MATERIAL DIDÁTICO 128 Escola Técnica Electra – NR

MATERIAL DIDÁTICO 128 Escola Técnica Electra – NR
MATERIAL DIDÁTICO
7.13. Grade Dobrável
Serve para isolar as áreas de trabalho, para que ninguém encoste num local quando um serviço estiver em
execução.
7.14. Sinalizador Strobo
Deve ser utilizado em vias públicas por ser luminoso. Pode ser utilizado em caso de acidentes, em obras, em
manutenção.
7.15. Área Delimitada
A importância de uma área ser delimitada é a segurança das pessoas. Ela deve ser isolada com cones e fitas e
se possível sinalizada.
128
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
Os equipamentos de proteção coletiva devem ser utilizados da maneira correta!
Trabalho na rua de maneira imprudente
EPCs
Efetuando um conserto em um poste, verifica-se que o isolamento foi feito apenas com o cone, sem a fita. Os
traseuntes passam por dentro da área que deveria estar isolada. Imagine um trabalhador em cima de um poste,
trocando uma peça e sem querer ele deixa cair na cabeça destas pessoas que estão passando por dentro dos
cones? Prudência e obediência as Normas são fundamentais para evitar acidentes!
129
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
USE OS EPIS ELES SÃO SUA PROTEÇÃO!
Exercício:
Descubra e retire do quadrado as palavras que completam a função do EPC
FUNÇÃO do EPC
O _________ é um equipamento que visa a equipotencialização e proteção pessoal contra descargas
elétricas indevidas, num circuito em intervenção. Em caso de energização, a corrente vai fluir para a
terra e não para a pessoa.
Os _________ são utilizados em subestações para isolamento em caso de falha numa isolação do
equipamento. Também são utilizados em trabalhos em gruas (cesto aéreo).
Os ________ são equipamentos utilizados para sinalizar, isolar, interditar. São feitos de
polietileno/PVC ou borracha e são duráveis e resistentes a intempéries e maus tratos.
As ________ são equipamentos feitos de material plástico colorido para sinalizar buracos, interdição,
balisamento.
As ________ são equipamentos que têm boa resistência, indicada para uso na construção,
isolamento, sinalização de áreas, estacionamentos, pedágios, bancos, supermercados, etc.
130
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
As _______ são equipamentos que servem para sinalização, interdição, balisamento, demarcação de
áreas, etc.
As ________ são equipamentos utilizados para sinalizar perigo de vida, situação de equipamentos,
etc.
Os _______ são aparelhos de detecção utilizados para testar barramentos, circuitos capacitores
ligados a rede, chaves facas...
Os _______ são aparelhos de detecção colocados na ponta da vara de manobra para testar
barramentos, circuitos, capacitores ligados a rede.
O ________ é um aparelho que serve para medição de correntes de fuga em cestas aéreas, escadas
e andaimes isolantes, nas atividades de manutenção em instalações energizadas.
As _______ são equipamentos feitos de materiais isolantes, normalmente fibra de vidro e epóxi de cor
laranja, possuindo uma borboleta na ponta, onde o detector de tensão, gancho para desligar a chave
fusível, etc. podem ser fixados.
Os ________ são equipamentos similares e do mesmo material da vara de manobra, sendo usados
para operações de apoio. Os de salvamento possuem ganchos para remover o acidentado.
As _______ são utilizadas nos trabalhos em altura, em linha energizada. Ela deve ter boa resistência,
para no caso de resgate de um trabalhador conseguir retirá-lo sem que arrebente (deve ter 15 vezes
mais de resistência do que o que vai puxar).
Os ________ são equipamentos utilizados para demarcar áreas onde não é permitido entrar. São
dobráveis e fáceis de carregar.
A _______ serve para isolar áreas de trabalho, para que ninguém encoste num local quando um
serviço estiver em execução.
O _______ é um equipamento utilizado em caso de acidentes, em obras, em manutenção,
principalmente em vias públicas. É muito útil por ser luminoso.
Uma _______ corresponde a uma área isolada com cones e fitas e se possível sinalizada, para
garantir a segurança das pessoas.
Área delimitada sinalizador
strobo-
cavaletesbastões-
grade dobrável-
Cordas
sintéticas
–
correntes- placas de sinalização detectores de tensão
por contato- microamperímetro- varas de manobradetectores de tensão por aproximação- fitas de
sinalização- tapetes de borrachas isolantes- conesbandeiras de sinalização- conjunto de aterramento
temporário
131
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
CAPÍTULO 8: EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI)
Neste capítulo o aluno vai conhecer os equipamentos de proteção individual, a fim de que possa usá-los no
seu dia a dia. Usar os EPIS é uma prova de amor a você mesmo e a sua família. Sua integridade física depende
deles.
Os EPIS são equipamentos de uso individual do trabalhador para proteção contra acidentes elétricos. A NR 6
é específica de EPIS. Nela você pode encontrar os tipos de EPI utilizados, as obrigações de empregados e
empregadores com relação aos EPIs. Todo EPI deve ter o Certificado de Aprovação (CA) e é muito importante que
todos passem por testes pelo INMETRO, pois não podemos usar uma luva comprada num camelô, pois não terá CA
e sendo assim, não sabemos se ela foi feita dentro das normas da ABNT e se ela irá proteger como deveria.
O trabalhador deve usar seu EPI, pois o não uso pode primeiramente causar uma advertência. Se for pego
sem os EPIS novamente pode levar uma suspensão. E se ele não aprende e de novo for pego sem os EPIS pode até
levar uma justa causa.
8.1 Obrigações do Empregador









Exigir que o funcionário use o EPI;
Orientar e treinar o trabalhador sobre seu uso, guarda e conservação;
Comunicar ao MTE qualquer irregularidade no EPI;
Adquirir o adequado equipamento ao risco de cada atividade;
Oferecer o EPI gratuitamente para o trabalhador;
Ter o certificado de aprovação dos EPIs (CA);
Treinar o trabalhador para utilizar seu EPI;
Substituí-lo imediatamente em caso de defeito ou quando danificado ou extraviado;
Responsabilizar-se por sua higienização e manutenção periódica.
8.2. Obrigações do Trabalhador



Usá-lo apenas para a finalidade a que se destina;
Responsabilizar-se por sua guarda e conservação;
Comunicar ao empregador qualquer dano no EPI.
Cuide bem do seu EPI ele é a sua melhor proteção contra os acidentes!
8.3. Tipos de EPI
8.3.1 Calçados de Proteção com Solado Isolante
Proteção em caso de contato por acidente com circuitos abertos até 600 Vac ( TENSÃO DE CORRENTE
ALTERNADA), sob condições secas.
132
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
8.3.2 Calçado de Proteção Solado Condutivo
Proteção onde há acúmulo de eletricidade estática.
8.3.3 Luvas
As luvas são uma proteção para as mãos do trabalhador. Existem vários tipos de luvas de proteção. Vejamos:
 Luva de Proteção em Raspa e Vaqueta
Utilizada para proteger as mãos e braços contra agentes abrasivos
 Luva de Proteção em Borracha Nitrílica
Utilizada para proteção das mãos e punhos contra agentes químicos e biológicos.
 Luva de Proteção em PVC (Hexanol)
Utilizada para proteção das mãos e punhos contra recipientes contendo óleos, graxa, solvente.
133
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO

Luva de Cobertura para Proteção da Luva de Borracha
Utilizada para proteção de mãos e punhos em trabalhos ao potencial( em linhas de alta tensão energizadas). Esta
luva é usada por cima da luva de borracha em trabalhos de alta tensão. É mais uma segurança para o trabalhador em
alta tensão.
Luva usada para isolar eletricidade em alta tensão
LUVA DE
COBERTURA
LUVA DE
BORRACHA
 Luva de Proteção Tipo Condutiva
Utilizada para proteção de mãos e punhos em trabalhos em linhas energizadas. Ela conduz eletricidade a fim de
que a pessoa possa ficar no mesmo potencial que a linha em que vai fazer os serviços. Ela é para ser utilizada
em trabalhos ao potencial (trabalhos em linhas energizadas).
134
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
Abaixo a Tabela de tipos de classe de luvas e a proteção que elas podem oferecer de acordo com a cor da sua
tarja.
TABELA 18: TIPOS DE CLASSE DE LUVAS / CONTATO / TARJA
Higienização das luvas
 Lavar com água e detergente neutro;
 Enxaguar com água;
 Secar ao ar livre e a sombra;
 Polvilhar, externamente e internamente, com talco industrial.
8.3.4
Manga de Proteção Isolante de Borracha
Utilizada para proteger o braço e antebraço contra choque elétrico durante os trabalhos em circuitos elétricos
energizados.
Manga de proteção usado em linhas vivas (energizadas)
135
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
8.3.5
Capacetes
Servem de protetor para impactos e tem isolação para trabalhos com eletricidade
CARNEIRA
JUGULAR
A carneira, ou seja, a proteção plástica semi-elástica que separa o casco do couro cabeludo serve para
absorver o impacto.
A Jugular é o que ajuda a fixação do capacete na cabeça do trabalhador.
136
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
Nuca use seu capacete para outra finalidade.
8.3.6 Protetores Auriculares
Protetores auriculares servem contra ruídos. O valor normal em decibéis é de até 65. Acima de 65 decibéis
deve-se utilizar o protetor auricular ou o abafador.
ABAFADOR
Protetores auditivos
O protetor auricular deverá ser lavado a fim de que você habitue a fazer esta higiene em seu EPI. Muitas
pessoas reclamam de dor de ouvido e às vezes pode ser por contaminação do protetor auricular que está sujo e o
trabalhador introduz no ouvido.
Como colocar o protetor de ouvido:
Não se esqueça de puxar sua orelha esquerda para cima com a mão direita e colocar o protetor auricular. Depois
com a mão esquerda puxe a orelha direita para cima e introduza o protetor auricular no ouvido.
8.3.7 Máscaras Faciais
Proteção da face contra fagulhas, poeiras e faíscas. O uso destas máscaras é importante. Olhos e rosto devem
estar bem protegidos contra os arcos voltaicos, pois eles causam queimaduras sérias. A viseira da máscara não pode
ficar colada no rosto senão pode embassar devido à respiração.
MÁSCARAS FACIAIS
Usando a máscara facial protetora
137
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
8.3.8 Respiradores
Servem para trabalhos com gases tóxicos e poeiras. Devemos saber corretamente que tipo de respirador
será utilizado. Não devemos usar uma máscara pára gás, se o trabalho é com poeira. Cada uma das máscaras
tem sua função de proteção.
As máscaras que trocam filtros têm que se observar a validade dos mesmos.
Se você tiver que utilizar uma mesma máscara que outro trabalhador utilizou, troque o filtro, para que você
não arrisque sua vida pegando alguma doença devido à contaminação do uso de outra pessoa. Previna-se!
RESPIRADOR
RESPIRADOR
PURIFICADOR DE
AR
8.3.9
MÁSCARA
AUTÔNOMA
Óculos Protetor
Protege os olhos de poeiras, faiscamentos, contra radiação ultravioleta e também serve para proteger de
arcos elétricos.
8.3.10 Perneira de Proteção Contra Animais Peçonhentos
Utilizada para proteção das pernas contra objetos perfurantes, cortantes e ataque de animais peçonhentos.
138
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
8.3.11 Creme Protetor
Deve ser fornecido ao trabalhador que trabalha a céu aberto. O creme pode ser individual ou um pote
coletivo. Ele é um EPI. Use-o, pois o câncer de pele está aumentando cada vez mais.
8.3.12 Vestimentas de Proteção

Macacão condutivo
Nos trabalhos realizados em torres e linhas de transmissão elétrica, subestações de alta tensão ou em outro
tipo de linha viva, o trabalhador está sujeito ao risco do campo eletromagnético gerado por estes sistemas. Este
trabalho em linhas vivas (energizadas) exige o uso de roupas condutivas, pois o trabalhador deve ficar no mesmo
potencial que o condutor para não sofrer um choque.
luvas condutivas
meias condutivas

Vestimentas Contra Riscos Elétricos
Vestimenta utilizada contra os riscos elétricos. Ela protege contra arcos, apenas chamuscando, não deixa que
pegue fogo. A roupa é um detalhe muito importante para quem trabalha com eletricidade.
Funcionário devidamente vestido para trabalhos com eletricidade
139
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO


Vestimentas Contra Respingos de Materiais Químicos
Este tipo de vestimenta é para que trabalhadores que executem tarefas com ácidos e produtos químicos não
sofram respingos, pois podem causar lesões e até mesmo amputações devido às queimaduras. Para que isto não
aconteça, ele deve usar roupas especiais.
Botas contra respingos

Vestimentas para Altas Temperaturas
As roupas de proteção para altas temperaturas são indicadas para atividades que apresentem riscos de
explosão ou a formação de arcos elétricos.

Vestimentas Contra Arcos Elétricos e Influências Eletromagnéticas
Muitas pessoas trabalham sem utilizar estas roupas, porém é perigoso demais. A proteção é o meio mais fácil
de salvar sua vida. A roupa é quente, mas deve ser utilizada, pois em caso de um arco, você pode ficar todo
queimado.
OBS:Use sempre os EPIs, não acredite em pessoas que falam: “Eu sempre fiz assim e deu certo”. Esta mentalidade
tem que mudar. Pessoas que usam este discurso estão fazendo seu trabalho de maneira insegura, há muito tempo. A
sorte é uma interrogação. Cumpra o que a Norma manda, pois se mesmo com todos os cuidados os acidentes
acontecem, imaginem sem o uso dos EPIS.
8.3.13 EPIs e EPCs para Trabalhos em Altura:
 Cinturão de paraquedista
140
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
É necessário o ajuste do cinturão ao corpo do trabalhador para garantir a distribuição da força de impacto e
minimizar os efeitos da suspensão.
Deve ser utilizado em trabalhos a mais de 2 metros de altura.(NR10)
CINTO DE
SEGURANÇA
 Talabarte
É uma correia, tradicionalmente feita de couro, atualmente, encontrada em nylon ou outros tecidos sintéticos
e resistentes. Serve para evitar a queda. É acoplado ao cinturão de paraquedista.
141
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
TALABARTE DUPLO
 Trava queda
É um dispositivo para proteger o trabalhador contra quedas em operação de movimentação vertical ou
horizontal. É utilizado junto com o cinturão de segurança tipo paraquedista.
Na subida ou descida, o cinturão de segurança mantém a alça levantada, destrava o aparelho e permite
perfeita movimentação. Nas quedas ou descidas bruscas o equipamento trava-se imediatamente no cabo.
O aparelho pode ser colocado ou retirado imediatamente em qualquer ponto do cabo.
Trava quedas
Trava quedas
retrátil
142
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
Antes de cada uso deve se inspecionar o trava quedas, observar se tem rebites frouxos, peças gastas, tortas
ou aparência duvidosa. Neste caso inutilizar o aparelho.
Para a manutenção dos trava quedas, eles devem estar limpos, afastados de produtos químicos nocivos ao
aço inox e protegidos das intempéries, em local seco. Se notar uma má mobilidade, o aparelho deve ser inutilizado.
 Fitas de ancoragem
Servem para criar pontos de ancoragem com a corda de segurança.
Fita de ancoragem
O TALABARTE DISTRIBUI A CARGA ENTRE DOIS
DEGRAUS
 Mosquetão
Serve para deter quedas e para suportar forças de 22 kN ( quilonewton) no mínimo. Tem a função de prover elos
e funciona como polia com atrito. Não deve sofrer torções nem quedas, pois pode sofrer fissuras internas. Se ele cair
no chão, sofre fissuras que você não consegue ver, porque são internas e isto enfraquece sua segurança. Cuide dos
seus EPIs.
mosquetão
143
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
Ele Não pode sofrer quedas devido a causar fissuras internas e enfraquecê-lo.
 Pontos de Ancoragem
A NR 10 preza a segurança do trabalhador e afirma que o ideal é ter dois pontos de ancoragem, pois caso
um falhe tem o outro para segurar o trabalhador.
Ligação do cabo guia
Instalação dentro da viga de concreto
Espera de ancoragem
 Cordas de Segurança
Elas permitem o alongamento, tendo 6% a 10% de elasticidade e aguentam uma carga de 80 kg.
corda
OBS: Não podemos nos esquecer de amarrar a escada para evitar acidentes e usar o cinto de segurança tipo
paraquedista
144
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
A área de isolamento deverá ter um corredor de acesso a pedestres:
 Cinto Abdominal
Durante muito tempo este cinto era utilizado para se trabalhar em estruturas elevadas e a movimentação era
feita sem um ponto de conexão, deixando o trabalhador suscetível a quedas, pois não ficavam amarrados às
estruturas. Além disto, este tipo de cinto pode ocasionar lesões na coluna do trabalhador, portanto não é o ideal.
Atualmente deve ser substituído pelo cinturão de paraquedista, que permite melhor movimentação e, além
disso, é mais seguro porque com o ponto de ancoragem o trabalhador fica atrelado à estrutura o tempo todo Em
trabalhos a mais de 2 metros do solo deve ser usado o cinto tipo paraquedista.
Cinto abdominal
8.4. Adesivo dos EPIs Obrigatórios
Em sua empresa coloque o adesivo de segurança que fala na obrigatoriedade dos EPIs nas paredes. A
visualização de cartazes, adesivos é importante para que o trabalhador possa construir uma idéia de segurança em
seu trabalho. A propaganda é útil para ajudar o trabalhador a se conscientizar do uso dos EPIS.
145
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
OBS: O uso de EPI é obrigatório por todos os trabalhadores! Se você não usar o EPI, pode ganhar uma justa causa!
Exercícios:
Coloque o nome do EPI na tabelinha. Descubra no retãngulo abaixo e coloque o EPI que tem a determinada
função:
EPI
FUNÇÃO
Proteção em caso de contato por acidente com circuitos abertos até
600 volts (corrente alternada), sob condições secas.
Proteção onde há acúmulo de eletricidade estática.
As luvas são uma proteção para as mãos do trabalhador. Existem
vários tipos de luvas de proteção.
Utilizada para proteger as mãos e braços contra agentes abrasivos
Utilizada para proteção das mãos e punhos contra agentes químicos e
biológicos.
Utilizada para proteção das mãos e punhos contra recipientes contendo
óleos, graxa, solvente.
Utilizada para proteção de mãos e punhos em trabalhos em linhas de
alta tensão energizadas. Ela é usada por cima da luva de borracha em
trabalhos de alta tensão.
Utilizada para proteção de mãos e punhos em trabalhos em linhas
energizadas. Ela conduz eletricidade a fim de que a pessoa possa ficar
no mesmo potencial que a linha em que vai fazer os serviços.
Utilizada para proteger o braço e antebraço contra choque elétrico
durante os trabalhos em circuitos elétricos energizados.
Servem de protetor para impactos e tem isolação para trabalhos com
eletricidade
servem para proteger contra ruídos.
Proteção da face contra fagulhas, poeiras e faíscas. Olhos e rosto
devem estar bem protegidos contra os arcos voltaicos, pois eles
causam queimaduras sérias.
Servem para trabalhos com gases tóxicos ou poeiras. É preciso usar o
respirador específico para cada caso.
Protege os olhos de poeiras, faiscamentos, contra radiação ultravioleta
e também serve para proteger de arcos elétricos.
Utilizada para proteção das pernas contra objetos perfurantes,
cortantes e ataque de animais peçonhentos.
Ele é um EPI para proteção da pele e deve ser usado por todos que
trabalham a céu aberto. Pode ser individual ou um pote coletivo
146
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
Roupa condutiva que deve ser usada em trabalhos realizados em
torres e linhas de transmissão elétrica, subestações de alta tensão ou
em outro tipo de linha viva, onde o trabalhador está sujeito ao risco do
campo eletromagnético gerado por estes sistemas. A roupa permite
que o trabalhador fique no mesmo potencial que o condutor para não
sofrer choque.
Vestimenta utilizada contra os riscos elétricos. Ela protege contra
arcos, apenas chamuscando, não deixa que pegue fogo.
Vestimenta que deve ser usada por trabalhadores que trabalham com
ácidos e produtos químicos. Ela protege contra os respingos dos
produtos que poderiam causar lesões e até mesmo amputações devido
às queimaduras.
Roupas indicadas para atividades que apresentem riscos de explosão
ou a formação de arcos elétricos.
EPIS para trabalhos em altura
FUNÇÃO
Equipamento de proteção que deve ser utilizado em trabalhos a mais
de 2 metros de altura. Ele deve ser ajustado ao corpo do trabalhador
para garantir a distribuição da força de impacto e minimizar os efeitos
da suspensão.
É uma correia que serve para evitar a queda. Ele deve ser acoplado ao
cinturão de paraquedista.
É um dispositivo para proteger o trabalhador contra quedas em
operação de movimentação vertical ou horizontal. É utilizado junto com
o cinturão de segurança tipo paraquedista.
Servem para criar pontos de ancoragem com a corda de segurança.
Serve para deter quedas e para suportar forças de 22 quilonewton, no
mínimo. Tem a função de prover elos e funciona como polia com atrito.
A NR 10 preza a segurança do trabalhador e afirma que o ideal é ter
dois pontos de ancoragem, pois caso um falhe tem o outro para
segurar o trabalhador.
Elas permitem o alongamento, tendo 6% a 10% de elasticidade e
aguentam uma carga de 80 kg.
Tipo de cinto de segurança que foi utilizado durante muito tempo para
se trabalhar em altura. Não tinha um ponto de conexão na estrutura e
prendia a cintura, o que podia ocasionar lesões na coluna. Foi
substituído pelo cinturão de paraquedista, que é mais seguro.
Que fala na obrigatoriedade dos EPIs e deve ser colado nas paredes.
Adesivo dos EPIs Obrigatórios- Cordas de Segurança- fitas de ancoragemPontos de Ancoragem -Trava queda- Calçado de Proteção com Solado IsolanteMosquetão- Cinto Abdominal- Macacão condutivo- luva- Luva de Proteção em Raspa
e Vaqueta- Manga de Proteção Isolante de Borracha- Capacetes- Vestimentas de
Proteção- Máscaras Faciais- Perneira de Proteção Contra Animais PeçonhentosCreme Protetor- Respiradores- Óculos Protetores- Protetores Auriculares- Luva de
Proteção Tipo Condutiva - Luva de Proteção em Borracha Nitrílica- Luva de
Cobertura para Proteção da Luva de Borracha- Luva de Proteção em PVC (Hexanol)
147
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
NUNCA USE UM EPI SEM CERTIFICADO DE APROVAÇÃO (CA)CAPITULO 9: ACIDENTE DE TRABALHO
Neste Capítulo o aluno entenderá a importância de enviar a CAT num acidente de tabalho, os tipos de
benefícios por acidente
Muitas vezes o trabalhador torna-se displicente em seu trabalho, pois se tornou uma rotina. É nestas horas que
acontecem os acidentes. Um acidente é muito ruim tanto para o empregador, como para o empregado. O que se deve ter
em mente é que com a NR 10 tanto o trabalhador, como o seu supervisor, técnico de segurança e empresa tem uma
responsabilidade solidária no cumprimento das Normas de segurança. Uma não conformidade custa muito caro para a
empresa e um acidente custa muito mais caro ainda para o trabalhador e sua família. Vamos entender um pouco sobre o
que a lei considera acidente de trabalho.
Acidente fatal: esmagamento por trator
A lei nº 8.213 expressa no artigo 19 da Constituição e publicada em 24 de julho de 1991,define acidente de
trabalho:
“Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa, ou ainda pelo exercício do
trabalho dos segurados especiais, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte, a perda
ou redução da capacidade para o trabalho, permanente ou temporária.”
Consideram-se acidente do trabalho:
I - doença profissional, assim entendida a produzida ou desencadeada pelo exercício do trabalho peculiar a
determinada atividade e constante da relação de que trata o Anexo II;
II - doença do trabalho, assim entendida a adquirida ou desencadeada em função de condições especiais em que o
trabalho é realizado e com ele se relacione diretamente, desde que constante da relação de que trata o Anexo II.”
O acidente de trabalho não é só quando você se machuca no trabalho, mas também, uma doença
148
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
profissional, ou seja, quando se faz muito movimento repetitivo o trabalhador tem chances de desenvolver uma
doença denominada de LER (lesão por esforço repetitivo). Esta doença causa muita dor nas mãos e braços,
impedindo o trabalhador de executar suas tarefas. Se ficar comprovado que ele adquiriu a doença no seu trabalho
devido a sua função, esta doença é considerada “doença do trabalho”.
9.1. Tipos de Acidente de Trabalho
Acidentes Típicos: São todos os acidentes que ocorrem no desenvolvimento do trabalho na própria empresa ou a
serviço desta.
Exemplo:São os acidentes onde o trabalhador sofre uma queda e pode lesionar o braço.
Acidentes de Trajeto: São os acidentes que ocorrem no trajeto entre a residência e o trabalho ou vice-versa.
Exemplo: O funcionário está coberto pelo seguro desde que sai de sua casa para o trabalho, até sua volta para casa,
desde que ele não saia do seu trajeto. Se o trabalhador parou num bar para beber uma cervejinha, se acontecer um
acidente,
ele
não
estará
assegurado.
Doenças Ocupacionais: São doenças causadas pelo tipo de trabalho ou pelas condições do ambiente de trabalho.
Exemplo: a LER. O trabalhador digita muito todos os dias. Com os movimentos repetitivos ele acaba desenvolvendo
uma doença chamada de LER( Lesão por Esforço Repetitivo)
9.1.1 Casos que não caracteriza o acidente de trabalho




Se você ganha vale transporte e está de carona ao sofrer um acidente em seu percurso de trabalho;
Se você está fora da rota de seu trabalho;
Se você está com seu carro e recebe vale transporte, a menos que conste no seu contrato.
É considerado como dia do acidente, no caso de doença profissional ou de trabalho, a data do início da
incapacidade laborativa para o exercício da atividade habitual ou o dia em que foi realizado o diagnóstico,
valendo, para este efeito o que ocorrer primeiro.
Obs: Caso ocorra um acidente na hora do almoço, ou na hora do seu descanso, ou quando satisfizer suas
necessidades fisiológicas no local de trabalho ou durante este, o empregado é considerado no exercício do trabalho.
9.2 Procedimentos em caso de Acidente de Trabalho
o art. 134 afirma que:
“A empresa deverá comunicar o acidente do trabalho à Previdência Social até o primeiro dia útil seguinte ao da
ocorrência e, em caso de morte, de imediato, à autoridade competente, sob pena de multa variável entre o limite
mínimo e o limite máximo do salário-de-contribuição sucessivamente aumentada nas reincidências, aplicada e
cobrada na forma do art. 109 do Regulamento da Organização e do Custeio da Seguridade Social - ROCSS.
Comentário: A empresa comunica o acidente através da CAT(Comunicação de Afastamento do Trabalho) até o
primeiro dia útil seguinte do acidente. Se o trabalhador morrer deve ser feita a CAT e comunicar a polícia
imediatamente. Caso a empresa não faça a CAT ela pode sofrer uma multa.
§ 1º Da comunicação a que se refere este artigo receberão cópia fiel o acidentado ou seus dependentes, bem como
o sindicato a que corresponda a sua categoria.
Comentário: o acidentado ou sua família ou sindicato receberão uma via da CAT.
§ 2º Na falta do cumprimento do disposto no caput, caberá ao setor de benefícios do Instituto Nacional do Seguro
Social-INSS comunicar a ocorrência ao setor de fiscalização, para a aplicação e cobrança da multa devida.
Comentário: O INSS comunicará ao setor de fiscalização caso não seja feita a CAT para multar a empresa.
§ 3º Na falta de comunicação por parte da empresa, podem formalizá-la o próprio acidentado, seus dependentes, a
entidade sindical competente, o médico que o assistiu ou qualquer autoridade pública, não prevalecendo nestes
casos o prazo previsto neste artigo.
Comentário: A CAT pode ser feita pelo acidentado ou dependentes e assinada pelo sindicato, médico que atendeu o
acidentado, qualquer autoridade pública como bombeiros, policiais, juízes, etc., desde que tenha o Boletim de
Ocorrência.
§ 4º A comunicação a que se refere o § 3º não exime a empresa de responsabilidade pela falta do cumprimento do
disposto neste artigo.
Comentário: A empresa é responsável pela emissão da CAT.
§ 5º Os sindicatos e entidades representativas de classe poderão acompanhar a cobrança, pela Previdência Social,
das multas previstas neste artigo.”
Comentário: os sindicatos e representantes da classe trabalhadora podem acompanhar as multas cobradas as
149
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
empresas pelo não preenchimento da CAT.
O Art. 136. Em caso de acidente do trabalho, o acidentado e os seus dependentes têm direito, independentemente
do cumprimento de carência, às seguintes prestações e serviços:
I - quanto ao segurado:
a) auxílio-doença;
b) aposentadoria por invalidez;
c) auxílio-acidente;
II - quanto ao dependente:
a) pensão por morte;
III - quanto ao segurado e dependente:
a) serviço social;
b) reabilitação profissional.
9.3. CAT (Comunicado de Acidente de Trabalho)
O acidente de trabalho deve ser comunicado à Previdência Social através da CAT (Comunicação de
Acidente de trabalho). O registro da CAT deverá ser feito em todos os casos de ocorrência de acidentes, mesmo
naquele em que não é necessário o afastamento do trabalho.
Acidente em obra
acidente com a mãos
9.3.1 Finalidade da CAT
A finalidade da CAT é proteger o empregado e o empregador, além do mais o INSS através dela, poderá ter
a estimativa dos acidentes, e a partir da análise e resultados obtidos, poderá solicitar que mais Normas de segurança
sejam estudadas para evitar estes acidentes.
A CAT é geralmente entendida pelos empregadores como um documento que pode prejudicá-lo. Ao contrário,
através da comunicação da CAT, o empregador estará assegurando o direito do trabalhador e ao mesmo tempo se
protegendo, pois se não for emitida a CAT e o trabalhador ficar inválido, o empregador vai arcar com todas as
responsabilidades financeiras que caberiam a Previdência Social, caso a comunicação fosse feita na época
correspondente ao acidente. Ou seja, todo e qualquer tipo de seqüela temporária (auxílio doença acidentário) ou
definitiva (invalidez acidentária com a possibilidade além da aposentadoria, o pagamento de um pecúlio pelo resto da
vida deste mesmo funcionário, o que normalmente só é dado pela Justiça através das Ações Judiciais impetradas
junto a Justiça Trabalhista através das Varas de Acidente de Trabalho. Para o trabalhador acidentado a Lei 8.213/91
instituiu a garantia de emprego por doze meses, após a cessação do auxílio doença para o empregado acidentado. E
se o trabalhador ficar de auxílio doença comum (espécie 31) ele fica garantido no emprego 30 dias após a alta.
A comunicação do acidente será feita ao INSS por intermédio do formulário CAT, preenchido em seis vias,
com a seguinte destinação:
1ª via – ao INSS;
2ª via – à empresa;
3ª via – ao segurado ou dependente;
4ª via – ao sindicato de classe do trabalhador;
150
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
5ª via – ao Sistema Único de Saúde – SUS;
6ª via – à Delegacia Regional do Trabalho – DRT.
TABELA 19 TIPOS DE CAT
Ocorrências:
a) acidente do trabalho, típico ou de trajeto, ou doença profissional
ou do trabalho;
b) reinício de tratamento ou afastamento por agravamento de lesão
de acidente do trabalho ou doença profissional ou do trabalho, já
comunicado anteriormente ao INSS;
c) falecimento decorrente de acidente ou doença profissional ou do
trabalho, ocorrido após a emissão da CAT inicial.
Tipos de CAT:
CAT inicial;
CAT reabertura;
CAT
comunicação
óbito.
de
9.3.2 Comunicação de Reabertura da CAT
Segundo ao subitem 2.1 do manual da CAT, as reaberturas deverão ser comunicadas ao INSS pela empresa
ou beneficiário, quando houver reinício de tratamento ou afastamento por agravamento de lesão de acidente do
trabalho ou doença ocupacional comunicado anteriormente ao INSS.
No subitem 2.2, na CAT de reabertura deverão constar as mesmas informações da época do acidente,
exceto quanto ao afastamento, último dia trabalhado, atestado médico e data da emissão, que serão relativos à data
da reabertura.
9.3.3 Comunicação de Óbito por Acidente de Trabalho (CAT)
No subitem 3.1, O óbito decorrente de acidente ou doença ocupacional, ocorrido após a emissão da CAT
inicial ou da CAT reabertura, será comunicado ao INSS através da CAT comunicação de óbito, constando a data do
óbito e os dados relativos ao acidente inicial. Anexar a Certidão de Óbito e, quando houver, o laudo de necropsia.
9. 3.4 Modelo da CAT
9.4 Desconto da Empresa para a Previdência para Acidentes de Trabalho
151
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
A Lei 9032, de 29/04/95 afirma que o empregador deve efetuar mensalmente uma contribuição para custear
as despesas decorrentes do acidente de trabalho. Estes descontos são de acordo com os riscos de acidentes na
empresa. São eles:
 1 % sobre o valor da folha de pagamento para empresas cuja atividade é considerada risco leve,
 2% sobre a folha de pagamento para empresas cuja atividade é considerada risco médio.
 3% sobre a folha de pagamento para empresas cuja atividade é considerada risco grave.
9.5 Acidente Fatal
A NR-18 cita no item 18.31.1. “Em caso de ocorrência de acidente fatal, é obrigatória a adoção das seguintes
medidas:
•
a) comunicar o acidente fatal, de imediato, à autoridade policial competente e ao órgão regional do Ministério
do Trabalho, que repassará imediatamente ao sindicato da categoria profissional do local da obra; (118.572-1
/ I4)
•
b) isolar o local diretamente relacionado ao acidente, mantendo suas características até sua liberação pela
autoridade policial competente e pelo órgão regional do Ministério do Trabalho. (118.573-0 / I4)
•
Na NR18 no item: 18.31.1.1. “A liberação do local poderá ser concedida após a investigação pelo órgão
regional competente do Ministério do Trabalho, que ocorrerá num prazo máximo de 72 (setenta e duas)
horas, contado do protocolo de recebimento da comunicação escrita ao referido órgão, podendo, após esse
prazo, serem suspensas as medidas referidas na alínea "b" do subitem 18.31.1.”
acidente fatal - O trabalhador foi esmagado pelo trator na obra.
“Não se esqueça, a CAT deve ser emitida até quando um funcionário arranhar um dedo. Lembre que
atualmente existem doenças que só se processam algum tempo depois e a empresa vai arriscar muito não fazendo a
CAT, porque se o seu funcionário ficar inválido, e ficar comprovado culpa grave da empresa, ela pagará o pecúlio
pelo resto da vida do funcionário inválido. A CAT é uma segurança para o trabalhador e patrão!”
Exemplo de um caso de acidente:
Acidente em painel elétrico. O trabalhador encostou nos barramentos de 480Volts, e foi lançado para fora
devido ao curto entre fases, que provocou uma explosão no local. O trabalhador sofreu lesões nas mãos e
queimaduras. Ele estava usando os EPIS, imagine se ele não estivesse equipado? A empresa não fez a CAT, e o
trabalhador solicitou ao médico que o atendeu no Hospital que assinasse. O médico assinou a CAT e a empresa
sofreu uma fiscalização para saber o porquê não emitiu a CAT e foi multada.
Exercícios:
1. Relacione a descrição ao tipo correspondente de acidente de trabalho.
1-Acidentes que ocorrem no desenvolvimento do trabalho na própria empresa ou a serviço desta.
2-Acidentes que ocorrem no trajeto entre a residência e o trabalho ou vice-versa.
3 - Doenças causadas pelo tipo de trabalho ou pelas condições do ambiente de trabalho.
152
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
( )Doenças Ocupacionais
( )Acidentes Típicos
( )Acidentes de Trajeto
2. Assinale Verdadeiro ou Falso para cada uma das afirmações.
Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa, ou ainda pelo exercício do
trabalho dos segurados especiais, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte, a
perda ou redução da capacidade para o trabalho, permanente ou temporária.( )
A doença profissional, assim entendida a produzida ou desencadeada pelo exercício do trabalho peculiar a
determinada é considerada acidente do trabalho.( )
A doença do trabalho, assim entendida a adquirida ou desencadeada em função de condições especiais em que
o trabalho é realizado e com ele se relacione diretamente, é considerada acidente do trabalho.( )
A legislação brasileira não considera como acidente de trabalho a doença profissional, ou seja, aquela
desenvolvida pelo trabalhador quando ele faz muito movimento repetitivo. ( )
3. Assinale Verdadeiro ou Falso: em relação ao acidente de trabalho podemos afirmar:
É caracterizado como acidente de trabalho se você ganha vale transporte e está de carona ao sofrer um acidente
em seu percurso de trabalho.( )
Não é caracterizado como acidente de trabalho se você está fora da rota de seu trabalho.(
)
Não é caracterizado como acidente de trabalho se você está com seu carro e recebe vale transporte, a menos
que conste no seu contrato. ( )
É considerado como dia do acidente, no caso de doença profissional ou de trabalho, a data do início da
incapacidade laborativa para o exercício da atividade habitual ou o dia em que foi realizado o diagnóstico,
valendo, para este efeito o que ocorrer primeiro.( )
Não é considerado acidente de trabalho quando ocorre um acidente na hora do almoço, ou na hora do descanso
do trabalhador, mesmo que ocorra no local de trabalho. ( )
4. Assinale Verdadeiro ou Falso para cada uma das afirmações sobre os procedimentos em caso de acidente de
trabalho.
A empresa deve comunicar o acidente através da CAT (Comunicação de Afastamento do Trabalho) até o
primeiro dia útil seguinte do acidente. Caso a empresa não faça a CAT ela pode sofrer uma multa.( )
Se o trabalhador morrer não é necessário fazer a CAT. Basta comunicar a polícia imediatamente. (
Apenas o sindicato a que o trabalhador for filiado receberá uma via da CAT.(
)
)
O INSS deverá comunicar ao setor de fiscalização, caso não seja feita a CAT, para multar a empresa.(
)
A CAT pode ser feita pelo acidentado ou dependentes e assinada pelo sindicato, médico que atendeu o
153
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
acidentado, qualquer autoridade pública como bombeiros, policiais, juízes, etc., desde que tenha o Boletim de
Ocorrência.( )
Os sindicatos e representantes da classe trabalhadora podem acompanhar as multas cobradas às empresas
pelo não preenchimento da CAT.( )
5. Relacione cada um dos direitos listados a quem será beneficiado, em caso de acidente do trabalho.
1-Auxílio-doença
( ) segurado
2-Aposentadoria por invalidez
( ) dependente
3-Auxílio-acidente
( ) segurado e dependente
4-Pensão por morte
( ) segurado e dependente
5-Serviço social
(
6-Reabilitação profissional
( ) segurado
6-
) segurado
Assinale Verdadeiro ou Falso para cada uma das afirmações sobre finalidades
da CAT.
O INSS, através da CAT, poderá ter a estimativa dos acidentes e, a partir da análise dos resultados obtidos,
solicitar que mais Normas de segurança sejam estudadas para evitar estes acidentes. ( )
Através da CAT o empregador assegura o direito do trabalhador e ao mesmo tempo se protege, pois se ela não
for emitida e o trabalhador ficar inválido, o empregador arcará com todas as responsabilidades financeiras que
caberiam a Previdência Social.( )
A finalidade da CAT é proteger o empregador contra causas trabalhistas.( )
7. Assinale a alternativa CORRETA. Os três tipos de CAT são:
( )Inicial, Reabertura e Comunicação de óbito
( )Inicial, Intermediária e Final
( )Primeira, Segunda e Terceira
( )Inicial, Reincidência e Falecimento
8. A Lei 9032, de 29/04/95 afirma que o empregador deve efetuar mensalmente uma contribuição para custear as
despesas decorrentes do acidente de trabalho, de acordo com os riscos de acidentes na empresa. Assinale a
alternativa INCORRETA sobre essa contribuição:
( )1% sobre o valor da folha de pagamento para empresas cuja atividade é considerada risco leve,
( )2% sobre a folha de pagamento para empresas cuja atividade é considerada risco médio.
( )3% sobre a folha de pagamento para empresas cuja atividade é considerada risco grave.
( )4% sobre a folha de pagamento para empresas cuja atividade é considera risco gravíssimo.
154
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
9. Assinale a alternativa INCORRETA. De acordo com a NR-18, em caso de ocorrência de acidente fatal, é
obrigatória a adoção das seguintes medidas:
( )Comunicar o acidente fatal, de imediato, à autoridade policial competente e ao órgão regional do Ministério do
Trabalho, que repassará imediatamente ao sindicato da categoria profissional do local.
( )Isolar o local diretamente relacionado ao acidente, mantendo suas características até sua liberação pela
autoridade policial competente e pelo órgão regional do Ministério do Trabalho.
( )Documentar o fato com fotos, relato descritivo e testemunhas e registrar tudo em cartório, além de enviar
cópia para o sindicato.
( )A liberação do local poderá ser concedida após a investigação pelo órgão regional competente do Ministério
do Trabalho.
CAPÍTULO 10: NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS NBR 5410/ 14039 E OUTRAS
Neste capítulo o aluno conhecerá um pouco sobre as NBR´s( Normas Brasileiras) e NR‟s (Normas
Regulamentadoras e para que servem.
As Normas técnicas oficiais são desenvolvidas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e
registradas no Instituto Nacional de Metrologia e Qualidade Industrial (INMETRO). As NBRs não são obrigatórias,
porém quando uma Norma Regulamentadora cita a NBR ela passa a se tornar obrigatória. Um eletricista deve
estudar as NBRs que fazem parte do seu trabalho, a fim de conhecer tipo de materiais aconselhados, tipos de
instalações, uso de DR etc... Vamos ver algumas que são importantes para o pessoal de eletricidade:
10.1 NBR 5410 – Instalações elétricas de baixa tensão
Esta NBR 5410 é obrigatória quando se fala em segurança em eletricidade. Ela apresenta várias tabelas, com
cálculos de dimensionamento de condutores e dispositivos de proteção.
A Norma traz os aspectos de segurança em instalações elétricas de maneira detalhada, a fim de orientar os
trabalhadores na execução dos serviços, dentro dos padrões da NR10. Todo trabalhador em eletricidade deve
conhecer bem esta norma.
10.2 NBR 14039 – Instalações elétricas de média tensão de 1,0 kv a 36,2 kv
A NBR 14039 abrange as instalações de consumidores, incluindo as subestações dentro de cada faixa de
tensão específica.
Esta NBR não inclui as redes de distribuição das concessionárias de energia elétrica. Esta norma estabelece
critérios de segurança para subestações consumidoras, no acesso, na infra-estrutura e nos procedimentos de
trabalho.
10.3 NBR 5418 - Instalações elétricas em atmosferas explosivas
Estabelece as condições para a seleção e aplicação de equipamentos, projeto e montagem das instalações
elétricas em atmosferas explosivas por gás ou por vapores inflamáveis.
10.4 NBR 5419 - Proteção de estruturas contra descargas atmosféricas
Estabelece as condições do projeto, instalação e manutenção dos sistemas de proteção contra descargas
atmosféricas (SPDA) de estruturas.
10.5 NBR13570 - Instalações elétricas em locais de afluência de público – requisitos específicos
Estabelece os requisitos específicos que são exigidos nas instalações elétricas em locais de afluência de
público, a fim de garantir o seu funcionamento adequado a segurança das pessoas e de animais domésticos e a
conservação de bens.
10.6 Regulamentação do Ministério do Trabalho e Emprego
O Ministério do Trabalho e Emprego incluiu nas normas regulamentadoras a proteção a segurança e a saúde
dos trabalhadores. São 33 normas regulamentadoras e tinham 5 normas regulamentadoras rurais foram revogadas.
Estas normas é que vão especificar em seus itens o que deve ser feito em prol da qualidade de trabalho no sentido
de oferecer sempre segurança e saúde para diversos tipos de trabalho.
155
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
10.7 As Normas Regulamentadoras (NRs)
As normas regulamentadoras são de observância obrigatória por todas as empresas. É muito bom que vocês
conheçam de que se trata cada uma delas e vejam as que vocês devem ler todo o conteúdo. A informação é poder!
Para exigir seus direitos você deve conhecê-las. Mas lembre, você também tem deveres a cumprir com a empresa.
NR 1 Disposições Gerais
Todas as NRs são de observância obrigatória pelas empresas privadas e públicas e pelos órgãos públicos de
administração direta e indireta, que possuam empregados regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho - CLT.
Estabelece a importância, funções e competência da Delegacia Regional do Trabalho, o que cabe ao trabalhador e
ao empregador.
NR 2 Inspeção Prévia
Todo estabelecimento novo, antes de iniciar suas atividades, deverá solicitar aprovação de suas instalações
ao Órgão do Ministério do Trabalho.
NR 3 Embargo ou Interdição
A Delegacia Regional do Trabalho conforme o caso, à vista de laudo técnico do serviço competente que
demonstre grave e iminente risco para o trabalhador, poderá interditar o estabelecimento, setor de serviço, máquina
ou equipamento, ou embargar a obra. Se houver embargo, o trabalhador deverá receber seu salário normalmente, ou
seja, não pode ser descontado pelos dias parados.
NR 4 Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho
Empresas privadas ou públicas, que possuam empregados regidos pela CLT, manterão obrigatoriamente
Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, com a finalidade de promover a
saúde e proteger a integridade do trabalhador no local de trabalho, vinculados à graduação do risco da atividade
principal e do número total de empregados do estabelecimento. O técnico de segurança deverá ter 8 hs de trabalho
diárias. E deve se ter um técnico de segurança, quando se tem mais de 50 funcionários.
NR 5 CIPA
As empresas privadas, públicas e órgãos governamentais que possuam empregados regidos pela CLT ficam
obrigados a organizar e manter em funcionamento uma Comissão Interna de Prevenção de Acidentes, a CIPA. A
CIPA pode ser constituída a partir de 20 funcionários. O presidente é indicado pelo empresário e o trabalhador
poderá escolher seu representante a vice-presidente.
NR 6 Equipamento de Proteção Individual
Para os fins de aplicação desta NR, considera-se EPI todo dispositivo de uso individual, de fabricação
nacional ou estrangeira, destinado a proteger a saúde e a integridade física do trabalhador. A empresa é obrigada a
fornecer aos empregados gratuitamente e o empregado a cuidar dos seus EPIS. Todo EPI tem que ter certificado de
Aprovação(CA).
NR 7 Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional
Esta NR estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação, por parte de todos os empregadores
e instituições que admitam trabalhadores como empregados, do Programa de Controle Médico de Saúde
Ocupacional (PCMSO), cujo objetivo é promover e preservar a saúde dos seus trabalhadores, através dos exames de
admissão, do periódico e do demissional.
NR 8 Edificações
Esta NR estabelece requisitos técnicos mínimos que devam ser observados nas edificações para garantir
segurança e conforto aos que nelas trabalham.Como por exemplo colocação nos pisos, rampas e corredores de
materiais antiderrapantes.
NR 9 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA)
Esta NR estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação, por parte de todos os empregadores
e instituições que admitam trabalhadores como empregados, do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais(
156
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
PPRA) através da antecipação, reconhecimento, avaliação e conseqüente controle da ocorrência de riscos
ambientais existentes ou que venham a existir no ambiente de trabalho.
NR 10 Instalações e Serviços em Eletricidade
Esta NR fixa as condições mínimas exigidas para garantir a segurança dos empregados que trabalham em
instalações elétricas, ou em suas proximidades, em suas etapas, incluindo projeto, execução, operação, manutenção,
reforma e ampliação e ainda, a segurança de usuários e terceiros.
NR 11 Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais
Esta NR estabelece normas de segurança para operação de elevadores, guindastes, transportadores
industriais e máquinas transportadoras. O armazenamento de materiais deverá obedecer aos requisitos de segurança
para cada tipo de material.
NR 12 Máquinas e Equipamentos
Esta NR estabelece os procedimentos obrigatórios nos locais destinados a máquinas e equipamentos, como
piso, áreas de circulação, dispositivos de partida e parada, normas sobre proteção de máquinas e equipamentos,
bem como manutenção e operação.
NR 13 Caldeiras e Vasos de Pressão
Esta NR estabelece os procedimentos obrigatórios nos locais onde se situam as caldeiras de qualquer fonte
de energia, projeto, acompanhamento de operação e manutenção, inspeção e supervisão de inspeção de caldeiras e
vasos de pressão, em conformidade com a regulamentação profissional vigente no País.
NR 14 Fornos
Esta NR estabelece os procedimentos mínimos, fixando construção sólida, revestida com material refratário,
de forma que o calor radiante não ultrapasse os limites de tolerância, oferecendo o máximo de segurança e conforto
aos trabalhadores.
NR 15 Atividades e Operações Insalubres
Esta NR estabelece os procedimentos obrigatórios, nas atividades ou operações insalubres que são
executadas acima dos limites de tolerância previstos na Legislação, comprovadas através de laudo de inspeção do
local de trabalho. Agentes agressivos: ruído, calor, radiações, pressões, frio, umidade, agentes químicos.
O Perfil Profissiográfico Previdenciário deve ser assinado pelo responsável técnico da empresa devidamente
habilitado ( exigido a partir de janeiro de 2004 pelo decreto 4032/2001) .E deve se juntar também o LTCAT Laudo
Técnico das Condições Ambientais do Trabalho. O valor é de 10% , 20 ou 40% sobre o salário mínimo vingente.
NR 16 Atividades e Operações Perigosas
Esta NR estabelece os procedimentos nas atividades exercidas pelos trabalhadores que manuseiam e/ou
transportam explosivos ou produtos químicos, classificados como inflamáveis, substâncias radioativas e serviços de
operação e manutenção. O vr da periculosidade é de 30% do salário do trabalhador sem acréscimos de gratificações.
NR 17 Ergonomia
Esta NR visa estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características
psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto, segurança e desempenho
eficiente.
NR 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção
Esta NR estabelece diretrizes de ordem administrativa, de planejamento e de organização, que objetivam a
implementação de medidas de controle e sistemas preventivos de segurança nos processos, nas condições e no
meio ambiente de trabalho na Indústria da Construção.
PCMAT- Programa de Codições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção diz que tem que ter
alojamento, escadas na construção...
157
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
NR 19 Explosivos
Esta NR estabelece o fiel cumprimento do procedimento em manusear, transportar e armazenar explosivos.
NR 20 Líquidos Combustíveis e Inflamáveis
Esta NR estabelece a definição para Líquidos Combustíveis, Líquidos Inflamáveis e Gás Liquefeito de
Petróleo, parâmetros para armazenar, como transportar e como devem ser manuseados pelos trabalhadores.
NR 21 Trabalhos a céu aberto
Esta NR estabelece os critérios mínimos para os serviços realizados a céu aberto, sendo obrigatória a
existência de abrigos, ainda que rústicos, capazes de proteger os trabalhadores contra intempéries.
NR 22 Segurança e Saúde Ocupacional na Mineração
Esta NR estabelece sobre Segurança e Medicina do Trabalho em minas, determinando que a empresa
adotará métodos e manterá locais de trabalho que proporcionem a seus empregados condições satisfatórias de
Segurança e Medicina do Trabalho. Programa de gerenciamento de Riscos.
NR 23 Proteção contra incêndios
Esta NR estabelece os procedimentos que todas as empresas devam possuir, no tocante à proteção contra
incêndio, saídas de emergência para os trabalhadores, equipamentos suficientes para combater o fogo e pessoal
treinado no uso correto.
NR 24 Condições Sanitárias e de Conforto nos Locais de Trabalho
Esta NR estabelece critérios mínimos, para fins de aplicação de aparelhos sanitários, gabinete sanitário,
banheiro, cujas instalações deverão ser separadas por sexo, vestiários, refeitórios, cozinhas e alojamentos.
NR 25 Resíduos Industriais
Esta NR estabelece os critérios que deverão ser eliminados dos locais de trabalho, através de métodos,
equipamentos ou medidas adequadas, de forma a evitar riscos à saúde e à segurança do trabalhador.
NR 26 Sinalização de Segurança
Esta NR tem por objetivos fixar as cores que devam ser usadas nos locais de trabalho para prevenção de
acidentes, identificando, delimitando e advertindo contra riscos.
NR 27 Registro Profissional do Técnico de Segurança do Trabalho no Ministério do Trabalho
Esta NR estabelece que o exercício da profissão depende de registro no Ministério do Trabalho, efetuado
pela SSST, com processo iniciado através das Delegacias Reginais doTrabalho.
Esta NR foi revogada de acordo com a PORTARIA Nº 262 DE 29 DE MAIO DE 2008 (DOU de 30/05/2008 – Seção 1
– Pág. 118)
De acordo com o Art. 2º da supracitada Diário Oficial daUnião (DOU), o registro profissional será efetivado
pelo Setor de Identificação e Registro Profissional das Unidades Descentralizadas do Ministério do Trabalho e
Emprego, mediante requerimento do interessado, que poderá ser encaminhado pelo sindicato da categoria. O
lançamento do registro será diretamente na Carteira de Trabalho e Previdência Social – CTPS.
NR 28 Fiscalização e Penalidades
Esta NR estabelece que Fiscalização, Embargo, Interdição e Penalidades, no cumprimento das disposições
legais e/ou regulamentares sobre segurança e saúde do trabalhador, serão efetuados, obedecendo ao disposto nos
Decretos Leis.
158
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
NR 29 Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde no Trabalho Portuário
Esta NR regulariza a proteção obrigatória contra acidentes e doenças profissionais, alcançando as melhores
condições possíveis de segurança e saúde aos trabalhadores, que exerçam atividades nos portos organizados e
instalações portuárias de uso privativo e retroportuárias, situadas dentro ou fora da área do porto organizado.
NR 30 Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde no Trabalho Aquaviário
Esta norma aplica-se aos trabalhadores das embarcações comerciais, de bandeira nacional, bem como às de
bandeiras estrangeiras, no limite do disposto na Convenção da OIT n.º 147 - Normas Mínimas para Marinha
Mercante, utilizados no transporte de mercadorias ou de passageiros, inclusive naquelas utilizadas na prestação de
serviços, seja na navegação marítima de longo curso, na de cabotagem, na navegação interior, de apoio marítimo e
portuário, bem como em plataformas marítimas e fluviais, quando em deslocamento.
NR 31 Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde no Trabalho na Agricultura, Pecuária Silvicultura,
Exploração Florestal e Aquicultura
Esta Norma Regulamentadora se aplica às atividades de exploração industrial desenvolvidas em
estabelecimentos agrários, nos programas de controle de saúde rural. Esta norma trata do planejamento da
organização e do desenvolvimento das atividades de agricultura, pecuária, sericultura, exploração florestal e
aquicultura com segurança e saúde para o trabalhador. Sua existência é assegurada pelo artigo 13 da Lei nº5. 889,
de 8 de junho de 1973.
NR 32 - Segurança e Saúde no Trabalho em Estabelecimentos de Saúde
Esta norma preocupa-se com a saúde e segurança do trabalhador, abordando os agentes biológicos e
classificando-os. Ela implementa medidas de proteção à segurança e saúde dos trabalhadores dos serviços de
saúde, e daqueles que exercem atividades de promoção e assistência á saúde em geral.
NR 33 - Norma Regulamentadora Nº 33 - Segurança e Saúde no Trabalho em Espaços Confinados
Esta norma se aplica no trabalho em espaços confinados abordando a entrada do trabalhador autorizado
neste espaço sempre com supervisão. Para efetuar um trabalho em espaço confinado com segurança é preciso da
autorização da PET (Permissão de entrada de Trabalho). Esta norma trata de todos os passos que devem ser feitos
para a execução de um serviço em espaço confinado de maneira segura.
Normas Regulamentadoras Rurais Nº 1
Revogada pela Portaria GM n.º 191, 15/04/2008
Disposições Gerais
Normas Regulamentadoras Rurais Nº 2
Revogada pela Portaria GM n.º 191, 15/04/2008
Serviço Especializado em Prevenção de Acidentes do Trabalho Rural - SEPATR
Normas Regulamentadoras Rurais Nº 3
Revogada pela Portaria GM n.º 191, 15/04/2008
Comissão Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho Rural - CIPATR
Normas Regulamentadoras Rurais Nº 4
Revogada pela Portaria GM n.º 191, 15/04/2008
Equipamento de Proteção Individual - EPI
Normas Regulamentadoras Rurais Nº 5
Revogada pela Portaria GM n.º 191, 15/04/2008
Produtos Químicos
OBS: As 5 Normas Regulamentadoras Rurais foram revogadas( não são mais utilizadas)
159
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
Exercício:
1)Cace as palavras encontrando as Normas Regulamentadoras:
CIPA ( NR5)
EDIFICAÇÔES (NR8)
EXPLOSIVOS (NR19)
FORNOS (NR14)
ERGONOMIA (NR17)
L
L
B
W
C
C
C
I
L
H
H
W
Z
A
E
H
R
Z
O
J
K
I
N
C
P
N
V
I
D
R
L
T
Y
Y
I
I
P
T
G
R
Z
M
U
A
G
V
N
J
J
A
Y
A
M
E
O
O
M
L
U
O
E
D
I
F
I
C
A
Ç
Õ
E
S
K
W
B
N
S
O
K
Q
S
X
E
V
O
P
O
Z
J
Z
O
J
Q
T
O
O
S
V
G
K
J
M
J
I
D
M
R
F
M
V
V
Q
R
C
T
R
H
U
Z
H
I
T
L
E
P
I
E
Z
Q
D
M
J
M
Q
X
A
U
Q
K
F
S
U
A
D
S
T
B
R
K
Z
E
M
V
K
O
O
G
A
P
R
X
E
X
Q
W
S
P
B
J
H
L
R
K
F
E
M
M
M
H
N
C
L
J
V
C
P
A
N
V
Y
M
A
S
X
Z
S
M
L
E
W
X
C
P
O
T
X
O
O
C
L
L
R
X
X
T
E
V
H
N
S
F
B
Z
K
N
H
160
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
CAPÍTULO 11: DICAS DA NORMA
Neste capítulo o aluno encontrará diversas dicas da NBR 5410 e NR 10 para que possa fazer seu trabalho
com condições seguras. Vale a pena você ler a NBR 5410 e ver o que mudou e o que eles aconselham na execução
de instalações elétricas.
Vejamos alguns itens importantes.
11,1. Emendas de Fios
1- Descasque os fios
2- Dê 2 a 3 voltas com a mão
3- Dê 10 voltas bem apertadas( 5 voltas de cada lado do fio)
11.1.1 Emendas de Fios na Caixa de Derivação:
Dê 5 a 10 voltas bem apertadas com o alicate.
11.1.2 Emendas de Fios em Caixa de Passagem:
Dê 5 a 10 voltas bem apertadas com alicate
161
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
As emendas dos fios devem ficar dentro da caixa de passagem tampada a cada 6 metros. (6.2.11.1.6- NBR 5410). As
emendas devem estar em caixas de passagem com tampas e parafusos.
11.2.1 Tomadas
As tomadas têm que ser 2p+t ( 2 pólos + terra)com aterramento. ( 6.5;.6.1 NBR 5410), sendo que as tomadas
tripolares não serão mais permitidas.
A partir de 1º de janeiro de 2009, fabricantes e importadores não mais poderão comercializar tomadas e
plugues em desacordo com o padrão brasileiro, estabelecido pela norma ABNT NBR 14136, de 2002. É o que
determina a RESOLUÇÃO CONMETRO n º 11, de 20 de dezembro de 2006.
A padronização cumpre importantes objetivos: pôr fim à diversidade no formato de tomadas existentes,
colocando um padrão de tomadas, a exemplo de inúmeras outros países, que definiram seus modelos de tomadas e
plugues e garantir a segurança.
As tomadas deverão ter aterramento. A tomada fixa NBR 14136 apresenta aspectos construtivos que
asseguram proteção contra choques elétricos e uma coordenação dimensional que confere às tomadas defesa contra
sobrecargas.
As Tomadas de piso devem ter caixa protetora que impossibilite a entrada de água e a tampa não deve ser de
metal (item 10.2.4.8 da NR 20/1978)
tomada a prova de água em material PVC
OBS: Não utilize vários aparelhos ligados numa tomada. É inadequado e condenado o uso do benjamim (NR 10/
1978- 10.2.4.1.1)
Não sobrecarregue as tomadas
11.2.3
Advertência nos quadros de distribuição (NBR 5410/2004 item 6.5.4.10)
Na edição 5410/2004 surge uma importante exigência: a fixação no quadro (externa ou internamente) vinda
de fábrica ou fixada na obra da seguinte advertência:
162
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
ADVERTÊNCIA ( fonte 5410/2004)
1. Quando um disjuntor ou fusível atua, desligando algum circuito ou a instalação inteira, a causa pode ser uma
sobrecarga ou um curto-circuito. Desligamentos freqüentes são sinal de sobrecarga. Por isso, NUNCA troque seus
disjuntores ou fusíveis por outros de maior corrente (maior amperagem), simplesmente. Como regra, a troca de um
disjuntor ou fusível por outro de maior corrente requer, antes, a troca dos fios e cabos elétricos, por outros de maior
seção (bitola).
2. Da mesma forma, NUNCA desative ou remova a chave automática de proteção contra choques elétricos
(dispositivo DR), mesmo em caso de desligamentos sem causa aparente. Se os desligamentos forem freqüentes e,
principalmente, se as tentativas de religar a chave não tiverem êxito, isso significa, muito provavelmente, que a
instalação elétrica apresenta internamente anomalias internas, que só podem ser identificadas e corrigidas por
profissionais qualificados. A DESATIVAÇÃO OU REMOÇÃO DA CHAVE SIGNIFICA A ELIMINAÇÃO DE MEDIDA
PROTETORA CONTRA CHOQUES ELÉTRICOS E RISCO DE VIDA PARA OS USUÁRIOS DA INSTALAÇÃO.
11.2.4

Uso obrigatório do DR em áreas úmidas (5.1.3.2.3 NBR 5410)
O ideal é usar o DR em todos os locais que sirvam como ponto de utilização, como: banheiros, cozinha, área,
garagem e inclusive na iluminação mesmo que situados acima de 2,50 m , pois na NBR de 1997 eles
desprezavam o DR para iluminação acima de 2,50 m.
OBS: É dispensada a utilização do DR em refrigeradores, pois se desligar a corrente pode estragar os alimentos
perecíveis, uma vez que o DR não possui rearme automático.
11.2.5
Distribuição do Fio Terra
É obrigatório distribuir o condutor de proteção (fio terra) em todos os circuitos (inclusive os de iluminação) e
utilizar TODAS as tomadas de corrente na configuração 2P + T (dois pólos e terra)
Todas as caixas de derivação e passagem deverão disponibilizar o fio terra (verde ou verde-amarelo) e,
naquelas caixas onde forem instaladas tomadas estas deverão ser de três pólos (2P + T) que atendam as normas
NBR 6147 e NBR 14136.
11.2.6
Divisão da instalação (10.2.3.7 - NBR 5410)
Os circuitos elétricos com diferentes fins como telefonia, sinalização, devem ser separados e identificados. A
norma tem por objetivo não misturar circuitos de pontos de tomadas das áreas com os de outros cômodos, tais como
salas, dormitórios, banheiros. Uma instalação qualquer em local de habitação tem que ter, no mínimo, dois circuitos
de tomadas. A norma estabelece ainda que devem ser previstos circuitos terminais separados para iluminação e
tomadas

É obrigatório distribuir o condutor de proteção( fio terra) em todos os circuitos
( inclusive o de iluminação e também nas caixas das tomadas 2p+T ( NBR 6147- tomadas e 14136 de
formato de tomadas e NBR 5410)
11.2.7 Outros Itens de Segurança:
 Nas instalações elétricas a execução e manutenção devem ser realizadas por profissional qualificado e
supervisionado por profissional legalmente habilitado.
(NR18 item 18.21.1)
 É proibido o porte de ferramentas manuais em bolsos ou locais inapropriados
(NR18 item 18.22.15)
163
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
 É proibido o uso de ferramentas elétricas manuais sem duplo isolamento (NR18 item 18.22.20)












Os parafusos de caixa de passagem e de derivação devem ser de material não condutor.
(NBR5410- 6.2.11.41- 6.2.11.1.9- 6.2.11.1.2)
Usar eletrodutos que não propaguem chama (item 6.2.11.1.12- NBR 5410)
A taxa máxima de ocupação do eletroduto deve ser: 53 % no caso de um cabo, 31% no caso de dois e 40%
três ou mais cabos. (6.2.11.1.6- NBR 5410)
A cor dos eletrodutos de eletricidade segundo a NR 26 deverá ser cinza escuro.
Os fios têm cores definidas (6.1.5.3 NR 5410) como:
Fio Neutro – Azul claro (NBR 5410- 6.1.5.3.3);
FioTerra – Verde ou verde com amarelo (brasileirinho) (NBR 5410- 6.1.5.3.2) e
Fios Fases podem ser de qualquer cor, menos o amarelo se houver aterramento (NBR 5410 - 6.1.5.3.4)
Aterrar os equipamentos elétricos (4.2.2.2. NBR5410)
Fazer aterramentos temporários para executar trabalhos de forma segura (10.3.6- NR10)
Todo circuito deve ter condutor de proteção (Proteção e neutro) / (5.1.2.2.3.6 NBR 5410)
Os quadros de distribuição devem ser de metal ou material resistente ao fogo (R10 e 5410 NR 18)
Os quadros gerais de distribuição devem ser mantidos trancados, sendo os seus circuitos identificados (NR
18 – 18.21.18)
Os fios têm que passar por eletrodutos rígidos , não é mais aceitável o conduíte de plástico amarelo(item
6.2.11.1.1 da NBR 5410)
O conduite de plástico
 Melhor material para suportar calor de 250°C é o XLP (polietileno reticulado) e o EPR (borracha etileno
propileno) e o PVC (policloreto de vinila) que poderá ser utilizado, porém só agüenta até 160°C (ABNT 7286ABNT 7287 ABNT 7288 e ABNT 8661).
 As luminárias têm que ser providas de invólucros que apresentem grau de proteção IXP4 (umidade item
5.2.2.3.9.- NBR 5410)
 Fazer os esquemas unifilares das instalações elétricas (10.2.3- NR10)
 Os punhos e botoeiras (elementos de comando) dos dispositivos de seccionamento de emergência devem
ser vermelhos com fundo contrastante(10.3.9 NR10)
 O reaperto das conexões deve ser feito no máximo 90 dias após a entrada em operação da instalação
elétrica e repetido em intervalos regulares. (8.3.22/ 5410- nota)
 Não usar fio paralelo para extensões, o fio paralelo só deverá ser usado, por exemplo, num filtro de linha para
computador.
Fio paralelo
 Todas as edificações têm que estar protegidas por pára-raio e possuir aterramento (NBR 5419)
 Todos os prédios devem ter sprinklers e aterramento (10.2.3.5-NR 10)
164
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
 Cabos energizados não isolados devem estar a mais de 2,5 m de altura do solo
 Para cada serviço é necessário a Análise Preliminar de risco feita pelo Técnico de segurança junto com o
técnico responsável pelas instalações elétricas. (NR10- 10.2.1)
 Segundo a NR7, o trabalhador deve fazer exames admissional, periódico, retorno ao trabalho quando
superior a 30 dias, mudança de função e demissional. Estes exames devem estar no Prontuário de
Instalações Elétricas que a empresa deverá manter aberto aos empregados.
 O ruído tolerável por lei segundo a NR 15 é de 65 decibéis, mais que isto deve se usar o protetor auricular.
 Quanto às linhas ao ar livre, a eletrocalha sem tampa que se usa nas garagens dos shoppings, não tem limite
de número de fios a serem instalados, a norma apenas diz que os cabos devem ser dispostos em uma única
camada (NBR 5410 6.2.11.3.5)
eletrocalha
 Não se pode ligar o fio terra no fio neutro, cada um deve ter seu barramento e o fio terra deverá estar
aterrado, para segurança do usuário (NR10)
 Os prédios devem sinalizar a saída de emergência e colocar portas corta-fogo (NR23)
 O uso de tela ou painel, para isolar uma área, deve ter no mínimo 2 metros de altura. (5410 – tabela 27)
 A zona de risco é de 70 cm a distância mínima do trabalhador para o equipamento energizado. (NR 10
anexo)
 BA4 – classificação das pessoas advertidas em locais de serviço elétrico, São pessoas que estão informadas
sobre os riscos (pessoal de manutenção e operação) tabela 18- NBR 5410
 BA5- pessoas qualificadas- são pessoas com conhecimento técnico (os engenheiros e técnicos) tabela 18NBR 5410
 Os trabalhadores deverão ter o curso para prestar primeiros socorros (NR10 10.3.3.1- 1978)
 Os trabalhadores deverão saber manusear e utilizar os extintores de acordo com o tipo de fogo. (NR 10
10.3.3.2 1978)
 Proibição do cabo PP em instalações elétricas, pois são flexíveis. O cabo multipolar só poderá ser utilizado
para levar energia elétrica de um ponto a outro. Não pode haver derivação (emenda) (ABNT 7287- 72888661- 7186)
cabo multipolar flexível
 O seccionamento de energia deve ter o travamento do dispositivo de seccionamento com cadeado (NR10 e
NBR 5410- 5.6.3.2).
 Afixação de placas de advertência (NR 10)
 Instalação em local ou invólucro fechado a chave (NR 10)
 Portas tem que abrir para fora para facilitar a saída das pessoas. (5.1.6.5 – NBR5410)
 As instalações trifásicas devem ser feitas com fio de 10 mm segundo o padrão do “Recon Light”.
11.2.8 Dicas Fundamentais:






Nunca aumente o valor do disjuntor ou do fusível sem trocar a fiação.
Devem ser previstos circuitos separados para iluminação e tomadas.
Todas as tomadas devem ter um fio para o aterramento.
Disjuntor não deve ser utilizado como interruptor.
Não utilize o fio neutro como fio terra.
Apenas o aterramento não é suficiente para a proteção das pessoas contra choques elétricos. As Normas
Técnicas Brasileiras exigem o uso de disjuntores DR (Diferencial-Residual), que podem ser adquiridos em
casas de material elétrico.
 Os chuveiros elétricos devem possuir circuitos exclusivos.
165
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
11.2.9 Projetos
Nos projetos devem constar:
 Dispositivos que permitam travamento;
 Planejar espaçamento e distanciamento que sejam seguros entre as pessoas e os quadros elétricos;
 Ter “aterramento elétrico”;
 Indicar a posição “liga(vermelho) e desliga (verde)” de dispositivos de manobra;
 Planejar prevenção contra as influências ambientais como: umidade, calor, raios...
 Ter um planejamento contra incêndios e explosões;
 Descrever o princípio funcional dos elementos de proteção destinados à segurança das pessoas;
 Descrever a compatibilidade dos dispositivos de segurança.
 Ter o esquema unifilar
 Ter um memorial descritivo com todos os elementos que participam da instalação, inclusive contendo a marca
do produto utilizado.
11.2.10 Cuidado Com Seu Celular
Nunca atenda o seu celular se ele estiver recarregando a bateria, ligado a eletricidade. Na foto abaixo o
acidente foi fatal. A pessoa atendeu o seu celular conectado a tomada e recebeu uma descarga elétrica, foi
encontrada inconsciente e com queimaduras na mão. Foi socorrida e levada ao hospital, mas faleceu.
Travesseiro e colcha queimados
Siga as normas de segurança ! Lembre que você é responsável pelo bom funcionamento e segurança da instalação.
Se uma pessoa morrer devido a uma instalação fora das normas você está encrencado, pois o não cumprimento das
normas com atenuante de morte de um usuário pode ser considerado crime! Fique esperto!
Exercícios
1. Assinale Verdadeiro ou Falso para cada uma das afirmações.
Para emendar fios é preciso: descascar os fios; dar 2 a 3 voltas com a mão e finalizar dando 10 voltas bem
apertadas (5 voltas de cada lado do fio). ( )
Para emendar fios em uma caixa de derivação é preciso dar de 5 a 10 voltas bem apertadas, com o uso do
alicate.( )
Para emendar fios em uma caixa de passagem basta dar 3 voltas bem apertadas com o alicate.(
)
As emendas entre fios devem ficar em caixas de passagem com tampas fixadas por parafusos.(
)
2. Assinale Verdadeiro ou Falso: em relação ao acidente de trabalho podemos afirmar:
As tomadas têm que ser 2p+t (2 pólos + terra) com aterramento, sendo que as tomadas tripolares não serão mais
permitidas.( )
166
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
A padronização das tomadas tem como principal objetivo criar um padrão próprio nacional que não seja
confundido com o de nenhum outro país. ( )
As tomadas de piso devem ter caixa protetora que impossibilite a entrada de água e a tampa não deve ser de
metal. ( )
De acordo com as normas, não é permitido ligar vários aparelhos numa tomada, da mesma forma como é
inadequado e condenado o uso do benjamim ( )
3. Assinale Verdadeiro ou Falso para cada uma das afirmações sobre o conteúdo da advertência que deve ser
fixada nos quadros de distribuição, de acordo com as normas:
Quando um disjuntor ou fusível atua, desligando algum circuito ou a instalação inteira, a causa pode ser uma
sobrecarga ou um curto-circuito. ( )
Desligamentos freqüentes são sinais de sobrecarga. Nestes casos, troque os disjuntores ou fusíveis por outros de
maior corrente (maior amperagem). Como regra, a troca de um disjuntor ou fusível por outro de maior corrente é
a solução mais rápida e barata.( )
NUNCA desative ou remova a chave automática de proteção contra choques elétricos (dispositivo DR), mesmo
em caso de desligamentos sem causa aparente. ( )
Se os desligamentos da chave automática de proteção forem freqüentes e, principalmente, se as tentativas de
religar a chave não tiverem êxito, isso significa, muito provavelmente, que a chave automática está com defeito e
deve ser trocada.( )
A desativação ou remoção da chave significa a eliminação de medida protetora contra choques elétricos e risco
de vida para os usuários da instalação. ( )
4. Assinale Verdadeiro ou Falso para cada uma das afirmações, baseado nas normas:
O ideal é usar o DR em todos os locais que sirvam como ponto de utilização, como: banheiros, cozinha, área,
garagem e inclusive na iluminação mesmo que situados acima de 2,50 m. ( )
É obrigatório distribuir o condutor de proteção (fio terra) em todos os circuitos (inclusive os de iluminação) e
utilizar TODAS as tomadas de corrente na configuração 2P + T (dois pólos e terra) ( )
Os circuitos elétricos com diferentes fins como telefonia, sinalização, devem ser mantidos juntos e identificados.( )
Uma instalação qualquer em local de habitação tem que ter, no mínimo, dois circuitos de tomadas. A norma
estabelece ainda que devem ser previstos circuitos terminais separados para iluminação e tomadas ( )
É obrigatório distribuir o condutor de proteção (fio terra) em todos os circuitos (inclusive o de iluminação e
também nas caixas das tomadas 2p+T). ( )
167
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
5. Assinale Verdadeiro ou Falso para cada uma das afirmações.
Para emendar fios é preciso: descascar os fios; dar 2 a 3 voltas com a mão e finalizar dando 10 voltas bem
apertadas (5 voltas de cada lado do fio). ( )
Para emendar fios em uma caixa de derivação é preciso dar de 5 a 10 voltas bem apertadas, com o uso do
alicate.( )
Para emendar fios em uma caixa de passagem basta dar 3 voltas bem apertadas com o alicate.(
)
As emendas entre fios devem ficar em caixas de passagem com tampas fixadas por parafusos.(
)
6- Assinale Verdadeiro ou Falso: em relação ao acidente de trabalho podemos afirmar:
As tomadas têm que ser 2p+t (2 pólos + terra) com aterramento, sendo que as tomadas tripolares não serão mais
permitidas. ( )
A padronização das tomadas tem como principal objetivo criar um padrão próprio nacional que não seja
confundido com o de nenhum outro país. ( )
As tomadas de piso devem ter caixa protetora que impossibilite a entrada de água e a tampa não deve ser de
metal. ( )
De acordo com as normas, não é permitido ligar vários aparelhos numa tomada, da mesma forma como é
inadequado e condenado o uso do benjamim ( )
7. Assinale Verdadeiro ou Falso para cada uma das afirmações sobre o conteúdo da advertência que deve ser
fixada nos quadros de distribuição, de acordo com as normas:
Quando um disjuntor ou fusível atua, desligando algum circuito ou a instalação inteira, a causa pode ser uma
sobrecarga ou um curto-circuito. ( )
Desligamentos freqüentes são sinais de sobrecarga. Nestes casos, troque os disjuntores ou fusíveis por outros de
maior corrente (maior amperagem). Como regra, a troca de um disjuntor ou fusível por outro de maior corrente é
a solução mais rápida e barata.( )
NUNCA desative ou remova a chave automática de proteção contra choques elétricos (dispositivo DR), mesmo
em caso de desligamentos sem causa aparente. ( )
Se os desligamentos da chave automática de proteção forem freqüentes e, principalmente, se as tentativas de
religar a chave não tiverem êxito, isso significa, muito provavelmente, que a chave automática está com defeito e
deve ser trocada. ( )
A desativação ou remoção da chave significa a eliminação de medida protetora contra choques elétricos e risco
de vida para os usuários da instalação. ( )
CAPÍTULO 12 PRIMEIROS SOCORROS
Este capítulo tem como objetivo levar nosso aluno a conhecer alguns dos procedimentos de primeiros
socorros e métodos de resgate. Muitas vezes, o conhecimento de pequenas práticas socorristas pode evitar mortes.
A NR10 exige que todos aprendam como devem ser feitos procedimentos básicos, a fim de salvar vidas e diminuir as
lesões causadas por atendimentos sem conhecimento.
168
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
12.1-Primeiros Socorros
Os primeiros socorros são tratamentos imediatos e temporários, prestado a alguém em caso de acidente ou
doença súbita, até que uma assistência médica possa atendê-los.
Só faça os primeiros socorros na pessoa, se você tiver certeza do que está fazendo, caso contrário ao invés
de ajudar, você pode acabar aleijando ou até mesmo matando a vitima. Lembre-se sempre de chamar ajuda dos
especialistas (bombeiros, médicos, emergências, etc) o quanto antes.
LEMBRE-SE DO TELEFONE DO SAMU- 192
Os princípios fundamentais dos primeiros socorros são:
 Salvar uma vida
 Evitar lesões adicionais
 Obter ajuda médica qualificada
Para prestar os primeiros socorros, é útil ter em mãos alguns materiais que facilitarão os procedimentos para
o atendimento de imediato, como por exemplo, o estojo de primeiros socorros.
12.2 Estojo de Primeiros Socorros
Todas as pessoas deveriam ter em sua casa, empresa, carro, um estojo básico para acidentados. É muito mais
fácil você socorrer uma pessoa tendo em mãos o material necessário organizado numa caixinha, do que precisar
improvisar.
Um estojo básico deve ter:









Ataduras de crepom
Compressas cirúrgicas
Tesoura
Gaze
Luvas de proteção ou saco plástico
Esparadrapo
Lanterna
Ambu (reanimador manual)
Soro fisiológico
Materiais que podem ser improvisados na ausência do estojo de primeiros socorros:
 Para conter hemorragias- um pedaço de pano da roupa da vitima ou do próprio socorrista.
 Para imobilização de fraturas- pedaços de madeira ou papelão envolvidos com tiras de pano ou cinto de
couro, ou cadarços de tênis.
 Para transporte- tábua de madeira, portas...
 Para proteção das mãos do socorrista e respiração boca a boca- saco plástico
Plano de Ação: Prevenir, Alertar e Socorrer (PAS)
A pessoa que está prestando os primeiros socorros deverá seguir um plano de ação baseando-se no P.A.S.
Vejamos o que significa cada letra:
Prevenir - afastar o perigo do acidentado ou o acidentado do perigo
Alertar – telefonar para o atendimento emergencial, informando o tipo de acidente, o local, o número de vítimas e o
seu estado.
Socorrer - após as avaliações
Caixa de Primeiros Socorros
169
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
12.3 Primeiros Procedimentos do Socorrista - Avaliação Geral
Um socorrista deve sempre ter em mente que ele não é médico, e não pode medicar ninguém. Ele apenas
ajudará o acidentado aplicando os primeiros socorros, até a chegada do médico. Nunca medique ninguém, isto é
crime! Não somos capacitados para isto, apenas o médico poderá indicar alguma medicação.
Qualquer pessoa treinada poderá prestar os Primeiros Socorros, desde que haja com serenidade e confiança.
Manter a calma e o próprio controle são fatores decisivos durante o socorro.
Sempre que ocorrer um acidente, deveremos ter em mente uma sequência de passos a serem seguidos,
para que também não nos tornemos mais uma vitima.
Antes de qualquer coisa, observe o local do acidente, observando os riscos. Verifique se há necessidade
de afastar o acidentado do local por oferecer risco de morte. Como exemplo, risco de explosão. Quando você
identifica os riscos, consegue perceber quais procedimentos deverão ser utilizados a fim de não piorar a situação do
acidentado.
Quando acontece um acidente, as pessoas se aglomeram perto da vitima, atrapalhando muito o socorro. O
socorrista deve fazer uma isolação de área, até que o socorro especializado chegue. Se houver mais de um
socorrista, um deles pode cuidar da área isolada para que as pessoas se afastem e o outro pode ir prestando os
primeiros socorros. Um assumirá o papel de coordenador a fim de instruir o que os demais socorristas deverão fazer.
Devemos chamar imediatamente os bombeiros (193) ou médico, informando o tipo de acidente, quantas
vítimas, local e etc, a fim de que eles possam providenciar socorro.
Algumas precauções devem ser tomadas antes que socorrista manipule a vitima. Existe o perigo da
contaminação para ele próprio, devido ao sangue e secreções que a vitima pode expelir. Por isso, torna-se
obrigatório, durante a manipulação do paciente, proteger as mãos com luvas impermeáveis ou até mesmo
pode-se utilizar um saco plástico, para evitar a contaminação de AIDS e do vírus da hepatite.
Após estes primeiros procedimentos, o socorrista então poderá iniciar a manipulação da vitima. Inicialmente,
aproxime-se da vitima e coloque suas mãos no ombro dela perguntando se ela está bem e o que está sentindo,
tentando acalmá-la.
Então eis os primeiros procedimentos a serem seguidos pelos socorristas:
 Avaliar o local, identificar os riscos e isolar a área
 Acionar socorro especializado ( chamar o bombeiro, ou médico)
 Proteção individual para o socorrista evitar sua contaminação
12.4 Avaliação da Vitima (Uso do ABCDE):
Existe uma técnica de investigação muito utilizada para ser aplicada nas vitimas pelo socorrista. Ela se
chama fazer o ABCDE.
Abrir as vias aéreas- colocar a cabeça da vitima para trás para facilitar a respiração
Boa ventilação- verificar se está respirando
170
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
Circulação- verificar a pulsação
Distúrbios neurológicos- se a vitima responde à simples perguntas
Exame geral- procurar lesões, fraturas

Abaixo iremos explicar como fazer cada etapa. O intuito durante estes procedimentos é avaliar os sinais vitais,
isto é, avaliar os reflexos ou indícios que permitem concluir sobre o estado geral de uma vítima. São eles: pulso,
respiração, temperatura e pressão arterial. Existem também outros sinais que são importantes, como: dilatação e
reação das pupilas à luz, cor e umidade da pele, nível de consciência, mobilidade e sensibilidade do corpo.
Abrir as Vias Aéreas
Antes de abrir as vias aéreas, verifique se a vitima tem algum dente, pedaço de osso, sangue ou secreções que
possam estar sufocando-a, através da varredura na boca. Introduza o dedo indicador na boca da vítima, com um
movimento que varra o interior da garganta, retirando o objeto, se puder alcançá-lo. Nunca empurre, pois você pode
acabar de asfixiar a pessoa se o dente ou o que impede a passagem de ar ficar estacionado na traquéia;
varredura com os dedos na boca da vitima
No caso de vítimas inconscientes, ocorre um relaxamento dos músculos, os quais sustentam a língua, fazendo
com que esta caia em direção à faringe e, conseqüentemente, obstrua a passagem de ar para os pulmões. Para
evitar que a pessoa fique asfixiada com a língua interrompendo a passagem de ar, o socorrista deve fazer à abertura
das vias aéreas superiores.
Para realizar as manobras de abertura das vias aéreas, a vítima deve ser colocada em decúbito dorsal (deitada
de costas), sobre superfície plana e rígida. Se estiver em decúbito ventral (deitada de bruços) é necessário que seja
virada para a posição deitada de costas, rolando-a em bloco, com o cuidado de manter sua cabeça, pescoço, ombros
e dorso alinhados.( muito cuidado ao virá-la para não acarretar lesões).
Após deixar a vitima deitada, coloque a mão esquerda na testa dela e com o dedo indicador e médio da mão
direita coloque-os no queixo e empurre para trás. Assim ajuda também a língua a não obstruir a passagem de ar.
Muitas vezes esta manobra simples pode ajudar o acidentado a respirar melhor.
Abrindo a s vias aéreas da vitima
A estabilização da coluna cervical deverá ser feita por intermédio de imobilização manual ou utilização de um
colar cervical e deverá ser assegurada durante todo o atendimento em vítimas com história de trauma.
171
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
Esta posição facilitará a passagem de a

Boa Ventilação - Respiração
A respiração é fundamental para a manutenção da vida. É através dela que o corpo promove permanentemente o
suprimento de oxigênio necessário ao organismo.
A freqüência da respiração é contada pela quantidade de vezes que uma pessoa realiza os movimentos de
inspiração e expiração. Um adulto faz 14 a 20 respirações por minuto, uma mulher faz 16 a 22 respirações por minuto
e uma criança nos primeiros meses de vida faz 40 a 50 respirações por minuto.verifique se a vitima está respirando.
Se não estiver respirando inicie imediatamente a compressão toráxica.

Circulação- Pulsação
A pulsação corresponde às variações de pressão sanguínea na artéria durante os batimentos cardíacos. Ela é
perceptível pela palpação de uma artéria, se repetindo com regularidade conforme as batidas do coração.
Como Medir a Pulsação:
Para medir a pulsação, use o dedo indicador, médio e anular sobre a artéria escolhida para sentir o pulso,
fazendo leve pressão sobre qualquer um dos pontos onde se pode verificar mais facilmente o pulso da pessoa.
Não use o polegar para não correr o risco de sentir suas pulsações.
Conte no relógio as pulsações num período de 60 segundos.
Muitas pessoas contam a pulsação durante 15 segundos e multiplicam por 4 para dar 1 minuto, isto não é o certo,
pois se a pessoa estiver com sua pulsação oscilando vai causar diferença.
A medida da pulsação é mais fácil de ser verificada nas carótidas, pois no pulso radial, se a pressão estiver baixa,
o socorrista não consegue senti-la.
172
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
TABELA 1 PULSAÇÃO
Na tabela acima, os homens tem uma pulsação em média de 60 a 70 batimentos por minuto; As mulheres
adultas tem de 70 a 80 batimentos por minutos; As crianças acima de 7 anos tem um batimento de 80 a 90 pulsações
por minuto; crianças de 1 a 7 anos tem pulsação de 80 a 120 batimentos por minuto; crianças abaixo de um ano tem
110 a 130 batimentos por minuto e recém nascidos de 130 a 160 batimentos por minuto. Esta tabela é apenas uma
estimativa.
carótidas
OBS: RECOMENDA-SE NÃO FAZER PRESSÃO FORTE SOBRE A ARTÉRIA, POIS ISTO PODE
IMPEDIR QUE SE PERCEBAM OS BATIMENTOS.
173
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
Pulsação
radial

Distúrbios Neurológicos - Nível de Consciência
Para verificarmos o nível de consciência de uma pessoa acidentada, precisamos verificar se ela está consciente e
lhe fazer perguntas para verificarmos como o cérebro dela está reagindo e respondendo aos estímulos. Num acidente
é necessário verificar se a vitima está orientada no tempo e no espaço e se o discurso que apresenta é
compreensível. Muitas vezes uma pessoa se acidenta e está respondendo as perguntas normalmente, de repente
começa a entrar em confusão mental. Por isso é que quando uma pessoa sofre um trauma na cabeça não se deve
deixá-la dormir logo, pois precisamos observar se o acidentado está orientado ou se está com uma confusão mental.
Podemos fazer as seguintes perguntas:
-Qual o seu nome? Onde você mora? Você tem filhos? Qual o nome dos seus filhos? Quantos anos você
tem? Sente alguma dor? O que sente?
É muito importante que se converse com as pessoas acidentadas, pois até o socorro chegar essas perguntas
ajudarão na análise do médico de como está a vitima.
Se a vitima estiver inconsciente e não conseguirmos obter nenhuma resposta, precisaremos provocar dor na
vitima, verificando se esta reage. Deveremos por exemplo, observar ao darmos um beliscão na vitima, se ela sente
dor, esboçando algum tipo de reação e assim podemos ir localizando onde está a dor.
Antes de falarmos no exame geral, podemos checar ainda outros sinais vitais, como:

Pressão Arterial
A pressão arterial é a pressão do sangue que depende da força de contração do coração, do grau da
distensibilidade do sistema arterial, da quantidade de sangue e da sua viscosidade.
É importante perguntar a vitima a sua pressão arterial se geralmente é baixa ou alta e avisar ao médico que for
socorrê-la.
Em caso de pessoa hipertensa, colocá-la com a cabeça elevada até a espera do socorro.
174
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO

Temperatura
A temperatura resulta do equilíbrio térmico mantido entre o ganho e a perda de calor pelo organismo. Ela é
um importante indicador da atividade metabólica, já que o calor obtido nas reações metabólicas propaga-se pelos
tecidos e pelo sangue circulante. Precisamos verificar se o acidentado está quente ou frio, suado, pois é importante
aquecer quem sente frio, ou refrescar em caso de estar com febre. Em caso de febre, colocar compressas frias nas
axilas, na testa e nos pés para ajudar a abaixar a temperatura, pois uma febre muito alta pode desidratar rapidamente
o acidentado e levá-lo à morte.
TABELA 2 VARIAÇÃO DE TEMPERATURA DO CORPO

Dilatação da Pupila
A pupila é uma abertura no centro da íris (parte colorida do olho). Sua função é controlar a entrada de luz no
olho para a formação das imagens que vemos.
Quando a pupila é exposta à luz ela se contrai. Caso a luz seja pouca ela dilata. Ou pode acontecer de em
um olho, a pupila estar dilatada e no outro estar retraída. Todos os casos são preocupantes, pois se a pupila estiver
totalmente dilatada é sinal de que o cérebro não está recebendo oxigênio necessário.
Caso o socorrista tenha uma lanterna, coloque-a focando os olhos da vitima, que deverão ser abertos.
Verifique a reação das pupilas à luz, pois em casos graves ela não vai reagir à luz, portanto o caso é grave.
pupila

Cor e Umidade da Pele
Deverá ser observado no acidentado: a cor da pele e a umidade, a fim de sabermos se precisamos aquecê-la
com um cobertor ou resfriá-la através de compressa de água.
Se a vítima apresentar, palidez, sudorese, hipotermia (quando a temperatura da pessoa cai para menos de
35°C), pulso rápido, efetue a elevação dos membros inferiores e aqueça a vitima.
Se a vitima apresentar pele vermelha ou quente, tente colocar compressas frias na testa, axilas e pés.
175
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
TABELA 3 COR DA PELE E ESTADO DO PACIENTE
COR DA PELE
ESTADO PROVÁVEL
Cianose (azulada, arroxeada)
Parada cárdio – respiratória estado de choque
Palidez
Hemorragia, estado de choque, hipotermia
Pele vermelha e quente
Febre, queimaduras, traumatismo
Pele fria ou úmida e pegajosa
Estado de choque
OBS: Estado de choque: é quando há a diminuição do fluxo sangüíneo e de oxigenação na vitima, assim não há
irrigação sanguínea suficiente para os órgãos vitais do corpo humano, levando a pessoa à morte se não for acudida
rapidamente.

Motilidade e Sensibilidade do Corpo
Motilidade são os movimentos do corpo da vitima. Precisaremos verificar se ela mexe os dedos ou se tem
mobilidade para se mexer. Devemos verificar também a sensibilidade, isto é, checar se a vitima pode sentir ao ser
tocada pelo socorrista.
Deve ser verificado se a vitima de acidente consegue movimentar seus dedos de cada mão e os dedos dos
pés (membros superiores e inferiores). O socorrista deverá pedir que a pessoa mexa levemente os dedos das mãos e
pés.
Quando um acidentado tem dormência nas mãos e pés, tem que se tomar cuidado, pois o trauma pode ter
afetado a medula espinhal e qualquer movimento pode piorar a lesão.
Em caso de lesão na coluna, deixe o bombeiro fazer o resgate, pois qualquer movimentação pode aleijar a
vitima.
.

Exame Geral
Avaliar a cabeça- verificar se há sangramentos, lesões no rosto e verificar a cor da pele. Observar se sai sangue
pelo nariz.
Avaliar o pescoço- Observar se há lesões perfurantes, inchação, hemorragias externas, palpar as carótidas.
Avaliação do tórax- procurar ferimentos, hematomas, perfurações e observar os movimentos respiratórios se estão
normais.
Avaliação do abdômen- verificar se tem ferimentos, hematomas, perfurações e sangramentos.
Avaliação das extremidades- observar se tem ferimentos, testar a sensibilidade dos membros ao toque comparando
ambos os lados, executar pequenos movimentos suaves de flexão nos pés.
12.5 Tipos de Atendimentos
Após a avaliação dos diversos aspectos citados a cima, iremos obter um diagnostico da situação. Assim, de
acordo com as circunstancias poderemos precisar fazer os seguintes procedimentos:
12.5.1 Parada Respiratória
A parada respiratória se dá pela ausência de circulação do sangue e interrompe a oxigenação dos órgãos. Após
alguns minutos as células mais sensíveis começam a morrer. Se a pessoa não for acudida com a ventilação e a
compressão toráxica imediatamente, dificilmente sobreviverá. Saber estes procedimentos pode fazer a diferença
entre viver e morrer.
176
Escola Técnica Electra – NR-10
MATERIAL DIDÁTICO
TABELA 4 PROBABILIDADE DE SOBREVIVÊNCIA NA PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA COM
RESPIRAÇÃO BOCA A BOCA E COMPRESSÃO TORÁXICA.
A
A tabela acima mostra que conforme passam os minutos a sobrevivência fica cada vez mais difícil! Com um
minuto a pessoa tem 98% de chances de sobreviver, com 3,5 minutos a pessoa tem 25 % de chances de sobreviver
e com 5 minutos só terá 5 % de chances e aos 6 minutos ela estará morta.
Se as funções respiratórias não forem restabelecidas dentro de 3 a 4 minutos, as atividades cerebrais
cessarão totalmente, ocasionando a morte do acidentado.
Na parada cardiorrespiratória, o oxigênio não vai para o cérebro, nem para o miocárdio (músculo do
coração), condenando à pessoa a morte se não forem feitos estes procedimentos imediatamente. Assim, percebendo
que a vítima não está respirando faça imediatamente a respiração boca a boca (ou ventilação) e a compressão
toráxica.
SÃO 2 VENTILAÇÕES PARA 30 COMPRESSÕES TORÁXICAS.
Para fazer a ventilação poderá ser utilizado o ambu ( reanimador manual) e a máscara de bolso, a fim de que
o socorrista não tenha contato com a mucosa da boca da vitima, pois poderá ser contaminado em caso de doença.
177
Escola Técnica Electra – NR-10
Was this manual useful for you? yes no
Thank you for your participation!

* Your assessment is very important for improving the work of artificial intelligence, which forms the content of this project

Download PDF

advertisement