ILUEST+ série MT

ILUEST+ série MT
SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO ININTERRUPTA (UPS)+ ESTABILIZADORES DE TENSÃO E CONDICIONADORES DE LINHA + FONTES DE ALIMENTAÇÃO COMUTADAS + FONTES DE ALIMENTAÇÃO INDUSTRIAIS + ESTABILIZADORES-REDUTORES DE FLUXO LUMINOSO + ONDULADORES ESTÁTICOS
ESTABILIZADOR-REDUTOR DE FLUXO LUMINOSO
ILUEST+ série MT
MANUAL DO UTILIZADOR
Indice general
1.
Introdução.
1.1.
Carta de agradecimento.
1.2.
Utilização deste manual.
1.2.1. Convenções e símbolos usados.
1.2.2. Para mais informação e/ou ajuda.
1.2.3. Instruções de segurança
1.2.3.1.A ter em conta:
1.2.3.2.Avisos de segurança gerais.
4.6.3. Fonte de alimentação do painel de controlo com monitor LCD.
Terminais (3).
4.6.4. Ligação da bobina do contactor de cabeça. Terminais (4).
4.6.5. Ligação do controlo remoto, comando de economia. Terminais (5).
4.6.6. Interface para relés, terminais (CXR), (CXs), (CXT).
4.7.
Seletor de alimentação contactor "On" manual / "Off"
manual /On-Off automático.
4.8.
Portas de comunicação. Conector (6).
4.9.Opcionais.
2.
Garantia da Qualidade e Legislação.
4.9.1.
4.9.2.
4.9.3.
4.9.4.
Placa SICRES CARD. A instalar no equipamento.
Modem GPRS, externo ao equipamento.
Placa de comunicações com I/O digitais BM491*.
Bypass manual externo.
2.1.
Declaração da Direção.
5.Operação.
2.2.Legislação.
5.1.
2.3.Ambiente.
3.Apresentação.
5.1.1. Controlos antes da colocação em funcionamento.
5.1.2. Colocação em funcionamento.
5.1.3. Paragem completa do equipamento.
3.1.
5.2.
Imagens e legendas.
3.1.1. Vistas do equipamento.
3.1.2. Unidade eletrónica de controlo BM535* / BM536* / BM542*.
3.1.3. Legendas correspondentes às vistas do equipamento e das
unidades eletrónicas de controlo BM535* / BM536* / BM542*.
3.1.4. Legendas correspondentes ao opcional externo em caixa (8), I/O
digitais BM491*.
3.2.
Nomenclatura e esquema estrutural.
Colocação em funcionamento e paragem.
Definição dos LED dos controlos BM535*/BM536*/
BM542* e seletor de endereço (SW4).
5.2.1. Indicações visuais por LED BM535* / BM536*/BM542*.
5.2.2. Modificação do endereço para as comunicações do controlo (SW4).
5.3.Configurações.
6.
Painel de controlo com monitor LCD.
6.1.
Definição das teclas, indicações por LED e a sua
funcionalidade.
3.2.1.Nomenclatura.
3.2.2. Esquema estrutural.
6.1.1. Indicações visuais por LED.
3.3.
6.2.
Funções básicas das teclas.
6.3.
Descrição dos ecrãs.
Descrição do sistema.
3.3.1.Introdução.
3.3.2. Características construtivas.
3.3.3. Princípio de funcionamento.
3.3.4.Versão.
3.4.1. Bypass automático (BA1) ou (BA3).
3.4.2. Comutador de Bypass Manual interno (BM).
3.4.3. Descarregadores atmosféricos a gás de 6,5 kA para a entrada (D)
ou entrada e saída (DD).
3.4.4. Opcional externo em caixa, I/O digitais BM491*.
3.4.5. Quadro de Bypass Manual externo.
3.4.6. Unidade eletrónica de comunicações/telemanutenção SICRES.
3.4.7. Modem GPRS.
6.3.1. Menu de ecrã «Inicial».
6.3.2. Menu «Medidas» (Ecrã 1.1).
6.3.3. Menu «Alarmes» (Ecrã 2.1).
6.3.4. Menu «Histórico» (Ecrã 3.1).
6.3.5. Menu «Parâmetros gerais» (Ecrã 4.1).
6.3.6. Menu «Parâmetros ILUEST» (Ecrã 5.1).
6.3.7. Menu «Programação relés» (Ecrã 8.1).
6.3.8. Menu «Programador horário» (Ecrã 9.1).
6.3.9. Menu «Relógio astronómico» (Ecrã 10.1).
6.3.10. Menu «Contadores de energia» (Ecrã 11.1).
6.3.11. Menu «Sensores externos» (Ecrã 12.1).
6.3.12. Menu «N.º de série e Senha» (Ecrã 13.1).
4.Instalação.
7.
Manutenção, garantia e assistência técnica.
4.1.
Instruções de segurança importantes.
7.1.
Guia básico de manutenção.
4.2.
Receção do equipamento.
7.2.
Guia de problemas e resoluções (FAQ).
3.4.
Opcionais normalizados (extras).
4.2.1. Desembalamento e verificação do conteúdo.
4.2.2.Armazenagem.
4.2.3. Local de instalação.
7.2.1. Se o equipamento não funcionar.
7.2.2. Se o equipamento fica em Bypass.
4.3.
7.3.1. Produto coberto.
7.3.2. Termos da garantia.
7.3.3.Exclusões.
Pontos de fixação.
4.4.Ventilação.
4.5.
Órgãos de proteção e secções recomendadas dos
cabos.
4.5.1. Proteções recomendadas.
4.5.2. Secções recomendadas dos cabos.
4.5.3. Planos de instalação.
7.3.
Condições da garantia.
7.4.
Descrição dos contratos disponíveis de manutenção e
assistência.
7.5.
Rede de serviços técnicos.
8.Anexos.
4.6.Ligações.
4.6.1. Ligação da alimentação do equipamento
4.6.2. Ligação da saída para as cargas.
8.1.
Especificações técnicas gerais.
8.2.
Especificações técnicas particulares.
8.3.Glossário.
SALICRU
3
1.
1.1.
Introdução.
Carta de agradecimento.
Agradecemos de antemão a confiança demonstrada na nossa empresa com a aquisição deste produto. Leia atentamente este manual de instruções antes de ligar o equipamento e guarde-o para
eventuais consultas futuras.
i
Símbolo de «Notas de informação». Aspetos adicionais
que complementam os procedimentos básicos.
Preservação do Ambiente: A presença deste símbolo no
produto ou na documentação associada indica que, no final
do seu ciclo de vida útil, este não deve ser eliminado juntamente com os resíduos domésticos. Para evitar os eventuais danos
no ambiente, separe este produto de outros resíduos e recicle-o
adequadamente. Os utilizadores podem contactar o fornecedor ou
as autoridades locais pertinentes para se informarem sobre como e
onde podem entregar o produto para ser reciclado e/ou eliminado
corretamente.
Estamos à sua inteira disposição para qualquer informação suplementar ou consultas que queira realizar.
1.2.2. Para mais informação e/ou ajuda.
Atentamente.
Para mais informação e/ou ajuda sobre a versão específica da unidade, contactar o nosso departamento de Serviço e Suporte Técnico (S.S.T.).
SALICRU
ˆˆ O equipamento descrito pode causar danos físicos graves,
se for manuseado de forma incorreta. Por isso, a instalação,
a manutenção e/ou a reparação deste equipamento devem
ser levadas a cabo pelo nosso pessoal ou por outro expressamente autorizado.
ˆˆ Em linha com a nossa política de evolução constante, reservamo-nos o direito de modificar as características total ou
parcialmente sem aviso prévio.
ˆˆ A reprodução ou a cedência a terceiros deste manual sem
autorização prévia escrita por parte da empresa estão proibidas.
1.2.
Utilização deste manual.
Este manual tem como objetivo proporcionar explicações e procedimentos para a instalação e a utilização do equipamento. Este manual deve ser lido atentamente antes da instalação e da utilização.
Guardar este manual para consultas futuras.
O equipamento deve ser instalado por pessoal qualificado e,
com a simples ajuda do manual, pode ser utilizado por pessoal
sem formação específica.
1.2.1. Convenções e símbolos usados.
Símbolo de «Atenção». Ler atentamente o texto e tomar as
medidas preventivas indicadas.
Símbolo de «Risco de descarga elétrica». Prestar especial atenção a este símbolo, tanto na indicação impressa
sobre o equipamento, como na dos parágrafos de texto referidos no
manual de instruções.
Símbolo de «Terminal de ligação à terra». Conectar o
cabo de terra da instalação a este terminal.
1.2.3. Instruções de segurança
• O cumprimento das «Instruções de segurança» é obrigatório,
sendo o utilizador legalmente responsável pela sua observância
e aplicação.
1.2.3.1. A ter em conta:
• A legislação local sobre eletricidade e diferentes restrições no
local de instalação do cliente podem invalidar algumas recomendações do manual. Quando houver discrepâncias, o utilizador deve cumprir as normas locais aplicáveis.
• Não instalar o equipamento em ambientes corrosivos, pulverulentos ou que não cumpram as especificações ambientais
do produto. Nunca instalar o equipamento ao ar livre, exceto
aqueles concebidos especificamente para estas condições.
• Não obstruir as grelhas de ventilação nem introduzir objetos
através das mesmas ou outros orifícios.
• Deixar um espaço livre mínimo de 15 cm em redor do equipamento para a circulação do ar de ventilação.
• O local de instalação deve ser espaçoso, ventilado, afastado de
fontes de calor e de fácil acesso.
• Além do espaço de ventilação indicado anteriormente, devem
ser proporcionados 75 cm livres em todo o perímetro do equipamento para uma eventual intervenção do pessoal de Serviço e
Suporte Técnico (S.S.T.), pois se isto implicar a movimentação
do mesmo, os cabos ligados devem ter a folga necessária.
• Instalar o equipamento o mais próximo da tomada de corrente
e das cargas a alimentar.
• Não colocar materiais sobre um equipamento nem elementos que impeçam a correta visualização do ecrã.
• Não limpar os equipamentos com produtos abrasivos, corrosivos, líquidos ou detergentes. Se for necessário limpar o equipamento, passar um pano húmido e secar seguidamente. Evitar
salpicos ou derrames que possam introduzir-se por ranhuras ou
grelhas de ventilação.
• Evitar a luz solar direta.
Símbolo de «Terminal de terra de ligação». Conectar o
cabo de terra da instalação a este terminal.
4
MANUAL DO UTILIZADOR
1.2.3.2. Avisos de segurança gerais.
• Todas as ligações do equipamento devem ser realizadas sem
rede e com o disjuntor ou disjuntores magnetotérmicos de entrada em repouso, na posição «OFF».
•
No interior do equipamento existem tensões perigosas.
Nunca abrir a caixa. O acesso deve ser efetuado por
pessoal autorizado e qualificado. Em caso de manutenção ou
avaria, contactar o S.S.T. mais próximo.
anéis, pulseiras, braceletes ou outros objetos suspensos.
ˆˆ Não depositar ferramentas nem objetos metálicos no interior do equipamento, mesmo quando se estiver a trabalhar
sem tensão. Risco de curto-circuito ao fornecer energia
elétrica.
ˆˆ Não manipular com as mãos ou objetos condutores nem
curto-circuitar a barra de terminais.
•
A conexão de terra de proteção deve ser ligada obrigatoriamente, assegurando-se de que se realiza antes de
ligar a tensão de entrada.
• A instalação de aparelhos equipados com terminais deve ser efetuada por pessoal qualificado em instalações elétricas de baixa
tensão.
• As secções dos cabos utilizados na alimentação do equipamento e das cargas a alimentar devem estar em conformidade
com a corrente nominal indicada na placa de características
do equipamento e respeitar a legislação eletrotécnica de baixa
tensão aplicável.
• Todos os cabos elétricos de alimentação dos equipamentos e
das cargas devem estar fixados a elementos inamovíveis, pois,
caso contrário, estão sujeitos a esticões.
•
•
•
•
•
•
Deve ser tido em conta que, se o equipamento incorporar Bypass manual, e na presença de rede e com o
disjuntor magnetotérmico de entrada em "On", é fornecida
tensão na saída tanto no modo de funcionamento de estabilizador como de Bypass (avaria do próprio estabilizador). Colocar
avisos de perigo e/ou interruptores de emergência se as normas
de segurança da instalação específica assim o exigir.
Do ponto de vista da instalação e da segurança elétrica, os estabilizadores devem ser considerados autotransformadores ou
linhas de distribuição. Estes aparelhos são «transparentes» à
tensão de entrada.
É indispensável a ligação do Neutro de entrada em equipamentos trifásicos ao terminal disponível para o efeito.
Em estabilizadores e acondicionadores de linha trifásicos com
regulação independente por fase em que existam desequilíbrios
de tensão na rede trifásica ou nas cargas, a tensão entre fases
na saída pode não ser igual. No entanto, a estabilização entre
fases e neutro deve ser conservada.
Os produtos montados em quadro (T) devem ser instalados num
conjunto predeterminado por profissionais.
ˆˆ A sua instalação deve ser projetada e executada por pessoal qualificado, que será responsável pela aplicação da legislação e das normas de segurança e de CEM que regulem
as instalações específicas a que o produto se destina.
Tomar as seguintes medidas preventivas antes de manipular
qualquer barra de terminais:
ˆˆ Desligar os respetivos mecanismos de proteção (disjuntores magnetotérmicos ou fusíveis).
ˆˆ Utilizar ferramentas com cabos isolados.
ˆˆ Usar luvas e calçado de borracha.
ˆˆ Nunca manipular com tensão cabos de ligação ou no interior do equipamento. Se, de qualquer forma, as condições
obrigarem a uma intervenção, ela deve ser realizada com
medidas de segurança extremas, que incluem a retirada de
todos os objetos metálicos em contacto com o corpo como
SALICRU
5
2.
Garantia da Qualidade e
Legislação.
2.1.
Declaração da Direção.
Reciclagem do equipamento no final da sua vida útil:
A empresa compromete-se a utilizar os serviços de empresas autorizadas e em conformidade com a regulamentação para que tratem
o conjunto de produtos recuperados no final da sua vida útil (contactar o distribuidor).
Embalagem:
Cumprir os requisitos legais em vigor para reciclar a embalagem.
O nosso objetivo é a satisfação do cliente e, portanto, a Direção decidiu estabelecer uma Política de Qualidade e Ambiente através da
implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade e Ambiente
que permita cumprir os requisitos exigidos pela norma ISO 9001 e
ISO 14001 e pelos nossos Clientes e Terceiros.
Do mesmo modo, a Direção da empresa assume o compromisso do
desenvolvimento e da melhoria do Sistema de Gestão da Qualidade
e Ambiente, através de:
• A comunicação a toda a empresa da importância de satisfazer
tanto os requisitos do cliente como os legais e regulamentares.
• A divulgação da Política de Qualidade e Ambiente e a fixação
dos objetivos de Qualidade e Ambiente.
• A realização de revisões pela Direção.
• A disponibilização dos recursos necessários.
2.2.
Legislação.
O produto ILUEST+ MT foi concebido, fabricado e comercializado
de acordo com a norma EN ISO 9001 de Garantia da Qualidade. A
marcação indica a conformidade com as Diretivas da UE (citadas
entre parênteses) através da aplicação das normas seguintes:
• 2006/95/EC de Segurança de Baixa Tensão.
• 2004/108/EC de Compatibilidade Eletromagnética (CEM).
De acordo com as especificações das normas harmonizadas.
Normas de referência:
• UNE-AENOR EA0032-2007: Relatório de ensaio de equipamentos estabilizadores de tensão e redutores do fluxo luminoso
na cabeça da linha. Requisitos gerais e de segurança do Laboratório Central Oficial de Eletrotecnia (LCOE) de Espanha, relatório
n.º 20080710300.
• IEC 62041: Compatibilidade eletromagnética (CEM).
• UNE-AENOR EA0033-2007: Relatório de ensaio de equipamentos estabilizadores de tensão e redutores do fluxo luminoso
na cabeça da linha. Requisitos de funcionamento do Laboratório
Central Oficial de Eletrotecnia (LCOE) de Espanha, relatório n.º
200807100299.
2.3.
Ambiente.
Este produto foi concebido para respeitar o Ambiente e fabricado
em conformidade com a norma ISO 14001.
6
MANUAL DO UTILIZADOR
3.
3.1.
Apresentação.
unicamente são descritas as normalizadas. Basicamente é preciso
considerar duas divisões: opcionais internos e externos:
• Opcionais internos. Individuais ou combinados, considerando
a compatibilidade entre eles: Bypass manual, Bypass automático (BA1), Bypass automático independente por fase (BA3) e
Descarregadores atmosféricos. Projetados de fábrica para a
seguinte montagem:
ˆˆ Equipamentos monofásicos até 20 kVA ou trifásicos ≤ 45 kVA
(ver figuras 2 e 5, respetivamente). Está disponível uma segunda
caixa metálica para os opcionais, acoplada mecanicamente em
fábrica na própria base do ILUEST+ MT.
ˆˆ Equipamentos trifásicos de 60 e 80 kVA (ver figuras 7 e 8).
O equipamento standard e os opcionais devem ser montados numa caixa metálica de formato superior (mesma
caixa que nos modelos de 100 kVA standard).
ˆˆ Equipamentos trifásicos de 100 kVA (ver figuras 7 e 8). Devido à capacidade da caixa do próprio modelo standard, os
opcionais devem ser instalados no seu interior.
Imagens e legendas.
3.1.1. Vistas do equipamento.
As referências ou abreviaturas entre parênteses em negrito ( ) que aparecem no conteúdo deste documento aludem aos elementos de ligação,
manobra, indicação e elementos auxiliares, que o instalador e/ou utilizador devem conhecer, incluindo os dispositivos opcionais normalizados.
Estas referências, juntamente com a sua função, estão registadas no
ponto 3.1.3 e estão relacionados com as figuras 1 a 13.
Nas figuras 1 a 3 e 5 a 8 são representadas as vistas frontais dos
equipamentos ILUEST+ MT em execução em quadro (T), monofásicos e trifásicos de acordo com a gama de potências, com e sem as
tampas de proteção contra contacto direto (TF*) e com os opcionais possíveis implementados na fábrica.
• Opcionais externos. Unidade eletrónica com I/O digitais.
ˆˆ Esta placa de comunicações é fornecida no interior de uma
pequena caixa metálica (ver figura 13). A caixa deve ser fixada mecanicamente através de uma das duas soluções
previstas:
Para os equipamentos em execução Intempérie (I), é preciso ter em
conta que, basicamente, se trata de um equipamento em quadro
(T) colocado no interior de um contentor com grau de proteção
IP54. Por esta razão, nas figuras 9 e 10 apenas são apresentadas as
vistas com a porta ou portas frontais (Pf) fechadas, já que a própria
vista interior coincide com a do modelo em quadro (T).
–– Com os suportes incluídos (SGD) numa calha DIN.
–– Ou então, através dos 4 orifícios (t7), num suporte ou
diretamente na parede.
As figuras 4 e 11 são complementares às do equipamento e correspondem respetivamente à vista do painel de controlo com monitor
LCD e à U.E. de controlo BM535* / BM536* /BM542*.
i
Quanto à montagem de equipamentos com opcionais, é possível fabricar qualquer variante. No entanto, foram concebidas estruturas em conformidade com o mercado, pelo que
(14)
(t4)
(TF1)
(t1)
A figura 12 corresponde à vista da própria U.E. com I/O digitais.
(13)
(12)
(6)
(t2)
(TF2)
(11R)
(9R)
( )
(1N)
(1R)
(2U)
(2N)
Ver fig. 4
(BM547*)
(CN2)
(3)
(4)
(5)
(CXR)
Fig. 1.
Vista ILUEST+ MT (T) monofásico até 20 kVA.
SALICRU
7
(14)
(t4)
(TF1)
(t1)
(13)
(12)
(6)
(9R)
(t2)
(TF2)
(11R)
Fig. 2.
(BM547*)
(CN2)
(3)
(4)
0
1
2
(10)
(2U)
(2N)
Módulo extras
(TF3)
(t3)
( )
(1N)
(1R)
Ver fig. 4
0
1
2
(5)
Vista ILUEST+ MT (T) monofásico até 20 kVA,
com o módulo de opcionais.
(14)
(t4)
(TF1)
(t1)
(13)
(12)
(6)
(11R)
Ver fig. 4
(BM547*)
(CN2)
(9R)
(9S)
(11s)
(t2)
(TF2)
(9T )
(11T )
(2U)
(2V )
(2W )
(2N)
(1N)
(1T )
(1S)
(1R)
(
)
Fig. 3.
8
(3)
(4)
(5)
(CXR)
(CXS)
(CX T )
Vista ILUEST+ MT (T) trifásico até ≤ 45 kVA.
MANUAL DO UTILIZADOR
()
(ESC)
(6)
(CN1)
(BM484*)
(CN2)
(BM547*)
()
(LCD)
()
(ENT)
(a)
(b)
(c)
(d)
()
Fig. 4.
Vista do painel de controlo com monitor LCD
(12).
(14)
(t4)
(TF1)
(t1)
(13)
(12)
(6)
Ver fig. 4
(BM547*)
(CN2)
(11R)
(9R)
(TF2)
(t2)
(9S)
(11S)
(9T )
(11T )
(
0
(3)
(4)
(5)
1
(2U)
(2V )
(2W )
(2N)
Módulo extras
1
0
(10)
(1N)
(1T )
(1S)
(1R)
2
2
(TF3)
(t3)
)
Fig. 5.
Vista ILUEST+ MT (T) trifásico ≤ 45 kVA, com
o módulo de opcionais.
SALICRU
9
(14)
(t4)
(TF1)
(t1)
(13)
(12)
(6)
Ver fig. 4
(BM547*)
(CN2)
(11R)
(9R)
(TF2)
(t2)
(11S)
(9S)
(11T )
(1N)
(1T )
(1S)
(1R)
(9T )
(2U)
(2V )
(3)
(4)
(5)
(CXR)
(CXS)
(CX T )
( )
(2N)
(2W )
Para ILUEST+ MT de 60 e 80 kVA não está disponível nenhum módulo para os extras, como ocorre nos modelos de
menor potência. Em caso de encomenda de um equipamento com
estas potências e os opcionais normalizados, este será fornecido
montado na caixa de tamanho superior (ver figura 7 e 8).
Fig. 6.
10
Vista ILUEST+ MT (T) trifásico de 60 e 80 kVA.
MANUAL DO UTILIZADOR
(13)
(12)
(14)
(t4)
2
(6)
(TF1)
(t1)
(t2)
(TF2)
1
0
(10)
(9R)
(9S)
(9T )
(TF3)
(t3)
Fig. 7.
Vista ILUEST+ MT (T) trifásico de 100 kVA
standard e de 60 a 100 kVA com opcionais e tampa
frontal (TF3) colocada.
SALICRU
11
Ver
fig. 4
(
0
1
(2U)
(2V )
(2W )
(2N)
(3)
(4)
(5)
(CX T )
(CXS)
(CXR)
)
Fig. 8.
12
2
(1N)
(1T )
(1S)
(1R)
Vista ILUEST+ MT (T) trifásico de 100 kVA
standard e de 60 a 100 kVA com opcionais e tampa
frontal (TF3) retirada.
MANUAL DO UTILIZADOR
(Pf)
(Cl)
Fig. 9.
Vista ILUEST+ MT (I) para modelos monofásicos
e trifásicos ≤ 45 kVA, incluindo o módulo de opcionais.
(Pf)
(Cl)
(Cn)
Fig. 10.
Vista ILUEST+ MT (I) para modelos trifásicos de
100 kVA e ≥ a 60 kVA com o módulo de opcionais.
SALICRU
13
3.1.2. Unidade eletrónica de controlo BM535* /
BM536* / BM542*.
(LD17)
(LD14)
(LD18)
(FS1)
(FS2)
(LD16)
(SW4)
(LD19)
OFF
2
(LD20)
(LD15)
(LD12)
(LD3)
1
ON
(LD13)
(LD8)
(LD5)
(LD6)
(LD7)
(LD11)
(LD10)
(LD9)
Fig. 11. Disposição física das indicações visuais por LED,
microinterruptor e fusíveis de proteção, nos controlos BM535* / BM536* / BM542* (11*).
3.1.3. Legendas correspondentes às vistas do
equipamento e das unidades eletrónicas
de controlo BM535* / BM536* / BM542*.
(1R)
(1S)
(1T )
(1N)
(2U)
(2V )
(2W )
(2N)
( )
(3)
(4)
(5)
(6)
(7)
(8)
(9R)
(9S)
(9T )
(10)
14
Terminal de entrada fase R.
Terminal de entrada fase S.
Terminal de entrada fase T.
Terminal de entrada neutro N.
Terminal de saída fase U.
Terminal de saída fase V.
Terminal de saída fase W.
Terminal de saída neutro N.
Terminal de tomada de terra.
(1) Terminais de alimentação fonte c.a./c.c. do painel de
controlo com monitor LCD (12).
(1) Terminais de alimentação (fase), para a bobina do contacto de cabeça (comando de funcionamento / paragem do
equipamento).
(2) Terminais comando de economia "Saving On".
Conector RJ do painel de controlo para RS-232, acessível
pela parte frontal do equipamento.
Unidade eletrónica de telemanutenção SICRES (Opcional).
Opcional externo em caixa, I/O digitais BM491*.
Disjuntor magnetotérmico de entrada fase R.
Disjuntor magnetotérmico de entrada fase S.
Disjuntor magnetotérmico de entrada fase T.
Comutador de Bypass Manual sem sobreposição (Opcional).
- Posição "1" ou "EST". Luminárias alimentadas pelo ILUEST.
- Posição "0", fora de serviço.
- Posição "2" ou "BM". Luminárias alimentadas diretamente
da rede.
3
(11R) ( ) U.E. de controlo BM535* / BM536* / BM542* para fase R.
(FS1)
Fusível de proteção da fase (R) de alimentação
da unidade eletrónica de controlo.
(FS2)
Fusível de proteção do neutro (N) de alimentação da unidade eletrónica de controlo.
(LD3)
LED excitação relé Bypass (Vermelho).
(LD5.. 11) LED que indica o número de interruptor de estado sólido que está a conduzir (Amarelo).
(LD12) LED alimentação analógica 5 V (Verde).
(LD13) LED alimentação digital 5 V (Verde).
(LD14) LED alarme (Vermelho).
(LD15) LED estado (Verde).
(LD16) LED Bypass (Vermelho).
(LD17) LED TxD (Amarelo).
(LD18) LED RxD (Amarelo).
(LD19) LED comando de economia ativado (Amarelo).
(LD20) LED comando de Bypass ativado (Amarelo).
(SW4)
Microinterruptor atribuição endereço U.E. controlo BM*.
(11S) (3) U.E. de controlo BM535* / BM536* / BM542* para fase
S.
(11T ) (3) U.E. de controlo BM535* / BM536* / BM542* para fase T.
(12) Painel de controlo (ver figura 4):
(LCD) Monitor LCD.
( ) Tecla «ENTER».
( ) Tecla «ESC».
() Tecla cursor de movimento para cima.
MANUAL DO UTILIZADOR
i
() Tecla cursor de movimento para baixo.
() Tecla cursor de movimento para a direita.
() Tecla cursor de movimento para a esquerda.
Indicações visuais por LED:
(a)
LED "Fault" (Vermelho).
(b)
LED "Bypass" (Amarelo).
(c)
LED "Operat." (Verde).
(d)
LED "Prog." (Amarelo).
(BM484*)U.E. de comunicação e gestão do painel de controlo com o monitor LCD, junto do mesmo.
(CN1) Conector BUS comunicações.
(BM547*)U.E. adaptadora ligações BM484* para SICRES.
(CN2) Conector comunicação com SICRES.
(13)
Ventiladores para arrefecimento do equipamento.
(14)
Caixa plástica com conector (slot) disponível para inserir a
U.E. de telemanutenção opcional, SICRES (7).
(Cl)
Manípulo para abrir e fechar a porta frontal (Pf) da caixa ou
armário de intempérie (I), com fecho com chave triangular.
(Cn) Pinos com olhal para as operações de posicionamento.
(CXR) Contacto normalmente fechado (NC) interface para relés, "Bypass
estático fase R". Não disponível com o opcional BA1 ou BA3.
(CXS) Contacto normalmente fechado (NC) interface para relés, "Bypass
estático fase S". Não disponível com o opcional BA1 ou BA3.
(CX T) Contacto normalmente fechado (NC) interface para relés,
"Bypass estático fase T". Não disponível com o opcional BA1
ou BA3.
(I)
Execução em caixa ou armário para intempérie.
(Pf)
Porta frontal da caixa o armário para intempérie (I).
(Pr)
Bucins ou passa-muros.
(T)
Execução básica em quadro.
(3).- Todas as unidades eletrónicas de controlo BM535* /
BM536* / BM542* dispõem das mesmas indicações visuais
por LED, microinterruptores e fusíveis de proteção, sejam estruturas monofásicas ou trifásicas. Consequentemente, a
função destes componentes será descrita unicamente para o
controlo da fase R (11R).
Basicamente, um equipamento trifásico é composto por três
monofásicos devidamente ligados e um único painel de controlo com monitor LCD.
3.1.4. Legendas correspondentes ao opcional
externo em caixa (8), I/O digitais
BM491*.
(BM491*)U.E. entradas e saídas (I/O) digitais.
(Fc10) Cabo plano de 10 vias. Fornecido para a ligação entre a
U.E. I/O digitais e a placa SICRES.
(Fc34) Cabo plano de 34 vias. Fornecido para a ligação entre
a U.E. I/O digitais e a U.E. de comunicação e gestão do
painel de controlo com monitor LCD, BM484*.
(SGD)
Suporte para fixar a caixa do opcional a uma calha DIN.
(TC)
Aberturas para entrada e saída de cabos.
(TF5)
Tampa para caixa mural do opcional I/O digitais.
(t5)
Parafusos de fixação tampa para caixa mural (TF5).
(t6)
Parafusos de fixação suporte para calha DIN (SGD).
(t7)
Orifícios para a fixação da caixa do opcional.
(CN1)
(*)-(CN9) (CN6) (CN5) (CN2) (CN4)
(TF1)Tampa frontal de proteção contra o contacto direto, painel de
controlo com monitor LCD.
(TF2)Tampa frontal de proteção contra o contacto direto, U.E. de
controlo equipamento.
(TF3)Tampa frontal de proteção contra o contacto direto, sobre as
ligações de potência.
(t1)
Parafusos de fixação da tampa frontal (TF1).
(t2)
Parafusos de fixação da tampa frontal (TF2).
(t3)
Parafusos de fixação da tampa frontal (TF3).
(t4)
Parafusos de fixação para U.E. de telemanutenção SICRES.
i
(1).- Recomenda-se que a fase para alimentar a fonte c.a./c.c.
do painel de controlo (terminais (3)) e a que alimenta o contactor de cabeça seja a mesma, conforme mostrado nos esquemas deste manual, com a ligação sobre a fase R.
(2).- Para forçar o -comando de economia-, é necessário
ligar o contacto normalmente aberto e livre de potencial de
um controlador externo (interruptor, relé, relógio astronómico, etc. ), entre os terminais (5). Quando o circuito é fechado com o contacto, o comando de economia é ativado.
NUNCA APLICAR TENSÃO NOS TERMINAIS (5),
LIGAR APENAS UM CONTACTO NORMALMENTE
ABERTO LIVRE DE POTENCIAL.
SALICRU
(CN13)
(CN12) (*)-(CN10)(CN11) (CN7) (CN8)
(*) CN9 e CN10. Comando para forçar para Bypass e/ou economia (utilizar um contacto livre de potencial para fechar o
circuito -NUNCA APLICAR TENSÃO-).
Fig. 12. U.E. com I/O digitais BM491* (Opcional).
Entre as ligações disponíveis na U.E. de I/O digitais BM491* encontram-se:
(CN1) Conector de alimentação c.a., em conformidade com a tipologia da rede, ou seja, em monofásico (R-N) ou trifásico
(R-S-T-N) e tomada anterior ao contactor de cabeça.
15
(CN2) Conector BUS de comunicações com painel de controlo.
(CN4) Conector para comunicação com U.E. de telemanutenção
SICRES.
(CN5) Barra de relé RL1. Controlo do contactor de cabeça (funcionamento / paragem do equipamento).
Terminais 1-2-3, correspondentes ao contacto comutado do
relé (COM-NC-NO). Contacto NC, sem utilização.
O controlo do contactor de cabeça pode ser realizado indistintamente a partir destes terminais ou da ligação habitual
(terminais (4) do equipamento).
(CN6) Barras de 4 saídas digitais. Cada uma destas saídas alimenta um contacto comutado (COM-NC-NO), pertencente
a um relé programável, pela atribuição dos alarmes disponíveis ou estados do equipamento, através do painel de controlo (ver ponto 6.3.3) e que por defeito são:
- Relé RL2. Sobrecarga. Terminais 1-2-3.
- Relé RL3. Sobreaquecimento. Terminais 4-5-6.
- Relé RL4. Bypass. Terminais 7-8-9.
- Relé RL5. Falha da tensão de saída. Terminais 10-11-12.
(CN7) Conector sem utilidade.
(CN8) Barra de 2 entradas analógicas 4 ÷ 20 mA:
- Sensor de fugas, terminal 1
- Sensor de luz, terminal 2
- GND comum, terminal 3.
(CN9) Barra para forçar para Bypass «Bypass order».
(CN10)Barra para forçar para Economia «Saving order».
(CN11)5 entradas digitais predefinidas por defeito de fábrica, para
os seguintes terminais da barra:
- Entrada digital 1. Indicação de disparo de um disjuntor magnetotérmico da distribuição de saída do setor 1, terminal 1.
- Entrada digital 2. Indicação de disparo de um disjuntor magnetotérmico da distribuição de saída do setor 2, terminal 2.
- Entrada digital 3. Indicação de disparo de um disjuntor magnetotérmico da distribuição de saída do setor 3, terminal 3.
- Entrada digital 4. Indicação de disparo de um disjuntor magnetotérmico da distribuição de saída do setor 4, terminal 4.
- Entrada digital 5. Indicação de disparo de um disjuntor magnetotérmico da distribuição de saída do setor 5, terminal 5.
- GND comum, terminal 6.
(CN12)RS-232 através de conector DB9.
No painel de controlo do módulo, está disponível de série a
mesma porta de comunicação, mas com conector do tipo RJ
(9).
A ligação deste conector RJ é básica com três fios (PC, terminal,
etc.). O fornecido com o DB9 na placa concentradora, tal como o
opcional DB9 do painel de controlo (9b), dispõe de comunicações
ampliadas para modem.
Concetualmente, um canal RS-232 não é multiligação, pelo que
apenas é possível utilizar uma ligação de cada vez.
(CN13)RS-485 através de conector RJ.
É possível utilizar as portas de comunicação RS-485 d RS232 em simultâneo.
(t5)
(TF5)
(SGD)
(TC)
(t6)
(BM491*), ver figura 12
(t7)
Fig. 13. Opcional externo em caixa (8), I/O digitais BM491*.
16
MANUAL DO UTILIZADOR
3.2.
Nomenclatura e esquema estrutural.
3.2.1. Nomenclatura.
Série ILUEST+ MT monofásico.
NA 10-2IBMD-CO 2 220V 60Hz “EE84526”
EE***
60 Hz
220 V
2
CO
D
DD
BM
BA1
I
T
2
10
NA
Equipamento especial “EE”.
Frequência, senão é 50 Hz.
Tensão, senão é 230 V.
Painel de controlo preparado para I/O digitais.
Serigrafia "Made in Spain" sobre equipamento e embalagem, por questões aduaneiras.
Descarregador atmosférico 6,5 kA de entrada.
Descarregador atmosférico 6,5 kA de entrada e/ou saída.
Bypass manual.
Bypass automático comum para todo o equipamento.
Execução Intempérie.
Execução Em Quadro.
Primeiro dígito da tensão.
Potência do equipamento em kVA.
Equipamento monofásico da série NA
Série ILUEST+ MT trifásico.
NAT 30-3IBMD-CO 2 3x380V 60Hz T/T “EE84526”
EE*** Equipamento especial “EE”.
T/TTriângulo/Triângulo.
60 Hz Frequência, senão é 50 Hz.
3x380 V Tensão, senão é 3x400 V.
2
Painel de controlo preparado para I/O digitais.
CO
"Made in Spain" sobre equipamento e embalagem, por
questões aduaneiras.
D
Descarregador atmosférico 6,5 kA de entrada.
DD
Descarregador atmosférico 6,5 kA de entrada e/ou saída.
BM
Bypass manual.
BA1
Bypass automático comum para todo o equipamento.
BA3
Bypass automático independente para cada fase.
I
Execução Intempérie.
T
Execução Em Quadro.
3
Primeiro dígito da tensão.
30
Potência do equipamento em kVA.
NAT
Equipamento trifásico da série NA.
(*) Cada equipamento é fornecido de fábrica com um único monitor
LCD, seja o equipamento monofásico ou trifásico.
i
As primeiras siglas indicam, além da denominação do equipamento, a sua natureza elétrica: NAT para os equipamentos
trifásicos e NA para os monofásicos.
SALICRU
17
3.2.2. Esquema estrutural.
• Canal de comunicação RS-232.
SAÍDA
ENTRADA
Disjuntor
magnetotérmico
de entrada
Bypass
automático
Transformador "booster"
Autotransformador de tomadas múltiplas
Interruptores estáticos
de estado sólido
FA
Controlo
comandos
C
CR
REF
CAD
Alimentação
painel controlo
Funcionamento/
paragem
contactor de linha
Controlo de
saída
Painel de
controlo LCD
FA + REF
painel LCD
Comando
"Save On"
Controlo
eletrónico
BM535* /
BM536*
Interface
COM
COM RS232
Fig. 14. Diagrama de blocos ILUEST+ MT.
3.3.
Descrição do sistema.
3.3.1. Introdução.
A nova gama de estabilizadores-redutores de tensão série
ILUEST+ MT atua tanto na estabilização da tensão de alimentação da iluminação, como na redução do fluxo luminoso durante as
horas de menores exigências luminosas.
Com esta conceção, é possível garantir que a tensão que chega às
lâmpadas está sempre dentro dos intervalos de ±2 % do valor nominal, com o qual se consegue que as mesmas e os equipamentos
auxiliares associados funcionem nas condições previstas, obtendo-se um fluxo e níveis de iluminação ótimos.
Uma vantagem significativa está em considerar a vida útil das lâmpadas, já que, como é sabido, as sobretensões noturnas são uma
das principais causas de esgotamento prematuro das mesmas. De
facto, por um lado, uma tensão estável aumenta a vida das lâmpadas de descarga e a eliminação das sobretensões possibilita
também um menor consumo, já que a potência absorvida é mantida
no seu valor nominal (uma sobretensão de 10% aumenta o consumo
em mais de 20% e reduz a vida das lâmpadas até 50%). Por outro
lado, reduzir a tensão de alimentação para valores predeterminados
permite manter níveis de iluminação em conformidade com as necessidades luminotécnicas nas alturas em que os requisitos visuais
são menores.
3.3.2. Características construtivas.
Os ILUEST+ MT baseiam-se nos bem conhecidos e certificados
estabilizadores de tensão da série “RE2”, fabricados desde há mais
de trinta anos e melhorados com as últimas novidades tecnológicas, o que garante uma elevada fiabilidade e desempenho.
Os principais elementos construtivos são (ver figura 14):
•
•
•
•
18
Autotransformador de múltiplas tomadas por fase.
Transformador "booster" por fase.
Controlo eletrónico com microprocessador por fase.
Bypass automático de estado sólido por fase.
• Painel de controlo com monitor LCD e indicações por LED.
Os interruptores estáticos são semicondutores controlados pelo
seu sistema eletrónico, de forma que, em qualquer altura, realize a
condução o correspondente à tomada que naquele instante proporciona a tensão de saída pretendida.
Na figura 14, o secundário do transformador "booster" é alimentado a partir da tensão obtida de uma das tomadas secundárias
do autotransformador, que é alimentada diretamente da rede comercial por um disjuntor magnetotérmico. Esta tomada é ligada ao
transformador "booster" através dos interruptores estáticos administrados por um controlo eletrónico, de forma a funcionar sempre
um único semicondutor, aquele correspondente à tomada que naquele instante proporciona a tensão de saída correta. Esta tensão
é adicionada em fase ou contrafase à rede, através do secundário
do "booster" mencionado, corrigindo as flutuações produzidas na
tensão.
3.3.3. Princípio de funcionamento.
O estabilizador-redutor é instalado na cabeça da linha de iluminação,
no mesmo quadro de comando ou numa caixa separada, sem precisar de qualquer cablagem suplementar de controlo até às lâmpadas
(ver figura 19 «Esquema de ligações de uma instalação típica»). O esquema representado na figura 19 corresponde a de um equipamento
trifásico. No entanto, as ligações de controlo não diferem entre
um monofásico e outro trifásico, pelo que serve igualmente como
exemplo de instalação típica.
A colocação em funcionamento/paragem do equipamento é realizada com a ativação/desativação do contactor de cabeça ou linha,
através do programador horário ou do relógio astronómico do próprio painel de controlo com monitor LCD, com programação prévia,
ou através de qualquer dispositivo externo (célula fotoelétrica, programador horário, interruptor, etc.), que atue diretamente sobre o
mesmo.
No momento em que o equipamento recebe tensão, inicia o funcionamento em Bypass durante os dois primeiros segundos e seguidamente começa o ciclo de funcionamento diário (ver figura 15),
ocorrendo um "arranque suave" da instalação, partindo de 205 V e
mantendo-se neste nível durante 2' 30'', passados os quais começa
a rampa de subida até atingir os 220 V nominais em mais 5 minutos.
Em todo este processo de arranque, a tensão estabiliza nos valores
respetivos.
Depois de finalizado o processo de colocação em funcionamento,
o equipamento vai continuar a alimentar a instalação com a tensão
estabilizada no valor nominal até receber o comando de reduzir o
fluxo. Este comando pode ser ativado de dois modos:
• Através do próprio painel de controlo com o monitor LCD do
ILUEST é possível programar o equipamento para que automatize a colocação em funcionamento diária (alimentação do
contactor de cabeça ou linha), bem como as passagens para os
estados de economia e nominal (ver capítulo 6).
• Com a ativação de um dispositivo exterior, propriedade do
utilizador (programador horário, relógio astronómico, controlo
remoto, acionamento manual, etc.), ligado aos terminais indicados como «Saving On» e desde que o equipamento esteja em
funcionamento (contactor de cabeça ou linha ativado).
MANUAL DO UTILIZADOR
Seja como for, com qualquer um é iniciado um processo de "redução
em rampa suave" que dura 10 minutos, até ao valor de economia.
Este processo tem de ser repetido as vezes programadas, além de
quando ocorrem cortes de alimentação.
Un (V)
É fornecido um comutador de Bypass manual interno de três posições que permite alimentar as cargas através do estabilizador
ILUEST (posição "1" ou "EST") ou então diretamente da rede
comercial -Bypass- (posição "2" ou "BM"). A posição intermédia "0" deixa sem tensão a saída e consequentemente as
cargas.
O comutador é do tipo sem sobreposição e, portanto, existe um
corte na alimentação das cargas durante os mudanças de posição
do comutador, se estiverem em funcionamento.
0
1
2
3
456
78 9
10
(t)
0.- Colocação em funcionamento ILUEST+ MT (contactor de cabeça
ou linha ativado). Durante os 2 primeiros segundos o equipamento
trabalha em Bypass.
1.- Início de "Rampa suave" da ligação.
2.- Chegada ao nível nominal.
3.- Tempo mínimo em nível nominal.
4.- Comando de início para reduzir para o nível de economia 1. Início de
descida em "Rampa suave".
5.- Chegada ao nível de economia 1.
6.- Fim de funcionamento em nível de economia 1 e comando de
início para reduzir para o nível de economia 2. Início de descida
em "Rampa suave".
7.- Chegada ao nível de economia 2.
8.- Fim de funcionamento em nível de economia 2 e regresso (ou
não) ao nível nominal, também em rampa progressiva de subida.
9.- Chegada ao nível nominal. Funcionamento em tensão nominal
até desligar.
10.-Desconexão diária.
Fig. 15. Ciclo de funcionamento.
3.3.4. Versão.
• Esta versão em quadro (T) foi projetada para instalação nos
próprios quadros de distribuição, proteção e comando, nunca
ao ar livre, já que o seu grau de proteção é IP20.
Os contentores como quadros de distribuição devem
dispor de aberturas para a ventilação por convecção do
ILUEST+ MT, sem que isso implique o incumprimento da legislação em termos de grau de proteção.
Opcionais normalizados (extras).
3.4.1. Bypass automático (BA1) ou (BA3).
Opcionalmente, é possível implementar no Bypass automático de estado sólido de série um segundo Bypass automático para contactor e
que, no caso de equipamentos trifásicos, pode ser comum para as três
fases (BA1) ou independente para cada uma das três fases (BA3).
SALICRU
Este comutador, bipolar para equipamentos monofásicos ou tetrapolar para equipamentos trifásicos, facilita enormemente as tarefas de manutenção, que podem ser realizadas sem interromper a
alimentação das luminárias quando o comutador está em posição
1 -Bypass-.
R
S
T
N
U
ILUEST+ MT
fase R
V
ILUEST+ MT
fase S
SAÍDA
205 V
Nível economia 1
Nível economia 2
ENTRADA
220 V
3.4.
3.4.2. Comutador de Bypass Manual interno (BM).
W
ILUEST+ MT
fase T
Comutador
Bypass manual
N
Fig. 16. Esquema de ligações do Bypass manual.
3.4.3. Descarregadores atmosféricos a gás de 6,5
kA para a entrada (D) ou entrada e saída (DD).
Depois dos varistores instalados de série na entrada, constitui o sistema de proteção contra descargas atmosféricas de nível superior.
Adicionalmente, pode incluir indicadores LED de ativação e contactos
auxiliares para a sua telegestão.
3.4.4. Opcional externo em caixa, I/O digitais
BM491*.
Esta unidade eletrónica concentra as diferentes ligações para comunicações e controlo como:
• RS-232 (fisicamente dispõe de dois conectores RS-232, um em
formato DB9 e outro RJ, mas não é possível utilizar os dois simultaneamente).
• RS-485.
• 5 entradas digitais.
• 5 saídas para relés programáveis através do painel de controlo
com monitor LCD). Um dos relés é utilizado para o controlo (funcionamento/paragem) do contactor de cabeça ou linha.
19
3.4.5. Quadro de Bypass Manual externo.
Como alternativa ao comutador de Bypass Manual interno (BM)
descrito no ponto 3.4.2, está disponível um quadro de Bypass manual externo concebido com os mesmos critérios, bipolar para equipamentos monofásicos ou tretrapolar para equipamentos trifásicos
e sem sobreposição.
3.4.6. Unidade eletrónica de comunicações/
telemanutenção SICRES.
A unidade eletrónica de comunicações SICRES é capaz de proporcionar uma interface de comunicações para redes Ethernet com
protocolos TCP-IP e SNMP, modem GRPS, modem RTC.
A porta RS-232 não é multiligação (ver manual EK764*00), pelo que,
se este canal for utilizado para qualquer finalidade, não é possível realizar mais ligações, mesmo que se disponha de conectores adicionais.
Todos os equipamentos são fornecidos de série com a caixa plástica
que integra o slot para a unidade eletrónica SICRES. Isto permite
introduzir a placa de comunicações em qualquer momento durante
a vida útil do produto para ampliar a funcionalidade em gestão e
telemanutenção.
3.4.7. Modem GPRS.
Encarrega-se de realizar a transmissão remota dos parâmetros geridos
pela unidade eletrónica de comunicações SICRES.
A ligação de um modem GPRS serve para o acesso remoto ao equipamento.
O acesso direto a um equipamento ou a monitorização e o controlo de todo
o parque instalado (telemanutenção) dependem do serviço contratado.
20
MANUAL DO UTILIZADOR
4.
Instalação.
4.1.
Instruções de segurança importantes.
• Rever e respeitar as “Instruções de segurança” do ponto 1.2.3
deste documento.
• O procedimento para desembalar o equipamento é explicado no
ponto 4.2. e ilustrado pela figura 17.
Cinta poliéster e cantoneiras de guia cinta
Etiqueta de dados da
embalagem
Passo 1
• Nunca devem ser realizadas tarefas de ligação ou manuseamento de cabos que envolvam risco de descarga elétrica com
tensão.
• Certificar-se de que as características do rótulo de dados da embalagem são as exigidas para a instalação (ver figura 17).
• Os ILUEST+ MT dispõem de 4 orifícios no fundo para a fixação numa base sólida e nivelada (ver figura 18). É obrigatório
realizar as operações mecânicas de fixação do equipamento
antes de prosseguir com a instalação.
• O local de instalação deve ser ventilado e de fácil acesso, e
nunca à intempérie.
Cartão
superior
Cantoneiras EPS e placas
laterais
Passo 2
Embalagem cartão
Passo 3
Palete de madeira
Passo 4
Passo 5
Invólucro plástico
Documentação (CD)
Passo 6
Fig. 17. Processo de desembalamento.
SALICRU
21
•
•
•
•
•
•
22
Adicionalmente, deve ser tido em conta o seguinte:
Os contentores como quadros de distribuição devem
dispor de aberturas para a ventilação forçada do
ILUEST+ MT, sem que isso implique o incumprimento da legislação em termos de grau de proteção.
Respeitar as indicações e recomendações do ponto 4.4 referente a ventilação, considerando os caudais de evacuação de ar
indicados no quadro 1.
Os orifícios de ventilação nunca devem ser obstruídos.
Os disjuntores magnetotérmicos de entrada (9R), (9S) e (9T )
devem estar na posição “0” ou “Off”.
Para aceder aos elementos de ligação, é necessário abrir a
porta frontal e/ou retirar a tampa de proteção dos elementos
de ligação de acordo com versão e a potência do equipamento:
ˆˆ Versão (T):
–– Monofásico até 20 kVA e trifásico ≤ 45 kVA, tanto em
montagem standard ou com o módulo de opcionais.
¤Nestes equipamentos não é necessário retirar nenhuma tampa. Os terminais de ligação são acessíveis
diretamente.
–– Trifásico de 60 e 80 kVA em montagem standard.
¤ Retirar os parafusos (t2) que fixam a tampa frontal (TF2).
¤Retirar a tampa frontal (TF2).
¤Os terminais de ligação ficarão visíveis.
¤ No final das tarefas de ligação, deixar o equipamento com
a tampa (TF2) colocada e fixada com os parafusos (t2).
–– Trifásico de 60 e 80 kVA com opcionais, e 100 kVA standard ou com opcionais.
¤ Retirar os parafusos (t3) que fixam a tampa frontal (TF3).
¤Retirar a tampa frontal (TF3).
¤Os terminais de ligação ficarão visíveis.
¤ No final das tarefas de ligação, deixar o equipamento com
a tampa (TF3) colocada e fixada com os parafusos (t3).
ˆˆ Versão (I):
–– Abrir a porta frontal (Pf) com o manípulo (Cl), desbloqueando previamente a fechadura com a chave triangular fornecida.
–– Já que, basicamente, esta versão não deixa de ser um
equipamento em quadro (T) no interior de uma caixa de
intempérie, proceder de acordo com os passos indicados
anteriormente segundo a potência e a configuração.
–– No final das tarefas de ligação, deixar o equipamento no seu
estado original, colocar a tampa e fechar a porta ou portas
(Pf), bloqueando o manípulo (Cl) com a chave triangular.
Os equipamentos em quadro (T) não dispõem de bucins ou
passa-muros (Pr) situados na base da caixa para a introdução
dos cabos de ligação e retenção dos mesmos. Em vez disso, a
base do equipamento é completamente aberta em quase toda
a sua secção.
É necessário prender os cabos com, por exemplo, abraçadeiras para evitar esticões que os arranquem dos terminais e o risco que isso envolve (possíveis choques elétricos
em pessoas, curto-circuito, derivações para massa, etc.).
Nos equipamentos Intempérie, (I) existem passa-muros (Pr) situados na base da caixa para a introdução dos cabos de ligação.
É necessário prender os cabos com, por exemplo, abraçadeiras para evitar esticões que os arranquem dos terminais e o risco que isso envolve (possíveis choques elétricos
em pessoas, curto-circuito, derivações para massa, etc.).
• A secção dos cabos da linha de entrada e saída é determinada
com base nas correntes da placa de características do equipamento, respeitando o Regulamento Eletrotécnico de Baixa
Tensão Local e/ou Nacional. Nos cabos de controlo, utilizar
cabos com 2,5 mm2no mínimo.
Utilizar de preferência cabos do tipo RZ1-K.
• A ligação do ILUEST+ MT deve ser realizada na cabeça da
alimentação. Nas figuras 19 e 20, podemos ver, a título de
exemplo, o esquema de uma instalação típica trifásica e a
mesma instalação com um equipamento com opcionais.
• O ILUEST+ MT dispõe de proteções magnetotérmicas unipolares por fase e a instalação a montante do equipamento deve
dispor das respetivas proteções diferenciais. Garantir o correto
cumprimento.
• Em caso de instalação de um Bypass Manual exterior por conta
própria, seguir as seguintes recomendações:
O Bypass deve evitar a entrada de tensão pela saída do equipamento, para evitar danos no mesmo (o equipamento não
está protegido contra a ligação de tensão na saída). Portanto,
o Bypass deve desligar a saída do ILUEST+ MT no instante
em que seja manobrado. A melhor opção é um comutador de
três posições e sem sobreposição, com o comum conectado
à carga, um contacto à saída do equipamento (posição "1") e
o outro à fonte alternativa que corresponde à rede de alimentação do equipamento (posição "2"). Das três posições do comutador, a central deve corresponder ao "0" (fora de serviço).
4.2.
Receção do equipamento.
4.2.1. Desembalamento e verificação do
conteúdo.
• Na receção do equipamento, certificar-se de que não sofreu
nenhum dano durante o transporte. Caso contrário, realizar
as oportunas reclamações ao seu fornecedor ou, na sua ausência, à nossa empresa. Certificar-se igualmente de que os
dados da placa de características colocada na embalagem do
equipamento correspondem às especificadas na encomenda.
Caso contrário, tratar a inconformidade o mais rápido possível,
indicando o n.º de fabrico do equipamento e as referências do
documento de entrega.
• Após a receção, é conveniente guardar o equipamento na sua
embalagem original até à sua colocação em serviço para o proteger contra eventuais impactos mecânicos, pó, sujidade, etc.
• A embalagem do equipamento é composta por palete de madeira, invólucro de cartão ou madeira (apenas por encomenda),
cantoneiras e/ou placas de poliestireno expandido (EPS) ou
espuma de polietileno (PE), capa de polietileno e cinta de poliéster.
Todos os materiais são recicláveis, devendo ser eliminados de
acordo com a legislação em vigor. Recomendamos guardar a
embalagem para uma eventual utilização futura.
• Para um correto desembalamento do equipamento, seguir os
passos da figura 17. Apesar de nas fotografias destas figuras
MANUAL DO UTILIZADOR
• Devido à ausência de baterias e/ou outros componentes sensíveis à passagem do tempo, as únicas normas para uma correta
armazenagem consistem na colocação em locais sem pó, humidade, chuva, agentes químicos ou temperatura excessiva, num
lugar coberto. Não deixar ao ar livre, mesmo quando o próprio
equipamento o permitir devido à sua condição, para preservar a
embalagem até à sua instalação final.
Não empilhar um equipamento sobre o outro, já que a embalagem não foi concebida para esta finalidade e função.
Além disso, o centro de gravidade em todos os ILUEST+ MT é
alto ou muito alto, já que está situado aprox. a 2/3 da sua própria
altura, o que torna em instável e mais ainda se as indicações não
forem respeitadas.
Atenção! Existe um elevado risco de queda do equipamento
em caso de incumprimento destas indicações, o que pode implicar danos graves ou muito graves e, inclusivamente, a
morte de pessoas em caso de impacto e/ou a destruição do
equipamento.
SALICRU
• O local de instalação do equipamento depende da sua versão.
No caso de Intempérie (I), o equipamento deve ser colocado
sobre uma base de alvenaria e fixado firmemente sobre ela com
parafusos. Graças ao seu grau de proteção IP54, pode ser instalado ao ar livre.
A versão em quadro (T) , e devido ao seu grau de proteção
IP20, deve ser instalada no interior de um centro de comando
existente. Para uma correta ventilação, é necessário dispor
do caudal de ar adequado de acordo com a potência do equipamento e indicado na tabela 1. Uma unidade em quadro
nunca deve ser instalada à intempérie.
• Independentemente do local de instalação, em todas as execuções é obrigatório fixar firmemente o equipamento à parede, ao interior do contentor ou ao solo, com elementos
que garantam uma total e permanente solidez, através dos
respetivos orifícios situados na base. Ver a figura 18.
•
A circulação forçada do ar de arrefecimento da unidade
foi projetada em sentido ascendente desde a base do
equipamento até à parte mais elevada. Deixar o espaço necessário para que o ar possa circular, tendo em conta os parâmetros indicados.
Pontos de fixação.
C
C
B
øE
Frontal
C A'
A
A' C
øE
B
Maquinagem base para
equipamentos intempérie
(I):
¤Monofásicos até 20 kVA com e
sem módulo de opcionais.
¤Trifásico ≤ 45 kVA com e sem
módulo de opcionais.
¤Trifásico 60 e 80 kVA standard.
A
D
C
Maquinagem base para
equipamentos em quadro
(T):
¤Monofásicos até 20 kVA com e
sem módulo de opcionais.
¤Trifásico ≤ 45 kVA com e sem
módulo de opcionais.
¤Trifásico 60 e 80 kVA standard.
D
4.3.
Frontal
A
C
D
4.2.2. Armazenagem.
4.2.3. Local de instalação.
øE
B
apenas ser mostrado um equipamento na sua execução Intempérie (I), proceder do mesmo modo para a versão em quadro (T):
ˆˆ Cortar as cintas que envolvem a embalagem de cartão.
ˆˆ Abrir as abas da embalagem de cartão.
ˆˆ Retirar o cartão superior.
ˆˆ Retirar as quatro cantoneiras e/ou duas placas de poliestireno expandido (EPS) ou espuma de polietileno (PE).
ˆˆ Retirar a embalagem de cartão, puxando-a para cima.
ˆˆ Retirar a capa (bolsa) de polietileno (PE) que envolve o equipamento.
ˆˆ Retirar a documentação.
ˆˆ Com um porta-paletes ou meios similares, aproximar o
equipamento do local de instalação.
ˆˆ Certificar-se de que a bancada ou base do local de instalação
do equipamento dispõe das maquinagens indicadas na figura
18.
ˆˆ Levantar o equipamento com os meios adequados ao peso
do modelo (ver tabela 6), retirar a palete de madeira e colocá-lo no local de instalação definitivo.
Todos os equipamentos em quadro (T) dispõem de 2 porcas
M10 na face superior da caixa, que permitem colocar dois
pinos ou olhais, propriedade do utilizador, para as operações
de instalação.
Os equipamentos Intempérie (I) com caixa de porta frontal
dupla (Pf) (ver figura 10) são fornecidos de fábrica com 4
pinos fixados na base da própria caixa, para facilitar os trabalhos de instalação na localização definida.
Para los modelos Intempérie (I) com caixa de porta frontal
única (Pf), utilizar cabos adequados ao peso do equipamento.
ˆˆ Prender mecanicamente el ILUEST+ MT com parafusos
adequados (não fornecidos) à base maquinada.
• Até à sua instalação definitiva, é conveniente deixar o equipamento sobre a palete de madeira original para facilitar a sua
movimentação. Do mesmo modo, se não for instalado imediatamente, recomenda-se voltar a embalar o equipamento depois
de realizadas as verificações pertinentes.
• Certificar-se de que, juntamente com o equipamento, foi incluído o CD do Manual de Instalação e Funcionamento.
Frontal
Maquinagem base para equipamentos em quadro (T) e intempérie
(I):
¤Trifásico 60 e 80 kVA com opcionais.
¤ Trifásico 100 kVA com e sem opcionais.
23
A
A'
B
C
D
øE
Monofásico até 20 kVA e
trifásico ≤45 kVA com e
sem módulo de opcionais
325
-
145
12,5
47,5
10
Trifásico de 60 e 80 kVA
sem módulo de opcionais
325
-
270
12,5
80
10
Trifásico de 60 e 80 kVA
com opcionais e 100 kVA
com e sem opcionais
770
-
200
15
75
10,5
Monofásico até 20 kVA e
trifásico ≤45 kVA com e
sem módulo de opcionais
195
92,5
186
78
77
14
Trifásico de 60 e 80 kVA
sem módulo de opcionais
195
92,5
286
78
91
14
Trifásico de 60 e 80 kVA
com opcionais e 100 kVA
com e sem opcionais
500
-
350
268
55
11
Intempérie (I)
Em quadro (T)
Modelo
Fig. 18. Maquinagem das bases do ILUEST+ MT.
4.4.
Ventilação.
O regulador de fluxo luminoso na cabeça de linha para iluminação
pública ILUEST é um equipamento de elevado rendimento, pelo
que as perdas, apesar de reduzidas (<3%), devem ser tidas em
conta na instalação do equipamento. As perdas devido a um rendimento inferior a 100% geram um calor que deve ser dissipado
fora do equipamento. Por essa razão, o invólucro da instalação do
equipamento deve permitir um determinado caudal de ar que proporcione uma ventilação correta. Os caudais referidos estão especificados na tabela 1 para cada potência.
O ideal é que o invólucro permita uma entrada de ar pela parte
inferior e uma evacuação pela parte superior. Normalmente é necessário que a evacuação seja forçada por um ventilador que cria
uma depressão de ar no interior do armário.
Potência
(kVA)
Caudal de ar a
evacuar
m3/h / CFM
Perdas máximas
(W)
3,5
25 / 15
105
5
25 / 15
150
NA+ 7,5-2
7,5
50 / 29
225
NA+ 10-2
10
50 / 29
300
NA+ 15-2
15
75 / 44
450
NA+ 20-2
20
100 / 59
600
NAT+ 7,5-4
7,5
50 / 29
225
NAT+ 10-4
10
50 / 29
300
Modelo
NA+ 3,5-2
NA+ 5-2
NAT+ 15-4
15
75 / 44
450
NAT+ 20-4
20
100 / 59
600
NAT+ 25-4
25
100 / 59
750
NAT+ 30-4
30
220 / 129
900
NAT+ 45-4
45
220 / 129
1 350
NAT+ 60-4
60
320 / 188
1 800
NAT+ 80-4
80
440 / 259
2 400
NAT+ 100-4
100
440 / 259
3 000
Tabla 1. Caudais de ventilação e perdas de acordo com o modelo.
24
4.5.
Órgãos de proteção e secções
recomendadas dos cabos.
4.5.1. Proteções recomendadas.
• Instalar as proteções contra sobreintensidades (sobrecargas e
curto-circuitos), contra correntes de defeito à terra e contra sobretensões, em conformidade com o regulamento local.
Em relação às sobretensões, apesar de o equipamento já vir
protegido de série com varistores, recomendamos a utilização
de outros métodos de proteção (como descarregadores de gás)
se as condições ambientais do local de instalação o exigirem.
• As proteções magnetotérmicas e diferenciais de entrada devem
ser adequadas às correntes da placa de características do equipamento. É recomendável que as proteções diferenciais sejam
de rearme automático para evitar disparos esporádicos devido
a sobreintensidades pontuais como, por exemplo, de descargas
elétricas produzidas em dias de trovoadas.
A proteção magnetotérmica deve ser de curva K de 2 ou 4 polos
respetivamente para equipamentos monofásicos ou trifásicos.
A intensidade de terra do ILUEST é inferior a 16 mA. Esta corrente pode ser aumentada se, através da rede, chegarem perturbações de elevada frequência ou harmónicos significativos.
A intensidade de defeito, limiar de desconexão dos interruptores
diferenciais, que podem ser de rearme automático, deve ser no
máximo 300 mA e a resistência de ligação à terra, medida na colocação em serviço da instalação, deve ser no máximo 30 Ω. No
entanto, são permitidos interruptores diferenciais de intensidade
máxima de 500 mA ou 1 A, desde que a resistência de ligação à
terra medida na colocação em serviço da instalação seja inferior
ou igual a 5 Ω e a 1 Ω, respetivamente.
• A instalação deve dispor de um contactor com bobina de 230
V c.a. para a colocação em funcionamento e paragem do equipamento com, no mínimo, a intensidade de entrada indicada na
placa de características.
4.5.2. Secções recomendadas dos cabos.
• Independentemente do tipo de instalação (enterrada ou aérea),
recomendamos a consulta do Regulamento de Baixa Tensão
das regulamentações locais pertinentes.
• A secção dos cabos da linha de entrada e saída é determinada
com base nas correntes da placa de características do equipamento, respeitando o Regulamento Eletrotécnico de Baixa
Tensão Local e/ou Nacional. Nos cabos de controlo, utilizar cabos
com 2,5 mm2no mínimo.
Utilizar de preferência cabos do tipo RZ1-K para todas as ligações.
• A saída do equipamento para as cargas em cada fase está setorizada por quatro disjuntores magnetotérmicos unipolares.
Deste modo, um problema num setor não afeta a totalidade
da instalação. O ILUEST+ MT incorpora varistores de 40 kA
como proteção contra sobretensões na entrada. No entanto,
em alguns locais com elevada incidência de descargas atmosféricas significativas, dita proteção pode não ser suficiente.
Neste caso, recomenda-se a utilização d proteções adicionais
como descarregadores de gás (sozinhos ou combinados com
varistores).
MANUAL DO UTILIZADOR
Alimentação de rede c.a.
R
S
T
N
Quadro de
alimentação,
linha de ligação
Proteções de entrada
Contadores de serviço
"On" manual
"Off" tensão saída
"On-Off" Automático
Seletor "On-Off":
Proteções
magnetotérmicas
Interruptor diferencial
Fusíveis 6,3x32 mm 1A tipo T. Proteção fonte c.a./c.c. e contactor
Contactor de colocação em funcionamento e paragem do sistema
(contactor de cabeça)
Proteção magnetotérmica equipamento
ESTABILIZADOR REDUTOR DE
FLUXO LUMINOSO ILUEST+ MT
Painel de
controlo com
monitor LCD
SICRES
Entrada
Saída
RSTN
UVWN
Para
cargas
Alimentação fonte c.a./c.c.
Fig. 19.
- Alimentação fonte c.a./c.c.
- Controlo contactor (On-Off ILUEST+)
- 6 terminais interface a relés. Não
disponíveis com o opcional BA1 e
BA3.
Ligação entre SICRES e
painel de controlo
Contacto externo ordem economia
Controlo contactor (On-Off)
Esquema de ligações de uma instalação típica trifásica.
SALICRU
25
Modelo
NA+ 3,5-2
NA+ 5-2
Potência
(kVA)
Intensidade de
entrada (A)
Intensidade de
saída (A)
3,5
17
15
5
25
22
NA+ 7,5-2
7,5
37
33
NA+ 10-2
10
49
43
NA+ 15-2
15
74
65
NA+ 20-2
20
98
87
NAT+ 7,5-4
7,5
12
11
NAT+ 10-4
10
16
14
NAT+ 15-4
15
25
22
NAT+ 20-4
20
33
29
NAT+ 25-4
25
41
36
NAT+ 30-4
30
49
43
NAT+ 45-4
45
74
65
NAT+ 60-4
60
98
87
NAT+ 80-4
80
131
115
NAT+ 100-4
100
163
144
Tabla 2. Intensidades de entrada e saída para modelos normalizados.
4.5.3. Planos de instalação.
Nas figuras 19 e 20, podemos ver, a título de exemplo, o esquema
de instalação típica trifásica do ILUEST+ MT e a mesma instalação com um equipamento com opcionais. É importante cumprir
os seguintes pressupostos:
• O ILUEST+ deve ser instalado sempre na cabeça de linha da
iluminação.
• Manobra:
ˆˆ Contactor funcionamento-paragem.
A instalação de iluminação deve dispor de um contactor
para a manobra de funcionamento-paragem que será instalado na entrada do equipamento regulador de fluxo (na
cabeça).
Esta manobra pode ser efetuada manualmente com um
interruptor, com um programador horário ou com qualquer
outro tipo de automatismo. No entanto, o ILUEST+ MT
dispõe de um painel de controlo com monitor LCD como interface entre o utilizador e o equipamento, que pode realizar
todas as funções de programador horário e relógio astronómico, controlando a colocação em funcionamento, os níveis
de economia e nominal, e a paragem do equipamento.
Para a execução destas funções, é necessário:
–– Fornecer tensão c.a. aos terminais (3) da fonte de alimentação do painel de controlo, a partir da linha de entrada do contactor de cabeça (ver figura 19).
–– Conectar a bobina do contactor aos terminais (4) conforme
indicado na mesma figura 19, para que o sistema funcione
automaticamente de acordo com a programação.
• Se o sistema de acionamento da iluminação for executado com
interruptores horários ou fotoelétricos, deve igualmente estar
disponível um interruptor manual (a instalar pelo utilizador e da
sua propriedade) que permita o acionamento do sistema independentemente dos dispositivos referidos.
26
• O equipamento deve ser instalado a montante do contactor de
iluminação, já que, desta forma, é possível garantir que, durante
as horas em que a iluminação está desligada, o equipamento permanecerá sem tensão, evitando sobreaquecimentos e consumos
desnecessários.
4.6.
Ligações.
Tanto o esquema de ligações exemplificativo da figura 19 como o da
figura 20 pertencem a equipamentos trifásicos.
Para equipamentos monofásicos, proceder em conformidade, dado
que basicamente haverá apenas uma fase para regular. No entanto,
será necessário realizar as mesmas ligações para o controlo.
Respeitar estritamente as ligações e a disposição das proteções e
interruptores auxiliares de comando e controlo, visíveis em ambos
os esquemas, independentemente da tipologia da rede (monofásica
ou trifásica).
• Para aceder aos elementos de ligação, é necessário abrir a
porta frontal e/ou retirar a tampa de proteção dos elementos
de ligação de acordo com versão e a potência do equipamento:
ˆˆ Versão (T):
–– Monofásico até 20 kVA e trifásico ≤ 45 kVA, tanto em
montagem standard ou com o módulo de opcionais.
¤Nestes equipamentos não é necessário retirar nenhuma tampa. Os terminais de ligação são acessíveis
diretamente.
–– Trifásico de 60 e 80 kVA em montagem standard.
¤Retirar os parafusos (t2) que fixam a tampa frontal
(TF2).
¤Retirar a tampa frontal (TF2).
¤Os terminais de ligação ficarão visíveis.
¤
No final das tarefas de ligação, deixar o equipamento com a tampa (TF2) colocada e fixada
com os parafusos (t2).
–– Trifásico de 60 e 80 kVA com opcionais, e 100 kVA standard ou com opcionais.
¤Retirar os parafusos (t3) que fixam a tampa frontal
(TF3).
¤Retirar a tampa frontal (TF3).
¤Os terminais de ligação ficarão visíveis.
¤
No final das tarefas de ligação, deixar o equipamento com a tampa (TF3) colocada e fixada
com os parafusos (t3).
ˆˆ Versão (I):
–– Abrir a porta frontal (Pf) com o manípulo (Cl), desbloqueando previamente a fechadura com a chave triangular fornecida.
–– Já que basicamente esta versão não deixa de ser um
equipamento em quadro (T) no interior de uma caixa
de intempérie, proceder de acordo com os passos indicados anteriormente segundo a potência e a configuração.
––
No final das tarefas de ligação, deixar o equipamento no seu estado original, colocar a tampa e
fechar a porta ou portas (Pf), bloqueando o manípulo (Cl)
com a chave triangular.
MANUAL DO UTILIZADOR
(*) Fonte c.a./c.c. do
GPRS opcional
"On" manual
"Off" tensão saída
"On-Off" Automático
Fusíveis 6,3x32 mm 1A tipo T.
Proteção U.E. I/O digitais
Seletor "On-Off":
Tomada de corrente
c.a. para opcional
GPRS
Quadro de
alimentação,
linha de ligação
RSTN
Fusível 6,3x32 mm 1A tipo T.
Proteção fonte c.a./c.c.
Contactor de colocação em funcionamento e paragem do sistema
(contactor de cabeça)
Proteção magnetotérmica ILUEST
ESTABILIZADOR REDUTOR
DE FLUXO LUMINOSO
Painel de
controlo com
monitor LCD
(**)
SICRES
(*) Antena
GPRS
(*) GPRS
BUS de comunicações com I/O digitais
Bus de comunicações SICRES com I/O digitais
BUS de comunicações SICRES com GPRS
(*) I/O digitais
(***)
Cabos controlo contactor
(On-Off ILUEST+)
Contacto externo comando Bypass
Entrada
Saída
RSTN
UVWN
- 6 terminais interface a relés. Não
disponíveis com o opcional BA1 e
BA3.
- Alimentação fonte c.a./c.c.
Contacto externo comando economia
Cabos alimentação I/O digitais BM491*
(*) Opcionais externos ao ILUEST+ MT:
- I/O digitais BM491*.
- GPRS com fonte c.a./c.c. Juntamente com o opcional é fornecido
o respetivo cabo de comunicações.
- Antena para GPRS.
(**) Unidade eletrónica SICRES (Opcional).
O equipamento incorpora de série o slot para instalar a SICRES
(ver ponto 3.4.6).
Para
cargas
(***) A U.E. de telemanutenção SICRES está ligada por defeito de
fábrica ao painel de controlo com monitor LCD.
Para instalar o opcional de I/O digitais BM491*, é necessário
dispor do equipamento com o painel de controlo adequado (2) e
modificar as ligações entre este e a SICRES (ver ponto 4.9.3).
Fig. 20. Esquema de ligações de uma instalação típica trifásica, com os opcionais externos normalizados I/O digitais BM491* e/ou GPRS.
SALICRU
27
4.6.1. Ligação da alimentação do equipamento
•
Realizar obrigatoriamente a ligação à terra ao terminal
identificado como ( ), antes do fornecimento de
tensão à entrada do equipamento.
• Conectar os cabos provenientes do contactor de colocação em funcionamento do sistema aos terminais de entrada:
ˆˆ (1R) y (1N) para equipamentos monofásicos.
ˆˆ (1R), (1S), (1T ) y (1N), para equipamentos trifásicos.
Respeitar a ordem da fase ou fases e o neutro indicado na etiqueta do equipamento e nas figuras 1 a 4 e 6 a 8 deste manual.
É indispensável conectar o neutro em todo o sistema
trifásico em estrela, que se reconhece imediatamente
na etiqueta dos terminais com um «N».
4.6.2. Ligação da saída para as cargas.
• Ligar a carga ou grupo de cargas aos terminais de saída:
ˆˆ (2R) y (2N) para equipamentos monofásicos.
ˆˆ (2R), (2S), (2T ) y (2N), para equipamentos trifásicos.
Respeitar a ordem da fase ou fases e o neutro indicado na etiqueta do equipamento e nas figuras 1 a 4 e 6 a 8 deste manual.
É indispensável conectar o neutro em todo o sistema
trifásico em estrela, que se reconhece imediatamente
na etiqueta dos terminais com um «N».
• Tanto se a instalação de iluminação já existir ao instalar o
ILUEST+ MT, como se for nova, deve garantir-se uma correta
distribuição da carga para minimizar na medida do possível o
desequilíbrio de fases.
• Recomenda-se setorizar a saída de cada fase com quatro
disjuntores magnetotérmicos unipolares. Deste modo, um problema num setor não afeta a totalidade da instalação.
4.6.3. Fonte de alimentação do painel de
controlo com monitor LCD. Terminais (3).
• Ligar dois cabos do tipo RZ1-K de 2,5 mm2 de secção, provenientes da entrada do contactor de cabeça (fase R e neutro
N), aos terminais (3) -fonte de alimentação para o painel de
controlo com monitor LCD- respeitando o esquema de ligações
das figuras 19 e 20.
4.6.4. Ligação da bobina do contactor de
cabeça. Terminais (4).
• Ligar a bobina do contactor aos terminais (4) através de cabos
de 2,5 mm2 do tipo RZ1-K, respeitando o esquema de ligações
das figuras 19 e 20.
4.6.5. Ligação do controlo remoto, comando de
economia. Terminais (5).
• Utilizar um contacto livre de potencial como, por exemplo, um
interruptor, a instalar pelo cliente, entre os terminais (5) para
fechar o circuito e iniciar e permanecer no nível de economia.
•
Nunca se deve aplicar tensão nestes terminais por se
tratar de contactos livres de potencial.
• Embora todos os equipamentos disponham de uma ou de outra
28
forma dos terminais para aplicar o comando de economia conforme for conveniente, é recomendável, e muito mais eficiente
pela automatização do processo, utilizar todas as funcionalidades do painel de controlo com monitor LCD e especialmente
o próprio comando de economia através do programador interno ou relógio astronómico.
• Quando existir uma unidade eletrónica de entradas e saídas I/O
digitais BM491*, é possível optar por aplicar o comando de economia a partir da barra respetiva (CN10).
Se for necessário, é possível aplicar o comando de economia nos terminais (5) sobre o equipamento ou no conector (CN10) da unidade eletrónica de I/O digitais BM491*,
mas nunca a partir de ambos ao mesmo tempo.
4.6.6. Interface para relés, terminais (CXR), (CXs),
(CXT).
• Todos os equipamentos standard (sem opcionais BA1 ou
BA3) são fornecidos de série com uma barra de terminais
como interface com o equipamento, de 2 ou 6 terminais para
equipamentos monofásicos ou trifásicos, respetivamente.
Cada par de pinos corresponde o contacto normalmente fechado (NC) do relé de Bypass da unidade eletrónica de controlo de cada fase. Não aplicar tensão e/ou corrente superior
a 2 A 250 V c.a. ou 30 V c.c.
Utilizar cabos do tipo RZ1-K de 2,5 mm2 de secção.
4.7.
Seletor de alimentação contactor
"On" manual / "Off" manual /On-Off
automático.
• Se o acionamento da iluminação for executado com interruptores horários ou fotoelétricos, deve igualmente estar disponível um interruptor manual que permita o acionamento do
sistema independentemente dos dispositivos referidos.
Nas figuras 19 e 20 é possível observar um comutador de três posições regulamentar para ativar a função «On» manual (forçamento
manual de colocação em funcionamento do contactor), Off» manual (forçamento manual de paragem do contactor) ou «On-Off»
automático (o contactor é ativado ou desativado de acordo com o
seu automatismo de controlo).
Este comutador não é fornecido com o equipamento e fará parte da
própria instalação do utilizador.
4.8.
Portas de comunicação. Conector (6).
• O painel de controlo com monitor LCD do ILUEST+ MT
dispõe de série de uma porta de comunicação RS-232 através
do conector RJ45 de 8 pinos (6) (ver figuras 1 a 8 e 21).
Referência
N.º pinos RJ 45
GND
4
TXD
5
RXD
6
Fig. 21.
RJ 45
pinos
1
8
Conector RJ45 para RS-232 (6).
MANUAL DO UTILIZADOR
• Adicionalmente, em caso de instalações com o opcional I/O
digitais (8), está disponível um conector DB9 (CN12) na U.E.
BM491* (ver figura 22). Este conector fornece a porta de comunicação RS-232, tal como o conector de série RJ45 (6), fornecido ao lado do painel de controlo com monitor LCD.
Não é possível utilizar as duas ligações RS-232 ao mesmo
tempo, dado que este canal não é multiligação.
Referência
N.º pinos DB9
CD
1
RXD
2
TXD
3
DTR
4
GND
5
RTS
7
CTS
8
RI
9
1
5
69
Fig. 22. Conector DB9 (CN12) para RS-232 em BM491*.
• Na mesma placa BM491* do opcional, está disponível outra
porta, uma RS-485 através de um conector RJ10 (CN13) de 4
pinos (ver figura 23).
Referência
N.º pinos RJ 10
EXT-DO/RI
2
EXT-DO/RI
3
100R-GNDC
4
RJ 10
pinos
1 4
RS485
Fig. 23. Conector RJ10 (CN13) para RS-485 em BM491*.
4.9.
Opcionais.
• Os opcionais normalizados dos ILUEST+ MT foram concebidos
para a montagem em fábrica, exceto aqueles que não afetem a
própria estrutura do equipamento, como a unidade eletrónica SICRES.
• Nesta secção apenas será descrita a ligação dos opcionais normalizados internos ou externos e que implique uma intervenção
para modificar o equipamento e/ou as suas ligações.
•
Todas as ligações ou intervenções num equipamento
devem ser feitas sempre sem tensão.
4.9.1. Placa SICRES CARD. A instalar no
equipamento.
• A placa de telemanutenção SICRES é fornecida separadamente
do equipamento e o instalador deve realizar as ações necessárias para a tornar operacional.
Proceder do seguinte modo para a sua instalação:
ˆˆ Desembalar a placa SICRES.
ˆˆ Todos os equipamentos dispõem de uma caixa plástica (14)
próximo do painel de controlo com monitor LCD (12), que
incorpora um slot ligado de fábrica ao equipamento para
alojar a placa SICRES (7).
SALICRU
ˆˆ Introduzir a placa até encaixar no slot do fundo.
ˆˆ Fixar a placa com os dois parafusos fornecidos (t4).
ˆˆ Para a ligação de comunicações da placa SICRES, consultar
a documentação facultada no CD (manual EK764*).
4.9.2. Modem GPRS, externo ao equipamento.
• O modem é fornecido embalado separado do equipamento,
com a sua fonte c.a./c.c. e antena de comunicação.
•
Nunca instalar à intempérie. Se for necessário, montar
numa caixa com grau de proteção adequado.
ˆˆ Desembalar o modem.
ˆˆ Certificar-se de que, juntamente com o mesmo, são fornecidos a antena, uma fonte c.a./c.c., um cabo com conectores RJ em ambas as extremidades e os parafusos de
fixação.
ˆˆ Fixar o modem a elementos sólidos com os parafusos respetivos.
ˆˆ Fixar a antena tendo em conta o comprimento do cabo.
ˆˆ
Não maquinar a caixa do próprio ILUEST+ MT para
fixar o modem ou a antena, dado que existe um risco
elevado de perfurar peças internas durante a operação e a consequente avaria ou destruição ao colocar em funcionamento.
ˆˆ Ligar o cabo da antena ao modem GPRS.
ˆˆ Alimentar o GPRS com a fonte c.a./c.c. fornecida, do tipo
encapsulado com ficha (similar ao de um carregador de bateria celular).
ˆˆ A fonte deve ser ligada a uma tomada de corrente derivada
da entrada c.a. do contactor de cabeça. A outra extremidade
do cabo com o jack de saída c.c. deve ser introduzida no conector do modem identificado como "POWER" ou DC.
ˆˆ Interligar através do cabo fornecido com conectores RJ nas
extremidades, a SICRES (conector RS-232 B) e o modem
GPRS.
4.9.3. Placa de comunicações com I/O digitais
BM491*.
• A instalação e a ligação do opcional com o equipamento estão
reservadas unicamente a pessoal do (S.S.T.) ou autorizado, já
que implica modificações internas de maior ou menor alcance
em função do equipamento disponível.
• A unidade eletrónica com entradas e saídas I/O digitais é fornecida no interior de uma caixa metálica, embalada separadamente do equipamento.
•
Nunca instalar à intempérie. Se for necessário realizar a
instalação à intempérie, montar numa caixa com grau de
proteção adequado.
• Proceder do seguinte modo para a sua instalação:
ˆˆ Desembalar o opcional.
ˆˆ Certificar-se de que juntamente com o opcional são fornecidos dois BUS de cabos de ligação de 1,8 m (cabo plano),
um de 10 vias e outro de 34, com os respetivos conectores
introduzidos nas extremidades.
ˆˆ A caixa do opcional é fornecido com os suportes (SGD)
acoplados. Estes suportes permitem fixar a caixa sobre
uma guia para calha DIN.
29
Se não estiver disponível uma calha DIN, é possível retirar
os dois suportes (SGD) e fixar a caixa metálica diretamente
na parede ou sobre algum suporte, com parafusos através
dos orifícios (t7).
O opcional deve ser posicionado muito próximo do ILUEST+
MT, já que os BUS de ligação fornecidos para a interligação
de ambos têm cerca de 1,8 m de comprimento e é necessário ter sempre em conta o traçado do cabo pelo interior do
equipamento.
ˆˆ Para proceder à ligação da I/O digital BM491*, é necessário
retirar os parafusos (t5) que prendem a tampa (TF5).
ˆˆ A caixa dispõe de dois entalhes (TC) que permitem e facilitam a passagem dos cabos para os pontos de ligação.
ˆˆ Os conectores e pin-out da placa de comunicações BM491*
estão descritos e relacionados na ponto 3.1.4 e o pin-out
das portas de comunicação no ponto 4.8. Realizar as ligações necessárias:
–– CN5. Controlo do contactor. Esta função é realizada habitualmente no equipamento através dos terminais (4).
–– CN6. 4 saídas digitais.
–– CN8. 2 entradas analógicas.
–– CN9. Comando de Bypass. Para forçar o equipamento
para bypass.
–– CN10. Comando de economia. Esta função também
pode ser ativada no equipamento através dos terminais
(5).
–– CN11. 5 entradas digitais.
–– CN12. Porta RS-232 no conector DB9.
–– CN13. Porta RS-485 no conector RJ.
• Requisitos necessários referentes ao painel de controlo.
ˆˆ Deve estar disponível um equipamento com o painel de
controlo adequado para a ligação com o opcional I/O digitais. Caso contrário, é necessário substitui-lo do seguinte
modo:
–– Retirar os parafusos (t1) que fixam a tampa frontal (TF1)
do painel de controlo e a tampa.
–– Retirar os parafusos (t2) que fixam a tampa frontal
(TF2).
–– Retirar os parafusos (t3) que fixam a tampa frontal (TF3),
se for necessário (equipamentos com módulo de opcionais ou > 80 kVA).
–– Retirar as ligações da (BM484*) (ver figura 5).
–– Retirar os parafusos de fixação do conjunto Painel de Controlo.
–– Substituir o painel de controlo por um apto e fixá-lo com
os mesmos parafusos retirados previamente no passo
anterior.
–– Voltar a ligar a (BM484*) da forma anterior, exceto a ligação sobre o conector (CN2) da (BM547*) (ver figura 5).
–– O painel de controlo foi substituído corretamente.
ˆˆ Para os equipamentos que disponham do painel de controlo
apto para a sua ligação com o opcional de I/O digitais, originalmente de fábrica ou porque a adaptação foi realizada.
A diferença de ligações pode ser vista comparando a figura
19 e 20, já que no primeira a SICRES está ligada ao painel
de controlo e na segunda ambos estão ligados à placa I/O
digitais BM491*.
Proceder do seguinte modo para fazer a ligação conforme
necessário:
–– Retirar o adaptador de ligações de 34 a 10 vias
(BM547*), que está introduzido no conector (CN1) da
30
––
––
––
––
––
––
––
––
––
(BM484*) (ver figura 5).
Segurar no BUS de ligações (cabo plano de 34 vias).
Introduzir o conector de uma das suas extremidades no
conector (CN1) da (BM484*) e a outra extremidade no
conector (CN2) da BM491* do opcional.
Retirar o BUS de 10 vias ligado na parte posterior do slot da
caixa (14) para a SICRES.
Segurar no segundo BUS de ligações (cabo plano de 10
vias). Introduzir o conector de uma das extremidades no
conector do slot da SICRES do ponto anterior e a outra
extremidade no conector (CN4) da BM491* do opcional.
A saída dos BUS de ligação (cabo plano) para o exterior
está disponível através da mesma ranhura que os cabos
de ligação de potência. Colocá-los corretamente para que
não fiquem presos com uma das tampas frontais (TF*).
Colocar a tampa frontal (TF1) do painel de controlo e os
parafusos (t1) que a fixam.
Colocar a tampa frontal (TF2) e fixá-la com os parafusos
(t2).
Colocar a tampa frontal (TF3) e fixá-la com os parafusos
(t3) (equipamentos com módulo de opcionais ou > 80
kVA).
Colocar a tampa (TF5) da caixa do opcional de I/O digitais e fixá-la com os parafusos (t5).
As adaptações e as ligações estão concluídas. Verificar o correto funcionamento do ILUEST+ MT e do
opcional.
Caso contrário, contactar o (S.S.T.).
4.9.4. Bypass manual externo.
• Permite continuar a alimentar as cargas diretamente da rede
comercial durante os períodos de manutenção preventiva ou
quando o ILUEST+ está avariado. É visivelmente útil na iluminação de túneis e/ou interiores onde não convém desligar as
luminárias, nem mesmo em caso de intervenção para revisão,
reparação ou substituição. O Bypass não possui sobreposição,
pelo que se produzem cortes de alimentação durante a transferência do ILUEST+ para Bypass e vice-versa.
•
Ao passar o comutador do Bypass para Manual na posição
«2» (Modo Bypass), as lâmpadas são alimentadas diretamente da rede, independentemente da posição do disjuntor magnetotérmico de entrada de cada fase do ILUEST+ MT. Caso não se
queira que as lâmpadas estejam operacionais, acionar previamente as
proteções do quadro inicial na posição «Off».
• A funcionalidade é a mesma, tanto se o Bypass estiver integrado,
como se se tratar de um quadro de Bypass manual externo. Em
ambos os casos são utilizados comutadores de três posições bipolares ou tetrapolares, conforme sejam equipamentos monofásicos
ou trifásicos.
No entanto, os trabalhos de instalação são diferentes. Enquanto
para um Bypass manual integrado no equipamento não são necessárias ligações adicionais, para um quadro de Bypass manual externo é necessário realizar as interligações entre ambos
os componentes (ver figura 16).
ˆˆ Ligar os terminais pertencentes ao comum do quadro de
Bypass à linha de distribuição que vai alimentar as cargas.
ˆˆ Conectar os terminais pertencentes a um dos contactos do
comutador aos terminais de saída do ILUEST+ MT.
ˆˆ E, finalmente, ligar os terminais pertencentes aos segundos contactos do comutador diretamente à rede comercial.
MANUAL DO UTILIZADOR
5.
Operação.
5.1.
Colocação em funcionamento e paragem.
5.1.1. Controlos antes da colocação em
funcionamento.
Antes da colocação em funcionamento do sistema, existe uma
série de configurações e comprovações que é preciso realizar:
• Verificar a correta ligação da alimentação para o equipamento
e para as cargas, de acordo com os procedimentos descritos no
capítulo anterior. Aconselha-se realizar a primeira colocação em
funcionamento do equipamento sem as cargas ligadas.
• No caso de existir algum dispositivo opcional instalado, comprovar a sua correta ligação e configuração antes de se proceder à colocação em funcionamento do equipamento (ver
manuais específicos relativos).
• Certificar-se de que o seletor manual, situado no quadro ou no
centro de comando da instalação, está na posição "Automático".
•
•
i
5.1.2. Colocação em funcionamento.
• O equipamento e as luminárias (se estiverem conectadas) são
colocados em funcionamento com o fecho do contactor de cabeça e desligam-se com a sua abertura. Este contactor pode ser
controlado pelo próprio equipamento, através do painel de controlo com monitor LCD ou por algum elemento externo e estranho
ao equipamento (célula fotoelétrica, programador horário, relógio
astronómico, comutador para o controlo manual, etc. ).
Não obstante a colocação em funcionamento descrita seguidamente, realiza-se a partir do primeiro pressuposto, em conformidade
com os esquemas das figuras 19 e 20 (controlo sobre o contactor
através do próprio painel de controlo do equipamento).
• Ligar a tensão de alimentação ao equipamento (acionar as proteções de entrada do quadro de comando), com as proteções
de entrada (9R) para equipamentos monofásicos ou (9R), (9S) e
(9T) para trifásicos, em posição "0" ou "Off", e com as cargas
desligadas. Verificar a tensão das fases nos terminais de entrada
do contactor. Se for correta, o monitor LCD do painel de controlo
ficará ativo.
ˆˆ
O ILUEST é fornecido por defeito de fábrica com o
programador horário desativado "Off" para permitir o
arranque do equipamento na sua primeira ativação e verificar o seu correto funcionamento.
Verificar a configuração através das seguintes instruções:
–– A partir do ecrã 0.1, carregar as vezes necessárias na
tecla de avanço (ç) até chegar ao ecrã 9.1. «PROGRAMADOR HORÁRIO» e carregar uma vez na tecla (â),
para aceder ao ecrã 9.2. «Ativar Prog. Horário (NÃO)».
–– Quando o programador horário estiver ativado (com o
(SIM) selecionado), o equipamento começa a funcionar e
para automaticamente de acordo com a programação. Se
estiver no horário de funcionamento, o equipamento ativa
o contactor e, se estiver fora do horário, vai desativá-lo.
i
SALICRU
–– N
esta situação (com o controlador horário ativado, mas
numa hora fora da programação de funcionamento), se
o contactor for ativado manualmente com o seletor "On-Off", e ILUEST vai receber alimentação, mas mantém-se em Bypass.
–– Se o programador horário for desativado selecionando
(NÃO), o contactor de entrada será ativado.
–– Para selecionar (SIM) ou (NÃO), partindo do ecrã 9.1
«PROGRAMADOR HORÁRIO», carregar na tecla ( ) o
indicador (NÃO) ou (SIM) piscará e será possível modificar com a tecla (á) para mudar de (SIM) para (NÃO) e
a tecla (â) para mudar de (NÃO) para (SIM) e ( ) para
validar a seleção.
Acionar as proteções de entrada (9R) para equipamentos monofásicos ou (9R), (9S) e (9T) para trifásicos, para a posição "I"
ou "On".
Ativar o programador horário e realizar uma carência de programação de ensaio para completar um ciclo de trabalho (colocação em funcionamento, comando de economia, regresso
a nominal e paragem), antes de introduzir a programação definitiva, respeitando o procedimento estabelecido no capítulo 6
deste manual.
Verificar previamente se a hora indicada no ecrã é a
atual. Caso contrário, corrigir.
Introduzir tempos próximos do atual (incluir uns minutos de desfasamento na programação, os suficientes para concluir o processo).
Ligar o interruptor geral do quadro de distribuição. Aguardar a ativação do comando programado de colocação em funcionamento e
o contactor de cabeça será ativado.
Parar o interruptor geral do quadro de distribuição e ligar as
cargas.
Acionar de novo o interruptor geral do quadro de distribuição
para a posição "I" ou "On".
Quando o programador horário estiver ativado (com o (SIM) selecionado), o equipamento começa a funcionar e para automaticamente
de acordo com a programação. Se estiver no horário de funcionamento, o equipamento ativa o contactor e, se estiver fora do horário,
vai desativá-lo, e, consequentemente, as luminárias.
Depois de concluído o ciclo de ensaio programado e comprovado o funcionamento correto do sistema, recomenda-se a
introdução da programação definitiva no programador horário
ou no relógio astronómico, consoante os casos. As sequências
programadas são repetidas quotidianamente de acordo com
a configuração, não sendo necessário qualquer procedimento
adicional.
É possível modificar qualquer automatização prevista quando
se quiser, mudando de posição o comutador próprio.
•
•
•
5.1.3. Paragem completa do equipamento.
• A paragem completa e manual do equipamento apenas faz
sentido perante uma manutenção corretiva (avaria) ou
preventiva, dado que, em condições normais, a paragem
será totalmente automática e ignorada através do contactor de cabeça situado no quadro de comando.
• Acionar as proteções de entrada (9R) para equipamentos monofásicos ou (9R), (9S) e (9T) para trifásicos, na posição "0" ou "Off".
• Parar todas as proteções do quadro de comando.
31
5.2.
Definição dos LED dos controlos
BM535*/BM536*/BM542* e seletor
de endereço (SW4).
• Para aceder ao controlo ou controlos eletrónicos, em função de
o equipamento ser monofásico ou trifásico, é necessário retirar
a tampa frontal (TF2) em ambos os casos. Esta tampa está
fixada com os parafusos autorroscantes (t2) situados na face
frontal do equipamento.
É necessário retirar todos os parafusos para tirar a tampa.
Ao finalizar a ligação, colocar novamente a tampa de proteção e fixá-la com os parafusos (t2).
5.2.1. Indicações visuais por LED BM535* /
BM536*/BM542*.
Na figura 11 podemos ver a disposição dos indicadores visuais por
LED incluídos na unidade eletrónica de controlo BM535* / BM536*/
BM542* e que se repete para cada uma das fases.
(LD3)
LED vermelho, indicador relé de Bypass ativado.
(LD5÷11) LED amarelos. Indicam o número de interruptor de estado sólido em condução num determinado momento.
(LD12)
LED verde. Fonte de alimentação analógica 5 V, em funcionamento.
(LD13)
LED verde. Fonte de alimentação digital 5 V, em funcionamento.
(LD14)
LED vermelho, indicador de alarme. Ativado por sobrecarga,
avaria e Bypass.
Se ficar ligado de forma permanente, contactar o Serviço
e Suporte Técnico (S.S.T.). A fase afetada fica em Bypass.
Em caso de equipamentos trifásicos, a fase da unidade eletrónica com o LED iluminado não estabiliza nem regula para
nível de economia.
(LD15)
LED verde. Indica o modo de trabalho do equipamento:
- Nominal, LED aceso.
- Economia, LED apagado.
- Em rampa de subida ou descida, LED intermitente.
(LD16)
LED vermelho de Bypass. Acende-se com Bypass ativado,
por avaria, sobrecarga, sobreaquecimento, por ativação manual ou software do Bypass.
(LD17)
LED amarelo. Comunicações "TxD".
(LD18)
LED amarelo. Comunicações "RxD".
(LD19)
LED amarelo. Comando de economia ativado.
(LD208)
LED amarelo. Comando de Bypass ativado.
5.2.2. Modificação do endereço para as
comunicações do controlo (SW4).
Cada unidade eletrónica de controlo BM535*/BM536*/BM542*
possui um determinado endereço para estabelecer as comunicações
com o painel de controlo com monitor LCD, que pode ser selecionado
com o microinterruptor (SW4) respetivo.
Por defeito, o endereço atribuído num equipamento trifásico é correlativamente 1-2-3 para as fases R-S-T (ver tabela 3), ordenadas
de cima para baixo ou da esquerda para a direita, dependendo da
32
potência do equipamento. Para um equipamento monofásico, o endereço é 1.
Endereço
SW4-1
SW4-2
1 (fase R)
OFF
OFF
2 (fase S)
ON
OFF
3 (fase T)
OFF
ON
Tabla 3. Atribuição de endereço para controlos.
5.3.
Configurações.
• As configurações para o utilizador são os parâmetros do
ILUEST+ MT. Para visualizar ou modificar os valores predefinidos de fábrica para os adaptar à instalação, aceder ao ecrã 13.1
(0000) NORMAL e introduzir a senha de acesso do utilizador. Para
isso, proceder da seguinte forma:
ˆˆ A partir do ecrã 0.1, carregar as vezes necessárias na tecla
de avanço (ç) até chegar ao ecrã 13.1.
ˆˆ Carregar em ( ).
ˆˆ Os carateres ficam intermitentes.
ˆˆ Carregar nas teclas (ç) ou (æ) para alterar os valores e
nas de (â) o (á) para mudar de dígito até introduzir o
código (0500).
ˆˆ Carregar em ( ) para validar.
• Com o código correto introduzido, (0500) PROGR., é possível
alterar os parâmetros do ILUEST+ MT. Para isso e partindo do
ecrã 0.1, carregar as vezes necessárias na tecla de avanço (ç)
até chegar ao ecrã 5.1 «PARÂMETROS ILUEST» (ver mapa de
ecrãs do monitor LCD na figura 26).
• Carregar na tecla (â) para aceder ao ecrã 5.2 «TIPO DE CONFIGURAÇÃO». Nesta área é possível selecionar se as configurações serão (GLOBAIS), a mesma configuração para as três
fases, ou (INDIVIDUAIS), uma configuração para cada uma das
fases.
Para selecionar (GLOBAL) ou (INDIVIDUAL), carregar na tecla (
) no ecrã 5.2 «TIPO DE CONFIGURAÇÃO», com o qual o indicador (GLOBAL) ou (INDIVIDUAL) pisca. Para modificar a seleção, utilizar a tecla (â) ou (á) para mudar entre um e outro
e ( ) para validar a seleção.
Se se optar por (INDIVIDUAL), deve ser selecionada a fase a
programar (1 (R), 2 (S) ou 3 (T)). Para isso, carregar em (
) para entrar no modo de seleção de fase, escolher o número
de fase com as teclas (ç) ou (æ) e validar a seleção com a
tecla ( ). Modificar ou realizar as configurações necessárias
sobre a fase selecionada e seguidamente repetir o processo e
configurações para as restantes fases.
• Com a seleção de um tipo de lâmpada no ecrã 5.3. serão configurados todos os parâmetros do ILUEST pré-programados de
fábrica para esse tipo de lâmpada. Depois da escolha de um
tipo de lâmpada, é possível modificar qualquer um dos ditos
parâmetros (tensão de arranque, duração estado de arranque,
tensão nominal, tensão de economia1, tensão de economia2) e
adequá-los à instalação.
MANUAL DO UTILIZADOR
6.
Painel de controlo com
monitor LCD.
(b) Indicação LED amarelo "BYPASS". Acende-se quando alguma
ou algumas das fases do equipamento estão em Bypass.
(c) Indicação LED verde "OPERAT.". Acende-se quando o equipamento está calibrado e em estado normal de funcionamento.
(d) Indicação LED amarelo "COM.". Permanece intermitente enquanto houver comunicações estabelecidas com o controlo de
cada fase.
6.2.
Fig. 24. Painel de controlo com monitor LCD.
6.1.
(12)
Definição das teclas, indicações por
LED e a sua funcionalidade.
Painel de controlo com monitor LCD (ver figura 24).
(
) Tecla «ENTER».
(
) Tecla «ESC».
(æ)
Tecla cursor de movimento para cima (retrocesso).
(ç)
Tecla cursor de movimento para baixo (avanço).
(â) Tecla cursor de movimento para a direita.
(á) Tecla cursor de movimento para a esquerda.
Indicações visuais por LED (ver figura 24).
(a)
LED vermelho "FAULT".
(b)
LED amarelo "BYPASS".
(c)
LED verde "OPERAT.".
(d)
LED amarelo "COM.".
6.1.1. Indicações visuais por LED.
Na figura 24 podemos ver a disposição dos indicadores visuais
por LED incluídos no painel de controlo com monitor LCD e que se
acendem quando a função é ativada.
(a) Indicação LED vermelho "FAULT". Acende-se por ativação do
Bypass de uma ou mais fases do equipamento, por avaria, sobrecarga, ativação manual por software ou passagem para o modo de
Bypass Manual. Também se ativa por alarme de sobreaquecimento
e por tensão de entrada e saída alta ou baixa.
Nível de
segurança
* PROGRAMAÇÃO *
(*1)
* DE RELÉS * â
Ecrã 8.1
â
á
• Com as teclas de avanço (ç) e retrocesso (æ), é possível
aceder aos ecrãs dos diferentes menus do monitor LCD. Estas
teclas permitem navegar livremente entre os ecrãs.
• Com as teclas direita (â) ou esquerda (á), é possível aceder
aos ecrãs dos diferentes submenus do monitor LCD. Estas teclas permitem navegar livremente entre os ecrãs.
• A tecla ( ) possui diferentes finalidades, dependendo do
menu em que estivermos:
ˆˆ Entrada para os submenus. Carregar na tecla ( ) para ativar
a função de Modificar. Os valores no ecrã piscam. As teclas
(â) - (á) permitem selecionar o caráter a modificar e as teclas
(ç) - (æ) permitem selecionar o valor. As teclas (â) - (á)
permitem selecionar as opções de acordo com cada caso. Para
validar, carregar em ( ). O próximo campo piscará. Para continuar a modificar, proceder do mesmo modo descrito ou carregar
em ( ) para sair.
ˆˆ Validação de medidas ou parâmetros.
• Ao carregar na tecla ( ) a partir de qualquer ponto dos submenus, regressa-se diretamente ao ecrã de início (Ecrã 0.1),
exceto se estivermos em algum ecrã do menu de «Parâmetros» a modificar um deles, em que devemos carregar uma
primeira vez na tecla ( ) para que o parâmetro que está em
modo intermitente deixe de o estar e uma segunda vez para
voltar ao ecrã inicial.
• Notas relativas aos ecrãs da figura 26 e resumidas a título de
exemplo na figura 25:
ˆˆ Em alguns ecrãs aparece um número determinado de carateres «–». Cada um deles corresponde a um dígito e, portanto, o comprimento máximo do campo será determinado
pelo seu número.
ˆˆ Cada um deles é identificado através de uma numeração situada na base direita de cada ecrã e apenas se inclui a título
de referência e correlativo para a sua posterior descrição ou
esclarecimento.
ˆˆ Outra nota (*1) indica os ecrãs ocultos de programação
através da introdução da senha (0500) no «ecrã 13.1». Este
nível de segurança evita que pessoal não autorizado consiga
alterar qualquer parâmetro ou programação.
SOBRECARGA: RL2 BYPASS
... : RL4 â
(*1)
Funções básicas das teclas.
Ecrã 8.2
â
á
ENTR.BAIXA: – – ENTR.ALTA: – –
â
(*1)
Ecrã 8.3
â
á
Numeração
ecrãs
Fig. 25. Notas de referência sobre os ecrãs.
SALICRU
33
6.3.
Descrição dos ecrãs.
6.3.1. Menu de ecrã «Inicial».
Ecrã 0.1
Ecrã básico que aparece ao ligar o equipamento e no qual se visualiza a hora, a data e o estado do equipamento.
Também é o ecrã que aparece ao carregar ( ) para sair de qualquer dos
restantes menus ou submenus do painel de controlo com monitor LCD.
Ecrã 0.2
Permite ativar ou desativar a função de Economia e/ou Paragem
manual (Paragem M.), pelo que modifica o estado do equipamento.
Ecrã 0.3
Mostra o estado das comunicações para cada controlo BM535*/
BM536*/BM542* e por fase:
• 0 = Não comunica.
• 1 = Comunica.
• e o número da fase com a qual se está a comunicar é indicado
no canto inferior direito (1 fase R, 2 fase S e 3 fase T).
6.3.2. Menu «Medidas» (Ecrã 1.1).
Para aceder a partir do ecrã inicial, carregar uma vez na tecla de
avanço (ç). A tecla (â) permite aceder aos ecrãs dos seus diferentes submenus, sendo possível navegar livremente de um para o
outro com as teclas (â) ou (á).
O valor que aparece no canto superior direito em cada submenu
indica o número da fase a que pertencem as medidas visualizadas.
A cada um corresponde uma fase determinada: 1 fase R, 2 fase S
e 3 fase T.
Para ativar a visualização das medidas de uma fase determinada, carregar em ( ), selecionar o número da fase (1-2-3 para R-S-T) com as
teclas (ç) ou (æ) e validar com ( ). Seguidamente carregar ( )
para sair e carregar em (ç) para voltar ao menu «Medidas».
Ecrã 1.2
Submenu de tensão e frequência de entrada.
6.3.3. Menu «Alarmes» (Ecrã 2.1).
Para aceder a partir do ecrã inicial, carregar 2 vezes na tecla de
avanço (ç). A tecla (â) permite visualizar o alarme ativo mais
recente, movendo-se livremente na listagem de alarmes e de um
para outro com as teclas (â) ou (á).
Se não houver alarmes, não será possível avançar com a tecla (â).
Na figura 26 está representado unicamente um alarme a título de
exemplo, mas na prática podem ser visualizados vários, os que estiverem ativos e ordenados por ordem de aparecimento. Na tabela
4 figuram todos os possíveis alarmes visualizáveis no monitor LCD.
Representação em monitor LCD
Descrição
SOBRECARGA
Alarme sobrecarga saída
BYPASS
Alarme Bypass
V. ENTRADA BAIXA
Alarme tensão de entrada baixa
V. ENTRADA ALTA
Alarme tensão de entrada alta
V. SAÍDA BAIXA
Alarme tensão de saída baixa
V. SAÍDA ALTA
Alarme tensão de saída alta
TEMP. 1 ALTA
Alarme temperatura 1 alta
(dissipador)
TEMP. 2 ALTA
Alarme temperatura 2 alta (indutor)
P. DEVICE ERR. 1
Avaria 1 do semicondutor
P. DEVICE ERR. 2
Avaria 2 do semicondutor
AVARIA BYPASS
Alarme avaria Bypass
ALARME BLOQUEIO
Alarme equipamento bloqueado
BYPASS MANUAL
Alarme Bypass manual
ALARME GERAL
Alarme geral
CORRENTE DE FUGAS ALTA
Alarme corrente de fugas > a programada
ALARME DIGITAL 1 ATIVADO
Alarme disparo interruptor saída 1
ALARME DIGITAL 2 ATIVADO
Alarme disparo interruptor saída 2
ALARME DIGITAL 3 ATIVADO
Alarme disparo interruptor saída 3
ALARME DIGITAL 4 ATIVADO
Alarme disparo interruptor saída 4
ALARME DIGITAL 5 ATIVADO
Alarme disparo interruptor saída 5
Tabla 4. Lista de alarmes visualizáveis no monitor LCD.
Ecrã 1.3
Submenu de tensão e corrente de saída fornecida à carga.
Ecrã 2.2
Exemplo: Alarme ativo e número da fase em que está ativo.
Ecrã 1.4
Submenu de potência aparente (kVA) e ativa (kW) fornecida à carga,
bem como o seu caráter (Resistiva, L = Indutiva, C = Capacitiva) com o
seu fator de potência.
6.3.4. Menu «Histórico» (Ecrã 3.1).
Ecrã 1.5
Submenu de percentagem de carga e economia que o equipamento
está a realizar em função das tensões de entrada e saída.
Ecrã 1.6
Submenu de temperatura dissipador (DIS), transformador de tomadas (T) e (B) transformador "booster".
Ecrã 1.8
Submenu de versão do "firmware" do controlo de cada fase.
Ecrã 1.9
Submenu de temperatura ambiente interna do equipamento em ºC.
34
Para aceder a partir do ecrã inicial, carregar 3 vezes na tecla de
avanço (ç). A tecla (â) permite aceder ao primeiro ecrã de registos de ocorrências, começando pelo mais recente do histórico
(máximo de 200 registos). É possível navegar livremente de um
para o outro com as teclas (ç) ou (æ).
Se não houver registos, não será possível avançar com a tecla (ç).
Ecrã 3.2
Permite eliminar o histórico de eventos.
Ecrã 3.3
Exemplo de registos de ocorrências do equipamento: dia (dd/mm),
se o alarme foi ativado ou desativado (ACT/DES), número de fase
afetada (M:), hora do alarme (hh:mm) e código de alarme - referência.
MANUAL DO UTILIZADOR
6.3.5. Menu «Parâmetros gerais» (Ecrã 4.1).
Alguns ecrãs deste menu permanecem ocultos por defeito e deve
introduzir-se a senha (0500) no «ecrã 13.1» para realizar qualquer
modificação. Este nível de segurança evita que pessoal não autorizado consiga alterar qualquer parâmetro ou programação definida.
Para aceder a partir do ecrã inicial, carregar 4 vezes na tecla de
avanço (ç). A tecla (â) permite aceder aos diferentes ecrãs de
parâmetros gerais, sendo possível navegar livremente de um para o
outro com as teclas (â) ou (á).
Ecrã 4.2
Relativo ao relógio do equipamento. Deve ser acertado considerando
a sua estrutura de (hh:mm:ss), configurar o horário de verão (DST) ou
fora do horário de verão (--), configurar o dia (dd:mm:aa) e o dia da
semana.
Para que o equipamento funcione autonomamente com o relógio astronómico interno, é necessário introduzir previamente todos os dados
relativos ao relógio e ao GMT (valor do ecrã 10.4), durante o processo
de instalação ou depois da intervenção do serviço técnico, consoante
o caso.
O sistema funciona de modo autónomo por possuir os dados de
referência, mas não regista automaticamente no ecrã as mudanças
de horário verão-inverno nem vice-versa. Se o programador horário
interno for utilizado para ligar o equipamento, será necessário atualizar o relógio (horário de verão ou inverno).
Ecrã 4.3
Permite modificar o contraste do monitor para uma visualização ótima.
Ecrã 4.4
Alteração de idioma: Espanhol, Inglês, Francês, Húngaro.
Ecrã 4.5
Relativo aos parâmetros das comunicações com as fases do
ILUEST.
Ecrã 4.6
Relativo aos parâmetros das comunicações externas com RS-232.
Ecrã 4.7
Relativo aos parâmetros das comunicações externas com RS-485.
Ecrã 4.8
DST (Daylight Saving Time) para Europa, AUTOMÁTICO/MANUAL e
representado no ecrã como AUTO/MAN..
Com esta seleção, é possível ativar ou não a mudança de horário de
verão sobre o equipamento de forma AUTOmática para a região da
Europa, adicionando o DST no verão e retirando-o no inverno. Com a
opção ativada em AUTO, que por defeito é a de fábrica, permite escolher se o PROGramador Horário for controlado pelo horário OFICIAL ou
o SOLAR.
• No horário OFICIAL, quando se muda do horário de inverno para
o horário de verão ou vice-versa (ativa ou desativa o DST), as
horas programadas no programador horário não mudam, de
forma que, em relação ao horário solar, ficam deslocados juntamente com o horário oficial.
• Se for selecionado o controlo pelo horário SOLAR, quando se muda
do horário de inverno para o horário de verão ou vice-versa (ativa ou
desativa o DST), as programações do programador horário aparecem
com uma hora adiantada ou atrasada em relação ao que existia antes
SALICRU
da mudança do DST, de forma que em relação ao horário solar ficam
como estavam antes na mudança de horário oficial.
6.3.6. Menu «Parâmetros ILUEST» (Ecrã 5.1).
Todos os ecrãs deste menu permanecem ocultos por defeito e deve
introduzir-se a senha (0500) no «ecrã 13.1» para realizar qualquer modificação. Este nível de segurança evita que pessoal não autorizado consiga
alterar qualquer parâmetro ou programação definida.
Para aceder a partir do ecrã inicial, carregar 5 vezes na tecla de
avanço (ç). A tecla (â) permite aceder aos diferentes ecrãs de
parâmetros programáveis do ILUEST+ MT, sendo possível navegar livremente de um para o outro com as teclas (â) ou (á).
Ecrã 5.2
Permite selecionar entre uma configuração GLOBAL para as três
fases simultaneamente ou INDIVIDUAL fase a fase. Quando se seleciona a configuração GLOBAL, atua-se sobre o programa do painel
de controlo LCD e ao selecionar INDIVIDUAL atua-se sobre o programa residente no controlo de cada fase do equipamento.
Ecrã 5.3
Parâmetros predefinidos para cada tipo de lâmpada (sódio alta
pressão HP, sódio baixa pressão LP, mercúrio alta pressão HP, mercúrio baixa pressão LP (fluorescentes) e halogenetos metálicos). Ao
selecionar um tipo de lâmpada, são selecionados implicitamente
valores prefixados de tensão de arranque nominal e economia.
Ecrã 5.4
Tensão e duração do estado de arranque. Permite modificar individualmente qualquer dos parâmetros para os adaptar à instalação
concreta.
Ecrã 5.5
Tensão nominal e de economia. Permite modificar individualmente
qualquer dos parâmetros para os adaptar à instalação concreta.
Ecrã 5.6
Nível (tensão) de poupança 2. Permite modificar o parâmetro para
o adaptar à instalação concreta.
Ecrã 5.7
Velocidade do ILUEST. Permite selecionar a velocidade normal de
trabalho ou a velocidade rápida de teste para não ter de esperar períodos tão longos nos estados do ILUEST para fazer as regulações
e verificações.
Ecrã 5.8 e 5.15
Permite predefinir a tensão de arranque do equipamento através
da seleção de um dos níveis predefinidos: NOMINAL (por defeito),
ECONOMIA 1, ECONOMIA 2 ou apenas ARRANQUE representado
no ecrã como "----".
Esta última opção está prevista para instalações peculiares em que,
com o relógio astronómico do equipamento ativado ou com um sensor
luminoso, se move respetivamente o horário de colocação em funcionamento do dia do ano corrente e da situação geográfica, ou então em
função das condições luminosas do dia. Com a opção "----" selecionada,
o comando de arranque do equipamento vai utilizar a programação correspondente à faixa horária atual, sem efetuar nenhuma alteração de
nível até novo comando do programador horário.
35
12:39 07-05-08
SAÍDA NOMINAL â
â
á
ECONOMIAPARAGEM M. â
(OFF)(OFF) â á
ESTADO COM.
000000111(3)á
Ecrã 0.3
Ecrã 0.2
Ecrã 0.1
ç
* MEDIDAS *
â
â
á
ENTRADA:2
228 V
49,9 Hz â
Ecrã 1.1
â
á
SAÍDA:2
221 V
9,7 A â
Ecrã 1.2
Ecrã 1.3
DIS.: 29 ºC
2 â
T.: 37 ºC B.: 37 ºCâ á
ç
VersãoM:2
01.04.03E06 â
Ecrã 1.6
* ALARMES *
â
â
á
BYPASS MANUAL
IL: 1 2 3
%
â
2,1 kVA (L)
2
1,7 kW
PF: 0,83 â
â
á
••••
â
á
06-05(DES) M:3
12:56 13-M.BYP.
á
CARGA: 43%
ECONOMIA: 7%
Ecrã 1.4
â
á
2
â
â
á
Ecrã 1.5
TEMP. AMBIENTE
á
–6 ºC
Ecrã 1.9
Ecrã 1.8
â
á
â
á
â
á
Ver tabela 4 com lista de alarmes).
Ecrã 2.2
Ecrã 2.1
ç
* HISTÓRICO *
â
â
á
APAGAR
HISTÓRICO (NÃO)â
Ecrã 3.3
Ecrã 3.2
(*1)
Ecrã 3.1
••• (Carregar nas teclas de movimento para cima ou para baixo
ç para navegar pelo histórico dos últimos 200 eventos, começando
pelo mais recente).
ç
* PARÂMETROS *
* GERAIS * â
â
á
12:57:47 (DST)
06-05-2008 MARâ
Ecrã 4.1
*RS-232 * -0N9600 MDBS (01) â
â
á
Ecrã 5.1
(*1)
CONTRASTE LCD
 â
â
á
TIPO DE REGULAÇÃO
( -GLOBAL- ) â
*RS-485 * -0FF9600 MDBS (05) â
â
á
LÂMPADA
(Sódio HP)
TIPO DE REGULAÇÃO
( -INDIVIDUAL- ) â
(*1)
â
á
Ecrã 5.10
Ecrã 5.6
2
ARRANQUE: 205 V
Duração:
2 m
â
(*1)
Ecrã 5.11
VELOCID. ILUEST
2
(NORMAL)
â
(*1)
* PROGRAMAÇÃO *
* DE RELÉS * â
Ecrã 8.1
(*1)
â
á
SOBRECARGA: RL2 â
BYPASS ... : RL4 â á
(*1)
Ecrã 8.2
â
AVARIA BYP. : – –
VENTILADOR: – – â á
(*1)
ç
Ecrã 8.7
ESPERA NOM.: – –
â
: – – â á
NOMINAL
(*1)
ENT.DIG.1 : – –
ENT.DIG.2 : – –
(*1)
Ecrã 8.11
â
â
á
Ecrã 8.15
Ecrã 5.14
â
ENTR.BAIXA: – – â á
ENTR.ALTA: – –
(*1)
Ecrã 8.3
BLOQUEIO ... : – – â
BYP.MANUAL: – – â á
(*1)
Ecrã 8.8
DESCIDA AH1: – –
â
SUBIDA AH1 : – – â á
(*1)
ENT.DIG.3 : – –
ENT.DIG.4 : – –
(*1)
Ecrã 8.12
â
â
á
Ecrã 8.16
(*1)
â
á
Ecrã 5.4
VELOCID. ILUEST
(NORMAL)
â
â
á
Ecrã 4.5
NOMINAL: 220 V
ECONOMIA: 187 V â
(*1)
â
á
Ecrã 5.7
2
NOMINAL: 220 V
ECONOMIA: 187 V â
(*1)
â
á
* ILUEST * -0N9600 MDBS (01) â
Ecrã 4.8
ARRANQUE: 205 V
Duração:
2 m
â
(*1)
â
á
DST(EU): (AUTO)
PRG.H:(OFICIAL)
á
(*1)
â
á
â
á
Ecrã 4.4
(*1)
â
á
â
NÍVEL POUPANÇA 2
â
187 V
(*1)
ç
â
á
Ecrã 5.3
(*1)
ç
Ecrã 4.7
(*1)
Ecrã 5.2
(*1)
IDIOMA
ESPANHOL â
â
á
Ecrã 4.3
Ecrã 4.6
(*1)
* PARÂMETROS *
* ILUEST * â
Ecrã 4.2
ç
â
á
Ecrã 5.5
ARRANQUE PROG.
(NOMINAL)
á
Ecrã 5.8
(*1)
â NÍVEL ECONOMIA 2
187 V
á Ecrã 5.12
â
á
(*1)
â
2 â
á
Ecrã 5.13
ARRANQUE PROG.
(NOMINAL)
á
(*1)
SAÍD.BAIXA: RL5
SAÍD.ALTA: – –
(*1)
Ecrã 5.15
â
â
á
Ecrã 8.4
... : – – â
I.FUGAS
AL.GERAL ... : – – â á
(*1)
Ecrã 8.9
ECONOMIA 1 : – – â
SUBIDA NOM: – – â á
(*1)
Ecrã 8.13
TEMP1 ALTA: RL3
TEMP2 ALTA: RL3
(*1)
â
â
á
Ecrã 8.5
â
ARRANQUE : – –
RAMPA NOM.: – – â á
(*1)
Ecrã 8.10
DESCIDA AH2 : – – â
ECONOMIA 2 : – –â á
(*1)
Ecrã 8.14
ENT.DIG.5 : – – á
(*1)
Ecrã 8.17
Continua na página seguinte (ver ecrã 9.1).
36
MANUAL DO UTILIZADOR
ç
Continuação da página anterior (ver ecrã 8.1).
* PROGRAMADOR *
* HORÁRIO * â
Ecrã 9.1
Dia: Segunda Prog.: SIMPLES
Ativar Prog.
â
Horário (SIM) â á
â
á
Ecrã 9.2
â
â
á
Ecrã 9.3
Ecrã 9.4
Dia: Segunda-Dom â
Prog.: DUPLA (1)
â á
Ecrã 9.7
Economia 2 Economia
1 01:00
05:00 â
Ecrã 9.12
Ecrã 9.19
Ocaso: 20:54 Orto.: 06:41
* RELÓGIO *
â
* ASTRONÓMICO *â á
Ecrã 10.1
â
Lat.: -0,60º
Lon.: -0,84º
â
á
Ecrã 10.2
(*1)
â
(*1)
Ecrã 9.16
Ecrã 9.18
Dependendo do tipo de programação selecionada no ecrã 9.19 (SIMPLES, DUPLA (1)
ou DUPLA (2)), os ecrãs de programação
9.4 a 9.6, 9.8 a 9.11 ou 9.13 a 9.18 estão
disponíveis.
â
á
Offset ON: Om
á
OFF:Om
Zénite: OFICIAL â
GMT: 1
â á
â
á
Ecrã 9.14
Nominal
– OFF –
07:0007:41
á
Ecrã 9.20
Ecrã 10.3
â
Ecrã 10.4
â
á
Nominal
Economia 1 â
06:0099:99
â á
â
á
Ecrã 9.17
Progr. Especial Dia: ** Mês:**
â
á
Economia
23:00 â
Ecrã 9.15
â
– ON –
1 20:54
â
á
Economia 2 Economia
1 01:00
05:00 â
Ecrã 9.11
Ecrã 9.13
Economia 2 Economia
1 01:00
05:00 â
Ecrã 9.9
R.ASTRONÓMICO
â
NÃO
 (SIM) â á
â
á
Nominal
– OFF –
07:0007:41
á
â
á
Ecrã 9.10
Dia: Segunda-Dom â
â á
Prog.: DUPLA (2)
Economia
23:00 â
Ecrã 9.8
Dia: Especial1 Prog.: DUPLA (2)
Ecrã 9.5
– ON –
1 20:54
R.ASTRONÓMICO
â
NÃO
 (SIM) â á
ç
â
á
Ecrã 9.6
ç
Economia
23:00 â
Nominal
– OFF –
07:0007:41
á
ç
– ON –
1 20:54
R.ASTRONÓMICO
â
NÃO
 (SIM) â á
(*1)
Ecrã 10.5
ç
* CONTADORES *
* DE ENERGIA * â
Ecrã 11.1
Economia1: 00000h 000000000,0 kWhâ
Nominal: 00001h â
000000001,8 kWh â á
â
á
Ecrã 11.2
Economia2: 00000h
000000000,0 kWh á
â
á
Ecrã 11.3
Ecrã 11.4
ç
* SENSORES *
* EXTERNOS * â
SENSOR LUMINOSO
(NÃO INSTALADO)â
â
á
Ecrã 12.1
SENSOR I.FUGAS
(NÃO INSTALADO) á
â
á
Ecrã 12.2
Ecrã 12.3
ç
SENSOR I.FUGAS
( 4-20mA ) â
ç
SENSOR LUMINOSO
(NÍVEL ECONOMIA) â
â
á
Ecrã 12.4
SENS. LUMINOSO
0%
â
Ecrã 12.8
I.FUGAS
0mA â
á
â
á
â
Ecrã 12.5
INTERVALO ATUAÇÃO
Mín.: 0 Máx.: 100 â
NÍVEL MÁXIMO
I.FUGAS: 300mA á
â
á
â
á
Ecrã 12.6
TIPO ATUAÇÃO
(DIRETO)
â
Ecrã 12.10
Ecrã 12.9
â
á
Ecrã 12.11
ç
SENSOR LUMINOSO
(RELÓGIO ASTRON.) â
ç
â
á
SENS. LUMINOSO
0%
â
Ecrã 12.12
â
á
Ecrã 12.13
OFFSET ARRANQUE
â
ASTRO:
15 min â á
Ecrã 12.15
10B0197285
(0000) NORMAL â
Ecrã 13.1
Versão
á
01.01.09E08
â
á
i
INTERVALO ATUAÇÃO
Mín.: 0 Máx.: 100 â
â
á
Ecrã 12.14
OFFSET PARAGEM
â
ASTRO:
–15 min â á
Ecrã 12.16
Os ecrãs sem numeração são os básicos de nível de utilizador.
(*1) Indica que são ecrãs de programação ocultos com senha.
Ecrã 13.2
Fig. 26. Mapa de ecrãs do monitor LCD.
SALICRU
37
Ecrã 5.10
Com este ecrã é possível selecionar o modo INDIVIDUAL das configurações, o que permite modificar cada um dos parâmetros para cada um
dos controlos (1-2-3) correspondentes às fases R-S-T:
• Tensão de arranque e duração do mesmo (Ecrã 5.11).
• Tensão nominal e de economia (Ecrã 5.12).
• Nível (tensão) de economia 2 (Ecrã 5.13).
• Velocidade do ILUEST+ MT (Ecrã 5.14).
6.3.7. Menu «Programação relés» (Ecrã 8.1).
Todos os ecrãs deste menu permanecem ocultos por defeito e a
senha (0500) tem de ser introduzida no «ecrã 13.1» para realizar
qualquer modificação. Este nível de segurança evita que pessoal
não autorizado consiga alterar qualquer parâmetro ou programação
definida.
Para aceder a partir do ecrã inicial, carregar na tecla de avanço (ç)
as vezes necessárias até entrar no ecrã 8.1. A tecla (â) permite
aceder aos diferentes ecrãs de programação de relés da placa concentradora BM491*, sendo possível navegar livremente de um para
o outro com as teclas (â) ou (á).
Ecrãs 8.2 a 8.17
A cada um dos alarmes ou estados pode ser associado um dos relés
da placa BM491*, de forma que, quando o alarme ou o estado são
ativados, o relé associado é excitado.
6.3.8. Menu «Programador horário» (Ecrã 9.1).
Para aceder a partir do ecrã inicial, carregar na tecla de avanço (ç) as
vezes necessárias até entrar no ecrã 9.1. A tecla (â) permite aceder
aos diferentes ecrãs do programador horário, sendo possível navegar
livremente de um para o outro com as teclas (â) ou (á).
Permite ativar o programador horário para automatizar a colocação
em funcionamento e a paragem diária do equipamento, bem como
as passagens para economia e nominal. A programação horária
pode ser realizada para todos os dias da semana e pode ser particularizada para o dia da semana pretendido.
Também é possível selecionar a ativação da colocação em funcionamento e da paragem por relógio astronómico, de forma que não
seja a uma hora fixa, mas que dependa da época do ano (o relógio
astronómico calcula a hora do nascer e do pôr do sol para cada dia
do ano, para determinadas coordenadas geográficas).
Todos valores dos campos horários do programador horário são
definidos por defeito de fábrica como 99:99. Se, depois de uma
programação, for necessário inibir alguma das fases programadas,
todos os campos do ecrã ou ecrãs implícitos devem ser configurados como 99:99, exceto, obviamente, uma desativação genérica
do programador.
Ecrã 9.2
Permite escolher entre ativar (SIM) ou não (NÃO) o programador horário.
Ao selecionar SIM, o equipamento arranca e para, além de passar a economia e nominal.
Ecrã 9.3
Permite selecionar os dias da semana que atuam sobre uma determinada programação: cada um dos dias da semana, de segunda a
sexta, sábado e domingo, segunda a domingo e 10 dias especiais. O
utilizador pode selecionar os dias da semana mais 10 dias especiais
38
afetados pela programação realizada. O tipo de ciclo de funcionamento é SIMPLES, ou seja, On (colocação em funcionamento em
Nominal) - Economia 1 - Nominal - Off (fora de serviço).
Ecrãs 9.4, 9.8 e 9.13
Permitem ativar o relógio astronómico (SIM/NÃO) para que a colocação em funcionamento e a paragem variem de acordo com a
duração do dia e da época do ano.
Ecrãs 9.5, 9.9 e 9.14
Hora a que começa a funcionar (se o relógio astronómico NÃO estiver ativo) e a hora a que passa de Nominal para Economia 1.
Ecrãs 9.6, 9.11 e 9.18
Hora a que passa de Economia 1 para Nominal e hora a que para (se
o relógio astronómico NÃO estiver ativo).
Ecrã 9.7
Permite selecionar os dias da semana que atuam sobre uma determinada programação: cada um dos dias da semana, de segunda a sexta,
sábado e domingo, segunda a domingo e 10 dias especiais. Permite
selecionar os dias da semana mais 10 dias especiais afetados pela
programação realizada. O tipo de ciclo de funcionamento é DUPLO (1),
ou seja, On (colocação em funcionamento em Nominal) - Economia
1 - Economia 2 - Economia 1 - Nominal - Off (fora de serviço).
Ecrã 9.10
Hora a que passa de Economia 1 para Economia 2 e hora a que
passa de Economia 2 para Economia 1.
Ecrã 9.12
Permite selecionar os dias da semana que atuam sobre uma determinada programação: cada um dos dias da semana, de segunda a
sexta, sábado e domingo, segunda a domingo e 10 dias especiais.
Permite selecionar os dias da semana mais 10 dias especiais afetados pela programação realizada. O tipo de ciclo de funcionamento
é DUPLO (2), ou seja, reproduz duas vezes consecutivas o programa
DUPLO (1) sem passar por Off.
Ecrã 9.15
Hora a que passa de Economia 1 para Economia 2 e hora a que
passa de Economia 2 para Economia 1.
Ecrã 9.16
Hora a que passa de Economia 1 para Nominal e hora a que passa
de Nominal para Economia 1.
Ecrã 9.17
Hora a que passa de Economia 1 para Economia 2 e hora a que
passa de Economia 2 para Economia 1.
Ecrã 9.19
Permite selecionar os dias da semana que atuam sobre uma determinada programação: cada um dos dias da semana, de segunda a sexta,
sábado e domingo, segunda a domingo e 10 dias especiais. Permite
selecionar os dias da semana mais 10 dias especiais afetados pela
programação realizada. O micro permite guardar um máximo de 10
programas "ESPECIAL*", cada um deles com o seu dia e mês determinado e em que "*" indica o número do programa de 1 a 10.
Ecrã 9.20
Dia e mês do ano para cada programação especial.
MANUAL DO UTILIZADOR
6.3.9. Menu «Relógio astronómico» (Ecrã 10.1).
Alguns ecrãs deste menu permanecem ocultos por defeito e deve
introduzir-se a senha (0500) no «ecrã 13.1» para realizar qualquer
modificação. Este nível de segurança evita que pessoal não autorizado consiga alterar qualquer parâmetro ou programação definida.
Para aceder a partir do ecrã inicial, carregar na tecla de avanço (ç)
as vezes necessárias até entrar no ecrã 10.1. A tecla (â) permite
aceder aos diferentes ecrãs do relógio astronómico, sendo possível
navegar livremente de um para o outro com as teclas (â) ou (á).
Ecrã 10.2
Hora do pôr (Ocaso) e do nascer (Orto) do sol. Dados calculados
pelo relógio astronómico, dependendo da posição geográfica do
equipamento (valores introduzidos no ecrã 10.3), do dia do ano e do
GMT (valor do ecrã 10.4).
Ecrã 10.3
Posição geográfica da cidade ou localidade onde o ILUEST é instalado. As coordenadas geográficas de latitude e longitude em graus,
décimas e centésimas de grau podem ser obtidas com um GPS, um
mapa, a Internet, etc., e introduzidas neste ecrã.
Ecrã 10.4
Zona horária em relação ao Meridiano de Greenwich. Selecionar
zénite: OFICIAL, CIVIL, NÁUTICO ou ASTRONÓMICO.
GMT (Tempo Médio de Greenwich): Em Portugal, por exemplo, o
horário relativo ao GMT é o GMT+0 / GMT+1 (inverno / verão),
exceto nos Açores.
Ecrã 10.5
Offset (atraso positivo ou negativo) para a hora de colocação em funcionamento «On» e paragem «Off» do ILUEST. Permite introduzir o
valor conveniente para adiantar ou atrasar um número determinado
de minutos o arranque e/ou paragem do equipamento e, em consequência, da iluminação.
i
Relativa ao zénite: Oficial, civil, náutico ou astronómico.
Orto e Ocaso referem-se geralmente ao momento em que a parte
superior do disco solar está precisamente sobre o horizonte. Deste
modo, devemos também considerar o semidiâmetro do disco solar,
que tem 16 minutos de arco.
Assim, o orto e o ocaso ocorrem quando o sol tem uma altitude
de –0º 50’ (34’ para refração, e mais 16’ para o semidiâmetro do
disco). Isto corresponde ao crepúsculo oficial.
Enquanto a atmosfera reflete a luz do sol, o céu não escurece instantaneamente no ocaso, é o período do crepúsculo. Durante o crepúsculo civil, há ainda bastante luz para realizar atividades exteriores.
Isto ocorre até a altitude do sol ser –6º.
Durante o crepúsculo náutico, há escuridão suficiente para ver as
estrelas mais brilhantes, mas luz suficiente para ver o horizonte, ativando os navegadores para medir as altitudes estelares. Isto ocorre
até a altitude do sol ser –12º.
Durante o crepúsculo astronómico, no céu existe ainda demasiada luz para realizar observações astronómicas fiáveis. Isto ocorre
até a altitude do sol ser –18º.
Quando o sol estiver abaixo dos 18º em relação ao horizonte, fala-se
de escuridão astronómica. O mesmo esquema de crepúsculos
repete-se, de forma inversa, até ao Orto.
No verão, o crepúsculo astronómico prolonga-se durante toda a
noite nos locais cuja latitude supera os 49º.
SALICRU
Recomendação: Para um uso normal do Relógio Astronómico do ILUEST+
MT, recomendamos colocar a opção «Zen» em «Off» (Oficial).
6.3.10. Menu «Contadores de energia» (Ecrã 11.1).
Para aceder a partir do ecrã inicial, carregar na tecla de avanço (ç)
as vezes necessárias até entrar no ecrã 11.1. A tecla (â) permite
aceder aos diferentes ecrãs do contador de energia, sendo possível
navegar livremente de um para o outro com as teclas (â) ou (á).
Este menu permite verificar as horas de funcionamento em cada
estado (Nominal, Economia 1 e Economia 2), bem como os consumos acumulados em kWh em cada um.
Ecrã 11.2
Número de horas e kWh acumulados com o equipamento em estado Nominal.
Ecrã 11.3
Número de horas e kWh acumulados com o equipamento em estado Economia 1.
Ecrã 11.4
Número de horas e kWh acumulados com o equipamento em estado Economia 2.
6.3.11. Menu «Sensores externos» (Ecrã 12.1).
Para aceder a partir do ecrã inicial, carregar na tecla de avanço
(ç) até entrar no ecrã 12.1. A tecla (â) permite aceder aos diferentes ecrãs de sensores externos, sendo possível navegar livremente de um para o outro com as teclas (â) ou (á).
Ecrãs 12.2, 12.8 e 12.12
Seleção de sensor luminoso. Selecionar entre Não instalado (12.2),
Nível de Economia (12.7) ou Relógio astronómico (12.11).
Ao escolher um nível de economia, o sensor luminoso atua sobre
o próprio nível de economia de acordo com os parâmetros predefinidos nos ecrãs vinculados ou então sobre o relógio astronómico se
esta opção tiver sido selecionada e com as configurações predefinidas nos ecrãs relacionados.
Ecrãs 12.3 e 12.4
Seletor sensor corrente de fugas. Opções: Não instalado ou 4-20 mA
(como por exemplo um sensor RMA25 da marca Afeisa).
A entrada do sensor para a unidade eletrónica para entradas e saídas digitais BM491*, é aplicada entre os pinos 1 e 3 do conector
CN8, considerando o terminal 3 como negativo.
Ecrã 12.5
Ecrã de leitura do sensor de corrente de fugas.
Ecrã 12.6
Ecrã de configuração do nível de alarme, corrente de fugas. Por defeito
300 mA.
Ecrãs 12.9 e 12.13
Leitura do sensor luminoso em % (como, por exemplo, sensor FF-LESA13B2 marca HONEYWELL Cometa de 1000 - 100 000 Lux).
A entrada do sensor na unidade eletrónica para entradas e saídas
digitais BM491* é aplicada entre os pinos 2 e 3 do conector CN8,
considerando o terminal 3 como negativo.
39
Ecrã 12.10 e 12.14
Como não pode ocorrer uma escuridão total, nem uma iluminação infinita, é possível regular um intervalo de atuação do sensor em % entre
um mínimo 0 e um máximo 100, correlativo com a saída analógica de
4-20 mA respetivamente.
Se o ILUEST+ MT estiver em Nominal, o sensor não atua por este
ser o nível máximo. Se estiver em Economia 1 ou em Economia 2,
qualquer deles será o nível mínimo de acordo com cada caso. Portanto, os níveis máximos e mínimos são respetivamente Nominal-Economia1 ou Nominal-Economia 2.
Ecrã 12.11
Tipo de atuação, selecionável entre as opções de Direto ou Inverso.
Esta função permite realizar as configurações de tensão necessárias
para conseguir uma maior ou menor iluminação em função da leitura do
sensor.
Assim, por exemplo, com a opção Direto ativada, é possível conseguir uma maior iluminação no interior de um túnel da rede viária, em
função de uma maior iluminação do exterior, minimizando o efeito de
deslumbramento ao entrar ou sair do mesmo. A iluminação máxima
acontece ao alimentar as luminárias com tensão nominal.
Com a opção Inverso ativada, é possível obter o efeito contrário, deste
modo quanto mais iluminação o sensor captar, menor será a tensão
de alimentação das luminárias para conseguir um efeito de contraste.
A iluminação mínima é obtida com a tensão de Economia 2.
Ecrãs 12.15 e 12.16
Offset de arranque e paragem do relógio astronómico variável em
função do sensor luminoso. Em exteriores, quando houver mais luz,
interessa acender mais tarde e apagar antes. Deste modo:
• Ocaso ON, introduzir um valor offset variável de sinal +.
• Orto OFF, introduzir um valor offset variável de sinal –.
Para não atrasar o acendimento e/ou não adiantar o apagamento
do equipamento como consequência de uma maior luz natural, é
possível introduzir um valor de offset fixo (ecrã 10.5) com o mesmo
valor que o variável (ecrãs 12.15 e 12.16), mas de sinal contrário.
6.3.12. Menu «N.º de série e Senha» (Ecrã 13.1).
Para aceder a partir do ecrã inicial, carregar na tecla de avanço (ç) as
vezes necessárias até aceder ao ecrã 13.1, que indica o N.º de série
do equipamento e onde se introduz a «Senha» de segurança. A tecla
(â) permite aceder ao próximo ecrã deste menu, sendo possível
navegar livremente de um para o outro com as teclas (â) ou (á).
Para aceder à programação ou modificação de dados reservados
(ecrãs com a referência (*1) indicada debaixo das mesmas na figura
26), introduzir o código de acesso «Senha» (0500).
Ecrã 13.2
Versão do "firmware" do monitor.
40
MANUAL DO UTILIZADOR
7.
Manutenção, garantia e
assistência técnica.
7.3.1. Produto coberto.
Estabilizador-redutor de fluxo luminoso, modelo ILUEST.
7.3.2. Termos da garantia.
7.1.
Guia básico de manutenção.
As principais diretrizes para uma manutenção correta são similares
às aplicadas pelo nosso Serviço e Suporte Técnico na modalidade
de Manutenção Preventiva (ver ponto 7.4).
7.2.
Guia de problemas e resoluções (FAQ).
Perante um funcionamento incorreto do equipamento, e antes de
contactar o Serviço e Suporte Técnico (S.S.T.), o utilizador pode
tentar resolver o problema pelos seus próprios meios, se os sinais
forem os seguintes:
7.2.1. Se o equipamento não funcionar.
Verificar se:
• Foram realizadas corretamente todas as ligações da forma descrita no capítulo 4.
• As proteções do quadro de comando (disjuntor magnetotérmico
e diferencial) estão acionadas na posição "I" ou "On".
• A tensão de entrada nos terminais do contactor de cabeça é correta (comprovar a tensão entre fases e entre fase/s e neutro).
• O seletor "On-Off" do quadro de comando (a instalar pelo utilizador e da sua propriedade) está em posição "Automático".
• O programador horário do painel de controlo com monitor LCD
está definido em OFF, caso contrário o equipamento não funciona até à hora programada.
Se todos os pontos verificados até agora forem corretos, o contactor de cabeça deve estar ativado.
• A tensão de entrada nos terminais do ILUEST+ MT é correta
(tensões entre fases (1R)-(1S)-(1T) e entre fases e neutro (1R)(1S)-(1T)-(1N).
• Os disjuntores magnetotérmicos (9R) para equipamentos monofásicos ou (9R), (9S) e (9T) para equipamentos trifásicos, estão em
posição "I" ou "On".
• Os fusíveis (FS1) e (FS2) de cada unidade eletrónica estão em
bom estado.
7.2.2. Se o equipamento fica em Bypass.
Verificar se:
• Não está em «On» «Paragem M.» no monitor.
• Se existir algum alarme interno ativa (sobrecarga na saída).
7.3.
Condições da garantia.
A garantia limitada oferecida pela nossa empresa aplica-se unicamente a produtos adquiridos pelo cliente para uso comercial ou
industrial no exercício normal dos seus negócios.
SALICRU
Oferecemos uma garantia para o produto contra todos os defeitos
de materiais e/ou mão-de-obra por um período de 12 meses a
contar desde a sua colocação em funcionamento por pessoal da
nossa empresa ou outro expressamente autorizado, ou durante
18 meses desde a sua saída da fábrica, conforme o primeiro prazo
atingido. Em caso de avaria do produto dentro do período da presente garantia, devemos reparar, nas nossas instalações e sem
custos, a peça ou peças defeituosas. As despesas de transporte e
embalagens são responsabilidade do beneficiário.
Asseguramos durante um período não inferior a 10 anos a disponibilidade de materiais e peças sobresselentes, tanto de hardware como de
software, bem como uma assistência completa em termos de reparações, substituição de componentes e atualização de softwares.
7.3.3. Exclusões.
A nossa empresa não estará obrigada pela garantia se verificar se
o defeito no produto não existir ou for causado por uma utilização
incorreta, negligência, instalação e/ou verificação inadequadas,
tentativas de reparação ou modificação não autorizadas, ou qualquer outra causa diferente da utilização prevista, ou por acidente,
fogo, raios ou outros riscos. Também, em caso algum, cobre indemnizações por perdas e danos.
7.4.
Descrição dos contratos disponíveis
de manutenção e assistência.
A partir do termo da garantia e adaptando-nos às necessidades
dos clientes, dispomos de diferentes modalidades de manutenção:
Preventiva.
Garantem uma maior segurança para a conservação e o bom funcionamento dos equipamentos através de uma visita Preventiva
anual, durante a qual técnicos especializados da nossa empresa
realizam uma série de verificações e correções nos sistemas:
• Medir e anotar as tensões e correntes de entrada e saída entre fases.
• Comprovar os alarmes registados (em caso de Pacote de Telegestão
opcional).
• Verificar e comprovar as leituras do monitor digital.
• Monitor digital: tensão e intensidade de entrada, saída e temperaturas.
• Outras medições.
• Verificar o estado dos ventiladores.
• Verificar o nível de carga.
• Comprovar o idioma selecionado.
• Verificar a correta localização do equipamento.
• Realizar a limpeza geral do equipamento.
Desta forma, garante-se um funcionamento perfeito e evitam-se
eventuais avarias futuras.
Habitualmente estas intervenções são realizadas sem paragem dos
equipamentos.
41
Nos casos em que seja conveniente a paragem, é acordado um dia
e hora com o cliente para realizar a intervenção.
Esta modalidade de manutenção cobre, no horário de trabalho, a
totalidade das despesas de deslocamento e mão-de-obra.
Corretiva.
Ao ocorrer alguma falha no funcionamento dos equipamentos e com
o aviso prévio ao nosso Serviço e Suporte Técnico (S.S.T.), em que
um técnico especializado avalia a dimensão da avaria e determina um
primeiro diagnóstico, é iniciada uma ação corretiva.
As visitas necessárias para a sua correta resolução são ilimitadas
e estão incluídas nas modalidades de manutenção. Isto quer dizer
que os equipamentos serão inspecionados em caso de avaria as
vezes necessárias.
Adicionalmente, nestas duas modalidades, é possível determinar os
horários de intervenção e os tempos de resposta para adequação às necessidades dos clientes:
• LV8HLS. Atendimento ao cliente de segunda a sexta das 9 h às
18 h (horal local). Tempo de resposta máxima no mesmo dia ou
nas 24 horas seguintes à notificação da avaria.
• LS14HLS. Atendimento ao cliente de segunda a sábado das 6
h às 20 h (hora local). Tempo de resposta no mesmo dia ou na
primeira hora do seguinte dia útil.
• LD24HLS. Atendimento ao cliente de segunda a domingo 24
h, 365 dias por ano. Tempo de resposta nas duas ou três horas
seguintes à notificação da avaria.
Disposições adicionais: 1-m-cb.
• Índice 1. Indica o número de visitas Preventivas anuais. Inclui as despesas de deslocamento e mão-de-obra no horário
estabelecido para cada modalidade de manutenção, bem como
todas as visitas Corretivas necessárias. Não inclui os materiais e as baterias em caso de reparação.
• Índice m. Indica a inclusão dos materiais.
7.5.
Rede de serviços técnicos.
A cobertura, tanto nacional como internacional, dos pontos de Serviço e Suporte Técnico (S.S.T.) está disponível no nosso website.
42
MANUAL DO UTILIZADOR
8.
8.1.
Anexos.
INDICAÇÕES LUMINOSAS
Visuais por LED no painel de
controlo com monitor LCD.
Especificações técnicas gerais.
Visuais por LED em cada unidade
eletrónica de controlo BM535*/
BM536*/BM542*
ENTRADA
Monofásica 120, 220, 230, 240 V
(3 fios: 1 fase + N +TT).
Tensão
Trifásica 3x208, 3x220, 3x380, 3x400,
3x415 V (5 fios: 3 fases + N +TT).
+33% / –8% U nominal.
+ 4% / –29% U reduzida 1.
+ 10% / -24% U reduzida 2.
Intervalo de regulação
Frequência
48 ÷ 63 Hz.
Magnetotérmica unipolar por fase
/ eletrónicas por temperatura,
sobrecarga, avaria e varistores
entrada.
Proteção
SAÍDA
Fault, Bypass, Operat. e Com..
Relé Bypass ativo, n.º de interruptor
de estado sólido a conduzir (7),
alimentação analógica 5 V, alimentação
digital 5 V, alarme, modo de trabalho
(nominal, economia e em rampa),
Bypass, comunicações TxD e RxD,
comando economia, comando Bypass.
GERAIS
Ventilação
Forçada (ver caudais na tabela 1).
Temperatura de funcionamento
Humidade relativa
-40 ºC a +55 ºC (reduzir 4% na potência
por cada ºC > 45 ºC)
Até 95%, sem condensação.
Altitude de funcionamento
< 2 400 m.s.n.m.
Tempo médio entre avarias
(MTBF)
60 000 horas.
Tempo médio de reparação
(MTTR)
30 minutos.
Ruido acústico a 1 metro
< 35 dBA (com carga típica).
EXECUÇÃO E PROTEÇÃO
Potência
Ver tabela 6.
Monofásica 120, 220, 230, 240 V
(3 fios: 1 fases + N +TT).
Tensão
Trifásica 3x208, 3x220, 3x380, 3x400,
3x415 V (5 fios: 3 fases + N +TT).
Precisão de regulação
> ± 2%
Tensão de arranque suave
Pré-selecionada segundo tipo de
lâmpada e regulável.
Tensão mínima de nível de
economia
180 V (entre fase e neutro). Regulável
para VM, VSAP, HM e fluorescente.
Velocidade de rampas
De 1 V/minuto a 6 V/minuto.
Velocidade de correção
Em quadro (T) com grau de
proteção IP20
Montado no interior de uma caixa de
aço laminado ao carbono em frio com
orifícios de fixação ao solo.
Intempérie (I) com grau de
proteção IP54
Equipamento em quadro montado no
interior de caixa ou armário de poliéster.
OPCIONAIS NORMALIZADOS
Montado de fábrica com o
equipamento
Para instalar no equipamento
Para instalar no exterior do
equipamento
Independente por fase.
Desequilíbrio entre fases
Rendimento
Sobrecarga admissível
120 % > 1 min, 150 % durante 30 s
Distorção harmónica
Nula.
Seleção tensão reduzida 1 ou 2
Fator de potência admissível
1 para comando de economia.
1 para comando de Bypass.
5 digitais.
Saídas
5 com relés (com um contacto
comutado para cada relé).
Porta de comunicação
Painel de controlo com monitor LCD.
Com Pacote de Telegestão SICRES.
De 0,5 indutivo a 0,5 capacitivo.
Estático e sem corte na transferência.
Características
Automático e independente por fase.
Sobreaquecimento, sobrecarga, avaria,
falha saída, ativação manual.
Critério de atuação
Automático por desaparecimento da
situação de alarme.
Número de tentativas: 5;
Tempo entre tentativas: 2 min.
Rearme
COMUNICAÇÃO
RS-232 e RS-485 (com opcional)
Interface de relés de série,
exceto com opcional BA1 ou BA3
Monitorização
Relé independente para cada controlo.
Tensão e corrente máx. aplicável de 2
A 250 V c.a. ou 30 V c.c.
Interface de comunicação para redes
Ethernet com protocolo TCP-IP e SNMP,
modem GRPS, modem RTC.
Bypass manual, interno ou externo
Tipo sem sobreposição
Comutador bipolar ou tetrapolar de 3
posições (1-0-2).
LEGISLAÇÃO
Segurança
Compatibilidade eletromagnética
(CEM)
Funcionamento
Portas
RS485 por conector DB9.
RS232 por conector RJ de 4 pinos.
Comunicações placa SICRES
Unidade de telegestão SICRES
BYPASS
Tipo
Bypass Manual, I/O digitais,
Modem GPRS.
Entradas
Admissível 100 %.
> 97 %.
Unidade de telegestão SICRES.
Comunicações placa I/O digitais BM491*
< 100 ms.
Regulação
Bypass Manual, Bypass tipo BA1 ou
BA3, Descarregadores atmosféricos.
EN-60950-1.
EN-61000-6-2; EN61000-6-3.
UNE AENOR EA 0033-2007.
Marcação
Gestão de qualidade ambiental.
CE
ISO 9001 e ISO 14001 TÜV.
Tabla 5. Especificações técnicas gerais.
Pacote de Telegestão SICRES (opcional).
SALICRU
43
8.2.
Especificações técnicas particulares.
Centro de comando.
Quadro elétrico destinado a alimentar, distribuir, proteger, etc., as
instalações de iluminação.
MODELO
Potência
(kVA)
INTEMPÉRIE
EM QUADRO
INTEMPÉRIE
EM QUADRO
NA+ 3,5-2 T
NA+ 5-2 T
Dimensões máx. (mm)
(Profundidade x Largura
x Altura)
Peso
(kg)
3,5
42
5
43
NA+ 7,5-2 T
7,5
NA+ 10-2 T
10
NA+ 15-2 T
15
245 x 350 x 380 (*)
45
46
Visa estabelecer os procedimentos de avaliação da conformidade e
os requisitos de proteção relativos à compatibilidade eletromagnética dos equipamentos, sistemas e instalações para a sua posterior
comercialização e colocação em serviço.
50
Contactos livres de potencial.
Os contactos elétricos são os elementos de comando que ligam ou
desligam os nossos recetores (bobines, luzes, motores, etc.). Estes contactos estão alojados nos compartimentos de contactos e são acionados
por diversos sistemas como, p. ex. botões, interruptores, relés, etc.
NA+ 20-2 T
20
67
NA+ 3,5-2 I
3,5
72
5
73
NA+ 5-2 I
Compatibilidade eletromagnética.
NA+ 7,5-2 I
7,5
NA+ 10-2 I
10
NA+ 15-2 I
15
80
Correntes harmónicas.
Correntes adicionadas à frequência fundamental de uma determinada forma de onda sinusoidal. Denominam-se deste modo quando
estas harmónicas aparecem por causas diversas, distorcendo a
forma de onda original.
320 x 520 x 1348
75
76
NA+ 20-2 I
20
105
NAT+ 7,5-4 T
7,5
60
NAT+ 10-4 T
10
80
NAT+ 15-4 T
15
81
NAT+ 20-4 T
20
NAT+ 25-4 T
25
90
Equipamento a incorporar.
NAT+ 30-4 T
30
95
NAT+ 45-4 T
45
139
NAT+ 60-4 T
60
Equipamento composto por uma estrutura que suporta todos os
componentes, não dispondo de qualquer proteção específica contra
os choques elétricos.
245 x 350 x 800 (**)
355 x 350 x 1100
82
181
NAT+ 80-4 T
80
NAT+ 100-4 T
100
NAT+ 7,5-4 I
7,5
94
NAT+ 10-4 I
10
116
NAT+ 15-4 I
15
117
Equipamentos de variação contínua.
NAT+ 20-4 I
20
118
NAT+ 25-4 I
25
125
Equipamento em que a tensão de saída varia de forma contínua ou
em intervalos inferiores a 0,3% da tensão nominal.
NAT+ 30-4 I
30
130
NAT+ 45-4 I
45
173
NAT+ 60-4 I
60
NAT+ 80-4 I
80
NAT+ 100-4 I
100
350 x 653 x 1070
320 x 520 x 1348
420 x 520 x 1348
420 x 770 x 1348
204
214
221
244
254
(*) O módulo de opcionais para os modelos monofásicos aumenta a altura do equipamento em 200 mm.
(*) O módulo de opcionais para os modelos trifásicos aumenta a altura do equipamento em 300 mm.
Tabla 6. Dimensões e pesos.
i
Neste caso, a proteção contra os choques elétricos deve ser
proporcionada por um invólucro adicional no qual o equipamento seja montado na instalação final.
i
Normalmente caracterizam-se por a etapa de potência ser
constituída por um autotransformador variável e motorizado.
A tensão aplicada à carga é obtida diretamente do autotransformador através do sistema de escovas deslizantes ou em combinação com um transformador adicionador normalmente denominado
«booster»; ou então a variação da tensão é obtida por componentes
de potência puramente estáticos.
Equipamentos de variação escalonada.
Equipamento em que a tensão de saída varia em intervalos superiores ou iguais a 0,3% da tensão nominal.
8.3.
Glossário.
Arranque suave.
Tipo de arranque ou acendimento da iluminação. Realiza-se para
evitar a tensão mecânica das lâmpadas e a sobrecarga do arranque
com tensão nominal.
Bypass.
Sistema que liga diretamente a saída com a entrada do equipamento quando ocorre um problema no próprio equipamento ou nas
cargas. Evita o apagamento da iluminação.
44
i
Normalmente caracterizam-se por a etapa de potência ser
constituída por um autotransformador com diversas tomadas. A tensão aplicada na carga é obtida diretamente do autotransformador ou em combinação com um transformador
adicionador normalmente denominado «booster». A comutação
entre os diferentes intervalos pode ser obtida através de elementos
estáticos, eletromecânicos ou dinâmicos.
Equipamentos dinâmicos.
Equipamento que, para realizar as funções de estabilização de
tensão e redução de fluxo luminoso, utiliza no circuito principal ou
de potência elementos ou componentes com movimento motorizado (transformadores variáveis motorizados, escovas, etc.).
MANUAL DO UTILIZADOR
Equipamentos estáticos.
Equipo que, para realizar as funções de estabilização de tensão e
redução de fluxo luminoso, utilizam unicamente no circuito principal
ou de potência elementos ou componentes estáticos (tiristores,
triacs, etc.).
Equipamento independente.
Equipamento instalado num invólucro fechado por todos os lados,
exceto eventualmente sobre a superfície de montagem, de forma
a assegurar um grau de proteção de acordo com a sua marcação.
Intempérie.
Denominação utilizada para designar a capacidade de um invólucro,
devido ao seu grau de proteção, para instalação ao ar livre.
Interface para relés.
Porta de comunicação do equipamento com o exterior, formado habitualmente por uma série de contactos livres de potencial.
Interruptor de estado sólido.
Em termos elétricos, é um interruptor eletrónico sem movimento físico baseado numa bolacha de silício com uma dopagem particular.
IP20 / IP54.
Grau de proteção adequado para resistir ao mau tempo.
Marcação CE.
Certificação que todos os equipamentos elétricos na Europa devem
possuir. Qualquer fabricante tem capacidade para a sua autocertificação.
Pacote de Telegestão.
Pacote opcional concebido para estabelecer comunicação local e/
ou remota com o ILUEST. Composto por placa, instalação no equipamento e software de gestão.
Programador horário.
Relógio com capacidade de temporizar a atuação de um ou vários
relés.
Relógio astronómico.
Relógio com um algoritmo capaz de, com programação preliminar
da latitude e da longitude de um ponto geográfico determinado,
guardar nas suas tabelas as horas do orto e do ocaso de todos
os dias do ano. É utilizado habitualmente para acender e apagar a
iluminação de uma forma mais precisa.
Em quadro.
Denominação utilizada para designar a instalação do equipamento
no interior de um quadro ou centro de comando já existente.
SALICRU
45
: ....................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
46
MANUAL DO UTILIZADOR
: ....................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
..............................................................................................................................................................................................................
SALICRU
47
SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO ININTERRUPTA (SAI) + ESTABILIZADORES - REDUTORES DE FLUXO LUMINOSO (ILUEST) + FONTES DE ALIMENTAÇÃO COMUTADAS + ONDULADORES ESTÁTICOS + CONVERSORES FOTOVOLTAICOS + ESTABILIZADORES DE TENSÃO E CONDICIONADORES DE LINHA
Avda. de la Serra, 100
08460 Palautordera
BARCELONA
Tel. +34 93 848 24 00
902 48 24 00 (Espanha só)
Fax. +34 94 848 11 51
[email protected]
Tel. (S.S.T.) +34 93 848 24 00
902 48 24 01 (Espanha só)
Fax. (S.S.T.) +34 93 848 22 05
[email protected]
SALICRU.COM
DELEGAÇÕES E SERVIÇOS E SUPORTE
TÉCNICO (S.S.T.)
BARCELONA
PALMA DE MALLORCA
BILBAO
PAMPLONA
GIJÓN
SAN SEBASTIÁN
LA CORUÑA
SEVILLA
LAS PALMAS DE G. CANARIA VALENCIA
MADRID
VALLADOLID
MÁLAGA
ZARAGOZA
MURCIA
FILIAIS
CHINA
MÉXICO
FRANCIA
PORTUGAL
HUNGRÍA
REINO UNIDO
MARRUECOS
SINGAPUR
ALEMANIA
JORDANIA
ARABIA SAUDÍ
KUWAIT
ARGELIA
MALASIA
ARGENTINA
PERÚ
BÉLGICA
POLONIA
BRASIL
REPÚBLICA CHECA
CHILE
RUSIA
COLOMBIA
SUECIA
CUBA
SUIZA
DINAMARCA
TAILANDIA
ECUADOR
TÚNEZ
EGIPTO
UEA
FILIPINAS
URUGUAY
HOLANDA
VENEZUELA
INDONESIA
VIETNAM
IRLANDA
Gama de produtos
Sistemas de Alimentação Ininterrupta SAI/UPS
Estabilizadores - Redutores de Fluxo Luminoso (ILUEST)
Conversores Estáticos
Conversores fotovoltaicos
Fontes de Alimentação
Estabilizadores de Tensão e Condicionadores de Linha
EK936A10
Nota: Salicrú pode oferecer outras soluções no poder electrónica como especificações da aplicação ou das especificações técnicas.
RESTO DO MUNDO
Was this manual useful for you? yes no
Thank you for your participation!

* Your assessment is very important for improving the work of artificial intelligence, which forms the content of this project

Download PDF

advertisement