MD-01_R00-Memorial Descritivo

MD-01_R00-Memorial Descritivo
Título:
MEMORIAL DESCRITIVO
RAMAL DE ENTRADA SUBTERRÂNEO
PROJETO ELÉTRICO
Proprietário:
ESCOLA MUNICIPAL SÃO ROQUE
Obra:
RAMAL DE ENTRADA AÉREO
00
Emissão Inicial
Nº
Engenheiro Responsável
Eng. Rafael Rocha
Revisão
CREA-SC
116.025-0
Nº Arquivo
280/2012
RAFAEL
RAFAEL
17/10/2012
Proj.
Verif.
Data
Arquivo
Folha
MD-ELE01
1/14
Titulo
EDIFICAÇÃO RESIDENCIAL E COMERCIAL
Folha:
2/14
EMPRESA
Gubler Engenharia Elétrica LTDA
CREA 106.259-3 / SC
RESPONSÁVEIS TÉCNICOS
Gilson Gubler
Engenheiro Eletricista
CREA 63.972-0 / SC
Jefferson Oliver
Engenheiro Eletricista
CREA 99.580-4 / SC
Rafael Rocha
Engenheiro Eletricista
CREA 116.025-0 / SC
Robson Mantuani
Engenheiro Eletricista
CREA 67.804-9 / SC
ENDEREÇO
Rua Lauro Muller, nº18, Sala 203, Centro, Indaial – SC
CEP. : 89.130-000
Telefone: (47) 3333-9999 / (47) 3394-1609
Site: www.gublerengenharia.com.br
ESPAÇO PARA CARIMBO
______
___________________________________
_______________________________
PREFEITURA MUNICIPAL DE TIMBÓ
CNPJ:83.102.764/0001-15
PROPRIETÁRIO
ENG° RAFAEL ROCHA
CREA/SC 116.025-0
RESPONSÁVEL TÉCNICO
Titulo
EDIFICAÇÃO RESIDENCIAL E COMERCIAL
Folha:
3/14
INDICE
1
DESCRIÇÃO SUMÁRIA DA OBRA:.......................................................................................................... 4
2
NORMAS TÉCNICAS E PADRÕES .......................................................................................................... 4
3
COMPONENTES DO PROJETO: ............................................................................................................. 5
4
DESCRIÇÃO DA ENTRADA DE SERVIÇO: ............................................................................................. 5
4.1 RAMAL DE SERVIÇO AÉREO:................................................................................................................. 5
5
MEDIÇÃO: ................................................................................................................................................. 6
6
DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA: ................................................................................................................. 7
7
ATERRAMENTO: ...................................................................................................................................... 7
8
QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO (QD’S) ...................................................................................................... 8
9
ESTUDO DA DEMANDA: .......................................................................................................................... 9
9.1 CÁLCULO DE DEMANDA:........................................................................................................................ 9
10
CÁLCULO DA QUEDA DE TENSÃO DO QM AO QD: ........................................................................... 10
11
CONDIÇÕES PARA CONSTRUÇÃO, MONTAGEM, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO: ........................ 11
12
SEGURANÇA NA CONSTRUÇÃO, MONTAGEM, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO: ............................ 12
12.1 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DESENERGIZADAS: ................................................ 13
12.2 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA: .......................................................................................................... 13
13
CONSIDERAÇÕES FINAIS: .................................................................................................................... 14
14
RELAÇÃO DE MATERIAL DA ENTRADA DE SERVIÇO – ORIENTATIVA .......................................... 14
Titulo
1
EDIFICAÇÃO RESIDENCIAL E COMERCIAL
Folha:
4/14
DESCRIÇÃO SUMÁRIA DA OBRA:
O presente Memorial Descritivo tem a finalidade de esclarecer o projeto elétrico da edificação
localizada na RODOVIA RALF KNAESEL SC -416, BAIRRO SÃO ROQUE, TIMBÓ-SC. De propriedade de PREFEITURA MUNICIPAL DE TIMBÓ, contendo:
• 01 – Unidade Consumidora.
Compreendendo um total de 01 (UM) unidade consumidora.
2
NORMAS TÉCNICAS E PADRÕES
O presente projeto foi elaborado de acordo e conforme normas técnicas e recomendações, as
quais estão relacionadas abaixo:
- ABNT:
- NBR 5410 / 2004 – Instalações Elétricas de Baixa Tensão.
- NBR 5413 – Iluminância de Interiores.
- NBR 14.039 / 2003 – Instalações Elétricas de Média Tensão de 1,0 a 36,2 kV.
- CELESC Distribuição S.A.:
- E.321.0001 – Padronização de Entrada de Energia Elétrica de Unidades Consumidoras de
Baixa Tensão.
- Recomendações:
- Fios e Cabos para Instalações Elétricas de Uso Geral – B.T. – Prysmian.
- Instalações Elétricas Residenciais, edição 2003 – Elektro / Pirelli.
- Ministério do Trabalho e Emprego:
- Norma Regulamentadora N° 10 – Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade.
- Norma Regulamentadora N° 17 – Ergonomia
Titulo
3
EDIFICAÇÃO RESIDENCIAL E COMERCIAL
Folha:
5/14
COMPONENTES DO PROJETO:
Fazem parte deste Projeto Elétrico os seguintes desenhos e relações:
• PRANCHA 01 - SITUAÇÃO / LOCALIZAÇÃO;
• PRANCHA 02 - RAMAL DE ENTRADA;
• PRANCHA 03 - DIAGRAMA UNIFILAR;
• PRANCHA 04 - DETALHES CONSTRUTIVOS / QUADRO DE MEDIÇÃO;
• PRANCHA 05 - DETALHAMENTO INTERNO DA EDIFICAÇÃO.
4
DESCRIÇÃO DA ENTRADA DE SERVIÇO:
4.1 RAMAL DE SERVIÇO AÉREO:
O dimensionamento do ramal de entrada, bem como a proteção geral, foi realizado através
da seletividade das proteções, conforme tabela Nº 6.1.1, pág. 17 da E-321.0001 (Padronização
de Entrada de Energia Elétrica de Unidades Consumidoras de Baixa Tensão).
A entrada de energia elétrica será feita pela RODOVIA RALF KNAESEL SC-416, BAIRRO
SÃO ROQUE, TIMBÓ-SC através de ramal de ligação AÉREO em baixa tensão, 380/220V, composto de condutores 3#70(70)mm² de ALUMINIO com isolamento 1kV XLPE 90ºC, correspondendo a um condutor por fase e um para o neutro, que derivam do poste (9/300) localizado no
passeio. Após a derivação com o poste desce com eletroduto pvc rígido de 2” ramal de entrada
em baixa tensão, 380/220V, composto de condutores 3#50(50)mm² de COBRE com isolamento
1kV EPR 90ºC até a medição. Derivando da medição os cabos seguem ate a caixa de passagem
padrão Celesc com dimensões de 65x41x80cm, com tampa resistente a 400 kN. A partir deste
ponto os condutores seguem protegidos através de eletroduto PEAD de 2” envelopado em concreto, até a segunda caixa de passagem padrão Celesc com dimensões de 65x41x80, com tampa
resistente a 400kN. Deste ponto os condutores derivam ate o quadro de distribuição localizado no
interior da edificação.
Os disjuntores foram dimensionados através da tabela 08 do Adendo da NT 03 e pela seletividade das proteções. O maior disjuntor parcial será de 40A - TRIFÁSICO, portanto conforme a ta-
Titulo
EDIFICAÇÃO RESIDENCIAL E COMERCIAL
Folha:
6/14
bela 09 do Adendo da NT 03 a proteção geral será de 125A (trifásica), conforme a linha 3 da referida tabela e não para a demanda total provável da edificação de 69,29kVA, sendo respeitado a
seletividade das cargas.
Não serão permitidas emendas nos condutores.
Os espaços não utilizados no espelho de proteção do barramento deverão ser lacrados de tal
forma a bloquear qualquer tipo de acesso a parte energizada.
O condutor neutro do ramal de entrada será isolado, contínuo e perfeitamente identificável na
cor azul.
Os condutores do ramal de entrada deverão ser identificados com suas respectivas cores, conforme detalhe construtivo, sendo para fases R, S, T as respectivas cores preto, cinza ou branco,
vermelho, para o neutro, azul claro e para o terra, verde. Esta identificação deverá ser seguida na
identificação das ligações dos medidores e do ramal de saída.
5
MEDIÇÃO:
Será instalado 01 quadro de medição (QM). Como o QM será instalado em área externa, de-
verá ser utilizado quadro de medidore em alumínio, conforme desenho PRANCHA 04.
O QM será dimensionado para 01 (UM) medidor, padrão CELESC, medindo 68x55x25cm (L,
A, P), contendo:
• 01 Medidor Trifásico para a unidade consumidora. A proteção geral será realizada através de disjuntor termomagnético trifásico de 125A.
• A proteção geral do quadro será feita através de disjuntor termomagnético trifásico de
125A.
A altura para o visor do QM será 1,50m, e está detalhada no desenho “Detalhe do QM”.
As barras de Neutro e Fases terão dimensões de 15x2mm e deverão ser fixadas sobre isoladores, da mesma forma que a barra de neutro. O barramento de proteção será fixado diretamente
na parte inferior do QM.
O barramento do QM foi dimensionado de acordo com a tabela nº 18 da NT 03, para disjuntor
de 125A.
O QM será marcado externamente de forma a identificar as respectivas unidades consumidoras,
em ordem sequencial da esquerda para a direita e de cima para baixo.
Os dispositivos de proteção (disjuntor de cada QD e Geral) deverão também ser identificados
com o número da unidade consumidora correspondente.
As tampas com corpo do quadro para medidores serão marcadas externamente com o número
da tampa, de forma a identificá-las, em ordem sequencial da esquerda para a direita.
A marcação externa do número de identificação na tampa do quadro para medidores e nos disjuntores deverá ser realizada através de plaquetas metálicas, aparafusadas ou arrebitadas.
Titulo
6
EDIFICAÇÃO RESIDENCIAL E COMERCIAL
Folha:
7/14
ADISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA:
A distribuição de energia elétrica será realizada para as 01 (UMA) unidade consumidora e de-
verá ter a saída diretamente do barramento para Fases, Neutro e Terra, no QM.
A saída do disjuntor será conectada ao barramento específico de cobre, composto de uma barra por fase, dimensionado conforme tabela 18 da NT 03 – Celesc.
A partir da medição, os condutores da unidade consumidora deverão sair SUBTERRÂNEOS,
ate o QGBT (Quadro Geral de Baixa Tensão) da edificação, da onde segue ate seus respectivos
quadros de distribuição.
A tensão de distribuição tanto para a iluminação e tomadas, bem como para chuveiros será
monofásico (Fase e Neutro) de 220 V.
Para o dimensionamento dos ramais alimentadores dos diversos quadros, adotou-se o critério
entre a capacidade de condução de corrente e critério da queda de tensão. No critério da capacidade de condução de corrente foi utilizada como base a carga demandada e no critério da queda
de tensão fora utilizado com base à distância do ramal alimentador e a corrente da proteção.
As fiações dos circuitos dos QD obedecem à igual prescrição e coerência. A quantidade de circuitos e demais características, como fiação, eletrodutos e capacidade dos disjuntores, está anotada no Diagrama Unifilar.
O equilíbrio entre fases R, S, T, inclusive a carga de cada circuito, está detalhada no Quadro de
Cargas.
OBS: Deverá ser instalado interruptor diferencial residual (IDR), conforme especificado em projeto em cada unidade consumidora e circuitos terminais (conforme diagrama unifilar, Prancha
03), a fim de evitar eventuais acidentes (descargas elétricas). Sendo assim é evidente que para
poder instalar um disjuntor e IDR na proteção de um circuito ou de uma instalação (proteção geral), as respectivas correntes de fuga deverão ser inferiores ao limiar de atuação do dispositivo.
Observa-se então que se deve utilizar um chuveiro elétrico com resistência blindada, para um
correto funcionamento do IDR, pois em um chuveiro elétrico com resistência metálica haverá fuga
de corrente o que ocasionará a atuação do dispositivo, ou seja o chuveiro deve ser compatível
com o IDR.
7
ATERRAMENTO:
O valor da resistência de terra deverá ser mantido inferior a 10 Ohms, em qualquer época do
ano. O condutor de aterramento deverá ser curto e retilíneo o quanto possível, sem emendas e
não deverá ter dispositivos que possa causar sua interrupção.
O condutor de aterramento, do quadro de medição até a primeira haste na caixa de inspeção,
deverá ser protegido mecanicamente por meio de eletroduto de PVC, rígido classe A, diâmetro 1”.
Titulo
EDIFICAÇÃO RESIDENCIAL E COMERCIAL
Folha:
8/14
O ponto de conexão do condutor de aterramento que será através de cabo de cobre nu seção
35mm², ao primeiro eletrodo (haste de terra tipo Copperweld diâmetro 5/8” x 240cm) será acessível para inspeção e protegido mecanicamente por caixa em alvenaria.
A malha de aterramento será formada por um cabo de cobre nu seção 35mm², conectado na
primeira haste. Este cabo segue enterrado diretamente no solo até as demais hastes cravadas no
solo, distanciadas a cada 300cm, compondo 3 hastes, ou quantas forem necessárias para manter
o valor da resistência de terra inferior a 10 Ohms.
Todas as partes metálicas, normalmente não energizadas deverão ser aterradas.
A conexão do cabo de aterramento 35mm² de cobre nú, com a barra de aterramento do quadro
de medição, deverá ser realizada através de conector terminal. Deverá sair do barramento do
neutro um cabo de seção 35mm² em 1kV-EPR 90° na cor azul até o eletrodo de aterramento situado na caixa de inspeção de aterramento, conectado através de conector terminal.
Deverá ser instalado um condutor com função de proteção (terra), acompanhando todos os circuitos internos da edificação, para ligação das massas. A ligação dos condutores de proteção no
barramento deverá ser realizada através de terminal mecânico.
A secção do condutor de terra de cada quadro de idstribuição deverá ser dimensionada conforme NBR 5410, item 6.4.3 e deverá possuir isolação na cor verde.
8
QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO (QD’S)
Previsto quadro de distribuição (QD) para a instalação dos dispositivos de seccionamento e proteção dos circuitos elétricos; sendo que o quadro de distribuição (QD) abrigará uma proteção geral por disjuntor termomagnético, interruptores diferenciais–residuais (DRs), dispositivos de proteção contra surtos (DPS), e proteções parciais por disjuntores termomagnéticos.
O Quadro de distribuição (QD) será suprido por meio da alimentação vinda do quadro de medição (QM) com eletroduto, condutores e proteções dimensionadas de acordo com o esquema unifilar e quadro de cargas. O Quadro de distribuição (QD) deverá ter barramento de neutro e terra
isolados.
Todas as proteções deverão ser identificadas para o seccionamento adequado das proteções.
O quadro de distribuição (QD) será de material plástico (PVC, ABS ou policarbonato) de embutir,
ou sobrepor, conforme local especificado em projeto, com IP 40;
Esta placa deve ser colocada internamente em todos os centros de distribuição da edificação,
como forma de advertência e informação aos usuários da instalação elétrica, conforme NBR
5410:
Titulo
EDIFICAÇÃO RESIDENCIAL E COMERCIAL
Folha:
9/14
ADVERTÊNCIA
1. Quando um disjuntor atua, desligando algum circuito ou a instalação elétrica inteira, a causa pode ser uma sobrecarga ou um curto-circuito. A incidência de desligamentos freqüente é sinal
de sobrecarga. Por este motivo, NUNCA troque seus disjuntores ou fusíveis por outros de maior
capacidade de interrupção de corrente (maior “amperagem”), simplesmente. Como regra, a troca
de um disjuntor ou fusível por outro de maior capacidade de interrupção de corrente requer, antes, a troca dos condutores elétricos, por outros de maior bitola.
2. Da mesma forma, nunca desative ou remova o dispositivo de proteção contra choques elétricos (Interruptor Diferencial Residual - DR), mesmo em caso de desligamentos sem causa aparente. Se os desligamentos forem frequentes e, principalmente, se as tentativas de religar o dispositivo (DR) não obtiverem êxito, isso significa, muito provavelmente, que a instalação elétrica
apresenta anomalias, que só podem ser identificadas e corrigidas por profissionais qualificados. A
DESATIVAÇÃO OU REMOÇÃO DO DISPOSITIVO (DR) SIGNIFICA A ELIMINAÇÃO DA MEDIDA
DE PROTEÇÃO CONTRA CHOQUES ELÉTRICOS E RISCO DE VIDA PARA OS USUÁRIOS DA
INSTALAÇÃO ELÉTRICA.
9 ESTUDO DA DEMANDA:
QGBT - QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO GERAL
CIRCUITO Nº
CARGA TOTAL
(W)
TENSÃO (V)
CORRENTE (A)
CABO (mm2)
PROTEÇÃO (A)
DR (A)
FASEAMENTO
1
15.000
380
22,79
#10-PVC-70ºC
40A
-
RST
ALIMENTAÇÃO QD-01
2
15.000
380
22,79
#10-PVC-70ºC
40A
-
RST
ALIMENTAÇÃO QD-02
3
15.000
380
22,79
#10-PVC-70ºC
40A
-
RST
ALIMENTAÇÃO QD-03
4
15.000
380
22,79
#10-PVC-70ºC
40A
-
RST
ALIMENTAÇÃO QD-04
5
15.000
380
22,79
#10-PVC-70ºC
40A
-
RST
-
-
-
-
-
-
-
-
TOTAL (W)
75.000
TENSÃO (V)=
380
R
25.000
TOTAL (VA)
69.293
CORRENTE (A)=
105,28
COS FI(% )=
92%
S
25.000
Icc= -kA
DJ GERAL=
125A
F.D. (% )=
85%
T
25.000
IP30
3#50(50)-T=35mm² 1kV-EPR 90ºC
DESCRIÇÃO
ALIMENTAÇÃO QD-05
PREVER ESPAÇO RESERVA DE 15% DO ESPAÇO FISICO DO QUADRO
EQUILIBRIO DAS FASES(W)
9.1 CÁLCULO DE DEMANDA:
Conforme Adendo DPSC/NT-03, item 4.1 Observações:
Edifícios residenciais de uso coletivo, utilizando a fórmula DT=1,2(D1+D2)+E+G. Para esta
consulta prévia “E”, é igual a zero. Podendo considerar DT=1,2(D1 +D2)+G.
Onde:
DT = Demanda total
D1 = Demanda dos Aptos. Residenciais
Titulo
EDIFICAÇÃO RESIDENCIAL E COMERCIAL
Folha:
10/14
D2 = Demanda do Condomínio.
G
= Demanda referente a lojas, escritórios e outros.
CONDOMÍNIO
Carga
Carga instalada
Carga Demandada conforme cálculo Celesc
QD-01
14,00 KW
13,04 KVA
QD-02
15,00 KW
13,04 KVA
QD-03
15,00 KW
13,04 KVA
QD-04
15,00 KW
13,04 KVA
QD-05
15,00 KW
13,04 KVA
Total:
74,00 KW
65,21 KVA
CÁLCULO DE DEMANDA GERAL
Demanda Apartamentos:
0,0 KVA
Demanda Salas Comerciais: 0,0 KVA
Demanda condomínio:
65,21 KVA
Demanda Total = 1,2 x (Apartamentos + Condomínio) + Salas Comerciais
Demanda Total = 1,2 x ( 0,0+ 65,21 ) + 0,00
Carga Instalada= 74,00 kW
Carga Demandada= 65,21 kW
Demanda Total Provável= 70,88 kVA
10 CÁLCULO DA QUEDA DE TENSÃO DO QM AO QD:
Neste projeto, o cálculo de queda de tensão foi efetuado de acordo o item 6.2.7 da NBR 5410,
que admite uma queda máxima de 4% nos circuitos alimentados em baixa tensão.
Considerou-se neste cálculo o circuito de maior distância e de maior carga,
(QD 03 – Área 02 - distância considerada de 60m e carga de 15.000W).
Condutor de cobre;
Fórmula utilizada:
∆V% = 173,2 x ρ x ∑(Lc x Ic) (%)
Sc x Vfn
Onde:
ρ = Resistividade do cobre = 1/56 Ωmm2/m
Lc = Comprimento do maior circuito em m (60m)
Ic = Corrente total do circuito em A (40A)
∆V% = Queda de tensão máxima admitida.
Vfn = Tensão entre fase e neutro em V
Sc = Seção do condutor em mm² (10mm²)
∆V% = 1,88%
Pelos resultados obtidos, observa-se que as seções dos condutores atendem a norma NBR
5410.
Titulo
EDIFICAÇÃO RESIDENCIAL E COMERCIAL
Folha:
11/14
11 CONDIÇÕES PARA CONSTRUÇÃO, MONTAGEM, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO:
A empresa ou profissionais contratados para executar a obra deverão providenciar Anotação de
Responsabilidade Técnica (ART), devidamente registrada junto ao Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (CREA), e seguir as normas da concessionária local e ABNT, e em casos onde estas forem omissas, as normas IEC, IEEE, NEMA e ANSI durante a execução dos serviços,
conforme o projeto.
Durante a execução das instalações deverão ser anotadas todas as alterações do projeto original e no final deverá ser elaborado pela empresa instaladora ou profissional contratado o projeto
“As Built”, principalmente no que concernem as fiações e as proteções. Toda e qualquer alteração
deverá ser submetida ao proprietário que dará seu parecer sobre as mesmas.
Todos os materiais e equipamentos a serem utilizados deverão estar rigorosamente dentro das
especificações e características exigidas pelas normas técnicas brasileiras, com certificado de
conformidade expedido pelo Inmetro ou outros órgãos credenciados a este.
Os eletrodutos devem ser lançados em linha reta, sempre que possível, evitando gastos adicionais de tubulações e condutores. Toda a tubulação de reserva ou espera, sem fiação, deve ser
provida de arame guia do tipo galvanizado nº 18 BWG. Todas as tubulações subterrâneas deverão ser identificadas ao longo do seu percurso por fitas com as inscrição “condutor de energia”.
Em todas as junções entre eletrodutos, caixas, quadros e terminações deverão ser bem acabadas, não sendo permitidas rebarbas nas junções. Para melhor acabamento devem ser utilizadas
buchas e arruelas de alumínio de bitolas apropriadas.
Todos os rasgos que por ventura vierem a ser feitos em caixas e quadros devem ser executados
com brocas e serras-copo apropriadas para as bitolas das tubulações. Todos os centros de distribuição deverão conter internamente fixos às portas, diagramas unifilares e identificação de cada
disjuntor.
A fiação só pode ser executada após o término da fixação das caixas e a tubulação completamente limpa e seca e, toda a parte de alvenaria concluída. Todas as emendas de fiação devem
ser estanhadas e isoladas. Não é permitido emenda de condutores no interior de tubulações,
sendo as mesmas somente permitidas em quadros e caixas apropriadas. A sobra de condutores
para ligações elétricas e ou conexões de equipamentos em caixas de luz no teto e paredes, deverá ter no mínimo 15 cm, já para os equipamentos condicionadores de ar, deixar sobra de no mínimo de 1m.
As ferramentas utilizadas deverão ser as apropriadas para o tipo de trabalho, não sendo permitidas adaptações que possam vir a danificar os materiais, instalar de forma inadequada ou causar
risco de acidente ao operador do equipamento ou a terceiros.
Todo o pessoal envolvido nos serviços de instalação deverá ter treinamento apropriado à sua
atividade e deverão estar usando, obrigatoriamente, os equipamentos de proteção individual (EPI)
apropriados.
Titulo
EDIFICAÇÃO RESIDENCIAL E COMERCIAL
Folha:
12/14
Para executar este projeto deverão ser atendidas todas as orientações de segurança dispostas
neste memorial descritivo, orientadas pelos procedimentos descritos neste memorial e na norma
MT- NR 10.
É importante a análise das pranchas, memorial e quantitativo do projeto para o bom entendimento e desenvolvimento da obra.
Para a manutenção, reparação e ampliação das instalações elétricas, deverão ser tomadas as
medidas de segurança estabelecidas neste memorial e pela MT – NR 10.
O projeto das instalações elétricas deve ficar à disposição dos trabalhadores autorizados, das
autoridades competentes e dos usuários finais e deve ser mantido atualizado.
12 SEGURANÇA NA CONSTRUÇÃO, MONTAGEM, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO:
As instalações elétricas devem ser construídas, montadas, operadas, reformadas, ampliadas,
reparadas e inspecionadas de forma a garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores e dos
usuários, e serem supervisionadas por profissional autorizado, conforme dispõe a NR – 10.
Nos trabalhos e nas atividades referidas devem ser adotadas medidas preventivas destinadas
ao controle dos riscos adicionais, especialmente quanto à altura, confinamento, campos elétricos
e magnéticos, explosividade, umidade, poeira, fauna e flora e outros agravantes, adotando-se a
sinalização de segurança.
Nos locais de trabalho só podem ser utilizados equipamentos, dispositivos e ferramentas elétricas compatíveis com a instalação elétrica existente, preservando-se as características de proteção, respeitadas as recomendações do fabricante e as influências externas. Os equipamentos,
dispositivos e ferramentas que possuam isolamento elétrico devem estar adequados às tensões
envolvidas, e serem inspecionados e testados de acordo com as regulamentações existentes ou
recomendações dos fabricantes.
As instalações elétricas devem ser mantidas em condições seguras de funcionamento e seus
sistemas de proteção devem ser inspecionados e controlados periodicamente, de acordo com as
regulamentações existentes e as definições deste projeto. Os locais de serviços elétricos, compartimentos e invólucros de equipamentos e instalações elétricas são exclusivos para essa finalidade, sendo expressamente proibido utilizá-los para armazenamento ou guarda de quaisquer objetos.
O meio mais eficiente de manter as instalações seguras é o da inspeção constante. Através da
inspeção, verificam-se: o estado dos contatos, chaves, fusíveis, disjuntores, temperatura dos condutores, os quadros, capacidades de correntes (“amperagem”) e tensão (“voltagem”) dos circuitos. Fazem-se também medições de terra, verificando-se a continuidade e as condições dos condutores de terra.
Titulo
EDIFICAÇÃO RESIDENCIAL E COMERCIAL
Folha:
13/14
12.1 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DESENERGIZADAS:
Somente serão consideradas desenergizadas as instalações elétricas liberadas para trabalho,
mediante os procedimentos apropriados obedecida a seqüência abaixo:
1) seccionamento;
2) impedimento de reenergização;
3) constatação da ausência de tensão;
4) instalação de aterramento temporário com equipotencialização dos condutores dos circuitos;
5) proteção dos elementos energizados existentes na zona controlada; e
6) instalação da sinalização de impedimento de reenergização.
O estado de instalação desenergizada deve ser mantido até a autorização para reenergização,
devendo ser reenergizada respeitando a seqüência de procedimentos abaixo:
1) retirada das ferramentas, utensílios e equipamentos;
2) retirada da zona controlada de todos os trabalhadores não envolvidos no processo de reenergização;
3) remoção do aterramento temporário, da equipotencialização e das proteções adicionais;
4) remoção da sinalização de impedimento de reenergização; e
5) destravamento, se houver, e religação dos dispositivos de seccionamento.
As medidas apresentadas nos itens acima podem ser alteradas, substituídas, ampliadas ou eliminadas, em função das peculiaridades de cada situação, por profissional legalmente habilitado,
autorizado e mediante justificativa técnica previamente formalizada, desde que seja mantido o
mesmo nível de segurança originalmente preconizado.
12.2 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA:
Nas instalações e serviços em eletricidade deve ser adotada sinalização adequada de segurança, destinada à advertência e à identificação, obedecendo ao disposto na NR 26 – Sinalização de
Segurança, de forma a atender, dentre outras, as situações a seguir:
1) identificação de circuitos elétricos;
2) travamentos e bloqueios de dispositivos e sistemas de manobra e comandos;
3) restrições e impedimentos de acesso;
4) delimitação de áreas;
5) sinalização de áreas de circulação, de vias públicas, de veículos e de movimentação de cargas;
6) sinalização de impedimento de energização; e
7) identificação de equipamento ou circuito impedido.
Titulo
13
EDIFICAÇÃO RESIDENCIAL E COMERCIAL
Folha:
14/14
CONSIDERAÇÕES FINAIS:
O Projeto foi elaborado atendendo as recomendações das Normas Para Atendimento a Edifícios
da CELESC e Normas Brasileiras Registradas - NBR-5410.
14 RELAÇÃO DE MATERIAL DA ENTRADA DE SERVIÇO – ORIENTATIVA
Consultar planilha quantitativa de matérias.
Was this manual useful for you? yes no
Thank you for your participation!

* Your assessment is very important for improving the work of artificial intelligence, which forms the content of this project

Download PDF

advertisement