SM04.14-01.003 Fornecimento de energia elétrica em baixa tensão

SM04.14-01.003 Fornecimento de energia elétrica em baixa tensão
Norma
Código
Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão
a Edificações de Uso Coletivo
Processo
SM04.14-01.003
Edição
Realizar novas ligações
Atividade
Folha
1ª
1 DE 26
Data
Executa ligação BT
14/08/2007
HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES
Edição
1ª
Data
14/08/2007
Alterações em relação à edição anterior
Esta Norma substitui parte da 3ª edição de 09/06/05 da Norma SM04.08-01.002
Fornecimento de Energia Elétrica em Média Tensão à Edificações de Uso
Coletivo , que foi dividida em 2 Normas:
- Norma SM04.08-01.002 - 4ªedição relativa à Média Tensão
- Norma SM04. 14-01.003 relativa à Baixa Tensão e, cuja vinculação no Mapa de
Processos passa a ser com a Atividade 14 (Executa Ligação BT)
Modificado o desenho do quadro de medidores
Criado um fator de coincidência para o cálculo da demanda da área residencial
GRUPOS DE ACESSO
Nome dos grupos
DIRETOR-PRESIDENTE, SUPERINTENDENTES, GERENTES, GESTORES, FUNCIONÁRIOS OU
PRESTADORES DE SERVIÇOS E CLIENTES
NORMATIVOS ASSOCIADOS
Nome dos normativos
SM04.14-01.001 - Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a Edificações
Individuais.
-
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão a Edificações de Uso
Coletivo
ÍNDICE
Página
1. OBJETIVO .....................................................................................................................................................3
2. RESPONSABILIDADES ................................................................................................................................3
3. DEFINIÇÕES..................................................................................................................................................3
3.1 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA – ANEEL ......................................................................3
3.2 CARGA INSTALADA...................................................................................................................................3
3.3 CARGA PERTURBADORA.........................................................................................................................3
3.4 CIRCUITO ALIMENTADOR ........................................................................................................................3
3.5 CONSUMIDOR.............................................................................................................................................3
3.6 DEMANDA ...................................................................................................................................................3
3.7 DEMANDA MÁXIMA....................................................................................................................................3
3.8 EDIFICAÇÃO DE USO COLETIVO OU DE MÚLTIPLAS UNIDADES CONSUMIDORAS .......................3
3.9 ENTRADA DE SERVIÇO.............................................................................................................................3
3.10 FAIXA DE SERVIDÃO ...............................................................................................................................3
3.11 FATOR DE COINCIDÊNCIA......................................................................................................................3
3.12 GRUPO “A” ...............................................................................................................................................4
3.13 GRUPO “B” ...............................................................................................................................................4
3.14 LIMITE DE PROPRIEDADE ......................................................................................................................4
3.15 NR10 ..........................................................................................................................................................4
3.16 PADRÃO DE ENTRADA ...........................................................................................................................4
3.17 POÇO OU CAIXA DE INSPEÇÃO ............................................................................................................4
3.18 PONTO DE ENTREGA ..............................................................................................................................4
3.19 PONTO DE MEDIÇÃO...............................................................................................................................4
3.20 POSTE PARTICULAR ...............................................................................................................................4
3.21 QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO E MEDIÇÃO .............................................................................................4
3.22 QUADRO DE MEDIÇÃO ...........................................................................................................................4
3.23 QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO GERAL.....................................................................................................4
3.24 RAMAL DE ENTRADA ..............................................................................................................................4
3.25 RAMAL DE LIGAÇÃO ...............................................................................................................................4
3.26 UNIDADE CONSUMIDORA ......................................................................................................................4
4. CRITÉRIOS ....................................................................................................................................................5
4.1 TENSÕES DE FORNECIMENTO ................................................................................................................5
4.2 PONTO DE ENTREGA ................................................................................................................................5
4.3 RAMAL DE LIGAÇÃO .................................................................................................................................5
4.4 RAMAL DE ENTRADA E PADRÃO DE ENTRADA EM BT.......................................................................6
4.5 EDIFICAÇÃO ...............................................................................................................................................7
4.6 QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO GERAL.......................................................................................................7
4.7 ATERRAMENTO DOS QUADROS .............................................................................................................9
4.8 PROJETO ELÉTRICO .................................................................................................................................9
4.9 DEMANDA DA EDIFICAÇÃO ...................................................................................................................10
5. REFERÊNCIAS............................................................................................................................................16
6. APROVAÇÃO ..............................................................................................................................................16
ANEXO I - -LIGAÇÃO DE UNIDAES CONSUMIDORAS SITUADAS EM VIELAS .......................................17
ANEXO II - EDIFICAÇÃO COM DUAS UNIDADES CONSUMIDORAS MONOFÁSICAS ............................18
ANEXO III - EDIFICAÇÃO COM DUAS UNIDADES CONSUMIDORAS MONOFÁSICAS ...........................19
ANEXO IV - EDIFICAÇÃO COM TRÊS UNIDADES CONSUMIDORAS MONOFÁSICAS ...........................20
ANEXO V - ARANJO DE PAINEL DE MEDIDORES......................................................................................21
ANEXO VI - DISPOSITIVO DE SELAGEM PARA OS QUADROS DE BARRAMENTO ...............................22
ANEXO VII - DISPOSITIVO PARA INSTALAÇÃO DOS PARAFUSOS DE SEGURANÇA ..........................23
ANEXO VIII - POÇO PARA ATERRAMENTO DOS QUADROS....................................................................24
ANEXO IX - POTÊNCIA DOS APARELHOS ELETRODOMÉSTICOS..........................................................25
SM.04.14-01.003
1ª Edição
14/08/2007
2 de 26
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão a Edificações de Uso
Coletivo
1.OBJETIVO
Padronizar as entradas de serviço e estabelecer as condições para o fornecimento de energia elétrica a
edificações de múltiplas unidades consumidoras em tensão secundária de distribuição.
2.RESPONSABILIDADES
Compete aos órgãos de planejamento, suprimento, segurança, engenharia, projeto, construção, ligação,
operação, manutenção, comercial e atendimento à clientes da Coelba, assim como os projetistas em geral,
cumprir o estabelecido neste instrumento normativo
3.DEFINIÇÕES
3.1Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL
Autarquia em regime especial, vinculada ao Ministério de Minas e Energia - MME criada pela lei 9.427 de
26/12/1996, com a finalidade de regular e fiscalizar a geração, transmissão, distribuição e comercialização
da energia elétrica.
3.2Carga instalada
Soma das potências nominais dos equipamentos elétricos instalados na unidade consumidora, em
condições de entrar em funcionamento, expressa em quilowatts (kW).
3.3Carga perturbadora
Equipamento que, pelas suas características de funcionamento ou potência, possa prejudicar a qualidade
do fornecimento a outros consumidores.
3.4Circuito alimentador
Condutores instalados entre o Quadro de Distribuição Geral e o Quadro de Distribuição e Medição.
3.5Consumidor
Pessoa física ou jurídica, ou comunhão de fato ou de direito, legalmente representada, que solicitar a
Coelba o fornecimento de energia elétrica e assumir a responsabilidade pelo pagamento das faturas e pelas
demais obrigações fixadas pelas normas e regulamentos da ANEEL, assim vinculando-se aos contratos de
fornecimento, de uso, e de conexão ou de adesão, conforme cada caso.
3.6Demanda
Média das potências ativas ou reativas, solicitadas ao sistema elétrico pela parcela da carga instalada em
operação na unidade consumidora, durante um intervalo de tempo específico.
3.7Demanda máxima
Máxima potência elétrica, expressa em kVA, solicitada por uma unidade consumidora durante um período
de tempo especificado.
3.8Edificação de uso coletivo ou de múltiplas unidades consumidoras
Conjunto vertical ou horizontal com duas ou mais unidades consumidoras, que ocupam o mesmo terreno
privado.
3.9Entrada de serviço
Conjunto de componentes elétricos, compreendidos entre o ponto de derivação da rede de distribuição e o
quadro de distribuição geral.
3.10Faixa de servidão
Área de terreno com restrição imposta à faculdade de uso e gozo do proprietário, cujo domínio e uso é
atribuído à concessionária, para permitir a implantação, operação e manutenção do seu sistema elétrico.
3.11Fator de coincidência
SM.04.14-01.003
1ª Edição
14/08/2007
3 de 26
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão a Edificações de Uso
Coletivo
Relação entre a demanda máxima de um grupo de consumidores ou cargas e a soma das demandas
máximas individuais de cada unidade.
3.12Grupo “A”
Grupamento composto de unidades consumidoras com fornecimento em tensão igual ou superior a 2,3 kV,
ou, ainda, atendidas em tensão inferior a 2,3 kV a partir de sistema subterrâneo de distribuição e faturadas
neste Grupo.
3.13Grupo “B”
Grupamento composto de unidades consumidoras com fornecimento em tensão inferior a 2,3 kV, ou, ainda,
atendidas em tensão superior a 2,3 kV e faturadas neste Grupo.
3.14Limite de propriedade
Demarcação que fixa o limite de uma área privada com a via pública no alinhamento designado pelos
poderes públicos.
3.15NR10
Norma Regulamentadora N.º 10 – Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade.
3.16Padrão de entrada
Conjunto de condutores, equipamentos de medição e acessórios compreendidos entre a conexão com a
rede da concessionária e o dispositivo de proteção da unidade consumidora.
3.17Poço ou caixa de inspeção
Compartimento enterrado destinado a facilitar a passagem dos condutores, ligação de clientes, execução de
emendas, aterramento do neutro, execução de testes e inspeções em geral.
3.18Ponto de entrega
Ponto de conexão do sistema elétrico da Concessionária com as instalações elétricas da unidade
consumidora, caracterizando-se como o limite de responsabilidade do fornecimento.
3.19Ponto de medição
Local de instalação do(s) equipamento(s) de medição de energia elétrica da concessionária.
3.20Poste particular
Poste situado na propriedade da unidade consumidora, com a finalidade de fixar, elevar ou desviar o ramal
de ligação, permitindo também a instalação do ramal de entrada e o painel de medição.
3.21Quadro de distribuição e medição
Módulo constituído de proteção geral alimentado diretamente da rede de distribuição secundária ou de um
Quadro de Distribuição Geral.
3.22Quadro de medição
Quadro destinado à instalação dos equipamentos de medição de energia elétrica da Concessionária.
3.23Quadro de distribuição geral
Módulo de proteção geral e barramento de distribuição para os circuitos alimentadores dos quadros de
distribuição e medição.
3.24Ramal de entrada
Conjunto de condutores e acessórios compreendidos entre o ponto de entrega e o ponto de medição.
3.25Ramal de ligação
Conjunto de condutores e acessórios instalados entre o ponto de derivação da rede da Concessionária e o
ponto de entrega.
3.26Unidade consumidora
Conjunto de instalações e equipamentos elétricos caracterizado pelo recebimento de energia elétrica em um
só ponto de entrega, com medição individualizada e correspondente a um único consumidor.
SM.04.14-01.003
1ª Edição
14/08/2007
4 de 26
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão a Edificações de Uso
Coletivo
4.CRITÉRIOS
4.1Tensões de fornecimento
4.1.1O fornecimento de energia elétrica em tensão secundária ocorre nas tensões de 380/220V e 220/127V
nos sistemas trifásicos e 440/220V e 254/127V para o sistema monofásico.
4.1.2O fornecimento de energia em tensão primária é feito nas tensões de 11,95 kV, 13,8 kV e 34,5 kV no
sistema trifásico e 7,9 kV e 6,9 kV para o sistema monofásico, podendo variar conforme legislação em vigor,
na freqüência de 60 Hz.
4.1.3Compete à concessionária estabelecer a tensão de fornecimento para a unidade consumidora e em
caso de consumidores do grupo A, informar por escrito ao interessado.
4.2Ponto de entrega
4.2.1Na ligação de edificações atendidas em Baixa Tensão (BT) o ponto de entrega deve situar-se no limite
da propriedade com a via pública podendo ser na fachada da edificação, em poste particular ou em poço de
inspeção construído para este fim.
4.2.2Em casos de condomínio horizontal ou de unidades consumidoras situadas em vielas ou “avenidas”, o
ponto de entrega deve situar-se no limite da via interna com cada fração integrante do parcelamento,
conforme legislação em vigor e detalhado no ANEXO I.
4.2.3Por questões de segurança, cada edificação deve ser ligada através de uma única entrada de serviço
e um só ponto de entrega.
4.3Ramal de Ligação
4.3.1Os ramais de ligação, como também as proteções de BT devem ser dimensionados com base na
tabela seguinte:
Edificações de Múltiplas Unidades
Demanda Máxima
Ramal de Ligação
Corrente
(kVA)
Aéreo
Subterrâneo
Disjuntor
Máxima
(A)
PVC
Aço
Seção
(A)
220/127 V
380/220 V
Cobre
Al
(mm²) φ (mm) φ (mm)
10
16
10
40
32
50
40 ou 50
D≤20
D≤32
16
16
16
40
32
68
60 ou 63
20<D≤25
32<D≤44
16
35
25
50
40
89
70 ou 80
25<D≤33
44<D≤58
25
35
35
60
50
111
100
33<D≤ 42
58<D≤73
25
35
50
60
50
134
125
42<D≤51
73<D≤88
35
70
70
85
80
171
160
51<D≤65
88<D≤112
50
70
95
85
80
207
200
65<D≤78
120
100
100
239
250
78<D≤91
150
100
100
275
315
91<D≤104
185
100
100
313
315
104<D≤112
Notas:
a)
Nos cálculos acima, foram considerados em PVC 70° o isolamento e cobertura dos cabos;
b)
Em função de características específicas da instalação, tais como modo de instalação dos
condutores, distância para o quadro geral, tipo de isolante dos condutores, temperatura ambiente, etc.,
outros valores podem ser aceitos desde que justificados no projeto;
c)
Os disjuntores de 315 e 400 ampères são reguláveis e devem ser regulados para a corrente da
carga, tendo como limite superior os valores da corrente máxima. Podem ser aceitos disjuntores não
reguláveis, desde que a corrente nominal seja inferior à corrente máxima;
d)
A demanda máxima deve ser calculada por método definido nesta norma;
SM.04.14-01.003
1ª Edição
14/08/2007
5 de 26
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão a Edificações de Uso
Coletivo
4.3.2Quando destinada à ligação dos Quadros de Distribuição e Medição, o ramal de ligação deve ser
dimensionado a partir da demanda máxima da edificação.
4.3.3O ramal de ligação deve ser aéreo, podendo ser subterrâneo por determinações públicas ou por
necessidades técnicas da concessionária.
4.3.4O ramal de ligação aéreo deve ter vão livre de no máximo 30 m, não deve cruzar terreno de terceiros
ou passar sobre ou sob área construída.
4.3.5O ramal de ligação não deve ser acessível através de janelas, sacadas, escadas, ou outros locais de
acesso de pessoas, devendo obedecer às distâncias mínimas estabelecidas na norma NBR 5434.
4.3.6O ramal de ligação deve ser livre de obstáculos, sem emendas, visível em toda a sua extensão e entrar
pela frente do terreno ou pelo endereço postal da unidade consumidora.
4.3.7O ramal de ligação deve respeitar as legislações dos poderes municipais, estadual e federal,
especialmente quando atravessar vias públicas.
4.3.8O ramal de ligação aéreo de baixa tensão deve ser fixado através de armação secundária dotada de
isolador roldana ou olhal.
4.3.9O ramal de BT deve manter as seguintes distâncias mínimas para o solo na pior condição de trabalho:
a)
5,50m em ruas e avenidas;
b)
4,50m em local de passagem de veículos (entradas particulares);
c)
3,50 m em locais de circulação exclusivos para pedestres
4.3.10O ramal de ligação subterrâneo deve ser em cabo de cobre, ter camada isolante com proteção
mecânica adicional, ter isolação mínima para 1 kV, seção circular compatível com a demanda máxima da
edificação e classe de encordoamento 2 (Dois).
4.3.11Devem ser utilizados poços de inspeção na base do poste e na divisa da via pública com a unidade
consumidora (ponto de entrega) espaçados de no máximo 30 metros.
4.3.12Os poços de inspeção situados em via pública devem ser cilíndricos de alvenaria com blocos maciços
ou pré-moldados em concreto, com diâmetro igual à profundidade de 600 mm e tampa de ferro fundido
padrão COELBA.
4.3.13Nas áreas internas às edificações, as tampas podem ser de cimento ou material semelhante ao piso;
4.3.14Os condutores de descida nos postes situados em via pública devem ser protegidos por eletrodutos
de aço carbono galvanizado, diâmetro de 76 mm (3”), com 6 metros de comprimento, fixados no poste por
fitas de aço inoxidável ou arame galvanizado.
4.3.15Os eletrodutos e os poços de inspeção do ramal não podem ser utilizados para fins não elétricos.
4.4Ramal de entrada e padrão de entrada em BT
4.4.1O ramal de entrada deve ser dimensionado de maneira semelhante à do ramal de ligação.
4.4.2O ramal de entrada deve ser instalado pelo interessado obedecendo aos padrões da concessionária.
4.4.3O padrão de entrada pode ter até 3 (três) curvas de 90 graus, espaçadas no máximo de 3 m.
4.4.4O padrão de entrada deve ser inspecionado e aprovado previamente pela concessionária antes de ser
efetuada a ligação definitiva da unidade consumidora.
4.4.5Os condutores do ramal de entrada devem ser de cobre, classe de encordoamento 2, com isolação
mínima para 750V. Nos casos de ramal subterrâneo, o cabo deve ter camada isolante com proteção
mecânica adicional e isolação mínima para 0,6/1 kV.
SM.04.14-01.003
1ª Edição
14/08/2007
6 de 26
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão a Edificações de Uso
Coletivo
4.4.6A seção dos condutores dos circuitos alimentadores das unidades consumidoras deve ser
dimensionada a partir da carga ou demanda máxima da unidade, conforme a SM04.14.00.001Norma para
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição à Edificações Individuais.
4.4.7Não é permitida emenda de condutores do ramal de entrada no interior de eletrodutos.
4.5Edificação
4.5.1As instalações elétricas das unidades consumidoras de BT devem atender às prescrições da norma
NBR 5410.
4.5.2As edificações, que ao todo ou em parte possuam locais de afluência de público, devem atender aos
requisitos da norma NBR 13570.
4.5.3Devem ser atendidas as recomendações dos fabricantes quanto aos aspectos de segurança e
proteção dos equipamentos eletro-eletrônicos instalados nas unidades consumidoras.
4.5.4As edificações de uso coletivo com até 3 (três) unidades consumidoras monofásicas podem ser ligadas
através de entradas de serviços individuais conforme ANEXO II, ANEXO III e ANEXO IV.
4.6Quadro de distribuição geral.
4.6.1Deve ser previsto, para cada edificação de uso coletivo, um Quadro de Distribuição Geral com
dispositivo de proteção e secionamento.
4.6.2O quadro de distribuição geral deve ser instalado preferencialmente no andar térreo da edificação no
máximo a 30 m do ponto de entrega.
4.6.3Os quadros de distribuição devem prever dispositivos para selagem com parafusos de segurança
padronizados pela concessionária, além de disjuntores para proteção dos circuitos alimentadores.
4.6.4O dispositivo de proteção geral de BT deve possuir capacidade de interrupção mínima de 10 kA.
4.6.5Centro de Medição
4.6.6Os pontos de medição devem ser agrupados em um ou mais centros de distribuição e medição, em
locais facilmente acessíveis aos leituristas.
4.6.7No interior dos quadros de medição devem existir plaquetas vinculando os medidores às respectivas
unidades consumidoras.
4.6.8O quadro de distribuição geral e os quadros de distribuição e medição devem ser conectados a uma
malha de terra formada no mínimo por 3 (três) hastes de aço cobreado, 16 x 2400 mm, e conector de
aterramento em bronze para conexões haste cabo com duas porcas (grampo de aterramento tipo U).
4.6.9Os locais onde se situam os quadros de distribuição e medição devem permitir um afastamento mínimo
de 0,7 m da face externa do quadro (com as portas abertas) à parede livre oposta.
4.6.10Nos casos onde existem quadros em duas paredes opostas, o espaço entre as paredes deve ser tal
que com as portas dos quadros abertas, na pior condição, deve existir um espaçamento de no mínimo 0,7
metros para circulação emergencial de pessoas.
4.6.11Em edificações de até 4 (quatro) pavimentos, sem elevador, o centro de medição deve situar-se no
pavimento térreo ou garagem. Se a edificação possuir mais de quatro pavimentos e elevador, é permitida a
instalação de vários centros de medição distribuídos em diferentes pavimentos, desde que cada centro de
medição contenha, no mínimo, 8 (oito) medidores.
4.6.12Os quadros de distribuição e medição das edificações de uso coletivo devem ser dimensionados para
comportar um medidor para cada unidade ou salas com possibilidade de individualizar a medição.
SM.04.14-01.003
1ª Edição
14/08/2007
7 de 26
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão a Edificações de Uso
Coletivo
4.6.13Os quadros de distribuição e medição com caixas monofásicas devem dispor de espaço, que permita
a conversão de ligações monofásicas para trifásicas nas taxas de 50% para edificações comerciais e 30%
para edificações residenciais.
4.6.14Os medidores das unidades consumidoras devem ser instalados em quadros de medição projetados
e instalados pelo interessado obedecendo aos padrões da concessionária.
4.6.15A caixa de medição e a caixa de disjunção das unidades consumidoras devem obedecer à SM04.1401.001Norma para Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição à Edificações
Individuais.
4.6.16No interior da caixa de medição, não é permitido a existência de circuitos destinados ao suprimento
de outras unidades consumidoras. Ver ANEXO V.
4.6.17Cada unidade consumidora deve possuir apenas um ramal de entrada e única medição.
4.6.18Os painéis de medição e seus acessórios são fornecidos e instalados pelos interessados. Cabe à
Concessionária instalar os medidores, acessórios e equipamentos necessários à medição;
4.6.19A caixa plástica de medição e a caixa plástica de disjunção podem ser fixadas em folha de
compensado naval de 10 mm de espessura ou em chassis de alumínio. Para a fixação na madeira, devem
ser utilizados 3 (três) parafusos de rosca soberba (auto-atarraxante). Para o chassi de alumínio, devem ser
utilizados parafusos com porcas.
4.6.20A caixa plástica de medição e a caixa plástica de disjunção podem ser fixadas diretamente na parede
da sala de medidores com parafusos e buchas de plástico ou ainda, embutidas.
4.6.21A caixa plástica de medição e a caixa plástica de disjunção devem ser instaladas, de modo que a
base inferior da caixa mais baixa situe-se a uma altura mínima de 45 cm do solo e que a face superior da
caixa de medição mais alta não exceda 170 cm do solo.
4.6.22As interligações das caixas com o barramento devem ser feitas através de eletroduto de PVC rígido
rosqueável, segundo a norma NBR 6150.
4.6.23Os circuitos de alimentação das unidades consumidoras, incluindo os condutores neutro e de
proteção, devem ser individuais a partir do barramento.
4.6.24Os condutores dos circuitos alimentadores das unidades consumidoras a partir do medidor devem ser
de cobre, classe de encordoamento 2 de acordo com a NBR NM-280 e isolados para 750 V ou 1 kV.
4.6.25A caixa de barramento deve possuir tampa cega de aço ou alumínio com janela para operação do
disjuntor e dispositivos para permitir no mínimo a colocação de 2 (dois) parafusos de segurança aço 6 x 16
mm (rosca M6), a tampa deve abrir lateralmente e ser fixada através de dobradiças. Ver ANEXO VI.
4.6.26O dispositivo para colocação dos parafusos deve ser instalado na caixa de barramento a uma
distância de ¼ do topo e ¼ do limite inferior sendo fixado na porta de fechamento da caixa no lado oposto
às dobradiças. Ver detalhe deste dispositivo no desenho do ANEXO VII.
4.6.27As ligações do barramento até o medidor das unidades consumidoras devem ser feitas com
condutores com classe de encordoamento 2 e de isolação 750 V ou 1 kV.
4.6.28Os barramentos devem ser compostos por barras de cobre dimensionadas em função da carga.
4.6.29Circuitos medidos e não medidos não podem coexistir nos mesmos eletrodutos e poços de inspeção.
4.6.30Em edificações com quadros de distribuição e medição por pavimentos, a condução da energia não
medida deve enquadrar-se em um dos seguintes modelos:
a)
Prumadas em bandeja visível em toda sua extensão;
SM.04.14-01.003
1ª Edição
14/08/2007
8 de 26
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão a Edificações de Uso
Coletivo
b)
Prumadas com barras blindadas (Bus-Way) providas de caixas de inspeção com dispositivo de
selagem em todos os pontos de proteção ou derivação;
c)
Prumadas em eletrodutos visíveis em toda sua extensão e, quando instalados no piso, envelopados
em concreto.
4.7Aterramento dos Quadros
Os quadros de distribuição e medição devem ter seus elementos neutros e massas aterradas em poços de
inspeção conforme ANEXO VIII.
4.7.1Todos os pontos de aterramento devem ser interligados com cabo de seção mínima igual à seção dos
condutores fases.
4.8Projeto elétrico
4.8.1A ligação de edificações de uso coletivo com mais de 5 (cinco) unidades consumidoras ou carga
instalada superior a 50 kW, deve ser precedida pela análise e liberação de um projeto elétrico elaborado
conforme as recomendações da Concessionária.
4.8.2Pode ser dispensado o projeto para edificações de uso coletivo se o total da carga instalada não
superar 18 kW independentemente do número de unidades consumidoras em decorrência das condições
socioeconômica dos consumidores bem como da baixa influência desta carga na rede elétrica da
concessionária.
4.8.3Os projetos de instalações elétricas em áreas internas às edificações têm validade de 36 (trinta e seis)
meses após a data de aprovação, enquanto que a validade dos projetos em instalações externas é de 12
(doze) meses.
4.8.4Os projetos devem ser desenhados utilizando-se os padrões de desenhos e simbologia recomendados
pela ABNT.
4.8.5Os projetos devem ser apresentados em 3 (três) vias nas seguintes escalas mínimas:
Escala 1:25 ou 1:50 para cortes e plantas baixa;
Escala 1:2.000 para a planta de situação;
Escala 1:10.000 para a planta de localização.
4.8.6Os projetos devem ser apresentados com a seguinte documentação:
a)
Memorial descritivo do Projeto com os itens listados abaixo que incluem os exigidos na norma NR10
de 07/12/04, dentre outros:
b)
Nome do proprietário;
c)
Localização;
d)
Município;
e)
Número de pavimentos;
f)
Finalidade da instalação;
g)
Ponto de alimentação;
h)
Descrição básica da entrada de serviço;
i)
Carga instalada / demanda calculada, referentes à instalação;
j)
Especificação das características relativas à proteção contra choques elétricos, queimaduras etc.
k)
Indicação de posição dos dispositivos de manobra dos circuitos elétricos: (Verde - “D”, desligado e
Vermelho - “L”, ligado);
l)
Descrição do sistema de identificação de circuitos elétricos e equipamentos, incluindo dispositivos
de manobra, de controle e de proteção.
m)
Diagramas unifilares;
n)
Quadros de cargas por quadro de distribuição;
o)
Projeto detalhado do sistema gerador de emergência, quando existente;
p)
Anotação de Responsabilidade Técnica referente ao projeto, assinada por profissional habilitado
pelo CONFEA/CREA regional;
SM.04.14-01.003
1ª Edição
14/08/2007
9 de 26
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão a Edificações de Uso
Coletivo
q)
Certificado de Licença Ambiental emitido pelo órgão estadual competente, quando a edificação
estiver situada em área de proteção ambiental ou a legislação exigir;
r)
Autorização do IBAMA em caso de obras com atividades de supressão vegetal.
s)
O dimensionamento da instalação elétrica da edificação deve atender as normas da ABNT e ser
efetuado com base na demanda máxima prevista para a carga instalada.
4.8.7As instalações elétricas das edificações alimentadas em BT devem ser dimensionadas de forma que a
queda de tensão máxima até o ponto de utilização seja de 4%.
4.8.8A queda acima deve ser decomposta em duas parcelas: A primeira de 2% entre o ponto de conexão
com a rede da concessionária e o quadro geral de distribuição da unidade consumidora e os outros 2%
entre o quadro geral de distribuição da unidade consumidora e o ponto de utilização.
4.9Demanda da Edificação
4.9.1O método recomendado para cálculo da demanda da edificação deve considerar, além dos fatores de
coincidência, a diferença entre as curvas características das cargas diurnas e noturnas para as áreas
residenciais e comerciais.
4.9.2A demanda para a área residencial (Dr) deve ser calculada pelo critério da área útil, conforme as
seguintes instruções:
a)
Calcula-se a área útil do apartamento;
b)
Determina-se a demanda por apartamento com base na área útil e na seguinte tabela.
AREA ÙTIL m2
Até 40
41 – 45
46 – 50
51 – 55
56 – 60
61 – 65
66 – 70
71 – 75
76 – 80
81 – 85
86 – 90
91 – 95
96 – 100
101 – 110
111 – 120
121 – 130
131 – 140
141 – 150
151 – 160
161 – 170
Demanda do Apartamento em Função da Área Útil
DEMANDA kVA
AREA ÙTIL m2
DEMANDA kVA
1,00
171 – 180
3,65
1,05
181 – 190
3,83
1,16
191 – 200
4,01
1,26
201 – 220
4,36
1,36
221 – 240
4,72
1,47
241 – 260
5,07
1,57
261 – 280
5,42
1,67
281 – 300
5,76
1,76
301 – 350
6,61
1,86
351 – 400
7,45
1,96
401 – 450
8,28
2,06
451 – 500
9,10
2,16
501 – 550
9,91
2,35
551 – 600
10,71
2,54
601 – 650
11,51
2,73
651 – 700
12,30
2,91
701 – 800
13,86
2,10
801 – 900
15,40
3,28
901 – 1000
16,93
3,47
c)
Determina-se o fator de coincidência em função do número de apartamentos residenciais da
edificação, com base na tabela seguinte:
Nº aptos
1
2
SM.04.14-01.003
Fator de Coincidência em Função do Número de Apartamentos
f coinc.
Nº aptos
f coinc
Nº aptos
f coinc
Nº aptos
100%
16
89,50%
31
77,68%
46
98,00%
17
88,82%
32
77,16%
47
1ª Edição
14/08/2007
f coinc
71,96%
71,62%
10 de 26
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão a Edificações de Uso
Coletivo
Nº aptos
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
Fator de Coincidência em Função do Número de Apartamentos
f coinc.
Nº aptos
f coinc
Nº aptos
f coinc
Nº aptos
97,30%
18
88,22%
33
76,64%
48
97,00%
19
87,68%
34
76,18%
49
96,80%
20
87,20%
35
75,71%
50
96,60%
21
85,90%
36
75,28%
51
96,57%
22
84,77%
37
74,89%
52
96,50%
23
83,70%
38
74,45&
53
96,55%
24
82,75%
39
72,54%
54
96,40%
25
81,84%
40
73,80%
55
94,73%
26
81,00%
41
73,46%
56
93,33%
27
80,26%
42
73,17%
57
92,15%
28
79,54%
43
72,89%
58
91,14%
29
78,90%
44
72,60%
59
90,27%
30
78,27%
45
72,31%
60 ou +
f coinc
71,29%
70,98%
70,68%
70,39%
70,17%
69,85%
69,60%
69,35%
69,11%
68,88%
68,66%
68,44%
68,23%
d)
Multiplica-se a demanda do apartamento obtida em função da área, pelo número de apartamentos
da edificação e pelo fator de coincidência da tabela acima.
e)
Se a demanda da área residencial calculada da forma acima não superar 26 kVA, recalcula a
demanda pelo método da potência instalada e considera o menor valor como a prevista para a carga.
4.9.3A demanda da área de serviço (Ds) deve ser calculada pelo critério da potência instalada.
A potência instalada deve ser calculada com base na potência nominal média dos equipamentos, conforme
padronizado pela concessionária através de tabela no ANEXO IX. Em casos de cargas especiais, podem
ser aceitas as potências declaradas em projeto pelo consumidor.
4.9.4A potência em kVA deve ser calculada com base nos fatores de potência específico dos
eletrodomésticos ou nos valores da tabela seguinte:
Tipo de Equipamento
Lâmpadas incandescentes
Fator de Potência
1,00
Chuveiro, torneira, aquecedor, ferro, fogão ou outros resistores.
1,00
Lâmpadas fluorescente, néon, vapor de sódio ou mercúrio e
Sem comp. de fator 0,50
outros através de descargas de gases:
Com comp. de fator 0,85
Motores de Indução 1 cv
0,67
Motores de Indução 2 cv
0,73
Motores de Indução 3 cv
0,80
Motores de Indução 5 cv
0,83
Motores de Indução 7,5 cv
0,85
Motores de Indução 25 cv
0,86
Motores de Indução 30 cv
0,87
Motores de Indução 40 cv
0,89
Motores de Indução 50 cv
0,91
Motores de Indução de 60 a 125 cv
0,92
Motores de Indução 150 cv
0,93
Motores de Indução 200 cv
0,94
Máquina de Solda a arco
0,50
Máquina de Solda a resistência
0,80
Aparelhos Eletrodomésticos a motor (1 cv)
0,67
Nota: Os valores de fator de potência para motores são médios para 75% da carga nominal.
4.9.5O cálculo da demanda pelo critério da carga instalada deve utilizar a seguinte fórmula:
Ds = a + b + c + d + e + f + g
SM.04.14-01.003
1ª Edição
14/08/2007
11 de 26
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão a Edificações de Uso
Coletivo
a)
A parcela “a” representa a soma das demandas da iluminação e tomadas da área não residencial e
residencial do serviço, calculadas com base respectivamente nas duas tabelas seguintes:
Primeira tabela
Áreas não Residenciais
Descrição
Fator de Demanda %
Auditório, salões e semelhantes
100
Bancos, lojas e semelhantes
100
Barbearias, salões de beleza e semelhantes
100
Clubes e semelhantes
100
100 para os primeiros 12 kVA
Escolas e semelhantes
50 para o que exceder de 12 kVA
100 para os primeiros 20 kVA
Escritórios
70 para o que exceder de 20 kVA
Garagens comerciais e semelhantes
100
40 para os primeiros 50 kVA
Hospitais e semelhantes
20 para o que exceder de 50kVA
50 para os primeiros 20 kVA
Hotéis e semelhantes
40 para os seguintes 80 kVA
30 para o que exceder de 100 kVA
Igrejas e semelhantes
100
Restaurantes e semelhantes
100
Segunda tabela
Área Residencial do Serviço
Carga Instalada Fator de Demanda Carga Instalada Fator de Demanda
CI < 1 kW
0,86
0,64
5 < CI ≤ 6 kW
0,81
0.60
1 < CI ≤ 2 kW
6 < CI ≤ 7 kW
0.76
0.57
2 < CI ≤ 3 kW
7 < CI ≤ 8 kW
0.72
0.54
3 < CI ≤ 4 kW
8 < CI ≤ 9 kW
0.68
0.52
4 < CI ≤ 5 kW
9 < CI ≤ 10 kW
b)
A parcela b=b1+b2+b3+b4+b5, representa a soma das demandas dos aparelhos eletrodomésticos e
de aquecimento, calculadas utilizando-se as duas tabelas seguintes, cujos fatores devem ser aplicados
separadamente por grupos homogêneos de equipamentos, onde:
−
b1- chuveiros, torneiras e cafeteiras elétricas;
b2- aquecedores de água por acumulação ou por passagem;
−
−
b3- fornos, fogões e aparelhos tipo Grill;
−
b4- máquinas de lavar e secar roupas, máquinas de lavar louça e ferro;
−
b5- demais aparelhos (TV, conjunto de som, ventilador, geladeira, freezer, torradeira, liquidificador,
espremedor de frutas, triturador e demais eletrodomésticos).
Primeira tabela
Eletrodomésticos em Geral Exceto Fogões Elétricos
Número De
Fator De
Número De
Fator De
Aparelhos
Demanda %
Aparelhos
Demanda %
1
100
16
46
2
100
17
45
3
100
18
44
4
100
19
43
5
92
20
42
SM.04.14-01.003
1ª Edição
14/08/2007
12 de 26
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão a Edificações de Uso
Coletivo
Eletrodomésticos em Geral Exceto Fogões Elétricos
Número De
Fator De
Número De
Fator De
Aparelhos
Demanda %
Aparelhos
Demanda %
6
84
21
41
7
76
22
40
8
70
23
40
9
65
24
39
10
60
25
39
11
57
26 a 30
39
12
54
31 a 40
38
13
52
41 a 50
38
14
49
51 a 60
37
15
48
61 ou mais
36
Segunda tabela
N.º de
Aparelhos
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
Fatores de demanda para fogões elétricos
Fator de Demanda %
Fator de Demanda %
N.º de
c/potência até c/potência acima
c/potência
c/potência acima
Aparelhos
3,5kW
de 3,5kW
até 3,5kW
de 3,5kW
100
100
16
39
28
75
65
17
38
28
70
55
18
37
28
66
50
19
36
28
62
45
20
35
28
59
43
21
34
26
56
40
22
33
26
53
36
23
32
26
51
35
24
31
26
49
34
25
30
26
47
32
26 a 30
30
24
45
32
31 a 40
30
22
43
32
41 a 50
30
20
41
32
51 a 60
30
18
40
32
60 < Nº
30
16
c)
A parcela “c” representa a demanda dos aparelhos de ar condicionado tipo janela calculada,
aplicando-se os fatores de demanda da tabela seguinte:
Demanda dos Aparelhos de ar Condicionado tipo Janela
Número de Aparelhos
Fator de Demanda (%)
1 a 10
100
11 a 20
86
21 a 30
80
31 a 40
78
41 a 50
75
51 a 75
70
76 a 100
65
Acima de 100
60
d)
A parcela “d” representa a demanda dos motores monofásicos e trifásicos calculada, utilizando-se
os valores das duas tabelas seguintes:
SM.04.14-01.003
1ª Edição
14/08/2007
13 de 26
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão a Edificações de Uso
Coletivo
Primeira tabela
Demanda Individual de Motores Monofásicos
Valores Nominais do Motor
Demanda Individual (kVA)
Potência do Motor
Rendi- Corrente
Número de Motores
F. P.
mento
(220 V)
Eixo(cv)
Absorvida.
M=1
M=2
3<M<5
5<M
¼
0,39 kW
0,63
0,47
2.8 A
0,62
0,50
0,43
0,37
1/3
0.52 kW
0,71
0,47
3,3 A
0,73
0,58
0,51
0,44
½
0,66 kW
0,72
0,56
4,2 A
0,92
0,74
0,64
0,55
¾
0,89 kW
0,72
0,62
5,6 A
1,24
0,99
0,87
0,74
1,0
1,10 kW
0,74
0,67
6,8 A
1,49
1,19
1,04
0,89
1,5
1,58 kW
0,82
0,70
8,8 A
1,93
1,54
1,35
1,16
2,0
2,07 kW
0,85
0,71
11 A
2,44
1,95
1,71
1,46
3,0
3,07 kW
0,96
0,72
15 A
3,2
2,56
2,24
1,92
4,0
3,98 kW
0,96
0,74
19 A
4,15
3,32
2,91
2,49
5,0
4.91 kW
0,94
0,75
24 A
5,22
4,18
3,65
2,91
2,49
7,46 kW
0,94
0,74
36 A
7,94
6,35
5,56
4,76
10,0
9,44 kW
0,94
0,78
46 A
10,04
8,03
7,03
6,02
12,5
12,10 kW
0,93
0,76
59 A
13,01
10,41
9,11
7,81
Notas:
−
1 - Fator de potência e rendimento são valores médios, referidos a 3600 RPM;
−
2 - Para cálculo da demanda os motores devem ser agrupados em 3 classes;
−
Primeira = pequenos motores M ≤5 cv.
−
Segunda = médios motores 5 cv < M ≤ 10 cv.
−
Terceira = grandes Motores 10 cv < M.
−
3 - Aplica-se a tabela para os dois primeiros grupos separadamente e somam-se as parcelas;
−
4 - Calcula a demanda dos grandes motores de modo semelhante às máquinas de solda à
transformador e acrescenta-se as demandas dos grandes motores ao subtotal já calculado.
Segunda tabela
Demanda Individual de Motores Trifásicos
Valores Nominais do Motor
Demanda por Motor (kVA)
Potência do Motor
Número de Motores
Rendi
Corrente
F. P.
mento
(220V)
Eixo(cv)
Absorvida.
M=1
M=2
5<M
3≤M≤5
1/6
0,25 kW
0,67
0,49
0,9 A
0,37
0,30
0,26
0,22
¼
0,33 kW
0,69
0,55
1,2 A
0,48
0,38
0,34
0,29
1/3
0,41 kW
0,74
0,60
1,5 A
0,56
0,45
0,39
0,34
½
0,57 kW
0,79
0,65
1,9 A
0,72
0,58
0,34
0,29
¾
0,82 kW
0,76
0,67
2,8 A
1,08
0,86
0,76
0,65
1,0
1,13 kW
0,82
0,65
3,7 A
1,38
1,10
0,97
0,83
1,5
1,58 kW
0,78
0,70
5,3 A
2,03
1,62
1,42
1,22
2,0
1,94 kW
0,81
0,76
6,3 A
2,40
1,92
1,68
1,44
3,0
2,91 kW
0,80
0,76
9,5 A
3,64
2,91
2,55
2,18
4,0
3,82 kW
0,77
0,77
13 A
4,96
3,97
3,47
2,98
5,0
4,78 kW
0,85
0,77
15 A
5,62
4,50
3,93
3,37
6.0
5,45 kW
0,84
0,81
17 A
6,49
5,19
4,54
3,89
7,5
6,90 kW
0,85
0,80
21 A
8,12
6,50
5,68
4,87
10
9,68 kW
0,90
0,76
26 A
10,76
8,61
7,53
6,46
12,5
11,79 kW
0,89
0,78
35 A
13,25
10,60
9,28
7,95
15
13,63 kW
0,91
0,81
39 A
14,98
11,98
10,49
8,99
20
18,40 kW
0,89
0,80
54 A
20,67
16,54
14,47
12,40
25
22,44 kW
0,91
0,82
65 A
24,66
19,73
17,26
14,80
30
26,93 kW
0,91
0,82
78 A
29,59
23,67
20,71
17,76
SM.04.14-01.003
1ª Edição
14/08/2007
14 de 26
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão a Edificações de Uso
Coletivo
Demanda Individual de Motores Trifásicos
Valores Nominais do Motor
Demanda por Motor (kVA)
Potência do Motor
Número de Motores
Rendi
Corrente
F. P.
mento
(220V)
Eixo(cv)
Absorvida.
M=1
M=2
5<M
3≤M≤5
50
44,34 kW
0,90
0,83
125 A
49,27
60
51,35 kW
0,89
0,86
145 A
57,70
75
62,73 kW
0,89
0,88
180 A
70,48
Notas:
−
1 - Fator de potência e rendimento são valores médios, referidos a 3600 rpm;
−
2 - Para cálculo da demanda os motores devem ser agrupados em 3 classes;
−
Primeira = pequenos motores M ≤5 cv.
−
Segunda = médios motores 5 cv < M ≤ 10 cv.
−
Terceira = grandes Motores 10 cv < M.
−
3 - Aplica-se a tabela para os dois primeiros grupos separadamente e somam-se as parcelas;
−
4 - Calcula a demanda dos grandes motores de modo semelhante às máquinas de solda à
transformador e acrescenta-se as demandas dos grandes motores ao subtotal já calculado.
e)
A parcela “e” representa a demanda das máquinas de solda a transformador, calculada conforme
seguinte critério:
−
100% da potência do segundo maior aparelho;
−
70% da potência do segundo maior aparelho;
−
40% da potência do terceiro maior aparelho;
−
30% da potência dos demais aparelhos.
f)
−
−
A parcela “f” representa a demanda dos aparelhos de raios X, calculada da seguinte forma:
100% da potência do maior aparelho;
10% da potência do segundo maior aparelho.
g)
A parcela “g” representa a demanda para bombas e banheiras de hidromassagem, que deve ser
calculada utilizando-se os fatores de demanda da seguinte tabela:
Demanda para Bombas e Banheiras de Hidromassagem
Número de Aparelhos
Fator de demanda (%)
1
100
2
56
3
47
4
39
5
35
6 a 10
25
11 a 20
20
21 a 30
18
Acima de 30
15
4.9.6A demanda dos estabelecimentos comerciais, Dc, deve ser calculada pelo método da carga instalada,
utilizando-se a mesma fórmula e as mesmas tabelas utilizadas no cálculo da demanda da área de serviço.
Dc = a + b + c + d + e + f + g
4.9.7A demanda futura para a edificação deve ser calculada aplicando-se a fórmula.
Df = Dr.Fr + Ds + Dc
Onde:
a)
Df = demanda total da edificação;
b)
Dr = demanda total dos apartamentos residenciais, calculado pelo método da área útil;
c)
Fr = fator de segurança mínimo conforme item seguinte;
SM.04.14-01.003
1ª Edição
14/08/2007
15 de 26
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão a Edificações de Uso
Coletivo
d)
e)
Ds = demanda do condomínio calculada pelo método da carga instalada;
Dc = demanda das cargas comerciais, calculada pelo critério da carga instalada.
4.9.8O fator de segurança mínimo é função da demanda residencial calculada acima e deve ser obtido a
partir da tabela abaixo.
Demanda dos Aptos.(kVA)
Fr (mínimo)
Fator de Segurança Mínimo
Dr ≤ 25
25A < Dr ≤ 50A
1,5
1,3
50< Dr ≤ 100
1,2
Dr > 100
1,0
4.9.9Na ocorrência de reformas na edificação, que venham a exigir modificações na entrada de serviço, o
novo ponto de entrega deve obedecer às recomendações desta norma.
5.REFERÊNCIAS
NBR 5361
Disjuntores de Baixa Tensão
NBR 5410
Instalações Elétricas de Baixa Tensão
NBR 5434
Redes de Distribuição Aérea Urbana de Energia Elétrica - Padronização
NBR 6150
Eletroduto de PVC Rígido
NBR 10676
Fornecimento de Energia a Edificações Individuais em Tensão Secundária – Rede de
Distribuição Aérea;
NBR 13534
Instalações Elétricas em Estabelecimentos Assistenciais de Saúde – Requisitos para
Segurança;
NBR 13570
Instalações Elétricas em locais de afluência de público – requisitos específicos
NBR NM-280 Condutores de cabos isolados
Resolução ANEEL 456 Condições Gerais de Fornecimento de Energia Elétrica de 29.11.2000
Lei 6.514 de 22/12/1977, Norma Regulamentadora Nº 10 (NR 10 – Instalações e Serviços em Eletricidade),
item 10.2.3.2.
6.APROVAÇÃO
RICARDO JOSÉ BARROS VALENTE
Gerente do Departamento de Planejamento de Investimentos
SM.04.14-01.003
1ª Edição
14/08/2007
16 de 26
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão a Edificações de Uso
Coletivo
ANEXO I. LIGAÇÃO DE UNIDAES CONSUMIDORAS SITUADAS EM VIELAS
Notas:
−
Em caso de condomínios horizontais, o ponto de entrega deverá situar-se no limite da via interna
com cada fração integrante do parcelamento. (Art. 9º da resolução Normativa n º 456 da ANEEL).
−
Cada unidade consumidora deve ser atendida através de ligação individual.
−
A concessionária deve construir rede secundária na via interna.
SM.04.14-01.003
1ª Edição
14/08/2007
17 de 26
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão a Edificações de Uso
Coletivo
ANEXO II. EDIFICAÇÃO COM DUAS UNIDADES CONSUMIDORAS MONOFÁSICAS
Notas:
As caixas de medição devem preferencialmente situar-se na parede limite com a via pública;
Os padrões das unidades consumidoras incluindo eletrodutos devem ser independentes.
Devem ser previstos 2 (dois) ramais monofásicos independentes para o mesmo ponto de derivação.
SM.04.14-01.003
1ª Edição
14/08/2007
18 de 26
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão a Edificações de Uso
Coletivo
ANEXO III. EDIFICAÇÃO COM DUAS UNIDADES CONSUMIDORAS MONOFÁSICAS
Notas
As caixas de medição devem preferencialmente situar-se na parede limite com a via pública;
Os padrões das unidades consumidoras incluindo eletrodutos devem ser independentes.
Devem ser previstos 2 (dois) ramais monofásicos independentes para o mesmo ponto de derivação.
SM.04.14-01.003
1ª Edição
14/08/2007
19 de 26
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão a Edificações de Uso
Coletivo
ANEXO IV. EDIFICAÇÃO COM TRÊS UNIDADES CONSUMIDORAS MONOFÁSICAS
SM.04.14-01.003
1ª Edição
14/08/2007
20 de 26
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão a Edificações de Uso
Coletivo
ANEXO V. MODELO DE ARRANJO PARA PAINEL DE MEDIDORES
OBS: Este arranjo na disponibilização das caixas de medição e de disjunção é apenas orientativo visando o
cumprimento do item que estabelece que no interior da caixa de medição, não é permitido a existência de
circuitos destinados ao suprimento de outras unidades consumidoras.
SM.04.14-01.003
1ª Edição
14/08/2007
21 de 26
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão a Edificações de Uso
Coletivo
ANEXO VI. MODELO DO DISPOSITIVO DE SELAGEM PARA OS QUADROS DE BARRAMENTO
SM.04.14-01.003
1ª Edição
14/08/2007
22 de 26
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão a Edificações de Uso
Coletivo
ANEXO VII. MODELO DE DISPOSITIVO PARA INSTALAÇÃO DOS PARAFUSOS DE SEGURANÇA
SM.04.14-01.003
1ª Edição
14/08/2007
23 de 26
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão a Edificações de Uso
Coletivo
ANEXO VIII. POÇO PARA ATERRAMENTO DOS QUADROS
0,05
ANEXO 23
A
ALÇA
A
CORTE A - A
B
C
D
0,06
0,12
A
TAMPA EM CONCRETO ARMADO
(VISTA DE TOPO)
C
CAIXA PARA CABOS E HASTE
CAIXA PARA HASTE
COTAS MÍNIMAS (m)
DIMENSÕES DA TAMPA
A
B
C
D
PARA CABOS+HASTE
(A+0,24)x(B+0,24)x0,05
0,30
0,30
0,40
0,30
PARA HASTE
(A+0,24)x(B+0,24)x0,05
0,25
0,25
0,25
-
PARA RAMAL LIG. SUBTER. SEC.
(A+0,24)x(B+0,24)x0,05
0,50
0,50
0,80
0,70
PARA RAMAL DERIV. SUBTER. PRIM. (A+0,24)x(B+0,24)x0,05
1,00
1,20
1,40
-
VERSÃO: 1
DATA: 29/04/2002
SM.04.14-01.003
1ª Edição
14/08/2007
24 de 26
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão a Edificações de Uso
Coletivo
ANEXO IX. POTÊNCIA DOS APARELHOS ELETRODOMÉSTICOS
ITEM
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
36
37
38
39
40
41
42
43
44
45
46
47
48
49
50
51
52
TIPO
Aparelho de raios X pequeno
Aparelho de raios X médio
Aparelho de raios X grande
Aquecedor de água p/acumulação até 150 litros
Aquecedor de água p/acumulação de 200 a 400 litros
Aquecedor de água por passagem
Ar condicionado 7000 BTUS
Ar condicionado 7500 BTUS
Ar condicionado 10000 BTUS
Ar condicionado 12000 BTUS
Ar condicionado 15000 BTUS
Ar condicionado 18000 BTUS
Ar condicionado 21000 BTUS
Ar condicionado 30000 BTUS
Aparelhos eletrônicos de uso doméstico
Aspirador de pó residencial
Aspirador de pó comercial
Assadeira residencial
Balcão frigorífico pequeno
Balcão frigorífico grande
Batedeira de bolo
Bebedouro
Cafeteira elétrica para uso doméstico
Central de ar (1 TR) = 12000BTU
Chuveiro elétrico 127V
Chuveiro elétrico 220V
Copiadora xérox
Conjunto de som residencial
Conjunto de som profissional
Enceradeira residencial
Espremedor de frutas comercial
Espremedor de frutas residencial
Estufa
Fatiador para frios
Fax
Ferro de solda médio
Ferro elétrico automático (roupas)
Fogão elétrico (potência por boca)
Forno de microondas
Freezer vertical
Freezer horizontal 1 ou 2 portas
Freezer horizontal 3 ou 4 portas
Frigobar
Fritadeira média
Geladeira de uma porta
Geladeira duplex
Geladeira frost-free
Gelágua/frigobar
Grill
Banheira de hidromassagem com aquecedor
Banheira de hidromassagem sem aquecedor
Impressora Laser
SM.04.14-01.003
1ª Edição
14/08/2007
POTÊNCIA W
3500
5000
7000
1500
2000
6000
900
950
1200
1400
1800
2350
2400
3200
30
750
2240
500
500
1000
100
200
750
1700
4400
6500
2500
100
500
400
500
200
1000
740
240
400
1000
1500
1150
200
250
500
80
1500
110
250
500
120
1200
6600
600
900
25 de 26
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão a Edificações de Uso
Coletivo
ITEM
53
54
55
56
57
58
59
60
61
62
63
64
65
66
67
68
69
70
71
72
73
74
75
76
77
78
79
80
81
82
83
84
85
86
87
88
89
90
91
TIPO
Lâmpadas
Liquidificador
Máquina de costura
Máquina de lavar louças
Máquina de lavar roupas sem aquecimento
Máquina de lavar roupas com aquecimento
Máquina de secar roupas
Máquina de solda pequena
Máquina de overlock Industrial
Máquina de xérox
Motor de indução com potência de 1/4 cv
Motor de indução com potência de 1/3 cv
Motor de indução com potência de 1/2 cv
Motor de indução com potência de 3/4 cv
Motor de indução com potência de 1 cv
Motor de indução com potência de 1,5 cv
Motor de indução com potência de 2 cv
Motor de indução com potência de 3 cv
Motor de indução com potência de 4 cv
Motor de indução com potência de 5.cv
Motor de indução com potência de 7,5 cv
Motor de indução com potência de 10 cv
Motor de indução com potência de 15 cv
Motor de indução com potência de 20 cv
Motor de indução com potência de 25 cv
Motor de indução com potência de 30 cv
Motor de indução
Micro computador
Moedor de carne
Secador de cabelo
Sauna
Som modular (por módulo)
Televisor de 12 a 20 Polegadas
Televisor de 28 a 30 Polegadas
Televisor acima de 30 Polegadas
Torradeira elétrica
Ventilador de teto
Ventilador pequeno
Aparelhos diversos
SM.04.14-01.003
1ª Edição
POTÊNCIA W
200
100
1.200
400
1.500
1.100
1.000
370
1.500
390
520
660
890
1.100
1.580
2.070
3.070
3.980
4.910
6.900
9.680
13.630
18.400
22.440
26.930
100
320
1000
4.500
50
100
150
200
1000
120
65
14/08/2007
26 de 26
Was this manual useful for you? yes no
Thank you for your participation!

* Your assessment is very important for improving the work of artificial intelligence, which forms the content of this project

Download PDF

advertisement