Cuidados Preliminares a serem tomados

Cuidados Preliminares a serem tomados
DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS
01. CUIDADOS PRELIMINARES A SEREM TOMADOS
Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré
CEP 05347-902 - São Paulo / SP
MÃOS À OBRA
CUIDADOS PRELIMINARES A SEREM TOMADOS
1.
COMPRA DO TERRENO
Sobre loteamentos irregulares, a Prefeitura Municipal de São Paulo editou um
folheto VAMOS MEXER COM SAO PAULO, no qual o assunto é abordado da
seguinte forma:
LOTEAMENTO IRREGULAR
O loteamento pode ser irregular por
varias razões.
Há casos em que o loteador vendeu
terras que não eram dele.
Às vezes, o loteamento foi feito em
área rural e isso e proibido.
Em certos loteamentos, não foi
doada para a Prefeitura uma área
para construir praças e escolas,
conforme manda a lei.
Outros loteamentos são irregulares
porque o terreno é muito inclinado
ou está muito perto dos córregos.
-2-
MÃOS À OBRA
Na escolha do seu terreno, observe se ele apresenta as seguintes condições
favoráveis.
l
Facilidade de acesso, isto é, se existem ruas que permitam chegar ao terreno. A
rua pode não ser pavimentada, mas deve dar tráfego normal a veículos pesados lembre-se que os materiais da sua construção deverão ser colocados no seu lote.
l
Suas dimensões devem ser tais que permitam a construção da casa com as
dependências necessárias ao seu projeto. Um lote mínimo deve ter 10,00 m de
frente por 20,00 m de fundos, ou seja, 200 m2. Casas geminadas são construídas
em meio lote.
l
Ser plano ou ligeiramente inclinado para a rua de modo que o abastecimento de
água e saída de esgoto sejam facilitados. Não deve ter uma conformação que exija
grandes cortes ou aterros, pois estas obras de terraplenagem são bastante caras.
l
Deve ser seco, sem charcos. As águas da chuva devem correr normalmente
através do terreno, sem que abram valetas ou buracos. Caso isto ocorra, serão
necessárias fundações e obras de drenagem caras.
Outro cuidado importante que se deve ter é com os títulos de propriedade do imóvel. O
documento que comprova legalmente a propriedade de um terreno é a Escritura Pública
de Compra e Venda do Imóvel, devidamente registrada no Registro Geral de Imóveis.
O Contrato de Promessa de Venda, mesmo que registrado, não se constitui num
documento que comprova plenamente a propriedade, no entanto possui garantias
suficientes para que se possa construir no terreno.
Atenção: só inicie sua construção em terreno cuja propriedade esteja
perfeitamente definida. Em caso de dúvida, procure os órgãos competentes da
Prefeitura, Cartório de Registro de Imóveis. Se puder, contrate um advogado para
esclarecer tudo. Não entre em fria!
2.
PROJETO
Antes de colocar mãos a obra na construção de sua casa ou reforma, uma
palavrinha sobre algo muito importante: o Projeto.
Com certeza já deve ter ouvido falar de planta de casa, ou seja, um desenho onde
aparecem em escala (tamanho reduzido) os diversos cômodos que vão ser
construídos, com suas metragens. Esta planta é importante, pois situa a obra dentro
da área do terreno, sabendo-se, assim, quanto do terreno ficará livre na frente, nos
fundos e nas laterais.
Perder algum tempo com o Projeto de sua casa, com certeza será bem
recompensado, pois serão evitados problemas durante e após a construção.
-3-
MÃOS À OBRA
É hora de ouvir a sua mulher e um profissional habilitado, pois eles sabem, em
conjunto, quais são as necessidades mais importantes de sua casa, em termos de
tamanho, disposição, iluminação, ventilação etc.
É importante que se saiba de que lado nasce o Sol em relação a seu terreno, pois os
quartos devem ficar voltados para o Norte. Veja como se orientar com a Figura 1.
Figura 1 - Posicionamento da construção do terreno
No quadro abaixo são apresentados, como sugestão, áreas e larguras mínimas
para as diversas dependências que servirão na elaboração de um desenho (croqui)
de sua casa.
Dependências
Área mínima
2
“A” (m )
Cozinha
4,00
1,50
Banheiro
1,50
0,80
Sala
12,00
2,00
Dormitório
12,00 (único)
9,00 (mais de um)
2,00
Largura mínima
“L” (m)
Exemplo: Dormitório único com área de 12,00 m2 terá como dimensões:
Largura L = 2,00 m
Comprimento = 6,00 m
Outro detalhe importante é obter uma lista de materiais bem preparada, com as
quantidades corretas, para você economizar. O profissional habilitado vai ajudá-Io
nisso também.
-4-
MÃOS À OBRA
A próxima etapa a ser cumprida é procurar a Prefeitura local, solicitando
informações de como poderá ser feita a planta definitiva e ser dado atendimento a
todas as suas exigências. Dependendo da área a ser construída, a Prefeitura
poderá colocar à sua disposição projetos e lista de materiais que atenderão à sua
expectativa. Nesse caso, a construção terá um acompanhamento pelos seus
técnicos. Isto é importante, pois evita grandes transtornos posteriores. E bom
lembrar que nenhuma obra, por menor que seja, pode ser executada sem a
participação e orientação de um profissional devidamente habilitado. Informe-se na
Prefeitura ou no CREA - Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura sobre o
assunto.
Qualquer modificação no
projeto aprovado, por mais
simples que seja, consulte e
discuta diretamente com o
profissional habilitado, pois
somente ele poderá dar as
melhores e mais técnicas das
soluções. Não faça
alterações do projeto por sua
conta e risco, pois poderão
acarretar problemas sérios
(Figura 2).
Figura 2 - Desobediência ao projeto
Se o projeto de sua casa for completo e pretender fazer a construção por etapas, isto
é, prevendo ampliações futuras (Figura 3), algumas medidas econômicas podem
ser tomadas tais como:
l
Quando fizer as fundações, construa também as necessárias para o acréscimo
futuro;
l
Compre o material necessário para
toda a obra, tomando cuidado
para que não se estraguem;
l
A ampliação deverá ser
projetada segundo a linha de
cumieira, se a ampliação for
no outro sentido cuide para
não ficar com uma parede
muito baixa, se preferir, faça
telhado independente;
Figura 3 - Ampliação
NOTA: A altura do pé direito (do piso ao forro) deve ser aproximadamente 2,80 m.
-5-
MÃOS À OBRA
l
Nos locais de futuras aberturas (janelas ou portas) posicionadas em parede
construída numa primeira etapa, não esquecer de deixar prontas as vergas
correspondentes: e,
l
As instalações de eletricidade, água fria e esgoto devem ser feitas prevendo-se a
possibilidade de sua conexão com as instalações necessárias à ampliação lembre-se que rebentar paredes ou pisos é sempre causa de desperdício.
3.
FERRAMENTAS
A utilização de ferramentas apropriadas para cada etapa do serviço a ser executado
é primordial para garantia de um bom trabalho. Algumas ferramentas têm um uso
específico, outras podem ser utilizadas em várias etapas da construção.
A maior parte das ferramentas devem ser adquiridas de bons fornecedores. Se
possível, experimente ou peça demonstração da ferramenta antes de adquiri-Ia.
Um manual de instruções e de manutenção deve ser solicitado ao fabricante.
Algumas ferramentas podem ser construídas por você mesmo, neste caso faça
antes um desenho do que pretende.
As ferramentas devem estar sempre em boas condições de uso e ser guardadas em
locais adequados no final de cada jornada de trabalho.
BALDE - Utilizado para medida de água a ser adicionada ao
concreto. Seu volume deve ser previamente conhecido; com um
recipiente de 1 litro, verifique quantos litros de água podem ser
colocados no balde. Anote esse volume no próprio balde. Se o
cimento seco for medido em volume, destine um balde só para
essa finalidade.
BETONEIRA - Serve para misturar o concreto
ou a argamassa. Existem modelos movidos a
gasolina, diesel ou eletricidade. A betoneira
deve estar sempre limpa e em perfeito estado
de funcionamento. A betoneira é recomendada
para volume de concreto ou argamassa em que
a mistura manual seja muito demorada.
NOTA: No caso de construção de pequeno
porte, poderá ser utilizada uma argamasseira
ou masseira (metálica ou de madeira).
-6-
MÃOS À OBRA
BROCHA - Utilizada para umedecer tijolos ou blocos antes do seu
assentamento e em locais que devem receber revestimentos. São
utilizadas também nas pinturas a cal (caiações).
CAIXA DE MASSA - Caixa de
madeira ou metálica utilizada para colocação da
argamassa que esteja sendo utilizada na obra.
CARRINHO DE MÃO - Utilizado para transporte de materiais na obra. Deve ser, de
preferência, metálico e com roda de borracha.
NOTA: O caminho a ser percorrido pelo
carrinho deve ser livre, isento de
obstáculos. Se possível utilizar tábuas para
facilitar seu deslocamento. Evitar choques
quando transportar argamassas ou
concreto.
CAVADEIRA ou CAVADOR - Ferramenta utilizada
na abertura de furos no terreno para confecção de
brocas de fundações, ou remoção de raízes ou
blocos de pedra.
COLHER DE PEDREIRO - Instrumento disponível em vários tamanhos. Serve para
colocar a argamassa de rejuntamento ou revestimento. O
concreto, desde que em pequenas espessuras, pode ser
movimentado com uma coIher - por exemplo, dentro de
um carrinho de mão. Serve ainda para cortar tijolos ou
blocos de concreto em tamanhos adequados ao
preenchimento de pequenos vãos.
DESEMPENADEIRAS - Serve para se obter o desempeno de argamassas ou
concretos. Podem ser de madeira (vários tamanhos) (a), ou de aço (b), que dão um
acabamento bem liso, utilizado, por exemplo, em revestimentos de pisos de
argamassa de cimento (cimentados). Para o esparrame de argamassas prontas
para aplicação de produtos cerâmicos, utiliza-se uma desempenadeira de aço
especial, com dois lados dentados (c).
-7-
MÃOS À OBRA
NOTA: A desempenadeira é utilizada para segurar pequenas quantidades de
argamassa durante o trabalho. Pode ser substituída por um tabuleiro de
madeira, feito especialmente para esta finalidade (d).
ESCOVA DE AÇO - Necessária para limpeza de superfície
revestida com cerâmica, remover a nata de superfície de
concreto ou para acabamento texturizado.
ENXADA ou ENXADÂO - Empregada para
abertura de valas de fundação e na mistura
manual de argamassas ou concretos.
ESPÁTULA - Utilizada para alisamento de revestimento de massa
fina ou gesso.
ESQUADRO DE PEDREIRO - Esquadro
feito com três pedaços de madeira,
formando um triângulo cujos lados
obedecem a proporção 3:4:5 (a), por
exemplo: 45cm x 60cm x 75cm. Utilizado
para verificar alinhamento e ângulos
retos das valas de fundações ou
alvenarias. Pequenos esquadros
metálicos (b) são utilizados para riscar no
esquadro peças cerâmicas a serem
cortadas.
-8-
FRISADOR - Peça de madeira (a) ou metálica (b) e (c), que serve para dar
acabamento (friso) nos rejuntamentos de alvenaria com tijolos e blocos a vista.
LATAS - Podem substituir os baldes; têm normalmente
capacidade de 18 litros. Um saco de cimento de 50 kg enche duas
latas. Pode-se fixar uma ripa de madeira pelo lado externo de um
dos lados de abertura da lata, o que facilitará o levantamento e
transporte do material.
LINHA ou CORDEL - Necessária para a demarcação das
valas de fundação no terreno e das paredes sobre os
alicerces. Serve ainda para orientar a colocação na
horizontal das fiadas - quando são esticadas entre pregos
ou pinos ou presas em peças não assentadas. Podem ser
empregados fios de náilon ou metálicos.
MARRETA ou MARRETINHA - Usada para golpear a talhadeira
para corte de concreto ou argamassa endurecida, ou corte de
tijolos, blocos ou peças cerâmicas.
MARTELOS - Em serviço de pedreiro, o martelo é
do tipo martelo-talhadeira (a), que serve para
cortar pequenos pedaços de tijolos ou blocos ou
remover incrustações de argamassa endurecida.
O martelo de unha (b) é utilizado para colocação
ou remoção de pregos ou pinos.
MANOPLA - Utilizada para bater ladrilhos
hidráulicos ou tacos, logo após sua aplicação,
garantindo a penetração da argamassa e seu
nivelamento.
-9-
MÃOS À OBRA
NÍVEL DE BOLHA - Serve para verificar o
nivelamento (horizontalidade) ou prumo
(verticalidade) das fiadas ou paredes.
NÍVEL DE TUBO ou MANGUEIRA DE NÍVEL - Nível constituído por um tubo
transparente (diâmetro de 13 mm ou 19 mm) cheio de água, com as extremidades
fechadas que deve ser utilizado por dois operadores, um na referência de nível (RN)
e outro no local a ser nivelado. Tomar cuidado de eliminar bolhas de ar do interior da
mangueira, proceder como indicado na figura (b).
PÁS - Normalmente devem ser
utilizados dois tipos de pás, uma
para acerto do terreno e abertura
de valas de fundação (pás de
corte) e outra para enchimento de
recipiente (lata ou carrinho) com
areia, brita ou cimento, mistura
de argamassa ou concreto e
colocação do concreto nas valas
de fundações ou fôrmas.
PICARETA - Utilizada para acerto do terreno e
abertura de valas de fundações.
- 10 -
PONTEIRA DE AÇO - Golpeada com uma marreta realiza furos no
concreto ou alvenarias.
PRUMO, FIO DE PRUMO ou PRUMO DE CENTRAR - Utilizado para
verificação da verticalidade de uma alvenaria ou de uma coluna. Pode ser
substituído por um nível de bolha.
REGADOR - Necessário para realização da cura úmida de
concreto, particularmente quando se tratar de pisos. Pode ser
utilizado ainda para controlar a quantidade de água adicionada
à argamassa ou ao concreto.
RÉGUA DE MADEIRA - Sarrafo utilizado no
nivelamento de superfícies de concreto ou
argamassa. Para evitar o empenamento da
régua, devem ser feitos furos ao longo de seu
comprimento. Desde que dotado de marcas ao longo de sua altura, espaçadas
regularmente de distância correspondente a uma fiada, incluindo a argamassa de
rejuntamento, serve como sarrafo de medições (gabarito ou escantilhão).
SERRA PARA METAL ou ARCO DE SERRA - Utilizado para corte de barras de aço
(vergalhões) ou dos tubos metálicos
ou de PVC.
SERROTE - Para corte de madeira. Existem
diversos tamanhos e formas especiais para
cortes em ângulos de guarnições e
molduras.
- 11 -
MÃOS À OBRA
SOQUETE ou COMPACTADOR - Serve para
socar ou compactar a terra (fundo de valas de
fundação, contrapisos etc.). Pode ser feito de
madeira (a) ou com concreto (b), caso em que
uma lata pequena de tinta vazia pode ser
utilizada como fôrma. O seu cabo pode ser de
madeira ou metálico.
TALHADEIRA - Utilizada para cortar tijolos ou blocos e
abrir rasgos na alvenaria para colocação dos dutos
(hidráulica ou eletricidade). Serve ainda para remoção de
argamassa endurecida.
TRENA - Utilizada para medições de distâncias. Existem diversos tamanhos 2,00
m, 5,00 m, 10,00 m, 20,00 m ou mais (a).
Podem ser metálicas ou de tecido. De
uso mais corrente em obra e o metro
(escala métrica) (b) de madeira,
extensível, com 1,00 m ou 2,00 m com
subdivisões em mm. Devem ser
utilizadas com definição adequado dos
ângulos ou prumadas das distâncias a
serem medidas.
TORQUÊS - Utilizada para dobragem e corte
de arame cozido na amarração de ferragem
(a). Pode ser substituída por um alicate (b).
- 12 -
4.
MATERIAIS
É importante que você tenha em mãos uma lista de todos os materiais, com suas
quantidades corretas, que se feita por um técnico, certamente vai fazer você
economizar. É recomendável, uma vez mais, solicitar informações a respeito na
Prefeitura.
Alguns materiais por sofrerem alterações com a umidade devem ser adquiridos em
menor quantidade (suficiente, no máximo, para o consumo de um mês de obra).
Devem ser observadas as seguintes recomendações:
1º) O Cimento Portland - devem ser mantidos em sua embalagem original ou
envolvida por um saco plástico grosso com sua abertura bem fechada.
NOTA: Os sacos de cimento devem ser mantidos em local fechado e coberto, e de
forma a não ter nenhum contato com a umidade (Ver Figura 4). Guarde no máximo
10 sacos em cada pilha, caso o cimento ficar estocado por mais de duas semanas.
Figura 4
2º) Os Vergalhões de Aço - recomenda-se que sejam mantidos em local abrigado
e afastados do chão, para evitar que enferrujem. Caso tenham que ficar em
local descoberto durante algum tempo (mais de 1 mês), as barras devem
receber uma pintura com nata de cal ou nata de cimento portland.
3º) A Areia e Britas - não sofrem ação da umidade, porém deve-se tomar cuidado
em mantê-las em locais separados e limpos. Deve-se verificar a umidade
presente na areia, para descontar da quantidade de água necessária, para
mistura de argamassa ou concreto.
A Tabela 1 serve como uma primeira aproximação quando se deseja saber qual
é a quantidade de água necessária a um concreto.
- 13 -
MÃOS À OBRA
Tabela 1
Área
Teor de
umidade
(%)
Quantidade de água
(litros) (*)
Concreto
magro
Observação
Estrutural
Seca
2
Seca
27
Muito tempo exposta ao sol
Úmida
5
Úmida
22
Nas condições normais
Muito
úmida
10
Muito
úmida
19
Após ocorrência de chuva
(*) Para traços de 1 saco de cimento.
NOTA: Para argamassas a quantidade de água depende de sua aplicação.
4º) Blocos de Concreto e Tijolos de Barro para Alvenaria - na ocorrência de
chuvas, recomenda-se seu recobrimento com lona plástica para que possam
ser utiliza dos logo a seguir, sem problemas.
Caso esteja pensando em construir uma ampliação futura a área destinada a
essa ampliação, pode ser devidamente preparada (limpa e socada) para
receber o material a ser estocado. Para cimento, cal e guarda de ferramentas,
recomenda-se a construção de um barraco de madeira, com uma área
aproximada de 3,00 m2. Veja exemplo na Figura 5.
Figura 5 - Barraco de obra
- 14 -
Was this manual useful for you? yes no
Thank you for your participation!

* Your assessment is very important for improving the work of artificial intelligence, which forms the content of this project

Download PDF

advertisement