DULCOMETER® Controlador Multiparâmetros diaLog DACa

DULCOMETER® Controlador Multiparâmetros diaLog DACa
Instruções de montagem e operação
DULCOMETER®
Controlador Multiparâmetros diaLog DACa
A1111
Ler primeiro o manual de instruções na sua totalidade! · Não o deitar fora!
Por de danos devido a erros de instalação e comando, a empresa operadora se responsabiliza!
Reservadas as modificações técnicas!
N.º peça 985232
BA DM 015 04/14 PT
Instruções complementares
Igualdade de tratamento geral
Neste documento é utilizada a forma gra‐
matical masculina num sentido neutro,
para tornar a leitura do texto mais fácil.
No entanto, é sempre dirigido a mulheres
e homens de igual forma. Apelamos à
compreensão das leitoras para esta sim‐
plificação do texto.
Instruções adicionais
Leia as seguintes instruções complemen‐
tares.
Dá-se especial relevo no texto ao
seguinte:
n
Enumerações
Instruções de manuseio
ð Resultados das instruções de
manuseio
Informações
Uma informação serve para dar indi‐
cações importantes para o funciona‐
mento correcto do aparelho ou para
facilitar o seu trabalho.
Indicações de segurança
As indicações de segurança contêm
vastas descrições da situação de perigo,
ver Ä Capítulo 4.1 “Identificação das ins‐
truções de segurança” na página 18
2
Índice
Índice
1
Conceito de operação............................................................................................. 8
1.1
1.2
1.3
1.4
As funções das teclas .................................................................................
Alteração do idioma do operador configurado.............................................
Confirmar erro ou mensagem de aviso .......................................................
O bloqueio do teclado .................................................................................
11
12
13
13
2
Entradas no visor [Menu]...................................................................................... 14
3
Código ID.............................................................................................................. 15
3.1 Um ponto de medição completo inclui:........................................................ 17
4
Segurança e responsabilidade............................................................................. 18
4.1
4.2
4.3
4.4
Identificação das instruções de segurança..................................................
Indicações de segurança gerais...................................................................
Utilização correcta........................................................................................
Qualificação do utilizador.............................................................................
18
19
20
21
5
Descrição funcional.............................................................................................. 23
6
Montagem e instalação......................................................................................... 25
6.1 Fornecimento...............................................................................................
6.2 Montagem mecânica....................................................................................
6.2.1 Montagem na parede................................................................................
6.2.2 Montagem no painel de controlo...............................................................
6.3 Montagem eléctrica......................................................................................
6.3.1 A especificação das uniões roscadas.......................................................
6.3.2 Esquema de bornes..................................................................................
6.3.3 Secções transversais dos condutores e mangas da extremidade do con‐
dutor..........................................................................................................
6.3.4 Montagem na parede e montagem no painel de controlo.........................
6.3.5 A ligação de cargas indutivas....................................................................
6.3.6 Ligar os sensores electricamente ao controlador......................................
6.4 Aspiração para ventilar.................................................................................
7
27
27
27
29
32
33
34
44
45
46
48
52
Colocação em funcionamento.............................................................................. 53
7.1
7.2
7.3
7.4
Comportação de ligação durante a colocação em funcionamento..............
Ajustar a iluminação de fundo e o contraste do visor do controlador...........
Reposição do idioma do operador...............................................................
Determinar o processo de dosagem e controlo...........................................
53
54
54
54
3
Índice
8
Ajustar as variáveis de medição........................................................................... 55
8.1 Informações para as variáveis de medição..................................................
8.1.1 Variável de medição pH [mV]....................................................................
8.1.2 Temperatura..............................................................................................
8.1.3 Variável de medição pH [mA]....................................................................
8.1.4 Redox [mV], Redox [mA]...........................................................................
8.1.5 Cloro, Bromo, Dióx. de cloro, Clorite, Oxigénio dissolvido e Ozono.........
8.1.6 Variável de medição Fluoreto....................................................................
8.1.7 Ácido parac...............................................................................................
8.1.8 Oxigénio per..............................................................................................
8.1.9 Condutibilidade [mA] ................................................................................
8.1.10 Temperatura [mA], (como variável de medição principal).......................
8.1.11 mA-Geral.................................................................................................
8.1.12 Especificidades da versão de dois canais...............................................
9
57
57
57
58
59
59
61
62
62
63
63
63
63
Calibrar................................................................................................................. 65
9.1 Calibrar sensor pH.......................................................................................
9.1.1 Selecção do processo de calibração com pH...........................................
9.1.2 Calibração de 2 pontos do sensor pH (CAL).............................................
9.1.3 Calibração do sensor pH (CAL) com uma amostra externa (1 Ponto)......
9.1.4 Calibração do sensor pH (CAL) através da [introdução de dados]...........
9.2 Calibrar sensor Redox..................................................................................
9.2.1 Selecção do processo de calibração com Redox.....................................
9.2.2 Calibração de 1 ponto do sensor Redox (CAL).........................................
9.2.3 Calibração dos dados do sensor Redox (CAL).........................................
9.3 Calibrar o sensor de Fluoreto.......................................................................
9.3.1 Selecção do processo de calibração no caso de fluoreto.........................
9.3.2 Calibração de 2 Pontos do sensor de fluoreto (CAL)................................
9.3.3 Calibração de 1 pontos do sensor de fluoreto (CAL)................................
9.4 Calibrar sensores amperométricos..............................................................
9.4.1 Selecção do processo de calibração com variáveis de medição ampero‐
métricas.....................................................................................................
9.4.2 Calibração da inclinação...........................................................................
9.4.3 Calibração do ponto zero..........................................................................
9.5 Calibrar sensor de oxigénio..........................................................................
9.5.1 Selecção do processo de calibração para a variável de medição O2.......
66
69
70
74
77
80
80
80
82
84
84
84
86
88
89
89
92
94
95
9.5.2 Calibração automática para a variável de medição O2............................. 96
4
Índice
9.5.3 Calibração do ponto zero para a variável de medição O2......................... 98
9.5.4 Calibração do valor O2 para a variável de medição O2........................... 100
9.6 Calibrar o valor de medição [mA-Geral]..................................................... 102
9.7 Calibrar a condutibilidade........................................................................... 102
9.8 Calibrar a temperatura............................................................................... 103
10
Ajustar[Controlo]................................................................................................. 105
10.1
10.2
10.3
10.4
10.5
10.6
10.7
10.8
10.9
10.10
10.11
10.12
11
Controlo Parâmetro [Tipo]........................................................................
Controlo Parâmetro [Comportamento].....................................................
Controlo Parâmetro [Valor nominal].........................................................
Controlo Parâmetro [xp]...........................................................................
Controlo Parâmetro [Tn]...........................................................................
Controlo Parâmetro [Tv]...........................................................................
Controlo Parâmetro [Carga base ad.]......................................................
Controlo Parâmetro [Tempo de controlo].................................................
Controlo Parâmetro [Variável máx. de ajuste]..........................................
Variável de interferência.........................................................................
Valor nominal predefinido através de um sinal analógico 0/4 ... 20 mA.
[Comutação de parâm.] através da Entrada digital ou [Temp.]..............
Ajustar os [valores limite].................................................................................... 124
11.1 Função dos valores limite.........................................................................
11.2 Ajustar valores limite Canal 1...................................................................
11.2.1 Configurar [Val. limite 1]........................................................................
11.2.2 Configurar [Val. limite 2]........................................................................
11.2.3 Ajustar [Resp. do sistema]....................................................................
12
112
113
113
114
115
115
115
115
115
116
118
120
124
126
127
127
128
Ajustar as [bombas]............................................................................................ 129
12.1 Ajustar a [Bomba 1].................................................................................. 129
13
Ajustar o [Relé]................................................................................................... 132
13.1 Ajustar relé 1............................................................................................
13.1.1 Descrição funcional [Desligado]............................................................
13.1.2 Descrição funcional [Temp. de relé]......................................................
13.1.3 Descrição funcional [Val. limite 1] ou [Val. limite 2]...............................
13.1.4 Descrição funcional [Valor limite1/2 (var. ajus.)]...................................
13.1.5 Descrição funcional [Ciclo]....................................................................
13.1.6 Descrição funcional [Duração do impulso (MLP)] ................................
133
135
135
135
135
135
137
5
Índice
14
Ajustar as [Entradas Digitais].............................................................................. 138
14.1 Ajustar [Entrada Digital 1]......................................................................... 138
15
Ajustar as [saídas mA]........................................................................................ 141
15.1 Ajustar as [saídas mA]............................................................................. 143
16
17
18
Função: Registo de dados.................................................................................. 145
16.1 Activar, ler e eliminar registos..................................................................
16.2 Configurar registos...................................................................................
16.2.1 Utilize o [Registo calibr.]........................................................................
16.2.2 Utilizar [Registo de erro]........................................................................
16.2.3 Utilizar [Registo de dados] (opção).......................................................
145
146
146
147
148
[Diagnóstico].......................................................................................................
17.1 Exibir os [registos]....................................................................................
17.1.1 Indicar o [registo de calibração]............................................................
17.1.2 Ler o [Registo de erro]...........................................................................
17.2 Exibir [Simulação].....................................................................................
17.3 Exibir as [Informações do aparelho].........................................................
17.4 Mensagens de erro e mensagens de aviso.............................................
17.5 Textos de ajuda........................................................................................
151
151
151
151
152
152
153
160
O [Serviço] ......................................................................................................... 162
18.1 Configurar o [Tempor. lavagem]............................................................... 162
19
[Configurar ]Setup do aparelho...........................................................................
19.1 Configurar [Idioma]...................................................................................
19.2 [Configurar] Configurações gerais............................................................
19.3 Configurar [Configurações avançadas]....................................................
19.4 Actualizar..................................................................................................
19.5 Configurar a [Autorização]........................................................................
163
164
165
165
166
167
20
Dados técnicos do controlador........................................................................... 168
21
Peças sobressalentes e acessórios................................................................... 171
21.1 Peças sobressalentes.............................................................................. 171
21.2 Acessórios................................................................................................ 172
22
Formalidades necessárias.................................................................................. 173
22.1 Eliminação de peças antigas.................................................................... 173
22.2 Normas respeitadas e Declaração de conformidade............................... 173
6
Índice
23
Glossário............................................................................................................. 174
24
Índice remissivo.................................................................................................. 183
7
Conceito de operação
1
Conceito de operação
1.
A1035
Fig. 1: Cruz de operação (1) / As teclas activas são representadas no visor a [preto]; as
teclas inactivas são representadas a [cinzento].
É apresentado por exemplo o seguinte caminho:
Indicação contínua ➨
Indicação
contínua
➨
ou
[Calibrar] ➨
[Calibrar]
➨
ou
[Inclinação] ➨
➨
[Inclinação]
A1036
Fig. 2: Durante o decorrer de um procedimento é efectuada uma mudança de visor.
I.
II.
III.
IV.
Indicação contínua 1
Visor 2
Visor 3
Visor 4
A função das teclas é descrita na tabela Ä Capítulo 1.1 “As funções das teclas ”
na página 11.
➨ = descreve simbolicamente um procedimento por parte do operador, o qual conduz a
uma nova possibilidade de um procedimento.
[Designação no visor] = um parêntesis recto envolve uma designação que usas as
mesmas palavras quando apresentada no visor do controlador.
8
Conceito de operação
Através da tecla
pode consultar mais informações.
Iluminação do visor
No caso de um erro com o estado [ERROR], a iluminação de fundo do visor muda
de “branco” para “vermelho” . Desta forma, torna-se mais fácil para o operador
reconhecer um erro e reagir em função dele.
Fig. 3: Exemplo de uma indicação contínua, durante a utilização de um canal de
medição (por ex. pH)
-15
7.55
7.20
25
0.30
0.50
A1177
Fig. 4: Exemplo de uma indicação contínua, durante a utilização de dois canais de
medição (por ex. pH/Cloro)
9
Conceito de operação
Ajuste de diferentes parâmetros nos
menus ajustáveis
Nenhuns itens de menu temporizados
O controlador não sai de nenhum item de menu de forma temporizada, o controlador
permanece num item de menu até o utilizador sair dele.
1.
Seleccione o parâmetro pretendido no visor com as teclas
ou
ð Antes do parâmetro seleccionado encontra-se uma seta que assinala o parâ‐
metro seleccionado.
2.
Prima a tecla
ð Encontra-se agora no menu de configuração do parâmetro pretendido.
3.
No menu de configuração pode ajustar o valor pretendido com as quatro teclas de
seta e memorizar com a tecla
ð
Erro de área
Se introduzir um valor que se situe fora da área de ajuste possível, surge
a mensagem [Erro de área], depois de pressionar a tecla . Premindo a
tecla ou a tecla , regressa ao valor que se pretende ajustar.
Após premir a tecla
, o controlador encontra-se novamente no menu
Cancelar o processo de configuração
Premindo a tecla
10
regressa ao menu sem guardar um valor.
Conceito de operação
1.1
As funções das teclas
Funções das teclas
Tecla
Função
Accionamento no menu de configuração: Confirma e memoriza a intro‐
dução de valores.
Accionamento na indicação contínua: Mostra todas as informações sobre
os erros e avisos memorizados.
Retroceder à indicação contínua ou ao início do respectivo menu de con‐
figuração, onde se encontra actualmente.
Permite o acesso directo a todos os menus de configuração do contro‐
lador.
Permite o acesso directo ao menu de calibração do controlador, a partir
da indicação contínua.
Início/Stop da função de controlo e dosagem do controlador, a partir de
cada indicação preferencial.
Para aumentar um valor numérico indicado e para avançar acima do
menu de operação.
Accionamento no menu de configuração: Desloca o cursor para a direita.
Accionamento na indicação contínua: Apresenta mais informações rela‐
tivas às variáveis de saída e entrada do controlador.
11
Conceito de operação
Tecla
Função
Para diminuir um valor numérico indicado e para avançar abaixo do menu
de operação.
Desloca o cursor para a esquerda.
1.2
1.
Alteração do idioma do operador configurado
Pressione simultaneamente as teclas
e
ð O controlador muda para o menu para configuração do idioma do operador.
Idioma
2
Idioma
Alemão
A1482
Fig. 5: Menu para configuração do idioma do operador
2.
Pode agora definir com as teclas
3.
Confirme a sua selecção, pressionando a tecla
e
o idioma do operador pretendido
.
ð O controlador volta a mudar para a indicação contínua e indica o idioma do
operador seleccionado.
12
Conceito de operação
1.3
Confirmar erro ou mensagem de aviso
Quando o controlador reconhece um erro [Error], o controlo é parado, a iluminação de
fundo muda para luz vermelha e o relé de alarme fica sem energização. Pressionando a
tecla , pode então confirmar a mensagem. O controlador mostra desta forma todos os
erros e avisos. Pode seleccionar e, se necessário, confirmar as mensagens de alarme
existentes. Quando confirma um erro, o relé de alarme energiza e a iluminação de fundo
volta a mudar para luz branca. Na parte de baixo do visor, o erro ou mensagem de aviso
ocorrido/a continua em exibição, por ex. [Error 01], até a causa ser solucionada.
No caso de um aviso, por ex. o controlador sinaliza que um sensor ainda não se
encontra calibrado, é possível continuar a trabalhar com o controlador, com ou sem con‐
firmação da mensagem.
No caso de uma mensagem de erro [Error], [por ex.] o controlador sinaliza que não se
encontra nenhum sensor ligado, não é possível continuar a trabalhar com o controlador
depois de confirmar a mensagem. Deve agora eliminar o erro, consulte informação rela‐
cionada em Ä Capítulo 17 “[Diagnóstico]” na página 151.
Fig. 6: Mensagem de erro, o controlador pára o controlo
1.4
O bloqueio do teclado
O controlador possui um bloqueio de
teclado. Um bloqueio de teclado activo
impede o accionamento das teclas. O blo‐
queio do teclado pode ser activado ou
desactivado premindo em simultâneo as
teclas
e . O bloqueio de teclado acti‐
.
vado é sinalizado pelo símbolo
13
Entradas no visor [Menu]
2
Entradas no visor [Menu]
Nome do ponto de menu
Avanço para o capítulo
[Medição]
Ä Capítulo 8 “Ajustar as variáveis de medição”
na página 55
[Valores limite]
Ä Capítulo 11 “Ajustar os [valores limite]”
na página 124
[Controlo]
Ä Capítulo 10 “Ajustar[Controlo]” na página 105
[Calibração]
Ä Capítulo 9 “Calibrar” na página 65
[Bombas]
Ä Capítulo 12 “Ajustar as [bombas]” na página 129
[Relé]
Ä Capítulo 13 “Ajustar o [Relé]” na página 132
[Entradas digitais]
Ä Capítulo 14 “Ajustar as [Entradas Digitais]”
na página 138
[Saídas mA]
Ä Capítulo 15 “Ajustar as [saídas mA]” na página 141
[Diagnóstico]
Ä Capítulo 17 “[Diagnóstico]” na página 151
[Serviço]
Ä Capítulo 18 “O [Serviço] ” na página 162
[Setup]
Ä Capítulo 19 “ [Configurar ]Setup do aparelho”
na página 163
14
Código ID
3
Código ID
Identificação de aparelhos/código de identificação
DULCOMETER®, Controlador Multiparâmetros diaLog DACa
D
A
C
a
Versão
00
com logótipo ProMinent®
S0 Com jogo de montagem para armário de distribuição
Tensão de serviço
6 90 ... 253 V, 48/63 Hz
Canal 1*
1 Medição + Controlo, 2 Bombas, 2 Entradas de comando, 2 saídas mA
Canal 2**
0
sem 2.º canal
2
Pacote 2: Variável de interferência (mA) ou Valor nominal predefi‐
nido externo através de Compensação pH ou mA para cloro (todos
com efeito no Canal 1) Adicionalmente uma saída mA.
3
Pacote 3: 2.ª medição + controlo, adicionalmente 2 bombas, 3
entradas de comando, uma saída mA
4
Pacote 4: 2.ª medição + controlo, adicionalmente 2 bombas, 3
entradas de comando, uma saída mA, variável de interferência (mA
ou frequência), compensação pH para cloro
Predefinições de software
0
sem predefinições
1
Neutralização do lote 2 x medição de pH com controlador de
1-2 sentidos e controlo final
2
Neutralização contínua 2 x medição de pH com controlador de
1-2 sentidos, variável de interferência e controlo final
3
Medição/Controlo pH/Redox (pH de 2 sentidos, Redox de 1
sentido)
15
Código ID
DULCOMETER®, Controlador Multiparâmetros diaLog DACa
4
Medição/Controlo pH/Cl2 (pH de 2 sentidos, cloro de 1 sentido)
5
Medição/Controlo pH/ClO2 (pH de 2 sentidos, Dióxido de cloro
1 sentido)
6
Medição/Controlo pH/Cl2 com variável de interferência (pH de 2
sentidos, cloro de 1 sentido)
7
Medição/Controlo ClO2/Redox (Dióxido de cloro de 1 sentido,
Redox para monitorização)
Ligação dos canais
0
Canal 1 / 2 através de bornes (mA e mV)
1
Canal 1 através de ligação coaxial SN 6 (apenas com pH e
Redox através de mV)
2
Canal 2 através de ligação coaxial SN 6 (apenas com pH e
Redox através de mV)
3
Canal 1 e 2 através de ligação coaxial SN 6 (apenas com
pH e Redox através de mV)
Ligação de sensores digitais / actuadores
0
nenhuma
comunicação
0
nenhum
Registo de dados
0
sem registo de dados
1
Registo de dados com representação do valor
de medição com cartão SD
Expansão de hardware
0
nenhum
1
Circuito de protecção RC para relé de
potência
Certificações
01 nenhum (CE Standard)
16
Código ID
DULCOMETER®, Controlador Multiparâmetros diaLog DACa
Certificados
0
nenhum
Idioma da documentação***
DE
Alemão
EN
Inglês
FR
Francês
ES
Espanhol
Notas de rodapé sobre o código de identificação
* Selecção da variável de medição durante a primeira colocação em funcionamento
** A selecção da variável de medição é efectuada durante a primeira colocação em
funcionamento ou através das predefinições de software.
*** Outros idiomas disponíveis a pedido.
3.1
n
n
n
n
n
n
n
Um ponto de medição com‐
pleto inclui:
Transdutor de medição / Controlador
DACa (ver Código identif.)
Guarnições: DGMa..., DLG III ...
Sensor pH (dependente da Apli‐
cação)
Redox Sensor (dependente da Apli‐
cação)
por ex. sensor de cloro, dióxido de
cloro, clorite, bromo, oxigénio solto
Conversor para pH ou Redox (depen‐
dente da avaliação configurada, pH
[mA], Redox [mA])
Cabo do sensor
17
Segurança e responsabilidade
4
Segurança e responsabilidade
4.1
Identificação das instruções
de segurança
Introdução
Este manual de instruções descreve os
dados técnicos e as funções do produto.
O manual de instruções fornece instru‐
ções de segurança em detalhe e está divi‐
dido em passos de actuação claros.
As instruções de segurança e as adver‐
tências estão agrupadas segundo o
esquema seguinte. Neste sentido, uti‐
lizam-se variados pictogramas, adequ‐
ados à situação. Os pictogramas aqui
representados servem apenas de
exemplo.
ATENÇÃO
Tipo e origem do perigo
Possível consequência: Morte ou feri‐
mentos muito graves.
Medidas que têm de ser tomadas
para evitar este perigo.
Aviso!
–
PERIGO!
Tipo e origem do perigo
Consequência: Morte ou ferimentos
muito graves.
Medidas que têm de ser tomadas
para evitar este perigo.
18
Assinala uma situação possivel‐
mente perigosa. Se não for evi‐
tada, a consequência pode ser
morte ou ferimentos muito
graves.
CUIDADO!
Tipo e origem do perigo
Possível consequência: Ferimentos
ligeiros ou insignificantes. Deterio‐
ração de propriedade.
Perigo!
Medidas que têm de ser tomadas
para evitar este perigo.
–
Cuidado!
Assinala a ameaça de perigo imi‐
nente. Se não for evitado, a con‐
sequência é morte ou ferimentos
muito graves.
–
Assinala uma situação possivel‐
mente perigosa. Se não for evi‐
tada, a consequência pode ser
ferimentos ligeiros ou insignifi‐
cantes. Também pode ser usada
para aviso relativo a deteriora‐
ções de propriedade.
Segurança e responsabilidade
4.2
AVISO!
Tipo e origem do perigo
Deterioração do produto ou da sua
área envolvente.
Medidas que têm de ser tomadas
para evitar este perigo.
Advertência!
–
Assinala uma situação possivel‐
mente prejudicial. Se não for evi‐
tada, pode ser danificado o pro‐
duto ou alguma coisa que esteja
na sua área envolvente.
Tipo de informação
Sugestões de utilização e informação
adicional.
Origem da informação. Medidas adi‐
cionais.
Informação!
–
Assinalam sugestões de utili‐
zação e outras informações
especialmente úteis. Não é uma
palavra chave para uma situação
perigosa ou prejudicial.
Indicações de segurança
gerais
ATENÇÃO
Peças condutoras de tensão!
Consequência possível: Morte ou
lesões graves
–
–
Medida: Antes da abertura da
caixa ou antes de realizar traba‐
lhos de montagem, isentar os
aparelhos de tensão.
Aparelhos danificados, com
defeito ou manipulados devem
ser colocados sem tensão.
ATENÇÃO
Perigo devido a substância perigosa!
Consequência possível: morte ou feri‐
mentos muito graves.
Durante o manuseamento de sub‐
stâncias perigosas, tenha em atenção
as actuais folhas de dados de segu‐
rança do fabricante das substâncias.
As medidas necessárias resultam do
conteúdo da folha de dados de segu‐
rança. Visto que, devido aos novos
conhecimentos, o potencial de perigo
de uma substância pode ser reava‐
liada a qualquer momento, a folha de
dados de segurança deve ser verifi‐
cada regularmente e, se necessário,
substituída.
Pela existência e o estado actual da
folha de dados de segurança, assim
como pela elaboração da avaliação
de perigo dos locais de trabalho em
questão é responsável o operador da
instalação.
19
Segurança e responsabilidade
4.3
Utilização correcta
ATENÇÃO
Acesso não permitido!
Consequência possível: morte ou feri‐
mentos muito graves.
–
Medida: Proteja o aparelho
contra acesso não autorizado
ATENÇÃO
Erro de operação!
Consequência possível: morte ou feri‐
mentos muito graves.
–
–
–
O aparelho apenas pode ser ope‐
rado por pessoal técnico com
qualificação suficiente
Tenha também em atenção os
manuais de instruções dos sen‐
sores e das guarnições de
imersão e de outros módulos
eventualmente disponíveis, como
a bomba de água de medição ...
O operador é responsável pela
qualificação do pessoal
AVISO!
Funcionamento perfeito dos sensores
Danificação do produto ou da sua
área envolvente.
–
–
20
A medição e dosagem correctas
são possíveis apenas com um
perfeito funcionamento do sensor
O sensor deve ser verificado e
calibrado regularmente
Utilização correcta
O aparelho foi concebido para medir
e regular meios líquidos. A identifi‐
cação das variáveis de medição é
indicada no visor do aparelho e abso‐
lutamente vinculativa.
O aparelho deve apenas ser utilizado
de acordo com os dados e especifica‐
ções técnicas incluídos neste manual
de instruções e no manual de instru‐
ções dos componentes individuais
(como por ex. sensores, guarnições
de imersão, aparelhos de calibração,
bombas de dosagem etc.).
São proibidas todas as outras utiliza‐
ções ou uma alteração.
Constante temporal > 30
segundos
– O controlador é aplicável a pro‐
cessos que possuam uma cons‐
tante temporal > 30 segundos.
Segurança e responsabilidade
4.4
Qualificação do utilizador
ATENÇÃO
Perigo de ferimento no caso de qualificação insuficiente do pessoal!
O proprietário da instalação/do aparelho é responsável pela observância das qualifi‐
cações.
Se forem realizados trabalhos no aparelho por pessoal não qualificado ou se este
permanecer na área de perigo do aparelho, existem perigos que podem causar
graves ferimentos e danos materiais.
–
–
Quaisquer actividades só podem ser realizadas por pessoal qualificado para o
efeito
Manter pessoal não qualificado afastado das áreas de perigo
Formação
Definição
pessoal instruído
O pessoal instruído são pessoas que receberam instruções e
eventualmente frequentaram sessões de aprendizagem sobre
as tarefas a realizar e possíveis perigos no caso de comporta‐
mento incorrecto, bem como informações sobre os equipa‐
mentos e medidas de protecção.
utilizador qualificado
Os utilizadores qualificados são pessoas que preenchem os
requisitos impostos ao pessoal com formação e, adicional‐
mente, frequentaram uma formação específica para a insta‐
lação na ProMinent ou num parceiro comercial autorizado.
técnicos qualificados
Os técnicos qualificados são pessoas que sabem avaliar as
tarefas que lhe são incumbidas e detectar possíveis perigos,
com base na sua formação, conhecimentos e experiência, bem
como no conhecimento das disposições aplicáveis. Para ava‐
liar uma formação técnica também pode ser considerada uma
actividade ao longo de vários anos na área de trabalho em
questão.
21
Segurança e responsabilidade
Formação
Definição
Pessoal electrotéc‐
nico
Pessoal electrotécnico é aquele que, graças à sua formação
técnica, conhecimentos e experiência, assim como ao seu
conhecimento das normas e regulamentos relevantes, é capaz
de executar trabalhos em instalações eléctricas e de reco‐
nhecer e evitar por conta própria eventuais perigos.
O pessoal electrotécnico foi especialmente formado para o
campo em que está activo e está a par das normas e regula‐
mentos relevantes.
O pessoal electrotécnico deve cumprir as prescrições dos
regulamentos de prevenção de acidentes em vigor.
Serviço de apoio ao
cliente
O serviço de apoio ao cliente é realizado por técnicos de assis‐
tência técnica, que receberam formação e autorização compro‐
vadas por parte da ProMinent para realizar trabalhos na insta‐
lação.
Observações para o proprietário
Respeitar os regulamentos aplicáveis relativos à prevenção de acidentes, bem como
todas as regras de segurança geralmente reconhecidas!
22
Descrição funcional
5
Descrição funcional
O Controlador Multiparâmetros
DULCOMETER® diaLog DACa é uma pla‐
taforma de controladores da ProMinent.
No decorrer deste documento, é geral‐
mente utilizado para o DULCOMETER® o
termo “Controlador” . O controlador foi
desenvolvido para a medição e controlo
permanentes de parâmetros da análise de
líquidos. Para processos de tratamento de
águas na técnica ambiental e indústria. O
controlador está disponível numa versão
com um e com dois canais de medição. O
controlador pode trabalhar em conjunto
com sensores analógicos convencionais e
actuadores. O controlador está equipado
para comunicar com sensores digitais e
actuadores através do sensor CANopen/
barramento do actuador.
n
Aplicações típicas:
n
n
n
n
n
Tratamento de água potável
Tratamento de águas residuais
Preparação de águas industriais e de
processo
Tratamento de águas para piscinas
Equipamento de série:
n
n
n
n
Um canal de medição com 14 variá‐
veis de medição de selecção livre
(através de entrada mV ou mA
Controlador PID com comando de
bomba de dosagem por frequência
para 2 bombas de dosagem.
Duas saídas analógicas para o valor
de medição, o valor de correcção ou
a variável de ajuste (dependente do
equipamento opcional)
Duas entradas digitais para detecção
do erro da água de medição, pausa e
comutação de parâmetros
n
n
n
n
n
n
Dois relés com função de valor limite,
temporizador e controlo instável, con‐
trolo passo a passo de 3 pontos
(dependendo do equipamento opci‐
onal)
Variáveis de medição e selecção do
idioma na colocação em funciona‐
mento
Compensação da influência de tem‐
peratura sobre as variáveis de
medição pH e fluoreto
22 idiomas de comando
Guardar e transferir a parametrização
do aparelho através de cartão SD
Ampliação posterior da função de
software através do Activation-Key ou
de actualização de firmware
Processamento da variável de interfe‐
rência (Débito) por frequência
Indicação de tendência de valor de
medição através do visor do contro‐
lador.
Equipamento opcional:
n
n
n
n
n
n
n
Segundo canal de medição e controlo
completo com 14 variáveis de
medição de selecção livre (através de
entrada mV ou mA)
Software de configuração para PC
Dados e registo de eventos com um
cartão SD
Processamento da variável de interfe‐
rência (débito) adicional por mA
Compensação da influência do pH
sobre a medição de cloro
3 entradas digitais adicionais, por ex.
para a monitorização do nível
PROFIBUS®-DP *.
23
Descrição funcional
n
n
24
Modbus-RTU
Visualização através de acesso web
LAN/WLAN
Montagem e instalação
6
n
n
Montagem e instalação
Qualificação do utilizador, montagem
mecânica: técnico com formação,
consultar Ä Capítulo 4.4 “Qualifi‐
cação do utilizador” na página 21
Qualificação do utilizador, montagem
eléctrica: electricista, consultar
Ä Capítulo 4.4 “Qualificação do utili‐
zador” na página 21
AVISO!
Local de montagem e condições
– O controlador preenche o tipo de
protecção IP 67 (montagem em
parede) ou IP 54 (montagem no
painel de controlo) e para estan‐
quicidade (com base em NEMA
4X). Estes padrões são apenas
cumpridos, quando todas as
vedações e uniões roscadas
estão correctamente colocadas.
– A instalação (eléctrica) apenas
pode ser efectuada após a mon‐
tagem (mecânica)
– Tenha em atenção uma boa
acessibilidade para a operação
– Fixação segura e baixa em vibra‐
ções
– Evitar a exposição à radiação
solar directa
– Temperatura ambiente permitida
no local de instalação do contro‐
lador: -20 ... 60 °C com, no máx.,
95 % de humidade relativa do ar
(sem condensação)
– A temperatura ambiente permi‐
tida dos sensores ligados e de
outros componentes deve ser
tida em consideração
– O controlador é adequado
apenas para a operação em
espaços fechados. Durante a
operação no exterior, o contro‐
lador deve ser protegido contra
as influências atmosféricas por
uma estrutura de protecção ade‐
quada
25
Montagem e instalação
Posição de leitura e operação
–
Monte o aparelho numa posição
de leitura e operação favorável
(se possível, à altura dos olhos).
Posição de montagem
–
–
–
26
Por predefinição, o controlador é
utilizado na montagem de
parede.
– N entanto, pode montar o
controlador num painel de
controlo, utilizando o kit de
montagem opcional.
Deve montar sempre o contro‐
lador, de forma a que as entradas
de cabos fiquem viradas para
baixo.
Deixe espaço livre suficiente para
os cabos.
Montagem e instalação
6.1
Fornecimento
As seguintes peças fazem parede do material fornecido por padrão:
Designação
Quantidade
Controlador DAC
1
Material de montagem completo 2P Universal (conjunto)
2
Manual de instruções
1
Indicações de segurança gerais
1
6.2
Montagem mecânica
6.2.1
Montagem na parede
Montagem na parede
Retirar o suporte de parede da caixa
Material de montagem (incluído no forne‐
cimento)
n
n
n
n
1 x suporte de parede
4 x parafusos PT 5 x 35 mm
4 x arruelas planas 5.3
4 x buchas Ø 8 mm, plástico
A0490
Fig. 7: Desmontar o suporte de parede
1.
Retire os dois mosquetões (1)
ð O suporte de parede bloqueia
um pouco para baixo.
2.
Pressione o suporte de parede da
caixa para baixo (2) e retire-o (3)
3.
Assinale quatro orifícios de perfu‐
ração, utilizando o suporte de
parede como modelo de perfuração
27
Montagem e instalação
4.
Perfure os orifícios: Ø 8 mm, t = 50
mm
A0491
Fig. 8: Instale o suporte de parede
5.
Aparafuse o suporte de parede com
arruelas planas.
2
3
1
A0492
Fig. 9: Montar o suporte de parede
6.
Suspenda a caixa em baixo (1) no
suporte de parede
7.
Pressione a caixa com ligeira
pressão a partir de cima (2) contra
o suporte de parede
28
8.
Verifique agora se a caixa está sus‐
pensa a partir de cima e pressione-a para baixo (3) até esta encaixar
audivelmente
Montagem e instalação
6.2.2
Montagem no painel de controlo
CUIDADO!
Desvio da dimensão
Consequência possível: Danos materiais
–
–
Ao fotocopiar o gabarito de punção podem verificar-se desvios da dimensão
Utilizar as dimensões conforme Fig. 11 e desenhar no painel de controlo
CUIDADO!
Espessura do material do painel de controlo
Consequência possível: Danos materiais
–
Para a fixação segura, a espessura do material do painel de controlo deve ser
de, no mínimo, 2 mm
Na área envolvente da caixa encontra-se uma saliência de 4 mm de largura como
batente para o painel de controlo, com uma ranhura adicional circundante para aloja‐
mento de um cordão vedante. Na montagem no painel de controlo, toda dianteira da
caixa fica aprox. 35 mm saliente em relação ao painel de controlo. A montagem é efec‐
tuada a partir do exterior num entalhe do painel de controlo previsto para esse efeito.
Com o material de fixação é possível o aparelho é fixado no painel de controlo, a partir
do interior.
29
Montagem e instalação
I.
3
2
1
A1179
Fig. 10: Número de encomenda do conjunto de montagem do painel de controlo DAC
(incluído no material fornecido): 1041095.
I.
1.
2.
3.
30
Painel de controlo
Cordão vedante ∅3, borracha de
espuma (1 unidade)
Suporte de retenção em aço, galvani‐
zado (6 unidades)
Parafuso de corte PT, galvanizado (6
unidades)
Gabarito de punção
Montagem e instalação
A1170
Fig. 11: O desenho não se encontra à escala e não é submetido, dentro deste manual de
instruções, a nenhum serviço de alterações. O desenho destina-se apenas como infor‐
mação.
31
Montagem e instalação
1.
Através das dimensões do modelo de perfuração, desenhar a posição exacta do
aparelho no painel de controlo
2.
Marcar os cantos e furar (diâmetro da broca 12 – 13 mm)
3.
Com um furador ou uma serra pendular, preparar o entalhe de acordo com o
desenho do gabarito de punção
4.
Rebarbar as arestas de corte e verificar se as superfícies de vedação para o
cordão se encontram planas
ð Caso contrário não é garantida a função de vedação.
5.
Pressionar uniformemente o cordão vedante na ranhura circundante do aparelho
6.
Colocar o aparelho no painel de controlo e fixar a partir de trás, utilizando os
suportes de retenção e os parafusos de corte PT
ð Saliência do aparelho para a frente em relação ao painel de controlo, aprox.
35 mm
6.3
n
Montagem eléctrica
Qualificação do utilizador, instalação
eléctrica: electricista, consultar
Ä Capítulo 4.4 “Qualificação do utili‐
zador” na página 21
AVISO!
Humidade nos pontos de contacto
É imprescindível proteger contra a
humidade a ficha de ligação, os
cabos e os bornes através de
medidas construtivas e técnicas ade‐
quadas. A presença de humidade nos
pontos de contacto pode danificar o
funcionamento do aparelho.
32
Montagem e instalação
6.3.1
A especificação das uniões roscadas
A1066
Fig. 12: Todas as dimensões em milímetros (mm)
A1067
Fig. 13: Todas as dimensões em milímetros (mm)
33
Montagem e instalação
6.3.2
Esquema de bornes
Estão incluídos no controlador esquemas de bornes que apresentam uma atribuição
de 1:1.
Apenas um sensor por módulo
No módulo principal ou módulo de expansão pode encontrar-se ligado um sensor
respectivamente. Por exemplo, poderá ligar um sensor de cloro no módulo principal
(Canal 1) e um sensor pH ou uma variável de interferência no módulo de expansão
(Canal 2).
Conexão do sensor de cloro em controladores com dois canais
Na medição do cloro com compensação pH há que ter o seguinte em atenção ao
ligar os sensores. O sensor de cloro tem de ser ligado ao módulo de expansão
(Canal 2) aos bornes XE8.3 (-) e XE8.4 (+).
O sensor pH tem de ser ligado da seguinte forma ao módulo principal (Canal 1):
–
–
na utilização de um cabo coaxial, nos bornes XE1 (blindagem), XE 2 (condutor
interno)
na utilização de um conversor pHV1 (mA), nos bornes XE4.3 (-) e XE4.4 (+)
Para alcançar um compensação pH correcta, o valor pH tem de ser compensado
adicionalmente ao nível da temperatura. O sensor de temperatura tem de ser ligado
aos bornes XE7.3 e XE7.4.
Em função dos códigos de identificação do controlador (canal 2 = pacote 4), a vari‐
ável de interferência tem então de ser ligada à entrada mA do módulo de expansão
XE8.2(-) e XE8.3 (+), se esta não estiver já ocupada com o conversor pHV1 (mA).
A variável de interferência tem efeito sobre o controlo de pH e cloro.
34
Montagem e instalação
Medição de pH através de um transdutor de medição
Se uma medição de pH for ligada ao controlador através de um transdutor de
medição DULCOMETER® DMTa ou de um dispositivo de medição de pH de ter‐
ceiros, as atribuições mA-pH têm então de ser realizadas da seguinte forma no
DMTa ou no dispositivo de medição do terceiro fornecedor:[ 4 mA = pH 15,45] e
[20 mA = pH -1,45]
Conexão do transdutor de medição DTMa
Um DMTa é conectado ao controlador como transdutor de medição de 2 condutores:
–
–
–
Borne DACa, canal 1: XE4.3 pólo Menos e XE4.4 pólo Mais
Borne DACa, canal 2: XE8.3 pólo Menos e XE8.4 pólo Mais
ver: Ä “Esquema de bornes do módulo principal (canal 1) com variantes de ocu‐
pação ” na página 37 e Ä “Esquema de bornes do módulo de expansão (canal
2) com variantes de ocupação ” na página 39
Transdutor de medição de terceiros
Um transdutor de medição de terceiros é conectado ao controlador da seguinte
forma quando o transdutor de pressão fornece um sinal activo:
–
–
–
Borne DACa, canal 1: XE4.3 pólo Mais e XE4.2 pólo Menos
Borne DACa, canal 2: XE8.3 pólo Mais e XE8.2 pólo Menos
ver: Ä “Esquema de bornes do módulo principal (canal 1) com variantes de ocu‐
pação ” na página 37 e Ä “Esquema de bornes do módulo de expansão (canal
2) com variantes de ocupação ” na página 39
35
Montagem e instalação
Disposição dos bornes Versão de aparelho de parede
opcional: Módulo de expansão
opcional: Circuito de protecção RC
Conectores LAN
Bornes
Fusível
Interface CAN
Borne blindado
Grupo de construção base
Ligação de cabo coaxial em borne blindado
Borne blindado
A1171
Fig. 14: Disposição dos bornes
36
Montagem e instalação
Esquema de bornes do módulo principal (canal 1) com variantes de ocupação
24V(preto)
Borne blindado
Entr. de contacto 2
Compensação poten.
Temperatura (Pt100/Pt1000)
Fonte de corrente
Sensor
Entrada de sinal padrão
0/4-20mA
Entrada de sinal padrão 2 fios
4-20mA
Variantes de ocupação Variantes de ocupação
Fio
de ligação
directa
Opcional:
SN-6Casquilho
Temperatura (Pt100/Pt1000)
Blindagem
Lig. à massa
Opcional:
ligação externa
ficha M12x1 macho
(codificação A)
Contactos secos
Entr. de contacto 1
A1172
Fig. 15: Esquema de bornes com variantes de ocupação. Módulo principal Canal 1, só é
possível conectar uma variável de medição principal a um módulo, por ex. sensor de
cloro.
37
Montagem e instalação
Bomba 1 externa, aumentar (isento de potencial)
Rede eléctrica
Bomba 2 externa, diminuir (isento de potencial)
Sinal padrão-Saída
1 0/4-20mA
Sinal padrão Saída
2..0/4-20mA
Válvula solenóide 1 (aumentar)
Rede eléctrica
Válvula solenóide 2 (diminuir)
Externo
Rede eléctrica Rede eléctrica Rede eléctrica
Relé alarme
A1178
Fig. 16: Esquema de bornes com variantes de ocupação
38
Montagem e instalação
Esquema de bornes do módulo de expansão (canal 2) com variantes de ocupação
Módulo de expansão, Canal 2, só é possível conectar uma variável de medição principal
a um módulo, por ex. pH. Adicionalmente, em função do código ID, é possível conectar o
sinal mA de um debitómetro indutivo magnético.
39
Montagem e instalação
Saída de sinal padrão3 0/4-20 mA
Contactos secos
Entr. de contacto digital 3
Entr. de contacto digital 4
Entr. de contacto digital 5
Temperatura
Entrada de sinal padrão
Fonte de corrente
Entrada de sinal padrão 2 fios
Sensor
Rede eléctrica
Bomba 3 externa, aumentar (isento de potencial)
Bomba 4 externa, diminuir (isento de potencial)
Fig. 17: Esquema de bornes com variantes de ocupação
40
Variantes de ocupação Variantes de ocupação
Compensação poten.
Fio de
ligação directa
Temperatura
A1174
Montagem e instalação
Esquema de bornes com circuito de protecção RC (opcional)
Bomba 2
(Diminuir valor)
Rede eléctrica
Bomba 1
(Aumentar valor)
Rede eléctrica
Circuito de protecção RC
Externo
Rede eléctrica
A1180
Fig. 18: Esquema de bornes com circuito de protecção RC (opcional)
41
Montagem e instalação
Esquema de bornes do "módulo de comunicação" DAC
Comunicação
Módulo-LAN
vermelho
verde
Protecção
vermelho
verde
Protecção
Comunicação
Módulo-PROFIBUS
opcional:
ligação externa
Ficha M12x1 fêmea,
4 pólos
(codificação D)
Entrada
Saída
Rede LAN
HUB
Fig. 19: Esquema de bornes do "módulo de comunicação" DAC
42
A1173
Montagem e instalação
Interfaces de serviço
Ligação de cartão SD CAN interno
Ecrã/Teclado
USB
Ventilador 3 pólos
Ligação
de comunicação
Bateria
Fusível
CAN externo
Etiqueta de identif.
módulos
A1175
Fig. 20: Interfaces de serviço
43
Montagem e instalação
6.3.3
Secções transversais dos condutores e mangas da extremidade do
condutor
secção transversal
mínima
secção transversal
máxima
sem manga da
extremidade do
condutor
0,25 mm2
1,5 mm2
Manga da extremi‐
dade do condutor
sem isolamento
0,20 mm2
1,0 mm2
8 - 9 mm
Manga da extremi‐
dade do condutor
com isolamento
0,20 mm2
1,0 mm2
10 - 11 mm
44
Comprimento de
isolamento
Montagem e instalação
6.3.4
Montagem na parede e montagem no painel de controlo
Vedações e esquema de bornes
Seleccione as vedações que correspondem às passagens de cabos do controlador.
Feche orifícios abertos com cavilhas de enchimento. Apenas desta forma se pode
garantir uma vedação suficiente.
A humidade presente no controlador pode conduzir a avarias de funcionamento.
Tenha em atenção as indicações nos esquemas de bornes incluídos.
Conjunto, material de montagem, número de peça 1045171, inclui as seguintes peças
individuais
Designação
Número de peça
Quanti‐
dade
Anel de vedação (M 20 x 1,5), 4xØ5
1045172
2
Anel de vedação (M 20 x 1,5), 2xØ4
1045173
2
Anel de vedação (M 20 x 1,5), 2xØ6
1045194
2
Tampões de encerramento, Ø10, poliamida, cinzento
RAL 7035
1042417
5
Tampões de protecção, IL4-073
140448
5
Tampões, IL4-044
140412
5
União roscada (M 20 x 1,5) (5-13), poliamida, preto
1040788
1
União roscada (M 12 x 1,5) (4-6), preto
1009734
1
Contra-porca (M 12 x 1,5), alcance 15, latão, niquelada
1018314
1
Tenha em atenção uma descarga de tracção do cabo.
1.
Desaperte os quatro parafusos da caixa
45
Montagem e instalação
2.
Empurre a parte superior da caixa do controlador um pouco para a frente e
encaixe a parte superior da caixa na posição estacionária na parte inferior da
caixa.
3.
União roscada grande (M 20 x 1,5)
Uniões roscadas pequenas (M 12 x 1,5)
4.
Insira o cabo no controlador
5.
Ligue o cabo como indicado no esquema de bornes
6.
Aperte bem as porcas de bloqueio das uniões roscadas de forma a estas ficarem
vedadas.
7.
Coloque a parte superior da caixa na parte inferior da caixa.
8.
Aperte manualmente os parafusos da caixa.
9.
Verifique novamente a fixação da vedação. Apenas quando a montagem está cor‐
recta é alcançado o tipo de protecção IP 67 (montagem na parede/tubo) ou IP 54
(montagem no painel de controlo)
6.3.5
A ligação de cargas indutivas
Se ligar a um relé do seu controlador
uma carga indutiva, isto é, um consu‐
midor que utilize uma bobina (por
exemplo, bomba do motor alpha),
deverá proteger o seu controlador
com um circuito de protecção. Em
caso de dúvida, aconselhe-se com
um electricista.
46
O circuito de protecção com uma R-C é
um circuito simples, mas muito eficaz.
Este circuito é também designado de
Snubber ou Boucherot. É utilizado predo‐
minantemente para a protecção de con‐
tactos de comutação.
O circuito em série da resistência e do
condensador permite que, no processo de
desconexão, a corrente possa diminuir
numa vibração atenuada.
No processo de ligação, a resistência
serve ainda de limitação de corrente para
o processo de carregamento do conden‐
sador. O circuito de protecção com uma
R-C é bastante adequado para a tensão
alternada.
Montagem e instalação
Assim, a resistência R da R-C é dimen‐
sionada de acordo com a seguinte fór‐
mula:
R=U/IL
É possível determinar e registar o pro‐
cesso de desconexão por meio de um
oscilograma. O pico de tensão no con‐
tacto de comutação depende da combi‐
nação R-C escolhida.
(U= tensão acima da carga // IL = cor‐
rente de carga)
O tamanho do condensador pode ser
calculado com a seguinte fórmula:
A0842
C=k * IL
k=0,1...2 (em função da aplicação).
Fig. 21: Processo de desconexão no osci‐
lograma
Utilizar apenas uma condensador da
classe X2.
Unidades: R = Ohm; U = Volt; IL =
Ampere; C = µF
A0835
Se forem ligados consumidores que
possuam uma corrente de conexão
elevada (por exemplo, unidades de
alimentação eléctrica com ficha),
deve estar prevista uma limitação da
corrente de conexão.
Fig. 22: Circuito de protecção RC para os
contactos do relé
Aplicações típicas de corrente alternada
com carga indutiva:
n
n
n
1) Carga (por exemplo, bomba do
motor alpha)
2) Circuito de protecção RC
– Circuito de protecção RC exem‐
plificativo com 230 V AC:
– Condensador [0,22µF/X2]
– Resistência [100 Ohm / 1 W]
(óxido metálico (resistente a
impulsos))
3) Contacto do relé (XR1, XR2, XR3)
47
Montagem e instalação
6.3.6
Ligar os sensores electrica‐
mente ao controlador
Qualificação do utilizador, montagem
eléctrica: electricista, consultar Ä Capí‐
tulo 4.4 “Qualificação do utilizador”
na página 21
Cabo coaxial pré-confeccionado
Utilize se possível apenas um cabo
coaxial pré-confeccionado que pode
seleccionar no catálogo de produtos.
–
–
–
48
Cabo coaxial 0,8 m, pré-confec‐
cionado, número de encomenda
1024105
Cabo coaxial 2 m SN6, pré-con‐
feccionado, número de enco‐
menda
Cabo coaxial 5 m SN6, pré-con‐
feccionado, número de enco‐
menda
Montagem e instalação
6.3.6.1
Ligação de sensores pH ou Redox através de um cabo coaxial
AVISO!
Possível medição com erros devido a contacto eléctrico com defeito
Utilize este tipo de ligação apenas quando não pretende utilizar um cabo coaxial
pré-confeccionado. Tenha em atenção o seguinte neste tipo de ligação:
No cabo coaxial interior, remova a camada de plástico preto. Esta encontra-se em
todos os tipos de cabos. Certifique-se de que os fios individuais da rede de pro‐
tecção não caem na ligação do condutor interno.
1.
2.
3.
4.
A0948
Fig. 23: Cabo coaxial:
1.
2.
3.
4.
Revestimento de protecção
Isolamento
Condutor interno
Condutor externo e blindagem
49
Montagem e instalação
A0947
Fig. 24: Fabrico do cabo coaxial
A ligação de sensores pH ou Redox
por meio de um cabo coaxial, corres‐
ponde ao tipo de ligação pH/Redox
por mV, directamente através de
borne eléctrico do controlador.
O controlador pode, dependendo da
versão (1 ou 2 canais), medir uma ou
duas vezes o valor pH/Redox.
Existem dois tipos de ligação:
Existe o tipo de ligação sem compen‐
sação de potencial (tipo de ligação não
simétrico) ou o tipo de ligação com com‐
pensação de potencial (tipo de ligação
simétrica).
50
Quando utiliza a compensação
de potencial?
Utiliza a compensação de potencial
quando a medição pH/Redox sofre
interferência devido ao potencial de
interferência do meio de medição. Os
potenciais de interferência podem
verificar-se por ex., devido a motores
eléctricos incorrectamente protegidos
ou devido a uma separação galvânica
insuficiente de condutores eléctricos
etc. A compensação de potencial não
elimina este potencial de interferência
mas diminui a sua influência sobre a
medição. Por isso, o ideal é eliminar a
fonte do potencial de interferência.
Montagem e instalação
Mudar o controlador para uma medição
com compensação de potencial
AVISO!
Fio de ligação directa com compen‐
sação de potencial ligada
Uma medição com fio de ligação
directa e compensação de potencial
ligada fornece valores de medição
errados.
Ligação do sensor sem compensação de
potencial
O sensor é ligado ao controlador, tal
como indicado no esquema de bornes. O
fio de ligação directa no controlador não
pode ser removido.
Ligação do sensor com compensação de
potencial
AVISO!
Tenha em atenção as seguintes
diferenças:
O controlador está predefinido de
fábrica para medições sem compen‐
sação de potencial (medição não
simétrica).
No caso de uma medição com com‐
pensação de potencial (medição
simétrica), o ajuste deve ser alterado
em conformidade no menu [Medição].
No caso de uma ligação simétrica,
deve remover o fio de ligação directa
e ligar o cabo para a compensação
de potencial (PA) ao borne XE3_2
(canal 1) ou XE7_2 (canal 2) do con‐
trolador.
1.
Altere no menu [Medição] canal 1
ou 2 a entrada em
[Compensação poten.] para [Sim.]
2.
Abra o controlador e retire o fio de
ligação directa
n
n
Fontes de erro durante a medição
com compensação de potencial
Uma medição sem fio de ligação
directa e/ou compensação de poten‐
cial não ligada fornece valores de
medição errados.
No caso de uma ligação simétrica, o
cabo para a compensação de poten‐
cial (PA) deve ser ligado ao borne
XE3_2 (canal 1) ou XE7_2 (canal 2)
do controlador. Previamente devem
ser removidos os fios de ligação
directa neste borne.
Borne XE3_1, XE3_2 para
canal 1
Borne XE7_1, XE7_2 para
canal 2
51
Montagem e instalação
6.4
A Compensação poten. deve estar
sempre em contacto com o meio de
medição. Na guarnição DGMa é
necessário um tampão de compen‐
sação potencial
(n.º de encomenda 791663) e um
cabo (n.º de encomenda 818438). Na
guarnição DLG está sempre montado
um pino de compensação potencial, é
necessário apenas o cabo
(n.º de encomenda 818438).
Particularidades durante a cali‐
bração com compensação de poten‐
cial
Na calibração, deve mergulhar a
compensação poten. na respectiva
solução tampão ou utilizar o suporte
de calibração fornecido com o mate‐
rial da guarnição DGMa. Este suporte
de calibração possui um pino de com‐
pensação poten. integrado, ao qual
pode ligar o cabo de compensação
poten..
6.3.6.2
Ligação de sensores ampe‐
rométricos
Ligue o sensor ao borne correspondente
do controlador, tal como descrito no
manual de instruções do sensor, consultar
Ä Capítulo 6.3.2 “Esquema de bornes”
na página 34.
52
Aspiração para ventilar
As bombas trabalham a 100%
de potência
Tenha em atenção trabalhos de mon‐
tagem nas suas proximidades, uma
vez que tubagens abertas, etc.,
podem originar a saída descontrolada
de produto de dosagem para o meio
ambiente.
Bomba 1
Função
Freq. máx. cursos
Atribuição
Diminuir valor
Canal 1
A1068
Fig. 25: [Aspirar com <OK>] por ex., para
ventilar uma bomba
Se, com a bomba ligada e operacional,
seleccionar a função [Aspirar com <OK>],
as bombas aspiram com potência a 100
% enquanto premir a tecla .
Com esta função pode por ex. fornecer o
produto de dosagem até à bomba e assim
ventilar o tubo de dosagem.
Colocação em funcionamento
7
Colocação em funcionamento
Qualificação do utilizador: utilizadores
qualificados, ver Ä Capítulo 4.4 “Qua‐
n
7.1
lificação do utilizador” na página 21
ATENÇÃO
Ligação - Primeiros passos
Tempos de arranque do sensor
Podem ocorrer dosagens erradas
perigosas
Controlo da instalação e de
função
– Verifique se todas as ligações
foram correctamente efectuadas
– Certifique-se de que a tensão de
alimentação coincide com a
tensão indicada na placa de
características
Tenha em consideração os tempos
de arranque do sensor durante a
colocação em funcionamento:
–
–
–
–
–
–
Deve encontrar-se produto de
dosagem suficiente na água de
medição para uma aplicação
(por ex. 0,5 ppm Cloro)
Uma medição e dosagem cor‐
rectas apenas são possíveis com
o perfeito funcionamento do
sensor.
É obrigatório respeitar os tempos
de arranque do sensor.
Calcule o tempo de arranque
durante o planeamento da colo‐
cação em funcionamento.
O arranque do sensor pode
demorar um dia de trabalho com‐
pleto.
Tenha em consideração o
manual de instruções do sensor
Após a montagem mecânica e eléctrica
deve integrar o controlador no ponto de
medição.
Comportação de ligação
durante a colocação em fun‐
cionamento
1.
Ligue a tensão de alimentação
2.
O controlador apresenta-lhe um
menu onde pode configurar o
idioma com o qual pretende operar
o controlador.
3.
Aguarde a detecção do módulo do
controlador
Detecção do módulo
Grupo de construção base
Versão software: 01.00.00.00
Módulo de expansão
Versão software: 01.00.00.00
Prosseguir com <OK>
Início automático em 10 S
A1081
Fig. 26: Detecção do módulo
ð O controlador apresenta-lhe os
módulos instalados e detec‐
tados do controlador.
4.
Prima a tecla
53
Colocação em funcionamento
ð O controlador muda agora para
a indicação contínua. A partir
da indicação contínua pode
aceder a todas as funcionali‐
dades do controlador, através
da tecla .
7.2
Ajustar a iluminação de
fundo e o contraste do visor
do controlador.
Indicação contínua ➨
[Setup do aparelho]➨
[Configurações gerais] ➨
[Iluminação de fundo]
➨
ou
[Setup] ➨
Neste ponto de menu pode configurar a
luminosidade e o contraste do visor do
seu controlador para se adequar às condi‐
ções ambiente do seu local de montagem.
7.3
Para configurar um controlador deve
determinar os seguintes parâmetros:
n
n
n
n
n
n
n
Repor o idioma do operador
n
Caso já não saiba onde se encontra
no menu do operador, deve premir
repetidamente a tecla
até que seja
visível a indicação contínua.
Determinar o processo de
dosagem e controlo
Após ter integrado o seu controlador no
percurso de controlo, deve configurar o
controlador. Através da configuração, o
controlador é adaptado ao seu processo.
Reposição do idioma do
operador
Caso tenha sido configurado um
idioma do operador estranho e, con‐
sequentemente, incompreensível,
pode repor o controlador à configu‐
ração básica. Pode fazê-lo, pressio‐
nando em simultâneo as teclas
e
.
54
7.4
n
Que tipo de processador está dispo‐
nível?
Que variável de medição se encontra
disponível?
Encontra-se disponível um processo
contínuo, Batch ou de circulação.
O controlador deve trabalhar como
controlador unilateral ou bilateral?
Que variáveis de controlo estão dis‐
poníveis?
Que parâmetros de controlo são
necessários?
O que deve o controlador fazer em
modo [HOLD]?
Como deve ser activados os actua‐
dores?
Como devem ser configuradas as
saídas mA?
Ajustar as variáveis de medição
8
n
Ajustar as variáveis de medição
Qualificação do utilizador: utilizador qualificado, consultar Ä Capítulo 4.4 “Qualifi‐
cação do utilizador” na página 21
Indicação contínua ➨
➨
[Medição] ➨
➨
ou
[Variável de medição]
[Medição] ➨
ou
[Medição canal 1]
Configurações para o [canal 2]
O controlador possui dois canais de medição na sua versão de 2 canais. Esta
descrição do [canal 1] é válida no geral também para as configurações no [canal 2].
O procedimento para a configuração dos respectivos canais é idêntico, mas os parâ‐
metros a configurar podem ser diferentes. É chamada a atenção para desvios e
estes também são descritos.
Canal 1
Variável de medição
Tipo de sensor
Gama de medição
Temperatura
Temper. de processo
Compensação pH
Cloro
CLE3/CLE3.1
0... 2.0 ppm
Manual
10.0 °C
Deslig.
A1082
Fig. 27: Configurar variáveis de medição, no exemplo [Canal 1] e a variável de medição
[Cloro]
As seguintes variáveis de medição podem ser configuradas no controlador:
Variável de medição
Significado
Unidade
[Nenhuma]
O controlador não efectua nenhuma
medição.
[pH [mV]]
Sensor pH com sinal mV
[pH]
[pH [mA]]
Sensor pH com sinal mA
[pH]
[Redox [mV]]
Sensor Redox com sinal mV
[mV]
[Redox [mA]]
Sensor Redox com sinal mA
[mV]
55
Ajustar as variáveis de medição
Variável de medição
Significado
[mA-Geral]
Unidade
n
n
n
n
n
n
n
n
n
n
n
[De selecção livre]
[%]
[mA]
[m]
[bar]
[psi]
[m3/h]
[gal/h]
[ppm]
[%HR]
[NTU]
[Bromo]
Bromo
[ppm]
[Cloro]
Cloro
[ppm]
[Dióx. de cloro]
Dióx. de cloro
[ppm]
[Clorite]
Clorite
[ppm]
[Fluoreto [mA]]
Fluoreto
[ppm]
[Oxigénio]
Oxigénio
[ppm]
[Ozono]
Ozono
[ppm]
[Ácido parac.]
Ácido parac.
[ppm]
[Oxigénio per]
Oxigénio per com um tipo de sensor
[ppm]
[Cond.[mA]]
Sensor de condutibilidade com sinal
mA
[µS]
[Temp. [mA]]
Sensor de temperatura com sinal mA
[°C] ou [°F]
[Temp.[Pt100x]]
Temperatura com um sensor do tipo
Pt 100 ou Pt 1000
[°C] ou [°F ]
[PER]
Quando realiza a medição do valor pH com compensação poten., deve configurar
este procedimento na selecção da variável de medição como parâmetro.
56
Ajustar as variáveis de medição
8.1
Informações para as variá‐
veis de medição
Variáveis de medição disponí‐
veis
No controlador, encontram-se dispo‐
níveis e prontas para utilização todas
as variáveis de medição possíveis.
Rec. quebra de cabo
[LIGADO] / [DESL.] : [LIGA] ou [DESL.] o
reconhecimento de quebra de cabo do
cabo coaxial. O ajuste de fábrica é
[DESL.]. O controlador indica no ajuste
[LIGADO] uma mensagem de alarme,
quando é reconhecido um erro.
A função [Rec. quebra de cabo] aumenta
a segurança do ponto de medição.
8.1.2
8.1.1
Variável de medição pH [mV]
A variável de medição pH [mV]
A ligação do sensor pH da variável de
medição pH [mV] realiza-se com um cabo
coaxial, através do qual o sinal mV é
encaminhado para o controlador. Esta
medição pode ser utilizada, quando o
comprimento do cabo é menor do que 10
metros.
Temperatura
Temperatura
Nas variáveis de medição amperomé‐
tricas a influência da temperatura sobre a
medição no sensor é compensada auto‐
maticamente. Uma medição de tempera‐
tura separada serve, se necessário,
apenas como indicação e emissão dos
valores de temperatura através de uma
saída mA. Uma compensação da tempe‐
ratura separada é apenas necessária num
sensor de dióx. de cloro do tipo CDP.
Casas decimais
A função indica o valor pH no visor com
uma ou duas casas decimais. Faz então
sentido uma adaptação do visor para uma
casa decimal, quando a alteração do valor
1/100 não é importante ou é errático.
Ajuste de fábrica: 2 casas decimais
Reconhecimento de quebra de vidro
[LIGADO] / [DESL.] : [LIGA] ou [DESL.] o
reconhecimento de quebra de vidro do
sensor pH. O ajuste de fábrica é [DESL.].
O controlador indica no ajuste [LIGADO]
uma mensagem de erro, quando é reco‐
nhecido um erro.
A função [Rec. quebra de vidro] aumenta
a segurança do ponto de medição.
57
Ajustar as variáveis de medição
Compensação da temperatura
8.1.3
Esta função serve para compensação da
influência da temperatura sobre a
medição. Isto é apenas necessário na
medição de pH e fluoreto, bem como na
medição de dióx. de cloro com um sensor
CDP.
Variável de medição pH [mA]:
Temperatura: [Desl.] / [Manual] / [Automá‐
tica]
n
n
n
[Desl.] desliga o ajuste da tempera‐
tura de processo.
[Manual] possibilita uma especifi‐
cação manual da temperatura de pro‐
cesso, o que faz apenas sentido em
temperaturas constantes.
[Automática] utiliza uma determinada
temperatura de processo. Medição
automática da temperatura através de
um sensor de temperatura, por ex.,
Pt1000. Em pH, CDP e fluoreto é
possível colocar no menu a compen‐
sação da temperatura em [LIGADO]
ou [DESL.].
Variável de medição pH [mA]
Se for seleccionada a variável de medição
“pH [mA]” , também denominada medição
pH com um sinal mA, então não se aplica
a possibilidade de monitorização do
sensor quanto a ruptura de cabo ou vidro.
Na medição do pH com um sinal mA, é
ligado um transdutor de medição DMTa
ou pH-V1 ao sensor pH. Entre o trans‐
dutor de medição DMTa/pH-V1 e o con‐
trolador é utilizado um cabo de ligação de
2 condutores. O cabo de ligação alimenta
o transdutor de medição DMTa/ph-V1 e
encaminha o valor de medição como 4 ...
sinal de 20 mA para o controlador.
Na utilização do transdutor de medição
DMTa ou do transdutor de medição de um
fornecedor externo, a atribuição da gama
de medição deve ser ajustada para os
seguintes valores:
n
n
4 mA = 15,45 pH
20 mA = -1,45 pH
No transdutor de medição pH-V1, é forne‐
cido automaticamente o ajuste da atri‐
buição da gama de medições.
58
Ajustar as variáveis de medição
Compensação da temperatura
Esta função serve para compensação da
influência da temperatura sobre a
medição. Na utilização de um transdutor
de medição DMTa, é efectuado neste
transdutor de medição DMTa a configu‐
ração da temperatura de processo
Temperatura: [Desl.] / [Manual] / [Automá‐
tica]
n
n
n
[Desl.] desliga o ajuste da tempera‐
tura de processo.
[Manual] possibilita uma configuração
manual da temperatura de processo
[Automática] utiliza uma determinada
temperatura de processo
8.1.4
Redox [mV], Redox [mA]
Variável de medição Redox [mV], Redox
[mA]
Ao seleccionar a variável de medição “
Redox [mV]” ou “Redox [mA]” , a medição
da temperatura de processo é ainda pos‐
sível apenas para fins de informação ou
registo.
Na variável de medição “Redox [mV]” , a
gama de medição encontra-se fixa na
gama -1500 mV ... + 1500 mV.
Na variável de medição “Redox [mA]” , a
gama de medição depende do transdutor
de medição RH-V1-e corresponde a 0 ...
+1000 mV:
8.1.5
Cloro, Bromo, Dióx. de cloro,
Clorite, Oxigénio dissolvido e
Ozono.
Cloro, Bromo, Dióx. de cloro, Clorite, Oxi‐
génio dissolvido e Ozono.
As variáveis de medição Cloro, Bromo,
Dióx. de cloro, Clorite, Oxigénio dissolvido
e Ozono são sempre medidas através de
um sinal mA, porque o sensor encontra-se no transdutor de medição.
A compensação da temperatura encontra-se automaticamente no sensor
(excepção: CDP, sensor de dióx. de
cloro). Para mais informações, consulte o
manual de instruções do sensor utilizado.
Medição de cloro com compensação pH
O cloro para desinfecção da água existe
em formas diversas, por exemplo, hipo‐
clorito de sódio cálcio líquido, hipoclorito
de cálcio dissolvido ou gás cloro. Todas
estas formas pode ser medidas com os
sensores de cloro DULCOTEST. Após a
adição de cloro na água, o cloro divide-se,
dependendo do valor pH, em duas partes:
n
n
1. em ácido hipocloroso (também
denominados ácido de baixa clorite,
HOCl) – um agente de esterilização
com forte efeito oxidante, que elimina
a maioria dos organismos num curto
espaço de tempo.
2. em anião de hipoclorito (OCl-) –
com fraco efeito de esterilização, que
necessita de muito tempo para eli‐
minar organismos.
Os sensores para medição de cloro livre
medem selectivamente o ácido hipoclo‐
roso de forte efeito (HOCI), mas não
medem o anião de hipoclorito. Caso o
valor pH se altere no processo, a relação
das duas partes de cloro altera-se e, con‐
59
Ajustar as variáveis de medição
80
100
sequentemente, a sensibilidade (incli‐
nação) do sensor de cloro. No caso de
um valor pH aumentado, a concentração
HOCI medida torna-se inferior. Caso se
encontre integrado um controlo, o controlo
tenta compensar esta diferença. Caso o
valor pH se volte a tornar inferior, pode
ocorrer uma considerável sobredosagem
de cloro, apesar de não ter continuado a
haver dosagem. A utilização de uma
medição de cloro com compensação de
pH pode evitar esta situação.
60
HOCl
0
20
40
HOCl %
OCl -
4
5
6
7
pH
8
9
10
11
Fig. 28: Equilíbrio HOCI/OCLConforme ilustra o gráfico, nos valores pH
> 8,5, existe menos de 10 % de HOCI na
água e, por isso, a força de desinfecção é
menor. O valor de cloro indicado após a
compensação é um valor de cloro calcu‐
lado de forma aritmética. O valor de cloro
calculado de aritmeticamente não altera
nada no efeito de desinfecção efectiva‐
mente existente na água. Contudo, é evi‐
tada a sobredosagem referida anterior‐
mente. Para calibração dos sensores
amperométricos, o método de referência
reconhecido DPD 1 (para cloro livre) é uti‐
lizado como método comparativo. O
método de referência é dependente do pH
60
(ou seja, armazena o valor pH para cerca
de 6,5) e transmite por isso o cloro livre
quase como 100% HOCI. Para que o
valor de concentração medido pelo sis‐
tema de medição de cloro amperométrico
corresponda a este valor de cloro livre, a
influência de pH sobre o valor de cloro
medido pelo sensor pode ser compen‐
sada pelo controlador. O controlador pode
realizar esta compensação de pH auto‐
maticamente, através de uma medição de
pH integrada, ou manualmente, em
função de um valor pH fixo. Aconse‐
lhamos a versão automática. Neste caso,
é obrigatoriamente necessário medir
também a temperatura da água de
medição que apresenta uma influência
significativa sobre a medição de pH. Caso
esta influência não tenha sido compen‐
sada, significa que o valor pH não foi cor‐
rectamente medido e, por isso, o valor de
cloro foi igualmente incorrectamente com‐
pensado.
Sem compensação de pH, não é possível
ocorrer uma calibração de valores pH ele‐
vados, dado que a diferença entre a
medição com o sensor de cloro e o
método de referência DPD 1 para compa‐
ração é demasiado grande.
A área de trabalho da compensação pH:
pH 4.00 ... 8.50, Temperatura: 5 ... 45 °C
Calibração do sensor de cloro
com Compensação pH activada
É obrigatoriamente necessário cali‐
brar sempre primeiro o sensor pH e,
em seguida, o sensor de cloro. Em
cada nova calibração do sensor pH é
necessária sempre a seguir uma cali‐
bração do sensor de cloro. Caso con‐
trário, a medição de cloro é incor‐
recta.
Ajustar as variáveis de medição
Tipo de sensor:
8.1.6
Seleccione primeiro o tipo de sensor. O
tipo de sensor encontra-se indicado na
placa de características do sensor. Esta
selecção de sensor é necessária e activa
no controlador os dados específicos do
sensor.
Variável de medição Fluoreto
Gama de medição dos sensores
Seleccione a gama de medição. A gama
de medição encontra-se indicada na placa
de características do sensor. Uma gama
de medição incorrecta causa uma
medição incorrecta.
Variável de medição Fluoreto
Na medição da variável de medição Fluo‐
reto o sinal do sensor é transformado,
consoante a gama de medição, num sinal
mA de 4-20, através de um transdutor de
medição FPV1 ou FP100V1. O transdutor
de medição é ligado à entrada mA do
controlador. O sensor de referência
REFP-SE é ligado ao transdutor de
medição, através de um cabo coaxial com
ficha SN 6.
Transdutor de medição FPV1: Gama de
medição 0,05 ...10 mg/l.
Transdutor de medição FP100V1: Gama
de medição 0,5 ... 100 mg/l.
Temperatura
A medição da temperatura serve para fins
de informação ou registo, mas não para
compensação da temperatura. A compen‐
sação da temperatura é realizada no
sensor. Caso estejam seleccionadas as
variáveis de medição [Dióx. de cloro] e o
tipo de sensor [CDP], é necessária uma
medição de temperatura separada para
compensação da temperatura.
Gama de medição do transdutor de
medição
Seleccione a gama de medição. A gama
de medição encontra-se indicada na placa
de características do transdutor de
medição. Uma gama de medição incor‐
recta causa uma medição incorrecta.
61
Ajustar as variáveis de medição
Compensação da temperatura
Gama de medição dos sensores
Esta função serve para compensação da
influência da temperatura sobre a
medição. Isto é apenas necessário na
medição de pH e fluoreto, bem como na
medição de dióx. de cloro com um sensor
CDP.
Seleccione a gama de medição. A gama
de medição encontra-se indicada na placa
de características do sensor. Uma gama
de medição incorrecta causa uma
medição incorrecta.
Temperatura: [Desl.] / [Manual] / [Automá‐
tica]
n
n
n
[Desl.] desliga o ajuste da tempera‐
tura de processo.
[Manual] possibilita uma especifi‐
cação manual da temperatura de pro‐
cesso, o que faz apenas sentido em
temperaturas constantes.
[Automática] utiliza uma determinada
temperatura de processo. Medição
automática da temperatura através de
um sensor de temperatura, por ex.,
Pt1000. Em pH, CDP e fluoreto é
possível colocar no menu a compen‐
sação da temperatura em [LIGADO]
ou [DESL.].
8.1.7
Ácido parac.
Variável de medição Ácido parac.
A variável de medição Ácido parac. é
medida através das duas entradas de
sensor mA. É realizada uma compen‐
sação da temperatura no sensor. Um
sensor de temperatura ligado adicional‐
mente serve para indicação e registo de
dados através do Registo de dados e
pode ser emitido numa saída mA, através
de um bus de campo ou Web-Server.
62
Temperatura
A medição da temperatura serve para fins
de informação ou registo, mas não para
compensação da temperatura. A compen‐
sação da temperatura é realizada no
sensor.
8.1.8
Oxigénio per
Variável de medição Oxigénio per [mA]
A variável de medição Ácido parac. é
medida através de uma das duas
entradas de sensor mA. É realizada uma
compensação da temperatura no sensor.
Um sensor de temperatura ligado adicio‐
nalmente serve para indicação e registo
de dados através do Registo de dados e
pode ser emitido numa saída mA, através
de um bus de campo ou Web-Server.
Gama de medição dos sensores
Seleccione a gama de medição. A gama
de medição encontra-se indicada na placa
de características do sensor. Uma gama
de medição incorrecta causa uma
medição incorrecta.
Ajustar as variáveis de medição
Temperatura
8.1.10
A medição da temperatura serve para fins
de informação ou registo, mas não para
compensação da temperatura. A compen‐
sação da temperatura é realizada no
sensor.
Variável de medição Temperatura [mA],
(como variável de medição principal):
8.1.9
Condutibilidade [mA]
Variável de medição Condutibilidade [mA]
Na variável de medição Condutibilidade
[mA] é exigida a utilização de um trans‐
dutor de medição, por ex., Condutibilidade
de transdutor de medição DMTa. Não é
possível ligar directamente um sensor de
condutibilidade ao controlador.
Gama de medição:
n
Seleccione a Gama de medição em
função da Gama de medição do
transdutor de medição. Uma gama de
medição incorrecta causa uma
medição incorrecta.
Temperatura:
n
A medição da temperatura serve para
fins de informação ou registo, mas
não para compensação da tempera‐
tura. A compensação da temperatura
é realizada no transdutor de medição.
Temperatura [mA], (como
variável de medição prin‐
cipal)
Na variável de medição “Temperatura
[mA]” é exigida a utilização de um trans‐
dutor de medição da temperatura DMTa
ou um transdutor de medição Pt100V1. A
gama de medição é de: 0 ... 100 °C. Não
é possível ligar directamente um sensor
de temperatura ao controlador.
8.1.11
mA-Geral
Variável de medição [mA-Geral]
Na variável de medição [mA-Geral], é
possível seleccionar várias variáveis de
medição pré-seleccionáveis ou editar
livremente uma variável de medição com
a respectiva unidade de medida. A
medição da temperatura não pode ser uti‐
lizada para fins de compensação, dado
que a influência da medição da tempera‐
tura sobre o valor de medição não é
conhecida. Os ajustes são realizados
como acontece nas restantes variáveis de
medição do controlador. É esperado do
controlador um sinal calibrado padrão pro‐
veniente do aparelho respectivo ligado.
8.1.12
Especificidades da versão
de dois canais
Versão de dois canais
Quando existe um segundo canal de
medição disponível (dependente do
código identif., canal 2), então este
segundo canal de medição pode ser con‐
figurado de acordo com as descrições do
primeiro canal.
63
Ajustar as variáveis de medição
Versão de dois canais com duas variáveis
de medição idênticas
Se forem seleccionadas idênticas variá‐
veis de medição do canal de medição 1 e
canal de medição 2, é apresentada no
menu [Medição] o ponto de menu:
[Medição difer.]. A função [Medição difer.]
encontra-se desligada de fábrica. A
função [Medição difer.] pode ser activada
e a operação de cálculo [K1-K2] pode ser
calculada. O resultado da operação de
cálculo é indicado no ecrã principal 2,
ou a tecla .
accionando a tecla
ou
Accionando mais uma vez a tecla
é efectuado p retrocesso para o ecrã
principal 1. No menu [Valores limite]
podem ser formados os critérios de
valores limite para a [Medição difer.].
64
Calibrar
9
n
Calibrar
Qualificação do utilizador: pessoa ins‐
truída, ver Ä Capítulo 4.4 “Qualifi‐
cação do utilizador” na página 21
Configurações para o [canal 2]
O controlador possui dois canais de
medição na sua versão de 2 canais.
Esta descrição do [canal 1] é válida
no geral também para as configura‐
ções no [canal 2]. O procedimento
para a configuração dos respectivos
canais é idêntico, mas os parâmetros
a configurar podem ser diferentes. É
chamada a atenção para desvios e
estes também são descritos.
Indicação contínua ➨ Menu ➨
[Calibração] ➨
ou
ou
Indicação contínua ➨
Calibração
Seleccionar o canal
Canal 1
Canal 2
Cloro
pH [mV]
A1606
Fig. 29: Seleccionar o canal
CAL Cl
Tolerâncias de indicação
No caso de sensores ou sinais de
saída de aparelhos de medição que
não necessitem de calibração ou nos
quais a calibração seja efectuada no
sensor/aparelho de medição, as tole‐
râncias de indicação devem de
seguida ser compensadas entre o
sensor ou o aparelho de medição e o
controlador. Encontra informações a
este respeito no respectivo manual de
instruções do sensor ou do aparelho
de medição.
Última calibração 31.03 2013 13:11:11
100 %
Inclinação
Ponto zero
4.00 mA
Calibração da inclinação
Calibração do ponto zero
A1039
Fig. 30: Visor [Calibração] no exemplo
[Cloro]
Calibração do canal de medição
1 e canal de medição 2
Para o canal de medição 1 e canal de
medição 2 os processos de cali‐
bração são idênticos. É todavia
necessário calibrar cada canal de
medição separadamente.
65
Calibrar
9.1
Calibrar sensor pH
Para assegurar uma elevada precisão de medição, é necessário ajustar o sensor pH em
determinados intervalos de tempo. Este intervalo de calibração depende fortemente da
área de aplicação do sensor pH, bem como da precisão de medição e da reprodutibili‐
dade necessárias. O intervalo de calibração necessário pode variar entre diário e alguns
meses.
Valores válidos para a calibração
Avaliação
Ponto zero
Inclinação
Muito bom
-30 mV … +30 mV
56 mV/pH … 60 mV/pH
Bom
-45 mV … +45 mV
56 mV/pH … 61 mV/pH
Suficiente
-60 mV … +60 mV
55 mV/pH … 62 mV/pH
Quando realiza a medição do valor pH com compensação poten., tem de ajustar o
procedimento [Compensação poten.] na selecção da variável de medição como
parâmetro.
Calibração do sensor pH com a função: compensação pH para medição de
cloro
É obrigatoriamente necessário antes de mais calibrar sempre a medição de pH e,
depois, a medição de cloro. Em cada nova calibração da medição de pH é neces‐
sária sempre a seguir uma calibração da medição de cloro. Caso contrário, a
medição de cloro é imprecisa.
66
Calibrar
Seleccionar processo de calibração
Antes da primeira calibração, deve selec‐
cionar o processo de calibração. Esta
selecção permanece gravada, até selec‐
cionar um novo procedimento.
n
n
A calibração de 2 pontos: Este é o
processo de calibração recomen‐
dado, porque avalia os dados carac‐
terísticos do sensor, potencial de
assimetria, inclinação e velocidade de
resposta. Para a calibração de 2
pontos são necessárias 2 soluções
tampão, por ex., pH 7 e pH 4 quando
a medição posterior ocorre em meio
ácido ou pH 7 e pH 10, quando a
medição posterior ocorrer em meio
alcalino. O intervalo de tampão deve
ser de, pelo menos 2 pH.
Calibração:de amostras (1 ponto):
Para isso, há duas possibilidades. A
calibração de amostras (1 ponto) só é
recomendada em determinadas con‐
dições. Ocasionalmente, o sensor
deve ser verificado com uma cali‐
bração de 2 pontos.
– O sensor pH permanece no meio
de medição e deve medir uma
amostra do meio de medição
com uma medição comparativa
externa. A medição comparativa
deve ocorrer com um método
electromecânico. No método com
vermelho de fenol (fotometro)
podem ocorrer desvios até ± 0,5
pH.
–
n
A introdução de dados: Neste pro‐
cesso de calibração primeiro deter‐
mina os dados característicos do
sensor pH com um aparelho de
medição comparativa (assimetria e
inclinação) com a temperatura padrão
e, em seguida, introduz os mesmos
no controlador. A calibração compa‐
rativa não pode prolongar-se mais do
que uma semana, porque os dados
característicos do sensor pH se
alteram em caso de armazenamento
prolongado.
A calibração apenas com um
tampão pH 7. Neste caso, é com‐
pensado apenas o ponto zero.
Não ocorre uma verificação do
sensor quanto a inclinação sufici‐
ente.
67
Calibrar
Dependências de temperatura do tampão
Temperatura do tampão
Em caso de temperaturas no pro‐
cesso desviantes de 25 °C, os
valores pH da solução tampão devem
ser adaptados, para que os valores
de referência atribuídos na garrafa da
solução tampão sejam introduzidos
no controlador antes da calibração.
Dependências de temperatura
do tampão
Uma temperatura do tampão incor‐
rectamente especificada pode levar a
uma calibração deficiente.
Cada tampão apresenta diferentes
dependências de temperatura. Para
compensar estas dependências de
temperatura, tem diferentes possibili‐
dades de escolha para o controlador
poder processar correctamente a
temperatura do tampão.
–
–
68
Temperatura do tampão
[Manual]: A temperatura do
tampão deve ser idêntica para os
dois tampões. A temperatura do
tampão tem de ser introduzida no
controlador no ponto de menu
[CAL-Setup].
Temperatura do tampão
[Automática]: Deve mergulhar no
tampão o sensor da temperatura
ligado no controlador, juntamente
com o sensor pH. Deve aguardar
o tempo suficiente, até o sensor
pH e de temperatura aceitar a
temperatura do tampão.
–
Temperatura do tampão [Deslig.]:
esta configuração não é reco‐
mendada. Utilize uma outra confi‐
guração.
A informação de estabilidade do sensor
[suficiente], [bom] e [muito bom] exibida
em Calibração indica-lhe com que intensi‐
dade o sinal do sensor oscila na Cali‐
bração. No início da calibração, o tempo
de espera para estabilização do valor de
medição é de 30 segundos; durante este
tempo de espera, no visor pisca a indi‐
cação [Aguarde pf!]. Durante este tempo
de espera, não é possível prosseguir com
o processo de calibração.
Se o sensor pH estiver- frio, por ex., < 10
°C, o sensor pH torna-se preso e deve
aguardar alguns minutos, até o sinal do
sensor ter estabilizado.
O controlador não tem limitação do tempo
de espera. Pode ver a [Tensão do sensor]
real em mV e pode reconhecer oscilações
fortes e atribuir influências, como, por ex.,
o movimento do cabo do sensor.
Caso o sinal do sensor seja muito estável
e fique danificado devido, por ex., a influ‐
ências externas ou o cabo do sensor
apresente uma ruptura ou a ligação coa‐
xial esteja húmida, então a calibração não
é possível. Deve solucionar uma avaria
ou ruptura do cabo.
Só pode prosseguir com a calibração
quando a barra do sinal atingir a área
[suficiente] e aí permanecer ou daí se
deslocar no sentido das áreas [bom] ou
[muito bom]. São permitidas alterações do
sinal dentro das áreas [suficiente], [bom] e
[muito bom].
A amplitude de oscilação do sinal dentro
das áreas é determinada da seguinte
forma:
Calibrar
n
primeiro, 30 segundo de tempo de
espera, em seguida, realiza-se uma
avaliação do sinal do sensor
– Suficiente: 0,5 mV/30s
– Bom: 0,3 mV/30s
– Muito bom: 0,1mV/30s
Selecção do processo de calibração
1.
ð O menu de calibração é apre‐
sentado, deve ainda selec‐
cionar o [Canal 1] ou [Canal 2],
consoante o canal de medição
em que funciona a medição de
pH.
CAL pH
Tampão 1:
0 mV
173 mV
Tampão 2:
Valores de calibr. para 25 °C
58.07 mV/pH
Inclinação
% Inclin.
98 %
-0.1 mV
Assimetria
6.99 pH
Ponto zero
Assumir com <CAL>
2.
A1019
CAL pH
-30
0
bom
30
58
59
3.
60
61
62
Inclinação em mV/pH
A1481
Selecção do processo de
calibração com pH
Para calibrar o controlador estão disponí‐
veis três processos de calibração:
n
n
n
Especificação
ProMinent
pH 7
pH 4
Temperat. do tampão
Deslig.
2 Pontos
Amostras (1 Ponto)
Introdução de dados
Com as teclas de seta, seleccione
a entrada de menu pretendida e
prima a tecla
ð A janela de introdução é apre‐
sentada e pode efectuar as
configurações necessárias
para o processo.
Fig. 32: É indicado depois de pressionada
a tecla
9.1.1
Detecção de tampão
Fabricante do tampão
Valor do tampão 1
Valor do tampão 2
ð Surge o menu para selecção
do processo de calibração.
60
bom
57
2 Pontos
Fig. 33: Selecção do processo de cali‐
bração
suficiente
56
Processo de calibr.
A1025
Qualidade de sensor
Assimetria em mV
55
Prima a tecla
CAL pH
Fig. 31: Indicação do resultado da cali‐
bração
-60
Indicação contínua ➨
4.
Com as teclas de seta, seleccione
o processo de calibração e prima a
tecla
5.
Continuar com
ð Pode agora iniciar o processo
de calibração seleccionado.
69
Calibrar
9.1.2
Calibração de 2 pontos do
sensor pH (CAL)
Funcionamento perfeito dos
sensores
– A medição e dosagem correctas
são possíveis apenas com um
perfeito funcionamento do sensor
– Tenha em consideração o
manual de instruções do sensor
– A realização de uma calibração
de 2 pontos é expressamente
recomendada e tem prioridade
em relação a outros métodos
– Para a calibração, o sensor da
sonda contínua deve ser des‐
montado e novamente montado.
A este respeito tenha em atenção
o manual de instruções da sua
sonda contínua
Determinação da Detecção de
tampão
Na Calibração de 2 Pontos existem 2
possibilidades de detecção de
tampão.
[Especificação]: neste caso, deve
seleccionar 2 tampões dos 4 con‐
juntos de tampão possíveis. Ao rea‐
lizar a calibração, deve respeitar a
sequência seleccionada, por
exemplo, Valor do tampão 1: pH 7 e
Valor do tampão 2: pH4:
–
–
–
–
ProMinent® (pH 4; 7; 9; 10)
NBS/DIN 19266 (pH 1; 4; 7, ; 9)
DIN 19267 (pH 1;4; 7; 9; 13)
Merck + Riedel® (pH 2; 4; 7; 9;
12)
Os conjuntos de tampão distinguem-se nos respectivos valores pH e
dependências de temperatura gra‐
vados no controlador. Os valores pH
a diferentes temperaturas estão impri‐
midos nos recipientes do tampão.
[Manual]: neste caso, pode introduzir
no controlador o valor tampão com a
respectiva temperatura.
–
Os valores pH da solução
tampão, a temperaturas des‐
viantes dos 25°C, encontram-se
disponíveis na etiqueta da gar‐
rafa de tampão, numa tabela.
Seleccione o tampão que se aplica no
seu caso.
70
Calibrar
CAL pH
Processo de calibr.
2 Pontos
Detecção de tampão
Fabricante do tampão
Valor do tampão 1
Valor do tampão 2
Manual
ProMinent
pH 7
pH 4
Temperat. do tampão
Temperat. do tampão
Manual
25.0 °C
Tampão usado
Elimine o tampão usado. Informações
a este respeito: ver folha de dados de
segurança da solução tampão.
A1512
Valores válidos da calibração
Fig. 34: Exemplo: Visor em [CAL-Setup]
Calibração válida:
–
–
Ponto zero -60 mV…+60 mV
Inclinação 55 mV/pH…62 mV/pH
Para a calibração são necessários dois
recipientes de teste com solução tampão.
Os valores de pH das soluções tampão
devem divergir pelo menos 2 pH entre si.
Lave o sensor bem com água ao mudar a
solução tampão.
Indicação contínua ➨
CAL pH
Última calibração
Inclinação
Ponto zero
14:26:07
06.04.2013
56.64mV/pH
7.00 pH
CAL-Setup
Processo de calibr.
Continuar com <CAL>
2 Pontos
A1016
Fig. 35: Calibração do sensor pH (CAL)
1.
Continuar com
2.
Lave bem o sensor com água e
seque de seguida com um pano
(não esfregar, dar pequenas panca‐
dinhas).
71
Calibrar
3.
Mergulhe o sensor no recipiente de
teste 1 com solução tampão (por
ex. pH 7). Desloque ligeiramente o
sensor
10.
Mergulhe o sensor no recipiente de
teste 2 com solução tampão (por
ex. pH 4). Desloque ligeiramente o
sensor
4.
Continuar com
11.
Continuar com
ð Calibração em curso
[Aguarde pf!] pisca.
ð Calibração em curso
[Aguarde pf!] pisca.
.
CAL pH
CAL pH
Ajuste do sensor no tampão 1
Tensão do sensor
0.1 mV
Temperat. do tampão
25.0 °C
Estabilidade
suficiente
bom
Ajuste do sensor no tampão 2
Tensão do sensor
173 mV
Temperat. do tampão
25.0 °C
Estabilidade
muito bom
Continuar com <CAL>
.
suficiente
A1017
bom
muito bom
Continuar com <CAL>
A1018
Fig. 36: Indicação da estabilidade alcan‐
çada do sensor
Fig. 37: Indicação da estabilidade alcan‐
çada do sensor
5.
12.
É indicada a área
[suficiente / bom / muito bom].
ð A parte preta da barra hori‐
zontal apresenta a área calcu‐
lada.
É indicada a área
[suficiente / bom / muito bom].
ð A parte preta da barra hori‐
zontal apresenta a área calcu‐
lada.
6.
Continuar com
13.
Continuar com
7.
[Detecção de tampão] por ex.,
[Manual]: Prima a tecla e confi‐
gure o valor tampão para o tampão
1, utilizando as quatro teclas de
seta para ajustar o valor do seu
tampão utilizado. Confirme a intro‐
dução do valor com a tecla
14.
[Detecção de tampão ] [Manual]:
e configure o valor
Prima a tecla
tampão para o tampão 2, utilizando
as quatro teclas de seta para
ajustar o valor do seu tampão utili‐
zado. Confirme a introdução do
valor com a tecla
8.
Retire o sensor da solução tampão,
lave bem o sensor com água e
seque este com um pano (não
esfregar, dar pequenas pancadi‐
nhas)
15.
Continuar com
9.
Continuar com
72
Calibrar
CAL pH
Tampão 1:
0 mV
173 mV
Tampão 2:
Valores de calibr. para 25 °C
58.07 mV/pH
Inclinação
% Inclin.
98 %
-0.1 mV
Assimetria
6.99 pH
Ponto zero
Assumir com <CAL>
A1019
Fig. 38: Indicação do resultado da cali‐
bração
16.
Calibração incorrecta
Caso o resultado da calibração
se situe fora dos limites de tole‐
rância prescritos, surge uma
mensagem de erro. Neste caso
não é assumida a calibração
actual.
Verifique os requisitos para a
calibração e elimine o erro. De
seguida repita a calibração.
Assuma o resultado da calibração
na memória do controlador, pre‐
mindo a tecla .
ð O controlador volta a exibir a
indicação contínua e trabalha
com os resultados da cali‐
bração.
73
Calibrar
9.1.3
Calibração do sensor pH (CAL) com uma amostra externa (1 Ponto)
Comportamento de medição e controlo do controlador durante a calibração
Durante a calibração: As saídas de ajuste são desactivadas: Excepção: Se tiver sido
configurada uma carga base ou uma variável de ajuste manual. Esta permanece
activa. A saída do valor de medição [Saída de sinal padrão mA]é congelada de
acordo com as suas configurações no menu de saída mA.
No caso de calibração/verificação com sucesso, são reiniciadas todas as análises
de erro que se relacionam com o valor de medição. O controlador guarda os dados
calculados para ponto zero e inclinação no caso de uma calibração bem sucedida.
AVISO!
Funcionamento incorrecto dos sensores e valores pH oscilantes no processo
O método de calibração com uma amostra externa possui algumas desvantagens
em relação ao método de calibração com tampão. No caso de um valor de pH forte‐
mente oscilante no processo, no período de tempo é possível que se altere variavel‐
mente o valor de pH a partir da recolha de amostra, da determinação da amostra e
da introdução do valor de pH no controlador. Assim pode acontecer que o valor
introduzido no controlador não corresponda ao actual valor de pH no processo.
Desta forma, em toda a gama de medição, pode verificar-se um desvio linear no
valor pH.
Caso o sensor pH não reaja mais a alterações do valor pH e apenas emita um sinal
mV sempre constante, tal não pode ser detectado na calibração com uma amostra
externa. No método de calibração com dois tampões (por ex. pH 7 e pH 4) é obvio
quando o sensor pH não detecta alterações do valor de pH.
O método de calibração com uma amostra externa apenas deve ser aplicado em
instalações com sensor pH de difícil acesso e valor de pH sempre igual ou muito
idêntico no processo. Adicionalmente, o sensor pH deve ser regularmente subme‐
tido a manutenção ou substituído.
74
Calibrar
Funcionamento perfeito dos sensores
–
–
A medição, regulagem e dosagem correctas são possíveis apenas com um per‐
feito funcionamento do sensor.
Tenha em consideração o manual de instruções do sensor
Valores válidos para a calibração
Avaliação
Ponto zero
Inclinação
Muito bom
-30 mV … +30 mV
56 mV/pH … 60 mV/pH
Bom
-45 mV … +45 mV
56 mV/pH … 61 mV/pH
Suficiente
-60 mV … +60 mV
55 mV/pH … 62 mV/pH
Indicação contínua ➨
CAL pH
Última calibração
Ponto zero
Inclinação
06.05.2013 14:26:07
7.00 pH
59.16 mV/pH
CAL-Setup
Amostra (1 ponto)
Processo de calibr.
Temperat. do tampão Manual
Continuar com <CAL>
A1023
Fig. 39: Calibração do sensor pH (CAL)
1.
Continuar com
2.
Recolha uma amostra de água de medição na sonda contínua e, com um método
adequado (tiras de medição, aparelho de medição manual), determine o valor pH
da amostra
75
Calibrar
CAL pH
1) Retirar amostra
2) Definir valor pH
Valor pH
Alterar com <OK>
Continuar com <CAL>
A1022
Fig. 40: Indicação de trabalho para determinar o valor pH com o método [Amostra]
3.
Prima a tecla
4.
Introduza no controlador o valor pH que determinou, utilizando as teclas de seta
5.
Prima a tecla
6.
Assuma o valor pH, premindo a tecla
ð No visor são exibidos todos os valores do resultado de calibração.
Calibração incorrecta
Caso o resultado da calibração se situe fora dos limites de tolerância prescritos,
surge uma mensagem de erro. Neste caso não é assumida a calibração actual.
Verifique os requisitos para a calibração e elimine o erro. De seguida repita a cali‐
bração.
7.
Assuma o resultado da calibração na memória do controlador, premindo a tecla
.
ð O controlador volta a exibir a indicação contínua e trabalha com os resultados
da calibração.
76
Calibrar
9.1.4
Calibração do sensor pH (CAL) através da [introdução de dados]
Introdução de dados
No método de calibração [Introdução de dados] são introduzidos no controlador os
dados conhecidos do sensor. A calibração por introdução de dados consegue ser
apenas tão precisa e fiável quanto o método com o qual os dados foram determi‐
nados.
Os dados do sensor devem ter sido determinados actualmente. Quanto mais actuais
os dados, mais fiável é este método de calibração.
Funcionamento perfeito dos sensores
–
–
A medição e dosagem correctas são possíveis apenas com um perfeito funcio‐
namento do sensor
Tenha em consideração o manual de instruções do sensor
Comportamento de medição e controlo do controlador durante a calibração
Durante a calibração: As saídas de ajuste são desactivadas: Excepção: Se tiver sido
configurada uma carga base ou uma variável de ajuste manual. Esta permanece
activa. A saída do valor de medição [Saída de sinal padrão mA]é congelada de
acordo com as suas configurações no menu de saída mA.
No caso de calibração/verificação com sucesso, são reiniciadas todas as análises
de erro que se relacionam com o valor de medição. O controlador guarda os dados
calculados para ponto zero e inclinação no caso de uma calibração bem sucedida.
77
Calibrar
Valores válidos para a calibração
Avaliação
Ponto zero
Inclinação
Muito bom
-30 mV … +30 mV
56 mV/pH … 60 mV/pH
Bom
-45 mV … +45 mV
56 mV/pH … 60,5 mV/pH
Suficiente
-60 mV … +60 mV
55 mV/pH … 62 mV/pH
Indicação contínua ➨
CAL pH
Última calibração 06.05.2013
Ponto zero
7.00 pH
Inclinação
59.16 mV/pH
16:47:32
CAL-Setup
Processo de calibr. Introdução de dados
Continuar com <CAL>
A1024
Fig. 41: Calibração do sensor pH (CAL)
1.
Continuar com
CAL pH
Inclinação
a 25.0 °C
Assimetria
a 25.0 °C
ou
Ponto zero
a 25.0 °C
Continuar com <CAL>
-58.07 mV/pH
-6.4 mV
6.88 pH
A1026
Fig. 42: Selecção dos parâmetros ajustáveis
2.
Com as teclas de seta, seleccione a entrada de menu pretendida e prima a tecla
ð Surge a janela de introdução.
3.
Com as teclas de seta, introduza os valores do seu sensor e prima a tecla
4.
Continuar com
78
Calibrar
Calibração incorrecta
Caso o resultado da calibração se situe fora dos limites de tolerância prescritos,
surge uma mensagem de erro. Neste caso não é assumida a calibração actual.
Verifique os requisitos para a calibração e elimine o erro. De seguida repita a cali‐
bração.
5.
Assuma o resultado da calibração na memória do controlador, premindo a tecla
.
ð O controlador volta a exibir a indicação contínua e trabalha com os resultados
da calibração.
79
Calibrar
9.2
Calibrar sensor Redox
9.2.1
6.
ð Pode agora iniciar o processo
de calibração seleccionado.
Selecção do processo de
calibração com Redox
Selecção do processo de calibração
Para calibrar o controlador estão disponí‐
veis dois processos de calibração:
1 Ponto (com solução tampão)
Introdução de dados
n
n
1.
Continuar com
Indicação contínua ➨
CAL ORP
Offset
Última calibração
0.0 mV
11.04.2013
13:26:11
CAL-Setup
Processo de calibr. 1 Pontos
Compensação poten. Não
Continuar com <CAL>
A1027
Fig. 43: Menu de calibração [Redox]
9.2.2
Calibração de 1 ponto do
sensor Redox (CAL)
Funcionamento perfeito dos
sensores
– A medição e dosagem correctas
são possíveis apenas com um
perfeito funcionamento do sensor
– Tenha em consideração o
manual de instruções do sensor
– Para a calibração, o sensor da
sonda contínua deve ser des‐
montado e novamente montado.
A este respeito tenha em atenção
o manual de instruções da sua
sonda contínua
ð É exibido o menu de cali‐
bração.
2.
o menu
Seleccione com a tecla
Setup ou inicie directamente a cali‐
bração com .
Selecção do processo de calibração
3.
[CAL-Setup]: Prima a tecla
ð Surge o menu para selecção
do processo de calibração.
4.
Com as teclas de seta, seleccione
a entrada de menu pretendida
[Processo de calibr.] e prima a tecla
.
ð Surge a janela de introdução.
5.
80
Com as teclas de seta, seleccione
o processo de calibração e prima a
tecla
Equilíbrio do sensor Redox
Não é possível calibrar o sensor
Redox. Apenas é possível configurar
e assim compensar um desvio
[OFFSET] na dimensão de ± 40 mV.
Caso o sensor Redox se desvie mais
de ± 40 mV da variável de referência,
este deve ser verificado de acordo
com as indicações no manual de ins‐
truções dos sensores.
Calibrar
Indicação contínua ➨
Comportamento de medição e
controlo do controlador durante a cali‐
bração
Durante a calibração: As saídas de
ajuste são desactivadas: Excepção:
Se tiver sido configurada uma carga
base ou uma variável de ajuste
manual. Esta permanece activa. A
saída do valor de medição
[Saída de sinal padrão mA]é conge‐
lada de acordo com as suas configu‐
rações no menu de saída mA.
No caso de calibração/verificação
com sucesso, são reiniciadas todas
as análises de erro que se relacionam
com o valor de medição. O contro‐
lador guarda os dados calculados
para ponto zero e inclinação no caso
de uma calibração bem sucedida.
CAL ORP
Offset
Última calibração
Para a calibração é necessário um recipi‐
ente de teste com solução tampão.
13:26:11
CAL-Setup
Processo de calibr. 1 Pontos
Compensação poten. Não
Continuar com <CAL>
A1027
Fig. 44: Calibração de 1 ponto do sensor
Redox (CAL)
1.
Continuar com
CAL ORP
Mergulhar sensor no tampão
Continuar com <CAL>
Tampão usado
Elimine o tampão usado. Informações
a este respeito: ver folha de dados de
segurança da solução tampão.
0.0 mV
11.04.2013
A1028
Fig. 45: Calibração de 1 ponto do sensor
Redox (CAL)
2.
Execute as indicações e continue
com
ð Calibração em curso
[Aguarde pf!] pisca.
.
81
Calibrar
9.2.3
CAL ORP
Ajuste do sensor no tampão
Tensão do sensor
Estabilidade
suficiente
bom
0.1 mV
muito bom
Continuar com <CAL>
A1029
Fig. 46: Indicação da estabilidade alcan‐
çada do sensor
3.
É indicada a área
[suficiente / bom / muito bom].
ð A parte preta da barra hori‐
zontal apresenta a área calcu‐
lada.
4.
Calibração dos dados do
sensor Redox (CAL)
Funcionamento perfeito dos
sensores
– A medição e dosagem correctas
são possíveis apenas com um
perfeito funcionamento do sensor
– Tenha em consideração o
manual de instruções do sensor
– Para a calibração, o sensor da
sonda contínua deve ser des‐
montado e novamente montado.
A este respeito tenha em atenção
o manual de instruções da sua
sonda contínua
Continuar com
CAL ORP
Valor tampão
Offset
Equilíbrio do sensor Redox
165 mV
0.0 mV
Assumir com <CAL>
A1030
Fig. 47: Adaptar o valor tampão
5.
Prima a tecla
e, com as quatro
teclas de seta, configure o valor mV
do tampão por si utilizado
6.
Prima a tecla
7.
Assuma o resultado da calibração
na memória do controlador, pre‐
mindo a tecla .
ð O controlador trabalha com os
resultados da calibração.
82
Não é possível calibrar o sensor
Redox. Apenas é possível configurar
e assim compensar um desvio
“OFFSET” na dimensão de ± 40 mV.
Caso o sensor Redox se desvie mais
de ± 40 mV da variável de referência,
este deve ser verificado de acordo
com as indicações no manual de ins‐
truções dos sensores.
Calibrar
Indicação contínua ➨
Comportamento de medição e
controlo do controlador durante a cali‐
bração
Durante a calibração: As saídas de
ajuste são desactivadas: Excepção:
Se tiver sido configurada uma carga
base ou uma variável de ajuste
manual. Esta permanece activa. A
saída do valor de medição
[Saída de sinal padrão mA]é conge‐
lada de acordo com as suas configu‐
rações no menu de saída mA.
No caso de calibração/verificação
com sucesso, são reiniciadas todas
as análises de erro que se relacionam
com o valor de medição. O contro‐
lador guarda os dados calculados
para ponto zero e inclinação no caso
de uma calibração bem sucedida.
CAL ORP
Offset
Última calibração
0.0 mV
21.05.2013 14:59:56
CAL-Setup
Processo de calibr. Entr. dados Offset
Continuar com <CAL>
A1032
Fig. 48: Calibração por introdução de
dados do sensor Redox (CAL)
1.
Continuar com
CAL ORP
Offset
Assumir com <CAL>
0.1 mV
A1033
Fig. 49: [Adaptar] Offset
2.
Prima a tecla
e, com as quatro
teclas de seta, configure o valor
mV.
3.
Prima a tecla
4.
Assuma o resultado da calibração
na memória do controlador, pre‐
mindo a tecla .
ð O controlador trabalha com os
resultados da calibração.
83
Calibrar
9.3
Calibrar o sensor de Fluo‐
reto
9.3.1
9.3.2
Selecção do processo de
calibração no caso de fluo‐
reto
Funcionamento perfeito dos
sensores
– A medição e dosagem correctas
são possíveis apenas com um
perfeito funcionamento do sensor
– Tenha em consideração o
manual de instruções do sensor
– A realização de uma calibração
de 2 pontos é expressamente
recomendada e tem prioridade
em relação a outros métodos
– Para a calibração, o sensor da
sonda contínua deve ser des‐
montado e novamente montado.
A este respeito tenha em atenção
o manual de instruções da sua
sonda contínua
Para calibrar o controlador estão disponí‐
veis dois processos de calibração:
1 Ponto
2 Pontos
n
n
Selecção do processo de calibração
1.
Indicação contínua ➨
CAL F1 ppm =
Inclinação
185.0 mV
-59.16 mV/dec
100 %
16:51:18
11.11.2011
11:11:11
11.11.2011
Calibração de um ponto
Calibração de dois pontos
A1037
Fig. 50: Menu de calibração [Fluoreto]
ð É exibido o menu de cali‐
bração.
2.
Com as teclas de seta seleccione o
ponto de menu pretendido. Prima a
tecla
ð Pode agora iniciar o processo
de calibração seleccionado.
84
Calibração de 2 Pontos do
sensor de fluoreto (CAL)
Material necessário para a calibração de
sensores de fluoreto:
n
Dois recipientes de teste com solução
de calibração
Calibrar
Comportamento de medição e
controlo do controlador durante a cali‐
bração
Durante a calibração: As saídas de
ajuste são desactivadas: Excepção:
Se tiver sido configurada uma carga
base ou uma variável de ajuste
manual. Esta permanece activa. A
saída do valor de medição
[Saída de sinal padrão mA]é conge‐
lada de acordo com as suas configu‐
rações no menu de saída mA.
No caso de calibração/verificação
com sucesso, são reiniciadas todas
as análises de erro que se relacionam
com o valor de medição. O contro‐
lador guarda os dados calculados
para ponto zero e inclinação no caso
de uma calibração bem sucedida.
1.
Na indicação contínua prima a tecla
.
2.
Com as teclas de seta, seleccione
a [Calibração de dois pontos]
3.
Continuar com
CAL F-
Calibração de dois pontos
Mergulhar sensor no tampão 1
2.50 ppm
161.4 mV
Iniciar com <CAL>
A1038
Fig. 51: Calibração do sensor de fluoreto
(CAL)
4.
Mergulhe o sensor no recipiente de
teste 1 com solução de calibração.
Desloque ligeiramente o sensor
5.
Continuar com
ð [O ajuste está a correr ]
Solução de calibração usada
Elimine a solução de calibração
usada. Informações a este respeito:
ver folha de dados de segurança da
solução de calibração.
Para a calibração são necessários dois
recipientes de teste com solução de cali‐
bração. O teor de fluoreto nas soluções
de calibração deve divergir pelo menos
0,5 ppm - entre si. O sensor deve ser bem
lavado com água sem fluoreto ao trocar a
solução de calibração.
Valor de sensor
Tensão do sensor
.
CAL FCalibração de dois pontos
Valor de sensor
Alterar com <OK>
2.50 ppm
Continuar com <CAL
A1040
Fig. 52: Calibração do sensor de fluoreto
(CAL)
6.
Continuar com
para alterar o
para avançar
valor ppm ou com
com a calibração
7.
Continuar com
85
Calibrar
CAL F-
Calibração incorrecta
Calibração de dois pontos
Mergulhar sensor no tampão 2
Valor de sensor
4.88 ppm
Tensão do sensor
Caso o resultado da cali‐
bração se situe fora dos
limites de tolerância pres‐
critos, surge uma men‐
sagem de erro. Neste caso
não é assumida a cali‐
bração actual.
144.2 mV
Iniciar com <CAL>
A1041
Fig. 53: Calibração do sensor de fluoreto
(CAL)
8.
Mergulhe o sensor no recipiente de
teste 2 com solução de calibração.
Desloque ligeiramente o sensor
9.
Continuar com
ð [O ajuste está a correr ]
.
10.
Continuar com
para adaptar o
valor ppm ou com
para avançar
com a calibração
11.
Continuar com
12.
Assuma o resultado da calibração
na memória do controlador, pre‐
mindo a tecla .
ð O controlador volta a exibir a
indicação contínua e trabalha
com os resultados da cali‐
bração.
86
Verifique os requisitos para
a calibração e elimine o
erro. De seguida repita a
calibração.
9.3.3
Calibração de 1 pontos do
sensor de fluoreto (CAL)
Funcionamento perfeito dos
sensores
– A medição e dosagem correctas
são possíveis apenas com um
perfeito funcionamento do sensor
– Tenha em consideração o
manual de instruções do sensor
– A realização de uma calibração
de 2 pontos é expressamente
recomendada e tem prioridade
em relação a outros métodos
– Para a calibração, o sensor da
sonda contínua deve ser des‐
montado e novamente montado.
A este respeito tenha em atenção
o manual de instruções da sua
sonda contínua
Calibrar
Material necessário para a calibração de
sensores de fluoreto:
1.
Na indicação contínua prima a tecla
.
Um recipiente de teste com solução
de calibração
2.
Com as teclas de seta, seleccione
a [Calibração de um ponto.]
3.
Continuar com
n
Comportamento de medição e
controlo do controlador durante a cali‐
bração
Durante a calibração: As saídas de
ajuste são desactivadas: Excepção:
Se tiver sido configurada uma carga
base ou uma variável de ajuste
manual. Esta permanece activa. A
saída do valor de medição
[Saída de sinal padrão mA]é conge‐
lada de acordo com as suas configu‐
rações no menu de saída mA.
No caso de calibração/verificação
com sucesso, são reiniciadas todas
as análises de erro que se relacionam
com o valor de medição. O contro‐
lador guarda os dados calculados
para ponto zero e inclinação no caso
de uma calibração bem sucedida.
CAL F-
Calibração de um ponto
Mergulhar sensor no tampão
Valor de sensor
2.50 ppm
Tensão do sensor
161.4 mV
Iniciar com <CAL>
A1042
Fig. 54: Calibração do sensor de fluoreto
(CAL)
4.
Mergulhe o sensor no recipiente de
teste 1 com solução de calibração.
Desloque ligeiramente o sensor
5.
Continuar com
ð [O ajuste está a correr ]
.
CAL FCalibração de um ponto
Solução de calibração usada
Elimine a solução de calibração
usada. Informações a este respeito:
ver folha de dados de segurança da
solução de calibração.
Valor de sensor
Alterar com <OK>
2.50 ppm
Continuar com <CAL>
A1043
Para a calibração é necessário um recipi‐
ente de teste com solução de calibração.
Fig. 55: Calibração do sensor de fluoreto
(CAL)
6.
Continuar com
para alterar o
para avançar
valor ppm ou com
com a calibração
7.
Continuar com
87
Calibrar
8.
Assuma o resultado da calibração
na memória do controlador, pre‐
mindo a tecla .
ð O controlador volta a exibir a
indicação contínua e trabalha
com os resultados da cali‐
bração.
Calibração incorrecta
Caso o resultado da cali‐
bração se situe fora dos
limites de tolerância pres‐
critos, surge uma men‐
sagem de erro. Neste caso
não é assumida a cali‐
bração actual.
Verifique os requisitos para
a calibração e elimine o
erro. De seguida repita a
calibração.
9.4
Calibrar sensores ampero‐
métricos
Calibrar sensores amperomé‐
tricos
O procedimento para a calibração de
sensores amperométricos é igual em
todas as variáveis de medição ampe‐
rométricas.
O procedimento para a calibração de
variáveis de medição amperométricas
é descrito continuamente na variável
de medição Cloro [Cl ]. Todas as
outras variáveis de medição exigem o
mesmo procedimento que a variável
de medição Cloro [Cl ].
As seguintes variáveis de medição
podem ser calibradas com o procedi‐
mento aqui descrito:
–
–
–
–
–
–
–
Cloro
Dióx. de cloro
Bromo
Clorite
Ozono
Ácido parac. (PES)
H2O2
Calibração em combinação de
pH e cloro
É obrigatoriamente necessário antes
de mais calibrar sempre a medição
de pH e, depois, a medição de cloro.
Em cada nova calibração da medição
de pH é necessária sempre a seguir
uma calibração da medição de cloro.
Caso contrário, a medição de cloro é
imprecisa.
88
Calibrar
9.4.1
Selecção do processo de
calibração com variáveis de
medição amperométricas
Para calibrar o controlador estão disponí‐
veis dois processos de calibração:
n
n
Calibração da inclinação
Calibração do ponto zero
Selecção do processo de calibração
1.
Perfeito funcionamento do sensor /
Tempo de arranque
Danificação do produto ou da sua
área envolvente
–
–
Última calibração 31.03 2013 13:11:11
100 %
Inclinação
Ponto zero
4.00 mA
–
Calibração da inclinação
Calibração do ponto zero
–
A1039
Fig. 56: Menu de calibração [Cloro]
ð É exibido o menu de cali‐
bração.
Com as teclas de seta seleccione o
ponto de menu pretendido. Prima a
tecla
Calibração da inclinação
CUIDADO!
Indicação contínua ➨
CAL Cl
2.
9.4.2
–
–
A medição e dosagem correctas
são possíveis apenas com um
perfeito funcionamento do sensor
Deve ser tido em consideração o
manual de instruções do sensor
Tenha em atenção os manuais
de instruções das guarnições de
imersão e de outros compo‐
nentes utilizados
Os tempos de arranque dos sen‐
sores devem ser obrigatoria‐
mente cumpridos
Os tempos de arranque devem
ser calculados durante o planea‐
mento da colocação em funciona‐
mento
O arranque do sensor pode
demorar um dia de trabalho com‐
pleto
ð Pode agora iniciar o processo
de calibração seleccionado.
89
Calibrar
Comportamento de medição e
controlo do controlador durante a cali‐
bração
Durante a calibração: As saídas de
ajuste são desactivadas: Excepção:
Se tiver sido configurada uma carga
base ou uma variável de ajuste
manual. Esta permanece activa. A
saída do valor de medição
[Saída de sinal padrão mA]é conge‐
lada de acordo com as suas configu‐
rações no menu de saída mA.
AVISO!
Requisitos para uma correcta cali‐
bração da inclinação do sensor
– É utilizado o método de refe‐
rência necessário dependente do
meio de dosagem usado (por ex.
para Cloro livre DPD 1)
– Foi respeitado o tempo de
arranque para o sensor, tenha
em atenção o manual de instru‐
ções do sensor
– Verifica-se um débito permitido e
contínuo na sonda contínua
– Compensação da temperatura
entre o sensor e a água de
medição foi realizada
– Verifica-se um valor pH constante
na área permitida
No caso de calibração/verificação
com sucesso, são reiniciadas todas
as análises de erro que se relacionam
com o valor de medição. O contro‐
lador guarda os dados calculados
para ponto zero e inclinação no caso
de uma calibração bem sucedida.
Como valor de referência é sugerido no
início da calibração um valor de medição
congelado. O valor de referência pode ser
configurado através das teclas de seta.
Uma calibração só é possível quando o
valor de referência é ≥ 2 % da gama de
medição do sensor.
90
Material necessário para a calibração de
sensores amperométricos:
n
Um método de referência adequado
para a respectiva variável de medição
Calibrar
Recolher a água de medição directa‐
mente no ponto de medição e, com um
método de dosagem adequado (por ex.
DPD, titulação, etc.), determinar o teor de
meio de dosagem na água de medição
em [ppm]. Introduzir este valor no contro‐
lador da seguinte forma:
1.
Na indicação contínua prima a tecla
.
2.
Com as teclas de seta, seleccione
a [Calibração da inclinação.]
3.
Continuar com
CAL Cl
Calibração com sucesso
Inclinação
Ponto zero
Continuar com <CAL>
Fig. 59: Calibração do valor de referência
6.
Valores de medição actuais do sensor
Corr. sensor
Continuar com
para adaptar o
valor ppm ou com
para avançar
com a calibração
A1047
CAL Cl
Concentração
5.
5.00 ppm
Assuma o resultado da calibração
na memória do controlador, pre‐
mindo a tecla .
ð O controlador volta a exibir a
indicação contínua e trabalha
com os resultados da cali‐
bração.
10.00 mA
1) Aguardar a estabil. val.de med.
2) Recolher amostra e continuar com <CAL>
A1044
Fig. 57: Calibração do valor de referência,
indica os actuais valores de sensor
4.
Caso o resultado da cali‐
bração se situe fora dos
limites de tolerância pres‐
critos, surge uma men‐
sagem de erro. Neste caso
não é assumida a cali‐
bração actual.
Continuar com
CAL Cl
Determinar o valor de referência
Valor med. durante recolha da amostra
5.00 ppm
Alterar com <OK>
Calibração incorrecta
Continuar com <CAL>
A1045
Verifique os requisitos para
a calibração e elimine o
erro. De seguida repita a
calibração.
Fig. 58: Calibração do valor de referência,
aqui o valor de sensor é congelado; reco‐
lher agora a amostra e medir com por ex.
DPD.
91
Calibrar
Amplitude de calibração permi‐
CUIDADO!
tida
A amplitude de calibração permitida
situa-se entre 20 ... 300 % do valor
nominal do sensor.
Perfeito funcionamento do sensor /
Tempo de arranque
Danificação do produto ou da sua
área envolvente
Exemplo para uma menor inclinação:
Um bloqueio da membrana do sensor
provoca uma menor inclinação
(menor inclinação = baixa sensibili‐
dade dos sensores)
–
Exemplo para uma maior inclinação:
Os tensioactivos tornam a membrana
do sensor mais permeável e pro‐
vocam uma maior inclinação (maior
inclinação = maior sensibilidade dos
sensores)
–
–
–
–
9.4.3
Calibração do ponto zero
A necessidade da calibração do
ponto zero
Geralmente não é necessária uma
calibração do ponto zero. Uma cali‐
bração do ponto zero é necessária
apenas quando o sensor é operado
no limite inferior da gama de medição
ou quando é aplicada a variante de
0,5 ppm de um sensor.
92
–
A medição e dosagem correctas
são possíveis apenas com um
perfeito funcionamento do sensor
Deve ser tido em consideração o
manual de instruções do sensor
Tenha em atenção os manuais
de instruções das guarnições de
imersão e de outros compo‐
nentes utilizados
Os tempos de arranque dos sen‐
sores devem ser obrigatoria‐
mente cumpridos
Os tempos de arranque devem
ser calculados durante o planea‐
mento da colocação em funciona‐
mento
O arranque do sensor pode
demorar um dia de trabalho com‐
pleto
Calibrar
Comportamento de medição e
controlo do controlador durante a cali‐
bração
Durante a calibração: As saídas de
ajuste são desactivadas: Excepção:
Se tiver sido configurada uma carga
base ou uma variável de ajuste
manual. Esta permanece activa. A
saída do valor de medição
[Saída de sinal padrão mA]é conge‐
lada de acordo com as suas configu‐
rações no menu de saída mA.
No caso de calibração/verificação
com sucesso, são reiniciadas todas
as análises de erro que se relacionam
com o valor de medição. O contro‐
lador guarda os dados calculados
para ponto zero e inclinação no caso
de uma calibração bem sucedida.
1.
Na indicação contínua prima a tecla
.
2.
Com as teclas de seta seleccione o
3.
Continuar com
[ponto zero]
CAL Cl
Ponto zero
Área
Assumir com <CAL>
A1046
Fig. 60: Calibração do ponto zero
4.
Continuar com
CAL Cl
Calibração com sucesso
Inclinação
Ponto zero
AVISO!
Requisitos para uma correcta cali‐
bração do ponto zero
– O tempo de arranque para o
sensor foi cumprido
– Verifica-se um débito permitido e
contínuo na sonda contínua
– Compensação da temperatura
entre o sensor e a água de
medição foi realizada
– Verifica-se um valor pH constante
na área permitida
Continuar com <CAL>
A1048
Fig. 61: Calibração do ponto zero
5.
Assuma o resultado da calibração
na memória do controlador, pre‐
mindo a tecla .
ð O controlador volta a exibir a
indicação contínua e trabalha
com os resultados da cali‐
bração.
93
Calibrar
9.5
Calibração incorrecta
Caso o resultado da cali‐
bração se situe fora dos
limites de tolerância pres‐
critos, surge uma men‐
sagem de erro. Neste caso
não é assumida a cali‐
bração actual.
Verifique os requisitos para
a calibração e elimine o
erro. De seguida repita a
calibração.
Calibrar sensor de oxigénio
Determinar o intervalo de calibração
Os intervalos de calibração dependem
fortemente:
n
n
da aplicação
da situação de montagem do sensor
Se desejar calibrar o sensor utilizado
numa aplicação especial e/ou com um
tipo de montagem especial, pode deter‐
minar os intervalos de calibração utili‐
zando o seguinte método. Controle o
sensor por ex. um mês após a sua colo‐
cação em funcionamento:
1.
Retire o sensor do meio
2.
Limpe o sensor exteriormente com
um pano húmido
3.
De seguida, seque cuidadosamente
a membrana do sensor, por ex.
com um lenço de papel.
4.
Após 20 minutos, meça o índice de
saturação de oxigénio no ar.
5.
Proteja o sensor contra influências
externas, como a luz solar e o
vento.
ð Decida agora de acordo com o
resultado:
Sensor amperométrico: Se o
valor medido não se situar a
102 ± 2 %SAT, é necessário
calibrar o sensor.
Se o valor se situar na área
nominal, pode prolongar os
intervalos de calibração. Repita
este procedimento mensal‐
mente e, a partir dos resul‐
tados, determine o intervalo de
calibração ideal para a sua
aplicação.
94
Calibrar
Selecção do processo de calibração
Processo de cali‐
bração do fabricante do
sensor
Na determinação do inter‐
valo de calibração, tenha
em conta também o
manual de instruções do
sensor, através do qual
podem resultar intervalos
de calibração adicionais e/
ou desviantes.
1.
Indicação contínua ➨
CAL O2
Ponto zero
Inclinação
Automático
Valor O2
Ponto zero
A1049
Fig. 62: Menu de calibração [O2]
9.5.1
Selecção do processo de
calibração para a variável de
medição O2
Para calibrar o controlador estão disponí‐
veis três processos de calibração:
n
n
n
Valor
O2 automático
Ponto zero
ð É exibido o menu de cali‐
bração.
2.
Com as teclas de seta seleccione o
ponto de menu pretendido. Prima a
tecla
ð Pode agora iniciar o processo
de calibração seleccionado.
95
Calibrar
9.5.2
Calibração automática para a
variável de medição O2
CUIDADO!
Perfeito funcionamento do sensor /
Tempo de arranque
Danificação do produto ou da sua
área envolvente
–
–
–
–
–
–
96
A medição e dosagem correctas
são possíveis apenas com um
perfeito funcionamento do sensor
Deve ser tido em consideração o
manual de instruções do sensor
Tenha em atenção os manuais
de instruções das guarnições de
imersão e de outros compo‐
nentes utilizados
Os tempos de arranque dos sen‐
sores devem ser obrigatoria‐
mente cumpridos
Os tempos de arranque devem
ser calculados durante o planea‐
mento da colocação em funciona‐
mento
O arranque do sensor pode
demorar um dia de trabalho com‐
pleto
Comportamento de medição e
controlo do controlador durante a cali‐
bração
Durante a calibração: As saídas de
ajuste são desactivadas: Excepção:
Se tiver sido configurada uma carga
base ou uma variável de ajuste
manual. Esta permanece activa. A
saída do valor de medição
[Saída de sinal padrão mA]é conge‐
lada de acordo com as suas configu‐
rações no menu de saída mA.
No caso de calibração/verificação
com sucesso, são reiniciadas todas
as análises de erro que se relacionam
com o valor de medição. O contro‐
lador guarda os dados calculados
para ponto zero e inclinação no caso
de uma calibração bem sucedida.
Calibrar
1.
Na indicação contínua prima a tecla
.
2.
Com as teclas de seta, seleccione
3.
Continuar com
[Automática.]
CAL O2
Temp. água
Concentração de O2
Temperatura do ar
Pressão de ar
Altura acima do
Nível do mar
Hum. relativa
Teor de sal na água
Continuar com <CAL>
Assuma o resultado da calibração
na memória do controlador, pre‐
mindo a tecla .
ð O controlador muda novamente
para a indicação contínua e tra‐
balha com os resultados da
calibração.
Calibração incorrecta
A1074
Fig. 63: Calibração automática para a
variável de medição O2
4.
6.
Continuar com
para adaptar os
para
valores ou continuar com
avançar com a calibração
Caso o resultado da cali‐
bração se situe fora dos
limites de tolerância pres‐
critos, surge uma men‐
sagem de erro. Neste caso
não é assumida a cali‐
bração actual.
Verifique os requisitos para
a calibração e elimine o
erro. De seguida repita a
calibração.
CAL O2
Sensor para cima
Tempo de espera mínimo 5 min.
Tempo: XX.XX min
Continuar com <CAL>
A1075
Fig. 64: Calibração automática para a
variável de medição O2
5.
Segure o sensor de O2 para cima,
no ar ambiente.
ð É efectuada a calibração. O
tempo decorrido é exibido. O
tempo de espera mínimo para
uma correcta calibração é de 5
minutos
97
Calibrar
9.5.3
Calibração do ponto zero
para a variável de medição
O2
CUIDADO!
Perfeito funcionamento do sensor /
Tempo de arranque
Danificação do produto ou da sua
área envolvente
–
–
–
–
–
–
98
A medição e dosagem correctas
são possíveis apenas com um
perfeito funcionamento do sensor
Deve ser tido em consideração o
manual de instruções do sensor
Tenha em atenção os manuais
de instruções das guarnições de
imersão e de outros compo‐
nentes utilizados
Os tempos de arranque dos sen‐
sores devem ser obrigatoria‐
mente cumpridos
Os tempos de arranque devem
ser calculados durante o planea‐
mento da colocação em funciona‐
mento
O arranque do sensor pode
demorar um dia de trabalho com‐
pleto
Comportamento de medição e
controlo do controlador durante a cali‐
bração
Durante a calibração: As saídas de
ajuste são desactivadas: Excepção:
Se tiver sido configurada uma carga
base ou uma variável de ajuste
manual. Esta permanece activa. A
saída do valor de medição
[Saída de sinal padrão mA]é conge‐
lada de acordo com as suas configu‐
rações no menu de saída mA.
No caso de calibração/verificação
com sucesso, são reiniciadas todas
as análises de erro que se relacionam
com o valor de medição. O contro‐
lador guarda os dados calculados
para ponto zero e inclinação no caso
de uma calibração bem sucedida.
Calibrar
1.
Na indicação contínua prima a tecla
.
2.
Com as teclas de seta, seleccione
3.
Continuar com
[Ponto zero.]
CAL O2
A1080
Fig. 67: Calibração do ponto zero para a
variável de medição O2
6.
A1074
Fig. 65: Calibração do ponto zero para a
variável de medição O2
4.
Continuar com
para adaptar os
para
valores ou continuar com
avançar com a calibração
CAL O2
Ponto zero
Assumir com <CAL>
A1079
Fig. 66: Calibração do ponto zero para a
variável de medição O2
Continuar com
Assuma o resultado da calibração
na memória do controlador, pre‐
mindo a tecla .
ð O controlador muda novamente
para a indicação contínua e tra‐
balha com os resultados da
calibração.
O controlador volta a exibir a
indicação contínua e trabalha
com os resultados da cali‐
bração.
Calibração incorrecta
Área
5.
Inclinação
Ponto zero
Continuar com <CAL>
Temp. água
Concentração de O2
Temperatura do ar
Pressão de ar
Altura acima do
Nível do mar
Hum. relativa
Teor de sal na água
Continuar com <CAL>
CAL O2
Calibração com sucesso
Caso o resultado da cali‐
bração se situe fora dos
limites de tolerância pres‐
critos, surge uma men‐
sagem de erro. Neste caso
não é assumida a cali‐
bração actual.
Verifique os requisitos para
a calibração e elimine o
erro. De seguida repita a
calibração.
99
Calibrar
9.5.4
Calibração do valor O2 para a
variável de medição O2
CUIDADO!
Perfeito funcionamento do sensor /
Tempo de arranque
Danificação do produto ou da sua
área envolvente
–
–
–
–
–
–
100
A medição e dosagem correctas
são possíveis apenas com um
perfeito funcionamento do sensor
Deve ser tido em consideração o
manual de instruções do sensor
Tenha em atenção os manuais
de instruções das guarnições de
imersão e de outros compo‐
nentes utilizados
Os tempos de arranque dos sen‐
sores devem ser obrigatoria‐
mente cumpridos
Os tempos de arranque devem
ser calculados durante o planea‐
mento da colocação em funciona‐
mento
O arranque do sensor pode
demorar um dia de trabalho com‐
pleto
Comportamento de medição e
controlo do controlador durante a cali‐
bração
Durante a calibração: As saídas de
ajuste são desactivadas: Excepção:
Se tiver sido configurada uma carga
base ou uma variável de ajuste
manual. Esta permanece activa. A
saída do valor de medição
[Saída de sinal padrão mA]é conge‐
lada de acordo com as suas configu‐
rações no menu de saída mA.
No caso de calibração/verificação
com sucesso, são reiniciadas todas
as análises de erro que se relacionam
com o valor de medição. O contro‐
lador guarda os dados calculados
para ponto zero e inclinação no caso
de uma calibração bem sucedida.
Calibrar
1.
Na indicação contínua prima a tecla
.
2.
Com as teclas de seta, seleccione
3.
Continuar com
[Valor O2.]
7.04 ppm
CAL O2
Alterar com <OK>
Temp. água
Concentração de O2
Temperatura do ar
Pressão de ar
Altura acima do
Nível do mar
Hum. relativa
Teor de sal na água
Fig. 70: Calibração do valor O2 para a
variável de medição O2
Continuar com
para adaptar os
valores ou continuar com
para
avançar com a calibração
CAL O2
Recolha uma amostra de água e
determine o valor DPD com um ins‐
trumento de medição adequado.
7.
Continuar com
para adaptar os
para
valores ou continuar com
avançar com a calibração
CAL O2
Calibração com sucesso
Inclinação
Ponto zero
Valor DPD
Valor de sensor
0.00 ppm
Corr. sensor
8.03 mA
Continuar com <CAL>
A1078
Iniciar com <CAL>
A1076
Fig. 69: Calibração do valor O2 para a
variável de medição O2
Continuar com
6.
A1074
Fig. 68: Calibração do valor O2 para a
variável de medição O2
5.
Continuar com <CAL>
A1077
Continuar com <CAL>
4.
CAL O2
1) Retirar amostra
2) Determinar valor DPD
Fig. 71: Calibração do valor O2 para a
variável de medição O2
8.
Assuma o resultado da calibração
na memória do controlador, pre‐
mindo a tecla .
ð O controlador volta a exibir a
indicação contínua e trabalha
com os resultados da cali‐
bração.
101
Calibrar
9.7
Calibrar a condutibilidade
Calibração incorrecta
Caso o resultado da cali‐
bração se situe fora dos
limites de tolerância pres‐
critos, surge uma men‐
sagem de erro. Neste caso
não é assumida a cali‐
bração actual.
Verifique os requisitos para
a calibração e elimine o
erro. De seguida repita a
calibração.
9.6
Calibrar o valor de medição
[mA-Geral]
Calibrar o valor de medição
[mA-Geral]
O Valor de medição [mA-Geral] não
pode ser calibrado, este ponto de
menu é representado “a cinzento” e
apresenta-se sem função.
102
Comportamento de medição e
controlo do controlador durante a cali‐
bração
Durante a calibração: As saídas de
ajuste são desactivadas: Excepção:
Se tiver sido configurada uma carga
base ou uma variável de ajuste
manual. Esta permanece activa. A
saída do valor de medição
[Saída de sinal padrão mA]é conge‐
lada de acordo com as suas configu‐
rações no menu de saída mA.
No caso de calibração/verificação
com sucesso, são reiniciadas todas
as análises de erro que se relacionam
com o valor de medição. O contro‐
lador guarda os dados calculados
para ponto zero e inclinação no caso
de uma calibração bem sucedida.
Calibrar
Sob determinadas circunstâncias pode
ser necessário um aparelho de medição
manual para a variável de medição Con‐
dutibilidade. Este aparelho de medição
manual deve ser suficientemente preciso
em termos de medição e exibição para
garantir uma calibração bem sucedida.
1.
Na indicação contínua prima a tecla
.
2.
Com as teclas de seta, seleccione
a [Calibração da inclinação]
3.
Continuar com
4.
Siga as instruções do ecrã do con‐
trolador e execute a calibração
5.
Continuar com
6.
Continuar com
para adaptar o
valor µS/cm ou continuar com
para avançar com a calibração
CAL Cl
Calibração com sucesso
Inclinação
Ponto zero
Continuar com <CAL>
A1047
Fig. 72: Calibração do valor de referência
7.
Assuma o resultado da calibração
na memória do controlador, pre‐
mindo a tecla .
ð O controlador volta a exibir a
indicação contínua e trabalha
com os resultados da cali‐
bração.
Calibração incorrecta
Caso o resultado da cali‐
bração se situe fora dos
limites de tolerância pres‐
critos, surge uma men‐
sagem de erro. Neste caso
não é assumida a cali‐
bração actual.
Verifique os requisitos para
a calibração e elimine o
erro. De seguida repita a
calibração.
9.8
Calibrar a temperatura
Comportamento de medição e
controlo do controlador durante a cali‐
bração
Durante a calibração: As saídas de
ajuste são desactivadas: Excepção:
Se tiver sido configurada uma carga
base ou uma variável de ajuste
manual. Esta permanece activa. A
saída do valor de medição
[Saída de sinal padrão mA]é conge‐
lada de acordo com as suas configu‐
rações no menu de saída mA.
No caso de calibração/verificação
com sucesso, são reiniciadas todas
as análises de erro que se relacionam
com o valor de medição. O contro‐
lador guarda os dados calculados
para ponto zero e inclinação no caso
de uma calibração bem sucedida.
103
Calibrar
Sob determinadas circunstâncias pode
ser necessário recorrer a um aparelho de
medição manual para a variável de
medição Temperatura. Este aparelho de
medição manual deve ser suficientemente
preciso em termos de medição e exibição
para garantir uma calibração bem suce‐
dida.
1.
Na indicação contínua prima a tecla
.
2.
Continuar com
3.
Siga as instruções do ecrã do con‐
trolador e execute a calibração
4.
Continuar com
5.
para adaptar o
Continuar com
para
valor ou continuar com
avançar com a calibração
6.
Assuma o resultado da calibração
na memória do controlador, pre‐
mindo a tecla ,
ð O controlador volta a exibir a
indicação contínua e trabalha
com os resultados da cali‐
bração.
Calibração incorrecta
Caso o resultado da cali‐
bração se situe fora dos
limites de tolerância pres‐
critos, surge uma men‐
sagem de erro. Neste caso
não é assumida a cali‐
bração actual.
Verifique os requisitos para
a calibração e elimine o
erro. De seguida repita a
calibração.
104
Ajustar[Controlo]
10
Ajustar[Controlo]
Qualificação do utilizador: utilizador qualificado, consultar Ä Capítulo 4.4 “Qualifi‐
n
cação do utilizador” na página 21
Indicação contínua ➨
➨
ou
[Controlo] ➨
[Controlo]
Configurações para o [canal 2]
O controlador possui dois canais de medição na sua versão de 2 canais. Esta
descrição do [canal 1] é válida no geral também para as configurações no [canal 2].
O procedimento para a configuração dos respectivos canais é idêntico, mas os parâ‐
metros a configurar podem ser diferentes. É chamada a atenção para desvios e
estes também são descritos.
AVISO!
Possível perda de dados
Se alterar a variável de medição no menu [Medição], ver Ä Capítulo 8 “Ajustar as
variáveis de medição” na página 55, todas as configurações nos menus [Medição] e
[Controlo] são repostas para o estado de entrega de origem (valores predefinidos).
Deve voltar a efectuar as configurações nos menus [Medição] e [Controlo]. O ope‐
rador da instalação é responsável pela correcta configuração do controlador.
Requisitos para a configuração do [Controlo]:
Para a configuração do [Controlo] são necessárias as seguintes configurações:
Caso ainda não tenha efectuado as configurações, faça-o agora.
–
–
No menu [Medição] determine a variável de medição e todas as configurações
necessárias, ver Ä Capítulo 8 “Ajustar as variáveis de medição” na página 55
Para a tarefa de controlo, determine os actuadores previstos: Indicações sobre
as ligações eléctricas e respectivas configurações encontram-se nos menus.
– [Bombas], ver Ä Capítulo 12 “Ajustar as [bombas]” na página 129
– [Relé], ver Ä Capítulo 13 “Ajustar o [Relé]” na página 132
– [Saídas mA], ver Ä Capítulo 15 “Ajustar as [saídas mA]” na página 141
Actuadores (elementos de ajuste) são, por ex., as bombas de dosagem, as válvulas
solenóides, as tampas de motor, etc.
105
Ajustar[Controlo]
Controlo
3.5
Canal 1 conj. de parâm. 1
Variáveis de interferência
Bloqueio de dosagem
Comutação de parâmetro
A0940
Fig. 73: Indicação contínua ➨
➨
ou
[Controlo] ➨
pH [mV]
[Controlo]
3.1.9
Canal 1 conj. de parâm. 1
Tipo
Comportamento
Valor nominal
xp=
Ad. Carga base
Tempo de cont. do cont.
Controlo PID
normal
7.00 pH
1.54 pH
0%
Limitação da variável de medição 100 %
A0949
Fig. 74: no exemplo pH [mV]: Indicação contínua ➨
➨
ou
[Controlo] ➨
ou
[Canal 1 Conjunto de parâmetros 1] ➨
[Canal 1 Conjunto de parâmetros 1]
Nível de parâ‐
metros 1
Função
Parâmetro
[Canal 1 Con‐
junto de parâ‐
metros 1]
[Tipo]
nenhum
[Controlo] ➨
Controlo P
Controlo PI
Controlo PI
[Comportamento]
normal
manual
com Zona neutra
[Valor nominal]
106
A área ajustável do valor nominal é predefi‐
nida pelo aparelho.
Ajustar[Controlo]
Nível de parâ‐
metros 1
Função
Parâmetro
xp=
A área ajustável do valor xp é predefinida
pelo aparelho.
Tn=
A área ajustável do valor Tn é predefinida
pelo aparelho.
Tv=
A área ajustável do valor Tv é predefinida
pelo aparelho.
[adit. Carga base]
A área ajustável da carga base aditiva é pre‐
definida pelo aparelho.
[Tempo de cont. do
cont.]
Tempo de controlo (superior)
Tempo de controlo ¯ (inferior)
Limiar da variável ajuste
[Restr. var. de
ajuste]
A área ajustável da variável de ajuste
máxima é predefinida pelo aparelho.
[Variáveis de
interferência]
Entrada das variá‐
veis de interferência
Desligado
[Valor nominal
predefinido]
Canal 1/2
Desligado
[Comutação de
parâmetro]
[Controlo de ocor‐
rências]
Desligado
[Controlo do tempo]
Temporizador 1 ... 10: Desligado
Ligado
Ligado
Ligado
Temporizador 1 ... 10: Ligado
107
Ajustar[Controlo]
Cada controlador pode ser configurado
como controlador de 1 sentido ou 2 sen‐
tidos. Para cada controlador, encontram-se disponíveis dois conjuntos de parâme‐
tros. O 2.º Conjunto de parâmetros é
activado, quando a entrada digital 2
estiver configurada como
[Control. comutação de parâm.]. Neste
caso, [conj. de parâm. 2] pode ser confi‐
gurado no menu.
Ao ligar o actuador, é necessário ter em
atenção que o actuador que aumenta o
valor de medição está ligado na respec‐
tiva saída [Aumentar valor de medição] e
que o actuador que diminui o valor de
medição está ligado na saída
[Diminuir valor de medição], ver Ä Capí‐
tulo 6.3 “Montagem eléctrica”
na página 32.
Exemplo: Um meio com um valor real pH
3 deve, com ajuda de uma solução de
soda cáustica (pH >14), ser levado ao
valor nominal pH 7. Para isso deve ligar o
actuador à saída de ajuste
[Aumentar valor de medição].
108
Ajustar[Controlo]
Direcção de acção do [Controlo], 2 sentidos ou 1 sentido
Pode distinguir o [controlo] através de diversas características.
Função: Um [controlo] de 2 sentidos actua em duas direcções (aumentar E diminuir valor
de medição).
Aplicação: Durante um processo de neutralização em uma instalação industrial de trata‐
mento de águas residuais, caem alternadamente águas residuais ácidas ou alcalinas.
Antes de a água poder ser encaminhada para a canalização, o valor pH deve ser confi‐
gurado, por ex. para um valor entre pH 6,8 e pH 7,5. Aqui é aplicado um controlador de 2
sentidos com duas bombas de dosagem de ácido e solução alcalina. O valor pH pode
ser diminuído ou aumentado para alcançar a área de valor nominal necessária.
Val. med.
Desvio positivo
Valor nominal
Desvio negativo
Variável ajuste
Tempo
Variável
ajuste positiva
Tempo
Variável
ajuste negativa
A1471
Fig. 75: Tipo control. PID bilateral. Comportamento de controlo sem zona neutra
109
Ajustar[Controlo]
Desvio positivo
rel. ao valor
nominal
Saída de ajuste
Val. med.
Valor nominal
Desvio negativo
rel. ao valor
nominal
Valor nominal superior (pH 7.3)
Valor nominal inferior (pH 6.7)
Tempo
Saída
de ajuste
positiva
Zona neutra, aqui não
ocorre nenhum controlo
Tempo
Saída de ajuste
negativa
Fig. 76: Tipo control. PID bilateral, com zona neutra
110
A1475
Ajustar[Controlo]
Função: Um [controlo] de 1 sentido actua em apenas uma de duas direcções possíveis
(aumentar OU diminuir valor de medição).
Variável ajuste
+100
0
-100
Val. med. pH
6.00 7.00
8.00
Aplicação: Isto aplica-se por ex. a um processo de desinfecção, no qual deve ser deslo‐
cada água com cloro. A água que entra possui uma concentração de cloro de 0 ppm e
deve ser configurada para 0,5 ppm, através da dosagem de hipoclorito de sódio cálcio. A
adição de hipoclorito de sódio cálcio aumenta o valor de medição.
Desvio positivo
Valor nominal
Tempo
Tempo
Variável ajuste negativa
A1470
Fig. 77: Tipo control. PID unilateral, sentido Redutor pH
111
Variável ajuste
- 100
0
+100
Val. med. pH
6.00 7.00
8.00
Ajustar[Controlo]
Desvio negativo
Valor nominal
Tempo
Tempo
Variável ajuste positiva
A1472
Fig. 78: Tipo control. PID unilateral, sentido Increm. pH
Parâmetros ajustáveis no menu [Controlo]
No menu Controlo deve efectuar as
seguintes selecções:
10.1
Controlo Parâmetro [Tipo]
No ponto de menu [Tipo] configure o tipo
de controlador. Pode configurar o [Tipo]
[1 sentido] ou [2 sentidos].
112
Os controladores P, PI, PID são controla‐
dores constantes. A variável de ajuste
pode assumir um qualquer valor na área
de -100 % … +100 % dentro da área de
ajuste.
Ajustar[Controlo]
Controlador P:
Este tipo de controlador é aplicado com
um percurso de controlo integrado (por
ex. [Batch Neutralisation]). Se o desvio de
controlo for menor, também o acciona‐
mento do actuador se torna menor
(relação proporcional). Quando o valor
nominal estiver quase alcançado, a saída
de ajuste é quase 0 %. No entanto, o
valor nominal nunca é atingido com exac‐
tidão. Desta forma gera-se um desvio
contínuo do controlo. Durante a estabili‐
zação de grandes alterações, podem veri‐
ficar-se oscilações.
10.2
Controlo Parâmetro
[Comportamento]
No ponto de menu [Comportamento] pode
ajustar o comportamento do controlador.
Padrão
O controlador reage no seu comporta‐
mento P, PI e PID conforme descrito no
capítulo Ä Capítulo 10.1 “Controlo Parâ‐
metro [Tipo]” na página 112.
[Padrão] é a selecção para processos
controlados de [1 sentido].
Controlador PI:
Este tipo de controlador é aplicado com
um percurso de controlo não integrado
(por ex. neutralização contínua). Aqui
deve ser evitada uma oscilação. Não se
pode verificar um desvio contínuo do con‐
trolo. O valor nominal deve ser sempre
respeitado. É necessária uma adição con‐
tínua dos químicos de dosagem. O facto
de o controlador não parar a dosagem ao
alcançar o valor nominal não é uma ano‐
malia.
Controlador PID:
Este tipo de controlador possui as proprie‐
dades de um controlador PI. Através do
teor de regulação [D] diferenciante, ofe‐
rece adicionalmente uma previsão exacta
e pode também reagir a futuras altera‐
ções. É aplicado quando se verificam
picos de medição durante o processo de
medição e quando é necessário estabi‐
lizar estes rapidamente.
[Zona neutra]
A [Zona neutra] é definida por um valor
nominal superior e inferior. A
[Zona neutra] funciona num [controlo] de
[2 sentidos] apenas quando está dispo‐
nível um actuadora para cada direcção.
A [Zona neutra] deve ser alcançada para
que o percurso de regulação não registe
uma oscilação. Se o valor de medição se
situar dentro de ambos os valores nomi‐
nais, não é efectuado um accionamento
dos elementos de ajuste. Mesmo um con‐
trolador PI/PID não acciona os seus ele‐
mentos de ajuste. A aplicação encontra a
[Zona neutra] no caso de uma neutrali‐
zação de [2 sentidos].
10.3
Controlo Parâmetro
[Valor nominal]
O valor nominal determina para que valor
deve ser efectuado o controlo. O contro‐
lador procura manter o desvio entre valor
nominal e o valor real (Valor de medição)
se possível a “0” .
113
Ajustar[Controlo]
10.4
Controlo Parâmetro [xp]
O valor xp é o factor de ganho do controlador. O valor xp refere-se ao valor final da
gama de medição de um controlador e é indicado como valor absoluto. Com pH por ex.
xp=1,5.
Com variáveis de medição, como por ex. cloro, é seleccionada a gama de medição do
sensor. A gama de medição do sensor corresponde assim ao valor final da gama de
medição.
Val. med.
Com pH o valor final da gama de medição é 15,45. O valor xp predefinido é 1,54 (corres‐
ponde ± 1,54 pH). O valor xp indica que, no caso de um desvio de ± 1,54 pH em relação
ao valor nominal, a variável de ajuste é ± 100%. Quanto menor o valor xp, mais
“agressiva” é a reacção do controlo mas mais fácil é que o controlo entre na área de
sobrealimentação.
Valor nominal
xp(b) xp(c)
xp(d)
Variável ajuste
xp(a)
A1473
Fig. 79: Quanto menor for o valor xp, mais "agressivo" é o controlo.
114
Ajustar[Controlo]
10.5
Controlo Parâmetro [Tn]
O tempo [Tn] é o tempo de reajuste do
controlador I (controlador integral) em
segundos. O tempo [Tn] define a inte‐
gração temporal do desvio de controlo em
relação à variável de ajuste. Quanto
menor o tempo [Tn], maior é a acção
sobre a variável de ajuste. Um tempo [Tn]
infinito resulta num controlo proporcional
simples.
10.6
Controlo Parâmetro [Tv]
O tempo [Tv] é o tempo de acção por
derivação do controlador D (controlador
diferenciante). O controlador D reage à
velocidade alterada do valor de medição.
10.7
Controlo Parâmetro
[Carga base ad.]
[Carga base ad.] é a carga base aditiva. A
carga base aditiva deve compensar uma
necessidade constante de um meio de
dosagem para manter o valor nominal.
A carga base aditiva pode ser configurada
entre -100 % … +100 %.
A carga base aditiva é adicionada à vari‐
ável de ajuste determinada pelo contro‐
lador e actua em ambas as direcções de
controlo. Se a variável de ajuste calculada
pelo controlador for, por ex.,
“
è y= -10 % e a Carga base ad. +3 %, a
variável de ajuste resultante é = Y= -10 %
+ (+3 %)= -7 %
è y= 10 % e a carga Carga base ad. +3
%, a variável de ajuste resultante é = Y=
10 % + (+3 %)= 13 %
è y= 0% e a carga base ad. +3%, a
variável de ajuste resultante é = Y= 0 % +
(+3 %)= 3 %”
10.8
Controlo Parâmetro
[Tempo de controlo]
O [Tempo de controlo] deve evitar uma
sobredosagem como consequência de
uma anomalia.
Durante o [Tempo de controlo], a variável
de ajuste é comparada com um [limiar]
ajustável (= limiar da variável de ajuste).
Dependendo da direcção de controlo,
pode configurar diferentes
[Tempos de controlo]
[Tempo de controlo “ superior ] para o
aumento e [Tempo de controlo ” inferior]
para a diminuição.
Os limiares dependem da concentração
do meio de dosagem doseado. Se o limiar
for excedido, tem início o registo do
tempo [(Tempo de controlo)].
Se, durante o [Tempo de controlo], a vari‐
ável de ajuste voltar a descer abaixo do
limiar, o tempo volta a ser reposto para
“0” s.
Se, no entanto, a variável de ajuste per‐
manecer acima do limite durante mais
tempo do que o permitido pelo do que o
permitido pelo [Tempo de controlo], o con‐
trolo pára imediatamente. Esta função
(paragem do controlo) é reposta automati‐
camente quando o limiar volta a não ser
alcançado.
10.9
Controlo Parâmetro [Vari‐
ável máx. de ajuste]
A [variável máx. de ajuste] determina a
variável de ajuste máxima a emitir. Isto é
útil quando, por ex., um elemento de
ajuste apresenta uma dimensão dema‐
siado grande e não deve ser aberto a
100 %.
115
Ajustar[Controlo]
10.10
Variável de interferência
Controlo mais estável de processos contí‐
nuos, através de uma ligação da variável
de interferência.
Um sinal de frequência é ligado à entrada
digital 2 e um sinal analógico é ligado à
entrada digital 2 mA. A variável de interfe‐
rência pode actuar nos dois canais, no
pacote de equipamento 4, por ex.:
n
Ligação da variável de interferência adi‐
tiva e multiplicativa
A variável de interferência é, juntamente
com a informação da variável de medição
propriamente dita, por ex., Concentração
de cloro, uma fonte de informação adici‐
onal para o controlador, que ajuda o con‐
trolador durante os processos contínuos,
a alcançar um controlo estável. Nos pro‐
cessos contínuos, muitas vezes, alteram-se os dois parâmetros referidos em áreas
vastas. Caso não seja conhecida uma
variável de parâmetro, não é possível
alcançar um controlo estável das res‐
tantes variáveis de parâmetro. Se estiver
activo o processamento de uma variável
de interferência, o processamento da vari‐
ável de interferência é assinalado na indi‐
cação contínua do controlador em
[NOME DA VARIÁVEL DE INTERFE‐
RÊNCIA] e [UNIDADE] com a letra [Q].
Dependendo da configuração, uma vari‐
ável de interferência pode ter efeito para
um ou ambos os canais de medição
A fonte de sinais da variável de interfe‐
rência pode ser fornecida ao controlador,
através de um sinal analógico ou uma fre‐
quência (incluída na versão de base do
controlador). Para o processamento de
um sinal analógico, o Canal 2 deve estar
equipado com o pacote de equipamento 2
(uma variável de medição principal, por
ex., Cloro) ou pacote de equipamento 4 (2
variáveis de medição principais, por
exemplo, pH e Cloro).
116
n
n
entrada mA no Canal 1: medição de
cloro
entrada mV no Canal 2: medição de
pH
Entrada analógica do Canal 2: sinal
de débito
Exemplo de aplicação de variável de
interferência aditiva
Caso a adição de um químico esteja em
grande parte apenas dependente do
débito (dependência proporcional), é pos‐
sível adicionar uma parte da variável de
ajuste, com a variável de interferência adi‐
tiva proporcional à variável de interfe‐
rência (débito), à variável de ajuste do
controlador do valor nominal (controlo do
valor nominal, ou seja, comparação, Valor
nominal: Valor real). É também possível
desligar completamente o controlo do
valor nominal e realizar apenas uma
dosagem proporcional de débito. A
medição da valor de medição principal
pode ser utilizada juntamente com os
valores limite como função de monitori‐
zação.
Exemplo de aplicação:
Deve clorar uma água potável. O valor
nominal pretendido é de 0,3 mg/l (ppm)
de Cloro. O caudal volumétrico da água
potável é determinado com um medidor
de caudal. O sinal de medição do medidor
de caudal é encaminhado para o contro‐
Ajustar[Controlo]
lador, através de um sinal 4 ... 20 mA. A
medição contínua do cloro realiza-se
através de um sensor de cloro CLE3. O
caudal volumétrico altera-se numa área
de caudal vasta de 0 ... 250 m³/h. A con‐
centração de cloro de 0,3 mg/l é alcan‐
çada através de uma proporcionalidade
entre o caudal de água e a quantidade de
cloro admitida (É exigida a concepção
correcta da bomba de dosagem em
função da concentração de cloro). Caso a
necessidade de cloro aumentasse devido
a um débito maior ou uma perda maior
(temperatura mais elevada, mais germes),
então seria adicionada à variável de
ajuste proporcional ao débito ainda uma
porção positiva de controlo do valor
nominal. Se, pelo contrário, fosse
doseado demasiado cloro devido a uma
proporcionalidade demasiado grande,
seria emitida e adicionada a uma variável
de ajuste proporcional ao débito uma vari‐
ável de ajuste negativa e a variável de
ajuste resultante diminuiria.
No menu do controlador, deve ser confi‐
gurado o seguinte:
[Menu], [Controlo],
[Variável de interferência], [Ligado],
[Fonte de sinais] = [Entrada 2 mA]
[Efeito]: [aditivo]
[Atribuição]: [0…20mA] ou [4…20 mA]
[Val. nominal]: introduzir aqui a corrente
analógica esperada, por ex., 18 mA
117
Ajustar[Controlo]
Variável de interferência multiplicativa
Com a variável de interferência multiplicativa, a variável de ajuste do controlador do valor
nominal pode ser influenciada proporcionalmente através de toda a área de ajuste.
Neste caso, corresponde um factor de proporcionalidade de 0,00 = 0% e 1,00 = 100 %,
inclusive todos os valores intermédios.
Variável de interferência
Parâmetro Pré-ajuste
Valores pos‐ Valor
síveis
mínimo
Função
Deslig.
Ligado /
Deslig.
Liga ou desliga a
função Variável de
interferência
Fonte de
sinais
Frequência
ED2
Frequência
ED2 /
Entrada mA
2
Determina de que
fonte de sinais o
sinal da variável
de frequência
provém.
Efeito
aditivo
Aditivo /
multiplica‐
tivo
Determina o efeito
da variável de
interferência.
Val.
nominal
10 Hz
1…500 Hz
10.11
1 Hz
500 Hz
Observação
Determina a fre‐
quência máxima
do medidor de
água de contacto
em débito
máximo.
Valor nominal predefinido através de um sinal analógico 0/4 ...
20 mA
Indicação contínua ➨
➨
ou
[Controlo] ➨
[Val. nom. pred. (mA)] ➨ [Val. nom. pred.]
118
Valor
máximo
[Controlo] ➨
ou
Ajustar[Controlo]
Disponibilidade do valor nominal predefinido
O menu [Val. nom. pred. (mA)] só está disponível co controlo do Canal 1 do contro‐
lador.
A função [Val. nom. pred.] permite-lhe alterar para todas as variáveis de medição do
Canal 1 do controlador através de um sinal analógico 0/4 ... 20 mA o valor nominal numa
área a determinar. O sinal analógico pode ser proveniente de um PLC enquanto sinal
activo ou ser predefinido com um potenciómetro de precisão de 1kOhm.
Val. nom. pred.
Função
Fonte de sinais
Área
4mA =
20 mA
Atribuição
3.3.1
Ligado
mA-Saída 1
4 ... 20 mA
1.00 ppm
1.00 ppm
Canal 1
A1477
Fig. 80: Valor nominal predefinido através de um sinal analógico 0/4 ... 20 mA
Designação
Ajuste de fábrica
Possibilidades de ajuste
Função
Deslig.
Ligado/Deslig.
Fonte de sinais
Fixa, Entr. corrente 2
Área
4…20 mA
4 mA
É dependente da variável É dependente da variável de
de medição e da gama de medição e da gama de medição
medição
20 mA
É dependente da variável É dependente da variável de
de medição e da gama de medição e da gama de medição
medição
Atribuição
Fixa, Canal 1
0…20mA/4…20mA
119
Ajustar[Controlo]
Exemplo de aplicação:
Numa instalação de processos técnicos
devem ser gradualmente ligados e man‐
tidos vários valores nominais de pH dife‐
rentes. A instalação é comandada por
meio de um PLC. O PLC especifica ao
controlador os sinais padrão através de
uma saída mA analógica. O controlador
ajusta automaticamente para o valor
nominal. Através de uma saída mA analó‐
gica, o controlador pode informar o valor
pH actual ao PLC.
Configuração de controlo neces‐
sária:
Necessita do pacote 2 para o Canal
2. Pode consultar as respectivas
informações em Ä Capítulo 3 “Código
ID” na página 15
A função encontra-se disponível para
todas as variáveis de medição do
Canal 1. O Canal 2 é utilizado para o
processamento do valor nominal pre‐
definido.
Ligação eléctrica
O sinal analógico 0/4 ... 20 mA apre‐
senta o valor nominal e é ligado ao
borne XE8 3 (-) e 4 (+) do módulo de
expansão.
120
10.12
[Comutação de parâm.]
através da Entrada
digital ou [Temp.]
➨
Indicação contínua ➨
[Controlo] ➨ [Controlo] ➨
[Comutação de parâm.] ➨
ou
ou
[Comutação de parâm.]
A função [Comutação de parâm.] através
de um [Controlo de ocorrências] ou
[Controlo do tempo] permite-lhe activar,
para todas as variáveis de medição do
Canal 1 e Canal 2 do controlador, um
sinal de comutação externo isento de
potencial para cada conjunto de parâme‐
tros alternativo. Alternativamente, pode
activar esta comutação em função do
tempo, através de 10 [Temp.]. O sinal
activo pendente respectivo possui vali‐
dade, seja [Controlo do tempo] ou
[Controlo de ocorrências].
Caso a [Comutação de parâm.] se
encontre activada, é apresentado o menu
3.1 adicionalmente a possibilidade de
parametrização para o respectivo con‐
junto de parâmetros 2. A possibilidade de
selecção dentro do conjunto de parâme‐
tros é idêntica à do conjunto de parâme‐
tros 1. Caso o conjunto de parâmetros 2
não se encontre activo, então é activado
automaticamente o conjunto de parâme‐
tros 1.
Ajustar[Controlo]
Exemplo de aplicação:
Numa instalação de processos técnicos
devem ser ligados e mantidos dois
valores nominais de pH diferentes com
parâmetros de controlo diferentes. A ins‐
talação é comandada por meio de um
PLC. O PLC especifica ao controlador o
sinal de ocorrência necessário, através de
uma saída digital. O controlador muda
depois do
[Canal 1 Conjunto de parâmetros 2] para
[Canal 2 Conjunto de parâmetros 2] e
regula depois automaticamente para o
respectivo valor nominal. De segunda-feira a sexta-feira, das 22 horas até às 5
horas, deve sempre estar activada, inde‐
pendentemente do PLC, a especificação
do [conj. de parâm. 2]. Trata-se de uma
combinação de [Controlo de ocorrências]
e [Controlo do tempo].
Ligação eléctrica
O sinal de liberação externo pode ser
processado a partir da entrada digital
2 (borne XK1_3 e 4) ou a partir da
entrada digital 5 (borne XK3_3 e 4).
121
Ajustar[Controlo]
Controlo de ocorrências
Ocorrência
Função
Fonte de sinais
Estado
Atraso de desactiv.
Atribuição
3.5.1.1
Ligado
Entrada 1
Activar aberto
Deslig.
Canal 1
A1478
Fig. 81: Controlo de ocorrências
Designação
Ajuste de fábrica
Possibilidades de ajuste
Função
Deslig.
Ligado/Deslig.
Fonte de sinais
Entrada 2
Entrada 2, Entrada 5
Estado
Activar aberto
Activar aberto / Activar fechado
Atraso de desacti‐
vação
Deslig.
0=Desl…1800s
Atribuição
Canal 1
Consoante a configuração do
aparelho, Canal 1, Canal 2,
Canal 1+2
122
Ajustar[Controlo]
Controlo do tempo
Para utilização de uma função
[Temp.], é necessário ligar um
[Temp.] 1 ... 10. Dentro do [Temp.] é
necessário especificar o Tempo de
ligação e o Tempo de corte. Caso o
Tempo de corte (por ex., 11 horas)
ocorra antes do Tempo de ligação
(por ex., 12 horas), então o [Temp.]
encontra-se activado para além do
limite de data.
Temp.
3.5.2.1
Temp. 1
Temp. 2
Temp. 3
Temp. 4
Temp. 5
Temp. 6
Temp. 7
Temp. 8
Temp. 9
Temp. 10
A1479
Fig. 82: [Controlo do tempo] = [Temp.]
Temp. 1
Função
Tempo de ligação
Tempo de corte
Segunda-feira
Terça-feira
Quarta-feira
Quinta-feira
Sexta-feira
Sábado
Domingo
3.5.2.1.1
Ligado
3:00
3:01
A1480
Fig. 83: Exemplo: Temp. 1
123
Ajustar os [valores limite]
11
Ajustar os [valores limite]
Qualificação do utilizador: utilizador qualificado, consultar Ä Capítulo 4.4 “Qualifi‐
n
cação do utilizador” na página 21
Indicação contínua ➨
➨
ou
[Valores limite] ➨
[Valores limite]
Configurações para o [canal 2]
O controlador possui dois canais de medição na sua versão de 2 canais. Esta
descrição do [canal 1] é válida no geral também para as configurações no [canal 2].
O procedimento para a configuração dos respectivos canais é idêntico, mas os parâ‐
metros a configurar podem ser diferentes. É chamada a atenção para desvios e
estes também são descritos.
Valores limite
4.1
Val. limite canal 1
A1011
Fig. 84: [Ajustar os valores limite]
11.1
Função dos valores limite
Os valores limite não possuem qualquer relação com o valor nominal do controlo.
Os valores limite são constantemente comparados com o valor de medição medido.
124
Ajustar os [valores limite]
Os valores limite são valores ajustáveis dentro da gama de medição de uma variável de
medição. Para cada canal de medição pode ser definido um valor limite [1] para ultrapas‐
sagem, i.e., o valor de medição é maior do que o valor limite, e um valor limite [2] para
insuficiência, i.e., o valor de medição é menor do que o valor limite. Porque no contro‐
lador estão disponíveis apenas dois relés de valor limite, existe a possibilidade de selec‐
cionar um valor limite “Área” . Como valor limite “Área” é determinado um limite superior
e inferior. Se o valor limite se situar acima ou abaixo da “Área” , verifica-se uma
infracção do valor limite.
Se a ultrapassagem do valor limite se verificar por um período de tempo mais prolon‐
gado do que o [Tempo de controlo Valores limite (∆t ligado)], é activada uma mensagem,
de erro confirmável e o relé de alarme desliga. Se, adicionalmente, o [controlo] estiver
definido para [DESLIG], o processo de controlo pára.
[Insuficiência] significa que o critério do valor limite é infringido, não alcançando este
valor.
[Ultrapassagem] significa que o critério do valor limite é infringido, sendo excedido este
valor.
O controlador possui a possibilidade de definir um [valor limite de histerese].
A [histerese] actua no sentido de anular a infracção do valor limite, i.e., se o
[valor limite 1 superior] de, por ex., pH 7,5 for excedido com um valor limite de histerese
de, por ex., pH 0,20, é suprimido o critério para uma infracção do valor limite com insufi‐
ciência de pH 7,3. O comportamento de histerese para uma [insuficiência do VL] fun‐
ciona de forma análoga (o valor de histerese é adicionado ao valor limite). Desta forma
também é possível prescindir de um relé externo auto sustentado.
Se a ultrapassagem do valor limite se verificar por um período de tempo mais prolon‐
gado do que o [Tempo de retardamento Valores limite (∆t ligado)], é activada uma men‐
sagem, de erro confirmável e o relé de alarme desliga. Se, adicionalmente, o [controlo]
estiver definido para [DESLIG], o processo de controlo pára.
125
Ajustar os [valores limite]
Valor medido
Valor limite
alto
"Histerese"
"Histerese"
Valor limite
baixo
t
Violação
de valores
limite
t
A0009
Fig. 85: Histerese
Se os relés estiverem definidos como relés de valor limite, no caso de uma infracção do
valor limite comute adicionalmente para o relé de alarme.
Para o relé do valor limite, para [Valor limite 1] e [Valor limite 2] podem ser ajustados
diferentes atrasos de activação (∆t ligado) e de desactivação (∆t desligado). Estes
evitam uma comutação do relé de valor limite quando o valor limite é excedido apenas
brevemente (função de amortecimento).
Se não estiver disponível nenhum relé de valor limite, podem mesmo assim ser introdu‐
zidos valores limite. O controlador apresenta as reacções descritas no caso de uma
infracção do valor limite
Relé de valor limite como elemento de ajuste
Se os relés estiverem definidos como elementos de ajuste, reagem como saídas de
ajuste. Exemplo: No caso de uma pausa activada ou numa situação de alarme, um relé
de valor limite accionado é desligado.
11.2
Ajustar valores limite Canal 1
Indicação contínua ➨
[Val. limite canal 1] ➨
126
➨
ou
[Valores limite] ➨
[Val. limite canal 1]
[Valores limite] ➨
ou
Ajustar os [valores limite]
Val. limite C 1
4.1.5
Val. limite 1
Val. limite 2
Resp. do sistema / Histerese
A1012
Fig. 86: Ajustar valores limite Canal 1
11.2.1
Configurar [Val. limite 1]
Indicação contínua ➨
➨
ou
[Valores limite] ➨ [Valores limite] ➨
ou
[Val. limite Canal 1] ➨
[Val. limite C1] ➨
ou
[Val. limite 1] ➨
[Val. limite 1]
Val. limite 1
Função
Valor
Atraso ao ligar
Atraso de desactivação
4.1.1.4
Insuficiência
6.00 pH
0s
0s
11.2.2
Configurar [Val. limite 2]
Indicação contínua ➨
➨
ou
[Valores limite] ➨ [Valores limite] ➨
ou
[Valores limite Canal 1] ➨
[Valores limite Canal 1] ➨
ou
[Val. limite 2] ➨ [Val. limite 2]
Val. limite 2
Função
Valor
Atraso ao ligar
Atraso de desactivação
Nenhum relé atribuído!
Atribuir no menu <Relé>.
4.1.3.1
Exceder limite
9.00 pH
0s
0s
Nenhum relé atribuído!
Atribuir no menu <Relé>.
A1013
Fig. 87: Configurar Val. limite 1
A1166
Fig. 88: [Configurar] Val. limite 2
127
Ajustar os [valores limite]
11.2.3
Ajustar [Resp. do sistema]
Indicação contínua ➨
[Val. limite canal 1] ➨
[Resp. do sistema]
➨
ou [Valores limite] ➨
[Val. limite canal 1] ➨
ou
[Valores limite] ➨
ou
[Resp. do sistema] ➨
Comportamento
Histerese
Mensag. de erro
Atraso de mensagem
Controlo pára em caso de erro
4.1.5.1
Ligado
Deslig.
A1167
Fig. 89: Ajustar [Resp. do sistema]
128
Ajustar as [bombas]
12
n
Ajustar as [bombas]
Qualificação do utilizador: utilizador
qualificado, consultar Ä Capítulo 4.4
“Qualificação do utilizador”
na página 21
Indicação contínua ➨
➨
[Bombas] ➨ [Bombas]
ou
Configurações para o [canal 2]
O controlador possui dois canais de
medição na sua versão de 2 canais.
Esta descrição do [canal 1] é válida
no geral também para as configura‐
ções no [canal 2]. O procedimento
para a configuração dos respectivos
canais é idêntico, mas os parâmetros
a configurar podem ser diferentes. É
chamada a atenção para desvios e
estes também são descritos.
Bombas
12.1
Respeitar o manual de instruções da
bomba
Possibilidade de danos na bomba.
Avarias no processo.
–
–
A1064
Ajustar a [Bomba 1]
CUIDADO!
–
Bomba 1 canal 1
Bomba 2 canal 1
Bomba 3 canal 2
Bomba 4 canal 2
Fig. 90: Ajustar as [bombas]
Ajustar a [bomba 1] ou [bomba
2]
Agora é descrito o processo para a
configuração da[ Bomba 1]. O pro‐
cesso para a configuração da
[Bomba 2], [Bomba 3] ou [Bomba 4]
não se distingue do processo para a
configuração da [Bomba 1].
–
Posicione a bomba no estado de
funcionamento [Contacto externo]
Tenha em atenção o número
máximo de cursos da bomba
Desligue o acumulador de cursos
eventualmente disponível no
comando da bomba
O número máximo de cursos da
bomba pode ser consultado no
manual de instruções da mesma
– A configuração no contro‐
lador de um número de
cursos superior ao número
máximo de cursos efectiva‐
mente possível da bomba
pode provocar estados de
funcionamento perigosos
129
Ajustar as [bombas]
Frequência máxima da bomba
As bombas são accionadas de
acordo com a variável de ajuste até à
respectiva frequência máxima da
bomba.
Indicação contínua ➨
➨
[Bombas] ➨ [Bombas] ➨
[Bomba 1 canal 1] ➨
ou
ou
Bomba 1
Função
Freq. máx. cursos
Atribuição
Diminuir valor
Canal 1
A1068
Fig. 91: Ajustar a [Bomba 1]
Seleccionar o respectivo menu com
ou
e confirmar com a
a tecla
tecla
ð Surge o respectivo menu de
configuração.
130
Ajustar as [bombas]
Parâmetro
Função ajustável
[Função]
Ajustar bomba como:
n
n
n
[Freq. máx. de cursos]
[Aumentar valor]
[Diminuir valor]
[Deslig.]
O número máximo de cursos pode ser livremente configu‐
rado entre 0 ... 500/min.
O ajuste de fábrica é de 180/min.
[Atribuição]
Atribuir bomba ao respectivo canal de medição:
n
n
Canal 1: Bomba 1 e Bomba 2
Canal 2: Bomba 3 e Bomba 4
131
Ajustar o [Relé]
13
Ajustar o [Relé]
Qualificação do utilizador: utilizador qualificado, consultar Ä Capítulo 4.4 “Qualifi‐
n
cação do utilizador” na página 21
Indicação contínua ➨
➨
ou
[Relé] ➨
[Relé]
Configurações para o [canal 2]
O controlador possui dois canais de medição na sua versão de 2 canais. Esta
descrição do [canal 1] é válida no geral também para as configurações no [canal 2].
O procedimento para a configuração dos respectivos canais é idêntico, mas os parâ‐
metros a configurar podem ser diferentes. É chamada a atenção para desvios e
estes também são descritos.
Relé
6.1
Relé 1
Val. limite 1
Relé 2
Deslig.
Relé alarme
Deslig.
Temporizador relé
Deslig.
A1069
Fig. 92: Ajustar [Relé]
Ajustar [Relé 1], [Relé 2], [Relé alarme] ou [Temp. de relé]
É descrito apenas o processo para a configuração do [Relé 1]. O processo para a
configuração do [Relé 2], [Temp. de relé] ou do [Relé alarme] não se distingue do
processo para a configuração do [Relé 1].
132
Ajustar o [Relé]
13.1
Ajustar relé 1
Indicação contínua ➨
[Relé] ➨ [Relé] ➨
➨
ou
Relé 1
ou
[Relé 1] ➨
6.1.1
Função
Limite 1
Atribuição
Canal 1
A1070
Fig. 93: Ajustar relé 1
Seleccionar o respectivo menu com
ou
e confirmar com a
a tecla
tecla
ð Surge o respectivo menu de
configuração.
133
Ajustar o [Relé]
Parâmetros configuráveis do relé 1 e relé 2
Parâmetro
Função ajustável
[Função]
Ajustar relé como:
n
n
n
n
n
n
n
[Atribuição]
[Deslig.]
[Val. limite 1]
[Val. limite 2]
[Val. limite 1 <Var. ajus.>]
[Val. limite 2 <Var. ajus.>]
[Ciclo]
[Duração de impulso (MLP)]
Atribuir relé ao respectivo canal de medição:
n
n
n
n
n
[Canal 1]
[Canal 2]
[Canal 3]
[Canal 1+2]
[Canal 1+2+Diferença]
Parâmetros configuráveis do relé de alarme
Parâmetro
Função ajustável
[Função]
Ajustar relé como:
n
n
n
n
n
n
134
[Deslig.]
[Alarme]
[Val. limite 1]
[Val. limite 2]
[Val. limite 1+2]
[Pausa]
Ajustar o [Relé]
13.1.3
Âmbito variável dos menus
Dependendo do tipo e do âmbito da
[função] seleccionada, o número de
parâmetros configuráveis pode variar.
O controlador apresenta-lhe os parâ‐
metros configuráveis. Pode selec‐
cionar estes com a tecla
ou
e
confirmar com a tecla . As possí‐
veis áreas de configuração são então
apresentadas pelo controlador.
Relé 1
6.1.1
Função
Função
Tempo de ciclo
Variável de ajuste
Aumenta valor
10s
Tem. mín.
1s
Atribuição
Canal 1
O [Relé 1] e/ou [Relé 2] podem ser ope‐
rados como relé de valor limite. Os
valores limite podem ser configurados no
menu Ä Capítulo 11 “Ajustar os
[valores limite]” na página 124.
Relé de valor limite como ele‐
mento de ajuste
Possibilidade ampliada de função
–
Os relés do valor limite podem
ser definidos de forma a reagirem
como um elemento de ajuste. Se,
por ex., um relé de valor limite
tiver sido activado, este desliga-se no caso de um contacto de
pausa fechado e subsequente
tempo de retardamento td (se
td > 0 min estiver configurado).
13.1.4
Descrição funcional
[Valor limite1/2 (var.
ajus.)]
A1071
Fig. 94: Possíveis parâmetros ajustáveis
na [função], por ex. [Variável ajuste]
13.1.1
Descrição funcional [Desli‐
gado]
Com a configuração [Desligado], o relé
não assume quaisquer funções nem
efectua acções.
13.1.2
Descrição funcional
[Temp. de relé]
O [Temp. de relé] é um temporizador em
tempo real que se refere ao relé 2. Com o
[Temp. de relé] é possível efectuar dosa‐
gens recorrentes em função do dia da
semana e da hora.
Descrição funcional [Val.
limite 1] ou [Val. limite 2]
Na configuração do
[Val. limite 1/2 (var. ajus.)], o relé do valor
limite reage ao erro e à pausa como um
elemento de ajuste
13.1.5
Descrição funcional [Ciclo]
Na configuração do [Ciclo], os relés atri‐
buídos são activados ciclicamente inde‐
pendentemente da hora. Os temporiza‐
dores de ciclo podem por ex. ser
aplicados numa dosagem de choque caso
135
Ajustar o [Relé]
o momento da dosagem não tenha um
papel significativo. Se for importante rea‐
lizar a dosagem num determinado
momento, então tem de ser utilizado o
chamado [temp. de relé].
136
Ajustar o [Relé]
CUIDADO!
Sem tensão de alimentação o [ciclo] é reposto
Possível consequência: ferimentos ligeiros ou médios. Danos materiais.
–
–
Defina a alimentação de tensão de forma que não se possa verificar uma inter‐
rupção
No caso de processos críticos, tenha em atenção uma possível falha do tempo‐
rizador durante a concepção da sua aplicação
Ciclo
Relé do tempo.
t on
on
deslig.
t
A0024
Fig. 95: Relé temporizador
No final do tempo do ciclo (de temporizador), o controlador fecha o relé temporizador
atribuição pelo tempo de [t on]. Uma [Pausa] interrompe o temporizador. Se no visor
LCD for visível o relógio, então o [ciclo] pode ser reposto através da tecla OK no início
do ciclo. A indicação em % no visor LCD indica o tempo de funcionamento restante.
13.1.6
Descrição funcional
[Duração do impulso
(MLP)]
Se os relés de potência estiverem confi‐
gurados como
[Duração do impulso (MLP)], então eles
emitem a duração do impulso transmitida
pelo controlador, para accionar um
actuador (por ex. bomba de dosagem do
motor, válvula solenóide).
137
Ajustar as [Entradas Digitais]
14
Ajustar as [Entradas Digitais]
Qualificação do utilizador: utilizador qualificado, consultar Ä Capítulo 4.4 “Qualifi‐
n
cação do utilizador” na página 21
Indicação contínua ➨
➨
ou
[Entradas digitais] ➨
[Entradas dig.]
Configurações para o [canal 2]
O controlador possui dois canais de medição na sua versão de 2 canais. Esta
descrição do [canal 1] é válida no geral também para as configurações no [canal 2].
O procedimento para a configuração dos respectivos canais é idêntico, mas os parâ‐
metros a configurar podem ser diferentes. É chamada a atenção para desvios e
estes também são descritos.
Entradas digitais
7.1
Desligado
Desligado
Desligado
Desligado
Desligado
Entrada 1
Entrada 2
Entrada 3
Entrada 4
Entrada 5
A0987
Fig. 96: Configurar as entradas digitais [Entradas Dig.]
14.1
Ajustar [Entrada Digital 1]
Indicação contínua ➨
[Entrada Digital 1]
138
➨
ou
[Entradas Digitais] ➨
[Entradas Dig.] ➨
ou
Ajustar as [Entradas Digitais]
Entrada digital 1
Função
Estado
Atraso de disparo
Alarme
Atribuição
7.1.1
Pausa
Activar aberto
10 s
Ligado
Canal 1
A0986
Fig. 97: Ajustar[Entrada Digital 1]
Pausa
Parâmetro
Área configurável
Função
Pausa / Deslig. / Pausa Hold
Estado
Activar aberto / Activar fechado
Atraso de desactivação
0 ... 1800 s
Alarme
Ligado / Deslig.
Atribuição
Canal 1, Canal 1+2
Ajustar [Entrada Digital 2]
Erro água de medição
Parâmetro
Área configurável
Função
Deslig. / Erro água de medição
Estado
Activar aberto / Activar fechado
Atraso de desactivação
0 ... 1800 s
Atribuição
Canal 1, Canal 1+2
139
Ajustar as [Entradas Digitais]
Ajustar [Entrada Digital 3]
Nível Recipiente 1
Parâmetro
Área configurável
Função
Deslig. / Pausa Hold / Pausa / Nível Recipiente 1
Estado
Activar aberto / Activar fechado
Atraso de desactivação
0 ... 1800 s
Atribuição
Canal 1
Ajustar [Entrada Digital 4]
Nível Recipiente 2
Parâmetro
Área configurável
Função
Deslig. / Erro água de medição / Nível Recipiente 2
Estado
Activar aberto / Activar fechado
Atraso de desactivação
0 ... 1800 s
Atribuição
Canal 1
Ajustar [Entrada Digital 5]
Nível Recipiente 3
Parâmetro
Área configurável
Função
Deslig. / Nível Recipiente 3
Estado
Activar aberto / Activar fechado
Atraso de desactivação
0 ... 1800 s
Atribuição
Canal 1
140
Ajustar as [saídas mA]
15
n
Ajustar as [saídas mA]
Qualificação do utilizador: utilizador qualificado, Ä Capítulo 4.4 “Qualificação do utili‐
zador” na página 21
Indicação contínua ➨
➨
ou
[saídas mA] ➨
[saídas mA]
Configurações para o [Canal 2]
O controlador possui duas saídas mA na sua versão de 1 canal e três saídas mA na
sua versão de 2 canais. Estas descrições do [Canal 1] são válidas no geral também
para as configurações do [Canal 2] e [Canal 3]. O procedimento para a configuração
dos respectivos canais das saídas mA é idêntico, mas os parâmetros a configurar
podem ser diferentes. É chamada a atenção para desvios e estes também são
descritos.
CUIDADO!
Destruição dos aparelhos de avaliação
Nas saídas mA só podem ser ligados aparelhos de avaliação passivos. Se as saídas
mA forem ligadas a um PLC, por ex., deve ser seleccionado o tipo de ligação ao
PLC de 4 condutores. O tipo de ligação de 2 condutores provoca uma anomalia e,
possivelmente, a destruição dos aparelhos de avaliação.
O controlador dispõe, na sua versão de base, de duas saídas mA activas, ou seja, as
saídas mA emitem activamente uma corrente de saída, sem que seja fornecida uma
tensão de alimentação do exterior. As saídas mA encontram-se isoladas galvanicamente
Comportam. com [Pausa Hold]: [Pausa Hold] determina o comportamento das saídas
mA quando a função [Pausa Hold] se encontra activa.
141
Ajustar as [saídas mA]
Saídas mA
8.1
mA-Saída 1
mA-Saída 2
mA-Saída 3
A0984
Fig. 98: Ajustar as [saídas mA] / [mA-Saída 3] como opção no módulo de expansão
142
Ajustar as [saídas mA]
15.1
Ajustar as [saídas mA]
Ajustar indicação contínua ➨
➨
ou
[saída mA 1] [Função]
ou função
[saídas mA] ➨
[saídas mA] ➨
mA-Saída 2 / mA-Saída 3
Os pontos de menu [mA-Saída 2] e [mA-Saída 3] dispõem das mesmas possibili‐
dades de ajuste do ponto de menu [mA-Saída 1]. Não é efectuada uma descrição
separada. A [mA-Saída 3] encontra-se no módulo de expansão e só está disponível
se no canal 2 no código de identificação tiverem sido seleccionados os pacotes 2, 3
ou 4.
Saída mA1
Função
Atribuição
Gama de saída
Corr. em erro
0 mA
20 mA
Filtragem
Comportam. com HOLD
Val. med.
Canal 1
0 ... 20 mA
23 mA
-1.45 pH
15.45 pH
forte
Congelar
A0985
Fig. 99: Ajustar a [mA-Saída 1]
[Função ]
Valor configurável
Esclarecimento
[Função]
[Deslig.]
A saída mA não funciona.
[Valor de medição]
[Variável ajuste]
[Valor correcção]
Temperatura
A saída mA é congelada o valor de saída mA válido anterior a [Pausa Hold].
143
Ajustar as [saídas mA]
Ao seleccionar a função [Valor de medição], [Variável ajuste] e [Valor correcção] estão
disponíveis os seguintes parâmetros configuráveis:
[Função ]
Valor configurável
Área ou valores numéricos configuráveis
[Valor de
medição]
[Gama de saída ]
0 ... 20 mA
Atribuição ao valor de início da gama de med. e
valor final desejados.
[Variável
ajuste]
4 ... 20 mA
[Valor
cor‐
recção]
Atribuição ao valor de início da gama de med. e
valor final desejados.
[Corrente de fuga]
[Deslig.]
23 mA
[0 mA]
- 100 % ... + 100 %
[20 mA]
- 100 % ... + 100 %
[Filtragem]
[forte]
[médio]
[fraco]
[Comportamento com
Pausa Hold]
[Nenhum]
A saída mA altera-se com o valor de medição
[Fixo]
A saída mA é configurada com um valor de saída
mA fixo, que é sempre emitido em [Pausa Hold]
[Congelar]
144
Função: Registo de dados
16
Função: Registo de dados
16.1
Protecção de dados / Vida útil
limitada
Em todos os tipos de protecção de
dados existe a possibilidade de
perdas de dados. Estas perdas de
dados podem resultar de danos no
hardware, no software ou de acessos
não autorizados, etc. O operador do
aparelho é responsável pela pro‐
tecção dos dados que são registados
com o registo de dados. Isto tem de
ocorrer de acordo com os requisitos,
disposições e normas legais nacio‐
nais e internacionais aplicáveis ao
operador do aparelho. Esta protecção
de dados tem de ser determinada e
documentada num plano de pro‐
tecção e recuperação.
O fabricante do aparelho não assume
qualquer responsabilidade pela pro‐
tecção ou possibilidade de recupe‐
ração dos dados.
Os cartões SD têm uma vida útil limi‐
tada. Esta vida útil resulta por ex. do
envelhecimento geral do cartão SD e,
devido à tecnologia de armazena‐
mento utilizada (memória Flash), do
número básico limitado de processos
de gravação. Tenha isto em conside‐
ração na sua estratégia de protecção
de dados e considere por ex. uma
substituição regular do seu cartão
SD.
Activar, ler e eliminar
registos
O controlador suporta de série os
seguintes registos:
n
n
Registo de calibração
Registo de erro
Tampa de acesso para a slot do
cartão SD
Durante a operação, mantenha a
tampa de acesso para a slot do
cartão SD sempre fechada. Com a
tampa de acesso aberta, substâncias
externas como pó e humidade podem
entrar no controlador e provocar
danos.
-15
7.55
7.20
25
0.30
0.50
A1177
Fig. 100: Ecrã com o símbolo para um
cartão SD existente (em cima à esquerda)
O registo de dados (opcional)
O registo de dados é um equipamento
opcional. Com esta opção, é fornecido
actualmente um cartão SD industrial de
512 MB. Cartões SD industriais têm, em
comparação com os cartões de
“consumidor” , uma temperatura de ope‐
145
Função: Registo de dados
ração até 85 °C e os dados são, por segu‐
rança, guardados em duplicado na
memória do cartão SD. O cartão SD for‐
necido tem num intervalo de gravação de
10 segundos uma capacidade de gra‐
vação de aprox. 20 anos. Podem ser utili‐
zados cartões SD com uma capacidade
de até 32 GB. São assim possíveis aprox.
1280 anos de registos.
Se o cartão SD se encontrar no contro‐
lador, é exibido no canto superior
esquerdo do ecrã o símbolo [SD]. Se o
cartão SD estiver preenchido em 80 %,
este nível enchim. também é exibido no
ecrã, [80 % full]. Se o cartão SD estiver
cheio, então os dados são guardados na
memória interna do controlador. Se esta
memória interna estiver cheia, os dados
mais antigos são substituídos.
16.2
1.
Prima a tecla
tínua
2.
Com as teclas de seta seleccione a
entrada [Diagnóstico]
3.
Prima a tecla
4.
Com as teclas de seta seleccione a
entrada [Registos]
5.
Prima a tecla
6.
Com as teclas de seta seleccione a
entrada [Registo calibr.]
7.
Prima a tecla
16.2.1
Configurar registos
Qualificação do utilizador: pessoa ins‐
truída, ver Ä Capítulo 4.4 “Qualifi‐
n
O registo de calibração guarda todas as
calibrações das variáveis de medição com
uma marca horária.
cação do utilizador” na página 21
Indicação contínua ➨
➨
ou
[Diagnóstico] ➨ [Diagnóstico]
na indicação con‐
Utilize o [Registo calibr.]
Registo calibr.
Registar
Ler
Eliminar
Neste menu, é possível examinar
registos, realizar uma simulação de
saídas ou ver informações do aparelho.
Diagnóstico
9.1
Registos
Simulação
Informação dos aparelhos
A0981
Fig. 101: [Diagnóstico] > [Registos]
146
9.1.1.1
A1673
Fig. 102: Utilize o [Registo calibr.]
Função: Registo de dados
1.
Mova o cursor com as teclas de
seta para a entrada [Registar]
2.
Prima a tecla
ð O sinal de activação (visto) é
colocado na caixa de mar‐
cação. A partir de agora serão
registadas todas as calibrações
a executar.
Mova o cursor com as teclas de
seta para a entrada [Ler]
4.
Prima a tecla
16.2.2
Utilizar [Registo de erro]
Registo de erro
9.1.2.1
Registar
Ler
Eliminar
Ler calibrações
3.
Com as teclas de seta pode navegar
pelas entradas do registo de calibração.
Com a tecla
volta novamente à indi‐
cação contínua.
ð O sinal de activação é aqui
removido automaticamente. Se
pretender registar outras cali‐
brações depois de [Ler], então
terá de activar novamente o
[Registo calibr.]. O visto apa‐
rece novamente.
A1675
Fig. 104: Utilizar [Registo de erro]
Eliminar o [Registo calibr.]
5.
Mova o cursor com as teclas de
seta para a entrada [Eliminar]
6.
Prima a tecla
ð O ficheiro do registo de cali‐
bração é eliminado definitiva‐
mente do cartão SD.
Registo calibr.
Entrada
Canal 1
Inclinação
Ponto zero
17/17
Cloro
5.99 mA/ppm
4.00 mA
A1674
Fig. 103: Ler [Registo calibr.]
147
Função: Registo de dados
1.
Com as teclas de seta seleccione a
entrada [Registo de erro]
2.
Prima a tecla
3.
Mova o cursor com as teclas de
seta para a entrada [Registar]
4.
Prima a tecla
ð O sinal de activação (visto) é
colocado na caixa de mar‐
cação. A partir de agora, todos
os avisos e mensagens de erro
serão registados.
Ler mensagens
5.
Mova o cursor com as teclas de
seta para a entrada [Ler]
6.
Prima a tecla
ð O sinal de activação é aqui
removido automaticamente. Se
pretender registar outros erros
depois de [Ler], então terá de
activar novamente o
[Registo de erro]. O visto apa‐
rece novamente.
Eliminar [Registo de erro]
7.
Mova o cursor com as teclas de
seta para a entrada [Eliminar]
8.
Prima a tecla
ð O ficheiro do registo de erro é
eliminado definitivamente do
cartão SD.
Registo de erro
Entrada
32/32
Aviso 04 canal 2
O canal de medição ainda
não está calibrado.
Estado chega a
A1676
Fig. 105: Ler [Registo de erro]
Com as teclas de seta pode navegar
pelas entradas do registo de erro. Com a
tecla
volta novamente à indicação con‐
tínua.
16.2.3
Utilizar [Registo de dados]
(opção)
Estados das entradas digitais
O [Registo de dados] grava todos os
valores de medição, variáveis de cor‐
recção, variáveis de ajuste e os
estados das entradas digitais.
Registo de dados
9.1.3.1
Registar
Ler
Configurar
A1677
Fig. 106: Configurar [Registo de dados]
148
Função: Registo de dados
Configure o [Registo de dados] antes de o
activar. Pode seleccionar os dados que
pretende registar. No estado de forneci‐
mento todos os dados estão seleccio‐
nados. Pode determinar em que intervalo
os dados devem ser guardados. Por
exemplo, se deve ser guardado um
ficheiro por dia, das 00h00 às 24h00. Se
assim for, o nome do ficheiro é =
AAMMDD.CSV. Também é possível
gravar um ficheiro contínuo com nome de
edição livre. Os dados serão guardados
no formato CSV. CSV significa Commaseparated values. Este formato pode ser
lido e editado por ex. com o MS Excel.
Configuração
9.1.4.1
Val. med. Can. 1
Temperatura Canal 1
Variáv. de ajuste Canal 1
Val. med. Can. 2
Temperatura Canal 2
Variáv. de ajuste Canal 2
[Configuração] do registo de dados
Configuração
9.1.4.13
Temperatura Canal 2
Variáv. de ajuste Canal 2
Entradas digitais
Um ficheiro por dia
Intervalo de memor.
A1679
Fig. 108: [Um ficheiro por dia] com
selecção
Se remover a marcação para
[Um ficheiro por dia], aparece uma nova
possibilidade de introdução:
[Nome do ficheiro].
Configuração
9.1.4.13
Temperatura Canal 2
Variáv. de ajuste Canal 2
Entradas digitais
Um ficheiro por dia
Nome do ficheiro
Intervalo de memor.
A1678
Fig. 107: [Configuração] do registo de
dados
A1680
Fig. 109: [Um ficheiro por dia] sem mar‐
cação
1.
Se pretender definir um nome de
ficheiro, coloque o cursor em
[Nome do ficheiro] e prima a tecla
ð Aparece [Novo].
2.
Coloque o cursor em [Novo] e
prima a tecla
149
Função: Registo de dados
ð Pode agora editar livremente
um nome com um máx. de 8
caracteres ou seleccionar o
nome sugerido
[DATALOG0.CSV] ou colocar
de 0 a 1 ... n.
O tamanho de ficheiro máximo
comporta 2 GB
O tamanho de ficheiro máximo com‐
porta 2 GB. O cartão SD tem de apre‐
sentar a capacidade correspondente.
Registar
9.1.3.4.1
Novo
DATALOG0.CSV
A1681
Fig. 110: Seleccione o ficheiro para gravar
num ficheiro existente, aqui
[DATALOG0.CSV]
3.
Se pretender anexar os dados de
medição a um ficheiro existente,
seleccione o ficheiro e os dados
serão gravados nesse ficheiro
Se o cartão SD for removido, é possível
gravar na memória interna do controlador
num intervalo de memor. de 10 segundos
durante um máximo de 24 horas. Com um
intervalo de 60 segundos aprox. seis
vezes mais. Se o cartão SD for inserido
novamente no controlador, então os
dados da memória interna serão gravados
150
no cartão SD. Esta protecção pode, se as
24 horas tiverem sido utilizadas na totali‐
dade, demorar até 20 minutos. Durante
este período, o LED verde pisca no leitor
de cartões SD a vermelho/laranja.
[Diagnóstico]
17
n
[Diagnóstico]
Qualificação do utilizador: pessoa ins‐
truída, ver Ä Capítulo 4.4 “Qualifi‐
cação do utilizador” na página 21
Indicação contínua ➨
➨
ou
[Diagnóstico] ➨ [Diagnóstico]
Neste menu, é possível examinar
registos, realizar uma simulação de
saídas ou ver informações do aparelho.
Diagnóstico
A0981
Fig. 111: Diagnóstico
Exibir os [registos]
Indicação contínua ➨
➨
ou
[Diagnóstico] ➨ [Diagnóstico] ➨
ou
[Registo calibr.] [Registo calibr.]
Registos
Indicar o
[registo de calibração]
No [Registo calibr.] interno são memori‐
zados os dados das calibrações do
sensor válidas efectuadas. Pode ser
memorizadas até 30 calibrações. Depois,
a entrada mais antiga passa a ser substi‐
tuída pela mais recente.
É memorizado:
9.1
Registos
Simulação
Informação dos aparelhos
17.1
17.1.1
9.1.1
Registo calibr.
Registo de erro
Registo de dados
n
n
n
n
n
Denominação do canal de medição
Variável de medição
Momento da calibração
Ponto zero
Inclinação
Eliminar as entradas no [Registo calibr.]
Pode também eliminar as entradas no
registo de calibração. A eliminação das
entradas não tem nenhuma influência
sobre as calibrações gravadas no contro‐
lador.
17.1.2
Ler o [Registo de erro]
No [registo de erro] interno são memori‐
zados os dados das mensagens de erro.
Pode ser memorizadas até 30 mensagens
de erro. Depois, a entrada mais antiga
passa a ser substituída pela mais recente.
A0982
Fig. 112: Exibir os [registos]
151
[Diagnóstico]
Registo de erro
O ponto de menu [Simulação] permite-lhe
activar todas as saídas no momento de
colocação em funcionamento para fins de
teste. Uma saída simulada permanece
activa até sair novamente do ponto de
menu [Simulação]. Com a simulação,
também é possível [por ex.] aspirar uma
bomba de mangueira. A
9.1.2.1.1
Entrada 31/32
Erro
88 Canal 2
A ligação ao módulo
de expansão
está danificada
Estado
Sair
16:31:50
06.02.2013
A1161
Fig. 113: [Registo de erro]
Eliminar as entradas no [Registo de erro]
Pode também eliminar as entradas no
registo de erro. A eliminação das entradas
não tem nenhuma influência sobre os
erros existentes no controlador.
17.2
Exibir [Simulação]
Indicação contínua ➨
➨
ou
[Diagnóstico] ➨ [Diagnóstico] ➨
[Simulação]
[Simulação]
Simulação
Relé 1
Relé 2
Relé de alarme
Bomba 1
Bomba 2
Bomba 3
Bomba 4
Saída de corrente 1
Saída de corrente 2
ATENÇÃO
Comportamento descontrolado
Causa: Um controlador trabalha de
forma descontrolada no modo
[Simulação] sob carga completa e,
consequentemente, também os
actuadores conectados.
Desligado
Desligado
Ligado
Desligado
Desligado
Desligado
Ligado
Desligado
Desligado
Desligado
A0983
Fig. 114: Exibir simulação
17.3
ou
9.2.1
Exibir as
[Informações do apa‐
relho]
Indicação contínua ➨
➨
ou
[Diagnóstico] ➨ [Diagnóstico] ➨
[Informações do aparelho]
[Informações do aparelho]
Info. aparelho
9.3.3
Código identif. DACa 00614000100000DE
Nº Sr:
15082008
Versão software: 01.00.00.00
Rev. módulo 0100
Consequência possível: Morte ou
lesões graves
Módulo de expansão
Versão software: 01.00.00.00
Medida: Nunca deixe um controlador
e os seus componentes funcionais
montados sem supervisão se a
função de simulação estiver activa.
Temperatura de serviço
152
ou
35.5 °C
Fig. 115: As informações do aparelho
A1164
[Diagnóstico]
17.4
Mensagens de erro e mensagens de aviso
Mensagens de erro
Erro
Texto da men‐
sagem de erro
Causa
Resolução
88
A ligação ao
módulo de
expansão está
danificada
O cabo de ligação
encontra-se desencai‐
xado do conector.
Verificar e fixar o cabo de
ligação
Problemas de ligação
entre o módulo principal
e o módulo de
expansão
Enviar para verificação na
fábrica
A tensão de
entrada mV é
demasiado baixa
Ligação de cabo coaxial
interrompida
Verificar o assento correcto da
ligação do cabo coaxial e ligar
novamente.
01
Verificar existência de cor‐
rosão e humidade na ligação
do cabo coaxial, se neces‐
sário, trocar o cabo por um
cabo novo
02
A tensão de
entrada mV é
demasiado alta
O sensor pH/Redox
está danificado.
Substituir sensor
O sinal ligado não
provém de um sensor
pH.
Verifique a origem do sinal do
sensor. Verifique o sinal bruto,
accionando a tecla . Aqui,
pode ver o valor bruto do
sensor em mV. Caso o valor
em pH seja superior a ± 500
mV ou em Redox superior a ±
1500 mV, os valores do sensor
estão incorrectos. Verifique
novamente o encaminhamento
e a origem do sinal do sensor.
As linhas de medição não
devem ser dispostas paralela‐
mente aos cabos de ligação.
É acoplado um sinal de
interferência.
03
A temperatura é
demasiado baixa
sensor incorrecto ligado
Verifique o tipo de sensor
ligado. Funcionam apenas
sensores do tipo Pt 100 e Pt
1000.
153
[Diagnóstico]
Erro
Texto da men‐
sagem de erro
Causa
Resolução
04
A temperatura é
demasiado alta.
nenhum sensor ou
sensor incorrecto ligado
Verifique a ligação do sensor.
Existe um erro de
calibração
Em amperometria
(por ex., Cloro): O valor
de referência determi‐
nado desvia-se forte‐
mente do valor real ou
do valor de sensor.
Em amperometria (por ex.,
Cloro): Verifique a correcção
do método de referência,
por ex., DPD1
05
Verifique o tipo de sensor
ligado. Funcionam apenas
sensores do tipo Pt 100 e Pt
1000.
Em pH e Redox: os
Em pH e Redox: troque os
tampões usados des‐
tampões por tampões novos.
viam-se do valor
nominal, estão desac‐
tualizados ou totalmente
diluídos
06
Nenhum sensor
disponível
Ligação de cabo coaxial
interrompida
Verificar a ligação correcta da
ligação de cabo coaxial
Nenhum sensor ligado
07
08
Verificar o estado
mecânico do
sensor. Possibili‐
dade de ruptura
do vidro.
Ruptura do vidro do dia‐
fragma
Trocar sensor
O tempo de con‐
trolo foi infringido
No menu [Controlo] a
variável de ajuste do
limiar configurada foi
ultrapassada durante
mais tempo do que a
variável de ajuste
Tempo de controlo
O percurso de controlo neces‐
sita de mais tempo do que o
tempo de controlo seleccio‐
nado, para regular.
Procurar a causa para a rup‐
tura do vidro por ex., materiais
sólidos, velocidade de fluxo
demasiado elevada
O percurso de controlo neces‐
sita de um limar de variável
ajuste maior do que o seleccio‐
nado, para regular.
O químico de dosagem está
vazio ou apresenta uma con‐
centração reduzida/elevada.
154
[Diagnóstico]
Erro
Texto da men‐
sagem de erro
Causa
Resolução
A potência de dosagem
encontra-se interrompida ou o
ponto de dosagem entupido.
09
A corrente de
entrada mA é
demasiado alta
O débito é maior do que
o débito máximo permi‐
tido de 23 mA.
Verifique a origem do débito.
10
A corrente de
entrada mA é
demasiado baixa
O circuito encontra-se
interrompido.
Verifique a ligação de 2 fios
entre sensor/conversor e con‐
trolador, verifique o valor bruto
em mA no menu de infor‐
mação, accionando a tecla .
Se o valor for 0 mA, a ligação
encontra-se interrompida
11
Após o decurso
do tempo de
retardamento
ainda existe um
erro de valor
limite.
O valor de medição
encontra-se acima do
valor limite, durante um
período maior do que o
tempo de retardamento
configurado
Verifique se a selecção do
valor limite corresponde à apli‐
cação e, se necessário, faça-o
corresponder.
Verifique o valor bruto em mA
no menu de informação,
através do accionamento da
tecla . Se o valor for
>23 mA, não se trata de um
sinal de sensor correcto.
Troque o sensor por um
sensor novo.
Verifique se a selecção do
tempo de retardamento corres‐
ponde à aplicação e, se neces‐
sário, faça-o corresponder.
Verifique a concepção do ele‐
mento de ajuste. O elemento
de ajuste tem uma selecção
demasiado elevada?
Verifique a concentração do
químico de dosagem, a con‐
centração é demasiado ele‐
vada?
155
[Diagnóstico]
Erro
Texto da men‐
sagem de erro
Causa
Resolução
Verifique os parâmetros de
controlo. O controlo inclina-se
para sobreimpulso/subi‐
mpulso?
12
Existe um erro da
água de medição,
por ex. nenhum
débito
O contacto de limite de
água de medição da
sonda contínua, por ex.,
DGMa foi accionado
através da redução do
flutuador.
Verifique a tubagem de água
de medição.
Verifique a extracção de água
de medição. Esta encontra-se
entupida?
Verifique um filtro de água de
medição eventualmente dispo‐
nível e limpe, consoante
necessário.
13
O controlador
encontra-se no
estado “Pausa”
A entrada Pausa
(Entrada digital) foi acti‐
vada externamente.
Verifique, se o sinal de pausa
recebido corresponde ao modo
de operação esperada da ins‐
talação.
Verifique se a direcção da
comutação “NO/NC” corres‐
ponde à selecção no contro‐
lador.
14
O controlador
encontra-se no
estado “ Pausa
(Hold)”
A entrada Pausa
(Entrada digital) foi acti‐
vada externamente.
Verifique, se o sinal de pausa
recebido corresponde ao modo
de operação esperada da ins‐
talação.
Verifique se a direcção da
comutação “NO/NC” corres‐
ponde à selecção no contro‐
lador.
156
[Diagnóstico]
Erro
Texto da men‐
sagem de erro
Causa
Resolução
15
A alimentação da
entrada mA está
sobrecarregada
A entrada do sensor do
Canal 1 ou 2 é utilizada
no tipo de ligação de 2
fios, por ex., juntamente
com o sensor de cloro
CLE3.
Verifique a polaridade de
acordo com o esquema de
bornes.
Não foi observada a
polaridade ou existe um
curto-circuito entre os
dois pólos.
Certifique-se de que os dois
fios não se tocam (reduzir o
comprimento de decapagem,
utilizar mangas finais com iso‐
lamento, utilizar tubo retráctil).
16
A entrada mA
está sobrecarre‐
gada
A entrada do sensor do
Canal 1 ou 2 é utilizada
no tipo de ligação de 2
fios, por ex., mas o sinal
é um sinal activo, com
tensão.
Verifique o sinal de medição
com um multímetro. Caso se
trate de um sinal activo / impe‐
lido (tensão é mensurável),
então deve ser seleccionado o
tipo de ligação para sinais
activos, consulte o esquema
de bornes no manual de instru‐
ções. Este tipo de ligação não
é apresentado nos cartões de
ocupação dos bornes.
17
O nível no recipi‐
ente 1 é dema‐
siado baixo
O químico no recipiente
1 está esgotado.
Reabasteça o respectivo quí‐
mico.
18
O nível no recipi‐
ente 2 é dema‐
siado baixo
O químico no recipiente
2 está esgotado.
Reabasteça o respectivo quí‐
mico.
19
O nível no recipi‐
ente 3 é dema‐
siado baixo
O químico no recipiente
3 está esgotado.
Reabasteça o respectivo quí‐
mico.
99
Existe um erro de
sistema.
Faltam componentes de
sistema.
Envie o controlador ao fabri‐
cante para verificação.
157
[Diagnóstico]
Mensagens de aviso
Aviso
Texto da men‐
sagem de aviso
Causa
01
O valor limite não O valor de medição
foi alcançado
encontra-se abaixo do
valor limite
Resolução
Verifique se a selecção do
valor limite corresponde à apli‐
cação e, se necessário, faça-o
corresponder.
Verifique a concepção do ele‐
mento de ajuste, tem uma
selecção demasiado reduzida?
Verifique a concentração do
químico de dosagem, a con‐
centração é demasiado redu‐
zida?
Verifique os parâmetros de
controlo, o controlo apresenta
uma tendência de controlo
insuficiente/excessivo?
02
O valor limite foi
excedido
O valor de medição
encontra-se acima do
valor limite
Verifique se a selecção do
valor limite corresponde à apli‐
cação e, se necessário, faça-o
corresponder.
Verifique a concepção do ele‐
mento de ajuste, tem uma
selecção demasiado elevada?
Verifique a concentração do
químico de dosagem, a con‐
centração é demasiado ele‐
vada?
Verifique os parâmetros de
controlo, o controlo apresenta
uma tendência de controlo
insuficiente/excessivo?
158
[Diagnóstico]
Aviso
Texto da men‐
sagem de aviso
Causa
Resolução
03
O temporizador
de lavagem ter‐
minou. É neces‐
sária uma manu‐
tenção
O temporizador de
lavagem acciona um
relé.
Limpe e verifique o sensor.
O sensor é limpo com
um líquido de limpeza.
Consoante o seu plano
de manutenção, pode
ser necessária uma ins‐
pecção visual.
04
O canal de
medição ainda
não está cali‐
brado
O sensor ligado no
canal de medição ainda
não foi calibrado.
Efectue uma calibração do
sensor.
71
A bateria deve
ser substituída
A bateria tem uma vida
útil de cerca de 10 anos,
contudo, esta vida útil
pode tornar-se menor
devido a influências
ambientais.
Troque a bateria ou informe o
Serviço.
Bateria BR 2032, N.º de enco‐
menda 732829
72
A hora deve ser
verificada
Devido à troca da
bateria, a hora mudou.
Volte a acertar a hora.
73
O ventilador
apresenta um
erro
O ventilador interno já
não roda.
Verifique se existe, por ex., um
objecto preso na pá do venti‐
lador; se não for esse o caso,
envie o controlador ao fabri‐
cante para verificação.
89
Sistema Aviso 1
Existe um erro de sis‐
tema.
Envie o controlador ao fabri‐
cante para verificação.
159
[Diagnóstico]
17.5
Textos de ajuda
Conteúdo dos textos Causa
de ajuda
Resolução
O valor DPD é
demasiado baixo,
valor DPD > MBA
+ 2 %.
Se o valor de referência calculado
(por ex., DPD1) para calibração de
um sensor for inferior a 2 % da
gama de medição, não é possível
efectuar uma calibração.
Aumente a concentração
do químico a medir na
água de processo/medição
e realize novamente, após
um tempo de arranque, o
cálculo do valor de refe‐
rência (por ex., DPD1).
A inclinação é
demasiado baixa, <
20 % de MB.
O sensor já não consegue reco‐
nhecer o químico a medir.
Troque a capa do dia‐
fragma e o electrólito por
material novo.
A inclinação é
demasiado alta, >
300 % de MB.
O sensor foi influenciado prolonga‐ Certifique-se de que não
damente por ex., por substâncias
se encontram substâncias
tensioactivas.
desse tipo na água.
Troque a capa do dia‐
fragma e o electrólito por
material novo.
O ponto zero é
demasiado baixo, <
3,2 mA.
O sensor envia um sinal de
medição que é inferior a 3,2 mA.
Este valor encontra-se fora da
especificação.
Verifique o valor bruto em
mA no menu de infor‐
mação, através do accio‐
namento da tecla
no
ecrã principal. Se o valor
for < 3,2 mA, não se trata
de um sinal de sensor cor‐
recto. Verifique a
cablagem, troque o sensor
por um sensor novo.
O ponto zero é
demasiado alto, >
5 mA.
Pretende efectuar uma calibração
do ponto zero, contudo, o sensor
reconhece ainda o químico a
medir.
O sensor deve ser lavado
antes da calibração do
ponto zero com água
isenta de químico que
deve ser medido. A água,
através da qual é calcu‐
lado o ponto zero, não
pode incluir este químico,
nem sequer vestígios dele.
Utilize para este fim água
mineral sem ácido carbó‐
nico.
160
[Diagnóstico]
Conteúdo dos textos Causa
de ajuda
Resolução
Erro de calibração
desconhecido
No tempo restante é
utilizado o conjunto
de parâmetros 1.
Caso o conjunto de parâmetros 2
não se encontre activo, então é
activado automaticamente o 1.º
conjunto de parâmetros.
Verifique os sinais de
accionamento/ligações,
que ligam o conjunto de
parâmetros ou verifique as
configurações do tempori‐
zador.
161
O [Serviço]
18
O [Serviço]
Qualificação do utilizador: pessoa ins‐
truída, ver Ä Capítulo 4.4 “Qualifi‐
n
cação do utilizador” na página 21
Indicação contínua ➨
➨
[Serviço] ➨ [Serviço]
ou
Serviço
10.1
Temporizador de lavagem
A0980
Fig. 116: [Serviço]
18.1
Configurar o
[Tempor. lavagem]
Indicação contínua ➨
➨
[Serviço] ➨ [Serviço] ➨
[Tempor. lavagem]
ou
ou
[Simulação]
Temporizador de lavagem
Estado
10.1.1
Desligado
A0977
Fig. 117: [Tempor. lavagem]
O [Estado] do [Tempor. lavagem] pode
ser configurado. Neste caso, é possível o
[estado] [Ligado] ou [Deslig.].
A configuração é possível para [Temp. 1]
e [Temp. 2].
162
[Configurar ]Setup do aparelho
19
n
[Configurar ]Setup do aparelho
Qualificação do utilizador: pessoa ins‐
truída, ver Ä Capítulo 4.4 “Qualifi‐
cação do utilizador” na página 21
Indicação contínua ➨
➨
ou
[Setup] ➨ [Setup do aparelho]
Setup do aparelho
11.1
Idioma
ALEMÃO
Configurações gerais
Configurações alargadas
Actualizar
Autorização
Reset
A1073
Fig. 118: [Configurar ]Setup do aparelho
163
[Configurar ]Setup do aparelho
19.1
Configurar [Idioma]
➨
ou
Indicação contínua ➨
[Idioma] ➨ [Selecção de língua]
[Setup] ➨
[Setup do aparelho]➨
Idiomas disponíveis para apresentação no visor do controlador*
Alemão
Grego
Romeno
Árabe
Hebreu
Russo
Búlgaro
Italiano
Sueco
Chinês
Japonês
Eslovaco
Dinamarquês
Coreano
Tailandês
Inglês Britânico
Neerlandês
Checo
Inglês norte-americano
Norueguês
Turco
Finlandês
Polaco
Húngaro
Francês
Português
* estão planeados outros idiomas.
164
ou
[Configurar ]Setup do aparelho
19.2
[Configurar] Configurações gerais
Indicação contínua ➨
[Configurações gerais] ➨
➨
ou
[Setup] ➨ [Setup do aparelho]➨
[Conf. de aparelho.]
ou
Configuração do aparelho
Área
[Hora]
00:00 - 23:59
[Modo de hora]
24 h / 12 h
[Data]
São possíveis todos os valores plausíveis.
[Modo de data]
DD.MM.AAAA / MM.DD.AAAA
[Unidade de temp.]
°C / °F
[Concentração em]
ppm / mg/l / mg/L
[Repetição de indicação]
estável / médio / rápido
[Contraste]
0 ... 127
[Iluminação de fundo]
0 ... 100 %
19.3
Configurar [Configurações avançadas]
➨
ou
[Setup] ➨ [Setup do aparelho]➨
Indicação contínua ➨
[Configurações avançadas] ➨ [Conf. aparelho]
Mensagens
ou
Área
Cartão SD
165
[Configurar ]Setup do aparelho
19.4
Actualizar
Indicação contínua ➨
➨
ou
[Setup] ➨ [Setup do aparelho]➨
[Actualizar] ➨ [Actualizar]
n
n
ou
Pode tornar-se necessária uma actuali‐
zação do software, se:
n
n
Estiverem disponíveis novas funções
ou novos idiomas do operador que
necessitem ser instaladas a poste‐
riori.
For necessária uma modificação no
software. Neste caso, será informado
por parte da ProMinent ou respectivo
fabricante / comerciante.
Uma actualização de software não altera
nada nas configurações actuais do apa‐
relho.
No ficheiro “info.txt” pode conhecer a
versão actual do software. Copie os
quatro ficheiros do directório “Actualizar”
do cartão SD.
É realizada uma actualização em 3
passos:
n
n
n
1.
Para uma actualização de software é
necessário o seguinte:
n
n
n
Um PC com acesso à Internet, para
que possa transferir o software
necessário
Um PC com leitor de cartões SD
Um cartão de memória SD para
transferência do software, com 16
GB, no máximo
Através do link mencionado anterior‐
mente, encontra um ficheiro ZIP que inclui
4 ficheiros.
n
n
166
DACa_Lan.plf
EXTa_up.mhx
Actualizar o módulo principal =
[Base board]
Actualizar o módulo de expansão =
[Ext board]
Actualizar o ficheiro de idioma =
[Idioma]
Proceda no controlador no menu
seguinte e realize os 3 passos con‐
secutivos.
ð O controlador lê os ficheiros
respectivamente, em seguida,
o visor apaga durante cerca de
30 segundos e, depois, contro‐
lador arranca. Os passos
devem ser realizados manual‐
mente.
2.
Pode transferir o software actual através
do link na página principal da ProMinent:
http://www.prominent.de/
desktopdefault.aspx/
tabid-12145/1485_read-67006/, encontrar
por baixo do tópico Infos/Downloads
[Firmware DACa ]. Ø Crie no cartão de
memória um directório com o nome
Actualizar.
DACa_up.mhx
info.txt
Módulo principal: ➨
➨
ou
[Setup] ➨ [Setup do aparelho] ➨
ou
[Actualizar] ➨
ou
[Base board] ➨
ð A actualização inicia
3.
Módulo de expansão: ➨
➨
ou
[Setup] ➨
[Setup do aparelho] ➨
ou
[Actualizar] ➨
ou
[Ext board] ➨
ð A actualização inicia
4.
Ficheiro de idioma: ➨
➨
ou
[Setup] ➨ [Setup do aparelho]
➨
ou
[Actualizar] ➨
ou
[Idioma] ➨
[Configurar ]Setup do aparelho
ð A actualização inicia
Pode ver a versão actual do software
do controlador no arranque do contro‐
lador e nos seguintes pontos do
menu do controlador.
[Menu] ➨ [Diagnóstico] ➨
[Informações do aparelho].
19.5
Configurar a [Autori‐
zação]
➨
ou
Indicação contínua ➨
[Setup] ➨ [Setup do aparelho]➨
[Autorização] ➨ [Autorização]
Autorização
Administrador
Utilizador 1
Utilizador 2
Utilizador 3
Utilizador 4
ou
11.5.1
Supervisor
livre
Utilizador
livre
livre
A1168
Fig. 119: Configurar a [autorização]
167
Dados técnicos do controlador
20
Dados técnicos do controlador
Gama de medição/Valor de medição
Gama de medição Tipo de ligação
mV:
pH: 0,00 ... 14,00
Tipo de ligação mA (variáveis de
medição amperométricas, gamas
de medição de acordo com os
sensores):
Cloro
Tensão Redox: -1500 ... +1500 mV
Dióx. de cloro
Clorite
Bromo
Ozono
Peróxido de hidrogénio (Sensor PER)
Peróxido de hidrogénio (Sensor PEROX com con‐
versor)
Ácido parac.
Oxigénio dissolvido
Tipo de ligação mA (variáveis de
medição potenciométricas, gamas
de medição de acordo com o
transmissor):
pH
Condutibilidade (gama de
medição de acordo com o trans‐
missor):
através de transmissor 0/4 ... 20 mA
Temperatura:
acima de Pt 100/Pt 1000, gama de medição 0 ...
150 °C
168
Tensão Redox
Fluoreto
Dados técnicos do controlador
Dados técnicos
Designação
Dados técnicos
Dissolução pH:
0,01
Tensão Redox:
1 mV
Temperatura:
0,1 °C
Amperometria (Cloro etc.):
0,001/0,01 ppm, 0,01 Vol. %, 0,1 Vol. %
Precisão:
0,3 % referente ao valor final da gama de medição
Entrada de medição pH/Redox:
Resistência de entrada > 0,5 x 1012 Ω
Variável de correcção:
Temperatura cima de Pt 100/Pt 1000
Temperatura da gama de cor‐
recção:
0 … 100 °C
Gama de correcção pH para cloro: 6,5 … 8,5
Variável de interferência:
Débito através de mA ou frequência
Comportamento de controlo:
Controlo P/PID
Controlo:
Controlador de 2 lados
Sinal Saída mA
2 x 0/4 ... 20 mA separado galvanicamente, carga
máx. 450 Ω, gama e atribuição (variável de
medição, correcção e ajuste) configuráveis
Saída de ajuste:
2 x 2 saídas de frequência de impulso para accio‐
namento de bombas de dosagem
2 relés (valor limite, controlo de 3 pontos ou de
comprimento de impulso)
2 x 0/4 ... 20 mA
Relé alarme:
250 V ~3 A, 700 VA Tipo do contacto bidireccional
Ligação eléctrica:
100 ... 240 V, 50/60 Hz, 27 W
Temperatura ambiente:
Temperatura ambiente -20 ... 60 °C (para a insta‐
lação no interior ou com caixa de protecção)
Tipo de protecção:
Montagem na parede: IP 67
Montagem no painel de controlo: IP 54
169
Dados técnicos do controlador
Designação
Dados técnicos
com base em NEMA-4X (Estanquicidade)
Verificações e homologações:
CE, MET (de acordo com UL conforme IEC
61010)
Material:
Caixa PC com equipamento retardador de fogo
Medidas:
250 x 220 x 122 mm (LxAxP)
Peso:
líquido, 2,1 kg
170
Peças sobressalentes e acessórios
21
21.1
Peças sobressalentes e acessórios
Peças sobressalentes
2
6
3
1
4
5
7
8
9
A1266
Fig. 120: Peças sobressalentes
Pos.
Peças sobressalentes
Número de encomenda
1
Microfusível 5x20 T 1.6A
732411
2
Caixa do ventilador com sinal de velocidade, 5
VDC, 50x50x10 mm
733328
3
Cobertura de interface, pacote de peça sobres‐
salente
1044187
n
n
n
4
Cobertura, esquerda
Cobertura, direita
Peças de fixação, completo
Suporte de parede
1039767
171
Peças sobressalentes e acessórios
Pos.
Peças sobressalentes
Número de encomenda
5
Borne blindado, parte superior
733389
6
Cartão SD, qualidade industrial
1030506
7
Conectores SN6
1036885
8
União roscada de cabo, M16x1,5
1043577
9
União roscada de cabo, M20x1,5
1040788
10
Contraporca, M20x1,5
1021016
21.2
Acessórios
Acessórios
Número de enco‐
menda
Combinação de cabo coaxial 0,8 m – pré-montado
1024105
Combinação de cabo coaxial 2 m – SN6 - pré-montado
1024106
Combinação de cabo coaxial 5 m – SN6 - pré-montado
1024107
Conectores SN6, equipamento posterior
1036885
Conjunto de montagem no painel de controlo DCA
1041095
172
Formalidades necessárias
22
Formalidades necessárias
22.1
n
Eliminação de peças
antigas
Qualificação do utilizador: pessoa ins‐
truída, ver Ä Capítulo 4.4 “Qualifi‐
cação do utilizador” na página 21
AVISO!
Prescrições eliminação de peças
antigas
– Tenha em atenção as prescri‐
ções e normas legais nacionais
em vigor para si no momento em
questão
EN 60529 Tipos de protecção providenci‐
ados por caixa (código IP)
EN 61000 Compatibilidade Electromagné‐
tica (CEM)
EN 61010 Disposições de segurança para
aparelhos eléctricos de medição,
comando, controlo e aparelhos de labora‐
tório – Parte 1: Pedidos gerais
EN 61326 Aparelhos eléctricos de
medição, comando, controlo e aparelhos
de laboratório – Pedidos CEM (para apa‐
relhos da classe A e B)
O fabricante aceita a devolução de apare‐
lhos antigos descontaminados mediante
uma franquia de envio suficiente.
Antes de enviar o aparelho tem de pro‐
ceder à sua descontaminação. Para isso,
todas as substâncias perigosas têm de
ser removidas. A este respeito, tenha em
consideração a folha de dados de segu‐
rança do produto de dosagem.
Está disponível para download uma
declaração de descontaminação actual:
http://www.prominent.de/Service/
Download-Service.aspx
22.2
Normas respeitadas e
Declaração de conformi‐
dade
Encontra a Declaração de conformidade
CE para o controlador para descarregar
em
http://www.prominent.de/Service/
Download-Service.aspx
173
Glossário
23
Glossário
Inclinação do sensor pH
Reconhecimento de quebra de vidro
A inclinação ou sensibilidade de um
sensor pH é definida como o quociente da
tensão emitida em mV por unidade de pH.
Teoricamente, um sensor pH deve gerar a
25 °C uma tensão de +59,16 mV por uni‐
dade de pH. Com o tempo, a inclinação
nivela, no início lentamente, posterior‐
mente cada vez mais rapidamente. Por
essa razão, é importante que esta alte‐
ração seja compensada durante a cali‐
bração. Tal como acontece com a com‐
pensação do ponto zero, a compensação
de inclinação também deve ser repetida
dependendo da aplicação em intervalos a
especificar.
[LIGADO] / [DESL.] : [LIGA] ou [DESL.] o
reconhecimento de quebra de vidro do
sensor pH. O ajuste de fábrica é [DESL.].
O controlador indica no ajuste [LIGADO]
uma mensagem de erro, quando é reco‐
nhecido um erro.
Ponto zero do sensor pH
O diafragma de vidro do sensor pH
também apresenta valores óhmicos redu‐
zidos, quando a temperatura de processo
aumenta. Se a temperatura de processo
for aprox. > 60 °C, o limiar de reconheci‐
mento de 2 Mega-Ω é atingido. A tempe‐
ratura de processo > 60 °C é reconhecida
uma quebra de vidro, apesar de não se
verificar nenhuma quebra de vidro. Para
evitar um alarme de erro, o reconheci‐
mento de quebra de vidro deve ser desli‐
gado a temperatura de processo > 60 °C.
O ponto zero do sensor é o valor pH, no
qual o potencial do sensor é de 0 mV.
Potencial de assimetria de um sensor pH
O potencial de assimetria de um sensor
pH é a diferença de potencial que se
define, quando o sensor pH mergulha
numa solução que corresponde ao elec‐
trólito interior. Numa situação ideal, a dife‐
rença ideal é de 0 mV.
174
O Rec. quebra de vidro monitoriza um
sensor pH relativamente à quebra do dia‐
fragma de vidro sensível ao pH do sensor
pH. No caso de uma ruptura do diafragma
de vidro, a resistência do sensor pH
torna-se menor cerca de 2 Mega-Ω. O
controlador pode avaliar esta alteração da
resistência. O controlador emite uma
mensagem de erro e o controlo é parado.
Não é possível conformar este erro.
Glossário
Reconhecimento de quebra de cabo
Gama de medição dos sensores
[LIGADO] / [DESL.] : [LIGA] ou [DESL.] o
reconhecimento de quebra de cabo do
cabo coaxial. O ajuste de fábrica é
[DESL.]. O controlador indica no ajuste
[LIGADO] uma mensagem de alarme,
quando é reconhecido um erro.
Seleccione a gama de medição. A gama
de medição encontra-se indicada na placa
de características do sensor. Uma gama
de medição incorrecta causa uma
medição incorrecta.
O Rec. quebra de cabo monitoriza um
sensor pH com cabo de ligação coaxial
relativamente à presença de uma quebra
do cabo de ligação coaxial. Em caso de
quebra do cabo de ligação coaxial a resis‐
tência aumenta significativamente para
aprox. 1 Giga-Ω. O controlador pode ava‐
liar esta alteração da resistência. O con‐
trolador emite uma mensagem de erro e o
controlo é parado. Não é possível con‐
formar este erro.
O diafragma de vidro do sensor pH apre‐
senta valores óhmicos elevados, quando
a temperatura de processo desce. Se a
temperatura de processo for
aprox. < 15 °C, o limiar de reconheci‐
mento de 1Giga-Ω é atingido. A tempera‐
tura de processo < 15 °C é reconhecida
uma quebra do cabo, apesar de não se
verificar nenhuma quebra de cabo. Para
evitar um alarme de erro, o reconheci‐
mento de quebra de cabo deve ser desli‐
gado a temperatura de processo < 15 °C.
Cloro, Bromo, Dióx. de cloro, Clorite, Oxi‐
génio dissolvido e Ozono.
As variáveis de medição Cloro, Bromo,
Dióx. de cloro, Clorite, Oxigénio dissolvido
e Ozono são sempre medidas através de
um sinal mA, porque o sensor encontra-se no transdutor de medição.
A compensação da temperatura encontra-se automaticamente no sensor
(excepção: CDP, sensor de dióx. de
cloro). Para mais informações, consulte o
manual de instruções do sensor utilizado.
Variável de medição Condutibilidade [mA]
Na variável de medição Condutibilidade
[mA] é exigida a utilização de um trans‐
dutor de medição, por ex., Condutibilidade
de transdutor de medição DMTa. Não é
possível ligar directamente um sensor de
condutibilidade ao controlador.
Gama de medição:
Gama de medição do transdutor de
medição
Seleccione a gama de medição. A gama
de medição encontra-se indicada na placa
de características do transdutor de
medição. Uma gama de medição incor‐
recta causa uma medição incorrecta.
n
Seleccione a Gama de medição em
função da Gama de medição do
transdutor de medição. Uma gama de
medição incorrecta causa uma
medição incorrecta.
Temperatura:
n
A medição da temperatura serve para
fins de informação ou registo, mas
não para compensação da tempera‐
tura. A compensação da temperatura
é realizada no transdutor de medição.
175
Glossário
Variável de medição pH [mA]:
Se for seleccionada a variável de medição
“pH [mA]” , também denominada medição
pH com um sinal mA, então não se aplica
a possibilidade de monitorização do
sensor quanto a ruptura de cabo ou vidro.
Na medição do pH com um sinal mA, é
ligado um transdutor de medição DMTa
ou pH-V1 ao sensor pH. Entre o trans‐
dutor de medição DMTa/pH-V1 e o con‐
trolador é utilizado um cabo de ligação de
2 condutores. O cabo de ligação alimenta
o transdutor de medição DMTa/ph-V1 e
encaminha o valor de medição como 4 ...
sinal de 20 mA para o controlador.
Na utilização do transdutor de medição
DMTa ou do transdutor de medição de um
fornecedor externo, a atribuição da gama
de medição deve ser ajustada para os
seguintes valores:
n
n
4 mA = 15,45 pH
20 mA = -1,45 pH
No transdutor de medição pH-V1, é forne‐
cido automaticamente o ajuste da atri‐
buição da gama de medições.
Variável de medição Redox [mV], Redox
[mA]
Ao seleccionar a variável de medição “
Redox [mV]” ou “Redox [mA]” , a medição
da temperatura de processo é ainda pos‐
sível apenas para fins de informação ou
registo.
Na variável de medição “Redox [mV]” , a
gama de medição encontra-se fixa na
gama -1500 mV ... + 1500 mV.
Na variável de medição “Redox [mA]” , a
gama de medição depende do transdutor
de medição RH-V1-e corresponde a 0 ...
+1000 mV:
176
Variável de medição Temperatura [mA],
(como variável de medição principal):
Na variável de medição “Temperatura
[mA]” é exigida a utilização de um trans‐
dutor de medição da temperatura DMTa
ou um transdutor de medição Pt100V1. A
gama de medição é de: 0 ... 100 °C. Não
é possível ligar directamente um sensor
de temperatura ao controlador.
Variável de medição Temperatura
[Pt100X], (como variável de medição prin‐
cipal):
O sensor da temperatura Pt100 ou
Pt1000 pode ser ligado directamente à
entrada de medição do controlador. A
gama de medição é de: 0 ... 150 °C
Medição da temperatura na variável de
medição Redox
Ao seleccionar a variável de medição
Redox [mV] ou Redox [mA], a medição da
temperatura de processo é ainda possível
apenas para fins de informação ou
registo. Na variável de medição Redox
[mV], a gama de medição encontra-se fixa
na gama - 1500 mV ... + 1500 mV. Se a
variável de medição Redox [mA] estiver
seleccionada, a gama de medição
depende então do
transdutor de medição rHV1 e corres‐
ponde a 0 ... + 1000 mV.
A variável de medição pH [mV]
A ligação do sensor pH da variável de
medição pH [mV] realiza-se com um cabo
coaxial, através do qual o sinal mV é
encaminhado para o controlador. Esta
medição pode ser utilizada, quando o
comprimento do cabo é menor do que 10
metros.
Glossário
Tipo de sensor:
Compensação da temperatura
Seleccione primeiro o tipo de sensor. O
tipo de sensor encontra-se indicado na
placa de características do sensor. Esta
selecção de sensor é necessária e activa
no controlador os dados específicos do
sensor.
Esta função serve para compensação da
influência da temperatura sobre a
medição. Isto é apenas necessário na
medição de pH e fluoreto, bem como na
medição de dióx. de cloro com um sensor
CDP.
Compensação da temperatura
Esta função serve para compensação da
influência da temperatura sobre a
medição. Na utilização de um transdutor
de medição DMTa, é efectuado neste
transdutor de medição DMTa a configu‐
ração da temperatura de processo
Temperatura: [Desl.] / [Manual] / [Automá‐
tica]
n
n
n
[Desl.] desliga o ajuste da tempera‐
tura de processo.
[Manual] possibilita uma configuração
manual da temperatura de processo
[Automática] utiliza uma determinada
temperatura de processo
Temperatura: [Desl.] / [Manual] / [Automá‐
tica]
n
n
n
[Desl.] desliga o ajuste da tempera‐
tura de processo.
[Manual] possibilita uma especifi‐
cação manual da temperatura de pro‐
cesso, o que faz apenas sentido em
temperaturas constantes.
[Automática] utiliza uma determinada
temperatura de processo. Medição
automática da temperatura através de
um sensor de temperatura, por ex.,
Pt1000. Em pH, CDP e fluoreto é
possível colocar no menu a compen‐
sação da temperatura em [LIGADO]
ou [DESL.].
177
Glossário
Temperatura: Desl. / Manual / Automática
A Temperatura offset
Na configuração “Deslig.” , a influência da
temperatura da água de processo sobre a
medição pH é calculada com base num
valor de temperatura fixo de 25 °C. Não
se verifica uma medição da temperatura.
A configuração “Temperatura offset” pos‐
sibilita adaptar o valor de temperatura
medido a um valor de referência. É pos‐
sível um offset de -10,0 ... +10,0 °C.
Na configuração “Manual” é necessário
introduzir manualmente no controlador a
temperatura de processo calculada ante‐
riormente. A função “Manual” só faz sen‐
tido, se a temperatura de processo se
encontrar estável (± 2 °C). Se a alteração
da temperatura de processo for rápida e >
± 5 °C, é então necessária a configuração
“Automática” .
Na configuração “Automática” deve estar
ligado um sensor de temperatura do tipo
[Pt100] ou [Pt1000]. O controlador reco‐
nhece automaticamente de que sensor de
temperatura se trata. Para conseguir uma
compensação correcta da temperatura, o
sensor da temperatura de encontrar-se na
mesma água de processo que o sensor
que determina a variável de medição.
Na configuração “Automática” surgem
ainda outras possibilidades de introdução:
Carga base aditiva
A carga base aditiva deve compensar
uma necessidade constante de um quí‐
mico para manter o valor nominal. A
carga base aditiva pode ser configurada
entre -100 % … +100 %. A carga base
aditiva é adicionada à variável de ajuste
determinada pelo controlador e actua em
ambas as direcções de controlo. Se a
variável de ajuste calculada pelo contro‐
lador for, por ex.,
n
n
n
y= -10 % e a carga base aditiva +3 %,
a variável ajuste resultante é = Y= -10
% + (+3 %)= -7 %
y= 10% e a carga base aditiva +3 %,
a variável ajuste resultante é = Y= 10
% + (+3 %)= 13 %
y= 0 % e a carga base aditiva +3 %, a
variável ajuste resultante é = Y= 0 %
+ (+3 %)= 3 %
Temperatura
A medição da temperatura serve para fins
de informação ou registo, mas não para
compensação da temperatura. A compen‐
sação da temperatura é realizada no
sensor. Caso estejam seleccionadas as
variáveis de medição [Dióx. de cloro] e o
tipo de sensor [CDP], é necessária uma
medição de temperatura separada para
compensação da temperatura.
178
Tempo de controlo do controlo
O Tempo de controlo deve evitar uma
sobredosagem como consequência de
uma anomalia. Durante o Tempo de con‐
trolo, a variável de ajuste é comparada
com um [Limiar] (= limiar da variável de
ajuste) ajustável. Dependendo da
direcção de controlo, pode configurar dife‐
rentes tempos de controlo
[Tempo de controlo superior] para o
aumento e [Tempo de controlo inferior]
para a diminuição. Os tempos de controlo
Glossário
dependem da concentração do químico
doseado. Se o [limiar] for excedido, tem
início um registo do tempo (Tempo de
controlo). Se, durante o Tempo de con‐
trolo, a variável ajuste voltar a descer
abaixo do limiar, o tempo volta a ser
reposto para [0] s.
Se a variável ajuste permanecer contudo
mais tempo do que o tempo de controlo é
ultrapassado, a reacção do controlador
pode ser seleccionada
[Repor tempo de contr.] = [Normal] esta
selecção pára imediatamente o controlo.
Para reiniciar é necessário que ocorra a
confirmação do erro, após solucionada a
causa desse mesmo erro.
[Repor tempo de contr.] = [Auto] esta
selecção repõe automaticamente a
função, quando o limiar volta a não ser
atingindo e o controlo volta a funcionar
automaticamente.
Zona neutra
A Zona neutra é definida por um valor
nominal superior e inferior. Funciona num
controlo de 2 sentidos apenas quando
está disponível um actuador para cada
direcção. A Zona neutra deve ser alcan‐
çada para que o percurso de regulação
não registe uma oscilação. Se o valor de
medição se situar dentro de ambos os
valores nominais, não se verifica nenhum
accionamento dos elementos de ajuste,
nem num controlador PI/PID. Aplicação 2
sentidos Neutralização.
Tipo controlador
n
n
n
n
PID 1 sentidos
PID 2 sentidos
PID 1 sentido
PID 2 sentidos
n
n
Manual
Deslig.
Controlador P: É utilizado em percursos
de controlo integrados (por ex., Neutrali‐
zação por batch). Com desvio de controlo
que se tornou menor, também o acciona‐
mento do actuador se torna menor
(relação proporcional). Quando o valor
nominal for alcançado, a saída de ajuste é
0 %. O valor nominal nunca é alcançado
de forma exacta, e desta forma, verifica-se um desvio de controlo constante.
Durante a estabilização de grandes alte‐
rações, podem verificar-se oscilações.
Controlador PI: É utilizado em percursos
de controlo não integrados (por ex., neu‐
tralizações contínuas), nas quais é neces‐
sário evitar uma oscilação e não pode
ocorrer um desvio de controlo contante,
ou seja, o valor nominal deve ser sempre
respeitado. É necessária uma adição con‐
tínua dos químicos de dosagem. O facto
de o controlador não parar a dosagem ao
alcançar o valor nominal não é uma ano‐
malia.
Controlador PID: Possui as propriedades
de um controlador PI. Através do teor de
regulação diferenciante, oferece adicio‐
nalmente uma previsão exacta e pode
também reagir a futuras alterações. É
aplicado quando se verificam picos
durante o processo de medição e quando
é necessário estabilizar estes rapida‐
mente.
Os controladores P, PI, PID são controla‐
dores constantes. A variável de ajuste
pode assumir um qualquer valor na área
de -100 % … +100 % dentro da área de
ajuste.
179
Glossário
Manual: Se estiver seleccionado o tipo de
controlador [Manual], a variável ajuste
pode ser introduzida numa gama de
-100 % … 100 %. Esta função é útil para
testar a cablagem e os elementos de
ajuste.
O tempo [Tn] é o tempo que um contro‐
lador I necessita para conseguir uma alte‐
ração da variável ajuste do mesmo
tamanho como um controlado P, um con‐
trolador P alcança esta alteração contudo
imediatamente.
Deslig.: A função de controlo encontra-se
desactivada. O aparelho trabalha apenas
como transdutor de medição.
Tv
Valor nominal
O valor nominal determina para que valor
deve ser efectuado o controlo. O contro‐
lador procura manter o desvio entre o
valor nominal e o valor de medição o
menor possível.
Restrição das variáveis de ajuste
A restrição das variáveis de ajuste deter‐
mina a variável de ajuste máxima a emitir.
Isto é útil quando, por ex., um elemento
de ajuste apresenta uma dimensão dema‐
siado grande e não deve ser aberto a
100%.
[Tn]
O tempo [Tn] é o tempo de reajuste do
controlador I (controlador integral) em
segundos. O tempo [Tn] define a inte‐
gração temporal do desvio de controlo em
relação à variável de ajuste. Quanto
menor o tempo [Tn], maior é a acção
sobre a variável de ajuste. Um tempo [Tn]
infinito resulta num controlo proporcional
simples.
180
O tempo Tv é o tempo de acção por deri‐
vação do controlador D (controlador dife‐
renciante). O controlador D reage à velo‐
cidade alterada do valor de medição.
Comportamento
No ponto de menu [Comportamento] pode
ajustar o comportamento do controlador.
[Normal] é a selecção para processos
controlados de um sentido.
[xp]
O valor [xp] indica a gama proporcional do
controlador. O valor [xp] refere-se ao valor
de fim de gama de medição de um contro‐
lador e é indicado como valor absoluto,
por ex., a pH [xp]=1,5. Com variáveis de
medição, como [por ex.,] cloro, é seleccio‐
nada a gama de medição do sensor e,
consequentemente, o Fim de gama de
medição. Com pH o valor final da gama
de medição é 15,45. Nesse caso, o valor
[xp] predefinido é 1,54. O valor [xp] indica
que, no caso de um desvio de ± 1,54 pH
em relação ao valor nominal, a variável
ajuste é de ± 100%. Quanto menor o valor
xp, mais sensível e mais rápida é a
reacção do controlo mas mais fácil é que
o controlo entre na área de sobrealimen‐
tação.
Glossário
A Temperatura da filtragem
Variável de medição Fluoreto
Na configuração
Na medição da variável de medição Fluo‐
reto o sinal do sensor é transformado,
consoante a gama de medição, num sinal
mA de 4-20, através de um transdutor de
medição FPV1 ou FP100V1. O transdutor
de medição é ligado à entrada mA do
controlador. O sensor de referência
REFP-SE é ligado ao transdutor de
medição, através de um cabo coaxial com
ficha SN 6.
[Temperatura da filtragem] pode realizar-se uma pausa da medição da tempera‐
tura, quando se verificam rápidas oscila‐
ções da temperatura medida. Apenas o
valor de medição da temperatura indicado
no visor é influenciado pela
[Temperatura da filtragem]. O valor de
medição da temperatura, com o qual se
realiza a compensação da temperatura é
filtrado [médio] e não é influenciado pela
configuração [Temperatura da filtragem].
São possíveis os níveis de filtro
seguintes:
n
“estável”
A Temperatura da filtragem
“estável” acalma significativa‐
mente o valor de medição.
“médio”
– A Temperatura da filtragem de
nível “médio” indica as altera‐
ções medidas.
“rápido”
– A Temperatura da filtragem de
nível “rápido” acalma rapida‐
mente o valor de medição.
–
n
n
Transdutor de medição FPV1: Gama de
medição 0,05 ...10 mg/l.
Transdutor de medição FP100V1: Gama
de medição 0,5 ... 100 mg/l.
Variável de medição Ácido parac.
A variável de medição Ácido parac. é
medida através das duas entradas de
sensor mA. É realizada uma compen‐
sação da temperatura no sensor. Um
sensor de temperatura ligado adicional‐
mente serve para indicação e registo de
dados através do Registo de dados e
pode ser emitido numa saída mA, através
de um bus de campo ou Web-Server.
Casas decimais
Variável de medição Oxigénio per [mA]
A função indica o valor pH no visor com
uma ou duas casas decimais. Faz então
sentido uma adaptação do visor para uma
casa decimal, quando a alteração do valor
1/100 não é importante ou é errático.
A variável de medição Ácido parac. é
medida através de uma das duas
entradas de sensor mA. É realizada uma
compensação da temperatura no sensor.
Um sensor de temperatura ligado adicio‐
nalmente serve para indicação e registo
de dados através do Registo de dados e
pode ser emitido numa saída mA, através
de um bus de campo ou Web-Server.
Ajuste de fábrica: 2 casas decimais
181
Glossário
Variável de medição [mA-Geral]
Na variável de medição [mA-Geral], é
possível seleccionar várias variáveis de
medição pré-seleccionáveis ou editar
livremente uma variável de medição com
a respectiva unidade de medida. A
medição da temperatura não pode ser uti‐
lizada para fins de compensação, dado
que a influência da medição da tempera‐
tura sobre o valor de medição não é
conhecida. Os ajustes são realizados
como acontece nas restantes variáveis de
medição do controlador. É esperado do
controlador um sinal calibrado padrão pro‐
veniente do aparelho respectivo ligado.
Versão de dois canais
Quando existe um segundo canal de
medição disponível (dependente do
código identif., canal 2), então este
segundo canal de medição pode ser con‐
figurado de acordo com as descrições do
primeiro canal.
Versão de dois canais com duas variáveis
de medição idênticas
Se forem seleccionadas idênticas variá‐
veis de medição do canal de medição 1 e
canal de medição 2, é apresentada no
menu [Medição] o ponto de menu:
[Medição difer.]. A função [Medição difer.]
encontra-se desligada de fábrica. A
função [Medição difer.] pode ser activada
e a operação de cálculo [K1-K2] pode ser
calculada. O resultado da operação de
cálculo é indicado no ecrã principal 2,
accionando a tecla
ou a tecla .
Accionando mais uma vez a tecla
ou
é efectuado p retrocesso para o ecrã
principal 1. No menu [Valores limite]
podem ser formados os critérios de
valores limite para a [Medição difer.].
182
Índice remissivo
24
Índice remissivo
1, 2, 3 ...
[Temporizador de relé] . . . . . . . . 135
A
A função das teclas . . . . . . . . . . . . . 8
Acessibilidade . . . . . . . . . . . . . . . . 26
Acessórios . . . . . . . . . . . . . . . . . 172
Actualizar . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166
Ajustar saídas mA . . . . . . . . . . . . 141
Apenas um sensor por módulo . . . 34
Desmontar e voltar a montar o
sensor de fluoreto da sonda con‐
tínua . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84, 86
Desmontar e voltar a montar o
sensor pH da sonda contínua . . . . 70
Destruição dos aparelhos de ava‐
liação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141
E
B
Bloqueio do teclado . . . . . . . . . . . 13
Borracha de espuma . . . . . . . . . . . 31
Elemento de ajuste . . . . . . . . . . . 126
Espessura do material . . . . . . . . . 29
Esquemas de bornes com uma
atribuição 1:1 . . . . . . . . . . . . . . . . 34
Exemplo de aplicação de variável
de interferência aditiva . . . . . . . . 116
C
F
Calibração das variáveis de
medição amperométricas . . . . . . . 88
Calibração do ponto zero 90, 93,
96,
98,
100
Calibração pH . . . . . . . . . . . . . . . . 66
Calibrar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
Calibrar a variável de medição
«Condutibilidade» . . . . . . . . . . . . 102
Calibrar a variável de medição
«Temperatura» . . . . . . . . . . . . . . 103
Calibrar cloro . . . . . . . . . . . . . . . . 88
Cartões SD . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
Ciclo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135
Conceito de operação . . . . . . . . . . . 8
Conexão do sensor de cloro em
controladores com dois canais . . . 34
Conexão do transdutor de
medição DTMa . . . . . . . . . . . . . . . 35
Configuração do registo de dados
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149
Configuração dos registos . . . . . 146
Configurações de idioma . . . . . . . 12
Contraste do visor . . . . . . . . . . . . . 54
Cordão vedante . . . . . . . . . . . . . . 31
Formato CSV . . . . . . . . . . . . . . . 149
Funcionamento do sensor 90, 93,
96,
98,
100
Funcionamento incorrecto dos
sensores e valores pH oscilantes
no processo . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
G
Gabarito de punção . . . . . . . . . . . 29
I
Idioma do operador . . . . . . . . . 12, 54
Igualdade de tratamento . . . . . . . . . 2
Igualdade de tratamento geral . . . . 2
Iluminação de fundo do visor . . . . 54
Inserções de redução . . . . . . . . . . 45
Instruções de Segurança . . . . . . . 18
Introdução de dados . . . . . . . . . . . 77
L
Ligação da variável de interfe‐
rência aditiva e multiplicativa . . . 116
Luminosidade do visor . . . . . . . . . 54
D
Declaração de conformidade . . . 173
Descarga de tracção . . . . . . . . . . . 45
183
Índice remissivo
M
Medição de pH através de um
transdutor de medição . . . . . . . . . 35
Montagem no painel de controlo . . 29
N
Normas respeitadas . . . . . . . . . . 173
O
O tamanho de ficheiro máximo
comporta 2 GB . . . . . . . . . . . . . . 150
P
Pergunta: A calibração do pH com
uma amostra externa possui des‐
vantagens? . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
Pergunta: Com que processo de
calibração é possível calibrar a
variável de medição O2? . . . . . . . 95
Pergunta: Com que processo de
calibração é possível calibrar as
variáveis de medição amperomé‐
tricas? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
Pergunta: Com que processo de
calibração é possível calibrar o
valor de fluoreto? . . . . . . . . . . . . . 84
Pergunta: Com que processo de
calibração é possível calibrar o
valor de pH? . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
Pergunta: Com que processo de
calibração é possível calibrar o
valor Redox? . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
Pergunta: Com que valores é
válida uma calibração do pH? . . . . 71
Pergunta: Como conecto um
transdutor de medição? . . . . . . . . 35
Pergunta: Como funciona a ope‐
ração do controlador? . . . . . . . . . . . 8
Pergunta: Como funciona o blo‐
queio do teclado? . . . . . . . . . . . . . 13
Pergunta: Como posso ajustar a
luminosidade do visor? . . . . . . . . . 54
Pergunta: Como posso ajustar o
contraste do visor? . . . . . . . . . . . . 54
Pergunta: Como posso ajustar ou
mudar o idioma do operador? . . . . 12
184
Pergunta: Como posso realizar
uma actualização do software? . . 166
Pergunta: Como posso repor o
idioma do operador? . . . . . . . . . . . 54
Pergunta: como posso ventilar a
instalação hidráulica? . . . . . . . . . . 52
Pergunta: De que equipamento
de série dispõe o controlador? . . . 23
Pergunta: De que solução de cali‐
bração preciso para uma cali‐
bração por fluoreto? . . . . . . . . 85, 87
Pergunta: De que soluções
tampão preciso para uma cali‐
bração do pH? . . . . . . . . . . . . . . . 70
Pergunta: De que tipo de equipa‐
mento opcional dispõe o contro‐
lador? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Pergunta: em que formato de
ficheiro estão disponíveis os
dados do registo de dados? . . . . 149
Pergunta: O que devo ter em
conta, quando ligo aparelhos de
avaliação passivos? . . . . . . . . . . 141
Pergunta: O que leva a uma
ligação da variável de interfe‐
rência aditiva e multiplicativa? . . . 116
Pergunta: O que provoca uma
variável de interferência multipli‐
cativa? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
Pergunta: Onde encontro a
função [Simulação]? . . . . . . . . . . 152
Pergunta: Onde posso encontrar
a declaração de conformidade? . 173
Pergunta: Posso importar uma
nova versão de idioma? . . . . . . . 166
Pergunta: Qual a espessura
mínima do painel de controlo para
permitir o alojamento de um con‐
trolador? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
Pergunta: Que acção provoca a
função de relé [Val. limite 1] ou
[Val. limite 2] . . . . . . . . . . . . . . . . 135
Pergunta: que acção provoca a
função do relé [Ciclo] . . . . . . . . . 137
Pergunta: Que acção provoca a
função do relé [Desligado] . . . . . 135
Índice remissivo
Pergunta: que acção provoca a
função do relé [Duração do
impulso (MLP)] . . . . . . . . . . . . . . 137
Pergunta: que acção provoca a
função do relé [Temporizador de
relé] . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135
Pergunta: que acção provoca a
função do relé [Valor limite1/2
(var. ajus.)] . . . . . . . . . . . . . . . . . 135
Pergunta: Que acessórios
existem para o controlador? . . . . 172
Pergunta: Que aplicações típicas
existem? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Pergunta: Que normas foram res‐
peitadas? . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
Pergunta: Que peças fazem
parede do material fornecido por
padrão? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
Pergunta: Que peças sobressa‐
lentes existem? . . . . . . . . . . . . . . 171
Preparação de águas industriais e
de processo . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Protecção de dados . . . . . . . . . . 145
Q
Qualificação do utilizador . . . . . . . 21
R
Recipiente de teste 1 com
solução de calibração Fluoreto
84,
86
Recipiente de teste 1 com
solução tampão . . . . . . . . . . . . . . 71
Recipiente de teste 2 com
solução de calibração Fluoreto . . . 84
Recipiente de teste 2 com
solução tampão . . . . . . . . . . . . . . 71
Registo de calibração . . . . . . . . . 145
Registo de dados . . . . . . . . . . . . 145
Registo de erro . . . . . . . . . . . . . . 145
Relé de valor limite . . . . . . . . . . . 126
Relé temporizador . . . . . . . . . . . . 137
S
Saídas de ajuste . 90, 93, 96, 99, 101
Saídas do sinal padrão 90, 93,
97,
99,
101
Saliência do aparelho . . . . . . . . . . 32
Simulação . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152
T
Tempo de retardamento dos
valores limite . . . . . . . . . . . . . . . . 125
Tempos de arranque 90, 93, 96,
98,
100
Tipo de protecção IP 54 . . . . . . . . 45
Tipo de protecção IP 67 . . . . . . . . 45
Transdutor de medição de ter‐
ceiros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
Tratamento de água potável . . . . . 23
Tratamento de águas para pis‐
cinas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Tratamento de águas residuais . . . 23
U
Ultrapassagem do limite . . . . . . . 125
União roscada grande (M 20 x
1,5) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
Uniões roscadas pequenas (M 12
x 1,5) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
V
Valor limite1/2 (var. ajus.) . . . . . . 135
Valores limite . . . . . . . . . . . . . . . 124
Variável de interferência multipli‐
cativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
Ventilar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
Vida útil do cartão SD . . . . . . . . . 145
185
186
187
ProMinent GmbH
Im Schuhmachergewann 5 - 11
69123 Heidelberg
Telefone: +49 6221 842-0
Fax: +49 6221 842-419
E-Mail: [email protected]
Internet: www.prominent.com
A mais recente versão de um manual de instruções está disponível na nossa home‐
page.
985232, 4, pt_PT
© 2014
Was this manual useful for you? yes no
Thank you for your participation!

* Your assessment is very important for improving the work of artificial intelligence, which forms the content of this project

Download PDF

advertisement