universidade federal do ceará centro de tecnologia departamento

universidade federal do ceará centro de tecnologia departamento
UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ
CENTRO DE TECNOLOGIA
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA
JOSÉ MASCENA DANTAS
SISTEMA FOTOVOLTAICO PARA COMUNIDADES ISOLADAS UTILIZANDO
ULTRACAPACITORES PARA ARMAZENAMENTO DE ENERGIA
FORTALEZA
2012
ii
JOSÉ MASCENA DANTAS
SISTEMA FOTOVOLTAICO PARA COMUNIDADES ISOLADAS UTILIZANDO
ULTRACAPACITORES PARA ARMAZENAMENTO DE ENERGIA
Dissertação de Mestrado apresentada ao
Programa de Pós-Graduação em Engenharia
Elétrica, do Centro de Tecnologia da
Universidade Federal do Ceará, como
requisito parcial para obtenção do título de
Mestre em Engenharia Elétrica. Área de
concentração: Eletrônica de Potência e
Acionamentos Elétricos.
Orientador: Prof. Dr. Cícero Marcos Tavares
Cruz
FORTALEZA
2012
iii
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação
Universidade Federal do Ceará
Biblioteca de Pós-Graduação em Engenharia - BPGE
D213s
Dantas, José Mascena.
Sistema fotovoltaico para comunidades isoladas
armazenamento de energia / José Mascena Dantas. – 2012.
107 f. : il. color., enc. ; 30 cm.
utilizando
ultracapacitores
para
Dissertação (mestrado) – Universidade Federal do Ceará, Centro de Tecnologia, Departamento
de Engenharia Elétrica, Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica, Fortaleza, 2012.
Área de Concentração: Eletrônica de Potência e Acionamentos Elétricos.
Orientação: Prof. Dr. Cícero Marcos Tavares Cruz.
1. Engenharia Elétrica. 2. Energia – Fontes alternativas. I. Título.
CDD 621.3
iv
A Jesus Cristo, meu Senhor e Salvador.
Aos meus pais José Félix e Maria do Socorro
Dantas que acreditaram em mim.
Aos meus tios-pais Cândido
Lúcio
(in
memoriam) e Josefa Trigueiro que me
educaram em Campina Grande-PB.
À minha esposa e grande amor Mary Luce,
pela ausência no lar durante os estudos e pelo
incentivo sem o qual eu não teria chegado ao
final com a coroa.
Aos meus filhos Aryadne, Ariele e José Neto
que tiveram discernimento e compreensão.
Que acompanham a minha trajetória de vida.
v
AGRADECIMENTOS
Ao Rei dos Reis e Senhor dos Senhores, Jesus Cristo, o nazareno, que morreu na
cruz do Calvário para que nós todos tivéssemos vida, e vida em abundância.
Ao Reitor do Instituto Federal do Piauí, Prof. Francisco das Chagas Santana, um
verdadeiro nacionalista, que contribui para o desenvolvimento científico e tecnológico do
Estado do Piauí.
Aos Professores do Departamento de Engenharia Elétrica da UFC: Otacílio da Mota
Almeida, Luiz Henrique Colado Silva Barreto, José Carlos Teles Campos, Demercil de Sousa
e Arthur Sousa.
Ao Prof. René Pastor Torrico Bascopé que não mediu esforços em colaborar nos
momentos de dúvidas durante a montagem do projeto.
Ao Prof. Cícero Marcos Tavares Cruz, não só por sua segura e competente
orientação, dedicação, pelo exemplo de profissionalismo como também por sua amizade, seu
incentivo, sua paciência, enfim, pelo exercício de educador e formador de mentes críticas
demonstradas durante a orientação deste trabalho, transmitido sempre de forma clara e precisa
os seus conhecimentos. Agradeço imensamente a confiança em mim depositada.
Ao Prof. Fernando Antunes que não só contribuiu para o meu desenvolvimento
científico, mas que se tornou um amigo.
Ao professor Sérgio Daher pela amizade e colaboração nas discussões profissionais.
Aos professores Otacílio da Mota Almeida e Raphael Amaral membros da banca
examinadora que contribuíram em muito para o aprimoramento do trabalho em sua versão
final.
Aos meus companheiros de Mestrado: Guilherme Medeiros Barçante, Paulo de Tarso
Vilarinho Castelo Branco, Francisco das Chagas Batista Santos, Emanoel Augusto Paulo
Soares, Aurélio Agostinho Adão, Francisco Nogueira, Kelson Leite, Nádia Mendes, Dênis
Alfredo Costa e Silva, Benedicto Reinaldo Neto e José Brito Filho.
Ao meu amigo Jaison Castro Sousa que me recebeu em seu apartamento todas às
vezes que estive em Fortaleza.
Aos técnicos de laboratório do GPEC, Pedro Augusto e André Gadelha, pelas
contribuições práticas e pela amizade.
Aos meus colegas do LCE e do GPEC: Hermínio Miguel, Samuel Jó de Mesquita,
Derivan Marques, Dante Pereira, João Silva, Eduardo Façanha [jovem cientista 2011],
vi
Joacillo Dantas, Luiz Daniel, Francisco Júnior, Lisonildo Castro e Ailton Leão Júnior por
todo apoio, incentivo, conhecimentos técnicos e companheirismo em todas as etapas vencidas.
Ao amigo e companheiro Jaislan Honório Monteiro pela revisão deste trabalho.
Ao Prof. Kennedy Rolim por suas contribuições no acompanhamento deste projeto.
A minha esposa Mary Luce que me apoiou em todos os momentos, incentivando e
acreditando sempre em minha capacidade com amor e paciência.
Aos meus filhos amados Aryadne, Ariele e José Mascena Dantas Neto e a todas as
pessoas que por motivo de esquecimento não foram citadas anteriormente, vou deixando neste
espaço minhas sinceras desculpas e meus agradecimentos.
vii
RESUMO
Este trabalho apresenta a concepção, projeto e implementação de um conversor CC/CC
elevador para interligar um painel fotovoltaico a um banco de ultracapacitores para
armazenamento de energia em substituição às baterias automotivas convencionais. Na saída
dos ultracapacitores utiliza-se um conversor CC/CC abaixador, que fornece essa energia a um
sistema de telecomunicação para suprimento de um transceptor monocanal visando ao
atendimento do serviço de telefonia rural/Internet em comunidades isoladas da rede pública
de energia. O sistema pode suprir o serviço de comunicação para uma comunidade isolada da
rede de energia elétrica por até três horas no período noturno, quando utilizado um
equipamento rádio com cabos, conectores e antena para transmissão e recepção de sinal de
telefonia com potência de consumo de 13 W e com radiação solar média de 5.500 W/m2/dia.
Durante o dia, a energia solar é capturada por um painel fotovoltaico e armazenada em
ultracapacitores através de um conversor boost. Este conversor possibilita a carga dos
ultracapacitores no ponto de máxima potência (MPP) do painel fotovoltaico. O transceptor é
ativado quando se tira o fone do gancho e a alimentação do sistema vem do painel via
ultracapacitores. Caso haja ligações durante o dia, o painel fotovoltaico supre as necessidades
do equipamento transceptor. À noite, o painel utilizado não gera energia suficiente para
alimentar o sistema de telecomunicação. No período noturno, caso ocorra uma chamada
telefônica para o sistema proposto, o transceptor será acionado, o assinante deverá retirar o
monofone do gancho do aparelho telefônico para realizar o atendimento. Durante essa
operação o transceptor consome aproximadamente 13 W de potência, que é fornecida pelos
ultracapacitores, os quais estão interligados através do conversor buck. O sistema proposto é
controlado por um microcontrolador e um circuito de controle, que procura o ponto de
máxima potência (MPP) do painel fotovoltaico, monitora o nível da tensão dos
ultracapacitores e determina o tempo de funcionamento do conversor CC/CC, que possibilita
o fornecimento de energia para o transceptor pelos ultracapacitores.
Palavras-chave: Painel fotovoltaico. Comunidades isoladas. Sistema de telecomunicação.
Ultracapacitor. Conversores elevador e abaixador. Microcontrolador. Transceptor.
viii
ABSTRACT
This work presents the conception, design and implementation of a DC/DC boost converter to
connect a photovoltaic panel to a bank of ultracapacitors for energy storage to replace the
conventional automotive batteries. In the output of ultracapacitors a DC/DC step-down
converter is used. This converter provides power to a telecommunication system for the
supply of a single channel transceiver with the purpose of providing the services of rural
telephony and Internet in isolated communities from the public energy grid. The system can
provide the communication service to a isolated community from the power grid for up to
three hours at night when used with radio equipment with cables, connectors and antenna for
transmitting and receiving phone signal with consumption power of 13 W and with solar
radiation rate of 5.500 W/m2/day. During the day solar energy is captured by a photovoltaic
panel and stored in ultracapacitors through a boost converter. This converter enables
ultracapacitors to charge at the maximum power point (MPP) of the photovoltaic panel. The
transceiver is activated when the phone is taken off the hook and the system power comes
from the panel via ultracapacitors. If there are calls during the day, the photovoltaic panel
meets the needs of the transceiver. At night, the panel used does not generate enough energy
to power the telecommunication system. At night, if there is a phone call to the proposed
system, the transceiver will be triggered, and the subscriber should take the handset off the
hook to answer an incoming call. During this operation, the transceiver consumes
approximately 13 W of power, which is provided by ultracapacitors that are interconnected
through the buck converter. The proposed system is controlled by a microcontroller and a
control circuit which tracks the maximum power point (MPP) of the photovoltaic panel,
monitors the voltage level of ultracapacitors and determines the operating time of the DC/DC
converter which enables the provision of power to the transceiver by the ultracapacitors.
Keywords: Photovoltaic panel. Isolated communities. Telecommunication systems. Rural
telephony. Ultracapacitor. Boost and buck converters. Microcontroller. Transceiver.
ix
SUMÁRIO
INTRODUÇÃO GERAL................................................................................................
CAPÍTULO 1...................................................................................................................
1 ESTADO DA ARTE DA ENERGIA SOLAR..........................................................
1.1 Introdução...........................................................................................................
1.2 Comunidades isoladas sem rede de energia e de telecomunicações...................
1.3 O porquê de atender as comunidades isoladas sem redes de energia e de
telecomunicações................................................................................................
1.4 Custo para se levar energia até as comunidades isoladas ..................................
1.5 Sistema proposto.................................................................................................
1.6 Conclusão............................................................................................................
CAPÍTULO 2...................................................................................................................
2 COMPONENTES
DO
SISTEMA:
PAINEL
FOTOVOLTAICO,
CONVERSORES, ULTRACAPACITORES E TRANSCEPTOR........................
2.1 Célula Fotovoltaica.............................................................................................
2.2 Painel Fotovoltaico.............................................................................................
2.3 Ultracapacitores...................................................................................................
2.3.1 Comparações entre Baterias x Ultracapacitores.............................................
2.4 Transceptor .........................................................................................................
2.4.1 Funcionamento do transceptor........................................................................
2.5 Revisão Bibliográfica dos Conversores..............................................................
2.5.1 Conversores CC-CC.......................................................................................
2.5.2 Conversor Boost.............................................................................................
2.5.3 Topologia do Conversor Elevador..................................................................
2.6 Técnicas de MPPT..............................................................................................
2.6.1 Método da Perturbação e Observação (P&O) ...............................................
2.6.2 Método da Razão Cíclica Fixa ......................................................................
2.6.3 Método da Tensão Constante ........................................................................
2.6.4 Método da Corrente Constante ......................................................................
2.6.5 Método da Condutância Incremental .............................................................
2.6.6 Método Hill Climbing (HC) ..........................................................................
2.7 Conversor Buck...................................................................................................
2.7.1 Topologia do Conversor Abaixador...............................................................
2.8 Conclusão..............................................................................................................
CAPÍTULO 3...................................................................................................................
3 DIMENSIONAMENTO DO SISTEMA...................................................................
3.1 Introdução...........................................................................................................
3.2 Dimensionamento do Gerador Fotovoltaico.......................................................
3.3 Dimensionamento do Elemento Armazenador...................................................
1
3
3
3
4
8
9
13
13
15
15
15
20
22
37
40
40
42
42
43
46
47
49
53
53
55
56
59
61
63
63
64
64
64
64
67
x
3.4 Dimensionamento e Simulação do Conversor Boost.....................................
3.3.1 Dimensionamento do indutor boost...............................................................
3.3.2 Dimensionamento do capacitor C1................................................................
3.4 Dimensionamento e Simulação do Conversor Buck.........................................
3.4.1 Dimensionamento do indutor buck............................................................
3.5 CIRCUITO DE CONTROLE E ALGORITMO...................................................
3.5.1 Algoritmo de MPPT.......................................................................................
CAPÍTULO 4...................................................................................................................
4 RESULTADOS EXPERIMENTAIS.......................................................................
4.1 Protótipo montado ............................................................................................
73
73
76
79
83
86
86
89
89
89
CONCLUSÃO GERAL.................................................................................................. 97
REFERÊNCIAS.............................................................................................................. 100
APÊNDICES.................................................................................................................... 105
APÊNDICE A - Esquemático do Circuito de Controle desenhado com o software
Altium................................................................................................................................ 105
APÊNDICE B - Esquemático do circuito de potência e da fonte auxiliar....................... 106
APÊNDICE C - Esquemático do banco de ultracapacitores............................................. 107
.
xi
LISTA DE ILUSTRAÇÕES
Figura 1.1
Figura 1.2
Figura 1.3
Figura 1.4
Figura 1.5
Figura 1.6
Figura 1.7
Figura 1.8
–
–
–
–
–
–
–
–
Figura 1.9
Figura 2.1
Figura 2.2
Figura 2.3
Figura 2.4
–
–
–
–
–
Figura 2.5
Figura 2.6
Figura 2.7
–
–
–
Figura 2.8
–
Figura 2.9
–
Figura 2.10
Figura 2.11
Figura 2.12
Figura 2.13
Figura 2.14
Figura 2.15
Figura 2.16
–
–
–
–
–
–
–
Figura 2.17
Figura 2.18
Figura 2.19
Figura 2.20
Figura 2.21
Figura 2.22
–
–
–
–
–
–
Figura 2.23
Figura 2.24
Figura 2.25
–
–
–
Projeção de custos futuros..............................................................
Jangada com orelhão celular em Maceió (AL)...............................
Usuário usando tecnologia GSM e energia solar no Lago Vitória,
em Uganda......................................................................................
Usuário em orelhão da Oi beneficiado pela captação de energia
solar, região do semiárido (PI) .......................................................
Orelhão via satélite da Embratel usando energia fotovoltaica na
localidade Melancias, em São Francisco do Piauí (PI)...................
Sistema de telefonia pública utilizando energia fotovoltaica em
Maceió-AL......................................................................................
Painel solar e antena sendo instalados na comunidade rural
Tucuns dos Donatos em Pedro/PI...................................................
Números absolutos de exclusão elétrica rural por Estado da
Federação........................................................................................
Diagrama de blocos do sistema proposto........................................
Camada do tipo P e camada do tipo N da célula solar....................
Efeito fotovoltaico na junção P-N...................................................
Esquemático de uma célula fotovoltaica de silício.........................
Tipos de células fotovoltaicas: a) silício monocristalino b) silício
policristalino c) película fina..........................................................
Painel fotovoltaico utilizado no experimento.................................
Representação dos nanotubos de carbono.......................................
O nanotubo semicondutor é encapsulado pelo polímero, criando
uma tinta eletrônica.........................................................................
O nanotubo pesquisado pela equipe do Dr. Rauge que vislumbra
um carro elétrico no qual a bateria estaria distribuída por todo o
veículo, incluindo chassi, portas, teto, piso, etc. ............................
Estrutura de um nanotubo de prata com seção quadrada. Todos
os nanotubos conhecidos até agora eram realmente tubos,
redondos..........................................................................................
Corte transversal de um ultracapacitor...........................................
Nanotubo de carbono sobre folha de níquel...................................
Baterias, ultracapacitores e capacitores comuns.............................
Capacitor eletrolítico comum e ultracapacitor................................
Capacitores e ultracapacitores.........................................................
Módulo esquemático do ultracapacitor...........................................
Mapa comparativo de características de densidade de potência e
de energia de diferentes dispositivos de acúmulo...........................
Separação de carga no ultracapacitor..............................................
Exemplo de um circuito PWM.......................................................
Conversor elevador de tensão (boost clássico) ..............................
Tensão sobre o indutor do boost.....................................................
Principais formas de onda do conversor boost...............................
Apresentação gráfica da característica de transferência do
conversor boost...............................................................................
Representação dos pontos de operação de um painel fotovoltaico.
Diagrama de blocos simplificado do MPPT...................................
Fluxograma do Algoritmo do Método Perturbação & Observação
4
5
5
5
6
6
7
10
13
16
17
17
19
20
23
25
26
27
29
30
30
31
31
33
34
36
43
44
44
45
46
48
49
50
xii
Figura 2.26
Figura 2.27
–
–
Figura 2.28
Figura 2.29
Figura 2.30
Figura 2.31
–
–
–
–
Figura 2.32
Figura 2.33
Figura 2.34
Figura 2.35
Figura 2.36
Figura 2.37
Figura 3.1
–
–
–
–
–
–
–
Figura 3.2
–
Figura 3.3
Figura 3.4
–
–
Figura 3.5
Figura 3.6
Figura 3.7
–
–
–
Figura 3.8
–
Figura 3.9
Figura 3.10
Figura 3.11
Figura 3.12
Figura 3.13
Figura 3.14
–
–
–
–
–
–
Figura 3.15
–
Figura 3.16
–
Figura 3.17
Figura 3.18
Figura 4.1
Figura 4.2
–
–
–
–
Figura 4.3
Figura 4.4
Figura 4.5
Figura 4.6
Figura 4.7
–
–
–
–
–
Evoluções possíveis da potência num painel fotovoltaico..............
Mudança repentina do ponto de operação devido às alterações
climáticas........................................................................................
Modelo do método da Tensão Constante........................................
Fluxograma do método de Tensão Constante.................................
Fluxograma do Método Corrente Constante...................................
Gráfico da curva Tensão x Potência para o Método Condutância
Incremental.....................................................................................
Fluxograma do Método Condutância Incremental.........................
Algoritmo do MPPT do Método Hill Climbing..............................
Conversor Buck...............................................................................
Tensão VDbuck no conversor buck...................................................
Ganho estático em função da razão cíclica ....................................
Principais formas de onda do conversor buck.................................
Representação dos pontos de operação do painel fotovoltaico
M55 da Siemens..............................................................................
Curva de Potência e corrente em função da tensão no painel
fotovoltaico.....................................................................................
Relação da constante de tempo RC.................................................
Resposta em frequência para capacitância e resistência com
ultracapacitor de 350 F....................................................................
Curvas de corrente de descarga no ultracapacitor...........................
Perfil da curva de descarga no ultracapacitor.................................
Circuito do ORCAD CAPTURE 10.3 utilizado para simular o
módulo fotovoltaico........................................................................
Circuito utilizado para simulação do conversor boost no ORCAD
CAPTURE 10.3...............................................................................
Tensão no módulo fotovoltaico......................................................
Corrente no módulo fotovoltaico....................................................
Ondulação da corrente de carga nos ultracapacitores.....................
Corrente no indutor do conversor boost..........................................
Tensão no interruptor do conversor boost......................................
Circuito utilizado para simulação do conversor buck no ORCAD
CAPTURE 10.3...............................................................................
Tensão nos ultracapacitores na entrada do conversor buck com
ORCAD CAPTURE 10.3. .............................................................
Tensão na chave de entrada do conversor buck com ORCAD
CAPTURE 10.3. .............................................................................
Rotina para obtenção do ponto de máxima potência......................
Processo de carga dos ultracapacitores...........................................
Foto do protótipo implementado.....................................................
Circuito de Potência - Conversores Boost (esquerda) e Buck
(direita).
Circuito de Controle do Sistema.....................................................
Medida do indutor do boost............................................................
Medida do indutor do buck.............................................................
Transceptor ativado e telefone com monofone no gancho.............
Análise espectral do transceptor sem sinal da portadora com
monofone no gancho.......................................................................
51
52
53
54
56
57
58
59
61
61
62
62
65
66
69
69
70
71
72
77
77
77
78
78
79
82
83
83
87
88
89
90
90
91
91
92
92
xiii
Figura 4.8
–
Figura 4.9
–
Figura 4.10
Figura 4.11
–
–
Figura 4.12
–
Figura 4.13
–
Figura 4.14
–
APÊNDICE A
–
APÊNDICE B
APÊNDICE C
–
–
Transceptor ativado com chamada telefônica em andamento e
monofone fora do gancho............................................................... 93
Análise espectral da onda portadora do transceptor ativado na
frequência de 259,066 MHz............................................................ 93
Diagrama de blocos do sistema montado no projeto...................... 94
Tensão na chave e corrente no indutor do Boost.
(Canal 1: 5 V/div e Canal 2: 1 A/Div)............................................ 94
Tensão e corrente na carga do conversor Boost.
(Canal 1: 5 V/div e Canal 2: 250 mA/Div)..................................... 94
Tensão na chave e corrente no indutor do Buck .
(Canal 1: 5 V/div, Canal 2: 250 mA/div)........................................ 95
Tensão e corrente na carga do conversor buck.
(Canal 1: 5 V/div e Canal 2: 250 mA/Div)..................................... 95
Esquemático do Circuito de Controle desenhado com o software
Altium.............................................................................................. 105
Esquemático do circuito de potência e da fonte auxiliar................ 106
Esquemático do banco de ultracapacitores..................................... 107
xiv
LISTA DE TABELAS
Tabela 1
–
Custos de Instalação e de Geração de Energia de Fontes Renováveis.......
11
Tabela 2
–
Comparação de preços de ultracapacitores 2,7 V 350 F por fabricante.....
37
Tabela 3
–
Comparações entre Ultracapacitores x Baterias.........................................
39
Tabela 4
–
Comparação bateria x ultracapacitor..........................................................
39
Tabela 5
–
Resumo do Algoritmo Perturbação e Observação.....................................
51
Tabela 6
–
Comparação entre os métodos MPPT........................................................
60
Tabela 7
–
Características elétricas do módulo M55 da Siemens................................
65
Tabela 8
–
Especificações para o dimensionamento do conversor boost....................
73
Tabela 9
–
Características do núcleo NEE-42/21/20...................................................
74
Tabela 10
–
Características físicas do indutor boost......................................................
75
Tabela 11
–
Especificações para o dimensionamento do conversor buck.....................
79
Tabela 12
–
Características do núcleo NEE-40/17/12...................................................
84
Tabela 13
–
Características físicas do indutor buck.......................................................
86
xv
LISTA DE SÍMBOLOS
Símbolo
Significado
Unidade
η
Rendimento
%
Ondulação de corrente de entrada do boost
A
A
∆Vcarga
Ondulação de corrente na entrada do indutor do
buck
Variação de tensão na saída do boost
V
∆V _buck
Variação de tensão na entrada do buck
V
∆VC_buck
Ondulação de tensão de saída do buck
V
∆VPV
Variação de tensão na entrada do boost
V
Ae
Área efetiva da perna central do núcleo
cm2
Ae.Aw
Produto das áreas
cm4
Afiobuck
Área total do condutor do buck
cm2
cm2
AhL
Área total do condutor do indutor do conversor
boost
Capacidade média de geração fornecida pelo
módulo fotovoltaico em um dia
Consumo diário da carga
Aw
Área da janela do carretel
cm2
∆IPV
∆IL_buck
Afio
Ahd
Bmax
Ah
Ah
Densidade de fluxo magnético
T
Capacitância
F
-
Csys
Quantidade de células de ultracapacitores que são
ligados em série
Sistema de capacitâncias
F
CUC
Capacitância equivalente dos ultracapacitores
F
C
Ccells
Cultra
C1
Capacidade total dos ultracapacitores
Ah
CBuck
Capacitor de entrada do conversor boost em
paralelo com o painel
Capacitor de saída do conversor buck
F
Cmín
Capacitor de filtragem do conversor buck
F
d
Dias de autonomia
D
Razão cíclica
F
Dias
-
xvi
Símbolo
D’
Significado
Unidade
Complemento da razão cíclica
-
Dmax
Razão cíclica máxima para o conversor boost
-
Dmáx
Dmín
Ciclo de carga máximo para o conversor buck
Ciclo de carga mínimo para o conversor buck
-
D[n]
Razão cíclica amostrada
-
Dboost
Diodo do boost
-
Dbuck
Diodo do buck
-
Dc
Máxima profundidade de descarga
%
dt
Tempo de execução desejado
s
dq
Elemento de carga de uma placa
-
dW
Trabalho
J
Earm
Energia armazenada pelos ultracapacitores
J
ESR
Resistência Série Equivalente
Ω
Resistência série máxima do capacitor
Ω
Fs
Frequência de comutação da rede
Hz
fSboost
Frequência de comutação no boost
Hz
fSbuck
Frequência de comutação no buck
Hz
Corrente nominal da carga fornecida pelo fabricante
A
Corrente média
A
Corrente de curto-circuito (corrente máxima)
A
Corrente eficaz que circula pelo enrolamento do
indutor boost
Corrente de pico do indutor do boost
A
A
Corrente eficaz que circula pelo indutor buck
A
IL2pico
Corrente de pico através do indutor buck
A
IMPP
Corrente nominal do painel fotovoltaico
A
Corrente nominal do módulo fotovoltaico
A
Corrente de curto-circuito
A
ESRmáx
Icarga
I
Icurto
IL1ef
IL1pico
IL2ef
IPV_NOM
ISC
Jmax
Densidade de corrente elétrica máxima
A/cm2
Io
Corrente nominal de saída do conversor buck
A
Iph
Corrente de curto-circuito do painel fotovoltaico
A
xvii
Símbolo
Significado
Unidade
K2
Constante de proporcionalidade
-
Kw
Fator de utilização da área da janela
-
Lboost
Indutor do boost
H
Lbuck
Indutor do buck
H
lg
lgbuck
Nesp
Entreferro total do indutor do boost
Entreferro total do indutor do buck
Número de espiras do enrolamento do indutor
Número de fios paralelos para o indutor
Número de fios paralelos para o indutor do buck
Quantidade de painéis solares do projeto
Modo de condução contínua
Modo de condução descontínua
Ponto de máxima potência do painel fotovoltaico
Potência máxima
cm
cm
W
Nfios_paralelos
N fios_paralelos_buck
Np
MCC
MCD
MPP
Pmax
PUCmed
Po
Potência média fornecida pelo banco
ultracapacitores
Potência nominal de saída do conversor buck
de
W
W
Pout
Potência consumida pela carga
W
PWM
Modulação por largura de pulso
-
-q
Carga negativa
-
+q
Carga positiva
-
R
Resistência de carga
Ω
Rmed
Radiação média diária (Fortaleza: 5500 W/m2/dia)
W/m2/
dia
Ω
RPM
Resistor paralelo ao painel fotovoltaico
RS
Radiação solar padrão
RSE
Resistência série equivalente
RSM
Resistor série com o painel fotovoltaico
Ω
Resistência série do capacitor do buck
Ω
RSE_Buck
ReqESRmáxBuck Resistência série equivalente máxima do conversor
buck
1.000
W/m2
Ω
Ω
xviii
Símbolo
Sbuck
Significado
Unidade
Chave do buck
-
Ton
Intervalo de Condução
s
Ts
Intervalo de comutação
s
tfunc
Tempo de funcionamento da carga por dia
h/dia
V
Vaberto
Vc
Diferença de potencial entre placas de um capacitor
Tensão em aberto do painel (tensão máxima)
Tensão de saída do buck
V
V
V
Ve_mín
Tensão mínima na entrada do barramento do
conversor buck
Tensão máxima fornecida pelo banco de
ultracapacitores
Tensão mínima de trabalho
V
Tensão na saída do conversor buck
V
Tensão máxima na saída do conversor boost (tensão
máxima nos ultracapacitores)
Tensão de saída do barramento do buck
Tensão de polarização do diodo
V
Vmax
Vmin
Vcarga
Vcarga_max
Vcc
VD
VDBuck
Vg
VLR(t)
V LBuck
VMPP
VOC
VPV
Ф
Tensão no diodo do conversor buck
Tensão máxima de entrada do barramento do
conversor buck
Tensão no indutor LR
Tensão média sobre o indutor do conversor buck
Tensão nominal (tensão no ponto de máxima
potência)
Tensão de circuito-aberto
Tensão no painel fotovoltaico
Diâmetro do fio do indutor
V
V
V
V
V
V
V
V
V
V
V
cm
cm
VPV_MIN
Profundidade de penetração da corrente no condutor
do conversor boost
Tensão mínima de entrada no boost
VPV_NOM
Tensão nominal na entrada do boost
V
δ
V
1
Introdução Geral
As novas tecnologias na área das fontes renováveis de energia, têm se
caracterizado nos últimos anos como fatores importantes no desenvolvimento do setor. Os
sistemas fotovoltaicos desde 1980, eólicos e de biomassa têm aumentado a eficiência e,
consequentemente, tornado-se economicamente mais viáveis. Estes sistemas têm funcionado
de diversas formas e potências em várias partes do mundo com bastante sucesso. As
tecnologias para uso de energias renováveis, não podem mais ser consideradas como soluções
alternativas, dentro do contexto global econômico e de uso racional da energia [1].
As vantagens apresentadas com o uso da energia solar fotovoltaica são muitas,
dentre as quais se podem destacar extrema simplicidade, ausência de peças mecânicas móveis,
característica modular, reduzidos prazos para instalação, alto grau de confiabilidade dos
sistemas instalados e baixa manutenção. Desta forma, o sistema solar fotovoltaico caracterizase como importante fonte de energia, que não polui o meio ambiente e que é uma fonte
renovável de energia bastante adequada ao meio urbano, reduzindo quase que completamente
as perdas por transmissão da energia devido à proximidade entre geração e consumo [2].
Historicamente, a geração e a distribuição da energia elétrica estão associadas à
necessidade de luz, porém a força motriz é a maior dependente da continuidade do serviço de
fornecimento. Em 2001, o povo brasileiro foi obrigado a economizar energia, devido à crise
energética ocorrida com a falta de investimentos em infraestrutura pelo governo federal, hoje
a situação não é diferente.
Os sistemas fotovoltaicos isolados ou autônomos, em geral, atendem a locais
isolados ou não conectados à rede elétrica de distribuição. Este caso não é genérico, pois
sinais de trânsito podem ser conectados à fonte de suprimento fotovoltaico. No caso
específico, deste estudo, analisar-se-á a implementação de um sistema de telecomunicação em
áreas distantes da rede.
A necessidade de instalação e operação do sistema com o uso de ultracapacitores,
como forma de armazenamento de energia, constitui-se uma alternativa promissora para
substituir as baterias automotivas mais pesadas, mais caras e com tempo de vida útil menor
por ultracapacitores que são menores fisicamente, mas com vida útil de 10 anos para
atendimento a comunidades isoladas da rede pública de energia elétrica e da rede de
telecomunicações, o que resolve a limitação de espaço e durabilidade.
2
Procurando contribuir neste sentido, essa dissertação está dividida como segue: No capítulo I
apresenta-se uma rápida abordagem sobre as principais necessidades de se instalar esses
sistemas em comunidades isoladas dos serviços públicos de energia e telecomunicações. É
feita uma indagação em como proceder para atender as comunidades isoladas sem redes de
energia e de telecomunicações e os custos para se levar energia e comunicação até uma
comunidade longe dos centros urbanos e afastada da rede de distribuição de energia.
No capítulo II é mostrado um estudo sobre o painel fotovoltaico, os
ultracapacitores utilizados, os conversores empregados no controle do sistema e na
alimentação da carga. A partir deste estudo é analisado o uso dos ultracapacitores no Brasil, e
por estarem sendo utilizados em grandes escalas em projetos que substituem o uso das
baterias por esses componentes, em países tais como os Estados Unidos, Japão, Alemanha,
Coréia do Sul, dentre outros. Em seguida é feito um comparativo de armazenamento de
energia entre as baterias e os ultracapacitores.
O capítulo III traz o dimensionamento do sistema a ser usado durante o trabalho, o
equacionamento para determinar os parâmetros do circuito, as etapas de operação e os
resultados das simulações realizadas.
O capítulo IV apresenta o circuito projetado e os resultados experimentais obtidos
com o protótipo desenvolvido.
Para finalizar o estudo, as conclusões finais do projeto são apresentadas.
3
CAPÍTULO 1
1 ESTADO DA ARTE DA ENERGIA SOLAR
1.1 Introdução
A necessidade do ser humano em usar a energia para suas atividades diárias
remonta de tempos passados. Atualmente a energia elétrica em particular tornou-se uma
modalidade de energia fundamental para todos os ramos de atividade seja ela industrial
comercial ou residencial. Com isto o uso da energia elétrica se expandiu tornando-se
necessário a normatização e a regulamentação do setor. O mercado de energia elétrica tornouse propulsor de grandes empreendimentos voltados não somente para o grande consumidor
como também para o pequeno consumidor. A busca pelo pequeno consumidor, hoje motivado
por várias campanhas governamentais será em um futuro próximo, a última milha promissora
e carente de investimento. É neste contexto que se insere este trabalho, na busca pelo
consumidor remoto que se conectará ao negócio de energia na forma sem fio “wireless”. Duas
fontes de energia se destacam neste cenário a energia eólica e a solar.
Neste tópico será traçado um paralelo dando ênfase às vantagens das duas
principais fontes alternativas de energia mais utilizadas no momento em todo o mundo, quais
sejam: a Eólica e a Solar. Para a sociedade em geral a energia eólica é inesgotável, não emite
gases poluentes nem gera resíduos, diminuindo a emissão de gases de efeito estufa. Nas
comunidades onde se encontram inseridos os parques eólicos são compatíveis com outros
usos e utilizações do terreno como a agricultura e a criação de gado, gerando a criação de
emprego e renda, com benefícios financeiros diretos para os proprietários de terras na qual são
inseridos. Para o Estado reduz a elevada dependência energética do exterior, nomeadamente a
dependência em combustíveis fósseis, e aumento do crédito de carbono devido à poupança à
menor aquisição de direitos de CO2 por cumprir o Protocolo de Kyoto e as diretivas
comunitárias, também por ser uma das fontes mais baratas de energia podendo competir em
termos de rentabilidade com as fontes de energia tradicionais.
A cada dia os painéis solares ficam mais potentes e seu custo de produção vem
diminuindo, tornando cada vez mais a energia solar uma solução economicamente viável, em
termos de investimento. O gráfico da Figura 1.1 mostra a projeção de custos de produção do
painel solar.
4
Figura 1.1 – Projeção de custos futuros.
Em comunidades isoladas da rede convencional de energia, a energia solar é uma
alternativa excelente em lugares remotos ou de difícil acesso, pois sua instalação em pequena
escala não obriga a investimentos em linhas de transmissão.
1.2
Comunidades isoladas sem redes de energia e de telecomunicações
Os sistemas fotovoltaicos domésticos isolados são aqueles designados para
aplicações nas quais a energia convencional não está disponível para uso. Eles fornecem
eletricidade às residências e que, como o próprio nome já diz, não estão conectados à rede de
distribuição de eletricidade da concessionária local. Estes sistemas, na maioria das vezes,
atendem às comunidades isoladas, fornecendo energia elétrica de baixa tensão, em sua maior
parte, para iluminação, comunicação, refrigeração e outras cargas de menor consumo de
energia.
Os sistemas fotovoltaicos não domésticos isolados foram as primeiras aplicações
comerciais. Esses sistemas fornecem energia para uma ampla escala de aplicações, tais como
em telecomunicação, refrigeração de medicamentos e vacinas em postos de saúde,
bombeamento de água e outros [3].
Os sistemas de telecomunicações alimentados por energia fotovoltaica são
encontrados também em telefonia para locais isolados, estações móveis de telecomunicações,
telemetria, pequenas centrais telefônicas, rádio ou TV VHF/UHF.
Nas regiões de difícil acesso e em comunidades isoladas onde não há energia
elétrica, torna-se praticamente impossível terem a seu alcance um meio de comunicação. Com
5
a aplicação da energia fotovoltaica, esse fato, pode ser uma realidade. Existem telefones
públicos, já em funcionamento, que utilizam a tecnologia fotovoltaica. Na Figura 1.2 tem-se
um telefone de uso público sobre uma jangada em Maceió (AL) e na Figura 1.3 um telefone
celular com tecnologia GSM em uma canoa em no Lago Vitória (Uganda) para atender as
comunidades de difícil acesso ao serviço de telecomunicações, só possível por meio de
embarcações.
Figura 1.2 – Jangada com orelhão celular
em Maceió (AL).
Figura 1.3 – Usuário usando tecnologia GSM e energia
solar no Lago Vitória, em Uganda.
A Figura 1.4 mostra um telefone público da concessionária de telefonia em
atendimento a uma comunidade isolada da rede pública de telecomunicações na região do
semiárido piauiense.
Figura 1.4 – Usuário em orelhão da Oi beneficiado pela captação de energia solar, região do semiárido (PI).
A Figura 1.5 mostra um sistema de telefonia via satélite instalado na comunidade
Melancias, zona rural do município de São Francisco do Piauí, que integra a comunidade ao
resto do mundo. O sistema fotovoltaico além de atender aos moradores com o telefone
fornece energia à bomba do poço, alimenta a rede elétrica da escola da comunidade e a TV
via satélite através de uma antena parabólica, que traz entretenimento e diversão aos
moradores da localidade.
6
Figura 1.5 – Orelhão via satélite da Embratel usando energia fotovoltaica na localidade Melancias, em
São Francisco do Piauí (PI).
A Figura 1.6 mostra o sistema composto por telefone público (a cartão indutivo),
placa de energia solar e transceptor celular fixo em Maceió (AL). O TCP-F (Telefone Celular
Público Fotovoltaico) resolve a questão da telefonia pública em locais distantes, que pode ser
instalado em 24 horas em locais em que haja sinal de telefonia celular. É resistente às
intempéries e pode ser usado como orelhão, equipamento de comunicação de segurança e
meio de comunicação de emergência em rodovias, entre outros.
Figura 1.6 – Sistema de telefonia pública utilizando energia fotovoltaica em Maceió (AL).
O sistema de telecomunicações para atendimento a comunidade isolada da rede
pública de energia e de telecomunicações na localidade Tucuns dos Donatos, em Pedro II
(PI), é composto por dois módulos fotovoltaicos, um controlador eletrônico de cargas, uma
bateria automotiva, um equipamento de rádio transceptor monocanal (12 Vcc), uma antena
Yagi na faixa de VHF e o equipamento telefônico (orelhão). O sistema de telefonia rural
opera na faixa de frequência de 250 MHz, foi instalado em julho/1998, e se encontra em pleno
funcionamento. Nesse caso, o módulo está fixado sobre uma estrutura metálica a uma altura
aproximada de 3 metros. Todavia, outras configurações também são possíveis: sobre o
7
telhado da pequena edificação que abriga o rádio transmissor ou afixado no próprio poste que
suporta a antena instalada na altura de cerca de 10 m.
Na Figura 1.7 aparece o painel montado, que se encontra próximo ao poste de 12
m e o detalhe da antena do sistema de transmissão/recepção instalados por técnicos da
concessionária dos serviços públicos de telecomunicações, ex-Telepisa, hoje Telemar (Oi).
Figura 1.7 – Painel solar e antena sendo instalados na comunidade rural Tucuns dos Donatos em Pedro/PI.
[Fotos: José M. Dantas, Telepisa, 1998].
Em pesquisa realizada em 2008, existia cerca de 30 municípios piauienses que
possuíam sistemas semelhantes a esses, instalados pela empresa concessionária de
telecomunicações. Em [4] é apresentada a relação dos sistemas fotovoltaicos de
telecomunicações da empresa Oi, destinados ao fornecimento elétrico a Telefones de Uso
Público - TUPs na zona rural de diversas comunidades piauienses.
Observou-se que, praticamente, todos os territórios piauienses apresentaram
comunidades beneficiadas com serviço de telefonia graças a essa tecnologia de geração
distribuída. Em algumas comunidades, após a eletrificação, a remoção do sistema fotovoltaico
não é de imediato. Visto que, o sistema continua sendo mantido por meses até necessitar de
reparos, quando então é removido. A confiabilidade desses sistemas de geração frente à baixa
qualidade do fornecimento elétrico, principalmente no meio rural, está entre os principais
motivos que justificam essa prática.
8
De acordo com o artigo 15 do Decreto Nº 7.512 de 30 de junho de 2011, que
aprovou o Plano Geral de Metas para a Universalização do Serviço Telefônico Fixo Comutado
Prestado no Regime Público - PGMU, em que todas as localidades com mais de cem habitantes
devem dispor de pelo menos um TUP instalado em local acessível vinte e quatro horas por dia
para que qualquer pessoa ou instituição possa fazer uso dos serviços de telecomunicações,
independente de sua localização e condições socioeconômicas.
Outra aplicação da energia solar fotovoltaica no setor de telecomunicações
piauiense é encontrada em estações remotas via satélite, que utilizam RLU (Remote Line
Unit). Tais estações são destinadas ao atendimento telefônico de pequenas localidades,
podendo conter até 32 canais para assinantes. Nesse caso, quando as comunidades a serem
atendidas não possuem rede elétrica para o fornecimento de energia, a opção fotovoltaica
apresenta-se como boa alternativa. Além disso, a geração fotovoltaica é também utilizada para
atender demandas emergenciais de telecomunicações quando o fornecimento de energia
elétrica é interrompido por períodos longos de tempo. Atualmente, as aplicações desta opção
tecnológica em centrais maiores ou em repetidoras não são usuais nas empresas
concessionárias de telecomunicações, posto que necessitam de maiores demandas elétricas
para os equipamentos e para a climatização do ambiente em que operam. Esses fatores
implicam em elevados custos, inviabilizando esses empreendimentos. Todavia, tendo em vista
o atual cenário brasileiro e o plano de universalização dos serviços de telecomunicações, a
tecnologia solar fotovoltaica apresenta-se bastante promissora.
As comunidades não atendidas por energia da rede pública, que já possuem
sistemas de telecomunicações operando com baterias, podem substituir seus sistemas de
armazenamento de energia por ultracapacitores, desde que as alterações dos projetos técnicos
sejam realizadas por profissionais especializados. Os ultracapacitores têm como objetivo
armazenar a energia vinda do painel solar via conversor elevador boost. Um conversor
abaixador de tensão buck interliga os ultracapacitores com o transceptor. O objetivo deste
trabalho é mostrar que é possível substituir o sistema de baterias por ultracapacitores como
forma de armazenamento de energia.
1.3 O porquê de atender as comunidades isoladas sem redes de energia e de
telecomunicações
Atualmente, os sistemas fotovoltaicos vêm sendo utilizados em instalações
remotas possibilitando vários projetos sociais, agropastoris, de irrigação e comunicações. As
9
facilidades de um sistema fotovoltaico tais como: modularidade, baixos custos de manutenção
e vida útil longa, fazem com que sejam de grande importância para instalações em lugares
desprovidos da rede elétrica [6].
A energia solar se mostra uma grande alternativa para geração de energia elétrica,
pois nos dias atuais, em que os problemas ambientais se agravam e as matérias-primas se
esgotam, torna-se arriscada a exploração continuada dos combustíveis fósseis e nucleares para
sustentar a crescente demanda a que nossa sociedade está habituada.
Para atender as comunidades isoladas se faz necessário o uso de energias
alternativas, como eólica, solar, diesel, cavaco para uso em termoelétrica, mas com a queima
de madeira e a degradação do meio ambiente, é a forma de utilização menos recomendável.
Como na maioria das comunidades isoladas da rede de energia elétrica no interior do Brasil, e
especialmente, no Norte e Nordeste, não possui ventos suficientes para se gerar energia com
aerogeradores, e como se tem a energia do sol abundantemente durante, praticamente, todos
os dias do ano, e por ser mais barata para se produzir, optou-se no sistema proposto neste
trabalho em utilizar a energia solar como forma de baratear os custos de montagem.
Para atendimento a essas comunidades isoladas, a presidenta da república,
sancionou o Decreto Nº 7.512, de 30 de junho de 2011, que trata sobre o Plano Geral de
Metas para a Universalização do Serviço Telefônico Fixo Comutado Prestado no Regime
Público – PGMU, especificamente, os art. 4o, 9o, 16, 19 e 20 tratam sobre o assunto.
1.4 Custo para se levar energia até as comunidades isoladas
A energia é fator essencial ao desenvolvimento social e econômico de uma região
ou país. A qualidade de vida de que dela resulta possibilita realizar as tarefas mais simples e
essenciais ao cotidiano de qualquer pessoa. Porém, há muitas comunidades que não usufruem
dos benefícios do acesso à energia no Brasil, em especial na Amazônia e em partes do
Nordeste. Abrangendo quase 60% do território nacional, a Amazônia abriga inúmeras
comunidades ribeirinhas que não dispõem de recursos básicos à sobrevivência, dentre eles a
energia elétrica. São populações muito pequenas que se distribuem por áreas dispersas, mas
que totalizam milhares de habitantes com acesso precário à energia. As dificuldades em levar
a eletrificação rural a essas comunidades, e a necessidade de limitar o uso de combustíveis
fósseis, substituindo-os por alternativas energéticas não poluidoras e renováveis, tornam
urgente o investimento em pesquisa e desenvolvimento de fontes alternativas de energia.
Projetos para a obtenção de energia elétrica gerada a partir de unidades de produção baseadas
10
em biomassa, eólica, solar e Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) começam a ser
implantados em comunidades isoladas da Região Norte [7, 8]. Porém, assim como as demais
fontes alternativas, o custo de instalação dessas tecnologias é alto, dificultando o seu acesso pelas
pequenas comunidades isoladas tanto da Amazônia quanto do Nordeste.
Para se reverter essa situação, uma das formas é promover os sistemas alternativos de
energia associados a programas sociais de geração de renda. Em especial no caso da energia
fotovoltaica, é certo que uma concessionária de energia não terá interesse em instalar de graça
painéis para a captação de luz solar. É necessário que haja incentivos governamentais à geração de
renda para essas comunidades isoladas.
Segundo dados do Ministério de Minas e Energia (MME), o atendimento de
energia elétrica às populações rurais brasileiras ainda não atendidas representa um enorme
desafio para o país, pois se refere a um contingente de cerca de 10 milhões de brasileiros que
vivem no campo, distribuídos em 2 milhões de domicílios – representando 80% do total
nacional da exclusão elétrica. A Figura 1.8 mostra os números absolutos de exclusão elétrica
rural por Estado da Federação.
Figura 1.8 – Números absolutos de exclusão elétrica rural por Estado da Federação.
Fonte: Ministério das Minas e Energia - MME
As principais fontes primárias de energia disponíveis na Amazônia, com maiores
chances de aproveitamento, são a fotovoltaica, a hidrocinética e a biomassa (lenha, resíduos
florestais e óleos vegetais) em toda a região, e a eólica (em partes dos litorais do Pará e
11
Amapá), cujos custos aproximados de instalação e geração estão representados na Tabela 1
[8].
Tabela 1 – Custos de Instalação e de Geração de Energia de Fontes Renováveis.
Fotovoltaica
Hidrocinética*
Eólica
Gaseificação**
Vapor
Biodiesel***
*Roda d´água flutuante
10.000,00
5.000,00
1.000,00
750,00
600,00
303,00
Custo de Geração –
(US$/MWh)
Sem CCC
Com CCC
313,32
78,33
180,10
98,23
45,01
26,05
115,28
101,00
113,67
96,91
305,00
300,18
**Sem consumo de diesel ***Biodiesel de babaçu
FONTE: http://www.portal.fucapi.br/tec/imagens/revistas/ed06_completo.pdf, p. 30-35
Nessa tabela, além dos custos normais de geração, apresentam-se os custos de
geração levando em consideração a sub-rogação da Conta de Consumo de Combustível
(CCC) destinada a subsidiar a instalação de fontes renováveis. O emprego maciço dessas
fontes faz parte das prioridades do programa Luz para Todos, do governo federal, que
objetiva o acesso e uso da energia elétrica por todos os brasileiros.
No entanto, conforme se pode perceber, o uso de fontes renováveis, em escala
significativa, nas condições amazônicas, passará, obrigatoriamente, pela minimização das
fontes, com vistas ao atendimento de pequenas demandas de energia; consolidação técnica de
determinadas tecnologias (especialmente de biomassa); e diminuição dos custos de
investimento, que só deverá ocorrer quando se aumentar a escala de produção das fontes.
A superação dessas barreiras só poderá ser esperada, logicamente, no longo prazo,
e dependerá de vontade política por parte dos tomadores de decisão. Caso contrário, perpetuase o ciclo vicioso que se depara atualmente. Desse modo, é necessário que se garanta
demanda para que os fabricantes possam ter a garantia de retorno de investimento em
pequenas fontes renováveis, o que dependerá, certamente, de decisões políticas sustentáveis
em longo prazo.
Visto apenas pela ótica financeira, na qual as externalidades positivas não são
valoradas e incorporadas aos custos, não há dúvida que o abastecimento de energia às
comunidades isoladas, longe de ser um investimento com retorno econômico, significa um
aumento nos encargos das empresas concessionárias, motivo pelo qual elas não têm
demonstrado interesse em atender essa classe de consumidores. No entanto, o acesso dos
excluídos à energia elétrica - cerca de 15 milhões de brasileiros - não pode ser visto, apenas,
pela ótica do investimento financeiro. Deve ser encarado, todavia, como um investimento
12
social, capaz de influenciar forte e positivamente na melhoria das condições de vida dessas
pessoas.
Segundo o estado da arte das fontes alternativas de energia, tanto no que diz
respeito à maturidade tecnológica (tecnologia dominada, disponibilidade de peças de
reposição, rede de assistência técnica, etc) quanto com relação à escala de produção de
energia (compatível com a maioria das comunidades da região), somente a fotovoltaica e a
hidrocinética poderão ser consideradas, atualmente, como disponíveis ao atendimento
energético de comunidades isoladas da região amazônica como também nas regiões CentroOeste e Nordeste.
A Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL, através da Resolução Nº
493/2012 de 05/06/2012, estabelece os procedimentos e as condições de fornecimento por meio
de Microssistema Isolado de Geração e Distribuição de Energia Elétrica – MIGDI ou Sistema
Individual de Geração de Energia Elétrica com Fonte Intermitente – SIGFI [9]. Além dos
sistemas padronizados, desde 2004, já foram instalados inúmeros sistemas residenciais e
comunitários de menor ou maior porte durante os anos 1990 até hoje, procedente de
cooperações técnicas com outros países ou programas do governo federal (PRODEEM) [10].
Nesse tópico mostra-se que existem muitas comunidades isoladas sem energia no
país. Mesmo assim, o sistema proposto, depende da geografia do terreno para os casos em que
o atendimento se dá em até 30 km da sede do município. O serviço dever ser disponibilizado
para ser atendido via rádio, que é o propósito desse projeto, isso para a operadora regional,
que deve disponibilizar o serviço, em atendimento ao parágrafo primeiro do art. 16 do
do Decreto Nº 7.512, de 30 de junho de 2011. Em caso de localidades acima de 30 km, a
operadora de Longa Distância Nacional é a responsável pelo fornecimento do serviço de
telecomunicações, conforme parágrafo segundo do mesmo decreto.
O projeto ora apresentado não necessita atender às exigências da ANEEL em seu
Art. 5º da referida resolução, visto que a carga do sistema de telecomunicações tem baixa
potência de consumo, estando, portanto, fora das especificações técnicas exigidas.
13
1.5 Sistema Proposto
O diagrama de blocos do sistema desenvolvido é mostrado na Figura 1.9. Este
pode ser subdividido em cinco subsistemas; o sistema fotovoltaico PV, o conversor CC/CC
elevador, os ultracapacitores, o conversor CC/CC abaixador e o transceptor. Todos estes
subsistemas são gerenciados por um microcontrolador que determina o tempo de
funcionamento de cada subsistema, bem como monitora a condição de carga dos
ultracapacitores.
Figura 1.9 – Diagrama de blocos do sistema proposto.
CC
CC
PV
CC
TRANSCEPTOR
CC
ULTRACAPACITOR
O protótipo foi desenvolvido para suprir uma comunidade isolada da rede de energia
elétrica para atendimento ao serviço de telefonia em uma localidade desprovida dos serviços
de telecomunicações.
O sistema proposto pode ser instalado para atendimento a comunidades isoladas
da rede de energia elétrica como propriedades rurais, sítios, chácaras, fazendas, repetidoras de
sinais de telecomunicações, canteiros de obras de construtoras, em que seja difícil a instalação
de postes da rede pública de energia, bem como ser usado como telefone de uso público e
acesso à Internet. Pode ainda, de acordo com o perfil topográfico do terreno, atender
localidades distantes do lado da central telefônica em até 100 km do município sede.
1.6 Conclusão
Neste trabalho propõe-se o desenvolvimento de um sistema fotovoltaico para
suprir energia a um sistema de telefonia para atendimento de uma comunidade isolada. O
módulo de armazenamento de energia é constituído de ultracapacitores os quais substituem as
baterias automotivas.
Como vantagens sobre módulos de baterias estão o menor peso, menor volume e
vida útil superior com menos manutenção. O tempo de vida útil dos ultracapacitores situa-se
em torno de 10 anos contra 3 anos de vida útil das baterias. O sistema fornece alimentação
para o equipamento transceptor podendo ser utilizado dois ou mais canais, com potência de
14
consumo de 13 W. O sistema será projetado com capacidade para alimentar serviços de
telecomunicações para atendimento a comunidades isoladas da rede pública de telefonia fora
da área de atendimento básico das concessionárias dos serviços públicos por até 3 horas
noturnas, podendo ser ativado como um Telefone de Uso Público – TUP (conhecido
popularmente como orelhão), serviço de conexão à internet, atendimento a postos de saúde,
escolas rurais, pequenas residências, fazendas, sítios e chácaras com potência máxima
instalada de até 50 W.
Este trabalho está divido como segue:
O segundo capítulo inicia-se com o estudo genérico sobre o painel fotovoltaico a
ser utilizado, bem como descreve sobre os ultracapacitores, seu dimensionamento, sua forma
de armazenamento de energia e o comparativo de custos e vantagens sobre as tradicionais
baterias usadas em sistemas fotovoltaicos e as principais configurações instaladas no Brasil.
Neste capítulo também será apresentado o dimensionamento dos conversores que serão
utilizados no sistema proposto de acordo com as normas regulamentadoras e autorizativas da
ANEEL [9], assim como, o funcionamento do transceptor monocanal que funcionará como
carga do sistema.
O terceiro capítulo apresenta o estudo teórico do conversor boost responsável pelo
carregamento dos ultracapacitores. Será apresentado seu princípio de funcionamento,
equacionamento, projeto, simulação e controle, o qual deve garantir que o painel fotovoltaico
opere no ponto de máxima potência, garantido assim que seja extraída a sua máxima potência
para qualquer nível de radiação solar.
Também será dimensionado o conversor buck
responsável pela retirada da energia dos ultracapacitores para fornecimento ao transceptor,
tanto para funcionamento durante o dia com a presença de luz solar quanto na sua ausência,
no período noturno, e quando em dias nublados com pouca incidência de raios solares. Por
fim, serão apresentados o circuito de controle e o algoritmo usado pelo sistema.
O quarto capítulo apresenta o resultado das simulações e os testes feitos em
laboratório como foco principal para este trabalho que é um conversor capaz de alimentar um
rádio transceptor monocanal com baixa potência operando em corrente contínua.
Ao final do capítulo são apresentados os resultados experimentais para o protótipo
implementado, verificando e comprovando os estudos teóricos realizados nos capítulos
anteriores.
Ao fim do trabalho descreve-se a conclusão geral acerca de todo o estudo,
juntamente com sugestões para trabalhos futuros.
15
CAPÍTULO 2
2 COMPONENTES DO SISTEMA: PAINEL FOTOVOLTAICO, CONVERSORES,
ULTRACAPACITORES E TRANSCEPTOR.
2.1 Célula Fotovoltaica
A célula fotovoltaica é a unidade básica para a conversão da energia radiante do
Sol em eletricidade e é confeccionada com materiais semicondutores como o Silício (Si), o
Germânio e Arseneto de Gálio. O silício é o mais utilizado devido ao processo de fabricação
das suas lâminas ser bastante desenvolvido e pelo domínio da tecnologia por parte da
indústria de eletrônica que produz em larga escala.
Na análise semântica da palavra fotovoltaico, perceber-se que este termo surge da
junção de “foto”, que significa luz, com “voltaico”, que se refere ao aparecimento de uma
diferença de potencial através de uma reação química. Esta divisão permite ter uma noção,
ainda que intuitiva, do significado do fenômeno efeito fotovoltaico. O efeito fotovoltaico é o
fenômeno responsável pela conversão da energia solar em energia elétrica. Este se realiza em
materiais semicondutores, que tal como o próprio nome indica, possuem características
intermediárias entre um condutor e um isolante. Os semicondutores caracterizam-se pela
presença de bandas de energia onde é permitida a presença de elétrons (zona de valência) e de
outra zona chamada banda de condução [11].
O silício normalmente apresenta-se como areia, obtendo-se na sua forma pura
através de métodos adequados. Os elementos do grupo IV da tabela periódica, como o silício,
caracterizam-se por possuírem quatro elétrons de valência que se ligam aos átomos vizinhos
através de ligações covalentes, formando uma rede cristalina. O cristal de silício puro não
apresenta elétrons livres e, portanto é um mau condutor elétrico. Para inverter esta situação é
necessário adicionar outros elementos químicos ao sistema. Quando átomos que possuem
cinco elétrons de valência, como o Fósforo ou o Arsênio, são adicionados ao sistema, há um
elétron em excesso que fica livre para estabelecer ligações covalentes, enfraquecendo a sua
ligação com o átomo de origem. Por outro lado, quando átomos que possuem três elétrons de
valência, como o Boro ou o Índio, são adicionados ao sistema, há falta de um elétron para
estabelecer as ligações covalentes com os átomos de silício, formando uma lacuna. Desta
forma, é necessária uma pequena quantidade de energia para que, no primeiro caso, o elétron
livre seja libertado para a banda de condução, e no segundo caso, um elétron de um local
vizinho se desloque e preencha a lacuna. Assim, o Fósforo ou o Arsênio são doadores de
16
elétrons do tipo N (Silício tipo N) e o Boro ou o Índio, são aceitadores de elétrons do tipo P
(Silício do tipo P) [11].
Cada célula solar é constituída por uma camada fina de material do tipo N e outra
com maior espessura de material do tipo P, como se pode observar Figura 2.1.
Figura 2.1 – Camada do tipo P e camada do tipo N da célula solar.
Silício tipo N
+
Silício tipo P
-
Separadamente, as camadas do tipo N e do tipo P são eletricamente neutras, no
entanto, ao serem ligadas, através da junção P-N gera-se um campo elétrico. Na zona da
junção dá-se uma transferência de elétrons livres, do lado N para o lado P, que irão preencher
as lacunas. Este deslocamento de elétrons provoca um déficit de elétrons do lado N, tornando
positivamente e uma concentração de elétrons do lado P, ficando carregado negativamente.
Surge assim um campo elétrico na zona da junção. Este processo atinge um ponto de
equilíbrio quando o campo elétrico é capaz de impedir a passagem dos elétrons livres do lado
N para o lado P. A tensão total da junção é cerca de 1 V e é chamada tensão de difusão [11].
A luz solar ao incidir sobre a junção P faz com que os fótons choquem com os
elétrons da camada de silício, fornecendo-lhes energia e transformando-os em condutores. Os
elétrons da zona de valência se deslocam para a banda de condução, ou seja, os fótons
arrancam os elétrons das ligações covalentes formando pares elétrons-lacunas, que são
acelerados por efeito do campo elétrico em sentidos opostos. Como resultado do
deslocamento das cargas obtém-se uma diferença de potencial entre as superfícies opostas da
célula – efeito fotovoltaico. Esta tensão é chamada de tensão de circuito aberto. Na Figura 2.2
pode-se observar o efeito fotovoltaico numa célula [6].
17
Figura 2.2 – Efeito fotovoltaico na junção P-N [6].
Através de um condutor externo liga-se a camada negativa (Silício tipo P) à
camada positiva (Silício tipo N). Desta forma, cria-se um caminho para a corrente elétrica na
ligação, enquanto a luz solar incidir na célula, sendo que a intensidade dessa corrente é
proporcional à intensidade de luz incidente - corrente de curto-circuito.
A Figura 2.3 mostra a estrutura da célula fotovoltaica [6].
Figura 2.3 – Esquemático de uma célula fotovoltaica de silício [6].
Durante o efeito fotovoltaico são envolvidos três efeitos físicos que se relacionam
entre si, sendo eles a absorção, transferência de energia e energia elétrica [6].
18
A luz é composta por fótons que podem penetrar em determinados materiais e até
atravessá-los. Um raio luminoso ao incidir sobre um material pode ser refletido, absorvido ou
refratado. Quando um raio solar incide sobre uma célula fotovoltaica, este é absorvido e
restituído sob a forma de outra energia – absorção [12].
Todos os materiais são formados por átomos que possuem um núcleo e um
conjunto de elétrons que gravitam em redor do núcleo. Os elétrons ao absorverem a energia
dos fótons libertam-se da influência do núcleo, ficando livres – transferência de energia dos
fótons para as cargas elétricas. Estes elétrons livres constituem a corrente elétrica [12].
Para que os elétrons livres possam ser uma fonte de energia elétrica, estes têm de circular no
exterior do semicondutor. Isto é conseguido com uma junção P-N, cujo objetivo é criar um
campo elétrico no interior do material de forma a separar as cargas negativas das cargas
positivas – criação de corrente elétrica [12].
As células solares fotovoltaicas podem ser encontradas no mercado e estão
divididas em três categorias. As células de primeira geração são feitas a partir de silício
cristalino, que englobam as células monocristalinas e policristalinas. As de película fina
pertencem ao grupo de células de segunda geração, são de novos materiais semicondutores
explorados. As de terceira categoria englobam vários conceitos novos de células solares, estão
ainda, sem sua maioria, na fase de desenvolvimento, como as de soluções microcristalinas,
nanocristalinas ou híbridas [12]
As células solares de silício cristalino tem dominado a indústria fotovoltaica desde
seu início, sendo uma tecnologia bastante conhecida e confiável. É tanto que se apresentam
como líderes mundiais de mercado [12].
As células solares de silício monocristalino, ilustradas na Figura 2.4 a)
representam a primeira geração de células solares, sendo estas, as mais usadas e
comercializadas para painéis fotovoltaicos. Estas células são cortadas a partir de um único
cristal de silício de grandes dimensões e de elevada pureza. Apresentam rendimento de cerca
de 24% em laboratório, o que na prática se traduz numa eficiência entre 15% e 20% [13]. As
técnicas utilizadas para a sua produção são caras e complexas, o que se reflete no preço final
para o consumidor. Este custo elevado deve-se ao fato do processo de fabricação exigir uma
grande quantidade de energia bem como materiais no seu estado puro e com uma estrutura
cristalina perfeita.
As células solares de silício policristalino, mostradas na Figura 2.4 b) são
constituídas por um grande número de pequenos cristais de silício e também pertencem ao
grupo de células de primeira geração. O seu processo de fabricação é mais simples e necessita
19
de menos energia, se comparado com as células monocristalinas, o que reduz o seu custo de
produção. Contudo, estas apresentam um rendimento inferior, entre 12% e 15% [13], devido
ao fato do silício conter imperfeições resultantes do seu processo de fabricação.
São as células que apresentam uma melhor relação preço/rendimento sendo por isso bastante
utilizadas [11].
As células solares de película fina ou filme fino, representadas na Figura 2.4 c)
constituem o grupo de células de segunda geração. Esta geração surgiu como resposta à
necessidade de encontrar uma alternativa às células de primeira geração, muito dispendiosas
no seu processo de produção, por requererem elevadas temperaturas na sua produção e
elevados graus de pureza.
Este tipo de células é constituído por películas finas de silício, permitindo assim
reduzir a espessura da célula e quantidade de silício usada. O seu processo de fabricação
apresenta um baixo consumo de energia.
As grandes desvantagens são o rendimento, tipicamente entre 5% e 10% de
degradação nos primeiros meses de vida, reduzindo assim a eficiência ao longo da vida útil.
A principal tecnologia é o silício amorfo (a-Si), muito usada na eletrônica
profissional, em relógios e calculadoras. As células de silício amorfo são películas muito finas
o que permite que sejam utilizadas como material de construção, tal como em fachadas ou
telhados de edifícios. Isto possibilita o seu uso em grande escala, atenuando o problema do
baixo rendimento energético [12].
Figura 2.4 - Tipos de células fotovoltaicas: a) silício monocristalino b) silício policristalino c) película fina de silício.
a) 1ª Geração
b) 2ª Geração
c) 3ª Geração
Além das células fotovoltaicas baseadas em silício, existem outras com materiais
que estão sendo pesquisadas e testadas em laboratórios. Os pesquisadores prometem custos
mais reduzidos, mas não devem aparecer no mercado nos próximos anos, uma vez que, ainda
se encontram em fase de estudo. Dentre essas novas tecnologias destacam-se as tecnologias
20
nanocristalinas sensibilizadas com corantes, microcristalinas, micromorfas e híbridas. As
células Copper Indium Deselenid (CIS) e Cadmium Telluride (CdTe), Dye-sensitized são
outros exemplos de tipos de células [15].
2.2 Painel Fotovoltaico
O painel fotovoltaico é o elemento responsável pela conversão da energia solar
em energia elétrica. A Figura 2.5 mostra o painel solar da fabricante SIEMENS modelo S55
com 36 células de silício monocristalino, matriz 4x9, utilizado no experimento e que se
encontra instalado sobre o telhado do Laboratório do Grupo de Processamento de Energia e
Controle - GPEC da Universidade Federal do Ceará. Suas características elétricas encontramse detalhadas no capítulo seguinte.
O painel fotovoltaico gera energia a partir de pequenas células de silício tendo
como fonte geradora o sol. A energia é captada sobre sua superfície quando ocorre à
incidência de raios solares em diferentes ângulos, a intensidade do feixe é maior quando a
incidência ocorre em 90º.
Figura 2.5 – Painel fotovoltaico utilizado no experimento.
O painel fotovoltaico não pode armazenar energia elétrica, desta forma, toda a
energia gerada deverá ser armazenada em um banco de ultracapacitores. Para maximizar a
potência de saída do painel fotovoltaico, devem ser utilizados algoritmos de procura do Ponto
de Máxima Potência do painel (MPPT- Maximum Power Point Tracking). Utilizou-se nesse
projeto a técnica Perturba e Observa (P&O) para o controle do conversor boost e a técnica de
controle por Histerese para o controle do conversor buck.
A energia fotovoltaica é sustentável porque é uma tecnologia de energia renovável
que converte a radiação solar diretamente em eletricidade. A energia solar está
abundantemente disponível, a terra recebe energia solar suficiente a cada hora para atender às
necessidades mundiais de energia anual.
21
As vantagens do Painel fotoVoltaico (PV) comparados com outras formas de
geração de energia elétrica são múltiplas. Pode-se citar como vantagens: a) recurso ilimitado
de
energia
solar,
b)
disponível
em
todas
as
partes
do
mundo,
c) modular, que varia de miliwatts nos consumidores de produtos para gigawatt em futuras
centrais elétricas; d) durante a operação, produz eletricidade sem a emissão de poluentes e
sem produção de resíduos atmosféricos, e) silencioso durante a operação, f) vida útil
comprovada tecnicamente em mais de 30 anos, g) baixo custo de manutenção, h) sem custos
com combustíveis, i) descentralização da rede elétrica [9].
No entanto, possui desvantagem de a) alto custo inicial, b) potência instantânea do
sistema pode sofrer oscilação devida as variações da radiação solar disponível, c) necessita de
armazenadores de energia, d) conscientização e treinamento do usuário [30].
Sistemas de energia solar fotovoltaicos, uma vez instalados, não requerem muito
esforço de manutenção ou durante sua operação. Porém, os consumidores sentem dificuldades
em se adaptar a limitação do sistema em termos de fornecimento restrito de energia elétrica.
Mesmo com muitas instruções e manuais descritivos, as famílias precisam de certo período de
tempo para se adequar ao sistema solar.
Em conjunto com outros custos e despesas tais como pessoal, encargos, veículos,
cobrança etc., levando em conta também a estrutura territorial da abrangência de atendimento
da concessionária e as distâncias reais dos consumidores a rede elétrica existente, pode ser
calculado a competitividade dos sistemas fotovoltaicos em comparação com a conexão a rede
comum.
Esta comparação não é simples e não pode ser resumido em alguma fórmula
“mágica”. Profundas análises econômicas da estrutura da concessionária e social do usuário
são determinantes para os sistemas fotovoltaicos serem aceitos por ambas as estruturas. Um
das poucas concessionárias que adotaram a energia solar como fonte alternativa de energia,
não somente como medida, mas em situações sem recursos, foi a Companhia de Eletricidade
do Estado da Bahia - Coelba, que demonstrou claramente ser uma solução até
economicamente viável em comparação com a rede comum.
No interior da Bahia, por exemplo, para um número de 9000 ligações na área
rural, foi feito um estudo exaustivo de comparação de sistemas SIGFI com o da rede comum.
Para um período de 25 anos, o custo dos sistemas individuais de energia solar é
aproximadamente 4 vezes menor do que o da rede comum, considerando todos os parâmetros
econômicos de depreciação, manutenção e operação de ambos os sistemas.
Em muitas
situações, não existe outra solução a não ser a energia solar, tais como em localidades de
22
extrema dificuldade de acesso (montanhas), consumidores distribuídos numa área de grande
extensão, ou ilhas com relativamente poucas casas [14].
Diversas aplicações vêm sendo desenvolvidas de forma acelerada nos últimos
anos, para o uso de energia solar. Tudo que é acionado por eletricidade é passível de utilizar
energia solar. Se analisada em longo prazo, qualquer aplicação é vantajosa, no entanto, há
aquelas com maior retorno do investimento em certas condições. Por exemplo, tem-se
energização em locais afastados de linhas eletrificadas; energização de equipamentos
eletrônicos; telecomunicações, principalmente em locais remotos e, nesse trabalho, telefonia
rural para atendimento a comunidades isoladas da rede pública de telecomunicações e de
energia.
2.3 Ultracapacitores
As diversas tecnologias estão disponíveis ao ser humano para que ele exerça suas
atividades diárias de locomoção, comunicação, estudos, pesquisas, dentre tantas outras ofertas
que a seus olhos não têm fim devido à disponibilidade de tecnologia oferecida ao seu bem
estar diário. Aos usuários dos diversos sistemas envolvidos pela economia mundial, inicia-se
este tópico com o estudo dos ultracapacitores.
Atualmente, para funcionar, quase tudo requer uma bateria como computadores,
telefones celulares móveis, lanternas, carros elétricos híbridos, dispositivos de entretenimento
pessoal portátil, como tablet, Smartphones, etc. Como a funcionalidade aumenta na era
digital, por isso se tem a confiança na bateria tradicional. A bateria não avançou muito além
do projeto básico desenvolvido por Alessandro Volta, no século 19.
A nanotecnologia é uma das promessas para melhorar a qualidade de vida do ser
humano no século 21. A expectativa é que ela possa gerar produtos e processos mais
eficientes e econômicos, com menor gasto de energia e menos agressivos ao meio ambiente.
Mas, para que o "nano" chegue às prateleiras, é necessário ultrapassar a barreira da pesquisa e,
só então, entrar na fase de fabricação e possível comercialização.
Em trabalho realizado por pesquisadores do Laboratório do MIT (Massachusetts
Institute of Technology), Estados Unidos, para Sistemas Electromagnéticos e Eletrônica, nos
últimos anos, foi oferecida uma alternativa economicamente mais viável para as baterias
convencionais em mais de 200 anos em um circuito elétrico. O ultracapacitor pode funcionar
tanto como uma bateria como um capacitor. Ultracapacitores poderiam permitir a laptops e
telefones celulares a serem utilizados com maior rapidez em seus acionamentos. Ao contrário
23
de baterias de laptop, que começam a perder sua capacidade de manter a carga depois de um
ano ou dois (várias centenas de ciclos de carga/descarga), ultracapacitores têm centenas de
milhares ciclos de carga/descarga e ainda pode continuar muito forte mesmo depois que os
dispositivos em que são usados estiverem obsoletos [31].
Dois grupos de pesquisadores trabalhando isoladamente anunciaram quase ao
mesmo tempo a descoberta do que poderá se tornar o mais importante avanço em sistemas de
armazenamento de energia desde sua invenção. Além dos aparelhos portáteis, uma infinidade
de aplicações utiliza as baterias como fonte de energia, de sistemas de no-breaks até veículos
híbridos. Mas sua tecnologia não sofreu nenhum avanço radical nos últimos anos [32].
Cientistas dos Laboratórios Bell e da empresa mPhase relataram a construção de
um protótipo de bateria "inteligente", a partir de materiais nanoscópicos, capaz de fornecer
energia, não de forma contínua, como as pilhas e baterias tradicionais, mas apenas quando
essa energia for necessária. O protótipo ainda é pequeno, produzindo energia suficiente para
alimentar um LED (Light Emitter Diode). Mas os cientistas estão entusiasmados com seu
potencial. A nova bateria é a demonstração prática de uma descoberta feita pelos mesmos
pesquisadores, de que um eletrólito permanece sobre superfícies nanoestruturadas até ser
estimulado a fluir. Esse "estímulo" é o gatilho para que a nova bateria comece a produzir
eletricidade [32].
Esse comportamento "inteligente" poderá permitir a ativação das baterias quando
necessário, aumentando enormemente sua vida útil.
Pesquisadores do MIT utilizaram membranas criadas com nanotubos de carbono
para aprimorar um outro tipo de dispositivo de armazenagem de energia, chamado
ultracapacitor, A Figura 2.6 mostra a representação dos nanotubos de carbono [32].
Figura 2.6 – Representação dos nanotubos de carbono.
24
Os nanotubos de carbono têm um desenho perfeitamente regular, além de possuir
diâmetros de apenas alguns poucos átomos. A membrana construída com eles apresenta uma
área superficial muito maior, o que se traduz em uma eficiência no armazenamento de
energia.
A aplicação industrial dos nanotubos alcança as áreas de energia, eletrônica,
medicina e indústrias química e petroquímica. Com estrutura cilíndrica formada por átomos
de carbono, o diâmetro dessas moléculas corresponde a bilionésima parte do metro (um
nanômetro). Essa característica lhe assegura propriedades diferenciadas de resistência
mecânica e condutividade elétrica e térmica. A simples adição de 0,5% de nanotubos em
determinados materiais pode aumentar sua resistência em até 20 vezes.
Os cientistas afirmam já deter a tecnologia para a fabricação das membranas de
nanotubos de carbono em qualquer formato, o que poderá facilitar a fabricação de
ultracapacitores nos formatos das pilhas e baterias tradicionalmente utilizados em aparelhos
eletrônicos. Os avanços nesta área veem tornando promissor a substituição, no futuro
próximo, as pilhas e baterias serão substituídas por componentes à base de ultracapacitores.
Os nanotubos de carbono são úteis para fabricação de telas dobráveis, aparelhos
eletrônicos flexíveis e peles artificiais supersensíveis, até elevadores espaciais. A Figura 2.7
mostra o nanotubo semicondutor encapsulado pelo polímero.
Mas há um desafio a ser vencido. Quando os nanotubos de carbono são
fabricados, tudo o que se vê é um pó preto que não é ideal para nenhuma dessas aplicações. O
problema crucial é que, com as técnicas atuais, os nanotubos semicondutores e os nanotubos
metálicos são produzidos aleatoriamente e ficam misturados - uns são ideais para algumas
aplicações e inservíveis para outras, e vice-versa. Os nanotubos metálicos, por exemplo, são
ideais para fios e eletrodos para baterias, enquanto os nanotubos semicondutores são
excelentes como material ativo para transistores eletrônicos e células solares.
Um grupo de pesquisadores da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos,
descobriram uma forma simples e rápida de separar os nanotubos. Trata-se de um polímero
que tem uma predileção pelos nanotubos semicondutores, envolvendo-os inteiramente e
permitindo sua separação. O polímero não adere aos nanotubos condutores. Já se havia
tentado esta técnica antes, mas ela tropeçava na dificuldade para remover o polímero,
deixando os nanotubos semicondutores limpos de novo. O polímero usado não precisa ser
removido. O produto final é uma tinta eletrônica, que pode ser usada diretamente na
fabricação de componentes eletrônicos.
25
O que sobra do processo é um conjunto puro de nanotubos metálicos, que poderão
ser usados, sobretudo na criação de eletrodos mais eficientes para baterias recarregáveis [33].
Figura 2.7 – O nanotubo semicondutor é encapsulado pelo polímero, criando uma tinta eletrônica.
[Imagem: Francois Gygi and Giulia Galli][33].
Pesquisadores da Universidade de Rice, nos Estados Unidos, imaginaram uma
tecnologia de armazenamento de energia que permite desde a integração das baterias no
próprio chip que irá alimentar, até seu uso em larga escala, formando usinas inteiras.
Os pesquisadores criaram um sistema de armazenamento de energia de estado
sólido e recarregável, usando ultracapacitores feitos à base de nanotubos de carbono. Os
capacitores comuns, que liberam rápidas rajadas de energia, podem ser descarregados e
recarregados centenas de milhares de vezes. Já os capacitores elétricos de dupla camada
(EDLC - Electric Double Layer Capacitors), mais conhecidos como ultracapacitores, são
componentes híbridos que mantêm centenas de vezes mais energia do que um capacitor
padrão, como uma bateria, mantendo a capacidade de carga e descarga rápidas. Mas os
ultracapacitores até agora dependiam de eletrólitos líquidos ou de tipo gel, que deixam de
funcionar em condições muito quentes ou muito frias.
A equipe de pesquisadores da Universidade de Rice coordenada pelo Dr. Rauge
desenvolveu um material à base de óxidos que substitui inteiramente o eletrólito líquido,
conforme se vê na Figura 2.8. Eles fizeram isto em nanoescala: a chave para uma elevada
capacitância é a área disponível para os elétrons - e poucas estruturas conhecidas
disponibilizam tanta área superficial em um espaço tão pequeno quanto os nanotubos de
carbono. Usando uma técnica desenvolvida pela própria equipe para fabricar nanotubos de
26
grandes dimensões, os pesquisadores fizeram os nanotubos de carbono se aglomerarem em
grupos com cerca de 15 a 20 nanômetros, com até 50 micrômetros de altura - uma relação
altura/largura superior a 500 [35].
Figura 2.8 – O nanotubo pesquisado pela equipe do Dr. Rauge que vislumbra um carro elétrico no qual a bateria
estaria distribuída por todo o veículo, incluindo chassi, portas, teto, piso, etc.
[Imagem: Rice University][35].
Esse carpete de nanotubos é posto sobre um eletrodo de cobre com camadas em
escala atômica de ouro e titânio, para ajudar a grudar tudo e manter a estabilidade elétrica. O
conjunto foi coberto com revestimentos muito finos de óxido de alumínio (o dielétrico) e
óxido de zinco dopado com alumínio (o contra-eletrodo) por meio de um processo chamado
deposição de camada atômica. Um eletrodo superior de prata completa o circuito.
O ultracapacitor, nascido em nanoescala, é estável e escalável. Em tese, é possível
construir usinas inteiras com eles, acumulando a energia gerada pelos ventos ou pelo Sol e
liberando-a quando necessário. Desta forma, os pesquisadores da Universidade de Rice
vislumbram um carro elétrico no qual a bateria estaria distribuída por todo o veículo,
incluindo chassi, portas, teto, piso etc. Assim sendo, a nova tecnologia de baterias armazenará
energia na lataria dos carros. Eles relataram que todas as soluções de estado sólido para
armazenamento de energia poderão ser intimamente integradas nos aparelhos, incluindo telas
flexíveis, bio-implantes, muitos tipos de sensores e todos os aparelhos eletrônicos que possam
se beneficiar de taxas rápidas de carga e descarga [35].
Recentemente, outro grupo de pesquisadores sugeriu o uso de nanocapacitores
eletrostáticos, com o mesmo potencial.
27
Antes que qualquer dessas possibilidades ganhe uso prático, contudo, os cientistas
terão que lidar com a "mania" dos capacitores de liberarem suas elevadas doses de energia de
uma vez só - ao contrário das baterias, que têm menor densidade de energia, mas liberam de
forma mais comedida.
A nanotecnologia é uma área de pesquisa extremamente ativa, com milhares de
artigos publicados nos últimos anos. Em artigo publicado na revista Nature Nanotechnology,
uma equipe formada por pesquisadores do Instituto de Física da Universidade Estadual de
Campinas (Unicamp) e do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron do Ministério da Ciência e
Tecnologia (LNLS/MCT) descreve a descoberta de uma inesperada família de nanotubos
metálicos ocos e quadrados [36].
O estudo, coordenado pelos professores da Unicamp, identificou como se
deformam, e finalmente quebram arames nanométricos de prata. No processo, foi observada a
formação espontânea de estruturas com uma base quadrada composta por apenas quatro
átomos, a menor possível, conforme Figura 2.9.
Figura 2.9 – Estrutura de um nanotubo de prata com seção quadrada.
Todos os nanotubos conhecidos até agora eram realmente tubos, redondos.
[Imagem: Daniel Ugarte][36].
Um dos pesquisadores associado do LNLS, Daniel Ugarte, afirmou que o arranjo
atômico oco ou tubular é completamente inesperado e se forma quando os nanofios são
submetidos a uma alta taxa de estiramento.
Assim, os átomos mudam sua distribuição ou estrutura para uma configuração que
pode ser descrito como uma nanossanfona, capaz de se esticar muito sem quebrar. Nenhum
trabalho anterior tinha considerado como possível a existência dessa forma de estrutura, nem
mesmo do ponto de vista teórico especulativo.
28
O artigo descreve com detalhes atômicos todos os processos de elongação gerados
por tensão mecânica, utilizando experimentos de microscopia eletrônica de transmissão com
resolução atômica e simulações de dinâmica molecular.
As simulações computacionais sugerem que a estabilidade dessas estruturas pode
ser o resultado de uma combinação de um tamanho mínimo necessário associado a um regime
de alta tensão mecânica.
Os resultados obtidos fornecem informações essenciais para compreender o atrito
e a adesão, assim como para avaliar a possível utilização de nanopeças metálicas como
reforço estrutural ou condutor elétrico em nanodispositivos eletrônicos. A inesperada
descoberta abre novas possibilidades para o estudo de nanoestruturas metálicas e sugere que
talvez outras estruturas "exóticas" possam existir.
Praticamente todos os dados de que se dispõem hoje são obtidos por meio de
simulações computacionais sem validação prática ou experimental. Como consequência,
poucos avanços concretos tem sido possível. Nesse contexto, o estudo conduzido no
LNLS/Unicamp destaca-se por trazer contribuições validadas experimentalmente sobre
propriedades até então pouco conhecidas dos nanotubos metálicos [36]. Por outro lado, os
capacitores armazenam energia como um campo elétrico, o que os torna mais eficientes do
que as baterias tradicionais, que retiram sua energia de reações químicas. Já os
ultracapacitores são células de armazenamento, funcionando no mesmo princípio dos
capacitores, mas capazes de fornecer quantidades enormes de energia instantaneamente. Eles
já são utilizados em veículos experimentais, principalmente aqueles movidos por células a
combustível.
Até agora, porém, os ultracapacitores necessitavam ser muito maiores do que as
baterias para fornecer a mesma quantidade de energia. Os cientistas resolveram o problema
lidando com os campos elétricos em nível atômico. Eles utilizaram uma membrana,
construída com nanotubos de carbono alinhados verticalmente.
A capacidade de armazenamento de um ultracapacitor depende da área superficial
de seus eletrodos. Atualmente esses eletrodos são feitos de carbono ativado, um material
extremamente poroso, o que se traduz em uma enorme área superficial. Mas seus poros são
irregulares, o que significa que essa área não é tão grande quanto poderia ser, reduzindo a
eficiência do ultracapacitor [31].
Para se obter capacidades de armazenamento enormes, o que se faz no
ultracapacitor é utilizar um eletrodo poroso à base de carbono, o qual é imerso numa
substância condutora (eletrólito), conforme mostra a Figura 2.10.
29
O eletrólito penetra nos poros do carbono e reagindo forma uma película ultrafina,
da ordem de angstroms cobrindo internamente todos os poros e atuando assim como
dielétrico.
A superfície total ocupada pelo dielétrico é enorme já que se espalha internamente
por todos os poros. Pode-se então obter uma densidade de capacitância até 100 vezes maior
do que a que seria possível com as tecnologias de fabricação dos capacitores eletrolíticos
convencionais [37].
Figura 2.10 – Corte transversal de um ultracapacitor
Pesquisadores da Universidade UC Davis, Estados Unidos, conseguiram
desenvolver um método para depositar os nanotubos de carbono sobre folhas de níquel,
mantendo-os perfeitamente alinhados e muito próximos uns dos outros. Devido ao seu
diminuto tamanho, Figura 2.11, os nanotubos fornecem uma gigantesca área superficial, na
qual a energia pode ser armazenada e depois liberada [38].
30
Figura 2.11 – Nanotubo de carbono sobre folha de níquel [38].
Os novos ultracapacitores podem armazenar energia numa densidade de 30
kilowatts por quilo (kW/kg), comparado com 4 kW/kg dos mais avançados capacitores hoje
disponíveis comercialmente. Outros pesquisadores já haviam descrito ultracapacitores com
capacidades de até 20 kW/kg.
Se, por um lado as baterias fornecem correntes pequenas durante intervalos de
tempo longos e os capacitores podem ser usados para fornecer correntes intensas por
curtíssimos intervalos de tempo, o projetista poderá em breve contar com uma solução
intermediária: o ultracapacitor.
Usando tecnologias apropriadas é possível multiplicar a densidade de
armazenamento de energia e com isso fabricar capacitores de valores tão elevados que
permitem o armazenamento de quantidades de energia que sejam comparadas a que uma pilha
ou bateria comum pode armazenar. Isso nos permite colocar o ultracapacitor como fonte de
energia num ponto intermediário entre o capacitor comum e a bateria, conforme mostra a
Figura 2.12 [37].
Figura 2.12 – Baterias, ultracapacitores e capacitores comuns.
Verifica-se, visualmente, que dois capacitores do mesmo tamanho e mesma tensão
de trabalho, sendo um eletrolítico comum e o outro um ultracapacitor, o ultracapacitor tem
uma capacitância 100 vezes maior, conforme mostra a Figura 2.13.
31
Figura 2.13 – Capacitor eletrolítico comum e ultracapacitor.
Uma característica importante que é obtida nos ultracapacitores é sua baixíssima
resistência em série, conforme se pode ver pelo circuito equivalente da Figura 2.14 e que
limita a corrente de pico de descarga.
Figura 2.14 – Capacitores e ultracapacitores.
Os ultracapacitores têm resistências da ordem de fração de milésimo de Ohm.
Assim, um capacitor de 0,1 mΩ com 2,5 V é possível obter uma corrente de pico de 625 A.
Uma vantagem do ultracapacitor é a sua taxa super-rápida de carga e descarga,
que é determinada exclusivamente por suas propriedades físicas. Uma bateria depende de uma
reação química mais lenta para a energia. A desvantagem de um ultracapacitor é que
atualmente eles armazenam uma quantidade menor de energia do que uma bateria.
Ultracapacitores são muito bons em captar de forma eficiente eletricidade a partir de
frenagem regenerativa, e pode fornecer energia para aceleração tão rapidamente. Sem partes
móveis, eles também têm uma vida útil muito longa - 500 mil ciclos a mais de carga/descarga.
Ultracapacitores são atualmente utilizados para energia eólica, energia solar,
e
armazenamento da energia hídrica.
Um ultracapacitor, também conhecido como um capacitor de dupla camada
polariza uma solução eletrolítica para armazenar energia elétrica estaticamente. Embora seja
32
um dispositivo eletroquímico, não são as reações químicas envolvidas no seu mecanismo de
armazenamento de energia. Este mecanismo é altamente reversível, e permite que o
ultracapacitor seja carregado e descarregado centenas de milhares de vezes.
Uma vez que o ultracapacitor é carregado e a energia armazenada, uma carga (por
exemplo, motor do veículo elétrico) pode usar essa energia. A quantidade de energia
armazenada é muito grande comparada a um capacitor padrão por causa da enorme superfície
criada pelos eletrodos de carbonos porosos e a pequena separação do dielétrico.
Como um dispositivo de armazenamento, o ultracapacitor, baseia-se na separação
de cargas microscópicas em uma interface eletroquímica para armazenar energia. Uma vez
que a capacitância destes dispositivos é proporcional à área do eletrodo ativo, aumentando a
área de superfície do eletrodo irá aumentar a capacitância, aumentando assim a quantidade de
energia que pode ser armazenada. Esta conquista de elevada área superficial utiliza materiais
como carvão ativado ou pós metálicos sinterizados. No entanto, em ambas as situações, há um
limite intrínseco à porosidade destes materiais, ou seja, existe um limite superior para a
quantidade de área de superfície que pode ser alcançado simplesmente fazendo partículas
cada vez menores. Um método alternativo deve ser desenvolvido para aumentar a superfície
ativa do eletrodo sem aumentar o tamanho do dispositivo. Um eletrodo muito mais eficiente
para dispositivos de armazenamento de energia elétrica poderia ser idealizado se a área da
superfície puder ser significativamente aumentada.
Um capacitor tradicional acumula energia no campo elétrico criado pela separação
das cargas elétricas. Este campo existe no dielétrico que se torna polarizado. A capacitância é
proporcional à permissividade do material e à área das placas, sendo inversamente
proporcional à distância entre as placas.
Já em um ultracapacitor não há um dielétrico, mas um eletrólito. A principal
diferença é a grande área propiciada por materiais porosos, aliada à pequena distância entre as
cargas, que é da ordem de nanômetros. Com um eletrólito aquoso, a tensão por capacitor é de
cerca de 1 V, enquanto para um eletrólito orgânico este valor cresce para 2,5 V.
Hermann Helmholtz, em 1853, descreveu que quando uma tensão é aplicada entre
dois eletrodos de carbono, imersos em um fluido condutor, não há circulação de corrente até
que uma certa tensão limiar seja atingida. Ao se iniciar a condução há também a formação de
gás devido à reação química na superfície dos eletrodos. Abaixo desta tensão limiar o
dispositivo se comporta como um capacitor [39].
Diferentemente de uma bateria, não há acúmulo de energia química. Em torno de
um eletrodo poroso de carbono situa-se o eletrólito, carregado de cargas. Na realidade,
33
conforme mostra a Figura 2.15, há dois eletrodos e, nas adjacências de cada um, ocorre o
acúmulo de íons positivos e negativos. O separador isola os eletrodos, mas permite a livre
passagem dos íons. Por esta razão estes dispositivos são também denominados capacitores de
dupla camada.
Figura 2.15 – Módulo esquemático do ultracapacitor
Do ponto de vista de uma aplicação, a principal diferença entre um ultracapacitor
e uma bateria é o fato da bateria ter um melhor desempenho como fonte de energia, enquanto
o ultracapacitor tem um comportamento superior em termos de fonte de potência. Ou seja,
para uma dada tensão, um ultracapacitor é capaz de responder a uma demanda de corrente de
maneira muito mais rápida do que uma bateria, o que se deve a uma resistência interna muito
menor.
No entanto, mesmo podendo atingir capacitâncias muito elevadas (da ordem de
milhares de Farads), a energia acumulada, mercê da baixa tensão, é muito inferior à que se
consegue numa bateria com volume/peso equivalente. A Figura 2.16 mostra um mapeamento
de diferentes dispositivos de acúmulo de energia em função de densidade de potência e de
energia, chamado diagrama de Ragone.
Nota-se que os ultracapacitores, na Figura 2.16 designados como capacitores
eletroquímicos, podem apresentar densidade de potência similar a um capacitor eletrolítico, o
que significa que o produto tensão x corrente é similar. No entanto, a densidade de energia é
de uma a duas ordens de grandeza superior, o que significa que um ultracapacitor é capaz de
acumular muito mais energia. Em relação às baterias e células a combustível, apresentam
densidade de energia muito menor, mas com densidade de potência muito mais elevada [40].
34
Figura 2.16 – Mapa comparativo de características de densidade de potência
e de energia de diferentes dispositivos de acúmulo [40].
Pode-se definir que a energia específica é uma medida da quantidade de energia
total armazenada por unidade de peso do acumulador. A potência específica é uma medida
que quantifica a potência por unidade de peso, possível de ser fornecida ou absorvida pelo
acumulador, para atender aos picos de demanda em acelerações e aclives, no caso de veículos
automotores e máquinas pesadas.
Conforme citado em [40], a primeira patente deste tipo de dispositivo é de 1957
[41], com os primeiros componentes aparecendo no mercado em 1970 [42], com o chamado
SOHIO. Mas apenas nos anos 90 os ultracapacitores começaram a ter um uso mais intenso.
Ultracapacitores são produtos oferecidos em uma ampla gama de tamanhos. Isto
permite sua utilização por uma variedade de indústrias para muitos requisitos de necessidades
de energia. Estas aplicações vão desde miliamperes de energia atual ou miliwatts a várias
centenas de amperes de corrente ou várias centenas de quilowatts de energia. Indústrias
empregam ultracapacitores em sua produção que incluem eletrônica de consumo, tração,
automotivos e industriais. Exemplos no âmbito de cada indústria são numerosos.
Automotiva - redes em 42 V para suprimento de alimentação de veículos, direção
hidráulica, controle de válvula eletromagnética, geradores de partida, abertura de porta
elétrica, travagem regenerativa, acionamento elétrico híbrido, cintos de segurança com
restrições ativas [43].
35
Transporte - motor diesel de partida, inclinação de trem, abertura de porta de
segurança, fonte de alimentação elétrica, compensação de queda de tensão, travagem
regenerativa, acionamento elétrico híbrido [43].
Consumidor - câmeras digitais, computadores laptop, assistente digital pessoal
(PDA - personal digital assistant), sistema de posicionamento global (Global Positioning
System - GPS), dispositivos de mão, brinquedos, lanternas, iluminação solar e dispositivos de
paginação para restaurantes [43].
Industrial - fonte de alimentação ininterrupta (Uninterruptible Power Supply - UPS ),
sistemas eólicos com turbinas de passo, armazenamento temporário de energia, leitura de medidor
automatizada (Automatic Meter Reading - AMR), elevador de backup de energia de
microcontrolador, portas de segurança, empilhadeiras, guindastes e telecomunicações [43].
A Consideração para as várias indústrias listadas, e para muitas outras,
normalmente é atribuída às necessidades específicas da aplicação da tecnologia que o
ultracapacitor pode satisfazer. Aplicações ideais para ultracapacitores incluem pulso de
energia, potência ponte, de força principal e backup de memória [43].
Por os ultracapacitores terem baixa impedância interna, eles são capazes de
transportar correntes elevadas e são muitas vezes colocados em paralelo com as baterias para
carregar os níveis das baterias, prolongando a vida da bateria. Esta metodologia é empregada
para dispositivos como câmeras digitais, sistemas de acionamento híbridos e frenagem
regenerativa (para recaptura da energia).
As aplicações que se beneficiariam mais são as que exigem rápido carregamento e
descarregamento de uma grande quantidade de energia. Por exemplo, somente
ultracapacitores podem capturar e armazenar grandes quantidades de energia elétrica
re-gerada durante a frenagem e liberá-lo rapidamente para reaceleração em veículos híbridos.
Mesmo com pequeno uso nos atuais carros híbridos leves como micro-ônibus, a economia de
energia pode adicionar até 15% na economia de combustível. Usado em meios de transportes
ainda maiores, como sistemas de armazenamento de energia em trens elétricos, bondes e
metrôs, essa economia pode facilmente aumentar em até 25% da quantidade de energia
utilizada.
O ultracapacitor goza de potencial crescimento ilimitado, pois ele responde a
mercados-chave que também atendem às necessidades sociais de nosso tempo: é amigo do
meio ambiente, ajuda a conservar energia, e melhora o desempenho de poupança de energia
de outros aparelhos, quando utilizado em conjunto.
36
Ultracapacitores comerciais estão disponíveis em várias capacitâncias desde
valores baixos até em torno de 3000 F, como exemplo de um no valor de 2600 F, 2,5 V,
pesando 0,5 kg e ocupando um volume de 500 cm³ ou em módulos integrados de 145 F, 42 V,
pesando16 kg e ocupando em torno de 21 dm³.
As especificidades de construção do ultracapacitor são dependentes da aplicação e
da utilização. Os materiais podem diferir ligeiramente por fabricante ou devido às
necessidades específicas da aplicação. O ponto comum entre todos os ultracapacitores é que
eles consistem de um eletrodo positivo, um eletrodo negativo, um separador entre os dois
eletrodos, e um eletrólito de enchimento nas porosidades dos dois eletrodos e separador,
conforme se vê na Figura 2.17.
Figura 2.17 – Separação de carga no ultracapacitor [43].
Eletrólito
+ Eletrodo Positivo
Separador
- Eletrodo Negativo
A montagem dos ultracapacitores pode variar de produto para produto. Isto é
devido, em parte, à geometria da embalagem do ultracapacitor. Para produtos com um arranjo
de embalagem prismática ou quadrada, a construção interna é baseada em um arranjo de
montagem de empilhamento com pás internas do coletor de extrusão a partir de cada pilha de
eletrodos. Estas pás coletoras de corrente são, em seguida, soldadas aos terminais para
permitir um percurso de corrente do lado de fora do ultracapacitor.
Para produtos com embalagens redonda ou cilíndrica, os eletrodos são enrolados
em uma configuração em forma de rolo. Os eletrodos têm extensões de tiras que são então
soldadas aos terminais para permitir um percurso de corrente do lado de fora do
ultracapacitor.
A Tabela 2 mostra a comparação de preços dos ultracapacitores de quatro
fabricantes. Os preços pesquisados correspondem aos componentes utilizados no projeto com
tensão 2,7 V e capacitância 350 F. No início da pesquisa tais produtos eram mais
37
convenientes para compra, tanto pelo preço estimado quanto à facilidade para aquisição,
tamanho e manuseio, visto que são todos importados de outros continentes.
Tabela 2 – Comparação de preços de ultracapacitores 2,7 V 350 F por fabricante [43].
Fabricante
Modelo
Dimensões
ESR
DC
(mΩ)
Energia /
Potência
(máxima)
5,94 Wh/L
13,9 kW/L
6,4 Wh/L
10,2 kW/L
5,9 Wh/L
12,6 kW/L
RSC2R7357ST
D = 35 mm
2,5
EDLC SCREW
L = 62 mm
RSC2R7357SR
D = 35 mm
Ioxus
3,2
EDLC SNAP-IN
L = 59 mm
RSC2R7357S4
D = 35 mm
Ioxus
2,7
EDLC SNAP-IN
L = 62 mm
VEC2R7357QG
D = 35 mm
Vina
3,5
6,1 Wh/L
4 pinos
L = 60 mm
BCAP0350-E270D = 33 mm
5,9 Wh/kg
Maxwell
3,2
T11
L = 61 mm
4,6 kW/kg
CDLC351K2R7SR
D = 35 mm
273 W
Cornell Dubilier
3,2
SNAP-IN 2 pinos
L = 59 mm
4,1 kW/kg
CDLC351E2R7T11 D =33,3 mm
276 W
Cornell Dubilier
3,2
4 pinos radial
L =61,5 mm
4,6 kW/kg
CDLC351K2R7S4 D= 35,3 mm
324 W
Cornell Dubilier
2,7
Multipinos radial
L = 62 mm
4,9 kW/kg
EDLC – Electric Double Layer Capacitor (capacitor elétrico de dupla camada).
ESR – Equivalent Series Resistance (resistência série equivalente)
CDLC – Carbon Double Layer Cell (célula de carbono com dupla camada)
Ioxus
Preço
(US$)
12.91
10.98
11.50
19.50
21.08
28.66
17.40
29.89
Há várias companhias fabricantes de ultracapacitores, como a Maxwell
Technologies nos Estados Unidos [43], a Siemens Matsushita (através da EPCOS na
Alemanha) [44], NEC-Tokin [45], ELNA [46], AVX [47], Evans [48], Panasonic Industrial
no Japão[49], Vina Technology [50] e Ness [51] ambas da Coréia do Sul, Korchip (Coréia do
Sul) [52], Nippon Chemi-con (Japão) [53], Skeleton (Alemanha) [54], etc.
2.3.1 Comparações entre Baterias x Ultracapacitores
Dois tipos de baterias são utilizadas atualmente em painéis fotovoltaicos: baterias
de chumbo (ácidas) e baterias de cadmium níquel (alcalinas). As baterias de cadmium níquel
(alcalinas) só são utilizadas em locais com condições climáticas adversas ou em locais em que
é necessário grande confiabilidade. Quando se escolhe uma bateria para um sistema PV
deverão se ter em conta, para além da tensão nominal, fatores como:
• gama de temperaturas admissíveis (-15ºC até +50ºC)
• taxa de autodescarga (2% por mês a 25ºC)
• tempo de vida (1800 ciclos com 80% de profundidade de descarga)
• eficiência de carga desde 20% descarregada
38
• capacidade (Ah) para descargas de 10h
• frequência requerida para restabelecer os níveis de eletrólito
• peso, resistência à sobrecarga e custo.
Não existe um mercado específico para baterias destinadas a sistemas PV. As
baterias mais comuns são as baterias de automóveis/caminhões pesados que estão
dimensionadas para fornecer elevadas correntes em curtos intervalos de tempo. Estas baterias,
embora baratas, não são as mais aconselháveis, para sistemas PV, pois o seu tempo de vida é
muito curto quando aplicadas em sistemas com elevadas profundidades de descarga.
As baterias seladas são baterias de ácido desenvolvidas propositadamente para
sistemas PV. Estas baterias são mais caras e não suportam temperaturas extremas, como as
baterias convencionais, mas tem a vantagem de não ser necessário restabelecer os níveis de
eletrólito.
As baterias NiCd são baterias robustas, leves, resistentes a temperaturas extremas,
tem baixas taxas de autodescarga e aguentam perfeitamente profundidades de descarga que
podem chegar abaixo dos 10%. Uma desvantagem é o fato de diminuir a sua capacidade com
o aumento do número de ciclos de descarga. Outra desvantagem é o seu elevado preço.
39
A Tabela 3 traça um quadro comparativo entre as vantagens x desvantagens entre
as baterias e os ultracapacitores.
Tabela 3 – Comparações entre Ultracapacitores x Baterias.
Ultracapacitores
Baterias
•
•
•
•
•
•
•
•
•
Armazena carga física.
Maior densidade de potência em até 10 vezes.
Baixa densidade de energia.
Mais rápido – eficiência de ciclo alta (>95%).
Milhões de ciclos de carga/descarga.
Não necessita de manutenção.
Ampla faixa de temperatura (-30ºC a 65ºC).
Eficiência do ciclo pode ser acima de 95%.
Menor resistência interna.
•
Não provoca danos ambientais/baixa toxicidade de
materiais usados/energia verde.
Menor peso, boa reversibilidade.
Não têm efeitos de memória, não pode ser
totalmente descarregado.
Vida útil longa, em torno de 10 anos.
Capacidade de recarga superior: praticamente, a
vida útil dos ultracapacitores independe da
quantidade de recargas e do nível de descarga,
podendo ser descarregado completamente e
recarregados sucessivas vezes.
Tendência
à
autodescarga
superior:
esta
característica não representa problema no caso do
veículo híbrido, pois o tempo para carga e descarga
devido à operação do veículo é bem inferior que a
constante de tempo de autodescarga.
•
•
•
•
•
• Armazena carga química.
• Baixa densidade de potência.
• Alta densidade de energia.
• Mais lenta.
• Milhares de ciclos de carga/descarga.
• Exige manutenção.
• Faixa de temperatura mais limitada.
• A tensão varia com a energia armazenada.
1. A quantidade de energia armazenada por peso de
unidade é consideravelmente mais alta.
2. Pequena longevidade das baterias.
3. Sérias restrições quanto ao ciclo de recarga. Elas
possuem um tempo relativamente longo de
carga, ou seja, devem ser carregadas com uma
potência baixa para não comprometer a sua vida
útil.
A Tabela 4, informada por [43], mostra um comparativo entre o ultracapacitor, a
bateria chumbo-ácido e o capacitor convencional.
Tabela 4 – Comparação bateria x ultracapacitor [43].
Característica
Energia específica (Wh/kg)
Potência específica (kW/kg)
Tempo de carga
Tempo de descarga
Vida útil (ciclos)
Eficiência (carga/descarga)
Bateria
Chumbo-Ácido
10 a 100
<1
1 a 5h
0,3 a 3h
1000
0,7 a 0,85
Ultracapacitor
1 a 10
<10
0,3 a 30s
0,3 a 30s
>500.000
0,85 a 0,98
Capacitor
Convencional
<0,1
<100
10-3 a 10-6s
10-3 a 10-6s
>500.000
>0,95
40
2.4 Transceptor
Neste tópico será apresentado um estudo abreviado do funcionamento do
transceptor. Um transceptor é um dispositivo que combina um transmissor e um receptor
utilizando componentes de circuito comuns para ambas as funções num só aparelho.
O Transceptor Monocanal é um equipamento especialmente projetado para
realizar uma perfeita extensão da linha telefônica, sem fios e sem postes. Este equipamento
permite ao usuário ter acesso a um telefone, onde necessitar, vinculando-o de forma
radioelétrica a uma central telefônica pública ou privada, ou a uma extensão de linha
telefônica particular.
O Rádio monocanal é composto de duas unidades compactas e robustas; a unidade
"CENTRAL" que vai conectada a uma linha telefônica e a unidade "ASSINANTE" a qual se
conecta um telefone comum, fax, computador, telefone sem fio, entre outros aparelhos.
Desta maneira os serviços de telefonia poderão extender-se de forma remota a
todo lugar que seja necessário (Propriedades Rurais, Usinas, Empresas, Postos de
Combustíveis em Rodovias, Canteiros de Obras, Campos Petrolíferos e de Mineração), onde
não exista a possibilidade de instalação direta de uma rede telefônica ou onde os custos de
implantação de linha física são elevados.
2.4.1 Funcionamento do Transceptor
Nesse estudo uma estação de radiocomunicação é o sistema utilizado para
executar contatos à distância entre duas estações, que é composta basicamente de um
transceptor (TRANSmissor-reCEPTOR) de radiocomunicação, de uma linha de transmissão
(ar) e de uma antena. A este sistema se dá o nome de sistema irradiante. Um sistema de
radiocomunicação normalmente é formado por dois componentes básicos: Transmissor e
Receptor.
O transmissor é composto por um gerador de oscilações, que converte a corrente
elétrica em oscilações de uma determinada frequência de rádio; um transdutor que converte a
informação a ser transmitida em impulsos elétricos equivalentes a cada valor, um modulador,
que controla as variações na intensidade de oscilação ou na frequência da onda portadora,
sendo efetuada em níveis baixo ou alto, e uma antena para emitir as ondas eletromagnéticas.
O receptor que tem como componentes principais: a antena para captar as ondas
eletromagnéticas e convertê-las em oscilações elétricas; amplificadores que aumentam a
intensidade dessas oscilações; equipamentos para demodulação; um alto-falante para
41
converter os impulsos em ondas sonoras e na maior parte dos receptores osciladores para
gerar ondas de radiofrequência que possam se misturar com as ondas recebidas. O receptor de
rádio tem como função fazer a decodificação dos sinais eletromagnéticos recebidos do espaço,
captados pela antena, transformando-os em ondas sonoras, sinais digitais e/ou analógicos.
A demodulação corresponde ao processo de se extrair a informação do sinal
recebido, normalmente corrompido por ruído [56].
O sistema rádio ponto a ponto, conhecido também como radiovisibilidade ou links
terrestres, constituiu-se por muito tempo como o principal meio de transmissão de alta
capacidade. Mas, nosso estudo proposto é para um sistema de transporte de baixa capacidade,
um radioenlace monocanal ponto a ponto que é utilizado em grande escala no Brasil e no
mundo.
Em um sistema de radiovisibilidade, a informação é transportada entre duas
estações distantes entre si até 50 km ou mais, dependendo das condições topográficas, faixa
de frequências e capacidade, graças ao fenômeno da propagação eletromagnética no ar.
O termo radiovisibilidade (do inglês “line of sight”) vem do fato de que deve
haver visada entre as duas estações, ou para ser mais preciso, entre as duas antenas, ou seja,
uma antena deve “enxergar” a outra para que o sinal recebido tenha uma amplitude suficiente
para obter uma boa qualidade.
Basicamente, o sistema de cada estação é composto por um conjunto de
transceptores, uma linha de transmissão e um elemento irradiante.
Quanto à linha de transmissão, permite a transferência do sinal modulado no
transceptor até o elemento irradiante, sinal este chamado de portadora.
Finalmente, o elemento irradiante, conhecido por antena, é um transdutor de
energia elétrica para eletromagnética no lado da estação receptora, permitindo a recuperação
da informação inicial.
O termo “ponto a ponto” está relacionado ao fato da comunicação em nível de
radioenlaces ser sempre realizada entre duas estações, ou seja, um único conjunto de
receptores, localizado em uma única estação, recebe o sinal de um único conjunto de
transmissores também localizado em uma única estação [57].
Nesse trabalho para funcionar o ponto de acesso à rede pública de
telecomunicações foi utilizado um rádio transceptor monocanal da STS Telecom, com
frequência de transmissão de 259,000 MHz, potência de radiofrequência RF de 1,5 W a ser
ativado em uma comunidade rural afastada em até 50 km ou mais, dependendo da topografia
do terreno, da rede de atendimento básico da concessionária do serviço de telecomunicações,
42
passando a ser chamado nessa pesquisa de assinante B. O terminal telefônico que fica na
cidade, nesse trabalho será chamado de assinante lado central, ou assinante A. Onde o sistema
é ponto a ponto e pode ser utilizado com a finalidade de acessar a rede mundial de
computadores – Internet ou realizar uma chamada telefônica para qualquer local do mundo.
O transceptor, modelo MC-25S utilizado nesse estudo, possui um duplexador que
foi projetado pelo fabricante STS para possibilitar a operação duplex do transmissor e do
receptor numa única antena. O duplexador é utilizado em rádios transceptores VHF na faixa
de 242 a 262 MHz e é composto basicamente por dois filtros, um para transmissão e outro
para recepção, cuja função é separar a faixa de transmissão da recepção.
Nas especificações fornecidas pelo Manual Técnico do fabricante do transceptor
[58], a potência de transmissão do equipamento é 10 W, a alimentação 13,75 Vcc, as
correntes de consumo em repouso ≤ 0,25 A e com o transmissor ligado
≤ 2,7 A. O
transceptor adquirido tem potência de 1,0 W na saída de RF (Radiofrequência).
2.5
Revisão Bibliográfica dos Conversores
Neste tópico são descritos os tipos de conversores com suas topologias,
características, vantagens e desvantagens para que possa orientar a melhor topologia para o
projeto.
De acordo com o item 1.5, o sistema
proposto
é
composto
por
conversores CC/CC; conversor elevador como carregador para os ultracapacitores
dois
e
conversor abaixador para a alimentação da carga. Os dimensionamentos dos conversores
serão detalhados no capítulo seguinte.
2.5.1 Conversores CC-CC
Conversores CC-CC são sistemas formados por semicondutores de potência
operando como interruptores, e por elementos passivos, normalmente indutores e capacitores
que tem por função controlar o fluxo de potência de uma fonte de entrada para uma fonte de
saída [2]. A frequência de comutação ou de chaveamento (switching frequency - Fs)
corresponde ao número de ocorrências de um evento repetido por unidade de tempo. Esta
frequência tende a ser a mais alta possível, diminuindo assim o volume dos elementos
magnéticos e capacitivos do conversor.
O intervalo de comutação é definido pela Equação 1.
43
(1)
A razão entre o intervalo de comutação (TS) e o intervalo de condução do
interruptor S (Ton) é definido por razão cíclica e dada pela Equação 2.
(2)
A tensão média na saída deste conversor é calculada pela Equação 3.
(3)
Usando Ton = DTs tem-se: VO = Dvi
A relação entre a tensão de saída e a tensão de entrada é definida como ganho
estático do conversor e dada então pela Equação 4.
(4)
Os sinais de comando do interruptor podem ser gerados com frequência de
comutação fixa ou variável. Uma forma de gerar os sinais de comando com frequência fixa é
através de modulação por largura de pulso (PWM). Na Figura 2.18 é mostrada uma forma
simples de realizar PWM.
Figura 2.18 – Exemplo de um circuito PWM [2].
2.5.2 Conversor Boost
O conversor boost é um conversor elevador de tensão, caracterizado por ter
entrada em corrente e saída em tensão. Na Figura 2.19 mostra-se o diagrama elétrico do
conversor boost.
44
A topologia do conversor elevador de tensão, conhecida por conversor boost [2]
está representada na Figura 2.21. Esta família de conversores é amplificadora de tensão, ou
seja, a tensão média de saída é sempre superior à tensão de entrada e apresenta como
características, fonte de corrente na entrada devido ao indutor em série com a fonte de tensão
e uma fonte de tensão na saída pela presença do capacitor filtro de saída. As principais
aplicações desse conversor são em fontes de alimentação, retificadores com alto fator de
potência e no acionamento de motores de corrente contínua com frenagem regenerativa
transformando seu diodo em chave controlada [60].
Figura 2.19 – Conversor elevador de tensão (boost clássico) [5].
As etapas de funcionamento do conversor boost são descritas a seguir.
1a Etapa (0, DTs): Mboost está conduzindo. O indutor Lboost é magnetizado. A fonte Vi fornece
energia ao indutor.
2a Etapa (DTs, (1-D)Ts): Mboost está bloqueado. O diodo Dboost entra em condução. A fonte Vi
e o indutor Lboost fornecem energia à saída. A tensão na carga aumenta.
A forma de onda da tensão sobre o indutor Lboost é mostrada na Figura 2.20.
Figura 2.20 – Tensão sobre o indutor do boost [34].
Como a tensão média sobre o indutor deve ser nula, então a Equação 5 é
45
(5)
A razão cíclica é dada pela Equação 6.
(6)
As principais formas de onda do conversor boost no modo de condução contínua
são mostradas na Figura 2.21.
Figura 2.21 – Principais formas de onda do conversor boost [34].
As principais características do conversor boost são:
Corrente não pulsada na entrada;
Pode apenas aumentar a tensão na saída;
A corrente de saída é descontínua;
A corrente na entrada tem boa qualidade;
Baixo custo, peso e volume;
Alto rendimento;
Reduzido número de componentes.
46
2.5.3 Topologia do Conversor Elevador
Para diminuir a corrente de entrada do conversor que eleva a tensão dos
ultracapacitores para alimentar a carga e consequentemente minimizar as perdas por condução
dos interruptores, optou-se por uma tensão máxima do banco de ultracapacitores em 29,7 V.
Contudo, esta especificação limitou ao uso de um conversor CC/CC do tipo elevador de
tensão, sendo que o conversor escolhido foi o boost. Para evitar sobretensão nos elementos
armazenadores durante a programação de controle do dsPIC, limitou-se a tensão em 21 V,
suficiente para alimentar o transceptor de 13,75 V.
Como o conversor boost pode operar em modo de condução contínua, sendo que
esta característica possibilita a diminuição da ondulação de corrente na entrada e,
consequentemente, melhora à sintonia do ponto de máxima potência. Mesmo com a utilização
de um filtro na entrada, a condução contínua possibilita a sua redução.
A característica de transferência do conversor boost operando em modo de
condução contínua dada pela Equação 6 p ode ser demonstrada graficamente através da Figura
2.22.
Figura 2.22 – Apresentação gráfica da característica de transferência do conversor boost [2].
O painel fotovoltaico no ponto de máxima potência pode se comportar tanto como
fonte de corrente como fonte de tensão. O primeiro comportamento não é interessante para
o conversor boost uma vez que quando alimentado por uma fonte de corrente constante a sua
tensão de saída será reduzida à medida que a razão cíclica aumenta [5].
Na topologia proposta composta pelo conversor boost clássico, como controlador
da carga dos ultracapacitores, escolhido pela sua simplicidade e eficiência, pela necessidade
de elevar a tensão Vi (painel fotovoltaico) para Vo (carga dos ultracapacitores) e porque o
controle utilizando MPPT tem resultados satisfatórios quando utiliza conversores boost, então
47
se escolhe o boost pela necessidade de elevar a tensão. Escolhido pela sua simplicidade
topológica, seu alto ganho de tensão, e porque a tensão sobre a chave controlada é menor que
a metade da tensão de saída, que possibilita a utilização da chave MOSFET, e a chave é
naturalmente grampeada por um dos capacitores de saída que evita a instalação de snubbers
dissipativos.
2.6 Técnicas de MPPT
O uso dos painéis fotovoltaicos apresentam vantagens na geração de energia
devido a sua eficiência na conversão, mas o custo para sua implantação ainda é considerado
elevado, tornando-se necessário a utilização de técnicas de extração da máxima potência do
painel fotovoltaico. Neste trabalho, são citadas várias técnicas de rastreamento do Ponto de
Máxima Potência - MPPT que são usadas em sistemas fotovoltaicos, dentre elas destacam-se:
Técnica de Tensão Constante (CV – Constant Voltage), Técnica de Corrente Constante (CC –
Constant Current), Técnica de Condutância Incremental (IncCond – Incremental
Conductance), Técnica de Hill Climbing - HC, Técnica de Perturbação e Observação (P&O –
Perturbation and Observation), e Técnica de Controle por Histerese.
Para se obter a máxima eficiência em operação, é necessário esclarecer que há
apenas um Ponto de Máxima Potência (MPP – Maximum Power Point), e este varia de acordo
com as condições climáticas a que está submetido o painel fotovoltaico. Os painéis
fotovoltaicos apresentam características tensão versus corrente não linear, que podem ser
observadas, as quais variam de acordo com o nível de radiação solar e de temperatura e que
tornam a extração desta máxima potência uma tarefa complexa, considerando-se as variações
de carga.
O MPP de um painel solar fotovoltaico corresponde ao ponto da curva corrente
versus tensão, em que se obtém a máxima potência gerada pelo painel. Na Figura 2.23 está
representada a curva característica I-V, onde se verifica que para a máxima potência fornecida
pelo painel existe apenas um valor de tensão (Vmp) e somente um valor de corrente (Imp).
48
Figura 2.23 – Representação dos pontos de operação de um painel fotovoltaico.
O painel solar fotovoltaico ideal deve funcionar sempre na sua potência nominal,
mas isso não acontece porque as condições ambientais, temperatura e radiação solar, alteram
seu ponto de funcionamento. A posição do sol, a poluição atmosférica, a alteração dos níveis
de radiação, as variações da temperatura e o próprio envelhecimento do painel, são fatores
que contribuem para que o painel não funcione sempre no seu ponto de máxima potência.
Como o ponto de máxima potência tem tendência a se deslocar, é necessário um
sistema que seja capaz de detectar e acompanhar o deslocamento desse ponto, de forma a
extrair sempre a máxima potência do painel – MPPT. Neste capítulo são apresentados os
principais métodos de busca do ponto de máxima potência utilizados em sistemas
fotovoltaicos e as suas diversas aplicações.
Os conversores são circuitos eletrônicos que convertem uma tensão CC para
diferentes níveis de tensão CC fornecendo sempre uma saída regulada. Os conversores
utilizados são classificados como conversores CC-CC de modo chaveado, também chamados
de fontes chaveadas ou chaveadores [34]. O MPPT consiste num conversor CC/CC que, de
acordo com as condições impostas pelo painel fotovoltaico, ajusta a tensão de saída do
módulo de modo que o funcionamento ocorra no ponto correspondente à máxima potência.
Desta forma, o MPPT, através do seu algoritmo de controle, altera o valor do ciclo de trabalho
(duty-cycle) do conversor, operando assim em conjunto, com o objetivo de encontrar e manter
o painel operando no ponto de máxima potência. A Figura 2.24 mostra o diagrama de blocos
simplificado de um circuito MPPT.
49
Figura 2.24 – Diagrama de blocos simplificado do MPPT.
PAINEL
CONVERSOR
FOTOVOLTAICO
CC/CC
CARGA
SINAL
PWM
MICROCONTROLADOR
Cálculo da potência PV e ajuste da razão cíclica usando
Algoritmos MPPT
Para superar este problema, vários métodos para extração da máxima potência têm
sido propostos na literatura [16-23], e, uma análise comparativa cuidadosa destes métodos
pode resultar em informações importantes para o projeto destes sistemas [24].
As técnicas de rastreamento dos algoritmos de busca do ponto de máxima
potência apresentam suas respectivas vantagens e desvantagens. Estes métodos variam
essencialmente em complexidade de implementação e análise, velocidade de convergência,
sensores requeridos, custo, eficiência e implementação em hardware.
2.6.1 Método da Perturbação e Observação (P&O)
Este método opera periodicamente incrementando ou decrementando a tensão de
saída terminal do PV e comparando a potência obtida no ciclo atual com a potência do ciclo
anterior. Caso a tensão varie e a potência aumente, o sistema de controle muda o ponto de
operação naquela direção; caso contrário, muda o ponto de operação na direção oposta. Uma
vez que o sentido para a variação da corrente é conhecido, a corrente é variada a uma taxa
constante. Esta taxa é um parâmetro que deve ser ajustado para possibilitar o balanço entre a
resposta mais rápida com a menor oscilação em regime permanente. O fluxograma básico do
método é apresentado na Figura 2.25. Este método necessita dos sensores de corrente e de
tensão. Observa-se que o método P&O pode ser melhorado através da variação do passo de
incremento da razão cíclica do conversor, de forma a otimizar a busca do MPP. Quando o
passo é variável o método é denominado de P&O modificado.
50
Figura 2.25 – Fluxograma do Algoritmo do Método Perturbação & Observação.
Entradas:
V(k),I(k)
P(k) = V(k) . I(k)
∆P = P(k) - P(k-1)
NÃO
SIM
∆P > 0
NÃO
Vref = Vref + ∆V
NÃO
SIM
∆V > 0
∆V > 0
Vref = Vref - ∆V
Vref = Vref - ∆V
SIM
Vref = Vref +
V(k)=V(k-1)
I(k)=I(k-1)
O Método da Perturbação e Observação, normalmente conhecido como Perturba e
Observa, é talvez a técnica mais utilizada para encontrar o ponto de máxima potência devido à
sua fácil implementação [29].
O funcionamento do fluxograma do algoritmo Perturbação & Observação pode
ser explicado da seguinte forma: numa primeira fase são lidos os valores da corrente e da
tensão para calcular a potência gerada pelo painel fotovoltaico. Após esse cálculo verifica-se
se a potência aumentou ou diminuiu através de ∆P = P(k) – P(k-1). Em função deste resultado
e dos possíveis comportamentos para a potência, demonstrados na Figura 2.26, altera-se a
tensão de referência de forma a ir de encontro ao ponto de máxima potência. Na fase final são
guardados os valores da tensão e corrente, para servirem de comparação na operação seguinte.
51
Figura 2.26 – Evoluções possíveis da potência num painel fotovoltaico.
Este método baseia-se na alteração da variável de referência e na comparação da
potência disponibilizada pelo painel ou conjunto de painéis fotovoltaicos antes e depois desta
alteração, definindo assim o sentido da próxima perturbação. Ou seja, será introduzida uma
perturbação, numa determinada direção, na corrente ou na tensão do arranjo de painéis
fotovoltaicos que provocará alterações no valor da potência de saída do módulo. Se a potência
de saída aumentar, a próxima perturbação continua na mesma direção, mas se pelo contrário,
a perturbação diminuir, o sistema será perturbado na direção contrária na iteração seguinte.
A Tabela 5 mostra um resumo do comportamento da potência em função da
perturbação [27].
Tabela 5 – Resumo do Algoritmo Perturbação e Observação.
Perturbação
Atual
Positiva
Positiva
Negativa
Negativa
Alteração de
Potência
Positiva
Negativa
Positiva
Negativa
Perturbação
Seguinte
Positiva
Negativa
Negativa
Positiva
52
Este processo é repetido periodicamente. Na Figura 2.26 estão representados os
quatro casos possíveis de como a potência de um arranjo de painéis fotovoltaicos pode evoluir
para uma determinada condição climática [26].
Pela descrição anterior e pela observação na Figura 2.27 percebe-se que, através
desta técnica o painel fotovoltaico nunca irá atingir o ponto de máxima potência, uma vez
que, a tensão do painel será perturbada constantemente. Isto faz com que, em regime
permanente, a potência oscile em torno do MPP desperdiçando um pouco de energia. No
entanto, esta oscilação pode ser diminuída através da redução do tamanho da perturbação,
porém perturbações muito baixas tornam a técnica lenta, demorando mais tempo para
encontrar o ponto de máxima potência.
Os métodos apresentados neste capítulo apresentam vantagens e desvantagens,
dependendo da aplicação a ser feita. O Método Perturba e Observa também apresenta
desvantagens, como se revela falível em situações onde podem ocorrem mudanças bruscas
das condições climáticas. A partir do ponto A, se as condições atmosféricas permanecerem
aproximadamente constantes, é aplicada uma perturbação ∆V na tensão do painel, deslocando
o ponto de operação para B. Como após a inserção da perturbação a potência diminui, o
sentido de ∆V tem de ser invertido. No entanto, se ocorrer um aumento repentino da radiação
solar desloca a potência de P1 para P2 e o ponto de operação passará de A para C. Isto
representa um aumento da potência e a perturbação é mantida no mesmo sentido. Como
consequência, o ponto de operação irá divergir do ponto de máxima potência e manterá essas
divergências se a radiação continuar aumentando [27].
Figura 2.27 – Mudança repentina do ponto de operação devido às alterações climáticas.
53
Como conclusão da escolha do método de busca do Ponto de Máxima Potência MPPT, de acordo com [25] a inclusão de um sistema de procura do ponto de máxima potência
num sistema fotovoltaico aumenta a produção de energia elétrica em cerca de 20% a 40%,
quando comparado com um sistema sem MPPT.
2.6.2 Método da Razão Cíclica Fixa
A razão cíclica fixa representa o mais simples dentre os métodos por não
necessitar de nenhuma realimentação, onde a resistência aparente da carga é ajustada uma
única vez para a potência máxima do painel e não é ajustada novamente, ou seja, este é um
método off-line.
2.6.3 Método da Tensão Constante
O método da tensão constante – CV (Constant Voltage) utiliza resultados
empíricos, indicando que a tensão no MPP (VMPP) é da ordem de 70% a 80% da tensão em
circuito aberto (VOC) do painel fotovoltaico para a condição atmosférica padrão. Entre os
diversos pontos de MPP (variando-se as condições atmosféricas), a tensão nos terminais do
módulo varia muito pouco, mesmo quando a intensidade da irradiação solar se altera. Assim,
assegurando-se que a tensão no módulo permaneça constante é possível operar próximo do
MPP. Isto é realizado com uma malha fechada em tensão conforme diagrama da Figura 2.28.
Este método necessita apenas de um sensor de tensão (VPV).
Figura 2.28 – Modelo do método da Tensão Constante.
VPV(t)
0,78Vref
Subtrator
Compensador
d(t)
O método da tensão constante é uma das técnicas mais simples para a busca do
ponto de máxima potência. O princípio de funcionamento desta técnica baseia-se no fato de a
tensão de máxima potência (Vmp) e a tensão de circuito aberto (Voc) terem uma relação
linear independente da radiação solar ou temperatura, como mostrado na Equação 7.
. (7)
Nesta equação k1 é o fator de tensão e depende das características do módulo
fotovoltaico utilizado. O cálculo do valor de k1 é um processo difícil, por isso, geralmente é
determinado por meios empíricos. O seu valor é sempre menor que 1 e varia entre 0,73 e 0,8
sendo que, k1 normalmente é igual a 0,76. Assim, medindo a tensão de circuito aberto e uma
54
vez terminado o valor do fator de tensão pode calcular-se o valor de Vmp, Equação 7, para
colocar o módulo no ponto de máxima potência [26].
O valor de Vmp é utilizado como referência para ser comparado com a medição
da tensão do painel (Vpv) e gerar um sinal de erro que é utilizado para ajustar a tensão de
controle (Vc), como se pode ver no fluxograma da Figura 2.29.
Figura 2.29 – Fluxograma do método de Tensão Constante.
Ler VPV(k), Vmp
Erro = VPV(k) - Vmp
Vc = Vc + Erro . G
Retorna
Um dos problemas desta técnica é o fato da tensão de circuito aberto do módulo
variar com a temperatura, obrigando a efetuar medições constantes desta, já que o aumento da
temperatura altera o valor da tensão de circuito aberto. Outra desvantagem, que está inerente
às medições, é a obrigatoriedade de desligar os painéis fotovoltaicos do conversor de potência
para que se possam efetuar as medições de Voc, o que resulta numa perda momentânea de
energia e consequentemente de eficiência. Por isso, faz-se necessário a utilização de
interruptores adicionais para desligar os painéis fotovoltaicos do conversor. Mas a principal
desvantagem desta técnica é a presença de erro em regime permanente, uma vez que a relação
entre Voc e Vmax não é constante. Desta forma, o arranjo fotovoltaico nunca opera sobre o
ponto de máxima potência, mas sim em torno deste.
Neste método existem três parâmetros a serem considerados: o período de
amostragem da tensão de circuito aberto, que representa o tempo em que os painéis
fotovoltaicos são desligados do conversor de potência; período de amostragem, ou seja, o
intervalo de tempo em que a tensão do painel é amostrada em funcionamento normal; e o
ganho G desta técnica. Se o período de amostragem da tensão de circuito aberto for muito
grande, o ponto de máxima potência não pode ser seguido de forma muito precisa. Os valores
do período de amostragem e do ganho G estão relacionados com a velocidade de
convergência e estabilidade da técnica. A diminuição do período de amostragem permite
aumentar a velocidade de convergência, embora aumente a ondulação de potência em regime
55
permanente, podendo levar à instabilidade da técnica para valores muito pequenos. O
aumento do valor do ganho G aumenta a velocidade de convergência e acrescenta, também,
ondulação em regime permanente da potência de saída do painel, chegando a ficar instável
para valores muito elevados [26].
2.6.4 Método da Corrente Constante
O método da corrente constante, também conhecido como método da corrente de
curto-circuito, tem um princípio de funcionamento idêntico ao método da tensão constante.
A corrente de curto-circuito (Isc), dependente da variação das condições
atmosféricas, altera o valor da corrente de máxima potência (Imp), uma vez que, segundo este
método, Imp e ISC estão linearmente relacionados, como mostra a Equação 8 [27].
! ". !
(8)
A constante de proporcionalidade, k2, é determinada por meios empíricos de
acordo com o painel fotovoltaico, sendo o seu valor muito próximo de um, mas sempre menor
que este.
Desta forma, medindo o valor da corrente de máxima potência e uma vez
determinado o valor de k2 pode se calcular o valor de Imp para colocar o painel para funcionar
no ponto de máxima potência.
A medição de ISC durante o período de funcionamento do módulo fotovoltaico é
uma operação difícil. A solução é utilizar um interruptor no conversor de potência, para que a
corrente de curto-circuito possa ser medida periodicamente. Isto aumenta o número de
componentes do sistema e, consequentemente, o custo. Através deste método, além de haver
uma redução da potência de saída, o valor da corrente para o ponto de máxima potência nunca
é atingido, tal como mostra a Equação 8.
Na Figura 2.30 está representado o fluxograma deste método de procura do ponto
de máxima potência.
56
Figura 2.30 – Fluxograma do Método Corrente Constante.
Início
Ler Isc
Sim
Imp = Imodulo
Não
Imodulo = K2 . Isc
2.6.5 Método da Condutância Incremental
O Método da Condutância Incremental (IncCond) é baseado no fato de que a
inclinação da curva de potência do painel solar é nula no MPP (dP/dV=0), positiva à esquerda
e negativa à direita. Este método busca o MPP da mesma forma que o Método Perturbação e
Observação - P&O, estudado no tópico 2.6.1, e, também apresenta a versão modificada.
A técnica da condutância incremental utiliza a curva potência versus tensão do
painel ou do arranjo de painéis fotovoltaicos, para encontrar o ponto de máxima potência dos
mesmos. Esta técnica baseia-se nos valores da condutância instantânea e incremental do
painel que são obtidos através das medições da corrente e tensão do painel. O ponto de
máxima potência extraída pelos painéis é atingido quando a derivada da potência de saída do
painel, em relação à tensão, for zero como demonstra a Equação 9 e a Figura 2.31 [25].
#$
#
#'
1 & . #
(9)
Igualando a derivada da potência, em relação à tensão, a zero, tem-se a Equação 10:
#$
#
#'
#'
'
0 ) 1 & . # 0 ) # (10)
Se o ponto de operação está à direita da curva de potência, então se tem em a Equação 11:
#$
#
#'
'
* 0 ) # * (11)
Se o ponto de operação está à esquerda da curva de potência, então se tem a Equação 12:
#$
#
#'
'
+ 0 ) # + (12)
Este método vai procurar o ponto de tensão, onde a condutância instantânea é
igual à condutância incremental, ou seja, a Equação 13 é:
57
#$
#
0 )
#'
#
'
(13)
As três situações anteriormente descritas podem ser vistas na Figura 2.33.
Figura 2.31 – Gráfico da curva Tensão x Potência para o Método Condutância Incremental.
Na Figura 2.32 observa-se o fluxograma do método da técnica Condutância
Incremental. Em primeiro lugar são lidos os valores atuais da tensão V(k) e corrente I(k) do
painel fotovoltaico. Em seguida são calculados valores da diferença de tensão (dV) e corrente
(dI) relativamente às medições anteriores. A principal operação deste algoritmo é a
comparação dos valores de
#'
#
e
'.
Segundo a Equação (7), no ponto de máxima potência
#'
#
'
, por isso não é
realizada qualquer ação e os valores de V(k-1) e I(k-1) são atualizados, e o algoritmo retorna
ao início. Quando
#'
#
,
'
a tensão de referência, Vref, é ajustada no sentido de modificar a
tensão do painel fotovoltaico até à tensão de máxima potência, de acordo com o sinal de
#$
#
.
Se o sistema operar no MPP (dV=0), as alterações climáticas são detectadas
através de dI ≠ 0 e a tensão de referência Vref será ajustada dependendo do sinal de dI.
Pode-se afirmar que o método da condutância incremental apresenta vantagens,
desde que sua capacidade atinja exatamente o ponto de máxima potência, em vez de oscilar
em torno deste. Além disso, consegue atingir o MPP, em condições climáticas instáveis, com
uma precisão e rapidez muito superior aos outros métodos. No entanto, tem a desvantagem de
ser uma técnica com um grau de complexidade elevado, quando comparado com as outras
técnicas.
Por sua vez, o método da condutância incremental, oferece também uma elevada
eficiência, quando comparado com o método da perturbação e observação, todavia trata-se de
58
uma técnica bem mais complexa que obriga a uma dificuldade acrescida na fase da
implementação. Porém estas complexidades traduzem-se num algoritmo mais preciso,
altamente eficiente e capaz de operar exatamente no ponto de máxima potência. Este método
funciona de forma muito sólida quando ocorrem mudanças rápidas nas condições climáticas,
já que ajusta rapidamente a tensão do módulo fotovoltaico para encontrar, praticamente sem
oscilações, o novo MPP [25]. Como desvantagem, para além do seu elevado grau de
complexidade, esta é uma técnica mais cara, exigindo um microcontrolador com mais
recursos, e requer sensores de tensão e corrente.
Figura 2.32 – Fluxograma do Método Condutância Incremental.
Ler V(k)
Ler I(k)
dV = V(k) - V(k-1)
dI = I(k) - I(k-1)
Sim
dV = 0
Não
Sim
Sim
dI = 0
dI/dV = - I/V
Não
Não
Sim
Sim
dI/dV > - I/V
dI > 0
Não
Vref = Vref +
∆V
Vref = Vref -
Não
Vref = Vref - ∆V
∆V
V(k-1) = V(k)
I(k-1) = I(k)
Retorna
Vref = Vref + ∆V
59
2.6.6 Método Hill Climbing (HC)
O Método Hill Climbing é aplicado aos sistemas perturbando o índice de
modulação, em intervalos regulares [28], medindo a corrente e tensão atuais do painel e, em
função dos resultados anteriores, decide em que zona da curva de potência se encontra. Uma
vez conhecido a potência, o controle altera o índice de modulação, de forma a levar o painel
para o ponto de máxima potência. Este método não necessita de conhecer os parâmetros do
painel aos quais vão ser aplicados.
O algoritmo utilizado neste método, Figura 2.33, possui os mesmos problemas
que são apresentados pela técnica P&O, descrita no tópico 2.6.1, quando submetido a rápidas
variações de radiação solar. No entanto, o erro em regime permanente do HC é bastante
superior.
Figura 2.33 – Algoritmo do MPPT do Método Hill Climbing.
Ler V(k), I(k)
Calcular Potência
P(k) = V(k) . I(k)
P(k) = P(k-1)
Sim
Não
P(k) > P(k-1)
Sim
Não
Complementar Sinal de Inclinação
D(k) = D(k-1) + a . Inclinação
Retornar
Primeiramente, o algoritmo, mede a corrente e a tensão e calcula a potência
associada ao painel fotovoltaico. Em seguida verifica se a potência do painel mantém o
mesmo valor da iteração anterior. Caso verifique que não houve alteração, mantém o índice
de modulação, e termina essa iteração. Na etapa seguinte, e em função do que aconteceu com
o valor da potência calculada, verifica, pela diferença de tensão da iteração anterior e da mais
60
recente, em que zona da curva de potência se encontra. Finalmente, tendo esse conhecimento,
aumenta ou diminui o índice de modulação de forma a fazer tender o estado do painel para o
ponto de máxima potência.
A Tabela 6 apresenta um resumo da comparação de quatro métodos analisados,
conforme [25].
Tabela 6 – Comparação entre os métodos MPPT.
Tensão
Constante
Corrente
Constante
Indutância
Incremental
Perturbação e
Observação
Eficiência
Baixa (90%)
Baixa (90%)
Alta (98%)
depende de como o
método é otimizado
Complexidade /
Implementação
Muito simples, mas
muito difícil
encontrar o valor
ideal de k1
Muito simples, mas
muito difícil
encontrar o valor
ideal de k2
Mais complexo.
Necessita de
microcontrolador
com mais recursos
Custo
Baixo
Baixo
Elevado
Reações às
mudanças
atmosféricas
Resposta não tão
rápida quanto a
proporcionalidade
entre Vmp e Voc
Resposta não tão
rápida quanto a
proporcionalidade
entre Imp e Isc
Boa, ajusta-se
automaticamente e
sem oscilações
Média (95%)
depende de como o
método é otimizado
Fácil de
implementar. Mas
pode se tornar
complexo se
condições variarem
bruscamente
Baixo
Resposta lenta.
Pode ter
comportamentos
não corretos em
torno do MPP
Outras
limitações
Não encontra o
MPP quando as
células estão
danificadas ou
quando módulos
estão sombreados
Não encontra o MPP
quando as células
estão danificadas ou
quando módulos
estão sombreados
Necessita de
sensores de tensão e
corrente
Não encontra
exatamente o MPP,
oscila em torno
deste
Tendo em consideração todas as vantagens e desvantagens acima referidas, para
este trabalho optou-se por implementar o algoritmo da Perturbação e Observação (P&O), pelo
fato de ser uma técnica que satisfaz de forma aceitável as exigências do projeto. A escolha foi
efetuada com base na análise teórica de cada um dos algoritmos, sem qualquer base de
suporte em resultados provenientes de simulações. O único método simulado e implementado
foi o de Perturbação e Observação (P&O).
61
2.7 Conversor Buck
Na Figura 2.34 mostra-se o diagrama elétrico do conversor buck [2]. Este circuito
é chamado conversor buck ou conversor abaixador por que a tensão na saída é menor que a da
entrada [34]. É caracterizado por ter entrada em tensão e saída em corrente.
Figura 2.34 – Conversor buck [34].
As etapas de funcionamento do conversor buck são descritas a seguir.
1a Etapa (0, DTs): Sbuck está conduzindo. A corrente circula por Lbuck e pela saída. Nesta
etapa Vg fornece energia para a saída e para a magnetização do indutor Lbuck.
2a Etapa (DTs, (1-D)Ts): Sbuck está bloqueado. No instante de abertura de Sbuck o diodo Dbuc k
entra em condução. A energia do indutor é transferida para a carga, isto é, o indutor é
desmagnetizado.
A forma de onda da tensão VDbuck mostrada na Figura 2.35, é dada pela Equação 14:
-./0 1 (14)
Figura 2.35 – Tensão VDbuck no conversor buck [34].
A Figura 2.35 mostra um filtro passa baixas LC (LbuckCbuck) adicionado ao
conversor básico. O diodo (Dbuck) proporciona um caminho para a corrente no indutor quando
a chave (Sbuck) é aberta e é polarizada reversamente quando a chave é fechada.
A tensão média sobre o indutor (VLbuck) é zero [34], então VC é dado pela Equação 15.
62
1 2
. 1 . 2 0 . 2
3 1.
1 . logo, 4
5
(15)
Na Figura 2.36 é mostrada a variação da tensão de saída em função da razão
cíclica para o conversor buck.
Figura 2.36 – Ganho estático em função da razão cíclica [2].
As principais formas de onda do conversor buck são mostradas na Figura 2.37.
Figura 2.37 – Principais formas de onda do conversor buck [34].
63
O conversor buck pode funcionar em três modos de operação:
1º - Condução Contínua: a corrente em Lbuck não se anula durante um período de comutação;
2º - Condução Descontínua: a corrente em Lbuck se anula a cada período de comutação;
3º - Condução Crítica: a corrente em Lbuck está no limiar de se anular a cada período de
comutação.
As principais características do conversor buck são:
Pode apenas diminuir a tensão na saída;
A corrente de saída tem boa qualidade;
A corrente na entrada é descontínua.
2.7.1 Topologia do Conversor Abaixador
Na Figura 2.34 tem-se o circuito básico de um conversor CC-CC tipo Buck
(abaixador de tensão). O interruptor Sbuck, mostrado funciona como um transistor bipolar,
pode ser implementado com diversas tecnologias de dispositivos semicondutores, tais como
MOSFETs ou IGBTs. A fonte de tensão Vg representa a tensão CC de entrada, sendo a
resistência R a carga do conversor.
De acordo com o modelamento proposto por Vorpérian [63,64], considera-se que
em um conversor CC-CC há uma “chave PWM” formada por um interruptor “ativo” e outro
“passivo”. Nesse caso, o interruptor “ativo” é o transistor Sbuck, e o interruptor “passivo” é o
diodo Dbuck. Como o conversor tipo buck é um conversor abaixador de tensão, a razão-cíclica
e trabalho do transistor Sbuck é calculada dividindo-se a tensão de entrada pela tensão de saída,
conforme Equação 15.
2.8 Conclusão
A topologia do conversor elevador tem como vantagens a simplicidade do
controle por apresentar uma única chave e elevado rendimento e confiabilidade. Como
desvantagens, pode-se citar: não consegue evitar os crescimentos abruptos de corrente na
entrada e não efetua proteção contra curto-circuito na carga.
64
CAPÍTULO 3
3 DIMENSIONAMENTO DO SISTEMA.
3.1 Introdução
Para dar início ao dimensionamento deve-se conhecer a potência a ser consumida
pelo sistema. Basicamente, o painel fotovoltaico, otimizado pelo circuito de controle, carrega
os ultracapacitores durante o dia. À noite, os ultracapacitores fornecem energia, previamente
armazenada, para o transceptor e a antena.
O consumo diário do sistema é calculado para 24h sendo necessário dividi-lo pela
quantidade de horas do dia. No entanto, o sistema opera, por pelo menos, três horas por dia,
desta forma, o consumo diário referente às três horas diária, considerando a eficiência
estimada do conversor elevador em 90%, a perda de energia devido à resistência no cabo
coaxial que alimenta o sistema irradiante, as perdas nos conectores que acoplam os sinais de
radiofrequência e as perdas de energia dos componentes eletrônicos, são apresentadas neste
tópico.
3.1 Dimensionamento do Gerador Fotovoltaico
O fabricante do equipamento transceptor informa no Manual Técnico a potência
de consumo [58], devido a isto, optou-se por utilizar painéis fotovoltaicos que já se encontram
instalados sobre o telhado do GPEC, cujas especificações atendem aos requisitos necessários
para o bom funcionamento do sistema. Como o painel fotovoltaico utilizado foi o MM55 da
Siemens,
seu
dimensionamento
foi
realizado
de
acordo
com
[5].
Os módulos fotovoltaicos da série MM são feitos de células solares de silício monocristalino e
oferecem um elevado desempenho, durabilidade e confiabilidade para uma ampla gama de
aplicações. Em particular, o tamanho compacto os torna adequados para utilização em
sistemas fotovoltaicos isolados. O alumínio resistente, a camada de laminação de EVA
(Etileno / Vinil / Acetato), oferece um alto grau de estabilidade e resistência a intempéries.
O fabricante do módulo fotovoltaico fornece a corrente máxima que equivale a
corrente de curto circuito (Icurto), tensão máxima equivalente à tensão em circuito aberto
(Vaberto), corrente nominal equivalente a corrente em MPP (IMPP) e tensão nominal equivalente
à tensão em MPP (VMPP). Estes valores são fornecidos para uma radiação de 1.000 W/m2 e
65
temperatura de 25ºC. As especificações técnicas deste módulo fotovoltaico estão descritas na
Tabela 7.
Tabela 7 – Características elétricas do módulo M55 da Siemens.
Módulo M55 (Siemens)
Potência máxima do painel (Pmax)
Máxima corrente (Icurto)
Máxima tensão (Vaberto)
Corrente nominal (IMPP)
Tensão nominal (VMPP)
Número de células
53 W
3,35 A
21,7 V
3,05 A
17,4 V
36
A característica Corrente versus Tensão (I-V) típica do painel solar SIEMENS
modelo M55 com 36 células solares é plotada com o Mathcad 14 na Figura 3.1.
Figura 3.1 – Representação dos pontos de operação do painel fotovoltaico M55 da Siemens.
A curva característica mostrada na Figura 3.1, por exemplo, comprova que existe
somente uma tensão e, consequentemente, uma corrente para a qual a potência máxima (Pmax)
pode ser extraída. Assim, o ponto de potência máxima representará o produto entre a tensão
nominal (VMPP) e a corrente nominal (IMPP), dada pela Equação 16.
678 9$$ . !9$$ 3,05 .17,4 53 W
(16)
É necessário observar que o ponto de máxima potência (VMPP, IMPP) é influenciado
tanto pela temperatura, mostrado na Figura 3.2, como pela intensidade de radiação luminosa.
66
Figura 3.2 – Curva de Potência e corrente em função da tensão no painel fotovoltaico [5].
Para um transceptor de 10 W nominal, a potência total consumida incluindo os
cabos e conectores é de no máximo 25 W, 10 W do transceptor e mais 15 W de perdas nos
cabos, conectores e sistema irradiante. Definindo o rendimento do conversor elevador em
90%, a radiação média de 5.500 Wh/m2/dia, a tensão do barramento dos ultracapacitores de
21,7 V e o tempo de funcionamento de 3 horas, a potência média fornecida pelo banco de
capacitores é determinada usando a Equação 17.
6?
@#
$AB
"D
= ,E = 27,778 W
C
(17)
Onde:
6?
@#
η
→ Potência média fornecida pelo banco de ultracapacitores.
→
Rendimento
do
sistema,
estimado
em
90%.
6F.G → Potência consumida pela carga.
O consumo do sistema em um dia (Ah/dia) é dado pela Equação 18.
HIJ $K4LMN .OPQRS
V//
=
"U,UU.V
"
= 3,967 Ah/dia
(18)
Onde:
HIJ → Consumo diário da carga.
t XYZ[ → Tempo de funcionamento da carga por dia (h/dia).
V]] → Tensão do barramento (21 V).
A capacidade média de geração do módulo em um dia [5] é dada pela Equação 19.
HI# '^ ._LMN
R2
=
V,D.DD
= 16,775 Ah/dia
(19)
67
Onde:
HI# → Capacidade média fornecida pelo módulo fotovoltaico em um dia.
[email protected]# → Radiação média diária (em Fortaleza: 5.500 W/m2 / dia).
!_ → Corrente fornecida pelo módulo fotovoltaico
O número mínimo de painéis fotovoltaicos é dado pela Equação 20.
b$ cde .V[[
Agh ."
=
V,EiU."
i,UUD."
= 0,414
(20)
Onde:
HIJ → Capacidade de consumo diário da carga.
Obs.: Baseado em uma tensão de 12 V fornecida por painel, em 47°C.
De acordo com o cálculo apresentado, para suprir as necessidades do sistema
proposto, é necessário apenas um módulo fotovoltaico MM55.
3.2 Dimensionamento do Elemento Armazenador
A determinação do ultracapacitor e a quantidade dependem da aplicação
pretendida. Para o dimensionamento correto do sistema uma série de fatores deve ser
conhecida. Esses fatores incluem a tensão de operação máxima e mínima, a corrente média ou
potência, a corrente de pico ou de energia, a temperatura do ambiente operacional, o tempo de
execução necessário para a aplicação e a vida útil do sistema. Agora, uma abordagem geral é
descrita.
Cada um dos produtos tem uma tensão nominal (VR). Esses ultracapacitores são
dispositivos de baixa tensão, esta tensão nominal é geralmente menor do que a tensão de
aplicação requerida. Conhecendo-se a tensão de aplicação máxima (Vmax) que irá determinar
quantas células de ultracapacitores necessitam de estar ligados em série. O número de células
ligadas em série é determinado pela Equação 21.
j/@JJ2 78
^
= "E,U
= 11
",U
(21)
Em seguida, através do conhecimento da corrente média (I), em amperes, o tempo
de execução desejado (dt), em segundos, e a tensão mínima de trabalho (Vmin), um sistema
de capacitância aproximado pode ser calculado pela Equação 22.
NB
j2k2 !Nl
NB
NB
= ! Nl = ! lLmnolL
(22)
68
A capacitância total do sistema é composta pela capacitância de todos os
ultracapacitores ligados em série para atingir Vmax. Para os ultracapacitores ligados em série,
a capacitância das células individuais é determinada pela Equação 23.
jpqp
&
"
&
V
& r&
(23)
s
Onde:
n = número de ultracapacitores em série (Ccells = 11)
Cuc = valor da capacitância de um ultracapacitor em F
Para C1 = C2 = ... = Cn = j./ e rearranjando a Equação 23, a célula de
capacitância (Csys), correspondente a capacitância do ultracapacitor equivalente, é
determinada pela Equação 24.
2k2
At
&
2k2
At
&
At
At
&
At
&
At
&
, onde, Csys At
At
s
&
At
VD
&
At
&
At
&
At
&
At
Csys = 31,818 F
(24)
Este valor de capacitância pode então ser comparado com as folhas de dados do
produto para determinar o ultracapacitor adequado para a aplicação. Se a capacitância
calculada não é possível atingir através de um único ultracapacitor, será necessário colocar
um ou mais ultracapacitores em série para se obter a tensão e energia necessárias.
Há muitos outros itens a considerar para o dimensionamento adequado da
aplicação. Isto inclui a resistência interna do ultracapacitor, a queda de tensão instantânea
associada a uma corrente aplicada, a temperatura ambiente de funcionamento que afeta a
resistência interna do ultracapacitor e a sua durabilidade. Em [43] existem ferramentas
adicionais, notas de aplicação e outros trabalhos que estão disponíveis para ajudar no processo
de dimensionamento.
Ultracapacitores têm uma constante de tempo típica de cerca de um segundo. Uma
constante de tempo reflete o tempo necessário para carregar um capacitor de 63,2% de carga
ou descarga completa para 36,8% da carga total. Esta relação é ilustrada na Figura 3.3.
A constante de tempo de um ultracapacitor é muito mais elevada do que a de um
capacitor eletrolítico. Portanto, não é possível expor ultracapacitores para uma ondulação de
corrente contínua, pois pode resultar em sobreaquecimento. O ultracapacitor pode responder a
exigências de energia de curto pulso, mas, devido à eficiência da constante de tempo a energia
disponível é reduzida.
69
Figura 3.3 – Relação da constante de tempo RC [43].
A Figura 3.4 ilustra o desempenho dos ultracapacitores em frequências diferentes.
A queda na capacitância está associada com o tempo de resposta necessário para a carga nos
íons dentro dos poros do eletrodo para o transporte entre positivo e negativo durante a carga e
descarga. A queda na resistência é representativa para o tempo de resposta dos diferentes
elementos resistivos dentro do ultracapacitor. Em baixa frequência todos os elementos
resistivos estão presentes, em alta frequência apenas elementos de resposta rápidos, tais como
as resistências de contato. O teste é tipicamente conduzido sem tensão aplicada. Por esta
razão, a capacitância parece ser muito mais baixa do que aquilo que é afirmado na tensão
nominal, como a capacitância que tem uma ligeira dependência da tensão.
Figura 3.4 – Resposta em frequência para capacitância e resistência com ultracapacitor
Na Figura 3.5 estão representados os perfis das curvas de correntes de descarga
em função do tempo para quatro ultracapacitores com tensões variando de 2,3 a 2,7 V, 350 F
e Resistência Série Equivalente (ESR) 0,0032 Ω para o modelo BCAP0356 da empresa
americana Maxwell Technologies [43].
70
Figura 3.5 – Curvas de corrente de descarga no ultracapacitor [43].
Um ultracapacitor não armazena apenas carga, mas também energia. Ela não é
dissipada, mas sim armazenada na forma de campo elétrico. A energia armazenada
em um capacitor é expressa em Joules. Um Joule por segundo corresponde a um Watt.
A energia armazenada em um capacitor é igual ao trabalho feito para carregá-lo.
Considere um capacitor com capacitância C, com uma carga +q em uma placa e -q na outra.
Movendo um pequeno elemento de carga dq de uma placa para a outra contra a diferença de
potencial V = q/C necessita de um trabalho dW, conforme Equação 25:
v
u w
(25)
Pode-se descobrir a energia armazenada em um capacitor integrando essa
equação. Começando com um capacitor descarregado (q=0) e movendo carga de uma placa
para a outra até que as placas tenham carga +Q e -Q, assim um trabalho W é dado pela
Equação 26:
~v
u]xyyz{x|} w ~
"
j " €xyx‚z|xx
"
(26)
Assim sendo a energia armazenada em um ultracapacitor é igual à energia
fornecida a ele por uma fonte. Neste projeto utilizou-se a Equação 27 para o cálculo da
energia armazenada.
€7ƒ ./. 
"
V,„„.",U
"
115,977 J
(27)
71
No SI (Sistema Internacional) 1 Farad (F) corresponde a 1 Coulomb (C) por Volt
(V), …xyx F.JFFJG
, 1 Watt corresponde a 1 Joule por segundo, ux †[email protected]
[email protected]#F
.
Convertendo o resultado obtido para Watt, tem-se para a energia armazenada no
banco de ultracapacitores o valor de 115,977 W.
O sistema foi dimensionado para três dias de autonomia e uma profundidade
máxima de descarga de 60%, utilizando-se o resultado da Equação 18, tem-se a Equação 28.
j.JGƒ7 cde .#
t
V,EiU.V
,i
19,83 Ah
(28)
Onde:
Cultra → Capacidade total dos ultracapacitores (Ah);
d → Dias de autonomia (3 dias);
DC → Máxima profundidade de descarga (60%).
Dessa forma o banco de ultracapacitores é composto por 11 unidades de 2,7 V 350
F em série, totalizando 29,7 V, mas por questões de segurança e proteção do sistema, limitouse o controle da tensão em 21 V e capacitância equivalente total de 31,818 F.
A Figura 3.6 mostra, genericamente, o gráfico da curva de descarga no
ultracapacitor.
Figura 3.6 – Perfil da curva de descarga no ultracapacitor [43].
Os onze ultracapacitores escolhidos para uso no projeto foram da VINA
Technology fabricado na Coréia do Sul, modelo VEC2R7357, tem como características
tensão de 2,7 V, peso 54,1 g; volume 57,7 ml; densidade de energia 6,1 Wh/L e possui 4
pinos.
Optou-se por esses componentes por não necessitar de se fazer manutenção
periódica e por trabalhar com temperaturas que variam de -40ºC a +65C. Tendo como
72
aplicação a área de telecomunicações, devido à facilidade de importação e por ter um
representante no Brasil. O atraso na entrega, normalmente, ocorre por ter que passar pela
alfândega para o desembaraço aduaneiro na Receita Federal do Brasil bem como a liberação
por parte da Polícia Federal e, consequentemente, o transporte pelos Correios até o endereço
do destinatário. Isso ocorre, após o preenchimento de guias de importação, o que não foi o
caso, pois os produtos foram destinados para pesquisa, e liberados para uso nesse projeto.
Existe nos Correios o sistema importa fácil para pesquisadores cadastrados no CNPq.
Extraindo os valores da Tabela 8. O valor do resistor paralelo ao painel (R1 no
circuito simulador) RPM é dado pela Equação 29.
a$9 m‰MŠB
'tAŠB '‹ŒŒ
",U
V,VDV,D = 72,33 Ω
(29)
O valor do resistor série (R2 no circuito simulador) RSM é dado pela Equação 30.
aŽ xzy}Ž66
IMPP
=
",UU,“
V,D
= 1,41 Ω
(30)
Na simulação com o ORCAD CAPTURE 10.3 utilizou-se o circuito com o módulo
fotovoltaico mostrado na Figura 3.7. A tensão Vaberto (21,7 V) é subtraída da tensão de
polarização do diodo que tem uma queda de tensão direta típica de 0,3 V (Vdp = 0,3 V), desta
forma o modelo não é influenciado por esta tensão de polarização.
Considerou-se a radiação de 1.000 W/m2 e temperatura de 25ºC.
Figura 3.7 – Circuito do ORCAD CAPTURE 10.3 utilizado para simular o módulo fotovoltaico.
Na Figura 3.7, Iph é a corrente de curto-circuito do painel fotovoltaico e Np é a
quantidade de painéis utilizados no projeto, Np = (Ns.VD)-Vdp, nesse caso utilizou-se apenas
uma unidade, Ns é a quantidade de células do painel, no caso 36. VD é a tensão da célula do diodo
de silício quando ela começa a conduzir, neste caso foi adotado, aproximadamente, 0,6 V.
73
3.3 Dimensionamento e Simulação do Conversor Boost
O painel fotovoltaico terá que fornecer no mínimo 12 V de tensão na entrada do
conversor boost para que o transceptor funcione. Considerando que a radiação solar seja
2
maior ou igual a 1000 W/m . É possível montar a Tabela 8 com as especificações necessárias
para o projeto do boost.
Tabela 8 – Especificações para o dimensionamento do conversor boost.
Especificações para o Dimensionamento do Conversor Boost
Parâmetro
Valor
VPV_MIN – Tensão mínima de entrada
12 V
VPV_NOM – Tensão nominal do módulo fotovoltaico
17,4 V
Vcarga_max – Tensão máxima na saída do conversor boost
29,7 V
(tensão máxima nos ultracapacitores)
∆Vcarga – Variação de tensão no capacitor de saída do boost
0,05 % da tensão na saída
IPV_NOM – Corrente nominal do módulo fotovoltaico
3,05 A
∆IPV – Ondulação de corrente na entrada do indutor do boost)
11 % da corrente de entrada
fsboost – Freqüência da comutação no boost
21 kHz
∆VPV – Variação de tensão na entrada do boost
0,2 % da tensão de entrada
No pior caso, momento em que a tensão de entrada é mínima e que a tensão de
saída é máxima, a razão cíclica do boost será máxima (Dmax) [2]. Este valor da razão cíclica
máxima é calculado na Equação 31.
$_9'–
x” 1 "
/7ƒ17_78
1 "E,U 0,596
(31)
3.3.1 Dimensionamento do indutor boost
O valor do indutor utilizado no conversor boost é fornecido pela Equação 32 [2].
—}}p 1 $‹˜™ .78
š'$.›2-FF2G
1
".,DEi
,.V,D."
1,015 mH
(32)
Como a corrente média que circula na fonte de entrada VPV é a mesma que circula
pelo indutor Lboost, a corrente eficaz que circula pelo enrolamento do indutor é encontrada
usando a Equação 33 [2]. Assim, substituindo valores da Tabela 8, tem-se:
!œ@› = $Œl
Œl_™‹
DV
U,“ 3,05 A
(33)
A corrente de pico através do indutor é dada pela Equação 34 [2], substituindo os
valores na equação resulta:
!œ/F =!œ@› &
∆'žŸM "
3,05 &
,.V,D
"
3,22 A
(34)
74
O produto das áreas do núcleo é dado pela Equação 35 [2].
Hz. H¢ œ‰3B .'žŸ£t .' žŸM .Ÿ¤¥
¦§ .†Lmn .¨Lmn
,D.o© .V,"".V,D.¥
,U.“D.,V
1,055 cm4
(35)
Onde:
Hz
Área efetiva da perna central do núcleo
H¢
Área da janela do carretel (onde é situado o enrolamento)
Hz. H¢
Produto das áreas desejado [cm4]
ª« 0,7
Fator de utilização da área da janela (enrolamento)
¬78 450 A/cm2
Densidade de corrente elétrica máxima
­78 0,30 T
Densidade de fluxo magnético máximo
Baseado no cálculo do produto das áreas escolheu-se o núcleo de ferrite
NEE-42/21/20 da Thornton para a confecção do indutor boost cujos dados estão na Tabela 9
[61].
Tabela 9 – Características do núcleo NEE-42/21/20 [61].
Características do núcleo de ferrite
Ae.Aw – Produto das áreas
Ae – Área efetiva da perna central
Aw – Área da janela do carretel
Ve – Volume do núcleo
3,77 cm4
2,40 cm2
1,57 cm2
23,30 cm3
O número de espiras do indutor do boost é dado pela Equação 36 [62],
substituindo os valores obtém-se:
[email protected] œ‰3B. 'žŸM [email protected]¨Lmn
,D.o©.V,D
",“.o¥.,V
43 espiras
(36)
O entreferro total do indutor do conversor do boost é determinado pela Equação
37,
®1 “.¯.o° .–M3£ [email protected]
œ‰3B
“.V,“D.o°.“V .",“.o
,D.o©
0,055 cm
(37)
Para o caso de núcleos de ferrite com formato EE, o valor do entreferro deve ser
J5
ajustado em .
"
A profundidade de penetração da corrente no condutor é dada em pela Equação 38
[62] e substituindo valores obtém-se:
±
U,D
²›3‰3B
U,D
√"
0,05175 cm
(38)
75
Para reduzir o efeito pelicular (skin effect) o diâmetro do condutor não poder ser
maior que duas vezes o valor de δ. A bitola do condutor depende da densidade de corrente
máxima. Portanto, o diâmetro do fio (Ф) escolhido deve ser menor que o valor calculado com
a Equação 39.
Ф 2. ± 2.0,05175 0,10350 cm
(39)
O diâmetro calculado corresponde ao fio 18AWG, que é muito rígido para dobrar,
executar o enrolamento e ocupa uma área muito grande da janela do núcleo, por esse motivo,
é adotado o fio 27AWG, que é mais flexível e se adapta melhor à área da janela do núcleo.
A área total do condutor depende da densidade de corrente máxima, é encontrada
usando-se a Equação 40 [62] e substituindo valores obtém-se:
'žŸM H›F †
Lmn
V,D
“D
0,00678 cm2
(40)
O fio 27 AWG possui área de cobre sem isolamento de 0,001021 cm2 e incluindo
o isolamento 0,001244 cm2.
A seguir é definida a quantidade de fios em paralelo usando a Equação 41.
b›F2_7ƒ[email protected] c c _°µ§¶
,iU„
,"
6,64 ≈ 7 fios paralelos
(41)
O fator de utilização da janela do núcleo com o fio adotado é encontrado com a
Equação 42.
c«·"U –M3£ .– 3
£mŠmeMe3
c¸
.c _3emLM
B
“V.U.,"““
,DU
0,238
(42)
O valor calculado do fator de utilização da janela ou fator de enrolamento é menor
que o valor adotado e está dentro do especificado em [62]. Portanto, o indutor é construído
sem problemas.
A Tabela 10 apresenta as características físicas do indutor boost.
Tabela 10 – Características físicas do indutor boost.
Características físicas do indutor boost
Núcleo de ferrite utilizado
IP12R – 42//21/20 da Thornton
Número de espiras
43
Fio utilizado
7 × 27 AWG
Entreferro
0,7 mm
Comprimento total do fio AWG27 utilizado
29,2 m
Densidade de fluxo utilizada
0,3 Tesla
76
3.3.2 Dimensionamento do capacitor C1
No cálculo do dimensionamento do boost é necessário a inclusão de um capacitor C1
na entrada do conversor, esse capacitor tem como função garantir que o painel sempre
opere como fonte de tensão [13].
O valor do capacitor C1 utilizado na entrada do boost, paralelo com o painel
fotovoltaico, é dado pela Equação 43 [2].
j1 œ-FF2G.'$™‹ .š'$
š.$_–9
,D.o© .V,D.,.V,VD
U,“.,".U,“
1.884 µF
(43)
No projeto foram dimensionados dois capacitores de 2200 µF/35 V em paralelo na
saída do painel. Esta medida possibilitou diminuir a resistência série equivalente e dividiu a
corrente que circulava por estes capacitores.
Para fins de montagem, foram utilizados dois capacitores de 680 µF/25 V e um de
220 µF/25 V.
O regulador de tensão do boost foi o L7815CV da ST Microelectronics. Este
componente possui uma baixa resistência de condução, 19 mΩ em 1 kHz.
O diodo (Dboost) do boost utilizado foi 1N5821 da ON Semiconductor, diodo
schocktty ultrarrápido que possui baixíssimo tempo de recuperação. A tensão de bloqueio
deste diodo é de 30 V e capacidade de condução de 3 A.
O MOSFET utilizado como interruptor do boost foi o IRFZ48N da International
Rectifier. Este componente possui uma baixa resistência de condução, o que possibilita a
diminuição das perdas e uma comutação rápida.
O circuito utilizado para simulação, em malha aberta, no ORCAD CAPTURE 10.3
é mostrado na Figura 3.8. Como o conversor boost possui característica de fonte de tensão na
saída e duas fontes de tensão não podem ser conectadas em paralelo, foram adicionados RL e
Rc2 representando, respectivamente, a resistência da carga, a resistência do cabo acrescida da
resistência interna do ultracapacitor.
77
Figura 3.8 – Circuito utilizado para simulação do conversor boost no ORCAD CAPTURE 10.3.
PAINEL FOTOVOLTAICO
M55 – 53 W - SIEMENS
R2
L1
1
D2
2
1015.1u
1.41
MBR1045
D1
Vdp = 0.3 V
R1
72.33
I1
3.35Adc
R3
C1
M1
IRFZ44
10
1884u
V1 = 0
V2 = 15
TD = 100n
TR = 100n
TF = 100n
PW = 13.28u
PER = 47.6u
V1
21.4Vdc
C2
RL
1200
31.18
V2
Rc2
33m
0
A tensão no painel é mostrada na simulação da Figura 3.9. Pode ser observado
que a tensão no painel é a do ponto de sua máxima potência.
Figura 3.9 – Tensão no módulo fotovoltaico.
30V
20V
10V
0V
29.9570125s
V(V1:+)
29.9571702s
Time
A corrente no painel fotovoltaico na simulação é mostrada na Figura 3.10.
Figura 3.10 – Corrente no módulo fotovoltaico.
5.0A
C
O
R
R 4.0A
E
N
T
E 3.0A
CORRENTE DO MODULO FOTOVOLTAICO = 3,35 A
2.0A
1.0A
0A
140ms
I(I1)
142ms
144ms
146ms
TEMPO
148ms
150ms
78
É observada uma pequena ondulação na corrente a qual fica mais visível na Figura
3.11, contudo esta pequena ondulação não afeta a carga dos ultracapacitores e nem a sua vida
útil.
Figura 3.11 – Ondulação da corrente de carga nos ultracapacitores.
1.35A
1.00A
0A
-1.00A
-1.38A
41.800ms
I(C1:1)
41.900ms
42.000ms
42.100ms
42.200ms
42.300ms
Time
Na Figura 3.12 pode ser observada a corrente no indutor. É visível o seu
funcionamento em condução contínua, pois a corrente nunca se anula.
Figura 3.12 – Corrente no indutor do conversor boost.
1.2A
1.0A
0.8A
29.973757s
I(L1)
29.973800s
29.973971s
Time
Na Figura 3.13 é mostrada a tensão no interruptor do boost. Como o próprio capacitor
da saída grampeia a tensão, não é necessário nenhum circuito para proteger o interruptor de
sobretensões.
79
Figura 3.13 – Tensão no interruptor do conversor boost.
T
E
N
S
Ã
O
25V
20V
I
N
T
E
R
R
U
P
T
O
R
10V
C
O
N
V
E
R
S
O
R
0V
18.7292ms 18.7500ms
V(M1:d)
18.8000ms
18.8500ms
18.9000ms
18.9500ms
19.0000ms
19.0454ms
Time
3.4 Dimensionamento e Simulação do Conversor Buck
De acordo com as especificações adotadas na Tabela 11, são dimensionados os
componentes que constituem o conversor CC-CC tipo buck.
Tabela 11 – Especificações para o dimensionamento do conversor buck.
Especificações para o Dimensionamento do Conversor Buck
Parâmetro
Valor
Vg – Tensão máxima de entrada do barramento
29,7 V
∆Vc_buck – Variação da ondulação de tensão de saída do buck
1% da tensão na saída
Ve_mín – Tensão mínima de entrada do barramento
17 V
Vcarga – Tensão nominal de alimentação da carga
13,75 V
Icarga – Corrente nominal da carga fornecida pelo fabricante
1A
Po - Potência nominal de saída do conversor buck
25 W
∆IL_buck – Ondulação de corrente na entrada do indutor do buck
10 % da corrente de entrada
fsbuck – Freqüência da comutação no buck
21 kHz
∆V_buck – Variação de tensão na entrada do buck
0,2 % da tensão de entrada
Para simulação, a carga é considerada como um resistor. O valor desse resistor é
obtido considerando-se o conversor operando na potência nominal de saída. A partir destes
dados, tem-se a seguir o dimensionamento dos componentes, para simulação com o programa
Orcad Capture 13.
O cálculo do resistor de carga é dado pela Equação 44.
a

tmŠ5m
$
V,UD
"D
7,563 Ω
(44)
O cálculo do ponto de operação é dado de acordo com a razão cíclica de trabalho
do transistor Sbuck. É calculado dividindo-se a tensão de entrada pela tensão de saída, onde
Vc = Vcarga, resultando na Equação 45.
tmŠ5m
5
V,UD
"E,U
0,463
(45)
80
Calculando-se a razão cíclica de trabalho da “parte passiva” do interruptor PWM,
ou seja, do diodo Dbuck. É obvio que quando o interruptor acha-se em condução o diodo está
bloqueado, e vice-versa. Assim, a razão cíclica do diodo Dbuck é o complemento da razão
cíclica do transistor Sbuck, que é dado pela Equação 46 [2].
¹ 1 1 0,463 0,537
(46)
Para o cálculo do capacitor de filtragem utiliza-se a Equação 47, a qual determina
que a corrente nominal de saída do conversor é expressa por:
!F $
"D
V,UD
1,818 A
(47)
Com isso, calcula-se o valor mínimo necessário do capacitor de filtragem, de
modo a garantir o valor de “ripple” da tensão especificada usando-se a Equação 48 [2].
jís ∆'ž_‰At»
".¯.›3‰At» .∆_‰At»
%.,„„
".V,“D.".© .,"%.U
4,0524 |…
(48)
No projeto foi dimensionado um capacitor de 10 nF/35 V.
Para fins de montagem e segurança do circuito de proteção na entrada do
conversor buck, foi colocado um fusível de 2,5 A e foram utilizados três capacitores de 470
µF/35 V em paralelo. Esta medida possibilitou diminuir a resistência série equivalente e
dividiu a corrente que circulava por estes capacitores.
O valor do ciclo de carga mínimo para o conversor buck é dado pela Equação 49.
ís tmŠ5m
5
V,UD
"E,U
0,46
(49)
Onde:
Vg → tensão máxima na entrada do barramento do conversor buck
Vcarga → tensão na saída do conversor buck que alimenta a carga
O valor do ciclo de carga máximo para o conversor buck é dado pela Equação 50
[2].
tmŠ5m
á8 M_Lí
V,UD
U,“
0,79
(50)
Onde:
Ve_mín → tensão mínima na entrada do conversor buck
Vcarga → tensão na saída do conversor buck que alimenta a carga
A corrente máxima da carga (Icarga) fornecida pelo fabricante do transceptor é 1 A.
O valor da ondulação de corrente do indutor fornecida à carga pelo conversor buck é dado
81
pela Equação 51 [2].
∆!œ_¨./0 á8 . !/7ƒ17 0,79.1 0,79 A
(51)
Assim, o cálculo do indutor do conversor buck (LBuck) é dado pela Equação 52.
Considerando D = 50% do ciclo de trabalho, calcula-se o valor do indutor do
conversor buck [2],
—¨./0 ..5
›3‰At» .∆'ž_¾At»
,D.,D."E,U
".,UE
447,56 µH
(52)
Na prática, deve-se adotar um indutor com valor superior ao que foi calculado
com a expressão anterior. Isso é feito de modo a garantir o modo de condução continuo
(MCC) em toda a faixa de operação do conversor. Por este motivo, e devido ao enrolamento
ter sido feito de forma manual no Laboratório do GPEC, após a confecção do indutor, mediuse no indutímetro o valor —¨./0 = 472,13 µH, a resistência do enrolamento do indutor
medido foi 116 mΩ. Como este valor de indutância é baixo, provavelmente o indutor terá um
número reduzido de espiras. Assim, pode-se imaginar que a resistência do indutor é
desprezível e utiliza-se RL = zero nas simulações do circuito chaveado e também nas
equações do modelo de Vorpérian.
O valor do capacitor de saída do conversor buck (CBuck) é dado pela Equação
53 [2].
j¨./0 Lán .Lán.Lán
„.›3‰At»  .∆4_¾At»
(53)
Onde:
∆Vc_Buck = 1%Vcarga = 0,01x13,75 ∆
j¨./0 ,UE.,UE."E,U
„." .,VUD
_¨./0 =
0,1375 V, logo,
“,E"U"V
“„D,.¿ 10,157 ηF
O efeito da resistência série do capacitor é dado pela ondulação da tensão da
carga pela ondulação da corrente da carga, que é dado pela Equação 54.
a_À_¨./0 ÁVC_BQSÄ
ÁIL_BQSÄ
,VUD
,UE
0,174 Ω
(54)
A resistência série máxima do capacitor da EPCOS modelo B41821, 120 Hz, 650
mA, 35 V é ESRmáxBuck = 0,49 Ω.
Para efeito de montagem na saída do conversor buck e como proteção da carga do
sistema utilizou-se o capacitor comercial da EPCOS no valor de C = 1000 µF, ESR = 0,15 Ω,
tensão de operação 35 V.
82
O circuito utilizado para simulação no ORCAD CAPTURE 10.3 é mostrado na
Figura 3.14, utilizou-se dois capacitores de 2200 µF em paralelo totalizando 4400 µF na saída
do conversor buck. Como o conversor buck controla a componente CC com uma tensão
pulsada na saída, que é sempre o objetivo de produzir uma saída que é puramente CC. Um
modo de se obter uma saída CC do circuito é inserindo um filtro passa baixas depois da
chave. A figura mostra um filtro LC adicionado ao conversor básico. O diodo proporciona um
caminho para a corrente no indutor quando a chave é aberta e é polarizada reversamente
quando a chave é fechada. [34].
Figura 3.14 – Circuito utilizado para simulação do conversor buck no ORCAD CAPTURE 10.3.
0
R1
L1
2
1
447.5uH
V18
1m
R25
3
D12
HFA25TB60
R18
0.01
12Vdc
U1A4
3
1
V16
21Vdc
R27
2.2k
V+
0
+
10k
R7
14
OUT
R26
2
10k
- 11
1
V-
LM324
M1
IRFP250
0
R24
10k
C9
4400uF
R29
100k
0
R28
0
2.2k
0
R23
22
V1 = 0
V2 = 15
TD = 0
TR = 10ns
TF = 10ns
PW = 32.8us
PER = 50us
V17
0
A tensão no banco de ultracapacitores é mostrada na Figura 3.15. Observa-se a
falta de ondulação da tensão o que garante estabilidade de energia na entrada do conversor
buck.
Figura 3.15 – Tensão nos ultracapacitores na entrada do conversor buck com ORCAD CAPTURE 10.3.
83
Figura 3.16 – Tensão na chave de entrada do conversor buck com ORCAD CAPTURE 10.3.
3.4.1 Dimensionamento do indutor buck
Com o uso do conceito do
“Interruptor
PWM” apresentado por Vorpérian
[63,64], torna-se extremamente simples e rápida a simulação de conversores estáticos CC-CC
utilizando modulação por largura de pulso. O presente trabalho mostra o uso dessa técnica
através de simulações de um conversor tipo buck, usando o programa Orcad Capture 13.0.
Como a corrente média que circula na fonte de entrada Ve_mín é a mesma que
circula pelo indutor Lbuck, a corrente eficaz que circula pelo enrolamento do indutor é
encontrada usando a Equação 55. Assim, substituindo valores da Tabela 11, tem-se:
!œ"@› =
$
M_Lí
"D
U
1,47 A
(55)
84
A corrente de pico através do indutor é dada pela Equação 56, substituindo os
valores na equação resulta:
!œ"/F =!œ"@› &
∆'žM "
1,47 &
,.,“U
"
1,54 A
(56)
O produto das áreas do núcleo do indutor do buck é dado pela Equação 57.
Hz. H¢-./0 œ‰At» .'ž£t .'žM .Ÿ¤¥
¦§ .†Lmn .¨Lmn
““U,Di.o¿ .,D“.,“U.¥
,U.“D.,V
0,107215 cm4
(57)
Onde:
Hz
Área efetiva da perna central do núcleo
H¢
Área da janela do carretel
Hz. H¢-./0
Produto das áreas desejado do indutor do buck [cm4]
ª« 0,7
Fator de utilização da área da janela (enrolamento)
¬78 450 A/cm2
Densidade de corrente elétrica máxima
­78 0,30 T
Densidade de fluxo magnético máximo
Baseado no cálculo do produto das áreas, escolheu-se o núcleo de ferrite para a
confecção do indutor buck.
Assim, foi escolhido o núcleo NEE-40/17/12 da Thornton, cujos dados estão na
Tabela 12 [61].
Tabela 12 – Características do núcleo NEE-40/17/12 [76.]
Características do núcleo de ferrite do buck
Ae.Aw – Produto das áreas
Ae – Área efetiva da perna central
Aw – Área da janela do carretel
Ve – Volume do núcleo
2,28 cm4
1,48 cm2
1,54 cm2
11,30 cm3
O número de espiras do indutor do buck é dado pela Equação 58 [62],
substituindo os valores obtém-se:
[email protected] œ‰At». 'žM [email protected]¨Lmn
““U,Di.o¿ ,“U
,“„.o¥.,V
15 espiras
(58)
O entreferro total do indutor do conversor do buck é determinado pela Equação
59,
®1-./0 “.¯.o°.–M3£ [email protected]
œ‰At»
“.V,“D.o° .D .,“„.o
““U,Di.o¿
0,0935 cm
(59)
85
Para o caso de núcleos de ferrite com formato EE, o valor do entreferro deve ser
J5‰At»
ajustado em " .
A profundidade de penetração da corrente no condutor é dada em pela Equação 60
[62] e substituindo valores obtém-se:
±
U,D
²›3‰At»
U,D
√"
0,05175 cm
(60)
Para reduzir o efeito pelicular (skin effect) o diâmetro do condutor não poder ser
maior que duas vezes o valor de δ. A bitola do condutor depende da densidade de corrente
máxima. Portanto, o diâmetro do fio (Ф) escolhido deve ser menor que o valor calculado com
a Equação 61.
Ф 2. ± 2.0,05175 0,10350 cm
(61)
De acordo com o cálculo do diâmetro do fio, determinou-se a escolha do condutor
para a confecção do indutor buck.
O diâmetro calculado corresponde ao fio 18AWG, que é muito rígido para dobrar,
executar o enrolamento e ocupa uma área muito grande da janela do núcleo, por esse motivo,
é adotado o fio 27AWG, que é mais flexível e se adapta melhor à área da janela do núcleo.
A área total do condutor depende da densidade de corrente máxima, é encontrada
usando-se a Equação 62 [62] e substituindo valores obtém-se:
H›F-./0 'žM †Lmn
,“U
“D
0,00327 cm2
(62)
O fio 27 AWG possui área de cobre sem isolamento de 0,001021 cm2 e incluindo
o isolamento 0,001244 cm2.
A seguir é definida a quantidade de fios em paralelo usando a Equação 63.
b›F2_7ƒ[email protected]_-./0 c ‰At»
c _°µ§¶
,V"U
,"
3,199 ≈ 4 fios paralelos
(63)
O fator de utilização da janela do núcleo com o fio adotado é encontrado com a
Equação 64.
c«·"U –M3£ .– 3_£mŠmeMe3_‰At» .c _3emLM
B
c¸
D.“.,"““
,“„
0,05043
(64)
O valor calculado do fator de utilização da janela ou fator de enrolamento é menor
que o valor adotado e está dentro do especificado em [62]. Portanto, o indutor é construído
sem problemas.
As características físicas do indutor do conversor buck são dadas na Tabela 13.
86
Tabela 13 – Características físicas do indutor buck.
Características físicas do indutor buck
NEE – 40/17/12 da Thornton
Núcleo de ferrite utilizado
Número de espiras
Fio utilizado
Comprimento total do fio AWG27 utilizado
Entreferro
Densidade de fluxo utilizada
3.5
15
4 × 27 AWG
8,09 m
0,7 mm
0,3 Tesla
CIRCUITO DE CONTROLE E ALGORITMO
3.5.1 Algoritmo de MPPT
O algoritmo de procura do ponto de máxima potência é semelhante ao utilizado
por [60], porém utilizando a corrente de carga dos ultracapacitores.
A busca do ponto de máxima potência MPPT é feita amostrando a corrente de
carga da bateria usando um sensor resistivo, e adicionando um amplificador diferencial para
amplificar a queda de tensão sobre este. Esta queda de tensão é enviada ao microcontrolador,
que a compara com valor anterior. Caso o valor da tensão seja maior que o anterior, a razão
cíclica é decrementada.
A lógica deste processo é apresentada no fluxograma da Figura 3.17, sendo I(n) a
corrente de carga amostrada, D a razão cíclica e D[n] a razão cíclica amostrada.
O fluxograma apresenta o algoritmo do método de controle MPPT proposto,
chamado de perturba e observa (P&O), onde as informações sobre a radiação solar não são
necessárias. Para buscar o ponto de operação de máxima potência e acompanhar este ponto a
fim de reduzir o erro entre a potência de operação e a potência máxima, em caso de mudança
da incidência solar, o controle do conversor boost perturba periodicamente o ponto de
operação do painel solar. Ao adquirir a corrente de saída, o controle usa esta informação para
aumentar ou diminuir o ciclo de trabalho do conversor boost para alterar o ponto de operação
do módulo fotovoltaico. Após a perturbação, há um deslocamento do ponto de operação de
(k-1) para (k) [59], conforme Figura 1.19.
87
Figura 3.17 – Rotina para obtenção do ponto de máxima potência.
O arranjo do sistema MPPT está conectado ao conversor boost. Através de um
algoritmo de controle sobre os interruptores S1 (SWbst) e S2 (SWbck), Apêndice B, o ciclo de
trabalho é modificado de modo a variar a potência extraída a partir do painel fotovoltaico, até
que o produto da tensão e da corrente de saída do conversor seja máximo. No entanto, como a
tensão nos terminais dos ultracapacitores pode ser considerada constante durante duas
amostras consecutivas, o algoritmo verifica apenas a variação da corrente. Enquanto isso, o
conversor buck controla a tensão do barramento CC. Esse controle é feito continuamente pelo
sistema sobre as condições de incidência solar nominal.
O painel fotovoltaico utilizado no projeto fornece a corrente máxima que equivale
à corrente de curto-circuito (ISC), a tensão máxima que equivale à tensão em circuito aberto
(VOC). A corrente nominal equivale à corrente em MPP (Imp) e a tensão nominal que equivale
à tensão MPP (Vmp). Estes valores são fornecidos para uma radiação de 1.000 W/m2 e
temperatura de 25ºC.
O processo de carga do ultracapacitor inicializa e efetua a aquisição da tensão do
banco de ultracapacitores (VUC) para estimar a sua carga, o que determina a razão cíclica
inicial do conversor boost. Dependendo da tensão nos ultracapacitores o programa executa as
funções mostradas na Figura 3.18.
88
Figura 3.18 – Processo de carga dos ultracapacitores.
As condições para carga dos ultracapacitores na temperatura de 25ºC são [5]:
1. VUC < 12 V (Ultracapacitores muito descarregados. A carga é feita através do diodo do boost).
2. 12 V ≤ VUC < 21 V (Carga no ponto de máxima potência).
3. 21 V ≤ VUC < 29,7 V (Carga de conservação, ultracapacitores carregados com 70%).
4. VUC > 29,7 V (Ultracapacitores completamente carregados e o conversor é desligado).
O banco de ultracapacitores pode ser considerado, em um curto período de tempo,
como uma fonte de tensão constante. Para obtenção do ponto de máxima potência é necessário
apenas monitorar a corrente de carga do banco de ultracapacitores e não a potência de saída do
painel, que é normalmente utilizada.
Esta técnica apresentada no tópico 2.6.1 foi usada neste projeto devido a sua
simplicidade de implementação. A busca do ponto de máxima potência, MPP, é realizada
observando a corrente de recarga do banco de ultracapacitores, uma vez que a tensão em seus
terminais pode ser considerada constante num período de chaveamento.
De acordo com o fabricante dos ultracapacitores, a máxima tensão recomendada
sobre cada componente é 2,7 V a uma temperatura de 25ºC. Nesta aplicação, o circuito de
controle com MPPT é polarizado usando uma fonte auxiliar alimentada pelo banco de
ultracapacitores, fornecendo +5 V para o microcontrolador dsPIC30F2020 e +15 V para o
driver do MOSFET e outros periféricos do sistema, ver Apêndices.
89
CAPÍTULO 4
4
RESULTADOS EXPERIMENTAIS
São apresentados neste capítulo os resultados experimentais do protótipo. A fonte
consta de dois estágios de processamento de energia, sendo o primeiro estágio um controlador
de carga dos ultracapacitores baseado no conversor boost clássico que tem a função de extrair
a energia do módulo fotovoltaico e enviar aos ultracapacitores; e o segundo estágio composto
de um conversor buck abaixador de tensão que extrai dos ultracapacitores 21 V a energia
necessária para transferência de 13,75 Vcc para alimentar o transceptor.
4.1 Protótipo montado
A foto do protótipo implementado em laboratório é mostrada na Figura 4.1. Aqui
são mostrados os ultracapacitores conectados em série, o conversor boost, o conversor buck e
o circuito de controle.
Figura 4.1 – Foto do protótipo implementado.
90
Na Figura 4.2 é mostrada a foto do circuito de potência com os conversores boost e
buck.
Figura 4.2 – Circuito de Potência - Conversores Boost (esquerda) e Buck (direita).
Na Figura 4.3 é mostrada a foto do circuito de controle com o microcontrolador
dsPIC30F2020 da Microchip Technology de 28 pinos que funciona como controlador de sinal
digital de 16 bits.
Figura 4.3 – Circuito de Controle do Sistema
91
Esse módulo de alimentação possui como características 4 geradores PWM com 8
saídas e cada gerador PWM tem base de tempo e ciclo de trabalho independentes. A fonte de
alimentação do módulo PWM no dispositivo dsPIC30F2020 suporta uma grande variedade de
modos e formatos de saída de PWM. Este módulo PWM é ideal para aplicações de conversão
de energia, tais como, conversores CC/CC, fontes de alimentação CA/CC e fontes de
alimentação ininterrupta (UPS).
O período de PWM pode ser calculado usando a Equação 65.
Período PWM = [(PRx)+1].4.Tosc(TMRx valor prescale)
(65)
A frequência PWM é definida pela Equação 66.
Frequência PWM = 1/Período PWM
(66)
As Figuras 4.4 e 4.5 mostram as medidas reais dos indutores do boost e do buck
feitas com o instrumento indutímetro da fabricante FLUKE.
Figura 4.4 – Medida do indutor do boost.
Figura 4.5 – Medida do indutor do buck.
92
As Figuras 4.6 e 4.7 mostram o transceptor ativado, mas o telefone encontra-se
com o monofone no gancho. Não há estabelecimento de uma conexão telefônica por parte do
assinante. Assim sendo, não existe um sinal da portadora presente no analisador de espectro.
Figura 4.6 – Transceptor ativado e telefone com monofone no gancho.
Figura 4.7 – Análise espectral do transceptor sem sinal da portadora com o monofone no gancho.
93
A Figura 4.8 detalha os instrumentos e equipamentos utilizados nas medições dos
sinais do transceptor de rádio monocanal.
Figura 4.8 – Transceptor ativado com chamada telefônica em andamento e monofone fora do gancho.
A Figura 4.9 mostra o gráfico da análise espectral da frequência da portadora
gerada pelo transceptor em 259,066 MHz. O telefone foi retirado do gancho pelo usuário e foi
estabelecida uma chamada telefônica pelo assinante, comprovando seu funcionamento.
Figura 4.9 – Análise espectral da onda portadora do transceptor ativado na frequência de 259,066 MHz
94
A Figura 4.10 mostra o diagrama de blocos do sistema montado no projeto.
Figura 4.10 – Diagrama de blocos do sistema montado no projeto.
Painel
Conversor
CC/CC 1
Conversor
CC/CC 2
Transceptor
Banco de
Ultracapacitores
As Figuras 4.11 e 4.12 mostram, respectivamente, os gráficos dos resultados
experimentais da tensão na chave e a corrente no indutor, e, tensão e corrente na carga do
conversor boost.
Figura 4.11 – Tensão na chave e corrente no indutor do Figura 4.12 – Tensão e corrente na carga do conversor
Boost. (Canal 1: 5 V/div e Canal 2: 250 mA/Div).
Boost. (Canal 1: 5 V/div e Canal 2: 1 A/Div).
As Figuras 4.13 e 4.14 mostram, respectivamente, os gráficos dos resultados
experimentais da tensão na chave e a corrente no indutor, e, tensão e corrente na carga do
conversor buck.
95
Figura 4.13 – Tensão na chave e corrente no indutor do
Buck. (Canal 1: 5 V/div, Canal 2: 250 mA/div).
Figura 4.14 – Tensão e corrente na carga do conversor
Buck. (Canal 1: 5 V/div e Canal 2: 250 mA/Div).
Através de simulações realizadas com o ORCAD CAPTURE CIS 10.3, que foram
mostradas no capitulo 3, os resultados foram comparados com os calculados, o que validou o
modelo matemático utilizado para o circuito.
O sistema opera durante todo o período em que estiver ativado. Como o painel
depende da temperatura e da incidência solar, haverá dias em que não aparecerá sol forte, e a
energia do painel a ser transferida para o sistema ficará reduzida. Dessa forma para alimentar
o transceptor será necessário fornecer energia a ser retirada dos ultracapacitores. O transceptor
precisa ser alimentado em no mínimo 12 V, mas a programação do sistema da placa de
controle vai operar na faixa de 12 a 21 V. O banco de ultracapacitores será limitado à tensão
máxima de 21 V, mesmo sendo capaz de suportar até 29,7 V, neste projeto optou-se em
limitar seu uso como proteção do sistema de energia a qual será transferida do painel para os
ultracapacitores através do conversor boost. Devido à descarga dos ultracapacitores, o sistema
poderá ficar inoperante por um pequeno período de tempo, visto que é incomum em nossa
região o sol não aparecer. E logo ser restabelecida a energia para recarga dos componentes
armazenadores.
Para este projeto, o usuário do serviço poderá utilizar o rádio transceptor no período
noturno por até 3 horas, ou mais, dependendo da carga dos ultracapacitores e da quantidade de
tempo em que o monofone ficará fora do gancho do telefone.
Em três dias de sol intenso em Fortaleza, 18 a 20 de abril de 2012, foi realizada a
carga completa nos ultracapacitores no Laboratório do GPEC. Em 18/04/2012 o banco de
ultracapacitores começou a ser carregado às 10h25min e alcançou a tensão de 20,02 V após
duas horas de carga. Verificou-se que a tensão em cada ultracapacitor chegou a 1,838 V. A
96
carga permaneceu ligada até o anoitecer. Quando foi estabelecida uma ligação telefônica à
noite, verificou-se que a tensão no transceptor estava em torno de 13,85 V e a corrente na
carga era de 0,33 A.
O sistema de controle limita a tensão de carga em 21 V para evitar sobretensão e
superaquecimento dos ultracapacitores, assim foi limitada a corrente na saída do painel em 2,5
A com a inclusão de um fusível para proteger o conversor boost.
No dia 19/04/2012 o painel fotovoltaico que se encontra sobre o telhado do GPEC
forneceu a tensão de 18,94 V e a corrente de 1,2 A para o protótipo projetado. Verificou-se
que ao entardecer, por volta das 17h, o painel apresentou uma leitura de 12,2 V de tensão e
0,27 A de corrente, e às 17h45min verificou-se a leitura de 11,93 V na tensão e 0,25 A na
corrente.
Durante aquela noite o equipamento rádio encontrava-se ligado com a alimentação
fornecida pelo banco de ultracapacitores em 12 V. A alimentação do painel foi desligada do
restante do sistema naquela noite. No dia seguinte, 20/04/2012, às 08h35min a tensão do
banco de ultracapacitores encontrava-se em 9,73 V, desta forma o transceptor mesmo em
repouso consome energia devido aos seus circuitos internos de potência.
97
CONCLUSÃO GERAL
Este trabalho tratou do projeto e implementação de um sistema fotovoltaico para
atendimento a uma comunidade isolada da rede pública de energia e de telecomunicação em
que foi utilizado como forma de armazenamento de energia o ultracapacitor.
Foi apresentado o desenvolvimento de um sistema fotovoltaico para alimentar um
sistema de telefonia rural em corrente contínua em uma comunidade isolada da rede de
energia da concessionária local. O sistema ora projetado não utiliza o inversor para corrente
alternada, reduzindo assim custos com equipamentos, bem como não utiliza baterias como
forma de armazenamento, diminuindo desta forma, manutenções periódicas, trocas ou
substituições devido à vida útil das baterias.
Em vez das baterias foram utilizados ultracapacitores como forma de
armazenamento de energia. A maior eficiência foi devido ao conversor elevador CC/CC que é
superior a de inversores tanto a plena carga como a vazio.
Inicialmente foi realizado o estudo, em conceitos práticos, sobre as fontes
alternativas de energia, especificamente, energia eólica e energia solar. A situação atual do
atendimento de energia elétrica no Brasil e foi constatado que cerca de dois milhões de
domicílios rurais, em comunidades isoladas da rede pública de energia e de telecomunicações,
ainda não possuem fornecimento de energia elétrica bem como rede de comunicação, o que
corresponde a cerca de 80% do total nacional de exclusão elétrica. Esses domicílios
geralmente estão
situados em locais de difícil acesso, distantes do
sistema de
distribuição convencional e geralmente concentrados em pequenas quantidades de
consumidores. Dessa forma torna-se inviável economicamente para as concessionárias
realizarem esse atendimento mediante extensão da rede convencional.
Com base nos fatores citados, chegou-se a conclusão que para esse tipo de
atendimento, os sistemas fotovoltaicos se tornam bastante atrativos. Especialmente quando o
mesmo possui tecnologia nacional, onde os custos são reduzidos, o que não é o caso desse
estudo. Por fim apresentou-se o sistema proposto para montagem como protótipo.
Foram apresentados os componentes do sistema utilizado no projeto. Iniciou-se
com o estudo da célula fotovoltaica e as características do painel fotovoltaico. Foi feito um
estudo exaustivo sobre o ultracapacitor e seu funcionamento para operar como elemento
armazenador de energia, em substituição à bateria automotiva, muito utilizada no mundo
devido a sua alta capacidade de armazenamento. Apresentou-se uma tabela comparativa entre
baterias e ultracapacitores onde foram relatadas as vantagens dos ultracapacitores sobre as
98
baterias. Realizou-se um breve estudo sobre o aparelho telefônico usado como acessório para
o funcionamento do transceptor que é o elemento de carga.
Foi feita uma revisão bibliográfica dos conversores CC-CC, e realizado o estudo
da topologia proposta para o carregador dos ultracapacitores.
Foram apresentados seu princípio de funcionamento, etapas de operação,
dimensionamento, projeto e resultados de simulação. Através dos resultados de simulação foi
possível comprovar que o conversor realmente pode ser dimensionado considerando a
equivalência com um conversor elevador (boost) e com o conversor abaixador (buck).
Foram analisadas seis técnicas de MPPT que são estudadas atualmente para
aplicação no sistema apresentado. Optou-se por usar a técnica perturba e observa pela
facilidade de implementação no projeto.
De acordo com as necessidades do projeto e as regulamentações da ANEEL e
ANATEL o sistema foi dimensionado passando a ser composto por apenas um painel
fotovoltaico (MM55 – 55 Wp da Siemens), um conversor elevador, um banco de
ultracapacitores como elemento armazenador composto por onze unidades (cada uma com
2,7 V e 350 F), um conversor abaixador, um equipamento transceptor para comunicação
telefônica, um aparelho telefônico e uma antena Yagi para recepção e transmissão do sinal de
telefonia. Durante os testes de laboratório, com o intuito de se evitar a propagação da radiação
eletromagnética, utilizou-se uma carga fantasma, cedida especialmente pela ANATEL, em
substituição à antena, para que não fossem irradiadas as radiofrequências geradas pelo
transceptor.
Foram apresentados os resultados das simulações com o uso do software OrCAD
Capture CIS 10.3, e projetados no Altium os diagramas das placas dos conversores, dos
ultracapacitores, os esquemáticos do circuito de controle, de potência e da fonte auxiliar.
O protótipo final é composto por dois conversores, os quais foram
construídos na mesma placa, e por ter os indutores de pequeno porte, ocupado menor espaço,
maior rapidez de montagem e menor dificuldade de reparo. Um circuito de controle foi
necessário ser montado em uma placa separada para melhorar o manuseio em caso de
manutenção e uma placa com os onze ultracapacitores foi confeccionada separada para evitar
superaquecimento e como forma de segurança no uso, visto que esses componentes ainda não
são habituais em nossos laboratórios. O circuito optoacoplador está implementado na placa do
conversor buck. O algoritmo do MPPT foi implementado no dsPIC30F2020 instalado na placa
de controle.
99
Foram mostradas as curvas dos resultados experimentais utilizando o osciloscópio
digital da fabricante Tektronix, modelo TPS 2014 de quatro canais 100 MHz, 1 GS/s.
Para a instalação do sistema final em campo será realizado um estudo da estrutura
a ser utilizada (não incluso nesse trabalho). Optar-se-á por uma que utilize um poste de
concreto onde em seu topo já se encontra instalada uma antena VHF Yagi com cabos
instalados e um compartimento fechado, e ventilado no intuito de receber e proteger os
conversores e os ultracapacitores na forma de abrigo para o rádio transceptor.
Este trabalho tratou do projeto e implementação de um sistema fotovoltaico para
atendimento a uma comunidade isolada da rede pública de energia e de telecomunicação em
que foi utilizado como forma de armazenamento de energia o ultracapacitor.
O sistema ora projetado não utiliza o inversor para corrente alternada, reduzindo
assim custos com equipamentos, bem como não utiliza baterias como forma de
armazenamento, diminuindo desta forma, manutenções periódicas, trocas ou substituições
devido à vida útil das baterias.
Em vez das baterias foram utilizados ultracapacitores como forma de
armazenamento de energia. A maior eficiência pode ser explicada através do rendimento do
conversor elevador CC/CC que é superior a de inversores tanto a plena carga como a vazio.
Com base nos fatores citados, chegou-se a conclusão que para esse tipo de
atendimento, os sistemas fotovoltaicos se tornam bastante atrativos. Especialmente quando o
mesmo possui tecnologia nacional, onde os custos são reduzidos, o que não é o caso desse
estudo.
O sistema poderá ser instalado em qualquer localidade que tenha possibilidade de
receber um sinal de telefonia. No entanto, serão realizados testes mesmo que na comunidade
já disponha do sistema via rádio e que utilize baterias e inversor.
Ainda em relação a trabalhos futuros, pode-se sugerir a realização de um
estudo de controle liga/desliga nas células do conversor elevador, no momento em que
a carga conectada a sua saída possuir baixa potência no intuito de obter maior rendimento.
100
REFERÊNCIAS
[1] ROSA, Victor Hugo da Silva. “Energia elétrica renovável em pequenas comunidades no
Brasil: em busca de um modelo sustentável”. Brasília. 2007. 440 p. Disponível em
http://repositorio.bce.unb.br/bitstream/10482/5478/1/2007_VictorHugodaSilvaRosa.pdf
[2] BARBI, Ivo; “Eletrônica de Potência: Conversores CC-CC Básicos Não Isolados”;
Florianópolis, SC; Ed. do Autor, 2000.
[3] MARKVART, T. Solar Electricity. 2nd ed. 1994 e 2000.
[4] MORAES, Albemerc Moura de. “Aplicações da tecnologia solar fotovoltaica no Estado
do Piauí: barreiras e potencialidades”. Dissertação de mestrado em energia. Universidade
Federal do ABC, Santo André, SP, 2009.
[5] SÁ JÚNIOR, Edilson Mineiro de. “Sistema Fotovoltaico para Iluminação Pública em
Horário de Ponta”; Dissertação (Mestrado em Engenharia Elétrica). Universidade Federal do
Ceará-UFC, Fortaleza, CE; 2004.
[6] CRESESB. Centro de Referência para Energia Solar e Eólica Sérgio de Salvo Brito.
Energia Solar: Princípios e Aplicações. 2006. Disponível em: <http://www.cresesb.cepel.br>.
Acesso em novembro/2011.
[7] BAJAY, S. V. Mudanças no Planejamento dos Sistemas Elétricos Isolados no Brasil,
Relatório MME/PNUD, setembro 2003
[8] http://www.fucapi.br/tec/imagens/revistas/ed06_completo.pdf T&C Amazônia, Ano III,
Número 6, Janeiro de 2005, acesso em novembro 2011.
[9] ANEEL. Resolução ANEEL Nº 493/2012 de 05/06/2012. Diário Oficial da União de
06/06/2012.
[10] Resolução Normativa N° 83, Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL;
Procedimentos e as condições de fornecimento por intermédio de Sistemas Individuais de
Geração de Energia Elétrica com Fontes Intermitentes – SIGFI; 20 de Setembro de
2004.
[11] BORGES, E.; KLAUS, W.; MONTEIRO, C.; SCHWAB, T. Sistemas
Fotovoltaicos Domiciliares – Teste em Campo de um Modelo Sustentável de
Eletrificação Rural. II Congresso Brasileiro de Eficiência energética, Vitoria-ES, setembro
de 2007.
[12] GOMES, C. M. S.. “Interface de um Painel Solar à Rede Eléctrica”. Dissertação
(Mestrado em Engenharia Eléctrica). Universidade do Minho, Portugal, 2010.
[13] ALENCAR, A. F.; DAHER, S.; ANTUNES, F. L. M.; XIMENES, S; CRUZ, C.; SÁ
JÚNIOR, E. M.; SILVA, F. S. F. Off-Grid PV System to Supply a Rural School on DC
Network. 10° International Conference on Renewable Energies and Power Quality (ICREPQ’10), Granada, Espanha, março de 2010.
101
[14] Aplicação de sistemas fotovoltaicos no programa Luz para Todos da COELBA,
COELBA - Grupo Neoenergia, Hugo Machado Silvia Filho; Workshop Rio 06, Rio de
Janeiro, novembro 2006.
[15] E.D.R.B. Proença,. “A Energia Solar Fotovoltaica em Portugal Estado-da-Arte e
Perspectivas de Desenvolvimento”. Dissertação de Mestrado em Engenharia e Gestão
Industrial, Instituto Superior Técnico – Universidade Técnica de Lisboa, 2007.
[16] PANDEY, A. K. et al. A simple Single-Sensor MPPT Solution. IEEE Transactions on
Power Electronics, New York, v. 22, n. 6, p. 698–700, 2007.
[17] YU, G. J. et al. A Novel Two-Mode MPPT Control Algorithm Based on Comparative
Study of Existing Algorithms. In: Photovoltaic Specialists Conference, 2002, p. 1531-1534.
[18] HUSSEIN, K. H. et al. Maximum Photovoltaic Power Tracking: An Algorithm for
Rapidly Changing Atmospheric Conditions. IEE Generation, Transmission and Distribution,
United Kingdom, v. 142, n. 1, p. 59-64, 1995.
[19] WASYNEZUK, O. Dynamic Behavior of a Class of Photovoltaic Power Systems. IEEE
Transactions on Power Apparatus and Systems, New York, v. 102, n. 9, p. 3031-3037, 1983.
[20] JAINS, S.; AGARWAL, V. A New Algorithm for Rapid Tracking of Approximate
Maximum Power Point in Photovoltaics Systems. IEEE Power Electronics Letters, v.2, n.3, p.
16-19, 2004.
[21] HO, B. M. T. et al. Use of System Oscillation to Locate the MPP of PV Panels. IEEE
Power Electronics Letters, v.2, n.1, p. 1-5, 2004.
[22] CASADEI, D. et al. C. Single-Phase Single-Stage Photovoltaic Generation System
Based on a Ripple Correlation Control Maximum Power Point Tracking. IEEE Transactions
on Energy Conversion, v. 21, n.2, p. 562-568, 2006.
[23] CAVALVANTI, M. C. et al. Comparative Study of Maximum Power Point Tracking
Techniques for Photovoltaic Systems. Eletrônica de Potência, v. 12, n. 2, p. 163-171, 2007.
[24] BRITO, A. G. de; GALOTO, Luizi; SAMPAIO, Leonardo P.; CANESIN, Carlos A.
“Avaliação das Principais Técnicas para Obtenção de MPPT de Painéis Fotovoltaicos”.
UNESP Ilha Solteira, Laboratório de Eletrônica de Potência, p. 1-6, 2012.
[25] N. A, R. G, K. A. S, and L. C. J, with S. Balakrishna, Thansoe. The Study and
Evaluation of Maximum Power Point Tracking Systems. International Conference on Energy
and Environment 2006 (ICEE 2006), pp. 17-22.
[26] SEGUEL, J. I. L., “Projeto de um sistema fotovoltaico autônomo de suprimento de
energia usando técnica MPPT e controle digital”. Mestrado em Engenharia Elétrica, UFMG –
Escola de Engenharia, 2009.
[27] ESRAM, T.; CHAPMAN, P. L. Comparison of Photovoltaic Array Maximum Power
Point Tracking Techniques. IEEE Transactions on energy conversion, vol. 22, 2007, PP. 439449.
102
[28] JAIN. S, AGARWAL, V. Comparison of the performance of maximum power point
tracking schemes applied to single-stage grid-connected photovoltaic systems. Electric Power
Applications, IET, vol. 1, PP. 753-762, 2007.
[29] Y.-jung M. Tung, D.A.P. Hu, and D.N.-K. Nair. Evaluation of Micro Controller Based
Maximum Power Point Tracking Methods Using dSPACE Platform. Australian University
Power Engineering Conference 2006, 2006.
[30] SILVA, F. S. F. S.. Sistema fotovoltaico para iluminação e alimentação de pequenos
equipamentos em corrente contínua. Dissertação (Mestrado em Engenharia Elétrica).
Universidade Federal do Ceará-UFC, Fortaleza, CE; 2010.
[31]
http://www.ultracapacitors.org/index.php?option=com_content&Itemid=77&id=106&task=vi
ew, acesso em setembro 2012.
[32]
http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=010115060215.
Publicação em Redação do Site Inovação Tecnológica - 15/02/2006, acesso em novembro
2011.
[33]
http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=separacao-denanotubos-metalicos-semicondutores&id=, acesso em setembro 2012.
[34] HART, DANIEL W. “Eletrônica de Potência: análise e projetos de circuitos”. Porto
Alegre, RS; AMGH, 2012.
[35]
http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=supercapacitorsolido, acesso em setembro 2012.
[36]
http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=brasileirosdescobrem-nanotubos-metalicos-quadrados&id=010165090130, acesso em setembro 2012.
[37] http://www.newtoncbraga.com.br/index.php/como-funciona/1663-ultracapacitores.html,
acesso em setembro/2012.
[38]
http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=020115050217,
acesso em setembro 2012.
[39] http://www.dsce.fee.unicamp.br/~antenor, J. A. Pomilio, Componentes Passivos
Utilizados em Fontes Chaveadas. arquivo Fontes Chaveadas Cap. 6. Acesso em setembro
2012.
[40] R. Kotz, M. Carlen. Principles and Applications of Electrochemical Capacitors,
Electrochimica Acta, vol. 45, 2000, pp. 2483-2498
[41] H. E. Becker, U.S. patent 2 800 616 (to General Electric), 1957.
[42] D. I. Boos, U. S. Patent 2 536 963 (to Standard Oil, SOHIO), 1970.
[43] http://www.maxwell.com/products/ultracapacitors/downloads acesso em outubro 2012.
103
[44] http://www.epcos.com/web/home/html/home_e.html, acesso em setembro 2012.
[45] http://www.nec-tokin.net/now/english/product/pdf_dl/SuperCapacitors.pdf acesso em
setembro/2012 acesso em setembro 2012.
[46] http://www.elna-america.com/dlc.htm acesso em setembro 2012.
[47] http://www.avxcorp.com/docs/techinfo/bcapdim.pdf acesso em setembro 2012.
[48] http://www.evanscap.com/MegaCap.pdf acesso em setembro 2012
[49] http://www.panasonic.com/industrial/electronic-components/ acesso em outubro 2012.
[50] http:/www.vina.co.kr, acesso em agosto 2011.
[51] http://www.nesscap.com/, acesso em outubro 2012.
[52] http://www.korchip.com/, acesso em outubro 2012
[53] http://www.chemi-con.co.jp/e/catalog/dl.html, acesso em outubro 2012.
[54] http://www.skeletontech.com/ acesso em outubro 2012.
[55] http://www.geocities.ws/saladefisica7/funciona/telefone.html, acesso em outubro 2012.
[56] JESZENSKY, Paul Jean Etienne. Sistemas telefônicos. Barueri, SP. Ed. Manole, 2004.
[57] MIYOSHI, Edson Mitsugo; SANCHES, Carlos Alberto. Projetos de sistemas rádio. São
Paulo: Érica, 2002.
[58] Manual Técnico da ST&S. Rádio monocanal 250 MHz/360 MHz sintetizado MC-25S,
MC-36S, Rev. B, Agosto/2008.
[59] Oliveira, E. F. de, “Conversor estático de baixo custo e alto rendimento para sistemas
eólicos de pequeno porte”. Monografia. Universidade Federal do Ceará – UFC, Fortaleza, CE,
2010.
[60] CASTELO BRANCO, P. T. V. “Sistema de energia elétrica portátil usando painel
fotovoltaico para aplicação em notebooks”. Dissertação de mestrado. Universidade Federal do
Ceará – UFC, Fortaleza, 2011.
[61] THORNTON. Catálogo de fabricante. Disponível em:
<http://www.thornton.com.br/produtos/nee.htm>. Acesso em Maio 2011.
[62] MCLYMAN, C. Wim. T. Transformer and Inductor Design Handbook. Editora Marcel,
Dekker, Inc. 2004.
[63] Vorpérian, Vatché. Simplified Analysis of PWM Converters using Model of PWM Switch
– Part I: Continuous Current Mode. IEEE Transactions on Aerospace and Electronics
104
Systems, vol. 26, no. 3, May 1990.
[64] Vorpérian, Vatché. Simplified Analysis of PWM Converters using Model of PWM Switch
– Part II: Discontinuous Current Mode. IEEE Transactions on Aerospace and Electronics
Systems, vol. 26, no. 4, June 1990.
105
APÊNDICES
APÊNDICE A - Esquemático do Circuito de Controle desenhado com o software Altium.
106
APÊNDICE B - Esquemático do circuito de potência e da fonte auxiliar.
107
APÊNDICE C - Esquemático do banco de ultracapacitores.
P4
1
2
Molex 2
+
+
+
+
+
+
+
+
+
+
+
Was this manual useful for you? yes no
Thank you for your participation!

* Your assessment is very important for improving the work of artificial intelligence, which forms the content of this project

Download PDF

advertisement