ANEXO B - Seinfra - Secretaria da Infraestrutura

ANEXO B - Seinfra - Secretaria da Infraestrutura
EDITAL DE CONCORRÊNCIA PÚBLICA NACIONAL
Nº ____/2011/SEINFRA/CCC
ANEXO B
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO
DE CORREIAS TRANSPORTADORAS PARA TRANSPORTE DE
MINÉRIO DE FERRO ENTRE O PORTO DO PECEM E O COMPLEXO
INDUSTRIAL E PORTUÁRIO DO PECÉM – CIPP, NO MUNICÍPIO DE
SÃO GONÇALO DO AMARANTE, ESTADO DO CEARÁ.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 1 -
ÍNDICE
1. INTRODUÇÃO........................................................................................................4
2. GENERALIDADES.................................................................................................5
2.1. DEFINIÇÕES.......................................................................................................5
2.2. CÓDIGOS E NORMAS........................................................................................6
3. ESCOPO DE FORNECIMENTO.............................................................................8
3.1. FORNECIMENTO INCLUÍDO..............................................................................8
3.2. EXCLUSÕES.....................................................................................................13
4. CONDIÇÕES OPERACIONAIS............................................................................13
4.1. PRODUTOS A SEREM MANUSEADOS..........................................................13
4.2. INFORMAÇÕES SOBRE AS INSTALAÇÕES.................................................13
4.3. DADOS E PARÂMETROS BÁSICOS...............................................................15
4.4. CONDIÇÕES DE OPERAÇÃO..........................................................................15
5. CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS..............................................................16
5.1. REQUISITOS GERAIS......................................................................................16
5.2. DETALHES CONSTRUTIVOS..........................................................................23
6. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA PREPARO DE SUPERFÍCIE E
PINTURA...............................................................................................................39
6.1. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS........................................................................39
6.2. NORMAS E PADRÕES.....................................................................................40
6.3. CONDIÇÕES DA ATMOSFERA DE EXPOSIÇÃO...........................................40
6.4. PREPARAÇÃO DA SUPERFÍCIE.....................................................................40
6.5. ESPECIFICAÇÕES DOS PRODUTOS DE PINTURA......................................42
6.6. APLICAÇÃO DA PINTURA...............................................................................43
6.7. CORES...............................................................................................................45
6.8. INSPEÇÃO DA APLICAÇÃO............................................................................48
7. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS SISTEMAS E EQUIPAMENTOS
ELÉTRICOS..........................................................................................................49
7.1. DESCRIÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS............................................50
7.2. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS MATERIAIS E EQUIPAMENTOS
ELÉTRICOS..........................................................................................................52
8. CARACTERÍSTICAS DOS EQUIPAMENTOS DO SISTEMA DE AUTOMAÇÃO
...............................................................................................................................91
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 2 -
8.2. ESPECIFICAÇÕES DO SISTEMA DE AUTOMAÇÃO.....................................91
8.3. ESPECIFICAÇÕES DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO
- SDAI..................................................................................................................102
8.4. ESPECIFICAÇÕES DO SISTEMA DE CFTV.................................................110
8.5. ESPECIFICAÇÕES DO SISTEMA DE SEGURANÇA ELETRÔNICA...........114
8.6. INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE..............................................................115
9. CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS DAS SUBESTAÇÕES.......................120
9.1. ESTRUTURA...................................................................................................120
9.2. ALVENARIA....................................................................................................120
9.3. REVESTIMENTOS...........................................................................................120
9.4. PAVIMENTAÇÃO............................................................................................121
9.5. ESQUADRIAS E FERRAGENS......................................................................121
9.6. PINTURA.........................................................................................................121
9.7. LIMPEZA..........................................................................................................122
10. SONDAGEM.....................................................................................................122
10.1. INTRODUÇÃO...............................................................................................122
10.2. OBJETIVO.....................................................................................................122
10.3. ESCOPO DOS SERVIÇOS...........................................................................122
11. PLANTIO E CONSERVAÇÃO DE ARVORES.................................................122
12. EQUIPAMENTOS AUXILIARES......................................................................123
12.1. REQUISITOS MÍNIMOS PARA FORNECIMENTO DE CAMINHÃO PARA
LIMPEZA DE MINÉRIO DE FERRO POR ALTA SUCÇÃO. ............................123
TANQUE D’ÁGUA..................................................................................................126
BOMBA DE INCÊNDIO..........................................................................................126
AUTO-CARREGAMENTO DO TANQUE D’ÁGUA................................................126
TUBULAÇÕES DE SUCÇÃO E RECALQUE DA BOMBA...................................127
CANHÃO MONITOR COM ESGUICHO REGULÁVEL........................................128
LINHA DE MANGUEIRA........................................................................................128
CAMINHÃO.............................................................................................................128
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 3 -
1. INTRODUÇÃO
Estas Especificações Técnicas objetivam propiciar à LICITANTE a compreensão dos
parâmetros gerais para Projeto, Fabricação, Fornecimento, Montagem, Teste e
Operação do Sistema de Correias Transportadoras com capacidade nominal de 2.400
t/h, para transporte de minério de ferro entre o Berço externo do Terminal de Granéis
Sólidos e Produtos Siderúrgicos – TSID do Terminal Portuário do Pecém, até o Ponto
de Entrega na Torre de Transferência TT-04M nas coordenadas x = 516.129,667 e y =
9.605.90859,59 no Sistema de Coordenadas em WGS-84, no Complexo Industrial e
Portuário do Pecém - CIPP, no Município de São Gonçalo do Amarante, Estado do
Ceará.
O Sistema de Correias Transportadoras para Minerio de Ferro do CIPP, chamado de
CT-03M ( Correia Transportadora 01 de Minerio), será composto de 04 (quatro)
segmentos, conforme descrito a seguir.
O primeiro segmento será o TC-01M do tipo Transportador Convencional, que será
instalado sobre o TSID do Terminal Portuário do Pecém em seu Berço externo (norte),
que é destinado à movimentação de minério de ferro. O minério de ferro será
descarregado por Descarregador de Navios tipo Contínuo, com capacidade máxima de
2.400 t/h, que por sua vez, através de um transportador interno, descarregará sobre
este TC-01M.
O segundo segmento será o TC-02M do tipo Transportador Tubular, que receberá os
produtos transportados pelo TC-01M na Torre de Transferência na junção Ponte – Pier
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 4 -
1 (TSID), chamada TT – 01M, e será instalado nos apoios para transportadores ao
longo da ponte de ligação entre o TSID e o Pátio de Cargas, em estrutura de
suportação propria no nivel superior pela lateral leste ao transportador de carvão
existente, porém sem poder apoiar no transportador existente, passando em seguida
sobre o referido Pátio de Cargas da CEARÁPORTOS, cruzando a CE-422 e a estrada
de acesso à vila do Pecém, e seguindo paralelo ao Pipe Conveyor de carvão existente
sobre as dunas, até ser seccionado na Torre de Transferência TT-02M, localizada ao
lado da TT-02C já instalada para o Sistema de Carvão, nas Coordenadas x=
520245.574 e y= 9605943.988.
O terceiro segmento será o TC-03M do tipo Transportador Tubular, que receberá do
TC-02M na Torre de Transferência TT-02M, e será instalado distante 8,80 metros em
caminhamento paralelo pelo lado leste do Pipe Conveyor de carvão existente, até ser
seccionado na Torre de Transferência TT-03M, localizada ao lado da TT-03C já
instalada para o Sistema de Carvão, nas Coordenadas x= 518497.347 , y=
9605133.088.
O quarto segmento será o TC-04M do tipo Transportador Tubular, que receberá do TC03M na Torre de Transferência TT-03M, e será instalado distante 8,80 metros em
caminhamento paralelo pelo lado sul do Pipe Conveyor de carvão existente na faixa
norte de passagem de infraestruturas do CIPP, até ser seccionado na Torre de
Transferência TT-04M, localizada ao lado da TT-04C do Sistema de Carvão já
instalada nas Coordenadas x=516120,570 e y= 9605943,988. As Coordenadas da TT04M em x = 516129,667 e y = 960590859,59 será o ponto terminal deste sistema de
transportadores, a partir deste ponto, os usuários providenciarão as suas expensas, os
transportadores de derivação para seus Pátios de Materias Primas.
Para os efeitos de cotação deste Sistema, deverá ser considerado que o TC-04M
descarregará em um Transportador de terceiros, não pertencente ao presente Escopo,
entretanto, a Torre de Transferencia TT-04M deverá ser projetada e construida para
possibilitar a instalação de dois transportadores de derivação na sua lateral sul.
A LICITANTE deve ter como foco o Projeto Básico e os documentos técnicos
elaborados pela SEINFRA, e disponibilizados para consulta na Coordenadoria de
Transportes e Obras da SEINFRA.
2. GENERALIDADES
2.1. DEFINIÇÕES
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 5 -
A seguinte nomenclatura deve ser usada nos documentos técnicos:
SEINFRA - Secretaria da Infraestrutura do Governo do Estado do Ceará,
eventualmente denominada nesta Especificação como CONTRATANTE;
PROPONENTE - Empresa que está participando da concorrência;
FORNECEDOR/CONTRATADA - Empresa vencedora da concorrência e responsável
pelo fornecimento do equipamento;
INSPETOR - Profissional ou Empresa designada pela SEINFRA para inspecionar a
fabricação, montagem e testes do equipamento;
FISCALIZAÇÃO – da Coordenadoria de Transportes e Obras da SEINFRA, ou
qualquer outra instituição designada pela mesma;
TSID – Terminal de Granéis Sólidos e Produtos Siderúrgicos do Terminal Portuário do
Pecém, também chamado de Píer 1;
CEARAPORTOS – Empresa do Governo do Estado do Ceará responsável pela
administração e operação do Terminal Portuário do Pecém;
CIPP – Complexo Industrial e Portuário do Pecém.
2.2. CÓDIGOS E NORMAS
Quando aplicáveis, as normas e padrões abaixo relacionados deverão ser usados para
projetos dos transportadores:
a) AISI - American Iron and Steel Institute;
b) AISC - American Institute of Steel Construction;
c) ANSI - American National Standards Institute;
d) ASTM - American Society for Testing and Material;
e) AGMA - American Gear Manufacturers Association;
f) AWS - American Welding Society;
g) BSS – British Standards Specifications;
h) DIN - Deutsches Institut für Normung;
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 6 -
i) ISO - International Standards Organization;
j) NEC - National Electrical Code;
k) NEMA - National Electrical Manufactures Association;
l) IEEE - Institute of Electrical and Electronic Engineers;
m) NFPA - National Fire Protection Association;
n) IEC - International Electrotechnical Commission;
o) SIS – Swedish Standards Institute;
p) AWWA – American Water Works Association;
q) ASME – American Society of Mechanical Engineers;
r) AFBMA – Anti-Friction Bearing Manufacturing Association;
s) FM – Factory Mutual;
t) HIS – Hydraulic Institute Standards;
u) ISO - International Standards Organization
v) ISA – The Instrumentation, Systems and Automation Society;
w) SSPC - Steel Structures Painting Council;
x) CEMA - Conveyor Equipment Manufacturers Association;
y) AISC - American Institute of Steel Construction: Specification for the Design
Fabrication and Erection of Structural Steel for Buildings;
z) RMA - Rubber Manufacturers Association - Conveyor Belting Section;
aa)ABNT-NB-117 - Cálculo e Execução de Estruturas de Aço Soldadas;
bb)ABNT-NB-143 - Cálculo de Estruturas de Aço constituídas de Perfis Leves;
cc) ABNT-NBR-6118 - Projeto e Execução de Obras de Concreto Armado;
dd)ABNT-NBR-6120 - Cargas para o Cálculo de Estruturas de Edificações;
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 7 -
ee)ABNT-NBR-6122 - Projeto e Execução de Fundações;
ff) ABNT-NBR-6123 - Forças devidas ao Vento em Edificações;
gg)ABNT-NBR-8800 - Projeto e Execução de Estruturas de Aço;
hh)NR-22 – Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde Operacional em
Mineração;
ii) NR-10 - Segurança em Inst. e Serviços em Eletricidade – Ministério do Trabalho
jj) NR 29 - Segurança e Saúde no Trabalho Portuário;
3. ESCOPO DE FORNECIMENTO
3.1. FORNECIMENTO INCLUÍDO
3.1.1.O escopo de fornecimento inclui os serviços de mão-de-obra, serviços de
topografia e sondagens geotécnicas onde necessárias, materiais, ferramentas,
equipamentos, projetos, fabricação, fornecimento, entrega no local dos serviços,
construção de subestações, sala de controle, fundações, pilares e vigas para apoio dos
transportadores e torres de transferencia, montagem eletromecânica, supervisão de
montagem, testes, operação assistida e treinamentos como aqui especificados.
3.1.2. À exceção de itens especificamente excluídos, os transportadores componentes
do Sistema da Correia Transportadora CT-03M, deverão ser fornecidos como
"unidades operacionais completas", ou seja, farão parte do fornecimento as licenças,
taxas, todos os equipamentos, materiais, componentes e acessórios requeridos para
garantir sua correta instalação e operação, ainda que não estejam explicitamente
indicados nesta Especificação Técnica e seus desenhos e documentos de referência.
3.1.3. O escopo de fornecimento inclui, ainda, todos os subitens a seguir detalhados:
3.1.3.1. Consolidação dos Projetos Básicos existentes e respectiva verificação de
pertinencia topográfica.
3.1.3.2. Projeto Executivo para fabricação e montagem em todas as disciplinas
envolvidas: civil, mecânica, tubulação, utilidades, estrutura metálica, elétrica (força,
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 8 -
iluminação e aterramento), automação, instrumentação e controle, a ser desenvolvido
conforme requisitos técnicos definidos nos Projetos Básicos emitido pela SEINFRA e
consolidado pela CONTRATADA.
3.1.3.3. Construção de um Canteiro de Obras, sendo de responsabilidade da
CONTRATADA as providências para suprimento de água, energia, comunicações etc.
Após a conclusão da Obras, e já durante o período de Operação Assistida, o Canteiro
de Obras será de propriedade da SEINFRA e deverá ser entregue pela CONTRATADA
desocupado e em perfeitas condições para possibilitar sua utilização.
3.1.3.4. Todo o equipamento mecânico dos transportadores com seus acionadores,
redutores, mancais, raspadores, limpadores, viradores, freios e volantes conforme
necessários ao controle operacional e aos ajustes dos tempos de parada, estruturas de
suportação, tambores completos com eixos, mancais e revestimentos, roletes de carga,
impacto, retorno, auto-alinhantes, de formação do pipe, de transição, roletes especiais
para a área de influência das balanças de correia, rolos-guia, rolos verticais de
proteção de estrutura, rolos de formação, rolos de transporte, etc.., correia e demais
materiais de montagem que se façam necessários para a perfeita operação. Especial
atenção na elaboração do Projeto para o Tambor de Retorno do TC-02M, pois o
mesmo poderá ficar em balanço, fora da Torre de Transferencia dos transportadores
TC-01M e TC-02M.
3.1.3.5. Obras civis completas (projeto, cálculo e construção) das subestações, sala de
controle, bases, fundações, lajes, canaletas, contenção de dunas móveis, cortes,
aterros, drenagens, bota-foras, desmatamentos, estradas de serviço, limpezas,
regularizações de terrenos, terraplanagens, escavações e compactações etc.,
necessários aos suportes, abrigos, acessos dos componentes e todos os Sistemas dos
Transportadores.
3.1.3.6. Sistema Elétrico de Alimentação e Distribuição de Energia às Torres de
Transferência e ao longo dos Transportadores, completo, composto por subestações
rebaixadoras, transformadores de potência, painéis de proteção e despacho em AT e
MT com relés eletrônicos de proteção, disjuntores, medidores, indicadores,
barramentos, etc, painéis de proteção e distribuição em BT com relés eletrônicos de
proteção, disjuntores, medidores, etc., centro de controle de motores, painéis de
iluminação, sistema de iluminação dos Transportadores e Torres de Transferências,
Subestações e Sala de Controle, circuitos de alimentação em AT com suas respectivas
redes de dutos, suportes, etc, sistema de tomadas para serviço, ao longo dos
Transportadores e nas Torres de Transferência, sistema de aterramento das
instalações, equipamentos e estruturas, incluindo sistema de proteção contra
descargas atmosféricas, sistemas de proteção, controle, sinalização, alarme e
comunicação completos, cabos em geral entre todos os equipamentos e instrumentos a
serem fornecidos; adaptações no sistema elétrico existente na Subestação Principal da
CEARAPORTOS, bem como no TSID para acionamentos e subsistemas do TC-01 e
eventualmente do TC-02, eletrodutos, leitos para cabos, suportes, braçadeiras e todos
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 9 -
os materiais necessários a instalação, motores elétricos e seus drives de acionamento,
racks dos CLP’s, sistema de instrumentação completo para automação, proteção e
controle incluindo sensores, chaves, conversores, transmissores, indicadores,
registradores, controladores e materiais de instalação que se façam necessários para a
operação eficiente; elaboração de Estudo de Seletividade e Coordenação das
Proteções, abrangendo todas as subestações do Terminal Portuário do Pecém, para a
situação de início de funcionamento e operação dos Transportadores
3.1.3.7. Sistema Elétrico de Acionamento dos Transportadores, completo, composto
por motores elétricos principais e auxiliares, painéis de acionamento e controle de
motores, drives de acionamento, “encoders”, etc., inclusive com a elaboração do
projeto executivo para interligação com os sistemas de supervisão e elétrico já
existentes.
3.1.3.8. Sistema de Lubrificação para fornecer óleo lubrificante aos equipamentos
mecânicos dos transportadores e seus sistemas auxiliares, composto de sistema
hidráulico completo tais como tubulações, válvulas, bombas, filtros, conexões,
instrumentação e suas proteções etc., e todos os lubrificantes para o primeiro
enchimento.
3.1.3.9. Todas as Estruturas Metálicas ou em concreto, incluindo Torres de
Transferência e galerias, com suas respectivas telhas de cobertura e tapamento,
encamisamentos, treliças, suportes dos equipamentos, torres de esticamento, bases de
acionamento, proteções, passadiços e vias de rolamento de carros de esticamento.
Especial atenção para o Projeto da Torre de Transferencia na junção entre o Pier 1 e a
Ponte de Acesso, considerando que o transportador de saida, TC-02M, deverá ser
projetado para passar sobre a Torre de Transferencia TT-01C já existente do Sistema
de Transportadores para Carvão, e que está instalada no Berço Interno do Pier 1.
3.1.3.10. Sistema de pontes rolantes para manutenção nas Torres de Transferências,
dimensionado para o componente de maior peso unitário e com condições de utilização
sobre todos os equipamentos de peso significativos localizados na mesma.
3.1.3.11. Todos os chutes de descarga, incluindo os seus componentes tais como
revestimento com placas de desgaste, guias laterais, roletes de impacto, alimentadores
vibratórios, bifurcações, dampers, transmissores de nível, etc.
3.1.3.12. Todos os parafusos de fixação do equipamento às estruturas metálicas e
todos os chumbadores de fixação às bases de concreto.
3.1.3.13. Sistemas de Contenção e Abate de Pós nas Torres de Transferências.
3.1.3.14. Sistemas de Ar-Comprimido e Água Industrial para processos de
despoeiramento, limpeza, combate a incêndio e demais utilidades relacionadas aos
Transportadores Tubulares e Convencionais.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 10 -
3.1.3.15. Sistema de Climatização das subestações e salas de painéis, com o objetivo
de isolar o ambiente interno do ambiente externo agressivo (marítimo) e manter limites
de temperatura aceitáveis para a boa operação dos componentes eletrônicos.
3.1.3.16. O Transportador Convencional TC-01, bem como os Transportadores
Tubulares TC-02, TC-03 e TC-04 em seus trechos abertos na chegada e saída das
Torres de Transferência, na área do Pátio de Cargas da CEARÁPORTOS com
passagem sobre pessoas e veículos, e nos cruzamentos com rodovias, deverão ter
cobertura, tapamentos laterais e de placa de fundo nesses trechos, de forma a proteger
pessoas e veículos contra quedas eventuais de qualquer material.
3.1.3.17. O TC-01 só não terá cobertura tipo Galeria na região de alimentação dos
Descarregadores de Navios. Os TC-02, TC-03 e o TC-04 (Tubulares) nos trechos
normais não terão cobertura, e deverão ser instaladas passarelas de manutenção com
largura de 800mm nas laterais.
3.1.3.18. Sistema de Automação, Monitoramento e Controle dos Transportadores e
demais Sistemas integrados, compreendendo o “software” supervisório e sua
customização, sistemas de aquisição de dados, sistema de gerenciamento de
comunicações, sistema de gerenciamento de energia elétrica, redes de transmissão de
dados, controladores lógicos programáveis e seus racks, instrumentação de campo,
estações de trabalho, mobiliário da Sala de Controle e todos os fornecimentos e
serviços necessários à perfeita operação e controle dos Sistemas.
3.1.3.19. Sistema de Circuito Fechado de Televisão para as Torres de Transferência e
Transportadores com o fornecimento de câmeras, controladores e seus suportes,
incluindo a elaboração de estudo e projeto executivo para integração deste sistema
com a rede de CFTV existente no Centro de Controle Operacional da CEARÁPORTOS.
3.1.3.20. Sistema de Detecção, Alarme e Combate a Incêndio nas Torres de
Transferência, Subestações e nos Transportadores, onde aplicável, incluindo a
elaboração de estudo, projeto executivo, fornecimento e montagens para a interligação
com o SDAI e a rede de combate a incêndio já existente no Terminal Portuário do
Pecém, obedecendo a normatização vigente.
3.1.3.21. Sistema de Segurança Eletrônica para Subestações, Torres de Transferência
e Transportadores do TC-03M, a ser integrado com Sistema existente na Sala de
Controle do Sistema de Descarga e Transportador de Carvão.
3.1.3.22. Sistema de Telefonia para comunicação entre o TC-03M e o Centro de
Controle Operacional da CEARÁPORTOS e Sala de Controle do Sistema de Descarga
e Transportador de Carvão a ser integrado ao Sistema já existente.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 11 -
3.1.3.23. Equipamento de limpeza de derramamento de materiais por alta sucção a
vácuo, equipado com tanque reservatório, soprador de deslocamento positivo tipo
“roots” montado em caminhão.
3.1.3.24. Equipamento para combate à incêndio ao longo do transportador, equipado
com tanque de 6.000L (mínimo), bombas, conexões e mangueiras, esguichos, etc.,
montado em caminhão, atendendo normatização para combate à incêndio.
3.1.3.25. Mão-de-obra para montagem eletromecânica dos equipamentos, inclusive
transporte e manuseio de peças especiais, caso existam, e os serviços relativos aos
ajustes finais, comissionamento, “start-up” e testes de desempenho a plena carga.
3.1.3.26. Listas de peças sobressalentes com descriminação de preços, para 02 (dois)
anos de operação.
3.1.3.27. Esticadores para o Transportador Convencional e para os Transportadores
Tubulares que deverão ser preferencialmente, através de tambor esticador posicionado
em um carro móvel acionado por Contra Peso.
3.1.3.28. Projeto estrutural e fornecimento das bases de concreto e pilares dos apoios
de todas as estruturas dos transportadores e dos conjuntos de acionamento.
3.1.3.29. Ferramentas e ou instrumentos requeridos para operação e/ou manutenção e
dispositivos de segurança.
3.1.3.30. Manuais de operação e manutenção dos equipamentos do Sistema de
Correias Transportadoras.
3.1.3.31. Realização de testes para aceitação em fábrica, inspeções e liberação para
embarque, testes em vazio, testes operacionais de desempenho e operação assistida
conforme subitem específico do Termo de Referência.
3.1.3.32. Treinamentos, conforme item especifico do Termo de Referência.
3.1.3.33. Pintura, de acordo com a Especificação Geral de Pintura.
3.1.3.34. Peças de reposição consideradas necessárias pelo fornecedor à execução
dos testes operacionais, colocação em operação e vistorias finais.
3.1.3.35. Execução de acessos paralelos ao caminhamento das correias, onde
necessário, bem como os respectivos acessos transversais, para possibilitar os
trabalhos de montagem. Também serão de responsabilidade e ônus da CONTRATADA
a conservação e manutenção desses acessos até a finalização dos serviços e entrega
definitiva dos equipamentos.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 12 -
3.1.3.36. Plantio e manutenção por 2 (dois) anos, de arvores para contenção de areia e
edafização das dunas ao longo da lateral leste de todo o transportador TC-03M e das
Torres de Transferencia TT-02M e TT-03M.
3.1.3.37. Todos os demais serviços não mencionados nesta Especificação Técnica,
mas que se façam necessários para a perfeita operação dos equipamentos.
3.2. EXCLUSÕES
Não farão parte do escopo de fornecimento da CONTRATADA os seguintes serviços
e/ou equipamentos:
a) Construção das subestações SE-TSID e SE Principal – CEARÁPORTOS;
b) Materiais para testes operacionais
Transportadores de Correia;
(carga)
e
de
desempenho
dos
c) Licenciamento ambiental para os transportadores;
d) Energia elétrica para testes operacionais em vazio, de desempenho e operação
assistida dos Transportadores de Correia; e
e) Toda e qualquer desapropriação de terrenos e/ou bens imóveis ao longo do
caminhamento dos Transportadores de Correia.
4. CONDIÇÕES OPERACIONAIS
4.1. PRODUTOS A SEREM MANUSEADOS
Matéria-Prima
Tamanho
(mm)
Umidade
(%)
Densidade
(t/m³)
Ângulo de
repouso
(Graus)
Ângulo de
sobrecarga
(Graus)
Minério fino de ferro (sul)
<8
6,5
2.2
37
20
Minério fino de ferro
(norte)
<14
8
2.3
37
20
Os Transportadores deverão ser dimensionados para a operção com minerio de ferro
conforme caracteristicas definidas na tabela acima.
4.2. INFORMAÇÕES SOBRE AS INSTALAÇÕES
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 13 -
O Sistema de Correias Transportadoras para Minerio de Ferro do CIPP, chamado de
CT-03M ( Correia Transportadora 01 de Minerio), será composto de 04 (quatro)
segmentos, conforme descrito a seguir.
O primeiro segmento será o TC-01M do tipo Transportador Convencional, que será
instalado sobre o TSID do Terminal Portuário do Pecém em seu Berço externo (norte),
que é destinado à movimentação de minério de ferro. O minério de ferro será
descarregado por Descarregador de Navios tipo Contínuo, com capacidade máxima de
2.400 t/h, que por sua vez, através de um transportador interno, descarregará sobre
este TC-01M.
O segundo segmento será o TC-02M do tipo Transportador Tubular, que receberá os
produtos transportados pelo TC-01M na Torre de Transferência na junção Ponte – Pier
1 (TSID), chamada TT – 01M, e será instalado nos apoios para transportadores ao
longo da ponte de ligação entre o TSID e o Pátio de Cargas, em estrutura de
suportação propria no nivel superior pela lateral leste ao transportador de carvão
existente, porém sem poder apoiar no transportador existente, passando em seguida
sobre o referido Pátio de Cargas da CEARÁPORTOS, cruzando a CE-422 e a estrada
de acesso à vila do Pecém, e seguindo paralelo ao Pipe Conveyor de carvão existente
sobre as dunas, até ser seccionado na Torre de Transferência TT-02M, localizada ao
lado da TT-02C já instalada para o Sistema de Carvão, nas Coordenadas x=
520245.574 e y= 9605943.988.
O terceiro segmento será o TC-03M do tipo Transportador Tubular, que receberá do
TC-02M na Torre de Transferência TT-02M, e será instalado distante 8,80 metros em
caminhamento paralelo pelo lado leste do Pipe Conveyor de carvão existente, até ser
seccionado na Torre de Transferência TT-03M, localizada ao lado da TT-03C já
instalada para o Sistema de Carvão, nas Coordenadas x= 518497.347 , y=
9605133.088.
O quarto segmento será o TC-04M do tipo Transportador Tubular, que receberá do TC03M na Torre de Transferência TT-03M, e será instalado distante 8,80 metros em
caminhamento paralelo pelo lado sul do Pipe Conveyor de carvão existente na faixa
norte de passagem de infraestruturas do CIPP, até ser seccionado na Torre de
Transferência TT-04M, localizada ao lado da TT-04C do Sistema de Carvão já
instalada nas Coordenadas x=516120,570 e y= 9605943,988. As Coordenadas da TT04M em x = 516129,667 e y = 960590859,59 será o ponto terminal deste sistema de
transportadores, a partir deste ponto, os usuários providenciarão as suas expensas, os
transportadores de derivação para seus Pátios de Materias Primas.
4.2.2. Para os efeitos de cotação deste Sistema, deverá ser considerado que o TC-04
descarregará em um Transportador de terceiros, não pertencente ao presente Escopo,
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 14 -
entretanto, a Torre de Transferencia TT-04M deverá ser projetada e construida para
possibilitar a instalação de dois transportadores de derivação na sua lateral sul.
4.3. DADOS E PARÂMETROS BÁSICOS
4.3.1. Condições ambientais:
a) Clima tropical
b) Temperatura:
máx: 31o C
min: 21o C
média: 27o C
c) Umidade relativa:
média: 80%
d) Índice pluviométrico:
média anual: 1.530 mm
mínimo:
8,3 mm (dez)
máximo:
336,3 mm (mar)
e) Vento predominante:
E
f) Velocidade do vento:
normal < 20 km/h
máx: = 108 km/h
g) Agressividade do ambiente: atmosfera salina, à beira-mar, com presença de
partículas de areia em suspensão (condição de abrasividade).
h) Variação da maré:
máx.: + 3,20m
min.: 0,00m
4.3.2. Características dos produtos manuseados:
Para os efeitos de informação, deverão ser consideradas as características dos
produtos manuseados, as quais estão indicadas nas Folhas de Dados Técnicos
individuais.
4.4. CONDIÇÕES DE OPERAÇÃO
As condições de operação estão indicadas nas Folhas de Dados Técnicos individuais
dos Transportadores.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 15 -
5. CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS
5.1. REQUISITOS GERAIS
A empresa a ser CONTRATADA deverá apresentar um RELATÓRIO DE ANÁLISE
DINÂMICA dos Transportadores à SEINFRA para análise e aprovação, juntamente
com o Projeto Executivo.
5.1.1. Capacidade de Operação
5.1.1.1. A capacidade normal de operação será baseada no produto transportado
contendo o máximo grau de umidade indicado nas FD’s.
5.1.1.2. Caso o peso específico aparente do produto seja variável, deverá ser usado
seu menor valor para selecionar a largura e a velocidade da correia.
5.1.1.3. Deverão ser avaliadas as condições normais de operação, não sendo
possíveis sobrecargas de produto.
5.1.1.4. Todos os transportadores deverão ser dimensionados para partirem totalmente
carregados com os produtos especificados, na capacidade de projeto.
5.1.2. Caracteristicas para Transportadores
5.1.2.1. A inclinação máxima permitida em projeto para os Transportadores
Convencionais será de 10º e para o Tubular será de 30º.
5.1.2.2. A PROPONENTE deverá considerar que o TC-02M terá altura mínima de
8,00m ao longo do Pátio de Cargas da CEARAPORTOS, cruzamento com CE-422 e
estrada de acesso ao Pecém. No cruzamento com a CE 421 e nas passagens sobre
estradas de serviço no CIPP, a altura minima deverá ser de 6,00m. Nos demais trechos
a PROPONENTE deverá desenvolver o projeto executivo com altura mínima de 4,00
m, considerando as limitações de inclinação vertical em razão da topografia do terreno
ao longo do caminhamento.
5.1.2.3. Para o Transportador Tubular os raios verticais e horizontais deverão atender
as tensões e as características técnicas da correia.
5.1.2.4.Toda curva convexa deverá estar em total consonância com as recomendações
dos fabricantes de correias e roletes.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 16 -
5.1.3. Passagens sobre Area Alfandegada
5.1.3.1. Nas entradas e saidas das areas alfandegadas do Porto do Pecem, deverão
ser instalados portões nas passarelas de manutenção para impedir passagens livres
para a área. Estes portões deverão ser conforme modelos existentes no CT-01C.
Como controle auxiliar, tambem deverão ser instaladas barreiras eletronicas (sensores
de presença) nestas Galerias, com comunicação ao Centro de Controle.
5.1.4. Estruturas
5.1.4.1. Estruturas Metálicas
5.1.4.1.1. Os materiais a serem empregados deverão estar de acordo com as
especificações abaixo ou com equivalentes, desde que submetidas à aprovação prévia
da SEINFRA. Todas as normas e especificações aqui requeridas serão adotadas em
suas últimas edições. Normas e especificações alternativas serão submetidas à
aprovação prévia da FISCALIZAÇÃO.
Os seguintes materiais e normas serão usados para que satisfaçam as condições de
desempenho, durabilidade, economia e apresentação:
a) Ferro fundido para componentes mecânicos: ASTM-A48, classe 35;
b) Aço carbono fundido de resistência média a moderada: ASTM-A27, grau U-6030;
c) Aço carbono fundido de alta resistência: ASTM-A148, grau 90-60 ou superior;
d) Ferro fundido maleável: ASTM-A47;
e) Aço forjado: AISI-1045, ASTM-A108 ou similar;
f) Alças para içamento: ASTM-A327, classe C;
g) Rodas de aço forjado: ASTM-A504, classe C;
h) Aço carbono laminado a quente: AISI-107;
i) Barras de aço liga, laminadas a quente: ASTM-A322;
j) Barras de aço liga, laminadas a frio: ASTM-A331;
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 17 -
k) Aço estrutural para partes estruturais: ASTM A-36, similar apenas com
aprovação prévia da SEINFRA;
l) Aço carbono de alta resistência: ASTM-A242, SAR 50 e SAR 55;
m) Ferro maleável: ASTM-A536, grau 80-55-06;
n) Parafuso e porca comum: ASTM-A307;
o) Parafuso de alta resistência: ASTM-A325;
p) Trilhos: ASTM-A01 (“open heath carbon steel”, “rails”);
q) Bronze para buchas normalizadas: SAE 64 ou 62;
r) Bronze para buchas de bronze magnésio: ASTM-B138 ou ASTM-B147;
s) Bronze para buchas de bronze alumínio: ASTM-A148;
t) Borracha para pára-choques: ASTM-D2000;
u) Borracha para revestimento de tambores: ABNT-4AA-625-A13-B13 (Z1),
contendo: polímero antiderrapante polibuatadieno;
v) Feltro para vedação contra poeira: SAE-F10 (mínimo);
w) Condições para aceitação de testes por ultra-som: ASTM-A386, A609, A435; e
x) Aceitação para ensaios de vibração: ISO 2372.
Todas as peças acima especificadas como material segundo ASTM terão certificado.
Sempre que solicitado, os certificados serão submetidos à FISCALIZAÇÃO da
SEINFRA. Caso aprovado previamente pela FISCALIZAÇÃO, outros materiais de
mesmas características poderão ser usados.
Os materiais utilizados deverão ter as seguintes dimensões mínimas:
a) Perfis soldados, contraventamento
- 8,0mm;
b) Chapas de piso
- 8,0mm;
c) Cantoneiras
- 6,3mm;
d) Chapas de ligação
- 8,0mm;
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 18 -
e) Tirantes
- φ 12mm; e
f) Parafusos
- φ 12mm.
5.1.4.1.2. Composição dos perfis
Os perfis compostos por cantoneiras ou perfil “C” e que forem montados “costa a costa”
deverão ter entre si distância igual a sua aba (caso seja cantoneira) ou sua altura (caso
seja perfil “C”), acrescida de 25mm.
5.1.4.1.3. Ligações
Todas as ligações deverão ser detalhadas de modo a permitir o mínimo possível de
soldas de campo.
5.1.4.1.4. Ligações Aparafusadas
Todos os parafusos serão ASTM-A-325, exceto aqueles com função apenas de fixação
(p. ex.; terças de cobertura e tapamento, escada, corrimão) que poderão ser do tipo
ASTM-A-307.
Todas as ligações deverão ter, no mínimo, dois parafusos. As chapas de ligação
deverão ter, no mínimo, 8,0mm de espessura.
Ligações para estruturas sujeitas à vibração deverão vir providas de porca, contraporca e arruela de pressão.
5.1.4.1.5. Ligações Soldadas
As soldas deverão estar de acordo com a AWS. A menor espessura de solda de filete
deverá ser de 3mm e a maior de 0,7 t, sendo “t” a espessura da chapa mais fina, desde
que o filete não seja maior que 10mm, já, portanto, sendo necessária a utilização de
solda de penetração.
5.1.4.1.6. Pisos e Escadas
5.1.4.1.6.1. Pisos
Todos os passadiços e plataformas deverão ter largura mínima de 800mm. Outras
dimensões deverão ter aprovação prévia da FISCALIZAÇÃO.
O uso de chapa vazada (grade ou chapa expandida) fica subordinada à possibilidade
dos pisos inferiores poderem ou não receber pó ou quaisquer materiais que possam
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 19 -
cair dos pisos superiores ou Transportadores, e a folga de montagem entre painéis
vizinhos deverá ser de 10mm.
5.1.4.1.6.2. Escadas Metálicas
As escadas deverão possuir largura de 800mm. Outras dimensões deverão ter
aprovação prévia da FISCALIZAÇÃO.
Em nenhum caso deverão ter mais de 15 degraus e a inclinação máxima deverá ser de
40º com a horizontal. Caso haja alguma escada com número de degraus superior ao
especificado, deverá a mesma ser provida de patamar intermediário.
5.1.4.1.6.3. Escadas Verticais
Deverão ser utilizadas somente quando houver real impossibilidade de se usar escadas
normais e quando as mesmas forem de circulação reduzida.
Para escadas com mais de 5m de altura deverão ser previstas plataformas
intermediárias para descanso
5.1.4.1.6.4. Corrimão
Deverá ser previsto corrimão para proteções ao longo dos passadiços e escadas, em
tubo de aço galvanizado com costura de diâmetro mínimo de 11/2”.
5.1.4.2. Estruturas de concreto
5.1.4.2.1. Concreto
O concreto a ser executado deverá ser de alto desempenho, com adição de microsílica,
fck ≥ 50Mpa.
Sua execução obedecerá às prescrições das Normas Técnicas:
a) ABNT-NBR-6118 – Projeto e execução de obras de concreto armado;
b) ABNT-NBR-6120 – Cargas para o cálculo de estruturas de edificações;
c) ABNT-NBR-6122 – Projeto e execução; e
d) ABNT-NBR-6123 – Forças devidas ao vento em edificações.
5.1.4.2.2. Aço
O aço a ser usado será o CA-50A;
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 20 -
5.1.5. Projeto
5.1.5.1. Cargas
As cargas a considerar no projeto estrutural serão:
a) Cargas estáticas

Peso próprio da estrutura; e

Peso dos equipamentos.
b) Cargas dinâmicas ou móveis

Peso do material na correia (considerar as densidades indicadas);

Peso das partes móveis (roletes, tambores etc.);

Passadiços com 3kN/m2;

Plataforma junto às máquinas com 6kN/m 2;
 Esforços gerados pelas tensões das correias (tapete) e atuantes nas
estruturas, devem ser os gerados pelas máximas tensões possíveis de
ocorrer na correia;
 Esforços dinâmicos gerados pelos motores elétricos nas condições de
funcionamento normal, partida, rotor bloqueado e curto-circuito;
 Impacto devido à queda de material: Acrescer às cargas anteriores em
100%;
 Para acúmulo de material nas coberturas e galerias (projeção horizontal
da área de acúmulo): 0,5kN/m2;

Sobrecargas devidas à instalação de bandejamento elétrico: 0,6kN/m 2; e
 Sobrecargas devido à instalação de tubulações (água de incêndio, etc.)
ao longo dos transportadores: 1,0kN/m 2.
Além destas cargas, deverão ser verificadas as peças e elementos estruturais sujeitos
à possíveis ressonâncias e demais cargas que a CONTRATADA julgar necessárias à
perfeita operação do Sistema.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 21 -
5.1.5.2. Uma vez determinadas as cargas atuantes nos apoios das treliças das correias
e das Torres de transferência, suas estruturas serão projetadas preferencialmente em
concreto armado (fck ≥ 50Mpa).
Para o projeto destas estruturas a CONTRATADA deverá observar o seguinte:
a) Apoios das treliças:
Executar o projeto dos apoios para as duas Correias Transportadoras do
Sistema de Minerio de Ferro (o segundo Transportador será instalado no futuro,
quando de expansão do Sistema). As bases deverão ser projetadas segundo a
indicação dos trabalhos de sondagem a serem executados pela CONTRATADA.
b) Torres de Transferência:
As Torres de Transferência deverão ser projetadas e construidas em sua
concepção final, isto é, deverão ser construídas de forma a receber as duas
linhas de transportadores. A montagem da linha do segundo transportador não
faz parte do escopo desta especificação, sendo uma previsão de expansão
futura.
5.1.5.3. Base de acionamento
As bases de acionamento (skids) deverão de ser aço soldado, projetado com robustez
e contraventadas suficientemente para assegurar a rigidez necessária ao conjunto de
acionamento.
O conjunto de acionamento e os mancais dos tambores deverão ser montados em
bases usinadas, de modo que o equipamento fique perfeitamente nivelado e alinhado.
As bases deverão ser projetadas para montagem sobre estruturas de concreto.
As bases de acionamento deverão ser fornecidas com no mínimo 8 (oito) parafusos
para alinhamento de cada componente (motor, acoplamento redutor etc.) sendo 4
(quatro) parafusos para o plano horizontal e 4 (quatro) para o plano vertical. A
localização desses parafusos deverá ser feita de forma a possibilitar fácil acesso e
manuseio. As roscas não deverão ser abertas nas próprias bases devendo ser
previstos furos passantes com porcas de aço inoxidável, soldadas em suas
extremidades.
5.1.5.4. Galerias e Torres de Transferência serão projetadas e fornecidas pela
CONTRATADA, com base nas informações e dados contidos nos desenhos do
transportador e nesta ET.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 22 -
5.1.5.5. As mesas de impacto deverão ser projetadas e construídas em estrutura
reforçada, tendo um ponto pivotado e com borrachas amortecedoras de choque nos
demais pontos de apoio.
5.1.5.6. Os Transportadores e todos os seus componentes deverão ser projetados e
construídos para tipo de serviço extrapesado (“extra heavy-duty”), 24 horas por dia de
operação, 330 dias por ano e projetado para uma vida útil de 20 anos.
5.1.5.7. Os requisitos indicados nesta especificação não estão necessariamente
completos e o FORNECEDOR não estará limitado por quaisquer omissões.
5.1.5.8. Será de inteira responsabilidade do FORNECEDOR garantir todas as
características construtivas e o desempenho do equipamento por ele fornecido. As
exigências e requisitos contidos nesta especificação, e nos seus desenhos e
documentos de referência, são requisitos mínimos a serem atendidos pelo
FORNECEDOR, não o eximindo da total responsabilidade aqui referida.
5.1.5.9. Os equipamentos deverão ser, tanto quanto possível, de fabricação nacional, e
em especial os componentes sujeitos a substituições freqüentes.
5.1.5.10. Os equipamentos deverão ser projetados com especial atenção ao fácil
acesso para manutenção e substituição de partes ou componentes defeituosos.
5.1.5.11. Os componentes deverão ser padronizados, sempre que possível, de forma a
minimizar os requisitos de estoque de peças sobressalentes. Todos os motores
elétricos de mesma potência com a mesma velocidade, todos os redutores para o
mesmo torque de redução, todos os inversores de freqüência para acionamentos de
mesma corrente, todos os transformadores elétricos de mesma potência, enfim, todos
os equipamentos e instrumentos de mesma função e capacidade deverão ser
intercambiáveis.
5.2. DETALHES CONSTRUTIVOS
5.2.1. Estrutura
5.2.1.1. Para Transportadores convencionais, quando houver facilidade de apoio, a
estrutura do transportador deverá ser fabricada em viga "U" integrando módulos de 6
metros com suportes espaçados a 3 metros. Quando não houver facilidade de apoio, a
estrutura será treliçada.
Para Transportadores tubulares, as estruturas apoiadas no chão (se for o caso) terão
apoio mínimo a cada 6 metros, nos casos da estrutura estar acima do solo os vãos
serão no padrão mínimo de 20 metros, e em locais de necessidade de vãos maiores,
será previsto estrutura do tipo galeria.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 23 -
5.2.1.2. A construção deverá ser parafusada ou soldada, adequada para transporte e
sua posterior montagem na obra.
5.2.1.3. Onde forem indicadas juntas de dilatação, o fabricante deverá prever o
movimento da estrutura do transportador através de furos rasgados ou outra ligação
que permita absorver tal dilatação.
5.2.1.4. Nos pontos de carga, sobre esticamento, sobre motorizações intermediárias e
em trechos sobre rodovias e passagem de pessoas, deverão instalar-se chapas de
proteção # 10 na parte inferior do transportador e passarelas.
5.2.1.5. Os elementos de montagem, tais como: parafusos, arruelas, porcas etc.,
deverão ser protegidos contra agentes corrosivos existentes no ambiente marítimo do
Terminal e do Complexo Industrial do Pecém.
5.2.1.6. Basicamente, para as estruturas deverá ser adotado o seguinte critério:
a) Com altura até 2m as estruturas serão do tipo cavaletes normais;
b) Com vãos entre suportes até 12m as estruturas serão do tipo ponte; e
c) Com vãos superiores a 12m as estruturas serão do tipo galeria.
5.2.1.7. As galerias treliçadas deverão ter cobertura superior com telhas trapezoidais
em aço galvanizado, espessura de 1,0mm, e tapamentos laterais do mesmo material.
5.2.1.8. Todos os passadiços e plataformas deverão ter pisos em chapas expandidas,
com espessura mínima de 6,3mm, galvanizadas.
5.2.1.9. Para trechos elevados, sobre passagem de veículos ou pessoas e sobre o mar,
deverão ser fornecidos anteparos laterais de segurança em tela, com malha de ½” e fio
de 1/8”, colocados sob a projeção da estrutura de apoio dos roletes, de maneira a
evitar a queda de material ou componentes do transportador.
5.2.1.10. As Torres de transferência deverão ser construídas em estrutura metálica e
providas de coberturas e tapamentos laterais do mesmo material e padrão utilizado nas
galerias.
5.2.1.11. Todas as ligações deverão ser detalhadas, de modo a permitir o mínimo
possível de soldas no campo.
Todas as ligações de fábrica deverão ser soldadas. Somente em casos especiais serão
admitidas ligações aparafusadas.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 24 -
Para soldas de campo o detalhamento deverá ser executado de modo a garantir
facilidade de travamento provisório das peças a serem unidas.
As soldas deverão estar de acordo com a AWS. A menor espessura de solda de filete
deverá ser de 3mm e a maior de 0,7t, sendo “t” a espessura da chapa mais fina, desde
que o filete não seja maior que 10mm, já, portanto, sendo necessária a utilização de
solda de penetração.
5.2.2. Tambores
5.2.2.1. O diâmetro dos tambores deverá ser escolhido de acordo com as
recomendações do fabricante da correia e seguindo a padronização ABNT.
5.2.2.2. Os tambores deverão ser fabricados em chapa de aço calandrada e soldada
aos discos terminais de fechamento devidamente balanceados. Os cubos serão
soldados aos discos terminais.
Discos terminais fundidos ou laminados com cubos integrais, conforme as normas DIN,
poderão ser fornecidos. Neste caso, dar-se-á preferência a discos terminais com cubos
e aros integrais, devendo esses aros formar uma parte do casco do tambor, soldados
ao casco do mesmo por meio de solda em “V”.
5.2.2.3. Todos os cubos deverão ser projetados para uso de dispositivos de fixação do
tipo RINGFEDER RFN-7012 (em ambos os lados do tambor), de modo que permitam
fácil remoção dos eixos. Somente serão permitidos dispositivos de fixação tipo chaveta
nos tambores com eixos iguais ou menores que 100 mm.
5.2.2.4. Em geral os tambores de acionamento serão planos, podendo ser abaulados
os tambores de pé e de esticamento.
5.2.2.5. Todos os tambores deverão ser estaticamente balanceados, antes e após a
aplicação do revestimento.
5.2.2.6. Todos os tambores de acionamento deverão ser revestidos com borracha de
20 mm vulcanizada sobre o tambor. O revestimento deverá ser do tipo diamante, com
dureza de 65 Shore A.
5.2.2.7. Os tambores de pé e tambores em contato com o lado sujo da correia deverão
receber revestimento liso de borracha com espessura mínima de 12 mm, vulcanizado
sobre o tambor. A dureza do revestimento deverá ser de 65 Shore A.
5.2.2.8. Preferivelmente, o ângulo de abraçamento da correia com o tambor de
acionamento deverá ser de 210º. Para transportadores pequenos em serviços leves, tal
ângulo poderá ser de 180º.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 25 -
5.2.2.9. Para correias com largura até 1.000 mm, a largura mínima dos tambores será
de 50 mm de cada lado a mais que a da correia; e para correias maiores de 1.000 mm
a largura mínima do tambor será de 75 mm de cada lado.
5.2.3. Roletes
Todos os roletes a serem fornecidos para os transportadores convencionais deverão se
enquadrar nas prescrições da CEMA – Conveyor Equipment Manufacturers Association
e NBR-6678.
Para os roletes do transportador tubular deverá ser seguida a normatização DIN.
5.2.3.1. Geral
Todos os roletes serão fabricados em tubos de aço carbono sem costura.
O diâmetro dos roletes, sua série e espaçamento deverão atender as Normas CEMA e
DIN, levando-se em consideração as exigências de carregamento, transporte e retorno
e tipo do transportador.
A fixação dos suportes dos roletes na estrutura do transportador deverá permitir o
alinhamento dos mesmos. Não poderão ser usados adaptadores para fixação do rolete.
Nos transportadores convencionais serão usados roletes de impacto, carga, transição,
auto-alinhantes e de retorno.
Para o transportador tubular serão usados roletes de impacto, transporte e formação.
Todos os rolamentos a serem aplicados deverão ser selados e com garantia de vida útil
superior a 50.000 horas. Todos os rolos da correia fechada (Hexagonal) tanto carga
como retorno deverão ser iguais, não será admitido rolos com eixo e rolamento
diferentes.
5.2.3.2. Roletes de impacto.
Os roletes de impacto serão colocados nos pontos de carregamento da correia
transportadora (mesa de impacto) ou em outros pontos que possam sofrer impacto
durante a operação.
Estes roletes serão revestidos com borracha na espessura necessária a absorver os
esforços de impacto. Este revestimento deverá ser necessariamente VULCANIZADO
no tubo do rolete. O espaçamento máximo dos roletes de impacto será de 400mm.
5.2.3.3. Roletes de carga
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 26 -
Para os transportadores convencionais, os roletes de carga deverão constituir-se de
três rolos intercambiáveis. Os rolos laterais deverão ter inclinação adequada para o
material que apresentar a maior dificuldade de transporte. Para correias de até
1000mm de largura os rolos laterais deverão ser inclinados de 35°.
Os roletes de carga serão lisos e sem revestimento.
Os suportes deverão ser projetados de modo a evitar acumulo de material que
atrapalhe a livre rotação dos rolos, não devendo ter partes salientes ou ásperas que
possam danificar a correia e a indicação da direção do transporte ser nitidamente
estampada no suporte.
Para o transportador tubular os rolos de transporte serão compostos em painéis com
12 roletes na área de fechamento da correia.
5.2.3.4. Roletes de transição
Os roletes de transição terão os rolos construídos como os rolos dos roletes de carga.
Serão colocados entre os tambores terminais e o primeiro rolete normal de carga.
A distância entre o tambor e o primeiro rolete de carga será determinada pelas
recomendações do FABRICANTE da correia.
A inclinação dos rolos deverá ser ajustável, podendo o FORNECEDOR utilizar roletes
comuns com inclinação de 20° para roletes de carga com 35°.
5.2.3.5. Roletes auto-alinhantes
Os roletes auto-alinhantes para os transportadores convencionais deverão ser
automáticos, instalados a uma distância de 15 metros dos tambores terminais e 30
metros entre si. Serão instalados tanto na carga como no retorno.
Onde houver impedimento ao uso de roletes auto-alinhantes comuns, poderão ser
utilizados roletes-guias fixos.
5.2.3.6. Roletes de retorno
Nos roletes de retorno para os transportadores convencionais, serão utilizados rolos
lisos, simples. O espaçamento entre os mesmos será de 3.000mm.
Havendo necessidade de revestimento de borracha, este deverá ser obrigatoriamente
VULCANIZADO no tubo do rolo. Os anéis de borracha deverão ter chanfros laterais.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 27 -
No lado de retorno da Correia deverão ser previstos rolos verticais. Sua finalidade é
evitar o contato da Correia com a estrutura no caso da mesma desalinhar.
5.2.3.7. Roletes de pesagem
Roletes de pesagem deverão ter geometria igual aos roletes de carga normal. Deverão
ter excentricidade máxima de 0,2mm e serem balanceados dinamicamente a 500rpm.
5.2.3.8. Roletes de Formação
Para o transportador tubular, os roletes de formação serão em aço maciço e fixados em
balanço em uma base regulável, para atender perfeitamente o fechamento da correia
na sua forma tubular.
5.2.3.9. Viradores de correia
Todos os transportadores convencionais deverão ser dotados de viradores de correia.
A distância necessária para completar o giro deverá ser determinada pelo
FABRICANTE da correia.
Deverão ser do tipo plano e o ângulo de abraçamento dos tambores terminais não
deverá ser inferior a 5º. As inversões da correia deverão ser desenvolvidas no mesmo
sentido, de forma a permitir que as tensões nas bordas da correia sejam balanceadas.
5.2.4. Eixos
5.2.4.1. Todos os eixos dos tambores deverão ser fabricados em aço SAE 1045,
forjados no perfil final e usinados ao longo de toda superfície.
5.2.4.2. Os diâmetros dos eixos serão selecionados usando-se as equações do ASME
para cálculo de eixos de tambores (acionados e não acionados).
5.2.5. Mancais
5.2.5.1. Os mancais deverão ser projetados para uma vida útil de 50.000 horas na
rotação nominal do tambor.
5.2.5.2. Para cada par de mancais um rolamento será fixo e o outro livre, para
possibilitar o deslocamento do eixo em caso de dilatação térmica.
5.2.5.3. As caixas dos mancais deverão ser bipartidas, fabricadas em ferro ou aço
fundido.
A base do mancal deverá ter dois ou quatro furos rasgados.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 28 -
5.2.5.4. Os mancais deverão ser projetados com pino graxeiro para lubrificação por
graxa e deverá ser previsto bujão de alívio para saída de graxa usada. Deverão ser
selados convenientemente para evitar a entrada de pó ou material estranho.
5.2.5.5. Os mancais para eixos não passantes deverão ter tampas de fechamento.
5.2.5.6. Para o apoio do mancal na estrutura deverá ser prevista uma chapa de base
usinada, de modo a permitir fácil alinhamento e para possibilitar o alinhamento e/ou
nivelamento dos mancais após sua montagem. Deverá ser previsto um dispositivo tipo
parafuso ou cunha, devidamente fixado a estrutura suportante.
Em cada par de mancais que suportam um eixo deverá ser fornecido um mancal fixo e
outro livre para permitir deslocamento axial do eixo dentro da caixa.
Os mancais deverão ser fixados de modo que a linha de aplicação de carga passe, no
mínimo, pela metade inferior da caixa.
5.2.5.7. Os rolamentos deverão ser autocompensadores, de rolos de primeira linha, tais
como SKF, FAG, NSR ou NTN.
5.2.6. Lubrificação
5.2.6.1. Todos os pontos de lubrificação deverão ser de fácil acesso, caso contrário,
deverá ser previsto uma tubulação de extensão. No caso desta situação ocorrer em
vários pontos, deverá, se possível, ser prevista uma placa única para os graxeiros,
colocada em local visível e de fácil acesso.
5.2.6.2. A lubrificação dos rolamentos dos rolos poderá ser do tipo permanente.
5.2.6.3. Redutores de velocidade, transmissões por corrente ou mancais lubrificados a
óleo, deverão ter indicadores de nível, dreno, copo para alimentação de óleo e respiro.
5.2.6.4. A lubrificação de todos os equipamentos a serem fornecidos, deverá ser feita
por meio de bicos tipo Alemite de 1/8”, com encaixe para bomba de graxa ou outro
sistema equivalente, aprovado pela FISCALIZAÇÃO.
5.2.7. Correias
5.2.7.1. Todas as correias serão fornecidas com as seguintes características:
a) Deverão ser resistentes aos esforços devidos ao carregamento imposto pelos
materiais ;
b) Deverão ser resistentes às condições de trabalho na temperatura e umidade
ambientes;
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 29 -
c) Deverão resistir às tensões geradas por inflexão em sua seção transversal;
d) Durante a partida, aceleração ou na frenagem, a tensão máxima na correia será
de 1,5 vezes o valor da tensão admissível;
e) As emendas serão vulcanizadas a quente, devendo o FORNECEDOR garantir
sua qualidade;
f) Deverão ser resistentes ao rasgo, e serem providas de filamentos, ou outro
elemento, que sensibilizem um sensor específico contra rasgos, possibilitando
assim o desligamento imediato do sistema, caso esse problema ocorra; e
g) As correias dos transportadores tubulares deverão ser similares as dos
transportadores existentes no CIPP, que são de fabricação Phoenix e/ou
Bridgestone.
5.2.7.2. A correia deverá ser fornecida conforme as determinações do FABRICANTE
para um número mínimo de lonas ou cabo de aço, requeridas para suportar a carga,
absorção de impactos e números máximos de lonas ou diametro do cabo de aço para
acamatar nos roletes, para as condições com carga e em vazio.
5.2.7.3. A carcaça da correia deverá ser selecionada conforme a maior tensão de
operação do Transportador, considerando-se as recomendações do fabricante, em
função do tempo de ciclo e granulometria do material transportado. Não deverão ser
usadas carcaças feitas de algodão ou qualquer outra fibra combinada com algodão.
5.2.7.4. O PROPONENTE deverá verificar todos diâmetros de tambores, mínimos raios
requeridos para todas as curvas verticais, comprimento de esticamento e distâncias de
transição.
A tolerância na largura da correia não deverá exceder 1% da largura nominal.
Variação na espessura da cobertura não deverá exceder, para menos em 0,2mm para
espessuras até 4mm inclusive, e 5% para espessuras acima de 4mm.
5.2.7.5. A correia e os materiais da correia deverão ser testados a fim de se verificar
sua resistência. Tais testes deverão ser realizados de acordo com as normas ASTMD412, D413, D378 e D430. Os dados resultantes dos testes deverão ser submetidos à
FISCALIZAÇÃO da SEINFRA.
5.2.7.6. As correias deverão ser dimensionadas e selecionadas obedecendo a um
critério de padronização de forma a reduzir a variedade de carcaças por largura.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 30 -
5.2.7.7. O FORNECEDOR deve incluir comprimento extra, suficiente para manuseio e
no mínimo uma emenda futura.
5.2.7.8. Para o transportador tubular a correia deverá ter as extremidades
arredondadas e reforços transversais para garantir a vida útil devido aos seus esforços
de fechamento.
5.2.7.9. Uma seção específica para correias deverá ser incluída no Manual de
Instalação, Manutenção e Operação, contendo no mínimo o seguinte:
a) Instruções para emendas
equipamentos necessários;
com
relação
dos
materiais
ferramentas
e
b) Instruções para reparo de pequenas áreas danificadas; e
c) Instrução para instalação e alinhamento com informações sobre como instalar a
correia, esboço dos dispositivos para tensionamento da correia, esboço para
estrutura suporte do carretel, detalhes completos de como alinhar, precauções
no ato da partida, na operação e um guia de ocorrências de defeitos mostrando
os defeitos que podem ocorrer e a sua correção.
5.2.8. Esticadores
5.2.8.1. Para os transportadores tubulares e convencionais, deverão ser do tipo carro
esticador acionado por contra peso.
Onde for possível deverá ser previsto um curso extra para o esticador quando for
usada emenda vulcanizada, de modo a evitar a reemenda da correia.
5.2.8.2. Nas torres do esticamento, deverão ser previstas escadas verticais e
plataformas para manutenção das guias e das roldanas de cabos de aço. As roldanas
deverão ter pinos de lubrificação, bem como coberturas de proteção. As guias deverão
ser projetadas de modo a permitir a fácil remoção dos contra-pesos para manutenção.
5.2.8.4. Os carros esticadores deverão ser fornecidos com rodas de aço forjado e
laminados, ou aço carbono soldado usinado e endurecido, as rodas deverão ser
providas de buchas de bronze dotadas de graxeiros para lubrificação.
Os carros esticadores, de modo a evitar o levantamento, deverão ser fornecidos com
dispositivos guia tipo gancho, atuando nas vias de rolamentos. As guias deverão ser
facilmente removíveis, de modo a facilitar a remoção do carro para manutenção e
montagem.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 31 -
Para guiar os carros esticadores e resistir às forças verticais e horizontais atuantes, as
rodas deverão ser do tipo em “V”.
5.2.8.5. O fator de segurança mínimo exigido para cabos de aço é 6, baseado no limite
de resistência a ruptura do cabo declarado em certificado pelo fabricante do mesmo. O
diâmetro das roldanas deverá ser, no mínimo, igual a 20 vezes o diâmetro do cabo.
Os cabos de aço para os esticadores deverão ser de construção 6X37, de alma de aço
“Improved Plow Steell” ou “Extra Improve Plow Steell”, trançado regular e arames
galvanizados retrefilados. Os cabos deverão terminar com soquetes ou grampos,
testados para 2 vezes a carga máxima de trabalho.
5.2.9. Raspadores e Limpadores
5.2.9.1. Todos os transportadores deverão ser equipados com limpadores e raspadores
de correia ajustáveis.
Um raspador deverá ser instalado na dianteira do tambor de descarga do transportador
e outro de lâmina dupla no ponto onde a correia deixa o mesmo tambor.
5.2.9.2. O contato permanente dos raspadores com a correia deverá ser mantido por
meio de contra-pesos ou molas, para manter sempre pressão sobre a correia. O
raspador deverá ter um batente para evitar contato do metal com a correia quando a
lâmina gastar.
5.2.9.3. Em todos os pontos sobre as correias de retorno, onde houver a possibilidade
de penetração do material entre o tambor e a correia, deverá ser adaptado um limpador
para impedir que esta seja danificada.
5.2.9.4. Um raspador fixo ao chute de descarga deverá ser previsto, montado em sua
chapa traseira, de modo que o material raspado caia no interior do próprio chute.
5.2.9.5. O PROPONENTE deverá prever projeto de limpadores de jato de água da
correia para avaliação de sua implantação pela FISCALIZAÇÃO da SEINFRA.
5.2.10. Chutes de Descarga
5.2.10.1. As tremonhas, chutes para alimentação, transferência e descarga de produtos
deverão ser projetadas para cada aplicação conforme as seguintes prescrições:
a) Evitar turbulência do produto;
b) Minimizar a formação de pó e a degradação do produto;
c) Impedir o vazamento do produto na transferência; e
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 32 -
d) Coletar o produto retirado pelo raspador.
5.2.10.2. O ângulo de arestas dos chutes deverá ser suficiente para garantir o fluxo
livre do produto. Geralmente este ângulo não deverá ser menor que 60º.
5.2.10.3. As tremonhas e os chutes deverão ser fabricados em chapas de aço de, no
mínimo, 8 mm de espessura e deverão ser providos de portas de inspeção e limpeza
em toda largura.
Os chutes deverão ser projetados em seções, de forma a permitir a sua montagem,
desmontagem e fácil deslocamento para dentro ou fora das Torres de transferências e
das estruturas-suporte.
5.2.10.4. Deverão ser previstas chapas de desgaste removíveis, montadas nos chutes
e tremonhas em material revestido com arbesto de tungstênio de espessura 8 +/- 2mm.
A fixação da chapa de desgaste deverá ser do tipo de remoção rápida.
O espaçamento entre as placas deverá ser igual ou superior a 10mm e as placas
deverão ser montadas de forma defasada entre uma linha e outra, de forma a evitar a
formação de caminho preferencial que possa causar desgaste na chapa do chute.
Os chutes, sempre que possível, deverão ser providos de “CAIXAS DE PEDRA”,
evitando assim, ao máximo, o uso de chapas de desgaste, devendo ser projetados de
forma a minimizar os impactos do material no sentido do movimento da correia que
está sendo alimentada.
5.2.10.5. Os chutes e tremonhas deverão ser fornecidos com coifas e bocais
flangeados para conexão com o sistema de despoeiramento.
Cada Torre de transferência possuirá um sistema completo de despoeiramento a seco
dos chutes e tremonhas, descarregando o pó no transportador seguinte.
A emissão deverá atender a norma ambiental vigente na região.
5.2.10.6. Os chutes móveis deverão ser fornecidos com sistema pneumático de
acionamento completo. Para cada acionamento deverão ser fornecidos os seguintes
componentes:
a) Pistão;
b) Válvulas de controle de vazão;
c) Válvulas dupla solenóide;
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 33 -
d) Conjunto lubrefil; e
e) Chaves fim-de-curso e demais acessórios para indicação remota de posição ao
centro de controle.
5.2.10.7. Os chutes deverão ser equipados com transmissor de nível, tecnologia de
ultra-som, com capacidade de comunicação com Sistema Supervisório, para
informação dos níveis instantâneos de carregamento e para interromper o fluxo de
material em caso de bloqueio ou acúmulo anormal de material no interior dos mesmos.
5.2.11. Guias Laterais
5.2.11.1. Todos os pontos de transferência deverão ser equipados com guias laterais,
projetadas especialmente para dirigir e confinar adequadamente o material
transportado e garantir que nas suas extremidades as velocidades do produto e da
correia se igualem.
As guias laterais deverão ser fornecidas em chapa de aço, espessura mínima de 8mm
e revestidas com placas de desgaste.
Todas as guias deverão ser equipadas na borda inferior com uma borracha firmemente
fixada às chapas de aço, ajustáveis, para evitar o derramamento do produto.
5.2.12. “Trippers”
5.2.12.1. Se forem especificados, os “trippers” deverão ser fornecidos completos,
incluindo trilhos, batentes, chaves de fim de curso, posicionamento e acionamento.
5.2.12.2. O acesso a ambos os lados do transportador deve ser facilitado, montando-se
uma passarela na frente da calha de descarga do “tripper”.
5.2.13. Freios e Contra-Recuos
5.2.13.1. Deverão ser fornecidos freios sempre que for necessário sincronizar os
tempos de parada dos transportadores.
Os freios deverão ser a disco, com atuação eletromagnética, tipo SIME ou similar.
O torque máximo ajustável do freio não deverá ultrapassar o torque nominal do motor,
a não ser que as tensões máximas tenham sido calculadas para condição de frenagem.
A capacidade térmica do freio deverá permitir, no mínimo, cinco paradas por hora, com
o transportador na sua capacidade de projeto, devendo a temperatura não exceder a
160ºC.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 34 -
É vetada a utilização de freio ou volante no eixo do motor.
5.2.13.2. Quando necessário, os transportadores deverão ser equipados com freio
contra-recuo e sua operação não deve ser afetada pela poeira, graxa, umidade ou
condições extremas de temperatura.
O contra-recuo deverá ser instalado no eixo estendido do tambor de acionamento.
A capacidade de torque do contra-recuo deverá ser igual ou maior do que o máximo
torque transmitido ao eixo do tambor acionador pelo sistema de transmissão.
Os contra-recuos deverão ser dimensionados para resistirem a um esforço equivalente
a 150% de potência do motor instalado. Não poderá ser executado rebaixo no eixo do
tambor para instalação de contra-recuo.
5.2.14. Mesa de Impacto
5.2.14.1. As mesas de impacto deverão ser construídas em estrutura reforçada, tendo
um ponto pivotado e com borracha amortecedora de choque nos demais pontos de
apoio.
Poderão ser utilizadas mesas de impacto com placas de borracha de tipo MARTIN ou
similar.
5.2.15. Controle de Vibração
5.2.15.1. O projeto deverá levar em consideração as vibrações resultantes de partes
móveis e rotativas prevendo-se contra ocorrência de ressonância.
Os acoplamentos de motores deverão incluir dispositivos para absorção elásticas dos
choques e amortecimento de vibrações.
5.2.15.2. Adicionalmente aos testes de acionamento, deverá ser executado ensaio de
vibração, conforme Norma ISO 2372, devendo ser liberado na condição A (bom).
5.2.16. Análise Dinâmica
5.2.16.1. Com o objetivo de se antever o comportamento dinâmico dos transportadores
nas diversas situações de carregamento, identificando situações operacionais que os
métodos convencionais não conseguem detectar, será solicitada a análise dinâmica
dos transportadores mais longos.
Deverá ser elaborado um relatório, indicando as considerações utilizadas, e os
resultados obtidos em todas as situações transitórias, tais como:
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 35 -
a) Tensões máximas e mínimas:
 Durante a partida com o transportador carregado e vazio;
 Durante a parada com freio;
 Durante a parada de emergência; e
 Durante operação normal.
b) Tensões no esticamento:
 Durante a partida com o transportador carregado e vazio;
 Durante a parada com freio;
 Durante a parada de emergência; e
 Durante operação normal.
c) Potências máximas e mínimas:
 Durante a partida com o transportador carregado e vazio;
 Durante a parada com freio;
 Durante a parada de emergência; e
 Durante operação normal.
d) Tempos:
 Parada natural com transportador carregado e vazio;
 Durante a parada com freio;
 Durante a parada de emergência; e
 Partida com transportador carregado e vazio.
e) Capacidade adotada;
f) Flechas máximas adotadas para o eixo dos tambores;
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 36 -
g) Raios mínimos para as curvas côncavas, convexas e horizontais; e
h) Flecha máxima da correia no lado de retorno e carga.
5.2.16.2. O relatório deverá ainda indicar a forma operacional para o controle de partida
e parada, e a seleção de todos os componentes necessários para o projeto, com suas
características construtivas.
5.2.17. Balança de Pesagem Contínua
5.2.17.1. O Transportador TC-01 deverá ser equipado com Sistema de Pesagem
Contínua, que seguirá as recomendações do Fabricante da balança no tocante a
capacidade, detalhes construtivos, instalação, manutenção e operação. Estas
recomendações incluirão usualmente as seguintes características mínimas:
a) Estrutura do transportador rígido;
b) Roletes balanceados na ponte de pesagem;
c) Montagem no mínimo a 4 m do último ponto de carregamento;
d) Precisão de +/- 0,25% do peso totalizado dentro do range de 25% a 125% da
capacidade nominal;
e) Proteção de sobrecarga positiva e negativa com parada mecânica;
f) Calibração por aplicação de teste de carga;
g) Células de
protegidas;
carga
com
compensação
de
temperatura,
intrinsecamente
h) Equipada com sensor de velocidade digital, com gerador de pulso fotoelétrico; e
i) Invólucro externo conforme NEMA 9 – Classe II, grupo EFG.
5.2.17.2. O sistema de pesagem deverá ter unidade de transmissão de dados
microprocessada, e capacidade de comunicação remota para operação em rede e
integração ao Sistema Supervisório de operação dos Transportadores.
5.2.18. Acionadores e Sistemas de Transmissão
5.2.18.1. Todos os acionadores deverão ser capazes de partir e acelerar o
transportador até a velocidade de operação com o mesmo carregado e os chutes de
alimentação cheios, num período de tempo que não permita o acionamento das
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 37 -
proteções (térmica, rotor travado etc.). Para obter-se tal resultado deverão ser usados
inversores de freqüência em cada acionamento de motor.
5.2.18.3. Os transportadores com acionadores maiores que 50kW, deverão ter
redutores de eixos paralelos, acoplados ao motor. A transmissão do eixo de saída dos
redutores aos tambores deverá ser através de acoplamentos elásticos de engrenagens.
5.2.18.4. Os redutores de velocidade deverão estar de acordo com a norma AGMA. O
fator de serviço deverá ser aplicado na potência absorvida no eixo (bhp), porém a
potência mecânica equivalente do redutor, nunca poderá ser inferior a 1,5 vezes a
potência do motor. A potência térmica não poderá ser inferior a potência do motor.
Somente serão aceitas alternativas para redutores das marcas “TRANSMOTÉCNICA”,
“FALK”, “FLENDER”, “SEW” e “RENK-ZANINI”. Outras marcas, apenas com
autorização prévia da SEINFRA.
5.2.18.5. O fator de serviço dos acoplamentos não deverá ser inferior a 1,5. O fator de
serviço deverá ser aplicado na potência absorvida no eixo (bhp), porém o acoplamento
deverá ser próprio para transmitir a potência contínua máxima do acionador,
multiplicada pelo seu fator de serviço.
5.2.18.6. Os sistemas de transmissão constituídos de acionador, redutor e
acoplamentos deverão ser montados sobre uma mesma base estrutural solidária à
estrutura do transportador.
5.2.18.7. Todas as partes móveis do sistema de transmissão mecânica deverão ser
devidamente protegidas com guardas em tela metálica, com malha 3/4” de fácil
remoção.
5.2.19. Coberturas e tapamentos laterais
As coberturas e tapamentos laterais tanto das Correias Transportadoras como das
Torres de Transferência serão em telhas aluminizadas pintadas em epóxi em ambas as
faces com espessura mínima de 1,0mm. Na cobertura das correias, onde aplicável,
poderão ser utilizadas telhas em arco.
A fixação das telhas deverá ser executada de forma que obedeça aos seguintes
critérios:
a) Impedir que a telha seja rasgada no local da fixação;
b) Possibilitar facilmente a retirada da cobertura e tapamentos laterais bem como
sua reposição; e
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 38 -
c) Possuir elemento isolador entre o alumínio e a estrutura metálica de forma a
impedir a corrosão catódica.
5.2.20. Contenção de pós e poeiras
5.2.20.1. Além dos sistemas de despoeiramento das Torres de Transferência a
CONTRATADA deverá projetar e fornecer um sistema para contenção de pós e poeira
nos pontos iniciais e finais das galerias dos transportadores convencionais.
Este sistema deverá ser dimensionado para retenção máxima de pós com uso de
tecnologia de pressurização, filtros, vedações e cortinas d’água em circuito fechado,
onde aplicável.
5.2.20.2. Ao longo do TC-1 sobre o TSID, nos trechos de recebimento de
materiais sob os Descarregadores de Minério de Ferro a CONTRATADA deverá
projetar e fornecer um sistema móvel para contenção da poeira gerada no ponto
de descarga. O referido sistema deverá ter o seu movimento sincronizado com a
translação do guindaste supracitado.
5.2.21. Galerias
Para todos os transportadores, em todos os cruzamentos com ferrovias, rodovias e
área de passagem de pessoas, deverão ser previstas galerias com coberturas,
tapamentos laterais e chapa de fechamento sob os passadiços e o próprio
transportador para evitar toda e qualquer queda de material e/ou pós nestes
ambientes.
O referido sistema poderá também ter função estrutural, que deverá ser claramente
demonstrado, quando na apresentação do projeto executivo para avaliação pela
FISCALIZAÇÃO da SEINFRA.
6. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA PREPARO DE SUPERFÍCIE E
PINTURA
6.1. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS
A presente especificação técnica prescreve os requisitos mínimos a serem cumpridos
para os procedimentos de pintura, a ser aplicada sobre as superfícies metálicas dos
materiais e equipamentos do Sistema da Correia Transportadora em questão.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 39 -
Esta especificação abrange as técnicas para a preparação da superfície, a
especificação da qualidade da tinta e produtos afins, as técnicas para aplicação das
diversas camadas de tinta e diretrizes para a inspeção final e aceitação da pintura.
6.2. NORMAS E PADRÕES
A menos que mencionado em contrário, todo serviço executado sob esta especificação
deverá estar de acordo com as normas, códigos e regulamentos apropriados da
Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e de todas as demais autorizadas
que tenham jurisdição sobre a matéria, especialmente as seguintes publicações:
a) Steel Structures Painting Council
- SSPC;
b) American National Standards Institute
- ANSI;
c) American Societay for Testing and Materials
- ASTM;
d) Swedish Standards Institute
- SIS;
e) American Water Workers Association
- AWWA;
f) Munsell Color Notation; e
g) Normas da Petrobrás.
6.3. CONDIÇÕES DA ATMOSFERA DE EXPOSIÇÃO
a) Marítima (com teor de salinidade corrosiva e abrasividade);
b) Umidade do ar: 80º (média);
c) Sólidos em suspensão: poeira de minério de ferro e areia; e
d) Temperaturas: máxima
média
mínima
35ºC;
27ºC; e
21ºC.
6.4. PREPARAÇÃO DA SUPERFÍCIE
No momento de aplicação de qualquer das camadas de pintura, a superfície receptora
deverá estar isenta de quaisquer corpos estranhos, quais sejam: poeira, umidade,
oleosidade etc. Além destes a superfície do metal de base deverá também estar isenta
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 40 -
de oxidações ou corrosões e de rugosidade, quais sejam: cascas de laminação,
respingos de solda, pintura velha etc.
A superfície metálica, após a limpeza, deverá apresentar coloração cinza claro de
aspecto metálico uniforme e ligeira aspereza.
Deverá ser aplicado jateamento de granalha ao padrão mínimo Sa 2 1/2, ou ao metal
quase branco, conforme Norma Sueca SIS 055900, devendo a granalha a ser
empregada estar seca, limpa e isenta de produtos químicos e impurezas e com
granulometria adequada.
6.4.1. Remoção de irregularidades superficiais.
Cascas de laminação, respingos de solda, pintura velha, oxidações penetrantes e
congêneres, deverão ser removidas por processo mecânico através de ferramentas
rotativas, quais sejam: esmerilhadeiras, lixadeiras e escovas de aço, aplicando-se a
que se apresentar mais praticável.
No caso de fortes aderências, recomenda-se ainda a aplicação de marteletes
pneumáticos munidos de cinzel.
6.4.2. Remoção de sujeiras
Poeira, lama e umidade, mesmo aderente, bem como detritos remanescentes das
remoções relativas aos três itens anteriores, deverão ser retiradas com eficiência
através da aplicação de jato de vapor ou de água quente e posterior secagem com
jateamento de ar.
6.4.3. Remoção de oleosidade
Óleos, gorduras e graxas deverão ser removidas através de aplicação de solventes por
meio de estopas, tecidos ou escovas, sendo que a cada aplicação deverá ser utilizado
solventes e tecidos limpos.
6.4.4. Remoção de oxidação ou corrosões
Oxidações, corrosões superficiais, carepas de laminação, pintura velha etc., deverão
ser removidas através de jatos abrasivos (jateamento com granalhas) até os padrões
descritos anteriormente tomando-se as devidas precauções contra a contaminação do
operador e a contaminação de mecanismos.
Componentes e mecanismos de equipamentos suscetíveis a contaminação ou danos
provenientes de granalha do jateamento, deverão ser previamente protegidos.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 41 -
6.5. ESPECIFICAÇÕES DOS PRODUTOS DE PINTURA
Os produtos da pintura deverão ser selecionados e combinados com o propósito de,
após sua aplicação e secagem, resultarem películas impermeáveis e altamente
aderidas entre si e ao metal base, apresentando ainda, uma elevada dureza, bem
como retenção de cor e brilho no acabamento.
6.5.1. Revestimento de fundo
Deverá ser em tinta epóxi rica em zinco, bicomponente, curada com poliamida,
atendendo a norma Petrobrás N-1277B, tipo SUMAZINC 278 ou similar.
O revestimento de fundo aplicado deverá propiciar proteção catódica ao aço carbono e
evitar a corrosão em áreas de pintura que sofram danos mecânicos.
Solvente: Recomendado pelo fabricante da tinta.
A espessura da película seca, não deverá ser inferior a 100 microns, aplicada em até
duas demãos.
6.5.2. Intermediária
Deverá ser em tinta epóxi modificada de alta espessura e dureza, bicomponente, com
baixo teor de compostos orgânicos voláteis (Low VOC), tipo SHER TILE HS PRIMER
BR ou similar.
O procedimento e seqüência de aplicação deverão obedecer às recomendações do
fabricante da tinta.
Solvente: Recomendado pelo fabricante da tinta.
A espessura da película seca não deverá ser inferior a 150 microns, aplicada em duas
demãos.
6.5.3. Acabamento
O acabamento será pela aplicação de um poliuretano acrílico alifático de alta
espessura, bicomponente, com baixo teor de compostos orgânicos voláteis (Low VOC),
tipo SUMATANE HB SEMI BRILHO ou similar.
Todo o procedimento de aplicação deverá obedecer rigorosamente as recomendações
do fabricante da tinta.
Solvente: Recomendado pelo fabricante da tinta.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 42 -
A espessura da película seca, não deverá ser inferior a 130 microns, devendo ser
aplicada em 2 demãos de 65 microns cada.
6.6. APLICAÇÃO DA PINTURA
A espessura final da película seca do sistema de pintura não deverá ser inferior a 345
microns, valor prático mínimo a ser obtido conforme as especificações anteriores e os
procedimentos recomendados a seguir.
6.6.1. Aplicação do revestimento de fundo
Deverá ser aplicado conforme a recomendação do fabricante, imediatamente após o
preparo da superfície, devendo o operador certificar-se que o produto atingiu
totalmente a superfície, reentrâncias e pontos críticos.
Após a aplicação e secagem deverá resultar uma camada de espessura homogênea
de no mínimo 100 microns, isenta de escorrimentos, trincas, empoçamentos e falhas.
A aplicação do revestimento de fundo deverá ser efetuada no local da fabricação do
equipamento ou componente.
6.6.2. Aplicação do intermediário
A aplicação da camada de intermediário, devidamente homogeneizada e com a
viscosidade regulada com solvente, deverá seguir criteriosamente as recomendações
do fabricante.
Após a aplicação e secagem, deverá resultar uma camada de espessura homogênea
de no mínimo 150 microns, isenta de escorrimentos, empoçamentos e falhas.
A tonalidade do secundário deverá diferir do revestimento de fundo, com o propósito de
regular a aplicação por contraste.
6.6.3. Aplicação do acabamento
Antes da aplicação do acabamento, deverão ser recompostos todos os trechos da
pintura danificada, bem como recomposto o estado de limpeza e secagem da
superfície para a subsequente aplicação do acabamento final.
As duas demãos de acabamento deverão ser aplicadas consecutivamente, conforme
recomendação do fabricante da tinta.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 43 -
Após a aplicação e secagem, deverá resultar em uma camada de espessura
homogênea de no mínimo 130 microns, proveniente da aplicação das duas demãos de
65 microns.
6.6.4. Recomendações gerais
Nenhuma das camadas acima citadas deverá ser aplicada sob as seguintes condições:
a) Em dias chuvosos, de nevoeiro ou com umidade acima de 85%;
b) Em temperatura ambiente abaixo de 10ºC; e
c) Com temperatura da superfície a pintar acima de 40ºC.
Nas áreas de solda e pontos críticos da pintura deverá ser aplicada uma demão
adicional de intermediária, com espessura mínima de 35 microns.
Todas as superfícies que, por sua funcionalidade, não precisam ser pintadas (Ex.:
superfícies que se unem na montagem ou trechos destinados à abrasão de material),
deverão receber uma aplicação tópica de produto inibidor de oxidação para sua
proteção temporária a qual deverá ser facilmente removida na ocasião da montagem.
Tendo em vista a perfeita compreensão e avaliação dos requisitos técnicos de pintura,
deverá a PROPONENTE apresentar em até 60 dias da assinatura do Contrato, um
plano de pintura, devendo este indicar:
a) O fabricante e fornecedor dos produtos de pintura a serem empregados; e
b) Especificações dos produtos e catálogos técnicos, dos produtos a serem
utilizados.
Todos os produtos aplicados na pintura, deverão ter a mesma origem de fornecimento,
para garantir a compatibilidade geral da pintura e deverão obedecer aos requisitos
mínimos desta especificação em consonância com as recomendações do Fabricante
da tinta.
Especial atenção no tocante ao prazo de validade das tintas e revestimentos que
deverão ser apresentados previamente para conhecimento e aprovação da
FISCALIZAÇÃO da SEINFRA.
Evitar frestas nas junções parafusadas objetivando o não surgimento de pilhas de
aceleração diferencial e concentração iônica diferencial.
Prever fácil acesso às áreas suscetíveis de corrosão para facilitar as inspeções e
manutenções necessárias.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 44 -
Procurar evitar cantos vivos onde os revestimentos são mais facilmente danificados.
6.7. CORES
6.7.1. Índice de cores
As cores a serem usadas são as a seguir indicadas, e serão observadas as seguintes
normas da ABNT:
a) NB-76- Norma de cor na segurança do trabalho; e
b) NB-54- Cores Fundamentais para Canalizações Industriais.
As cores serão definidas pelo “American National Standard” ou Sistema RAL, a ser
decidido pela FISCALIZAÇÃO:
a) Z 138.5-1971 color by the Munsell System, Method of Specifying”.
COR
Alaranjado segurança
Alumínio Natural
Amarelo
Amarelo Ouro
Amarelo Segurança
Azul
Azul Segurança
Bege Pêssego
Branco
Cinza Claro
Cinza Escuro
Cinza Médio
Lilás
Marrom
Preto
Púrpura Segurança
Verde Emblema
Verde Pastel
Verde Segurança
Vermelho
Vermelho Segurança
PADRÃO MUNSELL
2,5 YR 6/14
10 YR 7/12
10 YR 8/14
5 Y 8/12
2,5 PB 5/8
2,5 PB 4/10
7,5 YR 7/4
N 9,5
N 6,5
N5
5 B 5/1
2,5 P 5/6
2,5 YR 2/4
N1
10 P 4/10
2,5 G 3/4
5 G 8/4
10 GY 6/6
5 R 3,5/16
5 R 4/14
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 45 -
COR PARA LETRAS E
NÚMEROS
Preto
Preto
Preto
Preto
Preto
Branco
Branco
Preto
Preto
Preto
Branco
Branco
Branco
Branco
Branco
Branco
Branco
Preto
Preto
Branco
Branco
6.7.2. Pintura para identificação de Equipamentos
6.7.2.1. Alaranjado Segurança - Munsell 2,5 YR 6/14:
a) Partes móveis e perigosas de equipamentos e máquinas;
b) Partes internas de máquinas que possam ser removidas ou abertas; e
c) Face externa de polias e engrenagens.
6.7.2.2. Alumínio Natural:
a) Tanques de combustível de baixa viscosidade (óleo diesel; querosene; etc).
6.7.2.3. Amarelo Ouro - Munsell 10 YR 8/14:
a) Carregadores de Navios;
b) Recuperadoras de Caçambas;
c) Pontes Rolantes;
d) Talhas;
e) Guindastes;
f) Cabines, caçambas e ganchos de pontes rolantes; e
g) Cilindros Pneumáticos e Hidráulicos.
6.7.2.4. Amarelo Segurança - Munsell 5 Y 8/12:
a) Pilares, vigas, pontes, colunas e partes salientes de estruturas ou equipamentos
em que se possa esbarrar;
b) Guarda corpos, corrimãos e parapeitos;
c) Pára-choques;
d) Contra pesos e esticadores de gravidade;
e) Comandos de equipamentos suspensos que ofereçam perigo;
f) Espelhos de degraus de escadas que apresentem perigo;
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 46 -
g) Bordas de plataformas que não possuam corrimãos;
h) Bordas horizontais de portas de elevadores que se fechem verticalmente;
i) Faixas em piso de portas de elevadores e plataforma de carregamento;
j) Lança de cancelas; e
k) Roletes auto-alinhantes.
6.7.2.5. Azul - Munsell 2,5 PB 5/8:
a) Transportadores; e
b) Alimentadores de esteira.
6.7.2.6. Cinza Claro - Munsell N 6,5:
a) Motores elétricos, transformadores e painéis;
b) Redutores;
c) Bombas;
d) Sopradores;
e) Equipamentos de Ventilação (Exaustores, Ventiladores, Etc.);
f) Compressores e Tanques de Ar; e
g) Chutes.
6.7.2.7. Cinza escuro - Munsell N5:
a) Estruturas Metálicas; e
b) Torres de Transferência e Galerias.
6.7.2.8. Verde Pastel - Munsell 5G 8/4:
a) Roletes para balanças.
6.7.2.9. Verde Segurança - Munsell 10 GY 6/6:
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 47 -
a) Caixas de equipamentos de socorro de urgência;
b) Caixas contendo máscaras contra gases; e
c) Quadros de avisos de segurança.
6.7.2.10. Vermelho Segurança - Munsell 5R 4/14:
a) Componentes do sistema de combate a incêndio (bombas, caixas de incêndio,
hidrantes, sirenes de alarmes, extintores, transporte de combate a incêndio e
portas de saída de emergência).
6.8. INSPEÇÃO DA APLICAÇÃO
6.8.1. O Fornecedor deverá comunicar à CONTRATANTE quando e onde a pintura
será executada, para efeito de fiscalização. A CONTRATANTE poderá solicitar a
paralisação do serviço se julgar que ele não esteja de acordo com o especificado, ou
se as ferramentas utilizadas forem inadequadas.
As correções que se fizerem necessárias deverão ser providenciadas imediatamente a
fim de que o trabalho seja desenvolvido dentro dos critérios estipulados por esta
especificação, sem nenhum ônus para a CONTRATANTE.
6.8.2. Aspectos Químicos e Físicos da Tinta e da Pintura
6.8.2.1. Viscosidade
Deverá ser usado o “Copo Ford nº 4“ ou outro sistema aprovado, para se avaliar a
viscosidade adequada à aplicação.
Este trabalho deverá ser da responsabilidade do Fornecedor, porém, sujeito ao controle
da CONTRATANTE.
6.8.2.2. Espessura do Filme Úmido e Filme Seco
O controle da espessura do filme úmido deverá ser efetuado para que a espessura da
película esteja de acordo com esta especificação. O INSPETOR poderá medir a
espessura do filme seco (através de um Elcometer ou Microtester) tanto na demão de
fundo, intermediária como na espessura total acabada. A espessura total não deve
exceder à especificação em mais de 20%.
6.8.3. Aspectos Mecânicos da Pintura
A película final deve ter as características a seguir detalhadas:
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 48 -
6.8.3.1. Aderência
Deverá ser testada conforme norma da ABNT NB-985.
6.8.3.2. Dureza
De acordo com a finalidade da tinta.
6.8.3.3. Porosidade
Esta qualidade será exigida apenas para pinturas em superfícies enterradas ou
submersas, onde a película deve ter uma impermeabilidade máxima possível.
6.8.4. Aspectos Estéticos
6.8.4.1. Escorrimento
A espessura do escorrimento, não superior em 20% a espessura da película adjacente,
será aceitável.
6.8.4.2. Impregnação por Substâncias Estranhas
Não deverá haver impregnação por substâncias estranhas.
6.8.4.3. Sobre-Aplicação (“over-spray”)
Não serão aceitos defeitos de sobre-aplicação.
6.8.4.4. Outros defeitos
Irregularidades de aplicação, tais como fraturas, empolamentos, impurezas, cascas de
laranja e outros não serão aceitas, principalmente se esses defeitos forem propícios à
formação de corrosão.
Todos os equipamentos necessários aos testes deverão ser fornecidos pela
CONTRATADA, sendo os testes desenvolvidos em conjunto com a CONTRATANTE.
7. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS SISTEMAS E EQUIPAMENTOS
ELÉTRICOS
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 49 -
7.1. DESCRIÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
Cada Torre de Transferência (TT) terá sua própria subestação e sala elétrica para
abrigo dos painéis, construídas em alvenaria e localizada em área adjacente.
As subestações deverão incluir todos os conjuntos de manobras, seccionamento,
equipamentos de medição e proteção para o seu respectivo alimentador, instalados em
cubículos conforme norma NBR-6979 e NBR-6808, quando aplicável.
O nível de tensão para acionamento das motorizações principais deverá
preferencialmente ser em MT, 4.160 Vca, trifásico, 60Hz. Outro nível de tensão poderá
ser aceito a critério da FISCALIZAÇÂO. A tensão para equipamentos auxiliares deverá
ser em 380Vac, trifásico (220 Vca, fase-neutro) 60Hz. A tensão para sistema de
proteção e controle deverá ser em 125Vcc. Outros níveis de tensão deverão ser
acordados previamente com a FISCALIZAÇÃO.
Para os conjuntos de manobra e proteção em AT e MT deverão ser utilizados
disjuntores extraíveis com tecnologia de extinção de arco à gás SF6 ou vácuo,
multimedidores e relés eletrônicos microprocessados, conforme padrão já existente nas
subestações do Terminal, para possibilitar a intercambialidade, padronização,
integrações e compatibilidade de comunicação.
Nos painéis de distribuição geral em BT de acionamento e de controle deverão ser
utilizados disjuntores, multimedidores e relés eletrônicos microprocessados, conforme
padrão já existente nas subestações do Terminal, e serão instalados os mais próximos
possíveis das Torres de Transferência. Os painéis de acionamento e partida dos
transportadores deverão ser instalados junto a cada conjunto de motorização, com
distância não superior a 30m.
Toda a interligação e montagem elétrica dos painéis de despacho, distribuição,
acionamento, controle, iluminação, serviços auxiliares e instrumentação de campo será
de responsabilidade e ônus da CONTRATADA, inclusive com o fornecimento de
materiais de montagem e acessórios.
As subestações, salas elétricas e sala de controle deverão ser providas de sistema de
climatização, com o objetivo de isolar o ambiente interno do ambiente externo
agressivo (marítimo), e garantir boa operação aos equipamentos eletrônicos.
Todos os equipamentos a serem utilizados nas TT’s e nos Transportadores (quadros,
caixas de passagem, luminárias, materiais de montagem etc.) deverão ser
preferencialmente em alumínio fundido e atender as normas ABNT quanto à
classificação de áreas.
7.1.1. Alimentação para acionamento do Transportador de Correia – TC-01.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 50 -
Os acionamentos principais do TC-01 serão localizados na junção do TSID com a
Ponte de Acesso, em área adjacente à Sala de Controle existente, e sua alimentação
elétrica será proveniente da SE-TSID, construída sobre o quebra-mar. A potência
necessária está disponível nas tensões de 4,16KV até o limite de 1000 KVA’s, e
0,38/0,22KV - 60Hz até o limite de 400 KVA’s através de transformadores de 3000
KVA e 500 KVA unitários, já existentes. A proteção do alimentador deverá ser através
de disjuntor a ser instalado pela CONTRATADA, instalado em cubículo próprio,
incluindo relés eletrônicos de proteção, indicadores, medidores e acessórios, a ser
montado internamente à SE-TSID. Os equipamentos e painéis a serem fornecidos pela
CONTRATADA estão quantificados na Planilha do Orçamento Básico, e a sua
identificação funcional pode ser verificada no Diagrama Unifilar fornecido.
A alimentação elétrica sairá do prédio da SE-TSID e percorrerá uma rede de dutos até
a Sala de Controle e Drives, implantada no Berço externo do Píer 1, onde serão
instalados os painéis de distribuição geral, iluminação, acionamento, controle e
automação do TC-01 e TC-02. Os demarradores supracitados, seus circuitos de
alimentação, painéis e toda a rede de alimentadores, dutos e tubulações etc até os
equipamentos, motores e luminárias, será de responsabilidade e ônus da
CONTRATADA.
7.1.2. Rede de Transmissão Primária e Secundária ao longo dos Transportadores TC02, TC-03 e TC-04.
Deverá ser instalado um conjunto de manobra (disjuntor, proteções e medições) na SEPorto, já existente, em 13,8 KV – 60Hz, para alimentação de todas as cargas relativas
ao TC-02, TC-03 e TC-04. O trecho inicial deste alimentador será subterrâneo até a a
subestação SE- TT - 02. Nestes transportadores, os circuitos deverão ser instalados
em leitos ou eletrocalhas fixados na estrutura dos Transportadores.
Será de responsabilidade da CONTRATADA os projetos elétrico e civil completos, bem
como o fornecimento de todos os materiais e serviços.
7.1.3. Alimentação para acionamento Transportador Tubular TC-02.
O acionamento principal do TC-02 e eventual acionamento auxiliar do TC-03 será
localizado na junção da descarga do Transportador de Correia 02 para alimentação do
Transportador de Correia 03, na Torre de Transferência 02, em área próxima ao site do
Transportador de Carvão existente sobre a duna, onde deverá ser construída a
subestação elétrica abrigada (SE TT -02), ou ampliada a Subestação existente a
critério da FISCALIZAÇÂO, para o suprimento de energia ao transportador, com
alimentação elétrica a partir da rede de distribuição primária supracitada.
Será de responsabilidade da CONTRATADA os projetos elétrico e civil completos, bem
como o fornecimento de todos os materiais e serviços.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 51 -
7.1.4. Alimentação para acionamento Transportador Tubular 03 – TC-03.
O acionamento principal do TC-03 e eventual acionamento auxiliar do TC-04 será
localizado na descarga do referido Transportador, nas coordenadas anteriormente
citadas, onde deverá ser construída a subestação elétrica abrigada (SE TT - 03) , ou
ampliada a Subestação existente a critério da FISCALIZAÇÂO, para o suprimento de
energia ao transportador, com alimentação elétrica a partir da rede de distribuição
primária supracitada.
Será de responsabilidade da CONTRATADA os projetos elétrico e civil completos, bem
como o fornecimento de todos os materiais e serviços.
7.1.5. Alimentação para acionamento Transportador Tubular 04 – TC-04.
O acionamento principal do TC-04 será localizado na descarga do referido
Transportador, nas coordenadas anteriormente citadas, onde deverá ser construída a
subestação elétrica abrigada (SE TT - 04) ou ampliada a Subestação existente a
critério da FISCALIZAÇÂO, para o suprimento de energia ao transportador, com
alimentação elétrica a partir da rede de distribuição primária supracitada.
Será de responsabilidade da CONTRATADA os projetos elétrico e civil completos, bem
como o fornecimento de todos os materiais e serviços.
7.2.
ESPECIFICAÇÕES
ELÉTRICOS
TÉCNICAS
DOS
MATERIAIS
E
EQUIPAMENTOS
7.2.1. Eletrodutos
7.2.1.1. Os eletrodutos e todos os seus acessórios de fixação e conexões em uso
aparente deverão ser em alumínio ou PVC, a critério da FISCALIZAÇÃO.
7.2.1.2. Os eletrodutos deverão ter a superfície interna completamente lisa, sem
rebarbas e também livres de substâncias abrasivas.
7.2.1.3. Os eletrodutos aparentes deverão ser conectados por meio de conduletes nas
mudanças de direção.
7.2.1.4. Após a instalação dos eletrodutos, inclusive aqueles de reserva, deverá ser
colocado um arame galvanizado n.º 12 BWG, a não ser que a FISCALIZAÇÃO aprove
outro processo que permita o lançamento dos condutores.
7.2.2. Dutos subterrâneos
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 52 -
Por rede de dutos subterrâneos compreende-se eletrodutos fabricados em PEAD
(Polietileno de Alta Densidade) corrugados e flexíveis, tipo Kanalex, compactados em
terra ou areia, com cobertura em concreto armado em travessias de vias, e situado no
mínimo a 0,60m abaixo do nível do terreno.
7.2.3. Caixas de passagem
7.2.3.1. As caixas de passagem deverão ser locadas e construídas de acordo com o
projeto executivo atendendo as necessidades verificadas “in loco” e normatizações
aplicáveis.
As mesmas deverão ser construídas em concreto armado seguindo a padronização
visual e dimensional da rede distribuição subterrânea existente no Terminal Portuário
do Pecém.
7.2.3.2. Especial atenção deve ser dada aos suportes para cabos, puxadores e outros
acessórios dentro das caixas, que deverão ser colocados exatamente de acordo com o
projeto.
7.2.3.3. Durante as escavações para a execução das caixas, caso seja encontrado, na
cota prevista para apoio das mesmas, material de baixa capacidade de suporte (argila
orgânica etc.), o mesmo deverá ser removido e substituído por material adequado, o
qual será compactado em camadas de, no máximo, 200 mm de espessura.
7.2.3.4. No fundo da caixa deverá ser executado um lastro de 100 a 150 mm de brita 4
e brita 2 socadas.
7.2.3.5. As caixas deverão dispor de drenos por aberturas no fundo das mesmas, para
águas nelas acumuladas, possuindo também uma camada de brita nº 2 no fundo.
7.2.4. Condutores elétricos
7.2.4.1. Os cabos deverão ser instalados conforme indicado no projeto.
7.2.4.2. Os condutores de baixa tensão deverão ser do tipo condutor elétrico flexível,
singelo ou multipolar conforme projeto, formação em fios encordoados de cobre
eletrolítico nú, têmpera mole, encordoamento classe 3, isolação, capa interna e
cobertura em borracha etileno-propileno EPR , isolação 0,6/1KV, temperatura máxima
de regime 90ºC, 100ºC em sobrecarga, 160ºC em curto-circuito, atendendo às
especificações NBR 6880 e NBR 7288 e aos ensaios conforme NBR 6812.
7.2.4.3. Os cabos de força em média tensão deverão ser de cobre eletrolítico,
estanhado, têmpera mole, encordoamento classe 2, isolação 15/20 KV em borracha
etileno-propileno (EPR-90º C) e capa externa de PVC, conforme NBR-7286 da ABNT.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 53 -
7.2.4.4. Os cabos de controle deverão ser de cobre flexível formado por fios de cobre
eletrolítico nú, têmpera mole, encordoamento classe 5, isolação de PVC (70º),
composto de cloreto de polivinila, com características especiais quanto a não
propagação e auto-extinção do fogo, cobertura de PVC e com condutores devidamente
identificados. As especificações aplicáveis são NBR 6148 e 6812.
7.2.4.5. Os cabos para instrumentação deverão ser condutores elétricos de cobre
estanhado flexível, isolamento em polietileno, trançado em pares, com blindagem
global em fita metálica de alumínio-poliéster com 100% de cobertura e fio dreno de
cobre estanhado flexível em contato com a face metalizada. Capa externa em PVC,
com o número de pares especificado em projeto.
7.2.4.6. O transporte dos lances e sua colocação deverão ser feitos sem arrastar os
cabos, a fim de não danificar a capa protetora, devendo ser observados os raios
mínimos de curvatura permissíveis.
7.2.4.7. Todos os cabos deverão ser identificados em cada extremidade, com um
número de acordo com o diagrama do projeto.
7.2.4.8. Os marcadores de fios deverão ser construídos de material resistente ao
ataque de óleos, do tipo braçadeira, e com dimensões tais que eles não saiam do
condutor quando o mesmo for retirado do seu ponto terminal, no caso de instalação em
eletrodutos.
7.2.4.9. Todo cabo encontrado danificado ou em desacordo com as normas e
especificações, deverá ser substituído.
7.2.4.10. Todas as fiações deverão ser feitas de maneira que tenham uma aparência
limpa e ordenada.
7.2.4.11. Nenhum cabo deverá ser instalado até que a rede de eletrodutos esteja
completa, e também concluídos todos os serviços de construção que os possam
danificar.
7.2.4.12. Não serão permitidas emendas de cabos no interior dos eletrodutos, sob
hipótese alguma.
7.2.4.13. Só serão permitidas emendas nos condutores de baixa tensão.
7.2.4.14. As emendas em condutores isolados devem ser recobertas por isolação
equivalente, em propriedades de isolamento e resistência mecânica, àquelas dos
próprios condutores.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 54 -
7.2.4.15. A terminação de condutores de baixa tensão deve ser feita através de
terminais de pressão ou compressão, com exceção dos condutores de 2,5 mm 2 ou
menores, que poderão ser conectados diretamente aos bornes dos equipamentos,
desde que estanhados na extremidade de conexão.
7.2.5. Terminal termocontrátil
7.2.5.1. Mufla Terminal Unipolar termocontráteis, para cabo de 8,8 / 15 KV, blindada,
com isolamento de borracha etileno - propileno e capa externa de composto
termoplático de cloreto de polivinila (PVC), fabricação Pirelli ou similar.
7.2.6. Chaves seccionadoras
Quando aplicável, e aprovado pela FISCALIZAÇÂO, as Chaves Seccionadoras
Tripolares deverão ser para abertura em carga, para instalação interna em cubículo
blindado, com haste de manobra frontal, punho para acionamento simultâneo das três
fases, isoladores em resina epóxi com elevada resistência mecânica. As características
técnicas deverão ser as especificadas em projeto, devendo atender a Norma Brasileira
ABNT NBR 7571, fabricação Siemens ou similar, sendo:
a) Tensão Nominal:
15 KV;
b) Tensão suportável nominal à freqüência industrial (1min.): 36 KV;
c) Tensão suportável nominal de impulso atmosférico:
110 KV;
d) Corrente nominal suportável de curta duração:
20 kA; e
e) Freqüência:
60 Hz.
7.2.7. Painel de Média Tensão Classe 15kV
7.2.7.1
GENERALIDADES
Especificações Técnicas dos Painéis de Média Tensão (LSC2B), blindado, isolados a
ar, destinados a equipar as subestações de uso abrigado MT/BT de alta potência.
7.2.7.2
NORMAS
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 55 -
O equipamento deverá atender as últimas revisões das seguintes recomendações
normativas:
•
•
•
•
•
•
Cubículos de alta tensão em invólucro metálico NBR/IEC
62271-200
(antiga NBR 6979);
Disjuntores de alta tensão em corrente alternada - NBR/IEC 62271-100(antiga
NBR7118);
Transformadores de corrente - IEC 185 - NBR 6856;
Transformadores de tensão
- IEC 186 - NBR 6855;
Cláusulas comuns de alta tensão - IEC 60694 - NBR 10478;
Controle e comando
IEC 801
7.2.7..3
CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS
O equipamento deverá ser fabricado e testado para os seguintes valores elétricos :
•
•
•
•
•
•
•
•
•
Classe de Isolação:17,5 kV
Tensão de serviço : 13,8 kV
Freqüência : 60 Hz
Tensão suportável a freqüência industrial (60Hz/1min) :
Nível Básico de impulso: 95 kV
Corrente nominal: 1.250 A
Corrente suportável de curta duração: 25 kA / 1s
Corrente testada de arco interno 25 kA
Tempo de duração de corrente de Arco: 1s
7.2.7..4
•
•
38 kV
CONDIÇÕES AMBIENTAIS
Altitude: inferior a 1.000m.
Temperatura ambiente máxima: + 40ºC
7.2.7.5
PAINÉIS
Os painéis deverão atender aos critérios de equipamento de uso abrigado, classificado
como conjunto de manobra e controle blindado pela NBR IEC 62271-200 (LSC2B-PMIAC-AFLR). Deverão possuir acesso frontal e traseiro para facilitar a manutenção.
7.2.7.6.
COMPARTIMENTOS
Os cubículos deverão ser compostos de quatro compartimentos eletricamente
independentes, conforme a definição de equipamento blindado da norma NBR IEC
62271-200(LSC2B-PM). Todas as separações entre compartimentos deverão ser
metálicas e aterradas.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 56 -
A fim de garantir a melhor segurança de operação, as guilhotinas móveis entre
compartimentos deverão ser obrigatoriamente metálicas e aterradas.O acesso aos
compartimentos deverão ser restringido pela presença de dispositivos de segurança e
de bloqueios.
Os compartimentos deverão ser os seguintes:
Compartimento do jogo de barras
Será acessível pela parte traseira do cubículo, retirando as chapas de proteção
aparafusadas. Ele deverá ser equipado com tampas de despressurização para alívio de
uma eventual sobrepressão interna, direcionando os gases para o teto.
Compartimento do aparelho de manobra
Este compartimento deverá estar situado no meio do cubículo de forma a proporcionar
melhor ergonomia para o operador manusear o disjuntor. A inserção ou a extração do
aparelho deverá ser feita através de carrinho elevador.
Deverá ser acessível pela parte frontal do cubículo, através de uma porta bloqueada de
forma a não permitir sua abertura se o aparelho de interrupção não estiver na posição
“extraído” ou se estiver em movimento da posição de inserção para a posição de
extração e vice-versa.
Este compartimento deverá ser equipado com guilhotinas metálicas aterradas, quando
o disjuntor estiver na posição “extraído”, e garantirá o isolamento com o compartimento
do jogo de barras de um lado e o compartimento de cabos do outro lado. Estas
guilhotinas deverão ser manobradas mecanicamente pelo movimento de inserção /
extração do disjuntor.
Quando o disjuntor estiver extraído, as guilhotinas deverão ser bloqueadas
mecanicamente na posição fechada. Para sua abertura deverá ser necessária a
utilização de uma ferramenta.
As guilhotinas deverão ter possibilidade de serem bloqueadas por cadeados.
Ele deverá ser equipado com tampas de despressurização para alívio de uma eventual
sobre pressão interna, direcionando os gases para o teto.
Compartimento de baixa tensão
O compartimento deverá estar na parte superior do cubículo, na sua face frontal, e se
integrará no volume geral do cubículo.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 57 -
Ele deverá ser acessível com os cabos e o jogo de barras energizados, e deve ter uma
porta.
Compartimento de cabos
Este compartimento deverá conter as barras para conexão dos cabos, os
transformadores de corrente e os transformadores de potencial. Deverá ser acessível
pela parte frontal e traseira.
Ele deverá ser equipado com tampas de despressurização para alívio de uma eventual
sobre pressão interna, direcionando os gases para o teto.
7.2.7.7
DIMENSÕES
As dimensões dos cubículos não podem ser superiores aos seguintes valores:
• Altura: 2300mm
• Profundidade: 1720mm
• Largura: 800mm
7.2.7.8
ARQUITETURA E INVÓLUCROS
O invólucro externo deverá ser metálico e aterrado.
Cada cubículo deverá ser construído sobre um chassis auto-suportante em chapa de
aço dobrada.
Com exceção das chapas pintadas e do piso do cubículo, as chapas que formam o
invólucro deverão ser galvanizadas na usina, com 2 mm de espessura. Portanto
deverão ser naturalmente protegidas contra a corrosão, sem a necessidade de
tratamento complementar.
As chapas que formam as partes visíveis do painel deverão ser pintadas em ambos os
lados. Elas deverão ser em aço carbono com tratamento por fosfatização.
A pintura deverá ser através de processo eletrostático com tinta poliéster a pó na cor
bege, (RAL 9002) com espessura mínima de 80µm.
As chapas que formam o piso dos cubículos deverão ser em aço galvanizado, com 2,5
mm de espessura.
7.2.7.9
GRAU DE PROTEÇÃO
Os cubículos serão para instalação abrigada e deverão ter grau de proteção IP3X
conforme a norma NBR IEC 62271-200:
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 58 -
• Deverá ser impossível introduzir uma haste com 2,5mm de diâmetro.
• O painel deverá manter o grau de proteção mesmo quando o disjuntor estiver
fora do painel.
7.2.7.10
RESISTÊNCIA AO ARCO INTERNO
Os cubículos deverão resistir ao arco interno, ensaiados considerando os seis critérios
da norma NBR IEC 62271-200:
•
•
•
•
•
1o. Critério: portas e tampas não deverão se abrir;
2o. Critério: Partes que podem representar perigo não devem ser projetadas
para fora do painel;
3o. Critério: Não deverão ser provocadas pelo arco aberturas ou fendas
acessíveis;
4o. Critério: Indicadores verticais e horizontais não poderão ser inflamados pelos
gases quentes;
5o. Critério: O sistema de aterramento não deverá ser afetado.
O ensaio deve ser feito para o tipo de acessibilidade classe A (frontal, lateral e traseira)
e nos três compartimentos de potência:
•
•
•
Compartimento do disjuntor
Compartimento do barramento
Compartimento de cabos
Os painéis que forem instalados em salas elétricas com pé direito inferior a 3,6m
deverão conter dutos para saída de gases na parte superior do painel.
Cópias dos certificados de ensaios deverão ser anexadas na oferta. Os equipamentos
utilizados nos ensaios devem ser os mesmos fornecidos.
7.2.7.11
JOGO DE BARRAS E DERIVAÇÕES
O jogo de barras deverá ser em cobre eletrolítico do tipo “barra chata”, com grau de
pureza de 99,9%. As barras deverão ser planas, paralelas e idênticas dentro de cada
cubículo.
As barras deverão ser revestidas por uma capa termo-contrátil e deverá receber
tratamento em prata nas conexões.
Cada barra deverá ser identificada com cores padrão IEC/NBR.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 59 -
As derivações fazem parte do circuito de potência que conectam os componentes
principais entre si (jogo de barras/aparelho, aparelho/transformadores de corrente,
etc.). Elas deverão ser em barras de cobre.
Barras perfuradas para conexão dos cabos
As barras perfuradas para conexão dos cabos deverão situar-se no compartimento
inferior do cubículo. Elas deverão ser em cobre. Deverá ser possível à conexão de até
seis cabos do tipo XLPE por fase, com uma seção podendo chegar até a 240mm2.
A conexão dos cabos deverá ser por aparafusamento.
Circuito de terra
O circuito de terra de uma unidade funcional é o conjunto de elementos que contribuem
para o aterramento do equipamento.
Ele é composto de :
•
•
Coletor principal.
Coletores secundários.
Coletor de terra principal
Ele deverá ser em cobre e deve suportar o nível de corrente de curto-circuito, conforme
a norma IEC 62271-200 e NBR / IEC 62271-200.
Os coletores de todas as unidades funcionais deverão ser conectados entre si e
conectados ao coletor geral de aterramento da instalação. A barra de terra deverá ser
instalada dentro do compartimento inferior.
Coletores secundários
Todas partes metálicas de cada unidade funcional deverão ser conectadas ao coletor
de terra principal seja por continuidade das massas metálicas, ou seja, por meio de
coletores secundários em cobre. De forma alguma, deverá ter partes metálicas
flutuantes.
7.2.7.12
SEGURANÇA MECÂNICA
As unidades funcionais deverão ter um grande número de dispositivos de segurança
mecânicas intrínsecas, a fim de garantir a utilização segura do equipamento:
•
Impossibilidade de extrair um aparelho fechado;
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 60 -
•
•
Impossibilidade de abrir a porta de acesso ao compartimento do aparelho
enquanto ele não estiver extraído ou quando estiver em movimento;
Impossibilidade de acessar os transformadores de potencial e a seus fusíveis de
proteção enquanto eles não estiverem extraídos.
A realização de qualquer destas formas de segurança por chave ou cadeado não será
aceita.
7.2.7.13
COMANDOS
Todos comandos deverão ser pela face frontal das unidades funcionais.
A extração e a inserção do disjuntor deve se efetuar com a porta fechada. Visor deverá
ser previsto na porta para visualizar sem equívoco a posição do aparelho (inserido ou
extraído).
Em nenhum caso deve ser possível a visualização dos contatos dos aparelhos de
interrupção.
As diferentes manobras devem ser validadas quando estiverem terminadas através de
um seletor dedicado e bloqueável por chave ou cadeado.
7.2.7.14
CONEXÃO DOS CABOS
A entrada/ saída dos cabos deverá ser feita por baixo de cada unidade funcional. Os
fundos deverão ser pré-perfurados e com todos furos protegidos por cones plásticos
recortáveis. As terminações dos cabos deverão ser parafusadas nas barras de espera
perfuradas.
Os cabos deverão ser flangeados aos cubículos através de cones plásticos. Com os
cabos conectados, o fundo de cada unidade funcional deverá ser fechado por uma
chapa amagnética.
A conexão de cabos deverá ser feita pela parte traseira do cubículo.
7.2.7.15
CONEXÃO DOS JOGOS DE BARRAS
As barras deverão ser parafusadas entre si e nas extremidades das derivações e nos
isoladores fixados para as derivações.
7.2.7.16
CONEXÃO DO COLETOR DE TERRA
O coletor de terra principal do painel deverá ser parafusado com cada coletor da
unidade funcional.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 61 -
7.2.7.17
CONEXÃO DOS CIRCUITOS DE BAIXA TENSÃO
Os circuitos de baixa tensão de cada unidade funcional deverá ser cableada na fábrica.
Na obra só deverão ser feitas as conexões de cabos BT entre cubículos e as conexões
externas do painel.
A entrada dos cabos externos deverá ser efetuada indiferentemente por baixo de cada
unidade funcional ou em qualquer das extremidades do painel.
As extremidades dos cabos BT deverão ser conectadas nas réguas de bornes
localizadas dentro do compartimento de baixa tensão. As fiações entre cubículos
deverão ser fornecidas pelo fabricante do painel. Elas deverão ser identificadas por
códigos conforme as indicações constantes nos esquemas de fiação que o fabricante
deverá fornecer acompanhando o painel.
Para facilitar as operações de controle e manutenção, a conexão da unidade de
proteção e controle, deverá ser efetuada na fábrica pelo fornecedor, e deverá ser do
tipo “tomada plug-in”.
7.2.7.18
APARELHOS
Disjuntor extraível
Para garantir a eficiência e a confiabilidade do equipamento, o disjuntor que equipa a
unidade funcional deverá ser obrigatoriamente fabricado pelo fornecedor do painel, ou
por uma parceira autorizada pelo fabricante. Toda solução que inclui disjuntor adquirido
de fornecedor diferente não será aceita.
As operações de inserção e de extração deverão ser efetuadas com a porta fechada.
O disjuntor deverá ser fabricado conforme as normas:
•
•
•
NBR IEC – 62271 100
NBR-10478
MT
IEC- 60694
MT
disjuntores de MT para corrente alternada
cláusulas comuns para as normas de aparelhos de
cláusulas comuns para as normas de aparelhos de
Ele deverá ter certificados de ensaios emitidos por uma entidade reconhecida e
associada a uma organização internacional.
O meio de interrupção deverá ser a vácuo.
O disjuntor e seu comando deverão suportar as seguintes características de
durabilidade:
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 62 -
•
•
Número de manobras: 10.000
Número de interrupções a corrente nominal: 10.000.
O disjuntor deverá ser equipado de um comando elétrico com abertura e fechamento
independente do operador, manobrados através de um mecanismo de acumulação de
energia.
O mecanismo de comando do disjuntor deverá ter:
•
•
•
•
•
•
•
•
•
Comando mecânico à energia armazenada em molas;
Motor para carregamento de molas (baixo consumo);
Bobinas de abertura / fechamento que podem ser energizadas continuamente;
Contato pronto para fechar (indica que o disjuntor está aberto + mola de
fechamento está carregada + não existe ordem permanente de fechamento +
não existe ordem permanente de abertura que pode ser provocado pela bobina
de mínima tensão e/ou bloqueio kirk atuado);
Intertravamento de posição do disjuntor com a porta do painel;
Função antipumping intrínseca do comando (não necessita de um rele elétrico
dedicado);
Contador de manobras;
Contatos auxiliares: 8 NAF;
Bloqueio kirk para travamento mecânico.
A expectativa de manutenção do disjuntor deverá ser preconizada para 10.000
operações ou 10 anos em operação, resumindo-se a limpeza com pano seco e
lubrificação das partes dinâmicas.
As conexões de força deverão ser do tipo tulipa, sendo que as superfícies de contato
da conexão macho/fêmea deverá ser cobre prateado.
Sistema de acoplamento do conjunto extraível deverá ser do tipo "rosca sem fim", que
proporciona um perfeito acoplamento das conexões de força e de forma suave.
Sistema de proteção
Unidade de proteção e de controle
Como as unidades de proteção são instaladas próximas a acionamentos de potência,
estando sujeitas a interferências, choques, vibrações e transitórios de origem elétrica,
elas devem atender as mais severas normas técnicas que garantam seu perfeito
funcionamento. Assim, devem estar em conformidade com as seguintes normas:
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 63 -
•
•
•
•
•
•
60255-5: Suportabilidade às ondas de choque: 5 kV
60255-22-1: Onda oscilatória amortecida 1 MHz: Classe III
60255-22-4: Transientes rápidos: Classe IV
61000-4-3: Irradiações eletromagnéticas: Classe III
60529: Graus de proteção - IP 52 no painel frontal
60255-21-1,2,3: Vibrações, choques, suportabilidade sísmica: classe II
O conjunto de proteção, inclusive sua IHM (interface homem-máquina) deve operar
dentro do seguinte intervalo de temperaturas: -25°C e +70°C.
Os relés devem possuir certificação UL, CSA, ISO9001 e ISO14000 em suas últimas
versões.
A alimentação auxiliar do relé deve estar compreendida na faixa de 24 a 250Vcc e 110
a 240Vac sem a necessidade de inserção ou troca de acessórios.
O equipamento de proteção deve permitir que os transformadores de corrente (TCs)
sejam curto circuitados automaticamente no momento de substituição do relé ou
quando se realizar algum ensaio nos TC’s ou relé.
Os relés auxiliares inseridos no circuito de comando dos equipamentos de interrupção
dever ter capacidade de conduzir continuamente 8A. Além disto, devem suportar 30A
durante 200ms para 2000 operações, em conformidade com a norma C37.90 cláusula
6.7.
Segurança de Operação
Com relação à segurança de operação, o relé de proteção deve possuir função de
auto-supervisão, que indique defeitos internos, tanto de hardware quanto de software,
através de um contato de saída permitindo que o operador possa identificar o defeito e,
assim, possa manter a integridade e operacionalidade do sistema de proteção.
Ainda com relação à segurança, o relé deve sinalizar no frontal do equipamento,
através de LED e/ou mensagem de texto, a falha interna detectada, inibindo os
comandos de saída.
A unidade de proteção e controle deve ser compacta e de fácil instalação, otimizando
os custos de instalação com os seguintes requisitos:
• Profundidade de no máximo 100 mm, já com todos os acessórios instalados.
• Corpo de policarbonato ou de material isolante que apresente alta resistência
mecânica.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 64 -
• Bornes correspondentes as entradas de corrente e tensão devem ser
desconectáveis, possibilitando uma fácil substituição em caso de troca, reparo
ou manutenção.
Relé deve permitir que todos os ajustes e a instalação de eventuais módulos opcionais
sejam feitos com o equipamento em funcionamento.
Proteções
As unidades de proteção e controle devem executar funções de proteção em
conformidade com a American National Standards Institute (ANSI). Para o presente
projeto, as seguintes proteções devem ser providas pelos relés, assinaladas com “X”
ou “x”, na tabela abaixo:
Seleçã Função
o
ANSI
50/51
50/51N
86
27
59
30
Descrição
Sobrecorrente instantânea e temporizada de fase,
respectivamente;
Sobrecorrente instantânea e temporizada de neutro,
respectivamente;
Bloqueio automático após uma atuação da
proteção;
Subtensão fase/fase e fase/neutro;
Sobretensão fase/fase e fase/neutro;
Relé Anunciador de Alarmes;
As proteções de sobrecorrente de fase e neutro devem permitir no mínimo o ajuste dos
seguintes parâmetros:
• Corrente de disparo ou pick-up levando em conta a máxima corrente de carga
admissível que passa pelo circuito a ser protegido, com ajustes que devem
corresponder aos valores reais das correntes no primário dos transformadores
de corrente (TCs);
• Deve permitir ajuste de curvas normal inversa, muito inversa, extremamente
inversa e tempo definido em conformidade com as normas ANSI, IEEE e IEC;
• O Dial de tempo da curva ou tempo de operação equivalente deve ser de 10
vezes a corrente de pick up;
Visando evitar falsas operações da unidade de terra devido as correntes de
magnetização, decorrentes da energização dos transformadores de potência, os relés
devem possuir a proteção 51N com restrição da componente de segunda harmônica.
Os relés devem contemplar pelo menos dois grupos de ajuste de tal forma que seja
possível comutar de um grupo para o outro no momento em que ocorrer um aumento
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 65 -
considerável de carga no sistema. Tal mudança pode ser executada localmente ou
remotamente via um sistema de supervisão e controle.
Os relés devem sinalizar em sua face frontal a mensagem da respectiva função de
proteção que ocasionou o disparo do disjuntor, com a respectiva indicação de data e
hora da ocorrência do evento.
Medições Básicas
As unidades de proteção e controle devem possuir a capacidade de medir as seguintes
grandezas:
• valores eficazes True RMS, das três correntes de fase;
• corrente residual;
• medição da corrente média e máxima que circulam nos condutores do
alimentador;
• medição de correntes de disparo em cada fase;
• medições complementares, como o valor do desequilíbrio decorrente da corrente
de seqüência negativa, tempo de operação do relé, dentre outras.
• medições das tensões de fase e de linha (quando o relé dispuser de entradas de
corrente e de tensão);
• medições de freqüência, potência, energia e freqüência (quando o relé dispuser
de entradas de corrente e de tensão).
Opcionalmente, o relé deve permitir a disponibilidade das medições, através de uma
saída analógica convencional de 4 a 20mA. Se houver necessidade de instalação de
módulo adicional, para acrescer essa função, o mesmo deve permitir a instalação a
quente no relé, sem que a unidade de proteção seja substituída e/ou fique
temporariamente fora de operação.
Comando e Monitoramento
A unidade de proteção e controle deve possuir display frontal, com possibilidade de
instalá-lo remotamente. Tais displays devem permitir a leitura de grandezas elétricas,
as mensagens de operação, de “trip” e as mensagens de manutenção.
As mensagens indicadas, avisos e/ou alarmes devem ser disponibilizadas na língua
Portuguesa (Brasil), devendo possuir no mínimo duas linhas de texto.
Sinalizações de alarmes e status do disjuntor devem ser disponibilizados através de
LEDs que podem ser configurados de forma simples, rápida e eficaz.
As unidades de proteção e controle devem permitir o ajuste frontal dos ajustes de
proteção, através do display/IHM. Deve ainda ser provido de senha, de tal forma que
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 66 -
apenas pessoas tecnicamente habilitadas possam manusear estas funções do
equipamento.
Além do controle de acesso aos ajustes através de senhas, a unidade de proteção
deve permitir, opcionalmente, no painel frontal, a instalação de lacre de segurança,
com o objetivo de impedir o acesso ao respectivo botão de entrada das senhas e a
conexão do relé a porta de comunicação frontal RS232. Tal lacre visa evidenciar se
houve tentativa de alterar os ajustes do relé.
Comunicação
As unidade de proteção devem possuir no mínimo 4 saídas digitais a relé, podendo ser
expandida através módulos de expansão. A instalação de módulos adicionais, quando
solicitado, visa permitir
Comandar a abertura e o fechamento do disjuntor de forma automática utilizando a
bobina de abertura e fechamento.
Enviar ordens de disparo para o disjuntor com sinal proveniente de outro relé
secundário e de menor capacidade, via entrada digital (Trip externo).
Realizar a supervisão do circuito de trip, permitindo que o operador tome as ações
corretivas com antecedência, caso haja algum defeito no circuito de comando
associado ao disparo do disjuntor, tais como fio rompido ou bobina queimada.
Indicar se a mola do disjuntor está carregada, bem como o respectivo tempo de
carregamento do motor associado.
A unidade de proteção e controle deve possuir a função de oscilografia incorporada,
arrmazenando as formas de onda das grandezas elétricas de proteção do relé.
Os relés devem permitir o ajuste do número de ciclos que serão oscilografados antes
da falta, bem como a duração total do registro.
Os arquivos de oscilografia devem ser gerados em formato. DAT. O relé deve ser
fornecido com software que permita a visualização dos arquivos.
A unidade de proteção deve registrar os eventos datados com precisão de no mínimo
1 ms.
Segurança de funcionamento
As unidades de proteção e controle devem permitir a instalação de módulos de
comunicação adicionais. A instalação poderá ser feita, mesmo com o relé em
operação. Abaixo você encontra o meio de comunicação e protocolo para esse projeto:
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 67 -
Escolha Meio de comunicação
Comunicação RS485 – 2 fios
Comunicação RS485 – 4 fios
Comunicação RS485 – 2 fios
Comunicação RS485 – 2 fios
Comunicação em fibra óptica
Comunicação em fibra óptica
Comunicação em fibra óptica
Gateway RS485-Ethernet
Tipo de Protocolo
Protocolo Modbus
Protocolo Modbus
DNP3
IEC 60870-5-103;
Protocolo Modbus
DNP3
IEC 60870-5-103
Ethernet
O tempo de resposta da rede, a um comando deve ser inferior a 15 ms (tempo entre o
comando de envio à unidade e seu reconhecimento).
Além da comunicação RS232 na parte traseira do relé, vindo de fábrica, o relé deve
possuir também uma porta frontal padrão, também RS232, para permitir a
parametrização e leitura dos ajustes e medições através de um PC.
A unidade de proteção e de controle deve permitir que as medições, as leitura dos
ajustes, os dados de registro de distúrbios oscilográficos e os ajustes remotos das
proteções sejam obtidos e/ou executados, via uma rede de engenharia (E-LAN) ou
através de um sistema de supervisão e controle (S-LAN)
O relé deve permitir comandos à distância, efetuados de dois modos: a) Modo direto ou
b) Modo “SBO” (select before operate).
As unidades de proteção e controle devem ser fornecidas com kit de configuração
contendo os cabos de comunicação e softwares necessários à parametrização e
aquisição de oscilografias.
O software de parametrização dos relés devem conter sistema de auto ajuda,
organizado em tópicos no idioma português (Brasil), ilustrando a introdução dos
parâmetros de configuração de forma intuitiva, simples e direta, além de possibilitar o
envio e recebimento dos parâmetros de configuração entre PC-Relé e Relé-PC.
Após a inserção dos dados de configuração no software de parametrização, este deve
permitir a organização automática de todas as informações em um único relatório de
forma sistemática, estruturada através de tópicos, que permita a impressão das
mesmas para backup em papel.
O software de parametrização deve permitir:
• Executar a leitura de todas as medições, dados de operação e mensagens de
alarmes;
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 68 -
• Executar a leitura dos diagnósticos do disjuntor tais como: kA2 acumulados,
contadores de operações e outras informações;
• Informar o estado lógico das entradas e saídas digitais, e dos LEDs de
sinalização;
• Informar os resultados do autocheck interno bem como dos módulos externos
on-line e apresentar em caso de defeito, a causa ou diagnóstico da falha;
• Visualizar os alarmes e históricos bem como o executar o RESET dos mesmos;
• Realizar o download dos arquivos de oscilografia e possibilitar o disparo de um
novo registro oscilográfico pelo usuário;
• Gerenciar (parametrizar, comandar e ler) os equipamentos instalados em uma
rede de engenharia E-LAN;
• Verificar e corrigir eventuais erros de parametrização de módulos opcionais,
tomando as devidas ações corretivas de maneira rápida, segura e eficaz.
O software deverá permitir a execução em plataforma, Windows 2000 ou XP.
Tratando-se de um equipamento de proteção de redes elétricas, o relé é um elemento
fundamental para o perfeito funcionamento do sistema elétrico, assim, o fabricante do
relé deve prover a garantia de pelo menos 10 anos contra defeitos de fabricação.
Transformadores de corrente
Os transformadores de correntes deverão ser conforme as normas ABNT/IEC.
Por razões de facilidade de adaptação e manutenção, os transformadores de corrente
fabricados especificamente para serem adaptados dentro do equipamento e que não
atendam as normas internacionais não serão aceitos.
Os transformadores de corrente deverão suportar um nível de corrente de curta
duração e uma tensão nominal idêntica a do equipamento. Eles deverão ser moldados
em resina epóxi e etiquetados individualmente.
Os transformadores de corrente deverão ter as seguintes características:
•
•
•
•
•
•
•
•
Classe de tensão: 15 kV
Freqüência: 60 Hz
Nível básico de impulso: 95 kV
Corrente primária nominal: (conforme diagrama unifilar)
Fator térmico nominal: 1,2 In
Corrente secundária nominal: 5A
Classe de precisão: 5P20 (conforme IEC 85)
Potência de exatidão: 10 a 20 VA
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 69 -
Os TC´s devem ser fabricados com precisão conforme definido pela norma IEC 185, ou
seja:
± 1% à 1 x In e
± 10% à 20 x In.
Transformadores de Potencial
Os transformadores de potencial deverão ser conforme as normas ABNT / IEC.
Pelas razões de facilidade de adaptação e manutenção, os transformadores de
potencial fabricados especificamente para serem adaptados dentro do equipamento e
que não atendam as normas internacionais não deverão ser aceitos.
Os transformadores de potencial deverão suportar uma tensão nominal idêntica a do
equipamento.
Eles deverão ser moldados em resina epóxi e etiquetados individualmente.
Os transformadores de potencial deverão ser separados do circuito de potência por
seccionamento.
Este seccionamento deverá ser garantido pela extração da gaveta TP.
Os transformadores de potencial deverão ter as seguintes características:
•
•
•
•
•
•
•
•
Classe de tensão: 15 kV
Freqüência: 60 Hz
Nível básico de impulso: 95 kV
Tensão primária nominal: 13,8 kV
Tensão secundária nominal: 115 V
Classe de precisão: 0,6P75
Potência térmica: 500 VA
Fusíveis extraíveis na média tensão: sim
7.2.7.19
FABRICAÇÃO E ENTREGA
O equipamento poderá ser objeto de uma inspeção durante a fabricação, em qualquer
unidade envolvida na fabricação.
O material deverá ser entregue acompanhado de todos os documentos necessários
para sua instalação, colocação em serviço, operação e manutenção em português.
7.2.7.20
ENSAIOS
Ensaios de tipo
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 70 -
O fornecedor do painel deverá apresentar os seguintes certificados de ensaios de tipo:
•
•
•
•
•
Ensaio de tensão suportável ao impulso atmosférico;
Ensaio de tensão suportável à freqüência industrial;
Ensaio de elevação de temperatura;
Ensaio de corrente de curta duração admissível;
Ensaio de arco interno.
Estes ensaios deverão ser realizados em laboratório nacional credenciado ao Inmetro,
conforme as recomendações ABNT / IEC correspondentes.
Ensaios de rotina
O fornecedor do painel deverá apresentar os seguintes relatórios dos ensaios de rotina:
•
•
•
•
Ensaio de tensão aplicada à freqüência industrial;
Ensaio de funcionamento mecânico;
Ensaios funcionamento dos relés e auxiliares de baixa tensão;
Verificação de conformidade com os desenhos e esquemas.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 71 -
7.2.8. Multimedidores
O medidor de energia elétrica é o responsável pela medição do consumo de energia
elétrica ativa e/ou reativa individual de cada unidade. Para esta finalidade devem ser
utilizados medidores eletrônicos com portas de comunicação nativas, sem adição de
“gateways”, aos Sistemas de Automação e Gerenciamento Energético já existentes no
Terminal Portuário do Pecém em operação no CCO da CEARÁPORTOS e no Sistema
de Transporte de Carvão.
Deverão ser usados medidores microprocessados que permitam acesso remoto
através de rede de comunicação de dados em RS 485.
Os medidores deverão disponibilizar ao usuário, tanto no “display” frontal como via
serial, os seguintes parâmetros elétricos:
a) Corrente RMS (por fase, neutro, terra e trifásica);
b) Tensões entre fases e fase-neutro;
c) Potência ativa (KW) por fase e trifásica;
d) Potência reativa (KVAr) por fase e trifásica;
e) Potência aparente (KVA) por fase e trifásica;
f) Fator de potência por fase e trifásico;
g) Freqüência (Hz);
h) Energia Ativa Acumulada (KWh);
i) Energia Reativa Acumulada (KVArh);
j) Energia Ativa, Reativa e Aparente;
k) Valores máximos dos parâmetros acima; E
l) THD.
Deverá ser escolhido um multimedidor com as mesmas funções dos demais, mas com
capacidade de comunicação em protocolos Modbus/Ethernet TCP/IP para operar no
início da rede e como “gateway” de integração ao sistema já existente.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 72 -
Todos os medidores e relés, citados nesta especificação, deverão ser
operacionalizados e gerenciados e controlados no “software” existente – SMS 3000 –
Schneider/Merlin Gerin. Poderá ser avaliada pela SEINFRA o fornecimento de um novo
software para Gerenciamento Energético do Sistema de Correias Transportadoras,
como opção para a não integração ao existente.
7.2.9. Aterramento e SPDA
Deverão ser fornecidos e instalados os materiais para a malha de aterramento e SPDA
das instalações utilizando-se os detalhes de projeto e normas pertinentes.
A malha deverá ser calculada de forma a satisfazer às necessidades de segurança e
funcionalidade das instalações elétricas e dos equipamentos associados, baseando-se
nos detalhes de projeto e na presente especificação. O projeto deverá contemplar o
aterramento de todas as estruturas metálicas e interligação à malha de terra, incluindo
a malha do SPDA.
Os materiais a serem especificados para instalação da malha e SPDA deverão ser
suficientes para assegurar que o valor da resistência de aterramento esteja de acordo
com as exigências de proteção e funcionais da instalação e que previsivelmente se
mantenha como tal para assegurar que as correntes de descargas atmosféricas, de
falha para a terra e as correntes de fuga, possam circular sem perigo, particularmente
do ponto de vista das solicitações termomecânicas e eletromecânicas. Todos os
equipamentos, luminárias, tomadas, botoeiras, estruturas metálicas, motores, painéis
etc. deverão ser aterrados.
As conexões de aterramento deverão ser preferencialmente do tipo exotérmicas. Nos
casos onde não for possível sua utilização, deverão ser empregados conectores
fabricados em liga de cobre.
O valor máximo da resistência de aterramento deverá ser de 10 Ohms medidos em
qualquer época do ano.
7.2.10. Transformadores
7.2.10.1. Os Transformadores deverão ter projeto, características e ensaios de acordo
com as normas da ABNT NBR – 5356, NBR - 5416 e NBR – 5380. Para os itens não
abrangidos pelas normas da ABNT, poderão ser utilizadas as normas abaixo descritas,
devendo as mesmas serem indicadas explicitamente na proposta:
a) IEC
- International Eletcrotechnical Association;
b) NEMA- National Electrical Manufacturers Association;
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 73 -
c) ANSI - American National Standarts Institute; e
d) ASTM - American Society for Testing and Materials.
O transformador de força será construído com chapas de aço laminadas a quente,
conforme NBR-6650 e NBR-6663.
Após aprovação do Projeto Executivo a CONTRATADA deverá elaborar os desenhos
de fabricação que serão enviados à FISCALIZAÇÃO para análise e aprovação.
Nenhuma fabricação poderá ser iniciada sem a aprovação prévia da FISCALIZAÇÃO.
Para o fornecimento de mais de uma unidade do mesmo tipo, estas deverão ter todos
os elementos intercambiáveis e permitirem a possibilidade de funcionamento em
paralelo.
As dimensões nos desenhos do equipamento deverão ser referidas ao sistema métrico.
7.2.10.2. Os transformadores deverão ser do tipo “a seco”.
O transformador deverá ficar, em operação normal, isento de vibrações, de
ressonâncias do núcleo e de vibrações localizadas.
As buchas do primário e secundário do transformador de força serão fornecidas com
conectores adequados para ligação dos condutores.
As caixas de proteção das buchas primárias e/ou secundárias, deverão ser dotadas de
proteção contra penetração de umidade, respingos d'água, poeira, insetos e outros
elementos prejudiciais aos componentes elétricos existentes em seu interior.
A vedação será feita por guarnições de neoprene ou de borracha, as quais não sofrem
deformações com o uso. Não será admitida guarnição de cortiça.
O transformador será fornecido com dispositivos de suspensão ou fixação apropriados
para o tipo de montagem .
Todos os terminais dos circuitos de proteção e controle destinados a interligação com
aparelhos não localizados nos transformadores serão agrupados em caixa apropriada,
com:
a) Vedação adequada e porta de fechamento com cadeado;
b) Parte inferior de chapa aparafusada para permitir execução na obra de abertura
para 2 eletrodutos de 1 ½”; e
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 74 -
c) Na face interna da porta terá uma cópia revestida em plástico dos esquemas
elétricos correspondentes.
Toda a estrutura metálica do transformador de força deverá prover disponibilidade para
aterramento através de cabo de cobre nú.
O transformador será equipado com comutador de derivação sem tensão.
O transformador deverá ter capacidade de funcionar com potência nominal em serviço
contínuo, sem ultrapassar os limites de temperatura, referentes aos materiais isolantes
de classe térmica "B" (130o C) e/ou "F" (155 o C).
O transformador deverá ter capacidade de suportar picos de carga, sem prejuízo da
vida útil, e resistir, sem sofrer danos, aos esforços mecânicos e elétricos ocasionados
por curto-circuito nos terminais de qualquer um dos seus enrolamentos, com tensão e
freqüência nominal mantidas no terminal do outro enrolamento durante 2 (dois)
segundos, com ICC = 20 In.
Os terminais de saída dos enrolamentos primários, secundários e neutro dos
transformadores serão devidamente identificados de acordo com as normas ABNT,
acompanhados cada um de seus respectivos conectores. Os terminais e os bornes das
derivações serão levados para suas respectivas placas de fibra de vidro, isto é, uma
placa para os terminais e derivações do primário e outra para os terminais secundários,
sendo que as instalações destas placas serão diametralmente opostas, nas partes
laterais mais largas do invólucro.
Os transformadores deverão ser dotados de sensores para permitir proteção e
monitoração contínua de temperatura tanto no local como possibilidade de transmissão
remota.
A parte metálica do equipamento só deverá ser pintada depois de montada e terminada
toda a soldagem. A pintura, após a preparação da chapa, deverá ser em pó de epóxi
na cor cinza clara RAL 7032. Os radiadores dos transformadores deverão ser
galvanizados a fogo recebendo depois a pintura acima descrita.
O FABRICANTE, em sua proposta, deverá:
a) Indicar os nomes dos fabricantes dos acessórios, tais como: buchas, conectores,
chapas, relés etc., bem como os tipos utilizados e suas características técnicas;
b) Indicar os regimes de tensão das buchas à freqüência industrial:
 Em ar seco, por 01 minuto;
 Sob chuva, por 10 segundos; e
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 75 -
 Para a onda de impulso de 1,5 x 50 microsegundos.
c) Indicar os tipos e processos de acabamento interno e externo, e pintura
utilizada;
d) Fornecer as perdas em vazio para a derivação central a 100 % da tensão;
e) Garantir o fornecimento da quantidade necessária de líquido isolante e, quando
houver, do gás inerte para o primeiro enchimento do transformador; e
f) Pormenorizar as exceções às Especificações da Contratante.
7.2.10.3. Ensaios
Todos os ensaios deverão ser efetuados de acordo com as recomendações contidas
na última revisão da NBR - 5380 da ABNT e serão testemunhados por INSPETOR
credenciado pela CONTRATADA, conforme definido no subitem 3.6 dos Termos de
Referência.
A CONTRATADA deverá noticiar a CONTRATANTE, em endereço previamente
estabelecido, com 15 (quinze) dias de antecedência, a data de cada fase de inspeção e
dos testes, que serão testemunhados conforme definido no subitem 3.6 dos Termos de
Referência.
Deverão ser efetuados, em todas as unidades encomendadas, os ensaios de rotina
conforme a classificação da ABNT.
Uma semana após a execução dos testes, o Fabricante deverá fornecer o relatório dos
mesmos, em 03 (três) vias.
7.2.10.4. Peças Sobressalentes
O Fabricante deverá fornecer anexa à proposta, uma relação de peças sobressalentes
necessárias para um período de operação de 02 (dois) anos, com os preços unitários
em separado.
7.2.12.5. Placa de Identificação:
Além dos dizeres recomendados pela NBR - 5356 da ABNT, a placa de identificação do
transformador deve possuir os seguintes dizeres:
a) Número de requisição (RM);
b) Nome da Unidade; e
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 76 -
c) Número do transformador.
Alternativamente, estes dizeres poderão ser indicados numa placa adicional, separada,
também de material à prova de corrosão, fixada em local visível no corpo do
transformador.
7.2.10.6. Manuais
Juntamente com o equipamento, o FABRICANTE deverá fornecer o manual de
instalação, manutenção e operação, bem como desenhos dimensionais do
equipamento e acessórios, na quantidade a seguir descrita:
a) 03 (três) vias impressas; e
b) 02 (duas) vias em meio magnético (CD ROM).
7.2.10.7. Garantia
Todos os materiais e equipamentos serão garantidos a partir de sua entrega ou a partir
da data de início de funcionamento, contra defeitos de fabricação, montagem ou
performance inadequada, pelos prazos de 12 (doze) meses a partir da data de entrada
em operação, ou 24 (vinte e quatro) meses a partir da data de entrega, prevalecendo o
que ocorrer primeiro.
7.2.11. Quadros de Baixa Tensão
7.2.11.1. Os quadros de distribuição e controle em BT deverão ser fornecidos
atendendo as seguintes características básicas:
a) Norma de fabricação e ensaios: NBR-6808 da ABNT;
b) Classe de isolamento: 1KV; e
c) Grau de proteção: IP-44.
7.2.11.2. Os Painéis serão auto-portantes, construídos em perfis de chapas de aço,
com possibilidade de ampliação em ambas as extremidades.
Serão compostos por compartimentos, em seções
independentes, onde serão alojados os equipamentos.
verticais,
padronizados,
As seções verticais que abrigam disjuntores serão construídas de forma que permitirão
extrair os mesmos com uma barreira metálica que isola as partes vivas dos
componentes internos, quando da abertura da porta frontal.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 77 -
Cada seção vertical possuirá na parte traseira portas com dobradiças aparafusadas
para facilitar instalação de cabos, enquanto na parte frontal serão utilizadas portas com
dobradiças. Tanto a parte frontal como a parte traseira permitirá fácil acesso para
termovisão com o painel energizado.
Todas as partes metálicas sem a finalidade de condução de corrente serão aterradas.
O barramento de terra do painel se localizará na sua parte inferior interna, correndo por
toda sua extensão e fornecido com conectores do tipo “não soldados” adequados para
cabos de cobre nú, encordoados, bitola mínima de 35 mm2 em cada uma das suas
extremidades.
Os isoladores, suportes e outros das barras, serão de material anti-higroscópico e não
inflamável.
Os materiais isolantes empregados em todos os componentes terão poder dielétrico
superior à tensão de serviço, com características que impeçam a propagação de
chama e evitem a formação de depósito de detritos.
Os condutores serão de cobre encordoados, com isolamento e temperatura de regime
e com bitola mínima de 1,5 mm2 (controle) e 2,5 mm2 (força).
Os cabos de controle de cada compartimento serão agrupados em uma régua de
bornes e devidamente identificados. A régua de bornes possuirá 20 % de bornes
reservas para ampliação futura. Os terminais serão do tipo pino e a conexão, feitos de
modo a não danificar os condutores encordoados.
Todo o sistema de controle e proteção para motores principais será em 125 Vcc. O
suprimento de corrente contínua será feito através de fonte externa.
Todos os circuitos de sistemas auxiliares, aquecimento, tomadas de serviço, como os
de iluminação etc., serão alimentados em 220 Vca, através de transformador isolador
380/220 Vca.
Cada compartimento possuirá sinalização por meio de lâmpadas, cor vermelha para
equipamento ligado e cor verde para equipamento desligado. Todas as lâmpadas
permitirão que a substituição das mesmas seja efetuada sem necessidade de abertura
da respectiva porta. As lâmpadas serão ligadas ao circuito de controle do equipamento
ao qual elas pertencem.
O painel possuirá furação para colocação de dispositivos destinados à fixação do
painel ao piso. Esses dispositivos serão fornecidos pelo Fabricante do Painel.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 78 -
O painel possuirá um barramento principal, montado em sua parte superior. Em cada
seção vertical haverá derivando um barramento horizontal, para alimentação das
unidades.
Todos os barramentos serão a três fases mais terra, de cobre eletrolítico e as barras
identificadas com uma cor para cada fase, conforme normas pertinentes.
Os barramentos serão dimensionados para suportar os efeitos mecânicos e térmicos
das correntes de curto-circuito e com capacidade de condução de corrente em regime
permanente.
Todos os compartimentos possuirão barramentos completos, mesmo aqueles que
forem deixados vazios para utilização futura.
As barras serão suportadas por isoladores devidamente dimensionados para a classe
de tensão e nível de curto-circuito especificados. Serão de material anti-higroscópico e
não inflamável.
As junções e pontos de derivações de barras serão revestidas de prata e garantem
contatos de alta pressão
Os barramentos verticais serão contínuos, sem emendas.
Em corrente nominal a temperatura dos barramentos não ultrapassará 70o C,
considerando 40 o C a máxima temperatura ambiente.
Todos os componentes das seções verticais deverão ser instalados sobre placa de
montagem fixada sobre isoladores, pintada na cor laranja advertência RAL 7025.
Todos os circuitos de acionamento das motorizações principais e sistemas auxiliares
serão executadas através de uma IHM customizada, com tela em cristal líquido,
dimensão mínima de 8”, capacidade de operação em rede e comunicação remota,
porta de configuração, “display” alfanumérico, fixados no frontal do painel.
7.2.11.3. Equipamentos e Instrumentos de Painel
7.2.11.3.1. Disjuntores de Força
Os disjuntores serão tripolares, bipolares ou unipolares, conforme indicados nos
esquemas, para utilização industrial, fixos, comando manual por alavanca, fixados por
parafusos sobre as bandejas de montagem, contatos em liga especial de prata à prova
de soldagem, tensão nominal de isolação 1KV, capacidade de ruptura a ser definida no
Projeto Executivo, fabricados de acordo com as Normas VDE 0660 , IEC 157 em
especial , e demais Normas pertinentes.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 79 -
Devem possuir indicação na alavanca de comando da posição de ligado e desligado e
contatos auxiliares (2NA+2NF) para possibilitar monitoração remota, disponibilizados
em régua de bornes.
O mecanismo de abertura é do tipo abertura livre (“trip-free”).
Devem possuir recursos de proteção independentes : contra sobrecarga por elemento
para disparo térmico e contra curto-circuito por disparo eletromagnético, todos com
ajuste manual de valores e tempos, que permitam proteção seletiva entre os
disjuntores dos circuitos parciais, bem como os alimentadores para os demais painéis.
Deverão ser providos de dispositivos que neutralizam o efeito da temperatura
ambiente sobre seus disparadores.
7.2.11.3.2. Transformador de Medição e Proteção
Os transformadores de potencial serão do tipo secos, encapsulados em resina epóxi,
protegidos por fusíveis limitadores de corrente e montados de forma fixa.
O dispositivo de desconexão dos transformadores de potencial será colocado antes
dos fusíveis, de modo que a remoção dos mesmos pode ser efetuada sem tensão em
seus terminais.
Deverão ser previstos transformadores de corrente nos alimentadores, para serviço de
medição e /ou proteção.
Deverão ser projetadas chaves que permitem a colocação do secundário dos
transformadores de corrente em curto-circuito, quando houver necessidade de retirada
de sua carga (relés ou instrumentos).
Os transformadores de corrente terão capacidade para suportar os efeitos térmicos e
dinâmicos das correntes momentâneas e de curta duração, estabelecidos para os
disjuntores ou resistores de aterramento.
Os transformadores estarão de acordo com as recomendações das normas indicadas
nesta especificação.
7.2.11.3.3. Bancos de capacitores
7.2.11.3.3.1. A partir dos dados obtidos no somatório dos fatores de potência dos
componentes da instalação elétrica, deverá ser determinado o valor dos capacitores a
serem instalados visando o atendimento das NT’s da ANEEL, que deverão atender o
valor mínimo admissível para o fator de potência.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 80 -
Os bancos de capacitores deverão ser trifásicos, 380V – 60Hz, construídos em caixa
de chapa de aço com espessura adequada ao volume da unidade, com baixa perda
dielétrica, bobinas produzidas com filme de polipropileno metalizado, com resistência
de descarga incorporada, conforme norma IEC 60831 – 1/2 e VDE 560/4, instalados
em coluna vertical de uso exclusivo para esta finalidade com sistema de refrigeração
apropriado, comandos individualizados, proteções contra curto-circuito, disjuntor de
seccionamento individual, chaves de seleção de operação manual e automática,
contatos auxiliares para monitoração de “status”.
Deverão ser operados, quando em modo automático, através de um controlador
automático de fator de potência (CAFP) microprocessado, com “display” incorporado,
capacidade de operação em rede, configurável para as particularidades do sistema
elétrico, montado no frontal do painel.
7.2.11.3.3.2. Inspeções, Ensaios e Testes
Todos os ensaios deverão ser efetuados de acordo com as recomendações contidas
na última revisão da ABNT e serão testemunhados por INSPETOR credenciado pela
CONTRATADA, conforme definido no subitem 3.6 dos Termos de Referência.
A CONTRATADA deverá noticiar a CONTRATANTE, em endereço previamente
estabelecido, com 15 (quinze) dias de antecedência, a data de cada fase de inspeção e
dos testes, que serão testemunhados conforme definido no subitem 3.6 dos Termos de
Referência.
Deverão ser efetuados, em todas as unidades encomendadas, os ensaios de rotina
conforme a classificação da ABNT.
Uma semana após a execução dos testes, o Fabricante deverá fornecer o relatório dos
mesmos, em 03 (três) vias.
7.2.11.3.3.3. Peças Sobressalentes
O Fabricante deverá fornecer, anexa à proposta, uma relação de peças sobressalentes
necessárias para um período de operação de 02 (dois) anos, com os preços unitários
em separado.
7.2.11.3.3.4. Manuais
Juntamente com o equipamento, o FABRICANTE deverá fornecer o manual de
instalação, manutenção e operação bem como desenhos dimensionais do
equipamento e acessórios, na quantidade a seguir descrita:
a) 03 (três) vias impressas; e
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 81 -
b) 02 (duas) vias em meio magnético (CD ROM).
7.2.11.3.3.5. Garantia
Todos os materiais e equipamentos serão garantidos a partir de sua entrega ou a partir
da data de início de funcionamento, contra defeitos de fabricação, montagem ou
performance inadequada, pelos prazos de 12 (doze) meses a partir da data de entrada
em operação, ou 24 (vinte e quatro) meses a partir da data de entrega, prevalecendo o
que ocorrer primeiro.
7.2.12. Iluminação
7.2.12.1. Deverá ser prevista iluminação ao longo de todo Transportador, Torres de
Transferência, Subestações e Centro de Controle.
A iluminação deverá atender ao disposto nas normas ABNT, NBR-10.864, NR-10 e NR22 com relação aos níveis de iluminação, dos locais e dos materiais a serem utilizados.
As quedas de tensão para os circuitos de iluminação e tomadas, bem como as formas
de instalação deverão atender as disposições da norma ABNT, NBR-5410.
O sistema de iluminação deverá atender as recomendações do PROCEL (Programa de
Conservação de Energia Elétrica – Eletrobrás) no tocante a consumos e demandas e
manter a padronização de materiais e equipamentos aos já existentes nos Sistemas do
Terminal Portuário do Pecém.
Para a iluminação no interior das Torres de Transferência, deverão ser utilizadas
luminárias para lâmpada(s) vapor de sódio ou metálico à prova de tempo, gases,
vapores e poeiras não-inflamáveis, com corpo fabricado em FRP e lente de vidro
transparente 4mm.
Para o interior das subestações e salas elétricas, deverão ser utilizadas luminárias para
02 (duas) lâmpadas fluorescentes de 40 W brancas frias, tipo industrial, fornecida com
suspensão tubular própria para fixação tipo pendente em condulete ou em caixa de
ligação blindada com entrada rosqueada ∅ 3/4" e/ou eletroduto.
Todas as luminárias deverão possuir reator(es) de alto fator de potência incorporado(s).
7.2.12.2. O Sistema de Iluminação deverá ser automatizado para possibilitar a
integração com o Gerenciamento já aplicado nas instalações do Terminal Portuário do
Pecém, modulando as ligações dos circuitos em função dos níveis operacionais.
Deverá ser previsto o acionamento da iluminação por meio manual e ou automático,
sendo esta através de CLP.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 82 -
7.2.12.3. Inspeções, Ensaios e Testes
Todos os ensaios deverão ser efetuados de acordo com as recomendações contidas
na última revisão da ABNT e serão testemunhados por INSPETOR credenciado pela
CONTRATADA, conforme definido no subitem 3.6 dos Termos de Referência.
A CONTRATADA deverá noticiar a CONTRATANTE, em endereço previamente
estabelecido, com 15 (quinze) dias de antecedência, a data de cada fase de inspeção e
dos testes, que serão testemunhados conforme definido no subitem 3.6 dos Termos de
Referência.
Deverão ser efetuados, em todas as unidades encomendadas, os ensaios de rotina
conforme a classificação da ABNT.
Uma semana após a execução dos testes, o Fabricante deverá fornecer o relatório dos
mesmos, em 03 (três) vias.
7.2.12.4. Manuais
Juntamente com o equipamento, o FABRICANTE deverá fornecer o manual de
instalação, manutenção e operação bem como desenhos dimensionais do
equipamento e acessórios, na quantidade a seguir descrita:
a) 03 (três) vias impressas; e
b) 02 (duas) vias em meio magnético (CD ROM).
7.2.12.5. Garantia
Todos os materiais e equipamentos serão garantidos a partir de sua entrega ou a partir
da data de início de funcionamento, contra defeitos de fabricação, montagem ou
performance inadequada, pelos prazos de 12 (doze) meses a partir da data de entrada
em operação, ou 24 (vinte e quatro) meses a partir da data de entrega, prevalecendo o
que ocorrer primeiro.
7.2.13. Acionamento das motorizações principais
7.2.13.1. O acionamento dos transportadores deverá preferencialmente ser efetuado
por motores de indução tipo rotor em gaiola, com partida e velocidade controlada por
inversores de freqüência, de acordo com a taxa de produção do transportador,
objetivando-se economizar energia.
Os inversores de freqüência deverão ser providos de canal de comunicação, que
permita a interligação dos mesmos em rede. Todos os dados de operação,
monitoramento e controle serão transmitidos através desta rede entre o inversor e o
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 83 -
CLP, que deverão possuir protocolo de comunicação compatível. Estas informações
serão transmitidas a partir da UTR correspondente e estarão disponíveis no Centro de
Controle do Sistema.
Os inversores permitirão a programação dos ajustes de comando e proteção através de
teclado, diretamente no seu frontal, e por “software” de programação via “notebook”. Os
mesmos deverão ser acondicionados em painéis adequadamente dimensionados e
providos de sistema de resfriamento.
O sistema de climatização da sala de painéis deverá ser dimensionado para o
resfriamento dos inversores , transformadores , quadros de alta e baixa tensão , enfim ,
para o abate de temperatura no ambiente que neutralize o somatório das energias
térmicas geradas de todos os equipamentos e mantenha a temperatura ambiente em,
no máximo, 22 °C, e tenha filtros para evitar sujeira e pós condutivos em suspensão
dentro da sala.
7.2.13.2. As principais características técnicas para os inversores são:
a) Para motores assíncronos;
b) Tipo de Inversor: Vetorial PWM (Pulse Width Modulation) ou DTC;
c) Tipo de Chaveamento: a tiristores;
d) Método de Controle: Vetorial completamente digital;
e) Tipo de Retificador: PWM (Pulse Width Modulation), ou AFE (Active Front End)
ou DTC (Direct Torq Control);
f) Permitir Frenagem Regenerativa, se aplicável;
g) Tolerância da Tensão de entrada: ±10% da tensão nominal;
h) Freqüência de entrada: 60Hz, ± 5%;
i) Faixa de Potência: 200 kW – 1.000kW;
j) Forma de onda de saída: Senoidal;
k) Capacidade de Sobrecarga: será utilizada a faixa de 110% - 1 minuto, pois os
motores não deverão ser dimensionados com sobrecarga;
l) Refrigeração: Ar ou Água, a ser definido pela FISCALIZAÇÃO;
m) Eficiência: >97%;
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 84 -
n) Interface de comunicação: RS-232, RS-485 e Ethernet (mínimo);
o) Gabinete: tipo IEC IP > 22 ou 21 , após avaliação do sistema de filtros;
p) Atender as normas: IEEE, IEC, NEMA, ANSI;
q) IHM: Display LCD com no mínimo 8 linhas e 40 caracteres; e
r) Taxa de Distorção Harmônica: < 5%.
7.2.13.3. Os motores, bem como todos os conjuntos e componentes elétricos do
acionamento, deverão ser integralmente padronizados, tendo configuração única e
componentes idênticos nos vários transportadores.
As principais características dos motores são conforme indicação nas folhas de dados
dos Transportadores.
7.2.13.4. Inspeções, Ensaios e Testes
Todos os ensaios deverão ser efetuados de acordo com as recomendações contidas
na última revisão da ABNT e serão testemunhados por INSPETOR credenciado pela
CONTRATADA, conforme definido no subitem 3.6 dos Termos de Referência.
A CONTRATADA deverá noticiar a CONTRATANTE, em endereço previamente
estabelecido, com 15 (quinze) dias de antecedência, a data de cada fase de inspeção e
dos testes, que serão testemunhados conforme definido no subitem 3.6 dos Termos de
Referência.
Deverão ser efetuados, em todas as unidades encomendadas, os ensaios de rotina
conforme a classificação da ABNT.
Uma semana após a execução dos testes, o Fabricante deverá fornecer o relatório dos
mesmos, em 03 (três) vias.
7.2.13.5. Peças Sobressalentes
O Fabricante deverá fornecer, anexa a proposta, uma relação de peças sobressalentes
necessárias para um período de operação de 02 (dois) anos, com os preços unitários
em separado.
7.2.13.6. Manuais
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 85 -
Juntamente com o equipamento, o FABRICANTE deverá fornecer o manual de
instalação, manutenção e operação bem como desenhos dimensionais do
equipamento e acessórios, na quantidade a seguir descrita:
a) 03 (três) vias impressas; e
b) 02 (duas) vias em meio magnético (CD ROM).
7.2.13.7. Garantia
Todos os materiais e equipamentos serão garantidos a partir de sua entrega ou a partir
da data de início de funcionamento, contra defeitos de fabricação, montagem ou
performance inadequada, pelos prazos de 12 (doze) meses a partir da data de entrada
em operação, ou 24 (vinte e quatro) meses a partir da data de entrega, prevalecendo o
que ocorrer primeiro.
7.2.14. Sistema de Corrente Contínua
A CONTRATADA deverá fornecer e instalar o sistema de suprimento de corrente
contínua para os circuitos de comando, proteção e iluminação de emergência das
subestações, composto de retificador carregador de bateria, banco de baterias e
painéis de distribuição de corrente contínua.
7.2.14.1. Retificador
O retificador a ser fornecido deverá ser do tipo estático, com diodos de silício, controle
por tiristores, de onda completa e com circuito de limitação de corrente.
O retificador a ser fornecido deverá suportar o seguinte regime de carga, conforme
indicado na ANSI C 37.2:
a) 100% da carga nominal continuamente;
b) 150% da corrente nominal por 1 minuto seguido de 100% da carga nominal
continuamente; e
c) 200% da corrente nominal por 10 segundos seguidos de 100% da carga nominal
continuamente.
A regulação estática da tensão de saída do retificador deverá ser de ± 1%, para
variação da corrente de saída de 5 a 100% da corrente nominal do retificador, com
variação simultânea de ± 10% na alimentação C.A, de ± 5% da freqüência e com
variação de temperatura ambiente de 0' C e 40" C.
Os valores nominais de tensão do retificador serão:
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 86 -
a) Tensão de Entrada: 380 V, Trifásico – 60Hz; e
b) Tensão de saída: 125 Vcc.
O dispositivo limitador de corrente deverá atuar tanto em regime de flutuação quanto de
recarga, permitindo ajuste de 50 a 100% da corrente nominal do retificador, quando em
regime de flutuação.
No regime de recarga deverá permitir ajuste da corrente de carga da bateria em um
valor máximo, numericamente igual a 0,25 vezes, para bateria ácida, ou 0,4 vezes,
para bateria alcalina, do valor de capacidade nominal, em Ah, da bateria.
A tensão residual alternada será, no máximo, de 2% com bateria com capacidade
nominal, em A.h.
Nos casos em que valores ou condições mais rigorosas de tensão residual alternada
sejam necessários, com ou sem a bateria conectada, serão previstas unidades
adicionais de filtragem.
Deverá ser previsto dispositivo para manter, automaticamente, a tensão de saída do
consumidor dentro da faixa operacional, tanto em regime de flutuação quanto em
recarga. O dispositivo empregado será dimensionado para corrente momentânea de
pico na saída do consumidor.
A tensão nos terminais do consumidor, em regime de flutuação ou recarga, após os
diodos de queda ou dispositivos com mesma função, deverá ser mantida dentro da
faixa de ± 4% da tensão nominal, dentro da faixa de corrente do consumidor de 5 a
100% da corrente nominal do retificador. Em condições de corrente momentânea de
pico, a tensão não será inferior a 85% da tensão nominal.
O retificador deverá possuir dispositivo de controle que realiza uma rampa suave de
corrente de duração máxima de 3 segundos até o valor da limitação, sem ocorrência de
transitórios quando o retificador for ligado, mesmo sobre uma bateria completamente
descarregada.
O retificador deverá ser fornecido com os seguintes instrumentos de medição:
a) Amperímetro na saída do carregador;
b) Amperímetro, com zero central, na saída para a bateria;
c) Voltímetro na saída do carregador; e
d) Voltímetro na saída do consumidor.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 87 -
Os instrumentos de medição terão mostrador quadrado, ângulo de deflexão de 90',
dimensões mínimas de 96 x 96 mm, com precisão de 1,5% de fundo de escala. Serão
do tipo bobina móvel para corrente contínua e ferro móvel para corrente alternada.
O retificador deverá ser provido de lâmpada piloto indicador de condição
RETIFICADOR LIGADO.
O retificador deverá ser provido com os seguintes dispositivos de sinalização local, por
lâmpadas, e contatos, para alarme remoto:
a) Sobretensão na saída para a bateria;
b) Subtensão no consumidor;
c) Subtensão na entrada do retificador;
d) Falta de fase na entrada do retificador;
e) Atuação de fusíveis ou outros dispositivos de proteção de sobrecorrente na
entrada do retificador e nos circuitos do consumidor e da bateria;
f) Fuga para a terra na saída do retificador; e
g) Funcionamento anormal do retificador.
O retificador deverá ser provido de canais de comunicação compatíveis com o sistema
supervisório, indicando alarmes, defeitos e condições operativas.
O retificador deverá ser equipado com dispositivos que inibem o seu funcionamento
quando ocorrerem falhas que possam causar danos físicos ao mesmo.
A entrada do retificador, a saída para o consumidor e para a bateria, deverão ser
providas com proteção contra sobrecorrente.
O isolamento elétrico empregado em todos os componentes deverá ser antihigroscópico e não inflamável.
7.2.14.2. Bancos de baterias
As baterias estacionárias chumbo ácidas reguladas por válvula serão fabricadas e
ensaiadas de acordo com as recomendações contidas nas normas NBR-5350 e NBR5376.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 88 -
A estante para suporte das baterias será do tipo degrau, em duas fileiras de
comprimento adequado ao número de elementos e isolado do solo e do invólucro
quando necessário, por meio de isoladores.
A estante será pintada metálica, com tinta adequada ao tipo de bateria.
Em quaisquer condições de carga para fornecimento, as baterias serão fornecidas
carregadas e em quantidade de eletrólito suficiente para colocação em operação.
Deverão ser fornecidas todas as conexões para interligação entre os elementos, bem
como os conectores adequados a ligação dos cabos de alimentação, de acordo com a
seção nominal.
Caso haja a solicitação de invólucro para proteção mecânica das baterias, atenderá as
seguintes recomendações:
a) O invólucro deverá ser construído em chapas de aço em toda a sua estrutura.
As portas e o fechamento serão reforçados onde necessário, para fornecer
adequada rigidez;
b) Terá acesso frontal de maneira a permitir a manutenção e a retirada de qualquer
elemento sem necessidade de desmontagem do conjunto;
c) Será projetado de maneira a evitar o acúmulo de gás em seu interior. Caso seja
utilizado moto-ventilador, o mesmo terá as pás construídas de material anticentelhante e o motor será de indução;
d) O invólucro, a estante, as conexões e o recipiente, onde possível, serão
resistentes a corrosão causada pelo eletrólito, pela umidade e pela atmosfera
característica do local da instalação;
e) Toda a parte metálica do invólucro será conectado à terra. As portas também
estarão aterradas, através de cordoalhas ligadas ao invólucros; e
f) A capacidade em Ah deverá ser para o regime de descarga de 24 horas, para
tensão final de 1,75 V por elemento.
7.2.14.3. Inspeções, Ensaios e Testes
Todos os ensaios deverão ser efetuados de acordo com as recomendações contidas
na última revisão da ABNT e serão testemunhados por INSPETOR credenciado pela
CONTRATADA, conforme definido no subitem 3.6 dos Termos de Referência.
A CONTRATADA deverá noticiar a CONTRATANTE, em endereço previamente
estabelecido, com 15 (quinze) dias de antecedência, a data de cada fase de inspeção e
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 89 -
dos testes, que serão testemunhados conforme definido no subitem 3.6 dos Termos de
Referência.
Deverão ser efetuados, em todas as unidades encomendadas, os ensaios de rotina
conforme a classificação da ABNT.
Uma semana após a execução dos testes, o Fabricante deverá fornecer o relatório dos
mesmos, em 03 (três) vias.
7.2.14.4. Peças Sobressalentes
O Fabricante deverá fornecer, anexa a proposta, uma relação de peças sobressalentes
necessárias para um período de operação de 02 (dois) anos, com os preços unitários
em separado.
7.2.14.5. Manuais
Juntamente com o equipamento, o FABRICANTE deverá fornecer o manual de
instalação, manutenção e operação bem como desenhos dimensionais do
equipamento e acessórios, na quantidade a seguir descrita:
a) 03 (três) vias impressas; e
b) 02 (duas) vias em meio magnético (CD ROM).
7.2.14.6. Garantia
Todos os materiais e equipamentos serão garantidos a partir de sua entrega ou a partir
da data de início de funcionamento, contra defeitos de fabricação, montagem ou
performance inadequada, pelos prazos de 12 (doze) meses a partir da data de entrada
em operação, ou 24 (vinte e quatro) meses a partir da data de entrega, prevalecendo o
que ocorrer primeiro.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 90 -
8. CARACTERÍSTICAS DOS EQUIPAMENTOS DO SISTEMA DE
AUTOMAÇÃO
8.2. ESPECIFICAÇÕES DO SISTEMA DE AUTOMAÇÃO
8.2.1. O descritivo apresentado neste item destina-se a fornecer subsídios à
Contratada para o fornecimento do Sistema de Automação e Controle Operacional do
Conjunto dos Transportadores de Correia.
O Sistema consiste de “ESTAÇÕES REMOTAS”, localizadas nas Subestações e de
uma Estação de Supervisão na Sala de Controle da Correia Transportadora no Píer 1,
e interligada ao “CENTRO DE CONTROLE OPERACIONAL” (CCO) da
CEARÁPORTOS e no Sistema de Transporte de Carvão, localizado na Sala de
Controle do Pier 1.
Deverá ser considerado o ambiente agressivo (presença de pó, vapores, gases e alta
salinidade atmosférica) onde será instalado o sistema, prevendo-se as proteções
necessárias. Os condutores de sinais a serem utilizados deverão possuir blindagem
trançada. A comunicação entre o Sistema de Automação da Correia Transportadora e
os Centros de Controle deve, obrigatoriamente, efetuar-se através de FIBRA ÓTICA
redundante, a fim de que sejam eliminados problemas referentes à interferência
eletromagnética, obedecendo ao padrão já existente.
Por estação remota entende-se desde a coleta em campo das informações desejadas
dos equipamentos e sua transferência ao CLP da subestação por meio de transmissão
de dados.
O CLP coletará todos os dados de campo (entradas digitais e analógicas) e transmitirá
os “status” necessários a Estação de Supervisão, a ser instalada na Sala de Controle.
Através da interligação com a rede de dados, estas informações serão também
transmitidas para a Estação de Trabalho do Sistema de Automação da Correia
Transportadora, a ser instalada no Centro de Controle Operacional da
CEARÁPORTOS.
O Descritivo Básico do CLP e das Estações de Trabalho (“hardwares”) e dos
“softwares” é apresentado no presente trabalho, visando orientar sua especificação,
aquisição e montagem.
Deverão ser instaladas na Sala de Controle da Correia Transportadora e no Centro de
Controle Operacional da CEARÁPORTOS (CCO), estações de trabalho que deverão
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 91 -
representar os fluxogramas de processo de todas as unidades da Correia
Transportadora, permitindo recursos de visualização do Sistema de Supervisão.
Deverão ser funções das estações de trabalho: efetuar comandos, receber status,
leitura das variáveis, operação em automático, registro de alarmes etc., de todos os
sistemas operacionais da Correia Transportadora, tais como:
a) Supervisão e operação das Subestações Elétricas da Correia Transportadora;
b) Informações dos barramentos de BT dos QGBT´s, CCM´s e QL´s - energizados
ou não;
c) Informações dos Retificadores de 125 Vcc e dos Bancos de Capacitores;
d) “Status” dos Sistemas de CFTV e Segurança;
e) Informações Operacionais do Sistema de Pesagem;
f) “Status” e operação dos Sistemas de Iluminação;
g) Supervisão e operação dos inversores de freqüência e acionamentos;
h) Integração com o sistema de detecção e alarme de incêndio;
i) Supervisão e operação de toda instrumentação de proteção e controle dos
transportadores;
j) Operação do sistema de climatização das Subestações e Salas de Controle;
k) Supervisão e operação dos Sistemas de Despoeiramento;
l) Integração com Sistema de Segurança Eletrônica;
m) Geração de comandos para o sistema de CFTV; e
n) Gerenciamento e controle energético.
As telas das estações de trabalho deverão estar organizadas em uma hierarquia lógica
que permita a rápida progressão para qualquer tela desejada, dentro de uma estrutura
que contemple todos os sistemas da Correia Transportadora.
8.2.2. Controle da Iluminação
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 92 -
O acendimento das lâmpadas deverá seguir uma lógica inteligente pré-definida, de
acordo com o local de interesse, a fim de que o consumo seja racionalizado. Prever a
utilização do Banco de Dados do Sistema de Controle nesta integração.
Para tal, deverá ser disponibilizado um relé de interface para os circuitos previstos para
serem automatizados no respectivo quadro de iluminação.
Tais relés serão comandados pela Estação Controladora Remota (CLP) mais próxima,
de acordo com a arquitetura sugerida pela PROPONENTE, se aprovada pela
FISCALIZAÇÃO.
8.2.3. Estações de Trabalho
Deverão ser fornecidas tres Estações de Trabalho, duas para a Sala de Controle e uma
para o Centro de Controle Operacional (CCO) da CEARÁPORTOS.
8.2.3.1. Requisitos de “Hardware” para a Estação de Trabalho:
A Estação que servirá de interface homem-máquina deverá ser implementada por uma
Estação Gráfica, compatível com os padrões das redes de comunicações e sistemas
operacionais definidos para a mesma.
O seu “hardware” deverá ser robusto, com “design” estético e ergonomicamente
adequado à operação de equipamentos deste tipo. A configuração a ser entregue
deverá ser a mais atualizada disponível no mercado na época .
8.2.3.2. Requisitos de “Software” para a Estação de Trabalho
O CONTRATADO do sistema deverá prover o “software” básico, de suporte e aplicativo
atendendo as funções a serem executadas pelas Estações de Trabalho.
Estão listadas a seguir as principais categorias de “software” que deverão ser
instalados.
Todos os “Softwares” deverão ser de 32 bits e nativos da plataforma definida para o
Sistema. Esta lista, porém, não pretende refletir todo o “software” a ser entregue pela
CONTRATADA do Sistema e nem tem a intenção de detalhar todos os requisitos de
desenvolvimento do “software”.
O sistema operacional a ser instalado nas Estações deverá ser obrigatoriamente
gráfico e de 32 bits, ser multitarefa preemptivo e em tempo real.
O “Software” Supervisório deverá incluir o Gerenciador de Banco de Dados
Operacional, “Software” para Edição Gráfica, Gerador de Relatórios e Interface
homem-máquina, deverá ser de uso comprovado e compatível com os padrões citados.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 93 -
Deve incorporar um Banco de Dados Operacional, residente em disco, para armazenar
os elementos de “software” necessários à implantação de toda a aquisição de dados,
cálculos, controles, descargas em impressoras e funções de relatórios.
O Banco de Dados Operacional do Sistema deve ser composto dos seguintes
elementos:
a) Banco de Dados do Programa: inclui uma imagem do banco de dados e
parâmetros de supervisão e controle;
b) Banco de Dados Correntes: inclui informações sobre o estado atual do processo;
c) Banco de Dados Históricos: inclui informações históricas sobre o processo.
Deverá incorporar também um Gerador de Telas Gráficas e um Gerador de Relatórios
adequado, que permitam a execução de telas e relatórios conforme descrito nos itens
subseqüentes.
Assim, as descrições apresentadas não isentam a CONTRATADA da total
responsabilidade pela solução que vier a ser apresentada, e pelo total funcionamento
do Sistema.
O “software” deverá possuir um ambiente único de trabalho: deverá ter um ambiente de
desenvolvimento onde seja possível desenvolver uma base de dados, telas, históricos,
escalonador de tarefas, grupos de TAG’s, inserção de objetos; desenvolver “scripts” em
VBA (“VISUAL BASIC APPLICATION”); configurar alarmes, segurança, rede, diretórios,
redundância, interface com banco de dados relacional e I/O de “drivers” de
comunicação.
O “software” deve suportar o ambiente operacional Microsoft Windows.
O “software” deve permitir redundância entre estações SCADA e isso deve ser
configurável pelo próprio “software”. Não é aceitável programas externos ou macros via
“script”.
O “software” deve ter arquitetura distribuída permitindo que estações clientes:
a) Acessar os dados das estações SCADAs;
b) Configurar a base de dados das estações SCADAs; e
c) Reconhecimento de alarmes de TAG’s de qualquer SCADA disponível na rede.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 94 -
O “Software” Supervisório deve permitir que a geração do Banco Dados possa ser
efetuada por meio da técnica interativa em ambiente Gráfico, onde as características
operacionais (por exemplo; nome, escala, limites de alarme etc.), possam ser inseridas
de forma fácil para a execução de varredura, cálculos e funções de controle.
Com as informações de projeto inseridas no Banco de Dados, este deve:
a) Ler e interpretar as informações;
b) Gerenciar todas as indicações de entradas e saídas do hardware;
c) Gerar os arquivos de dados; e
d) Executar funções de auto-documentação, tais como, produção dos "hard-copies"
das listagens, memórias principal e de disco, e saídas de dados por entradas
analógicas, entradas digitais e saídas digitais.
É desejável que este “software” permita modificações "on line" do Banco de Dados.
O “Software” Supervisório deve efetuar a aquisição dos sinais dos CLP´s, obedecendo
as taxas de desempenho descritas nesta especificação, já condicionados e convertidos
em unidades de engenharia no formato de ponto flutuante, e armazená-los no Banco
de Dados Operacional.
Os sinais típicos a serem varridos são:
a) Limites, estados ou informações de posição, motores e elementos de
monitoração de processos, tais como desalinhamento, emergência, sobrevelocidade, detecção de rasgo etc;
b) Variáveis medidas tais como: nível, temperaturas, carregamento de motores
etc.;
c) Medidas, "set-points" e saídas de controladores incorporados aos CLP´s;
d) Valores processados; e
e) Operação via Rede Neural.
Devem ser previstos blocos de processamento para as seguintes funções, mas não
limitados a:
a) Soma, Subtração;
b) Multiplicação, Divisão;
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 95 -
c) Integração;
d) Diferenciação; e
e) Seleção Alto/Baixo.
O “Software” Supervisório deve executar automaticamente várias tarefas pré-definidas
envolvendo a aquisição, análise, armazenamento, preparação e impressão ou
apresentação em tela, de informações operacionais em relatórios históricos e de
gerenciamento.
O “Software” Supervisório deverá executar a aquisição de dados correntes de variáveis
especificadas em tempo real, sua manipulação estatística e a conseqüente criação e
manutenção do Banco de Dados Históricos.
O Gerenciador de Dados deverá conter programas utilitários para copiar estes arquivos
em memória magnética.
A freqüência da manipulação histórica deve poder ser selecionada de uma vez por
minuto a uma vez por mês. O tipo e quantidade dos dados históricos deve poder ser
selecionado pela adição e deleção de/para o Banco de Dados Histórico.
A CONTRATADA deve prever sub-rotinas para atender os seguintes requisitos:
a) Permitir a modificação, via tela, de qualquer valor do Banco de Dados Histórico;
b) Mostrar a identificação do ponto (TAG), número dos registros, mês, ano e
descrição da variável; e
c) Relatórios Históricos.
O “Software” Supervisório deverá processar todas as solicitações para coleta de dados,
geração de relatórios, codificação dos dados, agrupamento de dados em formatos
predeterminados e alocação dos mesmos nas linhas e colunas adequadas,
armazenamento em arquivos associados com um dos equipamentos de saídas e
inicialização da rotina de saída apropriada.
Deve ser possível a solicitação de relatórios manualmente pelo operador.
A formatação detalhada das informações em uma dada linha de relatórios deve ser
preestabelecida, evitando assim a necessidade do operador ter que executar este
projeto.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 96 -
Este simplesmente escolhe as entradas do processo que devem aparecer em uma
determinada página, o seu posicionamento relativo na mesma, título da página e título
da coluna que contém cada ponto.
O “software” de geração de telas deve, obrigatoriamente, ser apresentado na forma
gráfica. Não serão aceitas soluções do tipo semi-gráficas.
As telas gráficas devem ser configuradas utilizando-se símbolos padrões e/ou símbolos
criados pelo usuário e devem ser construídas de forma a mostrar setores sob controle
do Sistema, variáveis de processo destes setores e condições de “status” dessas
variáveis, em telas coloridas.
O operador deve interagir com as telas utilizando teclados ou outros meios de igual
eficiência como “mouse”, “track-ball”, etc.
As telas deverão estar organizadas em uma hierarquia lógica que permita a rápida
progressão para qualquer tela desejada, dentro de uma estrutura que contemple o
processo como um todo da Correia Transportadora, desde o seu diagrama geral até os
sub-processos mais importantes.
Deve ser possível supervisionar e controlar qualquer ponto do processo através destas
telas, bem como alterar qualquer variável ou parâmetro do processo, como por
exemplo:
a) Partida/parada do maquinário do processo;
b) Mudanças dos "set-points" de controle;
c) Alteração das variáveis controladas;
d) Ajuste de alarmes e das variáveis de controle; e
e) Modificação dos modos de controle.
Devem ser previstas também telas específicas para tendência de variáveis, com
visualização em tempo real, histórica ou mista, bem como Telas para Manutenção do
Processo e do Sistema.
O detalhamento e as especificações finais das telas para as estações de operação
serão efetuados quando da realização da Especificação Funcional do Sistema,
executado em conjunto pela CONTRATANTE e pela PROPONENTE vencedora da
Concorrência.
8.2.3.3. Requisitos de Desempenho do Sistema
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 97 -
O sistema deverá apresentar os seguintes dados de desempenho:
a) As telas em apresentação normal devem ser continuamente atualizadas, no
mínimo, a cada segundo a partir do conjunto de dados já disponíveis em seu
Banco de Dados Operacional;
b) O tempo entre o comando de um objeto pelo operador e a resposta do
dispositivo na tela deverá ser menor do que dois segundos;
c) O tempo decorrido entre a requisição, pelo operador, de uma nova tela e a sua
apresentação deverá ser menor do que dois segundos;
d) O tempo máximo decorrido entre a ocorrência de uma condição de alarme em
campo e sua apresentação nas telas do sistema deverá ser de dois segundos;
e) Os gráficos de pontos dinâmicos deverão ser atualizados dentro da faixa de dois
segundos;
f) Para otimizar a tráfego na rede de dados o sistema deverá ser configurado para
priorizar e selecionar as informações a serem manipuladas. Os dados a serem
enviados deverão ser aqueles que efetivamente sofreram variações; e
g) Porém, deverá ser efetuada uma varredura de integridade, durante a qual serão
enviados todos os dados, para atualização e adequação do Banco de Dados.
8.2.4. Estações Controladoras Remotas (UTR’s)
8.2.4.1. As estações controladoras remotas a serem fornecidas deverão ser equipadas
com, no mínimo, os seguintes componentes:
a) CLP com CPU´s;
b) Painel elétrico para abrigar o “hardware” do CLP em alumínio – IP65 e porta em
vidro temperado;
c) Cartões de entrada digital;
d) Cartões de saída digital;
e) Cartões de entrada analógica;
f) Módulos para operação em Rede;
g) Cabos elétricos para ligação das fontes de alimentação;
h) Conectores para interligar cabos de comunicação;
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 98 -
i) Fontes de tensão para alimentar a CPU e seus respectivos módulos;
j) “No-Break” 2.000VA;
k) “Switcher” configurável de 08 portas;
l) Fornecimento da documentação de todo o “hardware”;
m) “Gateways” de conversão de protocolos;
n) Dispositivos auxiliares não citados explicitamente e que a PROPONENTE julgue
necessário para o perfeito funcionamento do sistema;
o) Interface eletrônica para comunicação do CLP com microcomputador portátil
(terminal de programação);
p) Cabo para conectar terminal de programação com a CPU do CLP; e
q) Cartões de reserva na proporção de 20 % (vinte por cento) do número de
cartões de cada tipo, sendo, no mínimo, um de cada modelo utilizado no
sistema.
Os equipamentos fornecidos pela empresa CONTRATADA deverão ter os seguintes
requisitos técnicos mínimos:
a) Proteção contra curto circuito e sobrecarga individual para fontes, CPU, circuitos
de distribuição, E/S etc;
b) Proteção contra sobretensão individual para fontes, circuitos de entrada e saída
etc;
c) Todos os dispositivos eletrônicos devem ser protegidos contra sobretensões
tanto induzidas na cablagem quanto as geradas pelo próprio equipamento. A
empresa Contratada deve assegurar a operação confiável dos equipamentos,
selecionando componentes ou circuitos eletrônicos capazes de suportar um
ambiente industrial e agressivo;
d) Funções de auto-diagnóstico;
e) Proteção contra descargas atmosféricas e surto de tensão; e
f) Internamente a todo o hardware do CLP deve ser implementado funções de
auto-diagnóstico cíclico para falhas:
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 99 -

Na CPU;

Nos módulos de comunicação;

Nos canais de comunicação;

Nos módulos de I/O remotos; e

Por tempo excessivo na varredura do programa (Watch Dog Timer).
A CPU deve possuir indicadores frontais de:
a) Operação normal;
b) Modo programação;
c) Falha geral;
d) Bateria interna fraca;
e) Comunicação de dados normal; e
f) Comunicação de dados anormal.
Quando além dos defeitos citados acima, existirem outros que o equipamento detecte,
a PROPONENTE deve informar em sua proposta.
São de responsabilidade da CONTRATADA o fornecimento dos equipamentos e
programas necessários ao bom funcionamento do CLP, bem como todos os
dispositivos necessários a sua correta comunicação com o Centro de Controle.
Dispositivos auxiliares não citados explicitamente e que a PROPONENTE julgue
necessário para o perfeito funcionamento do sistema devem ser inclusos na proposta.
8.2.4.3. Modularidade
Todos os cartões devem ser identificados, incluindo-se nas placas a versão.
A sua conexão em barramentos deve ser de tal forma que evite inserções mal
efetuadas bem como inserção do módulo em local indevido.
Os CLP fornecido devem possibilitar a expansão de sua capacidade mediante a adição
de módulos de I/O, de comunicação e de memória.
8.2.4.4. Intercambialidade
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 100 -
Todos os cartões idênticos devem ser facilmente removíveis e intercambiáveis, sendo
que a sua substituição possa ser feita sem desenergizar o barramento e sem causar
distúrbios ao CLP e/ou processo. Nos módulos cuja configuração seja feita através de
“Straps” ou “dip-switches “, a empresa Contratada deve enviar juntamente com cada
módulo uma documentação clara mostrando todas as possíveis configurações para
cada aplicação deste módulo.
8.2.4.5. Construção
Todos os módulos e CPU devem ser fabricados em placas de fibra de vidro ou material
de melhor qualidade, todas cobertas com camada de verniz isolante e deve ser
garantido que em condições normais de operação, manutenção e armazenagem, não
venham a sofrer danos físicos (empenar).
Os componentes sujeitos a troca devem ser montados em soquete, desde que não
comprometa a capacidade de resistir a vibrações do local onde instalado.
Os componentes usados na construção, devem ser preferencialmente encontrados no
mercado e sua identificação comercial (código do fabricante) devem ser mantidas
legíveis.
Lista de peças sobressalentes devem ser informadas para os componentes não
acessíveis facilmente no mercado.
8.2.4.6. Facilidade de Manutenção
Os módulos devem permitir que os tipos de ferramentas necessárias para manutenção
sejam o mínimo possível e o mais simples possível. Quando estas ferramentas para
manutenções forem especiais, a PROPONENTE deve anexar claramente na proposta
como item “Ferramenta Opcional” e seus preços.
Os pontos de testes, ajustes e monitoração devem ser completamente acessíveis
durante uma manutenção.
8.2.5. “Software” de Programação
O “Software” de Programação de CLP deverá ser desenvolvido para microcomputador
padrão IBM-PC, sistema operacional Microsoft Windows. Deverá possuir uma
linguagem de programação e controle de processos em tempo real, para o
desenvolvimento ou alteração dos programas contidos nos CLP’s em campo. Deve ser
de alto nível, permitindo a implementação de programações para qualquer aplicação ou
processo de forma prática, utilizando algoritmos baseados em funções lógicas,
matemáticas ou comparativas.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 101 -
O “software” de Programação deverá ser instalado nas Estações de Operação do
Sistema e permitir a programação “on-line” das Estações Remotas, bem como
possibilitar simulações de programação.
O “software” de Programação para o CLP, deverá ser entregue, no máximo, 30 dias
após a instalação das Estações Remotas em campo. Deverá ser fornecido um
Notebook Pentium IV, 3 GHZ, 512 MB RAM, 40 GB HD para configuração dos CLP’s.
8.3. ESPECIFICAÇÕES DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO SDAI
O Sistema de SDAI - Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio tem por objetivo o
monitoramento dos prédios Subestações e Torres de Transferências para princípios de
incêndio.
O Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio será formado por detectores de fumaça e
termovelocimétricos endereçáveis; por acionador manual endereçável e sirene com
sinal luminoso localizados próximo ao acesso das subestações, conforme norma
técnica ABNT NBR-9441.
Os detectores deverão ser capazes de processar seus próprios sinais, ou seja, quem
decide se é um alarme de incêndio ou não é o detector e não a Central. Esse poder de
decisão só é possível através de um micro chip incorporado em cada detector onde
nele são gravados gráficos algorítmicos de comportamento dos diversos tipos de
INCÊNDIOS existentes, esses gráficos LOCAL/TIPO foram gerados através de vários
testes reais realizados em laboratórios de simulação. Além disso, deverão possuir
MULTISENSORES, ou seja, diferentes tipos de detecções no mesmo detector, devido
a combinação de detecções os níveis de falsos alarmes são reduzidos próximos a
ZERO. A central recebe ou não as confirmações de ALARME provenientes dos
detectores, bem como os sinais discretos ou digitais, provenientes ou destinados dos
demais dispositivos e sistemas que o integram.
Esse Sistema de S.D.A.I. deverá se comunicar com o Sistema existente da Correia
Transportadora CT-01-C, enviando sinais de monitoramento para rede existente.
Todas as interligações dos componentes entre si e destes com a central deverão ser
executados com conectores apropriados, para facilitar a manutenção individual de
dispositivos sem prejuízo do sistema como um todo.
8.3.1. O SDAI - Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio deverá ser totalmente
microprocessado e sua arquitetura deverá ser ainda originalmente projetada para
atender as especificações de sistemas de Segurança para Detecção e Alarme de
Incêndio. Deverá estar de acordo com as normas NBR 9441, NBR 11836 e NFPA 72,
não se limitando a estas.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 102 -
O Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio a ser fornecido deverá ser constituído de
Centrais de Alarme de forma a integrar-se ao sistema existente no Terminal Portuário
do Pecém, sendo que, no mínimo, deverá existir 3 (três) Centrais nas Subestações SETC-02, SE-TC-03 e SE-TC-04. Cada Central de Alarme deverá ser dimensionada
conforme o número de sensores de sua área, que atenda as normas de segurança
para sistemas deste tipo, e deverão possuir capacidade de expansão.
A fonte de alimentação das redes de detectores e centrais deverá ser parte integrante e
dedicada ao sistema de Detecção e Alarme de Incêndio, com sistemas de fontes,
baterias, “no-breaks” etc.
As Centrais de Alarme deverão se interligar entre si através de fibra ótica, não sendo
permitido nenhum outro meio de comunicação entre equipamentos de áreas distintas.
O protocolo de comunicação de dados a ser utilizado deverá ser Ethernet TCP/IP.
As Centrais de Alarme a serem fornecidas deverão ser integradas à rede de Centrais
de Alarme de Detecção existentes no Terminal Portuário do Pecém, resultando em
uma rede única de Detecção e Alarme de Incêndio. Deverá também ser prevista a
configuração e elaboração de telas para a Estação Gráfica de Operação deste sistema,
instalada no CCO e Sala de Controle do Sistema de Correias Transportadora no Pier 1,
incluindo todas as programações e ajustes necessários ao perfeito funcionamento do
sistema..
Esta especificação descreverá os elementos necessários para a instalação de um
Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio da Correia Transportadora. Esta lista,
porém, não pretende refletir todo o sistema a ser entregue, cabendo à CONTRATADA
o detalhamento completo do projeto e o fornecimento de todos os itens necessários ao
perfeito funcionamento deste sistema.
8.3.2. Descrição dos Elementos Mínimos Componentes do Sistema
CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO
Deverá ser do tipo Algorítmica/Inteligente, com construção modular que possibilite
expansões futuras, com dispositivos endereçáveis, com capacidade de 1 até 4 laços de
comunicação a 2 fios, classe A/classe B, com estrutura expansível para até 16 laços
em uma ligação em rede, com referência de 127 pontos de detecção individualmente
identificáveis e/ou pontos de supervisão/controle também individualmente identificáveis
e controláveis, por laço.
Deverá dispor dos seguintes recursos:

Compensação automática dos desvios do patamar dos detectores algorítmicos;
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 103 -





























Ativação automática ou manual de teste do sistema e verificação das condições
funcionais de todos os detectores do sistema;
Equipadas com múltiplos microprocessadores, de forma a poder operar com o
mínimo de degradação na ocorrência de falha na Unidade de Processamento
Central e nas demais unidades vitais do sistema;
Funções programáveis de retardos de tempo;
Registro de históricos, em memória não volátil de 250 eventos;
Relógio/calendário de tempo real, não volátil, para associação de data e hora em
todos os eventos a serem registrados/apresentados;
Acessos aos seus dados e funções através de vários níveis selecionáveis por
senhas;
Possui um módulo que fornece a possibilidade abrir “Y” (Bifurcações) no circuito
de detecção, fornecendo maior flexibilidade no projeto;
Habilitação/desabilitação de qualquer dispositivo endereçável;
Temporizadores por software para inibir silenciamento, desligamento de alarmes
e verificação de alarmes;
Detecção de falta de terra (elétrica);
Todos os dispositivos (módulos e detectores) possuem isoladores de curtocircuito integrado;
Possui modos de programação de Cruzamento de Zonas/Detectores para
Sistemas de Extinção.
Display de cristal líquido de 120 caracteres alfanuméricos;
Interligação com o terminal remoto de repetição de todas as informações de
alarmes e defeitos;
Opção de se interligar em rede com outros painéis;
Software Gráfico de Monitoramento do Sistema.
Algorítmicos de resposta quase instantânea (tempo ajustável entre 0 à 90
segundos) ao acionamento de acionadores e detectores;
Possuem proteções contra transientes elétricos, tanto nas linhas de detectores
quantos na linha de alimentação de energia elétrica e linhas de comunicação;
Gera e apresenta relatórios completos, para acessos autorizados via senha de,
no mínimo, as seguintes solicitações:
Sumário de alarmes;
Sumário de defeitos/anormalidades;
Sumário de status;
Todos os pontos;
Pontos desabilitados;
Pontos isolados;
Pontos desconectados;
Históricos de sensibilidade por ponto, ou por grupo de pontos;
Históricos de eventos, por faixa selecionável, entre o último e os 500 últimos, no
mínimo;
Algorítmicos que reduzem a próximo de zero a ocorrência de alarmes falsos.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 104 -













Checagem constante do nível de sensibilidade dos detectores, de forma a
identificar que a sujeira no interior da câmara de detecção está próxima de
comprometer a sensibilidade do detector e avisar ao operador quais detectores
necessitam serem limpos;
Fornece a possibilidade de se selecionar a sensibilidade de cada detector óptico,
para qualquer LOCAL/TIPO (Ex. Ajustes para: escritório, garagem; linha de
produção, etc);
Fornece a possibilidade de se selecionar a sensibilidade de cada detector
térmico, para qualquer LOCAL/TIPO (Ex. Ajustes para: escritório, garagem; linha
de produção, etc);
Fornece a possibilidade de se selecionar a sensibilidade de cada detector
fotoelétrico + térmico, para qualquer LOCAL/TIPO (Ex. Ajustes para: escritório,
garagem; linha de produção, etc);
Fornece a possibilidade de se selecionar a sensibilidade de cada detector
fotoelétrico + químico, para qualquer LOCAL/TIPO (Ex. Ajustes para: escritório,
garagem; linha de produção, etc);
Fornece a possibilidade de se selecionar a sensibilidade de cada detector
fotoelétrico + químico + térmico, para qualquer LOCAL/TIPO (Ex. Ajustes para:
escritório, garagem; linha de produção, etc);
Permite ajustar a sensibilidade automaticamente, por programação horária, uma
para o horário diurno e outra para o horário noturno, por exemplo, para
determinadas condições locais;
Capacidade de ativar/interrogar cada dispositivo a ele conectado e detectar a
não confirmação de recebimento de comando/interrogação de qualquer um de
seus dispositivos e indicá-la ao operador, como condição de defeito, bem como
de receber e apresentar ao operador os sinais de status, normal, defeito, atuado,
conforme o caso, de cada dispositivo, indicando também a sua identificação e
descrição;
Permite interrogar continuamente cada dispositivo que possua sensor
algorítmico e automaticamente testar 10 vezes por hora, cada detector.
Verificando seus patamares de referência e as condições de seus circuitos de
transmissão e, caso detecte alguma falha no decorrer do teste, é reportada ao
operador;
Processamento dos níveis normais de cada detector, de forma que possa
perceber desvios para mais ou para menos das condições de sensibilidade, ao
longo do tempo. Tão logo uma condição excessiva tenha sido detectada, no
decorrer das últimas 24 horas, é reportada ao operador. Por outro lado, qualquer
desvio abaixo de uma sensibilidade mínima pré-estabelecida é imediatamente
reportado ao operador, como uma condição de defeito;
Possibilidade, através de senha de níveis hierárquicos apropriados, de modificar,
para efeito de manutenção em campo, os seguintes parâmetros operacionais do
sistema:
Colocar ou retirar de serviço qualquer dispositivo endereçável;
Outros parâmetros disponíveis no software do sistema;
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 105 -


Permite, através de um PC, apresentar para efeito de manutenção em campo os
seguintes dados:
o Valor analógico atual de qualquer detector de fumaça;
o Modificar retardos de verificações de alarme;
o Modificar fatores de análise de alarmes;
o Tipo de dispositivo em qualquer endereço;
o Valor atual de ajuste de fatores de análise de alarmes;
o Ajuste atual da temporização de verificação de alarmes;
o Indicar individualmente no display o status de normal, em alarme/atuado
ou em defeito, conforme o caso, de cada dispositivo a ele conectado;
Indica no display, o status de defeito, de um detector de fumaça, para os
seguintes casos:
o Perda de comunicação com o painel de controle;
o Nível de sua sensibilidade atingiu um valor abaixo de um patamar préajustado;
o Nível de sua sensibilidade atingiu um valor acima ou abaixo de um
patamar pré-ajustado, no decorrer de um período de 24 horas;
o Foi substituído por um dispositivo de outro tipo;
o Foi removido de sua base.
A alimentação da central deverá ser de 220 VAC – 60 Hz. A tensão de operação é 24
VCC. As baterias a serem utilizadas deverão ser seladas.
DETECTOR ÓPTICO DE FUMAÇA + TERMOVELOCIMÉTRICO
Os detectores de fumaça deverá ser de circuito classe A, do tipo algorítmico e
endereçável (fotoelétrico + térmico) para as áreas fechadas.
Deverá combinar a detecção de fumaça com a detecção de calor por elevação de
temperatura. Possuir sensores semicondutores, para detecção de tipos de incêndio
com rápida elevação de temperatura. Integrados à função de temperatura fixa, detectar
também incêndios que geram calor mais lentamente.
O detector deverá se ajustar automaticamente aos níveis de poeira existentes.
Características:
LED indicador: vermelho;
Sensibilidade: É ajustado de acordo com LOCAL/TIPO.
ACIONADOR MANUAL
Deverá ser do tipo endereçável, encapsulado em caixa de dimensões 4 x 4.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 106 -
Deverão ser do tipo “quebre o vidro“, com tampa de proteção de vidro. Possuir
informação visível e indelével das instruções a serem executadas em caso de incêndio.
Ser equipado com LED que permanece acesso quando o acionador manual é acionado
e somente é reinicializado através da substituição do vidro.
Os contatos elétricos deverão ser capazes de suportar a operação sem sofrer
degradação.
Os elementos mínimos componentes do sistema deverão estar localizados nas áreas
conforme descrito abaixo, seguindo rigorosamente as normas ABNT em vigência, em
particular a NBR 9441:
a) Acionador Manual de Indicação de Incêndio:
Deverão ser instalados acionadores manuais para indicação de incêndio, a uma
altura de 1,50m do piso, em locais de fácil acesso e em número suficiente de
modo a distribuí-los convenientemente e respeitando as distâncias máximas
exigidas pela ABNT. A gravação do texto das instruções de acionamento deverá
ser em português.
b) Anunciador Visual e Sonoro:
Deverão ser instalados anunciadores visuais e sonoros, preferencialmente
conjugados com os acionadores manuais, em número suficiente de modo a
distribuí-los convenientemente e respeitando as distâncias máximas exigidas
pela ABNT. Serão instalados a uma altura mínima de 2,20m do piso.
c) Detectores de Fumaça Iônico, Termovelocimétrico:
Deverão ser instalados Detetores de Fumaça Iônico, Termovelocimétrico, para
cada área conforme normas ABNT em vigência.
Módulo de Sinal para Indicadores Audio-Visuais de Alarme, Sonorização para Rotas de
Evacuação e Telefones de Emergência.
O módulo de sinal para indicadores audio-visuais de alarme, sonorização para rotas de
evacuação e telefones de emergência, deverá possuir a configuração de um elemento
inteligente endereçável, conectado à rede de comunicação com o painel central de
controle, possibilitando controle supervisionado em classe B destes elementos.
A aplicação de cada módulo deverá ser definida através de códigos selecionados e
transferidos pela rede de comunicação entre o módulo e o painel central de controle.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 107 -
O módulo de sinal deverá possuir as seguintes características, conforme descrito
abaixo:
a) Possuir seleção para entrada unitária ou dupla;
b) Possibilitar conexão supervisionada para circuitos de elementos áudio / visuais
em 24 Vcc ou elementos de sonorização para rotas de evacuação em 25 e 70
Vrms;
c) Possuir gerador de tom para telefonia de emergência;
d) Quando configurado para operar como telefonia de emergência, deverá possuir
gerador próprio de tom, não sendo permitidos circuitos separados;
e) Possuir microprocessador / memória não-volátil;
f) Permitir armazenar permanentemente:

Número de série;

Tipo de elemento de campo; e

Número de seqüência do projeto.
g) Permitir atualizar automaticamente informação de dados históricos, incluindo:

Totalização de horas em operação;

Data da última manutenção realizada;

Número de alarmes e problemas; e

Data e hora do último alarme.
h) Mapeamento automático do elemento instalado na rede;
i) Cada módulo deverá informar ao painel central de controle sua localização
relativo aos outros módulos instalados na rede;
j) Endereçamento eletrônico:
 Cada módulo deverá armazenar permanentemente seu endereço na
rede;
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 108 -

Não serão permitidos chaves ou conexões para endereçamento; e
 Todos os endereços para os módulos deverão ser transferidos através da
rede de comunicação, utilizando-se de software próprio.
k) Módulo inteligente;
l) Deverá ser fornecido módulo de sinal classe B microprocessado;
m) Deverá possuir dois “led” sinalizadores:

Verde indicando ciclo de varredura normal; e

Vermelho indicando condição de alarme.
n) Adicionalmente cada módulo deverá proporcionar ainda:

Auto-diagnóstico;

Arquivo de históricos;

Automática localização do módulo; e
 Rápido e estável laço de comunicação com cada módulo e painel central
de controle.
o) Deverá ainda estar certificado através de norma ISO 9001 Standards e UL List.
Gerenciamento de Alarmes.
O gerenciamento de alarme do “software” gráfico de operação deverá permitir ao
operador identificar uma condição de alarme rapidamente, sem a necessidade de
alterar o funcionamento das tarefas atualmente em execução.
Adicionalmente, gerenciamento de alarme significa que os usuários visualizarão e
identificarão apenas os alarmes pertinentes aos seus serviços ou localizações, sendo
que:
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 109 -
a) Os alarmes correntes deverão ser listados na tela de visualização de alarmes,
acessada permanente através do indicador de tela de alarme (ícone). Este
indicador de tela de alarme localizado no rodapé da tela principal emitirá um
aviso sonoro e permanecerá piscando ao receber a indicação de um novo
alarme;
b) Cada nível de alarme deverá estar associado a uma cor diferente, a qual
identificará seu nível de prioridade. Os alarmes especificados como de maior
prioridade estarão identificados e descritos sempre no topo da tela de alarmes;
c) Opcionalmente, um indicador de tela de alarme crítico deverá estar disponível
para identificar alarmes não reconhecidos, e selecionados por nível de
prioridade; e
d) Cada variável de processo com especificação de alarme deverá ser associado a
uma tela gráfica e uma mensagem de alarme.
8.4. ESPECIFICAÇÕES DO SISTEMA DE CFTV
O Sistema de CFTV tem por objetivo o monitoramento perimetral dos transportadores e
dos prédios de Subestações e Torres de Transferência, com foco na segurança
patrimonial.
Os equipamentos deste sistema deverão ser digitais, com protocolo de comunicação
em Ethernet TCP/IP.
Será composto por câmeras fixas, instaladas nos prédios e periferia, e por câmeras
móveis, instaladas ao longo dos transportadores, com distância média de 750 metros
entre câmeras.
As câmeras móveis deverão ser instaladas ao longo dos transportadores e nos sites
das torres de transferência, e deverão ser controladas diretamente através de mesa
digital microprocessada com joystick. Todas as câmeras externas deverão ter sua
interligação de vídeo e comando com a Sala de Controle através de tecnologia de fibra
óptica monomodo E9,125µm, com equipamentos conversores para rede Ethernet e
conexão direta ao Switch.
As subestações deverão ter seus acessos e áreas internas e externas monitorados por
câmeras fixas de alta resolução, com capacidade de registrar e identificar a imagem
(com detalhes) do rosto de uma pessoa, cores e formas de roupas, etc.
O switch das subestações deverá ser interligado, através de cabo de fibra óptica
monomodo, a um switch localizado na Sala de Controle. Este switch disponibilizará as
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 110 -
imagens de toda a correia transportadoras no padrão Ethernet TCP/IP, e deverão ser
gerenciadas através de um equipamento a ser instalado na Sala de Controle
denominado Sistema de Gerenciamento de Imagens. Com este equipamento será
possível, sempre em formato digital de imagem, trabalhar a imagem capturada pelas
câmeras, fazer gravação, backup, transmitir, bloquear acessos, editar as imagens, etc.
Cada Switch deve ainda conter 24 portas PoE.
Os equipamentos de controle do sistema deverão ser instalados na Sala de Comando,
localizada no Píer 1 do Porto do Pecém.
8.4.1. UNIDADES DE GERAÇÃO DE IMAGENS
Serão fornecidos dois tipos de unidades de geração:
As câmeras móveis serão do tipo Dome, com invólucro em aço inox 316L e grau de
proteção IP67, pressurizadas com nitrogênio. Esta configuração garante altíssima
resistência à penetração de sólidos e líquidos e à atmosfera salina. Internamente ao
conjunto será instalado um módulo de interface ótica, minimizando o espaço
necessário para a instalação. Serão utilizados suportes para fixação em poste para
todos os Domes, já com as devidas adaptações.
As câmeras móveis deverão ser de alta resolução (768 x 494 pixels, sistema NTSC), IP
Based Endereçavel, com Zoom mínimo de 23x óptico e 10x Digital, tensão de
alimentação 220VAC-60Hz e com instalação e conexão direta de fibra óptica.
As câmeras fixas serão instaladas em caixas de proteção em Alumínio, grau de
proteção IP 66, garantindo alta resistência à penetração de sólidos e líquidos. As
câmeras deverão ter tecnologia baseada em IP, com transmissão de imagens através
de rede Ethernet exclusiva, deverão ser de alta resolução, com capacidade de registrar
e identificar a imagem (com detalhes) do rosto de uma pessoa, cores e formas de
roupas, etc. As câmeras deverão possuir lente varifocal 2,6~6mm e a alimentação
deverá ser a partir das portas PoE dos respectivo Switch. As câmeras serão fornecidas
com teto de proteção contra o sol, e suportes de parede, além de fonte de alimentação
individual que será interligada à rede elétrica existente, quando necessário.
Ambas as câmeras são do tipo Day/Night, permitindo visualização em níveis baixos de
iluminação (em preto e branco). Também serão fornecidos armários com acessórios e
cabeamento para cada Unidade de Visualização.
8.4.2. FONTES DE ALIMENTAÇÃO
Para cada ponto de câmera foi previsto um ponto de alimentação individual, através de
no-break monofásico de 3.000 VA senoidal, que será interligado à rede disponível
garantindo alimentação adequada, livre de ruídos espúrios e protegida contra
sobretensão.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 111 -
8.4.3. SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE IMAGENS
Será instalado na Sala de Controle estação de trabalho para gerenciamento,
armazenamento e visualização de imagens e sistema de alarmes. Com suporte a full
HD, redundância, compressão a partir de H.264 e suporte a câmeras.
A estação de trabalho deverá ter tecnologia baseada em PC, com gravação digital de
alta definição, compressão de imagens por MJPEG, função de limitação de banda de
transmissão por rede Ethernet, HDD de armazenamento de imagens com capacidade
mínima de 6TB.
O Software deverá vir pré-configurado de fábrica para rápida e perfeita integração com
a infra-estrutura TI existente, com Sistema Operacional Windows® 7, conexões de
comunicação com rede Ethernet TCP/IP, memória RAM de 4GB, HDD de 6TB e
Gravador-Leitor de Blu-Ray.
O equipamento de Gerenciamento e Armazenamento de Imagens e Integrador do
Sistema de Utilidades deverá ser em plataforma TCP/IP, com possibilidade de
montagem de matriz virtual real, com arquitetura aberta, compatível com o protocolo
H.264, com suporte a mapas e integração com outros sistemas, plataforma aberta e
disponibilidade de API´s grátis.
Deverá conter ainda na estação de trabalho um monitor de LCD de 52”Full HD e um
monitor de 32” Full HD, além de um joystick para controle das câmeras moveis.
8.4.4. PROJETO EXECUTIVO DO SISTEMA CFTV
Será de responsabilidade e ônus da CONTRATADA a adequação do projeto executivo
e fornecimento dos componentes do sistema de CFVT, compreendendo:
a) Sistema de alimentação elétrica dedicado;
b) Sistema de transmissão de dados entre a sala de controle e as câmeras;
c) Sistema de transmissão de imagens entre as câmeras e a sala de controle;
d) Cabos e conversores para operação dos DVR´s em rede;
e) Sistemas de proteção elétrica, sinais de vídeo e dados;
f) Sistema de fibra ótica para vídeo e dados com transmissores e receptores de
sinais de vídeo;
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 112 -
g) Conversores de sinais de vídeo e dados de coaxial para transmissão em fibra
ótica;
h) Integração de todos estes equipamentos com o sistema de CFTV já existente;
i) Distribuição (caminhamento) de cabos e eletrodutos nas diversas unidades do
sistema;
j) Definição das suportações das câmeras e painéis;
k) Definição do sistema de acesso para manutenção das câmeras;
l) Definição do sistema de limpeza dos vidros de proteção das câmeras; e
m) Todos os parâmetros e soluções de engenharia para o perfeito funcionamento
do sistema.
8.4.5. SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO ELÉTRICA DA SALA DE OPERAÇÃO
Todos os componentes da sala de operação (gravador, chaveadores, monitores, PC,
etc.) deverão ser alimentados à partir de um painel elétrico de distribuição dedicado
exclusivamente ao sistema CFVT a ser projetado e fornecido pela CONTRATADA,
devendo possuir, no mínimo, as seguintes características:
a) Estrutura em alumínio ou aço inox;
b) Montagem de sobrepor;
c) Sinalização dos “status” dos circuitos no frontal;
d) Acesso ao disjuntor geral pelo frontal;
e) Disjuntores termo magnéticos para a chegada da alimentação e individual para
cada componente da operação;
f) Sistema de estabilização (estabilizador “No-break” 380 VAC/380 VAC ; 5000 VA,
3Ø);
g) Proteção IP 64; e
h) Distribuição interna por barramentos.
Observações Gerais
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 113 -
O Sistema de CFTV a ser fornecido deverá ser considerado como uma ampliação e
adequação do Sistema existente, e deve obedecer ao padrão dos equipamentos
instalados.
O número de câmeras, suportes, monitores, gravadores digitais e demais itens que
compõem o Sistema de CFTV está descrito nas “Planilhas de Quantidades e Preços".
8.5. ESPECIFICAÇÕES DO SISTEMA DE SEGURANÇA ELETRÔNICA
8.5.1. SISTEMA DE SEGURANÇA DE INSTALAÇÕES
Este sistema será composto de sensores infravermelhos passivos de montagem de
teto e parede, ambos de dupla função, e de sensores de quebra de vidro por
freqüência.
Estes sensores serão instalados nas Subestações, Sala de Controle, Torres de
Transferência e em locais vulneráveis ao longo dos transportadores. A instalação
destes sensores compreenderá os suportes de fixação, cablagem, eletrodutos,
petroletes, fontes, baterias, sirenes, caixas de proteção, abraçadeiras etc. (todo
material será adequado a ambiente marítimo). Os sensores acima serão controlados
por centrais de alarme com monitoração e acionamento através do sistema
supervisório principal. No sistema em pauta deve-se prever a geração de sinais de
alarme para integração do mesmo à rede de PLC’s do sistema de automação do
Terminal Portuário do Pecém.
Deverá ser previsto ainda a implantação de telas de monitoração dedicadas no Sistema
Supervisório Principal.
8.5.2. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
Os principais componentes do Sistema são:
a) Sensor infravermelho passivo de montagem de teto, com área de detecção
variável de 8 a 12 metros, sensibilidade ajustável de 2 e 4 pulsos, instalação em
ambiente protegido;
b) Sensor infravermelho passivo de montagem de parede, com lente branca de
dupla função, com função “pet immunity”, área de detecção variável até 12
metros, sensibilidade ajustável de 2 e 4 pulsos, abertura horizontal 85º,
instalação em ambiente protegido;
c) Sensor de quebra de vidro por freqüência, acionado por alta ou baixa freqüência,
alcance de até 4,5 metros;
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 114 -
d) Sirene tipo piezoelétrica com potência audível de 120 db;
e) Bateria selada 12V, 7A;
f) Fonte carregador 2A;
g) Central de alarme expansível até 36 laços, microprocessada, com
monitoramento e acionamento através de sistema supervisório por meio de
sinais digitais e sistema de discagem por LP, confeccionada em material
adequado a ambiente marítimo. As centrais deverão ser integradas com a Sala
de Controle, através de um software de Gerenciamento e Integração do Sistema
de Utilidades, onde serão desenvolvidos mapas com o posicionamento dos
sensores de presença e as zonas cobertas, sinalizando quando de seu
acionamento; e
h) Mini-postes, caixas de proteção, suportes de fixação etc,os quais serão
confeccionadas em material adequado a ambiente marítimo.
Os sistemas em pauta serão alimentados por painéis elétricos dedicados
exclusivamente aos mesmos. Toda alimentação dos equipamentos dos sistemas será
oriunda dos referidos painéis.
8.6. INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE
8.6.1. SISTEMA DE CONTROLE OPERACIONAL
O Sistema consiste de “ESTAÇÕES REMOTAS” (UTR’s) localizadas nas Torres de
Transferência e Salas elétricas. As remotas comunicar-se-ão com o Centro de Controle
localizado Sala de Controle do Pier 1.
O “software” supervisório a ser fornecido deverá obrigatoriamente ser do mesmo
fabricante do “software” das demais Estações de Trabalho já instaladas no Centro de
Controle.
8.6.2. ARQUITETURA DO SISTEMA
Todos os equipamentos, dispositivos e o sistema, necessários para atender às
exigências de conexão e operacionalidade dos diversos instrumentos de campo com a
respectiva UTR e o “software” de supervisão, deverão ser fornecidos. Esta
especificação não pretende refletir todo o “hardware” e “software” necessários a serem
entregues pelo FORNECEDOR do Sistema e nem tem a intenção de detalhar todos os
requisitos de desenvolvimento “do software”.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 115 -
Assim, as descrições aqui apresentadas não isentam o FORNECEDOR da total
responsabilidade pela solução que vier a ser apresentada, e pelo total funcionamento
do Sistema.
Deverão ser fornecidas todas as interfaces de comunicação compatíveis para a
aquisição dos dados especificados e os “drivers” de dispositivo que controlam as
comunicações, a partir de dados obtidos junto aos fabricantes desses equipamentos.
Os “drivers” de dispositivo a serem fornecidos serão capazes de interpretar o protocolo
e a informação de cada equipamento.
O sistema a ser fornecido inclui todas as ferramentas de “software” para operar,
gerenciar e monitorar os equipamentos listados.
Estas ferramentas incluem a exibição dos dados em tempo real, as capacidades de
notificação de alarme múltiplo, rotinas de análise de dados automatizados através de
um banco de dados “on-line” e registros automatizados.
Todas estas capacidades serão acessíveis através de uma interface gráfica intuitiva do
usuário, designadas de acordo com o Sistema Operacional proposto.
O sistema a ser fornecido deverá ser baseado em uma arquitetura SCADA.
O sistema realizará a aquisição de dados em tempo real utilizando os “drivers” de
dispositivo instalados, suportando um banco de dados “on-line" com “backup”
automático. Todo o “hardware” necessário para a implementação de um banco de
dados seguro e confiável deverá ser fornecido.
Os dados em tempo real serão exibidos na Estação de Trabalho na taxa ótima de
varredura suportada pelo “driver” de dispositivo.
Todos os dados do banco “on-line” serão acessíveis na Estação de Trabalho.
A Estação de Trabalho apresentará uma interface gráfica do usuário altamente intuitiva,
com visualizações do equipamento, exibição dos dados, analisador de dados e sistema
de gerenciamento de mensagem / alarme.
Deverá ser prevista a integração da Estação de Trabalho uma estação de operação
remota a ser instalada na Sala de Controle da USC.
8.6.3. INSTRUMENTAÇÃO DE CAMPO
Deverá ser fornecida e instalada toda a instrumentação de campo necessária à perfeita
operação da Correia Transportadora, inclusive toda a rede de transmissão de dados,
dutos, suportes e acessórios que permitam a coleta em campo das informações
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 116 -
desejadas dos instrumentos e sua transferência ao CLP de cada Torre de
Transferência ou Subestação Elétrica.
Os instrumentos fornecidos deverão ser de construção robusta, providos de invólucros
para grau de proteção IP-65 e conexão para eletroduto na bitola ¾”.
Tanto o “hardware” quanto o “software”, onde aplicável, deverão ser de tecnologia
recente de desenvolvimento, com, no máximo, 2 (dois) anos de obsolescência por
ocasião de entrada em operação do transportador.
Os instrumentos deverão ser fornecidos com uma plaqueta de aço inox firmemente
fixada por parafusos ou rebites ao corpo dos mesmos, na qual deverão estar gravadas
em baixo relevo o número de identificação (“Tag”), o modelo do instrumento e a
descrição do serviço.
É obrigatório que o fabricante apresente documentos comprobatórios de que está
estabelecido no Brasil e que possui instalação e recursos capazes de prestar a
assistência técnica no tempo máximo de 48 horas para qualquer parte componente do
fornecimento.
As unidades eletrônicas, quando aplicadas, deverão ser microprocessadas e
construídas em cartões tipo “plug-in”, de modo que a troca de módulos seja feita sem
que haja necessidade de se desligar fios e providas de memória a fim de que todos os
dados relativos à configuração e à calibração do transmissor sejam armazenados no
caso de falha na alimentação.
A calibração, bem como toda a configuração do transmissor, deverão ser feitas via
“software” por intermédio de módulo digital posicionado na parte frontal do painel. O
módulo digital deverá ser dotado de teclado do tipo membrana “display” alfanumérico
de cristal líquido, com iluminação “back-lit”. O acesso aos dados de configuração e
calibração deverão ser protegidos por senha, a ser informada ao sistema via teclado.
As unidades deverão possuir “software” dedicado à manutenção capaz de executar um
auto-diagnóstico cíclico. Este “software” deverá ser capaz de indicar possíveis causas
de defeitos e sinalizar/indicar, através de “display”, o valor de sinais importantes do
transmissor ou “status” dos pontos ou módulos do mesmo, para auxílio no diagnóstico
do defeito.
O painel que acondicionará o módulo eletrônico deverá ser montado em parede,
separado do Transmissor, e deverá possuir grau de proteção IP-65.
8.6.4. DETETOR DE RASGO NAS CORREIAS
Estes dispositivos deverão ser fornecidos para detectar, de imediato, o início de danos
no corpo da correia dos transportadores e informar à UTR correspondente, através de
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 117 -
uma unidade eletrônica também fornecida, para que se promova a paralisação dos
transportadores em questão.
O detetor poderá ser do tipo ultra-sônico ou eletromagnético, este último com sensores
embutidos no corpo da correia transportadora.
Para sensores embutidos na correia, a unidade eletrônica do detetor deverá apresentar
alternativa de programação para desligar o transportador quando ocorrer danos em
qualquer sensor, dois sensores ou três sensores. Também deverá possuir a opção
programável, de permitir que o transportador continue funcionando em caso de vários
sensores estarem danificados próximos a outros perfeitos.
O sistema ultra-sônico deverá possuir dispositivo de compensação de mudança de
velocidade de ultra-som devido à variação na temperatura ambiente.
O sistema de detecção de rasgo de correia deverá também possibilitar o controle do
alinhamento e do escorregamento da correia, possibilitando o desligamento do
transportador antes da ocorrência de danos de maiores proporções.
O sistema não deverá ser afetado por quaisquer condições externas tais como água,
pó de minério de ferro ou outro tipo de contaminação e ser imune a ruídos elétricos,
inclusive descargas atmosféricas e máquinas de solda operando nas proximidades.
O sistema deverá ser provido de proteção contra descargas atmosféricas.
8.6.5. CHAVES VIGIA DE VELOCIDADE
As chaves vigia de velocidade deverão ser do tipo indutivo, com invólucro metálico,
atuando como controladores da velocidade dos transportadores.
Os sensores, do tipo indutivo contador de pulsos, deverão enviar ao Centro de Controle
do Sistema, os impulsos detectados a partir da rotação dos tambores de retorno dos
transportadores.
Os sensores deverão ser desprovidos de unidade eletrônica, que deverá ser no CLP.
Nos tambores de retorno dos transportadores deverá ser instalada uma chapa de aço
em forma de semi-círculo, de 3mm de espessura, para auxiliar os sensores na
contagem de pulsos.
A precisão deverá ser igual ou melhor que 0,25% do valor medido.
O sensor deverá operar com distância nominal de 12 mm.
Demais características elétricas conforme se segue:
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 118 -
a) Tensão de operação: 220 VAC;
b) Corrente constante máxima: 3000 mA;
c) Corrente instantânea: 5 a 300 mA;
d) Freqüência máxima de comutação: 25 Hz; e
e) Proteção contra curto circuito com função normalmente aberto (NA).
8.6.6. CHAVES DE DESALINHAMENTO
Deverão ser fornecidos para todos transportadores convencionais, chaves de
desalinhamento colocadas em ambos os lados, espaçadas de 25 a 30 m.
Deverão ser fornecidas com contatos SPCD para 220VAC , 2ª.
8.6.7. CHAVES DE EMERGÊNCIA
Deverão ser fornecidas com contato SPDT para 220VAC, 2A.
O espaçamento máximo deverá ser conforme NT aplicável, instaladas em toda a
extensão e em ambos os lados dos transportadores.
As chaves deverão ser duplas e interligadas por cabos, presos em olhais montados na
estrutura do transportador espaçados a cada 2 m.
Qualquer transportador parado pela ação da chave de emergência, não poderá partir
novamente sem que a chave seja colocada manualmente na posição de operação.
8.6.8. TRANSMISSORES DE NÍVEL DOS CHUTES
Deverão ser usados transmissores de nível para detectar o entupimento de tremonhas,
chutes de descarga etc. e parar imediatamente o transportador.
O transmissor realizará a leitura de nível dos chutes de forma contínua, sem contato
com o produto, através da tecnologia de ultra-som. O sistema ultra-sônico deverá
possuir dispositivo de compensação de mudança de velocidade de ultra-som devido à
variação na temperatura ambiente.
O instrumento deverá permitir que a sua programação seja realizada através de uma
interface munida de teclas e indicador em cristal líquido. A interface deverá ser parte
integrante do instrumento, não sendo aceitas adaptações com peças de fabricantes
distintos. Os parâmetros de operação deverão ser armazenados em memória não
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 119 -
volátil incorporada ao mesmo. Não serão aceitos modelos com programação realizada
através de micro chaves físicas (“dip-switches”).
Todo o conjunto deverá possuir grau de proteção IP-65, não devendo ser afetado por
quaisquer condições externas tais como água, pó de minério de ferro ou outro tipo de
contaminação e ser imune a ruídos elétricos, inclusive descargas atmosféricas e
máquinas de solda operando nas proximidades.
O instrumento deverá possuir pelo menos uma saída analógica, munida de isolação
ótica, com sinal em corrente contínua de 4 a 20mA. A alimentação auxiliar do
transmissor, caso houver, deverá ser em 220VCA.
9. CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS DAS SUBESTAÇÕES.
9.1. ESTRUTURA
Toda a estrutura deverá ser em concreto armado de alto desempenho com fck> 50
MPa, desde os blocos, sapatas, cintas, pilares, vigas, lajes etc.
Os lastro, onde existirem, serão de concreto simples.
As lajes deverão receber tratamento de produto impermeabilizante.
9.2. ALVENARIA
9.2.1. Tijolos
As alvenarias, nas espessuras e dimensões indicadas em planta, serão de tijolos de
concreto de 0,14 x 0,19 x 0,39 m assentes em argamassa de cimento e areias grossa,
traço 1:4..
9.3. REVESTIMENTOS
9.3.1. Cerâmica (onde indicado em projeto)
As faces externas das paredes serão revestidas em cerâmica do tipo “tijolinhos
aparentes” de 0,075 x 0,20m dimensões, assentes em argamassa de cimento, areia e
saibro no traço 1:2:3 e com acabamento tipo mata-junta, semelhante à existente no
prédio da Administração da CEARÁPORTOS.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 120 -
9.3.2. Argamassa (onde indicado em projeto)
As faces internas das paredes serão revestidas em emboço e reboco no traço 1:6 de
cimento e areia grossa. O teto em laje será também neste tipo de revestimento.
As superfícies das paredes, antes do emboço, serão chapiscadas em cimento e areia
grossa no traço 1:3.
9.4. PAVIMENTAÇÃO
9.4.1. Cimentado
Todo o piso interno será pavimentado em cimentado liso, desempenado, no traço 1:4
de cimento e areia grossa peneirada, tendo juntas plásticas formando requadros de
1,00 m em 1,00 m.
9.5. ESQUADRIAS E FERRAGENS
9.5.1. Portas
Todas as portas externas serão do tipo sobre trilhos (folha de abrir), com estrutura,
trilhos e acabamento de aço pintado. As dimensões dos vãos e suas quantidades
constam em planta.
Todas as ferragens serão da marca LA FONTE ou similar, em latão cromado.
9.5.2. Janelas
As janelas serão altas também de aço pintado, porém em caixilhos fixos e com
dispositivo de retorno das venezianas à posição de repouso (fechada), devido ao uso
de sistema de pressurização interno.
As dimensões e vãos constam em planta.
9.6. PINTURA
9.6.1. Plástica
As superfícies argamassadas ou não serão pintadas em tinta lavável, tipo plástica na
cor branca.
9.6.2. Verniz
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 121 -
As superfícies de concreto aparente serão envernizadas em poliuretano incolor (2
demãos).
9.6.3. Epóxi
Todas as esquadrias serão pintadas com o mesmo sistema preconizado para os
Transportadores de Correia.
9.7. LIMPEZA
Após a execução das obras, deverão ser feitas as limpezas necessárias, removendo-se
todo o entulho, lavando-se o piso, portas e janelas.
10. SONDAGEM
10.1. INTRODUÇÃO
A CONTRATADA deverá executar sondagens para subsidiar a ratificação do projeto de
fundações das obras de instalação dos Transportadores de Correia (estruturas de
concreto de apoio).
10.2. OBJETIVO
Investigar geotécnicamente os substratos do terreno onde serão executadas as
fundações dos diversos tipos de estruturas dos Transportadores de Correia.
10.3. ESCOPO DOS SERVIÇOS
As atividades básicas a serem desenvolvidas para os Estudos de Sondagem
Geotécnica deverão apresentar no mínimo, os seguintes produtos:
a) Planta de locação dos furos de sondagem;
b) Perfil geotécnico de cada furo de sondagem; e
c) Relatório final de classificação.
11. PLANTIO E CONSERVAÇÃO DE ARVORES.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 122 -
11.1- Deverá ser feito o plantio de árvores ao longo do TC-03 e Site do TT-02,
mediante projeto a ser elaborado pelo CONTRATADO e aprovado pela
FISCALIZAÇÂO, para proteção do Transportador contra areia das dunas, poeiras e pós
do ambiente agressivo das dunas.
11.2- Este sistema de proteção deverá ser implantado antes do inicio das obras de
construções civil dos apoios do Transportador, de maneira a proteger a estrada de
serviço e escavações das bases de apoios.
11.3- O CONTRATADO deverá proceder contrução dos acessos rodoviarios para
possibilitar acesso as áreas plantadas, bem como a execução de manutenção
(irrigação, replantio, limpeza, podas, etc) durante todo o periodo de validade do
Contrato.
12. EQUIPAMENTOS AUXILIARES
12.1. REQUISITOS MÍNIMOS PARA FORNECIMENTO DE CAMINHÃO PARA
LIMPEZA DE MINÉRIO DE FERRO POR ALTA SUCÇÃO.
12.1.1 Equipamento de limpeza por alta sucção a vácuo, equipado com tanque
reservatório, soprador de deslocamento positivo tipo “roots” montado em chassi de
caminhão de modo a torná-lo transportável, com as seguintes características :
12.1.1.1 Tanque Reservatório para armazenamento dos detritos, formato cilindrico,
reforçado, construído de chapa de aço espessura 3/16", capacidade 5.500
litros, composto de:







na parte traseira com tampa articulada de abertura total através de pistão
hidráulico, 04 fechos hidráulicos acionados em sequência para o travamento
da tampa, dotada de visor de controle de nível interno;
01 (uma) boca de inspeção na parte superior com diâmetro de 500 mm, e
tampa com vedação resistente a vácuo pressão;
caixa para ferramenta na lateral do tanque, com porta e fechadura com
travamento através de chave;
basculamento hidráulico do tanque com inclinação de 45º;
02 (duas) bocas para sucção com flange, sendo uma superior e outra inferior;
01 (uma) boca inferior para descarga de líquidos.
A sucção dos detritos será realizada através de um braço hidráulico instalado
na parte superior do tanque com rotação de 360º, acionada hidraulicamente
por controle remoto, para proporcionar uma posição de trabalho mais
cômoda para o operador. O braço hidráulico terá uma lança telescópica com
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 123 -

extensão máxima de 6 m e altura máxima de 5,8 m. O mangote de sucção
será no diâmetro de 6” para trabalho pesado.
O braço hidráulico terá uma válvula de abertura rápida diâmetro de 6” com
acionamento hidráulico por controle remoto, para abertura e fechamento da
válvula de sucção.
12.1.1.2 Sistema de Vácuo






Soprador de lóbulos rotativos de deslocamento positivo tipo “roots”, para
operar nas seguintes condições :
o capacidade de deslocamento de ar : 60 m3/min a 300 mbar
o vácuo máximo .. : 500 mbar absoluta
acionamento do soprador de lóbulos através de motor diesel, marca MWM ou
similar, modelo TD-229-EC-6, 125 cv a 1800 rpm;
circuito pneumático (ligação do soprador ao tanque reservatório);
separador centrífugo vertical e filtro para retenção de finos, instalado entre o
tanque de detritos e o roots;
manovacuômetro diâmetro 4.1/2" escala 760 mm / 3 Kgf/cm2, com
preenchimento em glicerina;
silenciador na descarga do “Roots “.
12.1.1.3 Bomba Alternativa para Serviços Auxiliares de Limpeza

Bomba Alternativa de alta pressão, triplex de simples efeito, para operar nas
seguintes condições:
pressão de trabalho: 100 Kgf/cm2 (1422 psi)
vazão: 30 lpm.
Acessório:Válvula de regulagem de pressão e segurança com “bypass” para o tanque, com manômetro.

Unidade Motora de Acionamento
o a bomba será acionada por motor estacionário, à gasolina, partida
elétrica, equipado com filtro, silencioso e escapamento, além de
reservatório de combustível;
o potência e rotação adequados ao acionamento da bomba;
o sistema de partida/parada, e controle de rotação previsto no ponto de
operação, para segurança do operador.
12.1.1.4 Tanque Reservatório
Capacidade 500 litros.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 124 -
12.1.1.5 Comandos e Instrumentos, composto de :











LED vermelho de temperatura alta;
LED vermelho de pressão do óleo baixa;
LED vermelho de carga da bateria;
Botão vermelho de parada do motor (STOP);
Chave de partida/parada do motor;
Horímetro de funcionamento do equipamento;
Indicador da temperatura do motor;
Indicador de rotações do motor (contagiros);
Mostrador de funções digital de cristal líquido (LDC);
Interruptor de luz do painel;
Alavancas de controle do sistema hidráulico;
12.1.1.6 Acessórios:












20 m de mangueira de sucção para serviço pesado diâmetro 5”, em 4 lances
de 5 m cada;
20 m de mangueira para sucção diâmetro 3” em 4 lances de 5 m cada;
06 engates rápidos diâmetro 5”;
06 engates rápidos diâmetro 3”;
01 aspirador com carrinho diâmetro 3”;
01 aspirador com carrinho diâmetro 5”;
01 ponteira de sucção diâmetro 5”;
02 ponteira de sucção diâmetro 3”;
10 m de mangueira diâmetro ½” para pistola;
01 pistola de hidrojateamento;
02 bicos para pistola.
01 sinaleiro rotativo com base imantada, tensão 12 v, acoplável ao circuito
elétrico do caminhão;
12.2. EQUIPAMENTO DE COMBATE A INCÊNDIO MÓVEL
Equipamento de Combate a Incêndio Móvel, a ser utilizado nas instalações dos
Transportadores de Correia para Carvão Minerio de Ferro, do Terminal de Granéis
Sólidos e Produtos Siderúrgicos – TSID do Complexo Industrial e Portuário do Pecém –
CIPP, no Município de São Gonçalo do Amarante, Estado do Ceará.
12.2.1.CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO FORNECIMENTO
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 125 -
TANQUE D’ÁGUA
Capacidade útil nominal de 7.000 (sete mil) litros, de formato elíptico com tampos e
quebra-ondas cônicos, rebordeados à frio, que neutralizam os efeitos do balanço da
carga líquida, construído em Aço Patinável (SAC 300 Usiminas ou equivalente),
soldado por arco elétrico com sistema Mig de costura dupla e contínua de alta fusão.
Possui compartimentos separados por quebra-ondas no sentido transversal e
interligados por aberturas inferiores de diâmetro 400mm de forma à garantir o
abastecimento contínuo da bomba e passagens à meia altura para acesso humano aos
compartimentos.
Equipado com chassi auxiliar sob berços de apoios transversais, construídos em
perfilados de Aço Carbono dobrados à frio, sendo os berços tipo costelas de perfis U
sobre chapas de reforço montados ao tanque por soldagem de alta fusão e de cordão
contínuo e o chassi com longarinas de perfis U de aba superior dupla, espessura 1/4",
interligadas aos berços por nervuras apropriadas.
A fixação do chassi auxiliar ao chassi do veículo é feita por meio de sapatas e
parafusos apropriados com elementos flexíveis estrategicamente posicionados.
BOMBA DE INCÊNDIO
Acionada pelo motor do próprio veículo/chassi através do PTO (Power-Take-Off), ou
seja, TDF (Tomada de Força) do Câmbio, de fornecimento opcional.
Utiliza cardans homocinéticos automotivos com cruzetas, ponteiras e luvas de aço
forjado e dispõe de acelerador microajustável, para operar também com o veículo
parado, instalado externamente para operação à nível de solo e próximo ao Carretel de
Mangotinho.
Centrífuga, de único rotor e de alto desempenho, projetada especialmente para operar
com economia de água e eficácia no controle de queimadas e de combate à incêndios
em canaviais, florestas, áreas de preservação ambiental, etc, bem como executar
lavação de máquinas, pisos, instalações em geral.
Robusta e resistente à corrosão e abrasão, inclusive de água suja, construída com
corpo em ferro fundido Cinzento GG25 e rotor em ferro fundido Nodular GGG40
devidamente balanceado. Bomba montada diretamente ao eixo da caixa de
transmissão, sem interposição de correias, correntes ou acoplamentos.
Vedação da bomba com eixo acionado por sêlo mecânico apropriado com vedação de
Viton, apoiado sobre luva para proteção contra desgastes tanto do eixo como do sêlo.
Possui bocal de sucção diâmetro 65mm com flangeamento incorporado/estojado e de
recalque diâmetro 40mm com flange normalizado.
AUTO-CARREGAMENTO DO TANQUE D’ÁGUA
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 126 -
O auto-carregamento do tanque por captação de água à partir de níveis inferiores como
mananciais, rios, açúdes, etc é realizado pelo Escorvador Vácuo-Ar Freio (Patente
Requerida) equipado com mangote de sucção diâmetro 3" x 6,0 metros com acoplador
engate rápido Kanlock em duralumínio e Crivo de Sucção Especial diâmetro nominal 3"
na extremidade.
O Escorvador Vácuo - Ar Freio executa o escorvamento da bomba utilizando o ar
excedente do sistema de freio do veículo como meio de arraste/aspiração do ar contido
na tubulação e no mangote de sucção, gerando o vácuo necessário para tornar o
processo de escorvamento da bomba rápido, fácil e seguro. De construção compacta e
robusta em materiais anticorrosivos é instalado de forma a não interferir no sistema de
freio do veículo utilizando válvula governadora homologada.
O Crivo de Sucção Especial foi desenvolvido para evitar captação de resíduos ou
detritos como folhas, ramos, etc, bem como eliminar a “válvula de pé/fundo de poço”
que além do desconforto pelo peso elevado exige habilidade do operador para mantêla em posição de vedação (vertical). De construção leve e robusta em materiais
anticorrosivos. O tempo de escorva da bomba é de ± 15 segundos considerando um
desnível de ± 4,5 metros e as demais condições acima.
TUBULAÇÕES DE SUCÇÃO E RECALQUE DA BOMBA
As válvulas, tubulações e conexões utilizadas em todo o fluxograma hidráulico e suas
respectivas ligações atendem as seguintes especificações:
Válvulas:
Linhas de sucção e recalque equipadas com válvulas esféricas de passagem plena, de
fecho rápido 1/4 de volta, em latão cromado, vedação de Teflon com alavanca de
comando manual e abertura regulável.
Flanges:
Construídos em Aço Carbono, com junções soldadas às tubulações (sem roscas).
Forma construtiva especial para assimilar choques, vibrações e torções.
Vedação por anéis o’rings em assentos rebaixados.
Tubulação:
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 127 -
Tubos de aço ST00 conforme norma DIN 2440.
Curvas e conexões soldados em aço conforme Schedule 40.
Soldagem por arco elétrico de alta penetração com procedimentos e eletrodos
apropriados.
CANHÃO MONITOR COM ESGUICHO REGULÁVEL
Para maximizar os desempenhos de alcance, rapidez e eficácia no combate a
incêndios à distância, o equipamento será dotado de um canhão com esguicho
regulável instalado no ponto mais alto, sobre o compartimento da bomba de incêndio,
de forma fixa, porém permitindo amplas condições de manobras pelo operador ao nível
do piso superior e à sua volta. O canhão deve possuir travas de segurança que
permitem fixá-lo em qualquer posição escolhida tanto no plano horizontal como no
plano vertical.
Sua construção será de corpo tubular schedule 40 em aço tratado e revestido, juntas
rotativas de bronze com vedação por anéis o’rings comerciais de fácil manutenção.
Seus comandos são manuais, simples e seguros, com alavancas e manoplas
adequadamente posicionadas para movimentos horizontais, verticais, freios de posição
e esguicho. Deverá dispor de válvula de alimentação exclusiva, com diâmetro 2 ½",
para regulagens e/ou interrupção do fluxo de bombeamento de comando manual e ao
alcance do operador do canhão. Deverá ter Vazão nominal/máxima: 750 GPM
(2850l/min).
LINHA DE MANGUEIRA
Disponível para atender operações que necessitem utilizar mangueira lateral de 1 ½"
como no combate à incêndios específicos, abastecimentos de água, etc.
Localizada no compartimento de bomba, lado do piloto, em nível ligeiramente superior
ao chassi do tanque dispõe de engate rápido tipo storz, diâmetro 1 ½" com válvula
diâmetro 2" (ítem 3.5.2.b). Deve proporcionar desempenhos de vazão de até 950 LPM
e alcance em jato pleno de até 40 metros.
CAMINHÃO
Caminhão Mercedes Mod. 1718 (cavalo) ou similar.
ACABAMENTO E PINTURA
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 128 -
Os equipamentos serão fornecidos pintados conforme padrão do fabricante,
considerando ambiente de Orla Marítima – Industrial. As cores finais serão conforme as
Normas do Corpo de Bombeiros ou NFPA.
/home/elanlopes/Área de Trabalho/Audiência Pública/especificações técnicas correia transportadora.doc
ANEXO B - 129 -
Was this manual useful for you? yes no
Thank you for your participation!

* Your assessment is very important for improving the work of artificial intelligence, which forms the content of this project

Download PDF

advertisement