praça dos esportes e da cultura anexo xiii - memorial

praça dos esportes e da cultura anexo xiii - memorial
PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA
ANEXO XIII - MEMORIAL DESCRITIVO E
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA
PROJETO: ESGOTO E ÁGUA PLUVIAL
Modelo: 3.000 m2
SUMÁRIO
SUMÁRIO .................................................................................................... 2
2.1 Tubo e Conexão de PVC de Esgoto .........................................................................................................................4
2.2 Caixas de inspeção, caixas de areias e poços de visita...............................................................................................5
2.3 Caixa e Ralo .............................................................................................................................................................6
2.4 Grelha ......................................................................................................................................................................6
2.5 Juntas........................................................................................................................................................................7
2.6 Funilaria ...................................................................................................................................................................7
3.1 Escopo de Fornecimento ..........................................................................................................................................7
3.2 Programação dos Serviços .......................................................................................................................................8
3.3 Fornecimento de Equipamentos e Materiais ...........................................................................................................8
3.4 Equipamento ou Material Equivalente .....................................................................................................................8
3.5 Equipamentos ou Material Faturado Diretamente ao Contratante .............................................................................9
3.6 Passagem de Tubulação ...........................................................................................................................................9
3.7 Obturação de Tubulação ..........................................................................................................................................9
3.8 Tubulação em Valas.................................................................................................................................................9
3.9 Apoio de Tubulação ..............................................................................................................................................10
3.10 Tubulação Aparente ...............................................................................................................................................10
3.11 Pintura de Tubulação............................................................................................................................................10
3.12 Corte, Rosqueamento, Conexão e Junta. ..............................................................................................................11
3.13 Instalação de Esgoto.............................................................................................................................................11
3.14 Instalação de Água Pluvial...................................................................................................................................13
4.1 Generalidades.........................................................................................................................................................13
4.2 Inspeção Visual ......................................................................................................................................................13
4.3 Ensaios ...................................................................................................................................................................14
4.4 Testes nas Tubulações............................................................................................................................................15
4.5 Equipamentos/Aparelhos .......................................................................................................................................16
4.6 Documentação Técnica .........................................................................................................................................16
1 INTRODUÇÃO
Este MEMORIAL DESCRITIVO define um conceito de projeto dentro de padrões
MÍNIMOS DE SEGURANÇA, em obediência as Normas Técnicas Nacionais ou Internacionais,
estabelecendo condições técnicas mínimas exigíveis, a fim de assegurar um bom desempenho,
segurança na operação do sistema, facilidade de manutenção, bem como flexibilidade de
modificações futuras.
As procedências dos materiais e equipamentos aqui definidas, são diretamente
relacionadas com as especificações técnicas envolvidas, não sendo permitido em hipótese
alguma alterações dessas procedências, salvo quando plenamente justificadas conforme os
critérios estabelecidos neste MEMORIAL DESCRITIVO.
O MEMORIAL DESCRITIVO faz parte integrante do projeto, sendo que com a
contratação destes serviços, a CONTRATADA automaticamente assumirá na íntegra o conteúdo
deste, dentro da maior amplitude de discernimento e entendimento, sendo que para os casos
omissos ou contraditórios com os desenhos do projeto, deverá submeter a apreciação do
CONTRATANTE ou do PROJETISTA para dirimir as dúvidas. Caso venha ainda perdurar as
dúvidas, prevalecerão os preceitos de Normas Técnicas e/ou do funcionamento e facilidade de
reposição e manutenção.
Cabe a CONTRATADA desenvolver uma engenharia de campo, específica para
montagem destas instalações baseado neste projeto, assegurando todas as condições técnicas
aqui estabelecidas.
2 ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS
Os materiais a serem empregados adiante especificados, foram escolhidos de
maneira que satisfaçam os padrões aconselhados pela técnica moderna, dentro do tipo de
instalação em questão. Em caso de dúvidas ou omissões, serão empregados materiais de boa
qualidade de forma que a instalação em conjunto obedeça ao que prescreve as Normas
Brasileiras e os regulamentos das Cias Concessionárias.
Todos os materiais e equipamentos a serem utilizados nesta Instalação, devem
atender as especificações adiante, bem como as prescrições da norma da ABNT no que diz a
respeito.
Os materiais e equipamentos constantes nesta especificação que não tenham
gravações em alto ou baixo relevo e/ou selo de conformidade do INMETRO ou gravação em
tinta caracteristicamente do fabricante, as procedências devem ser comprovadas com notas
fiscais.
As marca ou fabricante aqui especificado, deverá ser referência de qualidade
mínima para o fornecimento, devendo alternativas ser de aprovação expressa da fiscalização da
obra.
É necessário que haja uma padronização de fabricantes, submetendo uma lista
prévia de procedências ao CONTRATANTE e/ou FISCALIZAÇÃO, com risco de vir a ser exigido
posteriormente as respectivas substituições.
2.1 Tubo e Conexão de PVC de Esgoto
2.1.1 TUBO
Descrição
Sistemas prediais para esgoto sanitário e ventilação.
Tubos e conexões de PVC conforme Norma NBR 5688/Jan/99 - Série Normal.
Características
O sistema é composto por tubos de PVC com comprimentos comerciais de 3 e 6
metros.
Os tubos e conexões para esgoto sanitário e ventilação dividem-se em duas
linhas:
Esgoto secundário (DN 40), com bolsa soldável.
Esgoto primário (DN 50, 75, 100 e 150), com bolsa de dupla atuação: soldável ou
junta elástica.
Uma diversificada linha de conexões completa o sistema. No caso de esgoto
secundário aplica-se o Adesivo Plástico
Para esgoto primário (bolsa de dupla atuação) aplica-se Adesivo Plástico ou Anel
de Vedação
Aplicação
O sistema é aplicado em instalações prediais de esgoto
O sistema é composto por tubos de PVC com comprimentos comerciais de 3 e 6
metros, nos diâmetros conforme tabela.
Diâmetro
nominal
(DN)
40
Diâmetro real
(dem)
e
(mm)
40,0 mm
1,2
50
50,7 mm
1,6
75
75,5 mm
1,7
100
101,6 mm
1,8
150
150,0 mm
2,0
DN – Diâmetro nominal – É uma referencia adimensional, comercial.
Não deve ser objeto de medição nem de utilização para fins de cálculo.
dem – Diâmetro externo médio
2.1.2 CONEXÃO
Deve possuir bolsa de dupla função, que possibilite a escolha entre junta elástica
ou soldada.
A aplicação do tubo e conexão de PVC "comum" e da "Série R", deverá ser de
acordo com o que indica o projeto.
2.1.3 JUNTA
Utilizam-se juntas de anel de borracha.
2.2 Caixas de inspeção, caixas de areias e poços de visita
Caixas de areia:
as caixas de areia serão de seção quadrada, em concreto pré-moldado ou
alvenaria de tijolos maciços com paredes de espessura mínima de 10cm. Deverão
possuir em seu fundo, canaleta de passagem.
Utilizar tampão de ferro fundido T-120 em local de tráfego pesado, T-70 em local
de tráfego.
Caixas de Inspeção:
Deverão ser retangulares ou quadradas, sendo construídas em anéis de concreto
armado, pré-moldado, com fundo do mesmo material ou de alvenaria, de tijolos ou
blocos de concreto com paredes no mínimo de 10cm de espessura.
Para profundidade máxima de 1,00m, as caixas de inspeção de forma quadrada
terão 0,60m de lado, no mínimo, e as de forma circular, 0,60m de diâmetro.
Para profundidade superior a 1,00m, as caixas de forma quadrada terão 1,10m de
lado, no mínimo, e as de forma circular, 1,10m de diâmetro no mínimo.
Tampão de ferro fundido facilmente removível e permitindo composição com o
piso circundante. T-120 em local de tráfego pesado e T70 em local de tráfego
leve.
Caixas Sifonadas
Serão de concreto ou PVC, com bujão para limpeza e tampa de fechamento
hermético;Deverá conter fecho hídrico com altura mínima de 10cm;Quando a
seção horizontal for circular, o diâmetro interno será de 25cm, no mínimo, e,
quando poligonal, deverá permitir a inscrição de um circulo de 20cm de diâmetro
no mínimo;Tampa de PVC, alumínio ou de ferro fundido removível, de fechamento
hermético;Orifício de saída com diâmetro igual ao do ramal correspondente.
2.3 Caixa e Ralo
2.5.1 SIFONADO PVC
Serão de acordo com as Normas Brasileiras e dotadas de uma peça
monobloco com um anel de fixação do porta-grelha e a grelha, e com sifão
dotado de um plug de inspeção e limpezas eventuais. Diâmetros nominais de
100 mm e 150 mm.
2.5.2 SECO PVC
Serão de acordo com as Normas Brasileiras e dotadas de uma peça
monobloco com altura regulável ou não. Diâmetros nominais de 100 mm e
quadrados de 100 x 100 mm.
2.4 Grelha
2.6.1 HEMISFÉRICA
Será em ferro fundido, formato hemisférico com diâmetro de acordo com a
tubulação onde será aplicada.
2.6.2 LINEAR
Quando fizer parte do escopo de fornecimento, será de ferro chato soldado,
conforme projeto de Arquitetura.
2.5 Juntas
2.7.1 DE EXPANSÃO DE BORRACHA
Corpo em cloroprene, reforçado internamente com telas de material sintético e
anéis de aço, com terminais e flanges em aço carbono ASTM-A36, furados e
roscados conforme a norma ANSI-B16,5, classe 150.
2.6 Funilaria
Quando fizer parte do escopo de fornecimento, as calhas, rufos e contra-rufos,
deverão ser executadas em chapa de cobre no. 24 de aço inox.Os rebites serão
auxiliares de montagem.Após sua instalação, todas as juntas e emendas deverão
ser soldadas.
3 EXECUÇÕES DE SERVIÇOS
3.1 Escopo de Fornecimento
O presente MEMORIAL DESCRITIVO engloba o fornecimento de todos os
materiais, equipamentos, mão-de-obra, montagem e testes, incluindo despesas
de transportes de qualquer natureza, inclusive transportes horizontais e verticais
no canteiro de obra.
Prêmios de seguros, bem como os encargos sociais e fiscalização, incidente
direta para a completa execução das Instalações Hidráulicas, de modo a entregar
a obra em perfeito estado de funcionamento de acordo com o projeto específico.
As Instalações Hidráulicas abrangidas neste escopo de fornecimento, além
daquelas descritas no MEMORIAL DESCRITIVO do Projeto deverão ainda, incluir,
o fornecimento dos seguintes materiais/serviços:
a) tacos de peroba em forma de cunha para fixação dos aparelhos à parede ou
piso;
b) tubos flexíveis, tipo engate para ligação de mictórios, lavatórios, bebedouros e
bacias, do tipo caixa acoplada;
c) canoplas cromadas para vedação de plugs de tomadas de esgoto e de água,
quando houver;
d) materiais necessários à perfeita montagem dos aparelhos, equipamentos e
assenta-mento/fixação de tubulações;
e) rasgos e passagens nas lajes e alvenarias, bem como a escavação,
fechamento e apiloamento de valas;
f) fornecimento de todos os materiais e equipamentos, conforme relacionado na
Planilha Quantitativa específica (quando houver);
g) fornecimento de toda a pintura de tubulação, de acordo com cores previstas
pelas Normas Brasileiras, bem como fornecer toda a sinalização e montagem
do sistema de proteção contra incêndio;
h) construção de caixas de inspeção, poços de visita, bocas de lobo, etc;
i) providências junto as Concessionárias de serviços de água, esgoto, gás e
Corpo de Bombeiros para execução de vistorias e/ou ligação definitiva.
j) As despesas, taxas e/ou emolumentos pagos à Concessionária de Água,
Esgoto e Corpo de Bombeiros, serão reembolsados pelo CONTRATANTE à
INSTALA-DORA, mediante contra apresentação dos respectivos recibos.
3.2 Programação dos Serviços
A CONTRATADA deverá programar adequadamente os seus serviços, levando
em consideração as outras obras envolvidas tais como: de Construção Civil, de Ar
Condicionado, de Instalações Elétricas, etc., com finalidade de desenvolver uma
obra única, e de modo a evitar e/ou pelo menos prever com antecedência os
eventuais imprevistos, evitando-se assim, problemas que poderão influir no bom
andamento das obras.
3.3 Fornecimento de Equipamentos e Materiais
O fornecimento de equipamentos deverá sempre incluir; o projeto, a fabricação, a
montagem, os testes de fábrica, a embalagem e transporte, além da supervisão
de montagem, calibração e testes em campo, com todos os acessórios e
componentes necessários.
A CONTRATADA deverá providenciar junto a empresa contratada, o fornecimento
de desenhos, catálogos técnicos, esquemas elétricos, para que o
CONTRATANTE possa avaliar antecipadamente o equipamento ofertado.
Quando alguns materiais e/ou serviços não estejam expressamente mencionados
nas especificações ou no projeto, deverão ser fornecidos tal como se fosse, sem
que isso venha comprometer o bom desempenho ou funcionamento da
instalação, sem quaisquer ônus adicionais para o CONTRATANTE.
O CONTRATANTE terá o direito em qualquer hipótese de aprovar previamente
todo material ou equipamento a ser instalado.
3.4 Equipamento ou Material Equivalente
a) Todas as características dos materiais e equipamentos indicados no presente
MEMORIAL DESCRITIVO e/ou PROJETO, são necessárias e suficientes para
aquisição e/ou instalação por parte da CONTRATADA. Em caso de dúvidas e,
ANTES DA CONTRATAÇÃO deverá ser esclarecido com o CONTRATANTE e,
este verificará se o equipamento e/ou
instalação proposto apresenta
características necessárias ao bom preenchimento das funções a que foi
projetado.
b) A substituição por equipamento ou material equivalente, somente será
aprovada pelo CONTRATANTE e sem ônus ao mesmo, desde que não seja
alterada a confiabilidade do sistema, não altere o conceito técnico do projeto
desenvolvido e apresentem ainda o seguinte:
- mesmas características;
- mesmo desempenho operacional;
- mesma vida útil;
- mesmas condições de manutenção.
c) Somente serão aceitos equipamentos ou materiais por outros equivalentes,
quando a contratada apresentar ANTES DA CONTRATAÇÃO atestados,
ensaios e testes, de pelo menos 02 (duas) entidades públicas tecnicamente
reconhecidas concernente ao propósito pretendido.
A não contestação da equivalência ANTES DA CONTRATAÇÃO, o PROPORNENTE ficará obrigado a fornecer os equipamentos e materiais de fabricantes
indicados neste MEMORIAL DESCRITIVO.
3.5 Equipamentos ou Material Faturado Diretamente ao Contratante
Caberá à CONTRATADA transportar os equipamentos ou materiais desde a
origem até o local da instalação, com acompanhamento do fabricante e proceder
a referida instalação.
Na eventualidade de ocorrer danos nesses equipamentos ou material, a
CONTRATADA deverá repará-los ou mesmo substituí-los por sua conta.
3.6 Passagem de Tubulação
a) Nas passagens de tubulações em ângulos, nas vigas ou pilares, deixar
previamente instaladas as tubulações.
b) Nas passagens perpendiculares, em lajes, deverão ser deixadas caixas de
madeiras, buchas ou bainhas com dimensões apropriadas, executadas e
colocadas antes das concretagen.
c) Nas passagens perpendiculares, nas vigas ou pilares, deixar tubo de
passagem com diâmetro de uma bitola acima da tubulação projetada.
d) No caso de embutir tubulações de diâmetros acima de 2" em alvenaria, na
execução desta última, recomenda-se ser deixados os rasgos necessários.
e) Nas passagens verticais em lajes as tubulações até 1.1/2", inclusive o
enchimento dos rasgos para fixação das tubulações, deverá ser feito o
enchimento total dos vazios com argamassa de cimento e areia para impedir a
passagem de fumaça em caso de incêndio.
f) Nas passagens verticais em lajes as tubulações com diâmetro superior a 1
1/2", além do referido enchimento do item anterior, levarão grapas de ferro
redondo 3/16", em número e espaçamento adequado para manter inalterado a
posição do tubo.
3.7 Obturação de Tubulação
Durante a instalação as extremidades livres das tubulações, deverão ser tapadas
adequadamente com plugs ou tampões, a fim de evitar obstruções. Não será
permitido o uso de papel ou madeira para essa finalidade.
3.8 Tubulação em Valas
a) O assentamento sob a terra, de ramais horizontais de tubulações deverá ser
apoiado sobre lastro de concreto (magro) contínuo com espessura média de 6
cm e largura igual ao diâmetro do tubo mais 30 cm, sendo no mínimo 60 cm.
A superfície desse lastro, na face em contato com a tubulação deverá ser
cuidadosamente conformada de maneira a adaptar-se a geratriz do tubo.
Longitudinalmente a superfície citada deverá ser trabalhada de modo a garantir
as declividades para os diversos trechos de rede, conforme o projeto.
b) O fundo da vala para o assentamento citado no item anterior, deverá ser bem
apiloado antes da execução do lastro de concreto.
c) Se ocorrer o assentamento de tubos tipo ponta e bolsa, deve-se executá-lo de
jusante para montante com as bolsas voltadas para o ponto mais alto.
d) O reenchimento da vala será feito usando-se material de boa qualidade, em
camadas de 20 cm sucessivas e cuidadosamente apiloadas e molhadas,
estando isentas de entulhos, pedras, etc, a tubulação deverá receber um
envoltório de concreto magro com a espessura mínima de 20 cm ou maior.
e) As tubulações de ferro galvanizado assentadas sob a terra, deverão ser
protegidas contra ataques corrosivos da seguinte forma:
- eliminar os óxidos e sujeiras da tubulação, deixando a superfície limpa.
- aplicar uma camada de tinta base-asfáltica, ou pixe, com total recobrimento
da superfície externa da tubulação.
- aplicar um envoltório de tecido de juta embebido na tinta asfáltica.
- aplicar nova camada de tinta base-asfáltica.
f)
Para tubulações instaladas perpendicularmente, as juntas de dilatação do
edifício, deverão ser utilizadas juntas de expansão axial simples, adequadas
as bitolas e pressões aplicáveis a cada caso.
Deverão ser previstas também as instalações de pontos fixos e guias,
conforme orientação dos fabricantes.
3.9 Apoio de Tubulação
Quando se tratar de assentamento de ramais horizontais, apoiados sobre lajes, o
apoio deverá ser sobre lastro contínuo de tijolos com argamassa de cal e areia.
3.10 Tubulação Aparente
No caso de ramais suspensos em lajes ou tetos, a fixação será por braçadeiras ou
tirantes de aço ou outro dispositivo que lhes garanta perfeita estabilidade,
prevalecendo sempre o que for especificado no projeto.
3.11 Pintura de Tubulação
A pintura de tubulações deverá obedecer a Norma NBR-6493 da ABNT,
complementada pela Norma DIN-2403 e seguir as orientações e especificações
dos projetos.
3.12 Corte, Rosqueamento, Conexão e Junta.
a) O corte de tubulações só poderá ser perpendicularmente ao seu eixo, sendo
apenas rosqueada a porção que ficará coberta pela conexão.
b) A junta na ligação de tubulações deverá ser executada de maneira a garantir a
perfeita estanqueidade, tanto para passagem de líquidos como de gases.
c) A junta na ligação de tubulações de ferro galvanizado deve ser feita com
conexões apropriadas, do tipo rosqueada, levando proteção de zarcão e
estopa de cânhamo ou ainda fita de teflon.
d) A junta para tubulação de PVC rígido deverá ser executada:
- com adesivo e solução limpadora nas tubulações de instalação de água fria
(para tubos soldáveis).
- com adesivo e solução limpadora ou com anéis de borracha nas tubulações
das instalações de águas pluviais ou de esgoto.
e) Curvas e Flanges
- não serão permitidas curvas forçadas nas tubulações;
- nas tubulações de recalque e sucção de bombas deverão ser utilizadas
curvas de raio longo quando houver deflexão;
- na montagem de equipamentos como bombas, caixas d'água, bebedouros,
etc., deverão ser instaladas uniões e flanges, a fim de facilitar a
desmontagem dos mesmos.
f)
Aparelhos
- a colocação dos aparelhos sanitários deve ser feita com o máximo de
esmero, a fim de dar acabamento de primeira qualidade.
3.13 Instalação de Esgoto
Além dos procedimentos citados nos itens “Tubulação e Ramal” e
Rosqueamento, Conexão e Junta”, devem ser observados os seguintes:
“Corte,
3.13.1 RAMAIS
Os ramais deverão ser executados conforme indicações do projeto, obedecendose as seguintes declividades mínimas:
- Tubos até 3", inclinação de 2%
- Tubos acima de 3", inclinação de 1%
As declividades de todos os trechos deverão ser uniformes, não sendo aceitáveis
quando possuírem depressões.
Os dispositivos de inspeção, na parte do esgoto primário ou nos trechos de
ramais de esgotos anteriores a ralos sifonados, deverão ser constituídos de "Tê"
com plug de inspeção, adequadamente vedados.
Não será permitido o emprego de conexões em cruzetas ou "Tês" retos (90o).
Todas as colunas deverão seguir a prumo, até o pavimento onde os desvios e
interligações de ramais, serão executados através de curvas e junções de 45o.
As furações nas vigas, deverão ser executadas em secção adequadas e ter
dimensões uma bitola acima daquela da tubulação.
Todos os ramais de esgoto deverão ser recolhidos através de caixas de inspeção
e encaminhados a rede pública coletora de esgotos (ou ao sistema fossa
séptica/poço absorvente quando inexistir rede pública coletora).
Essas caixas de inspeção e o sistema fossa séptica/poço absorvente (quando
previsto) deverão ser construídos conforme detalhes constantes no projeto
específico.
3.13.2 COLUNA DE VENTILAÇÃO
Deverão ser prolongados na direção vertical, para cima da cobertura, os ramais
de grupos sanitários onde se incluem aqueles das bacias sanitários e ralos, de
maneira a formar as colunas de ventilação.
Toda coluna de ventilação deverá prolongar-se acima da cobertura e, sua
extremidade livre deverá ser protegida, através de terminal de ventilação
adequada.
O trecho do ventilador que fica acima da cobertura do edifício deverá medir, no
mínimo:
- 30 cm no caso de telhado ou de simples laje de cobertura;
- 200 cm no caso de laje utilizada para outros fins, além de cobertura.
A extremidade aberta de um tubo ventilador situado a menos de 4,00 m de
distância de qualquer janela, mezzanino ou porta, deverá elevar-se, pelo menos,
1,00 m acima da respectiva verga.
A canalização de ventilação deverá ser instalada de forma que:
- não tenha acesso à ela, qualquer despejo de esgoto;
- qualquer líquido que nela ingresse possa escoar por gravidade até o tubo de
queda, ramal de descarga ou desconectar em que o ventilador tenha origem.
Toda conexão do ramal horizontal de ventilação ao ventilador vertical deve ser
feito em cotas superiores aos respectivos pontos de esgoto.
3.13.3 REVESTIMENTO
Tubulações enterradas em aço galvanizado ou preto devem ser revestidas com
fita e base asfáltica, ou epóxi ou polietileno, etc. Quando aparentes ou em
canaletas em tubo preto, serão revestidos por base ante-óxido, que tenha cromato
de zinco.
3.14 Instalação de Água Pluvial
Além dos procedimentos citados nos itens “Tubulação e Ramal” e
Rosqueamento, Conexão e Junta”, devem ser observados os seguintes:
“Corte,
3.14.1 TUBULAÇÃO E COLUNA
Cuidado especial deverá ser tomado na execução das colunas, para que não
apareçam bolsas nos pavimentos quando as colunas de águas pluviais forem
aparentes no pavimento que estiver desviando.
Sempre que possível às bolsas deverão ser alinhadas.
3.14.2 COLETA E ENCAMINHAMENTO
Todas as águas pluviais provenientes do telhado devem desaguar em calhas com
inclinação mínima de 0,25%.
Os tubos de queda deverão ser fixados em posição à prumo, dirigindo-se para o
terreno.
4 PROCEDIMENTOS DE ENTREGA DA OBRA
4.1 Generalidades
Toda instalação nova, ampliação ou alteração de instalação existente, devem ser
visualmente inspecionadas e ensaiadas, durante e/ou quando concluída de forma
a se verificar, tanto quanto possível, a conformidade com as prescrições das
Normas Brasileiras de instalação de água fria.
Durante a realização da inspeção e dos ensaios devem ser tomadas precauções
que garantam a segurança das pessoas e evitem danos à propriedade e aos
equipamentos instalados.
Quando a instalação a verificar constituir uma extensão ou alteração de uma
instalação existente, deve ser verificado se esta não anula as medidas de
segurança da instalação existente.
4.2 Inspeção Visual
- A inspeção visual deve preceder os ensaios.
- A inspeção visual deve ser realizada para confirmar se os componentes
hidráulicos permanentemente ligados estão:
a) em conformidade com os requisitos de segurança das normas aplicáveis;
b) corretamente selecionados e instalados de acordo com as normas aplicáveis;
c) não visualmente danificados, de modo a restringir sua segurança.
- A inspeção visual deve incluir, no mínimo, a verificação dos seguintes pontos,
quando aplicáveis:
a) correta execução das conexões;
b) conveniente acessibilidade para operação e manutenção.
4.3 Ensaios
4.3.1 GENERALIDADES
Os ensaios, testes e inspeções na obra especificada serão de responsabilidade
exclusiva da CONTRATADA e são definidos como testes de inspeção requeridos
para determinar se o equipamento/ instalação, poderá ser pressurizado para os
ensaios operacionais.
Todo equipamento será ensaiado sob condições simuladas que espelhem as
situações reais de funcionamento, ajustando de acordo com as especificações do
projeto.
Esses ensaios serão assegurados que a mão-de-obra, os métodos, as inspeções
e os materiais empregados nas instalações dos equipamentos, obedecerão as
boas técnicas de execução, bem como os padrões exigidos pela ABNT ou as
Normas Internacionais onde couber, bem como a prática do CONTRATANTE.
Todos os ensaios serão executados sob a supervisão do CONTRATANTE,
assistidos por seus engenheiros e serão executados somente por pessoas
qualificadas e, com experiências no tipo do teste a efetuar.
Todas leituras tomadas, serão incluídas num relatório com completa informação
do equipamento testado e, entregue cópias do relatório ao CONTRATANTE.
A firma CONTRATADA fornecerá todo o pessoal, material, serviços, instrumentos
de testes necessários e será responsável pela montagem destes equipamentos e,
de qualquer outro trabalho de preparação para os ensaios em questão.
Todos os ensaios deverão ser planejados pela CONTRATADA e submetidos o
cronograma de datas para prévia aprovação do CONTRATANTE.
Em todos os ensaios de equipamentos será exigido um responsável credenciado
do Fabricante para acompanhar os testes na obra.
Os testes em obra não isentarão a CONTRATADA de efetuar e comprovar os
testes de fábrica.
Os equipamentos/instalações que não forem aprovados nos ensaios, serão
imediata-mente reparados, ajustados ou substituídos para novo teste, até a
aceitação final.
Relação de ensaios de equipamentos/instalações mínimas a serem efetuados
será conforme adiante discriminados, ficando a critério da CONTRATADA de
acrescentar ou não esta relação.
Todos os ensaios serão efetuados conforme descrito anteriormente e de acordo
com as Normas Brasileiras pertinentes ou Normas Internacionais quando
exigidas.
4.4 Testes nas Tubulações
Os referidos testes serão exigidos antes do revestimento da alvenaria, com
aplicação de provas de pressão interna, em todas as instalações abaixo citadas:
4.4.1 TUBULAÇÃO DE ESGOTO
Toda instalação de esgoto e ventilação, antes de colocar em funcionamento, deve
ser inspecionada e ensaiada de acordo com o que prescreve a NBR-8160 e
conforme segue.
Antes da instalação de aparelhos podem ser utilizado um dos seguintes ensaios:
a) Ensaios com Água
Este ensaio poderá ser aplicado nas instalações como um todo ou por seções,
com preenchimento de água em toda tubulação, sob pressão mínima de 6 m.c.a.
durante 15 minutos. Poderá ser exigida pressão superior a 6 m.c.a., sempre que
for verificado, que um entupimento em um trecho da tubulação pode ocasionar
uma pressão superior a esta.
b) Ensaios com Ar Comprimido
Os procedimentos de ensaios são semelhantes ao item “Ensaios com Água”,
porém com pressão de ar comprimido de 3,5 m.c.a., durante 15 minutos.
c) Ensaio com Fumaça
Após a instalação de todos os aparelhos, e preenchimento de todos os fechos
hídricos com água, introdução de fumaça sob pressão mínima de 25 mm da
coluna de água, durante 15 minutos.
4.4.2 TUBULAÇÃO DE ÁGUA PLUVIAL / DRENAGEM
Podem ser adotados os mesmos procedimentos de ensaios de tubulação de
esgoto.
4.5 Equipamentos/Aparelhos
Deverão ser efetuados os testes de operação e de funcionamento.
4.6 Documentação Técnica
A CONTRATADA deverá fornecer ao CONTRATANTE para efeito de Entrega da
Obra a documentação técnica abaixo relacionada, assinada por profissional
devida-mente habilitado.
a) Desenho "as built" de toda instalação;
b) Relatórios de Ensaios e/ou Testes de Fabricantes;
c) Relatórios de Ensaios e/ou Testes descritos no item “Teste nas Tubulações”;
d) Manuais Técnicos de Montagem e Manutenção dos Equipamentos;
e) Certificado de Garantia dos produtos utilizados;
f) Certificado de marca de conformidade.
Was this manual useful for you? yes no
Thank you for your participation!

* Your assessment is very important for improving the work of artificial intelligence, which forms the content of this project

Download PDF

advertisement