CONCEITO DE REDES - Professor Jefferson Costa

CONCEITO DE REDES - Professor Jefferson Costa
1
Apostila de
Redes de computadores
Autor:
Jefferson Costa
Tem 33 anos e é docente há 15 anos.
Atua há mais de 17 anos na área de informática, é administrador
de redes Linux, Ethical Hacker e perito em segurança forense computacional.
Site: www.jeffersoncosta.com.br
Fan page: www.facebook.com/jeffersoncosta.com.br
Canal no youtube: www.youtube.com/jcosta20
Twitter: @ProfJcosta
E-mail: [email protected]
São Paulo
2010
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
2
Sumário
Capítulo 1 ........................................................................................................... 5
Rede de computadores ....................................................................................... 5
Rede local – (Local Área Network) ................................................................................ 6
Rede pessoal – (PAN - Personal Area Network) .......................................................... 6
Rede metropolitana – (MAN - Metropolitan Area Network)......................................... 6
Redes geograficamente distribuídas (WAN – Wide Área Network) ........................... 7
Arquiteturas de Redes ........................................................................................ 7
Ponto-a-ponto (Workgroup) ........................................................................................... 8
Cliente/Servidor ............................................................................................................... 9
Topologias .......................................................................................................... 9
Barramento .................................................................................................................... 10
Anel................................................................................................................................. 11
Estrela ............................................................................................................................ 12
Outras topologias ......................................................................................................... 13
Padrões de comunicação .................................................................................. 14
Ethernet .......................................................................................................................... 15
Fast Ethernet 802.3 ....................................................................................................... 17
Gigabit Ethernet ............................................................................................................ 18
Token Ring IEEE 802.5 ................................................................................................. 18
Fiber Distributed Data Interface (FDDI) ANSI X3T9.5 ................................................ 18
ATM................................................................................................................................. 19
Componentes físicos de uma rede .................................................................... 21
Placa adaptadora de rede (NIC) ................................................................................... 21
Hubs ............................................................................................................................... 22
Switch ............................................................................................................................. 25
Repetidores ................................................................................................................... 25
Bridge ............................................................................................................................. 26
Roteadores .................................................................................................................... 26
Brouters ......................................................................................................................... 28
Gateways ....................................................................................................................... 29
Capítulo 2 ......................................................................................................... 30
Introdução ao cabeamento estruturado............................................................. 30
Cabeamento estruturado ................................................................................... 30
Normas e sistemas ....................................................................................................... 31
Projeto e infraestrutura ................................................................................................ 32
Forma física de instalação ........................................................................................... 32
Cabos ................................................................................................................ 32
Certificações ..................................................................................................... 33
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
3
Estatísticas ........................................................................................................ 33
Tendências ........................................................................................................ 34
Cabeamento não estruturado ............................................................................ 34
Cabeamento proprietário .................................................................................. 34
Tipos de cabos .................................................................................................. 34
Cabo coaxial .................................................................................................................. 34
Cabo coaxial banda larga (Coaxial grosso) ............................................................... 36
Cabo coaxial banda base (Coaxial fino) ..................................................................... 37
Par trançado .................................................................................................................. 38
Par trançado com blindagem - (STP - Shielded Twisted Pair) ................................. 39
Par trançado sem blindagem - (UTP - Unshielded Twisted Pair) ............................. 40
Configuração das pontas ............................................................................................. 41
Fibra óptica .................................................................................................................... 42
Fibras multímodo de índice gradual ........................................................................... 44
Fibras multímodo degrau ............................................................................................. 44
Fibras monomodo ......................................................................................................... 45
Capítulo 3 ......................................................................................................... 46
Wireless - Redes sem fio .................................................................................. 46
IEEE - Instituto de Engenheiros Eletricistas e Eletrônicos ...................................... 47
IEEE 802.11 .................................................................................................................... 47
Wi-Fi................................................................................................................................ 47
Como funcionam? ............................................................................................ 47
Classificação das redes sem fios................................................................................ 48
WPAN ............................................................................................................................. 48
WLAN.............................................................................................................................. 48
WMAN (Wi-Max) ............................................................................................................. 48
WWAN ............................................................................................................................ 48
Principais padrões ............................................................................................ 48
802.11A ........................................................................................................................... 49
802.11b ........................................................................................................................... 49
802.11g ........................................................................................................................... 49
802.11n ........................................................................................................................... 49
Outros padrões: ............................................................................................................ 49
Tecnologias ................................................................................................................... 50
IrDA ................................................................................................................................. 50
Bluetooth ....................................................................................................................... 50
Equipamentos Wireless .................................................................................... 50
O início desacreditado ...................................................................................... 51
Modos de operação........................................................................................... 51
Estendendo alcance, layout avançado de rede ......................................................... 52
Layout............................................................................................................................. 52
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
4
Otimizando o sinal ........................................................................................................ 52
Segurança ...................................................................................................................... 53
WEP ................................................................................................................................ 53
WPA ................................................................................................................................ 53
WPA2 .............................................................................................................................. 54
Capítulo 4 ......................................................................................................... 54
Modelo ISO / OSI ............................................................................................ 54
As camadas ................................................................................................................... 55
Capítulo 5 ......................................................................................................... 62
Protocolos ......................................................................................................... 62
Tipos de protocolos:..................................................................................................... 63
IPX/SPX .......................................................................................................................... 63
NetBeui ........................................................................................................................... 63
DLC (Data Link Control) ............................................................................................... 63
SMB (Server Message Block) ...................................................................................... 64
Pilhas múltiplas de transporte ..................................................................................... 64
Introdução ao TCP/IP ....................................................................................... 64
Internet Protocol (IP)..................................................................................................... 65
Transmission Control Protocol (TCP) ......................................................................... 66
Principais protocolos que formam o protocolo TCP/IP: ........................................... 66
Arquitetura TCP/IP ........................................................................................................ 68
Endereçamento IP ............................................................................................ 69
Endereço reservado...................................................................................................... 70
Submáscara ................................................................................................................... 71
Cálculo de endereço IP................................................................................................. 72
Referências bibliográficas ................................................................................ 74
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
5
Capítulo 1
Rede de computadores
Inicialmente, os computadores eram máquinas caríssimas que centralizavam em um
único ponto o processamento das aplicações de vários usuários, e muitas vezes, de toda uma
organização. Com a redução de custos do hardware e a introdução dos microcomputadores no
cenário da informática, a estrutura centralizada cedeu lugar a uma estrutura totalmente
distribuída, na qual, diversos equipamentos dos mais variados portes, processam informações
de formas isoladas, o que acarreta uma série de problemas. Dentre eles destaca-se a
duplicação desnecessária de recursos de hardware (impressoras, discos, etc.) e de software
(programas, arquivos de dados, etc.).
Nesse cenário, surgiram as redes de
computadores,
onde
um
sistema
de
comunicação foi introduzido para interligar
os equipamentos de processamentos de
dados
(estações
de
trabalhos),
antes
operando isoladamente com o objetivo de
permitir o compartilhamento de recursos,
ou seja, uma rede. Uma rede é um grupo
de pelo menos dois computadores que são
ligados entre si de forma que possam se
comunicar
uns
com
os
outros,
compartilhando recursos e informações
com maior velocidade e praticidade.
A maioria das redes é baseada em alguma espécie de cabo utilizado para ligar os
computadores entre si, além do cabo, é necessária outra peça física para fazer a conexão entre
os computadores, este equipamento é chamado de placa de interface de rede (NIC), ou
simplesmente placa de rede.
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
6
Rede local – (Local Área Network)
Surgiram dos ambientes de institutos de pesquisa e universidades, o enfoque dos
sistemas de computação que ocorriam durante a década de 1970 levava em direção à
distribuição do poder computacional. Redes locais surgiram para viabilizar a troca e o
compartilhamento de informações e dispositivos periféricos (recursos de hardware e software),
preservando a independência das várias estações de processamento, e permitindo a
integração em ambientes de trabalho cooperativo. Pode-se caracterizar uma rede local como
sendo uma rede que permite a interconexão de equipamentos de comunicação de dados numa
pequena região, na maioria das vezes pertencente a uma mesma entidade ou empresa, como,
por exemplo, um escritório, um prédio ou um complexo de prédio de uma empresa. O número
de computadores é limitado e geralmente interligado por cabos.
Outras características típicas encontradas e comumente associadas às redes locais são:
altas taxas de transmissão e baixas taxas de erro; outra característica é que em geral elas são
de propriedade privada.
Rede pessoal – (PAN - Personal Area Network)
É formada por nós muito próximo uns dos outros, normalmente a distância não passa de
uma dezena de metros.
São um exemplo de PAN as redes do tipo Bluetooth.
Rede metropolitana – (MAN - Metropolitan Area Network)
São redes que ocupam o perímetro de um bairro ou uma cidade.
Permitem que empresas com filiais em bairros diferentes se comuniquem entre si.
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
7
Redes geograficamente distribuídas (WAN – Wide Área
Network)
Surgiu da necessidade de se compartilhar recursos especializados por uma maior
comunidade de usuários geograficamente dispersos. Por terem um custo de comunicação
bastante elevado (circuitos para satélites e enlaces de microondas), tais redes são em geral
públicas, isto é, o sistema de comunicação, chamado sub-rede de comunicação, é mantido,
gerenciado e de propriedade pública. Em face de várias considerações em relação ao custo, a
interligação entre os diversos módulos processadores em uma tal rede determinará a utilização
de um arranjo topológico específico, diferente daqueles utilizados em redes locais. Ainda por
problemas de custo, as velocidades de transmissão empregadas são baixas: da ordem de
algumas dezenas de kilobits/segundo (embora alguns enlaces cheguem hoje a velocidade de
megabits/segundo). Por questão de confiabilidade, caminhos alternativos devem ser oferecidos
de forma a interligar os diversos módulos.
A conexão de todas essas redes, locais, metropolitanas e geograficamente distribuídas, é
o que chamamos de Internet.
O enfoque deste curso é voltado para as bases de arquitetura de rede e a tecnologia em
um ambiente local, mas faz referência às necessidades das empresas de redes empresariais
(Enterprise Wide Network).
Arquiteturas de Redes
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
8
No mundo da informática, existem alguns problemas em que as pessoas são tão divididas
que os debates adquirem o caráter de discussões religiosas, acredite, você já ouviu uma
discussão entre um usuário de PC e um usuário de Mac?
Até agora, o debate Ponto a Ponto versos Cliente/Servidor não chegou a esse estágio,
mas existem pessoas que realmente acreditam em um ou outro, às vezes sem qualquer razão
para isso, a não ser que um arranjo (Ponto a Ponto ou Cliente/Servidor) foi o primeiro a ser
apresentado.
Nenhuma das duas arquiteturas é perfeita para todas as situações. As redes
Cliente/Servidor têm melhor segurança, enquanto as redes Ponto a Ponto são mais flexíveis e
freqüentemente mais baratas. A principal razão disso é o fato de que as redes Cliente/Servidor
exigem uma pessoa que seja treinada especificamente e conheça bem o sistema operacional
de rede Cliente/Servidor. As redes Ponto a Ponto não exigem tanto treinamento para operá-las.
Ponto-a-ponto (Workgroup)
A rede ponto-a-ponto também é chamada de não hierárquica ou homogênea, pois partese do princípio de que todos os computadores podem ser iguais, sem a necessidade de um
micro que gerencie os recursos de forma centralizada. O usuário pode acessar qualquer
informação que esteja em qualquer um dos computadores da rede sem a necessidade de pedir
permissão a um administrador de rede.
Neste
tipo
de
rede
o
próprio
sistema
operacional
possui
mecanismos
de
compartilhamento e mapeamento de arquivos e impressoras, mecanismos de segurança
menos eficientes, esta arquitetura é indicada para redes com poucos computadores.
As redes ponto-a-ponto são utilizadas tanto em pequenas empresas como em grupos de
trabalho ou departamentos.
Características:

Utiliza sistema operacional do tipo local

Possui limite de máquinas

Possui limite de acessos

Segurança limitada

Mais barata
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
9
Cliente/Servidor
A arquitetura Cliente/Servidor é mais sofisticada, nesta arquitetura o usuário fica
dependente do Servidor, uma máquina central, que retém todas as leis de utilização da rede
em um software chamado Sistema Operacional de Rede (NOS).
Para instalação, configuração e gerenciamento mais complexo, será necessário ter um
profissional habilitado para a função de administrar desta rede.
Características:

Utiliza sistemas operacionais locais e de rede

Não possui limite de máquinas

Gerência o acesso aos recursos

Muita segurança

Mais cara
Topologias
A topologia refere-se à disposição dos componentes físicos e ao meio de conexão dos
dispositivos na rede, ou seja, como estes estão conectados.
A topologia de uma rede depende do projeto das operações, da confiabilidade e do seu
custo operacional.
Ao se projetar uma rede, muitos fatores devem ser considerados, mas a topologia a ser
empregada é de total importância para o bom desempenho e retorno do investimento de uma
rede.
Cada topologia possui suas características, com diferentes implicações quanto ao
desenvolvimento, operação e manutenção da rede, além disso, cada topologia apresenta duas
formas, a forma física e a lógica. A topologia em sua forma física identifica como os nós estão
interconectados uns nos outros.
Várias são as formas de interligação, embora as variações sempre derivem de três
modelos básicos, que são as mais freqüentemente empregadas, barramentos, anéis e estrelas.
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
10
A topologia em sua forma lógica tem o papel de descrever um esquema usado pelo
sistema operacional da rede, para administrar o fluxo de informações entre os nós rede. A
maioria dos sistemas operacionais de redes utiliza-se de duas principais topologias lógicas, a
Linear e a Token Ring.
Barramento
- Topologia física
É a topologia mais fácil de instalar. Nas redes de topologia barramento cada nó é
conectado a um único cabo (espinha dorsal), porém esta estrutura deve completar-se em
ambas as pontas com um conector especial chamado Terminador.
O desempenho de um sistema em barra comum é determinado pelo meio de transmissão,
número de nós conectados, controle de acesso, tipo de tráfego entre outros fatores.
Isso faz da topologia barramento a mais utilizada, que, ainda, possui alto poder de
expansão utilizando repetidores. Esta rede utiliza o cabo coaxial e o padrão de comunicação
Ethernet.
- Topologia lógica
Cada nó na barra pode ouvir todas as informações transmitidas. Esta característica facilita
as aplicações com mensagens do tipo difusão (para múltiplas estações). Existe uma variedade
de mecanismos para o controle de acesso à barra, que pode ser centralizado ou
descentralizado. A técnica adotada para acesso à rede é a multiplexação no tempo. Em
controle centralizado, o direito de acesso é determinado por uma estação especial da rede, o
Servidor. Em um ambiente de controle descentralizado, a responsabilidade de acesso é
distribuída entre todos os nós.
Vantagens

Muita facilidade na instalação
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
11

Baixo Custo

Requer menos cabos
Desvantagens

No caso de ter problemas de transmissão, é difícil isolar a causa, já que todos os
nós estão conectados ao mesmo meio físico.

Se o cabo danificar ou a ponta romper, os nós não poderão comunicar-se e a
rede deixará de funcionar.

A rede fica mais lenta em períodos de uso intenso.

Excesso de colisões
Anel
- Topologia física
Essa topologia é muito parecida com a topologia Estrela, porém seu funcionamento lógico
é completamente diferente.
Os maiores problemas desta topologia são relativos à sua pouca tolerância a falhas.
Este modelo de topologia utiliza um HUB que internamente possui um anel que faz a
busca dos computadores,
- Topologia lógica
Abaixo temos uma ilustração do funcionamento, é importante lembrar que este
movimento de anel é feito internamente no HUB.
Prof. Jefferson Costa
j[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
12
Vantagens

Fácil adição e remoção de estações
Desvantagens

Mais cara

Muito complexa de instalar.

Pouco conhecida
Estrela
- Topologia física
Em uma topologia física estrela todos os dispositivos da rede são conectados a um
dispositivo central, este pode ser um computador Mainframe, um dispositivo comutador PBX,
ou mais comumente, em dispositivos LAN’s atuais, um HUB ou concentrador.
- Topologia lógica
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
13
A topologia lógica tipo estrela é comum em ambiente de rede de grande porte, ou em
ambiente de rede utilizando PBX como um dispositivo comutador central de dados. Nos
ambientes LAN mais comuns, a estrela é implementada como física e não como uma topologia
lógica.
Este modelo de topologia utiliza-se do padrão de comunicação Ethernet e do padrão de
comunicação ArcNet, Ethernet quando se utiliza de cabo par trançado e ArcNet quando se
utiliza de cabo coaxial.
Vantagens

Gerenciamento Centralizado

A adição de estações é feita conectando-se as mesmas às portas de
comunicação que estejam livres.

A análise de problemas na rede é feita de maneira mais simples.

Uma máquina ou cabo defeituoso não afeta o restante da rede.
Desvantagens

O número de estações fica limitado ao número de portas do HUB / Switch.

Utiliza uma quantidade maior de cabos tendo em vista que cada estação deverá
ter seu próprio cabo para conexão ao dispositivo central, elevando o custo da
rede.
Outras topologias
Encadeada
Esta topologia parece em cruzamento entre as topologias de barramento e anel, isto é,
cada nó é conectado diretamente a outros dois por seguimento de cabo, mas os seguimentos
formam uma linha e não um anel e o sistema operacional passa as informações para cima e
para baixo na cadeia até alcançar o endereço desejado.
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
14
Grafo (Parcial)
Este modelo de topologia engloba características de várias topologias. Cada ponto da
rede possui uma rota alternativa para caso de congestionamento ou falha. As rotas são
definidas por máquinas que tem a função de rotear endereços que não pertence a sua rede.
Híbrida
Uma topologia híbrida é uma combinação de barramento e anel, utilizado quando temos a
necessidade de interligar duas ou mais redes de diferentes topologias.
Árvore
Uma topologia Árvore é utilizada principalmente na ligação de Hub’s e repetidores,
conhecida também por cascateamento.
Padrões de comunicação
Muitos e importantes padrões LAN têm evoluído, desde o início dos anos 80, conduzidos
pelo Institute of Electrical and Electronics Engineers (IEEE) e o American National Standards
Institute (ANSI). Este curso irá focalizar os mais conhecidos padrões LAN:
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
15
Ethernet
Nos finais da década de 60, a Universidade de Hawai desenvolveu uma WAN (Wide Area
Network) chamada ALOHA utilizando o CSMA/CD como método de acesso ao meio.
Poderíamos dizer que este foi o início do padrão Ethernet.
Na década de 70, o consórcio de empresas formado pela Intel, Xerox e DEC,
desenvolveu o padrão Ethernet, o qual abrange a camada física e camada de link de dados do
modelo OSI.
Esta especificação permite uma interconexão eficiente de equipamentos e também a sua
implantação a um custo moderado. Esta especificação considera a camada física do modelo
OSI e divide a camada de link em duas partes :

Controle de Acesso

Controle de Enlace

A Camada física se encarrega de prover os serviços de transmissão e recepção
de dados, definindo as características:

Elétricas, níveis de tensão e impedância,

Mecânicas, tipo de conector e tipo de cabo e

Funcionais, tempo de duração do dado e velocidade de transferência.

Sub-Camada de controle de acesso ao meio arbitra o compartilhamento do meio
de transmissão comum aos usuários da rede.

A subcamada de controle de enlace se encarrega de garantir uma comunicação
confiável entre os usuários.

O padrão Ethernet trafega os dados em forma de pacotes chamados frames. O
tamanho do frame em uma rede Ethernet pode estar entre 64 e 1.518 bytes, dos
quais, 18 bytes são de controle.
A seguir, relacionamos as características de alguns padrões:
10Base-2
Este padrão é chamado de 10Base-2, devido a transmitir a 10 Mbps (10), em banda base,
digital (10Base) e a cada seguimento pode ter um máximo de 185 metros, aproximadamente
200m (10Base-2). O padrão 10Base-2 utiliza cabo coaxial fino RG-58 e conectores BNC.
Principais características:

Topologia: Barra (Bus).

Velocidade de Transmissão: 10 Mbps.

Cabo coaxial RG-58 (cabo fino)

Conexão à placa: conector BNC (Britsh Navy Connector) tipo T.

Terminadores: 50 Ohms.

Comprimento máximo de um segmento: 185 metros.
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
16

Número máximo de segmentos: 5

Quantidade máxima de segmentos usados: 3

Comprimento máximo do barramento: 925 metros.

Número máximo de estações conectadas a um segmento: 30.

Distância mínima de conectores T: 0.5 metros.
10Base-5
Este padrão é chamado de 10Base-5, devido a que:

Transmite a 10Mbps, (10)

Transmite em banda larga (digital)

Cada segmento pode ter no máximo 500 metros (10Base-5)

O padrão 10Base-5 utiliza cabo coaxial grosso.

Para poder ligar uma estação em uma rede 10Base-5, deve instalar-se um
dispositivo chamado de transceiver que fará a ligação entre o cabo coaxial e a
estação. Para conectar-se ao cabo, o transceiver possui um conector chamado
vampiro, o qual “morde” fazendo a conexão física. O transceiver também possui
uma saída AUI para conectar o cabo que vai do transceiver para a estação. A
placa da estação deverá ter uma saída AUI para completar a conexão.
Principais Características:

Topologia: Barra

Velocidade de Transmissão de 10 Mbps.

Cabo coaxial grosso conhecido também como cabo amarelo.

Conexão à placa: DIX ou conector AUI.

Terminadores: 50 Ohms.

Comprimento máximo de um segmento: 500 metros.

Número máximo de seguimentos: 05.

Quantidade máxima de segmentos usados : 3.

Comprimento máximo do barramento: 2500 metros.

Número máximo de estações conectadas a um segmento: 100

Distância mínima entre os transceivers: 2.5 metros.

Comprimento máximo do cabo do transceiver: 50 metros.
10Base-T
No ano de 1990 O IEEE publicou a especificação para redes Ethernet 802.3 utilizando
cabo par trançado; UTP (Unshielded Twisted Pair ) cabo par trançado não blindado; e STP (
Shielded Twisted Pair) cabo par trançado blindado. O cabo STP, por causa da sua blindagem,
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
17
tem melhor proteção contra interferências elétricas. Para ambientes internos é mais utilizado o
UTP.
Este padrão é chamado de 10Base-T, devido a que:

Transmite a 10 Mbps, (10)

Transmite em banda base (digital ) (10Base)

Utiliza cabo par trançado (10Base-T).

Embora o tráfego continue sendo Bus (barra), o par trançado requer uma
topologia física em estrela. Utiliza um elemento centralizador (hub) que cumpre
também a função de repetidor.

Cada computador possui um cabo próprio que vai até o hub.
Principais características

Topologia física: estrela (o tráfego continua sendo bus).

Requer um elemento centralizador (hub)

Velocidade de transmissão de 10 Mbps;

Cabo par trançado categoria 3, 4 ou 5

Cabo: UTP (Ushielded Twisted Pair) ou STP (Shielde Twisted Pair)

Conectores RJ45

Comprimento máximo: 100 metros entre o computador e o hub.
10Base-F
É um novo conjunto de padrões semelhantes ao 10BaseT ( topologia em estrela ) porém,
utilizando cabeamento em fibra óptica. Basicamente, divide-se em três subtipos:

FOIRL (Fiber Optic Inter-Repeater Link): Para ligações em fibras ópticas
assíncronas com tamanho máximo de segmento de 1000 m, e número máximo de
estações de 1024.

10Base FL (Fiber Link): Inteiramente compatível com FOIRL, com distâncias até
2000 m, e número máximo de estações de 1024.

10BaseFB (Fiber Backbone): Síncrono, até 2000 m, 1024 estações. Possui
características de detecção de falhas remotas e links redundantes.
Fast Ethernet 802.3
O protocolo Fast Ethernet surgiu no mercado através da 3COM, sendo que
posteriormente, ele contou com o apoio de mais de 40 grandes empresas.
O Fast Ethernet é atualmente o protocolo para redes locais mais cotado, para utilização
em curto espaço de tempo.
Seu funcionamento é o mesmo que o Ethernet 802.3, por esse motivo recebeu a
designação 802.3u do IEEE para sua padronização inicial por este órgão, sendo hoje o padrão
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
18
do próprio 802.3. A diferença para o tradicional Ethernet é a velocidade de 100 Mbps, dez
vezes maior que seu antecessor. A grande vantagem deste padrão em relação a seu
concorrente direto, o 100VG, é a preservação do cabling e o fato de utilizar um protocolo já
conhecido. A maior vantagem deste protocolo, como mencionado, é a preservação do cabling
10Base-T (par-trançado), utilizando o mesmo número de pares (dois pares), como
verificaremos mais adiante.
Gigabit Ethernet
Como o Ethernet a 100Mbps está padronizado, a denominação “Fast Ethernet”,
atualmente, é empregue ao uso deste protocolo a Gbps, o também chamado “Gigabit
Ethernet”. Através de fibras ópticas, switches ethernet podem ser conectados a velocidade
acima de 1 Gbps.
Token Ring IEEE 802.5
A IBM foi a empresa que mais influenciou o desenvolvimento do padrão IEEE 802.5 de
ambiente de redes locais, o qual foi originalmente adotado em 1985.
O Token Ring foi desenvolvido pela IBM para conectar microcomputadores em seus
ambientes de grande porte.
Em razão da significativa base instalada pela IBM, criou-se um consenso no sentido de
definir um padrão LAN, baseado na implementação da IBM. Mais recentemente, os
equipamentos passaram a ser implementados não apenas para ambientes de grande porte,
mas também de redes baseadas em microcomputadores.
O sistema Token Ring utiliza um mecanismo preciso denominado “passagem de fichas”,
que controla o acesso a cada nó do cabo. Em um anel do cabo, os nós da rede passam de
estação em estação, uma pequena mensagem denominada “ficha”.
Quando um nó tem dados a transmitir, ele transforma a ficha que até então estava livre,
em ficha ocupada, e envia os dados do programa em um formato denominado “quadro”.
Eletricamente este sistema é um anel, mas fisicamente é uma estrela, com cabos
acessando cada nó a partir de um hub de fiação central. Apesar da IBM ter tentado manter-se
fiel aos cabos de pares trançados blindados (STP), mas os usuários preferiram os cabos de
fios trançados sem blindagem (UTP). Quanto ao cabeamento, em sua forma mais simples, um
anel fica limitado a um máximo de 72 nós em cabo UTP, e um máximo de 260 nós em cabos
STP.
Fiber Distributed Data Interface (FDDI) ANSI X3T9.5
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
19
Fiber Distributed Data Interface (Interface de dados distribuída por fibra FDDI) é o padrão
definido pelo comitê X3T9.5 do American National Standards Institute (ANSI) para conexões
LAN de 100Mbps. O padrão FDDI foi originalmente designado para operar com cabos de fibra
óptica.
Em 1990, as instalações de fibra óptica requeriam estações de trabalho especiais. A
maioria das preocupações dos usuários que levaram a aceitação do FDDI estavam centradas
na necessidade de uma maior largura de banda para aplicações de imagem, e na congestão
de cabos causada por cabos coaxiais grossos.
Em 1991, backbones FDDI tornaram-se mais comuns e as preocupações do usuário
começaram a focalizar-se em aplicativos distribuídos e o crescimento do uso de computadores.
Em 1992 o FDDI tornou-se disponível para estações de trabalho PC. O armazenamento e
recuperação de imagens gráficas, assim como as grandes larguras de banda requeridas por
transmissões multimídia, continuam a levar a migração para o FDDI.
Preocupações sobre o preço relativamente alto da instalação de cabos de fibra óptica
levaram ao desenvolvimento de diversos padrões novos de cabeamento para o FDDI. Novos
padrões para trazer o FDDI à mesa de trabalho com material menos caro incluem cabos
blindados tipo par trançado (STP), cabos tipo par trançado não blindado (UTP) e cabos de fibra
óptica de baixo custo.
Além disso, um padrão de alta qualidade foi desenvolvido para o FDDI com fibra de modo
simples e um padrão foi proposto ao FDDI para redes ópticas sincronizadas (SONET)
fornecidas por transportadores de companhia telefônica.
ATM
O ATM (Asynchoronous Transfer Model – Modo de Transferência Assíncrona) é um
exemplo de comutação de células que é uma forma de comutação rápida de pacotes. A
comutação de células pode transmitir dados a taxas de megabits ou gigabits por segundo. O
Serviço de Dados Multimegabit Comutado (Switched Multimegabit Data Service – SMDS) é um
outro exemplo de comutação de células.
Com o ATM, as informações são subdivididas em pequenas células de comprimento fixo
(53 bytes) para transmitir simultaneamente diferentes tipos de tráfego como voz, vídeo e dados.
As células são remontadas ao atingirem seu destino. Pelo fato de cada célula ser transportada
dessa forma previsível, os diferentes tipos de tráfego podem ser acomodados na mesma rede.
Cada célula é subdividida em duas seções principais, cabeçalho (5 bytes) e playload (48
bytes). O cabeçalho contém informações que permitem às células serem encaminhadas ao seu
destino. O playload é a parte que transporta as informações em si – sejam elas voz , dados ou
vídeo. O cabeçalho é usado para identificar células pertencentes ao mesmo canal virtual e para
executar a escolha de rotas adequadas. Para garantir um rápido processamento na rede, o
cabeçalho ATM possui uma função bastante limitada. Sua principal função é a identificação da
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
20
conexão virtual por um identificador que é selecionado no estabelecimento da chamada e
garante uma rota apropriada para cada um dos pacotes. Além disso, ele permite fácil
multiplexação de diferentes conexões virtuais através de um único canal (link).
O ATM é um protocolo de transporte que opera na subcamada MAC da camada de
Ligação de Dados do modelo OSI. Por causa disso, ele opera acima de várias topologias de
camadas Físicas e converte qualquer tipo de pacote em sua célula de 53 bytes. O ATM pode
ser usado em linha de T1 e T3. Entretanto, os especialistas estão apoiando a Rede Ótica
Síncrona (Synchronouns Opitical Network – SONET) como transporte físico da tecnologia ATM
tanto para WANs como para LAN’s.
O ATM oferece integridade da seqüência das células. Isto é, as células chegam aos seus
destinos na mesma ordem em que deixaram suas origens. Talvez este não seja o caso com
outros tipos de redes com comutação de pacotes.
As células são muito mais curtas do que em redes de comutação de pacotes padrão,
reduzindo o valor da variação de atraso e tornando a tecnologia ATM aceitável para
informações cujo atraso é crítico, por exemplo, nos casos de transmissão de voz.
A qualidade dos canais de transmissão acabou induzindo à omissão de overheads como
correção de erros, maximizando, dessa forma, a eficiência.
As células são transportadas em intervalos regulares. Não há nenhum espaço entre as
células. Nas oportunidades em que a rede estiver ociosa, serão transportadas as células ainda
não transferidas.
As vantagens do ATM:
Esta técnica fornece grande flexibilidade, pois ela pode adequar a velocidade de
transmissão de células à velocidade na qual as informações são geradas. Isso é importante
para muitos dos novos serviços de alta velocidade de transmissão que estão sendo
desenvolvidos, particularmente aqueles envolvendo algum componente de vídeo, pois eles são
serviços com velocidade de transmissão variável. O ATM é feito para dados, voz e vídeo,
oferecendo grande flexibilidade para diferentes situações.
A largura de banda é alocada por demanda pela rede à medida que os usuários tiverem
informações para serem transmitidas. A maioria das aplicações são ou podem ser visualizadas
como inerentemente intermitentes; as aplicações envolvendo dados são baseadas em LAN’s e
são muito intermitentes; a voz é intermitente pois ambas as partes estão falando ao mesmo
tempo ou então não estão falando nada; aplicações envolvendo vídeo são intermitentes pois a
quantidade de movimento e a resolução exigidas variam ao longo do tempo.
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
21
Componentes físicos de uma rede
Placa adaptadora de rede (NIC)
Este periférico é o componente mais importante da estação de trabalho da rede. Seu
objetivo principal é enviar os dados através da rede e receber aqueles enviados para a estação
de trabalho.
Embora diversos fabricantes produzam placas de rede, todas elas podem ser usadas
para falar com as outras em qualquer sistema de rede. O mais importante ponto de
compatibilidade é o tipo de barramento na estação de trabalho no qual elas estão sendo
instaladas.
Você não pode adquirir uma placa de barramento PCI quando na estação de trabalho só
existe barramento ISA.
Também não pode se esquecer de conferir se a placa que esta sendo adquirida possui
suporte para o cabeamento de sua rede.
Cada placa é fabricada com um único e permanente endereço eletrônico. Os fabricantes
licenciam blocos de endereços para fabricarem suas placas e, salvo algum erro notório por
parte do fabricante, este sistema de licenciamento garante que nunca haverá duas placas com
o mesmo endereço. Este endereço é um código hexadecimal de doze dígitos, que limita a
quantidade de endereços disponíveis em aproximadamente 70 trilhões. Os fabricantes não
conseguiram esgotar os endereços tão cedo.
Além do endereço eletrônico as placas de rede possuem, ainda, duas importantes
variáveis que ditam o comportamento de uma placa, são eles: o endereço de porta e a
interrupção.
O endereço de porta é diferente do endereço permanente da placa. Enquanto o endereço
permanente identifica a placa em toda a rede, o endereço de porta é um número usado pela
estação de trabalho para selecionar um circuito eletrônico local para o qual ele direciona os
dados de chegada e de saída da placa. Um endereço de porta comum é 300h.
A estação de trabalho deve ser configurada para enviar os dados da rede para o
endereço de porta correto e a placa deve ser configurada para reconhecer quando os dados
são enviados para esse endereço. Se as configurações do hardware não estiverem de acordo,
os dados serão enviados para qualquer outro lugar (para impressora, mouse ou qualquer
outro), a rede não conseguirá responder e a estação de trabalho poderá simplesmente travar.
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
22
Hubs
Hubs são dispositivos usados para conectar os equipamentos que compõem uma LAN.
Com o Hub as conexões da rede são concentradas (daí um outro nome para Hub que é
Concentrador), ficando cada equipamento em um próprio segmento.
O gerenciamento da Rede é facilitado e a solução de problemas também, uma vez que se
existir um defeito, este fica isolado no segmento da Rede. Um exemplo comum de Hub é o hub
Ethernet com 10Base-T (conectores RJ-45) e às vezes são parte integrante dos Bridges e
Roteadores.
Ele controla a Rede em função da programação recebida do servidor que a ele estiver
conectado. Assim, podemos definir ramificações da rede com horários específicos de
utilização, entre outras coisas. A utilização dos Hubs é muito interessante por outros motivos,
tais como:
O servidor trabalhará mais “folgadamente” e esta folga quer dizer aumento da
produtividade e desempenho.
A Rede ficará mais segura. Por exemplo, se em uma grande Rede, com ligação em
Estrela um dos cabos se partir, somente a ramificação desse cabo defeituoso deixa de
funcionar.
A cada entrada do Hub podemos conectar qualquer dispositivo de rede local, e com isso
pode-se aumentar a extensão (tamanho) da Rede, conforme seja necessário, e a distribuição
da Rede pode ser mais bem equilibrada.
Os Hubs precisam ter características que permitam proteção contra intrusão e proteção
contra interceptações, e também características de empilhamento e gerenciamento. Proteção
contra Intrusão quer dizer que, em cada porta do Hub, só será permitidos a ligação de
microcomputadores com endereço físico de Rede que estiver configurado para a porta do
equipamento, e proteção contra Interceptação, quer dizer, que um dado transmitido só será
reconhecido e válido na porta configurada com endereço da rede que coincide com o da
mensagem, e nas outras portas a mensagem não é válida.
Em um Hub são centralizados os fios de ligação das diferentes estações (workstation). O
Hub se encarrega de distribuir os sinais elétricos entre os vários equipamentos que compõem a
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
23
rede, isolando os problemas de cada uma das estações e garantindo maior nível de segurança
e confiabilidade ao sistema.
Hubs Passivos
São pequenas caixas, que têm apenas um conjunto pequeno de portas para a ligação de
estações de computadores em topologia estrela. Um Hub Passivo pode ser também um painel
de fios. Nesse tipo de Hub não existe amplificação dos sinais. Um hub passivo é
resumidamente uma caixa de junção que não precisa de ligação elétrica, ou seja, é um simples
repetidor.
Hubs Ativos
Normalmente possui mais portas que os hubs passivos e regeneram ativamente os sinais
de um dispositivo para outro. Requerem ligação elétrica. Os Hubs Ativos são usados como
repetidores para proporcionar uma extensão do cabo que liga as estações de trabalho.
- CS (Carrier Sense) - Sensor mensageiro
Significa que sempre que um computador quiser enviar uma mensagem pelo cabo da
rede, ele primeiro vai “ouvi-lo” para saber se alguém mais enviou uma mensagem, ou seja, irá
verificar se outra estação está transmitindo no cabo, o computador pressupõe que esteja livre
para enviar a sua, ou seja, a placa de rede do computador só irá transmitir a mensagem
quando o cabo estiver livre.
- MA (Multiple Access) – Acesso múltiplo
Significa que não existe nada que impeça que dois ou mais computadores tentem enviar
uma mensagem ao mesmo tempo. O Carrier sense verifica se algum computador está
enviando mensagem e espera que o tráfego fique livre. Mas, e se os outros computadores
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
24
estiverem fazendo a verificação ao mesmo tempo, e decidirem enviar dados ao mesmo tempo?
É o mesmo que um cruzamento em que os dois semáforos indiquem a cor verde para os carros
passarem.
- CD (Collision Detection) – Detecção de colisões
Significa que depois que a placa adaptadora envia uma mensagem na rede, ela verifica
atentamente para ver se colidiu com outros dados na rede.
Se uma colisão foi detectada, as placas adaptadoras de rede começam a transmitir um
sinal especial, garantindo que todos os nós conflitantes percebam a colisão. As placas
adaptadoras podem detectar essas colisões por causa do nível do sinal elétrico mais alto que
as transmissões simultâneas produzem. Em seguida, todas as placas param de transmitir e
cada uma determina um tempo de espera aleatório para poder transmitir novamente. Como o
tempo de espera é aleatório, dois envios de dados que colidiram serão retransmitidos depois
de diferentes tempos de espera, portanto uma segunda colisão é improvável.
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
25
O aumento da quantidade de estações provocará uma intensa solicitação na rede,
aumentando a probabilidade de colisões, o que provoca a diminuição de velocidade de
comunicação. A vantagem do CSMA/CD é que cada estação sempre irá transmitir quando
estiver pronta, independente das outras, o que o torna bastante simples e não cria nenhum
overhead (sobrecarga).
Switch
É um componente utilizado para conectar segmentos de redes locais. Ele envia pacotes
para a porta de saída apropriada, e deve permitir que estações em segmentos separados
transmitam simultaneamente, já que comuta pacotes utilizando caminhos dedicados.
Colisões não ocorrerão, porém poderá ser experimentada a contenção de dois ou mais
quadros que necessitem do mesmo caminho ao mesmo tempo, que são transmitidos
posteriormente graças aos buffers de entrada e saída das portas.
Alguns Switches, os de Workgroup, suportam somente uma estação ligada por porta,
enquanto em outros, os de Backbone congestionado, segmentos com múltiplas estações são
ligados a cada porta.
Em projetos da atualidade em rede, switches são utilizados não só para a interconexão,
mas também para proporcionar um alargamento de banda disponível. Esses equipamentos têm
um reservatório de banda, que são distribuídos por suas portas, visando se adequar às
necessidades de desempenho específico do projeto em questão.
O Switch deve ser usado quando existem situações em que é desejada uma melhora de
desempenho.
Repetidores
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
26
Lembra-se daquelas limitações sobre o comprimento do cabeamento? Conforme
explicamos, os repetidores são um meio de contornar isso. Esses dispositivos repetem o sinal
de transmissão, permitindo que sua rede se estenda muito mais do que normalmente poderia.
Eles não são exatamente dispositivos de interconectividade, mas sim dispositivos para
estender um pouco mais uma rede existente.
Bridge
Bridge é um produto com a capacidade de segmentar uma rede local em sub-redes, com
o objetivo de reduzir tráfegos de mensagens na LAN (aumento de performance), ou converter
diferentes padrões de LAN’s (de Ethernet para Token Ring, por exemplo).
As Bridges manipulam pacotes, enquanto os repeaters manipulam sinais elétricos. As
Bridges têm vantagens sobre os repeaters, porque não retransmitem ruídos, erros, ou frames
de formação ruim (um frame deve estar completamente válido para ser transmitido por um
Bridge).Conectam duas LAN’s de mesmos protocolos. As Bridges atuam lendo o campo de
endereço de destino dos pacotes de mensagens e transmitindo-os quando se tratar de
segmentos de rede diferentes, utilizando o mesmo protocolo de comunicação.
Algumas das atribuições das Bridges são:
Filtrar as mensagens de tal forma que somente as mensagens endereçadas a ela sejam
tratadas.
Armazenar mensagens quando o tráfego for muito grande.
Funcionar como uma estação repetidora comum.
As Bridges também atuam como elementos passivos gerenciadores de rede, e pode
coletar dados estatísticos de tráfego de pacotes para elaboração de relatórios.
São equipamentos usados para interligar duas LAN’s localizadas a uma curta distância,
ainda que ambas utilizem diferentes meios de transmissão. Protegem a rede resultante em
relação à passagem de perturbações elétricas e erros relativos a dados, mas não em relação a
erros vindos dos níveis superiores do protocolo.
Roteadores
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
27
Roteador ou Router é um equipamento responsável pela interligação entre Redes LAN’s
atuando nas camadas 1, 2 e 3 do Modelo de Referência OSI (da ISO). Os Roteadores
possuem como função, a decisão sobre qual caminho o tráfego de informações (Controle de
dados) deve seguir, ou seja, decide por qual caminho deve seguir um dado pacote de dados
recebido, isto é, a função do Roteador é fazer o encaminhamento dos pacotes entre duas
redes através de regras, tais como:
Rotas Estáticas inseridas no roteador.
Rotas Dinâmicas nas quais o roteador consegue direcionar pacotes de dados recebidos
por um determinado caminho.
Roteadores Internos
A performance se torna comprometida já que a CPU do PC atende às funções de
roteamento e outras funções inerentes ao Sistema Operacional.
Roteadores Externos
Têm a combinação de placa de comunicação síncrona/assíncrona, PC, placa Ethernet e
software de roteamento carregado ou bult-in no Sistema Operacional do PC (computador
pessoal). Trata-se de uma solução fácil, porém tem-se uma máquina não dedicada para o fim
do roteamento, fazendo o papel do roteador.
O produto nesse caso é independente da arquitetura do hardware e software do servidor,
porque a ligação ao servidor é feita via Ethernet e host do TCP/IP, ou algum outro protocolo de
comunicação.
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
28
Os Roteadores interligam redes situadas a longas distâncias, e oferecem proteção
relativa a erros associados aos níveis superiores do protocolo, como aqueles relacionados à
falhas elétricas e relativas aos dados. Os Roteadores também são úteis para controlar a
velocidade de transmissão dos pacotes, porque as redes possuem diferentes capacidades de
transmissão e recepção, o que pode causar embaraço na rede.
São formados por HW (hardware) e SW (software) dedicados ao roteamento, e estando
concentrados. Como têm funções exclusivamente voltadas ao roteamento, seu desempenho
atinge índices superiores, e mostrando o porquê desses roteadores serem mais caros do que
os outros.
Vantagens

Eles podem ligar fisicamente redes rápidas, como a Ethernet local, a uma linha
telefônica mais lenta.

As Bridges permitem a passagem do tráfego ou ignoram a existência, e só
conseguem tratar dados em pacotes homogêneos, os Roteadores são mais
inteligentes e sofisticados. Os programas dos Roteadores lêem informações
complexas de endereçamento e tomam decisões sobre como encaminhar os
dados através dos diversos links que interligam as redes.
Desvantagens

Os Roteadores são específicos de protocolo, ou seja, a maneira como um host
fala com um roteador IP é diferente da maneira como fala com um roteador da
Novell ou DECnet.

Roteadores não podem ser utilizados para micro-segmentação onde os limites do
número de modos compartilhados de um segmento aumentam a banda passante
disponível. Em geral, os roteadores devem ser colocados no centro da rede.
Brouters
Os Brouters combinam as melhores características dos bridges e dos roteadores, eles
podem trabalhar com protocolos de alto nível diferente e podem endereçar dados ao longo do
caminho mais rápido na rede.
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
29
Naturalmente eles têm seus problemas, também, tais como, os brouters são muito caros
e dão dor de cabeça para configurar, já que precisam ser ajustados minuciosamente para a
rede em que vão trabalhar (todos os administradores de rede que usam brouters têm cabelos
brancos). Em um complexo ambiente de múltiplas plataformas com centenas de nós,
entretanto, os brouters oferecem melhor desempenho. Eles são um sofrimento real para
configurar, mas uma vez que você tenha conseguido configurar, eles são excelentes.
Gateways
Os gateways atuam em todas as camadas do modelo OSI (da ISO), e têm como função
fazer a interligação de redes distintas, isto é, seu objetivo é permitir a comunicação entre duas
redes com arquiteturas diferentes (usando protocolos distintos, com características distintas).
Podem ser chamados de “roteadores de alta velocidade”.
Os gateways redirecionam o tráfego de redes que utilizam diferentes meios e, algumas
vezes, protocolos de comunicação diferentes. Eles resolvem problemas de diferença entre
tamanho máximo de pacotes, forma de endereçamento, forma e controle de acesso, padrões
de linguagem interna de formato de correios eletrônicos.
Um exemplo é que o gateway pode ser utilizado para interligar uma LAN Token Ring
suportando arquitetura IBM/SNA, com uma LAN Ethernet (com arquitetura OSI), ou ainda com
uma rede Apple Talk. É o equipamento mais caro e complexo para interconexão de redes,
capaz de interpretar e traduzir os pacotes que processa. Geralmente é usado um sistema de
processamento computacional completo para esta função, como por exemplo, estações de
trabalho.
Outro exemplo de gateways (tirado do livro da Cyclades) pode-se citar um produto que
integra redes TCP/IP com redes SNA.
Na figura abaixo qualquer nó da rede TCP/IP pode se conectar na rede SNA e ter acesso
a um Mainframe, por exemplo, emulando terminais 3278.
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
30
Capítulo 2
Introdução ao cabeamento estruturado
A definição da rede estruturada baseia-se na disposição de uma rede de cabos,
integrando os serviços de voz, dados e imagens que, facilmente pode ser redirecionada no
sentido de prover um caminho de transmissão entre quaisquer pontos desta rede. Numa rede
projetada seguindo este conceito, as necessidades de todos os usuários podem ser atendidas
com facilidade e flexibilidade.
Cabeamento estruturado
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
31
É um cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem,
preparado de tal forma que atende aos mais variados layouts de instalação, por um longo
período de tempo, sem exigir modificações físicas da infra-estrutura. Um só cabeamento
atende diferentes tipos de redes de sinal em baixa tensão, como por exemplo, telefonia, redes
locais de computação, sistema de alarme, transmissão de sinal de vídeo, sistemas de
inteligência predial, automação predial e industrial.
O cabeamento estruturado originou-se de sistemas telefônicos comerciais, onde o usuário
constantemente mudava sua posição física no interior de uma edificação. Desta forma, foi
projetado o cabeamento de maneira a existir uma rede de cabos fixa horizontalmente, ligada a
uma central de distribuição. Na central de distribuição, fazendo a escolha do cabo determinado,
cada ponto da rede pode ser ativado ou desativado, alternando-se assim a posição da tomada
por meio de uma troca de ligações. A evolução do sistema fez com que a central de distribuição
pudesse se interligar a diversos tipos de redes, mantendo fixo, o cabeamento horizontal, e as
tomadas são de múltiplo uso. Desta maneira acrescentaram-se as redes de computação,
sistema de alarme, sinal para automação de processos, sinal de vídeo, etc.
Normas e sistemas
Atualmente o cabeamento estruturado baseia-se em normas internacionais, que
direcionam os fabricantes para um certo conjunto de soluções próximas, evitando as
constantes alterações de produtos, bem como, evitam sistemas “proprietários”, onde um só
fabricante é detentor da tecnologia. A Norma Americana é EIA/TIA-568, “Commercial Building
Telecommunications Wiring Standard”. A nível internacional temos a ISO/OSI (Open Systems
Interconnection). Na Europa grande parte dos fabricantes utiliza o sistema IBCS (Integrated
Building Cabling System). As variações que existem entre uma e outra, no entanto, deve-se
mais às categorizações e conceitos, porém, assemelham-se tecnicamente. As iniciativas das
normas vão, no sentido de uma arquitetura aberta, independente de protocolo. Desta forma, as
novas tendências se desenvolvem já considerando este cabeamento, como é o caso do
100BaseT, do ATM e outros.
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
32
Projeto e infraestrutura
Este grande avanço dos sistemas de comunicação aprimorou e sofisticou bastante os
projetos de edificações comerciais, industriais e residenciais. Hoje um edifício não pode, sob
pena de nascer com altas deficiências, deixar de ter uma infraestrutura de cabeamento
estruturado para redes de comunicação. Mesmo que de início não o utilize, pois as reformas e
“emendas” são de alto custo, e nunca apresentam a qualidade necessária e desejável. A infraestrutura de cabeamento estruturado é obrigatória em qualquer novo edifício, e deve interferir,
em nível de projeto, desde o nascimento do projeto arquitetônico, pois o Cabeamento
estruturado tem características próprias que vão interferir no projeto de um edifício de alta
tecnologia.
Forma física de instalação
Justamente devido às altas freqüências em que o cabeamento deve operar, as condições
físicas da instalação do cabeamento atingiram um alto grau de especialidade, que exige um
projeto detalhado e com alto grau de planejamento. Em uma instalação com cabeamento
estruturado não se utiliza, por exemplo, ligar diretamente um PC ao HUB. O que a norma
prescreve é deixar preparado um cabeamento entre um patch panel e uma tomada. Na tomada
pode-se ligar, ou não, um PC naquele ponto (ou um telefone, ou um sensor, um vídeo, etc), por
sua vez ao painel distribuidor é conectado o equipamento ativo (HUB, central telefônica, CLP,
head-end, etc). O sistema de cabeamento, portanto, deve ser aberto e independente, isto
barateia e dá agilidade a todo o sistema, concentrando diversas redes em uma só.
Cabos
Para a instalação de um cabeamento
estruturado para sinais de baixa tensão
(voz, dados, imagens), utilizam-se cabos
do tipo coaxial, cabos de par trançado e
fibras óticas. Há uma tendência pelo uso
prioritário dos cabos de par trançado e para
a fibra ótica, devido à busca de melhor
performance do cabeamento.
Para se obter um cabeamento de categoria 5 (até 100 MHz) conforme a EIA/TIA-568,
teremos o uso de par trançado. A fibra ótica possibilita ainda melhores condições.
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
33
Certificações
Um cuidado especial deve ser tomado
relativamente
à
cabeamento.
Em
certificação
que
consiste
do
tal
certificação? As normas definem uma série
de parâmetros para o cabeamento, tais
como
atenuação,
comprimento
real,
mapeamento dos fios, paradiafonia, nível
de ruído, que necessariamente devem
estar dentro de uma faixa de valores prédefinidos.
A verificação destes valores é questão fundamental em um cabeamento, devendo ser
feito com equipamentos especiais. É essa a garantia da instalação.
Estatísticas
Atualmente cerca de 70% dos problemas que acontecem em uma rede de computação,
deve-se a problemas do cabeamento. “Os softwares costumam passar por uma evolução a
cada 2 ou 3 anos, e de acordo com pesquisas, o hardware do seu PC geralmente tem uma vida
útil de 5 anos. No entanto, você terá que viver 15 anos ou mais com seu cabeamento de rede”
(Frank J. Derfler, Jr. e Les Freed). Outra estatística diz que em torno de 40% dos funcionários
de uma empresa mudam de lugar uma vez por ano.E os custos para implantação completa de
uma rede de computação estão aproximadamente divididos da seguinte forma:
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
34
Tendências
Todas as edificações sejam industriais, comerciais ou residenciais, devem desde já estar
projetadas com a infra-estrutura de comunicações. Esta infra-estrutura influencia de tal modo
os projetos, que um acompanhamento deve ser feito desde o início com o projeto de
arquitetura e projeto elétrico, sensivelmente afetado por esta nova tecnologia.
Cabeamento não estruturado
Em muitos ambientes de escritórios atuais, o cabeamento da rede de dados foi instalado
de forma incremental, respondendo a modificações na tecnologia, necessidades de rede e
planos da companhia. Tipicamente, isso deixa um legado de sistemas incompatíveis que
podem incluir sistemas de chaveamento telefônico, mainframe ou sistemas de minicomputador.
Uma vez que cada sistema está instalado de acordo com seu próprio critério de cabeamento,
usando tipos diferentes de cabos, eles são de difícil interconexão e especialmente difíceis de
manter e expandir. Essa situação é típica do sistema de cabeamento não estruturado, onde
não há um conjunto de padrões para interconexão. Embora os custos iniciais sejam
comparativamente baixos para o cabeamento não estruturado, as dificuldades a longo prazo e
custos de integração ou substituição de sistemas de cabeamento incompatíveis são
consideráveis.
Cabeamento proprietário
Os fornecedores maiores estiveram entre os primeiros a perceber a importância do
cabeamento estruturado, respondendo com plantas de cabeamento pré-planejadas, que
garante o funcionamento correto de seus dispositivos numa rede. Companhias telefônicas
foram alguns dos líderes, baseadas em sua experiência com a instalação de cabo telefônico.
Tipos de cabos
Cabo coaxial
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
35
O termo “coaxial” surgiu porque o condutor central e a malha de blindagem têm o mesmo
eixo.
O cabo coaxial, freqüentemente conhecido como cabo BNC (Bayonet Naur - um conector
em forma de baioneta para cabos coaxiais finos), é feito de um único fio de cobre revestido por
isolante e coberto por uma camada de trança de alumínio ou de cobre que protege o fio da
interferência externa. Se você precisar de mais largura de banda e proteção contra ruídos do
que o par trançado, mas não pode gastar com fibra ótica, o coaxial é o caminho, porém, é
muito mais lento.
Ele é composto por:
Condutor interno, que é fio de cobre rígido central;
Camada isolante flexível que envolve o condutor interno;
Uma blindagem para o condutor interno formado por uma malha ou trança metálica que
protege o condutor externo contra o fenômeno da indução, causado por interferências elétricas
ou magnéticas externas.
Capa plástica protetora, que dá resistência mecânica ao cabo e faz o isolamento elétrico,
a figura a seguir demonstra esta montagem:
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
36
O cabo mantém uma capacitância constante e baixa, teoricamente independente do
comprimento do cabo, isso lhe permite suportar velocidade da ordem de megabits por segundo,
sem a necessidade de regeneração do sinal e sem distorções ou ecos, sendo melhores que os
cabos de par trançado para longas distâncias. A conexão é mais difícil que a do par trançado,
pois é feita através de conectores mecânicos, o que torna sua instalação mais cara. Sua
imunidade ao ruído de crosstalk é melhor que a do par trançado, sendo a fuga eletromagnética
também menor.
Cabo coaxial banda larga (Coaxial grosso)
Também conhecido como cabo coaxial grosso é originalmente descrito como RG-8, tem
uma impedância de 75 Ohms. O nome IEEE é 10BASE5 e o número padrão IEEE 802.3. Sua
blindagem costuma ser amarela.
O tamanho máximo do cabo é de 500 metros, 100 transceptores, com segmentos de 23.4
a 70.2 ou 117 metros, tendo no máximo 5 segmentos.
É muito utilizado na transmissão de imagens e voz, através da transmissão analógica.
Transmite de 100 a 150 Mbps. Suporta uma banda passante de até 400 MHz. Sua transmissão
fornece imunidade ao ruído melhor que da banda básica. Em redes locais, a banda é dividida
em dois canais, denomina dos caminhos de transmissão e caminhos de recepção. Necessita
de amplificadores periódicos, que transmitem o sinal num único sentido. Para resolver esse
problema, foram criados os sistemas com um cabo único e com cabo duplo.
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
37
Cabo único
São alocadas bandas diferentes de freqüência para a comunicação.
Cabo duplo
Transmissão no cabo 1 e recepção no cabo 2.
Cabo coaxial banda base (Coaxial fino)
Também conhecido como cabo coaxial fino, é descrito como RG-58 e tem uma
impedância de 50 Ohms. O nome IEEE é 10BASE2 e o número padrão IEEE é 802.3a.
Composto por um fio de cobre rígido, um material isolante envolvido por um condutor cilíndrico
na forma de malha entrelaçada, e uma capa plástica protetora.
O tamanho máximo de um cabo coaxial fino é 185 metros, com 30 conexões distanciadas
de 1/2 metro no mínimo. Sem repetidores, pode chegar a 300m no máximo.
Sua taxa máxima de transmissão é de 10 Mbps. É utilizado para transmissão digital onde,
o sinal digital é injetado diretamente no cabo.
A topologia mais usual é a topologia em barra. É mais maleável, fácil de instalar e sofre
menos reflexão que o cabo grosso, possui maior imunidade a ruídos eletromagnéticos de baixa
freqüência.
Para se ligar ao computador, é utilizado um conector (o mais utilizado é o conector BNC Thin Ethernet) e um T. A conexão dos cabos coaxiais é mais complicada que a do cabo par
trançado, requerendo conectores mecânicos, o que acarreta em um encarecimento de sua
instalação.
Cabo Coaxial (sem conector)
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
38
Conector BNC
Adaptador T
O cabo coaxial é útil nas arquiteturas de rede ARCnet e Ethernet, porém não é utilizado
nas redes Token Ring.
O cabo coaxial está sendo abandonado, pois o cabo par trançado sem blindagem está
tomando seu lugar no setor de redes.
Par trançado
Conector RJ-45
É um cabo composto por dois ou quatro pares de fios envolvidos por uma camada
isolante. Os dois fios são enrolados em espiral, a fim de reduzir o ruído (interferência) e manter
as propriedades elétricas do meio constantes por todo o seu comprimento. Cada par é trançado
com um número variado de tranças por metro.
Utiliza-se um conector RJ-45.Todo meio de transmissão sofre influência do meio externo,
o que prejudica o desempenho na taxa de transmissão. Essas perdas podem ser atenuadas
diminuindo a distância entre os pontos a serem ligados.
Para se contornar os problemas da interferência e do ruído, foram criados os cabos de
“par trançado com blindagem”.
Sua transmissão pode ser tanto analógica quanto digital. Para se saber qual a sua taxa
máxima de transmissão e a distância máxima permitida, é necessário levar em conta a perda
de energia, que pode ocorrer por radiação ou por calor (dissipação). A perda de energia
aumenta com a distância, até chegar um ponto onde o receptor não consegue mais reconhecer
o sinal. Em geral, um par trançado pode chegar até algumas dezenas de metros com taxas de
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
39
transmissão da ordem de alguns megabits por segundo. A taxa de transmissão pode variar
entre 9600 a 19200 bps. É o cabo mais utilizado, mesmo tendo sua força a longas distâncias
inferiores ao cabo coaxial.
Os cabos de par trançado são classificados em dois grupos, de acordo com a blindagem
do condutor:
Par trançado com blindagem - (STP - Shielded Twisted Pair)
Possui uma blindagem interna, ou seja, cada par ou grupo de fios é envolvido por uma
malha ou trança metálica, que funciona como uma barreira para os sinais de interferência,
porém ocupa mais espaço físico, portanto, um maior volume de blindagem e isolamento
aumenta o tamanho, o peso e o custo. A blindagem é aterrada nas duas extremidades,
portanto, a blindagem não faz parte do caminho percorrido pelo sinal. Também usa conector
RJ-45.
Possui alta taxa de sinalização, com poucas chances de distorção do sinal.
Blindado de 100 ohms
Este é o STP mais simples, pois, contém uma blindagem formada por uma folha de cobre
ao redor de todos os seus fios.
Blindado de 150 ohms
Este é o STP mais comum, com impedância de 150 ohms, que suporta 300 MHz de
largura no máximo em 100m de cabo. Além de todo o cabo ser blindado para reduzir a
interferência eletromagnética e de radiofreqüência, há uma blindagem que separa cada par de
fios trançados, para diminuir a diafonia (ruídos elétrico produzidos por sinais de outros fios do
cabo).
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
40
O STP de 150 ohms é normalmente utilizado em redes Token Ring da IBM, enquanto que
os de 100 ohms são mais utilizados em instalações Ethernet.
Par trançado sem blindagem - (UTP - Unshielded Twisted Pair)
Padronizado pelo IEEE 802.3, também conhecido como 10BaseT. Esse cabo é composto
por quatro pares de fios, sendo cada par isolado um do outro e todos são trançados juntos
dentro de uma cobertura externa.Não havendo blindagem física interna, sua proteção é
encontrada através do “efeito de cancelamento” dos pares de fios trançados, onde mutuamente
reduz a interferência eletromagnética de radiofreqüência e a diafonia.
No cancelamento, o fluxo de corrente de um fio cria um pequeno campo magnético
circular ao redor dele. A direção do fluxo de corrente do fio determina a direção das linhas de
força eletromagnética que o circundam. Se dois fios estiverem no mesmo circuito elétrico, os
elétrons fluirão da fonte de voltagem negativa para a carga (destino) de um fio, e daí para a
fonte positiva de outro fio. Se os dois fios estiverem próximos, seus campos eletromagnéticos
serão o oposto um do outro. Isso fará com que eles se cancelem e anulem também campos
externos.
Os cabos UTP são divididos em 5 categorias. Para isso, são levados em conta os níveis
de segurança e a bitola dos fios (números maiores indicam fios com diâmetros menores).
Categorias
Cada tipo de cabo, conforme o especificado acima, vem atender determinadas
necessidades e tipos de soluções diferentes, sendo assim, opções de solução em uma
instalação.

Categoria 1
Este cabo nada mais é que o antigo fio telefônico usado na maior parte das residências, e
usado em sistemas telefônicos comerciais até 1983 no Estados Unidos. Ele não é conveniente
para a transmissão de dados de alta velocidade, uma vez que seu único requisito é ser
trançado.

Categoria 2
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
41
Este tipo de cabo é certificado para transmissão de dados até 4 Mbps, UTP tipo 3 definido
pela IBM, tem baixa taxa de transmissão, ou seja, quatro pares trançados não-blindados e
sólidos de fios para transmissão de voz e dados.

Categoria 3
Este
é
o
cabo
de
mais
baixa
classificação que você pode usar com
qualquer rede local. Ele pode transmitir até
10 Mbps e é mais bem construído que o
cabo das categorias 1 e 2.

Categoria 4
Para redes Token Ring de 16 Mbps, este é o cabo de grau mais baixo que você pode
usar. De fato, para conseguir o melhor uso de sua rede local, você deve considerar esta
categoria como sendo o padrão mínimo, em lugar do cabo de categoria 3.

Categoria 5
Para transmissões em velocidades reais, este é o par trançado que você quer. Ele
oferece baixo nível de interferência e velocidade máxima em transmissão de ofuscantes 100
Mbps.
O cabo categoria 5 é o cabo indicado na especificação Fiber Distributed Data Interface
(FDDI), que definiu a coexistência de fio de cobre e fibra óptica no mesmo ambiente. Ele é
projetado para funcionar em conjunto com o cabo de fibra ótica para fornecer throughput
(medida de velocidade de transferência de dados) melhorado para soluções multimídia (áudio e
vídeo) em rede.

Categoria 5e
Cabos
com
capacidade
de
transmissão, ainda, de até 100 Mbps (com
melhora na resposta do cabo para as
freqüências maiores).
Configuração das pontas
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
42
Cabo Paralelo: Configuração padrão, o cabo possui duas pontas iguais
Cabo Crossover: Para uma rede ponto a ponto com apenas duas máquinas use um
padrão para cada ponta.

Categoria 6
Cabo com capacidade de transmissão
mínima de 100 Mbps, substitui o cabo
categoria 5e, pois possui uma melhor
comunicação com o cabo de Fibra Óptica.
Fibra óptica
É constituído de um filamento denominado
núcleo, por onde é feita a transmissão da
luz.
Em
geral,
o
material
dielétrico
(filamento), é constituído de sílica ou
plástico,
em
forma
cilíndrica
transparente e flexível, de dimensões microscópicas comparáveis às de um fio de cabelo
Esta forma cilíndrica é envolvida por uma camada de material também dielétrico,
chamada casca.
Ao redor do filamento existem substâncias de menor índice de refração, que fazem com
que os raios de luz sejam refletidos internamente.
O índice de refração é a grandeza que expressa a velocidade da luz num meio de
transmissão. É definido como sendo n= cv, onde c é a velocidade da luz no vácuo e a
velocidade da luz no meio em questão. O índice de refração depende do comprimento de onda
da luz, o que vai provocar a dispersão do impulso luminoso na fibra ótica, limitando a
capacidade de transmissão dos sinais.
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
43
A fibra transmite os dados via pulsos de luz codificados, dentro do domínio do
infravermelho (10xE14 a 10xE15 Hz), que podem ser gerados por um LED ou laser.
Necessitam de um conversor de sinais elétricos para sinais óticos, um transmissor, um receptor
e um conversor de sinais óticos para sinais elétricos. Existem duas fibras por cabo.
Transmissores ópticos
São responsáveis pela conversão de sinais elétricos em sinais óticos, que serão
transmitidos pela fibra. A fonte ótica é modulada pela sua intensidade, através da variação da
corrente elétrica injetada no gerador ótico. A fonte ótica é um semicondutor e pode ser LED ou
LASER, quando LED (Light Emitting Diode) utiliza o processo de fotogeração por recombinação
espontânea.
São utilizados em sistemas de comunicação que possuem taxas de transferência menor
que 200 Mbps e quando Diodo LASER (Light Amplification by Simulated Emission on
Radiation): utiliza o processo de geração estimulada de luz.
O Laser é melhor que o LED, como mostra a tabela abaixo:
Receptores ópticos
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
44
Também conhecidos como fotodetectores, convertem sinais óticos recebidos pela fibra
em sinais elétricos.
Os fotodetectores mais usados são os fotodiodos e os mais comuns são PIN e APD
(Avalanche PhotoDiode).
Fibras multímodo de índice gradual
Ao invés de uma mudança abrupta do
índice de refração do núcleo para a casca,
esse índice diminui gradualmente de forma
contínua.
Utiliza emissores do tipo LED, que
diminui seu custo e a taxa média de
transmissão dessa fibra gira em torno de
100 Mbps. Necessita de um repetidor a
cada 2 Km.
Fibras multímodo degrau
São as mais simples. O funcionamento dessas fibras é baseado no fenômeno de reflexão
total interna na casca de índice de refração menor. O termo degrau vem da existência de uma
descontinuidade na mudança de índice de refração na fronteira entre o núcleo e a casca da
fibra.
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
45
É denominado multímodo, pois é possível que vários feixes em diferentes ângulos de
incidência se propaguem através de diferentes caminhos pela fibra e a taxa de transmissão
varia entre 15 e 25 MHz/Km.
Fibras monomodo
A luz percorre a fibra em um único
modo e em linha reta.
Esse tipo de fibra é insensível à
dispersão modal, que é a reflexão da onda
luminosa em diferentes tempos. O diâmetro
do núcleo é muito pequeno.
Utiliza o laser como emissor dos sinais de luz, o que lhe permite longas distâncias (até 50
Km), sem a necessidade de um repetidor e pode atingir taxas de transmissão da ordem de 1
Gbps.
Para todos os tipos, a atenuação das transmissões não depende da freqüência utilizada,
o que torna a taxa de transmissão muito mais alta, em torno de ~100.000 Mbps, podendo
chegar a 200.000 Mbps e a 620 Mbps numa única fibra unidirecional.
É totalmente imune a interferências eletromagnéticas e a ruídos, não precisa de
aterramento e mantém os pontos que liga eletricamente isolados um do outro. Porém, a
atenuação pode ser causada pela absorção feita pelo meio físico de transmissão ou pela
dispersão modal.
Podem chegar à distância de 50 Km, sem a necessidade de um repetidor.
Suporta voz, dados, vídeo e são mais finas e mais leves que os cabos coaxiais, o que
facilita sua instalação. Porém, por ser inflexível, requer cuidados especiais na instalação e
manutenção.
Por incrível que possa parecer, ainda existem algumas limitações quanto à fibra ótica:
A junção das fibras é uma tarefa muito delicada e cara, pois as dimensões da fibra são
muito pequenas e requerem alta precisão. Não pode haver dobra nos cabos de fibra ótica, pois
pode tornar o ângulo de incidência dos feixes de luz em relação à normal muito pequeno,
provocando o escape desses feixes da fibra, pois não chegarão a sofrer reflexão. São muito
frágeis, quebrando com facilidade.
Os componentes óticos não possuem uma padronização.
Apesar das limitações acima, possui inúmeras vantagens:
Permite enviar mais dados por longas distâncias e pequeno tamanho e peso;
São imunes a interferência eletromagnética, radiofreqüência e diafonia;
É constituído de material isolante, o que lhe concede isolação elétrica;
Alta confiabilidade no sinal transmitido, pois não irradiam significativamente a luz
transportada e matéria prima abundante.
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
46
Capítulo 3
Wireless - Redes sem fio
A tecnologia Wireless (sem fio) permite a conexão entre diferentes pontos sem a
necessidade do uso de cabos (nem de telefonia, nem de TV a cabo, nem de fibra óptica),
através da instalação de uma antena e de um rádio de transmissão.
Desta forma, pode-se navegar pela Internet desde o escritório, um bar, um aeroporto, um
parque, etc
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
47
IEEE - Instituto de Engenheiros Eletricistas e Eletrônicos
O Instituto de Engenheiros Elétricos e Eletrônicos ou IEEE é a maior, em número de
sócios, organização profissional do mundo. O IEEE foi formado em 1963 pela fusão do Instituto
de Engenheiros de Radio (IRE) com o instituto Americano de Engenheiros Eletricistas (AIEE).
O IEEE tem filiais em muitas partes do mundo, sendo seus sócios engenheiros elétricos,
engenheiros da computação, cientistas da computação, profissionais de telecomunicações etc.
Sua meta é promover conhecimento no campo da engenharia elétrica, eletrônica e da
computação Um de seus papéis mais importantes é o estabelecimento de padrões para
formatos de computadores e dispositivos.
IEEE 802.11
É o padrão especifico do IEEE que cuida das redes sem fio.
Que também são conhecidas como redes Wi-Fi ou Wireless.
Wi-Fi
Foi uma marca licenciada originalmente pela Wi-Fi Alliance para descrever a tecnologia
de redes sem fio embarcadas (WLAN) baseadas no padrão IEEE 802.11.
O padrão Wi-Fi opera em faixas de freqüências que não necessitam de licença para
instalação e/ou operação. Este fato as torna atrativas. No entanto, para uso comercial no Brasil
é necessária licença da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Para se ter acesso à
internet através de rede Wi-Fi deve-se estar no raio de ação de um ponto de acesso
(normalmente conhecido por (hotspot) ou local público onde opere rede sem fios e usar
dispositivo móvel, como laptop.
Como funcionam?
Através da utilização de portadoras de rádio ou infravermelho, as redes wireless
estabelecem a comunicação de dados entre os pontos da rede. Os dados são modulados na
portadora de rádio e transmitidos através de ondas eletromagnéticas.
Múltiplas portadoras de rádio podem coexistir num mesmo meio, sem que uma interfira
na outra. Para extrair os dados, o receptor sintoniza numa freqüência específica e rejeita as
outras portadoras de freqüências diferentes.
Num ambiente típico, o dispositivo transceptor (transmissor/receptor) ou ponto de acesso
(access point) é conectado a uma rede local Ethernet convencional (com fio). Os pontos de
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
48
acesso não apenas fornecem a comunicação com a rede convencional, como também vão
intermediar o tráfego com os pontos de acesso vizinhos, num esquema de micro células com
roaming semelhante a um sistema de telefonia celular.
Classificação das redes sem fios
WPAN
Wireless Personal Area Network ou rede pessoal sem fio. Normalmente utilizada para
interligar dispositivos eletrônicos fisicamente próximos. Nos equipamentos mais recentes é
utilizado o padrão Bluetooth para estabelecer esta comunicação, mas também é empregado
raio infravermelho (semelhante ao utilizado nos controles remotos de televisores).
WLAN
Wireless Local Area Network. WLAN já é muito importante como opção de conexão em
muitas áreas de negócio. Inicialmente os WLANs assim distante do público em geral foi
instalado nas universidades, nos aeroportos, e em outros lugares públicos principais.
WMAN (Wi-Max)
Trata-se de uma tecnologia de banda larga sem-fio, capaz de atuar como alternativa a
tecnologias como cabo e DSL na construção de redes comunitárias e provimento de acesso de
última milha. Em teoria, espera-se que os equipamentos Wi-Max tenham alcance de até 50 Km
e capacidade de banda passante de até 70 Mbps. Na prática, alcance e banda dependerão do
equipamento e da freqüência usados, e se a antena de um ponto consegue "ver" a antena de
outro, se não há obstáculos no caminho – construções, montanhas.
WWAN
Wireless Wide Area Network. É a rede geograficamente infinita via comunicação sem fio,
hoje encontramos diversas empresas que comercializam a internet sem fio.
Principais padrões
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
49
802.11A
Chega a alcançar velocidades de 54 Mbps dentro dos padrões da IEEE e de 72 a 108
Mbps por fabricantes não padronizados. Esta rede opera na freqüência de 5 GHz e inicialmente
suporta 64 utilizadores por Ponto de Acesso (PA). As suas principais vantagens são a
velocidade, a gratuidade da freqüência que é usada e a ausência de interferências. A maior
desvantagem é a incompatibilidade com os padrões no que diz respeito a Access Points
802.11 b e g, quanto a clientes, o padrão 802.11a é compatível tanto com 802.11b e 802.11g
na maioria dos casos, já se tornando padrão na fabricação dos equipamentos.
802.11b
Alcança uma velocidade de 11 Mbps padronizada pelo IEEE e uma velocidade de 22
Mbps, oferecida por alguns fabricantes não padronizados. Opera na freqüência de 2.4 GHz.
Inicialmente suporta 32 utilizadores por ponto de acesso. Um ponto negativo neste padrão é a
alta interferência tanto na transmissão como na recepção de sinais, porque funcionam a 2,4
GHz equivalentes aos telefones móveis, fornos microondas e dispositivos Bluetooth. O aspecto
positivo é o baixo preço dos seus dispositivos, a largura de banda gratuita bem como a
disponibilidade gratuita em todo mundo. O 802.11b é amplamente utilizado por provedores de
internet sem fio.
802.11g
Baseia-se na compatibilidade com os dispositivos 802.11b e oferece uma velocidade de
54 Mbps. Funciona dentro da frequência de 2,4 GHz. Tem os mesmos inconvenientes do
padrão 802.11b (incompatibilidades com dispositivos de diferentes fabricantes). As vantagens
também são as velocidades). Usa autenticação WEP estática. Torna-se por vezes difícil de
configurar, como Home Gateway devido à sua freqüência de rádio e outros sinais.
802.11n
Tem uma largura de banda até aos 300 Mbps e um alcance de 70 metros. Opera nas
frequências 2,4GHz e 5GHz. É um padrão recente com uma nova tecnologia, MIMO (multiple
input, multiple output) que utiliza várias antenas para transferência de dados de um local para
outro. Os principais benefícios desta tecnologia são o aumento significativo da largura de
banda e o alcance que permite.
Outros padrões:

802.11d
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
50

802.11e (agrega qualidade de serviço (QoS)

802.11f

802.11h

802.11i

802.11j

802.11k

802.11m

802.11p

802.11r

802.11s

802.11t

802.11u

802.11v
Tecnologias
IrDA
Infrared Data Association, comunicação infra-vermelho, para pequenas distancias
Bluetooth
Bluetooth é uma tecnologia para a comunicação sem fio entre dispositivos eletrônicos a
curtas distâncias.
Equipamentos Wireless
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
51
O início desacreditado
Em 2002 inúmeras pesquisas foram feitas e chegaram a conclusão que a falta de
criptografia de dados, a utilização do nome padrão da rede, login e senhas padrões eram
consideradas as maiores brechas nas empresas que trabalhavam com Wireless. Por incrível
que pareça, um micro equipado com placa de rede Wireless acoplada a uma lata da famosa
batata americana Pringles era capaz de invadir redes remotas a até 16 km de distância!
Bastava apontar a lata de batata para a direção desejada e, no mínimo, utilizar a banda
larga da empresa invadida para acessar a Internet de graça com boa velocidade. Durante um
rastreamento de redes Wireless em São Paulo pela revista Info utilizando a lata da famosa
Pringles, das 43 redes encontradas, 35 estavam vulneráveis e podiam ser invadidas por
hackers.
Modos de operação
Em termos organizacionais, o padrão 802.11 define dois modos distintos de operação:
Ad-Hoc e infra-estrutura.
No modo infra-estrutura é usado o Access Point para concentrar todo tráfego da rede.
No modo Ad-Hoc não existe um concentrador, ou seja, os equipamentos se conectam
diretamente uns aos outros.
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
52
Estendendo alcance, layout avançado de rede
Às vezes o plano de rede básica não funciona devido ao alcance, obstáculos como
paredes e lajes, ou o layout geral do ambiente. Quando isto acontecer existem algumas opções
e todas elas têm várias vantagens e desvantagens.
Se o alcance só precisa estender por 50 ou 70 metros, um ou mais Access Points
Repetidores podem ser ligados à rede. Estes pequenos equipamentos funcionam como um
Access Point trabalhando num modo especial que permite a integração de dois ou mais Access
Points em uma única rede. Para configurar o repetidor, você deve plugá-lo à sua rede física
através de um cabo Ethernet Categoria 5E e configurá-lo. Após essa configuração você poderá
movê-lo para seu local definitivo. Os repetidores podem normalmente dobrar o alcance efetivo
da rede Wireless, permitindo que mais computadores sejam ligados à rede. Os repetidores
podem ser adicionados conforme a necessidade para estender a rede com algumas limitações.
Layout
As dimensões físicas da área e o número de computadores que precisam de acesso de
rede determinam o tipo de equipamento de Rede sem fios necessário. Se todos os
computadores estão em uma área pequena, digamos um escritório não mais do que 50 metros,
com algumas paredes, tudo de que se precisa são: (1) adaptador de rede de Rede sem fios por
computador e (1) Access Point Wireless (ou Roteador se uma conexão de banda larga precisa
ser compartilhada).
Para configurar a rede, instale um adaptador de rede de Rede sem fios em cada
computador e ligue o Access Point ou Roteador em uma posição central.
Otimizando o sinal
O alcance típico de uma rede 802.11g é de 30 metros em espaços fechados (como uma
casa ou um prédio, onde existem paredes e outros obstáculos) e 150 metros em campo aberto,
sem obstáculos.
Se você possui um roteador wireless comprado a preços baixos, saiba que sua antena é
de 2dbi, ou seja, o alcance é mínimo para áreas com muitas paredes e, com certeza, você vai
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
53
ter muita dor de cabeça caso sua vontade for de aumentar o sinal. Nesses casos, o ideal seria
usar uma antena de 5dbi, cujo alcance é bem maior e mais limpo, sem oscilações.
Para alcançar o melhor sinal com a menor interferência da mobília e dispositivos elétricos
mantenha o Ponto de Acesso a cerca de 1,60m de altura. Coloque o Access Point em uma
estante, armário, ou monte-o na parede.
Advertência: Nunca instale um Access Point dentro de um espaço fechado. Isso causa
muita degradação de sinal e poderá causar aquecimento do AP. Mantenha-o em uma área
aberta, se possível.
Segurança
Na criptografia se faz o uso de uma chave (KEY) para codificar os dados que são
transferidos. A chave é determinada pelo tamanho, por exemplo 64bits, 128bits, 256bits.
Quanto maior a combinação de bits, mais forte fica a criptografia, e consequentemente a
segurança.
Protocolos de segurança
WEP
Significa Wired Equivalent Privacy.
O WEP se encarrega de “encriptar” os dados transmitidos através da rede.
Existem dois padrões WEP, de 64 e de 128 bits. O primeiro é suportado por qualquer
ponto de acesso ou interface que siga o padrão WI-FI, o que engloba todos os produtos
comercializados atualmente. O padrão de 128 bits por sua vez não é suportado por todos os
produtos. Para habilitá-lo será preciso que todos os componentes usados na sua rede
suportem o padrão, caso contrário os nós que suportarem apenas o padrão de 64 bits ficarão
fora da rede.
É muito inseguro devido a sua arquitetura.
WPA
Significa Wi-Fi Protected Access
Também chamado de WEP2, ou TKIP (Temporal Key Integrity Protocol), surgiu de um
esforço conjunto de membros da Wi-Fi Aliança e de membros do IEEE, empenhados em
aumentar o nível de segurança das redes sem fio ainda no ano de 2003, combatendo algumas
das vulnerabilidades do WEP.
Com a substituição do WEP pelo WPA, temos como vantagem melhorar a criptografia dos
dados ao utilizar um protocolo de chave temporária (TKIP) que possibilita a criação de chaves
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
54
por pacotes, além de possuir função detectora de erros, um vetor de inicialização de 48 bits, ao
invés de 24 como no WEP e um mecanismo de distribuição de chaves.
Além disso, outra vantagem é a melhoria no processo de autenticação de usuários. Essa
autenticação se utiliza do 802.11x e do EAP (Extensible Authentication Protocol), que através
de um servidor de autenticação central faz a autenticação de cada usuário antes deste ter
acesso a rede.
WPA2
É o Avanço do WPA
O WPA2 é a modalidade de segurança sem fio mais forte.
Capítulo 4
Modelo ISO / OSI
O modelo ISO / OSI foi o primeiro passo para a padronização internacional de vários
protocolos. Este modelo não propõe um padrão propriamente dito, mas um modelo de
referência para interconexão de sistemas abertos.
Existem diversas vantagens advindas do uso deste modelo:

Livre escolha entre soluções de vários desenvolvedores;

Acesso mais rápido a novas tecnologias e a preços mais acessíveis, uma vez que
é mais barato e rápido fabricar produtos baseados em uma plataforma padrão;
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
55

Diminuição de investimentos em novas máquinas, já que os sistemas e os
softwares de aplicação podem ser utilizados para os vários tipos de máquinas
existentes.

É importante lembrar que uma rede de computadores tem como um de seus
principais objetivos, o processamento de tarefas distribuídas pela rede de forma
harmônica e mútua, sendo assim, o projeto desta deve considerar vários fatores,
como:

Levar em conta todos os eventos e possíveis falhas que venham a acontecer
durante a comunicação;

Conhecer todos os efeitos e causas destes eventos;

Características das próprias aplicações a serem executadas.
Observando-se todos esses fatores, conclui-se que o problema é extremamente
complexo. Como uma tentativa de simplificar esse processo, projeta-se a rede como um
conjunto de camadas, o que acaba facilitando a implementação e manutenção da rede.
O modelo OSI consta de três conceitos fundamentais:
Serviços, Interfaces; e Protocolos.

A definição de Serviços informa o que a camada faz e não a forma como as
camadas acima funcionam.

A Interface de uma camada informa como os processos acima dela podem
acessá-la. A Interface especifica quais os parâmetros e resultados a serem
esperados.

As camadas de uma máquina estabelecem conversação com as camadas de
nível correspondente de outras máquinas; as regras e convenções utilizadas
nessa conversação são denominadas Protocolos.
As camadas
Como foi visto na introdução, projetar uma rede com um conjunto de camadas facilita a
implementação e a manutenção da mesma. Uma vez que, devido a vários fatores, surgem
problemas complexos a serem resolvidos.
Os seguintes princípios foram seguidos para se criarem as camadas:

Uma camada com nível diferente de abstração;

Cada camada deveria realizar uma função bem definida;

A função de cada camada deveria ser escolhida de acordo com protocolos
padronizados internacionalmente;

Fluxo de informações entre as camadas deveria ser minimizado;

Número de camadas deveria ser grande suficiente para que funções distintas não
fossem colocadas juntas na mesma camada, e pequeno o suficiente para que a
arquitetura não ficasse de difícil manuseio.
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
56
Este conjunto de camadas obedece a um sistema hierárquico, onde cada camada se
baseia na camada inferior. O propósito destas camadas é o de oferecer certos serviços para as
camadas superiores, escondendo daquelas camadas os detalhes de como os serviços
oferecidos são realmente implementados. Deste modo, simplifica-se consideravelmente o
trabalho de desenvolvimento e manutenção, já que desta forma, o projeto é restrito ao contexto
de cada camada e supõe-se que os problemas de outras camadas já estejam devidamente
resolvidos.
Basicamente, existem duas vantagens práticas na implementação de uma arquitetura em
camadas. Na primeira, a arquitetura se torna mais simples devido ao fato de que cada camada
deve pressupor que as outras camadas funcionam corretamente, fazendo com que ela se
preocupe apenas em realizar suas tarefas com êxito.
A segunda vantagem é que, além disso, nesse sistema hierárquico, uma determinada
camada não sabe da existência de camadas além de suas camadas adjacentes, que tem como
prestadora de serviços, a camada inferior e a camada superior que lhe requisita serviços. Uma
camada se preocupa somente em fazer uso dos serviços de sua camada anterior, não
importando o seu protocolo.
Desta forma, certa camada pode ser alterada sem afetar as outras, uma vez que os
serviços prestados não sejam alterados.
Devido a essa característica, novas aplicações podem ser adicionadas, desde que sejam
inseridas em uma camada apropriada, utilizando-se dos serviços já fornecidos pelas demais
camadas.
Veja abaixo as camadas e suas principais funções:
As operações entre as camadas adjacentes de um mesmo sistema aberto ocorrem nos
pontos de acesso de serviço (SAP - Service Acess Point), que estão localizados na interface
entre duas camadas.
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
57
A camada física
A camada física possui características mecânicas (ex: tipos de conectores, dimensões do
suporte físico de transmissão), elétricas (nível de tensão, impedância e a taxa de transmissão
de bits, entre outros), funcionais e procedimentos para ativar, manter e desativar conexões
entre duas entidades do nível de ligação de dados. Em resumo, define a interface mecânica e
elétrica da rede.
Funções deste nível:

Estabelecimento e término da conexão: ativação e desativação da conexão física entre
duas entidades do nível de ligação de dados, inclusive concatenação e circuitos de
dados, quando solicitado pelo nível de ligação.

Transferência de dados: transmissão de bits, que pode ser executada de modo
síncrono ou assíncrono. Os bits são transmitidos na mesma ordem de chegada da
camada de enlace ou transmissão, e repassadas nesta mesma ordem.

Gerenciamento das conexões: gerência da qualidade de serviço das conexões físicas
estabelecidas.

Alguns padrões de nível físico são X.21, X.21 bis, V.24, V.28, RS-232 I.430, I.431 etc.
A camada de enlace ou link de dados
É tarefa da camada de enlace encontrar erros e garantir a entrega à camada de rede,
uma seqüência de bits idêntica à enviada pela camada de rede do dispositivo emissor. É
também a camada de enlace o responsável por estabelecer uma comunicação confiável entre
a camada de rede e o meio físico, podendo eventualmente, corrigir possíveis erros que
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
58
ocorram no nível físico. O procedimento usual para verificar os erros é quebrar a seqüência de
bits em várias composições, e calcular um “checksum” (soma de verificação) para cada uma.
Esta camada tem como principais funções:

Ativação e desativação da conexão de enlace sobre conexões físicas ativas;

Possibilidade de uma conexão de enlace sobre várias conexões físicas (sppliting);

Reconhecer os quadros a partir da cadeia de bits proveniente do nível físico;

Controle do fluxo de dados, evitando que uma taxa superior seja transmitida para
o receptor;

Controle do acesso ao meio de transmissão;

Detectar possíveis erros de transmissão (danificação, duplicação, não-ordenação
de quadros);

Controlar a seqüência dos dados;

Gerenciar a qualidade de serviços prestados, tais como: atraso de trânsito, erros
decorrentes de perda, alteração, duplicação dos quadros.

O protocolo de enlace mais conhecido é o HDLC.
A camada de rede
Esta camada deve tornar visível para a camada de transporte, o modo como os serviços
dos níveis inferiores são utilizados para estabelecer conexões de rede. Além disso, esta
camada deve prever e balancear as diferenças entre as diversas sub-redes utilizadas, com o
intuito de oferecer um serviço uniforme, não importando o tipo de rede utilizada.
Como principais funções desta camada, podemos citar:

Roteamento: definição das rotas apropriadas para a transmissão dos dados entre
a origem e o destino, utilizando-se de algoritmos próprios para executar essa
tarefa, tais algoritmos são conhecidos como algoritmos de roteamento;

Multiplexação da conexão de rede: várias conexões de rede podem ser
multiplexadas sobre uma única conexão de enlace, a fim de otimizar a utilização
desta última;

Segmentação e blocagem: caso as sub-redes envolvidas em uma comunicação
ponto por ponto possuam diversos tipos e tamanhos de quadros, a camada de
rede deve exercer funções de segmentação de quadros e remontagem destes no
destino, desta forma, facilita-se à transmissão dos dados;

Controle de erro: detecta e até corrige erros de alteração, perda, duplicação e
desordenação das unidades de dados, esta camada deve “avisar” as camadas
superiores quando houver erros nos dados que não puderem ser corrigidos;

Sequenciação: é quando a camada de rede busca estabelecer uma ordem das
unidades de dados de serviço, que serão transmitidas pela rede e recebidas pela
camada de transporte;
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
59

Controle de fluxo: controle da quantidade em que são transmitidos os dados, com
o intuito de evitar que o transmissor envie dados em quantidades que o receptor
não possa suportar, já que o receptor tem uma capacidade de recepção definida;

Transferência de dados expressos: estabelece prioridades de transmissão para
determinados dados (por exemplo, sinalizações e interrupções) sobre os dados
normais, já que tais dados apresentam necessidade de serem enviados mais
rapidamente;

Seleção de serviço: permite a escolha do serviço de rede, de modo a garantir que
os serviços oferecidos pelas diversas sub-redes sejam equivalentes;

Rearranjo de conexão: quando ocorre perda de rota de retorno de dados;

Gerenciamento: de acordo com as funções citadas acima, a camada de rede
deve gerenciar a qualidade dos serviços oferecidos

A camada de rede pode prestar serviços orientados à conexão (CONS Connection Oriented Network Service), ou serviços não-orientados à conexão
(CLNS - Connection Less Oriented Network Service). Um exemplo de protocolo
utilizado na camada de rede é o X.25.
A camada de transporte
A camada de transporte executa a transferência transparente de dados, utilizando-se dos
serviços fornecidos pela camada de rede e fornecendo à camada de sessão. Os protocolos de
transporte (TCP) são usados para estabelecer, manter e terminar as conexões de transporte,
que representam um caminho duplo para os dados entre dois endereços de transporte. Podese otimizar as conexões através da criação de mais conexões de rede.
O serviço mais comum desta camada é um canal ponto-a-ponto, livre de erros, que
entrega as mensagens na mesma ordem em que foram enviadas.
As fases da camada de transporte são:

Estabelecimento - estabelece conexão entre as camadas mais altas. A qualidade
dos serviços de conexão pode ser definida nesta fase. Esses serviços podem ser
o estabelecimento do tamanho dos pacotes, seleção de funções na transferência
de dados e seleção de serviços de rede, entre outros;

Transferência - transfere dados de acordo com a qualidade dos serviços
escolhidos na fase anterior. Os serviços aqui incluem blocagem, multiplexação de
conexão (redução de custo), concatenação, segmentação e transferência, entre
outros;

Término ou terminação - termina a conexão assim como notifica outras camadas
do término. Os serviços aqui prestados incluem notificação e identificação do
término da conexão e informações adicionais como requerido, entre outros.
As principais funções desta camada são:

Estabelecimento e término da conexão de transporte;
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
60

Controle de seqüência, de erro e de fluxo;

Segmentação, blocagem e concatenação;

Monitoração da qualidade do serviço;

Transferência de dados expressos;

Gerenciamento relacionado à qualidade de serviço.

Essas funções dependem da qualidade de serviço desejada. Portanto, foram
especificadas, cinco classes de protocolos orientados à conexão:

Classe zero: sem nenhum mecanismo de detecção e recuperação de erros;

Classe um: recuperação de erros básicos;

Classe dois: permite a multiplexação das conexões sobre uma única conexão,
além de controlar o fluxo;

Classe três: recuperação de erros e multiplexação das conexões sobre uma
conexão;

Classe quatro: detecção e recuperação de erros e multiplexação de conexões
sobre uma única conexão.
A camada de sessão
A Camada de sessão estabelece sessões entre dois usuários, reconhecendo os nós da
rede local (LAN), e configurando a tabela de endereçamentos entre fonte e destino. Isso
permite o transporte habitual de dados, utilizando alguns serviços melhorados, em relação aos
serviços da Camada de transporte.
O uso de uma sessão pode permitir:

A um usuário se “logar” em um sistema remoto de tempo compartilhado, ou
mover um arquivo entre duas máquinas.
Gerenciamento do controle de diálogos:

As sessões podem permitir um tráfego de informações bidirecional ao mesmo
tempo, ou bidirecional com uma única direção por vez.

Caso o protocolo exija tráfego com uma única direção por vez, a Camada de
Sessão fornece tokens (obtido de um gerenciador de tokens), para auxiliar no
serviço de determinação e realização de operação. O token indica quem realizará
a operação.
A sincronização:

Para se evitar a perda de um volume de dados muito grandes, que estão sendo
transmitidos em uma rede não confiável, utiliza-se o conceito de ponto de
sincronização. O ponto de sincronização corresponde a marcas lógicas
posicionadas ao longo do diálogo. Toda vez que um usuário recebe um ponto de
sincronização deve enviar uma resposta, confirmando que este foi recebido. Caso
a transmissão, por algum motivo, seja interrompida, ela pode ser reiniciada a
partir do último ponto de sincronização confirmado;
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
61

Permite que a transferência de dados seja checada e também marcada com
checkpoints, o que garante que não será necessária uma re-transferência de
dados, que já foram passados anteriormente do transmissor para o receptor.
A camada de sessão fornece os seguintes serviços para a camada de apresentação:

Estabelecimento de conexão de sessão;

Liberação de conexão de sessão;

Troca normal de dados;

Gerenciamento de interação;

Reporte de condições de exceção;

Mecanismos para sincronização de conexão de sessão.
A camada de apresentação
A camada de apresentação, ao contrário das camadas inferiores, já não se preocupa com
os dados em nível de bits, mas sim, com a sua sintaxe, ou seja, sua representação. Nela é
definida a sintaxe abstrata, que é a forma como os tipos e os valores dos dados são definidos.
Por exemplo, através da sintaxe abstrata define-se que um caractere A deve ser transmitido. A
sintaxe de transferência especifica então, como este dado será codificado em ASCII ou
EBCDIC ao ser entregue à camada de sessão. Outras funções que a camada de apresentação
pode executar são a criptografia e compressão de dados.
A camada de aplicação
Considerada a camada de mais alto nível, esta tem como função selecionar os serviços
que devem ser oferecidos pelas camadas inferiores, baseado nas requisições dos usuários da
rede. Estes serviços são aqueles relacionados diretamente com o usuário, abaixo seguem
alguns desses serviços:

Seleção do modo de transferência de dados (simplex half-duplex ou full-duplex) e
Identificação (por nome ou endereço) entre usuários na comunicação;

Estabelecimento de segurança: controle de acesso, preservação dos dados, etc...

Transferência de informações e validação de dados e Recuperação de erros de
estabelecimento;

Os elementos de serviço de aplicação foram criados com o propósito de fornecer
suporte a aplicações de maneira genérica, entretanto, algumas aplicações, como
transferência de arquivos e correio eletrônico, tornaram-se muito comuns, que se
fez necessário estabelecer serviços específicos para esses casos.
Dentre os elementos de serviço de uso geral estão: ROSE (Remote Operations Service
Element), RTSE (Reliable Transfer Service Element), CMISE (Common Management
Information Service Element), TP (Transaction Processing) e CCR (Commitment, Concurrency
and Recovery).
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
62
Já os elementos de serviço de uso específico estão: MHS (Message Handling System),
FTAM (File Transfer Access and Management) e DS (Directory Service).
Capítulo 5
Protocolos
O mais importante a ser memorizado sobre os protocolos é que eles são o meio pelo qual
os computadores ligados em rede se entendem. Lembre-se de que as redes de computadores
têm uma tendência a evoluir para sistemas maiores e mais com-plexos, contendo mais nós,
dispositivos, e softwares cada vez mais sofisticados.
Os protocolos aqui citados são padronizados e de amplo uso. Pode ser útil saber sobre
eles, entender a que os distribuidores estão se referindo quando anunciam suporte para vários
protocolos em seus produtos de rede. Além disso, se você conhece as regras sobre as quais
seu sistema atual se baseia, tem como saber se as atualizações e as mudanças propostas
para o seu sistema serão compatíveis.
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
63
Protocolos são basicamente a parte do sistema operacional da rede encarregada de ditar
as normas para a comunicação entre os dispositivos. Vários são os tipos de protocolos, aqui
explicaremos os mais utilizados.
Tipos de protocolos:
•
Abertos
•
Específicos ou de Fornecedores
Exemplos:
• IPX/SPX
• NetBeui
• DLC
• SMB
• TCP/IP
IPX/SPX
Significa Internet Packet Exchange/Sequence Packet Exchange. Ele foi desenvolvido para
suportar redes NetWare, e suporta redes de tamanho pequeno e médio e também tem a
capacidade básica de roteamento.
Selecione o IPX/SPX durante a instalação do Windows, ele é simples de definir e oferece
um desempenho melhor do que o NetBeui. Ele também deverá ser instalado caso na rede haja
a necessidade de comunicação com uma rede NetWare.
NetBeui
Significa Network Basic End User Interface. Ele suporta pequenas LAN’s é rápido e
simples. Porém, tem uma estrutura arquitetônica inerente que limita sua eficiência à medida
que a rede se expande.
DLC (Data Link Control)
O Data Link Control, ou DLC, é um sinônimo para o protocolo padrão internacional
chamado IEEE 802.2. Você o verá sendo usado principalmente por duas razões:
A primeira, é que muitas instalações Token Ring usam o DLC para permitir que suas
estações de trabalho PC’s falem com nós de interconexão de mainframe.
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
64
A segunda razão, é que se você tiver uma impressora a laser na rede que esteja
conectada diretamente a rede por meio de uma placa JetDirect, então você pode precisar usar
o DLC para controlar essa impressora.
SMB (Server Message Block)
Usado principalmente para o acesso aos arquivos compartilhados e impressoras.
Utilizamos o protocolo SMB, como base para a construção do servidor samba, usado no
compartilhamento de arquivos entre sistemas operacionais Linux e Windows.
Pilhas múltiplas de transporte
Duas coisas devem ser óbvias neste momento. Primeiramente, não existe um único
protocolo de rede melhor. Em segundo lugar, você pode querer utilizar todos os quatro
protocolos descritos anteriormente, e as boas novas são que você pode.
Uma das utilidades do modelo atual de rede é que ele suporta múltiplos protocolos de
transporte, também conhecidos como pilhas de protocolo.
Porém, é bom lembrar que não é aconselhável usá-los todos de uma vez, pois isso
acarretaria uma queda de desempenho do servidor. Quando for instalar um protocolo, utilize
somente os que você realmente precisar. Com isso, as máquinas não terão de ficar
“procurando” qual protocolo usar naquele momento, já que muitos estão instalados. Se isso
acontece, o servidor ou a máquina do cliente tem que “olhar” primeiro qual protocolo usar,
pesquisar para encontrá-lo e finalmente efetuar a troca de dados.
Em uma rede de até 10 máquinas, isso não chega a ser um problema grande, mas
conforme a sua rede cresce, a latência de resposta de cada máquina tende a ser maior, pois
muitos clientes estão trocando informações.
Introdução ao TCP/IP
O desenvolvimento da arquitetura Internet, Transmission Control Protocol/Internet
Protocol (TCP/IP) foi patrocinado pela Defense Advanced Research Projects Agency (DARPA).
O TCP/IP é um conjunto de protocolos desenvolvidos para permitir que computadores
compartilhem recursos dentro de uma rede. Em uma definição mais básica, o nome correto
para este conjunto de protocolos é “Conjunto de Protocolos Internet”. Os protocolos TCP e IP
são dois dos protocolos deste conjunto. Como os protocolos TCP e IP são os mais conhecidos,
é comum se referir a TCP/IP para referenciar toda a família de protocolos.
Na família de protocolos TCP/IP, alguns protocolos, como TCP, IP e User Datagram
Protocol (UDP), provêm funções de baixo nível, necessárias a diversas aplicações. Os outros
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
65
protocolos são execução de tarefas específicas, como por exemplo, transferência de arquivos
entre computadores, envio de mensagens. Os serviços TCP/IP mais importantes são:
Transferência de Arquivos - o File Transfer Protocol (FTP), permite a um usuário em um
computador copiar arquivos de outro computador, ou enviar arquivos para um outro
computador. A segurança é garantida requerendo-se que o usuário especifique um username e
uma senha, para acesso ao outro computador.
Login Remoto - o Network Terminal Protocol (TELNET), permite que um usuário se log
(tenha uma sessão de trabalho) em um outro computador da rede. A sessão remota é iniciada
especificando-se o computador em que se deseja conectar. Até que a sessão seja finalizada,
tudo o que for digitado será enviado para o outro computador. O programa de TELNET faz com
que o computador requisitante seja totalmente invisível, tudo é enviado diretamente ao
computador remoto.
Eletronic Mail (SMTP) - permite ao usuário enviar mensagens para usuários em outro
computador. Deve ser mantido um arquivo de mail para cada usuário, e o sistema de mail
simplesmente adicionará novas mensagens a este arquivo de mail. Quando um usuário vai
enviar um mail, o programa espera ser capaz de manter uma conexão com o computador
destino, para que a mensagem possa ser enviada.
O protocolo TCP/IP é baseado em um modelo que pressupõe a existência de um grande
número de redes independentes conectadas através de gateways. Um usuário pode ter acesso
a computadores ou outros recursos em qualquer uma destas redes. As mensagens, muitas
vezes, passam por uma grande quantidade de redes para atingirem seus destinos. O
roteamento destas mensagens deve ser completamente invisível para o usuário. Assim para ter
acesso a um recurso em outro computador o usuário deve conhecer o endereço Internet deste
computador. Atualmente este endereço é um número de 32 bits, escrito como 4 números
decimais, cada um representando 8 bits de endereço.
Internet Protocol (IP)
O protocolo IP, padrão para redes Internet, é baseado em um serviço sem conexão. Sua
função é transferir blocos de dados, denominados datagramas, da origem para o destino, onde
a origem e o destino são hosts identificados por endereços IP. Este protocolo também fornece
serviço de fragmentação e remontagem de datagramas longos, para que estes possam ser
transportados em redes onde o tamanho máximo permitido para os pacotes é pequeno.
Como o serviço fornecido pelo protocolo IP é sem conexão, cada datagrama é tratado
como uma unidade independente que não possui nenhuma relação com qualquer outro
datagrama. A comunicação é não-confiável, pois não são utilizados reconhecimentos fim-a-fim
ou entre nós intermediários. Não são empregados mecanismos de controle de fluxo e de
controle de erros. Apenas uma conferência simples do cabeçalho é realizada, para garantir que
as informações nele contidas, usadas pelos gateways para encaminhar datagramas, estão
corretas.
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
66
Atualmente utilizamos o IPV4, porém o IPV6 já será adotado como padrão nos próximos
anos.
Transmission Control Protocol (TCP)
O TCP é um protocolo da camada de transporte da arquitetura Internet TCP/IP. O
protocolo é orientado a conexão e fornece um serviço confiável de transferência de arquivos
fim-a-fim. Ele é responsável por inserir as mensagens das aplicações dentro do datagrama de
transporte, reenviar datagramas perdidos e ordenar a chegada de datagramas enviados por
outro micro. O TCP foi projetado para funcionar com base em um serviço de rede sem conexão
e sem confirmação, fornecido pelo protocolo IP.
O protocolo TCP interage de um lado com processos das aplicações e do outro com o
protocolo da camada de rede da arquitetura Internet. A interface entre o protocolo e a camada
superior consiste em um conjunto de chamadas. Existem chamadas, por exemplo, para abrir e
fechar conexões e para enviar e receber dados em conexões previamente estabelecidas. Já a
interface entre o TCP e a camada inferior define um mecanismo através do qual as duas
camadas trocam informações assincronamente.
Este protocolo é capaz de transferir uma cadeia (stream) contínua de octetos, nas duas
direções, entre seus usuários. Normalmente o próprio protocolo decide o momento de parar de
agrupar os octetos e de, conseqüentemente, transmitir o segmento formado por esse
agrupamento. Porém, caso seja necessário, o usuário do TCP pode requerer a transmissão
imediata dos octetos que estão no buffer de transmissão, através da função push.
Conforme mencionado, o protocolo TCP não exige um serviço de rede confiável para
operar, logo, responsabiliza-se pela recuperação de dados corrompidos, perdidos, duplicados
ou entregues fora de ordem pelo protocolo de rede. Isto é feito associando-se cada octeto a um
número de seqüência. O número de seqüência do primeiro octeto dos dados contidos em um
segmento é transmitido junto com o segmento e é denominado número de seqüência do
segmento. Os segmentos carregam “de carona” (piggybacking) um reconhecimento.
O reconhecimento constitui-se do número de seqüência do próximo octeto que a
entidade TCP transmissora espera receber do TCP receptor na direção oposta da conexão. Por
exemplo, se o número de seqüência X for transmitido no campo Acknowledge (ACK), ele indica
que a estação TCP transmissora recebeu corretamente os octetos com número de seqüência
menores que X, e que ele espera receber o octeto X na próxima mensagem.
Principais protocolos que formam o protocolo TCP/IP:

ARP (Address Resolution Protocol) – Protocolo que por meio do numero IP localiza
o numero MAC de um computador;
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
67

RARP (Reverse Address Resolution) - Localiza o número MAC por meio do número
de IP de um computador;

ICMP (Internet Control Message Protocol) - Responsável pela geração das
mensagens de erro e pacotes de teste. É uma extensão do protocolo IP;

IGMP (Internet Group Management Protocol) – É um protocolo que gerencia as listas
de partição da difusão seletiva IP em uma rede TCP/IP. A difusão seletiva IP é o
processo no qual uma mensagem é transmitida para um grupo selecionado de
destinatários;

UDP (User Datagram Protocol) - Como o TCP, é responsável pela entrega dos dados,
porém não garante a sua entrega;

RIP (Routing Information Protocol) - Também é responsável pelo roteamento dos
pacotes na rede;

HTTP (Hypertext Transfer Protocol) - Protocolo que permite a transferência de
documentos hipertexto. Por meio desse protocolo podemos receber as páginas da
Internet;

NNTP (Network News Transfer Protocol) - Esse protocolo é responsável pela
transferência de mensagens de grupos do tipo news;

SMTP (Simple Mail Transfer Protocol) - Protocolo responsável pelo envio e
recebimento de e-mail;

SNMP (Simple Network Management Protocol) - Estatísticas sobre o tráfego da rede
podem ser executadas por intermédio desse protocolo;

FTP (File Transfer Protocol) – Executa a transferência de arquivos entre sistemas. O
FTP exige senha para entrada e pode “navegar” entre diretórios.

IRC (Internet Relay Chat) - Esse protocolo implementa o serviço de chat;

NFS (Network File System) - Esse protocolo é responsável pelo compartilhamento de
arquivos remotos. Foi desenvolvido pela Sun;

Telnet - Protocolo de emulação de terminal.
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
68

DNS (Domain Name Server) - Tem por função auxiliar: na transparência da
identificação de endereços IPs, inclusive endereços na Internet, para os usuários locais
de um sistema computacional; manter uma tabela com os endereços dos caminhos de
algumas redes na Internet que auxilie aos roteadores. A Figura Abaixo exemplifica uma
parte de uma árvore de domínio da Internet. Desta figura podemos entender a
importância do protocolo DNS no auxílio da procura de um endereço na rede. O UDP
serve ao DNS de máquina local quando é necessária uma consulta a uma tabela DNS
de um computador remoto.
Arquitetura TCP/IP
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
69
• Camada de Aplicação - É nessa camada que se encontram os protocolos
“prestadores de serviços”;
• Camada de Transporte - Responsável pela transferência de mensagens e dados entre
os computadores;
• Camada de Internet ou roteamento - Define qual é a melhor rota pela qual os pacotes
devem seguir;
• Camada de Interface de Rede - Define os tipos de padrão utilizados pelo TCP/IP.
Endereçamento IP
O Endereço IPV4 é um número de 4 bytes (ou 32 bits), separados por três pontos. Tem
a função de informar o número da rede e o número dos computadores.
Os primeiros 8 bits (1º octeto) do número são responsáveis por determinar em que
classe o endereço IP está.
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
70
Classe
1º octeto
2º octeto
3º octeto
4º octeto
A
1 – 126
0 – 255
0 - 255
1 – 254
Rede
Host
Host
Host
128 – 191
0 – 255
0 – 255
1 – 254
Rede
Rede
Host
Host
192 – 223
0 – 255
0 – 255
1 – 254
Rede
Rede
Rede
Host
B
C
O endereçamento IPv4 é composto por dois níveis macros, NetId e HostId. O primeiro
nível é composto pelo endereço de rede (NetId), que é fornecido pela IANA (Internet Assigned
Number Authority), órgão gestor da Internet para atribuição de endereços. Por outro lado, o
segundo nível (HostId) é de responsabilidade da organização. Desta forma, a atribuição dos
endereços fica por conta da autoridade local da corporação.

O endereço da classe A foi imaginado para um ambiente no qual teríamos poucas
redes e uma grande quantidade de computadores. Nesta classe de endereço,
dispomos só o primeiro octeto (NetId). Os endereços de rede 0 (00000000) e 127
(01111111) são reservados, o que resulta no limite de 126 como endereços válidos.
Quanto aos endereços de computadores na rede, temos 24 bits de endereços
possíveis (28x 28x 28 = HostId x HostId x HostId).

O endereço da classe B foi projetado para um ambiente no qual teríamos uma
quantidade equivalente no número de redes e de computadores. A classe B dispõe os
dois primeiros octetos (Netld . Netld). Assim, nesta classe existem 214 endereços de
rede. O limite dos endereços do primeiro octeto desta classe fica situado entre 128
(10000000) e 191 (10111111). Quanto aos endereços de computadores na rede, temos
16 bits de endereços possíveis (28x 28 = Hostld x Hostld).

O endereço da classe C é caracterizado por ser um ambiente imaginado para ter
muitas redes e poucos computadores. Na classe C, os três primeiros octetos (NetId .
NetId . NetId). Desta forma, nesta classe existem 221 endereços de rede. O limite dos
endereços do primeiro octeto da classe C fica situado entre 192 (11000000) e 223
(11011111). Quanto aos endereços de computadores na rede, temos 8 bits de
endereços possíveis (28 = HostId).

Outras Classes:
O endereço Classe D: (endereço multicast) - 224.0.0.0 até 239.255.255.255
O endereço Classe E: (endereço especial reservado) - 240.0.0.0 até 247.255.255.254
Endereço reservado
O IANA (Internet Assigned Numbers Authority) é responsável pela coordenação global do
DNS raiz, endereçamento IP, o protocolo de Internet e outros recursos.
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
71
CIDR - Bloco de Endereços
Descrição
0.0.0.0/8
Rede corrente (só funciona como endereço de origem)
10.0.0.0/8
Rede Privada
14.0.0.0/8
Rede Pública
39.0.0.0/8
Reservado
127.0.0.0/8
Localhost
128.0.0.0/16
Reservado (IANA)
169.254.0.0/16
Zeroconf - APIPA
172.16.0.0/12
Rede Privada
191.255.0.0/16
Reservado (IANA)
192.0.2.0/24
Documentação
192.88.99.0/24
IPv6 para IPv4
192.168.0.0/16
Rede Privada
198.18.0.0/15
Teste de benchmark de redes
223.255.255.0/24
Reservado
224.0.0.0/4
Multicast (rede Classe D)
240.0.0.0/4
Reservado (rede Classe E)
255.255.255.255
Broadcast
Submáscara
O conceito de máscara de endereçamento é uma abordagem existente no protocolo IP
com o objetivo de melhoria de desempenho no roteamento dos datagramas. Uma máscara é
uma técnica que ajuda a determinar se o endereço de um datagrama é local ou se precisa de
um roteamento para uma outra rede. Aplicando um AND lógico com os endereços da máscara
e do datagrama, fazemos uma eliminação do endereço de Hostld. Em outras palavras, resta
apenas o endereço de rede. De posse deste resultado, fica fácil saber se é necessário (ou não)
efetuarmos um roteamento do datagrama. A Tabela Abaixo ilustra as classes A, B e C de
endereços IPv4 e suas máscaras padrões.
Classe de
Máscara Padrão
Endereço
(Binária)
Máscara de rede
CIDR
(Decimal)
A
11111111.00000000.00000000.00000000
255.0.0.0
/8
B
11111111. 11111111.00000000.00000000
255.255.0.0
/16
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
72
C
11111111.11111111. 11111111.00000000
255.255.255.0
/24
Cálculo de endereço IP
Para definir o numero de máquinas desejadas em uma determinada rede, tendo a idéia
de custo e melhor desempenho, realizamos cálculos de IP, com esse procedimento
conseguimos ajustar a rede de forma mais adequada.
Podemos expressar o número de sub-redes possíveis com a fórmula:
Número de sub-redes = 2M
Onde: M é o número de bits usados para definir a sub-rede ou o número de bits de hosts
cobertos pela máscara (quantidade de uns).
Também podemos calcular o número de hosts por sub-rede com uma fórmula similar:
Número de hosts por sub-rede = 2U - 2
Onde: U é o número dos bits de hosts restantes ou bits de hosts não-cobertos pela máscara
(quantidade de zeros).
Devemos tirar 2, pois o primeiro e último endereços são reservados para a rede e para o
Broadcast
Exemplo:
Dado o IP 192.168.0.1/27 defina:
a) A submáscara em binário
b) O número de sub-redes
c) O número de máquinas
d) Construa a tabela de lista de endereços
Resolução
a) O IP é /27, ou seja, possui 27 bits
11111111.11111111.11111111.11100000
Convertemos todos os octetos em decimal:
11111111 = 255
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
73
11111111 = 255
11111111 = 255
11100000 = 224
Logo,
255.255.255.224
b) Número de sub-redes = 2M
Dois elevado a quantidade de uns do último octeto
Número de sub-redes = 23
Número de sub-redes = 8
c) Número de sub-redes = 2U - 2
Dois elevado a quantidade de zeros, a partir do octeto onde contamos o número de
sub-redes
Número de hosts por sub-rede = 25 - 2
Número de hosts por sub-rede= 30
Rede
Faixa
Broadcast
192.168.0.0
192.168.0.1 – 192.168.0.30
192.168.0.31
192.168.0.32
192.168.0.33 – 192.168.0.62
192.168.0.63
192.168.0.64
192.168.0.65 – 192.168.0.94
192.168.0.95
192.168.0.96
192.168.0.97 – 192.168.0.126
192.168.0.127
192.168.0.128
192.168.0.129 – 192.168.0.158
192.168.0.159
192.168.0.160
192.168.0.161 – 192.168.0.190
192.168.0.191
192.168.0.192
192.168.0.193 – 192.168.0.222
192.168.0.223
192.168.0.224
192.168.0.225 – 192.168.0.254
192.168.0.255
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
74
Referências bibliográficas
- SOUZA, Lindeberg Barros de. Redes de Computadores - Guia Total. 1ª ed. São Paulo: Érica,
- MORAES, Alexandre Fernandes de. Redes de Computadores – Fundamentos. 6ª ed. São
Paulo: Érica
- MARIN, Paulo Sérgio Cabeamento Estruturado - Desvendando cada passo: do projeto à
instalação. 3ª ed. São Paulo: Érica
- DERFLER Jr, Frank J. e Freed, Les. Como Funcionam as Redes III. 4ª ed. São Paulo: Quark
Books
- Wikipédia – A enciclopédia livre - http://pt.wikipedia.org/
- Professor Jefferson Costa – Educação e tecnologia – http://www.jeffersoncosta.com.br]
- IEEE - http://www.ieee.org/
- Viva sem fio - http://www.vivasemfio.com/blog/category/80211_intro/
- Guia do Hardware - http://www.guiadohardware.net/
Prof. Jefferson Costa
[email protected]
www.jeffersoncosta.com.br
Was this manual useful for you? yes no
Thank you for your participation!

* Your assessment is very important for improving the work of artificial intelligence, which forms the content of this project

Download PDF

advertisement