bares e restaurantes 02

bares e restaurantes 02
7ª PROVA - 27/03/08
Florido Manuel Nunez Vaz Martins
USO EFICIENTE DE ENERGIA
EM COMÉRCIO LOJISTA
Rio de Janeiro, 2008
2008, SEBRAE/RJ
Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Estado do Rio de Janeiro
Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste material pode ser reproduzida,
sob qualquer forma, sem prévia autorização do SEBRAE/RJ
Trabalho elaborado no âmbito da Cooperação Técnica-financeira entre Eletrobrás/PROCEL e SEBRAE/RJ no
desenvolvimento de Ações integrantes do Programa Nacional de Conservação de Energia.
SEBRAE/RJ
Presidente do Conselho Deliberativo Estadual - Orlando Diniz
Diretor-superintendente - Sergio Malta
Diretores - Evandro Peçanha Alves
Cezar Vasquez
Coordenação Editorial
Assessoria de Comunicação e Marketing
INT - INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA
Atualização
ELETROBRÁS/PROCEL
Presidente - José Antônio Muniz Lopes
Diretor de Projetos Especiais e Desenvolvimento Tecnológico e Industrial - Ubirajara Rocha Meira
Chefe Interino do Departamento de Desenvolvimento de Projetos Especiais - Fernando Pinto Dias Perrone
Chefe Interino da Divisão de Desenvolvimento de Projetos Setoriais de Eficiência Energética - Vanda Alves dos Santos
AUTOR
Florido Manuel Nunez Vaz Martins
EXECUÇÃO
Contemporânea
Márcio Fructuoso - Projeto Gráfico e Diagramação
Mário Proença - Ilustração
Lucíola Medeiros Brasil - Revisão Gramatical
M375u Martins, Florido Manoel Nunes Vaz
Uso eficiente de energia no comércio logista / Florido
Manoel Nunes Vaz Martins. - Rio de Janeiro : Sebrae/RJ, 2008.
68 p.
ISBN 85-7714-145-4
1. Consumo de energia. 2. Comércio varejista. I. Título.
CDU 620.9:339.176
SUMÁRIO
1. APRESENTAÇÃO .................................................................................................................................... 5
2. INTRODUÇÃO ......................................................................................................................................... 6
3. RELACIONE-SE BEM COM A SUA CONCESSIONÁRIA ............................................................................. 7
3.1. ASPECTOS GERAIS DA SUA CONTA DE LUZ ......................................................................................... 8
3.2. CALCULANDO O VALOR A SER PAGO ..................................................................................................... 9
3.3. CONFERINDO A LEITURA NO SEU RELÓGIO ........................................................................................ 10
4. A INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE SUA LOJA ............................................................................................. 14
4.1. OS CIRCUITOS DA SUA INSTALAÇÃO ELÉTRICA ................................................................................. 14
4.2. FUGA DE CORRENTE ............................................................................................................................ 15
4.3.”DICAS” SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ......................................................................................... 16
5. A ILUMINAÇÃO EM SUA LOJA ............................................................................................................ 21
5.1. REQUISITOS PARA UM BOM SISTEMA DE ILUMINAÇÃO .................................................................... 21
5.2. CONCEITOS DE LUMINOTÉCNICA ....................................................................................................... 22
5.3. A ILUMINAÇÃO MELHORANDO AS SUAS VENDAS ............................................................................. 23
5.4. OS NÍVEIS DE ILUMINÂNCIA RECOMENDADOS PARA SUA LOJA ...................................................... 25
5.5. CARACTERÍSTICAS DAS LÂMPADAS .................................................................................................. 26
5.6. TIPOS DE LÂMPADAS .......................................................................................................................... 28
5.7. PROBLEMAS MAIS COMUNS OCORRIDOS COM LÂMPADAS ............................................................. 33
5.8. TIPOS DE LUMINÁRIAS ....................................................................................................................... 35
5.9. OS REATORES ...................................................................................................................................... 38
5.10. “DICAS” SOBRE ILUMINAÇÃO ........................................................................................................... 41
6. O AR CONDICIONADO PODE “ESQUENTAR” AS SUAS VENDAS ............................................................ 45
6.1. COMO ESCOLHER O MELHOR AR CONDICIONADO PARA A SUA LOJA ............................................... 45
6.2. COMO INSTALAR O SEU APARELHO DE AR CONDICIONADO .............................................................. 47
6.3. DEFEITOS MAIS COMUNS OCORRIDOS EM CONDICIONADORES DE AR ........................................... 50
6.4.“DICAS” SOBRE O SEU APARELHO DE AR CONDICIONADO ................................................................. 52
CONSULTAS SUGERIDAS ......................................................................................................................... 54
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .............................................................................................................. 55
CONSIDERAÇÕES GERAIS ........................................................................................................................ 55
ANEXOS ................................................................................................................................................... 57
TABELA 1 - TABELA DE PRODUTOS ARMAZENADOS .................................................................................. 59
TABELA 2 - CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS LUMINÁRIAS ...................................................................... 64
TABELA 3 - PRINCIPAIS TIPOS DE LÂMPADA .............................................................................................. 65
3
COMÉRCIO LOGISTA
1. APRESENTAÇÃO
Durante muitos anos, o homem utilizou a energia sem se preocupar muito com os seus
custos. Durante todo esse tempo, diversas atitudes, hoje consideradas erradas, foram tomadas, causando desperdícios e elevando as despesas em todos os segmentos de nossa
economia.
No caso do comércio lojista, em especial, verificava-se que o custo da energia não preocupava muito, visto que ele era representado, quase sempre, apenas pelo consumo nos
sistemas de iluminação e de refrigeração.
Hoje, porém, a situação mudou e, no mundo todo, o consumo excessivo de energia vem
sendo combatido de forma enérgica e, às vezes, até mesmo agressiva pelos governos e
ONGs (Organizações Não Governamentais). Diversos programas vêm sendo desenvolvidos
em nível internacional, com o intuito de conscientizar a população do quanto é importante
usar-se a energia de forma eficiente, isto é, de maneira que se diminua o consumo sem
que haja qualquer prejuízo nos níveis de conforto, segurança e produtividade.
No Brasil, a preocupação da sociedade com a redução do consumo de energia (em especial a elétrica, que é a mais utilizada no comércio lojista) foi concretizada apenas em 1985,
com a criação do PROCEL (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica). O
PROCEL foi criado no âmbito do Ministério das Minas e Energia, com a finalidade de definir
estratégias e mobilizar os vários segmentos da sociedade para que se possa levar a todas
as pessoas a importância do uso eficiente da energia elétrica.
O objetivo do PROCEL é combater e tentar diminuir o desperdício de energia elétrica, que
no Brasil atinge 17% do que é gerado anualmente, representando R$ 1,6 bilhões de prejuízo por ano. Ao compararmos a oferta de energia elétrica com o seu consumo na região
Sudeste (na qual o Estado do Rio de Janeiro se encontra), verificamos que a situação é
bastante preocupante. Dos 42,5 MW de energia ofertados na região Sudeste, 40,5 MW são
consumidos, o que representa mais de 95%. Com esses números, procuramos mostrar
que a economia de energia poderá não apenas diminuir os custos da sua loja, mas também evitar que um dia todos tenhamos de sofrer com o racionamento, o que, sem dúvida,
trará prejuízos muito maiores para toda a sociedade.
5
COMÉRCIO LOGISTA
2. INTRODUÇÃO
Este trabalho foi elaborado a partir da experiência adquirida na execução de diagnósticos
energéticos realizados no comércio lojista. Ao final da realização desses diagnósticos,
pudemos constatar que esse tipo de comércio utiliza a energia elétrica quase que totalmente na iluminação e em aparelhos de ar condicionado. Cabe também salientar que hoje
em dia é cada vez maior o número de lojas que se equipam com aparelhos de ar condicionado e que esse conforto oferecido é levado em consideração, na maioria das vezes,
quando em dias muito quentes, o cliente tem a opção de escolher o estabelecimento
comercial em que vai adquirir algum produto.
Na realização dos diagnósticos energéticos acima citados, foram observados os níveis de
iluminamento nas lojas e as condições da refrigeração artificial (quando era o caso), assim
como o estado geral das instalações elétricas do estabelecimento comercial. Ao fazermos
uma avaliação do custo da energia elétrica, constatamos que ela representa, em alguns
casos, 9% das despesas totais de uma loja. Vale lembrar que esse percentual poderá
crescer, visto que as tarifas de energia elétrica deverão sofrer aumentos.
Procurando, portanto, abordar os itens que representam a maior parcela de consumo de
energia elétrica no comércio lojista, dividimos este manual em quatro partes: na primeira,
mostramos como você deve proceder para relacionar-se com a sua concessionária de energia e, também, alguns aspectos da sua conta de energia fornecida mensalmente; na segunda
parte, damos algumas sugestões sobre como você deve executar e fazer a manutenção das
instalações elétricas de sua loja; na terceira parte, abordamos a iluminação em uma loja,
mostrando os vários tipos de lâmpadas e luminárias existentes no mercado, assim como
algumas de suas características; finalmente, na quarta parte, procuramos mostrar como o ar
condicionado pode ajudá-lo a melhorar as suas vendas e como você deve proceder no momento de escolher o aparelho mais adequado e as maneiras corretas de instalá-lo e fazer a
manutenção de forma que se tire dele o maior proveito com o menor custo.
Ao longo deste manual, você terá várias informações importantes (“dicas”) que poderão ser
aplicadas no seu dia-a-dia, visando à redução dos custos com a energia elétrica de sua loja.
6
USO EFICIENTE DE ENERGIA
3. RELACIONE-SE BEM COM A SUA CONCESSIONÁRIA
No Estado do Rio de Janeiro, a distribuição de energia elétrica é feita por duas concessionárias: a LIGHT
– Serviços de Eletricidade S/A e a AMPLA – Energia e Serviços S/A. Dependendo do município em
que sua loja se encontra localizada, você é atendido por uma dessas duas empresas e é importante
que saiba como proceder sempre que necessitar
dos seus serviços.
Lembre-se de que na sua conta existe o número de um telefone para você se comunicar
com a sua concessionária em casos de urgência; tenha esse número sempre à mão e useo quando for necessário.
Abaixo, mostramos algumas situações que normalmente ocorrem com os consumidores e
como você deve proceder nesses momentos para relacionar-se com a sua concessionária:
1. NECESSIDADE DE AUMENTO DE CARGA
Quando fizer grandes aumentos de carga (instalação de novos equipamentos), você deverá
comunicar o fato à concessionária para que ela redimensione a sua rede de forma que se
mantenha um bom nível de fornecimento.
2. QUANDO HOUVER INTERRUPÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA
A interrupção de energia elétrica pode ser ocasionada por:
PROGRAMAÇÃO DA CONCESSIONÁRIA
Neste caso, a concessionária tem a obrigação de comunicar aos consumidores que o
fornecimento será interrompido com uma antecedência de, no mínimo, 72 horas. Esta comunicação terá de ser feita por meio de emissoras de rádio ou pelos jornais.
7
COMÉRCIO LOGISTA
ACIDENTE NA REDE
Se o fornecimento de energia foi interrompido sem que houvesse prévia comunicação da
concessionária, poderá ter ocorrido algum acidente na rede; procure comunicar o fato imediatamente à concessionária pelo número do telefone de emergência para que o problema
possa ser resolvido o mais rápido possível.
PROBLEMAS NA SUA INSTALAÇÃO ELÉTRICA
Este é um problema que, ao ser averiguado, requer bastante cuidado para que se evitem
acidentes ou prejuízos materiais. Normalmente, é preferível chamar um profissional
especializado, porém, existem algumas atitudes que você mesmo poderá tomar:
Desligue a chave geral (ou o disjuntor geral) de sua loja.
Verifique se há algum fusível queimado ou disjuntor desarmado.
Em caso afirmativo, substitua o fusível queimado ou religue o disjuntor desarmado.
Observe se o problema volta a ocorrer.
Em caso negativo, isto é, se o fornecimento de energia for restabelecido, o problema
estará resolvido.
Se ao religar a chave geral (ou disjuntor geral) e, novamente, o fornecimento for interrompido, isso significa que deverá haver algum curto-circuito ou sobrecarga na sua
instalação elétrica. Recomendamos que, nesse caso, você peça a ajuda de algum
profissional para sanar o problema.
3.1. ASPECTOS GERAIS DA SUA CONTA DE LUZ
Quando você recebe a sua conta de luz, talvez se preocupe apenas com o valor a ser pago
e com a data de vencimento; as outras informações constantes, na maioria das vezes, não
despertam o interesse das pessoas e transformam-se em uma série de números aparente-
8
USO EFICIENTE DE ENERGIA
mente sem importância. Nesta parte deste manual, vamos procurar mostrar-lhe alguns
dados importantes da sua conta e ajudá-lo a compreendê-los e tirar o melhor proveito
deles.
Inicialmente, é importante você conhecer os critérios estabelecidos pelo Ministério das
Minas e Energia para efetuar a cobrança de energia. Para efeito de faturamento, os consumidores foram divididos em dois grandes grupos, a saber:
GRUPO A: é formado por consumidores alimentados em Alta Tensão, isto é, aquela que
seja igual ou superior a 2.300 volts;
GRUPO B: é formado por consumidores alimentados em Baixa Tensão, isto é, aquela que
seja inferior a 2.300 volts.
Vamos nos preocupar apenas com os consumidores do Grupo B, que é aquele em que
você está enquadrado. Neste grupo, as tarifas foram divididas em várias classes, de acordo com o setor da economia no qual o consumidor está enquadrado: residencial, comercial
e de serviços, industrial e rural.
A partir de agora, iremos apenas tratar dos consumidores do Grupo B, classificados como
comerciais, que é aquele em que a grande maioria (quase a totalidade) das lojas se enquadra.
3.2. CALCULANDO O VALOR A SER PAGO
Você já deve ter percebido que a sua conta é
cobrada em função do consumo de quilowatthora (kWh). Mas o que é isso? Os quilowatts-hora
representam o produto das potências dos equipamentos utilizados pelo tempo durante o qual
eles estiveram ligados.
Verifique a potência de um determinado aparelho de sua loja; geralmente, esse valor está escrito
em uma placa fixada no próprio aparelho. Caso
esse valor esteja dimensionado em watts (W),
divida-o por 1.000 para transformá-lo em
9
COMÉRCIO LOGISTA
quilowatts (kW); se o valor estiver em HP ou em CV, multiplique-o por 0,75. Calcule, aproximadamente, o tempo em horas durante o qual o aparelho fica ligado durante o mês.
Finalmente, multiplique esse tempo (em horas) pela potência do aparelho (em kW) e pelo
valor cobrado pela concessionária por cada quilowatt-hora, acrescentando também o ICMS.
Você saberá, então, quanto custa manter esse aparelho ligado durante um mês.
Podemos, de uma maneira bem simples, afirmar que esse é o método utilizado para calcular o valor cobrado pela concessionária aos seus consumidores.
Vamos resumir o que foi dito a respeito do cálculo de sua conta, apresentando a seguinte fórmula:
VC = (P x T x C) + ICMS
VC = Valor a ser cobrado
P = Potência em kW
T = Tempo em horas
C = Custo do kWh, cobrado pela concessionária
3.3. CONFERINDO A LEITURA NO SEU RELÓGIO
Você já deve saber que a concessionária controla o seu
consumo de energia elétrica pelas medições mensais
feitas no relógio localizado na sua loja. Essa leitura é
fácil e você poderá aprender a fazê-la de maneira que
se possam controlar os seus gastos e verificar em que
itens é possível diminuir o seu consumo.
As concessionárias adotam dois tipos de medidores
de energia elétrica (conhecidos como relógios de luz):
MEDIDOR CICLOMÉTRICO: É aquele em que a medição é feita diretamente por uma
simples leitura, conforme é mostrado na figura abaixo:
Figura 1 - Medidor Ciclométrico
10
USO EFICIENTE DE ENERGIA
Esse tipo de medidor apresenta cinco divisões, cada uma contendo um número que gira
movido por um sistema de engrenagens. Para que você saiba qual foi o seu consumo,
basta fazer a leitura no mês corrente (leitura atual) e subtrair esse valor da leitura do mês
anterior (leitura anterior). O resultado terá de ser multiplicado pela constante que é informada na sua conta . Para que esse sistema de controle tenha maior eficácia, sugerimos que
você efetue as leituras no mesmo dia da visita do funcionário da concessionária. Você
poderá, então, guardar o resultado do mês e conferir com o consumo medido pela concessionária. Para que o processo de leitura usando o medidor ciclométrico fique mais claro,
apresentamos abaixo um exemplo que poderá esclarecer possíveis dúvidas:
Exemplo:
Leitura Anterior: 58608
Leitura Atual:
58834
Constante: 1
Fazendo a subtração entre as duas leituras (58834 - 58608) e multiplicando o resultado pela
constante informada na conta (constante = 1), concluímos que o consumo foi de 226kWh.
MEDIDOR DE PONTEIROS: Esse é o tipo de medidor mais comum; nele existem quatro
ponteiros que giram, conforme é mostrado na figura número 2.
Figura 2 - Medidor de Ponteiros
Observando a numeração, você verificará que os ponteiros giram alternadamente nos sentidos horário e anti-horário. Para fazer a medição do seu consumo, você deve observar a
posição dos ponteiros, fazendo a leitura da esquerda para a direita. O processo básico é o
mesmo utilizado no medidor ciclométrico, isto é, faz-se a leitura do mês corrente (leitura
atual) e subtrai-se da leitura do mês anterior (leitura anterior), multiplicando-se, então, o
resultado pela constante que é informada na sua conta de luz. Abaixo, apresentamos um
exemplo de medição usando o medidor de ponteiros.
11
COMÉRCIO LOGISTA
Exemplo:
Leitura Anterior:4739
Leitura Atual:
4958
Constante: 1
Subtraindo-se a leitura atual da anterior (4958 - 4739) e multiplicando-se o resultado pela constante (1), encontramos o resultado (219kWh) que é o consumo de energia elétrica no mês corrente.
Se você quiser, poderá fazer o controle do seu consumo diariamente. Nesse caso, você
deverá se acostumar a fazer a leitura no seu relógio sempre no mesmo horário (por exemplo: no momento do fechamento da loja). Crie uma tabela semelhante à apresentada na
figura abaixo e procure anotar os equipamentos que estiveram ligados naquele dia. Assim,
quando houver uma elevação no consumo de energia, você terá condições de saber quais
os equipamentos que provocaram esse aumento e tomar decisões para evitar que isso
venha a ocorrer novamente.
TABELA PARA CONTROLE DIÁRIO DE CONSUMO DE ENERGIA
Tabela n.° 1 - Controle diário de consumo de energia
Mês
DIA
LEITURA 1
LEITURA 2
CONSUMO
EQUIPAMENTOS
Na primeira coluna, escreva os dias do mês; na segunda e na terceira colunas, coloque,
respectivamente, as leituras feitas no dia anterior e no dia corrente; subtraia a leitura 1 da
leitura 2 e anote o resultado na terceira coluna; esse resultado refere-se ao consumo verificado naquele dia. Finalmente, na última coluna, anote os equipamentos que permaneceram
ligados durante aquele dia.
12
USO EFICIENTE DE ENERGIA
Não se esqueça: quando, em um determinado dia, você verificar um aumento exagerado
de consumo, procure analisar os equipamentos que estiveram ligados e considere a hipótese de evitar usá-los ou, em último caso, estude a possibilidade de os substituir por outros
mais econômicos. Lembre-se de que hoje já existem equipamentos de todos os tipos que
buscam a economia de energia elétrica. Se você tiver alguma dúvida sobre a vantagem de
substituir algum dos seus equipamentos por outro mais econômico, consulte um profissional especializado e ele, certamente, saberá esclarecê-lo.
13
COMÉRCIO LOGISTA
4. A INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE SUA LOJA
Para que uma Instalação Elétrica venha a atender
a todas as exigências de segurança e proporcionar uma boa economia no consumo de energia,
é necessário que ela seja projetada e executada
por profissionais credenciados. Uma Instalação
Elétrica mal projetada ou executada de forma irregular poderá vir a trazer-lhe grandes prejuízos
e aborrecimentos.
Se a Instalação Elétrica de sua loja apresentar perdas acima do normal, com certeza, você
estará desperdiçando energia; para evitarmos essas perdas ou reduzirmos os seus valores
em níveis aceitáveis, é necessário que a fiação esteja bem dimensionada e que os circuitos
estejam equilibrados. Com isso, além de não permitirmos perdas desnecessárias, estaremos também evitando curtos-circuitos nas Instalações Elétricas.
Você também deverá criar o hábito de, pelo menos uma vez por ano, fazer uma manutenção preventiva em suas Instalações Elétricas de forma que se preserve o seu bom
funcionamento e se evitem danos aos equipamentos nela ligados.
Um dos problemas mais comuns ocorre quando da aquisição de novos equipamentos;
geralmente, desfigura-se por completo o projeto original da Instalação Elétrica para que se
possa instalar o equipamento adquirido. Normalmente, fazem-se extensões e emendas
sem o menor critério técnico, o que acaba causando grande desperdício de energia, além
da possibilidade de provocar curtos-circuitos. Vale a pena lembrar que as estatísticas mostram que a grande maioria dos incêndios em estabelecimentos comerciais foi provocada
por curtos-circuitos nas Instalações Elétricas.
4.1. OS CIRCUITOS DA SUA INSTALAÇÃO ELÉTRICA
A Instalação Elétrica da sua loja está dividida em partes, cada uma delas chamada de
circuito. Para o seu bom funcionamento, é necessário que cada circuito tenha o seu próprio
dispositivo de proteção (fusível ou disjuntor).
14
USO EFICIENTE DE ENERGIA
Para evitar perdas excessivas de energia, assim como para garantir a segurança do seu
patrimônio, é necessário que os círcuitos estejam bem dimensionados, isto é, que a fiação usada seja a adequada e que os dispositivos de proteção sejam os apropriados para a
carga instalada.
Nas instalações trifásicas, deve-se levar em consideração também o equilíbrio entre as fases.
Este equilíbrio é conseguido dividindo-se as cargas a serem instaladas igualmente pelas três
fases (ou aproximadamente iguais), evitando-se assim que um determinado fio sofra aquecimento exagerado enquanto os outros permanecem com a sua temperatura normal.
4.2. FUGA DE CORRENTE
Fios desencapados, emendas malfeitas e defeitos nos equipamentos são os maiores motivos das fugas de corrente. Essas fugas trazem grandes perdas de energia, mas podem ser
diagnosticadas com bastante facilidade. Se você desconfiar que existem fugas de corrente
na instalação ou em algum equipamento de sua loja, siga os seguintes procedimentos:
FUGA DE CORRENTE NA SUA INSTALAÇÃO ELÉTRICA
Mantenha a chave geral ligada (ou o disjuntor geral).
Desligue todos os equipamentos, inclusive a iluminação.
Verifique se o disco do medidor está girando.
Caso o disco esteja girando, provavelmente, há fuga de corrente; uma outra possibilidade é um defeito no relógio.
Para tirar a dúvida sobre a origem do problema, desligue a chave geral (ou o disjuntor geral).
Se o disco continuar girando, o defeito é do medidor; nesse caso, chame a concessionária para que o medidor seja trocado.
Se o disco parar de girar, o problema é na Instalação Elétrica de sua loja; peça o auxílio
de um profissional credenciado.
15
COMÉRCIO LOGISTA
FUGA DE CORRENTE EM EQUIPAMENTOS
Mantenha a chave geral ligada (ou o disjuntor geral).
Desligue todos os equipamentos.
Ligue na tomada um equipamento de cada vez, deixando-o desligado no seu interruptor e observe o disco do medidor.
Caso o disco do medidor comece a girar, isso significa que aquele equipamento está
com defeito.
4.3.”DICAS” SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
A seguir, vamos apresentar algumas informações (“dicas”) que poderão ajudá-lo a garantir
a sua segurança e, também, evitar prejuízos quando você tiver de executar ou modificar a
Instalação Elétrica de sua loja. Essas informações são simples e podem ser adotadas no
seu dia-a-dia, evitando que você possa vir a ter prejuízos e garantindo a sua segurança e
daqueles que freqüentam a sua loja.
Prefira chamar um profissional habilitado para executar ou fazer qualquer modificação na sua Instalação Elétrica.
Os fios utilizados deverão sempre estar acondicionados em tubulações; as tubulações mais comuns admitidas pelas Normas Brasileiras para uso em Instalações Elétricas
são: conduítes, eletrodutos, calhas e canaletas.
Você deve ter todos os cuidados para não tomar choques; quando precisar trocar lâmpadas ou bocais, ou ainda mexer em
qualquer ponto da rede elétrica, desligue antes todos os
disjuntores.
Ao fazer qualquer serviço, mesmo com os disjuntores desligados, use sempre ferramentas isolantes; previna-se usando sapatos com sola de borracha e jamais esteja
com o corpo molhado.
16
USO EFICIENTE DE ENERGIA
O número de tomadas necessárias deve ser determinado no projeto da Instalação
Elétrica, de forma que, mais tarde, sejam evitadas as extensões.
Jamais use os filtros de linha para suprir a falta de tomadas;
eles servem para proteger determinados equipamentos, como
os computadores.
Toda instalação deve ser dotada de dispositivos de proteção (fusíveis ou disjuntores);
sempre que houver a necessidade de substituir um dispositivo de proteção, cuide para
que ele seja da mesma capacidade (amperagem) que o anterior.
Nunca use qualquer dispositivo de proteção no fio neutro; lembre-se de que se houver
a interrupção do fio neutro, você poderá estar provocando danos aos equipamentos
ligados.
Se você tiver dificuldades para diferenciar o fio neutro do fio fase, use a chave de
teste; ela é provida de uma lâmpada que se acende quando em contato com o fio fase
e se mantém apagada quando ligada em um fio neutro.
É importante que você saiba que o superaquecimento dos fios provoca perda de
energia e, portanto, um maior consumo.
As emendas nos fios devem ser bem-feitas de modo que se evite o aquecimento ou
que se soltem; uma emenda malfeita quase sempre é uma das causas do aumento
de consumo de energia.
As emendas sempre devem ser isoladas; para isso, use as fitas isolantes.
Jamais faça emendas usando fios de bitolas diferentes.
Nunca execute qualquer emenda em fios no interior da
tubulação; com isso, você estará evitando problemas
futuros com possíveis choques e fugas de corrente.
Nunca use fios, arames ou moedas para substituir os
fusíveis.
Evite o uso do benjamim para ligar vários aparelhos na mesma tomada.
17
COMÉRCIO LOGISTA
Não economize comprando fios de segunda categoria; normalmente “o barato sai
caro”; esses fios apresentam um tipo de isolamento que envelhece mais rapidamente,
provocando fugas de corrente, choques e curtos-circuitos.
Se a sua Instalação Elétrica for antiga, mande fazer uma manutenção, observando os
dispositivos de proteção, a fiação com suas possíveis emendas e a tubulação.
Vários aparelhos são providos de um fio que recebe o nome de “fio de terra”. Esse fio
serve para proteger o equipamento e as pessoas que o estiverem operando. Jamais
ligue o “fio de terra” ao neutro, pois você poderá estar colocando em risco a segurança
das pessoas e provocando danos ao equipamento. Se você tiver dúvidas, consulte
um profissional especializado para receber orientações sobre como proceder para
fazer a ligação à terra.
Nunca coloque armários ou outros quaisquer objetos impedindo o fácil acesso ao quadro de luz; lembre-se de que, a qualquer momento, você poderá ser obrigado a desligar
a chave geral (ou o disjuntor geral) emergencialmente.
Ao se executar uma Instalação Elétrica, deve-se ter a preocupação de escolher a bitola
do fio mais adequada em função da intensidade de corrente (amperagem) que será
solicitada pelos aparelhos que vierem a ser ligados.
A utilização de fios mal dimensionados provoca o desperdício de energia e compromete a segurança da instalação.
Procure manter o equilíbrio nos circuitos de distribuição, isto é, faça com que eles
tenham correntes (amperagens) de valores aproximadamente iguais.
Se a instalação de sua loja for trifásica, procure manter as três fases em equilíbrio.
Com esta atitude, você estará evitando o aquecimento de alguns fios e, por conseguinte, economizando energia.
Quando você perceber que um condutor está apresentando superaquecimento, substitua-o por outro de bitola maior ou, se houver possibilidade, faça uma redistribuição
das cargas por outros circuitos.
Se você tiver de adquirir novos equipamentos de potências elevadas, comunique o fato
à sua concessionária para que seja feita uma análise sobre a necessidade de se fazer
um aumento de carga.
18
USO EFICIENTE DE ENERGIA
Faça a verificação da Instalação Elétrica de sua loja pelo menos uma vez por ano; com esta
atitude simples e barata, você poderá estar evitando prejuízos e aborrecimentos.
Se na sua loja houver corredores muito longos ou escadas, prefira usar interruptores
“Three-Way” ou “Four-Way”; esses interruptores, que são de baixo custo, permitem
que se liguem e se desliguem as lâmpadas de dois ou três pontos diferentes. Com
isso, você estará economizando energia, além de usufruir de uma maior comodidade
quando precisar ligar ou desligar as lâmpadas.
Não permita que pessoas não autorizadas tenham acesso ao seu “relógio de luz”; se
alguma pessoa desautorizada realizar algum trabalho no seu relógio ou antes dele,
você poderá ter problemas com a sua concessionária e até mesmo vir a ser acusado
de fraude.
Lembre-se de que fazer “gato” é crime e não esperteza; hoje em dia, as concessionárias têm meios de descobrir qualquer tipo de fraude.
·
Se a sua loja estiver localizada em uma região em que haja constantes variações de
voltagem, ligue os seus computadores em estabilizadores de tensão; com essa
atitude, você estará evitando danos aos seus aparelhos.
Caso em sua loja as máquinas registradoras forem
informatizadas, ligue-as também em estabilizadores de
tensão.
Ao instalar interruptores ou tomadas, faça a fixação dos
fios nos seus bornes. Isso garantirá um bom contato e
evitará faiscamentos e superaquecimentos.
Se na sua loja houver freqüentemente a circulação de crianças, prefira usar tomadas
antichoques; elas impedem que as crianças se acidentem ao colocarem os dedos nos
furos das tomadas.
Se você precisar instalar tomadas no piso de sua loja, passe os fios sob o chão; evite
fazer furos nas paredes, mesmo que isso seja, aparentemente, mais econômico.
Se em sua loja houver tomadas de tensões de 110 volts e de 220 volts, identifique-as
com espelhos (molduras) de cores diferentes ou, se preferir, coloque etiquetas infor-
19
COMÉRCIO LOGISTA
mando as suas voltagens; dessa maneira, você estará evitando que os aparelhos sejam ligados em tensões (voltagens) não apropriadas e venham a ser danificados.
Não se deixe iludir por pessoas que dizem saber como fraudar a concessionária; lembre-se de que essas fraudes (conhecidas como “gatos”) sempre são descobertas e
poderão trazer-lhe sérios aborrecimentos, inclusive judiciais.
20
USO EFICIENTE DE ENERGIA
5. A ILUMINAÇÃO EM SUA LOJA
Verifica-se que no comércio lojista a iluminação é responsável por até 90% do consumo
total de energia elétrica; este valor percentual
é válido para as lojas que não dispõem de aparelhos de ar condicionado. Caso a loja tenha
algum sistema de refrigeração artificial, a participação da iluminação no consumo total de
energia diminui consideravelmente, porém, ainda permanece bastante elevada, podendo
atingir 50%.
Com os valores apresentados acima, você poderá, então, deduzir o quanto é importante
estar atento aos gastos com a energia elétrica usada na iluminação de sua loja. Inicialmente, é necessário que você saiba que é possível reduzir o consumo da energia utilizada na
iluminação sem que sejam prejudicados os níveis de conforto, segurança e produtividade em sua loja. Para isso, basta que a sua iluminação seja a mais adequada e planejada
para o tipo de atividade que você desenvolve. Usando lâmpadas e luminárias de acordo
com as suas necessidades, você estará não apenas diminuindo o seu consumo de energia, mas também transformando a iluminação em um aliado para melhorar as suas
vendas.
5.1. REQUISITOS PARA UM BOM SISTEMA DE ILUMINAÇÃO
Para que um sistema de iluminação venha a apresentar um bom desempenho, isto é, seja
econômico sem prejudicar os níveis de conforto, segurança e produtividade, é necessário
que ele atenda aos seguintes requisitos.
Aproveitamento máximo da luz natural.
Determinação das áreas de utilização.
Nível de iluminamento adequado ao trabalho a ser realizado.
21
COMÉRCIO LOGISTA
Divisão do sistema de iluminação em vários circuitos de utilização.
Iluminação localizada em pontos especiais.
Sistema que permita retirar do ambiente o calor produzido pelas lâmpadas.
Seleção de lâmpadas, luminárias e acessórios que busquem um menor consumo de
energia.
5.2. CONCEITOS DE LUMINOTÉCNICA
Para que você entenda melhor como pode usufruir da iluminação de sua loja mais eficientemente, vamos apresentar algumas definições usadas em luminotécnica:
FLUXO LUMINOSO: É a quantidade de luz emitida por uma fonte luminosa (lâmpada) em
um certo intervalo de tempo. A unidade de fluxo luminoso é o lúmen.
Exemplos:
1.
Uma lâmpada incandescente de 100 watts produz um fluxo luminoso de 1.300 lumens.
2.
Uma lâmpada a vapor de mercúrio de 250 watts produz um fluxo luminoso de 12.500
lumens.
3.
Uma lâmpada a vapor de sódio de 250 watts produz um fluxo luminoso de 26.000
lumens.
EFICIÊNCIA LUMINOSA: É a relação entre o fluxo luminoso emitido pela lâmpada (em
lumens) e a sua potência (em watts). A unidade de eficiência luminosa é o lúmen/watt.
Exemplos:
1.
No caso da lâmpada incandescente de 100 watts que produz 1.300 lumens, a sua
eficiência luminosa será de 1.300 lumens/100 watts, isto é, 13 lumens/watt.
2.
Já a lâmpada a vapor de mercúrio de 250 watts que produz 12.500 lumens apresentará
uma eficiência luminosa de 12.500 lumens/250 watts, isto é, 50 lumens/ watt.
22
USO EFICIENTE DE ENERGIA
3.
Por fim, no caso da lâmpada a vapor de sódio de 250 watts que produz 26.000 lumens,
a sua eficiência luminosa será de 26.000 lumens/250 watts, isto é, 104 lumens/watt.
Obs.: Facilmente, você poderá observar que a lâmpada incandescente é a que apresenta a
menor eficiência luminosa, enquanto a lâmpada a vapor de sódio é a de melhor eficiência.
Esse é um dos dados que você deve levar em consideração quando tiver de adquirir alguma lâmpada.
ILUMINÂNCIA OU ILUMINAMENTO: É o fluxo luminoso que incide sobre uma determinada área. A unidade de iluminância é o Lux.
Obs.: O instrumento usado para medir a iluminância é o LUXÍMETRO.
REFLETÂNCIA: É a porcentagem do fluxo luminoso incidente sobre uma superfície que é
refletida.
Exemplo: A refletância em um papel branco é de 70%. Isto significa dizer que 70% da luz
que incide sobre uma folha de papel branco reflete. Este dado é importante e deve ser
levado em consideração quando você tiver de pintar a sua loja.
5.3. A ILUMINAÇÃO MELHORANDO AS SUAS VENDAS
A iluminação de sua loja pode ajudá-lo a melhorar as suas vendas; mas alguns detalhes
devem ser observados para que você possa tirar o melhor proveito da iluminação e fazer
dela um grande aliado.
No projeto de iluminação de uma loja, devem ser considerados o objetivo do seu negócio e
o aspecto psicológico de percepção das pessoas, além do ambiente a ser iluminado.
Ilumine a sua loja de maneira que o cliente se sinta bem.
Se em sua loja são expostos para venda objetos em que as cores podem ser um atrativo
importante, você deve usar um tipo de iluminação que valorize essa característica para
que o cliente se sinta motivado e interessado em adquirir esses produtos. Os objetos
devem estar expostos de forma que o cliente tenha facilidade de os encontrar e possa ter
acesso a eles. A iluminação pode aproximar o cliente do seu produto e fazê-lo deslumbrar
toda a beleza que ele tenha.
23
COMÉRCIO LOGISTA
Um fator que normalmente não é levado em consideração são as áreas de circulação; elas
são importantes, porque são por elas que o cliente passa em busca do produto que
deseja adquirir. Em sua loja, as áreas de circulação devem ser iluminadas de tal forma que
não provoquem o desconforto visual. Essa sensação de desconforto visual, geralmente
causada por ofuscamentos, faz com que os clientes sintam a necessidade de desviar a
sua atenção para outras áreas que lhes tragam maior conforto. Um outro problema que
deve ser evitado é a iluminação excessivamente uniforme que geralmente faz com que as
pessoas distraiam a sua atenção.
Vamos agora apresentar-lhe algumas informações (“dicas”) sobre como você deve iluminar
a sua loja de maneira que os clientes sejam atraídos para o seu interior e, por conseguinte, aumentem as suas vendas, sem com isso elevar os seus custos com o consumo de
energia elétrica:
DESTACANDO OBJETOS NO INTERIOR DA LOJA
1.
A iluminação geral de uma loja deve ser feita com níveis baixos, para que a atenção
dos clientes se concentre apenas nos produtos expostos.
2.
É necessário que uma iluminação dirigida para os objetos valorize as suas características, acentuando toda a sua beleza.
3.
Sempre que possível, dirija um fluxo luminoso para os produtos que você deseja
destacar; para isso, você pode usar “spots”, refletores ou lâmpadas fluorescentes.
4.
Evite iluminar os objetos expostos em prateleiras somente em uma direção; isto geralmente provoca sombras de um objeto sobre o outro, dificultando a visão nas prateleiras
mais baixas e dos objetos colocados em segundo plano.
ILUMINANDO AS SUAS VITRINAS
1.
Lembre-se de que as vitrinas servem para mostrar ao seu cliente tudo o que há de
melhor e mais bonito no interior de sua loja; é dessa forma que você deve pensar
ao planejar a iluminação de suas vitrinas.
24
USO EFICIENTE DE ENERGIA
2.
A iluminação excessiva de uma vitrina, além de causar um aumento do consumo de
energia elétrica, pode provocar um desconforto visual nas pessoas, fazendo com que
elas tenham a tendência de desviar a sua atenção para outros locais.
3.
Para que a sua vitrina se torne mais atrativa com um menor consumo de energia,
considere a possibilidade de mantê-la totalmente apagada nas horas de sol mais
forte, nos finais de tarde e, nos dias nublados, use uma iluminação média e somente
à noite utilize iluminação forte.
4.
Para evitar a reflexão da luz externa nos vidros de suas vitrinas, nunca use tons escuros
na sua decoração; a reflexão da luz nos vidros dificulta a visualização dos produtos
expostos.
5.
Prefira usar os trilhos energizados para fazer a instalação elétrica em suas vitrinas ao
invés das tomadas convencionais (fixas); com os trilhos, você poderá a qualquer momento adequar a iluminação ao tipo de decoração de que você necessita, sem que
sejam feitas grandes modificações na instalação.
6.
Se em sua vitrina houver objetos de cores claras, em tons azul, branco ou cinza, você
deverá usar lâmpadas que emitam luz fria e/ou branca para destacá-los.
7.
Se os produtos expostos forem em vermelho, laranja ou amarelo, você deverá usar
luz quente e/ou amarela para fazer o destaque.
5.4. OS NÍVEIS DE ILUMINÂNCIA RECOMENDADOS PARA SUA LOJA
Iluminar bem não significa iluminar muito; para que consigamos atender a este princípio,
foram criadas tabelas, baseadas na experiência adquirida por diversos profissionais ao
longo de muitos anos. Essas tabelas nos permitem determinar os níveis de iluminamento
mais adequados para os vários ramos de atividades econômicas. Como estamos tratando
da iluminação no comércio lojista, apresentamos abaixo uma tabela criada exclusivamente
para esta atividade comercial.
Lembre-se de que o aparelho que permite a medição do nível de iluminância é o luxímetro;
se você puder ter acesso a um destes aparelhos, faça a medição em sua loja e verifique a
qualidade da sua iluminação.
25
COMÉRCIO LOGISTA
N í ve l d e I l um i n â n c i a (e m L ux )
T i po d e I l um i n a ç ã o
Lojas em grand es
centros comerciais
Lojas em outras áreas
Interiores de Lojas:
Iluminação Geral
Iluminação d e Localizad a
De 500 a 750
De 300 a 500
De 1 . 5 0 0 a 3 . 0 0 0
De 750 a 1.500
Iluminação Geral
De 1.000 a 2.000
De 500 a 1.000
Iluminação Localizad a
De 5 . 0 0 0 a 1 . 0 0 0 0
De 3 . 0 0 0 a 5 . 0 0 0
Vitrinas:
Tabela n.° 2 - Níveis de iluminância em uma loja
5.5. CARACTERÍSTICAS DAS LÂMPADAS
Muitas pessoas se perguntam por que hoje em dia é tão grande a variedade de tipos de
lâmpadas existentes no mercado. Talvez, você mesmo já tenha tido essa dúvida.
O principal motivo para essa grande quantidade de tipos de lâmpadas é que cada uma delas
serve para uma determinada finalidade. Quando você tiver de escolher uma lâmpada para
iluminar a sua loja, deve fazê-lo levando em consideração aquela que melhor irá se adequar ao
ambiente a ser iluminado, sem esquecer os critérios de economia de energia.
Mais adiante, você terá a oportunidade de conhecer as mais importantes características
das lâmpadas que podem ser usadas na iluminação de sua loja, para que não tenha dúvidas no momento da aquisição.
Inicialmente, vamos mostrar-lhe alguns dados que obrigatoriamente têm de ser levados em
consideração no momento da aquisição de uma lâmpada:
POTÊNCIA:
O valor da potência da lâmpada vem escrito no seu próprio corpo e é sempre expresso em
watts, que se abrevia pela letra W.
26
USO EFICIENTE DE ENERGIA
Quanto maior for a potência de uma lâmpada, mais iluminamento ela produzirá. Mas
lembre-se de que não é iluminando muito que você vai conseguir os melhores resultados.
É preferível ser prudente e escolher a potência da lâmpada de forma que ela ilumine bem,
sem provocar desconforto aos seus clientes e gastos desnecessários com o consumo de
energia elétrica.
TENSÃO (VOLTAGEM):
Quando uma lâmpada é fabricada, entre outros itens, é levada em consideração a tensão
(voltagem) da rede em que ela deverá ser instalada. Ao ligarmos uma lâmpada a uma
tensão diferente daquela para a qual foi projetada, estaremos cometendo um erro que
certamente nos trará alguns prejuízos.
Portanto, quando você tiver de adquirir uma lâmpada para a sua loja, verifique com atenção
o valor da tensão em que ela deve ser ligada; certifique-se de que esse valor corresponde
à tensão de sua rede.
Verifique, na tabela abaixo, o que ocorre quando você liga uma lâmpada em uma tensão
diferente daquela para a qual ela foi fabricada:
Va l o r d a v o l t a g e m
C o n s e qüê n c i a s
Voltagem d a lâmp ad a maior q ue a
voltagem d a concessionária
A p otência d a lâmp ad a fica menor,
ocasionand o uma red ução d a
iluminação e um aumento d o seu
temp o d e vid a.
Voltagem d a lâmp ad a igual à
voltagem d a concessionária
A lâmp ad a funcionará com a sua
p otência p revista e terá o seu temp o
d e vid a normal.
Voltagem d a lâmp ad a menor q ue a
voltagem d a concessionária
A p otência d a lâmp ad a aumentará e
haverá uma consid erável red ução d o
seu temp o d e vid a útil.
Tabela n.º 3 - Conseqüências de tensões diferentes aplicadas às lâmpadas
Observe, na tabela acima, que o perfeito funcionamento de uma lâmpada só ocorre quando
ela é ligada à tensão adequada. Em qualquer outra situação, haverá sempre algum tipo de
27
COMÉRCIO LOGISTA
prejuízo para você, seja com um menor iluminamento oferecido pela lâmpada ou com a
diminuição da sua vida útil.
Você já deve ter ouvido falar que o valor normal da tensão da rede elétrica de sua loja é de
127 volts ou de 220 volts. Dependendo do local em que sua loja se encontra, poderá haver
grandes variações de tensão que, geralmente, você mesmo percebe, em virtude do mau
funcionamento dos aparelhos elétricos. Quando você precisa adquirir uma lâmpada, muitas vezes, encontra tensões especificadas pelos fabricantes com valores diferentes. Essa
situação, normalmente, traz grandes dúvidas. A tabela a seguir mostra a correlação entre
as tensões das lâmpadas e das redes:
S e a s ua r e d e é d e :
A s ua l â m pa d a d e ve r á s e r d e :
110 volt
115 ou 120 volt
115 volt
115 ou 120 volt
120 volt
115 ou 120 volt
127 volt
127 ou 130 volt
220 volt
220 ou 230 volt
230 volt
220 ou 230 volt
Tabela n.° 4 - Valores de tensões das lâmpadas
5.6. TIPOS DE LÂMPADAS
A presença de lâmpadas na nossa vida é tão intensa que quase não percebemos a sua existência.
Elas passaram a fazer parte do nosso cotidiano
de tal forma que sem elas muitas das atividades
hoje desenvolvidas não seriam possíveis.
Ao longo dos anos, muitas pesquisas foram desenvolvidas para que conseguíssemos atingir o nível de qualidade hoje existente nos
equipamentos de iluminação (lâmpadas em especial).
28
USO EFICIENTE DE ENERGIA
A seguir, vamos apresentar os diversos tipos de lâmpadas existentes hoje no mercado,
para que você possa escolher mais conscientemente aquela que melhor se adapte às
suas necessidades, observando sempre os aspectos da economia de energia.
LÂMPADAS INCANDESCENTES COMUNS
CARACTERÍSTICAS GERAIS
Potências disponíveis: de 25 watts a 500 watts
Cor aparente: quente
Vida útil média: 1.000 horas
Excelente reprodução de cores
Muito baixa eficiência luminosa
Não exige equipamentos auxiliares.
APLICAÇÕES
Locais pouco usados
LÂMPADAS INCANDESCENTES HALÓGENAS
CARACTERÍSTICAS GERAIS
Potências disponíveis: de 10 watts a 2.000 watts
Cor aparente: quente
Vida útil média: 2.000 horas
Excelente reprodução de cores
Média eficiência luminosa
29
COMÉRCIO LOGISTA
Dependendo da voltagem, exige equipamentos auxiliares.
APLICAÇÕES
É muito usada na iluminação de vitrinas, porque reproduz as cores com perfeição.
LÂMPADAS FLUORESCENTES
CARACTERÍSTICAS GERAIS
Potências disponíveis: de 15 watts a 110 watts
Cor aparente: quente, intermediária ou fria, dependendo do modelo
Vida útil média: 7.500 horas
Dependendo do tipo, boa a média reprodução de cores
Boa eficiência luminosa
Exige equipamentos auxiliares.
APLICAÇÕES
Iluminação geral em ambientes internos com pé direito baixo
Vitrinas
Iluminação localizada (caixas, balcões)
LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS
CARACTERÍSTICAS GERAIS
Potências disponíveis: de 9 watts a 45 watts
Cor aparente: quente
30
USO EFICIENTE DE ENERGIA
Vida útil média: 8.000 horas
Boa reprodução de cores
Ótima eficiência luminosa
Exige equipamentos auxiliares.
APLICAÇÕES
Iluminação geral em ambientes internos com pé direito baixo
Iluminação localizada (caixas, balcões)
Iluminação de segurança externa
Obs.: As lâmpadas fluorescentes compactas são as de maior eficiência existentes hoje
no mercado, podendo economizar até 80% de energia quando comparadas às lâmpadas
incandescentes. O seu custo inicial é elevado, porém com retorno em um pequeno espaço
de tempo.
Para que você possa avaliar melhor a vantagem de substituir as suas lâmpadas
incandescentes por fluorescentes compactas, observe o quadro abaixo:
Lâmpada
Incandescente
Lâmpada
Fluorescente
Compacta
Ga n h o % em
L um i n o s i d a d e
Ga n h o % em
d u ra b i l i d a d e
Ec o n o m i a
d e en er g i a
em R $
25W
18W
275 %
700 %
7 ,8 4
40W
18W
82 %
700 %
2 4 ,6 4
60W
20W
25 %
700 %
4 4 ,8 0
75W
23W
33 %
700 %
5 8 ,2 4
100W
26W
20 %
700 %
8 2 ,8 8
Tabela n.° 5 - Vantagens das lâmpadas fluorescentes compactas
O cálculo de economia de energia foi feito considerando-se a vida útil média das lâmpadas fluorescentes compactas como sendo de 8.000 horas e o custo do quilowatt-hora a R$ 0,4264 por kWh.
31
COMÉRCIO LOGISTA
LÂMPADAS MISTAS
CARACTERÍSTICAS GERAIS
Potências disponíveis: de 160 watts a 500 watts
Cor aparente: intermediária
Vida útil média: 6.000 horas
Boa reprodução de cores
Boa eficiência luminosa
Não exige equipamentos auxiliares.
APLICAÇÕES
Estacionamentos
Ambientes internos de pouco uso
LÂMPADAS A VAPOR DE MERCÚRIO
CARACTERÍSTICAS GERAIS
Potências disponíveis: de 80 watts a 1.000 watts
Cor aparente: intermediária
Vida útil média: 12.000 horas
Boa eficiência luminosa
Exige equipamentos auxiliares.
32
USO EFICIENTE DE ENERGIA
APLICAÇÕES
Estacionamentos
Grandes depósitos com pé direito elevado
LÂMPADAS A VAPOR DE SÓDIO
CARACTERÍSTICAS GERAIS
Potências disponíveis: de 50 watts a 1.000 watts
Cor aparente: quente
Vida útil média: 15.000 horas
Baixa reprodução de cores
Alta eficiência luminosa
Exige equipamentos auxiliares.
APLICAÇÕES
Estacionamentos
Grandes depósitos com pé direito elevado
5.7. PROBLEMAS MAIS COMUNS OCORRIDOS COM LÂMPADAS
As lâmpadas, assim como todos os aparelhos elétricos, estão sujeitas também a defeitos.
Alguns desses problemas podem ser identificados e sanados por qualquer pessoa, o
que poderá vir a acarretar uma economia bastante significativa em sua loja.
Nas tabelas a seguir, procuramos mostrar quais são os defeitos mais comuns ocorridos
com as lâmpadas.
33
COMÉRCIO LOGISTA
5.7.1. COM LÂMPADAS INCANDESCENTES
S I N T O MA S
P O S S Í V EI S C A U S A S
S O L U Ç Õ ES
- Diminuição d o fluxo luminoso
- Bulb o enegrecid o
Vid a útil d a lâmp ad a esgotad a.
Sub stituir a lâmp ad a.
- Lâmp ad a com vid a curta
- Bulb o enegrecid o
Funcionamento d a lâmp ad a em
temp eratura muito alta.
Verificar as cond ições d o ap arelho d e
iluminação.
- Vid a curta e/ou q ueb ra d o
filamento
A lâmp ad a está exp osta a vib rações
ou b atid as.
Fazer a montagem d o eq uip amento
sob re sup ortes antivib ratórios.
- Luz muito forte e vid a curta
A voltagem d a lâmp ad a é inferior à
voltagem d a sua red e.
Sub stituir a lâmp ad a p or outra d e
voltagem comp atível com a d a red e.
- Luz fraca e avermelhad a
A voltagem d a lâmp ad a é sup erior à
voltagem d a sua red e.
Sub stituir a lâmp ad a p or outra d e
voltagem comp atível com a d a red e.
Tabela n.° 6 - Problemas com lâmpadas incandescentes
5.7.2. COM LÂMPADAS FLUORESCENTES
S I N T O MA S
- Lâmp ad a tremuland o (acend end o e
ap agand o)
- Diminuição d o fluxo luminoso
- A lâmp ad a não acend e.
- Enegrecimento nas extremid ad es
- As extremid ad es ficam acesas.
- Dificuld ad e p ara acend er a lâmp ad a
P O S S Í V EI S C A U S A S
S O L U Ç Õ ES
Fim d a vid a útil d a lâmp ad a
Sub stitua a lâmp ad a.
Se a lâmp ad a for nova.
Com o temp o, a tremulação d everá
d esap arecer.
Se a lâmp ad a for p ouco usad a.
Sub stitua o "starter".
Vid a útil d a lâmp ad a esgotad a
Sub stitua a lâmp ad a.
Eletrod os q ueimad os ou interromp id os
Sub stitua a lâmp ad a.
"Starter" com d efeito
Sub stitua o "starter".
Ligações errad as
Verifiq ue as ligações e ob serve se os
contatos estão b em-feitos.
Vid a útil d a lâmp ad a esgotad a
Sub stitua a lâmp ad a.
Reator e "starter" com d efeito
Sub stitua os d ois.
Reator ou "starter" com d efeito
Sub stitua um d e cad a vez, verificand o
q ual d os d ois está com d efeito.
Baixa voltagem d a red e
Verifiq ue a voltagem d a sua red e.
Temp eratura amb iente muito alta
Procure refrescar o amb iente.
Tabela n.° 7 - Problemas com lâmpadas fluorescentes
34
USO EFICIENTE DE ENERGIA
5.8. TIPOS DE LUMINÁRIAS
As luminárias são os aparelhos que servem para fixar as lâmpadas; pode-se ainda afirmar
que, em alguns casos, as luminárias também contêm os equipamentos auxiliares necessários para o funcionamento dessas mesmas lâmpadas.
É o conjunto lâmpada-luminária que define a eficiência luminosa de todo o sistema a ser
empregado em sua loja.
É importante, portanto, que se saiba escolher a luminária mais adequada a ser usada, em
função das características do ambiente a ser iluminado e das lâmpadas utilizadas.
Para que uma luminária atenda com perfeição aos objetivos desejados, é necessário que
ela atenda aos seguintes requisitos:
Alto rendimento, isto é, ela deve permitir a passagem para o meio ambiente do
máximo possível de fluxo luminoso.
Perfeita distribuição do fluxo luminoso, isto é, orientar o fluxo luminoso para os
pontos desejados.
Facilidade de manutenção e limpeza.
Manutenção do fluxo luminoso ao longo do seu tempo de uso.
Para que você possa escolher a melhor luminária para sua loja atendendo às suas necessidades, vamos apresentar-lhe a seguir os tipos mais comuns com as suas principais
características:
LUMINÁRIAS EMBUTIDAS
CARACTERÍSTICAS GERAIS
Muito usadas com lâmpadas incandescentes comuns.
Baixo rendimento.
35
COMÉRCIO LOGISTA
Podem apresentar superaquecimento.
Manutenção muito difícil.
APLICAÇÕES
Iluminação geral e vitrinas (deve ser usada preferencialmente com lâmpadas refletoras).
LUMINÁRIAS FECHADAS
CARACTERÍSTICAS GERAIS
Apresentam vários tipos de controladores de luz (refletores espelhados com proteção
visual, difusor prismático, colmeias etc.).
Rendimento moderado (depende do tipo de controlador de luz).
Manutenção muito difícil.
Podem ser fixadas na superfície do teto (alguns casos, podem ser embutidas).
Os tipos sem controladores de luz apresentam melhor rendimento.
APLICAÇÕES
Iluminação geral com controle de ofuscamento.
LUMINÁRIAS ABERTAS
CARACTERÍSTICAS GERAIS
Podem ser encontradas com ou sem controladores de luz.
Bom rendimento.
Fácil manutenção.
36
USO EFICIENTE DE ENERGIA
Podem ser fixadas na superfície do teto ou suspensas.
APLICAÇÕES
Iluminação geral em locais em que não haja problemas de ofuscamento.
Iluminação localizada (vitrinas e balcões).
Iluminação de depósitos.
“SPOTS”
CARACTERÍSTICAS GERAIS
São utilizados com vários tipos de lâmpadas: incandescentes refletoras, lâmpadas
coloridas e outros dispositivos.
Podem ser usados para iluminação direcionada, pois apresentam grande flexibilidade
no direcionamento do fluxo luminoso.
Fácil manutenção.
Podem ser fixados em superfícies ou embutidos.
APLICAÇÕES
Exposição de produtos.
Vitrinas.
PROJETORES
CARACTERÍSTICAS GERAIS
Encontrados em vários tamanhos.
Bom rendimento luminoso.
37
COMÉRCIO LOGISTA
Podem ser fixados nas superfícies ou suspensos.
Podem ser usados com vários tipos de lâmpadas, desde as incandescentes comuns
até as lâmpadas halógenas e as lâmpadas a vapor de sódio.
Fácil manutenção.
APLICAÇÕES
Fachadas.
Grandes depósitos.
Estacionamentos.
5.9. OS REATORES
As lâmpadas fluorescentes, fluorescentes compactas, a vapor de mercúrio, a vapor de
sódio e a vapores metálicos precisam de equipamentos auxiliares para o seu funcionamento. Dentre os vários equipamentos auxiliares usados com essas lâmpadas, o reator é, sem
dúvida, o mais importante.
Quando da aquisição de um reator, deve-se, assim como fazemos com as lâmpadas,
observar a sua tensão de funcionamento; um reator ligado a uma rede com tensão inadequada poderá trazer problemas.
Os reatores são equipamentos que apresentam grandes perdas de energia no seu processo de funcionamento. É necessário, portanto, que estejamos atentos a esse detalhe no
momento em que tivermos a necessidade de adquirir um novo reator, para não termos um
desperdício de energia.
Geralmente, ao escolhermos um reator, optamos pelo de menor preço; esta geralmente
não é a melhor solução, visto que esses equipamentos mais baratos são os que apresentam as maiores perdas e o menor tempo de vida útil. Os reatores de melhor qualidade
normalmente apresentam perdas bem reduzidas e tempo de vida útil superior. A diferença de custo é compensada em pouco tempo. Um reator de baixa qualidade, além de
38
USO EFICIENTE DE ENERGIA
comprometer o tempo de vida útil da lâmpada, pode reduzir em até 15% o fluxo luminoso emitido.
Nas tabelas abaixo, vamos mostrar-lhe as perdas de energia ocorridas nos reatores mais
usados.
5.9.1. PERDAS EM REATORES USADOS EM LÂMPADAS FLUORESCENTES
T I P O D E R E AT O R
SIMPLES
*DUPLO
SIMPLES
*DUPLO
SIMPLES
*DUPLO
L Â M PA D A S
(q ua n t i d a d e e
po t ê n c i a )
P E R D A S EM WAT T S P E R D A S EM WAT T S
(c o m " s t a r t e r " )
(pa r t i d a r á pi d a )
1 x 20W
7
12
1 x 40W
13
15
2 x 20W
14
24
2 x 40W
20
22
1 x 16W
–
15
1 x 32W
–
13
2 x 16W
–
17
2 x 32W
–
21
1 x 60W
–
26
1 X 110W
–
32
2 x 60W
–
32
2 x 110W
–
48
Tabela n.° 8 - Perdas em reatores para lâmpadas fluorescentes
Obs.: * Repare que os reatores duplos quase sempre consomem menos do que dois
reatores simples.
39
COMÉRCIO LOGISTA
5.9.2. PERDAS EM REATORES USADOS EM LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS
T I P O D E R E AT O R
L Â M PA D A S
(q ua n t i d a d e e
po t ê n c i a )
T E N SÃO
(e m vo l t s )
PE R DA S
(e m w a t t s )
SIMPLES
1 X 5W
118
3 ,0
SIMPLES
1 X 5W
220
4 ,5
SIMPLES
1 X 7W
118
3 ,5
SIMPLES
1 X 7W
220
5 ,5
SIMPLES
1 X 9W
118
3 ,0
SIMPLES
1 X 9W
220
5 ,0
SIMPLES
1 X 11W
220
4 ,5
SIMPLES
1 X13W
118
4 ,0
Tabela n.° 9 - Perdas em reatores para lâmpadas fluorescentes compactas
Obs.: Note que as lâmpadas fluorescentes compactas, além de serem mais econômicas,
podem ser ligadas a reatores que apresentam perdas menores, o que as torna bem mais
eficientes que as comuns.
5.9.3. PERDAS EM REATORES USADOS EM LÂMPADAS A VAPOR DE MERCÚRIO
P O T E^N C I A D A S L Â M PA D A S
EM WAT T S
P E R D A S N O R E AT O R
EM WAT T S
80
9
125
12
250
16
400
25
Tabela n.° 10 - Perdas em reatores para lâmpadas a vapor de mercúrio
40
USO EFICIENTE DE ENERGIA
5.9.4. PERDAS EM REATORES USADOS EM LÂMPADAS A VAPOR DE SÓDIO
P O T E^N C I A D A S L Â M PA D A S
EM WAT T S
P E R D A S N O R E AT O R
EM WAT T S
50
13
70
15
150
21
250
25
400
40
400
25
Tabela n.° 11 - Perdas em reatores para lâmpadas a vapor de sódio
5.10. “DICAS” SOBRE ILUMINAÇÃO
A seguir, vamos apresentar-lhe algumas sugestões (“dicas”) que você poderá aplicar em
sua loja, objetivando a economia de energia e procurando fazer da iluminação sua aliada
para aumentar as suas vendas.
Procure as lâmpadas mais adequadas para cada tipo de ambiente e finalidade.
Somente acenda as lâmpadas quando não houver iluminação natural suficiente.
Faça campanhas com os seus empregados para que desliguem as lâmpadas dos
ambientes que não estiverem sendo usados.
Nas áreas de circulação, deixe acesas apenas as lâmpadas imprescindíveis à segurança.
Pinte as paredes e os tetos com cores claras.
Mantenha limpas as luminárias; uma luminária limpa pode economizar até 25% de
energia.
41
COMÉRCIO LOGISTA
Prefira usar as luminárias abertas que permitem um melhor aproveitamento do fluxo
luminoso.
Mantenha limpas as paredes, os tetos, as janelas e os forros; uma superfície limpa
reflete melhor a luz, exigindo menor iluminação artificial.
Sempre que possível, utilize telhas transparentes para um melhor aproveitamento da
luz natural.
Divida os circuitos de iluminação no maior número possível, de tal forma que você
possa utilizá-los parcialmente, conforme as suas necessidades.
Verifique se na sua loja há luminárias desnecessárias.
Dê preferência às luminárias espelhadas que apresentam uma eleveda eficiência,
possibilitando uma redução de até 70% do total de lâmpadas; com essa atitude,
você conseguirá uma grande economia de energia elétrica.
Sempre que for necessário usar difusores nas luminárias, dê preferência aos de acrílico que apresentam boas propriedades contra o amarelecimento; os difusores opacos
causam uma redução de até 50% no fluxo luminoso enquanto, nos de acrílico, essa
redução é de apenas 10%.
Procure retirar os difusores das luminárias, mas lembre-se de que isso quase sempre
acarreta um aumento do nível de ofuscamento; quando você estiver usando lâmpadas incandescentes ou fluorescentes de até 100 watts, o ofuscamento pode ser
desprezado.
A iluminação geral de sua loja deve ser suficiente para que as pessoas possam ver os
objetos expostos sem desconforto.
Quando a loja possui muitas lâmpadas para destaque dos produtos, pode-se diminuir a iluminação geral sem que haja qualquer prejuízo.
Utilize lâmpadas fluorescentes “spots” ou refletores para destacar os produtos em
exposição.
Os fluxos concentrados permitem uma economia de até 30% no consumo de energia
elétrica com iluminação.
42
USO EFICIENTE DE ENERGIA
O uso de tons escuros no interior de vitrinas provoca a reflexão da luz externa nos
vidros e impede a visualização dos produtos expostos.
Não empilhe caixas até o teto nos depósitos de sua loja, de forma que não se obstruam as luminárias.
Nos dépositos, divida a iluminação em dois circuitos: um geral, que pode ficar permanentemente ligado, e outro com iluminação mais forte, que deve ser usado apenas
quando alguém estiver trabalhando no local.
Estude a possibilidade de instalar “timers” (interruptores temporizados) para ligar e desligar a
iluminação em determinados horários.
Prefira usar reatores eficientes que apresentam
menores perdas.
As lâmpadas incandecentes refletoras (espelhadas) permitem dirigir o fluxo luminoso
sobre os objetos expostos, sem perdas desnecessárias; esse tipo de lâmpada apresenta um bom rendimento com uma razoável economia de energia.
Se você precisar de uma boa reprodução de cores, pefira usar as lâmpadas halógenas
dicróicas.
As lâmpadas fluorescentes compactas são de acendimento imediato e muito mais
eficientes; proporcionam uma economia de até 80% de energia em relação às lâmpadas incandescentes comuns.
Os sistemas fluorescentes circulares proporcionam uma iluminação uniforme com uma
economia de até 65% de energia em relação às lâmpadas incandescentes comuns.
Verifique se as lâmpadas e os reatores que você está adquirindo estão de acordo com
a tensão da sua rede.
Ao instalar lâmpadas incandescentes em “spots” sem refletor ou embutidas no teto,
você estará diminuindo a eficiência do sistema de iluminação, além de provocar um
superaquecimento do conjunto, causando uma diminuição no tempo da sua vida
útil.
43
COMÉRCIO LOGISTA
No interior de sua loja, o cliente deverá sentir bem-estar, alternando momentos de
estímulo e repouso.
Existem no mercado reatores de partida rápida que apresentam sobre os convencionais a vantagem de um tempo maior de vida útil.
Há também os reatores eletrônicos que apresentam um maior rendimento sobre os
convencionais.
Faça a utilização da luz de emergência em sua loja; ela proporciona uma maior segurança aos seus clientes e a você nos momentos em que faltar energia elétrica.
44
USO EFICIENTE DE ENERGIA
6. O AR CONDICIONADO PODE “ESQUENTAR” AS SUAS VENDAS
Quando um cliente pode optar pela loja em
que vai adquirir um determinado produto, é
natural que dê preferência àquela em que se
sinta mais confortável. Seguindo uma tendência mundial, no Brasil, torna-se cada vez
mais importante que se ofereça “algo mais”
ao cliente, para que ele se sinta bem e volte
à loja em outras oportunidades.
Um dos quesitos que hoje são levados em
consideração pelos clientes é o conforto térmico oferecido pela loja. Quando falamos em conforto térmico, lembramo-nos imediatamente
dos aparelhos de ar condicionado. Isto, porém, não é verdadeiro. Em determinadas situações, podemos nos sentir muito bem termicamente, utilizando a ventilação forçada ou a
climatização natural sem necessidade do uso de aparelhos de ar condicionado.
A climatização natural é a melhor de todas do ponto de vista econômico, porém só pode
ser aproveitada com todo o seu potencial quando a construção arquitetônica é realizada
atendendo a determinadas condições técnicas. Se você necessitar construir novos espaços
em sua loja, consulte um especialista no assunto que ele saberá ajudá-lo.
Na maioria dos casos, encontram-se construções que, em virtude do fato de terem sido mal
planejadas, não permitem um total aproveitamento da climatização natural. Nesses casos, somos
obrigados a recorrer à climatização artificial, isto é, aos aparelhos de ar condicionado.
Neste capítulo, vamos procurar mostrar como você poderá aproveitar ao máximo os benefícios dos aparelhos de ar condicionado com o menor custo possível.
6.1. COMO ESCOLHER O MELHOR AR CONDICIONADO PARA A SUA LOJA
Você já deve ter ouvido falar que os aparelhos de ar condicionado são grandes consumidores de energia elétrica, podendo tornar-se fator de desperdício, caso você não tome alguns
cuidados importantes na sua compra e na sua utilização.
45
COMÉRCIO LOGISTA
Existem no mercado quatro tipos de condicionadores de ar:
os de janela, que são destinados a refrigerar apenas um ambiente;
os “split-systems”;
os semicentralizados; e
os centralizados.
Estes dois últimos tipos servem para refrigerar vários ambientes simultaneamente e não
serão objeto de estudo neste manual, porque dificilmente são usados no comércio lojista.
Para que você possa oferecer aos seus clientes o conforto térmico desejado sem que o seu
consumo de energia aumente muito, é necessário inicialmente tomar algumas precauções
no momento de adquirir o aparelho de ar condicionado ideal para a sua loja.
A seguir, apresentamos uma tabela que mostra de maneira bem simples qual a capacidade do aparelho que você deve adquirir, em função de algumas características do ambiente
a ser refrigerado.
Tabela para cálculo da carga térmica (capacidade em Btu/h)
Ár ea a s er
r e f r i g e ra d a
em m 2
Fa c e S u l
s o m b ra o d i a t o d o
Fa c e O e s t e o u N o r t e
so l à tarde o u o di a
to do
Fa c e L e s t e
so l de man h ã
A
B
C
A
B
C
A
B
C
15
6 .0 0 0
7 .0 0 0
8 .0 0 0
8 .0 0 0
1 0 .0 0 0
1 1 .0 0 0
1 0 .0 0 0
1 2 .0 0 0
1 4 .0 0 0
20
6 .0 0 0
8 .0 0 0
1 1 .0 0 0
8 .0 0 0
1 2 .0 0 0
1 4 .0 0 0
1 1 .0 0 0
1 4 .0 0 0
1 4 .0 0 0
30
6 .0 0 0
1 0 .0 0 0
1 4 .0 0 0
8 .0 0 0
1 4 .0 0 0
1 8 .0 0 0
1 2 .0 0 0
1 6 .0 0 0
1 7 .0 0 0
40
7 .0 0 0
1 2 .0 0 0
1 6 .0 0 0
1 0 .0 0 0
1 4 .0 0 0
1 8 .0 0 0
1 3 .0 0 0
1 7 .0 0 0
2 2 .0 0 0
60
1 0 .0 0 0
1 6 .0 0 0
2 2 .0 0 0
1 4 .0 0 0
2 0 .0 0 0
3 0 .0 0 0
1 7 .0 0 0
2 3 .0 0 0
3 0 .0 0 0
70
1 0 .0 0 0
1 8 .0 0 0
2 3 .0 0 0
1 4 .0 0 0
2 2 .0 0 0
3 0 .0 0 0
1 8 .0 0 0
3 0 .0 0 0
3 0 .0 0 0
90
1 2 .0 0 0
2 2 .0 0 0
3 0 .0 0 0
1 6 .0 0 0
3 0 .0 0 0
3 5 .0 0 0
2 0 .0 0 0
3 0 .0 0 0
4 0 .0 0 0
Tabela n.° 12 - Capacidade em Btu/h dos aparelhos de ar condicionado
46
USO EFICIENTE DE ENERGIA
Codificação usada:
A - Ambiente sob outro pavimento
B - Ambiente sob telhado com forro
C - Ambiente sob laje descoberta
Exemplo de aplicação da tabela: Deseja-se refrigerar uma sala com 30m², localizada na
face Norte de um edifício.
Solução: Como se trata de um edifício, deveremos consultar a coluna A (ambiente sob
outro pavimento); o ambiente está localizado na face Norte (sol à tarde ou o dia todo).
Encontramos então que o aparelho de ar condicionado ideal para refrigerar esse ambiente
deve ter a capacidade de 12.000 Btu/h.
6.2. COMO INSTALAR O SEU APARELHO DE AR CONDICIONADO
6.2.1. APARELHO TIPO JANELA
Aparentemente, a instalação de um aparelho de ar condicionado é uma operação bastante
simples que não requer nenhuma habilidade específica. Quem pensa dessa forma comete
um erro que lhe poderá custar muito caro, pois é necessário que a instalação atenda a
determinados requisitos técnicos para que estejam garantidos os objetivos de conforto,
segurança e economia.
Para que se instale um aparelho de ar condicionado, é necessário que haja uma saída para
o ar quente expulso pelo mesmo; a referida instalação pode ser feita na parede (em alvenaria ou madeira) ou na janela (de madeira, ferro ou alumínio).
Para que você possa instalar o seu aparelho de ar condicionado de forma satisfatória, vamos apresentar todos os passos que você deve seguir:
Escolha o local da instalação de forma que no mesmo não haja incidência direta de
raios solares.
47
COMÉRCIO LOGISTA
Para que as condições de refrigeração sejam facilitadas, instale o aparelho, sempre
que possível, com a sua frente voltada para a maior dimensão do ambiente.
Jamais instale o aparelho com a face externa voltada para locais fechados.
Para que a sensação de frio produzida pelo aparelho possa descer e o ar quente do
meio ambiente subir com mais facilidade, recomenda-se que o condicionador seja
instalado a uma altura mínima de 1,80m do chão e a uma distância máxima de
0,50m do teto.
Certifique-se de que não haja tubulações de qualquer natureza na parede onde será
instalado o aparelho.
Instale o aparelho bem distante de recipientes e canalizações de combustível, evitando explosões e incêndios em caso de vazamentos.
O aparelho de ar condicionado deve ficar distante de cortinas e de outros obstáculos
que possam dificultar a circulação do ar.
As venezianas laterais externas do condicionador de ar devem estar totalmente livres;
o bom funcionamento do aparelho depende desta providência simples.
Externamente, o local onde o aparelho vai ser instalado deve permitir com facilidade a
drenagem da água condensada.
Verifique se o valor da tensão indicada na etiqueta do seu aparelho de ar condicionado (127 volts ou 220 volts) coincide com a tensão da rede de sua loja.
Examine a rede elétrica de sua loja, verificando se todos os condutores, eletrodutos e
demais equipamentos estão em boas condições e dimensionados para suportar o
aumento de carga que será exigido pelo aparelho de ar condicionado a ser instalado.
Esta providência simples poderá lhe evitar sérios aborrecimentos.
O circuito elétrico para a instalação do condicionador de ar deve ser independente,
isto é, ele deve servir unicamente ao aparelho.
Se a rede elétrica de sua loja for monofásica (127 volts), instale apenas um disjuntor
no fio fase.
Se a rede elétrica de sua loja for bifásica (220 volts com duas fases), instale um disjuntor
duplo.
48
USO EFICIENTE DE ENERGIA
Dê preferência aos disjuntores de boa qualidade e do tipo retardado, obedecendo à capacidade (amperagem) especificada pelo fabricante; lembre-se de que o sistema de proteção
(disjuntor) é que vai garantir a segurança do seu aparelho e das suas instalações, além da
sua própria e dos seus clientes.
Escolha o condutor de acordo com a corrente que o aparelho vai solicitar para funcionar. A
utilização de condutores inadequados poderá vir a causar superaquecimentos, provocando
perdas de energia, além de riscos de incêndios.
Verifique na etiqueta de identificação do aparelho o valor da corrente do mesmo. Na tabela
abaixo, você poderá determinar a bitola do fio que deve ser usado na instalação em função da
distância entre a caixa de distribuição de energia e a tomada que irá alimentar o aparelho.
B i t o l a d o f i o em m m 2
2 ,5
4 ,0
6 ,0
1 0 ,0
Te n s ã o ( V )
C o r r e n t e (A )
Di s t â n c i a m á xi m a em m et r o s
115/127
12
15
25
35
55
220
6 ,5
50
80
120
200
220
8
40
65
100
165
220
10
30
55
80
130
220
13
25
40
60
95
220
19
15
25
40
70
Tabela n.° 13 - Bitola do condutor a ser usado na instalação do aparelho de ar condicionado
Obs.: Os valores das tensões são em volts (V) e das correntes em ampères (A).
Exemplo de aplicação da tabela: Suponhamos que desejamos instalar um aparelho de ar
condicionado cuja etiqueta de identificação informa que ele deve ser ligado a uma tensão
de 127 volts com corrente de 12 ampères a uma distância de 30 metros entre a caixa de
distribuição de energia e a tomada do aparelho.
Solução: Na linha referente à tensão de 127V e à corrente de 12A (a primeira linha da
tabela), verificamos que nenhuma distância se refere a 30 metros; nesse caso, devemos
49
COMÉRCIO LOGISTA
adotar a distância imediatamente superior, isto é, 35 metros e verificar que o fio a ser usado
deve ter uma bitola de 6mm².
Utilize sempre uma tomada tripolar apropriada e certifique-se de que a rede de sua loja é
provida de fio de terra da mesma bitola dos fios fases.
Jamais utilize extensões ou faça emendas nos condutores de alimentação dos condicionadores de ar.
6.2.2. APARELHO TIPO “SPLIT-SYSTEM”
Este tipo de aparelho é composto de dois módulos independentes. Um módulo é destinado a abrigar a unidade condensadora, de onde sai o calor do sistema. É instalado no
ambiente externo, abrigado da ensolação direta.
O outro módulo tem a finalidade de abrigar a unidade evaporadora, de onde sai a sensação
de frio. É instalado dentro do ambiente a ser refrigerado. Necessita de tubo dreno para
coletar a água condensada, que sai em volume razoável.
6.3. DEFEITOS MAIS COMUNS OCORRIDOS EM CONDICIONADORES DE AR
Alguns dos defeitos mais comuns que ocorrem em aparelhos de ar condicionado podem
ser resolvidos pelo próprio usuário. Quando o seu condicionador de ar apresentar um defeito, verifique se ele consta da tabela abaixo e, em caso afirmativo, veja como você mesmo
pode resolvê-lo.
50
USO EFICIENTE DE ENERGIA
S I N T O MA
O ap arelho não funciona/não
liga.
Cond icionad or d e ar não
resfria.
P O S S Í V EI S C A U S A S
Falta energia na red e.
Desligue o ap arelho e aguard e a
energia voltar.
Cab o d e alimentação
d esconectad o.
Conecte o cab o na tomad a.
Fusível d a instalação d a sua loja
q ueimad o/d isjuntor d esarmad o.
Sub stitua o fusível e rearme o
d isjuntor.
Filtro d e ar sujo.
Limp e o filtro.
Fluxo d e ar ob struíd o.
Desob strua o p ainel.
Portas e/ou janelas ab ertas.
Feche-as.
Amb iente d iretamente exp osto a
luz solar.
Instale cortinas, sem ob struir o p ainel.
Regulagem d a temp eratura.
Regule-a corretamente.
Exaustão ab erta.
Feche a exaustão.
Ap arelho d esligad o recentemente.
Aguard e 3 minutos p ara religar.
Sob recarga ou q ued a d a red e.
Se houve sob recarga e o ap arelho não
voltou a funcionar, verifiq ue se o
d isjuntor continua ligad o; caso ocorra
falta d e energia, d esligue o ap arelho e
aguard e 3 minutos p ara religá-lo.
Baixa tensão na red e.
Verifiq ue o rend imento d e outros
ap arelhos elétricos e aguard e a
estab ilização; caso ela não ocorra,
comuniq ue o fato à concessionária.
Regulagem d a temp eratura.
Coloq ue na temp eratura correta.
Instalação incorreta. Filtro d e ar
sujo.
Reveja neste manual o item referente
à instalação d o ap arelho; caso não
consiga id entificar o p rob lema, chame
um p rofissional e limp e o filtro.
Não resfria. Somente ventila.
Ruíd o
S O L U Ç Õ ES
Tabela n.º 14 - Defeitos mais comuns ocorridos em aparelhos de ar condicionado
51
COMÉRCIO LOGISTA
6.4.“DICAS” SOBRE O SEU APARELHO DE AR CONDICIONADO
Você, com certeza, já entendeu que o seu aparelho de
ar condicionado pode ser um aliado para aumentar
as suas vendas. Mas você deve cuidar para que o
seu condicionador de ar lhe proporcione todas as vantagens que ele pode oferecer sem lhe trazer nenhum
susto na conta de energia.
É necessário que você aprenda a usar eficientemente o seu condicionador para dele tirar o
melhor proveito com o menor consumo possível de energia elétrica.
As “dicas” que vamos lhe apresentar abaixo procuram mostrar de maneira simples diversas atitudes que você deve tomar no seu dia-a-dia para fazer do seu aparelho de ar
condicionado um aliado.
Procure sempre trabalhar na temperatura adequada, isto é, aquela que lhe proporcione
conforto; lembre-se de que temperaturas muito baixas, além de aumentar o consumo podem causar danos à saúde e sensação de desconforto.
Obstruir a saída de ar com cortinas ou outros objetos causa um grande desperdício de
energia; evite essas obstruções.
Sempre que o ambiente estiver desocupado, desligue o aparelho. Oriente os seus
funcionários para procederem da mesma forma.
Mantenha as portas e as janelas bem fechadas de maneira que se impeça a entrada
do ar externo no ambiente a ser refrigerado. Coloque cartazes atrás das portas e junto
às janelas solicitando às pessoas que procedam dessa maneira.
Quando a temperatura ambiente não estiver muito alta, prefira usar o aparelho ligado
apenas na função de ventilação; com essa atitude, você estará economizando energia.
Saiba que a água condensada e acumulada, que flui pelo dreno do condicionador de
ar, é imprópria para o consumo.
Quando for limpar o aparelho, nunca coloque água sobre o painel do mesmo; se o
condicionador for ligado enquanto estiver molhado, o aterramento poderá ser prejudicado, causando faiscamento com perigo de choque elétrico.
52
USO EFICIENTE DE ENERGIA
Nunca ligue o seu condicionador de ar sem o filtro para que não haja acúmulo de
poeira nos seus componentes internos, o que prejudicará o seu funcionamento.
No caso de aparelhos dotados de ciclo reverso, em que a função aquecimento é pouco
usada, recomenda-se ligar em “aquecer” durante alguns minutos a cada 30 dias.
Limpe o filtro de ar do seu condicionador pelo menos uma vez por semana e antes e
após um longo período sem utilização. Se o filtro não for devidamente limpo, haverá
uma redução no fluxo de ar através do mesmo, diminuindo a eficiência do aparelho e
aumentando o consumo de energia elétrica.
Para fazer a limpeza do filtro de ar do seu condicionador, use apenas água limpa e não
muito quente (abaixo de 50°C) ou sugue a sujeira com um aspirador de pó; jamais
seque o filtro diretamente no fogo.
Para limpar o painel, use apenas um pano seco e macio ou, em caso de sujeira de
remoção mais difícil, use um pano úmido e sabão neutro.
Se o seu aparelho ficar um longo período em desuso, antes de tornar a ligá-lo, tome
as seguintes atitudes:
–
Verifique se as entradas de ar do seu aparelho estão obstruídas; em caso de
obstrução, retire aquilo que estiver impedindo a passagem do ar.
–
Limpe o filtro de ar.
Uma manutenção programada proporcionará a você uma economia de energia e um
aumento do tempo de vida útil do aparelho.
Sempre que necessário, utilize cortinas para evitar a entrada dos raios solares nos
ambientes a serem refrigerados.
Se o painel do seu aparelho de ar condicionado estiver fazendo muito barulho, verifique se o filtro está bem encaixado.
Dê preferência aos aparelhos de ar condicionado com o selo PROCEL de economia
de energia; esses equipamentos foram testados e comprovadamente consomem
menos energia.
53
COMÉRCIO LOGISTA
CONSULTAS SUGERIDAS
Manual Prático do Eletricista – Adriano Motta
Hemus – Livraria Editora Ltda.
O Uso Eficiente da Eletricidade – Howard Geller
INEE – PROCEL – ACEEE
Planejamento Integrado de Recursos Energéticos – Gilberto de Martino Jannuzzi e
Joel N.P. Swisher
Manual de Instalações Elétricas – Ademaro Cotrim
Editora Mc Graw – Hill Ltda. – 2ª Edição
Manual Prático de Geladeiras, Refrigeração Industrial e Residencial – Carlos Lauand
Hemus Editora Ltda. – 4ª Edição
Manual “Como economizar Energia Elétrica em sua Loja” – Agência para Aplicação
de Energia – Governo do Estado de São Paulo
Manual “Conservação de Energia Elétrica na Indústria – Alta Tensão”
PROCEL
Manual de Instruções “Air Master Consul”
Revista Iluminação Brasil – Editora Iluminação Brasil S/C Ltda. – Setembro/Outubro
de 1997
Manuais da Philips Iluminação
Vários Diagnósticos Energéticos Efetuados no Comércio Lojista
54
USO EFICIENTE DE ENERGIA
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
LAMBERTS, Roberto. Eficiência Energética na Arquitetura. ELETROBRÁS/PROCEL MCIDADES.
Eficiência Energética em Habitações de Interesse Social. ELETROBRÁS/PROCEL MCIDADES.
Caderno de Boas Práticas. Eficiência Energética em Edificações Brasileiras. Edificações
de Saúde. ELETROBRÁS/PROCEL.
Caderno de Boas Práticas. Eficiência Energética em Edificações Brasileiras. Shopping
Centers. ELETROBRÁS/PROCEL.
CONSIDERAÇÕES GERAIS:
Recomendamos ainda que, na realização de obras de construções novas ou de reformas, sejam observadas as orientações sobre Arquitetura Bioclimática existentes nos
manuais produzidos pela ELETROBRÁS / PROCEL, constantes da REFERÊNCIA.
55
COMÉRCIO LOGISTA
ANEXOS
TABELA 1
TABELA DE PRODUTOS ARMAZENADOS
Temperaturas Recomendadas para Refrigeração
Tabela de Produtos Armazenados – Temperaturas Recomendadas
(Fonte: Tabela de refrigeração de produtos - Programa MARK IV Plus - ELETROBRÁS/PROCEL)
PRODUTO
TEMPERATURA
RECOMENDADA - ºC
ARMAZENAGEM
ABACATE
-1.0
4 semanas
ABACAXI
10.0
4 semanas
ABÓBORA
-1.2
2-6 meses
ÁGUA GELADA
1.0
-
AIPO VERMELHO
-0.8
3-4 meses
ALCACHOFRA
-1.2
1-2 semanas
ALFACE
0.0
3 meses
ALHO PORRÓ
-0.8
1-3 meses
ALHO SECO
-2.0
6-8 meses
AMEIXA FRESCA
-1.8
3-4 semanas
AMORA
-1.4
7-10 dias
ASPARGOS
-0.8
3-4 semanas
AVE CONGELADA
-10.0
6-9 meses
AVE FRESCA
-10.0
1 semana
BACON CONGELADO
-23.0
4-6 meses
BACON CURADO
-51.0
4-6 meses
BACON CURADO EMPACOTADO
-10.0
2-6 semanas
BANANA
13.0
10 dias
BANHA
2.0
3 meses
BATATA
2.0
6 meses
BERINGELA
-0.8
10 dias
BETERRABA CORTADA
-1.1
1-3 meses
59
COMÉRCIO LOGISTA
PRODUTO
TEMPERATURA
RECOMENDADA - ºC
ARMAZENAGEM
BETERRABA EM CACHOS
-1.2
10-14 dias
CAFÉ (VERDE)
-3.0
2-4 meses
CAMARÃO E LAGOSTA
2.0
-
CARNE CONGELADA
-23.0
12 meses
CARNE COZIDA
1.0
15 dias
CARNE DE PORCO
-1.0
-
CARNE DE PORCO RESFRIADA
0.0
3-5 dias
CARNE RESFRIADA
0.0
3-5 dias
CARNE SALGADA
0.0
12 meses
CARNE VERDE
0.0
6 meses
CARNE (CONGELADOS EM GERAL)
-18.0
10 meses
CARNE (MIÚDOS)
0.0
4 dias
CEBOLA
0.0
6 meses
CENOURA BRANCA
-1.1
2-6 meses
CENOURA EM CACHOS
-5.0
10-11 dias
CENOURA CORTADA
-1.2
4-5 meses
CENOURA PRÉ-EMPACOTADA
-5.0
3-4 semanas
CEREJA
-2.2
10-14 dias
CERVEJA EM BARRIL
-2.0
3-6 semanas
CHOCOLATE
18.0
10 meses
COELHO CONGELADO
-23.0
0-6 meses
COELHO FRESCO
-5.0
1-5 dias
COGUMELO
-1.0
3-5 dias
CONGELADOS E VISCERADOS
-23.0
9-10 meses
CORDEIRO CONGELADO
-23.0
8-10 meses
CORDEIRO FRESCO
-2.4
5-12 dias
COUVE
0.0
4 meses
COUVE-FLOR
-0.8
2-3 semanas
COUVE RÁBANO
-1.0
2-4 semanas
CREME DE MESA
2.0
10 dias
CREME PARA MANTEIGA
2.0
3 dias
-26.0
10 dias
2.0
3 dias
CREME (ADOCICADO)
DOCES
60
USO EFICIENTE DE ENERGIA
PRODUTO
TEMPERATURA
RECOMENDADA - ºC
ARMAZENAGEM
ERVILHA VERDE
-1.0
1-2 semanas
ESPINAFRE
-0.2
10-14 dias
FARINHA ALFA
0.0
-
FEIJÃO
-0.9
30 dias
FEIJÃO SECO
0.0
12 meses
FERMENTO DE PADEIRO
-5.0
-
-23.0
3-4 meses
FIGO FRESCO
-2.5
5-7 dias
FIGO SECO
1.0
9-12 meses
FÍGADO CONGELADO
FRANGO CONGELADO
-12.0
3 meses
FRANGO FRESCO
-1.0
8 dias
FRUTA CÍTRICA
-1.8
4-8 semanas
FRUTA CONGELADA/EMPACOTADA
-23.0
6-12 meses
FRUTA DESIDRATADA
18.0
1 ano
FRUTAS SECAS (passas, ameixa)
5.0
1 ano
GROSELHA
-1.0
10-14 dias
IOGURTE
2.0
10 dias
LARANJA
0.0
10 semanas
LEITE CONDENSADO
10.0
vários meses
LEITE EM PÓ
10.0
6 meses
LEITE FRESCO
0.0
5 dias
LEITE INT.TIPO A PASTEURIZADO
-1.0
7 dias
LEITE SECO INTEGRAL
5.0
poucos meses
LEITE SECO SEM GORDURA
5.0
vários meses
LIMA
-2.0
6-8 semanas
LIMÃO
2.0
1-2 meses
LIVROS (BIBLIOTECA)
24.0
-
MAÇÃ
-1.0
7 dias
MAMÃO
0.0
6 meses
MANGA
0.0
10 dias
MANTEIGA
-20.0
12 meses
MANTEIGA DE CACAU
18.0
10 meses
MARGARINA
-10.0
3-4 meses
61
COMÉRCIO LOGISTA
PRODUTO
TEMPERATURA
RECOMENDADA - ºC
ARMAZENAGEM
MEL
-1.1
4-6 semanas
MELÃO
-1.0
6 meses
MILHO DE PIPOCA
1.0
-
MILHO DOCE
-1.0
4-8 dias
MILHO EM GRÃO
2.0
12 meses
MIÚDOS CONGELADOS
-18.0
1 mês
MORANGO CONGELADO
-23.0
1 ano
MORANGO FRESCO
-1.0
7-10 dias
NABOS DE NARIZ
-1.0
4-5 meses
NOZES
-2.0
12 meses
ÓLEO DE SALADA
0.0
1 ano
OLIVA FRESCA
-2.0
4-6 semanas
-18.0
18 meses
OVOS EM CAIXA
-1.0
9 meses
OVOS “IN NATURA”
-2.0
8-9 meses
OVOS (GEMA SECA)
-2.0
6-12 meses
OVOS (RESFRIADOS NA FAZENDA)
-2.0
-
PÃO
10.0
uso imediato
PEIXE CONGELADO
-18.0
10 meses
PEIXE DEFUMADO
2.0
6-8 meses
PEIXE FRESCO
0.0
15 dias
PEIXE SALGA BRANDA
10.0
4-8 meses
PEIXE SALGADO
-4.0
12 meses
PEPINO
-1.0
10-14 dias
PÊRA
-1.0
7 meses
PÊSSEGO
-1.0
4 semanas
PIMENTA DOCE
-1.0
8-10 semanas
PIMENTA MALAGUETA
-1.0
6-9 meses
PLANTAS E FLORES EM GERAL
-6.0
-
PRESUNTO CONGELADO
23.0
6-8 meses
PRESUNTO COZIDO
1.0
OVOS CONGELADOS
PRESUNTO CRU
PRESUNTO CURADO
62
USO EFICIENTE DE ENERGIA
1 mês
-22.0
8 meses
5.0
0-3 anos
PRODUTO
TEMPERATURA
RECOMENDADA - ºC
ARMAZENAGEM
PRESUNTO DEFUMADO
15.0
6 meses
PRESUNTO DIANT. FRESCO
1.0
7-12 dias
QUEIJO DURO
5.0
3 anos
QUEIJO FRESCO, MATURADO
2.0
2 meses
QUIABO
-2.0
7-10 dias
RABANETE
-1.0
10 dias
REFRIGERANTE
7.0
-
REPOLHO
-1.0
3-4 meses
REQUEIJÃO
2.0
10 dias
RICOTA FRESCA
3.0
5 dias
SALSICHA DEFUMADA
2.0
-
SEMENTE DE VEGETAL
2.0
-
SORVETE
-23.0
vários meses
TÂMARA
-25.0
-
TANGERINA
-1.0
3-4 semanas
TOMATE
-1.0
7 dias
TOMATE MADURO
4.0
10 dias
TOUCINHO
-10.0
4 meses
TRASEIRO GORDO (PORCO)
-10.0
0-3 meses
-1.0
8 semanas
VERDURAS CONG./EMPACOTADA
-23.0
6-12 meses
GELO
-4.0
UVA
63
COMÉRCIO LOGISTA
TABELA 2
Características gerais das luminárias
T I PO
C A R A C T E R I ST I C A S
Luminárias
e m b uti d a s
- Normalmente usad as com lâmp ad as incand escentes
- comuns.
- Ap resentam b aixo rend imento.
- Normalmente ap resentam p rob lemas d e sup eraq uecimento.
- Difícil manutenção.
- Iluminação geral (d eve ser
- usad a p referencialmente com
- lâmp ad as refletoras)
Luminárias
fe c ha d a s
(Lâmpadas
fluorescentes)
- São encontrad as com vários tip os d e elemento d e controle
- d e luz (refletores esp alhad os com p roteção visual, d ifusor
- p rismático, colmeias etc.).
- Rend imento mod erad o, d ep end end o d o tip o d e elemento
- d e controle d a luz.
- Difícil manutenção.
- Pod em ser fixad as sob re a sup erfície d o teto e, em alguns
- casos, p od em ser emb utid as.
- Os tip os q ue d isp õem d e refletores sem elementos d e
- controle d e luz ap resentam melhor rend imento.
- Iluminação geral com controle
- d e ofuscamento
Luminárias
abertas
- Pod em ser encontrad as com ou sem elementos d e controle
- d e luz.
- Ap resentam rend imento sup erior ao d as luminárias
- fechad as.
- Fácil manutenção.
- Pod em ser fixad as sob re a sup erfície d o teto ou susp ensas.
- Iluminação geral ond e não há
- p rob lemas d e ofuscamento
- Iluminação localizad a (b alcões)
- Iluminação d e d ep ósitos
“Spots”
- São utilizad os com vários tip os d e lâmp ad as incand escente
- refletora, lâmp ad a colorid a e outros d isp ositivos, como
- filtros e refletores.
- Utilizad os p ara iluminação d irecional, ap resentand o grand e
- flexib ilid ad e no d irecionamento d o fluxo luminoso.
- Fácil manutenção.
- Pod em ser fixad os sob re as sup erfícies ou emb utid os.
- Iluminação geral com controle
- d e ofuscamento
- Encontrad os em vários tamanhos.
- Ap resentam b om rend imento luminoso.
- São fixad os sob re as sup erfícies ou susp ensos.
- Pod em ser usad os com lâmp ad as d esd e as
- incand escentes comuns, halógenas até as lâmp ad as d e
- vap or d e sód io.
- Fácil manutenção, d ep end end o d as cond ições d o local.
- Fachad as
- Dep ósitos
- Estacionamentos
Projetores
64
USO EFICIENTE DE ENERGIA
A P L I C A Ç Õ ES
TABELA 3
Principais tipos de lâmpada
T I PO
C A R A C T E R I ST I C A S
A P L I C A Ç Õ ES
Incandescente
Co m u m
- Cor ap arente: q uente
- Excelente rep rod ução d e cores
- Baixa eficiência luminosa
- Vid a Méd ia: 1.000h
- Não exige eq uip amentos auxiliares
- Grand e varied ad e d e formas
- Locais d e p ouco uso
- (b anheiros, q uartos d e d esp ejo
- etc.)
Incandescente
ha l óg e na
- Cor ap arente: q uente
- Excelente rep rod ução d e cores
- Vid a Méd ia: 2.000h
- Eficiência luminosa maior q ue a incand escente comum
- Exige eq uip amentos auxiliares, d ep end end o d a tensão (V)
- Vários tamanhos, inclusive com refletores
- Iluminação d e fachad as e
- d ecoração
Fluorescente
- Cores ap arentes: q uente, intermed iária, fria
- Excelente a mod erad a rep rod ução d e cores, d ep end end o
- d o tip o
- Boa eficiência luminosa
- Vid a Méd ia: 7.500h
- Exige eq uip amentos auxiliares: reator e ignitor (p artid a
- convencional) ou só reator (p artid a ráp id a)
- Forma tub ular em vários tamanhos
- Iluminação geral (amb ientes
- internos com p é d ireito b aixo)
- Iluminação localizad a (caixa,
- b alcões etc.)
Fluorescentes
c om p a c ta s
- Cor ap arente: q uente
- Boa rep rod ução d e cores
- Boa eficiência luminosa
- Vid a Méd ia: 8.000h
- Exige eq uip amentos auxiliares (reator)
- Encontrad as nas p otências d e 5 a 45 Watts
- Peq uenas d imensões
- Iluminação geral (amb ientes
- internos com p é d ireito b aixo)
- Iluminação localizad a (caixa,
- b alcões etc.)
- Iluminação d e emergência
Mista
- Cor ap arente: intermed iária
- Mod erad a rep rod ução d e cores
- Vid a Méd ia: 6.000h
- Eficiência luminosa mod erad a
- Não exige o uso d e eq uip amentos auxiliares
- Amb ientes externos
- (estacionamentos)
- Amb ientes internos d e p ouco
- uso (d ep ósitos)
- Cor ap arente: intermed iária
- Mod erad a rep rod ução d e cores
- Vid a Útil: 12.000h
- Boa eficiência luminosa
- Exige o uso d e eq uip amentos auxiliares (reator)
- Amb ientes externos
- (estacionamentos)
- Amb ientes internos amp los
- (d ep ósitos) com p é d ireito
- elevad o
- Cor ap arente: q uente
- Pob re rep rod ução d e cores
- Alta eficiência luminosa
- Vid a Méd ia: 15.000h
- Exige o uso d e eq uip amentos auxiliares (reator e “starter”)
- Amb ientes externos
- (estacionamentos)
- Amb ientes internos amp los
- (d ep ósitos) com p é d ireito
- elevad o
Vapor de
mercúrio
Vapor de sódio
alta pressão
65
COMÉRCIO LOGISTA
ANOTAÇÕES
66
USO EFICIENTE DE ENERGIA
ANOTAÇÕES
67
COMÉRCIO LOGISTA
ANOTAÇÕES
68
USO EFICIENTE DE ENERGIA
Was this manual useful for you? yes no
Thank you for your participation!

* Your assessment is very important for improving the work of artificial intelligence, which forms the content of this project

Download PDF

advertisement