File

File
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
SUMÁRIO
VOLUME 1 – GED-2855
1- Introdução
2- Objetivo
3- Campo de Aplicação
4- Definições
5- Fornecimento – Considerações
5.1- Limites de Fornecimento
5.2- Tensão de Fornecimento
5.3- Disposições Gerais
5.4- Ligações Provisórias
5.5- Suspensão do Fornecimento
5.6- Fator de Potência – Instalação de Capacitores
6- Ligação da Unidade Consumidora
6.1- Projeto
6.2- Condições para Energização
6.3- Solicitação de Fornecimento
6.4- Solicitação de Inspeção das Instalações após o Ponto de Entrega
6.5- Ramal de Ligação - Considerações
6.6- Ramal de Entrada - Considerações
7- Critérios para Instalação de Posto de Medição, Proteção Geral e Transformação
7.1- Considerações Gerais
7.2- Posto com Transformador ao Tempo e Medição em Tensão Secundária
7.3- Posto com Transformador ao Tempo e Medição em Tensão Primária
7.4- Posto com Transformador e Medição em Tensão Secundária Abrigados
7.5- Posto com Transformador e Medição em Tensão Primária Abrigados
7.6- Posto apenas com Medição e Proteção Geral em Tensão Primária
7.7- Condições Construtivas da Cabine para Transformadores a Isolante Líquido
7.8- Condições Construtivas da Cabine para Transformadores a Seco
7.9- Características dos Transformadores
7.10- Dimensionamento do Transformador
7.11- Paralelismo de Transformadores
7.12- Numeração do Posto Cabine de Medição
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
1 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
8- Sistema de Proteção
8.1- Proteção em Média Tensão
8.2- Proteção em Baixa Tensão
9- Sistema de Aterramento
9.1- Aterramento do Posto de Medição e Transformação
9.2- Aterramento do Conjunto de Medição
10- Barramentos
11- Medição
11.1- Condições Gerais
11.2- Tipos de Medição
11.3- Instalação de Medidores - Medição em Baixa Tensão
11.4- Instalação de Medidores - Medição em Média Tensão
12- Determinação da Demanda
12.1- Recomendações
12.2- Cálculo da Carga Instalada
12.3- Cálculo da Demanda de uma Instalação
12.4- Cálculo do Fator de Potência Médio
12.5- Determinação do Transformador
12.6- Exemplo de Cálculo de uma Instalação
13- Fornecimento de Energia ao Sistema de Prevenção e Combate a Incêndio
14- Orientações Exclusivas para a Região da CPFL-Santa Cruz
15- Orientações Exclusivas para a Região da CPFL-Jaguariúna (CPFL-Jaguari, CPFLMococa, CPFL-Leste Paulista e CPFL-Sul Paulista)
16- Registro de Revisão
VOLUME 2 – TABELAS – GED-2856
Tabela 1 - Dimensões dos Equipamentos e Compartimentos Individuais
Tabela 2 - Dimensionamento de Transformadores Particulares
Tabela 3 - Taxa Máxima de Ocupação dos Eletrodutos/Tubos, por Cabos de Baixa
Tensão Isolados
Tabela 4 - Ramal de Ligação e de Entrada Aéreo em Classe de Tensão Primária de
Distribuição 15kV e 25kV
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
2 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
Tabela 5 - Ramal de Entrada Subterrâneo em Classe de Tensão Primária de
Distribuição 15kV e 25kV
Tabela 6 - Barramento para Classe de Tensão Primária de Distribuição 15kV e 25kV Uso Interno
Tabela 7 - Capacidade em KVA de Condutores Isolados e Cabos Unipolares de Baixa
Tensão (3 Condutores Carregados) - Tensão 220/127V
Tabela 8 - Dimensionamento de Elos Fusíveis no Poste de Saída do Ramal
Tabela 9 - Proteção de Transformadores - Dimensionamento de Elos Fusíveis
Instalados no Posto de Transformação ao Tempo
Tabela 10 - Afastamentos entre Condutores Nus - Classe 15KV e 25kV.
Tabela 11 - Carga Mínima e Fator de Demanda para Iluminação e Tomadas de Uso
Geral
Tabela 12 - Aparelhos de Ar Condicionado Tipo Janela
Tabela 13 - Fatores de Demanda para Aparelhos de Ar Condicionados Tipo Janela
Tabela 14 - Fator de Demanda de Equipamentos de Utilização Específica
Tabela 15 - Fator de Demanda para Hidromassagem
Tabela 16 - Motores Monofásicos
Tabela 17 - Motores Trifásicos 60Hz
Tabela 18 - Fator de Demanda de Motores
Tabela 19 - Fator de Demanda de Equipamentos Especiais
Tabela 20 - Fator de Potência Aproximado de Equipamentos
Tabela 21 - Coeficiente para Dimensionamento do Capacitor
Tabela 22 - Potência de Aparelhos Eletrodomésticos
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
3 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
VOLUME 3 – ANEXOS – GED-2858
ANEXO I – Croquis de Localização
ANEXO II - Gráfico Tempo x Corrente
ANEXO III-a - Roteiro de Inspeção de Instalações Particulares Posto de Medição e
Transformação em Cabine
ANEXO III-b - Roteiro de Inspeção de Instalações Particulares Posto de Transformação
ao Tempo
ANEXO IV - Estudo de Coordenação da Proteção de um Consumidor - Proteção de
Consumidores - MT
VOLUME 4.1 - DESENHOS DE 1 A 16 – GED-2859
Desenho 1 - Entrada de Serviço - Ponto de Entrega
Desenho 2 - Afastamentos Mínimos - Circuitos Diferentes / Condutor ao Solo
Desenho 3 - Ramal de Entrada - Detalhes
Desenho 4 - Ramal de Entrada Subterrâneo
Desenho 5 - Caixa de Passagem
Desenho 6 - Identificação de Entrada de Serviço
Desenho 7 - Posto de Transformação ao Tempo em Poste Singelo Circular, de
Concreto, até 300kVA
Desenho 8 - Posto de Transformação ao Tempo em Plataforma, até 300kVA
Desenho 9 - Posto de Transformação ao Tempo e no Solo – Detalhes das Cercas e
Alambrados
Desenho 10 - Posto de Transformação ao Tempo e no Solo - Medição em Média
Tensão
Desenho 11 - Cabine Blindada até 300kVA - Medição Indireta em Baixa Tensão
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
4 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
Desenho 12 - Cabine Blindada até 300kVA - Compacta - Medição Externa e Indireta
em Baixa Tensão
Desenho 13 - Cabine em Alvenaria - Medição em Baixa Tensão, Entrada Subterrânea /
Entrada Aérea
Desenho 14 - Cabine em Alvenaria - Medição em Média Tensão - Entrada Subterrânea
/ Entrada Aérea - com dois ou mais Transformadores / com
Transformador de Emergência
Desenho 15 - Cabine em Alvenaria - Sistema de Drenagem de Óleo - Exemplo
Desenho 16 - Cabine em Alvenaria - Sugestão para Instalação de Abafadores quando
Aplicáveis.
VOLUME 4.2 - DESENHOS DE 17 A 38 – GED-2861
Desenho 17 - Cubículo Isolado a SF6 – Exemplo Ilustrativo
Desenho 18 - Cabine Pré-fabricada – Exemplo Ilustrativo.
Desenho 19 - Posto de Transformação em Poste Singelo - Medição Afastada - Detalhe
de Aterramento.
Desenho 20 - Posto de Transformação em Poste ou Plataforma - Medição Indireta em
Baixa Tensão – Aterramento.
Desenho 21 - Aterramento - Cabine Blindada – Entrada Aérea ou Subterrânea.
Desenho 22 - Aterramento - Posto de Transformação Abrigado – Exemplo.
Desenho 23 - Sistema de Proteção Particular – Configurações Básicas (Orientativas).
Desenho 24 - Medição e Proteção na Baixa Tensão - Caixa
Desenho 25 - Medição e Proteção na Média Tensão - Exemplo de Cubículo Blindado
Desenho 26 - Medição e Proteção na Média Tensão - Exemplo de Cabine
Desenho 27 - Prateleira para TP´s e TC´s Primários (Média Tensão)
Desenho 28 - Placa de Perigo - Sinalização de Advertência a Terceiros
Desenho 29 - Quadro de Medição na Média Tensão
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
5 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
Desenho 30 - Caixa do Conjunto de Medição na Baixa Tensão
Desenho 31 - Caixa Metálica tipo A-I
Desenho 32 - Caixa de Proteção dos Bornes do Medidor
Desenho 33 - Caixa de Proteção dos TC’s
Desenho 34 - Quadro de Medição Indireta em Baixa Tensão
Desenho 35 - Caixa de Proteção dos TC’s - Cabos 185mm² ou Superiores
Desenho 36 - Montagens de Caixas Metálicas tipos “A-I” e “T” - Posto de
Transformação Abrigado / ao Tempo
Desenho 37 - Placa para Fixação de Medidores
Desenho 38 - Sugestão de Fixação de Medidores - Detalhes
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
6 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
1- INTRODUÇÃO
1.1- Esta Norma substitui as normas anteriores referentes ao assunto, sendo que seu
cumprimento exige a observação das disposições vigentes, contidas em :
- Normas da ABNT
- Portarias e editais do CREA
- Resoluções da ANEEL
- Decretos
- Portarias do Ministério do Trabalho e Emprego (MTbE)
1.2- A CPFL-Paulista, CPFL-Piratininga, CPFL-Santa Cruz ou CPFL-Jaguariúna
(CPFL-Jaguari, CPFL-Mococa, CPFL-Leste Paulista e CPFL-Sul Paulista) se reserva o
direito de alterar esta Norma sem aviso prévio, disponibilizando uma cópia atualizada
da mesma no site da empresa na Internet. Caso necessite de alguma orientação, ou
antes de tomar qualquer providência quanto ao projeto e ligação da sua propriedade, o
interessado pode fazer uso dos canais de comunicação constantes do documento
CPFL número GED-4732, para a CPFL-Paulista ou CPFL-Piratininga; e dos itens 14 e
15 desta norma para a CPFL-Santa Cruz e CPFL-Jaguariúna (CPFL-Jaguari, CPFLMococa, CPFL-Leste Paulista e CPFL-Sul Paulista), respectivamente.
1.3- As seguintes normas devem ser consultadas como complemento a esta:
- GED-33 – Ligação de Autoprodutores em Paralelo com o Sistema de Distribuição da
CPFL.
- GED-110 – Atendimento a Cargas Geradoras de Harmônicos em Sistemas Primários
de Distribuição.
- GED-120 – Projetos de Redes Aéreas de Distribuição Rural.
- GED-161 – Critério de Atendimento a Forno a Arco.
- GED-237 – Critérios de Atendimento a Motores Elétricos de Indução.
- GED-238 – Critério para Atendimento a Máquina de Solda.
- GED-239 – Critério para Atendimento a Aparelho de Raio X.
- GED-683 - Estruturas Padronizadas para Redes Aéreas de Distribuição Rural Volume 2.
- GED-1509 – Placa para Identificação de Estruturas de Chaves Particulares.
- GED-1511 – Placa para Numeração de Postos da Rede de Distribuição.
- GED-2856 - Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume 2 – Tabelas.
- GED-2858 - Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume 3 – Anexos.
- GED-2859 - Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume 4.1 - Desenhos
(1 a 16).
- GED-2861 - Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume 4.2 - Desenhos
(17 a 38).
- GED-3668 - Projeto de Rede de Distribuição – Terminologia.
- GED-3842 – Numeração de Postos da Rede de Distribuição.
- GED-3959 – Rede Primária Cabo Multiplexado 15kV e 25kV – Estruturas Básicas –
Montagem.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
7 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
- GED-4144 – Caixa de Medição Tipo T.
- GED-4244 – Rede Primária Compacta 15kV – Estruturas Básicas – Montagem.
- GED-4248 – Rede Primária Condutores Nus 25kV – Estruturas Básicas – Montagem.
- GED-4250 – Rede Primária Compacta 25kV – Estruturas Básicas – Montagem.
- GED-4258 - Rede Primária Compacta 15kV - Chave Faca - Montagem.
- GED-4263 – Rede Primária Compacta 15kV – Entrada de Cliente – Montagem.
- GED-4345 – Rede Primária Condutores Nus 25kV – Entrada de Cliente – Montagem.
- GED-4685 – Rede Primária Condutores Nus 15kV - Estruturas Básicas – Montagem.
- GED-4686 - Rede Primária Condutores Nus 15kV - Chave Fusível - Montagem.
- GED-4732 – Sistema CPFL de Projetos Particulares Via Internet – Fornecimento em
Tensão Primária.
- GED-4742 – Rede Primária Condutores Nus 15kV – Entrada de Clientes.
- GED-4951 – Fornecedores de Materiais para Redes de Distribuição Compacta.
- GED-5012 – Fornecedores de Transformadores de Distribuição para Postes e
Cabinas.
- GED-5029 – Fornecedores de Poste de Concreto Circular.
- GED-5050 – Rede Primária Condutores Nus 15kV e 25kV – Travessias.
- GED-5152 – Fornecedores de Chaves e Pára-raios de Distribuição.
- GED-5364 – Fornecedores de Ferragens para Redes de Distribuição.
- GED-5549 – Fornecedores de Isoladores de Porcelana ou de Vidro para Redes de
Distribuição.
- GED-5550 - Fornecedores Aprovados para Manutenção em Transformadores de
Distribuição.
- GED-5716 – Fornecedores de Transformadores de Distribuição a Seco para Cabinas.
- GED-6240 – Fornecedores de Elos Fusíveis de Distribuição.
- GED-10099 – Requisitos para Conexão de Cargas Potencialmente Perturbadoras ao
Sistema Elétrico da CPFL.
- GED-10135 – Fornecedores de Cruzetas de Madeira para Redes de Distribuição
Rurais.
- GED-10529 – Fornecedores de Cruzetas e Conjuntos Poliméricos para Redes de
Distribuição.
- GED-10642 - Rede Primária Condutores Nus 15kV e 25kV - Chave Fusível Montagem.
- GED-10643 - Rede Primária Condutores Nus 15kV e 25kV - Chave Faca - Montagem.
- GED-11845 - Rede Primária Compacta 15kV e 25kV - Entrada de Cliente Montagem.
- GED-11848 - Rede Primária Compacta 15kV e 25kV - Chave Faca - Montagem.
- GED-11849 - Rede Primária Compacta 15kV e 25kV - Chave Fusível - Montagem.
- GE/NT/603 - Projeto de Linhas Aéreas Rurais de Distribuição de Energia Elétrica.
- NBR-5060 - Guia para instalação e operação de capacitores de potência.
- NBR-5356-1 - Transformadores de potência - Parte 1: Generalidades.
- NBR-5356-2 - Transformadores de potência - Parte 2: Aquecimento.
- NBR-5356-3 - Transformadores de potência - Parte 3: Níveis de isolamento, ensaios
dielétricos e espaçamentos externos em ar.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
8 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
- NBR-5356-4 - Transformadores de potência - Parte 4: Guia para ensaio de impulso
atmosférico e de manobra para transformadores e reatores.
- NBR-5356-5 - Transformadores de potência - Parte 5: Capacidade de resistir a curtoscircuitos.
- NBR-5410 – Instalações Elétricas de Baixa Tensão.
- NBR-5434 – Redes de distribuição aérea urbana de energia elétrica.
- NBR-5580 – Tubos de aço-carbono para usos comuns na condução de fluídos –
Requisitos e ensaios.
- NBR-5597 - Eletroduto rígido de aço-carbono e acessórios com revestimento protetor,
com rosca ANSI/ASME B1.20.1.
- NBR-5598 - Eletroduto rígido de aço-carbono com revestimento protetor, com rosca
NBR-6414.
- NBR-5916 - Junta de tela de aço soldada para armadura de concreto - Ensaio de
resistência ao cisalhamento.
- NBR-7480 - Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado.
- NBR-7481 - Tela de aço soldada - Armadura para concreto.
- NBR-14039 – Instalações Elétricas de Média Tensão de 1,0kV a 36,2kV.
- NBR-15465 - Sistemas de eletrodutos plásticos para instalações elétricas de baixa
tensão - Requisitos de desempenho.
- NBRIEC-62271-200 - Conjunto de manobra e controle de alta-tensão - Parte 200:
Conjunto de manobra e controle de alta-tensão em invólucro metálico para tensões
acima de 1kV até e inclusive 52kV.
- IEC-62271-202 - High-voltage switchgear and controlgear - Part 202: Highvoltage/low-voltage prefabricated substation.
- NEMA CP 1-2000 - Shunt Capacitors.
2. OBJETIVO
Esta Norma tem por objetivo fixar as condições mínimas exigidas para a ligação de
energia elétrica em classe de tensão primária de distribuição (25 e 15kV), para
consumidores na área de concessão da CPFL-Paulista ou CPFL-Piratininga, CPFLSanta Cruz ou CPFL-Jaguariúna (CPFL-Jaguari, CPFL-Mococa, CPFL-Leste Paulista e
CPFL-Sul Paulista), doravante designadas apenas como CPFL. Além disso, estabelece
diretrizes para cálculo de demanda, dimensionamento de aparelhos e equipamentos,
tipos de medição em baixa ou média tensão e fixar requisitos mínimos para os projetos.
3. CAMPO DE APLICAÇÃO
3.1- Esta Norma se aplica às instalações com carga instalada superior a 75kW, a
serem ligadas às redes aéreas de distribuição em tensão primária de distribuição na
freqüência de 60Hz.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
9 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
3.2- Excluem-se desta Norma :
a) Fornecimento em tensão primária de distribuição para edifícios de uso coletivo,
residenciais ou comerciais, que são regidos por norma específica;
b) Fornecimento de energia em grosso para fins de revenda, que é regulamentado
através de portaria específica da ANEEL.
3.3- O limite para a ligação da instalação consumidora em tensão primária de
distribuição é o regulamentado pela Resolução 456 de 29 de Novembro de 2000 da
ANEEL. Vide o item 5.1 desta Norma.
3.4- Em casos de religações ou reformas parciais, se as condições técnicas e de
segurança não forem adequadas, deverão ser obedecidas às normas vigentes. Se as
instalações estiverem fora do padrão vigente, deverão ser apresentados desenhos e
detalhes do padrão de entrada.
3.5- Caso surja uma indústria ou um edifício conforme indica o item 3.1, em um
loteamento ou vila, cuja rede elétrica seja de propriedade particular, é aplicada esta
Norma, sendo porém, o ramal de ligação fornecido pelo interessado.
4. DEFINIÇÕES
4.1- Consumidor
Pessoa física ou jurídica ou comunhão de fato ou de direito legalmente representada,
que ajustar com a concessionária o fornecimento de energia elétrica e ficar responsável
por todas as obrigações regulamentares e/ou contratuais.
4.2- Unidade Consumidora ou de Consumo
Instalação pertencente a um único consumidor, assim considerado a pessoa física ou
jurídica, recebendo energia em um só ponto, com medição individualizada.
4.3- Entrada de Serviço
É o conjunto de equipamentos, condutores e acessórios instalados a partir do ponto de
conexão na rede da CPFL até a medição. É constituída pelo ramal de ligação e ramal
de entrada. No caso de áreas rurais, o trecho da derivação da rede aérea da CPFL até
o posto de transformação, deve atender às normas e diretrizes de cada concessionária
local, conforme normas abaixo:
- GED-120 para a CPFL-Paulista ou CPFL-Piratininga;
- NT-02 para CPFL-Santa Cruz e;
- GE/NT/603 para CPFL-Jaguariúna.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
10 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
4.4- Ramal de Ligação
São os condutores e acessórios compreendidos entre o ponto de conexão na rede da
CPFL e o ponto de entrega.
4.5- Ponto de Entrega
É o ponto até o qual a CPFL se obriga a fornecer energia elétrica a consumidores em
caráter permanente, com participação ou não nos investimentos necessários, conforme
legislação e prática de atendimento de mercado da CPFL. Em conformidade com a
Resolução 456 de 29/11/2000, o ponto de entrega tem a seguinte localização:
a) Ramal aéreo: É o ponto de conexão dos condutores nos isoladores fixados na
parede externa de uma cabine ou no primeiro poste localizado dentro do imóvel em que
se localiza a unidade consumidora, obedecida à distância máxima de afastamento
estabelecida nesta Norma. Vide desenho 1, folhas 1 de 4, 2 de 4 e 3 de 4. Havendo
uma ou mais propriedades de terceiros entre a via pública e o imóvel em que se
localiza a unidade consumidora, o ponto de entrega deve situar-se no limite da via
pública com a primeira propriedade intermediária.
b) Ramal subterrâneo : É o terminal de ligação da mufla, situado no poste da
concessionária, sendo de responsabilidade do cliente os materiais após este ponto
(muflas, cruzetas de fixação das muflas, dutos, braçadeiras, etc.). Vide desenho 1,
folha 4.
4.6- Ramal de Entrada
São os condutores e acessórios, instalados pelo interessado, compreendidos entre o
ponto de entrega e a medição.
4.7- Posto de Medição e Proteção
É o conjunto constituído pelos equipamentos de medição e proteção, quadro de
medidores, invólucros e demais acessórios
4.8- Caixa de Proteção de Transformadores de Corrente
Caixa metálica, lacrada pela CPFL, destinada a garantir a inviolabilidade das ligações
dos transformadores de corrente do quadro de medição indireta, adquirida e instalada
pelo consumidor. Vide desenho 33.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
11 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
4.9- Caixa de Proteção de Medidor
Caixa metálica, lacrada pela CPFL, destinada a garantir a inviolabilidade das ligações
dos terminais dos medidores, adquirida e instalada pelo consumidor. Vide desenho 32.
4.10- Caixa de Proteção do Conjunto de Medição
Caixa metálica, de alvenaria ou fibra de vidro, destinada a proteger o conjunto de
medição quando instalado ao tempo, adquirida e instalada pelo consumidor. Vide
desenhos 30, 31 e 36.
4.11- Cubículo Blindado
Cubículo metálico, auto sustentável e destinado a proteger o conjunto de medição e
proteção, adquirido e instalado pelo consumidor. Vide desenho 25.
4.12- Prateleira para TP’s e TC’S de Medição
Prateleira metálica, destinada a suportar os transformadores de corrente e potencial do
conjunto de medição na média tensão, quando instalado em recinto fechado, adquirida
e instalada pelo consumidor. Vide desenho 27.
4.13- Quadro de Medição
Quadro de madeira ou metálico destinado à fixação do conjunto de medição, inclusive
chaves, conforme item 11.1.4, e instalado pelo consumidor. Vide desenhos 11, 24, 29,
30, 31 e 36.
4.14- Posto de Transformação
É o conjunto constituído pelo transformador, chaves de proteção em média tensão,
pára-raios e demais acessórios.
4.15- Posto de Transformação ao Tempo
Posto de transformação instalado em poste ou plataforma, sem abrigo das intempéries.
Vide desenhos 7 e 8.
4.16- Posto de Transformação Abrigado
Posto de transformação instalado em cabine blindada ou no interior de um recinto
fechado (cabine) ou em cabine pré-fabricada. Vide desenhos 11, 12, 13, 14 e 18.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
12 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
4.17- Carga Instalada
É a soma das potências nominais, em kW, das cargas a serem ligadas ao sistema
considerado.
4.18- Demanda
É a potência, em kVA ou kW, requisitada por determinada carga instalada.
4.19- Fusível Limitador de Corrente de Média Tensão
Dispositivo fusível que, durante a sua operação, dentro de uma faixa de correntes
especificadas, limita a corrente a um valor mais baixo do que o valor de crista
presumida do circuito.
4.20- Edifício de Uso Coletivo
Qualquer edificação que abrigue duas ou mais unidades consumidoras e que possua
área em condomínio com utilização de energia elétrica. Pode ser prédio isolado,
interligado ou agrupado.
4.21- Fator de Demanda (FD)
É a relação entre a demanda máxima e a carga instalada, ambas tomadas na mesma
unidade.
4.22- Fator de Carga (FC)
É a relação entre a demanda média obtida com base no consumo, e a demanda
máxima de potência durante um período de tempo.
Ex.: Período de um ano
FC =
Dmédia
C
=
8760 × Dmáx
Dmáx
C = Consumo anual em kWh
Dmax = Demanda máxima anual em kW
8760 = n° de horas do ano (365 dias)
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
13 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
5. FORNECIMENTO - CONSIDERAÇÕES
5.1- Limites de Fornecimento
O fornecimento de energia elétrica deve ser feito em tensão primária de distribuição, a
partir da rede da via pública, quando a carga instalada da unidade de consumo for
superior a 75kW, ou quando a unidade de consumo possuir cargas ou equipamentos
cujo funcionamento cause perturbações na rede, se alimentados em tensão secundária
de distribuição.
Se a demanda for superior a 2500kW, a CPFL pode determinar o fornecimento em
tensão de transmissão.
A CPFL pode, excepcionalmente e de acordo com a legislação, alimentar em tensões
diferentes, potências superiores ou inferiores aos respectivos limites fixados, quando as
condições técnico-econômicas do seu sistema o exigirem.
5.2- Tensão de Fornecimento
Na área de concessão da CPFL, a ligação da unidade consumidora é trifásica, em
tensão primária nominal padronizada pela CPFL para cada município de sua área de
concessão e na frequência de 60Hz. Na CPFL-Paulista e CPFL-Piratininga as tensões
são conforme Anexo I do documento GED-3668.
Na CPFL-Jaguariúna, conforme tabela abaixo:
CPFL-Leste Paulista
Tensão Primária
Município/Localidade
Nominal
(fase-fase)(kV)
Barrania (Localidade)
6,6
Caconde
11,4
Caconde (área rural)
11,4 e 6,6
Campestrinho (Localidade)
11,4
Casa Branca
11,4
Divinolândia
11,4
Itobi
11,4
Lagoa Branca (Localidade)
11,4
Ribeirão Santo Antonio (Localidade)
11,4
São José do Rio Pardo
11,4
São Sebastião da Grama
11,4
Tapiratiba
11,4
Tapiratiba (área rural)
11,4 e 6,6
Três Barras (Localidade)
11,4
Venda Branca (Localidade)
11,4
Tensão Secundária
Nominal
(fase-fase/fase-neutro)(V)
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
N.Documento:
Data Publicação:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
22/10/2008
Página:
14 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
Município/Localidade
Alambari
Cocais (Localidade)
Gramadinho (Localidade)
Guarei
Itapetininga
Morro do Alto (Localidade)
Rechan (Localidade)
São Miguel Arcanjo
Sarapui
Tupy (Localidade)
Município/Localidade
Duas Marias (Localidade)
Jaguariúna
Pedreira
CPFL-Sul Paulista
Tensão Primária
Nominal (fase-fase)(kV)
11,4
11,4
11,4
11,4
11,4
11,4
11,4
11,4
11,4
11,4
Tensão Secundária Nominal
(fase-fase/fase-neutro)(V)
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
CPFL-Jaguari
Tensão Primária
Nominal (fase-fase)(kV)
11,4
11,4
11,4
Tensão Secundária Nominal
(fase-fase/fase-neutro)(V)
220/127
220/127
220/127
CPFL-Mococa
Tensão Primária
Município/Localidade
Nominal
(fase-fase)(kV)
Arceburgo
11,4
Igarai (Localidade)
11,4
Itamogi
11,4
Milagres (Localidade)
11,4
Mococa
11,4
Monte Santo de Minas
11,4
São Benedito das Areias (Localidade)
11,4
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Tensão Secundária
Nominal
(fase-fase/fase-neutro)(V)
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
15 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
Na CPFL-Santa Cruz, conforme tabela abaixo:
Tensão Primária
Município
Nominal (fase-fase)(kV)
Águas de Santa Bárbara
11
Arandú
11
Avaré
11
Barra Jacaré
11
Bernardino de Campos
11
Canitar
11
Cerqueira César
11
Chavantes
11
Espírito Santo do Turvo
11
Iaras
11
Ipaussu
11
Itaí
11
Jacarezinho
11
Manduri
11
Óleo
11
Ourinhos
11
Paranapanema
13,8
Pirajú
11
Ribeirão Claro
11
Santa Cruz do Rio Pardo
11
São Pedro Turvo
11
Sarutaiá
11
Taguaí
11
Taquarituba
11
Tejupá
11
Timburi
11
Ubirajara
11
Tensão Secundária Nominal
(fase-fase/fase-neutro)(V)
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
220/127
5.3- Disposições Gerais
5.3.1- Os consumidores, cujas instalações não estiverem em conformidade com esta
Norma, não serão ligados pela CPFL, devendo também atender às normas NBR-5410
"Instalações Elétricas em Baixa Tensão" e NBR-14039 "Instalações Elétricas de Média
Tensão de 1,0kV a 36,2kV" da ABNT, em toda a parte elétrica de sua propriedade.
5.3.2- Os materiais e equipamentos de propriedade particular, tais como, poste,
transformador, pára-raios, cruzeta, isolador e chave fusível/faca de instalação externa,
ferragens e elos fusíveis (aplicados no trecho aéreo aonde é ancorado o ramal de
ligação e/ou conexão à rede aérea da concessionária) a serem utilizados nas
instalações elétricas do ramal de entrada, devem ser de fornecedores cadastrados pela
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
16 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
CPFL, conforme documentos GED´s 4951, 5012, 5029, 5152, 5364, 5549, 5716, 6240,
10135 e 10529.
Quando a medição for em média tensão, não há a necessidade de que os
transformadores sejam de fornecedores cadastrados pela CPFL, porém, devem estar
em conformidade com o item 7.10 desta Norma.
No caso de transformadores a seco, todas as potências podem ser aceitas, desde
que o equipamento seja de fabricante cadastrado.
Transformadores reformados podem ser aceitos, desde que acompanhados de
um laudo técnico/ensaio de rotina, expedido por empresa cadastrada pela CPFL
para manutenção de transformadores (vide GED-5550).
5.3.3- Toda instalação ou cargas especiais (motores elétricos de indução,
equipamentos geradores de harmônicas, aparelhos de raios-X, fornos a arco, máquinas
de solda elétricas, etc) que ocasionem ou potencialmente possam ocasionar
perturbações ao serviço regular de fornecimento a outras unidades de consumo, bem
como ao sistema elétrico da concessionária, somente pode ser ligada após a prévia
concordância da CPFL, que providenciará, caso necessário, às expensas do
consumidor, alterações no sistema elétrico, visando manter o fornecimento adequado a
todos os consumidores da área. Mesmo quando, após efetuada a ligação da unidade
consumidora, for constatado que determinados aparelhos ou cargas ocasionam
perturbações não toleráveis ao serviço regular de fornecimento a outras unidades de
consumo, a CPFL pode exigir, a seu exclusivo critério, que esses equipamentos sejam
desligados.
O projetista deverá apresentar análise das interferências de suas cargas especiais e/ou
potencialmente perturbadoras, conforme documentos GED´s 110, 161, 237, 238, 239 e
10099; e caso se verifique interferências acima do permitido, apresentar providências
que serão adotadas para eliminá-las.
Nota: No caso de clientes com cargas potencialmente perturbadoras ao sistema
elétrico da concessionária, dentro dos critérios estabelecidos no documento GED10099, deve ser elaborado e apresentado Relatório de Impacto no Sistema Elétrico
(RISE).
5.3.4- Para instalação do posto de transformação abrigado, no recuo da edificação, o
interessado deve providenciar alvará de aprovação do projeto pela Prefeitura Municipal
antes da inspeção da CPFL.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
17 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
5.3.5- Excetuando-se casos especiais, não é permitido o paralelismo de geradores de
propriedade do consumidor com o sistema da CPFL, devendo, em caso de haver
geração própria, apresentar o respectivo projeto, obedecendo a uma das condições
seguintes:
a) Instalar uma chave reversível de acionamento manual e elétrico com intertravamento
mecânico, de modo a impossibilitar o paralelismo entre a geração particular e o sistema
da CPFL.
b) Construir um circuito interno independente, cujas cargas sejam alimentadas
unicamente pelo gerador particular.
5.3.6- Os consumidores autoprodutores interessados em paralelismo com o sistema
15kV e 25kV da CPFL, devem consultar o documento GED-33.
5.3.7- Não é permitido aos consumidores o fornecimento de energia elétrica a terceiros,
mesmo que gratuitamente.
5.3.8- Para possibilitar a instalação por parte da CPFL dos medidores e equipamentos
de medição, as caixas ou quadros de medidores e acessórios, indicados no capítulo
11, devem ser adquiridos e montados pelo cliente em local de fácil acesso, com
iluminação, ventilação e condições de segurança adequados.
5.3.9- O cliente deve construir além das caixas e quadros de medidores, um ou mais
postos de transformação, conforme os critérios estabelecidos no capítulo 7. O(s)
posto(s) deve(m) ser localizado(s) de forma a permitir, sempre, fácil acesso ao pessoal,
ao(s) transformador(es) e outros equipamentos, podendo ser em local isolado ou fazer
parte da edificação principal.
5.3.10- A CPFL recomenda que o cliente mantenha no interior da cabine, em local
seguro, luvas isolantes de borracha classe 2 em instalações de 15kV e de classe 3 em
instalações de 25kV, acondicionadas em caixa com talco industrial; estrados-isolados,
composto de estrado de madeira e tapete de borracha isolante, não devendo
apresentar quaisquer componentes metálicos; e bastões adequados para trabalhos em
15kV ou 25kV conforme a tensão da instalação. A operação e manutenção das
instalações elétricas somente deverão ser executadas por profissionais habilitados.
5.3.11- A entrada de instalação consumidora que, em conseqüência de decisões
jurídicas ou desmembramento do terreno, ficar em propriedade de terceiros, é passível
de correção no seu todo ou em parte, a critério da CPFL e sob responsabilidade do
cliente.
5.3.12- Para projeto e construção, devem ser obedecidos os afastamentos mínimos
entre circuitos diferentes e condutor ao solo, conforme indicado no desenho 2.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
18 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
5.3.13- Qualquer aumento de carga ou alteração de suas características deve ser
previamente submetido à apreciação da concessionária, para a verificação da
possibilidade de atendimento, observando os prazos e condições impostas pela
legislação em vigor. No caso de medição em média tensão, é necessária a
apresentação do diagrama unifilar, contendo as alterações e ou acréscimo de cargas
(novos transformadores).
5.3.14- Para casos especiais, prevendo condições diferentes das mínimas aqui
exigidas, deverão ser solicitadas análises prévias pelas áreas de atendimento técnico e
estarão sujeitas à análise pela Engenharia Centralizada da CPFL, e exclusivamente
para a CPFL-Jaguariúna pela Engenharia local.
5.4- Ligações Provisórias
5.4.1- Ligações de Canteiros de Obras
5.4.1.1- O projeto e documentos obrigatórios para a ligação são os mesmos do item 9,
bem como a Carta de Compromisso conforme modelo do documento GED-4732, para
a CPFL-Paulista ou CPFL-Piratininga, e os documentos citados nos itens 14 e 15 desta
norma para a CPFL-Santa Cruz e CPFL-Jaguariúna (CPFL-Jaguari, CPFL-Mococa,
CPFL-Leste Paulista e CPFL-Sul Paulista), respectivamente.
5.4.1.2- A participação financeira do consumidor em obras na rede da CPFL,
necessárias para sua ligação, obedece à legislação em vigor e a prática de
atendimento de mercado da CPFL.
5.4.2- Ligações de Circos, Parques de Diversões e Similares
5.4.2.1- A CPFL pode fazer este tipo de ligação provisória em baixa tensão, até o limite
estipulado no item 5.1. Neste caso deve ser obedecida a norma específica para
fornecimento de energia elétrica em tensão secundária de distribuição e o pagamento
dos serviços necessários na rede da CPFL deve obedecer às normas e procedimentos
comerciais em vigor para ligações provisórias em baixa tensão.
5.4.2.2- Caso o interessado possua transformador próprio, a sua instalação deve
obedecer à presente Norma. O projeto e documentos obrigatórios para a ligação são os
mesmos do item 6, bem como a Carta de Compromisso conforme modelo do
documento GED-4732 para a CPFL-Paulista ou CPFL-Piratininga, e os documentos
citados nos itens 14 e 15 desta norma para a CPFL-Santa Cruz e CPFL-Jaguariúna
(CPFL-Jaguari, CPFL-Mococa, CPFL-Leste Paulista e CPFL-Sul Paulista),
respectivamente.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
19 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
5.4.2.3- Caso o interessado possua subestação móvel, deve ser apresentado para
liberação da ligação a ART do fabricante da mesma, projeto assinado por responsável
técnico habilitado da instalação e soluções para restrição de acesso à subestação,
havendo ainda uma inspeção antes da ligação. Os documentos obrigatórios e projeto
para a ligação são os mesmos do item 6, bem como a Carta de Compromisso
conforme modelo do documento GED-4732 para a CPFL-Paulista ou CPFLPiratininga, e os documentos citados nos itens 14 e 15 desta norma para a CPFL-Santa
Cruz e CPFL-Jaguariúna (CPFL-Jaguari, CPFL-Mococa, CPFL-Leste Paulista e CPFLSul Paulista), respectivamente.
5.5- Suspensão do Fornecimento
A CPFL suspenderá o fornecimento de energia elétrica para atender a ordem escrita da
ANEEL, ordem judicial ou quando apurar que esteja ocorrendo, por parte do
consumidor, infração às suas normas ou legislação em vigor, tais como condições
inseguras, deficiência técnica, fraude, falta de pagamento, etc.
5.6- Fator de Potência - Instalação de Capacitores
O consumidor deve manter o fator de potência indutivo médio de sua instalação o mais
próximo possível da unidade, instalando, se for necessário, capacitores para a correção
de fator de potência.
5.6.1- Constatando-se nas instalações um fator de potência indutivo médio inferior ao
estabelecido pela legislação em vigor (atualmente 0,92) o consumidor pagará o
excedente de energia reativa registrado.
5.6.2- Do ponto de vista técnico, a melhor solução é a de se instalar capacitores de
baixa tensão junto aos motores e outras cargas de fator de potência baixo. Instalados
nestes pontos, os capacitores proporcionam um melhor nível de tensão e reduzem as
perdas de energia no sistema de distribuição interno do consumidor, melhorando o
funcionamento da instalação e reduzindo o custo da energia. Neste caso, os
capacitores são ligados e desligados juntamente com a carga, pela chave ou disjuntor
existente para acionar cada uma das cargas.
5.6.3- Quando forem escolhidos outros pontos da rede de baixa tensão para a
instalação de capacitores, tais como centros de carga da rede de distribuição interna à
indústria ou um ponto próximo ao transformador ou à entrada de energia (sempre após
a medição), os capacitores devem ser protegidos por chaves porta-fusíveis de abertura
sob carga, adequadas à interrupção de correntes capacitivas.
5.6.4- A CPFL admite a instalação de capacitores na média tensão quando a medição
também for em média tensão, devendo-se obedecer aos seguintes requisitos:
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
20 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
a) somente são admitidos bancos ligados em delta ou estrela com neutro flutuante, isto
é, não aterrado;
b) capacitores fixos, ligados ao barramento de média tensão, após o disjuntor geral e
com proteção através de chaves fusíveis, somente são admitidos quando a carga
mínima, em Ampères, do consumidor for igual a 150% da corrente capacitiva do banco.
Recomenda-se, no entanto, que bancos de capacitores fixos não tenham capacidade
em kVAr superior a 3% da capacidade em kVA dos transformadores instalados, devido
à dificuldade de se garantir em todas as ocasiões essa carga mínima. Se essa relação
de 150%, entre a corrente de carga do consumidor e a corrente capacitiva do banco de
capacitores, não for mantida, corre-se o risco de surgirem sobretensões prejudiciais
aos equipamentos ligados. Em ocasiões excepcionais, em que a carga for inferior ao
mínimo estabelecido conforme acima, o banco deve ser desligado;
c) em bancos de capacitores de maior capacidade que aqueles do item "b" é
obrigatória a instalação de disjuntor ou de chave adequada para interromper correntes
capacitivas em tensões da classe de 15kV ou 25kV e para o acionamento do banco.
Toda vez que a corrente de carga do consumidor se tornar inferior a 150% da corrente
capacitiva do banco, recomenda-se o seu desligamento a fim de evitar sobretensões
prejudiciais aos equipamentos ligados. Este desligamento pode ser manual ou
automático, através de transformadores de corrente e de relés adequados e sensíveis
à corrente de carga do consumidor.
5.6.5- Além das prescrições já referidas, a instalação de banco de capacitores deve
obedecer à norma NBR-5060 "Guia para Instalação e Operação de Capacitores de
Potência - Procedimento" e, quando esta for omissa, à norma NEMA CP 1-2000 "Shunt
Capacitors", bem como às recomendações dos fabricantes.
6. LIGAÇÃO DA UNIDADE CONSUMIDORA
6.1- Projeto
A verificação do projeto pela CPFL, bem como o atendimento ao pedido de ligação,
não transfere a responsabilidade técnica a CPFL quanto ao projeto e execução das
instalações elétricas. Esta responsabilidade técnica é regulamentada pelo CREA.
Para dar início ao processo de ligação da unidade consumidora, o interessado deve
seguir os procedimentos apresentados no documento CPFL número GED-4732, para a
CPFL-Paulista ou CPFL-Piratininga; e os itens 14 e 15 desta norma para a CPFL-Santa
Cruz e CPFL-Jaguariúna (CPFL-Jaguari, CPFL-Mococa, CPFL-Leste Paulista e CPFLSul Paulista), respectivamente.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
21 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
6.2- Condições para Energização
6.2.1- Toda obra deve ser iniciada somente após o projeto receber o visto da CPFL, e
somente será energizada após apresentação das autorizações ou aprovações dos
órgãos públicos nos casos aplicáveis (CETESB, prefeituras, etc.).
6.2.2- As instalações serão energizadas se forem executadas de acordo com as
Normas e Padrões da CPFL e o estabelecido pelo projeto vistado, bem como se
estiverem cobertas pela respectiva "ART", com indicação de responsabilidade pela
execução.
6.2.3- Dentro da cabine de medição e proteção geral, a CPFL analise e inspeciona as
instalações até a proteção instalada após a medição, conforme Anexo III do documento
GED-2858. Após a medição a CPFL analisa e inspeciona a construção apenas em
certos detalhes de interesse, a saber:
- sistema de proteção, verificando os ajustes dos relés de sobrecorrente, capacidade
dos fusíveis limitadores, etc, de acordo com o projeto de proteção da média tensão
analisado pela CPFL.
- posição, capacidades e tipo de ligação dos transformadores, quando a medição e
proteção estiverem no mesmo recinto ou quando a medição e proteção forem em
cubículo metálico.
- existência de placas de advertência quanto à segurança, instaladas na cabine de
medição e proteção.
Notas:
1) Não é permitida a alteração dos ajustes dos equipamentos de proteção sem a prévia
concordância da CPFL.
2) A CPFL poderá eventualmente inspecionar possíveis cargas e equipamentos
específicos, instalados na unidade consumidora.
6.2.4- Detalhes a serem observados na instalação: Com o objetivo de orientar o
construtor e possibilitar que o cliente tenha sua instalação energizada rapidamente,
estão relacionados no Anexo III do documento GED-2858 alguns dos itens que, por
ocasião da vistoria, podem ser motivos de reprova.
6.2.5- Para o caso de consumidores especiais (com geração própria, paralelismo e
cogeração) além da vistoria, também será realizado ensaio de funcionamento do
sistema empregado, feito pelo consumidor com o acompanhamento da CPFL.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
22 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
6.2.6- Recomenda-se cuidados especiais na observância das normas de segurança de
pessoal, proteção das instalações contra agentes externos e de preservação do meio
ambiente.
6.3- Solicitação de Fornecimento
Para atendimento do pedido de ligação e execução de serviços na rede de distribuição
de propriedade da CPFL, o cliente ou seu preposto deve seguir os procedimentos
apresentados no documento CPFL número GED-4732, para a CPFL-Paulista ou CPFLPiratininga; e os itens 14 e 15 desta norma para a CPFL-Santa Cruz e CPFLJaguariúna (CPFL-Jaguari, CPFL-Mococa, CPFL-Leste Paulista e CPFL-Sul Paulista),
respectivamente.
6.4- Solicitação de Inspeção das Instalações Elétricas Após o Ponto de Entrega
Para atendimento a solicitação de inspeção das instalações elétricas após o ponto de
entrega, o interessado deve seguir os procedimentos apresentados no documento
CPFL número GED-4732, para a CPFL-Paulista ou CPFL-Piratininga; e nas regiões
atendidas pela CPFL-Santa Cruz ou CPFL-Jaguariúna (CPFL-Jaguari, CPFL-Mococa,
CPFL-Leste Paulista e CPFL-Sul Paulista), contactar via canais de atendimento para
orientação.
6.5- Ramal de Ligação - Considerações
No caso de áreas rurais, o trecho da derivação da rede aérea da CPFL até o posto de
transformação, deve atender às normas e diretrizes de cada concessionária local,
conforme normas abaixo:
- GED-120 para a CPFL-Paulista ou CPFL-Piratininga;
- NT-02 para CPFL-Santa Cruz e;
- GE/NT/603 para CPFL-Jaguariúna.
6.5.1- O ramal de ligação das unidades consumidoras atendidas pela rede aérea
primária de distribuição é aéreo, com exceção dos casos em que a unidade
consumidora estiver localizada em área atendida por rede de distribuição subterrânea,
onde o ramal de entrada deve ser subterrâneo. O ramal de ligação aéreo é instalado e
mantido pela CPFL e constituído dos seguintes materiais : estribos, garras de linha
viva, conectores, chaves fusíveis ou chaves faca, cruzetas, isoladores, condutores até
o ponto de entrega e inclusive os grampos tensores, alças preformadas ou conectores
paralelos na estrutura particular. E construídos conforme padrões vigentes.
6.5.2- Os isoladores tipo disco ou pino da estrutura particular são instalados pelo
interessado.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
23 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
6.5.3- A instalação de garras de linha viva e estribos na estrutura de saída do ramal
somente é permitida quando da utilização de chaves fusíveis de 100A - 10kA. No caso
da instalação de chave faca, a mesma deve ser conectada diretamente à rede.
6.5.4- Os ramais de ligação aéreos em tensão primária de distribuição devem obedecer
às seguintes condições:
a) partir de um poste da rede de distribuição indicado pela CPFL, conforme estruturas
padronizadas pelos documentos GEDs 683, 4258, 4345, 4686, 10642, 10643, 11848 e
11849;
b) não cortar terrenos de terceiros;
c) preferencialmente entrar pela frente da edificação;
d) respeitar as leis de poderes públicos e ABNT;
e) não passar sobre área construída;
f) não ser acessível de janelas, sacadas, telhados, devendo sempre manter os
afastamentos mínimos na horizontal de 1,0 metro de parede e outras estruturas, e 1,5
metros de janelas, sacadas, marquises, escadas, terraços e telhados (em instalações
de classe 15kV) e, respectivamente, 1,2 metros e 1,7 metros (em instalações de classe
25kV);
g) obedecer aos afastamentos mínimos indicados no desenho 2;
h) sua extensão fica limitada do poste da rede de distribuição indicado pela CPFL até o
ponto de entrega que deverá situar-se em estrutura (poste ou cabine) a no máximo 3,0
metros da divisa da propriedade. No caso de exigência de recuo por determinação de
poderes públicos (prefeituras) com distância superior a 3,0 metros da divisa, passa-se
a considerar o limite do recuo como a distância máxima onde deverá se situar o ponto
de entrega. (Vide o desenho 1);
i) serem dimensionados conforme a Tabela 4 do documento GED-2856;
j) detalhes para fixação em parede, conforme o desenho 3.
k) em casos em que o ramal de ligação cruze sobre cercas ou alambrados, os mesmos
deverão ser aterrados e/ou seccionados conforme disposto no documento GED-120.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
24 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
6.6- Ramal de Entrada - Considerações
O ramal de entrada pode ter trechos aéreos e/ou subterrâneos e é sempre
dimensionado e instalado pelo interessado, com condutores e acessórios de sua
propriedade. No caso de áreas rurais, o trecho da derivação da rede aérea da CPFL
até o posto de transformação, deve atender às normas e diretrizes de cada
concessionária local, conforme normas abaixo:
- GED-120 para a CPFL-Paulista ou CPFL-Piratininga;
- NT-02 para CPFL-Santa Cruz e;
- GE/NT/603 para CPFL-Jaguariúna.
6.6.1- Ramal de Entrada Aéreo
Os condutores e acessórios para o ramal de entrada aéreo são dimensionados
conforme Tabela 4 do documento GED-2856 e baseados nos cálculos de demanda
(cap. 12). Havendo, no ponto de derivação, além das três fases, o condutor neutro da
rede da CPFL, este deve ser estendido para a interligação dos sistemas de terra (CPFL
e consumidor), sendo a bitola dimensionada conforme tabela 4 do documento GED2856. Vide desenho 1 - folhas 1, 2, 3.
6.6.2- Ramal de Entrada Subterrâneo
Sugerimos que sempre que for ser realizado ou programado um serviço de escavação
ou construção em vias públicas, deve-se consultar à COMGÁS (site
www.comgas.com.br e/ou [email protected]) e/ou empresa fornecedora
de gás encanado de sua região.
As entradas subterrâneas (vide desenho 1 - folha 4 de 4) são sempre consideradas
como "RAMAIS DE ENTRADA", sendo portanto construídas e mantidas pelos
interessados. Sempre que a unidade de consumo estiver localizada em área atendida
por rede de distribuição subterrânea, o ramal de entrada deve ser subterrâneo. Um
ramal de entrada subterrâneo deve obedecer as seguintes condições :
a) Ser constituído de condutores de cobre ou alumínio, com isolação classe 15kV-NA
(neutro aterrado) ou 25kV-NA (neutro aterrado), tendo como isolante o polietileno
reticulado (XLPE) ou borracha etileno-propileno (EPR), serem singelos ou tripolares,
dimensionados conforme a Tabela 5 do documento GED-2856 ou especificação do
fabricante, e instalados conforme documentos GEDs 4263, 4345, 4742, 11845 e
desenhos 4, 5 e 6 (aplicáveis de acordo com o tipo de rede);
b) além dos cabos isolados, deve ser estendido no duto um cabo de cobre isolado, com
isolação classe 750V na cor verde, de bitola mínima 35mm2, para interligar o neutro da
rede ao sistema de terra do consumidor;
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
25 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
c) possuir muflas terminais ou terminações, tanto na estrutura de derivação do ramal
como na cabine, obedecendo as especificações da ABNT. Quando forem utilizados
condutores de alumínio, deve ser previsto o conector terminal bimetálico para
interligação da mufla;
d) se julgar conveniente, o interessado pode instalar cabo de reserva, conforme
apresentado nos GEDs 4263, 4345, 4742 e11845; o cabo de reserva deve ficar
energizado, conectado na mufla instalada no poste, devendo ser instalada placa de
advertência na mufla de entrada na cabine informando sua condição de cabo
energizado.
Esclarecimento: Com o cabo de reserva energizado, caso ocorra uma falha no mesmo,
poderá ser executada uma substituição em um momento não crítico, já no caso em que
o mesmo não fique energizado, numa emergência em que se tenha necessidade de
sua utilização, pode ocorrer uma falha do mesmo, causando transtornos maiores.
e) os cabos devem ter folga mínima de 1,00 a 2,00 metros pelo menos, na caixa de
passagem, para futuras substituições das terminações ou remoção do poste;
f) os cabos devem ter identificação das fases, tanto no poste quanto no interior da
cabine, a fim de facilitar os serviços no caso de eventual manutenção, por cores
distintas, conforme abaixo:
Fase "V" - cor vermelha (antiga fase A) (MUNSELL 5R-4/14)
Fase "A" - cor azul escuro (azul royal) (antiga fase B) (MUNSELL 2,5PB-4/10)
Fase "B" - cor branca (antiga fase C) (MUNSELL N9,5)
Os cabos devem ser identificados através de sua própria cobertura ou fita;
g) a blindagem dos cabos nas muflas ou terminações deve ser ligada a terra e
interligada ao neutro do sistema;
h) o eletroduto/tubo externo, para descida junto ao poste de derivação, deve ser de
aço-carbono zincado por imersão a quente conforme NBR-5597, NBR-5598 ou NBR5580, com a indicação da NBR correspondente gravada no mesmo, dimensionado
conforme a Tabela 5 do documento GED-2856, com altura de 6,0m acima do solo e ser
preso ao poste com cintas ajustáveis ou arame zincado 12BWG, bandagens de 5
voltas espaçadas de 2 metros. Todos os cabos que fazem parte de um mesmo circuito,
incluindo o neutro e o cabo reserva (se houver), devem ser instalados no mesmo
eletroduto/tubo externo. Esses eletrodutos/tubos devem ser vedados nas extremidades
com massa calafetadora para evitar a entrada de água, insetos, etc;
i) banco de dutos subterrâneos: os dutos devem ser instalados a uma profundidade
mínima de 0,60m em calçadas e passeios públicos, e 0,80m em travessias de ruas e
avenidas, serem envelopados em concreto, no caso de dutos de PVC, e com
declividade mínima entre caixas de passagem de 1%. Todas as entradas e saídas de
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
26 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
dutos na cabine, devem ser vedadas com massa calafetadora. Devem ser instalados
no mínimo dois dutos, sendo o segundo o duto reserva, com diâmetro mínimo
conforme indicado na Tabela 5 do documento GED-2856. Os dutos devem ser de PVC
rígido ou de aço-carbono zincado por imersão a quente, sendo um duto para os cabos
energizados (incluíndo o cabo reserva), o neutro pode ser lançado neste mesmo duto
ou no duto de reserva. A instalação deve ser conforme o desenho 4. Opcionalmente e
a critério do consumidor, podem ser utilizados em substituição aos dutos de PVC, tubos
corrugados flexíveis de polietileno (PEAD), seção circular e de mesmo diâmetro que os
dutos de PVC. Neste caso deve ser feita uma proteção de concreto sobre os tubos,
conforme indicado no desenho 4;
j) ter obrigatoriamente caixas de passagem com dimensões mínimas de 800mm x
800mm x1000mm livres, com fundo falso de pedra britada nº 2 e que permitam raios de
curvatura dos cabos de no mínimo 12 vezes o seu diâmetro externo ou conforme
especificação do fabricante (vide desenho 5), com tampa de concreto armado, devendo
ser instaladas nos seguintes pontos :
- a 500mm da face do poste de transição da rede aérea para a subterrânea, exceção
se faz quando houver implicações com determinações de prefeituras ou autarquias,
sendo nestes casos a obrigatoriedade das caixas dentro da propriedade do cliente
próximo ao seu limite com a calçada;
- nos pontos em que houver ângulos nos dutos iguais ou superiores a 30 graus;
- no máximo a cada 50 metros de duto.
k) Todo ramal de entrada subterrâneo deve ser identificado com o número do prédio a
que pertence, sendo que a numeração deve ser feita, através de placa fixada na
cruzeta que sustenta as muflas e na face voltada para o lado em que é operada a
chave corta-circuito ou faca. Essa identificação deve ser feita pelo interessado e ser
conforme indicado no desenho 6, e sua fixação deve ser feita com arame zincado
12BWG.
l) A medida da resistência de isolamento de circuitos classe 15kV e 25kV, entre fase e
terra de cada fase, separadamente, deve obedecer as seguintes regras:
- Medições acima de 30 megohms para a classe de 15kV: instalação em condições de
ser energizada;
- Medições acima de 50 megohms para a classe de 25kV: instalação em condições de
ser energizada;
- Medições abaixo de 30 megohms para a classe de 15kV e 50 megohms para a classe
25kV: a instalação não será liberada para energização.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
27 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
Nota: O aparelho Megger deverá ter capacidade para aplicar tensão igual ou superior a
5kV.
m) Não cortar terreno de terceiros.
6.6.3- Restrições Quanto ao Ramal de Entrada Subterrâneo
Não é permitida :
a) instalação de cabos diretamente enterrados no solo;
b) emendas ou quaisquer alterações no isolamento original do cabo, internamente aos
eletrodutos/tubos;
c) derivação em poste que tenha instalado transformador, religador, chave a óleo ou
outros equipamentos de manobra.
7. CRITÉRIOS PARA INSTALAÇÃO DE POSTO DE MEDIÇÃO, PROTEÇÃO GERAL
E TRANSFORMAÇÃO
7.1- Considerações Gerais
7.1.1- O posto de medição, proteção geral e transformação pode ser instalado em local
isolado, fazer parte de outra edificação na mesma propriedade, ou ainda, fazer parte da
própria edificação.
7.1.2- Pode ser de construção ao tempo, blindado ou abrigado, em função das
condições locais.
7.1.3- Conforme NBR-14039, quando o posto de transformação fizer parte integrante
de edificação residencial e/ou comercial, somente é permitido o emprego de
transformadores a seco, mesmo que haja paredes de alvenaria e/ou metálicas,
anteparos e portas corta-fogo.
7.1.4- Conforme NBR-14039, em caso de posto de medição e proteção geral que fizer
parte integrante de edificação residencial e/ou comercial, mesmo que haja paredes de
alvenaria e/ou metálicas, anteparos e portas corta-fogo, quando forem utilizados
disjuntores com líquidos isolantes não inflamáveis, estes devem ter um volume de
líquido por pólo inferior a 1 litro.
7.1.5- O posto de medição e proteção com ou sem transformador de propriedade do
consumidor, é projetado, construído e instalado pelo interessado, com materiais e
equipamentos de sua propriedade conforme itens 5.3.2, 7.2 e 7.3.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
28 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
7.1.6- Em qualquer caso, o posto de medição e proteção deve ser de fácil acesso, tanto
para pessoas como para a substituição dos transformadores e outros equipamentos.
7.1.7- As instalações de média tensão são da classe de 15kV (NBI 95 kV mínimo) e da
classe 25kV (NBI 125kV mínimo) e os afastamentos devem estar de acordo com a
Tabela 10 do documento GED-2856.
7.1.8- O acesso a cubículos/células das instalações de média tensão em que haja
pontos energizados cuja manobra de desligamento seja de prerrogativa da
concessionária, não deverá ser acessado sem a atuação da mesma para sua
desenergização. Tal desenergização deve ser solicitada com antecedência de no
mínimo 15 dias, junto a CPFL, quando em situações de manutenção programada.
7.1.9- Sendo o posto isolado do prédio principal, a localização da cabine deve ser de
preferência no recuo do prédio (desde que aprovado pela Prefeitura), ter acesso fácil a
partir da via pública e ser de construção normal sobre o solo ou semi-enterrada.
7.1.10- A área ocupada pelo posto ou cabine não deve ser inundável e deve conter
dreno para escoamento de água e óleo nos casos exigíveis.
7.1.11- O engenheiro civil ou responsável técnico pela obra civil, é responsável também
pela qualidade dos materiais empregados na construção da cabine.
7.2- Posto com Transformador ao Tempo e Medição em Tensão Secundária
(Baixa Tensão)
7.2.1- O posto com transformador ao tempo e com medição em tensão secundária
(baixa tensão) deve ser construído no limite da propriedade com a via pública, entre 1,5
metros e 3 metros afastado da divisa, com acesso independente. É admitido recuo
maior por exigência dos poderes públicos.
7.2.2- Em caso de impossibilidade técnica, o posto poderá ser construído afastado do
limite da propriedade, devendo-se instalar um poste até 3 metros da divisa, conforme
apresentado na definição do ponto de entrega.
7.2.3- É permitida a instalação em poste singelo ou em plataforma, para
transformadores de até 300kVA, locados na propriedade do interessado.
7.2.4- Sugere-se a instalação conforme desenhos 7 e 8, para transformadores de até
300kVA.
7.2.5- A localização do poste ou plataforma deve preferencialmente permitir acesso de
guindauto e as partes energizadas não devem ser acessíveis de janelas, sacadas,
telhados e/ou outros pontos de eventual acesso de pessoas, devendo sempre manter
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
29 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
os afastamentos mínimos na horizontal de 1,0 metro de parede e outras estruturas, e
1,5 metros de janelas, sacadas, marquises, escadas, terraços, limites de propriedades,
outra rede elétrica ou de outros serviços, telhados e/ou outros pontos de eventual
acesso de pessoas (em instalações de classe 15kV) e, respectivamente, 1,2 metros e
1,7 metros (em instalações de classe 25kV). (Vide Anexo I do documento GED-2858).
7.2.6- Os postes utilizados na montagem devem ser de concreto, circulares, com
comprimento e resistência nominal conforme indicado nos desenhos.
7.2.7- A projeção vertical dos transformadores, chaves-fusíveis, cadeias de isoladores,
cruzetas, pára-raios e qualquer outro equipamento particular instalado no poste, bem
como a malha de aterramento, deve restringir-se aos limites da propriedade particular,
não podendo projetar-se além destes, sobre calçadas e vias públicas, bem como sobre
praças, espaços públicos e terrenos de terceiros.
7.3- Posto com Transformador ao Tempo e Medição em Tensão Primária (Média
Tensão)
7.3.1- O posto com transformador ao tempo e com medição em tensão primária (média
tensão) deve ser construído no limite da propriedade com a via pública, entre 1,5
metros e 3 metros afastado da divisa, com acesso independente. É admitido recuo
maior por exigência dos poderes públicos.
7.3.2- Em caso de impossibilidade técnica, o posto poderá ser construído afastado do
limite da propriedade, devendo-se instalar um poste até 3 metros da divisa, conforme
apresentado na definição do ponto de entrega.
7.3.3- É permitida a instalação em subestação no solo, em cubículo blindado, com
medição em média tensão e proteção através de disjuntor geral, desde que não seja
em local público, e o transformador ou cubículo seja locado sobre base de concreto
devidamente dimensionada para seu peso (vide desenhos 9 e 10).
7.3.4- Deve ser delimitado um espaço ao redor dos transformadores, por meio de cerca
com tela de arame zincado 12BWG e malha de 50mm ou muro de proteção, conforme
desenhos 9 e 10. Estes desenhos indicam sugestões para casos típicos. No caso de
cubículo blindado, em que o transformador não fica exposto, sempre que possível,
deve ser instalada cerca ou muro.
7.3.5- O poste de chegada (mínimo de 10 metros para redes de 15kV e 11 metros para
redes de 25kV), deve ser dimensionado de forma a estabelecer o afastamento mínimo
na vertical entre as partes vivas e o solo, de 6 metros.
7.3.6- O portão de acesso, que deve ser metálico ou de tela metálica e abrir para fora,
deve ser fixada externamente placa de advertência, conforme desenho 28.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
30 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
7.3.7- Deve possuir sistema de drenagem adequado, a fim de facilitar o escoamento e
evitar o acumulo das águas pluviais.
7.3.8- Deve ser construída uma calçada de 2500mm x 700mm em frente à caixa de
medição.
7.3.9- Deve ter uma distância mínima de 1,50 metros entre o transformador e a tela.
7.3.10- Colocar uma camada mínima de 100mm de pedra britada no 2 dentro da área
demarcada pela cerca, caso o piso não seja inteiramente concretado.
7.3.11- A projeção vertical das cadeias de isoladores, cruzetas, pára-raios e qualquer
outro equipamento particular instalado no poste, bem como a malha de aterramento,
deve restringir-se aos limites da propriedade particular, não podendo projetar-se além
destes, sobre calçadas e vias públicas, bem como sobre praças, espaços públicos e
terrenos de terceiros.
7.4- Posto com Transformador e Medição em Tensão Secundária (Baixa Tensão)
Abrigados
7.4.1- Os equipamentos devem ser instalados em compartimento ou edificação tipo
cabine, para um único transformador de até 300kVA. A cabine deve ser construída em
alvenaria ou concreto armado e apresentar características definitivas de construção. O
desenho 13, apresenta sugestões para os casos em que a medição e proteção estão
no mesmo recinto do posto de transformação.
7.4.2- O posto com transformador e com medição em tensão secundária (baixa tensão)
abrigados deve ser construído no limite da propriedade com a via pública, entre 1,5
metros e 3 metros afastado da divisa, com acesso independente. É admitido recuo
maior por exigência dos poderes públicos.
7.4.3- Em caso de impossibilidade técnica, o posto poderá ser construído afastado do
limite da propriedade. Se o fornecimento for através de ramal de entrada aéreo deve-se
instalar um poste até 3 metros da divisa, conforme apresentado na definição do ponto
de entrega.
7.4.4- Cabines pré-fabricadas podem ser aceitas desde que atendam ao disposto no
item 7.8 desta norma.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
31 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
7.5- Posto com Transformador e Medição em Tensão Primária (Média Tensão)
Abrigados
7.5.1- Os equipamentos devem ser instalados em compartimento ou edificação tipo
cabine, para qualquer potência de transformação até o limite previsto por esta norma. A
cabine deve ser construída em alvenaria ou concreto armado e apresentar
características definitivas de construção. O desenho 14, apresenta sugestões para os
casos em que a medição e proteção estão no mesmo recinto do posto de
transformação.
7.5.2- O posto com transformador e medição em tensão primária (média tensão)
abrigados deve ser construído no limite da propriedade com a via pública, entre 1,5
metros e 3 metros afastado da divisa, com acesso independente. É admitido recuo
maior por exigência dos poderes públicos.
7.5.3- Em caso de impossibilidade técnica, aplica-se uma das opções proposta nos
itens 7.6 e 7.7.3 desta norma.
7.5.4- Cabines pré-fabricadas podem ser aceitas desde que atendam ao disposto no
item 7.8 desta norma.
7.6- Posto apenas com Medição e Proteção Geral em Tensão Primária (Média
Tensão) Abrigados
7.6.1- Os equipamentos de medição e proteção devem ser instalados em
compartimento ou edificação tipo cabine, para qualquer potência de transformação até
o limite previsto por esta norma. A cabine deve ser construída em alvenaria ou concreto
armado e apresentar características definitivas de construção. O desenho 26 e o item
7.7.3 apresentam sugestões para os casos em que a medição e proteção estão em
recinto separado do posto de transformação.
7.6.2- O posto com medição e proteção geral em tensão primária (média tensão)
abrigados deve ser construído no limite da propriedade com a via pública, entre 1,5
metros e 3 metros afastado da divisa, com acesso independente. É admitido recuo
maior por exigência dos poderes públicos.
7.7- Condições Construtivas da Cabine para Transformadores a Isolante Liquido
7.7.1- Cabines em Alvenaria
7.7.1.1- Vide desenhos 13, 14, 15, 16 e 22.
7.7.1.2- Devem estar de acordo com as instruções técnicas que tratam de assuntos
específicos da proteção e prevenção contra incêndio, emitidas pelo Corpo de
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
32 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
Bombeiros. Quando a cabine for parte integrante de outra edificação, sendo sua porta
de acesso para o lado interno da edificação, possuir equipamentos (transformadores ou
disjuntores) com líquidos isolantes e atendidos os critérios da NBR-14039; deve ser
exigida porta corta-fogo e todas as aberturas voltadas ou não para o interior da cabine
devem ter abafadores corta-fogo, com fechamento automático e dispositivo para
travamento em caso de fogo no interior da cabine, vide detalhes no desenho 16.
7.7.1.3- As cabines isoladas de outras edificações devem ter área livre interna mínima
e pé direito mínimo conforme disposto no desenho 13, quando a entrada for
subterrânea. Quando a entrada for aérea, a altura do encabeçamento deve ser tal que
permita uma distância mínima de 5,50 metros entre as partes energizadas, externas à
cabine, no seu ponto mais próximo ao solo. Vide desenho 13.
7.7.1.4- As cabines fazendo parte integrante de outras edificações e com entrada
subterrânea devem ter área interna livre mínima e pé direito mínimo conforme disposto
no desenho 13, folha 3. Excepcionalmente, somente em instalações de classe 15kV, é
permitido pé direito mínimo de 2,70 metros. O projetista deve verificar a facilidade para
operação da chave a ser instalada.
7.7.1.5- Em cabines com medição em tensão primária, cada equipamento ou
acessórios tais como muflas, conjuntos de TC e TP, disjuntor e transformador, devem
ser alojados em compartimentos individuais, limitados por paredes divisórias e com
dimensões mínimas indicadas na Tabela 1 do documento GED-2856, onde já estão
incluídos os afastamentos mínimos de 300mm do equipamento a paredes e grades de
proteção. Compartimentos destinados a transformadores ou outros equipamentos,
cujas dimensões forem diferentes das indicadas nesta tabela, devem possuir
dimensões mínimas de forma a manter um espaçamento mínimo livre de 300mm em
todos os lados.
Nota: Em se tratando de transformadores de emergência para alimentação de circuito
de iluminação de emergência da cabine e bomba de incêndio, para os quais a
probabilidade de substituição por aumento de carga é praticamente inexistente, admitese desconsiderar a largura mínima estabelecida na Tabela 1 do GED-2856, aplicandose para esta situação a largura do transformador auxiliar acrescido de um espaçamento
mínimo livre de 300mm entre o equipamento e as paredes divisórias. Em se tratando
de transformadores a seco o projetista deve avaliar o quesito de circulação de ar para
refrigeração do equipamento.
7.7.1.6- A cabine deve ter área de circulação e operação em seu interior, com largura
mínima de 1,20 metros e espaço suficiente para a movimentação dos equipamentos.
7.7.1.7- Deve ser provida de porta metálica ou inteiramente revestida de chapa
metálica, com duas folhas abrindo para fora e com dimensões mínimas de 2100mm x
600mm por folha, ou de acordo com a maior medida do equipamento e possuir trinco
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
33 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
tipo ferrolho com cadeado. Quando a cabine for parte integrante da edificação, as
portas mesmo se voltadas para fora dessa edificação, deverão ser do tipo corta-fogo.
Nesta condição, só será aceita porta corta-fogo com selo de certificação do INMETRO,
comprovando as características exigidas pelas normas ABNT.
7.7.1.8- A cabine deve ter pelo menos duas aberturas para iluminação natural e
circulação de ar, sendo cada uma com área livre (útil) mínima de 1,00m2 ou 0,002m2
por kVA instalado, devendo-se escolher a que resultar maior área. Devem ser
protegidas pelo lado de fora com tela de arame 18BWG e malha de 13mm. Sua
instalação deve obedecer a um dos critérios abaixo indicados :
a) as aberturas destinadas à entrada de ar são localizadas, de preferência, a cerca de
400mm do piso e as de saída (vitraux fixo aberto) o mais próximo do teto. Ambas, de
preferência, com o acesso direto para o ar livre. Somente nos casos em que estas
condições forem totalmente inviáveis, se admite ventilações para o interior do prédio;
b) quando a cabine for semi-enterrada ou no subsolo e não for possível atender ao item
"a" através de poços de ventilação, as entradas e saídas de ar podem ser localizadas o
mais próximo do teto, porém, em paredes distintas;
c) quando a cabine for parte integrante da edificação é permitida a abertura para o
interior da mesma, desde que seja área ampla, com ventilação permanente e não se
destine a depósito de materiais combustíveis;
d) caso não seja possível a instalação de aberturas conforme os itens acima, deve ser
feita a instalação de dutos de ventilação, inclusive com ventiladores comandados por
relés térmicos (se necessário);
e) quando houver acesso pelo lado de fora da cabine, as aberturas de ventilação
devem contar com venezianas tipo chicana, conforme desenho 16, folha 1, incluindo a
tela de proteção, pelo lado de dentro ou de fora.
7.7.1.9- Quando as paredes estiverem externamente em contato com o solo, elas
devem ser convenientemente vedadas à umidade e, no caso da possibilidade de
surgimento de pressões hidrostáticas, ser de concreto armado e calculadas para
resistir a esta pressão.
7.7.1.10- A drenagem de água da cabine, quando localizada no interior do prédio, deve
ser em direção ao sistema de drenagem da área. Caso esta condição não seja
atendida, é recomendável a instalação de bomba de eixo vertical com prolongamento
de 1000mm e motor trifásico com comando automático através de chave bóia.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
34 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
7.7.1.11- Para transformadores que contenham 100 litros ou mais de líquido isolante e
instalados em cabines, deve-se fazer um sistema de drenagem de óleo, conforme
sugestão do desenho 15.
7.7.1.12- Para possibilitar o acesso dos transformadores a rampas ou poços, devem
ser instalados ganchos nos tetos ou vigas para a instalação de talhas, com resistência
mínima de 5 toneladas.
7.7.1.13- Caso o piso da cabine seja inferior ao piso externo e houver necessidade de
degraus, estes devem ser de ferro, antiderrapantes e removíveis. Não havendo
necessidade de degraus, fazer rampa.
7.7.1.14- É obrigatória a fixação em local bem visível, tanto no lado externo da porta
como nas grades de proteção do interior da cabine, da placa com os dizeres "PERIGO
MÉDIA TENSÃO", conforme o desenho 28, não sendo permitido o uso de adesivo.
7.7.1.15- Para separar as áreas de circulação da área com pontos energizados
em tensão primária, deve-se colocar telas, conforme diretrizes abaixo:
a) Em todas as telas de proteção que isolem áreas em que flue energia “não
medida”, deverá ser instalado 4 dispositivos de lacre em cada canto da mesma,
devendo quando em necessidade de manutenção ser solicitado à CPFL o
rompimento do lacre, também quando da ocorrência de emergência, a CPFL
deverá ser contactada, para proceder a verificação do ocorrido e relacração das
telas.
b) Em cabines em alvenaria com medição indireta em baixa tensão (desenho
13) deve-se colocar telas de proteção com malha máxima de 20mm de arame
de aço 12BWG, instaladas a uma altura máxima de 10cm em relação ao piso da
cabine e ter altura conforme indicações dos desenhos.
c) Em cabines em alvenaria com medição indireta em média tensão (desenho
14) deve-se colocar telas de proteção com malha máxima de 20mm de arame
de aço 12BWG, instaladas a uma altura máxima de 10cm em relação ao piso da
cabine e ter altura de 1,70 metros, sendo que nos cubículos da mufla de
entrada e de medição, a tela deve ter malha máxima de 13mm de arame de aço
n o 12BWG, e altura até o teto, devendo a parte superior ser fixada na alvenaria
e a parte inferior móvel, que possibilite sua remoção para manutenções dos
equipamentos, este acesso deverá ter altura de 1,80 metros.
7.7.1.16- A cabine deve conter iluminação artificial, alimentada com energia medida,
com interruptor colocado do lado de fora, junto à porta :
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
35 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
a) nas cabines até 3,50m x 3,80m com ou sem boxes, basta um ponto de luz colocado
sobre a porta, com lâmpada incandescente de potência mínima de 150 Watts ou
lâmpada de luminosidade equivalente. Vide desenho 13.
b) nas cabines com boxes para os equipamentos, a iluminação deve ser na parede
lateral do corredor de acesso das pessoas. Os pontos de luz devem ser distanciados
no máximo 3,00 metros, com lâmpada incandescente de potência mínima de 150 Watts
ou lâmpada de luminosidade equivalente. Vide desenho 14.
c) sugere-se a instalação de iluminação de emergência, alimentada através de sistema
a baterias, para a iluminação da cabine, no caso de falta de energia
7.7.1.17- Na cabine com medição em tensão primária deve ser instalada uma tomada
127V ou 220V, para alimentação do aparelho para programação e leituras dos dados
da memória de massa do registrador eletrônico.
7.7.1.18- Na cabine com medição em tensão primária, recomenda-se a instalação de
um TP auxiliar de potência adequada, preferencialmente ligado após a medição e antes
da chave do disjuntor geral, para alimentar as lâmpadas e a tomada indicada no item
anterior. O TP deve ter proteção contra sobrecorrente e ser dimensionado de acordo
com as recomendações do fabricante.
7.7.1.19- Para transformadores não dotados de rodas, é obrigatória a construção de
uma base de concreto, na posição definitiva do transformador, com as dimensões
600mm x 900mm x 50mm, para apoio dos mesmos.
7.7.1.20- Nos casos especiais, em que não sejam atendidas as condições mínimas
exigidas por esta Norma, a energização da cabine fica condicionada à liberação prévia
da área de Engenharia Centralizada da CPFL, e exclusivamente para a CPFLJaguariúna pela Engenharia local.
7.7.1.21- Para cabine isolada do prédio, com alimentação através de linha aérea, a
cobertura deve ser de laje impermeabilizada, ter inclinação suficiente e não permitir
escoamento de água sobre a linha de média tensão e acessórios.
7.7.2- Cabine Blindada
Instalação externa, semi-enterrada, fixada sobre base de concreto, para
acondicionamento de transformador de distribuição das classes 15kV e 25kV, até
300KVA, com ventilação natural, conforme desenhos 11 e 12.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
36 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
Poderão ser apresentados arranjos alternativos para a construção dos cubículos, além
da configuração básica proposta nesta Norma. A aprovação técnica dessas alternativas
apresentadas será feita a exclusivo critério da CPFL.
Será exigido ART de projeto e execução do fabricante na inspeção da instalação. No
caso de cabines reformadas ou usadas, ART do responsável técnico da instalação e/ou
da reformadora que certifique que a mesma atende às normas vigentes da ABNT e da
CPFL e condições mínimas de segurança (Avaliação, Laudo, Parecer Técnico,
Regularização, Vistoria).
As características devem estar de acordo com as exigências especificadas na norma
NBRIEC-62271-200 - "Conjunto de manobra e controle de alta-tensão - Parte 200:
Conjunto de manobra e controle de alta-tensão em invólucro metálico para tensões
acima de 1kV até e inclusive 52kV", acrescidas dos itens a seguir.
7.7.2.1- Dimensões
As características físicas, bem como dos equipamentos, são mostradas
esquematicamente no desenho 12.
Para projeto das cabines devem ser obedecidas as distâncias mínimas de segurança
entre fases e fase-terra, conforme Tabela 10 do documento GED-2856, e dimensão
dos equipamentos conforme Tabela 1, do documento GED-2856.
7.7.2.2- Características Elétricas
a) tensão máxima de operação (kV): 15 ou 25
b) freqüência nominal (Hz): 60
c) nível básico de impulso 1,2 x 50 microsegundos (kV crista), mínimo: 95kV (classe
15kV) e 125kV (classe 25kV)
d) tensão de ensaio à freqüência industrial por 1 minuto (kV), mínimo: 34kV (classe
15kV) e 50kV (classe 25kV)
e) corrente por tempo limitado, 1 s (kA), mínima: 25
f) corrente momentânea suportável (kA crista), mínimo: 63
g) nível de curto-circuito (MVA): 250MVA (classe 15kV) e 500MVA (classe 25kV)
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
37 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
7.7.2.3- Características Mecânicas
Deverão ser blindados, autoportantes, próprios para instalação ao tempo, com grau de
proteção IP54, em pedestal ou em qualquer outro tipo de fixação, desde que apoiados
pela base inferior. Devem ser constituídos por perfis de aço e fechados com chapas de
aço, de 2mm (14MSG) de espessura mínima. As chapas deverão ser perfeitamente
lisas, esmeradamente emassadas e pintadas.
As partes anterior e posterior deverão ser providas de portas, devendo sua abertura ser
somente através de chaves, de maneira a permitir facilmente o acesso aos
equipamentos. Logo após as portas, deve haver uma grade de proteção, ou seja, telas
metálicas de malha de, no máximo, 13mm, extraível, com aviso de alerta de segurança,
e que permita observar o interior do cubículo.
As portas deverão estar perfeitamente alinhadas, de modo a permitir o fechamento
correto e o bom funcionamento das chaves de fim de curso. O acesso às partes
internas do cubículo deve ser através de portas, com dobradiças convenientemente
projetadas e localizadas, de modo a garantir a abertura das portas com ângulo superior
a 105 graus. Deve ser construída com chapa de 2mm (14MSG).
As aberturas de ventilação e respiro devem ser projetadas e localizadas, de modo a
garantir a ventilação cruzada ascendente natural e protegidas por telas metálicas de
malha fina, de tal forma que impossibilite o acesso externo de objetos metálicos.
Deve possuir olhais removíveis para o seu içamento. O teto deve ser projetado de tal
forma que seja extraível, para possibilitar a instalação ou retirada do transformador. As
travas do teto somente poderão ser acessadas após a abertura das portas.
As chapas metálicas deverão ser ligadas a uma malha de cobre, a qual deverá ser
interligada à malha de aterramento. As articulações das portas deverão ser providas de
cabos ou cordoalhas flexíveis de cobre ligada a terra.
A disposição dos equipamentos deverá ser idealizada de forma a otimizar a interligação
entre os mesmos, facilitar o acesso, a manutenção e a operação.
Todo material isolante deverá ser não propagador de chama e auto-extingüível.
As furações das chapas deverão ser efetuadas antes do tratamento e pintura, durante
a fase de fabricação.
Os chassis deverão ser providos de porcas, tipo rebite de aço, bicromatizado,
engastados nos furos através de pistolas pneumáticas.
Os parafusos deverão ser de aço carbono bicromatizado, com arruelas lisas e de
pressão e porcas com o mesmo tratamento.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
38 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
O acabamento externo das chapas não deverá deixar fendas ou espaços que facilitem
a abertura utilizando chaves de fenda ou outro tipo de lâmina metálica, como alavanca.
Para facilitar a manutenção, todos os equipamentos internos deverão ter fácil acesso.
As interligações da base do fusível limitador de corrente ao borne primário do
transformador devem ser através de fio de cobre, e do borne secundário do
transformador ao disjuntor de baixa tensão, com cabos de cobre, isolação XLPE.
Deverão haver reforços adequados nas chapas que eventualmente forem usadas como
suporte de equipamentos ou condutores.
A base deverá ser provida de perfis "U", com todos os furos necessários à fixação do
mesmo na base de apoio, de maneira a evitar danos nos elementos nele contidos e em
sua própria estrutura, causados por trepidações indevidas.
A parte interna deverá ser tratada com material não higroscópico.
7.7.2.4- Acabamento e Pintura
Todos os furos, cortes e soldas deverão ser executados antes do tratamento das partes
metálicas, que deverão obedecer aos seguintes requisitos:
a) eliminação de respingos de solda, escórias e rebarbas;
b) arredondamento de arestas e cantos vivos;
c) jateamento abrasivo com granalha de aço, até alcançar o grau SA 2.1/2.
d) revestimento das superfícies, jateadas com zinco aplicado à pistola;
e) a primeira demão de pintura deverá ser aplicada, no máximo, 8 (oito) horas após o
término do jateamento;
f) tinta à base de Primer epóxi e óxido de zinco (80 micrômetros);
g) durante a aplicação das tintas, a umidade relativa do ar deverá permanecer abaixo
de 80%;
h) a temperatura da superfície a ser pintada deverá estar compreendida entre 5oC e
50oC e, no mínimo, 3oC acima do ponto de orvalho;
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
39 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
i) nos intervalos entre as etapas de jateamento e demãos de tinta, as peças deverão
permanecer em local seco e ventilado, ao abrigo das intempéries.
7.7.2.5- Placas de Identificação
O fabricante deverá fornecer cada cubículo com a respectiva placa de identificação,
contendo os seguintes dados:
a) nome do fabricante;
b) no de série e designação de tipo;
c) tensão nominal;
d) potência nominal;
e) freqüência nominal;
f) nível de isolamento.
g) capacidade de curto circuito.
7.7.3- Cubículos Blindados
7.7.3.1- Os postos de transformação e/ou medição e proteção, construídos em
cubículos blindados, devem ser construídos de acordo com as normas da ABNT e,
quando estas forem omissas, de acordo com as normas internacionais.
7.7.3.2- Os cubículos metálicos devem ser projetados, construídos e ensaiados de
acordo com a norma NBRIEC-62271-200. Será exigido ART de projeto e execução do
fabricante na inspeção da instalação. No caso de cubículos reformados ou usados,
ART que certifique que o mesmo atende às normas vigentes da CPFL e condições
mínimas de segurança (Avaliação, Laudo, Parecer Técnico, Regularização, Vistoria).
7.7.3.3- A CPFL examina, para fins de liberação para a ligação, apenas o cubículo que
contiver a medição, devendo ser obedecidos os seguintes requisitos, além daqueles
indicados nos itens 11.3 e 11.4:
a) os cubículos devem ser instalados em recintos restritos, com acesso permitido
somente a pessoas credenciadas. Se possível, quando ao tempo, sugere-se limitar
este recinto com telas metálicas ou muros de alvenaria, conforme desenho 10;
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
40 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
b) cubículo deve ser do tipo autoportante, constituído por perfis de aço e fechado com
chapas de aço de 2,60mm (12MSG) de espessura mínima, para instalação ao tempo
ou de 2,00mm (14MSG) para instalação abrigada.
c) cubículo deve ter placa de identificação, contendo os seguintes dados.
- nome do fabricante;
- número de série e designação de tipo ;
- tensão nominal: 15kV ou 25kV;
- correntes nominais para os barramentos;
- freqüência nominal 60Hz;
- nível de isolamento 95kV (classe 15kV) ou 125kV (classe 25kV).
d) os cubículos de classe 15kV, na parte da medição, devem ter as dimensões mínimas
indicadas no desenho 25. Em se tratando de cubículos de classe 25kV, as distâncias
devem atender às distâncias mínimas entre fase-fase e fase-terra, citadas na tabela 10
do documento GED-2856. Exceção se faz aos cubículos blindados compactos
(isolados a SF6, etc), que seguem projetos próprios, devendo possuir espaço adequado
para a instalação dos equipamentos de medição da CPFL, conforme desenho 17.
e) o quadro de medidores deverá estar no mesmo recinto, a no máximo 4 metros do
cubículo dos equipamentos de medição.
7.8- Cabine Pré-fabricada
As cabines pré-fabricadas são consideradas equipamentos de série, ou seja,
equipamentos submetidos aos ensaios de tipo, que compreendem transformadores,
equipamentos de manobra de média e baixa tensão, conexões e equipamentos
auxiliares, todos instalados em invólucro pré-fabricado, com seu centros de
transformação conectados a cabos subterrâneos, podendo ser manobrados interna ou
externamente. Conforme ilustra o desenho 18.
Será exigido ART de projeto e execução do fabricante na inspeção da instalação. No
caso de cabines reformadas ou usadas, ART do responsável técnico da instalação e/ou
da reformadora que certifique que a mesma atende às normas internacionais e
vigentes da ABNT e da CPFL e condições mínimas de segurança (Avaliação, Laudo,
Parecer Técnico, Regularização, Vistoria).
A construção da cabine primária pré-fabricada deve atender, além das prescrições
deste documento, à norma internacional IEC-62271-202.
7.9- Condições Construtivas da Cabine para Transformadores a Seco
7.9.1- Por se tratar de equipamento que dispensa cabine à prova de fogo para sua
instalação, os transformadores a seco são recomendáveis principalmente em grandes
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
41 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
edifícios, que pelo seu porte ou extensão, torne econômica a localização dos postos de
transformação próximos dos diversos centros de carga.
7.9.2- Os transformadores a seco devem ser instalados em cubículos adequados,
construídos segundo as normas internacionais, por firmas especializadas.
7.10 Características dos Transformadores
7.10.1- Transformador a Isolante Líquido
Os transformadores podem ter isolação a óleo mineral ou silicone ou ainda outro fluído
similar, não sendo permitido o uso de askarel, devendo ter as seguintes características
mínimas:
a) Obedecer às normas NBR-5356-1, NBR-5356-2, NBR-5356-3, NBR-5356-4 e NBR5356-5;
b) Ter potências padronizadas pela ABNT;
c) TAP's Primários:
Tensão Nominal 11,0kV ou 11,4kV ou 11,9kV: 13,8/13,2/12,0/11,4/10,8kV
Tensão Nominal 13,8kV: 13,8/13,2/12,6kV
Tensão Nominal 23,1kV: 23,1/22,0/20,9kV
d) TAP's Secundários: 380/220V (neutro aterrado) ou 220/127V (neutro aterrado).
Tratando-se de medição em tensão secundária, admite-se tensão de 440/254V, desde
que haja equipamentos de medição disponíveis na CPFL, dependendo, portanto, de
consulta prévia.
Tratando-se de medição em tensão primária, admite-se outras tensões secundárias.
Nestes casos, deve ser instalado em local bem visível na caixa ou quadro de medição
e no quadro de distribuição, uma placa ou pintura indicativa da tensão utilizada.
e) Ligações: Primária : TRIÂNGULO
Secundária : ESTRELA com neutro acessível
f) Isolamento: Classe 15kV ou 25kV
g) NBI: 95kV (classe 15kV) ou 125kV (classe 25kV)
h) Freqüência: 60Hz
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
42 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
7.10.2- Transformador a Seco
A utilização de transformador a seco dispensa a construção da cabine à prova de fogo,
por se tratar de um equipamento que confere às instalações elétricas uma grande
segurança contra incêndios. A CPFL recomenda seu uso nas instalações
consumidoras, desde que possua nível básico de isolação de 95kV para instalações de
classe 15kV e 125kV para instalações de classe 25kV, e as demais características
padronizadas para transformadores de distribuição, conforme o item 7.10.1.
7.10.3- Transformador de Emergência
Os consumidores com medição em média tensão, podem utilizar em suas instalações
um transformador de emergência, ligado conforme sugerido no desenho 14, folha 3,
cuja aplicação se recomenda no caso de alimentação de circuito de iluminação de
emergência da cabine e bomba de incêndio.
O transformador de emergência deve ser instalado antes do disjuntor geral, mas
sempre depois da medição e com proteção exclusiva, sendo que os circuitos por ele
alimentados devem ser completamente independentes dos circuitos alimentados pelos
demais transformadores. O transformador de emergência deve ter as mesmas
características técnicas mínimas exigidas para os transformadores de serviço.
7.11- Dimensionamento do Transformador
Para demandas calculadas conforme o capítulo 12, de até 308kVA, pode ser aplicada a
Tabela 2 do documento GED-2856, arredondando-se a demanda calculada para a
unidade imediatamente superior.
7.12- Paralelismo de Transformadores
7.12.1- É admitido o paralelismo de transformadores de potência individual a partir de
300kVA, desde que observadas as seguintes condições:
a) os transformadores devem ter a mesma relação de transformação;
b) os transformadores devem possuir o mesmo grupo de defasamento.
Recomenda-se ainda que:
a) os transformadores possuam a impedância percentual, a mais próxima possível,
sendo que a relação entre o maior e o menor valor não exceda a 1,075;
b) os transformadores possuam a relação entre resistência ôhmica e reatância série, a
mais próxima possível.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
43 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
7.12.2- Se um sistema opera em uma determinada condição de carga e posteriormente
é estudada a possibilidade de uma ampliação, com o acréscimo de transformadores
em paralelo, deve ser verificado se os equipamentos, cabos, barramentos, etc., estão
dimensionados para este aumento de potência e para suportar as novas condições de
curto-circuito.
7.12.3- Para proteção contra sobrecorrente, em transformadores em paralelo, exige-se
que se faça proteção geral única através de disjuntor, isto é, que se instale um único
equipamento para proteção geral em média tensão.
8- SISTEMA DE PROTEÇÃO
8.1- Proteção em Média Tensão
8.1.1- Sobrecorrente
8.1.1.1- No Poste de Saída do Ramal: No poste do qual derivar o ramal aéreo ou
subterrâneo, deve ser instalado um jogo de chaves fusíveis padronizados pela CPFL
(10kA de interrupção assimétrica, dotada de dispositivo de abertura sob carga
"Loadbuster"), com elos adequados ou um jogo de chaves faca de 400A, conforme
capacidade transformadora instalada - vide Tabela 8 no documento GED-2856.
Tratando-se de ramal derivando de rede de distribuição urbana da CPFL, a instalação,
troca de fusíveis e manutenção das referidas chaves no poste da CPFL serão por ela
executadas. No caso de áreas rurais, o trecho da derivação da rede aérea da CPFL até
o posto de transformação, deve atender às normas e diretrizes de cada concessionária
local, conforme normas abaixo:
- GED-120 para a CPFL-Paulista ou CPFL-Piratininga;
- NT-02 para CPFL-Santa Cruz e;
- GE/NT/603 para CPFL-Jaguariúna.
8.1.1.2- Posto de transformação ao tempo (poste ou plataforma), com capacidade
instalada de até 300kVA: Deve ser instalado pelo interessado um jogo de chaves
fusíveis indicadoras padronizadas pela CPFL (10kA) para cada transformador,
apropriadas para abertura com carga e com os elos indicados na Tabela 9 do
documento GED-2856.
Nota: O jogo de chaves fusíveis instalado no poste da saída do ramal de ligação de
postos de transformação ao tempo (poste, plataforma ou no solo) poderá ser eliminado,
e a numeração deverá ser feita no poste particular do cliente, se atendida todas as
condições abaixo, caso não sejam a CPFL deverá prever a instalação de jogo de
chaves fusíveis para interligação da unidade consumidora:
1) Distância entre o poste de saída do ramal de ligação e o poste do cliente não
superior a 5 metros;
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
44 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
2) Jogo de chaves fusíveis particular posicionadas para serem manobradas da via
pública, nesta situação o transformador particular fica locado no lado oposto às chaves,
observando-se as distâncias de segurança entre fase-fase e fase-terra;
3) Jogo de chaves fusíveis particulares manobráveis da via pública, por funcionários da
CPFL, através do uso de escada posicionada na via pública (calçada) e apoiada no
poste particular, ou acesso direto ao posto de transformação quando o mesmo não é
murado/cercado;
4) Afastamento do poste particular à divisa de propriedade de 1,5 metros;
5) Em caso de posto de transformação murado/cercado, a altura do muro/cerca deverá
permitir a colocação de escada, por critérios de segurança a mesma deverá ficar
posicionada a 1/3 de sua altura (a menor escada padronizada é de 6,6 metros),
portanto o pé da mesma ficará posicionada à até 2,2 metros do poste particular.
8.1.1.3- Em posto de transformação abrigado com capacidade instalada de até 300kVA
(cabine de alvenaria, cubículo blindado, cabine compacta blindada ou pré-fabricada),
deve ser instalada pelo interessado uma chave seccionadora tripolar de abertura
simultânea com ou sem carga e um jogo de fusíveis limitadores, de corrente nominal
recomendada pelo fabricante do transformador e adequada para coordenação com
fusíveis de expulsão tipo K, instalados no poste de saída do ramal (vide Tabela 8 GED-2856), ou disjuntor geral trifásico, conforme características e instalação indicada
no item a seguir.
No caso da utilização de chave de abertura sem carga, colocar placa advertindo para
não operá-la sob carga.
8.1.1.4- Em posto de transformação com capacidade instalada acima de 300kVA e até
o limite previsto por esta Norma.
O cliente deve instalar um disjuntor geral trifásico, com as seguintes características:
a) classe de tensão: 15kV ou 25kV
b) corrente nominal: de acordo com a capacidade instalada dos transformadores
c) capacidade mínima de interrupção simétrica: 250MVA (classe 15kV) ou 500MVA
(classe 25kV)
d) NBI: 95kV mínimo (classe 15kV) ou 125kV mínimo (classe 25kV)
e) freqüência : 60Hz
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
45 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
f) sem religamento automático, salvo em casos especiais, sujeitos à consulta à
Engenharia Centralizada da CPFL, e exclusivamente para a CPFL-Jaguariúna pela
Engenharia local.
g) Bobina de Mínima Tensão - fica a critério do cliente, em função das características
das suas cargas ou do seu processo industrial, a opção pela utilização de bobina de
mínima tensão.
O disjuntor deverá ser instalado em cubículo blindado, quando o posto for ao tempo ou
em compartimento individual, quando o posto for abrigado.
A proteção de sobrecorrente será feita por relés de sobrecorrente secundários, com
unidades de operação instantânea e temporizada (função 50/51), que serão ligados ao
circuito primário através de TCs do tipo a seco. Os TCs deverão ser dimensionados
para não saturarem para a corrente assimétrica máxima, no ponto de entrega ou 10kA,
o que for maior.
Deverão ser instalados relés de sobrecorrente nas 3 fases e no terra. As unidades
temporizadas deverão ter correntes mínimas de atuação igual a 80% das correntes
mínimas de atuação dos equipamentos à montante e as proteções do consumidor
deverão ser 400 ms mais rápidas que a proteção da CPFL para qualquer valor de
corrente de defeito menor ou igual às correntes de curto-circuito atuais no ponto de
entrega. O relé de terra poderá ser alimentado por ligação estrela de 3 TCs individuais
ou por um único TC tipo janela que envolva as 3 fases simultaneamente. Observar que,
no caso de uso de um TC tipo janela, a blindagem dos cabos deverá ser aterrada,
conforme desenho abaixo.
Blindagem
metálica do
cabo
TC janela, em
corte
Cabo
Aterramento da
Blindagem metálica
Para o correto funcionamento dos relés eletrônicos e para o funcionamento da bobina
de abertura do disjuntor, durante a ocorrência de curtos-circuitos próximos ao seu
ponto de instalação, deverão ser previstas fontes auxiliares para a sua alimentação. A
alimentação auxiliar poderá ser:
a) Um banco de baterias e seu carregador;
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
46 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
b) No-break, que deverá ser alimentado através do secundário de um dos
transformadores a serem protegidos pelo disjuntor;
c) TPs, trip capacitivo e relé de subtensão (função 27), com temporização na
desenergização (recomenda-se que o ajuste para operação do relé de subtensão seja
inferior a 80% da tensão de fornecimento e o tempo de operação seja maior que 6s)
Do lado da entrada do disjuntor e após a medição, deverá ser instalada uma chave
faca de abertura sem carga, de classe de tensão e corrente nominal adequados, para
possibilitar a manutenção do disjuntor.
Recomenda-se que o interessado adquira os equipamentos de proteção, somente após
a análise do projeto pela CPFL;
8.1.1.5- Projeto de Proteção (o projetista poderá utilizar o modelo do Anexo IV do
documento GED-2858).
Quando a cabine for protegida com disjuntor, mesmo nos casos em que não há
exigência desta instalação, deverá ser apresentado um projeto de proteção, contendo,
no mínimo, as seguintes documentações:
a) Diagrama funcional, mostrando a atuação das proteções, etc.
b) Diagrama unifilar, mostrando a localização dos principais componentes (TC, TP,
disjuntor, chaves, etc.)
c) Gráfico tempo x corrente, contendo a proteção da CPFL e do consumidor, que
deverá ser apresentado em papel bi-log (vide anexo II – GED-2858).
d) Valores de curto-circuito no ponto de entrega
e) Potência instalada e demanda prevista
f) Dimensionamento dos TCs (relação, capacidade nominal, saturação, etc.)
g) Características da proteção
h) Cálculo do ajuste da proteção
i) Tipo e características da fonte auxiliar
j) Catálogo técnico dos relés
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
47 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
k) Apresentar ART de responsável técnico pelo projeto de proteção, com o campo 27
(Descrição dos Serviços Executados) preenchido com texto se responsabilizando pelo
estudo de coordenação e seletividade dos relés de proteção do disjuntor geral.
Para permitir a elaboração do projeto de proteção, a CPFL fornecerá ao
projetista/interessado os seguintes dados:
a) Correntes de curto-circuito no ponto de tomada de energia (atual e máximo);
b) Ajustes de suas proteções à montante do ponto de entrega, incluindo o gráfico
tempo x corrente
A CPFL verificará a compatibilidade das curvas e ajustes apresentados com a proteção
do alimentador que suprirá o consumidor e emitirá o parecer concordando ou sugerindo
reajustes na proteção.
Os ajustes, calibração e aferição deverão ser executados pelo interessado, e
informados a CPFL através de laudo técnico. Quando da solicitação de inspeção
deverá ser encaminhado imagem da ART referente ao ajuste, calibração e aferição dos
relés, devendo conter na descrição da ART os dizeres “projeto de proteção e comando”
ou “estudo de seletividade da proteção”. Se a ART do projeto da instalação já prever o
ajuste, calibração e aferição dos relés do disjuntor, não haverá necessidade de
recolhimento de nova ART.
Tanto a proteção referida, como o restante do sistema de proteção interno à instalação
particular, são de competência e responsabilidade do interessado, que deverá executálo e mantê-lo conforme o projeto apresentado a CPFL.
8.1.1.6- Proteção do Transformador Auxiliar:
Quando for prevista a instalação de transformador auxiliar em cabine, o mesmo deve
ser protegido por fusíveis limitadores de corrente e chave seccionadora tripolar de
abertura com ou sem carga.
8.1.1.7- Operação e manobra dos equipamentos de proteção.
A operação e manobra dos equipamentos de proteção sempre devem ser feitas por
pessoal técnico especializado, conforme NR-10 das Portarias 3214/MTbE/78 e
598/Mtb/2006, sendo imprescindível a utilização de luvas isolantes de borracha classe
2 em instalações de 15kV e de classe 3 em instalações de 25kV; estrados-isolados e
bastões adequados para trabalhos em 15kV ou 25kV conforme a tensão da instalação.
Devem também ser afixados em local bem visível, as instruções para operação das
chaves e disjuntores de 15kV ou 25kV.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
48 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
8.1.2- Descargas Atmosféricas
Para proteção contra descargas atmosféricas, devem ser utilizados jogos de pára-raios
de invólucro polimérico, a óxidos metálicos, sem centelhador, providos de desligador
automático, para uso em redes de distribuição aérea, tensão nominal 12kV para
sistemas de classe 15kV ou 21kV para sistemas de classe 25kV, e corrente de
descarga nominal 10kA.
8.1.2.1- Em posto com transformador ao tempo e medição em tensão secundária
(baixa tensão) instalar os pára-raios na própria estrutura do transformador.
8.1.2.2- Em posto com transformador ao tempo e medição em tensão primária (média
tensão) instalar os pára-raios na estrutura de derivação do ramal de ligação aéreo ou
rede de distribuição aérea e o ramal de entrada subterrâneo.
8.1.2.3- Em posto com transformador abrigado em alvenaria, com entrada aérea,
instalar pára-raios na parte externa da cabine, junto às buchas de passagem da média
tensão.
8.1.2.4- Em posto com transformador abrigado (cabine em alvenaria, blindada e
cubículo blindado), com entrada subterrânea, instalar pára-raios no ponto de tomada do
ramal. No interior do posto com transformador abrigado (cabine em alvenaria, blindada
e cubículo blindado) também é obrigatória a instalação de pára-raios junto as muflas de
entrada.
8.1.2.5- Quando após o posto de medição ou transformação existir linha primária
aérea, há necessidade da instalação de jogos de pára-raios nas suas extremidades.
8.1.3- Subtensão
Recomenda-se que em casos que haja cargas sensíveis ou casos especiais que
necessitem de proteção específica através de relés de subtensão, que o cliente deve
providenciá-las conforme NBR-14039. Preferencialmente, que a proteção contra
subtensão seja instalada na rede secundária, junto à carga que efetivamente exige este
tipo de proteção.
8.1.4- Falta de Fase
Recomenda-se que em casos que haja motores, cargas sensíveis ou casos especiais
que necessitem de proteção específica através de relés de falta de fase, que o cliente
deve providenciá-las conforme NBR-14039. Preferencialmente, que a proteção contra
falta de fase seja instalada na rede secundária, junto à carga que efetivamente exige
este tipo de proteção.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
49 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
8.1.5- Demais critérios de proteção não citados nesta norma devem ser atentados pelo
projetista particular em atendimento ao disposto na norma NBR-14039.
8.2- Proteção em Baixa Tensão
8.2.1- Sobrecorrente
8.2.1.1- A proteção contra sobrecorrente em baixa tensão deve garantir a proteção
do(s) transformador(es) contra correntes de sobrecarga e curto-circuito, para que não
haja redução da sua vida útil, sendo que o dispositivo de proteção deve permitir a sua
coordenação seletiva com a proteção geral de média tensão.
8.2.1.2- Para proteção geral em postos de transformação até 300kVA, deve-se instalar
disjuntor, localizados depois do medidor. Deve ser executada pelo consumidor de
acordo com o que estabelece esta Norma, observadas ainda as exigências das normas
NBR-5410 e NBR-14039.
8.2.1.3- O condutor neutro deve ser isolado, devidamente identificado, tendo sua
cobertura/isolação (não sendo permitido enfitamento) na cor azul claro, e não conter
dispositivo capaz de causar sua interrupção, assegurando assim sua continuidade.
8.2.2- Subtensão
A proteção contra subtensão não é exigida pela CPFL. Caso o consumidor julgue
imprescindível a sua instalação, os equipamentos de proteção contra subtensões
devem localizar-se preferencialmente junto às cargas. Vide item 8.1.3.
9- SISTEMA DE ATERRAMENTO
As hastes de aterramento devem ter comprimento mínimo de 2,40 metros, sendo
aceitos os seguintes tipos:
- cantoneira de aço zincado de 25mm x 25mm x 5mm
- haste de aço zincado de diâmetro de 5/8" (16mm)
- haste de aço revestido de cobre ou haste de cobre de diâmetro de 5/8" (16mm)
As conexões haste-cabo devem ser feitas com conexão mecânica (conectores ou
grampos adequados) ou com solda exotérmica. Conexões mecânicas embutidas no
solo devem ser protegidas contra corrosão, através de caixa de inspeção com diâmetro
mínimo de 250mm que permita o manuseio de ferramenta. Esta exigência não se
aplica a conexões entre peças de cobre ou cobreadas, com solda exotérmica.
9.1- Aterramento do Posto de Medição e Transformação
9.1.1- Os sistemas de aterramento para os postos de medição e transformação, devem
ser feitos sob os postos, conforme os desenhos 20, 21 e 22, sendo necessário além do
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
50 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
apresentado em desenho, a instalação de um anel circundando o perímetro da
edificação, atendendo no mínimo o disposto na NBR-14039, interligado ao sistema de
aterramento citado e afastado de aproximadamente 1,00 metro do perímetro, a no
mínimo 60cm de profundidade, podendo haver extensões para fora das áreas
indicadas, para atingir os valores mínimos exigidos. Outras configurações serão
admitidas desde que seja apresentado projeto completo, inclusive os cálculos de
tensão de passo, de toque, de transferência, atendendo no mínimo as prescrições de
segurança das pessoas e funcionais da instalação, conforme disposto na NBR-14039.
9.1.2- Nos casos de posto de transformação com transformador instalado em poste e
medição em baixa tensão afastada, o sistema de aterramento deve ser feito conforme
indicado no desenho 19, para o poste do transformador e conforme indicado no
desenho 20, folha 4, para o quadro de medição.
9.1.3- A resistência máxima de terra permissível é de 10 Ohms em terreno úmido e de
25 Ohms em terreno seco, devendo ser usado para tanto, o número de hastes e as
profundidades que forem necessárias, observando-se que a malha de aterramento
deve ser composta de no mínimo 3 hastes. A distância entre hastes deve ser no
mínimo igual ao seu comprimento.
9.1.4- O neutro da CPFL, quando disponível, deve ser interligado com o neutro das
instalações da unidade consumidora.
9.1.5- As interligações entre as hastes (malha), devem ser efetuadas através de cabo
de cobre nu com seção mínima de 50mm2, ao no mínimo 60cm de profundidade.
9.1.6- Em posto de transformação abrigado em alvenaria, no piso junto à parede, deve
ser instalado um anel de aterramento de cabo de cobre nu 35mm2, onde são efetuados
os aterramentos dos equipamentos, ferragens e neutro, sendo este interligado à malha.
9.1.7- Todas as partes metálicas não energizadas da cabine, devem ser interligadas ao
anel de aterramento indicado no item anterior, através de fio ou cabo de bitola mínima
de 25mm² de cobre nu.
9.1.8- Quando o piso da cabine for assentado diretamente sobre o solo, a malha de
terra que interliga as hastes deve ser construída dentro da própria cabine e antes da
concretagem do piso. Deve haver acesso às hastes da malha de terra, no mínimo em
quatro pontos, através de aberturas no piso, caixas de inspeção com dimensões de
30cm x 30cm ou manilha de diâmetro mínimo de 250mm e localizadas nos cantos
internos da cabine. O anel citado no item 9.1.6, deve ser interligado à malha através
destas aberturas, que devem permanecer acessíveis à inspeção e protegidas com
tampas removíveis.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
51 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
9.1.9- Quando a cabine estiver no 1° piso, a malha de aterramento deve ser sob a
cabine, sendo feita a ligação da malha de terra ao anel citado no item 9.1.6 no mínimo
em dois pontos, com condutores de cobre nu 35mm2 , no mínimo, protegidos por
eletroduto de PVC rígido, conforme NBR-15465. Para tanto, sugere-se a preparação da
estrutura concretada do pavimento com tela de aço CA 60, com diâmetro de 5mm,
espaçamento entre fios de 10cm, conforme as normas NBR-7481, NBR-5916 e NBR7480. Esta tela de aço deverá ser interligada ao anel citado no item 9.1.6 através de
rabichos de cabo de cobre nu de 35mm2, em no mínimo 4 pontos, distantes um do
outro de no máximo 3 metros.
9.1.10- Nos cubículos blindados, instalados ao tempo ou abrigados, deve ser previsto
um condutor de aterramento interno em todo o comprimento do conjunto metálico. Este
condutor deve ser de cobre com seção mínima de 35mm2, sendo que suas
extremidades devem possuir um terminal adequado para ligação à malha de terra da
instalação. Todas as partes metálicas não energizadas (invólucros e equipamentos)
devem ser ligadas ao condutor interno de aterramento com cabo de cobre de seção
mínima 25mm2.
9.1.11- Todas as interligações entre malha, anel e aterramento dos equipamentos e
ferragens, devem ser efetuadas através de conector (conexão mecânica) ou solda
exotérmica, sendo vedado o uso de solda de estanho , zinco ou chumbo. Conexões
mecânicas embutidas no solo devem ser protegidas contra corrosão, através de caixa
de inspeção, conforme NBR-14039.
9.1.12- No caso da existência de vários postos de transformação na área da unidade
consumidora, recomenda-se fazer a interligação entre as malhas de aterramento dos
postos e a malha de aterramento da cabine de medição, bem como ao neutro da rede
da CPFL, utilizando-se dos mesmos ramais (aéreos ou subterrâneos), destinados às
suas alimentações.
9.1.13- Para instalações em áreas rurais, não atendidas com o neutro da
concessionária, devem ser observadas as diretrizes de aterramento do documento
GED-120.
9.2- Aterramento do Conjunto de Medição
9.2.1- O conjunto de medição em posto de transformação deve ser aterrado à malha de
aterramento do posto. Recomenda-se que seja localizado sobre a malha para evitar
choque por tensão de transferência.
9.2.2- Todas as partes metálicas não energizadas do conjunto devem ser aterradas.
9.2.3- O aterramento das caixas de medição indiretas, instaladas em posto de
transformação ao tempo, deve ser feito conforme indicado no desenho 20, folha 3.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
52 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
10- BARRAMENTOS
10.1- O barramento de média tensão dos postos abrigados é dimensionado conforme
Tabela 6 do documento GED-2856.
10.2- O barramento de média tensão das cabines pode ser constituído de cobre nu ou
alumínio, nas formas de vergalhão, tubo ou barra retangular, não sendo admitido o uso
de fios e cabos.
10.3- Em cabines ou no interior de cubículos metálicos, o barramento de média tensão
deve ser pintado nas cores padrão, ou seja:
Fase "V" - cor vermelha (antiga fase A) (MUNSELL 5R-4/14)
Fase "A" - cor azul escuro (azul royal) (antiga fase B) (MUNSELL 2,5PB-4/10)
Fase "B" - cor branca (antiga fase C) (MUNSELL N9,5)
10.4- Todas as emendas, derivações e ligações de equipamentos aos barramentos,
devem ser feitas através de conectores apropriados, não sendo permitido o uso de
solda.
10.5- Quando for posto com transformador ao tempo e medição em tensão secundária
(baixa tensão), o barramento que liga os bornes secundários do transformador ao
quadro de medidores deve ser feito em cabos isolados, conforme a Tabela 7 do
documento GED-2856. Os cabos devem ser protegidos por eletrodutos/tubos de açocarbono zincado por imersão a quente conforme NBR-5597, NBR-5598 ou NBR-5580 ,
ou tubos de PVC rígido conforme NBR-15465, em ambos os casos com a indicação da
NBR correspondente gravada no mesmo .
10.6- Quando for posto com transformador e medição em tensão secundária (baixa
tensão) abrigados, o barramento que liga os bornes secundários do transformador ao
quadro de medidores deve ser constituído de cabos isolados para 750V, conforme a
Tabela 7 do documento GED-2856, ou com outro tipo de isolação para 1kV. Sendo a
medição em baixa tensão, estes cabos devem ser protegidos por eletrodutos/tubos de
aço-carbono zincado por imersão a quente conforme NBR-5597, NBR-5598 ou NBR5580, ou tubos de PVC rígido conforme NBR-15465, em ambos os casos com a
indicação da NBR correspondente gravada no mesmo.
10.7- A Tabela 7 do documento GED-2856 deve ser aplicada para a demanda ou a
capacidade nominal do transformador, adotando-se o maior valor.
10.8- Os condutores devem ser contínuos, sem emendas e ter comprimento suficiente,
de modo a permitir sua conexão aos equipamentos de medição e proteção. O condutor
neutro deve ser perfeitamente identificado, tendo sua cobertura/isolação (não sendo
permitido enfitamento) na cor azul claro.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
53 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
10.9- Em cubículos blindados, o barramento secundário deve ser constituído de barras
de cobre de seção compatível com a capacidade do(s) transformador(es).
10.10- Dentro da caixa de proteção dos TC's é obrigatório o uso de cabos isolados,
para permitir a ligação dos transformadores de corrente.
11- MEDIÇÃO
11.1- Considerações Gerais
11.1.1- A medição é única e individual para cada unidade de consumo e devem ser
obedecidos os tipos de medição citados no item 11.2.
11.1.2- Os medidores e equipamentos para medição na baixa ou média tensão são
fornecidos e instalados pela CPFL, em quadros de medidores adquiridos e montados
pelos interessados e localizados nos postos de transformação ao tempo, abrigado ou
em cubículo blindado.
11.1.3- No caso de medição na média tensão, a distância máxima permitida entre o
cubículo dos TP´s e TC´s de medição até a parede de instalação do painel ou caixa de
medidores é de 4,00 metros.
11.1.4- O quadro de medição pode ser:
11.1.4.1- Painel de madeira maciça ou compensada de 7 camadas (compensado
laminado) e pintado com tinta a óleo ou esmalte. Devendo ter as seguintes dimensões
mínimas:
a) medição na baixa tensão: 1800mm x 1500mm x 20mm, conforme os desenhos 24 e
30, exceto para instalação em cubículos blindados. Vide desenho 11;
b) medição na média tensão: 1200mm x 800mm x 20mm, conforme o desenho 29.
11.1.4.2- Caixas de chapa de aço nº 16, destinada a alojar os medidores e respectivos
acessórios, observando-se, quanto ao tipo o seguinte:
a) medição na baixa tensão (postos primários simplificados): montagem com uma caixa
tipo A-I (desenho 31) com dispositivos para lacre, destinada à instalação dos
medidores e chave de aferição; duas caixas tipo “T” providas de portas com trinco, uma
com dispositivo para lacre, destinada a receber os condutores de baixa tensão e a
alojar os transformadores de corrente; e outra, acessível ao cliente, destinada a alojar o
disjuntor geral da baixa tensão. Montagens conforme desenho 36. A caixa tipo A-I
deverá ser provida de fundo de madeira maciça ou compensada de 7 camadas ou
placa para fixação de medidores conforme desenho 37. Exceção se faz na área da
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
54 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
Baixada Santista (Santos, São Vicente, Cubatão, Praia Grande e Vicente de Carvalho)
em que há alta incidência de ataque de insetos e cupins e que deve ser utilizado
somente a placa para fixação de medidores, conforme desenho 37.
b) medição na média tensão: montagem com uma caixa tipo A-I (desenho 31) com
dispositivos para lacre, destinada à instalação dos medidores e chave de aferição. A
caixa tipo A-I deverá ser provida de fundo de madeira maciça ou compensada de 7
camadas de placa para fixação de medidores, conforme desenho 37. Exceção se faz
na área da Baixada Santista (Santos, São Vicente, Cubatão, Praia Grande e Vicente de
Carvalho) em que há alta incidência de ataque de insetos e cupins e que deve ser
utilizado somente a placa para fixação de medidores, conforme desenho 37.
11.1.5- O consumidor é responsável pelo zelo de todos os equipamentos mantidos sob
lacre, sendo que o acesso aos mesmos somente é permitido ao pessoal autorizado
pela CPFL.
11.1.6- Fica a critério da CPFL a instalação da medição que julgar necessária, bem
como sua retirada ou substituição quando considerado conveniente.
11.2- Tipos de Medição
A medição pode ser feita em baixa ou média tensão, de acordo com a classificação do
consumidor e conforme as disposições seguintes :
11.2.1- Para capacidade instalada de até 300kVA inclusive, a medição é na baixa
tensão, indireta e instalada em quadro de madeira ou montagem com 1 caixa de
medidores metálica tipo “A-I” (vide desenho 31) para o(s) medidor(es) e 2 caixas
metálicas tipo “T”, uma para proteção dos TC´s e outra para o disjuntor geral de baixa
tensão (montagem conforme desenho 36). Exceção se faz na área da Baixada Santista
(Santos, São Vicente, Cubatão, Praia Grande e Vicente de Carvalho) em que há alta
incidência de ataque de insetos e cupins e deve ser utilizado somente caixas tipos “A-I”
e “T”.
11.2.2- Para capacidade instalada acima de 300kVA, a medição é na média tensão,
indireta, e instalada antes da proteção geral da unidade de consumo, para instalação
dos medidores utiliza-se quadro de madeira ou caixa de medidores metálica tipo “A-I”
(vide desenho 31). Exceção se faz na área da Baixada Santista (Santos, São Vicente,
Cubatão, Praia Grande e Vicente de Carvalho) em que há alta incidência de ataque de
insetos e cupins e deve ser utilizado somente caixa metálica tipo “A-I”.
11.3- Instalação de Medidores : Medição na Baixa Tensão
11.3.1- Para medição indireta na baixa tensão, a CPFL pode instalar os seguintes
equipamentos:
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
55 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
a) 3 transformadores de corrente classe 600 V e com relação a ser determinada para
cada caso;
b) 1 chave de aferição;
c) 1 medidor eletrônico com recursos para medição de energia ativa, reativa, demanda
e tarifação horosazonal.
11.3.2- Quando o posto de transformação for ao tempo, no solo, ou em cabine blindada
compacta, o quadro de madeira (1800mm x 1500mm x 20mm ) ou caixas metálicas
tipos “A-I” e “T” (desenhos 31 e 36), para instalação dos medidores e equipamentos
deve estar localizado o mais próximo possível do transformador (no máximo a 6
metros), no caso de quadro de madeira deve ser protegido por caixa de proteção da
medição (desenho 30), podendo ser em chapa metálica ou em alvenaria. A instalação
em quadro de madeira é conforme disposição dos equipamentos do desenho 24. No
caso de caixas metálicas não há necessidade de caixas de proteção de TC´s e bornes
de medidores, tendo em vistas que as caixas para tais equipamentos serão lacradas.
11.3.3- Quando a medição for em posto abrigado, em alvenaria, o quadro de medidores
deve ser fixado na parede, pelo lado interno e não há necessidade da caixa de
proteção da medição. Vide desenhos 34 e 36, folha 1.
11.3.4- Para posto de transformação em cabine blindada, o quadro de madeira para
instalação dos medidores e equipamentos deve ser fixado em estrutura metálica,
conforme mostrado no desenho 11. Na região da Baixada Santista (Santos, São
Vicente, Cubatão, Praia Grande e Vicente de Carvalho) em que há alta incidência de
ataque de insetos e cupins, o quadro de madeira deve ser substituído por trilhos
metálicos para instalação da placa para fixação dos medidores e equipamentos
conforme indicado nos desenhos 31 e 37.
11.3.5- Para a montagem em painel, além do quadro de madeira, o consumidor deve
adquirir e instalar os eletrodutos e caixas de proteção dos TC`s e dos medidores,
conforme os desenhos 32 e 33. No caso de montagem em caixas metálicas, as
mesmas devem ser adquiridas e os eletrodutos instalados, conforme desenho 36,
devendo também ser fornecida placa para fixação de medidores conforme desenho 37.
11.3.6- Em painéis de madeira, quando os cabos utilizados tiverem bitola igual ou
superior a 185mm2, a instalação dos equipamentos e acessórios para medição e
proteção pode ser feita conforme indicado no desenho 34. Nesse caso, deve ser usada
a caixa de proteção de TC's com medidas de 1000mm x 750mm x 300mm (desenho
33), sendo que esses cabos devem ser fixados em caibros de madeira, instalados pelo
interessado conforme o desenho 35. Em caixas metálicas tipo “T”, não há necessidade
de caixa de proteção de TC´s, pois a caixa tipo “T” deve possuir dispositivos para lacre,
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
56 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
também devem ser utilizados caibros de madeira para fixação dos cabos, a montagem
interna na caixa deve ser feita de modo a facilitar o manuseio dos TC´s, devendo ser
feita a apresentação de desenho da montagem para análise.
11.3.7- Para cabos com a bitola igual ou inferior a 150mm2, a caixa de proteção de
TC`s tem medidas de 750mm x 600mm x 200mm (desenho 33) e a fixação dos cabos
em caibro é opcional. Em caixa metálica tipo “T” não há a necessidade de caixa de
proteção de TC´s, pois a caixa tipo “T” deve possuir dispositivos para lacre.
11.3.8- Para tensões diferentes da padronizada (220/127V), instalar em local bem
visível na caixa de medição uma placa ou pintura indicativa da tensão utilizada.
11.3.9- O consumidor deve adquirir 6 terminais de aperto (não serão aceitos terminais
de compressão) e 1 conector tipo parafuso-fendido (split-bolt) e respectivos parafusos
(M12x50), porcas e arruelas, de tamanhos adequados, para permitir a ligação dos
transformadores de corrente e aterramento da caixa de proteção dos TC's, quando da
ligação da unidade consumidora pela CPFL. Quando da utilização de cabos extraflexíveis os mesmos deverão ter as pontas, para conexão aos TC´s, estanhadas por
imersão.
11.3.10- No quadro de medição deve ser instalada uma tomada 127V ou 220V, para
alimentação do aparelho coletor de dados da medição conforme indicado no desenho
24 e 34.
11.4- Instalação de Medidores : Medição na Média Tensão
11.4.1- Para medição na média tensão, a CPFL pode instalar os seguintes
equipamentos:
a) 1 chave de aferição;
b) 2 transformadores de corrente, classe 15kV ou 25kV, instalação interna e relação a
ser determinada para cada caso, exceção se faz para cooperativas rurais, para as
quais deverão ser instalados 3 transformadores de corrente;
c) 2 transformadores de potencial, classe 15kV ou 25kV, instalação interna e relação
13.800/115V ou 11.500/115V ou 23.100/120V, exceção se faz para cooperativas rurais,
para as quais deverão ser instalados 3 transformadores de potencial;
d) 1 medidor eletrônico com recursos para medição de energia ativa, reativa, demanda
e tarifação horosazonal.
11.4.2- Quando o posto de transformação ou posto de medição e proteção for abrigado
em cabine, o quadro de madeira (1200mm x 800mm x 20mm) ou caixas metálicas “A-I”,
destinado à instalação dos medidores, deve ser fixado no lado interno da parede do
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
57 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
posto. Neste caso, é necessária a instalação da prateleira metálica (desenho 27), para
alojar os TC's e TP's. A disposição do quadro de medidores montado em painéis é
conforme mostrada nos desenhos 14, 26, 29 e 34; quando montado em caixa metálica
(desenho 31), não há necessidade de caixa de proteção dos bornes do medidor, pois a
caixa “A-I” é lacrável.
11.4.3- Para posto de transformação ou de medição e proteção em cubículo blindado, o
quadro de madeira (desenho 29, folha 2) deve ser fixado na porta do lado interno. Os
TC's e TP's são instalados em compartimento próprio, conforme mostrado no desenho
25, com dispositivos para lacres nas portas de acesso à média tensão.
11.4.4- Para cubículos blindados compactos (isolados a SF6, etc) os TC's e TP's
deverão ser instalados em compartimento próprio, conforme mostrado no desenho 17,
com dispositivos para lacres nas portas de acesso à média tensão e, quando houver,
na chave seccionadora do módulo de entrada, antes da medição.
12- DETERMINAÇÃO DA DEMANDA
12.1- Considerações
12.1.1- A determinação da demanda deve ser feita para o dimensionamento dos
condutores, transformadores e equipamentos da entrada de serviço da instalação
consumidora.
12.1.2- Para o cálculo da demanda há a necessidade de conhecimento prévio da carga
instalada, do regime de funcionamento, do fator de potência e do ramo de atividade a
que se destina a instalação, bem como dados técnicos dos equipamentos a serem
instalados (potência, fator de potência, etc.). O ramo de atividade pode ser enquadrado
como sendo de prestação de serviço ou de transformação.
12.1.3- O cálculo da demanda deve ser próprio para cada caso e de inteira
responsabilidade do projetista.
12.1.4- Na ausência de informações por parte do cliente, podem ser utilizados como
orientação, os coeficientes e o modelo de cálculo adotados nesta norma. Contudo, o
projetista responsável deve verificar se estes se aplicam ao seu caso particular.
12.2- Cálculo da Carga Instalada
O cálculo da carga instalada é básico para a determinação do tipo de fornecimento e
classificação do consumidor, conforme limites definidos. Carga instalada é a soma das
potências nominais em kW das cargas a serem ligadas ao sistema considerado. Para
determinação da carga instalada, devem ser somados os itens 12.2.1 a 12.2.6.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
58 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
12.2.1- Carga referente a tomadas e iluminação em kW.
12.2.2- Carga referente a aparelhos de aquecimento.
12.2.3- Carga referente a condicionadores comuns de ar em kW, conforme a Tabela 12
do documento GED-2856.
12.2.4- Carga referente a motores elétricos em kW, conforme as Tabelas 16 e 17 do
documento GED-2856.
12.2.5- Carga referente a equipamentos especiais, como aparelhos de raios-X,
máquina de solda a transformador, fornos elétricos a arco, fornos elétricos de indução,
retificadores e equipamentos de eletrólise, etc, com carga instalada conforme placa do
fabricante.
12.2.6 - Carga em kW referente a outros aparelhos não listados nos itens anteriores.
12.3 - Cálculo da Demanda de uma Instalação
12.3.1 - Ramo de Atividade: Prestação de Serviço
Estão incluídas neste item as instalações destinadas ao ramo de prestação de serviço,
tais como : Hotéis, Hospitais, Poderes Públicos, etc.
A demanda estimada pode ser calculada pela fórmula abaixo :
D=a+b+c+d+e
onde :
D = demanda total calculada da instalação em kVA;
a = demanda referente a tomadas e iluminação
Carga Instalada
Fator Demanda
Conforme declarado. Separar
Tabela 11
Iluminação e Tomadas
(GED-2856)
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Fator Potência
Lâmp. Incandescente: 1
Outras: 0,5
Tomada: 1
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
59 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
b = demanda de equipamentos de utilização específica
Carga Instalada
Conforme declarado. Separar
por tipo de aparelho
Fator Demanda
Tabela 14 e Tabela 15
(GED-2856)
Fator Potência
1
No caso de edificações contendo vestiários, deve-se considerar fator de demanda de
100% para os chuveiros, torneiras, aquecedores, etc,
c = demanda referente a condicionador de ar tipo janela
Carga Instalada
Tabela 12 (GED-2856)
Fator Demanda
Tabela 13 (GED-2856)
Fator Potência
d = demanda referente a motores elétricos e máquinas de solda a motor carga
Carga Instalada
Valor de Placa. Conversão conforme
Tabelas 16 e 17 (GED-2856)
Fator Demanda
Tabela 18 (GED-2856)
Fator Potência
e = demanda referente a equipamentos especiais (item 12.2.5)
Carga Instalada
Fator Demanda
Fator Potência
Valor de placa
Tabela 19 (GED-2856)
0,5
12.3.2- Ramo de Atividade : Transformação
Neste item estão incluídas as indústrias de transformação, tais como Metalurgia,
Mecânica, Têxtil, etc.
A demanda estimada é dada pela fórmula abaixo:
P = C.I x FD
onde :
P = demanda estimada em kW
C.I = somatória da carga instalada em kW
FD = fator de demanda
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
60 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
Os responsáveis pelo projeto elétrico devem adotar e apresentar o valor do FD
aplicável a cada caso particular, ficando esta adoção sob sua inteira responsabilidade.
Ex: Metalúrgica com carga instalada de 450 kW.
P = 450 x 0,37
P = 166,5 kW
12.4- Cálculo do Fator de Potência Médio
12.4.1- Para a determinação do fator de potência médio de uma instalação, procede-se
da seguinte forma:
a) Divide-se a potência nominal de cada equipamento pelo seu fator de potência,
conforme Tabela 20 do documento GED-2856;
b) Somam-se estes quocientes para toda a instalação;
c) O fator de potência médio é o resultado da divisão da somatória das potências
individuais instaladas (potência total instalada) pelo valor obtido no item "b", conforme
fórmula abaixo:
Σ potências individuais
FPmédio =
Σ (potências individuais / FP individual)
12.4.2- Caso o resultado seja inferior a 0,92, o consumidor deve instalar capacitores
para efetuar a correção do fator de potência e evitar assim o ajuste de faturamento,
conforme item 5.6.1.
12.4.3- Uma estimativa preliminar da potência do capacitor necessária para efetuar a
correção pode ser feita conforme abaixo:
kVAr = kW x k
onde :
kVAr = potência capacitiva necessária
kW = potência ativa da instalação (demanda)
k = fator de multiplicação, dado pela Tabela 21 do documento GED-2856.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
61 de 80
Norma Técnica
Distribuição
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
12.5- Determinação do Transformador
Para o dimensionamento do transformador, conforme o item 7.11, deve ser calculada a
demanda em kVA da instalação, considerando-se o fator de potência corrigido para o
mínimo de 0,92, quando for o caso.
P (kW)
D (kVA) =
FP
12.6- Exemplo de Cálculo de uma Instalação
Determinar e especificar a instalação de fornecimento a uma indústria mecânica
(fábrica de máquinas agrícolas), cuja carga instalada está relacionada a seguir :
12.6.1- Carga Instalada
Descrição
Quant. Pot. Total (kW)
Lâmpada Incandescente
20
60 W
1,20
Lâmpada Incandescente
11
500 W
5,50
Lâmpada Fluorescente
40
40 W
1,60
Lâmpada Mista
50
160 W
8,00
Geladeira
1
200 W
0,20
Ar Condicionado
2
3,6 kW
7,20
Chuveiro
4
3,0 kW
12,00
Bomba d'água (trifásica)*
4
2 cv
7,80
Torno (trifásico)*
5
5 cv
22,55
Torno de Bancada (trifásico)*
2
3 cv
5,90
Prensa (trifásica)*
3
20 cv
51,03
Máquina de Solda
2
4,0 kW
8,00
Esmeril (trifásico)*
8
1 cv
8,40
Compressor (trifásico)*
2
7,5 cv
13,14
Compressor (trifásico)*
2
3 cv
5,90
Talha (trifásica)*
4
2 cv
7,80
Guilhotina (trifásica)*
2
7,5 cv
13,14
Furadeira (trifásica)*
6
3 cv
17,70
Ventilador Industrial (trifásico)*
6
2 cv
11,70
TOTAL - Carga Instalada - CI (kW)
208,76
* Conforme Tabela 17 do documento GED-2856.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
62 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
12.6.2- Fator de Potência Médio da Instalação
O fator de potência individual aproximado de cada equipamento é dado na Tabela 20
do documento GED-2856, com exceção dos motores, cujo fator de potência médio é
dado nas Tabelas 16 e 17 do documento GED-2856.
Descrição
Lâmpada Incandescente
Lâmpada Fluorescente
Lâmpada Mista
Geladeira
Ar Condicionado
Chuveiro
Bomba d'água
Torno
Torno de Bancada
Prensa
Máquina de Solda
Esmeril
Compressor
Compressor
Talha
Guilhotina
Furadeira
Ventilador Industrial
TOTAL
O fator de potência médio será:
Σ kW
FP =
=
Σ (kW / FP)
kW
6,700
1,600
8,000
0,200
7,200
12,000
7,800
22,550
5,900
51,030
8,000
8,400
13,140
5,900
7,800
13,140
17,700
11,700
208,760
FP
1,00
0,50
0,50
0,67
0,83
1,00
0,72
0,75
0,73
0,77
0,80
0,69
0,76
0,73
0,72
0,76
0,73
0,72
kVA=kW/FP
6,700
3,200
16,000
0,299
8,675
12,000
10,833
30,067
8,082
66,273
10,000
12,174
17,289
8,082
10,833
17,289
24,247
16,250
278,293
208,760
= 0,75
278,293
De acordo com o item 5.6 há necessidade de se instalar capacitor para corrigir o fator
de potência de 0,75 para o mínimo de 0,92.
12.6.3- Demanda da Instalação
De acordo com o item 12.3.2, a demanda estimada é:
P = C.I x FD, onde : P = 208,760 x 0,35 = 73,06 kW
C.I = carga instalada = 208,760 kW
FD = fator de demanda = 0,35 (exemplo)
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
63 de 80
Norma Técnica
Distribuição
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
12.6.4- Cálculo do Capacitor
O fator de potência deve ser corrigido de, no mínimo, 0,75 para 0,92.
Para kW = 73,06 e k = 0,456 (Tabela 21 – GED-2856)
kVAr = 73,06 x 0,456 = 33,32kVAr
Deve ser instalado um capacitor trifásico.
12.6.5- Dimensionamento do Transformador
P
D =
73,06
=
= 79,41kVA
FP
0,92
De acordo com o item 7.11, o transformador escolhido é de 75kVA. Como sugestão,
sua instalação pode ser ao tempo, em poste singelo e medição na baixa tensão.
12.6.6- Determinação do Eletroduto/Tubo
Calculada a bitola dos cabos secundários, para interligação entre os bornes do
transformador e o quadro de medição, deve-se determinar o diâmetro do
eletroduto/tubo a ser utilizado. Este diâmetro deve ser tal que a área da seção
transversal interna do eletroduto/tubo ocupada pelos cabos isolados não seja superior
aos valores indicados na Tabela 3 do documento GED-2856.
- Fórmula do Cálculo do Diâmetro do Eletroduto/Tubo
π x Dcabo x n
Seletrod =
4xt
Dcabo2 x n
Seletrod x 4
Dmin =
=
π
t
Onde:
n = n° de cabos no eletroduto/tubo
t = taxa de ocupação (Tabela 3 – GED-2856)
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
64 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
- Exemplo:
Para 04 (quatro) cabos de 240mm2 (φ ext. nominal em mm2 - Tabela 7 – GED-2856)
23,52 x 4
Dmin =
=
74,31mm
0,4
Dmin Interno = 75mm (eletroduto de PVC de diâmetro 85mm ou 3")
13- FORNECIMENTO DE ENERGIA AO SISTEMA DE PREVENÇÃO E COMBATE A
INCÊNDIO
13.1 - As "Orientações Normativas do Sistema de Proteção Contra Incêndio", do Corpo
de Bombeiros, estabelece as disposições seguintes :
13.1.1- As edificações com área de construção superior a 750m2 e/ou altura superior
a 12 metros a contar do piso mais elevado, devem ter meios de combate a incêndio
através de extintores manuais, hidrantes com utilização de bomba de recalque,
ventiladores de incêndio ou de extração de fumaça, etc.
13.1.2- As bombas podem ser acionadas por motor elétrico ou a explosão.
13.1.3- No caso de bombas e ventiladores e/ou exaustores com acionamento elétrico, a
ligação do motor deve ser independente das demais ligações, de forma a permitir o
desligamento de energia elétrica das demais instalações da unidade de consumo, sem
prejuízo do funcionamento do conjunto motobomba e ventiladores e/ou exaustores de
fumaça para combate à incêndios.
13.2- O projetista deve, preferencialmente, atender à especificação do Corpo de
Bombeiros, prevendo um atendimento independente para o sistema de combate a
incêndio, partindo diretamente do próprio transformador da unidade de consumo ou
antes da proteção geral da instalação.
13.3- A CPFL, no entanto, pode considerar a instalação exclusiva para prevenção e
combate a incêndio como sendo uma outra unidade de consumo e como tal, deve
obedecer ao item 5.1 desta Norma ou a norma específica para ligação em tensão
secundária de distribuição. As entradas (da unidade consumidora e do sistema de
combate à incêndio) devem ser próximas e de preferência no mesmo logradouro. Não
devem ser na mesma estrutura/edificação particular, devendo-se, caso se aproximem,
observar os afastamentos de segurança.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
65 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
13.4- Como garantia da não interligação do circuito do sistema elétrico de combate a
incêndio com os outros circuitos existentes na unidade de consumo, o consumidor deve
assinar um "Termo de Responsabilidade" que possam ser causados a CPFL e/ou
terceiros, oriundos da citada interligação (vide documento solicitado no GED-4732).
13.5- As alternativas indicadas dependem das cargas a serem ligadas.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
66 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
14- ORIENTAÇÕES EXCLUSIVAS PARA A REGIÃO DA CPFL-SANTA CRUZ
14.1- CONSULTA PRÉVIA/ESTUDO DE VIABILIDADE.
Antes do envio do projeto da instalação, deverá ser encaminhado para análise prévia
e/ou estudo de viabilidade, as informações solicitadas no Anexo VII do documento
GED-4732 e o croqui de localização da instalação conforme Anexo I do documento
GED-2858. O envio será através de arquivos digitais pelo endereço eletrônico
[email protected]
14.2- APRESENTAÇÃO DE PROJETO DA INSTALAÇÃO.
Para ser aprovado pela CPFL-Santa Cruz, o projeto da unidade consumidora, deverá
conter no mínimo as informações solicitadas no item 6.3 do documento GED-4732,
sendo que o envio destes dados deve ser através do endereço eletrônico
[email protected]
O prazo de validade do projeto, após vistado/liberado para execução, é de 12 meses a
partir de sua aprovação.
14.3-DOCUMENTAÇÃO COMERCIAL, PRAZOS DE ATENDIMENTO E INSPEÇÃO.
Todas as dúvidas quanto à documentação a ser encaminhada, processos comerciais
devolvidos, prazos de atendimento e solicitação de inspeção poderão ser esclarecidos
através do CAC (Centro de Atendimento ao Consumidor) ou endereço eletrônico
[email protected]
14.4- CAC - Centro de Atendimento ao Consumidor.
Para agilizar o atendimento ao consumidor e visando a excelência na qualidade dos
serviços prestados, a CPFL-Santa Cruz implantou um sistema de teleatendimento
denominado "C.A.C. - Centro de Atendimento ao Consumidor". Para falar conosco
basta discar para 0800 70 22 196 (ligação gratuita, inclusive de telefones públicos).
Esse canal de comunicação permite ao consumidor solicitar serviços comerciais,
técnicos e emergenciais, por telefone e com maior comodidade.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
67 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
15- ORIENTAÇÕES EXCLUSIVAS PARA A REGIÃO DA CPFL-JAGUARIÚNA
(CPFL-JAGUARI, CPFL-MOCOCA, CPFL- LESTE PAULISTA E CPFL-SUL
PAULISTA).
15.1- CONSULTA PRÉVIA/ESTUDO DE VIABILIDADE.
Antes do envio do projeto da instalação, deverá ser encaminhado para análise prévia
e/ou estudo de viabilidade, as informações solicitadas no Anexo VII do documento
GED-4732 e o croqui de localização da instalação conforme Anexo I do documento
GED-2858. Deverão ser encaminhadas 2 vias dos documentos citados acima, no
escritório sede da CPFL-Jaguariúna (CPFL-Jaguari, CPFL-Mococa, CPFL-Leste
Paulista e CPFL-Sul Paulista).
15.2- APRESENTAÇÃO, EXECUÇÃO E VALIDADE DO PROJETO
O interessado deve entregar o projeto nos escritórios locais da CPFL-Jaquariúna
(CPFL-Jaguari, CPFL-Mococa, CPFL-Leste Paulista e CPFL-Sul Paulista), com
antecedência mínima de 120 (cento e vinte) dias da data prevista de energização, para
análise e aprovação. O prazo de validade do projeto aprovado para execução e
conclusão da obra é de 6 meses a partir de sua aprovação.
15.2.1- DOCUMENTOS PARA ANÁLISE E LIBERAÇÃO DO PROJETO
O processo referente ao projeto deve conter:
a) Carta de Apresentação do Projeto contendo nome, endereço e número do telefone
do proprietário e do responsável técnico para correspondência e contato, designação e
endereço do imóvel a ser ligado e data de previsão de energização, conforme modelo
do Anexo I do item 15.7, em 02 (duas) vias;
b) Desenhos e detalhes, em 4 (quatro) vias, do ramal de entrada (aéreo ou
subterrâneo), indicando plantas e cortes das instalações em escala 1:10 a 1:25 e planta
de situação na escala 1:1000. No caso de instalação de ramal de ligação aéreo em
terreno acidentado, devem ser apresentados também, detalhes do perfil do terreno,
para indicação das alturas em relação ao solo, de forma a obedecerem às distâncias
mínimas exigidas. Em se tratando de entrada subterrânea, o projeto referente à
travessia sob o passeio ou leito carroçáveis deve conter os detalhes da instalação, tais
como caminhamento e profundidade dos dutos, localização das caixas de passagem,
etc. Juntamente, deve ser entregue a Carta de Compromisso de Ocupação de Poste da
CPFL Jaguariúna S.A. (CPFL-Jaguari ou CPFL-Mococa ou CPFL-Leste Paulista ou
CPFL-Sul Paulista) e de Instalação de Dutos Subterrâneos na Via Pública, conforme
modelo de Anexo II do item 15.7, em 2 (duas) vias. Após a liberação do projeto pela
concessionária, o interessado deve obter a aprovação do projeto contendo a travessia
sob o passeio ou leito carroçável, do órgão competente da prefeitura local e fornecer 1
(uma) via à concessionária;
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
68 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
c) Plantas, em 4 (quatro) vias, da parte do prédio ou da propriedade onde se localiza o
posto de transformação ou de medição e proteção, mostrando sua localização em
relação à via pública e o acesso para pessoal e equipamentos, escala até 1:100:
d) Projeto, em 4 (quatro) vias, de:
d.1) Quando a medição e proteção estiverem no mesmo recinto do posto de
transformação ou quando a medição for na baixa tensão:
- plantas e cortes das instalações para transformadores abrigados e vistas frontal e de
perfil para transformadores instalados ao tempo, na escala até 1:25.
d.2) Quando a medição e proteção estiverem em recinto próprio, ficando os postos de
transformação em outros locais ou quando a medição e proteção forem em cubículo
metálico:
- plantas e cortes das instalações do posto de medição e proteção, na escala até 1:25.
Neste caso, deve ser apresentada também a planta geral da área a ser ligada,
contendo ramais de interligações dos pontos de transformação com a indicação das
capacidades e demais características dos transformadores;
e) Detalhes do quadro de medidores com plantas e cortes de 1:10 até 1:25, indicando
sua localização na escala até 1:100;
f) Relação de carga a instalar e cálculo da demanda prevista da unidade de consumo,
em 4 (quatro) vias;
g) Diagrama Unifilar, em 4 (quatro) vias, detalhando as instalações elétricas de alta
tensão, inclusive proteções, desde o ponto de entrega na rede da concessionária ou
ponto de tomada na rede de particulares até o resumo de cargas no secundário de
cada unidade transformadora instalada ou a instalar;
h) Memorial Descritivo, em 4 (quatro) vias, desde o ponto de entrega até a proteção
instalada após a medição, inclusive. Todo processo deve conter o projeto do sistema
de proteção contra sobrecorrente em média tensão, excetuando-se os casos previstos
nos itens 8.1.1.2 e 8.1.1.3 (incluir também a proteção do transformador auxiliar, se
houver). A coordenação da proteção deve conter a curva característica dos
equipamentos de proteção, bem como a curva de danos dos equipamentos e materiais
a serem protegidos e ser apresentado em gráfico tempo x corrente, de acordo com as
dimensões constantes do Anexo II do GED-2858.
i) 1 (uma) via da ART (cópia) do projeto, ou projeto e execução;
j) Licença de Funcionamento, em 2 (duas) vias, expedido pela CETESB, para os
consumidores considerados fontes poluidoras, conforme indicado no Anexo III do item
15.7.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
69 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
k) Formulário "Solicitação de Fornecimento Rural" (SFR), no caso de consumidor na
zona rural;
l) Termo de Responsabilidade, em 2 (duas) vias, conforme modelo do Anexo IV do item
15.7, nos casos aplicáveis;
m) No caso de ligação de consumidores especiais que prevejam a instalação de
geração própria, ou sistemas de combate a incêndio com alimentação em média
tensão e dupla fonte de alimentação, além da documentação prevista, deve ser
enviado também o projeto detalhado do sistema de comando proposto, contendo todas
as informações necessárias para análise.
Notas:
1) Em caso de reforma ou ampliação de prédios, devem constar detalhes das
instalações existentes até os medidores.
2) A concessionária pode solicitar outros detalhes que julgar necessários em projetos
específicos.
15.3- LIGAÇÕES PROVISÓRIAS
15.3.1- LIGAÇÕES DE CANTEIROS DE OBRAS
15.3.1.1- Os documentos obrigatórios para a ligação são os mesmos do item 15.2.1
(exceto sub-itens 15.2.1-c e 15.2.1-m), bem como Carta de Compromisso para Ligação
Provisória de Canteiro de Obra, conforme Anexo V.a do item 15.7.
15.3.1.2- Se o transformador for instalado em poste ou plataforma e de acordo com os
padrões da CPFL-Jaguariúna (CPFL-Jaguari ou CPFL-Mococa ou CPFL- Leste
Paulista ou CPFL-Sul Paulista), admite-se o projeto em planta na escala até 1:1000. O
projeto deve fornecer todos os detalhes necessário para localização da unidade
consumidora, como: n° do prédio a ser ligado, transformadores da concessionária mais
próximos, nome de ruas e avenidas, etc. Deve ser indicada, também, a posição da
caixa de medição.
15.3.2- LIGAÇÕES DE CIRCOS, PARQUES DE DIVERSÕES E SIMILARES
15.3.2.1- Se o transformador particular for instalado em poste ou plataforma e de
acordo com os padrões da CPFL-Jaguariúna (CPFL-Jaguari ou CPFL-Mococa ou
CPFL- Leste Paulista ou CPFL-Sul Paulista), admite-se o projeto em planta na escala
até 1:1000. O projeto deve fornecer todos os detalhes necessário para localização da
unidade consumidora, como: n° do prédio a ser ligado, transformadores da
concessionária mais próximos, nome de ruas e avenidas, etc. Deve ser indicada,
também, a posição da caixa de medição.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
70 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
Documentação obrigatória: 01 via do Anexo V.b do item 15.7 (Carta de Compromisso
para Ligação Provisória de Circos, Parques, Etc.), sub-itens a, e, f e i, do item 15.2.1 e
projeto em planta na escala 1:1000 em 05 (cinco) vias.
15.3.2.2- Caso o interessado possua subestação móvel, deve ser apresentado para
liberação da ligação, projeto assinado por engenheiro eletricista, havendo, ainda, uma
inspeção antes da ligação.
Documentação obrigatória: 01 via do Anexo V.b do item 15.7 (Carta de Compromisso
para Ligação Provisória de Circos, Parques, Etc.) e os sub-itens f, g e j, do item 15.2.1.
15.3.2.3- Os documentos obrigatórios para os casos não citados acima são 01 via do
Anexo V.b do item 15.7 (Carta de Compromisso para Ligação Provisória de Circos,
Parques, Etc.) e os sub-itens a, b, c, d, e, f e i, do item 15.2.1.
15.4- CONDIÇÕES BÁSICAS DO PROJETO
15.4.1- Todos os desenhos devem ser apresentados em folhas com tamanhos
padronizados pela ABNT.
15.4.2- Todo processo que envolva cálculos e desenhos deve estar assinado pelo
responsável técnico com indicação do número de registro do CREA e visto do
proprietário.
15.5- SOLICITAÇÃO DE FORNECIMENTO
Para atendimento do pedido de ligação e execução de serviços na rede de distribuição
de propriedade da CPFL-Jaguariúna (CPFL-Jaguari, CPFL-Mococa, CPFL-Leste
Paulista e CPFL-Sul Paulista), o cliente ou seu preposto deve preencher o formulário
de Solicitação de Fornecimento no escritório da CPFL-Jaguariúna onde o projeto foi
entregue para liberação, com antecedência mínima de 90 (noventa) dias em relação à
data prevista para energização da unidade consumidora.
15.6- CANAIS DE ATENDIMENTO AO CLIENTE
Através do link de acesso à CPFL-Jaguariúna (CPFL-Jaguari, CPFL-Mococa, CPFLLeste Paulista e CPFL-Sul Paulista) disponível no site www.cpfl.com.br e central de
atendimento 0800 7 02 15 00.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
71 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
15.7- ANEXOS
ANEXO I
CARTA DE APRESENTAÇÃO DO PROJETO
(MODELO REDUZIDO)
(timbre do solicitante se houver)
(local e data)
À
CPFL JAGUARIÚNA S.A. (CPFL-JAGUARI ou CPFL-MOCOCA ou CPFL- LESTE PAULISTA
ou CPFL-SUL PAULISTA).
(endereço do escritório)
Prezados Senhores:
Pela presente, venho (vimos) encaminhar, para apreciação de V.Sa, e liberação para
execução, o processo referente ao projeto das instalações elétricas da(o) (indústria ou imóvel),
.
situado(a) à (endereço), município de
Estou(amos) encaminhando, em anexo,os seguintes documentos (vide nota 1), conforme
solicitado nas normas "Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV – GED´s 2855, 2856,
2858, 2859 e 2861":
- planta de situação do imóvel (4 vias);
- desenho e detalhes do ramal de entrada e quadro de medidores (4 vias);
- plantas e cortes da cabine (ou vistas frontal e de perfil) do posto de transformação (4 vias);
- diagrama unifilar (4 vias);
- memorial descritivo (4 vias);
- projeto do ramal aéreo ou subterrâneo (4 vias);
- relação de carga a ligar e cálculo de demanda (4 vias);
- carta de compromisso de ocupação de poste da concessionária e de instalação de dutos
subterrâneos na via pública (2 vias);
- formulário SFR;
- termo de responsabilidade (2 vias).
Também estou(amos) encaminhando, em anexo cópia da ART, referente ao Projeto (ou Projeto
e Execução), cuja firma poderá ser contatada através deste(s) responsável(eis) signatário(s).
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
72 de 80
Norma Técnica
Distribuição
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
ANEXO I (Continuação)
Faltando 90 (noventa) dias para o término da nossa obra, ou mesmo antes, se convocado pela
CPFL-Jaguariúna (CPFL-Jaguari ou CPFL-Mococa ou CPFL-Leste Paulista ou CPFL-Sul
Paulista), nosso representante técnico irá manter contato com V.Sa. para confirmação do
pedido de ligação para a data indicada e, posteriormente, para a obtenção da localização do
poste do qual derivará o ramal de alimentação e possíveis informações, quanto a eventuais
contribuições financeiras, prevista na legislação.
De posse das informações acima, prepararei(emos) e apresentarei(emos) em 01 (uma) via,
autorização da Prefeitura Municipal para o projeto dos dutos de entrada subterrânea, na parte
que ocupar a via pública, de acordo com as normas da CPFL-Jaguariúna (CPFL-Jaguari ou
CPFL-Mococa ou CPFL-Leste Paulista ou CPFL-Sul Paulista) (vide nota 2).
Atenciosamente
(assinatura do responsável técnico)
- nome legível
- endereço para correspondência
- telefone
- CREA
De Acordo:
(assinatura do proprietário do empreendimento)
- nome legível
- endereço
- telefone
Anexo: os citados
Notas:
1- Listar no primeiro parágrafo os anexos aplicáveis a cada caso, conforme os itens 15.2.1 e
15.3 do documento “Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume 1” (GED2855)
2- Incluir o último parágrafo no caso de entrada subterrânea.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
73 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
ANEXO II
CARTA DE COMPROMISSO DE OCUPAÇÃO DE POSTE DA CPFL JAGUARIÚNA S.A.
(CPFL-JAGUARI ou CPFL-MOCOCA ou CPFL- LESTE PAULISTA ou CPFL-SUL
PAULISTA) E DE INSTALAÇÃO DE DUTOS SUBTERRÂNEOS NA VIA PÚBLICA
(Modelo)
(Timbre do solicitante, se houver)
(Local e data)
À
CPFL JAGUARIÚNA S.A. (CPFL-JAGUARI ou CPFL-MOCOCA ou CPFL- LESTE PAULISTA
ou CPFL-SUL PAULISTA).
(endereço do escritório)
E.T.R. nº............................
Pela presente, venho(vimos) encaminhar, para apreciação de V.Sa., para fins de liberação para
execução, 05 vias do projeto do ramal de entrada subterrâneo, para o(a) (nome da indústria ou
imóvel a ligar), sito à (endereço), no município de ..............., elaborado conforme norma técnica
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV (GED´s 2855, 2856, 2858, 2859 e 2861).
Para ligação à rede de distribuição da CPFL-Jaguariúna (CPFL-Jaguari ou CPFL-Mococa ou
CPFL-Leste Paulista ou CPFL-Sul Paulista) por meio de entrada subterrânea, há necessidade
da ocupação de um poste de propriedade da CPFL-Jaguariúna (CPFL-Jaguari ou CPFLMococa ou CPFL-Leste Paulista ou CPFL-Sul Paulista) e, declaro(amos) que estou(amos) de
acordo em pagar quaisquer despesas eventualmente necessárias, no futuro, em virtude da
deslocação do referido poste.
Concordo(amos) que a ocupação do poste será a título precário e comprometo-me(emo-nos) a
remover as instalações, as minhas(nossas) expensas, caso a CPFL-Jaguariúna (CPFL-Jaguari
ou CPFL-Mococa ou CPFL-Leste Paulista ou CPFL-Sul Paulista) remova ou substitua o poste
ocupado.
Declaro(amos) que na abertura e fechamento no passeio público (ou leito carroçável),
serei(emos) o(s) único(s) responsável(eis) junto a terceiros, pela manutenção das
características anteriormente encontradas, bem como, que a derivação do poste à
minha(nossa) propriedade continua a pertencer-me(nos), pelo que assumo(imos) plena
responsabilidade pelos danos, prejuízos e demais eventualidades que essa derivação venha a
causar a mim(nós) ou a terceiros.
Atenciosamente
(Assinatura do proprietário)
- nome legível
- endereço
- CGC ou CPF
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
74 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
ANEXO III
ATIVIDADES CONSIDERADAS FONTES POLUIDORAS
(conforme Artigo 57 do Capítulo I do Decreto Estadual (SP) N. 47.397-02, de 4 de
dezembro de 2002)
I- atividades de extração e tratamento de minerais, excetuando-se as caixas de
empréstimo;
II- atividades industriais e de serviços, elencadas no anexo 1 do Decreto 47.397-02;
III- operação de jateamento de superfícies metálicas ou não metálicas, excluídos os
serviços de jateamento de prédios ou similares;
IV- sistemas de saneamento, a saber:
a) sistemas autônomos públicos ou privados de armazenamento, transferência,
reciclagem, tratamento e disposição final de resíduos sólidos;
b) sistemas autônomos públicos ou privados de armazenamento, afastamento,
tratamento, disposição final e reuso de efluentes líquidos, exceto implantados em
residências unifamiliares;
c) sistemas coletivos de esgotos sanitários:
1. elevatórias;
2. estações de tratamento;
3. emissários submarinos e subfluviais;
4. disposição final;
d) estações de tratamento de água,
V- usinas de concreto e concreto asfáltico, inclusive instaladas transitoriamente, para
efeito de construção civil, pavimentação e construção de estradas e de obras de arte;
VI- hotéis e similares que queimem combustível sólido ou líquido;
VII- atividades que utilizem incinerador ou outro dispositivo para queima de lixo e
materiais, ou resíduos sólidos, líquidos ou gasosos, inclusive os crematórios;
VIII- serviços de coleta, armazenamento, transporte e disposição final de lodos ou
materiais retidos em unidades de tratamento de água, esgotos ou de resíduos
industriais;
IX- hospitais, inclusive veterinários, sanatórios, maternidades e instituições de
pesquisas de doenças;
X- todo e qualquer loteamento ou desmembramento de imóveis, condomínios
horizontais ou verticais e conjuntos habitacionais, independentemente do fim a que se
destinam;
XI- cemitérios horizontais ou verticais;
XII- comércio varejista de combustíveis automotivos, incluindo postos revendedores,
postos de abastecimento, transportadores revendedores retalhistas e postos
flutuantes;
XIII- depósito ou comércio atacadista de produtos químicos ou de produtos
inflamáveis;
XIV - termoelétricas.
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
75 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
§ 1º - Excluem-se do licenciamento aqui previsto os condomínios verticais localizados
fora dos municípios litorâneos, cuja implantação não implique a abertura de vias
internas de circulação.
§ 2º - A CETESB poderá definir critérios para dispensar do licenciamento os
condomínios horizontais e verticais com fins residenciais, inclusive situados na
zona litorânea, considerando o número de unidades a serem implantadas e os
sistemas de coleta e tratamento de efluentes a serem adotados.
§ 3º - As fontes poluidoras relacionadas no anexo 2 do referido Decreto, poderão
submeter-se apenas ao licenciamento ambiental procedido pelo município, desde
que este tenha implementado o Conselho Municipal de Meio Ambiente, possua
em seus quadros ou à sua disposição profissionais habilitados, e tenha legislação
ambiental específica e em vigor. (NR)
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
76 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
ANEXO IV
TERMO DE RESPONSABILIDADE
E.T.R. nº............................
Declaramos estar cientes de que, em hipótese alguma, as Instalações Elétricas
Independentes, utilizadas para ligação do nosso sistema de combate a incêndios
(bomba d’água), poderão ser interligadas com outras instalações elétricas existentes
em nossa propriedade.
Declaramos, ainda, que os danos pessoais e materiais que possam ser causados a
CPFL-Jaguariúna (CPFL-Jaguari ou CPFL-Mococa ou CPFL-Leste Paulista ou CPFLSul Paulista) e/ou a terceiros, oriundos dessa interligação, são de nossa total
responsabilidade.
_________________________________________________
(local e data)
__________________________________________________
assinatura do consumidor
(nome legível)
(CPF)
(RG)
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
77 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
ANEXO V.a
CARTA DE COMPROMISSO PARA LIGAÇÃO PROVISÓRIA DE CANTEIRO DE OBRA
(Modelo)
(Timbre do solicitante, se houver)
(Local e data)
À
CPFL JAGUARIÚNA S.A. (CPFL-JAGUARI ou CPFL-MOCOCA ou CPFL- LESTE PAULISTA
ou CPFL-SUL PAULISTA)
(endereço do escritório)
E.T.R. nº............................
Pela presente, venho(vimos) solicitar de V.Sa. a liberação e ligação de uma instalação
provisória para fornecimento de energia, num total de .........kW, destinada ao canteiro de obra
para construção, localizada à (endereço), em (município), da (nome da indústria ou imóvel).
Outrossim, informo(amos) que estou(amos) ciente(s) das normas e exigências da CPFLJaguariúna (CPFL-Jaguari ou CPFL-Mococa ou CPFL- Leste Paulista ou CPFL-Sul Paulista) e
para tal declaro(amos).
- Que para ligação definitiva da obra, apresentarei(emos), com antecedência mínima de 120
dias antes da data prevista de energização, o projeto elétrico completo das instalações,
conforme determina o item 15.2.1 do documento “Fornecimento em Tensão Primária 15kV e
25kV - Volume 1” (GED-2855).
- Que estou(amos) de acordo em pagar quaisquer despesas eventualmente necessárias para o
referido atendimento, quer seja motivada por extensão ou melhoria da rede de distribuição.
- Que as instalações elétricas internas serão projetadas e executadas, conforme determina a
NBR-5410 e NBR-14039 da ABNT, bem como outras normas aplicáveis.
- Que ficarão sob minha(nossa) responsabilidade, quaisquer modificações nas instalações de
entrada para fornecimento de energia que não atenderem às condições mínimas das Normas
GED´s 2855, 2856, 2858, 2859 e 2861, da CPFL-Jaguariúna (CPFL-Jaguari ou CPFL-Mococa
ou CPFL- Leste Paulista ou CPFL-Sul Paulista) e apontadas quando da aprovação do projeto
definitivo.
Atenciosamente
(Assinatura do proprietário)
- nome legível
- endereço
- CGC ou CPF
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
78 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
ANEXO V.b
CARTA DE COMPROMISSO PARA LIGAÇÃO PROVISÓRIA DE CIRCOS, PARQUES, ETC.
(Modelo)
(Timbre do solicitante, se houver)
(Local e data)
À
CPFL JAGUARIÚNA S.A. (CPFL-JAGUARI ou CPFL-MOCOCA ou CPFL- LESTE PAULISTA
ou CPFL-SUL PAULISTA)
(endereço do escritório)
E.T.R. nº............................
Pela presente, venho(vimos) solicitar de V.Sa. a liberação e ligação de uma instalação
provisória para fornecimento de energia, num total de .........kW, ao (nome do circo, parque,
etc...) localizado à (endereço), em (município).
Outrossim, informo(amos) que estou(amos) ciente(s) das normas e exigências da CPFLJaguariúna (CPFL-Jaguari ou CPFL-Mococa ou CPFL- Leste Paulista ou CPFL-Sul Paulista) e,
para tal declaro(amos).
- Que a presente ligação provisória se prolongará por um prazo máximo de ........ dias, a partir
desta data.
- Que estou(amos) de acordo em pagar quaisquer despesas eventualmente necessárias para o
referido atendimento, quer seja motivado por extensão ou melhoria da rede de distribuição.
- Que as instalações elétricas internas serão projetadas e executadas conforme determina a
NBR-5410 e NBR-14039 da ABNT, bem como outras normas aplicáveis.
- Que ficarão sob minha(nossa) responsabilidade quaisquer modificações nas instalações de
entrada para fornecimento de energia que não atenderem às condições mínimas da Norma
Técnica GED-2855, da CPFL-Jaguariúna (CPFL-Jaguari ou CPFL-Mococa ou CPFL- Leste
Paulista ou CPFL-Sul Paulista) e apontadas quando da aprovação do projeto definitivo.
Atenciosamente
(Assinatura do proprietário)
- nome legível
- endereço
- CGC ou CPF
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
79 de 80
Tipo de Documento:
Área de Aplicação:
Norma Técnica
Distribuição
Título do Documento:
Fornecimento em Tensão Primária 15kV e 25kV - Volume
1
16- REGISTRO DE REVISÃO
Este documento foi revisado com a colaboração dos seguintes profissionais das
empresas da CPFL Energia.
Empresa
CPFL-Jaguariúna
CPFL-Jaguariúna
CPFL-Paulista
CPFL-Paulista
CPFL-Paulista
CPFL-Paulista
CPFL-Piratininga
CPFL-Piratininga
CPFL-Piratininga
CPFL-Santa Cruz
CPFL-Santa Cruz
Colaborador
Benedito Cláudio Borges
Oswaldo Pinto Ramiro Júnior
Carlos Roberto Franchi
Edmilson de Oliveira
Laércio Aparecido Bianchini
Valdir Quaiatti
Idylio Matheus Martins Santos
Rogério Macedo Moreira
Sérgio Henrique Poletto Duarte
Benedito Aparecido de Morais
Flávio Galego Morales
Alterações efetuadas:
Versão Data da versão
Alterações em relação à versão anterior
anterior
anterior
1.12
06/10/2006
Reformulação geral da norma
N.Documento:
2855
Categoria:
Versão:
Procedimento
2.0
Aprovado por:
Paulo Ricardo Bombassaro
IMPRESSÃO NÃO CONTROLADA
Data Publicação:
22/10/2008
Página:
80 de 80
Was this manual useful for you? yes no
Thank you for your participation!

* Your assessment is very important for improving the work of artificial intelligence, which forms the content of this project

Download PDF

advertisement