DeviceNet Entradas e Saída a Relé

DeviceNet Entradas e Saída a Relé
Módulo Digital DeviceNet
Manual de Instruções
Sensores e Instrumentos
MANUAL DE INSTRUÇÕES
Entradas e Saída a Relé
DeviceNet
Entradas Digitais:
1, 2, 3, 4.
Conexão da
Rede DeviceNet
Fig. 1
Conectores para
trilho Power Rail
Saída a Relé 1
Saída a Relé 2
Módulo I/O - Digital
4 Entradas e 2 Saídas a Relé
Fig. 2
2
Sense
Módulo Digital DeviceNet
Configuração do Módulo na Rede DeviceNet:
Fixação do Módulo:
Sistema Power Rail:
O endereçamento e a velocidade de comunicação são
configurados via chave dipswitch localizada na lateral
do módulo, como standart as peças vem posicionadas
em ON (S1 até S8).
Nota: Antes de configurar o endereçamento
certifique-se que somente este módulo esteja com o
endereço escolhido, caso o endereço ajustado
coincidir com outro equipamento os dois módulos não
irão funcionar. Para substituição de módulos, vide
“Substituição do Módulo DeviceNet ” neste manual.
A fixação do módulo KD internamente no painel deve
ser feita utilizando-se de trilhos de 35 mm
(DIN-46277), com opção de utilização de Power Rail.
O cabo DeviceNet deve ser conectado na lateral do
módulo e caso seja utilizada a opção com Power Rail
este cabo deve ser conectado somente em um dos
módulos, pois o Power Rail faz a distribuição do cabo
DeviceNet para os outros módulos do mesmo trilho,
para fixá-lo siga os procedimentos abaixo:
Consiste de um sistema onde as conexões de
alimentação e comunicação são conduzidas e
distribuídas no próprio trilho de fixação, através de
conectores multipolares localizados na parte inferior
do módulo. Este sistema visa reduzir o número de
conexões externas entre os instrumentos da rede
conectados no mesmo trilho.
1
2
3
4
DIP
ON
Módulo I/O DeviceNet - DN-KD-4EP-2SR
Módulo Digital DeviceNet
Conectores
1° Com auxílio de uma
chave de fenda, empurre a
trava de fixação do módulo
para fora, (fig.07).
Trilho Power Rail
Conectores
Fig. 7
Trilho DIN 35mm
Fig. 11
Trilho Autoalimentado tipo “Power Rail”:
Fig. 3
O trilho power rail TR-KD-05 é um poderoso conector
que fornece interligação dos instrumentos conectados
ao tradicional trilho 35mm. Quando unidades do KD
forem montadas no trilho automaticamente a
alimentação, shield e comunicação da rede será
conectada, aos módulos.
2° Abaixe o módulo até que
ele se encaixe no trilho, (fig.
08).
Fig. 5
00
01
02
03
04
05
06
07
08
09
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
1
1
1
1
1
1
1
1
0
0
0
0
0
0
0
0
1
1
1
1
1
1
1
1
0
0
1
1
0
0
1
1
0
0
1
1
0
0
1
1
0
0
1
1
0
0
1
1
0
0
1
1
0
0
1
1
32
33
34
35
36
37
38
39
40
41
42
43
44
45
46
47
48
49
50
51
52
53
54
55
56
57
58
59
60
61
62
63
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
0
0
0
0
0
0
0
0
1
1
1
1
1
1
1
1
0
0
0
0
0
0
0
0
1
1
1
1
1
1
1
1
0
0
0
0
1
1
1
1
0
0
0
0
1
1
1
1
0
0
0
0
1
1
1
1
0
0
0
0
1
1
1
1
S2
0
0
1
1
0
0
1
1
0
0
1
1
0
0
1
1
0
0
1
1
0
0
1
1
0
0
1
1
0
0
1
1
S1
S4
S5
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
S3
D
S6
S1
0
1
0
1
0
1
0
1
0
1
0
1
0
1
0
1
0
1
0
1
0
1
0
1
0
1
0
1
0
1
0
1
EN
S3
0
0
0
0
1
1
1
1
0
0
0
0
1
1
1
1
0
0
0
0
1
1
1
1
0
0
0
0
1
1
1
1
S2
S5
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
S4
EN
S6
D
Endereçamento DeviceNet:
0
1
0
1
0
1
0
1
0
1
0
1
0
1
0
1
0
1
0
1
0
1
0
1
0
1
0
1
0
1
0
1
O endereçamento (chaves S1 à S6) e a taxa de
velocidade de comunicação (chaves S7 e S8) do
módulo na rede DeviceNet devem ser configurados,
conforme:
Fig. 8
R
TO
EC
N
CO
Configuração da Dip Switch
Baud
Rate
S7 e S8
8 7 6 5 4 3 2 1 Endereço
125K
250K
500K
125K
00 0 0 0 0 0 0
01 0 0 0 0 0 1
10 0 0 0 0 1 0
11
111111
...
O
TR
O
S
ÇÃ
DO
TA
DA )
EN
5
IM
DE
AL
TO -KD-0
DE
EN
R
TO
AM L (T
EN
RR NA
AM
BA CIO
R
AR
OP
cB
Vc
- 24
+
50
0m
m
(25
SL
OT
S2
0m
m)
TRILHO TR-DIN-35
Fig. 12
Sistema Plug-In:
00
01
02
...
63
-KD
E
TR
D-T
DA
EN
R-K
EM
AT
MP
TA
3° Aperte a trava de fixação
até o final (fig.09) e certifique
que o módulo esteja bem
fixado.
DeviceNet
ON S1 a S6
ILH
2
-PL
Fig. 9
Cuidado: Na instalação dos módulos no trilho com um
sistema Power Rail, os conectores não devem ser
forçados demasiadamente para evitar quebra dos
mesmos, interrompendo o seu funcionamento.
Tab. 6
Montagem na Horizontal:
Recomendamos que os módulos, sejam montados na
posição horizontal afim de que haja melhor circulação
de ar e que o painel seja provido de um sistema de
ventilação evitando o sobreaquecimento dos
componentes internos.
Neste sistema as conexões dos cabos são feitas em
conectores tripolares que de um lado possuem
terminais de compressão, e de outro lado são
conectados ao equipamento.
Este sistema tem por finalidade facilitar a instalação e
o arranjo da fiação além de contribuir na manutenção
possibilitando a rápida substituição do equipamento.
Para que o instrumento seja fornecido com o sistema
plug-in basta acrescentar no final do código “-P”.
Sistema com Borne
Sistema Plug-In
Fig. 13
Tab. 4
Sense
TR
-0
-KD
Fig. 10
3
4
Sense
Módulo Digital DeviceNet
Diagrama de Conexão Contato Seco:
5+
4
7
1
5
2
7
3
7
4
6-
2
10
10-
10-
E2
2
6-
Am
D1
D2
D3
E1
V+
V-
DeviceN
Net.
Am
D0
V+ S2
V-
E3
E 2
5 ( + ), 2 ( E2 ) e 6 ( - )
Des. 16
E 3
10 ( + ), 3 ( E3 ) e 7 ( - )
O que é Sensor de Corrente Contínua a 2 Fios:
E 4
E3
E4
REDE
10+
4
10
E4
4
7-
BUS
AC/DC
12
REDE
DEVICENET
V-
V-
Vd/Vm
CNH
V+
2
3
1
V-
POWER RAIL
V+
Fone: (0XX11) 6942-0444
4
CNH
GND
CNL
5
Made in Brazil
Des. 14
Conexão das Entradas:
As entradas digitais do módulo DN-KD-4EP-2SR
podem ser acionadas por sensores de proximidade
(indutivos, capacitivos, etc.) à 2 ou 3 fios, bem como
contatos secos (botoeiras, botões de comando,
comutadores, chaves fim-de-curso, etc ).
1
DeviceNet
E1
5+
D1
2
D2
3
E1
E 3
10 ( + ) e 3 ( E3 )
E 4
10 ( + ) e 4 ( E4 )
N4 ou N5
5+
1
DeviceNet
Vd/Vm
V+
E2
V-
E3
E4
REDE
NA ou NF
D0
Fig. 15
BUS
710+
4
E4
7-
2
Conexão Contato Seco:
D2
O módulo admite a conexão de contatos secos como,
botões
de comando,
comutadores,
chaves
fim-de-curso, etc.
A interconexão dos contatos secos é similar a ligação
do sensor a 2 fios.
E2
6-
D3
NA ou NF
10+
Am
E1
Vd/Vm
V+
E2
V-
E3
E4
REDE
BUS
3
E3
7-
NA ou NF
10+
4
E4
7-
E4
NA ou NF
Des. 22
Des. 20
Cor
Função
Marrom
Positivo
5+
D1
7-
A capacidade que o módulo fornece para as entradas
é de 200 mA, sendo que individualmente o módulo
fornece 50 mA para cada entrada.
As entradas possuem proteção contra curto-circuito
quando em condições normais de opreação (sem
curto-circuito) e inversão de polaridade tipo térmica
interrompendo a circulação de corrente até que seja
restituído a condição normal.
E3
As cores dos fios dos sensores são normalizadas
internacionalmente e a sua função está indicada na
tabela abaixo:
E1
6-
4
Capacidade das Entradas:
Cor de Fios dos Sensores:
Diagrama de Conexão Sensor N4 ou N5:
NA ou NF
10+
E2
6-
Am
5 ( + ) e 2 ( E2 )
BUS
E3
A alimentação das entradas digitais é provida pelo
modulo DeviceNet DN-KD-4EP-2SR, utilizando o
próprio 24 Vcc da rede.
6-
10+
E 2
E3
3
7-
Alimentação das Entradas:
D0
Tabela de Conexão do Sensor:
5 ( + ) e 1 ( E1 )
V-
ENTRADAS PNP
D3
E 1
E2
Diagrama de Conexão Sensor 3 Fios:
O módulo permite a conexão de sensores de corrente
contínua a dois fios, versão N4 (NA) e N5 (NF).
A alimentação do circuito interno é obtida através de
uma pequena corrente que circula pela carga.
Bornes
E1
V+
E4
5+
Entrada
8
10+
10 ( + ), 4 ( E4 ) e 7 ( - )
Conexão Sensor 2 Fios:
V+
7
E2
6-
Am
Vd/Vm
Azul
Negativo
Preto
NA
Branco
NF
Tab. 21
CNH
5+
D3
REDE
Tab. 17
GND
São sensores em corrente contínua similares ao PNP
e NPN, porém sem o terceiro fio que alimentaria o
sensor.
REDE
GND
E1
6-
D2
CNL
CNL
1
DeviceNet
2
5 ( + ), 1 ( E1 ) e 6 ( - )
E2
V-
Sensores
5+
D1
3
7-
Diversos tipos de Sensores sendo Utilizados:
D0
E 1
V+
AC/DC
9
11
Tabela de Conexão do Sensor:
Bornes
8
S1
D1
MÓDULO
DIGITAL
E4
3
10
Entrada
Vd/Vm
E3
7+
E4 4
Os sensores de proximidade em corrente contínua
são alimentados em 24 Vcc através dos fios positivo
marrom (+) e azul (-) do sensor. Possuem no estágio
de saída um transistor que tem como função chavear
(ligar ou desligar ) a carga conectada ao sensor.
5
10+
7+
E3 3
O que é Sensor de Corrente Contínua a 3 Fios:
D3
D0
E2
6-
1
Cada entrada do módulo permite a conexão de um
tipo de sensor diferente, portanto pode-se utilizar um
sensor PNP na entrada E 1, um contato seco na
entrada E 2 e assim sucessivamente.
SAÍDAS
Am
E1
5+
E2 2
5+
D2
DN-KD-4EP-2SR(-P)
5+
5
E1
6D1
ENTRADAS PNP
E1 1
Entradas Simultâneas:
O módulo permite a conexão de sensores de corrente
contínua a 3 fios ( PNP ).
D0
MÓDULO DE ENTRADAS E SAÍDAS
5
1
DeviceNet
Sensores e Instrumentos
www.sense.com.br
[email protected]
1
Conexão Sensor a 3 Fios:
Contato Seco
Entradas Digitais:
Tab. 19
Módulo I/O DeviceNet - DN-KD-4EP-2SR
Módulo Digital DeviceNet
Nota 1: Quando ocorre curto circuito em uma das
entradas, devido utilizarem a mesma fonte interna
todas as outras três são desativadas.
Nota 2: Mesmo ocorrendo curto-circuito ou inversão
de polaridade prolongado o módulo digital não
desaloca e não compromete o funcionamento da
rede, basta restabelecer a condição normal de
operação.
Nota: Quando utilizar sensores a 4 fios, escolha a
saída NA ou NF do sensor, configurando inclusive o
relé para operar normalmente energizado com o
sensor desacionado (saída NF) e lembre-se de isolar
a saída não utilizada.
NA ou NF
Des. 18
Sense
5
6
Sense
Módulo Digital DeviceNet
Módulo Digital DeviceNet
Simulação das Entradas:
Tabela dos Bits de Entrada:
Saídas Digitais:
Capacidade das Saídas:
Com Sensor à 3 Fios:
A tabela abaixo considera que o módulo foi mapeado
para o endereço M1:1.15, mas pode-se utilizar
qualquer endereço de memória M1 desde que este
não sobreponha algum endereço utilizado.
O sistema do módulo da saída a relé são formados
pelo módulo DN-KD-4EP-2SR, com 2 saídas aptas a
chavear cargas em CA ou CC.
Verifique se a carga não excede a capacidade
máxima da saídas apresentada na tabela abaixo:
Alimente o módulo, conecte o sensor na entrada
desejada conforme seu diagrama de conexões e
observe que ao acionar o sensor (NA) deve verificar o
imediato acionamento do led que irá ascender.
Diagrama de Conexão:
Fig. 23
Conexão das Saídas:
Entrada
Endereçamento
1
M1:1.15/0
2
M1:1.15/1
3
4
M1:1.15/2
DeviceN
Net.
M1:1.15/3
MÓDULO
DIGITAL
Am
D0
CC
Potência
600 VA
90 W
Tensão
250 Vca
30 Vcc
Corrente
2 Aca
3 Acc
V+ S2
11
12
Tab. 28
Alimentação para as Saídas:
AC/DC
9
V-
Tab. 25
CA
8
S1
D1
Relé
A alimentação para as saídas é necessário a
utilização de uma fonte externa conectado a carga
podendo ser em CA ou CC, respeitando a capacidade
de chaveamento das saídas.
AC/DC
Vd/Vm
REDE
Tabela dos Bits de Saída:
Des. 26
Nota: Verifique a entrada que está sendo acionada
corresponde corretamente ao led que está
ascendendo.
As saídas digitais do módulo DN-KD-4EP-2SR são
utilizados para acionar lâmpadas, sinalizadores
luminosos, sirenes, contatores, solenóides, etc.
O sinal aplicado a saída é comandado pelo PLC e
chega ao módulo através da rede DeviceNet.
Com Jump:
Faça a alimentação do módulo de acordo com a
alimentação das entradas, descrito no item a seguir,
realize a ligação através de um “jump” na entrada em
que desejar testar, em seguida, verifique o imediato
acionamento do led que irá ascender.
A ligação através de “jump” é similar a conexão por
contato seco
A tabela abaixo considera que o módulo foi mapeado
para o endereço M0:1.15, mas pode-se utilizar
qualquer endereço da memória M0 desde que este
não sobreponha algum endereço já utilizado.
Saída
Endereçamento
1
M0:1.15/0
2
M0:1.15/1
Verificação das Saídas:
Diagrama de Conexão:
Saída
Bornes
S 1
11 e 12
S 2
8e9
Tab. 27
Tabela de Conexão das Saídas:
Tab. 29
Supressor de Transiente:
Aconselhamos a utilização de supressores de
transiente nas cargas indutivas CA, principalmente
em contatores com corrente superior a 100mA.
Supressor de
Transiente
Pode-se verificar o funcionamento da saída, utilizando
o software de programação lógica de intertravamento
(RS Logix), forçando em “1” o bit correspondente que
comanda a saída que deseja-se verificar, com isso,
acionará o led e a saída, sendo que a tensão pode ser
verificada utilizando-se um voltímetro diretamente na
saída, nos bornes conforme tabela abaixo.
Obs: O procedimento de simulação das saídas irá
operar somente se o módulo estiver corretamente
mapeado na memória do scanner DeviceNet ( “SCAN
LIST” ) e se o software de programação da lógica de
controle estiver ON LINE, sob o programa de
comunicação do micro com a CPU ( RS LINX ).
Fig. 24
Nota 1: Tanto na opção com ou sem sensor deve-se
testar cada entrada para verificar seu funcionamento.
Nota 2: Aconselha-se também, monitorar a tensão
das cargas antes do equipamento entrar em
operação, verificando-se desta forma se a carga foi
ligada ao borne correto.
Sense
7
8
Sense
Módulo Digital DeviceNet
Módulo Digital DeviceNet
Configuração do PLC:
Aplicação em CCM:
• Detecção de desarme do disjuntor, através de
seus contatos auxiliares.
• Monitoração do relé térmico, também pelo seu
contato auxiliar.
Rede DeviceNet
Mapeamento de Memória:
Os dados digitalizados do módulo utilizam a rede
DeviceNet, para chegar ao PLC, e especificamente
são trocados com o cartão SCANNER.
Fig. 30
• Colamento dos contatos do contator, através da
monitoração do contato auxiliar.
Contato
Auxiliar
Contator
Módulo Digital
Devicenet
Este módulo é ideal para automação em CCM, pois
possue saídas a relé, que podem ligar diretamente os
contatores dos motores além de suas entradas
permitir a monitoração de:
Acionamento
da Bobina
Contato Aux.
disjuntor
Alimentação Saída para
CA
Motor
Recomendamos para o caso de grandes motores, utilizar contatores auxiliares ligados aos módulos KD e
quando for necessário o chaveamento direto do contator principal, nunca utilize nenhuma das fases do motor
para acionamento do contator, devido aos ruidos gerados no desligamento do motor.
Circuito Para Aplicação em CCM:
TRAFO
POTÊNCIA
>10HP
Des. 31
I<=2Aca
Fig. 33
Uma vez que os dados cheguem ao PLC devem ser
armazenados em uma memória para poder ser
acessado pelo programa com a lógica de
intertravamento.
Inicialmente após a montagem física da rede com os
módulos e outros componentes, deve-se instruir o
SCANNER do PLC sobre os equipamento da rede,
com a forma e quantidade de informações que devem
ser trocadas.
O software de configuração da rede DeviceNet (RS
NetWorx) tem como função básica armazenar no
scanner as informações necessárias para a troca de
dados com os equipamentos de campo.
Fig. 34
A última versão do arquivo EDS do módulo digital está
disponível para download em nosso site na Internet, e
deve ser carregado no software de configuração antes
de iniciar a configuração da rede.
Scan List:
O primeiro passo para a configuração do scanner para
que o módulo analógico possa funcionar, deve ser
executado incluindo-se o módulo no SCAN LIST do
scanner.
Arquivo EDS:
DN-KD
CIRCUITO
CONTROLE
Instalação Não Recomendada:
Caso seja impreterível utilizar as fases que alimentam o motor elétrico para acionar o contator do motor, opção
que não recomendamos a corrente máxima de chaveamento da saída a relá do KD não deve exceder 100 mA.
O motivo de tal limite basea-se em restringir o tamanho do contator e por consequencia o tamanho do motor
acionado, prevenindo contra os picos de tensão que o motor gera após seu desligamento, que inclusive
podem romper a isolação do relé de saída do módulo I/O.
Para que não seja necessário digitar as informações
de configuração de cada equipamento, o software de
configuração da rede utiliza um arquivo eletrônico
chamado EDS “Electronic Data Sheet”, este arquivo
que utiliza o formato texto, traz informações do
equipamento, tais como: fabricante, modelo, vendor
ID, número de bytes de entrada e saída utilizados,
tipos de comunicação suportados, códigos para
configuração interna do instrumentos (ex.: tipo de
entrada ou saída, condição sob defeito, etc).
TRAFO
POTÊNCIA
Fig. 35
Observe que somente os equipamentos
apresentados na lista a direita estão sendo
considerados para a troca de informações, os
equipamentos apresentado na lista da esquerda
foram encontrados na rede mas não estão mapeados.
Des. 32
I<=100mA
DN-KD
Sense
9
10
Sense
Módulo Digital DeviceNet
Mapeamento das Entradas:
Mapeamento das Saídas:
O módulo digital requer 1 word para todas as entradas
digitais (totalizando: 1 word ou 2 bytes), conforme
ilustra a figura seguinte para um módulo analógico
mapeado para a posição de memória M1.
A saída do módulo digital requer 1 word (2 bytes) de
memória para armazenar o comando para a sua
saída, conforme ilustrado na figura seguinte para um
módulo digital mapeado para a posição de memória
M0.
Módulo Digital DeviceNet
Cuidados com a Rede DeviceNet :
Malha de Aterramento:
Um dos pontos mais importantes para o bom
funcionamento da rede DeviceNet é a blindagem dos
cabos, que tem como função básica impedir que fios
de força possam gerar ruídos elétricos que interfiram
no barramento de comunicação da rede.
NOTA: Aconselhamos que o cabo da rede DeviceNet
seja conduzido separadamente dos cabos de
potência, e não utilizem o mesmo bandejamento ou
eletrodutos.
Para que a blindagem possa cumprir sua missão é de
extrema importância que o fio dreno esteja aterrado
somente em um único ponto.
Inclusive todos os equipamentos DeviceNet possuem
um borne para conexão do fio de dreno, que
internamente não está conectado a nenhuma parte do
circuito eletrônico, e normalmente forma uma
blindagem em volta do circuito através de pistas da
placa de circuito impresso.
SCANNER
DeviceNet
VM
BR
MALHA
AZ
PR
GND
V- V+
Fonte de Alimentação
da Rede DeviceNet
Fig. 36
Fig. 37
Lógica de Intertravamento:
A lógica de intertravamento desenvolvida para a aplicação pode utilizar diretamente os endereços M1 ou M0,
ou pode ainda transferir os dados para memórias auxiliares do arquivo N, conforme o exemplo a seguir:
Des. 39
O cabo DeviceNet possui uma blindagem externa em
forma de malha, que deve ser sempre cortada e
isolada com fita isolante ou tubo plástico isolador em
todas as extremidades em que o cabo for cortado,
conforme ilustra a figura 51.
Deve-se tomar este cuidado na entrada de cabos de
todos os equipamentos, principalmente em invólucros
metálicos, pois a malha externa do cabo não deve
estar ligada a nenhum ponto e nem encostar em
superfícies aterradas.
Fig. 41
Da mesma forma que a blindagem externa,
aconselhamos isolar o fio de dreno em todas as suas
extremidades com tubos plásticos isoladores,
conforme ilustra a figura 51, a fim de evitar seu
contato com partes metálicas aterradas nos
instrumentos. Todos estes cuidados na instalação
devem ser tomados para evitar que a malha ou o fio de
dreno sejam aterrados no campo.
Fig. 42
Fig. 40
Fig. 38
Sense
11
Existe ainda um fio de dreno no cabo DeviceNet , que
eletricamente está interligado a malha externa do
cabo, e tem como função básica permitir a conexão da
malha a bornes terminais.
12
Sense
Módulo Digital DeviceNet
Também aconselhamos a utilização do módulo de
distribuição de alimentação Sense modelo:
DN-MD-2-DA-VT para a conexão da fonte de
alimentação na rede, oferecendo as seguintes
vantagens:
V- V+
Fonte de Alimentação
do Trecho 2
V- V+
Fonte de Alimentação
da Rede DeviceNet
TRECHO 2
• tensão de saída ajustável de 24 a 28Vcc,
• capacidade de saída suporta pico de mais de 10A
• equipada com proteção de surte até 1000Vpp
Sendo que a proteção de picos de surge (certificação
CE categoria 3 para pulsos de surge), transitórios
gerados na rede elétrica que alimenta a fonte de
alimentação possam passar para a rede DeviceNet e
causar a queima dos módulos de I/O.
Fig. 46
O monitor de Alimentação KF-KD é um instrumento
que tem a função de receber a alimentação de 24 Vcc
e distribui-la para o trilho autoalimentado (TR-KD-05).
PR
AZ
BR
MALHA
TRECHO 1
VM
GND
Des. 45
Aterramento
Instrumentação
Observe que neste caso as fontes de alimentação
não devem ser ligadas em paralelo, e para tanto
deve-se interromper o positivo, para que em um
mesmo trecho não exista duas fontes.
Aterramento
Elétrico
CUIDADO!
Des. 44
Diagrama do Distribuidor de Alimentação:
Vide manual.
O monitor possui um led verde que indica a presença
de alimentação 24 Vcc na entrada, caso a tensão de
alimentação caia abaixo do mínimo permitido (20 Vcc)
ou a corrente consumida seja maior que 4A o circuito
de sinalização de defeitos irá sinalizar a anomalia
através de um led vermelho montado no painel frontal.
Nota: Para que o sistema de monitoração de defeitos
possa operar corretamente o módulo deve estar
alimentando pelo menos uma unidade do módulo KD,
caso contrário irá indicar uma falha não existente.
Defeito
Led Vermelho
Alimentação
Led Verde
Fig. 48
120R
FE-
FE-
GND
Monitor de Alimentação:
Monitoração de Defeitos:
V- V+
Fonte de Alimentação
da Rede DeviceNet
PR
AZ
BR
MALHA
VM
SCANNER
DeviceNet
Após este teste o fio dreno deve ser interligado ao
negativo “V-” da rede no borne “-” da fonte de
alimentação que energizara a rede. Então ambos “V-”
e “-” devem ser ligados ao sistema de aterramento de
instrumentação da planta em uma haste
independente do aterramento elétrico, mas diferentes
hastes podemser interconectadas por barramento de
equalização de potencial.
Interromper
V+
Des. 43
• bornes aparafusáveis para conexão de dois
trechos de rede e para a fonte de alimentação
• borne para conexão do fio de aterramento da rede,
• leds de sinalização de alimentação nos trechos,
• sinalização dos trechos alimentados pela fonte,
• sinalização de irregularidades no trecho não
alimentado pela fonte local,
• chave dipswitch para comandar a desenergização
dos trechos para verificações e manutenção,
proteção para picos de surge na entradas da fonte
local e nos trechos de entrada e saída da rede.
FE+
V- V+
Fonte de Alimentação
da Rede DeviceNet
Distribuidor de Alimentação:
Outro ponto muito importante é a fonte de alimentação
da rede DeviceNet, e aconselhamos a utilização da
fonte Sense modelo: DN-KF-2410J/110-220Vca, que
possui as características:
GND
PR
BR
MALHA
AZ
VM
Fonte de Alimentação da Rede:
Outro detalhe muito importante é quando a rede
DeviceNet utiliza duas ou mais fontes de alimentação
e somente uma delas deve estar com o negativo da
fonte aterrado em uma haste junto com o fio de dreno
da rede.
DEVICENET
SCANNER
DeviceNet
Blindagem de Redes com Múltiplas Fontes:
DEVICENET
Ao final da instalação deve-se conferir a isolação da
malha e dreno em relação ao aterramento, e com um
multímetro que deve acusar mais do que 1M W.
Módulo Digital DeviceNet
S
KF ENS
-KD E
rta
Po ível
s
Fu
Repetimos: é de extrema importância que a malha de
aterramento esteja aterrada somente em um único
ponto junto a fonte de alimentação da rede.
Aconselhamos que toda vez que houver manobras no
cabo da rede ou manutenção nos instrumentos, se
desligue a conexão do dreno com o negativo da fonte
para se verificar a isolação do fio dreno, que não pode
está aterrado em qualquer outro ponto da rede, pois
as manobras dos cabos muitas vezes podem romper
a isolação do cabo conectando a malha a eletrodutos
ou calhas aterradas.
Des. 49
Des. 47
Sense
13
14
Sense
Módulo Digital DeviceNet
Conexões do Cabo de Rede:
Instalação do Cabo:
Display do Scanner DeviceNet:
Fazer a pontas dos fios conforme desenho:
A malha de blindagem geral do cabo e as fitas de
alumínio do par de alimentação (VM e PR) e do par de
sinal (BR e AZ) devem ser cortados bem rente a capa
cinza do cabo. Para evitar que a malha geral do cabo
encoste em partes metálicas, aplicar fita isolante ou o
tubo isolante termo-contratil (fornecido com o kit de
terminais). Para fixar o tubo termo encolhível ao cabo
utilizar uma pistola de ar quente.
Siga corretamente o procedimento abaixo:
O display do scanner irá piscar o endereço do nó
com problema e o código de erro (vide manual do
scanner com a lista de erros completa).
Fig. 55
1 - Faça a ponta do cabo conforme o item anterior e
aplique os terminais fornecidos no kit.
5
Des. 50
Adição de Novo Equipamento na Rede:
Fig. 59
Terminais:
Para evitar mau contato e problemas de curto circuito
aconselhamos
utilizar
terminais
pré-isolados
(ponteiras) cravados nos fios.
Tab. 60
Erro
Descrição
00
funcionando perfeitamente
72
escravo que parou de se comunicar
73
EDS trocado
78
escravo configurado no scan list mas não
encontrado na rede
40
Fig. 56
2 - Introduza os terminais do cabo na conexão de
entrada e saída da rede através de borne plug-in.
79
scanner sem comunicação
(vide fonte de alimentação)
80
CPU no mode IDLE (passar para RUN)
91
erro de comunicação grave,
resetar o PLC
92
falta de alimentação 24Vcc na rede
Nota: outros problemas vide a lista
Troubleshooting em nosso site na internet.
Des. 52
Os produtos Sense são fornecidos com 5 terminais
branco que devem ser utilizados no cabo DeviceNet
fino.
Fig. 57
Nota: Utilize uma chave de fenda adequada e não
aperte demasiadamente para não destruir o borne.
VM(+)
R CAN-H
BR
C
DRENO
AZ CAN-L
PR
(
R (-)
Des. 53
TUBO ISOLANTE
(Cortar a malha e as fitas bem
rente a capa do cabo).
Já para o cabo grosso indicamos utilizar o terminal
preto nos fios vermelho (VM) e preto (PR); no fio de
malha (Dreno); nos fios branco (BR) e azul (AZ)
devem ser utilizados os terminais branco duplo.
Nota: aconselhamos também utilizar o tubo isolante
verde, fornecido com o kit para isolar o fio dreno.
Fig. 58
3 - Confira se a conexão está firme, puxando
levemente os fios, verificando se estão bem presos
ao borne.
Fig. 54
CUIDADO!:
Os fios sem terminais (ponteiras) podem causar
curto-circuito,
interrompendo
ou
danificando
componentes de toda a rede.
Quando um novo equipamento é conectado o seu led
de rede fica piscando em verde significando que não
existe configuração no scanner para este endereço.
Watch Dog:
Com a perda da comunicação da rede todas as saídas
serão desenergizadas, portanto verifique se a
conexão da cargas utilizadas nas saídas passarão
para a condição de segurança e desenergizando-se.
Projeto da Rede DeviceNet:
de
CUIDADO!:
Alicate ZA3
Des. 51
CUIDADO!: caso o endereço ajustado erroneamente
coincidir com algum outro equipamento que esteja
funcionando na rede, o led da rede do último
equipamento colocado irá piscar e ao se reinicializar o
sistema, os dois equipamentos com o mesmo
endereço não irá funcionar.
5 - Verifique se o módulo requer configuração do tipo
de entrada, consultando os documentos do projeto do
rede, e caso necessário utilize o software de
configuração da rede para efetuar a programação no
verso do módulo.
Prestar muita atenção ao manipular o cabo da rede
pois um leve curto-circuito pode causar sérios danos e
interromper o funcionamento da rede.
Curto-circuito nos fios de alimentação VM e PR
Interrompe o funcionamento de toda a rede e pode
danificar algum equipamento.
Curto-circuito nos fios de comunicação AZ e PR
Interrompe o funcionamento da rede, e de DIFÍCIL
localização, pois deve-se secionar a rede em partes
para se localizar o defeito.
Curto-circuito na alimentação e comunicação
Interrompe o funcionamento e pode queimar o chip de
comunicação DeviceNet do equipamento.
Tenha muito cuidado com os módulos de distribuição,
pois vários equipamentos podem ser queimados
simultaneamente.
Substituição do Módulo DeviceNet:
Caso haja alguma dúvida com relação ao
funcionamento de algum equipamento ligado na rede,
e deseja-se substitui-lo, proceda:
1 - retirar o equipamento sob suspeita da rede
2 - programar o endereço DN no novo módulo
(dipswitch)
3 - Insere-se a nova peça que deverá estar com o led
verde piscando inicialmente, e ficará aceso
constantemente.
4 - Caso o led não pare de piscar, repita os passos
anteriores.
O perfeito funcionamento da rede depende de um
projeto prévio, que verifica o números de nós,
comprimento dos cabos grosso e fino, corrente em
cada trecho e queda de tensão ao longo da linha.
Um dos pontos mais importantes do projeto é o
cálculo de queda de tensão e a distribuição de fontes
de alimentação que devem garantir no mínimo 20V
em qualquer ponto da rede DeviceNet.
Nota 1: apesar do módulo funcionar com 20V a
maioria das cargas (transmissores, indicadores,
posicionadores, etc) possuem uma tensão mínima, e
as tensão mínima oferecida pelo módulo analógico
pre-supõem que ele esteja alimentado com a tensão
nominal de 24Vcc.
Vide nosso site o Manual de Instalação da Rede
DeviceNet.
Led’s de Sinalização:
Entrada 1 a 4 - Este led acende quando a sua entrada
correspondente for acionada, através de um sinal
positivo.
Saída 1 a 4 - O led irá acender quando o módulo
DeviceNet receber um comando do PLC para acionar
sua saída correspondente.
Led de Rede: O led de Rede é bicolor e indica as
seguintes funções:
Verde Piscando: tentando fazer uma conexão na rede
DeviceNet.
Verde Aceso: alocado (presente na lista de devices do
scanner).
Vermelho Aceso: o endereço foi alterado (desligar e
ligar a peça) ou endereço duplicado.
Vermelho Piscando: erro de comunicação.
Rua Tuiuti, 1237 - CEP: 03081-000 - São Paulo -Tel.: 11 6190-0444 - [email protected] - http://www.sense.com.br
Sense
15
Reservamo-nos o direito de modificar as informações aqui contidas sem prévio aviso
3000000088B - 08/2004
Was this manual useful for you? yes no
Thank you for your participation!

* Your assessment is very important for improving the work of artificial intelligence, which forms the content of this project

Download PDF

advertisement