caderno de especificações instalações elétricas

caderno de especificações instalações elétricas
CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
HC – Ala A
HOSPITAL DE CLÍNICAS DE MARÍLIA
Marília/SP
PROJETO:
ENGEST ENGENHARIA LTDA
Eng. Eletricista Ricardo Stroppa
Rua Santa Isabel, 292 – sala 102 - Bairro Boa Vista
17501-540 MARÍLIA SP
Fone/Fax: (14) 3432-1728
email: [email protected]
Caderno de Especificações – Instalações Elétricas
OBJETIVO - DOCUMENTOS DO PROJETO
CONTEÚDO
1.
2.
3.
4.
5.
OBJETIVO
DOCUMENTOS DO PROJETO
DESCRIÇÃO BÁSICA DO PROJETO
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS
1. OBJETIVO
Este Caderno de Especificações tem o objetivo de descrever os serviços e apresentar
os critérios adotados na elaboração do projeto de instalações elétricas para reforma da
Ala A do Hospital de Clínicas de Marília, em Marília/SP.
Os projetos foram elaborados obedecendo as Normas Técnicas da ABNT e as
diretrizes básicas apontadas pelo projeto arquitetônico.
No caso de existirem divergências entre este Caderno de Especificações e os
Desenhos, prevalecerá o aqui especificado.
2. DOCUMENTOS DO PROJETO
O Projeto é constituído deste Caderno de Especificações e Desenhos distribuídos nas
seguintes pranchas:
•
•
•
ELT-1/3 – Plantas e detalhes gerais de instalações elétricas: interferências,
condutos, enfiação, pontos de utilização;
ELT-2/3 – Planta e detalhes gerais de outros sistemas: sonorização,
sinalização acústico-visual, telefonia, TV;
ELT – 3/3 – Quadros de carga; Diagrama unifilar;
2/13
Caderno de Especificações – Instalações Elétricas
DESCRIÇÃO BÁSICA DO PROJETO
3. DESCRIÇÃO BÁSICA DO PROJETO
Generalidades
O projeto foi elaborado de forma a atender as condições estabelecidas pela ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas – para instalações elétricas de baixa tensão,
bem como, as diretrizes e especificações do Projeto Básico de Arquitetura.
Alimentação
A alimentação elétrica para atendimento das instalações propostas deve ser derivada
de subestação transformadora existente (fonte NORMAL) e, no caso dos circuitos de
segurança, derivada de gerador independente existente (fonte de SEGURANÇA). O setor
técnico competente deve confirmar a disponibilidade de potência de cada uma das fontes
(normal e de segurança), bem como, os detalhes para a derivação dos ramais, conforme
indicado no projeto.
A demanda de potência estimada das instalações derivadas da fonte NORMAL é de
57,2kVA. Seu ramal alimentador deve ser formado por cabos não-propagantes de
chama, livres de halogênio e com baixa emissão de fumaça e gases tóxicos, conforme
norma ABNT NBR 13248, isolação 0,6/1,0kV, seção 70mm² (para fases e neutro) e
35mm² (condutor de proteção).
A demanda de potência estimada das instalações derivadas da fonte de SEGURANÇA
(Emergência) é de 10,8kVA. Seu ramal alimentador deve ser formado por cabos nãopropagantes de chama, livres de halogênio e com baixa emissão de fumaça e gases
tóxicos, conforme norma ABNT NBR 13248, isolação 0,6/1,0kV, seção 10mm² (para
fases, neutro e proteção).
Quadros de distribuição e circuitos terminais
A previsão de carga obedece às disposições e necessidades dos usuários da instalação
e englobam basicamente pontos de iluminação, tomadas de uso geral, aparelhos de
aquecimento e equipamentos eletromédicos.
Estão previstas as instalações de Quadros de Distribuição, divididos de acordo com as
cargas que alimentam. São eles:
QD-N-A: Quadro da instalação que recebe a alimentação exclusivamente da
fonte NORMAL e alimenta cargas de iluminação, tomadas e aparelhos que
podem ser desligados quando da ocorrência de uma interrupção no
fornecimento de energia;
QD-E-A: Quadro da instalação que recebe a alimentação tanto da fonte
NORMAL quanto da fonte de SEGURANÇA e alimenta cargas de iluminação,
tomadas e aparelhos que não devem ser desligados quando da ocorrência de
uma interrupção no fornecimento de energia;
Outros sistemas: telefone, TV, chamada de enfermeiras e sonorização
Os pontos de telefone restringem-se aos localizados no posto de enfermagem e são
derivados de quadro telefônico a ser instalado. Este novo quadro telefônico deverá
substituir quadro telefônico existente e está localizado imediatamente ao lado deste.
Os pontos de TV localizados nos quartos serão atendidos por antena externa de TV,
prevista para ser instalada em área externa da edificação, preferencialmente próximo a
janela do posto de enfermagem.
O sistema de sinalização acústico-visual (chamada de enfermeiras) compreende a
instalação de uma central junto ao posto de enfermagem, acionadores (interruptores tipo
“pêra”) nos quartos (junto às cabeceiras dos leitos) e banheiros e, ainda, dos pontos de
3/13
Caderno de Especificações – Instalações Elétricas
DESCRIÇÃO BÁSICA DO PROJETO
luz (lanternas) localizados acima das portas dos quartos, voltados para a área de
circulação
O sistema de sonorização compreende a instalação de caixas acústicas (sonofletores)
alimentados pela central de sonorização do Hospital. A interligação da central com os
sonofletores está prevista para ser feita aproveitando-se o caminhamento da tubulação
telefônica existente, que interliga os vários setores e alas do Hospital.
4/13
Caderno de Especificações – Instalações Elétricas
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS
4. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS
4.1
DISPOSIÇÕES GERAIS
Os serviços deverão ser executados de acordo com as indicações dos Desenhos e
deste Caderno de Especificações. Qualquer alteração no projeto deverá manter o
conjunto da instalação dentro do estipulado pelas Normas Técnicas e necessita ser
justificada pela Construtora.
Todas as alterações executadas serão anotadas detalhadamente durante a obra
para facilitar a apresentação do cadastro completo do recebimento da instalação.
São permitidas alterações no traçado de linhas quando forem necessárias devido a
modificações na alvenaria ou na estrutura da obra, desde que não interfiram
sensivelmente nos cálculos já elaborados.
Após o término da instalação, deverão ser refeitos os desenhos, incluindo todas as
alterações introduzidas (projeto cadastral ou as-built), de maneira que sirvam de
cadastro para operação e manutenção da instalação.
4.2
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
As seguintes normas deverão ser obedecidas:
•
ABNT NBR 5410/04 Instalações Elétricas de Baixa Tensão
•
ABNT NBR 13534/95 Instalações elétricas em estabelecimentos assistenciais
de saúde – Requisitos para segurança
•
ANVISA – 2004 - Normas para projetos Físicos de Estabelecimentos
Assistenciais de Saúde
As instalações elétricas e de telecomunicações, compreendendo as instalações de
força e luz, telefones e outras serão executadas rigorosamente de acordo com os
respectivos projetos.
Todas as instalações elétricas serão executadas com esmero e bom acabamento,
os condutores, condutos e equipamentos cuidadosamente dispostos nas respectivas
posições e firmemente ligados às estruturas de suporte e aos respectivos pertences,
formando um conjunto mecânico e eletricamente satisfatório e de boa qualidade.
Todo o equipamento será preso ao local de instalação, provendo-se meios de
suspensão ou fixação condizentes com a natureza do suporte e com o peso e as
dimensões do equipamento considerado.
As partes vivas expostas dos circuitos dos equipamentos elétricos serão
protegidas contra contatos acidentais, seja pôr um invólucro protetor, seja pela sua
colocação fora do alcance das pessoas não qualificadas.
Serão empregados somente materiais rigorosamente adequados para a finalidade
em vista e que satisfaçam as normas da ABNT aplicáveis. Os serviços deverão ser
executados de acordo com o andamento da obra.
♦
Linhas Elétricas (Condutos)
As linhas elétricas (condutos) poderão ser aparentes, embutidas ou subterrâneas.
Os condutos embutidos e subterrâneos poderão ser: eletrodutos rígidos (isolantes
ou metálicos, exceto esmaltados) ou eletrodutos flexíveis (lisos ou corrugados),
desde que suportem os esforços de deformação característicos do tipo de construção
utilizado. Para instalações subterrâneas envelopadas em concreto, admite-se a
utilização de eletrodutos rígidos isolantes (PVC) ou metálicos galvanizados. Os
condutos aparentes poderão ser: eletrodutos rígidos isolantes (desde que não
propaguem chama), ou metálicos. Admite-se também perfis de aço galvanizado,
comumente denominados perfilados.
Condutos embutidos correrão embutidos nas paredes e lajes. Serão instalados
antes da concretagem, assentando-se trechos horizontais sobre as armaduras das
5/13
Caderno de Especificações – Instalações Elétricas
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS
lajes. Devem ser colocados de modo a evitar sua deformação durante a
concretagem, devendo ainda ser fechadas as caixas e bocas dos eletrodutos com
peças apropriadas para impedir a entrada de argamassas ou nata de concreto. As
partes verticais serão montadas antes de executadas as alvenarias de tijolos. As
junções dos eletrodutos embutidos devem ser efetuadas com auxílio de acessórios
estanques em relação aos materiais de construção.
A instalação dos condutos aparentes deverá ser feita por meio de abraçadeiras,
luvas (eletrodutos) e suportes específicos (perfilados) e as ligações dos mesmos com
as caixas através de arruelas apropriadas. A tubulação será instalada de modo a não
formar cotovelos, apresentando, outrossim, uma ligeira e contínua declividade para
as caixas.
Os eletrodutos rígidos só devem ser cortados perpendicularmente ao seu eixo,
retirando-se cuidadosamente todas rebarbas susceptíveis de danificarem a isolação
dos condutores.
Os eletrodutos rígidos serão emendados, quer por meio de luvas atarraxadas em
ambas as extremidades a serem ligadas, as quais serão introduzidas na luva até se
tocarem para assegurarem continuidade da superfície interna da canalização, quer
por qualquer outro processo que também garanta: perfeita continuidade elétrica;
resistência mecânica equivalente a da tubulação; vedação equivalente a da luva;
continuidade e regularidade da superfície interna.
Linhas elétricas subterrâneas devem ser instaladas a uma profundidade mínima
de 30cm e serem continuamente sinalizadas por um elemento de advertência (por
exemplo, fita colorida) não sujeito a deterioração, situado no mínimo a 10cm acima
delas.
Em cada trecho de tubulação, entre duas caixas, entre extremidades, ou entre
extremidade e caixa, podem ser previstas no máximo três curvas de 90º ou seu
equivalente até no máximo 270º. Não devem ser previstas curvas com deflexão
superior a 90º, exceto no topo do poste particular de entrada de energia, onde
poderá ser utilizada curva de 135º ou 180º. As curvas feitas diretamente nos
eletrodutos não devem reduzir efetivamente seu diâmetro interno.
♦
Caixas: passagem/derivação e de montagens
Devem ser empregadas caixas de derivação:
em todos os pontos de entrada ou saída dos condutores da tubulação, exceto
nos pontos de transição ou passagem de linhas abertas para linhas em
eletrodutos, os quais, nestes casos, devem ser rematados com buchas;
em todos os pontos de emenda ou derivação de condutores;
para dividir a tubulação em trechos não maiores do que 15m;
As caixas devem ser colocadas em lugares facilmente acessíveis e ser providas de
tampas. As caixas que contiverem interruptores, tomadas de corrente e congêneres
devem ser fechadas pelos espelhos que completam a instalação desses dispositivos.
As caixas de saída para alimentação de equipamentos podem ser fechadas pelas
placas destinadas a fixação desses equipamentos.
As caixas embutidas nas lajes serão firmemente fixadas nos moldes e deverão
estar centradas ou alinhadas nos respectivos cômodos.
Só poderão ser abertos os olhais destinados a receber ligações de eletrodutos.
As caixas embutidas nas paredes deverão facear o paramento da alvenaria – de
modo a não resultar excessiva profundidade depois de concluído o revestimento – e
serão niveladas e aprumadas.
As alturas das caixas em relação ao piso acabado serão as seguintes (tomadas do
bordo inferior da caixa):
Interruptores, tomadas médias e botão de campanhia: 1,10m
Tomadas baixas: 0,30m
Tomadas altas e arandelas: 2,10m
6/13
Caderno de Especificações – Instalações Elétricas
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS
As caixas de interruptores, quando próximas de alizares, serão localizadas a,
sempre que possível, no mínimo, 10cm desses alizares.
Diferentes caixas de um mesmo cômodo deverão estar perfeitamente alinhadas e
dispostas de forma a não apresentarem discrepâncias sensíveis no seu conjunto.
As caixas subterrâneas serão de alvenaria, revestidas com argamassa ou
concreto, impermeabilizadas e com previsão para drenagem. Serão usadas em todos
os pontos de mudança de direção dos condutos, bem como para dividi-los em
trechos não maiores do que 15m (para trechos maiores que 15m e com curvas devese empregar condutos de tamanhos nominais superiores àqueles suficientes para o
trecho). As dimensões internas das caixas serão determinadas em função do raio
mínimo de curvas do cabo usado, do número de condutos que passam pela caixa,
bem como de modo a permitir o trabalho de enfiação e deverão estar especificadas
em projeto. Deverão ainda, ser cobertas por tampas convenientemente calafetadas,
para impedir a entrada de água e corpos estranhos.
♦
Condutores
Os condutores serão instalados de forma que os isente de esforços mecânicos
incompatíveis com sua resistência ou com a do isolamento ou a do revestimento. Nas
deflexões os condutores serão curvados segundo raios iguais ou maiores do que os
mínimos admitidos para o seu tipo.
Os condutores devem formar trechos contínuos entre as caixas de derivação. As
emendas e derivações dos condutores serão executadas de modo a assegurarem
resistência mecânica adequada e contato elétrico perfeito e permanente por meio de
um conector apropriado e serão sempre efetuadas em caixas de passagens com
dimensões apropriadas. Condutores emendados ou cuja isolação tenha sido
danificada e recomposta com fita isolante ou outro material não devem ser enfiados
em eletrodutos.
Os condutores somente devem ser enfiados depois de estar completamente
terminada a rede de eletrodutos e concluídos todos os serviços de construção que os
possam danificar. A enfiação só deve ser iniciada após a tubulação ser perfeitamente
limpa.
Para facilitar a enfiação dos condutores, podem ser utilizados:
Guias de puxamento que, entretanto, só devem ser introduzidos no momento
da enfiação dos condutores e não durante a execução das tubulações;
Talco, parafina ou outros lubrificantes que não prejudiquem a isolação dos
condutores;
Condutores de proteção
A instalação dos condutores de proteção obedecerá às seguintes disposições:
• O condutor será tão curto e retilíneo quanto possível, não terá emendas e
nem chaves ou quaisquer outros dispositivos que, ao longo de seu
percurso, possam causar interrupção;
• Será devidamente protegido pôr eletrodutos, rígidos ou flexíveis, nos
trechos em que possa sofrer danificações mecânicas. Esses eletrodutos
serão conectados ao condutor;
Serão ligadas à terra as partes metálicas que, em condições normais, não estejam
sob tensão, tais como:
Estrutura de quadros de distribuição;
Carcaças de motores e respectivas caixas de equipamentos de controle ou
proteção;
Toda e qualquer tubulação metálica não elétrica (tubulação de incêndio, de
gás etc) preferencialmente no ponto mais próximo possível de entrada
dessas tubulações no interior da edificação;
7/13
Caderno de Especificações – Instalações Elétricas
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS
O condutor de proteção será preso ao equipamento pôr meios mecânicos, tais
como braçadeiras, orelhas, conectores e outros da espécie, que assegurem contato
elétrico perfeito e permanente ou, ainda, através de solda exotérmica. É vedado o
emprego de dispositivos que dependam do uso de solda de estanho.
Os condutores para ligação à terra do equipamento fixo podem ou não fazer parte
do cabo alimentador desse equipamento. Serão instalados de forma a assegurar sua
proteção mecânica e não terão qualquer dispositivo capaz de causar ou permitir sua
interrupção.
♦
Dispositivos de manobra e proteção
Entende-se por dispositivos de manobra e proteção os interruptores, os fusíveis,
as chaves manuais, os disjuntores termomagnéticos, os disjuntores a corrente
diferencial-residual (DR’s), os quadros de distribuição e outros equipamentos da
espécie.
Os interruptores a corrente diferencial-residual, ou simplesmente, dispositivos DR,
devem ser instalados nos quadros de distribuição, fixados em trilho DIN 35mm,
protegendo os circuitos a ele associados contra correntes de sobrecarga e curtocircuito (igualmente aos tradicionais disjuntores termomagnéticos) e ainda, contra os
efeitos de contatos indiretos com partes energizadas de equipamentos de utilização.
A instalação, posicionamento e características técnicas dos dispositivos de
manobra e proteção satisfarão as Normas da ABNT atinentes ao assunto e serão
definidas no Projeto de Instalações Elétricas e no item “Especificações Técnicas dos
Materiais” a seguir.
8/13
Caderno de Especificações – Instalações Elétricas
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS
5. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS
5.1
CONDUTORES
Condutores Isolados e Cabos Unipolares
Denomina-se condutor isolado tipo LSOH aquele constituído por condutor de cobre
(cabo flexível), nas cores preta, vermelha ou branca para fases, azul-claro para
neutro e verde para proteção, tipo não-propagante de chama, livres de halogênio,
com baixa emissão de fumaça e gases tóxicos, tensão de isolamento 450/750V,
seções nominais conforme projeto, de acordo com a NBR 13248.
Deverão ser utilizados em eletrodutos metálicos aparentes e/ou em perfilados
metálicos abertos.
Para todos os trechos de instalação pertencentes aos circuitos alimentadores,
utilizar cabos unipolares tipo LSOH constituídos por condutor de cobre, nas cores
preta, vermelha ou branca para fases, azul-claro para neutro e verde para proteção,
tipo não-propagante de chama, livres de halogênio, com baixa emissão de fumaça e
gases tóxicos, tensão de isolamento 0,6/1,0kV, seções nominais conforme projeto,
de acordo com a NBR 13248.
5.2
Fabricantes:
Pirelli;
Brasfio;
Inbrac;
Ficap;
Condumax;
CONDUTOS
Eletrodutos isolantes
Eletrodutos isolantes rígidos são fabricados em PVC, polietileno de alta densidade,
barro vitrificado (manilhas), cimento-amianto etc. Para linhas acima do solo,
aparentes ou embutidas e para linhas subterrâneas em envelopes de concreto, os de
PVC são os mais utilizados. Devem, atender a NBR 6150 – Eletrodutos de PVC rígido
– Especificação, que prevê eletrodutos roscáveis ou soldáveis, com duas espessuras
(classe A e classe B) e “varas” de três metros de comprimento. Os demais tipos, com
exceção dos de polietileno, são usados exclusivamente em linhas subterrâneas ou,
eventualmente, contidos em canaletas.
Deverão ser utilizados especialmente nas linhas aparentes e embutidas e
especificados assim: “eletroduto rígido de seção circular, de PVC, roscável, classe B,
não propagante de chama, tamanhos nominais conforme projeto, de acordo com as
Normas NBR 6150 e BS 4607”.
Eletrodutos isolantes transversalmente elásticos (“corrugado”) são geralmente
fabricados em polietileno de alta densidade, atendendo a norma francesa NFC 68101 e aplicam-se em instalações embutidas ou enterradas de modo geral,
dispensando-se as tradicionais curvas.
Deverão ser especificados assim: “eletroduto flexível de seção circular, de PVC,
corrugado, tamanho nominal conforme projeto, de acordo com a IEC 60614.2-3”.
Fabricantes:
Tigre;
Coflex;
Hidrossol;
9/13
Caderno de Especificações – Instalações Elétricas
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS
Perfilados metálicos
Perfilados - eletrocalhas de seção transversal reduzida - são, geralmente, de açocarbono, com proteção interna e externa feitas com materiais resistentes a corrosão.
Normalmente, essa proteção é realizada através de revestimento de zinco aplicado
por imersão a quente (galvanização a fogo) ou galvanização eletrolítica.
Os galvanizados a fogo são geralmente aplicados em instalações externas
(aparentes) em ambientes normais. São fabricados em “vara” de seis metros.
5.3
Fabricantes:
Marvitec;
Cemar;
Bandeirante;
CAIXAS
Metálicas
As caixas metálicas poderão ser, conforme o fim a que se destinem, de chapa de
aço esmaltado, galvanizado ou pintado com tinta de base metálica ou de alumínio
fundido e estar de acordo com as Normas NBR 6235 e NBR 5431. Terão olhais para
assegurar a fixação dos eletrodutos e poderão ser:
Octogonais de fundo móvel: para centros de luz;
Sextavadas, de 90 x 90mm (3½”x3½”): para pontos de luz na parede;
Quadradas, de 100 x 100mm (4”x4”), quando o número de interruptores ou
tomadas exceda a 3, ou quando usadas para caixas de passagem;
Retangulares, de 50 x 100mm (2”x 4”), para o conjunto de interruptores ou
tomadas igual ou inferior a 3;
Especiais, nas dimensões indicadas no projeto, plásticas ou metálicas, com
tampa lisa e aparafusada;
Todas as caixas deverão ser providas de tampos aparafusados, formando moldura
sobre as mesmas. As dimensões serão indicadas no projeto de Instalações Elétricas.
As caixas para montagens elétricas (medição e seccionamento), telefones, TV,
interfone, deverão ser previamente aprovadas pelas respectivas empresas
concessionárias locais e terão corpo de chapa nº16, com fechadura e rasgos para
ventilação e dimensões conforme especificados no projeto de Instalações Elétricas.
Fabricantes:
Cemar;
Thomeu;
Star;
Plásticas
As caixas plásticas poderão ser, conforme o fim a que se destinem, de PVC rígido,
de baquelite ou de polipropileno. Terão olhais para assegurar a fixação dos
eletrodutos.
Quando utilizadas, deverá ser assegurado ao sistema garantia de perfeita
continuidade elétrica.
5.4
Fabricantes:
Tigre;
Cemar;
Steck;
LÂMPADAS, LUMINÁRIAS E ACESSÓRIOS
10/13
Caderno de Especificações – Instalações Elétricas
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS
Luminárias
Os aparelhos para luminárias - incandescentes ou fluorescentes - deverão ter
invólucro que abrigue todos os condutores de corrente, condutos, porta-lâmpadas e
lâmpadas permitindo-se, porém, a fixação de lâmpadas e “starters” na face externa
do aparelho.
Aparelhos destinados a funcionar expostos ao tempo ou em locais úmidos serão
construídos de forma a impedir a penetração de umidade em eletrodutos, portalâmpadas e demais partes elétricas. É vedado o emprego de materiais absorventes
nesses aparelhos.
Fabricantes:
Philips;
Projeto
Intral;
Lumicenter;
Lâmpadas
As lâmpadas incandescentes e fluorescentes terão os bulbos isentos de impurezas,
manchas ou defeitos que prejudique o seu desempenho. Apresentarão, pelo menos,
as seguintes marcações legíveis no bulbo ou na base:
Tensão nominal (V);
Potência nominal (W);
Nome do fabricante ou marca registrada;
Fabricantes:
Osram;
Philips;
GE;
Sylvania;
Reatores e Acessórios diversos
Deverão possuir características de funcionamento de acordo com suas Normas
específicas e se integrarem e complementarem as luminárias.
5.5
Fabricantes:
Philips
Intral;
Helfont;
Keiko;
DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO E MANOBRA
Interruptores, tomadas e placas
As tomadas de parede para luz e força serão, normalmente, do tipo pesado, com
contato de bronze fosforoso, “tomback” ou, de preferência, em liga de cobre.
As placas ou espelhos para interruptores e tomadas serão em termoplástico autoextinguível e, eventualmente, dotadas de plaqueta frontal em alumínio escovado e
anodizado. As placas ou espelhos para áreas externas serão em termoplástico com
proteção contra a ação do sol (raios ultravioleta), para que não escureçam nem
desbotem com o tempo.
Os interruptores terão as marcações exigidas pelas normas da ABNT,
especialmente o nome do fabricante, a intensidade (A) e a tensão (V).
Fabricantes:
Pial-Legrand/Bticino;
11/13
Caderno de Especificações – Instalações Elétricas
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS
Fame;
Siemens;
Iriel;
Alumbra;
Disjuntores termomagnéticos
Serão do tipo “alavanca”, montados sobre base de baquelite, com proteção
termomagnética conjugada, destinando-se a proteger e seccionar manual ou
automaticamente circuitos de luz e força.
Serão utilizados como chave geral, chave parcial e como chave de manobra dos
circuitos e, ainda, em alguns circuitos de iluminação, acumularão também a função
de interruptor.
Terão relê de sobrecorrente com as propriedades de um relê térmico (bimetálico),
para proteção de sobrecarga de até, aproximadamente, dez vezes a corrente
nominal, e de um relê magnético de ação instantânea nas sobrecargas elevadas.
Os bornes de ligação serão dimensionados para conexão de fios ou cabos de cobre
com bitola correspondente à corrente nominal do disjuntor.
Fabricantes:
Steck
Siemens
Eletromar/Cutler Hammer;
GE;
Pial-Legrand;
WEG;
Soprano;
ABB;
Disjuntores DR
Serão constituídos por disjuntores termomagnéticos acoplados a módulos
diferenciais-residuais.
Terão correntes nominais variáveis e indicadas no projeto e correntes
diferenciais-residuais nominais de atuação de 30ma (alta sensibilidade).
Fabricantes:
Steck
Pial-Legrand
Merlin Gerin;
Eletromar/Cutler Hammer;
Sistema de sinalização acústico-visual (chamada enfermeiras)
Compreende uma central, acionadores manuais e lanternas de corredor.
5.6
Fabricantes:
Athenas Comunicação Hospitalar;
QUADROS DE DISTRIBUIÇÃO
Os quadros de distribuição são próprios para o uso como quadros de luz e energia,
podendo ser equipados com disjuntores termomagnéticos monofásicos, bifásicos,
trifásicos, padrão europeu, com montagem em trilhos de engate rápido de 35mm
(conforme DIN EM 50022). Deverão ser de embutir e possuir barramentos
dimensionados pelas Normas DIN 43671 e NBR 6808/198L para mínimo de 100A,
conforme especificação do projeto de Instalações Elétricas.
12/13
Caderno de Especificações – Instalações Elétricas
ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS
Deverão apresentar placa de montagem removível, com sistema de engate rápido
e seguro de disjuntores. Terão estrutura montada, com parafusos para fixação da
placa de montagem e apresentar tostões estampados na parte superior e inferior
para passagem de eletrodutos de diversas bitolas. Serão providos de moldura,
espelho e porta com fechadura de fácil acionamento.
Fabricantes:
Cemar;
Internacional;
Brum;
13/13
Was this manual useful for you? yes no
Thank you for your participation!

* Your assessment is very important for improving the work of artificial intelligence, which forms the content of this project

Download PDF

advertisement