1 INTRODUO
CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA – UniCEUB
FAET - FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA
ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO
JOÃO MARCELO DE MORAES TONELLI
MONITORAMENTO E CONTROLE DE TEMPERATURA E
UMIDADE DE AMBIENTES
Brasília
2009
JOÃO MARCELO DE MORAES TONELLI
MONITORAMENTO E CONTROLE DE TEMPERATURA E
UMIDADE DE AMBIENTES
Trabalho
apresentado
ao
Centro
Universitário de Brasília – UniCEUB,
como parte das exigências para
conclusão do Curso Engenharia da
Computação
Orientadora: Professora Maria Marony S.
F. Nascimento
Brasília
2009
TONELLI, João Marcelo de Moraes
MONITORAMENTO E CONTROLE DE TEMPERATURA E UMIDADE DE AMBIENTES.
João Marcelo de Moraes Tonelli – Brasília, 2009.
102 p.
Trabalho de conclusão de curso (Monografia) – Centro Universitário de Brasília, 2009.
Aos meus pais Marcelo e Consolação,
que me ensinaram as primeiras lições e,
com certeza as mais importantes, que
foram a torcida mais fiel a cada novo
desafio, além da confiança e apoio que
sempre me deram.
A
Fernanda,
pelo
carinho
e
companheirismo.
A Elisângela pelo amor e carinho e por
estar
presente
nesta
importante
conquista.
AGRADECIMENTO
A Deus, luz e força durante toda a
caminhada; a minha família pela
compreensão, apoio e carinho; aos
profissionais que protagonizaram junto
comigo todos os momentos de
aprendizagem e crescimento; aos
meus amigos que caminharam junto
nessa jornada e aos Professores
Francisco Javier e Maria Marony pela
colaboração e ajuda, fundamentais
para conclusão desse projeto.
“A tecnologia digital é a arte de criar
necessidades desnecessárias que se tornam
absolutamente imprescindíveis”.
Joelmir Beting
VI
RESUMO
A temperatura associada à baixa umidade do ar influencia significativamente
na vida do homem, ocasionando uma sensação de desconforto e problemas
respiratórios que interferem na saúde e na produtividade das pessoas. Neste
projeto é apresentado o desenvolvimento de um protótipo automatizado que
faz o monitoramento da temperatura e da umidade do ar em ambientes
internos, acionando um dispositivo para ligar e desligar os aparelhos de ar
condicionado e umidificador de ar dentro da média ideal para torná-lo
agradável e propício para a saúde do homem. O projeto trata da criação de um
protótipo dividido em três módulos fisicamente ligados entre si através do protocolo
RS-485. Os dados são trocados através do protocolo ModBus do tipo
mestre/escravo que permite que somente um dispositivo (mestre) inicie as
transações, enquanto os outros dispositivos (escravos) respondem de acordo com o
pedido do mestre. O primeiro módulo (CPU Sensor) é responsável pela coleta de
dados; o segundo (CPU Principal) solicita a coleta ao CPU Sensor, compara os
valores e os envia ao CPU Reles; o terceiro (CPU Reles) é o responsável pelo
acionamento e desligamento dos aparelhos de ar condicionado e umidificador de ar.
Para construção do protótipo foi utilizado um sensor SHT11, e 03 três
microprocessadores da família ATMEGA de 8 (oito) bits programados em linguagem
C. Os produtos utilizados atenderam as exigências de controle, distribuição,
armazenamento de informações e a necessidade de facilidade para
interoperabilidade entre os módulos, visando à eficiência, flexibilidade e
confiabilidade dos sistemas.
Palavras-chave: Temperatura. Umidade do ar. Microcontroladores.
VII
ABSTRACT
The temperature associated with low humidity of air influences significantly the
human life, causing a feeling of discomfort and respiratory problems which affects
health and productivity of people. This project is developing an automated prototype
that control the temperature and the air humidity of intern places, setting in motion a
device to turn on and turn off the air-conditioners and humidifier air looking for the
ideal average for make it pleasant and conducive to human health. The project deals
with the creation of a prototype physically divided into three interlinked modules via
RS-485 protocol. Data is trade via the Protocol ModBus master/slave type that allows
only one device (master) to start transactions, while other devices (slaves) respond in
accordance with the request of the master. The first module (CPU_Sensor) is
responsible for data collection; the second (CPU_Principal) asks collection to
CPU_Sensor, compares the values and sends it to the CPU_AcionaRele; the third
(CPU_AcionaRele) is responsible for turn on and shutdown the air-conditioners and
humidifier air. The prototype was constructed with a sensor called SHT11, and three
ATMEGA family microprocessors 8 (eight) bits programmed in language C. The
products reached what was expected by the exigencies of controls, distribution,
storage of information and the need to make easy the interoperability between
modules, for efficiency, flexibility and reliability of the systems.
Keywords: Temperature. Air humidity. Microcontrollers.
VIII
LISTA DE SIMBOLOS/DEFINIÇÕES
ABORL – CCF - Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia CérvicoFacial.
BTU – British Thermal Unid
CRC – Controle de Redundância Cíclica
DATASUS – Departamento de Informática do SUS
EIA – Eletronics Industry Association
PCL – Controladores Lógicos Programáveis
RTU – Remote Terminal Unit
RS – Recommended Standard
SUS – Sistema Único de Saúde
Ω - Ohm
IX
INDICE DE FIGURAS
NÚMERO
PAGINA
FIGURA1.1
VISÃO GERAL FIGURA DO PROTÓTIPO
14
FIGURA 2.2
PONTO DE SATURAÇÃO
18
FIGURA 2.3
HIGROMETRO DE MECHAS DE CABELO
20
FIGURA 2.4
21
FIGURA 2.5
HIGROMETRO DE ESPELHO DE PONTO DE
ORVALHO
PSICOMETRO
FIGURA 2.6
TERMÔMETRO DE MERCÚRIO
25
FIGURA 2.7
TERMÔMETRO DIGITAL CLÍNICO
25
FIGURA 2.8
26
FIGURA 2.9
TERMÔMETRO DIGITAL PARA CONSERVAÇÃO DE
ALIMENTOS
TERMÔMETRO INFRAVERMELHO
FIGURA 2.10
TERMÔOMETRO POR CONTATO
27
FIGURA 2.11
TERMÔMETRO BIMETÁLICO
28
FIGURA 2.12
TERMOHIGRÔMETRO
28
FIGURA 2.13
UMIDIFICADOR DE AR ULTRASÔNICO
32
FIGURA 2.14
O INTERIOR DE UM UMIDIFICADOR
33
FIGURA 2.15
AR CONDICIONADO DE JANELA OU PAREDE
34
FIGURA 2.16
AR CONDICIONADO PORTÁTIL
35
FIGURA 2.17
AR CONDICIONADO SPLIT
35
FIGURA 2.18
AR CONDICIONADO SISTEMA CENTRAL
36
22
26
FIGURA 3.19 MODELO DE REDE MODBUS
40
FIGURA 3.20 DISTANCIA X TAXA DE TRANSMISSÃO
44
FIGURA 3.21 PAR DIFERENCIAL
45
FIGURA 3.22 MAX 485
47
FIGURA 3.23 SENSOR SHT11
48
FIGURA 3.24 DIAGRAMA DE BLOCOS SHT11
49
FIGURA 3.25 PINAGEM DO SHT11
49
FIGURA 3.26 SEQUENCIA DE INICIO DA COMUNICAÇÃO
50
FIGURA 3.27 CONEXÕES DO SHT11
50
FIGURA 4.28 PROTÓTIPO
55
FIGURA 4.29 CPU_PRINCIPAL
57
FIGURA 4.30 CPU_SENSOR
58
X
FIGURA 4.31 CPU_ACIONARELE
60
FIGURA 4.32 VALORES MEDIDOS EM TEMPERATURA
AMBIENTE
FIGURA 4.33 SENSORES DO PROTÓTIPO E DO
TERMOHIDRÔMETRO
FIGURA 4.34 FUNCIONAMENTO DA CPU_RELE
63
63
FIGURA 4.35 VALORES MEDIDOS EM AMBIENTE RESFRIADO
64
FIGURA 4.36 FUNCIONAMENTO DA CPU_RELE
64
FIGURA 4.37 VALORES MEDIDOS, AMBIENTE DESUMIFICADO
65
FIGURA 4.38 FUNCIONAMENTO DA CPU_RELE
65
63
XI
INDICE DE TABELAS
NÚMERO
PAGINA
TABELA 1
Quadro comparativo de técnicas de medição
21
TABELA 2
Principais comandos de MODBUS
39
TABELA 3
Características elétricas do padrão RS-485
44
TABELA 4
Características do Sensor
46
TABELA 5
Descrição dos Pinos SHT11
47
TABELA 6
Módulos LCD disponíveis
49
TABELA 7
Pinagem dos módulos LCD
50
TABELA 8
Relação clock da CPU x temporização dos módulos
LCD
Dados coletados no primeiro monitoramento
51
TABELA 9
63
TABELA 10 Dados coletados no segundo monitoramento
64
TABELA 11 Dados coletados pelo protótipo, terceiro
monitoramento
65
XII
SUMÁRIO
RESUMO
ABSTRACT
LISTA DE SIMBOLOS E DEFINIÇÕES
VI
VII
VIII
INDICE DE FIGURAS
IX
INDICE DE TABELAS
XI
Capítulo 1: APRESENTAÇÃO
13
1.1 JUSTIFICATIVA
13
1.2 OBJETIVOS
15
1.3 ESTRUTURA DA MONOGRAFIA
15
Capítulo 2: UMIDADE RELATIVA DO AR, TEMPERATURA E
INSTRUMENTOS UTILIZADOS PARA MEDIÇÃO
2.1 UMIDADE DO AR
17
2.1.1 Instrumentos para Medição da Umidade Relativa do Ar
2.2 TEMPERATURA
2.2.1 Termômetro
2.3 INSTRUMENTOS PARA VISUALIZAR A TEMPERATURA E A
17
19
23
24
28
UMIDADE DO AR
2.4 O CLIMA E A UMIDADE DO AR
28
2.5 A INFLUENCIA DA UMIDADE DO AR NA VIDA DO HOMEM
29
2.6 UMIDIFICADORES DE AR
31
2.7 AR CONDICIONADO
34
Capítulo 3: ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO PROTÓTIPO
38
3.1 INTRODUÇÃO
38
3.2 COMUNICAÇÃO DOS MÓDULOS
38
3.3 TRANSCEPTOR MAX 485
46
3.4 SENSOR SHT11
47
3.5 MICROCONTROLADORES ATMEGA
53
Capítulo 4: IMPLEMENTAÇÃO DO PROTÓTIPO
55
Capítulo 5: CONCLUSÃO
66
Referencias Bibliográficas
67
APENDICE
69
Apêndice A: Esquemáticos
70
Apêndice B: Programa Linguagem C – CPU_Principal
73
Apêndice C: Programa Linguagem C – CPU_Sensor
84
Apêndice D: Programa Linguagem C – CPU_AcionaRele
96
- 13 -
Capítulo 1
APRESENTAÇÃO
1.1 JUSTIFICATIVA
Diariamente, ouvimos falar nos telejornais em umidade relativa do ar e
sua influência em nossa sensação de conforto e bem-estar. De acordo com o
dicionário Larousse (2001, p 1005), a palavra umidade é definida como
“estado ou qualidade do que é úmido; orvalho; teor de vapor d’água existente
na atmosfera”. A quantidade de água ou vapor d’água existente no ar é
expressa como umidade absoluta ou umidade relativa.
O higrômetro é o
aparelho utilizado para medir a umidade do ar.
O ser humano é muito sensível a umidade e sua saúde pode ser
comprometida seriamente quando essa umidade está muito baixa ou muito
alta. Quando a umidade encontra-se inferior a 30%, problemas respiratórios,
alergias, sinusites, asmas e outras doenças tendem a se agravar, além de
haver riscos de incêndios em áreas vegetadas. Quando a umidade está muito
alta podem surgir fungos, bolores, mofos e ácaros, além de agravar as crises
reumáticas e danificar aparelhos eletrônicos.
De acordo com os alertas da defesa civil, amplamente divulgados pela
mídia, a umidade relativa do ar ideal para que o ser humano se sinta
confortável é por volta de 55% a 80%. Eles aconselham o uso de
umidificadores ou desumidificadores para manter esse nível.
No Distrito Federal, principalmente durante os meses de agosto e
setembro, a temperatura associada à baixa umidade do ar influencia
significativamente na vida de seus habitantes, ocasionando uma sensação de
desconforto
e
problemas
respiratórios
que
aumentam
o
número
de
atendimentos nos hospitais locais, além de diminuir sua produtividade em
trabalhos intelectuais ou físicos. Sendo assim, é necessário a implementação
de recursos tecnológicos que melhorem a qualidade ambiental dos espaços
internos de trabalho ou convivência. Durante esse período é comum o uso de
umidificadores de ar ou até mesmo o uso de bacias com água fria ou toalhas
- 14 -
molhadas para amenizar o calor no interior das casas, apartamentos ou local
de trabalho. De acordo com Aquino Neto e Gionda (2003), é possível
perceber ganhos na produtividade sempre a qualidade do ambiente interior
melhora.
Esse projeto propõe a construção de um sistema de monitoramento da
temperatura e da umidade de ar em ambientes internos. A partir da coleta de
dados (variação da temperatura e da umidade no decorrer do tempo), um
dispositivo é acionado para ligar o ar condicionado e o umidificador de ar
visando manter a temperatura e a umidade dentro da média ideal para que o
ambiente fique agradável e de acordo com os percentuais indicados pela
Defesa Civil.
FIGURA 1.1: APRESENTAÇÃO GERAL DO PROTÓTIPO
Para a realização do projeto (figura1.1) foram utilizados 03 (três)
microcontroladores Atmel de 8 bits , que são programados em linguagem C.
- 15 -
Cada microcontrolador está presente em um módulo. Cada módulo se
comunica um com o outro por meio do padrão MODBUS e do protocolo RS485 responsável pela comunicação física do sistema. Os dados são coletados
através de um sensor SHT11, presente em um dos módulos, que envia os
valores, de temperatura e umidade, para o módulo principal que checará os
valores, e emitirá um sinal para o outro módulo responsável por ligar e/ou
desligar os equipamentos responsáveis pela climatização do ambiente.
1.2 OBJETIVOS
Objetivo Geral
Desenvolvimento de um sistema automatizado visando manter a
temperatura e a umidade relativa do ar em ambientes internos dentro dos
níveis recomendados pela defesa civil, tornando esses ambientes mais
agradáveis e propícios para saúde do homem.
Objetivos Específicos
•
Aperfeiçoar os recursos oferecidos pelos aparelhos de ar condicionado e
umidificadores de ar utilizados em residências e ambientes de trabalho;
•
Demonstrar a viabilidade da utilização de um sistema de microcontrolador
para manter estável a temperatura e a umidade relativa do ar em ambientes
internos.
1.3 ESTRUTURA DA MONOGRAFIA
O trabalho teórico foi organizado da seguinte forma:
O Capítulo 1 faz uma apresentação geral da monografia trazendo a
justificativa e os objetivos para elaboração do projeto.
- 16 -
O Capítulo 2 aborda os aspectos teóricos da umidade relativa do ar,
temperatura e instrumentos utilizados para medí-las.
O Capítulo 3 apresenta as especificações técnicas dos componentes
utilizados para construção do protótipo bem como os pontos relativos à
comunicação dos módulos: o protocolo MODBUS e suas características
técnicas, comandos, modos de transmissão (RTU); campo checksum (CRC);
o padrão de comunicação RS 485: transceptor MAX 485, sensor SHT11,
microcontroladores Atmega (Atmega 8L e Atmega 32 16PC).
O Capítulo 4 traz o processo de implementação do protótipo e
apresentação dos testes realizados.
O Capítulo 5 traz as conclusões e sugestões para projetos futuros na
área.
- 17 -
Capítulo 2
UMIDADE RELATIVA DO AR, TEMPERATURA E INSTRUMENTOS
UTILIZADOS PARA MEDIÇÃO.
2.1 A UMIDADE DO AR
O ar atmosférico contém uma quantidade de vapor d’água que varia de
acordo com a temperatura do ar e com a disponibilidade de água na
superfície terrestre de determinada localidade. Esse vapor, resultado da
evaporação da água do solo, da transpiração das plantas, dos mares, rios e
lagos, sobe para a atmosfera pela ação do calor, tornando-se um de seus
principais componentes.
De acordo com Ayoade (1998, p. 128), “embora o vapor d’água
represente somente 2% da massa total da atmosfera e 4% de seu volume, ele
é o componente atmosférico mais importante na determinação do tempo e do
clima”. Salienta ainda que:
O vapor d’água é de grande significado por diversas razões, de
modo que os meteorologistas e os climatólogos estão interessados
em sua quantidade e em sua distribuição no tempo e no espaço. [...]
A quantidade de vapor d’água num certo volume de ar é uma
indicação da capacidade potencial da atmosfera para produzir
precipitação. Pode também absorver tanto a radiação solar quanto
terrestre e, assim, desempenha papel de regulador térmico no
sistema Terra-atmosfera, exercendo, em particular, grande efeito
sobre a temperatura do ar e a temperatura sentida pela pele humana
e, conseqüentemente, o seu conforto.
A umidade do ar é o termo empregado pelos cientistas e estudiosos
para descrever a quantidade de vapor d’água que existe em certo momento
na atmosfera e a quantidade máxima que ela pode conter (em torno de 4%).
Entretanto, este termo não abrange as outras formas nas quais a água pode
estar presente na atmosfera, seja de forma líquida (gotículas) ou sólida
(gelo).
- 18 -
Ayoade (1998) afirma que há várias formas para se medir o conteúdo
de umidade da atmosfera, cujos índices de umidade geralmente utilizados
são:
1.
Umidade absoluta: expressa em gramas por metro cúbico de ar
e é a massa total de água num dado volume de ar;
2.
Umidade específica: é a massa de vapor d’água por
quilograma de ar;
3.
Índice de umidade: é a massa de vapor d’água por quilograma
de ar seco;
4.
Umidade relativa: é a razão entre o conteúdo real de umidade
de uma amostra de ar e a quantidade de umidade que o mesmo
volume de ar pode conservar na mesma temperatura e pressão
quando saturado. É normalmente expressa em forma de
porcentagem;
5.
Temperatura do ponto de orvalho: é a temperatura na qual
ocorrerá saturação se o ar se esfriar a uma pressão constante, sem
aumento ou diminuição de vapor d’água;
6.
Pressão vaporífica: é a pressão exercida pelo vapor contida na
atmosfera em milibares.
Entretanto, a umidade relativa do ar é a mais conhecida pela
população. A umidade relativa é a comparação da umidade real, verificada
em aparelhos como o higrômetro, e o valor teórico, estimado para aquelas
condições, podendo variar de 0% (ausência do vapor de água no ar) a 100%
(quantidade de vapor de água que o ar pode dissolver, indicando que o ar
está saturado).Esse índice é amplamente influenciado pela temperatura do ar
e varia de acordo com as mudanças dessa temperatura.
FIGURA 2.2 – PONTO DE SATURAÇÃO
Fonte: br.geocities.com/.../leituras/Umidade12.gif
- 19 -
O ar contém certa quantidade de vapor d’água. Quando atinge esse
limite, diz-se que está saturado. A quantidade máxima desse vapor aumenta
com a temperatura.
Para Ayoade (1998, p.144), é importante lembrar que:
Nos trópicos, onde as variações diurnas na temperatura são
grandes, há variações consideráveis na umidade ao longo do dia.
Em muitas partes dos trópicos úmidos, particularmente nas áreas
costeiras, a umidade relativa pode muitas vezes estar próxima de
100% à noite, durante a estação chuvosa. A umidade relativa atinge
seu valor mínimo à tarde durante a estação seca, nos interiores
continentais dos trópicos. Há também variações sazonais nos
valores da umidade relativa nas baixas latitudes. As variações
sazonais são mínimas no Equador e crescem com o aumento em
latitude.
No Distrito Federal, principalmente durante os meses de agosto e
setembro, percebe-se a massa de ar seco que cobre a região, com índices de
umidade relativa inferiores a 20%, conforme os alertas da defesa civil
divulgados na mídia.
2.1.1 INSTRUMENTOS PARA MEDIÇÃO DA UMIDADE RELATIVA DO AR
HIGRÔMETRO
Higrômetro é o instrumento utilizado para medir a umidade do
ambiente. Muito utilizado em estudos relacionados ao clima, pode também
ser empregado em ambientes fechados onde a umidade excessiva ou baixa
pode causar danos, como por exemplo, em museus, bibliotecas ou
laboratórios.
Esse aparelho é composto, em sua maioria, por substâncias com
capacidade de absorver a umidade atmosférica, tais como o cabelo humano e
sais de lítio. No caso de usar o cabelo, uma mecha de cabelos é colocada
entre um ponto fixo e outro móvel e, de acordo com a umidade a que estiver
submetido, ela varia de comprimento, arrastando o ponto móvel. O
- 20 -
movimento é transmitido a um ponteiro que se desloca sobre uma escala,
onde estão os valores da umidade relativa do ar.
•
Higrômetro de cabelo: Esse tipo de higrômetro é utilizado para a medição da
umidade do ar. A longitude do fio de cabelo varia de acordo com a umidade
ambiente. Essa alteração é indicada como umidade relativa por meio de meios
mecânicos.
FIGURA 2.3 – HIGRÔMETRO DE MECHAS DE CABELO
Fonte: http://www.dca.iag.usp.br/www/material/humberto
•
Higrômetro de espelho de ponto de orvalho (Dew-Point): O espelho de ponto
de orvalho é um procedimento preciso de medição da umidade relativa do ar,
capaz de avaliar a condensação do vapor d’água quando a temperatura abaixa
além do ponto de orvalho. A temperatura de uma superfície refletida no espelho
se esfria até o ponto onde se inicia a condensação. A temperatura, medida nesse
momento por uma termoresistência PT-100, corresponderá à temperatura de
ponto de orvalho, da qual se pode calcular a umidade relativa do ar por meio do
cruzamento das informações com a medição da saturação e temperatura do ar.
Um elemento Peltier é instalado para esfriar e se avalia a superfície refletida,
usando-se um procedimento óptico-eletrônico.
- 21 -
FIGURA 2.4 HIGROMETRO DE ESPELHO DE PONTO DE ORVALHO
Fonte: http://www.dca.iag.usp.br/www/material/humberto
•
Higrômetro de sais de lítio: baseia-se na variação de condutividade dos
sais, que apresentam uma resistência variável de acordo com a água
absorvida. Um amperímetro, com uma escala devidamente calibrada
fornecerá os valores da umidade do ar.
MEDIÇÃO PSICROMÉTRICA
Além desses modelos há também outras formas de medir a umidade relativa
do ar calculando a velocidade de evaporação da água. Nesse caso, utilizam-se dois
termômetros idênticos, precisos, expostos ao ar: um com o bulbo descoberto e o
outro com o bulbo coberto por uma gaze umedecida. O primeiro medirá o ar
ambiente e o segundo, a temperatura do bulbo úmido.
O primeiro termômetro mede o ar ambiente e o segundo a chamada
temperatura de bulbo úmido 1 . Os dois termômetros são colocados em uma
circulação de ar ou em meio de ar circulante, protegidos de calor radiante. Devido ao
calor de evaporação latente, a temperatura do termômetro de bulbo úmido baixa e
baixa mais à medida que o ar for ficando mais seco. Depois de 01 ou 02 minutos a
temperatura do termômetro de bulbo úmido permanece constante e os valores de
medição dos dois termômetros (bulbo úmido e bulbo seco) podem ser lidos.
1
Fonte: http://www.lufft.com.br/tecnologia/medi%c3%a7%c3%a3%20de%20conceitos%20b%c3%a1sicos.pdf
- 22 -
FIGURA 2.5 - PSICROMETRO
Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/psicr%c3%b4metro
COMPARAÇÃO DAS DIFERENTES TÉCNICAS DE MEDIÇÃO
COMPARAÇÃO DAS DIFERENTES TÉCNICAS DE MEDIÇÃO
TÉCNICA
Medição
Psicrômetro
Mecânica
Sensor
Higrômetro de espelho
Capacitivo
de ponto de orvalho
Operação
Preciso;
Grande precisão;
Precisão altíssima;
simples;
Estabilidade
Simplicidade;
Confiabilidade;
Livre de
Estabilidade;
manutenção;
Tempo rápido de
Resposta rápida;
resposta.
Baixo custo
VANTAGENS
Boa relação
custo/benefício.
DESVANTAGENS
Tempo de
Manutenção
É necessário a
Custo alto para
resposta alto;
contínua do
compensação de
aquisição;
Custo de
sistema;
temperatura.
Custos para
manutenção alto;
Erros de
manutenção (limpeza do
Faixa de medição
leitura.
espelho).
limitada;
Inércia.
TABELA 1: Quadro comparativo de técnicas de Medição
- 23 -
2.2 TEMPERATURA
O tipo de clima de muitos lugares requer o uso de equipamentos para
refrigeração, principalmente, no verão visando garantir a temperatura ambiente ideal
capaz de gerar conforto, produtividade, saúde e bem-estar das pessoas.
Segundo a Organização Meteorológica Mundial 2 – OMM (1997), o conforto
térmico é um conceito subjetivo associado à sensação térmica considerada
agradável ao ser humano. De acordo com esta organização, em termos físicos, “está
associado ao estado em que o indivíduo encontra-se em equilíbrio térmico com o
ambiente, de forma que seu corpo não necessita despender energia para elevar ou
reduzir a temperatura interna”. Enfatizam ainda que o conforto térmico dependerá de
variáveis do ambiente, tais como a temperatura, a umidade relativa do ar, a
velocidade de deslocamento do ar, a pressão barométrica, o calor irradiado por
outros corpos próximos além das variáveis de cada pessoa (seu peso, se está em
repouso ou em atividade, entre outras).
De acordo com o pneumologista Stelmach (2008), o ideal é que a temperatura
esteja entre 18° e 23°, pois abaixo disso o ser humano necessita defender-se contra
uma perda exagerada de seu próprio calor, resultando em mal estar, incomodo e
falta de conforto. Afirma ainda que no ambiente de trabalho há uma correlação entre
a produtividade do homem e a temperatura que o rodeia. O ambiente demasiado
quente ou demasiado frio não contribui para a eficiência esperada no trabalho, por
isso é fundamental controlar a temperatura ambiente.
Segundo Ayoade (1998, p. 50) a temperatura é um dos elementos mais
discutidos do tempo atmosférico. Pode ser definida em termos do movimento de
moléculas, de modo que, quanto mais rápido for seu deslocamento, mais elevada
será a sua temperatura. Normalmente, é definida em termos relativos tomando-se
por base o grau de calor que o corpo possui. Conforme esse autor:
[...] a temperatura é a condição que determina o fluxo de calor que passa de
uma substancia para outra. O calor desloca-se de um corpo que tem uma
temperatura mais elevada para outra que tem a temperatura mais baixa. A
temperatura de um corpo é determinada pelo balanço entre a radiação que
2
Disponível em www.inmet.gov.br/html/clima/clima.html. Acesso em 20 de agosto de 2009.
- 24 -
chega e a que sai e pela sua transformação em calor latente e sensível,
entre outros. A temperatura de um corpo é, portanto, o grau de calor medido
por um termômetro. Várias escalas são usadas para expressar as
temperaturas, tais como: Fahrenheit, a Centígrada, a Kelvin ou a escala de
temperatura absoluta.
Grande número de países expressa a temperatura em escala Centígrada ou
Celsius.
2.2.1 Termômetro
São os instrumentos utilizados para medir a temperatura dos sistemas físicos.
Os mais comuns são aqueles que se baseiam na dilatação do mercúrio. Alguns
determinam o intervalo da temperatura mediante o aumento da pressão de um gás
ou pela curvatura de uma lâmina bimetálica; outros ainda empregam efeitos
elétricos, traduzidos pelo aparecimento de correntes elétricas quando ao ponto de
solda de dois metais diferentes é aquecido.
TIPOS DE TERMÔMETROS
•
Termômetro de mercúrio: É o modelo mais comum que existe. Consiste
basicamente de um tubo capilar (fino como um fio de cabelo) de vidro, fechado a
vácuo e um bulbo (espécie de bolha arredondada em uma extremidade contendo
mercúrio). O mercúrio, como todos os materiais, dilata-se quando aumenta a
temperatura. Por ser extremamente sensível, ele aumenta de volume quando
ocorre qualquer variação de temperatura, mesmo próxima à do corpo humano.
Quando aquecido, o volume de mercúrio se expande no tubo capilar do
termômetro. Essa expansão é medida pela variação do comprimento, numa
escala graduada que pode ter uma precisão de 0,05°C; quando se observa a
variação de temperatura.
- 25 -
FIGURA 2.6 – TERMÔMETRO DE MERCÚRIO
Fonte: www.instrumentação.net/.../img/termometro6.jpg
•
Termômetros digitais: São os instrumentos mais utilizados pelas empresas.
São destinados a medir a temperatura em processos e produtos diversos que
necessitam apenas de uma medição esporádica. Exemplos de aplicações de
termômetros digitais para medição de temperaturas em: fundições; alimentos em
restaurantes e indústrias; processos químicos; estruturas; fornos; produtos
diversos. Em geral, os termômetros digitais podem ter aplicação industrial ou
não, para monitoração constante e precisa de temperaturas de determinados
equipamentos que sejam sensíveis a alterações de seu funcionamento em
função de sua temperatura e/ou ambientes que necessitam de cuidados com a
temperatura (conservação de alimentos em freezer de supermercados;
laboratórios biológicos que cultivam bactérias ou outras espécies). Esse
equipamento é também utilizado na versão com interface de raio infravermelho
(INFRAERD), para versão esporádica de temperatura sem contato físico com o
objeto (indústrias, formula 1, dentre outros).
FIGURA 2.7 – TERMÔMETRO DIGITAL CLÍNICO
Fonte: ansnafisica.blogspot.com/2009/03/termômetros.html
- 26 -
FIGURA 2.8 – TERMÔMETRO DIGITAL PARA CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS
Fonte: www.koboldmessring.com/.../prid/138/index.html
•
Termômetro infravermelho: também denominado pirômetro óptico, é um
dispositivo que mede a temperatura sem contato com o corpo ou meio do qual se
pode conhecer a temperatura. A unidade de infravermelho é sensibilizada pela
energia emitida, refletida e transmitida, que for focalizada no detector. O circuito
eletrônico converte a energia recebida em uma leitura que é exibida no visor do
termômetro 3 . Geralmente, este termo é aplicado a instrumentos que medem
temperaturas superiores a 600° Celsius. É utilizado tipicamente, para medição da
temperatura de metais incandescentes em fundições.
FIGURA 2.9 – TERMOMETRO INFRAVERMELHO
Fonte: www.imagemrio.com.br/descricao.asp
3
Fonte: Manual de instruções do termômetro digital infravermelho TD-920
- 27 -
•
Modelos de termômetros por contato: utilizam pontas sensoras, geralmente
intercambiáveis, com modelos diferentes de sensores para cada aplicação.
FIGURA 2.10 - TERMOMETRO POR CONTATO
Fonte: www.impac.com.br/pirometro_optico_lutrn_tm93
•
Termômetros bimetálicos: São também conhecidos como termômetros
metálicos. Baseiam-se no fenômeno da deformação termodinâmica; esse efeito
acontece quando uma barra de metal é ligada a outra de coeficientes diferentes,
a corrente ao atravessar (ou ser aquecida por chama) irá aquecer o conjunto de
forma desigual, resultando dilatações diferentes provocando o arqueamento da
barra que poderá ser usado, tanto para abrir ou fechar válvulas; ligar ou desligar
circuitos elétricos ou registrar a quantidade de corrente que atravessa a barra. Os
do primeiro tipo podem ser construídos de forma semelhante aos termômetros a
liquido: uma barra, retilínea ou não, ao dilatar-se, move um ponteiro registrador.
Os mais usados e precisos termômetros desse tipo exploram a diferença de
dilatabilidade entre materiais como latão e partes de carros, ferro e cobre, dentre
outros. Para isso, constroem-se lâminas bimetálicas de forma espiralada que se
curvam conforme aumenta ou diminui a temperatura. Nesse movimento, a lâmina
arrasta, em sua extremidade, um ponteiro que percorre uma escala graduada ou
registra graficamente a variação de temperatura num papel em movimento
(termógrafo).
- 28 -
FIGURA 2.11 – TERMOMETRO BIMETÁLICO
Fonte: www.cwapor.com.br/
2.3 INSTRUMENTO PARA VISUALIZAR A TEMPERATURA E A UMIDADE DO AR
•
Termohigrômetro: É um instrumento que tem dupla função: indica a
temperatura e a umidade relativa do ar. O seu campo de aplicação é muito vasto,
podendo ser em transporte de alimentos; armazéns de perecíveis; frigoríficos;
hospitais, laboratórios, sala de computadores, entre outros.
FIGURA 2.12 - TERMOHIGRÔMETRO
Fonte: infoelec.net/osc/índex.php\/oscsid=dbad0fb4e61
2.4 O CLIMA E A UMIDADE RELATIVA DO AR
A umidade do ar está diretamente ligada à variação de temperatura e a
existência de reservatórios de água tais como rios, mares ou lagos nas
diferentes regiões do planeta, alterando o índice de umidade de cada
localidade de acordo com a presença desses recursos naturais.
- 29 -
Segundo Indriunas (s/d), é nas zonas temperadas que há maior
variação da umidade do ar e é onde as estações do ano são mais definidas.
Salienta ainda que:
O relevo e as correntes de ar influenciam de forma marcante a
distribuição das chuvas, o índice pluviométrico e, de modo geral, a
umidade. No Brasil, as regiões mais úmidas são a amazônica e as
litorâneas, decrescendo quanto mais se adentra ao território. O
Centro-Oeste é o local que apresenta, junto com uma parte do
Sudeste, alguns dos menores índices de umidade relativa do ar do
país. A Região Sul possui índices mais altos devido ao seu relevo
mais plano, o que facilita a penetração do ar úmido.
As baixas umidades do ar interferem significativamente na agricultura e na
pecuária que necessitam de uma grande quantidade de água para seu
desenvolvimento. Ainda nesse aspecto, as florestas sofrem constantes ameaças de
incêndio, muitas vezes ocasionadas pela prática de queimadas e raios que atingem
a vegetação seca.
Outros problemas decorrentes da baixa umidade estão relacionados ao bem
estar do homem, tanto em sua saúde física quanto em sua produtividade.
2.5 A INFLUÊNCIA DA UMIDADE DO AR NA VIDA DO HOMEM
O ar contém uma quantidade de vapor d’água que varia de acordo com a
temperatura: quanto mais quente o ar, mais vapor d’água ele reterá. Quando ocorre
uma baixa umidade significa que o ar está mais seco e poderia reter uma quantidade
de água maior naquela temperatura, ocorrência normalmente acentuada no inverno.
Quando a umidade do ar está abaixo da média, o homem sofre,
principalmente, com a diminuição da hidratação das vias aéreas e dos olhos. Essa
agressão às mucosas que revestem as fossas nasais e vias respiratórias como um
todo propicia crises de bronquite e asma, infecções virais e bacterianas. A pele fica
ressecada e sensações de desanimo e cansaço se tornam freqüentes.
De acordo com a Organização Mundial de Saúde – OMS (2008), os valores
da umidade relativa do ar ideais variam de 55% a 80%. Segundo essa organização,
- 30 -
é fundamental que o homem observe alguns procedimentos que minimizam a
influência nociva provocada pela baixa umidade:
• Estado de atenção – umidade do ar entre 20 e 30% - tomar muita água;
evitar atividades físicas ao ar livre no horário entre 11h e 15 h; proteger-se
do sol em local sombreado ou em áreas com vegetação; utilizar toalhas
molhadas, bacias com água ou umidificadores;
• Estado de alerta – umidade do ar entre 12 e 20% - seguir as mesmas
orientações anteriores; não fazer atividades físicas entre o horário de 10 h e
16 h; umedecer os olhos com soro fisiológico e evitar aglomerações em
locais fechados.
• Estado de emergência – umidade do ar abaixo de 12% - além das
orientações já citadas, umedecer os ambientes internos no período de 10 h
às 16 h; suspender aulas, cinemas, teatros ou qualquer outra atividade que
exija aglomeração de pessoas; interromper qualquer atividade ao ar livre,
tais como prática de esportes ou serviços externos.
DOENÇAS DO APARELHO RESPIRATÓRIO
De acordo com os dados fornecidos pelo Ministério da Saúde (2008), a
estiagem é um dos principais fatores responsáveis pelo agravamento de quadros de
doenças respiratórias, como a asma e a rinite alérgica. Segundo esses dados, a
baixa umidade do ar, comum no período da seca, representa um grande tormento
para as pessoas portadoras de doenças respiratórias, embora nesse período
também aumente a incidência de diarréia virótica, viroses e doenças de pele.
No Distrito Federal e nos estados de Goiás, Mato Grosso e Tocantins e
algumas regiões dos estados do Pará, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Bahia,
Maranhão e Piauí, a seca se manifesta com mais intensidade e, conseqüentemente,
o número de atendimentos médicos aumentam consideravelmente. Nesses locais, o
Ministério da Saúde tem procurado capacitar profissionais de saúde para
diagnosticar e tratar essas doenças, inclusive com campanhas de conscientização à
população alertando-a para cuidados que amenizem as crises e diminuam o índice
de mortalidade. Recomendam a utilização de aspirador de pó para limpeza da casa,
ingestão de líquidos, evitar o fumo, manter os ambientes arejados e usar
umidificadores, bacias com água ou toalhas molhadas. Recomendam ainda o uso de
cremes hidratantes com a pele limpa para evitar lesões, já que esta área fica
vulnerável durante esse período. O uso de chapéu, roupas leves, calçados
confortáveis constituem como indicações fundamentais.
- 31 -
Segundo o DATASUS (BRASIL, 2008), a asma representou no ano de 2004,
a terceira causa de hospitalização pelo SUS, responsabilizaram-se por 396.505
internações em todo o país. No Distrito Federal, em 2005, 4.160 pessoas asmáticas
foram internadas, correspondendo a 3% do número de internações.
A PRODUTIVIDADE DO HOMEM
Estudos comprovam que a produtividade do trabalho do homem é muito
menor quando o índice de umidade relativa do ar está muito baixo. O organismo
humano gasta energia em excesso para alcançar o conforto térmico, quer seja
eliminando água por meio da respiração, do suor, da urina ou da transpiração.
Conseqüentemente, sua produtividade diminui ou adquiri qualidade inferior.
De acordo com Fanger (2000, apud GIODA & AQUINO NETO, 2003), os
trabalhadores de escritórios têm sua produtividade influenciada, significativamente,
pela umidade do ar, podendo ser até 6,5% maior em ambientes cujo ar está em
melhores condições. Há, portanto, grande incentivo econômico para que a qualidade
do ar, em ambientes internos, seja melhorada.
2.6 UMIDIFICADORES DE AR
Umidificador de ar é o equipamento que ajuda a manter a umidade em
ambientes fechados, em um nível confortável. De acordo com informações
fornecidas pela ABORL – CCF 4 , esse aparelho ajuda a minimizar a ardência nos
olhos, a irritação na garganta, sangramentos no nariz, conseqüências diretas do ar
seco e comuns em determinadas épocas do ano.
Entretanto, segundo essa associação, por ser um aparelho relativamente
caro, as pessoas que mais se beneficiam com sua utilização, são aquelas que têm
rinite ou asma, já que o ar seco agrava consideravelmente esses problemas.
Salientam ainda que sua aquisição deve ser criteriosa. Segundo eles, o
modelo mais indicado é o umidificador sônico, que controla melhor a umidade do
4
Folha de São Paulo, 24/07/2008
- 32 -
ambiente, uma vez que, os aparelhos mais simples podem deixar o ambiente
excessivamente úmido, favorecendo a proliferação de fungos e piorando os quadros
das pessoas que possuem alergia respiratória.
FIGURA 2.13 – UMIDIFICADOR DE AR ULTRASÔNICO
Fonte: http://www.mariscal8.com.br/img/v5100meio2.jpg
APRESENTAÇÃO DO EQUIPAMENTO 5
O umidificador produz uma névoa fria e devolve a umidade do ar em
ambientes de clima seco.
•
Material: plástico;
•
Funções: umidificador;
•
Indicação: lugares de clima seco;
•
Vantagens: umedece o ambiente com névoa fria;
•
Tecnologia: ultra-sônico;
•
É silencioso;
•
Possui regulador de intensidade e indicador de nível da água e filtro
desmineralizador para manter o ar puro.
FICHA TÉCNICA DO PRODUTO
5
•
Alimentação: 110/220 volts;
•
Consumo aprox. de energia: 30 watts;
•
Capacidade aprox. do reservatório: 05 litros;
Os dados variam de acordo com a marca do produto
- 33 -
•
Horas aprox. de uso: 20 horas;
•
Tamanho aprox. do ambiente: 20 m2;
•
Peso aprox. do produto: 3 Kg;
•
Peso aprox. da embalagem: 3,2 Kg;
•
Dimensões aprox. do produto: (LxAxP) – 25 x 20 x 28 cm;
•
Dimensões aprox. com embalagem: (LxAxP) – 20 x 25 x 30 cm.
O INTERIOR DE UM UMIDIFICADOR
O tipo mais comum de umidificador é o umidificador evaporativo. É um
modelo simples e de valor acessível.
Um reservatório capta a água fria e a joga em um recipiente; a água é
absorvida por um recipiente com parede porosa. Um ventilador força o ar passar
nesse recipiente que ficará úmido. Conforme o ar passa por esse recipiente, um
pouco de água evapora. Quanto mais alta for à umidade relativa, mais difícil será a
evaporação da água.
FIGURA 2.14 – O INTERIOR DE UM UMIDIFICADOR
Fonte: http://casa.hsw.uol.com.br/umidificadores
- 34 -
2.7 AR CONDICIONADO
O ar condicionado é um equipamento destinado a climatizar o ar em
ambientes fechados, mantendo sua temperatura controlada. Esse aparelho,
atualmente mais acessível, permite manter o ambiente ameno e agradável qualquer
que seja a estação do ano e as condições climáticas.
No mercado há diferentes tipos de condicionadores de ar, tais como janela
(ou parede), portáteis, split e sistema central.
AR CONDICIONADO DE JANELA OU PAREDE
São os mais utilizados, pois são encontrados facilmente no varejo e por
possuírem preços mais acessíveis. Estes aparelhos fazem a renovação contínua do
ar fresco.
FIGURA 2.15: AR CONDICIONADO DE JANELA
Fonte: www.arcondicionado.ind.br/imagens/ar_condicio
AR CONDICIONADO PORTÁTIL
São os mais práticos porque podem ser utilizados em todos os ambientes
onde for necessário fazer a climatização, além de não ter nenhum custo para
instalação. Funcionam expulsando o ar quente para o exterior e trazendo o ar frio
para o interior, assegurando a renovação do ar.
- 35 -
FIGURA 2.16: AR CONDICIONADO PORTÁTIL
Fonte: www.arcondicionadoportatil.com.br/images/5A8_...
AR CONDICIONADO SPLIT
Este aparelho pode ser fixo ou móvel. Possui duas partes, uma instalada no
interior e a outra do lado externo do ambiente. Além de manter o ar do ambiente
agradável e de controlar a temperatura, os modelos splits reduzem o ruído da
operação pois seu condensador fica do lado externo do ambiente e possuem
sistema de filtragem do ar.
FIGURA 2.17: AR CONDICIONADO SPLIT
Fonte: www.fazfacil.com.br/images/Split.gif
SISTEMA CENTRAL DE AR CONDICIONADO
São os modelos mais recomendados para ambientes comerciais, pois
climatizam muitos espaços simultaneamente. Possuem custo maior de aquisição,
manutenção e operação. São silenciosos e não ficam visíveis em fachadas.
- 36 -
FIGURA 2.18: SISTEMA CENTRAL DE AR CONDICIONADO
Fonte: www.revistatechne.com.br/.../imagens/i96110.jpg
DIMENSIONAMENTO DO AR CONDICIONADO
De acordo com o manual de instruções do equipamento marca SPLIT 6
(2008), para o correto dimensionamento do ar condicionado é essencial considerar o
tamanho do ambiente, o seu isolamento, a sua exposição ao sol (ou sombra) e o
número de pessoas que freqüentarão o ambiente.
Geralmente todos os aparelhos possuem termostato que mantém, de forma
automática, a temperatura selecionada. Para instalação do aparelho é importante
considerar o espaço necessário especificado no manual de instruções e deve ser
efetuada por técnicos especializados.
CAPACIDADE DO AR CONDICIONADO
A potência de refrigeração do equipamento é determinada pela unidade de
potencia: BTU (British Thermal Unit = Unidade Térmica Britânica).
É essencial que a escolha do aparelho de ar condicionado seja feita de forma
correta para garantir o conforto do usuário. Além disso, quando o equipamento
possui capacidade abaixo da necessária para o ambiente, o consumo de energia
aumenta demasiadamente e a vida útil do compressor torna-se menor.
6
Disponível em http://www.fazfacil.com.br/manutencao/ar_condicionado.html
- 37 -
MANUTENÇÃO DO AR CONDICIONADO
De acordo com a portaria 3.523/98 do Ministério da Saúde (BRASIL, 1998) é
muito importante fazer a manutenção periódica nos aparelhos de ar condicionado,
por motivo de:
•
Aumento do rendimento;
•
Prolongamento da vida útil do equipamento;
•
Evita quebras, reduzindo os gastos com trocas de peças;
•
Reduz o consumo de energia;
•
Proteção contra intempéries (sol, chuva, etc.);
•
Manter os aparelhos limpos evita a concentração de ácaros, fungos, mofos e
bactérias, mantendo o ar sempre puro.
- 38 -
Capítulo 3
ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO PROTÓTIPO
3.1 INTRODUÇÃO
Neste capítulo são abordadas as especificações técnicas dos componentes
utilizados para construção do protótipo bem como os pontos relativos à comunicação
dos módulos.
De acordo com Carvalho (2009), fornecedores e usuários de equipamentos e
sistemas industriais buscam continuamente produtos com arquiteturas próprias,
independentes de fabricantes, que tenham alto desempenho, comprovados
mecanismos de segurança e que sejam tecnologicamente modernos.
Nesta
perspectiva, para a construção deste protótipo, procurou-se produtos que
atendessem às exigências de controle, a distribuição e armazenamento de
informações e de melhor interoperabilidade entre os módulos, fundamentais para a
eficiência, flexibilidade e confiabilidade dos sistemas.
O protótipo é dividido em 03 (três) módulos fisicamente ligados entre si
através do protocolo RS-485 e os seus dados são trocados através do protocolo
ModBus do tipo mestre/escravo que permite que somente um dispositivo (mestre)
inicie as transações, enquanto os outros dispositivos (escravos) respondem de
acordo com o pedido do mestre. O primeiro módulo, chamado de CPU_Sensor, é
responsável pelo coleta de dados, porém isso só é feito depois que o segundo
módulo, denominado de CPU_Principal, solicita essa tarefa. Após receber os dados
a CPU_Principal realiza as comparações de valores e envia um dado para o terceiro
módulo, chamado de CPU_Reles, responsável apenas pelo acionamento dos
aparelhos responsáveis por manter a umidade e a temperatura dentro da faixa de
valores estipulados inicialmente.
3.2 COMUNICAÇÃO DOS MÓDULOS
Na comunicação de dados e na interligação em rede, protocolo é o padrão
que especifica o formato dos dados e as regras que deverão ser seguidas. Uma
- 39 -
rede não funciona sem os protocolos uma vez que são eles que determinam como
um programa deve preparar os dados que serão enviados para o estágio seguinte
do processo de comunicação. Portanto, segundo Helb (1999, p. 365), o protocolo de
comunicação são os conjuntos de regras e convenções e troca de informações entre
sistemas, o que significa que se pode construir um dispositivo capaz de trocar
informações usando aquele protocolo.
Para construção deste protótipo observou-se as possibilidades e vantagens
oferecidas pelos protocolos de comunicação digitais, tais como a diminuição de
afiação, facilidade de manutenção, flexibilidade na configuração da rede e,
principalmente, diagnóstico dos dispositivos. Os diferentes dispositivos comunicamse com outros e, de forma cooperativa, realizam tarefas que obedecem ao
atendimento dos comandos impostos. Para tanto, optou-se pelo protocolo MODBUS
do tipo mestre/escravo que permite que somente um dispositivo (o mestre) inicie as
transações. Os outros dispositivos (escravos) respondem de acordo com o pedido
do mestre ou de acordo com a tarefa solicitada. O dispositivo periférico processa a
informação e envia os dados para o mestre.
PROTOCOLO MODBUS
MODBUS é um protocolo de comunicação de dados criado em 1970 pela
Modicon Inc. (atualmente parte do grupo Schneider Electric). Segundo Borges
(2007), trata-se de um bus amplamente divulgado e utilizado (variadores de
velocidade, robôs, máquinas especiais, autômatos programáveis industriais, dentre
outros). Este protocolo é um dos mais antigos protocolos utilizados em redes de
Controladores Lógicos Programáveis – PLC – para aquisição de instrumentos e
comandar atuadores.
Características Técnicas
O protocolo MODBUS utiliza como meio físico o RS-232, RS-485 ou Ethernet,
com mecanismo de controle de acesso mestre/escravo. A estação mestre,
normalmente um PCL, envia mensagens solicitando que os escravos enviem os
- 40 -
dados lidos pela instrumentação ou envia sinais a serem escritos nas saídas para o
controle dos atuadores.
FIGURA 3.19 – MODELO DE REDE MODBUS (1 MESTRE/ 3 ESCRAVOS)
Fonte: HTTP://pt.wikipedia.org/wiki/modbus
A comunicação em protocolo MODBUS obedece a um frame que contem o
endereço do escravo, o comando que será executado, uma quantidade variável de
dados complementares e uma verificação de consistência de dados.
Comandos do MODBUS
De acordo com Borges (documento técnico n° 02 da Scheneider Eletric,
2007), os principais comandos do MODBUS são:
- 41 -
Numero da função
Descrição
1 ou 2
Leitura de bits
2 ou 4
Leitura de palavras
5
Escrita de bits
6
Escrita de palavras
7
Leitura rápida de 8 bits
8
Diagnóstico de trocas
11
Leitura contador de eventos
12
Leitura Buffer Trace
15
Escrita múltipla de bits
16
Escrita múltipla de palavras
TABELA 2 – Principais comandos de MODBUS
Informação n bytes:
•
Valor de bits ou palavras lidas;
•
Valor dos bits ou palavras escritas;
•
Número de palavras ou número de bits.
1 byte
1 byte
n bytes
2
Número Código Informação Palavra controlo
Identificação da trama de envio
Modos de transmissão para o padrão MODBUS
Há dois modos de transmissão para o padrão MODBUS:
•
ASCII – possui caracteres codificados em 7 bits + 1 bit de paridade. O campo
checksum, responsável pela verificação da integridade das palavras, é gerado
pelo método LRC;
•
RTU – possui caracteres codificados com 8 bits + 1 bit de paridade. O campo de
checksum é gerado pelo método CRC.
- 42 -
Por apresentar maior densidade de caracteres que é enviada numa mesma
mensagem, aumentando o desempenho de comunicação, na construção deste
protótipo optou-se pelo modo de transmissão RTU (Remote Terminal Unit). Portanto,
o presente trabalho abordará especificamente este modo de transmissão. No modo
RTU o dispositivo configurado para cada palavra de dados é enviado apenas um
caracter no padrão hexadecimal. Em relação à formação da palavra de dados que
compõe o conjunto de dados (framing) da mensagem, deve-se observar a
quantidade
de
bits
por
cada
palavra,
que
será
sempre
igual
a
11,
independentemente dos parâmetros de comunicação:
•
1 start bit, 8 data bit, sem bit de paridade e 2 stop bit;
•
1 start bit, 8 data bit, 1 bit de paridade e 1 stop bit;
•
1 start bit, 8 data bit, 1 bit de paridade e 1 stop bit.
CAMPO CHECSUM
O protocolo MODBUS possui dois tipos de cálculos de checagem de
integridade de dados (checksum): a checagem de paridade (pode ou não ser
aplicada para cada caracter da mensagem) e a checagem do framing (tipo LRC ou
CRC, para os modos ASCII e RTU, respectivamente). Para ambas, a checagem é
gerada ora no mestre ora no escravo antes da transmissão.
No protocolo MODBUS é criado uma estrutura de hierarquia (um mestre e
vários escravos), onde o mestre administra o conjunto das trocas de acordo com os
seguintes tipos de dialogo: o mestre troca com o escravo e espera a resposta ou o
mestre troca com o conjunto de escravos sem esperar a resposta. É importante
salientar que dois escravos não podem dialogam simultaneamente.
A configuração de todo mestre para esperar, durante um intervalo de tempo
pré-determinado antes de abortar a comunicação, é chamada de timeout. Esse
timeout deve ser programado para ser longo o suficiente para dar tempo ao escravo
de responder as solicitações de maneira normal. Quando o escravo detecta algum
erro de transmissão, a mensagem não será validada e não será enviada nenhuma
resposta ao mestre. Nesse caso, o timeout será acionado, permitindo que o mestre
gerencie a ocorrência do erro – CRC 16 (modo RTU).
- 43 -
MENSAGEM DE QUADRO MODBUS
De acordo com Carvalho (2009), para marcar o inicio e o fim da mensagem e
permitir que o dispositivo receptor determine qual dispositivo está sendo endereçado
e quando a mensagem está completa, utiliza-se um quadro de mensagens. Segundo
este autor, uma mensagem MODBUS é colocada no quadro e transmitida para o
dispositivo, onde cada palavra da mensagem (incluindo o frame) será colocada em
um dado de quadro que adiciona um start-bit, stop bit e bit de paridade. No modo
RTU a palavra é de 8 bits (na verdade são 11 bits, pois é adicionado o bit de start,
stop e paridade no quadro). Ressalta ainda que:
O modo de mensagens RTU inicia com um intervalo de 3,5 caracter
implementado como um caracter múltiplo de taxa de transmissão utilizada
pela rede. O primeiro campo transmitido é o endereço do dispositivo; os
caracteres seguintes transmitem todos os campos hexadecimais de 0 a 9 e
A a F. Um dispositivo de rede monitora a rede, incluindo o intervalo de
silencio e quando o primeiro campo é recebido (o endereço) após o
intervalo de silencio de 3,5 caracter, o dispositivo decodifica e determina é
do dispositivo. Seguindo o último caracter transmitido, um intervalo de
tempo similar de 3,5 caracter finaliza o fim da mensagem e pode iniciar uma
nova mensagem após o intervalo. A mensagem inteira deve ser transmitida
continuamente. Se o intervalo de silencio demorar mais que 1,5 caracter e
ocorrer antes de completar o quadro, o dispositivo considera a mensagem
incompleta e considera o próximo byte como o endereço da nova
mensagem. [...] se a mensagem iniciar 3,5 caracter antes do inicio da nova
mensagem, o dispositivo receptor assume que ele está continuando com a
mensagem previa, isso irá gerar uma mensagem de erro, assim como o
valor final do campo CRC não será valido para combinar a mensagem.
(Carvalho, 2009)
FORMATO GERAL DE UMA TRAMA TIPO RTU
START
Silencio
ENDEREÇO FUNÇÃO DADOS
2 bytes
2 bytes
LRC
N bytes 2 bytes silencio
Para o envio, são necessárias as seguintes informações:
•
Endereço bits, palavras;
•
Valores bits, palavras;
•
Número de bits;
•
Número de palavras.
END
- 44 -
1 byte
1 byte
n bytes
2 bytes
Número
Código
Controlo
Escravo
Função
CRC
Palavra de controlo: CRC
Quando a mensagem é recebida pelo escravo, este lê a palavra de controlo
aceitando ou recusando. Entretanto, em nenhum dos casos, ele não responde.
PADRÃO DE COMUNICAÇÃO RS-485
Considerando que uma aplicação consiste de vários dispositivos em lugares
diferentes e um sistema ser composto por diversas unidades, cada uma com
determinada função, é necessário que exista um meio de comunicação entre eles. O
padrão RS - Recommended Standard - foi criado em 1983 7 e desenvolvido pela EIA
(Eletronics Industry Association), promove uma potente forma de comunicação
multiponto, muito utilizada para transferência de dados para pequenas quantidades
e taxas de até 10 Mbps. Embora seu alcance possa chegar até a 4000 pés, quanto
maior a distancia a ser percorrida pelos dados, menor será a taxa de transmissão,
conforme figura abaixo:
FIGURA 3.20 – DISTÂNCIA X TAXA DE TRANSMISSÃO
Fonte: http://www.cic.unb.br/~bordim/TD/Arquivos/G10_Monografia.pdf
O padrão RS-485 utiliza apenas um par de fios, aqui denominados fios A e B,
e possui comunicação de forma diferencial. Quando o fio A for positivo e o B for
7
Ten Ways to Bulletproff RS-485 Interfaces – National semiconductors – application note 1067.
- 45 -
negativo, obter-se-á o nível lógico 1 e quando o fio A for negativo e o B positivo, o
nível lógico será 0, o que significa que o nível lógico é determinado pela diferença de
tensão entre os fios, daí o nome de modo de operação diferencial 8 .
FIGURA 3.21 – PAR DIFERENCIAL
Fonte: RS 485 Professor Victor Leão - http://www.national.com/an/AN/AN-1057.pdf-
O padrão RS-485 foi desenvolvido para atender a necessidade de
comunicação multiponto. Seu formato permite conectar até 32 dispositivos, sendo 1
transmissor e 1 receptor 9 .
Para aplicações do padrão RS-485, utiliza-se um único PC como mestre da
rede e único cabo de rede. Os terminais remotos da rede são tratados por
endereçamento. Seu protocolo é do tipo half-duplex, entretanto não há definições ou
recomendações para nenhum protocolo de comunicação.
O padrão RS-485 foi utilizado na construção deste protótipo por apresentar as
seguintes vantagens:
•
Redes locais baratas quando comparadas a outras;
•
Flexibilidade de configuração;
•
O usuário define, projeta e testa o seu próprio protocolo de comunicação sem a
necessidade de pagar royalties aos fabricantes;
•
8
Existe a possibilidade de usar protocolos abertos, bem definidos e testados;
Transceivers and Repeaters Meeting the EIA RS-485 Interface Standard – Nacional semiconductor
– application Note 409
9
Fonte: RS 485 Professor Victor Leão - http://www.national.com/an/AN/AN-1057.pdf-
- 46 -
•
Pode-se migrar de um padrão para outro sem perder suas características de
pulso.
O padrão RS-485 possui as seguintes características elétricas:
PARÂMETRO
Modo de operação
VALOR
Diferencial
32 TX
Numero de TX e RX
32 RX
Comprimento Máximo
1200m
Taxa máxima de Comunicação
10Mbps
Tensão máxima de Modo Comum
Tensão mínima de Transmissão (carga)
Tensão mínima de Transmissão (sem carga)
Impedância Mínima de carga
Limite da corrente mínima da saída em
Curto circuito (mA)
12 à -7 volts
+ 1,5 volts
+ 6 volts
60 Ω
150 para terra
250 para -7 até 12 volts
Impedância de Entrada do RX
Sensibilidade do RX
12KΩ
+ 200mV
TABELA 3 – Características Elétricas do padrão RS-485
3.3 TRANSCEPTOR MAX 485
FIGURA 3.22: MAX 485
1. Ro: Saída para recepção;
2. RE: Habilitação da recepção;
- 47 -
3. DE: Habilitação da transmissão;
4. DI: Entrada para transmissão;
5. GND: Alimentação do circuito integrado;
6. A: Entrada não inversora;
7. B: Entrada inversora;
8. Vcc: Alimentação do circuito integrado.
MODO DE OPERAÇÃO
•
Conectar RE e DE
•
Ativar DE;
•
Transmite por DI
•
Desabilita DE.
O Max485 é um transceptor de baixa potencia para RS-485. Este utiliza um
principio diferencial, que traduz um sinal lógico TTL em dois sinais, denominados de
A e B. O sinal A possui a lógica do sinal TTL e o sinal B é complementar. A
informação do sinal de entrada é codificada na forma do sinal A-B, sendo a diferença
entre os sinais A e B. Caso esta diferença seja superior a 200mV, então, tem-se
nível lógico 1. No entanto, se esta diferença for inferior a -200mV, considera-se nível
lógico 0.
3.4 SENSOR SHT11
Para fazer as medições das informações de temperatura e umidade foi
utilizado o sensor digital SHT11, fabricado pela indústria alemã SENSIRION. Este
sensor é um circuito integrado de alta precisão, cuja saída digital é de fácil leitura e
interpretação.
O SHT11 é um sensor de umidade e temperatura alojado num único chip,
funciona a 3 v e possui uma saída digital calibrada. Possui como elemento sensível
um polímero capacitivo para a umidade relativa e um sensor de temperatura do tipo
“band gap”. Cada sensor SHT11 é individualmente calibrado numa câmara de
- 48 -
umidade de precisão, sendo os coeficientes programados numa memória OTP. Por
possuir uma interface série de 2 fios, pode ser facilmente integrado em qualquer bus
série 10 .
Além
disso,
é
muito
adequado
para
ser
utilizado
em
sistemas
microcontrolados por possuir baixo consumo de energia e seu preço ser muito
competitivo em relação a outros disponíveis no mercado. Ambos os elementos de
medição estão conectados a um conversor analógico-digital de 14 bits e a um
circuito de interface serial contido dentro do mesmo chip.
Figura 3.23: Sensor SHT11
Fonte: Datasheet SHT11 - Sensirion
Suas principais características são:
Consumo de energia
80 uW (a 12 bits, 3v, medição de 1/s)
RH intervalo operacional
0 – RH de 100%
T operam intervalo
-40 - + 125° C
Tempo de resposta
8s
Saída
Digital (interface de 2 fios)
Tabela 4: Características do Sensor SHT11
Fonte: Datasheet SHT11 - Sensirion
10
Fonte: http://itodi.est.ips.pt/aabreu/meteobot/relatório.pdf
- 49 -
DIAGRAMA DE BLOCOS
Figura 3.24: Diagrama de Blocos SHT11
Fonte: Datasheet SHT11 - Sensirion
ESPECIFICAÇÕES (INTERFACE)
FIGURA 3.25: Pinagem do SHT11
Fonte: Datasheet SHT11 – Sensirion
PIN
Name
Comment
1
GND
Ground
2
DATA
Serial data bidirectional
3
SCK
Serial clock input
4
VDD
Supply 2.4 – 5.5V
TABELA 5 – Descrição dos Pinos SHT11
Fonte: Datasheet SHT11 - Sensirion
- 50 -
O sensor SHT11 se comunica com o microcontrolador através de apenas dois
pinos (um para clock e outro para dados). Esses dois pinos foram conectados em
duas portas GPIO do microcontrolador e o protocolo é implementado via software.
FIGURA 3.26 – Sequencia de início da comunicação.
Fonte: Datasheet SHT11 - Sensirion
CONEXÕES
Figura 3.27: Conexões do SHT11
Fonte: Datasheet SHT11 – Sensirion
- 51 -
DISPLAY LCD
Os módulos LCD são interfaces de saída muito úteis em sistemas
microprocessados e podem ser gráficos (encontrados com resoluções de 122x32,
128x64, 240x64 e 240x128 dots pixel, geralmente disponíveis com 20 pinos para
conexão e a caracter especificados em número de linhas por colunas e encontrados
nas configurações previstas, conforme tabela 6).
Para facilitar as leituras durante à noite, esses módulos podem ser
encontrados com uma iluminação de fundo – LED backlight. A alimentação deste
led faz-se normalmente pelos pinos 15 e 16 para os módulos comuns e 19 e 20 para
os módulos gráficos, sendo os pinos 15 e 19 para ligação ao anodo e os pinos 16 e
20 para o carodo. Sua corrente de alimentação varia de 100 a 200m, variando de
acordo com o modelo. Esses módulos utilizam um controlador próprio que permite
sua interligação com outras placas por meio de seus pinos, onde deve ser
alimentado o módulo e interligado o barramento de dados e controle do módulo com
a placa do usuário. Para tanto é necessário um protocolo de comunicação entre as
partes, envolvendo o envio de bytes de instruções e bytes de dados pelo sistema
usuário.
Número de Colunas Número de Linhas
Quantidade de pinos
8
2
14
12
2
14/15
16
1
14/16
16
2
14/16
16
4
14/16
20
1
14/16
20
2
14/16
20
4
14/16
24
2
14/16
24
4
14/16
40
2
16
40
4
16
Tabela 6: Módulos LDC disponíveis
Fonte: http://www2.eletronica.org/apostilas-e-ebooks/componentes/LCD_30324b.pdf
- 52 -
Descrição dos pinos do módulo (ou display) para conexão deste a outras
placas:
Pino
Função
Descrição
1
Alimentação
Terra ou GND
2
Alimentação
VCC ou +5V
3
VO
Tensão para ajuste de contraste
4
RS Selelção
1 – Dado; 0 - Instrução
5
R/W Seleção
1 – Leitura; 0 – Escrita
6
E chip select
1 ou (1→0) – Habilita, 0 –Desabilita
7
BO LSB
8
B1
9
B2
Barramento de
10
B3
Dados
11
B4
12
B5
13
B6
14
B7 MSB
15
A (quando existir)
Anodo p/ LED backlight
16
K (quando existir)
Catodo p/ LED backlight
Tabela 7: Pinagem dos Módulos LCD
Fonte: http://www2.eletronica.org/apostilas-e-ebooks/componentes/LCD_30324b.pdf
Interface com CPU
De acordo com Barbacena e Fleury (1996), os módulos LCD são projetados
para conectar-se com a maioria das CPU’s disponíveis no mercado, desde que
estas atendam as temporizações de leitura e escrita de instruções de dados,
fornecido pelo fabricante do módulo. Estes tempos variam em função do clock da
CPU do usuário. Geralmente, pode-se conectar o barramento de dados da CPU ao
barramento do módulo, mapeando-o convenientemente na placa de usuário e
efetuar-se uma operação normal de leitura e escrita sem mais problemas.
- 53 -
Clock da CPU tAS (MHz) PW EH (nS) TH (nS)
08 MHz
325
650
75
10 MHz
250
500
50
12 MHz
200
400
33,3
16 MHz
138
275
12,5
Tabela 8: Relação clock da CPU x Temporização do Módulo LCD
Fonte: http://www2.eletronica.org/apostilas-e-ebooks/componentes/LCD_30324b.pdf
3.5 MICROCONTROLADORES ATMEGA
A família de microcontroladores AVR ATMEGA 11 da Atmel é muito utilizada
tendo em vista as suas características e funcionalidades.
ATmega 8L
O microcontrolador ATmega 8L foi escolhido por apresentar as seguintes
características:
11
•
Microcontrolador de 8 bits;
•
Possui 23 portas de entrada e saída (I/O);
•
Memória de programa de 8 kbytes;
•
Dois timers de 8 bits;
•
Um timer de 16 bits;
•
Ad de 10 bits;
•
130 instruções de programação;
•
Porta serial;
•
Manter/slave SPI serial interface;
•
Consumo ativo de 3,6 mA e inativo de 1 mA;
•
Programação via serial;
•
Baixo custo.
Dados disponíveis em HTTP://www.atmel.com/dyn/rerources/prod_documents/24865.pdf. Acesso
em 24/08/09.
- 54 -
ATmega 32 16PC
O ATmega 32 é um microcontrolador CMOS de 8 bits com baixo consumo de
energia baseado na arquitetura RISC de AVR. É capaz de executar as instruções
em um único ciclo de relógio, o ATmega 32 alcança um desempenho de 1 MIPS por
MHz, permitindo ao projetista otimizar consumo de energia ou velocidade de
processamento. A ATmega 32 possui as seguintes características gerais:
•
32k bits de memória flash;
•
2k bytes de 1 Ram;
•
1024 bytes EEPROM;
•
2 times/contadores de 8 bits;
•
1 timer/contador de 16 bits;
•
8 canais de 10 bits de ADC, USART, WDT, POR, BOD;
•
4 canais de PWN, perto de 1SP;
•
Interface serial 1P para programação dentro do sistema;
•
6 modos para conservar potencia;
•
32 pinos de I/O.
- 55 -
Capítulo 4
IMPLEMENTAÇÃO DO PROTÓTIPO
FIGURA 4. 28: PROTÓTIPO
Por desejar-se apenas demonstrar a parte conceitual do projeto, trabalhou-se
neste protótipo com as faixas de 55% a 80% para a umidade relativa do ar e 18° a
23° para a temperatura, pois caso se trabalhasse com as faixas recomendadas,
conforme relatado na apresentação deste, o tempo de resposta seria bastante
elevado na simulação.
O protótipo foi dividido em três módulos microprocessados que se comunicam
por meio do protocolo RS 485. Os módulos foram denominados neste projeto de
CPU_Principal; CPU_Sensor e CPU_AcionaRele e endereçados, respectivamente,
como 1, 2 e 3.
- 56 -
****************************Trecho Do Código de Programação****************************
eeprom char CPU_Principal=1;
eeprom char CPU_Sensor=2;
eeprom char CPU_AcionaRele=3;
/*
******** PROTOCOLO EXCLUSIVO DE COMUNICAÇÃO DA REDE *******
Byte0 = Endereço do CLP de destino
Byte1 = Função (comando): 1=Leitura (solicitação de informação) ou SaídaRele1, 2=Escrita(comando
remoto) ou SaídaRele2
Byte2 = Informação (dados): 0=Temperatura ou Desligar relé, 1=Umidade ou Ligar relé, 2=Status
(status do relé), 254=CRC Inválido, 255=Comando inválido
Byte3 = Primeiro (High) Byte do digito verificador CRC16 (Cyclic Redundancy Check)
Byte4 = Segundo (Low) Byte do digito verificador CRC16 (Cyclic Redundancy Check)
*/
//######### VAIAVEIS PARA COMUNICAÇÃO DA REDE ##########
char tx_buffer[255]; //USADO COMO BUFFER PARA ENVIAR PARA REDE
char FlagBufferNovo=0; //Usado para identificar a chegada de novo Buffer
//***** VARIÁVEIS EM GERAL
char text[20];
char SequenciaComando=1;
char Temperatura;
char Umidade;
//***** FUNÇÕES EM GERAL
void Reiniciar(void);
void crc16(unsigned char *uchMsg, unsigned short usDataLen); //Função para cálculo de CRC
void comunica_rede(unsigned char CLP, unsigned char Funcao, unsigned char Informacao);
void ZeraBuffer(void);
************************Fim Do Trecho Do Código de Programação***********************
O sistema começa operar a partir da CPU_Principal que, inicialmente, carrega
as funções gerais do equipamento (verificação de erros, estabelecimento da
conexão, entre outras). Em seguida, essa CPU carrega as funções responsáveis
pela leitura da umidade relativa do ar e da temperatura, fazendo a conexão com a
CPU_Sensor por meio da porta TX.
- 57 -
FIGURA 4.29: CPU_Principal
****************************Trecho Do Código de Programação****************************
if (SequenciaComando==1) //Leitura de temperatura
{
TX_RX = 1;
delay_ms(10);
comunica_rede(CPU_Sensor, 1, 0); //Leitura Temperatura
delay_ms(10);
TX_RX = 0;
lcd_gotoxy(0,1);
lcd_putsf("TX... CPU_Sensor");
}
if (SequenciaComando==2) //Leitura de umidade
{
TX_RX = 1;
delay_ms(10);
comunica_rede(CPU_Sensor, 1, 1); //Leitura Umidade
delay_ms(10);
TX_RX = 0;
lcd_gotoxy(0,1);
lcd_putsf("TX... CPU_Sensor");
}
************************Fim Do Trecho Do Código de Programação***********************
- 58 -
Após o estabelecimento da conexão, a CPU_Sensor verifica as mensagens
recebidas da CPU_Principal e se conecta diretamente com o Sensor SHT11 que,
através dos comandos fornecidos pelo fabricante no Datasheet do sensor, realiza as
medições solicitadas e envia novamente os valores para a CPU_Sensor que
responde as solicitações da CPU_Principal, enviando os dados aferidos. Esse
procedimento está em consonância à estrutura de hierarquia criada pelo protocolo
MODBUS onde o mestre administra o conjunto de trocas com o tipo de dialogo: o
mestre troca com o escravo e a espera a resposta.
A CPU_Principal, de posse dos dados coletados e permitindo a visualização
dos valores aferidos através de um display de LCD, realiza as comparações entre os
valores medidos e os valores estipulados armazenados na memória.
FIGURA 4.30: CPU_Sensor
****************************Trecho Do Código de Programação****************************
while(1)
{
status = 0b00000000; //Leitura normal
le_sensirion();
crc16(&rx_buffer[0],3);//efetua a cálculo de CRC
if ((rx_buffer[3] == auchCRCLo) & (rx_buffer[4] == auchCRCHi) & (FlagBufferNovo==1))
- 59 -
{
FlagBufferNovo=0;
rx_buffer_overflow=0;
rx_wr_index=0;
rx_rd_index=0;
rx_counter=0;
if (rx_buffer[0]==CPU_Sensor)
{
LedIndicador=1;
if (rx_buffer[1]==1 & rx_buffer[2]==0) //Leitura Temperatura
{
TX_RX = 1;
delay_ms(10);
comunica_rede(CPU_Principal,1,(char)temp_val.f);
//CLP,Funcao,Informacao
delay_ms(10);
TX_RX = 0;
}
if (rx_buffer[1]==1 & rx_buffer[2]==1) //Leitura Umidade
{
TX_RX = 1;
delay_ms(10);
comunica_rede(CPU_Principal,1,(char)humi_val.f);
//CLP,Funcao,Informacao
delay_ms(10);
TX_RX = 0;
}
}
ZeraBuffer();
************************Fim Do Trecho Do Código de Programação***********************
Quando os dados coletados relativos à umidade relativa do ar estiverem
abaixo de 55%, a CPU_Principal enviará uma mensagem para a CPU_AcionaRele e
indicará que o dispositivo de controle da umidade deve ser ligado. Ao receber esse
status a CPU_AcionaRele acionará o dispositivo através de um relé. Quando os
dados da umidade relativa do ar atingir 80%, a CPU Principal informará para a
CPU_AcionaRele que esta deverá desligar o dispositivo de controle.
- 60 -
FIGURA 4.31: CPU_AcionaRele
****************************Trecho Do Código de Programação****************************
if (SequenciaComando==3) //Liga/Desliga SaidaRele1 dependendo da umidade
{
if (Umidade <75) //Liga SaidaRele1
{
TX_RX = 1;
delay_ms(10);
comunica_rede(CPU_AcionaRele, 1, 1); //Liga SaidaRele1
delay_ms(10);
TX_RX = 0;
}
else
{
if (Umidade >= 90) //Desliga SaidaRele1
{
TX_RX = 1;
delay_ms(10);
comunica_rede(CPU_AcionaRele, 1, 0); //Desliga SaidaRele1
delay_ms(10);
TX_RX = 0;
}
else
{
if (SequenciaComando<=3) //Incrementa a sequencia de comando
{
SequenciaComando++;
}
else
{
SequenciaComando=1;
- 61 -
}
************************Fim Do Trecho Do Código de Programação***********************
Para a temperatura, o processo é realizado da mesma maneira. Quando os
dados coletados indicam na CPU_Principal que a temperatura ambiente é maior que
23°, esta envia os sinais para a CPU_AcionaRele que o dispositivo de controle da
temperatura deverá ser ativado e que este deverá ser desligado quando os dados
constantes na CPU_Principal alcançarem a temperatura de 18°.
****************************Trecho Do Código de Programação****************************
if (SequenciaComando==4) //Liga/Desliga SaidaRele2
{
if (Temperatura > 23) //Liga SaidaRele2
{
TX_RX = 1;
delay_ms(10);
comunica_rede(CPU_AcionaRele, 2, 1); //Liga SaidaRele2
delay_ms(10);
TX_RX = 0;
}
else
{
if (Temperatura <= 18) //Desliga SaidaRele2
{
TX_RX = 1;
delay_ms(10);
comunica_rede(CPU_AcionaRele, 2, 0); //Desliga SaidaRele2
delay_ms(10);
TX_RX = 0;
}
else
{
if (SequenciaComando<=3) //Incrementa a sequencia de comando
{
SequenciaComando++;
}
else
{
SequenciaComando=1;
}
************************Fim Do Trecho Do Código de Programação***********************
A CPU_Principal, sempre que se comunicar com a CPU_AcionaRele,
aguardará uma resposta confirmando se o comando foi aceito com sucesso.
- 62 -
****************************Trecho Do Código de Programação****************************
if (rx_buffer[1]==1 & rx_buffer[2]==0) //Desliga SaidaRele1
{
TX_RX = 1;
delay_ms(10);
comunica_rede(CPU_Principal, 2, 0); //Retorna o mesmo comando para CPU_Principal
entender que o comando foi aceito
delay_ms(10);
TX_RX = 0;
SaidaRele1=0;
}
if (rx_buffer[1]==1 & rx_buffer[2]==1) //Liga SaidaRele1
{
TX_RX = 1;
delay_ms(10);
comunica_rede(CPU_Principal, 2, 1); //Retorna o mesmo comando para CPU_Principal
entender que o comando foi aceito
delay_ms(10);
TX_RX = 0;
SaidaRele1=1;
}
if (rx_buffer[1]==2 & rx_buffer[2]==0) //Desliga SaidaRele2
{
TX_RX = 1;
delay_ms(10);
comunica_rede(CPU_Principal, 2, 0); //Retorna o mesmo comando para CPU_Principal
entender que o comando foi aceito
delay_ms(10);
TX_RX = 0;
SaidaRele2=0;
}
if (rx_buffer[1]==2 & rx_buffer[2]==1) //Liga SaidaRele2
{
TX_RX = 1;
delay_ms(10);
comunica_rede(CPU_Principal, 2, 1); //Retorna o mesmo comando para CPU_Principal
entender que o comando foi aceito
delay_ms(10);
TX_RX = 0;
SaidaRele2=1;
}
************************Fim Do Trecho Do Código de Programação***********************
O sistema ficará constantemente em execução até ser interrompido pelo
usuário.
- 63 -
TESTES E VALIDAÇÃO DOS RESULTADOS
Para fazer os testes foi realizada a monitoração de ambientes utilizando-se o
protótipo e o Termohigrômetro TH02 da marca “Impac”.
Os dois monitoradores foram submetidos às mesmas situações e horários,
conforme registros abaixo:
Teste 1:
Protótipo
Termohigrômetro
Ambiente
quarto
quarto
Horário
15:30 h
15:30 h
Temperatura
25°C
24,6°C
Umidade
69%
72%
Tabela 9: Dados Coletados no primeiro monitoramento
FIGURA 4.32 Valores Medidos em Temperatura Ambiente
FIGURA 4.33 Sensores do protótipo e do termohigrômetro
FIGURA 4.34: Funcionamento da CPU_Rele
- 64 -
Observa-se que, em situações iguais, houve uma pequena diferença entre os
dados obtidos pelo protótipo e termohigrômetro.
Entretanto, ressalta-se o funcionamento do protótipo que foi programado para
ligar ou desligar os aparelhos de ar condicionado e umidificador de ar sempre que os
valores estivessem fora da faixa previamente estipulada, ou seja, ligar quando a
temperatura estiver acima de 23°C e desligar quando esta estiver a 18° C; ligar
quando a umidade estiver abaixo de 55% e desligar quando esta atingir 80% da
umidade relativa do ar. Ao fazer a leitura da umidade relativa do ar e da temperatura
através do Sensor SHT11 e mostrar os valores lidos na tela do display, constata-se
que o indicador luminoso que representa o aparelho de ar condicionado encontra-se
aceso (a temperatura estava a 25°C, portanto acima do valor estipulado) e que o
indicador luminoso que representa o aparelho umidificador de ar encontra-se
apagado (a umidade estava a 69%, portanto dentro do valor estipulado).
Teste 2:
Protótipo
Termohigrômetro
Caixa de isopor
Caixa de isopor
com gelo
com gelo
15:45 h
15:45 h
Temperatura
17°C
18°C
Umidade
65%
71%
Ambiente
Horário
Tabela 10: Dados Coletados no segundo monitoramento
FIGURA 4.35: Valores medidos em ambiente resfriado
FIGURA 4.36: Funcionamento da CPU_Rele
- 65 -
A diferença nos dados obtidos pelo protótipo e termohigrômetro permaneceu.
Neste monitoramento, tanto a temperatura quanto a umidade estão dentro da faixa
estipulada, podendo-se constatar que o indicador luminoso que representa o
aparelho de ar condicionado desligou-se automaticamente quando a temperatura
ficou abaixo de 18°C e que o indicador luminoso que representa o aparelho
umidificador de ar ainda permaneceu desligado uma vez que a umidade relativa
encontrava-se em 71%.
Teste 3:
Protótipo
Ambiente
Ambiente desumidificado com a
utilização de um secador de cabelo
Horário
16:00 h
Temperatura
37°C
Umidade
43%
Tabela 11: Dados Coletados pelo protótipo, terceiro monitoramento
FIGURA 4.37: Valores medidos, ambiente desumidificado
Figura 4.38: Funcionamento da CPU_Rele
Nesta situação, tanto a temperatura quanto a umidade do ar estão fora da
faixa estipulada, ou seja, a temperatura está a 37°C (superior a 23°C) e a umidade
do ar encontra-se em 43% (abaixo de 55%), podendo-se constatar que os
indicadores luminosos que representam tanto o aparelho de ar condicionado quanto
o aparelho umidificador de ar foram acionados automaticamente.
- 66 -
Capítulo 5
CONCLUSÃO
O sistema de monitoramento e controle de temperatura e umidade de
ambientes desenvolvido neste trabalho mostrou-se eficaz devido aos resultados
obtidos na realização dos testes de seu funcionamento, apresentando um
comportamento de acordo com o proposto, ratificando a confiabilidade.
Os produtos utilizados na construção do protótipo atenderam as exigências de
controle,
distribuição,
armazenamento
das
informações
e
de
melhor
interoperabilidade entre os módulos. Além disso, ainda há o fator econômico, pois os
componentes utilizados foram de custo relativamente baixo e de fácil disponibilidade
no mercado brasileiro.
Os dispositivos comunicaram-se, por meio do padrão RS-485, de forma
integrada e realizaram as tarefas obedecendo ao atendimento dos comandos
impostos através do protocolo Modbus do tipo mestre/escravo. As medições das
informações de temperatura e umidade, realizadas pelo Sensor Digital SHT11 foram
efetuadas e possibilitaram uma fácil leitura e interpretação dos dados.
Os testes foram realizados em ambiente submetido a variações de
temperaturas e umidades que permitiram melhor visualização do sistema. Quando
os valores estipulados foram alcançados, os relés ligaram ou desligaram os
aparelhos de ar condicionado e umidificador de ar, possibilitando manter a
temperatura e a umidade relativa do ar em ambientes internos dentro dos níveis
recomendados para saúde e bem estar do homem.
A conclusão deste projeto é realizada de forma provisória, uma vez que,
embora eficaz em seu propósito inicial, ainda há outras possibilidades de testes,
sugeridas para projetos futuros, tais como: a realização da comunicação dos
módulos utilizando tecnologias de redes sem fio, como, por exemplo, rádio
freqüência e Bluetooth, bem como o controle e monitoramento de medidas
relacionadas a outros segmentos (pressão, nível de combustível, dentre outros).
- 67 -
REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS ‘
.
AYOADE, J.O. Introdução à climatologia para os trópicos. Tradução de
Maria Juraci Zani dos Santos; revisão de Suely Bastos. 5ª ed – Rio de Janeiro:
Bertrand Brasil, 1998.
ATMEGA, Microcontrolador Atmega 8L, ATMEL, 2004. Disponível em:
<http://www.atmel.com/dyn/resources/prod_documents/24865.pdf Acesso em 16 de
setembro de 2009.
BARBACENA, Ilton L e FLEURY, Claudio Afonso. Display LCD. Disponível em
<www2.eletronica.org/apostilas-e-books/componentes/LCD_30324b.pdf>
Acesso em 25 de setembro de 2009.
BORGES, Fátima. Redes de Comunicação Industrial. Documento técnico n°
2. Schneider Eletric. 2007.
BRASIL, Ministério da Saúde. Programa de Atendimento ao Paciente Asmático.
Disponível em: http://www.saude.df.gov.br/ Acesso em 13 set 2008.
______. Portaria 3.523/98. Porque fazer manutenção em seu aparelho? Disponível
em: <http://www.aguiarcondicionado.com.br/index.php?pg=dicas> Acesso em 12 de
jun de 2009.
CARVALHO, Francisco Manoel. Introdução a redes de comunicação: protocolos
de transmissão. Disponível em <www.artigonal.com/tecnologia-artigos/introduçãoa-redes-de-comunicação-protocolos-de-transmissão> Acesso em 05 de agosto de
2009.
FOUCAULT, Alain. O CLIMA: História e devir do meio ambiente. Coleção
Perspectiva Ecológica. São Paulo: Instituto Piaget, 1993.
GIODA, A & AQUINO NETO, F.R. Considerações sobre estudos de
ambientes industriais e não industriais no Brasil: uma abordagem
comparativa. Cadernos Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 19, n. 5, set/out –
2003.
Disponível
em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102311X2003000500017&script=sci_arttext> Acesso em 18 de agosto de 2009.
HELB, Gilbert. Comunicação de Dados. Tradução da 6ª edição original de
Vandenberg de Sousa. Campus, Rio de Janeiro, 1999.
INDRIUMAS, Alexandre. Como funciona a umidade do ar. Disponível em
<http://ciencia.hsw.uol.com.br/umidade-do-ar5htm> Acesso em 12 de set 2008.
LAROUSSE, Àtica: Dicionário da Língua Portuguesa – Paris: Larousse / São
Paulo: Ática, 2001; p. 1005.
LEÃO, Victor. RS-485 – Especificação e Utilização. UFB, Laboratório de
Propriedade Ópticas. Disponível em <http://www.national.com/an/AN/AN1057.pdf> Acesso em 21/02/2009.
- 68 -
STELMACH, Rafael. Mau uso do ar condicionado compromete a saúde. Jornal
da
Orla.
Data:
27
de
janeiro
de
2008.
Disponível
em:
<
http://www.sicon.org.br/saude_no_condominio_integra.asp?codigo=5> Acesso em
15 de jun de 2009.
- 69 -
APENDICE
- 70 -
Apêndice A
ESQUEMÁTICOS
- 71 -
- 72 -
- 73 -
Apêndice B
Programa linguagem C – CPU_Principal
/*
******** PROTOCOLO EXCLUSIVO DE COMUNICAÇÃO DA REDE *******
Byte0 = Endereço do CLP de destino
Byte1 = Função (comando): 1=Leitura(solicitação de informação) ou SaídaRele1, 2=Escrita(comando
remoto) ou SaídaRele2
Byte2 = Informação (dados): 0=Temperatura ou Desligar relé, 1=Umidade ou Ligar relé,
2=Status(status do relé), 254=CRC Inválido, 255=Comando inválido
Byte3 = Primeiro (High) Byte do digito verificador CRC16 (Cyclic Redundancy Check)
Byte4 = Segundo (Low) Byte do digito verificador CRC16 (Cyclic Redundancy Check)
********* ENDEREÇO DOS CLP´S *********
1 = CPU_Principal
2 = CPU_Sensor
3 = CPU_AcionaMotor
*/
eeprom char CPU_Principal=1;
eeprom char CPU_Sensor=2;
eeprom char CPU_AcionaRele=3;
//#include <stdlib.h>
#include <mega32.h>
#define
TX_RX PORTD.3
// Alphanumeric LCD Module functions
#asm
.equ __lcd_port=0x15
#endasm
#include <lcd.h>
//######### VAIAVEIS PARA COMUNICAÇÃO DA REDE ##########
char tx_buffer[255];//USADO COMO BUFFER PARA ENVIAR PARA REDE
char FlagBufferNovo=0;//Usado para identificar a chegada de novo Buffer
//####### USART INICIO #######
#define RXB8 1
#define TXB8 0
#define UPE 2
#define OVR 3
#define FE 4
#define UDRE 5
#define RXC 7
#define FRAMING_ERROR (1<<FE)
#define PARITY_ERROR (1<<UPE)
#define DATA_OVERRUN (1<<OVR)
- 74 -
#define DATA_REGISTER_EMPTY (1<<UDRE)
#define RX_COMPLETE (1<<RXC)
// USART Receiver buffer
#define RX_BUFFER_SIZE 8//tamanho do buffer na rede
char rx_buffer[RX_BUFFER_SIZE];
unsigned char rx_wr_index,rx_rd_index,rx_counter;
// This flag is set on USART Receiver buffer overflow
bit rx_buffer_overflow;
// USART Receiver interrupt service routine
#pragma savereginterrupt [USART_RXC] void usart_rx_isr(void)
{
char status,data;
#asm
push r26
push r27
push r30
push r31
in r26,sreg
push r26
#endasm
status=UCSRA;
data=UDR;
FlagBufferNovo=1;
if ((status & (FRAMING_ERROR | PARITY_ERROR | DATA_OVERRUN))==0)
{
rx_buffer[rx_wr_index]=data;
if (++rx_wr_index == RX_BUFFER_SIZE) rx_wr_index=0;
if (++rx_counter == RX_BUFFER_SIZE)
{
rx_counter=0;
rx_buffer_overflow=1;
};
};
#asm
pop r26
out sreg,r26
pop r31
pop r30
pop r27
pop r26
#endasm
}
#pragma savereg+
#ifndef _DEBUG_TERMINAL_IO_
// Get a character from the USART Receiver buffer
#define _ALTERNATE_GETCHAR_
#pragma used+
char getchar(void)
{
char data;
while (rx_counter==0);
data=rx_buffer[rx_rd_index];
if (++rx_rd_index == RX_BUFFER_SIZE) rx_rd_index=0;
#asm("cli")
--rx_counter;
#asm("sei")
- 75 -
return data;
}
#pragma used#endif
//####### USART FINAL #######
#include <stdio.h>
#include <delay.h>
#include <math.h>
#define ADC_VREF_TYPE 0x40
//***** VARIÁVEIS EM GERAL
char text[20];
char SequenciaComando=1;
char Temperatura;
char Umidade;
//***** FUNÇÕES EM GERAL
void Reiniciar(void);
void crc16(unsigned char *uchMsg, unsigned short usDataLen);//Função para cálculo de CRC
void comunica_rede(unsigned char CLP, unsigned char Funcao, unsigned char Informacao);
void ZeraBuffer(void);
/* Table of CRC values for high-order byte */
const static unsigned char uchCRCHi[] = {
0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x01, 0xC0,
0x80, 0x41, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41,
0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0,
0x80, 0x41, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40,
0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x00, 0xC1,
0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41,
0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x00, 0xC1,
0x81, 0x40, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41,
0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x01, 0xC0,
0x80, 0x41, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40,
0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x00, 0xC1,
0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40,
0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x01, 0xC0,
0x80, 0x41, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40,
0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0,
0x80, 0x41, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40,
0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x01, 0xC0,
0x80, 0x41, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41,
0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0,
0x80, 0x41, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41,
0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0,
0x80, 0x41, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40,
0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x00, 0xC1,
- 76 -
0x81, 0x40, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41,
0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x01, 0xC0,
0x80, 0x41, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40
};
/* Table of CRC values for low-order byte */
const static char uchCRCLo[] = {
0x00, 0xC0, 0xC1, 0x01, 0xC3, 0x03, 0x02, 0xC2, 0xC6, 0x06,
0x07, 0xC7, 0x05, 0xC5, 0xC4, 0x04, 0xCC, 0x0C, 0x0D, 0xCD,
0x0F, 0xCF, 0xCE, 0x0E, 0x0A, 0xCA, 0xCB, 0x0B, 0xC9, 0x09,
0x08, 0xC8, 0xD8, 0x18, 0x19, 0xD9, 0x1B, 0xDB, 0xDA, 0x1A,
0x1E, 0xDE, 0xDF, 0x1F, 0xDD, 0x1D, 0x1C, 0xDC, 0x14, 0xD4,
0xD5, 0x15, 0xD7, 0x17, 0x16, 0xD6, 0xD2, 0x12, 0x13, 0xD3,
0x11, 0xD1, 0xD0, 0x10, 0xF0, 0x30, 0x31, 0xF1, 0x33, 0xF3,
0xF2, 0x32, 0x36, 0xF6, 0xF7, 0x37, 0xF5, 0x35, 0x34, 0xF4,
0x3C, 0xFC, 0xFD, 0x3D, 0xFF, 0x3F, 0x3E, 0xFE, 0xFA, 0x3A,
0x3B, 0xFB, 0x39, 0xF9, 0xF8, 0x38, 0x28, 0xE8, 0xE9, 0x29,
0xEB, 0x2B, 0x2A, 0xEA, 0xEE, 0x2E, 0x2F, 0xEF, 0x2D, 0xED,
0xEC, 0x2C, 0xE4, 0x24, 0x25, 0xE5, 0x27, 0xE7, 0xE6, 0x26,
0x22, 0xE2, 0xE3, 0x23, 0xE1, 0x21, 0x20, 0xE0, 0xA0, 0x60,
0x61, 0xA1, 0x63, 0xA3, 0xA2, 0x62, 0x66, 0xA6, 0xA7, 0x67,
0xA5, 0x65, 0x64, 0xA4, 0x6C, 0xAC, 0xAD, 0x6D, 0xAF, 0x6F,
0x6E, 0xAE, 0xAA, 0x6A, 0x6B, 0xAB, 0x69, 0xA9, 0xA8, 0x68,
0x78, 0xB8, 0xB9, 0x79, 0xBB, 0x7B, 0x7A, 0xBA, 0xBE, 0x7E,
0x7F, 0xBF, 0x7D, 0xBD, 0xBC, 0x7C, 0xB4, 0x74, 0x75, 0xB5,
0x77, 0xB7, 0xB6, 0x76, 0x72, 0xB2, 0xB3, 0x73, 0xB1, 0x71,
0x70, 0xB0, 0x50, 0x90, 0x91, 0x51, 0x93, 0x53, 0x52, 0x92,
0x96, 0x56, 0x57, 0x97, 0x55, 0x95, 0x94, 0x54, 0x9C, 0x5C,
0x5D, 0x9D, 0x5F, 0x9F, 0x9E, 0x5E, 0x5A, 0x9A, 0x9B, 0x5B,
0x99, 0x59, 0x58, 0x98, 0x88, 0x48, 0x49, 0x89, 0x4B, 0x8B,
0x8A, 0x4A, 0x4E, 0x8E, 0x8F, 0x4F, 0x8D, 0x4D, 0x4C, 0x8C,
0x44, 0x84, 0x85, 0x45, 0x87, 0x47, 0x46, 0x86, 0x82, 0x42,
0x43, 0x83, 0x41, 0x81, 0x80, 0x40
};
unsigned char auchCRCHi; /* high CRC byte */
unsigned char auchCRCLo; /* low CRC byte */
// Timer 0 overflow interrupt service routine
interrupt [TIM0_OVF] void timer0_ovf_isr(void)
{
// Reinitialize Timer 0 value
TCNT0=0x00;
// Place your code here
//FWdtPulse(1);
}
// External Interrupt 0 service routine
interrupt [EXT_INT0] void ext_int0_isr(void)
{unsigned int x=0;
}
void main(void)
{
// Reset Source checking
if (MCUCSR & 1)
- 77 -
{
// Power-on Reset
MCUCSR=0;
// Place your code here
//Primeiros Bytes para Reg. de controle: 0=UltimoRegHig#, 1=UltimoRegLow,
2=TempoRegDataLog*, 3=NResetsExternos, 4=NPower-OnReset
//i2c_init();
//TmpBoot=eeprom_read(4);
//if (TmpBoot<253){eeprom_write(4,TmpBoot++);}//4=NPower-OnReset
}
else if (MCUCSR & 2)
{
// External Reset
MCUCSR=0;
// Place your code here
//Primeiros Bytes para Reg. de controle: 0=UltimoRegHig#, 1=UltimoRegLow,
2=TempoRegDataLog*, 3=NResetsExternos, 4=NPower-OnReset
//i2c_init();
///TmpBoot=eeprom_read(3);
//if (TmpBoot<253){eeprom_write(3,TmpBoot++);}//3=NResetsExternos
}
else if (MCUCSR & 4)
{
// Brown-Out Reset
MCUCSR=0;
// Place your code here
}
else
{
// Watchdog Reset
MCUCSR=0;
// Place your code here
};
// Input/Output Ports initialization
// Port A initialization
// Func0=In Func1=In Func2=In Func3=Out Func4=In Func5=In Func6=In Func7=In
// State0=T State1=T State2=T State3=0 State4=T State5=T State6=T State7=T
PORTA=0x00;
DDRA=0x08;
// Port B initialization
// Func0=In Func1=In Func2=In Func3=In Func4=In Func5=In Func6=Out Func7=In
// State0=T State1=T State2=T State3=T State4=T State5=P State6=0 State7=P
PORTB=0xA0;
DDRB=0x40;
// Port C initialization
// Func0=In Func1=In Func2=In Func3=Out Func4=In Func5=In Func6=In Func7=In
// State0=T State1=T State2=T State3=0 State4=T State5=T State6=T State7=T
PORTC=0x00;
DDRC=0x08;
// Port D initialization
// Func0=In Func1=Out Func2=In Func3=Out Func4=In Func5=In Func6=In Func7=In
- 78 -
// State0=T State1=0 State2=P State3=0 State4=P State5=T State6=T State7=T
PORTD=0x14;
DDRD=0x0A;
// Timer/Counter 0 initialization
// Clock source: System Clock
// Clock value: 1000,000 kHz
// Mode: Normal top=FFh
// OC0 output: Disconnected
TCCR0=0x02;
TCNT0=0x30;
OCR0=0x00;
// Timer/Counter 1 initialization
// Clock source: System Clock
// Clock value: Timer 1 Stopped
// Mode: Normal top=FFFFh
// OC1A output: Discon.
// OC1B output: Discon.
// Noise Canceler: Off
// Input Capture on Falling Edge
TCCR1A=0x00;
TCCR1B=0x00;
TCNT1H=0x00;
TCNT1L=0x00;
OCR1AH=0x00;
OCR1AL=0x00;
OCR1BH=0x00;
OCR1BL=0x00;
// Timer/Counter 2 initialization
// Clock source: System Clock
// Clock value: Timer 2 Stopped
// Mode: Normal top=FFh
// OC2 output: Disconnected
ASSR=0x00;
TCCR2=0x00;
TCNT2=0x00;
OCR2=0x00;
// INT0: On
// INT0 Mode: Low level
// INT1: Off
// INT2: Off
GICR|=0x40;
MCUCR=0x00;
MCUCSR=0x00;
GIFR=0x40;
// Timer(s)/Counter(s) Interrupt(s) initialization
TIMSK=0x01;
// Analog Comparator initialization
// Analog Comparator: Off
// Analog Comparator Input Capture by Timer/Counter 1: Off
ACSR=0x80;
SFIOR=0x00;
// ADC initialization
- 79 -
// ADC Clock frequency: 125,000 kHz
// ADC Voltage Reference: AVCC pin
ADMUX=ADC_VREF_TYPE;
ADCSRA=0x85;
//ADCSRA=0x87;
// LCD module initialization
lcd_init(20);
// Watchdog Timer initialization
// Watchdog Timer Prescaler: OSC/2048
//WDTCR=0x0F;
// Global enable interrupts
//#asm("sei")
//delay_ms(1000);
//#asm("cli")
//LeSensor();
// USART initialization
// Communication Parameters: 8 Data, 1 Stop, No Parity
// USART Receiver: On
// USART Transmitter: On
// USART Mode: Asynchronous
// USART Baud rate: 2400
UCSRA=0x00;
UCSRB=0x98;
UCSRC=0x86;
UBRRH=0x00;
UBRRL=0xCF;
lcd_clear();
lcd_putsf(" SISTEMA DE REDE ");
//lcd_putsf("12345678901234567890");
lcd_gotoxy(0,1);
lcd_putsf(" VERSAO 1.00 ");
delay_ms(1500);
lcd_gotoxy(0,0);
lcd_putsf(" TRABALHO CONCLUSAO ");
lcd_gotoxy(0,1);
lcd_putsf(" JOAO MARCELO
delay_ms(1000);
");
#asm("sei")
while(1)
{
crc16(&rx_buffer[0],3);//efetua a cálculo de CRC
if ((rx_buffer[3] == auchCRCLo) & (rx_buffer[4] == auchCRCHi) & (FlagBufferNovo==1))
{
FlagBufferNovo=0;
- 80 -
rx_wr_index=0;
rx_rd_index=0;
rx_counter=0;
rx_buffer_overflow=0;
if (rx_buffer[0]==CPU_Principal)
{
if (SequenciaComando==1)//Leitura de Temperatura
{
Temperatura = rx_buffer[2];
}
if (SequenciaComando==2)//Leitura de Umdade
{
Umidade = rx_buffer[2];
}
if (SequenciaComando<=3)//Incrementa a sequencia de comando
{
SequenciaComando++;
}
else
{
SequenciaComando=1;
}
delay_ms(1000);
lcd_clear();
sprintf(text,"TEMP.:%u UMIDADE:%u",Temperatura,Umidade);
lcd_puts(text);
lcd_gotoxy(0,1);
lcd_putsf(" BUFFER RX OK ");
}
ZeraBuffer();
}
else
{
//Byte2 = Informação (dados): 0=Temperatura ou Desligar relé, 1=Umidade ou Ligar relé,
2=Status(status do relé), 254=CRC Inválido, 255=Comando inválido
if (SequenciaComando==1)//Leitura de temperatura
{
TX_RX = 1;
delay_ms(10);
comunica_rede(CPU_Sensor, 1, 0);//Leitura Temperatura
delay_ms(10);
TX_RX = 0;
lcd_gotoxy(0,1);
lcd_putsf("TX... CPU_Sensor");
}
if (SequenciaComando==2)//Leitura de umidade
{
TX_RX = 1;
delay_ms(10);
comunica_rede(CPU_Sensor, 1, 1);//Leitura Umidade
delay_ms(10);
TX_RX = 0;
lcd_gotoxy(0,1);
- 81 -
lcd_putsf("TX...
CPU_Sensor");
}
if (SequenciaComando==3)//Liga/Desliga SaidaRele1 dependendo da umidade
Umidade
{
if (Umidade <75)//Liga SaidaRele1
{
TX_RX = 1;
delay_ms(10);
comunica_rede(CPU_AcionaRele, 1, 1);//Liga SaidaRele1
delay_ms(10);
TX_RX = 0;
}
else
{
if (Umidade >= 90)//Desliga SaidaRele1
{
TX_RX = 1;
delay_ms(10);
comunica_rede(CPU_AcionaRele, 1, 0);//Desliga SaidaRele1
delay_ms(10);
TX_RX = 0;
}
else
{
if (SequenciaComando<=3)//Incrementa a sequencia de comando
{
SequenciaComando++;
}
else
{
SequenciaComando=1;
}
}
}
lcd_gotoxy(0,1);
lcd_putsf("TX... CPU_AcionaRele");
}
if (SequenciaComando==4)//Liga/Desliga SaidaRele2
{
if (Temperatura > 23)//Liga SaidaRele2
{
TX_RX = 1;
delay_ms(10);
comunica_rede(CPU_AcionaRele, 2, 1);//Liga SaidaRele2
delay_ms(10);
TX_RX = 0;
}
else
{
if (Temperatura <= 18)//Desliga SaidaRele2
{
TX_RX = 1;
delay_ms(10);
comunica_rede(CPU_AcionaRele, 2, 0);//Desliga SaidaRele2
- 82 -
delay_ms(10);
TX_RX = 0;
}
else
{
if (SequenciaComando<=3)//Incrementa a sequencia de comando
{
SequenciaComando++;
}
else
{
SequenciaComando=1;
}
}
}
lcd_gotoxy(0,1);
lcd_putsf("TX... CPU_AcionaRele");
}
//lcd_gotoxy(0,1);
//lcd_putsf(" COMUNICANDO... ");
}
delay_ms(600);
}
}//MAIN
void Reiniciar(void)
{
#asm("RJMP __RESET"); // Reset !!!
}
void comunica_rede(unsigned char CLP, unsigned char Funcao, unsigned char Informacao)
{unsigned int Tmp;
//ENVIA DADOS PARA REDE
tx_buffer[0]=CLP;
tx_buffer[1]=Funcao;
tx_buffer[2]=Informacao;
crc16(&tx_buffer[0],3);//efetua o cálculo de CRC
tx_buffer[3]=auchCRCLo;//Byte3 = Primeiro (High) Byte do digito verificador CRC16 (Cyclic
Redundancy Check)
tx_buffer[4]=auchCRCHi;//Byte4 = Segundo (Low) Byte do digito verificador CRC16 (Cyclic
Redundancy Check)
//tx_buffer[4]=1;//Byte4 = Segundo (Low) Byte do digito verificador CRC16 (Cyclic
Redundancy Check)
for (Tmp=0; Tmp<= 4; Tmp++)//loop para envio do tx_buffer
{
printf("%c",tx_buffer[Tmp]);//envia dados para rede
}
- 83 -
}
void crc16(unsigned char *uchMsg, unsigned short usDataLen)//Função para cálculo de CRC
{
unsigned uIndex ;
/* will index into CRC lookup*/
auchCRCHi = 0xFF; /* high CRC byte */
auchCRCLo = 0xFF; /* low CRC byte */
/* table */
while (usDataLen--)
/* pass through message buffer */
{
uIndex = auchCRCHi ^ *uchMsg++ ; /* calculate the CRC */
auchCRCHi = auchCRCLo ^ uchCRCHi[uIndex] ;
auchCRCLo = uchCRCLo[uIndex] ;
}
}
void ZeraBuffer(void)
{
rx_buffer[0]=0;
rx_buffer[1]=0;
rx_buffer[2]=0;
rx_buffer[3]=0;
rx_buffer[4]=0;
- 84 -
Apêndice C
Programa linguagem C – CPU_Sensor
/*
******** PROTOCOLO EXCLUSIVO DE COMUNICAÇÃO DA REDE *******
Byte0 = Endereço do CLP de destino
Byte1 = Função (comando): 1=Leitura(solicitação de informação) ou SaídaRele1, 2=Escrita(comando
remoto) ou SaídaRele2
Byte2 = Informação (dados): 0=Temperatura ou Desligar relé, 1=Umidade ou Ligar relé,
2=Status(status do relé), 254=CRC Inválido, 255=Comando inválido
Byte3 = Primeiro (High) Byte do digito verificador CRC16 (Cyclic Redundancy Check)
Byte4 = Segundo (Low) Byte do digito verificador CRC16 (Cyclic Redundancy Check)
********* ENDEREÇO DOS CLP´S *********
1 = CPU_Principal
2 = CPU_Sensor
3 = CPU_AcionaRele
*/
#include <mega8.h>
#include <delay.h>
//#include <stdio.h>
#include <math.h>
//#include <sensirion.h>
#define SaidaRele1
#define SaidaRele2
#define LedIndicador
#define TX_RX
PORTB.0
PORTB.1
PORTB.2
PORTB.6
eeprom char CPU_Principal=1;
eeprom char CPU_Sensor=2;
eeprom char CPU_AcionaRele=3;
#define RXB8 1
#define TXB8 0
#define UPE 2
#define OVR 3
#define FE 4
#define UDRE 5
#define RXC 7
#define FRAMING_ERROR (1<<FE)
#define PARITY_ERROR (1<<UPE)
#define DATA_OVERRUN (1<<OVR)
#define DATA_REGISTER_EMPTY (1<<UDRE)
#define RX_COMPLETE (1<<RXC)
//######### VAIAVEIS PARA COMUNICAÇÃO DA REDE ##########
unsigned char tx_buffer[255];//USADO COMO BUFFER PARA ENVIAR PARA REDE
char FlagBufferNovo=0;//Usado para identificar a chegada de novo Buffer
- 85 -
// USART Receiver buffer
#define RX_BUFFER_SIZE 8//tamanho do buffer na rede
char rx_buffer[RX_BUFFER_SIZE];
unsigned char rx_wr_index,rx_rd_index,rx_counter;
// This flag is set on USART Receiver buffer overflow
bit rx_buffer_overflow;
// USART Receiver interrupt service routine
#pragma savereginterrupt [USART_RXC] void usart_rx_isr(void)
{
char status,data;
#asm
push r26
push r27
push r30
push r31
in r26,sreg
push r26
#endasm
status=UCSRA;
data=UDR;
FlagBufferNovo=1;
if ((status & (FRAMING_ERROR | PARITY_ERROR | DATA_OVERRUN))==0)
{
rx_buffer[rx_wr_index]=data;
if (++rx_wr_index == RX_BUFFER_SIZE) rx_wr_index=0;
if (++rx_counter == RX_BUFFER_SIZE)
{
rx_counter=0;
rx_buffer_overflow=1;
};
};
#asm
pop r26
out sreg,r26
pop r31
pop r30
pop r27
pop r26
#endasm
}
#pragma savereg+
#ifndef _DEBUG_TERMINAL_IO_
// Get a character from the USART Receiver buffer
#define _ALTERNATE_GETCHAR_
#pragma used+
char getchar(void)
{
char data;
while (rx_counter==0);
data=rx_buffer[rx_rd_index];
if (++rx_rd_index == RX_BUFFER_SIZE) rx_rd_index=0;
#asm("cli")
--rx_counter;
#asm("sei")
return data;
}
- 86 -
#pragma used#endif
// Standard Input/Output functions
#include <stdio.h>
void Reiniciar(void);
void crc16(unsigned char *uchMsg, unsigned short usDataLen);//Função para cálculo de CRC
void comunica_rede(unsigned char CLP, unsigned char Funcao, unsigned char Informacao);
void ZeraBuffer(void);
//******** FUNÇÕES E VARIÁVEIS DO SENSIRION
//volatile char unidades,dezenas,centenas;
void le_sensirion(void);
unsigned char unidades,dezenas,centenas;
char SHT_WriteByte(unsigned char value);
char SHT_ReadByte(unsigned char ack);
void s_transstart(void);
void s_connectionreset(void);
char s_softreset(void);
char s_measure(unsigned char *p_value, unsigned char *p_checksum, unsigned char mode);
void calc_sth11(float *p_humidity ,float *p_temperature);
//float calc_dewpoint(float h,float t);
char s_write_statusreg(unsigned char *p_value);
//char s_read_statusreg(unsigned char *p_value, unsigned char *p_checksum);
enum {TEMP,HUMI};
typedef union
{ unsigned int i; float f;} value;
sfrb
sfrb
sfrb
PINB = 0x16;
PORTB = 0x18;
DDRB = 0x17;
#define
#define
#define
//#define
#define
#define
SHT_DATA_OUT
SHT_DATA_IN
SHT_SCK
HEAT_SW
noACK 0
ACK
1
//adr command r/w
#define STATUS_REG_W 0x06 //000
#define STATUS_REG_R 0x07 //000
#define MEASURE_TEMP 0x03 //000
#define MEASURE_HUMI 0x05 //000
#define RESET
0x1e //000 1111
DDRC.0
PINC.0
PORTC.1
PINB.2
0011 0
0011 1
0001 1
0010 1
0
value humi_val, temp_val;
unsigned char error, checksum, status;
/* Table of CRC values for high-order byte */
const static unsigned char uchCRCHi[] = {
// Heater On or Off
- 87 -
0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x01, 0xC0,
0x80, 0x41, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41,
0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0,
0x80, 0x41, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40,
0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x00, 0xC1,
0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41,
0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x00, 0xC1,
0x81, 0x40, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41,
0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x01, 0xC0,
0x80, 0x41, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40,
0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x00, 0xC1,
0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40,
0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x01, 0xC0,
0x80, 0x41, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40,
0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0,
0x80, 0x41, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40,
0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x01, 0xC0,
0x80, 0x41, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41,
0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0,
0x80, 0x41, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41,
0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0,
0x80, 0x41, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40,
0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x00, 0xC1,
0x81, 0x40, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41,
0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x01, 0xC0,
0x80, 0x41, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40
};
/* Table of CRC values for low-order byte */
const static char uchCRCLo[] = {
0x00, 0xC0, 0xC1, 0x01, 0xC3, 0x03, 0x02, 0xC2, 0xC6, 0x06,
0x07, 0xC7, 0x05, 0xC5, 0xC4, 0x04, 0xCC, 0x0C, 0x0D, 0xCD,
0x0F, 0xCF, 0xCE, 0x0E, 0x0A, 0xCA, 0xCB, 0x0B, 0xC9, 0x09,
0x08, 0xC8, 0xD8, 0x18, 0x19, 0xD9, 0x1B, 0xDB, 0xDA, 0x1A,
0x1E, 0xDE, 0xDF, 0x1F, 0xDD, 0x1D, 0x1C, 0xDC, 0x14, 0xD4,
0xD5, 0x15, 0xD7, 0x17, 0x16, 0xD6, 0xD2, 0x12, 0x13, 0xD3,
0x11, 0xD1, 0xD0, 0x10, 0xF0, 0x30, 0x31, 0xF1, 0x33, 0xF3,
0xF2, 0x32, 0x36, 0xF6, 0xF7, 0x37, 0xF5, 0x35, 0x34, 0xF4,
0x3C, 0xFC, 0xFD, 0x3D, 0xFF, 0x3F, 0x3E, 0xFE, 0xFA, 0x3A,
0x3B, 0xFB, 0x39, 0xF9, 0xF8, 0x38, 0x28, 0xE8, 0xE9, 0x29,
0xEB, 0x2B, 0x2A, 0xEA, 0xEE, 0x2E, 0x2F, 0xEF, 0x2D, 0xED,
0xEC, 0x2C, 0xE4, 0x24, 0x25, 0xE5, 0x27, 0xE7, 0xE6, 0x26,
0x22, 0xE2, 0xE3, 0x23, 0xE1, 0x21, 0x20, 0xE0, 0xA0, 0x60,
0x61, 0xA1, 0x63, 0xA3, 0xA2, 0x62, 0x66, 0xA6, 0xA7, 0x67,
0xA5, 0x65, 0x64, 0xA4, 0x6C, 0xAC, 0xAD, 0x6D, 0xAF, 0x6F,
0x6E, 0xAE, 0xAA, 0x6A, 0x6B, 0xAB, 0x69, 0xA9, 0xA8, 0x68,
0x78, 0xB8, 0xB9, 0x79, 0xBB, 0x7B, 0x7A, 0xBA, 0xBE, 0x7E,
0x7F, 0xBF, 0x7D, 0xBD, 0xBC, 0x7C, 0xB4, 0x74, 0x75, 0xB5,
0x77, 0xB7, 0xB6, 0x76, 0x72, 0xB2, 0xB3, 0x73, 0xB1, 0x71,
0x70, 0xB0, 0x50, 0x90, 0x91, 0x51, 0x93, 0x53, 0x52, 0x92,
0x96, 0x56, 0x57, 0x97, 0x55, 0x95, 0x94, 0x54, 0x9C, 0x5C,
0x5D, 0x9D, 0x5F, 0x9F, 0x9E, 0x5E, 0x5A, 0x9A, 0x9B, 0x5B,
0x99, 0x59, 0x58, 0x98, 0x88, 0x48, 0x49, 0x89, 0x4B, 0x8B,
0x8A, 0x4A, 0x4E, 0x8E, 0x8F, 0x4F, 0x8D, 0x4D, 0x4C, 0x8C,
0x44, 0x84, 0x85, 0x45, 0x87, 0x47, 0x46, 0x86, 0x82, 0x42,
0x43, 0x83, 0x41, 0x81, 0x80, 0x40
};
unsigned char auchCRCHi; /* high CRC byte */
unsigned char auchCRCLo; /* low CRC byte */
- 88 -
// Timer 0 overflow interrupt service routine
interrupt [TIM0_OVF] void timer0_ovf_isr(void)
{//unsigned char FlagMonitoraTecla=0;
// Reinitialize Timer 0 value
TCNT0=0x30;
// Place your code here
}
// Timer 2 overflow interrupt service routine
interrupt [TIM2_OVF] void timer2_ovf_isr(void)
{
// Reinitialize Timer 2 value
TCNT2=0x30;
// Place your code here
}
void main(void)
{
// Input/Output Ports initialization
// Port B initialization
// Func0=Out Func1=Out Func2=Out Func3=Out Func4=Out Func5=Out Func6=Out Func7=In
// State0=0 State1=0 State2=0 State3=0 State4=0 State5=0 State6=0 State7=P
PORTB=0x80;
DDRB=0x7F;
// Port C initialization
// Func0=In Func1=In Func2=In Func3=In Func4=In Func5=In Func6=Out
// State0=T State1=T State2=T State3=T State4=T State5=T State6=0
PORTC=0x00;
DDRC=0x40;
// Port D initialization
// Func0=In Func1=Out Func2=In Func3=In Func4=In Func5=In Func6=Out Func7=Out
// State0=P State1=0 State2=P State3=P State4=T State5=T State6=0 State7=0
PORTD=0x0D;
DDRD=0xC2;
// Timer/Counter 0 initialization
// Clock source: System Clock
// Clock value: 500,000 kHz
TCCR0=0x02;
TCNT0=0x30;
// Timer/Counter 1 initialization
// Clock source: System Clock
// Clock value: Timer 1 Stopped
// Mode: Normal top=FFFFh
// OC1A output: Discon.
// OC1B output: Discon.
- 89 -
// Noise Canceler: Off
// Input Capture on Falling Edge
TCCR1A=0x00;
TCCR1B=0x00;
TCNT1H=0x00;
TCNT1L=0x00;
OCR1AH=0x00;
OCR1AL=0x00;
OCR1BH=0x00;
OCR1BL=0x00;
// Timer/Counter 2 initialization
// Clock source: System Clock
// Clock value: Timer 2 Stopped
// Mode: Normal top=FFh
// OC2 output: Disconnected
ASSR=0x00;
TCCR2=0x00;
TCNT2=0x00;
OCR2=0x00;
// External Interrupt(s) initialization
// INT0: Off
// INT1: Off
MCUCR=0x00;
// Timer(s)/Counter(s) Interrupt(s) initialization
//TIMSK=0x41;
// Timer(s)/Counter(s) Interrupt(s) initialization
TIMSK=0x05;//1
// Analog Comparator initialization
// Analog Comparator: Off
// Analog Comparator Input Capture by Timer/Counter 1: Off
// Analog Comparator Output: Off
ACSR=0x80;
SFIOR=0x00;
// USART initialization
// Communication Parameters: 8 Data, 1 Stop, No Parity
// USART Receiver: On
// USART Transmitter: On
// USART Mode: Asynchronous
// USART Baud rate: 2400
UCSRA=0x00;
UCSRB=0x98;
UCSRC=0x86;
UBRRH=0x00;
UBRRL=0x67;
// Watchdog Timer initialization
// Watchdog Timer Prescaler: OSC/2048k
//WDTCR=0x1F;
//WDTCR=0x0F;
// Setup Sensibus Pins
PORTC.1
= 0;
// ClockLow
- 90 -
DDRC.1 = 1;
// SCK is an output
PORTC.0 = 0; // Always Zero
// Toggle DDRB.0 for Data
s_transstart();
delay_ms(200);
if (s_softreset())
{
LedIndicador=1;
delay_ms(1500);
LedIndicador=0;
delay_ms(200);
LedIndicador=1;
delay_ms(1500);
LedIndicador=0;
delay_ms(200);
}
s_connectionreset();
// Global enable interrupts
#asm("sei")
while(1)
{
status = 0b00000000; //Leitura normal
le_sensirion();
crc16(&rx_buffer[0],3);//efetua a cálculo de CRC
if ((rx_buffer[3] == auchCRCLo) & (rx_buffer[4] == auchCRCHi) & (FlagBufferNovo==1))
{
FlagBufferNovo=0;
rx_buffer_overflow=0;
rx_wr_index=0;
rx_rd_index=0;
rx_counter=0;
if (rx_buffer[0]==CPU_Sensor)
{
LedIndicador=1;
if (rx_buffer[1]==1 & rx_buffer[2]==0)//Leitura Temperatura
{
TX_RX = 1;
delay_ms(10);
comunica_rede(CPU_Principal, 1, (char)temp_val.f);//CLP, Funcao,
Informacao)
delay_ms(10);
TX_RX = 0;
}
if (rx_buffer[1]==1 & rx_buffer[2]==1)//Leitura Umidade
{
TX_RX = 1;
delay_ms(10);
comunica_rede(CPU_Principal, 1, (char)humi_val.f);//CLP, Funcao,
Informacao)
delay_ms(10);
TX_RX = 0;
- 91 -
}
}
ZeraBuffer();
}
LedIndicador=0;
}
}//MAIN
void Reiniciar(void)
{
#asm("RJMP __RESET"); // Reset !!!
}
void comunica_rede(unsigned char CLP, unsigned char Funcao, unsigned char Informacao)
{unsigned int Tmp;
tx_buffer[0]=CLP;
tx_buffer[1]=Funcao;
tx_buffer[2]=Informacao;
crc16(&tx_buffer[0],3);//efetua a cálculo de CRC
tx_buffer[3]=auchCRCLo;//Byte3 = Primeiro (High) Byte do digito verificador CRC16 (Cyclic
Redundancy Check)
tx_buffer[4]=auchCRCHi;//Byte4 = Segundo (Low) Byte do digito verificador CRC16 (Cyclic
Redundancy Check)
for (Tmp=0; Tmp<= 4; Tmp++)//loop para envio do tx_buffer
{
//printf("%c",0);//envia dados para rede
printf("%c",tx_buffer[Tmp]);//envia dados para rede
}
}
void crc16(unsigned char *uchMsg, unsigned short usDataLen)//Função para cálculo de CRC
{
unsigned uIndex ;
/* will index into CRC lookup*/
auchCRCHi = 0xFF; /* high CRC byte */
auchCRCLo = 0xFF; /* low CRC byte */
/* table */
while (usDataLen--)
/* pass through message buffer */
{
uIndex = auchCRCHi ^ *uchMsg++ ; /* calculate the CRC */
auchCRCHi = auchCRCLo ^ uchCRCHi[uIndex] ;
auchCRCLo = uchCRCLo[uIndex] ;
}
}
void ZeraBuffer(void)
{
rx_buffer[0]=0;
rx_buffer[1]=0;
rx_buffer[2]=0;
rx_buffer[3]=0;
rx_buffer[4]=0;
}
//---------------------------------------------------------------------------------// writes a byte on the Sensibus and checks the acknowledge
- 92 -
//---------------------------------------------------------------------------------char SHT_WriteByte(unsigned char value)
{
unsigned char i,error=0;
for (i=0x80;i>0;i/=2)
//shift bit for masking
{
if (i & value)
SHT_DATA_OUT=0;
//masking value with i , write to SENSI-BUS
else SHT_DATA_OUT=1;
SHT_SCK=1;
//clk for SENSI-BUS
delay_us(50);
//pulswith approx. 5 us
SHT_SCK=0;
}
SHT_DATA_OUT=0;
//release DATA-line
SHT_SCK=1;
//clk #9 for ack
error=SHT_DATA_IN;
//check ack (DATA will be pulled down by SHT11)
SHT_SCK=0;
return error;
//error=1 in case of no acknowledge
}
//---------------------------------------------------------------------------------// reads a byte form the Sensibus and gives an acknowledge in case of "ack=1"
//---------------------------------------------------------------------------------char SHT_ReadByte(unsigned char ack)
{
unsigned char i,val=0;
SHT_DATA_OUT=0;
//release DATA-line
for (i=0x80;i>0;i/=2)
//shift bit for masking
{
SHT_SCK=1;
//clk for SENSI-BUS
if (SHT_DATA_IN) val=(val | i);
//read bit
SHT_SCK=0;
}
SHT_DATA_OUT=ack;
//in case of "ack==1" pull down DATA-Line
SHT_SCK=1;
//clk #9 for ack
delay_us(50);
//pulswith approx. 5 us
SHT_SCK=0;
SHT_DATA_OUT=0;
//release DATA-line
return val;
}
//---------------------------------------------------------------------------------// generates a transmission start
//
_____
________
// DATA:
|_______|
//
___ ___
// SCK : ___| |___| |______
//---------------------------------------------------------------------------------void s_transstart(void)
{
SHT_DATA_OUT=0;
SHT_SCK=0;
//Initial state
delay_us(10);
SHT_SCK=1;
delay_us(10);
SHT_DATA_OUT=1;
delay_us(10);
SHT_SCK=0;
delay_us(50);
SHT_SCK=1;
delay_us(10);
- 93 -
SHT_DATA_OUT=0;
delay_us(10);
SHT_SCK=0;
}
//---------------------------------------------------------------------------------// communication reset: DATA-line=1 and at least 9 SCK cycles followed by transstart
//
_____________________________________________________
________
// DATA:
|_______|
//
_ _ _ _ _ _ _ _ _
___ ___
// SCK : __| |__| |__| |__| |__| |__| |__| |__| |__| |______| |___| |______
//---------------------------------------------------------------------------------void s_connectionreset(void)
{
unsigned char i;
SHT_DATA_OUT=0; SHT_SCK=0;
//Initial state
for(i=0;i<9;i++)
//9 SCK cycles
{
SHT_SCK=1;
delay_us(10);
SHT_SCK=0;
}
s_transstart();
//transmission start
}
//---------------------------------------------------------------------------------// resets the sensor by a softreset
//---------------------------------------------------------------------------------char s_softreset(void)
{
unsigned char error=0;
s_connectionreset();
//reset communication
error+=SHT_WriteByte(RESET);
//send RESET-command to sensor
return error;
//error=1 in case of no response form the sensor
}
//---------------------------------------------------------------------------------// makes a measurement (humidity/temperature) with checksum
//---------------------------------------------------------------------------------char s_measure(unsigned char *p_value, unsigned char *p_checksum, unsigned char mode)
{
unsigned error=0;
unsigned int i;
s_transstart();
//transmission start
switch(mode){
//send command to sensor
case TEMP : error+=SHT_WriteByte(MEASURE_TEMP); break;
case HUMI : error+=SHT_WriteByte(MEASURE_HUMI); break;
default : break;
}
for (i=0;i<65535;i++) if(SHT_DATA_IN==0) break; //wait until sensor has finished the measurement
if(SHT_DATA_IN) error+=1;
// or timeout (~2 sec.) is reached
- 94 -
*(p_value+1) =SHT_ReadByte(ACK); //read the first byte (MSB)
*(p_value) =SHT_ReadByte(ACK); //read the second byte (LSB)
*p_checksum =SHT_ReadByte(noACK); //read checksum
return error;
}
//---------------------------------------------------------------------------------------// calculates temperature [°C] and humidity [%RH]
// input : humi [Ticks] (12 bit)
//
temp [Ticks] (14 bit)
// output: humi [%RH]
//
temp [°C]
//---------------------------------------------------------------------------------------void calc_sth11(float *p_humidity ,float *p_temperature)
{
//float rh=*p_humidity;
// rh:
Humidity [Ticks] 12 Bit
//float t=*p_temperature;
// t:
Temperature [Ticks] 14 Bit
float rh_lin;
// rh_lin: Humidity linear
float rh_true;
// rh_true: Temperature compensated humidity
float t_C;
// t_C : Temperature [°C]
t_C=*p_temperature*0.01 - 40;
//calc. temperature from ticks to [°C]
/*
const float C1=-4.0;
// for 12 Bit
const float C2=+0.0405;
// for 12 Bit
const float C3=-0.0000028;
// for 12 Bit
const float T1=+0.01;
// for 14 Bit @ 5V
const float T2=+0.00008;
// for 14 Bit @ 5V
*/
//rh_lin=C3*(*p_humidity)*(*p_humidity) + C2*(*p_humidity) + C1; //calc. humidity from ticks to
[%RH]
rh_lin=(-0.0000028)*(*p_humidity)*(*p_humidity) + 0.0405*(*p_humidity) + (-4.0); //calc. humidity
from ticks to [%RH]
rh_true=(t_C-25)*(0.01+0.00008*(*p_humidity))+rh_lin; //calc. temperature compensated humidity
[%RH]
if(rh_true>100)rh_true=100;
//cut if the value is outside of
if(rh_true<0.1)rh_true=0.1;
//the physical possible range
*p_temperature=t_C;
*p_humidity=rh_true;
//return temperature [°C]
//return humidity[%RH]
}
/*
//-------------------------------------------------------------------// calculates dew point
// input: humidity [%RH], temperature [°C]
// output: dew point [°C]
//-------------------------------------------------------------------float calc_dewpoint(float h,float t)
{
float logEx,dew_point;
logEx=0.66077+7.5*t/(237.3+t)+(log10(h)-2);
dew_point = (logEx - 0.66077)*237.3/(0.66077+7.5-logEx);
return dew_point;
}
- 95 -
*/
/*
//---------------------------------------------------------------------------------// reads the status register with checksum (8-bit)
//---------------------------------------------------------------------------------char s_read_statusreg(unsigned char *p_value, unsigned char *p_checksum)
{
unsigned char error=0;
s_transstart();
//transmission start
error=SHT_WriteByte(STATUS_REG_R); //send command to sensor
*p_value=SHT_ReadByte(ACK);
//read status register (8-bit)
*p_checksum=SHT_ReadByte(noACK); //read checksum (8-bit)
return error;
//error=1 in case of no response form the sensor
}
*/
//---------------------------------------------------------------------------------// writes the status register with checksum (8-bit)
//---------------------------------------------------------------------------------char s_write_statusreg(unsigned char *p_value)
{
unsigned char error=0;
s_transstart();
//transmission start
error+=SHT_WriteByte(STATUS_REG_W);//send command to sensor
error+=SHT_WriteByte(*p_value); //send value of status register
return error;
//error>=1 in case of no response form the sensor
}
void le_sensirion(void)
{
s_transstart();
error=0;
s_write_statusreg(&status);
error+=s_measure((unsigned char*) &humi_val.i,&checksum,HUMI);
error+=s_measure((unsigned char*) &temp_val.i,&checksum,TEMP);
if(error!=0) s_connectionreset();
else{
humi_val.f=(float)humi_val.i;
//converts integer to float
temp_val.f=(float)temp_val.i;
//converts integer to float
calc_sth11(&humi_val.f,&temp_val.f);
//calculate humidity, temperature
//dew_point=calc_dewpoint(humi_val.f,temp_val.f); //calculate dew point
} //else
}
- 96 -
Apêndice D
Programa linguagem C – CPU_AcionaRele
/*
******** PROTOCOLO EXCLUSIVO DE COMUNICAÇÃO DA REDE *******
Byte0 = Endereço do CLP de destino
Byte1 = Função (comando): 1=Leitura(solicitação de informação) ou SaídaRele1, 2=Escrita(comando
remoto) ou SaídaRele2
Byte2 = Informação (dados): 0=Temperatura ou Desligar relé, 1=Umidade ou Ligar relé,
2=Status(status do relé), 254=CRC Inválido, 255=Comando inválido
Byte3 = Primeiro (High) Byte do digito verificador CRC16 (Cyclic Redundancy Check)
Byte4 = Segundo (Low) Byte do digito verificador CRC16 (Cyclic Redundancy Check)
********* ENDEREÇO DOS CLP´S *********
1 = CPU_Principal
2 = CPU_Sensor
3 = CPU_AcionaRele
*/
#include <mega8.h>
#include <delay.h>
#define SaidaRele1
#define SaidaRele2
#define LedIndicador
#define TX_RX
PORTB.0
PORTB.1
PORTB.2
PORTB.6
eeprom char CPU_Principal=1;
eeprom char CPU_Sensor=2;
eeprom char CPU_AcionaRele=3;
#define RXB8 1
#define TXB8 0
#define UPE 2
#define OVR 3
#define FE 4
#define UDRE 5
#define RXC 7
#define FRAMING_ERROR (1<<FE)
#define PARITY_ERROR (1<<UPE)
#define DATA_OVERRUN (1<<OVR)
#define DATA_REGISTER_EMPTY (1<<UDRE)
#define RX_COMPLETE (1<<RXC)
//######### VAIAVEIS PARA COMUNICAÇÃO DA REDE ##########
char tx_buffer[255];//USADO COMO BUFFER PARA ENVIAR PARA REDE
char FlagBufferNovo=0;//Usado para identificar a chegada de novo Buffer
// USART Receiver buffer
#define RX_BUFFER_SIZE 8//tamanho do buffer na rede
char rx_buffer[RX_BUFFER_SIZE];
unsigned char rx_wr_index,rx_rd_index,rx_counter;
- 97 -
// This flag is set on USART Receiver buffer overflow
bit rx_buffer_overflow;
// USART Receiver interrupt service routine
#pragma savereginterrupt [USART_RXC] void usart_rx_isr(void)
{
char status,data;
#asm
push r26
push r27
push r30
push r31
in r26,sreg
push r26
#endasm
status=UCSRA;
data=UDR;
FlagBufferNovo=1;
if ((status & (FRAMING_ERROR | PARITY_ERROR | DATA_OVERRUN))==0)
{
rx_buffer[rx_wr_index]=data;
if (++rx_wr_index == RX_BUFFER_SIZE) rx_wr_index=0;
if (++rx_counter == RX_BUFFER_SIZE)
{
rx_counter=0;
rx_buffer_overflow=1;
};
};
#asm
pop r26
out sreg,r26
pop r31
pop r30
pop r27
pop r26
#endasm
}
#pragma savereg+
#ifndef _DEBUG_TERMINAL_IO_
// Get a character from the USART Receiver buffer
#define _ALTERNATE_GETCHAR_
#pragma used+
char getchar(void)
{
char data;
while (rx_counter==0);
data=rx_buffer[rx_rd_index];
if (++rx_rd_index == RX_BUFFER_SIZE) rx_rd_index=0;
#asm("cli")
--rx_counter;
#asm("sei")
return data;
}
#pragma used#endif
// Standard Input/Output functions
#include <stdio.h>
- 98 -
void Reiniciar(void);
void crc16(unsigned char *uchMsg, unsigned short usDataLen);//Função para cálculo de CRC
void comunica_rede(unsigned char CLP, unsigned char Funcao, unsigned char Informacao);
void ZeraBuffer(void);
/* Table of CRC values for high-order byte */
const static unsigned char uchCRCHi[] = {
0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x01, 0xC0,
0x80, 0x41, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41,
0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0,
0x80, 0x41, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40,
0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x00, 0xC1,
0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41,
0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x00, 0xC1,
0x81, 0x40, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41,
0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x01, 0xC0,
0x80, 0x41, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40,
0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x00, 0xC1,
0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40,
0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x01, 0xC0,
0x80, 0x41, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40,
0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0,
0x80, 0x41, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40,
0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x01, 0xC0,
0x80, 0x41, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41,
0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0,
0x80, 0x41, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41,
0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0,
0x80, 0x41, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40,
0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x00, 0xC1,
0x81, 0x40, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41,
0x00, 0xC1, 0x81, 0x40, 0x01, 0xC0, 0x80, 0x41, 0x01, 0xC0,
0x80, 0x41, 0x00, 0xC1, 0x81, 0x40
};
/* Table of CRC values for low-order byte */
const static char uchCRCLo[] = {
0x00, 0xC0, 0xC1, 0x01, 0xC3, 0x03, 0x02, 0xC2, 0xC6, 0x06,
0x07, 0xC7, 0x05, 0xC5, 0xC4, 0x04, 0xCC, 0x0C, 0x0D, 0xCD,
0x0F, 0xCF, 0xCE, 0x0E, 0x0A, 0xCA, 0xCB, 0x0B, 0xC9, 0x09,
0x08, 0xC8, 0xD8, 0x18, 0x19, 0xD9, 0x1B, 0xDB, 0xDA, 0x1A,
0x1E, 0xDE, 0xDF, 0x1F, 0xDD, 0x1D, 0x1C, 0xDC, 0x14, 0xD4,
0xD5, 0x15, 0xD7, 0x17, 0x16, 0xD6, 0xD2, 0x12, 0x13, 0xD3,
0x11, 0xD1, 0xD0, 0x10, 0xF0, 0x30, 0x31, 0xF1, 0x33, 0xF3,
0xF2, 0x32, 0x36, 0xF6, 0xF7, 0x37, 0xF5, 0x35, 0x34, 0xF4,
0x3C, 0xFC, 0xFD, 0x3D, 0xFF, 0x3F, 0x3E, 0xFE, 0xFA, 0x3A,
0x3B, 0xFB, 0x39, 0xF9, 0xF8, 0x38, 0x28, 0xE8, 0xE9, 0x29,
0xEB, 0x2B, 0x2A, 0xEA, 0xEE, 0x2E, 0x2F, 0xEF, 0x2D, 0xED,
0xEC, 0x2C, 0xE4, 0x24, 0x25, 0xE5, 0x27, 0xE7, 0xE6, 0x26,
0x22, 0xE2, 0xE3, 0x23, 0xE1, 0x21, 0x20, 0xE0, 0xA0, 0x60,
0x61, 0xA1, 0x63, 0xA3, 0xA2, 0x62, 0x66, 0xA6, 0xA7, 0x67,
0xA5, 0x65, 0x64, 0xA4, 0x6C, 0xAC, 0xAD, 0x6D, 0xAF, 0x6F,
0x6E, 0xAE, 0xAA, 0x6A, 0x6B, 0xAB, 0x69, 0xA9, 0xA8, 0x68,
0x78, 0xB8, 0xB9, 0x79, 0xBB, 0x7B, 0x7A, 0xBA, 0xBE, 0x7E,
0x7F, 0xBF, 0x7D, 0xBD, 0xBC, 0x7C, 0xB4, 0x74, 0x75, 0xB5,
0x77, 0xB7, 0xB6, 0x76, 0x72, 0xB2, 0xB3, 0x73, 0xB1, 0x71,
0x70, 0xB0, 0x50, 0x90, 0x91, 0x51, 0x93, 0x53, 0x52, 0x92,
0x96, 0x56, 0x57, 0x97, 0x55, 0x95, 0x94, 0x54, 0x9C, 0x5C,
0x5D, 0x9D, 0x5F, 0x9F, 0x9E, 0x5E, 0x5A, 0x9A, 0x9B, 0x5B,
0x99, 0x59, 0x58, 0x98, 0x88, 0x48, 0x49, 0x89, 0x4B, 0x8B,
- 99 -
0x8A, 0x4A, 0x4E, 0x8E, 0x8F, 0x4F, 0x8D, 0x4D, 0x4C, 0x8C,
0x44, 0x84, 0x85, 0x45, 0x87, 0x47, 0x46, 0x86, 0x82, 0x42,
0x43, 0x83, 0x41, 0x81, 0x80, 0x40
};
unsigned char auchCRCHi; /* high CRC byte */
unsigned char auchCRCLo; /* low CRC byte */
// Timer 0 overflow interrupt service routine
interrupt [TIM0_OVF] void timer0_ovf_isr(void)
{//unsigned char FlagMonitoraTecla=0;
// Reinitialize Timer 0 value
TCNT0=0x30;
// Place your code here
}
// Timer 2 overflow interrupt service routine
interrupt [TIM2_OVF] void timer2_ovf_isr(void)
{
// Reinitialize Timer 2 value
TCNT2=0x30;
// Place your code here
}
void main(void)
{
// Input/Output Ports initialization
// Port B initialization
// Func0=Out Func1=Out Func2=Out Func3=Out Func4=Out Func5=Out Func6=Out Func7=In
// State0=0 State1=0 State2=0 State3=0 State4=0 State5=0 State6=0 State7=P
PORTB=0x80;
DDRB=0x7F;
// Port C initialization
// Func0=In Func1=In Func2=In Func3=In Func4=In Func5=In Func6=In
// State0=T State1=T State2=T State3=T State4=T State5=T State6=T
PORTC=0x00;
DDRC=0x00;
// Port D initialization
// Func0=In Func1=Out Func2=In Func3=In Func4=In Func5=In Func6=Out Func7=Out
// State0=P State1=0 State2=P State3=P State4=T State5=T State6=0 State7=0
PORTD=0x0D;
DDRD=0xC2;
// Timer/Counter 0 initialization
// Clock source: System Clock
// Clock value: 500,000 kHz
TCCR0=0x02;
TCNT0=0x30;
// Timer/Counter 1 initialization
// Clock source: System Clock
- 100 -
// Clock value: Timer 1 Stopped
// Mode: Normal top=FFFFh
// OC1A output: Discon.
// OC1B output: Discon.
// Noise Canceler: Off
// Input Capture on Falling Edge
TCCR1A=0x00;
TCCR1B=0x00;
TCNT1H=0x00;
TCNT1L=0x00;
OCR1AH=0x00;
OCR1AL=0x00;
OCR1BH=0x00;
OCR1BL=0x00;
// Timer/Counter 2 initialization
// Clock source: System Clock
// Clock value: 3,906 kHz
// Mode: Normal top=FFh
// OC2 output: Disconnected
ASSR=0x00;
TCCR2=0x07;
TCNT2=0x30;
OCR2=0x00;
// External Interrupt(s) initialization
// INT0: Off
// INT1: Off
MCUCR=0x00;
// Timer(s)/Counter(s) Interrupt(s) initialization
TIMSK=0x41;
// Analog Comparator initialization
// Analog Comparator: Off
// Analog Comparator Input Capture by Timer/Counter 1: Off
// Analog Comparator Output: Off
ACSR=0x80;
SFIOR=0x00;
// USART initialization
// Communication Parameters: 8 Data, 1 Stop, No Parity
// USART Receiver: On
// USART Transmitter: On
// USART Mode: Asynchronous
// USART Baud rate: 2400
UCSRA=0x00;
UCSRB=0x98;
UCSRC=0x86;
UBRRH=0x00;
UBRRL=0x67;
// Watchdog Timer initialization
// Watchdog Timer Prescaler: OSC/2048k
//WDTCR=0x1F;
//WDTCR=0x0F;
// Global enable interrupts
#asm("sei")
//Carregador=1;
- 101 -
while(1)
{
crc16(&rx_buffer[0],3);//efetua a cálculo de CRC
if ((rx_buffer[3] == auchCRCLo) & (rx_buffer[4] == auchCRCHi) & (FlagBufferNovo==1))
{
FlagBufferNovo=0;
rx_buffer_overflow=0;
rx_wr_index=0;
rx_rd_index=0;
rx_counter=0;
if (rx_buffer[0]==CPU_AcionaRele)
{
LedIndicador=1;
//Byte2 = Informação (dados): 0=Temperatura ou Desligar relé, 1=Umidade ou Ligar relé,
2=Status(status do relé), 254=CRC Inválido, 255=Comando inválido
if (rx_buffer[1]==1 & rx_buffer[2]==0)//Desliga SaidaRele1
{
TX_RX = 1;
delay_ms(10);
comunica_rede(CPU_Principal, 2, 0);//Retorna o mesmo comando
para CPU_Principal entender que o comando foi aceito
delay_ms(10);
TX_RX = 0;
SaidaRele1=0;
}
if (rx_buffer[1]==1 & rx_buffer[2]==1)//Liga SaidaRele1
{
TX_RX = 1;
delay_ms(10);
comunica_rede(CPU_Principal, 2, 1);//Retorna o mesmo comando
para CPU_Principal entender que o comando foi aceito
delay_ms(10);
TX_RX = 0;
SaidaRele1=1;
}
if (rx_buffer[1]==2 & rx_buffer[2]==0)//Desliga SaidaRele2
{
TX_RX = 1;
delay_ms(10);
comunica_rede(CPU_Principal, 2, 0);//Retorna o mesmo comando
para CPU_Principal entender que o comando foi aceito
delay_ms(10);
TX_RX = 0;
SaidaRele2=0;
}
if (rx_buffer[1]==2 & rx_buffer[2]==1)//Liga SaidaRele2
{
TX_RX = 1;
delay_ms(10);
comunica_rede(CPU_Principal, 2, 1);//Retorna o mesmo comando
para CPU_Principal entender que o comando foi aceito
delay_ms(10);
TX_RX = 0;
SaidaRele2=1;
}
}
- 102 -
ZeraBuffer();
}
if (LedIndicador==1)//delay para visualização do LedIndicador
{
//delay_ms(50);
LedIndicador=0;
}
}
}//MAIN
void Reiniciar(void)
{
#asm("RJMP __RESET"); // Reset !!!
}
void comunica_rede(unsigned char CLP, unsigned char Funcao, unsigned char Informacao)
{unsigned int Tmp;
tx_buffer[0]=CLP;
tx_buffer[1]=Funcao;
tx_buffer[2]=Informacao;
crc16(&tx_buffer[0],3);//efetua a cálculo de CRC
tx_buffer[3]=auchCRCLo;//Byte3 = Primeiro (High) Byte do digito verificador CRC16 (Cyclic
Redundancy Check)
tx_buffer[4]=auchCRCHi;//Byte4 = Segundo (Low) Byte do digito verificador CRC16 (Cyclic
Redundancy Check)
for (Tmp=0; Tmp<= 4; Tmp++)//loop para envio do tx_buffer
{
//printf("%c",0);//envia dados para rede
printf("%c",tx_buffer[Tmp]);//envia dados para rede
}
}
void crc16(unsigned char *uchMsg, unsigned short usDataLen)//Função para cálculo de CRC
{
unsigned uIndex ;
/* will index into CRC lookup*/
auchCRCHi = 0xFF; /* high CRC byte */
auchCRCLo = 0xFF; /* low CRC byte */
/* table */
while (usDataLen--)
/* pass through message buffer */
{
uIndex = auchCRCHi ^ *uchMsg++ ; /* calculate the CRC */
auchCRCHi = auchCRCLo ^ uchCRCHi[uIndex] ;
auchCRCLo = uchCRCLo[uIndex] ;
}
}
void ZeraBuffer(void)
{
rx_buffer[0]=0;
rx_buffer[1]=0;
rx_buffer[2]=0;
rx_buffer[3]=0;
rx_buffer[4]=0;
}
Was this manual useful for you? yes no
Thank you for your participation!

* Your assessment is very important for improving the work of artificial intelligence, which forms the content of this project

Download PDF

advertisement