Sumário Atos do Poder Legislativo

Sumário Atos do Poder Legislativo
ISSN 1677-7042
Ano CXLII N o- 76
Brasília - DF, sexta-feira, 22 de abril de 2005
Sumário
.
PÁGINA
Atos do Poder Legislativo ........................................................................................................................... 1
Atos do Congresso Nacional ....................................................................................................................... 2
Atos do Poder Executivo............................................................................................................................. 4
Presidência da República ............................................................................................................................. 9
Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento ............................................................................. 14
Ministério da Ciência e Tecnologia .......................................................................................................... 15
Ministério da Cultura ................................................................................................................................. 15
Ministério da Defesa.................................................................................................................................. 16
Ministério da Educação ............................................................................................................................. 18
Ministério da Fazenda................................................................................................................................ 23
Ministério da Integração Nacional ............................................................................................................ 35
Ministério da Justiça .................................................................................................................................. 35
Ministério da Previdência Social............................................................................................................... 43
Ministério da Saúde ................................................................................................................................... 44
Ministério das Comunicações.................................................................................................................... 48
Ministério de Minas e Energia.................................................................................................................. 49
Ministério do Desenvolvimento Agrário................................................................................................... 66
Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ............................................................ 67
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.................................................................... 67
Ministério do Meio Ambiente ................................................................................................................... 67
Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão................................................................................... 67
Ministério do Trabalho e Emprego ........................................................................................................... 69
Ministério dos Transportes ........................................................................................................................ 69
Ministério Público da União ..................................................................................................................... 70
Tribunal de Contas da União .................................................................................................................... 71
Poder Judiciário........................................................................................................................................ 148
Entidades de Fiscalização do Exercício das Profissões Liberais .......................................................... 151
II - ingresso de operações de crédito externas, no valor de R$ 4.600.000,00 (quatro milhões e
seiscentos mil reais).
Art. 3o Fica autorizada, em atendimento ao disposto no art. 32, § 1º, inciso I, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000, a contratação da operação de crédito externa de que trata o art.
2o, inciso II, desta Lei, sem prejuízo da competência privativa do Senado Federal, estabelecida no art. 52,
inciso V, da Constituição.
Art. 4o Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.
Congresso Nacional, em 20 de abril de 2005; 184o da Independência e 117o da República
Senador RENAN CALHEIROS
Presidente da Mesa do Congresso Nacional
<!ID639116-2>
ORGAO : 36000 - MINISTERIO DA SAUDE
UNIDADE : 36901 - FUNDO NACIONAL DE SAUDE
ANEXO
CREDITO EXTRAORDINARIO
PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO)
RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1, 00
E G R M I
FUNC PROGRAMATICA
PROGRAMA/ACAO/SUBTITULO/PRODUTO
F
S N P O U T
F D
D
VALOR
E
Atos do Poder Legislativo
.
1335 TRANSFERENCIA DE RENDA COM CONDICIONALIDADES
<!ID639116-1>
80.000.000
LEI N o- 11.109, DE 20 DE ABRIL DE 2005
OPERACOES ESPECIAIS
Abre crédito extraordinário, em favor dos Ministérios da Saúde, da Defesa e do
Desenvolvimento Social e Combate à Fome, no valor global de R$
569.100.000,00, para os fins que especifica e dá outras providências.
Faço saber que o Presidente da República adotou a Medida Provisória nº 230, de 2004, que o
Congresso Nacional aprovou, e eu, Renan Calheiros, Presidente da Mesa do Congresso Nacional, para
os efeitos do disposto no art. 62 da Constituição Federal, com a redação dada pela Emenda Constitucional nº 32, combinado com o art. 12 da Resolução nº 1, de 2002-CN, promulgo a seguinte Lei:
Art. 1o Fica aberto, em favor dos Ministérios da Saúde, da Defesa e do Desenvolvimento Social
e Combate à Fome, crédito extraordinário no valor global de R$ 569.100.000,00 (quinhentos e sessenta
e nove milhões e cem mil reais), para atender às programações constantes do Anexo desta Lei.
Art. 2o Os recursos necessários à abertura do crédito de que trata o art. 1o decorrem de:
I - excesso de arrecadação, no valor de R$ 564.500.000,00 (quinhentos e sessenta e quatro milhões
e quinhentos mil reais), sendo:
10 845 1335 099A
10 845 1335 099A 0101
AUXILIO A FAMILIA NA CONDICAO DE POBREZA EXTREMA, COM CRIANCAS DE IDADE ENTRE 0 E 6 ANOS, PARA MELHORIA DAS CONDICOES DE SAUDE E COMBATE
AS CARENCIAS NUTRICIONAIS
80.000.000
AUXILIO A FAMILIA NA CONDICAO DE POBREZA EXTREMA, COM CRIANCAS DE IDADE ENTRE 0 E 6 ANOS, PARA MELHORIA DAS CONDICOES DE SAUDE E COMBATE
AS CARENCIAS NUTRICIONAIS - NACIONAL (CREDITO EXTRAORDINARIO)
80.000.000
S 3 1 90 0 153
TOTAL - FISCAL
80.000.000
0
TOTAL - SEGURIDADE
80.000.000
TOTAL - GERAL
80.000.000
a) R$ 4.500.000,00 (quatro milhões e quinhentos mil reais) de Recursos Ordinários; e
b) R$ 560.000.000,00 (quinhentos e sessenta milhões de reais) da Contribuição para Financiamento da Seguridade Social - COFINS;
2
ISSN 1677-7042
1
ORGAO : 52000 - MINISTERIO DA DEFESA
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
1335 TRANSFERENCIA DE RENDA COM CONDICIONALIDADES
483.300.000
UNIDADE : 52101 - MINISTERIO DA DEFESA
OPERACOES ESPECIAIS
ANEXO
CREDITO EXTRAORDINARIO
08 845 1335 006O
PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO)
RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1, 00
08 845 1335 006O 0101
E G R M I
FUNC PROGRAMATICA
PROGRAMA/ACAO/SUBTITULO/PRODUTO
F
S N P O U T
F D
D
480.000.000
S 3 1 90 0 153
480.000.000
VALOR
ATIVIDADES
E
8032 ADESTRAMENTO E EMPREGO COMBINADO DAS FORCAS ARMADAS
480.000.000
TRANSFERENCIA DE RENDA DIRETAMENTE AS FAMILIAS EM CONDICAO DE POBREZA E EXTREMA POBREZA
TRANSFERENCIA DE RENDA DIRETAMENTE AS FAMILIAS EM CONDICAO DE POBREZA E EXTREMA POBREZA
- NACIONAL (CREDITO EXTRAORDINARIO)
08 122 1335 2272
08 122 1335 2272 0115
4.500.000
GESTAO E ADMINISTRACAO DO PROGRAMA
GESTAO E ADMINISTRACAO DO PROGRAMA - NACIONAL (CREDITO EXTRAORDINARIO)
3.300.000
3.300.000
S 3 2 90 0 148
3.300.000
OPERACOES ESPECIAIS
TOTAL - FISCAL
05 212 8032 09AK
05 212 8032 09AK 0001
MISSAO DAS NACOES UNIDAS PARA O HAITI
4.500.000
MISSAO DAS NACOES UNIDAS PARA O HAITI - NACIONAL
0
TOTAL - SEGURIDADE
484.600.000
TOTAL - GERAL
484.600.000
4.500.000
F 3 2 90 0 100
2.740.000
F 4 2 90 0 100
1.760.000
TOTAL - FISCAL
4.500.000
.
TOTAL - SEGURIDADE
0
Atos do Congresso Nacional
<!ID636691-0>
Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Renan Calheiros, Presidente do Senado
Federal, nos termos do art. 48, inciso XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte
TOTAL - GERAL
4.500.000
DECRETO LEGISLATIVO
Nº 254, DE 2005
Aprova o ato que renova a permissão outorgada à ANTENA UM RADIODIFUSÃO LTDA. para explorar serviço de radiodifusão sonora em freqüência
modulada na cidade de São Paulo, Estado de São Paulo.
ORGAO : 55000 - MINISTERIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME
UNIDADE : 55101 - MINISTERIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME
ANEXO
CREDITO EXTRAORDINARIO
PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO)
RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1, 00
O Congresso Nacional decreta:
Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere a Portaria nº 435, de 11 de setembro de 1997, que
renova por 10 (dez) anos, a partir de 1º de maio de 1994, permissão outorgada à Antena Um Radiodifusão Ltda. para explorar, sem direito de exclusividade, serviço de radiodifusão sonora em freqüência modulada na cidade de São Paulo, Estado de São Paulo.
Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de sua publicação.
Senado Federal, em 20 de abril de 2005
Senador RENAN CALHEIROS
Presidente do Senado Federal
E G R M I
FUNC PROGRAMATICA
PROGRAMA/ACAO/SUBTITULO/PRODUTO
F
S N P O U T
F D
D
<!ID636692-0>
VALOR
E
1096 AVALIACAO DE POLITICAS SOCIAIS DO GOVERNO FEDERAL
Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Renan Calheiros, Presidente do Senado
Federal, nos termos do art. 48, inciso XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte
DECRETO LEGISLATIVO
Nº 255, DE 2005
1.300.000
Aprova o ato que renova a concessão da RÁDIO CLUBE DE ITAPETININGA LTDA. para explorar serviço de radiodifusão sonora em onda média
na cidade de Itapetininga, Estado de São Paulo.
ATIVIDADES
08 126 1096 6414
08 126 1096 6414 0101
SISTEMA NACIONAL PARA IDENTIFICACAO E SELECAO
DE PUBLICO-ALVO PARA OS PROGRAMAS DE TRANSFERENCIA DE RENDA - CADASTRO UNICO
1.300.000
SISTEMA NACIONAL PARA IDENTIFICACAO E SELECAO
DE PUBLICO-ALVO PARA OS PROGRAMAS DE TRANSFERENCIA DE RENDA - CADASTRO UNICO - NACIONAL
(CREDITO EXTRAORDINARIO)
1.300.000
S 3 2 90 0 148
1.300.000
O Congresso Nacional decreta:
Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere o Decreto s/nº, de 21 de dezembro de 2000, que renova
por 10 (dez) anos, a partir de 4 de maio de 1993, a concessão da Rádio Clube de Itapetininga Ltda. para
explorar, sem direito de exclusividade, serviço de radiodifusão sonora em onda média na cidade de
Itapetininga, Estado de São Paulo.
Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de sua publicação.
<!ID636693-0>
Senado Federal, em 20 de abril de 2005
Senador RENAN CALHEIROS
Presidente do Senado Federal
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Renan
Calheiros, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso
XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte
DECRETO LEGISLATIVO
Nº 256, DE 2005
Aprova o ato que renova a concessão da
RÁDIO CLUBE DE LEME LTDA. para
explorar serviço de radiodifusão sonora em
onda média na cidade de Leme, Estado de
São Paulo.
direito de exclusividade, serviço de radiodifusão comunitária na cidade de Couto de Magalhães de Minas, Estado de Minas Gerais.
Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de
sua publicação.
DECRETO LEGISLATIVO
Nº 257, DE 2005
Aprova o ato que renova a concessão da
TV RECORD DE RIO PRETO S.A. para
explorar serviço de radiodifusão de sons e
imagens na cidade de São José do Rio Preto, Estado de São Paulo.
O Congresso Nacional decreta:
Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere o Decreto s/nº, de
29 de agosto de 2002, que renova por 15 (quinze) anos, a partir de 15
de abril de 1999, a concessão da TV Record de Rio Preto S.A. para
explorar, sem direito de exclusividade, serviço de radiodifusão de sons
e imagens na cidade de São José do Rio Preto, Estado de São Paulo.
Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de
sua publicação.
Aprova o ato que autoriza a ASSOCIAÇÃO SILVANIENSE DE DESENVOLVIMENTO ARTÍSTICO E CULTURAL ASILDAC a executar serviço de radiodifusão comunitária na cidade de Silvânia,
Estado de Goiás.
O Congresso Nacional decreta:
Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere a Portaria nº
1.586, de 9 de agosto de 2002, que autoriza a Associação Silvaniense
de Desenvolvimento Artístico e Cultural - ASILDAC a executar, sem
direito de exclusividade, serviço de radiodifusão comunitária na cidade de Silvânia, Estado de Goiás, retificando-se o prazo de autorização para 10 (dez) anos, tendo em vista o disposto na Lei nº
10.597, de 11 de dezembro de 2002.
Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de
sua publicação.
Senado Federal, em 20 de abril de 2005
Senador RENAN CALHEIROS
Presidente do Senado Federal
<!ID636698-0>
Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Renan
Calheiros, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso
XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte
DECRETO LEGISLATIVO
Nº 261, DE 2005
Senado Federal, em 20 de abril de 2005
Senador RENAN CALHEIROS
Presidente do Senado Federal
DECRETO LEGISLATIVO
Nº 258, DE 2005
Aprova o ato que renova a permissão outorgada à RÁDIO GLOBO S/A para explorar serviço de radiodifusão sonora em
freqüência modulada na cidade do Rio de
Janeiro, Estado do Rio de Janeiro.
O Congresso Nacional decreta:
Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere a Portaria nº 632,
de 24 de outubro de 2001, que renova por 10 (dez) anos, a partir de
30 de dezembro de 1999, a permissão outorgada à Rádio Globo S/A
para explorar, sem direito de exclusividade, serviço de radiodifusão
sonora em freqüência modulada na cidade do Rio de Janeiro, Estado
do Rio de Janeiro.
Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de
sua publicação.
O Congresso Nacional decreta:
Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere a Portaria nº
1.792, de 10 de setembro de 2002, que autoriza a Associação Comunitária de Ilhéus - BA a executar, sem direito de exclusividade,
serviço de radiodifusão comunitária na cidade de Ilhéus, Estado da
Bahia, retificando-se o prazo de autorização para 10 (dez) anos, tendo
em vista o disposto na Lei nº 10.597, de 11 de dezembro de 2002.
Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de
sua publicação.
Senado Federal, em 20 de abril de 2005
Senador RENAN CALHEIROS
Presidente do Senado Federal
<!ID636700-0>
Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Renan
Calheiros, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso
XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte
DECRETO LEGISLATIVO
Nº 262, DE 2005
Aprova o ato que outorga permissão à
FUNDAÇÃO EDUCACIONAL E SOCIAL DÍDIMO RIBEIRO GOMES para
executar serviço de radiodifusão sonora em
freqüência modulada na cidade de Itaperuna, Estado do Rio de Janeiro.
<!ID636696-0>
Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Renan
Calheiros, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso
XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte
Aprova o ato que autoriza a ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL COUTENSE DE RADIODIFUSÃO a executar
serviço de radiodifusão comunitária na cidade de Couto de Magalhães de Minas, Estado de Minas Gerais.
O Congresso Nacional decreta:
Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere a Portaria nº
1.008, de 20 de junho de 2002, que autoriza a Associação Comunitária
Cultural Coutense de Radiodifusão a executar, por 10 (dez) anos, sem
Senado Federal, em 20 de abril de 2005
Senador RENAN CALHEIROS
Presidente do Senado Federal
<!ID636702-0>
Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Renan
Calheiros, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso
XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte
DECRETO LEGISLATIVO
Nº 264, DE 2005
Aprova o ato que renova a permissão outorgada à IMPERIAL COMUNICAÇÕES
LTDA. para explorar serviço de radiodifusão
sonora em freqüência modulada na cidade
de Porto Nacional, Estado do Tocantins.
O Congresso Nacional decreta:
Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere a Portaria nº 258,
de 16 de maio de 2001, que renova por 10 (dez) anos, a partir de 1º
de julho de 1998, a permissão outorgada à Imperial Comunicações
Ltda. para explorar, sem direito de exclusividade, serviço de radiodifusão sonora em freqüência modulada na cidade de Porto Nacional, Estado do Tocantins.
Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de
sua publicação.
Senado Federal, em 20 de abril de 2005
Senador RENAN CALHEIROS
Presidente do Senado Federal
<!ID636703-0>
Senado Federal, em 20 de abril de 2005
Senador RENAN CALHEIROS
Presidente do Senado Federal
DECRETO LEGISLATIVO
Nº 259, DE 2005
O Congresso Nacional decreta:
Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere o Decreto s/nº, de
11 de outubro de 2000, que renova por 10 (dez) anos, a partir de 10
de maio de 1993, a concessão da Rádio Cultura do Oeste Ltda. para
explorar, sem direito de exclusividade, serviço de radiodifusão sonora
em onda média na cidade de Pau dos Ferros, Estado do Rio Grande
do Norte.
Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de
sua publicação.
Aprova o ato que autoriza a ASSOCIAÇÃO
COMUNITÁRIA DE ILHÉUS - BA a executar serviço de radiodifusão comunitária
na cidade de Ilhéus, Estado da Bahia.
<!ID636695-0>
Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Renan
Calheiros, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso
XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte
Aprova o ato que renova a concessão da
RÁDIO CULTURA DO OESTE LTDA.
para explorar serviço de radiodifusão sonora em onda média na cidade de Pau dos
Ferros, Estado do Rio Grande do Norte.
Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Renan
Calheiros, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso
XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte
Senado Federal, em 20 de abril de 2005
Senador RENAN CALHEIROS
Presidente do Senado Federal
Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Renan
Calheiros, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso
XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte
DECRETO LEGISLATIVO
Nº 263, DE 2005
<!ID636697-0>
DECRETO LEGISLATIVO
Nº 260, DE 2005
3
Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Renan
Calheiros, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso
XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte
Senado Federal, em 20 de abril de 2005
Senador RENAN CALHEIROS
Presidente do Senado Federal
O Congresso Nacional decreta:
Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere o Decreto s/nº, de
21 de dezembro de 2000, que renova por 10 (dez) anos, a partir de 23
de abril de 1995, a concessão da Rádio Clube de Leme Ltda. para
explorar, sem direito de exclusividade, serviço de radiodifusão sonora
em onda média na cidade de Leme, Estado de São Paulo.
Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de
sua publicação.
<!ID636694-0>
ISSN 1677-7042
O Congresso Nacional decreta:
Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere a Portaria nº 372, de
17 de julho de 2003, que outorga permissão à Fundação Educacional e
Social Dídimo Ribeiro Gomes para executar, por 10 (dez) anos, sem
direito de exclusividade, serviço de radiodifusão sonora em freqüência
modulada na cidade de Itaperuna, Estado do Rio de Janeiro.
Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de
sua publicação.
<!ID636701-0>
Senado Federal, em 20 de abril de 2005
Senador RENAN CALHEIROS
Presidente do Senado Federal
Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Renan
Calheiros, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso
XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte
DECRETO LEGISLATIVO
Nº 265, DE 2005
Aprova o ato que renova a concessão da
EMPRESA CAPONENSE DE RADIODIFUSÃO AM LTDA. para explorar serviço
de radiodifusão sonora em onda média na
cidade de Capão da Canoa, Estado do Rio
Grande do Sul.
O Congresso Nacional decreta:
Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere o Decreto s/nº, de
1º de fevereiro de 2002, que renova por 10 (dez) anos, a partir de 25
de fevereiro de 1998, a concessão da Empresa Caponense de Radiodifusão AM Ltda. para explorar, sem direito de exclusividade,
serviço de radiodifusão sonora em onda média na cidade de Capão da
Canoa, Estado do Rio Grande do Sul.
Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de
sua publicação.
Senado Federal, em 20 de abril de 2005
Senador RENAN CALHEIROS
Presidente do Senado Federal
<!ID636704-0>
Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Renan
Calheiros, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso
XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte
DECRETO LEGISLATIVO
Nº 266, DE 2005
Aprova o ato que autoriza a ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA PE. LANDEL DE
MOURA a executar serviço de radiodifusão comunitária na cidade de Palmeira das
Missões, Estado do Rio Grande do Sul.
O Congresso Nacional decreta:
Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere a Portaria nº 460,
de 22 de março de 2002, que autoriza a Associação Comunitária Pe.
Landel de Moura a executar, sem direito de exclusividade, serviço de
4
ISSN 1677-7042
radiodifusão comunitária na cidade de Palmeira das Missões, Estado
do Rio Grande do Sul, retificando-se o prazo de autorização para 10
(dez) anos, tendo em vista o disposto na Lei nº 10.597, de 11 de
dezembro de 2002.
Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de
sua publicação.
1
Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Renan
Calheiros, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso
XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte
DECRETO LEGISLATIVO
Nº 270, DE 2005
Aprova o ato que renova a concessão do
SISTEMA RESENDENSE DE COMUNICAÇÃO LTDA. para explorar serviço de radiodifusão sonora em onda média na cidade
de Resende, Estado do Rio de Janeiro.
Senado Federal, em 20 de abril de 2005
Senador RENAN CALHEIROS
Presidente do Senado Federal
<!ID636705-0>
Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Renan
Calheiros, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso
XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte
DECRETO LEGISLATIVO
Nº 267, DE 2005
Aprova o ato que renova a permissão outorgada à RÁDIO SANANDUVA LTDA.
para explorar serviço de radiodifusão sonora em freqüência modulada na cidade de
Sananduva, Estado do Rio Grande do Sul.
O Congresso Nacional decreta:
Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere a Portaria nº
1.016, de 20 de junho de 2002, que renova por 10 (dez) anos, a partir
de 25 de março de 1998, a permissão outorgada à Rádio Sananduva
Ltda. para explorar, sem direito de exclusividade, serviço de radiodifusão sonora em freqüência modulada na cidade de Sananduva,
Estado do Rio Grande do Sul.
Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de
sua publicação.
O Congresso Nacional decreta:
Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere o Decreto s/nº, de
20 de agosto de 2002, que renova por 10 (dez) anos, a partir de 19 de
outubro de 1998, a concessão do Sistema Resendense de Comunicação Ltda. para explorar, sem direito de exclusividade, serviço de
radiodifusão sonora em onda média na cidade de Resende, Estado do
Rio de Janeiro.
Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de
sua publicação.
Senado Federal, em 20 de abril de 2005
Senador RENAN CALHEIROS
Presidente do Senado Federal
Aprova o ato que autoriza a ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA DE MORADORES
E AMIGOS DE CORDISLÂNDIA MG
(AMACOR) a executar serviço de radiodifusão comunitária na cidade de Cordislândia, Estado de Minas Gerais.
Senado Federal, em 20 de abril de 2005
Senador RENAN CALHEIROS
Presidente do Senado Federal
<!ID639115-0>
Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Renan
Calheiros, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso
XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte
DECRETO LEGISLATIVO
Nº 274, DE 2005
Aprova o ato que outorga concessão à ELO
COMUNICAÇÃO LTDA. para explorar
serviço de radiodifusão de sons e imagens
na cidade de Maceió, Estado de Alagoas.
O Congresso Nacional decreta:
Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere o Decreto s/nº, de 15
de abril de 2002, que outorga concessão à Elo Comunicação Ltda. para
explorar, por quinze anos, sem direito de exclusividade, serviço de radiodifusão de sons e imagens na cidade de Maceió, Estado de Alagoas.
Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de
sua publicação.
Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Renan
Calheiros, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso
XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte
Senado Federal, em 20 de abril de 2005
Senador RENAN CALHEIROS
Presidente do Senado Federal
DECRETO LEGISLATIVO
Nº 271, DE 2005
Aprova o ato que renova a concessão da
TELEVISÃO CACHOEIRO LTDA. para
explorar serviço de radiodifusão de sons e
imagens na cidade de Cachoeiro de Itapemirim, Estado do Espírito Santo.
<!ID636706-0>
DECRETO LEGISLATIVO
Nº 268, DE 2005
de setembro de 1997, a permissão outorgada à Rádio Vox 90 Ltda.
para explorar serviço de radiodifusão sonora em freqüência modulada
na cidade de Americana, Estado de São Paulo.
Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de
sua publicação.
<!ID636709-0>
Senado Federal, em 20 de abril de 2005
Senador RENAN CALHEIROS
Presidente do Senado Federal
Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Renan
Calheiros, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso
XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
O Congresso Nacional decreta:
Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere o Decreto s/nº, de
31 de outubro de 2002, que renova por 15 (quinze) anos, a partir de
7 de fevereiro de 2000, a concessão da Televisão Cachoeiro Ltda.
para explorar, sem direito de exclusividade, serviço de radiodifusão
de sons e imagens na cidade de Cachoeiro de Itapemirim, Estado do
Espírito Santo.
Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de
sua publicação.
Senado Federal, em 20 de abril de 2005
Senador RENAN CALHEIROS
Presidente do Senado Federal
ATO DO PRESIDENTE DA MESA DO
CONGRESSO NACIONAL N o- 16, DE 2005
<!ID639114-0>
O PRESIDENTE DA MESA DO CONGRESSO NACIONAL, cumprindo o que dispõe o § 1º do art. 10 da Resolução nº 1, de
2002-CN, faz saber que, nos termos do § 7º do art. 62 da Constituição
Federal, com a redação dada pela Emenda Constitucional nº 32, de
2001, a Medida Provisória nº 240, de 1º de março de 2005, que
“dispõe sobre a aplicação dos arts. 5º, 6º, 7º e 8º da Medida Provisória nº 232, de 30 de dezembro de 2004”, terá sua vigência
prorrogada pelo período de sessenta dias, a partir de 1º de maio de
2005, tendo em vista que sua votação não foi encerrada nas duas
Casas do Congresso Nacional.
Congresso Nacional, 20 de abril de 2005
Senador RENAN CALHEIROS
Presidente da Mesa do Congresso Nacional
Atos do Poder Executivo
.
<!ID636710-0>
O Congresso Nacional decreta:
Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere a Portaria nº
2.416, de 21 de novembro de 2002, que autoriza a Associação Comunitária de Moradores e Amigos de Cordislândia MG (AMACOR)
a executar, sem direito de exclusividade, serviço de radiodifusão
comunitária na cidade de Cordislândia, Estado de Minas Gerais, retificando-se o prazo de autorização para 10 (dez) anos, tendo em vista
o disposto na Lei nº 10.597, de 11 de dezembro de 2002.
Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de
sua publicação.
Senado Federal, em 20 de abril de 2005
Senador RENAN CALHEIROS
Presidente do Senado Federal
<!ID636707-0>
Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Renan
Calheiros, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso
XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte
DECRETO LEGISLATIVO
Nº 269, DE 2005
Aprova o ato que renova a permissão outorgada à RÁDIO FM NORTE PIONEIRA
LTDA. para explorar serviço de radiodifusão sonora em freqüência modulada na
cidade de Jacarezinho, Estado do Paraná.
O Congresso Nacional decreta:
Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere a Portaria nº 922,
de 5 de junho de 2002, que renova por 10 (dez) anos, a partir de 3 de
novembro de 1997, a permissão outorgada à Rádio FM Norte Pioneira Ltda. para explorar, sem direito de exclusividade, serviço de
radiodifusão sonora em freqüência modulada na cidade de Jacarezinho, Estado do Paraná.
Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de
sua publicação.
<!ID636708-0>
Senado Federal, em 20 de abril de 2005
Senador RENAN CALHEIROS
Presidente do Senado Federal
Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Renan
Calheiros, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso
XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte
<!ID639161-0>
MEDIDA PROVISÓRIA N o- 248, DE 20 DE ABRIL DE 2005
Dispõe sobre o valor do salário mínimo a
partir de 1o de maio de 2005, e dá outras
providências.
DECRETO LEGISLATIVO
Nº 272, DE 2005
Aprova o ato que renova a concessão da SOCIEDADE RÁDIO CLUBE DE GUARATINGUETÁ LTDA. para explorar serviço de
radiodifusão sonora em onda média na cidade de Guaratinguetá, Estado de São Paulo.
O Congresso Nacional decreta:
Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere o Decreto s/nº, de
25 de junho de 2001, que renova por 10 (dez) anos, a partir de 1º de
maio de 1994, a concessão da Sociedade Rádio Clube de Guaratinguetá Ltda. para explorar, sem direito de exclusividade, serviço de
radiodifusão sonora em onda média na cidade de Guaratinguetá, Estado de São Paulo.
Art. 2º Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de
sua publicação.
Senado Federal, em 20 de abril de 2005
Senador RENAN CALHEIROS
Presidente do Senado Federal
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição
que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte medida
provisória, com força de lei:
Art. 1o A partir de 1o de maio de 2005, após a aplicação dos
percentuais de seis inteiros e trezentos e cinqüenta e cinco milésimos
por cento, a título de reajuste, e de oito inteiros e quarenta e nove
centésimos por cento, a título de aumento real, sobre o valor de R$
260,00 (duzentos e sessenta reais), o salário mínimo será de R$
300,00 (trezentos reais).
Parágrafo único. Em virtude do disposto no caput, o valor
diário do salário mínimo corresponderá a R$ 10,00 (dez reais) e o seu
valor horário a R$ 1,36 (um real e trinta seis centavos).
Art. 2o Esta Medida Provisória entra em vigor na data de sua
publicação.
Brasília, 20 de abril de 2005; 184o da Independência e 117o
da República.
<!ID636711-0>
LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
Antonio Palocci Filho
Ricardo José Ribeiro Berzoini
Paulo Bernardo Silva
Romero Jucá Filho
Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Renan
Calheiros, Presidente do Senado Federal, nos termos do art. 48, inciso
XXVIII, do Regimento Interno, promulgo o seguinte
DECRETO LEGISLATIVO
Nº 273, DE 2005
<!ID639160-1>
Aprova o ato que renova a permissão outorgada à RÁDIO VOX 90 LTDA. para
explorar serviço de radiodifusão sonora em
freqüência modulada na cidade de Americana, Estado de São Paulo.
O Congresso Nacional decreta:
Art. 1º Fica aprovado o ato a que se refere a Portaria nº 185,
de 17 de abril de 2001, que renova por 10 (dez) anos, a partir de 21
DECRETO N o- 5.430, DE 20 DE ABRIL DE 2005
Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro
Demonstrativo dos Cargos em Comissão e
das Funções Gratificadas da Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN, e dá
outras providências.
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições
que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, alínea “a”, da Constituição,
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
CAPÍTULO III
DA DIREÇÃO E NOMEAÇÃO
DECRETA:
Art. 1º Ficam aprovados a Estrutura Regimental e o Quadro
Demonstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções Gratificadas
da Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN, na forma dos
Anexos I e II a este Decreto.
Art. 2º Em decorrência do disposto no art. 1º, ficam remanejados, na forma do Anexo III a este Decreto, os seguintes cargos
em comissão do Grupo-Direção e Assessoramento Superiores - DAS
e Funções Gratificadas - FG:
I - da Secretaria de Gestão, do Ministério do Planejamento,
Orçamento e Gestão, para a CNEN: um DAS 101.4; um DAS 101.3;
três DAS 101.2; nove DAS 101.1; um DAS 102.2; e uma FG-3; e
Art. 3º A CNEN é dirigida por um Presidente e três Diretores, indicados pelo Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia e
nomeados na forma da legislação vigente.
§ 1º A nomeação do Procurador-Chefe deverá ser precedida
da anuência do Advogado-Geral da União.
§ 2º A nomeação do Auditor-Chefe será submetida à aprovação da Controladoria-Geral da União.
§ 3º Os demais cargos em comissão e funções gratificadas
serão providos na forma da legislação vigente.
II - da CNEN para a Secretaria de Gestão, do Ministério do
Planejamento, Orçamento e Gestão: um DAS 102.4 e um DAS 102.3.
CAPÍTULO IV
DAS COMPETÊNCIAS DOS ÓRGÃOS
Art. 3º Os apostilamentos decorrentes da aprovação da Estrutura Regimental de que trata o art. 1º deverão ocorrer no prazo de
vinte dias, contado da data de publicação deste Decreto.
Parágrafo único. Após os apostilamentos previstos no caput,
o Presidente da CNEN fará publicar, no Diário Oficial da União, no
prazo de trinta dias, contado da data de publicação deste Decreto,
relação nominal dos titulares dos cargos em comissão do GrupoDireção e Assessoramento Superiores - DAS, a que se refere o Anexo
II, indicando, inclusive, o número de cargos vagos, sua denominação
e respectivo nível.
Seção I
Do Órgão Colegiado e sua Composição
Art. 4º À Comissão Deliberativa compete:
I - propor medidas necessárias à orientação da Política Nacional de Energia Nuclear;
II - deliberar sobre diretrizes, planos, programas e orçamentos-programas;
IV - deliberar sobre a instalação e a organização de laboratórios de pesquisa e outros órgãos no âmbito da CNEN;
Art. 5º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.
V - elaborar propostas sobre tratados, acordos, convênios ou
compromissos internacionais em matéria de energia nuclear;
Art. 6º Fica revogado o Decreto nº 4.696, de 12 de maio de 2003.
VI - gerir o Fundo Nacional de Energia Nuclear;
Brasília, 20 de abril de 2005; 184º da Independência e 117º
da República.
VII - estabelecer normas sobre receita resultante de todas as
operações e atividades da CNEN;
LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
Nelson Machado
Eduardo Campos
VIII - propor a criação de entidades que venham a operar no
âmbito de competência da CNEN; e
ESTRUTURA REGIMENTAL
DA COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR
CAPÍTULO I
DA NATUREZA, SEDE E FINALIDADE
Art. 1º A Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN,
autarquia federal, criada pela Lei nº 4.118, de 27 de agosto de 1962,
vinculada ao Ministério da Ciência e Tecnologia, com autonomia
administrativa e financeira, dotada de personalidade jurídica de direito público, com sede e foro no Rio de Janeiro - RJ, tem as
seguintes finalidades, de acordo com as atribuições a que se referem
as Leis nºs 6.189, de 16 de dezembro de 1974, e 7.781, de 27 de
junho de 1989:
I - colaborar na formulação da Política Nacional de Energia
IX - opinar sobre a concessão de patentes e licenças que
envolvam a utilização de energia nuclear.
Parágrafo único. A Comissão Deliberativa será composta pelo Presidente da CNEN, pelos três Diretores e por um membro pertencente ou não aos seus quadros, designado pelo Ministro de Estado
da Ciência e Tecnologia.
Seção II
Dos Órgãos de Assistência Direta e Imediata ao Presidente
Art. 5º Ao Gabinete compete:
I - assistir ao Presidente da CNEN em sua representação
social e política;
II - incumbir-se do preparo e despacho de seu expediente
pessoal;
Nuclear;
III - atuar como Secretaria-Executiva da Comissão Delibe-
II - executar as ações de pesquisa, desenvolvimento e promoção da utilização da energia nuclear para fins pacíficos; e
III - regulamentar, licenciar, autorizar, controlar e fiscalizar
essa utilização.
CAPÍTULO II
DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL
Art. 2º A CNEN tem a seguinte estrutura organizacional:
I - órgão colegiado: Comissão Deliberativa;
II - órgãos de assistência direta e imediata ao Presidente:
a) Gabinete; e
b) Coordenação-Geral de Assuntos Internacionais;
III - órgãos seccionais:
a) Auditoria Interna;
b) Procuradoria Federal;
c) Coordenação-Geral de Planejamento e Avaliação; e
d) Diretoria de Gestão Institucional;
IV - órgãos específicos singulares:
a) Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento; e
b) Diretoria de Radioproteção e Segurança Nuclear;
V - entidades controladas:
a) Indústrias Nucleares do Brasil S. A.; e
b) Nuclebrás Equipamentos Pesados S. A.
5
I - verificar a regularidade nos controles internos e externos,
especialmente daqueles referentes à realização da receita e da despesa, bem como da execução financeira de contratos, convênios,
acordos e ajustes firmados pela CNEN;
II - examinar a legislação específica e normas correlatas,
orientando quanto à sua observância;
III - promover inspeções regulares para verificar a execução
física e financeira dos programas, projetos e atividades e executar
auditorias extraordinárias determinadas pelo Presidente;
IV - examinar e emitir parecer sobre a prestação de contas
anual da entidade e tomadas de contas especiais; e
V - propor ações de forma a garantir a legalidade dos atos e
o alcance dos resultados, contribuindo para a melhoria da gestão.
Art. 8º À Procuradoria Federal, na qualidade de órgão executor da Procuradoria-Geral Federal, compete:
I - exercer a representação judicial e extrajudicial da CNEN;
II - exercer atividades de consultoria e assessoramento jurídicos aos órgãos da CNEN, aplicando-se, no que couber, o disposto
no art. 11 da Lei Complementar nº 73, de 10 de fevereiro de 1993;
III - examinar e emitir pareceres sobre projetos de atos normativos a serem expedidos ou propostos pela CNEN, quando contiverem matéria jurídica; e
III - aprovar as normas e regulamentos da CNEN;
Art. 4º O regimento interno da CNEN será aprovado pelo
Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia e publicado no Diário
Oficial da União, no prazo de noventa dias, contado da data de
publicação deste Decreto.
ANEXO I
ISSN 1677-7042
rativa; e
IV - exercer outras competências que lhe forem cometidas
pelo Presidente da CNEN.
Art. 6º À Coordenação-Geral de Assuntos Internacionais
compete:
I - assessorar o Presidente da CNEN quanto à provisão dos
subsídios técnico-políticos necessários ao posicionamento do País em
fóruns internacionais relacionados com a área da energia nuclear;
II - fornecer subsídios ao atendimento às demandas encaminhadas pelo Ministério da Ciência e Tecnologia e outras instituições governamentais, no que se refere aos aspectos internacionais
dos assuntos relativos aos usos pacíficos da energia nuclear;
III - coordenar a cooperação e intercâmbio da CNEN com
seus congêneres internacionais;
IV - coordenar as atividades de representação institucional da
CNEN junto a organismos internacionais; e
V - prover apoio administrativo ao processo de afastamento
do País aos servidores da CNEN.
Seção III
Dos Órgãos Seccionais
Art. 7º À Auditoria Interna compete examinar a conformidade legal dos atos de gestão orçamentário-financeiro, patrimonial,
de pessoal, demais sistemas administrativos e operacionais, e especificamente:
IV - apurar a liquidez e certeza dos créditos de qualquer
natureza, inerentes às suas atividades, inscrevendo-os em dívida ativa,
para fins de cobrança amigável ou judicial.
Art. 9º À Coordenação-Geral de Planejamento e Avaliação
compete:
I - coordenar o processo de planejamento estratégico e de
desdobramento da missão da CNEN em diretrizes, objetivos e metas,
em conformidade com o plano plurianual do Governo;
II - coordenar e acompanhar física e financeiramente as
ações, bem como avaliá-las quanto à eficácia e efetividade, com o
objetivo de orientar a política de investimentos e coordenar os processos de formulação do plano de trabalho, de elaboração da proposta
orçamentária e de captação de recursos; e
III - coordenar e acompanhar as atividades relacionadas ao
sistema federal de planejamento.
Art. 10. À Diretoria de Gestão Institucional compete planejar, coordenar e supervisionar a execução das atividades de orçamento, de organização e modernização administrativa, de inovação
de processos da administração, de gestão de pessoas, de tecnologia da
informação, de documentação e informação técnica, científica e administrativa, de administração financeira e contábil da CNEN, além
de assegurar a infra-estrutura necessária às atividades de segurança
nuclear e de pesquisa e desenvolvimento.
Seção IV
Dos Órgãos Específicos Singulares
Art. 11. À Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento compete
planejar, orientar e coordenar a execução das atividades de pesquisa,
desenvolvimento e aplicações relacionadas às áreas de tecnologia
nuclear e aplicações das radiações ionizantes, assim como às atividades de ensino voltadas para a formação e especialização técnicocientífica do setor nuclear.
Art. 12. À Diretoria de Radioproteção e Segurança Nuclear
compete planejar, coordenar, regulamentar e supervisionar a execução
das atividades de licenciamento e inspeção de instalações nucleares e
radiativas, inspeção de indústrias de mineração e beneficiamento de
minérios contendo urânio e tório, segurança nuclear, radioproteção,
emergências radiológicas e nucleares, gerência e transporte de rejeitos
radioativos, salvaguardas, proteção física, controle de materiais nucleares e radioativos e de minérios de interesse nuclear, e certificação
da qualificação de profissionais do setor.
CAPÍTULO V
DAS ATRIBUIÇÕES DOS DIRIGENTES
Art. 13. Ao Presidente incumbe:
I - exercer a direção superior, a supervisão geral e a coordenação das atividades da CNEN;
II - representar a CNEN em juízo ou fora dele;
III - subsidiar o Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia
em assuntos de energia nuclear;
IV - convocar e presidir as reuniões da Comissão Deliberativa, podendo decidir ad referendum desta;
6
ISSN 1677-7042
1
V - praticar atos de administração superior da CNEN, especialmente quanto à gestão patrimonial, orçamentária, financeira e
de recursos humanos;
execução das atividades dos respectivos órgãos e unidades e exercer
outras atribuições que lhe sejam cometidas pelo Presidente da CNEN.
CAPÍTULO VI
DAS DISPOSIÇÕES GERAIS
VI - propor a aplicação de sanções por infração das normas
de concessão, de licenciamento e de fiscalização; e
VII - baixar atos pertinentes ao funcionamento da CNEN,
ouvida a Comissão Deliberativa.
Art. 14. Aos Diretores, ao Chefe de Gabinete, ao ProcuradorChefe, ao Auditor-Chefe, aos Coordenadores-Gerais, aos Gerentes e
aos demais dirigentes incumbe planejar, dirigir, coordenar e orientar a
Art. 15. O regimento interno definirá o detalhamento dos
órgãos integrantes da Estrutura Regimental da CNEN, as competências dos respectivos órgãos e unidades, as atribuições dos seus
dirigentes e a definição das áreas de jurisdição.
Art. 16. Em caso de extinção da CNEN, seus bens e direitos passarão à União, depois de satisfeitas as obrigações assumidas com terceiros.
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
Art. 17. A CNEN, como acionista majoritária e controladora
das Indústrias Nucleares do Brasil S.A. - INB e da Nuclebrás Equipamentos Pesados S.A. - NUCLEP, nos termos do Decreto-Lei nº
2.464, de 21 de agosto de 1988, orientará as atividades dessas empresas e de suas filiadas de modo que se conformem à política nuclear
em vigor, nos termos do art. 10 da Lei nº 8.490, de 19 de novembro
de 1992, bem como atendam ao disposto na Constituição e nas leis do
País sobre a competência da União em matéria de energia nuclear.
Art. 18. Os casos omissos e as dúvidas suscitadas na aplicação desta Estrutura Regimental serão dirimidas pelo Presidente da
CNEN, ad referendum da Comissão Deliberativa.
<!ID639160-2>
ANEXO II
a) QUADRO DEMONSTRATIVO DOS CARGOS EM COMISSÃO E DAS FUNÇÕES GRATIFICADAS DA COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR.
UNIDADE
GABINETE
Coordenação
Serviço
CARGO/
FUNÇÃO/
Nº
DENOMINAÇÃO
CARGO/FUNÇÃO
DAS/
FG
1
Presidente
101.6
1
1
2
Chefe de Gabinete
Coordenador
Chefe
101.4
101.3
101.1
1
Coordenador-Geral
101.4
AUDITORIA INTERNA
1
Auditor-Chefe
101.4
PROCURADORIA FEDERAL
Divisão
1
2
Procurador-Chefe
Chefe
101.4
101.2
COORDENAÇÃO-GERAL DE
PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO
Divisão
1
2
Coordenador-Geral
Chefe
101.4
101.2
1
2
1
1
8
Diretor
Assessor
Coordenador
Chefe
Chefe
101.5
102.4
101.3
101.2
101.1
9
1
Coordenação-Geral de Recursos
Humanos
Divisão
Serviço
1
3
1
Coordenador-Geral
Chefe
Chefe
101.4
101.2
101.1
1
3
Coordenador-Geral
Chefe
101.4
101.2
Coordenação-Geral de Administração
e Logística
Divisão
1
3
Coordenador-Geral
Chefe
101.4
101.2
Coordenação
1
1
1
Instituto de Engenharia Nuclear
Divisão
Serviço
Gerente
Assistente
Chefe
Chefe
101.4
102.2
101.2
101.1
Diretor
Assessor Técnico
Coordenador
1
101.5
102.3
101.3
FG-3
1
6
13
Gerente
Chefe
Chefe
101.4
101.2
101.1
1
4
1
Coordenação-Geral do Instituto de
Pesquisas Energéticas e Nucleares
FG-1
FG-2
FG-3
1
1
5
12
45
Coordenação
Divisão
Serviço
Coordenador-Geral
Assistente
Coordenador
Chefe
Chefe
1
DIRETORIA DE RADIOPROTEÇÃO E
SEGURANÇA NUCLEAR
Coordenação
Divisão
Diretor
Assessor
Assessor Técnico
Coordenador
Chefe
6
1
Coordenação-Geral de Instalações
Médicas e Industriais
Divisão
1
2
Coordenador-Geral
Chefe
101.4
101.2
Coordenação-Geral de Reatores e Ciclo
Combustível
Coordenação
Serviço
1
2
3
Coordenador-Geral
Coordenador
Chefe
101.4
101.3
101.1
3
Instituto de Radioproteção e Dosimetria
Divisão
Serviço
FG-1
1
6
13
Gerente
Chefe
Chefe
101.4
101.2
101.1
7
5
3
FG-2
FG-1
FG-2
FG-3
1
Coordenador-Geral
101.4
Coordenação-Geral de Aplicações
das Radiações Ionizantes
1
Coordenador-Geral
101.4
TIFICADAS DA COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR.
1
1
4
14
Gerente
Assistente
Chefe
Chefe
101.4
102.2
101.2
101.1
CÓDIGO
Divisão
Serviço
101.5
102.4
102.3
101.3
101.2
FG-1
FG-2
Coordenação-Geral de Ciência
e Tecnologia Nucleares
Centro de Desenvolvimento da
Tecnologia Nuclear
101.4
102.2
101.3
101.2
101.1
FG-3
1
1
1
2
4
FG-1
FG-2
Coordenação-Geral de Ciência e
Tecnologia da Informação
Divisão
DIRETORIA DE PESQUISA E
DESENVOLVIMENTO
Divisão
Serviço
FG-1
COORDENAÇÃO-GERAL DE
ASSUNTOS INTERNACIONAIS
Coordenação
Divisão
Serviço
1
1
3
9
1
3
DIRETORIA DE GESTÃO
INSTITUCIONAL
Centro Regional de Ciências Nucleares
do Nordeste
b) QUADRO RESUMO DE CUSTOS DOS CARGOS EM COMISSÃO E DAS FUNÇÕES GRA-
4
2
FG-1
FG-3
DAS UNITÁRIO
SITUAÇÃO ATUAL
QTDE.
SITUAÇÃO NOVA
VALOR TOTAL
QTDE.
VALOR TOTAL
DAS 101.6
6,15
1
6,15
1
6,15
DAS 101.5
5,16
3
15,48
3
15,48
DAS 101.4
3,98
16
63,68
17
67,66
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
DAS 101.3
1,28
11
14,08
12
15,36
ANEXO III
REMANEJAMENTO DE CARGOS E FUNÇÃO
DAS 101.2
DAS 101.1
1,14
1,00
48
99
54,72
99,00
51
108
58,14
108,00
DAS 102.4
3,98
4
15,92
3
11,94
DAS 102.3
1,28
3
3,84
2
2,56
DAS 102.2
1,14
2
2,28
3
3,42
187
275,15
200
288,71
SUBTOTAL 1
FG-1
0,20
33
6,60
33
6,60
FG-2
0,15
12
1,80
12
1,80
FG-3
0,12
7
0,84
8
0,96
SUBTOTAL 2
52
9,24
53
9,36
TOTAL (1+2)
239
284,39
253
298,07
<!ID639157-0>
DECRETO DE 20 DE ABRIL DE 2005
CÓDIGO
DAS
DAS
DAS
DAS
DAS-UNITÁRIO DA SEGES/MP P/ A CNEN (a) DA CNEN P/ A SEGES/MP (b)
QTDE.
VALOR TOTAL
QTDE.
VALOR TOTAL
101.4
101.3
101.2
101.1
3,98
1,28
1,14
1,00
1
1
3
9
3,98
1,28
3,42
9,00
-
-
DAS 102.4
DAS 102.3
DAS 102.2
3,98
1,28
1,14
1
1,14
1
1
-
3,98
1,28
-
15
18,82
2
5,26
1
0,12
-
-
0,12
18,94
0
2
14
0,00
5,26
13,68
SUBTOTAL 1
FG-3
0,12
SUBTOTAL 2
1
TOTAL (1 + 2)
16
Saldo do Remanejamento (a-b)
§ 3o O Presidente da Comissão poderá convidar para participar das reuniões representantes de outros órgãos ou entidades,
públicos ou privados.
Institui, no âmbito do Ministério do Trabalho e Emprego, Comissão Quadripartite
para propor programa de fortalecimento do
salário mínimo.
§ 4o A participação na Comissão será considerada prestação
de serviço relevante e não remunerada.
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição
que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea “a”, da Constituição,
Art. 3o A Comissão terá o seu funcionamento definido em
regimento interno, que será aprovado por maioria simples de seus
membros, no prazo de sessenta dias, contados a partir da publicação
deste Decreto.
DECRETA:
1o
Art. 4o Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.
Art.
É instituída, no âmbito do Ministério do Trabalho e
Emprego, a Comissão Quadripartite, de caráter consultivo, com o
objetivo de propor programa de fortalecimento do salário mínimo e
analisar os seus impactos no mercado de trabalho, na Previdência
Social e nas políticas de assistência e desenvolvimento social no
âmbito do Governo Federal e dos demais entes federativos.
Brasília, 20 de abril de 2005; 184o da Independência e 117o
da República.
Art. 2º A Comissão será composta por um representante,
titular e suplente, de cada órgão e entidade a seguir indicados, designados pelo Ministro de Estado do Trabalho e Emprego:
Declara de utilidade pública, para fins de
desapropriação, total ou parcial, ou instituição de servidão administrativa, em favor
da Petróleo Brasileiro S.A. - PETROBRÁS,
os imóveis constituídos de terras e benfeitorias, necessários à construção do Gasoduto Urucu-Manaus - Trecho Coari-Manaus, nos Municípios de Coari, Codajás,
Anamã, Caapiranga, Manacapuru e Iranduba, no Estado do Amazonas, e dá outras
providências.
I - do Poder Público:
a) Ministério do Trabalho e Emprego, que será seu Presidente;
b) Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão;
c) Ministério da Previdência Social;
d) Ministério da Fazenda;
e) Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome;
f) Casa Civil da Presidência da República;
g) Secretaria de Coordenação Política e Assuntos Institucionais da Presidência da República;
II - das entidades de trabalhadores:
a) Central Única dos Trabalhadores;
b) Confederação Geral dos Trabalhadores;
c) Força Sindical;
d) Social Democracia Sindical;
e) Central Autônoma de Trabalhadores;
f) Central Geral dos Trabalhadores do Brasil;
III - das entidades de empregadores:
a) Confederação Nacional da Indústria;
b) Confederação Nacional da Agricultura;
c) Confederação Nacional do Comércio;
d) Confederação Nacional do Transporte;
e) Confederação Nacional das Instituições Financeiras;
IV - das entidades representativas de aposentados e pensionistas:
a) Confederação Brasileira de Aposentados e Pensionistas - COBAP;
b) Sindicato Nacional de Aposentados;
c) Federação dos Aposentados e Pensionistas de São Paulo - Fapesp;
d) Associação Nacional dos Aposentados, Pensionistas e Idosos - ANAPI.
§ 1o Poderá integrar a Comissão um representante, titular e
suplente, dos Poderes Públicos estadual, do Distrito Federal e municipal, indicados pela Secretaria de Coordenação Política e Assuntos
Institucionais.
§ 2o Os representantes dos órgãos governamentais serão indicados pelos seus respectivos titulares e os representantes dos trabalhadores e empregadores, pelas respectivas entidades.
7
ISSN 1677-7042
LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
Ricardo José Ribeiro Berzoini
<!ID639158-0>
DECRETO DE 20 DE ABRIL DE 2005
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição
que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, e tendo em vista
o disposto no art. 8o, inciso VIII, da Lei no 9.478, de 6 de agosto de
1997, no Decreto-Lei no 3.365, de 21 de junho de 1941, no DecretoLei no 1.075, de 22 de janeiro de 1970, e o que consta no Processo
ANP no 48610.011686/2004-44,
DECRETA:
Art. 1o Ficam declarados de utilidade pública, para fins de
desapropriação, total ou parcial, ou de instituição de servidão administrativa, em favor da Petróleo Brasileiro S.A. - PETROBRÁS, ou
de sociedade por ela controlada, direta ou indiretamente, os imóveis
constituídos de terras e benfeitorias, de propriedade privada, excluídos os bens de domínio público, compreendidos nas faixas de terras
situadas no Estado do Amazonas, e cujas restrições administrativas
são imprescindíveis à construção do Gasoduto Urucu-Manaus - Trecho Coari-Manaus, nos Municípios de Coari, Codajás, Anamã, Caapiranga, Manacapuru e Iranduba, no Estado do Amazonas, e instalações complementares.
§ 1o A faixa de terras a que se refere este Decreto, com
aproximadamente dezoito milhões, quinhentos e setenta e cinco mil
metros quadrados, é relativa ao trecho situado entre Coari-AM e
Manaus-AM do Gasoduto Urucu-Manaus, situado no Estado do Amazonas, nos Municípios de Coari, Codajás, Anamã, Caapiranga, Manacapuru e Iranduba, e assim se descreve e caracteriza: faixa de terras
com 50 metros de largura e extensão aproximada de trezentos e
setenta e um mil e quinhentos metros, sendo 20 metros destinados à
implantação da faixa de dutos e 15 metros para cada lado da mesma,
destinados à área não edificante, cujo eixo tem início no Terminal do
Solimões, no Município de Coari-AM, ponto V01, de coordenadas
N=9.563.489 e E=481.888; deste ponto, com rumo geral sudeste e
distância de 379 m, chega-se no ponto V02, de coordenadas
N=9.563.340 e E=482.237; deste ponto, com rumo geral sudeste e
distância de 1.935 m, chega-se no ponto V03, de coordenadas
N=9.561.950 e E=483.582; deste ponto, com rumo geral nordeste e
distância de 3.911 m, atravessando o Rio Solimões e Igarapé Cumarú,
chega-se no ponto V04, de coordenadas N=9.562.597 e E=487.439;
deste ponto, com rumo geral nordeste e distância de 3.723 m, atravessando o Igarapé Ipixuna, chega-se no ponto V05, de coordenadas
N=9.564.433 e E=490.666; deste ponto, com rumo geral sudeste e
distância de 1.850 m, chega-se no ponto V06 de coordenadas
N=9.564.527 e E=492.508; deste ponto, com rumo geral nordeste e
distância de 7.323 m, atravessando Furo do Genipapo, chega-se no
ponto V07, de coordenadas N=9.567.416 e E=499.217; deste ponto,
com rumo geral nordeste e distância de 2.365 m, chega-se no ponto
V08, de coordenadas N=9.568.906 e E=501.054; deste ponto, com
rumo geral nordeste e distância de 14.877 m, chega-se ao ponto V09,
de coordenadas N=9.574.789 e E=514.718; deste ponto, com rumo
geral nordeste e distância de 10.312 m, atravessando Paraná do Trocari e Lago Sacramento, chega-se ao ponto V10, de coordenadas
N=9.580.651 e E=523.201; deste ponto, com rumo geral nordeste e
distância de 8.023 m, atravessando o Igarapé Terra Preta, chega-se ao
ponto V11, de coordenadas N=9.582.594 e E=530.964, divisa dos
Municípios de Coari e Codajás; deste ponto, com rumo geral nordeste
e distância de 5.137 m, chega-se ao ponto V12, de coordenadas
N=9.583.419 e E=536.034; deste ponto, com rumo geral nordeste e
distância de 22.268 m, atravessando Lago do Jabuti e Lago Acará,
chega-se no ponto V13, de coordenadas N=9.590.973 e E=556.980;
deste ponto, com rumo geral nordeste e distância de 5.379 m, atravessando Lago das Onças e Igarapé das Onças, chega-se no ponto
V14, de coordenadas N=9.591.479 e E=562.335; deste ponto, com
rumo geral nordeste e distância de 4.199 m, atravessando Paraná das
Onças, chega-se no ponto V15, de coordenadas N=9.593.628 e
E=565.942; deste ponto, com rumo geral nordeste e distância de
4.538 m, chega-se no ponto V16, de coordenadas N=9.594.373 e
E=570.412; deste ponto, com rumo geral sudeste e distância de 4.083
m, chega-se no ponto V17, de coordenadas N=9.594.268 e
E=574.492; deste ponto, com rumo geral sudeste e distância de 6.798
m, atravessando Furo do Ubim e Paraná dos Badajós, chega-se no
ponto V18, de coordenadas N=9.592.784 e E=581.127; deste ponto,
com rumo geral nordeste e distância de 5.589 m, chega-se no ponto
V19, de coordenadas N=9.593.175 e E=586.701; deste ponto, com
rumo geral nordeste e distância de 16.332 m, atravessando Igarapé
Maçaranduba, Igarapé Tucunaré e Lago Miuá, chega-se no ponto
V20, de coordenadas N=9.596.185 e E=602.715; deste ponto, com
rumo geral nordeste e distância de 9.234 m, atravessando Igarapé
Mundurucu e Igarapé Santana, chega-se no ponto V21, de coordenadas N=9.601.866 e E=609.984, divisa dos Municípios de Codajás/Anamã; deste ponto, com rumo geral nordeste e distância de
2.423 m, chega-se no ponto V22, de coordenadas N=9.603.128 e
E=612.041; deste ponto, com rumo geral nordeste e distância de
30.054 m, atravessando Igarapé Amazonas, Igarapé Curicacá e Igarapé Veado, chega-se no ponto V23, de coordenadas N=9.611.722 e
E=640.832; deste ponto, com rumo geral nordeste e distância de
22.977 m, atravessando o Lago Anamã, Arará Tucupi, Igarapé do
Santana, Igarapé Marinheiro, o Igarapé Alexandre e Igarapé Anixi,
chega-se no ponto V24, de coordenadas N=9.622.511 e E=661.115,
divisa dos Municípios Anamã/Caapiranga; deste ponto, com rumo
geral nordeste e distância de 39.278 m, atravessando Igarapé do
Peixe, Igarapé Dom José, Igarapé Tamanduá, Igarapé Novo Encanto e
Igarapé da Cabeceira, chega-se no ponto V25, de coordenadas
N=9.640.841 e E=695.849; deste ponto, com rumo geral nordeste e
distância de 2.269 m, cruzando Estrada Municipal Ari Antunes e
atravessando Igarapé Patuazinho, chega-se no ponto V26, de coordenadas N=9.641.614 e E=697.950; deste ponto, com rumo geral
sudeste e distância de 8.507 m, atravessando o Igarapé Santo Antônio, chega-se no ponto V27, de coordenadas N=9.641.160 e
E=706.442, divisa dos Municípios Caapiranga/Manacapuru; deste
ponto, com rumo geral sudeste e distância de 3.108 m, atravessando
Igarapé da Caba, Igarapé da Petrobras e cruzando Estrada Municipal
de Manacapuru, chega-se ao ponto V28, de coordenadas N=9.640.976
e E=709.544; deste ponto, com rumo geral nordeste e distância de
5.972 m, chega-se ao ponto V29, de coordenadas N=9.641.989 e
E=715.430; deste ponto, com rumo geral sudeste e distância de
12.495 m, atravessando Igarapé Vai-Quem-Quer, chega-se no ponto
V30, de coordenadas N=9.641.526 e E=727.917; deste ponto, com
rumo geral nordeste e distância de 7.448 m, chega-se no ponto V31,
de coordenadas N=9.642.192 e E=735.315; deste ponto, com rumo
8
ISSN 1677-7042
geral sudeste e distância de 3.214 m, atravessando Furo do Macu,
Igarapé Seringueira, Igarapé Cumaru, chega-se no ponto V32, de
coordenadas N=9.641.842 e E=738.510; deste ponto, com rumo geral
nordeste e distância de 2.836 m, atravessando Igarapé Fazenda Velha,
chega-se no ponto V33, de coordenadas N=9.642.559 e E=741.254;
deste ponto, com rumo geral sudeste e distância de 2.416 m, chegase no ponto V34, de coordenadas N=9.642.031 e E=743.607; deste
ponto, com rumo geral nordeste e distância de 1.556 m, chega-se no
ponto V35, de coordenadas N=9.642.521 e E=745.070; deste ponto,
com rumo geral sudeste e distância de 2.687 m, chega-se no ponto
V36, de coordenadas N=9.642.129 e E=747.727; deste ponto, com
rumo geral nordeste e distância de 8.189 m, atravessando Lago Manacapuru, chega-se no ponto V37, de coordenadas N=9.643.620 e
E=755.551; deste ponto, com rumo geral sudeste e distância de 2.910
m, chega-se no ponto V38, de coordenadas N=9.642.798 e
E=758.282; deste ponto, com rumo geral nordeste e distância de
5.631 m, atravessando Igarapé Água Preta, Igarapé Água Branca e
cruzando Rodovia Estadual AM-352, chega-se no ponto V39, de
coordenadas N=9.643.625 e E=763.835; deste ponto, com rumo geral
sudeste e distância de 1.898 m, chega-se no ponto V40, de coordenadas N=9.642.840 e E=765.560; deste ponto, com rumo geral
nordeste e distância de 1.453 m, chega-se no ponto V41, de coordenadas N=9.643.619 e E=766.767; deste ponto, com rumo geral
sudeste e distância de 2.454 m, chega-se no ponto V42, de coordenadas N=9.643.532 e E=769.220; deste ponto, com rumo geral
nordeste e distância de 5.420 m, chega-se no ponto V43, de coordenadas N=9.643.838 e E=774.628; deste ponto, com rumo geral
sudeste e distância de 1.273 m, chega-se no ponto V44, de coordenadas N=9.643.488 e E=775.841; deste ponto, com rumo geral
leste e distância de 2.182 m, seguindo em paralelo ao Ramal Santo
Antônio, chega-se no ponto V45, de coordenadas N=9.643.470 e
E=778.024; deste ponto, com rumo geral nordeste e distância de 603
m, chega-se no ponto V46, de coordenadas N=9.643.701 e
E=778.575; deste ponto, com rumo geral sudeste e distância de 3.729
m, chega-se no ponto V47, de coordenadas N=9.643.230 e
E=782.267; deste ponto, com rumo geral nordeste e distância de
8.399 m, atravessando Lago Imanha, chega-se no ponto V48, de
coordenadas N=9.644.888 e E=790.351; deste ponto, com rumo geral
sudeste e distância de 1.040 m, chega-se no ponto V49, de coordenadas N=9.644.895 e E=791.387; deste ponto, com rumo geral
nordeste e distância de 4.105 m, chega-se no ponto V50, de coordenadas N=9.645.541 e E=795.429, divisa dos Municípios Manacapuru/Iranduba; deste ponto, com rumo geral nordeste e distância
de 1.699 m, atravessando Lago Imanha, chega-se no ponto V51, de
coordenadas N=9.645.788 e E=797.107; deste ponto, com rumo geral
sudeste e distância de 7.753 m, chega-se no ponto V52, de coordenadas N=9.643.955 e E=804.597; deste ponto, com rumo geral
nordeste e distância de 2.694 m, chega-se no ponto V53, de coordenadas N=9.644.554 e E=807.191; deste ponto, com rumo geral
sudeste e distância de 1.204 m, chega-se no ponto V54, de coordenadas N=9.644.061 e E=808.274; deste ponto, com rumo geral
sudeste e distância de 1.828 m, chega-se no ponto V55, de coordenadas N=9.644.033 e E=810.098; deste ponto, com rumo geral
nordeste e distância de 1.796 m, chega-se no ponto V56, de coordenadas N=9.644.674 e E=811.760; deste ponto, com rumo geral
nordeste e distância de 1.717 m, chega-se no ponto V57, de coordenadas N=9.644.734 e E=813.474; deste ponto, com rumo geral
nordeste e distância de 10.252 m, chega-se no ponto V58, de coordenadas N=9.646.818 e E=823.441; deste ponto, com rumo geral
nordeste e distância de 1.916 m, chega-se no ponto V59, de coordenadas N=9.647.795 e E=825.085; deste ponto, com rumo geral
nordeste e distância de 3.293 m, chega-se no ponto V60, de coordenadas N=9.648.058 e E=828.361; deste ponto, com rumo geral
nordeste e distância de 2.567 m, chega-se no ponto V61, de coordenadas N=9.649.889 e E=830.004, na margem direita do Rio Negro; deste ponto, inicia a travessia do Rio Negro, com rumo geral
sudeste (ângulo de 47.18º e raio de 2.839 m) chega-se no ponto V62,
de coordenadas N=9.649.923 e E=832.276; deste ponto, com rumo
geral sudeste, chega-se no ponto V63, de coordenadas N=9.649.170 e
E=834.073; deste ponto, com rumo geral nordeste (ângulo de 60.07º
e raio de 2.300 m) chega-se no ponto V64, de coordenadas
N=9.649.463 e E=836.658; deste ponto, com rumo geral nordeste
chega-se no ponto V65, de coordenadas N=9.650.741 e E=838.032;
deste ponto, com rumo geral nordeste (ângulo de 40,62º e raio de
1.130 m) chega-se no ponto V66, de coordenadas N=9.651.404 e
E=838.451, na margem esquerda do Rio Negro. A extensão da travessia do Rio Negro, intervalo dos pontos V61 à V66 é de aproximadamente 9.606m. As descrições acima estão de acordo com o
desenho DE-4450.99-6521-940-PEN-001, com o sistema de coordenadas na Projeção Universal Transversa de Mercator (UTM), datum
horizontal SAD-69, origem no Equador e Meridiano Central de 63o
WGr, contendo suas respectivas constantes no valor de 10.000 Km
“N” e 500 km “E”.
§ 2o As áreas de terras a que se refere o caput deste artigo,
situadas no Estado do Amazonas, nos Municípios de Coari, Codajás,
Anamã, Caapiranga, Manacapuru e Iranduba, necessárias para a construção das instalações complementares, com descrições de acordo
com o desenho DE-4450.99-6521-940-PEN-001, e com o sistema de
coordenadas na Projeção Universal Transversa de Mercator (UTM),
datum horizontal SAD-69, origem no Equador e Meridiano Central de
63o WGr, contendo suas respectivas constantes no valor de 10.000
Km “N” e 500 km “E”, assim se descrevem e caracterizam:
1
Área de Válvulas SDV-12
I - área de sete mil metros quadrados, possuindo 100 metros
de comprimento por 70 metros de largura, localizada aproximadamente no Km 312,9 da diretriz da faixa de implantação do Gasoduto
Urucu-Manaus-Trecho Coari-Manaus, de formato regular, localizada
no Município de Coari/AM, destinada à instalação da válvula SDV12, cujo perímetro assim se descreve: partindo-se do ponto de coordenadas N=9.573.877 e E=512.687, com rumo noroeste, chega-se
ao ponto de coordenadas N=9.573.941 e E=512.659, com rumo sudoeste, chega-se ao ponto de coordenadas N=9.573.901 e E=512.568,
com rumo sudeste, chega-se ao ponto de coordenadas N=9.573.837 e
E=512.596, com rumo nordeste, chega-se ao ponto onde teve início a
presente descrição;
Área de Válvulas SDV-13
II - área de sete mil metros quadrados, possuindo 100 metros
de comprimento por 70 metros de largura, localizada aproximadamente no Km 334,5 da diretriz da faixa de implantação do Gasoduto
Urucu-Manaus-Trecho Coari-Manaus, de formato regular, localizada
no Município de Codajás/AM, destinada à instalação da válvula
SDV-13, cujo perímetro assim se descreve: partindo-se do ponto de
coordenadas N=9.582.780 e E=531.890, com rumo sudoeste, chega-se
ao ponto de coordenadas N=9.582.764 e E=531.790, com rumo sudeste, chega-se ao ponto de coordenadas N=9.582.695 e E=531.802,
com rumo nordeste, chega-se ao ponto de coordenadas N=9.582.711
e E=531.901, com rumo noroeste, chega-se ao ponto onde teve início
a presente descrição;
Área de Válvulas SDV-14
III - área de sete mil metros quadrados, possuindo 100 metros de comprimento por 70 metros de largura, localizada aproximadamente no Km 370,4 da diretriz da faixa de implantação do
Gasoduto Urucu-Manaus-Trecho Coari-Manaus, de formato regular,
localizada no Município de Codajás/AM, destinada à instalação da
válvula SDV-14, cujo perímetro assim se descreve: partindo-se do
ponto de coordenadas N=9.593.518 e E=565.816, com rumo nordeste,
chega-se ao ponto de coordenadas N=9.593.569 e E=565.902, com
rumo noroeste, chega-se ao ponto de coordenadas N=9.593.629 e
E=565.866, com rumo sudoeste, chega-se ao ponto de coordenadas
N=9.593.578 e E=565.780, com rumo sudeste, chega-se ao ponto
onde teve início a presente descrição;
Área de Válvulas SDV-15
IV - área de quarenta mil metros quadrados, possuindo 200
metros de comprimento por 200 metros de largura, localizada aproximadamente no Km 407,8 da diretriz da faixa de implantação do
Gasoduto Urucu-Manaus-Trecho Coari-Manaus, de formato regular,
localizada no Município de Codajás/AM, destinada à instalação da
válvula SDV-15 e de Estação de Compressão, cujo perímetro assim
se descreve: partindo-se do ponto de coordenadas N=9.595.294 e
E=600.275, com rumo nordeste, chega-se ao ponto de coordenadas
N=9.595.338 e E=600.470, com rumo noroeste, chega-se ao ponto de
coordenadas N=9.595.533 e E=600.427, com rumo sudoeste, chega-se
ao ponto de coordenadas N=9.595.489 e E=600.231, com rumo sudeste, chega-se ao ponto onde teve início a presente descrição;
Área de Válvulas SDV-16
V - área de sete mil metros quadrados, possuindo 100 metros
de comprimento por 70 metros de largura, localizada aproximadamente no Km 441,8 da diretriz da faixa de implantação do Gasoduto
Urucu-Manaus-Trecho Coari-Manaus, de formato regular, localizada
no Município de Anamã/AM, destinada à instalação da válvula SDV16, cujo perímetro assim se descreve: partindo-se do ponto de coordenadas N=9.609.446 e E=633.329, com rumo nordeste, chega-se
ao ponto de coordenadas N=9.609.474 e E=633.424, com rumo noroeste, chega-se ao ponto de coordenadas N=9.609.541 e E=633.405,
com rumo sudoeste, chega-se ao ponto de coordenadas N=9.609.512
e E=633.309, com rumo sudeste, chega-se ao ponto onde teve início
a presente descrição;
Área de Válvulas SDV-17
VI - área de sete mil metros quadrados, possuindo 100 metros de comprimento por 70 metros de largura, localizada aproximadamente no Km 475,3 da diretriz da faixa de implantação do
Gasoduto Urucu-Manaus-Trecho Coari-Manaus, de formato regular,
localizada no Município de Caapiranga/AM, destinada à instalação da
válvula SDV-17, cujo perímetro assim se descreve: partindo-se do
ponto de coordenadas N=9.623.628 e E=663.267 com rumo nordeste,
chega-se ao ponto de coordenadas N=9.623.675 e E=663.354, com
rumo noroeste, chega-se ao ponto de coordenadas N=9.623.737 e
E=663.321, com rumo sudoeste, chega-se ao ponto de coordenadas
N=9.623.689 e E=663.233, com rumo sudeste, chega-se ao ponto
onde teve início a presente descrição;
Área de Válvulas SDV-18
VII - área de quarenta mil metros quadrados, possuindo 200
metros de comprimento por 200 metros de largura, localizada aproximadamente no Km 512,7 da diretriz da faixa de implantação do
Gasoduto Urucu-Manaus-Trecho Coari-Manaus, de formato regular,
localizada no Município de Caapiranga/AM, destinada à instalação da
válvula SDV-18 e de Estação de Compressão, cujo perímetro assim
se descreve: partindo-se do ponto de coordenadas N=9.640.720 e
E=695.915, com rumo leste, chega-se ao ponto de coordenadas
N=9.640.720 e E=696.115, com rumo norte, chega-se ao ponto de
coordenadas N=9.640.920 e E=696.115, com rumo oeste, chega-se ao
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
ponto de coordenadas N=9.640.920 e E=695.915, com rumo sul,
chega-se ao ponto onde teve início a presente descrição;
Área de Válvulas SDV-19
VIII - área de sete mil metros quadrados, possuindo 100
metros de comprimento por 70 metros de largura, localizada aproximadamente no Km 544,6 da diretriz da faixa de implantação do
Gasoduto Urucu-Manaus-Trecho Coari-Manaus, de formato regular,
localizada no Município de Manacapuru/AM, destinada à instalação
da válvula SDV-19, cujo perímetro assim se descreve: partindo-se do
ponto de coordenadas N=9.641.494 e E=727.946, com rumo nordeste,
chega-se ao ponto de coordenadas N=9.641.506 e E=728.045, com
rumo noroeste, chega-se ao ponto de coordenadas N=9.641.575 e
E=728.037, com rumo sudoeste, chega-se ao ponto de coordenadas
N=9.641.564 e E=727.937, com rumo sudeste, chega-se ao ponto
onde teve início a presente descrição;
Área de Válvulas SDV-20
IX - área de sete mil metros quadrados, possuindo 100 metros de comprimento por 70 metros de largura, localizada aproximadamente no Km 578,0 da diretriz da faixa de implantação do
Gasoduto Urucu-Manaus-Trecho Coari-Manaus, de formato regular,
localizada no Município de Manacapuru/AM, destinada à instalação
da válvula SDV-20, cujo perímetro assim se descreve: partindo-se do
ponto de coordenadas N=9.642.914 e E=760.414, com rumo nordeste,
chega-se ao ponto de coordenadas N=9.642.930 e E=760.512, com
rumo noroeste, chega-se ao ponto de coordenadas N=9.642.999 e
E=760.502, com rumo sudoeste, chega-se ao ponto de coordenadas
N=9.642.982 e E=760.403, com rumo sudeste, chega-se ao ponto
onde teve início a presente descrição;
Área de Válvulas SDV-21
X - área de sete mil metros quadrados, possuindo 100 metros
de comprimento por 70 metros de largura, localizada aproximadamente no Km 602,2 da diretriz da faixa de implantação do Gasoduto
Urucu-Manaus-Trecho Coari-Manaus, de formato regular, localizada
no Município de Manacapuru/AM, destinada à instalação da válvula
SDV-21, cujo perímetro assim se descreve: partindo-se do ponto de
coordenadas N=9.643.248 e E=783.373, com rumo nordeste, chega-se
ao ponto de coordenadas N=9.643.253 e E=783.473, com rumo noroeste, chega-se ao ponto de coordenadas N=9.643.323 e E=783.469,
com rumo sudoeste, chega-se ao ponto de coordenadas N=9.643.318
e E=783.369, com rumo sudeste, chega-se ao ponto onde teve início
a presente descrição; e
Área de Válvulas SDV-22
XI - área de sete mil metros quadrados, possuindo 100 metros de comprimento por 70 metros de largura, localizada aproximadamente no Km 634,5 da diretriz da faixa de implantação do
Gasoduto Urucu-Manaus - Trecho Coari-Manaus, de formato regular,
localizada no Município de Iranduba/AM, destinada à instalação da
válvula SDV-22, cujo perímetro assim se descreve: partindo-se do
ponto de coordenadas N=9.645.215 e E=815.467, com rumo nordeste,
chega-se ao ponto de coordenadas N=9.645.230 e E=815.566, com
rumo noroeste, chega-se ao ponto de coordenadas N=9.645.299 e
E=815.556, com rumo sudoeste, chega-se ao ponto de coordenadas
N=9.645.285 e E=815.457, com rumo sudeste, chega-se ao ponto
onde teve início a presente descrição.
Art. 2o A Petróleo Brasileiro S.A. - PETROBRAS, ou sociedade por ela controlada, direta ou indiretamente, fica autorizada a
promover, com recursos próprios, amigável ou judicialmente, a desapropriação total ou parcial, ou a instituição de servidões administrativas de que trata o art. 1o, podendo, inclusive, invocar o caráter
de urgência para fins de imissão provisória na posse dos bens, nos
termos do art. 15 do Decreto-Lei no 3.365, de 21 de junho de 1941,
e do Decreto-Lei no 1.075, de 22 de janeiro de 1970.
Art. 3o Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.
Brasília, 20 de abril de 2005; 184o da Independência e 117o
da República.
LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
Dilma Vana Rousseff
<!ID639159-0>
DECRETO DE 20 DE ABRIL DE 2005
Declara de utilidade pública, para fins de
desapropriação, total ou parcial, ou instituição de servidão administrativa, em favor
da Petróleo Brasileiro S.A. - PETROBRÁS,
os imóveis que menciona, constituídos de
terras e benfeitorias, necessários à construção do Gasoduto Manati e de suas instalações complementares, entre as Cidades de
Valença e São Francisco do Conde, Estado
da Bahia, e dá outras providências.
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição
que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, e tendo em vista
o disposto no art. 8o, inciso VIII, da Lei no 9.478, de 6 de agosto de
1997, no Decreto-Lei no 3.365, de 21 de junho de 1941, no DecretoLei no 1.075, de 22 de janeiro de 1970, e o que consta do Processo
ANP no 48610.001148/2005-22,
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
DECRETA:
1o
Art.
Ficam declarados de utilidade pública, para fins de
desapropriação, total ou parcial, ou de instituição de servidão administrativa, em favor da Petróleo Brasileiro S.A. - PETROBRÁS, ou
de empresa por ela controlada, direta ou indiretamente, os imóveis
constituídos de terras e benfeitorias, de propriedade privada, excluídos os bens de domínio público, compreendidos nas faixas de terras
situadas no Estado da Bahia, no trecho entre as Cidades de Valença e
São Francisco do Conde, necessários à construção do Gasoduto Manati e de suas instalações complementares.
§ 1o A faixa de terras a que se refere o caput deste artigo,
com aproximadamente seiscentos e cinco mil, duzentos e cinqüenta
metros quadrados, relativa à Faixa de Manati, situada no Estado da
Bahia, nos Municípios de Valença e Jaguaripe, assim se descreve e
caracteriza: faixa de terras com 15 m de largura, cujo eixo tem início
na Praia de Guaibim, no Município de Valença, com coordenadas
S=13º14'8,34” e W=38º56'32,58”; deste ponto, com rumo noroeste e
distância de 2.144,15 m, chega-se ao ponto de coordenadas
S=13º13'20,76” e W=38º57'24,70”; deste ponto, com rumo noroeste e
distância de 811,9 m, atravessando o Rio Jiquiriçá, que é divisa de
Municípios entre Valença e Jaguaripe, chega-se ao ponto de coordenadas S=13º12'56,88” e W=38º57'37,79”; deste ponto, com rumo
nordeste e distância de 2.721,64 m, chega-se ao ponto de coordenadas
S=13º11'51,16” e W=38º56'44,77”; deste ponto, com rumo nordeste e
distância de 4.798,67 m, chega-se ao ponto de coordenadas
S=13º010'0,39” e W=38º54'52,36”; deste ponto, com rumo nordeste e
distância de 3.993,09 m, chega-se ao ponto de coordenadas
S=13º09'17,92” e W=38º52'48,89”; deste ponto, com rumo nordeste e
distância de 6.559,51 m, atravessando o Rio Jaguaripe, chega-se ao
ponto de coordenadas S=13º06'16,22” e W=38º51'10,34”; deste ponto, com rumo norte e distância de 4.477,53 m, atravessando o Mangue do Rio Mucujó, chega-se ao ponto de coordenadas
S=13º03'54,26” e W=38º51'27,36”; deste ponto, com rumo norte e
distância de 4.671,92 m, chega-se ao ponto de coordenadas
S=13º01'35,40” e W=38º51'57,55”; deste ponto, com rumo nordeste e
distância de 3.025,24 m, atravessando a Mata Ciliar e a BA-001,
chega-se ao ponto de coordenadas S=13º00'7,72” e W=38º51'38,41”;
deste ponto, com rumo noroeste e distância de 3.483,24 m, chega-se
ao ponto de coordenadas S=12º58'50,49” e W=38º52'54,81”; deste
ponto, com rumo norte e distância de 3.720,54 m, chega-se ao ponto
de coordenadas S=12º56'56,27” e W=38º53'14,06”, onde há o encontro com a faixa existente do ORSUB, onde se encerra a presente
descrição. As descrições estão de acordo com a planta macro localização DE-3103.65-6521-942-PIG-010/B, com sistema de coordenadas geográficas, Datum Horizontal SAD-69, origem no Equador
e Meridiano Central 39º WGr, tendo suas respectivas constantes no
valor de 10.000 km N e 500 km E.
§ 2o A faixa de terras a que se refere o caput deste artigo,
com aproximadamente trezentos e quarenta e nove mil e oitocentos
metros quadrados, relativa a faixa de Manati, situada no Estado da
Bahia, nos Municípios de Jaguaripe, Maragogipe e Salinas da Margarida, assim se descreve e caracteriza: faixa de terras com vinte
metros de largura, cujo eixo tem inicio no Município de Jaguaripe, na
faixa de dutos existente (ORSUB), com coordenadas S=12º56'56,27”
e W=38º53'14,06”; deste ponto, rumo geral nordeste e distância de
642,8 m, chega-se ao ponto com coordenadas S=12º56'54,00” e
W=38º52'52,85”; deste ponto, com rumo geral sudoeste e distância de
125 m, chega-se na divisa entre os Municípios de Jaguaripe e Maragogipe, com coordenadas S=12º56'52,98” e W=38º52'48,64”; deste
ponto, com rumo geral sudoeste e distância de 794,84 m, chega-se ao
ponto de coordenadas S=12º56'38,74” e W=38º52'29,97”; deste ponto, com rumo geral sudoeste e distância de 1.481,50 m, chega-se ao
ponto de coordenadas S=12º56'2,47” e W=38º51'58,33”; deste ponto,
com rumo geral sudoeste e distância de 1.366,84 m, chega-se ao
ponto de coordenadas S=12º55'44,97” e W=38º51'17,88”; deste ponto, com rumo geral sudoeste e distância de 843,00 m, chega-se ao
ponto de coordenadas S=12º55'24,94” e W=38º51'3,33”; deste ponto,
com rumo geral noroeste e distância de 82 m, chega-se ao ponto de
coordenadas S=12º55'22,99” e W=38º51'1,45”; deste ponto, com rumo geral sudoeste e distância de 324,00 m, chega-se ao ponto de
coordenadas S=12º55'14,59” e W=38º50'55,69”; deste ponto, com
rumo geral noroeste e distância de 28 m, chega-se ao ponto de
coordenadas S=12º55'13,72” e W=38º50'55,40”; deste ponto, com
rumo geral sudoeste e distância de 836,63 m, chega-se ao ponto de
coordenadas S=12º54 54,54” e W=38º50'46,02”; deste ponto, com
rumo geral noroeste e distância de 882,81 m, atravessando o Rio das
Pedras, chega-se ao ponto de coordenadas S=12º54'30,46” e
W=38º50'44,51”; deste ponto, com rumo geral sudoeste e distância de
848,07 m, chega-se ao ponto de coordenadas S=12º54'8,18” e
W=38º50'30,11”; deste ponto, com rumo sudoeste e distância de
566,64 m, chega-se ao ponto de S=12º53'56,13” e W=38º50'18,12”;
deste ponto, com rumo geral sudoeste e distância de 624,17 m, atravessando um filete d'água, chega-se ao ponto de coordenadas
S=12º53'39,99” e W=38º50'8,91”; deste ponto, com rumo geral sudoeste e distância de 2.413,38 m, chega-se ao ponto de coordenadas
S=12º52'49,84” e W=38º49'34,71”; deste ponto, com rumo geral sudoeste e distância de 3.184,25 m, passando pela divisa entre os
Municípios de Maragogipe e Salinas da Margarida, com coordenadas
S=12º51'40,79” e W=38º48'28,02”; deste ponto, com rumo sudoeste e
distância de 1.510,82 m, chega-se ao ponto de coordenadas
S=12º51'20,91” e W=38º47'40,19”; deste ponto, com rumo geral sudeste e distância de 875 m, cruzando uma estrada municipal e em
seguida a aréa de válvula, chega-se ao ponto de coordenadas
S=12º51'24,60” e W=38º47'11,38”, na praia do Cairú, encerrando
assim a presente descrição. As descrições estão de acordo com a
planta macro localização DE-3103.65-6521-942-PIG-010/B, com sistema de coordenadas geográficas, Datum Horizontal SAD-69, origem
no Equador e Meridiano Central 39º WGr, tendo suas respectivas
constantes no valor de 10.000 km N e 500 km E.
9
ISSN 1677-7042
Presidência da República
.
<!ID639162-0>
§ 3o A faixa de terras a que se refere o caput deste artigo,
com aproximadamente cento e quarenta e quatro mil, novecentos e
trinta e seis metros quadrados, relativa à faixa de Manati, situada no
Estado da Bahia, no Município de São Francisco do Conde, assim se
descreve e caracteriza: faixa de terras com quinze metros de largura,
cuja diretriz tem início próximo à Estação de Compressores de Ferrolho, no Município de São Francisco do Conde-BA, localizada no
primeiro dormente partindo da praia, com valores de coordenadas
geográficas: S=12º41'41,42” e W=38º38'18,00”; daí, segue com rumo
geral nordeste e distância de 282,55 m, passando pelo acesso a Estação de Compressores, atingindo a faixa do gasoduto existente (6”),
no ponto de coordenadas S=12º41'35,73” e W=38º38'11,83”; deste
ponto, seguindo a faixa existente no rumo nordeste a uma distância de
1.787,45 m, cruzando novamente a estrada de acesso à Estação de
Compressores de Ferrolho, acesso de terra à Rua São Paulo, chega-se
ao ponto de coordenadas S=12º41'8,91” e W=38º37'19,63”; deste
ponto, a uma distância de 427,75 m, no rumo nordeste, paralelamente
a Estrada de Ferrolho, chega-se ao ponto de coordenadas
S=12º41'13,43” e W=38º37'6,24”; daí, com rumo nordeste e distância
de 3.053,35 m, cruzando os pontos notáveis: Estrada de Ferrolho,
trecho de maré, Rua Ponta do Coco, linha de transmissão (69kv),
chega-se ao ponto de coordenadas S=12º40'44,56” e W=38º35'30,63”;
daí, continuando com rumo geral nordeste e distância 2.373,35 m,
chega-se no ponto de coordenadas S=12º40'5,99” e W=38º34'22,97”,
localizado na BA-522; daí, seguindo com rumo geral Sudeste e distância de 226,98 m, chega-se ao ponto de coordenadas S=12º40'7,57”
e W=38º34'15,85”; deste ponto, deixando a faixa do duto existente e
seguindo no rumo sudeste com distância de 459,72 m, cruzando o
acesso a UPGN e a Dutovia Aratú, chega-se ao ponto de coordenadas
S=12º40'12,73” e W=38º34'2,46”; daí, segue com rumo nordeste e
distância de 1.036,22 m, paralelamente à rua existente, até o ponto de
coordenadas S=12º39'44,84” e W=38º33'52,64”, localizada no pátio
onde será construída a Estação São Francisco, encerrando a presente
descrição. As descrições estão de acordo com a planta macro localização DE-3103.65-6521-942-PIG-010/B, com sistema de coordenadas geográficas, Datum Horizontal SAD-69, origem no Equador e
Meridiano Central 39º WGr, tendo suas respectivas constantes no
valor de 10.000 km N e 500 km E.
Art. 2o A Petróleo Brasileiro S.A. - PETROBRÁS, ou a
empresa por ela controlada, direta ou indiretamente, fica autorizada a
promover, com recursos próprios, amigável ou judicialmente, a desapropriação ou a instituição de servidões administrativas de que trata
o art. 1o, podendo, inclusive, invocar o caráter de urgência para fins
de imissão provisória na posse dos bens, nos termos do art. 15 do
Decreto-Lei no 3.365, de 21 de junho de 1941, e do Decreto-Lei no
1.075, de 22 de janeiro de 1970.
Art. 3o As servidões administrativas instituídas na forma deste Decreto poderão ter sua titularidade transferida para a empresa ou
consórcio de empresas que vier a ser titular da respectiva autorização
de construção ou operação do duto.
Art. 4o Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.
Brasília, 20 de abril de 2005; 184o da Independência e 117o
da República.
LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
Dilma Vana Rousseff
RETIFICAÇÃO
<!ID639164-0>
DECRETO DE 29 DE NOVEMBRO DE 2004
no Decreto de 29 de novembro de 2004, publicado no Diário Oficial
da União do dia 30 seguinte, Seção 1, página 4, primeira coluna, que
trata da concessão do Grande Colar da Ordem Nacional do Cruzeiro
do Sul:
onde se lê: “...o Rei MOHAMED IV, ...”
leia-se: “...o Rei MOHAMED VI, ...”
<!ID639155-0>
MINISTÉRIO DA DEFESA
DECRETO DE 20 DE ABRIL DE 2005
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, de acordo com o disposto no art. 84, inciso XXI, da Constituição e na qualidade de GrãoMestre da Ordem do Mérito da Defesa, resolve
ADMITIR
no Quadro Suplementar da Ordem do Mérito da Defesa, no grau de
Grã-Cruz, o General EP (r) ROBERTO CHIABRA LEÓN, Ministro
de Estado da República do Peru.
Brasília, 20 de abril de 2005; 184º da Independência e 117º
da República.
LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
José Alencar Gomes da Silva
DESPACHOS DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA
MENSAGEM
Nº 223, de 20 de abril de 2005. Encaminhamento ao Congresso Nacional do texto da Medida Provisória nº 248, de 20 de abril de 2005.
Nº 224, de 20 de abril de 2005. Encaminhamento ao Senado Federal,
para apreciação, do nome do Senhor APPIO CLAUDIO MUNIZ
ACQUARONE FILHO, Ministro de Segunda Classe da Carreira de
Diplomata do Quadro Permanente do Ministério das Relações Exteriores, para exercer o cargo de Embaixador do Brasil junto à República Unida da Tanzânia.
Nº 225, de 20 de abril de 2005. Encaminhamento ao Senado Federal,
para apreciação, do nome do Senhor CARLOS EDUARDO SETTE
CAMARA DA FONSECA COSTA, Ministro de Segunda Classe da
Carreira de Diplomata do Quadro Permanente do Ministério das Relações Exteriores, para exercer o cargo de Embaixador do Brasil junto
à República das Filipinas.
Nº 226, de 20 de abril de 2005. Encaminhamento ao Senado Federal,
para apreciação, do nome do Senhor LUIZ AUGUSTO DE CASTRO
NEVES, Ministro de Primeira Classe da Carreira de Diplomata do
Quadro Permanente do Ministério das Relações Exteriores, para, cumulativamente com o cargo de Embaixador do Brasil junto à República Popular da China, exercer o cargo de Embaixador do Brasil
junto à República Popular Democrática da Coréia.
Nº 227, de 20 de abril de 2005. Encaminhamento ao Congresso
Nacional de autorizações das entidades abaixo relacionadas para executar, pelo prazo de dez anos, sem direito de exclusividade, serviços
de radiodifusão comunitária, conforme os seguintes atos do Ministério das Comunicações:
1. Portaria no 500, de 2 de abril de 2002, alterada pela de no 402, de 30
de julho de 2003 - Associação de Cultura e Informação de Pacajá ACIPA - Emissora Comunitária “Novo Tempo”, na cidade de Pacajá PA;
2. Portaria no 2.943, de 18 de dezembro de 2002, alterada pela de no
601, de 19 de novembro de 2003 - Fundação Maranhense de Assistência Comunitária - FUMAC, na cidade de São Luís - MA;
3. Portaria no 207, de 12 de junho de 2003 - Associação Comunitária
Educativa de Radiodifusão de Sapucaí Mirim, na cidade de SapucaíMirim - MG;
4. Portaria no 256, de 12 de junho de 2003 - Associação Comunitária
para o Desenvolvimento Artístico e Cultural de Monte Verde, na
cidade de Camanducaia - MG;
5. Portaria no 257, de 12 de junho de 2003 - Associação Acultural de
Galiléia, na cidade de Galiléia - MG;
6. Portaria no 324, de 27 de junho de 2003 - Associação “Comunidade Irmãos Unidos” de Governador Archer, na cidade de Governador Archer - MA;
7. Portaria no 427, de 28 de agosto de 2003 - Associação Assistencial
dos Moradores da Boa Vista, na cidade de Cascavel - CE;
8. Portaria no 478, de 22 de setembro de 2003, alterada pela de no 45,
de 16 de janeiro de 2004 - Associação da Rádio Alternativa FM, na
cidade de Barra do Corda - MA;
9. Portaria no 668, de 9 de dezembro de 2003 - Associação Comunitária Cultural Filadélfia - ACCFI, na cidade de Tucuruí - PA;
10. Portaria no 678, de 9 de dezembro de 2003 - Associação Cultural
Novos Caminhos de Munhoz de Mello - Paraná, na cidade de Munhoz de Mello - PR; e
11. Portaria no 680, de 9 de dezembro de 2003 - Associação Comunitária Cultural Bragadense, denominada “ACCB”, na cidade de
Pato Bragado - PR.
Nº 228, de 20 de abril de 2005. Encaminhamento ao Congresso
Nacional de permissões das entidades abaixo relacionadas para executar, pelo prazo de dez anos, sem direito de exclusividade, serviços
de radiodifusão sonora em freqüência modulada, conforme os seguintes atos do Ministério das Comunicações:
1. Portaria no 274, de 12 de junho de 2003 - Sociedade Serrado
Verdes de Comunicações Ltda., na cidade de Crixás - GO;
2. Portaria no 275, de 12 de junho de 2003 - Sociedade Serrado
Verdes de Comunicações Ltda., na cidade de Caiapônia - GO;
3. Portaria no 285, de 12 de junho de 2003 - Sociedade Serrado
Verdes de Comunicações Ltda., na cidade de São Simão - GO;
4. Portaria no 289, de 12 de junho de 2003 - Sociedade Serrado
Verdes de Comunicações Ltda., na cidade de Itajá - GO; e
5. Portaria no 268, de 3 de junho de 2004 - Rádio Itaipú FM Ltda., no
município de Remanso - BA.
Nº 229, de 20 de abril de 2005. Encaminhamento ao Congresso
Nacional de autorizações das entidades abaixo relacionadas para executar, pelo prazo de dez anos, sem direito de exclusividade, serviços
de radiodifusão comunitária, conforme os seguintes atos do Ministério das Comunicações:
10
ISSN 1677-7042
1
1. Portaria no 492, de 22 de setembro de 2003 - Ação Social Mirandense, na cidade de Miranda do Norte - MA;
2. Portaria no 532, de 8 de outubro de 2003 - Associação Comunitária
Santanense, na cidade de Santana do Deserto - MG;
3. Portaria no 563, de 5 de novembro de 2003 - Associação Comunitária de Comunicação, Cultura e Meio Ambiente de Araponga,
na cidade de Araponga - MG;
4. Portaria no 646, de 9 de dezembro de 2003 - Associação de Difusão
Comunitária Varzea do Curral, na cidade de Filadélfia - BA;
no
5. Portaria
765, de 22 de dezembro de 2003 - ASCOM - Associação de Comunicação Comunitária Cultural Coração de Maria, na
cidade de Coração de Maria - BA;
6. Portaria no 6, de 13 de janeiro de 2004 - Associação Louvores ao
Rei Integração Comunitária, na cidade de Campo Grande - MS;
7. Portaria no 31, de 15 de janeiro de 2004 - Associação Comunitária
de Desenvolvimento Artístico e Cultural de Altamira - “ASSOMIRA”, na cidade de Altamira - PA;
8. Portaria no 32, de 15 de janeiro de 2004 - Associação dos Comunicadores de Maracanaú - ASCOMAR, na cidade de Maracanaú - CE;
9. Portaria no 40, de 15 de janeiro de 2004 - Associação Comunitária de
Comunicação de União de Minas, na cidade de União de Minas - MG; e
10. Portaria no 43, de 15 de janeiro de 2004 - Associação Sócio
Cultural São Romão, na cidade de Fernando Pedroza - RN.
Nº 230, de 20 de abril de 2005. Encaminhamento ao Congresso
Nacional de autorizações das entidades abaixo relacionadas para executar, pelo prazo de dez anos, sem direito de exclusividade, serviços
de radiodifusão comunitária, conforme os seguintes atos do Ministério das Comunicações:
1. Portaria no 665, de 9 de dezembro de 2003, alterada pela de no 156,
de 16 de abril de 2004 - Associação Comunitária dos Amigos de
Jesus - ACAJE, no município de Unaí - MG;
2. Portaria no 84, de 23 de janeiro de 2004, alterada pela de no 297,
de 29 de julho de 2004 - Associação Comunitária Nossa Senhora da
Conceição, no município de Canindé do São Francisco - SE;
3. Portaria no 85, de 23 de janeiro de 2004 - Associação de Comunicação Comunitária Ágape de Ourinhos, na cidade de Ourinhos - SP;
4. Portaria no 141, de 16 de abril de 2004 - Associação Comunitária
Beneficente e Social de Nova Floresta, na cidade de Jaguaribe - CE;
5. Portaria no 158, de 16 de abril de 2004 - Associação Comunitária de
Desenvolvimento Artístico, Cultural, Informativo e Social da Cidade
de Planalto da Serra - MT, na cidade de Planalto da Serra - MT;
6. Portaria no 169, de 16 de abril de 2004 - Associação Comunitária
São Mateus, na cidade de São Mateus do Sul - PR;
7. Portaria no 182, de 16 de abril de 2004 - Associação Comunitária
Panorama FM, na cidade de Panorama - SP;
8. Portaria no 215, de 28 de abril de 2004 - Associação Comunitária dos
Moradores de Seridó, no município de São Vicente do Seridó - PB; e
9. Portaria no 61, de 4 de fevereiro de 2005 - Associação de Radiodifusão
Comunitária Spaço FM, no município de Pindamonhangaba - SP.
MINISTÉRIO DA JUSTIÇA
08016.003954/2001-04
Marco Antonio Cesar, filho de Benedito
César e Lazara Maria Soares
26.035.763
SP
08016.005288/01-31
Marcos Paulo da Silva ou Marco Paulo da
Silva, filho de José Vicente da Silva e Domingas Marques da Silva
26.964.440 ou 26.958.958 ou
26.958.926
SP
08016.005714/01-36
Márcio Catole ou Marcelo Catole ou Marcio 24.334.975 ou 31.349.615-8 ou
Costa Catole, filho de João Catole ou João
31.508.460 ou 31.255.313
Costa Catole e Jane Mary Costa Catole ou
Jane Maria Costa Catole ou Jane Mari Costa
Catole ou Jane Mary Pereira da Costa
SP
08015.000268/00-31
Luiz Carlos Lopes, filho de Aparecida Lopes ou Aparecida de Jesus Lopes
20.033.049
SP
08016.001514/00-23
Luciano Silva de Macedo ou Luciano Silva
Macedo, filho de Marcolino Hermógenes
de Macedo e Sebastiana Firmino da Silva
21.692.629 ou 31.015.437-6
SP
08016.003851/00-20
Almir dos Santos, filho de Elias Florenço
dos Santos e Clarice Paz Lopes
31.466.443
08001.006056/04-10
Clélia Santos de Oliveira Azevedo, filha de
Clélia Santos de Oliveira ou Laura dos
Santos
08001.006115/2000-18
<!ID639156-0>
MINISTÉRIO DA DEFESA
Exposição de Motivos:
N o- 188, de 19 de abril de 2005. Sobrevôo no território nacional, no dia
15 de abril de 2005, de uma aeronave tipo GULFSTREAM V, pertencente à Força Aérea dos Estados Unidos da América, em missão de
transporte de passageiros, procedente de Iquitos, Peru, com destino a
Viru-Viru, Bolívia, com retorno no dia 18 seguinte, sobrevoando novamente o território nacional. Homologo. Em 20 de abril de 2005.
No 189, de 19 de abril de 2005. Sobrevôo no território nacional, no
dia 18 de abril de 2005, de uma aeronave tipo LEARJET 35A,
pertencente à Força Aérea da Argentina, em missão de transporte do
Presidente do Conselho Permanente do Mercosul e comitiva, procedente de Cataratas do Iguaçu, Argentina, com pouso em Brasília, de
onde retorna no dia 20 seguinte.
No 190, de 19 de abril de 2005. Sobrevôo no território nacional, no
dia 28 de abril de 2005, de uma aeronave tipo L-100-30, pertencente
à Força Aérea da Argentina, em missão de transporte de carga, procedente de Buenos Aires, Argentina, com pouso em Recife, de onde
decola com destino a Gran Canária, Ilhas Canárias.
No 191, de 19 de abril de 2005. Sobrevôo no território nacional, no dia
30 de abril de 2005, de uma aeronave tipo C-135, pertencente à Força
Aérea da República Francesa, em missão de transporte de carga, procedente de Istres, França, com pouso em Recife, de onde decola, no
dia 1o de maio seguinte, com destino a Fort-de-France, Martinica.
Homologo e autorizo. Em 20 de abril de 2005.
08001.007013/2000-10
Manoel Magalhães, filho de Antonio Magalhães e Ivone Ricce ou (Ricci) Magalhães
20.888.906 ou 24.077.126
SP
08016.000463/2000-12
Marcelo Magno Herminio ou Marcelo Wagner Hermínio, filho de José Hermínio Filho
ou José Filho Hermínio ou Hermínio Filho
e Tereza Agdilar Hermínio ou Teresa Aguilar Hermínio ou Tereza Avilar Hermínio
26.085.189
SP
08001.003866/00-57
Miguel Pedro da Silva ou Gilberto Izidio da
Silva ou Miguel Pereira da Silva, filho de Pedro Terino ou Terina da Silva ou Zidio Terino
da Silva e Severina Maria dos Santos ou Teresa Maria dos Santos ou Severina Maria do
Espírito Santo ou Severina Maria dos Santos
26.071.440
ou
51.185.275-7
SP
08001.004896/2000-14
Marcos Antônio Pujol, filho de Pedro Pujol
e Manoelina Pujol
15.717.727
SP
Exposição de Motivos:
No 50, de 18 de abril de 2005. Pedidos de indulto formulados por MARCO ANTÔNIO CÉSAR e mais
setenta e nove sentenciados, acerca dos quais o Ministério da Justiça concluiu pelo indeferimento. Em
face das informações, indefiro. Em 20 de abril de 2005.
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
Marcelo Cordeiro, filho de Lourival Cor- 25.049.207 ou 31.861.588-5 ou
deiro e Luzia Batista de Oliveira
31.861.599-5
SP
08016.004664/2002-51
Claúdio Luiz Costa Sena, filho de Osvaldo
Darboza da Sena ou Osvaldo Barbosa da
Sena ou Osvaldo Barbosa de Sena e Maria
das Dores Costa
SP
SP
08016.002795/2000-31
Marcio Antonio da Silva, filho de Maria da 23.407.814 ou 31.006.121-0 ou
Silva
31.087.367 ou 26.976.694
SP
18.614.272-9 ou
31.194.507-9
SP
08016.000541/2000-89
Valdir dos Santos Machado, filho de Nelson Machado e Maria Aristeia dos Santos
SP
08016.002450/2000-88
22.416.431 ou 31.379.386-4
SP
Vanilton Nunes de Araujo, filho de José 24.275.304 ou 31.676.574-0 ou
Nunes de Araújo e Bernadina ou (Bernar26.991.111
dina) Nunes de Araújo
SP
Paulo Roberto de Souza, filho de Cícero
Benedicto de Souza ou Cícero Benedito de
Souza e Lourdes Aparecido de Souza ou
Lourdes Aparecida de Souza
08001.008847/2000-42
14.459.288 ou 31.584.120-5
SP
Paulo Affonso Ceconi ou Paulo Affonso
Cenoni ou Paulo Afonso Ceconi, filho de
Alescio (Alíscio) Ângelo Ceconi ou (Ceconi ou Cecconi) e Angelina Cavalli (Carvalli)
Ceconi ou Angelina Carvalho Ceconi
16.163.974
ou
30110.37284
SP
Valdir Tadeu Soares da Silva, filho de José
Soares da Silva e Yolanda ou (Iolanda)
Soares da Silva
08015.000132/2000-92
22.794.630 ou 26.949.411 ou
26.915.872
SP
08001.009059/2000-73
Pedro Aparecido Ribeiro, filho de Antonio Ribeiro e Luiza Miller ou Luiza Muller Ribeiro
ou Luiza Muller ou Luiza Miller Ribeiro
6.415.391 ou 90.392.526-6
SP
Vagner da Silva ou Wagner da Silva, filho
de Carlos Alberto da Silva ou Carlos Alberto ou Carlos Roberto Lima e Eunice
Maria da Silva ou Eunice Maria Jacobino
ou Maria Eunice Jacomino da Silva ou Eunice Maria J. da Silva
08016.001044/02-60
SP
Marcilio Aparecido Garrido, filho de Olivio Garrido e Maria das Dores Garrido
22.130.852 ou 31.586.173-3
SP
Eliseu Julião de Oliveira ou Elizeu Julião
de Oliveira, filho de Elpidio ou (Eupidio)
de Oliveira e Maria Julião de Oliveira
15.876.343 ou 16.055.277-1
08015.000027/2000-53
08016.002264/2000-49
Marco Antonio Basse, filho de Antonio
Carlos Basse e Dulcinea Morales Martins
ou (Dulcineia) ou Dulcinea Morales Basse
ou Dulcineia Morales Marques Basse
24.132.702 ou 31.657.707-8
SP
08001.007982/2002-32
Geraldo Belo da Silva Filho, filho de Geraldo Belo da Silva e Esmeralda Viana da
Silva
30.164.260 ou 31.205.830-5
SP
SP
SP
Valdemilson ou (Valdenilson) Alves Bonfim, filho de Vivaldo Alves Bonfim ou Nivaldo Alves Bonfim e Aparecida da Silva
21.932.075 ou 31.117.117
Carlos Gomes, filho de Agenor Alves Gomes e Lourdes Penezi Gomes
30.349.805 ou
34.9805
08001.007619/2000-55
08016.003713/01-57
08001.006209/2000-97
Mauricio Pereira ou Fabiano de Oliveira,
filho de Clemente Pereira ou Sebastião de
Oliveira e Laura Rosa de Jesus Pereira ou
Laura Rosa de Jesus ou Laudeci Maria de
Oliveira
15.081.856
SP
08001.008384/99-88
Valmir Barbosa Santos, filho de Vivaldo
Agostinho Santos e Zélia Barbosa Santos
26.884.971 ou 31.834.765-9
SP
08001.010482/99-30
Valdique ou (Vandjque) Cosme Fernandes,
filho de Luiz Fernandes e Mariluz Castro
Fernandes ou Mariluz de Castro Fernandez
13.036.482
SP
Manoel de Vidal de Souza, filho de Francisco Vidal de Souza e Lindalva Vicenti de
Souza
31.100.053
08016.000193/2000-40
Sidnei Pontes, filho de Antônio Pontes e
Rosa Fernandes Pontes
22.422.277
SP
08001.002579/00-20
08016.000225/2000-15
08016.004614/00-40
23.218.777 ou 31.292.081-7
26.938.483-2
SP
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
08001.006110/2000-95
Sandro Francisco dos Santos, filho de Severino Francisco dos Santos e Nadia Maria
dos Santos
31.056.978
SP
08016.000886/00-32
Sérgio Cardoso da Silva, filho de José Zito
da Silva ou Zezito Cardoso da Silva ou
José Zito Cardoso da Silva e Maria da Penha Cardoso da Silva
33.927.211 ou 31.900.650-5
SP
Sebastião de Freitas, filho de Paulo José de
Freitas e Geralda das Mercedes
83.730
08016.001257/2000-20
Silvio Benedito dos Santos de Souza, filho
de Sebastião Alves de Souza e Helena Mariano dos Santos de Souza
22.745.266 ou 31.543.439-9
SP
08001.000180/02-00
Gustavo José Francisco, filho de Josefa
Francisca da Silva ou Josepha Francisco da
Silva
31.939.942
SP
08016.001162/00-14
Sebastião Expedito Lopes de Souza, filho
de José Lopes de Souza e Terezinha de
Jesus Teixeira
17.012.528 ou 31.089.067-6
SP
08016.002492/00-19
Sérgio Luiz Serrano Cabral, filho de Antonio Luiz Antequera Cabral e Mercedes
Serrano Cabral
11.501.314
SP
08015.000336/2000-23
Silvio César Barbosa, filho de Claudionor
Nunes Barbosa e Cleide Aparecida Custódio Barbosa ou Cleide Aparecida Barbosa
19.997.568 ou 31.220.339-1
SP
08016.001785/00-89
Anderson Teixeira dos Santos, filho de Sebastião Silveiro dos Santos e Nilda Teixeira
dos Santos
31.954.513
SP
André Luiz dos Santos Gato, filho de Benedito dos Santos e Laudite Isabel Gato
não consta
08016.000568/2001-52
Antonio Carlos Moreira, filho de Benjamin
Moreira e Virgínia de Jesus Moreira
6.099.233 ou 7.040.391-0
08016.000124/2001-17
Alexandre Aparecido Máximo, filho de 30.996.351 ou 31.622.005-x ou
Maria Alice da Conceição Máximo
31.857.521 ou 31.619.891ou
31.618.891
SP
Ângelo Carlos de Oliveira ou Ângelo Carlos Batista de Oliveira ou Vitor de Souza,
filho de Benedito Ribeiro Silva ou Benedito da Silva ou Maria Batista de Oliveira
17.403.443
SP
08001.002950/2001-60
Adriano Aparecido Silveira, filho de José
Benedito Silveira e Alzira Silveira
25.739.298 ou 31.602.749 ou
31.602.749-2
08016.003998/01-26
Marco Antonio de Araújo, filho de Ismael
de Araújo Mendes e Anésia Rodrigues ou
Anesia Rodrigues da Silva
08016.005805/01-71
08000.011017/2001-93
11
ISSN 1677-7042
08016.000732/00-41
Sebastião Roque da Silva Filho, filho de
Sebastião Roque da Silva e Maria Miguelina Roque da Silva ou Maria Miquelina
Maciel ou Maria Miquelina da Silva ou
Maria Miquelina Maciel
31.149.323
SP
08001.006359/2000-09
Sérgio Henrique da Silva, filho de Francisco José da Silva e Maria do Carmo da
Conceição ou Maria do Carmo da Silva
35.663.212 ou 31.215.361 ou
31.119.675
SP
08016.000502/00-81
Salvador Pereira Passos ou Robson, filho
de Miguel Vicente dos Passos e Zélia Pereira Passos ou Zélia Pereira dos Passos.
08001.002964/2001-83
Marcos Vinicius Gonçalves, filho de Francisco Airton Gonçalves e Maria Éster Souza Gonçalves
08016.002362/2001-67
Milton Fernandes da Silva, filho de João 6.259.640-8 ou 7.076.097-6 ou
Fernandes da Silva e Euflosina Maria de
6.218.018-4
Jesus ou Euflosina de Campos ou Eflozina
de Campos ou Eufrosina Maria de Jesus ou
Eufrosina de Campos ou Euflosina Fernandes da Silva ou Euflosina Maria de Jesus
ou Elfrosina Maria de Jesus
SP
08016.001316/01-41
Airton Rodrigues ou Ailton Rodrigues, filho de Luzia Rodrigues
13.414.969 ou 16.054.659-x
SP
08016.005926/2001-13
Alexandre da Silva Ramos, filho de Aldo
Noedi Ramos de Oliveira Silva e Alzira
Maria da Silva Ramos
25.406.307 ou
31.276.828 ou
31.279.491
SP
08016.001720/2001-14
Adauto Luiz dos Santos, filho de Benedito
dos Santos e Francisca Maria dos Santos
24.241.217-8 ou
31.214.414-3
SP
08001.007427/01-85
Alessandro Aparecido Gonzaga Zacarias ou
Alexandre Aparecido Gonzaga Zacarias ou
Alessandro Aparecido Gonçalves Zacarias,
filho de Antonio Zacarias Neto ou Antonio
Zacarias Mendes e Maria Odete Gonzaga
31.208.483
SP
08001.008259/01-90
Alexandre Dias de Oliveira, filho de Athaide Dias de Oliveira ou Athaides Dias de
Oliveira e Thereza de Oliveira Dias
24.118.020 ou 31.051.849-0
SP
08001.007148/2000-85
Silvio Ribeiro dos Santos Filho, filho de
Silvio Ribeiro dos Santos e Vanete Alves
dos Santos ou Ivanete Alves dos Santos
15.768.664 ou 31.962.391-9
SP
SP
08016.001431/2000-34
Sérgio Venceslau Pedroso, filho de Eurico
Venceslau Pedroso e Maria Luiza Andrade
31.362.352
SP
16.951.121 ou 21.093.674
SP
08015.000300/2000-40
Antonio Ferreira Lima, filho de Luiz Ferreira Lima e Luiza Maria Lima
18.148.907-7 ou
31.567.632-2 ou
22.158.757-1
SP
Marcos Pereira da Silva, filho de Leonildo
da Silva e Elza de Fátima Pereira da Silva
27.866.944 ou 31.686.856-5
SP
08016.000943/2000-83
31.725.409-1
ou
27.682.605-X
SP
Marcela Beatriz Caceres Plaza ou Cristina
Andrea Barrila Plaza ou Gesica Elizabeti
Rosoles Munoz, filha de Juan Paulo Cáceres Cruz ou Juan Paulo Cárceres Plaza ou
Juan Pablo Cáceres Cruz ou Jaime Munoz
Munoz e Tereza Del Carmem Plaza Pino
31.805.004 ou 31.806.056
SP
Marlon Ericson da Silva ou Marlon Erckson da Silva, filho de Durval Fermino da
Silva ou Durval Firmino da Silva e Maria
das Graças Mendes Silva
08016.001995/2000-77
Fernando Maria Guerreiro, filho de Antonio Maria Guerreiro e Undina dos Santos
Guerreira ou Undina dos Santos Guerreiro
26.912.364 ou 26.919.353
SP
08016.002156/2000-76
SP
Mauricio Jesuz de Lima ou Mauricio Jesus
de Lima, filho de Francisco de Lima e Benedita Margarida de Lima
12.588.158 ou 31.351.667
SP
Fabiano Crispim Ribniker ou (Rubniker),
filho de Luiz Ribniker ou Luiz Rubniker e
Jordeci Crispim Rubniker ou (Ribniker)
34.350.000 ou 31.675.700
08016.000187/2001-73
08016.003004/00-91
SP
Marcos Roberto Fidencio Reimberg, filho
de José Guilger Reimberg ou José Guilguer
Reimberg e Neusa Fidencio Reimberg ou
Neusa Fifencio Reimberg ou Neuza Fidencio Reimberg
21.506.577 ou 26.030.455
SP
Francisco Donizaeti de Oliveira ou Francisco Donizete de Oliveira, filho de Natal Quirino de Oliveira e Antonia de Lima Oliveira
20.663.883 ou 31.303.109-5
08001.006262/01-79
08001.000051/00-15
Flavio de Brito, filho de Ruidário Fernandes de Brito e Terezinha Maria de Brito
24.642.574 ou 31.993.643-0
SP
08015.000062/2000-72
Fábio Rogério Maximilian Gomes Ferreira,
filho de José Ernesto Dias Ferreira e Maria
Inês Gomes Ferreira
28.286.040 ou 31.824.652-1
SP
08016.001125/2000-06
Ruiter Verissimo da Nóbrega, filho de Nestor Veríssimo da Nóbrega e Manoela Claro
da Nóbrega ou Manoela Clara da Nóbrega
23.570.009 ou 26.070.736
SP
08016.001106/2000-71
Marcelo Augusto da Silva, filho de Euripedes da Silva e Regina Célia da Silva
22.464.222 ou 31.795.358-8
SP
08001.001363/00-65
Marcos Rogerio de Jesus ou Rogério, filho
de José Edmundo de Jesus e Catarina Maria de Jesus
24.238.939 ou 31.111.029
SP
08016.002567/2000-61
Mauro de Barros ou Mauro Ramos, filho de
Anisto de Barros ou Nilson de Barros ou
Nelson de Barros e Laurentina Mariano de
Barros ou Laurentina Mariana de Barros
19.097.763
SP
08001.000428/00-73
08016.002742/2001-00
08016.000263/01-41
SP
SP
SP
Marcelo Feitosa, filho de José Domingos
Feitosa e Cicera Maria Feitosa
23.112.134-9
SP
08000.000907/94-06
Geraldo Marcos da Silva, filho de David
José da Silva e Josefa Joaquina da Silva
21.491.890 ou 26.002.898
SP
08016.000222/01-54
Mario Fernando Mantovani, filho de Odorico Mantovani e Odete Ferraro Mantovani
ou Odete Ferrari Mantovani ou Odete Ferrara Mantovani
13.872.191
SP
08001.005141/2000-29
Sidinei Massini, filho de José Massini e
Perpétua Freire Massini ou Perpétua Freire
19.646.074-8 ou 24.031.209
SP
08001.008856/00-33
Sizenando Corrêa de Morais Filho ou Sizenando de Moraes Filho ou Sizenando
Correia de Moraes Filho ou Sidnei Bernardes Rocha ou Silinando Correia de Moraes
Filho, filho de Sizenando Correa de Morais
ou Sizenando Correa de Moares ou Sizenando Correia di Moraes e Benedita Correa
de Morais ou Benedita Correia de Moraes
24.068.219
SP
Mauro de Souza, filho de Isau ou (Izau) de
Souza e Norma Queiroz de Souza
08016.002848/2001-14
SP
31.219.303-8
SP
SP
24.710.832 ou 31.071.659-7 ou
24.710.832-7
08001.008013/01-18
31.836.050 ou
35.895.406-X
MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA
Exposição de Motivos:
N o- 35, de 13 de abril de 2005. Encaminhamento da Resolução no 2, de 13 de abril de 2005, adotada pelo
Conselho Nacional de Política Energética - CNPE. Aprovo. Em 19 de abril de 2005.
12
ISSN 1677-7042
1
CASA CIVIL
SECRETARIA-EXECUTIVA
IMPRENSA NACIONAL
PERIODICIDADE
MENSAL (*)
TRIMESTRAL (*)
SEMESTRAL
ANUAL
PORTARIA N o- 77, DE 20 DE ABRIL DE 2005
<!ID639141-0>
O DIRETOR-GERAL DA IMPRENSA NACIONAL, no uso da competência que lhe confere
o artigo 5º, inciso XXV, do Regimento Interno aprovado pela Portaria nº 43, de 8 de novembro de 2002,
do Chefe da Casa Civil da Presidência da República, resolve:
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
DIÁRIOS OFICIAIS IMPRESSOS (Entrega nos Demais Estados)
DOU 1
DOU 2
DOU 3
DJ 1
DJ 2
DJ
R$ 79,00
R$ 60,00
R$ 75,00
R$ 132,80 R$ 158,00 R$
R$ 237,00 R$ 179,00 R$ 224,00 R$ 393,10 R$ 469,00 R$
R$ 473,00 R$ 358,00 R$ 449,00 R$ 785,35 R$ 937,00 R$
R$ 946,00 R$ 717,00 R$ 897,00 R$ 1.570,70 R$ 1.875,00 R$
3
88,00
264,00
528,00
1.057,00
Art. 1º Os preços das assinaturas do Diário Oficial da União, Seções 1, 2 e 3, e do Diário da
Justiça, Seções 1, 2 e 3, com periodicidade mensal, trimestral, semestral e anual, são os seguintes:
PERIODICIDADE
MENSAL (*)
TRIMESTRAL(*)
SEMESTRAL
ANUAL
DIÁRIOS OFICIAIS IMPRESSOS (Entrega no Distrito Federal)
DOU 1
DOU 2
DOU 3
DJ 1
DJ 2
R$ 27,00
R$ 14,00
R$ 26,00
R$ 62,80 R$ 88,00
R$ 82,00
R$ 42,00
R$ 79,00
R$ 197,10 R$ 272,00
R$ 165,00
R$ 83,00
R$ 158,00 R$ 394,35 R$ 543,00
R$ 329,00
R$ 167,00 R$ 315,00 R$ 787,70 R$ 1.087,00
(*) Porte de Entrega Opcional
DJ
R$
R$
R$
R$
3
27,00
80,00
160,00
320,00
Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data da sua publicação.
FERNANDO TOLENTINO DE SOUSA VIEIRA
CONSELHO DE GOVERNO
CÂMARA DE REGULAÇÃO DO MERCADO DE MEDICAMENTOS
SECRETARIA-EXECUTIVA
COMUNICADO N o- 10, DE 20 DE ABRIL DE 2005
<!ID637694-0>
A SECRETARIA-EXECUTIVA DA CÂMARA DE REGULAÇÃO DO MERCADO DE MEDICAMENTOS - CMED, no uso da competência que lhe confere o inciso XII do artigo 12 da Resolução nº
3, de 29 de julho de 2003, e tendo em vista o disposto no §2º do artigo 2º da Resolução nº 2, de 14 de março de 2005, expede o presente COMUNICADO:
1. Tendo em vista a autorização para o ajuste de preços de medicamentos em 31 de março de 2005, ficam publicadas, no anexo, as apresentações de medicamentos que se encontravam classificados no Nível
1 e foram reclassificados para o Nível 3, onde o fator Z assume o valor 0 (zero) pois não houve repasse da produtividade.
2. As apresentações de que trata o item anterior estão disponíveis para consulta no sítio eletrônico da Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA, no endereço eletrônico http://www.anvisa.gov.br/monitora/cmed/index.htm.
LUIZ MILTON VELOSO COSTA
Secretário-Executivo
ANEXO
Razão Social
Novartis Biociências
Novartis Biociências
Novartis Biociências
Novartis Biociências
Novartis Biociências
Novartis Biociências
Novartis Biociências
Novartis Biociências
Novartis Biociências
Novartis Biociências
Novartis Biociências
Novartis Biociências
Novartis Biociências
Novartis Biociências
Novartis Biociências
Novartis Biociências
Novartis Biociências
Novartis Biociências
Novartis Biociências
S.A.
S.A.
S.A.
S.A.
S.A.
S.A.
S.A.
S.A.
S.A.
S.A.
S.A.
S.A.
S.A.
S.A.
S.A.
S.A.
S.A.
S.A.
S.A.
Produto
DIOVAN
DIOVAN
DIOVAN
DIOVAN
DIOVAN
DIOVAN
DIOVAN
DIOVAN
DIOVAN
DIOVAN
DIOVAN
DIOVAN
DIOVAN
DIOVAN
DIOVAN
DIOVAN
DIOVAN
DIOVAN
DIOVAN
Apresentacao
160 MG CAP CT BL AL PLAS INC X 14
160 MG CAP CT BL AL PLAS INC X 28
160 MG COM REV CT 2 BL AL/AL X 7
160 MG COM REV CT 4 BL AL/AL X 7
320 MG COM REV CT BL ALU/ALU X 28
40 MG COM REV CT 1 BL AL/AL X 14
40 MG COM REV CT 2 BL AL/AL X 14
80 MG CAP CT BL X 14
80 MG CAP CT BL X 28
80 MG COM REV CT 2 BL ALU/ALU X 14
80 MG COM REV CT BL ALU/ALU X 14
160 MG COM REVS + 5 MG COM CT 4 BL AL/AL 7X7
80 MG COM REVS + 5 MG COM CT 4 BL AL/AL 7X7
160 MG + 12,5 MG COM REV CT BL AL/AL X 14
160 MG + 12,5 MG COM REV CT 2 BL AL/AL X 14
160 MG + 25 MG COM REV CT 2 BL AL/AL X 14
160 MG + 25 MG COM REV CT BL AL/AL X 14
80 MG + 12,5MG COM REV CT 2 BL AL/AL X 7
80 MG + 12,5MG COM REV CT 4 BL AL/AL X 7
AMLO
AMLO
HCT
HCT
HCT
HCT
HCT
HCT
Nível Anterior
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
Nível Atual
3
3
3
3
3
3
3
3
3
3
3
3
3
3
3
3
3
3
3
SECRETARIA ESPECIAL DE AQÜICULTURA E PESCA
<!ID639163-0>
PORTARIA N o- 105, DE 19 DE ABRIL DE 2005
O SECRETÁRIO ESPECIAL DE AQÜICULTURA E PESCA DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, na forma do disposto no inciso VII do art. 23 da Lei n.º 10.683, de 28 de maio de 2003, e do Anexo
I da Portaria Ministerial nº 457, de 12 de novembro de 1997, bem como da alteração introduzida pela Instrução Normativa nº 3-A, de 27 de fevereiro de 2002, conforme retificação publicada no Diário Oficial da União
de 6 de março de 2002, resolve:
Art. 1º Incluir na relação publicada pela Portaria nº 346, de 24 de dezembro de 2004, Seção 1, Página 01, a cota anual de óleo diesel atribuída aos Pescadores Profissionais, Armadores de Pesca e Indústrias
Pesqueiras que se habilitaram à subvenção econômica ao preço do óleo diesel para embarcações pesqueiras (Lei nº 9.445, de 14 de março de 1997, regulamentada pelo Decreto nº 4.969, de 30 de janeiro de 2004, e pelo
Decreto nº 5.320, de 23 de dezembro de 2004), no anexo relativo ao Estado do Pará para o direito ao subsídio nos limites de quantidade e valor para cada embarcação, fixados na forma da planilha em anexo.
Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
JOSE FRITSCH
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
ISSN 1677-7042
13
ANEXO
Relação dos Pescadores Profissionais, Armadores de Pesca e Indústrias Pesqueiras que se habilitam à subvenção econômica do preço do óleo diesel, consumido por embarcações pesqueiras, de acordo com a
Lei nº 9.445, de 14 de março de 1997, regulamentada pelo Decreto nº 4.969, de 30 de janeiro de 2004, Decreto nº 5.320, de 23 de dezembro de 2004 e a Portaria MAA nº 457, de 12 de novembro de 1997, com a alteração
introduzida pela Instrução Normativa nº 3-A, de 27 de fevereiro de 2002, conforme retificação publicada no Diário Oficial da União de 6 de março de 2002, referente ao período remanescente do exercício de 2005.
ESTADO DO PARÁ
NOMES DAS EMPRESAS
Nº DO CNPJ ou CPF
Categoria: Pescador
Profissional, Armador de Pesca ou Industria.
NORTEMAR COMÉRCIO E EXPORTAÇÃO LTDA
CNPJ: 05.556.078/0001-00
Categoria: Armador de Pesca
EXOTIC FOODS IND. COMÉRCIO E EXPORTAÇÃO LTDA
CNPJ: 34.913.244/0001-87
Categoria: Armador de Pesca
REAL PESCADOS LTDA
CNPJ: 01.454.488/0001-90
Categoria: Armador de Pesca
F.E.C. COMÉRCIO DE ALIMENTOS LTDA
CNPJ: 63.811.590/0001-52
Categoria: Armador de Pesca
F.M. MACHADO DA SILVA
CNPJ: 03.915.007/0001-63
Categoria: Armador de Pesca
ARMANDO JUNIOR DA SILVA OEIRAS
CPF: 489.441.062-15
Categoria: Armador de Pesca
TOTAL
Frota Pesqueira em Operação no Estado do Pará
Nome
Nº de Inscrição da
Previsão
do
Embarcação
Consumo Diesel
Barco e Nº do Título da
no R.G.P.
No Período de
Capitânia dos Portos
S.E.A.P.
Abril a
Dezembro
(Litros)
NORTEMAR II
Em Andamento
78.853
221-014377-2
Valor R$
Distribuidoras
23.056,00
Petrobrás Distribuidora S/A
Satélite Distribuidora de Petróleo S/A
SÃO FRANCISCO I
021-015432-8
PA - 04002
71.836
21.005,00
SÃO FRANCISCO II
021-015433-6
MANO VELHO
021-022761-3
PA - 04003
71.836
21.005,00
PA - 02328
217.181
63.503,00
PA - 00130
284.006
83.043,00
PA - 02559
233.887
68.388,00
PA - 02140
217.181
63.503,00
PA - 00688
227.205
66.434,00
PA - 00138
217.181
63.503,00
Cia. Brasileira de Petróleo Ipiranga
ARMANDO LUCAS
021-029092-7
PA - 02240
133.650
39.079,00
Cia. Brasileira de Petróleo Ipiranga
Petrobrás Distribuidora S/A
ARMANDO JUNIOR I
021-026814-0
E. FILHO I
021-027942-7
E. FILHO II
021-027486-7
PA - 02565
76.180
22.275,00
PA - 02548
76.180
22.275,00
PA - 01623
76.180
22.275,00
1.981.356
579.344,00
BAJARA
021-016864-1
FEC I
021-017666-1
FEC II
021-022805-9
FEC III
021-016819-6
N.S. APARECIDA
161-005041-0
Cia. Brasileira de Petróleo Ipiranga
Petróleo Sabbá S.A.
14
ISSN 1677-7042
Ministério da Agricultura,
Pecuária e Abastecimento
.
GABINETE DO MINISTRO
PORTARIA Nº 225, DE 20 DE ABRIL DE 2005
<!ID637713-0>
O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que
lhe confere o art. 87, inciso II, da Constituição,
Considerando o caráter de segurança nacional de que se revestem as ações de defesa agropecuária; o risco zoofitossanitário representado pelo incremento do trânsito internacional de mercadorias; o
estabelecimento contínuo de restrições por parte dos países importadores; a necessidade de dotar o país de mecanismos de segurança biológica; e o que consta do Processo nº 21000.011421/2004-78, resolve:
Art. 1º Instituir o Comitê de Segurança Biológica para o Agronegócio, com o objetivo de estabelecer e implementar planos de trabalho e estratégias de segurança biológica e de defesa agropecuária para
a sustentabilidade do agronegócio brasileiro, com a participação de
áreas técnicas das Secretarias de Defesa Animal, Política Agrícola, Relações Internacionais do Agronegócio e Desenvolvimento Agropecuário
e Cooperativismo, e da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária.
Parágrafo único. Os planos de trabalho e estratégias de segurança biológica e de defesa agropecuária de que tratam este artigo
deverão promover ações de:
I - proteção zoossanitária e fitossanitária do patrimônio agropecuário;
II - manutenção e ampliação da competitividade do agronegócio brasileiro;
III - neutralização barreiras técnicas protecionistas;
IV - qualidade, sanidade, segurança e conformidade das mercadorias e insumos importados pelo país; e
V - valorização dos produtos brasileiros destinados ao mercado externo.
Art. 2º Os Diretores de Programas subordinados à Secretaria
de Defesa Agropecuária são membros natos do Comitê e exercerão a
Coordenação Técnica Animal e a Coordenação Técnica Vegetal e
serão os responsáveis pela:
I - organização das atividades prioritárias do Comitê;
II - metodologia de trabalho;
III - intercâmbio de informações técnicas pertinentes; e
IV - elaboração de relatórios de atividades e resultados, apresentação, encaminhamento e negociação de propostas, planos e projetos
junto aos Ministérios e outros órgãos e instituições oficiais que possam,
pela natureza de suas atribuições, colaborar com as atividades do Grupo.
Art. 3º O Comitê de Segurança Biológica para o Agronegócio, de que trata esta Portaria, estará subordinado ao Secretário de
Defesa Agropecuária, a quem compete indicar e nomear os membros
titulares e suplentes.
Parágrafo único. O Secretário de Defesa Agropecuária poderá nomear membros indicados pelo Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, pela Agência Brasileira de
Inteligência, pela Casa Civil da Presidência da República e por outros
Ministérios e Órgãos do Governo Federal.
Art. 4º As atividades prioritárias do Comitê de Segurança
Biológica para o Agronegócio serão definidas a partir da identificação
e detalhamento das vulnerabilidades presentes nas diversas etapas de
produção, processamento, beneficiamento, trânsito internacional, inspeção, monitoramento de pragas e doenças e outras, relativas ao
agronegócio brasileiro, a partir das quais serão elaborados planos de
trabalho, estratégias de segurança biológica e de defesa agropecuária,
e planos de contingência voltados para a potencialização de projetos
e atividades em desenvolvimento, no âmbito de Programas do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, órgãos e instituições oficiais colaboradores.
Art. 5º Outros técnicos, sejam do governo ou de organizações não governamentais, poderão participar das atividades do Comitê de Segurança Biológica para o Agronegócio, em caráter ad hoc,
na medida da necessidade, para tratamento e encaminhamento de
assuntos específicos, mediante convite dos Coordenadores Técnicos.
Art. 6º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
LUÍS CARLOS GUEDES PINTO
PORTARIA Nº 226, DE 20 DE ABRIL DE 2005
<!ID637712-0>
O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe
confere o inciso II, do art. 87, da Constituição, e tendo em vista o disposto nos arts 18 e 95 do Decreto nº 4.974, de 4 de janeiro de 2002,
Considerando a manifestação favorável do Comitê Técnico
de Assessoramento para Agrotóxicos, emitida em reunião realizada
em 19 de janeiro de 2005, resolve:
1
Art. 1º Registrar os agrotóxicos à base de Beauveria bassiana para uso em caráter emergencial no controle de Gonipterus
scutellatus na cultura do eucalipto, segundo as especificações definidas no Anexo a esta Portaria.
Art. 2º As empresas interessadas em comercializar agrotóxicos, em conformidade com a especificação contida no art. 1º desta
Portaria, deverão requerer o registro para uso emergencial do produto
junto aos órgãos competentes, acompanhado de modelo de rótulo e
bula e de comprovante de que se encontra cadastrada como fabricante
ou formuladora de agrotóxico, nos Estados, no Distrito Federal e na
Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins, do Departamento de Fiscalização de Insumos Agrícolas, da Secretaria de Defesa Agropecuária, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.
Parágrafo único. A empresa requerente deverá apresentar termo de compromisso para geração e apresentação dos estudos necessários à realização do registro definitivo do agrotóxico para a
finalidade e condições de uso definidas no Anexo a esta Portaria.
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
PORTARIA Nº 33, DE 7 DE ABRIL DE 2005
<!ID636508-0>
O SECRETÁRIO DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO, no uso da atribuição que lhe confere o Artigo 16, Seção II, Capítulo III, aprovado pelo Decreto Presidencial n.º 5.351, de 21 de janeiro de 2005, e tendo em vista o
disposto no art. 2º da Instrução Normativa Ministerial Nº 1, de 9 de
janeiro de 2002, na Instrução Normativa SDA Nº 21, de 26 de
fevereiro de 2002, no item III do artigo 1º da Portaria SDA Nº 18, de
18 de abril de 2002 e o que consta do Processo MA
21028.004317/2004-19, resolve:
Art. 1º Credenciar a firma AVAL RASTREABILIDADE
BOVINA LTDA., sito à' Av, Alberto Martins Fontoura Borges, 533,
sala 104, Bairro São Benedito, Uberaba/MG, CNPJ 02.177.322/000136, como Entidade Certificadora junto ao Sistema Brasileiro de Identificação e Certificação de Origem Bovina e Bubalina - SISBOV.
Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
MARCIO ANTONIO PORTOCARRERO
Art. 3º O registro para uso emergencial de agrotóxico será
cancelado se constatado problema de ordem agronômica, toxicológica
ou ambiental.
Art. 4º Esta Portaria entre em vigor na data de sua publicação.
LUÍS CARLOS GUEDES PINTO
ANEXO
1. Nome comum do ingrediente ativo: Beauveria bassiana
1.1 Sinonímia: Calcinose branca
1.2 Nº CAS: 63428-82-0
1.3 Classe: Inseticida microbiológico
1.4 Classificação taxonômica:
a) Subdivisão - Deuteromycotina
b) Classe - Hyphomycete
c) Família - Moniliaceae
d) Gênero - Beauveria
e) Espécie - Beauveria bassiana
f) C epa - PL 63
1.5 Forma de apresentação do produto formulado permitida:
pó molhável
2. Indicação de uso: eucalipto
3. Finalidade: Controle de Gonipterus scutellatus
4. Aplicação:
4.1 Modo de aplicação: polvilhamento;
4.2. Dose 3kg/há;
4.3 Intervalo de aplicação 5 dias, Maximo de três aplicações.
5. Uso emergencial permitido por período de 18 meses, a
contr da data de publicação dessa Portaria.
SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO
AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO
PORTARIA Nº 30, DE 7 DE ABRIL DE 2005
<!ID636504-0>
O SECRETÁRIO DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO, no uso da atribuição que lhe confere o Artigo 16, Seção II, Capítulo III, aprovado pelo Decreto Presidencial n.º 5.351, de 21 de janeiro de 2005, tendo em vista o
disposto no art. 2º da Instrução Normativa Ministerial Nº 1, de 9 de
janeiro de 2002, na Instrução Normativa SDA Nº 21, de 26 de
fevereiro de 2002, no item III do artigo 1º da Portaria SDA Nº 18, de
18 de abril de 2002 e o que consta do Processo MA
21020.000251/2004-68, resolve:
Art. 1º Credenciar a firma F.R. VASCONCELOS CERTIFICADORA LTDA., sito à Rua General Joaquim Inácio nº 841,
Centro, Anápolis/GO, CNPJ 05.893.050/0001-69, como Entidade
Certificadora junto ao Sistema Brasileiro de Identificação e Certificação de Origem Bovina e Bubalina - SISBOV.
Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
MARCIO ANTONIO PORTOCARRERO
PORTARIA Nº 31, DE 7 DE ABRIL DE 2005
<!ID636505-0>
O SECRETÁRIO DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO, no uso da atribuição que lhe confere o Artigo16, Seção II, Capítulo III, aprovado pelo Decreto Presidencial n.º 5.351, de 21 de janeiro de 2005, tendo em vista o
disposto no art. 2º da Instrução Normativa Ministerial Nº 1, de 9 de
janeiro de 2002, na Instrução Normativa SDA Nº 21, de 26 de
fevereiro de 2002, no item III do artigo 1º da Portaria SDA Nº 18, de
18 de abril de 2002 e o que consta do Processo MA
21024.002490/2004-12, resolve:
Art. 1º Credenciar a firma SBR - SERVIÇO BRASILEIRO
DE RASTREABILIDADE BOVINA LTDA., sito a Av, Perimetral,
QD 38, Lt. 10, Esquina com Rua Homero Mozer, Bairro Bom Clima,
Chapada dos Guimarães/MT, CNPJ 06.259.178/0001-38, como Entidade Certificadora junto ao Sistema Brasileiro de Identificação e
Certificação de Origem Bovina e Bubalina - SISBOV.
Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
MÁRCIO ANTÔNIO PORTO CARRERO
PORTARIA Nº 34, DE 7 DE ABRIL DE 2005
<!ID636506-0>
O SECRETÁRIO DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO, no uso da atribuição que lhe confere o Artigo 16, Seção II, Capítulo III, aprovado pelo Decreto Presidencial nº 5.351, de 21 de janeiro de 2005, e tendo em vista o
disposto no art. 2º da Instrução Normativa Ministerial Nº 1, de 9 de
janeiro de 2002, na Instrução Normativa SDA Nº 21, de 26 de
fevereiro de 2002, no item III do artigo 1º da Portaria SDA Nº 18, de
18 de abril de 2002 e o que consta do Processo MA
21052.008391/2004-15, resolve:
Art. 1º Credenciar a firma CERTIFICADORA TRACK SISTEMS., sito à Rua Joaquim Moreira Dias, 120, Jd. Avelino, São
Paulo/SP, CNPJ 06.258.014/0001-96, como Entidade Certificadora
junto ao Sistema Brasileiro de Identificação e Certificação de Origem
Bovina e Bubalina - SISBOV.
Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
MARCIO ANTONIO PORTOCARRERO
PORTARIA Nº 35, DE 7 DE ABRIL DE 2005
<!ID636507-0>
O SECRETÁRIO DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO, no uso da atribuição que lhe confere o Artigo 16, Seção II, Capítulo III, aprovado pela Portaria Ministerial nº 5.351, de 21 de janeiro de 2005, e tendo em vista o disposto
no art. 2º da Instrução Normativa Ministerial Nº 1, de 9 de janeiro de
2002, na Instrução Normativa SDA Nº 21, de 26 de fevereiro de 2002,
no item III do artigo 1º da Portaria SDA Nº 18, de 18 de abril de 2002
e o que consta do Processo MA 21042.004669/2002-24, resolve:
Art. 1º Credenciar a firma ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA
DE CRIADORES DE HEREFORD E BRAFORD., sito a Av, General
Osório, 1094, Bagé/RS, CNPJ 87.461.851/0001-10, como Entidade
Certificadora junto ao Sistema Brasileiro de Identificação e Certificação de Origem Bovina e Bubalina - SISBOV.
Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
MARCIO ANTONIO PORTOCARRERO
SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA
DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE
INSUMOS AGRÍCOLAS
COORDENAÇÃO-GERAL DE
AGROTÓXICOS E AFINS
<!ID637508-0>
ATO Nº 19, DE 12 DE ABRIL DE 2005
Resumo dos pedidos de registro, de registro de componentes, atendendo os dispositivos legais do Artigo 14, do Decreto
4.074, de 04 de janeiro de 2002, que regulamenta a Lei 7.802, de 11
de julho de 1989.
01-Motivo de solicitação: Registro de Componentes
Requerente: Cheminova Brasil Ltda.
Nome do produto:1. Alquifenol Etoxilado Propoxilado; 2.Álcool Etoxilado; 3. Nonil Fenol Etoxilado; 4. Propileno Glicol; 5. Silicato de
Alumínio - Magnésio Hidratado; 6. Dióxido de Silício; 7. Poliaril Alquifenol Polietileno Glicol Éter; 8. Naftaleno Sulfonato de Sódio Formaldeído Condensado; 9. Heteropolissacarídeo; 10. Composto de Silicone; 11.Formaldeído; 12. 1,2 - Benzisothiazolin-3-one; 13. Água.
Indicação de uso pretendido: Fabricação de produtos técnicos e formulações de produtos agrotóxicos e afins.
Nº processo: 21000.004779/2004-44
02 -Motivo de solicitação: Registro de Componentes
Requerente: FMC Química do Brasil Ltda.
Nome do produto: 1. Naftaleno; 2. Ácido Giberélico; 3. Cloreto de
Zinco; 4.Rhodamine B.
Fabricação de uso pretendido: Fabricação de produtos técnicos e
formulações de produtos agrotóxicos e afins.
N° processo: 21000.004295/2004-03
03 -Motivo de solicitação: Registro de Componentes
Requerente: Monsanto do Brasil Ltda.
Nome do produto: 1. Álcool Etoxilado.
Indicação de uso pretendido: Fabricação de produtos técnicos e formulações de produtos agrotóxicos e afins.
N° processo: 21000.007668/2004-90
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
04 -Motivo de solicitação: Registro de Componentes
Requerente: Agripec Química e Farmacêutica S/A
Nome do produto: 1. ácido N-(fosfonometil)minoácetico
Indicação de uso pretendido: Fabricação de produtos técnicos e formulações de produtos agrotóxicos e afins.
N° processo: 21000.009959/2004-12
05- Motivo de solicitação: Registro de Componentes
Requerente: Nortox S.A.
Nome do produto: 1. 2-amini-4,6-dimethoxy pyrimide
Indicação de uso pretendido: Fabricação de produtos técnicos e formulações de produtos agrotóxicos e afins.
N° processo: 21000.004567/2004-67
06 - Motivo da solicitação: Registro de Componentes
Requerente: Dow Agrosciences Industrial Ltda.
Nome do produto: 1. monoestearato de sorbitan polioxietileno; 2.
Licor de Milho; 3. Açúcar Invertido; 4.Acetato de Amônio; 5. Anidrido propiônico
Indicação de uso pretendido: Fabricação de produtos técnicos e formulações de produtos agrotóxicos e afins.
N° processo: 21000.010110/2004-91
07 - Motivo da solicitação: Registro de Componentes
Requerente: Ishihara Brasil Comercial Ltda.
Nome do produto: 1. Propylene Glycol; 2. potassium polyarylphenyl
ether phosphate; 3 . methylnaphthalenesulfonic acid,polymer with formaldehyde; 4.hydrated magnesium aluminium silicate mineral; 5.xatham gum; 6. 1,2-benzisothiazolin-3-one; 7. silicone; 8 . mistura de
hidrocarbonetos alquilaromáticos; 9. dimetilacetamida.
Indicação de uso pretendido: Fabricação de produtos técnicos e formulações de produtos agrotóxicos e afins.
N° processo: 21000.007256/2004-50
08-Motivo da solicitação: Registro de Componentes
Requerente: Prentiss Química Ltda.
Nome do produto: 1.Silicato de alumínio hidratado; 2. Naftaleno
sulfonato de sódio; 3. Naftaleno sulfonato; 4. Polivinil pirrolidona; 5.
Álcool sintético etoxilado; 6. Bicarbonato de amônio; 7. 3,5,5-trimethyl-2-cyclo-hexen-1-one; 8. mistura de álcool aquil aril polialcoxilato fosfato éster,álcool alquil aril polialcoxilato e ácido fosfórico;
9. Mistura de hidrocarbonetos aromáticos C9-C11.
Indicação de uso pretendido: Fabricação de produtos técnicos e formulações de produtos agrotóxicos e afins.
N° processo: 21000.008883/2004 - 16
09-Motivo da solicitação: Registro de Componentes
Requerente: Crompton Ltda.
Nome do produto: 1. Isobutyl alcohol; 2. Lignosulfonic acid, sodium
salt; 3. Polymer solution; 4. Propylene glycol; 5. Paraffinic/Napthenic
process oil; 6. Polidimethylsiloxane emulsion; 7. Hydrated aluminium-magnesium silicate; 8. Àgua; 9. Alpha- C10-mega-hydroxypoly
(oxyethylene)misture of. di and monohydrogen phosphate esters +
Alpha-C-12/C15-omega hydroxypoly(oxyethylene)polyoxyethylene;
10. Basic Violet 10; 11. Xantham gum; 12. Dehydrated aluminiummagnesium silicate; 13. Emulsão siliconada; 14. Urea-formaldehyde
resin; 15. Disodic phosphate; 16. Sodium alkylnaphthalenesulfonate,
formaldehyde polymer.
Indicação de uso pretendido: Fabricação de produtos técnicos e formulações de produtos agrotóxicos e afins.
N° processo: 21000.004633/2004-07
10-Motivo da solicitação: Registro de Componentes
Requerente: Nortox S/A.
Nome do produto: 1. Phosphorous acid
Indicação de uso pretendido: Fabricação de produtos técnicos e formulações de produtos agrotóxicos e afins.
N° processo: 21000.010129/2004-38
11 -Motivo da solicitação: Registro de Componentes
Requerente: Crompton Ltda
Nome do produto: 1. Dodecil benzeno sulfonato de cálcio; 2.Mistura
de tensoativos aniônicos não iônicos; 3. Misturas de hidrocarbonetos
aromáticos ramificados; 4. Éster metílico de ácido graxos de óleo de
soja.
Indicação de uso pretendido: Fabricação de produtos técnicos e formulações de produtos agrotóxicos e afins.
N° processo: 21000.011647/2004-79
12-Motivo da solicitação: Registro de Componentes
Requerente: FMC Química do Brasil Ltda.
Nome do produto: 1. Nurfom 3403 CE; 2.Nurfom CE 5409; 3. Alquilbenzeno-9.
Indicação de uso pretendido: Fabricação de produtos técnicos e formulações de produtos agrotóxicos e afins.
N° processo: 21000.011122/2004-33
13-Motivo da solicitação: Registro de Componentes
Requerente: Basf S/A
Nome do produto: 1. Agnique foh tda 6B; 2. Unitol L/60; 3. Lutensit ABO; 4. Agnique TSP-16; 5. Phenylsulfonat CA 100; 6. Sokalan CP 9; 7.
Colanyl vermelho FGR; 8. Agnique ABS 70C (maranyl Cal); 9. Rhodasurf BD-610; 10. Rhodorsil anti-espuma RG11; 11. Styrofan LD 417;
12. Sodium lignosulfonate; 13. Acticide B 20; 14.Diacetona álcool; 15.
505-oximether; 16. Dimethylamine sol. APP 60% calc 100%; 17. Dymethylamine; 18. lutensol TO 6; 19. Lutensol TO 12; 20. Polyethylene glycol
ether isotridecylic; 21. Isodecil eter etoxilado; 22. Surfom D; 23.Surfom
LABS; 24. Witconate aok powder; 25. Witconate aok; 26. Sodium hydroxide; 27. Isopropilamina; 28. Dehydol CD 2; 29. Dehydol CD 6.
Indicação de uso pretendido: Fabricação de produtos técnicos e formulações de produtos agrotóxicos e afins.
N° processo: 21000.012583/2004-23
14 -Motivo da solicitação: Registro de Componentes
Requerente:Bayer CropScience Ltda
Nome do produto:1. Polyvinylpyrrolidone
Indicação de uso pretendido: Fabricação de produtos técnicos e formulações de produtos agrotóxicos e afins.
Processo nº 21000.013978/2004-43
15-Motivo da solicitação: Registro
Requerente: IFP- Indústria de Fertilizantes Plante Certo Ltda.
Marca Comercial:Óleo Vegetal Fertimax
Nome Químico: Soybean Oil
Nome Comum: Óeo Vegetal
Classe: Adjuvante
Indicação de uso pretendido: Para ser adicionado à calda dos herbicidas, fungicidas e acaricidas.
Processo nº: 21000.011399/2004-66
16-Motivo da solicitação: Registro
Requerente:Chemia do Brasil Comercial,Importadora e Exportadora
Ltda.
Marca Comercial:Cyhexatin Técnico Chemia
Nome Químico: tricyclohexyltin hydroxide
Nome Comum: Cyhexatin
Classe: Acaricida
Indicação de uso pretendido: Produto Técnico por Equivalência
Processo nº: 21000.011317/2004-8
17-Motivo da solicitação: Registro
Requerente:Chemia do Brasil Comercial,Importadora e Exportadora
Ltda.
Marca Comercial:Triran-FA
Nome Químico: Tricyclohexyltin hydroxide
Nome Comum: Cyhexatin
Classe: Acaricida
Indicação de uso pretendido: Produto Técnico.
Processo nº: 21000.011323/2004-31
18-Motivo da solicitação: Registro
Requerente:Hokko do Brasil Industria Química e Agropecuária Ltda
Marca Comercial:Dinamic Técnico Hokko
Nome Químico: 4-amino-N-tert-butyl-4,5-dihydro-3-isopropyl-5-oxo1H-1,2,4-triazole-1- carboxamide
Nome Comum: Amicarbazone
Classe: Herbicida
Indicação de uso pretendido: Produto Técnico
Processo nº: 21000.011481/2004-91
19-Motivo da solicitação: Registro
Requerente:Basf S.A.
Marca Comercial:Pivot 100 SL
Nome Químico: (RS)-5-ethyl-2-(4-isopropyl-4-methyl-5-oxo-2-imidazolin-2-yl)nicotinic acid
Nome Comum: Imazethapyr
Classe: Herbicida
Indicação de uso pretendido: Indicado para a cultura da soja.
Processo nº: 21000.010716/2004-27
20-Motivo da solicitação: Registro
Requerente:Helm do Brasil Mercantil Ltda.
Marca Comercial:Tebuconazole 95 Técnico Helm
Nome Químico: (RS)-1-p-chlorophenyl-4,4-dimethyl-3-(1H-1,2,4triazol-1-ylmethyl)pentan-3-ol
Nome Comum: Tebuconazole
Classe:Fungicida
Indicação de uso pretendido: Produto Técnico por Equivalência
Processo nº: 21000.011614/2004-29
21- Motivo da solicitação: Registro
Requerente: Biocontrol Sistema de Controle Biológico Ltda EPP
Marca Comercial: Metarriz Biocontrol
Nome Químico: Não se aplica
Nome Comum: Não se aplica
Agente biológico: Fungo Metarhizium anisopliae
Classe: Inseticida Biológico
Indicação de uso pretendido: Indicado para cultura de cana-de-áçucar
e pastagem.
grandis); Feijão para o controle da vaquinha-verde-amarela (Diabrotica
speciosa), Mosca-branca ( Bemisia tabaci raça B) e Cigarrinha verde
(Empoasca kraemeri); Milho para o controle da Lagarta-do-cartucho (
Spodoptera frugiperda); Citros para o controle da Cigarrinha-da-cvc
(Dilobopterus costalimai) e Bicho-furão (Ecdytolopha aurantiana).
7- Atendendo solicitação da empresa registrante Syngenta Proteção de
Cultivos Ltda, estamos cancelando o registro dos produtos: Alto 10
GR registro nº 07296, Alto 200 CE registro nº 01097.
JÚLIO SÉRGIO DE BRITTO
Coordenador-Geral
<!ID637507-0>
RETIFICAÇÕES
No DOU, de 13 de Abril de 2005, Seção 1, página 3, no
ATO Nº 17 DE 31 DE MARÇO DE 2005, no item 4, onde se lê:
alteração razão social da empresa Casa Bernardo Ltda, para razão
social Casa Bernardo S.A, leia-se: alteração razão social da empresa
Casa Bernardo Ltda, para razão social Bernardo Química S.A. No
item 5, onde se lê: U 46 D- Fluid leia-se : U 46 D-Fluid 2,4-D.
.
Ministério da Ciência e Tecnologia
SECRETARIA EXECUTIVA
SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO,
ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO
PORTARIA N° 47, DE 20 DE ABRIL DE 2005
<!ID637228-0>
O Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração da Secretaria Executiva do Ministério da Ciência e Tecnologia,
no uso da delegação de competência conferida pelo art. 1°, da Portaria MCT n° 146, de 16 de março de 2005, e tendo em vista o
disposto no art. 64, inc. II, da Lei N° 10.934, de 11 de agosto de
2004, Lei de Diretrizes Orçamentárias, LDO/2005, e considerando a
necessidade de ajustar o detalhamento da despesa de dotação orçamentária consignada à Administração Direta, com o fim de disponibilizar recursos em aplicação, resolve:
Art. 1º - Promover, na forma do anexo a esta Portaria, alteração da modalidade de aplicação de dotação orçamentária consignada pela Lei N° 11.100, de 25 de janeiro de 2005, Lei Orçamentária Anual, LOA/2005, e em seus créditos adicionais.
Art. 2° - Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
DJALMO DE OLIVEIRA LEÃO
ANEXO
Fiscal
Código/Especificação
R$ 1,00
Redução
Acréscimo
Fonte
Modalidade
24.101
Ministério da
Ciência e Tecnologia
Valor
Modalidade
79.700
19.573.1112.6702.0001
Difusão e Popularização de
Ciência e Tecnologia para
Inclusão Social - Nacional
JÚLIO SÉRGIO DE BRITTO
Coordenador-Geral
<!ID637506-0>
15
ISSN 1677-7042
0.100
3.3.30
79.700
79.700
Valor
79.700
3.3.90
79.700
79.700
ATO Nº 21, DE 18 DE ABRIL DE 2005
1- De acordo com o Artigo 22§ 1º do Decreto 4074, de 04 de janeiro
de 2002, foi aprovada a transferência de titularidade dos registros dos
produtos Corsair 500 CE registroo nº 01338704, e Sherpa 200 registro nº 00658203, da empresa Bayer CropScience Ltda - São Paulo/
SP, para a empresa Agrialliance Comércio, Importação e Exportação
de Insumos Agropecuários Ltda - Barueri /SP.
2- De acordo com o Artigo 22§ 1º do Decreto 4074, de 04 de janeiro
de 2002, foi aprovada a alteração do CNPJ da empresa Bayer CropScience Ltda para CNPJ nº 18.459.628/0001-15 tendo em vista a incorporação pela Bayer Seeds Ltda- Patos de Minas /MG, e posteriormente alteração da razão social para Bayer CropScience LtdaRua Verbo Divino,1207, Bloco B, 2º andar- São Paulo/SP.
3- De acordo com o Artigo 22§ 1º do Decreto 4074, de 04 de janeiro
de 2002, foi aprovada a alteração do CNPJ da empresa Dow Agrosciences Industrial Ltda para o CNPJ nº 47.180.625/0001-46, tendo em
vista a incorporação pela Sementes Dow Agrosciences Ltda- São
Paulo/SP, e posteriormente alteração da razão social para Dow Agrosciences Industrial Ltda- Rua Alexandre Dumas, nº 1671- 1º andar Ala
A- São Paulo/SP.
4- De acordo com o Artigo 22§ 1º do Decreto 4074, de 04 de janeiro
de 2002, foi aprovada a alteração da marca comercial do produto
Horizon registro nº 08101, para a marca comercial Horizon Duo.
5-De acordo com o Artigo 22§ 1º do Decreto 4074, de 04 de janeiro
de 2002, foi aprovada a alteração de razão social da empresa Atofina
Brasil Química Ltda - São Paulo/SP, para Arkema Química Ltda São Paulo/SP.
6-De acordo com o Artigo 22§ 2º Inciso I, do Decreto 4074, de 04 de
janeiro de 2002, no produto Trebon 100 SC registro nº 02998, foram
aprovadas alterações nas recomendações de uso do produto com a inclusão das culturas de: Algodão para o controle do Bicudo (Anthonomus
TOTAL
79.700
79.700
Ministério da Cultura
.
SECRETARIA EXECUTIVA
DIRETORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA
<!ID636534-0>
PORTARIA Nº 1, DE 19 DE ABRIL DE 2005
A DIRETORA DE GESTÃO ESTRATÉGICA, no uso da
atribuição que lhe foi conferida pela Portaria nº 50 de 12 de abril de
2005, do Ministro da Cultura, de acordo com o disposto no art. 64,
inciso II, da Lei nº 10.934, de 11 de agosto de 2004, resolve:
Art. 1º Alterar as modalidades de aplicação na forma do
anexo desta Portaria, visando ao atendimento de projetos voltados
para diversas áreas da cultura.
Art. 2º A presente alteração justifica-se pela inviabilidade
técnica da execução nas modalidades de aprovadas, em virtude da
classificação do orçamento programado e disponível não ser suficiente para atender Transferências a Estados e ao Distrito Federal, a
Municípios, a Instituições Privadas sem Fins Lucrativos e ao Exterior,
e Aplicações Diretas.
Art. 3º Esta Portaria entrará em vigor na data de sua publicação.
LETÍCIA SCHWARZ
16
ISSN 1677-7042
1
R$ 1,00
ANEXO
CÓDIGO
ESPECIFICAÇÃO
FISCAL
FONTE
ACRÉSCIMO
REDUÇÃO
VALOR
VALOR
NATUREZA
42000
MINISTÉRIO DA CULTURA
4.408.010
4.408.010
42101
MINISTÉRIO DA CULTURA
2.865.256
2.865.256
13.128.0813.5017
CAPACITAÇÃO DE TÉCNICOS NA ÁREA
DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO URBANO
290.995
290.995
13.128.0813.5017.0001
CAPACITAÇÃO DE TÉCNICOS NA ÁREA
DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO URBANO NACIONAL
208.832
-
82.163
-
13.391.0813.5021
13.391.0813.5021.0001
0148
333000
0148
334000
0148
338000
290.995
EDUCAÇÃO PATRIMONIAL NA ÁREA
DO MONUMENTA
EDUCAÇÃO PATRIMONIAL NA ÁREA
DO MONUMENTA - NACIONAL
1.143.220
0148
333000
0148
0148
<!ID636921-0>
-
334000
323.492
-
335000
-
879.400
0148
338000
455.643
-
2100
333000
42.971
-
2100
334000
138.639
-
2100
335000
-
2100
338000
82.210
05-0007 - Alexandrita - Olhos de Fogo I
Processo: 01580.001624/2005-46.
Proponente: Caeté Filmes do Brasil Ltda.
Cidade/UF: Maceió / AL
CNPJ: 12.308.060/0001-55.
Valor total do orçamento aprovado: R$ 4.023.966,59.
Valor Aprovado na Lei nº. 8.313/91: R$ 4.023.966,59.
Banco: 001- Agência : 1233-5 - Conta Corrente: 43.096-X.
Período de captação: até 31/12/2005.
Art. 2º - Esta Deliberação entra em vigor na data de sua
publicação.
JOÃO EUSTÁQUIO DA SILVEIRA
263.820
13.391.0813.5538.0001
PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO URBANO - NACIONAL
<!ID636526-0>
1.431.041
1.431.041
0148
443000
515.661
-
0148
2100
2100
444000
443000
444000
915.380
-
515.661
915.380
42203
FUNDAÇÃO CULTURAL PALMARES
50.000
50.000
13.122.0172.2272
GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA
50.000
50.000
13.122.0172.2272.0001
GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA - NACIONAL
0100
448000
0100
449000
-
50.000
50.000
-
42902
FUNDO NACIONAL DE CULTURA
1.492.756
1.492.756
13.391.0167.4793
FOMENTO A PROJETOS NA ÁREA DO
PATRIMÔNIO CULTURAL
1.142.756
1.142.756
13.391.0167.4793.0001
FOMENTO A PROJETOS NA ÁREA DO
PATRIMÔNIO CULTURAL - NACIONAL
13.392.1142.4796
FOMENTO A PROJETOS EM ARTE E
CULTURA
13.392.1142.4796.0366
FOMENTO E PATROCÍNIO DE PROJETOS
GOSPEL EM MUNICÍPIOS DO ESTADO
DE MINAS GERAIS
-
PORTARIA Nº 121, DE 20 DE ABRIL DE 2005
Dispõe sobre autorização para realização dos
trabalhos de diagnóstico arqueológico prospectivo do Gasoduto Cabiúnas - Vitória, nos
Estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo.
O GERENTE DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO E NATURAL DO DEPARTAMENTO DO PATRIMÔNIO MATERIAL E
FISCALIZAÇÃO DO INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E
ARTÍSTICO NACIONAL - IPHAN, nos termos da Portaria IPHAN nº
207, de 13.09.04, publicada no D.O.U., Seção 2, de 15.09.04 e de acordo
com o disposto no Anexo I, do Decreto nº 5.040, de 07.04.04, na Lei nº
3.924, de 26.07.61, na Portaria SPHAN nº 7, de 01.12.88, e ainda do que
consta do processo administrativo nº 01450.016754/2004-88, resolve;
I - Expedir a presente AUTORIZAÇÃO, sem prejuízo das
demais licenças exigíveis por diferentes órgãos e entidades da Administração Pública, ao Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo para desenvolver o projeto de diagnóstico arqueológico prospectivo na área de influência do Gasoduto Cabiúnas Vitória, nos Estado do Rio de Janeiro e Espírito Santo, situado entre as
coordenadas 219.397,06 / 7.533.322,29 e 360.154,15 / 7.763.999,97.
II - Reconhecer como coordenadora dos trabalhos de que
trata o item anterior a arqueóloga Maria Cristina Mineiro Scatamacchia, cujo projeto se intitula “Projeto de Diagnóstico Prospectivo
do Gasoduto Cabiúnas - Vitória”.
Ministério da Defesa
.
PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO URBANO
INSTITUTO DO PATRIMÔNIO
HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL
DEPARTAMENTO DO PATRIMÔNIO
MATERIAL E FISCALIZAÇÃO
GERÊNCIA DO PATRIMÔNIO
ARQUEOLÓGICO E NATURAL
DELIBERAÇÃO Nº 95, DE 19 DE ABRIL DE 2005
O DIRETOR-PRESIDENTE SUBSTITUTO da ANCINE,
no uso das atribuições legais conferidas pela Resolução de Diretoria
Colegiada nº. 04, de 25 de fevereiro de 2003, e em cumprimento ao
disposto na Lei nº. 8.313, de 23 de dezembro de 1991, Lei nº.
8.685, de 20 de julho de 1993, Medida Provisória nº. 2.228-1, de 06
de setembro de 2001, alterada pela Lei nº. 10.454, de 13 de maio
de 2002, e Decreto nº. 4.456, de 04 de novembro de 2002, delibera:
Art. 1º - Aprovar o projeto audiovisual relacionado abaixo,
para o qual a proponente fica autorizada a captar recursos mediante
doações ou patrocínios na forma prevista nos Arts. 25 e 26 da Lei nº.
8.313/91
13.391.0813.5538
1.143.220
100.265
AGÊNCIA NACIONAL DO CINEMA
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
GABINETE DO MINISTRO
PORTARIA NORMATIVA Nº 521/MD,
DE 20 DE ABRIL DE 2005
<!ID638090-0>
Altera o Anexo IV - Municípios Tributários - ao Plano Geral de Convocação
para o Serviço Militar Inicial nas Forças Armadas em 2006 - PGC 2006.
O MINISTRO DE ESTADO DA DEFESA, de acordo com o disposto na alínea "r" do inciso
VII do art. 27 da Lei nº 10.683, de 30 de maio de 2003, e tendo em vista o disposto nos artigos 1º e
2º do Decreto nº 3.702, de 27 de dezembro de 2000, resolve:
Art. 1º Alterar o quadro relativo ao Estado do Amapá no Anexo IV ao Plano Geral de
Convocação para o Serviço Militar Inicial nas Forças Armadas em 2006, aprovado pela Portaria
Normativa nº 1.391 / MD, de 30 de novembro de 2004, incluindo os Municípios de Amapá e Calçoene,
como tributários para o Exército Brasileiro, passando a vigorar com a seguinte forma e redação:
0118
334000
-
998.000
0118
0118
0118
339000
444000
443000
998.000
144.754
144.754
-
350.000
350.000
0100
334000
-
350.000
0100
335000
350.000
-
III - Reconhecer a arqueóloga designada coordenadora dos
trabalhos como fiel depositária, durante a realização das etapas de
campo, do eventual material arqueológico recolhido ou de estudo que
lhe tenha sido confiado.
IV - Determinar à 6 e 21ª Superintendências Regionais do
IPHAN, o acompanhamento e a fiscalização da execução dos trabalhos,
inclusive no que diz respeito à destinação e à guarda do material coletado,
assim como das ações de preservação e valorização dos remanescentes.
V - Condicionar a eficácia da presente autorização, à apresentação, por parte da arqueóloga coordenadora, de relatório semestral e final,
ao término do prazo fixado nesta Portaria, contendo todas as informações
previstas nos artigos 11 e 12 da Portaria SPHAN nº 7, de 01.12.88.
IV - Fixar o prazo de validade da presente autorização em 24
(vinte e quatro) meses, observada a disposição do item anterior.
Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
ROGÉRIO JOSÉ DIAS
RETIFICAÇÕES
Na Portaria nº 107, de 18 de Abril de 2005, publicada no
Diário Oficial da União, Seção 1, de 20 de Abril de 2005, onde se lê:
“PORTARIA Nº 107, DE 18 DE ABRIL DE 2005”;
Leia-se:
PORTARIA Nº 118, DE 18 DE ABRIL DE 2005
<!ID636448-0>
<!ID636449-0>
Na Portaria nº 108, de 18 de Abril de 2005, publicada no
Diário Oficial da União, Seção 1, de 20 de Abril de 2005, onde se lê:
“PORTARIA Nº 108, DE 18 DE ABRIL DE 2005”;
Leia-se:
PORTARIA Nº 119, DE 18 DE ABRIL DE 2005
<!ID636451-0>
Na Portaria nº 109, de 18 de Abril de 2005, publicada no
Diário Oficial da União, Seção 1, de 20 de Abril de 2005, onde se lê:
“PORTARIA Nº 109, DE 18 DE ABRIL DE 2005”;
Leia-se:
PORTARIA Nº 120, DE 18 DE ABRIL DE 2005
“ANEXO IV
MUNICÍPIOS TRIBUTÁRIOS
(Art 35 RLSM)
.............................................................................................................................................................
AMAPÁ
Município
Amapá
Calçoene
Macapá
Oiapoque
Santana do Amapá
Marinha
X
Exército
X
X
X
X
X
Aeronáutica
X
Características da Tributação
- Número de Municípios......................................................................
- Exclusivos do Exército.....................................................................
- Comuns à Marinha, ao Exército e à Aeronáutica...................................
Art. 2º Esta Portaria Normativa entra em vigor na data de sua publicação.
JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA
05
04
01
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
COMANDO DO EXÉRCITO
GABINETE DO COMANDANTE
<!ID636960-0>
PORTARIA Nº 231, DE 20 DE ABRIL DE 2005
<!ID636961-0>
PORTARIA Nº 232, DE 20 DE ABRIL DE 2005
ISSN 1677-7042
COMANDO DA AERONÁUTICA
GABINETE DO COMANDANTE
O COMANDANTE DO EXÉRCITO, no uso da atribuição que lhe
<!ID636655-0>
confere o art. 1º, inciso IV, do Decreto nº 4.207, de 23 de abril de 2002, resolve:
O COMANDANTE DO EXÉRCITO, no uso da atribuição que lhe
confere o art. 1º, inciso V, do Decreto nº 4.207, de 23 de abril de 2002, resolve:
CONCEDER a Medalha do Pacificador ao Senador JOSÉ
SARNEY COSTA.
FRANCISCO ROBERTO DE ALBUQUERQUE
17
CONCEDER a Medalha do Pacificador ao Major LUIS PABLO GUIMPEL, da República Argentina.
FRANCISCO ROBERTO DE ALBUQUERQUE
RETIFICAÇÃO
No preâmbulo da Portaria no 420-T/GC3, de 12 de abril de
2005, publicada no Diário Oficial da União no 70, de 13 de abril de
2005, Seção 1, página 7, onde se lê: “... e considerando o que consta
do Processo no 06-01/1295/2005, leia-se: ““... e considerando o que
consta do Processo no 06-11/1295/2005.”
18
ISSN 1677-7042
1
Art. 2° Determinar à Instituição que observe o estabelecido
no artigo 2° do Decreto n° 4.914, de 11 de dezembro de 2003, e
apresente, no prazo de noventa dias, o Plano de Desenvolvimento
Institucional e o Estatuto adequados às exigências do mesmo Decreto,
devendo a Secretaria de Educação Superior verificar o cumprimento
destes dispositivos.
Art. 3° Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
Ministério da Educação
.
GABINETE DO MINISTRO
PORTARIA Nº 1.325, DE 20 DE ABRIL DE 2005
<!ID636473-0>
O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, Interino, no
uso de suas atribuições legais e tendo em vista o disposto na Portaria
o
MP n 165, de 4 de setembro de 2003, alterada pela Portaria MP no
184, de setembro de 2003, e pela Portaria MP no 28, de 5 de março
de 2004, e na Portaria MP no 293, de 10 de novembro de 2004,
resolve
Art. 1o Fica alterado, na forma dos Anexos I e II a esta
Portaria, o número de provimento de vagas fixado no anexo à Portaria
MEC no 2.782, de 2 de outubro de 2003, já modificado pelas Portarias MEC no 1.027, de 28 de abril de 2004, no 2.201, de 23 de julho
de 2004, no 2.654, de 1o de setembro de 2004, e no 4.305, de 21 de
dezembro de 2004, e no anexo à Portaria MEC no 777, de 9 de março
de 2005.
Art. 2o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
FERNANDO HADDAD
ANEXO I
Portaria MEC no 2.782/2003
IFE/Designação do cargo
Nível do No de provimentos fixa- Novo número
cargo
do originalmente na de provimentos
Portaria MEC no
2.782/2003
Centro Federal de
Tecnológica do Paraná
NS
6
NS
26
27
ANEXO II
Portaria MEC no 777/2005
IFE/Designação do cargo
Nível do No de provimentos fixa- Novo número
cargo
do originalmente na de provimentos
Portaria MEC no
777/2005
Universidade Federal de Viçosa
- Professor de 3º Grau
NS
36
35
NS
34
35
Universidade Federal de Juiz de Fora
- Professor de 3º Grau
O Ministro de Estado da Educação, Interino, usando da competência que lhe foi delegada pelos Decretos nº 1.845, de 28 de março
de 1996, e nº 3.860, de 9 de julho de 2001, alterado pelo Decreto nº
3.908, de 4 de setembro de 2001, e tendo em vista o Parecer nº
047/2005, da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de
Educação, conforme consta do Processo nº 23000.000052/2003-32,
Registro SAPIEnS n° 20023002631, do Ministério da Educação, resolve:
Art. 1º Reconhecer, pelo prazo de cinco anos, o Programa
Especial de Formação de Professores para aturem nas quatro séries
finais do Ensino Fundamental, Médio e Profissionalizante, ministrado
pelo Centro Universitário de Barra Mansa - UBM, à Rua Vereador
Pinho de Carvalho, n° 267, Bairro Centro, na cidade de Barra Mansa,
Estado do Rio de Janeiro, mantido pela SOBEU - Sociedade Barramansense de Ensino Superior, com sede na cidade de Barra Mansa,
Estado do Rio de Janeiro.
Art. 2° Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
FERNANDO HADDAD
5
Educação
- Professor de 1º e 2º Graus
PORTARIA Nº 1.328, DE 20 DE ABRIL DE 2005
<!ID636951-0>
PORTARIA Nº 1.329, DE 20 DE ABRIL DE 2005
Universidade Federal de Santa Maria
- Professor de 1º e 2º Graus
FERNANDO HADDAD
PORTARIA Nº 1.326, DE 20 DE ABRIL DE 2005
<!ID636471-0>
O Ministro de Estado da Educação, Interino, usando da competência que lhe foi delegada pelos Decretos nº 1.845, de 28 de março
de 1996, e nº 3.860, de 9 de julho de 2001, alterado pelo Decreto nº
3.908, de 4 de setembro de 2001, e tendo em vista o Parecer nº
074/2005, da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de
Educação, que retifica o Parecer CNE/CES n° 020/2005, conforme
consta do Processo nº 23000.002731/2003-46, Registro SAPIEnS n°
20031001457, do Ministério da Educação, resolve:
Art. 1º Credenciar, pelo prazo de três anos, o Centro de
Ensino Superior Unificado de Brasília como Centro Universitário
Planalto do Distrito Federal - UNIPLAN, com sede na Região Administrativa I, Brasília, no Distrito Federal, mantido pela Sociedade
Objetivo de Ensino Superior, com sede na cidade de Goiânia, no
Estado de Goiás.
Art. 2° Determinar à Instituição que observe o estabelecido
no artigo 2° do Decreto n° 4.914, de 11 de dezembro de 2003, e
apresente, no prazo de noventa dias, o Plano de Desenvolvimento
Institucional e o Estatuto adequados às exigências do mesmo Decreto,
devendo a Secretaria de Educação Superior verificar o cumprimento
destes dispositivos.
Art. 3° Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
FERNANDO HADDAD
PORTARIA Nº 1.327, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O Ministro de Estado da Educação, Interino, usando da competência que lhe foi delegada pelos Decretos nº 1.845, de 28 de março
de 1996, e nº 3.860, de 9 de julho de 2001, alterado pelo Decreto nº
3.908, de 4 de setembro de 2001, e tendo em vista o Parecer nº
077/2005, da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de
Educação, conforme consta do Processo nº 23000.013483/2002-88,
Registro SAPIEnS n° 707112, do Ministério da Educação, resolve:
Art. 1º Credenciar, pelo prazo de três anos, o Centro Universitário de Campo Grande, com sede na cidade de Campo Grande,
no Estado de Mato Grosso do Sul, por transformação da Faculdade de
Campo Grande - FIC, mantida pela União da Associação Educacional
Sul Matogrossense, com sede na cidade de Campo Grande, no Estado
de Mato Grosso do Sul, aprovando, neste ato, o seu Estatuto e o
Plano de Desenvolvimento Institucional.
O Ministro de Estado da Educação, Interino, usando da competência que lhe foi delegada pelos Decretos nº 1.845, de 28 de março
de 1996, e nº 3.860, de 9 de julho de 2001, alterado pelo Decreto nº
3.908, de 4 de setembro de 2001, e tendo em vista o Parecer nº
055/2005, da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de
Educação, conforme consta do Processo nº 23000.011260/2002-86,
Registro SAPIEnS nº 703157, do Ministério da Educação, resolve:
Art. 1º Renovar, pelo prazo de três anos, o reconhecimento
do curso de Odontologia, bacharelado, ministrado pela Universidade
Federal de Sergipe - UFS, com sede na cidade de Aracaju, no Estado
de Sergipe, mantida pela União.
Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
FERNANDO HADDAD
PORTARIA Nº 1.330, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O Ministro de Estado da Educação, Interino, usando da competência que lhe foi delegada pelos Decretos nº 1.845, de 28 de março
de 1996, e nº 3.860, de 9 de julho de 2001, alterado pelo Decreto nº
3.908, de 4 de setembro de 2001, e tendo em vista o Parecer nº
065/2005, da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de
Educação, conforme consta do Processo nº 23000.009914/2003-92,
Registro SAPIEnS n° 20031006430, do Ministério da Educação, resolve:
Art. 1º Reconhecer, pelo prazo de três anos, o Programa
Especial de Formação Pedagógica de Docentes, ministrado pela Faculdade Auxilium de Filosofia, Ciências e Letras de Lins, situada à
Avenida Nicolau Zarvos, n° 754, na cidade de Lins, Estado de São
Paulo, mantida pela Missão Salesiana de Mato Grosso, com sede na
cidade de Campo Grande, Estado de Mato Grosso do Sul.
Art. 2° Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
FERNANDO HADDAD
PORTARIA Nº 1.331, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O Ministro de Estado da Educação, Interino, usando da competência que lhe foi delegada pelos Decretos nº 1.845, de 28 de março
de 1996, e nº 3.860, de 9 de julho de 2001, alterado pelo Decreto nº
3.908, de 4 de setembro de 2001, e tendo em vista o Parecer nº
069/2005, da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de
Educação, conforme consta do Processo nº 23000.000265/2002-83,
Registro SAPIEnS real000214, do Ministério da Educação, resolve:
Art. 1º Renovar o reconhecimento do curso de Direito, bacharelado, ministrado à Rua São José, n° 490, na cidade de Joinville,
no Estado de Santa Catarina, pela Faculdade de Direito de Joinville FDJ, mantida pela Associação Catarinense de Ensino - ACE, com
sede na cidade de Joinville, no Estado de Santa Catarina, para fins de
expedição e registro de diplomas dos alunos concluintes até o segundo semestre do ano de 2005
Art. 2 Interromper os processos de seleção e de acesso para
o curso constante do artigo anterior até que sejam sanadas as pendências indicadas no relatório da Comissão de Avaliação.
Art. 3° Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
FERNANDO HADDAD
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
PORTARIA Nº 1.332, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O Ministro de Estado da Educação, Interino, usando da competência que lhe foi delegada pelos Decretos nº 1.845, de 28 de março
de 1996, e nº 3.860, de 9 de julho de 2001, alterado pelo Decreto nº
3.908, de 4 de setembro de 2001, e tendo em vista o Parecer nº
076/2005, da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de
Educação, conforme consta do Processo nº 23000.009060/2002-63,
Registro SAPIEnS n° 700154, do Ministério da Educação, resolve:
Art. 1º Reconhecer, pelo prazo de três anos, o curso de
Direito, bacharelado, ministrado no campus fora de sede, situado na
cidade de Arcos, Estado de Minas Gerais, pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, mantida pela Sociedade Mineira de
Educação, ambas com sede na cidade de Belo Horizonte, Estado de
Minas Gerais.
Art. 2° Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
FERNANDO HADDAD
PORTARIA Nº 1.333, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O Ministro de Estado da Educação, Interino, usando da competência que lhe foi delegada pelos Decretos nº 1.845, de 28 de março
de 1996, e nº 3.860, de 9 de julho de 2001, alterado pelo Decreto nº
3.908, de 4 de setembro de 2001, e tendo em vista o Parecer nº
081/2005, da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de
Educação, conforme consta do Processo nº 23000.004731/2003-81,
Registro SAPIEnS n° 20031002846, do Ministério da Educação, resolve:
Art. 1º Reconhecer, pelo prazo de cinco anos, o curso de
Odontologia, bacharelado, ministrado pela Universidade Católica de
Brasília, mantida pela União Brasiliense de Educação e Cultura, ambas com sede na Região Administrativa III, Taguatinga, no Distrito
Federal.
Art. 2° Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
FERNANDO HADDAD
PORTARIA Nº 1.334, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O Ministro de Estado da Educação, Interino, usando da competência que lhe foi delegada pelos Decretos nº 1.845, de 28 de março
de 1996, e nº 3.860, de 9 de julho de 2001, alterado pelo Decreto nº
3.908, de 4 de setembro de 2001, e tendo em vista o Parecer nº
084/2005, da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de
Educação, conforme consta dos Processos nºs 23000.010730/2002-84
e 23000.010733/2002-28, Registros SAPIEnS n°s 702172-702175, do
Ministério da Educação, resolve:
Art. 1º Reconhecer, pelo prazo de cinco anos, o curso de
Direito, bacharelado, ministrado à Rua Dom Pedro II, n° 400, Bairro
Jardim Horácio Cabral, na cidade de Rolândia, Estado do Paraná, pela
Faculdade Paranaense, mantida pela Associação Rolandense de Ensino e Cultura, com sede na cidade de Rolândia, Estado do Paraná.
Art. 2° Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
FERNANDO HADDAD
PORTARIA Nº 1.335, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O Ministro de Estado da Educação, Interino, usando da competência que lhe foi delegada pelos Decretos nº 1.845, de 28 de março
de 1996, e nº 3.860, de 9 de julho de 2001, alterado pelo Decreto nº
3.908, de 4 de setembro de 2001, e tendo em vista o Parecer nº
088/2005, da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de
Educação, conforme consta dos Processos nºs 23001.000175/2004-44
e 23001.000034/2003-41, do Ministério da Educação, resolve:
Art. 1º Estender o reconhecimento, para fins exclusivos de
expedição de diplomas para as turmas concluintes nos anos de 2004,
2005 e 2006, do curso de Pedagogia, com as habilitações Recursos
Humanos, Administração Escolar, Supervisão Escolar e Magistério do
Ensino Fundamental e Médio, ministrado pelas Faculdades Integradas
Einstein de Limeira, mantidas pela Associação Limeirense de Educação e Cultura, com sede na cidade de Limeira, Estado de São
Paulo.
Art. 2° Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
FERNANDO HADDAD
PORTARIA Nº 1.336, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O Ministro de Estado da Educação, Interino, usando da competência que lhe foi delegada pelos Decretos nº 1.845, de 28 de março
de 1996, e nº 3.860, de 9 de julho de 2001, alterado pelo Decreto nº
3.908, de 4 de setembro de 2001, e tendo em vista o Parecer nº
089/2005, da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de
Educação, conforme consta do Processo nº 23000.002260/2003-76,
Registro SAPIEnS n° 20031001184, do Ministério da Educação, resolve:
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
Art. 1º Renovar, pelo prazo de quatro anos, o reconhecimento do curso de Direito, bacharelado, ministrado no Núcleo Universitário de Contagem, localizado na cidade de Contagem, Estado de
Minas Gerais, integrado ao campus de Belo Horizonte, pela Pontifícia
Universidade Católica de Minas Gerais, mantida pela Sociedade Mineira de Cultura, ambas com sede na cidade de Belo Horizonte,
Estado de Minas Gerais.
Art. 2° Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
FERNANDO HADDAD
PORTARIA Nº 1.337, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O Ministro de Estado da Educação, Interino, usando da competência que lhe foi delegada pelos Decretos nº 1.845, de 28 de março
de 1996, e nº 3.860, de 9 de julho de 2001, alterado pelo Decreto nº
3.908, de 4 de setembro de 2001, e tendo em vista o Parecer nº
090/2005, da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de
Educação, conforme consta do Processo nº 23000.002258/2003-05,
Registro SAPIEnS n° 20031001181, do Ministério da Educação, resolve:
Art. 1º Renovar, pelo prazo de cinco anos, o reconhecimento
do curso de Direito, bacharelado, ministrado no Núcleo Universitário
de Betim, localizado na cidade de Betim, Estado de Minas Gerais,
integrado ao campus de Belo Horizonte, pela Pontifícia Universidade
Católica de Minas Gerais, mantida pela Sociedade Mineira de Cultura, ambas com sede na cidade de Belo Horizonte, Estado de Minas
Gerais.
Art. 2° Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
FERNANDO HADDAD
PORTARIA Nº 1.338, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O Ministro de Estado da Educação, Interino, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto no 3.860, de 9 de julho de
2001, alterado pelo Decreto no 3.908, de 4 de setembro de 2001, e
tendo em vista o Despacho no 080/2005, da Secretaria de Educação
Superior, conforme consta do Processo nº 23000.003357/2003-04,
Registro SAPIEnS nº 20031001873, do Ministério da Educação, resolve:
Art. 1o Reconhecer, pelo prazo de quatro anos, o curso de
Arquitetura e Urbanismo, bacharelado, ministrado pelo Centro Universitário FEEVALE, na cidade de Novo Hamburgo, Estado do Rio
Grande do Sul, mantido pela Associação Pró-Ensino Superior em
Novo Hamburgo, com sede na cidade de Novo Hamburgo, Estado do
Rio Grande do Sul.
Art. 2o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
FERNANDO HADDAD
PORTARIA Nº 1.339, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O Ministro de Estado da Educação, Interino, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto no 3.860, de 09 de julho
de 2001, alterado pelo Decreto no 3.908, de 04 de setembro de 2001,
e tendo em vista o Despacho n.o 124/2005, da Secretaria de Educação
Superior, conforme consta do Processo n.º 23000.008818/2003-27,
Registro SAPIEnS n.º 20031005463, do Ministério da Educação, resolve:
Art. 1o Renovar, pelo prazo de cinco anos, o reconhecimento
do curso de Educação Física, licenciatura, com 100 (cem) vagas totais
anuais, nos turnos diurno e noturno, ministrado pelas Faculdades
Integradas Maria Thereza, no âmbito do instituto superior de educação, no Km 10,5, Bairro Rio do Ouro, na cidade de São Gonçalo,
Estado do Rio de Janeiro, mantida pelo Instituto de Ciência e Tecnologia Maria Thereza, com sede na cidade de Niterói, Estado do Rio
de Janeiro.
Art. 2o A renovação do reconhecimento a que se refere esta
Portaria é válida exclusivamente para o curso ministrado no endereço
mencionado no artigo anterior.
Art. 3o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
FERNANDO HADDAD
PORTARIA Nº 1.340, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O Ministro de Estado da Educação, Interino, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto no 3.860, de 09 de julho
de 2001, alterado pelo Decreto no 3.908, de 04 de setembro de 2001,
e tendo em vista o Despacho no 0137/2005, da Secretaria de Educação Superior, conforme consta do Processo nº 23000.005334/200326, Registro SAPIEnS nº 20031003127, do Ministério da Educação,
resolve:
Art. 1o Reconhecer, pelo prazo de cinco anos, o curso de
Química Industrial, bacharelado, ministrado pelo Centro Universitário
UNIVATES, na cidade de Lajeado, Estado do Rio Grande do Sul,
mantido pela Fundação Vale do Taquari de Educação e Desenvolvimento Social, com sede na cidade de Lajeado, Estado do Rio
Grande do Sul.
Art. 2o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
FERNANDO HADDAD
PORTARIA Nº 1.341, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O Ministro de Estado da Educação, Interino, usando da competência que lhe foi delegada pelo no 3.860, de 9 de julho de 2001,
alterado pelo Decreto no 3.908, de 4 de setembro de 2001, e tendo em
vista o Despacho no 457/2005, da Secretaria de Educação Superior,
conforme consta do Processo nº 23000.002750/2004-53, Registro SAPIEnS nº 20041000332, do Ministério da Educação, resolve:
Art. 1o Reconhecer, pelo prazo de cinco anos, o curso de
Secretariado Executivo, bacharelado, ministrado pelo Centro Universitário UNIVATES, na cidade de Lajeado, Estado do Rio Grande do
Sul, mantido pela Fundação Vale do Taquari de Educação e Desenvolvimento Social, com sede na cidade de Lajeado, Estado do Rio
Grande do Sul.
Art. 2o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
FERNANDO HADDAD
PORTARIA Nº 1.342, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O Ministro de Estado da Educação, Interino, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto no 3.860, de 09 de julho
de 2001, alterado pelo Decreto no 3.908, de 04 de setembro de 2001,
e tendo em vista o Despacho no 506/2005, da Secretaria de Educação
Superior, conforme consta dos Processos nºs 23000.008703/2003-32,
23000.008707/2003-11,
23000.008710/2003-34
e
23000.008711/2003-89, Registros SAPIEnS nºs 20031005345,
20031005348, 20031005351 e 20031005353, do Ministério da Educação, resolve:
Art. 1o Reconhecer, pelo prazo de quatro anos, o curso de
Administração, bacharelado, com 510 (quinhentos e dez) vagas totais
anuais, ministrado no turno noturno, pela Faculdade Exponencial, na
Rua Nereu Ramos, n.º 3777-D, Bairro Seminário, na cidade de Chapecó, Estado de Santa Catarina, mantida pelo Centro Educacional
Exponencial S/A, com sede na cidade de Chapecó, Estado de Santa
Catarina.
Art. 2o O reconhecimento a que se refere esta Portaria é
válido exclusivamente para o curso ministrado no endereço mencionado no artigo anterior.
Art. 3o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
FERNANDO HADDAD
PORTARIA Nº 1.343, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O Ministro de Estado da Educação, Interino, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto no 3.860, de 09 de julho
de 2001, alterado pelo Decreto no 3.908, de 04 de setembro de 2001,
e tendo em vista o Despacho no 556/2005, da Secretaria de Educação
Superior, conforme consta do Processo nº 23000.005678/2003-35,
Registro SAPIEnS nº 20031003337, do Ministério da Educação, resolve:
Art. 1o Reconhecer, pelo prazo de cinco anos, o curso de
Pedagogia, com habilitações em Administração Escolar, em Educação
Infantil, em Magistério dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental e
em Supervisão Escolar, ministrado pelo Centro Universitário Salesiano de São Paulo, na unidade descentralizada na cidade de São
Paulo, Estado de São Paulo, mantido pelo Liceu Coração de Jesus,
com sede na cidade de São Paulo, Estado de São Paulo.
Art. 2o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
FERNANDO HADDAD
PORTARIA Nº 1.344, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O Ministro de Estado da Educação, Interino, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto no 3.860, de 9 de julho de
2001, alterado pelo Decreto no 3.908, de 4 de setembro de 2001, e
tendo em vista o Despacho no 557/2005, da Secretaria de Educação
Superior, conforme consta do Processo nº 23000.004956/2003-37,
Registro SAPIEnS nº 20031002935, do Ministério da Educação, resolve:
Art. 1o Retificar o Art. 1º da Portaria Ministerial nº 1.136, de
30 de abril de 2004, publicada no Diário Oficial da União de 03 de
maio de 2004, seção 1, pág. 11, que passa a vigorar com a seguinte
redação:
Art. 1o Reconhecer, pelo prazo de três anos, a habilitação
Engenharia Elétrica - Telecomunicações, do curso de Engenharia,
ministrado pelo Centro Universitário Salesiano de São Paulo, com
sede na cidade de Americana, Estado de São Paulo, mantido pelo
Liceu Coração de Jesus, com sede na cidade de São Paulo, Estado de
São Paulo.
Art. 2o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
FERNANDO HADDAD
PORTARIA Nº 1.345, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O Ministro de Estado da Educação, Interino, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto no 3.860, de 09 de julho
de 2001, alterado pelo Decreto no 3.908, de 04 de setembro de 2001,
e tendo em vista o Despacho no 0616/2005, da Secretaria de Educação Superior, conforme consta do Processo nº 23000.013905/200304, Registro SAPIEnS nº 20031008282, do Ministério da Educação,
resolve:
ISSN 1677-7042
19
Art. 1o Reconhecer, pelo prazo de cinco anos, o curso de
Arquitetura e Urbanismo, bacharelado, ministrado pelo Centro Universitário Positivo, na cidade de Curitiba, Estado do Paraná, mantido
pelo Centro de Estudos Superiores Positivo Ltda., com sede na cidade
de Curitiba, Estado do Paraná.
Art. 2o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
FERNANDO HADDAD
PORTARIA Nº 1.346, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O Ministro de Estado da Educação, Interino, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto no 3.860, de 09 de julho
de 2001, alterado pelo Decreto nº 3.908, de 04 de setembro de 2001,
e tendo em vista o Despacho no 780/2005, da Secretaria de Educação
Superior, conforme consta do Processo nº 23000.011187/2003-23,
Registro SAPIEnS nº 20031007117, do Ministério da Educação, resolve:
Art. 1o Credenciar a Faculdade Diocesana São José, a ser
estabelecida na Estrada São Francisco, Marco M1 ao M15, nº 1576,
município de Rio Branco, Estado do Acre, mantida pela instituição
denominada Obras Sociais da Diocese de Rio Branco, com sede no
município de Rio Branco, Estado do Acre, aprovando neste ato o seu
Plano de Desenvolvimento Institucional, pelo período de cinco anos,
e seu regimento.
Art. 2o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
FERNANDO HADDAD
PORTARIA Nº 1.347, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O Ministro de Estado da Educação, Interino, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto no 3.860, de 09 de julho
de 2001, alterado pelo Decreto no 3.908, de 04 de setembro de 2001,
e tendo em vista o Despacho no 781/2005, da Secretaria de Educação
Superior, conforme consta do Processo nº 23000.011188/2003-78,
Registro SAPIEnS nº 20031007118, do Ministério da Educação, resolve:
Art. 1o Autorizar o funcionamento do curso de Filosofia,
bacharelado, com 30 (trinta) vagas totais anuais, no turno diurno, a
ser ministrado pela Faculdade Diocesana São José, na Estrada São
Francisco, Marco M1 ao M15, nº 1576, município de Rio Branco,
Estado do Acre, mantida pela instituição denominada Obras Sociais
da Diocese de Rio Branco, com sede no município de Rio Branco,
Estado do Acre.
Art. 2o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
FERNANDO HADDAD
PORTARIA Nº 1.348, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O Ministro de Estado da Educação, Interino, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto no 3.860, de 09 de julho
de 2001, alterado pelo Decreto no 3.908, de 04 de setembro de 2001,
e tendo em vista o Despacho nº 0874/2005, da Secretaria de Educação Superior, conforme consta do Processo nº 23000.008657/200371, Registro SAPIEnS nº 20031005334, do Ministério da Educação,
resolve:
Art. 1o Renovar, pelo prazo de três anos, o reconhecimento
do curso de Farmácia, bacharelado, com a habilitação Farmacêutico
Industrial, ministrado pela Universidade Anhembi Morumbi, na cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, mantida pelo Instituto
Superior de Comunicação Publicitária, com sede na cidade de São
Paulo, Estado de São Paulo.
Art. 2o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
FERNANDO HADDAD
PORTARIA Nº 1.349, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O Ministro de Estado da Educação, Interino, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto no 3.860, de 9 de julho de
2001, alterado pelo Decreto no 3.908, de 4 de setembro de 2001, e
tendo em vista Despacho no 0892/2005, da Secretaria de Educação
Superior, conforme consta do Processo nº 23000.009491/2003-19,
Registro SAPIEnS nº 20031006064, do Ministério da Educação, resolve:
Art. 1o Reconhecer, pelo prazo de cinco anos, o curso de
Pedagogia, licenciatura, habilitação em Supervisão Escolar, com 100
(cem) vagas totais anuais, no turno noturno, ministrado pela Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti, no âmbito do instituto superior de educação, na Avenida Tertuliano de
Moura Bueno, s/nº, Bairro Flamenguinho, na cidade de Ibaiti, Estado
do Paraná, mantida pela Associação de Ensino Superior de Ibaiti,
com sede na cidade de Ibaiti, Estado do Paraná.
Art. 2o O reconhecimento a que se refere esta Portaria é
válido exclusivamente para o curso ministrado no endereço mencionado no artigo anterior.
Art.3o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
FERNANDO HADDAD
20
ISSN 1677-7042
PORTARIA Nº 1.350, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O Ministro de Estado da Educação, Interino, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto no 3.860, de 09 de julho
de 2001, alterado pelo Decreto no 3.908, de 04 de setembro de 2001
e tendo em vista o Despacho n.o 0893/2005, da Secretaria de Educação Superior, conforme consta do Processo n.º 23000.007930/200341, Registro SAPIEnS n.º 20031004751, do Ministério da Educação,
resolve:
Art. 1o Reconhecer, pelo prazo de quatro anos, o curso Música, licenciatura, com 40 (quarenta) vagas totais anuais, no turno
diurno, ministrado pela Faculdade de Música Carlos Gomes, no âmbito do instituto superior de educação, na Rua Paula Ney, nº 521, Vila
Mariana, na cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, mantida pela
Arte e Música S/C Ltda., com sede na cidade de São Paulo, Estado de
São Paulo.
Art. 2o O reconhecimento a que se refere esta Portaria é
válido exclusivamente para o curso ministrado no endereço mencionado no artigo anterior.
Art. 3o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
FERNANDO HADDAD
PORTARIA Nº 1.351, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O Ministro de Estado da Educação, Interino, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto no 3.860, de 9 de julho de
2001, alterado pelo Decreto no 3.908, de 4 de setembro de 2001, e
tendo em vista o Despacho no 0900/2005, da Secretaria de Educação
Superior, conforme consta do Processo nº 23000.001216/2004-20,
Registro SAPIEnS nº 20031009747, do Ministério da Educação, resolve:
Art. 1o Reconhecer, pelo prazo de cinco anos, o curso de
Design, bacharelado, habilitação em Comunicação Visual, ministrado
pela Universidade Salvador, na cidade de Salvador, Estado da Bahia,
mantida pela FACS S/C, com sede na cidade de Salvador, Estado da
Bahia.
Art. 2o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
1
e tendo em vista o Despacho no 912/2005, da Secretaria de Educação
Superior, conforme consta do Processo nº 23000.009130/2002-83,
Registro SAPIEnS nº 700237, do Ministério da Educação, resolve:
Art.1o Renovar, pelo prazo de cinco anos, o reconhecimento
do curso de Administração, bacharelado, com 100 (cem) vagas totais
anuais, no turno noturno, ministrado pela Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Atibaia, na Av. Nove de Julho, nº 298, Centro, na
cidade de Atibaia, no Estado de São Paulo, mantida pela Instituição
Educacional Atibaiense S/C Ltda., com sede na cidade de Atibaia, no
Estado de São Paulo.
Art.2o A renovação do reconhecimento a que se refere esta
Portaria é válida exclusivamente para o curso ministrado no endereço
mencionado no artigo anterior.
Art. 3o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
FERNANDO HADDAD
PORTARIA Nº 1.355, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O Ministro de Estado da Educação, Interino, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto no 3.860, de 09 de julho
de 2001, alterado pelo Decreto no 3.908, de 04 de setembro de 2001,
e tendo em vista o Despacho no 917/2005, da Secretaria de Educação
Superior, conforme consta do Processo nº 23033.000788/2001-61,
Registro SAPIEnS nº real000244, do Ministério da Educação, resolve:
Art. 1o Reconhecer, pelo prazo de cinco anos, o curso de
Pedagogia, licenciatura, com as habilitações em Administração Escolar e em Orientação Educacional, com 120 (cento e vinte) vagas
totais anuais, no turno noturno, ministrado pela Faculdade Adventista
de Educação e Ciências Humanas, no âmbito do instituto superior de
educação, na Rua Pastor Hugo Gegembauer, nº 265, Parque Hortolândia, na cidade de Hortolândia, Estado de São Paulo, mantida pela
Instituição Paulista Adventista de Educação e Assistência Social, com
sede na cidade de Artur Nogueira, Estado de São Paulo.
Art. 2o O reconhecimento a que se refere esta Portaria é
válido exclusivamente para o curso ministrado no endereço mencionado no artigo anterior.
Art. 3o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
FERNANDO HADDAD
FERNANDO HADDAD
PORTARIA Nº 1.352, DE 20 DE ABRIL DE 2005
<!ID637427-0>
O Ministro de Estado da Educação, Interino, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto no 3.860, de 09 de julho
de 2001, alterado pelo Decreto no 3.908, de 04 de setembro de 2001,
e tendo em vista o Despacho no 909/2005, da Secretaria de Educação
Superior, conforme consta do Processo nº 23000.010416/2002-10,
Registro SAPIEnS nº 701741, do Ministério da Educação, resolve:
Art. 1o Reconhecer, pelo prazo de quatro anos, o curso de
Letras, licenciatura, com as habilitações em Português e Inglês e
respectivas Literaturas e em Português e Espanhol e respectivas Literaturas, com 180 (cento e oitenta) vagas totais anuais, turno noturno, ministrado pela Faculdade de Ciências Aplicadas Sagrado Coração, no âmbito do instituto superior de educação, na Avenida São
Mateus, nº 1458, Bairro Araçá, na cidade de Linhares, Estado do
Espírito Santo, mantida pela Sociedade Capixaba de Educação Ltda.,
com sede na cidade de Linhares, Estado do Espírito Santo.
Art. 2o O reconhecimento a que se refere esta Portaria é
válido exclusivamente para o curso ministrado no endereço mencionado no artigo anterior.
Art. 3o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
FERNANDO HADDAD
PORTARIA Nº 1.357, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O Ministro de Estado da Educação, Interino, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto no 3.860, de 09 de julho
de 2001, alterado pelo Decreto no 3.908, de 04 de setembro de 2001,
e tendo em vista o Despacho no 911/2005, da Secretaria de Educação
Superior, conforme consta do Processo nº 23000.006883/2004-07,
Registro SAPIEnS nº 20041002438, do Ministério da Educação, resolve:
Art. 1o Renovar, pelo prazo de um ano, o reconhecimento do
curso de Filosofia, licenciatura, com 50 (cinqüenta) vagas totais
anuais, no turno noturno, ministrado pela Faculdade de Ciências e
Educação de Rubiataba, no âmbito do instituto superior de educação,
na Praça Mutum, n.º 186, Centro, na cidade de Rubiataba, Estado de
Goiás, mantida pelo Centro de Ensino Superior de Rubiataba, com
sede na cidade de Rubiataba, Estado de Goiás.
Art. 2o O reconhecimento a que se refere esta Portaria é
válido exclusivamente para o curso oferecido no endereço mencionado no artigo anterior.
Art. 3o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
FERNANDO HADDAD
<!ID636952-0>
PORTARIA Nº 1.353, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O Ministro de Estado da Educação, Interino, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto no 3.860, de 9 de julho de
2001, alterado pelo Decreto no 3.908, de 4 de setembro de 2001, e
tendo em vista o Despacho no 910/2005, da Secretaria de Educação
Superior, conforme consta dos Processos nºs 23000.010417/2002-56 e
23000.010423/2002-11, Registro SAPIEnS nºs 701746 e 701750, do
Ministério da Educação, resolve:
Art. 1o Reconhecer, pelo prazo de quatro anos, o curso de
Ciências Biológicas, bacharelado, ministrado pela Faculdade de Ciências Aplicadas Sagrado Coração, e modalidade licenciatura, ministrada no âmbito do instituto superior de educação da referida instituição, com 60 (sessenta) vagas totais anuais, no turno diurno, na
Avenida São Mateus, nº 1458, Bairro Araçá, na cidade de Linhares,
Estado do Espírito Santo, mantida pela Sociedade Capixaba de Educação Ltda., com sede na cidade de Linhares, Estado do Espírito
Santo.
Art. 2o O reconhecimento a que se refere esta Portaria é
válido exclusivamente para o curso ministrado no endereço mencionado no artigo anterior.
Art. 3o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
FERNANDO HADDAD
DESPACHOS DO MINISTRO
Em 20 de abril de 2005
três anos, do Programa Especial de Formação Pedagógica de Docentes, ministrado pela Faculdade Auxilium de Filosofia, Ciências e
Letras de Lins, situada à Avenida Nicolau Zarvos, n° 754, na cidade
de Lins, Estado de São Paulo, mantida pela Missão Salesiana de Mato
Grosso, com sede na cidade de Campo Grande, Estado de Mato
Grosso do Sul, conforme consta do Processo nº 23000.009914/200392, Registro SAPIEnS n° 20031006430.
Nos termos do art. 2º da Lei nº 9.131, de 24 de novembro de
1995, o Ministro de Estado da Educação, Interino, HOMOLOGA o
Parecer nº 069/2005, da Câmara de Educação Superior do Conselho
Nacional de Educação, favorável à renovação do reconhecimento do
curso de Direito, bacharelado, ministrado à Rua São José, n° 490, na
cidade de Joinville, no Estado de Santa Catarina, pela Faculdade de
Direito de Joinville - FDJ, mantida pela Associação Catarinense de
Ensino - ACE, com sede na cidade de Joinville, no Estado de Santa
Catarina, para fins de expedição e registro de diplomas dos alunos
concluintes até o segundo semestre do ano de 2005, devendo ser
interrompidos os processos de seleção e de acesso para o curso até
que sejam sanadas as pendências indicadas no relatório da Comissão
de Avaliação, conforme consta do Processo nº 23000.000265/200283, Registro SAPIEnS real000214.
Nos termos do art. 2º da Lei nº 9.131, de 24 de novembro de
1995, o Ministro de Estado da Educação, Interino, HOMOLOGA o
Parecer nº 076/2005, da Câmara de Educação Superior do Conselho
Nacional de Educação, favorável ao reconhecimento, pelo prazo de
três anos, do curso de Direito, bacharelado, ministrado no campus
fora de sede, situado na cidade de Arcos, Estado de Minas Gerais,
pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, mantida pela
Sociedade Mineira de Educação, ambas com sede na cidade de Belo
Horizonte, Estado de Minas Gerais, conforme consta do Processo nº
23000.009060/2002-63, Registro SAPIEnS n° 700154.
Nos termos do art. 2º da Lei nº 9.131, de 24 de novembro de
1995, o Ministro de Estado da Educação, Interino, HOMOLOGA o
Parecer nº 081/2005, da Câmara de Educação Superior do Conselho
Nacional de Educação, favorável ao reconhecimento, pelo prazo de
cinco anos, do curso de Odontologia, bacharelado, ministrado pela
Universidade Católica de Brasília, mantida pela União Brasiliense de
Educação e Cultura, ambas com sede na Região Administrativa III,
Taguatinga, no Distrito Federal, conforme consta do Processo nº
23000.004731/2003-81, Registro SAPIEnS n° 20031002846.
Nos termos do art. 2º da Lei nº 9.131, de 24 de novembro de
1995, o Ministro de Estado da Educação, Interino, HOMOLOGA o
Parecer nº 084/2005, da Câmara de Educação Superior do Conselho
Nacional de Educação, favorável ao reconhecimento, pelo prazo de
cinco anos, do curso de Direito, bacharelado, com duzentas vagas
totais anuais, distribuídas em turmas de, no máximo, cinqüenta alunos, nos turnos diurno e noturno, ministrado à Rua Dom Pedro II, n°
400, Bairro Jardim Horácio Cabral, na cidade de Rolândia, Estado do
Paraná, pela Faculdade Paranaense, mantida pela Associação Rolandense de Ensino e Cultura, com sede na cidade de Rolândia,
Estado do Paraná, conforme consta dos Processos nºs
23000.010730/2002-84 e 23000.010733/2002-28, Registros SAPIEnS
n°s 702172-702175.
Nos termos do art. 2º da Lei nº 9.131, de 24 de novembro de
1995, o Ministro de Estado da Educação, Interino, HOMOLOGA o
Parecer nº 088/2005, da Câmara de Educação Superior do Conselho
Nacional de Educação, favorável à extensão do reconhecimento, para
fins exclusivos de expedição de diplomas para as turmas concluintes
nos anos de 2004, 2005 e 2006, do curso de Pedagogia, com as
habilitações Recursos Humanos, Administração Escolar, Supervisão
Escolar e Magistério do Ensino Fundamental e Médio, ministrado
pelas Faculdades Integradas Einstein de Limeira, mantidas pela Associação Limeirense de Educação e Cultura, com sede na cidade de
Limeira, Estado de São Paulo, conforme consta dos Processos nºs
23001.000175/2004-44 e 23001.000034/2003-41.
Nos termos do art. 2º da Lei nº 9.131, de 24 de novembro de
1995, o Ministro de Estado da Educação, Interino, HOMOLOGA o
Parecer nº 047/2005, da Câmara de Educação Superior do Conselho
Nacional de Educação, favorável ao reconhecimento, pelo prazo de
cinco anos, do Programa Especial de Formação de Professores para
aturem nas quatro séries finais do Ensino Fundamental, Médio e
Profissionalizante, ministrado pelo Centro Universitário de Barra
Mansa - UBM, à Rua Vereador Pinho de Carvalho, n° 267, Bairro
Centro, na cidade de Barra Mansa, Estado do Rio de Janeiro, mantido
pela SOBEU - Sociedade Barramansense de Ensino Superior, com
sede na cidade de Barra Mansa, Estado do Rio de Janeiro, conforme
consta do Processo nº 23000.000052/2003-32, Registro SAPIEnS n°
20023002631.
Nos termos do art. 2º da Lei nº 9.131, de 24 de novembro de
1995, o Ministro de Estado da Educação, Interino, HOMOLOGA o
Parecer nº 089/2005, da Câmara de Educação Superior do Conselho
Nacional de Educação, favorável à renovação, pelo prazo de quatro
anos, do reconhecimento do curso de Direito, bacharelado, ministrado
no Núcleo Universitário de Contagem, localizado na cidade de Contagem, Estado de Minas Gerais, integrado ao campus de Belo Horizonte, pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, mantida pela Sociedade Mineira de Cultura, ambas com sede na cidade de
Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais, conforme consta do Processo
nº
23000.002260/2003-76,
Registro
SAPIEnS
n°
20031001184.
Nos termos do art. 2º da Lei nº 9.131, de 24 de novembro de
1995, o Ministro de Estado da Educação, Interino, HOMOLOGA o
Parecer nº 055/2005, da Câmara de Educação Superior do Conselho
Nacional de Educação, favorável à renovação, pelo prazo de três
anos, do reconhecimento do curso de Odontologia, bacharelado, ministrado pela Universidade Federal de Sergipe - UFS, com sede na
cidade de Aracaju, no Estado de Sergipe, mantida pela União, conforme consta do Processo nº 23000.011260/2002-86, Registro SAPIEnS nº 703157.
Nos termos do art. 2º da Lei nº 9.131, de 24 de novembro de
1995, o Ministro de Estado da Educação, Interino, HOMOLOGA o
Parecer nº 090/2005, da Câmara de Educação Superior do Conselho
Nacional de Educação, favorável à renovação, pelo prazo de cinco
anos, do reconhecimento do curso de Direito, bacharelado, ministrado
no Núcleo Universitário de Betim, localizado na cidade de Betim,
Estado de Minas Gerais, integrado ao campus de Belo Horizonte, pela
Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, mantida pela Sociedade Mineira de Cultura, ambas com sede na cidade de Belo
Horizonte, Estado de Minas Gerais, conforme consta do Processo nº
23000.002258/2003-05, Registro SAPIEnS n° 20031001181.
PORTARIA Nº 1.354, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O Ministro de Estado da Educação, Interino, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto no 3.860, de 09 de julho
de 2001, alterado pelo Decreto no 3.908, de 04 de setembro de 2001,
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
Nos termos do art. 2º da Lei nº 9.131, de 24 de novembro de
1995, o Ministro de Estado da Educação, Interino, HOMOLOGA o
Parecer nº 065/2005, da Câmara de Educação Superior do Conselho
Nacional de Educação, favorável ao reconhecimento, pelo prazo de
<!ID636472-0>
Nos termos do art. 2º da Lei nº 9.131, de 24 de novembro de
1995, o Ministro de Estado da Educação, Interino, HOMOLOGA o
Parecer nº 363/2004, da Câmara de Educação Superior do Conselho
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
Nacional de Educação, contrário ao pedido de apostilamento do direito à docência nas séries iniciais do Ensino Fundamental, no diploma do curso de Pedagogia, de ELIANE SHULTZ CAMPOS, tendo em vista que a requerente concluiu o curso posteriormente à
edição da Lei n° 9.394/96 e que, a partir de 20 de dezembro de 1996,
só terão assegurado este direito os que tenham cursado as disciplinas
Estrutura e Funcionamento do Ensino Fundamental e Metodologia do
Ensino Fundamental e tenham realizado a Prática de Ensino no Ensino Fundamental, com carga horária mínima de 300 (trezentas) horas, o que não ocorre no caso em tela, pois a interessada cursou
apenas 180 (cento e oitenta) horas/aula, conforme consta do Processo
nº 23001.000062/2004-49.
Nos termos do art. 2º da Lei nº 9.131, de 24 de novembro de
1995, o Ministro de Estado da Educação, Interino, HOMOLOGA o
Parecer nº 370/2004, da Câmara de Educação Superior do Conselho
Nacional de Educação, contrário ao pedido de apostilamento do direito de docência nas quatro primeiras séries do Ensino Fundamental,
no diploma de Pedagogia de MARIA APARECIDA DE OLIVEIRA,
conforme consta do Processo nº 23001.000204/2004-78.
Nos termos do art. 2º da Lei nº 9.131, de 24 de novembro de
1995, o Ministro de Estado da Educação, Interino, HOMOLOGA o
Parecer nº 372/2004, da Câmara de Educação Superior do Conselho
Nacional de Educação, contrário ao pedido de apostilamento do direito de docência nas quatro primeiras séries do Ensino Fundamental,
no diploma de Pedagogia de CLÊNICE NADIA MESQUITA DE
MATOS e de outros licenciados no curso de Pedagogia, com habilitação em Supervisão Escolar e Orientação Educacional, da Universidade do Amazonas, conforme consta do Processo nº
23001.000071/2004-30.
Nos termos do art. 2º da Lei nº 9.131, de 24 de novembro de
1995, o Ministro de Estado da Educação, Interino, HOMOLOGA o
Parecer nº 045/2005, da Câmara de Educação Superior do Conselho
Nacional de Educação, favorável às alterações de denominação dos
Programas de Pós-Graduação stricto sensu, conforme seguem: Programa em Medicina, área de concentração em Pediatria, níveis de
mestrado e doutorado, para Programa em Ciências da Saúde, com
área de concentração em Saúde da Criança e do Adolescente, da
Universidade Federal de Minas Gerais; Programa em Cirurgia Plástica Restauradora, níveis de mestrado e doutorado, para Programa em
Cirurgia Plástica, da Universidade Federal de São Paulo; Programa
em Medicina, níveis de mestrado e doutorado, para Programa em
Medicina e Ciências da Saúde, da Universidade Estadual de Londrina; Programa em Medicina (Gastroenterologia), níveis de mestrado
e doutorado, para Programa em Ciências em Gastroenterologia, da
Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Programa em Administração Pública para Programa em Administração, e curso de doutorado em Administração Pública para curso de doutorado em Administração, da Fundação Getúlio Vargas do Rio de Janeiro; Programa em Anatomia Patológica, nível de mestrado, para Programa em
Patologia, da Universidade Federal de Pernambuco; Programa em
Engenharia Industrial de Bauru, nível de mestrado, para Programa em
Engenharia Mecânica, da Universidade Estadual Paulista, campus de
Bauru; e Programa em Ciências Humanas, nível de doutorado, para
Programa Interdisciplinar em Ciências Humanas, da Universidade
Federal de Santa Catarina, conforme consta do Processo nº
23001.000012/2005-42.
Nos termos do art. 2º da Lei nº 9.131, de 24 de novembro de
1995, o Ministro de Estado da Educação, Interino, HOMOLOGA o
Parecer nº 074/2005, da Câmara de Educação Superior do Conselho
Nacional de Educação, que retifica o Parecer CNE/CES n° 020/2005,
favorável ao credenciamento, pelo prazo de três anos, do Centro de
Ensino Superior Unificado de Brasília como Centro Universitário
Planalto do Distrito Federal - UNIPLAN, com sede na Região Administrativa I, Brasília, no Distrito Federal, mantido pela Sociedade
Objetivo de Ensino Superior, com sede na cidade de Goiânia, no
Estado de Goiás. A Instituição deverá adequar o seu Estatuto e o
Plano de Desenvolvimento Institucional ao Decreto n° 4.914, de 11
de dezembro de 2003, conforme consta do Processo nº
23000.002731/2003-46, Registro SAPIEnS n° 20031001457.
Nos termos do art. 2º da Lei nº 9.131, de 24 de novembro de
1995, o Ministro de Estado da Educação, Interino, HOMOLOGA o
Parecer nº 077/2005, da Câmara de Educação Superior do Conselho
Nacional de Educação, favorável ao credenciamento, pelo prazo de
três anos, do Centro Universitário de Campo Grande, com sede na
cidade de Campo Grande, no Estado de Mato Grosso do Sul, por
transformação da Faculdade de Campo Grande - FIC, mantida pela
União da Associação Educacional Sul Matogrossense, com sede na
cidade de Campo Grande, no Estado de Mato Grosso do Sul, aprovando neste ato o seu Estatuto e o Plano de Desenvolvimento Institucional. A Instituição deverá adequar o seu Estatuto e o Plano de
Desenvolvimento Institucional ao Decreto n° 4.914, de 11 de dezembro
de
2003,
conforme
consta
do
Processo
nº
23000.013483/2002-88, Registro SAPIEnS n° 707112.
Nos termos do art. 2º da Lei nº 9.131, de 24 de novembro de
1995, e considerando o Relatório da Comissão Especial de Supervisão e Acompanhamento das Faculdades Integradas da Fundação
Educacional Rosemar Pimentel, o Ministro de Estado da Educação,
Interino, HOMOLOGA o Parecer nº 078/2005, da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação, referente ao reconhecimento do Programa Especial de Formação Pedagógica de
Docentes, oferecido pelas Faculdades Integradas da Fundação Educacional Rosemar Pimentel, de caráter presencial, devendo a Instituição proporcionar a complementação de estudos para os alunos
que necessitam complementar conteúdos, carga horária, estágios, de
acordo com as diversas situações apontadas no Relatório, sem quaisquer ônus de ordem financeira para os alunos envolvidos, ficando a
cargo da Coordenação de Curso de cada uma das licenciaturas, ministradas pela IES, a elaboração das propostas de complementação,
com a finalidade de atender ao estabelecido na Resolução CNE/CP nº
2/97, que dispõe sobre os programas especiais de formação pedagógica de docentes para as disciplinas do currículo do ensino fundamental, do ensino médio e da educação profissional em nível médio. A Comissão Especial deverá proceder à validação dos estudos e
posterior apostilamento com vistas à expedição de certificado para os
alunos que necessitam de qualquer tipo de complementação, devendo
a Instituição providenciar a publicação no Diário Oficial da União da
listagem dos novos concluintes do Programa Especial de Formação
Pedagógica de Docentes, com a finalidade de dar conhecimento à
comunidade acadêmica, conforme consta dos Processos nºs
23000.008941/2000-03,
23001.000067/2002-18
e
23000.015693/2002-19.
Nos termos do art. 2º da Lei nº 9.131, de 24 de novembro de
1995, o Ministro de Estado da Educação, Interino, HOMOLOGA o
Parecer nº 080/2005, da Câmara de Educação Superior do Conselho
Nacional de Educação, favorável à criação do turno noturno, com o
remanejamento de oitenta vagas anuais do turno diurno para o noturno, do curso de Direito, bacharelado, ministrado à QS 5, Rua 312,
Lotes 10/12, na Região Administrativa III, Taguatinga, no Distrito
Federal, pela Faculdade de Ciências Tecnológicas e Sociais, mantida
pelo Instituto de Ensino Superior Social, com sede na Região Administrativa III, Taguatinga, no Distrito Federal, devendo a Instituição
tomar todas as providências para resguardar os interesses dos alunos
que se matricularam no turno diurno de nele permanecerem até a
conclusão do curso, conforme consta do Processo nº
23000.013891/2004-00.
Nos termos do art. 2º da Lei nº 9.131, de 24 de novembro de
1995, o Ministro de Estado da Educação, Interino, HOMOLOGA o
Parecer nº 087/2005, da Câmara de Educação Superior do Conselho
Nacional de Educação, favorável à autorização do curso de Odontologia, bacharelado, a ser ministrado à Rua Balbina de Matos n°
2.121, Bairro Jardim, na cidade de Dourados, Estado do Mato Grosso
do Sul, pelo Centro Universitário da Grande Dourados, mantido pela
Sociedade Civil de Educação da Grande Dourados, com sede na
cidade de Dourados, Estado do Mato Grosso do Sul. Autoriza o
funcionamento do referido curso com sessenta vagas anuais, no turno
diurno integral, conforme consta do Processo nº 23000.010594/200313, Registro SAPIEnS n° 20031006901.
FERNANDO HADDAD
CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO
SECRETARIA EXECUTIVA
SÚMULA DE PARECERES
<!ID637993-0>
Reunião ordinária dos dias 5, 6 e 7 de
abril/2005
CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA
Processo: 23001.000059/2005-14 Parecer: CEB 5/2005 Interessado: Ministério Público Federal/Procuradoria da República em
São Paulo - São Paulo (SP) Decisão: Ao responder consulta sobre a
prática de “vestibulinhos” como requisito para o ingresso na Educação Infantil e no Ensino Fundamental, o Relator manifesta-se conforme segue: 1) Não cabe qualquer providência administrativa deste
Conselho, quer com relação ao Conselho Estadual de Educação de
São Paulo e, menos ainda, no que tange a instituições a ele vinculadas. 2) Na hipótese da ocorrência de procura de vagas maior do
que a oferta, a solução apresentada não deve afrontar os princípios
encontradiços na proposta pedagógica. 3) A análise da proposta pedagógica e dos procedimentos avaliativos adotados pelas escolas são
de responsabilidade do sistema de ensino a que elas pertençam Relator: Arthur Fonseca Filho.
CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR
Processo: 23000.018100/2002-68 Sapiens: 20023000695 Parecer: CES 91/2005 Interessado:Centro de Ensino São Judas Tadeu/Faculdade São Judas Tadeu de Pinhais - Pinhais (PR) Decisão:
Favorável ao credenciamento, pelo prazo de 3 (três) anos, da Faculdade São Judas Tadeu de Pinhais para a oferta de cursos de
graduação a distância, à autorização para a oferta do Curso Normal
Superior a distância, com 7 mil vagas anuais, a serem oferecidas nos
Estados do Paraná, São Paulo e Santa Catarina, nas cidades em que a
instituição apresentar convênio de parceria com o Serviço Nacional
de Aprendizagem em Transporte - Senat, para estabelecer pólos para
momentos presenciais, e ao acompanhamento, por parte da Sesu/MEC, durante o primeiro ano de oferta dos cursos a distância
propostos pela Faculdade São Judas Tadeu de Pinhais Relator: Arthur
Roquete de Macedo. Processo: 23000.009824/2003-00 Sapiens:
20031006358 Parecer: CES 92/2005 Interessada: Sinergia Sistema de
Ensino/Faculdade Sinergia - Navegantes (SC) Decisão: Favorável à
autorização para o funcionamento do curso de Direito, bacharelado,
com 100 (cem) vagas totais anuais, em turmas de, no máximo, 50
(cinqüenta) alunos, no turno noturno Relator: Arthur Roquete de
Macedo. Processo: 23000.018067/2002-76 Sapiens: 20023000639 Parecer: CES 93/2005 Interessada: Associação Educacional da Amazônia/Faculdade Seama - Macapá (AP) Decisão: Favorável à au-
ISSN 1677-7042
21
torização para o funcionamento do curso de Psicologia, com 160
(cento e sessenta) vagas totais anuais, em turmas de até 50 (cinqüenta) alunos, no turno diurno Relatora: Marília Ancona-Lopez.
Processo: 23000.013157/2002-71 Sapiens: 706231 Parecer: CES
94/2005 Interessada: Associação de Ensino Dom Bosco de Monte
Aprazível/Faculdade de Educação, Ciências e Artes Dom Bosco de
Monte Aprazível - Monte Aprazível (SP) Decisão: Favorável à autorização para o funcionamento do curso de Direito, bacharelado, com
120 (cento e vinte) vagas totais anuais, no turno noturno, em turmas
de, no máximo, 60 (sessenta) alunos Relatora: Marília Ancona-Lopez.
Processo: 23000.003774/2004-20 Parecer: CES 95/2005 Interessada:
Associação Potiguar de Educação e Cultura/Universidade Potiguar Natal (RN) Decisão: Favorável ao credenciamento, pelo prazo de 5
(cinco) anos, da Universidade Potiguar, para a oferta de cursos superiores nas áreas de sua competência acadêmica, a partir da oferta
inicial dos cursos de Especialização em Gestão Educacional e de
Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável,
na modalidade a distância Relator: Edson de Oliveira Nunes. Processo: 23000.014810/2003-08 Parecer: CES 96/2005 Interessada:
União de Negócios e Administração/Centro Universitário de Ciências
Gerenciais - Belo Horizonte (MG) Decisão: Favorável à aprovação
das alterações do Estatuto do Centro Universitário de Ciências Gerenciais, que passará a denominar-se Centro Universitário UNA, com
limite territorial de atuação circunscrito ao Município de Belo Horizonte, no Estado de Minas Gerais Relator: Edson de Oliveira Nunes.
Processo: 23000.004724/2003-89 Sapiens: 20031002834 Parecer:
CES 97/2005 Interessada: Fundação Universidade de Passo Fundo/Universidade de Passo Fundo - Passo Fundo (RS) Decisão: Favorável à autorização para o funcionamento do curso de Direito,
bacharelado, com 60 (sessenta) vagas totais anuais, no turno noturno,
a ser ministrado no campus Sarandi, no Município de Sarandi, no
Estado de Rio Grande do Sul Relator: Edson de Oliveira Nunes.
Processo: 23000.003092/2004-17 Sapiens: 20041000890 Parecer:
CES 98/2005 Interessada: Fundação Universidade Federal do
Acre/Universidade Federal do Acre - Rio Branco (AC) Decisão: Favorável ao reconhecimento, pelo prazo de 5 (cinco) anos, do Programa Especial de Formação Pedagógica de Docentes para as disciplinas do ensino fundamental, do ensino médio e da educação
profissional de nível médio Relator: Paulo Monteiro Vieira Braga
Barone. Processo: 23000.009696/2003-96 Sapiens: 20031006260 Parecer: CES 99/2005 Interessada: União Brasiliense de Educação e
Cultura/Faculdade Católica do Tocantins - Palmas (TO) Decisão: Favorável à autorização para a oferta do Programa Especial de Formação Pedagógica de Docentes para as quatro séries finais do ensino
fundamental, para o ensino médio e para a educação profissional de
nível médio Relator: Paulo Monteiro Vieira Braga Barone. Processo:
23000.015451/2003-06 Sapiens: 20031008704 Parecer: CES
100/2005 Interessada: Organização Paranaense de Ensino Técnico
Ltda. - Opet/Faculdade Organização Paranaense de Ensino Técnico Curitiba (PR) Decisão: Favorável à autorização para o funcionamento do curso de Direito, bacharelado, com 250 (duzentas e cinqüenta) vagas totais anuais, sendo 150 (cento e cinqüenta) no primeiro semestre e 100 (cem) no segundo semestre, distribuídas em
turmas de até 50 (cinqüenta) alunos, nos turnos diurno e noturno
Relatora: Anaci Bispo Paim. Processo: 23000.009606/2003-67 Sapiens: 20031006158 Parecer: CES 101/2005 Interessada: Sociedade
Educacional Noiva do Mar Ltda./Faculdade Atlântico Sul de Pelotas
- Pelotas (RS) Decisão: Favorável à autorização para o funcionamento
do curso de Direito, bacharelado, com 200 (duzentas) vagas totais
anuais, nos turnos diurno e noturno, em turmas de até 50 (cinqüenta)
alunos Relatora: Anaci Bispo Paim. Processo: 23000.008676/2002-17
Sapiens: 142074 Parecer: CES 102/2005 Interessada: União Brasileira
de Educação e Assistência - Ubea/Pontifícia Universidade Católica do
Rio Grande do Sul - Porto Alegre (RS) Decisão: Favorável à autorização para o funcionamento do curso de Direito, bacharelado, com
120 (cento e vinte) vagas totais anuais, em turmas de até 60 (sessenta)
alunos, a ser ministrado no campus fora de sede, no Município de
Viamão, no Estado do Rio Grande do Sul Relatora: Anaci Bispo
Paim. Processo: 23000.008792/2002-36 Sapiens: 144195 Parecer:
CES 103/2005 Interessada: União para a Formação, Educação e Cultura do ABC/Universidade do Grande ABC - Santo André (SP) Decisão: Favorável à renovação de reconhecimento, pelo prazo de 3
(três) anos, do curso de Direito, bacharelado, devendo a instituição
proceder a todos os ajustes indicados pela comissão de avaliação
Relator: Alex Fiúza de Mello. Processo: 23000.001623/2003-56 Sapiens: 20031000835 Parecer: CES 104/2005 Interessada: Sociedade
Porvir Científico/Centro Universitário La Salle - Canoas (RS) Decisão: Favorável ao reconhecimento, pelo prazo de 4 (quatro) anos,
do curso de Direito, bacharelado Relator: Milton Linhares. Processo:
23000.010499/2004-09 Parecer: CES 105/2005 Interessada: Sociedade Civil de Educação da Grande Dourados/Centro Universitário da
Grande Dourados - Dourados (MS) Decisão: Favorável à aprovação
das alterações do Estatuto do Centro Universitário da Grande Dourados, com limite territorial de atuação circunscrito ao Município de
Dourados, Estado de Mato Grosso do Sul Relator: Edson de Oliveira
Nunes. Processo: 23000.009001/2003-76 Parecer: CES 106/2005 Interessado: Instituto Brasileiro de Estudos Tributários/Instituto Brasileiro de Estudos Tributários - Ibet - São Paulo (SP) Decisão: Favorável ao credenciamento do Instituto Brasileiro de Estudos Tributários - Ibet para ofertar curso de especialização, em regime presencial, na área de Direito Relator: Edson de Oliveira Nunes. Processo: 23001.000008/2005-84 Parecer: CES 107/2005 Interessado:
Omar Pereira Sobrinho - Belo Horizonte (MG) Decisão: Favorável ao
apostilamento, no diploma do curso de Pedagogia do interessado, do
direito ao exercício do magistério nos quatro anos iniciais do ensino
22
ISSN 1677-7042
fundamental Relator: Edson de Oliveira Nunes. Processo:
23000.002308/2004-27 Parecer: CES 108/2005 Interessado: Pró-Cardíaco Pronto Socorro Cardiológico S/A/ Centro de Ensino e Pesquisas
do Pró-Cardíaco (Procep) - Rio de Janeiro (RJ) Decisão: Favorável à
retificação do Voto do Parecer CNE/CES nº 7/2005, que passa a ter a
seguinte redação: Acolho a recomendação favorável do Relatório
MEC/Sesu/Desup/CGAES nº 11/2004 e voto pelo credenciamento,
pelo prazo de 5 (cinco) anos, do Centro de Ensino e Pesquisa do PróCardíaco (Procep), mantido pelo Pró-Cardíaco Pronto Socorro Cardiológico S/A., ambos com sede na cidade do Rio de Janeiro, Estado
do Rio de Janeiro, para ministrar cursos de especialização, em regime
presencial, exclusivamente na área Médica Relator: Arthur Roquete
de Macedo. Processo: 23000.001546/2003-34 Sapiens: 20031000787
Parecer: CES 109/2005 Interessada: Sociedade Objetivo de Ensino
Superior/Instituto Unificado de Ensino Superior Objetivo - Goiânia
(GO) Decisão: Favorável ao reconhecimento, pelo prazo de 5 (cinco)
anos, do curso de Direito, bacharelado, com 200 (duzentas) vagas
totais anuais, com turmas de, no máximo, 50 (cinqüenta) alunos, nos
turnos diurno e noturno Relator: Arthur Roquete de Macedo. Processo: 23000.012308/2002-73 Sapiens: 704780 Parecer: CES
110/2005 Interessado: Instituto Brasileiro de Medicina e Reabilitação/Faculdade de Ciências da Saúde e Sociais - Rio de Janeiro (RJ)
Decisão: Favorável ao credenciamento, por 3 (três) anos, do Centro
Universitário “Euro-Americano”, por transformação da Faculdade de
Ciências da Saúde e Sociais, à alteração do Plano de Desenvolvimento Institucional, incluindo a implantação de novos cursos da
área de saúde, a saber: Ciências Biológicas, Enfermagem e Nutrição,
recomendando à Instituição que os projetos pedagógicos sejam apresentados ao MEC/Sesu para apreciação do mérito dos respectivos
projetos, e à alteração do nome da instituição que passará a denominar-se Centro Universitário Hermínio da Silveira Relatora: Anaci
Bispo Paim. Processo: 23000.006162/2003-16 Sapiens: 20031003640
Parecer: CES 111/2005 Interessado: Sistema de Ensino Superior Ibituruna Ltda./Faculdade de Saúde Ibituruna - Montes Claros (MG)
Decisão: Favorável à autorização para o funcionamento do curso de
Psicologia, com 100 (cem) vagas totais anuais, em turmas de, no
máximo, 50 (cinqüenta) alunos, no turno diurno Relatora: Marília
Ancona Lopez. Processo: 23001.000082/2005-09 Parecer: CES
112/2005 Interessado: Conselho Nacional de Educação/Câmara de
Educação Superior - Brasília (DF) Decisão: Favorável à aprovação
das Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em
Arquitetura e Urbanismo Relatores: Roberto Cláudio Frota Bezerra,
Milton Linhares e Paulo Monteiro Vieira Braga Barone. Processo:
23000.013392/2003-23 Sapiens: 20031008005 Parecer: CES
113/2005 Interessada: Sociedade Educacional de Leme S.A./Centro
Universitário Anhangüera - Leme (SP) Decisão: Ao apreciar o pedido
de recredenciamento do Centro Universitário Anhangüera, a Câmara
de Educação Superior aprova por unanimidade o Voto constante do
Pedido de Vistas, expresso nos seguintes termos: Diante de todo o
exposto, e considerando a tramitação judicial da Ação Civil Pública
promovida pelo Ministério Público do Estado de São Paulo relativa à
unidade localizada na cidade de Limeira, e da eventual insegurança
de juízos provisórios que possam incorrer em decisões conflitantes,
votamos: 1) pelo sobrestamento do presente processo; 2) pela abertura
de sindicância administrativa no Centro Universitário Anhangüera,
para apuração dos fatos que envolveram os vestibulares da instituição,
no ano de 2004, em todas as unidades localizadas fora de sua sede; 3)
pela sustação da tramitação de todos os processos da instituição, nos
termos do art. 13 da Portaria Ministerial nº 4.361, de 29/12/2004,
publicada no DOU de 30/12/2004, exceto aqueles de reconhecimento
de curso para fins exclusivos de registro de diplomas dos alunos que
concluíram seus cursos até o primeiro semestre de 2005; 4) pela
suspensão de realização de novos processos seletivos na instituição
para campi, unidades e cursos não autorizados pelo Ministério da
Educação Relator: Alex Bolonha Fiúza de Mello. Processo:
23001.000111/2004-43 Parecer: CES 114/2005 Interessada: Maria
Margarete Delaia Santana e outros - Linhares (ES) Decisão: Ao
apreciar pedido de reconhecimento de diplomas de curso de PósGraduação stricto sensu, Mestrado em Ciência da Educação, realizado
pela empresa ACO - Especialização Profissional & Pesquisa Ltda.,
com sede em Belo Horizonte/MG, em convênio com o Instituto
Superior Pedagógico Enrique José Varona, da cidade de Havana Cuba, o Relator vota contrariamente à solicitação, recomendando,
contudo, que a Sesu/Desup exerça sua função de supervisão nesse
caso, especialmente junto à empresa ACO - Especialização Profissional & Pesquisa Ltda., com sede em Belo Horizonte/MG, conveniada com o Instituto Superior Pedagógico Enrique José Varona, da
cidade de Havana - Cuba, dada a responsabilidade do Governo com
os estudantes deste nível de ensino Relator: Edson de Oliveira Nunes.
Processo: 23000.003132/2003-40 Sapiens: 20031001727 Parecer:
CES 115/2005 Interessada: Associação Educacional Leonardo da Vinci/Faculdade Metropolitana de Blumenau - Blumenau (SC) Decisão:
Favorável à autorização para o funcionamento do curso de Psicologia,
com 100 (cem) vagas totais anuais, nos turnos diurno e noturno
Relator: Edson de Oliveira Nunes. Processo: 23001.000061/2004-02
Parecer: CES 116/2005 Interessada: Maria Carolina Monteiro Machado de Souza Brando - São Paulo (SP) Decisão: Pelo indeferimento
do pedido de obtenção de diploma de Psicólogo solicitado por Maria
Carolina Monteiro Machado de Souza Brando, tendo em vista não se
tratar de matéria da competência deste Conselho. Encaminhe-se à
interessada o OF.R-722/2004, da Pontifícia Universidade Católica de
São Paulo, o qual sugere solicitação de matrícula por suficiência para
cursar as disciplinas faltantes, sem a necessidade de novo exame
vestibular, como forma de regularizar a situação acadêmica da requerente Relatora: Petronilha Beatriz Gonçalves e Silva Processo:
1
23000.004955/2003-92 Sapiens: 20031002934 Parecer: CES
117/2005 Interessado: Instituto Educacional Piracicabano/Universidade Metodista de Piracicaba - Piracicaba (SP) Decisão: Favorável ao
reconhecimento, pelo prazo de 5 (cinco) anos, do curso de Direito,
bacharelado, ministrado no campus fora de sede, na cidade de Santa
Bárbara D'Oeste, no Estado de São Paulo Relatora: Petronilha Beatriz
Gonçalves e Silva. Processo: 23000.010199/2004-11 Parecer: CES
118/2005 Interessado: Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial
(Senac) - Administração Regional de São Paulo/Centro Universitário
Senac - São Paulo (SP) Decisão: Favorável à aprovação do Estatuto
do Centro Universitário Senac, com sede em São Paulo e unidades
nos Municípios de Campos do Jordão e Águas de São Pedro, no
Estado de São Paulo Relatora: Marilena de Souza Chaui. (Paulo
Monteiro Vieira Braga Barone - Relator ad hoc) Processo:
23000.010398/2004-20 Parecer: CES 119/2005 Interessada: Sociedade Barramansense de Ensino Superior/Centro Universitário de Barra Mansa - Barra Mansa (RJ) Decisão: Favorável à aprovação das
alterações do Estatuto do Centro Universitário de Barra Mansa, com
limite territorial de atuação circunscrito ao Município de Barra Mansa, no Estado do Rio de Janeiro Relatora: Marilena de Souza Chaui
(Paulo Monteiro Vieira Braga Barone - Relator ad hoc) Processo:
23000.018127/2002-51 Sapiens: 20023000741 Parecer: CES
120/2005 Interessada: Comunidade Evangélica Luterana São Paulo/Instituto Luterano de Ensino Superior de Itumbiara - Itumbiara
(GO) Decisão: Favorável à autorização para o funcionamento do
curso de Psicologia, com 100 (cem) vagas totais anuais, em turmas
de, no máximo, 50 (cinqüenta) alunos para aulas teóricas e 25 (vinte
e cinco) alunos para aulas práticas, no turno noturno Relator: Arthur
Roquete de Macedo. Processo: 23000.006934/2004-92 Sapiens:
20041002457 Parecer: CES 121/2005 Interessada: Sociedade Mineira
de Cultura/Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais - Belo
Horizonte (MG) Decisão: Favorável à renovação do reconhecimento,
pelo prazo de 5 (cinco) anos, do curso de Direito, bacharelado, ministrado no campus fora de sede, na cidade de Poços de Caldas, no
Estado de Minas Gerais Relatora: Petronilha Beatriz Gonçalves e
Silva. Processo: 23001.000056/2005-72 Parecer: CES 122/2005 Interessado: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação Superior - Brasília (DF) Decisão: Favorável à aprovação de proposta de
alteração da Resolução CNE/CES nº 2, de 3 de abril de 2001, que
dispõe sobre os cursos de pós-graduação stricto sensu oferecidos no
Brasil por instituições estrangeiras, diretamente ou mediante convênio
com instituições nacionais Relator: Alex Bolonha Fiúza de Mello.
Processo: 23000.012530/2003-57 Sapiens: 20031007704 Parecer:
CES 123/2005 Interessada: Associação Paraibana de Educação e Cultura/Faculdade da Paraíba - João Pessoa (PB) Decisão: Favorável à
autorização para o funcionamento do curso de Direito, bacharelado,
com 80 (oitenta) vagas totais anuais, no turno noturno, com turmas de
até 50 (cinqüenta) alunos cada uma Relator: Alex Fiúza de Mello.
Processo: 23001.000183/2004-91 Parecer: CES 124/2005 Interessada:
Vilma Vieira Mião Oliveira e outros - São Sebastião do Paraíso (MG)
Decisão: Ao apreciar pedido de reconhecimento de diplomas do Programa de Mestrado da Faculdade de Administração de Empresas do
Estado de São Paulo (Faesp), mantida pelo Instituto Paulista de Ciências da Administração (IPCA), em convênio com a Universidade de
Extremadura - Espanha, o Relator manifesta-se conforme segue:
Diante do exposto, acolho os termos da solicitação e recomendo às
Universidades qualificadas, integrantes da relação da Capes, que analisem os documentos dos docentes relacionados no corpo do processo
Relator: Edson de Oliveira Nunes. Processo: 23001.000184/2004-35
Parecer: CES 125/2005 Interessada: Leila Garcia - Campo Belo (MG)
Decisão: Ao responder consulta sobre a necessidade de cumprimento
da Resolução CNE/CP nº 2, de 26 de junho de 1997, que dispõe
sobre os programas especiais de formação pedagógica de docentes
para as disciplinas do currículo do ensino fundamental, do ensino
médio e da educação profissional em nível médio, para egressos de
mestrado em instituição credenciada pelo MEC, o Relator conclui: Os
cursos de especialização e de mestrado não são, segundo a LDB,
exigidos para atuar na educação básica, pois a formação de docentes
far-se-á em nível superior, em curso de licenciatura, de graduação
plena, ministrados em universidades e institutos superiores de educação. A pós-graduação lato sensu e stricto sensu obtida pela consulente não substitui a exigência prevista Resolução CNE/CP nº 2/97
Relator:
Roberto
Cláudio
Frota
Bezerra.
Processo:
23001.000090/2004-66 Parecer: CES 126/2005 Interessada: Ana Paula Nunes de Araújo - São Luís (MA) Decisão: Ao responder consulta
sobre a não aceitação do diploma do curso de Engenharia para o
provimento de vagas no quadro de professor de Matemática no Ensino Médio do Estado do Maranhão, o Relator conclui: Portanto, para
que alguém possa assumir cargo de professor da educação básica, é
indispensável que apresente a titulação exigida pela LDB e pelo edital
de concurso. O fato de a requerente possuir título de mestre não
substitui a exigência da licenciatura plena, pois esta é a que qualifica,
legalmente, o profissional para ser professor da educação básica Relator: Roberto Cláudio Frota Bezerra. Processo: 23000.012779/200281 Sapiens: 705619 Parecer: CES 127/2005 Interessada: Fundação
Regional Integrada/Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai
e das Missões - Erechim (RS) Decisão: Favorável à renovação do
reconhecimento, pelo prazo de 4 (quatro) anos, do curso de Psicologia, ministrado no campus fora de sede situado na cidade de
Santo Ângelo, no Estado do Rio Grande do Sul Relator: Roberto
Cláudio Frota Bezerra.
Brasília, 20 de abril de 2005
GILBERTO AQUINO BENETTI
Secretário Executivo
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA
<!ID637650-0>
PORTARIA Nº 155, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O Reitor da Universidade Federal da Bahia, no uso de suas
atribuições legais, e de acordo com as Portarias nº 450 MPOG D.O.U. de 07/11/02, nº 165/03 MPOG - D.O.U. de 05/09/03, nº
184/03 - D.O.U. de 25/09/03, nº 2782/03 - D.O.U. de 03/10/03, nº
37/04 - D.O.U. de 15/03/04 e nº 711/04 - D.O.U. de 19/03/04,
resolve:
Homologar o resultado do Concurso de Provas e Títulos
realizado por esta Universidade, para as classes de Professor Adjunto
(DE) e Professor Assistente (DE) da Carreira do Magistério Superior,
conforme o Edital nº 03/04 de 30.01.2004, publicado no D.O.U. de
03.02.2004 e com retificações nos D.O.U. de 06.02.2004, de
11.02.2004 e de 12.02.2004 e o Edital nº 08/2004 de 31.08.2004,
publicado no D.O.U. de 02.09.2004.
FACULDADE DE MEDICINA
Departamento: Pediatria
Processo nº 23066.019109/04-59
Matéria: Pediatria com ênfase em Internato em Pediatria
2º LUGAR: LARA DE ARAÚJO TORREÃO
ESCOLA POLITÉCNICA
Departamento: Engenharia Elétrica
Processo nº 23066.028253/04-86
Matéria: Circuitos Elétricos - número de vagas: 01 (código
da vaga nº 0218378)
1º LUGAR: LUCIANA MARTINEZ
2º LUGAR: CRISTIANE CORRÊA PAIM
ESCOLA DE NUTRIÇÃO
Departamento: Ciências dos Alimentos
Processo nº 23066.001849/05-56
Matéria: Administração em Serviços de Alimentação - número de vagas: 01 (código da vaga nº 0606409)
1º LUGAR: INGRID CARDOSO FIDELES
2º LUGAR: LÍLIAN LESSA ANDRADE
FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS
Departamento: Filosofia
Processo nº 23066.002135/05-65
Matéria: Filosofia Geral - número de vagas: 02 (código das
vagas nº 0612068 e nº 0217657)
1º LUGAR: ALEXANDRE NORONHA MACHADO
2º LUGAR: SILVIA FAUSTINO DE ASSIS SAES
3º LUGAR: TITO MARQUES PALMEIRO
4º LUGAR: ADRIANO CORREIA SILVA
Departamento: História
Processo nº 23066.000603/05-21
Matéria: História da América - número de vagas: 01 (código
da vaga nº 0606672)
1º LUGAR: GEORGE EVERGTON SALES SOUZA
Departamento: Psicologia
Processo nº 23066.000347/05-62
Matéria: Processos Psicológicos Básicos - número de vagas:
01 (código da vaga nº 0606706)
1º LUGAR: PATRÍCIA ALVARENGA (Candidato único)
1.Os critérios de desempate obedeceram às determinações
constantes do item 6 do Edital nº 08/2004.
2.Os candidatos deverão manter atualizados seus endereços
para correspondência. Serão excluídos do concurso os candidatos não
localizados em tempo hábil.
3.Este concurso será válido por 1 (um) ano, a contar da data
desta homologação, podendo ser prorrogado por igual período.
4.No ato da admissão o candidato deverá comprovar atendimento a todos os requisitos exigidos para o cargo por ele concorrido, conforme o que consta do item 3 do Edital nº 08/2004.
5.O candidato convocado para admissão que não atender à
convocação no prazo máximo de 5 (cinco) dias úteis, contados a
partir da data de recebimento da correspondência, será excluído do
Concurso, cabendo à Universidade Federal da Bahia, seguindo rigorosa ordem de classificação, convocar o candidato seguinte.
6.Não haverá segunda convocação para o mesmo candidato,
em nenhuma hipótese. Também não será facultado ao candidato optar
por sua inclusão no final da lista de aprovados.
NAOMAR MONTEIRO DE ALMEIDA FILHO
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO
HUMANO E SOCIAL
DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DE
POTENCIALIZAÇÃO DE PESSOAS
<!ID637401-0>
PORTARIA N° 247, DE 20 DE ABRIL DE 2005
A Diretora do Departamento de Desenvolvimento de Potencialização de Pessoas da Universidade Federal de Santa Catarina,
no uso de suas atribuições legais e tendo em vista o que consta no art.
1º do Decreto nº 4.175, de 27 de março de 2002 e art. 12 da Portaria
nº 450, de 06 de novembro de 2002, torna público a prorrogação por
12 meses, a partir de 23 de abril de 2005, o prazo de validade do
concurso público, objeto do Edital nº 072/DRH/2003,de 06 de novembro de 2003, homologado pela Portaria nº 476/DRH/04, publicada no Diário oficial da União de 23/04/04.
CARLA CRISTINA DUTRA BÚRIGO
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
23
nº 30, de 25 de fevereiro de 2005, no art. 5º da Instrução Normativa
DpRF nº 109, de 2 de outubro de 1992, e o constante do processo nº
10108.000100/2005-12, declara:
Art. 1º Incluído no Registro de Ajudante de Despachante
Aduaneiro o Sr. Alécio de Oliveira Rosa, CPF nº 722.608.901-72,
Registro nº: 1A.00.206.
Art. 2º Este ato entra em vigor da data de sua publicação no
Diário Oficial da União.
Ministério da Fazenda
.
ISSN 1677-7042
SECRETARIA EXECUTIVA
SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO
PORTARIA N o- 195, DE 19 DE ABRIL DE 2005
<!ID636581-0>
A SUBSECRETÁRIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO DO MINISTÉRIO DA FAZENDA, no uso de
suas atribuições e tendo em vista o disposto no art. 64, inciso II da Lei no 10.934, de 11 de agosto de 2004, e a delegação de competência de
que trata a Portaria no 76, de 18/04/2005, resolve:
Art. 1o Promover, na forma dos Anexos I e II a esta Portaria, modificação da Modalidade de Aplicação da dotação orçamentária
consignada à unidade orçamentária 25903 - Fundo de Compensação e Variações Salariais, aprovada na Lei no 11.100, de 25 de janeiro de
2005.
Art. 2o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
NILTON TADEU NOGUEIRA
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 12,
DE 19 DE ABRIL DE 2005
<!ID636810-0>
Inscrição no registro de Ajudante de Despachante Aduaneiro de que trata a IN
DpRF nº 109, de 02 de outubro de 1992.
GILDENORA BATISTA DANTAS MILHOMEM
JUSTIFICATIVA
O remanejamento de crédito da Modalidade de Aplicação 30 - Transferências a Estados e ao Distrito Federal para 90 - Aplicações
Diretas tem como finalidade adequar o vigente orçamento às reais necessidades do Fundo de Compensação e Variações Salariais no pagamento
de suas despesas.
25000 - MINISTÉRIO DA FAZENDA
25903 - FUNDO DE COMPENSAÇÃO E VARIAÇÕES SALARIAIS
ANEXO - I
ACRÉSCIMO
FUNCIONAL
PROGRAMÁTICA
AÇÃO/
SUBTÍTULO
E
S
F
G
N
D
R
P
M
D
O
I
U
F
T
E
Valor
Em
R$1,00
04.846.0909.0023.0001
Cobertura do Resíduo Resultante de Contratos Firmados com o Sistema Financeiro da Habitação - Nacional
Remuneração dos Serviços Prestados por Seguradoras - Nacional
Cobertura do Déficit do Seguro Habitacional - Nacional
Cobertura de Sinistros do Seguro de Crédito
FUNDHAB - Nacional
Remuneração de Agentes Financ. pela Administração
do FCVS, do Seguro de Crédito e do Seguro Habitacional - Nacional
TOTAL - FISCAL
TOTAL - GERAL
F
F
3
3
2
2
90
90
0
0
150
180
4.904.499
295.095.501
F
3
2
90
0
180
31.673
F
3
2
90
0
180
11.794.157
F
F
F
F
3
3
3
3
2
2
2
2
90
90
90
90
0
0
0
0
150
180
150
180
4.221.182
38.778.818
9.864.091
126.999.531
O SUPERINTENDENTE DA RECEITA FEDERAL DA 1ª
REGIÃO FISCAL, tendo em vista o disposto no inciso II do art. 249
do Regimento Interno da Receita Federal, aprovado pela Portaria MF
nº 30, de 25 de fevereiro de 2005, no art. 5º da Instrução Normativa
DpRF nº 109, de 2 de outubro de 1992, e o constante do processo nº
10108.000098/2005-73, declara:
Art. 1º Incluída no Registro de Ajudante de Despachante
Aduaneiro a Sra. Vânia Ferreira da Silva Souza, CPF nº 899.360.27191, Registro nº: 1A.00.207.
Art. 2º Este ato entra em vigor da data de sua publicação no
Diário Oficial da União.
NILTON TADEU NOGUEIRA
04.846.0909.0463.0001
04.846.0909.0465.0001
04.846.0909.0467.0001
04.846.0909.0617.0001
491.689.452
491.689.452
ANEXO - II
REDUÇÃO
FUNCIONAL
PROGRAMÁTICA
AÇÃO/
SUBTÍTULO
E
S
F
G
N
D
R
P
M
D
O
I
U
F
T
E
04.846.0909.0023.0001
Cobertura do Resíduo Resultante de Contratos Firmados com o Sistema Financeiro da Habitação - Nacional
Remuneração dos Serviços Prestados por Seguradoras - Nacional
Cobertura do Déficit do Seguro Habitacional - Nacional
Cobertura de Sinistros do Seguro de Crédito
FUNDHAB - Nacional
Remuneração de Agentes Financ. pela Administração
do FCVS, do Seguro de Crédito e do Seguro Habitacional - Nacional
TOTAL - FISCAL
TOTAL - GERAL
F
F
3
3
2
2
30
30
0
0
150
180
4.904.499
295.095.501
F
3
2
30
0
180
31.673
F
3
2
30
0
180
11.794.157
F
F
F
F
3
3
3
3
2
2
2
2
30
30
30
30
0
0
0
0
150
180
150
180
4.221.182
38.778.818
9.864.091
126.999.531
04.846.0909.0465.0001
04.846.0909.0467.0001
04.846.0909.0617.0001
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 14,
DE 18 DE ABRIL DE 2005
<!ID636805-0>
25000 - MINISTÉRIO DA FAZENDA
25903 - FUNDO DE COMPENSAÇÃO E VARIAÇÕES SALARIAIS
04.846.0909.0463.0001
DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL EM ANÁPOLIS
Valor
Em
R$1,00
Concessão de redução da alíquota do IPI de
refrigerantes e refrescos, que contenham
suco de frutas ou extrato de sementes de
guaraná, e que atendam aos requisitos exigidos pelo Ministério da Agricultura.
A DELEGADA DA RECEITA FEDERAL EM ANÁPOLIS/GO, no uso das atribuições conferidas pelo inciso XXI, do artigo 250,
do Regimento Interno da Receita Federal, aprovado pela Portaria MF nº
30, de 25 de fevereiro de 2005, e tendo em vista o que consta nos processos administrativos nºs 13116.000306/2005-23 e 13116.000307/200578, protocolizados em 16 de março de 2005, declara:
Art. 1º Concedido o benefício fiscal da redução da alíquota
do IPI, com base na Nota Complementar (22-1) da TIPI, aprovada
pelo Decreto nº 4.542, de 26 de dezembro de 2002, para os produtos
classificados como refrigerante, nos sabores de laranja e limão dietéticos, das marcas Schin Laranja Diet, e Schin Limão Diet, registrados no Ministério da Agricultura e do Abastecimento sob os nºs
GO-08563 00034-9 e GO-08563 00033-1, respectivamente, produzidos pelo estabelecimento abaixo indicado:
Empresa: Primo Schincariol Indústria de Cervejas e Refrigerantes S.A
CNPJ: 50.221.019/0013-70
Endereço: Rodovia BR 060, s/nº, Km 22, Zona Rural, CEP
72.920-000, Alexânia-GO.
Art. 2º O presente Ato Declaratório Executivo entra em
vigor na data de sua publicação.
ADRIANA HANNUM RESENDE
491.689.452
491.689.452
DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL EM BRASÍLIA
SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL
INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 538, DE 20 DE ABRIL DE 2005
>
0
-
8
0
0
8
3
6
D
I
!
<
Altera a Instrução Normativa SRF nº 117,
de 6 de outubro de 1998.
O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL, SUBSTITUTO, no uso da atribuição que lhe confere o inciso III do art 230 do
Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal, aprovado pela
Portaria MF nº 30, de 25 de fevereiro de 2005, tendo em vista o
disposto no art. 1º do Decreto-Lei nº 2.120, de 14 de maio de 1984,
e com base na competência estabelecida no parágrafo único do art. 12
da Portaria MF nº 39, de 3 de fevereiro de 1995, resolve:
Art. 1º O art 6º da Instrução Normativa SRF nº 117, de 6 de
outubro de 1998, passa a vigorar com a seguinte alteração:
“Art. 6º ...................................................................................
....................................................................................................
III - ...........................................................................................
...................................................................................................
b) US$ 300.00 (trezentos dólares dos Estados Unidos) ou o
equivalente em outra moeda, quando o viajante ingressar no País por
via terrestre, fluvial ou lacustre.
.......................................................................................” (NR)
Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de
sua publicação.
RICARDO JOSE DE SOUZA PINHEIRO
SUPERINTENDÊNCIAS REGIONAIS
1ª REGIÃO FISCAL
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 11,
DE 19 DE ABRIL DE 2005
<!ID636809-0>
Inscrição no registro de Ajudante de Despachante Aduaneiro de que trata a IN
DpRF nº 109, de 02 de outubro de 1992.
O SUPERINTENDENTE DA RECEITA FEDERAL DA 1ª
REGIÃO FISCAL, tendo em vista o disposto no inciso II do art. 249
do Regimento Interno da Receita Federal, aprovado pela Portaria MF
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 3,
DE 20 DE MARÇO DE 2005
<!ID638053-0>
Declara nula Certidão Negativa de Débitos
de Tributos e Contribuições Federais.
A DELEGADA DA RECEITA FEDERAL EM BRASÍLIA DF, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 138 do Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal, aprovado pela Portaria MF nº 030, de 25 de fevereiro de 2005 declara:
Artigo único - Cancelada, sem efeitos desde a sua emissão, a
Certidão Negativa de Débitos de Tributos e Contribuições Federais,
nº E0007261489, emitida em 17/02/2005, em nome de CONSTRUTORA MERIDIANO LTDA - CNPJ nº 03.567.217/0001-76, com
validade até 17/08/2005, face a decisão do Tribunal Regional Federal
da 1a Região nos autos do Agravo de Instrumento nº
2005.01.00.012210-3/DF,
constante
do
Processo
nº
10166.004041/2005-59.
ELIZABETH PINHEIRO DIAS LEITE
24
ISSN 1677-7042
1
DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL EM GOIÂNIA
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 23,
DE 8 DE ABRIL DE 2005
<!ID636806-0>
Declara anulada inscrição no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica.
O DELEGADO DA RECEITA FEDERAL EM GOIÂNIA/GO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal, aprovado pela Portaria MF nº. 030, de 25 de fevereiro de 2005, e tendo em vista o
disposto no inciso I e § 1º do art. 26, da Instrução Normativa SRF nº
200, de 13 de setembro de 2002, e face ao constante no processo
administrativo nº 10120.000451/2002-12 declara:
Art. 1º Anulada a inscrição no Cadastro Nacional da Pessoa
Jurídica - CNPJ, abaixo relacionada, tendo em vista haver sido atribuído mais de um número de inscrição para a mesma pessoa jurídica.
CNPJ nº 01.612.972/0001-08 - SAMURAY MÓVEIS LTDA. ME.
Art. 2º O presente Ato Declaratório Executivo entra em
vigor na data de sua publicação
PAULO BENTO DE MENDONÇA FILHO
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 24,
DE 13 DE ABRIL DE 2005
<!ID636807-0>
Declara excluída da sistemática de pagamentos dos tributos e contribuições de que
trata o art. 3º da Lei nº 9.317/96 a empresa
que menciona.
O DELEGADO DA RECEITA FEDERAL EM GOIÂNIAGO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 227 do
Regime Interno da Secretaria da Receita Federal, aprovado pela Portaria MF nº 259/2001, publicada no DOU de 29 de agosto de 2001,
tendo em vista o disposto nos artigos 14, inciso I, e 15, inciso II, da
Lei nº 9.317, de 05/12/96, com as alterações contidas no art. 3º da Lei
nº 9.732, de 11/12/98; e considerando ainda as informações contidas
no processo administrativo nº 13133.000267/2003-94, declara:
1. A exclusão da empresa ELETRO MINERAÇÃO SÃO
SIMÃO LTDA, CNPJ n.º 01.976.153/0001-31, situada na Av. Minas
Gerais, s/n, Qd. 58, Lt. 04, Centro, CEP 75890-000, São Simão-Go.,
do “Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das
Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte - SIMPLES”, em
virtude de ter débito inscrito em Dívida Ativa da União, cuja exigibilidade não está suspensa, nos termos do art. 9º, inciso XV , da Lei
nº 9.317/96.
2. Os efeitos da exclusão obedecem ao disposto no inciso II
do art. 15 da Lei n.º 9.317/96, com a nova redação dada pela Lei
9.732/98, e art. 24, inciso II, da IN SRF n.º 355/2003, e entram em
vigor a partir de 01/07/2002.
3. Poderá o contribuinte, no prazo de 30 (trinta) dias da
ciência deste, manifestar por escrito, nos termos da Portaria SRF nº
3.608/94, inciso II, sua inconformidade relativamente ao procedimento acima ao Delegado da Receita Federal de Julgamento em
Brasília, assegurados, assim, o contraditório e a ampla defesa.
4. Não havendo manifestação no prazo estipulado, a exclusão
tornar-se-á definitiva.
PAULO BENTO DE MENDONÇA FILHO
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 25,
DE 13 DE ABRIL DE 2005
<!ID636808-0>
Declara excluída da sistemática de pagamentos dos tributos e contribuições de que
trata o art. 3º da Lei nº 9.317/96 a empresa
que menciona.
O DELEGADO DA RECEITA FEDERAL EM GOIÂNIAGO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 227 do
Regime Interno da Secretaria da Receita Federal, aprovado pela Portaria MF nº 259/2001, publicada no DOU de 29 de agosto de 2001,
tendo em vista o disposto nos artigos 14, inciso I, e 15, inciso II, da
Lei nº 9.317, de 05/12/96, com as alterações contidas no art. 3º da Lei
nº 9.732, de 11/12/98; e considerando ainda as informações contidas
no processo administrativo nº 10120.003634/2004-43, declara:
1. A exclusão da empresa BERNARDINA FELIPE CARVALHO, CNPJ n.º 00.791.422/0001-22, do “Sistema Integrado de
Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das
Empresas de Pequeno Porte - SIMPLES”, em virtude de ter débito
inscrito em Dívida Ativa da União, cuja exigibilidade não está suspensa, nos termos do art. 9º, inciso XV , da Lei nº 9.317/96.
2. Os efeitos da exclusão obedecem ao disposto no inciso II
do art. 15 da Lei n.º 9.317/96, com a nova redação dada pela Lei
9.732/98, e art. 24, inciso II, da IN SRF n.º 355/2003, e entram em
vigor a partir de 01/09/2004. [DDRFG1]
3. Poderá o contribuinte, no prazo de 30 (trinta) dias da
ciência deste, manifestar por escrito, nos termos da Portaria SRF nº
3.608/94, inciso II, sua inconformidade relativamente ao procedimento acima ao Delegado da Receita Federal de Julgamento em
Brasília, assegurados, assim, o contraditório e a ampla defesa.
4. Não havendo manifestação no prazo estipulado, a exclusão
tornar-se-á definitiva.
PAULO BENTO DE MENDONÇA FILHO
2ª REGIÃO FISCAL
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 48,
DE 18 DE ABRIL DE 2005
<!ID636811-0>
O SUPERINTENDENTE DA RECEITA FEDERAL NA 2ª
REGIÃO FISCAL, no uso da atribuição que lhe foi conferida pela
Portaria MF nº 30, de 25 de fevereiro de 2005, considerando o
disposto no Decreto nº 4543, de 26 de dezembro de 2002, e na IN
SRF n º 357, de 02 de setembro de 2003, e tendo em vista o contido
no Processo nº 10209.000078/2004-83, resolve:
Art. 1º. Autorizar a empresa CIRUNORTE COMÉRCIO E
REPRESENTAÇÕES LTDA, CNPJ/MF nº 04.759.346/0001-29, a
promover o despacho de importação das mercadorias constantes do
Processo nº 10209.000078/2004-83 através de Declaração Simplificada de Importação - Formulário.
Art. 2º. Este ato entra em vigor na data de sua publicação.
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
da Receita Federal, e em razão do que consta no processo administrativo nº 10380.006826/2004-41, declara:
Cancelada de ofício a inscrição no Cadastro de Pessoa Física
- CPF, de nº 623.725.643-15, em nome de NILMA BORGES FIGUEIREDO, data de nascimento 04.01.1972, nome da mãe Maria
Borges Figueiredo, por atribuição de mais de um número de inscrição
para uma mesma pessoa física.
ESTER MARQUES LINS DE SOUSA
4ª REGIÃO FISCAL
DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL EM
JOÃO PESSOA
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 24,
DE 19 DE ABRIL DE 2005
<!ID636815-0>
Declara a exclusão do Sistema Integrado de
Pagamento de Impostos e Contribuições
(SIMPLES) da empresa que menciona.
JOSÉ BARROSO TOSTES NETO
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 49,
DE 18 DE ABRIL DE 2005
<!ID636812-0>
O SUPERINTENDENTE DA RECEITA FEDERAL NA 2ª
REGIÃO FISCAL, no uso da atribuição que lhe foi conferida pela
Portaria MF nº 30, de 25 de fevereiro de 2005, considerando o
disposto no Decreto nº 4543, de 26 de dezembro de 2002, e na IN
SRF n º 357, de 02 de setembro de 2003, e tendo em vista o contido
no Processo nº 10209.000696/2003-42, resolve:
Art. 1º. Autorizar a empresa CIRUNORTE COMÉRCIO E
REPRESENTAÇÕES LTDA, CNPJ/MF nº 04.759.346/0001-29, a
promover o despacho de importação das mercadorias constantes do
Processo nº 10209.000696/2003-42 através de Declaração Simplificada de Importação - Formulário.
Art. 2º. Este ato entra em vigor na data de sua publicação.
JOSÉ BARROSO TOSTES NETO
DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL EM MACAPÁ
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 2,
DE 4 DE MARÇO DE 2005
<!ID638054-0>
Declara anulada de ofício a inscrição no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica - CNPJ
O DELEGADO DA RECEITA FEDERAL EM MACAPÁ AP, usando de suas atribuições e de acordo com o que consta no
inciso II, do artigo 26 da Instrução Normativa SRF nº 200, de 13 de
setembro de 2002, publicada no D.O.U. do dia 01 de outubro de
2002, declara:
Anulada a inscrição nº 14.494.173/0001-18 no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica - CNPJ da empresa MARIA DE NAZARÉ
SANTOS MACIEL, em virtude de vícios na inscrição, apurados através do processo de nº 10235.000771/2004-39.
MANOEL DE ABREU FEITOZA
3ª REGIÃO FISCAL
DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL EM
FORTALEZA
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 35,
DE 20 DE ABRIL DE 2005
<!ID636813-0>
Declara cancelada de ofício a inscrição no Cadastro de Pessoa Física - CPF que menciona.
A DELEGADA DA RECEITA FEDERAL EM FORTALEZA-CE usando das atribuições que lhe são concedidas pelo artigo
250, inciso II, do Regimento Interno da secretaria da Receita Federal,
aprovado pela Portaria MF nº 030, de 25 de fevereiro de 2005,
publicada no DOU de 04 de março de 2005, e vigência a partir de
19.03.2005, com fulcro no inciso I do artigo 46, e no artigo 47, da
Instrução Normativa nº 461, de 18 de outubro de 2004, da Secretaria
da Receita Federal, e em razão do que consta no processo administrativo nº 13311.000208/2003-18, declara:
Cancelada de ofício a inscrição no Cadastro de Pessoa Física
- CPF, de nº 794.492.985-72, em nome de VITAL LIMA NETO, data
de nascimento 14.11.1961, nome da mãe Alda Pinheiro Lima, por
atribuição de mais de um número de inscrição para uma mesma
pessoa física.
ESTER MARQUES LINS DE SOUSA
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 36,
DE 20 DE ABRIL DE 2005
O DELEGADO DA RECEITA FEDERAL EM JOÃO PESSOA-PB, no uso de suas atribuições que lhe são conferidas pelo art.
227 do Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal, aprovado
pela Portaria MF nº 259, de 24 de agosto de 2001, e tendo em vista
o disposto no art. 14, inciso I e art. 15, inciso II todos da Lei nº 9.317,
de 05 de dezembro de 1996, observadas as alterações constantes do
art. 3° da Lei n° 9.732, de 11de dezembro de 1998, declara:
Art. 1º Fica excluído do “Sistema Integrado de Pagamento
de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de
pequeno Porte (SIMPLES)” o contribuinte LEONARDO SANTANA
NEIVA ME, inscrito no CNPJ sob nº 02.693.756/0001-99, estabelecido à Av. Josefa Taveira, 855, Mangabeira - João Pessoa - PB, por
ter excedido o limite estabelecido pela legislação para as Microempresas e não ter solicitado sua exclusão, conforme disposto no artigo
14, inciso I, da Lei 9.317/96, e demais informações contidas no
processo administrativo nº 11618.001236/2005-44. A exclusão surtirá
efeito a partir de 01/01/2004, a teor do disposto no art. 15, inciso IV,
da Lei nº 9.317/96, com as alterações posteriores.
Art. 2º Poderá o contribuinte, no prazo de 30 (trinta) dias da
ciência deste, apresentar por escrito, suas contestações, relativamente
ao procedimento acima, através de manifestação de inconformidade
dirigida à Delegacia da Receita Federal de Julgamento em Recife/PE,
assegurados, portanto, o contraditório e a ampla defesa.
Art. 3º Não havendo manifestação no prazo estipulado, a
exclusão tornar-se-á definitiva.
MARCONI MARQUES FRAZÃO
5ª REGIÃO FISCAL
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 6,
DE 18 DE ABRIL DE 2005
<!ID636816-0>
O SUPERINTENDENTE DA RECEITA FEDERAL NA 5ª
REGIÃO FISCAL, no uso da atribuição que lhe confere o §1° do art.
5º da Instrução Normativa DpRF n° 109, de 2 de outubro de 1992, e
tendo em vista o disposto no Decreto nº 646, de 9 de setembro de
1992, declara:
Art. 1o Ficam incluídos no Registro de Despachantes Aduaneiros:
CPF
PROCESSO N°
N° 5D.00.286 José Paulo Câncio de Oliveira
INSCRIÇÃO
NOME
513.605.005-53
12689.000249/2005-25
N° 5D.00.287 Marcelo Reverson de Souza
728.844.365-53
12689.000112/2005-71
N° 5D.00.288 Rodrigo Freitas Lima Neto
805.094.605-34
12689.001514/2004-10
N° 5D.00.289 Rosana Rodrigues de Souza
617.485.285-72
12689.000306/2005-76
N° 5D.00.290 Sergio Hasselmann
370.530.865-34
12689.000116/2005-59
Art. 2º Ficam excluídos do Registro de Ajudantes de Despachante Aduaneiro, em virtude da inclusão no Registro de Despachantes Aduaneiros:
CPF
PROCESSO N°
N° 5A.00.224 José Paulo Câncio de Oliveira
INSCRIÇÃO
NOME
513.605.005-53
12689.000826/00-21
N° 5A.00.358 Marcelo Reverson de Souza
728.844.365-53
12689.001063/2002-41
N° 5A.00.360 Rodrigo Freitas Lima Neto
805.094.605-34
12689.001113/2002-90
N° 5A.00.375 Rosana Rodrigues de Souza
617.485.285-72
12689.001341/2002-60
N° 5A.00.361 Sergio Hasselmann
370.530.865-34
12689.001272/2002-94
Art. 3º Ficam incluídos no Registro de Ajudantes de Despachante Aduaneiro:
INSCRIÇÃO
NOME
CPF
PROCESSO N°
N° 5A.00.484 Anderson Luis Sampaio de Santana 801.258.915-04
12689.000122/2005-14
N° 5A.00.485 Bianor Raimundo
Martins Júnior
12689.000019/2005-66
<!ID636814-0>
Declara cancelada de ofício a inscrição no Cadastro de Pessoa Física - CPF que menciona.
A DELEGADA DA RECEITA FEDERAL EM FORTALEZA-CE usando das atribuições que lhe são concedidas pelo artigo
250, inciso II, do Regimento Interno da secretaria da Receita Federal,
aprovado pela Portaria MF nº 030, de 25 de fevereiro de 2005,
publicada no DOU de 04 de março de 2005, e vigência a partir de
19.03.2005, com fulcro no inciso I do artigo 46, e no artigo 47, da
Instrução Normativa nº 461, de 18 de outubro de 2004, da Secretaria
Gonçalves 727.300.805-20
N° 5A.00.486 Daniel Ribeiro de Almeida
008.024.945-01
12689.000254/2005-38
N° 5A.00.487 Dimaci Monteiro de Oliveira
915.801.535-34
12689.000246/2005-91
N° 5A.00.488 João Jorge Plácido Moreira
381.491.765-00
12689.000257/2005-71
N° 5A.00.489 Leandro Garcia Oliveira
009.228.415-94
12689.000390/2005-28
N° 5A.00.490 Maurício Silva Del Secchi
841.873.445-00
12689.000379/2005-68
N° 5A.00.491 Nilton Guimarães Bonin
054.468.565-20
12689.000104/2005-24
N° 5A.00.492 Sergio Luis de Oliveira
482.533.245-53
12689.000186/2005-15
ADALTO LACERDA DA SILVA
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
6ª REGIÃO FISCAL
DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL EM CURVELO
SEÇÃO DE ORIENTAÇÃO E ANÁLISE TRIBUTÁRIA
01.721.039/0001-60
02.843.485/0001-00
03.477.444/0001-00
01.764.822/0001-01
02.854.877/0001-75
03.540.881/0001-21
01.770.091/0001-07
02.930.145/0001-17
03.555.088/0001-04
01.841.157/0001-02
02.937.170/0001-22
03.580.742/0001-21
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO 15,
DE 18 DE ABRIL DE 2005 (*)
01.844.705/0001-58
02.959.562/0001-92
03.586.994/0001-68
01.847.906/0001-09
02.988.288/0001-80
03.599.402/0001-42
03.618.599/0001-10
04.742.155/0001-54
23.938.384/0001-93
03.632.928/0001-87
04.772.841/0001-78
25.544.263/0001-92
03.653.840/0001-41
04.773.138/0001-84
25.690.488/0001-57
03.661.971/0001-70
04.948.748/0001-71
25.775.651/0001-84
03.665.446/0001-23
04.958.505/0001-14
41.710.310/0001-87
03.770.127/0001-88
16.931.586/0001-48
41.907.577/0001-69
03.949.787/0001-20
16.935.579/0001-14
41.941.667/0001-76
03.954.961/0001-23
17.005.117/0001-60
42.804.997/0001-82
03.995.720/0001-22
17.049.362/0001-70
42.840.314/0001-42
04.037.470/0001-80
18.950.592/0001-78
42.841.197/0001-31
04.072.868/0001-58
19.786.631/0001-06
42.868.067/0001-92
04.102.594/0001-00
19.816.289/0001-40
42.869.891/0001-67
04.154.912/0001-79
19.990.795/0001-50
42.880.534/0001-08
04.159.291/0001-16
19.993.930/0001-11
65.194.342/0001-35
04.160.494/0001-22
20.194.510/0001-54
65.205.452/0001-55
04.202.667/0001-28
20.215.091/0001-90
65.225.591/0001-40
04.211.049/0001-44
20.217.329/0001-16
66.450.719/0001-32
04.248.040/0001-08
20.569.752/0001-85
66.463.605/0001-27
04.263.187/0001-77
20.784.179/0001-22
66.481.383/0001-75
04.263.474/0001-87
21.157.532/0001-07
71.227.854/0001-53
04.338.352/0001-02
21.470.240/0001-20
71.394.233/0001-64
04.371.903/0001-30
21.571.385/0001-17
71.417.349/0001-71
04.372.697/0001-82
21.736.236/0001-60
71.458.863/0001-55
04.382.700/0001-49
22.300.206/0001-70
71.507.594/0001-70
04.417.217/0001-52
22.420.210/0001-71
86.408.986/0001-59
04.429.685/0001-47
23.130.693/0001-32
86.483.435/0001-50
04.511.988/0001-04
23.146.749/0001-47
86.523.206/0001-11
04.622.439/0001-07
23.210.974/0001-03
86.573.177/0001-00
04.650.320/0001-48
23.402.191/0001-13
97.474.837/0001-04
04.677.101/0001-52
23.415.151/0001-06
04.711.260/0001-26
23.857.626/0001-14
<!ID636817-0>
Exclui pessoas físicas e jurídicas do Parcelamento Especial (Paes), de que trata o art. 1º
da Lei nº 10.684, de 30 de maio de 2003.
ISSN 1677-7042
Art. 1º - Fica autorizada a utilização dos formulários de que
tratam os art. 4º e 31 da Instrução Normativa SRF nº 155/99, para o
despacho aduaneiro de exportação temporária e reimportação dos
bens destinados ao evento internacional “NÓ” a ser realizado na
cidade Wolfsburg, Alemanha .
Art. 2º - Este ato entrará em vigor na data de sua publicação.
CÉSAR AUGUSTO BARBIERO
SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 55, DE 4 DE MARÇO DE 2005
>
O CHEFE DA SEÇÃO DE ORIENTAÇÃO E ANÁLISE
TRIBUTÁRIA DA DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL EM
CURVELO/MG no uso de suas atribuições e tendo em vista o disposto nos arts. 1º e 7º da Lei nº 10.684, de 30 de maio de 2003, no
art. 12 da Lei nº 11.033, de 21 de dezembro de 2004, nos arts. 9º a
17 da Portaria Conjunta PGFN/SRF nº 3, de 25 de agosto de 2004, e
na Portaria Conjunta PGFN/SRF nº 4, de 20 de setembro de 2004,
declara:
Art. 1º Ficam excluídos do Parcelamento Especial (Paes) de
que trata o art. 1º da Lei nº 10.684, de 30 de maio de 2003, de acordo
com seu art. 7º, as pessoas físicas e jurídicas relacionadas no Anexo
Único a este Ato Declaratório, tendo em vista que foi constatada a
ocorrência de três meses consecutivos ou seis alternados sem recolhimento das parcelas do Paes ou que este tenha sido efetuado em
valor inferior ao fixado nos incisos II e III do § 3º, incisos I e II do
§ 4º e § 6º do art. 1º da Lei nº 10.684, de 2003.
Art. 2º O detalhamento do motivo da exclusão poderá ser
obtido na página da Secretaria da Receita Federal na Internet, no
endereço <www.receita.fazenda.gov.br>, com a utilização da Senha
Paes.
Art. 3º É facultado ao sujeito passivo, no prazo de 10 dias,
contado da data de publicação deste Ato Declaratório Executivo,
apresentar recurso administrativo dirigido ao Delegado da Receita
Federal em Curvelo/MG , no endereço : Rua Pacífico Mascarenhas 365 - centro- Cep 35.790-000 - Curvelo/MG
Art. 4º Não havendo apresentação de recurso no prazo previsto no art. 3º, a exclusão do Paes será definitiva.
Art. 5º Este Ato Declaratório entra em vigor na data de sua
publicação.
FLÁVIA GIOVANA ROCHA SOARES
0
-
7
(Paes).
149.589.106-20
471.097.936-72
006.674.456-33
161.825.376-04
489.242.616-49
013.653.399-04
178.675.256-53
525.521.606-20
041.147.796-04
186.535.188-19
531.970.206-00
041.928.006-59
271.107.886-87
537.094.206-44
042.089.786-00
290.039.461-91
637.426.168-20
049.233.756-04
312.566.786-00
638.968.936-53
051.358.857-49
322.065.346-49
673.833.946-15
067.139.206-91
339.223.496-68
683.751.906-91
095.030.056-04
407.250.066-68
728.829.306-82
095.044.606-82
411.578.776-72
765.372.186-91
095.369.146-20
453.254.306-10
788.813.406-82
105.949.146-04
470.512.726-91
921.625.256-15
Relação dos CNPJ das pessoas jurídicas excluídas
00.337.340/0001-02
01.889.467/0001-05
02.990.584/0001-15
00.448.590/0001-10
01.907.776/0001-52
03.030.722/0001-87
00.459.508/0001-52
01.960.771/0001-93
03.056.111/0001-08
00.578.529/0001-97
02.003.026/0001-19
03.064.760/0001-50
00.801.541/0001-19
02.132.436/0001-60
03.087.653/0001-48
00.833.123/0001-03
02.206.465/0001-29
03.123.979/0001-83
00.849.772/0001-00
02.221.254/0001-65
03.146.624/0001-00
00.924.030/0001-94
02.286.936/0001-56
03.170.660/0001-09
00.982.364/0001-14
02.314.068/0001-70
03.198.860/0001-70
01.022.297/0001-59
02.329.930/0001-19
03.201.488/0001-03
01.033.419/0001-02
02.364.170/0001-80
03.201.799/0001-72
01.114.851/0001-28
02.417.481/0001-60
03.234.113/0001-40
01.132.196/0001-30
02.417.482/0001-05
03.250.904/0001-63
01.152.329/0001-30
02.500.628/0001-81
03.277.573/0001-55
01.348.276/0001-28
02.587.932/0001-08
03.286.104/0001-00
01.497.599/0001-83
02.656.315/0001-17
03.293.935/0001-00
01.598.501/0001-84
02.734.331/0001-80
03.295.100/0001-80
01.622.650/0001-31
02.801.842/0001-78
03.297.726/0001-26
01.705.898/0001-66
02.808.142/0001-05
03.378.639/0001-01
01.709.342/0001-48
02.825.013/0001-25
03.401.588/0001-83
8
6
3
6
D
I
!
<
WALTER SANCHES SANCHES JUNIOR
Chefe
SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 61, DE 7 DE MARÇO DE 2005
>
0
-
8
3
8
6
3
6
D
I
!
<
ASSUNTO: Classificação de Mercadorias
CÓDIGO TIPI Mercadoria
5804.21.00. Rendas de Fabricação Mecânica de Fibras Sintéticas, ( 100% de poliamida), utilizadas para aplicação em langeries,
cortinas, toalhas de mesa, etc., fabricada por Filó S/A., denominada
vulgarmente e comercialmente “Renda Nylon” e tecnicamente produto têxtil feito em máquinas de malharia por urdume, modelos F1033, F1-212, F-255, F1-617, F1-867 E F2-054.
DISPOSITIVOS LEGAIS: RGI 1ª (Texto da Posição 5804),
RGI 6ª (Texto da Subposição 5804.21), e RGC/TIPI-Decreto nº
4542/2002.
WALTER SANCHES SANCHES JUNIOR
Chefe
(*) Republicada por ter saído, no DOU de 19-4-2005, Seção 1, pág.
8, com incorreção no original.
SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 74, DE 23 DE MARÇO DE 2005
Três parcelas consecutivas ou seis alternadas sem recolhimento ou com recolhimento inferior ao fixado nos incisos II e III do
§ 3º, incisos I e II do § 4º e § 6º do art. 1º da Lei nº 10.684, de
2003.
Relação dos CPF das pessoas físicas excluídas
003.670.568-36
3
ASSUNTO: Classificação de Mercadorias
CÓDIGO TEC Mercadoria
8471.80.19. Servidor Web de Alto Desempenho, cuja função
principal é o processamento de dados, com características de multiprocessamento, utilizado em sistema de telefonia convencional e
telefonia IP, marca registrada e fabricante Unysis, modelo VSE500,
denominado vulgarmente “Servidor de Aplicações de Comunicação/Servidor de Aplicações de Rede-(NAP)”, comercialmente “Servidor de Aplicações de Comunicação (Unysis Communication Eusemble)”, científico e técnico “Servidor de Aplicações de Voz (VSEVoice Source Express)”.
DISPOSITIVOS LEGAIS: RGI 1ª (Texto da Posição 8471),
RGI 6ª (Texto da Subposição 8471.80), e RGC-1 da TEC-Decreto nº
2376/1997.
ANEXO ÚNICO
Relação das pessoas excluídas do Parcelamento Especial
25
>
7ª REGIÃO FISCAL
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 98,
DE 14 DE ABRIL DE 2005
<!ID636820-0>
Autoriza a utilização de formulários de Declaração Simplificada de Importação e de
Exportação no caso em que específica.
O SUPERINTENDENTE DA RECEITA FEDERAL NA 7ª
REGIÃO FISCAL, no uso de suas atribuições, considerando o disposto do art.52 da Instrução Normativa SRF nº 155, de 22 de dezembro de 1999 e no art. 3º da Instrução Normativa SRF nº 357, de
3 de setembro de 2003, e à vista do que consta do processo nº
10768.002020/2005-10, declara:
Art. 1º - Fica autorizada a utilização dos formulários de que
tratam os art. 4º e 31 da Instrução Normativa SRF nº 155/99, para o
despacho aduaneiro de Importação e Exportação dos bens destinados
ao evento denominado III Conferência sobre Patologia e Tratamento
do HIV.
Art. 2º - Este ato entrará em vigor na data de sua publicação.
0
-
9
3
8
6
3
6
D
I
!
<
ASSUNTO: Classificação de Mercadorias
CÓDIGO TEC Mercadoria
8413.70.90. Bomba de Combate a Incêndio Diesel Hidráulica, tipo centrifuga, montadas em Container ou SKID, acionadas a
motor diesel, utilizadas em combate a incêndios, em unidades de
produção de petróleo e gás natural (Plataformas e FPSOs), que quando acionadas, bombeiam água para combate a incêndios, fabricadas
por Frank Mohn Flatoy AS., denominadas comercialmente: “Bomba
de Combate a Incêndio Diesel Hidráulica - Montagem em Container”
e“Bomba de Combate a Incêndio Diesel Hidráulica - Montagem em
SKID”.
CÓDIGO TEC Mercadoria
8413.70.90. Bomba de Combate a Incêndio Diesel Elétrica,
tipo centrífuga, montadas em Container ou SKID, acionadas a motor
a diesel, utilizadas em combatea incêndios, em unidades de produção
de petróleo e gás natural (Plataformas e FPSOs), que quando acionadas, bombeiam água para combate a incêndios, fabricadas por
Frank Mohn Flatoy AS., denominadas comercialmente: “Bomba de
Combate a Incêndio Diesel Elétrica- Montagem em Container” e
“Bomba de Combate a Incêndio Diesel Elétrica - Montagem em
SKID”.
DISPOSITIVOS LEGAIS: RGI 1ª (Texto da Posição 8413),
RGI 6ª (Texto da Subposição 8413.70), Regra 3 “b” e RGC-1 da
TEC-Decreto nº 2376/1997.
WALTER SANCHES SANCHES JUNIOR
Chefe
CÉSAR AUGUSTO BARBIERO
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 109,
DE 20 DE ABRIL DE 2005
<!ID638804-0>
Autoriza a utilização de formulários de Declaração Simplificada de Importação e de
Exportação no caso em que específica.
O SUPERINTENDENTE DA RECEITA FEDERAL NA 7ª
REGIÃO FISCAL, no uso de suas atribuições, considerando o disposto do art.52 da Instrução Normativa SRF nº 155, de 22 de dezembro de 1999 e no art. 3º da Instrução Normativa SRF nº 357, de
3 de setembro de 2003, e à vista do que consta do processo nº
10768.002325/2005-21, declara:
SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 78, DE 24 DE MARÇO DE 2005
>
0
-
0
4
8
6
3
6
D
I
!
<
ASSUNTO: Classificação de Mercadorias
CÓDIGO TIPI Mercadoria
7308.20.00. Torre em Ferro ou Aço, fabricada por SOLESA
- Soluções Estruturais S/A, constituído por chapas de aço carbono ou
aço carbono de baixa liga (100%), utilizada em manutenção de equipamentos industriais; aferição de equipamentos; leitura de dados de
equipamentos industriais, etc, completas e montadas ou a montar.
DISPOSITIVOS LEGAIS: RGI 1ª (Texto da Posição 7308),
RGI 6ª (Texto da Subposição 7308.20), e RGC/TIPI-Decreto nº
4542/2002.
WALTER SANCHES SANCHES JUNIOR
Chefe
26
ISSN 1677-7042
1
DIVISÃO DE ADMINISTRAÇÃO ADUANEIRA
(RNS-035), Dourado, Enchova,
Enchova Oeste, Espada, Espadarte,
Estrela do Mar, Garoupa, Garoupinha,
Guaiuba (RNS-128), Guaricema,
Linguado, Malhado, Marimbá,
Marlim, Marlim Leste, Marlim Sul,
Moréia, Namorado, Nordeste de
Namorado, Norte de Pescada
(RNS-033), Oeste de Urubarana
(RNS-071), Pampo, Parati, Pargo,
Peroá, Pescada, Piraúna, Roncador,
Serra (RNS-128), Trilha, Ubarana,
Vermelho, Viola,Voador e Xaréu.
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 105, DE 18 DE ABRIL DE 2005
<!ID636818-0>
O CHEFE DA DIVISÃO DE ADMINISTRAÇÃO ADUANEIRA DA SUPERINTENDÊNCIA
REGIONAL DA RECEITA FEDERAL NA 7ª REGIÃO FISCAL, no uso da competência delegada pela
Portaria SRRF07 nº 170, de 27 de julho de 2004, publicada no D.O.U. de 30 de julho de 2004,
atendendo o previsto no art. 7º da Instrução Normativa SRF nº 4, de 10 de janeiro de 2001, e tendo em
vista o que consta do processo nº 10768.018271/00-40 declara:
Art.1º-Fica a empresa PAN MARINE DO BRASIL LTDA., nova denominação da empresa PAN
MARINE DO BRASIL TRANSPORTES LTDA., inscrita no CNPJ/MF sob o nº 42.519.082/0001-25,
habilitada a utilizar o regime aduaneiro especial de exportação e de importação de bens destinados às
atividades de pesquisa e de lavra das jazidas de petróleo e de gás natural - REPETRO, de que trata o
“caput” e o § 1º do art. 2º da IN SRF nº 4/2001, na execução dos contratos em anexo, até o termo final
estabelecido nos mesmos.
Art.2º-Sem prejuízo da aplicação de penalidade específica, a habilitação para utilizar o REPETRO poderá ser suspensa ou cancelada, na hipótese de ocorrência de situações previstas no art. 34 da
IN SRF nº 4/2001.
Art.3º-Eventuais prorrogações dos contratos especificados serão objeto de novo Ato Declaratório Executivo.
Art.4º-Este Ato entra em vigor na data de sua publicação no Diário Oficial da União.
Art.5º-Fica revogado o Ato Declaratório Executivo SRRF07 nº 92, de 6 de abril de 2005,
publicado no DOU de 11 de abril de 2005.
WALTER SANCHES SANCHES JUNIOR
ANEXO
Nº NO
CONTRATANTE
CNPJ
ÁREA DE CONCESSÃO
(ANP)
Nº DO
TERMO
CONTRATO
FINAL
101.2.033.98-1
Guard Tide (substituição)
Nordertor (19.10.04)
24.03.2006
prorrogação
13.06.2005
Campos em Exploração:
101.2.086.98-5
retificação e
Highlands Tide
prorrogação
Bacias Sedimentares:
101.2.041.00-7
retificação e
Ceará- Amazonas: BPOT-4 e 100
Lion Tide
prorrogação
BPOT-10 (RNS-143)
42.519.082/0006-30
2050.00102170.05-2
Magestic Tide
-
5
3
8
6
3
6
D
I
!
22.09.2006
28.09.2006
29.04.2007
novo
contrato
29.04.2007
novo
contrato
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 108, DE 19 DE ABRIL DE 2005
O CHEFE DA DIVISÃO DE ADMINISTRAÇÃO ADUANEIRA DA SUPERINTENDENCIA
REGIONAL DA RECEITA FEDERAL NA 7ª REGIÃO FISCAL, no uso da competência delegada pela
Portaria SRRF07 nº 170, de 27 de julho de 2004, publicada no D.O.U. de 30 de julho de 2004,
atendendo o previsto no art. 7º da Instrução Normativa SRF nº 4, de 10 de janeiro de 2001, e tendo em
vista o que consta do processo nº 10768. 018144/00-22 declara:
Art.1º-Fica a empresa NOBLE DO BRASIL S/C LTDA., inscrita no CNPJ/MF sob o nº
40.330.078/0001-99, habilitada a utilizar o regime aduaneiro especial de exportação e de importação de
bens destinados às atividades de pesquisa e de lavra das jazidas de petróleo e de gás natural REPETRO, de que trata o “caput” e o § 1º do art. 2º da IN SRF nº 4/2001, na execução dos contratos
a seguir relacionados, até o termo final estabelecido nos mesmos.
Art.2º- Sem prejuízo da aplicação de penalidade específica, a habilitação para utilizar o REPETRO poderá ser suspensa ou cancelada, na hipótese de ocorrência de situações previstas no art. 34 da
IN SRF nº 4/2001.
Art.3º- Eventuais prorrogações dos contratos especificados serão objeto de novo Ato Declaratório Executivo.
Art.4º- Este Ato entra em vigor na data de sua publicação no Diário Oficial da União.
Art.5º- Fica revogado o Ato Declaratório Executivo SRRF07 nº 57, de 9 de março de 2005,
publicado no D.O.U. de 11 de março de 2005.
Nº NO
CONTRATANTE
ÁREA DE CONCESSÃO
(ANP)
(ANP)
CNPJ
Sergipe-Alagoas:BM-SEAL-4,
187.2.085.01-8
prorrogação
SEAL-30 e 100, BT-SEAL-2
Gallusturm
automática
Camamu-Almada: BCAM-40
2050.0010267.05-2
22.02.2007
BM-CAL-1
Raven Tide
novo contrato
Espírito Santo: BES-3, 100 e 200.
187.2.103.01-1
03.05.2005
Campos: BC- 20, 30, 50, 60, 100,
Freyoux Tide
prorrogação
200, 400, 500, 600, BM- C - 3 e 6
187.2.104.01-2
02.05.2005
Santos: BS-3, 400, 500,
Leroy Tide
prorrogação
187.2.105.01-5
02.05.2005
Mercurio del Golfo
prorrogação
187.2.155.01-2
20.01.2006
Goliath Tide
prorrogação
187.2.156.01-5
21.01.2006
Mammoth Tide
prorrogação
Agulha, Albacora, Albacora Leste,
187.2.175.01-3
02.01.2006
Petróleo Brasileiro
Anequim, Arabaiana, Aratum,
Seeker
prorrogação
S.A.
Área do CES -066, Atum, Badejo,
Campo em Desenvolvimento:
Marlim Leste
Campo em Exploração:
Bacia Sed. Campos: BC-500
40.330.078/0001-99
Petróleo Brasileiro
S.A.
06.06.2006
Bagre, Barracuda, Bicudo, Biquara
187.2.060.02-1
retificação e
(RNS-134), Bonito, Caioba , Cangoá,
Oil Provider
prorrogação
Cherne, Cioba(RNS-035), Congro,
187.2.074.02.8
31.03.2006
Coral, Corvina, Curimã, Dentão
Huntetor
prorrogação
SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 54, DE 4 DE MARÇO DE 2005
0
22.05.2005
retificação e
prorrogação
<!ID636819-0>
Carapeba, Caratinga, Caraúna,
>
2050.00102169.05-2
Brute Tide
03.06.2005
Campos em Produção:
42.519.082/0001-25
187.2.096.02-4
Oil Tracer
179.2.020.04-6
Susan Tide
(contrato s/nº de 1.01.2000
com Java Boat Corp.)
179.2.021.04-9
Marathon Runner II
(contrato s/nº de 1.01.2000
com Java Boat Corp.)
Nº DO
TERMO
CONTRATO
187.2.127.01-1
187.2.128.01-4
Noble Léo Segérius
FINAL
19.05.2005
prorrogação
186.2.016.04-3
Noble Muravlenko
10.03.2007
prorrogação
101.2.038.97-5
101.2.039.97-8
Noble Paul Wolff
01.11.2007
prorrogação
16.06.2005
Amazonas: BA-1 e 3
BM-S - 3, 7, 8, 9,10 e 11.
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
<
ASSUNTO: Classificação de Mercadorias
CÓDIGO TIPI Mercadoria
8456.99.00. Máquina de Corte Mecanizada, modelo Autocut
2.5, fabricada por White Martins Gases Industriais Ltda., equipada
com CNC, para corte de metais, pelos processos à Plasma ou Oxicorte exclusivamente.
DISPOSITIVOS LEGAIS: RGI 1ª (Texto da Posição 8456),
RGI 6ª (Texto da Subposição 8456.99), e RGC/TIPI-Decreto nº
4542/2002.
WALTER SANCHES SANCHES JUNIOR
Chefe
SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 85, DE 1 o- DE ABRIL DE 2005
<!ID636836-0>
ASSUNTO: Classificação de Mercadorias
CÓDIGO TEC Mercadoria
8517.50.41. Multiplexadores por Divisão de Tempo, Digitais
Síncronos, com velocidade de transmissão igual ou superiora 155
Mbits/s, marca registrada ZXMP M600, modelo Course WDM, tipo 8
lambdas, equipamento de transmissão CWDM com capacidade máxima de 8+1 comprimentos de onda de 2,5 Gbit/s cada, empregados
em redes metropolitanas de acesso à última milha em fibra óptica,
fabricado por ZTE Corporation - China, denominado vulgar e comercialmente “ZXMP M600 (antigo CWDM)” e tecnicamente “
ZXMP M600 utilizando técnica course WDM”.
Campo em Exploração:
Bacias Sedimentares:
Amazonas: BA-1 e 3
Ceará- Amazonas: BPOT-4, 10 (RNS-143)
e 100
Sergipe-Alagoas: BM-SEAL-4, SEAL-30 e
100, BT-SEAL-2
Camamu-Almada: BCAM-40 e BM-CAL-1
Espírito Santo: BES-3, 100 e 200.
Campos: BC- 20, 30, 50, 60, 100, 200, 400,
500, 600, BM-C-3 e 6
Santos: BS-3, 400, 500, BM-S-3, 7, 8, 9,10,
e 11
186.2.013.04-5
2050.0003914.04.2
Noble Roger Eason
01.09.2006
WALTER SANCHES SANCHES JUNIOR
DISPOSITIVOS LEGAIS: RGI 1ª (Texto da Posição 8517),
RGI 6ª (Texto da Subposição 8517.50), e RGC-1, da TEC-Decreto nº
2376/1997.
WALTER SANCHES SANCHES JUNIOR
Chefe
8ª REGIÃO FISCAL
DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL EM CAMPINAS
SERVIÇO DE ORIENTAÇÃO E ANÁLISE TRIBUTÁRIA
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 5,
DE 19 DE ABRIL DE 2005
<!ID636821-2>
Exclui pessoas físicas e jurídicas do Parcelamento Especial (Paes), de que trata o
artigo 1º da Lei nº 10.684, de 30 de maio
de 2003.
O CHEFE DO SERVIÇO DE ORIENTAÇÃO E ANÁLISE
TRIBUTÁRIA DA DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL EM
CAMPINAS, no uso de suas atribuições e tendo em vista o disposto
nos artigos 1º e 7º da Lei nº 10.684, de 30 de maio de 2003, no art.
12 da Lei nº 11.033, de 21 de dezembro de 2004, nos arts. 9º a 17 da
Portaria Conjunta PGFN/SRF nº 3, de 25 de agosto de 2004, e na
Portaria Conjunta PGFN/SRF nº 4, de 20 de setembro de 2004,
declara:
Art. 1º Ficam excluídos do Parcelamento Especial (Paes) de
que trata o art. 1º da Lei nº 10.684, de 30 de maio de 2003, de acordo
com seu art. 7º, as pessoas físicas e jurídicas relacionadas no Anexo
Único a este Ato Declaratório, tendo em vista que foi constatada a
ocorrência de três meses consecutivos ou seis alternados sem recolhimento das parcelas do Paes ou que este tenha sido efetuado em
valor inferior ao fixado nos incisos II e III do § 3º, incisos I e II do
§ 4º e § 6º do art. 1º da Lei nº 10.684, de 2003.
Art. 2º O detalhamento do motivo da exclusão poderá ser
obtido na página da Secretaria da Receita Federal na Internet, no
endereço <www.receita.fazenda.gov.br>, com a utilização da Senha
Paes.
Art. 3º É facultado ao sujeito passivo, no prazo de 10 dias,
contado da data de publicação deste Ato Declaratório Executivo,
apresentar recurso administrativo dirigido à Delegada da Receita Federal em Campinas, na Avenida Prefeito Faria Lima, 235, Parque
Itália, Campinas.
Art. 4º Não havendo apresentação de recurso no prazo previsto no art. 3º, a exclusão do Paes será definitiva.
Art. 5º Este Ato Declaratório entra em vigor na data de sua
publicação.
ROBERTO ISAAC KIBRIT
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
ANEXO ÚNICO
Relação das pessoas excluídas do Parcelamento Especial
(PAES).Três parcelas consecutivas ou seis alternadas sem recolhimento ou com recolhimento inferior ao fixado nos incisos II e III do
§ 3º, incisos I e II do § 4º e § 6º do art. 1º da Lei nº 10.684, de
2003.
Relação dos CPF das pessoas físicas excluídas
001.487.188-25
102.368.408-00
302.622.678-53
001.702.078-62
102.491.558-18
309.385.706-68
002.714.608-14
102.552.758-54
316.112.657-20
003.504.598-19
102.726.298-80
325.167.624-53
004.910.748-83
104.051.158-90
383.478.308-00
005.274.367-55
112.483.528-82
405.404.808-00
005.675.528-70
116.018.828-90
441.427.816-34
005.928.458-77
116.753.028-47
495.248.527-72
016.470.187-73
120.720.948-10
517.312.408-30
016.851.058-82
121.664.998-72
553.050.168-00
017.023.188-77
122.139.938-15
553.270.448-15
024.781.758-94
125.024.458-76
555.208.638-49
024.850.128-30
129.843.618-49
559.593.268-68
025.072.218-60
132.607.568-33
563.040.720-15
031.681.198-06
134.515.378-34
583.076.648-53
034.876.108-25
134.627.688-91
612.423.228-68
038.562.008-00
134.873.968-15
616.424.288-68
041.791.178-51
136.676.458-72
667.590.138-91
044.638.258-22
136.702.338-65
669.338.548-68
045.856.907-00
137.398.818-52
689.442.768-20
046.495.438-00
137.603.758-04
712.766.708-00
048.155.288-02
139.257.418-87
720.812.018-87
048.393.088-10
141.473.248-19
721.430.378-72
051.642.238-30
149.268.078-82
764.081.168-68
051.739.028-09
154.967.268-16
769.768.318-00
052.493.688-91
161.534.678-30
773.378.248-15
052.660.938-97
167.697.328-15
777.333.558-34
060.907.558-69
172.369.756-72
783.378.018-91
061.966.418-59
173.346.401-87
814.376.338-20
064.344.488-21
200.354.708-87
819.763.218-91
065.154.938-86
204.265.348-91
823.248.328-87
067.379.828-32
209.643.408-44
828.875.278-00
068.766.778-00
213.892.268-59
840.549.568-15
075.434.238-71
216.886.078-54
867.297.648-72
080.708.301-15
245.525.178-05
868.489.258-53
081.772.288-20
259.540.448-21
869.065.428-34
084.506.918-77
261.247.598-29
880.512.508-34
087.101.428-94
269.568.078-31
945.074.228-68
088.573.188-34
270.470.248-91
965.493.358-68
099.696.448-74
272.118.448-25
968.482.948-53
100.094.428-04
273.832.298-00
972.934.157-53
100.291.158-33
286.309.477-72
984.522.906-91
100.553.128-53
290.077.718-68
986.705.497-00
101.803.628-87
Relação dos CNPJ das pessoas jurídicas excluídas
00.006.710/0001-29
02.613.579/0001-93
04.553.621/0001-53
00.011.284/0001-11
02.617.558/0001-46
04.568.544/0001-05
00.022.320/0001-42
02.617.562/0001-04
04.572.610/0001-10
00.122.759/0001-47
02.622.332/0001-33
04.582.602/0001-55
00.143.118/0001-79
02.637.581/0001-00
04.610.651/0001-54
00.167.757/0001-74
02.637.698/0001-86
04.614.453/0001-69
00.202.335/0001-92
02.666.458/0001-00
04.616.006/0001-49
00.204.229/0001-48
02.667.693/0001-04
04.638.891/0001-67
00.213.767/0001-07
02.668.276/0001-78
04.691.016/0001-49
00.223.231/0001-64
02.678.441/0001-72
04.735.173/0001-09
00.234.759/0001-39
02.710.349/0001-42
04.754.519/0001-16
00.253.284/0001-28
02.711.700/0001-10
04.766.694/0001-23
00.257.165/0001-43
02.715.166/0001-10
04.786.338/0001-71
00.264.880/0001-03
02.715.406/0001-86
04.888.164/0001-58
00.268.302/0001-45
02.725.068/0001-63
04.932.815/0001-60
00.273.962/0001-14
02.726.139/0001-42
04.984.692/0001-00
00.285.747/0001-33
02.726.580/0001-24
05.031.289/0001-20
00.314.859/0001-75
02.736.512/0001-46
05.054.667/0001-90
00.323.211/0001-65
02.742.977/0001-00
05.098.953/0001-58
00.327.347/0001-43
02.754.094/0001-10
05.151.528/0001-85
00.331.690/0001-61
02.757.994/0001-10
05.158.604/0001-84
00.409.172/0001-13
02.767.982/0001-77
05.259.847/0001-09
00.411.608/0001-09
02.771.064/0001-11
05.339.568/0001-55
00.425.586/0001-36
02.792.995/0001-04
05.372.718/0001-22
00.444.027/0001-73
02.797.518/0001-23
38.765.236/0001-91
00.449.605/0001-64
02.807.032/0001-29
38.839.320/0001-02
00.456.538/0001-05
02.808.348/0001-35
43.689.504/0001-73
00.466.981/0001-67
02.810.054/0001-48
44.507.952/0001-71
00.487.393/0001-00
02.820.985/0001-27
44.653.095/0001-18
00.490.224/0001-29
02.822.349/0001-34
44.835.452/0001-69
00.496.266/0001-77
02.823.658/0001-29
45.012.002/0001-39
00.498.646/0001-40
02.827.671/0001-56
45.364.247/0001-25
00.515.997/0001-12
02.871.784/0001-59
45.994.191/0001-92
00.519.482/0001-90
00.528.247/0001-85
00.536.837/0001-50
00.548.919/0001-14
00.559.961/0001-30
00.575.128/0001-83
00.578.386/0001-13
00.601.218/0001-00
00.604.261/0001-10
00.613.816/0001-90
00.614.311/0001-40
00.619.078/0001-99
00.625.802/0001-97
00.674.819/0001-34
00.679.317/0001-04
00.721.364/0001-60
00.727.703/0001-16
00.752.809/0001-70
00.784.747/0001-88
00.796.909/0001-06
00.797.310/0001-89
00.802.262/0001-70
00.826.314/0001-48
00.833.531/0001-65
00.866.840/0001-31
00.887.222/0001-78
00.901.344/0001-71
00.903.264/0001-55
00.931.771/0001-00
00.944.575/0001-62
00.947.012/0001-28
00.996.478/0001-13
01.005.906/0001-61
01.055.669/0001-43
01.059.491/0001-09
01.072.689/0001-22
01.107.511/0001-70
01.122.278/0001-02
01.127.035/0001-59
01.161.339/0001-32
01.166.268/0001-60
01.169.018/0001-84
01.202.847/0001-11
01.233.382/0001-66
01.246.129/0001-47
01.262.383/0001-39
01.265.987/0001-39
01.266.957/0001-47
01.316.412/0001-06
01.334.991/0001-01
01.344.504/0001-91
01.380.016/0001-30
01.388.253/0001-47
01.401.324/0001-02
01.404.713/0001-83
01.411.622/0001-75
01.459.548/0001-67
01.469.859/0001-07
01.497.462/0001-29
01.526.547/0001-98
01.535.447/0001-28
01.563.004/0001-40
01.594.080/0001-13
01.594.588/0001-11
01.619.796/0001-28
01.627.540/0001-62
01.658.888/0001-17
01.670.449/0001-20
01.675.493/0001-22
01.719.487/0001-20
01.735.665/0001-06
01.749.292/0001-22
01.759.633/0001-40
01.766.416/0001-88
01.778.036/0001-63
01.792.536/0001-50
01.796.156/0001-93
01.805.882/0001-25
01.826.974/0001-91
01.831.341/0001-71
01.846.384/0001-20
01.850.495/0001-00
01.916.838/0001-92
01.941.180/0001-79
01.941.989/0001-09
01.968.904/0001-78
01.975.877/0001-60
02.008.168/0001-79
02.010.911/0001-25
02.896.913/0001-63
02.904.289/0001-07
02.913.768/0001-81
02.916.223/0001-29
02.922.636/0001-16
02.924.125/0001-33
02.926.720/0001-08
02.926.992/0001-08
02.927.102/0001-82
02.939.095/0001-39
02.965.836/0001-56
02.971.785/0001-75
02.972.399/0001-06
02.981.088/0001-03
02.989.601/0001-02
02.991.375/0001-96
02.996.004/0001-05
03.006.898/0001-01
03.010.983/0001-35
03.013.649/0001-35
03.020.084/0001-13
03.022.544/0001-42
03.023.653/0001-84
03.048.393/0001-00
03.050.864/0001-06
03.071.490/0001-05
03.085.544/0001-91
03.102.039/0001-08
03.110.502/0001-63
03.113.682/0001-37
03.118.451/0001-16
03.122.112/0001-03
03.127.096/0001-41
03.132.927/0001-73
03.140.956/0001-87
03.153.984/0001-39
03.157.844/0001-39
03.165.773/0001-16
03.179.763/0001-30
03.180.644/0001-05
03.186.995/0001-15
03.188.573/0001-89
03.203.578/0001-33
03.205.296/0001-75
03.206.840/0001-01
03.225.213/0001-00
03.248.579/0001-02
03.258.769/0001-00
03.276.533/0001-99
03.287.468/0001-05
03.290.013/0001-30
03.290.948/0001-17
03.301.699/0001-18
03.301.709/0001-15
03.307.411/0001-12
03.314.858/0001-19
03.323.223/0001-88
03.331.149/0001-41
03.339.905/0001-89
03.353.832/0001-80
03.359.467/0001-10
03.370.958/0001-62
03.379.250/0001-72
03.380.281/0001-43
03.393.078/0001-01
03.416.074/0001-00
03.418.606/0001-30
03.428.440/0001-32
03.439.069/0001-04
03.443.400/0001-60
03.451.737/0001-19
03.465.264/0001-09
03.472.848/0001-01
03.492.066/0001-34
03.505.957/0001-88
03.508.427/0001-93
03.521.714/0001-33
03.525.156/0001-84
03.531.570/0001-04
03.557.043/0001-60
03.568.950/0001-05
03.576.018/0001-24
03.584.467/0001-14
03.593.244/0001-13
03.598.116/0001-62
03.611.922/0001-23
03.626.278/0001-67
03.633.280/0001-63
03.643.275/0001-31
46.046.066/0001-13
46.234.837/0001-04
46.795.415/0001-08
47.001.524/0001-60
47.008.982/0001-21
47.628.623/0001-77
48.540.033/0001-50
48.850.846/0001-47
49.414.402/0001-21
49.448.988/0001-45
49.450.505/0001-47
49.912.074/0001-93
50.075.589/0001-65
50.092.725/0001-25
50.102.912/0001-42
50.175.470/0001-64
50.421.544/0001-03
50.895.382/0001-37
51.268.985/0001-71
51.288.165/0001-41
51.878.825/0001-44
51.917.870/0001-60
51.926.046/0001-77
52.210.671/0001-80
52.354.784/0001-50
52.433.950/0001-03
52.708.807/0001-87
52.779.063/0001-91
53.183.919/0001-24
53.363.149/0001-00
53.618.229/0001-50
53.813.291/0001-01
53.918.066/0001-21
54.149.877/0001-78
54.230.107/0001-55
54.294.582/0001-95
54.386.438/0001-89
54.404.371/0001-68
54.680.293/0001-24
54.698.808/0001-13
54.729.470/0001-10
55.251.367/0001-70
55.328.751/0001-23
55.590.426/0001-34
55.936.314/0001-92
56.487.291/0001-49
56.671.316/0001-60
56.835.317/0001-00
56.857.444/0001-00
57.495.269/0001-03
57.500.423/0001-98
57.509.374/0001-54
58.065.590/0001-10
58.336.132/0001-79
58.343.286/0001-98
58.393.356/0001-12
58.448.556/0001-25
58.647.629/0001-08
58.763.145/0001-24
58.839.002/0001-59
58.845.538/0001-87
58.997.594/0001-37
59.003.913/0001-04
59.032.292/0001-97
59.036.533/0001-76
59.125.682/0001-01
59.270.249/0001-60
59.317.305/0001-74
59.342.634/0001-75
59.371.203/0001-37
59.376.418/0001-40
60.027.273/0001-51
60.748.704/0001-79
60.934.361/0001-37
61.044.152/0001-80
61.731.394/0001-42
61.798.633/0001-81
62.042.353/0001-01
62.071.642/0001-39
62.347.174/0001-82
62.356.373/0001-57
62.724.968/0001-18
62.759.956/0001-29
62.824.230/0001-22
64.009.814/0001-70
64.148.257/0001-78
64.602.287/0001-02
64.800.543/0001-76
64.815.699/0001-20
ISSN 1677-7042
27
02.028.691/0001-67
03.643.738/0001-65
65.008.344/0001-92
02.040.787/0001-40
03.684.026/0001-94
65.008.369/0001-96
02.047.276/0001-50
03.706.683/0001-95
65.020.406/0001-81
02.060.669/0001-02
03.715.061/0001-23
65.076.580/0001-46
02.063.831/0001-38
03.717.719/0001-36
65.568.891/0001-22
02.077.197/0001-92
03.723.722/0001-62
65.808.453/0001-94
02.085.880/0001-71
03.725.762/0001-43
65.905.333/0001-05
02.111.670/0001-00
03.747.147/0001-38
65.954.786/0001-21
02.113.651/0001-13
03.756.140/0001-82
65.988.115/0001-81
02.116.166/0001-01
03.802.843/0001-08
66.633.710/0001-67
02.125.792/0001-56
03.824.233/0001-05
66.640.095/0001-16
02.126.481/0001-01
03.835.008/0001-66
66.677.329/0001-08
02.129.293/0001-37
03.854.207/0001-11
66.776.725/0001-84
02.142.301/0001-85
03.867.166/0001-06
66.789.272/0001-20
02.157.739/0001-37
03.894.535/0001-41
66.910.530/0001-85
02.166.549/0001-86
03.895.061/0001-52
67.093.872/0001-12
02.185.801/0001-02
03.901.553/0001-03
67.154.922/0001-24
02.201.855/0001-06
03.932.921/0001-80
67.170.647/0001-32
02.206.383/0001-84
03.950.822/0001-21
67.408.021/0001-11
02.216.669/0001-40
03.959.701/0001-40
67.465.401/0001-98
02.217.308/0001-19
03.982.537/0001-92
67.467.373/0001-48
02.219.554/0001-00
03.993.465/0001-89
67.491.035/0001-41
02.230.103/0001-73
03.995.698/0001-10
67.745.919/0001-85
02.235.256/0001-03
04.014.915/0001-07
67.811.406/0001-25
02.244.219/0001-61
04.037.538/0001-21
68.098.318/0001-90
02.244.905/0001-32
04.048.647/0001-44
68.102.284/0001-60
02.245.733/0001-11
04.055.015/0001-08
68.278.225/0001-48
02.247.551/0001-80
04.056.518/0001-06
68.429.208/0001-64
02.256.353/0001-82
04.065.924/0001-27
68.873.637/0001-26
02.256.598/0001-00
04.090.313/0001-39
69.234.094/0001-60
02.259.838/0001-20
04.102.578/0001-00
71.787.428/0001-74
02.267.346/0001-86
04.118.430/0001-63
72.672.561/0001-48
02.272.594/0001-15
04.130.000/0001-67
72.778.632/0001-91
02.277.576/0001-26
04.177.024/0001-71
72.786.387/0001-64
02.283.157/0001-05
04.196.825/0001-84
72.825.854/0001-18
02.283.599/0001-43
04.202.130/0001-68
72.872.765/0001-22
02.359.996/0001-51
04.228.083/0001-21
72.908.296/0001-54
02.394.350/0001-05
04.251.806/0001-03
72.928.534/0001-93
02.397.570/0001-92
04.252.593/0001-34
72.971.112/0001-09
02.408.274/0001-40
04.325.042/0001-53
72.984.248/0001-45
02.408.597/0001-33
04.326.784/0001-01
73.092.983/0001-07
02.438.332/0001-88
04.335.387/0001-98
73.804.791/0001-86
02.461.941/0001-58
04.351.906/0001-01
74.256.280/0001-30
02.463.827/0001-67
04.377.942/0001-44
74.361.056/0001-08
02.474.459/0001-52
04.398.550/0001-61
74.477.266/0001-66
02.476.468/0001-82
04.405.938/0001-42
74.653.072/0001-74
02.505.028/0001-06
04.428.684/0001-88
74.693.284/0001-85
02.525.630/0001-05
04.448.373/0001-80
96.207.212/0001-13
02.544.308/0001-23
04.464.872/0001-61
96.224.209/0001-08
02.580.658/0001-45
04.466.395/0001-73
96.276.837/0001-37
02.583.321/0001-91
04.517.765/0001-54
96.358.957/0001-83
02.592.451/0001-90
04.530.923/0001-06
96.636.998/0001-94
02.594.894/0001-10
DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL EM MARÍLIA
RETIFICAÇÃO
<!ID636822-0>
No Ato Declaratório Executivo nº 2, de 14/4/2005, publicado
no DOU de 19/4/2005, Seção 1, página 17:
onde se lê “...Art. 5º...”
leia-se “...Art. 2º ...”
DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL EM
PRESIDENTE PRUDENTE
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 3,
DE 19 DE ABRIL DE 2005
<!ID636823-0>
Declara a inidoneidade dos RECIBOS de
tratamento de fisioterapia emitidos em nome de ANA PAULA COSTA MONTEIRO
- CPF nº 766.642.019-68. Fisioterapeuta.
O DELEGADO DA RECEITA FEDERAL EM PRESIDENTE PRUDENTE, ESTADO DE SÃO PAULO, no uso das atribuições
que lhe são conferidas pelo artigo 250 do Regimento Interno da
Secretaria da Receita Federal, aprovado pela Portaria MF nº 030, de
25 de fevereiro de 2005, declara:
Inidôneos, para todos os efeitos tributários, os RECIBOS de
tratamento de fisioterapia emitidos em nome de ANA PAULA COSTA MONTEIRO, CPF nº 766.642.019-68, jurisdicionada nesta Delegacia da Receita Federal, a partir de 01/01/1999 até 31/12/2002,
haja vista serem ideologicamente falsos e, portanto, imprestáveis e
ineficazes para dedução da base de cálculo do imposto de renda
pessoa física a quaisquer usuários dos mesmos, conforme o contido
na Súmula Administrativa de Documentação Tributariamente Ineficaz
- processo administrativo nº 10835.000779/2005-17.
JOSÉ ROBERTO MAZARIN
28
ISSN 1677-7042
DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL EM SOROCABA
SEÇÃO DE ORIENTAÇÃO E ANÁLISE TRIBUTÁRIA
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 11,
DE 19 DE ABRIL DE 2005
<!ID636824-0>
Exclui sujeitos passivos do Parcelamento
Especial (Paes), de que trata o art. 1º da Lei
nº 10.684, de 30 de maio de 2003.
O CHEFE DA SEÇÃO DE ORIENTAÇÃO E ANÁLISE
TRIBUTÁRIA DA DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL EM SOROCABA, uso de suas atribuições, e tendo em vista o disposto nos
arts. 1º e 7º da Lei nº 10.684, de 30 de maio de 2003, no art. 12 da
Lei nº 11.033, de 21 de dezembro de 2004, nos arts. 9º a 17 da
Portaria Conjunta PGFN/SRF nº 3, de 25 de agosto de 2004, e na
Portaria Conjunta PGFN/SRF nº 4, de 20 de setembro de 2004,
declara:
Art. 1º Ficam excluídos do Parcelamento Especial (Paes) de
que trata o art. 1º da Lei nº 10.684, de 30 de maio de 2003, na forma
do art. 7º da citada lei, os sujeitos passivos relacionados no Anexo
Único, tendo em vista que foi constatada a ocorrência de três meses
consecutivos ou seis alternados em que o sujeito passivo não efetuou
recolhimento das parcelas do Paes ou que estes tenham sido realizados em valor inferior ao fixado nos incisos II e III do § 3º, incisos
I e II do § 4º e § 6º do art. 1º da Lei nº 10.684, de 2003.
Art. 2º O detalhamento da motivação da exclusão pode ser
obtido na página da Secretaria da Receita Federal na Internet, no
endereço <www.receita.fazenda.gov.br>, com a utilização da Senha
Paes.
Art. 3º É facultado ao sujeito passivo, no prazo de 10 dias,
contado da data de publicação deste Ato Declaratório Executivo,
apresentar recurso administrativo dirigido ao Delegado da Receita
Federal em Sorocaba, no endereço: Rua Prof. Dirceu Ferreira da
Silva, nº 111 - Alto da Boa Vista - Sorocaba - SP - CEP - 18013565.
Art. 4º Não havendo apresentação de recurso no prazo previsto no art. 3º, a exclusão do Paes tornar-se-á definitiva.
Art. 5º Este ato entra em vigor na data de sua publicação.
JOSÉ ELIAS DE MELLO NETO
ANEXO ÚNICO
Relação das pessoas excluídas do Parcelamento Especial
(Paes).Três parcelas consecutivas ou seis alternadas sem recolhimento
ou com recolhimento inferior ao fixado nos incisos II e III do § 3º,
incisos I e II do § 4º e § 6º do art. 1º da Lei nº 10.684, de 2003.
Relação dos CPF das pessoas físicas excluídas
008.917.648-01
106.218.938-89
206.406.928-34
014.206.278-21
110.331.108-50
208.467.978-87
1
00.890.477/0001-90
03.320.039/0001-84
04.769.107/0001-50
00.906.710/0001-85
03.321.516/0001-26
04.778.634/0001-20
00.919.781/0001-12
03.341.083/0001-70
04.829.241/0001-07
01.026.909/0001-81
03.342.338/0001-10
04.863.235/0001-68
01.031.336/0001-84
03.346.813/0001-26
04.867.083/0001-71
01.110.971/0001-57
03.350.141/0001-22
04.885.699/0001-75
01.129.590/0001-10
03.352.072/0001-96
04.888.445/0001-00
01.143.038/0001-86
03.366.261/0001-18
04.902.407/0001-65
01.145.293/0001-68
03.374.103/0001-00
04.945.394/0001-01
01.155.983/0001-06
03.416.841/0001-72
04.979.982/0001-66
01.183.972/0001-21
03.428.478/0001-05
04.980.347/0001-07
01.188.734/0001-09
03.432.054/0001-14
05.047.579/0001-61
01.194.350/0001-07
03.433.974/0001-57
05.076.590/0001-50
01.222.790/0001-12
03.449.768/0001-35
05.093.862/0001-20
01.271.035/0001-28
03.478.130/0001-22
05.338.084/0001-91
01.281.916/0001-20
03.479.260/0001-80
39.000.252/0001-56
01.295.873/0001-31
03.485.920/0001-35
43.599.224/0001-74
01.390.441/0001-00
03.490.495/0001-72
45.312.030/0001-71
01.404.134/0001-30
03.516.118/0001-65
47.616.263/0001-93
01.413.189/0001-07
03.519.141/0001-03
47.820.535/0001-72
01.494.792/0001-60
03.528.919/0001-40
48.996.425/0001-29
01.518.345/0001-02
03.533.686/0001-74
49.702.004/0001-00
01.561.009/0001-34
03.534.017/0001-17
49.708.175/0001-47
01.592.135/0001-56
03.538.496/0001-40
50.337.443/0001-40
01.603.536/0001-64
03.549.584/0001-47
50.796.523/0001-64
01.603.545/0001-55
03.607.182/0001-51
51.105.120/0001-94
01.603.593/0001-43
03.607.590/0001-03
51.333.912/0001-16
01.653.902/0001-90
03.616.532/0001-46
54.555.594/0001-26
01.664.357/0001-37
03.620.970/0001-88
55.955.827/0001-40
01.695.619/0001-20
03.656.826/0001-00
56.646.524/0001-09
01.716.770/0001-06
03.657.486/0001-23
57.057.564/0001-88
01.726.218/0001-90
03.694.269/0001-03
57.069.684/0001-03
01.738.854/0001-32
03.696.122/0001-52
57.960.973/0001-90
01.748.719/0001-78
03.709.178/0001-02
58.243.411/0001-98
01.782.319/0001-89
03.709.711/0001-28
58.658.816/0001-97
01.855.860/0001-70
03.732.101/0001-45
59.561.654/0001-37
01.949.939/0001-60
03.767.184/0001-08
59.776.856/0001-04
02.008.778/0001-72
03.767.197/0001-87
60.122.223/0001-53
02.015.351/0001-00
03.767.215/0001-20
60.430.477/0001-39
02.033.145/0001-14
03.767.223/0001-77
60.620.036/0001-08
02.035.051/0001-84
03.780.117/0001-23
61.101.739/0001-84
02.066.463/0001-81
03.783.224/0001-05
61.749.941/0001-17
02.078.993/0001-40
03.788.776/0001-06
62.248.422/0001-38
02.094.766/0001-08
03.812.959/0001-10
62.251.673/0001-71
02.102.786/0001-83
03.813.905/0001-79
62.492.624/0001-20
02.108.534/0001-61
03.813.931/0001-05
64.579.519/0001-59
02.111.121/0001-36
03.813.984/0001-18
64.961.303/0001-53
020.794.098-32
122.533.608-21
248.281.818-49
021.301.128-03
122.827.958-65
249.272.369-00
02.112.169/0001-69
03.837.448/0001-52
65.723.074/0001-00
026.845.188-58
140.131.988-27
251.166.577-87
02.117.541/0001-20
03.852.053/0001-29
65.821.704/0001-70
026.918.148-23
140.367.848-03
255.834.588-52
02.136.938/0001-69
03.854.970/0001-42
65.860.892/0001-46
029.521.788-01
141.958.368-91
266.995.591-68
02.143.553/0001-29
03.863.944/0001-80
65.881.823/0001-19
029.521.998-09
145.933.519-87
275.411.428-91
02.184.168/0001-20
03.879.017/0001-59
65.926.412/0001-00
030.950.818-55
155.705.898-99
299.658.108-34
02.228.125/0001-07
03.885.008/0001-70
65.968.265/0001-23
038.820.718-34
164.385.968-41
361.373.838-49
02.238.516/0001-02
03.936.253/0001-60
66.796.699/0001-56
046.512.348-10
164.815.858-72
588.564.208-72
02.244.052/0001-39
03.938.188/0001-01
66.843.822/0001-42
052.585.198-48
167.291.788-33
673.200.829-34
02.288.904/0001-90
03.938.439/0001-58
66.908.435/0001-47
071.968.728-43
169.008.558-49
796.291.998-15
087.326.868-70
172.542.996-91
890.060.388-49
02.326.450/0001-02
03.955.724/0001-87
67.063.602/0001-69
087.363.448-93
177.309.768-70
983.589.798-00
02.361.520/0001-55
03.993.032/0001-23
67.360.495/0001-30
099.647.428-51
197.275.078-08
984.133.178-00
02.370.718/0001-03
03.998.284/0001-45
67.559.914/0001-68
02.371.123/0001-64
04.025.149/0001-86
67.590.786/0001-15
02.385.681/0001-89
04.025.156/0001-88
67.739.268/0001-10
02.440.850/0001-36
04.041.491/0001-70
68.137.231/0001-85
02.460.951/0001-79
04.044.757/0001-38
68.149.798/0001-71
Relação dos CNPJ das pessoas jurídicas excluídas
00.007.730/0001-14
02.954.617/0001-71
04.293.095/0001-30
00.014.151/0001-07
02.972.229/0001-13
04.320.617/0001-45
02.556.916/0001-58
04.049.622/0001-65
68.275.759/0001-10
00.014.791/0001-09
02.989.602/0001-49
04.412.040/0001-00
02.575.903/0001-26
04.049.845/0001-22
68.359.967/0001-06
00.202.114/0001-14
03.001.587/0001-41
04.417.716/0001-40
02.590.381/0001-31
04.071.533/0001-15
68.443.621/0001-83
00.226.899/0001-65
03.017.638/0001-23
04.428.601/0001-50
02.642.985/0001-84
04.074.424/0001-51
69.205.870/0001-01
00.251.125/0001-94
03.024.695/0001-30
04.448.432/0001-10
02.665.183/0001-90
04.077.284/0001-75
69.228.633/0001-58
00.283.934/0001-88
03.036.846/0001-70
04.473.657/0001-27
02.665.898/0001-42
04.081.492/0001-48
71.492.540/0001-88
00.300.463/0001-79
03.062.971/0001-54
04.505.622/0001-22
02.688.900/0001-07
04.122.549/0001-00
71.649.305/0001-77
00.425.729/0001-00
03.089.461/0001-70
04.534.703/0001-50
02.720.465/0001-42
04.130.192/0001-01
71.686.331/0001-75
00.432.664/0001-20
03.117.888/0001-35
04.578.781/0001-57
02.761.555/0001-81
04.133.728/0001-42
71.772.909/0001-06
00.471.867/0001-25
03.126.251/0001-05
04.582.463/0001-60
00.538.344/0001-59
03.168.253/0001-67
04.587.404/0001-84
02.793.664/0001-80
04.156.536/0001-51
71.824.098/0001-40
00.567.934/0001-00
03.170.544/0001-90
04.631.803/0001-03
02.795.429/0001-48
04.194.215/0001-41
71.841.951/0001-31
00.570.800/0001-48
03.187.071/0001-33
04.633.370/0001-17
02.806.528/0001-88
04.197.949/0001-84
71.949.192/0001-25
00.582.113/0001-42
03.227.547/0001-12
04.636.063/0001-90
02.809.400/0001-78
04.242.865/0001-15
72.926.173/0001-46
00.595.038/0001-54
03.263.681/0001-79
04.638.534/0001-07
02.820.062/0001-75
04.258.650/0001-92
73.163.875/0001-88
00.595.326/0001-09
03.269.213/0001-01
04.671.645/0001-07
02.906.871/0001-02
04.266.264/0001-42
74.435.447/0001-20
00.632.891/0001-07
03.280.721/0001-90
04.720.810/0001-73
02.938.624/0001-80
04.274.058/0001-84
96.288.485/0001-30
00.754.710/0001-07
03.301.908/0001-23
04.741.412/0001-33
02.954.359/0001-23
04.278.934/0001-40
00.845.662/0001-62
03.302.912/0001-06
04.764.522/0001-10
96.629.886/0001-06
96.686.324/0001-02
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
9ª REGIÃO FISCAL
DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL EM
BLUMENAU
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 6,
DE 18 DE ABRIL DE 2005
<!ID636825-0>
Reconhece, à unidade produtora da empresa que especifica, o Direito à Redução do
IRPJ e adicionais não restituíveis - de que
tratam os artigos 13 e 14 da Lei 4.239, de
27/06-63, com as alterações trazidas pela
Lei 9.532, de 10/12/97 e pela Medida Provisória 2.199, de 24/08/2001.
O DELEGADO DA RECEITA FEDERAL EM BLUMENAU, usando da atribuição que lhe confere o artigo 60 da Instrução
Normativa SRF n.º 267, de 23 de dezembro de 2002 e o art. 250,
inciso XXI do Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal,
aprovado pela Portaria MF 30 de 25/02/2005 (DOU 04/03/2005) e
tendo em vista o que consta nos Processos Administrativos n.º
13971.000011/2005-77 e 13971.000013/2005-66, declara:
Art. 1º A empresa BUNGE ALIMENTOS S/A, CNPJ
84.046.101/0001-93, teve Reconhecido o Direito à Redução do IRPJ
e adicionais não restituíveis, relativo ao lucro da exploração da atividade de “Extração e Beneficiamento de óleos vegetais e subprodutos”, desenvolvida na unidade situada na cidade de Luís Eduardo
Magalhães/BA, CNPJ 84.046.101/0228/39, em 25% entre 17 de abril
de 2004 e 31 de dezembro de 2008 e em 12,5% entre 1º de janeiro de
2009 e 31 de dezembro de 2013.
Parágrafo Único O lucro da exploração da atividade incentivada mencionada no caput deste artigo decorrente da produção que
exceder 468.930 t/ano goza do benefício de redução de 75% do IRPJ
e adicionais não restituíveis, tendo início tal benefício no ano calendário de 2004 e término no ano calendário de 2013.
Art. 2º A prática de atos que configurem crimes contra a
ordem tributária (Lei nº 8.137, de 27 de dezembro de 1990), bem
assim a falta de emissão de notas fiscais, nos termos da Lei nº 8.846,
de 21 de janeiro de 1994, acarretarão à pessoa jurídica infratora a
perda, no ano-calendário correspondente, dos incentivos e benefícios
de redução ou isenção previstos na legislação tributária.
Art. 3º Este Ato Declaratório Executivo entra em vigor na
data de sua publicação no Diário Oficial da União.
EDISON JOSÉ SANTANA DA CRUZ
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 7,
DE 18 DE ABRIL DE 2005
<!ID636826-0>
Reconhece, à unidade produtora da empresa que especifica, o Direito à Redução do
IRPJ e adicionais não restituíveis - de que
trata o artigo 13 da Lei 4.239, de 27/06-63,
com as alterações trazidas pela Lei 9.532,
de 10/12/97 e pela Medida Provisória
2.199, de 24/08/2001.
O DELEGADO DA RECEITA FEDERAL EM BLUMENAU, usando da atribuição que lhe confere o artigo 60 da Instrução
Normativa SRF n.º 267, de 23 de dezembro de 2002 e o art. 250,
inciso XXI do Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal,
aprovado pela Portaria MF 30 de 25/02/2005 (DOU 04/03/2005) e
tendo em vista o que consta no Processos Administrativo n.º
13971.000012/2005-11, declara:
Art. 1º A empresa BUNGE ALIMENTOS S/A, CNPJ
84.046.101/0001-93, teve Reconhecido o Direito à Redução do IRPJ
e adicionais não restituíveis de 75%, relativo ao lucro da exploração
da atividade de “Produção de margarinas, cremes vegetais e subprodutos”, de sua unidade produtora situada na cidade de Ipojuca/PE,
CNPJ 84.046.101/0248-82, com início no ano calendário de 2004 e
término no ano calendário de 2013.
Art. 2º A prática de atos que configurem crimes contra a
ordem tributária (Lei nº 8.137, de 27 de dezembro de 1990), bem
assim a falta de emissão de notas fiscais, nos termos da Lei nº 8.846,
de 21 de janeiro de 1994, acarretarão à pessoa jurídica infratora a
perda, no ano-calendário correspondente, dos incentivos e benefícios
de redução ou isenção previstos na legislação tributária.
Art. 3º Este Ato Declaratório Executivo entra em vigor na
data de sua publicação no Diário Oficial da União
EDISON JOSÉ SANTANA DA CRUZ
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 8,
DE 18 DE ABRIL DE 2005
<!ID636827-0>
Reconhece, à unidade produtora da empresa que especifica, o Direito à Redução do
IRPJ e adicionais não restituíveis - de que
tratam os artigos 13 e 14 da Lei 4.239, de
27/06-63, com as alterações trazidas pela
Lei 9.532, de 10/12/97 e pela Medida Provisória 2.199, de 24/08/2001.
O DELEGADO DA RECEITA FEDERAL EM BLUMENAU,
usando da atribuição que lhe confere o artigo 60 da Instrução Normativa
SRF n.º 267, de 23 de dezembro de 2002 e o art. 250, inciso XXI do
Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal, aprovado pela Portaria MF 30 de 25/02/2005 (DOU 04/03/2005) e tendo em vista o que
consta no Processos Administrativo n.º 13971.000014/2005-19, declara:
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
Art. 1º A empresa BUNGE ALIMENTOS S/A, CNPJ
84.046.101/0001-93, teve Reconhecido o Direito à Redução do IRPJ
e adicionais não restituíveis de 75%, relativo ao lucro da exploração
da atividade de “Produção de óleos e gorduras vegetais acondicionados”, de sua unidade produtora situada na cidade de Ipojuca/PE
(CNPJ 84.046.101/0276-36), com início no ano calendário de 2004 e
término no ano calendário de 2013.
Art. 2º A empresa BUNGE ALIMENTOS S/A, CNPJ
84.046.101/0001-93, teve Reconhecido o Direito à Redução do IRPJ
e adicionais não restituíveis relativos ao lucro da exploração da atividade de “Produção de óleo refinado e gorduras vegetais e subprodutos”, desenvolvida na unidade produtora designada no artigo
anterior, de 25% a partir de 1º de fevereiro de 2005 até 31 de
dezembro de 2008 e de 12,5% de 1º de janeiro de 2009 até 31 de
dezembro de 2013.
Art. 3º A prática de atos que configurem crimes contra a
ordem tributária (Lei nº 8.137, de 27 de dezembro de 1990), bem
assim a falta de emissão de notas fiscais, nos termos da Lei nº 8.846,
de 21 de janeiro de 1994, acarretarão à pessoa jurídica infratora a
perda, no ano-calendário correspondente, dos incentivos e benefícios
de redução ou isenção previstos na legislação tributária.
Art. 4º Este Ato Declaratório Executivo entra em vigor na
data de sua publicação no Diário Oficial da União.
EDISON JOSÉ SANTANA DA CRUZ
DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL EM
FLORIANÓPOLIS
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO N o- 22,
DE 19 DE ABRIL DE 2005
<!ID636828-0>
Concede registro especial obrigatório a estabelecimento que realiza operações com
papel destinado à impressão de livros, jornais e periódicos.
O DELEGADO DA RECEITA FEDERAL EM FLORIANÓPOLIS, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 227
do Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal, aprovado pela
Portaria no 259, de 24 de agosto de 2001 e tendo em vista o disposto
no art. 2o da Instrução Normativa SRF no 101, de 27 de dezembro de
2001, declara:
I - Inscrita no Registro Especial para fabricantes, distribuidores, importadores, empresas jornalísticas ou editoras e gráficas, sob
o número GP-09.201/063, SAINT GERMAIN LTDA, CNPJ No
02.474.866/0001-60, situado à Rod. BR 101, s/no, Km. 201, Barreiros, São José (SC). O estabelecimento supracitado, conforme processo no 16542.000099/2005-75, está autorizado a IMPRIMIR livros,
jornais e periódicos com papel adquirido com imunidade tributária, na
qualidade de Pessoa Jurídica que explora essa atividade.
II - O registro concedido será cancelado a qualquer tempo,
em caso de descumprimento das normas de controle relativas à matéria.
III - Este Ato Declaratório somente terá validade após sua
publicação no Diário Oficial da União.
SAULO FIGUEIREDO PEREIRA
Único a este Ato Declaratório, tendo em vista que foi constatada a
ocorrência de três meses consecutivos ou seis alternados sem recolhimento das parcelas do Paes ou que este tenha sido efetuado em
valor inferior ao fixado nos incisos II e III do § 3º, incisos I e II do
§ 4º e § 6º do art. 1º da Lei nº 10.684, de 2003.
Art. 2º O detalhamento do motivo da exclusão poderá ser
obtido na página da Secretaria da Receita Federal na Internet, no
endereço <www.receita.fazenda.gov.br>, com a utilização da Senha
Paes.
Art. 3º É facultado ao sujeito passivo, no prazo de 10 dias,
contado da data de publicação deste Ato Declaratório Executivo,
apresentar recurso administrativo dirigido ao Delegado da Receita
Federal em Itajaí - SC, à Rua Pedro Ferreira, n.º 34 - Centro - Itajaí
- SC - CEP 88301-030.
Art. 4º Não havendo apresentação de recurso no prazo previsto no art. 3º, a exclusão do Paes será definitiva.
Art. 5º Este Ato Declaratório entra em vigor na data de sua
publicação.
ISSN 1677-7042
29
seus fornecedores, com suspensão da incidência das Contribuições
para o Pis/Pasep e da Cofins, por se caracterizar como pessoa jurídica
preponderantemente exportadora.
Art. 2º. Constatado que a contribuinte não preenchia à época
da expedição deste Ato Declaratório Executivo (ADE) ou que deixou
de preencher as condições previstas para a obtenção da habilitação,
serão suspensos os seus efeitos, aplicando-se-lhe as disposições do
parágrafo único do artigo 8º da IN SRF nº 466/2004, retro mencionada.
Art. 3º. Nas Notas fiscais de aquisição efetuadas pela beneficiária do regime, deve constar a expressão contido no artigo 7º,
inciso II da mencionada IN SRF nº 466/2004, bem assim o número
do presente ADE, sob pena de obrigatoriedades de recolhimento das
indigitadas contribuições e respectivos acréscimos legais.
Art. 4º. Este Ato Declaratório entra em vigor na data de sua
publicação no Diário Oficial da União.
ANDRÉ MARDULA FILHO
KLEBS GARCIA PEIXOTO JUNIOR
DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL EM LAGES
ANEXO ÚNICO
Relação das pessoas excluídas do Parcelamento Especial
(Paes).
Três parcelas consecutivas ou seis alternadas sem recolhimento ou com recolhimento inferior ao fixado nos incisos II e III do
§ 3º, incisos I e II do § 4º e § 6º do art. 1º da Lei nº 10.684, de
2003.
Relação dos CPF das pessoas físicas excluídas
018.669.079-72
291.527.559-91
742.842.669-34
050.873.099-68
309.560.059-34
759.332.098-72
064.897.706-44
351.924.709-78
939.618.479-91
066.414.159-53
550.443.609-53
974.686.739-34
222.876.120-68
561.860.379-91
238.444.269-49
680.420.009-87
Relação dos CNPJ das pessoas jurídicas excluídas
00.150.955/0001-25
02.584.673/0001-61
03.965.292/0001-95
00.168.297/0001-07
02.671.828/0001-05
03.979.707/0001-80
00.377.690/0001-00
02.702.511/0001-80
04.048.692/0001-07
00.409.221/0001-18
02.855.923/0001-50
04.071.105/0001-92
00.641.387/0001-65
02.861.125/0001-31
04.385.461/0001-80
00.810.451/0001-94
03.006.403/0001-36
04.403.729/0001-60
00.858.194/0001-60
03.043.264/0001-10
04.622.592/0001-34
00.934.744/0001-83
03.072.348/0001-82
04.948.662/0001-49
00.985.489/0001-06
03.075.541/0001-77
04.988.574/0001-70
01.112.576/0001-03
03.121.717/0001-80
73.382.350/0001-33
01.167.132/0001-75
03.210.033/0001-54
73.558.231/0001-99
01.181.043/0001-83
03.247.629/0001-29
76.858.992/0001-54
01.333.916/0001-26
03.291.687/0001-50
79.013.017/0001-33
01.621.284/0001-04
03.331.686/0001-91
79.304.507/0001-99
01.648.418/0001-72
03.411.826/0001-31
79.520.896/0001-90
DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL EM
FOZ DO IGUAÇU
01.694.461/0001-74
03.427.214/0001-37
80.468.408/0001-21
01.746.738/0001-65
03.514.716/0001-03
81.534.851/0001-16
01.749.483/0001-94
03.563.035/0001-27
81.801.581/0001-62
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 27,
DE 12 DE ABRIL DE 2005
01.828.400/0001-52
03.566.811/0001-42
82.960.493/0001-76
02.047.963/0001-76
03.650.417/0001-98
83.195.784/0001-88
02.082.160/0001-52
03.705.192/0001-20
85.213.429/0001-10
02.207.228/0001-82
03.800.220/0001-98
85.383.982/0001-09
02.315.440/0001-63
03.885.487/0001-25
85.775.724/0001-60
02.345.994/0001-03
03.886.877/0001-10
91.682.633/0001-82
02.474.392/0001-56
03.916.744/0001-49
93.122.000/0001-45
02.484.701/0001-79
03.952.965/0001-72
95.829.354/0001-50
02.557.806/0001-00
03.955.912/0001-05
95.856.183/0001-58
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 9,
DE 15 DE ABRIL DE 2005
<!ID636831-0>
Declara excluído do SIMPLES o estabelecimento que menciona.
O DELEGADO DA RECEITA FEDERAL EM LAGES/SC,
no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 250 do
Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal, aprovado pela
Portaria MF n° 30, de 25 de fevereiro de 2005, e considerando o que
se contém no processo nº 13984.000407/2005-75 e de acordo com o
disposto na Lei nº 9.317, de 5 de dezembro de 1996, e alterações, e
na Instrução Normativa SRF nº 355/2003, de 29 de agosto de 2003,
declara:
Art. 1º A contribuinte SÃO CRISPIM COMÉRCIO E REPRESENTAÇÕES LTDA., CNPJ 83.024.000/0001-59, EXCLUÍDA,
de sua opção pela sistemática de pagamentos dos tributos e contribuições de que trata o artigo 3º da Lei nº 9.317, de 1996, denominada SIMPLES, por exercício de atividade econômica vedada
para o citado regime tributário, nos termos do art. 20, inciso XII, da
IN SRF nº 355/2003.
Art. 2º A exclusão surtirá efeitos a partir de 1º de janeiro de
2002.
Art. 3º Da presente exclusão caberá, no prazo de 30 (trinta)
dias contados a partir da ciência, impugnação junto à Delegacia da
Receita Federal de Julgamento em Florianópolis/SC, assegurados, assim, o contraditório e a ampla defesa.
Art. 4º Não havendo manifestação nesse prazo, a exclusão
tornar-se-á definitiva.
OSMAR LUIZ BECHER
SETOR DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 8,
DE 14 DE ABRIL DE 2005
<!ID636830-0>
<!ID636829-0>
O DELEGADO DA RECEITA FEDERAL EM FOZ DO
IGUAÇU-PR, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo
Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal, aprovado pela
Portaria MF nº. 30, de 25 de fevereiro de 2005, e tendo em vista o
disposto nos art 46, IV e art. 47, caput, da Instrução Normativa SRF
nº 461, de 18 de outubro de 2004,
I - Resolve declarar cancelada, a inscrição do CPF de nº
426.234.569-68, concedida a sra. AGUIDA MAIORQUIM AQUINO,
por determinação Judicial, conforme tratado no processo nº
10945.000680/2003-14.
JOSÉ CARLOS DE ARAUJO
DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL EM ITAJAÍ
SEÇÃO DE ORIENTAÇÃO E ANÁLISE TRIBUTÁRIA
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 1,
DE 20 DE ABRIL DE 2005
<!ID638056-0>
Exclui pessoas físicas e jurídicas do Parcelamento Especial (Paes), de que trata o art. 1º
da Lei nº 10.684, de 30 de maio de 2003.
O CHEFE DA SEÇÃO DE ORIENTAÇÃO E ANÁLISE
TRIBUTÁRIA - SAORT - DA DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL EM ITAJAÍ - SC, no uso de suas atribuições e tendo em
vista o disposto nos arts. 1º e 7º da Lei nº 10.684, de 30 de maio de
2003, no art. 12 da Lei nº 11.033, de 21 de dezembro de 2004, nos
arts. 9º a 17 da Portaria Conjunta PGFN/SRF nº 3, de 25 de agosto de
2004, e na Portaria Conjunta PGFN/SRF nº 4, de 20 de setembro de
2004, declara:
Art. 1º Ficam excluídos do Parcelamento Especial (Paes) de
que trata o art. 1º da Lei nº 10.684, de 30 de maio de 2003, de acordo
com seu art. 7º, as pessoas físicas e jurídicas relacionadas no Anexo
DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL EM JOAÇABA
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 18,
DE 20 DE ABRIL DE 2005
<!ID638057-0>
Declara habilitada perante a SRF para efeitos de aquisição de matérias-primas (MP),
produtos intermediários (PI) e materiais de
embalagem (ME), junto a seus fornecedores, com suspensão da incidência das Contribuições para o Pis/Pasep e da Cofins, por
se caracterizar como pessoa jurídica preponderantemente exportadora.
O DELEGADO DA RECEITA FEDERAL EM JOAÇABA SANTA CATARINA, no uso das atribuições que lhe confere o artigo
250 do Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal, aprovado
pela Portaria Ministerial n.º 030, de 25 de fevereiro de 2005, publicada no DOU de 04/03/2005, e, fazendo uso da delegação de
competência estabelecida na Instrução Normativa SRF nº 466, de 05
de novembro de 2004, e face ao que consta no processo fiscal nº
13.985-000.047/2005-00, declara:
Art. 1º. A pessoa jurídica IND. COM. DE MÓVEIS MEOTTI PARPINELLI LTDA. - CNPJ nº 79.680.484/0001-17, habilitada
perante a SRF para efeitos de aquisição de matérias-primas (MP),
produtos intermediários (PI) e materiais de embalagem (ME), junto a
Exclui pessoas físicas e jurídicas do Parcelamento Especial (Paes), de que trata o art. 1º
da Lei nº 10.684, de 30 de maio de 2003.
O CHEFE DO SETOR DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DA DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DE LAGES/SC, no uso de suas atribuições e tendo em vista o disposto nos
arts. 1º e 7º da Lei nº 10.684, de 30 de maio de 2003, no art. 12 da
Lei nº 11.033, de 21 de dezembro de 2004, nos arts. 9º a 17 da
Portaria Conjunta PGFN/SRF nº 3, de 25 de agosto de 2004, e na
Portaria Conjunta PGFN/SRF nº 4, de 20 de setembro de 2004,
declara:
Art. 1º Ficam excluídos do Parcelamento Especial (Paes) de
que trata o art. 1º da Lei nº 10.684, de 30 de maio de 2003, de acordo
com seu art. 7º, as pessoas físicas e jurídicas relacionadas no Anexo
Único a este Ato Declaratório, tendo em vista que foi constatada a
ocorrência de três meses consecutivos ou seis alternados sem recolhimento das parcelas do Paes ou que este tenha sido efetuado em
valor inferior ao fixado nos incisos II e III do § 3º, incisos I e II do
§ 4º e § 6º do art. 1º da Lei nº 10.684, de 2003.
Art. 2º O detalhamento do motivo da exclusão poderá ser
obtido na página da Secretaria da Receita Federal na Internet, no
endereço <www.receita.fazenda.gov.br>, com a utilização da Senha
Paes.
Art. 3º É facultado ao sujeito passivo, no prazo de 10 dias,
contado da data de publicação deste Ato Declaratório Executivo,
apresentar recurso administrativo dirigido ao Delegado da Receita
Federal de Lages/SC, na Av. Presidente Vargas, 635 - Lages/SC.
Art. 4º Não havendo apresentação de recurso no prazo previsto no art. 3º, a exclusão do Paes será definitiva.
Art. 5º Este Ato Declaratório entra em vigor na data de sua
publicação.
CARLOS ALBERTO PADLIPSKAS
30
ISSN 1677-7042
Relação dos CPF das pessoas físicas excluídas
ANEXO ÚNICO
Relação das pessoas excluídas do Parcelamento Especial
(Paes).Três parcelas consecutivas ou seis alternadas sem recolhimento
ou com recolhimento inferior ao fixado nos incisos II e III do § 3º,
incisos I e II do § 4º e § 6º do art. 1º da Lei nº 10.684, de 2003.
Relação dos CPF das pessoas físicas excluídas
004.255.400-49
295.886.009-44
528.800.017-49
065.298.799-00
310.080.389-20
533.206.709-72
072.802.704-68
348.098.809-15
543.589.739-49
142.033.839-00
377.393.799-72
572.407.609-87
159.392.949-87
437.472.059-68
613.871.779-15
162.531.409-49
443.262.549-04
622.874.009-15
170.527.509-53
464.175.089-00
738.920.689-68
185.508.609-30
499.569.579-68
981.731.469-34
251.981.499-34
508.296.539-53
277.188.080-68
520.641.749-15
1
Relação dos CNPJ das pessoas jurídicas excluídas
03.485.410/0001-68
03.533.669/0001-37
005.560.179-00
014.295.409-82
039.732.809-59
04.185.788/0001-09
04.211.920/0001-00
04.341.684/0001-46
079.114.836-49
113.643.439-91
150.518.389-87
04.500.974/0001-95
05.324.062/0001-72
79.781.027/0001-19
177.197.049-91
287.004.659-68
287.167.959-20
00.279.417/0001-35
00.301.570/0001-11
01.186.721/0000-09
338.198.409-82
339.374.279-53
340.188.919-20
01.329.965/0001-95
01.890.826/0001-36
02.033.572/0001-00
341.173.189-34
404.440.159-49
409.962.809-44
02.137.590/0001-24
02.228.248/0001-30
02.535.150/0001-25
427.632.749-00
435.542.379-49
451.546.009-91
02.683.054/0001-24
02.789.169/0001-06
02.865.560/0001-34
597.362.409-91
644.178.329-00
739.921.789-00
03.007.196/0001-34
03.167.629/0001-19
03.260.578/0001-75
750.532.099-87
761.219.339-68
762.327.519-49
03.435.673/0001-62
03.502.527/0001-02
03.649.677/0001-43
033.917.779-90
125.689.619-53
147.054.949-20
03.762.581/0001-97
04.319.010/0001-45
04.435.697/0001-84
167.835.909-25
177.256.829-53
468.924.009-49
04.453.091/0001-71
04.523.699/0001-25
68.810.662/0001-60
562.773.939-87
571.853.609-00
759.100.639-87
68.818.582/0001-51
72.109.812/0001-80
72.419.757/0001-25
010.545.469-91
285.889.839-15
500.675.919-49
72.521.214/0001-14
72.539.992/0001-30
73.537.565/0001-86
667.440.249-49
969.403.608-91
769.680.309-34
76.782.630/0001-27
79.290.136/0001-33
79.960.100/0001-10
010.062.589-49
019.770.919-20
081.236.249-72
80.828.635/0001-10
81.779.191/0001-33
82.016.965/0001-37
100.224.258-45
124.798.619-53
214.294.649-68
81.198.391/0001-65
82.254.467/0001-22
82.648.593/0001-61
242.923.389-49
243.799.219-72
352.626.729-49
84.919.828/0001-38
85.323.632/0001-49
95.852.729/0001-00
392.195.699-49
404.870.599-72
469.599.399-68
476.802.709-10
478.821.079-72
509.588.609-04
729.954.919-00
596.747.099-91
00.131.799/0001-55
02.053.012/0001-00
04.745.322/0001-10
861.471.029-15
948.551.888-91
00.219.521/0001-34
02.144.672/0001-04
04.844.925/0001-70
00.264.057/0001-06
02.199.519/0001-76
72.152.929/0001-47
00.483.118/0001-18
02.226.590/0001-09
72.364.250/0001-11
00.945.850/0001-62
02.782.087/0001-21
78.831.591/0001-36
00.153.811/0001-22
00.162.555/0001-30
00.192.487/0001-51
01.181.369/0001-00
02.878.299/0001-07
79.245.312/0001-15
00.193.794/0001-57
00.541.182/0001-08
00.551.518/0001-13
01.213.973/0001-71
03.006.610/0001-90
79.270.872/0001-20
00.901.628/0001-68
01.100.332/0001-00
01.114.915/0001-90
01.254.758/0001-19
03.063.937/0001-02
79.299.236/0001-20
01.327.191/0001-63
01.378.937/0001-68
01.420.073/0001-03
01.307.661/0001-27
03.081.691/0001-93
79.907.499/0001-75
01.560.305/0001-10
01.575.524/0001-73
01.583.254/0001-42
01.363.533/0001-09
03.202.290/0001-44
79.924.197/0001-05
01.697.198/0001-77
01.708.170/0001-98
01.730.137/0001-64
01.400.452/0001-23
03.261.313/0001-91
80.154.800/0001-04
01.839.636/0001-94
01.920.418/0001-80
01.926.437/0001-13
01.501.817/0001-06
03.331.830/0001-90
80.448.855/0001-19
02.077.989/0001-67
02.152.140/0001-00
02.351.608/0001-96
01.516.420/0001-98
03.377.864/0001-15
81.014.458/0001-00
02.785.288/0001-82
02.900.273/0001-18
02.916.893/0001-45
01.676.367/0001-92
03.392.234/0001-10
81.337.743/0001-53
02.933.749/0001-17
02.987.664/0001-11
03.076.703/0001-91
01.853.765/0001-37
03.446.974/0001-91
81.865.297/0001-50
03.133.947/0001-69
03.156.162/0001-01
03.258.846/0001-14
01.860.417/0001-97
03.527.936/0001-63
82.974.502/0001-88
03.301.387/0001-04
03.355.824/0001-72
03.370.694/0001-47
01.863.782/0001-55
03.548.391/0001-71
83.418.160/0001-82
03.393.833/0001-58
03.402.109/0001-43
03.407.727/0001-86
01.872.887/0001-70
03.851.791/0001-51
84.948.777/0001-72
03.415.479/0001-15
03.415.496/0001-52
03.544.995/0001-40
01.922.391/0001-64
04.066.491/0001-24
85.211.787/0001-93
03.579.151/0001-34
03.599.928/0001-22
03.653.172/0001-52
01.973.869/0001-85
04.560.810/0001-53
85.226.447/0001-36
03.697.312/0001-94
03.713.812/0001-72
03.714.459/0001-45
03.736.150/0001-56
03.762.116/0001-56
03.903.369/0001-00
DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL EM
PONTA GROSSA
SEÇÃO DE ORIENTAÇÃO E ANÁLISE TRIBUTÁRIA
03.964.363/0001-35
03.992.489/0001-13
04.019.348/0001-81
04.078.303/0001-88
04.155.095/0001-73
04.226.763/0001-06
04.259.708/0001-12
04.289.705/0001-21
04.356.677/0001-18
04.378.861/0001-69
04.397.307/0001-29
04.514.946/0001-27
ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 1,
DE 19 DE ABRIL DE 2005
04.606.578/0001-47
04.681.522/0001-57
04.691.612/0001-29
04.737.803/0001-84
04.767.667/0001-75
04.953.322/0001-06
05.077.216/0001-79
32.901.613/0001-96
68.759.141/0001-26
72.363.740/0001-01
72.515.943/0001-68
73.205.973/0001-30
75.233.841/0001-48
76.461.763/0001-00
76.772.920/0001-90
77.743.908/0001-47
77.487.742/0001-18
78.775.335/0001-79
79.905.337/0001-80
79.592.929/0001-07
79.081.346/0001-49
80.057.003/0001-65
80.248.800/0001-65
80.274.368/0001-87
81.075.418/0001-60
81.644.007/0001-48
81.741.936/0001-75
82.052.341/0001-75
82.518.077/0001-12
84.846.047/0001-60
84.883.859/0001-86
85.037.968/0001-45
85.485.357/0001-60
85.492.403/0001-58
85.493.757/0001-17
97.362.057/0001-72
97.474.225/0001-11
00.110.184/0001-42
00.168.942/0001-83
00.656.479/0001-19
01.005.994/0001-00
01.032.625/0001-06
01.043.479/0001-06
01.221.680/0001-36
01.263.632/0001-00
01.493.889/0001-59
01.593.954/0001-18
01.643.496/0001-84
01.647.695/0001-60
01.948.855/0001-01
01.970.384/0001-38
01.992.176/0001-30
02.039.321/0001-25
02.039.323/0001-14
02.099.908/0001-20
02.382.134/0001-40
02.405.023/0001-01
02.457.525/0001-86
02.470.537/0001-40
02.627.258/0001-48
02.627.264/0001-03
02.639.472/0001-14
02.666.298/0001-07
02.754.779/0001-66
02.950.828/0001-36
02.978.213/0001-18
03.015.331/0001-93
03.032.681/0001-68
03.091.928/0001-17
03.209.492/0001-18
03.219.173/0001-93
03.295.692/0001-30
03.353.571/0001-06
03.395.676/0001-10
03.403.563/0001-19
03.450.635/0001-89
03.454.388/0011-99
03.556.704/0001-33
03.613.315/0001-00
03.650.275/0001-69
03.697.524/0001-71
03.741.207/0001-05
03.866.096/0001-63
03.926.259/0001-56
03.933.643/0001-86
03.992.418/0001-10
04.306.367/0001-99
04.386.516/0001-77
04.392.728/0001-67
04.453.190/0001-53
04.481.726/0001-44
04.767.677/0001-00
04.904.915/0001-82
04.994.831/0001-87
72.157.282/0001-46
76.067.172/0001-44
76.200.591/0001-02
76.909.605/0001-61
77.496.362/0001-40
77.722.551/0001-93
79.206.009/0001-03
79.762.696/0001-43
81.128.126/0001-46
81.672.727/0001-17
82.194.895/0001-07
85.062.420/0001-55
85.481.992/0001-79
95.395.356/0001-88
95.397.899/0001-34
97.426.795/0001-36
00.464.853/0001-84
01.753.216/0001-90
02.700.320/0001-80
03.136.482/0001-08
03.192.372/0001-55
03.222.550/0001-43
03.237.394/0001-94
03.357.538/0001-46
03.676.250/0001-34
03.711.693/0001-19
03.962.541/0001-99
03.994.502/0001-73
04.270.216/0001-28
Relação dos CNPJ das pessoas jurídicas excluídas
<!ID636832-0>
Relação das pessoas excluídas do Parcelamento Especial
(Paes).Três parcelas consecutivas ou seis alternadas sem recolhimento
ou com recolhimento inferior ao fixado nos incisos II e III do § 3º,
incisos I e II do § 4º e § 6º do art. 1º da Lei nº 10.684, de 2003.
02.403.975/0001-96
03.271.468/0001-09
592.161.589-72
ANEXO ÚNICO
81.198.145/0001-40
01.840.969/0001-27
004.446.239-57
04.619.989/0001-77
ANTONIO CÉSAR MENDES
81.042.186/0001-43
01.745.158/0001-53
004.446.169-00
01.998.931/0001-93
O CHEFE DA SEÇÃO DE ORIENTAÇÃO E ANÁLISE
TRIBUTÁRIA DA DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL EM
PONTA GROSSA - PR, no uso de suas atribuições, e tendo em vista
o disposto nos arts. 1º e 7º da Lei nº 10.684, de 30 de maio de 2003,
no art. 12 da Lei nº 11.033, de 21 de dezembro de 2004, nos arts. 9º
a 17 da Portaria Conjunta PGFN/SRF nº 3, de 25 de agosto de 2004,
e na Portaria Conjunta PGFN/SRF nº 4, de 20 de setembro de 2004,
declara:
Art. 1º Ficam excluídos do Parcelamento Especial (Paes) de
que trata o art. 1º da Lei nº 10.684, de 30 de maio de 2003, na forma
do art. 7º da citada lei, os sujeitos passivos relacionados no Anexo
Único, tendo em vista que foi constatada a ocorrência de três meses
consecutivos ou seis alternados em que o sujeito passivo não efetuou
recolhimento das parcelas do Paes ou que estes tenham sido realizados em valor inferior ao fixado nos incisos II e III do § 3º, incisos
I e II do § 4º e § 6º do art. 1º da Lei nº 10.684, de 2003.
Art. 2º O detalhamento da motivação da exclusão pode ser
obtido na página da Secretaria da Receita Federal na Internet, no
endereço <www.receita.fazenda.gov.br>, com a utilização da Senha
Paes.
Art. 3º É facultado ao sujeito passivo, no prazo de 10 dias,
contado da data de publicação deste Ato Declaratório Executivo,
apresentar recurso administrativo dirigido ao Delegado da Receita
Federal de Ponta Grossa - Pr, no endereço: Av. Visconde de Taunay
nº 1.051.
Art. 4º Não havendo apresentação de recurso no prazo previsto no art. 3º, a exclusão do Paes tornar-se-á definitiva.
Art. 5º Este ato entra em vigor na data de sua publicação.
75.577.809/0001-80
003.246.719-20
00.087.772/0001-02
Exclui sujeitos passivos do Parcelamento
Especial (Paes), de que trata o art. 1º da Lei
nº 10.684, de 30 de maio de 2003.
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
10ª REGIÃO FISCAL
INSPETORIA DA RECEITA FEDERAL EM
PORTO ALEGRE
PORTARIA Nº 19, DE 18 DE ABRIL DE 2005
<!ID636833-0>
Dispõe sobre as normas e os procedimentos
operacionais de controle aduaneiro a serem
observados na INSTALAÇÃO PORTUÁRIA DE USO PRIVATIVO MISTO explorada pela Petrobrás Transporte S/A TRANSPETRO, localizada em IMBÉ/RS.
O INSPETOR DA RECEITA FEDERAL EM PORTO ALEGRE / RS, no exercício da competência que lhe foi delegada pelo
artigo 250 do Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal,
aprovado pela Portaria MF nº 030, de 25 de fevereiro de 2005,
considerando a necessidade de disciplinar os procedimentos operacionais relativos ao exercício do controle aduaneiro, envolvendo o
fluxo de veículos, de cargas, de documentos, de despachos aduaneiros
de importação, de exportação, de trânsito aduaneiro, de fornecimento
de bordo, de embarque e desembarque de tripulantes, a que se refere
o Ato Declaratório Executivo SRRF/10ª, nº 55, de 24 de Novembro
de 2003, na INSTALAÇÃO PORTUÁRIA já referida, parte integrante do Terminal Marítimo Almirante Soares Dutra - TEDUT explorada pela Petrobrás Transporte S/A - TRANSPETRO, CNPJ nº
02.709.449/0058-94, localizada na Av. Rio Grande, nº 1100, no município de Imbé-RS, e considerando o disposto no Anexo I, Item II da
Portaria SRF 1743 de 12 de agosto de 1998 e artº 1º da Instrução
Normativa SRF nº 37, de 24 de junho de 1996, bem como no DL37
de 18/11/1966 e na Lei nº 10.833 de 29 de dezembro de 2003,
resolve:
Estabelecer as normas e os procedimentos operacionais de
controle aduaneiro, conforme documento anexo, a serem observados na
citada INSTALAÇÃO PORTUÁRIA DE USO PRIVATIVO MISTO.
Este Ato entra em vigor na data de sua publicação.
PAULO RENATO TRINDADE VALÉRIO
ANEXO
DAS ROTINAS OPERACIONAIS DE CONTROLE
ADUANEIRO NA INSTALAÇÃO PORTUÁRIA.
Capítulo I
Disposições Preliminares
1.Petrobrás Transporte S/A - TRANSPETRO explora a Instalação Portuária localizada no município de Imbé-RS, alfandegada
pelo Ato Declaratório Executivo/SRRF 10ª, nº 55 de 24 de novembro
de 2003, sob a jurisdição da Inspetoria da Receita Federal em Porto
Alegre - RS, destinada a realizar operações de comércio exterior de
mercadorias importadas ou a exportar, de trânsito aduaneiro, bem
como à movimentação das embarcações e de tripulantes, sob controle
aduaneiro.
Capítulo II
Do Horário de atendimento
2.O horário de funcionamento da Instalação Portuária para
execução das atividades sob controle aduaneiro que lhe são inerentes
deverá compatibilizar-se com o horário de expediente da Inspetoria da
Receita Federal em Porto Alegre.
3.É permitido o atendimento de serviços extraordinários mediante agendamento prévio quando necessária a presença fiscal para
fins de controle do fornecimento de bordo, movimentação de embarcações, conclusão ou início de trânsito aduaneiro e embarque ou
desembarque de tripulantes.
Capítulo III
Do Horário das Parametrizações
4.Os horários das parametrizações nos despachos aduaneiros
de importação (DI) serão às 7 h, 9 h 30 min, 13 h e 16h e os de
exportação (DDE) serão às 9 h 13 min, 11 h 3 min, 15 h 7min e 17h
5 min.
Capítulo IV
Do Controle Aduaneiro das Embarcações
5.A entrada ou a saída das embarcações contendo mercadorias destinadas à importação ou à exportação poderá ocorrer em
qualquer dia e horário, desde que previamente informada a autoridade
aduaneira com antecedência mínima de 24 h.
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
6.A saída da embarcação somente será permitida após a
liberação da mesma pela autoridade aduaneira mediante emissão do
passe de saída, nos termos do artº 39 § 3º do Decreto-Lei 37/66.
Capítulo V
Do controle de Pessoas, Veículos e Mercadorias.
Das Pessoas
7.O controle da entrada, permanência e saída de pessoas na
Instalação Portuária, bem como a sua identificação e fornecimento de
crachás é de total responsabilidade da empresa Petrobrás Transporte
S/A - TRANSPETRO. Os Servidores da Receita Federal, funcionários
da TRANSPETRO S/A, tripulantes, importadores, exportadores ou
seus representantes e seus ajudantes, fornecedores de uso e consumo
de bordo, agentes marítimos e seus prepostos, conferentes de cargas,
peritos designados pela IRF/POA, condutor de veículo transportador,
servidores públicos cuja atividade se realize na Instalação Portuária e
outros intervenientes, em objeto de serviço, deverão estar devidamente identificados para terem acesso às dependências e embarcações, dentro das respectivas áreas de atuação.
8.A entrada de outras pessoas não relacionadas no item anterior, somente será permitida por escrito e com expressa autorização
da autoridade aduaneira competente.
9.O acesso de qualquer pessoa ao local ou recinto onde
estiver depositada mercadoria sob controle aduaneiro, salvo os funcionários da TRANSPETRO S/A responsáveis pelo controle e movimentação de carga, somente pode ocorrer após expressa permissão
da autoridade aduaneira competente.
Dos Veículos
10.Somente podem ingressar na área marítima adjacente às
monobóias e ao canal de navegação os veículos aquáticos utilizados
em serviço pela TRANSPETRO S/A, órgãos públicos, veículos transportadores de mercadorias e os expressamente autorizados pela autoridade aduaneira competente.
11.O controle informatizado da entrada, permanência e saída
de veículos terrestres na Instalação Portuária ficará a cargo da empresa Petrobrás Transporte S/A - TRANSPETRO, que manterá sob
sua guarda documento onde conste a data, hora, marca do veículo,
número da placa, nome do condutor e motivo do ingresso.
Das mercadorias
12.O controle da entrada, permanência e saída de mercadorias nacionais na Instalação Portuária ficará a cargo da empresa
Petrobrás Transportes S/A - TRANSPETRO, garantido à autoridade
aduaneira, o livre acesso aos livros e documentos de controle.
13. TRANSPETRO S/A assume a condição de fiel depositária da mercadoria :
I.Importada, no momento da chegada de mercadoria estrangeira e no ateste do seu recebimento no Siscomex - Perfil Depositário.
II.Nacional ou estrangeira, no momento da chegada de mercadoria proveniente de trânsito aduaneiro.
III.Apreendida, a qual será depositada em local apropriado e
de exclusivo acesso da autoridade aduaneira ou a quem esta autorizar.
IV.Destinadas a exportação, no momento da chegada da mercadoria a ser exportada e no ateste do seu recebimento em documento
fiscal.
14.As mercadorias que ficarem depositadas na Instalação
Portuária, deverão estar armazenadas em local próprio, separadas as
importações das exportações.
15. Até o quinto dia útil subseqüente ao vencimento do prazo
que caracteriza o abandono da mercadoria, a administradora da Instalação Portuária comunicará o fato à Receita Federal para adoção das
providências cabíveis.
Capítulo VI
Dos procedimentos para realização de quantificação de mercadoria a granel, importada ou a exportar.
16. O procedimento de quantificação de mercadoria a granel
será realizado mediante laudo emitido por perito designado pela Receita Federal.
17.A remuneração relativa aos serviços de quantificação da
mercadoria a granel, importada ou a exportar será a prevista na
Instrução Normativa SRF nº 157 de 22/12/1998.
18.A Repartição comunicará ao Perito designado que proceda à quantificação da mercadoria a granel, importada ou a exportar,
na hora prevista para o início da mensuração inicial, que ocorrerá
logo após a manobra de amarração ou fundeio da embarcação, sem
entretanto estar o navio conectado, se as condições operacionais e/ou
climáticas permitirem o início dos trabalhos.
19.A TRANSPETRO S/A providenciará o deslocamento do
Perito do trapiche à embarcação cuja carga deva ser mensurada e seu
deslocamento de volta ao trapiche, tão logo concluído o serviço que
motivou sua ida a bordo.
20.Quando da realização da quantificação da mercadoria a
granel, importada ou a exportar, pelo Perito designado pela Autoridade competente, o comandante do navio deverá providenciar para
que haja:
a.TRIM sempre compatível com as tabelas de sondagem dos
tanques, sendo desejável, para maior segurança das medições, que
seja o menor possível;
b.Tabelas de Sondagens e Curvas Hidrostáticas oficiais sempre disponíveis para o Perito;
c.Quantificação da carga a bordo com o navio fundeado,
amarrado ou em aproximação das monobóias.
21.A critério da Repartição, serão efetuadas coletas de amostras do produto, a bordo e antes da descarga, para análises laboratoriais, nos termos do artº 6º da IN SRF 175/02, sendo expedido o
correspondente Termo de Retirada de Amostras.
22.O Perito dará ciência dos trabalhos realizados ao Comandante da embarcação ou ao seu imediato.
1
Capítulo VII
Dos Procedimentos de Importação
23.A TRANSPETRO S/A deverá informar à Receita Federal,
de forma imediata, sobre a disponibilidade da carga sob sua custódia,
mediante indicação do correspondente número identificador (NIC), e
registrar a presença de carga no SISCOMEX, conforme artº 5º da IN
SRF 206/02 e § 3º artº 2º da IN SRF 175/02.
24.O extrato da Declaração de Importação (DI) e os documentos que a instruem, serão entregues pelo importador, na Sala da
Receita Federal localizada no trapiche, em envelope contendo a indicação do número atribuído à declaração, o canal de conferência, o
importador, o despachante aduaneiro e a expressão “DESPACHO
ANTECIPADO”, se for o caso.
25.Após os procedimentos de desembaraço aduaneiro, o
AFRF devolverá os documentos que amparam o Despacho de Importação, mediante recibo do importador ou seu representante legal,
no extrato da DI, que ficará arquivado na SAANA.
Capítulo VIII
Dos Procedimentos de Exportação
26.A declaração de exportação(DDE), deverá ser entregue na
Sala da Receita Federal localizada no trapiche, em envelope padrão
oficio 22 x 33 cm, na cor parda, contendo a indicação do número
atribuído à declaração para despacho de exportação, o nome do exportador, juntamente com os demais documentos instrutivos e seus
respectivos números.
27.Constatada a falta de qualquer documento instrutivo necessário ao despacho de exportação, no momento de sua entrega na
Sala da Receita Federal localizada no trapiche, esses serão devolvidos
ao exportador para complementação, registrando-se o fato no SISCOMEX, no momento da recepção da declaração.
28.O Auditor-Fiscal da Receita Federal - AFRF, após a entrega da declaração, deverá carimbar, datar, assinar e acompanhar
todo o fluxo do despacho.
29.Após os procedimentos de desembaraço aduaneiro, o
AFRF responsável pelo despacho encaminhará a declaração à SAANA, para arquivamento.
Capítulo IX
Do Trânsito Aduaneiro
30.No inicio do trânsito :
a.O beneficiário do regime solicitará o trânsito aduaneiro por
meio de elaboração da declaração de trânsito no sistema especifico, e
deverá apresentar o extrato da declaração de trânsito impresso, assim
como os documentos instrutivos na Sala da Receita Federal localizada
no trapiche.
b.Os procedimentos de início de trânsito aduaneiro seguirão
as determinações da IN SRF 248/02.
c.O transportador deverá oferecer o veículo preparado para
receber o dispositivo de segurança fiscal.
d.Não será concedido o início de trânsito aduaneiro após o
transcurso do prazo de permanência de mercadoria estrangeira em
recinto alfandegado, permitido pela legislação.
e.A declaração de trânsito aduaneiro contendo carga com
indicação de falta ou avaria, somente poderá ser registrada após a
informação no sistema, do resultado da vistoria aduaneira ou da sua
desistência pelo beneficiário.
f.A descrição da mercadoria no documento do trânsito deverá ser suficiente para permitir a sua identificação pela fiscalização.
31.Na conclusão do trânsito :
a.A Instalação Portuária deverá receber o veículo com carga,
com o extrato de Trânsito Aduaneiro e com os seus respectivos
documentos.
b.Imediatamente após a chegada de veículo transportando
mercadoria em trânsito aduaneiro, o depositário informará o fato no
sistema de trânsito.
c.A conclusão do trânsito será feita por AFRF nos termos da
IN SRF 248/02 e legislação correlata.
d.O AFRF procederá ao exame dos documentos, à verificação do veículo, dos lacres e demais dispositivos de segurança e da
integridade da carga.
e.O depositário deverá indicar a área onde ficarão as cargas
na condição de Carga Pátio.
f.O prazo de permanência da Carga em área pátio é de 48
(quarenta e oito) horas, contados da chegada, devendo após este prazo
a carga ser armazenada.
Capítulo X
Das Responsabilidades da Administradora da Instalação Portuária (TRANSPETRO S/A)
32.Manter mercadoria sob sua guarda em local protegido,
boa ordem e disposição, de forma que permita o imediato acesso,
identificação e fácil controle.
32.1.Zelar pela integridade dos dispositivos de segurança
aduaneiro, impedindo o seu rompimento ou retirada sem autorização
da fiscalização aduaneira.
32.2.Manter intactos os volumes, caixas e semelhantes, sob
controle fiscal, não permitindo a sua abertura sem autorização da
fiscalização aduaneira.
32.3.Somente efetuar expedição de mercadoria sob controle
fiscal mediante expressa autorização da fiscalização aduaneira.
32.4.Manter o sistema informatizado operacional relativo às
operações sob controle aduaneiro, relativamente às alterações de operação e da legislação.
32.5.Efetuar o recolhimento para o Fundo Especial de Desenvolvimento e Aperfeiçoamento das Atividades de Fiscalização FUNDAF, instituído pelo Decreto-Lei nº 1437, de 17 de dezembro de
1975, destinado ao ressarcimento das despesas administrativas, referentes aos serviços de fiscalização aduaneira, nos termos da IN SRF
048 de 26/08/1996.
ISSN 1677-7042
31
Capítulo XI
Das Sanções Administrativas
33.A inobservância das normas dispostas nesta Portaria sujeitará à aplicação de sanções previstas no Regulamento Aduaneiro e
normas que regem a matéria.
Capítulo XII
Das Disposições Finais
34.Cabe à Administradora da Instalação Portuária verificar a
regularidade da habilitação do transportador internacional e do veículo por intermédio do SISCOMEX, ou de outros sistemas que venham a ser desenvolvidos pelo Departamento de Marinha Mercante
da Secretaria de Transportes Aquaviários.
35.As irregularidades encontradas pela Administradora da
Instalação Portuária em relação aos veículos em tráfego internacional
e transportadores no caso de trânsito aduaneiro, deverão ser comunicadas por escrito à Receita Federal.
36.Os casos omissos e as dúvidas que surjam na aplicação
das Rotinas Operacionais previstas nesta Portaria, serão analisados
pelo Inspetor da Receita Federal em Porto Alegre,
37.Revoga-se a Portaria Nº7, de 26 de janeiro de 2004, desta
Inspetoria, publicada no DOU de 28 de janeiro de 2004, que dispõe
sobre a mesma matéria e a mesma Instalação Portuária de Uso Privativo Misto.
38.Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação no
Diário Oficial da União.
CONSELHO NACIONAL DE
POLÍTICA FAZENDÁRIA
PROTOCOLO ICMS 10, DE 1º DE ABRIL DE 2005 (*)
<!ID636659-0>
Dispõe sobre remessas de produtos agrícolas, com suspensão do ICMS, para depósito nos Estados de Mato Grosso e Mato
Grosso do Sul.
Os Estados de Mato Grosso e do Mato Grosso do Sul, neste
ato representados pelos respectivos Secretários de Estado de Fazenda
e de Receita e Controle, tendo em vista proporcionar a total utilização
de eventual capacidade ociosa de unidades armazenadoras de cereais
localizadas em seus territórios, resolvem celebrar o seguinte
PROTOCOLO
Cláusula primeira. Acordam os signatários em permitir que
produtores agropecuários de uma das unidades da Federação mencionadas neste Protocolo depositem, em seu próprio nome, soja e
milho em grãos e arroz em casca de sua produção agrícola, em
armazéns situados no território do outro Estado.
§ 1º Somente estarão habilitados a receber os produtos em
depósito, nos termos deste Protocolo, os armazéns previamente credenciados pelas partes acordantes, podendo estas exigir Regime Especial dos armazéns depositários ou dos remetentes depositantes.
§ 2º Os produtos para depósito sairão do Estado remetente
com o ICMS suspenso, acobertado por documento fiscal apropriado,
no corpo do qual deverá constar a observação de que a remessa é
feita com a autorização deste Protocolo.
§ 3º A permissão referida no caput poderá, a juízo da Secretaria de Fazenda do Estado depositário, ser estendida a empresas
comerciais.
Cláusula segunda. Quando da saída dos produtos do armazém, real ou simbólica, salvo para retornar ao estabelecimento depositante, o recolhimento do ICMS será feito em favor do Estado do
domicílio fiscal do depositante, ficando sob a responsabilidade deste
o cumprimento das obrigações tributárias principal e acessórias.
Parágrafo único. Os armazéns credenciados para o recebimento dos produtos em depósito, em nome do remetente, ficarão
responsáveis perante o fisco do Estado de situação do estabelecimento
do remetente e depositante, pelo pagamento do ICMS antes suspenso
e pelo cumprimento de outras obrigações previstas na legislação tributária, nos casos de inadimplência do produtor rural e de empresas
comerciais.
Cláusula terceira. O depósito autorizado por este Protocolo
será feito pelo prazo máximo de noventa dias, a contar da data da
entrada dos produtos no armazém credenciado.
§ 1º Em caso de necessidade, devidamente justificada, os
Estados signatários poderão autorizar a prorrogação do prazo previsto
nesta Cláusula.
§ 2º Expirado o prazo do depósito, sem que o depositante
tenha promovido a remoção do produto depositado, considerar-se-á
como ocorrida a comercialização, retroagindo os efeitos fiscais à data
da remessa da mercadoria para depósito.
Cláusula quarta. Ficam revogados o Protocolo ICMS 06/91,
de 22 de abril de 1991 e o Protocolo ICMS 14/90, de 30 de maio de
1990.
Cláusula quinta. Este Protocolo entra em vigor na data de
sua publicação no Diário Oficial da União e terá vigência por prazo
indeterminado, podendo ser denunciado por qualquer das partes signatárias, desde que a outra seja cientificada com a antecedência mínima de noventa dias.
Mato Grosso - Marcel Souza de Cursi p/ Waldir Júlio Teis; Mato
Grosso do Sul - Gladiston Riekstins de Amorim p/ José Ricardo
Pereira Cabral
(*) Republicado por ter saído, no DOU de 12-4-2005, Seção 1, pág.
57, com incorreção no original.
32
ISSN 1677-7042
1
PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES
2ª CÂMARA
108
0,00
CREHNOR
RETIFICAÇÕES
0,00
COHAB - CAMPINAS
SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL
<!ID636646-0>
PORTARIA N o- 289, DE 19 DE ABRIL DE 2005
O SECRETÁRIO DO TESOURO NACIONAL, substituto,
no uso de suas atribuições, e tendo em vista as condições específicas
da oferta pública de recursos do Programa de Subsídio à Habitação de
Interesse Social - PSH, previstas nas Portarias Conjuntas Secretaria
do Tesouro Nacional/Secretaria Nacional de Habitação nº 1 e nº 2, de
28 de março de 2005, do SECRETÁRIO DO TESOURO NACIONAL e do SECRETÁRIO NACIONAL DE HABITAÇÃO, resolve:
Art. 1o Homologar o resultado, da oferta pública de recursos
do PSH prevista na Portaria Conjunta nº 1, de 2005:
Instituição Financeira Habilitada
Quantidade de Parcelamentos a serem
Concedidos
CAIXA ECONÔMICA FEDERAL
10.096
COHAPAR - Companhia de Habitação do
Paraná
1.493
COHAB/MG
1.286
COHAB/CAMPINAS
968
Família Paulista Crédito Imobiliário S.A.
800
CHRIS
784
Cia Hipotecária COBANSA
669
CREHNOR
429
ECONOMISA
395
COHAB/SC
343
CRESOL - CENTRAL
330
CRESOL - BASER
100
Total
18,00
200
0,00
165
0,00
30
150,00
50
249,00
250
250,00
500
464,00
255
499,90
CREHNOR
540
No Ementário dos Acórdãos formalizados no mês de dezembro de 2004, da Segunda Câmara do Primeiro Conselho de Contribuintes, publicado no D.O.U. nº 46, de 09/03/05, Sessão I, pág. 82,
onde se lê: “Processo nº: 10880.038181/94-12, Recurso nº: 133.981
(...)”, leia-se: “Processo nº:10880.038181/94-12, Recurso nº: 132.981
(...)”; pág. 84, onde se lê: “Processo nº: 13802.000393/98-08, Recurso nº: 135.782 (...)”, leia-se: Processo nº: 13802.000393/98-08,
Recurso nº: 134.782 (...)”, onde se lê: “Processo nº:
11060.003133/2002-10, Recurso nº: 134.813 (...)”, leia-se: “Processo
nº: 11060.003133/2002-10, Recurso nº: 135.813 (...)”; pág. 85, onde
se lê: “Processo nº: 13807.002499/98-42, Recurso nº: 136.084 (...)”,
leia-se: “Processo nº: 13807.002499/98-42, Recurso nº: 133.084
(...)”.
800
COHAB / SC
94
<!ID636463-0>
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
Total
0,00
4.573
CHAPECÓ
CREHNOR
ANEXO II - Portaria Conjunta nº 1, de 2005
Instituição Financeira Habilitada
Valor do Subsídio
Requerido
Quantidade de
Parcelamentos a serem
Concedidos
COHAPAR
COBANSA
Família Paulista Crédito Imobiliário S.A.
183
0,00
ECONOMISA
C.H.B.
385
0,00
CAIXA ECONÔMICA FEDERAL
Total
428
0,00
244
0,00
3.050
CHRIS
ANEXO II - Portaria Conjunta nº 2, de 2005
Instituição Financeira Habilitada
COHAB / SC
85
0,00
428
0,00
COHAB CAMPINAS
Total
1.753
Valor do Subsídio
Requerido
964
0,00
205
0,00
COHAB - Campinas /SP
COHAB / SC
ANEXO III - Portaria Conjunta nº 1, de 2005
Instituição Financeira Habilitada
Quantidade de
Financiamentos a serem
Concedidos
Total
1.169
Valor do Subsídio
Requerido
Quantidade de
Parcelamentos a serem
Concedidos
ANEXO III - Portaria Conjunta nº 2, de 2005
Instituição Financeira Habilitada
COHAPAR
500
0,00
150
0,00
100
0,00
COHAB / SC
Quantidade de
Financiamentos a serem
Concedidos
Valor do Subsídio
Requerido
COHAPAR
CRESOL CENTRAL
300
0,00
300
98,00
35
0,00
124
10,00
300
0,00
335
0,00
106
148,00
CREHNOR CENTRO
CREHNOR
335
0,00
CRESOL BASER
100
1,00
COHAB / SC
100
34,90
CREHNOR
130
198,00
CRESOL CENTRAL
CRESOL-CENTRAL
CAIXA ECONÔMICA FEDERAL
85
Total
260,00
Total
1.500
1.500
17.693
ANEXO IV - Portaria Conjunta nº 1, de 2005
Instituição Financeira Habilitada
2o
Art.
Homologar o resultado da oferta pública de recursos
do PSH prevista na Portaria Conjunta nº 2, de 2005:
ANEXO IV - Portaria Conjunta nº 2, de 2005
Quantidade de
Parcelamentos a serem
Concedidos
Valor do Subsídio
Requerido
4.418
0,00
CAIXA ECONÔMICA FEDERAL
Instituição Financeira Habilitada
Quantidade de Financiamentos a serem Concedidos
C.H.B.
3.556
COHAPAR - Companhia de Habitação do
Paraná
2.200
Família Paulista Crédito Imobiliário S.A.
1.849
COBA/MG
1.026
COBANSA
1.000
COBA/CAMPINAS
964
COBA/SC
705
CREHNOR
550
CREHNOR CENTRO
159
ECONOMISA
154
CRESOL - CENTRAL
106
CHAPECÓ
Instituição Financeira Habilitada
COHAB / MG
967
0,00
5.385
ANEXO V - Portaria Conjunta nº 1, de 2005
Instituição Financeira Habilitada
1432
289,90
720
349,90
Quantidade de
Parcelamentos a serem
Concedidos
Valor do Subsídio
Requerido
500
359,00
154
428,00
2.544
0,00
319
0,00
ECONOMISA
Total
3.592
CAIXA ECONÔMICA FEDERAL
ANEXO V - Portaria Conjunta nº 2, de 2005
COHAB / MG
Total
Instituição Financeira Habilitada
2.863
Quantidade de
Financiamentos a serem
Concedidos
Valor do Subsídio
Requerido
240
0,00
769
289,90
380
349,90
COHAB - MG
ANEXO VI - Portaria Conjunta nº 1, de 2005
Art. 3o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
Quantidade de
Parcelamentos a serem
Concedidos
Valor do Subsídio
Requerido
300
170,00
300
189,00
500
239,00
369
280,00
COBANSA
ALMÉRIO CANÇADO DE AMORIM
C. H. B.
Família Paulista Crédito Imobiliário S.A.
Família Paulista Crédito Imobiliário S.A.
ANEXO I
Total
500
398,00
20
469,00
1.909
Cia Hipotecária COBANSA
ANEXO I - Portaria Conjunta nº 1, de 2005
Quantidade de
Parcelamentos a serem
Concedidos
Valor do Subsídio
Requerido
810
0,00
Instituição Financeira Habilitada
Total
ECONOMISA
0,00
CAIXA ECONÔMICA FEDERAL
2.471
0,00
540
0,00
CHRIS
ANEXO VI - Portaria Conjunta nº 2, de 2005
CAIXA ECONÔMICA FEDERAL
150
COHAPAR
COHAB/SC
0,00
Família Paulista Crédito Imobiliário S.A.
Instituição Financeira Habilitada
10
786
C. H. B.
Total
12.299
Instituição Financeira Habilitada
Valor do Subsídio
Requerido
COHAB - MG
30
Total
Quantidade de
Financiamentos a serem
Concedidos
281,00
1.619
Quantidade de
Financiamentos a serem Concedidos
Valor do Subsídio
Requerido
250
190,00
250
330,00
250
480,00
300
459,00
29
546,00
COBANSA
ANEXO I - Portaria Conjunta nº 2, de 2005
Instituição Financeira Habilitada
Quantidade de Financiamentos a serem
Concedidos
Valor do Subsídio
Requerido
Família Paulista Crédito Imobiliário S.A.
COHAPAR - Companhia de Habitação
do Paraná
800
0,00
Total
1.079
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS
DEPARTAMENTO DE CONTROLE ECONÔMICO
PORTARIA N° 439, DE 20 DE ABRIL DE 2005
<!ID636931-0>
O CHEFE DO DEPARTAMENTO DE CONTROLE ECONÔMICO - DECON, no uso da competência delegada pelo Superintendente da Superintendência de Seguros Privados, por meio da
Portaria n° 848, de 1° de junho de 2000, tendo em vista o disposto no
artigo 77 do Decreto-Lei n° 73, de 21 de novembro de 1966, e o que
consta dos Processos SUSEP n° 15414.000288/2004-60 e
15414.001460/2004-01, resolve:
Art.1° Homologar, na íntegra, as deliberações tomadas pelos
acionistas da ATLÂNTICA CAPITALIZAÇÃO S.A., CNPJ n°
01.598.935/0001-84, com sede social na cidade do Rio de Janeiro RJ, que, na Assembléia Geral Extraordinária realizada em 29 de
dezembro de 2003 e nas Assembléias Gerais Ordinária e Extraordinária realizadas, cumulativamente, em 31 de março de 2004, aprovaram, em especial, a alteração do artigo 7° do Estatuto Social.
Art.2° Esta Portaria entra e m vigor na data de sua Publicação.
LÉO MARANHÃO DE MELLO
PORTARIA N° 440, DE 20 DE ABRIL DE 2005
<!ID637014-0>
O CHEFE DO DEPARTAMENTO DE CONTROLE ECONÔMICO - DECON, no uso da competência delegada pelo Senhor
Superintendente da Superintendência de Seguros Privados, por meio
da Portaria n° 848, de 1° de junho de 2000, tendo em vista o disposto
no artigo 77 do Decreto-Lei n° 73, de 21 de novembro de 1966, e o
que consta dos Processos SUSEP n° 15414.100710/2004-86,
15414.100442/2004-01, 15414.100635/2004-53, 15414.100785/200386, 15414.100360/2004-58 e 15414.100601/2003-88, resolve:
Art. 1° Homologar, na íntegra, as deliberações tomadas pelos
acionistas da UBF GARANTIAS & SEGUROS S.A., CNPJ n°
33.061.839/0001-99, com sede social na cidade de São Paulo - SP,
que, na Assembléia Geral Extraordinária realizada em 20 de setembro
de 2004, rerratificadora da Assembléia Geral Extraordinária realizada
em 10 de abril de 2004, na Assembléia Geral Extraordinária realizada
12 de abril de 2004, rerratificadora da Assembléia Geral Extraordinária realizada em 28 de maio de 2003, e nas Assembléias Gerais
Extraordinárias realizadas em 30 de julho de 2003 e 09 de agosto de
2004, aprovaram, em especial:
I - A alteração do endereço da sede social;
II - A divisão do número de ações por 1.000 (um mil),
passando o capital social a ser representado por R$ 16.621.094,93(dezesseis milhões, seiscentos e vinte e um mil, noventa e quatro reais e
noventa e três centavos) dividido em 19.559.743 (dezenove milhões,
quinhentas e cinqüenta e nove mil, setecentas e quarenta e três mil)
ações ordinárias nominativas, sem valor nominal; e
III - A Alteração dos artigos 3° e 5° do Estatuto Social;
Art. 2º Esta portaria entra em vigor na data da sua publicação.
LÉO MARANHÃO DE MELLO
TERCEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES
1ª CÂMARA
ATA DA 5.676ª SESSÃO ORDINÁRIA
REALIZADA EM 9 DE NOVEMBRO DE 2004
<!ID633998-0>
Aos nove dias do mês de novembro de 2004, às 14:00 horas,
na sala das Sessões, localizada no 10º andar do Edifício Alvorada,
Quadra 01, Bloco J, SCS, Brasília-DF, realizou-se a 5676 Sessão
Ordinária da Primeira Câmara do Terceiro Conselho de Contribuintes,
com a presença dos Senhores Conselheiros Otacílio Dantas Cartaxo,
Presidente, Roberta Maria Ribeiro Aragão, José Luiz Novo Rossari,
Atalina Rodrigues Alves, Luiz Roberto Domingo, Valmar Fonseca de
Menezes, Carlos Henrique Klaser Filho, Lisa Marini Vieira Ferreira
dos Santos (suplente) e o Procurador da Fazenda Nacional Leandro
Felipe Bueno. Presente, ainda, a Secretária Silvana Cristina dos Santos Fernandes. Havendo número legal, o senhor Presidente declarou
aberta a Sessão procedendo a leitura da ATA da Sessão anterior
realizada em 22 de outubro de 2004, às 14:00 horas, a qual, posta em
discussão, foi unanimemente aprovada. No expediente, foram distribuídos os seguintes recursos:
RELATOR: JOSÉ LUIZ NOVO ROSSARI
121.521 - 123.416 - 123.897
RELATORA: ATALINA RODRIGUES ALVES
127.840 - 125.550 - 122.020
Passando-se a ORDEM DO DIA, foram submetidos a julgamento os seguintes recursos:
Relator: ROBERTA MARIA RIBEIRO ARAGÃO
Recurso: 127327
Processo: 11040.001578/96-67
Recte: MATTEA E CIA. LTDA.
Recda: DRJ-PORTO ALEGRE/RS
Decisão: Por unanimidade de votos, negou-se provimento ao
recurso.
Acórdão no 301-31.532
Relator: JOSÉ LUIZ NOVO ROSSARI
Recurso: 127846
Processo: 13831.000261/99-39
Recte: OURICAR OURINHOS VEÍCULOS E PEÇAS LTDA.
Recda: DRJ-RIBEIRAO PRETO/SP
Decisão: Por unanimidade de votos, deu-se provimento ao
recurso devolvendo-se o processo à DRJ para exame da matéria.
Acórdão no 301-31.533
Relator: ATALINA RODRIGUES ALVES
Recurso: 128232
Processo: 10640.000031/99-47
Recte: MERCADO BELLINI LTDA.
Recda: DRJ-JUIZ DE FORA/MG
Decisão: Por unanimidade de votos, deu-se provimento ao
recurso. Fez sustentação oral o representante da empresa o advogado
Dr. Maurício Gonzáles Nardelli, OAB/DF 14.676.
Acórdão no 301-31.534
Relator: LUIZ ROBERTO DOMINGO
Recurso: 127120
Processo: 10830.004142/99-31
Recte: BMV TERRAPLANAQGEN E CONSTRUTORA
LTDA
Recda: DRJ-CAMPINAS/SP
Decisão: Por unanimidade de votos, deu-se provimento ao
recurso devolvendo-se o processo à DRJ para exame da matéria.
Acórdão no 301-31.535.
Relator: VALMAR FONSECA DE MENEZES
Recurso: 127668
Processo: 10945.001594/95-12
Recte: ITAJUÍ ENGENHARIA DE OBRAS LTDA.
Recda: DRJ-CURITIBA/PR
Decisão: Por unanimidade de votos, deu-se provimento parcial ao recurso, nos termos do voto do conselheiro relator.
Acórdão no 301-31.536
Recurso: 128186
Processo: 13839.000581/2001-68
Recte: FACHINI & BUSSI LTDA.
Recda: DRJ-CAMPINAS/SP
Decisão: Por unanimidade de votos, deu-se provimento ao
recurso devolvendo-se o processo à DRJ para exame da matéria.
Acórdão no 301-31.537
Recurso: 128198
Processo: 13884.001907/00-86
Recte: PARANAWAL - EXTRAÇÃO E COM. DE AREIA
LTDA.
Recda: DRJ-CAMPINAS/SP
Decisão: Por unanimidade de votos, deu-se provimento ao
recurso devolvendo-se o processo à DRJ para exame da matéria.
Acórdão no 301-31.538
Relator: CARLOS HENRIQUE KLASER FILHO
Recurso: 127134
Processo: 10980.001319/00-01
Recte: BRITANITE S/A. INDUSTRIAS QUÍMICAS
Recda: DRJ-CURITIBA/PR
Decisão: Vista ao conselheiro Valmar Fonseca de Menezes
Recurso: 129600
Processo: 16327.002274/00-18
Recte: DRJ-SÃO PAULO/SP
Recda: DRJ-SÃO PAULO/SP
Inter: BANK BOSTON S/A
Decisão: Por maioria de votos, rejeitou-se a preliminar de
decadência, vencidos os conselheiros Carlos Henrique Klaser Filho,
relator, Lisa Marini Ferreira dos Santos e Luiz Roberto Domingo.
Designado para redigir a preliminar rejeitada a conselheira Roberta
Maria Ribeiro Aragão. No mérito, por unanimidade de votos, negouse provimento aos recursos voluntário e de ofício. Fez sustentação
oral o representante da empresa o advogado Dr. Ricardo Krakowiak
OAB/SP 138.192.
Acórdão no 301-31.539
Nada mais havendo a tratar, o senhor Presidente declarou
encerrada a Sessão. E, para constar, eu Silvana Cristina dos Santos
Fernandes, lavrei a presente ATA, que vai assinada por mim e pelo
senhor Presidente, depois de lida e aprovada.
SILVANA CRISTINA DOS SANTOS FERNANDES - SECRETÁRIA
OTACÍLIO DANTAS CARTAXO - PRESIDENTE
ATA DA 5.677ª SESSÃO ORDINÁRIA
REALIZADA EM 10 DE NOVEMBRO DE 2004
Aos dez dias do mês de novembro de 2004, às 09:00 horas,
na sala das Sessões, localizada no 10º andar do Edifício Alvorada,
Quadra 01, Bloco J, SCS, Brasília-DF, realizou-se a 5677 Sessão
Ordinária da Primeira Câmara do Terceiro Conselho de Contribuintes,
com a presença dos Senhores Conselheiros Otacílio Dantas Cartaxo,
Presidente, Roberta Maria Ribeiro Aragão, José Luiz Novo Rossari,
Atalina Rodrigues Alves, Luiz Roberto Domingo, Valmar Fonseca de
Menezes, Carlos Henrique Klaser Filho, Lisa Marini Vieira Ferreira
dos Santos (suplente) e o Procurador da Fazenda Nacional Leandro
Felipe Bueno. Presente, ainda, a Secretária Silvana Cristina dos Santos Fernandes. Havendo número legal, o senhor Presidente declarou
aberta a Sessão procedendo a leitura da ATA da Sessão anterior
realizada em 9 de novembro de 2004, às 14:00 horas, a qual, posta
em discussão, foi unanimemente aprovada. Passando-se a ORDEM
DO DIA, foram submetidos a julgamento os seguintes recursos:
Relator: ROBERTA MARIA RIBEIRO ARAGÃO
Recurso: 126918
Processo: 13804.004435/99-97
Recte: LIVRARIA E EDITORA REGENTE LTDA.
Recda: DRJ-CURITIBA/PR
Decisão: Por unanimidade de votos, declinou-se a competência em favor do 2º Conselho de Contribuintes nos termos do voto
da conselheira relatora.
Resolução no 301.1.330
Relator: ATALINA RODRIGUES ALVES
Recurso: 128229
Processo: 13605.000384/99-34
ISSN 1677-7042
recurso
recurso
recurso
recurso
33
Recte: CASAS LINHARES LTDA.
Recda: DRJ-JUIZ DE FORA/MG
Decisão: Por unanimidade de votos, deu-se provimento ao
devolvendo-se o processo à DRJ para exame da matéria.
Acórdão no 301-31. 540
Relator: LUIZ ROBERTO DOMINGO
Recurso: 125808
Processo: 10880.007813/00-71
Recte: FIORELLI COMERCIAL DE VEÍCULOS LTDA
Recda: DRJ-CAMPINAS/SP
Decisão: Por unanimidade de votos, deu-se provimento ao
devolvendo-se o processo à DRJ para exame da matéria.
Acórdão no 301-31. 541
Recurso: 127242
Processo: 13839.000902/97-03
Recte: FEIRA DA BORRACHA LTDA.
Recda: DRJ-CAMPINAS/SP
Decisão: Vista ao conselheiro José Luiz Novo Rossari
Relator: VALMAR FONSECA DE MENEZES
Recurso: 128180
Processo: 13748.000366/97-10
Recte: VIA LIPE CONFECÇÕES LTDA.
Recda: DRJ-RIO DE JANEIRO/RJ
Decisão: Por unanimidade de votos, deu-se provimento ao
devolvendo-se o processo à DRJ para exame da matéria.
Acórdão no 301-31. 542
Recurso: 128183
Processo: 13748.000335/97-88
Recte: SERRARIA ITAIPAVA LTDA.
Recda: DRJ-RIO DE JANEIRO/RJ
Decisão: Por unanimidade de votos, deu-se provimento ao
devolvendo-se o processo à DRJ para exame da matéria.
Acórdão no 301-31.543
Recurso: 128275
Processo: 13816.000656/2001-79
Recte: PRODUTOS ALIMENTÍCIOS SUPER TRI II LT-
DA.
Recda: DRJ-CAMPINAS/SP
Decisão: Por unanimidade de votos, deu-se provimento ao
recurso devolvendo-se o processo à DRJ para exame da matéria.
Acórdão no 301-31. 544
Recurso: 128278
Processo: 11610.002059/00-26
Recte: INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE MÓVEIS PIRINEOS LTDA.
Recda: DRJ-SAO PAULO/SP
Decisão: Por unanimidade de votos, deu-se provimento ao
recurso devolvendo-se o processo à DRJ para exame da matéria.
Acórdão no 301-31. 545
Nada mais havendo a tratar, o senhor Presidente declarou
encerrada a Sessão. E, para constar, eu Silvana Cristina dos Santos
Fernandes, lavrei a presente ATA, que vai assinada por mim e pelo
senhor Presidente, depois de lida e aprovada.
SILVANA CRISTINA DOS SANTOS FERNANDES - SECRETÁRIA
OTACÍLIO DANTAS CARTAXO - PRESIDENTE
ATA DA 5.678ª SESSÃO ORDINÁRIA
REALIZADA EM 10 DE NOVEMBRO DE 2004
Aos dez dias do mês de novembro de 2004, às 14:00 horas,
na sala das Sessões, localizada no 10º andar do Edifício Alvorada,
Quadra 01, Bloco J, SCS, Brasília-DF, realizou-se a 5678 Sessão
Ordinária da Primeira Câmara do Terceiro Conselho de Contribuintes,
com a presença dos Senhores Conselheiros Otacílio Dantas Cartaxo,
Presidente, Roberta Maria Ribeiro Aragão, José Luiz Novo Rossari,
Atalina Rodrigues Alves, Luiz Roberto Domingo, Valmar Fonseca de
Menezes, Carlos Henrique Klaser Filho, Lisa Marini Vieira Ferreira
dos Santos (suplente) e o Procurador da Fazenda Nacional Leandro
Felipe Bueno. Presente, ainda, a Secretária Silvana Cristina dos Santos Fernandes. Havendo número legal, o senhor Presidente declarou
aberta a Sessão procedendo a leitura da ATA da Sessão anterior
realizada em 10 de novembro de 2004, às 09:00 horas, a qual, posta
em discussão, foi unanimemente aprovada. Passando-se a ORDEM
DO DIA, foram submetidos a julgamento os seguintes recursos:
Relator: OTACÍLIO DANTAS CARTAXO
Recurso: 124597
Processo: 10930.000604/2001-06
Recte: EFROM SOCIEDADE CIVIL LTDA.
Recda: DRJ-CURITIBA/PR
Decisão: Por unanimidade de votos, negou-se provimento ao
recurso.
Acórdão no: 301-31. 546
Recurso: 125130
Processo: 13660.000063/2001-23
Recte: FADA'S BAR LTDA.
Recda: DRJ-JUIZ DE FORA/MG
Decisão: Por unanimidade de votos, negou-se provimento ao
recurso.
Acórdão no: 301-31. 547
Recurso: 127861
Processo: 13884.004647/2002-24
Recte: CULTURAL E COMÉRCIO SÃO JOSÉ LTDA.
Recda: DRJ-CAMPINAS/SP
Decisão: Por unanimidade de votos, rejeitou-se a preliminar
de inconstitucionalidade. No mérito, por unanimidade de votos, negou-se provimento ao recurso.
Acórdão no : 301-31.548
Relator: ATALINA RODRIGUES ALVES
34
ISSN 1677-7042
Recurso: 127333
Processo: 13131.000071/2002-39
Recte: B. BATISTA DA SILVA
Recda: DRJ-BRASILIA/DF
Decisão: Vista ao conselheiro José Luiz Novo Rossari.
Recurso: 127994
Processo: 10880.004618/99-84
Recte: SAPIENTIA CENTRO DE DESENVOLVIMENTO
INFANTIL LTDA.
Recda: DRJ-SAO PAULO/SP
Decisão: Por unanimidade de votos, rejeitou-se a preliminar
de inconstitucionalidade e, no mérito, por unanimidade de votos,
negou-se provimento ao recurso.
Acórdão no 301-31.549
Relator: LUIZ ROBERTO DOMINGO
Recurso: 127292
Processo: 11065.002368/2002-44
Recte: VISUS - SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO LTDA.
Recda: DRJ-PORTO ALEGRE/RS
Decisão: Por maioria de votos, negou-se provimento ao recurso, vencidos os conselheiros Luiz Roberto Domingo, relator, Lisa
Marini Ferreira dos Santos e Carlos Henrique Klaser Filho. Designado para redigir o acórdão o conselheiro Valmar Fonseca de
Menezes.
Acórdão no 301-31.550
Recurso: 127517
Processo: 10425.000450/2001-54
Recte: GERALDO CALÇADOS LTDA.
Recda: DRJ-RECIFE/PE
Decisão: Por unanimidade de votos, deu-se provimento ao
recurso.
Acórdão no 301-31.551
Recurso: 127629
Processo: 13839.002406/00-71
Recte: CEFI CENTRO EDUC. FÍSICA INF. E SPORT
SHOPING LTDA.
Recda: DRJ-CAMPINAS/SP
Decisão: Por unanimidade de votos, negou-se provimento ao
recurso.
Acórdão no 301-31.552
Recurso: 128813
Processo: 10930.003086/2002-55
Recte: RECEBE ASSESSORIA EM COBRANÇA E CRÉDITO LTDA.
Recda: DRJ-CURITIBA/PR
Decisão: Vista ao conselheiro Valmar Fonseca de Menezes
Relator: VALMAR FONSECA DE MENEZES
Recurso: 127962
Processo: 13964.000149/2001-31
Recte: CONFECÇÕES FIVE STARS LTDA. - ME.
Recda: DRJ-FLORIANOPOLIS/SC
Decisão: Por unanimidade de votos, deu-se provimento ao
recurso.
Acórdão no 301-31.553
Recurso: 128304
Processo: 13855.001109/2002-25
Recte: IRMÃOS GUIRALDELLI LTDA.
Recda: DRJ-RIBEIRAO PRETO/SP
Decisão: Por unanimidade de votos, rejeitaram-se as preliminares de nulidade e inconstitucionalidade. No mérito, por unanimidade de votos, negou-se provimento ao recurso.
Acórdão no : 301-31.554
Relator: CARLOS HENRIQUE KLASER FILHO
Recurso: 127050
Processo: 13317.000056/00-16
Recte: AUTO SERVIÇO RODRIGUES & RODRIGUES
LTDA.
Recda: DRJ-FORTALEZA/CE
Decisão: Vista ao conselheiro Valmar Fonseca de Menezes
Nada mais havendo a tratar, o senhor Presidente declarou
encerrada a Sessão. E, para constar, eu Silvana Cristina dos Santos
Fernandes, lavrei a presente ATA, que vai assinada por mim e pelo
senhor Presidente, depois de lida e aprovada.
SILVANA CRISTINA DOS SANTOS FERNANDES - SECRETÁRIA
OTACÍLIO DANTAS CARTAXO - PRESIDENTE
ATA DA 5.679ª SESSÃO ORDINÁRIA
REALIZADA EM 11 DE NOVEMBRO DE 2004
Aos onze dias do mês de novembro de 2004, às 09:00 horas,
na sala das Sessões, localizada no 10º andar do Edifício Alvorada,
Quadra 01, Bloco J, SCS, Brasília-DF, realizou-se a 5679 Sessão
Ordinária da Primeira Câmara do Terceiro Conselho de Contribuintes,
com a presença dos Senhores Conselheiros Otacílio Dantas Cartaxo,
Presidente, Roberta Maria Ribeiro Aragão, José Luiz Novo Rossari,
Atalina Rodrigues Alves, Luiz Roberto Domingo, Valmar Fonseca de
Menezes, Carlos Henrique Klaser Filho, Lisa Marini Vieira Ferreira
dos Santos (suplente) e o Procurador da Fazenda Nacional Leandro
Felipe Bueno. Presente, ainda, a Secretária Silvana Cristina dos Santos Fernandes. Havendo número legal, o senhor Presidente declarou
aberta a Sessão procedendo a leitura da ATA da Sessão anterior
realizada em 10 de novembro de 2004, às 14:00 horas, a qual, posta
em discussão, foi unanimemente aprovada. Passando-se a ORDEM
DO DIA, foram submetidos a julgamento os seguintes recursos:
Relator: OTACÍLIO DANTAS CARTAXO
Recurso: 127885
Processo: 10425.001058/2001-22
Recte: GETÚLIO CAMPELO SALVIANO
1
Recda: DRJ-RECIFE/PE
Decisão: Por unanimidade de votos, deu-se provimento ao
recurso.
Acórdão no : 301-31.555
Recurso: 128762
Processo: 10540.001442/2002-90
Recte: INDÚSTRIAS FRANCISCO POZZANI S.A.
Recda: DRJ-RECIFE/PE
Decisão: Vista a conselheira Roberta Maria Ribeiro Aragão
Relator: ROBERTA MARIA RIBEIRO ARAGÃO
Recurso: 127011
Processo: 10680.010802/2001-69
Recte: INÁCIO FRANCO E OUTRO
Recda: DRJ-BRASILIA/DF
Decisão: Por maioria de votos, deu-se provimento parcial ao
recurso, vencido o conselheiro José Luiz Novo Rossari.
Acórdão no : 301-31. 556
Relator: JOSÉ LUIZ NOVO ROSSARI
Recurso: 126878
Processo: 10865.001215/96-00
Recte: MIGUEL CÂNDIDO BONADIMAN
Recda: DRJ-CAMPO GRANDE/MS
Decisão: Por unanimidade de votos, anulou-se o processo ab
initio.
Acórdão no : 301-31.557
Relator: ATALINA RODRIGUES ALVES
Recurso: 128159
Processo: 13838.000055/99-12
Recte: UNIÃO SÃO PAULO S/A - AGRICULTURA, INDÚSTRIA E COMÉRCIO
Recda: DRJ-CAMPO GRANDE/MS
Decisão: Por maioria de votos, deu-se provimento ao recurso, vencidos os conselheiros Atalina Rodrigues Alves, relatora,
Roberta Maria Ribeiro Aragão e José Luiz Novo Rossari, que negavam provimento. Designado para redigir o acórdão o conselheiro
Otacílio Dantas Cartaxo.
Acórdão no : 301-31. 558
Relator: LUIZ ROBERTO DOMINGO
Recurso: 122641
Processo: 10540.000641/95-54
Recte: VITÓRIA FERNANDES OLIVEIRA SANTOS
Recda: DRJ-SALVADOR/BA
Decisão: Vista ao conselheiro Valmar Fonsêca de Menezes.
Relator: VALMAR FONSECA DE MENEZES
Recurso: 127429
Processo: 10620.001236/2002-90
Recte: V & M FLORESTAL LTDA.
Recda: DRJ-BRASILIA/DF
Decisão: Por maioria de votos, deu-se provimento ao recurso, vencido o conselheiro José Luiz Novo Rossari.
Acórdão no 301-31.559
Relator: CARLOS HENRIQUE KLASER FILHO
Recurso: 122555
Processo: 11041.000614/99-44
Recte: MANUEL ROSSELL SARMENTO
Recda: DRJ-SANTA MARIA/RS
Decisão: Por unanimidade de votos, deu-se provimento ao
recurso.
Acórdão nº 301-31.560
Recurso: 128812
Processo: 10680.100072/2002-78
Recte: FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S/A.
Recda: DRJ-BRASILIA/DF
Decisão: Por unanimidade de votos, converteu-se o julgamento em diligência à Repartição de origem. Fez sustentação oral a
advogada Drª. Leonor Leite Vieira OAB/SP no 53.655.
Resolução no : 301-1.331
Nada mais havendo a tratar, o senhor Presidente declarou
encerrada a Sessão. E, para constar, eu Silvana Cristina dos Santos
Fernandes, lavrei a presente ATA, que vai assinada por mim e pelo
senhor Presidente, depois de lida e aprovada.
SILVANA CRISTINA DOS SANTOS FERNANDES - SECRETÁRIA
OTACÍLIO DANTAS CARTAXO - PRESIDENTE
ATA DA 5.680ª SESSÃO ORDINÁRIA
REALIZADA EM 11 DE NOVEMBRO DE 2004
Aos onze dias do mês de novembro de 2004, às 14:00 horas,
na sala das Sessões, localizada no 10º andar do Edifício Alvorada,
Quadra 01, Bloco J, SCS, Brasília-DF, realizou-se a 5680 Sessão
Ordinária da Primeira Câmara do Terceiro Conselho de Contribuintes,
com a presença dos Senhores Conselheiros Otacílio Dantas Cartaxo,
Presidente, Roberta Maria Ribeiro Aragão, José Luiz Novo Rossari,
Atalina Rodrigues Alves, Luiz Roberto Domingo, Valmar Fonseca de
Menezes, Carlos Henrique Klaser Filho, Lisa Marini Vieira Ferreira
dos Santos (suplente) e o Procurador da Fazenda Nacional Leandro
Felipe Bueno. Presente, ainda, a Secretária Silvana Cristina dos Santos Fernandes. Havendo número legal, o senhor Presidente declarou
aberta a Sessão procedendo a leitura da ATA da Sessão anterior
realizada em 11 de novembro de 2004, às 09:00 horas, a qual, posta
em discussão, foi unanimemente aprovada. Passando-se a ORDEM
DO DIA, foram submetidos a julgamento os seguintes recursos:
Relator: OTACÍLIO DANTAS CARTAXO
Recurso: 126984
Processo: 10735.001332/2001-60
Recte: FRATERNIDADE BRANCA UNIVERSAL DO ARCANJO MICKAEL
Recda: DRJ-RECIFE/PE
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
Decisão: Por unanimidade de votos, converteu-se o julgamento em diligência à Repartição de origem. O conselheiro Valmar
Fonsêca de Menezes declarou-se impedido de votar.
Resolução no : 301-1.332
Recurso: 129677
Processo: 13410.000089/2002-02
Recte: COMPANHIA HIDRO ELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO - CHESF
Recda: DRJ-RECIFE/PE
Decisão: Vista ao conselheiro Carlos Henrique Klaser Filho
Relator: ROBERTA MARIA RIBEIRO ARAGÃO
Recurso: 127200
Processo: 10650.000179/2001-93
Recte: FLÁVIO DE OLIVEIRA FERREIRA
Recda: DRJ-BRASILIA/DF
Decisão: Por unanimidade de votos, deu-se provimento ao
recurso. Os conselheiros José Luiz Novo Rossari, Atalina Rodrigues
Alves e Valmar Fonseca de Menezes votaram pela conclusão. Fez
sustentação oral o representante da empresa o advogado Dr. Dílson
Gerent, OAB/RS 22.484.
Acórdão no 301-31.561
Relator: JOSÉ LUIZ NOVO ROSSARI
Recurso: 129998
Processo: 10240.000670/2003-16
Recte: ISAAC BENAYON SABBA - (ESPÓLIO)
Recda: DRJ-RECIFE/PE
Decisão: Por maioria de votos, converteu-se o julgamento
em diligência à RO, vencido o conselheiro Carlos Henrique Klaser
Filho.
Resolução no 301-1.333
Relator: ATALINA RODRIGUES ALVES
Recurso: 128162
Processo: 13804.001871/96-80
Recte: LUIZ BARCO
Recda: DRJ-SAO PAULO/SP
Decisão: Por unanimidade de votos, anulou-se o processo ab
initio.
Acórdão no : 301-31.562
Relator: LUIZ ROBERTO DOMINGO
Recurso: 129489
Processo: 13924.000403/2002-59
Recte: FONTES PARTICIPAÇÕES E ADMINISTRAÇÃO
LTDA.
Recda: DRJ-CAMPO GRANDE/MS
Decisão: Vista ao conselheiro Otacílio Dantas Cartaxo.
Relator: VALMAR FONSECA DE MENEZES
Recurso: 127422
Processo: 10620.001234/2002-09
Recte: V & M FLORESTAL LTDA.
Recda: DRJ-BRASILIA/DF
Decisão: Por maioria de votos, deu-se provimento ao recurso, vencido o conselheiro José Luiz Novo Rossari.
Acórdão no 301-31.563
Relator: CARLOS HENRIQUE KLASER FILHO
Recurso: 126061
Processo: 10620.000484/2001-32
Recte: MANNESMANN FLORESTAL LTDA.
Recda: DRJ-BRASILIA/DF
Decisão: Por unanimidade de votos, deu-se provimento ao
recurso.
Acórdão no 301-31.564
Recurso: 129997
Processo: 10240.000671/2003-52
Recte: ISAAC BENAYON SABBA - (ESPÓLIO)
Recda: DRJ-RECIFE/PE
Decisão: Por maioria de votos, converteu-se o julgamento
em diligência à Repartição de Origem, vencido o conselheiro Carlos
Henrique Klaser Filho, relator. Designado para redigir a resolução o
conselheiro José Luiz Novo Rossari.
Resolução no: 301-1.334
Nada mais havendo a tratar, o senhor Presidente declarou
encerrada a Sessão. E, para constar, eu Silvana Cristina dos Santos
Fernandes, lavrei a presente ATA, que vai assinada por mim e pelo
senhor Presidente, depois de lida e aprovada.
SILVANA CRISTINA DOS SANTOS FERNANDES - SECRETÁRIA
OTACÍLIO DANTAS CARTAXO - PRESIDENTE
ATA DA 5.681ª SESSÃO ORDINÁRIA
REALIZADA EM 12 DE NOVEMBRO DE 2004
Aos doze dias do mês de novembro de 2004, às 09:00 horas,
na sala das Sessões, localizada no 10º andar do Edifício Alvorada,
Quadra 01, Bloco J, SCS, Brasília-DF, realizou-se a 5681 Sessão
Ordinária da Primeira Câmara do Terceiro Conselho de Contribuintes,
com a presença dos Senhores Conselheiros Otacílio Dantas Cartaxo,
Presidente, Roberta Maria Ribeiro Aragão, José Luiz Novo Rossari,
Atalina Rodrigues Alves, Luiz Roberto Domingo, Valmar Fonseca de
Menezes, Carlos Henrique Klaser Filho, Lisa Marini Vieira Ferreira
dos Santos (suplente) e o Procurador da Fazenda Nacional Leandro
Felipe Bueno. Presente, ainda, a Secretária Silvana Cristina dos Santos Fernandes. Havendo número legal, o senhor Presidente declarou
aberta a Sessão procedendo a leitura da ATA da Sessão anterior
realizada em 11 de novembro de 2004, às 14:00 horas, a qual, posta
em discussão, foi unanimemente aprovada. Passando-se a ORDEM
DO DIA, foram submetidos a julgamento os seguintes recursos:
Relator: OTACÍLIO DANTAS CARTAXO
Recurso: 128037
Processo: 13117.000103/00-14
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
Recte: TOBASA - TOCANTINS BABAÇU S/A.
Recda: DRJ-BRASILIA/DF
Decisão: Por unanimidade de votos, converteu-se o julgamento em diligência à Repartição de origem.
Resolução no : 301-1.335
Recurso: 128177
Processo: 13128.000095/2001-66
Recte: ANTÔNIO FERNANDO OLIVEIRA GONÇALVES
Recda: DRJ-BRASILIA/DF
Decisão: Por unanimidade de votos, deu-se provimento parcial ao recurso, nos termos do voto do relator.
Acórdão no : 301-31.565
Recurso: 128257
Processo: 13410.000026/2001-67
Recte: NOÉ GOMES DE BARROS
Recda: DRJ-RECIFE/PE
Decisão: Retirado de pauta em razão do pedido de desistência.
Relator: ROBERTA MARIA RIBEIRO ARAGÃO
Recurso: 125066
Processo: 10909.000427/91-58
Recte: FAZENDA MORRO DOS VENTOS LTDA.
Recda: DRJ-FLORIANOPOLIS/SC
Decisão: Por unanimidade de votos, rejeitou-se a preliminar
de nulidade. No mérito, por unanimidade de votos, negou-se provimento ao recurso.
Acórdão nº 301-31.566
Relator: ATALINA RODRIGUES ALVES
Recurso: 129827
Processo: 10855.005868/2002-79
Recte: VOTORANTIM PARTICIPAÇÕES S/A.
Recda: DRJ-CAMPO GRANDE/MS
Decisão: Vista ao conselheiro Carlos Henrique Klaser Filho
Relator: LUIZ ROBERTO DOMINGO
Recurso: 125436
Processo: 13016.000232/2001-20
Recte: FASOLO ARTEFATOS DE COURO LTDA.
Recda: DRJ-PORTO ALEGRE/RS
Decisão: Por unanimidade de votos, negou-se provimento ao
recurso.
Acórdão no :301-31.567
Relator: VALMAR FONSECA DE MENEZES
Recurso: 125272
Processo: 13016.000206/00-59
Recte: FASOLO ARTEFATOS DE COURO LTDA.
Recda: DRJ-PORTO ALEGRE/RS
Decisão: Por unanimidade de votos, converteu-se o julgamento em diligência à Repartição de origem , para o competente
julgamento da lide estabelecida.
Resolução no : 301-1.336
Recurso: 125451
Processo: 13016.000275/2001-13
Recte: FASOLO ARTEFATOS DE COURO LTDA.
Recda: DRJ-PORTO ALEGRE/RS
Decisão: Por unanimidade de votos, negou-se provimento ao
recurso.
Acórdão no : 301-31.568
Recurso: 129359
Processo: 19515.000033/2003-39
Recte: UNILEVER BRASIL LTDA.
Recda: DRJ-RIBEIRAO PRETO/SP
Decisão: Por unanimidade de votos, conheceu-se do recurso
em parte por opção pela via judicial. Na parte conhecida, por unanimidade de votos, rejeitou-se a preliminar de inconstitucionalidade.
No mérito, por unanimidade de votos, negou-se provimento ao recurso.
Acórdão no : 301-31.569
Relator: CARLOS HENRIQUE KLASER FILHO
Recurso: 128373
Processo: 10494.001183/2002-08
Recte: PETRÓLEO BRASILEIRO S/A
Recda: DRJ-FLORIANOPOLIS/SC
Decisão: Vista ao conselheiro Valmar Fonseca de Menezes.
Nada mais havendo a tratar, o senhor Presidente declarou
encerrada a Sessão. E, para constar, eu Silvana Cristina dos Santos
Fernandes, lavrei a presente ATA, que vai assinada por mim e pelo
senhor Presidente, depois de lida e aprovada.
SILVANA CRISTINA DOS SANTOS FERNANDES - SECRETÁRIA
OTACÍLIO DANTAS CARTAXO - PRESIDENTE
ATA DA 5.682ª SESSÃO ORDINÁRIA
REALIZADA EM 12 DE NOVEMBRO DE 2004
Aos doze dias do mês de novembro de 2004, às 14:00 horas,
na sala das Sessões, localizada no 10º andar do Edifício Alvorada,
Quadra 01, Bloco J, SCS, Brasília-DF, realizou-se a 5682 Sessão
Ordinária da Primeira Câmara do Terceiro Conselho de Contribuintes,
com a presença dos Senhores Conselheiros Otacílio Dantas Cartaxo,
Presidente, Roberta Maria Ribeiro Aragão, José Luiz Novo Rossari,
Atalina Rodrigues Alves, Luiz Roberto Domingo, Valmar Fonseca de
Menezes, Carlos Henrique Klaser Filho, Lisa Marini Vieira Ferreira
dos Santos (suplente) e o Procurador da Fazenda Nacional Leandro
Felipe Bueno. Presente, ainda, a Secretária Silvana Cristina dos Santos Fernandes. Havendo número legal, o senhor Presidente declarou
aberta a Sessão procedendo a leitura da ATA da Sessão anterior
realizada em 12 de novembro de 2004, às 09:00 horas, a qual, posta
em discussão, foi unanimemente aprovada. Passando-se a ORDEM
DO DIA, foram submetidos a julgamento os seguintes recursos:
Relator: OTACÍLIO DANTAS CARTAXO
Recurso: 123383
Processo: 11128.003773/98-32
Recte: NOVARTIS BIOCIÊNCIAS LTDA
Recda: DRJ-SAO PAULO/SP
Decisão: Por unanimidade de votos, deu-se provimento parcial ao recurso, para excluir a multa lançada.
Acórdão no : 301-31.570
Relator: ROBERTA MARIA RIBEIRO ARAGÃO
Recurso: 119876
Processo: 10830.002987/92-98
Recte: CALIBRÁS EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS LTDA.
Recda: DRJ-CAMPINAS/SP
Decisão: Vista ao conselheiro Valmar Fonseca de Menezes
Relator: JOSÉ LUIZ NOVO ROSSARI
Recurso: 129613
Processo: 10715.001856/97-41
Recte: DRJ-FLORIANOPOLIS/SC
Recda: DRJ-FLORIANOPOLIS/SC
Inter: IBÉRIA LINEAS AÉREAS DE ESPAÑA S/A.
Decisão: Por unanimidade de votos, negou-se provimento ao
recurso de ofício.
Acórdão no :301-31.571
Relator: ATALINA RODRIGUES ALVES
Recurso: 129284
Processo: 10074.000453/97-96
Recte: DRJ-JUIZ DE FORA/MG
Recda: DRJ-JUIZ DE FORA/MG
Inter: INTERTELEX PUBLICIDADE LTDA.
Decisão: Por unanimidade de votos, declinou-se a competência em favor do 2º Conselho de Contribuintes. Fez sustentação oral
o advogado Dr. Luiz Henrique Barros de Arruda. OAB/RJ no
85.746.
Resolução no : 301-1.337
Relator: LUIZ ROBERTO DOMINGO
Recurso: 123181
Processo: 12689.000783/99-12
Recte: KORDSA-DUPONT SUDAMERICA S.A.
Recda: DRJ-SALVADOR/BA
Decisão: Vista à conselheira Roberta Maria Ribeiro Aragão.
Recurso: 124577
Processo: 11075.002157/99-35
Recte: AÇOPLANO COMÉRCIO DE AÇOS LTDA.
Recda: DRJ-FLORIANOPOLIS/SC
Decisão: Vista ao conselheiro José Luiz Novo Rossari
Recurso: 126372
Processo: 11128.000856/2001-54
Recte: INDÚSTRIA MANGOTEX LTDA.
Recda: DRJ-SAO PAULO/SP
Decisão: Por unanimidade de votos, negou-se provimento ao
recurso.
Acórdão no : 301-31.572
Relator: VALMAR FONSECA DE MENEZES
Recurso: 123380
Processo: 10708.000188/00-83
Recte: PETRÓLEO BRASILEIRO S.A.
Recda: DRJ-RIO DE JANEIRO/RJ
Decisão: Vista ao conselheiro Carlos Henrique Klaser Filho.
Nada mais havendo a tratar, o senhor Presidente declarou
encerrada a Sessão. E, para constar, eu Silvana Cristina dos Santos
Fernandes, lavrei a presente ATA, que vai assinada por mim e pelo
senhor Presidente, depois de lida e aprovada.
SILVANA CRISTINA DOS SANTOS FERNANDES - SECRETÁRIA
OTACÍLIO DANTAS CARTAXO - Presidente
.
Ministério da Integração Nacional
GABINETE DO MINISTRO
PORTARIA No 251, DE 19 DE ABRIL DE 2005
<!ID636545-0>
O MINISTRO DE ESTADO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL, com base no Decreto no 5.376, de 17 de fevereiro de 2005,
considerando o Decreto no 009, de 14.02.2005, do Prefeito
Municipal de Vereda, devidamente homologado pelo Decreto no
9.355, de 03.03.2005, do Governo do Estado da Bahia e,
considerando, ainda, as informações da Secretaria Nacional
de Defesa Civil no Processo no 59050.000480/2005-89, resolve:
Reconhecer, em virtude de enchente, a situação de emergência no Município de Vereda, na zona rural: distrito de Massaranduba, Cruzeiro do Sul e povoado de Piabanha, pelo prazo de 90
(noventa) dias, contados a partir de 14.02.2005.
CIRO GOMES
PORTARIA No 252, DE 19 DE ABRIL DE 2005
<!ID636546-0>
O MINISTRO DE ESTADO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL, com base no Decreto no 5.376, de 17 de fevereiro de 2005,
considerando o Decreto no 007, de 14.02.2005, do Prefeito
Municipal de Domingos Martins, devidamente homologado pelo Decreto no 687-5, de 28.02.2005, do Governo do Estado do Rio Grande
do Sul e,
35
ISSN 1677-7042
considerando, ainda, as informações da Secretaria Nacional
de Defesa Civil no Processo no 59050.000497/2005-36, resolve:
Reconhecer, em virtude de granizo, a situação de emergência
no Município de Domingos Martins, zona rural, distrito de Melgaço:
Califórnia, Melgacinho e Pedra Branca; distrito Sede: Galo, Sítio
Dois Pinheiros e Sítio Gilmar Simon; distrito de Aracê: São Paulo do
Aracê; e distrito de Paraju: Pena, Perobas e Paraju, pelo prazo de 90
(noventa) dias, contados a partir de 14.02.2005.
CIRO GOMES
Ministério da Justiça
.
GABINETE DO MINISTRO
<!ID636476-0>
DESPACHOS DO MINISTRO
Em 20 de abril de 2005
No 41 - Ref. : PROCESSO no 08.001.008.819/04-59. INTERESSADOS: MINISTÉRIO DA JUSTIÇA/Departamento de Polícia Federal. ASSUNTO: Pedido de Revisão. DECISÃO: Indefiro o pedido
do interposto pelo ex-Delegado de Polícia Federal Willian Victor de
Almeida Ramos pelas razões de fato e fundamentos de direito aduzidos no Parecer CJ nº 037/05, da Consultoria Jurídica, que adoto.
<!ID636478-0>
N 42 - Ref.: PROCESSO no 08.001.002.342/04-06. INTERESSADO:
MINISTÉRIO DA JUSTIÇA/Departamento de Polícia Federal. ASSUNTO: Pedido de Revisão. DECISÃO: Inadmito o pedido do exservidor Renato Rodger Reis, pelas razões de fato e fundamentos de
direito aduzidos no Parecer no 39/05, da Consultoria Jurídica, que
adoto.
o
MÁRCIO THOMAZ BASTOS
CONSELHO ADMINISTRATIVO DE
DEFESA ECONÔMICA
<!ID636679-0>
DESPACHO DO CONSELHEIRO
Em 23 de março de 2005
Nº 11 - Processo Administrativo nº 08012.002028/2002-24
Representante: Secretaria de Direito Econômico SDE/MJ “ex officio”
Representada: Airline Tariff Publishing Company (“ATPCO”)
Advogados: Rodrigo M. Carneiro de Oliveira, José Alexandre Buaiz
Neto e Wilson Carlos Pereira Ivo.
Relator: Conselheiro Ricardo Villas Bôas Cueva
Extrato do despacho homologado pelo plenário do CADE na
343ª Sessão Ordinária de Julgamento, realizada em 23 de março de
2005.
I - Histórico
Trata-se de processo administrativo iniciado por representação feita pela Secretaria de Direito Econômico do Ministério da
Justiça (SDE ex officio), em 03 de abril de 2002, contra a Airline
Tariff Publishing Company (“ATPCO”) com objetivo de apurar possíveis prejuízos à concorrência no serviço de transporte aéreo doméstico de passageiros, advindo da utilização pelas empresas aéreas
de determinadas ferramentas facilitadoras da coordenação de preços e
outras ações, que fazem parte do sistema ATPCO comercializado pela
Representada.
Conforme consta do relatório, o sistema comercializado pela
Representada, denominado sistema ATPCO, consiste em uma central
de dados para a coleta, organização e disseminação de informações
sobre tarifas praticadas pelas empresas aéreas que fazem parte do
sistema. Assim, cada empresa aérea fornece a ATPCO informações
sobre sua tarifa, o que inclui: valores das tarifas, regras aplicáveis e
rotas válidas para as tarifas dos trechos anunciados.
(...)
A Representada requereu, em manifestação protocolada às
fls 162/167, a assinatura de Termo de Compromisso de Cessação
(TCC) nos moldes do Consent Order assinado nos Estados Unidos,
através do qual a ATPCO se obrigava a efetuar alterações no sistema
afim de que esse não mais possibilitasse a prática de ações coordenadas entre as companhias aéreas usuárias do sistema ATPCO
O TCC foi assinado em 02 de fevereiro de 2004, sendo
juntado às fls. 199/207 dos autos. Através do TCC, a ATPCO assumirá a obrigação de não mais disseminar ou transmitir informações
tarifárias com first ticket date para qualquer serviço de transporte
aéreo de passageiros no Brasil, dentre outras alterações em seu sistema.
(...)
II - Cabimento do Termo de Compromisso de Cessação
A Procuradora-Geral do CADE, em nota final (fls. 236/237),
tendo em vista os esclarecimentos adicionais prestados pela SDE,
concluiu “não haver óbice, do ponto de vista jurídico, à aprovação do
Termo de Compromisso de Cessação de Prática proposto”.
Em consonância com a última manifestação da SDE e com o
parecer final da ProCADE, concluo pelo cabimento da celebração do
TCC na forma do art. 53 da Lei 8.884/94.
(...)
III.1 - Das obrigações
Com relação às obrigações constantes no TCC assinado com
a SDE, a ATPCO deverá efetuar as seguintes alterações:
36
ISSN 1677-7042
(1) não disseminar ou transmitir informações tarifárias com
uma primeira data de bilhete [first ticket date] para qualquer serviço
de transporte aéreo de passageiros no Brasil;
(ii) não exibir visivelmente ou divulgar os distintivos de uma
companhia aérea ou qualquer outro mecanismo de identificação a
outras pessoas além da perspectiva companhia aérea;
(iii) não exibir visivelmente ou divulgar dois ou mais indicadores de nota de rodapé de qualquer companhia aérea, os quais
identifiquem notas de rodapé que contenham informações idênticas,
nem exibir visivelmente ou divulgar qualquer indicador de nota de
rodapé que identifique uma nota de rodapé que não contenha informações;
(iv) não tornar visível ou divulgar a qualquer companhia
aérea atuante no serviço de transporte doméstico de passageiros no
Brasil, alterações nas tarifas de outra companhia aérea com o serviço
de transporte doméstico de passageiros no Brasil antes de divulgar ou
comunicar as referidas mudanças a um CRS ou GDS que preste
serviços dentro do Brasil; e
(v) após a indagação razoável, não tornar visível ou divulgar,
conscientemente, quaisquer mudanças nas tarifas para o serviço de
transporte doméstico de passageiros no Brasil com freqüência maior
do que o número de vezes ao dia em que, no mínimo um CRS ou
GDS, que preste serviço no Brasil, atualize seu banco de dados
relativo a tarifas com as referidas mudanças.
(...)
Um exemplo que ilustra as implicações do uso dessas ferramentas pode ser retirado do parecer da SEAE no processo administrativo nº 08012.000677/99-70, verbis:
“Suponhamos, por exemplo, que determinada companhia
quisesse aumentar as tarifas temendo, no entanto, uma eventual perda
de mercado caso suas competidoras não a seguissem. A companhia
lançaria então um first ticket date no ATPCO. Na hipótese de suas
concorrentes seguirem sua conduta, lançando todas first ticket dates
idênticos, o aumento poderia efetivar-se, caso contrário, não. De forma similar, ocorriam, por vezes, complexos processos de negociação
em que um aumento em uma rota seria trocado por reduções em
outra. Por meio das notas de rodapé e dos códigos alfanuméricos as
empresas sugeriam as trocas desejadas.”
Enfatize-se, ainda, o fato de que o simples anúncio ao sistema não só não obrigava à venda, como sequer era comunicado ao
CRS para disponibilização às agências de viagens. A esse respeito a
SEAE argumenta que as companhias aéreas “buscam evitar o teste do
mercado, a reação dos consumidores. As empresas objetivam maximizar a comunicação tarifária entre os concorrentes, minimizandoa perante os usuários. Trata-se de uma situação de risco para a
primeira companhia a efetuar o aumento, já que os usuários podem
desviar sua demanda em direção a outras empresas. O preço fixado
pela líder e acompanhado pelas demais empresas no menor tempo
possível, sem conhecimento dos consumidores, é a situação mais
cômoda e lucrativa possível, pois elimina o risco de desvio de demanda, diminuindo a probabilidade de não acompanhamento”.
Diante dessas informações, considero pertinentes as obrigações impostas pela SDE nesse TCC.
(...)
III.3 - Do Cumprimento e Fiscalização
Conforme estipulado no TCC, caberá à SDE, nos termos do
art. 14, inciso IX, da Lei nº 8.884/94, fiscalizar o cumprimento das
obrigações assumidas no TCC. Assim, para permitir a fiscalização e
cumprimento do Termo, a ATPCO deverá apresentar relatório anual,
descrevendo os novos parâmetros do sistema adotados no TCC, assim
como deverá informar à SDE qualquer mudança em seu sistema
relacionada às operações no Brasil, que por qualquer razão possa
afetar o objeto deste Termo de Compromisso.
IV - Conclusão
Diante do exposto, homologo o TCC firmado pela ATPCO
perante a SDE/MJ, considerando que o referido termo atende às
exigências do art. 53 da Lei 8.884/94.
Encaminhe-se os autos à SDE/MJ, para que fiscalize seu
cumprimento (cláusula 8ª, fl. 204). Relembro que este TCC será
válido por 05 (cinco) anos, período pelo qual o processo administrativo 08012.002028/2002-24 ficará suspenso. Referido processo somente será definitivamente arquivado pelo CADE se, e somente se,
os termos do TCC forem cumpridos integralmente. Caso contrário, o
processo administrativo terá seguimento.
1
Mercier Querido Farina e os Conselheiros Roberto Augusto Castellanos Pfeiffer, Luiz Alberto Esteves Scaloppe, Ricardo Villas Bôas
Cueva, Luis Fernando Rigato Vasconcellos e Luiz Carlos Thadeu
Delorme Prado. Presente a Procuradora-Geral Maria Paula Dallari
Bucci. Brasília - DF, 23 de março de 2005, data da 343ª Sessão
Ordinária de Julgamento.
ELIZABETH. M. M. Q. FARINA
Presidente do Conselho
RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA
Relator
ATO DE CONCENTRAÇÃO Nº 08012.010727/2004-18
Requerentes: Ray Investment Sarl e Rexel S/A
Advogados: Caroline Sanselme Vieira, Maria Cecília Andrade, Thiago Bonini Vieira da Rocha e outros.
Relator: Conselheiro Luiz Alberto Esteves Scaloppe
Relator para o acórdão: Conselheiro Ricardo Villas Bôas
Cueva
EMENTA: Ato de Concentração. Transação em âmbito mundial. Operação não subsumida em decorrência do faturamento das
Requerentes, no Brasil, ser inferior a R$ 400.000.000,00, no último
exercício, e da participação de mercado decorrente da operação estar
abaixo dos 20% previstos. Operação não conhecida. Extinção do
processo sem julgamento do mérito. Manutenção da taxa recolhida
em virtude do exercício do poder de polícia.
ACÓRDÃO: Vistos, relatados e discutidos os presentes autos, em conformidade com os votos e as notas eletrônicas, acordam a
Presidente e os Conselheiros do Conselho Administrativo de Defesa
Econômica - CADE, por maioria, não conhecer do presente Ato de
Concentração, por não estar subsumido às hipóteses previstas pelo art.
54, §3º da Lei nº 8.884/94, julgando o processo extinto sem julgamento de mérito. Vencido o Conselheiro Luiz Alberto Esteves
Scaloppe, que votou pelo conhecimento da operação. Participaram do
julgamento a Presidente Elizabeth Maria Mercier Querido Farina e os
Conselheiros Roberto Augusto Castellanos Pfeiffer, Luiz Alberto Esteves Scaloppe, Ricardo Villas Bôas Cueva, Luis Fernando Rigato
Vasconcellos e Luiz Carlos Thadeu Delorme Prado. Presente a Procuradora-Geral Maria Paula Dallari Bucci. Brasília - DF, 23 de março
de 2005, data da 343ª Sessão Ordinária de Julgamento.
ELIZABETH M. M. Q. FARINA
Presidente do Conselho
RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA
Relator para o acórdão
ATO DE CONCENTRAÇÃO Nº 08012.007041/2004-31
Requerentes: Sud-Chemie do Brasil Ltda e Nheel Química
Ltda.
Advogados: Rogério Cruz Themudo Lessa, Mário Roberto
Villanova Nogueira, Tânia Mara Camargo Falbo e outros.
Relator: Conselheiro Ricardo Villas Bôas Cueva
EMENTA: Ato de Concentração. Operação de aquisição da
Nheel Química Ltda. pela Sud-Chemie do Brasil Ltda. Mercado relevante de produto: argila ativada ácida. Mercado geográfico: nacional. Hipótese prevista no art. 54, §3º da Lei 8.884/94. Apresentação tempestiva. Elevado índice de concentração no mercado
relevante. Análise que conclui pela baixa probabilidade de abuso de
posição dominante. Convergência dos pareceres da Secretaria de
Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda - SEAE/MF,
Secretaria de Direito Econômico do Ministério da Justiça - SDE/MJ e
Procuradoria do CADE. Aprovação sem restrições.
ACÓRDÃO: Vistos, relatados e discutidos os presentes autos, em conformidade com os votos e as notas eletrônicas, acordam a
Presidente e os Conselheiros do Conselho Administrativo de Defesa
Econômica - CADE, por unanimidade, aprovar a presente operação,
sem restrições. Participaram do julgamento a Presidente Elizabeth
Maria Mercier Querido Farina e os Conselheiros Roberto Augusto
Castellanos Pfeiffer, Luiz Alberto Esteves Scaloppe, Ricardo Villas
Bôas Cueva, Luis Fernando Rigato Vasconcellos e Luiz Carlos Thadeu Delorme Prado. Presente a Procuradora-Geral Maria Paula Dallari Bucci. Brasília - DF, 23 de março de 2005, data da 343ª Sessão
Ordinária de Julgamento.
RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA
ACÓRDÃOS
<!ID637789-0>
ATO DE CONCENTRAÇÃO Nº 08012.000735/2005-29
Requerentes: BBH Brazil Limited e Leo Burnett Publicidade
ELIZABETH. M. M. Q. FARINA
Presidente do Conselho
RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA
Relator
Ltda.
Advogados: Cristiane Romano Farhat Ferraz, Tito Amaral de
Andrade, Gabriela Toledo Watson e outros.
Relator: Conselheiro Ricardo Villas Bôas Cueva
EMENTA: Ato de Concentração. Operação de aquisição, pela BBH Brazil Limited, de 40% das quotas da Neogama Publicidade
Ltda., pertencentes à Leo Burnett Publicidade Ltda. Hipótese prevista
no art. 54, §3º da Lei 8.884/94. Apresentação tempestiva. Ausência
de manifestações contrárias à operação. Inexistência de prejuízos à
concorrência. Convergência dos pareceres da Secretaria de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda - SEAE/MF, Secretaria de Direito Econômico do Ministério da Justiça - SDE/MJ e
Procuradoria do CADE. Aprovação sem restrições.
ACÓRDÃO: Vistos, relatados e discutidos os presentes autos, em conformidade com os votos e as notas eletrônicas, acordam a
Presidente e os Conselheiros do Conselho Administrativo de Defesa
Econômica - CADE, por unanimidade, aprovar a operação, sem restrições. Participaram do julgamento a Presidente Elizabeth Maria
ATO DE CONCENTRAÇÃO Nº 08012.008924/2004-69
Requerentes: Iron Mountain do Brasil S/A e Maxi Armazenagens Especializadas Ltda.
Advogados: Luciana Servija das Dores, Paola Carrara de
Sambuy Gomes, Renata Homem de Melo Fontes e outros.
Relator: Conselheiro Luiz Alberto Esteves Scaloppe
Relator para o acórdão: Conselheiro Ricardo Villas Bôas
Cueva
EMENTA: Ato de Concentração. Aquisição pela Iron Mountain do Brasil S/A da totalidade das quotas representativas do capital
social da Maxi Armazenagens Especializadas S/A. Operação não subsumida em decorrência do faturamento das Requerentes, no Brasil,
ser inferior a R$ 400.000.000,00, no último exercício, e da participação de mercado decorrente da operação estar abaixo dos 20%
previstos. Extinção do processo sem julgamento do mérito. Operação
não conhecida. Manutenção da taxa recolhida em virtude do exercício
do poder de polícia.
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
ACÓRDÃO: Vistos, relatados e discutidos os presentes autos, em conformidade com os votos e as notas eletrônicas, acordam a
Presidente e os Conselheiros do Conselho Administrativo de Defesa
Econômica - CADE, por maioria, não conhecer do presente Ato de
Concentração, por não estar subsumido às hipóteses previstas pelo art.
54, §3º da Lei nº 8.884/94, julgando o processo extinto sem julgamento de mérito. Vencido o Conselheiro Luiz Alberto Esteves
Scaloppe, que votou pelo conhecimento da operação. Participaram do
julgamento a Presidente Elizabeth Maria Mercier Querido Farina e os
Conselheiros Roberto Augusto Castellanos Pfeiffer, Luiz Alberto Esteves Scaloppe, Ricardo Villas Bôas Cueva, Luis Fernando Rigato
Vasconcellos e Luiz Carlos Thadeu Delorme Prado. Presente a Procuradora-Geral Maria Paula Dallari Bucci. Brasília - DF, 23 de março
de 2005, data da 343ª Sessão Ordinária de Julgamento.
ELIZABETH. M. M. Q. FARINA
Presidente do Conselho
RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA
Relator para o acórdão
ATO DE CONCENTRAÇÃO Nº 08012.006668/2004-75
Requerentes: Gardner Denver Inc. e Nash Elmo Holdings,
LLC.
Advogados: Ivo Teixeira Gico Júnior, Luiz Fernando
Schuartz, Túlio Freitas do Egito Coelho e outros
Relator: Conselheiro Luiz Alberto Esteves Scaloppe
Relator para o acórdão: Conselheiro Ricardo Villas Bôas
Cueva
EMENTA: Ato de Concentração. Transação em âmbito mundial. Operação não subsumida em decorrência do faturamento das
Requerentes, no Brasil, ser inferior a R$ 400.000.000,00, no último
exercício, e da participação de mercado decorrente da operação estar
abaixo dos 20% previstos. Operação não conhecida. Extinção do
processo sem julgamento do mérito. Manutenção da taxa recolhida
em virtude do exercício do poder de polícia.
ACÓRDÃO: Vistos, relatados e discutidos os presentes autos, em conformidade com os votos e as notas eletrônicas, acordam a
Presidente e os Conselheiros do Conselho Administrativo de Defesa
Econômica - CADE, por maioria, não conhecer do presente Ato de
Concentração, por não estar subsumido às hipóteses previstas pelo art.
54, §3º da Lei nº 8.884/94, julgando o processo extinto sem julgamento de mérito. Vencido o Conselheiro Luiz Alberto Esteves
Scaloppe, que votou pelo conhecimento da operação. Participaram do
julgamento a Presidente Elizabeth Maria Mercier Querido Farina e os
Conselheiros Roberto Augusto Castellanos Pfeiffer, Luiz Alberto Esteves Scaloppe, Ricardo Villas Bôas Cueva, Luis Fernando Rigato
Vasconcellos e Luiz Carlos Thadeu Delorme Prado. Presente a Procuradora-Geral Maria Paula Dallari Bucci. Brasília - DF, 23 de março
de 2005, data da 343ª Sessão Ordinária de Julgamento.
ELIZABETH. M. M. Q. FARINA
Presidente do Conselho
RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA
Relator para o acórdão
ATO DE CONCENTRAÇÃO Nº 08012.010296/2004-81
Requerentes: Perrigo Company e Agis Industries (1983) Ltda.
Advogados: Syllas Tozzini, José Luis de Salles Freire, Luis
Renato da Silva e outros.
Relator: Conselheiro Luiz Alberto Esteves Scaloppe
Relator para o acórdão: Conselheiro Ricardo Villas Bôas
Cueva
EMENTA: Ato de Concentração. Transação em âmbito mundial. Operação não subsumida em decorrência do faturamento das
Requerentes, no Brasil, ser inferior a R$ 400.000.000,00, no último
exercício, e da participação de mercado decorrente da operação estar
abaixo dos 20% previstos. Operação não conhecida. Extinção do
processo sem julgamento do mérito. Manutenção da taxa recolhida
em virtude do exercício do poder de polícia.
ACÓRDÃO: Vistos, relatados e discutidos os presentes autos, em conformidade com os votos e as notas eletrônicas, acordam a
Presidente e os Conselheiros do Conselho Administrativo de Defesa
Econômica - CADE, por maioria, não conhecer do presente Ato de
Concentração, por não estar subsumido às hipóteses previstas pelo art.
54, §3º da Lei nº 8.884/94, julgando o processo extinto sem julgamento de mérito. Vencido o Conselheiro Luiz Alberto Esteves
Scaloppe, que votou pelo conhecimento da operação. Participaram do
julgamento a Presidente Elizabeth Maria Mercier Querido Farina e os
Conselheiros Roberto Augusto Castellanos Pfeiffer, Luiz Alberto Esteves Scaloppe, Ricardo Villas Bôas Cueva, Luis Fernando Rigato
Vasconcellos e Luiz Carlos Thadeu Delorme Prado. Presente a Procuradora-Geral Maria Paula Dallari Bucci. Brasília - DF, 23 de março
de 2005, data da 343ª Sessão Ordinária de Julgamento.
ELIZABETH. M. M. Q. FARINA
Presidente do Conselho
RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA
Relator para o acórdão
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
ATO DE CONCENTRAÇÃO Nº 08012.006051/2004-50
Requerentes: Montagu Private Equity Limited e Kalle Holding GMBH
Advogados: João Geraldo Piquet Carneiro, Luiz Custódio de
Lima Barbosa, Mabel Lima Tourinho e outros.
Relator: Conselheiro Ricardo Villas Bôas Cueva
EMENTA: Ato de Concentração. Operação em âmbito mundial. Aquisição do controle exclusivo da Kalle Holding GMDH pela
Montagu Private Equity Limited. Operação não subsumida em decorrência do faturamento das Requerentes, no Brasil, ser inferior a R$
400.000.000,00, no último exercício, e da participação de mercado
decorrente da operação estar abaixo dos 20% previstos. Operação não
conhecida. Extinção do processo sem julgamento do mérito. Manutenção da taxa recolhida em virtude do exercício do poder de
polícia.
ACÓRDÃO: Vistos, relatados e discutidos os presentes autos, em conformidade com os votos e as notas eletrônicas, acordam a
Presidente e os Conselheiros do Conselho Administrativo de Defesa
Econômica - CADE, por maioria, não conhecer do presente Ato de
Concentração, por não estar subsumido às hipóteses previstas pelo art.
54, §3º da Lei nº 8.884/94, julgando o processo extinto sem julgamento de mérito. Vencido o Conselheiro Luiz Alberto Esteves
Scaloppe, que votou pelo conhecimento da operação. Participaram do
julgamento a Presidente Elizabeth Maria Mercier Querido Farina e os
Conselheiros Roberto Augusto Castellanos Pfeiffer, Luiz Alberto Esteves Scaloppe, Ricardo Villas Bôas Cueva, Luis Fernando Rigato
Vasconcellos e Luiz Carlos Thadeu Delorme Prado. Presente a Procuradora-Geral Maria Paula Dallari Bucci. Brasília - DF, 23 de março
de 2005, data da 343ª Sessão Ordinária de Julgamento.
ELIZABETH. M. M. Q. FARINA
Presidente do Conselho
RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA
Relator
ATO DE CONCENTRAÇÃO Nº 08012.000387/2005-90
Requerentes: Smurfit Munksjö AB e Starta Eget Boxen 5404
AB.
Advogados: Marcelo Procópio Calliari, Bruno Lembi, André
de Almeida Barreto Tostes e outros.
Relator: Conselheiro Ricardo Villas Bôas Cueva
EMENTA: Ato de Concentração. Aquisição em âmbito mundial da totalidade das ações da Smurfit Munksjö AB pela Starta Eget
Boxen 5404 AB, empresa do Grupo EQT. Operação não subsumida
em decorrência do faturamento das Requerentes, no Brasil, ser inferior a R$ 400.000.000,00, no último exercício, e da participação de
mercado decorrente da operação estar abaixo dos 20% previstos.
Operação não conhecida. Extinção do processo sem julgamento do
mérito. Manutenção da taxa recolhida em virtude do exercício do
poder de polícia.
ACÓRDÃO: Vistos, relatados e discutidos os presentes autos, em conformidade com os votos e as notas eletrônicas, acordam a
Presidente e os Conselheiros do Conselho Administrativo de Defesa
Econômica - CADE, por maioria, não conhecer do presente Ato de
Concentração, por não estar subsumido às hipóteses previstas pelo art.
54, §3º da Lei nº 8.884/94, julgando o processo extinto sem julgamento de mérito. Vencido o Conselheiro Luiz Alberto Esteves
Scaloppe, que votou pelo conhecimento da operação. Participaram do
julgamento a Presidente Elizabeth Maria Mercier Querido Farina e os
Conselheiros Roberto Augusto Castellanos Pfeiffer, Luiz Alberto Esteves Scaloppe, Ricardo Villas Bôas Cueva, Luis Fernando Rigato
Vasconcellos e Luiz Carlos Thadeu Delorme Prado. Presente a Procuradora-Geral Maria Paula Dallari Bucci. Brasília - DF, 23 de março
de 2005, data da 343ª Sessão Ordinária de Julgamento.
ELIZABETH. M. M. Q FARINA
Presidente do Conselho
RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA
Relator
ATO DE CONCENTRAÇÃO Nº 08012.010597/2004-13
Requerentes: Yavox Latin America S.A., Anpar Imóveis Investimentos e Participações Ltda., Wiz Information Technology Capital Corporation e Intel Capital Corporation.
Advogados: Marcelo Santos Barbosa, Viviane Nunes Araújo
Lima, Ana Paula de Carvalho Reis e outros.
Relator: Conselheiro Luiz Alberto Esteves Scaloppe
Relator para o acórdão: Conselheiro Ricardo Villas Bôas
Cueva
EMENTA: Ato de Concentração. Transação em âmbito mundial. Operação não subsumida em decorrência do faturamento das
Requerentes, no Brasil, ser inferior a R$ 400.000.000,00, no último
exercício, e da participação de mercado decorrente da operação estar
abaixo dos 20% previstos. Operação não conhecida. Extinção do
processo sem julgamento do mérito. Manutenção da taxa recolhida
em virtude do exercício do poder de polícia.
ACÓRDÃO: Vistos, relatados e discutidos os presentes autos, em conformidade com os votos e as notas eletrônicas, acordam a
Presidente e os Conselheiros do Conselho Administrativo de Defesa
Econômica - CADE, por maioria, não conhecer do presente Ato de
Concentração, por não estar subsumido às hipóteses previstas pelo art.
54, §3º da Lei nº 8.884/94, julgando o processo extinto sem julgamento de mérito. Vencido o Conselheiro Luiz Alberto Esteves
Scaloppe, que votou pelo conhecimento da operação. Participaram do
julgamento a Presidente Elizabeth Maria Mercier Querido Farina e os
Conselheiros Roberto Augusto Castellanos Pfeiffer, Luiz Alberto Esteves Scaloppe, Ricardo Villas Bôas Cueva, Luis Fernando Rigato
Vasconcellos e Luiz Carlos Thadeu Delorme Prado. Presente a Procuradora-Geral Maria Paula Dallari Bucci. Brasília - DF, 23 de março
de 2005, data da 343ª Sessão Ordinária de Julgamento.
ISSN 1677-7042
37
Presente a Procuradora-Geral Maria Paula Dallari Bucci. Brasília DF, 23 de fevereiro de 2005, data da 341ª Sessão Ordinária de
Julgamento.
ELIZABETH. M. M. Q. FARINA
Presidente do Conselho
ELIZABETH. M. M. Q. FARINA
Presidente do Conselho
RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA
Relator para o acórdão
RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA
Relator para o acórdão
ATO DE CONCENTRAÇÃO Nº 08012.000307/2005-04
Requerentes: Alldos International AG e Grundfos Holding
ATO DE CONCENTRAÇÃO Nº 08012.007497/2004-00
Requerentes: Hershey do Brasil Ltda. e Lorena do Brasil
AG
Ltda.
Advogados: Carla Lobão Barroso de Souza, Priscila dos Santos Castello Branco, Francisco Ribeiro Todorov e outros.
Relator: Conselheiro Luiz Alberto Esteves Scaloppe
Relator para o acórdão: Conselheiro Ricardo Villas Bôas
Cueva
EMENTA: Ato de Concentração. Transação em âmbito mundial. Operação não subsumida em decorrência do faturamento das
Requerentes, no Brasil, ser inferior a R$ 400.000.000,00, no último
exercício, e da participação de mercado decorrente da operação estar
abaixo dos 20% previstos. Operação não conhecida. Extinção do
processo sem julgamento do mérito. Manutenção da taxa recolhida
em virtude do exercício do poder de polícia.
ACÓRDÃO: Vistos, relatados e discutidos os presentes autos, em conformidade com os votos e as notas eletrônicas, acordam a
Presidente e os Conselheiros do Conselho Administrativo de Defesa
Econômica - CADE, por maioria, não conhecer do presente Ato de
Concentração, por não estar subsumido às hipóteses previstas pelo art.
54, §3º da Lei nº 8.884/94, julgando o processo extinto sem julgamento de mérito. Vencido o Conselheiro Luiz Alberto Esteves
Scaloppe, que votou pelo conhecimento da operação. Participaram do
julgamento a Presidente Elizabeth Maria Mercier Querido Farina e os
Conselheiros Roberto Augusto Castellanos Pfeiffer, Luiz Alberto Esteves Scaloppe, Ricardo Villas Bôas Cueva, Luis Fernando Rigato
Vasconcellos e Luiz Carlos Thadeu Delorme Prado. Presente a Procuradora-Geral Maria Paula Dallari Bucci. Brasília - DF, 23 de março
de 2005, data da 343ª Sessão Ordinária de Julgamento.
Advogados: Leonardo Maniglia Duarte, Ronaldo Camargo
Veirano, Fábio Amaral Figueira e outros.
Relator: Conselheiro Luís Fernando Rigato Vasconcellos
EMENTA: Ato de concentração. Subsunção do ato ao § 3°
do artigo 54 da Lei 8.884/94, em função da participações de mercado
das Requerentes. Apresentação tempestiva. Art. 16, Resolução do
CADE n° 12/98. Convergência dos pareceres da SEAE, da SDE e da
ProCADE, no que tange ao mérito da operação. Operação incapaz de
gerar efeitos anticoncorrenciais. Aprovação sem restrições.
ACÓRDÃO: Vistos, relatados e discutidos os presentes autos, em conformidade com os votos e as notas eletrônicas, acordam a
Presidente e os Conselheiros do Conselho Administrativo de Defesa
Econômica - CADE, por unanimidade, aprovar a presente operação,
sem restrições. Participaram do julgamento a Presidente Elizabeth
Maria Mercier Querido Farina e os Conselheiros Roberto Augusto
Castellanos Pfeiffer, Luiz Alberto Esteves Scaloppe, Ricardo Villas
Bôas Cueva, Luis Fernando Rigato Vasconcellos e Luiz Carlos Thadeu Delorme Prado. Presente a Procuradora-Geral Maria Paula Dallari Bucci. Brasília - DF, 02 de fevereiro de 2005, data do julgamento
da 340ª Sessão Ordinária de Julgamento.
ELIZABETH. M. M. Q. FARINA
Presidente do Conselho
RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA
Relator para o acórdão
PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 08012.003912/200367
Representante: Santa Casa de Misericórdia de Ribeirão Preto
Representada: Unimed de Ribeirão Preto - Cooperativa de
Trabalho Médico
Advogados: Brasil do Pinhal Pereira Salomão, José Luiz
Mathes, Paulo Henrique Marques de Oliveira, Henrique Furquim Paiva e outros.
Relator: Conselheiro Luiz Alberto Esteves Scaloppe
Relator para o acórdão: Conselheiro Ricardo Villas Bôas
Cueva
EMENTA: Processo Administrativo. Infração contra a ordem
econômica. Imposição de cláusula de exclusividade por cooperativa
de trabalho médico. Conduta tipificada no artigo 20, incisos I, II e II,
c/c artigo 21, incisos IV e V da Lei nº 8.884/94. Jurisprudência
consolidada no CADE. Impossibilidade de se aplicar o conceito de
“faturamento bruto” às cooperativas (afastada a incidência do artigo
23, I da Lei nº 8.884/94). Multa aplicada com base no artigo 23, III
da aludida lei. Determinação para cessação das práticas, imposição de
multa e penalidades acessórias.
ACÓRDÃO: Vistos, relatados e discutidos os presentes autos, em conformidade com os votos e as notas eletrônicas, acordam a
Presidente e os Conselheiros do Conselho Administrativo de Defesa
Econômica - CADE, por unanimidade, condenar a Representada como incursa no art. 20, incisos I, II e IV, combinado com o art. 21,
incisos IV e V, todos da Lei n.º 8.884/94, determinando: (i) por
maioria, a aplicação de multa no valor de R$ 63.846,00 (sessenta e
três mil, oitocentos e quarentas e seis reais), correspondente a 60.000
UFIRs; (ii) por maioria, que a Representada, às suas expensas, publique em meia página, no jornal de maior circulação no mercado
relevante de Ribeirão Preto/SP, o extrato do presente voto, por dois
dias seguidos e em duas semanas consecutivas, em conformidade com
o art. 24, inc. I, da Lei nº 8.884/94; (iii) por unanimidade, retirar, em
30 (trinta) dias, a partir da publicação desta decisão, as cláusulas de
exclusividade do “Estatuto Social da Unimed de Ribeirão Preto Cooperativa de Trabalho Médico”, que impedem que seus médicos cooperados prestem serviços a empresas concorrentes, em especial os
inciso II e IV do artigo 4º e alíneas ǵ e í do artigo 8º; (iv) por
unanimidade, divulgar aos seus cooperados, clínicas, hospitais conveniados e à Federação e à Confederação às quais a Representada é
filiada o teor da presente decisão e a alteração no estatuto social; (v)
por maioria, comprovar, perante o CADE, o cumprimento das determinações nos itens (iii) e (iv) acima, no prazo máximo de 60
(sessenta) dias, a partir da publicação do acórdão da presente decisão,
sob pena de aplicação de multa diária no valor de R$ 5.320,00 (cinco
mil trezentos e vinte reais), correspondente a 5.000 UFIRs, com
fundamento no artigo 25 da Lei nº 8884/94; vencido o Conselheiro
Luiz Alberto Esteves Scaloppe nos itens (i), (ii) e (v) acima. Participaram do julgamento a Presidente Elizabeth Maria Mercier Querido Farina e os Conselheiros Roberto Augusto Castellanos Pfeiffer,
Luiz Alberto Esteves Scaloppe, Ricardo Villas Bôas Cueva, Luis
Fernando Rigato Vasconcellos e Luiz Carlos Thadeu Delorme Prado.
ELIZABETH. M. M. Q. FARINA
Presidente do Conselho
LUÍS FERNANDO RIGATO VASCONCELLOS
Conselheiro
AVERIGUAÇÃO PRELIMINAR Nº. 53500.002141/2003
Representante: Brasil Telecom S/A.
Advogados: Antonio Amaro Ribeiro de Oliveira e Silva,
Fabricia de Morais Belo, Rodrigo Jardim de Paiva e outros.
Representada: Brasilcel B.V.
Advogados: Jussara Costa Melo, Luciano Mariano de Santana, Carlos Eduardo de Castro Neves e outros.
Conselheiro-Relator: Luís Fernando Rigato Vasconcellos.
EMENTA: Recurso de Ofício. Reclamação administrativa
com pedido de medida cautelar. Lançamento da marca “VIVO”, com
tarifa promocional. Suposta prática de preços abaixo do valor de
custo da ligação LDN. Ligação para qualquer lugar do país, por preço
de chamada local. Averiguação Preliminar promovida pela ANATEL.
Sugestão de arquivamento, por não observar infração à ordem econômica. Prática sazonal, para lançamento da marca no mercado. Não
caracterização de preço predatório, conforme Resolução CADE
20/99. Recurso conhecido e não provido. Manutenção do arquivamento.
ACÓRDÃO: Vistos, relatados e discutidos os presentes autos, em conformidade com os votos e as notas eletrônicas, acordam a
Presidente e os Conselheiros do Conselho Administrativo de Defesa
Econômica - CADE, por unanimidade, conhecer do Recurso de Ofício, negando-lhe provimento, mantendo o arquivamento da Averiguação Preliminar. Participaram do julgamento a Presidente Elizabeth
Maria Mercier Querido Farina e os Conselheiros Roberto Augusto
Castellanos Pfeiffer, Luiz Alberto Esteves Scaloppe, Ricardo Villas
Bôas Cueva, Luis Fernando Rigato Vasconcellos e Luiz Carlos Thadeu Delorme Prado. Presente a Procuradora-Geral Maria Paula Dallari Bucci. Brasília - DF, 06 de abril de 2005, data do julgamento da
344ª Sessão Ordinária de Julgamento.
ELIZABETH M. M. Q. FARINA
Presidente do Conselho
LUÍS FERNANDO RIGATO VASCONCELLOS
Conselheiro
AVERIGUAÇÃO PRELIMINAR Nº 08012.006500/2000-36
Representante: Montana Distribuidora de Veículos Automotores Ltda
Advogados: Sebastião Barbosa e Silva Júnior
Representada: Chrysler do Brasil Ltda
Advogados: Eduardo Cavalcante Gauche, Sérgio Varella
Bruna, Caio de Queiroz e outros.
Relator: Conselheiro Luís Fernando Rigato Vasconcellos
EMENTA: Recurso de Ofício em Averiguação Preliminar.
Alegação de abuso de poder econômico.Nota técnica da SDE pelo
arquivamento do feito em face da natureza contratual do mesmo,
incapaz se ser alcançado pela Lei n° 8.884/94. Recurso conhecido,
porém manutenção do arquivamento da presente averiguação.
ACÓRDÃO: Vistos, relatados e discutidos os presentes autos, em conformidade com os votos e as notas eletrônicas, acordam a
Presidente e os Conselheiros do Conselho Administrativo de Defesa
Econômica - CADE, por unanimidade, conhecer do recurso de ofício,
negando-lhe provimento e mantendo o arquivamento da Averiguação
Preliminar, nos termos do voto do relator. Participaram do julgamento
a Presidente Elizabeth Maria Mercier Querido Farina e os Conselheiros Roberto Augusto Castellanos Pfeiffer, Luiz Alberto Esteves
Scaloppe, Ricardo Villas Bôas Cueva, Luis Fernando Rigato Vas-
38
ISSN 1677-7042
concellos e Luiz Carlos Thadeu Delorme Prado. Presente a Procuradora-Geral Maria Paula Dallari Bucci. Brasília - DF, 06 de abril
de 2005, data do julgamento da 344ª Sessão Ordinária de Julgamento.
1
cellos e Luiz Carlos Thadeu Delorme Prado. Presente a ProcuradoraGeral Maria Paula Dallari Bucci. Brasília - DF, 06 de abril de 2005,
data do julgamento da 344ª Sessão Ordinária de Julgamento.
ELIZABETH. M. M. Q. FARINA
Presidente do Conselho
ELIZABETH. M. M. Q. FARINA
Presidente do Conselho
ELIZABETH. M. M. Q. FARINA
Presidente do Conselho
ATO DE CONCENTRAÇÃO Nº 08012.010292/2004-01
Requerentes: General Electric Company e SPX Corporation.
Advogados: Luiz Antônio D'Arace Vergueiro, Túlio Freitas
do Egito Coelho, Carla Lobão Barroso de Souza e outros.
Relator: Conselheiro Luiz Carlos Delorme Prado
EMENTA: Ato de concentração. Operação de aquisição, pela
General Electric Company, de todos os ativos relacionados à área de
detecção de fogo e alarme da SPX Corporation. Hipótese prevista no
§3º do artigo 54 da Lei 8.884/94, em razão do faturamento das
Requerentes. Apresentação tempestiva. Mercado mundial de sistemas
de detecção de incêndio e alarme. Baixo grau de concentração resultante da operação. Pareceres favoráveis da SEAE, SDE e Procuradoria do CADE. Aprovação sem restrições.
ACÓRDÃO: Vistos, relatados e discutidos os presentes autos, em conformidade com os votos e as notas eletrônicas, acordam a
Presidente e os Conselheiros do Conselho Administrativo de Defesa
Econômica - CADE, por unanimidade, aprovar a operação sem restrições. Participaram do julgamento a Presidente Elizabeth Maria
Mercier Querido Farina e os Conselheiros Roberto Augusto Castellanos Pfeiffer, Luiz Alberto Esteves Scaloppe, Ricardo Villas Bôas
Cueva, Luis Fernando Rigato Vasconcellos e Luiz Carlos Thadeu
Delorme Prado. Presente a Procuradora-Geral Maria Paula Dallari
Bucci. Brasília - DF, 06 de abril de 2005, data do julgamento da 344ª
Sessão Ordinária de Julgamento.
ELIZABETH. M. M. Q. FARINA
Presidente do Conselho
LUÍS FERNANDO RIGATO VASCONCELLOS
Conselheiro-Relator
ATO DE CONCENTRAÇÃO N° 08012.000095/2005-57
Requerentes: EMS S/A e Organon do Brasil Indústria e Comércio Ltda.
Advogados: Camila Pimentel Porto, Camila Castanho Girardi, Karina Kazue Perossi e outros
Relator: Conselheiro Luiz Alberto Esteves Scaloppe
EMENTA: Ato de Concentração. Trata-se do contrato de
distribuição do produto Novial, de titularidade da Organon do Brasil
Indústria e Comércio Ltda., pela EMS S/A. - Operação enquadra-se
no art. 54, § 3°, da Lei nº 8.884/94 - faturamento. Recolhida a taxa
processual. Tempestividade. Ausência de danos à concorrência. Convergência dos pareceres da SEAE/MF, SDE/MJ, ProCADE e MPF.
Análise na forma do art. 50 da Lei nº 9.784/99. Aprovação sem
restrições.
ACÓRDÃO: Vistos, relatados e discutidos os presentes autos, em conformidade com os votos e as notas eletrônicas, acordam a
Presidente e os Conselheiros do Conselho Administrativo de Defesa
Econômica - CADE, por unanimidade, aprovar a presente operação,
sem restrições. Participaram do julgamento a Presidente Elizabeth
Maria Mercier Querido Farina e os Conselheiros Roberto Augusto
Castellanos Pfeiffer, Luiz Alberto Esteves Scaloppe, Ricardo Villas
Bôas Cueva, Luis Fernando Rigato Vasconcellos e Luiz Carlos Thadeu Delorme Prado. Presente a Procuradora-Geral Maria Paula Dallari Bucci. Brasília - DF, 06 de abril de 2005, data do julgamento da
344ª Sessão Ordinária de Julgamento.
ELIZABETH. M. M. Q. FARINA
Presidente do Conselho
LUIZ ALBERTO ESTEVES SCALOPPE
Conselheiro
ATO DE CONCENTRAÇÃO Nº 08012.004667/2001-43
Requerentes: Companhia Suzano de Papel e Celulose; Indústrias Klabin Fabricadora de Papéis S.A.; Votorantim Celulose e
Papel S.A.; Ripasa S.A. Papel e Celulose e International Paper do
Brasil Ltda.
Advogados: Syllas Tozzini, José Augusto Caleiro Regazzini,
Marcelo Procópio Calliari e outros.
Relator: Conselheiro Luiz Carlos Delorme Prado
EMENTA: Ato de concentração. Operação de associação
entre as Requerentes visando à constituição de uma nova empresa
(sociedade anônima de capital autorizado e juridicamente independente) denominada Pakprint, S.A. que terá por objetivo a
operação e exploração via internet de um portal destinado exclusivamente ao setor de papel e celulose. Hipótese prevista no
§3º do artigo 54 da Lei 8.884/94. Apresentação tempestiva. Entrada de novo concorrente. Inexistência de mercado relevante
afetado. Aprovação sem restrições.
ACÓRDÃO: Vistos, relatados e discutidos os presentes autos, em conformidade com os votos e as notas eletrônicas, acordam a
Presidente e os Conselheiros do Conselho Administrativo de Defesa
Econômica - CADE, por unanimidade, aprovar a operação sem restrições. Declarou-se suspeito o Conselheiro Ricardo Villas Bôas Cueva. Participaram do julgamento a Presidente Elizabeth Maria Mercier
Querido Farina e os Conselheiros Roberto Augusto Castellanos Pfeiffer, Luiz Alberto Esteves Scaloppe, Luis Fernando Rigato Vascon-
DE VIGILÂNCIA LTDA., CNPJ/MF nº 06.341.608/0001-66, sediada
no Estado do RIO GRANDE DO SUL, para adquirir em estabelecimento comercial autorizado pelo Departamento Logístico do Comando do Exército, armas e cartuchos de munição nas seguintes
quantidades e natureza: 06 (SEIS) REVÓLVERES CALIBRE 38 E
72 (SETENTA E DOIS) CARTUCHOS DE MUNIÇÃO CALIBRE
38.
LUIZ CARLOS DELORME PRADO
Conselheiro
LUÍS FERNANDO RIGATO VASCONCELLOS
Conselheiro
ATO DE CONCENTRAÇÃO Nº 08012.001360/2005-14
Requerentes: Eletronic Data Systems Corporation e Towers,
Perrin, Forster & Corsby, Inc.
Advogados: José Martins Pinheiro Neto, Celso Cintra Mori,
Ubiratan Mattos e outros.
Relator: Conselheiro Luís Fernando Rigato Vasconcellos
EMENTA: Ato de concentração. Subsunção do ato ao § 3°
do artigo 54 da Lei 8.884/94, em função do faturamento das Requerentes. Apresentação tempestiva. Rito Sumário. Art. 16, Resolução do CADE nº 12/98. Convergência dos pareceres da SEAE, da
SDE e da ProCADE no que tange ao mérito da operação. Operação
incapaz de gerar efeitos anticoncorrenciais. Aprovação sem restrições.
ACÓRDÃO: Vistos, relatados e discutidos os presentes autos, em conformidade com os votos e as notas eletrônicas, acordam a
Presidente e os Conselheiros do Conselho Administrativo de Defesa
Econômica - CADE, por unanimidade, aprovar a operação, sem restrições. Participaram do julgamento a Presidente Elizabeth Maria
Mercier Querido Farina e os Conselheiros Roberto Augusto Castellanos Pfeiffer, Luiz Alberto Esteves Scaloppe, Ricardo Villas Bôas
Cueva, Luis Fernando Rigato Vasconcellos e Luiz Carlos Thadeu
Delorme Prado. Presente a Procuradora-Geral Maria Paula Dallari
Bucci. Brasília - DF, 06 de abril de 2005, data do julgamento da 344ª
Sessão Ordinária de Julgamento.
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
LUIZ CARLOS DELORME PRADO
Conselheiro
DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL
DIRETORIA EXECUTIVA
<!ID631535-0>
PORTARIA N o- 2.175, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2004
O DIRETOR-EXECUTIVO DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo
art. 45 do Decreto nº 89.056 de 24 de novembro de 1983, alterado
pelo art. 1º do Decreto nº 1.592 de 10 de agosto de 1995, e atendendo
solicitação por parte do interessado, bem como decisão prolatada no
Processo nº 08385.016489/2004-16-SR/DPF/PR; resolve:
Conceder autorização à empresa PIRES SERVIÇOS DE SEGURANÇA E TRANSPORTE DE VALORES LTDA., CNPJ/MF nº
60.409.877/0003-24, sediada no Estado do PARANÁ, para adquirir
em estabelecimento comercial autorizado pelo Departamento de Material Bélico do Exército, coletes à prova de balas nas seguintes
quantidades e natureza: 10 (DEZ) COLETES À PROVA DE BALAS
NÍVEL II-A.
ZULMAR PIMENTEL DOS SANTOS
o-
<!ID635211-0>
PORTARIA N 702, DE 29 DE MARÇO DE 2005
O DIRETOR-EXECUTIVO DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo
art. 20 da Lei 7.102, de 20 de junho de 1983, alterada pela Lei nº
9.017, de 30 de março de 1995, regulamentada pelo Decreto nº
89.056, de 24 de novembro de 1983, atualizado pelo Decreto nº
1.592, de 10 de agosto de 1995, atendendo a requerimento da parte
interessada, nos termos do art. 28 da Portaria nº 992-DG/DPF, de 25
de outubro de 1995, alterada pela Portaria nº 277-DG/DPF, de 13 de
abril de 1998 e, considerando, finalmente, o posicionamento favorável da Coordenação-Geral de Controle de Segurança Privada, conforme despacho exarado nos autos do Processo nº
08504.001489/2005-91-CV/DPFA/STS/SP, DECLARA revista a autorização para funcionamento, válida por 01(um) ano a partir da data
da publicação no D.O.U., concedida à empresa SISCON SEGURANÇA PATRIMONIAL S/C LTDA, inscrita no CNPJ/MF sob o nº
03.880.858/0001-86, especializada na prestação de serviços de VIGILÂNCIA, e habilitada a exercer a atividade de ESCOLTA ARMADA, tendo como sócios FÁBIO EDUARDO RIZZI e HONORATO TARDELLI FILHO, para efeito de exercer suas atividades no
estado de SÃO PAULO.
ZULMAR PIMENTEL DOS SANTOS
<!ID631745-0>
PORTARIA Nº 730, DE 1 o- DE ABRIL DE 2005
GETÚLIO BEZERRA SANTOS
o-
<!ID634943-0>
PORTARIA N 740, DE 5 DE ABRIL DE 2005
O DIRETOR-EXECUTIVO DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo
art. 45 do Decreto nº 89.056 de 24 de novembro de 1983, alterado
pelo art. 1º do Decreto nº 1.592 de 10 de agosto de 1995, e atendendo
solicitação por parte do interessado, bem como decisão prolatada no
Processo nº .08512.005921/2004-32 - DELESP/SP resolve:
a) Revogar a Portaria nº 1.625 - CGCSP/DIREX/DPF, de 01
de setembro de 2004, publicada no D.O.U em 28 de setembro de
2004, Seção I página 88.
b) Conceder autorização à empresa ASSEGUR - VIGILÂNCIA E SEGURANÇA LTDA., CNPJ/MF nº 02.785.308/0001-15, sediada no Estado de SÃO PAULO para adquirir 27 (VINTE E SETE)
REVÓLVERES CALIBRE 38 e 324 (TREZENTOS E VINTE E
QUATRO) CARTUCHOS DE MUNIÇÃO CALIBRE 38 da empresa
EMTEL - VIGILÃNCIA E SEGURANÇA S/C LTDA., CNPJ/MF nº
65.037.079/0001-70, com sede no Estado de SÃO PAULO, que teve
sua autorização para funcionamento cancelada, através da Portaria nº
1.748 CGCSP/DPF, de 17 de setembro de 2004, publicada no D.O.U.
em 07 de outubro de 2004, seção I, página 344.
ZULMAR PIMENTEL DOS SANTOS
<!ID633885-0>
PORTARIA N o- 782, DE 11 DE ABRIL DE 2005
O DIRETOR-EXECUTIVO DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo
art. 32 do Decreto nº 89.056 de 24 de novembro de 1983, alterado
pelo art. 1º do Decreto nº 1.592 de 10 de agosto de 1995, atendendo
solicitação por parte do interessado, bem como decisão prolatada no
Processo nº 08320.001161/2005-22 - DELESP/SR/DPF/MT; resolve:
Conceder autorização para funcionamento, válida por 01(um)
ano a partir da publicação do DOU, à empresa MJB SEGURANÇA E
VIGILÂNCIA LTDA, CNPJ/MF: 06.236.934/0001-03, com sede na
Avenida Mato Grosso, n. 240, Centro, Cuiabá/MT, tendo como sócios: JOSÉ MARCIO DE OLIVEIRA, MARCOS ROGÉRIO CARDIM e BENEDITO CARLOS BRITO, especializada na prestação de
serviços de VIGILÂNCIA, para exercer suas atividades no Estado do
MATO GROSSO.
ZULMAR PIMENTEL DOS SANTOS
<!ID634029-0>
PORTARIA N o- 783, DE 11 DE ABRIL DE 2005
O DIRETOR-EXECUTIVO DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo
art. 32 do Decreto nº 89.056 de 24 de novembro de 1983, alterado
pelo art. 1º do Decreto nº 1.592 de 10 de agosto de 1995, atendendo
solicitação por parte do interessado, bem como decisão prolatada no
Processo nº 08270.015801/2004-33 - DELESP/SR/DPF/CE; resolve:
Conceder autorização para funcionamento, válida por 01(um)
ano a partir da publicação do DOU, à empresa GESTOR SEGURANÇA
PATRIMONIAL
ARMADA
LTDA,
CNPJ/MF:
04.808.914/0001-34, com sede na Rua Carvalho Mota, n. 207, Parque
Araxá, Fortaleza/CE, tendo como sócios: JOSÉ ADENIR CAMPOS
FARIAS, DANIEL DE ALMEIDA FARIA, MARIA GORETE LOPES DE ALMEIDA e ALÉXIS FERNANDES, especializada na prestação de serviços de VIGILÂNCIA, para exercer suas atividades no
Estado do CEARÁ.
ZULMAR PIMENTEL DOS SANTOS
<!ID634035-0>
PORTARIA N o- 784, DE 11 DE ABRIL DE 2005
O DIRETOR-EXECUTIVO DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo
artigo 32 do Decreto nº 89.056 de 24 de novembro de 1983, alterado
pelo artigo 1º do Decreto nº 1.592, de 10 de agosto de 1995, atendendo solicitação por parte do interessado, bem como decisão prolatada no Processo nº 08475.024208/2004-81 - DELESP/SR/DPF/RO;
resolve:
Conceder autorização à empresa TRANSEGURO TRANSPORTE DE VALORES E VIGILÂNCIA LTDA., CNPJ/MF: nº
17.219.353/0003-41, especializada em prestação de serviços de Vigilância, a executar o serviço de ESCOLTA ARMADA no Estado de
RONDÔNIA nos termos do artigo 46, da Portaria 992-DG/DPF de 25
de outubro de 1995, publicada no D.O.U. de 31 de outubro de
1995.
ZULMAR PIMENTEL DOS SANTOS
O DIRETOR-EXECUTIVO DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo
art. 45 do Decreto nº 89.056 de 24 de novembro de 1983, alterado
pelo art. 1º do Decreto nº 1.592 de 10 de agosto de 1995, e atendendo
solicitação por parte do interessado, bem como decisão prolatada no
Processo nº 08430.007626/2005-10-SR/DPF/RS; resolve:
Conceder autorização à empresa GR BRASIL SERVIÇOS
<!ID633996-0>
PORTARIA N o- 788, DE 11 DE ABRIL DE 2005
O DIRETOR-EXECUTIVO DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo
art. 32 do Decreto nº 89.056 de 24 de novembro de 1983, alterado
pelo art. 1º do Decreto nº 1.592 de 10 de agosto de 1995, atendendo
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
solicitação por parte do interessado, bem como decisão prolatada no
Processo nº 08512.011045/2004-83 - DELESP/SR/DPF/SP; resolve:
Conceder autorização para funcionamento, válida por 01(um)
ano a partir da publicação do DOU, à empresa NOBRE SERVIÇOS
DE SEGURANÇA E VIGILÂNCIA LTDA, CNPJ/MF:
06.923.017/0001-05, com sede na Rua Las Palmas, n. 554, Vila Aquilino, Santo André/SP, tendo como sócios: GENIVALDO NOBRE
ALVES e ANTONIO JAIME DE SOUZA, especializada na prestação
de serviços de VIGILÂNCIA, para exercer suas atividades no Estado
de SÃO PAULO.
ZULMAR PIMENTEL DOS SANTOS
<!ID635116-0>
PORTARIA N o- 789, DE 11 DE ABRIL DE 2005
O DIRETOR-EXECUTIVO DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo
art. 45 do Decreto nº 89.056 de 24 de novembro de 1983, alterado
pelo art. 1º do Decreto nº 1.592 de 10 de agosto de 1995, e atendendo
solicitação por parte do interessado, bem como decisão prolatada no
Processo nº 08255.004354/2005-66-SR/DPF/BA; resolve:
Conceder autorização à empresa MAP SERVIÇOS DE SEGURANÇA LTDA., CNPJ/MF nº 00.435.781/0001-47, sediada no
Estado da BAHIA, para adquirir em estabelecimento comercial autorizado pelo Departamento Logístico do Comando do Exército, armas e cartuchos de munição nas seguintes quantidades e natureza: 11
(ONZE) REVÓLVERES CALIBRE 38 E 120 (CENTO E VINTE)
CARTUCHOS DE MUNIÇÃO CALIBRE 38.
SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO AMAZONAS
PORTARIA N o- 18, DE 11 DE ABRIL DE 2005
<!ID636214-0>
Dispõe sobre a designação de Comissão
Permanente de Licitação no âmbito da Superintendência Regional do Departamento
de Polícia Federal no Estado do Amazonas.
A SUPERINTENDENTE REGIONAL DO DEPARTAMENTO
DE POLÍCIA FEDERAL NO AMAZONAS, no uso das atribuições estatuídas
no art. 38, inciso III, do Regimento Interno do Departamento de Polícia Federal,
aprovado pela Portaria 1300-MJ, de 4 de setembro de 2003 e com base no disposto no art. 6º, inciso XVI, da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, resolve:
Art. 1º. Designar os servidores ALINE DO NASCIMENTO
SILVA, Administrador, matrículas nºs 5.086 (DPF) e 0184654 (SIAPE), como pregoeira da Superintendência de Polícia Federal no Estado do Amazonas, tendo como equipe de Apoio os Servidores MÁRIO JORGE MONTEIRO DE OLIVEIRA, Agente Administrativo,
matrículas nºs 4.644 (DPF) e 0184358 (SIAPE), ALICE GOMES
GUIMARÃES AREQUE, Técnico em Contabilidade, matrículas nºs
11.497 (DPF) e 1476436 (SIAPE) e SUZANA ILAN BARROS DA
SILVA, Contador, matrículas nºs 12.563 (DPF) e 1478134 (SIAPE).
Art. 2º. Determinar que, nos impedimentos legais de ALINE
DO NASCIMENTO SILVA, responderá pela presidência dos trabalhos da referida Comissão o servidor MÁRIO JORGE MONTEIRO
DE OLIVEIRA;
MARIA DAS GRAÇAS MALHEIROS MONTEIRO
ZULMAR PIMENTEL DOS SANTOS
<!ID633993-0>
PORTARIA N o- 792, DE 12 DE ABRIL DE 2005
O DIRETOR-EXECUTIVO DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo
art. 20 da Lei 7.102, de 20 de junho de 1983, alterada pela Lei nº
9.017, de 30 de março de 1995, regulamentada pelo Decreto nº
89.056, de 24 de novembro de 1983, atualizado pelo Decreto nº
1.592, de 10 de agosto de 1995, atendendo a requerimento da parte
interessada, nos termos do art. 28 da Portaria nº 992-DG/DPF, de 25
de outubro de 1995, alterada pela Portaria nº 277-DG/DPF, de 13 de
abril de 1998 e, considerando, finalmente, o posicionamento favorável da Coordenação-Geral de Controle de Segurança Privada, conforme despacho exarado nos autos do Processo nº
08070.001868/2004-47-CV/DPF/VRA/RJ, DECLARA revista a autorização para funcionamento, válida por 01(um) ano a partir da data
da publicação no D.O.U., concedida à empresa CENTRO DE FORMAÇÃO DE AGENTES PATRIMONIAIS LTDA, inscrita no
CNPJ/MF sob o nº 86.704.418/0001-03, especializada na prestação de
serviços de CURSO DE FORMAÇÃO, tendo como sócios MAURO
CEZAR CONSENTINO e ANDRÉ LUIS MANZONI CONSENTINO, para efeito de exercer suas atividades no Estado do RIO DE
JANEIRO.
ZULMAR PIMENTEL DOS SANTOS
<!ID632286-0>
PORTARIA N o- 794, DE 12 DE ABRIL DE 2005
DEPARTAMENTO DE POLÍCIA
RODOVIÁRIA FEDERAL
COORDENAÇÃO-GERAL DE OPERAÇÕES
<!ID637891-0>
PORTARIA N o- 2, DE 18 DE ABRIL DE 2005
COORDENADOR-GERAL DE OPERAÇÕES do DEPARTAMENTO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL, usando das
atribuições legais, conferidas pelo Regimento Interno aprovado pela
Portaria/MJ n. º 3741, de 15 de dezembro de 2004, do Sr. Ministro de
Estado da Justiça e pelo inc. I do art. 3º, da Instrução Normativa DPRF nº 12, de 20 de agosto de 2002, bem como o constante do
processo nº 08.650.000763/2005-21, resolve:
CREDENCIAR a empresa CRIVO Avaliação Técnica Veicular Ltda, inscrita no CNPJ sob o nº 04.568.795/0001-90, com sede
à Rua Av. Gal. David Sarnoff, nº 2690, Bairro Inconfidentes, Contagem/MG, para executar serviços especializados de Inspeção Técnica
Veicular a que se refere a Resolução - CONTRAN nº 137, de 28 de
agosto de 2002.
JOSÉ ALTAIR GOMES BENITES
SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO
DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO E DEFESA
ECONÔMICA
<!ID637081-0>
O DIRETOR-EXECUTIVO DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo
art. 20 da Lei 7.102, de 20 de junho de 1983, alterada pela Lei nº
9.017, de 30 de março de 1995, regulamentada pelo Decreto nº
89.056, de 24 de novembro de 1983, atualizado pelo Decreto nº
1.592, de 10 de agosto de 1995, atendendo a requerimento da parte
interessada, nos termos do art. 28 da Portaria nº 992-DG/DPF, de 25
de outubro de 1995, alterada pela Portaria nº 277-DG/DPF, de 13 de
abril de 1998 e, considerando, finalmente, o posicionamento favorável da Coordenação-Geral de Controle de Segurança Privada, conforme despacho exarado nos autos do Processo nº
08512.014931/2004-69-DELESP/SR/DPF/SP, DECLARA revista a
autorização para funcionamento, válida por 01(um) ano a partir da
data da publicação da portaria no D.O.U., concedida à empresa RRJ
- TRANSPORTE DE VALORES, SEGURANÇA E VIGILÂNCIA
LTDA, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 02.459.497/0001-36, especializada na prestação de serviços de VIGILÂNCIA e TRANSPORTE
DE VALORES, habilitada a exercer as atividades de SEGURANÇA
PESSOAL e ESCOLTA ARMADA, tendo como sócios RONALDO
HERBST DOTTA e REGIANE BARROS DE OLIVEIRA, para efeito de exercer suas atividades no Estado de SÃO PAULO.
ZULMAR PIMENTEL DOS SANTOS
o-
<!ID636322-0>
PORTARIA N 798, DE 12 DE ABRIL DE 2005
O DIRETOR-EXECUTIVO DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo
art. 45 do Decreto nº 89.056 de 24 de novembro de 1983, alterado
pelo art. 1º do Decreto nº 1.592 de 10 de agosto de 1995, e atendendo
solicitação por parte do interessado, bem como decisão prolatada no
Processo nº 08230.006122/2005-21-SR/DPF/AL; resolve:
Conceder autorização à empresa VITAL SEGURANÇA LTDA, CNPJ/MF nº 05.648.031/0001-77 sediada no Estado de ALAGOAS, para adquirir em estabelecimento comercial autorizado pelo
Departamento de Material Bélico do Exército, armas e cartuchos de
munição nas seguintes quantidades e natureza: 10 (DEZ) REVÓLVERES CALIBRE 38 E 120 (CENTO E VINTE) CARTUCHOS DE
MUNIÇÃO CALIBRE 38.
ZULMAR PIMENTEL DOS SANTOS
DESPACHOS DA DIRETORA
Em 19 de abril de 2005
Nº. 102. Ato de Concentração nº 08012.003116/2005-96. Requerentes: Alcoa Inc. e Fujikura Ltd. Advs: Mauro Grinberg; Tito Amaral de
Andrade e Outros. Em conformidade com o art. 54, § 8º da Lei nº
8.884/94 e art. 11, § 3º da Portaria/MJ nº 849, de 22 de setembro de
2000, atendam as Requerentes à diligência de fls., no prazo de 15
(quinze) dias. Os autos encontram-se na Seção Processual deste Departamento.
Nº. 103. Ato de Concentração nº 08012.003025/2005-51. Requerentes: Cinven Limited; CIE Management II Limited e Amadeus Global
Travel Distribution S/A. Advs: Marcus Vinicius M. Versolatto e Outros. Defiro prazo adicional de 15 (quinze) dias, conforme despacho
de fls. Os autos encontram-se na Seção Processual deste Departamento.
BARBARA ROSENBERG
SECRETARIA NACIONAL DE JUSTIÇA
DEPARTAMENTO DE ESTRANGEIROS
DESPACHOS DA DIRETORA
<!ID637718-0>
Tendo em vista que não constam nos autos os documentos
necessários que viabilizam a análise do pleito, tais como: descrição
das atividades exercidas pelo estrangeiro, justificativa detalhada sobre
a manutenção do estrangeiro na empresa, certificado de averbação
expedido pelo INPI, programa de transferência de tecnologia e treinamento para os profissionais brasileiros, prova de que os signatários
têm poderes de representação e, considerando a manifestação do
Ministério do Trabalho e Emprego, INDEFIRO o pedido de prorrogação de prazo de estada no País.
Processo Nº 08000.001565/2005-39 - Andrea Damiani
Tendo em vista que não constam nos autos os documentos
necessários que viabilizam a análise do pleito, tais como: certificado
de averbação expedido pelo INPI, programa de treinamento para os
técnicos brasileiros, prova de que o signatário tem poderes de representar e, considerando a manifestação do Ministério do Trabalho e
Emprego, INDEFIRO o pedido de prorrogação de prazo de estada no
País.
ISSN 1677-7042
39
Processo Nº 08000.001567/2005-28 - Vincenzo Sparacino
Tendo em vista que não constam nos autos os documentos
necessários que viabilizam a análise do pleito, tais como: certificado
de averbação expedido pelo INPI, programa de treinamento para os
técnicos brasileiros, prova de que o signatário tem poderes de representar e, considerando a manifestação do Ministério do Trabalho e
Emprego, INDEFIRO o pedido de prorrogação de prazo de estada no
País.
Processo Nº 08000.001566/2005-83 - Marcelo Igor Aranguiz
Pasche
Tendo em vista que não constam nos autos os documentos
necessários que viabilizam a análise do pleito, tais como: descrição
das atividades exercidas pelo estrangeiro, justificativa detalhada sobre
a manutenção do estrangeiro na empresa, certificado de averbação
expedido pelo INPI, programa de transferência de tecnologia e treinamento para os profissionais brasileiros, prova de que os signatários
têm poderes de representação e, considerando a manifestação do
Ministério do Trabalho e Emprego, INDEFIRO o pedido de prorrogação de prazo de estada no País.
Processo Nº 08000.001568/2005-72 - Mauricio Andres Fuenzalida Duran
Tendo em vista que não constam nos autos os documentos
necessários que viabilizam a análise do pleito, tais como: descrição
das atividades exercidas pelo estrangeiro, justificativa detalhada sobre
a manutenção do estrangeiro na empresa, programa de transferência
de tecnologia e treinamento para os profissionais brasileiros, cópia do
certificado de averbação do INPI e, considerando a manifestação do
Ministério do Trabalho e Emprego, INDEFIRO o pedido de prorrogação de prazo de estada no País.
Processo Nº 08000.002574/2005-47 - Gilles Dias
Tendo em vista que não constam nos autos os documentos
necessários que viabilizam a análise do pleito, tais como: descrição
das atividades exercidas pelo estrangeiro, justificativa detalhada sobre
a manutenção do estrangeiro na empresa, prova de que o signatário
tem poderes de representação, cópia do contrato para prestação de
serviços e, considerando a manifestação do Ministério do Trabalho e
Emprego, INDEFIRO o pedido de prorrogação de prazo de estada no
País.
Processo Nº 08000.003618/2005-56 - Luis Alberto Campetella
Tendo em vista que não constam nos autos os documentos
necessários que viabilizam a análise do pleito, tais como: descrição
das atividades exercidas pelo estrangeiro, justificativa detalhada sobre
a manutenção do estrangeiro na empresa, prova de que o signatário
têm poderes de representação, cópia do contrato para prestação de
serviços e, considerando a manifestação do Ministério do Trabalho e
Emprego, INDEFIRO o pedido de prorrogação de prazo de estada no
País.
Processo Nº 08000.003621/2005-70 - Alberto Jose Salvagno
Tendo em vista que não constam nos autos os documentos
necessários que viabilizam a análise do pleito, tais como: descrição
das atividades exercidas pelo estrangeiro, justificativa detalhada sobre
a manutenção do estrangeiro na empresa, prova de que o signatário
tem poderes de representação, cópia do contrato para prestação de
serviços e, considerando a manifestação do Ministério do Trabalho e
Emprego, INDEFIRO o pedido de prorrogação de prazo de estada no
País.
Processo Nº 08000.003619/2005-09 - Ramon Torres
Tendo em vista que não constam nos autos os documentos
necessários que viabilizam a análise do pleito, tais como: prova de
que o signatário tem poderes para representar a empresa, contrato de
prestação de serviços, contrato de afretamento, descrição das atividades, justificativa detalhada sobre a manutenção do estrangeiro na
empresa e, considerando a manifestação do Ministério do Trabalho e
Emprego, INDEFIRO o pedido de prorrogação de prazo de estada no
País.
Processo Nº 08420.000375/2005-53 - German Piñeiro Chapela
Tendo em vista a falta de cumprimento de exigência junto a
este Departamento, para viabilizar a análise do pleito, tais como:
retificar os valores das remunerações anotados na carteira de trabalho
do estrangeiro conforme estipulado no contrato trabalho inicial, de
prorrogação e de transformação, constando o salário-utilidade referente à moradia; recolher as diferenças dos depósitos do FGTS desde
o inpicio do vículo laboral, bem como comprovar recolhimentos fundiários dos meses de novembro e 13º salário de 2000 e, diante da
informação do Ministério do Trabalho e Emprego INDEFIRO o pedido de transformação de visto temporário em permanente.
Processo Nº 08505.008215/2004-31 - Robert Dyer Stange
Tendo em vista a rescisão do contrato de trabalho que ensejou a concessão do visto, INDEFIRO o pedido de transformação de
visto temporário em permanente.
Processo Nº 08505.038022/2004-13 - Jose Fernando Jaramillo Ossa, Angela Fajardo Mc Leod, Natalia Jaramillo Fajardo e
Daniela Jaramillo Fajardo
IZAURA MARIA SOARES MIRANDA
DIVISÃO DE PERMANÊNCIA DE ESTRANGEIROS
DESPACHOS DO CHEFE
<!ID637719-0>
Face às diligências procedidas pelo Departamento de Polícia
Federal, DEFIRO o presente pedido de permanência, vez que restou
provado que o (a) estrangeiro (a) está casado de fato e de direito com
cônjuge brasileiro (a), salientando, todavia, que o ato persistirá enquanto for detentor da condição que lhe deu origem.
40
ISSN 1677-7042
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
<!ID637721-0>
Processo Nº 08230.001141/2004-80 - Josef Possnitz Ferreira
Processo Nº 08270.004181/2004-15 - Massimo Barontini
Processo Nº 08270.006684/2004-17 - Artur Girão Alves dos
Santos
Processo Nº 08270.008410/2003-81 - Juan Bautista Miró
Raduá
Processo Nº 08270.011005/2003-41 - Rudolf J. A. de Bie
Processo Nº 08280.015619/2004-63 - Artur Mauricio Gonçalves Teixeira
Processo Nº 08354.003534/2003-41 - Oscar Humberto Osores Ormeño
Processo Nº 08364.001695/2003-81 - Carlo Giuseppe Dal
Maso
Processo Nº 08387.000008/2004-22 - Norbert Schmid-Machtzke
Processo Nº 08420.001657/2003-14 - Priscila Samanta Cardoso Cabral Marques
Processo Nº 08444.000180/2004-54 - Anna Daniella Baltadakis Pinho Becherini
Processo Nº 08444.003709/2004-91 - Victor Jose Chumbiauca Mendoza
Processo Nº 08444.003937/2003-81 - Omar Pintos Gonzalez
Processo Nº 08444.003948/2004-41 - Roberto Jonas Steneri
Abelenda
Processo Nº 08444.004717/2003-74 - Jessica Frances Frazier
Processo Nº 08460.015125/2004-61 - Silvia Mary Pereira
Borba
Processo Nº 08461.000635/2004-23 - Secondo Lingua
Processo Nº 08461.001323/2004-37 - Francesco Ferraguti
Processo Nº 08491.000604/2004-15 - Deolinda Benitez
Processo Nº 08492.003211/2003-72 - Johannes Wilfried Langer
Processo Nº 08504.012320/2004-85 - Mathilde Françoise Jaqueline Frafil Leite
Processo Nº 08505.011031/2004-59 - Susana dos Reis Custódio
Processo Nº 08505.012486/2004-91 - Petya Dimitrova Simonsen
Processo Nº 08505.014343/2004-14 - Camilo Poveda Vargas
Processo Nº 08505.032309/2004-21 - Raymond Oliver Holmes Jr
Processo Nº 08506.000485/2004-94 - Aldo Durán Gil
Processo Nº 08506.004466/2004-37 - Raimundo Lora Serrano
Processo Nº 08506.005058/2004-01 - Lothar Markus Rombach
Face às diligências procedidas pelo Departamento de Polícia
Federal, DEFIRO o presente pedido de permanência, vez que restou
provado que o(a) estrangeiro(a) mantém a prole brasileira sob sua
guarda e dependência econômica, assistindo-a social e moralmente.
Processo Nº 08295.003793/2004-02 - Tiziano Tezza
DEFIRO o(s) presente(s) pedido(s) de prorrogação do prazo
de estada.
Processo Nº 08260.003225/2004-09 - Juria Akatsu, até
07/10/2005
Processo Nº 08390.002987/2004-02 - Ismael Aderito Diogo
Andre, até 24/07/2005
Processo Nº 08460.015954/2004-43 - Humberta Africana
Silva da Cunha, até 16/05/2005
INDEFIRO o presente pedido, tendo em vista o não cumprimento da (s) exigência(s) formulada(s) por esta Divisão.
Processo Nº 08000.004028/2004-60 - Teresa Garcia Roig
Processo Nº 08339.001078/2004-73 - Kanna Morimoto, Marina Morimoto e Michito Morimoto
Processo Nº 08444.000719/2004-75 - Leire Gil Pedromingo
Processo Nº 08505.007437/2004-37 - Guilhermo Diaz Aguinaga
OLIMPIO GARCIA SOBRINHO
<!ID637720-0>
Face às diligências procedidas pelo Departamento de Polícia
Federal, DEFIRO o presente pedido de permanência, vez que restou
provado que o (a) estrangeiro (a) está casado de fato e de direito com
cônjuge brasileiro (a), salientando, todavia, que o ato persistirá enquanto for detentor da condição que lhe deu origem.
Processo Nº 08505.025901/2004-77 - Hugo Alfredo Carranza Abensur
Processo Nº 08797.000493/2004-11 - Magda Rosa Luz Zenteno Guerra
Nos termos do Parecer CJ nº 066/85, constante do Processo
MJ n º 021339/83, determino a REPUBLICAÇÃO do despacho deferitório, para que surta seus jurídicos e legais efeitos nos termos da
legislação vigente.
Processo Nº 08505.009054/2003-12 - Sergio Gonzalo Jara
Riquelme
MARIA OLIVIA SACRAMENTO DE M. ALVES
Substituto
Face às diligências procedidas pelo Departamento de Polícia
Federal, DEFIRO o presente pedido de permanência, vez que restou
provado que o(a) estrangeiro(a) mantém a prole brasileira sob sua
guarda e dependência econômica, assistindo-a social e moralmente.
Processo Nº 08476.000774/2004-98 - Arturo Ladislao Chamvi Sosa
Processo Nº 08494.000496/2004-51 - Alejandro Martin Ranieri
Processo Nº 08494.000511/2004-61 - Adolfo Elias Nallar
Processo Nº 08505.006143/2004-98 - Laurent Georges Augustin Scotto
Processo Nº 08505.025290/2004-67 - Francisco Limachi
Apaza e Alicia Limachi Mamani de Flores
Processo Nº 08505.027552/2004-28 - Magdalena Guarachi
Alejo
Processo Nº 08505.027629/2004-60 - Benjamin Carrillo Yujra e Ruth Esther Salinas
Processo Nº 08505.030398/2004-71 - Sarah Elizabeth del
Bem
Processo Nº 08520.001583/2004-61 - Johannes Steinacker
Processo Nº 08711.001237/2004-35 - Ronaldus Jacobus Marinus Peters
Processo Nº 08792.001982/2004-21 - Pablo Cristian Vicondo
Processo Nº 08796.002140/2004-57 - Jessica Roxana Suy
Rosales
MIRIAN CELIA ALVARES DE ANDRADE
P/Delegação de Competência
<!ID637722-0>
Face às diligências procedidas pelo Departamento de Polícia
Federal, DEFIRO o presente pedido de permanência, vez que restou
provado que o(a) estrangeiro(a) mantém a prole brasileira sob sua
guarda e dependência econômica, assistindo-a social e moralmente.
Processo Nº 08220.000223/99-25 - Waldo Fabian Ferreiro
Processo Nº 08241.000151/2004-79 - Alicia Edhit Robles
Castro
Processo Nº 08241.000295/2004-25 - Angel Adrian Llerena
Caselli e Mirla Hidalgo Lomas
Processo Nº 08270.012519/2003-13 - Juan Francisco Sciurano del Sel
Processo Nº 08270.014210/2003-68 - Patrice Ropraz
Processo Nº 08387.000622/2004-94 - Ahmad Holeihel
Processo Nº 08389.019552/2003-47 - Rui Manuel Mauricio
Processo Nº 08389.019621/2003-12 - Bruno Ismael Rodriguez Rodriguez
Processo Nº 08389.019701/2003-78 - Khaled Mohamad Tarabayh
Processo Nº 08390.002061/2004-17 - Pablo Osvaldo Volpe e
Mariana Raquel Vega de Volpe
Processo Nº 08390.003398/2004-33 - Daniel Jonathan Vandyk
Processo Nº 08441.001955/2004-39 - Elizabeth Guedez Gomez
Processo Nº 08492.000617/2004-84 - Jose Eduardo di Corrado
Processo Nº 08505.006406/2004-69 - Enrique Sandbrand
Brodsky
Face as diligências procedidas pelo Departamento de Polícia
Federal, DEFIRO o presente pedido de permanência, vez que restou
provado que o(a) estrangeiro(a) mantém a prole brasileira sob sua
guarda e dependência econômica.
Processo Nº 08505.007360/2004-03 - Raul Enrique Silva
Peirano e Claudia Cecilia Espinar Martinez
Processo Nº 08505.009131/2004-15 - Fernando Cueva Usuriaga e Elvira Quispe Vilca
Processo Nº 08505.026346/2004-09 - Andres Azcarate Elizalde
Processo Nº 08505.027017/2004-77 - Edilberto Guzman
Quispe e Ferminia Alaca Rodriguez
Processo Nº 08505.030391/2004-50 - Basilio Anibal Callisaya Choque e Paulina Veronica Flores Lima
Processo Nº 08514.001550/2004-08 - Qiu Hongcai, Chen
Yinglian e Qiu Fenzhuo
Retificação:
No Diário Oficial de 20/04/2005, pg. 80, onde se lê:
Tendo em vista que ficou demonstrada a efetiva necessidade
da manutenção do estrangeiro na empresa, considerando que o presente processo encontra-se instruído na forma da Lei e, diante da
informação do Ministério do Trabalho , DEFIRO o pedido de prorrogação de prazo de estada no País até 27/02/2007.
Processo Nº 002037/2005-05 - Yoann Louis Emmanuel
Gorska
Leia-se:
Processo Nº 08000.002037/2005-05 - Yoann Louis Emmanuel Gorska
No Diário Oficial de 30/03/2005, pg. 90, onde se lê:
Defiro o presente pedido de permanência por Reunião Familiar, nos termos da Resolução Normativa nº 36/99 do Conselho
Nacional de Imigração e Portaria MJ nº 606/91.
Processo Nº 08502.001173/2004-38 - Lin Wen Sheng
Leia-se:
Processo Nº 08502.001173/2004-38 - Lin Wen Sheng e Lin
Chen Chi
CAROLINDA RODRIGUES CHAVES
P/Delegação de Competência
DEPARTAMENTO DE JUSTIÇA, CLASSIFICAÇÃO,
TÍTULOS E QUALIFICAÇÃO
PORTARIA Nº 104, DE 19 DE ABRIL DE 2005
<!ID637023-0>
O Diretor, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o
disposto nos artigos 21, Inciso XVI, e 220, parágrafo 3º, Inciso I, da
Constituição Federal e artigo 74 da Lei 8.069, de 13 de julho de 1990,
com base na Portaria MJ nº 1.597, de 02 de julho de 2004, publicada
no DOU de 05 de julho de 2004, resolve classificar os filmes:
Filme: CIRQUE DU SOLEIL - SOLSTROM (Canadá 2002)
Produtor(es):
Diretor(es):
Distribuidor(es): Columbia Tristar Home Vídeo do Brasil,
Inc.
Classificação Pretendida: Livre
Gênero: Musical
Veículo: DVD/VÍDEO
Tipo de Análise: DVD
Classificação: Livre (Longa Metragem)
Descrição Temática: Entretenimento
Processo: 08017.001125/2005-01
Requerente: Tiquinho Comércio de Brinquedos & Serviços
Ltda.
Série: DAWSOǸS CREEK - QUINTA TEMPORADA
` S CREEK - FIFTH SEASON, Estados Unidos da América
(DAWSON
- 2002)
Episódio(s): 01 a 22
Produtor(es):
Diretor(es):
Distribuidor(es): Columbia Tristar Home Vídeo do Brasil,
Inc.
Classificação Pretendida: Inadequado para menores de 12
anos
Gênero: Drama
Veículo: DVD/VÍDEO
Tipo de Análise: DVD
Classificação: Inadequado para menores de 12 anos (Série)
Inadequações: Violência (Agressão Física e Linguagem Obscena)
Descrição Temática: Relacionamentos
Processo: 08017.001129/2005-81
Requerente: Tiquinho Comércio de Brinquedos & Serviços
Ltda.
Filme: O PREÇO DE UM COVARDE (BANDOLERO!, Estados Unidos da América - 1968)
Produtor(es):
Diretor(es): Andrew V. Mclaglen
Distribuidor(es): 20TH Century Fox Home Entertainment Brasil
Classificação Pretendida: Inadequado para menores de 12
anos
Gênero: Western
Veículo: DVD/VÍDEO
Tipo de Análise: DVD
Classificação: Inadequado para menores de 12 anos (Longa
Metragem e Trailer)
Inadequações: Violência (Assassinato)
Descrição Temática: Conflito entre bandidos e a lei
Processo: 08017.001136/2005-82
Requerente: Tiquinho Comércio de Brinquedos & Serviços
Ltda.
Filme: STAR WARS EWOKS (Estados Unidos da América 1985)
Produtor(es):
Diretor(es): John Korty/Jim wheat/Ken Wheat
Distribuidor(es): 20TH Century Fox Home Entertainment Brasil
Classificação Pretendida: Livre
Gênero: Ficção Científica
Veículo: DVD/VÍDEO
Tipo de Análise: DVD
Classificação: Livre (Longa Metragem e Trailer)
Descrição Temática: Guerra Interplanetária
Processo: 08017.001137/2005-27
Requerente: Tiquinho Comércio de Brinquedos & Serviços
Ltda.
Filme: STAR WARS EWOKS - AVENTURAS ANIMADAS
(STAR WARS EWOKS - ANIMATED ADVENTURES, Estados
Unidos da América - 1984)
Produtor(es):
Diretor(es): John Korty
Distribuidor(es): 20TH Century Fox Home Entertainment Brasil
Classificação Pretendida: Livre
Gênero: Desenho Animado
Veículo: DVD/VÍDEO
Tipo de Análise: Fita VHS
Classificação: Livre (Longa Metragem e Trailer)
Descrição Temática: Guerra Interplanetária
Processo: 08017.001138/2005-71
Requerente: Tiquinho Comércio de Brinquedos & Serviços
Ltda.
Filme: STAR WARS CLONE WARS (Estados Unidos da
América - 2003)
Produtor(es):
Diretor(es): Genndy Tartakovsky
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
Distribuidor(es): 20TH Century Fox Home Entertainment -
ISSN 1677-7042
PORTARIA Nº 105, DE 19 DE ABRIL DE 2005
41
Classificação Pretendida: Veiculação em qualquer horário:
<!ID636642-0>
livre
Brasil
Classificação Pretendida: Livre
Gênero: Desenho Animado
Veículo: DVD/VÍDEO
Tipo de Análise: DVD
Classificação: Livre (Longa Metragem e Trailer)
Descrição Temática: Guerra Interplanetária
Processo: 08017.001139/2005-16
Requerente: Tiquinho Comércio de Brinquedos & Serviços
Ltda.
Série: MILLENNIUM - SEGUNDA TEMPORADA (MILLENNIUM - SEASON TWO, Estados Unidos da América - 1996)
Episódio(s): 01 A 23
Produtor(es):
Diretor(es): Chris Carter
Distribuidor(es): 20TH Century Fox Home Entertainment Brasil
Classificação Pretendida: Inadequado para menores de 12
anos
Gênero: Ficção Científica
Veículo: DVD/VÍDEO
Tipo de Análise: DVD
Classificação: Inadequado para menores de 14 anos (Série)
Inadequações: Violência (Assassinato)
Descrição Temática: Investigação Policial
Processo: 08017.001142/2005-30
Requerente: Tiquinho Comércio de Brinquedos & Serviços
Ltda.
Série: COLUMBO (Estados Unidos da América - 1971)
Episódio(s): 01 a 22
Produtor(es): Richard Levinson/William Link
Diretor(es): Steve Spielberg
Distribuidor(es): Universal Pictures Brasil
Classificação Pretendida: Inadequado para menores de 10
anos
Gênero: Ação/Suspense
Veículo: DVD/VÍDEO
Tipo de Análise: DVD
Classificação: Inadequado para menores de 12 anos (Série)
Inadequações: Violência (Assassinato)
Descrição Temática: Investigação Policial
Processo: 08017.001143/2005-84
Requerente: Tiquinho Comércio de Brinquedos & Serviços
Ltda.
Filme: OLD BOY (Coréia do Sul - 2003)
Produtor(es):
Diretor(es): Chan Wook Park
Distribuidor(es): Cannes Produções S/A
Classificação Pretendida: Inadequado para menores de 12
anos
Gênero: Ação
Veículo: Cinema
Tipo de Análise: Fita VHS
Classificação: Inadequado para menores de 16 anos (Longa
Metragem)
Inadequações: Violência (Assassinato e Relação Sexual)
Descrição Temática: Vingança e Tortura
Processo: 08017.001145/2005-73
Requerente: Tiquinho Comércio de Brinquedos & Serviços
Ltda.
Trailer: MENINA DE OURO (MILLION DOLLAR BABY,
Estados Unidos da América - 2004)
Produtor(es):
Diretor(es): Clint Eastwwood
Distribuidor(es): Cannes Produções S/A
Classificação Pretendida: Inadequado para menores de 12
anos
Gênero: Drama
Veículo: DVD/VÍDEO
Tipo de Análise: Fita VHS
Classificação: Inadequado para menores de 12 anos (Trailer)
Inadequações: (Art. 5º, caput, Portaria 1.597/04)
Processo: 08017.001273/2005-17
Requerente: Tiquinho Comércio de Brinquedos & Serviços
Ltda.
Filme: WE DOǸT LIVE HERE ANYMORE (Estados Unidos da América - 2005)
Produtor(es): Ruth Epstein/Larry Gross
Diretor(es): John Curran
Distribuidor(es): W Mix Distribuidora Ltda.
Classificação Pretendida: Inadequado para menores de 16
anos
Gênero: Drama/Suspense
Veículo: Cinema
Tipo de Análise: Fita VHS
Classificação: Inadequado para menores de 16 anos (Longa
Metragem)
Inadequações: Violência (Agressões Verbais e Relação Sexual)
Processo: 08017.001277/2005-03
Requerente: Tiquinho Comércio de Brinquedos & Serviços
Ltda.
JOSÉ EDUARDO ELIAS ROMÃO
O Diretor, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o
disposto nos artigos 21, Inciso XVI, e 220, parágrafo 3º, Inciso I, da
Constituição Federal e artigo 74 da Lei 8.069, de 13 de julho de 1990,
com base na Portaria MJ nº 796, de 08 de setembro de 2000, publicada no DOU de 13 de setembro de 2000, resolve classificar os
programas:
Filme: MENSAGEIRO DA RAINHA 2 (QUEEǸS MESSENGET II, Canadá - 2001)
Produtor(es): Gaby Howsan
Diretor(es): Darrel Roodt/Mark Roper
Distribuidor(es): LPR - Importação, Exportação e Serviços
Ltda.
Classificação Pretendida: Veiculação em qualquer horário:
livre
Gênero: Aventura/Ação
Veículo: Televisão
Tipo de Análise: Fita VHS
Classificação: Programa não recomendado para menores de
14 anos: inadequado para antes das vinte e uma horas
Inadequações: Violência (Assassinato)
Processo: 08017.001119/2005-45
Requerente: Tiquinho Comércio de Brinquedos & Serviços
Ltda.
Episódio: O RETORNO DA FORCA DA JUSTIÇA (RETURN OF THE JUSTICE FORCE, Estados Unidos da América 2003)
Episódio(s): 48
Título da Série: AS TARTARUGAS MUTANTES NINJA
II
Produtor(es): Frederick U First
Diretor(es): Frederick U First
Distribuidor(es): Tv Globo Ltda.
Classificação Pretendida: Veiculação em qualquer horário:
livre
Gênero: Desenho Animado
Veículo: Televisão
Tipo de Análise: Fita VHS
Classificação: Veiculação em qualquer horário: livre
Processo: 08017.001167/2005-33
Requerente: Tv Globo Ltda.
Episódio: O ANTIQUÁRIO DE APRIL (APRIL̀S ARTIFACT, Estados Unidos da América - 2003)
Episódio(s): 47
Título da Série: AS TARTARUGAS MUTANTES NINJA
II
Produtor(es): Frederick U First
Diretor(es): Frederick U First
Distribuidor(es): Tv Globo Ltda.
Classificação Pretendida: Veiculação em qualquer horário:
livre
Gênero: Desenho Animado
Veículo: Televisão
Tipo de Análise: Fita VHS
Classificação: Veiculação em qualquer horário: livre
Processo: 08017.001168/2005-88
Requerente: Tv Globo Ltda.
Episódio: A GRANDE LUTA - PARTE I (BIG BRAWL PART I, Estados Unidos da América - 2003)
Episódio(s): 49
Título da Série: AS TARTARUGAS MUTANTES NINJA
II
Produtor(es): Frederick U First
Diretor(es): Frederick U First
Distribuidor(es): Tv Globo Ltda.
Classificação Pretendida: Veiculação em qualquer horário:
livre
Gênero: Desenho Animado
Veículo: Televisão
Tipo de Análise: Fita VHS
Classificação: Veiculação em qualquer horário: livre
Processo: 08017.001169/2005-22
Requerente: Tv Globo Ltda.
Episódio: A GRANDE LUTA - PARTE II (BIG BRAWL PART II, Estados Unidos da América - 2003)
Episódio(s): 50
Título da Série: AS TARTARUGAS MUTANTES NINJA
II
Produtor(es): Frederick U First
Diretor(es): Frederick U First
Distribuidor(es): Tv Globo Ltda.
Classificação Pretendida: Veiculação em qualquer horário:
livre
Gênero: Desenho Animado
Veículo: Televisão
Tipo de Análise: Fita VHS
Classificação: Veiculação em qualquer horário: livre
Processo: 08017.001170/2005-57
Requerente: Tv Globo Ltda.
Episódio: A GRANDE LUTA - PARTE III (BIG BRAWL PART III, Estados Unidos da América - 2003)
Episódio(s): 51
Título da Série: AS TARTARUGAS MUTANTES NINJA
II
Produtor(es): Frederick U First
Diretor(es): Frederick U First
Distribuidor(es): Tv Globo Ltda.
Gênero: Desenho Animado
Veículo: Televisão
Tipo de Análise: Fita VHS
Classificação: Veiculação em qualquer horário: livre
Processo: 08017.001171/2005-00
Requerente: Tv Globo Ltda.
JOSÉ EDUARDO ELIAS ROMÃO
PORTARIA Nº 12, DE 19 DE ABRIL DE 2005
<!ID636643-0>
O Diretor, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o
disposto nos artigos 21, Inciso XVI, e 220, parágrafo 3º, Inciso I, da
Constituição Federal e artigo 74 da Lei 8.069, de 13 de julho de 1990,
com base na Portaria MJ nº 899, de 03 de outubro de 2001, publicada
no DOU de 08 de outubro de 2001 e Portaria nº 1035, de 13 de
novembro de 2001, DOU de 14 de novembro de 2001, resolve classificar os jogos:
Título: BUKKAZOON (Dinamarca - 2003)
Espécie: Lançamento
Titular dos Direitos Autorais: INTERACTIVE TELEVISION
ENTERTAINMENT
Distribuidor(es): Tech Dealer Distribuidora Tecnologia Ltda.
Classificação Pretendida: Livre
Categoria: Infantil
Plataforma: CD ROM - PC/CD ROM - MAC
Tipo de Análise: Sinopse
Classificação: Livre
Processo: 08017.004046/2005-43
Requerente: Tech Dealer Distribuidora Tecnologia Ltda.
Título: HUGO - THE EVIL MIRROR (Dinamarca - 2002)
Espécie: Lançamento
Titular dos Direitos Autorais: INTERACTIVE TELEVISION
ENTERTAINMENT
Distribuidor(es): Tech Dealer Distribuidora Tecnologia Ltda.
Classificação Pretendida: Livre
Categoria: Infantil
Plataforma: CD ROM - PC/CD ROM - MAC
Tipo de Análise: Sinopse
Classificação: Livre
Processo: 08017.004047/2005-98
Requerente: Tech Dealer Distribuidora Tecnologia Ltda.
Título: HUGO - BLACK DIAMOND FEVER (Dinamarca 2001)
Espécie: Lançamento
Titular dos Direitos Autorais: INTERACTIVE TELEVISION
ENTERTAINMENT
Distribuidor(es): Tech Dealer Distribuidora Tecnologia Ltda.
Classificação Pretendida: Livre
Categoria: Infantil
Plataforma: CD ROM - PC/CD ROM - MAC
Tipo de Análise: Sinopse
Classificação: Livre
Processo: 08017.004048/2005-32
Requerente: Tech Dealer Distribuidora Tecnologia Ltda.
Título: ONDE ESTÁ CARMEN SANDIEGO? TESOUROS
DO CONHECIMENTO (Estados Unidos da América - 2005)
Titular dos Direitos Autorais: POSITIVO
Distribuidor(es): Positivo Informática Ltda.
Classificação Pretendida: Livre
Categoria: Educacional
Plataforma: CD ROM - PC/CD ROM - MAC
Tipo de Análise: Jogo
Classificação: Livre
Processo: 08017.004049/2005-87
Requerente: Positivo Informática Ltda.
Título: ZOOMBINES O RESGATE DA MONTANHA (Estados Unidos da América- 2005)
Espécie: Lançamento
Titular dos Direitos Autorais: POSITIVO
Distribuidor(es): Positivo Informática Ltda.
Classificação Pretendida: Livre
Categoria: Educacional
Plataforma: CD ROM - PC/CD ROM - MAC
Tipo de Análise: Jogo
Classificação: Livre
Processo: 08017.004050/2005-10
Requerente: Positivo Informática Ltda.
Título: OS INCRÍVEIS DETONANDO O PERIGO (Estados
Unidos da América - 2005)
Espécie: Lançamento
Titular dos Direitos Autorais: POSITIVO INFORMÁTICA
LTDA.
Distribuidor(es): Positivo Informática Ltda.
Classificação Pretendida: Livre
Categoria: Ação/Infantil
Plataforma: CD ROM - PC/CD ROM - MAC
Tipo de Análise: Jogo
Classificação: Livre
Processo: 08017.004051/2005-56
Requerente: Positivo Informática Ltda.
JOSÉ EDUARDO ELIAS ROMÃO
42
ISSN 1677-7042
PORTARIA Nº 106, DE 20 DE ABRIL DE 2005
<!ID638074-0>
O Diretor, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o
disposto nos artigos 21, Inciso XVI, e 220, parágrafo 3º, Inciso I, da
Constituição Federal e artigo 74 da Lei 8.069, de 13 de julho de 1990,
com base na Portaria MJ nº 1.597, de 02 de julho de 2004, publicada
no DOU de 05 de julho de 2004, resolve classificar os filmes:
Filme: CHARMED (Estados Unidos da América - 1998)
Produtor(es): Sheryl J. Anderson
Diretor(es): Constance M. Burge
Distribuidor(es): Videolar S/A / Paramount
Classificação Pretendida: Inadequado para menores de 12
anos
Gênero: Comédia
Veículo: DVD/VÍDEO
Tipo de Análise: Fita VHS
Classificação: Inadequado para menores de 12 anos (Longa
Metragem)
Inadequações: Violência (Assassinato)
Descrição Temática: Misticismo
Processo: 08017.000735/2005-89
Requerente: Tiquinho Comércio de Brinquedos & Serviços
Ltda.
Filme: COISA DE MULHER (Brasil - 2005)
Produtor(es): Diler Trindade
Diretor(es): Eliana Fonseca
Distribuidor(es): Warner Bros. (South), Inc.
Classificação Pretendida: Inadequado para menores de 14
anos
Gênero: Comédia
Veículo: Cinema
Tipo de Análise: Fita VHS
Classificação: Inadequado para menores de 14 anos (Longa
Metragem)
Inadequações: Insinuações de sexo (Linguagem Obscena)
Descrição Temática: Relacionamentos
Processo: 08017.001113/2005-78
Requerente: Tiquinho Comércio de Brinquedos & Serviços
Ltda.
Filme: GAROTAS SELVAGENS 3 (WILD THINGS 3, Estados Unidos da América - 2003)
Produtor(es): Marc Bienstock
Diretor(es): Jay Lowi
Distribuidor(es): Columbia Tristar Home Vídeo do Brasil,
Inc.
Classificação Pretendida: Inadequado para menores de 18
anos
Gênero: Suspense
Veículo: DVD/VÍDEO
Tipo de Análise: DVD
Classificação: Inadequado para menores de 18 anos (Longa
Metragem)
Inadequações: Violência (Assassinato e Erotização)
Descrição Temática: Traição e Assédio Moral
Processo: 08017.001126/2005-47
Requerente: Tiquinho Comércio de Brinquedos & Serviços
Ltda.
Série: ALLY MCBEAL - PRIMEIRA TEMPORADA (ALLY MCBEAL - SEASON ONE, Estados Unidos da América 1997)
Episódio(s): 01 A 22
Produtor(es):
Diretor(es): David E. Kelly
Distribuidor(es): 20TH Century Fox Home Entertainment Brasil
Classificação Pretendida: Inadequado para menores de 12
anos
Gênero: Comédia
Veículo: DVD/VÍDEO
Tipo de Análise: DVD
Classificação: Inadequado para menores de 14 anos (Série)
Inadequações: Violência (Agressão Física e Carícias)
Descrição Temática: Romance e Ação Judicial
Processo: 08017.001140/2005-41
Requerente: Tiquinho Comércio de Brinquedos & Serviços
Ltda.
Série: ESQUADRÃO CLASSE A (A - TEAM, Estados Unidos da América - 1983)
Episódio(s): 01 A 22
Produtor(es): John Ashley
Diretor(es): Craig R. Baxley
Distribuidor(es): Universal Pictures Brasil
Classificação Pretendida: Inadequado para menores de 10
anos
Gênero: Ação
Veículo: DVD/VÍDEO
Tipo de Análise: DVD
Classificação: Inadequado para menores de 10 anos (Série)
Inadequações: Violência (Agressão Física)
Descrição Temática: Luta contra as injustiças
Processo: 08017.001144/2005-29
Requerente: Tiquinho Comércio de Brinquedos & Serviços
Ltda.
Filme: A FAMÍLIA DA NOIVA (GUESS WHO?, Estados
Unidos da América - 2005)
Produtor(es): Joseph M. Caracciolo
Diretor(es): Kevin Rodney Sullivan
Distribuidor(es): Fox Film do Brasil Ltda.
Classificação Pretendida: Livre
1
Gênero: Comédia
Veículo: Cinema
Tipo de Análise: Filme
Classificação: Inadequado para menores de 10 anos (Longa
Metragem)
Inadequações: Insinuações de sexo (Linguagem Obscena)
Descrição Temática: Preconceito Racial e Romance
Processo: 08017.001175/2005-80
Requerente: Tiquinho Comércio de Brinquedos & Serviços
Ltda.
Trailer: RACING STRIPES (Estados Unidos da América /
Africa do Sul - 2005)
Produtor(es): Steven P. Wagner
Diretor(es): Frederick Du Chau
Distribuidor(es): AB International Vídeo Ltda.
Classificação Pretendida: Livre
Gênero: Animação/Aventura
Veículo: Cinema
Tipo de Análise: Fita VHS
Classificação: Livre (Trailer)
Processo: 08017.001238/2005-06
Requerente: Tiquinho Comércio de Brinquedos & Serviços
Ltda.
Trailer: RACING STRIPES (Estados Unidos da América /
Africa do Sul - 2005)
Produtor(es): Steven P. Wagner
Diretor(es): Frederick Du Chau
Distribuidor(es): W Mix Distribuidora Ltda.
Classificação Pretendida: Livre
Gênero: Animação/Aventura
Veículo: DVD/VÍDEO
Tipo de Análise: Fita VHS
Classificação: Livre (Trailer)
Processo: 08017.001239/2005-42
Requerente: Tiquinho Comércio de Brinquedos & Serviços
Ltda.
Trailer: ONG BAK - MUAI THAI WARRIOR (Tailândia 2003)
Produtor(es): Luc Besson
Diretor(es): Prachya Pinkaew
Distribuidor(es): W Mix Distribuidora Ltda.
Classificação Pretendida: Livre
Gênero: Aventura
Veículo: DVD/VÍDEO
Tipo de Análise: Fita VHS
Classificação: Inadequado para menores de 12 anos (Trailer)
Inadequações: Violência (Agressão Física)
Processo: 08017.001240/2005-77
Requerente: Tiquinho Comércio de Brinquedos & Serviços
Ltda.
Filme: PARA SEMPRE LILYA (LILJA 4 EVER, Dinamarca
/ Suécia - 2002)
Produtor(es): Lars Jonson
Diretor(es): Lucas Moodysson
Distribuidor(es): Antonio Fernandes Filmes/Califórnia Filmes Ltda.
Classificação Pretendida: Inadequado para menores de 16
anos
Gênero: Drama
Veículo: DVD/VÍDEO
Tipo de Análise: Fita VHS
Classificação: Inadequado para menores de 16 anos (Longa
Metragem)
Inadequações: Violência (Suícidio, Consumo de Drogas e
Relação Sexual)
Descrição Temática: Tráfico de Seres Humanos
Processo: 08017.001241/2005-11
Requerente: Tiquinho Comércio de Brinquedos & Serviços
Ltda.
Filme: TARZAN E AS SEREIAS (TARZAN AND THE
MERMAIDS, Estados Unidos da América - 1948)
Produtor(es): Sol Lesser
Diretor(es): Robert Florey
Distribuidor(es): Representações Arrais Ltda.
Classificação Pretendida: Livre
Gênero: Aventura
Veículo: DVD
Tipo de Análise: Fita VHS
Classificação: Inadequado para menores de 12 anos (Longa
Metragem)
Inadequações: Violência (Assassinato)
Descrição Temática: Contrabando
Processo: 08017.001261/2005-92
Requerente: Nordeste Distribuidora de Fitas de Vídeo e
DVDS LTDA
Filme: XXX 2: ESTADO DE EMERGÊNCIA (XXX 2: THE
NEXT LEVEL (AKA : XXX 2 STATE OF THE UNION), Estados
Unidos da América - 2004)
Produtor(es):
Diretor(es): Lee Tamahori
Distribuidor(es): Columbia Tristar Buena Vista Films of Brasil, Inc.
Classificação Pretendida: Inadequado para menores de 14
anos
Gênero: Ação
Veículo: Cinema
Tipo de Análise: Filme
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
Classificação: Inadequado para menores de 16 anos (Longa
Metragem)
Inadequações: Violência (Assassinato)
Descrição Temática: Golpe de Estado
Processo: 08017.001265/2005-71
Requerente: Tiquinho Comércio de Brinquedos & Serviços
Ltda.
JOSÉ EDUARDO ELIAS ROMÃO
PORTARIA Nº 107, DE 20 DE ABRIL DE 2005
<!ID638076-0>
O Diretor, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o
disposto nos artigos 21, Inciso XVI, e 220, parágrafo 3º, Inciso I, da
Constituição Federal e artigo 74 da Lei 8.069, de 13 de julho de 1990,
com base na Portaria MJ nº 796, de 08 de setembro de 2000, publicada no DOU de 13 de setembro de 2000, resolve classificar os
programas:
Filme: CÉU AZUL (BLUE SKY, Estados Unidos da América - 1994)
Produtor(es):
Diretor(es): Tony Richardson
Distribuidor(es): Rádio e Televisão Record S/A.
Classificação Pretendida: Veiculação em qualquer horário:
livre
Gênero: Drama
Veículo: Televisão
Tipo de Análise: Fita VHS
Classificação: Programa não recomendado para menores de
14 anos: inadequado para antes das vinte e uma horas
Inadequações: Violência (Agressão Física e Relação Íntima)
Processo: 08017.001121/2005-14
Requerente: Tiquinho Comércio de Brinquedos & Serviços
Ltda.
Episódio: AS PANTERAS - ANO I (CHARLIÈS ANGELS SEASON I, Estados Unidos da América - 1978)
Episódio(s): 50
Título da Série: AS PANTERAS - ANO I
Produtor(es): James D. Buchanan
Diretor(es): Ben Roberts
Distribuidor(es): Columbia Tristar Films of Brasil, Inc.
Classificação Pretendida: Veiculação em qualquer horário:
livre
Gênero: Aventura
Veículo: Televisão
Tipo de Análise: Fita VHS
Classificação: Veiculação em qualquer horário: livre
Processo: 08017.001229/2005-15
Requerente: Tiquinho Comércio de Brinquedos & Serviços
Ltda.
Episódio: ILHA DA FANTASIA - ANO II (FANTASY ISLAND - SEASON II, Estados Unidos da América - 2005)
Episódio(s): 51
Título da Série: ILHA DA FANTASIA - ANO II
Produtor(es): Michael Fisher
Diretor(es): Gene Levitt
Distribuidor(es): Columbia Tristar Films of Brasil, Inc.
Classificação Pretendida: Veiculação em qualquer horário:
livre
Gênero: Ação/Variedades
Veículo: Televisão
Tipo de Análise: Fita VHS
Classificação: Veiculação em qualquer horário: livre
Processo: 08017.001230/2005-31
Requerente: Tiquinho Comércio de Brinquedos & Serviços
Ltda.
Episódio: ILHA DA FANTASIA - ANO II (FANTASY ISLAND - SEASON II, Estados Unidos da América - 2005)
Episódio(s): 52
Título da Série: ILHA DA FANTASIA - ANO II
Produtor(es): Michael Fisher
Diretor(es): Gene Levitt
Distribuidor(es): Columbia Tristar Films of Brasil, Inc.
Classificação Pretendida: Veiculação em qualquer horário:
livre
Gênero: Ação/Variedades
Veículo: Televisão
Tipo de Análise: Fita VHS
Classificação: Veiculação em qualquer horário: livre
Processo: 08017.001231/2005-86
Requerente: Tiquinho Comércio de Brinquedos & Serviços
Ltda.
Episódio: ILHA DA FANTASIA - ANO II (FANTASY ISLAND - SEASON II, Estados Unidos da América - 2005)
Episódio(s): 53
Título da Série: ILHA DA FANTASIA - ANO II
Produtor(es): Michael Fisher
Diretor(es): Gene Levitt
Distribuidor(es): Columbia Tristar Films of Brasil, Inc.
Classificação Pretendida: Veiculação em qualquer horário:
livre
Gênero: Ação/Variedades
Veículo: Televisão
Tipo de Análise: Fita VHS
Classificação: Veiculação em qualquer horário: livre
Processo: 08017.001232/2005-21
Requerente: Tiquinho Comércio de Brinquedos & Serviços
Ltda.
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
Filme: O HOMEM SEM FACE (MAN WITHOUT A FACE,
Estados Unidos da América - 1993)
Produtor(es):
Diretor(es): Mel Gibson
Distribuidor(es): Rádio e Televisão Record S/A.
Classificação Pretendida: Veiculação em qualquer horário:
livre
Gênero: Drama
Veículo: Televisão
Tipo de Análise: Fita VHS
Classificação: Programa não recomendado para menores de
12 anos: inadequado para antes das vinte horas
Inadequações: Violência (Agressão Física, Carícias e Uso de
Drogas Lícitas)
Processo: 08017.001234/2005-10
Requerente: Tiquinho Comércio de Brinquedos & Serviços
Ltda.
Filme: SUSIE E OS BAKER BOYS (THE FABULOUS
BAKER BOYS, Estados Unidos da América - 1989)
Produtor(es):
Diretor(es): Steven Kloves
Distribuidor(es): Rádio e Televisão Record S/A.
Classificação Pretendida: Veiculação em qualquer horário:
livre
Gênero: Drama
Veículo: Televisão
Tipo de Análise: Fita VHS
Classificação: Programa não recomendado para menores de
12 anos: inadequado para antes das vinte horas
Inadequações: Violência (Carícias e Agressão Física)
Processo: 08017.001235/2005-64
Requerente: Tiquinho Comércio de Brinquedos & Serviços
Ltda.
Filme: BIG SHOT: A GRANDE CARTADA (BIG SHOT:
CONFESSIONS OF A CAMPUS BOOKIE, Estados Unidos da América - 2000)
Produtor(es): Steven R. Mcglothen
Diretor(es): Ernes Dickerson
Distribuidor(es): Fox Film do Brasil Ltda.
Classificação Pretendida: Veiculação em qualquer horário:
livre
Gênero: Ação/Guerra
Veículo: Televisão
Tipo de Análise: Fita VHS
Classificação: Programa não recomendado para menores de
12 anos: inadequado para antes das vinte horas
Inadequações: Violência (Agressão Física e Erotização)
Processo: 08017.001257/2005-24
Requerente: Fox Film do Brasil Ltda
Classificação Pretendida: Programa não recomendado para
menores de 14 anos: inadequado para antes das 21 horas
Classificar o especial “CONTANDO HISTÓRIAS” para televisão como “Programa não recomendado para menores de 14 anos:
inadequado para antes das 21 horas”, com a seguinte inadequação:
Violência (Agressão Física).
Pela sinopse enviada para esta Coordenação de Classificação, o especial apresentou inadequações o que nos levou a classificálo como inadequado para antes das 21 horas, no momento que forem
constatadas novas inadequações terá sua classificação revisada.
Enquadra-se no Art. 4º da Portaria 796/00.
Processo MJ nº: 08017.01179/2005-68
Programa “GOLAÇO”
Requerente: Rede Mulher de Televisão Ltda. .(p.p. Tiquinho
Comércio Brinquedos & Serviços Ltda.).
Classificação Pretendida: Veiculação em qualquer horário:
livre
Classificar o programa, para televisão como “Veiculação em
qualquer horário: livre”.
Esta classificação se subordina aos Arts. 74º e 76º do Estatuto da Criança e do Adolescente e ao Art 3º da Portaria 796/00.
Pela fita VHS enviada, o programa, não apresentou nenhuma
inadequação, não revela cenas que, a nosso juízo, possam ferir a
legislação. No momento da exibição se forem constatadas inadequações terá sua classificação revisada.
Processo MJ nº: 08017.001114/2005-12
Programa “MANO A MANO”
Requerente: TV Omega Ltda. - Rede TV!. (p.p. Tiquinho
Comércio Brinquedos & Serviços Ltda.).
Classificação Pretendida: Veiculação em qualquer horário:
livre
Classificar o programa, para televisão como “Veiculação em
qualquer horário: livre”.
Esta classificação se subordina aos Arts. 74º e 76º do Estatuto da Criança e do Adolescente e ao Art 3º da Portaria 796/00.
Pela sinopse enviada, o programa, não apresentou nenhuma
inadequação, não revela cenas que, a nosso juízo, possam ferir a
legislação. No momento da exibição se forem constatadas inadequações terá sua classificação revisada.
JOSÉ EDUARDO ELIAS ROMÃO
RETIFICAÇÃO
<!ID638077-0>
Na Portaria nº 83, de 30/03/2005, publicada no DOU de
31/03/2005, Seção I, página 64, Processo MJ nº 08017.000826/200514, onde se lê: “Inadequação(s) Violência (Assassinato e Preconceito
Racial” leia-se “Inadequação(s): Violência (Assassinato e Agressão
Verbal). Descrição Temática: Sátira sobre Indústria Fonográfica”.
JOSÉ EDUARDO ELIAS ROMÃO
Ministério da Previdência Social
<!ID638064-0>
DESPACHOS DO DIRETOR
Em 20 de abril de 2005.
O Diretor, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o
disposto nos artigos 21, Inciso XVI, e 220, parágrafo 3º, Inciso I, da
Constituição Federal e artigo 74 da Lei 8.069, de 13 de julho de 1990,
com base na Portaria MJ nº 1.597, de 02 de julho de 2004, publicada
no DOU de 05 de julho de 2004, resolve:
Processo MJ nº: 08017.000888/2005-26
Filme: “OPERAÇÃO BABÁ”
Requerente: Columbia Tristar Buena Vista Films Of Brasil,
Inc. (p.p. Tiquinho Comércio Brinquedos & Serviços Ltda.).
Classificação Pretendida: Livre
Descrição Temática: Relações Familiares
Indeferir o pedido de reconsideração de classificação do filme para cinema (longa metragem), classificado como “Inadequado
para menores de 12 anos”, mantendo sua classificação, com a seguinte inadequação: Violência (Agressão Física).
<!ID638069-0>
O Diretor, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o
disposto nos artigos 21, Inciso XVI, e 220, parágrafo 3º, Inciso I, da
Constituição Federal e artigo 74 da Lei 8.069, de 13 de julho de 1990,
com base na Portaria MJ nº 796, de 08 de setembro de 2000 publicada no DOU de 13 de setembro de 2000, resolve:
Processo MJ nº: 08017.001173/2005-91
Especial: “P R K - 40”
Requerente: TV Globo Ltda.
Classificação Pretendida: Programa não recomendado para
menores de 14 anos: inadequado para antes das 21 horas
Classificar o especial “P R K - 40”, para televisão como
“Programa não recomendado para menores de 14 anos: inadequado
para antes das 21 horas”, com a seguinte inadequação: Violência
(Agressão Verbal).
Pela sinopse enviada para esta Coordenação de Classificação, o especial apresentou inadequações o que nos levou a classificálo como inadequado para antes das 21 horas, no momento que forem
constatadas novas inadequações terá sua classificação revisada.
Enquadra-se no Art. 4º da Portaria 796/00.
Processo MJ nº: 08017.001146/2005-18
Especial: “CONTANDO HISTÓRIAS”
Requerente: TV Globo Ltda.
.
CONSELHO DE RECURSOS DA
PREVIDÊNCIA SOCIAL
2ª CÂMARA DE JULGAMENTO
<!ID637212-0>
RELATOR(A): MARCO ANDRE RAMOS VIEIRA
AI 35.655.082-6 (MG) Interessados: INSS e UNIMED VALE DO AÇO COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO
NFLD 35.753.471-9 (MG) Interessados: INSS e UNIMED
VALE DO AÇO COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO
MÁRIO HUMBERTO CABUS MOREIRA
Presidente do Câmara
SECRETARIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA
DELEGACIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA EM
BELO HORIZONTE
PORTARIA Nº 82, DE 18 DE ABRIL DE 2005
O DELEGADO DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA EM
BELO HORIZONTE/MG, no uso das atribuições que lhe confere o
inciso VIII do artigo 1º da Portaria MPS/SRP nº 025, de 25.11.2004,
publicada no DOU nº 227, de 26.11.2004, e considerando o que
dispõe o parágrafo único do artigo 573 da IN nº INSS/DC-100, de
18.12.2003, resolve:
Art. 1º Declarar sem efeito, a partir de 18 de fevereiro de
2005, a Certidão Positiva de Débito com Efeito de Negativa - CPDEN, n° 036772005/11001090, com data de emissão de 18 de fevereiro
43
de 2005, em nome da empresa EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS VISTA ALEGRE LTDA., CNPJ 17.211.905/0001-03, face a
decisão judicial que cassou a determinação de sua expedição.
Art. 2º Dessa forma, a contar de 18 de fevereiro de 2005,
ficam cancelados os efeitos da certidão discriminada no artigo anterior, devendo ser recusada por qualquer instituição pública ou privada à qual venha a ser apresentada.
Art. 3º O ato eventualmente praticado, após a data mencionada no artigo 2º, para o qual a apresentação da CPD-EN tenha
servido de fato gerador de prova de inexistência de débito de contribuição previdenciária, é nulo, para todos os efeitos, de acordo com
o disposto no caput do art. 48 da Lei nº 8.212, de 24 de julho de
1991, e alterações posteriores.
EULER ANDRADE DE OLIVEIRA
DELEGACIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA EM
PORTO ALEGRE
<!ID637665-0>
PORTARIA Nº 27, DE 14 DE ABRIL DE 2005
O DELEGADO DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA EM
PORTO ALEGRE-RS, no uso das atribuições que lhe confere o
inciso VIII do art. 1º da Portaria MPS/SRP nº 025, de 25/11/2004,
publicada no DOU nº 227, de 26/11/2004, e considerando o que
dispõe o parágrafo único do artigo 573 da IN INSS/DC nº 100, de
18.12.2003, e a Resolução MPS/SRP Nº 001, de 29/10/2004, e Anexo
II do Decreto 5.403, de 28/03/2005, e, considerando o contido no
processo 36778.000596/2005-17, de 23/02/2005, com ocorrência, em
tese, de crime de ação penal pública, da falsificação de documento
público, conforme dispõe o art. 634 e art.635, Inciso VI, da IN/DC
100, de 18/12/2003, previsto no art. 297, do Decreto-Lei 2848, de
07/12/1940 (Código Penal), resolve:
Art. 1º Declarar a Certidão Negativa de Débito - CND nº
023902002 - 20023030, com data de emissão de 03 de Junho de
2002, em nome da empresa GOULART IND. E COM. DE MÓVEIS
LTDA., CNPJ 87.554.176/0001-73, emitida para quaisquer das finalidades previstas na Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991, e suas
alterações, exceto para: averbação de construção civil em imóvel;
redução de capital social e transferência de controle de cotas de
sociedades de responsabilidade limitada; baixa de firma individual,
cisão total ou parcial, transformação ou extinção de entidade ou
sociedade comercial ou civil., inautêntica e, conseqüentemente, inidônea, uma vez que não foi emitida pela PREVIDÊNCIA SOCIALPREVNET.
Art. 2º Desta forma, ficam cancelados os efeitos da mencionada certidão, devendo ser recusada por qualquer instituição pública ou privada, à qual venha a ser apresentada.
Art. 3º O ato eventualmente praticado, para o qual a apresentação da Certidão supra tenha servido de prova de inexistência de
débito de contribuição previdenciária, é nulo, para todos os efeitos, de
acordo com o disposto no caput do art. 48 da Lei nº 8.212, de 24 de
julho de 1.991, e alterações posteriores.
JOSÉ AMILTON VIEIRA FREIRE
PAUTA DE JULGAMENTO
Pauta de Julgamento dos recursos das sessões ordinárias a
serem realizadas, no curso do mês de ABRIL de 2005, na sede do
Órgão, situada SAS - Q 4 - BL "K" - 10º ANDAR, Brasília, DISTRITO FEDERAL, nas datas e horários a seguir mencionados, podendo, entretanto, nessa mesma sessão ou sessões subsequentes, serem julgados os processos adiados ou constantes de pautas já publicadas.
DIA 29/04/2005 a partir das 08: 30 horas
<!ID637704-0>
ISSN 1677-7042
UNIDADE DESCENTRALIZADA DA RECEITA
PREVIDENCIÁRIA EM SÃO JOSÉ DO RIO PRETO
<!ID637689-0>
PORTARIA Nº 1, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2005
A CHEFE DA UNIDADE DESCENTRALIZADA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA EM SÃO JOSÉ DO RIO PRETO/SP, no
uso das atribuições que lhe foram conferidas pela Portaria nº
MPS/SRP Nº 25 de 25 de novembro de 2004, e considerando o que
dispõe o artigo573 da Instrução Normativa nº 100 de 18 de dezembro
de 2003, resolve:
Art. 1º - Declarar sem efeito, a partir de 24 de janeiro de
2005, a Certidão Negativa de Débito - PCND, N.º 0000004/2005,
com data de emissão de 24 de janeiro de 2005 emitida indevidamente
pela Unidade de Atendimento da Secretaria da receita Previdenciária
em Catanduva, em nome da empresa ASSOCIAÇÃO ANTI-ALCOOLICA DE NOVO HORIZONTE , CNPJ 65.713.844/0001-25.
Art. 2º - Desta forma, a contar de 24 de janeiro de 2005,
ficam cancelados os efeitos da Certidão discriminada no artigo anterior, devendo ser recusada por qualquer instituição pública ou privada à qual venha a ser apresentada.
Art. 3º - O ato eventualmente praticado, após a data mencionada no artigo 2º, para o qual a apresentação da Certidão
0000004/2005 tenha servido de fato gerador de prova de inexistência
de débito de contribuição previdenciária, é nulo, para todos os efeitos,
de acordo com o disposto no caput do art. 48 da Lei 8.212, de 24 de
julho de 1.991, e alterações posteriores.
ROSELI AP. MORETI ZANIN
44
ISSN 1677-7042
Ministério da Saúde
.
AGÊNCIA NACIONAL DE
VIGILÂNCIA SANITÁRIA
<!ID637933-0>
RESOLUÇÃO-RE Nº 974, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O Diretor-Presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso IV, do
Regulamento da ANVISA, aprovado pelo Decreto nº. 3.029, de 16 de
abril de 1999, c/c o § 1º do art. 111, do Regimento Interno aprovado
pela Portaria nº. 593, de 25 de agosto de 2000, republicada em 22 de
dezembro de 2000, e
considerando a decisão que antecipou os efeitos da tutela
recursal, prolatada nos autos do Agravo de Instrumento n°
2005.01.00.008666-2/DF, (processo original Mandado de Segurança
n° 2004.34.00.044186-8), que assegurava efeito suspensivo ao recurso
administrativo interposto pela empresa Lundbeck Brasil Ltda., contra
ato de concessão do registro sanitário n° 1.0118.0592, para o produto
denominado Alois, da empresa Apsen Farmacêutica S/A,
considerando decisão administrativa desfavorável, a empresa
Lundbeck Brasil Ltda., no recurso em tela (decisão irrecorrível em
âmbito administrativo, conforme determina o art. 15, §2º da Lei nº.
9.782/99), adota a seguinte Resolução:
Art. 1º Revigorar os efeitos do ato de concessão do registro
do medicamento ALOIS, da empresa APSEN FARMACÊUTICA
S/A.
Art. 2º. Esta resolução entra em vigor na data de sua publicação.
CLÁUDIO MAIEROVITCH PESSANHA HENRIQUES
DIRETORIA COLEGIADA
<!ID637475-0>
RESOLUÇÃO-RE Nº 920, DE 15 DE ABRIL DE 2005
O Diretor da Diretoria Colegiada da Agência Nacional de
Vigilância Sanitária no uso da atribuição que lhe confere a Portaria nº
29, do Diretor-Presidente, de 1º de fevereiro de 2005, amparado pela
Resolução RDC 346, de 16 de dezembro de 2002; anexo II da Lei nº
9782 e sucessivas alterações e § 3º do art. 111 do Regimento Interno
aprovado pela Portaria nº 593, de 25 de agosto de 2000, republicada
no D.O.U. de 22 de dezembro de 2000, resolve:
Art.1º Conceder Renovação da Autorização Especial de Funcionamento da Empresa Coimex Armazéns Gerais S.A., em conformidade com o disposto em anexo.
Art.2º Esta resolução entra em vigor na data de sua publicação.
FRANKLIN RUBINSTEIN
ANEXO
Empresa: Coimex Armazéns Gerais S.A.
CNPJ.: 31.769.763/0004-78
Autorização Especial: 4HL1-079M-H903
Data : 23/05/2003
Processo: 25748.011989/2003-25
Expediente: 144547/04-2
Endereço.: Rodovia BR 101 - Estrada do Contorno, s/nº
Bairro: Porto Engenho
Município: Cariacica
UF: ES
CEP: 29.148-680
Atividade Autorizada: Armazenar
Classes de Produtos autorizadas: Medicamentos sob controle especial
Matérias-primas autorizadas:
Matérias-primas utilizadas para fabricação de medicamentos sob controle especial
Notas:
- Fica proibida a armazenagem de medicamentos e matérias-primas
constantes das listas A1, A2, A3, B1, B2, C3, D1, E, F1, F2 e F3 da
Portaria SVS/MS nº344/98.
- O ambiente de armazenagem deverá ser compatível às exigências
indicadas pelo fabricante, para fins de manutenção da identidade e
qualidade dos produtos e das matérias-primas armazenadas.
- Fica proibida a prática de embalar, reembalar e etiquetar os produtos
sob vigilância sanitária.
- As matérias - primas e os produtos - a granel, semi-elaborado e
acabado - que necessitem de ambiente de congelamento ou refrigeração para manter seus padrões de identidade e qualidade - devem
ser armazenados em espaços físicos, em ambientes ou equipamentos
apropriados, instalados na área geográfica do recinto alfandegado.
- Para fins de Renovação na Autorização de Funcionamento de Empresa, será considerada a data de 23/05/2003, correspondente à publicação de concessão da Autorização de Funcionamento de Empresa.
RESOLUÇÃO-RE Nº 932, DE 18 DE ABRIL DE 2005
<!ID635542-0>
O Diretor da Diretoria Colegiada da Agência Nacional de
Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere a Portaria
nº 29, do Diretor-Presidente, de 1º de fevereiro de 2005;
considerando o disposto no § 3º, do art. 111 do Regimento
Interno aprovado pela Portaria nº 593, de 25 de agosto de 2000;
republicada em 22 de dezembro de 2000;
1
considerando o art. 4º da Resolução nº 444, de 31 de agosto
de 1999, resolve:
Art. 1º Conceder a Autorização de Modelo e a Revalidação
de Modelo por período de 12 (doze) meses e a Retificação de Autorização de Modelo, para equipamentos eletromédicos, na conformidade da relação anexa.
Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.
VICTOR HUGO COSTA TRAVASSOS DA ROSA
ANEXO
NOME DA EMPRESA AUTORIZAÇÃO
NOME TÉCNICO NUMERO DO PROCESSO
NOME COMERCIAL
LOCAL DE FABRICAÇÃO
MODELO(s) DO PRODUTO
CLASSE AUTORIZAÇÃO DE MODELO
PETIÇÃO(ÕES)
________________________________________________________
GASTRO COM REP COMERCIAIS DE EQUIP MED HOSPITALARES LTDA 8.00500-3
Endoscopio Flexivel 25351.233143/2004-89
FIBROSCOPIO FB-120P, FB-120S, FB-120T
FABRICANTE : FUJIPHOTO OPTICAL CO., LTD. - JAPAO
DISTRIBUIDOR : FUJIPHOTO OPTICAL CO., LTD. - JAPAO
FB-120P, FB-120S e FB-120T
CLASSE : II AM-80050030028
8096 - Retificação de Publicação de AUTORIZAÇÃO DE MODELO
(Modelos)
-------------------------------------------------------------------------------MEDTRONIC COMERCIAL LTDA 1.03391-9
Equipamento Cirurgico de Alta Frequencia 25351.041388/2003-09
COAGULADOR WET-FIELD MEDTRONIC XOMED
FABRICANTE : Medtronic Xomed, Inc. - ESTADOS UNIDOS
DISTRIBUIDOR : Medtronic Xomed, Inc. - ESTADOS UNIDOS
CLASSE : III AM-10339190175
REVALIDAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO DE MODELO
-------------------------------------------------------------------------------SKINTEC COMERCIAL IMPORTADORA E EXPORTADORA LTDA 1.03436-5
Estimulador Eletrico 25351.182856/2004-77
SISTEMA DE MICRO-ESTIMULACAO ELETRICA LIFTING- C
SORISA
FABRICANTE : S.O.R. Internacional SA - ESPANHA
DISTRIBUIDOR : S.O.R. Internacional SA - ESPANHA
CLASSE : II AM-10343650019
AUTORIZAÇÃO DE MODELO
____________
Total de Empresas : 3
<!ID637476-0>
RESOLUÇÃO-RE Nº 970, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O Diretor da Diretoria Colegiada da Agência Nacional de
Vigilância Sanitária, no uso da atribuição, que lhe confere a Portaria
n.º 29, de 1º de fevereiro de 2005.
considerando o art. 12 da Lei nº 6.360, de 23 de setembro de
1976 ;
considerando o inciso IV do art. 50 e o § 3º do art. 111 do
Regimento Interno aprovado pela Portaria n.º 593, de 25 de agosto de
2000, republicada no D.O.U. de 22 dezembro de 2000, resolve:
Art. 1º Indeferir o Registro de Medicamento Genérico, conforme relação anexa.
Art. 2º. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.
DIRCEU RAPOSO DE MELLO
ANEXO
APOTEX DO BRASIL LTDA 1.04668-3
CLORIDRATO DE AMBROXOL
EXPECTORANTES
Referência - MUCOSOLVAN 25351.027645/2003-91
COMERCIAL 0000000000 00 Dias
7.5 MG/ML SOL OR CT FR PLAS OPC GOT X 50 ML
Não informado
155 REGISTRO DE MEDICAMENTO GENÉRICO
01 - Em desacordo com a Legislação vigente
SULFATO DE TERBUTALINA
BRONCODILATADORES
Referência - BRICANYL 25351.030116/2003-75
COMERCIAL 0000000000 00 Dias
0,3 MG/ML XPE CT FR VD AMB X 100 ML + COPO MED X 5
ML
Não informado
155 REGISTRO DE MEDICAMENTO GENÉRICO
01 - Em desacordo com a Legislação vigente
DEXAMETASONA
GLICOCORTICOIDES SISTÊMICOS
Referência - DECADRON 25351.032975/2003-07 04/2010
COMERCIAL 0000000000 00 Dias
0.1 MG/ML ELX CT FR VD AMB X 120 ML + CP MED
Não informado
155 REGISTRO DE MEDICAMENTO GENÉRICO
01 - Em desacordo com a Legislação vigente
COMERCIAL 0000000000 00 Dias
0.1MG/ML ELX CT FR VD AMB X 100 ML + CP MED
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
Não informado
155 REGISTRO DE MEDICAMENTO GENÉRICO
01 - Em desacordo com a Legislação vigente
CELLOFARM LTDA 1.03764-8
MALEATO DE ENALAPRIL
ANTI-HIPERTENSIVOS
Referência - RENITEC 25351.015055/01-29 04/2010
COMERCIAL 0000000000 00 Dias
5 MG COM CT 3 BL AL PLAS X 10
Não informado
155 REGISTRO DE MEDICAMENTO GENÉRICO
01 - Em desacordo com a Legislação vigente
COMERCIAL 0000000000 00 Dias
10 MG COM CT 3 BL AL PLAS X 10
Não informado
155 REGISTRO DE MEDICAMENTO GENÉRICO
01 - Em desacordo com a Legislação vigente
COMERCIAL 0000000000 00 Dias
20 MG COM CT BL AL PLAS X 10
Não informado
155 REGISTRO DE MEDICAMENTO GENÉRICO
01 - Em desacordo com a Legislação vigente
COMERCIAL 0000000000 00 Dias
20 MG COM CT 3 BL AL PLAS X 10
Não informado
155 REGISTRO DE MEDICAMENTO GENÉRICO
01 - Em desacordo com a Legislação vigente
CLORIDRATO DE METFORMINA
ANTIDIABETICOS
Referência - GLIFAGE 25351.169149/200204/2010
COMERCIAL 0000000000 00 Meses
850 MG COM CT 3 BL AL PLAS INC X 10
Não informado
155 REGISTRO DE MEDICAMENTO GENÉRICO
01 - Em desacordo com a Legislação vigente
CLORIDRATO DE CIPROFLOXACINO
ANTIBIOTICOS SISTEMICOS SIMPLES
Referência - CIPRO 25351.224617/2002-30 04/2010
COMERCIAL 0000000000 00 Meses
100 MG COM REV CT BL AL PLAS INC X 6
Não informado
155 REGISTRO DE MEDICAMENTO GENÉRICO
01 - Em desacordo com a Legislação vigente
COMERCIAL 0000000000 00 Meses
750 MG COM REV CT 2 BL AL PLAS INC X 7
Não informado
155 REGISTRO DE MEDICAMENTO GENÉRICO
01 - Em desacordo com a Legislação vigente
COMERCIAL 0000000000 00 Meses
250 MG COM REV CT BL AL PLAS INC X 6
Não informado
155 REGISTRO DE MEDICAMENTO GENÉRICO
01 - Em desacordo com a Legislação vigente
COMERCIAL 0000000000 00 Meses
250 MG COM REV CT 2 BL AL PLAS INC X 7
Não informado
155 REGISTRO DE MEDICAMENTO GENÉRICO
01 - Em desacordo com a Legislação vigente
COMERCIAL 0000000000 00 Meses
250 MG COM REV CT 50 BL AL PLAS INC X 1 (EMB HOSP)
Não informado
155 REGISTRO DE MEDICAMENTO GENÉRICO
01 - Em desacordo com a Legislação vigente
COMERCIAL 0000000000 00 Meses
500 MG COM REV CT BL AL PLAS INC X 6
Não informado
155 REGISTRO DE MEDICAMENTO GENÉRICO
01 - Em desacordo com a Legislação vigente
COMERCIAL 0000000000 00 Meses
500 MG COM REV CT 2 BL AL PLAS INC X 7
Não informado
155 REGISTRO DE MEDICAMENTO GENÉRICO
01 - Em desacordo com a Legislação vigente
COMERCIAL 0000000000 00 Meses
500 MG COM REV CT 50 BL AL PLAS INC X 1 (EMB HOSP)
Não informado
155 REGISTRO DE MEDICAMENTO GENÉRICO
01 - Em desacordo com a Legislação vigente
EUROFARMA LABORATÓRIOS LTDA 1.00043-8
DEFLAZACORTE
GLICOCORTICOIDES SISTÊMICOS
Referência - CALCORT 25351.062073/2003-97 04/2010
COMERCIAL 0000000000 00 Dias
6 MG COM CT BL AL PLAS INC X 20
Não informado
155 REGISTRO DE MEDICAMENTO GENÉRICO
01 - Em desacordo com a Legislação vigente
COMERCIAL 0000000000 00 Dias
30 MG COM CT BL AL PLAS INC X 10
Não informado
155 REGISTRO DE MEDICAMENTO GENÉRICO
01 - Em desacordo com a Legislação vigente
HEXAL DO BRASIL LTDA 1.00047-2
NIFEDIPINO
ANTIANGINOSOS E VASODILATADORES
Referência - ADALAT REDARD 25351.194678/2002-65 04/2010
COMERCIAL 0000000000 00 Dias
20 MG COM REV CT BL AL PLAS OPC X 10
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
Não informado
155 REGISTRO DE MEDICAMENTO GENÉRICO
01 - Em desacordo com a Legislação vigente
COMERCIAL 0000000000 00 Dias
20 MG COM REV CT 2 BL AL PLAS OPC X 10
Não informado
155 REGISTRO DE MEDICAMENTO GENÉRICO
01 - Em desacordo com a Legislação vigente
COMERCIAL 0000000000 00 Dias
20 MG COM REV CT 3 BL AL PLAS OPC X 10
Não informado
155 REGISTRO DE MEDICAMENTO GENÉRICO
01 - Em desacordo com a Legislação vigente
COMERCIAL 0000000000 00 Dias
20 MG COM REV CT 10 BL AL PLAS OPC X 10 (EMB HOSP)
Não informado
155 REGISTRO DE MEDICAMENTO GENÉRICO
01 - Em desacordo com a Legislação vigente
COMERCIAL 0000000000 00 Dias
20 MG COM REV CT 20 BL AL PLAS OPC X 10 (EMB HOSP)
Não informado
155 REGISTRO DE MEDICAMENTO GENÉRICO
01 - Em desacordo com a Legislação vigente
<!ID637478-0>
RESOLUÇÃO-RE Nº 971, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O Diretor da Diretoria Colegiada da Agência Nacional de
Vigilância Sanitária, no uso da atribuição, que lhe confere a Portaria
n.º 29, de 1º de fevereiro de 2005.
considerando o art. 12 da Lei nº 6.360, de 23 de setembro de
1976 ;
considerando o inciso IV do art. 50 e o § 3º do art. 111 do
Regimento Interno aprovado pela Portaria n.º 593, de 25 de agosto de
2000, republicada no D.O.U. de 22 dezembro de 2000, resolve:
Art. 1º Conceder o Registro de Medicamento Genericos,
Inclusão de Nova Apresentação comercial, Inclusão de Fabricante do
Fármaco, Renovação de Registro de Medicamento Genérico, Alteração de Excipiente, Alteração de Produção do Medicamento, conforme relação anexa.
Art. 2º. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.
DIRCEU RAPOSO DE MELLO
ANEXO
EMS S/A 1.00235-1
CLORIDRATO DE METFORMINA
ANTIDIABETICOS
Referência - GLIFAGE 25351.047870/2003-44 02/2009
COMERCIAL 1.0235.0659.007-5 24 Meses
500 MG COM REV CT BL AL PLAS INC X 60
106 INCLUSÃO DE NOVA APRESENTAÇÃO COMERCIAL
COMERCIAL 1.0235.0659.008-3 24 Meses
850 MG COM REV CT BL AL PLAS INC X 60
106 INCLUSÃO DE NOVA APRESENTAÇÃO COMERCIAL
COMERCIAL 1.0235.0659.009-1 24 Meses
1 G COM REV CT BL AL PLAS INC X 60
106 INCLUSÃO DE NOVA APRESENTAÇÃO COMERCIAL
LABORATÓRIO NEO QUÍMICA COMÉRCIO E INDÚSTRIA LTDA 1.00465-6
VALERATO DE BETAMETASONA
GLICOCORTICOIDES TOP. SIMP. EXC. USO OFTALM.
Referência - BETNOVATE 25351.003782/2003-31 10/2008
COMERCIAL 1.0465.0377.001-2 24 Meses
1 MG/G CREM DERM CT BG AL X 30 G
1596 INCLUSÃO DE FABRICANTE DO FÁRMACO
COMERCIAL - INSTITUCIONAL 1.0465.0377.002-0 24 Meses
1 MG/G CREM DERM CX 50 BG AL X 30 G (EMB HOSP)
1596 INCLUSÃO DE FABRICANTE DO FÁRMACO
LABORATÓRIO TEUTO BRASILEIRO - S/A 1.00370-7
CLORIDRATO DE METOCLOPRAMIDA
ANTIEMETICOS E ANTINAUSEANTES
Referência - Plasil 25351.000739/00-08 02/2010
COMERCIAL 1.0370.0281.002-0 24 Meses
4 MG/ML SOL OR CT FR PLAS OPC GOT X 10 ML
143 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO GENÉRICO
AMINOFILINA
BRONCODILATADORES
Referência - AMINOFILINA SANDOZ 25351.001130/00-93
03/2010
COMERCIAL - INSTITUCIONAL 1.0370.0286.001-1 24 Meses
24 MG/ML SOL INJ CX 50 AMP VD INC X 10 ML (EMB
HOSP)
104 ALTERAÇÃO DE EXCIPIENTE
1536 ALTERAÇÃO DE PRODUÇÃO DO MEDICAMENTO
BUTILBROMETO DE ESCOPOLAMINA
ANTIESPASMODICOS E ANTICOLINERGICOS GASTRINTESTINAIS
Referência - BUSCOPAN 25351.002931/00-58 03/2010
COMERCIAL - INSTITUCIONAL 1.0370.0288.001-0 24 Meses
20 MG/ML SOL INJ CT 6 AMP VD AMB X 1 ML
143 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO GENÉRICO
NATURE S PLUS FARMACÊUTICAS LTDA 1.00583-3
CLORIDRATO DE DOBUTAMINA
OUTROS PRODUTOS COM ACAO NO MIOCARDIO E SISTEMA DE CONDUCAO
Referência - DOBUTREX 25351.009507/2005-92 04/2010
COMERCIAL 1.0583.0424.001-7 24 Meses
12,5 MG/ML SOL INJ CT AMP VD INC X 20 ML
155 REGISTRO DE MEDICAMENTO GENÉRICO
COMERCIAL 1.0583.0424.002-5 24 Meses
12,5 MG/ML SOL INJ CT 10 AMP VD INC X 20 ML (EMB
HOSP)
155 REGISTRO DE MEDICAMENTO GENÉRICO
COMERCIAL 1.0583.0424.003-3 24 Meses
12,5 MG/ML SOL INJ CT 20 AMP VD INC X 20 ML (EMB
HOSP)
155 REGISTRO DE MEDICAMENTO GENÉRICO
COMERCIAL 1.0583.0424.004-1 24 Meses
12,5 MG/ML SOL INJ CT 50 AMP VD INC X 20 ML (EMB
HOSP)
155 REGISTRO DE MEDICAMENTO GENÉRICO
SIGMA PHARMA LTDA 1.03569-5
CLORIDRATO DE DOBUTAMINA
OUTROS PRODUTOS COM ACAO NO MIOCARDIO E SISTEMA DE CONDUCAO
Referência - DOBUTREX 25351.010342/2005-00 04/2010
COMERCIAL 1.3569.0290.001-3 24 Meses
12,5 MG/ML SOL INJ CT AMP VD INC X 20 ML
155 REGISTRO DE MEDICAMENTO GENÉRICO
COMERCIAL 1.3569.0290.002-1 24 Meses
12,5 MG/ML SOL INJ CT 10 AMP VD INC X 20 ML (EMB
HOSP)
155 REGISTRO DE MEDICAMENTO GENÉRICO
COMERCIAL 1.3569.0290.003-1 24 Meses
12,5 MG/ML SOL INJ CT 20 AMP VD INC X 20 ML (EMB
HOSP)
155 REGISTRO DE MEDICAMENTO GENÉRICO
COMERCIAL 1.3569.0290.004-8 24 Meses
12,5 MG/ML SOL INJ CT 50 AMP VD INC X 20 ML (EMB
HOSP)
155 REGISTRO DE MEDICAMENTO GENÉRICO
<!ID637479-0>
RESOLUÇÃO-RE Nº 972, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O Diretor da Diretoria Colegiada da Agência Nacional de
Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere a Portaria
nº 29, do Diretor-Presidente, de 1º de fevereiro de 2005;
considerando o disposto no § 3º do art. 111 do Regimento
Interno aprovado pela Portaria nº 593, de 25 de agosto de 2000,
republicada em 22 de dezembro de 2000, resolve:
Art. 1° Conceder o Registro, a Revalidação, a Retificação e
o Cancelamento de Registro dos Produtos para a Saúde, na conformidade da relação anexa.
Art. 2° Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.
VICTOR HUGO COSTA TRAVASSOS DA ROSA
ANEXO
NOME DA EMPRESA AUTORIZAÇÃO
NOME TÉCNICO NUMERO DO PROCESSO
NOME COMERCIAL
LOCAL DE FABRICAÇÃO
MODELO(s) DO PRODUTO
CLASSE REGISTRO
PETIÇÃO(ÕES)
________________________________________________________
BIOASSIST COMERCIAL LTDA 1.02104-1
Cateteres 25351.150201/2004-30
CATETER DE DILATACAO CORONARIANA MISSOURI
FABRICANTE : MINVASYS SAS - FRANÇA
DISTRIBUIDOR : MINVASYS SAS - FRANÇA
Missouri® Comprimento do balão: 10 mm - Ø do balão: 2,75mm; 3,0
mm; 3,5 mm ; 4,0 mm e 4,5 mm.
Missouri® Comprimento do balão: 15 mm - Ø do balão: 2,75mm; 3,0
mm; 3,5 mm; 4,0 mm e 4,5 mm
Missouri® Comprimento do balão: 20 mm - Ø do balão: 2,75mm; 3,0
mm; 3,5 mm; 4,0 mm e 4,5 mm
Missouri® Comprimento do balão: 25 mm - Ø do balão: 2,75mm; 3,0
mm; 3,5 mm; 4,0 mm e 4,5 mm
Missouri® Comprimento do balão: 30 mm - Ø do balão: 2,75mm; 3,0
mm; 3,5 mm; 4,0 mm e 4,5 mm
CLASSE : IV 10210410052
8027 - Registro de Famílias de Material de Uso Médico IMPORTADO
Valvula Hemostatica 25351.150221/2004-19
VALVULA HEMOSTATICA SUPER KETCH
FABRICANTE : MINVASYS SAS - FRANÇA
DISTRIBUIDOR : MINVASYS SAS - FRANÇA
SUPER KETCH ™
SUPER KETCH ™ COM BRAÇO LATERAL LONGO
SUPER KETCH ™ PLUS
CLASSE : II 10210410053
8027 - Registro de Famílias de Material de Uso Médico IMPORTADO
-------------------------------------------------------------------------------BOSTON SCIENTIFIC DO BRASIL LTDA 1.03413-5
Fio Guia 25000.040874/99-61
TROOPER FIO GUIA PARA PTCA
FABRICANTE : BOSTON SCIENTIFIC - ESTADOS UNIDOS
Embalagem individual esteril, acondicionado em caixa com 01 ou 05
ìunidades
CLASSE : IV 10341350253
817 - Cancelamento de Registro ou Cadastramento (isenção) de PRODUTOS PARA SAÚDE a Pedido da Empresa
ISSN 1677-7042
45
Fio Guia 25000.034234/99-95
STARTER FIO GUIA
FABRICANTE : BOSTON SCIENTIFIC - ESTADOS UNIDOS
Embalagem individual esteril, por varios diametros: 0,04572cm
,0,0635cm , 0,09652cm - Duas formas de ponta: Reta ou em
CLASSE : II 10341350257
817 - Cancelamento de Registro ou Cadastramento (isenção) de PRODUTOS PARA SAÚDE a Pedido da Empresa
Fio Guia 25000.018762/99-42
HANNIBAL FIO GUIA
FABRICANTE : SCHNEIDER EUROPE - SUICA
Embalagem individual esteril, nos modelos: J Hannibal, ST HannibalJ
Ex Hannibal e ST Ex Hannibal
CLASSE : IV 10341350262
817 - Cancelamento de Registro ou Cadastramento (isenção) de PRODUTOS PARA SAÚDE a Pedido da Empresa
-------------------------------------------------------------------------------BRISTOL-MYERS SQUIBB FARMACÊUTICA LTDA 8.01466-3
Curativo 25351.208291/2004-65
VERSIVA CURATIVO ADESIVO PARA O CONTROLE DE EXSUDATO
FABRICANTE : CONVATEC LIMITED - INGLATERRA
CODIGOS: 498, 499, 500, 501, 502 e 503.
CLASSE : III 80146630073
8027 - Registro de Famílias de Material de Uso Médico IMPORTADO
-------------------------------------------------------------------------------CIRUBRÁS INDÚSTRIA MÉDICA CIRÚRGICA E HOSPITALAR
LTDA. 1.01942-1
Fios e Fitas Cirurgicos 25351.084737/2004-50
SEDA COM AGULHA
FABRICANTE : CIRUBRÁS INDÚSTRIA MÉDICA CIRÚRGICA
E HOSPITALAR LTDA. - BRASIL
2-0 (75) 1AG.CC30; 0 (75) 1AG.CC30; 6-0 (45)1AG.CT11; 5-0 (45)
1AG.CC15; 4-0 (75) 1AG.CC20; 3-0 (75) 1AG.CC20;
SEDA PRETA: 3-0 15X45; 2-0 15X45; 0 15X45; 1 15X45; 2 15X45;
3-0 (75)1AG.CC30;
2-0 (75) 1AG.CC20; 4-0 (45) 1 AG.CC13; 4-0 (45) 1AG.CT12; 5-0
(45)1AG.CC13;
4-0 (45) 1AG.MT17; 3-0 (45) 1AG.MT17; 3-0 (45) 1AG.MT20; 3-0
(45)1AG.CT19.5;
6-0 (45) 2AG.6.5; 7-0 (45)2AG.CE6.5; 8-0 (45) 2 AG.CE6.5; 8-0
(45)2AG.ME7.1; SEDA VG.AZUL8-0 (45) 2AG.CE6.5.
CLASSE : II 10194210002
8029 - Registro de Famílias de Material de Uso Médico NACIONAL
-------------------------------------------------------------------------------FLEX LAB COMERCIO DE MATERIAIS CIRÚRGICOS E HOSPITALARES LTDA 8.00813-5
Cureta 25351.261037/2004-95
CURETA CIRURGICA MARTIN
FABRICANTE : GEBR. MARTIN GMBH & CO KG - ALEMANHA
23-308-40, 23-308-30, 23-308-20, 23-308-10, 23-309-01, 23-309-02,
23-309-03, 23-309-04, 23-309-05, 23-309-06, 36-495-02, 36-495-10,
36-495-11, 36-495-12, 36-497-01 A 36-497-14, 36-498-01 A 36-49814, 32-989-03 A 32-989-14, 32-989-03 A 32-989-14, 33-382-01, 33382-02, 33-382-03, 32-249-01, 32-249-02, 32-249-03, 32-250-01, 32250-02, 32-250-03, 32-250-04, 32-251-01, 32-251-02, 32-251-03, 32251-04, 23-334-30, 23-334-20, 23-334-10, 23-335-01, 23-335-02, 23335-03, 23-335-04, 23-335-05, 23-335-06, 28-188-01, 28-188-02, 28188-03, 28-188-04, 36-543-12, 23-350-01, 23-350-02, 23-350-03, 23373-11, 23-373-22, 23-373-33, 23-375-00, 23-375-10, 23-375-11, 23371-11, 23-371-22, 23-371-33, 23-389-11, 23-389-22, 23-389-33, 23389-44, 36-044-01, 36-044-02, 36-044-03, 36-044-04, 36-532-15, 28294-14, 32-827-30, 36-491-13, 36-743-10, 36-743-20, 36-743-30, 36743-40, 36-743-50, 31-340-01, 31-340-02, 31-340-03, 31-340-04, 31340-05, 31-340-06, 31-340-07, 31-340-08.
23-312-40, 23-312-30, 23-312-20, 23-312-10, 23-313-01, 23-313-02,
23-313-03, 23-313-04, 23-313-05, 48-254-21, 48-258-22, 28-261-14,
28-263-14, 23-280-40, 23-280-30, 23-280-20, 23-280-10, 23-280-01,
23-280-02, 23-280-03, 23-280-04 , 23-280-05, 23-280-06, 23-282-10,
23-282-01, 23-282-02, 23-282-03, 23-282-04, 23-304-40, 23-304-30,
23-304-20, 23-304-10, 23-305-01, 23-305-02, 23-305-03, 23-305-04,
23-305-05, 23-305-06, 23-352-13, 23-352-14 , 23-352-17, 23-354-13,
23-354-16, 23-354-20, 23-358-00, 23-358-01, 23-358-12, 23-359-00,
23-359-10, 23-359-11, 28-196-01, 28-196-01, 28-196-01, 28-196-01,
28-196-01, 28-196-01.
23-393-00, 23-393-01, 23-393-02, 23-393-03, 23-393-04, 23-344-01,
23-344-02, 23-344-03, 23-344-04, 23-344-05, 23-344-06, 23-345-01,
23-345-02, 23-345-03, 23-345-04, 23-345-05, 23-345-06, 23-347-01,
23-345-02, 23-345-03, 23-345-04, 23-345-05, 23-345-06, 23-395-01,
23-345-02, 23-345-03, 23-345-04, 23-345-05, 23-345-06, 23-345-24 ,
32-829-27, 32-825-23, 33-386-30, 32-920-05 A 32-920-40, 32-921-05
A 32-921-40, 28-271-10, 28-275-14, 23-300-30, 23-300-20, 23-30010, 23-301-01, 23-301-02, 23-301-03, 23-301-04, 23-336-25, 23-33725, 23-339-25, 36-493-01, 36-496-02, 23-340-01, 23-340-02, 23-34003, 23-340-04, 23-340-05, 23-340-06, 23-900-01, 23-900-02, 23-90003, 23-900-04, 23-900-05, 23-900-06, 23-906-01, 23-906-02, 23-90603, 23-906-04, 23-906-05, 23-906-06, 32-926-05 A 32-916-40, 32927-05 A 32-927-40, 38-015-01 A 38-015-10, 38-016-01 A 38-01605.
CLASSE : I 80081350134
8027 - Registro de Famílias de Material de Uso Médico IMPORTADO
Pinca de Fixacao 25351.262035/2004-13
PINCA DE APREENSAO OU FIXACAO NAO ARTICULADA PARA CIRURGIA MARTIN
46
ISSN 1677-7042
FABRICANTE : GEBR. MARTIN GMBH & CO KG - ALEMANHA
CHILDE 20-910-18, HEGENBARTH 20-922-12, JONES 13-881-05
e 13-881-09,
JONES-MARTIN 13-883-09, AIACH 37-727-15, OGURA 37-72811, RUDD 30-723-27,
COTTLE 37-731-14 e 37-732-10, MICHEL 20-916-12, SCHADEL
13-875-09,
WACHENFELDT 20-924-12.
CLASSE : III 80081350135
8027 - Registro de Famílias de Material de Uso Médico IMPORTADO
Facas 25351.262134/2004-03
FACA CIRURGICA MARTIN
FABRICANTE : GEBR. MARTIN GMBH & CO KG - ALEMANHA
BALLENGER 37-504-03, 37-504-04, 37-504-05, 37-505-03, 37-50504, 37-505-06, BECKMAN 37-755-01, 37-755-02, 37-755-03, 37755-04, 37-755-05, 37-755-06, 37-756-01, 37-756-02, 37-756-03, 37756-04, 37-756-05, 37-756-06, CATLIN 10-506-16, ENGEL 21-48014, ESMARCH 21-420-14, FACA PARA AMPUTAÇÃO 10-500-16,
10-500-19, FACA PARA AUTÓPSIA 10-023-10, 10-033-08, FACA
PARA RESSECÇÃO 10-560-06, HOPKINS 21-401-20, HUMBY 10878-00, 10-878-01, LANGENBECK 10-570-05, 10-572-05, LEBSCHE 21-151-24, LUCAE 36-661-18, 36-663,18, MARTIN 21-43121, PLESTER 36-020-21, POLITZER 36-655-16, 36-022-07, REINER 21-425-18, ROSEN 36-022-01, 36-022-02, 36-022-03, 36-02204, 36-022-05, 36-022-06, 36-022-07, SCHINK 10-880-00, SCHUKNECHT 36-020-02, 36-020-06, SILVER 10-882-19, TABB 36-02016, VIRCHOW 10-038-16, 10-038-20, 10-038-24, WALB 10-036-11,
10-036-14, 10-036-17, WULLSTEIN 36-020-11.
CLASSE : I 80081350136
8027 - Registro de Famílias de Material de Uso Médico IMPORTADO
Pincas Articuladas 25351.262148/2004-19
PINCA PARA MICROCIRURGIA ARTICULADA MARTIN
FABRICANTE : GEBR. MARTIN GMBH & CO KG - ALEMANHA
FULLER 36-013-01, HOUSE-DIETER 36-011-01, 36-011-02, 36011-06 e 36-011-07, MCGEE 36-010-11 e 36-010-12, MINI-MCGEE
36-001-01, 36-001-06, 36-001-07, 36-001-08, 36-001-09, 36-001-11,
36-001-16, 36-001-21, 36-001-26, 36-001-27, 36-001-28, 36-001-29.
CLASSE : IV 80081350137
8027 - Registro de Famílias de Material de Uso Médico IMPORTADO
-------------------------------------------------------------------------------GAMBRO DO BRASIL LTDA 1.03958-9
Kit de Aspiracao e Coleta de Sangue 25351.021557/2003-86
KIT TRIMA ACCEL PARA COLETA AUTOMATICA DECOMPONENTES SANGUINEOS DELEUCOTIZADO
FABRICANTE : GAMBRO BCT - ESTADOS UNIDOS
DISTRIBUIDOR : GAMBRO DO BRASIL LTDA - BRASIL
KIT TRIMA ACCEL
CLASSE : III 10395890039
8001 - Registro de Artigo de Uso Médico ou Equipamento Importado
Kit de Aspiracao e Coleta de Sangue 25351.032338/2004-11
KIT TRIMA ACCEL PARA COLETA DE HEMACIA DUPLA DELEUCOTIZADA 2RBC
FABRICANTE : GAMBRO BCT - ESTADOS UNIDOS
Kit Trima Accel para Coleta de Hemácia Dupla Deleucotizada - 2
RBC.
CLASSE : III 10395890040
8026 - Registro de Material de Uso Médico IMPORTADO
-------------------------------------------------------------------------------IMPLAMED-IMPLANTES ESPECIALIZADOS COM IMPOR E
EXPOR LTD 1.02475-3
Irrigador/Aspirador Cirurgico 25351.103668/2004-91
ACESSÓRIOS PARA BOMBA DE IRRIGAÇÃO LINVATEC
FABRICANTE : LINVATEC - ESTADOS UNIDOS
10K100/ 10k125/ 10k150/ 10k200/ 10k500/ 10k505/ C7052/ C7110/
C7111/83100
CLASSE : II 10247530048
8026 - Registro de Material de Uso Médico IMPORTADO
-------------------------------------------------------------------------------IVOCLAR VIVADENT LTDA 8.00914-4
"Scanner" Fluorescente 25351.163947/2002-41
IPS IMPRESS 2 MATERIAL DE MUNHAO IVOCLARVIVADENT
FABRICANTE : Vivadent Ets - LIECHTENSTEIN
DISTRIBUIDOR : Vivadent Ets - LIECHTENSTEIN
CLASSE : II 80091440030
8419 - Retificação de Publicação em Produtos para Saúde - ANVISA
-------------------------------------------------------------------------------MEDICAL WORLD PRODUTOS MEDICOS E HOSPITALARES
LTDA 8.00509-6
Fio de Sutura 25351.147577/2004-67
SUTURA NÃO ABSORVIVEL CARDIONYL
FABRICANTE : Peters Surgical - FRANÇA
DISTRIBUIDOR : Peters Surgical - FRANÇA
Com duas agulhas; Com duas agulhas - multiembalagem; Com duas
agulhas - Fio de 7,5cm; Com uma agulha
CLASSE : III 80050960010
8027 - Registro de Famílias de Material de Uso Médico IMPORTADO
-------------------------------------------------------------------------------NL COMÉRCIO EXTERIOR LTDA 1.02307-3
Dispositivo para Incisão 25351.008076/2005-47
1
DISPOSITIVO DE INCISAO NICKY
FABRICANTE : HELENA LABORATORIES - ESTADOS UNIDOS
DISTRIBUIDOR : HELENA LABORATORIES - ESTADOS UNIDOS
CLASSE : I 10230730056
8026 - Registro de Material de Uso Médico IMPORTADO
-------------------------------------------------------------------------------NOVO NORDISK FARMACÊUTICA DO BRASIL LTDA 8.015121
Aplicadores 25000.047178/99-59
NORDIPEN - CANETA PARA INJECAO DE HORMONIO DE
CRESCIMENTO
FABRICANTE : NOVO NORDISK A/S - DINAMARCA
Embalagem individual, em tres apresentacoes: 5, 10, 15 Cada apresentacao possui dois designs "graphic" e "classic"
CLASSE : II 10176620016
8033 - Revalidação de Registro de MATERIAL de Uso Médico
-------------------------------------------------------------------------------POLITEC IMPORTACAO E COMERCIO LTDA 1.01780-1
Telas 25351.197093/2004-69
COMPOSIX BARD MESH KUGEL - PROTESE AUTO-EXPANSIVEL EM POLIPROPILENO E ePTFE PARA RECONSTRUCAO
DE TECIDOS MOLES
FABRICANTE : C. R. Bard, Inc. - ESTADOS UNIDOS
FABRICANTE : DAVOL INC - ESTADOS UNIDOS
FABRICANTE : Bard Shannon Ltd - PORTO RICO
DISTRIBUIDOR : C. R. Bard, Inc. - ESTADOS UNIDOS
DISTRIBUIDOR : Bard Shannon Ltd - PORTO RICO
DISTRIBUIDOR : DAVOL INC - ESTADOS UNIDOS
0010203 8 cm x 8 cm - Circular Pequena; 0010204 12 cm x 12 cm
- Circular Grande
0010206 20,3cm x 25,4cm - Oval Extra Grande; 0010202 14cm x
18cm - Oval Grande
0010207 25,4cm x 33cm - Oval Extra Grande
0010201 8 cm x 12 cm - Oval Pequena; 0010205 11 cm x 14 cm Oval Média;
0010202 14 cm x 18 cm - Oval Grande
CLASSE : III 10178010118
8027 - Registro de Famílias de Material de Uso Médico IMPORTADO
-------------------------------------------------------------------------------SUAREZ IMPORT COMERCIO INTERNACIONAL LTDA
1.03908-6
Material de Moldagem Odontologico 25351.100445/2004-71
SWISSTEC MATERIAL DE IMPRESSAO EM SILICONA POR
CONDENSAÇÃO
FABRICANTE : Coltène AG - SUICA
SwissTec Light Body; SwissTec Medium Body; SwissTec Putty
CLASSE : I 10390860024
8027 - Registro de Famílias de Material de Uso Médico IMPORTADO
-------------------------------------------------------------------------------TECHNES MEDICAL IMPORTADORA E EXPORTADORA LTDA
1.04080-0
Implante esfincter 25351.197382/2004-68
AGENTE DE PREENCHIMENTO INJETAVEL
FABRICANTE : CARBON MEDICAL TECHNOLOGIES, INC ESTADOS UNIDOS
DURASPHERE
DURASPHERE GR
DURASPHERE FI
CLASSE : III 10408000005
8027 - Registro de Famílias de Material de Uso Médico IMPORTADO
-------------------------------------------------------------------------------TECMEDIC COMÉRCIO DE PRODUTOS MÉDICOS LTDA ME
8.02029-1
Fio Guia 25351.177115/2004-74
ONTRAC FIO GUIA PERIFERICO
FABRICANTE : INTRADE - ESTADOS UNIDOS
ONTRAC 260-035
ONTRAC 260-038
ONTRAC 300-035
CLASSE : IV 80202910001
8027 - Registro de Famílias de Material de Uso Médico IMPORTADO
-------------------------------------------------------------------------------WINNER INDUSTRIA DE DESCARTAVEIS LTDA 8.02019-6
Vestimenta Cirurgica 25351.144305/2004-13
KIT IMPLANTE WINNER ESTERIL
FABRICANTE : WINNER INDUSTRIA DE DESCARTAVEIS LTDA - BRASIL
DISTRIBUIDOR : WINNER INDUSTRIA DE DESCARTAVEIS
LTDA - BRASIL
CLASSE : I 80201960013
8028 - Registro de Material de Uso Médico NACIONAL
____________
Total de Empresas : 16
<!ID637480-0>
RESOLUÇÃO-RE Nº 973, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O Diretor de Diretoria Colegiada da Agência Nacional de
Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere a Portaria
n° 29, do Diretor - Presidente, de 1º de fevereiro de 2005,
considerando o disposto no inciso II do art. 71 e o § 3° do
art. 111 do Regimento Interno aprovado pela Portaria n° 593 de 25 de
Agosto de 2000, republicada no DOU de 22 de Dezembro de 2000;
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
considerando o art. 3.° do Decreto-lei n.º 986, de 21 de
Outubro de 1969, resolve:
Art.1º Conceder a revalidação de registro, inclusão de marca,
registro de aditivo e coadjuvante de tecnologia - importado, registro
de aditivo e coadjuvante de tecnologia, registro de alimentos e bebidas, alteração do prazo de validade do produto, registro único de
alimentos e bebidas, na conformidade da relação anexa.
Art.2 º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.
RICARDO OLIVA
ANEXO
NOME DA EMPRESA AUTORIZAÇÃO/CADASTRO
NOME DO PRODUTO UF
NUMERO DO PROCESSO NUMERO DE REGISTRO
EMBALAGEM VALIDADE PRODUTO
CLASS/CAT DESCRIÇÃO VALIDADE REGISTRO
MARCA DO PRODUTO
ASSUNTO PETIÇÃO
_______________________________________________________
ABBOTT LABORATORIOS DO BRASIL LTDA 4.07432-0
ALIMENTO P/ SITUAÇÕES METABOLICAS ESPECIAIS P/ NUTRIÇÃO ENTERAL SAO PAULO/SP
25000.007189/90 4.7432.0075.001-1
METALICA 10 Meses
PLASTICO 10 Meses
ALIMENTOS PARA DIETAS ENTERAIS 08/2010
GLUCERNA
437 Revalidação de Registro
ALIMENTO NUTRICIONALMENTE COMPLETO P/ NUTRIÇAO
ENTERAL SBR CHOCOLATE HOLANDA
25004.002030/99 4.7432.0117.001-9
METALICA 24 Meses
ALIMENTOS PARA DIETAS ENTERAIS 01/2006
ENSURE
437 Revalidação de Registro
ALIMENTO NUTRICIONALMENTE COMPLETO PARA NUTRIÇÃO ENTERAL SBR ARTIF BAUNILHA
SAO PAULO/SP
25004.005214/99 4.7432.0113.001-7
METALICA 24 Meses
ALIMENTOS PARA DIETAS ENTERAIS 11/2010
PEDIASURE PÓ BAUNILHA
437 Revalidação de Registro
CINALP PRODUTOS ALIMENTICIOS LTDA 4.09911-2
ALIMENTO ACHOCOLATADO EM PO ENRIQUECIDO COM VITAMINAS ITUPEVA/SP
25004.127607/2004-41 4.9911.0012.001-9
METALICA 12 Meses
CELULOSICA 12 Meses
PLASTICO 12 Meses
ALIMENTOS ADICIO.DE NUTRIENTES ESSENCIAIS 01/2010
BIG / GREAT VALUE / BOMPREÇO / MERCADORAMA / NACIONAL / CHOCO LIKE
457 Inclusão de Marca
DCA INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. 6.02527-4
TRIPOLIFOSFATO DE SODIO PARA FINS ALIMENTICIOS HOLANDA
25004.032023/2004-14 6.2527.0006.001-2
CELULOSICA 03 Ano(s)
ADITIVOS 04/2010
423 Registro de Aditivo e Coadjuvante de Tecnologia - Importado
DU JOUR CHOCOLATE LTDA 4.09148-3
CHOCOLATE AO LEITE SEM ADIÇAO DE AÇUCAR COM FRUTAS SAO PAULO/SP
25004.010130/2005-64 4.9148.0022.001-2
METALICA 12 Meses
ALIMENTOS P/ DIETAS DE INGESTAO CONTROLADA DE
AÇUCARES 04/2010
AMAZONAS / DU JOUR / THEOBROMA
452 Registro de Alimentos e Bebidas
LABORATORIO EXATO IND E COM LTDA 4.00751-8
MISTURA DE CONSERVADORES E ANTIOXIDANTE PARA
PRODUTOS CARNEOS SAO PAULO/SP
25004.002664/2004-36 4.0751.0162.001-6
PLASTICO 12 Meses
ADITIVOS 04/2010
EXATO LF
444 Registro de Aditivo e Coadjuvante de Tecnologia
MYRALIS PHARMA LTDA 6.02913-7
SUPLEMENTO DE VITAMINAS E MINERAIS A BASE DE FERRO E ACIDO FOLICO AGUAÍ/SP
25004.200152/2004-78 6.2913.0025.001-1
METALICA 36 Meses
PLASTICO 36 Meses
SUPLEMENTO VITAMINICO E OU MINERAL 02/2010
MYRAFER FOLICO
442 Alteração do Prazo de Validade do Produto
SUPLEMENTO DE VIT. E MINERAL A BASE DE FERRO E
ACIDO FOLICO PARA GESTANTES
AGUAÍ/SP
25004.200155/2004-26 6.2913.0026.001-5
METALICA 36 Meses
PLASTICO 36 Meses
SUPLEMENTO VITAMINICO E OU MINERAL 02/2010
MYRAFER FOLICO F
442 Alteração do Prazo de Validade do Produto
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
NESTLE BRASIL LTDA 4.00076-7
CEREAIS EM BARRA SABOR SALADA DE FRUTAS CACAPAVA/SP
25004.211823/99 4.0076.1659.001-5
METALICA 8 Meses
PLASTICO 8 Meses
ALIMENTOS ADICIO.DE NUTRIENTES ESSENCIAIS 01/2010
NESTLE / NESTON
437 Revalidação de Registro
CEREAIS EM BARRA COM BANANA CACAPAVA/SP
25004.211824/99 4.0076.1656.001-9
METALICA 8 Meses
PLASTICO 8 Meses
ALIMENTOS ADICIO.DE NUTRIENTES ESSENCIAIS 01/2010
NESTLE / NESTON
437 Revalidação de Registro
NEW MILLEN PRODUTOS ALIMENTICIOS LTDA. 6.02939-8
REPOSITOR ENERGETICO PARA ATLETAS COLORIDO ARTIF.
SABOR: CAJAMAR/SP
- UVA
25004.040328/2002-20 6.2939.0008.001-4
PLASTICO 12 Meses
ALIMENTOS P/ PRATICANTES DE ATIVIDADES FISICAS
04/2010
CARBOMILLY
494 Registro Único de Alimentos e Bebidas
REPOSITOR ENERGETICO PARA ATLETAS COLORIDO ARTIF.
SABOR: CAJAMAR/SP
- LIMAO
25004.040328/2002-20 6.2939.0008.002-2
PLASTICO 12 Meses
ALIMENTOS P/ PRATICANTES DE ATIVIDADES FISICAS
04/2010
CARBOMILLY
494 Registro Único de Alimentos e Bebidas
REPOSITOR ENERGETICO PARA ATLETAS COLORIDO ARTIF.
SABOR: CAJAMAR/SP
- ABACAXI
25004.040328/2002-20 6.2939.0008.003-0
PLASTICO 12 Meses
ALIMENTOS P/ PRATICANTES DE ATIVIDADES FISICAS
04/2010
CARBOMILLY
494 Registro Único de Alimentos e Bebidas
SUPPORT PRODUTOS NUTRICIONAIS LTDA 4.01120-4
ALIMENTO NUTRICIONALMENTE COMPLETO P/ NUTRIÇÃO
ENTERAL HOLANDA
25001.010176/99 4.1120.0072.004-8
VIDRO 15 Meses
ALIMENTOS PARA DIETAS ENTERAIS 04/2010
HIPER DIET ENERGY PLUS
437 Revalidação de Registro
ALIMENTO NUTRICIONALMENTE COMPLETO P/ NUTRIÇÃO
ENTERAL - HOLANDA
25001.010176/99 4.1120.0072.005-6
CELULOSICA 12 Meses
METALICA 12 Meses
PLASTICO 12 Meses
ALIMENTOS PARA DIETAS ENTERAIS 04/2010
HIPER DIET ENERGY PLUS
437 Revalidação de Registro
ALIMENTO NUTRICIONALMENTE COMPLETO P/ NUTRIÇÃO
ENTERAL - ACEBURGO - MG
25001.010176/99 4.1120.0072.006-4
VIDRO 15 Meses
ALIMENTOS PARA DIETAS ENTERAIS 04/2010
HIPER DIET ENERGY PLUS
437 Revalidação de Registro
ALIMENTO NUTRICIONALMENTE COMPLETO P/ NUTRIÇÃO
ENTERAL - ACEBURGO - MG
25001.010176/99 4.1120.0072.007-2
CELULOSICA 12 Meses
PLASTICO 12 Meses
METALICA 12 Meses
ALIMENTOS PARA DIETAS ENTERAIS 04/2010
HIPER DIET ENERGY PLUS
437 Revalidação de Registro
ALIM NUTRIC COMPL P/ NUTRIÇÃO ENTERAL OU ORAL C/
SAC SBR ART MORANGO ARGENTINA
25001.010177/99 4.1120.0050.001-3
METALICA 14 Meses
ALIMENTOS PARA DIETAS ENTERAIS 03/2010
HIPER DIET TCM
437 Revalidação de Registro
____________
Total de Empresas : 9
<!ID637934-0>
RESOLUÇÃO-RE Nº 975, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O Diretor da Diretoria Colegiada da Agência Nacional de
Vigilância Sanitária, no uso das
atribuições que lhe confere a Portaria nº 29, de 1º de fevereiro de 2005,
considerando o art. 12 da Lei nº 6.360, de 23 de setembro de
1976;
considerando o inciso IV do art. 50 e o § 3º do art. 111 do
Regimento Interno aprovado pela Portaria nº 593, de 25 de agosto de
2000, republicada no D.O.U. de 22 de dezembro de 2000, resolve:
Art. 1º Conceder o Registro de Medicamento Similar Solução Parenteral, Registro de Fitoterapico, Nova Forma Farmacêutica
já Aprovada no País, Nova Concentração já Aprovada no País, Indicação Terapêutica Nova no País, Novo Acondicionamento, Inclusão
de Local de Fabrico, Alteração no Texto de Bula, Alteração do Pro-
cesso de Fabricação do Principio Ativo Produto Biológico, Alteração
do Prazo de Validade, Alteração de Rotulagem, Renovação de Registro Produto Biológico Novo, Renovação de Registro de Medicamento Fitoterapico, Renovação de Registro de Medicamento Similar, Renovação de Registro de Medicamento Especifico Solução
Parenteral, Renovação de Registro de Medicamento Fitoterapico Novo, Renovação de Registro de Medicamento Especifico, Renovação
de Registro de Medicamento Novo, Retificação de Publicação de
Registro, de produtos farmacêuticos, conforme na relação em anexo.
Art. 2º. Esta resolução entra em vigor na data de sua publicação.
DIRCEU RAPOSO DE MELLO
ANEXO
ARISTON INDS QUIMS FTCAS LTDA 1.00270-1
CLORETO DE POTÁSSIO
ELETROLITOS SIMPLES
CLORETO DE POTÁSSIO 25991.006990/80 12/2009
COMERCIAL 1.0270.0007.005-1 36 Meses
19,1 PCC SOL INJ CX 100 AMP X 10 ML
1584 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO ESPECÍFICO - SOLUÇÃO PARENTERAL.
COMERCIAL 1.0270.0007.010-8 36 Meses
10 PCC SOL INJ CX 100 AMP X 10 ML
1584 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO ESPECÍFICO - SOLUÇÃO PARENTERAL.
COMERCIAL 1.0270.0007.014-0 36 Meses
15 PCC SOL INJ CX 100 AMP X 10 ML
1584 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO ESPECÍFICO - SOLUÇÃO PARENTERAL.
COMERCIAL 1.0270.0007.016-7 36 Meses
15 PCC SOL INJ CX 100 AMP X 20 ML
1584 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO ESPECÍFICO - SOLUÇÃO PARENTERAL.
COMERCIAL 1.0270.0007.018-3 36 Meses
20 PCC SOL INJ CX 100 AMP X 10 ML
1584 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO ESPECÍFICO - SOLUÇÃO PARENTERAL.
BARRENNE INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA 1.00464-2
CASSIA ANGUSTIFOLIA L. + TAMARINDUS INDICA + CASSIA FISTULA + CORIANDRUM SATIVUM
PRODUTOS NATURAIS ASSOCIADOS
TAMARINE 25001.014352/84 12/2009
COMERCIAL 1.0464.0009.004-3 24 Meses
CAP GEL DURA CT 2 BL AL PLAS INC X 10
153 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO FITOTERÁPICO NOVO
COMERCIAL 1.0464.0009.005-1 24 Meses
CAP GEL DURA CX BL AL PLAS INC X 100
153 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO FITOTERÁPICO NOVO
COMERCIAL 1.0464.0009.006-1 24 Meses
CAP GEL DURA CX BL AL PLAS INC X 200
153 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO FITOTERÁPICO NOVO
COMERCIAL 1.0464.0009.007-8 24 Meses
CAP GEL DURA CX BL AL PLAS INC X 8
153 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO FITOTERÁPICO NOVO
COMERCIAL 1.0464.0009.008-6 24 Meses
GEL CT FR PLAS OPC X 150 G
104 ALTERAÇÃO DE EXCIPIENTE
153 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO FITOTERÁPICO NOVO
COMERCIAL 1.0464.0009.009-4 24 Meses
GEL CT FR PLAS OPC X 250 G
104 ALTERAÇÃO DE EXCIPIENTE
153 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO FITOTERÁPICO NOVO
FEDCO IND E COM LTDA 1.02702-7
CÁLCIO + ÓXIDO DE MAGNÉSIO
VITAMINAS E SUPLEMENTOS MINERAIS
SUPER CAL MAG 25000.021928/99-71 02/2010
COMERCIAL 1.2702.0010.001-6 36 Meses
333MG+167 MG COM FR PLAS OPC X 100
1582 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO ESPECÍFICO.
GEOLAB INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA 1.05423-2
PARACETAMOL
ANALGESICOS NAO NARCOTICOS
TYLALGIN 25351.222093/2002-42 03/2008
COMERCIAL 1.5423.0008.010-1 24 Meses
160 MG / 5 ML SUS OR CT 60 FR PET INC X 60 ML (EMB.
HOSP)
190 RETIFICAÇÃO DE PUBLICAÇÃO - ANVISA
JANSSEN-CILAG FARMACÊUTICA LTDA 1.01236-1
SULFATIAZOL + SULFACETAMIDA + SULFABENZAMIDA +
URÉIA
ANTINFECCIOSOS TOPICOS-ASSOCIACOES MEDICAMENTOSAS
VAGI-SULFA 25991.009077/79 03/2010
COMERCIAL 1.1236.3338.001-7 24 Meses
CREM VAG CT BG AL X 80 G
141 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO NOVO
KLEY HERTZ SA INDÚSTRIA E COMÉRCIO 1.00689-0
MIKANIA GLOMERATA SPRENG.
ISSN 1677-7042
47
FITOTERAPICO SIMPLES
PEITORAL MARTEL 25351.009278/2005-14 04/2010
COMERCIAL 1.0689.0148.001-5 24 Meses
0,08 ML/ML XPE CT FR PLAST AMB X 150
1697 REGISTRO DE FITOTERÁPICO
LABORATORIO CATARINENSE SA 1.00066-8
MATRICARIA CHAMOMILLA L. + Rheum palmatum L. + Marsdenia cundurango Rchb.f. + Centaurium erythraea Rafn. + Artemisia
absinthium L. + ALOE FEROX MILL. + Papaver somniferum +
PIMPINELLA ANISUM L. + MENTHA X PIPERITA L. + MELISSA OFFICINALIS L. + PICRASMA CRENATA(VELL) ENGL.
FITOTERAPICO COMPOSTO
ALCOOLATO DE CAMOMILA COMPOSTO 25992.011184/78
10/2009
COMERCIAL 1.0066.0003.001-1 36 Meses
SOL ORAL CT C FR X 150 ML
1699 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO FITOTERÁPICO.
LABORATORIO SINTERAPICO INDUSTRIAL FTCO LTDA
1.00445-7
DACARBAZINA
ANTINEOPLASICO
EVODAZIN 25351.133914/2004-39 04/2010
COMERCIAL 1.0445.0139.001-1 24 Meses
100 MG PO LIOF INJ CT FR AMP VD INC X 250 MG
1554 REGISTRO DE MEDICAMENTO SIMILAR - SOLUÇÃO PARENTERAL
COMERCIAL 1.0445.0139.002-1 24 Meses
100 MG PO LIOF INJ CT 10 FR AMP VD INC X 250 MG
1554 REGISTRO DE MEDICAMENTO SIMILAR - SOLUÇÃO PARENTERAL
COMERCIAL 1.0445.0139.003-8 24 Meses
200 MG PO LIOF INJ CT FR AMP VD INC X 500 MG
1554 REGISTRO DE MEDICAMENTO SIMILAR - SOLUÇÃO PARENTERAL
COMERCIAL 1.0445.0139.004-6 24 Meses
200 MG PO LIOF INJ CT 10 FR AMP VD INC X 500 MG
1554 REGISTRO DE MEDICAMENTO SIMILAR - SOLUÇÃO PARENTERAL
LABORATORIOS PFIZER LTDA. 1.00216-6
PIROXICAM
ANTINFLAMATORIOS
FELDENE 25991.012340/78 10/2009
COMERCIAL 1.0216.0013.001-9 24 Meses
5 MG/G GEL CT 1 BG AL X 20 G
FELDENE GEL
138 ALTERAÇÃO NO TEXTO DE BULA
141 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO NOVO
COMERCIAL 1.0216.0013.002-7 24 Meses
5 MG/G GEL CT 1 BG AL X 30 G
FELDENE GEL
138 ALTERAÇÃO NO TEXTO DE BULA
141 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO NOVO
COMERCIAL 1.0216.0013.003-7 24 Meses
20 MG SUP CT STR X 6
141 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO NOVO
COMERCIAL 1.0216.0013.017-5 24 Meses
20 MG SUP CT STR X 8
141 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO NOVO
COMERCIAL 1.0216.0013.024-8 36 Meses
20 MG COM SOL CT BL AL PLAS INC X 6
111 INCLUSÃO DE NOVO ACONDICIONAMENTO
COMERCIAL 1.0216.0013.025-6 36 Meses
20 MG COM SOL CT BL AL PLAS INC X 10
111 INCLUSÃO DE NOVO ACONDICIONAMENTO
COMERCIAL 1.0216.0013.029-8 36 Meses
20 MG/ML SOL INJ CX 20 AMP VD AMB X 1 ML
141 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO NOVO
COMERCIAL 1.0216.0013.030-6 36 Meses
20 MG/ML SOL INJ CX 5 AMP VD AMB X 1 ML
141 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO NOVO
COMERCIAL 1.0216.0013.031-0 36 Meses
20 MG/ML SOL INJ CX 2 AMP VD AMB X 2 ML
141 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO NOVO
COMERCIAL 1.0216.0013.032-9 36 Meses
20 MG/ML SOL INJ CX 6 AMP VD AMB X 2 ML
141 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO NOVO
COMERCIAL 1.0216.0013.033-7 48 Meses
10 MG CAP GEL DURA CT BL AL PLAS INC X 15
141 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO NOVO
COMERCIAL 1.0216.0013.034-5 48 Meses
20 MG CAP GEL DURA CT BL AL PLAS INC X 10
141 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO NOVO
COMERCIAL 1.0216.0013.035-3 48 Meses
20 MG CAP GEL DURA CT BL AL PLAS INC X 15
141 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO NOVO
COMERCIAL 1.0216.0013.036-1 36 Meses
20 MG/ML SOL INJ CX 50 AMP VD AMB X 2 ML
141 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO NOVO
COMERCIAL 1.0216.0013.037-1 48 Meses
10 MG COM DISSOL INST CT STR X BL AL PLAS OPC X 10
FELDENE SL
141 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO NOVO
COMERCIAL 1.0216.0013.038-8 48 Meses
10 MG COM DISSOL INST CT STR X BL AL PLAS OPC X 20
FELDENE SL
141 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO NOVO
COMERCIAL 1.0216.0013.039-6 48 Meses
20 MG COM DISSOL INST CT STR X BL AL PLAS OPC X 10
48
ISSN 1677-7042
FELDENE SL
141 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO NOVO
COMERCIAL 1.0216.0013.040-1 48 Meses
20 MG COM DISSOL INST CT STR X BL AL PLAS OPC X 20
FELDENE SL
141 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO NOVO
COMERCIAL 1.0216.0013.044-2 24 Meses
20 MG SUP CT STR X 10
141 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO NOVO
COMERCIAL 1.0216.0013.045-0 48 Meses
20 MG COM DISSOL INST CT STR X BL AL PLAS OPC X 5
FELDENE SL
141 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO NOVO
COMERCIAL 1.0216.0013.046-9 48 Meses
20 MG COM DISSOL INST CT STR X BL AL PLAS OPC X 6
FELDENE SL
141 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO NOVO
COMERCIAL 1.0216.0013.049-3 36 Meses
20 MG COM SOL CT 1 FR VD AMB X 6
141 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO NOVO
COMERCIAL 1.0216.0013.050-7 48 Meses
20 MG CAP GEL DURA CT BL AL PLAS INC X 6
141 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO NOVO
COMERCIAL 1.0216.0013.051-5 36 Meses
20 MG COM SOL CT 1 FR VD AMB X 10
141 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO NOVO
COMERCIAL 1.0216.0013.052-4 36 Meses
10 MG COM SOL CT 1 FR VD AMB X 15
141 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO NOVO
NOVARTIS BIOCIENCIAS S.A 1.00068-5
DICLOFENACO POTÁSSICO
ANTINFLAMATORIOS
ANALGESICOS NAO NARCOTICOS
CATAFLAM 25001.001884/84 05/2009
COMERCIAL 1.0068.0038.001-5 24 Meses
25 MG/ML SOL INJ CT 50 AMP VD INC X 3 ML
1594 INCLUSÃO DE LOCAL DE FABRICO
190 RETIFICAÇÃO DE PUBLICAÇÃO - ANVISA
COMERCIAL 1.0068.0038.002-3 24 Meses
25 MG/ML SOL INJ CT 3 AMP VD INC X 3 ML
1594 INCLUSÃO DE LOCAL DE FABRICO
190 RETIFICAÇÃO DE PUBLICAÇÃO - ANVISA
COMERCIAL 1.0068.0038.003-1 36 Meses
11,6 MG / G GEL CT BG AL X 60 G
CATAFLAM EMULGEL
190 RETIFICAÇÃO DE PUBLICAÇÃO - ANVISA
COMERCIAL 1.0068.0038.011-2 24 Meses
44,3 MG COM DISP CT BL AL PLAS INC X 20
CATAFLAM D
190 RETIFICAÇÃO DE PUBLICAÇÃO - ANVISA
COMERCIAL 1.0068.0038.017-1 24 Meses
1,8 MG/ML SUS OR CT FR VD AMB X 120 ML (SABOR MORANGO)
190 RETIFICAÇÃO DE PUBLICAÇÃO - ANVISA
COMERCIAL 1.0068.0038.023-6 24 Meses
12,5 MG COM REV CT BL AL PLAS INC X 4
CATAFLAM DOLO
190 RETIFICAÇÃO DE PUBLICAÇÃO - ANVISA
COMERCIAL 1.0068.0038.024-4 24 Meses
12,5 MG COM REV CT BL AL PLAS INC X 10
CATAFLAM DOLO
190 RETIFICAÇÃO DE PUBLICAÇÃO - ANVISA
COMERCIAL 1.0068.0038.025-2 24 Meses
12,5 MG COM REV CT 2 BL AL PLAS INC X 10
CATAFLAM DOLO
190 RETIFICAÇÃO DE PUBLICAÇÃO - ANVISA
COMERCIAL 1.0068.0038.026-0 24 Meses
12,5 MG COM REV CT 48 BL AL PLAS INC X 4 (EMB.
HOSP.)
CATAFLAM DOLO
190 RETIFICAÇÃO DE PUBLICAÇÃO - ANVISA
CLORIDRATO DE NORTRIPTILINA (PORT 344/98 LISTA C1)
ANTIDEPRESSIVOS
ZOLTRON 25351.290786/2004-20 04/2010
COMERCIAL 1.0068.1017.001-3 36 Meses
10 MG CAP GEL DURA CT 3 BL AL PLAS INC X 10 1
173 REGISTRO DE INDICAÇÃO TERAPÊUTICA NOVA NO
PAÍS
COMERCIAL 1.0068.1017.002-1 36 Meses
25 MG CAP GEL DURA CT 3 BL AL PLAS INC X 10
173 REGISTRO DE INDICAÇÃO TERAPÊUTICA NOVA NO
PAÍS
COMERCIAL 1.0068.1017.003-1 36 Meses
50 MG CAP GEL DURA CT 3 BL AL PLAS INC X 10
173 REGISTRO DE INDICAÇÃO TERAPÊUTICA NOVA NO
PAÍS
COMERCIAL 1.0068.1017.004-8 36 Meses
75 MG CAP GEL DURA CT 3 BL AL PLAS INC X 10
173 REGISTRO DE INDICAÇÃO TERAPÊUTICA NOVA NO
PAÍS
fumarato ácido de cetotifeno
OUTROS MEDICAMENTOS ANTIASMATICOS
ZADITEN 25991.006741/78 03/2009
COMERCIAL 1.0068.0047.006-5 36 Meses
1 MG COM CT 1 BL AL PVC INC X 20
190 RETIFICAÇÃO DE PUBLICAÇÃO - ANVISA
OPEM REP IMP EXP DISTR LTDA 1.02748-7
FOLINATO DE CÁLCIO
ANTIMETABOLICOS ANTAGONISTAS DO ACIDO FOLICO
1
LEUCOVORINA CALCIO 25000.001265/99-23 10/2009
RESTRITO A HOSPITAIS 1.2748.0004.001-7 36 Meses
50 MG/ML PO LIOF INJ PREP EXTEMP CT FA VD INC X 5 ML
(10 MG/ML APÓS REC)
142 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO SIMILAR
RESTRITO A HOSPITAIS 1.2748.0004.002-5 36 Meses
100 MG/ML PO LIOF INJ PREP EXTEMP CT FA VD INC X 10
ML (10 MG/ML APÓS REC)
142 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO SIMILAR
RESTRITO A HOSPITAIS 1.2748.0004.003-3 36 Meses
200 MG/ML PO LIOF INJ PREP EXTEMP CT FA VD INC X 20
ML (10 MG/ML APÓS REC)
142 RENOVAÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTO SIMILAR
PRODOTTI LABORATORIO FARMACEUTICO LTDA 1.00858-4
ESTEARATO DE ERITROMICINA
MACROLIDEOS
ERICLORAN 25991.000654/80
COMERCIAL 1.0858.0068.002-0 36 Meses
250 MG COM CT BL AL PLAS INC X 10
117 INCLUSÃO DE NOVA FORMA FARMACÊUTICA JÁ APROVADA NO PAÍS
COMERCIAL 1.0858.0068.003-1 36 Meses
25 MG/ML SUS OR CT FR VD AMB X 60 ML
180 INCLUSÃO DE NOVA CONCENTRAÇÃO JÁ APROVADA
NO PAÍS
COMERCIAL 1.0858.0068.004-2 36 Meses
500 MG COM CT BL AL PLAS INC X 10
117 INCLUSÃO DE NOVA FORMA FARMACÊUTICA JÁ APROVADA NO PAÍS
180 INCLUSÃO DE NOVA CONCENTRAÇÃO JÁ APROVADA
NO PAÍS
PRODUTOS ROCHE QUÍMICOS E FARMACÊUTICOS S.A.
1.00100-4
TRASTUZUMABE
ANTINEOPLASICO
HERCEPTIN 25000.023353/99-12 09/2009
RESTRITO A HOSPITAIS 1.0100.0552.001-3 48 Meses
440 MG PO LIOF CT FA VD INC + DIL FA VD INC X 20 ML
1508 ALTERAÇÃO DO PROCESSO DE FABRICAÇÃO DO(S)
PRINCÍPIO(S) ATIVO(S) - PRODUTO BIOLÓGICO
1510 ALTERAÇÃO DO PRAZO DE VALIDADE - PRODUTO BIOLÓGICO
1530 RENOVAÇÃO DE REGISTRO - PRODUTO BIOLÓGICO
NOVO
1615 INCLUSÃO DE INDICAÇÃO TERAPÊUTICA NOVA - PRODUTO BIOLÓGICO
RESTRITO A HOSPITAIS 1.0100.0552.002-1 24 Meses
150 MG PO LIOF CT FA VD INC
HERCEPTIN
1508 ALTERAÇÃO DO PROCESSO DE FABRICAÇÃO DO(S)
PRINCÍPIO(S) ATIVO(S) - PRODUTO BIOLÓGICO
1510 ALTERAÇÃO DO PRAZO DE VALIDADE - PRODUTO BIOLÓGICO
1530 RENOVAÇÃO DE REGISTRO - PRODUTO BIOLÓGICO
NOVO
1615 INCLUSÃO DE INDICAÇÃO TERAPÊUTICA NOVA - PRODUTO BIOLÓGICO
SERONO PRODUTOS FARMACEUTICOS LTDA 1.01124-4
SAIZEN
HORMONIO RECOMBINANTE DO CRESCIMENTO HUMANO
SAIZEN 25001.005370/86 07/2008
COMERCIAL 1.1124.0184.001-3 24 Meses
1,33 MG PO LIOF INJ CT FA VD INC + AMP DIL X 1 ML
1530 RENOVAÇÃO DE REGISTRO - PRODUTO BIOLÓGICO
NOVO
COMERCIAL 1.1124.0184.004-8 36 Meses
8 MG PÓ LIOF INJ CT 01 FA VD INC + FA VD INC DIL X 1
ML
1530 RENOVAÇÃO DE REGISTRO - PRODUTO BIOLÓGICO
NOVO
COMERCIAL 1.1124.0184.005-6 36 Meses
8 MG PÓ LIOF INJ CT 05 FA VD INC + 5 FA VD INC DIL X 1
ML
1530 RENOVAÇÃO DE REGISTRO - PRODUTO BIOLÓGICO
NOVO
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE
1.01206-8
FUROSEMIDA
DIURETICOS
NUPLAM-FUROSEMIDA 25000.002962/96-40 06/2006
INSTITUCIONAL 1.1206.0009.001-5 36 Meses
40 MG COM CX 50 ENV PAPEL AL/POLIET X 10 (ADEQUAÇÃO A RDC N. 168/2002 E PORTARIA N. 288/2002
189 ALTERAÇÃO DE ROTULAGEM
Total de Apresentações: 81
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE
<!ID637058-0>
PORTARIA Nº 204, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribui-
ções,
Considerando a Portaria nº 2.048/GM, de 05 de novembro de
2002, que aprova o Regulamento Técnico dos Sistemas Estaduais de
Urgência e Emergência;
Considerando a Portaria nº 1.863/GM, de 29 de setembro de
2003, que institui a Política Nacional de Atenção às Urgências, a ser
implantada em todas as unidades federadas, respeitadas as competências dos três níveis de gestão, e
Considerando a Portaria nº 1.864/GM, de 29 de setembro de
2003, que institui o componente pré-hospitalar móvel da Política
Nacional de Atenção às Urgências, por intermédio da implantação de
Serviços de Atendimento Móvel às Urgências - SAMU 192, em
municípios e regiões de todo o território brasileiro, no âmbito do
Sistema Único de Saúde, resolve:
Art. 1º - Qualificar o Serviço de Atendimento Móvel às
Urgências - SAMU 192, do município a seguir relacionado, à Rede
Nacional de Atenção às Urgências:
UF
Código
MS
500270
Município
Campo Grande
Art. 2º - Esta Portaria entra em vigor na data da sua publicação, com efeitos a partir da competência de abril de 2005.
JORGE SOLLA
Ministério das Comunicações
.
GABINETE DO MINISTRO
<!ID637057-0>
PORTARIA Nº 228, DE 14 DE ABRIL DE 2005
O MINISTRO DE ESTADO DAS COMUNICAÇÕES, no
uso de suas atribuições e, considerando o interesse público em expandir os meios de comunicação, resolve publicar a presente Portaria
com o objetivo de abrir Consulta Pública para a execução do Serviço
de Retransmissão de Televisão - RTV.
Art. 1o Os interessados em participar da seleção para execução do referido serviço, na localidade constante do anexo, deverão,
no prazo de 30 (trinta) dias, a contar da publicação desta Portaria,
atender as exigências abaixo descritas:
I - Manifestar o interesse, mediante requerimento dirigido ao:
Ministério das Comunicações
Secretaria de Serviços de Comunicação Eletrônica
Esplanada dos Ministérios - 7o andar, sala 701
70.044-900 - Brasília - DF
II - Apresentar a documentação conforme estabelecido no
item 5, subitem 5.1 ao 5.5 da Norma n.° 01/2001, aprovada pela
Portaria n.° 776, de 14 de dezembro de 2001.
Art. 2o Findo o prazo de que trata o Art. 1o e, consideradas
as manifestações recebidas, os pedidos de outorgas relativos à localidade mencionada serão apreciados para possível autorização às
entidades concorrentes.
Art. 3o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
EUNÍCIO OLIVEIRA
ANEXO
UF
LOCALIDADE
CANAL
PR
APUCARANA
53+
AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES
CONSELHO CONSULTIVO
EXTRATO DA ATA DA 67ª REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA
REALIZADA EM 1 o- DE MARÇO DE 2005
<!ID637895-0>
Ao primeiro dia do mês de março do ano dois mil e cinco, às
16h30min, no Expo Center Norte, em São Paulo, realizou-se a sexagésima sétima Reunião do Conselho Consultivo da Anatel (Reunião
Extraordinária), com a presença do Presidente Interino do Conselho
Consultivo, Eustáquio Juvêncio de Lacerda, e dos membros, Paulo de
Tarso Lustosa da Costa, Edilson Soares da Silva, Luis John Cuza,
João Carlos Rodrigues Peres e Luiz Fernando Concon Liñares. Ausentes, justificadamente, os Conselheiros Marcos Dantas Loureiro e
Robson Tuma. Além dos membros do Conselho, participou da reunião o Senhor Flávio Castelli Chuery, Vice-Presidente Nacional da
Associação Brasileira das Empresas e Profissionais das Telecomunicações - ABERIMEST, convidado do Conselheiro Luiz Fernando
Concon Liñares, conforme disposto no artigo 16 do Regimento Interno do Conselho Consultivo. Também estava presente na reunião o
Ouvidor da Anatel Aristóteles dos Santos. O Presidente Interino do
Conselho Consultivo, Eustáquio Juvêncio de Lacerda, declarou aberta
a Reunião e anunciou a seguinte pauta: 1) Abertura pelo Presidente
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
do Conselho Consultivo; 2) Boas-vindas da Anatel; 3) Posse de novo
Conselheiro; 4) Aprovação das Atas da 65ª e da 66ª Reuniões do
Conselho Consultivo; 5) Tarifa de Assinatura Básica; 6) Interceptação
no Serviço Móvel Pessoal; 7) Definição do calendário das reuniões;
8) Outros Assuntos; e 9) Data e pauta da próxima reunião. O Presidente Interino do Conselho Consultivo, Eustáquio Juvêncio de Lacerda, deu as boas-vindas aos presentes e, em seguida, passou a
palavra ao Presidente Substituto da Agência, o Conselheiro Elifas
Chaves Gurgel do Amaral, para dar as boas-vindas em nome da
Anatel. O Presidente Substituto da Anatel inicialmente relembrou a
participação da Anatel desde as primeiras edições da Telexpo, ressaltando a importância do evento para o setor de telecomunicações e
parabenizou o novo membro do Conselho Consultivo, Luiz Fernando
Concon Liñares, indicado pela Câmara dos Deputados, desejando-lhe
sucesso. Em seguida, o Presidente Interino do Conselho agradeceu a
gentileza e as palavras do Conselheiro Elifas Gurgel e deu continuidade à reunião com os procedimentos de posse do novo Conselheiro. O Presidente Interino Eustáquio Lacerda deu posse ao Conselheiro Luiz Fernando Concon Liñares, na qualidade de representante da Câmara dos Deputados, com mandato até 16 de fevereiro de
2008, conforme designação por Decreto de 18 de janeiro de 2005,
publicado no Diário Oficial da União do dia 19 de janeiro de 2005. O
Conselheiro empossado Luiz Fernando Concon Liñares pediu a palavra para agradecer publicamente a indicação da Câmara dos Deputados, mencionando ser uma grande honra ter seu nome lembrado
para integrar aquele Colegiado. Em continuidade aos itens previstos
na pauta de reunião, o Presidente Interino solicitou a anuência dos
membros do Conselho para a aprovação das Atas da 65ª e da 66ª
Reuniões do Conselho Consultivo, as quais foram em seguida aprovadas. Logo após, o Presidente Eustáquio passou a palavra ao Senhor
José Gonçalves Neto, Gerente-Geral de Competição, e ao Senhor
Harley de Souza Lima, Gerente de Planejamento e Acompanhamento
da Oferta de Serviços, ambos da Superintendência de Serviços Públicos, para proferir apresentação sobre o tema: Tarifa de Assinatura
Básica. O Presidente do Conselho deu continuidade aos itens da pauta
de reunião, passando à explanação do tema: Interceptação no Serviço
Móvel Pessoal, o qual foi apresentado pelo Gerente de Regulamentação, Bruno de Carvalho Ramos, e pela Engenheira Flávia Gualberto
de Cerqueira, ambos da Superintendência de Serviço Privados. Em
continuidade aos itens previstos na pauta, o Presidente do Conselho
sugeriu que a Definição do calendário das reuniões seja feita no
próximo encontro do Colegiado, proposta a qual mereceu anuência
dos Conselheiros. Logo após, o Presidente do Conselho Consultivo
propôs que, em atendimento ao disposto no art. 36, parágrafo 1º,
alínea c, do Regulamento da Anatel, aprovado pelo Decreto n.º 2.338,
de 7 de outubro de 1997, fosse indicado o Conselheiro Luis John
Cuza para relatar o processo de Prestação de Contas da Anatel exercício 2004, que deverá ser apreciado pelo Conselho na 68ª Reunião Ordinária, cuja indicação obteve a anuência dos demais Conselheiros, a qual deverá ocorrer às 10 horas, do dia 12 de abril de
2005, em Brasília. Nada havendo a tratar, o Presidente Eustáquio
Juvêncio de Lacerda, deu por encerrada a reunião, da qual para
constar, eu, Nilberto Diniz Miranda, lavrei a presente Ata, que, após
lida e aprovada, vai por todos assinada.
EUSTÁQUIO JUVÊNCIO DE LACERDA
Presidente do Conselho
Outorga autorização para uso de radiofreqüência à GERDAU
AÇOMINAS S/A associada à autorização para executar o SERVIÇO
LIMITADO PRIVADO submodalidade Serviço de Rede Privado.
JARBAS JOSÉ VALENTE
Superintendente
ATO N o- 49.935, DE 20 DE ABRIL DE 2005
Outorga autorização para uso de radiofreqüência à UNIVERSAL INCORPORADORA DE DESPACHOS ADUANEIROS LTDA
associada à autorização para executar o SERVIÇO LIMITADO PRIVADO submodalidade Serviço de Rede Privado.
JARBAS JOSÉ VALENTE
Superintendente
Outorga autorização para uso de radiofreqüência à TELE
ENTREGA SERVIÇOS LTDA associada à autorização para executar
o SERVIÇO LIMITADO PRIVADO submodalidade Serviço de Rede
Privado.
JARBAS JOSÉ VALENTE
Superintendente
ATO N o- 49.937, DE 20 DE ABRIL DE 2005
Outorga autorização para uso de radiofreqüência à TCP
TERMINAL DE CONTEINERES DE PARANAGUA S/A associada
à autorização para executar o SERVIÇO LIMITADO PRIVADO submodalidade Serviço de Rede Privado.
JARBAS JOSÉ VALENTE
Superintendente
ATO N o- 49.938, DE 20 DE ABRIL DE 2005
Outorga autorização para uso de radiofreqüência à POINTER
SERVICOS DE VIGILANCIA E SEGURANCA LTDA associada à
autorização para executar o SERVIÇO LIMITADO PRIVADO submodalidade Serviço de Rede Privado.
JARBAS JOSÉ VALENTE
Superintendente
ATO N o- 49.939, DE 20 DE ABRIL DE 2005
Outorga autorização para uso de radiofreqüência à FERROVIA TEREZA CRISTINA S.A. associada à autorização para executar o SERVIÇO LIMITADO PRIVADO submodalidade Serviço de
Rede Privado.
JARBAS JOSÉ VALENTE
Superintendente
DESPACHO DO SUPERINTENDENTE
Em 9 de julho de 2003
ATO N o- 49.940, DE 20 DE ABRIL DE 2005
Processo nº 53508.001747/2001 - aplica a TELECOMUNICAÇÕES
DO RIO DE JANEIRO S/A, executante do Serviço Telefônico Fixo
Comutado - STFC, na cidade do Rio de Janeiro, Estado do Rio de
Janeiro, a pena de multa no valor de R$ 2.500.000,00 (Dois milhões
e quinhentos mil reais), por infringência ao disposto na Cláusula 19.1,
e seu parágrafo primeiro, do Capítulo XIX do Contrato de Concessão
do STFC, bem como ao disposto no art. 96, incisos I e V, da Lei nº.
9.472 de 16/07/97, estando incursa no que preceitua o Capítulo XXV,
Cláusula 25.1, inciso VI, do referido Contrato de Concessão.
Outorga autorização para uso de radiofreqüência à EMPRESA SAO PAULO LTDA associada à autorização para executar o
SERVIÇO LIMITADO PRIVADO submodalidade Serviço de Rede
Privado.
ATO N o- 49.932, DE 20 DE ABRIL DE 2005
JARBAS JOSÉ VALENTE
Superintendente
ATO N o- 49.941, DE 20 DE ABRIL DE 2005
Outorga autorização para uso de radiofreqüência à COOPERATIVA MISTA PIONEIRA LTDA associada à autorização para
executar o SERVIÇO LIMITADO PRIVADO submodalidade Serviço
de Rede Privado.
<!ID637103-0>
Outorga autorização para uso de radiofreqüência à FROTA
DE PETROLEIROS DO SUL LTDA associada à autorização para
executar o SERVIÇO LIMITADO PRIVADO submodalidade Serviço
de Rede Privado.
JARBAS JOSÉ VALENTE
Superintendente
ATO N o- 49.933, DE 20 DE ABRIL DE 2005
Outorga autorização para uso de radiofreqüência à DASA DESTILARIA DE ALCOOL SERRA DOS AIMORES S/A associada
à autorização para executar o SERVIÇO LIMITADO PRIVADO submodalidade Serviço de Rede Privado.
JARBAS JOSÉ VALENTE
Superintendente
<!ID637533-0>
PORTARIA Nº 123, DE 18 DE ABRIL DE 2005
O SECRETÁRIO DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO
ELETRÔNICA DO MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES, no uso
de suas atribuições, e tendo em vista o que consta do Processo n°
53000.004714/2001, resolve:
Aprovar o local de instalação da estação e a utilização dos
equipamentos do GOVERNO DO ESTADO DO ACRE, por intermédio da FUNDAÇÃO DE CULTURA E COMUNICAÇÃO ELIAS
MANSUR, permissionária do Serviço de Radiodifusão Sonora em
Freqüência Modulada, no município de Tarauacá, Estado do Acre,
utilizando o canal 238, classe C.
SERGIO LUIZ DE MORAES DINIZ
Nº 00198.81234 15948.842016 55573.000183 1 000
ATO N o- 49.936, DE 20 DE ABRIL DE 2005
<!ID635566-0>
SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS PRIVADOS
49
SECRETARIA DE SERVIÇOS DE
COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA
ATO N o- 49.934, DE 20 DE ABRIL DE 2005
SUPERINTENDÊNCIA DE RADIOFREQÜÊNCIA E
FISCALIZAÇÃO
EDILSON RIBEIRO DOS SANTOS
ISSN 1677-7042
JARBAS JOSÉ VALENTE
Superintendente
SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS PÚBLICOS
ATO Nº 49.931, DE 19 DE ABRIL DE 2005
<!ID636208-0>
Outorga autorização para uso de radiofreqüências à EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICACOES S. A. - EMBRATEL, utilizadas para a prestação de Serviço Telefônico Fixo
Comutado destinado ao uso do público em geral (STFC), em conformidade com o estabelecido na Cláusula 4.1 dos Contratos de
Concessão.
MARCOS BAFUTTO
Superintendente
.
Ministério de Minas e Energia
AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA
<!ID637654-0>
RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 94,
DE 18 DE ABRIL DE 2005
Homologa o resultado final da primeira revisão tarifária periódica da Empresa Energética de Sergipe S/A - ENERGIPE.
O DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE
ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL, no uso de suas atribuições regimentais, de acordo com deliberação da Diretoria, tendo em vista o
disposto na legislação vigente pertinente, o que consta do Processo nº
48500.001801/02-31, e considerando que:
as disposições sobre a revisão tarifária periódica constam das
Subcláusulas Sétima e Oitava da Cláusula Sétima do Contrato de
Concessão do Serviço de Distribuição de Energia Elétrica nº 007/97
celebrado entre a Empresa Energética de Sergipe S/A - ENERGIPE e
a União em 23 de dezembro de 1997, compreendendo o reposicionamento das tarifas de fornecimento de energia elétrica em nível
compatível com a preservação do equilíbrio econômico-financeiro do
contrato e o estabelecimento do “Fator X”;
o reposicionamento tarifário da concessionária visa proporcionar receita necessária para a cobertura de custo operacional eficiente e remuneração adequada de investimentos prudentes;
no estabelecimento do “Fator X” foram considerados os ganhos de produtividade da concessionária, previstos para o próximo
período tarifário, decorrentes do crescimento do mercado atendido, do
seu desempenho, na ótica do consumidor, quanto à qualidade do
serviço prestado, bem como da manutenção da condição de equilíbrio
econômico-financeiro definido na revisão tarifária periódica;
as metodologias utilizadas e os resultados obtidos na revisão
tarifária periódica da ENERGIPE estão detalhados nas Notas Técnicas nº 051/2003-SRE/ANEEL, de 3 de março de 2003, nº
149/2003-SRE/ANEEL, de 17 de julho de 2003, nº 102/2004SRE/ANEEL, de 28 de abril de 2004, e no 114/2005-SRE/ANEEL, de
8 de abril de 2005;
as diretrizes para a abertura e o realinhamento das tarifas de
fornecimento de energia elétrica foram estabelecidas nos Decretos nº
4.562, de 31 de dezembro de 2002, nº 4.667, de 4 de abril de 2003,
e nº 4.855, de 9 de outubro de 2003, na Resolução CNPE nº 12, de
17 de setembro de 2002, e na Resolução nº 666, de 29 de setembro
de 2002;
os resultados da revisão tarifária periódica da ENERGIPE,
constantes das Resoluções nº 199, de 16 de abril de 2003 e nº 103, de
20 de abril de 2004, eram provisórios, em face da não validação da
base de remuneração até aquela oportunidade; e
a referida base de remuneração foi aprovada em definitivo
pela Superintendência de Fiscalização Econômica e Financeira SFF/ANEEL, em 4 de abril de 2005, nos termos da Resolução nº 493,
de 3 de setembro de 2002, resolve:
Art. 1º Homologar o resultado final da primeira revisão tarifária periódica da Empresa Energética de Sergipe S/A - ENERGIPE,
a ser aplicado de acordo com as condições estabelecidas nesta Resolução.
Art. 2º As tarifas de fornecimento de energia elétrica da
ENERGIPE ficam reposicionadas em 33,64% (trinta e três vírgula
sessenta e quatro por cento), em caráter definitivo.
Parágrafo único. Para atender ao princípio de modicidade
tarifária e a condição de equilíbrio econômico-financeiro do contrato
de concessão definida na revisão tarifária periódica da ENERGIPE, o
acréscimo de receita da “Parcela B”, resultante do reposicionamento
tarifário de que trata o “caput”, será aplicado em parcelas anuais na
forma a seguir:
I - em 22 de abril de 2003, as tarifas de fornecimento de
energia elétrica ficam reposicionadas em 29,71% (vinte e nove vírgula setenta e um por cento), cujo percentual é decorrente da análise
do impacto do diferimento da diferença entre o resultado do reposicionamento tarifário de 33,64% (trinta e três vírgula sessenta e
quatro por cento), e o índice de reajuste tarifário anual, de 29,71%
(vinte e nove vírgula setenta e um por cento), em relação à capacidade de pagamento da concessionária; e
50
ISSN 1677-7042
1
II - nos reajustes tarifários anuais, a serem homologados para
os anos de 2004 a 2007, serão acrescidos à “Parcela B”, de cada ano,
o valor de R$ 5.172.394,67 (cinco milhões, cento e setenta e dois mil,
trezentos e noventa e quatro reais e sessenta e sete centavos), cujas
parcelas serão atualizadas por ocasião dos reajustes tarifários
anuais.
Art. 3º Nos termos da Resolução nº 55, de 5 de abril de
2004, o “Fator X” foi calculado em função dos seguintes componentes:
I - componente Xe, que reflete os ganhos de produtividade
esperados em função da mudança na escala do negócio por aumento
no consumo de energia elétrica na área servida, tanto por maior
consumo dos consumidores existentes quanto pela incorporação de
novos consumidores, no período entre revisões tarifárias;
II - componente Xc, que reflete a avaliação dos consumidores
sobre a respectiva concessionária de distribuição, sendo obtido mediante a utilização do resultado da pesquisa Índice ANEEL de Satisfação do Consumidor (IASC); e
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
III - componente Xa, que reflete a aplicação do Índice de
Preço ao Consumidor Amplo (IPCA), para o componente mão-deobra, da “Parcela B”, da concessionária de distribuição.
Art. 4º Fica estabelecido o valor do componente Xe em
1,0971% (um vírgula zero novecentos e setenta e um por cento), a ser
aplicado como redutor, em termos reais, da “Parcela B”, nos reajustes
tarifários anuais subseqüentes.
Parágrafo único. O valor do componente Xe é definitivo,
tendo em vista a definição do valor final do reposicionamento tarifário, a que alude o art. 2º desta Resolução, e permanecerá inalterado até a próxima revisão tarifária periódica da ENERGIPE.
Art. 5º Fica estabelecido o valor do componente Xc em
0,090% (zero vírgula zero noventa por cento), a ser aplicado como
redutor, em termos reais, da “Parcela B”, no reajuste tarifário anual
de 22 de abril de 2004.
Parágrafo único. O valor do componente Xc será recalculado
nos reajustes tarifários anuais de 2005 a 2007, de acordo com o
Anexo II da Resolução nº 55, de 2004.
Art. 6º Fica estabelecido o valor do componente Xa em
1,4232% (um vírgula quatro mil duzentos e trinta e dois por cento), a
ser aplicado como ajuste do índice que atualizará a “Parcela B” no
reajuste tarifário de 22 de abril de 2004.
Parágrafo único. O valor do componente Xa será recalculado
nos reajustes tarifários anuais de 2005 a 2007, de acordo com o
Anexo III da Resolução nº 55, de 2004.
Art. 7º Homologar as tarifas de fornecimento de energia
elétrica da ENERGIPE, constantes do Anexo desta Resolução, resultantes da aplicação do reposicionamento tarifário estabelecido nos
termos do art. 2º, que servirá de base tarifária para o reajuste tarifário
anual de 22 de abril de 2004.
Art. 8º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.
JERSON KELMAN
TARIFA HORO-SAZONAL VERDE
ANEXO
QUADRO E
ENERGIPE
LEGENDA:
TUSD + TUST + TE < => (TARIFAS DE FORNECIMENTO )
TARIFA CONVENCIONAL
TE
(R$/kW)
(R$/kW)
A3a (30 a 44 kV)
TUSD + TUST
TE
DEMANDA
ENERGIA
DEMANDA
ENERGIA
DEMANDA
ENERGIA
(R$/kW)
(R$/MWh)
(R$/kW)
(R$/MWh)
(R$/kW)
(R$/MWh)
SUBGRUPO
TUSD + TUST
(R$/kW)
SUBGRUPO
QUADRO A
TUSD + TUST + TE
TUSD + TUST + TE
A2 (88 a 138 kV)
A4 (2,3 a 25 kV)
9,06
11,48
-2,42
AS (Subterrâneo)
13,89
11,65
2,24
QUADRO F
TARIFA HOROSAZONAL VERDE
A3 (69 kV)
A3a (30 kV a 44 kV)
A4 (2,3 kV a 25 kV)
12,52
140,50
36,28
13,20
-23,76
127,30
TUSD + TUST + TE
TUSD + TUST
TE
AS (Subterrâneo)
18,46
147,03
60,18
11,65
-41,72
135,38
ENERGIA (R$/MWh)
ENERGIA (R$/MWh)
ENERGIA (R$/MWh)
B1-RESIDENCIAL:
261,91
158,52
PONTA
103,39
SUBGRUPO
B1-RESIDENCIAL BAIXA RENDA:
SECA
F. PONTA
UMIDA
SECA
UMIDA
PONTA
SECA
F. PONTA
UMIDA
SECA
PONTA
UMIDA
SECA
F. PONTA
UMIDA
SECA
UMIDA
55,46
36,17
157,10
95,09
62,01
A3a (30 a 44
kV)
235,72
142,67
93,05
A4 (2,3 a 25 kV) 776,12
763,01
82,38
72,86
587,58
585,66
10,44
9,33
188,54
177,35
71,94
63,53
Consumo mensal superior ao limite regional de
140 kWh
261,91
158,52
103,39
AS (Subterrâneo) 812,18
798,49
86,21
76,28
587,58
585,66
10,44
9,33
224,60
212,83
75,77
66,95
B2-RURAL
164,24
99,41
64,83
B2-COOPERATIVA DE ELETRIFICAÇÃO RURAL
117,42
70,25
47,17
TARIFA DE ULTRAPASSAGEM -HORO-SAZONAL
VERDE
B2-SERVIÇO PÚBLICO DE IRRIGAÇÃO
151,04
91,42
59,62
SUBGRUPO
B3-DEMAIS CLASSES
262,04
158,60
103,44
B4a - Rede de Distribuição
135,00
81,71
53,29
B4b - Bulbo da Lâmpada
148,19
89,69
58,50
Consumo mensal até 30 kWh
91,63
Consumo mensal de 31 a 100 kWh
Consumo mensal de 101 a 140 kWh
B4-ILUMINAÇÃO PÚBLICA:
QUADRO G
TUSD + TUST + TE
TUSD + TUST
TE
(R$/kW)
(R$/kW)
(R$/kW)
A4 (2,3 a 25 kV)
27,18
34,44
-7,26
AS (Subterrâneo)
41,67
34,95
6,72
A3a (30 a 44 kV)
DESCONTOS PERCENTUAIS
TARIFA HORO-SAZONAL AZUL
QUADRO B
SUBGRUPO
TUSD + TUST + TE
TUSD + TUST
TE
DEMANDA (R$/kW)
DEMANDA (R$/kW)
DEMANDA (R$/kW)
PONTA
F. PONTA
PONTA
F. PONTA
PONTA
F. PONTA
13,82
2,83
1,95
0,00
11,87
2,83
21,42
5,79
18,05
4,41
3,37
1,38
A1 (230 kV ou mais)
QUADRO J
UNIDADE CONSUMIDORA
DEMANDA
ENERGIA
RURAL - GRUPO A
10
10
AGUA, ESGOTO E SANEAMENTO - GRUPO A
15
15
AGUA, ESGOTO E SANEAMENTO - GRUPO B
-
15
COOPERATIVA DE ELETRIFICAÇÃO RURAL - TARIFA HORO-SAZONAL VERDE QUADRO E
A2 (88 a 138 kV)
A3 (69 kV)
SEGMENTO HORÁRIO
SUBGRUPO
A3a (30 a 44 kV)
A4 (2,3 a 25 kV)
27,34
9,06
36,39
11,48
-9,05
-2,42
AS (Subterrâneo)
28,59
13,89
60,18
11,65
-31,59
2,24
DEMANDA
(R$/kW)
A4 (2,3 a 25 kv)
PONTA
F. PONTA
13,19
4,40
COOPERATIVA DE ELETRIFICAÇÃO RURAL - TARIFA HORO-SAZONAL VERDE QUADRO F
TARIFA HORO-SAZONAL AZUL
QUADRO C
SEGMENTO
CONSUMO (R$/MWh)
HORO-SAZONAL
TUSD + TUST + TE
TUSD + TUST
TE
ENERGIA (R$/MWh)
ENERGIA (R$/MWh)
ENERGIA (R$/MWh)
PONTA
F. PONTA
PONTA
F. PONTA
PONTA
SUBGRUPO
A4 (2,3 a 25 kV)
PONTA
FORA DE PONTA
SECA
UMIDA
SECA
UMIDA
86,48
80,04
41,12
36,33
F. PONTA
SUBGRUPO
SECA
UMIDA
SECA
UMIDA
SECA
UMIDA
SECA
UMIDA
SECA
UMIDA
SECA
UMIDA
A1 (230 kV ou
mais)
91,54
80,32
62,97
53,90
18,00
16,08
10,44
9,33
73,54
64,24
52,53
44,57
TUSD - CONSUMIDORES LIVRES
QUADRO L
TUSD + TUST
DEMANDA (R$/kW)
SUBGRUPO
PONTA
F. PONTA
18,05
4,41
A4 (2,3 a 25 kV)
36,39
11,48
BT (Menor que 2,3 kV )
60,18
11,65
A2 (88 a 138 kV)
A3 (69 kV)
107,10
95,04
72,27
62,61
18,00
16,08
10,44
9,33
89,10
78,96
61,83
53,28
A4 (2,3 a 25 kV)
170,20
157,08
82,38
72,86
18,00
16,08
10,44
9,33
152,20 141,00 71,94
63,53
AS (Subterrâneo)
178,13
164,41
86,21
76,28
18,00
16,08
10,44
9,33
160,13 148,33 75,77
66,95
A2 (88 a 138 kV)
A3a (30 a 44 kV)
TARIFA DE ULTRAPASSAGEM - HORO-SAZONAL AZUL
SUBGRUPO
A1 (230 kV ou mais)
A3 (69 kV)
A3a (30 a 44 kV)
QUADRO D
TUSD - CONSUMIDORES LIVRES
QUADRO M
TUSD + TUST + TE
TUSD + TUST
TE
TUSD
DEMANDA (R$/kW)
DEMANDA (R$/kW)
DEMANDA (R$/kW)
ENCARGO (R$/MWh)
PONTA
F. PONTA
PONTA
F. PONTA
PONTA
F. PONTA
41,46
8,49
5,85
0,00
35,61
8,49
64,26
17,37
54,15
13,23
10,11
4,14
A2 (88 a 138 kV)
A3 (69 kV)
A1 (230 kV ou mais) - CIMESA
SUBGRUPO
PONTA
F. PONTA
10,63
10,63
A1 (230 kV ou mais) - CIMESA
A2 (88 a 138 kV)
A3a (30 a 44 kV)
A3 (69 kV)
A3a (30 a 44 kV)
A4 (2,3 a 25 kV)
82,02
27,18
109,17
34,44
-27,15
-7,26
A4 (2,3 a 25 kV)
10,63
10,63
AS (Subterrâneo)
85,77
41,67
180,54
34,95
-94,77
6,72
BT (Menor que 2,3 kV )
10,63
10,63
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
TUSD - CONCESSIONÁRIAS DE SERVIÇO PÚBLICO DE ENERGIA
ELÉTRICA
QUADRO N
TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO EM (VOLT) :
127 V
TUSD + TUST
QUADRO Q
SUBGRUPO
DEMANDA (R$/kW)
SUBGRUPO
51
ISSN 1677-7042
R$/Ah
RESIDENCIAL BAIXA RENDA
PONTA
F. PONTA
18,05
4,41
36,39
11,48
A1 (230 kV ou mais)
TUSD+ TUST+ TE
TUSD + TUST
TE
Consumo mensal até 236 Ah
0,011637
0,007044
0,004594
Consumo mensal de 237 a 590 Ah
0,013841
0,008378
0,005464
A2 (88 a 138 kV)
A3 (69 kV)
A3a (30 a 44 kV)
A4 (2,3 a 25 kV)
QUADRO S
SERVIÇOS EXECUTADOS
TUSD - GERAÇÃO
QUADRO P
SUBGRUPO
DEMANDA (R$/kW)
GRUPO B (Reais)
Monofásico
TG
GRUPO A (Reais)
Bifásico
Trifásico
I - Vistoria de unidade consumidora
2,60
3,71
7,43
22,31
II - Aferição de medidor
3,35
5,57
7,43
37,19
A1 (230 kV ou mais)
III - Verificação de nível de tensão
3,35
5,57
6,69
37,19
A2 (88 a 138 kV)
IV - Religação normal
2,96
4,08
12,26
37,19
4,41
V - Religação de urgência
14,87
22,31
37,19
74,39
1,11
1,11
1,11
2,23
4,41
VI - Emissão de segunda via de fatura
A3 (69 kV)
A3a (30 a 44 kV)
A4 (2,3 a 25 kV)
<!ID637655-0>
RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 97,
DE 18 DE ABRIL DE 2005
Homologa o resultado final da primeira revisão tarifária periódica da Companhia
Energética do Ceará - COELCE.
O DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE
ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL, no uso de suas atribuições regimentais, de acordo com deliberação da Diretoria, tendo em vista o
disposto na legislação vigente pertinente, o que consta do Processo no
48500.001802/02-02, e considerando que:
as disposições sobre a revisão tarifária periódica constam das
Subcláusulas Sétima e Oitava da Cláusula Sétima do Contrato de
Concessão do Serviço de Distribuição de Energia Elétrica nº 001/98
celebrado entre a Companhia Energética do Ceará - COELCE e a
União em 13 de maio de 1998, compreendendo o reposicionamento
das tarifas de fornecimento de energia elétrica em nível compatível
com a preservação do equilíbrio econômico-financeiro do contrato e o
estabelecimento do “Fator X”;
o reposicionamento tarifário da concessionária visa proporcionar receita necessária para a cobertura de custo operacional eficiente e remuneração adequada de investimentos prudentes;
no estabelecimento do “Fator X” foram considerados os ganhos de produtividade da concessionária, previstos para o próximo
período tarifário, decorrentes do crescimento do mercado atendido, do
seu desempenho, na ótica do consumidor, quanto à qualidade do
serviço prestado, bem como da manutenção da condição de equilíbrio
econômico-financeiro definido na revisão tarifária periódica;
as metodologias utilizadas e os resultados obtidos na revisão
tarifária periódica da COELCE estão detalhados nas Notas Técnicas
nº 49/2003-SRE/ANEEL, de 3 de março de 2003, nº 146/2003SRE/ANEEL, de 15 de julho de 2003, nº 72/2005-SRE/ANEEL, de 1º
de março de 2005, e no 110/2005-SRE/ANEEL, de 8 de abril de
2005.
as diretrizes para a abertura e o realinhamento das tarifas de
fornecimento de energia elétrica foram estabelecidas nos Decretos no
4.562, de 31 de dezembro de 2002, no 4.667, de 4 de abril de 2003,
e no 4.855, de 9 de outubro de 2003, na Resolução CNPE no 12, de
17 de setembro de 2002, e na Resolução no 666, de 29 de setembro
de 2002;
os resultados da revisão tarifária periódica da COELCE,
constantes das Resoluções ANEEL nº 201, de 16 de abril de 2003 e
nº 104, de 20 de abril de 2004, eram provisórios, em face da não
validação da base de remuneração até aquela oportunidade; e
a referida base de remuneração foi aprovada em definitivo
pela Superintendência de Fiscalização Econômica e Financeira SFF/ANEEL, em 4 de abril de 2005, nos termos da Resolução no 493,
de 3 de setembro de 2002, resolve:
Art. 1º Homologar o resultado final da primeira revisão tarifária periódica da Companhia Energética do Ceará - COELCE, a ser
aplicado de acordo com as condições estabelecidas nesta Resolução.
Art. 2º As tarifas de fornecimento de energia elétrica da
COELCE ficam reposicionadas em 34,65% (trinta e quatro vírgula
sessenta e cinco por cento), em caráter definitivo.
Parágrafo único. Para atender ao princípio de modicidade
tarifária e a condição de equilíbrio econômico-financeiro do contrato
de concessão definida na revisão tarifária periódica da COELCE, o
acréscimo de receita da “Parcela B”, resultante do reposicionamento
tarifário de que trata o caput, será aplicado em parcelas anuais na
forma a seguir:
I - em 22 de abril de 2003, as tarifas de fornecimento de
energia elétrica ficam reposicionadas em 30,29% (trinta vírgula vinte
e nove por cento), cujo percentual é decorrente da análise do impacto
do diferimento da diferença entre o resultado do reposicionamento
tarifário de 34,65% (trinta e quatro vírgula sessenta e cinco por
cento), e o índice de reajuste tarifário anual, de 30,29% (trinta vírgula
vinte e nove por cento), em relação à capacidade de pagamento da
concessionária; e
II - nos reajustes tarifários anuais, a serem homologados para
os anos de 2004 a 2006, serão acrescidos à “Parcela B”, de cada ano,
o valor de R$ 28.129.569,60 (vinte e oito milhões, cento e vinte e
nove mil, quinhentos e sessenta e nove reais e sessenta centavos),
cujas parcelas serão atualizadas por ocasião dos reajustes tarifários
anuais.
Art. 3º Nos termos da Resolução nº 55, de 5 de abril de
2004, o “Fator X” foi calculado em função dos seguintes componentes:
I - componente Xe, que reflete os ganhos de produtividade
esperados em função da mudança na escala do negócio por aumento
no consumo de energia elétrica na área servida, tanto por maior
consumo dos consumidores existentes quanto pela incorporação de
novos consumidores, no período entre revisões tarifárias;
II - componente Xc, que reflete a avaliação dos consumidores
sobre a respectiva concessionária de distribuição, sendo obtido mediante a utilização do resultado da pesquisa Índice ANEEL de Satisfação do Consumidor (IASC); e
III - componente Xa, que reflete a aplicação do Índice de
Preço ao Consumidor Amplo (IPCA), para o componente mão-deobra, da “Parcela B”, da concessionária de distribuição.
Art. 4º Fica estabelecido o valor do componente Xe em
1,053% (um vírgula zero cinqüenta e três por cento), a ser aplicado
como redutor, em termos reais, da “Parcela B”, nos reajustes tarifários anuais subseqüentes.
Parágrafo único. O valor do componente Xe é definitivo,
tendo em vista a definição do valor final do reposicionamento tarifário, a que alude o art. 2º desta Resolução, e permanecerá inalterado até a próxima revisão tarifária periódica da COELCE.
Art. 5º Fica estabelecido o valor do componente Xc em
0,7280% (zero vírgula sete mil duzentos e oitenta por cento), a ser
aplicado como redutor, em termos reais, da “Parcela B”, no reajuste
tarifário anual de 22 de abril de 2004.
Parágrafo único. O valor do componente Xc será recalculado
nos reajustes tarifários anuais de 2005 a 2006, de acordo com o
Anexo II da Resolução nº 55, de 2004.
Art. 6º Fica estabelecido o valor do componente Xa em 0,3230% (menos zero vírgula três mil duzentos e trinta por cento), a
ser aplicado como ajuste do índice que atualizará a “Parcela B” no
reajuste tarifário de 22 de abril de 2004.
Parágrafo único. O valor do componente Xa será recalculado
nos reajustes tarifários anuais de 2005 a 2006, de acordo com o
Anexo III da Resolução nº 55, de 2004.
Art. 7º Homologar as tarifas de fornecimento de energia
elétrica da COELCE, constantes do Anexo desta Resolução, resultantes da aplicação do reposicionamento tarifário estabelecido nos
termos do art. 2º, que servirá de base tarifária para o reajuste tarifário
anual de 22 de abril de 2004.
Art. 8º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.
JERSON KELMAN
B4b - Bulbo da Lâmpada
ANEXO
149,43
94,36
55,07
COELCE
LEGENDA:
TUSD + TUST + TE < => (TARIFAS DE FORNECIMENTO )
TARIFA CONVENCIONAL
QUADRO A
TUSD + TUST + TE
SUBGRUPO
TUSD + TUST
TARIFA HORO-SAZONAL AZUL
QUADRO B
TE
DEMANDA
ENERGIA
DEMANDA
ENERGIA
DEMANDA
ENERGIA
(R$/kW)
(R$/MWh)
(R$/kW)
(R$/MWh)
(R$/kW)
(R$/MWh)
SUBGRUPO
A1 (230 kV ou mais)
A2 (88 a 138 kV)
A2 (88 a 138 kV)
A3 (69 kV)
A3 (69 kV)
A3a (30 kV a 44 kV)
A3a (30 a 44 kV)
TUSD + TUST + TE
TUSD + TUST
TE
DEMANDA (R$/kW)
DEMANDA (R$/kW)
DEMANDA (R$/kW)
PONTA
F. PONTA
PONTA
F. PONTA
PONTA
F. PONTA
13,63
2,83
0,00
0,00
13,63
2,83
21,62
5,83
19,95
4,78
1,67
1,05
A4 (2,3 kV a 25 kV)
11,50
142,21
25,11
14,78
-13,61
127,43
A4 (2,3 a 25 kV)
26,41
8,71
26,34
7,95
0,07
0,76
AS (Subterrâneo)
16,97
148,82
68,41
13,18
-51,44
135,64
AS (Subterrâneo)
27,66
13,42
68,41
13,18
-40,75
0,24
B1-RESIDENCIAL:
280,98
177,43
103,55
Consumo mensal até 30 kWh
98,34
62,10
36,24
Consumo mensal de 31 a 100 kWh
168,57
106,45
62,12
TUSD + TUST + TE
TUSD + TUST
TE
Consumo mensal de 101 a 140 kWh
252,84
159,66
93,18
ENERGIA (R$/MWh)
ENERGIA (R$/MWh)
ENERGIA (R$/MWh)
Consumo mensal superior ao limite regional de
140 kWh
280,98
177,43
103,55
B2-RURAL
165,66
104,61
61,05
B2-COOPERATIVA DE ELETRIFICAÇÃO RURAL
117,74
73,91
B1-RESIDENCIAL BAIXA RENDA:
TARIFA HORO-SAZONAL AZUL
PONTA
F. PONTA
PONTA
F. PONTA
PONTA
F. PONTA
SUBGRUPO
SECA
UMIDA
SECA
UMIDA
SECA
UMIDA
SECA
UMIDA
SECA UMI-DA SECA
UMIDA
43,83
A1 (230 kV ou
mais)
94,39
82,87
64,64
55,34
18,72
16,72
10,86
9,70
75,67
66,15
53,78
45,64
109,96
97,58
73,90
64,10
18,72
16,72
10,86
9,70
91,24
80,86
63,04
54,40
172,98
159,55
83,99
74,32
18,72
16,72
10,86
9,70
154,26
142,83
73,13
64,62
B2-SERVIÇO PÚBLICO DE IRRIGAÇÃO
152,36
96,21
56,15
A2 (88 a 138 kV)
B3-DEMAIS CLASSES
264,27
166,88
97,39
A3 (69 kV)
B4-ILUMINAÇÃO PÚBLICA:
B4a - Rede de Distribuição
QUADRO C
A3a (30 a 44 kV)
136,17
85,99
50,18
A4 2,3 a 25 kV)
52
AS (Subterrâneo)
ISSN 1677-7042
181,01
166,97
87,89
77,80
18,72
16,72
1
10,86
9,70
162,29
150,25
77,03
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
68,10
TUSD - CONSUMIDORES LIVRES
TARIFA DE ULTRAPASSAGEM - HORO-SAZONAL AZUL
A1 (230 kV ou mais)
A2 (88 a 138 kV)
A3 (69 kV)
A3a (30 a 44 kV)
A4 (2,3 a 25 kV)
AS (Subterrâneo)
TUSD
QUADRO D
TUSD + TUST + TE
DEMANDA (R$/kW)
PONTA
F. PONTA
40,89
8,49
SUBGRUPO
QUADRO M
ENCARGO (R$/MWh)
TUSD + TUST
DEMANDA (R$/kW)
PONTA
F. PONTA
0,00
0,00
TE
DEMANDA (R$/kW)
PONTA
F. PONTA
40,89
8,49
SUBGRUPO
PONTA
F. PONTA
11,05
11,05
A4 (2,3 a 25 kV)
11,05
11,05
BT (Menor que 2,3 kV )
11,05
11,05
A1 (230 kV ou mais)
A2 (88 a 138 kV)
A3 (69 kV)
A3a (30 a 44 kV)
64,86
17,49
79,23
82,98
59,85
26,13
40,26
14,34
79,02
205,23
TARIFA HORO-SAZONAL VERDE
23,85
39,54
3,15
0,21
-122,25
QUADRO E
TUSD + TUST
(R$/kW)
TUSD + TUST + TE
(R$/kW)
SUBGRUPO
5,01
2,28
0,72
TE
(R$/kW)
TUSD - CONCESSIONÁRIAS DE SERVIÇO PÚBLICO DE ENERGIA
ELÉTRICA
QUADRO N
TUSD + TUST
DEMANDA (R$/kW)
A3a (30 a 44 kV)
A4 (2,3 a 25 kV)
AS (Subterrâneo)
8,71
13,42
7,95
13,18
0,76
0,24
SUBGRUPO
PONTA
F. PONTA
19,95
4,78
26,34
7,95
A1 (230 kV ou mais)
A2 (88 a 138 kV)
A3 (69 kV)
QUADRO F
TARIFA HOROSAZONAL VERDE
A3a (30 a 44 kV)
A4 (2,3 a 25 kV)
TUSD + TUST + TE
ENERGIA (R$/MWh)
PONTA
F. PONTA
SECA UMIDA SECA UMIDA
SUBGRUPO
A3a (30 a 44
kV)
A4 (2,3 a 25 kV) 771,48
AS (Subterrâneo) 807,36
TUSD + TUST
ENERGIA (R$/MWh)
PONTA
F. PONTA
SECA UMIDA SECA UMIDA
TE
ENERGIA (R$/MWh)
PONTA
F. PONTA
SECA UMIDA SECA UMIDA
TUSD - GERAÇÃO
QUADRO P
SUBGRUPO
DEMANDA (R$/kW)
TG
758,14
793,39
83,99
87,89
74,32
77,80
499,77
499,77
497,78
497,78
10,86
10,86
9,70
9,70
271,71
307,59
260,36
295,61
73,13
77,03
64,62
68,10
A1 (230 kV ou mais)
A2 (88 a 138 kV)
A3 (69 kV)
TARIFA DE ULTRAPASSAGEM -HORO-SAZONAL
VERDE
SUBGRUPO
A3a (30 a 44 kV)
A4 (2,3 a 25 kV)
AS (Subterrâneo)
QUADRO G
4,78
A3a (30 a 44 kV)
TUSD + TUST + TE
(R$/kW)
TUSD + TUST
(R$/kW)
TE
(R$/kW)
26,13
40,26
23,85
39,54
2,28
0,72
A4 (2,3 a 25 kV)
4,78
TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO EM (VOLT) :
220 V
QUADRO Q
SUBGRUPO
DESCONTOS PERCENTUAIS
UNIDADE CONSUMIDORA
RURAL - GRUPO A
AGUA, ESGOTO E SANEAMENTO - GRUPO A
AGUA, ESGOTO E SANEAMENTO - GRUPO B
TUSD - CONSUMIDORES LIVRES
SUBGRUPO
A1 (230 kV ou mais)
A2 (88 a 138 kV)
A3 (69 kV)
A3a (30 a 44 kV)
A4 (2,3 a 25 kV)
BT (Menor que 2,3 kV )
<!ID637656-0>
DEMANDA
10
15
-
ENERGIA
10
15
15
QUADRO L
TUSD + TUST
DEMANDA (R$/kW)
PONTA
F. PONTA
19,95
26,34
68,41
RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 101,
DE 18 DE ABRIL DE 2005
Homologa o resultado final da primeira revisão tarifária periódica da Companhia
Energética do Rio Grande do Norte - COSERN.
O DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE
ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL, no uso de suas atribuições regimentais, de acordo com deliberação da Diretoria, tendo em vista o
disposto na legislação vigente pertinente, o que consta do Processo nº
48500.001808/02-81, e considerando que:
as disposições sobre a revisão tarifária periódica constam nas
Subcláusulas Sétima e Oitava da Cláusula Sétima do Contrato de
Concessão do Serviço de Distribuição de Energia Elétrica nº 08/97,
celebrado entre a Companhia Energética do Rio Grande do Norte COSERN e a União em 31 de dezembro de 1997, compreendendo o
reposicionamento das tarifas de fornecimento de energia elétrica em
nível compatível com a preservação do equilíbrio econômico-financeiro do contrato e o estabelecimento do “Fator X”;
o reposicionamento tarifário da concessionária visa proporcionar receita necessária para a cobertura de custo operacional eficiente e remuneração adequada de investimentos prudentes;
no estabelecimento do “Fator X” foram considerados os ganhos de produtividade da concessionária, previstos para o próximo
período tarifário, decorrentes do crescimento do mercado atendido, do
seu desempenho, na ótica do consumidor, quanto à qualidade do
serviço prestado, bem como da manutenção da condição de equilíbrio
econômico-financeiro definido na revisão tarifária periódica;
R$/Ah
RESIDENCIAL BAIXA RENDA
QUADRO J
4,78
7,95
13,18
TUSD+ TUST+ TE
TUSD + TUST
TE
Consumo mensal até 136 Ah
0,012489
0,007886
0,004603
Consumo mensal de 137 a 341 Ah
0,014852
0,010000
0,005474
QUADRO S
SERVIÇOS EXECUTADOS
GRUPO B (Reais)
GRUPO A
(Reais)
Monofásico
Bifásico
I - Vistoria de unidade consumidora
2,58
3,69
7,38
22,18
II - Aferição de medidor
3,33
5,54
7,38
36,97
III - Verificação de nível de tensão
3,33
5,54
6,65
36,97
IV - Religação normal
2,95
4,06
12,19
36,97
V - Religação de urgência
14,78
22,18
36,97
73,94
VI - Emissão de segunda via de fatura
1,10
1,10
1,10
2,21
as metodologias utilizadas e os resultados obtidos na revisão
tarifária periódica da COSERN estão detalhados nas Notas Técnicas
nº 050/2003-SRE/ANEEL, de 3 de março de 2003, nº 155/2003SRE/ANEEL, de 21 de julho de 2003, nº 104/2004-SRE/ANEEL, de
28 de abril de 2004, e nº 109/2005-SRE/ANEEL, de 8 de abril de
2005;
as diretrizes para a abertura e o realinhamento das tarifas de
fornecimento de energia elétrica foram estabelecidas nos Decretos nº
4.562, de 31 de dezembro de 2002, nº 4.667, de 4 de abril de 2003,
e nº 4.855, de 9 de outubro de 2003, na Resolução CNPE nº 12, de
17 de setembro de 2002, e na Resolução nº 666, de 29 de setembro
de 2002;
os resultados da revisão tarifária periódica da COSERN,
constantes das Resoluções nº 200, de 16 de abril de 2003, e nº 101,
de 20 de abril de 2004, eram provisórios, em face da não validação da
base de remuneração até aquela oportunidade; e
a referida base de remuneração foi aprovada em definitivo
pela Superintendência de Fiscalização Econômica e Financeira SFF/ANEEL, em 1º de abril de 2005, nos termos da Resolução nº
493, de 3 de setembro de 2002, resolve:
Art. 1º Homologar o resultado final da primeira revisão tarifária periódica da Companhia Energética do Rio Grande do Norte COSERN, a ser aplicado de acordo com as condições estabelecidas
nesta Resolução.
Art. 2º As tarifas de fornecimento de energia elétrica da
COSERN ficam reposicionadas em 14,99% (quatorze vírgula noventa
e nove por cento).
Art. 3º Nos termos da Resolução nº 55, de 5 de abril de
2004, o “Fator X” foi calculado em função dos seguintes componentes:
Trifásico
I - componente Xe, que reflete os ganhos de produtividade
esperados em função da mudança na escala do negócio por aumento
no consumo de energia elétrica na área servida, tanto por maior
consumo dos consumidores existentes quanto pela incorporação de
novos consumidores, no período entre revisões tarifárias;
II - componente Xc, que reflete a avaliação dos consumidores
sobre a respectiva concessionária de distribuição, sendo obtido mediante a utilização do resultado da pesquisa Índice ANEEL de Satisfação do Consumidor (IASC); e
III - componente Xa, que reflete a aplicação do Índice de
Preço ao Consumidor Amplo (IPCA), para o componente mão-deobra, da “Parcela B”, da concessionária de distribuição.
Art. 4º Fica estabelecido o valor do componente Xe em
0,7382% (zero vírgula sete mil trezentos e oitenta dois por cento), a
ser aplicado como redutor, em termos reais, da “Parcela B”, nos
reajustes tarifários anuais subseqüentes.
Parágrafo único. O valor do componente Xe é definitivo,
tendo em vista a definição do valor final do reposicionamento tarifário, ao qual alude o art. 2º desta Resolução, e permanecerá inalterado até a próxima revisão tarifária periódica da COSERN.
Art. 5º O valor do componente Xc e o valor do componente
Xa serão recalculados nos reajustes tarifários anuais de 2004 a 2007,
de acordo com os Anexos II e III da Resolução nº 55, de 2004.
Art. 6º Homologar as tarifas de fornecimento de energia
elétrica da COSERN, constantes do Anexo desta Resolução, resultantes da aplicação do reposicionamento tarifário estabelecido nos
termos do art. 2º, que servirá de base tarifária para o reajuste tarifário
anual de 22 de abril de 2004.
Art. 7º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.
JERSON KELMAN
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
ANEXO
LEGENDA:
TUSD + TUST + TE < => (TARIFAS DE FORNECIMENTO )
TARIFA CONVENCIONAL
QUADRO F
TARIFA HOROSAZONAL VERDE
COSERN
QUADRO A
TUSD + TUST + TE
TUSD + TUST
TE
DEMANDA
ENERGIA
DEMANDA
ENERGIA
DEMANDA
ENERGIA
(R$/kW)
(R$/MWh)
(R$/kW)
(R$/MWh)
(R$/kW)
(R$/MWh)
SUBGRUPO
TUSD + TUST + TE
TUSD + TUST
TE
ENERGIA (R$/MWh)
ENERGIA (R$/MWh)
ENERGIA (R$/MWh)
PONTA
SUBGRUPO
53
ISSN 1677-7042
SECA
F. PONTA
UMIDA
SECA
UMIDA
PONTA
SECA
F. PONTA
UMIDA
SECA
PONTA
UMIDA
SECA
F. PONTA
UMIDA
SECA
UMIDA
A3a (30 a 44
kV)
A2 (88 a 138 kV)
A3 (69 kV)
A3a (30 kV a 44 kV)
A4 (2,3 kV a 25 kV)
12,12
AS (Subterrâneo)
17,95
B1-RESIDENCIAL:
130,98
37,43
137,07
54,56
12,40
-25,31
118,58
10,38
-36,61
126,69
A4 (2,3 a 25 kV) 740,96
728,77
76,86
68,00
711,48
709,73
9,52
8,51
29,48
19,04
67,34
59,49
AS (Subterrâneo) 775,46
762,66
80,45
71,18
711,48
709,73
9,52
8,51
63,98
52,93
70,93
62,67
238,25
148,08
90,17
Consumo mensal até 30 kWh
83,39
51,83
31,56
Consumo mensal de 31 a 100 kWh
142,92
88,83
54,09
Consumo mensal de 101 a 140 kWh
214,44
133,28
81,16
A3a (30 a 44 kV)
Consumo mensal superior ao limite regional de
140 kWh
238,25
148,08
90,17
A4 (2,3 a 25 kV)
AS (Subterrâneo)
B2-RURAL
149,42
92,87
56,55
B2-COOPERATIVA DE ELETRIFICAÇÃO RURAL
106,62
65,62
41,00
B2-SERVIÇO PÚBLICO DE IRRIGAÇÃO
137,37
85,38
51,99
B3-DEMAIS CLASSES
238,36
148,15
90,21
B1-RESIDENCIAL BAIXA RENDA:
TARIFA DE ULTRAPASSAGEM -HORO-SAZONAL
VERDE
SUBGRUPO
QUADRO G
TUSD + TUST + TE
TUSD + TUST
TE
(R$/kW)
(R$/kW)
(R$/kW)
25,77
35,55
-9,78
39,48
31,14
8,34
DESCONTOS PERCENTUAIS
B4-ILUMINAÇÃO PÚBLICA:
B4a - Rede de Distribuição
122,81
76,33
46,48
B4b - Bulbo da Lâmpada
134,77
83,77
51,00
QUADRO J
UNIDADE CONSUMIDORA
DEMANDA
ENERGIA
RURAL - GRUPO A
10
10
AGUA, ESGOTO E SANEAMENTO - GRUPO A
15
15
AGUA, ESGOTO E SANEAMENTO - GRUPO B
-
15
TUSD - CONSUMIDORES LIVRES
QUADRO L
TUSD + TUST
DEMANDA (R$/kW)
TARIFA HORO-SAZONAL AZUL
QUADRO B
SUBGRUPO
SUBGRUPO
TUSD + TUST + TE
TUSD + TUST
DEMANDA (R$/kW)
DEMANDA (R$/kW)
DEMANDA (R$/kW)
A2 (88 a 138 kV)
PONTA
PONTA
PONTA
A3 (69 kV)
F. PONTA
TE
F. PONTA
PONTA
F. PONTA
15,93
3,64
A1 (230 kV ou mais)
F. PONTA
A3a (30 a 44 kV)
A1 (230 kV ou mais)
A2 (88 a 138 kV)
A3 (69 kV)
19,89
5,36
15,93
3,64
3,96
1,72
A4 (2,3 a 25 kV)
38,19
11,85
BT (Menor que 2,3 kV )
54,56
10,38
A3a (30 a 44 kV)
A4 (2,3 a 25 kV)
26,00
8,59
38,19
11,85
-12,19
-3,26
AS (Subterrâneo)
27,20
13,16
54,56
10,38
-27,36
2,78
TUSD - CONSUMIDORES LIVRES
QUADRO M
TUSD
ENCARGO (R$/MWh)
SUBGRUPO
PONTA
F. PONTA
9,69
9,69
A4 (2,3 a 25 kV)
9,69
9,69
BT (Menor que 2,3 kV )
9,69
9,69
A1 (230 kV ou mais)
TARIFA HORO-SAZONAL AZUL
QUADRO C
A3 (69 kV)
TUSD + TUST + TE
TUSD + TUST
ENERGIA (R$/MWh)
PONTA
SUBGRUPO
A2 (88 a 138 kV)
SECA
UMIDA
ENERGIA (R$/MWh)
F. PONTA
SECA
TE
UMIDA
PONTA
SECA
ENERGIA (R$/MWh)
F. PONTA
UMIDA
SECA
A3a (30 a 44 kV)
PONTA
UMIDA
F. PONTA
SECA UMI-DA SECA
UMIDA
A1 (230 kV ou
mais)
TUSD - CONCESSIONÁRIAS DE SERVIÇO PÚBLICO DE ENERGIA
ELÉTRICA
QUADRO N
A2 (88 a 138 kV)
A3 (69 kV)
TUSD + TUST
100,08
88,82
67,48
58,47
16,42
14,67
9,52
8,51
83,66
74,15
57,96
49,96
A4 2,3 a 25 kV)
158,75
146,49
76,86
68,00
16,42
14,67
9,52
8,51
142,33
131,82
67,34
59,49
A1 (230 kV ou mais)
AS (Subterrâneo)
166,16
153,33
80,45
71,18
16,42
14,67
9,52
8,51
149,74
138,66
70,93
62,67
A2 (88 a 138 kV)
DEMANDA (R$/kW)
SUBGRUPO
A3a (30 a 44 kV)
A3 (69 kV)
PONTA
F. PONTA
15,93
3,64
38,19
11,85
A3a (30 a 44 kV)
A4 (2,3 a 25 kV)
TARIFA DE ULTRAPASSAGEM - HORO-SAZONAL AZUL
QUADRO D
TUSD + TUST + TE
SUBGRUPO
DEMANDA (R$/kW)
PONTA
F. PONTA
TUSD + TUST
TE
DEMANDA (R$/kW)
DEMANDA (R$/kW)
PONTA
PONTA
F. PONTA
F. PONTA
A1 (230 kV ou mais)
TUSD - GERAÇÃO
QUADRO P
SUBGRUPO
DEMANDA (R$/kW)
TG
A1 (230 kV ou mais)
A2 (88 a 138 kV)
A2 (88 a 138 kV)
A3 (69 kV)
A3 (69 kV)
59,67
16,08
47,79
10,92
11,88
5,16
A4 (2,3 a 25 kV)
78,00
25,77
114,57
35,55
-36,57
-9,78
AS (Subterrâneo)
81,60
39,48
163,68
31,14
-82,08
8,34
A3a (30 a 44 kV)
3,64
A3a (30 a 44 kV)
A4 (2,3 a 25 kV)
3,64
QUADRO S
SERVIÇOS EXECUTADOS
TARIFA HORO-SAZONAL VERDE
SUBGRUPO
QUADRO E
TUSD + TUST + TE
TUSD + TUST
TE
(R$/kW)
(R$/kW)
(R$/kW)
A3a (30 a 44 kV)
GRUPO B (Reais)
GRUPO A
(Reais)
Monofásico
Bifásico
Trifásico
I - Vistoria de unidade consumidora
2,56
3,66
7,32
21,98
II - Aferição de medidor
3,30
5,49
7,32
36,64
III - Verificação de nível de tensão
3,30
5,49
6,59
36,64
IV - Religação normal
2,92
4,02
12,08
36,64
A4 (2,3 a 25 kV)
8,59
11,85
-3,26
V - Religação de urgência
14,65
21,98
36,64
73,29
AS (Subterrâneo)
13,16
10,38
2,78
VI - Emissão de segunda via de fatura
1,09
1,09
1,09
2,19
54
<!ID637657-0>
ISSN 1677-7042
1
RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 104,
DE 18 DE ABRIL DE 2005
Homologa o resultado final da primeira revisão tarifária periódica da Companhia de
Eletricidade do Estado da Bahia - COELBA.
O DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE
ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL, no uso de suas atribuições regimentais, de acordo com deliberação da Diretoria, tendo em vista o
disposto na legislação vigente pertinente, o que consta do Processo nº
48500.001805/02-92, e considerando que:
as disposições sobre a revisão tarifária periódica constam nas
Subcláusulas Sexta e Sétima da Cláusula Sétima do Contrato de
Concessão do Serviço de Distribuição de Energia Elétrica nº 010/97,
celebrado entre a Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia COELBA e a União em 8 de agosto de 1997, compreendendo o
reposicionamento das tarifas de fornecimento de energia elétrica em
nível compatível com a preservação do equilíbrio econômico-financeiro do contrato e o estabelecimento do “Fator X”;
o reposicionamento tarifário da concessionária visa proporcionar receita necessária para a cobertura de custo operacional eficiente e remuneração adequada de investimentos prudentes;
no estabelecimento do “Fator X” foram considerados os ganhos de produtividade da concessionária, previstos para o próximo
período tarifário, decorrentes do crescimento do mercado atendido, do
seu desempenho, na ótica do consumidor, quanto à qualidade do
serviço prestado, bem como da manutenção da condição de equilíbrio
econômico-financeiro definido na revisão tarifária periódica;
as metodologias utilizadas e os resultados obtidos na revisão
tarifária periódica da COELBA estão detalhados nas Notas Técnicas
nº 052/2003-SRE/ANEEL, de 10 de março de 2003, n° 154/2003SRE/ANEEL, de 21 de julho de 2003, nº 105/2004-SRE/ANEEL, de
28 de abril de 2004, e nº 113/2005-SRE/ANEEL, de 08 de abril de
2005;
as diretrizes para a abertura e o realinhamento das tarifas de
fornecimento de energia elétrica foram estabelecidas nos Decretos nº
4.562, de 31 de dezembro de 2002, nº 4.667, de 4 de abril de 2003,
e nº 4.855, de 9 de outubro de 2003, na Resolução CNPE nº 12, de
17 de setembro de 2002, e na Resolução nº 666, de 29 de setembro
de 2002;
os resultados da revisão tarifária periódica da COELBA,
constantes das Resoluções nº 202, de 16 de abril de 2003, e nº 102,
de 20 de abril de 2004, eram provisórios, em face da não validação da
base de remuneração até aquela oportunidade; e
a referida base de remuneração foi aprovada em definitivo
pela Superintendência de Fiscalização Econômica e Financeira SFF/ANEEL, em 04 de abril de 2005, nos termos da Resolução nº
493, de 3 de setembro de 2002, resolve:
Art. 1º Homologar o resultado final da primeira revisão tarifária periódica da Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia COELBA, a ser aplicado de acordo com as condições estabelecidas
nesta Resolução.
Art. 2º As tarifas de fornecimento de energia elétrica da
COELBA ficam reposicionadas em 38,78% (trinta e oito vírgula
setenta e oito por cento).
Parágrafo único. Para atender ao princípio de modicidade
tarifária e a condição de equilíbrio econômico-financeiro do contrato
de concessão definida na revisão tarifária periódica da COELBA, o
acréscimo de receita da “Parcela B”, resultante do reposicionamento
tarifário de que trata o caput, será aplicado em parcelas anuais na
forma a seguir:
I - em 22 de abril de 2003, as tarifas de fornecimento de
energia elétrica ficam reposicionadas em 28,61% (vinte e oito vírgula
sessenta e um por cento), cujo percentual é decorrente da análise do
impacto do diferimento da diferença entre o resultado do reposicionamento tarifário de 38,78% (trinta e oito vírgula setenta e oito por
cento) e o índice de reajuste tarifário anual de 28,61% (vinte e oito
vírgula sessenta e um por cento), em relação à capacidade de pagamento da concessionária; e
II - nos reajustes tarifários anuais, a serem homologados para
os anos de 2004 a 2007, serão acrescidos à “Parcela B”, de cada ano,
o valor de R$ 79.977.434,60 (setenta e nove milhões, novecentos e
setenta e sete mil, quatrocentos e trinta e quatro reais e sessenta
centavos), cujas parcelas serão atualizadas por ocasião dos reajustes
tarifários anuais.
ANEXO
COELBA
LEGENDA:
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
Art. 3º Nos termos da Resolução nº 55, de 5 de abril de
2004, o “Fator X” foi calculado em função dos seguintes componentes:
I - componente Xe, que reflete os ganhos de produtividade
esperados em função da mudança na escala do negócio por aumento
no consumo de energia elétrica na área servida, tanto por maior
consumo dos consumidores existentes quanto pela incorporação de
novos consumidores, no período entre revisões tarifárias;
II - componente Xc, que reflete a avaliação dos consumidores
sobre a respectiva concessionária de distribuição, sendo obtido mediante a utilização do resultado da pesquisa Índice ANEEL de Satisfação do Consumidor (IASC); e
III - componente Xa, que reflete a aplicação do Índice de
Preço ao Consumidor Amplo (IPCA), para o componente mão-deobra, da “Parcela B”, da concessionária de distribuição.
Art. 4º Fica estabelecido o valor do componente Xe em
1,1181% (um vírgula mil cento e oitenta e um por cento), a ser
aplicado como redutor, em termos reais, da “Parcela B”, nos reajustes
tarifários anuais subseqüentes.
Parágrafo único. O valor do componente Xe é definitivo,
tendo em vista a definição do valor final do reposicionamento tarifário, ao qual alude o art. 2º desta Resolução, e permanecerá inalterado até a próxima revisão tarifária periódica da COELBA.
Art. 5º O valor do componente Xc e o valor do componente
Xa serão recalculados nos reajustes tarifários anuais de 2004 a 2007,
de acordo com os Anexos II e III da Resolução no 55, de 2004.
Art. 6º Homologar as tarifas de fornecimento de energia
elétrica da COELBA, constantes do Anexo desta Resolução, resultantes da aplicação do reposicionamento tarifário estabelecido nos
termos do art. 2º, que servirá de base tarifária para o reajuste tarifário
anual de 8 de abril de 2004.
Art. 7º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.
JERSON KELMAN
A4 (2,3 a 25 kV)
173,17
159,75
84,03
74,35
20,69
18,48
12,00
10,72
152,48
141,27 72,03
63,63
AS (Subterrâneo)
181,23
167,17
87,94
77,83
20,69
18,48
12,00
10,72
160,54
148,69 75,94
67,11
TUSD + TUST + TE < => (TARIFAS DE FORNECIMENTO )
TARIFA CONVENCIONAL
QUADRO A
TUSD + TUST + TE
TUSD + TUST
TE
DEMANDA
ENERGIA
DEMANDA
ENERGIA
DEMANDA
ENERGIA
(R$/kW)
(R$/MWh)
(R$/kW)
(R$/MWh)
(R$/kW)
(R$/MWh)
SUBGRUPO
TARIFA DE ULTRAPASSAGEM - HORO-SAZONAL AZUL
QUADRO D
A1 (230 kV ou mais)
SUBGRUPO
TUSD + TUST
TE
DEMANDA (R$/kW)
DEMANDA (R$/kW)
PONTA
F. PONTA
PONTA
F. PONTA
PONTA
A1 (230 kV ou mais)
41,67
8,52
6,18
0,00
35,49
8,52
7,71
8,31
3,21
A2 (88 a 138 kV)
A3 (69 kV)
TUSD + TUST + TE
DEMANDA (R$/kW)
F. PONTA
A3a (30 kV a 44 kV)
11,79
137,62
30,67
13,85
-18,88
123,77
A2 (88 a 138 kV)
48,09
10,92
39,78
A4 (2,3 kV a 25 kV)
12,46
142,41
33,99
14,67
-21,53
127,74
A3 (69 kV)
64,02
17,31
48,12
11,49
15,90
5,82
AS (Subterrâneo)
18,35
149,01
58,98
11,38
-40,63
137,63
A3a (30 a 44 kV)
78,51
26,04
93,45
29,19
-14,94
-3,15
101,30
A4 (2,3 a 25 kV)
82,02
27,09
102,99
32,28
-20,97
-5,19
AS (Subterrâneo)
85,98
41,70
176,94
34,14
-90,96
7,56
B1-RESIDENCIAL:
265,74
164,44
B1-RESIDENCIAL BAIXA RENDA:
Consumo mensal até 30 kWh
93,03
57,57
35,46
Consumo mensal de 31 a 100 kWh
Consumo mensal de 101 a 140 kWh
159,45
98,67
60,78
239,15
147,99
91,16
Consumo mensal superior ao limite regional
140 kWh
265,74
164,44
101,30
B2-RURAL
166,26
102,88
63,38
B2-COOPERATIVA DE ELETRIFICAÇÃO
RURAL
118,36
72,71
45,65
B2-SERVIÇO PÚBLICO DE IRRIGAÇÃO
152,91
94,62
58,29
B3-DEMAIS CLASSES
265,25
164,14
101,11
B4a - Rede de Distribuição
136,65
84,56
52,09
B4b - Bulbo da Lâmpada
150,00
92,82
57,18
TARIFA HORO-SAZONAL VERDE
QUADRO E
TUSD + TUST + TE
TUSD + TUST
TE
(R$/kW)
(R$/kW)
(R$/kW)
SUBGRUPO
A3a (30 a 44 kV)
8,68
9,73
-1,05
A4 (2,3 a 25 kV)
9,03
10,76
-1,73
AS (Subterrâneo)
13,90
11,38
2,52
B4-ILUMINAÇÃO PÚBLICA:
TARIFA HORO-SAZONAL AZUL
QUADRO B
TUSD + TUST + TE
TUSD + TUST
TE
DEMANDA (R$/kW)
DEMANDA (R$/kW)
DEMANDA (R$/kW)
F. PONTA
PONTA
F. PONTA
PONTA
F. PONTA
A1 (230 kV ou mais)
13,89
2,84
2,06
0,00
11,83
2,84
A2 (88 a 138 kV)
16,03
3,64
13,26
2,57
2,77
1,07
A3 (69 kV)
21,34
5,77
16,04
3,83
5,30
1,94
A3a (30 a 44 kV)
26,17
8,68
31,15
9,73
-4,98
-1,05
A4 (2,3 a 25 kV)
27,34
9,03
34,33
10,76
-6,99
-1,73
AS (Subterrâneo)
28,66
13,90
58,98
11,38
-30,32
2,52
TARIFA HORO-SAZONAL AZUL
SUBGRUPO
TE
ENERGIA (R$/MWh)
F. PONTA
PONTA
TUSD + TUST
TE
ENERGIA (R$/MWh)
ENERGIA (R$/MWh)
F. PONTA
ENERGIA (R$/MWh)
F. PONTA
PONTA
F. PONTA
PONTA
F. PONTA
PONTA
F. PONTA
UMIDA
SECA
UMIDA
SECA
UMIDA
SECA
UMIDA
SECA
UMIDA
SECA UMIDA
A3a (30 a 44 kV)
756,48
743,53
81,42
72,04
574,79
572,59
12,00
10,72
181,69
170,94
69,42
61,32
A4 (2,3 a 25 kV)
781,79
768,38
84,03
74,35
576,04
573,83
12,00
10,72
205,75
194,55
72,03
63,63
AS (Subterrâneo)
818,15
804,12
87,94
77,83
576,04
573,83
12,00
10,72
242,11
230,29
75,94
67,11
TARIFA DE ULTRAPASSAGEM -HORO-SAZONAL
VERDE
QUADRO G
TUSD + TUST + TE
TUSD + TUST
TE
(R$/kW)
(R$/kW)
(R$/kW)
A3a (30 a 44 kV)
26,04
29,19
-3,15
A4 (2,3 a 25 kV)
27,09
32,28
-5,19
AS (Subterrâneo)
41,70
34,14
7,56
SUBGRUPO
TUSD + TUST
ENERGIA (R$/MWh)
PONTA
TUSD + TUST + TE
ENERGIA (R$/MWh)
SECA
QUADRO C
TUSD + TUST + TE
QUADRO F
PONTA
PONTA
SUBGRUPO
SUBGRUPO
TARIFA HORO-SAZONAL VERDE
SECA
UMIDA
SECA
UMIDA
SECA
UMIDA
SECA
UMIDA
SECA
UMIDA
SECA UMIDA
A1 (230 kV ou
mais)
94,24
82,73
64,56
55,31
20,69
18,48
12,00
10,72
73,55
64,25
52,56
A2 (88 a 138 kV)
98,86
91,57
68,58
62,71
20,69
18,48
12,00
10,72
78,17
73,09
56,58
51,99
RURAL - GRUPO A
10
10
A3 (69 kV)
109,88
97,51
73,90
64,09
20,69
18,48
12,00
10,72
89,19
79,03
61,90
53,37
AGUA, ESGOTO E SANEAMENTO - GRUPO A
15
15
A3a (30 a 44 kV)
167,59
154,60
81,42
72,04
20,69
18,48
12,00
10,72
146,90
136,12 69,42
61,32
AGUA, ESGOTO E SANEAMENTO - GRUPO B
-
15
DESCONTOS PERCENTUAIS
44,59
UNIDADE CONSUMIDORA
QUADRO J
DEMANDA
ENERGIA
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
TUSD - CONSUMIDORES LIVRES
QUADRO L
TUSD + TUST
DEMANDA (R$/kW)
PONTA
F. PONTA
SUBGRUPO
A1 (230 kV ou mais)
A2 (88 a 138 kV)
A3 (69 kV)
A3a (30 a 44 kV)
A4 (2,3 a 25 kV)
BT ( Menor que 2,3 kV )
13,26
16,04
31,15
34,33
58,98
TUSD - CONSUMIDORES LIVRES
SUBGRUPO
SUBGRUPO
12,22
12,22
12,22
12,22
12,22
TUSD - CONCESSIONÁRIAS DE SERVIÇO PÚBLICO DE ENERGIA
ELÉTRICA
12,22
12,22
12,22
12,22
12,22
TUSD + TUST + TE
TUSD + TUST
TE
ENERGIA (R$/MWh)
ENERGIA (R$/MWh)
ENERGIA (R$/MWh)
SECA
F. PONTA
UMIDA
SECA
PONTA
UMIDA
SECA
F. PONTA
UMIDA
SECA
PONTA
UMIDA
SECA
F. PONTA
UMIDA
SECA
UMIDA
TARIFA DE ULTRAPASSAGEM - HORO-SAZONAL AZUL
( 2,9 % ) QUADRO D
SUBGRUPO
TUSD + TUST + TE
TUSD + TUST
TE
DEMANDA (R$/kW)
DEMANDA (R$/kW)
DEMANDA (R$/kW)
PONTA
PONTA
PONTA
F. PONTA
F. PONTA
F. PONTA
A1 (230 kV ou mais)
QUADRO N
TUSD + TUST
DEMANDA (R$/kW)
PONTA
F. PONTA
SUBGRUPO
A1 (230 kV ou mais)
A2 (88 a 138 kV)
A3 (69 kV)
A3a (30 a 44 kV)
A4 (2,3 a 25 kV)
13,26
16,04
31,15
34,33
TUSD - GERAÇÃO
2,57
3,83
9,73
10,76
Grupo B (Reais)
Bifásico
3,69
5,53
5,53
4,05
22,14
1,10
TUSD + TUST
TE
DEMANDA (R$/kW)
DEMANDA (R$/kW)
DEMANDA (R$/kW)
PONTA
PONTA
PONTA
F. PONTA
Grupo A
(Reais)
Trifásico
7,37
7,37
6,64
12,17
36,91
1,10
F. PONTA
F. PONTA
( 7,9%) QUADRO C
TUSD + TUST + TE
TUSD + TUST
TE
ENERGIA (R$/MWh)
ENERGIA (R$/MWh)
ENERGIA (R$/MWh)
PONTA
SUBGRUPO
QUADRO S
Monofásico
2,58
3,32
3,32
2,94
14,76
1,10
( 7,9%) QUADRO B
TUSD + TUST + TE
TARIFA HORO-SAZONAL AZUL
2,57
2,57
2,57
2,57
SERVIÇOS EXECUTADOS
TARIFA HORO-SAZONAL AZUL
SUBGRUPO
SUBGRUPO
A1 (230 kV ou mais)
A2 (88 a 138 kV)
A3 (69 kV)
A3a (30 a 44 kV)
A4 (2,3 a 25 kV)
ANEXO I B
COELBA
A1 (230 kV ou mais)
QUADRO P
TG
DEMANDA (R$/kW)
I - Vistoria de unidade consumidora
II - Aferição de medidor
III - Verificação de nível de tensão
IV - Religação normal
V - Religação de urgência
VI - Emissão de segunda via de fatura
( 2,9 % ) QUADRO C
A1 (230 kV ou
mais)
QUADRO M
TUSD
ENCARGO (R$/MWh)
PONTA
F. PONTA
A1 (230 kV ou mais)
A2 (88 a 138 kV)
A3 (69 kV)
A3a (30 a 44 kV)
A4 (2,3 a 25 kV)
BT ( Menor que 2,3 kV )
TARIFA HORO-SAZONAL AZUL
PONTA
2,57
3,83
9,73
10,76
11,38
55
ISSN 1677-7042
22,14
36,91
36,91
36,91
73,82
2,21
SECA
F. PONTA
UMIDA
SECA
PONTA
UMIDA
SECA
F. PONTA
UMIDA
SECA
PONTA
UMIDA
SECA
F. PONTA
UMIDA
SECA
UMIDA
A1 (230 kV ou
mais)
TARIFA DE ULTRAPASSAGEM - HORO-SAZONAL AZUL
( 7,9%) QUADRO D
SUBGRUPO
TUSD + TUST + TE
TUSD + TUST
TE
DEMANDA (R$/kW)
DEMANDA (R$/kW)
DEMANDA (R$/kW)
PONTA
PONTA
PONTA
F. PONTA
F. PONTA
F. PONTA
<!ID637652-0>
A1 (230 kV ou mais)
DESPACHOS DO DIRETOR-GERAL
Em 20 de abril de 2005
Nº 498 - O DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL, no
uso de suas atribuições regimentais, com fulcro no art. 53, inciso V, do anexo à Resolução ANEEL nº
233, de 14 de julho de 1998, alterada pela Resolução ANEEL nº 81, de 18 de fevereiro de 2003, ouvida
a Diretoria, resolve conceder o efeito suspensivo requerido pela Empresa Energética de Mato Grosso do
Sul S/A. - ENERSUL, contra decisão da Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Mato
Grosso do Sul - AGEPAN, no Processo nº 48500.001629/05-12, referente a reclamação do consumidor
Eloi Barbeu Alves, por se encontrar presente o requisito de lesão grave e de difícil reparação ensejador
da suspensividade.
Leia-se:
ANEXO I A
COELBA
TARIFA HORO-SAZONAL AZUL
( 2,9 % ) QUADRO B
TUSD + TUST + TE
TUSD + TUST
TE
DEMANDA (R$/kW)
DEMANDA (R$/kW)
DEMANDA (R$/kW)
PONTA
F. PONTA
PONTA
F.PONTA
PONTA
F.PONTA
9,59
1,53
3,14
0,00
6,45
1,53
<!ID637653-0>
Nº 499 - O DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL, no
uso de suas atribuições regimentais, com fulcro no art. 53, inciso V, do anexo à Resolução ANEEL nº
233, de 14 de julho de 1998, alterada pela Resolução ANEEL nº 81, de 18 de fevereiro de 2003, ouvida
a Diretoria, resolve conceder o efeito suspensivo requerido pela Empresa Energética de Mato Grosso do
Sul S/A. - ENERSUL, contra decisão da Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Mato
Grosso do Sul - AGEPAN, no Processo nº 48500.001628/05-41, referente a reclamação do consumidor
Jorge Sena Lucas, por se encontrar presente o requisito de lesão grave e de difícil reparação ensejador
da suspensividade.
SUBGRUPO
A1 (230 kV ou mais)
TARIFA HORO-SAZONAL AZUL
( 2,9 % ) QUADRO C
JERSON KELMAN
<!ID637658-0>
RETIFICAÇÕES
TUSD + TUST + TE
TUSD + TUST
TE
ENERGIA (R$/MWh)
ENERGIA (R$/MWh)
ENERGIA (R$/MWh)
PONTA
SUBGRUPO
Na Resolução Homologatória nº 107, de 18 de abril de 2005, publicada no D.O. nº 75 de 20 de
abril de 2005, Seção 1, páginas 135 e 136, nos Anexos “I A e I B”, nos Quadros “B”, “C” e “D” no
Subgrupo A1 (230 kV ou mais);
Onde se lê:
A1 (230 kV ou
mais)
F. PONTA
PONTA
F. PONTA
PONTA
F. PONTA
SECA
UMIDA
SECA
UMIDA
SECA
UMIDA
SECA
UMIDA
SECA
UMIDA
SECA
UMIDA
190,23
169,16
115,72
102,11
44,55
39,80
25,85
23,09
145,68
129,36
89,87
79,02
ANEXO I A
COELBA
TARIFA HORO-SAZONAL AZUL
SUBGRUPO
A1 (230 kV ou mais)
TARIFA DE ULTRAPASSAGEM - HORO-SAZONAL AZUL
( 2,9 % ) QUADRO B
( 2,9 % ) QUADRO D
TUSD + TUST + TE
TUSD + TUST
TE
TUSD + TUST + TE
TUSD + TUST
TE
DEMANDA (R$/kW)
DEMANDA (R$/kW)
DEMANDA (R$/kW)
DEMANDA (R$/kW)
DEMANDA (R$/kW)
DEMANDA (R$/kW)
PONTA
PONTA
PONTA
F. PONTA
F.PONTA
F.PONTA
SUBGRUPO
A1 (230 kV ou mais)
PONTA
F. PONTA
PONTA
F. PONTA
PONTA
F. PONTA
28,78
4,60
9,42
0,00
19,36
4,60
56
ISSN 1677-7042
1
A1 (230 kV ou
mais)
ANEXO I B
COELBA
TARIFA HORO-SAZONAL AZUL
SUBGRUPO
A1 (230 kV ou mais)
TUSD + TUST + TE
DEMANDA (R$/kW)
PONTA
F. PONTA
10,06
1,61
( 7,9%) QUADRO B
TUSD + TUST
DEMANDA (R$/kW)
PONTA
F. PONTA
3,29
0,00
TE
DEMANDA (R$/kW)
PONTA
F. PONTA
6,77
1,61
199,46
177,38
SUBGRUPO
( 7,9%) QUADRO C
107,07
46,71
41,74
27,10
24,21
152,75
135,64
94,24
82,86
( 7,9%) QUADRO D
TUSD + TUST + TE
TUSD + TUST
TE
DEMANDA (R$/kW)
DEMANDA (R$/kW)
DEMANDA (R$/kW)
F. PONTA
PONTA
F. PONTA
PONTA
F. PONTA
4,82
9,87
0,00
20,30
4,82
PONTA
A1 (230 kV ou mais)
30,17
<!ID637659-0>
TUSD + TUST + TE
ENERGIA (R$/MWh)
PONTA
F. PONTA
SECA
UMISECA
UMIDA
DA
TUSD + TUST
ENERGIA (R$/MWh)
PONTA
F. PONTA
SECA
UMISECA
UMIDA
DA
SUPERINTENDÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO
ECONÔMICA E FINANCEIRA
<!ID637651-0>
121,34
TARIFA DE ULTRAPASSAGEM - HORO-SAZONAL AZUL
SUBGRUPO
TARIFA HORO-SAZONAL AZUL
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
DESPACHO No 497, DE 20 DE ABRIL DE 2005
TE
ENERGIA (R$/MWh)
PONTA
F. PONTA
SECA
UMI- SECA UMIDA
DA
Na Resolução Homologatória nº 103, de 18 de abril de 2005, publicada no D.O. nº 75, de 20
de abril de 2005, Seção 1, pág. 130, no art. 4º; onde se lê: “7 de abril de 2006”; leia-se: “21 de abril
de 2006”.
<!ID637236-0>
O SUPERINTENDENTE DE FISCALIZAÇÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA DA AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA
ELÉTRICA - ANEEL, no uso das atribuições que lhe foram delegadas por meio da Resolução no 151, de 19 de maio de 2000,
considerando o disposto nos arts. 2o e 3o da Lei no 9.427, de 26 de
dezembro de 1996, no art. 1o da Lei no 10.604, de 17 de dezembro de
2004, no art. 28 da Lei no 8.987, de 13 de fevereiro de 1995, o pedido
da Centrais Elétricas do Pará S/A - CELPA, feito pela Correspondência VPAR232/05, de 12 de abril de 2004 e o que consta do
Processo no 48500.001678/05-10, resolve: I - aprovar a constituição
de garantias formada por recebíveis, junto à Centrais Elétricas Brasileiras S.A.- ELETROBRÁS, para operação de financiamento de
longo prazo, no valor total de R$ 40.814.768,40, considerando que os
recursos serão destinados às instalações de Distribuição para atendimento ao entorno do Lago de Tucuruí; II - estabelecer que a destinação dos recursos deverá estar estritamente vinculada ao objeto da
respectiva concessão, sendo de exclusiva responsabilidade da concessionária a gestão quanto à necessidade, oportunidade, análise dos
riscos e custo inerentes à captação dos recursos; III - ressaltar que a
possibilidade da concessionária oferecer em garantia os direitos emergentes da concessão, nos contratos de financiamento, está limitada ao
montante que não comprometa a operacionalização e a continuidade
da prestação dos serviços; IV - registrar que esta manifestação não
dará aos agentes financiadores direito de qualquer ação contra a
ANEEL, em decorrência de descumprimento, pela concessionária,
dos seus compromissos financeiros; e V - este despacho entra em
vigor na data de sua publicação.
ROMEU DONIZETE RUFINO
Nº 357 - A SUPERINTENDENTE DE QUALIDADE DE
PRODUTOS da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS
NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS - ANP, no uso das atribuições
que lhe foram conferidas pela Portaria nº 90, de 26 de maio de 2004,
e com base no disposto na Portaria nº 131, de 30 de julho de 1999,
republicada em 28 de abril de 2000, concede o registro dos produtos
abaixo, à empresa Agip do Brasil S.A., CNPJ nº 60.886.413/0001-47
.
Processo ANP : 48600.001312/2003 - 59
Marca Comercial : Agip Exida
Grau de Viscosidade: ISO 680, 460, 220, 150, 100, 68 e
32
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Óleo para lubrificação de guias e barramentos
Registro do Produto : 2143
Processo ANP : 48600.001311/2003 - 12
Marca Comercial : Agip Fin 360 EP
Grau de Viscosidade: Não se aplica
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Óleo para lubrificação de engrenagens abertas e
cabos de aço
Registro do Produto : 6163
Processo ANP : 48600.000583/2005 - 59
Marca Comercial : Agip Rotra MP 90 DB
Grau de Viscosidade: SAE 90
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Óleo lubrificante mineral para transmissões,
câmbios e diferenciais
Registro do Produto : 6939
<!ID637237-0>
AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO,
GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS
<!ID637235-0>
DESPACHOS DA SUPERINTENDENTE
Em 19 de abril de 2005
Nº 356 - A SUPERINTENDENTE DE QUALIDADE DE
PRODUTOS da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS
NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS - ANP, no uso das atribuições
que lhe foram conferidas pela Portaria nº 90, de 26 de maio de 2004,
e com base no disposto na Portaria nº 131, de 30 de julho de 1999,
republicada em 28 de abril de 2000, concede o registro dos produtos
abaixo, à empresa FL Brasil S.A., CNPJ nº 3.613.421/0001-86 .
Processo ANP : 48600.000591/2005 - 11
Marca Comercial : Akcela Transaxle Fluid 80W-140
Grau de Viscosidade: SAE 85W-140
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Óleo para transmissão automotiva
Registro do Produto : 7909
Processo ANP : 48600.003813/2004 - 51
Marca Comercial : Ambra Mastertran
Grau de Viscosidade: Não se aplica
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Óleo multifuncional para transmissões de tratores (TOU), freios de banho a óleo e sistemas hidráulicos
Registro do Produto : 6954
Processo ANP : 48600.003814/2004 - 11
Marca Comercial : Akcela Nexplore 10W-30
Grau de Viscosidade: SAE 10W30
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Óleo multifuncional para transmissões de tratores (TOU), freios de banho a óleo e sistemas hidráulicos
Registro do Produto : 6953
Processo ANP : 48600.003815/2004 - 41
Marca Comercial : Tutela MR SM
Grau: NLGI 2
Produto : Graxa lubrificante
Aplicação : Graxa para lubrificação de rolamentos a alta
temperatura
Registro do Produto : 1787
Processo ANP : 48600.003812/2004 - 14
Marca Comercial : Case Akcela Multi-Purpose Grease 25 1H
EP
Marca Comercial : Sol E-10
Grau de Viscosidade: Não se aplica
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Refrigeração e lubrificação na usinagem de me-
Grau: NLGI 2
Produto : Graxa lubrificante
Aplicação : Lubrificação de equipamentos agrícolas
Registro do Produto : 1654
Nº 358 -A SUPERINTENDENTE DE QUALIDADE DE
PRODUTOS da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS
NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS - ANP, no uso das atribuições
que lhe foram conferidas pela Portaria nº 90, de 26 de maio de 2004,
e com base no disposto na Portaria nº 131, de 30 de julho de 1999,
republicada em 28 de abril de 2000, concede o registro dos produtos
abaixo, à empresa Staff Química Ltda, CNPJ nº 01.337.398/0001-19
.
Processo ANP : 48600.006977/2000 - 14
Marca Comercial : Contact 68
Grau de Viscosidade: ISO 68
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Lubrificação de guias e barramentos, máquinas
industriais
Registro do Produto : 1529
Processo ANP : 48600.006973/2000 - 28
Marca Comercial : Lube H 32
Grau de Viscosidade: SAE 10 e ISO 32
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Fluido hidráulico e lubrificante de máquinas
industriais
Registro do Produto : 1526
Processo ANP : 48600.006978/2000 - 51
Marca Comercial : Contact 220
Grau de Viscosidade: ISO 220
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Lubrificação de guias e barramentos máquinas
industriais
Registro do Produto : 1529
Processo ANP : 48600.006971/2000 - 39
Marca Comercial : Cut 1747
Grau de Viscosidade: ISO 32
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Óleo refrigerante para usinagem de metais, uso
industrial
Registro do Produto : 1524
Processo ANP : 48600.006975/2000 - 17
Marca Comercial : Lube H 100
Grau de Viscosidade: SAE 30 e ISO 100
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Fluido hidráulico e lubrificante de máquinas
industriais
Registro do Produto : 1526
Processo ANP : 48600.006976/2000 - 61
tais
Registro do Produto : 1528
Processo ANP : 48600.006970/2000 - 94
Marca Comercial : Cut 1707
Grau de Viscosidade: ISO 10
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Óleo refrigerante para usinagem de metais, uso
industrial
Registro do Produto : 1523
<!ID637238-0>
Nº 359 - A SUPERINTENDENTE DE QUALIDADE DE
PRODUTOS da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS
NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS - ANP, no uso das atribuições
que lhe foram conferidas pela Portaria nº 90, de 26 de maio de 2004,
e com base no disposto na Portaria nº 131, de 30 de julho de 1999,
republicada em 28 de abril de 2000, concede o registro dos produtos
abaixo, à empresa Yushiro do Brasil Indústria Quimica Ltda, CNPJ nº
44.012.540/0001-60 .
Processo ANP : 48600.001460/2000
Marca Comercial : Yushiron Former S-1340
Grau de Viscosidade: Não se aplica
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Óleo lubrificante para estampagem de chapas
metálicas
Registro do Produto : 4524
Processo ANP : 48600.001561/2000 - 18
Marca Comercial : Yushiron Oil CI 7
Grau de Viscosidade: Não se aplica
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Fluido para eletroerosão e brunimento
Registro do Produto : 661
Processo ANP : 48600.001532/2000 - 31
Marca Comercial : Yushiro Ken N 10 H
Grau de Viscosidade: Não se aplica
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Fluido sintético para usinagem
Registro do Produto : 4916
Processo ANP : 48600.001533/2000 - 84
Marca Comercial : Yushiro Ken N 20
Grau de Viscosidade: Não se aplica
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Fluido sintético para usinagem
Registro do Produto : 4916
Processo ANP : 48600.001522/2000 - 11
Marca Comercial : Yushiro Ken SS 280
Grau de Viscosidade: Não se aplica
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Fluido sintético para usinagem
Registro do Produto : 2119
Processo ANP : 48600.001531/2000 - 95
Marca Comercial : Yushiro Ken N - 10
Grau de Viscosidade: Não se aplica
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Fluido sintético para usinagem
Registro do Produto : 4916
<!ID637239-0>
Nº 360 - A SUPERINTENDENTE DE QUALIDADE DE
PRODUTOS da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO - ANP, no
uso das atribuições que lhe foram conferidas pela Portaria nº 90, de
26 de maio de 2004, e com base no disposto na Portaria nº 41, de
março de 1999, concede os registros dos produtos abaixo, à empresa
Comercial DGS Importação e Exportação Ltda., CNPJ nº
67.259.275/0001-15.
Processo ANP : 48600.000553/2003 - 81
Marca Comercial : ZEP Diesel
Produto : Aditivo para combustível automotivo
Aplicação : Óleo Diesel - dosagem 150 a 1500 ppm
Registro do Produto : 389
Processo ANP : 48600.000552/2003 - 36
Marca Comercial : ZEP TOP
Produto : Aditivo para combustível automotivo
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
Aplicação : Gasolina Automotiva Tipo C - dosagem 200 a
1500 ppm
Registro do Produto : 388
<!ID637240-0>
Nº 361 - A SUPERINTENDENTE DE QUALIDADE DE
PRODUTOS da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS
NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS - ANP, no uso das atribuições
que lhe foram conferidas pela Portaria nº 90, de 26 de maio de 2004,
e com base no disposto na Portaria nº 131, de 30 de julho de 1999,
republicada em 28 de abril de 2000, concede o registro dos produtos
abaixo, à empresa Shell Brasil S.A., CNPJ nº 33.453.598/0003-95 .
Processo ANP : 48600.004599/2000 - 26
Marca Comercial : Shell Advance S 2T
Grau de Viscosidade: Não se aplica
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Lubrificante para motocicletas com motor 2 tempos, lubrificado por pré-mistura ou injeção de óleo
Registro do Produto : 751
Processo ANP : 48600.000365/2004 - 33
Marca Comercial : DMS 3200
Grau de Viscosidade: Não se aplica
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Óleo solúvel multifuncional
Registro do Produto : 7681
Processo ANP : 48600.004603/2000 - 56
Marca Comercial : Shell Advance VSX 2T
Grau de Viscosidade: Não se aplica
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Lubrificante para motocicletas com motores 2
tempos, lubrificados por pré mistura ou injeção de óleo
Registro do Produto : 757
Processo ANP : 48600.005673/2000 - 21
Marca Comercial : Shell Tellus S
Grau de Viscosidade: ISO 46
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Lubrificante para sistemas hidráulicos sujeitos à
cargas elevadas
Registro do Produto : 214
Processo ANP : 48600.000364/2004 - 99
Marca Comercial : DMS 330
Grau de Viscosidade: Não se aplica
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Industrial
Registro do Produto : 7681
Processo ANP : 48600.006022/2000 - 59
Marca Comercial : Shell Retinax HDX
Grau: NLGI 2
Produto : Graxa lubrificante
Aplicação : Aplicações múltiplas na lubrificação de veículos
Registro do Produto : 19
Processo ANP : 48600.004601/2000 - 67
Marca Comercial : Shell Advance SX 4T
Grau de Viscosidade: SAE 20W50
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Lubrificante para motocicletas com motores 4
tempos
Registro do Produto : 755
Processo ANP : 48600.002246/2003 - 34
Marca Comercial : Shell 6459 Grease N
Grau: NLGI 1
Produto : Graxa lubrificante
Aplicação : Graxa lubrificante para rolamentos
Registro do Produto : 1814
Processo ANP : 48600.003365/2003 - 12
Marca Comercial : Shell HD 0816
Grau de Viscosidade: SAE 15W-40
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Lubrificante para carter de motores a diesel
Registro do Produto : 7104
Processo ANP : 48600.000394/2004 - 11
Marca Comercial : DMS 340
Grau de Viscosidade: Não se aplica
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Industrial
Registro do Produto : 7681
Processo ANP : 48600.000366/2004 - 88
Marca Comercial : DMS 3000
Grau de Viscosidade: Não se aplica
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Industrial
Registro do Produto : 7681
Processo ANP : 48600.000395/2004 - 41
Marca Comercial : DMS 340 EP
Grau de Viscosidade: Não se aplica
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Industrial
Registro do Produto : 7681
Processo ANP : 48600.001568/2002 - 85
Marca Comercial : Shell Harvella T
Grau de Viscosidade: SAE 15W40
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Lubrificante multifuncional para tratores
Registro do Produto : 2768
Processo ANP : 48600.000396/2004 - 94
Marca Comercial : Dromus E
Grau de Viscosidade: Não se aplica
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Industrial
Registro do Produto : 7409
<!ID637241-0>
Nº 362 - A SUPERINTENDENTE DE QUALIDADE DE
PRODUTOS da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS
NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS - ANP, no uso das atribuições
que lhe foram conferidas pela Portaria nº 90, de 26 de maio de 2004,
e com base no disposto na Portaria nº 131, de 30 de julho de 1999,
republicada em 28 de abril de 2000, concede o registro dos produtos
abaixo, à empresa Pro-Tech Racing Com. Rep. Imp. Exp. Ltda, CNPJ
nº 01.900.777/0001-75 .
Processo ANP : 48600.003579/2004 - 61
Marca Comercial : Motorex Racing SD 1
Grau de Viscosidade: SAE 2,5W e 5W
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Óleo lubrificante/hidráulico, para suspensões de
motocicletas de competição.
Registro do Produto : 7984
Processo ANP : 48600.003578/2004 - 17
Marca Comercial : Motorex Bike Fork Oil 5W/10W
Grau de Viscosidade: SAE 5-10W
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Óleo lubrificante/hidráulico, para suspensões de
motocicletas de competição.
Registro do Produto : 3229
Processo ANP : 48600.003576/2004 - 28
Marca Comercial : Motorex Racing GP 2T
Grau de Viscosidade: SAE M/F3
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Óleo lubrificante para motores 2 T de motocicletas de competição.
Registro do Produto : 3226
<!ID637242-0>
Nº 363 - A SUPERINTENDENTE DE QUALIDADE DE
PRODUTOS da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS
NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS - ANP, no uso das atribuições
que lhe foram conferidas pela Portaria nº 90, de 26 de maio de 2004,
e com base no disposto na Portaria nº 131, de 30 de julho de 1999,
republicada em 28 de abril de 2000, concede o registro dos produtos
abaixo, à empresa Manguinhos Química S.A., CNPJ nº
46.011.524/0001-89 .
Processo ANP : 48600.003490/2003 - 14
Marca Comercial : LCH 320
Grau de Viscosidade: ISO 320
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Lubrificação contínua e sistemas hidráulicos
Registro do Produto : 1770
Processo ANP : 48600.003441/2003 - 81
Marca Comercial : PIN 2
Grau de Viscosidade: ISO 2
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Lubrificação geral
Registro do Produto : 1113
<!ID637243-0>
Nº 364 - A SUPERINTENDENTE DE QUALIDADE DE
PRODUTOS da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS
NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS - ANP, no uso das atribuições
que lhe foram conferidas pela Portaria nº 90, de 26 de maio de 2004,
e com base no disposto na Portaria nº 131, de 30 de julho de 1999,
republicada em 28 de abril de 2000, concede o registro dos produtos
abaixo, à empresa Melco Automotivos do Brasil Ltda, CNPJ nº
05.197.106/0001-40 .
Processo ANP : 48600.003837/2004 - 18
Marca Comercial : Multemp PS n.º 2
Grau: NLGI 2
Produto : Graxa lubrificante
Aplicação : Uso industrial - Lubrificação e montagem de
auto peças
Registro do Produto : 2213
Processo ANP : 48600.003838/2004 - 54
Marca Comercial : Multemp 6129
Grau: NLGI 1
Produto : Graxa lubrificante
Aplicação : Uso industrial - Lubrificação e montagem de
auto peças
Registro do Produto : 2214
Processo ANP : 48600.003839/2004 - 15
Marca Comercial : Multemp OA 171
Grau: NLGI 2
Produto : Graxa lubrificante
Aplicação : Uso industrial - Lubrificação e montagem de
auto peças, aplicada na engrenagem hipoidal do êmbolo do motor de
partida
Registro do Produto : 2215
<!ID637244-0>
Nº 365 - A SUPERINTENDENTE DE QUALIDADE DE
PRODUTOS da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS
NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS - ANP, no uso das atribuições
que lhe foram conferidas pela Portaria nº 90, de 26 de maio de 2004,
e com base no disposto na Portaria nº 131, de 30 de julho de 1999,
republicada em 28 de abril de 2000, concede o registro dos produtos
abaixo, à empresa Quaker Chemical Ind. e Com. S/A, CNPJ nº
00.999.042/0001-88 .
Processo ANP : 48600.000598/2005 - 17
Marca Comercial : Quaker 7500 RC
Grau de Viscosidade: Não se aplica
Produto : Óleo lubrificante
57
ISSN 1677-7042
Aplicação : Óleo lubrificante para usinagem de metais
Registro do Produto : 4097
Processo ANP : 48600.000599/2005 - 61
Marca Comercial : Quaker 822 RN
Grau de Viscosidade: Não se aplica
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Óleo lubrificante para usinagem de metais
Registro do Produto : 4098
Processo ANP : 48600.000600/2005 - 58
Marca Comercial : Quaker 7500 SF
Grau de Viscosidade: Não se aplica
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Óleo lubrificante para usinagem de metais
Registro do Produto : 4099
<!ID637245-0>
Nº 366 - A SUPERINTENDENTE DE QUALIDADE DE
PRODUTOS da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS
NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS - ANP, no uso das atribuições
que lhe foram conferidas pela Portaria nº 90, de 26 de maio de 2004,
e com base no disposto na Portaria nº 131, de 30 de julho de 1999,
republicada em 28 de abril de 2000, concede o registro dos produtos
abaixo, à empresa Maximum Indústria e Com. de Lubrificantes Import. e Export. Ltda, CNPJ nº 03.506.156/0001-37 .
Processo ANP : 48600.004112/2003 - 58
Marca Comercial : Maximum MP 00
Grau: NLGI 00
Produto : Graxa lubrificante
Aplicação : Industrial e automotiva - chassi, fusos e especialmente barras de colheitadeiras de algodão
Registro do Produto : 1966
Processo ANP : 48600.004109/2003 - 34
Marca Comercial : Maximum MP 2
Grau: NLGI 2
Produto : Graxa lubrificante
Aplicação : Automotivo e industrial - mancais de rolamento
e deslizamento
Registro do Produto : 1963
Processo ANP : 48600.004110/2003 - 69
Marca Comercial : Maximum MP 2 EP
Grau: NLGI 2
Produto : Graxa lubrificante
Aplicação : Uso automotivo e industrial - mancais de rolamento e deslizamento, ponta de eixo, cruzetas, cubo de rodas, em
cargas severas ou choques
Registro do Produto : 1964
Processo ANP : 48600.004104/2003 - 11
Marca Comercial : Maximum Master 20W50
Grau de Viscosidade: SAE 20W50
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Automotivo: motores a gasolina, álcool e GNV
Registro do Produto : 7180
Processo ANP : 48600.004106/2003 - 17
Marca Comercial : Maximum Óleo Máquina de Costura
Grau de Viscosidade: ISO 10
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Uso industrial - Lubrificação e proteção para
máquinas de costura
Registro do Produto : 7182
Processo ANP : 48600.004108/2003 - 91
Marca Comercial : Maximum Ca 2 - GR
Grau: NLGI 2
Produto : Graxa lubrificante
Aplicação : Lubrificação em geral - mancais de deslizamento, pinos graxeiros de veículos e chassis
Registro do Produto : 1962
Processo ANP : 48600.000199/2004 - 75
Marca Comercial : DIA - Super Moto 4 T 20W50
Grau de Viscosidade: SAE 20W50
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Automotivo - especialmento motos 4 tempos e
também motores a gasolina, álcool e GNV
Registro do Produto : 7198
Processo ANP : 48600.004105/2003 - 56
Marca Comercial : Maximum Corrente de Motoserra
Grau de Viscosidade: ISO 100
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Correntes de motosserra
Registro do Produto : 7181
Processo ANP : 48600.004107/2003 - 45
Marca Comercial : Maximum Ca 2
Grau: NLGI 2
Produto : Graxa lubrificante
Aplicação : Lubrificação em geral - mancais de deslizamento, pinos graxeiros de veículos e chassis
Registro do Produto : 1961
Processo ANP : 48600.004111/2003 - 11
Marca Comercial : Maximum MP2/Mo S2
Grau: NLGI 2
Produto : Graxa lubrificante
Aplicação : Industrial e automotivo - montagens industriais,
homocinéticas, mancais com elevada exigência de lubricidade, trabalhando com condições úmidas ou secas
Registro do Produto : 1965
<!ID637246-0>
Nº 367 - A SUPERINTENDENTE DE QUALIDADE DE
PRODUTOS da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS
NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS - ANP, no uso das atribuições
que lhe foram conferidas pela Portaria nº 90, de 26 de maio de 2004,
e com base no disposto na Portaria nº 131, de 30 de julho de 1999,
58
ISSN 1677-7042
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
<!ID637249-0>
republicada em 28 de abril de 2000, concede o registro dos produtos
abaixo, à empresa Dow Corning do Brasil Ltda, CNPJ nº
61.204.657/0001-65 .
Processo ANP : 48600.000534/2005 - 16
Marca Comercial : Dow Molykote G 2001
Grau: Não se aplica
Produto : Graxa lubrificante
Aplicação : Lubrificação de componentes mecânicos sujeitos
a altas rotações
Registro do Produto : 2258
Processo ANP : 48600.000533/2005 - 71
Marca Comercial : Dow Molykote D 321 R
Grau de Viscosidade: ISO 32
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Uso industrial. Aumenta a capacidade de resistência a carga e ao desgaste mecânico.
Registro do Produto : 8047
<!ID637247-0>
Nº 368 - A SUPERINTENDENTE DE QUALIDADE DE
PRODUTOS da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS
NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS - ANP, no uso das atribuições
que lhe foram conferidas pela Portaria nº 90, de 26 de maio de 2004,
e com base no disposto na Portaria nº 131, de 30 de julho de 1999,
republicada em 28 de abril de 2000, concede o registro dos produtos
abaixo, à empresa Ingrax - Ind. e Com. de Graxas Ltda., CNPJ nº
77.575.330/0001-30 .
Processo ANP : 48600.003497/2004 - 17
Marca Comercial : Fórmula Synth 10W40 e 5W40
Grau de Viscosidade: SAE 10W40 e 5W40
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Óleo lubrificante sintético multiviscoso para motores quatro tempos a gasolina, álcool e GNV
Registro do Produto : 7685
Processo ANP : 48600.003954/2004 - 73
Marca Comercial : Fórmula UNI 15W40
Grau de Viscosidade: SAE 15W40
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Óleo lubrificante multiviscoso para motores quatro tempos a gasolina, álcool e GNV
Registro do Produto : 7050
Processo ANP : 48600.003955/2004 - 18
Marca Comercial : Fórmula Tech 15W40
Grau de Viscosidade: SAE 15W40
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Óleo lubrificante multiviscoso para motores quatro tempos a gasolina, álcool e GNV
Registro do Produto : 7049
<!ID637248-0>
Nº 369 - A SUPERINTENDENTE DE QUALIDADE DE
PRODUTOS da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS
NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS - ANP, no uso das atribuições
que lhe foram conferidas pela Portaria nº 90, de 26 de maio de 2004,
e com base no disposto na Portaria nº 131, de 30 de julho de 1999,
republicada em 28 de abril de 2000, concede o registro dos produtos
abaixo, à empresa Kluber Lubrication Lubrificantes Especiais Ltda &
Cia, CNPJ nº 43.054.261/0001-05 .
Processo ANP : 48600.003829/2004 - 63
Marca Comercial : Klubersynth LP 42-32
Grau: NLGI 2
Produto : Graxa lubrificante
Aplicação : Graxa com lubrificantes sólidos para baixas temperaturas
Registro do Produto : 2221
Processo ANP : 48600.003826/2004 - 21
Marca Comercial : Kluberquiet BQ 74-73
Grau: NLGI 3
Produto : Graxa lubrificante
Aplicação : Graxa para baixo ruído para lubrificação de
longa vida de rolamentos de altas velocidades
Registro do Produto : 2219
Processo ANP : 48600.003830/2004 - 98
Marca Comercial : Klubersynth UH 1 6 150
Grau de Viscosidade: ISO 150, 220, 320, 680 e 460
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Óleos sintéticos para engrenagens e altas temperaturas para a indústria alimentícia e farmacêutica
Registro do Produto : 6095
Processo ANP : 48600.003827/2004 - 74
Marca Comercial : Kluberquiet BQH 72-102
Grau: NLGI 2
Produto : Graxa lubrificante
Aplicação : Graxa de elevada pureza para a lubrificação de
longa duração de rolamentos
Registro do Produto : 2220
Processo ANP : 48600.003828/2004 - 19
Marca Comercial : Kluberfluid DH 7-2000
Grau de Viscosidade: Não se aplica
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Fluido a base de silicone utilizado para impregnação
Registro do Produto : 7401
Processo ANP : 48600.003833/2004 - 21
Marca Comercial : Kluber Madol 950
Grau de Viscosidade: ISO 22
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Óleo de agulhas e platinas para indústria têxtil
Registro do Produto : 6908
Nº 370 - A SUPERINTENDENTE DE QUALIDADE DE
PRODUTOS da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS
NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS - ANP, no uso das atribuições
que lhe foram conferidas pela Portaria nº 90, de 26 de maio de 2004,
e com base no disposto na Portaria nº 131, de 30 de julho de 1999,
republicada em 28 de abril de 2000, concede o registro dos produtos
abaixo, à empresa Delft Oil & Energy Derivados de Petróleo Ltda,
CNPJ nº 61.365.227/0001-25 .
Processo ANP : 48600.004047/2004 - 41
Marca Comercial : Delft Heavy Duty S3
Grau de Viscosidade: SAE 15W40 e 25W50
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Uso automotivo - cárter de motores a gasolina e
a diesel
Registro do Produto : 2649
Processo ANP : 48600.004048/2004 - 96
Marca Comercial : Delft Gear EP
Grau de Viscosidade: ISO 100/68/150/1500/680/32
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Uso industrial - recomendado para caixas de
engrenagens fechadas, mancais planos e rolamentos.
Registro do Produto : 3514
Processo ANP : 48600.004049/2004 - 31
Marca Comercial : Delft Multi Grease Chassis Blue
Grau: NLGI 2
Produto : Graxa lubrificante
Aplicação : Uso industrial - recomendada para lubrificação
geral de pinos de chassis de veículos e outras aplicações onde a
temperatura não exceda 70°C.
Registro do Produto : 474
Processo ANP : 48600.004050/2004 - 65
Marca Comercial : Delft Diesel Fleet Duty
Grau de Viscosidade: SAE 25W50
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Uso automotivo - cárter de motores a diesel
Registro do Produto : 2652
Processo ANP : 48600.004051/2004 - 18
Marca Comercial : Delft Cut EPI22
Grau de Viscosidade: ISO 22
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Uso industrial - recomendado para usinagem em
metais ferrosos e não ferrosos.
Registro do Produto : 1813
Processo ANP : 48600.004052/2004 - 54
Marca Comercial : Delft Cut EI 1022
Grau de Viscosidade: ISO 22
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Uso industrial - recomendado para usinagem em
metais ferrosos e não ferrosos.
Registro do Produto : 4860
Processo ANP : 48600.004053/2004 - 15
Marca Comercial : Delft Cut A0332
Grau de Viscosidade: ISO 32
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Uso industrial - recomendado para usinagem em
metais não ferrosos.
Registro do Produto : 1812
Processo ANP : 48600.004096/2004 - 84
Marca Comercial : Delft Heavy Duty S 3
Grau de Viscosidade: SAE 50
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Uso automotivo - cárter de motores a diesel
Registro do Produto : 2649
Processo ANP : 48600.004087/2004 - 93
Marca Comercial : Delft Extra Fleet Duty CH 4
Grau de Viscosidade: SAE 15W40
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Automotivo - cárter de motores a diesel
Registro do Produto : 6884
Processo ANP : 48600.004085/2004 - 11
Marca Comercial : Delft Fluid Solcorte 819 S
Grau de Viscosidade: Não se aplica
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Uso industrial - recomendado para retificação de
metais ferrosos e não ferrosos e usinagem em geral
Registro do Produto : 4862
Processo ANP : 48600.004054/2004 - 43
Marca Comercial : Delft Cut I 1522
Grau de Viscosidade: ISO 22
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Industrial - recomendado para usinagem em metais ferrosos e não ferrosos
Registro do Produto : 4857
Processo ANP : 48600.004073/2004 - 71
Marca Comercial : Delft Multi Grease Red
Grau: NLGI 2
Produto : Graxa lubrificante
Aplicação : Industrial - para múltiplas aplicações, recomendada para lubrificação de rolamentos, chassis e outras aplicações onde
a temperatura não exceda 140ºC
Registro do Produto : 442
Processo ANP : 48600.004074/2004 - 14
Marca Comercial : Delft Grease Complexo de Lítio
Grau: NLGI 2
Produto : Graxa lubrificante
Aplicação : Industrial - recomendada para lubrificação de
rolamento, chassis de veículos e outras aplicações onde a temperatura
não exceda 240ºC
Registro do Produto : 255
Processo ANP : 48600.004092/2004 - 12
Marca Comercial : Delft Fluid Solcorte 4616
Grau de Viscosidade: ISO 32
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Industrial - recomendado para usinagem de metais ferrosos e não ferrosos (exceto magnésio e suas ligas, pois reagem com água)
Registro do Produto : 1811
Processo ANP : 48600.004056/2004 - 32
Marca Comercial : Delft Hidraulico HL
Grau de Viscosidade: ISO 46, 68, 150, 220, 320, 22, 10, 100
e 32
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Industrial - sistemas hidráulicos
Registro do Produto : 2933
Processo ANP : 48600.004094/2004 - 95
Marca Comercial : Delft Oil Treatment B 20
Produto : Aditivo para óleo lubrificante
Aplicação: Automotivo - Para motores a gasolina ou álcool,
adicionar 500 ml e para motores a diesel adicionar 1000 ml
Registro do Produto : 315
Processo ANP : 48600.004075/2004 - 69
Marca Comercial : Delft Grease Lítio EP
Grau: NLGI 3, 00, 1 e 2
Produto : Graxa lubrificante
Aplicação : Industrial - recomendada para lubrificação de
rolamentos, chassis de veículos e outras aplicações onde a temperatura não exceda 140ºC
Registro do Produto : 1316
Processo ANP : 48600.004064/2004 - 89
Marca Comercial : Delft Bluebay Outboard 2T
Grau de Viscosidade: SAE 20
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Automotivo - motores a dois tempos, refrigerados a água
Registro do Produto : 2927
Processo ANP : 48600.004070/2004 - 36
Marca Comercial : Delft Multi Grease Chassis 2
Grau: NLGI 2
Produto : Graxa lubrificante
Aplicação : Industrial - recomendada para lubrificação geral
de pinos de chassis de veículos e outras aplicações onde a temperatura não exceda 70ºC
Registro do Produto : 279
Processo ANP : 48600.004089/2004 - 82
Marca Comercial : Delft Transfluid Dexron III
Grau de Viscosidade: SAE 20W
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Automotivo - transmissões automáticas, caixa de
direção hidráulica e sistemas hidráulicos
Registro do Produto : 2660
Processo ANP : 48600.004080/2004 - 71
Marca Comercial : Delft Gear EP
Grau de Viscosidade: ISO 460, 320 e 220
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Industrial - caixas de engrenagens fechadas,
mancais planos e rolamentos
Registro do Produto : 4864
Processo ANP : 48600.004072/2004 - 25
Marca Comercial : Delft Grease Bimoli
Grau: NLGI 2
Produto : Graxa lubrificante
Aplicação : Industrial - para múltiplas aplicações, recomendada para lubrificação de rolamentos, mancais, chassis e outras aplicações onde a temperatura não exceda 140ºC
Registro do Produto : 476
Processo ANP : 48600.004071/2004 - 81
Marca Comercial : Delft Multi Grease Chassis
Grau: NLGI 00
Produto : Graxa lubrificante
Aplicação : Industrial - para aplicações em sistemas centralizados onde a temperatura não exceda 70ºC
Registro do Produto : 593
Processo ANP : 48600.004077/2004 - 58
Marca Comercial : Delft Gear Hipóide
Grau de Viscosidade: SAE 90, 140 e 80W
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Automotivo - câmbio de diferencial
Registro do Produto : 2926
Processo ANP : 48600.004066/2004 - 78
Marca Comercial : Delft Antigota
Grau de Viscosidade: ISO 46, 32, 150, 460, 68, 100 e 220
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Industrial - recomendado para lubrificação de
teares, guias e barramentos de máquinas operatrizes
Registro do Produto : 1817
Processo ANP : 48600.004099/2004 - 18
Marca Comercial : Delft Hydramac
Grau de Viscosidade: ISO 46, 32, 220, 68, 460, 320, 150 e
100
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Industrial - sistemas hidráulicos
Registro do Produto : 2934
Processo ANP : 48600.004067/2004 - 12
Marca Comercial : Delft Temp Grease
Grau: NLGI 2
Produto : Graxa lubrificante
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
Aplicação : Industrial - recomendado para lubrificar mancais
com temperatura até 160ºC
Registro do Produto : 261
Processo ANP : 48600.004068/2004 - 67
Marca Comercial : Delft Grease Grafitada
Grau : NLGI 2
Produto : Graxa lubrificante
Aplicação : Industrial - recomendada para lubrificações especiais, quando o lubrificante torna-se difícil de se manter entre as
superfícies; para mancais de baixa velocidade e mancais de vagonetes, em automóveis e juntas homocinéticas
Registro do Produto : 260
Processo ANP : 48600.004069/2004 - 11
Marca Comercial : Delft Multi Grease Chassis Red
Grau: NLGI 2
Produto : Graxa lubrificante
Aplicação : Industrial - recomendada para lubrificação geral
de pinos de chassis de veículos e outras aplicações onde a temperatura não exceda 70ºC
Registro do Produto : 468
Processo ANP : 48600.004088/2004 - 38
Marca Comercial : Delft Transfluid ATF
Grau de Viscosidade: SAE 20W
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Automotivo - transmissões automáticas, caixas
de direção hidráulica e sistemas hidráulicos
Registro do Produto : 2914
Processo ANP : 48600.004058/2004 - 21
Marca Comercial : Delft Fluid Tractor
Grau de Viscosidade: SAE 30
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Para sistema de transmissão, sistema hidráulico e
freio de tratores
Registro do Produto : 2961
Processo ANP : 48600.004084/2004 - 51
Marca Comercial : Delft Chains Oil
Grau de Viscosidade: ISO 100
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Lubrificante para corrente de motoserra
Registro do Produto : 3024
Processo ANP : 48600.004095/2004 - 31
Marca Comercial : Delft Pneumatic EP
Grau de Viscosidade: ISO 220, 150 e 100
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Industrial - recomendado para ferramentas pneumáticas
Registro do Produto : 3032
Processo ANP : 48600.004062/2004 - 91
Marca Comercial : Delft Cut EI 22
Grau de Viscosidade: ISO 22
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Industrial - recomendado para usinagem em metais ferrosos e não ferrosos
Registro do Produto : 4857
Processo ANP : 48600.004078/2004 - 19
Marca Comercial : Delft Extra Gear
Grau de Viscosidade: SAE 90, 85W140, 80W90 e 140
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Automotivo - caixa de câmbio e diferencial
Registro do Produto : 2657
Processo ANP : 48600.004082/2004 - 61
Marca Comercial : Delft Hydramac
Grau de Viscosidade: ISO 10 e 22
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Industrial - sistemas hidráulicos
Registro do Produto : 2934
Processo ANP : 48600.004076/2004 - 11
Marca Comercial : Delft Multi Grease
Grau: NLGI 2, 3, 1 e 00
Produto : Graxa lubrificante
Aplicação : Industrial - recomendada para lubrificação de
rolamentos, chassis de veículos e outras aplicações onde a temperatura não exceda 140ºC
Registro do Produto : 1315
<!ID637250-0>
Nº 371 - A SUPERINTENDENTE DE QUALIDADE DE
PRODUTOS da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS
NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS - ANP, no uso das atribuições
que lhe foram conferidas pela Portaria nº 90, de 26 de maio de 2004,
e com base no disposto na Portaria nº 131, de 30 de julho de 1999,
republicada em 28 de abril de 2000, concede o registro dos produtos
abaixo, à empresa NPR Representações e Comércio Ltda, CNPJ nº
02.824.322/0001-80 .
Processo ANP : 48600.000117/2005 - 73
Marca Comercial : Anderol HTC PG 150
Grau de Viscosidade: ISO 150
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Lubrificação de correntes
Registro do Produto : 7956
Processo ANP : 48600.000142/2005 - 57
Marca Comercial : Anderol PQ AA 1
Grau: NLGI 1
Produto : Graxa lubrificante
Aplicação : Industrial
Registro do Produto : 2234
Processo ANP : 48600.000141/2005 - 11
Marca Comercial : Anderol PQ 40 AA 2
Grau: NLGI 2
Produto : Graxa lubrificante
Aplicação : Industrial
Registro do Produto : 2235
Processo ANP : 48600.000140/2005 - 68
Marca Comercial : Anderol PQ AA 2
Grau: NLGI 2
Produto : Graxa lubrificante
Aplicação : Industrial
Registro do Produto : 2234
Processo ANP : 48600.000139/2005 - 33
Marca Comercial : Anderol 783-1
Grau: NLGI 1
Produto : Graxa lubrificante
Aplicação : Industrial
Registro do Produto : 2233
Processo ANP : 48600.000138/2005 - 99
Marca Comercial : Anderol 783-2
Grau: NLGI 2
Produto : Graxa lubrificante
Aplicação : Industrial
Registro do Produto : 2233
Processo ANP : 48600.000137/2005 - 44
Marca Comercial : Anderol 794
Grau: NLGI 2
Produto : Graxa lubrificante
Aplicação : Lubrificante para equipamentos delicados
Registro do Produto : 2232
Processo ANP : 48600.000136/2005 - 16
Marca Comercial : Anderol WRS
Grau: NLGI 0
Produto : Graxa lubrificante
Aplicação : Cabos de aço
Registro do Produto : 2231
Processo ANP : 48600.000135/2005 - 55
Marca Comercial : Anderol WRD Complex Especial
Grau: NLGI 0
Produto : Graxa lubrificante
Aplicação : Cabos de aço
Registro do Produto : 2230
Processo ANP : 48600.000134/2005 - 19
Marca Comercial : Anderol 8732
Grau de Viscosidade: ISO 32
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Industrial - fluido resistente ao fogo
Registro do Produto : 7966
Processo ANP : 48600.000133/2005 - 66
Marca Comercial : Anderol 8768
Grau de Viscosidade: ISO 68
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Industrial - fluido resistente ao fogo
Registro do Produto : 7965
Processo ANP : 48600.000132/2005 - 11
Marca Comercial : Anderol Bio Guard FRHF 32
Grau de Viscosidade: ISO 32
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Industrial -fluido resistente ao fogo
Registro do Produto : 7964
Processo ANP : 48600.000131/2005 - 77
Marca Comercial : Anderol Bio Guard FRHF 68
Grau de Viscosidade: ISO 68
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Industrial - fluido resistente ao fogo
Registro do Produto : 7964
Processo ANP : 48600.000130/2005 - 22
Marca Comercial : Anderol Open Gear XL
Grau de Viscosidade: ISO 165
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Engrenagens abertas
Registro do Produto : 7963
Processo ANP : 48600.000129/2005 - 14
Marca Comercial : Anderol PG Supreme 32
Grau de Viscosidade: ISO 32
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Compressores de ar
Registro do Produto : 7962
Processo ANP : 48600.000128/2005 - 53
Marca Comercial : Anderol PG Supreme 46
Grau de Viscosidade: ISO 46
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Compressor de ar
Registro do Produto : 7962
Processo ANP : 48600.000127/2005 - 17
Marca Comercial : Anderol Polyguard 4100
Grau de Viscosidade: ISO 22
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Engreanagens abertas
Registro do Produto : 7961
Processo ANP : 48600.000126/2005 - 64
Marca Comercial : Anderol S 46
Grau de Viscosidade: ISO 46
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Compressor de parafuso
Registro do Produto : 7960
Processo ANP : 48600.000125/2005 - 11
Marca Comercial : Anderol WRL 2000
Grau de Viscosidade: ISO 68
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Cabos de aço
Registro do Produto : 7959
ISSN 1677-7042
59
Processo ANP : 48600.000124/2005 - 75
Marca Comercial : Royco 500
Grau de Viscosidade: ISO 5
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Lubrificante para turbinas a gás
Registro do Produto : 7958
Processo ANP : 48600.000123/2005 - 21
Marca Comercial : Royco 560
Grau de Viscosidade: ISO 5
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Lubrificante para turbinas a gás
Registro do Produto : 7958
Processo ANP : 48600.000122/2005 - 86
Marca Comercial : Royco 555
Grau de Viscosidade: ISO 5
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Lubrificante para turbinas a gás
Registro do Produto : 7958
Processo ANP : 48600.000121/2005 - 31
Marca Comercial : Royco 868
Grau de Viscosidade: ISO 68
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Lubrificante para compressores
Registro do Produto : 7957
Processo ANP : 48600.000120/2005 - 97
Marca Comercial : Royco 880
Grau de Viscosidade: ISO 220
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Lubrificante para compressores
Registro do Produto : 7957
Processo ANP : 48600.000119/2005 - 62
Marca Comercial : Royco 886
Grau de Viscosidade: ISO 100
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Lubrificante para compressores
Registro do Produto : 7957
Processo ANP : 48600.000118/2005 - 18
Marca Comercial : Royco 889
Grau de Viscosidade: ISO 150
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Lubrificante para compressores
Registro do Produto : 7957
Processo ANP : 48600.000116/2005 - 29
Marca Comercial : Anderol 6068
Grau de Viscosidade: ISO 68
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Industrial - engrenagens e mancais
Registro do Produto : 7955
Processo ANP : 48600.000115/2005 - 84
Marca Comercial : Anderol PQ AA 10
Grau de Viscosidade: ISO 32
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Industrial - sistemas hidráulicos
Registro do Produto : 7954
Processo ANP : 48600.000114/2005 - 31
Marca Comercial : Anderol PQ AA Airline Lubricant
Grau de Viscosidade: ISO 22
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Industrial - ferramentas pneumáticas
Registro do Produto : 7953
Processo ANP : 48600.000113/2005 - 95
Marca Comercial : Anderol PQ AA Trolley Lubricant
Grau de Viscosidade: ISO 46
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Industrial - carretilhas em matadouros e frigoríficos
Registro do Produto : 7952
Processo ANP : 48600.000112/2005 - 41
Marca Comercial : Anderol 6220
Grau de Viscosidade: ISO 220
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Industrial - engrenagens e mancais
Registro do Produto : 7951
Processo ANP : 48600.000111/2005 - 12
Marca Comercial : Anderol 6320
Grau de Viscosidade: ISO 320
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Industrial - engrenagens e mancais
Registro do Produto : 7950
Processo ANP : 48600.000110/2005 - 51
Marca Comercial : Anderol HTC 220
Grau de Viscosidade: ISO 220
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Lubrificação de correntes
Registro do Produto : 7948
Processo ANP : 48600.000109/2005 - 27
Marca Comercial : Anderol 2150 HTCL
Grau de Viscosidade: ISO 150
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Lubrificação de correntes
Registro do Produto : 7949
Processo ANP : 48600.000108/2005 - 82
Marca Comercial : Anderol 2220 HTCL
Grau de Viscosidade: ISO 220
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Lubrificação de correntes
Registro do Produto : 7949
60
ISSN 1677-7042
Processo ANP : 48600.000107/2005 - 38
Marca Comercial : Anderol 2320 HTCL
Grau de Viscosidade: ISO 320
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Lubrificação de correntes
Registro do Produto : 7949
Processo ANP : 48600.000106/2005 - 93
Marca Comercial : Anderol HTC 460
Grau de Viscosidade: ISO 460
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Lubrificação de correntes
Registro do Produto : 7948
Processo ANP : 48600.000105/2005 - 49
Marca Comercial : Anderol 3832
Grau de Viscosidade: ISO 32
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Lubrificação para turbinas
Registro do Produto : 7947
Processo ANP : 48600.000103/2005 - 51
Marca Comercial : Anderol 500
Grau de Viscosidade: ISO 100
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Lubrificante para compressores
Registro do Produto : 7945
Processo ANP : 48600.000102/2005 - 13
Marca Comercial : Anderol 660
Grau de Viscosidade: ISO 220
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Lubrificação de correntes
Registro do Produto : 7944
Processo ANP : 48600.000101/2005 - 61
Marca Comercial : Anderol PQ AA - 20
Grau de Viscosidade: ISO 46
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Industrial - sistemas hidráulicos
Registro do Produto : 7943
Processo ANP : 48600.000100/2005 - 16
Marca Comercial : Anderol 555
Grau de Viscosidade: ISO 100
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Lubrificante para compressores
Registro do Produto : 7942
Processo ANP : 48600.000099/2005 - 21
Marca Comercial : Anderol 3032M
Grau de Viscosidade: ISO 32
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Industrial - compressores recíprocos
Registro do Produto : 7941
Processo ANP : 48600.000098/2005 - 85
Marca Comercial : Anderol 3046
Grau de Viscosidade: ISO 46
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Industrial - compressores de parafuso
Registro do Produto : 7940
Processo ANP : 48600.000097/2005 - 31
Marca Comercial : Anderol 4150
Grau de Viscosidade: ISO 150
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Engrenagens e mancais
Registro do Produto : 7939
Processo ANP : 48600.000096/2005 - 96
Marca Comercial : Anderol 4220
Grau de Viscosidade: ISO 220
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Engrenagens e mancais
Registro do Produto : 7938
Processo ANP : 48600.000095/2005 - 41
Marca Comercial : Anderol 4320
Grau de Viscosidade: ISO 320
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Engrenagens e mancais
Registro do Produto : 7937
Processo ANP : 48600.000094/2005 - 13
Marca Comercial : Anderol 4460
Grau de Viscosidade: ISO 460
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Engrenagens e mancais
Registro do Produto : 7936
Processo ANP : 48600.000093/2005 - 52
Marca Comercial : Anderol 4680
Grau de Viscosidade: ISO 680
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Engrenagens e mancais
Registro do Produto : 7935
Processo ANP : 48600.000092/2005 - 16
Marca Comercial : Anderol 5150
Grau de Viscosidade: ISO 150
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Engrenagens e mancais
Registro do Produto : 7934
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
Processo ANP : 48600.000091/2005 - 63
Marca Comercial : Anderol 5220
Grau de Viscosidade: ISO 220
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Engrenagens e mancais
Registro do Produto : 7933
Processo ANP : 48600.000090/2005 - 19
Marca Comercial : Anderol 5320
Grau de Viscosidade: ISO 320
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Engrenagens e mancais
Registro do Produto : 7932
Processo ANP : 48600.000089/2005 - 94
Marca Comercial : Anderol 5460
Grau de Viscosidade: ISO 460
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Engrenagens e mancais
Registro do Produto : 7931
Processo ANP : 48600.000088/2005 - 41
Marca Comercial : Anderol 5680
Grau de Viscosidade: ISO 680
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Engrenagens e mancais
Registro do Produto : 7930
Processo ANP : 48600.000155/2005 - 26
Marca Comercial : Anderol PQ 40 AA 1
Grau: NLGI 1
Produto : Graxa lubrificante
Aplicação : Industrial
Registro do Produto : 2235
Processo ANP : 48600.000587/2005 - 37
Marca Comercial : Anderol 3057 M
Grau de Viscosidade: -
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Lubrificante para compressores
Registro do Produto : 8066
Processo ANP : 48600.000104/2005 - 11
Marca Comercial : Anderol 650
Grau de Viscosidade: ISO 150
Produto : Óleo lubrificante
Aplicação : Lubrificação de correntes
Registro do Produto : 7946
MARIA ANTONIÊTA ANDRADE DE SOUZA
SUPERINTENDÊNCIA DE ABASTECIMENTO
AUTORIZAÇÃO Nº 128, DE 20 DE ABRIL DE 2005
<!ID637622-0>
O SUPERINTENDENTE DE ABASTECIMENTO da
AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS - ANP, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pela Portaria ANP n.º 92, de 26 de maio de 2004, e considerando as disposições da Portaria ANP no 41, de 13 de março de
2001, torna público o seguinte ato:
Art. 1º - Fica a SOLVTECH CHEMICAL DISTRIBUIDORA DE SOLVENTESLTDA., CNPJ n.º 06.697.897/0001-30, registrada sob o n.° 3225, sediada na Avenida New Jersey, n.º 570, Distrito
Industrial, no Município de Arujá - SP, autorizada ao exercício da
atividade de distribuição de solventes, conforme processo no
48620.000172/2002-82.
Art. 2º Os efeitos da presente autorização ficam condicionados à manutenção das condições, comprovadas pela empresa, para
o exercício da atividade de distribuição de solventes, à época de sua
outorga.
Art. 3º Esta autorização entra em vigor na data da sua publicação.
ROBERTO FURIAN ARDENGHY
AUTORIZAÇÃO Nº 129, DE 20 DE ABRIL DE 2005
<!ID637623-0>
O SUPERINTENDENTE DE ABASTECIMENTO da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS - ANP, no uso das atribuições que foram conferidas pela Portaria ANP n.º 92, de 26 de maio de 2004, considerando as disposições
Portaria ANP n.º 41, de 14 de março de 2001, e o que consta do processo n.º 48620.000172/2002-82, torna público o seguinte ato:
Art. 1º Fica a SOLVTECH CHEMICAL DISTRIBUIDORA DE SOLVENTES LTDA., CNPJ n.º 06.697.897/0001-30, registrada na
ANP como distribuidora de solventes sob o n.º3235, autorizada a operar as instalações de armazenamento de solventes localizadas na Av. New
Jersey, n.º 570 - Distrito Industrial, Município de Arujá - SP.
As referidas instalações compreendem os tanques verticais listados na tabela abaixo, com capacidade total de armazenamento de
933,111 m³.
N.º
1
2
3
4
5
6
Produto
Álcool Industrial
Álcool Industrial
Hexano
Xileno
Tolueno
SBP
Diâmetro(m)
5,732
5,734
5,738
5,734
5,734
5,733
Altura (m)
5,99
5,97
5,99
6,00
6,00
5,980
Capacidade (m³)
155,542
155,582
155,990
155,733
154,841
155,423
Art. 2º O objeto da presente Autorização deve ser executado em conformidade com as normas técnicas pertinentes.
Art. 3º A presente autorização tem validade até 24/04/2005, devendo a interessada apresentar nova licença de funcionamento emitida
pela CETESB, para então ser concedida a autorização de operação definitiva.
Art. 4º Esta Autorização entra em vigor na data de sua publicação.
ROBERTO FURIAN ARDENGHY
<!ID637624-0>
DESPACHOS DO SUPERINTENDENTE
Em 20 de abril de 2005
Nº 372 - O SUPERINTENDENTE DE ABASTECIMENTO DA AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS - ANP, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pela Portaria ANP nº 92, de 26 de maio de 2004, e com base na
Portaria ANP nº 116, de 05 de julho de 2000, torna pública a outorga das seguintes autorizações para o exercício da atividade de revenda
varejista de combustíveis automotivos:
Nº de Registro
MA0185299
MT0185276
AC0185293
RS0185271
PI0185319
SP0028997
MG0185322
PI0185306
BA0185272
BA0185287
AL0178800
ES0185317
PE0168050
MG0185296
PI0001706
MA0185269
SC0184659
SP0185318
SP0185301
CE0177875
MG0185303
Razão Social
J. MUNIZ TORRES
L. L. BALDUINO AUTO POSTO LTDA.
AUTO POSTO ACAUÃN LTDA.
POSTO DE COMBUSTÍVEIS MONTANA LTDA.
A.F. DA SILVA COMÉRCIO DE COMBUSTÍVEIS
COMBEBIDAS COMÉRCIO DE COMBUSTÍVEIS LTDA.
PSA COMBUSTÍVEIS LTDA.
EDNA RAMOS DE CARVALHO MELO - ME.
POSTO SERRA DO RAMALHO LTDA.
LMT COMÉRCIO E SERVIÇOS LTDA.
PAULO TOMÉ DE OLIVEIRA
POSTO MATTEDI LTDA. EPP.
POSTO NOVA DIMENSÃO LTDA.
PETROMAX COM. DE COMB. E DERIVADOS DE PETRÓLEO LTDA.
CRISTIANA KREBSKY DOS SANTOS ROCHA
L. LEANDRO SANTOS
AUTO POSTO QUARTA AVENIDA LTDA.
AUTO POSTO BAKHITA LTDA.
JOÃO MANTOVANI COMBUSTÍVEIS
POSTO RIBEIRÃO DE COMBUSTÍVEIS E LUBRIFICANTES LTDA.
POSTO LILITO LTDA.
CNPJ / CPF
07.214.099/0001-73
07.074.763/0001-26
00.524.999/0001-78
06.144.326/0001-79
07.145.103/0001-99
04.493.402/0001-26
07.197.910/0001-55
02.567.929/0001-22
03.507.581/0001-40
06.045.968/0001-10
05.408.092/0003-29
07.024.475/0001-67
01.487.773/0004-50
06.952.354/0001-12
02.357.386/0001-19
11.052.297/0001-55
06.184.943/0001-06
07.048.470/0001-74
07.099.280/0001-86
04.122.705/0001-32
18.764.084/0002-86
Processo
48610.002572/2005-94
48610.002648/2005-81
48610.002575/2005-28
48610.002851/2005-58
48610.002524/2005-12
48600.003067/2002-33
48610.002528/2005-84
48610.002569/2005-71
48610.002580/2005-31
48610.002570/2005-11
48610.011241/2004-64
48610.002525/2005-41
48610.001220/2004-31
48610.002573/2005-39
48610.008507/2000-68
48610.002577/2005-17
48600.000573/2005-13
48600.000807/2005-22
48610.002533/2005-97
48600.003940/2004-51
48610.002535/2005-86
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
1
ISSN 1677-7042
61
<!ID637625-0>
Nº 373 - O SUPERINTENDENTE DE ABASTECIMENTO da
AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS - ANP, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pela Portaria ANP n.º 92, de 26 de maio de 2004, e considerando as disposições da Portaria ANP n.º 41, de 13 de março de
2001, torna pública a outorga do registro de distribuidor de solventes,
nº 3235 , à SOLVTECH CHEMICAL DISTRIBUIDORA DE SOLVENTES LTDA., CNPJ n.º 06.697.897/0001-30, sediada na Rua Avenida New Jersey, n.º 570, Distrito Industrial, no Município de Arujá
- SP, conforme processo ANP n.º 48620.000172/2002-82.
ROBERTO FURIAN ARDENGHY
<!ID
COMPANHIA DE PESQUISA DE
RECURSOS MINERAIS
<!ID636595-1>
BALANÇO PATRIMONIAL
Relatório Anual 2004-Mensagem do Diretor-Presidente
Senhores Acionistas,
A ATUAL DIRETORIA EXECUTIVA do Serviço Geológico
do Brasil assumiu a instituição em março de 2003, encontrando uma
organização sob o peso de uma grave crise de identidade. De um
lado, reinava certa euforia técnica, pelo fato de se haver lançado a
carta geológica do Brasil, na escala 1:2.500.000, no contexto de um
projeto denominado GIS do Brasil, um produto digital de boa qualidade que promoveu um excelente upgrade tecnológico no quadro
técnico. Saindo de uma estagnação de uma década, este produto que
mobilizou profissionais de norte a sul do país, e teve recepção externa
das melhores possíveis, resgatou um pouco da auto-estima interna,
gerando a expectativa de início de um novo ciclo na vida da empresa.
Por outro lado, o inegável upgrade proporcionado pela incorporação das novas tecnologias não atingiu toda a organização,
gerando clima de insatisfação nos segmentos não envolvidos. E, mais
do que isso, sua concepção não era vislumbrada num projeto maior,
de retomada plena das atividades. Não havia compromisso governamental explícito com a construção de uma política duradoura de
geologia e recursos minerais.
Internamente, o quadro de desmotivação por questões salariais e falta de política de Recursos Humanos chegava a níveis
críticos. Reinava uma descrença generalizada, fruto dos anos seguidos
de promessas não cumpridas e da falta de horizontes institucionais.
Decorridos dois anos de nossa gestão, temos a imensa satisfação de poder anunciar um outro quadro, bastante diverso daquele
encontrado, muito embora graves questões estruturais ainda permaneçam pendentes de solução. Com transparência, paciência e grande
esforço, estamos em meio à maior reformulação já sofrida pela
CPRM, em suas três décadas de existência. No plano político, hoje
existe uma estreita e colaborativa sintonia entre os órgãos do sistema
federal de geologia e recursos minerais, sob a condução da Secretaria
de Geologia, Mineração e Transformação Mineral (SGM). Depois de
várias décadas ausentes, a CPRM volta a figurar no Planejamento
Global do Brasil, inserida que foi no Plano Plurianual do Governo,
PPA 2004/2007, através do Programa Geologia do Brasil, uma ação
específica e de inteira responsabilidade da CPRM no PPA.
Em sua concepção, o Programa Geologia do Brasil embute
todas as ações finalísticas e de apoio, dentro do nosso escopo de
atribuições legais da CPRM, figurando, no plano das macropolíticas,
entre as ações de recuperação da infra-estrutura do país, visando à
retomada do crescimento econômico sustentado. A empresa, hoje,
lida com o presente e com o futuro. Seu rumo é claro, é o rumo do
país.
O orçamento de custeio operacional da empresa incluído na
LOA em 2004, quase o dobro do orçamento de 2003, dá bem a idéia
dos novos tempos que estamos vivendo, muito embora restrições de
liberação e contingenciamento não tenham permitido sua execução
total. E as perspectivas para 2005 são ainda melhores.
Estamos operando com plena capacidade operacional, com
todas as equipes disponíveis alocadas em projetos. Para atender às
demandas, que se afiguram crescentes, estamos trabalhando, paralelamente, na arregimentação de parceiros, para a execução dos levantamentos geológicos e na formatação de concurso público, visando a reposição e a ampliação do quadro efetivo. Quatro novos
núcleos regionais foram criados, atendendo aos parceiros estaduais,
dentre os quais, os de Natal - RN e Criciúma - SC, já foram instalados, restando os de Vitória -ES e Boa Vista - RR, para instalação
em 2005.
Após consolidar a retomada dos levantamentos geológicos e
aerogeofísicos, hoje uma realidade, cabe ressaltar que estamos cada
vez mais, ampliando espaços em nossa atuação na área da pesquisa
hídrica, tanto no desenvolvimento de novos produtos, quanto na formação de novas parcerias dentre as quais salientamos a Financiadora
de Projetos - FINEP. Temos colocado como meta institucional, tornar
o Serviço Geológico reconhecido também nessa área, com o mesmo
nível de referência com que já o somos, no campo geológico. No
tocante à geologia aplicada, iniciamos uma discussão, já em 2003,
com vistas a estabelecer a filosofia de atuação que deve nortear o
Serviço Geológico nesta matéria. Entendemos ser necessária, forçosamente, uma integração dos setores técnicos e praticar cada vez
mais a transversalidade, de modo que os produtos sejam sempre
focados na geologia e nos recursos hídricos, derivando, a partir de um
sistema unificado de informações, os temas de interesse da gestão do
meio físico e dos riscos geológicos. É preciso que haja uma clareza
meridiana das linhas de atuação do Serviço Geológico, para que se
possa avançar em projetos específicos, com usuários identificados e
sem questionamentos relativos às áreas de atribuição.
Essa discussão deverá desembocar, em 2005, no bojo da
reformulação institucional da CPRM, uma das metas prioritárias da
atual gestão, cuja proposta preliminar foi encaminhada à Secretaria de
Geologia, Mineração e Transformação Mineral (SGM), onde se en-
contra, para compatibilização e desdobramentos posteriores. A proposta da Diretoria Executiva foi fruto de grande mobilização interna
e de contribuições externas e contempla sugestões de alterações legais, nos itens das atribuições, além de medidas políticas complementares, reorganização interna e políticas de gestão de recursos
humanos.
Dando continuidade aos estudos que já vinham desde 2003,
a Diretoria trabalhou durante todo o ano de 2004, na elaboração de
uma proposta de Plano de Cargos Carreiras e Salários, PCCS, que
teve o acompanhamento das entidades representativas dos trabalhadores. Atualmente esta proposta encontra-se em análise para apreciação, ajustes e futuras negociações com as instâncias governamentais superiores.
Em que pesem as restrições conjunturais, nesses últimos dois
anos os acordos coletivos firmados com os trabalhadores resultaram
em reposições significativas da inflação do período e até com ganhos,
para as parcelas de menor remuneração, mantendo todas as conquistas
tradicionais da categoria e aprimorando os instrumento de relações e
negociações, com a introdução da Mesa Permanente de Negociação.
É o resultado de todo esse esforço que se apresentará nas
próximas páginas. Delas emergirá uma instituição revigorada, em
plena atividade produtiva, cônscia de sua importância estratégica para
o país. Ainda longe de suas metas de modernização e de produtividade, mas trilhando um caminho seguro. Ao Conselho de Administração que tem dado orientação e apoio firmes à Diretoria Executiva; ao Conselho Fiscal; a todo o corpo gerencial, que tem procurado se superar ante a grandeza dos desafios presentes; e sobretudo,
ao quadro funcional, responsável maior pelo sucesso das operações da
empresa, nosso sincero reconhecimento.
Brasília, 23 de março de 2005
Agamenon Dantas
Diretor Presidente
DESTAQUES
PROMULGAÇÃO DA LEI 10.948/04
Dentre os fatos mais relevantes para o Serviço Geológico do
Brasil (CPRM) em 2004, deve-se destacar a transformação da Medida
Provisória 144 na Lei 10.848/04. Em seus dispositivos, essa lei, que
instituiu o marco regulatório do setor elétrico, prevê a aplicação de
15% da cota-parte do Ministério de Minas e Energia, dos royalties
governamentais advindos da exploração e produção de petróleo e gás
natural, em projetos e estudos destinados a promover o conhecimento
geológico do território brasileiro. A despeito do potencial de recursos
que a lei propicia, sua importância maior, no entanto, está na possibilidade de assegurar, de forma perene, uma política de longo prazo,
de geologia e recursos minerais para o país, antigo anseio da comunidade mínero-geológica brasileira, desde a década de 1980.
Em outro artigo, essa mesma lei revoga restrição da lei
8.970/94, abrindo possibilidade concreta para que a CPRM possa
efetuar pesquisas geológicas em bacias sedimentares. É o Estado
brasileiro recuperando seus instrumentos de execução de políticas
públicas, preenchendo lacuna institucional criada com a quebra do
monopólio da PETROBRAS.
Fruto de uma articulação liderada pela Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral, SGM, a consolidação
desse marco legal demonstra a seriedade com que o atual governo
trata a questão da geração de informações geológicas. Demonstra,
ainda, de forma inequívoca, a disposição governamental de promover
as medidas necessárias para consignar à CPRM uma personalidade
institucional de Serviço Geológico.
LEVANTAMENTOS GEOLÓGICOS SISTEMÁTICOS
Se 2003 foi o ano em que o governo pôde anunciar para a
sociedade a retomada dos levantamentos geológicos, mostrando as
primeiras ações efetivas, 2004 foi o ano de sua consolidação, descortinando um novo cenário para o futuro do setor mineral do país.
Os 19 projetos de mapeamentos geológicos nas escalas 1:250.000 e
1:100.000, em andamento em todas as regiões do país, envolvendo 55
folhas cartográficas, constituem marco da reversão da paralisia do
setor mineral, resgatando a infra-estrutura para o seu crescimento e,
conseqüentemente, garantindo suporte ao crescimento econômico do
país.
Cabe destacar que a seleção de áreas para os levantamentos,
na concepção atual, não obedece exclusivamente aos critérios técnicos, mas incorpora também, como itens decisivos, parâmetros regionais, buscando integrar a política de geologia e recursos minerais
às demais políticas públicas em curso. Portanto, seus objetivos finais
são a retomada do crescimento econômico sustentado, o fim das
desigualdades e a inclusão social, eixos nucleares de todas as políticas
governamentais. Nesse sentido, foram priorizados projetos situados
no Nordeste, na Amazônia, no Centro-Oeste e no Vale do Jequitinhonha (MG), sem prejuízo, evidentemente, das demais regiões do
país, onde vários projetos foram iniciados, representando cerca de 4,4
milhões de reais, somente em custeio.
Este conjunto de projetos constitui o desdobramento da ação
constante no Programa Geologia do Brasil, do PPA 2004-2007, intitulada Levantamentos Geológicos, programada e coordenada em
conjunto com a Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação
Mineral, SGM. Para atingir as metas estabelecidas até 2007, esta ação
possui uma estratégia de execução que prevê a incorporação das
universidades públicas e da iniciativa privada, num modelo de parceria que foi apresentado à comunidade no seminário Programa Nacional de Geologia - PRONAGEO, levado a cabo no dia 05/08/2004,
no Ministério de Minas e Energia.
BANCO DE DADOS GEOLÓGICOS - GEOBANK
No esforço para sustentar as atividades de levantamentos
geológicos, que é a própria razão de ser do Serviço Geológico, a
CPRM, em 2004, deu largos avanços na consolidação do maior acervo de dados geológicos do Brasil e um dos maiores do mundo, que é
o Sistema Geobank. Concebido, inicialmente, para gerar as tabelas do
Sistema de Informações da Carta Geológica do Brasil na escala
1:2.500.000, e posteriormente, da Carta do Brasil ao Milionésimo, o
Geobank, hoje, está sendo preparado para ser um sistema corporativo
centralizador e distribuidor de dados e informações de todos os temas
do meio físico territorial brasileiro, cujo conhecimento for gerenciado
pelo Serviço Geológico. Estruturado em plataforma Oracle®, atualmente o Geobank contém módulos de Litoestratigrafia, Estrutural,
Geocronologia, Geoquímica, Recursos Minerais e Afloramentos.
Acha-se em desenvolvimento o módulo de Petrografia. Muito mais
que um repositório de dados, o Geobank é uma experiência, como
poucas no mundo, que permite organizar os dados, padronizar a
linguagem e gerar sistemas de informação completos e complexos,
embutindo, em suas bibliotecas e regras de negócio, o estado da arte
do pensar geológico da instituição. Sua modelagem e desenvolvimento, desde 2001, são continuamente submetidos ao crivo do corpo
técnico e de especialistas da Casa, nos vários temas que o compõem.
LEVANTAMENTOS AEROGEOFÍSICOS NAS REGIÕES
NORTE E CENTRO-OESTE
Em função do hiato de décadas na geração de novas informações geológicas do território brasileiro e do tempo de maturação
necessário para a disponibilização dos dados referentes aos levantamentos em curso, existe uma imensa demanda privada por levantamentos aerogeofísicos, como forma de antecipar o planejamento da
seleção de áreas para investimento. De fato, a manipulação de dados
aerogeofísicos associada às modernas técnicas de geoprocessamento e
tratamento de imagem, possibilitam interpretações de grande interesse
metalogenético, justificando a ansiedade do empresariado. Além disso, os levantamentos aerogeofísicos constituem ferramentas geológicas indiretas de grande valor no mapeamento, a tal ponto que
integram, obrigatoriamente, os temas dos levantamentos geológicos,
em todo o mundo.
Nesse sentido, 2004 marcou o início de um grande esforço
da Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral
(SGM) que, em conjunto com o Serviço Geológico, patrocinou quatro
projetos de aerogeofísica (magnetometria e gamaespectrometria), nas
regiões Norte e Centro-Oeste, constituindo um investimento de R$
9,4 milhões. Ao todo, 147 mil km² de novos levantamentos foram
colocados à disposição do público, representando mais da metade de
todos os levantamentos produzidos no país na última década. Cabe
ressaltar que os levantamentos efetuados no estado de Goiás (três
áreas), foram frutos de um arranjo institucional da SGM com aquele
governo estadual, que investiu no projeto R$ 3,5 milhões de reais.
MAPAS GEOLÓGICOS ESTADUAIS
Entre suas atribuições, no cenário macropolítico, compete ao
Serviço Geológico articular e coordenar as ações da política nacional
de geologia e recursos minerais, com os organismos estaduais do
setor, promovendo a integração e complementação de interesses. Nesse sentido, a cooperação visando à geração de mapas e sistemas
digitais de informações geológicas georreferenciadas, tem sido importante instrumento de ação. Além das informações geológicas, os
sistemas estaduais incorporam dados de recursos minerais, geoquímica, geofísica e de infra-estrutura. Ao propiciar o somatório dos
dados e sua organização no padrão do Serviço Geológico, ganha o
estado, que adquire uma ferramenta dinâmica e atualizada de gestão
do patrimônio territorial e ganha a CPRM, que incorpora imensa
quantidade de novas informações ao seu acervo geológico. Dentro
dessa política estratégica, foi concluído, em 2004, o mapa geológico
do Mato Grosso do Sul e encontram-se em andamento os mapas dos
estados de Mato Grosso, São Paulo, Rondônia, Pará, Rio Grande do
Sul e Rio Grande do Norte.
RECURSOS HÍDRICOS
Uma das metas da atual gestão do Serviço Geológico é
consolidar esta instituição como geradora e provedora de dados e
informações hidrológicas, tornando-a reconhecida pela sociedade, da
mesma forma como já tem, hoje, o reconhecimento na área geológica.
A base para esse projeto de consolidação já está solidamente assentada sobre o maior banco de dados de informações hidrogeológicas do país, o sistema SIAGAS, largamente difundido, tanto interna quanto externamente, com mais de 100 mil poços cadastrados.
A empresa tem, com esse propósito, perseguido o desenvolvimento de
produtos que atendam a demandas reprimidas, visando a subsidiar o
gerenciamento e a formulação das políticas de recursos hídricos do
país, notadamente no que tange ao convívio com a seca no Semiárido. Um dos grandes passos dados nessa direção em 2004, foi a
oportunidade de colocar em prática uma proposta para recuperação e
revitalização de poços de água subterrânea, que se propõe a envolver
a comunidade usuária e a fornecer suporte técnico do tipo “pósvenda”. Caracterizando uma prática de extensão, essa metodologia,
batizada de Sistema Simplificado de Abastecimento, conseguiu a parceria da PETROBRAS, para a instalação de 50 unidades, a um custo
médio de R$ 20 mil cada sistema implantado. A idéia simples e ao
mesmo tempo revolucionária, em termos da prática corrente, é garantir o prolongamento da vida útil dos poços, o que se pretende
conseguir com a participação da população. Com isso, evita-se o
desperdício de recursos, tendo de investir nas mesmas obras a cada
evento de estiagem, alimentando a famigerada indústria da seca.
De grande relevância, tanto institucional quanto técnica, em
2004, foi a assinatura de convênio com a FINEP, órgão de financiamento de projetos oficial do Ministério de Ciência e Tecnologia, no
valor de R$4,2 milhões, visando a produzir avaliações hidrogeológicas
nas bacias interiores do semi-árido brasileiro. Considerando-se que o
comportamento hidrológico dos terrenos cristalinos já é razoavelmente
bem conhecido, a conclusão desse projeto abrirá possibilidade de se
estabelecer uma política definitiva de gerenciamento racional e integrado de todas as fontes naturais de água do semi-árido.
DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO
Durante o ano de 2004, merecem destaques especiais duas
ocorrências que bem sinalizam a preocupação da atual gestão com a
área de desenvolvimento tecnológico no Serviço Geológico:
62
ISSN 1677-7042
CECOPOMIN
Foi assinado acordo de Cooperação Técnica entre a CPRM e
o Departamento Nacional da Produção Mineral (DNPM) para a instalação, operação e manutenção do Centro Nacional de Treinamento
para o Controle da Poluição na Mineração (CECOPOMIN), que funcionará nas dependências da CPRM, em São Paulo. Trata-se de um
Centro direcionado ao controle da poluição causada por efluentes
líquidos e gasosos, poeiras, ruídos e vibrações na mineração; e ao
treinamento de técnicos dos setores público e privado, com o objetivo
de disseminar ações similares em todo o território nacional, além de
promover intercâmbio técnico com outras nações.
IMPLANTAÇÃO DA REDE GEOCHRONOS
A formação da Rede Nacional de Estudos Geocronológicos,
Geodinâmicos e Geoambientais (GeoChronos) representa um dos
mais significativos avanços observados para as pesquisas geológicas
no Brasil, graças às iniciativas do MME, MCT e PETROBRAS. A
Rede GeoChronos é a integração de laboratórios equipados com instrumental de última geração e pesquisadores de alta qualificação, que
está sendo implantada na Universidade de São Paulo e nas Universidades Federais de Brasília, Pará e Rio Grande do Sul. Essa
conquista tecnológica contou com forte apoio da CPRM, que será
uma das fornecedoras de dados e usuária da Rede, na execução de
suas pesquisas em todo o território nacional.
RELAÇÕES INTERNACIONAIS
Fruto de uma política do Governo Federal de reaproximação
com países africanos e da América Latina, destacam-se as ações
encetadas em parcerias internacionais, mormente Cuba e Moçambique. Com Cuba, firmaram-se acordos de cooperação técnica nas
áreas de aplicação geoestatística para avaliação de projetos mineiros e
montagem de bancos de dados para recursos hídricos. Com Moçambique, está-se discutindo a realização de projetos e estudos
geoambientais, incluindo recursos hídricos, bem como o treinamento
de pessoal moçambicano nessas áreas.
PRODUTOS DE IMPACTO
CARTA GEOLÓGICA DO BRASIL AO MILIONÉSIMO
Durante o ano de 2004, concluiu-se 90% do trabalho de
edição gráfica e digital desta que é a maior obra geológica do país, de
todos os tempos, um conjunto de 46 CD-ROMs, contendo toda a
cobertura cartográfica brasileira na escala 1:1.000.000 (46 folhas). O
produto será lançado em 2005, em solenidade a que se pretende dar
grande repercussão por representar a primeira síntese digital da geologia brasileira, refletindo todo o conhecimento acumulado pelo Serviço Geológico, em suas três décadas de pesquisas e levantamentos,
numa apresentação moderna, universalizada por um visualizador de
livre distribuição, desenvolvido na própria instituição.
LIVRO GEOLOGIA, TECTÔNICA E RECURSOS MINERAIS DO BRASIL
Em dezembro de 2004 concluíram-se todos os trabalhos de
edição gráfica e digital desta obra que sintetiza o entendimento da
geologia do continente sul-americano à luz dos avanços obtidos com
a modelagem do território brasileiro, a partir da carta geológica do
Brasil na escala 1:2.500.000. Além do texto, que contou com a
colaboração de pesquisadores de universidades e parceiros institucionais, a obra apresenta uma inovação tecnológica ímpar no mundo
editorial geológico: um DVD que inclui o próprio texto, porém enriquecido e dinamizado com links para figuras e mapas, tornando-se
uma obra viva, de grande facilidade de consulta. Também será lançado em 2005.
<!ID636595-2>
CAPACITAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS
TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO
Um dos grandes avanços da Gestão, em 2004, foi conseguir
disciplinar, de forma definitiva, a atividade de treinamento e aperfeiçoamento profissional internos, com a edição de uma instrução
normativa que estatui, em detalhes, a política setorial da empresa.
Nesse instrumento normativo ficam estabelecidos desde a definição
dos tipos de treinamento, passando pelos pré-requisitos para seleção,
chegando até à fixação de punições para os casos de abandono do
curso ou desatendimento ao prazo mínimo de permanência na empresa após sua conclusão. Foi com base em seus ditames que foram
gerenciados os 62 cursos de mestrado e doutorado financiados pela
empresa em 2004, constituindo um contingente em treinamento de
nível superior, de cerca de 11% de seu quadro técnico.
PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS TÉCNICOS
Foi significativamente expressiva a participação da CPRM
em eventos, congressos e feiras técnico-científicos, em 2004, cabendo
destacar:
PDAC 2004
Feira internacional de mineração, que ocorre anualmente, em
Toronto, no Canadá. A CPRM montou o stand Pavillion Brazil, custeado em conjunto com a Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral (SGM), o Departamento Nacional de Produção
Mineral (DNPM) e a iniciativa privada, através da Agência de Desenvolvimento da Indústria Mineral Brasileira (ADIMB).
SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EXPLORAÇÃO MINERAL - SIMEXMIN
Promovido pela ADIMB, este evento, realizado em Ouro
Preto - MG, em maio de 2004, representa uma feira de negócios
internacionais, a exemplo do PDAC. A CPRM participou com stand
conjunto com a Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação
Mineral (SGM), e o Departamento Nacional de Produção Mineral
(DNPM), além de patrocinar a inscrição de 15 trabalhos e a participação de 41 técnicos.
32º CONGRESSO INTERNACIONAL DE GEOLOGIA,
FLORENÇA, ITÁLIA
Ocorrido em agosto de 2004, este evento contou com a
presença do Diretor-Presidente do Serviço Geológico que, além disso,
custeou a inscrição de 16 trabalhos e liberou os técnicos interessados
em participarem por conta própria, do evento. Nessas condições, três
profissionais do Serviço Geológico participaram do Congresso.
XLII CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOLOGIA, ARAXÁ-MG, 17 A 22 DE OUTUBRO DE 2004
O Serviço Geológico destacou este evento como prioritário
em 2004, elegendo-o como marco para anunciar a concretização da
retomada dos levantamentos geológicos e aerogeofísicos, selando o
1
compromisso do atual governo com a comunidade mínero-geológica
do país. Além de co-patrocinar estande conjunto na exposição EXPOGEO 2004, com as demais entidades do sistema federal de geologia e recursos minerais (Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral (SGM), Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) e PETROBRAS) a CPRM patrocinou inscrição de 110
técnicos, 95 com trabalhos inscritos, sendo responsável por 32 apresentações orais e 40 posters.
XIII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA, CUIABÁ-MT, 19 A 22 DE OUTUBRO DE 2004
O maior evento de água subterrânea do Brasil, promovido
pela Associação Brasileira de Água Subterrânea (ABAS), ocorreu, em
2004, em Cuiabá - MT, contando com 13 participantes do Serviço
Geológico, dos quais, 11 apresentaram trabalhos.
PREMIAÇÕES EM 2004
Em 2004, técnicos e diretores do Serviço Geológico foram
premiados nos seguintes eventos:
XLII CBG: Premiados: O Diretor-Presidente, Agamenosn
Dantas; os geólogos Augusto Pedreira (SUREG-SA), Ernesto Von
Sperling (SUREG-BH); o administrador Osvaldo Castanheira, (SUREG-BH);
FOREST 2004: Durante o VII Congresso Internacional sobre
Florestas, FOREST 2004, promovido pela ONG Instituto Ambiental
Biosfera, em Brasília, em outubro de 2004, o Diretor-Presidente,
Agamenosn Dantas;
CENTROS INTEGRADOS DE ESTUDOS GEOLÓGICOS,
CIEGS
Em fevereiro de 2004, foi lançada a pedra fundamental do
Centro Integrado de Estudos Multidisciplinares de Apiaí, uma área de
sete alqueires, cedida em comodato pela prefeitura do município
homônimo. Trata-se de uma experiência inovadora de agregação de
parceiros empresariais e do mundo acadêmico, num arrojado projeto
de capacitação e experimentos metodológicos e tecnológicos. São
parceiras nessa iniciativa, as universidades de Campinas, UNICAMP,
de Rio Claro, UNESP, de São Paulo, USP e do Paraná, UFPR. Do
mundo empresarial, participam o Instituto Tecnológico de São Paulo,
IPT, o Instituto Geológico de São Paulo, IG e a Minerais do Paraná,
MINEROPAR. Ainda em 2004, iniciaram-se as obras de recuperação
das instalações, estando previsto para o mês de maio de 2005, o início
efetivo do calendário de atividades.
AÇÕES ESPECIAIS DE GESTÃO E TRANSPARÊNCIA
Em 2004 a Diretoria Executiva prosseguiu em seu propósito
de aprimorar, democratizar e dar transparência à gestão da empresa,
consolidando algumas medidas fundamentais, que bem demonstram o
compromisso da gestão atual com a eficiência e a participação como
pressupostos para o futuro:
PROPOSTA PRELIMINAR DE REFORMULAÇÃO INSTITUCIONAL DA EMPRESA
A Diretoria executiva da CPRM submeteu à Secretaria de
Geologia, Mineração, Exploração e Transformação Mineral, proposta
preliminar de reformulação institucional e organizacional da empresa,
da qual fazem parte sugestões de: alterações na legislação que define
o estatuto e as atribuições da empresa; medidas governamentais complementares, novo organograma e nova política de recursos humanos.
CRIAÇÃO DA OUVIDORIA
Foi instituída a Ouvidoria na CPRM, em novembro de 2004,
com a função de estabelecer um canal de comunicação com o público, tendo em vista o atendimento do usuário nas questões que se
referem ao desempenho e atuação da Instituição, como órgão público.
ADOÇÃO DO CÓDIGO DE ÉTICA
A Diretoria Executiva aprovou seu código de ética, transformado em norma interna, dotando a instituição de um instrumento
moderno de regulação do comportamento dos gestores e servidores,
segundo o figurino da moralidade pública.
MODERNIZAÇÃO GERENCIAL
Em 2004 a Administração do Serviço Geológico consolidou
a prática do pregão eletrônico em suas aquisições e licitações nacionais, reduzindo em até 57% os preços estimados, em relação aos
processos tradicionais. Além disso, deu-se início à modelagem do
banco de dados e do sistema de gerenciamento de projetos, uma
prioridade da Direção da Empresa, que deverá entrar em operação em
julho de 2005. Esse sistema, modelado com a participação de todas as
áreas da empresa, visa instituir ferramentas de cadastro e acompanhamento de projetos, permitindo aos gestores e executores manterem controle, em tempo real, sobre a execução físico-financeira de
seus projetos.
CRIAÇÃO DE NOVOS NÚCLEOS REGIONAIS
Dando prosseguimento à política de consolidar a presença
nacional do Serviço Geológico, como forma de estreitar relações com
estados com reconhecido potencial para parcerias, foi instalado em
2004, o Núcleo de Apoio de Natal - RN, ocupando instalações cedidos pela Secretaria de Indústria e Comércio. Contando com um
Titular e dois funcionários de apoio (técnico e administrativo), o
Núcleo potiguar gerencia a execução do mapa geológico do estado e
articula novas possibilidades de parcerias institucionais.
DESEMPENHO FINANCEIRO POSITIVO
A apuração das operações contábeis da CPRM registrou um
desempenho financeiro positivo de R$292 mil, demonstrando sinais
de recuperação, se comparado com o resultado negativo apresentado
no exercício passado.
GESTÃO FINANCEIRA
DESTINAÇÃO DO RESULTADO
No exercício de 2004, a CPRM obteve um resultado positivo
de R$ 291.476,10, conforme evidenciado nas Demonstrações Financeiras anexadas ao presente relatório.
A Administração da CPRM está propondo à Assembléia
Geral a seguinte distribuição do resultado do exercício 2004:
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
Constituição de Reserva Legal de 5% do Lucro Líquido, no
valor de R$ 14.573,81, de acordo com o Artigo 193 da Lei nº
6.404/76 e artigo 50-I do Estatuto.
Destinar 25% para o pagamento de dividendos, conforme
artigo 50-II, do Estatuto, no valor de R$ 69.225,57.
Transferência do saldo remanescente, no valor de R$
207.676,72, para ser incorporado à Conta de Lucros Acumulados
COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS - CPRM
BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003
(Em milhares de reais)
AT I V O
2004
2003
37.224
24.822
Bens numerários e depósitos bancários a vista
11.822
9.889
Repasses Previdência Privada
13.168
0
Contas a receber
1.430
4.596
Materiais
374
1.863
Impostos a recuperar
1.491
1.380
Adiantamentos para despesas
1.605
0
Depósitos e cauções
1.286
1.347
Recursos a receber restos a pagar
5.979
5.138
Outros créditos
69
609
107.531
14.546
Repasses Previdência Privada
90.959
0
Fundo financeiro de pesquisa mineral
2.189
2.029
Pesquisa e avaliação de depósitos de substâncias mi- 8.205
nerais
7.540
Direitos minerais a negociar
12
12
Adquirentes de direitos minerais
4.337
3.467
Financiamentos à pesquisa mineral
1.134
1.059
Outros créditos
695
439
24.426
23.054
Investimentos
504
505
Imobilizado
23.877
22.504
Diferido
45
45
169.181
62.422
CIRCULANTE
REALIZÁVEL A LONGO PRAZO
PERMANENTE
TOTAL DO ATIVO
As notas explicativas são parte integrante
das demonstrações contábeis
PASSIVO
CIRCULANTE
2004
2003
36.743
21.267
Fornecedores
3.640
8.523
Repasses Previdência Privada
13.168
0
Financiamentos a pagar
150
158
Impostos e encargos sociais a pagar
2.501
2.476
Provisão para férias
8.450
4.457
Provisão para contingências
750
750
Contas e despesas a pagar
2.058
394
Convênios com Entidades Diversas
3.920
2.745
Créditos subvencionados para indenização de acionis- 1.689
tas
1.719
Credores por aquisição de direitos minerais
45
45
Dividendos propostos
69
0
Credores diversos
303
0
91.367
587
Repasses Previdência Privada
90.959
0
Financiamentos a pagar
408
587
RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS
0
0
PATRIMÔNIO LÍQUIDO
41.071
40.568
Capital realizado atualizado
26.773
26.773
Reservas de capital
6.380
6.372
Reservas de reavaliação
6.965
7.281
Reservas de lucros
115
101
Lucros acumulados
838
41
169.181
62.422
EXIGÍVEL A LONGO PRAZO
TOTAL DO PASSIVO
As notas explicativas são parte integrante
das demonstrações contábeis
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
63
ISSN 1677-7042
Nas Operações
AGAMENON SERGIO LUCAS DANTAS
ALVARO ROGÉRIO ALENCAR SILVA
Resultado líquido do exercício
Diretor-Presidente
Diretor de Administração e Finanças
Lucro (Prejuízo) por ação
291
(3.811)
0,10
(1,29)
Prejuízo Líquido
0
3.811
Aumento do Realizável a Longo Prazo
92.906
686
Repasses Previdência Privada
90.959
0
Fundo Financeiro de Pesquisa Mineral - Financiamentos
87
85
<!ID636595-3>
MANOEL BARRETTO DA ROCHA NETO JOSÉ RIBEIRO MENDES
Diretor de Geologia e Recursos Minerais
FERNANDO PEREIRA DE CARVALHO
Diretor de Hidrologia e Gestão Territorial
PALMIRO FRANCO CAPONE
As notas explicativas são parte integrante
das demonstrações contábeis
2004
ORIGENS DE RECURSOS
93.684
2003
4.069
Diretor de Relações Institucionais e Desen- Contador CRC-RJ 022.372/T-2-DF
volvimento
CPF 108981077-68
Nas Operações
1.943
2.583
Lucro Líquido
291
0
Mais: Encargos Que Não Representam Saída de Recursos:
1.971
3.317
Depreciação e Amortização
2.021
3.493
Variações Monetárias de Financiamentos a Longo Prazo
(50)
(176)
Pesquisa e Avaliação de Depósitos de Substâncias Mine- 482
rais
436
Financiamentos à Pesquisa Mineral
49
43
Depósitos para Recursos
1.302
0
Outros
27
122
Redução do Exigível a Longo Prazo
129
127
Financiamentos - Transferido para o Circulante
129
127
Baixas no Patrimônio Líquido
69
0
Aumento do Ativo Permanente
3.654
1.157
Imobilizado
3.654
1.157
Aumento (Redução) do Capital Circulante Líquido
(3.074)
(1.712)
No início do Exercício
24.822
27.528
No Fim do Exercício
37.224
24.822
12.402
(2.706)
No Início do Exercício
21.267
22.261
No Fim do Exercício
36.743
21.267
15.476
(994)
(3.074)
(1.712)
COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS - CPRM
DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003
(Em milhares de reais)
2004
2003
Menos:Receitas Que Não Representam Ingresso de Recursos 319
734
Variações Monetárias de Ativos Realizáveis a Longo Prazo
734
Receitas de prestação de serviços e de operações de 1.093
pesquisas
16.337
Receitas de subvenções para operações de pesquisas
128.947
88.079
130.040
104.416
De outras Fontes
Custo de prestação de serviços e de operações de pes- (71.370)
quisas
(61.387)
Baixa de Itens do Imobilizado
261
1.201
Redução do Realizável a Longo Prazo
240
228
Lucro bruto
43.029
Repasses Previdência Privada
90.959
0
Adições ao Patrimônio Líquido
281
57
58.670
319
VARIAÇÃO DO CAPITAL CIRCULANTE
Aumento do Exigível a Longo Prazo
Receitas (despesas) operacionais
Financeiras, líquidas
736
1.377
Gerais e administrativas
(59.105)
(46.077)
Honorários da administração superior
(874)
(703)
(59.243)
(45.403)
Resultado líquido operacional
(573)
(2.374)
Receitas (menos despesas) não operacionais
1.286
(1.005)
Ativo circulante:
As notas explicativas são parte integrante
Passivo circulante:
das demonstrações contábeis
COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS - CPRM
DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS
Resultado antes do imposto de renda e contribuição 713
social
(3.379)
Contribuição social
(115)
(118)
Provisão para o imposto de renda
(307)
(314)
EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003
(Em milhares de reais)
Aumento (Redução) do Capital Circulante Líquido
APLICAÇÕES DE RECURSOS
2004
2003
96.758
5.781
As notas explicativas são parte integrante
das demonstrações contábeis
COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS - CPRM
DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003
(Em milhares de reais)
Capital
Reservas de Capital
Subscrito
Subvenções
Reserva
Reserva
Lucros
Reserva
de
de Lucros
(Prejuízos)
Especial
Reavaliação
Legal
Acumulados
1.567
7.597
101
3.206
44.323
(274)
(316)
590
0
Incorporação de Saldos não Financeiros
56
56
Prejuízo Líquido do Exercício
(3.811)
(3.811)
41
40.568
589
0
(14)
0
(69)
(69)
Integralizado
Total
Lei 8200
Saldos em 31 de dezembro de 2002
26.773
5.079
Realização de Reservas
Saldos em 31 de dezembro de 2003
26.773
5.079
Realização de Reservas
1.293
7.281
(273)
(316)
Reserva Legal
101
14
Dividendos Autorizados
Doações
281
281
Lucro Líquido do Exercício
Saldos em 31 de dezembro de 2004
As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis
26.773
5.079
1.301
6.965
115
291
291
838
41.071
64
ISSN 1677-7042
NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS
EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003
NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL
A Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais - CPRM é uma
sociedade por Ações constituída pela União, na forma do decreto-lei
no 764, de 15 de agosto de 1969, transformada em empresa pública
pela Lei no 8.970, de 28 de dezembro de 1994 e vinculada ao Ministério de Minas e Energia.
Para a total e fiel consecução de seus objetivos sociais, compete à
CPRM dominar o conhecimento das Geociências no interesse do País,
nelas incluídas a Geologia em seus diversos campos, a Hidrologia e
outras ciências afins, bem como a gestão destas informações, devendo, especificamente:
1) subsidiar a formulação da política mineral e geológica, participar
do planejamento, da coordenação e executar os serviços de geologia
e hidrologia de responsabilidade da União em todo o território nacional;
2) estimular o descobrimento e o aproveitamento dos recursos minerais e hídricos do país;
3) orientar, incentivar e cooperar com entidades públicas ou privadas
na realização de pesquisas e estudos destinados ao aproveitamento
dos recursos minerais e hídricos do país;
4) elaborar sistemas de informações, cartas e mapas que traduzam o
conhecimento geológico e hidrológico nacional, tornando-o acessível
aos interessados, resguardando o interesse nacional;
5) colaborar em projetos de preservação do meio ambiente em ação
complementar à dos órgãos competentes da administração pública
federal, estadual e municipal;
6) realizar pesquisas e estudos relacionados com os fenômenos naturais ligados à terra, tais como terremotos, deslizamentos, enchentes,
secas, desertificação e outros ligados à sua área de atuação, bem
como os relacionados a paleontologia e a geologia marinha;
7) dar apoio técnico e científico aos órgãos da administração pública
federal, estadual e municipal, no âmbito de sua área de atuação.
NOTA 2 - APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS
A escrituração e as demonstrações contábeis são elaboradas com base
no Sistema Integrado de Administração Financeira - SIAFI e apresentadas em observância à Lei nº 6.404/76.
NOTA 3 - PRINCIPAIS DIRETRIZES CONTÁBEIS
a) o resultado é apurado pelo regime de competência do exercício;
b) os financiamentos a empresas de mineração, para aplicação em
empreendimentos específicos de pesquisa mineral, quando concedidos
sem cláusula de risco, são registrados em contas do ativo circulante
e/ou do ativo realizável a longo prazo; quando a CPRM participa do
risco da pesquisa, são registrados em conta do ativo realizável a longo
prazo, até que seja apurado o resultado final da pesquisa;
c) os materiais em almoxarifado estão registrados ao custo médio de
aquisição, que é inferior ao de reposição;
d) as inversões financeiras estão registradas pelo valor de custo,
acrescidas dos rendimentos proporcionais ao tempo decorrido até o
final do exercício;
e) os investimentos estão registrados ao custo corrigido monetariamente até 31.12.95 e ajustados ao valor de mercado, quando aplicável;
f) os bens componentes do ativo imobilizado, em uso, e as imobilizações em curso, estão registrados ao valor de aquisição, incorporação e/ou construção, corrigidos monetariamente até 31/12/1995;
g) as depreciações dos bens do ativo imobilizado são calculadas pelo
método linear, em função do tempo de vida útil dos bens, sendo as
taxas de depreciação, normalmente praticadas pela CPRM, as seguintes:
Imóveis 4% a.a,
Equipamentos: Operação 10% a.a.- Transporte 20% a.a.- Diversos
10% a.a.
A NOTA 4 - CONTAS RECEBER
1
NOTA 6 - ADQUIRENTES DE DIREITOS MINERAIS LONGO PRAZO
Sob este título estão registrados os créditos a receber da
Eucatex Mineral Ltda., provenientes da cessão de direitos minerais,
efetuada em caráter irrevogável e irretratável, pela CPRM, à Companhia Energética de São Paulo - CESP, nos termos definidos na
“escritura de cessão de direitos minerais”, firmada entre as partes, em
24 de setembro de 1986, transferidos e cedidos pela CESP à Eucatex
Mineral Ltda., com a interveniência da CPRM, por escritura pública
lavrada em 11/11/1993.
Os direitos minerais cedidos à Eucatex Mineral Ltda. são
resultantes de pesquisas, bem sucedidas, de “turfa”, realizadas pela
Companhia, em uma área de 2.730 hectares do “Projeto Caçapava”,
localizada no Estado de São Paulo, cujos relatórios de pesquisa já
foram aprovados pelo Departamento Nacional da Produção Mineral DNPM.
Está também registrada sob este título, a cessão dos direitos
minerários aos resultados das pesquisas de carvão mineral realizadas
no município de Sapopema, Estado do Paraná, à Carbocampel S/A ,
com a anuência da Minerais do Paraná S/A - MINEROPAR, conforme termo de compromisso firmado em 13/12/83 e escritura pública
lavrada no 21º Ofício de Notas do Estado do Rio de Janeiro, em
30/10/2001, no valor de R$ 2.258 mil.
As referidas pesquisas foram realizadas com recursos recebidos da União, provenientes do Fundo Financeiro de Pesquisa
Mineral (DL no 1.297/73 e DL no 1.387/75) e do Programa de Mobilização Energética.
Os créditos foram corrigidos com base em índices oficiais e
contratuais.
O saldo líquido apresentado no Ativo Realizável a longo
prazo de R$ 4.337 mil representa o valor de R$ 5.469 mil, deduzindose R$ 1.132 mil, relativo à Provisão de Riscos Contratuais.
NOTA 7 - FINANCIAMENTOS À PESQUISA MINERAL
No ativo realizável a longo prazo estão registrados sob o
título de fundo financeiro de pesquisa mineral, pesquisa e avaliação
de depósitos de substâncias minerais e financiamentos à pesquisa
mineral, valores de contratos de financiamentos com cláusula de risco
celebrados com mineradoras privadas nacionais, com recursos dos
programas citados, pendentes de liquidação, por se encontrarem em
cobrança judicial conforme ações ajuizadas pelos agentes financeiros
ou por falta de aprovação do relatório final de pesquisa, pelo Departamento Nacional da Produção Mineral - DNPM.
Os saldos líquidos apresentados no Ativo Realizável a longo
prazo de R$ 11.528 mil representam o valores no total de R$ 14.461
mil , deduzindo-se R$ 2.933 mil, relativo à Provisão de Riscos Contratuais.
<!ID636595-4>
NOTA 8 - OUTROS CRÉDITOS - LONGO PRAZO
O valor registrado a título de outros créditos representa parcelas transferidas de contas a receber do ativo circulante, relativas a
créditos por notas de débito pela outrora cessão de empregado à
Assembléia Legislativa do Amapá, em processo de cobrança judicial
e direitos relativos aos empréstimos compulsórios, sobre veículos e
combustíveis.
NOTA 9 - IMOBILIZADO
R$ Mil
2004
32.928
32.737
Instalações
407
417
Equipamentos:
Operação
8.422
10.618
Transporte
5.175
5.131
Diversos
11.748
8.667
Direitos de uso de telefones
163
163
Documentação, museus e objetos de arte
8.903
8.903
67.746
66.636
Depreciações acumuladas
R$ Mil
2004
2003
Serviços faturados
1.093
4.102
Outros valores a receber
337
494
1.430
4.596
2003
Imóveis
Imobilizações em curso
(47.403)
(47.280)
20.343
19.356
3.534
3.148
23.877
22.504
NOTA 10 - DIFERIDO
Registra como contrapartida, a atualização monetária incorrida sobre
valores recebidos como parte do preço de cessão de direitos sobre
jazida de carvão.
NOTA 11 - FINANCIAMENTOS A PAGAR
Sua composição, expressa em percentuais, é a seguinte:
- Agência Nacional de Águas - ANA 18%
- Departamento de Águas e Energia Elétrica - SP 33%
R$ Mil
- Outros Clientes Públicos e Privados 49%
2004
2003
2004
2003
Circulante
Circulante
Longo Prazo
Longo Prazo
Os valores acima correspondem a serviços executados até
31/12/2004, apropriados à receita pelo regime de competência, cujo
recebimento de suas faturas está previsto para o início de 2005.
NOTA 5 - MATERIAIS
R$ Mil
2004
2003
Almoxarifado
326
312
Minérios de lavra experimental
0
5
Outros materiais
48
1.546
374
1.863
Em moeda estrangeira (1) 150
158
408
587
150
158
408
587
(1) Correspondem a US$ 312 mil em 31/12/2004, sendo, renegociados conforme contratos bilaterais para reestruturação da dívida
externa do setor público, celebrados pelo Governo Brasileiro e Países
credores, vencíveis de 30/06/1995 a 30/12/2006, em 24 parcelas semestrais.
NOTA 12 - PROVISÃO PARA CONTINGÊNCIAS
A provisão para contingências apresenta registrado o valor de R$ 750
mil, para fazer face a possíveis situações futuras de perdas que possam ocorrer. Nesta provisão não estão consideradas as ações trabalhistas contra a Companhia, pelas mesmas estarem consignadas no
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
Programa “Cumprimento de Sentença Judicial Transitada em Julgado
devida por Empresas Públicas e Sociedades de Economia Mista”,
como fonte “Tesouro”, no Orçamento Geral da União, considerando
que numa eventual condenação os recursos necessários para seu pagamento serão repassados pela União.
NOTA 13 - CRÉDITOS SUBVENCIONADOS PARA INDENIZAÇÃO
DE ACIONISTAS
Iniciado em novembro de 2000 o processo de indenização de todos os
acionistas, pessoas físicas e pessoas jurídicas de natureza exclusivamente privada, cujas ações foram desapropriadas pela Lei no
8.970/94. Repassados pelo Ministério da Fazenda, através da Secretaria do Tesouro Nacional ao Ministério de Minas e Energia e
posteriormente à CPRM, a dotação global de R$ 4.631 mil e respectivos recursos financeiros. A contra-partida do ingresso desses
recursos está registrada no Ativo Circulante - Bens numerários e
depósitos bancários a vista, na conta Única do Tesouro Nacional.
Até 31 de dezembro de 2004 foram indenizados cerca de 885 acionistas, perfazendo o valor de R$ 2.955 mil, faltando ainda indenizar
640 acionistas, até o valor limite autorizado pela Secretaria do Tesouro Nacional de R$ 3.250 mil, corrigido até 30.06.2000 e para
efeito de indenização até a data do efetivo pagamento.
NOTA 14 - PROVISÃO PARA RISCOS CONTRATUAIS
A Provisão para Riscos Contratuais, contabilizada até 31.12.2004,
está registrada no valor de R$ 4.065 mil. A contra-partida está registrada como redutora das contas do Ativo Realizável a Longo Prazo, que estão demonstradas pelo seu valor líquido após a dedução da
respectiva provisão.
NOTA 15 - CAPITAL SOCIAL
Em 31 de dezembro de 2004, o Capital Social integralizado no valor
de R$ 26.772.942,38, está representado por 2.948.172 ações, sendo
2.631.150 ações ordinárias e 317.022 ações preferenciais, todas nominativas e sem valor nominal. Iniciado em novembro de 2000 o
processo de indenização de acionistas pessoas físicas e pessoas jurídicas de natureza exclusivamente privada, resultando que a participação da União no capital da Empresa alcançou o percentual de
97,33%, ficando o restante de 2,67% em poder de pessoas jurídicas
de direito público interno e entidades da administração indireta da
União, dos Estados, Distrito Federal e Municípios, conforme preceitua o seu Estatuto.
NOTA 16 - RESERVA DE REAVALIAÇÃO
A realização das reservas de reavaliação foram contabilizadas, no
exercício, proporcionalmente às depreciações ocorridas, em contrapartida à conta de Resultados Acumulados.
NOTA 17 - SUBVENÇÕES PARA OPERAÇÕES E INVESTIMENTOS
A partir de 1991, a Companhia passou à condição de Entidade Supervisionada. Nesse novo quadro, está incluída no Orçamento da
União, com recursos básicos para o seu funcionamento, sem perder
sua condição de sociedade por ações.
Os recursos recebidos mensalmente para operações são creditados no
Passivo Circulante, na conta Créditos de Subvenções para Operações
e são transferidos, mensalmente, para Receitas Operacionais nas subcontas do grupo Renda de Subvenções para Operações, por ocasião
de sua realização, pela aplicação desses recursos, dentro do objeto de
sua destinação. Do total de créditos orçamentários autorizados da
fonte Tesouro de R$ 141.187 mil, os repasses financeiros efetivamente recebidos foram de R$ 25.807 mil.
No Sistema Contábil SIAFI, em lançamentos decorrentes do encerramento do exercício, foram registrados recursos diferidos ou recursos a receber / a liberar, com base no saldo das disponibilidades
por fonte de recursos, resultando no valor líquido registrado no Ativo
Circulante como Recursos a receber - restos a pagar, no valor de R$
5.979 mil.
NOTA 18 - PREVIDÊNCIA PRIVADA
A partir do exercício de 2004, reconhecemos no balanço patrimonial,
no Ativo Circulante, no Realizável a Longo Prazo, no Passivo Circulante e no Exigível a Longo Prazo, sob o título “Repasses Previdência Privada”, os valores devidos à BB Previdência - Fundo de
Pensão do Banco do Brasil, relativos ao tempo de serviço passado do
Plano de Previdência Complementar de seus empregados, cujos recursos estão consignados no “Programa Contribuição à Previdência
Privada” como fonte do Tesouro, no Orçamento Geral da União,
através de parcelas anuais, vencíveis no mês de julho de cada exercício até o ano de 2016, com o valor total estimado de R$ 104.127
mil, sendo R$ 13.168 mil no Circulante e R$ 90.959 mil no Longo
Prazo.
NOTA 19 - IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL
A Companhia nesse exercício apurou R$ 422 mil, entre Imposto de
Renda e Contribuição Social, de acordo com a Legislação em vigor
que só permite compensar no máximo 30% do lucro fiscal, embora
haja disponibilidade de créditos no LALUR.
NOTA 20 - RECEITAS E DESPESAS FINANCEIRAS
R$ Mil
2004
2003
903
1.352
Receitas:
Variações cambiais, monetárias, juros e outros
Despesas:
Variações cambiais, monetárias, juros e outros
167
(25)
736
1.377
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
NOTA 21 - COBERTURA DE SEGUROS
Os seguros são contratados por valores considerados suficientes para
cobrir eventuais riscos ou perdas sobre os ativos. Os principais seguros mantidos pela empresa são os seguintes em 31 de dezembro de
2004:
MODALIDADE
OBJETO
VALOR SEGURADO
R$ Mil
Incêndio
Imóveis
33.257
Incêndio
Móveis,Máq. Equipamentos
35.322
Incêndio
Estoque de materiais
3.438
Total
II - Destinação de 25% para o pagamento do dividendo obrigatório,
no valor de R$69.225,57 (sessenta e nove mil, duzentos e vinte e
cinco reais e cinqüenta e sete centavos) conforme Art. 50-II, do
Estatuto.
III - Transferência do saldo remanescente de R$207.676,72 (duzentos
e sete mil, seiscentos e setenta e seis reais e setenta e dois centavos),
para ser incorporado à Conta de Lucros Acumulados.
O Conselho recomenda o encaminhamento da proposta à deliberação
da Assembléia Geral Ordinária da Sociedade.
Brasília, 18 de março de 2005
OSVALDO PETERSEN FILHO
ANTONIO PAULO VOGEL DE MEDEIROS
NORBERTO TEMOTEO DE QUEIROZ
Conselho de Administração
72.017
NOTA 22 - REMUNERAÇÃO DE DIRIGENTES E EMPREGADOS
No exercício de 2004, a maior, a menor e a remuneração média
mensal paga a empregados ocupantes de cargos permanentes foi de
R$ 9.934,47, R$ 507,36 e R$ 3.169,07, respectivamente.
Com relação a dirigentes da Companhia, a maior remuneração paga
no exercício de 2004 correspondeu a R$ 12.434,40.
PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES
Aos
Diretores e Acionistas da
COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS CPRM
Rio de Janeiro - RJ
1) Examinamos os balanços patrimoniais da COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS - CPRM, levantados em 31 de
dezembro de 2004 e 2003 e as respectivas demonstrações do resultado, das mutações do patrimônio líquido e das origens e aplicações de recursos, correspondentes aos exercícios findos naquelas
datas, elaboradas sob a responsabilidade de sua administração. Nossa
responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações contábeis.
2) Nossos exames foram conduzidos de acordo com as normas de
auditoria aplicáveis no Brasil, e compreenderam: a) o planejamento
dos trabalhos, considerando a relevância dos saldos, o volume de
transações e o sistema contábil e de controles internos da Companhia;
b) a constatação, com base em testes, das evidências e dos registros
que suportam os valores e as informações contábeis divulgadas; e c)
a avaliação das práticas e das estimativas contábeis mais representativas adotadas pela administração da Companhia, bem como da
apresentação das demonstrações contábeis tomadas em conjunto.
3) Em nossa opinião, as demonstrações contábeis mencionadas no
parágrafo 1, representam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da COMPANHIA DE
PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS - CPRM, em 31 de dezembro de 2004 e 2003, os resultados de suas operações, as mutações
de seu patrimônio líquido e as origens e aplicações de seus recursos
referentes aos exercícios findos naquelas datas, de acordo com as
práticas contábeis adotadas no Brasil.
São Paulo, 11 de março de 2005
___________________________________
SACHO - AUDITORES INDEPENDENTES
CRC - 2SP 017.676/O-8
__________________________
HUGO FRANCISCO SACHO
CRC - 1SP 124.067/O-1
Parecer do Conselho Fiscal sobre o Relatório
Anual e Demonstrações Contábeis da
COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS
MINERAIS - CPRM, em 31 de dezembro de 2004
O Conselho Fiscal da Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais
- CPRM, no exercício de suas atribuições legais e estatutárias, examinando o Relatório Anual da Companhia - 2004, bem como suas
demonstrações contábeis, compreendendo o Balanço Patrimonial, a
Demonstração do Resultado do Exercício, a Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido, a Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos e as Notas Explicativas relativas ao exercício
social encerrado em 31 de dezembro de 2004, e tendo como base as
análises efetuadas, as informações e os esclarecimentos recebidos dos
Órgãos da Administração e o Parecer da SACHO AUDITORES INDEPENDENTES S/C é de opinião que as peças examinadas traduzem
de modo adequado as informações nelas contidas, a situação patrimonial, econômica e financeira da Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais - CPRM, encontrando-se em condições de serem
aprovadas pela Assembléia Geral Ordinária da Sociedade.
Brasília, 18 de março de 2005
Osvaldo Petersen Filho
Antonio Paulo Vogel de Medeiros
Norberto Temoteo de Queiroz
Parecer sobre a destinação do Resultado da
COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS
MINERAIS - CPRM, em 31 de dezembro de 2004.
O Conselho Fiscal da Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais
- CPRM, no exercício de suas atribuições legais e estatutárias, examinou e aprovou a seguinte proposta da Administração, quanto à
deliberação sobre a destinação do Resultado do Exercício, que apresentou lucro líquido de R$291.476,10 (duzentos e noventa e um mil,
quatrocentos e setenta e seis reais e dez centavos), a saber:
I - Constituição da Reserva Legal de 5% do lucro líquido do exercício, no valor de R$14.573,81 (quatorze mil, quinhentos e setenta e
três reais e oitenta e um centavos), de acordo com o Artigo 193 da
Lei no 6404/76 e Artigo 50-I do Estatuto.
GILES CARRICONDE AZEVEDO
Presidente
AGAMENON SERGIO LUCAS DANTAS
Vice-Presidente
CONSELHEIROS:
BENJAMIM BLEY DE BRITO NEVES
TELTON ELBER CORREA
CLAUDIO ROBERTO BERTOLDO LANGONE
PAULO CESAR DOS SANTOS
DIRETORIA EXECUTIVA:
AGAMENON SERGIO LUCAS DANTAS
Diretor-Presidente
DIRETORES:
JOSÉ RIBEIRO MENDES
MANOEL BARRRETTO DA ROCHA NETO
FERNANDO PEREIRA DE CARVALHO
ALVARO ROGÉRIO ALENCAR SILVA
Conselho Fiscal
TITULARES:
OSVALDO PETERSEN FILHO
NORBERTO TEMOTEO DE QUEIROZ
ANTONIO PAULO VOGEL DE MEDEIROS
Suplentes
JOÃO FERNANDES MORAES
HELIO MORITO SHINODA
MARIA DOS REMÉDIOS VILAR TEIXEIRA
PALMIRO FRANCO CAPONE
Contador
Crc - RJ 022.372/t-2-df
Cpf: n.º 108.981.077-68
DEPARTAMENTO NACIONAL DE
PRODUÇÃO MINERAL
DESPACHOS DO DIRETOR-GERAL
<!ID637216-0>
FASE DE CONCESSÃO DE LAVRA
Instauro processo administrativo para a declaração de caducidade da concessão de lavra-prazo para defesa: 60 dias(4.90)
812.687/70 - Minérios Industriais do Sul S/A - MINEL - Rio
Pardo - RS
818.372/72 - Empresa Maranhense de Mineração S/A - Codó
- MA
014.107/67 - Companhia de Cimento Portland Itaú - Salvador - BA
<!ID637805-0>
RELAÇÃO Nº 127/2005
DNPM nº 002.771/1935 - VIGA MINERAÇÃO E ENGENHARIA LTDA e EXCAVAMIL MINERAÇÃO LTDA. - Nos termos da manifestação da Senhora Procuradora Jurídica quanto à NOTA/PROGE Nº 030/2005 - CCE, que ora aprovo, TORNO SEM
EFEITO a Declaração de fls. 865, expedida pela chefia do 3º
DS/DNPM/MG no dia 1º de outubro de 2004.(5.08)
MIGUEL ANTONIO CEDRAZ NERY
SEGUNDO DISTRITO NO ESTADO DE SÃO PAULO
2º DISTRITO
DESPACHOS DO CHEFE
<!ID637217-0>
RELAÇÃO nº 034-2005
FASE DE DISPONIBILIDADE (ART. 26 DO C.M.)
820.655/79- Acolhendo proposta da comissão constituída para analisar os requerimentos objetivando a prioridade da autorização
de pesquisa, na área colocada em Disponibilidade por força do art. 26
do Código de Mineração e com base na competência delegada pelo
inciso II, do art. 2º., da Portaria do Diretor-Geral do DNPM nº. 064,
de 21 de fevereiro de 2.001, publicada no Diário Oficial da União de
22 de fevereiro de 2.001, declaro a única pretendente Extração e
Comércio de Areia Porto X Ltda., PRIORITÁRIA, para fins de obtenção da citada autorização de pesquisa. (3.03).
ISSN 1677-7042
65
820.217/90 - Acolhendo proposta da comissão constituída
para analisar os requerimentos objetivando a prioridade da autorização de pesquisa, na área colocada em Disponibilidade por força do
art. 26 do Código de Mineração e com base na competência delegada
pelo inciso II, do art. 2º., da Portaria do Diretor-Geral do DNPM nº.
064, de 21 de fevereiro de 2.001, publicada no Diário Oficial da
União de 22 de fevereiro de 2.001, declaro a única pretendente
Extrabase Extração, Transporte e Comércio Ltda., PRIORITÁRIA,
para fins de obtenção da citada autorização de pesquisa. (3.03).
820.579/95 - Acolhendo proposta da comissão constituída
para analisar os requerimentos objetivando a prioridade da autorização de pesquisa, na área colocada em Disponibilidade por força do
art. 26 do Código de Mineração e com base na competência delegada
pelo inciso II, do art. 2º., da Portaria do Diretor-Geral do DNPM nº.
064, de 21 de fevereiro de 2.001, publicada no Diário Oficial da
União de 22 de fevereiro de 2.001, declaro a única pretendente
Antônio Pedro Bragagnolo, PRIORITÁRIA, para fins de obtenção da
citada autorização de pesquisa. (3.03).
821.346/96 - Acolhendo proposta da comissão constituída
para analisar os requerimentos objetivando a prioridade da autorização de pesquisa, na área colocada em Disponibilidade por força do
art. 26 do Código de Mineração e com base na competência delegada
pelo inciso II, do art. 2º., da Portaria do Diretor-Geral do DNPM nº.
064, de 21 de fevereiro de 2.001, publicada no Diário Oficial da
União de 22 de fevereiro de 2.001, declaro a única pretendente Bunge
Fertilizantes S/A, PRIORITÁRIA, para fins de obtenção da citada
autorização de pesquisa. (3.03).
821.314/01- Acolhendo proposta da comissão constituída para analisar os requerimentos objetivando a prioridade da autorização
de pesquisa, na área colocada em Disponibilidade por força do art. 26
do Código de Mineração e com base na competência delegada pelo
inciso II, do art. 2º., da Portaria do Diretor-Geral do DNPM nº. 064,
de 21 de fevereiro de 2.001, publicada no Diário Oficial da União de
22 de fevereiro de 2.001, declaro a única pretendente Mineração
Gallo Ltda., PRIORITÁRIA, para fins de obtenção da citada autorização de pesquisa. (3.03).
820.960/02- Acolhendo proposta da comissão constituída para analisar os requerimentos objetivando a prioridade da autorização
de pesquisa, na área colocada em Disponibilidade por força do art. 26
do Código de Mineração e com base na competência delegada pelo
inciso II, do art. 2º., da Portaria do Diretor-Geral do DNPM nº. 064,
de 21 de fevereiro de 2.001, publicada no Diário Oficial da União de
22 de fevereiro de 2.001, declaro a única pretendente Lapa Saneamento Urbano e Construções Ltda., PRIORITÁRIA, para fins de
obtenção da citada autorização de pesquisa. (3.03).
FASE DE REQUERIMENTO DE AUTORIZAÇÃO DE
PESQUISA
Determino o cumprimento da exigência, do ofício que menciona, no prazo de 60 sessenta dias. (1.31)
820.655/79 - Of. nº 1.638/05-2ºDS/DNPM/SP - Extração e
Comércio de Areia Porto X Ltda. - Teodoro Sampaio/SP e Anaurilândia/MS
821.314/01 - Of. nº 1.639/05-2ºDS/DNPM/SP - Mineração
Gallo Ltda. - Pedra Bela e Bragança Paulista/SP
820.960/02 - Of. nº 1.640/05-2ºDS/DNPM/SP - Lapa Saneamento Urbano e Construções Ltda. - Mongaguá/SP
820.212/04 - Of. nº 1.431/05-2ºDS/DNPM/SP - José Orlando
Bordin - São Pedro e Charqueada/SP
820.215/04 - Of. nº 1.467/05-2ºDS/DNPM/SP - José Dimas
de Alencar Caldas - EPP - Bofete e Pardinho/SP
820.233/04 - Of. nº 1.601 e 1.603/05-2ºDS/DNPM/SP - Empresa de Mineração Floresta Negra Ltda. - Guarulhos e Arujá/SP
820.236/04 - Of. nº 1.430/05 2ºDS/DNPM/SP - Mineração
Baruel Ltda. - Suzano e Poá/SP
820.238/04 - Of. nº 1.429/05-2ºDS/DNPM/SP - Progresso e
Desenvolvimento de Peruibe - Peruíbe/SP
820.239/04 - Of. nº 1.427/05-2ºDS/DNPM/SP - Rodrigo de
Andrade Britta - Salto de Pirapora/SP
820.240/04 - Of. nº 1.428/05-2ºDS/DNPM/SP - Companhia
Mineradora Geral - Salto de Pirapora/SP
820.250/04 - Of. nº 1.433/05-2ºDS/DNPM/SP - Marco Antônio Denipotte - Guatapara/SP
820.252/04 - Of. nº 1.602/05-2ºDS/DNPM/SP - Paulo Alves
Esteves - Bernardino de Campos e Piraju/SP
820.254/04 - Of. nº 1.600/05-2ºDS/DNPM/SP - João Francisco Barbosa Lima - Ilhabela/SP
820.260/04 - Of. nº 1.450/05-2ºDS/DNPM/SP - Bunge Fertilizantes S/A - Iperró e Capela do Alto/SP
820.261/04 - Of. nº 1.599/05-2ºDS/DNPM/SP - Ivaldo Andrade - Campinas/SP
820.271/04 - Of. nº 1.505/05-2ºDS/DNPM/SP - Pedreira Cachoeira S/A - São Paulo/SP
820.272/04 - Of. nº 1.454/05-2ºDS/DNPM/SP - Manoel
Monteiro de Castro Affonso - Ribeirão Pires e Suzano/SP
820.277/04 - Of. nº 1.455/05-2ºDS/DNPM/SP - Chiarelli Mineração Ltda. - Tambaú/SP
820.281/04 - Of. nº 1.449/05-2ºDS/DNPM/SP - Pirâmide
Extração e Ecomércio de Areia Ltda. - Registro e Sete Barras/SP
820.282/04 - Of. nº 1.469/05-2ºDS/DNPM/SP - Mineração
Baruel Ltda. - Tremembé/SP
820.284/04 - Of. nº 1.596/05-2ºDS/DNPM/SP - Luiz Claudinei Contato - Itirapina/SP
820.288/04 - Of. nº 1.468/05-2ºDS/DNPM/SP - Anijes Agropecuária Ltda. - Amparo/SP
820.296/04 - Of. nº 1.506/05-2ºDS/DNPM/SP - Roberto Helito - Atibaia, Bom Jesus dos Perdões e Nazaré Paulista e Mairiporã/SP
820.304/04 - Of. nº 1.580/05-2ºDS/DNPM/SP - Mineração
Maniezzo Ltda. - ME - Mogi Guaçu e Itapira/SP
66
ISSN 1677-7042
820.308/04 - Of. nº 1.492/05-2ºDS/DNPM/SP - Rubens Calil
Jorge - Taubaté e Tremembé/SP
820.309/04 - Of. nº 1.493/05-2ºDS/DNPM/SP - Terra Mater
Participações e Empreendimentos Ltda. - Registro e Iguape/SP
820.323/04 - Of. nº 1.495/05-2ºDS/DNPM/SP - Companhia
Melhoramentos de São Paulo Ltda. - Cajamar/SP
820.324/04 - Of. nº 1.494/05-2ºDS/DNPM/SP - Companhia
Melhoramento de São Paulo Ltda. - Caieiras e Cajamar/SP
820.337/04 - Of. nº 1.496/05-2ºDS/DNPM/SP - Armindo
Dutra Teixeira - Divinolândia/SP e Poços de Caldas/MG
820.347/04 - Of. nº 1.501/05-2ºDS/DNPM/SP - José Carlos
Faccioli & Cia. Ltda. - Leme/SP
820.348/04 - Of. nº 1.500/05-2ºDS/DNPM/SP - Paulo Alves
Esteves - Leme/SP
820.350/04 - Of. nº 1.499/05-2ºDS/DNPM/SP - Marimbondo
Mineração Ltda. - Paulo de Faria/SP e Itapagipe/MG
820.351/04 - Of. nº 1.799/05-2ºDS/DNPM/SP - Marimbodo
Mineração Ltda. - Paulo de Faria/SP e Itapagipe/MG
820.354/04 - Of. nº 1.507/05-2ºDS/DNPM/SP - Parahytinga
Areias, Extração e Comércio Ltda. - Paraibuna/SP
820.356/04 - Of. nº 1.586/05-2ºDS/DNPM/SP - Ernesto Plascencia San Vicente - Ibirá/SP
820.365/04 - Of. nº 1.520/05-2ºDS/DNPM/SP - Luis Claúdio
Pires - Ipeúna/SP
820.366/04 - Of. nº 1.518/05-2ºDS/DNPM/SP - Antônio Barbutti - ME -Campinas/SP
820.367/04 - Of. nº 1.523/05-2ºDS/DNPM/SP - Antônio Barbutti - ME - Campinas/SP
820.622/04 - Of. nº 1.606/05-2ºDS/DNPM/SP - Linneu Carlos da Costa Lima - Mococa, São José do Rio Prado/SP
FASE DE AUTORIZAÇÃO DE PESQUISA
Determino o arquivamento do Auto de Infração lavrado para
aplicação de multa. (2.30)
820.372/91 - A.I. nº 424/03, 425 e 426/03 - José carlos Rizzo
Marisola - Cotia/SP
Concede prévia anuência ao ato de Cessão e autoriza a averbação dos atos de transferência de Alvará de Autorização de Pesquisa. (2.81)
Cedente: Companhia Brasileira de Aluminio CBA - CNPJ:
61.409.892/0001-73
Cessionária: Companhia de Cimento Portland Itaú - CNPJ:
24.030.025/0001-04
821.172/86 - Alvará nº 181/91 - Itapeva/SP
Cedente: Regina Amália de Andrade Só Costa Mancini CPF: 775.514.948-04
Cessionária: Granvisa Mármores e Granitos Ltda. - CNPJ:
01.114.521/0001-32
820.438/90 - Alvará nº 9.056/01 - São João da Boa Vista e
Vargem Grande do Sul/SP
Cedente:
Chiarelli
Mineração
Ltda.
CNPJ:
47.020.128/0001-80
Cessionária: Jonas Cavaretto da Silva - CPF: 096.968.94899
820.437/95 - Alvará nº 10.691/00 - Aguaí e Casa Branca/SP
Cedente: Gino Sabadini- CPF: 263.322.728-72
Cessionária: Extração e Comércio de Areia para Construção
Civil Sabadini Ltda. - ME - CNPJ: 53.113.999/0001-41
820.127/99 - Alvará nº 419/00 - Itapira/SP
Aprovo o relatório de Pesquisa/inciso I, do art. 30 do CM.
(3.17)
820.082/93 - Tietz Extração e Comércio de Minérios Ltda Anhembi e Santa Maria da Serra - Subst.: Areia
821.048/95 - Luis Aparecido Loucatelli - Caçapava/SP Subst.: Areia
820.782/96 - José Antônio Tonon - Bocaina/SP - Subst.:
Basalto
821.218/96 - Eduardo Rodrigues Machado Luz - Registro/SP
- Subst.: Areia
820.351/97 - Barra Verde Ltda. - Limeira/SP - Subst.:
Areia
820.601/97 - Disk Base - Extração de Areia e Comércio de
Materiais para Construção Ltda. - Alambari/SP - Subst.: Areia
820.664/97 - Areião Empresa de Mineração Ltda. - Anhembi/SP - Subst.: Areia
820.855/98 - Porto de Areia São Dimas Ltda. - Santa Lucia
e Américo Brasiliense/SP - Subst.: Areia
821.313/98 - Comércio e Extração de Areia e Pedregulho
São Sebastião Ltda. - Eldorado/SP - Subst.: Areia e Seixos
820.748/00 - Gercindo Bassi - Santo Antônio do Aracanguá/SP - Subst.: Areia
821.117/00 - Melis & Lopes Ltda. - Angatuba e Paranapanema/SP - Subst.: Areia
821.140/02 - João Pedro de Moura Braatz-ME - Itaberá e
Itapeva/SP - Subst.: Areia e Argila
<!ID637218-0>
RELAÇÃO nº 035/2005
FASE AUTORIZAÇÃO DE PESQUISA
Auto de Infração lavrado por determinação do Chefe do
Distrito para aplicação de multa RFP/art. 22, § 1°, Decreto-lei n°
227/67 - prazo para defesa ou pagamento: 30 (trinta) dias. (6.38)
820.002/95 - A.I.N°- 251/05 - TIETZ - Extração e Comércio
de Minérios Ltda
820.564/95 - A.I.N°- 249/05 - Benedito dos Santos Ferreira
de Melo
1
820.633/95 - A.I.N°- 250/05 - Claudio Di Nucci Giannella
820.315/98 - A.I.N°- 258/05 - Extratora de Areia Pinda Ltda
821.150/01 - A.I.N°- 252/05 - Marcos de Freitas Bueno
Auto de Infração lavrado por determinação do Chefe do
Distrito para aplicação de multa TAH/art. 20, § 3°, II, “a”, Decretolei n° 227/67 - prazo para defesa ou pagamento: 30 (trinta) dias.
(6.35)
820.564/95 - A.I.N°- 253/05 - Benedito dos Santos Ferreira
de Melo
820.564/95 - A.I.N°- 254/05 - Benedito dos Santos Ferreira
de Melo
820.598/97-A.I.N°- 255/05-G.L. Extração de Argila e Transportes Ltda
820.152/03-A.I.N°- 256/05-Laercio Aparecido de Oliveira
Itupeva ME
Multa aplicada pelo Chefe do Distrito/art. 22, § 1º, DecretoLei nº 227/67 - prazo para defesa ou pagamento: 30 (trinta) dias.
(6.44)
820.000/94 - Jandyr Faria Camancho R$ 164,71
820.726/96 - Maria Augusta Marsiaj Gomes R$ 76,83
821.074/97 - Ferreira Midorikawa & Cia Ltda R$ 64,30
821.254/99 - Iad Elias Abou Jaoude R$ 57,21
Multa aplicada pelo Chefe do Distrito/art. 20, § 3º, II, “a”,
do Decreto-lei nº 227/67 e art. 6º da Portaria MME nº 503 de
28/12/1999 - prazo para pagamento: 30 (trinta) dias. (6.41)
820.775/89 - Mineração Matheus Leme Ltda
820.775/89 - Mineração Matheus Leme Ltda
820.775/89 - Mineração Matheus Leme Ltda
820.549/92 - Waldomiro Barbosa Cassimiro Filho
820.000/94 - Jandyr Faria Camacho
820.828/96 - Cerâmica Tarbo Ltda
821.074/97 - Ferreira Midorikawa & Cia Ltda
820.315/98 - Extratora de areia Pinda Ltda
821.254/99 - Iad Elias Abou Jaoude
820.904/02 - III - J Extração e Comércio de Areia Ltda - ME
ENZO LUÍS NICO JÚNIOR
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
CONSIDERANDO a necessidade de encaminhamento visando dar destinação ao imóvel denominado Fazenda Ômega, com
área de 1.297,8880 há, objeto da Matricula n. º 83, fls. 83, livro 02 no
Cartório de Registro de Imóveis da Cidade de São Sebastião do
Tocantins, Comarca de Augustinópolis, Estado do Tocantins, localizado nos municípios de Araguatins e Augustinópolis/TO, desapropriada para fins de Reforma Agrária sob o Decreto de 05.08.2004, a
imissão de posse se deu em 14.03.2005.
CONSIDERANDO que os órgãos técnicos específicos desta
Superintendência Regional procederam análise no Processo INCRA/SR-26/TO/nº54400.000372/2005-75, e decidiram pela regularidade da proposta, de acordo com os atos normativos que regulamentam a matéria, R E S O L V E :
I - Aprovar a proposta de destinação, para assentamento de
agricultores, do imóvel rural denominado Fazenda Ômega, com área
total de 1.297,8880 (um mil, duzentos e noventa e sete hectares,
oitenta e oito ares e oitenta centiares), localizado nos Municípios de
Araguatins e Augustinópolis, que prever a criação de 37 (trinta e sete)
unidades agrícolas familiares;
II - Criar o Projeto de Assentamento Solidário, Código SIR
TO4065, a ser implantado e desenvolvido por esta Superintendência
Regional, em articulação com a Superintendência Nacional do Desenvolvimento Agrária - SD;
III - Autorizar a Divisão de Suporte Operacional a promover
as modificações e adaptações que, no curso da execução, se fizerem
necessárias para a consecução dos objetivos do Projeto;
IV - Determinar a Divisão de Suporte Operacional que encaminhe cópia deste ato, para SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL
DE DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO, para fins de registro, controle, distribuição e publicação do mesmo no Diário Oficial da
União.
V - Determinar à Divisão de Suporte Operacional que comunique aos órgãos de Meio Ambiente, Federal e Estadual, bem
como à FUNAI, a criação do presente Projeto;
VI - Determinar a Divisão de Suporte Operacional que registre todas as informações de criação desenvolvimento e das famílias
referentes ao Projeto de Assentamento ora criado, no Sistema de
Informações Rurais - SIR.
RETIFICAÇÃO
<!ID637219-0>
JOSÉ CARDOSO
820.896/95 - publicado na relação n.º 019/05, Seção I, pág.
108 no DOU de 10/03/02 - onde se lê: “...Of. nº 1.074/05...” leia-se:
“....Of. nº 1.073/05.....”
SECRETARIA DE GEOLOGIA, MINERAÇÃO E
TRANSFORMAÇÃO MINERAL
<!ID638023-0>
PORTARIA N o- 123, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O SECRETÁRIO DE GEOLOGIA, MINERAÇÃO E
TRANSFORMAÇÃO MINERAL DO MINISTÉRIO DE MINAS E
ENERGIA, no uso da competência que lhe foi delegada pela Portaria
Ministerial nº 44, de 26 de janeiro de 2005, expedida com fundamento no disposto nos arts. 7º e 43 do Decreto-lei nº 227, de 28 de
fevereiro de 1967, com redação dada pela Lei n° 9.314, de 14 de
novembro de 1996, e tendo em vista o que consta do processo DNPM
n° 821187/2001, resolve:
Art. 1° Outorgar à CERÂMICA SÃO JOÃO DE ITU LTDA,
concessão para lavrar ARGILA no Município de Itu, Estado de São
Paulo, numa área de 44,30ha, delimitada por um polígono que tem
um vértice a 8.443m, no rumo verdadeiro de 09°05'SE, do ponto de
Coordenadas Geográficas: Lat. 23°11'42,9"S e Long. 47°21'26,2"W e
os lados a partir desse vértice, com os seguintes comprimentos e
rumos verdadeiros: 312m-E, 99,90m-N, 50m-E, 100m-N, 100m-E,
100m-N, 100m-E, 50m-N, 100m-E, 100m-N, 100m-E, 100m-N,
100m-E, 99,90m-S, 200m-E, 400m-S, 200m-W, 200m-S, 150m-W,
150m-S, 200m-W, 50m-N, 200m-W, 50m-N, 100m-W, 100m-N,
200m-W, 50m-N, 12m-W, 50m-N.
Art. 2° Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.(Cód. 4.00)
GILES CARRICONDE AZEVEDO
.
Ministério do Desenvolvimento Agrário
INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E
REFORMA AGRÁRIA
SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO TOCANTINS
<!ID636784-0>
PORTARIA N o- 15, DE 8 DE ABRIL 2005
O SUPERINTENDENTE REGIONAL DO INCRA NO ESTADO DO TOCANTINS, no uso das atribuições que lhe confere o
Artigo 29 do Regimento Interno, aprovado pela Portaria/MDA/n.º
164, de 14 de julho de 2.000, publicada no D.O.U. do dia 17 dos
mesmo mês e ano;
o-
<!ID636785-0>
PORTARIA N 16, DE 8 DE ABRIL 2005
O SUPERINTENDENTE REGIONAL DO INCRA NO ESTADO DO TOCANTINS, no uso das atribuições que lhe confere o
Artigo 29 do Regimento Interno, aprovado pela Portaria/MDA/n.º
164, de 14 de julho de 2.000, publicada no D.O.U. do dia 17 dos
mesmo mês e ano;
CONSIDERANDO a necessidade de encaminhamento visando dar destinação ao imóvel denominado Fazenda Cocal, com área
de 1.865,6822 há, objeto de Registro/Matricula nº R1-M-564, fls.
149, livro 2-D no Cartório de Registro de Imóveis do Município de
Couto Magalhães, Comarca de Colméia/TO, desapropriada para fins
de Reforma Agrária sob o Decreto de 31.08.2004, a imissão de posse
se deu em 02.03.2005.
CONSIDERANDO que os órgãos técnicos específicos desta
Superintendência Regional procederam análise no Processo INCRA/SR-26/TO/nº54400.000420/2005-25, e decidiram pela regularidade da proposta, de acordo com os atos normativos que regulamentam a matéria, R E S O L V E :
I - Aprovar a proposta de destinação, para assentamento de
agricultores, do imóvel rural denominado Fazenda Cocal, com área
total de 1.865,6822 (um mil, oitocentos e sessenta e cinco hectares,
sessenta e oito ares e vinte e dois centiares), localizado no Município
de Couto Magalhães/TO, que prever a criação de 35 (trinta e cinco)
unidades agrícolas familiares;
II - Criar o Projeto de Assentamento Cocal II, Código SIR
TO3911, a ser implantado e desenvolvido por esta Superintendência
Regional, em articulação com a Superintendência Nacional do Desenvolvimento Agrária - SD;
III - Autorizar a Divisão de Suporte Operacional a promover
as modificações e adaptações que, no curso da execução, se fizerem
necessárias para a consecução dos objetivos do Projeto;
IV - Determinar a Divisão de Suporte Operacional que encaminhe cópia deste ato, para SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL
DE DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO, para fins de registro, controle, distribuição e publicação do mesmo no Diário Oficial da
União.
V - Determinar à Divisão de Suporte Operacional que comunique aos órgãos de Meio Ambiente, Federal e Estadual, bem
como à FUNAI, a criação do presente Projeto;
VI - Determinar a Divisão de Suporte Operacional que registre todas as informações de criação desenvolvimento e das famílias
referentes ao Projeto de Assentamento ora criado, no Sistema de
Informações Rurais - SIR.
JOSÉ CARDOSO
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
Ministério do Desenvolvimento, Indústria
e Comércio Exterior
.
67
ISSN 1677-7042
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
.
INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E
QUALIDADE INDUSTRIAL
<!ID637474-0>
SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO
RETIFICAÇÃO
SUPERINTENDÊNCIA DA ZONA FRANCA DE MANAUS
Na Portaria nº 19, de 30 de março de 2005, publicada no Diário Oficial da União nº 73, de 18
de abril de 2005, Seção 1, página 94:
onde se lê: Art.2.º- Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
PORTARIA Nº 113, DE 20 DE ABRIL DE 2005
O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA DA ZONA FRANCA DE MANAUS,
em exercício, no uso de suas atribuições legais, e considerando o disposto no art. 51 da Resolução nº
201, de 31 de agosto de 2001, com redação alterada pela Resolução nº 236, de 2 de setembro de 2003,
resolve:
Art. 1º Homologar a 3ª alteração do Contrato Social da empresa IMPRESSORA AMAZONENSE LTDA. (IMPRAM), com CNPJ nº 04.755.065/0001-06 e Inscrição Suframa nº 20.1027.01-1,
pela qual retirou-se da sociedade a sócia NOVA PÁGINA GRÁFICA E EDITORA LTDA., tendo
transferido aos sócios remanescentes a totalidade de suas 500.000 (quinhentas mil) quotas de capital, na
proporção de 50% (cinqüenta por cento) ao sócio HÉLIO JEOVÁ ALVES DE SOUZA e 50% (cinqüenta
por cento) ao sócio ROBERTO NEVES, conforme Parecer Técnico de Acompanhamento/Fiscalização n°
036/2005-SPR/CGAPI/COPIN.
Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
leia-se: Art.2.º- Esta Portaria entra em vigor na data de sua assinatura.
ANEXO
CÓDIGO
ESPECIFICAÇÃO
Ministério do Meio Ambiente
INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE
E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS
08.511.1049.11V1.0001
.
GABINETE DO MINISTRO
<!ID637145-0>
O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO
MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 24
Anexo I, da Estrutura Regimental, aprovada pelo Decreto nº 4.756, de
20 junho de 2003, e art. 95, item VI do Regimento Interno aprovado
pela Portaria GM/MMA nº 230, de 14 de maio de 2002;
Considerando o art. 29 da Lei nº 9.985 de 18 de julho de
2000, que instituiu o Sistema Nacional de Unidades de Conservação
da Natureza, bem como os artigos 17 a 20 do Decreto nº 4.340 de 22
de agosto de 2002, que a regulamentou; e,
Considerando as proposições apresentadas pela Diretoria de
Florestas - DIREF, no Processo Ibama nº 02001.001617/2005-81,
resolve:
Art. 1º Criar o Conselho Consultivo da Floresta Nacional do
Tapirapé-Aquiri/PA, com a finalidade de contribuir com as ações
voltadas ao planejamento e desenvolvimento desta Unidade de Conservação, principalmente no que concerne a implantação e implementação do seu Plano de Manejo e ao cumprimento dos seus objetivos de criação.Art. 2º O Conselho Consultivo da FLONA Tapirapé-Aquiri é composto por um representante do Instituto Brasileiro
do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA e
por representantes das seguintes instituições:
I - Universidade Federal do Pará - UFPA;
II - Secretaria de Agricultura do estado do Pará - SAGRI;
III - Departamento Nacional de Produção Mineral DNPM;
IV - Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Marabá SEMMA;
V - Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Turismo de
São Félix do Xingu - SEMATUR;
VI - Secretaria Municipal de Saúde de Marabá - SMS;
VII - Casa da Cultura de Marabá;
VIII - Núcleo Arqueológico de Marabá - NAM;
IX - Grupo Espeleológico de Marabá - GEM;
X - Organização Não Governamental SOS Xingu;
XI - Sociedade dos Orquidófilos de Marabá - SOM;
XII - Fundação Zoobotânica de Marabá - FZM;
XIII - Companhia Siderúrgica do Pará - COSIPAR ;
XIV - Associação dos Moradores do Projeto de Assentamento Antares - Comunidade de Lindoeste, na condição de titular e
Associação de Moradores de Lindoeste - ASMOL, como suplente;
XV - Centro de Educação, Pesquisa e Assessoria Sindical e
Popular - CEPASP;
XVI - Associação dos Produtores Rurais da Área de Proteção
Ambiental do Igarapé Gelado - APROAPA;
XVII - Grupo de Apoio a Agricultura Familiar de Fronteira
-GRAAL/ Laboratório Sócio-agronômico do Tocantins - LASAT;
XVIII - Salobo Metais S/A na condição de titular e Companhia Vale do Rio Doce - CVRD, como suplente;
Parágrafo único. O Chefe da Floresta Nacional do TapirapéAquiri representará o Ibama no Conselho Consultivo e o presidirá
Art. 3º O Conselho Consultivo deverá elaborar o seu regimento interno no prazo de até 90 dias, a partir da publicação desta
Portaria no Diário Oficial da União.
Art. 4º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
MARCUS LUIZ BARROSO BARROS
<!ID637795-0>
FTE
ACRÉSCIMO
LEIA-SE
REDUÇÃO
ONDE SE
LÊ
LEIA-SE
NACIONAL
Ministério do Planejamento,
Orçamento e Gestão
PORTARIA Nº 20, DE 20 DE ABRIL DE 2005
NATUREZA
ONDE SE LÊ
OLDEMAR IANCK
.
RETIFICAÇÃO
<!ID637002-0>
Na Portaria nº 066, de 13 de abril de 2005, publicada no D.O.U. do dia 18/04/2005, seção 1,
página 92, onde se lê: "Art. 4º", leia-se: "Art. 3º" e, onde se lê: "Art. 5º", leia-se: "Art. 4º".
<!ID636797-0>
SECRETARIA EXECUTIVA
PORTARIA No 69, DE 18 DE ABRIL DE 2005
O MINISTRO DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, Interino, no uso da competência que lhe foi
delegada pelo art. 1o, inciso I, do Decreto no 3.125, de 29 de julho de
1999, observada a Resolução no 19, de 28 de junho de 2002, do
Conselho Nacional de Desestatização - CND e tendo em vista o
disposto no art. 2o, inciso II, alínea a, da Portaria MP no 144, de 9 de
julho de 2001 e no art. 18, inciso I, da Lei no 9.636, de 15 de maio
de 1998, resolve:
Art. 1oAutorizar a cessão, sob a forma de utilização gratuita,
ao Município de União dos Palmares, Estado de Alagoas, do imóvel
urbano constituído por terreno nacional interior com área de
1.800,00m² e acessórios com área de 513,00m², localizado na Rua
Hermano Plech, no 433, objeto da Matrícula no 784, no R. 01, Livro
no 02 do Registro de Imóveis da Comarca daquele Município. Esta
cessão é realizada de acordo com os elementos que integram o Processo no 04982. 000385/2004-91.
Parágrafo único. A Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional
representará a União nos atos relativos à cessão do imóvel de que
trata a presente Portaria, cabendo à Secretaria do Patrimônio da
União-SPU, deste Ministério, a lavratura do respectivo contrato.
Art. 2oO imóvel a que se refere o artigo anterior destina-se à
instalação e funcionamento da Secretaria Municipal de Saúde do
Município de União dos Palmares, Estado de Alagoas.
§ 1o É facultado ao cessionário autorizar, de forma gratuita,
a utilização de parte do imóvel pela Secretaria-Executiva de Saúde do
Estado de Alagoas, para a continuidade das atividades desenvolvidas
pela equipe macrorregional de endemias.
§ 2o É fixado o prazo de até seis meses, a contar da data de
assinatura do contrato de cessão, para que o cessionário se instale no
imóvel e cumpra os objetivos previstos.
§ 3oA presente cessão terá vigência pelo prazo de cinco anos,
a contar da data da assinatura do respectivo contrato, podendo ser
prorrogada por iguais e sucessivos períodos, a critério e conveniência
deste Ministério.
§ 4o É vedado ao cessionário arrendar, locar, dar em garantia
ou transferir, a qualquer título, a posse do imóvel cedido.
Art. 3oFica o cessionário obrigado a:
I -manter no imóvel cedido, em local visível, placa de publicidade, de acordo com os termos da Portaria SPU no 122, de 13 de
junho de 2000;
II -zelar pelo imóvel cedido, realizar sua fiscalização, conservação e guarda, bem como obedecer às normas de uso, emanadas
dos órgãos competentes, e à legislação pertinente;
Art. 4oResponderá o cessionário, judicial e extrajudicialmente, por quaisquer reivindicações que venham a ser efetuadas por
terceiros, concernentes ao imóvel de que trata esta Portaria, inclusive
por acessões e/ou benfeitorias existentes.
Art. 5oOs direitos e obrigações mencionados nesta Portaria
não excluem outros, explícita ou implicitamente decorrentes do contrato de cessão e da legislação pertinente.
4.4.50.00
153
14.016.852
10.412.751
4.4.50.00
179
10.412.751
14.016.852
4.4.30.00
195
766.00
766.000
Art. 6oConsiderar-se-á rescindido o contrato de cessão autorizado por esta Portaria, independentemente de ato especial, sem
direito o cessionário a qualquer indenização, inclusive por benfeitorias realizadas, se ao imóvel, no todo ou em parte, vier a ser dada
destinação diversa da prevista no art. 2o desta Portaria, se houver
inobservância de qualquer condição nela expressa, ou, ainda, se ocorrer inadimplemento de cláusula contratual.
Art. 7oEsta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
NELSON MACHADO
<!ID637796-0>
PORTARIA No 70, DE 18 DE ABRIL DE 2005
O MINISTRO DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, Interino, no uso da competência que lhe foi
delegada pelo art. 1o, inciso I, do Decreto no 3.125, de 29 de julho de
1999, observada a Resolução no 19, de 28 de junho de 2002, do
Conselho Nacional de Desestatização - CND, tendo em vista o disposto no art. 2o, inciso II, e no art. 18, inciso I, e art. 19, incisos I e
IV, da Lei no 9.636, de 15 de maio de 1998, e os elementos que
integram o Processo no 10480.028726/1999-91, resolve:
Art. 1oAutorizar a cessão, sob o regime de aforamento gratuito, ao Município de Recife, Estado de Pernambuco, do imóvel
urbano, constituído por terreno parte de marinha e acrescido de marinha com área de 2.596,15m², localizado na Rua do Brum, Lote 3,
parte da Quadra 40, Bairro do Recife, naquele Município, com as
características e confrontações constantes da Matrícula no 77.338, do
Cartório de Registro de Imóveis daquela Comarca.
Parágrafo único. A Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional
representará a União nos atos relativos à cessão do imóvel de que
trata a presente Portaria, cabendo à Secretaria do Patrimônio da União
- SPU, deste Ministério, a lavratura do respectivo contrato.
Art. 2oO imóvel a que se refere o art. 1o destina-se ao
Programa de Requalificação Urbanística e Inclusão Social da Comunidade do Pilar.
Parágrafo único. São fixados os prazos de um ano, para que
o cessionário inicie a implantação do projeto, e de quatro anos para
que cumpra os objetivos previstos, contados da data de assinatura do
contrato de cessão.
Art. 3oFica o cessionário obrigado a:
I - manter no imóvel cedido, em local visível, placa de
publicidade, de acordo com os termos da Portaria SPU no 122, de 13
de junho de 2000;
II - fornecer à Gerência Regional do Patrimônio da União no
Estado de Pernambuco os dados cadastrais e peças técnicas dos desmembramentos e transferências de domínio útil efetivados;
III - transferir, independentemente do pagamento do valor
correspondente, o domínio útil de frações do imóvel cedido aos ocupantes caracterizados como carentes ou de baixa renda, na forma da
lei, bem como àqueles que vierem a ser assentados de acordo com o
caráter social do empreendimento, limitado a uma unidade imobiliária
por família;
Parágrafo único. Os adquirentes do domínio útil de frações
da área cedida, que comprovarem, perante a Gerência Regional do
Patrimônio da União no Estado de Pernambuco - GRPU/PE, a condição de carentes, ficarão isentos do pagamento de foros, conforme
disposições do art. 1o do Decreto no 1.466, de 26 de abril de 1995, e
do art. 17 do Decreto no 3.725, de 10 de janeiro de 2001.
Art. 4º A assinatura do contrato de cessão fica condicionada
à apresentação, por parte do cessionário, da licença ambiental emitida
pelo órgão competente, bem como da manifestação do Comando da
7a Região Militar do Exército.
68
ISSN 1677-7042
Art. 5o O cessionário ficará isento do recolhimento da importância correspondente ao valor do domínio útil do terreno e do
foro anual, enquanto o imóvel lhe estiver aforado, e do laudêmio nas
transferências que vier a efetuar.
Art. 6oAs receitas advindas da alienação do domínio útil aos
ocupantes de frações do imóvel, que não se enquadrarem nas disposições do art. 3o, inciso III, serão partilhadas entre a União e o
Município, de forma eqüitativa, conforme o disposto no art. 4º da Lei
9.636, de 15 de maio de 1998.
Art.7o A execução do contrato deverá ser acompanhada e
fiscalizada, observados os prazos de implantação e cumprimento dos
objetivos previstos, nesta Portaria, por um representante da seção
responsável da Gerência Regional do Patrimônio da União no Estado
de Pernambuco especialmente designado.
§1oO representante designado anotará em registro próprio
todas as ocorrências relacionadas com a execução do contrato, determinando o que for necessário à regularização das faltas ou defeitos
observados.
§2oAs decisões e providências que ultrapassarem a competência do representante deverão ser solicitadas a seus superiores em
tempo hábil para a adoção das medidas convenientes.
Art. 8o Responderá o cessionário, judicial e extrajudicialmente, por quaisquer reivindicações que venham a ser efetuadas por
terceiros, concernentes ao imóvel de que trata esta Portaria.
Art. 9o Os direitos e obrigações mencionados nesta Portaria
não excluem outros, explícita ou implicitamente, decorrentes do contrato de cessão e da legislação pertinente.
Art. 10 A cessão será rescindida, sem direito o cessionário a
qualquer indenização, inclusive por benfeitorias realizadas, se ao imóvel, no todo ou em parte, vier a ser dada destinação diversa da
prevista no art. 2o desta Portaria, se houver inobservância de qualquer
condição nela expressa, ou, ainda, se ocorrer inadimplemento de
cláusula contratual.
Art. 11 Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
NELSON MACHADO
<!ID637797-0>
PORTARIA No 71, DE 18 DE ABRIL DE 2005
O MINISTRO DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, Interino, no uso da competência que lhe foi
delegada pelo art. 1o, inciso I, do Decreto no 3.125, de 29 de julho de
1999, observada a Resolução no 19, de 28 de junho de 2002, do
Conselho Nacional de Desestatização - CND, tendo em vista o disposto no art. 18, inciso I, da Lei no 9.636, de 15 de maio de 1998, e
os elementos que integram o Processo no 05047.000031/2002-18,
resolve:
Art. 1oAutorizar a cessão, sob a forma de utilização gratuita,
ao Município de Visconde do Rio Branco, do imóvel rural constituído
por terreno com área de 389.997,00m² e acessórios, localizado na área
do antigo aeroclube, s/no, Bairro Barrinha, Estado de Minas Gerais,
com as características e confrontações constantes da Matrícula no
3.634, do Cartório de Registro de Imóveis daquele Município.
Parágrafo único. A Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional
representará a União nos atos relativos à cessão do bem imóvel de
que trata a presente Portaria, cabendo à Secretaria do Patrimônio da
União - SPU, deste Ministério, a lavratura do respectivo contrato.
Art. 2oO imóvel a que se refere o art. 1o destina-se à implantação do Projeto APAE-Rural.
§ 1o São fixados os prazos de um ano, para que o cessionário
inicie o projeto, e de dois anos para o cumprimento dos objetivos
previstos, contados da data da assinatura do contrato de cessão.
§ 2o A presente cessão terá vigência pelo prazo de cinco
anos, a contar da assinatura do correspondente contrato, podendo ser
prorrogado por iguais e sucessivos períodos.
§ 3o Caberá ao cessionário manter no imóvel cedido, em
local visível, placa de publicidade, de acordo com os termos da
Portaria SPU no 122, de 13 de junho de 2000.
Art. 3oResponderá o cessionário, judicial e extrajudicialmente, por quaisquer reivindicações que venham a ser efetuadas por
terceiros, concernentes ao imóvel de que trata esta Portaria, inclusive
no que se refere aos acessórios e benfeitorias ali existentes.
Art. 4oOs direitos e obrigações mencionados nesta Portaria
não excluem outros, explícita ou implicitamente, decorrentes do contrato de cessão e da legislação pertinente.
Art. 5oA cessão será rescindida, sem direito o cessionário a
qualquer indenização, inclusive por acessórios e benfeitorias realizados, se ao imóvel, no todo ou em parte, vier a ser dada destinação
diversa da prevista no art. 2o desta Portaria, se houver inobservância
de qualquer condição nela expressa, ou, ainda, se ocorrer inadimplemento de cláusula contratual.
Art. 6oEsta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
NELSON MACHADO
<!ID637798-0>
PORTARIA No 72, DE 18 DE ABRIL DE 2005
O MINISTRO DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, INTERINO, no uso da competência que lhe
foi delegada pelo inciso I, do art. 1o, do Decreto no 3.125, de 29 de
julho de 1999, observada a Resolução no 19, de 28 de junho de 2002,
do Conselho Nacional de Desestatização - CND, e tendo em vista o
disposto no art. 2o, inciso II, alínea “a”, da Portaria MP no 144, de 9
de julho de 2001, e no art. 18, inciso I, da Lei no 9.636, de 15 de
maio de 1998, resolve:
1
Art. 1oAutorizar a cessão, sob a forma de utilização gratuita
ao Município de Ribas do Rio Pardo, Estado do Mato Grosso do Sul,
do imóvel urbano, constituído por terreno com área de 5.343,63m²,
parte de um todo maior com área de 56.154,21m², antigo aeroporto,
situado na Rua Marciana Custódio Lemos, s/no, Bairro Ribas do Rio
Pardo, naquele Município, com as características e confrontações
constantes da Matrícula no 704, Livro no 2, ficha. 1, do Cartório do 1o
Ofício de Registro Público e Protesto de Títulos Cambiais, daquela
Comarca. A cessão é realizada de acordo com os elementos que
integram o Processo no 04921.000106/2004-12.
Parágrafo único.A Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional
representará a União nos atos relativos à cessão do bem imóvel de
que trata a presente Portaria, cabendo à Secretaria do Patrimônio da
União - SPU, deste Ministério, a lavratura do respectivo contrato.
Art. 2oO imóvel a que se refere o artigo anterior destina-se à
construção da Câmara dos Vereadores.
§ 1o A presente cessão terá vigência pelo prazo de dez anos,
a contar da data de assinatura do contrato de cessão, podendo ser
prorrogado por iguais e sucessivos períodos, a critério e conveniência
deste Ministério.
§ 2o São fixados os prazos de um ano, a contar da data de
assinatura do contrato de cessão, para que o cessionário inicie a
implantação do projeto, e de três anos para o cumprimento dos objetivos previstos.
§ 3o Deverá o cessionário manter no Imóvel cedido, em local
visível, placa de publicidade, de acordo com os termos da Portaria
SPU no 122, de 13 de junho de 2000.
Art. 3oResponderá o cessionário, judicial e extrajudicialmente, por quaisquer reivindicações que venham a ser efetuadas por
terceiros, concernentes ao imóvel de que trata esta Portaria, inclusive
no que se refere aos acessórios e benfeitorias ali existentes.
Art. 4oOs direitos e obrigações mencionados nesta Portaria
não excluem outros, explícita ou implicitamente, decorrentes do contrato de cessão e da legislação pertinente.
Art. 5oA cessão tornar-se-á nula, independentemente de ato
especial, sem direito o cessionário a qualquer indenização, inclusive
por acessórios e benfeitorias realizados, se ao imóvel, no todo ou em
parte, vier a ser dada destinação diversa da prevista no art. 2o desta
Portaria, se houver inobservância de qualquer condição nela expressa,
ou ainda, se ocorrer inadimplemento de cláusula contratual.
Art. 6oEsta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
NELSON MACHADO
<!ID637799-0>
PORTARIA
No
73, DE 18 DE ABRIL DE 2005
O MINISTRO DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO INTERINO, no uso da competência que lhe
foi delegada pelo art. 1o, inciso I do Decreto no 3.125, de 29 de julho
de 1999, observada a Resolução no 19, de 28 de junho de 2002, do
Conselho Nacional de Desestatização - CND, tendo em vista o disposto no art. 18, inciso I da Lei no 9.636, de 15 de maio de 1998, e
os elementos que integram o Processo no 10680.007389/2000-21,
resolve:
Art. 1oAutorizar a cessão, sob a forma de utilização gratuita
à Associação de Proteção à Maternidade e à Infância de Passos,
mantenedora da Creche Misael Ferreira Gomes, do imóvel urbano
constituído por terreno com área de 426,00m² e acessórios com
280,00m², situado na Rua Coronel Francisco Gomes, no 100, Centro,
Município de Passos, Estado de Minas Gerais, com as características
e confrontações constantes da Matrícula no 26.658, Livro no 2, do
Cartório de Registro de Imóveis daquela Comarca.
Parágrafo único. A Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional
representará a União nos atos relativos à cessão do bem imóvel de
que trata a presente Portaria, cabendo à Secretaria do Patrimônio da
União - SPU, deste Ministério, a lavratura do respectivo contrato.
Art. 2oO imóvel a que se refere o artigo anterior destina-se
ao funcionamento da Creche Misael Ferreira Gomes.
§ 1o A presente cessão terá vigência pelo prazo de cinco
anos, a contar da assinatura do correspondente contrato, podendo ser
prorrogado por iguais e sucessivos períodos.
§ 2o Caberá ao cessionário manter no imóvel cedido, em
local visível, placa de publicidade, de acordo com os termos da
Portaria SPU no 122, de 13 de junho de 2000.
Art. 3oResponderá o cessionário, judicial e extrajudicialmente, por quaisquer reivindicações que venham a ser efetuadas por
terceiros, concernentes ao imóvel de que trata esta Portaria, inclusive
por acessórios nele existentes.
Art. 4oOs direitos e obrigações mencionados nesta Portaria
não excluem outros, explícita ou implicitamente, decorrentes do contrato de cessão e da legislação pertinente.Art. 5oA cessão será rescindida, sem direito o cessionário a qualquer indenização, inclusive
por acessórios e benfeitorias realizados, se ao imóvel, no todo ou em
parte, vier a ser dada destinação diversa da prevista no art. 2o desta
Portaria, se houver inobservância de qualquer condição nela expressa,
ou, ainda, se ocorrer inadimplemento de cláusula contratual.
Art. 6oEsta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
NELSON MACHADO
<!ID637800-0>
PORTARIA
No
74, DE 18 DE ABRIL DE 2005
O MINISTRO DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, Interino, no uso da competência que lhe foi
delegada pelo art. 1o, inciso I, do Decreto no 3.125, de 29 de julho de
1999, observada a Resolução no 19, de 28 de junho de 2002, do
Conselho Nacional de Desestatização - CND, tendo em vista o dis-
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
posto no art. 18, inciso I, da Lei no 9.636, de 15 de maio de 1998, e
os elementos que integram o Processo no 05006.001683/2003-37,
resolve:
Art. 1oAutorizar a cessão, sob o regime de utilização gratuita, ao Município de São João dos Patos, Estado do Maranhão, do
imóvel constituído por área de 8.537,00m², localizada na Av. Presidente Médici, s/no, BR-230-MA, objeto da Matrícula no 4.099, do
Cartório de Registro de Imóveis daquele Município.
Parágrafo único. A Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional
representará a União nos atos relativos à cessão do bem imóvel de
que trata a presente Portaria, cabendo à Secretaria do Patrimônio da
União - SPU, deste Ministério, a lavratura do respectivo contrato.
Art. 2oO imóvel a que se refere o art. 1o destina-se à implantação de um Pólo Universitário que será construído por meio de
convênio firmado entre o Município de São João dos Patos e a
Universidade Estadual do Maranhão - UEMA, beneficiando a população da região do Médio Sertão Maranhense.
§ 1o São fixados os prazos de um ano, para que o cessionário
inicie a implantação do projeto, e de três anos para o cumprimento
dos objetivos previstos, contados da data da assinatura do contrato de
cessão.
§ 2oA presente cessão terá vigência pelo prazo de dez anos,
a contar da data da assinatura do respectivo contrato, podendo ser
prorrogada por iguais e sucessivos períodos, a critério e conveniência
deste Ministério.
§ 3o É vedado ao cessionário arrendar, locar, dar em garantia
ou transferir, a qualquer título, a posse do imóvel cedido.
Art. 3oFica o cessionário obrigado a:
I - manter no imóvel cedido, em local visível, placa de
publicidade, de acordo com os termos da Portaria SPU no 122, de 13
de junho de 2000; e
II - fornecer à Gerência Regional do Patrimônio da União no
Estado do Maranhão os elementos técnicos (planta, memorial descritivo) e demais documentos necessários, relativos às acessões edificadas e as a edificar no imóvel cedido, para efeito de averbação no
Cartório de Registro de Imóveis.
Art. 4o A execução do contrato deverá ser fiscalizada por um
representante da Gerência Regional do Patrimônio da União no Estado do Maranhão especialmente designado.
Art. 5o Responderá o cessionário, judicial e extrajudicialmente, por quaisquer reivindicações que venham a ser efetuadas por
terceiros, concernentes ao imóvel de que trata esta Portaria.
Art. 6oOs direitos e obrigações mencionados nesta Portaria
não excluem outros, explícita ou implicitamente, decorrentes do contrato de cessão e da legislação pertinente.
Art. 7o A cessão será rescindida, sem direito o cessionário a
qualquer indenização, inclusive por acessórios realizados, se ao imóvel, no todo ou em parte, vier a ser dada destinação diversa da
prevista no art. 2o desta Portaria, se houver inobservância de qualquer
condição nela expressa, ou, ainda, se ocorrer inadimplemento de
cláusula contratual.
Art. 8o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
NELSON MACHADO
<!ID637801-0>
PORTARIA Nº 75, DE 18 DE ABRIL DE 2005
O MINISTRO DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, Interino, no uso da atribuição que lhe confere o art. 1º do Decreto nº 3.994, de 31 de outubro de 2001, e tendo
em vista o disposto no inciso II do art. 1º da Lei nº 5.972, de 11 de
dezembro de 1973, e os elementos que constam do Processo nº
04931.00215/2004-11, resolve:
Art. 1º Fica a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional autorizada a requerer, em nome da União, o registro do imóvel constituído de terreno e benfeitorias, situado na Rua Vereador Pedro
Américo da Silva, nº 94, Município de Cabedelo, Estado da Paraíba,
o qual assim se descreve e caracteriza: área total de 554,30m², onde
se encontra edificada uma casa que serve de residência ao pessoal do
Comando da Marinha, limitando-se, pela frente, com a rua Vereador
Pedro Américo da Silva; pelos fundos, com um terreno baldio; pela
direita, com o Terreno Nacional Interior beneficiado com a casa nº
93, e, pela esquerda, com um terreno doado pela Prefeitura Municipal
de Cabedelo ao Governo do Estado da Paraíba; benfeitoria com área
total construída de 116,21m², mantido na posse da União por mais de
vinte anos, sem qualquer contestação ou reclamação administrativa
feita por terceiros quanto ao domínio e posse.
Art. 2ºEsta Portaria entrará em vigor na data de sua publicação.
NELSON MACHADO
<!ID637802-0>
PORTARIA
No
76, DE 18 DE ABRIL DE 2005
O MINISTRO DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, INTERINO, no uso da competência que lhe
foi delegada pelo inciso I, do art. 1o, do Decreto no 3.125, de 29 de
julho de 1999, observada a Resolução no 19, de 28 de junho de 2002,
do Conselho Nacional de Desestatização - CND, tendo em vista o
disposto no inciso I, do art. 18, da Lei no 9.636, de 15 de maio de
1998, e os elementos que integram o Processo no 10768.040739/198714 resolve:
Art. 1oAutorizar a cessão, sob a forma de utilização gratuita, ao
Estado do Rio Grande do Norte, do imóvel urbano, constituído por terreno com área de 546,00m² e acessórios com 335,00m², situado na Rua
Coronel Liberalino, no 96, Centro, Município de Areia Branca, naquele
Estado, com as características e confrontações constante da Matrícula no
137, do 1o Cartório Judiciário de Registro de Imóveis daquela Comarca.
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
Parágrafo único.A Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional
representará a União nos atos relativos à cessão do bem imóvel de
que trata a presente Portaria, cabendo à Secretaria do Patrimônio da
União - SPU, deste Ministério, a lavratura do respectivo contrato.
Art. 2oO imóvel a que se refere o artigo anterior destina-se à
instalação do Fórum da Comarca de Areia Branca.
§ 1o A presente cessão terá vigência pelo prazo de dez anos,
a contar da assinatura do correspondente contrato, podendo ser prorrogado por iguais e sucessivos períodos, a critério e conveniência
deste Ministério.
§ 2o Caberá ao cessionário manter no imóvel cedido, em
local visível, placa de publicidade, de acordo com os termos da
Portaria SPU no 122, de 13 de junho de 2000.
Art. 3oResponderá o cessionário, judicial e extrajudicialmente, por quaisquer reivindicações que venham a ser efetuadas por
terceiros, concernentes ao imóvel de que trata esta Portaria, inclusive
por acessórios e benfeitorias nele existentes.
Art. 4oOs direitos e obrigações mencionados nesta Portaria
não excluem outros, explícita ou implicitamente, decorrentes do contrato de cessão e da legislação pertinente.
Art. 5oA cessão será rescindida, independentemente de ato
especial, sem direito o cessionário a qualquer indenização, inclusive
por acessórios e benfeitorias realizados, se ao imóvel, no todo ou em
parte, vier a ser dada destinação diversa da prevista no art. 2o desta
Portaria, se houver inobservância de qualquer condição nela expressa,
ou, ainda, se ocorrer inadimplemento de cláusula contratual.
Art. 6oEsta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
NELSON MACHADO
.
Ministério do Trabalho e Emprego
GABINETE DO MINISTRO
<!ID638498-0>
PORTARIA Nº 197, DE 18 DE ABRIL DE 2005
O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO, no
uso das atribuições que lhe conferem o art. 87, parágrafo único, II, da Constituição Federal e o art. 913 da Consolidação das Leis do Trabalho, resolve:
Art. 1o Convocar as entidades sindicais registradas no Ministério do Trabalho e Emprego - MTE a atualizarem as informações
dos seus dados no Cadastro Nacional de Entidades Sindicais - CNES,
nos seguintes prazos:
I - confederações, de 19 de abril a 18 de maio de 2005;
II - federações, de 19 de maio a 18 de julho de 2005; e
III - sindicatos, de 19 de julho a 18 de outubro de 2005.
Art. 2º Instituir o Grupo Técnico Tripartite - GTT com o
objetivo auxiliar o MTE no desenvolvimento do sistema de atualização das informações sindicais na promoção da campanha e apoiar
as entidades sindicais, garantindo transparência e participação social
no processo de atualização das informações.
Parágrafo único. O GTT será composto por treze integrantes,
nomeados por ato do Ministro de Estado do Trabalho e Emprego,
sendo três representantes do Governo, cinco representantes dos trabalhadores e cinco representantes dos empregadores, indicados pelas
respectivas bancadas integrantes do Fórum Nacional do Trabalho FNT.
Art. 3º Os procedimentos e as informações necessárias para
a atualização dos dados das entidades sindicais no CNES serão definidos por ato do Secretário de Relações do Trabalho deste MTE.
Art. 4º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
RICARDO BERZOINI
<!ID637160-0>
PORTARIA Nº 198, DE 20 DE ABRIL DE 2005
Divulga os resultados do desempenho da
fiscalização do trabalho alcançados até
março de 2005.
O Ministro de Estado do Trabalho e Emprego, no exercício
da competência prevista no art. 87, inciso II da Constituição Federal
e tendo em vista o disposto na Lei n.º 10.910, de 15 de julho de 2004,
no Decreto n.º 5.101, de 19 de agosto de 2004 e na Portaria Interministerial n.º 19/MP/MTE, de 28 de janeiro de, resolve:
Art. 1º Divulgar os resultados do desempenho da fiscalização
do trabalho obtidos no período de janeiro a março de 2005 e os
correspondentes percentuais para efeito de aplicação do cálculo da
parcela institucional da Gratificação de Incremento da Fiscalização e
da Arrecadação - GIFA:
I - Arrecadação bancária do FGTS: 8.335 bilhões de reais,
correspondendo a 15,00% da GIFA;
II - Fiscalização do trabalho - formalização de vínculos:
166.886 vínculos empregatícios sob ação fiscal, correspondendo a 5%
da GIFA;
III - Fiscalização do trabalho - eliminação de riscos no ambiente de trabalho em estabelecimentos empregadores: 17.989 estabelecimentos fiscalizados, correspondendo a 5% da GIFA;
IV - Verificação do recolhimento do FGTS: 63.688 estabelecimentos fiscalizados, correspondendo a 5% da GIFA.
Art. 2º O percentual total da GIFA institucional para o mês
de março de 2005 é de 30,00%.
Art. 3º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
RICARDO BERZOINI
DELEGACIA REGIONAL DO TRABALHO NO
CEARÁ
<!ID636562-0>
PORTARIA N o- 57, DE 18 DE ABRIL DE 2005
O DELEGADO REGIONAL DO TRABALHO NO ESTADO DO CEARÁ, no uso da atribuição que lhe foi conferida pelo
Capítulo lV, art. 32, Inciso Vl, do Regimento Interno aprovado pela
Portaria MTE N.º 763, de 11/11/2000, e,
CONSIDERANDO a necessidade de estabelecer procedimentos para a expedição das Certidões de Infração Trabalhista, de
Débito Salarial e de Infrações Trabalhistas à Legislação de Proteção à
Criança e ao Adolescente, e
CONSIDERANDO que todos têm direito a receber dos órgãos públicos informações de seu interesse particular, ou de interesse
coletivos ou gerais ressalvadas as hipóteses legais, de acordo com o
art. 5º, XXXIII, da Constituição Federal, resolve:
Art. 1º. A Delegacia Regional do Trabalho no Ceará poderá
fornecer aos interessados informações contidas em seus bancos de
dados por meio de certidões.
Art. 2º. A certidão deverá ser solicitada por escrito pelo
interessado, perante a unidade administrativa da circunscrição onde se
situe o estabelecimento indicado no requerimento ou perante a autoridade regional.
Art. 3º. O requerimento deverá conter, obrigatoriamente, a
razão social, CNPJ/CPF/CEI e endereço da empresa requerente, o
pedido, os fins e razões do pedido e a assinatura do interessado ou de
preposto devidamente habilitado.
§ 1º. A aceitação do pedido fica condicionada ao fornecimento de dados cadastrais corretos, que possibilitem a realização
das diligências necessárias.
§ 2º. Ao requerimento deverão ser anexados os atos constitutivos do requerente.
Art. 4º. Serão emitidas as seguintes certidões:
I. Certidão de Infrações Trabalhistas;
II. Certidão de Débitos Salariais;
III. Certidão de Infrações Trabalhistas à Legislação de Proteção à Criança e ao Adolescente.
§ 1º. Para a emissão da certidão prevista no inciso I, serão
também avaliados os atributos necessários às certidões dos incisos II
e III, de forma que a emissão da primeira dispensa as demais.
§ 2º. Tratando-se da certidão prevista no inciso II e III, o
requerente firmará declaração acerca da regularidade de suas obrigações de natureza salarial com relação aos seus empregados e/ou de
regularidade de suas obrigações em relação a criança e ao adolescente, que deverá acompanhar o requerimento (conforme Modelo do
Anexo I e II).
§ 3º. Ambas as declarações serão exigidas para fins de emissão da Certidão prevista no inciso I.
Art. 5º. As certidões serão emitidas no prazo de 15 (quinze)
dias, a contar da formalização da solicitação ou da regularização dos
dados mencionados no art. 3º, e terão validade por 90 (noventa)
dias.
Art. 6º. As certidões de que tratam os incisos do art. 4º serão
expedidas pelo Setor de Fiscalização do Trabalho da DRT/CE, de
acordo com os dados fornecidos pela Seção de Multas e Recursos
deste órgão.
Art. 7º A critério da Chefia do Setor de Fiscalização do
Trabalho poderá ser empreendida ação fiscal a fim de subsidir a
expedição das certidões solicitadas.
Art. 8º. Para fins de emissão das certidões de que trata o art.
4º da presente Portaria, considerar-se-à:
I-Negativa - quando não existir qualquer registro da lavratura
de Auto de Infração contra a requerente, ou quando, existindo, os
respectivos processos administrativos por ele originados tiverem sido
arquivados, por qualquer motivo, ou quando as multas administrativas, quando impostas, tiverem sido devidamente quitadas;
II-Positiva com efeitos de negativa - quando existindo registro da lavratura de Auto de Infração contra a requerente, estiverem
fluindo os prazos para defesa e/ou recurso administrativo, ou ainda,
enquanto o processo administrativo correspondente estiver pendente
de julgamento;
III- Positiva - nos demais casos.
Art. 9º. As Certidões Positivas e Positivas com efeitos de
Negativa farão menção expressa aos Autos de Infração lavrados, a
sua capitulação legal e a fase em que se encontram.
Art. 10º. Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
69
ISSN 1677-7042
ANEXO II
DECLARAÇÃO DE CUMPRIMENTO DO DISPOSTO NO
INCISO XXXIII DO ART. 7º DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL
_____________________________________________ (nome), _______________ (nacionalidade), __________ (estado civil),
RG nº ________________ e CPF nº _________________, na condição
de
preposto
da
empresa
_______________________________________, inscrita no CNPJ
sob o nº _________________, DECLARO, sob as penas da lei*, que
a pessoa jurídica acima nominada encontra-se em situação regular
quanto ao cumprimento do disposto no inciso XXXIII do art. 7º da
Constituição Federal.
Por ser esta uma declaração da verdade, firmo a presente
para os efeitos pretendidos, especialmente para comprovação de regularidade quanto ao cumprimento da norma constitucional de proteção ao trabalho de menor e do adolescente junto ao Sistema Federal
de Inspeção do Trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego.
_______________________, em ____/____/____.
* Código Penal, art. 299.
SECRETARIA DE RELAÇÕES DO TRABALHO
<!ID638062-0>
DESPACHO DO SECRETÁRIO
Em 20 de abril de 2005
Anulação de registro sindical por decisão judicial
O Secretário de Relações do Trabalho, no uso de suas atribuições legais, com fundamento na Portaria nº 343, de 04 de Maio de
2000, na Portaria nº 310, de 05 de abril de 2001 e DESPACHO/CGRS 005/2005, em cumprimento à Decisão proferida nos autos do Recurso de Apelação, interposto pelo “Sindicato dos Transportes Escolares de Brasília”, nos autos do Mandado de Segurança nº
2002.34.00.038288-4/DF, conforme atestado no Ofício 139/CTUR8,
expedido pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região,”, resolve:
ANULAR O REGISTRO do “Sindicato dos Transportadores Escolares e Turismo do Distrito Federal-SINTETUR”, processo
46000.017391/2001-91.
OSVALDO MATINES BARGAS
Ministério dos Transportes
.
AGÊNCIA NACIONAL DE
TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS
RESOLUÇÃO Nº 417, DE 19 DE ABRIL DE 2005
<!ID637600-0>
Prorroga o prazo de que trata a RESOLUÇÃO Nº 356-ANTAQ, de 20 de dezembro de 2004, que aprovou a Norma para
outorga de autorização para explorar serviço de transporte de carga na navegação
interior de percurso longitudinal.
O DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE
TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS-ANTAQ, no uso da competência
que lhe é conferida pelo inciso IV do art. 44 do Regimento Interno,
ad referendum da Diretoria, resolve:
Art. 1º Prorrogar até o dia 20 de junho de 2005 o prazo
fixado pela Resolução nº 356-ANTAQ, de 20 de dezembro de 2004,
para a pessoa física ou empresário, que opere fora da Bacia Amazônica, se adaptar às disposições da citada Resolução.
Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação no Diário Oficial da União.
CARLOS ALBERTO WANDERLEY NOBREGA
COMPANHIA DOCAS DO CEARÁ
C.N.P.J. 07.223 .670/0001-16
<!ID637523-0>
BALANÇO PATRIMONIAL
Março de 2005
ATIVO
Circulante
ALBERTO FERNANDES DE FARIAS NETO
ANEXO I
DECLARAÇÃO DE INEXISTÊNCIA DE DÉBITO SALARIAL
_____________________________________________ (nome),
__________________________
(nacionalidade),
_________________ (estado civil), RG nº ________________ e CPF
nº _________________, na condição de preposto da empresa
_______________________________________, inscrita no CNPJ
sob o nº _________________, DECLARO, sob as penas da lei*, que
a pessoa jurídica acima nominada encontra-se em situação regular
com todas as obrigações de natureza salarial para com seus empregados na presente data.
Por ser esta uma declaração da verdade, firmo a presente
para os efeitos pretendidos, especialmente para comprovação de regularidade de pagamento salarial junto ao Sistema Federal de Inspeção do Trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego.
_______________________, em ____/____/____.
* Código Penal, art. 299.
21.824.711,94
Realizável a Longo Prazo
6.255.716,52
Permanente
32.398.327,20
Investimentos
122.092,41
Imobilizado
27.468.283,40
Diferido
4.807.951,39
Total do Ativo
60.478.755,66
PASSIVO
Circulante
4.801.877,12
Exigível a Longo Prazo
1.849.830,50
Patrimônio Líquido
Capital
Créditos P/ Aumento de Capital
Reservas de Lucros
Lucros/Prej.Acumulados
Total do Passivo
53.827.048,04
55.260.244,48
1.767.701,72
1.218.110,72
(4.419.008,88)
60.478.755,66
JOSÉ LUIZ F.SANTOS
Tec. Cont. CRC-CE 11.424
70
ISSN 1677-7042
1
COMPANHIA DOCAS DO ESPÍRITO SANTO
CGC. 27.316.538/0001- 66
.
<!ID637649-0>
BALANCETE PATRIMONIAL
Em 31 de março 2005 - Provisório
ATIVO
R$ MIL PASSIVO
CIRCULANTE
Caixa e Bancos
Bancos c/ Vinculada
Aplicações Financeiras
29.521
943
0
18.441
Clientes
Almoxarifado
INSS/ Convênio
Tributos a Recuperar IRPJ/Cont.Social
Outros Impostos a Recuperar
Adiantamentos a Empregados
Despesas Diferidas
Outros Valores a Receber
REALIZÁVEL A LONGO
PRAZO
Depósitos Judiciais
PERMANENTE
Investimentos
Imobilizado
TOTAL DO ATIVO
8.815
50
46
156
CIRCULANTE
Empréstimos
Obrigações Fiscais e Trabalhistas
Fornecedores de Materiais, Serviços e
Obras
Depósito Garantia Taxas Portuárias
Provisões Operacionais
Provisões p/ Ações Judiciais
Outras Exigibilidades
12
692 EXIGÍVEL A LONGO PRAZO
32 Empréstimos
334 Obrigações Fiscais e Trabalhistas
Provisão p/ Ações Judiciais
26.114
Ministério Público da União
R$
MIL
23.392
4.072
5.715
556
465
1.632
10.685
267
50.273
8.612
24.237
17.424
MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO
PROCURADORIA-GERAL
PORTARIA Nº 169, DE 20 DE ABRIL DE 2005
<!ID636761-0>
A PROCURADORA-GERAL DO TRABALHO, no uso de
suas atribuições, com base no artigo 37, inciso II, da Constituição
Federal, c/c os artigos 192 da Lei Complementar nº 75/93 e 50 da
Resolução CSMPT nº 55/2004, e tendo em vista a manifestação do
Conselho Superior do Ministério Público do Trabalho, feita na 125ª
Sessão Extraordinária, de 19 do corrente mês, nos autos do Processo
nº 08130.004416/2003, resolve:
Homologar o resultado final do XI Concurso Público para
Provimento de Cargos de Procurador do Trabalho, conforme divulgado pelo Edital nº 8, de 18.4.2005, publicado no Diário Oficial da
União, Seção 3, de 19.4.2005.
SANDRA LIA SIMÓN
PROCURADORIAS REGIONAIS
20ª REGIÃO
26.114
PATRIMÔNIO LÍQUIDO
Capital Social
83.904 Crédito de Acionista p/ Aumento de
Capital
104 Resultados Exercícios Anteriores
83.800 Resultado do Exercício
139.539 TOTAL DO PASSIVO
65.874
70.276
26.211
-22.113
-8.500
139.539
HENRIQUE GERMANO ZIMMER
Diretor-Presidente
RODRIGO FLÁVIO FARIAS CHAMOUN
Diretor de Administração e Finanças
DANILO ROGER MARÇAL QUEIROZ
Diretor de Comercialização e Fiscalização
SANTA DE FÁTIMA NÉSPOLI
Contador CRC/ES-3238
<!ID636441-0>
PORTARIA Nº 64, DE 12 DE ABRIL DE 2005
O Procurador do Trabalho subscrito, no uso de suas atribuições institucionais previstas na Constituição da República e na
legislação infraconstitucional atinentes à defesa, pelo Ministério Público do Trabalho, da ordem jurídica e dos interesses difusos e coletivos decorrentes das relações de trabalho (art. 127 da Constituição
da República e Lei Complementar 75/93), considerando os fatos denunciados e/ou apurados nos autos do Procedimento Preparatório
00145/2003, resolve converter o referido procedimento em inquérito
civil, figurando como inquirida CEEMA CONSTRUÇÕES E MEIO
AMBIENTE LTDA., pessoa jurídica de direito privado, inscrita no
CNPJ sob o nº 00.610.079/0001-72, com sede na Rua Pastor José
Guilherme de Moraes, 260, Bairro Pau da Lima, Município de Salvador, Estado da Bahia, CEP 41.245-050, com fulcro nos arts. 129,
incisos II e III, da Lei Maior, 6º, VII, "d" e 84, inciso II, da Lei
Complementar 75/93, e 8º, § 1º, da Lei 7.347/85, e designando o
servidor Anelar Nunes de Carvalho Filho, Técnico do Ministério
Público da União, para secretariar os trabalhos do inquérito.
MÁRIO LUIZ VIEIRA CRUZ
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
<!ID636442-0>
PORTARIA Nº 65, DE 13 DE ABRIL DE 2005
A Procuradora do Trabalho subscrita, no uso das atribuições
institucionais, considerando as atribuições constitucionais e infraconstitucionais do Ministério Público do Trabalho na defesa da ordem
jurídica e dos interesses difusos e coletivos decorrentes das relações
de trabalho (art. 127 da Constituição da República Federativa do
Brasil e Lei Complementar nº 75/93); considerando a gravidade dos
fatos denunciados nos autos do Representação nº 00092 / 2005 resolve convolar o presente procedimento em Inquérito Civil Público,
tendo como parte inquirida AUDIFAR COMERCIAL LTDA (AUDIFAR DISTRIBUIDORA FARMACÊUTICA LTDA), com fulcro
nos Artigos 129, incisos II e III, da Constituição Federal, 6º, VII, "d"
e 84, inciso II, da Lei Complementar nº 75, de 20.05.93, art. 8º, § 1º,
da Lei nº 7.347, de 24.07.85, designando a servidora Marcly Soraya
do Nascimento, Técnica do Ministério Público da União, para secretariar os trabalhos deste Inquérito.
VILMA LEITE MACHADO AMORIM
MINISTÉRIO PÚBLICO DO
DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS
CONSELHO SUPERIOR
<!ID636937-0>
RETIFICAÇÃO
Na Resolução nº 58, de 15/ABR/2005, publicada no D.O.U.
nº 75, de 20/ABR/2005, Seção 1, págs. 147 e 148, onde se lê:
“ANTONIO EZEQUIEL DE ARAÚJO NETO
Procurador de Justiça
Conselheiro-Secretário”
Leia-se:
“ANTONIO EZEQUIEL DE ARAÚJO NETO
Procurador de Justiça
Conselheiro-Relator”
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
Tribunal de Contas da União
.
PLENÁRIO
<!ID637465-1>
ATA Nº 12, DE 13 DE ABRIL DE 2005
(Sessão Ordinária do Plenário)
Presidência do Ministro Adylson Motta
Repr. do Ministério Público: Dr. Lucas Rocha Furtado
Secretário-Geral das Sessões: Dr. Ricardo de Mello Araújo
Secretária do Plenário: Dra. Elenir Teodoro Gonçalves dos
Santos
Com a presença dos Ministros Marcos Vinicios Vilaça, Valmir Campelo, Walton Alencar Rodrigues, Guilherme Palmeira, Ubiratan Aguiar e Benjamin Zymler, do Ministro-Substituto e Marcos
Bemquerer Costa (convocado para substituir o Ministro-Substituto
Lincoln Magalhães da Rocha), bem como do Representante do Ministério Público, Dr. Lucas Rocha Furtado, Procurador-Geral, o Presidente, Ministro Adylson Mota, invocando a proteção de Deus, declarou aberta a Sessão Ordinária do Plenário, às quatorze horas e
trinta minutos, havendo registrado as ausências do Ministro-Substituto Lincoln Magalhães da Rocha (convocado em virtude da aposentadoria do Ministro Iram Saraiva), por motivo de férias, e do
Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti (convocado em virtude da aposentadoria do Ministro Humberto Guimarães Souto), em
missão oficial deste Tribunal (Regimento Interno, artigos 92 a 95, 99,
133, incisos I a V, e 28, incisos I e VI, e 55, incisos I, b e III).
HOMOLOGAÇÃO DE ATA
O Tribunal Pleno homologou a Ata n.º 11, da Sessão Ordinária realizada em 6 de abril corrente, cujas cópias autenticadas
haviam sido previamente distribuídas aos Ministros e ao Representante do Ministério Público (Regimento Interno, artigo 101).
COMUNICAÇÕES DA PRESIDÊNCIA
O Presidente, Ministro Adylson Motta, fez em Plenário as
seguintes comunicações:
1ª) HOMENAGEM À SRA. MARIA FELICIANA DE
ABREU SOUTO
“Senhores Ministros,
Senhor Procurador-geral,
É com imenso pesar que a Presidência cumpre a dolorosa
tarefa de registrar o falecimento, na última sexta-feira, dia 8 de abril,
da Sra. Maria Feliciana de Abreu Souto, esposa do Ministro Humberto Souto, ex-Presidente do Tribunal de Contas da União.
Conhecida por todos nós, Dona Lia era querida pela gentileza, simplicidade e generosidade que pautava todas as suas condutas.
Mesmo ao longo da doença que a afligiu durante tanto tempo, deu mostra de sua nobreza de caráter, aceitando sem lamúrias o
sofrimento e lutando para continuar a cumprir seu papel de esposa e
de mãe de Maria Tereza, Júnia, Emily e Américo.
Companheira de toda a vida, foi a maior força motriz das
conquistas que o Ministro Humberto Souto logrou alcançar, transmitindo-lhe serenidade e confiança no curso de quatro décadas de
casamento.
A Presidência externa, assim, sua solidariedade ao Ministro
Humberto Souto, alvitrando que a dor da perda possa ser superada, a
fim de que Sua Excelência possa continuar a dar ao país a mesma
contribuição que marcou toda a sua vida pública.”
- Fala do Ministro Valmir Campelo
"Nesta oportunidade, Senhor Presidente, gostaria de me juntar a Vossa Excelência nos sentimentos de pesar que Vossa Excelência
manifesta à família do Ministro Humberto Souto pelo falecimento da
nossa querida Dona Lia.
Conhecia-a muito bem, por já ter feito algumas viagens com
o Ministro Humberto Souto, Dona Lia e minha esposa. Pude sentir de
perto a grandeza da Dona Lia, a fineza das suas ações, sua delicadeza
com a vida, com a família, com qualquer semelhante.
Neste momento, quero dizer que se o Ministro Humberto
Souto teve sempre uma vida vitoriosa, foi graças, em grande parte, a
essa mulher extraordinária, que parte, mas que deixa seu carisma, que
parte, mas que deixa saudades."
- Fala do Ministro Walton Alencar Rodrigues
"Também eu, Senhor Presidente, Senhores Ministros, Senhor
Procurador-Geral, gostaria de acompanhar o pronunciamento de Vossa Excelência e manifestar profundas condolências ao Ministro Humberto Souto, ex-Presidente desta Corte, na forma já realizada na
sessão de ontem da 2ª Câmara."
- Fala do Ministro Guilherme Palmeira
"Senhor Presidente,
Senhores Ministros,
Senhor Procurador-Geral,
Quero simplesmente me associar à manifestação de Vossa
Excelência, Senhor Presidente, do Ministro Valmir Campelo, do Ministro Walton e de toda Casa, na tristeza, no pesar que todos sentimos
pela morte da Dona Lia Souto. Conheci e convivi com Dona Lia em
várias viagens, em várias oportunidades. Sem dúvida, o Ministro
1
Humberto deve estar sofrendo, porque ela realmente foi uma estimuladora de tudo que ele tem sido na vida. Portanto, fica aqui meu
registro."
- Fala do Ministro Ubiratan Aguiar
"Senhor Presidente,
Senhores Ministros,
Senhor Procurador-Geral,
Secundo todas essas manifestações. Tive o privilégio de conviver durante duas décadas com o casal Humberto Souto e Lia. Sua
partida significa mais uma lacuna numa sociedade onde a presença
dos gestos de bondade e de solidariedade parece escassear. E ela era
um exemplo dessa bondade sempre presente.
Conheci-a e com ela convivi, sempre olhando em sua face o
riso posto nos lábios. A palavra de incentivo, a palavra solidária e
amiga, e é esse exemplo que quero guardar, para poder disseminá-lo,
na medida em que possa, como marca de vida. Humberto Souto, se
sente por um lado a dor da perda, guarda com carinho, tenho certeza,
esses exemplos que todos nós, seus amigos e amigos de Lia, pudemos
registrar."
- Fala do Ministro Benjamim Zymler
"Senhor Presidente,
Senhores Ministros,
Senhor Representante do Ministério Público,
Também gostaria de registrar dois sentimentos paradoxais
que me acometem agora. O primeiro, de alegria, pelo restabelecimento extraordinário do Ministro Valmir Campelo, com sua vitalidade, sua alegria, que novamente engrandecem esta Corte com sua
presença. O segundo, de solidariedade à dor do Ministro Humberto
Souto, que aprendi a admirar desde os tempos de Analista de Controle Externo, pela morte da Dona Lia. Transmito a ele meus pêsames
e todos os meus sentimentos.”
- Fala Ministro-Substituto Marcos BemQuerer Costa
"Senhor Presidente,
Senhores Ministros,
Senhor Procurador-Geral,
Peço permissão para fazer minhas as confortadoras palavras
já proferidas pelos demais Ministros nesse momento de enorme pesar
pelo passamento da Senhora Lia Souto, esposa do Ministro Humberto
Souto. Solidarizo-me com ele e com todos os seus familiares pela
perda sofrida, na esperança de que Deus traga conforto aos seus
corações."
- Fala do Ministro Marcos Vinicios Vilaça
"Senhor Presidente,
Excelências,
Nesta oportunidade, reiterando o que disse o Ministro Valmir
Campelo ontem, junto-me aos companheiros na manifestação de solidariedade ao Ministro Humberto Souto e a sua família.
O Ministro Ubiratan Aguiar, ainda há pouco, mencionou um
fato que é muito proeminente na figura de Dona Lia Souto, quando
falava das suas virtudes no matriarcado.
Lia era, na verdade, aquilo que as famílias romanas chamavam da mater familias. Era exatamente essa expressão da maternidade exercida, naturalmente, a partir do fato de ser esposa.
Dom Helder Camara uma vez me disse que quando uma
pessoa sonha, aquilo não passa de um sonho. Quando duas pessoas
sonham, aquilo se realiza.
Acho que um casamento bem sucedido - e tenho autoridade
para falar, porque sou protagonista de um casamento bem sucedido acontece porque os dois sonham! E nas pessoas de Humberto e de
Lia houve a convergência dos sonhos.
Desgraçadamente, para quem tem luto em família, o luto não
passa. É ilusão achar que o tempo apaga, que o tempo sara.
Nada disso!
Na profundeza do amor, não existe cicatriz que feche, não há
cicatriz fechada; há sempre um corte aberto, que sangra permanentemente. O tempo, o que faz, é dar condições de a gente conviver
com a saudade. Mas eliminá-la, extingui-la, nunca!. Não existe isso!
O conforto que a gente tem é seguir aquilo que o escritor
moçambicano Mia Couto disse, com felicidade, segurança, ética e
estética: 'um morto amado nunca pára de morrer'. Esta é a realidade
que potencializa e dá a moldura a uma família enlutada.
Junto-me às manifestações aqui feitas dando este depoimento
sentido, Senhor Presidente, Senhores Ministros e Senhor Procurador."
- Fala do Procurador-Geral, Dr. Lucas Rocha Furtado
Senhor Presidente,
Senhores Ministros,
Aprendi a conviver com o Ministro Humberto Souto e sei
que ele tinha em Dona Lia seu sustentáculo, seu pilar, seu apoio, que
lhe dava toda essa grandeza, devida indiscutivelmente à presença de
Dona Lia.
Apenas peço, Senhor Presidente, que transmita ao ilustre
Ministro e querido amigo Humberto Souto nosso abraço de solidariedade.
Também é meu dever, Senhor Presidente, louvar a atitude
que o Doutor Marcos Fernandes, Chefe do Departamento Médico
deste Tribunal, teve em relação ao acompanhamento da doença de
Dona Lia, que se estendeu por mais de dois anos. É de justiça prestar
homenagem à dedicação do Doutor Marcos Fernandes, que acompanhou, com muito carinho e dedicação, todo esse processo muito
doloroso do Ministro Humberto Souto e de sua Senhora."
ISSN 1677-7042
71
2ª) PLANO DE FISCALIZAÇÃO
“Senhores Ministros,
Senhor Procurador-Geral,
Informo a este Plenário que, consoante dados dos Sistemas
Fiscalis e Sinergia, foram iniciadas, até 8 de abril, 209 fiscalizações,
sendo 50 levantamentos do Fiscobras, dentre as 525 cadastradas no
Plano de Fiscalização do 1º Semestre de 2005. Dessas, tiveram início
28 fiscalizações no período entre 4 e 8/4/2005, conforme quadro que
passo às mãos de Vossas Excelências.
Desses trabalhos, destacam-se:
a) Inspeção na Petrobras, para verificar a economicidade e a
legalidade da execução dos contratos relativos à construção da Plataforma PRA-1;
b) Levantamento para verificar a gestão de ética no Banco
Nacional de Desenvolvimento Ecônomico e Social - BNDES;
c) Inspeção na ANATEL, para avaliar o cumprimento das
condições necessárias para obtenção de autorizações de serviços de
interesse coletivo de telecomunicação;
d) 10 levantamentos do Fiscobras.”
3ª) PRESENÇA EM PLENÁRIO DOS SERVIDORES DOS
SERVIÇOS DE
ADMINISTRAÇÃO DAS SECEXs ESTADUAIS
“Senhores Ministros,
Senhor Procurador-Geral,
Registro a presença, neste Plenário, dos servidores dos serviços de administração das Secretarias de Controle Externo nos Estados que estão participando dos cursos de Siafi Operacional Para
Área Meio, Gestão e Fiscalização de Contratos e Gestão Documental
(TRADOC), promovidos pelo Instituto Serzedello Corrêa - ISC, no
período de 31.03 a 15.04.2005.
A Presidência lhes dá as boas vindas à sede e lhes deseja
sucesso nos eventos de que estão participando.”
COMUNICAÇÕES DO MINISTRO WALTON ALENCAR
RODRIGUES
“Sr. Presidente
Srs. Ministros
Sr. Procurador-Geral
Comunico a Vossas Excelências que, no período de 9 a 11 de
março, foi realizado monitoramento na 1ª Secretaria de Controle
Externo, em consonância com a programação constante do Plano de
Correição e Inspeção para o 1º semestre do corrente ano, aprovada
pela Portaria nº 1/2005.
O principal objetivo do monitoramento é verificar o cumprimento das determinações anteriormente efetuadas à unidade, bem
como a análise de outros aspectos não constantes dos itens anteriormente examinados na inspeção realizada em junho de 2003, nos
autos do TC - 012.717/2003-3, a exemplo dos seguintes: atingimento
de metas institucionais, verificação dos indicadores de desempenho,
controle patrimonial e satisfação dos servidores. Pretende-se, com
isso, realizar o acompanhamento permanente de gestão das unidades
da Secretaria do Tribunal, a fim de atender ao disposto nos incisos I
e II do art. 1º da Resolução TCU nº 159/2003.
Do presente trabalho, destaco, como principal resultado, a
par das determinações corretivas das falhas observadas na unidade, a
proposta de analise da conveniência e oportunidade de constituir,
assim que concluídos os anteprojetos de Resolução, relativos a assuntos pertinentes à Resolução TCU nº 136/2000, novo e específico
projeto, com o fim de proceder à revisão geral da referida Resolução,
com especial atenção para as seguintes questões: prazos de autuação,
exame e tramitação de processos; procedimentos de tramitação, inclusive interna, de processos; e procedimentos de alimentação, no
Sistema Processus, das informações relativas à localização dos processos arquivados nas unidades técnicas.
Por fim, nos termos do art. 14, inciso II, da Resolução nº
159/2003-TCU, encaminho os autos do monitoramento à Presidência.
Gostaria, também, Senhor Presidente, na oportunidade, de
manifestar regozijo pela presença sadia, alegre e festiva do Ministro
Valmir Campelo.
Comunico, ainda, a requerimento do Ministro Ubiratan
Aguiar, que, na sessão extraordinária de ontem, da Segunda Câmara,
ao examinar o processo TC-002.708/2001-4, que trata de pedido de
reexame interposto contra Acórdão da 2ª Câmara que havia julgado
ilegais atos de aposentadoria em razão da acumulação de proventos
de aposentadoria civil e de reforma militar.
Ao proferir o Acórdão 504/2005, a Câmara conheceu do
recurso e sobrestou o julgamento de seu mérito até trânsito em julgado das decisões proferidas pelo Supremo Tribunal Federal nos
Mandados de Segurança n. 24.958, 24.997, 25.015, 25.036, 25.037,
25.090 e 25.095, onde aquela Corte, segundo comunicação feita pela
Presidência desta Casa na Sessão Ordinária deste Plenário de 16 de
fevereiro de 2005, invalidou deliberações da Primeira Câmara deste
Tribunal e entendeu “que a acumulação de proventos militares com
proventos civis não está abarcada pela proibição de acumulação de
proventos constante da Emenda Constitucional 20/98, que vedaria tão
somente acumulação de proventos civis”.
72
ISSN 1677-7042
1
4ª REUNIÃO DO COMITÊ DIRETOR DO GRUPO DE
TRABALHO DE AUDITORIA AMBIENTAL DA INTOSAI
- Comunicação do Ministro Ubiratan Aguiar
“Sr. Presidente,
Srs. Ministros,
Sr. Procurador-Geral,
Comunico aos eminentes Pares que participei, representando
este Tribunal, da 4ª Reunião do Comitê Diretor do Grupo de Trabalho
de Auditoria Ambiental da Intosai, ocorrido em Praga, República
Tcheca, no período de 4 a 7 de abril.
A Reunião de Praga teve como tema central a execução das
atividades previstas no Plano de Trabalho 2005-2007 do referido
Grupo, no qual estão previstos projetos específicos sobre temas ambientais, sobre a atuação das Entidades de Fiscalização Superior
(EFSs) na área de auditoria ambiental e sobre o próprio funcionamento do Grupo de Trabalho. A condução de cada projeto está
sendo coordenada por uma EFS, membro do Grupo de Trabalho, que
é a EFS 'líder de projeto'. Durante a Reunião, as Entidades com essa
incumbência apresentaram os planos de trabalho de seus respectivos
projetos.
Juntamente com a Auditoria Geral do Canadá, o TCU está
incumbido de um projeto sobre biodiversidade. O projeto consiste na
realização de um estudo sobre vários aspectos do tema, com o propósito de estimular as EFSs a promoverem auditorias na área de
biodiversidade. Entre os aspectos tratados, encontram-se a delimitação do foco das auditorias e a identificação de boas práticas nesse
campo.
Além dos projetos incluídos no Plano 2005-2007, as EFSs
discorreram sobre a execução de auditorias e de outras iniciativas na
área ambiental e de desenvolvimento sustentável. As EFSs membros
do Comitê Diretor tiveram, ainda, a oportunidade de trazer à discussão e trocar informações acerca dos resultados de auditorias realizadas, do desenvolvimento da auditoria ambiental na instituição e do
progresso da fiscalização ambiental na área governamental de seu
país.
Outra parte da Reunião do Comitê Diretor foi reservada aos
coordenadores dos grupos de trabalhos regionais de auditoria ambiental - como o TCU, que coordena a Comissão Técnica Especial de
Meio Ambiente da Olacefs. Os coordenadores relataram os resultados
e progressos alcançados por seus respectivos grupos e deram notícias
a respeito de seus planos de trabalho.”
DIÁLOGO PÚBLICO NA CIDADE DE ARACAJÚ - SERGIPE
- Comunicação do Ministro-Substituto Marcos Bemquerer
Costa
“Senhor Presidente,
Senhores Ministros,
Senhor Procurador-Geral,
Comunico a este Colegiado que nos dias 07 e 08 deste mês
tive a oportunidade de participar do Diálogo Público ocorrido na
cidade de Aracaju - Sergipe, em atenção ao honroso convite do
Ministro-Presidente.
O encontro, em sua nova conformação, agora com o enfoque
especialmente voltado para a qualidade dos gastos públicos feitos
pelos Municípios brasileiros, bem assim para as contribuições que os
órgãos de controle podem proporcionar nessa área, contou com a
presença de diversas autoridades do Estado, gestores públicos e membros dos mais variados setores da sociedade local. Importante destacar o comparecimento pessoal de 39 Prefeitos municipais e a ampla
cobertura conferida ao evento pela imprensa local, circunstâncias essas que denotam a relevância da realização de projetos dessa natureza, em que o TCU estreita suas relações com os gestores municipais com o nobre fim de promover a melhoria na gestão dos
recursos públicos a eles confiados.
Não posso deixar de registrar o êxito desse valoroso evento,
cuja organização primou pela qualidade, enaltecendo aqui a participação e o engajamento dos dirigentes e servidores da Secex/SE, do
Instituto Serzedello Corrêa e da Secretaria Geral de Controle Externo.
Por fim, agradeço mais uma vez a distinção do Presidente
Adylson Motta em incumbir-me de tão importante missão, ao tempo
em que saúdo Sua Excelência pela salutar iniciativa, de consolidar o
caráter pedagógico desta Corte, mediante o intercâmbio de conhecimentos, de idéias e de experiências, visando à otimização dos gastos públicos.
Muito Obrigado.”
SORTEIO ELETRÔNICO DE RELATOR DE PROCESSOS
De acordo com os artigos 1º, 13 a 17 e 29 da Resolução nº
064/96, o Presidente, Ministro Adylson Motta, realizou, nesta data,
sorteio eletrônico dos seguintes processos:
SORTEIO DE PROCESSOS AOS MINISTROS INTEGRANTES DO PLENÁRIO
Processo: TC-018.170/2004-3
Interessado: SECEX-SE/Tribunal de Contas da União
Motivo do Sorteio: Impedimento - Art. 111 e 151, inciso II
do R.I.
Classificação: Outros assuntos
Relator Sorteado: Auditor Augusto Sherman Cavalcanti
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
Processo: TC-002.335/2002-8
Interessado: Joseildo Ribeiro Ramos
Motivo do Sorteio: Pedido de Reexame (Acórdão)
Classificação: Recurso e pedido de reexame
Relator Sorteado: Ministro Benjamin Zymler
Processo: TC-015.651/2003-3
Interessado: Prefeitura Municipal de Itacaré - BA
Motivo do Sorteio: Recurso de Reconsideração (Acórdão)
Classificação: Recurso e pedido de reexame
Relator Sorteado: Ministro Benjamin Zymler
Processo: TC-011.909/2001-1
Interessado: Coordenação-Geral de Recursos Logísticos -
Processo: TC-575.127/1997-0
Interessado: Prefeitura Municipal de Cambuci - RJ
Motivo do Sorteio: Recurso de Reconsideração (Acórdão)
Classificação: Recurso e pedido de reexame
Relator Sorteado: Ministro Benjamin Zymler
MCT
Motivo do Sorteio: Pedido de Reexame (Acórdão)
Classificação: Recurso e pedido de reexame
Relator Sorteado: Ministro Guilherme Palmeira
Processo: TC-014.208/2003-6
Interessado: Prefeitura Municipal de Tomé-Açu - PA
Motivo do Sorteio: Recurso de Reconsideração (Acórdão)
Classificação: Recurso e pedido de reexame
Relator Sorteado: Auditor Lincoln Magalhães da Rocha
Processo: TC-006.798/2003-6
Interessado
Motivo do Sorteio: Pedido de Reexame (Acórdão)
Classificação: Outros assuntos
Relator Sorteado: Ministro LUJ 03
Processo: TC-005.335/2005-6
Interessado
Motivo do Sorteio: Impedimento - Arts. 111 e 151, Inciso II
do R.I.
Processo: TC-018.928/2004-3
Interessado
Motivo do Sorteio: Pedido de Reexame (Deliberação em
relação)
Classificação: Outros assuntos
Relator Sorteado: Ministro LUJ 03
Classificação: Outros assuntos
Relator Sorteado: Ministro LUJ 03
Processo: TC-009.806/2002-5
Interessado: Agência Nacional de Águas - MMA
Motivo do Sorteio: Recurso de Reconsideração (Acórdão)
Classificação: Recurso e pedido de reexame
Relator Sorteado: Ministro Ubiratan Aguiar
Processo: TC-006.527/1997-3
Interessado: Secretaria de Recursos Hídricos - MMA
Motivo do Sorteio: Recurso de Revisão ao Plenário contra
Deliberação em Relação
Classificação: Recurso e pedido de reexame
Relator Sorteado: Auditor Marcos Bemquerer Costa
Processo: TC-015.558/1999-1
Interessado: Ministério da Educação e Cultura - MEC, Instituto Santa Emília
Motivo do Sorteio: Recurso de Revisão ao Plenário contra
Acórdão
Classificação: Recurso e pedido de reexame
Relator Sorteado: Ministro Marcos Vinicios Vilaça
Processo: TC-016.078/1999-3
Interessado: Caixa Econômica Federal - MF, Subsecretaria de
Planejamento e Orçamento - MPO (Excluída), Banco do Brasil
Motivo do Sorteio: Pedido de Reexame (Acórdão)
Classificação: Recurso e pedido de reexame
Relator Sorteado: Ministro Ubiratan Aguiar
Processo: TC-003.192/2001-0
Interessado: Secretaria de Políticas e Emprego do MTE
Motivo do Sorteio: Recurso de Reconsideração (Acórdão)
Classificação: Recurso e pedido de reexame
Relator Sorteado: Ministro Walton Alencar Rodrigues
SORTEIO DE PROCESSOS ADMINISTRATIVOSAOS MINISTROS INTEGRANTES DO PLENÁRIO
Processo: TC-018.882/2002-6
Interessado: SECEX-RJ/Secretaria de Controle Externo no
Rio de Janeiro
Motivo do Sorteio: Processo Administrativo - Art. 28, inciso
XIV do R.I.
Classificação: Outros assuntos
Relator Sorteado: Auditor Marcos Bemquerer Costa
SORTEIO DE PROCESSOS AOS MINISTROS INTEGRANTES DA 1ª CÂMARA
Processo: TC-002.772/2001-5
Interessado
Motivo do Sorteio: Pedido de Reexame (Acórdão)
Classificação: Recurso e pedido de reexame
Relator Sorteado: Ministro Guilherme Palmeira
Processo: TC-005.888/2000-6
Interessado: Tribunal Regional Eleitoral - RN
Motivo do Sorteio: Recurso de Reconsideração (Acórdão)
Classificação: Recurso e pedido de reexame
Relator Sorteado: Ministro Marcos Vinicios Vilaça
Processo: TC-018.388/2002-2
Interessado: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - MCT
Motivo do Sorteio: Recurso de Reconsideração (Acórdão)
Classificação: Recurso e pedido de reexame
Relator Sorteado: Ministro Marcos Vinicios Vilaça
SORTEIO DE PROCESSOS AOS MINISTROS INTEGRANTES DA 2ª CÂMARA
Processo: TC-005.015/2003-0
Interessado: Prefeitura Municipal de Potiraguá - BA
Motivo do Sorteio: Recurso de Reconsideração (Acórdão)
Classificação: Recurso e pedido de reexame
Relator Sorteado: Ministro Benjamin Zymler
Processo: TC-855.802/1997-9
Interessado: Universidade Federal do Espírito Santo
Motivo do Sorteio: Pedido de Reexame (Decisão)
Classificação: Outros assuntos
Relator Sorteado: Ministro Ubiratan Aguiar
Processo: TC-013.869/1995-7
Interessado: Financiadora de Estudos e Projetos - FINEP BSB
Motivo do Sorteio: Pedido de Reexame (Acórdão)
Classificação: Recurso e pedido de reexame
Relator Sorteado: Ministro Walton Alencar Rodrigues
Processo: TC-012.836/2003-4
Interessado: Prefeitura Municipal de Ibirapuã - BA
Motivo do Sorteio: Recurso de Reconsideração (Acórdão)
Classificação: Recurso e pedido de reexame
Relator Sorteado: Ministro Walton Alencar Rodrigues
PROCESSOS CONSTANTES DE RELAÇÕES
O Tribunal Pleno aprovou as Relações de Processos organizadas pelos respectivos Relatores e proferiu os Acórdãos nºs 380 a
386, que se inserem no Anexo I desta Ata (Regimento Interno, artigos
93, 94, 95, inciso V, 105 e 143).
PROCESSOS INCLUÍDOS EM PAUTA
Passou-se, em seguida, à apreciação dos processos incluídos
na Pauta de nº 12, organizada em 6 de abril corrente, havendo o
Tribunal Pleno aprovado os Acórdãos de nºs 387 a 395 e 397 a 406,
inserem no Anexo II desta Ata, acompanhados dos correspondentes
Relatórios, Votos, Voto Revisor e Declaração de Voto, bem como de
Pareceres em que se fundamentaram (Regimento Interno, artigos 15,
16, 95, inciso VI, 105 a 109, 133, incisos VI e VII, 141, §§ 1º a 6º
e 8º, 67, inciso V e 126):
a) Procs. nºs 008.294/1986-0 (com o Apenso n.º
005.008/1989-1), 000.982/2001-3 (com o Apenso n.º 013.698/19940), 004.187/2001-4 e 004.957/2002-7 (com os Apensos n.ºs
004.958/2002-4 e 011.256/2003-0), relatados pelo Ministro Marcos
Vinicios Vilaça;
b) Procs. n.ºs 013.504/1999-1, 001.583/2003-0 (com o Apenso n.º 002.630/2003-6), 006.720/2004-1 e 003.572/2005-1, relatados
pelo Ministro Valmir Campelo;
c) Proc. nº 009.865/2001-8, relatado pelo Ministro Walton
Alencar Rodrigues;
d) Proc. nº 020.316/2004-7, relatado pelo Ministro Guilherme Palmeira;
e)
Procs.
n.ºs
011.920/2003-5,
013.580/2003-0,
015.654/2004-3 e 004.583/2005-0, relatados pelo Ministro Ubiratan
Aguiar;
f) Procs. nºs 006.543/2003-7, 012.349/2003-5, 012.100/20041 e 004.487/2005-3, relatados pelo Ministro Benjamin Zymler; e
g) Proc. nº 012.376/2003-2, relatado pelo Ministro-Substituto
Marcos Bemquerer Costa.
PROCESSO TC-015.654/2004-3
Quando da apreciação e julgamento do TC-015.654/2004-3,
o Revisor, Ministro Marcos Vinicios Vilaça, ao agradecer as manifestações elogiosas feitas ao seu trabalho, ressaltou o empenho dos
funcionários de seu gabinete nas pessoas dos Analistas Luiz Henrique
Pochyly da Costa e Ricardo Gaban Fernandez.
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
RELAÇÃO Nº 13/2005
PEDIDO DE VISTA
Diante de pedido de vista formulado pelo Ministro Guilherme Palmeira (art. 112 do Regimento Interno), foi adiada a discussão e votação do processo nº 003.172/2001-7, antes de haver o
Relator, Ministro Benjamin Zymler, lido seu Relatório, Voto e Minuta
de Acórdão e o Advogado, Dr. Herman Barbosa, apresentado sustentação oral em nome de Wigberto Tartuce.
PROCESSOS EXCLUÍDOS DE PAUTA
A requerimento dos respectivos Relatores foram excluídos da
Pauta nº 12/2005 citada, nos termos do artigo 142 do Regimento
Interno, os seguintes processos:
a) nº 009.409/2002-5 com o Apenso n.º 010.017/2003-6 (Ministro Marcos Vinicios Vilaça);
b) n.º 003.159/2001-5 (Ministro Benjamin Zymler); e
c) nºs 009.752/1993-5 (com os Apensos n.ºs 001.061/1992-5,
000.848/1992-1, 007.841/1992-2, 007.704/1992-5, 002.930/1993-5,
020.073/1992-5, 016.340/1993-0, 020.836/1992-0, 021.595/1992-5,
034.138/1991-9 e 350.133/1992-1), 007.587/1997-0 (com os Apensos
n.ºs 375.047/1997-2, 011.322/1996-9, 275.571/1996-9, 275.199/19967 e 001.013/1997-1), 018.330/2002-2, 020.401/2003-1 (MinistroSubstituto Augusto Sherman Cavalcanti).
PROCESSO TRANSFERIDO PARA A PAUTA DA SESSÃO EXTRAORDINÁRIA
DE CARÁTER RESERVADO
Por solicitação do Relator, Ministro-Substituto Marcos Bemquerer Costa, foi transferido para a Pauta da Sessão Extraordinária de
Caráter Reservado, o processo nº 017.449/2002-5 (com os Apensos
n.ºs 002.257/2001-1 e 014.799/2001-1), que havia sido incluído na
Pauta desta Sessão Ordinária.
relacionado, em fazer as seguintes determinações e recomendações,
de acordo com os pareceres emitidos nos autos:
Relação de processos submetidos ao Plenário, para votação,
na forma do Regimento Interno, arts. 93, 94 e 95, inciso V, 105 e 143
do Regimento Interno.
Relator: Ministro Valmir Campelo
TOMADA DE CONTAS
ACÓRDÃO Nº 380/2005 - TCU - Plenário
Os Ministros do Tribunal de Contas da União, reunidos em
Sessão Plenária, em 23/3/2005, com fundamento no art. 143, inciso V,
alínea "d", do Regimento Interno, c/c o Enunciado nº 145 da Súmula
de Jurisprudência predominante no Tribunal de Contas da União,
ACORDAM, por unanimidade, retificar, por inexatidão material, a
Decisão nº 1087/2000-TCU-Plenário, Sessão de 13/12/2000-Extraordinária, Ata nº 49/2000, para fazer constar no item 8.2 o demonstrativo simplificado de Tomada de Contas Especial, relativo ao responsável Sr. Marcos Antônio Medrado - CPF : 048.083.805-44, de
acordo com a redação a seguir:
Irregulares - Processo nº 129.031/1999 - débitos referentes às
contas de energia elétrica, conta de linha telefônica e TLP, sob a
responsabilidade do ex-deputado Marcos Antônio Medrado.
Origem
Data de
Ocorrência
Valor original
R$
Origem
Data de
ocorrência
Energia
Energia
17.02.97
39,35
Energia
17.02.98
56,33
17.03.97
60,53
Energia
17.03.98
56,33
Energia
15.05.97
61,74
Energia
15.04.98
57,94
Energia
16.06.97
56,20
Energia
15.05.98
41,36
Energia
15.07.97
67,59
Energia
16.06.98
45,95
Energia
15.08.97
65,98
Energia
15.07.98
44,42
Energia
15.09.97
70,81
Telefone
28.10.97
1.481,75
Energia
15.10.97
61,16
TLP
02.97
150,22
Energia
17.11.97
64,37
TLP
02.98
158,95
Energia
15.12.97
61,16
Energia
05.12.97
61,16
Total
Valor original
R$
2.763,30
CÂMARA DOS DEPUTADOS
PROCESSO CONSTANTE DE RELAÇÃO ORIUNDA DA
SESSÃO EXTRAORDINÁRIA DE CARÁTER RESERVADO
Faz parte desta Ata, em seu Anexo III, ante o disposto no
parágrafo único do artigo 133 do Regimento Interno o Acórdão nº
408, adotado no processo nº 005.794/1998-6, de relatoria do Ministro
Walton Alencar Rodrigues, aprovado por intermédio da Relação nº 5,
relatado na Sessão Extraordinária de Caráter Reservado realizado
nesta data.
PROCESSOS ORIUNDOS DE SESSÃO EXTRAORDDINÁRIA DE CARÁTER RESERVADO
Fazem parte desta Ata, em seu Anexo IV, ante o disposto no
parágrafo único do artigo 133 do Regimento Interno, os Acórdãos nºs
410 a 412, acompanhados dos correspondentes Relatórios e Votos em
que se fundamentaram, adotados nos processos nºs 017.449/2002-5,
011.581/2004-7 e 011.989/2004-7, respectivamente, relatados na Sessão Extraordinária de Caráter Reservado realizada nesta data.
ENCERRAMENTO
O Presidente, Ministro Adylson - ao convocar Sessão Extraordinária de Caráter Reservado para ser realizada a seguir - deu por
encerrada às dezesseis horas e quinze minutos, a Sessão Ordinária, e,
para constar eu, Elenir Teodoro Gonçalves dos Santos, Secretária do
Plenário, lavrei e subscrevi a presente Ata que, depois de aprovada,
será assinada pelo Presidente do Tribunal.
1. TC-006.086/2000-2 - Volume: 1 Anexo: 012.462/1999-3
(4 Vols)
<!ID637465-2>
Classe de Assunto: IV
Responsáveis: ADELMAR SILVEIRA SABINO, CPF:
010.948.151-87; CLEUSA MARIA DA CUNHA, CPF: 151.659.06191; HELOISOMAR FERREIRA DO AMARAL E SILVA, CPF:
155.358.431-72; HUMBERTO SAMPAIO NETO, CPF: 239.660.33100; JOSÉ WILSON BARBOSA JÚNIOR, CPF: 001.562.561-34; LUBÉLIA DE SOUSA LIMA, CPF: 284.944.821-49; LUIZ SERGIO
DE SIQUEIRA MARINHO, CPF: 214.223.111-04; MÁRIO FREITAS DE OLIVEIRA, CPF: 288.798.136-68; RONALDO DE MOURA BRITO, CPF: 116.744.901-00; SÍLVIO RICARDO FOGAÇA
HOFSTATTER, CPF: 206.078.060-87; VITOR NOGALES VASCONCELOS, CPF: 179.314.011-15; VÂNIA PERILLO FIÚZA
ABREU, CPF: 153.410.461-53
Órgão: Câmara dos Deputados
Exercício: 1999
Ata nº 12/2005 - Plenário
Data da Sessão: 13/4/2005 - Ordinária
ADYLSON MOTTA
Presidente
VALMIR CAMPELO
Ministro-Relator
Fui presente:
LUCAS ROCHA FURTADO
Procurador-Geral
ELENIR TEODORO GONÇALVES DOS SANTOS
Secretária do Plenário
RELAÇÃO Nº 10/2005
Aprovada em 20 de abril de 2005.
Gabinete do Ministro Walton Alencar Rodrigues
ADYLSON MOTTA
Presidente
ANEXO I DA ATA Nº 12, DE 13 DE ABRIL DE 2005
(Sessão Ordinária do Plenário)
Processo submetido ao Plenário, para votação, na forma do
Regimento Interno, arts. 93, 94, 95, inciso V, 105 e 143 do Regimento Interno/TCU.
Relator: Ministro Walton Alencar Rodrigues
RELATÓRIO DE AUDITORIA
PROCESSOS CONSTANTES DE RELAÇÕES
Relações de Processos organizadas pelos respectivos Relatores e aprovadas pelo Tribunal Pleno, bem como os Acórdãos nºs
380 a 386 (Regimento Interno, artigos 93, 94, 95, inciso V, 105 e
143).
73
Gabinete do Ministro Valmir Campelo
ACÓRDÃO NÃO UTILIZADO
Não foi utilizado na numeração dos Acórdãos o n° 396
referente ao pedido de vista acima referido.
ISSN 1677-7042
ACÓRDÃO Nº 381/2005 - TCU - Plenário
Os Ministros do Tribunal de Contas da União, reunidos em
sessão do Plenário, de 13/4/2005, ACORDAM, por unanimidade,
com fundamento no art. 43, inciso I, da Lei 8.443/92 c/c o art. 143 e
250, inciso II, do Regimento Interno, quanto ao processo a seguir
1 - TC-017.060/2004-7 (com 4 anexos)
Classe de Assunto: V - Auditoria de Conformidade.
Entidade: Comitê Paraolímpico Brasileiro - CPB.
Objeto: Verificar a legalidade da aplicação dos recursos públicos de que trata a Lei 10.264/2001.
1.1. determinar ao Comitê Paraolímpico Brasileiro que:
1.1.1. adote providências com vistas a promover a restituição
das importâncias a seguir discriminadas, pagas indevidamente à Antonio Arcuri Filho por serviços que não foram executados, às contas
bancárias específicas para a movimentação dos recursos provenientes
da Lei 10.264/2001 (Caixa Econômica Federal, agência 0002, conta
5.476-9, ou Banco do Brasil, agência 2.863-0, conta 012.739-6), com
os acréscimos legais calculados a partir das datas indicadas até a data
do efetivo recolhimento:
OBJETO
Elaboração
Interno
do
Data da Ocorrência
VALOR R$
Regimento
7/2/2002
13.500,00
Parecer
Técnico-Jurídico
sobre as contas de 2001
5/4/2002
13.500,00
1.1.2. encaminhe ao Tribunal de Contas da União, em até 60
(sessenta) dias, a documentação comprobatória referente a esta restituição;
1.1.3. inclua, em todos os contratos que vier a celebrar,
cláusula vinculando os pagamentos à efetiva entrega do produto ou
prestação do serviço;
1.1.4. somente efetue pagamentos a seus fornecedores após
comprovada a entrega de material ou a prestação efetiva do serviço;
1.1.5. somente autorize contratações por inexigibilidade de
licitação quando, além da caracterização de uma das hipóteses assinaladas nos incisos I a VI do artigo 25 do atual Regulamento de
Licitações e Contratos do CPB, também restar comprovada nos autos
a inviabilidade de competição, condição essa prevista no caput do
referido artigo;
1.1.6. formalize e fundamente os processos de dispensas e de
inexigibilidade de licitação, de modo que fique demonstrada a razão
da escolha do fornecedor e a justificativa do preço a ser contratado;
1.1.7. adeqüe seu Regulamento de Licitações e Contratos de
modo a estabelecer parâmetros para o período de duração contratual,
abstendo-se de celebrar contratos em que a vigência possa ser prorrogada por prazo indeterminado;
1.1.8. adote providências com vistas a compatibilizar a situação dos contratos em vigência com o prazo máximo a ser definido
para prorrogação contratual, especialmente para as contratações dos
serviços atualmente prestados pelas empresas Data Certa Comunicação Ltda., Roseli Assessoria Empresarial S/C Ltda., K-Sport Business & Marketing Ltda. e San Domingo Viagens e Turismo Ltda.,
realizando os procedimentos licitatórios necessários às próximas contratações;
1.1.9. planeje adequadamente suas contratações, abstendo-se
de realizar contratações diretas, com dispensa de licitação, para parcelas de um mesmo serviço, fornecimento ou obra, em que o valor
anual ultrapasse o valor fixado no art. 24, inciso I, do Regulamento
de Licitações e Contratos do CPB, atualmente de R$ 8.000,00, evitando, assim, o fracionamento de despesa, a exemplo do observado na
aquisição de uniformes;
1.1.10. observe seus normativos internos no que tange à
escolha da modalidade de licitação a ser realizada e aos procedimentos necessários à realização do certame, abstendo-se de selecionar
por “convite” serviços e compras de valor acima daquele estipulado
para essa modalidade em seu Regulamento de Licitações e Contratos,
como observado nas contratações da empresa Regel Comercial de
Tecidos Ltda.;
1.1.11. evite efetuar licitações na modalidade “consulta” ou
“convite” sempre com a participação das mesmas empresas, como
ocorrido na contratação de serviços de publicidade, justificando-se
caso isso não seja possível;
1.1.12. anexe na documentação comprobatória correspondente às despesas com hospedagem a cópia da nota fiscal do hotel e o
detalhamento dos serviços/consumos “extras” de cada hóspede;
1.1.13. exija das entidades filiadas beneficiadas com a descentralização de recursos da Lei 9.615/1998 que anexem à documentação comprobatória correspondente às despesas com hospedagem a cópia da nota fiscal do hotel e o detalhamento dos serviços/consumos “extras” de cada hóspede;
1.1.14. proceda à correta formalização dos processos de despesas, observando a necessidade de numeração seqüencial das folhas;
1.1.15. atente para o preenchimento correto dos documentos
comprobatórios de despesas, especialmente em relação ao nome do
destinatário, à especificação clara da despesa e ao preenchimento do
usuário do serviço, principalmente em relação ao transporte de táxi;
1.1.16. instrua os processos de despesas executadas diretamente pelo CPB com demonstrativo que contenha, em relação a
cada documento comprobatório de despesa, no mínimo, o seguinte:
número e data do documento, emitente, valor, data do pagamento,
descrição da despesa e, se for o caso, do beneficiário - nome e
função;
1.1.17. instrua os procedimentos de coleta de orçamento/convite de modo a demonstrar as empresas participantes, os valores
propostos e quaisquer informações relevantes para o julgamento das
propostas, devendo estes documentos estar devidamente assinados
pelo responsável dos procedimentos realizados;
74
ISSN 1677-7042
1.1.18. abstenha-se de utilizar os recursos destinados ao desporto escolar em projetos que não se coadunem com o disposto no §
1º do art. 11 do Decreto 5.139/2004, sob pena de aplicação da multa
prevista no art. 58, inciso VII, da Lei 8.443/92;
1.1.19. proceda ao rigoroso controle de todas as etapas referentes à restituição da importância de R$ 2.150.000,00 - indevidamente utilizada para cobrir despesas com a preparação e a participação da delegação brasileira nas Paraolimpíadas de Atenas - às
contas específicas do desporto escolar, com os acréscimos legais
calculados até a data do efetiva restituição;
1.1.20. encaminhe ao Tribunal de Contas da União, até
30/6/2005, os extratos que demonstrem a total restituição da importância referida no item 1.1.19. retro;
1.1.21. elabore um plano específico para a aplicação dos
recursos destinados ao desporto escolar para o exercício de 2005 e
encaminhe-o a este Tribunal, no prazo de 60 dias;
1.1.22. abstenha-se, na ausência de participação de pessoas
portadoras de deficiência em jogos escolares nacionais e universitários nacionais, de aplicar recursos do CPB nesses jogos, por configurar descumprimento do art. 56, § 1º, da Lei 9.615/1998;
1.1.23. providencie a publicação dos critérios e limites para
gastos com manutenção das entidades beneficiadas com os recursos
descentralizados, bem assim, aqueles referentes a passagens, hospedagens, transporte e alimentação dos dirigentes e funcionários de
Comitês e das entidades beneficiadas, conforme exigido no inciso II
do artigo 7º do Decreto 5.139/2004;
1.2. recomendar ao Comitê Paraolímpico Brasileiro e ao Ministério do Esporte que envidem esforços no sentido de estimular a
realização de jogos paraolímpicos nacionais escolares e universitários
ou a inclusão de modalidades paraolímpicas nos jogos nacionais escolares e universitários que são regularmente realizados;
1.3. determinar à 6ª Secex que:
1.3.1. efetue o acompanhamento dos pagamentos efetuados
pela Associação Niteroiense de Deficientes Físicos - Andef até o
término da quitação do empréstimo concedido pelo Comitê Paraolímpico Brasileiro, no valor de R$ 300.000,00, repassados em duas
parcelas iguais nos dias 23/10/2001 e 16/11/2001;
1.3.2. encaminhe cópia do relatório fls. 10/40 ao Comitê
Paraolímpico Brasileiro, como elemento subsidiário ao atendimento
das determinações ora propostas.
MONITORAMENTO
ACÓRDÃO Nº 382/2005 - TCU - Plenário
Os Ministros do Tribunal de Contas da União, reunidos em
sessão do Plenário, de 13/4/2005, ACORDAM, por unanimidade,
com fundamento nos art. 43, inciso I, da Lei 8.443/92, c/c o art. 143
e 250, inciso II, do Regimento Interno, quanto ao processo a seguir
relacionado, em fazer a seguinte determinação, enviar cópia desta
decisão à Advocacia-Geral da União para conhecimento e determinar
o arquivamento, de acordo com os pareceres emitidos nos autos:
1 - TC-005.092/2004-8, apenso TC-005.504/1998-8
Classe de Assunto: III - Monitoramento.
Entidade: Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEM.
Objeto: Aferição do cumprimento do Acórdão 475/2003-Plenário sobre representação comunicando a ocorrência de incorporação
de quintos por servidores da CNEM, relativos a funções exercidas
junto a entidades de previdência privada (Uranus e Nucleos) e/ou
sociedades de economia mista (Nuclei, Nuclemon, Nuclebras, Nuclep,
INB).
1.1. determinar à Comissão Nacional de Energia Nuclear que
continue acompanhando o desfecho das ações judiciais relativas à
incorporação de parcelas de cargos de direção ou funções de confiança exercidos em empresas públicas, sociedades de economia mista
ou entidades fechadas de previdência privada, de que trata o Acórdão
475/2003 - Plenário, tomando todas as medidas judiciais cabíveis, de
modo a obter junto ao Poder Judiciário, a modificação dos julgamentos favoráveis aos pagamentos.
ACOMPANHAMENTO
ACÓRDÃO Nº 383/2005 - TCU - Plenário
Os Ministros do Tribunal de Contas da União, reunidos em
sessão do Plenário, de 13/4/2005, ACORDAM, por unanimidade,
com fundamento nos arts. 41 e 43, inciso I, da Lei 8.443/92, c/c o art.
143 e 250, inciso I, do Regimento Interno, bem como com o disposto
na IN/TCU 27/98, em determinar o arquivamento dos seguintes processos, ante a perda de seus objetos, em face do cancelamento das
concorrências por ele acompanhadas, de acordo com os pareceres
emitidos nos autos, sem prejuízo de determinar à Secretaria de Fiscalização e Desestatização - Sefid que acompanhe o desfecho das
Concorrências SRF/SRRF/4ª RF 01/2002 - EADI Mossoró/RN - TC
010.934/2001-0; SRF/SRRF/8ª RF 06/2002 - EADI Aeroporto Internacional de Viracopos, Campinas/SP - TC 004.541/2002-5; e Processo Administrativo 10980.0018442/2001-35 - EADI Ponta Grossa/PR - TC 016.972/2002-6, assegurando-se da ocorrência de seus
cancelamentos definitivos, conforme informado na Nota Coana/Coprel/Diloa 2005/26, de 16/2/2005, da Coordenação-Geral de Administração Aduaneira da Receita Federal, representando ao Tribunal em
caso contrário.
1
1. TC-010.934/2001-0, com 1 volume
TC-016.972/2002-6
TC-004.541/2002-5, com 3 volumes
Classe de Assunto: V - Acompanhamento de outorga de
permissão de Estações Aduaneiras Interiores - EADI.
Unidades: Superintendências Regionais da Receita Federal
4ª, 8ª e 9ª Regiões Fiscais.
Ata nº 12/2005 - Plenário
Data da Sessão: 13/4/2005 - Ordinária
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
Considerando os pareceres uniformes da Secretaria de Recursos, que opina pelo não conhecimento em face da ausência de
interesse em recorrer, e do Ministério Público que atua junto a esta
Corte de Contas, que, além disso, protesta pela intempestividade do
recurso interposto;
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em sessão do Plenário, com fundamento no art. 33 da Lei
8.443/92, em não conhecer do recurso interposto, dando-se ciência
aos interessados mencionados no item 3 supra.
ADYLSON MOTTA
Presidente
Ata nº 12/2005 - Plenário
Data da Sessão: 13/4/2005 - Ordinária
WALTON ALENCAR RODRIGUES
Ministro-Relator
ADYLSON MOTA
Presidente
Fui presente:
LUCAS ROCHA FURTADO
Procurador-Geral
WALTON ALENCAR RODRIGUES
Ministro-Relator
RELAÇÃO Nº 11/2005
Fui presente:
LUCAS ROCHA FURTADO
Procurador-geral
Gabinete do Ministro Walton Alencar Rodrigues
Processo submetido ao Plenário, para votação na forma do
Regimento Interno, art. 143, inciso IV, alínea “b”, e § 3º.
Relator: Ministro Walton Alencar Rodrigues.
“PEDIDO DE RECONSIDERAÇÃO”
RELAÇÃO Nº 050/2005 - PLENÁRIO
Gabinete do Ministro-substituto MARCOS BEMQUERER
COSTA
Processo submetido ao Plenário, para votação, na forma do
Regimento Interno, arts. 93, 94, 95, inciso V e 105 do Regimento
Interno/TCU.
ACÓRDÃO Nº 384/2005 - TCU - Plenário
Relator: Ministro-substituto Marcos Bemquerer Costa
1. Processo TC-005.503/2002-9 (com 1 volume e 4 anexos)
2. Grupo I - Classe I - “Pedido de Reconsideração” (em
processo de Tomada de Contas anual).
3. Interessados: Lázaro Pontes Rodrigues, Waldemar Soares
Pilo Diniz, Vanderlei Pereira da Silva e Suzana de Freitas Bejjani
Resende, ex-juízes classistas do TRT/MG - 3ª Região.
4. Órgão: Tribunal Regional do Trabalho - 3ª Região/MG.
5. Relator: Ministro Walton Alencar Rodrigues.
5.1. Relator da deliberação recorrida: Ministro Humberto
Guimarães Souto.
6. Representante do Ministério Público: Procurador Sérgio
Ricardo Costa Caribé.
7. Unidade técnica: Secretaria de Recursos - Serur.
8. Advogado constituído nos autos: José Marcos da Silveira
Farias, OAB/PB 9.653; Suzana de Freitas Bejjani Resende, OAB/MG
67.250; e Lázaro Pontes Rodrigues, OAB/MG 40.903.
9. Acórdão:
VISTOS e relacionados estes autos de Tomada de Contas
Anual do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região/MG, relativas
ao exercício de 2001, julgadas regulares com ressalva mediante acórdão integrante da Relação 102/2002, Ata 44/2002, sessão de
21/11/2002, ocasião em que este Tribunal de Contas da União determinou ao órgão que adotasse as providências no sentido de obter o
ressarcimento dos valores referentes à concessão de férias de 60 dias
a juízes classistas de primeira e de segunda instâncias, pagas a partir
de 6/5/1994, observando-se os termos do art. 46 da Lei 8.112/90 com
as alterações previstas na Lei 9.527/97;
Considerando que contra a referida deliberação foi interposto, em 29/7/2003, recurso de revisão, subscrito pela Associação
Nacional dos Juízes Classistas da Justiça Trabalhista - Anajucla, apreciado e julgado mediante o Acórdão 672/2004 - Plenário, sessão de
2/6/2004, por meio do qual a Corte de Contas decidiu não conhecer
do recurso, mas retificar ex officio a determinação expedida, no sentido de que o ressarcimento se processasse somente a partir de
20/8/98, data de publicação da Decisão 504/98 - Plenário, novo marco temporal que firmou a orientação deste TCU quanto à ilegalidade
da referida concessão;
Considerando que contra esse último acórdão, 672/2004 Plenário, os ora interessados, ex-juízes classistas de Varas do Trabalho daquele TRT/MG, interpuseram o presente recurso por eles
denominado como “Pedido de Reconsideração”;
Considerando que os interessados não foram notificados da
deliberação recorrida, em razão de não serem partes no processo,
restando caracterizada, conforme consignado pela Secretaria de Recursos, a situação do exercício da chamada jurisdição objetiva, que
tem como resultado comando abstrato e genérico, e como elementar
processual a ausência de partes (terceiros interessados);
Considerando, ainda, que, em se tratando de deliberação proferida contendo comando genérico e abstrato, com determinação apenas para que se verificasse o exato cumprimento da lei, sem um
sujeito passivo determinado, não havendo que se falar em parte atingida, senão reflexamente, o prazo a ser observado para fins de interposição de recurso é aquele fixado no inciso IV do art. 183 do
Regimento Interno, qual seja, contado da data da publicação do acórdão no Diário Oficial da União;
Considerando, todavia, que publicado o Acórdão 672/2004 Plenário em 11/6/2004, os interessados interpuseram o presente recurso somente em setembro de 2004;
Considerando, pois, que em relação a esse prazo o recurso é
intempestivo, não preenchendo, portanto, os requisitos de admissibilidade previstos na Lei Orgânica e no Regimento Interno do Tribunal de Contas da União;
RELATÓRIO DE INSPEÇÃO EXTRAORDINÁRIA
ACÓRDÃO Nº 385/2005 - TCU - PLENÁRIO
Os Ministros do Tribunal de Contas da União, reunidos em
Sessão Plenária de 13/04/2005, ACORDAM, por unanimidade, com
fundamento nos arts. 27 da Lei n.º 8.443/1992 e 218 do Regimento
Interno/TCU, em dar quitação aos responsáveis, Sr. Geraldo Magela
de Alencar Filho, Sra. Maria do Carmo Marinho Alencar e ao Sr.
Ricardo Gaspar Brígido Ribeiro, ante o recolhimento integral da multa que lhes foi imputada mediante o item 8, alínea “b” do Acórdão n.º
257/2000 - TCU - Plenário, Sessão de 18/10/2000, Ata n.º 41/2000,
sem prejuízo de prestar as seguintes informações, de acordo com os
pareceres emitidos nos autos:
Ministério da Integração Nacional
1. TC-013.401/1993-9 (com 25 volumes) - Apensos: TC017.296/1996-0; TC-008.904/1993-6; TC-019.871/1993-7; TC013.294/1993-8; TC-018.927/1994-7; TC-013.295/1993-4; TC001.688/1996-0; TC-600.098/1996-6; TC-002.066/1998-0 e TC001.776/1997-5 (c/ 01 volume).
Classe de Assunto: III
Responsáveis: Geraldo Magela de Alencar Filho, CPF n.
054.264.213-15; Maria do Carmo Marinho Alencar, CPF n.
204.613.724-87; Ricardo Gaspar Brígido Ribeiro, CPF n.
119.481.753-04, integrantes da Comissão de Licitação; e outros.
Unidade: Departamento Nacional de Obras contra as Secas DNOCS.
Valores originais das multas:
R$ 1.000,00 Sr. Geraldo Magela de Alencar Filho.
R$ 1.000,00 Sra. Maria do Carmo Marinho Alencar.
Valores recolhidos: Datas do recolhimento:
R$ 106,78 30/04/2003
R$ 107,82 27/05/2003
R$ 108,48 30/06/2003
R$ 108,32 30/07/2003
R$ 108,54 29/08/2003
R$ 108,91 29/09/2003
R$ 109,76 31/10/2003
R$ 110,08 28/11/2003
R$ 110,45 30/12/2003
R$ 111,02 30/01/2004
R$ 111,86 26/02/2004
R$ 112,54 30/03/2004
R$ 113,07 28/04/2004
Valor original da multa:
R$ 1.000,00 Sr. Ricardo Gaspar Brígido Ribeiro.
Valores recolhidos: Datas do recolhimento:
R$ 107,15 14/05/2003
R$ 108,00 30/06/2003
R$ 110,00 31/07/2003
R$ 112,00 03/09/2003
R$ 112,66 01/10/2003
R$ 113,53 05/11/2003
R$ 116,82 09/12/2003
R$ 118,85 13/02/2004
R$ 480,00 08/11/2004
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
8.1. informar aos Srs. Geraldo Magela de Alencar Filho,
Maria do Carmo Marinho Alencar e Ricardo Gaspar Brígido Ribeiro,
que, consoante tabela abaixo, foram constituídos créditos perante a
Fazenda Pública Federal, a partir das datas identificadas, decorrentes
de pagamentos a maior por eles efetuados, podendo, se assim lhes
aprouver, buscar o ressarcimento junto ao Tesouro Nacional.
Sr. Geraldo Magela de Alencar filho e Sra. Maria do
Carmo Marinho Alencar
Parcelas
Data do recolhimento
10ª
30/01/2004
Valor pago
Valor pago a maior
R$ 111,02
R$ 70,58
11ª
26/02/2004
R$ 111,86
R$ 111,86
12ª
30/03/2004
R$ 112,54
R$ 112,54
13ª
28/04/2004
R$ 113,07
R$ 113,07
Data do recolhimento
9ª
08/11/2004
Valor pago
Sumário: Recursos de Reconsideração interpostos contra
Acórdão do Plenário. Não-conhecimento de alguns, por intempestivos. Conhecimento de outros. Decisões judiciais. Independência de
esferas. Ausência de documentação comprobatória. Não-provimento.
Ciência aos recorrentes.
RELATÓRIO
Sr. Ricardo Gaspar Brígido Ribeiro
Parcela
de Moura, solidariamente com Antônio Erasto da Silva, Sebastião
Vieira, Francisco Perpétuo de Oliveira, José Thomaz (falecido), Agenor Mota, Alcides Domingues Fernandes, Anastácia Faria Gonçalves,
Arismar de Paula Santos, Francisco Venâncio da Silva, Geraldo Fernandes, Maria Aparecida Nunes, Isolete Leal Camilo, Oswaldo dos
Santos Carvalho, Pedro da Silva, Vicente Lescura de Camargo, Simião Bueno de Gouveia, Afonso Ramos Camargo, Paulo Perpétuo de
Oliveira, José Roberto dos Santos e Maria Alice Marcondes dos
Santos
Valor pago a maior
R$ 480,00
R$ 354,94
Ata nº 12/2005 - Plenário
Data da Sessão: 13/4/2005 - Ordinária
ADYLSON MOTA
Presidente
MARCOS BEMQUERER COSTA
Ministro-Relator
Fui presente:
LUCAS ROCHA FURTADO
Procurador-Geral
RELAÇÃO Nº 051/2005 - PLENÁRIO
Gabinete do Ministro-substituto MARCOS BEMQUERER
COSTA
Processo submetido ao Plenário, para votação, na forma do
Regimento Interno, arts. 93, 94, 95, inciso V e 105 do Regimento
Interno/TCU.
Relator: Ministro-substituto Marcos Bemquerer Costa
TOMADA DE CONTAS ESPECIAL
ACÓRDÃO Nº 386/2005 - TCU - PLENÁRIO
Os Ministros do Tribunal de Contas da União, reunidos em
Sessão Plenária de 13/04/2005, ACORDAM, por unanimidade, com
fundamento no art. 27 da Lei n.º 8.443/1992, c/c os arts. 169, inciso
IV; e 218 do Regimento Interno/TCU, em dar quitação ao responsável, Sr. Helvécio Leal dos Santos, ante o recolhimento integral do
débito que lhe foi imputado mediante o subitem 8.1 do Acórdão n.º
030/2001 - TCU - Plenário, Sessão de 07/03/2001, Ata n.º 07/2001, e
determinar o arquivamento dos presentes autos:
Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo
1. TC-000.897/1999-0
Classe de Assunto: IV
Responsável: Helvécio Leal dos Santos, CPF n. 158.004.31787, ex-Coordenador-Geral de Planejamento, Orçamento e Finanças MDIC
Unidade: Coordenação-Geral de Serviços Gerais do Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo - MDIC.
Valores originais do débito: Datas de origem do débito:
R$ 30.766,82 23/03/1998
R$ 2.000,00 24/03/1998
Valor recolhido: Período do recolhimento:
Parcelas de R$ 700,00 de 03/2001 a 01/2005
Ata nº 12/2005 - Plenário
Data da Sessão: 13/4/2005 - Ordinária
ANEXO II DA ATA Nº 12, DE 13 DE ABRIL DE 2005
(Sessão Ordinária do Plenário)
PROCESSOS INCLUÍDOS EM PAUTA
Relatórios, Votos, Voto Revisor e Declaração de voto emitidos pelos respectivos Relatores, bem como os Acórdãos nºs 387 a
395 e 397 a 406, aprovados pelo Tribunal Pleno em 13 de abril de
2005, acompanhados de Pareceres em que se fundamentaram (Regimento Interno, artigos 15, 16, 95, inciso VI, 105 a 109, 133, incisos
VI e VII, 141, §§ 1º a 6º e 8º, 67, inciso V e 126).
GRUPO I - CLASSE I - PLENÁRIO
TC-008.294/1986-0 (c/ 9 volumes)
Apenso: TC-005.008/1989-1
Natureza: Recurso de Reconsideração
Entidade: Instituto Nacional de Previdência Social-INPS (extinto)
Responsáveis: Inaiá Maria Vilela Lima, Manoel Antunes
Vieira, Sílvia Helena da Silva de Castro Guimarães, Francisco Baptista, Georges Simon Ligot, Mamede Alves da Silva e Pedro Lemes
Adoto como relatório a instrução de fls. 7/10 - vol. 7, da
ACE Maria Inês Ribeiro Lins, aprovada pelos dirigentes da Serur e
pelo Ministério Público junto a esta Corte.
“Trata-se de recurso de reconsideração impetrado contra o
Acórdão n.º 4/2001-TCU-Plenário, a seguir transcrito, proferido nos
autos de Tomada de Contas Especial instaurada pelo extinto Instituto
Nacional de Previdência Social - INPS, tendo em vista irregularidades na concessão fraudulenta de benefícios, consistentes em aposentadorias por tempo de serviço, especial e por velhice, e abono de
permanência em serviço, ocorridas na agência da Previdência Social
em Guaratinguetá/SP, tendo como responsáveis servidores e terceiros:
'VISTOS, relatados e discutidos estes autos de Tomada de
Contas Especial instaurada pelo extinto Instituto Nacional de Previdência Social - INPS, tendo como responsáveis servidores e terceiros por irregularidades na concessão fraudulenta de benefícios
(aposentadorias por tempo de serviço, especial e por velhice, e abono
de permanência em serviço), ocorridas na agência da Previdência
Social em Guaratinguetá/SP.
Considerando que, regularmente citados, os responsáveis
não apresentaram defesa nem recolheram os respectivos débitos; e
Considerando que os responsáveis Francisco Baptista, Georges Simon Ligot, Mamede Alves da Silva e Pedro Lemes de Moura
recolheram os respectivos débitos, mas não apresentaram defesa; e
Considerando que a Secex/SP e o Ministério Público junto a
este Tribunal propõem a irregularidade das contas e a condenação
em débito dos demais responsáveis,
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em sessão plenária, ante as razões expostas pelo Relator e
com fundamento nos artigos 1º, inciso I, 16, inciso III, alínea 'd', 19,
caput, e 23, III, da Lei n.º 8.443/92, em:
8.1. julgar irregulares as contas e condenar em débito os
seguintes responsáveis, pelos valores e datas respectivos:
a) Inaiá Maria Vilela Lima e Manoel Antunes Vieira, solidariamente com :
VIDE QUADRO NO DOCUMENTO ORIGINAL
b) Inaiá Maria Vilela Lima e Sílvia Helena da Silva de
Castro Guimarães, com:
VIDE QUADROS NO DOCUMENTO ORIGINAL
c) Inaiá Maria Vilela Lima, solidariamente com:
VIDE QUADROS NO DOCUMENTO ORIGINAL
8.2. com fundamento nos artigos 1º, inciso I, e 16, inciso III,
alínea 'd' e 27, da Lei n.º 8.443/92, julgar irregulares as contas de
Francisco Baptista, Georges Simon Ligot, Mamede Alves da Silva e
Pedro Lemes de Moura, dando-lhes quitação, ante o recolhimento
dos respectivos débitos;
8.3. nos termos do art. 28, inciso II, da Lei n.º 8.443/92, seja
autorizada, desde já, a cobrança judicial das dívidas, caso não atendida a notificação;
8.4. com base no art. 93 da Lei n.º 8.443/92, c/c o art. 248
do Regimento Interno deste Tribunal, arquivar as contas do Sr. José
Thomáz, sem cancelamento do débito, a cujo pagamento continuarão
obrigados os seus sucessores, solidariamente com Inaiá Maria Vilela
Lima e Sílvia Helena da Silva de Castro Guimarães;
8.5. encaminhar cópia do presente processo ao Ministério
Público da União, para o ajuizamento das ações civis e penais
cabíveis, ante o disposto no § 3º do art. 16 da Lei n.º 8.443/92; e
8.6. determinar ao INSS a inclusão do nome dos responsáveis e solidários no Cadastro Informativo de créditos não quitados
de órgãos e entidades federais - Cadin, caso essa providência já não
tenha sido adotada e os responsáveis não comprovem o recolhimento
do débito.'
2. Irresignados, os interessados opuseram recursos de reconsideração, constantes dos vols. 7 a 12.
ADMISSIBILIDADE
3. O exame preliminar de admissibilidade, procedido por
esta Serur às fls. 4/5, 4/5, 4/5, 11/12, 5/6 e 3/4, dos vols. 7 a 12,
respectivamente, foi ratificado pelo Ministério Público e pelo Exmo.
Ministro-Relator (fls. 5 vol. 7) e concluiu pela admissibilidade dos
recursos de reconsideração contidos nos volumes 7,8,11 e 12, com
fulcro nos arts. 32, inciso I, e 33 da Lei n.º 8.443/92, eis que
preenchidos os requisitos processuais aplicáveis à espécie.
4. Relativamente aos vols. 9 e 10, a proposta pelo nãoconhecimento dos recursos fundou-se nos seguintes argumentos:
a) embora os expedientes não tenham sido nominados, é
possível perceber o descontentamento dos responsáveis com a decisão condenatória em processo de contas, solicitando o 'arquivamento' do Acórdão n.º 4/2001/TCU-Plenário;
b) aplicando-se a fungibilidade, cuidar-se-ia de recurso de
reconsideração, uma vez que se deseja reformar deliberação em
75
ISSN 1677-7042
processo de contas. Verifica-se, então, que a peça foi interposta
intempestivamente (item 2.3.1);
c) os recursos não contemplam fato novo capaz de tornar
irrelevante a intempestividade (art. 32, § único, da Lei n.º
8.443/92);
d) os responsáveis cingem-se a alegar que nada devem ao
TCU, fazendo menção a processo judicial tramitando perante a 2ª
Vara da Comarca de Guaratinguetá - SP, no qual teria sido anulado
o ato administrativo que suspendeu o benefício a que faziam jus; e
e) não obstante se deva dar cumprimento à decisão judicial,
ela não é suficiente para mudar o mérito dos julgamentos do TCU,
haja vista a independência das instâncias administrativa e judiciária.
Assim, se os responsáveis visam a reformar o Acórdão n.º 4/2001TCU-Plenário, devem trazer justificativas aptas a sanar as irregularidades constatadas por esta Corte.
ANÁLISE DE MÉRITO
5. De início, cabe registrar que as peças inaugurais dos
recursos, exceto o do vol. 11, são peças semelhantes e singelas,
consistentes de um único parágrafo, em que os recorrentes requerem
o arquivamento dos autos, alegando a inexistência de débito para
com a União e a obtenção, no âmbito judicial, do direito ao recebimento dos benefícios impugnados. Dessa forma, o que fez a
diferença pela proposta de admissibilidade, ou não, dos recursos foi
somente o requisito temporal. Importa dizer que, nos moldes dos
recursos dos vols. 9 e 10, também os dos volumes 7, 8 e 12 não
contemplam fato novo capaz de modificar o entendimento desta Corte.
6. Anote-se, ainda, que as mencionadas peças vieram desacompanhadas de documentos que lhes suportem.
7. Relativamente ao recurso do vol. 11 [da servidora Sílvia
Helena da Silva de Castro Guimarães], também em peça singela e
desacompanhada de documentação probatória, a recorrente alega
não ter nenhuma responsabilidade quanto ao débito relativo à concessão de benefício ao Sr. José Thomáz (falecido), uma vez que as
irregularidades detectadas ocorreram em documento elaborado judicialmente, no caso, uma Justificação Judicial processada para
comprovação da prestação de serviço do segurado para com a Prefeitura Municipal de Cunha. Assim, se há um responsável pela irregularidade , este é o próprio segurado que, fazendo uso de inverdades, auferiu vantagens junto ao INSS. Diante disso, requer a
exclusão de seu nome do rol de responsáveis.
8. Requer, ainda, que o Tribunal solicite ao INSS informação
a respeito de possíveis descontos na renda mensal da Pensão Por
Morte paga à viúva do Sr. José Thomáz, Sra. Maria Benedita Thomáz, e se ditos descontos quitaram o débito, solicitando, caso não
tenha sido lançado o complemento negativo no mencionado benefício, esclarecimentos acerca dos motivos, já que a Lei assim determina.
9. À Sra. Sílvia Helena da Silva de Castro Guimarães, ante
sua revelia na fase citatória, foi imputada responsabilidade solidária
com a Sra. Inaiá Maria Vilela Lima e com os sucessores do Sr. José
Thomáz, pelo débito decorrente do benefício irregular a ele concedido. O argumento oferecido nesta oportunidade não é suficiente
para elidir a responsabilidade da recorrente, haja vista tratar-se
apenas de simples afirmação, sem comprovação documental.
10. Também não merece acolhida a solicitação de adoção de
medidas por este Tribunal, para a verificação e determinação de
providências quanto ao desconto do valor devido dos rendimentos
mensais da pensão paga à viúva do beneficiário. O Acórdão recorrido já contém diretriz acerca da cobrança da dívida, conforme
constou de seu subitem 8.3.
CONCLUSÃO
Conforme visto, os recursos em exame não podem prosperar,
pois fundamentam-se apenas na palavra dos recorrentes. Ainda, o
fato de terem obtido, na esfera judicial, a continuidade do recebimento dos benefícios, em nada altera o Acórdão recorrido, haja
vista a independência das instâncias. Assim, submetemos os autos à
consideração superior, propondo ao Tribunal:
a) não conhecer dos recursos constantes dos vols. 9 e 10,
por lhes faltarem pressupostos de admissibilidade;
b) com fulcro no art. 32, inciso I, e 33 da Lei n.º 8.443/92,
conhecer dos recursos de reconsideração constantes dos vols. 7, 8, 11
e 12, para, no mérito, negar-lhes provimento; e
c) dar ciência aos recorrentes da deliberação proferida.”
É o Relatório.
<!ID637465-3>
VOTO
A Unidade Técnica e o MP/TCU assinalam que os recursos
dos vols. 9 e 10, de Anastácia Faria Gonçalves, Isolete Leal Camilo,
Sebastião Vieira, Francisco Venâncio da Silva, Oswaldo dos Santos
Carvalho, Francisco Baptista, Vicente Lescura de Camargo, Antônio
Erasto da Silva e Francisco Perpétuo de Oliveira são intempestivos.
Realmente, os recursos foram interpostos fora do prazo legal de
quinze dias, e não podem ser conhecidos. Registro apenas que o Sr.
Francisco Perpétuo de Oliveira já havia interposto tempestivamente o
recurso constante do vol. 12. Portanto, o recurso deste responsável
pode ser conhecido.
2. Os recursos dos Srs. Geraldo Fernandes, Paulo Perpétuo e
Silvia Helena Guimarães preenchem os requisitos de admissibilidade
previstos na Lei n.º 8.443/92 e também podem ser conhecidos.
3. Quanto ao mérito, não tenho observações a fazer acerca
das conclusões da Unidade Técnica, endossadas pelo Ministério Público.
4. Os recorrentes, à exceção da Sra. Sílvia Helena, se limitam a solicitar o arquivamento do processo, alegando que, por
força de decisão judicial, vêm recebendo a aposentadoria normalmente.
76
ISSN 1677-7042
5. O fato de terem conseguido judicialmente a normalização
das aposentadorias bem como o recebimento dos atrasados não interfere no que foi decidido no Acórdão n.º 4/2001-Plenário, haja vista
a independência das esferas. Em adição, os recursos não estão acompanhados de qualquer documento que comprove a afirmação.
6. As alegações da Sra. Sílvia Helena também não são suficientes para alterar o Acórdão recorrido. O recurso não está acompanhado de documentação capaz de comprovar a afirmação de que o
benefício irregular foi obtido por meio de procedimento judicial, sem
sua participação. Também não merece acolhida o pedido para que o
Tribunal verifique junto ao INSS se o valor pago indevidamente foi
descontado da pensão concedida à beneficiária Maria Benedita Thomaz. Mesmo na eventualidade de a dívida já ter sido satisfeita, a
irregularidade das contas permanece, ante o disposto no art. 12, § 2º,
da Lei n.º 8.443/92, que exige boa-fé e liquidação tempestiva (espontânea, portanto) do débito. Ademais, a satisfação do débito pode
ser demonstrada na fase de execução judicial.
Ante o exposto, Voto por que o Tribunal adote o acórdão que
ora submeto à deliberação do Plenário.
TCU, Sala das Sessões, 13 de abril de 2005
MARCOS VINICIOS VILAÇA
Ministro-Relator
ACÓRDÃO Nº 387/2005 - TCU - PLENÁRIO
1. Processo n.º TC-008.294/1986-0 (c/ 9 volumes) Apenso:
TC n.º TC-005.008/1989-1
2. Grupo I, Classe de Assunto: I - Recurso de Reconsideração
3. Responsáveis: Inaiá Maria Vilela Lima, Manoel Antunes
Vieira, Sílvia Helena da Silva de Castro Guimarães, Francisco Baptista, Georges Simon Ligot, Mamede Alves da Silva e Pedro Lemes
de Moura, solidariamente com Antônio Erasto da Silva, Sebastião
Vieira, Francisco Perpétuo de Oliveira, José Thomaz (falecido), Agenor Mota, Alcides Domingues Fernandes, Anastácia Faria Gonçalves,
Arismar de Paula Santos, Francisco Venâncio da Silva, Geraldo Fernandes, Maria Aparecida Nunes, Isolete Leal Camilo, Oswaldo dos
Santos Carvalho, Pedro da Silva, Vicente Lescura de Camargo, Simião Bueno de Gouveia, Afonso Ramos Camargo, Paulo Perpétuo de
Oliveira, José Roberto dos Santos e Maria Alice Marcondes dos
Santos
4. Entidade: Instituto Nacional de Previdência Social-INPS
(extinto)
5. Relator: Ministro Marcos Vinicios Vilaça
5.1. Relator da deliberação recorrida: Ministro Walton Alencar Rodrigues
6. Representante do Ministério Público: Procurador-Geral
Lucas Rocha Furtado
7. Unidades Técnicas: Serur e Secex/SP
8. Advogado constituído nos autos: não consta
9. Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes Recursos de Reconsideração interpostos contra o Acórdão n.º 4/2001 - Plenário.
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em Sessão Plenária, diante das razões expostas pelo Relator,
em:
9.1. não conhecer dos recursos de reconsideração de Anastácia Faria Gonçalves, Isolete Leal Camilo, Sebastião Vieira, Francisco Venâncio da Silva, Oswaldo dos Santos Carvalho, Francisco
Baptista, Vicente Lescura de Camargo e Antônio Erasto da Silva, com
fundamento no artigo 33 da Lei n.º 8.443/92;
9.2. conhecer dos recursos de reconsideração de Geraldo
Fernandes, Paulo Perpétuo, Silvia Helena e Francisco Perpétuo de
Oliveira Guimarães, com fundamento nos artigos 32, inciso I, e 33 da
Lei n.º 8.443/92, para, no mérito, negar-lhes provimento;
9.3. notificar os recorrentes desta deliberação, encaminhando-lhes cópia do Relatório e Voto.
10. Ata nº 12/2005 - Plenário
11. Data da Sessão: 13/4/2005 - Ordinária
12. Especificação do quórum:
12.1. Ministros presentes: Adylson Motta (Presidente), Marcos Vinicios Vilaça (Relator), Valmir Campelo, Walton Alencar Rodrigues, Guilherme Palmeira, Ubiratan Aguiar, Benjamin Zymler e o
Ministro-Substituto Marcos Bemquerer Costa.
ADYLSON MOTTA
Presidente
MARCOS VINICIOS VILAÇA
Ministro-Relator
Fui presente:
LUCAS ROCHA FURTADO
Procurador-Geral
GRUPO II - CLASSE I - Plenário
TC 000.982/2001-3 (com 1 volume e 1 apenso: TC
013.698/1994-0)
Natureza: Pedido de Reexame
Órgão: Tribunal Regional Eleitoral de Sergipe (TRE/SE)
Interessado: Tribunal Regional Eleitoral de Sergipe
Advogados constituídos nos autos: não há
Sumário: Pedido de Reexame. Conhecimento e provimento
parcial do recurso. Inclusão cumulativa, nos proventos, do servidor
1
José Ricardo Silva Maximino das vantagens “opção” e VPNI, tendo
tempo de serviço suficiente para se aposentar voluntariamente e preenchido os requisitos do art. 193 da Lei n. 8.112/90 até 19/01/1995.
Julgamento pela legalidade do ato. Alteração na concessão de aposentadoria da servidora Maria Lélia Carvalho Machado, contendo o
pagamento cumulativo do valor integral da função comissionada com
a VPNI. Manutenção do julgamento pela ilegalidade do ato. Inclusão
daquelas vantagens, nos proventos dos demais servidores, sem que os
mesmos tenham preenchido aqueles requisitos. Sobrestamento. Exclusão de subitem da decisão recorrida e modificação na redação
original. Ciência ao recorrente e aos servidores.
RELATÓRIO
Trata-se de Pedido de Reexame interposto pelo Tribunal Regional Eleitoral de Sergipe, por meio do seu Presidente, Des. Manuel
Pascoal Nabuco D'Ávila, contra a Decisão nº 1.272/2002, proferida
pelo Plenário em Sessão de 25/09/2002 (Ata 35/2002).
2. Naquela ocasião, este Colegiado apreciou Relatório de
Auditoria, produzido pela Secretaria de Controle Externo em Sergipe
- Secex/SE relativo à auditoria realizada no TRE/SE, com o objetivo
de examinar os atos de concessões e de admissões, ainda não apreciados por este TCU, efetivados no período de 01/01/1994 a
15/12/2000, nos termos da IN-TCU nº 16/97.
3. A equipe de auditoria examinou os atos de concessão de
aposentadoria dos servidores José Maria do Nascimento (fls. 1/2),
Maria Zileide Lima de Souza (fls. 03/12), Erinaldo Santos de Melo
(fls. 13/17), José Ricardo Silva Maximino (fls. 18/27) e Maria Lélia
Carvalho Machado (fls. 28/42).
3. A referida Decisão foi prolatada nos seguintes termos,
verbis:
“O Tribunal Pleno, diante das razões expostas pelo Relator,
DECIDE:
8.1 - considerar legal o ato de fls. 01/02, concernente à
concessão inicial de José Maria do Nascimento, ordenando o respectivo registro;
8.2 - considerar ilegais as concessões relativas aos atos de
fls. 03/12, 13/17, 18/27 e 28/42, atinentes, respectivamente, à Maria
Zileide Lima de Souza, Erinaldo Santos Melo, José Ricardo Silva
Maximino e Maria Lélia Carvalho Machado, negando os correspondentes registros, ante a inexistência de fundamento jurídico que
ampare a possibilidade de os servidores do Poder Judiciário carrearem para os proventos de aposentadoria o benefício de que tratava o art. 14, § 2º, da Lei n. 9.421/1996;
8.3 - dispensar a reposição dos valores indevidamente recebidos até a data do conhecimento desta deliberação pelo Tribunal
Regional Eleitoral do Sergipe - TRE/SE, de conformidade com o
Enunciado n. 106 da Súmula da Jurisprudência predominante deste
Tribunal;
8.4 - determinar ao TRE/SE que:
8.4.1 - faça cessar os pagamentos dos proventos pertinentes
às concessões indicadas no subitem 8.2 acima, no prazo de 15 (quinze) dias, contados a partir da ciência desta Decisão, sob pena de
responsabilidade solidária da autoridade administrativa omissa, nos
termos do art. 191 do Regimento Interno/TCU;
8.4.2 - adote a presente decisão para todos os casos similares, sob pena de aplicação das sanções previstas na Lei n.
8.443/1992;
8.5 - determinar a juntada de cópia desta deliberação, do
Relatório, da Proposta de Decisão e do ato de fls. 01/02 ao TC
013.698/1994-0;
8.6 - determinar à Secex/SE que proceda à verificação do
cumprimento da determinação referida no subitem 8.4 retro, representando a este Tribunal, caso necessário.”
4. Inconformado com os subitens 8.2 e 8.4.2 desse decisum,
o recorrente, por meio do seu Presidente, apresentou a peça de fls. 04
a 08, bem como os documentos de fls. 09 a 43 do Vol. I, que foram
examinados no âmbito da Secretaria de Recursos - Serur.
5. A propósito, transcrevo, como parte deste Relatório, excerto da instrução elaborada naquela secretaria, cuja proposta de encaminhamento foi anuída pelo Secretário Substituto da unidade, verbis:
“ADMISSIBILIDADE
12. A peça recursal recebeu exame preliminar de admissibilidade, sendo considerada admissível como Pedido de Reexame
(fl. 44 do volume I). A análise dos autos nos permite ratificar esse
exame.
(...)
MÉRITO
16. O Des. Manuel Pascoal Nabuco D'Ávila, Presidente do
TRE/SE, insurge-se contra o Decisão n. 1.272/2002-TCU-Plenario no
que concerne à ilegalidade das concessões de aposentadoria dos
servidores Maria Zileide Lima de Sousa, Erinaldo Santos Melo, Maria Lélia Carvalho Machado e José Ricardo Silva Maximino.
17. Alega, em síntese que:
a) a Decisão n. 1.272/2002-TCU-Plenário originou-se da
auditoria realizada no TRE/SE que considerou ilegais as aposentadorias dos servidores Maria Zileide Lima de Souza, Erinaldo Santos Melo, José Ricardo Silva Maximino e Maria Lélia Carvalho
Machado, “ante a inexistência de fundamento jurídico que ampare a
possibilidade de os servidores do Poder Judiciário carrearem para os
proventos de aposentadoria o benefício de que tratava o art. 14, § 2º,
da Lei nº 9.421/96”;
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
b) esses servidores, bem como o servidor Afonso Barboza de
Carvalho, abrangido pela decisão atacada por conta da determinação contida em seu subitem 8.4.2, aposentaram-se em datas anteriores à publicação da Decisão n. 753/99-TCU-Plenário;
c) essas concessões amparam-se no art. 16 da Lei n.
9.421/96;
d) “sejam mantidos os pagamentos dos proventos dos servidores Maria Zileide Lima de Sousa, Erinaldo Santos Melo, Maria
Lélia Carvalho Machado, José Ricardo Silva Maximino e Afonso
Barboza de Carvalho, bem como autorizado o registro dos respectivos atos concessivos, por entender que, com a publicação da Decisão 753/99, houve uma nova interpretação do art. 16 da Lei n.
9.421/96, a ser aplicável somente às situações posteriores à aludida
decisão, resguardando dessa forma os atos praticados anteriormente
sob o manto da legalidade e boa-fé”; e
e) caso o TCU não entenda cabível a manutenção das situações constituídas, o TRE/SE pede o reexame apenas quanto aos
servidores Maria Lélia Carvalho Machado e José Ricardo Silva Maximino, uma vez que esses inativos, quando implementaram as condições para a aposentadoria, já haviam preenchido os requisitos do
art. 193 da Lei n. 8.112/90.
ANÁLISE DOS ARGUMENTOS
18. O recorrente, no arrazoado de fls. 1/8, sustenta a legalidade do pagamento, nos proventos dos interessados, da opção
70% valor-base da FC. Discordamos dessa afirmativa.
19. Em Sessão de 27/10/1999, o Plenário desta Casa ao
apreciar o TC-925.588/1998-9 - que trata de consulta formulada pela
Presidência do Superior Tribunal de Justiça - prolatou a Dec. n.
753/1999. Naquela oportunidade, ao abordar a questão da opção
prevista no art. 14, § 2º, da Lei n. 9.421/96, o Ministro-Relator, em
seu Voto, teceu estas considerações (grifos nossos):
“Não há dúvida, como concordam os pareceres [Sefip e
Ministério Público], de que o direito de opção conferido aos ocupantes de função comissionada permanece, ainda hoje, plenamente
válido. Entretanto, abstraída a figura dos quintos, vê-se, do texto
legal, que a faculdade de optar é conferida unicamente aos servidores investidos em função comissionada, o que não é 'evidentemente' o caso de servidores aposentados.
Contudo, a Assessoria Especial da Presidência do STJ e a 2ª
SECEX [atual Sefip], defendendo entendimento diferente, prendem-se
ao disposto no art. 16 da mesma Lei nº 9.421/96:
'Art. 16. As vantagens de que trata esta Lei integram os
proventos de aposentadoria e as pensões.'
Ora, parece-me claro que as vantagens a que se refere esse
dispositivo são aquelas de caráter permanente já auferidas pelo
servidor antes de sua inativação, e não aquelas de caráter circunstancial e temporário. Na linha defendida naqueles dois pareceres seria lícito inferir que aos inativos do Poder Judiciário também
seria aplicável o instituto da promoção, vantagem prevista no art. 7º
da mesma Lei, o que é um evidente contra-senso.
Como registra José Cretella Júnior, 'deve-se observar que,
de modo algum, existe paralelismo entre as vantagens da aposentadoria e as vantagens da atividade, porque, se algumas destas se
refletem naquelas, na realidade o quantum de vantagens é bastante
menor, observando-se, por outro lado, que também as restrições ou
proibições que incidem sobre o inativo são igualmente em número
bem menor do que as que cercam o agente na atividade' (in: Enciclopédia Saraiva do Direito, v. 76, p. 423).
O objetivo do art. 16 da Lei nº 9.421/96 é assegurar o
cumprimento do preceito insculpido no art. 40, § 8º (§ 4º, anteriormente à Emenda Constitucional nº 20), da Constituição Federal
isonomia entre proventos e vencimentos, de modo a preservar a
estabilidade financeira do servidor ao se aposentar.
Note-se, a propósito, que a Constituição, analogamente, em
seu art. 37, inciso XV (redação atualmente dada pela EC nº 19, de
04.06.98), proíbe também a redução de salários de servidores da
ativa. Entretanto, jamais nem sequer se cogitou, para servidores em
atividade destituídos de funções comissionadas, a manutenção do
padrão remuneratório anterior (com as vantagens que lhe eram
próprias, como o vencimento da FC, a representação mensal e a
opção), uma vez que sempre se teve por pacífico o entendimento de
que o comando constitucional (irredutibilidade dos salários) se referia ' como de fato se refere' apenas à remuneração do cargo efetivo.
Não há porque intentar interpretação diferenciada no caso dos
servidores inativos.
As alterações salariais circunstanciais, que, a rigor, possuem
caráter indenizatório e não remuneratório, são devidas apenas enquanto presentes as causas que lhes dão ensejo, tais como regime de
dedicação exclusiva, maior grau de envolvimento e responsabilidade,
situações de risco, ambientes insalubres, deslocamentos da sede, etc.
Perenizar encargos dessa natureza, vinculando-os a servidores que
algum dia as perceberam em face de atribuições especiais que lhes
foram atribuídas, seria enrijecer e onerar injustificadamente a Administração Pública, o que jamais foi a intenção do legislador. Este,
ao contrário, quando pretendeu assegurar alguma estabilidade financeira aos ocupantes de função comissionada, expressa e inequivocamente o fez, estabelecendo detalhadamente os critérios e condições em que esta se daria.
Por fim, há que se ter em conta, ainda, o disposto no art. 40,
§ 3º, da Constituição Federal (redação dada pela EC nº 20, de
15.12.98), in verbis:
'§ 3º Os proventos de aposentadoria, por ocasião da sua
concessão, serão calculados com base na remuneração do servidor
no cargo efetivo em que se der a aposentadoria e, na forma da lei,
corresponderão à totalidade da remuneração.'
Desse preceito extrai-se, mais uma vez, a nítida intenção do
legislador ' ao referir-se à irredutibilidade de salários e à isonomia
entre proventos e vencimentos' de proteger as vantagens financeiras
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
de caráter permanente dos servidores, e não aquelas de caráter
transitório.”
20. A Lei nº 9.421/96, que criou o Plano de Cargos e Salários do Poder Judiciário, estabeleceu, em seu artigo 14 (revogado
pela Lei n. 10.475/2002):
“Art. 14. A remuneração das Funções Comissionadas, inclusive para os ocupantes sem vínculo efetivo com a Administração
Pública, compõe-se das seguintes parcelas:
I - valor-base constante do Anexo VI;
II - APJ, tendo como base de incidência o último padrão dos
cargos de Auxiliar Judiciário, Técnico Judiciário e Analista Judiciário, conforme estabelecido no Anexo VII;
III - GAJ, calculada na conformidade do Anexo V.
§1º Aplica-se à remuneração das Funções Comissionadas o
disposto no § 2° do art. 4º.
§2°Ao servidor integrante de carreira judiciária e ao requisitado, investidos em Função Comissionada, é facultado optar
pela remuneração de seu cargo efetivo mais setenta por cento do
valor-base da FC, fixado no Anexo VI.”.
21. Esse dispositivo não autoriza, em hipótese alguma, a
acumulação dos quintos/décimos incorporados com a remuneração
da função que a eles deu origem. Vale, também, repisar que o entendimento desta Corte de Contas é no sentido de que o direito de
opção assegurado pelo § 2º, do artigo 14, aplicava-se, exclusivamente, aos servidores ativos que estavam no exercício da função, não
se estendendo, assim, aos proventos da aposentadoria (Decisões n.
753/1999 e 511/2000 do Plenário, Decisão n. 291/2001 da 1ª Câmara, entre outras).
22. Quanto à alegação do recorrente de que os servidores
José Ricardo Silva Maximino e Maria Lélia Carvalho Machado implementaram as condições para a aposentadoria antes da revogação
do art. 193 da Lei n. 8.112/90, em nada muda o posicionamento pela
ilegalidade dos atos já apreciados. Caso os interessados façam a
opção pelo artigo 193 do precitado dispositivo legal, poderá o órgão
concedente emitir novos atos, com esse fundamento legal e cálculo de
proventos compatíveis com esse artigo, e sujeitá-los à apreciação
desta Casa.
IV. CONCLUSÃO
Posto isso, submetemos os autos à consideração superior,
propondo que:
a) seja o presente Pedido de Reexame conhecido, para, no
mérito, negar-lhe provimento; e
b) seja o recorrente informado da deliberação que vier a ser
proferida.”
7. A seu turno, o membro do Ministério Público/TCU, após
transcrever a decisão recorrida, assim se manifestou, verbis:
“Analisadas as argumentações apresentadas, a SERUR propõe que seja conhecido o presente pedido de reexame para, no
mérito, negar-lhe provimento, conforme parecer de fls. 71/78.
Ante a superveniência dos Acórdãos n.º 1619/2003,
1620/2003 e 472/2004 do Plenário, a orientação do TCU acerca da
matéria sofreu modificações.
Consoante Acórdãos/Plenário n.º 1619/2003 e 1620/2003, é
devida a inclusão da parcela da opção nos proventos dos servidores
que preencheram todos os requisitos temporais exigidos pelo art. 193
do RJU até 19/01/95 e que, naquela data, houvessem implementado
tempo suficiente para obtenção de aposentadoria voluntária.
Por outro lado, por força do Acórdão/Plenário n.º 472/2004,
o exame das aposentadorias dos servidores que preencheram os requisitos temporais para aposentadoria entre 19/01/95 e 8/4/98 e que
somente poderiam auferir a parcela denominada "opção", se concedida com base na Decisão n.º 481/97 - Plenário - TCU, foi sobrestado até a análise dos recursos interpostos contra a Decisão
Plenária n.º 844/2001. Transcreve-se a seguir excerto do voto condutor desse Acórdão:
'6. Em consulta formulada pelo Presidente do Superior Tribunal de Justiça, esta Corte, por meio da Decisão n.º 753/99 Plenário - TCU, firmou o entendimento de que “no regime da Lei n.º
9.527, de 10.12.97, inexiste fundamento jurídico que ampare a possibilidade de os servidores do Poder Judiciário carrearem para os
proventos de aposentadoria o benefício de que trata o art. 14, § 2º,
da Lei n.º 9.421/96”.
7. Assim, entendeu este Tribunal que para os servidores que
implementassem tempo para aposentadoria depois do advento da Lei
n.º 9.527/97, não haveria possibilidade jurídica de incluir a vantagem “opção” em seus proventos.
8. Por oportuno, transcrevo excerto do voto condutor daquela decisão, cujo relator foi o eminente Ministro Guilherme Palmeira:
'(...) verifico, de plano, que, em 11.11.97, data da publicação
da MP n.º 1.595-14, posteriormente convalidada e transformada na
Lei n.º 9.527/97, desapareceu qualquer vínculo porventura existente
entre os institutos da opção e dos quintos. Como foi precisamente
esse vínculo que conduziu à construção jurisprudencial consolidada
na referida Decisão n.º 481/97, não vejo como admitir, atualmente,
com base naquele decisum, a integração da parcela referente à opção
aos proventos de aposentadoria.”
9. De acordo com a Decisão n.º 481/97 - Plenário - TCU, a
“opção” se vincularia aos “quintos”, o que permitiria ao servidor
que dispusesse de apenas um “quinto” ou de um “décimo” incorporado, a percepção da aludida vantagem. Mesmo que se admita
a validade da referida decisão, é preciso reconhecer que o fundamento alegado para aquisição da “opção” encontrar-se-ia exaurido com o advento da Lei n.º 9.527/97, porquanto estaria extinto o
regime de incorporação de “quintos”.
10. Ocorre, no entanto, que por meio da Decisão n.º 925/99
- Plenário (Ata 44/99, extraordinária de caráter reservado), cujo
relator foi o eminente Ministro Walton Alencar Rodrigues, ficou assentado que a incorporação, ou a atualização de “quintos”, seria
devida até 8/4/98, data de publicação da Lei n.º 9.624/98.
11. Nessa esteira, considerando que a data limite estabelecida para efeito da legalidade de inclusão da vantagem “opção”,
nos proventos de aposentadoria, com esteio na Decisão 481/97 Plenário, foi a data de extinção da incorporação de “quintos”, nos
termos da Decisão n.º 753/99 - Plenário - TCU, e que, posteriormente, este Tribunal fixou a data de 8/4/98 como termo final à dita
incorporação, entendo que a aplicação da Decisão n.º 753/99 aos
casos concretos deverá considerar como data limite, 8/4/98, e não
11/11/97.
12. Assim, vislumbramos duas situações. Para os servidores
que implementaram tempo para aposentadoria no regime da Lei n.º
9.624/98 inexiste fundamento jurídico para o pagamento da “opção”,
uma vez extinto o regime de incorporação a partir de 8/4/98. Já
aqueles que preencheram os requisitos temporais para aposentadoria
entre 19/01/95 e 8/4/98 somente poderiam auferir a parcela denominada "opção", se concedida esta com base na Decisão 481/97 Plenário - TCU.
13. Nesse último caso, como a referida parcela é analisada
pela Decisão 844/2001 - Plenário - TCU, objeto de recursos pendentes de apreciação, sou pelo sobrestamento do exame desses atos
até o deslinde da questão.'
Ademais, cabe ressaltar que a Decisão n.º 753/99, proferida
no TC n.º 925.588/1998-9, aplica-se apenas às aposentadorias deferidas a partir da 11/11/97 (data prorrogada para 8/4/98 pelo Acórdão 472/2004, supracitado), conforme depreende-se da manifestação
do Exmo. Sr. Ministro Guilherme Palmeira, Relator do proc. n.º TC
925.588/1998-9, em voto complementar:
'O que procurei fazer, e talvez não tenha sido claro o suficiente, foi posicionar o interessado - nos estritos termos de sua
consulta - sobre os efeitos do advento da Lei n.º 9.527/97 no quadro
normativo e jurisprudencial então existente, no qual se inseria a
Decisão n.º 481. Ou seja, o que examinei foram as regras para
aposentadoria a partir da nova Lei, sem nenhum juízo de mérito
sobre as regras a ela anteriores, até porque, como tantas vezes já
afirmei, isso não foi solicitado pelo consulente' (grifamos).
No caso em exame, Maria Zileide Lima de Souza e Erinaldo
Santos Melo, enquadram-se na situação prevista no Acórdão/Plenário
n.º 472/2004, já que preencheram os requisitos temporais para aposentadoria entre 19/01/95 e 8/4/98 e poderiam auferir a parcela
denominada "opção", se concedida com base na Decisão/Plenária n.º
481/97.
Quanto a José Ricardo Silva Maximino e Maria Lelia Carvalho Machado, preencheram todos os requisitos temporais exigidos
pelo art. 193 do RJU até 19.01.95, inclusive tempo para aposentadoria voluntária, logo, estão amparados pelos Acórdãos/Plenário
n.º 1620/2003 e 1619/2003.
Assim, opinamos por que seja conhecido o presente pedido
de reexame para, no mérito, dar-lhe provimento parcial e que seja
dada a seguinte redação à Decisão ora recorrida :
'8.1 - considerar legais os atos de fls. 01/02, 18/27 e 28/37,
concernentes a: José Maria do Nascimento, José Ricardo Silva Maximino e Maria Lélia Carvalho Machado; respectivamente, ordenando
o respectivo registro;'
8.2 - sobrestar o exame dos atos de fls. 03/12 e 13/17,
atinentes, respectivamente, à Maria Zileide Lima de Souza e Erinaldo
Santos Melo, até que sejam examinados os recursos interpostos contra a Decisão Plenária n.º 844/2001, em analogia ao decidido no
Acórdão 472/2004 do Plenário/TCU;
8.3 - considerar ilegal a alteração de 38/43, ante o pagamento cumulativo do valor integral da função comissionada com a
VPNI;
8.4 - dispensar a reposição dos valores indevidamente recebidos até a data do conhecimento desta deliberação pelo Tribunal
Regional Eleitoral do Sergipe - TRE/SE, de conformidade com o
Enunciado n. 106 da Súmula da Jurisprudência predominante deste
Tribunal;
8.5 - determinar ao TRE/SE que:
8.5.1 - faça cessar os pagamentos dos proventos pertinentes
às concessão indicada no subitem 8.3 acima, no prazo de 15 (quinze)
dias, contados a partir da ciência desta Decisão, sob pena de responsabilidade solidária da autoridade administrativa omissa, nos termos do art. 191 do Regimento Interno/TCU;
8.5.2 - adote a presente decisão para todos os casos similares, sob pena de aplicação das sanções previstas na Lei n.
8.443/1992;
8.6 - determinar a juntada de cópia desta deliberação, do
Relatório, da Proposta de Decisão e do ato de fls. 01/02 ao TC
013.698/1994-0;
8.7 - determinar à Secex/SE que proceda à verificação do
cumprimento da determinação referida no subitem 8.5 retro, representando a este Tribunal, caso necessário.”
É o Relatório.
VOTO
Preliminarmente, devo registrar que o presente pedido de
reexame pode ser conhecido, uma vez preenchidos os requisitos legais e regimentais de admissibilidade, isto é, a singularidade, a legitimidade do recorrente, o interesse em recorrer e a adequação do
recurso, destacando que o exame de tempestividade ficou prejudicado, tendo em vista que não há nos autos nem a data da notificação
da decisão nem a da protocolização do recurso.
Observo que, em relação ao mérito, a Serur propõe que se
negue provimento ao recurso interposto pelo Tribunal Regional Eleitoral de Sergipe (TRE/SE), enquanto que o Ministério Público/TCU
opina para que se dê provimento parcial ao mesmo.
ISSN 1677-7042
77
A decisão recorrida, como demonstrado no relatório precedente, julgou legal o ato inicial da aposentadoria do servidor José
Maria do Nascimento (fls. 1/2 - vigência 11/04/1994) e ilegais os atos
iniciais de aposentadoria dos servidores Maria Zileide Lima de Souza
(fls. 03/07 - vigência 26/12/1997), Erinaldo Santos de Melo (fls.
13/17 - vigência 07/04/98), José Ricardo Silva Maximino (fls. 18/22
- vigência 05/01/98) e Maria Lélia Carvalho Machado (fls. 28/32 vigência 30/12/1997). Além disso, foram igualmente considerados
ilegais os atos de alteração de aposentaria de alguns desses servidores, a saber: I) ato de fls. 08/12 (vigência 20/01/98) - Srª Maria
Zileide; II) ato de fls. 23/27 (vigência 20/01/98) - José Ricardo; e III)
ato de fls. 33/37 (1ª alteração - vigência 20/01/98) e ato de fls. 38/42
(2ª alteração - vigência 04/11/98) - Maria Lélia. A ilegalidade dos
atos se deu, principalmente, porquanto houve cumulação da vantagem
“opção” com a “VPNI”, originada de parcelas incorporadas a título
de quintos ou décimos.
Ademais, além de determinar a suspensão dos pagamentos
dos atos considerados ilegais, constou, no item 8.4.2, que a decisão
deveria ser aplicada aos casos similares no âmbito do TRE/SE.
O Ministério Público/TCU, propondo que se dê provimento
parcial ao recurso, entende que além do ato inicial de aposentadoria
do servidor José Maria do Nascimento (fls. 1/2) pode ser julgado
legal por este Tribunal, de pronto, conforme os Acórdãos/Plenário nos
1619/2003 e 1620/2003, os atos iniciais dos servidores José Ricardo
Silva Maximino (fls. 18/22) e Maria Lélia Carvalho Machado (fls.
28/32), bem como os atos de alterações dessas aposentações, que
constam, respectivamente, das fls. 23/27 e fls. 33/37 (1º ato de alteração), exceto o 2º (segundo) ato de alteração desta última servidora
(fls. 38/42), que deve ser mantido ilegal, uma vez que consta, nos
proventos, a cumulação do valor integral da função comissionada
com a VPNI. No tocante aos demais atos (fls. 03/12 e 13/17), propõe
que sejam sobrestados até o deslinde dos recursos interpostos contra
a Decisão Plenária nº 844/2001.
De fato, esta Corte de Contas, por meio dos Acórdãos 1619
e 1620/2003, do Plenário, firmou entendimento no sentido de que é
permitido ao servidor, nos proventos da inatividade, cumular a vantagem “opção” com a VPNI desde de que preencha os requisitos do
art. 193 da Lei nº 8.112/90 até 19/01/1995, ou seja, 5 (cinco) anos
ininterruptos ou 10 (dez) anos interpolados de exercício de função de
confiança ou cargo em comissão, e possa se aposentar voluntariamente até aquela mesma data.
Neste sentido, concordo com o Ministério Público/TCU de
que ato inicial (fls. 18/22) e o de alteração (fls. 23/27) de aposentadoria do servidor José Ricardo Silva Maximino podem ser considerados legais, devendo serem efetuados seus respectivos registros,
tendo em vista que estão em consonância com a jurisprudência desta
Corte de Contas.
Quanto ao ato de concessão inicial (fls. 28/32) e do 1º (primeiro) ato de alteração (fls. 33/37) da servidora Maria Lélia Carvalho
Machado, creio não ser possível apreciá-los de imediato, tendo em
vista que o valor da “opção” foi calculado com base na FC-09,
função que exerceu no período de 25/05/1994 a 29/12/1997, ou seja,
até 19/01/1995 há somente 8 (oito) meses de exercício nessa função,
o que impossibilita, neste momento, considerá-los legais; enquanto
que, se os cálculos tivessem sido com base no valor da FC-05, os atos
poderiam ser considerados legais, uma vez que se enquadrariam naqueles requisitos. Assim, considerado que, dependendo do desfecho
dos recursos interpostos contra a Decisão Plenária nº 844/2001, que
modificou a Decisão Plenária º 481/1997, essa inativa pode vir a fazer
jus a vantagem “opção” calculada com base na FC-09 e não na FC05, nos termos da Decisão 481/1997, entendo que esses atos, como os
dos servidores Maria Zileide Lima de Souza (fls. 03/12) e Erinaldo
Santos Melo (13/17), em que também consta o pagamento cumulativo
das referidas parcelas, mas sem preencherem os requisitos impostos
pelos Acórdãos nos 1619/2003 e 1620/2003, do Plenário, devem ser
sobrestados até julgamento por este Tribunal dos recursos interpostos
contra a Decisão n. 844/2001 - Plenário.
Neste sentido, os Acórdãos nos 472/2004 - Plenário; 2.400,
2.401, 2.446, 2.448, 2.450, 2.452, 2.453, 2.455, todos de 2004 e da 2ª
Câmara; 2.168 e 2083, ambos de 2004, e 209 e 210, ambos de 2005,
da 1ª Câmara.
No tocante ao 2º (segundo) ato de alteração da aposentadoria
da servidora Maria Lélia Carvalho Machado (fls. 38/42), concordo
também com o Ministério Público/TCU de que o ato, de fato, é ilegal,
tendo em vista que é firme a jurisprudência deste Tribunal no sentido
de não ser possível o pagamento cumulativo do valor integral da
função comissionada com a VPNI, conforme relato a seguir:
Em 26/07/2000, o Plenário desta Corte de Contas, por meio
da Decisão nº 585/2000, assim se manifestou, verbis:
“8.1 - firmar o entendimento de que, em virtude da vedação
contida no parágrafo único do art. 7º da Lei n. 9.624/98, bem assim
do comando emanado do art. 37, XIV, da Constituição Federal, é
incompatível a acumulação, nos proventos da inatividade, da parcela
correspondente à Vantagem Pessoal Nominalmente Identificada - VPNI, criada pelo § 1o do art. 15 da Lei n. 9.527/97, com a vantagem
concernente à função comissionada de que tratava o art. 193 da Lei
8.112/90;”
No Voto apresentado naquela ocasião, o Ministro-Relator
José Antônio Barreto de Macedo deixou assente em relação à natureza jurídica da VPNI e dos “quintos/décimos” - a qual compartilho
entendimento - que, verbis:
“15. Não obstante, abstraindo-se o rigorismo formal e priorizando-se os aspectos ontológico e teleológico da parcela paga em
razão da incorporação a que se refere o art. 15 da Lei n.º 9.527/97,
faz sentido, a meu ver, concluir que a VPNI e os quintos/décimos são,
em essência, a mesma vantagem, uma vez que ambas têm a mesma
origem e natureza jurídica e a mesma finalidade.
16. Com efeito, têm a mesma origem e natureza jurídica
78
ISSN 1677-7042
1
Nº 76, sexta-feira, 22 de abril de 2005
<!ID637465-4>
porque são concedidas em razão do mesmo fato gerador, isto é, o fato
que lhes deu causa é um só: o exercício, durante determinado período, de função de direção, chefia ou assessoramento, cargo de
provimento em comissão ou de natureza especial, ou ainda, no âmbito deste Tribunal, função comissionada. E têm a mesma finalidade,
porque ambas visam a assegurar estabilidade financeira ao servidor
que tenha exercido, durante certo tempo, função de confiança, evitando que, ao ser exonerado, ou afastado do exercício daquela função por motivo de aposentadoria, sofra, abruptamente, perda do
poder aquisitivo.
17. Efetivamente, o § 1º do art. 15 da lei por último referenciada evidencia que 'a importância paga em razão da incorporação a que se refere este artigo' passou a 'constituir, a partir de
11 de novembro de 1997', a VPNI, sujeita, entretanto, 'exclusivamente
à atualização decorrente da revisão geral da remuneração dos servidores públicos federais'.
18. Portanto, a retribuição pecuniária que foi incorporada
em decorrência do exercício de função de confiança, no momento da
transformação operada por lei, não foi alterada, permanecendo, conforme dito, exatamente a mesma, já então, porém, sob o rótulo de
VPNI.
(...)
21. Há que atentar, ademais, para o fato de que, desde
quando começou a vigorar a Lei n. 8.112/90 jamais foi facultado ao
servidor acumular as vantagens do art. 62 com a do art. 193.
22. Conseqüentemente, data venia, não considero correto o
entendimento de que - após extinguir a incorporação dos quintos/décimos e assegurar o direito adquirido à percepção da importância já
incorporada, denominando-a de VPNI, e, além disso, revogar expressamente o art. 193 da Lei n. 8.112/90 (art. 15, caput e § 1º, cit.)
- o legislador pretendeu inovar, conferindo aos servidores o direito de
acumular a vantagem do art. 193 com aquela importância incorporada (VPNI).”
Nessa mesma linha, a Primeira Câmara deste Tribunal, na
Sessão de 29/05/2001, por meio do item 8.4 da Decisão 136/2001,
determinou de forma expressa que os tribunais regionais eleitorais e o
Tribunal Superior Eleitoral suspendessem, em quinze dias, os pagamentos cumulativos, constantes de proventos de aposentadoria, do
valor integral da função comissionada com a VPNI, originadas de
parcelas incorporadas a título de quintos ou décimos.
Portanto, no âmbito deste Tribunal há posicionamento uniforme no sentido de que não é possível ao inativo perceber cumulativamente o valor integral da função comissionada com a “VPNI”.
Por fim, o recorrente alega que o servidor Afonso Barboza
de Carvalho - cujo ato não consta destes autos- foi também atingido
pela Decisão nº 1.272/2002 em face do disposto em seu item 8.4.2.
Acerca disso, cabe registrar que minha assessoria, em consulta ao
Sistema de Apreciação e Registro dos Atos de Admissão e Concessões - Sisac, confirmou a existência do referido ato, cujo número
de controle é 2-078150-4-04-1999-000006-0, sendo que ainda não foi
autuado neste Tribunal e, por conseqüência, não examinado. Extrai-se
que, nos proventos desse servidor, consta o pagamento cumulativo
das referidas parcelas (fls. 82/85 do Vol I). Assim, considerado que a
matéria ainda não está pacificada no âmbito desta Corte de Contas,
como demonstrei acima, creio que deva ser excluído o item 8.4.2.
Ante o exposto, peço vênias por discordar do encaminhamento da Serur e por acolher, parcialmente, o parecer do Ministério
Público/TCU, e Voto no sentido de que este Tribunal adote o Acórdão
que ora submeto a este Colegiado:
“Acórdão:
VISTOS, relatados e discutidos estes autos que tratam, nesta
fase processual, de Pedido de Reexame interposto pelo TRE/SE, por
meio do seu Presidente, Des. Manuel Pascoal Nabuco D'Ávila, contra
a Decisão nº 1.272/2002, proferido pelo Plenário em Sessão de
25/09/2002 (Ata 35/2002).
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União,
reunidos em Sessão do Plenário, em:
9.1. conhecer do presente Pedido de Reexame, com fundamento no art. 48 c/c o art. 33 da Lei n. 8.443/92, para, no mérito,
dar-lhe provimento parcial, com vistas a tornar insubsistente o item
8.4.2 da Decisão acima indicada, bem assim modificar sua redação,
no tocante aos itens 8.1, 8.2 e 8.4.1, passando a ter o seguinte teor:
“8.1 - considerar legais e ordenar os registros dos atos de
fls. 1/2 e 18/27, em favor, respectivamente, de José Maria do Nascimento e José Ricardo Silva Maximino;
8.2 - considerar ilegal e recusar o registro do ato de alteração
de 38/43, em favor de Maria Lélia Carvalho Machado, e sobrestar o
exame dos atos de fls. 03/12 e 13/17 e 28/37, em favor, respectivamente, de Maria Zileide Lima de Souza, Erinaldo Santos Melo e
Maria Lélia Carvalho Machado, até que este Tribunal se pronuncie
quanto aos recursos interpostos contra a Decisão nº 844/2001-TCUPlenário;
(...)
8.4.1 - faça cessar os pagamentos dos proventos pertinentes à
concessão considerada ilegal indicada no subitem 8.2 acima, no prazo
de 15 (dias), contados a partir da ciência desta Decisão, sob pena de
responsabilidade solidária da autoridade administrativa omissa, nos
termos do art. 191 do Regimento Interno/TCU”;
9.2. dar ciência desta deliberação ao recorrente e aos servidores interessados.”
TCU, Sala das Sessões, em 13 de abril de 2005.
MARCOS VINICIOS VILAÇA
Ministro-Relator
ADYLSON MOTA
Presidente
MARCOS BEMQUERER COSTA
Ministro-Relator
Fui presente:
LUCAS ROCHA FURTADO
Procurador-Geral
GRUPO II - CLASSE I - Plenário
TC-000.982/2001-3
Natureza: Pedido de Reexame (Aposentadoria)
Órgão: Tribunal Regional Eleitoral de Sergipe (TRE/SE)
Interessado: Tribunal Regional Eleitoral de Sergipe.
Sumário: Pedido de Reexame. Conhecimento. Parcial provimento do recurso. Inclusão cumulativa, em proventos de servidor,
das vantagens “opção” e “VPNI”, tendo ele tempo de serviço suficiente para aposentar-se voluntariamente e preenchido todos os requisitos do art. 193 da Lei 8.112/90 até 19/01/1995. Legalidade do
ato e registro. Alteração na concessão de aposentadoria da servidora
Maria Lélia Carvalho Machado, contendo o pagamento cumulativo do
valor integral da função comissionada conjuntamente com a VPNI.
Manutenção do julgamen