.301
38.820
49.703
30.571
7.396
33.037
43.867
276
52
2
8
8
32
8
4
4
8
6
320
63
252
63
6
2
500
Preço Unitário (R$)
Preço Total (R$)
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS Vinculada ao Ministério das Comunicações
ANEL NORDESTE
Item
Referência
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
Preço Total
5
6
7
10
11
12
13
15
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
36
38
40
43
44
45
46
47
48
49
50
Descrição
Contêiner de 12,00 m - configuração 5 – 10 bastidores (unidade)
Contêiner de 12,00 m - configuração 6 – 9 bastidores (unidade)
Contêiner de 12,00 m - configuração 7 – 8 bastidores (unidade)
Gabinete outdoor com 4 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 3 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 2 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete para Estação Repetidora Rádio (unidade)
Gabinete para Estação Terminal de Rádio com ar condicionado (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (15,0 m X 20,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (10,0 m X 10,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Contêiner de 12,00 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor comespaço p/ torre) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor com espaço p/ poste) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor) (unidade)
Infraestrutura Básica para Roof Top (Estação Terminal Rádio) (unidade)
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas subterrânea (m)
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas aérea (m)
Lançamento de cabos ópticos em dutos e canaletas existentes (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 24 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 36 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 48 fibras (m)
Cabos Ópticos Aéreos de 48 fibras (m)
Distribuidor Geral Óptico - DGO - 24 posições
Rack de parede padrão 19” com 10 Us
Sistema Retificador de 1200 A (unidade)
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 4 TR (unidade)
Grupo Motor Gerador de 75 kVA (unidade)
Transformador de 75 kVA (unidade)
Transformador de 45 kVA (unidade)
Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Câmeras coloridas fixas de alta definição (unidade)
Instalação Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Treinamento para grupo de 10 pessoas (unidade) - módulos de 40:00h
Operação Inicial - Lotes de 10 estações (unidade)
Operação Inicial - Lotes de 1 estação (unidade)
Quatidade
Estimada
2
2
2
8
8
53
333
1.285
169
900
4
233
386
31
64
13.759
16.720
32.103
19.746
4.777
21.339
18.894
384
44
6
24
8
6
402
73
292
75
2
2
600
Preço Unitário (R$)
Preço Total
(R$)
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS Vinculada ao Ministério das Comunicações
ANEL SUL
Item
Referência
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
36
37
38
39
Preço Total
4
8
10
11
12
13
14
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
36
37
38
39
41
42
44
45
46
47
48
49
50
Descrição
Contêiner de 12,00 m - configuração 4 – 11 bastidores (unidade)
Contêiner de 8,00 m – configuração 1- 7 bastidores (unidade)
Gabinete outdoor com 4 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 3 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 2 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete para Estação Repetidora Rádio (unidade)
Gabinete para Estação Terminal de Rádio com trocador de calor (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (15,0 m X 22,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (15,0 m X 20,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (10,0 m X 10,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Contêiner de 12,00 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Contêiner de 8,00 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor comespaço p/ torre) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor com espaço p/ poste) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor) (unidade)
Infraestrutura Básica para Roof Top (Estação Terminal Rádio) (unidade)
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas subterrânea (m)
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas aérea (m)
Lançamento de cabos ópticos em dutos e canaletas existentes (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 24 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 36 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 48 fibras (m)
Cabos Ópticos Aéreos de 48 fibras (m)
Distribuidor Geral Óptico - DGO - 24 posições
Rack de parede padrão 19” com 10 Us
Sistema Retificador de 600 A (unidade)
Sistema Retificador de 1200 A (unidade)
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 3 TR (unidade)
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 4 TR (unidade)
Grupo Motor Gerador de 105 kVA (unidade)
Grupo Motor Gerador de 45 kVA (unidade)
Transformador de 112,5 kVA (unidade)
Transformador de 45 kVA (unidade)
Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Câmeras coloridas fixas de alta definição (unidade)
Instalação Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Treinamento para grupo de 10 pessoas (unidade) - módulos de 40:00h
Operação Inicial - Lotes de 10 estações (unidade)
Operação Inicial - Lotes de 1 estação (unidade)
Quatidade
Estimada
2
2
2
3
25
167
547
2
80
383
2
2
100
164
13
27
8.831
44.460
20.605
12.674
3.066
13.696
50.240
150
22
2
2
8
8
4
4
2
199
34
128
32
2
2
270
Preço Unitário (R$)
Preço Total
(R$)
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS Vinculada ao Ministério das Comunicações
REDE NORTE
Item
Referência
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
Preço Total
9
10
11
12
13
15
18
19
21
22
23
24
25
26
28
29
30
31
33
34
35
37
41
44
45
46
47
48
49
50
Descrição
Contêiner de 8,00 m – configuração 2 - 6 bastidores (unidade)
Gabinete outdoor com 4 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 3 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 2 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete para Estação Repetidora Rádio (unidade)
Gabinete para Estação Terminal de Rádio com ar condicionado (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (15,0 m X 20,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (10,0 m X 10,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Contêiner de 8,00 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor comespaço p/ torre) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor com espaço p/ poste) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor) (unidade)
Infraestrutura Básica para Roof Top (Estação Terminal Rádio) (unidade)
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas subterrânea (m)
Lançamento de cabos ópticos em dutos e canaletas existentes (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 24 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 36 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 48 fibras (m)
Distribuidor Geral Óptico - DGO - 24 posições
Rack de parede padrão 19” com 10 Us
Sistema Retificador de 600 A (unidade)
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 3 TR (unidade)
Grupo Motor Gerador de 45 kVA (unidade)
Transformador de 45 kVA (unidade)
Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Câmeras coloridas fixas de alta definição (unidade)
Instalação Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Treinamento para grupo de 10 pessoas (unidade) - módulos de 40:00h
Operação Inicial - Lotes de 10 estações (unidade)
Operação Inicial - Lotes de 1 estação (unidade)
Quatidade
Estimada
2
6
6
64
142
221
90
155
2
128
66
10
11
13.472
31.434
19.334
4.678
20.893
412
48
2
8
4
220
77
308
78
2
2
110
Preço Unitário (R$)
Preço Total
(R$)
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
ANEXO II
PREGÃO ELETRÔNICO PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 02/2010-TB
MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL
(em papel personalizado da empresa)
À TELEBRÁS
PREGÃO ELETRÔNICO Nº 02/2010-TB
PROCESSO Nº 47/2010-TB
Senhor Pregoeiro,
Apresentamos a Vossa Senhoria nossa proposta para a contratação, mediante Registro de Preços,
de solução de infraestrutura básica, com fornecimento de contêineres, gabinetes e materiais, necessária
para o funcionamento e proteção dos equipamentos ópticos, rádio e IP, a serem utilizados na rede
nacional de telecomunicações, incluindo garantia e assistência técnica, instalação, treinamento e operação
inicial. Destaca-se que a solução será implantada em diversos estados do país, para cumprir as disposições
contidas nos artigos 1º e 4º do Decreto nº 7.175, de 12 de maio de 2010, que estabelece as diretrizes do
Programa Nacional de Banda Larga – PNBL, nos termos do Edital do Pregão Eletrônico supracitado e da
Planilha de Formação de Preço, em anexo.
Declaramos que nos preços acima propostos, estão inclusos todos os custos necessários para a
execução do objeto, bem como todos os tributos, fretes, seguros, encargos trabalhistas, comerciais e
quaisquer outras despesas que incidam ou venham a incidir sobre o objeto desta licitação.
Declaramos que estamos de acordo com todas as condições estabelecidas no edital e seus anexos.
O prazo de garantia é de: _____(___________) meses, contados a partir da aceitação definitiva.
(Obs.: Não poderá ser inferior a 36 (trinta e seis) meses).
O prazo de validade da proposta é de: _____ (______) dias, contados da data de abertura do
pregão eletrônico nº ______/2010. (Obs.: Não poderá ser inferior a 60 (sessenta) dias).
Nos comprometemos a assinar a ata de registro de preços e o contrato no prazo determinado no
edital. Para esse fim, fornecemos os seguintes dados:
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
DADOS DA EMPRESA
Razão Social:
Endereço:
CEP:
Banco:
CNPJ:
Tel/Fax:
Cidade:
Agência:
UF:
C/C:
DADOS DO REPRESENTANTE LEGAL DA EMPRESA PARA ASSINATURA DO
CONTRATO:
Nome:
Endereço:
CEP:
Cidade:
UF:
CPF:
Cargo/Função
RG:
Órgão Expedido:
Naturalidade:
Nacionalidade:
Local e data:
Nome e assinatura do responsável legal
___________________________________________________________
ASSINATURA DO REPRESENTANTE LEGAL DA EMPRESA
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
ANEXO “A” DA PROPOSTA COMERCIAL
PLANILHA DE FORMAÇÃO DE PREÇOS
EQUIPAMENTOS E MATERIAIS
ANEL SUDESTE
Item
Referência
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
36
37
38
39
40
41
42
Preço Total
1
2
3
7
9
10
11
12
13
14
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
36
37
38
39
40
41
42
43
44
45
46
47
48
49
50
Descrição
Contêiner de 12,00 m - configuração 1 – 13 bastidores (unidade)
Contêiner de 12,00 m - configuração 2 – 13 bastidores (unidade)
Contêiner de 12,00 m - configuração 3 – 11 bastidores (unidade)
Contêiner de 12,00 m - configuração 7 – 8 bastidores (unidade)
Contêiner de 8,00 m – configuração 2 - 6 bastidores (unidade)
Gabinete outdoor com 4 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 3 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 2 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete para Estação Repetidora Rádio (unidade)
Gabinete para Estação Terminal de Rádio com trocador de calor (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (15,0 m X 20,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (10,0 m X 10,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Contêiner de 12,00 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor comespaço p/ torre) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor com espaço p/ poste) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor) (unidade)
Infraestrutura Básica para Roof Top (Estação Terminal Rádio) (unidade)
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas subterrânea (m)
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas aérea (m)
Lançamento de cabos ópticos em dutos e canaletas existentes (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 24 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 36 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 48 fibras (m)
Cabos Ópticos Aéreos de 48 fibras (m)
Distribuidor Geral Óptico - DGO - 24 posições
Rack de parede padrão 19” com 10 Us
Sistema Retificador de 600 A (unidade)
Sistema Retificador de 1200 A (unidade)
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 3 TR (unidade)
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 4 TR (unidade)
Grupo Motor Gerador de 105 kVA (unidade)
Grupo Motor Gerador de 75 kVA (unidade)
Grupo Motor Gerador de 45 kVA (unidade)
Transformador de 112,5 kVA (unidade)
Transformador de 75 kVA (unidade)
Transformador de 45 kVA (unidade)
Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Câmeras coloridas fixas de alta definição (unidade)
Instalação Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Treinamento para grupo de 10 pessoas (unidade) - módulos de 40:00h
Operação Inicial - Lotes de 10 estações (unidade)
Operação Inicial - Lotes de 1 estação (unidade)
Quatidade
Estimada
2
Preço Unitário (R$)
2
2
2
2
4
5
44
267
989
120
692
6
40
297
17
49
21.301
38.820
49.703
30.571
7.396
33.037
43.867
276
52
2
8
8
32
8
4
4
8
6
320
63
252
63
6
2
500
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
Preço Total (R$)
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
ANEL NORDESTE
Item
Referência
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
Preço Total
5
6
7
10
11
12
13
15
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
36
38
40
43
44
45
46
47
48
49
50
Descrição
Contêiner de 12,00 m - configuração 5 – 10 bastidores (unidade)
Contêiner de 12,00 m - configuração 6 – 9 bastidores (unidade)
Contêiner de 12,00 m - configuração 7 – 8 bastidores (unidade)
Gabinete outdoor com 4 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 3 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 2 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete para Estação Repetidora Rádio (unidade)
Gabinete para Estação Terminal de Rádio com ar condicionado (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (15,0 m X 20,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (10,0 m X 10,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Contêiner de 12,00 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor comespaço p/ torre) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor com espaço p/ poste) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor) (unidade)
Infraestrutura Básica para Roof Top (Estação Terminal Rádio) (unidade)
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas subterrânea (m)
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas aérea (m)
Lançamento de cabos ópticos em dutos e canaletas existentes (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 24 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 36 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 48 fibras (m)
Cabos Ópticos Aéreos de 48 fibras (m)
Distribuidor Geral Óptico - DGO - 24 posições
Rack de parede padrão 19” com 10 Us
Sistema Retificador de 1200 A (unidade)
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 4 TR (unidade)
Grupo Motor Gerador de 75 kVA (unidade)
Transformador de 75 kVA (unidade)
Transformador de 45 kVA (unidade)
Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Câmeras coloridas fixas de alta definição (unidade)
Instalação Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Treinamento para grupo de 10 pessoas (unidade) - módulos de 40:00h
Operação Inicial - Lotes de 10 estações (unidade)
Operação Inicial - Lotes de 1 estação (unidade)
Quatidade
Estimada
Preço Unitário (R$)
2
2
2
8
8
53
333
1.285
169
900
4
233
386
31
64
13.759
16.720
32.103
19.746
4.777
21.339
18.894
384
44
6
24
8
6
402
73
292
75
2
2
600
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
Preço Total
(R$)
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
ANEL SUL
Item
Referência
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
36
37
38
39
Preço Total
4
8
10
11
12
13
14
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
36
37
38
39
41
42
44
45
46
47
48
49
50
Descrição
Contêiner de 12,00 m - configuração 4 – 11 bastidores (unidade)
Contêiner de 8,00 m – configuração 1- 7 bastidores (unidade)
Gabinete outdoor com 4 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 3 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 2 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete para Estação Repetidora Rádio (unidade)
Gabinete para Estação Terminal de Rádio com trocador de calor (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (15,0 m X 22,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (15,0 m X 20,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (10,0 m X 10,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Contêiner de 12,00 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Contêiner de 8,00 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor comespaço p/ torre) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor com espaço p/ poste) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor) (unidade)
Infraestrutura Básica para Roof Top (Estação Terminal Rádio) (unidade)
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas subterrânea (m)
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas aérea (m)
Lançamento de cabos ópticos em dutos e canaletas existentes (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 24 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 36 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 48 fibras (m)
Cabos Ópticos Aéreos de 48 fibras (m)
Distribuidor Geral Óptico - DGO - 24 posições
Rack de parede padrão 19” com 10 Us
Sistema Retificador de 600 A (unidade)
Sistema Retificador de 1200 A (unidade)
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 3 TR (unidade)
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 4 TR (unidade)
Grupo Motor Gerador de 105 kVA (unidade)
Grupo Motor Gerador de 45 kVA (unidade)
Transformador de 112,5 kVA (unidade)
Transformador de 45 kVA (unidade)
Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Câmeras coloridas fixas de alta definição (unidade)
Instalação Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Treinamento para grupo de 10 pessoas (unidade) - módulos de 40:00h
Operação Inicial - Lotes de 10 estações (unidade)
Operação Inicial - Lotes de 1 estação (unidade)
Quatidade
Estimada
Preço Unitário (R$) Preço Total
2
2
2
3
25
167
547
2
80
383
2
2
100
164
13
27
8.831
44.460
20.605
12.674
3.066
13.696
50.240
150
22
2
2
8
8
4
4
2
199
34
128
32
2
2
270
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
(R$)
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
REDE NORTE
Item
Referência
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
Preço Total
9
10
11
12
13
15
18
19
21
22
23
24
25
26
28
29
30
31
33
34
35
37
41
44
45
46
47
48
49
50
Descrição
Contêiner de 8,00 m – configuração 2 - 6 bastidores (unidade)
Gabinete outdoor com 4 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 3 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 2 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete para Estação Repetidora Rádio (unidade)
Gabinete para Estação Terminal de Rádio com ar condicionado (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (15,0 m X 20,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (10,0 m X 10,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Contêiner de 8,00 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor comespaço p/ torre) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor com espaço p/ poste) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor) (unidade)
Infraestrutura Básica para Roof Top (Estação Terminal Rádio) (unidade)
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas subterrânea (m)
Lançamento de cabos ópticos em dutos e canaletas existentes (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 24 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 36 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 48 fibras (m)
Distribuidor Geral Óptico - DGO - 24 posições
Rack de parede padrão 19” com 10 Us
Sistema Retificador de 600 A (unidade)
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 3 TR (unidade)
Grupo Motor Gerador de 45 kVA (unidade)
Transformador de 45 kVA (unidade)
Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Câmeras coloridas fixas de alta definição (unidade)
Instalação Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Treinamento para grupo de 10 pessoas (unidade) - módulos de 40:00h
Operação Inicial - Lotes de 10 estações (unidade)
Operação Inicial - Lotes de 1 estação (unidade)
Quatidade
Estimada
Preço Unitário (R$)
2
6
6
64
142
221
90
155
2
128
66
10
11
13.472
31.434
19.334
4.678
20.893
412
48
2
8
4
220
77
308
78
2
2
110
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
Preço Total (R$)
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
ANEXO III DO PREGÃO ELETRÔNICO POR REGISTRO DE PREÇOS Nº 02/2010-TB
MINUTA DA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS
PROCESSO Nº 47/2010
PREGÃO ELETRÔNICO POR REGISTRO DE PREÇOS Nº 02/2010-TB
Aos ___ dias de _____ do ano de _____, a TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. - TELEBRÁS,
com sede no Setor Comercial Sul, Quadra 09, Bloco A, Torre B, 3º Andar, Sala 305 - Edifício Parque
Cidade Corporate, Brasília-DF, CEP: 70.308-200, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 00.336.701/0001-04,
representada pela Diretora Administrativa, Sra. _________________, (identificação), nos termos e de
acordo com a Lei nº 10.520/02, Decreto nº 5.450/2005, Decreto nº 3.931/2001, Lei Complementar nº
123/2006, Decreto nº 6.204/2007, Lei nº 8.666/1993, e das demais normas legais aplicáveis, em face da
classificação da proposta apresentada no Pregão Eletrônico por Registro de Preços nº 02/2010-TB, cujo
resultado foi publicado no Diário Oficial da União e homologado pelo ________________, às fls. _____
do processo nº __________, resolve registrar preços nesta Ata com a finalidade de contratar, mediante
Registro de Preços, solução de infraestrutura básica, com fornecimento de contêineres, gabinetes e
materiais, necessária para o funcionamento e proteção dos equipamentos ópticos, rádio e IP, a serem
utilizados na rede nacional de telecomunicações, incluindo garantia e assistência técnica, instalação,
treinamento e operação inicial. Destaca-se que a solução será implantada em diversos estados do país,
para cumprir as disposições contidas nos artigos 1º e 4º do Decreto nº 7.175, de 12 de maio de 2010, que
estabelece as diretrizes do Programa Nacional de Banda Larga – PNBL, mediante as condições seguintes:
1 – DO DETENTOR DA ATA REGISTRADO
1.1
A partir desta data ficam registrados nesta TELEBRÁS os preços do fornecedor a seguir
relacionado, nas condições estabelecidas no ato convocatório.
1.2
Detentor da Ata: _____________, CNPJ nº ____________, com sede no ___________________,
telefone nº _________, fax nº_____________, representada por seu _________, Sr.
_____________, (nacionalidade) __________, (estado civil) ______, residente e domiciliado em
_______, RG nº ________, CPF nº ___________.
2 – DOS PREÇOS REGISTRADOS
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
ANEL SUDESTE
Item
Referência
1
1
2
2
3
3
4
7
5
9
6
10
7
11
8
12
9
13
10
14
11
18
12
19
13
20
22
14
15
23
16
24
17
25
18
26
19
27
20
28
21
29
22
30
23
31
24
32
25
33
26
34
27
35
28
36
29
37
30
38
31
39
32
40
33
41
34
42
35
43
36
44
37
45
38
46
39
47
40
48
41
49
42
50
Preço Total
Descrição
Contêiner de 12,00 m - configuração 1 – 13 bastidores (unidade)
Contêiner de 12,00 m - configuração 2 – 13 bastidores (unidade)
Contêiner de 12,00 m - configuração 3 – 11 bastidores (unidade)
Contêiner de 12,00 m - configuração 7 – 8 bastidores (unidade)
Contêiner de 8,00 m – configuração 2 - 6 bastidores (unidade)
Gabinete outdoor com 4 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 3 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 2 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete para Estação Repetidora Rádio (unidade)
Gabinete para Estação Terminal de Rádio com trocador de calor (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (15,0 m X 20,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (10,0 m X 10,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Contêiner de 12,00 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor comespaço p/ torre) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor com espaço p/ poste) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor) (unidade)
Infraestrutura Básica para Roof Top (Estação Terminal Rádio) (unidade)
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas subterrânea (m)
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas aérea (m)
Lançamento de cabos ópticos em dutos e canaletas existentes (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 24 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 36 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 48 fibras (m)
Cabos Ópticos Aéreos de 48 fibras (m)
Distribuidor Geral Óptico - DGO - 24 posições
Rack de parede padrão 19” com 10 Us
Sistema Retificador de 600 A (unidade)
Sistema Retificador de 1200 A (unidade)
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 3 TR (unidade)
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 4 TR (unidade)
Grupo Motor Gerador de 105 kVA (unidade)
Grupo Motor Gerador de 75 kVA (unidade)
Grupo Motor Gerador de 45 kVA (unidade)
Transformador de 112,5 kVA (unidade)
Transformador de 75 kVA (unidade)
Transformador de 45 kVA (unidade)
Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Câmeras coloridas fixas de alta definição (unidade)
Instalação Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Treinamento para grupo de 10 pessoas (unidade) - módulos de 40:00h
Operação Inicial - Lotes de 10 estações (unidade)
Operação Inicial - Lotes de 1 estação (unidade)
Quatidade
Estimada
2
Preço Unitário (R$)
2
2
2
2
4
5
44
267
989
120
692
6
40
297
17
49
21.301
38.820
49.703
30.571
7.396
33.037
43.867
276
52
2
8
8
32
8
4
4
8
6
320
63
252
63
6
2
500
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
Preço Total (R$)
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
ANEL NORDESTE
Item
Referência
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
Preço Total
5
6
7
10
11
12
13
15
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
36
38
40
43
44
45
46
47
48
49
50
Descrição
Contêiner de 12,00 m - configuração 5 – 10 bastidores (unidade)
Contêiner de 12,00 m - configuração 6 – 9 bastidores (unidade)
Contêiner de 12,00 m - configuração 7 – 8 bastidores (unidade)
Gabinete outdoor com 4 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 3 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 2 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete para Estação Repetidora Rádio (unidade)
Gabinete para Estação Terminal de Rádio com ar condicionado (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (15,0 m X 20,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (10,0 m X 10,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Contêiner de 12,00 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor comespaço p/ torre) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor com espaço p/ poste) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor) (unidade)
Infraestrutura Básica para Roof Top (Estação Terminal Rádio) (unidade)
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas subterrânea (m)
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas aérea (m)
Lançamento de cabos ópticos em dutos e canaletas existentes (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 24 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 36 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 48 fibras (m)
Cabos Ópticos Aéreos de 48 fibras (m)
Distribuidor Geral Óptico - DGO - 24 posições
Rack de parede padrão 19” com 10 Us
Sistema Retificador de 1200 A (unidade)
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 4 TR (unidade)
Grupo Motor Gerador de 75 kVA (unidade)
Transformador de 75 kVA (unidade)
Transformador de 45 kVA (unidade)
Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Câmeras coloridas fixas de alta definição (unidade)
Instalação Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Treinamento para grupo de 10 pessoas (unidade) - módulos de 40:00h
Operação Inicial - Lotes de 10 estações (unidade)
Operação Inicial - Lotes de 1 estação (unidade)
Quatidade
Estimada
Preço Unitário (R$)
2
2
2
8
8
53
333
1.285
169
900
4
233
386
31
64
13.759
16.720
32.103
19.746
4.777
21.339
18.894
384
44
6
24
8
6
402
73
292
75
2
2
600
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
Preço Total
(R$)
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
ANEL SUL
Item
Referência
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
36
37
38
39
Preço Total
4
8
10
11
12
13
14
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
36
37
38
39
41
42
44
45
46
47
48
49
50
Descrição
Contêiner de 12,00 m - configuração 4 – 11 bastidores (unidade)
Contêiner de 8,00 m – configuração 1- 7 bastidores (unidade)
Gabinete outdoor com 4 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 3 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 2 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete para Estação Repetidora Rádio (unidade)
Gabinete para Estação Terminal de Rádio com trocador de calor (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (15,0 m X 22,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (15,0 m X 20,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (10,0 m X 10,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Contêiner de 12,00 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Contêiner de 8,00 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor comespaço p/ torre) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor com espaço p/ poste) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor) (unidade)
Infraestrutura Básica para Roof Top (Estação Terminal Rádio) (unidade)
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas subterrânea (m)
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas aérea (m)
Lançamento de cabos ópticos em dutos e canaletas existentes (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 24 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 36 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 48 fibras (m)
Cabos Ópticos Aéreos de 48 fibras (m)
Distribuidor Geral Óptico - DGO - 24 posições
Rack de parede padrão 19” com 10 Us
Sistema Retificador de 600 A (unidade)
Sistema Retificador de 1200 A (unidade)
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 3 TR (unidade)
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 4 TR (unidade)
Grupo Motor Gerador de 105 kVA (unidade)
Grupo Motor Gerador de 45 kVA (unidade)
Transformador de 112,5 kVA (unidade)
Transformador de 45 kVA (unidade)
Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Câmeras coloridas fixas de alta definição (unidade)
Instalação Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Treinamento para grupo de 10 pessoas (unidade) - módulos de 40:00h
Operação Inicial - Lotes de 10 estações (unidade)
Operação Inicial - Lotes de 1 estação (unidade)
Quatidade
Estimada
Preço Unitário (R$) Preço Total
2
2
2
3
25
167
547
2
80
383
2
2
100
164
13
27
8.831
44.460
20.605
12.674
3.066
13.696
50.240
150
22
2
2
8
8
4
4
2
199
34
128
32
2
2
270
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
(R$)
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
REDE NORTE
Item
Referência
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
Preço Total
9
10
11
12
13
15
18
19
21
22
23
24
25
26
28
29
30
31
33
34
35
37
41
44
45
46
47
48
49
50
Descrição
Contêiner de 8,00 m – configuração 2 - 6 bastidores (unidade)
Gabinete outdoor com 4 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 3 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 2 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete para Estação Repetidora Rádio (unidade)
Gabinete para Estação Terminal de Rádio com ar condicionado (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (15,0 m X 20,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (10,0 m X 10,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Contêiner de 8,00 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor comespaço p/ torre) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor com espaço p/ poste) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor) (unidade)
Infraestrutura Básica para Roof Top (Estação Terminal Rádio) (unidade)
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas subterrânea (m)
Lançamento de cabos ópticos em dutos e canaletas existentes (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 24 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 36 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 48 fibras (m)
Distribuidor Geral Óptico - DGO - 24 posições
Rack de parede padrão 19” com 10 Us
Sistema Retificador de 600 A (unidade)
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 3 TR (unidade)
Grupo Motor Gerador de 45 kVA (unidade)
Transformador de 45 kVA (unidade)
Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Câmeras coloridas fixas de alta definição (unidade)
Instalação Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Treinamento para grupo de 10 pessoas (unidade) - módulos de 40:00h
Operação Inicial - Lotes de 10 estações (unidade)
Operação Inicial - Lotes de 1 estação (unidade)
Quatidade
Estimada
Preço Unitário (R$) Preço Total (R$)
2
6
6
64
142
221
90
155
2
128
66
10
11
13.472
31.434
19.334
4.678
20.893
412
48
2
8
4
220
77
308
78
2
2
110
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
3 – DA VIGÊNCIA DA ATA
3.1
A presente Ata de Registro de Preços terá vigência de 01 ano, a contar da data de sua assinatura.
3.2
A existência de preços registrados não obriga a TELEBRÁS a firmar as contratações, facultandose a realização de licitação específica para o objeto pretendido, sendo assegurado ao detentor do
registro, em igualdade ou em melhores condições, a preferência para a contratação.
4 - DA UTILIZAÇÃO DA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS
4.1
Poderá utilizar-se da Ata de Registro de Preços, mediante prévia consulta à TELEBRÁS, qualquer
órgão ou entidade da Administração Pública que não tenha participado do certame licitatório,
desde que devidamente comprovada a vantagem e respeitadas, no que couber, as condições e as
regras estabelecidas na Lei nº 8.666/93 e no Decreto nº 3.931/2001.
4.2
Caberá ao detentor da Ata de Registro de Preços, observadas as condições aqui estabelecidas, optar
pela aceitação ou não pela contratação decorrente de adesão de outros órgãos, desde que esta não
prejudique as obrigações assumidas com a TELEBRÁS.
5 - DO CONTROLE E DAS ALTERAÇÕES DE PREÇOS
Durante a vigência da Ata, os preços registrados serão fixos e irreajustáveis, exceto nas hipóteses,
devidamente comprovadas, de ocorrência de situação prevista na alínea “d” do inciso II do art. 65 da Lei
n.º 8.666/93 ou de redução dos preços praticados no mercado.
Mesmo comprovada a ocorrência de situação prevista na alínea “d” do inciso II do art. 65 da Lei
n.º 8.666/93, a TELEBRÁS, se julgar conveniente, poderá optar por cancelar a Ata e iniciar outro
processo licitatório.
Comprovada a redução dos preços praticados no mercado nas mesmas condições do registro, e,
após negociado o novo preço máximo, o detentor da Ata, juntamente com a TELEBRÁS formalizarão a
alteração.
6 – DO CANCELAMENTO DO REGISTRO DE PREÇO
6.1
O detentor da Ata terá o seu registro de preços cancelado, por intermédio de processo
administrativo específico, assegurado o contraditório e a ampla defesa:
a pedido, quando:
a)
comprovar estar impossibilitado de cumprir as exigências da Ata, por ocorrência de casos fortuitos
ou de força maior; e
b)
o seu preço registrado se tornar, comprovadamente, inexeqüível em função da elevação dos preços
de mercado dos insumos que compõem o custo dos equipamentos, materiais e serviços, objeto da
contratação.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Por iniciativa da TELEBRÁS, quando:
a)
o detentor da ata não aceitar reduzir o preço registrado, na hipótese deste se tornar superior
àqueles praticados no mercado;
b)
o detentor da ata não mantiver as condições de habilitação ou qualificação técnica exigida no
processo licitatório;
c)
por razões de interesse público, devidamente motivadas e justificadas;
d)
o detentor da ata não cumprir as obrigações decorrentes da ata de registro de preços;
e)
o detentor da ata se recusar a executar os serviços nos prazos estabelecidos no edital e seus
anexos;
f)
na ocorrência de inexecução total ou parcial das condições estabelecidas na ata de registro de
preços ou nos pedidos dela decorrentes.
6.2
Em qualquer das hipóteses acima, concluído o processo, a TELEBRÁS fará o devido
apostilamento na Ata de Registro de Preços e informará aos Proponentes a nova ordem de
registro.
6.3
O cancelamento do registro de preços será formalizado por intermédio de processo administrativo
específico, ficando assegurado, nos casos de cancelamento por iniciativa da TELEBRÁS, o
contraditório e a ampla defesa,
7 – DO CANCELAMENTO AUTOMÁTICO DO REGISTRO DE PREÇOS
A Ata de Registro de Preços, decorrente da licitação, será cancelada automaticamente:
a)
Por decurso de prazo de vigência.
b)
Quando não restarem fornecedores registrados.
8 - DO PAGAMENTO
8.1
O pagamento será efetuado após a confirmação de que os itens contratados foram
efetivamente fornecidos, respeitando os termos definidos no item Erro! Fonte de referência
não encontrada. do Termo de Referência e nos seus anexos I e II, e em conformidade com a
nota fiscal e fatura emitidas pela CONTRATADA, devidamente atestadas pelo gestor do
contrato designado pela CONTRATANTE.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
8.2
No caso de constar mais de uma unidade em uma mesma ordem de serviço, admitir-se-á o
faturamento por unidade concluída.
8.3
As faturas serão atestadas em até 15 (quinze) dias contados a partir da data de entrega na
CONTRATANTE.
8.4
Os pagamentos serão efetuados pela CONTRATANTE, em até 15 (quinze) dias contados a
partir do atesto da Nota Fiscal pelo Fiscal do Contrato.
8.5
Somente serão pagos os quantitativos efetivamente confirmados pelo Fiscal do Contrato.
8.6
A CONTRATANTE não efetuará o pagamento se os serviços executados e produtos
adquiridos não estiverem de acordo com as especificações apresentadas no termo de
referência e em perfeitas condições de funcionamento.
8.7
A CONTRATANTE poderá deduzir da importância a pagar os valores correspondentes a
multas ou indenizações devidas pela CONTRATADA.
8.8
Nenhum pagamento será efetuado à CONTRATADA enquanto pendente de liquidação
qualquer obrigação financeira, sem que isso gere direito a reajustamento de preços ou
correção monetária.
8.9
Os pagamentos serão efetuados conforme descrição abaixo e com base na confirmação, por
parte da CONTRATANTE, da realização dos eventos vinculados.
8.10
Ordens de serviço de Equipamentos e Serviços.
8.11
8.10.1
70% na conclusão da instalação do equipamento e serviços mediante o TERMO
de RECEBIMENTO.
8.10.2
30% na Homologação, mediante TERMO de ACEITAÇÃO DEFINITIVA.
Ordem de Serviço de Serviços de Treinamento
8.11.1
8.12.
Ordem de Serviço do Serviço de Operação Inicial
8.12.1
8.13
100% na Entrega do ITEM, mediante TERMO de RECEBIMENTO.
1/6 do valor a cada mês de prestação do serviço, mediante TERMO DE
RECEBIMENTO.
Observando o que estabelece a legislação vigente, por ocasião do pagamento, a
CONTRATANTE, na condição de substituta tributária, efetuará a retenção na fonte dos
tributos devidos, tomando por base o valor total da respectiva nota fiscal.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
8.14
Havendo erro na nota fiscal ou circunstância que impeça a liquidação da despesa, a mesma
será devolvida à contratada, e o pagamento ficará pendente até que a mesma providencie as
medidas saneadoras. Nesta hipótese, o prazo para pagamento iniciar-se-á após a
regularização da situação ou reapresentação do documento fiscal não acarretando qualquer
ônus para a CONTRATANTE.
8.15
Ocorrendo eventuais atrasos de pagamento, provocados exclusivamente pela
CONTRATANTE, o valor devido deverá ser acrescido de atualização financeira, e sua
apuração se fará desde a data de seu vencimento até a data do efetivo pagamento, em que os
juros de mora serão calculados à taxa de 0,5% (meio por cento) ao mês, ou 6% (seis por
cento) ao ano, mediante a aplicação das seguintes fórmulas:
I = (TX/100) / 365
EM = I x N X VP
Onde:
I = Índice de atualização financeira;
TX = Percentual da taxa de juros de mora anual;
EM = Encargos moratórios;
N = Número de dias entre a data prevista para o pagamento e a do efetivo
pagamento;
VP = Valor da parcela em atraso.
8.16
Nenhum pagamento será realizado pela CONTRATANTE sem que antes seja procedida
prévia e necessária consulta ao Sistema de Cadastramento de Fornecedores – SICAF - para
comprovação da regularidade da CONTRATADA, bem como do recolhimento das
contribuições sociais (FGTS e Previdência Social).
9 - DAS SANÇÕES ADMINISTRATIVAS
O detentor da Ata de Registro de Preços estará sujeito à aplicação das sanções administrativas
previstas no item 25 do Edital, no caso de descumprimento parcial ou total das condições estipuladas.
10 - DA AUTORIZAÇÃO PARA A CONTRATAÇÃO
A contratação e os demais atos inerentes à presente Ata de Registro de Preços serão autorizados
pela autoridade competente da TELEBRÁS e no caso dos órgãos usuários pela respectiva autoridade
competente.
11 - DAS DISPOSIÇÕES FINAIS
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
11.1
Integram esta Ata, o Edital do Pregão Eletrônico por Registro de Preços nº 02/2010-TB, seus
anexos, e a proposta da empresa: ________________ classificada em 1º lugar no grupo ______ do
certame supramencionado.
11.2
A Justiça Federal – Seção Judiciária do Distrito Federal, é o foro competente para solucionar os
litígios decorrentes desta Ata, do Edital e de seus anexos, ficando excluído qualquer outro, por
mais privilegiado que seja.
11.3
Aos casos omissos aplicar-se-ão as demais disposições constantes da Lei n. º 10.520, de 17 de
julho de 2002, do Decreto nº 5.450, de 31 de maio de 2005, do Decreto nº 3.931, de 19 de
setembro de 2001, da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993 e demais normas aplicáveis.
Brasília-DF, _____ de _________ de 2010.
___________________________________________________
REPRESENTANTE DA TELEBRÁS
________________________________________________
REPRESENTANTE
EMPRESA
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
ANEXO IV
DO PREGÃO ELETRÔNICO PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 02/2010-TB
MINUTA DO CONTRATO
CONTRATO ADMINISTRATIVO N.º
PROCESSO N.º 47/2010-TB
/2010
CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS,
FORNECIMENTO DE EQUIPAMENTOS E
MATERIAIS QUE ENTRE SI CELEBRAM A
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. TELEBRÁS E A EMPRESA --------------------------------------------------------------.
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS, sociedade de economia mista,
vinculada ao Ministério das Comunicações, com sede no SCN Quadra 04, Bloco “B”, Lote 100, Sala 903,
Centro Empresarial VARIG, Brasília DF, CEP 70.714-900, inscrita no CNPJ sob o n.º 00.336.701/000104, com seus atos constitutivos devidamente arquivados na Junta Comercial do Distrito Federal, sob o nº
7.665, em 20/02/1978, publicada no Diário Oficial da União de 13/03/1978, doravante denominada
TELEBRÁS, neste ato representada por seu Presidente, o Sr. xxxxxxxxxxxxx, nacionalidade, estado civil,
formação profissional, portador da Cédula de Identidade nº xxxxxxx – órgão emissor/estado e CPF nº
xxxxxxxxxx, residente e domiciliado em cidade/estado e o Diretor Técnico, o Sr. xxxxxxxxxxxxxxxxx,
nacionalidade, estado civil, formação profissional, portadora da Cédula de Identidade nº xxxxxx – órgão
emissor/estado CPF nº xxxxxxxxxxxx, residente e domiciliada em cidade/estado, ambos nomeados por
seu Conselho de Administração em 12 de maio de 2010 e em 03 de agosto de 2010, respectivamente, e do
outro lado a empresa xxxxxxxxxxxxxxx(razão social), estabelecida (endereço completo) –
(cidade/estado), CEP nº xxxxxxxxxxxxxx, inscrita no CNPJ nº xxxxxxxxxxxxxxx, Inscrição Estadual nº
xxxxxxxxxxxxxxxxxxx , neste ato representada pelo Senhor xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx, (cargo/função),
(nacionalidade), (estado civil), (formação profissional), residente e domiciliado (endereço completo),
CEP: xxxxxxxxxxx, (cidade/estado), portador da Cédula de Identidade nº xxxxxxxxxxx-(órgão
expedidor/estado), CPF nº xxxxxxxxxxxxxxx, nos termos da Lei no 10.520, de 17 de julho de 2002, do
Decreto no 5.450, de 31 de maio de 2005, do Decreto no 3.931, de 19 de setembro de 2001, alterado pelo
Decreto no 4.342, de 23 de agosto de 2002, aplicando-se no que couber as disposições contidas no
Decreto no 3.555, de 8 de agosto de 2000, atualizado pela Lei no 8.078, de 11 de setembro de 1990, IN no
02 de 30 de abril de 2008, Decreto no 6.204, de 5 de setembro de 2007, Lei Complementar no 123, de 14
de dezembro de 2006, subsidiariamente pela Lei no 8.666 de 21 de junho de 1993, mediante as cláusulas
e condições seguintes:
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETO
Contratação de solução de infraestrutura básica, com fornecimento de contêineres, gabinetes
e materiais, necessária para o funcionamento e proteção dos equipamentos ópticos, rádio e IP, a serem
utilizados na rede nacional de telecomunicações, incluindo garantia e assistência técnica, instalação,
treinamento e operação inicial. Destaca-se que a solução será implantada em diversos estados do país,
para cumprir as disposições contidas nos artigos 1º e 4º do Decreto nº 7.175, de 12 de maio de 2010, que
estabelece as diretrizes do Programa Nacional de Banda Larga – PNBL, de acordo com as especificações
e quantidades estimadas no Termo de Referência, Anexo I do Edital do Pregão para Registro de Preços nº
02/2010-TB, nos termos e condições previstas neste instrumento, no Edital supramencionado e em seus
anexos.
CLÁUSULA SEGUNDA – DA VINCULAÇÃO
CONTRATADA
AO
EDITAL
E
À
PROPOSTA
DA
Vinculam-se ao presente contrato, independentemente de transcrição, o Edital do Pregão
Eletrônico por Registro de Preços nº 02/2010-TB com seus anexos e a proposta da CONTRATADA.
CLÁUSULA TERCEIRA – DAS ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO
Os serviços, o fornecimento dos equipamentos, produtos e materiais, a garantia, o suporte
técnico e os respectivos prazos estão estabelecidos no Termo de Referência, anexo I do Edital, que se
constitui no anexo I deste contrato.
CLÁUSULA QUARTA – DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATANTE
a) Fiscalizar o perfeito cumprimento do objeto e das demais cláusulas do Edital e do Contrato.
b) Comunicar a CONTRATADA, por escrito, sobre as possíveis irregularidades observadas no
decorrer da instalação dos produtos ou quando do funcionamento irregular para a imediata adoção das
providências para sanar os problemas eventualmente ocorridos.
c) Proporcionar as condições necessárias para que a CONTRATADA possa cumprir o que
estabelecem o Edital e o Contrato.
d) Compor equipe técnica para realizar testes na amostra.
e) Receber os equipamentos, acompanhar a instalação e testes.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
f) Atestar as notas fiscais/faturas desde que tenham sido entregues como determina este
contrato, verificar os relatórios apresentados, encaminhar as notas fiscais e/ou faturas, devidamente
atestadas, para pagamento no prazo determinado.
g) Comunicar a CONTRATADA para que seja efetuada a substituição de empregado que, por
qualquer motivo, não esteja correspondendo às expectativas.
h) Notificar a CONTRATADA, por escrito, sobre as imperfeições, falhas, defeitos, mau
funcionamento e demais irregularidades constatadas na execução dos procedimentos previstos no
presente Edital e no Contrato ou nos equipamentos fornecidos pela mesma, inclusive nos serviços de
assistência técnica, a fim de serem tomadas as providências cabíveis para correção do que for notificado.
i) Permitir a entrada dos funcionários da CONTRATADA, desde que devidamente
identificados, garantindo o pleno acesso aos equipamentos, bem como fornecendo todos os meios
necessários à execução dos serviços.
j) Efetuar os pagamentos, no prazo e nas condições indicadas neste instrumento, dos produtos
e serviços que estiverem de acordo com as especificações, comunicando à CONTRATADA quaisquer
irregularidades ou problemas que possam inviabilizar os pagamentos.
k) Respeitar os direitos de propriedade intelectual relativo ao uso, proteção e segurança dos
programas, notificando a CONTRATADA de eventuais violações.
l) Prestar as informações e esclarecimentos relativos ao objeto desta contratação que venham a
ser solicitados pelo preposto da CONTRATADA.
m) Dirimir, por intermédio do fiscal do Contrato, as dúvidas que surgirem no curso da
prestação dos serviços.
CLÁUSULA QUINTA - DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA
a) Manter, durante a vigência da Ata de Registro de Preços e durante toda a execução do
contrato, todas as condições estabelecidas no EDITAL e em seus ANEXOS, comprovando, sempre que
solicitado pela CONTRATANTE, a sua regularidade perante a Secretaria da Receita Federal, o Fundo de
Garantia por Tempo de Serviço, a Seguridade Social (CND-INSS), e assim como em relação às demais
exigências contratuais;
b) Depositar a Garantia de Execução Contratual de acordo com o Item – Da garantia de
execução do Contrato.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
c) Fornecer documentação comprobatória de que os equipamentos possuem garantia do
fabricante de 36 (trinta e seis) meses;
d) Providenciar, quando couber, a Anotação de Responsabilidade Técnica – ART nos termos
da lei 6.496/77;
e) Garantir o fornecimento de todos os itens propostos durante o prazo da validade da Ata de
Registro de Preços, bem como do prazo de vigência dos contratos advindos das adesões à Ata de Registro
de Preços;
f) Entregar, instalar, integrar e testar os equipamentos adquiridos com qualidade, eficiência,
presteza e pontualidade, em conformidade com os termos e prazos estabelecidos.
g) Aceitar, a critério do CONTRATANTE, no todo ou em parte, a rejeição de equipamentos
entregue em desacordo com o Edital e este Termo ou com a proposta vencedora.
h) Reparar, corrigir, ou substituir, às suas expensas, no todo ou em parte, o objeto em que se
verificarem defeitos de fabricação ou que simplesmente não funcionem a contento, assim como substituir
equipamentos e sistemas que, durante a vigência da garantia, comprovadamente não se mostrarem
capazes de cumprir os padrões de desempenho, níveis de serviço, padrões de qualidade e funcionalidades
estabelecidas por este termo dentro das condições reais de operação da rede.
i) Responsabilizar-se pelo perfeito cumprimento do objeto do contrato, arcar com os eventuais
prejuízos causados à CONTRATANTE ou a terceiros, provocados por ineficiência ou irregularidade
cometida por seus empregados ou prepostos envolvidos na execução dos serviços, respondendo
integralmente pelo ônus decorrente de sua culpa ou dolo na entrega dos serviços, o que não exclui nem
diminui a responsabilidade pelos danos que se constatarem, independentemente do controle e fiscalização
exercidos pelo CONTRATANTE.
j) Comunicar a CONTRATANTE, por escrito, quaisquer anormalidades, que ponham em
risco o êxito e o cumprimento dos prazos de execução dos serviços, propondo as ações corretivas
necessárias.
k) Prover mão-de-obra especializada, qualificada e em quantidade suficiente à perfeita
prestação dos serviços.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
l) Cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e saúde do trabalho, previstas na legislação
pertinente.
m) Cumprir as condições de garantia, assistência técnica e suporte do objeto contratual de
acordo com o Termo de referência e seus anexos.
n) Prestar assistência técnica, durante a vigência dos contratos, capaz de atender em todo
território nacional prestando, no mínimo, o serviço de atendimento telefônico gratuito (0800), com
atendimento em língua portuguesa, e suporte remoto via Web, ambos em regime de 7 (sete) dias por
semana, 24 (vinte e quatro) horas por dia. Esse serviço poderá ser usado para abrir solicitações de
informações, reportar incidentes ou esclarecer dúvidas quanto à utilização dos produtos e soluções
fornecidos.
o) Fornecer as devidas notas fiscais/faturas, nos termos da lei e cumprir todas as obrigações
fiscais decorrentes da execução do contrato, responsabilizando-se por quaisquer infrações fiscais daí
advindas, desde que a infração fiscal tenha resultado de obrigação da CONTRATADA.
p) Manter todas as condições de habilitação jurídica, fiscal, trabalhista e qualificação técnica,
que ensejaram a sua contratação, devidamente atualizadas, durante toda a vigência do contrato, sob pena
de retenção dos valores, até sua regularização, sem ônus para o CONTRATANTE, bem como a aplicação
das demais penalidades.
q) Entregar as documentações eventualmente solicitadas pelo CONTRATANTE no prazo de 5
(cinco) dias úteis, sob pena de retenção de pagamentos.
r) Prestar esclarecimentos à CONTRATANTE sempre que necessário.
s) Fornecer à CONTRATANTE relatório detalhado, através de consulta em página WEB pelo
prazo de vigência do contrato, com a facilidade de download das informações mínimas descritas no
ANEXO II do Termo de Referência.
t) Assumir total responsabilidade pelo sigilo das informações e dados, contidos em quaisquer
mídias e documentos, que seus empregados ou prepostos vierem a obter em função dos serviços prestados
à CONTRATANTE, respondendo pelos danos que venham a ocorrer.
u) Contratar todos os seguros a que estiver obrigada pelas leis brasileiras, em qualquer tempo,
sem ônus para a CONTRATANTE.
v) Fornecer à CONTRATANTE, os manuais dos equipamentos, objeto do Contrato, em
português.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
x) Repassar todo o conhecimento adquirido ou produzido na execução dos serviços para os
técnicos da CONTRATANTE.
Garantir a execução dos serviços sem interrupção, substituindo, caso necessário, sem ônus
para a CONTRATANTE, qualquer profissional por outro de mesma qualificação ou superior.
z) Manter seus empregados, quando nas dependências da CONTRATANTE ou de suas
parceiras, nos locais da prestação dos serviços (estações), devidamente identificados com crachá subscrito
pela CONTRATADA, no qual constará, no mínimo, sua razão social, nome completo do empregado e sua
fotografia.
aa) Responsabilizar-se por quaisquer acréscimos ou ônus adicionais decorrentes de falha ou
omissão no projeto técnico, quando de sua autoria, conforme especificações técnicas descritas no
ANEXOS I e II do Termo de Referência.
ab) Informar ao responsável da CONTRATANTE, antes do efetivo envio dos equipamentos e
materiais, o local de entrega, o volume e a data prevista para a chegada.
ac) Enviar uma cópia da Nota Fiscal, imediatamente após sua emissão, aos responsáveis pela
execução das atividades de controle fiscal da CONTRATANTE.
ad) Fornecer os respectivos Certificados de Registro homologados junto à ANATEL para os
produtos que compõem a solução ofertada. Para referência, a CONTRATADA deverá informar-se sobre
as premissas de certificação via INTERNET, através da web site www.anatel.gov.br.
ae) Afixar nos equipamentos e produtos passíveis de Certificação, quando da entrega, as
plaquetas de identificação com o código de Certificação ANATEL, bem como informar a
CONTRATANTE quais são estes produtos/equipamentos. O não cumprimento desta exigência obriga a
CONTRATADA, em qualquer época, a assumir toda a responsabilidade pelas penalidades cabíveis,
inclusive, a produção e afixação das plaquetas nos respectivos produtos/equipamentos.
af) Fornecer à CONTRATANTE, bens novos, de manufatura recente, de primeira qualidade e
de tecnologia de vanguarda, não só no que se refere à matéria-prima utilizada para sua fabricação, mas,
também, no que tange a design e técnica empregada e deve apresentar declaração do respectivo
fabricante. Consideram-se novos, para os efeitos deste dispositivo, os bens que forem submetidos ao seu
primeiro uso e não tenham sofrido reparo e/ou reconstrução, ou não tenham sido instalados anteriormente,
ainda que como teste.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
ag) Garantir o fornecimento dos sobressalentes necessários, por um período de 10 (dez) anos,
ao preço máximo registrado em Ata de Registro de Preços, ressalvada a possibilidade de correção
cambial, tecnológica e atualização monetária. No caso de não dispor de sobressalente para o bem
correspondente, deverá indicar um sobressalente equivalente, com a garantia da qualidade e da
funcionalidade dos bens adquiridos. A obrigação de reposição em comento será válida pelo período
mínimo de 10 (dez) anos contados da data de entrega de cada um dos equipamentos.
ah) Remover quaisquer sobras e restos de materiais, às suas custas, dos locais de instalação,
restituindo as dependências à CONTRATANTE, ao final dos serviços, conforme lhes foram entregues,
respeitando a ecologia e cumprindo as exigências dos órgãos de controle ambiental, responsabilizando-se
ainda por quaisquer danos causados em decorrência do transporte ou dos serviços. Caso não cumprido o
estabelecido, a CONTRATADA será devidamente notificada e a CONTRATANTE poderá proceder à
retenção do valor, referente à próxima parcela de pagamento, até a devida regularização.
ai) Reparar, exclusivamente às suas custas, todos os defeitos, erros, falhas, omissões e
quaisquer irregularidades verificadas no fornecimento dos produtos e na execução dos serviços, bem
como responsabilizar-se por qualquer dano ou prejuízo daí decorrente.
aj) Manter as dependências da CONTRATANTE e de suas parceiras, utilizadas durante a
execução dos serviços, em perfeitas condições de conservação e limpeza.
ak) Aceitar as determinações da CONTRATANTE, efetuadas por escrito, para a substituição
imediata dos empregados cuja atuação, permanência ou comportamento forem, a seu critério,
considerados prejudiciais e inconvenientes à execução dos serviços.
al) Responder pelo cumprimento dos postulados legais, cíveis, trabalhistas e tributários
vigentes no âmbito federal, estadual ou do Distrito Federal.
am) Prestar as informações e esclarecimentos relativos ao objeto desta contratação que
venham a ser solicitados pelos agentes designados pela CONTRATADA.
an) Não veicular publicidade ou qualquer informação quanto à prestação do objeto desta
contratação sem prévia autorização da CONTRATANTE.
ao) Aceitar, nas mesmas condições contratuais, os acréscimos e supressões até o limite de
25% (vinte e cinco por cento) do valor atualizado do contrato.
CLÁUSULA SEXTA – DO VALOR DO CONTRATO
O
valor
total
do
presente
contrato
é
de
(__________________________________), conforme planilha a seguir:
R$
________________
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
ANEL SUDESTE
Item
Referência
1
1
2
2
3
3
4
7
5
9
6
10
7
11
8
12
9
13
10
14
11
18
12
19
13
20
22
14
15
23
16
24
17
25
18
26
19
27
20
28
21
29
22
30
23
31
24
32
25
33
26
34
27
35
28
36
29
37
30
38
31
39
32
40
33
41
34
42
35
43
36
44
37
45
38
46
39
47
40
48
41
49
42
50
Preço Total
Descrição
Contêiner de 12,00 m - configuração 1 – 13 bastidores (unidade)
Contêiner de 12,00 m - configuração 2 – 13 bastidores (unidade)
Contêiner de 12,00 m - configuração 3 – 11 bastidores (unidade)
Contêiner de 12,00 m - configuração 7 – 8 bastidores (unidade)
Contêiner de 8,00 m – configuração 2 - 6 bastidores (unidade)
Gabinete outdoor com 4 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 3 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 2 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete para Estação Repetidora Rádio (unidade)
Gabinete para Estação Terminal de Rádio com trocador de calor (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (15,0 m X 20,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (10,0 m X 10,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Contêiner de 12,00 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor comespaço p/ torre) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor com espaço p/ poste) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor) (unidade)
Infraestrutura Básica para Roof Top (Estação Terminal Rádio) (unidade)
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas subterrânea (m)
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas aérea (m)
Lançamento de cabos ópticos em dutos e canaletas existentes (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 24 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 36 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 48 fibras (m)
Cabos Ópticos Aéreos de 48 fibras (m)
Distribuidor Geral Óptico - DGO - 24 posições
Rack de parede padrão 19” com 10 Us
Sistema Retificador de 600 A (unidade)
Sistema Retificador de 1200 A (unidade)
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 3 TR (unidade)
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 4 TR (unidade)
Grupo Motor Gerador de 105 kVA (unidade)
Grupo Motor Gerador de 75 kVA (unidade)
Grupo Motor Gerador de 45 kVA (unidade)
Transformador de 112,5 kVA (unidade)
Transformador de 75 kVA (unidade)
Transformador de 45 kVA (unidade)
Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Câmeras coloridas fixas de alta definição (unidade)
Instalação Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Treinamento para grupo de 10 pessoas (unidade) - módulos de 40:00h
Operação Inicial - Lotes de 10 estações (unidade)
Operação Inicial - Lotes de 1 estação (unidade)
Quatidade
Estimada
2
Preço Unitário (R$)
2
2
2
2
4
5
44
267
989
120
692
6
40
297
17
49
21.301
38.820
49.703
30.571
7.396
33.037
43.867
276
52
2
8
8
32
8
4
4
8
6
320
63
252
63
6
2
500
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
Preço Total (R$)
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
ANEL NORDESTE
Item
Referência
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
Preço Total
5
6
7
10
11
12
13
15
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
36
38
40
43
44
45
46
47
48
49
50
Descrição
Contêiner de 12,00 m - configuração 5 – 10 bastidores (unidade)
Contêiner de 12,00 m - configuração 6 – 9 bastidores (unidade)
Contêiner de 12,00 m - configuração 7 – 8 bastidores (unidade)
Gabinete outdoor com 4 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 3 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 2 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete para Estação Repetidora Rádio (unidade)
Gabinete para Estação Terminal de Rádio com ar condicionado (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (15,0 m X 20,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (10,0 m X 10,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Contêiner de 12,00 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor comespaço p/ torre) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor com espaço p/ poste) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor) (unidade)
Infraestrutura Básica para Roof Top (Estação Terminal Rádio) (unidade)
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas subterrânea (m)
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas aérea (m)
Lançamento de cabos ópticos em dutos e canaletas existentes (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 24 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 36 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 48 fibras (m)
Cabos Ópticos Aéreos de 48 fibras (m)
Distribuidor Geral Óptico - DGO - 24 posições
Rack de parede padrão 19” com 10 Us
Sistema Retificador de 1200 A (unidade)
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 4 TR (unidade)
Grupo Motor Gerador de 75 kVA (unidade)
Transformador de 75 kVA (unidade)
Transformador de 45 kVA (unidade)
Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Câmeras coloridas fixas de alta definição (unidade)
Instalação Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Treinamento para grupo de 10 pessoas (unidade) - módulos de 40:00h
Operação Inicial - Lotes de 10 estações (unidade)
Operação Inicial - Lotes de 1 estação (unidade)
Quatidade
Estimada
Preço Unitário (R$)
2
2
2
8
8
53
333
1.285
169
900
4
233
386
31
64
13.759
16.720
32.103
19.746
4.777
21.339
18.894
384
44
6
24
8
6
402
73
292
75
2
2
600
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
Preço Total
(R$)
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
ANEL SUL
Item
Referência
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
36
37
38
39
Preço Total
4
8
10
11
12
13
14
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
36
37
38
39
41
42
44
45
46
47
48
49
50
Descrição
Contêiner de 12,00 m - configuração 4 – 11 bastidores (unidade)
Contêiner de 8,00 m – configuração 1- 7 bastidores (unidade)
Gabinete outdoor com 4 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 3 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 2 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete para Estação Repetidora Rádio (unidade)
Gabinete para Estação Terminal de Rádio com trocador de calor (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (15,0 m X 22,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (15,0 m X 20,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (10,0 m X 10,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Contêiner de 12,00 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Contêiner de 8,00 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor comespaço p/ torre) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor com espaço p/ poste) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor) (unidade)
Infraestrutura Básica para Roof Top (Estação Terminal Rádio) (unidade)
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas subterrânea (m)
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas aérea (m)
Lançamento de cabos ópticos em dutos e canaletas existentes (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 24 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 36 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 48 fibras (m)
Cabos Ópticos Aéreos de 48 fibras (m)
Distribuidor Geral Óptico - DGO - 24 posições
Rack de parede padrão 19” com 10 Us
Sistema Retificador de 600 A (unidade)
Sistema Retificador de 1200 A (unidade)
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 3 TR (unidade)
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 4 TR (unidade)
Grupo Motor Gerador de 105 kVA (unidade)
Grupo Motor Gerador de 45 kVA (unidade)
Transformador de 112,5 kVA (unidade)
Transformador de 45 kVA (unidade)
Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Câmeras coloridas fixas de alta definição (unidade)
Instalação Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Treinamento para grupo de 10 pessoas (unidade) - módulos de 40:00h
Operação Inicial - Lotes de 10 estações (unidade)
Operação Inicial - Lotes de 1 estação (unidade)
Quatidade
Estimada
Preço Unitário (R$) Preço Total
2
2
2
3
25
167
547
2
80
383
2
2
100
164
13
27
8.831
44.460
20.605
12.674
3.066
13.696
50.240
150
22
2
2
8
8
4
4
2
199
34
128
32
2
2
270
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
(R$)
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
REDE NORTE
Item
Referência
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
Preço Total
9
10
11
12
13
15
18
19
21
22
23
24
25
26
28
29
30
31
33
34
35
37
41
44
45
46
47
48
49
50
Descrição
Contêiner de 8,00 m – configuração 2 - 6 bastidores (unidade)
Gabinete outdoor com 4 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 3 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete outdoor com 2 bastidores com ar condicionado (unidade)
Gabinete para Estação Repetidora Rádio (unidade)
Gabinete para Estação Terminal de Rádio com ar condicionado (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (15,0 m X 20,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Autônoma (10,0 m X 10,0 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Contêiner de 8,00 m) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor comespaço p/ torre) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor com espaço p/ poste) (unidade)
Infraestrutura Básica Compartilhada (Gabinete outdoor) (unidade)
Infraestrutura Básica para Roof Top (Estação Terminal Rádio) (unidade)
Infraestrutura Básica para rede de fibras ópticas subterrânea (m)
Lançamento de cabos ópticos em dutos e canaletas existentes (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 24 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 36 fibras (m)
Cabos ópticos subterrâneo de 48 fibras (m)
Distribuidor Geral Óptico - DGO - 24 posições
Rack de parede padrão 19” com 10 Us
Sistema Retificador de 600 A (unidade)
Ar condicionado do tipo Wall Mounted de 3 TR (unidade)
Grupo Motor Gerador de 45 kVA (unidade)
Transformador de 45 kVA (unidade)
Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Câmeras coloridas fixas de alta definição (unidade)
Instalação Sistema de Circuito Fechado de TV (unidade)
Treinamento para grupo de 10 pessoas (unidade) - módulos de 40:00h
Operação Inicial - Lotes de 10 estações (unidade)
Operação Inicial - Lotes de 1 estação (unidade)
Quatidade
Estimada
Preço Unitário (R$) Preço Total (R$)
2
6
6
64
142
221
90
155
2
128
66
10
11
13.472
31.434
19.334
4.678
20.893
412
48
2
8
4
220
77
308
78
2
2
110
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Parágrafo Único
No preço estão incluídos todos os custos diretos e indiretos, inclusive o suporte técnico
durante o período de garantia oferecido pela CONTRATADA, frete, seguro, material, tributos e/ou
impostos, bem como quaisquer outras despesas incidentes na execução deste contrato.
CLÁUSULA SÉTIMA – DO PAGAMENTO
1) O pagamento será efetuado após a confirmação de que os itens contratados foram
efetivamente fornecidos, respeitando os termos definidos no item 5 do Termo de Referência e nos anexos
I e II, e em conformidade com a nota fiscal e fatura emitidas pela CONTRATADA, devidamente
atestadas pelo gestor do contrato designado pela CONTRATANTE.
2) No caso de constar mais de uma unidade em uma mesma ordem de serviço, admitir-se-á o
faturamento por unidade concluída.
3) As faturas serão atestadas em até 15 (quinze) dias contados a partir da data de entrega na
CONTRATANTE.
4) Os pagamentos serão efetuados pela CONTRATANTE, em até 15 (quinze) dias contados a
partir do atesto da Nota Fiscal pelo Fiscal do Contrato.
5) Somente serão pagos os quantitativos efetivamente confirmados pelo Fiscal do Contrato.
6) A CONTRATANTE não efetuará o pagamento se os serviços executados e produtos
adquiridos não estiverem de acordo com as especificações apresentadas neste termo de referência e em
perfeitas condições de funcionamento.
7) A CONTRATANTE poderá deduzir da importância a pagar os valores correspondentes a
multas ou indenizações devidas pela CONTRATADA.
8) Nenhum pagamento será efetuado à CONTRATADA enquanto pendente de liquidação
qualquer obrigação financeira, sem que isso gere direito a reajustamento de preços ou correção monetária.
9) Os pagamentos serão efetuados conforme descrição abaixo e com base na confirmação, por
parte da CONTRATANTE, da realização dos eventos vinculados.
10) Ordens de serviço de Equipamentos e Serviços.
10.1) 70% na conclusão da instalação do equipamento e serviços mediante o TERMO de
RECEBIMENTO.
10.2) 30% na Homologação, mediante TERMO de ACEITAÇÃO DEFINITIVA.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
11) Ordem de Serviço de Serviços de Treinamento
11.1) 100% na Entrega do ITEM, mediante TERMO de RECEBIMENTO.
12) Ordem de Serviço do Serviço de Operação Inicial
12.1) 1/6 do valor a cada mês de prestação do serviço, mediante TERMO DE
RECEBIMENTO.
13) Observando o que estabelece a legislação vigente, por ocasião do pagamento, a
CONTRATANTE, na condição de substituta tributária, efetuará a retenção na fonte dos tributos
devidos, tomando por base o valor total da respectiva nota fiscal.
14) Havendo erro na nota fiscal ou circunstância que impeça a liquidação da despesa, a
mesma será devolvida à contratada, e o pagamento ficará pendente até que a mesma providencie as
medidas saneadoras. Nesta hipótese, o prazo para pagamento iniciar-se-á após a regularização da
situação ou reapresentação do documento fiscal não acarretando qualquer ônus para a
CONTRATANTE.
15) Ocorrendo eventuais atrasos de pagamento, provocados exclusivamente pela
CONTRATANTE, o valor devido deverá ser acrescido de atualização financeira, e sua apuração se
fará desde a data de seu vencimento até a data do efetivo pagamento, em que os juros de mora serão
calculados à taxa de 0,5% (meio por cento) ao mês, ou 6% (seis por cento) ao ano, mediante a
aplicação das seguintes fórmulas:
I = (TX/100) / 365
EM = I x N X VP
Onde:
I = Índice de atualização financeira;
TX = Percentual da taxa de juros de mora anual;
EM = Encargos moratórios;
N = Número de dias entre a data prevista para o pagamento e a do efetivo
pagamento;
VP = Valor da parcela em atraso.
16) Nenhum pagamento será realizado pela CONTRATANTE sem que antes seja procedida
prévia e necessária consulta ao Sistema de Cadastramento de Fornecedores – SICAF - para
comprovação da regularidade da CONTRATADA, bem como do recolhimento das contribuições
sociais (FGTS e Previdência Social).
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
CLÁUSULA OITAVA – DA GARANTIA CONTRATUAL
1) A CONTRATADA se obriga a manter durante o período de garantia e assistência técnica
dos equipamentos, garantia do fiel cumprimento das obrigações contratuais, correspondente a 5% do
valor global do contrato.
2) A CONTRATADA poderá optar por uma das seguintes modalidades de garantia:
a) Caução em dinheiro;
b) Seguro Garantia;
c) Fiança Bancária.
3) Em caso de fiança bancária, deverão constar no instrumento, os seguintes requisitos:
3.1) Prazo de validade correspondente ao período de vigência do contrato;
3.2) Expressa afirmação do fiador de que, como devedor solidário e principal pagador, fará
o pagamento a CONTRATANTE, independentemente de interpelação judicial, caso o
afiançado não cumpra suas obrigações;
3.3) Expressa renúncia do fiador ao benefício de ordem e aos direitos previstos nos artigos
827 e 838 do Código Civil; e
3.4) Cláusula que assegure a atualização do valor afiançado.
3.5) Não será aceita fiança bancária que não atenda aos requisitos estabelecidos no item
anterior do Edital.
4) Em se tratando de seguro-garantia, a apólice deverá indicar:
4.1) A CONTRATANTE como beneficiário; e que o seguro garanta o fiel cumprimento das
obrigações assumidas no instrumento contratual, inclusive as de natureza trabalhista ou previdenciária,
até o valor da garantia fixado na apólice. Não será aceita apólice que contenha cláusulas contrárias aos
interesses da CONTRATANTE.
5) O valor da garantia será atualizado sempre que houver alteração no valor contratual,
obrigando-se a CONTRATADA a tomar todas as providências, às suas exclusivas expensas, para
assegurar o cumprimento desta obrigação, tempestivamente.
6) Sem prejuízo das demais hipóteses previstas no contrato e na regulamentação vigente, a
Garantia de Execução do Contrato poderá ser utilizada nos seguintes casos:
6.1) Quando a CONTRATADA não executar as obrigações previstas, ou ainda quando
as executar em desconformidade com o estabelecido;
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
6.2) Quando a CONTRATADA não proceder ao pagamento das multas que lhe forem
aplicadas, na forma do contrato e de regulamentos da CONTRATANTE;
6.3) Quando a União ou entidade de sua administração direta ou indireta vier a ser
responsabilizada em razão da ação ou omissão da CONTRATADA.
7) Utilizada a Garantia de Execução do Contrato, a CONTRATADA obriga-se a integralizálo no prazo de 5 (cinco) dias úteis contando da data em que for notificada formalmente pela
CONTRATANTE.
8) A garantia será liberada no prazo de até 30 (trinta) dias, após o perfeito cumprimento do
contrato, e, quando em dinheiro, atualizada monetariamente pela variação do índice que remunere a
Caderneta de Poupança, no período compreendido entre a data da retenção e a da restituição, adotando-se
o critério “pró-rata temporis” para as atualizações nos sub-períodos inferiores a 30 (trinta) dias.
CLÁUSULA NONA – DA VIGÊNCIA
O prazo de vigência do presente contrato será de 42 (quarenta e dois) meses, a partir da data
de sua assinatura.
CLÁUSULA DÉCIMA – DA DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA
As despesas decorrentes da presente contratação, objeto desta licitação, correrão à conta dos
recursos consignados no Orçamento Anual, a cargo da TELEBRÁS, cujos programas de trabalho e
elementos de despesa específica constarão da respectiva Ordem de Compra
CLÁUSULA DÉCIMA PRIMEIRA – DAS SANÇÕES ADMINISTRATIVAS
A LICITANTE que deixar de entregar ou de apresentar documentação exigida no Edital,
apresentar documentação falsa, ensejar o retardamento da execução de seu objeto, não mantiver a
proposta, falhar ou fraudar na execução do contrato ou pedido de compra, comportar-se de modo
inidôneo, fizer declaração falsa ou cometer fraude fiscal e que, convocado dentro do prazo de validade de
sua proposta, não assinar a ata de registro de preço, o contrato ou o pedido de compra, ficará sujeita às
seguintes sanções, sem prejuízo da reparação dos danos causados à CONTRATANTE, garantido o direito
à ampla defesa:
a) Advertência formal;
b) Multa:
b1) Conforme descrição da tabela abaixo.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Inciso
I
II
III
Descrição
Não cumprir o prazo definido no
item 11 do TR, referente à entrega
dos equipamentos contratados com
o serviço de instalação no prazo
definido
Não iniciar a o Serviço de
Operação Inicial conforme prazo
definido no Item 11 do TR.
Não iniciar o Serviço de
Treinamento
conforme
prazo
definido no Item 11 do TR.
Emergencial
Alta Prioridade
IV
Níveis de
Atendimento
Média Prioridade
Penalidade
Multa de 0,5% (zero vírgula cinco por cento) por dia de
atraso, limitado a 20% (vinte por cento), calculada sobre
o valor do Item atrasado.
Multa de 0,5% (zero vírgula cinco por cento) por dia de
atraso, limitado a 20% (vinte por cento), calculada sobre
o valor do Item atrasado.
Multa de 0,5% (zero vírgula cinco por cento) por dia de
atraso, limitado a 20% (vinte por cento), calculada sobre
o valor do Item atrasado.
Multa de 0,1% (zero vírgula
um por cento) por hora de
Tempo
para atraso, limitada a 5% (cinco
restabelecimento
do por cento), calculada sobre
sistema
o valor da mensalidade
correspondente à operação
inicial da respectiva estação.
Multa de 0,1% (zero vírgula
um por cento) por hora de
atraso, limitada a 5% (cinco
Tempo para solução
por cento), calculada sobre
definitiva do problema
o valor da mensalidade
correspondente à respectiva
operação inicial
Multa de 0,1% (zero vírgula
um por cento) por hora de
Tempo
para atraso, limitada a 5% (cinco
restabelecimento
do por cento), calculada sobre
sistema
o valor da mensalidade
correspondente à operação
inicial da respectiva estação.
Multa de 0,1% (zero vírgula
um por cento) por hora de
atraso, limitada a 5% (cinco
Tempo para solução
por cento), calculada sobre
definitiva do problema
o valor da mensalidade
correspondente à operação
inicial da respectiva estação.
Multa de 0,05% (zero
vírgula zero cinco por
cento) por hora de atraso,
Tempo
para
limitada a 5% (cinco por
restabelecimento
do
cento), calculada sobre o
sistema
valor
da
mensalidade
correspondente à operação
inicial da respectiva estação.
Multa de 0,05% (zero
vírgula zero cinco por
cento) por hora de atraso,
Tempo para solução limitada a 5% (cinco por
definitiva do problema
cento), calculada sobre o
valor
da
mensalidade
correspondente à operação
inicial da respectiva estação.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Consulta
V
Não atender prazo de Reparo de
Hardware
VI
Não atender o prazo
substituição de Hardware
campo
de
em
Multa de 0,05% (zero
vírgula zero cinco por
cento) por hora de atraso,
Tempo para atendimento limitada a 5% (cinco por
da consulta
cento), calculada sobre o
valor
da
mensalidade
correspondente à operação
inicial da respectiva estação.
Multa de 1% (um por cento) por dia de atraso, calculado
a partir do preço do item, limitado ao valor do próprio
item.
Multa de 1% (um por cento) por dia de atraso, calculado
a partir do preço do item, limitado ao valor do próprio
item.
b2) Compensatória no percentual de 10% (dez por cento), calculada sobre o valor total
do contrato, pela recusa em assinar o contrato ou ata de registro de preço, no prazo
de até 05 (cinco) dias úteis, após regularmente convocada, sem prejuízo da
aplicação de outras sanções previstas no Edital.
b3) Compensatória no percentual de 10% (dez por cento), calculada sobre o valor total
do contrato pela inadimplência superior a 45 (quarenta e cinco) dias, além dos
prazos contidos na tabela da alínea b1, ou pelo cometimento de falta considerada de
natureza grave, o que poderá ensejar também a rescisão do contrato.
c) Suspensão temporária do direito de licitar e de contratar com a TELEBRÁS por
período não superior a 02 (dois) anos;
d) Impedimento de licitar e contratar com a União, Estados, Distrito Federal ou
Municípios, com o descredenciamento no SICAF, pelo prazo de até 5 (cinco) anos,
sem prejuízo das multas previstas no Edital e no contrato e das demais cominações
legais;
Parágrafo primeiro
A multa deverá ser recolhida no prazo máximo de 10 (dez) dias corridos, a contar da data do
recebimento da comunicação enviada pela CONTRATANTE.
Parágrafo segundo
O valor da multa poderá ser descontado da nota fiscal ou do crédito existente, em relação à
CONTRATADA. Caso o valor da multa seja superior ao do crédito existente, a diferença será cobrada na
forma da lei.
Parágrafo terceiro
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
As multas e outras sanções aplicadas só poderão ser relevadas, motivadamente e por
conveniência administrativa, mediante ato da Administração, devidamente justificado.
Parágrafo quarto
As penalidades por descumprimento parcial ou total do contrato serão obrigatoriamente
registradas no SICAF.
Parágrafo quinto
As sanções aqui previstas são independentes entre si, podendo ser aplicadas isoladas ou
cumulativamente, sem prejuízo de outras medidas cabíveis.
Parágrafo sexto
Em qualquer hipótese de aplicação de sanções, será assegurado a licitante vencedora o
contraditório e a ampla defesa.
CLÁUSULA DÉCIMA SEGUNDA – DA RESCISÃO CONTRATUAL
I - A inexecução total ou parcial deste Contrato enseja a sua rescisão, com as conseqüências
contratuais e as previstas em lei ou regulamento.
Constituem motivo para rescisão deste Contrato:
a) o não cumprimento de cláusulas contratuais, especificações ou prazos;
b) o cumprimento irregular de cláusulas contratuais, especificações e prazos;
c) a lentidão do seu cumprimento, levando a CONTRATANTE a comprovar a
impossibilidade da conclusão do serviço e fornecimento, no prazo estipulado;
d) o atraso injustificado no início do serviço e do fornecimento;
e) a paralisação do serviço ou fornecimento, sem justa causa e prévia comunicação à
CONTRATANTE;
f) a subcontratação efetuada em desconformidade com as condições estabelecidas no edital, a
associação da CONTRATADA com outrem, a cessão ou transferência, total ou parcial, bem como a
fusão, cisão ou incorporação, não admitidas neste Contrato;
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
g) o desatendimento das determinações regulares emanadas da autoridade designada para
acompanhar e fiscalizar a sua execução, assim como as de seus superiores;
h) o cometimento reiterado de faltas na sua execução, anotadas na forma do § 1º do art. 67 da
Lei n.º 8.666/93;
i) a decretação de falência ou a instauração de insolvência civil;
j) a dissolução da CONTRATADA;
k) alteração social ou a modificação da finalidade ou da estrutura da CONTRATADA, que
prejudique a execução deste Contrato;
l) razões de interesse público, de alta relevância e amplo conhecimento, justificadas e
determinadas pela máxima autoridade da esfera administrativa a que está subordinado a
CONTRATANTE e exaradas no processo administrativo a que se refere este Contrato;
m) a supressão, por parte da CONTRATANTE de serviços, acarretando modificação do valor
inicial deste Contrato além do limite permitido no § 1º do art. 65 da Lei n.º 8.666/93, salvo as supressões
resultantes de acordo celebrado entre os contratantes, nos termos do inciso II, § 2º do art. 65 da referida
Lei;
n) a suspensão de sua execução, por ordem escrita da CONTRATANTE, por prazo superior a
120 (cento e vinte) dias, salvo em caso de calamidade pública, grave perturbação da ordem interna ou
guerra, ou ainda por repetidas suspensões que totalizem o mesmo prazo, independentemente do
pagamento obrigatório de indenizações pelas sucessivas e contratualmente imprevista desmobilizações e
mobilizações e outras previstas, assegurado a CONTRATADA, nesses casos, o direito de optar pela
suspensão do cumprimento das obrigações assumidas até que seja normalizada a situação;
o) o atraso superior a 90 (noventa) dias dos pagamentos devidos pela CONTRATANTE
decorrentes de serviços e do fornecimento, já executados, salvo em caso de calamidade pública, grave
perturbação da ordem interna ou guerra, assegurado a CONTRATADA o direito de optar pela suspensão
do cumprimento de suas obrigações até que seja normalizada a situação;
p) a não liberação, por parte da CONTRATANTE, de área, local ou objeto para execução do
serviço e do fornecimento, nos prazos contratuais;
q) a ocorrência de caso fortuito ou de força maior, regularmente comprovada, impeditiva da
execução deste Contrato;
r) contratação de trabalho noturno, perigoso ou insalubre a menores de dezoito anos e de
qualquer trabalho a menores de dezesseis anos, salvo na condição de aprendiz, a partir de quatorze anos,
conforme determina o Inciso XVIII do art. 78 da Lei nº 8.666/93; e
s) os casos de rescisão contratual serão formalmente motivados nos autos do processo,
assegurado o contraditório e a ampla defesa.
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
II – A rescisão deste Contrato poderá ser:
a) determinada por ato unilateral e escrito da CONTRATANTE, nos casos enumerado nas
letras “a” a “l” e “q” do item I;
b) amigável, por acordo entre as partes, reduzida a termo no processo da licitação, desde que
haja conveniência para a CONTRATANTE; e
c) judicial, nos termos da legislação.
Parágrafo primeiro
A rescisão administrativa ou amigável deverá ser precedida de autorização escrita e
fundamentada da autoridade competente.
Parágrafo segundo
Quando a rescisão ocorrer com base nas alíneas “l” a “q” desta cláusula, sem que haja culpa
da CONTRATADA, será este ressarcido dos prejuízos regularmente comprovados que houver sofrido,
tendo ainda direito, ainda, aos pagamentos devidos pela execução deste contrato até a data da rescisão.
Parágrafo terceiro
A rescisão por descumprimento das cláusulas contratuais acarretará a execução dos valores
das multas e indenizações a ela devidos, bem como a retenção dos créditos decorrentes deste Contrato, até
o limite dos prejuízos causados à CONTRATANTE, além das sanções previstas neste instrumento.
CLÁUSULA DÉCIMA TERCEIRA – DA FISCALIZAÇÃO
A fiscalização do presente Contrato será exercida por um representante da CONTRATANTE,
ao qual competirá dirimir as dúvidas que surgirem no curso da prestação dos serviços e de tudo dará
ciência à CONTRATANTE, conforme art. 67 da Lei nº 8.666, de 1993.
Parágrafo Único
A fiscalização de que trata esta Cláusula não exclui nem reduz a responsabilidade da
CONTRATADA, inclusive perante terceiros, por qualquer irregularidade, ainda que resultante de
imperfeições técnicas, vícios redibitórios, ou emprego de material inadequado ou de qualidade inferior e,
na ocorrência desta, não implica em co-responsabilidade da CONTRATANTE ou de seus agentes e
prepostos, de conformidade com o art. 70 da Lei nº 8.666, de 1993.
CLÁUSULA DÉCIMA QUARTA – DAS ALTERAÇÕES
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
Este Contrato somente sofrerá alterações, consoante disposições do Art. 65, da Lei nº 8.666
de 1993, por meio de Termo Aditivo e publicado no Diário Oficial da União.
CLÁUSULA DÉCIMA QUINTA – DA PUBLICAÇÃO
Incumbirá à CONTRATANTE a publicação do extrato deste Contrato no Diário Oficial da
União, conforme dispõe a legislação vigente.
CLÁUSULA DÉCIMA SEXTA – DOS CASOS OMISSOS
Os casos omissos ou situações não explicitadas nas Cláusulas deste Contrato serão decididos
pela CONTRATANTE, segundo as disposições contidas na Lei n.º 8.666, de 1993.
CLÁUSULA DÉCIMA SÉTIMA – DO FORO
Fica eleito o Foro da Justiça Federal, Seção Judiciária do Distrito Federal, com
exclusão
de qualquer outro, por mais privilegiado que seja, para dirimir quaisquer questões oriundas do presente
Contrato.
E assim, por estarem de acordo, ajustadas e contratadas, após lido e achado conforme, as
partes a seguir firmam o presente contrato em 02 (duas) vias, de igual teor e forma, para um só efeito, na
presença de 02 (duas) testemunhas abaixo assinadas.
Brasília,
de
___________________________________________________________
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. - TELEBRÁS
___________________________________________________________
EMPRESA
TESTEMUNHAS:
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
de 2010.
TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. – TELEBRÁS
Vinculada ao Ministério das Comunicações
___________________________________
Nome:
CPF:
Identidade:
__________________________________
Nome:
CPF:
Identidade:
SCN Quadra 04 – Bloco B – Lote 100 – Sala 903 – Centro Empresarial Varig
CEP: 70714-900 – Brasília/DF
Tel: (61)3415-2800 – Fax: (61) 3415-2783 – [email protected]
Was this manual useful for you? yes no
Thank you for your participation!

* Your assessment is very important for improving the work of artificial intelligence, which forms the content of this project

Download PDF

advertisement