Manual geral e de segurança

Manual geral e de segurança
Manual geral e de segurança
Grupo electrogéneo
GENERALIDADES – SEGURANÇA – INSTALAÇÃO
Todas as marcas
C_2_P
15/02/2012
33522927201_1_1
ÍNDICE
1. Introdução ............................................................................................................................................................................................. 8
1.1.
Introdução ................................................................................................................................................................................ 8
1.2.
Descrição da documentação dos grupos electrogéneos ......................................................................................................... 8
1.3.
Avisos ...................................................................................................................................................................................... 8
2. Recomendações gerais ......................................................................................................................................................................... 9
2.1.
Segurança................................................................................................................................................................................ 9
2.1.1 Pictogramas e seus significados .............................................................................................................................................. 9
2.1.2 Instruções de segurança........................................................................................................................................................ 12
2.2.
2.1.2.1.
Instruções gerais....................................................................................................................................................... 12
2.1.2.2.
Instruções contra os riscos eléctricos ....................................................................................................................... 14
2.1.2.3.
Instruções de emergência para as pessoas em caso de choque eléctrico ............................................................... 15
2.1.2.4.
Instruções contra os riscos de incêndios, de queimaduras e de explosões .............................................................. 15
2.1.2.5.
Instruções contra os riscos tóxicos ........................................................................................................................... 17
2.1.2.6.
Instruções contra os riscos associados às fases de manutenção ............................................................................ 18
2.1.2.7.
Instruções contra os riscos associados ao ruído ...................................................................................................... 18
Combustíveis, lubrificantes e líquidos de refrigeração ........................................................................................................... 19
2.2.1 Especificações ....................................................................................................................................................................... 19
2.3.
2.2.1.1.
Especificações dos combustíveis ............................................................................................................................. 19
2.2.1.2.
Especificações dos lubrificantes ............................................................................................................................... 21
2.2.1.3.
Especificações dos líquidos de refrigeração ............................................................................................................. 23
Protecção do ambiente .......................................................................................................................................................... 24
3. Descrição geral do material ................................................................................................................................................................. 24
3.1.
Grupo electrogéneo fixo ......................................................................................................................................................... 25
3.1.1 Grupo electrogéneo sem tampa de protecção ....................................................................................................................... 25
3.1.2 Grupo electrogéneo com tampa de protecção ....................................................................................................................... 26
3.2.
Grupo electrogéneo móvel ..................................................................................................................................................... 27
3.2.1 Grupo electrogéneo sem reboque ......................................................................................................................................... 27
3.2.2 Grupo electrogéneo sobre reboque ....................................................................................................................................... 28
3.2.3 Mastro de iluminação ............................................................................................................................................................. 28
3.3.
Grupo electrogéneo em contentor ......................................................................................................................................... 29
3.3.1 Contentores ISO 20 e ISO 40 ................................................................................................................................................ 29
3.3.2 Contentor CIR 20 ................................................................................................................................................................... 30
3.3.3 Contentor EUR 40 ................................................................................................................................................................. 30
3.3.4 Contentor sobre reboque ....................................................................................................................................................... 31
3.4.
Placas de identificação .......................................................................................................................................................... 32
3.4.1 Identificação dos grupos electrogéneos ................................................................................................................................ 32
3.4.2 Localização das placas nos grupos electrogéneos com e sem tampa .................................................................................. 33
3.4.3 Localização das placas nos grupos electrogéneos em contentor .......................................................................................... 33
3.4.4 Identificação dos componentes dos grupos electrogéneos ................................................................................................... 34
1 / 118
4. Instalação ............................................................................................................................................................................................ 35
4.1.
Descarregar o material .......................................................................................................................................................... 35
4.2.
Fazer a manutenção do material ........................................................................................................................................... 36
4.2.1 Avisos sobre a manutenção................................................................................................................................................... 36
4.2.2 Deslocar o material através de lingagem ............................................................................................................................... 37
4.2.2.1.
Lingar os grupos electrogéneos sem tampa ............................................................................................................. 37
4.2.2.2.
Lingar os grupos electrogéneos com tampa ............................................................................................................. 38
4.2.2.3.
Lingar os grupos electrogéneos em contentor .......................................................................................................... 39
4.2.3 Deslocar o material através de empilhador............................................................................................................................ 41
4.2.3.1.
Fazer a manutenção dos grupos electrogéneos com e sem tampa ......................................................................... 41
4.2.3.2.
Fazer a manutenção dos grupos electrogéneos em contentor ................................................................................. 41
4.2.4 Deslocar o material através de guincho móvel ...................................................................................................................... 42
4.2.5 Deslocar o material através de rolos ..................................................................................................................................... 42
4.3.
Transportar o material ............................................................................................................................................................ 43
4.3.1 Avisos sobre o transporte ...................................................................................................................................................... 43
4.3.2 Preparar o transporte ............................................................................................................................................................. 43
4.3.3 Transporte rodoviário ............................................................................................................................................................. 43
4.3.3.1.
Grupos electrogéneos com e sem tampa ................................................................................................................. 43
4.3.3.2.
Grupos electrogéneos em contentor ......................................................................................................................... 43
4.3.3.3.
Grupos electrogéneos sobre reboques ..................................................................................................................... 44
4.3.4 Transporte ferroviário ............................................................................................................................................................ 50
4.3.4.1.
Grupos electrogéneos com e sem tampa ................................................................................................................. 50
4.3.4.2.
Grupos electrogéneos em contentor ......................................................................................................................... 50
4.3.5 Transporte marítimo .............................................................................................................................................................. 50
4.3.5.1.
Grupos electrogéneos com e sem tampa ................................................................................................................. 50
4.3.5.2.
Grupos electrogéneos em contentor ......................................................................................................................... 50
4.3.6 Transporte aéreo ................................................................................................................................................................... 51
4.4.
Instalar um grupo electrogéneo num local ............................................................................................................................. 52
4.4.1 Introdução .............................................................................................................................................................................. 52
4.4.2 Determinar o local de instalação ............................................................................................................................................ 53
4.4.3 Escolher o tipo de local .......................................................................................................................................................... 54
4.4.4 Determinar as dimensões e a organização do local .............................................................................................................. 54
4.4.5 Prever o suporte do grupo electrogéneo................................................................................................................................ 55
4.4.6 Abrir o local para o acesso e a ventilação ............................................................................................................................. 55
4.4.7 Prever um sistema de elevação ............................................................................................................................................. 56
4.4.8 Insonorizar o local .................................................................................................................................................................. 56
4.4.8.1.
Memorando da regulamentação aplicável: Acústica ................................................................................................. 56
4.4.8.2.
Descrição da instalação ............................................................................................................................................ 57
4.4.9 Prever a gestão do combustível ............................................................................................................................................ 58
4.4.9.1.
Memorando da regulamentação aplicável ................................................................................................................ 58
4.4.9.2.
Descrição da instalação ............................................................................................................................................ 60
4.4.9.3.
Recipiente de retenção dos fluidos integrado (opção) .............................................................................................. 61
2 / 118
4.4.10 Definir o circuito de escape.................................................................................................................................................. 62
4.4.10.1.
Memorando da regulamentação aplicável: Emissões de escape ......................................................................... 62
4.4.10.2.
Descrição da instalação ....................................................................................................................................... 63
4.4.11 Refrigeração ........................................................................................................................................................................ 71
4.5.
Instalar um grupo electrogéneo em contentor........................................................................................................................ 72
4.5.1 Determinar o local de instalação ............................................................................................................................................ 73
4.5.2 Limitar os incómodos sonoros ............................................................................................................................................... 74
4.5.3 Garantir uma ventilação correcta ........................................................................................................................................... 74
4.5.4 Garantir um escape correcto ................................................................................................................................................. 75
4.6.
Instalar um grupo electrogéneo móvel ................................................................................................................................... 76
4.6.1 Grupo electrogéneo sobre reboque ....................................................................................................................................... 76
4.7.
Efectuar a ligação eléctrica de um grupo electrogéneo ......................................................................................................... 76
4.7.1 Cablagem .............................................................................................................................................................................. 76
4.7.2 Regime de Neutro .................................................................................................................................................................. 79
4.7.2.1.
Esquema TT ............................................................................................................................................................. 80
4.7.2.2.
Esquema TNS .......................................................................................................................................................... 80
4.7.2.3.
Esquema IT .............................................................................................................................................................. 81
4.7.3 Sobretensão .......................................................................................................................................................................... 82
5. Colocação em funcionamento ............................................................................................................................................................. 82
5.1.
Avisos sobre a colocação em funcionamento ........................................................................................................................ 82
5.2.
Controlar a instalação do grupo electrógeneo ....................................................................................................................... 82
5.3.
Preparar a tubagem do grupo electrogéneo .......................................................................................................................... 82
5.4.
Controlar o grupo electrogéneo antes do arranque ............................................................................................................... 83
5.5.
Controlar o grupo electrogéneo após o arranque .................................................................................................................. 83
6. Manutenção ......................................................................................................................................................................................... 86
6.1.
Planos de manutenção .......................................................................................................................................................... 86
6.2.
Manutenção das tampas ........................................................................................................................................................ 87
6.2.1 Frequência de limpeza........................................................................................................................................................... 87
6.2.2 Modo de funcionamento da limpeza ...................................................................................................................................... 87
6.3.
Manutenção dos contentores ................................................................................................................................................. 88
6.4.
Manutenção das panelas de escape ..................................................................................................................................... 88
6.5.
Ensaios dos grupos electrogéneos ........................................................................................................................................ 88
7. Armazenagem/Desarmazenagem ....................................................................................................................................................... 89
8. Equipamentos complementares .......................................................................................................................................................... 90
8.1.
Bomba manual JAPY ............................................................................................................................................................. 91
8.1.1 Características técnicas ......................................................................................................................................................... 91
8.1.2 Manutenção ........................................................................................................................................................................... 91
8.2.
Electrobomba JAPY ............................................................................................................................................................... 93
8.2.1 Características técnicas ......................................................................................................................................................... 93
8.2.2 Manutenção ........................................................................................................................................................................... 94
8.3.
Regulador de reposição ao nível automática de óleo REN-RAB ........................................................................................... 95
8.3.1 Características técnicas ......................................................................................................................................................... 95
8.3.2 Funcionamento ...................................................................................................................................................................... 95
3 / 118
8.4.
Filtro do ar para ambiente ...................................................................................................................................................... 96
8.5.
Filtros de combustível adicionais ........................................................................................................................................... 98
8.5.1 Filtros de gasóleo .................................................................................................................................................................. 98
8.5.1.1.
Manutenção dos filtros .............................................................................................................................................. 98
8.5.1.2.
Purga da água .......................................................................................................................................................... 98
8.5.1.3.
Substituição do filtro.................................................................................................................................................. 99
8.5.2 Filtros de gasóleo Separ ........................................................................................................................................................ 99
8.6.
8.5.2.1.
Manutenção dos filtros .............................................................................................................................................. 99
8.5.2.2.
Purga da água ........................................................................................................................................................ 100
8.5.2.3.
Substituição do filtro................................................................................................................................................ 101
Baterias de arranque ........................................................................................................................................................... 102
8.6.1 Verificar o nível de electrólito ............................................................................................................................................... 102
8.6.2 Verificar a densidade ácido-tensão...................................................................................................................................... 102
8.6.3 Ligar - desligar a bateria ...................................................................................................................................................... 103
8.6.4 Carregar a bateria ................................................................................................................................................................ 103
8.6.5 Limpar a bateria ................................................................................................................................................................... 103
8.6.6 Procurar as avarias .............................................................................................................................................................. 104
8.7.
Carregador de baterias AEES.............................................................................................................................................. 105
8.7.1 Função ................................................................................................................................................................................. 105
8.7.2 Procura e tratamento das avarias ........................................................................................................................................ 105
8.8.
Válvula de corte ................................................................................................................................................................... 107
8.9.
Arrefecedores ...................................................................................................................................................................... 108
9. Glossário ........................................................................................................................................................................................... 110
4 / 118
TABELA DAS ILUSTRAÇÕES
Figura 1: Pictogramas de aviso ................................................................................................................................................................. 9
Figura 2: Pictogramas de interdição ........................................................................................................................................................ 10
Figura 3: Pictogramas de obrigação ........................................................................................................................................................ 10
Figura 4: Pictogramas de informação ...................................................................................................................................................... 10
Figura 5: Pictogramas específicos .......................................................................................................................................................... 11
Figura 6: Pictogramas para intervenção na bateria ................................................................................................................................. 11
Figura 7: Descrição geral de um grupo electrogéneo sem tampa de protecção ..................................................................................... 25
Figura 8: Descripção geral de um grupo electrogéneo sem tampa de protecção ................................................................................... 26
Figura 9: Descrição geral de um grupo electrogéneo sem tampa de protecção ..................................................................................... 27
Figura 10: Exemplo de grupo electrogéneo móvel sobre reboque .......................................................................................................... 28
Figura 11: Exemplo de mastro de iluminação ......................................................................................................................................... 28
Figura 12: Exemplo de contentor ISO 20 ................................................................................................................................................ 29
Figura 13: Exemplo de contentor ISO 40 ................................................................................................................................................ 29
Figura 14: Exemplo de contentor CIR 20 ................................................................................................................................................ 30
Figura 15: Exemplo de contentor EUR 40 ............................................................................................................................................... 30
Figura 16: Exemplo de contentor sobre reboque .................................................................................................................................... 31
Figura 17: Exemplo de placa de identificação do grupo electrogéneo .................................................................................................... 32
Figura 18: Localização da placa de identificação dos grupos electrogéneos com e sem tampas de protecção ..................................... 33
Figura 19: Localização da placa de identificação dos grupos electrogéneos em contentor .................................................................... 33
Figura 20: Exemplos de placas de identificação do motor ...................................................................................................................... 34
Figura 21: Exemplos de placas de identificação do alternador ............................................................................................................... 34
Figura 22: Exemplo de placa de identificação do quadro eléctrico .......................................................................................................... 35
Figura 23: Utilização das lingas num grupo electrogéneo sem tampa .................................................................................................... 37
Figura 24: Pontos de fixação das lingas nos grupos electrogéneos com tampa de protecção ............................................................... 38
Figura 25: Exemplos de dispositivos de manuseamento......................................................................................................................... 40
Figura 26: Exemplos de métodos de elevação de contentores ............................................................................................................... 40
Figura 27: Exemplos de métodos de elevação interditos ........................................................................................................................ 40
Figura 28: Exemplos de manuseamento com empilhadores ................................................................................................................... 41
Figura 29: Manuseamento de um grupo electrogéneo com o auxílio de um guincho móvel ................................................................... 42
Figura 30: Manuseamento de um grupo electrogéneo com o auxílio de rolos ........................................................................................ 42
5 / 118
Figura 31: Cabo de desengate ................................................................................................................................................................ 44
Figura 32: Exemplo de cabeça de ligação............................................................................................................................................... 45
Figura 33: Indicador de desgaste ............................................................................................................................................................ 46
Figura 34: Exemplo de sinalização francesa ........................................................................................................................................... 49
Figura35: Exemplo de local para grupo electrogéneo ............................................................................................................................. 52
Figura36: Exemplos de problemas que podem surgir ............................................................................................................................. 53
Figura37: Exemplo das dimensões de um local ...................................................................................................................................... 54
Figura38: Exemplo de sistema de elevação ............................................................................................................................................ 56
Figura39: Exemplo de instalação ............................................................................................................................................................ 57
Figura40: Exemplo de implantação de um reservatório de combustível em França ............................................................................... 59
Figura41 : Exemplo de instalação ........................................................................................................................................................... 60
Figura42: Recipiente de retenção dos fluidos integrado.......................................................................................................................... 61
Figura43 : Exemplo de circuito de escape dos gases queimados ........................................................................................................... 63
Figura44: Exemplos de tubos e cotovelos ............................................................................................................................................... 64
Figura45: Exemplo de compensador e flexível ........................................................................................................................................ 64
Figura46: Exemplos de purgas ................................................................................................................................................................ 64
Figura47: Exemplos de passagens de parede ........................................................................................................................................ 64
Figura48: Exemplos de saída de escape ................................................................................................................................................ 65
Figura49: Exemplos de hastes de suspensão ......................................................................................................................................... 65
Figura50: Exemplos de quadro com pinos .............................................................................................................................................. 65
Figura51: Exemplos de suportes de coluna ............................................................................................................................................ 65
Figura52: Exemplos de suspensões........................................................................................................................................................ 66
Figura53: Exemplo de silencioso de absorção ........................................................................................................................................ 66
Figura54: Exemplo de silencioso reactivo absorvente ............................................................................................................................ 67
Figura55: Exemplo de silencioso adaptado ............................................................................................................................................. 67
Figura56: Esquema de princípio do cálculo da altura de chaminé .......................................................................................................... 68
Figura57: Exemplos de chaminés de escape .......................................................................................................................................... 69
Figura58: Vaso de recolha de condensados ........................................................................................................................................... 70
Figura59: Implantação dos contentores no solo ...................................................................................................................................... 73
Figura60: Exemplos de aumento do nível sonoro devido à reflexão e à direccionalidade ...................................................................... 74
Figura61: Limitações de implantação ...................................................................................................................................................... 74
Figura62: Desmontagem da chapa obturadora ....................................................................................................................................... 75
Figura 63: Exemplo de instalação de contentor com chaminé auto-estável ............................................................................................ 75
Figura64: Regime de neutro TT .............................................................................................................................................................. 80
6 / 118
Figura65: Regime de neutro TN-S (terra e neutro separados) ................................................................................................................ 80
Figura66: Regime de neutro IT ................................................................................................................................................................ 81
Figura 67: Bomba manual JAPY ............................................................................................................................................................. 91
Figura 68 : Electrobomba JAPY JEV ....................................................................................................................................................... 93
Figura 69: Vista geral do regulador ......................................................................................................................................................... 95
Figura 70: Esquema simplificado da acção da válvula ............................................................................................................................ 95
Figura71: Modelos de válvulas de corte ................................................................................................................................................ 107
7 / 118
1. Introdução
1.1.
Introdução
Agradecemos-lhe ter escolhido um dos nossos grupos electrogéneos.
Este manual foi redigido especialmente para si, com o objectivo de o ajudar a utilizar da melhor forma e a manter correctamente o seu
grupo electrogéneo.
1.2.
Descrição da documentação dos grupos electrogéneos
A documentação fornecida com os grupos electrogéneos define o conjunto das operações de utilização e de manutenção do grupo
electrogéneo ou da central eléctrica.
Esta documentação permite adquirir conhecimentos relativamente ao equipamento, colocá-lo em funcionamento e fazer a respectiva
manutenção diária e periódica. No que diz respeito à documentação dos motores e dos alternadores que equipam os grupos
electrogéneos, é constituída por manuais de utilização e de manutenção dos motores (de origem fabricante) e manuais de utilização e
de manutenção dos alternadores (de origem fabricante).
A documentação dos grupos electrogéneos é constituída pelos seguintes documentos:
-
O manual geral e de segurança, que contém entre outros:

as recomendações gerais e as regras de segurança a respeitar;

as regras gerais de instalação dos grupos electrogéneos;

as instruções gerais de preparação dos grupos electrogéneos antes da colocação em funcionamento;

as especificações dos combustíveis, lubrificantes e líquidos de refrigeração a utilizar;

as instruções particulares de manutenção;

as descrições e/ou instruções de manutenção de alguns equipamentos opcionais.
-
O manual de utilização da caixa de comando (se existir).
-
O manual de utilização e de manutenção do motor que equipa o grupo electrogéneo.
-
O manual de manutenção do alternador que equipa o grupo electrogéneo.
-
Os esquemas eléctricos (estes esquemas são fornecidos com a documentação ou entregues com o grupo electrogéneo).
Nota: As abreviaturas e palavras definidas no glossário assim como os reenvios para as figuras e capítulos são indicados em itálico no
documento.
1.3.
Avisos
Neste manual, os textos de aviso são tratados da seguinte forma:
Perigo imediato.
Indica um perigo iminente que pode provocar a morte ou ferimentos graves. Do desrespeito por este tipo de
instrução podem resultar consequências graves para a saúde e para a vida das pessoas expostas.
PERIGO
Perigo potencial.
Indica uma situação eventualmente perigosa. Do desrespeito por este tipo de instrução podem resultar
ferimentos graves para as pessoas expostas ou danos materiais.
ATENÇÃO
8 / 118
2. Recomendações gerais
As informações contidas neste manual resultam dos dados técnicos disponíveis à data da impressão do documento. No desejo de
melhorar constantemente a qualidade dos nossos produtos, estes dados são susceptíveis de sofrerem alterações sem aviso prévio.
Ler atentamente as instruções de segurança para evitar acidentes, incidentes ou outros danos. Estas instruções devem ser sempre
respeitadas.
Para tirar o melhor rendimento do equipamento e para que o grupo electrogéneo lhe dê plena satisfação durante muito tempo, as
operações de manutenção devem ser efectuadas de acordo com as periodicidades indicadas nos quadros de manutenção preventiva
que se anexam. Se o grupo electrogéneo for utilizado em más condições de pó e situações desfavoráveis, o intervalo entre as
operações deve ser reduzido.
Assegurar-se de que todas as regulações e reparações são efectuadas por pessoal que tenha recebido formação adequada. Os
nossos agentes possuem esta qualificação e podem responder a todas as suas questões. As suas habilitações também lhes permite
fornecer peças sobressalentes e outros serviços e dispõem de pessoal formado para assegurar a manutenção correctiva e preventiva
ou ainda a reparação completa dos grupos electrogéneos.
As faces esquerda e direita são vistas a partir da parte traseira do grupo electrogéneo (o radiador está na parte da frente).
Nota: Alguns manuais de utilização e de manutenção dos motores que equipam os grupos electrogéneos apresentam caixas de
comando e indicam procedimentos de arranque e de paragem dos motores.
Nos grupos electrogéneos equipados com caixas de comando específicas, apenas as informações fornecidas na documentação das
caixas que equipam os grupos devem ser tomadas em consideração.
Além disso, e em função dos critérios de fabricação dos grupos electrogéneos, alguns motores podem dispor de cablagens eléctricas
específicas diferentes das descritas na documentação dos motores.
2.1.
Segurança
2.1.1 Pictogramas e seus significados
Os objectivos dos pictogramas de segurança são os seguintes:
-
Chamar a atenção do operador ou do técnico de manutenção sobre os potenciais perigos.
-
Explicar como agir no interesse da segurança das pessoas e do material.
Os pictogramas de segurança presentes sobre o material são explicados abaixo.
Atenção perigo
Atenção,
risco eléctrico
Atenção,
risco de explosão
Atenção,
matérias tóxicas
Atenção,
peças rotativas ou
em movimento
Atenção,
fluidos sob pressão
Atenção,
alta temperatura
Atenção,
produto corrosivo
Perigo:
arranque
automático
Figura 1: Pictogramas de aviso
9 / 118
Entrada proibida a
pessoas
não
autorizadas
Lavagem com jacto
proibida
Figura 2: Pictogramas de interdição
Leitura obrigatória
do
manual
do
material
Uso obrigatório de
vestuário
de
protecção
adequado
Uso obrigatório de
protecções
oculares e auditivas
adequadas
Ponto de elevação
obrigatório
Passagem
obrigatória de garfo
para elevação
Verificação
obrigatória da carga
da bateria
Manutenção
periódica
obrigatória
Figura 3: Pictogramas de obrigação
Terra
Corte da bateria
Ligações exteriores
de combustível
Combustível
gasóleo
Esvaziamento
combustível
Tampa de acesso
Enchimento líquido
de refrigeração
Esvaziamento
líquido de
refrigeração
Ligação à
alimentação
interdita antes de
enchimento com
água
Enchimento óleo
Mudança óleo
Nível alto recipiente
de retenção
Esvaziamento
recipiente de
retenção
Figura 4: Pictogramas de informação
10 / 118
Produto inflamável,
Não fumar nem provocar faíscas ou
chamas
Leitura obrigatória do manual do material
Alimentação de combustível
- Válvula de selecção -
Ponto de passagem das correntes de
amarração
Figura 5: Pictogramas específicos
Limpar qualquer projecção de ácido na
pele ou nos olhos com água corrente.
Uso obrigatório de óculos e de vestuário
de protecção adequados
Consultar imediatamente um médico.
Lavar o vestuário contaminado com água.
Figura 6: Pictogramas para intervenção na bateria
11 / 118
2.1.2 Instruções de segurança
MANUAL A CONSERVAR
Este manual contém instruções importantes, que devem ser respeitadas durante a instalação e manutenção do grupo electrogéneo e
das baterias.
IMPORTANTE - INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA
Em caso de incompreensão ou dúvida sobre qualquer ponto deste manual, contactar o agente mais próximo para receber todas as
explicações e demonstrações necessárias à correcta utilização do material. As instruções abaixo indicadas devem ser rigorosamente
respeitadas, para garantir a segurança das pessoas e do material. Como complemento destas informações, é imperativo consultar as
normas locais e nacionais aplicáveis, consoante o local onde este equipamento estiver instalado.
2.1.2.1.
Instruções gerais
Instalação do material
O instalador do material deve elaborar um documento descritivo das eventuais modificações efectuadas no material aquando da
instalação.
Utilização do material
-
-
-
Antes de qualquer intervenção no material:

Nomear um responsável de exploração.

O responsável de exploração deve supervisionar, directa ou indirectamente, qualquer intervenção realizada no material e
assegurar a aplicação das instruções de segurança e de exploração.

Deve ler e compreender toda a documentação fornecida com o material.
Informar o pessoal:

Relembrar regularmente as instruções de segurança e de exploração ao pessoal de exploração.

Contactar o concessionário para qualquer questão sobre o material e pedido de formação do pessoal.

Colocar os manuais dos fabricantes à disposição dos utilizadores (se possível no local).
Protecção do pessoal e do material:

Usar vestuário adequado.

Afastar-se do material em funcionamento.

Manter afastadas do material as pessoas não habilitadas a executar intervenções, bem como os animais. Aplicar esta
instrução, quer o material esteja em funcionamento ou parado.

Proteger o material de qualquer projecção de líquido e das intempéries.

Antes de cada arranque do material, voltar a montar as tampas de protecção e fechar todas as portas de acesso.

Antes de cada arranque do motor, verificar a presença do filtro de ar e de um circuito de extracção adequada dos gases
de escape.

Respeitar os regulamentos em vigor sobre a utilização de combustível.

É formalmente interdito utilizar água do mar ou qualquer outro produto electrolítico ou corrosivo no circuito de
refrigeração.

Proceder às regulações do material seguindo as prescrições dos fabricantes.

Verificar o bom funcionamento do material.

Para o material sobre o reboque: accionar o travão de estacionamento, enquanto o material é instalado no local de
utilização. Durante a deslocação em descida, assegurar-se de que ninguém se encontra na trajectória do reboque.
12 / 118
Manutenção do material
-
Competências do pessoal:

-
-
Assegurar que a manutenção do material é efectuada por pessoal com formação adequada.
Protecção do pessoal:

Usar vestuário e óculos de protecção adequados.

Retirar todos os objectos pessoais susceptíveis de impedir a intervenção: relógio, fios, etc.

Instalar um painel de proibição nos comandos do material, que interdite qualquer tentativa de arranque.

Desligar a bateria (e desligar o motor de arranque pneumático, se existir), antes de iniciar qualquer tipo de trabalho de
manutenção.

Manipular o material segundo as boas práticas, utilizando técnicas que não coloquem o pessoal em perigo.

Usar imperativamente luvas de protecção durante a fase de detecção de fugas.

Verificar periodicamente o bom funcionamento dos dispositivos de segurança.
Protecção do material:

Utilizar ferramentas em bom estado e adequadas aos trabalhos a efectuar. Antes de qualquer intervenção, assegurar-se
de que o modo de utilização foi devidamente compreendido.

Respeitar o quadro de manutenção e as suas prescrições. Em más condições de pó e situações desfavoráveis, o
intervalo entre as operações de manutenção deve ser reduzido.

Verificar se as peças sobressalentes montadas no material são exclusivamente fornecidas pelo concessionário.

Manipular o material segundo as boas práticas, utilizando técnicas que não sejam susceptíveis de causar a sua
deterioração.

Substituir todos os pictogramas de segurança em falta ou ilegíveis sobre o material.
Nota: os parafusos de fixação das protecções das peças móveis são parafusos de bloqueio equipados com anilhas de
retenção. Para assegurar a integridade desta montagem, é interdito utilizar aparafusadoras eléctricas ou pneumáticas para
desaparafusar estes parafusos de fixação.
-
-
Limpeza do material:

Limpar todos os vestígios de óleo, combustível ou líquido de refrigeração com um pano limpo.

Utilizar exclusivamente solventes de limpeza autorizados.

Meios e produtos de limpeza formalmente interditos:

gasolina ou outras substâncias inflamáveis;

solução de água com sabão que contenha cloro ou amoníaco;

dispositivo de lavagem a alta pressão.
Instrução complementar:

Se necessário, contactar o concessionário para obter os seguintes serviços:

resposta a todas as questões sobre o material;

formação do pessoal;

fornecimento da documentação necessária à manutenção;

fornecimento de peças sobressalentes;

intervenção de manutenção correctiva ou preventiva.
13 / 118
Local de instalação
-
-
Manutenção:

Limpar regularmente todo o local de instalação com material de limpeza adequado.

A presença de materiais perigosos ou combustíveis no interior destes locais deve estar limitada às necessidades da
instalação.
Acesso:

-
Interditar o acesso livre a pessoas estranhas às instalações, à excepção das designadas pelo operador.
Respeito pelo ambiente:

Recolher e eliminar o óleo do motor em recipientes previstos para o efeito (os distribuidores de combustível podem
recuperar o óleo usado).

A queima de resíduos ao ar livre é proibida.

Eliminar águas residuais, lamas e resíduos num centro de tratamento especializado.
2.1.2.2.
Instruções contra os riscos eléctricos
MATERIAL ELÉCTRICO - RISCO DE CHOQUE ELÉCTRICO
PERIGO
-
Ler atentamente a placa de identificação do fabricante. Estão indicados os valores de tensão, potência, corrente e frequência.
Verificar a concordância destes valores com a instalação a alimentar.
-
Efectuar as ligações eléctricas de acordo com as normas e regulamentos em vigor no país de utilização e o regime do neutro
vendido.
-
Solicitar a intervenção de um electricista qualificado, para os casos específicos de ligação do material a uma rede eléctrica
existente.
-
Antes de qualquer intervenção de instalação ou de manutenção, desligar o material (tensão material, tensão bateria e tensão
rede).
-
Ligar o material respeitando o esquema eléctrico fornecido pelo fabricante.
-
Manipular sempre o material com as mãos e os pés secos.
-
Tomar todas as precauções para nunca tocar em cabos descarnados ou em ligações desligadas.
-
Utilizar e manter os cabos em bom estado, bem isolados e ligados de forma correcta e definitiva.
-
Substituir os equipamentos de protecção contra choques eléctricos apenas por equipamentos idênticos (características e
valores nominais).
-
Utilizar exclusivamente cabos flexíveis e resistentes, revestidos com borracha, de acordo com a CEI 245-4, ou cabos
equivalentes.
-
Voltar a montar as placas de protecção (obturadores), após cada operação de manutenção.
Nota: o equipamento eléctrico fornecido com o material está em conformidade com a norma NF C15.100 (França) ou as normas dos
países onde é utilizado.
14 / 118
2.1.2.3.
Instruções de emergência para as pessoas em caso de choque eléctrico
Em caso de choque eléctrico, seguir as seguintes indicações:
1.
Evitar o contacto directo com o condutor sob tensão e com o corpo da vítima.
2.
Cortar imediatamente a tensão e accionar a paragem de emergência do material
em causa. Nota: pode utilizar-se um machado para cortar o fio sob tensão. Tomar
as maiores precauções para evitar o arco eléctrico daí resultante.
3.
Em caso de impossibilidade de alcançar o material: afastar a vítima do condutor
sob tensão com um pedaço de madeira seca, vestuário seco ou outros materiais
não condutores.
4.
Afastar-se, com a vítima, de qualquer situação de perigo de morte.
5.
Avisar os serviços de emergência médica.
6.
Em caso de paragem respiratória, iniciar imediatamente a respiração artificial.
7.
Em caso de paragem cardíaca, efectuar o procedimento de massagem cardíaca.
2.1.2.4.
Instruções contra os riscos de incêndios, de queimaduras e de explosões
PERIGO
COMBUSTÍVEIS / PRODUTOS INFLAMÁVEIS / FLUIDO SOB PRESSÃO
- RISCO DE QUEIMADURA - RISCO DE INCÊNDIO - RISCO DE EXPLOSÃO -
1.
Antes de qualquer arranque do material, afastar qualquer produto inflamável ou explosivo (gasolina, óleo, pano, etc.).
2.
É interdito colocar materiais combustíveis sobre os órgãos quentes do material (exemplo: tubo de escape).
3.
Evitar qualquer contacto com os órgãos quentes do material (exemplo: tubo de escape).
4.
Prever uma ventilação adequada para a refrigeração correcta do material.
5.
Aguardar que o motor pare e arrefeça completamente, antes de retirar a tampa do radiador.
6.
Aguardar que o material pare e arrefeça completamente, antes de voltar a cobri-lo (se necessário).
7.
Despressurizar os circuitos de ar, de óleo e de refrigeração antes de extrair ou desligar todas as ligações, condutas ou
elementos que a ele estejam ligados.
8.
Assegurar que o material em funcionamento está fixo (em posição estacionária).
Para a instalação do material num veículo ou outro material móvel, deve ser realizado um estudo prévio
para determinar as diferentes especificidades de utilização do grupo electrogéneo.
ATENÇÃO
15 / 118
Combustíveis
-
Respeitar os regulamentos locais em vigor relativos ao material instalado e
à utilização do combustível (gasolina, gasóleo e gás).
-
Efectuar o atesto de combustível com o motor parado (excepto quando se
trate de grupos equipados com sistema de enchimento automático).
-
É interdito fumar, aproximar uma chama ou provocar faíscas durante a
operação de enchimento do depósito.
-
Prever uma protecção adequada contra incêndios e explosões.
-
Substituir as tubagens logo que o seu estado o exija.
Óleos
1.
Antes de qualquer intervenção, assegure-se de que o sistema já não está sob pressão.
2.
Evitar qualquer contacto com óleo quente.
3.
Aguardar que o motor pare e arrefeça completamente, antes de efectuar o abastecimento de óleo.
4.
Antes de qualquer arranque do motor, voltar a colocar o bujão de enchimento de óleo.
5.
É interdito aplicar óleo, mesmo em camada fina, no exterior do material com o objectivo de evitar o aparecimento de
ferrugem.
Bateria
-
É interdito fumar, aproximar uma chama ou provocar faíscas nas proximidades das baterias (sobretudo se a bateria estiver a
ser carregada).
Gás de alimentação (relativo aos grupos electrogéneos que funcionam a gás)
-
Solicitar ao fornecedor de gás as instruções técnicas de utilização e as fichas de dados de segurança do gás de petróleo
liquefeito (GPL) ou do gás natural (GN).
-
Para qualquer intervenção numa instalação de gás, solicitar a intervenção de uma empresa especializada reconhecida.
-
Efectuar as operações de aprovisionamento de gás exclusivamente no exterior e de acordo com a legislação local, numa
zona afastada de qualquer fonte de fogo e de pessoas ou animais.
-
Verificar a estanqueidade do circuito de alimentação de gás utilizando água com sabão com o circuito sob pressão, ou com
um detector de fugas.
-
É interdito fumar, aproximar uma chama ou provocar faíscas durante o enchimento da cisterna e nas proximidades do grupo
electrogéneo.
16 / 118
2.1.2.5.
Instruções contra os riscos tóxicos
PERIGO
GASES DE ESCAPE - PRODUTOS TÓXICOS
- RISCO TÓXICO -
Gases de escape
-
Prever uma ventilação adequada para evacuar os gases de escape para o exterior,
evitando a sua acumulação.
-
Respeitar os regulamentos locais em vigor relativos ao material instalado e à utilização
do combustível (gasolina, gasóleo e gás).
-
Examinar periodicamente o escape dos gases queimados.
-
Substituir as tubagens logo que o seu estado o exija.
Nota: o óxido de carbono presente nos gases de escape pode provocar a morte, se a taxa de concentração for excessiva no ar que se
respira.
Inibidor de corrosão presente no líquido de refrigeração (contém alcali)
-
Ler as prescrições na embalagem.
-
Conservar o produto fora do alcance das crianças.
-
Não ingerir.
-
Evitar qualquer contacto prolongado ou repetido com a pele.
-
Evitar o contacto com os olhos.
Em caso de contacto com os olhos:
1.
Lavar imediatamente com água abundante durante pelo menos 15 minutos.
2.
Consultar imediatamente um médico.
Em caso de contacto com a pele:
1.
Lavar abundantemente com água e sabão.
2.
Consultar imediatamente um médico.
Combustíveis e óleos
-
Não inalar.
-
Assegurar uma ventilação correcta.
-
Utilizar uma máscara de protecção adequada.
17 / 118
Electrólito das baterias
-
Evitar o contacto com a pele e os olhos.
-
Usar óculos e vestuário de protecção adequados e luvas resistentes
com bases fortes, para manipular o electrólito.
Em caso de projecção para os olhos:
1.
Lavar imediatamente com água corrente e/ou com uma solução de 10% de ácido bórico.
2.
Consultar imediatamente um médico.
2.1.2.6.
Instruções contra os riscos associados às fases de manutenção
PERIGO
FASES DE MANUSEAMENTO - RISCO DE QUEDA
1.
Escolher os dispositivos e os materiais de manuseamento adequados em função do tipo de material a manusear. Verificar se
a capacidade de manutenção é suficiente.
2.
Verificar se os dispositivos e os materiais de manuseamento estão em bom estado de funcionamento.
3.
Respeitar as instruções de manuseamento descritas na presente documentação e as instruções dos pictogramas afixados no
material a manusear.
4.
Assegurar que nunca se coloca sob a carga manuseada.
Nota: os anéis de elevação previstos no material são dimensionados para manusear apenas o material. Caso os equipamentos
complementares sejam montados no material, deve ser realizado um estudo para definir o centro de gravidade do conjunto e verificar
a resistência mecânica da estrutura do material, bem como dos respectivos anéis de elevação.
2.1.2.7.
Instruções contra os riscos associados ao ruído
NÍVEL SONORO ELEVADO - RISCO DE PERDA DE AUDIÇÃO
PERIGO
-
Utilizar imperativamente protecções auriculares adequadas por quem efectue tarefas nas proximidades de um grupo
electrogéneo em funcionamento.
Nota: para os grupos electrogéneos utilizados no interior, cujos níveis de ruído ambiente dependem das condições da instalação, não
é possível especificar estes níveis de ruído ambiente nas instruções de instalação. Uma vez que a exposição prolongada a um nível
de pressão acústico elevado pode provocar danos auditivos permanentes, é necessário realizar, após a instalação, medições
acústicas para determinar o nível de pressão acústica e, se necessário, implementar medidas preventivas adequadas.
18 / 118
2.2.
Combustíveis, lubrificantes e líquidos de refrigeração
Todas as especificações (características dos produtos) encontram-se nos manuais de manutenção dos motores e dos alternadores
fornecidos com este manual.
Em complemento destas especificações, recomendamos os combustíveis, lubrificantes e líquidos de refrigeração mencionados no
capítulo "Especificações".
2.2.1 Especificações
2.2.1.1.
Especificações dos combustíveis
Exigências gerais de qualidade
A qualidade do combustível é fundamental para o desempenho do motor. Tal diz respeito tanto aos desempenhos técnicos, como
sejam a longevidade, a potência fornecida e o consumo de combustível, assim como à capacidade de respeitar as exigências emitidas
pelas autoridades sobre as emissões poluentes. Apenas devem ser utilizados combustíveis conformes às exigências legais em
vigor e às normas nacionais e internacionais. Consultar o distribuidor de combustível local para obter informações sobre as
características do gasóleo disponível na região.
Exemplos de normas e de exigências:
EN 590
Norma europeia (CEN) de combustível para automóveis - combustíveis para motor
Diesel (gasóleo) - exigências e métodos de ensaio
ASTM D 975 1-D e 2-D
American Society for Testing and Materials: exigência de base nos Estados Unidos da
América e no Canadá
JIS KK 2204
Japanese Industrial Standards: normas industriais japonesas
Respeito pelas emissões poluentes
As medições de certificação atestando o respeito pelos valores limites de emissões legais são efectuadas com os combustíveis
certificados conformes às normas e exigências acima indicadas.
Resistência às baixas temperaturas
Se a temperatura exterior for baixa, a fluidez do combustível Diesel pode tornar-se insuficiente devido a um depósito de parafina.
Logo, para evitar funcionamentos incorrectos (filtros entupidos, por ex.), utilizar, no inverno, combustíveis Diesel suficientemente
fluidos sob o frio.
As exigências a respeitar para as diferentes regiões geográficas e para as diferentes estações (inverno/verão) estão especificadas nas
normas e/ou regulamentações nacionais. As companhias petrolíferas devem estar sempre atentas para fornecer combustíveis cujas
propriedades de fluidez sob o frio sejam as correctas durante todo o ano. De uma forma geral, o gasóleo recebe aditivos para que
possa ser utilizado a baixas temperaturas na região onde é comercializado.
A aditivação do combustível deve respeitar as recomendações dos fabricantes dos motores e conservar um poder lubrificante
conveniente para os sistemas de injecção. É recomendável privilegiar os combustíveis aditivados em refinaria em detrimento dos que
são alterados no reservatório de armazenamento.
19 / 118
Características gerais do gasóleo
O combustível utilizado deve possuir as seguintes características (lista não exaustiva):
O teor de enxofre deve corresponder às regulamentações sobre as emissões em vigor na
região onde o grupo electrogéneo é utilizado.
Para os Estados Unidos da América e os países que aplicam a regulamentação EPA
Utilizar exclusivamente gasóleo Ultra Low Sulfur Diesel (ULSD) com um teor máximo de
enxofre de 15 mg/kg para os motores certificados Intérim Tier 4 e Tier 4.
Para a União europeia
Teor de enxofre
A directiva 2009/30/CE, cujo objectivo consiste em limitar a poluição atmosférica, impõe a
utilização de um gasóleo com um fraco teor de enxofre de 10 mg/kg, para os engenhos
móveis não rodoviários.
Em França, esta obrigação resultou na criação de um gasóleo, dito não rodoviário "GNR". O
teor máximo de enxofre admissível é de 10 mg/kg. No entanto, os Estados membros
permitem que estes tipos de gasóleo contenham até 20 mg/kg de enxofre no momento da sua
distribuição aos utilizadores finais. É recomendado evitar o armazenamento prolongado do
gasóleo não rodoviário (mais de 6 meses).
Viscosidade e
densidade
A viscosidade e a densidade influenciam directamente o desempenho (potência e consumo
de combustível), as emissões e a longevidade do motor. Um nível baixo de viscosidade e de
densidade diminui a potência do motor e aumenta o consumo de combustível. Um nível de
densidade e de viscosidade demasiado elevado prejudica gravemente a longevidade e o
funcionamento do sistema de injecção de combustível.
Para manter um desempenho técnico e ambiental adequado, a viscosidade e a densidade
devem estar conformes às especificações indicadas nos manuais de instruções dos
fabricantes dos motores que equipam os grupos electrogéneos.
Poder lubrificante
(ou capacidade de
lubrificação ou
untuosidade)
Para proteger o sistema de injecção de combustível contra o desgaste excessivo, o
combustível deve imperativamente possuir um poder lubrificante satisfatório (consultar os
manuais dos fabricantes dos motores que equipam os grupos electrogéneos).
Índice de cetano
O comportamento de ignição dos combustíveis Diesel é indicado pelo índice de cetano. O
índice de cetano é importante para as emissões, a capacidade de arranque a frio e os ruídos
do motor. As exigências técnicas são de 45, no mínimo.
Água e
contaminantes
O combustível e o depósito não devem conter água. A água aumenta a corrosão e o desgaste
das peças do motor, particularmente, ao nível do sistema de injecção. Além disso, a água
favorece o desenvolvimento de bactérias e de fungos no depósito, o que pode entupir o filtro
de combustível. O combustível não deve conter nenhum tipo de resíduos. Os contaminantes
orgânicos (bactérias, fungos, etc.) podem bloquear os filtros de combustível; os materiais
inorgânicos no combustível (pó, areia) podem provocar graves danos no equipamento de
injecção.
20 / 118
2.2.1.2.
Especificações dos lubrificantes
Indispensável para o funcionamento correcto do motor. É necessário escolher o óleo em função da sua utilização. Com efeito, além da
função de lubrificação, o óleo deve também:
-
arrefecer certas peças;
proteger as partes metálicas contra a corrosão;
aumentar, nomeadamente, a estanqueidade entre pistões, segmentos e cilindros;
evacuar impurezas (até ao filtro).
É recomendado utilizar um lubrificante topo de gama para motores Diesel. A tabela seguinte indica, por marca de motor, os óleos
recomendados.
Motor
Marca
Tipo
Marca
Tipo
Cummins
Todos
GenPARTS
GENLUB TDX 15W40
John Deere
John Deere PLUS-50
John Deere
Todos
GenPARTS
GENLUB TDX 15W40
MTU
Todos
GenPARTS
GENLUB TDX 15W40
Mitsubishi
Todos
GenPARTS
GENLUB TDX 15W40
Combustível
GenPARTS
GENLUB TDX 15W40
Gás
MOBIL
PEGASUS 705
Volvo
Todos
GenPARTS
GENLUB TDX 15W40
Doosan
Todos
GenPARTS
GENLUB TDX 15W40
Todos
GenPARTS ou Kohler
Perkins
Lombardini
Kohler
21 / 118
GENLUB TDX 15W40 ou Kohler 5W40,
em função do modelo do motor
Viscosidade
A viscosidade é a medida da resistência que um fluido oferece ao seu escoamento. A viscosidade de um óleo de motor é indicada por
2 graus SAE (Society of Automotive Engineers). Um grau a frio e um grau a quente. O grau a frio é indicado à frente da letra W.
O 1º grau indica a viscosidade dinâmica a frio, ou seja, a capacidade para accionar o motor e ferrar a bomba de óleo (e, por
conseguinte, lubrificar rapidamente os vários órgãos). Quanto mais baixo for o número, mais fluido é o óleo.
O 2º grau indica a viscosidade cinemática a quente. Quanto maior for o número, mais espessa será a película de óleo a quente
(favorece a protecção e a estanqueidade). Quanto menor for o número, melhor será a redução de fricção a quente (favorece a
economia de combustível).
Para assegurar uma protecção imediata em cada arranque do motor, a escolha do grau de viscosidade a frio é fundamental. O óleo
mais fluido é mais rápido em termos de tempo de circulação de óleo pelo motor. A sua escolha deve ser feita em função da
temperatura ambiente. Consultar a tabela seguinte.
22 / 118
Características do óleo GENLUB TDX 15W40
Desempenhos
O óleo GENLUB TDX é um óleo mineral multigrau 15W40 que responde às seguintes especificações: ACEA E3 e API CG-4.
ACEA E3: óleo com uma excelente estabilidade da viscosidade, adaptado a intervalos de mudança prolongados e a condições de
utilização rigorosas.
API CG-4: óleo particularmente eficiente para responder às exigências em matéria de emissões.
ACEA = Associação dos Construtores Europeus de Automóveis
API = American Petroleum Institute (Instituto Americano do Petróleo)
Características
Características
Unidades
Grau SAE 15W-40
3
Densidade (massa volúmica) a 15 °C
kg/m
883
2
Viscosidade cinemática a 100 °C
mm /s (cSt)
14
Índice de viscosidade
-
130
Ponto de escoamento
°C
- 27°
Ponto de inflamação
°C
>200
mgKOH/g
9,7
TBN*
Valores tipos dados a título indicativo
* TBN (Índice de Base Total – grau de alcalinidade): permite verificar a reserva de alcalinidade do óleo segundo a norma ASTMD
2896. Este controlo permite apreciar a faculdade do produto em manter-se operacional e verificar a aptidão do lubrificante para
neutralizar a acidez contida no óleo, que se torna corrosiva para os elementos metálicos do órgão lubrificado.
2.2.1.3.
Especificações dos líquidos de refrigeração
O sistema de refrigeração interno do motor permite ao motor funcionar a uma temperatura exacta.
A tabela seguinte indica, por marca de motor, os líquidos de refrigeração recomendados.
Motor
Marca
Tipo
Mitsubishi
Todos
Marca
Tipo
Mitsubishi
LLC
GenPARTS
GENCOOL PC -26
MTU
Todos
GenPARTS
GENCOOL PC -26
John Deere
Todos
GenPARTS
GENCOOL PC -26
Volvo
Todos
GenPARTS
GENCOOL PC -26
Doosan
Todos
GenPARTS
GENCOOL PC -26
23 / 118
Características do líquido de refrigeração GENCOOL PC -26
Desempenhos
O líquido de refrigeração GENCOOL PC -26 é um fluido de refrigeração, pronto a utilizar, de elevada protecção e produzido a partir de
um anticongelante homologado pela maioria dos construtores (anticongelante concentrado Power Cooling).
O produto possui as seguintes características:
-
Anticorrosão reforçada: melhora a eficácia e a longevidade do sistema de refrigeração.
Especial alta temperatura: favorece as trocas térmicas.
Protecção de longa duração: contra o sobreaquecimento e a corrosão em condições de utilização extremas.
Compatível com o líquido de origem (todavia, é recomendado substituir todo o líquido do circuito de refrigeração aquando da
mudança do líquido).
Características
Características
Densidade (massa volúmica) a 20 °C
Unidades
3
Especificações
kg/m
1053 ± 3
pH
pH
7,5 a 8,5
Reserva de alcalinidade
ml
≥ 10
Temperatura de ebulição
°C
105 ± 2
Temperatura de congelação
°C
-26 ± 2
Valores tipos dados a título indicativo
2.3.
Protecção do ambiente
O óleo, o combustível e o líquido de refrigeração são produtos extremamente tóxicos para o ambiente e a saúde humana: nunca os
despeje ou deixe escorrer para o solo (recupere os fluidos para recipientes adequados e leve-os até um ponto de recolha de
resíduos). Quando o grupo electrogéneo deixar de ser utilizado (fim de vida do produto), leve-o até um ponto de recolha de resíduos.
Para evitar o risco de incêndio, delimite uma área suficientemente ampla em redor do grupo electrogéneo (risco de faíscas). Para
reduzir a poluição sonora, evite, sempre que possível, a reverberação dos sons nas paredes ou outras construções (amplificação do
volume).
3. Descrição geral do material
Existem 3 grandes tipos de grupos electrogéneos:
-
-
-
Grupo electrogéneo fixo:

sem tampa de protecção;

com tampa de protecção.
Grupo electrogéneo móvel:

sem reboque;

com reboque.

mastro de iluminação.
Grupo electrogéneo em contentor:

sem reboque;

com reboque.
Nota: Os grupos electrogéneos móveis integram sempre uma protecção (tampa ou contentor).
24 / 118
3.1.
Grupo electrogéneo fixo
3.1.1 Grupo electrogéneo sem tampa de protecção
1
6
5
2
4
3
7
8
12
11
9
10
Figura 7: Descrição geral de um grupo electrogéneo sem tampa de protecção
1
Filtro de ar
5
Motor
9
Chassis
2
Alternador
6
Grelha de protecção das partes
rotativas
10
Placa de identificação
3
Pinos amortecedores
7
Bloco de comando
11
Disjuntor
4
Bateria de arranque
8
Radiador
12
Consola
25 / 118
3.1.2 Grupo electrogéneo com tampa de protecção
1
2
7
6
3
5
4
15
8
9
14
13
10
12
11
Figura 8: Descripção geral de um grupo electrogéneo sem tampa de protecção
1
Anel de elevação
6
Motor
11
Chassis
2
Filtro de ar
7
Grelha de protecção das partes
rotativas
12
Placa de identificação
3
Alternador
8
Escape
13
Disjuntor
4
Pinos amortecedores
9
Radiador
14
Consola
5
Bateria de arranque
10
Tampa de protecção
15
Bloco de comando
26 / 118
3.2.
Grupo electrogéneo móvel
3.2.1 Grupo electrogéneo sem reboque
1
2
14
7
13
5
4
8
9
3
10
6
12
16
15
11
Figura 9: Descrição geral de um grupo electrogéneo sem tampa de protecção
1
Anel de elevação
6
Motor
11
Chassis
2
Filtro de ar
7
Grelha de protecção das partes
rotativas
12
Placa de identificação
3
Alternador
8
Escape
13
Disjuntor
4
Pinos amortecedores
9
Radiador
14
Bloco de comando
5
Bateria de arranque
10
Tampa de protecção
15
Passagens de garfos
16
Barra de tracção
27 / 118
3.2.2 Grupo electrogéneo sobre reboque
Todos os grupos electrogéneos móveis existem na versão sobre reboque.
Figura 10: Exemplo de grupo electrogéneo móvel sobre reboque
3.2.3 Mastro de iluminação
Projectores
Mastro
Grupo electrogéneo
com tampa de
protecção
Reboque
Figura 11: Exemplo de mastro de iluminação
28 / 118
3.3.
Grupo electrogéneo em contentor
1
A denominação "contentor" corresponde a um termo genérico utilizado para uma caixa concebida para o transporte de mercadorias,
suficientemente sólida para uma utilização repetida e com elementos (cantos ISO) que permitem a transferência entre meios de
transportes.
A gama SDMO CONTENENERGY inclui 3 tipos de contentores:
-
ISO 20 e ISO 40.
-
CIR 20.
-
EUR 40.
As designações ISO, CIR e EUR são designações comerciais SDMO.
Estes contentores transformados são provenientes de contentores de grande capacidade (HC: High Cube) normalizados ISO:
-
1AAA: Contentor de 40 pés (12,192 m x 2,438 m x 2,896 m), utilizados para os ISO 40 e EUR 40.
-
1CCC: Contentor de 20 pés (6,058 m x 2,438 m x 2,896 m), utilizados para os ISO 20 e CIR 20.
3.3.1 Contentores ISO 20 e ISO 40
2
Os contentores ISO 20 e ISO 40 de 20 e 40 pés estão conformes às normas da ISO/TC104 e certificados C.S.C. , o que autoriza o
respectivo transporte marítimo.
Silencioso
Consola
AIPR
Absorvedores
de som
Grelha de
entrada de ar
insonorizada
Radiador
Figura 12: Exemplo de contentor ISO 20
Depósito de
combustível
Silencioso
Grelha de
entrada de
ar
insonorizad
a
AIPR
Radiador
Figura 13: Exemplo de contentor ISO 40
1
2
Na "gíria" do transporte internacional, um contentor é muito vezes chamado "caixa".
C.S.C.: Conteneur Safety Convention
29 / 118
Absorvedores
de som
3.3.2 Contentor CIR 20
Os contentores CIR 20 (não certificados C.S.C.) são construídos na base dos contentores ISO 20 (conforme à ISO/TC104 por
encomenda).
Estes contentores de baixo nível sonoro estão bem adaptados às aplicações móveis e de aluguer.
Silencioso
Radiador
Grelha de entrada
de ar insonorizada
Depósito
Figura 14: Exemplo de contentor CIR 20
3.3.3 Contentor EUR 40
Os contentores EUR 40 são realizados exclusivamente com 40 pés (não certificados C.S.C.). Estes contentores destinam-se aos
grupos electrogéneos equipados com motores MTU da série 4000 e existem em 2 versões de insonorização: Silent e Supersilent.
Silencioso
Refrigerador
Grelha de entrada
de ar insonorizada
AIPR
Figura 15: Exemplo de contentor EUR 40
30 / 118
3.3.4 Contentor sobre reboque
Todos os grupos electrogéneos em contentores (20 e 40 pés) existem na versão sobre reboque.
Figura 16: Exemplo de contentor sobre reboque
31 / 118
3.4.
Placas de identificação
3.4.1 Identificação dos grupos electrogéneos
Os grupos electrogéneos e respectivos componentes estão identificados com placas de identificação.
As regras precisas de identificação de cada componente principal (motor, alternador…) estão indicadas nos documentos próprios de
cada fabricante, que se encontram em anexos neste manual.
1.
2.
3.
4.
5.
6.
7.
8.
Grupo electrogéneo
Marca do fabricante
Modelo
Número de série
Ano de fabrico
Potência atribuída (kVA e kW) segundo a
norma ISO 8528-1
PRP: potência principal
ESP: potência de emergência
Factor de potência atribuído
Altitude máxima do local acima do nível do
mar (m) para a potência atribuída
9.
10.
11.
12.
13.
14.
15.
16.
17.
18.
Temperatura ambiente máxima para a
potência atribuída (°C)
Frequência atribuída (Hz)
Velocidade
de
rotação
do
grupo
electrogéneo (RPM)
Tensão atribuída (V)
Intensidade atribuída (A)
Massa (kg)
Marcação CE
Marcação norma fora da CE
(exemplo GOSSTANDART)
Pressão acústica
Potência acústica
Figura 17: Exemplo de placa de identificação do grupo electrogéneo
32 / 118
3.4.2 Localização das placas nos grupos electrogéneos com e sem tampa
A placa de identificação dos grupos electrogéneos com e sem tampas de protecção está colada na parte inferior do chassis.
Placa de identificação
Figura 18: Localização da placa de identificação dos grupos electrogéneos com e sem tampas de protecção
3.4.3 Localização das placas nos grupos electrogéneos em contentor
A placa de identificação dos contentores está colada ao nível da paragem de emergência.
Placa de identificação
Figura 19: Localização da placa de identificação dos grupos electrogéneos em contentor
33 / 118
3.4.4 Identificação dos componentes dos grupos electrogéneos
Figura 20: Exemplos de placas de identificação do motor
Figura 21: Exemplos de placas de identificação do alternador
34 / 118
Figura 22: Exemplo de placa de identificação do quadro eléctrico
4. Instalação
4.1.
Descarregar o material
Para descarregar o material do suporte de transporte, respeitar as seguintes etapas:
1.
Escolher o local de descarga e a localização final (de utilização) do material, em função dos seguintes critérios:
-
proximidade entre o local de descarga e o local de utilização do material;
-
facilidade de acesso ao material aquando das fases de deslocação;
-
facilidade de deslocação entre o local de descarga e o local de utilização do material;
-
capacidade do solo para suportar a carga do material e do dispositivo de manuseamento.
2.
Se o solo não tiver as características adequadas para receber a carga do material e do dispositivo de manuseamento, instalar
vigas com as dimensões suficientes para suportar a carga do conjunto.
3.
Escolher o método, bem como os dispositivos e os materiais de manuseamento adequados em função do tipo de material a
manusear. Verificar se a capacidade de manutenção é suficiente.
4.
Ler atentamente as instruções relacionadas com os métodos de manuseamento no capítulo "Manusear o material" deste
documento.
35 / 118
4.2.
Fazer a manutenção do material
4.2.1 Avisos sobre a manutenção
Apenas os contentores ISO 20 e ISO 40 podem ser empilhados.
É interdito empilhar os outros modelos de grupos electrogéneos.
ATENÇÃO
Alguns grupos electrogéneos estão equipados com patins de transporte, de cor vermelha, que facilitam o
manuseamento e o transporte.
É imperativo desmontar os patins de transporte antes da instalação definitiva dos grupos electrogéneos em
causa.
ATENÇÃO
É interdito levantar um mastro de iluminação através do anel de elevação fixo no grupo electrogéneo. Para
isso, devem ser utilizados os 4 anéis de elevação fixos no reboque.
ATENÇÃO
36 / 118
4.2.2 Deslocar o material através de lingagem
4.2.2.1.
Lingar os grupos electrogéneos sem tampa
Cada anel de elevação do grupo electrogéneo está marcado por um pictograma
ATENÇÃO
1.
Fixar as lingas do dispositivo de elevação nos anéis do grupo electrogéneo previstos para esta operação.
2.
Esticar ligeiramente as lingas, sem levantar o grupo electrogéneo.
3.
Assegurar-se da correcta fixação das lingas e da solidez do equipamento.
4.
Levantar o grupo electrogéneo suavemente e sem esticões.
5.
Orientar e estabilizar o grupo electrogéneo até ao local escolhido.
6.
Pousar suavemente o grupo electrogéneo, até o posicionar.
7.
Aliviar as lingas e, em seguida, soltá-las dos anéis de elevação.
As lingas devem estar perpendiculares ao chassis para que
não haja fricção com o grupo electrogéneo.
ATENÇÃO
Figura 23: Utilização das lingas num grupo electrogéneo sem tampa
37 / 118
4.2.2.2.
Lingar os grupos electrogéneos com tampa
Cada anel ou patilha de elevação do grupo electrogéneo está marcado por um
pictograma.
ATENÇÃO
1.
Fixar as lingas do dispositivo de elevação nos anéis ou patilhas do grupo electrogéneo previstos para esta operação.
2.
Esticar ligeiramente as lingas, sem levantar o grupo electrogéneo.
3.
Assegure-se de que a fixação dos cabos, a robustez do equipamento e o ângulo dos cabos na vertical não é superior a 30°, caso
o grupo electrogéneo esteja equipado com vários pontos de elevação.
4.
Levantar o grupo electrogéneo suavemente e sem esticões.
5.
Orientar e estabilizar o grupo electrogéneo até ao local escolhido.
6.
Pousar suavemente o grupo electrogéneo, até o posicionar.
7.
Aliviar as lingas, em seguida soltá-las e retirá-las dos anéis de elevação.
Os pontos de fixação das lingas variam em função dos modelos de tampa. São possíveis 3 configurações:
Tampa com 1 anel de elevação
Tampa com 2 patilhas de elevação
Tampa com 4 patilhas de elevação
Figura 24: Pontos de fixação das lingas nos grupos electrogéneos com tampa de protecção
38 / 118
4.2.2.3.
Lingar os grupos electrogéneos em contentor
Cada canto ISO do contentor está marcado com um pictograma
ATENÇÃO
1.
Fixar as lingas do dispositivo de elevação nos cantos ISO do contentor.
2.
Esticar ligeiramente as lingas, sem levantar o contentor.
3.
Assegurar-se da correcta fixação das lingas e da solidez do material em manobra.
4.
Levantar o contentor suavemente e sem esticões.
5.
Orientar e estabilizar o contentor até ao local escolhido.
6.
Colocar o contentor, sempre levantado, em função da sua posição definitiva.
7.
Pousar o contentor suavemente e sem esticões, até o posicionar.
8.
Uma vez o contentor no chão e bem posicionado, aliviar as lingas, verificar a boa estabilidade do contentor e corrigi-la, se
necessário.
9.
Soltar as lingas e retirá-las dos anéis de elevação.
39 / 118
Exemplo de fixação por um
gancho vulgar aplicado no
canto ISO
Exemplo de fixação por um
gancho de segurança
aplicado no canto ISO
Exemplo de fixação por
manilha aplicada no canto
ISO
Exemplo de fixação por fecho
com engate manual no canto
ISO
Figura 25: Exemplos de dispositivos de manuseamento
Exemplo de elevação de contentor por estrutura equipada com
ganchos, manilhas ou fechos engatados à mão.
Exemplo de contentor levantado pelos quatro cantos ISO
inferiores
Figura 26: Exemplos de métodos de elevação de contentores
Figura 27: Exemplos de métodos de elevação interditos
40 / 118
4.2.3 Deslocar o material através de empilhador
4.2.3.1.
Fazer a manutenção dos grupos electrogéneos com e sem tampa
Cada zona de passagem de garfo do grupo electrogéneo está identificada por um pictograma
ATENÇÃO
Utilizar um empilhador cujos braços sejam mais longos que a largura do chassis.
ATENÇÃO
1.
Posicionar os braços do empilhador sob o chassis (excepto para os grupos electrogéneos equipados com «passagem de
garfo»; neste caso, posicionar os braços do empilhador nestas aberturas), assegurando-se de que apenas as suas travessas
assentam nos braços.
2.
Levantar e manusear o material cuidadosamente.
3.
Colocar o grupo electrogéneo no respectivo local de descarga.
Figura 28: Exemplos de manuseamento com empilhadores
4.2.3.2.
Fazer a manutenção dos grupos electrogéneos em contentor
É interdito manusear os contentores num empilhador
ATENÇÃO
41 / 118
4.2.4 Deslocar o material através de guincho móvel
Num local equipado com carris e um guincho móvel adaptados, proceder da mesma forma descrita no parágrafo "Deslocar o material
através de lingagem".
Figura 29: Manuseamento de um grupo electrogéneo com o auxílio de um guincho móvel
4.2.5 Deslocar o material através de rolos
Apenas os grupos electrogéneos que não possuam patins integrados no chassis poderão ser deslocados
com o auxílio de rolos.
ATENÇÃO
A superfície de apoio do chassis sobre os rolos não deve apresentar deformações.
1.
Elevar ligeiramente a extremidade do lado do motor com o auxílio de 2 hidráulicos e fazer deslizar 3 rolos sob o chassis.
2.
Pousar o chassis sobre os tubos e deslocar o grupo electrogéneo, empurrando manualmente.
3.
À medida que o grupo electrogéneo se desloca, utilizar os tubos soltos colocando-os um após o outro sob o chassis.
4.
Ao chegar à sua localização final, posicionar o grupo electrogéneo e elevá-lo com o auxílio dos hidráulicos estabilizando-o.
5.
Retirar os tubos e baixar o grupo electrogéneo, assegurando o correcto posicionamento; de seguida, retirar os hidráulicos.
Figura 30: Manuseamento de um grupo electrogéneo com o auxílio de rolos
42 / 118
4.3.
Transportar o material
4.3.1 Avisos sobre o transporte
Apenas os contentores ISO 20 e ISO 40 podem ser empilhados.
É interdito empilhar os outros modelos de grupos electrogéneos.
ATENÇÃO
É interdito colocar em funcionamento os grupos electrogéneos durante o seu transporte.
ATENÇÃO
4.3.2 Preparar o transporte
Antes de qualquer fase de transporte, respeitar as seguintes etapas:
1.
Fechar a torneira na saída do reservatório de reposição de óleo.
2.
Efectuar o atesto de óleo no reservatório de reposição de óleo.
3.
Efectuar o atesto de óleo no cárter do motor.
4.
Efectuar o atesto de combustível no depósito integrado.
5.
Verificar se as baterias estão montadas e carregadas com electrólito.
4.3.3 Transporte rodoviário
4.3.3.1.
Grupos electrogéneos com e sem tampa
O transporte rodoviário dos grupos electrogéneos deve ser efectuado de acordo com as regulamentações dos respectivos países.
Para o transporte rodoviário dos grupos electrogéneos, devem ser respeitadas as seguintes etapas:
1.
Colocar uma capa de plástico sobre os grupos electrogéneos sem tampa, aquando do transporte.
2.
Seleccionar o material de transporte (reboque, semi-reboque...) adequado a esta utilização e apresentar todas as garantias
tanto ao nível da capacidade de suporte da carga, como dos dispositivos de fixação.
3.
Colocar calços e fixar os grupos electrogéneos ao pavimento do material de transporte.
4.
Prender os grupos electrogéneos ao respectivo material de transporte.
5.
Escolher o itinerário de transporte que permita utilizar estradas transitáveis e em bom estado para não danificar os grupos
electrogéneos transportados.
4.3.3.2.
Grupos electrogéneos em contentor
O transporte rodoviário dos contentores deve ser efectuado de acordo com as regulamentações dos respectivos países.
Para o transporte rodoviário dos grupos electrogéneos em contentores, devem ser respeitadas as seguintes etapas:
1.
Seleccionar o material de transporte (reboque, semi-reboque, porta-contentores...) adequado a esta utilização e apresentar
todas as garantias tanto ao nível da capacidade de suporte da carga, como dos dispositivos de fixação.
2.
Tapar obrigatoriamente os orifícios (entradas e saídas de ar, escape…) aquando do transporte.
3.
Escolher o itinerário de transporte que permita utilizar estradas transitáveis e em bom estado para não danificar o contentor e
o respectivo conteúdo.
43 / 118
4.3.3.3.
Grupos electrogéneos sobre reboques
Engatar e desengatar o reboque
Reboque do tipo "rodoviário"
Antes de atrelar o reboque, proceder à verificação do gancho de atrelagem do veículo tractor; este deve estar perfeitamente adaptado
ao reboque.
Tentar puxar um reboque com um dispositivo não-conforme (barra, cabos, corda, etc.) expõe ao risco de
graves acidentes.
Verificar também:
ATENÇÃO
-
A ausência de vestígios de ruptura ou de desgaste importante no sistema de atrelagem.
-
O funcionamento correcto do sistema de travamento.
Acoplamento de um reboque equipado com um anel de atrelagem
1.
Conduzir o veículo tractor ou aproximar o reboque (após ter libertado o travão de estacionamento, se existir) até ao ponto de
ligação.
2.
Colocar o reboque em posição horizontal com o auxílio da roda de guiamento (roda jockey).
3.
Colocar o anel de atrelagem sobre o gancho do veículo tractor e baixar a lança regulável (se existir) ou baixar a parte dianteira
do reboque para engatar o anel no gancho; o reboque deve permanecer em posição horizontal uma vez terminada esta
regulação. Ajustar eventualmente a altura, com a roda jockey, para permitir o engate.
4.
De seguida, elevar a roda jockey até que levante ligeiramente do chão e não transporte qualquer carga.
5.
Fixar o cabo de desengate ao ponto de ligação situado sobre a placa de atrelagem (ver Figura 31: Cabo de desengate) e ligar
a ficha do cabo eléctrico que comanda a iluminação dos faróis, dos pisca-piscas, etc. na tomada do veículo tractor.
6.
Voltar a montar completamente a roda jockey e imobilizá-la na posição, assegurando que não impede o movimento da haste
do travão nem do cabo de desengate.
7.
Assegurar que o travão de estacionamento (se existir) está completamente desengatado, baixando a pega até ao fundo. Se
necessário, retirar os calços da roda e arrumá-los.
Se o anel de atrelagem não estiver correctamente ligado ao gancho de atrelagem, o reboque separar-se-á
do veículo tractor. O cabo de desengate acciona o travão de estacionamento (que é efectivamente um
travão de emergência), caso o reboque se solte do veículo tractor. Para que este dispositivo de travagem
desempenhe plenamente a sua função, é imperativo respeitar as seguintes instruções:
ATENÇÃO
-
O cabo de desengate NÃO DEVE ser enrolado à volta do rodízio guia, pois impediria o
funcionamento do travão de emergência.
-
O cabo de desengate DEVE permanecer o mais direito possível, sem qualquer obstrução.
-
O cabo de desengate deve ter um comprimento suficiente para possibilitar as viragens e não deve
ser esticado nem travado durante a sua utilização, porque isso implicaria o accionamento do travão
de estacionamento durante a tracção do veículo.
Figura 31: Cabo de desengate
44 / 118
Acoplamento de um reboque equipado com uma cabeça de ligação
1.
Conduzir o veículo tractor ou aproximar o reboque (após ter libertado o travão de estacionamento, se existir) até ao ponto de
ligação.
2.
Abrir a cabeça de ligação. Para isso, puxar a pega de ligação (ver Figura 32: Exemplo de cabeça de ligação) no sentido da
seta.
O mecanismo de ligação pode permanecer aberto desde que a cabeça de ligação não assente sobre a rótula de atrelagem.
3.
Colocar o reboque em posição horizontal com o auxílio do rodízio guia (roda jockey) e a cabeça de ligação aberta sobre a
rótula de atrelagem, baixando a lança regulável, se existir, ou a parte dianteira do reboque. O reboque deve permanecer em
posição horizontal, após a conclusão desta regulação.
Se necessário, ajustar a altura com a roda jockey. A cabeça de ligação adapta-se automaticamente, fazendo um clique
perfeitamente audível; de seguida, baixar a pega de ligação. O mecanismo de ligação fica, então, engatado e a pega de
ligação não pode ser colocada numa posição mais baixa (quando é manobrada manualmente).
4.
De seguida, elevar a roda jockey até que levante ligeiramente do chão e não transporte qualquer carga.
5.
Fixar o cabo de desengate ao ponto de ligação situado sobre a placa de atrelagem (ver Figura 31: Cabo de desengate) e ligar
a ficha do cabo eléctrico que comanda a iluminação dos faróis, dos pisca-piscas, etc. na tomada do veículo tractor.
6.
Voltar a montar completamente a roda jockey e imobilizá-la na posição, assegurando que não impede o movimento da haste
do travão nem do cabo de desengate.
7.
Assegurar que o travão de estacionamento (se existir) está completamente desengatado, baixando a pega até ao fundo. Se
necessário, retirar os calços da roda e arrumá-los.
Se a cabeça de ligação não estiver correctamente ligada à rótula de atrelagem, o reboque separar-se-á do
veículo tractor. O cabo de desengate acciona o travão de estacionamento (que é efectivamente um travão
de emergência), caso o reboque se solte do veículo tractor. Para que este dispositivo de travagem
desempenhe plenamente a sua função, é imperativo respeitar as seguintes instruções:
ATENÇÃO
-
O cabo de desengate NÃO DEVE ser enrolado à volta do rodízio guia, pois impediria o
funcionamento do travão de emergência.
-
O cabo de desengate DEVE permanecer o mais direito possível, sem qualquer obstrução.
-
O cabo de desengate deve ter um comprimento suficiente para possibilitar as viragens e não deve
ser esticado nem travado durante a sua utilização, porque isso implicaria o accionamento do travão
de estacionamento durante a tracção do veículo.
Figura 32: Exemplo de cabeça de ligação
45 / 118
Desacoplamento de um reboque equipado com um anel de atrelagem
1.
Imobilizar o reboque colocando calços sob as rodas e após ter accionado o travão de estacionamento (se existir).
2.
Desengatar o anel de atrelagem com o auxílio da roda jockey. O mecanismo de retracção da roda jockey (se existir) deverá
bloquear-se automaticamente, antes que a roda toque no chão. Quando tiver a certeza de que o mecanismo está travado e a
roda jockey está a suportar a carga, pode desengatar o reboque do veículo.
3.
Desligar a ficha do cabo eléctrico que comanda a iluminação dos faróis, dos pisca-piscas, etc. da tomada do veículo tractor.
4.
Retirar o cabo de desengate da placa de atrelagem.
Desacoplamento de um reboque equipado com uma cabeça de ligação
1.
Imobilizar o reboque colocando calços sob as rodas e após ter accionado o travão de estacionamento (se existir).
2.
Abrir a pega de ligação e levantar a cabeça de ligação, com o auxílio da roda jockey, para desengatá-la da rótula de
atrelagem. O mecanismo de retracção da roda jockey (se existir) deverá bloquear-se automaticamente, antes que a roda
jockey toque no chão. Quando tiver a certeza de que o mecanismo está travado e a roda está a suportar a carga, pode
desengatar o reboque do veículo.
3.
Desligar a ficha do cabo eléctrico que comanda a iluminação dos faróis, dos pisca-piscas, etc. da tomada do veículo tractor.
4.
Retirar o cabo de desengate da placa de atrelagem.
Indicador de desgaste (em alguns modelos)
A cabeça de ligação possui um indicador de desgaste (ver Figura 33: Indicador de desgaste) que permite determinar se o limite de
desgaste da rótula de atrelagem do veículo tractor ou do acoplamento do veículo tractor foi atingido.
Para utilizar este indicador, engatar o reboque e deslocar o veículo tractor cerca de 500 m, de forma a que a cabeça de ligação se
encaixe. De seguida, controlar o desgaste da seguinte forma.
verde
vermelho
Figura 33: Indicador de desgaste
46 / 118
Se a secção verde do indicador estiver visível no acoplamento (com o acoplamento concluído), significa que a cabeça de ligação está
em bom estado ou ainda que o desgaste da rótula de atrelagem é inferior ao limite prescrito.
Se a secção verde do indicador estiver completamente oculta e apenas a secção vermelha for visível, é possível deduzir que a rótula
de atrelagem atingiu o limite de desgaste (diâmetro < 49,61 mm), ou que a cabeça de ligação e a rótula de atrelagem apresentam
sinais de desgaste, ou que a rótula de atrelagem está em bom estado (diâmetro de 50 mm) mas que a cabeça de ligação está gasta.
Neste caso, a cabeça de ligação pode ser libertada da rótula de atrelagem e o reboque desengatado do
veículo tractor. A cabeça de ligação e a rótula de atrelagem devem, por conseguinte, ser verificadas
antes de cada nova utilização. Todas as peças com defeito devem ser imperativamente substituídas.
ATENÇÃO
Reboque do tipo "estaleiro"
Antes de atrelar o reboque, proceder à verificação do sistema de atrelagem do veículo tractor; este deve estar perfeitamente adaptado
ao reboque.
Tentar puxar um reboque com um dispositivo não-conforme (barra, cabos, corda, etc.) expõe ao risco de
graves acidentes.
Verificar também:
ATENÇÃO
-
A ausência de vestígios de ruptura ou de desgaste importante no sistema de atrelagem.
-
O funcionamento correcto do sistema de travamento.
Acoplamento de um reboque equipado com um anel de atrelagem
1.
Conduzir o veículo tractor ou aproximar o reboque até ao ponto de ligação.
2.
Colocar o reboque em posição horizontal com o auxílio do rodízio guia (roda jockey).
3.
Colocar o anel de atrelagem sobre o gancho do veículo tractor e baixar o reboque para engatar o anel no gancho. Ajustar
eventualmente a altura, com a roda jockey, para permitir o engate.
4.
De seguida, elevar a roda jockey até que levante ligeiramente do chão e não transporte qualquer carga.
5.
Voltar a montar completamente o rodízio guia e imobilizá-lo na posição.
Se o anel de atrelagem não estiver correctamente ligado ao gancho de atrelagem, o reboque separar-se-á
do veículo tractor.
ATENÇÃO
47 / 118
Acoplamento de um reboque equipado com uma cabeça de ligação
1.
Conduzir o veículo tractor ou aproximar o reboque até ao ponto de ligação.
2.
Abrir a cabeça de ligação. Para isso, puxar a pega de ligação (ver figura 32) no sentido da seta.
O mecanismo de ligação pode permanecer aberto desde que a cabeça de ligação não assente sobre a rótula de atrelagem.
3.
Colocar o reboque em posição horizontal com o auxílio do rodízio guia (roda jockey) e a cabeça de ligação aberta sobre a
rótula de atrelagem; o reboque deve permanecer em posição horizontal.
Se necessário, ajustar a altura com a roda jockey. A cabeça de ligação adapta-se automaticamente, fazendo um clique
perfeitamente audível; de seguida, baixar a pega de ligação. O mecanismo de ligação fica, então, engatado e a pega de
ligação não pode ser colocada numa posição mais baixa (quando é manobrada manualmente).
4.
De seguida, elevar a roda jockey até que levante ligeiramente do chão e não transporte qualquer carga.
5.
Voltar a montar completamente a roda jockey e imobilizá-la na posição.
Se a cabeça de ligação não estiver correctamente ligada à rótula de atrelagem, o reboque separar-se-á do
veículo tractor.
ATENÇÃO
Desacoplamento de um reboque equipado com um anel de atrelagem
1.
Imobilizar o reboque colocando calços sob as rodas.
2.
Desengatar o anel de atrelagem, baixando a roda jockey. Quando tiver a certeza de que a roda está a suportar a carga, pode
desengatar o reboque do veículo.
Desacoplamento de um reboque equipado com uma cabeça de ligação
1.
Imobilizar o reboque colocando calços sob as rodas.
2.
Abrir a pega de ligação e levantar a cabeça de ligação, baixando a roda jockey, para desengatá-la da rótula de atrelagem.
Quando tiver a certeza de que a roda está a suportar a carga, pode desengatar o reboque do veículo.
Controlo antes de rebocagem
Antes de efectuar uma rebocagem, devem ser realizadas as seguintes verificações:
-
Aperto dos parafusos da tampa do grupo electrogéneo.
-
Aperto das rodas.
-
Travamento do gancho de atrelagem.
-
Pressão dos pneus.
-
Funcionamento da sinalização luminosa para reboques do tipo "rodoviário".
-
Fecho das tampas.
-
Travão de estacionamento desengatado para reboques do tipo "rodoviário".
-
Rodízios guia (roda jockey) e descansos levantados (se existir).
-
Aperto e travamento das alavancas de bloqueio dos braços da lança (se existir uma lança regulável).
-
Teste de travagem para reboques do tipo "rodoviário".
-
Instalação do cabo de segurança dos travões para reboques do tipo "rodoviário".
48 / 118
Funcionamento
Reboque do tipo "estaleiro"
Estes reboques não estão equipados com travão principal e, portanto, não podem ser travados em movimento; os pneus foram
previstos para uma velocidade máxima de 27 km/h. Por esta razão, é totalmente interdito ultrapassar esta velocidade.
Estes reboques também não estão equipados com sinalização luminosa. A utilização em estrada é interdita.
Reboque do tipo "rodoviário"
A velocidade de circulação deve ser adaptada ao estado da estrada e ao comportamento do reboque.
A circulação a uma velocidade constante provoca o aquecimento dos pneus; por esta razão, é importante fazer paragens de vez em
quando e controlar os pneus. Um sobreaquecimento pode provocar o rebentamento do pneu e, consequentemente, um acidente
grave. Ao executar manobras em marcha-atrás, não esquecer de bloquear o travão de inércia.
Será prestada especial atenção ao aperto das rodas dos veículos novos.
De facto, durante os primeiros quilómetros, o aquecimento dos cubos e dos tambores dos travões
provocarão uma redução do aperto das rodas. Por esta razão, é imperativo controlar os apertos a cada 10
quilómetros, até que mais nenhum desaperto seja constatado.
ATENÇÃO
O controlo do aperto deverá ser efectuado antes de cada rebocagem.
Iluminação/sinalização (apenas para os reboques "rodoviários")
Os avisos luminosos são obrigatórios para a condução em estrada. A sinalização deve estar conforme às regulamentações em vigor
no país de utilização.
Dispositivos reflectores dianteiros (de cor branca)
Luzes traseiras vermelhas + pisca-piscas
+ luzes de stop
Dispositivos
reflectores
traseiros (triângulo vermelho)
Dispositivos reflectores laterais (de cor laranja)
Figura 34: Exemplo de sinalização francesa
49 / 118
4.3.4 Transporte ferroviário
4.3.4.1.
Grupos electrogéneos com e sem tampa
O transporte ferroviário dos grupos electrogéneos deve ser efectuado de acordo com as regras específicas deste tipo de transporte.
Para o transporte ferroviário dos grupos electrogéneos, devem ser respeitadas as seguintes etapas:
1.
Colocar uma capa de plástico sobre os grupos electrogéneos sem tampa, aquando do transporte.
2.
Seleccionar o material de transporte adequado a esta utilização e apresentar todas as garantias tanto ao nível da capacidade
de suporte da carga, como dos dispositivos de fixação.
4.3.4.2.
Grupos electrogéneos em contentor
O transporte ferroviário dos contentores deve ser efectuado de acordo com as regras específicas deste tipo de transporte.
Os contentores devem possuir as autorizações indispensáveis para o transporte ferroviário.
Para o transporte rodoviário dos grupos electrogéneos em contentores, devem ser respeitadas as seguintes etapas:
1.
Seleccionar o material de transporte adequado a esta utilização e apresentar todas as garantias tanto ao nível da capacidade
de suporte da carga, como dos dispositivos de fixação.
2.
Tapar obrigatoriamente os orifícios (entradas e saídas de ar, escape…) aquando do transporte.
4.3.5 Transporte marítimo
4.3.5.1.
Grupos electrogéneos com e sem tampa
O transporte deve ser efectuado de acordo com as regras do transporte marítimo. Os grupos electrogéneos devem ser transportados
num contentor marítimo.
Para o transporte marítimo dos grupos electrogéneos, devem ser respeitadas as seguintes etapas:
1.
Seleccionar o material de transporte adequado a esta utilização e apresentar todas as garantias tanto ao nível da capacidade
de suporte da carga, como dos dispositivos de fixação.
2.
Em caso de contentor partilhado, prever uma embalagem em caixa de tipo SEI.
4.3.5.2.
Grupos electrogéneos em contentor
Tapar obrigatoriamente os orifícios (entradas e saídas de ar, escape…).
Embalar obrigatoriamente os armários eléctricos numa caixa SEI 4 C (caixa revestida com película impermeável).
Contentor de tipo "ISO"
Os contentores ISO 20’ e 40’ são "caixas" ISO de base sobre as quais se realizam modificações (portas, grelha de aspiração, saída de
escape).
Estes contentores, apesar das suas modificações, receberam uma homologação C.S.C. que autoriza o seu transporte marítimo.
Os contentores com certificação C.S.C. podem ser empilhados num navio porta-contentores de estrutura celular e são levantados pelo
topo. Na sua maioria, estes contentores são "contentores ISO", que cumprem as normas definidas pela organização internacional de
normalização ISO.
50 / 118
Contentor de tipo "CIR" e "EURO"
As modificações realizadas nestes contentores de base "caixa" ISO (portas, aberturas para refrigeração, escape, etc.) não lhes
permitem obter a certificação C.S.C. e, por conseguinte, impedem o seu transporte marítimo. Um transporte específico é, então,
preconizado (porta-contentores "flat").
Transportar imperativamente os contentores CIR 20 e EUR 20 no porão.
ATENÇÃO
4.3.6 Transporte aéreo
O transporte aéreo dos contentores deve ser efectuado de acordo com as regras específicas deste tipo de transporte.
A ONU classificou os grupos electrogéneos como "mercadoria perigosa" sob o código UN 3166 - classe 9 - "Engine, internal
combustion (flammable liquid powered)".
Todas as expedições de grupos electrogéneos por avião devem ser objecto de uma declaração prévia junto da companhia aérea,
segundo o formulário MOD3909.
Para o transporte aéreo, devem ser respeitadas as seguintes etapas:
1.
Seleccionar o material de transporte adequado a esta utilização e apresentar todas as garantias tanto ao nível da capacidade
de suporte da carga, como dos dispositivos de fixação.
2.
Embalar obrigatoriamente os armários eléctricos numa caixa SEI 4 C (caixa revestida com película impermeável).
51 / 118
4.4.
Instalar um grupo electrogéneo num local
O conteúdo deste capítulo apenas inclui recomendações gerais.
É recomendado recorrer aos serviços de um profissional para assegurar uma instalação e uma colocação em
funcionamento correctas.
ATENÇÃO
A responsabilidade da empresa não pode ser posta em causa em caso de avaria relacionada com as condições
de instalação.
4.4.1 Introdução
Nota: O desrespeito pelos princípios fundamentais expõe o conjunto da instalação a degradações e desgastes anormais. O
procedimento descrito classifica os principais imperativos de instalação de um grupo electrogéneo "clássico" composto por um motor
térmico, um gerador e um quadro eléctrico. Este imperativos devem ser considerados como sendo princípios gerais. Para todas as
aplicações particulares e em caso de dúvida, os nossos serviços técnicos encontram-se ao seu dispor para o aconselhar e estudar
especificamente as suas condições de instalação. As regulamentações, disposições e leis em vigor nos locais de instalação deverão,
além disso, ser respeitados.
PORTA CORTA-FOGO
SAÍDAS DE AR
EVACUAÇÃO DOS GASES DE ESCAPE PARA O
EXTERIOR DO LOCAL
ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL
ENTRADA DE AR
CABOS ELÉCTRICOS
TUBOS DE
COMBUSTÍVEL
FIXAÇÃO
DO
GRUPO À LAJE
BORNE DE LIGAÇÃO
À TERRA
Figura35: Exemplo de local para grupo electrogéneo
52 / 118
4.4.2 Determinar o local de instalação
O local de implantação do grupo electrogéneo será determinado em função da aplicação. Não existem regras bem precisas para
determinar a escolha do local, mas os seguintes elementos são determinantes:
-
proximidade do quadro de distribuição eléctrica;
-
perturbações provocadas pelo ruído;
-
alimentação de combustível;
-
evacuação dos gases queimados.
A escolha da sua localização assentará assim num compromisso assumido de forma consciente!
Terreno demasiado acidentado ou
instável.
Escape e ventilação incorrectos
Acesso subdimensionado
Assentamento do grupo electrogéneo
deficiente
Abastecimento de combustível impossível
Abertura das portas da tampa impossível
Figura36: Exemplos de problemas que podem surgir
53 / 118
4.4.3 Escolher o tipo de local
Podem surgir dois casos:
O nível sonoro não é primordial.
Prever um abrigo simples, que proteja
das intempéries (chuva, neve, trovoada,
etc.).
O nível sonoro baixo é um critério
importante (ex.: grupo de emergência
ou zona sensível ao ruído).
Prever um local realizado em betão
batido ou blocos de cimento maciço com
uma espessura mínima de 20 cm,
revestido com materiais absorventes,
dispositivos corta-fogo e isolantes.
A resistência ao fogo deve estar em conformidade com a legislação em vigor consoante o tipo de edifício.
ATENÇÃO
4.4.4 Determinar as dimensões e a organização do local
As dimensões e a adaptação do local são determinadas em função de dois tipos de imperativos:
-
Imperativos estáticos
São as dimensões do material instalado e dos respectivos periféricos, a saber: depósito de combustível diário, armário eléctrico,
silencioso, baterias, etc.
-
Imperativos dinâmicos
São as dimensões a respeitar à volta de cada material para
permitir a manutenção e as eventuais desmontagens.
Prever, no mínimo, um espaço de aproximadamente 1
metro em volta do grupo electrogéneo, indispensável para
efectuar a manutenção sem obstáculos. É necessário
verificar que as portas dos grupos electrogéneos com
tampa podem abrir-se totalmente, que é possível aceder
aos dispositivos para efectuar a manutenção e proceder a
uma desmontagem integral do grupo electrogéneo.
Figura37: Exemplo das dimensões de um local
para grupo electrogéneo com tampa
54 / 118
4.4.5 Prever o suporte do grupo electrogéneo
Um grupo electrogéneo em funcionamento implica uma certa quantidade de energia vibratória. Esta energia vibratória é transmitida à
laje por intermédio do chassis. Montados sobre suportes elásticos, os nossos grupos electrogéneos não precisam de suporte
específico. No entanto, a laje sobre a qual assentam os nossos grupos electrogéneos deve:
-
ser suficientemente resistente;
-
ser independente do resto da construção;
-
estar nivelada;
-
ser alisada para permitir o escoamento;
-
sem suporte tipo cunha.
Em caso de risco de transmissão de vibração, o grupo electrogéneo poderá ser instalado numa laje não solidária, eventualmente
isolada por um material estanque. Esta solução é principalmente utilizada no caso de grupos electrogéneos com potência importante.
4.4.6 Abrir o local para o acesso e a ventilação
Acesso
Prever uma porta de acesso que permita a passagem do grupo electrogéneo e dos respectivos acessórios, de preferência no eixo da
laje do grupo electrogéneo.
Ventilação
-
Prever aberturas para entrada de ar fresco e saídas de ar quente adaptadas às condições de utilização e ao sistema de
refrigeração.
-
Definir aberturas amplamente dimensionadas e em função dos seguintes elementos:

potência do grupo electrogéneo;

condições atmosféricas;

sistema de refrigeração;

processo de insonorização (se necessário).
-
Garantir a circulação do ar no seguinte sentido: Alternador  Motor  Radiador.
-
Prever a entrada e a saída de ar tão directa quanto possível.
-
Ligar o sistema de refrigeração a uma bainha ou à tampa de saída de forma estanque para evitar qualquer reciclagem de ar
quente.
-
Assegurar-se de que as aberturas de entrada e de saída de ar não ficam próximas uma da outra.
Evacuar os vapores do cárter do motor, de preferência, para o exterior do local do grupo electrogéneo, para
evitar a formação de um depósito no radiador, provocando a sua sujidade e a diminuição da sua capacidade
de arrefecimento.
ATENÇÃO
Assegurar a recuperação dos vapores de cárter do motor para preservar o ambiente.
Nota: Um motor térmico produz uma certa quantidade de calor, que deve ser evacuada para o exterior do local, de modo a assegurar
o funcionamento correcto do grupo electrogéneo. Estas calorias libertadas pelo grupo electrogéneo são de várias origens:
-
refrigeração dos cilindros;
-
radiação do bloco do motor e do tubo de escape;
-
refrigeração do alternador.
Uma ventilação insuficiente poderá causar um aumento da temperatura ambiente que provocará, no mínimo, uma perda de potência
do motor, que pode ir até à paragem do grupo electrogéneo.
55 / 118
4.4.7 Prever um sistema de elevação
O sistema de elevação deve, normalmente, fazer parte integrante da construção. O sistema é constituído por um guincho móvel, que
se desloca sobre carris de aço em H ou I selado nas paredes e no tecto. Este sistema é geralmente colocado na parte superior e no
eixo longitudinal do grupo electrogéneo, orientado para a saída.
Figura38: Exemplo de sistema de elevação
4.4.8 Insonorizar o local
4.4.8.1.
Memorando da regulamentação aplicável: Acústica
A regulamentação sobre as emissões sonoras é específica a cada país. Consultar as regras em vigor no país em causa.
Exemplo da regulamentção em vigor em França:
3
Portaria de 25/07/97, rubrica 2910 - 8.1
-
3
As emissões sonoras emitidas pela instalação não devem estar na origem, nas zonas de emergência regulamentada, de uma
emergência superior aos valores admissíveis indicados na tabela seguinte:
Nível de ruído ambiente existente nas
zonas de emergência regulamentadas
(incluindo o ruído do estabelecimento)
Emergência admissível para o período
entre as 7 h e as 22 h, excepto
domingos e dias feriados
Emergência admissível para o período
entre as 22 h e as 7 h, bem como
domingos e dias feriados
Superior a 35 dB(A) e inferior ou igual a
45 dB(A)
6 dB (A)
4 dB (A)
Superior a 45 dB(A)
5 dB (A)
3 dB (A)
Portaria de 25/07/97 relativa às prescrições gerais aplicáveis às instalações classificadas para a protecção do ambiente
submetidas à declaração na rubrica n°2910 Combustão.
56 / 118
4.4.8.2.
Descrição da instalação
A insonorização do local será realizada de acordo com dois processos:
-
Isolamento
Este processo consiste em impedir o ruído de atravessar as paredes, utilizando a massa, nomeadamente a espessura da parede.
-
Absorção
Este processo consiste em utilizar materiais que absorvem a energia sonora e, portanto, será utilizado nas aberturas de ventilação.
Este processo implicará um aumento das secções de entrada e de saída de ar.
As paredes interiores do local também poderão ser revestidas com um material absorvente, cujo objectivo será diminuir o nível sonoro
na sala e, por conseguinte, através das paredes, das aberturas de ventilação e da porta.
Disposições gerais:
 estrutura do edifício em betão batido ou blocos de cimento maciços, com uma espessura mínima de 20 cm;
 laje antivibratória sob o grupo electrogéneo, quando este é adjacente em locais sensíveis;
 revestimento das paredes e do tecto eventualmente com materiais absorventes;
 escolha adequada do ou dos silenciosos de escape;
 porta insonorizada de acesso ao local e, eventualmente, uma câmara de descompressão, para obter um nível sonoro
muito baixo;
 absorvedores de som montados nas bainhas de entrada e de saída de ar.
Absorvedores de som
Silencioso
Absorvedores de som
Portas insonorizadas
Figura39: Exemplo de instalação
57 / 118
4.4.9 Prever a gestão do combustível
4.4.9.1.
Memorando da regulamentação aplicável
Combustível
A regulamentação sobre o combustível é específica a cada país. Consultar as regras em vigor no país de utilização.
Exemplo da regulamentção em vigor em França:
4
Portaria de 10/08/98 .
5
Portaria de 19/11/01 – Artigo EL7 .
-
4
5
Depósito diário de combustível:

A capacidade máxima do Depósito Diário (DD) no local do grupo electrogéneo é de 500 L, no caso de um
Estabelecimento que Recebe Público (ERP).

Colocar o DD num local separado, se o respectivo volume for superior a 500 L.
-
Prever um recipiente de retenção com uma capacidade superior à capacidade do DD.
-
Tubos de combustível:

Se os tubos estiverem sob pressão e enterrados: superfície dupla.

Prever uma válvula tipo bombeiro entre o reservatório principal e o DD.

Prever uma válvula tipo bombeiro entre o DD e o motor.

Interdição de utilizar tubos flexíveis nos ERP.
Portaria de 10 de Agosto de 1998 que modifica a portaria de 25 de Julho de 1997 relativa às prescrições gerais aplicáveis às
instalações classificadas para a protecção do ambiente submetidas à declaração na rubrica n°2910 (Combustão).
Portaria de 19 de Novembro de 2001 que aprova disposições que completam e modificam a regulamentação de segurança contra
os riscos de incêndio e de pânico nos estabelecimentos que recebem público. Artigo EL 7 sobre a implantação dos grupos
electrogéneos.
58 / 118
Instalação de um depósito para combustível enterrado
A regulamentação sobre a implantação de um reservatório de combustível enterrado é específico a cada país. Consultar as regras em
vigor no país em causa.
Exemplo de implantação de um reservatório de combustível enterrado consoante a regulamentação em vigor em França:
6
Portaria de 22/06/1998 artigos 9 e 11.
RESPIRADOR 4 m de altura
MÍN. a 3 m fogo nu-abertura
10 metros
SAÍDA DE
EMERGÊNCIA
PROPRIEDADE
PROPRIEDADE
RESERVATÓRIO DE
ARMAZENAMENTO
DE COMBUSTÍVEL
OU GASES
ENTERRADO
TRASFEGA
VIA PÚBLICA
Figura40: Exemplo de implantação de um reservatório de combustível em França
6
Portaria de 22/06/1998 relativa aos reservatórios enterrados de líquidos inflamáveis e dos respectivos equipamentos anexos.
59 / 118
4.4.9.2.
Descrição da instalação
Dado que o fuelóleo está classificado como "produto perigoso", é necessário respeitar algumas regras de armazenamento, bem como
consultar as leis em vigor no momento da instalação.
Não utilizar recipientes galvanizados nem recipientes com revestimento de latão para armazenar
combustível.
ATENÇÃO
Depósito de enchimento manual
Esta solução é válida para um grupo electrogéneo de arranque manual e sob vigilância visual.
Muitas vezes integrado no chassis, este depósito integra:
-
um indicador de nível mecânico;
-
um bocal de enchimento;
-
um orifício de esvaziamento.
Depósito de enchimento automático situado no local
Este tipo de instalação está sujeito a regulamentações.
Solução válida para os grupos electrogéneos de arranque automático. O enchimento do depósito efectua-se automaticamente através
de bomba eléctrica que faz a extracção directamente a partir de uma cisterna de armazenamento principal.
Um tubo de descarga de retorno para a cisterna é obrigatório. A sua secção é de, no mínimo, duas vezes a do tubo de alimentação.
Para evitar a desferragem, o depósito é montado em ligeira pressão em relação ao motor diesel (excepto nos parques de
estacionamento cobertos).
Este depósito deve também estar equipado com uma válvula tipo bombeiro cujo comando deve encontrar-se imperativamente no
exterior do local.
6
RM
21
7
REC
REM
1
ASM
24
8
ASM
25
11 12 13 11 4
3
5
c
P
10
19
27
9
VB
14
15
2
23
20
26
17
16
18
22
1 - Reservatório diário V1
10
2 - Recipiente de retenção V2>V1
3 - Electrobomba
12
4 - Bomba manual
13
5 - Detecção de fugas DD
14
6 - Indicador de nível DD
15
7 - Respirador DD
16
8 - Válvula de isolamento
17
9 - Filtro
18
paredes duplas)
- Válvula anti-retorno
19 - Trasfega
11
- Válvula de 3 vias 20
- Indicador de nível
- Filtro
21 - Respirador reservatório
- Contador
22 - Placa de terra
- Válvula manual de bloqueio 23 - Válvula tipo bombeiro
- Válvula de isolamento motor 24 - Caixa válvula tipo bombeiro
- Reservatório simples ou parede dupla
25
- Caixa válvula
- Limitador de enchimento
26 - Rastreabilidade
- Válvula de pé com filtro
27 - Detecção de fugas (se reservatório de
Figura41 : Exemplo de instalação
Prever um recipiente de retenção capaz de recolher as fugas e cuja capacidade seja, pelo menos, igual a 110 % do volume total dos
fluidos presentes no grupo electrogéneo (combustível, óleo e líquido de refrigeração).
60 / 118
4.4.9.3.
Recipiente de retenção dos fluidos integrado (opção)
Os eventuais escoamentos dos fluidos contidos nos grupos electrogéneos (combustível, óleo e líquido de refrigeração) são
recuperados num recipiente de retenção integrado, se o grupo electrogéneo estiver equipado com esta opção.
A capacidade dos recipientes permite recuperar 110 % da totalidade dos fluidos contidos no grupo electrogéneo equipado.
São possíveis três montagens:
Montagem 1: Recipiente de retenção
dos fluidos integrado no chassis do
depósito
Montagem 2: Recipiente de retenção
dos fluidos colocado sob o chassis do
grupo electrogéneo
Montagem 3: Recipiente de retenção
dos fluidos integrado no chassis e
depósito adicioado
Figura42: Recipiente de retenção dos fluidos integrado
Nota: Os grupos electrogéneos equipados com a opção correspondente à montagem 3 (consultar Figura42: Recipiente de retenção
dos fluidos integrado) dispõem também de uma indicação de nível alto no recipiente de retenção.
Em todos os casos, convém verificar regularmente a ausência de fluidos (combustível, óleo e líquido de refrigeração ou água da chuva
ou proveniente da condensação) nos recipientes de retenção. Se for necessário, efectuar um esvaziamento dos recipientes através do
orifício de esvaziamento ou através da bomba de esvaziamento (para os recipientes equipados com esta bomba).
Esvaziar os fluidos do recipiente de retenção para dentro de um receptáculo previsto
para este efeito.
É interdito realizar este esvaziamento directamente para o solo.
ATENÇÃO
61 / 118
4.4.10 Definir o circuito de escape
4.4.10.1.
Memorando da regulamentação aplicável: Emissões de escape
A regulamentação sobre as emissões de escape é específica a cada país. Consultar as regras em vigor no país em causa.
Exemplo da regulamentção em vigor em França:
Motor com uma potência térmica consumida superior a 2000 kW.
Portaria de 25/07/97 art. 6.2.6 - 2 modificada pela portaria de 15/08/00.
Poluentes
Tipo de combustível
Dióxido de enxofre
30
350
700 se dual fuelóleo em modo gás
500 se funcionamento < 500 h/ano
FOD: 160
1500
Gás natural e gases de
petróleo liquefeitos
Outros combustíveis
líquidos
Aplicabilidade
Monóxido de
carbono (CO)
50
150 para as instalações existentes
650
150
650
150
650
150
100
2000 se funcionamento < 500 h/ano 50 se P > 10 MW e se aglomeração
Fuelóleo pesado: 1500
> 250 000 habitantes (art. 6.2.9)
1900 se dual fuelóleo em modo
3000 se DOM e se respeitar Directiva
150 para as instalações existentes
combustível líquido e se regime de
1999/30/CE sobre a qualidade do ar
velocidade de rotação < 1200 rpm
Produção
Emergência
Compostos orgânicos voláteis
excepto metano
(equivalente a CH4)
Poeiras (PM)
Óxido de azoto (Nox)
Produção
Produção
3
Unidades de medida (mg/m )
62 / 118
Produção
Produção
4.4.10.2.
Descrição da instalação
Realizar um estudo da evacuação dos gases queimados do grupo electrogéneo.
Assegurar-se de que, neste estudo, são tidos em linha de conta os critérios influentes:
-
perdas de carga provocadas pelo escape;
Isolamento térmico;
suspensão do tubo;
nível sonoro;
poluição do ar.
Verificar se o conjunto dos elementos instalados na linha de escape não provoca perdas de carga superiores à pressão admitida pelo
motor.
Garantir que o tubo do circuito de escape possui um diâmetro inferior ao do grupo electrogéneo (consultar-nos para comprimentos
grande) e assegurar-se de que a sua direcção não permite qualquer refluxo do gás para o local.
Assegurar-se de que há um compensador de escape montado na saída do motor.
Assegurar-se de que o tubo está fixo de forma a que o seu peso não seja suportado pelo compensador. Este último será
perfeitamente rectilíneo (qualquer anomalia de alinhamento pode provocar uma ruptura).
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
- Tubo de escape
- Cotovelos
- Compensador
- Purga de condensação
- Passagem de parede - saída no telhado
- Saída de escape
- Haste de suspensão
- Quadro com pinos
- Suporte de coluna
- Suspensão dos silenciosos
- Isolamento térmico
- Silencioso
Figura43 : Exemplo de circuito de escape dos gases queimados
Nota 1: Não esquecer que quanto mais sinuoso for um circuito mais perdas de carga provocará e que, por isso, o respectivo diâmetro
será significativo, pesado e os respectivos suportes e silenciosos de escape mais caros.
Nota 2: Os elementos do circuito de escape marcados na Figura43 : Exemplo de circuito de escape dos gases queimados são
explicados em detalhe nos parágrafos seguintes.
63 / 118
Elementos de tubageme
Marca 1: a tubagem
É aconselhada a utilização de tubos sem soldadura. No
entanto, por razões de peso, podem ser utilizados tubos em
chapa enrolada. Em todos os casos, é necessário evitar as
"barras" de soldadura no interior da conduta.
Marca 2: os cotovelos
Os cotovelos devem ter um raio de curvatura mínima igual a 2
vezes o diâmetro dos tubos e, se possível, num só elemento.
Se o cotovelo for feito em chapa soldada, verificar se é
formado, no mínimo, por 3 sectores, no caso dos cotovelos a
90°.
Figura44: Exemplos de tubos e cotovelos
Marca 3: os compensadores e flexíveis
-
O compensador permite absorver as deslocações
longitudinais
devidas
às
dilatações
(aprox.
1 mm / metro / 100° C).
-
O flexível permite deslocamentos laterais importantes,
mas com fraca amplitude longitudinal.
Figura45: Exemplo de compensador e flexível
Marca 4: purga das condensações e águas da chuva
A prever na parte inferior da instalação ou em qualquer
mudança de trajecto horizontal/vertical, de forma a proteger o
silencioso e o motor.
Figura46: Exemplos de purgas
Marca 5: passagem de parede - saída no telhado
A prever a cada passagem de parede e na saída do telhado.
Figura47: Exemplos de passagens de parede
64 / 118
Marca 6: saída de escape
As saídas de escape servem para difundir os gases na
atmosfera e proteger a parte interna do tubo das intempéries.
Figura48: Exemplos de saída de escape
Fixações e suspensões do circuito de escape
Marca 7: haste de suspensão
Constituída geralmente por uma braçadeira de ferro plana fixa
ao tecto, a haste de suspensão permite a dilatação livre do
tubo.
Figura49: Exemplos de hastes de suspensão
Marca 8: quadro com pinos
Utilizado para as partes verticais, o quadro com pinos permite
que o tubo se dilate, segurando-o lateralmente.
Figura50: Exemplos de quadro com pinos
Marca 9: suporte de coluna
O suporte de coluna é utilizado para receber o peso do tubo
vertical.
Figura51: Exemplos de suportes de coluna
65 / 118
Marca 10: suspensão dos silenciosos
As suspensões dos silenciosos são utilizadas para receber o
peso do silencioso e tanto podem ser verticais como
horizontais.
Figura52: Exemplos de suspensões
Isolamento térmico
Marca 11: isolamento térmico
Consoante o tipo de instalação, pode ser necessário isolar o calor libertado no local.
Depois de efectuar o isolamento, a temperatura de superfície não deve ser superior a 70 °C. O material recomendado é a lã de rocha
(à exclusão do amianto), e pode ser, eventualmente, revestido com estruturas de alumínio, para melhorar a estética da instalação e a
resistência do isolamento térmico.
Recomenda-se uma espessura de lã de vidro de 50 mm, no mínimo.
Panela de escape
Marca 12: silenciosos de escape
Os silenciosos de escape atenuam o ruído através de absorção ou desfasamento da onda sonora. Um escape deverá ser suspenso
de forma eficaz, os suportes não deverão, em caso algum, ser fixos sobre o grupo electrogéneo (excepto para montagens de origem).
Silencioso de absorção
A passagem do gás efectua-se numa conduta insonorizada
constituída por um material absorvente de elevada eficácia
acústica, protegida por uma chapa perfurada.
Figura53: Exemplo de silencioso de absorção
66 / 118
Silencioso reactivo absorvente
O gás entra na câmara de expansão revestida com material
absorvente, mantida por chapas perfuradas, e em seguida
numa conduta insonorizada absorvente.
Figura54: Exemplo de silencioso reactivo absorvente
Silencioso "adaptado"
O silencioso dito "adaptado" é montado directamente no grupo
electrogéneo ou na tampa. É um silencioso de absorção.
Figura55: Exemplo de silencioso adaptado
67 / 118
Chaminé de escape
Memorando da regulamentação aplicável: Altura da chaminé
A regulamentação sobre a altura de chaminé é específica a cada país. Consultar as regras em vigor no país em causa.
Exemplo da regulamentção em vigor em França:
Velocidade de ejecção mín.: 25 m/s
Figura56: Esquema de princípio do cálculo da altura de chaminé
-
Funcionamento de emergência da alimentação eléctrica principal com presença de um edifício num raio de 15 metros da
instalação:
Portaria de 25/07/97, rubrica 2910 - 6.2.2.E

A altura da chaminé de evacuação deverá ser mais alta 3 metros do que a altura dos edifícios situados a menos de
15 m em redor da instalação, sem todavia ser inferior a 10 metros.
Para d < 15 m => Hchem = Hobst + 3
68 / 118
Descrição da instalação
Existem diferentes tipos de chaminés de escape.
Chaminé autoportante
Chaminé subida na fachada
Chaminé que assenta num suporte de betão no solo e tem
uma tomada de força no edifício.
Chaminé auto-estável
Chaminés extensíveis
Chaminé que assenta exclusivamente sobre um suporte de
betão no solo.
No caso de uma instalação com vários grupos electrogéneos,
é possível encaminhar as diversas condutas para uma única
chaminé. Cada conduta de motor deverá estar equipada com
uma válvula anti-retorno.
As dimensões da estrutura de suporte da chaminé deverão ter
em conta as condicionantes do local e, nomeadamente, as
forças exercidas pelo vento.
Chaminé saída de telhado
Figura57: Exemplos de chaminés de escape
69 / 118
Vaso colector de condensados
A chuva que entra na conduta da chaminé arrasta as fuligens carregadas com partículas não queimadas e outros resíduos nocivos e é
recolhida num vaso de recolha instalado na base da chaminé.
O líquido assim recolhido produz lamas que se depositam no fundo do recipiente e que são evacuadas para o exterior, através de um
sifão no vaso de recolha previsto para esse efeito.
Conduta de chaminé
Recipiente
Sifão
Vaso de recolha
de condensados
Válvula de
esvaziamento
Figura58: Vaso de recolha de condensados
70 / 118
4.4.11 Refrigeração
Devem ser dissipadas quatro formas de produção de calor:
-
o calor do ou dos circuitos de refrigeração do motor;
-
as irradiações térmicas do motor e do escape;
-
o ar da ventilação do local;
-
os gases de escape.
Os sistemas a seguir indicados evacuam e canalizam o calor produzido pelo circuito de refrigeração do motor.
Radiador ventilado
O circuito de refrigeração do motor está ligado a um radiador tubular de aletas montado na extremidade do chassis. Este radiador é
refrigerado pelo ventilador accionado directamente pelo motor.
Em todos os casos, o ar é soprado nos sentido Ventilador  Radiador.
Nota: Um vaso de expansão permitirá compensar as variações de volume do líquido de refrigeração em função da temperatura.
Refrigerador
O circuito de refrigeração do motor está ligado a um refrigerador situado no local ou no exterior do mesmo.
No interior do local, o funcionamento é idêntico ao do radiador ventilado. O ou os ventiladores são "arrastados" pelo motor ou
accionados por um ou pelos motores eléctricos.
A instalação do refrigerador no exterior, no telhado ou numa outra sala, requer uma extensão das canalizações de água de
refrigeração e implica uma ventilação do local independente da refrigeração.
Nestas instalações, as condições de desgaseificação devem ser consideradas ainda com maior cuidado do que no caso de um
radiador.
Em todos os casos, o refrigerador é arrefecido pelo ou pelos ventiladores.
Permutador de água perdida
Este tipo de refrigeração implica um consumo importante de água e, consequentemente, uma despesa de exploração considerável.
Opta-se por esta solução quando as disposições locais, que asseguram o caudal de água necessário, não permitem realizar as
disposições de ventilação a prever para uma refrigeração através de radiador ventilado ou refrigerador.
Estas instalações de água perdida são constituídas essencialmente por um permutador, no qual um dos circuitos, dotado de um
recipiente de expansão, está ligado ao circuito de refrigeração do motor. A bomba de água deste último assegura a circulação. O
segundo circuito do permutador, dito de água bruta, está ligado entre a distribuição de água do imóvel e o esgoto. Uma válvula
montada a montante do permutador permite estabelecer e interromper a circulação. Para os grupos electrogéneos automáticos, esta
válvula deve naturalmente estar prevista com comando eléctrico (electroválvula).
O permutador de calor deste sistema permite a refrigeração do motor. Prever um sistema de ventilação para o local e este tipo de
instalação requer um estudo detalhado.
71 / 118
Ventilação do local
No caso de refrigeradores exteriores ou permutadores de água perdida, os ventiladores extractores e/ou insufladores permitem
evacuar as irradiações térmicas do motor e fornecer ar fresco ao local e ao material.
No caso de utilização de ventiladores, vários ventiladores permitem, melhor que um aparelho de grandes dimensões, ajustar a
temperatura.
A ventilação dos locais requer um estudo detalhado e deve, nomeadamente, ter em conta a temperatura do ar ambiente, assim como
a perda de carga dos elementos colocados na entrada e a saída de ar (grelhas, absorvedores de som, etc.).
Nota: No caso de refrigeração por radiador ou refrigerador no local, é importante ter em conta o aumento de temperatura devido às
radiações térmicas para determinar as dimensões da instalação.
4.5.
Instalar um grupo electrogéneo em contentor
O conteúdo deste capítulo apenas inclui recomendações gerais.
É recomendado recorrer aos serviços de um profissional para assegurar uma instalação e uma colocação em
funcionamento correctas.
ATENÇÃO
A responsabilidade da empresa não pode ser posta em causa em caso de avaria relacionada com as condições
de instalação.
72 / 118
4.5.1 Determinar o local de instalação
A implantação do contentor deve ser alvo de reflexão prévia relativamente à localização em função:
-
da proximidade do quadro de distribuição eléctrica;
-
das perturbações provocadas pelo ruído;
-
da alimentação de combustível;
-
da evacuação dos gases queimados;
-
da natureza do solo.
A área da instalação deverá ser suficientemente plana para que o chassis assente de maneira uniforme e consistente, de modo a que
o contentor não se afunde.
Interdição de pousar o contentor sobre os seus cantos ISO.
É necessário efectuar um vazamento de betão na fundação, ao nível dos cantos ISO.
ATENÇÃO
IMPLANTAÇÃO CORRECTA
IMPLANTAÇÃO INCORRECTA
IMPLANTAÇÃO INCORRECTA
Figura59: Implantação dos contentores no solo
73 / 118
4.5.2 Limitar os incómodos sonoros
Analisar os eventuais ruídos que o material pode emitir para o meio ambiente, de modo a não perturbar a vizinhança
Tomar conhecimento das regulamentações em vigor, para evitar qualquer tipo de litígio futuro.
Ter em conta, nomeadamente, o nível sonoro do conjunto e os efeitos de reflexão nos edifícios.
Figura60: Exemplos de aumento do nível sonoro devido à reflexão e à direccionalidade
4.5.3 Garantir uma ventilação correcta
Instalar o material tendo em conta os ventos dominantes: posicionar as entradas de ar no sentido oposto ao dos ventos, para evitar
situações desagradáveis em condições climatéricas difíceis (entradas de ar, de neve, de areia, etc.).
Respeitar uma distância mínima de 2 metros entre as entradas e saídas de ar do contentor e qualquer obstáculo à ventilação.
2m,
mín.
2m,
mín.
Entrada
de ar
Saída
de ar
Entrada
de ar
Figura61: Limitações de implantação
74 / 118
4.5.4 Garantir um escape correcto
Assegurar-se de que as entradas de ar estão orientadas no sentido oposto ao dos ventos dominantes, para evitar situações
desagradáveis em condições climatéricas difíceis (entradas de ar, de neve, de areia, etc.).
Assegurar-se de que o material está orientado de forma a que o operador fique com os ventos dominantes atrás das costas durante
as operações efectuadas na consola, para evitar ser incomodado com os fumos de escape.
ATENÇÃO
1.
É imperativo desmontar a (as) chapa(s) obturadora(s) da(s) saída(s) de escape  (utilizada(s) para
o transporte).
2.
Instalar a(s) extensão(ões)  fornecida(s) com o grupo electrogéneo em substituição da (das)
chapa(s) obturadora(s).


Figura62: Desmontagem da chapa obturadora
Em caso de utilização de chaminé com uma altura significativa, utilizar preferencialmente uma chaminé auto-estável instalada ao lado
do contentor.
Figura 63: Exemplo de instalação de contentor com chaminé auto-estável
75 / 118
4.6.
Instalar um grupo electrogéneo móvel
-
Respeitar as instruções indicadas para os grupos electrogéneos no local.
-
Reservar uma área de instalação plana e suficientemente resistente para que o grupo electrogéneo não se afunde. A área
pode ser realizada em betão ou ainda com barrotes de secção forte unidos entre si. Nota: Um grupo electrogéneo que não
assente de forma correcta na sua base (chassis ou reboque) estará sujeito a vibrações que podem provocar danos
importantes no conjunto do material.
-
É imperativo respeitar o regime de neutro do grupo electrogéneo associado à regulamentação em vigor, para garantir a
protecção das pessoas.
-
Efectuar a ligação à terra do grupo electrogéneo. Para isso, utilizar um fio de cobre, de 25 mm no mínimo para um cabo nu e
2
16 mm para um cabo isolado, ligado a tomada de terra do grupo electrogéneo e a uma estaca de terra em aço galvanizado
enterrada verticalmente no solo (consultar o capítulo "Ligação eléctrica de um grupo electrogéneo").
-
Proteger os grupos electrogéneos sem tampa das intempéries com uma construção adequada (consultar o capítulo "Instalar
um grupo electrogéneo num local").
2
4.6.1 Grupo electrogéneo sobre reboque
Operações a efectuar para a instalação:
1.
Assegurar-se de que o solo é suficientemente resistente para que o conjunto não se afunde.
2.
Desengatar o reboque de acordo com o parágrafo "Transporte rodoviário/Grupos electrogéneos sobre reboques/Engatar e
desengatar o reboque".
3.
Imobilizar o reboque colocando calços sob as rodas.
4.
Accionar o travão de estacionamento (se existir).
5.
Com a roda dianteira, colocar o grupo electrogéneo na posição mais horizontal possível.
6.
Descer os descansos (se existirem) e trancá-los.
4.7.
Efectuar a ligação eléctrica de um grupo electrogéneo
4.7.1 Cablagem
Generalidades
As instalações eléctricas de baixa tensão estão sujeitas às regras da norma NFC 15.100 (França) ou às normas dos países
abrangidos com base na norma internacional IEC 60364.
Aliás, devem também responder às regras do guia de aplicação NFC 15.401 (França) ou às normas e regulamentos dos países
abrangidos.
76 / 118
Cabos de potência
-
Instalar os cabos de potência, de preferência, em calhas ou em passagens de cabos reservadas para esse efeito.
-
Determinar a secção e o número de cabos em função do tipo dos cabos e das normas em vigor, que devem ser respeitadas
no país de instalação. A escolha dos condutores deve estar conforme à norma internacional CEI 30364-5-52. Nota: Os
cabos de potência podem ser do tipo unipolar ou multipolar em função da potência do grupo electrogéneo.
Trifásico - Hipótese de cálculo
Modo de montagem = cabos em passagens de cabos ou prateleira não perfurada.
Queda de tensão admissível = 5 %
Condutores múltiplos ou unicondutor ligado quando precisão 4X…(1)
Tipo de cabo PVC 70 °C (exemplo H07RNF).
Temperatura ambiente = 30 °C.
Secção dos cabos
Calibre de disjuntor
(A)
10
16
20
25
32
40
50
63
80
100
125
160
250
400
630
(1)
(1)
(1)
(1)
(1)
0 a 50 m
mm² / AWG
1.5 / 14
2.5 / 12
2.5 / 12
4 / 10
6/9
10 / 7
10 / 7
16 / 5
25 / 3
35 / 2
4X (1X50) / 0
4X (1X70) / 2/0
4X(1X95) / 4/0
4X(1X185) / 0400 MCM
4X (2X1X150) / 2x 2350 MCM
51 a 100 m
mm² / AWG
2.5 / 12
4 / 10
4 / 10
6/9
6/9
10 / 7
10 / 7
16 / 5
25 / 3
35 / 2
4X (1X50) / 0
4X (1X70) / 2/0
4X(1X150) / 2350 MCM
4X(1X185) / 0400 MCM
4X (2X1X150) / 2x 2350 MCM
101 a 150 m
mm² / AWG
4 / 10
6/9
6/9
10 / 7
10 / 7
16 / 5
16 / 5
25 / 3
35 / 2
4X (1X50) / 0
4X (1X70) / 2/0
4X(1X95) / 4/0
4X(1X150) / 2350 MCM
4X(1X185) / 0400 MCM
4X (2X1X150) / 2x 2350
MCM
Monofásico - Hipótese de cálculo
Modo de montagem = cabos em passagens de cabos ou prateleira não perfurada.
Queda de tensão admissível = 5 %
Condutores múltiplos.
Tipo de cabo PVC 70 °C (exemplo H07RNF).
Temperatura ambiente = 30 °C.
Secção dos cabos
Calibre de disjuntor
(A)
10
16
20
25
32
40
50
63
80
100
125
0 a 50 m
51 a 100 m
101 a 150 m
mm² / AWG
4 / 10
6/9
10 / 7
10 / 7
10 / 7
16 / 5
16 / 5
25 / 3
35 / 2
35 / 2
50 / 0
mm² / AWG
10 / 7
10 / 7
16 / 5
16 / 5
25 / 3
35 / 2
35 / 2
50 / 0
50 / 0
70 / 2/0
95 / 4/0
mm² / AWG
10 / 7
16 / 5
25 / 3
25 / 3
35 / 2
50 / 0
50 / 0
70 / 2/0
95 / 4/0
95 / 4/0
120 / 2250 MCM
77 / 118
Cabos de baterias
-
Instalar a(s) bateria(s) nas proximidades do motor de arranque eléctrico. Os cabos são ligados directamente entre os bornes
da bateria e os bornes do motor de arranque.
-
Respeitar a correspondência das polaridades entre a bateria e o motor de arranque. (Uma inversão poderia provocar graves
danos no equipamento eléctrico).
-
Garantir uma secção mínima dos cabos de 70 mm2. Esta secção varia em função da potência do motor de arranque mas
também da distância entre as baterias e o grupo electrogéneo (quedas de tensão em linha).
Protecção das pessoas
Referências: NFC 15-100:2002 (França) – IEC 60364-4-41.
Para garantir a protecção das pessoas contra os choques eléctricos, os grupos electrogéneos estão equipados com uma protecção
geral de corrente diferencial-residual ajustada de "fábrica" para um accionamento instantâneo e uma sensibilidade de 30mA.
Qualquer modificação da regulação da protecção diferencial geral pode colocar as pessoas em perigo. É da
responsabilidade do utilizador e só deve ser efectuada pelo pessoal qualificado e habilitado.
ATENÇÃO
Nota: No fim da utilização, se o grupo electrogéneo for desligado de uma instalação, é necessário voltar às regulações de "fábrica" da
protecção diferencial geral e mandar verificar o grupo por pessoal competente.
Para tornar efectiva a protecção contra os choques eléctricos, ligar o grupo electrogéneo à terra. Para isso, utilizar um fio de cobre, de
2
2
25 mm no mínimo para um cabo nu e 16 mm para um cabo isolado, ligado ao borne de ligação à terra do grupo electrogéneo e a
uma estaca de terra em aço galvanizado enterrada verticalmente no solo.
Assegurar-se de que o valor da resistência desta estaca de terra está conforme aos valores indicados na tabela seguinte (tomar como
referência a regulação de diferencial mais elevada na instalação).
O valor da resistência é calculado da seguinte forma:
R
UI
I n
Valor máximo da resistência de ligação à terra R (Ω) em função da corrente de funcionamento do
dispositivo diferencial (tempo de accionamento não deve ultrapassar 1 segundo)
I Δn
diferencial
≤ 30 mA
100 mA
300 mA
500 mA
1A
3A
5A
10 A
R Terra
(Ω)
Ul: 50 V
500
500
167
100
50
17
10
5
R Terra
(Ω)
Ul: 25 V
> 500
250
83
50
25
8
5
2.5
O valor UI: para as instalações de estaleiro, edifícios de criação, etc. é exigido um valor de 25 V
78 / 118
Para uma tensão de defeito de 25 V e uma corrente de defeito de 30 mA, esta estaca deve ter um comprimento mínimo de: ver na
tabela seguinte:
Comprimento
da estaca em
metros
Natureza do terreno
Terrenos aráveis espessos,
1
entulho compacto húmido
Terrenos aráveis finos,
1
Gravilha, entulho espesso
Solos nus com pedras, areia seca,
Para obter um comprimento equivalente, podem ser utilizadas várias
estacas de terra ligadas em paralelo e afastadas entre si pelo menos
a distância equivalente ao seu comprimento.
3.6
rochas impermeáveis
Exemplo: 4 estacas de 1 metro ligadas entre si e separadas
respectivamente de 1 metro.
Nota: Nos Estados Unidos da América (referência National Electrical Code NFPA-70).
O grupo electrogéneo deve estar ligado à terra. Para esse efeito, utilizar um fio de cobre com uma secção mínima de 13,3 mm² (ou
AWG 6, no máximo) ligado ao borne de ligação à terra do gerador e uma barra de ligação à terra em aço galvanizado enterrada
vertical e completamente no solo.
Esta barra de ligação à terra completamente enterrada no solo deve ter um comprimento mínimo de 2,5 m.
4.7.2 Regime de Neutro
O Esquema de Ligação à Terra, ou ELT (anteriormente conhecido por Regime de neutro) da instalação eléctrica define a situação
relativamente à terra do neutro do grupo electrogéneo e das massas da instalação eléctrica da parte do utilizador.
As ligações à terra têm por objectivo proteger as pessoas e o material, controlando os perigos causados pelos defeitos de isolamento.
Com efeito, por razões de segurança, toda a parte activa condutora de uma instalação está isolada relativamente às massas. Este
isolamento pode ser feito por afastamento, ou pela utilização de materiais isolantes. No entanto, com o passar do tempo, o isolamento
pode deteriorar-se (devido a vibrações, choques mecânicos, pó, etc.) e, por conseguinte, colocar uma massa sob um potencial
perigoso. Este defeito apresenta riscos para as pessoas e para os bens, mas também para a continuidade do serviço.
Os esquemas de ligação à terra são codificados segundo duas letras que definem as ligações:
-
-
A primeira letra define a ligação do neutro:
I
Isolado ou ligado à terra por intermédio de uma impedância
T
Ligado à terra
A segunda letra define a situação das massas da instalação eléctrica:
T
Ligadas à terra
N
Ligadas ao neutro
Ex.: IT = Neutro Isolado + Massa ligada à terra
Regime
Número de
condutores
TT
4 pólos
C
Observação
Medição da corrente diferencialresidual
Accionamento ao 1 defeito por DDR
Sem medição da corrente
diferencial-residual
Accionamento por protecção de
o
sobreintensidade ao 1 defeito
Medição da resistência de
isolamento
Accionamento ao 2 defeito por
protecção de sobreintensidade
o
3 pólos
TN
IT
Detecção
S
4 pólos
SN
3 pólos
79 / 118
o
4.7.2.1.
Esquema TT
R
R
Fase 1
Fase 1
Fase 2
Fase 2
id
Fase 3
Fase 3
N
N
PE
PE
id
R
R
R
Neutro à terra
T
Massa à terra
T
Terra do
neutro
id
Terra das
massas
Figura64: Regime de neutro TT
O neutro do alternador está ligado à terra e as massas dos equipamentos dos utilizadores dispõem da sua própria ligação à terra.
Este esquema de ligação à terra é o mais frequente nos utilizadores particulares em França.
No esquema TT, o corte automático da alimentação eléctrica por intermédio de um Dispositivo Diferencial-Residual (DDR) é
obrigatório no início da instalação para assegurar a protecção das pessoas (assim como o valor máximo de 30 mA nos circuitos de
tomadas).
4.7.2.2.
Esquema TNS
No esquema TN, o neutro do alternador está ligado à terra e as massas dos utilizadores estão ligadas ao condutor de protecção
principal (PE) que, por sua vez, está ligado à tomada de terra.
Fase 1
Fase 1
Fase 2
Fase 2
Fase 3
Fase 3
N
N
PE
PE
id
Massa ao neutro
N
Condutor de neutro
Condutor de protecção
separados
id
id
Neutro à terra
T
Terra do
neutro
Figura65: Regime de neutro TN-S (terra e neutro separados)
No esquema TN-S, o corte automático da alimentação eléctrica é assegurado pela abertura do disjuntor de protecção contra as
sobreintensidades que protegem o circuito com defeito.
2
O TN-S é obrigatório para as redes que dispõem de condutores com uma secção ≤ 16 mm Alumínio.
80 / 118
4.7.2.3.
Esquema IT
Fase 1
Fase 2
Fase 3
N
PE
Neutro isolado
I
Z
Massa à terra
T
CPI
Terra do
neutro
Terra das
massas
Fase 1
Fase 1
id
Fase 2
Fase 2
Fase 3
Fase 3
id
N
N
PE
PE
id
id
id
id
Z
id
CPI
Z
CPI
id
o
o
1 defeito
2 defeito
Figura66: Regime de neutro IT
No esquema IT, o neutro do alternador está ligado à terra através de uma impedância (Z) superior a
1000 ohms ou isolado (Z=∞). As massas da instalação estão ligadas à terra (consultar Figura66: Regime de neutro IT). É importante
referir que um Controlador Permanente de Isolamento (CPI) está ligado em paralelo nesta impedância Z, para controlar a qualquer
instante o isolamento do circuito.
-
Primeiro defeito: a corrente que passa na estrutura metálica atravessa a impedância Z do neutro, o que implica uma corrente
muito fraca (ou praticamente nula, se o neutro estiver isolado) e, portanto, a tensão de contacto não é perigosa. É por esta
razão que os hospitais, as salas de concertos, etc., utilizam este esquema para evitar um corte aquando de um primeiro
defeito. O CPI, por sua vez, detecta esta fuga e assinala-a graças a um testemunho e/ou alarme.
-
Segundo defeito: os dois condutores abrangidos pelos defeitos de isolamento encontram-se interligados de que resulta um
curto-circuito. O corte automático da alimentação eléctrica é assegurado pela abertura do disjuntor de protecção contra as
sobreintensidades, como no esquema TN. É importante referir que o regime de neutro IT deve ser preterido, caso não
disponha de técnico capaz de intervir 24 horas por dia e 7 dias por semana.
Para o regime de neutro IT, no caso de um transformador abaixador 20kV/400V, é necessário prever uma protecção contra as
sobretensões para a rede 400V. Esta protecção deve ser colocada entre a terra e o ponto neutro, se estiver disponível, ou uma fase,
se não estiver disponível.
Para um grupo electrogéneo BT, em regime IT, esta protecção não é necessária, a tensão não pode ser superior a 500 V.
A tensão de isolamento da rede deve ser igual ao valor da tensão composta.
81 / 118
4.7.3 Sobretensão
Os grupos electrogéneos não estão equipados com um dispositivo de protecção contra as sobretensões provenientes de descargas
atmosféricas ou devidas a manobras.
A empresa rejeita qualquer responsabilidade no que diz respeito às avarias provocadas por estes fenómenos.
No entanto, pode ser prevista a instalação de pára-raios, sabendo, no entanto, que esta montagem não assegura uma protecção total.
5. Colocação em funcionamento
5.1.
Avisos sobre a colocação em funcionamento
As verificações gerais indicadas neste capítulo permitem assegurar a colocação em funcionamento do
grupo electrogéneo. Devem ser adaptadas ou completadas em função das reais condições de colocação
em funcionamento.
A realização das operações referidas exige qualificações específicas.
ATENÇÃO
Estas operações devem ser efectuadas apenas por pessoas que possuam as competências
necessárias.
Para os grupos electrogéneos equipados com motores MTU da série 4000.
ATENÇÃO
Desmontar imperativamente o dispositivo de bloqueio do volante do motor (protecção da cambota durante o
transporte) aquando da colocação em funcionamento do grupo electrogéneo (antes do primeiro
arranque).
Para os grupos electrogéneos equipados com motores da marca Lombardini / Kohler.
ATENÇÃO
5.2.
Estes motores necessitam de um período de rodagem. Durante as primeiras 50 horas de funcionamento,
não ultrapasse 70% da potência atribuída.
Controlar a instalação do grupo electrógeneo
-
Verificar a localização do grupo electrogéneo (estabilidade, fixação, espaço disponível, ventilação, escape…)
ver o capítulo «Instalação».
-
Verificar as ligações eléctricas ver o capítulo «Ligação eléctrica de um grupo electrogéneo»:

ligação à terra;

ligações eléctricas de comando;

ligações eléctricas de potência;

sistema de carga das baterias de arranque (calibre e tensão), se existir no grupo electrogéneo.
-
Verificar o correcto funcionamento das protecções diferenciais.
-
Verificar a tensão da(s) correia(s) de transmissão.
5.3.
Preparar a tubagem do grupo electrogéneo
-
Conhecer os comandos úteis à utilização do grupo electrogéneo.
-
Ler e compreender os menus "utilizador" da caixa de comando.
-
Conhecer os planos de manutenção do grupo electrogéneo ver o parágrafo "Planos de manutenção".
-
Conhecer o funcionamento do grupo electrogéneo sem carga ou em subcarga ver "Controlar o grupo electrogéneo após o
arranque".
-
Conhecer
as
especificações
dos
líquidos
(combustível,
lubrificante
e
líquido
de
ver o parágrafo "Combustíveis, lubrificantes e líquidos de refrigeração" e manual de manutenção do motor.
82 / 118
refrigeração)
5.4.
Controlar o grupo electrogéneo antes do arranque
-
Verificar se os bujões, os obturadores e as fitas adesivas de protecção foram retirados.
-
Assegurar-se de que os sacos desumidificadores foram retirados das partes eléctricas (armário ou consola de comando,
alternador…).
-
Controlar o isolamento do alternador ver manual de manutenção do alternador.
-
Verificar os níveis ver manual de manutenção do motor:

líquido de refrigeração;

óleo;

combustível.
-
Abrir a torneira de reposição de óleo (se existir no grupo electrogéneo).
-
Controlar a(s) bateria(s) de arranque (ligação e carga) ver o parágrafo «Baterias de arranque».
-
Verificar o sistema de carga das baterias de arranque (se existir no grupo electrogéneo).
5.5.
Controlar o grupo electrogéneo após o arranque
Testes sem carga
-
Verificar os dispositivos de segurança (paragem de emergência, pressão do óleo, temperatura do líquido de refrigeração…).
-
Verificar os parâmetros mecânicos:
-

parâmetros do motor (pressão do óleo, temperatura do líquido de refrigeração);

ausência de vibrações anormais;

ausência de ruídos estranhos;

ausência de fugas.
Verificar os parâmetros eléctricos:

tensão, frequência, intensidade;

campo rotativo.
Testes com carga
-
-
Verificar os parâmetros mecânicos:

parâmetros do motor (pressão do óleo, temperatura do líquido de refrigeração);

ausência de vibrações anormais;

ausência de ruídos estranhos;

ausência de fugas.
Verificar os parâmetros eléctricos:

tensão, frequência, intensidade;

campo rotativo.
83 / 118
Regulações do variador e do regulador de temperatura dos refrigeradores de ar
Alguns grupos electrogéneos estão equipados com variadores e
reguladores de temperatura que permitem adaptar a velocidade de
rotação dos ventiladores, em função da refrigeração necessária ao
correcto funcionamento do grupo electrogéneo.
Para assegurar o correcto funcionamento deste sistema, é necessário
efectuar algumas regulações ou verificações aquando do
accionamento do grupo electrogéneo. O procedimento seguinte
descreve estas operações e é aplicável aos sistemas da marca
Schneider, equipados com um variador "ALTIVAR 21" e um regulador
"REG48PUN1JLU".
Todas as operações são efectuadas durante o funcionamento do grupo electrogéneo
ATENÇÃO
84 / 118
a)
Verificação da parametrização do regulador de temperatura
Verificar os
temperatura
AFIXAÇÃO
valores
indicados
na
tabela
de
parametrização
dos
valores
do
regulador
DESCRIÇÃO DO PARÂMETRO
FUNÇÃO
VALORES A VERIFICAR
Tipo de entrada de PV
Define o tipo de sensor de entrada
1 (PT 100Ω)
Posição do separador decimal
Define a posição do separador
decimal da afixação PV/SV
1 (uma décima)
Comando de operação da função
rampa/suporte
Alterna entre os modos de
funcionamento da função
rampa/suporte
oFF (paragem/fim)
Bloqueio das teclas
Impede a afixação de erros de
funcionamento
0 (sem bloqueio)
Intervalo de OUT2
Define o intervalo da saída de
controlo (OUT2) (também
configurado para a saída de
retransmissão)
4-20 (4 mA a 20 mA)
Parâmetro de atribuição da tecla USER
Define a função da tecla USER
5 (inicialização da regulação
automática (standard))
de
Nota: para a activação do variador de velocidade, o valor
de referência da temperatura da água é de 85°C.

A leitura é efectuada directamente no visor do
regulador de temperatura.
Para alterar este valor de referência, prima as teclas
indicadas.
b) Inicialização da configuração automática
A inicialização da configuração automática é efectuada com o grupo em carga, a uma potência de cerca de 75% da potência
atribuída.
O valor de referência pode ser alterado consoante o ambiente em que se encontra o grupo electrogéneo (país quente…).
Para inicializar a configuração automática, deve premir durante alguns segundos a tecla A/M.
85 / 118
6. Manutenção
6.1.
Planos de manutenção
O operador deve assegurar-se de que a sua instalação está sempre em condições de funcionar. Também é necessário efectuar as
operações de manutenção previstas na documentação fornecida com o grupo electrogéneo.
Além disso, recomenda-se que sejam realizados periodicamente ensaios e verificações que permitam confirmar o bom funcionamento
da instalação.
Após estas verificações e ensaios regulares devem ser efectuados registos de controlo com as seguintes informações: periodicidade,
natureza das visitas e/ou ensaios realizados, data e hora de realização, relatório de operações, nome e assinatura do operador.
Os planos de manutenção (quadros de manutenção periódica) estão definidos nas respectivas documentações (manual de
manutenção) dos motores, dos alternadores e de alguns equipamentos complementares. Regra geral, estes planos fazem distinção
entre uma utilização em funcionamento contínuo e uma utilização em funcionamento de emergência.
Aliás, têm em conta os ingredientes utilizados, por exemplo: teor de enxofre do gasóleo ou qualidade do óleo de lubrificação.
Aquando da recepção do grupo electrogéneo, e tendo em conta os elementos acima mencionados, estes planos de
manutenção devem ser estudados para determinar as periodicidades de manutenção a adoptar.
Complementarmente aos planos de manutenção anteriormente mencionados, recomenda-se que sejam realizadas as seguintes
verificações (a levar a cabo por especialistas):
-
Mecânicas:
 controlo dos equipamentos de refrigeração;
 controlo do aperto das fixações dos equipamentos, reaperto dos pernos;
 esvaziamento do vaso de recolha das condensações das chaminés de escape (se existir);
 reaperto dos jogos de barras do alternador.
-
Eléctricas:
 controlos dos automatismos e das seguranças;
 controlo do isolamento do alternador;
 verificação do isolamento dos auxiliares e do respectivo consumo de corrente;
 controlo dos sistemas de carga das baterias de arranque e das baterias dos telecomandos;
 controlo das baterias de arranque e das baterias dos telecomandos.
Estas verificações devem ser efectuadas nos seguintes limites recomendados (ou consoante os manuais dos fabricantes):
-
funcionamento do grupo electrogéneo em emergência (
100 horas por ano): uma vez por ano;
-
funcionamento do grupo electrogéneo em emergência (
500 horas por ano): 3 vezes por ano;
-
funcionamento do grupo electrogéneo em contínuo:
 verificações mecânicas: aquando das mudanças de óleo;
Nota: dado que a frequência de esvaziamento do vaso de recolha das condensações das chaminés de escape não pode
ser definida (porque depende das condições de instalação), esta intervenção deve ser efectuada em simultâneo com cada
operação de manutenção do grupo electrogéneo.
 verificações eléctricas: a cada 6 meses.
86 / 118
6.2.
Manutenção das tampas
A estanqueidade entre a tampa e o chassis e entre o chassis e o recipiente de retenção é assegurada por
uma junta. É imperativo substituir esta junta em caso de desmontagem da tampa.
ATENÇÃO
Para que a pintura mantenha todas as suas propriedades protectoras, recomenda-se que o utilizador efectue a manutenção das
tampas e dos chassis.
6.2.1 Frequência de limpeza
Efectue a limpeza:
-
após qualquer transporte marítimo.
-
a cada 6 meses, no mínimo.
Nota: esta periodicidade deve ser adaptada (e, se necessário, reduzida) em caso de ambientes corrosivos ou em presença de poeiras
ou matérias orgânicas estagnadas sobre a pintura (folhas em decomposição, espumas, dejectos…), que possam constituir uma
agressão química.
6.2.2 Modo de funcionamento da limpeza
Efectue a limpeza de acordo com o seguinte modo de funcionamento:
1. Lave o grupo electrogéneo com um agente de limpeza (água com detergente suave, ex.: champô para automóveis).
2.
Enxagúe cuidadosamente com água doce límpida para eliminar todos os vestígios do produto de limpeza, utilizando uma
pressão inferior a 120 bar (em caso de utilização de uma máquina de limpeza com jacto de alta pressão, guarde uma
distância mínima de 20 a 30 cm entre o bico da máquina e a superfície a limpar).
3.
Seque com um pano macio e absorvente.
Em alternativa, utilize uma espuma de limpeza e, em seguida, seque com um pano macio e absorvente.
É interdito utilizar produtos abrasivos.
Durante a limpeza, assegure-se de que os orifícios de drenagem estão desobstruídos.
ATENÇÃO
Para eliminar sujidade ou manchas, utilize um solvente adequado, como "white spirit" (ou equivalente) e, em seguida, seque com um
pano macio e absorvente.
Todos os riscos profundos deverão ser objecto de um tratamento correctivo para serem eliminados. Este tratamento será realizado por
um profissional competente.
87 / 118
6.3.
Manutenção dos contentores
-
Lubrificar regularmente as dobradiças e fechaduras.
-
Lubrificar as juntas com massa de silicone.
-
Limpar e lavar a carroçaria com produtos destinados às carroçarias automóveis.
-
Verificar o estado da carroçaria e retocar imediatamente todos os riscos (risco de início de corrosão).
6.4.
Manutenção das panelas de escape
As operações de manutenção devem ser obrigatoriamente efectuadas durante a paragem total do grupo
electrogéneo ou da instalação, com o motor e os respectivos componentes frios.
ATENÇÃO
O utilizador deve efectuar anualmente as seguintes verificações (ou mais frequentemente, caso as condições de instalação ou de
utilização assim o exijam):
-
Verificação da resistência mecânica dos elementos.
-
Verificação do aperto das diferentes fixações.
-
Verificação do correcto funcionamento do sistema de drenagem (cf. reservatório colector de condensados).
-
Limpeza periódica dos pára-faíscas, caso existam nas panelas de escape.
-
Verificação periódica dos catalisadores (eficácia e estado), caso existam nas panelas de escape.
Todas as reparações devem ser efectuadas por pessoal competente.
6.5.
Ensaios dos grupos electrogéneos
Observações sobre o funcionamento sem carga (em vazio) e em subcarga
Aquando de um funcionamento sem carga ou a fraca carga < a 30% da potência nominal, as condições de funcionamento não
permitem ao motor reunir as condições ideais de funcionamento. As principais causas são as seguintes:
-
O fraco volume de combustível queimado na câmara de combustão implica uma combustão incompleta; a energia térmica daí
resultante não permite atingir a temperatura ideal de funcionamento do motor.
-
Os motores sobrealimentados têm relações volumétricas mais fracas (taxa de compressão fraca sem sobrealimentação),
definidas para a plena carga e mal adaptadas a uma boa combustão a fraca carga.
O conjunto destes factores leva a uma acumulação de sujidade no motor e, particularmente, dos segmentos e das válvulas que
implica:
-
uma aceleração do desgaste e uma vidragem das camisas dos cilindros;
-
uma perda de estanqueidade das sedes e, por vezes, a colagem das hastes das válvulas.
Em consequência, a exploração de qualquer motor sobrealimentado em fraca carga (< a 30%) durante os ensaios ou em utilização
normal só pode ter repercussões negativas no bom funcionamento de um motor e na sua longevidade. Os intervalos de manutenção
deverão ser reduzidos para acompanhar as condições difíceis de funcionamento. A diminuição dos intervalos de mudança de óleo
permite, entre outros, renovar mais frequentemente o óleo que tende a ficar sujo com resíduos não queimados e a poluir-se com
combustível. A adição de uma resistência de balastro é, geralmente, utilizada para limitar as fases a fraca carga e permitir
periodicamente atingir a plena carga necessária para limpar o motor.
Por fim, durante o funcionamento em subcarga, aconselhamos toda a vigilância no que diz respeito ao circuito de respirador de óleo e,
mais particularmente, para os motores que têm a entrada de ar livre do cárter do motor ligada à entrada do turbocompressor (risco de
absorção de óleo ou de vapores de óleo e aceleração do regime do motor).
88 / 118
Ensaios em carga
É recomendado efectuar mensalmente um ensaio em carga do grupo electrogéneo durante cerca de 1 hora após a estabilização dos
parâmetros.
A carga deverá ser superior a 50 % da potência nominal (idealmente a 80 %) para garantir uma limpeza do motor e obter uma ideia
aproximada do funcionamento do grupo electrogéneo.
Ensaios sem carga (em vazio)
Este ensaio não é recomendado; não deve ultrapassar os 10 minutos e não deve ser repetido sem um ensaio mensal em carga. Este
ensaio só permite constatar o arranque correcto do motor. Não permite verificar o funcionamento correcto do grupo electrogéneo.
Ensaios dos grupos electrogéneos fonte de segurança (só diz respeito a França, consultar NF E 37-312)
Para os grupos electrogéneos fonte de segurança (GSS), devem ser realizados os seguintes ensaios:
-
verificação periódica dos níveis de óleo, de líquido de refrigeração e de combustível, do dispositivo de aquecimento do motor
e do estado da fonte utilizada para o arranque (bateria ou ar comprimido), por exemplo a cada quinze dias;
-
teste de arranque automático com uma carga mínima de 50 % da potência nominal do grupo electrogéneo em utilização ou
em resistência de balastro, por exemplo a cada 6 meses. Aquando deste ensaio, a válvula de corte da alimentação de
combustível, reservada à utilização dos serviços de emergência, nunca deve ser utilizada com o grupo electrogéneo em
funcionamento.
7. Armazenagem/Desarmazenagem
A não utilização de um grupo electrogéneo pode provocar efeitos nefastos no motor e no alternador. Para reduzir estes efeitos,
aconselha-se a preparar e a armazenar correctamente o grupo electrogéneo.
Armazenamento do motor
-
Limpar o motor.
-
Substituir todos os fluidos por fluidos de protecção ou fluidos novos.
-
Consultar a documentação do fabricante, para conhecer detalhadamente as operações de armazenamento ou de
desarmazenamento
Armazenamento do alternador
-
Armazenar o alternador num local seco (aconselha-se a utilização de radiadores autónomos para manter as bobinagens
secas).
-
Consultar a documentação do fabricante, para conhecer detalhadamente as operações de armazenamento ou de
desarmazenamento
Armazenamento da(s) bateria(s)
-
Armazenar as baterias, prontas a utilizar, em local seco, fresco (sem gelo) e protegidas do sol.
-
Transportar e armazenar as baterias em posição vertical, para evitar os riscos de escoamento do ácido.
-
Deixar a tampa de bornes no borne positivo.
89 / 118
8. Equipamentos complementares
Este capítulo contém as descrições gerais e os procedimentos de manutenção dos equipamentos complementares que podem
equipar os nossos grupos electrogéneos.
Estes equipamentos são os seguintes:
-
bomba manual JAPY;
-
electrobomba JAPY;
-
regulador automático de reposição ao nível de óleo REN-RAB;
-
filtros do ar para ambiente poeirento;
-
filtros de combustíveis adicionais GenPARTS e SEPAR;
-
baterias de arranque;
-
carregadores de baterias AEES;
-
refrigeradores.
90 / 118
8.1.
Bomba manual JAPY
8.1.1 Características técnicas
Tipo
Utilização
Constituição
Corpo em ferro fundido
EZ 254
Gasóleo e gasolina
Pistão, sede e válvulas em ZAMAK
Veio em aço – contra flanges e orelhas de fixação
Junta tórica
Corpo em ferro fundido
Hidrocarbonetos
HT 254
Viscosidade máxima:
300 cst
Pistão, sede e válvulas em latão
Veio em aço – contra flanges e orelhas de fixação
Junta tórica
Figura 67: Bomba manual JAPY
8.1.2 Manutenção
Procura e tratamento das avarias
-
-
A bomba não aspira ou desferra-se:

Há uma entrada de ar: verificar todas as juntas e a tubagem de aspiração.

A válvula da base (válvula de aspiração) já não funciona: é provável que haja uma impureza ou um resíduo sob a válvula
que a impede de assentar correctamente na sua base. Verificar.

Há impurezas no interior da bomba que bloqueiam as válvulas: desmontar a tampa, limpar o interior e verificar o livre
jogo das válvulas.
Fuga na caixa de empanque:

Apertar alternadamente uma ou duas voltas as duas porcas da flange da caixa de empanque. Se necessário, desmontar
esta flange e retirar a caixa de empanque que se encontra no interior do seu alojamento. Limpar este alojamento,
eliminando os resíduos de guarnição. Substituir esta última por trança de massa grafitada.

Se se tratar de uma bomba sem caixa de empanque, modelo 254, desmontar a tampa e substituir a junta tórica,
assegurando-se de que a cavilha do pistão não está oxidada. Se estiver, limpá-la cuidadosamente. Aplicar também
massa grafitada na garganta.
91 / 118
Recomendações em caso de risco de congelamento
O parafuso de esvaziamento é ineficaz, também, excepto em caso de pedido especial por encomenda; a bomba manual JAPY já não
o tem há muito tempo. Em contrapartida, é indispensável, se a bomba estiver exposta ao gelo, dispor de uma pequena torneira de
esvaziamento na tubagem de aspiração a cerca de 0,75 m abaixo da bomba. De qualquer forma, a tubagem devem estar dotada de
uma válvula de pé. Este dispositivo é obrigatório se se pretender esvaziar a bomba.
Em caso de perigo de congelamento, não esquecer de abrir esta torneira, tendo o cuidado de verificar se o orifício de refluxo está livre
para permitir a entrada de ar.
O esvaziamento deve ser feito normalmente, mas, para maior segurança, após o escoamento da água, fazer lentamente dois ou três
movimentos de alavanca para finalizar este esvaziamento.
Se o corpo ou a tampa se partirem devido a congelamento, é inútil tentar a reparação por soldadura autogénea, o que provocaria uma
deformação da peça.
Recomendações em caso de inactividade prolongada
Se a bomba tiver de permanecer algum tempo sem funcionar, é recomendado:
-
Se não houver risco de congelamento, assegurar-se de que o corpo da bomba está sempre cheio com líquido bombeado.
-
Se houver risco de congelamento:

Proceder ao esvaziamento e, se possível, fazer alguns movimentos de alavanca para evitar o bloqueio dos órgãos
interiores devido a oxidação; caso contrário:

Proceder ao esvaziamento e introduzir óleo de vaselina, por pulverização se possível, de forma a evitar a oxidação e o
bloqueio dos órgãos interiores.
Em caso de oxidação e bloqueio, nunca tentar forçar a alavanca porque haverá risco de partir o pistão. Desmontar a tampa, limpar
cuidadosamente o interior da bomba com um pano com óleo, mas nunca com um abrasivo. Olear ligeiramente antes de voltar a
montar.
Normalmente, a bomba manual JAPY não requer qualquer lubrificação.
Quando, após numerosos anos de serviço ou após a utilização com águas ou líquidos mais ou menos carregados de impurezas ou
ligeiramente ácidos, se torna necessário substituir órgãos principais interiores, é imperativa a intervenção de um mecânico.
Geralmente, quando os pistões e as sedes têm de ser substituídos, aconselhamos a troca-standard da bomba.
Para desmontar a tampa, e para poder verificar o interior, começar por desapertar os 6 pernos de fixação desta peça ao corpo da
bomba. Em seguida, para descolar a tampa, bater, de preferência com um martelo de madeira, no tubo de refluxo e no de aspiração,
segurando com a outra mão a haste de pistão e a flange da caixa de empanque. Não efectuar estas desmontagens de forma abusiva.
Antes de voltar a montar, limpar cuidadosamente todo o interior com um pano, lubrificar ligeiramente as peças interiores do corpo com
óleo de vaselina e repor o pistão no lugar, introduzindo-o lentamente com um movimento semicircular.
Assegurar-se de que a sede de aspiração fica bem segura e que a lingueta de feltro está no lugar.
Repor os pernos no lugar, reapertar as porcas moderada e alternadamente até ao bloqueio.
92 / 118
8.2.
Electrobomba JAPY
8.2.1 Características técnicas
Dados técnicos
-
Caudal máx.: 37 L/mn
-
Pressão máx.: 2,2 bars (com água)
-
Velocidade de rotação: 2800 rpm
-
Altura de aspiração máx.: 6 m
-
Equipada com by-pass
-
Funcionamento com retorno desligado 2 a 3 min máx.
-
Protecção IP 55
Dados eléctricos
-
Potência: 0,37 kW
-
Motor concebido para um trabalho em contínuo
-
JEV 10/658 monofásico: 50 Hz 220 V – 2,4 A – 240 V – 2,1 A
-
JEV 10/658 monofásico: 60 Hz 208 V – 3,7 A – 277 V – 3,3 A
Figura 68 : Electrobomba JAPY JEV
-
JEV 11/661 trifásico: 50 Hz 380 V – 0,8 A – 415 V – 1 A
-
JEV 11/661 trifásico: 50 Hz 200 V – 1,5 A – 240 V – 1,6 A
-
JEV 11/661 trifásico: 60 Hz 380 V – 0,9 A – 480 V – 1,4 A
-
JEV 11/661 trifásico: 50 Hz 208 V – 1,8 A – 240 V – 2 A
Os motores não são antideflagrantes.
Utilizar apenas as electrobombas JAPY em locais desprovidos de vapor inflamável.
PERIGO
Fluidos utilizáveis
-
Água, combustível, gasóleo e óleo fluido
-
Viscosidade máxima de 10 cst à temperatura ambiente.
93 / 118
Fluidos interditos
Fluidos
Perigos correspondentes
Gasolina
Fogo, explosão
Líquidos inflamáveis com PM inferior a 55 graus C
Fogo, explosão
Líquidos alimentares
Poluição dos líquidos
Líquidos químicos corrosivos
corrosão da bomba
Solventes
Danos nas guarnições e juntas
8.2.2 Manutenção
As bombas não necessitam de manutenção particular. Controlar eventualmente as fugas ao nível das juntas.
Procura e tratamento das avarias
O motor não pega
Causas possíveis
Acções
Ausência de corrente eléctrica
Controlar as ligações
Desmontar a bomba do motor.
Rotor bloqueado
Procurar um eventual corpo estranho
Sem caudal ou pressão insuficiente
Causas possíveis
Acções
Altura de aspiração demasiado grande
Aproximar a bomba do líquido a bombear
Válvula de pé bloqueada
Limpar ou substituir
Filtro obstruído
Limpar o filtro
Perdas de carga importantes
Aumentar o diâmetro dos tubos
Válvula de by-pass bloqueada
Limpar ou substituir
Ar nos tubos de aspiração
Controlar a estanqueidade
Controlar as ligações dos tubos.
Fuga de líquido
Substituir as juntas
94 / 118
8.3.
Regulador de reposição ao nível automática de óleo REN-RAB
O regulador REN tipo RAB 101 -70 é um regulador de nível de óleo para todas as potências de motor. Mantém um nível de óleo
correcto no cárter do motor. Regulado para o nível de óleo "motor a trabalhar", regula o nível à medida que vai sendo consumido.
8.3.1 Características técnicas
A maioria dos modelos possui um limiar de alarme ou de paragem de nível baixo, para evitar a falta de alimentação de óleo, a queda
do nível no cárter e, eventualmente, um enchimento excessivo.
Um limiar de nível de óleo integrado activa um alarme ou pára o motor, avisando o utilizador em caso de falta de alimentação de óleo,
que o motor continua a consumir.
Figura 69: Vista geral do regulador
8.3.2 Funcionamento
Quando o nível de óleo no cárter baixa, a bóia desce e abre a válvula.
A abertura da válvula permite a passagem do óleo do reservatório para o cárter, passando pelo regulador.
Quando o nível pretendido no cárter é atingido, a bóia do regulador sobe, provocando o fecho da válvula e a paragem do caudal.
Pela sua concepção, esta válvula é auto-limpadora e nunca fica obstruída.
Através do regulador, um orifício de 3 mm é suficientemente grande para permitir uma reposição do óleo ao nível no cárter.
Alimentação
óleo
ALTO
Acção da
bóia
Separação
da
unidade LR857
BAIXO
Contactos
nível baixo
Figura 70: Esquema simplificado da acção da válvula
95 / 118
8.4.
Filtro do ar para ambiente
Alguns grupos electrogéneos estão equipados com filtros de ar para ambientes com pó da marca GenPARTS, para os grupos
electrogéneos com motores MITSUBISHI, JOHN DEERE, VOLVO e CUMMINS; e da marca DONALDSON, para os grupos
electrogéneos com motores de outras marcas. A manutenção destes filtros é definida pelo estado do indicador de manutenção de que
os filtros estão dotados.
Nota: o indicador de manutenção pode ser o indicador de origem DONALDSON ou o de origem do fabricante do motor (no caso dos
motores da marca MTU, por exemplo). O indicador de manutenção está montado na conduta de chegada de ar ao motor, depois do
filtro de ar.
O indicador de manutenção DONALDSON
O indicador de manutenção indica o momento oportuno para substituir o elemento filtrante. O
indicador de manutenção é um aparelho que mede a pressão estática. Esta medição é efectuada na
saída do filtro para o motor. Indica o nível de restrição do ar (resistência à aspiração do ar).
As partículas de pó captadas pelo elemento filtrante fazem aumentar gradualmente o nível de
restrição (resistência à aspiração do ar) do filtro. A partir de um determinado nível de restrição,
definido pelo fabricante, o indicador de manutenção activa-se.
O indicador de manutenção deve ser apertado no filtro exclusivamente à mão.
Algumas recomendações
-
Não julgar o estado de um filtro pelo seu aspecto visual.
-
Uma manutenção demasiado frequente pode provocar:

danos no elemento filtrante;

uma montagem incorrecta do elemento filtrante;

entradas acidentais de pó no motor;
B
Se o filtro de ar tiver uma válvula guarda-pó (A), carregar na
extremidade da válvula para evacuar as partículas de pó
acumuladas.
Controlar o indicador de manutenção do filtro de ar (B). Se o
indicador estiver vermelho, substituir o elemento filtrante.
96 / 118
A
As operações de manutenção são descritas em seguida.
Estas operações devem ser efectuadas com o grupo electrogéneo parado.
Estas operações só devem ser efectuadas por pessoal qualificado.
ATENÇÃO
1.
Retirar o filtro com cuidado.
2.
Limpar cuidadosamente o interior do corpo do filtro, bem
como as zonas que estão em contacto com as juntas, com
um pano húmido limpo.
3.
Verificar o bom estado e controlar a elasticidade
das juntas do novo elemento filtrante.
4.
Montar o novo elemento filtrante e fechar a tampa com
cuidado.
5.
Controlar a estanqueidade do conjunto do circuito
de admissão de ar.
6.
Voltar a armar o indicador de manutenção, carregando no
botão com a marca C, depois de substituir o elemento
filtrante.
C
97 / 118
8.5.
Filtros de combustível adicionais
Em certos grupos electrogéneos são montados filtros de combustível adicionais. Para além das recomendações dadas nos manuais
de manutenção dos motores (filtros montados pelos fabricantes dos motores), devem ser efectuadas as operações descritas neste
parágrafo.
8.5.1 Filtros de gasóleo
8.5.1.1.
Manutenção dos filtros
A frequência de controlo da presença de água e da substituição do elemento
filtrante depende da qualidade e do nível de contaminantes do gasóleo utilizado.
Em utilização corrente, devem ser respeitadas as seguintes periodicidades:
-
-
Controlo da presença de água:

em caso de perda de potência, ou;

uma vez por dia, se necessário.
Substituição do elemento filtrante:

em cada mudança de óleo, ou;

a cada 500 horas, ou;

uma vez por ano, ou;

em caso de perda de potência.
Nota: a presença de água no filtro é fácil de controlar; dado que a densidade da água é maior do que a do gasóleo, ela ficará no fundo
do vaso transparente.
8.5.1.2.
Purga da água
1.
Parar o grupo electrogéneo e aguardar que o motor arrefeça, para evitar qualquer risco de incêndio.
2.
Abrir a purga do vaso (no sentido contrário ao dos ponteiros do relógio) e esvaziar a água para um recipiente apropriado.
3.
Voltar a fechar a purga (no sentido dos ponteiros do relógio).
4.
Assegurar-se da estanqueidade da purga.
98 / 118
8.5.1.3.
Substituição do filtro
1.
Parar o grupo electrogéneo e aguardar que o motor arrefeça, para evitar qualquer risco de incêndio.
2.
Fechar a válvula de isolamento entre o depósito e o filtro, se existir.
3.
Abrir a purga do vaso (no sentido contrário ao dos ponteiros do relógio) e esvaziar o gasóleo para um recipiente apropriado.
4.
Desapertar o elemento filtrante e o vaso à mão (é fortemente desaconselhada a utilização de uma chave).
5.
Desapertar o vaso do elemento filtrante usado. O vaso é reutilizável.
6.
Voltar a apertar o vaso no elemento filtrante novo.
7.
Fechar a purga (no sentido dos ponteiros do relógio).
8.
Encher o elemento filtrante com gasóleo limpo.
9.
Lubrificar as juntas com óleo de motor.
10. Apertar o conjunto vaso e elemento filtrante na cabeça do filtro e, em seguida, apertar o vaso e o elemento filtrante à mão.
11. Abrir a válvula de isolamento entre o depósito e o filtro, se existir.
12. Purgar o circuito, accionar o grupo electrogéneo e verificar a ausência de fugas.
8.5.2 Filtros de gasóleo Separ
8.5.2.1.
Manutenção dos filtros
A frequência de controlo da presença de água e da substituição do elemento filtrante depende da qualidade e do nível de
contaminantes do gasóleo utilizado.
Em utilização corrente, devem ser respeitadas as seguintes periodicidades:
-
-
Controlo da presença de água:

em caso de perda de potência, ou;

uma vez por dia, se necessário.
Substituição do elemento filtrante:

em caso de perda de potência, ou;

em caso de queda do regime do motor.
Nota: a presença de água no filtro é fácil de controlar; dado que a densidade da água é maior do que a do gasóleo, ela ficará no fundo
do vaso transparente.
99 / 118
8.5.2.2.
Purga da água
Nota: se estiverem montados dois filtros em paralelo, desactivar o filtro a purgar.
I: filtro esquerdo activado
II: filtro direito activado
1.
Abrir o parafuso de purga do ar (Marca 1) do filtro cuja água deve
ser purgada.
1
2.
Desbloquear a válvula de purga (Marca 2), pressionando o botão,
e depois abri-la.
3
3.
Deixar que a água e a sujidade saiam do filtro para um recipiente
apropriado, até que escorra combustível limpo.
4.
Fechar a válvula de purga (Marca 2).
5.
Desapertar os parafusos da tampa (Marca 3) e extrair esta última.
6.
Encher a caixa do filtro com combustível limpo.
7.
Aplicar uma junta nova na tampa (Marca 3).
8.
Montar a tampa com a junta e apertar os parafusos.
9.
Repor o filtro em circuito.
10. Fechar o parafuso de purga do ar (Marca 1) logo que saia
combustível.
11. Verificar a estanqueidade do filtro.
100 / 118
2
8.5.2.3.
Substituição do filtro
Nota: se estiverem montados dois filtros em paralelo, desactivar o filtro a substituir.
I: filtro esquerdo activado
II: filtro direito activado
1.
Abrir o parafuso de purga do ar (Marca 1) do filtro a substituir
1
2.
Desbloquear a válvula de purga (Marca 2), pressionando o botão,
e depois abri-la.
3
3.
Deixar que a água e a sujidade saiam do filtro para um recipiente
apropriado.
4.
Fechar a válvula de purga (Marca 2).
5.
Desapertar os parafusos da tampa (Marca 3) e extrair esta última.
6.
Extrair a
(Marca 5).
7.
Colocar o filtro novo (Marca 5) e a caixa de mola (Marca 4) no
lugar.
8.
Encher a caixa do filtro com combustível limpo.
9.
Aplicar uma junta nova na tampa (Marca 3).
caixa
de
mola
(Marca
4)
e
o
4
5
filtro
10. Montar a tampa com a junta e apertar os parafusos.
2
11. Repor o filtro em circuito.
12. Fechar o parafuso de purga do ar (Marca 1) logo que saia
combustível.
13. Verificar a estanqueidade do filtro.
101 / 118
8.6.
Baterias de arranque
PERIGO
Risco de explosão ou de incêndio (presença de oxigénio e de hidrogéneo). A bateria
nunca deve ser exposta a uma chama nua ou a faíscas.
Risco de formação de faíscas e de explosão. Durante a montagem da bateria, nunca
inverter as polaridades.
Não colocar os bornes da bateria em curto-circuito com uma ferramenta ou qualquer
outro objecto metálico.
Risco de ferimento. O electrólito da bateria é extremamente corrosivo. Proteger sempre
os olhos, a pele e o vestuário durante a manipulação de baterias. Usar sempre óculos e
luvas de protecção.
Em caso de contacto com a pele, lavar abundantemente com água e sabão. Em caso de
salpicos para os olhos, lavar abundantemente com água e consultar imediatamente um
especialista.
8.6.1 Verificar o nível de electrólito
O nível de electrólito deve encontrar-se a cerca de 10 mm acima das placas da bateria.
1.
Repor ao nível com água destilada, se necessário.
2.
Introduzir água destilada lentamente para evitar os salpicos.
Usar óculos de protecção e luvas de borracha durante qualquer manipulação de
baterias (adicionar água, carregamento, etc.).
Nota: algumas baterias sem manutenção estão sujeitas a instruções específicas que
devem ser tidas em conta.
Após a reposição ao nível, a bateria deve ser recarregada pelo menos durante 30 minutos.
8.6.2 Verificar a densidade ácido-tensão
A cada 2 meses, devem ser efectuadas as seguintes verificações:
1.
Verificar a densidade do ácido contido nos elementos (todos os elementos da bateria devem ter uma densidade idêntica; caso
contrário, é necessário substituir a bateria)
2.
Verificar a tensão em repouso.
Densidade do ácido
Estado de carga
Tensão em repouso
Constatação/acção
1,27
100 %
Acima de 12,60 V
1,25
80 %
12,54 V
1,20
60 %
12,36 V
A partir de 60 % recarregar
1,19
40 %
12,18 V
Risco de sulfatação
1,13
20 %
Abaixo de 11,88 V
Inutilizável
Os resultados das medições de densidade e de tensão permitem definir um estado de carga da bateria. Se o estado de carga for
inferior a 60 %, é necessário recarregar a bateria.
102 / 118
8.6.3 Ligar - desligar a bateria
Para ligar a bateria:
1. Ligar primeiro o cabo de ligação vermelho (+) ao borne positivo da bateria.
2. Depois, ligar o cabo preto (-) ao borne negativo da bateria.
Para desligar a bateria:
1. Desligar primeiro o cabo preto (-)
2. Depois, desligar o cabo vermelho (+).
8.6.4 Carregar a bateria
As baterias muito descarregadas ou sulfatadas (formação de depósito branco de sulfato de chumbo nas placas que endurece) deixam
de poder regenerar-se ou carregar-se num grupo electrogéneo.
Uma bateria descarregada deve ser recarregada imediatamente, caso contrário sofre danos irreparáveis.
ATENÇÃO
Carregamento da bateria
Exemplo de carga:
- bateria 12V 60 Ah = corrente de carga 6 A;
-
estado de carga: 50 % (densidade do ácido 1,19 e tensão em repouso 12,30 V);
-
30 Ah em falta na bateria e devem ser recarregados.
-
factor de carga: 1,2;
-
30 Ah x 1,2 = 36 Ah a recarregar;
-
corrente de carga: 6A, cerca de 6 horas de carga necessárias; a corrente de carga
o
deve estar sempre a 1/10 da capacidade nominal da bateria.
A recarga fica concluída quando a tensão da bateria e a densidade do ácido deixarem
de aumentar.
A potência do carregador deve estar adaptada à bateria a carregar e ao tempo de carga disponível.
Nota: se o carregamento abranger várias baterias ligadas entre si, é necessário controlar os seguintes pontos:
- As baterias estão ligadas em série?
- A tensão escolhida está correcta? 1 bateria 12 V, 3 baterias 36V.
- Ajustar a corrente de carga em função da bateria mais fraca.
- A diferença de potência entre as baterias deve ser tão pequena quanto possível.
8.6.5 Limpar a bateria
Manter as baterias limpas e secas. A presença de impurezas e de oxidação na bateria e nos
bornes pode provocar picos de corrente, quedas de tensão e uma descarga, em particular com
tempo húmido.
1. Limpar todos os vestígios de oxidação nos bornes da bateria e os terminais dos cabos com
uma escova de latão.
2. Apertar fortemente os terminais dos cabos e lubrificá-los com massa para bornes de bateria
ou vaselina. Um terminal mal apertado pode provocar faíscas e, por conseguinte, uma
explosão.
103 / 118
8.6.6 Procurar as avarias
Defeito constatado
O
ácido
aquece
aquando
enchimento de uma bateria nova
Origem provável
do
O ácido escorre pelos orifícios de
enchimento
Nível de ácido demasiado baixo
Nível de ácido demasiado baixo
Comportamento incorrecto ao arrancar
Medições ou observações
Composição incorrecta
Armazenamento incorrecto
Armazenamento bastante longo em
local húmido
Arrefecer
Bateria demasiado cheia
Reduzir o nível de líquido da bateria
Recipiente da bateria não estanque
Formação importante de gases devido a
uma tensão de carga demasiado
elevada
Carga insuficiente
Curto-circuito no circuito da corrente
Defeito de consumo
Carregar a bateria
Controlar a densidade do ácido
Substituir a bateria
Controlar o carregador e reparar, se
necessário
Recarregar a bateria
Controlar a instalação eléctrica
A bateria foi enchida com ácido em vez
de água
Reduzir o nível do ácido e encher com
água destilada. Repetir a operação, se
necessário
Bateria vazia
Recarregar a bateria
Bateria usada ou com defeito
Capacidade demasiado fraca
Bateria sulfatada
Substituir a bateria
Bornes da bateria fundidos
Má ligação eléctrica
Más cablagem da bateria
Apertar as extremidades dos cabos da
bateria ou substituí-los, se necessário, e
substituir a bateria
Um ou dois elementos desgaseificam
fortemente
durante
uma
carga
importante
Elemento(s) com defeito
Substituir a bateria
Estado de carga demasiado fraco
Verificar a carga
Curto-circuito no circuito de corrente
Auto-descarga elevada (por exemplo:
por sujidade do electrólito)
Sulfatação (armazenamento da bateria
descarregada)
Substituir a bateria
Referência incorrecta de bateria
Definir a referência correcta da bateria
para a utilização preconizada
Densidade de ácido demasiado elevada
Arranque difícil
Mau teste de arranque
A bateria descarrega-se muito depressa
Curta duração de vida
Consumo de água elevado
A bateria explode
Excesso de descargas profundas
repetidas
Armazenamento demasiado longo da
bateria descarregada
Sobrecarga
Tensão de carga demasiado elevada
Faíscas depois de carregar a bateria
Curto-circuito
Ligar ou desligar aquando da operação
de carga
Defeito
interno
(por
exemplo:
interrupção) e nível de electrólito baixo
104 / 118
Não esquecer de carregar a bateria com
um regulador
Verificar o carregador (regulador de
tensão).
Substituir a bateria
8.7.
Carregador de baterias AEES
8.7.1 Função
Os carregadores de baterias são módulos de carga para alimentações eléctricas auxiliadas, adaptados aos equipamentos e aos
sistemas com picos de corrente: relés, motores, electroválvulas, autómatos, dispositivos sonoros de alerta, etc. e respectivos circuitos
permanentes de vigilância, sinalização, controlo e comando ou destinados ao carregamento de baterias de acumuladores.
Estes módulos carregadores associados a baterias constituem conjuntos carregadores de baterias que protegem o conjunto dos
sistemas quando ocorrem defeitos de alimentação.
Alimentam os equipamentos permanentes (vigilância, sinalização, controlo e comando) e asseguram a manutenção das baterias.
8.7.2 Procura e tratamento das avarias
Modelo de carregador
(AEES)
Constatação
Causa provável
Solução
Alimentação eléctrica 230 Vca
ausente.
Verificar se há tensão de
alimentação nos bornes 0 230.
Fusível FS (sob a tampa do
carregador) defeituoso.
Substituir o fusível
Se o defeito persistir, substituir
o carregador.
Verificar se há tensão de
alimentação
nos
bornes
0 230 400.
CE-D
Alimentação eléctrica 230 ou
400 Vca ausente.
O LED verde está apagado.
CN-D e CPN-D
ACP2 12
ACP3 12
ACP4 24-5
A
tensão
de
saída
anormalmente baixa.
A
tensão
de
saída
é
anormalmente
baixa,
carregador em funcionamento.
Alimentação eléctrica 230 Vca
ausente.
Disjuntor ou fusível a montante
aberto.
Fusível FS (interno) defeituoso.
Bateria que sofreu uma
descarga, o carregador está
em limitação de intensidade.
é
O LED vermelho está aceso
(opções mD ou mM).
Protecção de fusível ou
disjuntor FS desligado (externo
ao carregador).
CE-D
CN-D e CPN-D
ACP2 12
ACP3 12
ACP4 24-5
A
mesma
causa
indicada, mas a
descarregou-se
completamente.
acima
bateria
Bateria que sofreu uma
descarga
completa,
o
carregador está em limitação
de intensidade.
105 / 118
Verificar a protecção de fusível
ou disjuntor FS.
Se o defeito persistir, substituir
o carregador.
Verificar
a
alimentação
eléctrica e o estado das
protecções.
Verificar o fusível interno FS:
 1A-T para ACP2 e 3
 2A-T para ACP4.
Retirar o fusível de saída F2 do
carregador (externo) e verificar
a tensão de saída nos bornes
+ - com a bateria desligada:
 13,2 Vcc para CE-D
 13,2 Vcc, 26,4 Vcc ou 52,8
Vcc para CN-D e CPN-D.
Se a tensão estiver correcta,
repor o fusível F2.
Aguardar
pela
recarga
completa da bateria (a tensão
deve subir progressivamente);
caso contrário, substituir o
carregador.
Verificação da tensão do
carregador com a bateria
desligada:
 13,2 Vcc para ACP2 e 3
 26,4 Vcc para ACP4.
Aguardar pela recarga da
bateria (a tensão deve subir
progressivamente).
Verificar o estado da bateria.
Modelo de carregador
(AEES)
Constatação
Causa provável
A bateria está descarregada
com o LED verde do
carregador aceso.
CE-D
CN-D e CPN-D
Fusível
defeituoso.
A bateria está descarregada,
presença de alimentação e
carregador em funcionamento.
ACP2 12
ACP3 12
ACP4 24-5
Fusível F2 defeituoso.
CE-D
CN-D e CPN-D
Defeito de
carregador.
A
tensão
de
saída
anormalmente elevada.
F2
Solução
(exterior)
é
O LED vermelho está aceso
(opções mD ou mM).
O comando "pré-aquecimento"
não funciona (o LED amarelo
"PRE" não se acende).
ACP2 12
ACP3 12
ACP4 24-5
regulação
do
Ficha C27 mal ligada
O fusível FS está defeituoso.
O sinal de defeito está activo.
O sinal de alarme está activo.
Verificar a ligação da bateria
(polaridades +/-).
Substituir o fusível F2.
Se o defeito persistir, substituir
o carregador.
Verificar a ligação da bateria
(polaridades +/-).
Substituir o fusível F2:
 5A-T para ACP2 e 3
 10A-T para ACP4.
Se o defeito persistir, substituir
o carregador.
ACP3 12
ACP4 24-5
Substituir o carregador.
Verificar o potencial do borne
central da ficha C27:
 +12 Vcc relativamente ao
negativo para ACP2 e 3
 +24 Vcc relativamente ao
negativo para ACP4.
A entrada do carregador está
em curto-circuito, substituir o
carregador.
O fusível F2 está defeituoso.
Verificar a ligação da bateria
(polaridades +/-). Substituir o
fusível F2:
 5 A-T para ACP3
 10 A-T para ACP4.
Se o defeito persistir, substituir
o carregador.
O carregador provocou uma
sobretensão.
Desligar
a
alimentação
eléctrica e a bateria, voltar a
ligar a alimentação e a bateria;
se o defeito persistir, substituir
o carregador.
O
carregador
subtensão.
A bateria e/ou a utilização
provoca
uma
sobrecarga.
Desligar a alimentação e a
bateria; se o defeito persistir
em
vazio,
substituir
o
carregador.
Defeito de carga.
106 / 118
está
em
O carregador está avariado,
substituir o carregador.
8.8.
Válvula de corte
As válvulas de corte são órgãos de segurança de fecho automático e de activação manual.
Todos os modelos dispõem de um sistema de activação constituído por:
-
Ou um hexágono para utilização de uma chave.
-
Ou uma alavanca para accionamento directo.
Para activar:
1.
Munir-se da alavanca ou posicionar a chave no hexágono (para uma melhor ergonomia, aconselhamos a utilização de uma
chave de luneta).
2.
Rodar lenta mas firmemente no sentido indicado Figura71: Modelos de válvulas de corte até sentir o ponto de accionamento
do bloqueio.
3.
Aliviar progressivamente a força: a válvula deve permanecer aberta.
Grupo R66
Modelo "B"
Porca sextavada de 19
Grupo R350
Modelo "N"
Modelo "F"
Porca sextavada de 17
Alavanca
Figura71: Modelos de válvulas de corte
107 / 118
Grupo R550
Modelo "E"
Alavanca ou porca sextavada
de 19 ou 22
consoante o modelo
8.9.
Arrefecedores
Antes de qualquer intervenção:
-
Verificar se o aparelho está desligado.
-
Assegurar-se de que a alimentação eléctrica está segura.
-
Fazer baixar a temperatura e a pressão, para efectuar qualquer intervenção no cabo.
Qualquer intervenção deve ser efectuada por pessoal qualificado.
ATENÇÃO
Verificar periodicamente o estado de sujidade das aletas do cabo e proceder à limpeza sempre as condições locais assim o exijam.
Nota: O estado de limpeza é um factor determinante para os desempenhos e a longevidade do aparelho.
Dado que os motores estão equipados com um sistema de reciclagem dos vapores de óleo, o cabo não deve estar gorduroso. Uma
limpeza com ar comprimido dirigido paralelamente às aletas é, regra geral, suficiente para limpar o cabo.
Em qualquer caso, a limpeza deverá ser feita com prudência para não deteriorar a superfície com aletas.
O modo operatório descrito a seguir é um modo operatório de princípio.
Este modo deve estar adaptado à instalação realmente montada. En caso de dúvida, contactar um
especialista.
ATENÇÃO
108 / 118
1.
Esvaziar os circuitos de alta temperatura (AT) e de
baixa temperatura (BT) de refrigeração através dos
orifícios situados na parte inferior do refrigerador
(relevo de purga e de respiradores dispostos nos
colectores ou nos tubos).
2.
Desmontar os tubos flexíveis de ligação ao motor.
3.
Retirar os cabos (depois de tornar segura a
alimentação eléctrica) do conjunto dos ventiladores
extractores e, em seguida, desmontar os ventiladores
começando pela parte superior do refrigerador.
5.
Desmontar as chapas de suporte dos ventiladores.
Ponto de
esvaziamento
circuito BT
Ponto de
esvaziament
o
circuito AT
4.
6.
Proceder da mesma forma para os outros ventiladores.
Desligar os cabos dos servomotores da electroválvula.
7.
Desmontar a electroválvula de forma a poder aceder ao
cabo.
Electroválvula
Servomotores
Caixa
de
ligações dos
servomotores
8.
Com um aspirador industrial, remover os corpos estranhos que possam obstruir o cabo. Eventualmente, soprar o cabo com ar
comprimido.
9.
Se houver corpos gordurosos, utilizar solventes normais para limpar o cabo.
10. Efectuar a montagem no sentido inverso ao da desmontagem e voltar a fechar os circuitos e encher o cabo com líquido de
refrigeração anticongelante.
109 / 118
9. Glossário
AIPR
Auxiliares
(equipamentos
eléctricos
de
electrogéneo)
Nome dado pela SDMO para designar um equipamento eléctrico (armário ou caixa) que recebe
o disjuntor principal (a jusante do alternador de potência) e os arranques auxiliares. De uma
forma geral, o AIPR é montado no chassis do grupo electrogéneo. É utilizado para a integração
dos disjuntores a partir de 800 A.
Os auxiliares eléctricos de um grupo electrogéneo são equipamentos eléctricos que asseguram
o bom funcionamento do grupo electrogéneo e, particularmente, o do motor térmico: carregador
auxiliares de bateria, pré-aquecimento do motor térmico, electrobomba de alimentação de combustível,
um
grupo etc.
Recipiente de retenção
Trata-se de um recipiente que permite recolher as fugas do grupo electrogéneo, para que estas
não poluam o meio ambiente.
Barra de soldadura
É um cordão de soldadura.
Caixa
É o nome corrente dado ao contentor ISO.
Borne de ligação à terra
Borne de ligação de um grupo electrogéneo identificado por uma marcação PE ou por um
símbolo normalizado "Terra" e previsto para permitir a ligação do grupo electrogéneo à terra.
Este borne está ligado internamente às massas do grupo electrogéneo e, de acordo com o
esquema das ligações à terra (SLT), ao neutro do alternador.
(de um grupo electrogéneo)
BT
Baixa Tensão
Baixa tensão A:
50 V <BTA < 500 V em corrente alternada
Baixa tensão B:
500 V <BTB < 1000 V em corrente alternada
Cabo multipolar
Cabo com mais de um condutor isolado.
Cabo tripolar
Cabo multipolar com três condutores isolados.
Cabo unipolar
Cabo com um único condutor isolado.
Campo rotativo
A verificação do campo rotativo numa instalação trifásica consiste em verificar o sentido de
rotação das fases com um aparelho (dispositivo de teste de fases ou rotofase): quando as
fichas do aparelho marcadas fase 1, fase 2, fase 3 estão ligadas às fases correspondentes da
rede a verificar, uma indicação no aparelho permite verificar se a ordem 1-2-3 indicada pela
marcação realizada nos condutores testados (terminais, cabos) está correcta ou não.
(verificação do campo rotativo)
110 / 118
Classes de aplicação
Classes de aplicação (ou de desempenho): G1, G2, G3 e G4.
(ou de desempenho)
Classes de desempenho normalizadas dos grupos electrogéneos definidos pela norma ISO
8528-1:
Definem as exigências particulares de precisão e de estabilidade para a tensão e a frequência
de um grupo electrogéneo durante as variações de carga na instalação que deve alimentar.
Classe de potência
-
Classe G1: para uma aplicação que implica limitações menores de tensão e de
frequência;
-
Classe G2: para uma aplicação cujas limitações são sensivelmente as mesmas do que
as da rede pública;
-
Classe G3: para uma aplicação que implica exigências rígidas de estabilidade da
tensão, da frequência e da forma de onda (exemplo: telecomunicações e cargas
reguladas por tiristores;
-
Classe G4: para uma aplicação que implica exigências de estabilidade particularmente
rígidas da tensão, da frequência e da forma de onda (exemplo: tratamento de dados
informáticos).
Classe de potência: COP, PRP, LTP e ESP.
Classe de potência normalizada de um grupo electrogéneo definida pela norma ISO 8528-1.
Canto para contentor ISO
Peça normalizada presente nas 8 extremidades dos contentores ISO que permite o
manuseamento e o transporte dos contentores.
CPI
Controlador Permanente de Isolamento.
111 / 118
CSC
Convenção Internacional sobre a Segurança de Contentores.
Convenção internacional que regulamenta a segurança (ou convenção C.S.C.) dos contentores
e que foi materializada em França pelo Decreto n°80-837 de 20 de Outubro de 1980 e pelos
diplomas para a sua aplicação.
Estes diplomas definem as modalidades para a obtenção da autorização C.S.C. e apresentam
a lista dos organismos que podem dar esta autorização. Esta autorização materializada por
uma placa normalizada fixada de forma definitiva em cada contentor autorizado é obrigatória,
para autorizar o respectivo transporte marítimo. A carga que o contentor pode suportar em
empilhamento está indicada nesta placa.
Esta autorização é obtida pelo fabricante, para cada modelo de contentor, através da entrega
de um dossiê técnico e após validação de ensaios de tipo pelo organismo autorizado.
DDR
Dispositivo Diferencial Residual.
Trasfega de um depósito de É a conduta de enchimento do depósito de combustível.
combustível
112 / 118
Diferencial
Dispositivo de corrente diferencial-residual DDR.
Dispositivo de protecção contra os riscos de choque eléctrico baseado na detecção de uma
corrente de fuga anormal à terra resultante de um defeito de isolamento numa instalação
eléctrica.
Este dispositivo está previsto para activar o corte da alimentação do circuito eléctrico avariado,
se a corrente de fuga à terra se tornar superior à corrente diferencial-residual máxima atribuída
(sensibilidade) do dispositivo. A sensibilidade e o tempo de activação podem ser fixos ou
ajustáveis consoante o modelo do dispositivo diferencial.
Distinguem-se em função da sua sensibilidade:
-
alta sensibilidade (≤ 30 mA);
-
média sensibilidade (100 mA a 1 A);
-
baixa sensibilidade (3 A a 20 A).
Existem três tipos de dispositivo diferencial:
-
o disjuntor diferencial;
-
o interruptor diferencial;
-
o relé diferencial.
Disjuntor diferencial
Dispositivo diferencial que corta a alimentação de um circuito eléctrico em caso de detecção de
uma corrente de defeito à terra e também em caso de sobrecarga ou de curto-circuito.
Emergência
(acústica)
Diferença entre o nível de pressão acústica ("nível sonoro") medido num determinado local
perto de um grupo electrogéneo em funcionamento e o que é medido quando este grupo
electrogéneo está parado.
ERP
Estabelecimento que Recebe Público.
Factor de potência:
Parâmetro característico de uma instalação eléctrica num determinado momento, obtido
dividindo a potência activa P (kW) pela potência aparente S (kVA) nesse momento. O FP varia
consoante a natureza dos aparelhos alimentados num determinado instante (por exemplo:
quando motores eléctricos potentes são colocados em funcionamento, o FP diminui).
cos φ *
Numa instalação, a potência activa P (kW) e a potência aparente S (KVA) estão associadas ao
factor de potência FP pela relação: FP = P / S. Numa instalação que inclua diversos aparelhos
em funcionamento (iluminação, informática, aquecimento eléctrico, elevadores, etc.), o FP
situa-se em média entre 0,8 e 1.
* o factor de potência de uma instalação é, por vezes, designado por cosseno PHI (cos φ)
desta instalação.
Empilhamento
É a acção de sobrepor contentores
GN
Gás Natural
GNR
Gasóleo Não Rodoviário
GPL
Gás de Petróleo Liquefeito
AT
Alta Tensão
Alta tensão A:
1000 V < HTA < 50 000 V em corrente alternada
Alta tensão B:
50 000 V < HTB em corrente alternada
113 / 118
Impedância
A impedância eléctrica mede a oposição de um circuito eléctrico com a passagem de uma
corrente alternada sinusoidal.
O conceito de impedância é uma generalização da lei de Ohm no estudo dos circuitos em
corrente alternada
Interruptor diferencial
Dispositivo diferencial que corta a alimentação de um circuito eléctrico em caso de detecção de
uma corrente de defeito à terra. Ao contrário do disjuntor diferencial, o interruptor diferencial
não assegura a função de protecção contra as sobrecargas e os curtos-circuitos.
LpA
Nível de pressão acústica (de um grupo electrogéneo).
O nível de pressão acústica LpA (chamado habitualmente "nível sonoro") de um grupo
electrogéneo é indicado em dBA e é medido por um método normalizado a uma dada distância
do grupo electrogéneo. Representa a intensidade sonora emitida pelo grupo electrogéneo e
perceptível pelo ouvido humano nesse ponto. O nível de pressão acústica depende do nível de
potência acústica LWA do grupo electrogéneo e da distância do ponto de medição até ao grupo
electrogéneo; por conseguinte, é necessário precisar sempre esta distância se estiver indicado
um nível sonoro.
-
LWA
O nível de pressão acústica indicado no manual de instruções do grupo electrogéneo
é medido em campo livre a 1 metro do grupo electrogéneo, em conformidade com as
directivas europeias aplicáveis.
Nível de potência acústica garantido (de um grupo electrogéneo).
Nível de emissão sonora em dBA que caracteriza a energia acústica emitida por um grupo
electrogéneo. O nível de potência acústica é uma característica do grupo electrogéneo que é
invariável; não deve ser confundido com o nível de pressão acústica LpA (nível sonoro).
A indicação do nível de potência acústica garantido LWA na placa de identificação dos grupos
electrogéneos destinados a serem utilizados no exterior dos edifícios em países da União
europeia responde a uma obrigação da directiva europeia 2000/14/CE.
Massa
Parte metálica de um material eléctrico susceptível de ser tocada e que, normalmente, não se
encontra sob tensão mas que pode vir a ficar em caso de defeito de isolamento. Todas as
massas do grupo electrogéneo estão ligadas a uma barra colectora das massas equipada com
um borne de ligação à terra do grupo electrogéneo.
Ligação à terra
A ligação à terra de um grupo electrogéneo consiste em estabelecer, com o auxílio de um cabo
(condutor de terra Verde-E-AMARELO de secção adequada à potência do grupo electrogéneo),
uma ligação eléctrica entre o borne de ligação à terra do grupo electrogéneo e uma tomada de
terra ou um borne de terra local de uma instalação.
(de um grupo electrogéneo)
Monofásico
(grupo
electrogéneo
alternador)
Um grupo electrogéneo (ou um alternador) monofásico fornece corrente eléctrica através de
uma única fase e um neutro (2 pólos).
ou
Passagens de garfos
São as aberturas rectangulares na parte inferior de um chassis que permitem a passagem dos
garfos para a deslocação do grupo electrogéneo.
Perda de carga de escape
Durante o escoamento de um fluido numa conduta, ocorre uma perda de energia devido aos
atritos, fala-se, então, em perda de carga.
114 / 118
PME
Pressão média efectiva.
A PME*, ou pressão média efectiva, é a pressão que, se fosse aplicada de uma forma
constante no pistão de um motor de explosão durante todo o seu curso motriz, permitiria obter
um trabalho idêntico ao que é realmente criado. Trata-se, por conseguinte, de uma dimensão
fictícia, útil para comparar vários motores e para determinar a classe de aplicação do grupo
electrogéneo de acordo com a norma ISO 8528 (classe G1, G2 ou G3). A PME é indicada em
Bar ou em kPa nas especificações técnicas dos fabricantes dos motores térmicos.
* em inglês: BMEP (Brake Mean Effective Pressure).
Tomada de terra
Elemento condutor da corrente enterrada no solo para estabelecer um contacto eléctrico com a
terra local (exemplo: piquete de terra, anilhas de folha).
Potência activa (kW)
A potência activa P de um grupo electrogéneo é a potência real mensurável em kW fornecida
por este grupo electrogéneo a uma instalação. É a potência mecânica do motor térmico
convertida em potência eléctrica pelo alternador. Está associada à potência aparente S (kVA)
e ao factor de potência (PF) pela relação: P (kW) = S (kVA) x PF.
-
Potência aparente (kVA)
A potência activa nominal (kW) indicada na placa de identificação do grupo
electrogéneo é a potência máxima que o grupo electrogéneo é capaz de fornecer em
condições de funcionamento definidas pela classe de potência (COP, PRP, LTP ou
ESP) atribuída pelo fabricante ao grupo electrogéneo e indicada na placa de
identificação.
A potência aparente S fornecida por um grupo electrogéneo a uma instalação é a potência
calculada em kVA a partir da intensidade (I) por fase e da tensão (U) entre fases,
independentemente do factor de potência (PF) da instalação. A potência aparente é calculada
através das seguintes fórmulas:
-
Grupo electrogéneo monofásico: S (kVA) = U (V) x I (kA)
-
Grupo electrogéneo trifásico: S (kVA) = U (V) x I (kA) x √3
I (kA) = I (A) / 1000
Exemplo: um grupo electrogéneo trifásico fornece 400 V entre fases e 100 A por fase a uma
instalação. A potência aparente S (kVA) = 400 x 0,100 x 1,732 = 69,28 kVA.
-
Um grupo electrogéneo trifásico está dimensionado e protegido (regulação do
disjuntor) para poder fornecer a sua potência activa nominal (kW) a uma instalação
cujo factor de potência (FP) pode variar de 1 a 0,8.
-
A potência aparente nominal (kVA) indicada na placa de identificação de um grupo
electrogéneo trifásico é determinada para um factor de potência (FP) nominal de 0,8 e
é, portanto, igual à potência activa nominal (kW) dividida por 0,8.
Exemplo: Se a potência activa nominal de um grupo electrogéneo trifásico for de 80 kW, a
potência aparente nominal em kVA será de: 80 / 0,8 = 100 kVA.
-
Se o factor de potência nominal (FP) indicado na placa de identificação de um grupo
electrogéneo monofásico for de 1, a potência aparente nominal (kVA) será igual à
potência activa nominal (kW).
115 / 118
Potência contínua: COP
Potência máxima em kW que um grupo electrogéneo é capaz de fornecer em contínuo
subcarga constante durante um número ilimitado de horas por ano, em condições de
funcionamento estabelecidas, sendo os intervalos e modos operatórios de manutenção
realizados de acordo com as exigências do fabricante.
Legenda
t tempo
P potência
a potência contínua (100 %)
Potência principal: PRP
Potência máxima em kW que um grupo electrogéneo é capaz de fornecer em contínuo
subcarga variável durante um número ilimitado de horas por ano, em condições de
funcionamento estabelecidas, sendo os intervalos e modos operatórios de manutenção
realizados de acordo com as exigências do fabricante.
A potência média admissível (Ppp), num período de 24 horas, não deve ultrapassar os 70 % da
potência principal, excepto acordo contrário do fabricante do motor térmico.
Legenda
t tempo
P potência
a potência principal (100 %)
b potência média admissível durante 24 h
c potência real média num período de 24 h
d paragem
NOTA: t1 + t2 + t3 + …………….+ tn = 24 h
116 / 118
Potência de emergência: ESP
Potência máxima em kW disponível, durante uma sequência de potência variável, em
condições de funcionamento especificadas, que um grupo electrogéneo é capaz de fornecer
até 200 horas por ano em caso de interrupção da energia da rede ou em condições de ensaio,
sendo os intervalos e os modos operatórios de manutenção realizados de acordo com as
exigências dos fabricantes.
A potência média admissível (Ppp), num período de 24 horas, não deve ultrapassar os 70 % da
potência de emergência, excepto acordo contrário estabelecido com o fabricante do motor
térmico.
Legenda
t tempo
P potência
a potência de emergência (100 %)
b potência média admissível durante 24 h
c potência real média num período de 24 h
d paragem
NOTA: t1 + t2 + t3 + …………….+ tn = 24 h
Potência
para
limitada: LTP
utilização Potência máxima em kW que um grupo electrogéneo é capaz de fornecer até 500 h por ano,
em condições de funcionamento estabelecidas, sendo os intervalos e modos operatórios de
manutenção realizados de acordo com as exigências dos fabricantes.
NOTA: a potência para utilização limitada (100 %) está limitada no valor máximo de 500 h por
ano.
Legenda
t tempo
P potência
a potência para utilização ilimitada (100 %)
Regime de neutro
Expressão por vezes utilizada para designar o esquema das ligações à terra (SLT) de uma
instalação (consultar o parágrafo "Regime de neutro").
Relé diferencial
Dispositivo diferencial que assegura apenas a detecção da corrente de defeito à terra num
circuito eléctrico. O relé está previsto para ser ligado ao comando de um disjuntor do qual
activa a abertura para desligar a alimentação eléctrica, se for detectada uma corrente de
defeito.
RJ
Reservatório diário.
117 / 118
Roda jockey
É a roda que se encontra ao nível da lança de um reboque. Pode ser orientada e regulada em
altura.
ELT
Esquema das ligações à terra.
(consultar o parágrafo "Regime de neutro").
MBT
Muito Baixa Tensão.
MBT < 50 V em corrente alternada
MBT < 120 V em corrente contínua
Tensão composta
Tensão entre quaisquer duas fases de uma rede trifásica.
Tensão simples
Tensão entre o neutro e qualquer uma das fases de uma rede trifásica com neutro.
QGBT
Quadro Geral Baixa Tensão.
É o quadro eléctrico baixa tensão das grandes instalações eléctricas.
Este quadro faz a ligação entra a chegada do fornecedor e a rede do cliente.
Rastreabilidade
Sistema eléctrico (exemplo: faixa de aquecimento) instalado nos tubos ou nos depósitos de
combustível para assegurar o seu não-congelamento.
(circuito combustível)
Trifásico
(grupo
electrogéneo
alternador)
Vaso de expansão
Um grupo electrogéneo (ou um alternador) trifásico fornece a corrente eléctrica com três fases
(3 pólos) ou com três fases e um neutro (4 pólos).
ou
Serve para compensar as alterações de volume a que a massa de um fluido da instalação está
sujeita, na sequência das variações de temperatura.
118 / 118
Was this manual useful for you? yes no
Thank you for your participation!

* Your assessment is very important for improving the work of artificial intelligence, which forms the content of this project

Download PDF

advertisement