clique aqui para fazer o - Eletricidade Atual sua revista

clique aqui para fazer o - Eletricidade Atual sua revista
Norma
Código
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão
Secundária de Distribuição a Edificações
Individuais
Processo
SM04.14-01.001
Edição
Realizar novas ligações
Atividade
Folha
8ª
1 DE 50
Data
Executa ligação BT
25/08/2008
HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES
Edição
Data
Alterações em relação à edição anterior
Esta Norma substitui a Norma SM04.08-01.001 Fornecimento de Energia Elétrica
em Tensão Secundária de Distribuição à Edificações Individuais - 5ª edição de
08/06/05
A caixa do disjuntor deve ficar junto à caixa de medição
6ª
08/05/2007
Modificado o cálculo da demanda máxima das unidades consumidoras
Atualizada a tabela de potência nominal dos eletrodomésticos
Reduzida a potência nominal do maior motor atendido em BT de 40 Cv para 30
Cv visando unificar procedimentos com o planejamento da distribuição.
Esta Norma substitui a Norma SM04.14-01.001 Fornecimento de Energia Elétrica
em Tensão Secundária de Distribuição à Edificações Individuais - 6ª edição de
08/05/2007
7ª
14/05/2008
Modificada a Tabela 1 - Tensão de fornecimento em função da carga instalada
da 6ª edição
Modificada a Tabela 06 - Redução no diâmetro dos eletrodutos para as ligações
monofásicas
Nova formatação nos quadros 01 e 02 do memorial técnico com relação ao
método de cálculo da demanda de instalações residenciais isoladas.
Esta Norma substitui a Norma SM04.14-01.001 Fornecimento de Energia Elétrica
em Tensão Secundária de Distribuição à Edificações Individuais - 7ª edição de
14/05/2008
8ª
25/08/2008
Modificado o conteúdo de algumas parcelas integrantes do cálculo da demanda
das unidades consumidoras individuais.
Atualizada a tabela de potência de aparelhos eletrodomésticos e demanda de
motores com base em catálogos recentes
GRUPOS DE ACESSO
Nome dos grupos
DIRETOR-PRESIDENTE, SUPERINTENDENTES, GERENTES, GESTORES, FUNCIONÁRIOS OU
PRESTADORES DE SERVIÇOS E TERCEIROS.
NORMATIVOS ASSOCIADOS
Nome dos normativos
SM04.14-01.002 Ligação corte e religação de unidades consumidoras de baixa tensão sem TC
SM04.14-01.003 Fornecimento de energia elétrica em baixa tensão a edificações de uso coletivo
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
ÍNDICE
Página
1. OBJETIVO .....................................................................................................................................................3
2. RESPONSABILIDADES ................................................................................................................................3
3. DEFINIÇÕES..................................................................................................................................................3
3.1 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA – ANEEL ......................................................................3
3.2 CAIXA DE MEDIÇÃO ..................................................................................................................................3
3.3 CAIXA DE DISJUNÇÃO ..............................................................................................................................3
3.4 CARGA INSTALADA...................................................................................................................................3
3.5 CONCESSIONÁRIA.....................................................................................................................................3
3.6 CONSUMIDOR.............................................................................................................................................3
3.7 DEMANDA ...................................................................................................................................................3
3.8 DEMANDA MÁXIMA....................................................................................................................................3
3.9 ENTRADA DE SERVIÇO.............................................................................................................................3
3.10 FAIXA DE SERVIDÃO ...............................................................................................................................3
3.11 LIMITE DE PROPRIEDADE ......................................................................................................................3
3.12 FORNECIMENTO PROVISÓRIO ..............................................................................................................3
3.13 PADRÃO DE ENTRADA ...........................................................................................................................4
3.14 POÇO OU CAIXA DE INSPEÇÃO ............................................................................................................4
3.15 PONTO DE ENTREGA ..............................................................................................................................4
3.16 PONTALETE..............................................................................................................................................4
3.17 POSTE PARTICULAR ...............................................................................................................................4
3.18 RAMAL DE DISTRIBUIÇÃO .....................................................................................................................4
3.19 RAMAL DE ENTRADA ..............................................................................................................................4
3.20 RAMAL DE LIGAÇÃO ...............................................................................................................................4
3.21 TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO ..........................................................................................4
3.22 UNIDADE CONSUMIDORA ......................................................................................................................4
3.23 UNIDADE MÓVEL .....................................................................................................................................4
3.24 VIA PÚBLICA.............................................................................................................................................4
4. CRITÉRIOS ....................................................................................................................................................4
4.1 CARGA INSTALADA E DEMANDA MÁXIMA............................................................................................4
4.2 TENSÃO DE FORNECIMENTO ..................................................................................................................5
4.3 PONTO DE ENTREGA ................................................................................................................................6
4.4 ENTRADA DE SERVIÇO.............................................................................................................................6
4.5 RAMAL DE LIGAÇÃO E DE ENTRADA.....................................................................................................6
4.6 PADRÃO DE ENTRADA .............................................................................................................................8
4.7 MEDIÇÃO.....................................................................................................................................................9
4.8 MONTAGEM DA CAIXA DE MEDIÇÃO....................................................................................................10
4.9 PROTEÇÃO DA INSTALAÇÃO ................................................................................................................11
4.10 PROTEÇÃO E PARTIDA DE MOTORES ...............................................................................................12
4.11 ATERRAMENTO......................................................................................................................................12
4.12 AUMENTO DE CARGA ...........................................................................................................................13
4.13 UTILIZAÇÃO DE GERADORES PARTICULARES E SISTEMAS DE EMERGÊNCIA .........................13
4.14 INSTALAÇÕES INTERNAS ....................................................................................................................14
4.15 LIGAÇÃO COM NECESSIDADE DE ESTUDO ......................................................................................14
4.16 PROJETO ELÉTRICO; ............................................................................................................................14
4.17 SUSPENSÃO DE FORNECIMENTO.......................................................................................................16
4.18 FORNECIMENTO PROVISÓRIO ............................................................................................................16
4.19 LIGAÇÃO DE OBRA ...............................................................................................................................17
4.20 DESLIGAMENTOS TEMPORÁRIOS ......................................................................................................17
4.21 INFORMAÇÕES PRÉVIAS PARA LIGAÇÃO.........................................................................................17
5. REFERÊNCIAS............................................................................................................................................18
6. APROVAÇÃO ..............................................................................................................................................18
ANEXO I. TABELAS........................................................................................................................................19
ANEXO II - MEMORIAL TÉCNICO..................................................................................................................25
ANEXO III - FIGURAS .....................................................................................................................................29
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
2 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
1.OBJETIVO
Padronizar as entradas de serviço e estabelecer as condições para o fornecimento de energia elétrica para
as unidades consumidoras individuais em tensão secundária de distribuição.
2.RESPONSABILIDADES
Compete aos órgãos de planejamento, suprimento, segurança, engenharia, projeto, construção, ligação,
operação, manutenção e atendimento comercial, cumprir o estabelecido neste instrumento normativo.
3.DEFINIÇÕES
3.1Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL
Autarquia em regime especial, vinculada ao Ministério de Minas e Energia - MME criada pela Lei 9.427 de
26/12/1996, com a finalidade de regular e fiscalizar a geração, transmissão, distribuição e comercialização
da energia elétrica.
3.2Caixa de medição
Caixa destinada à instalação dos equipamentos de medição de energia elétrica da concessionária.
3.3Caixa de disjunção
Caixa destinada à instalação do equipamento de proteção.
3.4Carga instalada
Soma das potências nominais dos equipamentos elétricos instalados na unidade consumidora, em
condições de entrar em funcionamento, expressa em quilowatts (kW).
3.5Concessionária
Agente titular de concessão ou permissão federal para prestar o serviço público de energia elétrica.
3.6Consumidor
Pessoa física ou jurídica, ou comunhão de fato ou de direito, legalmente representada, que solicitar à
concessionária o fornecimento de energia elétrica e assumir a responsabilidade pelo pagamento das faturas
e pelas demais obrigações fixadas pelas normas e regulamentos da ANEEL, assim vinculando-se aos
contratos de fornecimento, de uso, de conexão ou de adesão, conforme cada caso.
3.7Demanda
Média das potências ativas ou reativas, solicitadas ao sistema elétrico pela parcela da carga instalada em
operação na unidade consumidora, durante um intervalo de tempo específico.
3.8Demanda máxima
Máxima potência elétrica, expressa em kVA, solicitada por uma unidade consumidora durante um período
de tempo especificado.
3.9Entrada de serviço
Conjunto de componentes elétricos compreendido entre o ponto de derivação da rede secundária de
distribuição e a medição.
3.10Faixa de servidão
Área de terreno com restrição imposta à faculdade de uso e gozo do proprietário, cujo domínio e uso são
atribuídos à concessionária, para permitir a implantação, operação e manutenção do seu sistema elétrico.
3.11Limite de propriedade
Demarcação que fixa o limite de uma área privada com a via pública ou com outra área privada no
alinhamento designado pelos poderes públicos.
3.12Fornecimento provisório
Atendimento destinado a festividades, circos, parques de diversões, exposições, pequenas obras, unidades
móveis, e demais eventos temporários.
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
3 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
3.13Padrão de entrada
Conjunto de condutores, equipamentos de medição e acessórios compreendidos entre a conexão com a
rede da concessionária e o circuito de distribuição após o dispositivo de proteção da unidade consumidora.
3.14Poço ou caixa de inspeção
Compartimento enterrado destinado a facilitar a passagem dos condutores, ligação de clientes, execução de
emendas, aterramento do neutro, execução de testes e inspeções em geral.
3.15Ponto de entrega
Ponto de conexão do sistema elétrico da concessionária com as instalações elétricas da unidade
consumidora, caracterizando-se como o limite de responsabilidade de fornecimento.
3.16Pontalete
Suporte instalado na edificação do consumidor com a finalidade de fixar e elevar o ramal de ligação.
3.17Poste particular
Poste situado na propriedade do consumidor, com a finalidade de fixar, elevar e/ou desviar o ramal de
ligação, permitindo também a instalação do ramal de entrada e a medição.
3.18Ramal de distribuição
Conjunto de componentes elétricos compreendidos entre a medição e o quadro de distribuição geral da
unidade consumidora.
3.19Ramal de entrada
Conjunto de condutores e acessórios compreendidos entre o ponto de entrega e o ponto de medição.
3.20Ramal de ligação
Conjunto de condutores e acessórios instalados entre o ponto de derivação da rede da concessionária e o
ponto de entrega.
3.21Tensão secundária de distribuição
Tensão disponibilizada no sistema elétrico da concessionária com valores padronizados inferiores a 2,3 kV
3.22Unidade consumidora
Conjunto de instalações e equipamentos elétricos caracterizados pelo recebimento de energia elétrica em
um só ponto de entrega, com medição individualizada e correspondente a um único consumidor.
3.23Unidade móvel
Veículo automotivo de natureza variada, adaptado para utilização de aparelhos eletroeletrônicos diversos,
com o objetivo de prestar serviços, tais como, atendimento comercial, assistência social, jurídica, médica,
odontológica, e outras similares, com itinerários diferenciados, conforme programas e iniciativas de
entidades, organizações ou de empresas.
3.24Via pública
Toda área de terreno destinada ao trânsito público e assim reconhecida pelos poderes competentes.
4.CRITÉRIOS
4.1Carga instalada e demanda máxima.
4.1.1O fornecimento de energia elétrica é em tensão secundária quando a unidade consumidora tiver carga
instalada igual ou inferior a 75 kW e não possua carga que possa prejudicar o fornecimento de energia a
outros consumidores neste nível de tensão.
4.1.2A carga instalada deve ser calculada com base na declaração fornecida pelo consumidor e nas
potências médias dos equipamentos padronizados pela concessionária conforme tabela1 do Anexo I.
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
4 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
4.1.3Para o cálculo da carga instalada de uma unidade consumidora, deve ser feito o somatório das
potências nominais da iluminação, aparelhos eletrodomésticos, motores, e demais equipamentos elétricos
em condições de entrar em operação, portanto não devem ser considerados os aparelhos de reserva.
4.1.4O cálculo da carga ou potência instalada na unidade consumidora deve ser elaborado e expresso na
potência ativa kW.
4.1.5A conversão da potência dos condicionadores de ar tipo janela deve utilizar os valores estabelecidos
na tabela 2 do Anexo I.
4.1.6A conversão da potência dos condicionadores de ar tipo central, deve ser efetuada convertendo-se os
valores fornecidos em TR (Toneladas de Refrigeração) para kW, da seguinte forma:
a)
b)
Transforma o valor da potência de TR para VA, consultando a nota "1" da tabela 2 do Anexo I;
Transforma o valor obtido em VA para kW através da fórmula abaixo:
kW =
VA. ⋅ Fat.Pot.
1000
Obs. O fator de potência deve ser verificado em catálogo do equipamento fornecido pelo fabricante.
4.1.7A potência em kW absorvida da rede pelos motores deve ser obtida pelas tabelas 3 e 4 do Anexo I.
4.1.8Caso a potência do motor não esteja relacionada na tabela 3 ou 4, a potência absorvida deve ser
calculada convertendo-se a potência de Cv para kW conforme seguinte expressão;
kW =
P ⋅ 735,5
η ⋅ 1000
Onde: η = rendimento do motor
4.1.9A carga instalada na edificação, calculada pelo somatório das parcelas acima descritas deve ser
utilizada para definição da tensão de fornecimento da unidade consumidora.
4.1.10A demanda máxima da edificação individual, utilizada para dimensionamento da medição, ramais e
proteção geral deve ser calculada pelo método da carga instalada conforme memorial técnico do Anexo II.
4.2Tensão de fornecimento
4.2.1A concessionária deve estabelecer e informar ao interessado a tensão secundária, alternada na
freqüência de 60 Hz, padronizada pela ANEEL e disponível para fornecimento às edificações da localidade.
4.2.2As tensões de fornecimento e os tipos de ligação para unidades consumidoras de baixa tensão na área
de concessão da Coelba foram padronizados conforme tabela 5 do Anexo I:
4.2.3Para determinação do tipo de ligação da unidade consumidora, deve-se considerar a carga instalada, a
demanda máxima, a potência de motores, máquinas de solda, cargas especiais e a tensão de fornecimento.
4.2.4Não é permitida ligação de unidade consumidora em tensões diferentes das padronizadas.
4.2.5A escolha do tipo da ligação para a unidade consumidora é feita a partir da tabela 6, considerando-se a
opção mais conservadora identificada na tabela , analisando-se:
a)
b)
c)
d)
e)
Carga instalada (para unidades consumidoras monofásicas e bifásicas);
Demanda máxima (para unidades consumidoras trifásicas);
Maior motor ou máquina de solda trifásica;
Maior motor ou máquina de solda bifásica;
Maior motor ou máquina de solda monofásica.
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
5 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
4.3Ponto de entrega
4.3.1Até o ponto de entrega a Coelba deve adotar todas as providências com vistas a viabilizar o
fornecimento, observadas as condições estabelecidas na legislação e regulamentos aplicáveis, bem como
operar e manter o seu sistema elétrico.
4.3.2Em área urbana, para edificações individuais, o ponto de entrega deve situar-se no limite da
propriedade privada com a via pública ou na conexão do ramal de ligação da concessionária com o ramal
de entrada de propriedade do consumidor.
4.3.3Na ligação de edificações construídas sem recuo, o ponto de entrega está localizado na fachada da
edificação, no pontalete ou em poste particular, sendo o ponto de medição instalado na parede que limita a
propriedade com a via pública.
4.3.4Na ligação de edificações construídas recuadas do alinhamento da via pública, desde que o terreno da
unidade consumidora atinja o alinhamento supracitado, o ponto de entrega e o ponto de medição localizamse no limite da propriedade privada com a via pública, devendo neste local ser instalado um poste particular;
4.3.5No caso de rede aérea com ramal de ligação subterrâneo o ponto de entrega deve situar-se em poço
de inspeção, construído pelo interessado obedecendo ao padrão da concessionária, situado no limite da
propriedade com a via pública;
4.3.6No caso de ramal de ligação subterrâneo derivado de rede subterrânea o ponto de entrega está
situado na conexão entre os condutores da rede secundária com o ramal de entrada da unidade
consumidora, e pode situar-se em poço de passagem da rede subterrânea no passeio ou em poço de
inspeção construído pelo interessado no limite da propriedade obedecendo ao padrão da concessionária.
4.3.7No caso de condomínio horizontal, o ponto de entrega situa-se no limite entre a via interna do
condomínio e cada fração integrante do parcelamento.
4.3.8Em caso de área rural o ponto de entrega para as unidades consumidoras de baixa tensão deve situarse a no máximo 45 metros da edificação a ser atendida.
4.4Entrada de serviço
4.4.1Cada unidade consumidora é atendida através de uma única entrada de serviço e um só ponto de
entrega por questões de segurança operacional.
4.4.2A entrada de serviço compreende o ramal de ligação, a estrutura de fixação do ramal de ligação, o
ramal de entrada, os eletrodutos até a caixa de medição, a caixa de medição, a caixa de proteção, o
sistema de aterramento do neutro, o aterramento da caixa de medição, e a conexão com o circuito de
distribuição.
4.5 Ramal de ligação e de entrada
4.5.1O ramal de ligação não deve cruzar terreno de terceiros ou passar sobre ou sob área construída.
4.5.2O ramal de ligação deve entrar pela frente do terreno ou pelo endereço postal da unidade
consumidora, ficando livre de obstáculos e visível em toda a sua extensão.
4.5.3Em princípio o ramal de ligação deve ser aéreo, podendo ser subterrâneo por determinação pública,
por necessidade técnica da concessionária ou por interesse do cliente.
4.5.4Havendo interesse do cliente em ser atendido por ramal subterrâneo em local servido por rede aérea,
deve haver anuência da Coelba e assunção dos custos adicionais pelo interessado.
4.5.5Quando aéreo o ramal de ligação não deve ser acessível através de janelas, sacadas, escadas, ou
outros locais de acesso de pessoas.
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
6 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
4.5.6Quando subterrâneo o ramal de ligação não deve cruzar terrenos de terceiros nem passar sob área
construída.
4.5.7O ramal de ligação deve respeitar as legislações dos poderes municipais, estadual e federal,
especialmente quando atravessar vias públicas.
4.5.8O ramal de ligação não deve ter emendas no vão livre nem no interior dos eletrodutos.
4.5.9Quando destinado à ligação de unidade monofásica ou bifásica, o ramal de ligação deve ter a seção, o
isolante, a cobertura e o tipo do condutor definidos em função da carga instalada.
4.5.10Quando destinado à ligação de unidades trifásicas o ramal de ligação deve ter a seção, o isolante, a
cobertura e o tipo do condutor definidos em função da demanda máxima da unidade consumidora.
4.5.11Quando aéreo e monofásico, o ramal de ligação deve ser formado por condutores de cobre
concêntrico, isolados em XLPE (Polietileno Termofixo) para as tensões de 0,6/1 kV.
4.5.12Quando aéreo bifásico ou trifásico, o ramal de ligação deve ser formado por condutores multiplexados
de alumínio, isolados em PVC ou XLPE para tensões de 0,6/1 kV, conforme tabela 6 do Anexo I.
4.5.13A fixação do ramal de ligação no padrão de entrada da unidade consumidora deve ser feita através
de armação secundária com isolador roldana, parafuso, olhal ou gancho de fibra.
4.5.14O ramal de ligação deve ter o vão livre entre o poste da rede secundária e o ponto de fixação na
propriedade do consumidor de, no máximo, 30 m.
4.5.15Os condutores dos ramais de ligação devem ser instalados de forma a permitir as seguintes
distâncias mínimas entre o condutor e o solo, na pior condição de trabalho:
a)
b)
c)
d)
e)
6,00 m em travessias de ferrovias (não eletrificadas ou não eletrificáveis);
6,00 m em travessias de rodovias;
5,50 m em ruas e avenidas;
4,50 m em local de passagem de veículo (entradas particulares);
3,50 m em locais de circulação exclusiva de pedestres.
4.5.16A distância mínima horizontal entre o ramal de ligação de baixa tensão e janelas, escadas, terraços
ou locais assemelhados é 1,2 m.
4.5.17A distância mínima entre os condutores do ramal e cabos de telefonia, sinalização, etc., é de 0,6 m.
4.5.18Os condutores dos ramais subterrâneos devem ter camada isolante com proteção mecânica adicional
e isolação mínima para 0,6/1 kV.
4.5.19Quando derivado de rede aérea os condutores do ramal de ligação subterrâneo na descida do poste
devem ser protegidos por tubo de aço carbono de 6 metros.
4.5.20O tubo de aço utilizado como proteção mecânica do ramal de ligação deve ter diâmetro mínimo de 76
mm e ser preso ao poste por de fita de aço inoxidável ou arame galvanizado seção 12 BWG.
4.5.21O ramal de ligação subterrâneo deve ser construído atendendo às recomendações para redes
enterradas previstas em normas da ABNT.
4.5.22O ramal de entrada deve atender todas as exigências do ramal de ligação no que concerne às
condições de segurança.
4.5.23O ramal de entrada quando em parede deve ser instalado no interior de eletroduto aparente ou
embutido em alvenaria.
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
7 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
4.5.24Os condutores do ramal de entrada e distribuição devem ser de cobre, classe de encordoamento 2
dois), com isolação mínima para 750V.
4.5.25Quando o ramal de entrada for subterrâneo, os cabos devem ter isolação mínima para 0,6/1 kV e
possuírem camada para proteção mecânica adicional.
4.5.26Não é permitida a emenda dos condutores do ramal de entrada no interior de eletrodutos.
4.5.27Os condutores do ramal de entrada e do ramal de distribuição são fornecidos e instalados pelo
consumidor.
4.5.28Excepcionalmente, em casos de ramais aéreos monofásicos, o ramal de entrada é fornecido e
instalado pela concessionária.
4.5.29Os eletrodutos do ramal de entrada devem ser de aço carbono galvanizado ou PVC rígido de
espessura reforçada (classe A), tipo rosqueável, de acordo com a norma NBR 6150.
4.5.30Nos ramais de entrada subterrâneos deve ser instalada na extremidade superior do eletroduto, uma
curva com, no mínimo, 135 graus, utilizando uma das seguintes opções:
a)
b)
c)
d)
Instalação de uma entrada de linha;
Instalação de uma curva de 180 graus;
Instalação de duas curvas de 90 graus;
Instalação de uma curva de 90 graus conjugada com outra de 45 graus.
4.5.31O diâmetro do eletroduto é função da seção do condutor do ramal e está dimensionado na Tabela 6
do Anexo I.
4.5.32Os eletrodutos devem dispor de elemento guia de arame ou cordoalha de aço ou fita de aço, etc., de
forma a facilitar a instalação dos condutores do ramal de entrada.
4.5.33Os ramais subterrâneos quando instalado sob área de passagem de veículos devem utilizar
eletrodutos de aço zincado ou PVC rígido envelopado em concreto.
4.5.34A proteção mecânica dos condutores dos ramais de entrada não pode ser através de tubos de PVC
para esgoto mesmo quando envelopado em concreto.
4.6 Padrão de entrada
4.6.1O padrão de entrada deve ser inspecionado e aprovado previamente pela concessionária antes de ser
efetuada a ligação definitiva da unidade consumidora.
4.6.2O padrão de entrada deve ter no máximo, 3 (três) j de até 90 graus.
4.6.3A distância máxima entre as curvas de um padrão de entrada é de 3 m.
4.6.4O consumidor é o responsável pela instalação e manutenção do padrão de entrada.
4.6.5Quando o ramal de ligação passar sobre acesso de garagem e/ou entrada de veículos, recomenda-se
utilizar poste particular com comprimento de 7m, mesmo que a unidade consumidora esteja localizada no
mesmo lado da rede de distribuição (sem travessia de rua).
4.6.6O poste particular utilizado no padrão de entrada deve situa-se no limite de propriedade e ser
dimensionado de forma a suportar o esforço de no mínimo 75 daN, exercido pelos condutores.
4.6.7O poste particular é em concreto armado do tipo duplo T, concreto armado circular, em madeira ou
metálico, com esforço e comprimento padronizados conforme Tabela 7 do Anexo 1
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
8 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
4.6.8O poste particular deve permitir que o ramal de ligação obedeça aos espaçamentos mínimos de
segurança.
4.6.9O poste particular, quando construído com tubo de PVC, ∅=100 mm, preenchido com alvenaria, deve
estar reforçado com no mínimo quatro vergalhões de ferro de diâmetro ∅=3/8”.
4.6.10O poste particular pode ser compartilhado com até três unidades consumidoras monofásicas, desde
que suporte os esforços advindos da instalação dos ramais e que os demais componentes do padrão de
entrada sejam individualizados.
4.6.11Antes da instalação definitiva do ramal de ligação no poste particular, pontalete ou fachada da
edificação, o instalador deve certificar-se da resistência à tração no ponto de fixação do ramal.
4.6.12Deve ser utilizado um pontalete se a edificação a ser ligada não possuir altura suficiente para fixação
do ramal de ligação diretamente na parede.
4.6.13O pontalete pode ser formado por uma cantoneira tipo L de aço galvanizado com imersão a quente,
por barrote de madeira ou através de coluna de concreto armado.
4.6.14O pontalete deve suportar no mínimo o esforço horizontal de 75 daN, conforme características
principais citadas na tabela 7 do Anexo I.
4.7 Medição
4.7.1A medição deve ser única e individual por unidade consumidora conforme estabelecido na legislação
específica para o setor elétrico.
4.7.2Os equipamentos de medição devem ser instalados pela concessionária sob suas expensas em caixas
que compõem o padrão de medição.
4.7.3O tipo da medição e do medidor deve ser escolhido em função da carga instalada ou demanda máxima
da na unidade consumidora conforme tabela 6 do Anexo I
4.7.4Os medidores padronizados pela Coelba para faturamento do consumo das unidades do grupo B estão
relacionados na tabela seguinte.
Medidores Padronizados para Medição de Unidades Consumidoras Faturadas no Grupo B
item
nome padronizado
item
nome padronizado
1
medidor ele Wh 1f 240 V 15/100A dy/b
8
medidor elt 3f 240V 2,5 A plc classe 0,5
2
medidor ele Wh 1f 120 V 15/100 A dy/b.
9
medidor elt 3f 240 V 15,0 A plc classe 1,0
3
medidor ele Wh /varh 2f 120-240V 15-120 A.
10
medidor elt 3f 120 V 15,0 A plc classe 1,0
4
medidor ele mult 3f 120 240 V 2,5 10 A ths
11
medidor elt 3f 120 V 2,5 A plc classe 0,5
5
medidor ele mult 3f 120/240 V 30/200 A ths
12
medidor elt 1f 240 V 15,0 A plc classe 1,0
6
medidor ele mult 3f 120/240 V 15/120 A ths
13
medidor ele Wh/w 1f 120 V 15A plc c1
7
medidor ele Wh /varh 3f 120-240V 15 A dy/b.
14
4.7.5Os transformadores de Corrente (TCs) devem ser dimensionados em função da demanda máxima
prevista para a unidade consumidora e dos limites dos TCs relacionados na tabela seguinte.
TC 0,6 kV
75 – 5
200 - 5
400 - 5
SM04.14-01.001
Relação de TCs em Função da Demanda
Demanda Prevista, Contratada ou Verificada ( D )
Secundário 220/127 V
SECUNDÁRIO 380/220 V
3 kVA ≤ D ≤ 45 kVA
5 kVA D ≤ 80 kVA
35 kVA < D ≤ 115 kVA
65 kVA < D ≤ 210 kVA
75 kVA < D ≤ 225 kVA
155 kVA < D ≤ 300 kVA
8ª Edição
25/08/2008
9 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
4.7.6O padrão de medição deve ser instalado pelo consumidor, sob suas expensas, na propriedade da
unidade consumidora, seguindo padrão definido pela concessionária.
4.7.7O consumidor é responsável pelos danos causados aos equipamentos de medição ou ao sistema
elétrico da concessionária, decorrentes de qualquer procedimento irregular.
4.7.8O consumidor é responsável pela guarda do medidor de energia elétrica e dos equipamentos auxiliares
mantidos sobre lacre.
4.7.9O consumidor é o responsável pelas adaptações das instalações da unidade consumidora,
necessárias ao recebimento dos equipamentos de medição, em decorrência de mudança de grupo tarifário
ou exercício de opção de faturamento.
4.7.10A Coelba pode atender a unidade consumidora em tensão secundária de distribuição com ligação
bifásica ou trifásica, ainda que a mesma não apresente carga instalada suficiente para tanto, ou não atenda
aos limites estabelecidos na tabela 6 do Anexo I, desde que o interessado se responsabilize pelo
pagamento da diferença de preço do medidor, pelos demais materiais, equipamentos de medição a serem
instalados, bem como eventuais custos de adaptação da rede elétrica.
4.8 Montagem da caixa de medição
4.8.1Em edificação recuada, medição situada em muro, ramal de ligação aéreo, travessia de rua e ramal de
distribuição subterrâneo, conforme Figura 1 do Anexo III.
4.8.2Em edificação recuada, medição situada em muro, ramal de ligação aéreo, travessia de rua e ramal de
distribuição aéreo, conforme Figura 2 do Anexo III.
4.8.3Em edificação sem recuo, ramal de ligação aéreo com travessia de rua, ramal fixado em pontalete,
medição situada em parede conforme Figura 3 do Anexo III.
4.8.4Em edificação sem recuo, ramal de ligação aéreo com travessia de rua, medição situada na fachada
conforme Figura 4 do Anexo III.
4.8.5Em edificação sem recuo, ramal de ligação aéreo sem travessia de rua e medição situada na fachada
conforme Figura 5 do Anexo III.
4.8.6Em edificação com recuo, ramal de ligação aéreo com travessia de rua, medição situada em poste e
ramal de distribuição subterrâneo conforme Figura 6 do Anexo III.
4.8.7Em edificação com recuo, ramal de ligação aéreo com travessia de rua, medição no poste e ramal de
distribuição aéreo, conforme Figura 7 do Anexo III.
4.8.8A fixação do ramal de ligação na parede da edificação deve seguir um dos modelos apresentados na
Figura 8 do Anexo III.
4.8.9A caixa de medição é padronizada pela concessionária, de acordo com a norma: VR01.02-00.003 Especificação de Caixas para Medidores e Figura 9 a 16 do Anexo III.
4.8.10A caixa de medição deve situar-se no limite da via pública com o imóvel, podendo ser instalada em
poste particular, mureta, muro ou embutida na parede frontal, com o visor voltado para a rua.
4.8.11A altura do topo da caixa deve ser de 1,60 m em relação ao piso, conforme cotas da Figura 11 do
Anexo III. Admitem-se variações para mais ou menos de até 10 cm.
4.8.12Quando instalada em poste particular, a caixa deve ser fixada através de bucha plástica, parafuso, fita
de aço ou braçadeira plástica.
4.8.13Devem conter na tampa uma gravação garantindo que sua fabricação foi de acordo com a
especificação da Coelba citada anteriormente e disponível para os fornecedores.
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
10 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
4.8.14Caso a caixa utilizada na montagem do padrão de entrada não possua a gravação acima, a mesma
deve ser rejeitada e o consumidor deve promover a substituição da caixa para ter sua ligação efetivada.
4.8.15Havendo modificações na edificação que torne o local da medição incompatível com os requisitos já
mencionados, o consumidor deve preparar um novo local para a instalação dos equipamentos de medição
da concessionária.
4.8.16Quando instalada embutida em alvenaria a caixa de medição deve estar situada, no máximo, a 1,0 m
da descida vertical do eletroduto do ramal de entrada.
4.8.17Em áreas tombadas pelo patrimônio histórico, as caixas de medição das unidades consumidoras
podem ser instaladas no interior das propriedades a uma distância máxima de 3,0 metros da porta de
entrada, em parede que permita o acesso livre e fácil para a leitura e inspeção pela Coelba.
4.8.18Quando houver muro no limite da via pública com um imóvel tombado pelo patrimônio histórico, a
caixa de medição pode localizar-se no lado interno do muro.
4.8.19Somente em casos especiais a unidade pode ser atendida através de medição externa, e nestes
casos instalada pela Coelba.
4.8.20A medição é dita externa quando os equipamentos de medição estão localizados além do limite da via
pública com o imóvel em que se localizar a unidade consumidora ou da via pública com o condomínio
horizontal ou vertical o qual integre,
4.8.21Quando o imóvel for construído com adaptações para atender a deficientes físicos, a base da caixa
de medição pode ficar a uma altura mínima de 45 cm do solo
4.9 Proteção da instalação
4.9.1Toda instalação elétrica deve estar equipada com dispositivo de proteção geral que interrompa o
fornecimento de energia em casos de curto-circuito ou emergências.
4.9.2O dispositivo de proteção deve permitir a interrupção do fornecimento de energia elétrica à edificação,
em carga, sem que o medidor seja desligado.
4.9.3A proteção geral da unidade consumidora deve ser através de disjuntor termomagnético, monopolar,
bipolar ou tripolar, instalado pelo consumidor.
4.9.4As unidades consumidoras monofásicas e bifásicas devem possuir disjuntor termomagnético para
proteção de sobrecorrente, dimensionado de acordo com a carga instalada. (Tabela 6 do Anexo I)
4.9.5As unidades consumidoras trifásicas devem possuir disjuntor termomagnético para proteção de
sobrecorrente, dimensionado de acordo com a demanda máxima prevista.(Tabela 6 do Anexo I)
4.9.6A caixa de disjunção é padronizada pela concessionária de acordo com a norma VR01.02-00.003 Especificação de Caixas para Medidores e deve ser instalada junto à caixa de medição com a tampa
voltada para a mesma direção.
4.9.7Em áreas de vandalismos e em unidades consumidoras desassistidas, mediante aprovação prévia da
Coelba, a caixa de proteção pode ser instalada voltada para o interior da unidade consumidora.
4.9.8A proteção das instalações contra sobretensões deve ser conforme norma NBR 5410.
4.9.9Os condutores fase devem ser conectados aos pólos do disjuntor enquanto que o condutor neutro não
deve ser secionado.
4.9.10Quando em poste particular, a caixa de disjunção é fixada através de buchas plásticas e parafusos,
fita de aço ou braçadeira plástica.
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
11 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
4.9.11As unidades consumidoras que, por ocasião da inspeção para ligação, forem encontradas com
proteção em desacordo com esta norma, devem ser notificadas para proceder à substituição.
4.10 Proteção e partida de motores
4.10.1Os motores com potência superior a 5 cv são classificados como cargas especiais, que devem
atender as exigências específicas estabelecidas neste documento.
4.10.2Sempre que possível, os motores com potência superior a 5 cv devem dispor de dispositivo de partida
para atenuar as correntes transitórias.
4.10.3Os dispositivos de partida são escolhidos pelos próprios consumidores em função da carga e dos
conjugados de partida solicitados pelos motores.
4.10.4O dispositivo de partida do motor deve ser dotado de sensor que o desligue na eventual falta de
tensão, em qualquer uma das fases.
4.10.5A concessionária não se responsabiliza por danos elétricos causados pela "falta de fase" em motores
que não possuam o devido sensor citado no item anterior.
4.10.6Não é permitida a ligação de motor trifásico com potência superior a 30 cv, em tensão secundária de
distribuição.
4.10.7Excluem-se do item anterior as ligações temporárias destinadas a obras civis que estejam atendidas
por transformadores exclusivos.
4.11Aterramento
4.11.1O aterramento do neutro e das massas é obrigatório para todas as instalações elétricas conforme
estabelecido na NBR 5410 da ABNT.
4.11.2Toda unidade consumidora incluindo às destinadas ao fornecimento provisório ou temporário deve
ser dotada de sistema de aterramento.
4.11.3Toda unidade consumidora deve ter o condutor neutro do circuito de distribuição aterrado na origem
da instalação.
4.11.4O condutor de aterramento deve ser o mais curto e retilíneo possível, sem emendas, sem quaisquer
dispositivos que possam causar a sua interrupção e protegido mecanicamente por eletroduto.
4.11.5O condutor do aterramento deve ser em cobre nu ou isolado, de acordo com a norma NBR 6148, com
seção transversal mínima igual a do condutor fase do ramal de ligação, fixado conjuntamente ao neutro,
através de parafuso específico existente na caixa de medição.
4.11.6Os condutores nus quando utilizados como neutro devem ser embutidos em eletroduto de PVC ou
aço devidamente aterrado, dimensionado de acordo com a tabela 6 do Anexo I.
4.11.7O valor da resistência de aterramento das unidades consumidoras de baixa tensão deve ser de, no
máximo, 20 Ohms.
4.11.8A haste de aterramento deve ser em aço cobreado, com dimensões mínimas de 16 X 2.400mm.
4.11.9Para instalação exclusiva da haste de aterramento, utiliza-se um poço de inspeção com dimensões
internas mínimas de 200x200x300 mm ou tubo de PVC rígido de diâmetro mínimo 100 mm e profundidade
mínima de 300 mm, conforme Figura 12 do Anexo III.
4.11.10São aceitos outros tipos de caixas de inspeção em PVC, ou material similar, desde que
homologados pela concessionária.
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
12 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
4.11.11Para instalação de haste de aterramento e passagem de cabos, utiliza-se um poço de inspeção com
dimensões mínimas de 300x300x400mm.
4.11.12A conexão do condutor com a haste de aterramento é feita através de conector tipo grampo “U”
(cabo - haste), conector tipo cunha para aterramento (cabo/haste) ou solda exotérmica. O ponto de conexão
do condutor à haste de aterramento deve estar acessível por ocasião da inspeção para ligação.
4.12Aumento de carga
4.12.1É permitido ao consumidor aumentar a carga instalada da sua unidade consumidora até o limite
estabelecido como "potência disponibilizada pela concessionária".
4.12.2A potência disponibilizada pela concessionária é calculada multiplicando-se a corrente nominal do
disjuntor, pela tensão fase-neutro e pelo número de fases.
4.12.3Aumento de carga superior ao limite acima deve ser solicitado à concessionária para análise das
modificações que se fizerem necessárias na rede, no padrão de entrada e nos equipamentos de medição.
4.12.4A não observação por parte do consumidor do disposto no item anterior, desobriga a concessionária
de garantir a qualidade do serviço, podendo esta inclusive suspender o fornecimento de energia elétrica da
unidade, se o aumento de carga, arbitrário, prejudicar o atendimento a outras unidades consumidoras.
4.12.5No caso de ligações monofásicas com previsão futura de aumento de carga, permite-se ao
consumidor instalar caixa para medição polifásica, bem como dimensionar eletrodutos, condutores e postes
em função da carga futura.
4.12.6O dispositivo de proteção deve ser específico para a carga atual, dimensionado conforme tabela 6 e
redimensionado sempre que houver aumento de carga.
4.13Utilização de geradores particulares e sistemas de emergência
4.13.1Conforme disposto na norma NBR 13534, é obrigatória a disponibilidade de geração própria (fonte de
segurança) para as unidades consumidoras que prestam assistência à saúde, tais como: hospitais, centros
de saúde, postos de saúde e clínicas.
4.13.2A instalação de geradores particulares visando dar maior confiabilidade à carga deve ser projetada de
forma que garanta a segurança operacional em caso de manutenção na rede da concessionária.
4.13.3Deve ser instalada uma chave reversível de acionamento manual ou elétrico com intertravamento
mecânico, separando os circuitos alimentadores do sistema da concessionária dos circuitos supridos pelos
geradores particulares.
4.13.4Os circuitos de emergência supridos por geradores particulares devem ser instalados
independentemente dos demais circuitos, em eletrodutos exclusivos, passíveis de serem vistoriados pela
concessionária até a chave reversível, conforme disposto na norma para Instalação de Geradores
Particulares em Baixa Tensão.
4.13.5Os geradores particulares devem ser previstos em projeto e submetidos à liberação e inspeção pela
concessionária.
4.13.6O quadro de manobras deve ser lacrado, ficando disponível para o cliente somente o acesso ao
comando da chave reversível.
4.13.7Não é permitido o paralelismo contínuo entre geradores particulares com o sistema elétrico da
concessionária.
4.13.8Em situações excepcionais, que sejam objeto de estudo a ser apresentado com subseqüente
liberação da concessionária, permite-se o paralelismo momentâneo de geradores com o sistema da mesma,
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
13 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
desde que atendam ao disposto na norma para Paralelismo Momentâneo de Gerador Com o Sistema de
Distribuição, Com Operação em Rampa
4.14Instalações internas
4.14.1As instalações elétricas em caráter geral devem a tender ao estabelecido nas normas da ABNT,
especificamente à NBR 5410.
4.14.2As edificações que, ao todo ou em parte, possuam locais de afluência de público devem atender aos
requisitos da norma NBR 13570.
4.14.3Devem ser atendidas as recomendações dos fabricantes, quanto aos aspectos de segurança e
proteção dos equipamentos eletro-eletrônicos instalados nas unidades consumidoras;
4.14.4A concessionária pode suspender o fornecimento, de imediato, quanto verificar a ocorrência de
deficiência técnica ou de segurança nas instalações da unidade consumidora, que ofereçam riscos
iminentes de danos a pessoas ou bens, inclusive ao funcionamento do sistema elétrico da concessionária.
4.15 Ligação com necessidade de estudo
4.15.1A concessionária antes de liberar a ligação de cargas significativas deve elaborar estudo e verificar a
necessidade de reforçar a rede elétrica para evitar possíveis perturbações aos demais consumidores;
4.15.2São consideradas significativas as ligações definitivas de unidades consumidoras com carga
instalada superior a 15 kW;
4.15.3São consideradas significativas as ligações de unidades consumidoras que possuam motores com
potência superior a:
a)
b)
2 cv por fase nas tensões de 220/127 V;
3 cv por fase nas tensões de 380/220 V.
4.15.4São consideradas significativas as ligações de unidades consumidoras que possuam aparelhos
emissores de raios X ou máquina de solda a transformador, independente da potência;
4.15.5São consideradas significativas as ligações provisórias destinadas a eventos com carga instalada
superior a 6 kW;
4.16Projeto elétrico;
4.16.1A ligação de unidades consumidoras com carga instalada superior a 50 kW deve ser precedida pela
análise e liberação de um projeto elétrico elaborado, conforme as recomendações da concessionária.
4.16.2O projeto deve ser elaborado por profissional habilitado com registro no CREAA/CONFEA.
4.16.3Os projetos devem ser desenhados utilizando-se os padrões de desenhos e simbologia
recomendados pela ABNT.
4.16.4Os projetos devem ser apresentados em 03 (três) vias nas seguintes escalas mínimas:
a)
b)
c)
Escala 1:25 ou 1:50 para cortes e plantas baixa;
Escala 1:2000 para a planta de situação;
Escala 1:10000 para a planta de localização.
4.16.5Os projetos devem ser apresentados com a seguinte documentação:
a)
b)
c)
"Memorial Descritivo do Projeto" com os itens exigidos na NR10 de 07/12/04.
Nome do proprietário;
Localização;
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
14 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
d)
Município;
e)
Número de pavimentos;
f)
Finalidade da instalação;
g)
Cortes, esquema vertical e plantas baixas.
h)
Carga instalada / demanda calculada, referentes à instalação;
i)
Autorização do IBAMA em caso de obras com atividades de supressão vegetal.
j)
Certificado de Licença Ambiental emitido pelo órgão estadual competente, quando a edificação
estiver situada em área de proteção ambiental ou a legislação exigir;
4.16.6O "Memorial Descritivo do Projeto" deve conter no mínimo os seguintes itens de segurança:
a)
Especificação dos dispositivos de desligamento dos circuitos elétricos com recursos que impeçam
religações indevidas;
b)
Especificação da configuração do esquema de aterramento utilizado;
c)
Descrição do sistema de identificação de circuitos elétricos e equipamentos, incluindo dispositivos
de manobra, de controle, de proteção, de intertravamento, dos condutores e os próprios equipamentos,
definindo como tais indicações devem ser aplicadas fisicamente aos componentes das instalações;
d)
Descrição do princípio funcional dos dispositivos de proteção, constantes do projeto, destinados à
segurança das pessoas;
e)
Diagramas unifilares;
4.16.7As instalações elétricas internas das unidades consumidoras devem ser dimensionadas de forma que
a queda de tensão máxima até o ponto de utilização seja de 4%.
4.16.8O projeto deve disponibilizar internamente à edificação espaço para futura instalação de banco de
capacitores e ser apresentado com a seguinte documentação:
4.16.9Projeto do quadro de medição com localização detalhada e sugestão do ponto de entrega a ser
conectado à rede da concessionária:
4.16.10As cópias dos projetos têm as seguintes finalidades:
a)
1ª via: As plantas relativas ao projeto mínimo da entrada de serviço devem ser analisadas e
devolvidas ao Cliente, devidamente carimbadas com o seguinte texto “Entrada de serviço em conformidade
com nossas normas"
b)
2ª via: Deve ser arquivada no órgão responsável pela análise, liberação;
c)
3ª via: Destinada a tramitar acompanhando o processo pelos órgãos de projeto, construção,
operação, inspeção e ligação.
4.16.11A liberação do projeto pela concessionária, não exime o projetista e executor do projeto de sua
responsabilidade técnica, nem das obrigações legais correspondentes.
4.16.12A liberação do projeto refere-se exclusivamente aos itens para os quais a concessionária tem
exigências específicas.
4.16.13A validade da aprovação após ponto de entrega é de 36 (trinta e seis) meses contados da data da
liberação pela concessionária.
4.16.14A validade da aprovação dos componentes da rede pública, antes do ponto de entrega, é de doze
meses contados a partir da data de liberação.
4.16.15Após a liberação formal, qualquer alteração no projeto deve se submeter aos mesmos trâmites de
um projeto novo.
4.16.16As instalações devem ser executadas, por profissional habilitado, rigorosamente, de acordo com o
projeto liberado.
4.16.17O projeto pode ser dispensado se a ligação destinar-se a palanques para shows ou eventos
provisórios com carga instalada inferior a 75 kW (atendidos em baixa tensão).
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
15 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
4.17Suspensão de fornecimento
4.17.1A concessionária pode suspender o fornecimento de energia elétrica de imediato quando verificar a
ocorrência das seguintes situações:
a)
Ocorrência de qualquer procedimento cuja responsabilidade não lhe seja atribuída e que tenha
provocado faturamento inferior ao correto, ou no caso de não haver faturamento;
b)
Revenda ou fornecimento de energia elétrica a terceiros sem a devida autorização federal;
c)
Ligação clandestina, religação à revelia,
d)
Deficiência técnica e/ou de segurança das instalações da unidade consumidora, que ofereça risco
iminente de danos a pessoas ou bens, inclus8ve ao funcionamento do sistema elétrico da Coelba.
4.17.2A concessionária também deve suspender o fornecimento de energia elétrica após prévia
comunicação formal ao consumidor, nas seguintes situações:
a)
Por atraso no pagamento da fatura relativa à prestação de serviço público de energia elétrica;
b)
Por atraso no pagamento de despesas provenientes de serviços prestados pela concessionária;
c)
Por existência de equipamento que ocasione perturbações ao sistema elétrico de distribuição;
d)
Por aumento de carga não autorizado pela concessionária;
e)
Por deficiência técnica e/ou de segurança das instalações elétricas da unidade consumidora;
f)
Quando encerrado o prazo acordado com o consumidor para o fornecimento provisório, e o mesmo
não tiver atendido às exigências para a ligação definitiva;
g)
Por travessia do ramal de ligação sobre terrenos de terceiros;
h)
Por dano ocasional em equipamento de medição pertencente à concessionária;
i)
Por qualquer modificação no dimensionamento geral da proteção, sem autorização da
concessionária;
j)
Por impedimento ao acesso de empregados e prepostos da concessionária para fins de leitura e
inspeções necessárias.
4.18 Fornecimento provisório
4.18.1 O fornecimento provisório destina-se ao atendimento de eventos temporários e a efetivação do
suprimento está condicionada à disponibilidade técnica do sistema elétrico do local.
4.18.2Correrão por a conta do consumidor, as despesas com instalação e retirada de rede e ramais de
caráter provisório, bem como as relativas aos respectivos serviços de ligação e desligamento.
4.18.3A cobertura isolante dos condutores utilizados em eventos temporários deve estar em perfeito estado
e todas as conexões devem estar devidamente isoladas;
4.18.4O aterramento das massas é obrigatório e provido de malha de terra quando o fornecimento se
destinar à: barracas, stands, equipamentos elétricos, palcos, arquibancadas, parques de diversões e
unidades móveis.
4.18.5Caso a unidade móvel esteja posicionada junto a um poste, que disponha de malha de aterramento
(poste de equipamento ou final de linha), a malha da unidade móvel deve se interligada à malha do poste,
de forma a equipotencializar os sistemas de aterramento.
4.18.6Os circuitos devem ser protegidos conforme a Tabela 6 do Anexo I.
4.18.7Os padrões de ligação para eventos com medição devem obedecer aos mesmos critérios técnicos
adotados no padrão de ligação convencional, principalmente os relacionados com a segurança de pessoas.
4.18.8Quando tratar-se de fornecimento às unidades Consumidoras Móveis, o condutor do ramal de entrada
não pode apresentar mais que três curvas e ter sobra o suficiente para ligação do medidor.
4.18.9O fornecimento às unidades consumidoras móveis, nos aspectos comerciais, deve ser conforme a
norma SM04 00-00.006 Atendimento Comercial à Ligação de Unidade Móvel.
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
16 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
4.19 Ligação de obra
4.19.1Caracteriza-se como ligação de obra, aquela efetuada com medição e prazo previsto para execução
da obra normalmente superior a 12 meses.
4.19.2Para ligação de obra de construção civil, o consumidor deve informar o regime de funcionamento e a
relação das cargas que serão utilizadas na obra.
4.19.3Quando a carga instalada no canteiro da obras estiver compreendida entre 75 e 112,5 kW, a unidade
consumidora pode ser atendida em baixa tensão, faturada no grupo "B" e energizada diretamente de
transformador da Coelba instalado em via pública, se houver condições técnicas no sistema elétrico e
formalização por escrito do interessado.
4.19.4O canteiro de obras com potência transformadora superior a 112,5 kVA deve ser classificado
normalmente como cliente do grupo A e faturado neste grupo.
4.19.5De forma semelhante às ligações definitivas, o atendimento à obras com carga instalada superior a
112,5 kVA deve ser precedido de estudo de viabilidade elétrica executado pelo órgão da Coelba
responsável pelo planejamento regional.
4.19.6Os projetos executivos para atendimento à canteiro de obras devem ser concebidos visando
minimizar as futuras alterações necessárias ao atendimento da carga definitiva.
4.20 Desligamentos temporários
4.20.1Os desligamentos programados para concertos de padrões que envolvam a desenergização dos
equipamentos de medição devem ser executado pela concessionária.
4.20.2A solicitação de desligamento provisório de uma unidade consumidora para fins de manutenção deve
ser feita com antecedência mínima de três dias úteis, informando-se o seguinte:
a)
b)
c)
d)
e)
f)
Nome e endereço da unidade consumidora;
Número da identificação da unidade consumidora constante na conta de energia;
Data e horário desejado para o desligamento e a religação;
Motivos do desligamento;
Responsável técnico pelo desligamento e;
Telefone de contato.
4.21 Informações prévias para ligação
4.21.1Antes de construir ou adquirir os materiais para a execução do seu padrão de entrada, o consumidor
deve contatar a concessionária através do "Tele atendimento", unidade de atendimento, Coelba Serviços ou
endereço da INTERNET para obter orientações a respeito das condições de fornecimento de energia à sua
unidade consumidora.
4.21.2As orientações técnicas, cuja distribuição é gratuita, estão disponíveis nos meios de divulgação da
empresa e apresentam as primeiras providências a serem tomadas pelos consumidores, relativas a:
a)
b)
c)
d)
Verificação da posição da rede de distribuição em relação ao imóvel;
Definição do tipo de fornecimento;
Carga instalada na unidade consumidora a ser ligada;
Localização e escolha do tipo de padrão.
4.21.3Eventualmente, a critério da concessionária, a efetivação da ligação de unidades situadas em vias
públicas, tais como passeios, praças, jardins, praias, etc., pode ser condicionada à apresentação, pelo
interessado, de licença da Prefeitura ou alvará de funcionamento.
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
17 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
4.21.4À concessionária reserva-se o direito de não efetuar ligação de unidade consumidora localizada em
edificação que, quando da realização da vistoria, estiver situada dentro de faixa de servidão de seu sistema
elétrico ou quando detectada a existência de paredes, janelas ou sacadas construídas sem obedecer aos
afastamentos mínimos de segurança, em relação à rede de distribuição.
4.21.5Após a conclusão da montagem do seu padrão de entrada, o consumidor deve contatar novamente a
concessionária, a fim de solicitar formalmente a vistoria e ligação de suas instalações.
4.21.6A concessionária não é responsável por danos a bens ou a pessoas decorrentes de deficiências
técnicas, má utilização e conservação do padrão de entrada e das instalações internas ou uso inadequado
da energia elétrica, conforme dispõe a legislação vigente.
4.21.7É obrigatória a observância à norma NBR 5410, que regulamenta as instalações elétricas em baixa
tensão. Os casos omissos e as dúvidas de interpretação desta Norma devem ser submetidos à apreciação
e decisão da concessionária.
5.REFERÊNCIAS
Condições Gerais de Fornecimento de Energia Elétrica - Resolução ANEEL nº. 456 de 29/11/2000
NBR 5361
Disjuntores de Baixa Tensão;
NBR 5410
Instalações Elétricas de Baixa Tensão;
NBR 5434
Redes de Distribuição Aérea Urbana de Energia Elétrica – Padronização;
NBR 6148
Condutores isolados com isolação extrudada de cloreto de polivinila (PVC) para
tensões até 750 V – sem cobertura - especificação;
NBR 6150
Eletroduto de PVC rígido;
NBR 10.676
Fornecimento de Energia a Edificações Individuais em Tensão Secundária – Rede de
Distribuição Aérea;
NBR 13.534
Instalações Elétricas em Estabelecimentos Assistenciais de Saúde – Requisitos para
Segurança;
NBR 13.570
Instalações Elétricas em locais de Afluência de Público – Requisitos Específicos.
6.APROVAÇÃO
RICARDO JOSÉ BARROS VALENTE
Gerente do Departamento de Planejamento de Investimentos – EPI
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
18 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
ANEXO I. TABELAS
Tabela 1 - Potências Média dos Aparelhos Eletrodomésticos
Item
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
36
37
38
39
40
41
42
43
44
45
46
47
Potência Padronizada para Eletrodomésticos
Descrição
Potência Item
Descrição
Amplificador de potência eletrônico
200 W
72
Liquidificador industrial
Aparelho de raios X pequeno
3.500 W 73
Liquidificador residencial
Aparelho de raios X grande
7.000 W 74
Lixadeira grande
Aparelho de ultrassonografia
500 W
75
Lixadeira pequena
Aquecedor de água até 400 litros
2000.W 76
Maquina de chope
Aquecedor de água por passagem
6.000 W 77
Maquina de cortar cabelo
Aquecedor de ambiente
1000.W 78
Máquina de costura
Aspirador de pó comercial
2240 W 79
Máquina de lavar louças
Aspirador de po residencial
750 W
80
Máquina de lavar c/ aquecimento
Assadeira pequena
500 W
81
Maquina de lavar s/ aquecimento
Assadeira grande
1000 W 82
Maquina de secar roupas (grande)
Balcão frigorífico pequeno
500 W
83
Maquina de secar roupas (média)
Balcão frigorífico grande
1000 W 84
Máquina de solda pequena
Hidromassagem sem aquecedor
600 W
85
Maquina de sorvete
Hidromassagem com aquecedor
6.600 W 86
Máquina de xérox
Batedeira de bolo
100 W
87
Micro computador
Bebedouro
200 W
88
Moedor de carne
Betoneira
1000 W 89
Moinho para diversos grãos
Bomba de combustível
740 W
90
Motor monofásico de até 1/2 cv
Cadeira de dentista
190 W
91
Motor monofásico de 3/4 cv
Motor monofásico de 1,0 cv
Cafeteira elétrica para uso comercial 1200 W 92
Motor monofásico de 1,5 cv
Cafeteira elétrica p/ uso doméstico
750 W
93
Motor monofásico de 2,0 cv
Carregador de bateria de oficina
1200 W 94
Motor monofásico de 3,0 cv
Chuveiro elétrico 127 V
4.400 W 95
Motor monofásico de 4,0 cv
Chuveiro elétrico 220 V
6.000 W 96
Motor monofásico de 5,0 cv
Compressor pequeno
370 W
97
Motor monofásico de 7,5 cv
Condicionador de ar até 7.500 Btu
755 W
98
Motor monofásico de 10,0 cv
Condicionador de ar de 9.000 Btu
850 W
99
Condicionador de ar de 10.000 Btu
1031 W 100 Motor trifásico até 1/2 ou 0,50 cv
Condicionador de ar de 12.000 Btu
1.204 W 101 Motor trifásico de 3/4 ou 0,75 cv
Condicionador de ar de 18.000 Btu
2.000 W 102 Motor trifásico de 1,0 cv
Condicionador de ar de 21.000 Btu
2.250 W 103 Motor trifásico de 1,5 cv
Condicionador de ar de 30.000 Btu
3.800 W 104 Motor trifásico de 2,0 cv
Conjunto de som profissional
500 W
105 Motor trifásico de 3,0 cv
Conjunto de som residencial
100 W
106 Motor trifásico de 4,0 cv
Copiadora xérox (grande)
2.500 W 107 Motor trifásico de 5,0 cv
Copiadora xérox (pequena)
1.500 W 108 Motor trifásico de 6,0 cv
Cortador de grama
1.600 W 109 Motor trifásico de 7,5 cv
Digital Vídeo Disco ( DVD)
50 W
110 Motor trifásico de 10,0 cv
Ebulidor elétrico
1000 W 111 Motor trifásico de 12,5 cv
Enceradeira residencial
400 W
112 Motor trifásico de 15,0 cv
Espremedor de frutas comercial
500 W
113 Motor trifásico de 20,0 cv
Espremedor de frutas residencial
200 W
114 Motor trifásico de 25,0 cv
Esterilizador
1000 W 115 Motor trifásico de 30,0 cv
Estufa de dentista
1000 W 116 Multiprocessador
Exaustor para fogão
100 W
117 Outros equipamentos
Fatiador para frios
740 W
118 Pipoqueira
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
Potência
1000 W
320 W
1000 W
850 W
900 W
200 W
100 W
1200 W
1500 W
400 W
3500 W
1100 W
1000 W
2200 W
1500 W
100 W
320 W
600 W
370 W
550 W
750 W
1100 W
1500 W
2200 W
3000 W
3700 W
5500 W
7500 W
370 W
550 W
750 W
1100 W
1500 W
2200 W
3000 W
3700 W
4500 W
5500 W
7500 W
9200 W
11000 W
15500 W
18500 W
22000 W
420 W
110 W 0
19 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
Item
48
49
50
51
52
53
54
55
56
57
58
59
60
61
62
63
64
65
66
67
68
69
70
71
Potência Padronizada para Eletrodomésticos
Descrição
Potência Item
Descrição
Fax
240 W
119 Prancha alisadora para cabelo
Ferro de passar roupas
1000 W 120 Projetor / retro projetor
Ferro de solda grande
600 W
121 Refletor para iluminação diversa
Ferro de solda médio
400 W
122 Registradora elétrica
Ferro de solda pequeno
100 W
123 Sauna comercial
Fogão comum c/ acendedor elétrico 90 W
124 Sauna residencial
Fogão elétrico (potência por boca)
1500 W 125 Scanner
Forno de microondas
1200 W 126 Secador de cabelos
Forrageira
1200 W 127 Serra de carne
Freezer horizontal
280 W
128 Serra elétrica
Freezer vertical
200 W
129 Serra tico tico
Frigobar
100 W
130 Som modular (por módulo)
Fritadeira média
1500 W 131 Suggar
Furadeira pequena
350 W
132 Televisor de até 20 polegadas
Geladeira de uma porta
110 W
133 Televisor maior que 20 polegadas
Geladeira duplex
250 W
134 Torneira elétrica
Geladeira frost-free
500 W
135 Torno de bancada
Grelha elétrica grande
1500 W 136 Torradeira elétrica
Grelha elétrica pequena
500 W
137 Touca térmica
Hidromassagem com aquecedor
6600 W 138 Vaporizador
Hidromassagem sem aquecedor
660 W
139 Ventilador de teto
Impressora comum
90 W
140 Ventilador pequeno
Impressora laser
900 W
141 Ventilador grande 50 cm
Lâmpadas
142 Vibrador para concreto
Potência
1000 W
210 W
500 W
100 W
12000 W
4.500 W
1.250 W
1000 W
1000 W
1000 W
240 W
50 W
200 W
150 W
200 W
2500 W
1820 W
1000 W
700 W
300 W
120 W
65 W
250 W
1000 W
OBS: Os valores acima estabelecidos são estimados, devido às diferenças entre fabricantes, modelos,
estado de conservação, etc, mas devem ser utilizados nos cálculos da carga instalada, da demanda
máxima e conseqüente definição do padrão a ser instalado; salvo o cliente apresente a nota fiscal de
aquisição e folheto do fabricante do equipamento.
Tabela 2 - Potências Nominais de Condicionadores de Ar Tipo Janela
Btu/h
7.000
7.500
9.000
10.000
12.000
18.000
21.000
30.000
Potências Nominais de Condicionadores de Ar Tipo Janela
Capacidade
Potencial Nominal
Kj/h
Watt
7385
708
7913
755
9495
968
10550
1.031
12660
1.204
18990
1.917
22155
2.354
7.500
3.480
VA
903
944
1187
1.448
1.474
2216
2667
3.866
Nota:
1 - Quando a capacidade do sistema de refrigeração estiver indicada em TR (Tonelada de Refrigeração),
considerar 1,5 kVA por TR.
2 - As potências nominais foram calculadas com base na tabela CAD-2008 do Programa Nacional de
Conservação de Energia Elétrica - PROCEL do IMMETRO.
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
20 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
ANEXO I. TABELAS
Tabela 3 - Características Gerais dos Motores Monofásicos
Principais Características Elétricas dos Motores Monofásicos
Potência Nominal
Potência
Fator de potência Cos ϕ Rendimento - η Corrente em 220 V
Absorvida em kW
CV
kW
1/8 ou 0,12 0,09
0,236
0,58
39,0
1,85
1/6 ou 0,16 0,12
0,279
0,59
44,0
2,14
1/4 ou 0,25 0,18
0,409
0,60
45,0
3,10
1/3 ou 0,33 0,25
0,533
0,61
46,0
3,97
1/2 ou 0,50 0,37
0,751
0,62
49,0
5,51
3/4 ou 0,75 0,55
0,985
0,63
58,0
7,11
1,0
0,75
1,132
0,70
65,0
7,35
1,5
1,1
1,491
0,80
74,0
8,47
2,0
1,5
1,948
0,80
75,5
11,07
3,0
2,2
2,758
0,82
80,0
15,29
4,0
3,0
3,748
0,87
78,5
19,58
5,0
3,7
4,685
0,90
78,5
23,66
7,5
5,5
6,768
0,91
81,5
33,81
10,0
7,5
8,756
0,96
84,0
41,46
12,5
9,2
10,945
0,96
84,0
51,82
Notas:
−
1- O fator de potência (cos ϕ) e o rendimento (η) são valores médios, referidos a 3600 rpm.
−
2- Para obter a corrente nominal em 110 V, multiplicar os valores por 2 ( dois).
Tabela 4 - Características Gerais dos Motores Trifásicos
Principais Características Elétricas dos Motores Trifásicos ( 6 pólos)
Potência
Fator de potência
Corrente em Amp. na
Potência Nominal
Rendimento%- η
Absorvida em kW
tensão de 380/220 V
CV
kW
Cos ϕ
1/6 ou 0,16 0,13
0,27
0,52
48,7
1,35
1/4 ou 0,25 0,18
0,30
0,59
59,4
1,35
1/3 ou 0,33 0,25
0,38
0,66
65,1
1,53
1/2 ou 0,50 0,37
0,57
0,58
65,4
2,56
3/4 ou 0,75 0,55
0,76
0,59
72,7
3,37
1,0
0,75
1,01
0,59
74,3
4,49
1,5
1,1
1,44
0,60
76,5,
6,29
2,0
1,5
1,97
0,66
76,0
7,85
3,0
2,2
2,86
0,61
77,0
12,29
4,0
3,0
3,66
0,69
82,0
13,92
5,0
3,7
4,35
0,64
85,0
17,85
6,0
4,5
5,33
0,63
84,5
22,18
7,5
5,5
6,40
0,63
86,0
26,64
10,0
7,5
8,72
0,62
86,0
36,91
12,5
9,2
10,57
0,57
87,0
48,69
15,0
11,0
12,50
0,64
88,0
51,26
20,0
15,5
17,32
0,67
89,5
67,84
25,0
18,5
20,11
0,75
92,0
70,36
30,0
22,0
23,86
0,76
92,2
82,40
40,0
30,0
32,19
0,72
93,2
117,33
50,0
37,0
39,61
0,81
93,4
128,35
60,0
45,0
47,87
0,80
94,0
157,04
75,0
55,0
58,45
0,79
94,1
194,17
100.0
75,0
79,20
0,83
94,7
250,42
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
21 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
ANEXO I. TABELAS
Tabela 5 - Ligação das Unidades de BT em Função do Sistema Elétrico do Local
Tensão do Sistema
de Distribuição
Limite da Carga
Instalada
Dois condutores, (fase e
Até 10 kW Motor
Monofásica
127V
neutro aterrado)
2CV-FN
Transformador
Três condutores, (duas
Até 20 kW Motor
Bifásica
220/127V
Trifásico 220/127V
fases e neutro aterrado) 2CV-FN ou 5CV FF
Quatro condutores, (três
Até 75 kW Motor
Trifásica
220/127V
fases e neutro aterrado)
30CV-3F
Dois condutores, (fase e
Até 15 kW Motor
Monofásica
220V
neutro aterrado)
3CV-FN
Transformador
Três condutores, (duas
Até 25 kW Motor
Bifásica
380/220V
Trifásico 380/220V
fases e neutro aterrado) 5CV-FN / 10CV-FF
Quatro condutores, (três
Até 75 kW Motor
Trifásica
380/220V
fases e neutro aterrado)
30CV-3F
Dois condutores, (fase e
Até 10 kW Motor
Monofásica
127V
neutro aterrado)
2CV-FN
Transformador
Bifásico 254/127V(*)
Três condutores, (duas
Até 20 kW Motor
Bifásica
254/127V
fases e neutro aterrado) 2CV-FN ou 5CV-FF
Dois condutores, (fase e
Até 15 kW Motor
Monofásica
220V
Transformador
neutro aterrado)
3CV-FN
Bifásico 440/220V(*)
Três condutores, (duas
Até 25 kW Motor
Bifásica
440/220V
fases e neutro aterrado) 5CV-FN / 10CV-FF
Nota: (*) É necessária a emissão do termo de responsabilidade para ligações bifásicas em 254 V ou 440 V
SM04.14-01.001
Tipo da
Ligação
Tensão de
Fornecimento
8ª Edição
Esquema da Ligação
25/08/2008
22 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
ANEXO I - TABELAS
Tabela 6 - Tabela de Ligação
Dimensionamento de Instalações Individuais - Sistema 220/127 V e 254/127 V
Faixa
Motor (cv)
Condutor ( mm²)
Duto (mm) Disjun- Aterr.
Medidor
FN 2F 3F Aéreo Subt. Emb. PVC Aço tor (A) (mm²)
Ligações Monofásicas (Carga Instalada em kW Tensão 127 V)
0 - 1,5
6
6
4
25
25
15 - 16
4
100 A
1,6 - 5
1
6
6
6
25
25
40
6
5,1-10
2
10
16
16
25
25
60 - 63
10
Ligações Bifásicas (Carga Instalada em kW Tensão 254/127 V ou 220/127 V)
0 - 15
2
3
16
16
16
40
32
60 - 63
10
120 A
15,1-20
2
5
35
25
25
40
32
70 - 80
10
Ligações Trifásicas - (Demanda em kVA - Tensão de 220/127 V)
0 - 15
1
2
5
10
10
10
40
32
40
10
120
15,1 - 22
2
2
15
16
16
16
40
32
60-63
10
22,1 - 26
2
5
20
16
25
25
40
32
70 - 80
16
26,1 - 38
3
7,5 25
35
35
35
50
40
100
25
38,1 - 47
5
7,5 30
35
50
50
60
50
125
35
200 A
47,1 - 57
7,5 10 30
70
70
70
75
65
150
35
57,1 - 75
7,5 10 30
70
95
95
85
80
200
50
Medição
75,1 - 85
7,5 10 30
150
120
110 100
225
50
Indireta
85,1 - 95
7,5 10 30
150
150
110 100
250
50
95,1 - 112,5 7,5 10 30
185
185
110 100
300
50
Tipo da
Caixa
Monofásica
Polifásica
Polifásica
Metálica
Painel
Para TC
Dimensionamento de Instalações Individuais - Sistema 380/220 V e 440/220 V
Faixa
Motor (cv)
Condutor ( mm²)
Duto (mm) Disjun- Aterr.
MediTipo da
dor
Caixa
FN 2F 3F Aéreo Subt. Emb. PVC Aço tor (A) (mm²)
Ligações Monofásicas (Carga Instalada em kW Tensão 220 V)
0-3
6
6
4
25
25
15-16
4
100 A
Monofá3,1 - 8
3
6
6
6
25
25
40
6
sica
8,1 - 10
3
10
10
10
25
25
50
6
10,1 - 15
3
10
16
16
25
25
60-63
10
Ligações Bifásicas (Carga Instalada em kW Tensão 440/220 V ou 380/220 V)
0 - 15
3
5
16
10
10
40
32
40
10
120 A
Polifásica
15,1 - 25
5
10
35
25
25
40
32
70-80
10
Ligações Trifásicas - (Demanda em kVA - Tensão de 380/220 V)
0 - 25
3
5
20
10
10
10
40
32
40
10
120
Polifá25,1 - 35
3
5
30
16
16
16
40
32
60-63
10
sica
35,1 - 45
5
10 30
35
25
25
40
32
70-80
10
45,1 - 60
7,5 12 30
35
35
35
50
40
100
10
60,1 - 75
7,5 12 30
70
50
50
50
40
125
16
Metá200
lica
75,1 - 90
7,5 12 30
70
70
70
75
65
150
50
90,1 - 105
7,5 12 30
95
95
85
80
200
50
Observações:
−
Os diâmetros dos eletrodutos são mínimos para a faixa.
−
Os condutores devem ter classe de encordoamento 2;
−
Os condutores subterrâneos devem ser isolados para 1 kV e possuir camada protetora adicional;
−
Não é permitida a utilização de disjuntores monofásicos conjugados;
−
As informações relativas às demandas superiores a 75 kVA se destinam às unidades do grupo A
medidas em baixa tensão ou que apesar da carga superior a 75 kW optaram pelo fornecimento no grupo B.
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
23 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
ANEXO I - TABELAS
Tabela 7 - Dimensionamento de postes e pontaletes do padrão de ligação
Poste
Seção
Comprimento
Tratamento
Pontalete
Resistência Mínima
Seção
Comprimento
Tratamento
Resistência Mínima
SM04.14-01.001
Postes e Pontaletes Padronizados
Madeira
Metálico
φ=150mm ou
φ=80mm (3”)ou
120 x 120 mm
70 x 70 mm
5000 ou 7000mm
5000 ou 7000 mm
Galvanização ou
Madeira de Lei ou
Madeira Tratada
Pintura Anticorrosiva
75 daN
75 daN
Cant.Galvanizadatipo”L”
75 mm x 75 mm
# 38 x 38 x 2000 mm
2000 mm
2000 mm
Galvanização ou
Madeira de Lei ou
Madeira Tratada
Pintura Anticorrosiva
75 daN
75 daN
8ª Edição
25/08/2008
Concreto
DT ou Tipo R φ=80mm
5000 ou 7000mm
Reforçado com
verg. de ferro #3/8”
75 daN
100mm x 100 mm
2000 mm
Recobrimento mínimo
da armadura = 15 mm
75 daN
24 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
ANEXO II - MEMORIAL TÉCNICO
MEMORIAL TÉCNICO - CÁLCULO DA DEMANDA DE UNIDADES DO GRUPO B
§ 1 A demanda das Edificações deve ser calculada pelo método da Carga Instalada, utilizando-se a
seguinte fórmula
De = a + b + c + d + e + f + g
§ 2- A primeira parcela (a) representa a soma das demandas referentes à iluminação e pequenas tomadas,
calculadas com base no quadro 01 seguinte:
Quadro 01 - Fator de Demanda para Iluminação e Pequenas Tomadas
Iluminação e Pequenas Tomadas
Descrição
Fator de demanda %
Auditório, salões e semelhantes
Bancos, lojas e semelhantes’
Barbearias, salões de beleza e semelhantes
Clubes e semelhantes
100
100
100
100
100 para os primeiros 12 kVA
Escolas e semelhantes
50 para o que exceder de 12 kVA
100 para os primeiros 20 kVA
Escritórios
70 para o que exceder de 20 kVA
Garagens comerciais e semelhantes
100
Hospitais e semelhantes
50 para os primeiros 20 kVA
50 para os primeiros 20 kVA
Hotéis e semelhantes
40 para os seguintes 80 kVA
30 para o que exceder de 100 kVA
Igrejas e semelhantes
100
Restaurantes e semelhantes
100
Iluminação, Pequenas Tomadas e Eletrodomésticos
Carga Instalada < 1 kW
0,86
0,81
1 kW < Carga Instalada ≤ 2 kW
0,76
2 kW < Carga Instalada ≤ 3 kW
0,72
3 kW < Carga Instalada ≤ 4 kW
0,68
4 kW < Carga Instalada ≤ 5 kW
Residências Isoladas
0,64
5 kW < Carga Instalada ≤ 6 kW
0,60
6 kW < Carga Instalada ≤ 7 kW
0,57
7 kW < Carga Instalada ≤ 8 kW
0,54
8 kW < Carga Instalada ≤ 9 kW
0,52
9 kW < Carga Instalada ≤ 10 kW
Carga Instalada > 10 kW
0,45
§ 3.- A segunda parcela b=b1+b2+b3+b4+b5+b6 representa a soma das demandas dos aparelhos
eletrodomésticos e de aquecimento, cujos fatores de demanda ( fd ), devem ser aplicados dividindo-se cada
grupo em dois subgrupos de equipamentos, sendo o primeiro formado por equipamentos com potência até
1 kW e o segundo por equipamentos com potência superior a 1 kW.
−
−
−
−
−
−
b1- chuveiros e torneiras elétricas superiores a 1 kW ⇒ fd conforme quadro 3:
b2- aquecedores de água superiores a 1 kW ⇒ fd. conforme quadro 2;
b3- fornos, fogões ou fritadeiras elétricas superiores a 1 kW ⇒ fd. conforme quadro 3;
b4- máquinas de lavar/secar ou ferro elétrico superiores a 1 kW ⇒ fd. conforme quadro 2;
b5- aparelhos com potência até 1 kW ⇒ fd. conforme quadro 2 .
b6 - aparelhos não referidos acima com potência superior a 1 kW⇒ fd. conforme quadro 2
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
25 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
Quadro 02 - Fatores de demanda para eletrodomésticos em geral.
Número de Aparelhos Fator de Demanda % Número de Aparelhos Fator de Demanda %
1
100
16
46
2
98
17
45
3
96
18
44
4
94
19
43
5
90
20
42
6
84
21
41
7
76
22
40
8
70
23
40
9
65
24
39
10
60
25
39
11
57
26 a 30
39
12
54
31 a 40
38
13
52
41 a 50
38
14
49
51 a 60
38
15
48
61 ou mais
38
Nota:.
Quadro 03 - Fatores de demanda para chuveiros, torneiras, fornos, fogões e fritadeiras elétricas
N.º de
Aparelhos
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
Fator de Demanda % p/Aparelhos
c/potência até c/potência acima
3,5kW
de 3,5kW
100
100
75
65
70
55
66
50
62
45
59
43
56
40
53
36
51
35
49
34
47
32
45
32
43
32
41
32
40
32
N.º de
Aparelhos
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26 a 30
31 a 40
41 a 50
51 a 60
60 < Nº
Fator de Demanda % p/Aparelhos
c/potência até c/potência acima
3,5kW
de 3,5kW
39
28
38
28
37
28
36
28
35
28
34
26
33
26
32
26
31
26
30
26
30
24
30
22
30
20
30
18
30
16
§ 4 - A terceira parcela (c) representa a demanda dos aparelhos de ar condicionado tipo janela calculada
aplicando-se os fatores de demanda do Quadro 04, seguinte:
Quadro 04 - Fator de demanda para aparelhos de ar condicionado tipo janela
Número de Aparelhos Fator de Demanda (%)
1 a 10
100
11 a 20
86
21 a 30
80
31 a 40
78
41 a 50
75
51 a 75
70
76 a 100
65
Acima de 100
60
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
26 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
§ 5 - A parcela (d) representa a demanda dos motores monofásicos e trifásicos calculada utilizando-se os
valores do Quadro 05 e do Quadro 06 seguintes:
Quadro 05 - Demanda individual de motores monofásicos
Valores Nominais do Motor
Potência do Motor
RendiF. P.
Corrente (220 V)
mento
Eixo(cv) Absorvida.
1/8 ou 0,12
0,236
0,58 39,0
1,85
1/6 ou 0,16
0,279
0,59 44,0
2,14
1/4 ou 0,25
0,409
0,60 45,0
3,10
1/3 ou 0,33
0,533
0,61 46,0
3,97
1/2 ou 0,50
0,751
0,62 49,0
5,51
3/4 ou 0,75
0,985
0,63 58,0
7,11
1,0
1,132
0,70 65,0
7,35
1,5
1,491
0,80 74,0
8,47
2,0
1,948
0,80 75,5
11,07
3,0
2,758
0,82 80,0
15,29
4,0
3,748
0,87 78,5
19,58
5,0
4,685
0,90 78,5
23,66
7,5
6,768
0,91 81,5
33,81
10,0
8,756
0,96 84,0
41,46
12,5
10,945
0,96 84,0
51,82
Demanda Individual (kVA)
Número de Motores
M=1 M=2 3<M<5 5<M
0,41 0,36 0,31
0,26
0,47 0,42 0,37
0,32
0,6
0,5
0,43
0,37
0,73 0,58 0,51
0,44
0,92 0,74 0,64
0,55
1,22 0,99 0,87
0,74
1,49 1,19 1,04
0,89
1,93 1,54 1,35
1,16
2,44 1,95 1,71
1,46
3,2
2,56 2,24
1,92
4,15 3,32 2,91
2,49
5,52 4,48 3,83
3,11
7,64 6,35 5,56
4,26
10,04 8,03 7,03
6,02
13,01 10,41 9,11
7,81
Quadro 06 - Demanda individual de motores trifásicos
Valores Nominais do Motor
Potência do Motor
Rendi- Corrente
F. P.
mento (380/220V)
Eixo. cv Absorvida.
1/6 ou 0,16
0,27
0,52 48,7
1,35
1/4 ou 0,25
0,30
0,59 59,4
1,35
1/3 ou 0,33
0,38
0,66 65,1
1,53
1/2 ou 0,50
0,57
0,58 65,4
2,56
3/4 ou 0,75
0,76
0,59 72,7
3,37
1,0
1,01
0,59 74,3
4,49
1,5
1,44
0,60 76,5,
6,29
2,0
1,97
0,66 76,0
7,85
3,0
2,86
0,61 77,0
12,29
4,0
3,66
0,69 82,0
13,92
5,0
4,35
0,64 85,0
17,85
6,0
5,33
0,63 84,5
22,18
7,5
6,40
0,63 86,0
26,64
10,0
8,72
0,62 86,0
36,91
12,5
10,57
0,57 87,0
48,69
15,0
12,50
0,64 88,0
51,26
20,0
17,32
0,67 89,5
67,84
25,0
20,11
0,75 92,0
70,36
30,0
23,86
0,76 92,2
82,40
Demanda por Motor (kVA)
Número de Motores
M=1 M=2 3≤
≤M≤
≤5 5<M
0,52 0,44 0,39
0,35
0,51 0,41 0,36
0,31
0,58 0,47 0,41
0,36
0,98 0,81 0,58
0,42
1,29 1,05 0,98
0,82
1,71 1,41 1,24
1,03
2,40 1,92 1,67
1,42
2,98 2,44 2,12
1,75
4,27 3,44 2,85
2,48
5,30 4,31 3,67
3,18
6,80 5,71 4,81
4,44
8,46 7,19 6,47
5,71
10,32 8,72 7,68
6,87
13,42 10,61 9,53
8,46
16,78 13,6 12,28 10,52
20,16 16,78 14,88 12,97
24,06 19,54 17,47 15,01
27,18 22,49 20,11 17,03
31,39 26,47 22,51 19,56
Notas:
Nota I - Fator de potência e rendimento são valores médios, referidos a 3600 rpm;
Nota II - Para cálculo da demanda os motores devem ser agrupados em 3 (três) classes:
−
Pequenos motores M ≤5 Cv;
−
Médios motores 5 Cv < M ≤ 10Cv;
−
Grandes Motores 10 Cv < M.
Nota III - Aplica-se a tabela para os dois primeiros grupos separadamente e somam-se as parcelas;
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
27 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
Nota IV - Calcula a demanda dos grandes motores de modo semelhante às máquinas de solda à
transformador e acrescenta-se as demandas dos grandes motores ao subtotal já calculado.
§ 6 - A parcela (e) representa a demanda das máquinas de solda a transformador, calculada conforme
seguinte critério:
−
100% da potência do maior aparelho;
−
70% da potência do segundo maior aparelho;
−
40% da potência do terceiro maior aparelho;
−
30% da potência dos demais aparelhos.
§ 7 - A parcela (f) representa a demanda dos aparelhos de raios X, calculada da seguinte forma:
−
100% da potência do maior aparelho;
−
10% da potência do segundo maior aparelho.
§ 8 - A parcela (g) representa a demanda para bombas e banheiras de hidromassagem, que deve ser
calculada utilizando-se os fatores de demanda do Quadro 07
Quadro 07 - Fator de demanda para bombas e banheiras de hidromassagem
Número de Aparelhos
1
2
3
4
5
6 a 10
11 a 20
21 a 30
Acima de 30
Fator de Demanda (%)
100
56
47
39
35
25
20
18
15
§ 9 - A demanda calculada nos moldes acima fornece o valor máximo provável para a edificação e a partir
deste valor deve ser dimensionada a instalação elétrica da edificação.
§ 10-Para simplificação dos cálculos deve ser considerado fator de potência unitário no cálculo da demanda
dos eletrodomésticos.
§ 11 - Para servir de subsídios à análise de projetos, informamos abaixo alguns valores elétricos médios
para motores em princípio não atendíveis em baixa tensão, e sim por transformador exclusivo.
Quadro 8 - Demanda de Motores Não atendíveis em Baixa Tensão
Valores Nominais do Motor)
Potência do Motor Fator de
Corrente em Demanda
Rendimento
380/220 V
em kVA
Eixo(cv) Eixo (kW) Potência
40
34,61
0,80
85
107 A
40,72
50
44,34
0,82
83
125 A
49,27
60
51,35
0,87
86
145 A
57,70
75
62,73
0,90
88
180 A
70,48
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
28 de 50
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
= RAMAL DE ENTRADA
C
D
B
C
= RAMAL DE DISTRIBUIÇÃO
= ENTRADA DE SERVIÇO
C
A
MÍNIMO 5,50
B
A-50
1,60±0,10
E= L + 0,60
10
LIMITE DO TERRENO
(MURO)
C
VER DETALHE NAS
FIGURAS 11 e 12
A-40-4
DO ANEXO B
OBS:
A-51 e
E-61
A-40-2 e
A-40-3
A-40-5
F-12
P
A-25
F-3-1
F-3
M-3-1
A-40-4
A-40-1
VER FIGURA 14
F-17
C-8
COTAS EM METRO
L= COMPRIMENTO DO POSTE
E= ENGASTAMENTO DO POSTE
C-7
0,50
1,30±0,10
A
C-6
B
0,30
= RAMAL DE LIGAÇÃO (FORNECIDO PELA CONCESSIONÁRIA)
M-3-1
PONTO DE
ENTREGA
0,10±0,05
A-25
A
VER DETALHE NA FIGURA 8
DO ANEXO B
A-40
CAIXA DE INSPEÇÃO (0,30x0,30x0,40m)
EM ALVENARIA
D
A-60
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
ANEXO III - FIGURAS
Figura 1 Medição no Muro - Ramal de Ligação Aéreo com Travessia de Rua - Ramal de Distribuição
Subterrâneo
29 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
ANEXO III - FIGURAS
Relação de Materiais para a Figura 1
Referênciar
A-25
M-3-1
M-3-1
C-6
C-6
F-3
P
A-40
A-40-1
A-40-2
A-40-3
A-40-4
A-40-5
E-61
A-50
A-51
F-17
F-12
C-8
C-7
A-60
F-10
F-31
Nota1:
Nota2:
Nota3:
Nota4:
(*)
(**)
Descrição
Unidade
pç
pç
Pç
m
m
pç
pç
m
pç
pç
pç
pç
m
pç
pç
pç
pç
pç
m
m
pç
pç
pç
Mon.
02
02
Nota 1
Quantidade
Bif.
Trif.
02
02
Sapatilha cabo 9,5mm
Alça pré-formada serviço cabo concêntrico
Alça pré-formada serviço cabo multiplexado
02
02
Cabo potência 1 kV cobre concêntrico
Cabo AS AL 1 kV
Nota1
Nota1
Armação secundária (Nota 2)
01
01
01
Poste particular (Tabela 7 do Anexo I)
01
01
01
Eletroduto PVC p/ conexão entre caixas e quadro
Nota 1 Nota 1 Nota 1
Bengala para eletroduto (Tabela 7 do Anexo I)
01
01
01
Curva 90º
Nota 1 Nota 1 Nota 1
Luvas para eletroduto
Nota 1 Nota 1 Nota 1
Buchas e arruelas de alumínio para eletroduto
Nota 1 Nota 1 Nota 1
Eletroduto de PVC rígido (Tabela 1 do Anexo I)
Nota 1 Nota 1 Nota 1
Disjuntor termomag.
01
01
01
Caixa para medidor monofásico
01
Caixa para disjuntor polifásico
01
01
Haste de aterramento 16x2400mm c/ conetor
01
01
01
Fita de aço inoxidável ou arame galv. 12 BWG
03
03
03
Cond. c/ isol. termoplástico 1kV (Tabela 6 do Anexo I)
Nota 1 Nota 1 Nota 1
Fio elétrico nu cobre (Nota 4)
Nota 1 Nota 1 Nota 1
Quadro de distribuição
01
01
01
Cinta galvanizada poste circular (**)
01
01
01
Parafuso cabeça abaulada 12x50mm (**)
01
01
01
Observações
A quantidade depende do projeto apresentado;
Pode ser utilizado parafuso olhal galvanizado de 12x200mm (*) ou armação secundária de um
estribo, em ferro galvanizado, com um isolador roldana de 76x79mm e um parafuso de máquina
de 12x200mm (*) com porcas e arruelas de φ 14mm (*);
Pode ser utilizado como poste particular: um poste DT, circular ou metálico;
Pode ser utilizado fio elétrico nu de cobre ou isolado, sendo a isolação deste último, na cor azul,
conforme norma NBR 5410;
Estes itens tornam-se desnecessários caso seja utilizado o poste circular;
Estes itens tornam-se necessários caso seja utilizado o poste circular.
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
30 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
ANEXO III - FIGURAS
Figura 2- Medição no Muro - Ramal de Ligação Aéreo com Travessia de Rua - Ramal de Distribuição
Aéreo
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
31 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
ANEXO III - FIGURAS
Relação de Materiais da Figura 2
Referênciar
A-25
M-3-1
M-3-1
C-6
C-6
F-3-1
F-3-2
P
A-40
A-40-1
A-40-2
A-40-3
A-40-4
A-40-5
F-60
F-34
E-61
A-50
A-51
F-17
F-12
C-8
C-7
A-60
F-10
F-31
Descrição
Unidade
Sapatilha cabo 9,5mm
Alça pré-formada serviço cabo concêntrico
Alça pré-formada serviço cabo multiplexado
Cabo potência 1 kV cobre concêntrico
Cabo AS AL 1 kV
Armação secundária de um estribo (Nota 2)
Armação secundária de dois estribos (Nota 3)
Poste particular (Nota 4)
Eletroduto PVC
Bengala para eletroduto
Curva 90º
Luvas para eletroduto
Buchas e arruelas de alumínio para eletroduto
Eletroduto de PVC rígido (Tabela 6 do Anexo I)
Pontalete (Tabela 7 do Anexo I) (***)
Parafuso 12x150 mm p/ fixação cantoneira (***)
Disjuntor termomag.
Caixa para medidor monofásico
Caixa para disjuntor polifásico
Haste de aterramento 16x2400mm c/ conetor
Fita de aço inoxidável ou arame galv. 12 BWG
Cond. c/ isol. termoplástico 750V
Fio elétrico nu cobre (Nota 5)
Quadro de distribuição
Cinta galvanizada poste circular (**)
Parafuso cabeça abaulada 12x50mm (**)
Pç
Pç
Pç
M
M
Pç
pç
pç
m
pç
pç
pç
pç
m
pç
pç
pç
pç
pç
pç
pç
m
m
pç
pç
pç
Mon.
02
02
Nota 1
01
02
01
Nota1
03
Nota1
Nota1
Nota1
Nota1
01
02
01
01
01
03
Nota1
Nota 1
01
02
03
Quantidade
Bif.
Trif.
02
02
02
Nota1
01
04
01
Nota1
03
Nota1
Nota1
Nota1
Nota1
01
02
01
01
01
03
Nota1
Nota 1
01
02
03
02
Nota1
01
04
01
Nota
03
Nota1
Nota1
Nota1
Nota1
01
02
01
01
01
03
Nota1
Nota 1
01
02
03
Observações
Nota 1: A quantidade depende do projeto apresentado;
Pode ser utilizado parafuso olhal galvanizado de 12x200mm(*) ou uma armação secundária de
Nota 2: um estribo em ferro galvanizado, com isolador roldana de 76x79mm e um parafuso máquina de
12x200mm(*) com porcas e arruelas de φ 14mm(*), para fixação do ramal;
Armações secundária de dois estribos em ferro galvanizado, com quatro isoladores roldana de
Nota 3: 76x79mm e três parafusos de máquina sendo um de 12x200mm (*) e dois de 12x50mm com
porcas e arruelas de φ 14mm, para fixação do ramal de distribuição;
Nota 4: Pode ser utilizado como poste particular: um poste DT, circular ou metálico;
Pode ser utilizado fio elétrico nu de cobre ou isolado, sendo a isolação deste último, na cor verde
Nota 5:
amarelo, conforme norma NBR 5410;
(*)
Estes itens tornam-se desnecessários caso seja utilizado o poste circular;
(**)
Estes itens tornam-se necessários caso seja utilizado o poste circular;
(***)
Esses itens se tornam desnecessários caso o ramal de distribuição entre direto na fachada.
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
32 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
ANEXO III - FIGURAS
Figura 3- Edificação Sem Recuo - Fixação em Pontalete - Ramal de Ligação Aéreo com Travessia de
Rua.
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
33 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
ANEXO III - FIGURAS
Relação de Materiais da Figura 3
Referênciar
A-25
M-3-1
C-6
F-3-1
A-40
A-40-1
A-40-2
A-40-3
A-40-4
A-40-5
F-60
F-34
E-61
A-50
A-51
F-17
C-8
C-7
A-60
Descrição
Sapatilha cabo 9,5mm
Alça pré-formada serviço cabo concêntrico
Alça pré-formada serviço cabo multiplexado
Cabo potência 1 kV cobre concêntrico
Cabo AS AL 1 kV
Armação secundária (Nota 2)
Eletroduto PVC
Bengala para eletroduto
Curva 90º
Luvas para eletroduto
Buchas e arruelas de alumínio para eletroduto
Eletroduto de PVC rígido (Tabela 6 do Anexo I)
Pontalete (Tabela 7 do Anexo I)
Parafuso 12x150 mm p/ fixação cantoneira
Disjuntor termomag.
Caixa para medidor monofásico
Caixa para disjuntor polifásico
Haste de aterramento 16x2400mm c/ conetor
Cabo/fio isolado cobre 750 V
Fio elétrico nu cobre (Nota 3)
Quadro de distribuição
Unidade
Mon.
Quantidade
Bif.
Trif.
pç
pç
02
02
02
02
02
02
m
Nota1
Nota1
01
Nota 1
01
Nota 1
Nota 1
Nota 1
Nota 1
01
02(1)
01
01
01
Nota 1
Nota 1
01
Nota1
Nota1
01
Nota 1
01
Nota 1
Nota 1
Nota 1
Nota 1
01
02(1)
01
01
01
Nota 1
Nota 1
01
Nota1
Nota1
01
Nota 1
01
Nota 1
Nota 1
Nota 1
Nota 1
01
02(1)
01
01
01
Nota 1
Nota 1
01
pç
m
pç
pç
pç
pç
m
pç
pç
pç
pç
pç
pç
m
m
pç
Observações
Nota 1: A quantidade depende do projeto apresentado;
Pode ser utilizado parafuso olhal galvanizado de 12x50mm ou uma armação secundária de um
Nota 2: estribo, em ferro galvanizado, com um isolador roldana de 76x79mm e um parafuso de máquina
de 12x50mm com porcas e arruelas de φ 14mm, para fixação do ponto de entrega;
Pode ser utilizado fio elétrico nu de cobre ou isolado, sendo a isolação deste último, na verde
Nota 3:
amarelo, conforme norma NBR 5410.
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
34 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
ANEXO III - FIGURAS
Figura 4- Edificação sem Recuo - Fixação em Fachada - Ramal de Ligação Aéreo com Travessia de
Rua
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
35 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
ANEXO III - FIGURAS
Relação de Materiais da Figura 4
Referênciar
A-25
M-3-1
M-3-1
C-6
C-6
F-3-1
A-40
A-40-1
A-40-2
A-40-3
A-40-4
A-40-5
E-61
A-50
A-51
F-17
C-8
C-7
A-60
Descrição
Sapatilha cabo 9,5mm
Alça pré-formada serviço cabo concêntrico
Alça pré-formada serviço cabo multiplexado
Cabo potência 1 kV cobre concêntrico
Cabo AS AL 1 kV
Armação secundária (Nota 2)
Eletroduto PVC
Bengala para eletroduto
Curva 90º
Luvas para eletroduto
Buchas e arruelas de alumínio para eletroduto
Eletroduto de PVC rígido
Disjuntor termomag.
Caixa para medidor monofásico
Caixa para disjuntor polifásico
Haste de aterramento 16x2400mm c/ conetor
Cond. c/ isol. termoplástico 750V
Fio elétrico nu cu md (Nota 03)
Quadro de distribuição
Unidade
Mon.
pç
pç
02
02
m
m
pç
m
pç
pç
pç
pç
m
pç
pç
pç
pç
m
m
pç
Nota1
Nota1
01
Nota 1
01
Nota 1
Nota 1
Nota 1
Nota 1
01
01
01
01
Nota 1
Nota 1
01
Quantidade
Bif.
Trif.
02
02
02
Nota1
01
04
01
Nota1
03
Nota1
Nota1
Nota1
Nota1
01
02
01
01
02
Nota1
01
04
01
Nota
03
Nota1
Nota1
Nota1
Nota1
01
02
01
01
Observações
Nota 1: A quantidade depende do projeto apresentado;
Pode ser utilizado parafuso olhal galvanizado de 12x200mm ou uma armação secundária de um
Nota 2: estribo, em ferro galvanizado, com um isolador roldana de 76x79mm e um parafuso de máquina
de 12x200mm com porcas e arruelas de φ 14mm, para fixação do ponto de entrega;
Pode ser utilizado fio elétrico nu de cobre ou isolado, sendo a isolação deste último, na cor azul,
Nota 3:
conforme norma NBR 5410.
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
36 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
ANEXO III - FIGURAS
Figura 5 - Edificação sem Recuo - Fixação em Fachada - Ramal de Ligação Aéreo sem Travessia de
Rua
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
37 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
ANEXO III - FIGURAS
Referênciar
A-25
M-3-1
M-3-1
C-6
C-6
F-3-1
A-40
A-40-1
A-40-2
A-40-3
A-40-4
A-40-5
E-61
A-50
A-51
F-17
C-8
C-7
A-60
Nota 1:
Nota 2:
Nota 3:
Relação de Materiais da Figura 5
Descrição
UnidaQuantidade
de
Mon.
Bif.
Trif.
Sapatilha cabo 9,5mm
pç
02
02
02
Alça pré-formada serviço cabo concêntrico
pç
02
02
02
Alça pré-formada serviço cabo multiplexado
Cabo potência 1 kV cobre concêntrico
m
Nota1
Nota1
Nota1
Cabo AS AL 1 kV
m
Nota1
Nota1
Nota1
Armação secundária (Nota 2)
pç
01
01
01
Eletroduto PVC
m
Nota 1 Nota 1 Nota 1
Bengala para eletroduto
pç
01
01
01
Curva 90º
pç
Nota 1 Nota 1 Nota 1
Luvas para eletroduto
pç
Nota 1 Nota 1 Nota 1
Buchas e arruelas de alumínio para eletroduto
pç
Nota 1 Nota 1 Nota 1
Eletroduto de PVC rígido
m
Nota 1 Nota 1 Nota 1
Disjuntor termomag.
pç
01
01
01
Caixa para medidor monofásico
pç
01
01
01
Caixa para disjuntor polifásico
pç
01
01
01
Haste de aterramento 16x2400mm c/ conetor
pç
01
01
01
Cond. c/ isol. termoplástico 750V
m
Nota 1 Nota 1 Nota 1
Fio elétrico nu cu md (Nota 03)
m
Nota 1 Nota 1 Nota 1
Quadro de distribuição
pç
01
01
01
Observações
A quantidade depende do projeto apresentado;
Pode ser utilizado parafuso olhal galvanizado de 12x200mm ou uma armação secundária de um
estribo, em ferro galvanizado, com um isolador roldana de 76x79mm e um parafuso de máquina
de 12x200mm com porcas e arruelas de φ 14mm, para fixação do ponto de entrega;
Pode ser utilizado fio elétrico nu de cobre ou isolado, sendo a isolação deste último, na cor azul,
conforme norma NBR 5410.
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
38 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
ANEXO III - FIGURAS
Figura 6 - Edificação com Recuo - Medição no Poste - Ramal de Ligação Aéreo com Travessia de Rua
- Ramal de Distribuição Subterrâneo
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
39 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
ANEXO III - FIGURAS
Figura 7 - Edificação com Recuo - Medição no Poste - Ramal de Ligação Aéreo com Travessia de Rua
- Ramal de Distribuição Aéreo.
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
40 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
ANEXO III - FIGURAS
Figura 8 - Detalhe do Ponto de Entrega
2 BENGALA PARA ELETRODUTO
2
2
PONTALETE/CANTONEIRA
ARMAÇÃO SECUNDÁRIA + ISOLADOR ROLDANA +
PARAFUSO + PORCA
1
CABO MULTIPLEXADO
AS CU 0,6/1kV
1 ALÇA PREFORMADA SERVIÇO AS CU 0,6/1kV
OU
SAPATILHA GALV. PARA
CABO DE AÇO 9,5 mm 1
2 OLHAL PARAFUSO
OU
OU
1 FORNECIMENTO DA CONCESSIONÁRIA
2 FORNECIMENTO DO CONSUMIDOR
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
41 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
ANEXO III - FIGURAS
Figura 9 - Detalhe da Ligação do Medidor Monofásico
CAIXA DE MEDIÇÃO
MEDIDOR
CARGA
FONTE
NOTA 1
FASE
NEUTRO
CONETOR P/ ATERR.
BUCHA E ARRUELA
DE ALUMÍNIO
CONDUTOR
ATERRAMENTO
DISJUNTOR
ELET. PVC RÍGIDO
CONDUTOR
ATERRAMENTO
NEUTRO
FASE
LADO DA VIA PÚBLICA
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
42 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
ANEXO III - FIGURAS
Figura 10 - Detalhe de Ligação do Medidor Polifásico
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
43 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
ANEXO III - FIGURAS
Figura 11 - Detalhe da Ligação do Padrão Pré-Fabricado em Aço
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
44 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
ANEXO III - FIGURAS
Figura 12 - detalhe do Aterramento em Caixa de Concreto ou de PVC.
CAPUZ EM PVC
70
300
100 (MÍNIMO)
TAMPA DE CONCRETO
CAIXA DE ATER.
VER DETALHE "A"
200 x 200 x 300
TUBO PVC
Ø 150
HASTE DE ATERRAMENTO 16x2400
DETALHE "A"
CONETOR TIPO (CABO-HASTE)
OBS:
- QUANDO A CAIXA DE CONCRETO FOR UTILIZADA PARA
PASSAGEM OU PASSAGEM E ATERRAMENTO
A DIMENSÃO DA MESMA SERÁ DE 300x300x400mm.
SM04.14-01.001
8ª Edição
COTAS EM MILÍMETROS
25/08/2008
45 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
ANEXO III - FIGURAS
Figura 13 - Desenho da Caixa Metálica para Medidor de 200 A
Anexo 38
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
46 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
ANEXO III -. FIGURAS
Figura 14 - Desenho da Caixa para Disjuntor
Anexo 38
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
47 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
ANEXO III - FIGURAS
Figura 15 - Desenho da Caixa para Medição com TC.
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
48 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
ANEXO III - FIGURAS
Figura 16 - Desenho da Caixa de Policarbonato para Medidor Monofásico
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
49 de 50
Norma
Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição a
Edificações Individuais
ANEXO III - FIGURAS
Figura 17 - Desenho da Caixa de Policarbonato para Medidor Polifásico
SM04.14-01.001
8ª Edição
25/08/2008
50 de 50
Was this manual useful for you? yes no
Thank you for your participation!

* Your assessment is very important for improving the work of artificial intelligence, which forms the content of this project

Download PDF

advertisement