NOC Tratamento da Dor Neuropática Localizada CEMBE 2011

NOC Tratamento da Dor Neuropática Localizada CEMBE 2011
DOR
®
ISSN: 0872-4814
Órgão de Expressão Oficial da APED
Volume 19 • N.o 3/2011
Norma de Orientação Clínica
Para Tratamento da Dor
Neuropática Localizada
Mensagem do Presidente da APED
3
Editorial
4
Prefácio
5
Índice
5
CEMBE da FMUL ‐ NOC da Dor Neuropática
Localizada
6
PERMANYER PORTUGAL
www.permanyer.com
(continuação do verso contracapa)
opióides observada, é recomendado que todos os doentes comecem tratamento com opióides com uma dose conservadora, titulada de
seguida até um nível adequado de analgesia, associado a um perfil de reacção(ões) adversa(s) aceitável. como com qualquer outro opióide
forte, deve ser considerada a instituição de profilaxia apropriada para reacções adversas conhecidas (por exemplo, para a obstipação). os
doentes deverão ser aconselhados a tomarem o comprimido de JuRnista® inteiro com um copo de água, sem nunca mastigar, dividir ou
esmagar o comprimido, aproximadamente à mesma hora todos os dias. doentes que não estão a receber habitualmente opióides: a dose
inicial de JuRnista® para a maioria dos doentes que não estejam a receber opióides deve ser de 8 mg de 24 horas em 24 horas, não
excedendo 8 mg. alguns doentes podem beneficiar de uma dose inicial de titulação de 4 mg de 24 em 24 horas, para melhorar a tolerabilidade. esta dose pode ser titulada, para mais ou para menos, se necessário, em incrementos de 4 ou 8 mg, de 24 horas em 24 horas,
dependendo da resposta e da necessidade de analgésicos suplementares. dado que a titulação de dose para atingir a analgesia adequada
é mais demorada quando se usa um opióide numa formulação de libertação controlada, pode ser aconselhável iniciar o tratamento com
formulações convencionais de libertação imediata (como por exemplo, hidromorfona ou morfina de libertação imediata) e converter depois
para a dose diária apropriada de JuRnista®. Para efectuar a conversão, consulte, por favor, a tabela de conversão. doentes que recebem
regularmente opióides: em doentes que estão já em tratamento com analgésicos opióides, a dose inicial de JuRnista® deve ser baseada
na dose total, prévia, diária de opióides, determinando –se a dose através dos valores de potência equianalgésica padrão. Para opióides
que não a morfina, primeiro deve ser estimada a dose diária total equivalente de morfina, e depois deve utilizar-se a tabela seguinte para
determinar a dose diária total equivalente de JuRnista®.
tabela de conversão: Factores de multiplicação para conversão da dose diária prévia
de opióides em dose diária de JuRnista (mg/dia opióides x factor = mg/dia JuRnista)
opióide prévio
opióide prévio, via oral (factor de conversão)
opióide anterior, via parentérica (factor de conversão)
morfina
0,2
0,6
Hidromorfona
1
4
nenhuma taxa fixa de conversão será provavelmente satisfatória em todos os doentes, devido a diferenças individuais entre doentes e entre
®
formulações. assim, deverá ser feita a conversão para a dose inicial de JuRnista recomendada, seguida por monitorização cuidadosa do
doente e titulação de dose. as doses deverão ser ajustadas para baixo, para a dose mais próxima de JuRnista® disponível em incrementos
de 4 mg (comprimidos a 4, 8, 16, 32 e 64 mg), de acordo com a indicação clínica. ao iniciar o tratamento com JuRnista®, todos os
medicamentos analgésicos opióides semelhantes devem ser descontinuados. JuRnista® pode também ser associado com segurança a
doses habituais de analgésicos não-opióides e adjuvantes. analgesia suplementar: além do tratamento com JuRnista® uma vez por dia,
pode ser disponibilizada a todos os doentes com dor crónica, medicação suplementar para a dor irruptiva, como formulações de libertação
imediata (por exemplo, hidromorfona ou morfina de libertação imediata). Para a conversão de dose, deve ser usada a tabela de conversão
abaixo. as doses individuais suplementares de hidromorfona e morfina de libertação imediata não devem geralmente exceder 10% a 25%
da dose diária de JuRnista® (ver tabela).
dose inicial recomendada para medicação suplementar de resgate
Hidromorfona de libertação imediata (mg)
morfina de libertação imediata (mg)
dose diária de JuRnista® (mg)
4
5
8
2
10
16
2
10-15
32
4
20-30
64
8
40-60
individualização da dose e tratamento de manutenção: após o início do tratamento com JuRnista®, poderão ser necessários ajustes de
dose para obter o melhor equilíbrio entre o alívio da dor do doente e os efeitos indesejáveis relacionados com opióides. se a dor se agravar
ou se a analgesia não for adequada, pode ser necessário um aumento gradual de dosagem. de modo a permitir que os efeitos associados
à alteração de dose estabilizem, os aumentos de dose não devem ser feitos com frequência superior a cada dois dias. Por norma, aumentos
de dose de 25-100% da dose diária actual de JuRnista® deverão ser considerados em cada passo de titulação. assim que os doentes
estejam estabilizados com tratamento com JuRnista® uma vez por dia, a dose poderá ser mantida enquanto for necessário o alívio da dor. a
necessidade de tratamento contínuo com opióides e de ajustes à terapêutica devem ser reavaliados periodicamente, conforme apropriado.
utilização em criança e adolescentes: JuRnista® não é recomendado para utilização em crianças e adolescentes com idade inferior a 18
anos, uma vez que os dados de segurança e eficácia são insuficientes.
utilização em idosos: o contexto clínico dos doentes idosos é frequentemente complexo. assim, o tratamento com hidromorfona deve ser
iniciado com precaução, e a dose inicial deve ser reduzida.
compromisso renal e hepático: após administração de dose única de comprimidos de libertação imediata de hidromorfona em ensaios
clínicos, foram observados os seguintes resultados:
• Emdoentescominsuficiênciahepáticamoderada(níveisde7-9naescaladeChild-Pugh),tantoasconcentraçõesplasmáticasmáximas
como a exposição (auc plasmática) de hidromorfona eram aproximadamente 4 vezes mais elevados comparados a controlos saudáveis
e a semivida de eliminação permaneceu inalterada.
• Emdoentescominsuficiênciarenalmoderada(depuraçãodecreatininaentre40-60ml/min),aexposição(AUCplasmática)dehidromorfona foi aproximadamente 2 vezes mais elevada do que em indivíduos com função renal normal e a semi-vida de eliminação
permaneceu inalterada.
• Nosdoentescominsuficiênciarenalgrave(depuraçãodecreatinina<30ml/min),aexposição(AUCplasmática)àhidromorfonafoi
aproximadamente 4 vezes maior do que em indivíduos com função renal normal e a semivida de eliminação 3 vezes maior.
assim, doentes com insuficiência renal e hepática moderada devem iniciar tratamento com dose reduzida e ser cuidadosamente monitorizados durante a titulação de dose. em doentes com insuficiência renal grave, deve ser considerado um maior intervalo de dose e os doentes
devem ser monitorizados durante o tratamento de manutenção.
interrupção do tratamento: em doentes com dependência física de opióides a receber uma dose diária de hidromorfona, a interrupção
abrupta do tratamento com JuRnista® irá resultar em síndroma de abstinência (“privação”). se for indicado interromper o tratamento com
JuRnista®, a dose diária deve ser reduzida 50% cada 2 dias até ser atingida a dose mais baixa possível, altura em que o tratamento pode
ser descontinuado com segurança.
se ocorrerem sinais de privação, a redução de dose deve ser interrompida e a dose deve ser ligeiramente aumentada, até desaparecerem
sinais e sintomas de privação de opióides. a redução deve ser então reiniciada mas com intervalos mais longos entre cada redução da dose
de hidromorfona, ou conversão para dose equianalgésica de outro opióide, que será utilizado para se continuar a redução de dose.
contra-indicações
Hipersensibilidade à hidromorfona ou a qualquer dos excipientes.
doentes submetidos a intervenções cirúrgicas e/ou com patologia subjacente que possa resultar em estreitamento do tracto gastrointestinal,
ou que apresentem ansas cegas do tracto gastrointestinal ou obstrução gastrointestinal.
tratamento de dor aguda ou pós-operatória.
doentes com diminuição grave da função hepática.
doentes com insuficiência respiratória.
doentes com dor abdominal aguda de etiologia desconhecida.
doentes em status asthmaticus.
tratamento concomitante com inibidores da monaminoxidase (imaos) ou durante 14 dias após a interrupção do tratamento com estes
agentes
tratamento concomitante com buprenorfina, nalbufina, ou pentazocina
doentes em estado de coma.
crianças.
durante o trabalho de parto e período expulsivo.
advertências e precauções especiais de utilização
os analgésicos opióides, incluindo a hidromorfona, podem causar hipotensão grave em doentes em que a capacidade para manter a pressão
arterial está comprometida por hipovolémia ou administração concomitante de medicamentos como fenotiazinas ou anestésicos gerais.
JuRnista® não deve ser usado em situações associadas a risco de íleos paralítico. se se suspeitar de íleos paralítico durante o tratamento,
este deve ser interrompido. em situações de cordectomia planeada ou outras intervenções para alívio da dor, os doentes não devem ser
tratados com JuRnista® durante as 24 horas após a cirurgia. seguidamente, e se necessário, deve ser usada uma dose de acordo com a
alteração da necessidade de alívio da dor. compromisso respiratório: a depressão respiratória é o maior risco dos opióides, mas que ocorre
mais frequentemente em situações de sobredosagem, em doentes idosos, doentes debilitados, e em situações clínicas de hipoxia ou hipercapnia, em que mesmo doses moderadas podem condicionar a diminuição grave da respiração. JuRnista®, como todos os outros opióides,
deve ser usado com extrema precaução em doentes com reserva respiratória substancialmente diminuída ou depressão respiratória préexistente e, em doentes com doença pulmonar crónica obstrutiva. a dor intensa antagoniza os efeitos de depressão respiratória dos opióides.
contudo, se a intensidade da dor diminuir repentinamente, estes efeitos podem manifestar-se rapidamente. doentes com procedimentos
de anestesia regional ou outras intervenções de interrupção das vias de transmissão da dor planeados, não devem receber JuRnista®
nas 24 horas que precedem a intervenção. a administração concomitante de hidromorfona e outros analgésicos opióides associa-se a um
maior risco de insuficiência respiratória. É, assim importante reduzir a dose de hidromorfona, quando são administrados concomitantemente
outros analgésicos opióides. traumatismos cranianos e aumento da pressão intracraniana: os efeitos de depressão respiratória dos opióides
com retenção do dióxido de carbono e, secundariamente aumento da pressão do líquido cefalo-raquidiano, podem ser marcadamente
acentuados em situações de traumatismos cranianos ou aumento da pressão intracraniana. os opióides produzem efeitos que podem
mascarar sinais neurológicos de aumento da pressão intracraniana em doentes com traumatismos cranianos. JuRnista® só deve ser
administrado nestas circunstâncias apenas quando considerado essencial e com extrema precaução. tracto gastrointestinal e outros músculos lisos: como outros opióides, a hidromorfona causa redução da motilidade gastrointestinal associada a aumento do tónus do músculo
liso. a obstipação é um efeito indesejável frequentemente descrito no tratamento com opióides. os doentes devem ser aconselhados sobre
medidas para prevenir obstipação e deverá ser considerado o uso profiláctico de laxantes. deve-se ter especial precaução em doentes com
obstipação crónica. situações clínicas ou medicamentos que causem uma redução súbita e significativa do trânsito do tracto gastrointestinal,
podem resultar numa diminuição da absorção de hidromorfona com JuRnista® e pode levar potencialmente a sintomas de abstinência
em doentes com dependência física a opióides. a administração de opióides pode mascarar o diagnóstico ou o curso clínico de condições
agudas abdominais. assim, é importante verificar antes do tratamento, que o doente não sofre de oclusão intestinal, especialmente íleos.
a hidromorfona pode também causar um aumento da pressão no tracto biliar como resultado de espasmo do esfíncter de oddi. deverá
portanto, administrar-se JuRnista® com precaução a doentes com doenças inflamatórias ou obstrutivas do intestino, pancreatite aguda
secundária a doença do tracto biliar e doentes que irão ser submetidos a cirurgia biliar. os comprimidos de JuRnista® são não deformáveis
e não há alteração apreciável da sua forma no tracto gastrointestinal. Foram reportados casos muito raros de sintomas obstrutivos em
doentes com estenoses conhecidas em associação com toma de medicamentos com formulação de libertação controlada não deformáveis.
os doentes devem ser alertados para não se alarmarem caso identifiquem o que parece corresponder a comprimidos de JuRnista® nas
fezes, já que se trata apenas do revestimento que não se dissolve. doentes de risco: tal como todos os analgésicos opióides, JuRnista®
deve ser administrado com precaução e em doses reduzidas a doentes com insuficiência renal ou insuficiência hepática ligeira a moderada, insuficiência adrenocortical, mixedema, hipotiroidismo, hipertrofia da próstata ou estenose uretral. deve também administrar-se com
precaução em doentes com depressão do sistema nervoso central (snc), cifoescoliose, psicose tóxica, alcoolismo agudo, delirium tremens
ou estados convulsivos. utilização em doentes idosos: os doentes idosos são mais susceptíveis às reacções adversas do sistema nervoso
central (snc) (confusão), distúrbios gastrointestinais e redução fisiológica da função renal. assim, dever-se-á ter precaução especial e a
dose inicial deverá ser reduzida nesta população de doentes. o uso concomitante de outros medicamentos, especialmente antidepressivos
tricíclicos, aumenta o risco de confusão e obstipação. as doenças da próstata e do tracto urinário são muito frequentes nos idosos. isto
contribui para aumento do risco de retenção urinária. as considerações acima mencionadas deverão acentuar a importância da precaução
a ter, não implicando necessariamente restrição ao uso de opióides em doentes idosos. mesmo que a dose seja elevada, um aumento da
dose não reflecte um desenvolvimento de tolerância.
dependência do medicamento: JuRnista® deve ser usado com precaução em doentes que sofrem de alcoolismo ou de outras situações de
dependência de drogas, devido ao aumento da frequência de tolerância aos opióides e dependência psicológica observada nesta população
de doentes. em situações de utilização abusiva por via parentérica, os excipientes dos comprimidos podem causar complicações letais.
com o uso continuado de opióides, incluindo o JuRnista®, é expectável que surja tolerância e dependência física. À semelhança do que
acontece com outros opióides, pode ocorreabuso deliberado de JuRnista®, o qual é caracterizado por alterações de comportamento, que
não acontecem em doentes nos quais a dor é apropriadamente tratada com JuRnista®. o desenvolvimento de dependência psicológica ou
adicção pensa-se que deverá ocorrer apenas em indivíduos com algum tipo de predisposição, não sendo uma resposta normal ou esperada
à administração adequada de opióides no tratamento da dor. no entanto, mesmo que o doente tenha no passado usado inapropriadamente
opióides, a hidromorfona ou outros opióides podem continuar a estar indicados no tratamento da dor intensa. um pedido de aumento de
dose pode ser devido a patologia subjacente, a qual deve ser reavaliada. na maior parte dos casos, o pedido reflecte uma necessidade real
para alívio da dor que não deve ser interpretada como uso inapropriado do medicamento. o uso de hidromorfona relacionado com desporto
implicará desqualificação. contém lactose. o medicamento não deve ser administrado a doentes com problemas hereditários raros de
intolerância à galactose, deficiência de Lapp lactase ou má absorção de glucose-galactose.
uma vez que o álcool aumenta o efeito sedativo da hidromorfona, deve ser evitado o uso concomitante de JuRnista® e álcool, tal como de
medicamentos contendo álcool. interacções medicamentosas e outras formas de interacção
os inibidores da monaminoxidase (imaos), se co-administrados com opióides, podem causar excitação ou depressão do snc, hipotensão
ou hipertensão. JuRnista® está contra-indicado em doentes que estão a tomar imaos.
o uso concomitante de hidromorfona e agonistas/antagonistas da morfina (buprenorfina, nalbufina, pentazocina) pode levar a redução do
efeito analgésico através de bloqueio competitivo dos receptores, condicionando o risco de aparecimento de sintomas de abstinência, pelo
que a associação é contra-indicada .o uso concomitante de depressores do snc, tais como hipnóticos, sedativos, anestésicos gerais, antipsicóticos e álcool, pode causar efeitos depressivos aditivos, depressão respiratória, hipotensão e sedação profunda ou coma. Quando esta
associação está indicada, deve ser reduzida a dose de um ou ambos os medicamentos.JuRnista®, como outros opióides, pode acentuar a
acção de bloqueio neuromuscular dos relaxantes musculares e causar aumento do grau da depressão respiratória. a ingestão concomitante
de álcool deve ser evitada. o álcool aumenta o efeito sedativo da hidromorfona.
Gravidez e aleitamento
Gravidez: não estão disponíveis dados clínicos de exposição a hidromorfona na gravidez. embora os estudos em animais não tenham revelado efeitos teratogénicos foi, no entanto, observada toxicidade reprodutiva. Foi ainda demonstrado que a hidromorfona atravessa a barreira
placentária em animais experimentais. É desconhecido o risco potencial para o ser humano de uso de opióides durante a gravidez.
JuRnista® não deve ser usado na gravidez e no trabalho de parto, pelas alterações da contractilidade uterina e risco de depressão respiratória neonatal. Podem ser observados sintomas de abstinência em recém nascidos de mães sob tratamento crónico.
aleitamento: em ensaios clínicos, foram detectadas baixas concentrações de hidromorfona e de outros analgésicos opióides no leite materno. estudos pré-clínicos demonstraram que a hidromorfona pode ser detectada no leite de ratos fêmeas a amamentar. JuRnista® não
dever ser usado durante o aleitamento.
efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas
JuRnista® pode ter influência elevada na capacidade de conduzir e utilizar máquinas. isto é particularmente provável no início do tratamento, após aumento de dose ou mudança de preparação.
efeitos indesejáveis
em ensaios clínicos com JuRnista® (n = 1684), as reacções adversas mais frequentemente notificadas foram obstipação, náuseas e
vómitos. estas reacções podem ser geralmente controladas através de redução de dose, laxantes ou anti-eméticos, conforme apropriado.
a informação seguinte mostra as Reacções adversas medicamentosas(Rams) observadas durante ensaios clínicos com JuRnista® e
aqueles que foram reportados com outras formulações de cloridrato de hidromorfona. nos casos em que as frequências entre o JuRnista®
e o cloridrato de hidromorfona se revelaram diferentes, foram consideradas as maiores frequências de ambas na base de dados.Rams muito
frequentes (≥1/10): sonolência, cefaleia, tonturas, obstipação, náuseas, vómitos, astenia; Rams frequentes (≥1/100a<1/10):Diminuiçãode
peso, taquicardia, diminuição da memória, hipoestesia, parestesias, tremor ou contracções musculares involuntárias, sedação, perturbações
na atenção, disgeusia,distúrbios visuais, tais como visão turva, vertigem, dispneia, boca seca, diarreia, dor abdominal, dispepsia, disfagia,
flatulência, retenção urinária, disúria, perturbação na micção, hiperhidrose, prurido, erupção cutânea, espasmos musculares, dores nas
costas, artralgia, dores nas extremidades, anorexia, desidratação, queda, contusão, hipotensão, rubor, hipertensão, edema, síndrome de
abstinência, pirexia, dor, desconforto do tórax, arrepios, insónia, ansiedade, estado confusional, nervosismo, sonhos anormais, depressão,
alterações de humor; Rams pouco frequentes (≥1/1000 a < 1/100): diminuição da saturação de oxigénio, diminuição do potássio
sanguíneo, aumento das enzimas hepáticas, aumento da amilase sanguínea, inquietação, alucinações, palpitações, extrassístoles, mioclonus,
coordenação anormal, discinésia, síncope, disartria, perturbações no equilíbrio, níveis de consciência reduzidos, hiperestesia, encefalopatia,
doença cognitiva, hiperactividade psicomotora, ataques/convulsões, miose, diplopia, olho seco, acufenos, dificuldade respiratória, rinorreia,
hipoxia, broncoespasmo, hiperventilação, crises esternutatórias, distensão abdominal, hemorróidas, hematoquezia, fezes anormais,
obstrução intestinal, divertículo, eructação, distúrbios da motilidade gastrointestinal, perfuração do intestino grosso, hesitação urinária,
polaquiúria, eczema*, mialgias, aumento do apetite, retenção de fluidos, hiperuricemia, gastroenterite, diverticulite, sobredosagem, sentir-se
estranho, mal-estar, dificuldade em andar, sentir-se agitado, ressaca, disfunção eréctil/impotência, disfunção sexual, diminuição da líbido,
ataque de pânico, paranóia, agressão, choro, inquietação, tolerância ao fármaco*, disforia, humor eufórico; Rams raras (≥1/10000a<
1/1000): diminuição da testosterona sanguínea, bradicardia, hiperreflexia, depressão respiratória, aumento das enzimas pancreáticas*,
fissura anal, bezoar, duodenite, íleos, esvaziamento gástrico reduzido, defecação dolorosa, face corada/eritema, hipogonadismo, sensação
de embriaguez, sensação de calor e frio, hipotermia, cólica biliar, dependência*.
* Reacção adversa medicamentosa (Ram) descrita com outras formulações de cloridrato de hidromorfona.
os seguintes termos, cuja frequência de ocorrência é desconhecida, foram reportados na literatura: falha respiratória, delírio e amenorreia.
a depressão respiratória pode ser mais provável em alguns grupos de doentes.
sobredosagem a sobredosagem de JuRnista® caracteriza-se por depressão respiratória, sonolência que progride para estupor e coma,
flacidez musculoesquelética, pele fria, miose e, por vezes, taquicardia e hipotensão. em caso de sobredosagens graves, particularmente
imediatamente após administração intravenosa, podem ocorrer apneia, colapso circulatório, paragem cardíaca e morte. no tratamento da
sobredosagem, deve ser dada primariamente atenção ao restabelecimento de trocas respiratórias adequadas mantendo as vias áreas
permeáveis e instituindo ventilação assistida ou controlada. se a ingestão por via oral for recente, deve-se proceder a lavagem gástrica.
em doentes inconscientes, com a via aérea desimpedida, deve ser administrado carvão activado por sonda nasogástrica (30-100 g em
adultos, 1-2 g/Kg nas crianças). Pode-se adicionar sorbitol à primeira dose do carvão activado. devem ser utilizadas medidas de suporte
(oxigénio, vasopressores) para controlar o choque e o edema pulmonar, que potencialmente acompanham a sobredosagem. em caso
de paragem cardíaca e arritmias, pode ser necessário massagem cardíaca ou desfibrilhação. em caso de sobredosagem grave, deve
administrar-se 0,8 mg de naloxona por via intravenosa. se necessário, repetir 2-3 minutos depois. em alternativa, perfundir 2 mg de
naloxonaem500mldesoluçãodecloretodesódio9mg/ml(0,9%)ousoluçãodeglucosea5%(0,004mg/ml).
a perfusão deve ser ajustada à resposta do doente. o efeito da naloxona é relativamente curto. Portanto, o doente deve ser cuidadosamente
monitorizado até estabilizar a respiração. JuRnista® libertará hidromorfona durante aproximadamente 24 horas. isto deverá ser levado
em conta ao determinar o tratamento. em casos de sobredosagem menos graves, podem ser administrados 0,2 mg de naloxona por via
intravenosa e, se necessário, repetir. não deve ser administrada naloxona na ausência de depressão respiratória clinicamente significativa
ou depressão circulatória devida a opióides. a naloxona deve ser cuidadosamente administrada em doentes nos quais se suspeita de
dependência física de hidromorfona, já que a reversão rápida dos efeitos de um opióide, incluindo a hidromorfona, pode desencadear
sintomas de abstinência.
nome
apresentação
P.V.P.
PVP(Utente)RG(95%)
Jurnista 8 mg comprimidos de
20 comprimidos
35.34€
1.77€
libertação prolongada
Jurnista 8 mg comprimidos de
30 comprimidos
52.34€
2.62€
libertação prolongada
Jurnista 16 mg comprimidos
30 comprimidos
96.02€
4.80€
de libertação prolongada
Jurnista 32 mg comprimidos
30 comprimidos
158.47€
7.92€
de libertação prolongada
ComparticipaçãopeloescalãoAdeacordocomosDespachos12220/2009e12221/2009de21deMaio
titular da autorização de introdução no mercado
Janssen-ciLaG - Farmacêutica, Lda.
EstradaConsiglieriPedroson.º69A–QueluzdeBaixo–2734-503Barcarena
data da revisão do texto: Junho 2008
PVP (utente) Re(100%)
0€
0€
0€
0€
Novo QUTENZA
para a dor neuropática periférica1*
PUB1.QTZ.NOV10
1 única aplicação, 3 meses1 de liberdade
Qutenza 179 mg adesivo cutâneo.
comPosiÇÃo QuaLitativa e Quantitativa Cada adesivo cutâneo de 280 cm2 contém 179 mg de
capsaícina no total, ou 640 microgramas de capsaícina por cm2 de adesivo (8 % p/p). Excipiente Cada
bisnaga de 50 g de gel de limpeza para Qutenza contém 0,2 mg/g de butil-hidroxianisol (E320).
FoRma FaRmacÊutica Adesivo cutâneo.
indicaÇões teRaPÊuticas Qutenza é indicado para o tratamento da dor neuropática periférica em
adultos não diabéticos, isoladamente ou em associação com outros medicamentos para o tratamento da
dor.
PosoLogia e modo de administRaÇÃo Qutenza deve ser aplicado nas zonas da pele mais
dolorosas (utilizando um número máximo de 4 adesivos). Qutenza deve ser aplicado na pele seca,
intacta e não irritada e deixado no local durante 30 minutos, em caso de tratamento nos pés (por
exemplo, neuropatia associada ao VIH) e 60 minutos nas outras localizações (por exemplo, nevralgia
pós-herpética). Os tratamentos com Qutenza podem ser repetidos a intervalos de 90 dias, em caso de
persistência ou reaparecimento da dor. O adesivo cutâneo Qutenza deve ser aplicado por um médico ou
por um profissional de saúde sob a supervisão de um médico.Devem ser sempre utilizadas luvas de nitrilo
durante o manuseamento de Qutenza e a limpeza das áreas em tratamento. NÃO devem ser utilizadas
luvas de látex, pois não conferem protecção adequada. Os adesivos não devem ser manuseados perto
dos olhos ou das membranas mucosas. Deve ser evitado contacto directo com Qutenza, com a gaze usada
ou com o gel de limpeza. Antes da aplicação de Qutenza, a área em tratamento deve ser previamente
tratada com um anestésico local, para reduzir o desconforto decorrente da aplicação. Qutenza é um
adesivo de utilização única, podendo ser cortado para se adequar ao tamanho e à forma da área em
tratamento. O adesivo Qutenza deve ser cortado antes da remoção da película protectora. Para assegurar
que o Qutenza se mantém em contacto com a área em tratamento podem ser utilizadas meias elásticas
ou uma ligadura de gaze em volta do adesivo. Após a remoção do adesivo Qutenza, deve aplicar-se
generosamente o gel de limpeza na área tratada, deixando-se permanecer no local durante, pelo menos,
um minuto.
contRa-indicaÇões Hipersensibilidade à substância activa ou a qualquer um dos excipientes.
eFeitos indesejáveis Dos 1327 doentes tratados com Qutenza nos ensaios clínicos aleatorizados,
883 (67 %) apresentaram reacções adversas que o investigador considerou estarem relacionados com
o medicamento. As reacções adversas referidas mais frequentemente foram as reacções temporárias de
sensação de queimadura, dor, eritema e prurido no local da aplicação. As reacções adversas foram
passageiras, desapareceram espontaneamente e foram, normalmente, de intensidade ligeira a moderada.
Em todos os estudos controlados, a taxa de abandono devida a reacções adversas foi de 0,8 % para os
doentes em tratamento com Qutenza e 0,6 % para os doentes que receberam o controlo.
De seguida são listadas as reacções adversas que ocorreram com uma incidência superior à observada com
o controlo e em mais de um doente, nos ensaios clínicos controlados efectuados em doentes com nevralgia
pós-herpética e neuropatia associada ao VIH, divididos por classes de sistemas de órgãos e por frequência:
muito frequentes (≥ 1/10), frequentes (≥ 1/100 a < 1/10) As reacções adversas são apresentadas por
ordem decrescente de gravidade dentro de cada classe de frequência: Perturbações gerais e alterações
no local de administração Muito frequentes: Dor no local da aplicação, eritema no local da aplicação
Frequentes: Prurido no local da aplicação, pápulas no local da aplicação, vesículas no local da aplicação,
edema no local da aplicação, inchaço no local da aplicação, secura no local da aplicação.
Para mais informações deverá contactar o titular de autorização de introdução no
mercado.
data da revisão do texto: 25.09.2009.
Medicamento Sujeito a Receita Médica
1
Resumo das Caracteristicas do Medicamento Qutenza, 2009
* Em adultos não diabéticos
capsaícina 8%
DOR
®
ISSN: 0872-4814
Órgão de Expressão Oficial da APED
Volume 19 • N.o 3/2011
Volume Monotemático dedicado a
Norma de Orientação
Clínica Para Tratamento
da Dor Neuropática
Localizada
Miguel Julião
Filipa Fareleira
João Costa
António Vaz Carneiro
Centro de Estudos de Medicina Baseada na Evidência
Faculdade de Medicina de Lisboa
Av. Prof. Egas Moniz
1649‐028 Lisboa
Tel. 217 940 424 ou 217 985 135
Fax: 217 940 424
Email: cembe@fm.ul.pt
Web: www.cembe.pt
Ilustração da capa: Utente da Unidade de Dor do Hospital de S. João - Porto
PERMANYER PORTUGAL
www.permanyer.com
NORMAS DE PUBLICAÇÃO
1. A Revista «DOR» considerará, para publicação, trabalhos
científicos relacionados com a dor em qualquer das suas
vertentes, aguda ou crónica e, de uma forma geral, com
todos os assuntos que interessem à dor ou que com ela
se relacionem, como o seu estudo, o seu tratamento
ou a simples reflexão sobre a sua problemática. A
Revista «DOR» deseja ser o órgão de expressão de
todos os profissionais interessados no tema da dor.
objecções ou comentários referentes a artigos publicados
na Revista «DOR», bem como observações ou experiências que possam facilmente ser resumidas; a Revista
«DOR» incluirá outras secções, como: editorial, boletim
informativo aos sócios (sempre que se justificar) e ainda
a reprodução de conferências, protocolos e novidades
terapêuticas que o Conselho Editorial entenda merecedores de publicação.
2. Os trabalhos deverão ser enviados em disquete, CD,
DVD, ZIP o JAZZ para a seguinte morada:
4. Os textos deverão ser escritos configurando as páginas
para A4, numerando-as no topo superior direito, utilizando
letra Times tamanho 12 com espaços de 1.5 e incluindo as
respectivas figuras e gráficos, devidamente legendadas,
no texto ou em separado, mencionando o local da sua
inclusão.
Permanyer Portugal
Av. Duque d’Ávila, 92, 7.º Esq.
1050-084 Lisboa
ou, em alternativa, por e-mail:
permanyer.portugal@permanyer.com
3. A Revista «DOR» incluirá, para além de artigos de
autores convidados e sempre que o seu espaço o permitir,
as seguientes secções: ORIGINAIS - Trabalhos potencialmente de investigação básica ou clínica, bem como
outros aportes originais sobre etiologia, fisiopatologia,
epidemiologia, diagnóstico e tratamento da dor; NOTAS
CLÍNICAS - Descrição de casos clínicos importantes;
ARTIGOS DE OPINIÃO - assuntos que interessem à
dor e sua organização, ensino, difusão ou estratégias
de planeamento; CARTAS AO DIRECTOR - inserção de
5. Os trabalhos deverão mencionar o título, nome e
apelido dos autores e um endereço. Deverão ainda
incluir um resumo em português e inglês e mencionar
as palavras-chaves.
6. Todos os artigos deverão incluir a bibliografia relacionada como os trabalhos citados e a respectiva
chamada no local correspondente do texto.
7. A decisão de publicação é da exclusiva responsabilidade do Conselho Editorial, sendo levada em consideração a qualidade do trabalho e a oportunidade da
sua publicação.
© 2011 Permanyer Portugal
Av. Duque d’Ávila, 92, 7.º E - 1050-084 Lisboa
Tel.: 21 315 60 81 Fax: 21 330 42 96
www.permanyer.com
ISSN: 0872-4814
Dep. Legal: B-17.364/2000
Ref.: 749AP113
Impresso em papel totalmente livre de cloro
Impressão: Comgrafic
Este papel cumpre os requisitos de ANSI/NISO
Z39-48-1992 (R 1997) (Papel Estável)
Reservados todos os direitos.
Sem prévio consentimento da editora, não poderá reproduzir-se, nem armazenar-se num suporte recuperável ou transmissível, nenhuma
parte desta publicação, seja de forma electrónica, mecânica, fotocopiada, gravada ou por qualquer outro método. Todos os comentários
e opiniões publicados são da responsabilidade exclusiva dos seus autores.
Dor (2011) 19
Mensagem do Presidente da APED
Duarte Correia
não governamental Douleurs Sans Frontières (DSF)
e com os profissionais que se dedicam ao tratamento da dor na República de Moçambique.
A mesa de debate e controvérsia que decorrerá na tarde de sexta-feira dia 14 de outubro,
moderada pela jornalista C. Borges, dedicada
aos «Aspectos éticos, sociais e económicos da
dor não tratada», será certamente pela excelência, rigor intelectual e nível científico das individualidades convidadas um dos momentos mais
elevados destas comemorações, para a qual
antevejo uma larga e interessada assistência.
De acordo com a tradição, durante a cerimónia oficial procederemos à entrega dos prémios
Grünenthal Dor, Associação Portuguesa para o
Estudo da Dor (APED)/Janssen – «Vou desenhar
a minha dor», e melhor artigo da revista Dor/
Bene Farmacêutica 2010.
Na manhã de sábado os workshops Doc
Help® «Liderança e gestão de equipas» e «Intervenção psicológica em dor» necessitarão de
inscrição prévia (a efectuar no secretariado
da APED), bem como os workshops «Registos
de enfermagem e os registos electrónicos nas
unidades de dor». Nestes dois últimos será da
maior importância a vossa presença e participação como associados da APED ou de representantes das unidades, aportando as vossas propostas, críticas e sugestões, imprescindíveis
para que estas reuniões se traduzam em algo
de concreto, com implicação futura na nossa actividade clínica.
Estamos particularmente entusiasmados com
o evento «Dançar com a dor», efectuado no
âmbito desta Semana Europeia, previsto para
as 16 h do sábado, 15 de outubro no centro
comercial Vasco da Gama, destinado ao público que aflui a esse local, crendo que a vossa
presença será um importante contributo para o
sucesso e para a repercussão mediática inerente ao mesmo.
É de importância fundamental a vossa participação!
Até breve!...
DOR
Escrevo-vos neste mês de setembro este curto texto que será publicado na revista Dor n.o 3
de 2011, inteiramente dedicada à «Norma de
orientação clínica para a dor neuropática», elaborada pelo Centro de Estudos de Medicina Baseada na Evidência da Faculdade de Medicina
da Universidade Clássica de Lisboa, dirigido
pelo professor doutor A. Vaz Carneiro, entidade
de referência nacional e reconhecido prestígio
internacional.
Se adicionarmos à metodologia, independência e rigor com que estas normas foram elaboradas, à oportunidade do momento, este número da revista será uma referência para todos os
que se dedicam à Medicina da Dor em Portugal
e objecto incontornável de uma consulta que
permitirá um melhor tratamento aos nossos doentes sofredores deste síndrome complexo.
Na dupla qualidade de médico e de presidente desta sociedade, considero uma honra que
revista Dor tenha sido o meio escolhido pelo
autor para publicar e difundir a «Norma de orientação clínica para a dor neuropática», que é na
minha opinião um contributo extremamente importante para o tratamento desta patologia.
Recordo-vos que os eventos comemorativos no
âmbito da Semana Europeia e do Dia Nacional de
Luta Contra a Dor decorrerão de 10-15 de outubro. Pretendemos que os mesmos não se restrinjam às cerimónias oficiais, mas que cada um de
vós (preferencialmente de segunda a quarta-feira)
organizem nos vossos hospitais, centros de saúde ou na comunidade onde se inserem uma
actividade alusiva, vocacionada para o público
ou para os profissionais de saúde, contribuindo
de forma inequívoca para o sucesso desta semana europeia.
Em Lisboa, como referi no número anterior da
revista, iremos organizar em parceria com a Fundação Grünenthal um curso Pain Management,
State of the Art solidário com Moçambique, nos
dias 13 e 14 de outubro de 2011, na Fundação
Champalimaud, promovendo de uma forma continuada a nossa colaboração com a organização
3
(2010) 19
17
Dor (2011)
Editorial
António Vaz Carneiro
U
DOR
ma prática clínica moderna quer-se eficaz, segura e economicamente racional.
De facto, passámos ao longo dos últimos
decénios de «fazer as coisas mais baratas»
(eficiência) a «fazer as coisas melhor» (melhoria da qualidade), desta a «fazer as coisas de
maneira correta», depois a «fazer as coisas certas» (efetividade) a, presentemente, «fazer as
coisas certas de maneira correta e sustentável»
(medicina, gestão e políticas baseadas na evidência).
Este último desiderato que nos é pedido a
nós, médicos (e outros profissionais de saúde),
é de uma extraordinária complexidade e a resposta à questão (lógica) de «… como se define
o que são coisas certas, a maneira correta de
as fazer e o que se considera sustentável» constitui todo o cerne da nossa integração profissional numa sociedade moderna.
O método científico – com todos os seus problemas, incertezas e influências culturais (nomeadamente na interpretação dos dados) – é
o único que, juntamente com a nossa experiência pessoal, nos pode dar alguma base prática
para decidir. Acreditamos que a linguagem
científica é aquela que melhor descreve a realidade da doença e da saúde e as respetivas
complexidades. Esta ideia aparentemente
não controversa (qual é o médico que acha
que a ciência é inútil para a sua prática?), esbarra na extrema dificuldade de gestão de uma
informação de grandes dimensões (2-3 milhões
de artigos biomédicos publicados cada ano), de
qualidade variável (uma parte significativa destes estudos não passa os escrutínios metodológicos rigorosos) e de difícil compreensão pelos
clínicos (basta ver a opacidade e complexidade
das descrições dos métodos estatísticos de um
qualquer ensaio clínico).
Assim sendo, e devido ao facto de hoje em
dia se estudar tudo em saúde (doentes, doenças, métodos, resultados, gestão, políticas, etc.),
da qualidade média da evidência assim produzida ser muito melhor do que no passado recente e, finalmente, estar localizável por meios informáticos, então a questão não é de saber se
existe uma resposta às nossas questões (existe
com certeza), mas sim onde é que ela está
4
(como se localiza) e, quando a obtemos, saber
se ele é de boa ou má qualidade.
Para a resolução de pelo menos parte destas
questões, aceita-se hoje em dia que as normas
de orientação clínica (NOC) (a tradução correta,
a nosso ver, das guidelines) sejam os instrumentos ideais. Com efeito, uma NOC – ao sintetizar
vastas quantidades de evidências científicas e
apresentá-las prontas a utilizar pelo seu efector
(o clínico) – pode ser a resposta à questão acima colocada: «fazer as coisas certas de maneira correta e sustentável». Mas, para que assim
seja, é preciso que a sua metodologia assente
em dados científicos de alta qualidade e não
apenas em opinião de peritos. Isto porque hoje
em dia se entende que a credibilidade de um
texto desta natureza se encontra na metodologia
com que ele foi elaborado, e não no eventual
prestígio profissional dos seus autores… De resto,
existe evidência que os peritos têm opiniões enviesadas sobre a ciência de base que deve servir
de base à prática clínica (as suas convicções
sobrepõem-se em grande percentagem de vezes à sua racionalidade na análise dos dados).
A presente «Norma de Orientação Clínica para
Tratamento da Dor Neuropática Localizada» publicada pela revista Dor é um exemplo desta
abordagem: o tópico é de enorme importância
clínica – quer pelo sofrimento que provoca nos
doentes, quer pela variação da prática clínica
existente, quer pelos custos envolvidos – a metodologia é a das recomendações serem baseadas na evidência de melhor qualidade e a sua
aplicabilidade no dia a dia pode ser imediata. O
Centro de Estudos de Medicina Baseada na Evidência da Faculdade de Medicina de Lisboa
procurou, com este texto, resumir a melhor evidência para a terapêutica desta patologia e
disponibilizá-la aos médicos, esperando que os
colegas achem este instrumento útil no tratamento dos doentes com dor neuropática.
Gostaríamos de apresentar agradecimentos
muito especiais à senhora Dr.a Sílvia Vaz Serra,
Diretora da revista Dor, que nos abriu as suas
portas para publicarmos estas NOC, e ao senhor
Dr. Francisco Duarte Correia, Presidente da
APED, pelo apoio concedido à divulgação deste
nosso trabalho que esperamos achem útil.
Dor (2011) 19
Prefácio
Prof. Doutor António Vaz Carneiro
“Bodies do not suffer, only persons suffer. Suffering is experienced by persons.”
Eric J. Cassell, in The Nature of Suffering and
the Goals of Medicine, 1994
Até há relativamente pouco tempo a dor, como
sintoma, tem merecido pouca atenção da comunidade médica e dos sistemas de saúde. De
facto, apenas no último quarto do século passado se identificou a dor – quer aguda, quer crónica – como um fenómeno clínico de importância
fundamental, motivando deste modo um conjunto de abordagens estruturadas de investigação,
de diagnóstico e de tratamento.
Consubstanciando esta abordagem, a própria
Direcção Geral da Saúde, na sua Circular Normativa nº 09/DGCG, de 14/06/2003, institui a dor
como o “5º sinal vital”, considerando como norma de boa prática, no âmbito dos serviços prestadores de cuidados de saúde, o registo sistemático da intensidade da dor.
Neste sentido, decidiu o CEMBE da FMUL,
no âmbito das suas actividades de investigação
clínica e de projectos de qualidade em saúde,
elaborar um conjunto de Normas de Orientação
Clínica sobre a dor, seleccionando como a primeira patologia álgica desta série a dor neuropática localizada.
Esperamos que os profissionais de saúde interessados nesta área clínica achem esta NOC
útil e relevante, pedindo – como habitualmente
– que nos façam chegar os comentários e sugestões.
Uma última palavra para a Grünenthal, cujo
apoio através de um “unrestrited grant” – que
implica uma total independência das duas instituições – permitiu que este nosso trabalho veja
a luz do dia.
Lisboa, Dezembro de 2010
Director, CEMBE da FML
avc@fm.ul.pt
Índice
6
6
7
7
8
11
11
11
11
11
11
11
12
12
12
12
12
12
13
14
14
16
Diagnóstico e tratamento da dor neuropática....................
Intervenções farmacológicas..............................................
Recomendações principais................................................
Aspectos básicos do tratamento.........................................
Primeira opção terapêutica para a
dor neuropática localizada..................................................
Segunda opção terapêutica para a
dor neuropática localizada..................................................
Terceira opção terapêutica para a
dor neuropática localizada..................................................
Algoritmo clínico.................................................................
Análise de custos................................................................
Reservas qualitativas..........................................................
Benefícios potenciais gerais e de subgrupos..................
Riscos potenciais e em subgrupos...................................
Disponibilidade....................................................................
Estratégia de implementação.............................................
Independência editorial.......................................................
Recursos de doentes..........................................................
Data de publicação..............................................................
Revisões...............................................................................
Anexos..................................................................................
O instrumento agree II........................................................
O instrumento GLIA............................................................
Bibliografia...........................................................................
16
16
23
23
24
24
24
25
25
25
25
25
25
25
25
25
25
25
27
27
45
48
DOR
Introdução............................................................................
Epidemiologia.....................................................................
Definição.............................................................................
Fisiopatologia básica..........................................................
Avaliação clínica.................................................................
Tópico/doença......................................................................
Objectivos............................................................................
Categoria..............................................................................
Adaptação............................................................................
Comités e grupo responsável............................................
Fontes de financiamento....................................................
Utilizadores potenciais........................................................
População‐alvo....................................................................
Métodos de selecção da evidência
científica...............................................................................
Pesquisa em fontes primárias de informação
(bases de dados electrónicas)............................................
Pesquisa em fontes secundárias de informação................
Listagem de referências dos estudos identificados............
Metodologia de avaliação crítica
da evidência científica........................................................
Esquema de hierarquização da evidência científica........
Métodos de análise e validação da evidência científica.
Avaliação da dor neuropática.............................................
Avaliação do custo/eficácia
do tratamento oral da dor neuropática...............................
5
Dor (2011) 19
CEMBE da FMUL ‐ NOC da Dor
Neuropática Localizada
Introdução
DOR
A dor é uma das causas mais frequentes de
consulta médica, representando aproximadamente 25 a 50% das consultas de cuidados de
saúde primários, sendo cerca de 20% dos motivos de consulta a dor crónica1.
O Plano Nacional de Luta contra a Dor*, criado em Portugal em 2001, afirma que a “dor é,
pela sua frequência e potencial para causar incapacidade, um verdadeiro problema de saúde
pública, que justifica, a bem da promoção da redução das desigualdades, da qualidade de vida
e da humanização dos cuidados de saúde, uma
actuação planeada, organizada e validada cientificamente que promova boas práticas profissionais na abordagem da dor”. Este documento
sublinha ainda que “a dor, independentemente
da síndroma clínica que incorpora, pode e deve
ser tratada, com perspectivas de êxito proporcionais ao entendimento que dela temos e fazemos, à adequação e preparação científica dos
serviços e profissionais de saúde envolvidos e
ao manejo judicioso de todos os recursos, técnicos e humanos disponíveis”.
Dois anos mais tarde, a Direcção‐Geral da Saúde (DGS) publica uma Circular Normativa† onde
define a dor como o “5º sinal vital”. Um dos principais objectivos desta publicação é alertar para
a problemática da dor e salientar a necessidade
de um registo sistemático da intensidade da dor,
através de escalas de intensidade validadas.
Em 2008, a DGS cria o Programa Nacional de
Controlo da Dor‡, pretendendo dar continuidade
aos trabalhos anteriores, tentando normalizar a
abordagem mais abrangente dos serviços prestadores de cuidados de saúde junto da população que sofre de dor aguda ou crónica, promovendo o seu diagnóstico e tratamento adequados.
Através de diversas estratégias de intervenção,
este Programa pretende reduzir a prevalência de
dor não controlada na população portuguesa,
melhorando a sua qualidade de vida e recionalizar os recursos e controlar os custos do controlo da dor em Portugal.
6
*Plano Nacional de Luta Contra a Dor. Direcção‐Geral de
Saúde, 2001
†Direcção‐Geral de Saúde. Circular Normativa n.º 9, 14 de
Junho de 2003. Acedido a 20 de Outubro de 2010 em http://
www.dgs.pt
‡Direcção‐Geral de Saúde. Circular Normativa n.º 11, 18 de
Junho de 2008. Acedido a 20 de Outubro de 2010 em http://
www.dgs.pt
A dor, como fenómeno complexo nas suas
diversas componentes fisiológicas, bioquímicas,
psicossociais, comportamentais e morais, necessita do envolvimento de todos os intervenientes na saúde, numa abordagem multidisciplinar,
para a correcta caracterização clínica e eficaz
estratégia terapêutica.
O fenómeno doloroso acompanha, de forma
transversal, a generalidade das situações patológicas que requerem cuidados de saúde, sendo o seu tratamento um dever dos profissionais,
um direito dos doentes e um passo fundamental
para a humanização das unidades de saúde em
Portugal.
Epidemiologia
A prevalência exacta de dor neuropática na
população mundial é desconhecida, embora esteja estimada entre 1 a 5%2‐5. Admite‐se ainda
que a componente neuropática possa estar
presente em 35% de todas as síndromas dolorosas6.
Calcula‐se que nos Estados Unidos da América, 1 a 3 milhões de pessoas sofram de nevralgia pós‐herpética e que, na Europa, cerca
de 6 a 7,7 milhões da população apresente dor
neuropática em alguma fase da vida7. Actualmente, não existem em Portugal dados sobre a
prevalência da dor neuropática.
A inexistência de dados de prevalência e incidência correctos prende‐se com a elevada
heterogeneidade dos estudos sobre dor neuropática e com as diferentes definições utilizadas,
métodos de avaliação e doentes incluídos nos
ensaios clínicos8.
Muitos autores debruçaram‐se sobre o estudo da prevalência da dor neuropática em patologias médicas específicas. Por exemplo, estima‐se que a neuropatia diabética afecte entre
16 a 26% dos doentes9,10 e a prevalência de dor
neuropática pós‐herpética varie entre 8 a 19%
(dor, um mês após aparecimento de rash cutâneo) ou 8% (dor, três meses após aparecimento
de rash cutâneo)11.
Quanto ao desenvolvimento de dor crónica
após cirurgias ambulatórias, a prevalência pode
ser elevada, variando entre 10 a 50%12. Dois a 10%
dos doentes relatam a intensidade desta dor
como grave e as suas características clínicas
são aproximadas às da dor neuropática13.
Para além disso, sabe‐se que a dor neuropática crónica é mais prevalente no sexo feminino,
nas idades mais avançadas, em pessoas com
CEMBE da FMUL ‐ NOC da Dor Neuropática Localizada
Definição
A dor é um fenómeno multidimensional que
envolve aspectos físicos, sensoriais e emocionais. A experiência dolorosa pode ter um impacto negativo na saúde em geral, qualidade de
vida, saúde mental, relações sociais e bem‐estar
económico do indivíduo.
De acordo com a International Association for
the Study of Pain (IASP)§:
“Dor é a experiência sensorial e emocional
desagradável associada com o dano real ou
potencial em tecidos, ou assim percepcionada
como dano”.
A dor é sempre um fenómeno subjectivo e
cada indivíduo aprende o significado da palavra dor através de experiências com traumatismos físicos e emocionais ocorridos no início da
sua vida.
Consideram‐se, genericamente, três tipos de
dor:
• dor nociceptiva (originada nos nociceptores mecânicos, térmicos ou químicos junto
da área física em que ocorre o estímulo que
a origina)
• dor psicológica (dor rara, de origem emocional, relacionada com a amplificação de
estímulos dolorosos através do estado emocional)
• dor neuropática
A dor neuropática, sobre a qual versa esta
norma de orientação clínica (NOC) é definida
pela IASP18 como:
“Dor iniciada ou causada por uma lesão ou
disfunção primária do sistema nervoso” (central, periférico, incluindo o sistema nervoso autónomo).
A dor neuropática pode localizar‐se a qualquer nível do sistema nervoso. Assim, a dor
neuropática periférica ocorre quando a lesão
ou disfunção primária está localizada no sistema
nervoso periférico (SNP), ao contrário da dor
neuropática central, cuja origem está no sistema nervoso central (SNC).
§International Association for the Study of Pain. 1994, pain
terminology
Embora a definição actual desenvolvida
pela IASP seja útil para diferenciar dor neuropática de outros tipos de dor, alguns autores19
consideram que esta não engloba o conceito
mais lato de que existe uma actividade somatossensorial exacerbada que supera a plasticidade normal do sistema nociceptivo sem alterações17.
Assim, alguns autores como Treede et al.19
propõem uma diferente definição de dor neuropática como a “dor que surge como resultado directo de uma lesão ou disfunção que
afecta o sistema somatossensorial”. A inclusão
do termo “disfunção” na definição actual considera outras etiologias como as síndromas dolorosas regionais complexas ou até as doenças
músculo‐esqueléticas associadas a hipersensibilidade. Embora a definição que inclui “lesão”
seja mais fácil de entender no conceito de tratamento orientado para a etiologia, a definição
mais lata que engloba “disfunção” é mais válida
e útil na prática clínica. Tal deve‐se a que, focando‐se no mecanismo da dor, realça a hiperexcitabilidade e a plasticidade como conceitos‐
chave na dor crónica e sublinha que a eficácia
do tratamento depende mais do mecanismo da
dor, do que da sua etiologia20.
Clinicamente é usual classificar a dor neuropática quanto a dois grupos:
• Duração: aguda versus crónica (após três
meses ou para além do período normal de
cicatrização)21;
• Localização: central versus periférica.
Nalguns casos, os doentes conseguem facilmente localizar a área dolorosa ou a área onde
a dor é mais intensa ‐ dor neuropática locali­
zada.
O quadro I apresenta diversos tipos de dor
neuropática localizada.
Fisiopatologia básica
Pese embora a compreensão dos mecanismos
da dor neuropática tenha sofrido avanços científicos no que diz respeito à biologia molecular e
à genética, o conhecimento dos mecanismos
fisiopatológicos e a forma como interagem entre
si mantêm‐se pouco esclarecido22‐24.
O circuito neuronal envolvido no processamento da dor é composto por um complexo
equilíbrio entre as vias sinalizadoras e moduladoras do estímulo doloroso que estabelecem a
ligação entre o SNP e o SNC.
A capacidade de transmissão do estímulo nociceptivo pelo SNP no local da lesão tecidular
constitui uma protecção vital contra a ameaça
de lesão adicional. A disrupção deste mecanismo protector por doença, medicamento ou traumatismo pode desenvolver dor crónica.
A dor crónica ‐ ao contrário da dor aguda,
cujo objectivo é o de defesa contra uma lesão
‐ não tem função biológica e é considerada
um estado de má adaptação decorrente de
DOR
escolaridade baixa e com maior absentismo laboral por doença.
Dado que o aumento da esperança de vida
levou à emergência de doenças crónicas, benignas e malignas, é esperado um aumento mundial da incidência de dor neuropática secundária aos doentes que sobrevivem aos tratamentos
(oncológicos ou não)14‐17.
Também é conhecido que a dor neuropática
apresenta, de uma forma geral, maior intensidade e tendência para cronicidade, induzindo uma
maior procura de cuidados de saúde, principalmente os cuidados de saúde primários, quando
comparada com outros tipos de dor crónica.
7
Dor (2011) 19
Quadro I. Tipos de Dor Neuropática Localizada
Neuropatia diabética
Nevralgia pós‐herpética
Dor pós‐mastectomia
Dor pós‐toracotomia
Dor membro fantasma
Radiculopatia crónica ‐ cervicalgia
Neuropatia pós‐traumática
Síndromas compressivas – síndroma túnel cárpico
Síndromas compressivas – síndroma túnel társico
Síndromas compressivas – síndroma túnel cubital
Síndromas compressivas – nervo peroneal
Nevralgia de Morton
Neuropatia isquémica
Lesão de plexo nervoso – pós‐radioterapia
Lesão de plexo nervoso secundária a infiltração neoplásica
Neuropatia periférica por VIH
DOR
VIH, vírus da imunodeficiência humana adquirida.
8
alterações funcionais e estruturais das vias nervosas periféricas e/ou centrais que produzem
uma transformação no processamento da dor,
conduzindo à perda do sistema fisiológico entre
estímulo e resposta, desencadeando dor persistente25.
Admite‐se que a lesão ou disfunção provocadas, de origem traumática, inflamatória ou
química, envolvam vias somatossensoriais,
com o atingimento de pequenas fibras aferentes do SNP ou do sistema espino‐tálamo‐cortical do SNC. A lesão de um nervo do SNP conduz a uma hiperexcitabilidade neuronal local
com aumento da actividade nervosa espontânea
e do limiar de excitação e amplificação da resposta normal ao estímulo nociceptivo – sensibilização periférica.
A degeneração das diferentes fibras nervosas
(Aβ – mielinizadas, activadas por estímulos mecânicos não‐nociceptivos; Aδ – escassamente
mielinizadas, ctivadas por estímulos nociceptivos; C – não mielinizadas, activadas por estímulos nociceptivos) provoca despolarização permanente nas células vizinhas, com fenómenos
de excitação cruzada e propriedades sensoriais
alteradas. Como exemplo, as fibras C podem
responder a estímulos mecânicos e térmicos,
realidade não existente em ambiente fisiológico,
o mesmo podendo acontecer para as fibras Aβ
e Aδ. A estimulação repetida destas fibras degeneradas conduz à hiper‐estimulação do corno
posterior da medula espinal, fenómeno conhecido
como “wind‐up” o que pode promover alterações significativas dos neurónios centrais – sensibilização central – comprometendo as vias
descendentes inibitórias26.
Por outro lado, a disfunção neuronal crónica
conduz a modificações na expressão de canais
iónicos, como o aumento da densidade dos
canais de sódio e dos canais de cálcio dependentes de voltagem, assim como na formação
de pontos de actividade eléctrica ectópica ao
longo do neurónio afectado. Outro dos fenómenos a ter em atenção é o processo de desmielinização associado à lesão, que permite a comunicação exacerbada entre neurónios (cross
talk neuronal), que contribui para a hiperexcitabilidade.
As alterações fisiopatológicas referentes à dor
neuropática não se circunscrevem apenas aos
tecidos ou nervos periféricos afectados. O gânglio espinal sofre alterações celulares dos neurónios simpáticos (hiperestimulação simpática)
e o corno posterior da medula experiencia modificações na transcrição genética com consequente aumento da actividade dos receptores
N‐metil‐D‐aspartato, redução da expressão de
receptores opióides no axónio e no gânglio sensitivo e libertação anormal de neurotrofinas e
citocinas pró‐nociceptivas pela microglia. A interacção entre a microglia e os neurónios, assim
como o aparecimento de neutrófilos, linfocitos e
macrófagos também parece ser relevante para
a génese e manutenção da dor neuropática.
Avaliação clínica
Causas, factores de risco e co-morbilidades
associadas
Para além da correcta avaliação das manifestações clínicas típicas da dor neuropática, devem ser consideradas algumas causas, factores
de risco e co‐morbilidades dos doentes com
este tipo de dor.
O seu conhecimento poderá complementar o
exame objectivo e ajudar ao diagnóstico e terapêutica (ver quadros abaixo).
Diagnóstico
O diagnóstico de DN baseia‐se na história
clínica, no exame físico que inclua o exame neurológico e em exames complementares de diagnóstico26.
De uma forma geral, os sinais e sintomas observados possuem uma localização neuroanatómica compatível com o local da lesão, pese
embora a queixa álgica possa estender‐se a
uma área sensorial mais extensa29.
Antes de uma investigação clínica mais profunda, devem excluir‐se causas de doenças tratáveis, assim como identificar co‐morbilidades
como alterações do humor e do sono, ansiedade, cuja terapêutica pode contribuir para o melhor tratamento da DN30.
CEMBE da FMUL ‐ NOC da Dor Neuropática Localizada
Quadro II. Principais causas de dor neuropática localizada
Principais Causas
Descrição
Traumatológicas
Traumatismo, compressão
Doenças endocrinológicas
Diabetes mellitus, uremia, hipotiroidismo
Doenças infecciosas
VIH, zoster, lepra, difteria, doença Lyme, febre Q, neurossífilis (tabes dorsalis)
Neuropatias tóxicas
Álcool, quimioterapia, cloranfenicol, lítio, amiodarona, fenítoína. Linezolide e
nitrofurantoína (relatos de caso)
Neuropatias hereditárias
Síndroma de Charcot‐Marie‐Tooth, doença Dejerine‐Sottas, síndroma de Riley‐Day
Cancro
Diversos tipos de cancro*, entre os quais o mieloma múltiplo
Outras causas médicas
Sarcoidoise, deficiência nutricional (tiamina,ácido fólico, vitamina B12), conectivites,
amiloidose, síndroma Guillain‐Barré, granulomatose de Wegener
Quadro III. Factores de risco associados a dor
Idade avançada
Nível socioeconómico baixo
Serviço militar anterior
Índice de massa corporal aumentado
Diabetes mellitus
Tolerância diminuída à glicose
Deficiência de vitamina B12
Artrite reumatóide
Terapêutica com estatinas e fibratos28
A avaliação da dor é um dos passos essenciais no diagnóstico de DN. A dor deve ser caracterizada quanto a:
• Intensidade (na avaliação inicial e em consultas posteriores) ‐ através da utilização de
escalas de dor: visual analógica, visual
numérica, qualitativa e escala de faces:
• A escala visual analógica (ver Anexos, figura 3) consiste numa linha horizontal, normalmente com 100 milímetros, cujas extremidades possuem assinalado “sem dor” e
“dor máxima”. O doente deverá fazer um
traço ou cruz no ponto que representa a
intensidade da sua dor. Posteriormente
deve ser medido em milímetros a distância
entre o início da linha (0 milímetros) e o
ponto assinalado pelo doente, obtendo‐se
uma classificação numérica.
• A escala visual numérica (ver Anexos, figura 3) consiste numa régua horizontal, dividida em 11 partes iguais, numeradas de 0
a 10. O doente deve assinalar a intensidade
da sua dor, sendo que 0 significa “sem dor”
e 10 significa “pior dor imaginável”.
• A escala qualitativa (ver Anexos, figura 3)
consiste numa régua horizontal, dividida em
5 partes iguais. O doente deve assinalar a
intensidade da sua dor de acordo com as
expressões disponíveis (“sem dor”, “dor ligeira”, “dor moderada”, “dor intensa”, “dor
máxima”).
• A escala de faces (ver Anexos, figura 3),
embora possa ser utilizada na avaliação da
intensidade de dor, não está contemplada
nas orientações da European Federation of
Neurological Societies e não é, frequentemente, utilizada para avaliar a intensidade
da dor neuropática.
• Localização – a distribuição topográfica
deve orientar o exame físico/neurológico e
deve ser registada utilizando os diagramas
corporais (ver Anexos, figura 5)26;
• Qualidade – devem considerar‐se os sintomas positivos e negativos associados à dor
(quadro IV);
• Variação temporal – de uma forma geral, a
DN tem agravamento vespertino. A DN de
origem oncológica tem agravamento progressivo ao longo dos meses;
• Impacto funcional – efeito da dor no sono,
humor, nas actividades de vida diárias, actividade laboral, na vida social e sexual31;
• Medicação prévia e actual – deve fazer
parte da avaliação da dor o registo da medicação prévia e actual, no que diz respeito
à eficácia analgésica, tipo e doses de medicamentos, tolerância e efeitos adversos.
A avaliação da dor não se deve cingir apenas
à utilização de escalas de dor, já que estas se
destinam apenas à medição da intensidade dolorosa e, como escalas unidimensionais, excluem
aspectos importantes como as suas características ou a interferência na qualidade de vida dos
doentes.
Por esta razão, é essencial utilizar instrumentos de avaliação desenhados especificamente
para a dor neuropática.
DOR
VIH, vírus da imunodeficiência humana adquirida.
De entre 51 doentes com dor neuropática localizada inexplicada, 35% foi‐lhes diagnosticado cancro 28 meses após início das queixas27.
9
Dor (2011) 19
DOR
Figura 1. Algoritmo de diagnóstico de dor neuropática.
10
Existem actualmente dois questionários traduzidos e validados para a língua e cultura portuguesas – o DN432 (ver Anexos, figura 4) e o
painDETECT33 (ver Anexos, figura 2):
• O DN4 é um questionário breve e de simples preenchimento. Das quatro questões
que o compõem, duas são de auto-resposta e as restantes preenchidas pelo profissional de saúde. A sua sensibilidade é de
83% e a especificidade de 90%. Uma pontuação ≥ 4 sugere dor neuropática (pontuação máxima de 10).
• O questionário painDETECT é de auto‐preenchimento e o doente descreve a sua dor,
sintomas associados e desenha a localização dolorosa num diagrama corporal. A sua
sensibilidade é de 85%, especificidade de
80% e valor preditivo positivo de 83%. Uma
pontuação >18 indica dor neuropática provável (>90%).
A figura abaixo representa o algoritmo de
diagnóstico de dor neuropática e o quadro IV os
sinais e sintomas associados à DN.
Dor e qualidade de vida
É conhecido o impacto da dor neuropática na
qualidade de vida (QdV) dos doentes.
CEMBE da FMUL ‐ NOC da Dor Neuropática Localizada
Quadro IV. Sinais e sintomas associados à dor neuropática e sua definição
Es­pon­
tâne­os
Sintomas
negativos
Sensação dolorosa sem estímulo aparente
Alodínia
Dor provocada por um estímulo não doloroso (toque, movimento, cotonete, p.e.)
Hiperalgesia
Dor exagerada a um estímulo doloroso moderado (picada, p.e.)
Disestesia
Sensação dolorosa desagradável espontânea
Parestesia
Sensação anormal não dolorosa (formigueiro, vibração, p.e.)
Hipoestesia
Diminuição da sensibilidade a estímulos, excluindo os sentidos especiais
Anestesia
Perda total de sensibilidade
Analgesia
Ausência de dor em resposta a estímulos normalmente dolorosos
Hipoalgesia
Resposta diminuída a um estímulo doloroso moderado
O estudo de Becker et al.34 avaliou a QdV de
doentes com dor crónica não‐oncológica, de entre os quais, 63% apresentavam dor neuropática.
As principais conclusões deste estudo foram:
• comparativamente à população geral, verificou‐se uma redução estatisticamente significativa (p < 0.001) dos scores da Medical
Outcome Study‐Short Form (SF‐36) nos parâmetros social, psicológico e físico;
• a depressão e ansiedade foram encontradas em 58% dos indivíduos, através da
Hospital Anxiety and Depression Scale
(HADS);
• quarenta e dois por cento dos indivíduos
estudados possuíam alterações na qualidade de sono;
• os indivíduos com dor crónica tinham recorrido cinco vezes mais aos serviços de saúde por dor, comparativamente à população
geral (p < 0.001).
Os doentes com dor neuropática mostraram
diminuição da saúde física e mental, mesmo
quando a intensidade da sua dor estava controlada. A discrepância entre a intensidade de dor
e a QdV levanta a questão de que existem factores desconhecidos que influenciam as actividades de vida diárias e a participação social
dos indivíduos com dor neuropática controlada.
Estes factores desconhecidos devem fazer parte dos objectivos futuros da investigação de forma a alargar o conhecimento acerca da relação
multidimensional entre dor neuropática e QdV,
para além do controlo álgico**.
Tópico/doença
A doença a que se refere esta NOC é a dor
neuropática localizada nas suas diversas formas.
**Neuropathic pain: the pharmacological management of
neuropathic pain in adults in non‐specialist settings. National
Institute for Health and Clinical Excellence (NICE), March
2010. Acedido a 20 de Outubro de 2010 em http://guidance.
nice.org.uk/CG96
Objectivos
Esta NOC tem por objectivo fornecer recomendações baseadas na evidência científica
sobre o tratamento da dor neuropática localizada.
Categoria
Trata‐se de uma NOC de efectividade terapêutica.
Adaptação
Esta NOC não foi adaptada directamente de
nenhuma recomendação, protocolo, consenso
ou NOC publicada até à data.
Comités e grupo responsável
A entidade responsável pela elaboração
desta NOC é o Centro de Estudos de Medicina Baseada na Evidência (CEMBE) da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa
(FMUL).
Os autores desta NOC fazem parte da área das
Normas de Orientação Clínica do CEMBE e são
o Dr. Miguel Julião, a Dra. Filipa Fareleira, o Prof.
João Costa e o Prof. António Vaz Carneiro.
Fontes de financiamento
O apoio financeiro a esta NOC proveio exclusivamente da GrÜnenthal, sob a forma dum “unrestricted grant”.
Este tipo de financiamento implica que o sponsor não teve qualquer influência quer na metodologia científica, quer no conteúdo final desta
NOC, sendo ambas da exclusiva responsabilidade do CEMBE da FMUL.
Utilizadores potenciais
• Médicos (de família, medicina interna, neurologia, reumatologia, etc.)
• Farmacêuticos
• Outros
DOR
Dor espontânea
Evo­ca­
dos
Sintomas
positivos
11
Dor (2011) 19
População‐alvo
Todos os doentes com dor neuropática localizada, independentemente da sua etiologia.
Métodos de selecção da evidência científica
Pesquisa em fontes primárias de informação
(bases de dados electrónicas)
• Medline (www.pubmed.com) (1966/Agosto
de 2010)
• Cochrane Central Register of Controlled
Trials (in Cochrane Library issue 2, 2010)
• Cochrane Database of Systematic Reviews
(in Cochrane Library issue 2, 2010)
• Database of Abstracts of Reviews of Effectiveness (in Cochrane Library issue 2,
2010)
A estratégia utilizada para pesquisar estas bases de dados electrónicas foi adaptada da estratégia de pesquisa desenvolvida por Roger
Chou et al. do Oregon Evidence‐based Practice
Center (Portland, USA) e incluiu a combinação
de vários termos de pesquisa para (1) dor
neuropática e determinadas condições associadas a dor neuropática com vários termos
de pesquisa para (2) grupos fármaco‐terapêuticos ou fármacos específicos. Os resultados
foram limitados a estudos realizados em humanos. A descrição completa desta estratégia
de pesquisa pode ser consultada em: http://
w w w. n c b i . n l m . n i h . g ov / p m c / a r t i cl e s /
PMC2628998/bin/11606_2008_877_MOESM1_
ESM.doc.
Aos resultados desta pesquisa foram aplicados filtros de pesquisa de forma a identificar três
tipos de estudos (e apenas estes):
• revisões sistematizadas ou meta-análises
de ensaios clínicos††
• consensus development conferences e normas de orientação clínica (guidelines)‡‡
• ensaios clínicos aleatorizados (randomized
clinical trials – RCT)§§.
Pesquisa em fontes secundárias de informação
A selecção da evidência científica foi feita ‐
adicionalmente ‐ em fontes secundárias de informação, que se definem como aquelas que,
tendo seleccionado os artigos, ensaios e estudos
nas bases de dados primárias (Medline, EMBASE, CINAHL, por exemplo), fazem sobre eles
uma avaliação crítica baseada na sua estrutura
Montori VM, Wilczynski NL, Morgan D, Haynes RB; Hedges
Team. Optimal search strategies for retrieving systematic
reviews from Medline: analytical survey. BMJ. 2005 Jan
8;330(7482):68.
‡‡
http://www.nlm.nih.gov/bsd/pubmed_subsets/sysreviews_
strategy.html
§§
Haynes RB, Wilczynski NL. Optimal search strategies for
retrieving scientifically strong studies of diagnosis from Medline: analytical survey. BMJ. 2004 May 1;328(7447):1040.
DOR
††
12
metodológica, seleccionando apenas aquelas
que, pela sua validade, importância e relevância
para a prática clínica, constituem a evidência
considerada a mais válida (ver adiante).
O critério base foi o das referidas fontes de
evidência científica secundária serem inequivocamente baseadas na evidência científica e
estarem disponíveis sob a forma impressa (artigos de revistas, livros) e/ou electrónica (Internet).
Incluíram‐se para a revisão final as seguintes
fontes secundárias:
• ACP Journal Club
• ACP Medicine
• Agency for Health Care Research and
Quality
• Clinical Evidence
• DynaMed
• Evidence-Based Medicine
• Evidence Based Practice
• Guideline International Network
• National Guideline Clearinghouse (http://
www.guideline.gov/)
• InfoPoems
• PIER do ACP
• Scottish Intercollegiate Guidelines Network
• UpToDate
• Agency for Healthcare Research and Quality (AHRQ), http://www.ahcpr.gov/
• American Academy of Neurology (AAN),
http://www.aan.com/professionals/
• American Diabetes Association (ADA),
http://www.diabetes.org/home.jsp
• American Pain Society (APS), http://www.
ampainsoc.org/
• Centers for Disease Control and Prevention
(CDC), http://www.cdc.gov/
• International Association for the Study of
Pain, (IASP), http://www.iasppain.org/
• National Institutes of Health (NIH), http://
www.nih.gov/
Listagem de referências dos estudos identificados
Apenas foram considerados estudos na população adulta (maior de 18 anos) e publicados em
língua portuguesa, francesa ou inglesa.
Foram obtidos os resumos dos estudos identificados pela estratégia de pesquisa, de forma
a seleccionar quais os estudos a serem incluídos na análise. Esta selecção foi realizada por
2 pessoas (MJ, FF).
Após decisão (por consenso) dos estudos a
incluir foram obtidas as publicações completas
desses estudos para análise.
Metodologia de avaliação crítica
da evidência científica
A avaliação crítica da evidência científica – em
termos da validade, importância e aplicabilidade
dos resultados – constituiu um passo essencial
na base científica para a elaboração desta NOC.
Com efeito, sem uma garantia da qualidade
CEMBE da FMUL ‐ NOC da Dor Neuropática Localizada
Esquema de hierarquização da evidência
científica
O sistema de hierarquização da evidência
científica utilizado nesta NOC baseou‐se nas recomendações do Centre for Evidence‐Based
Medicine, de Oxford, Reino Unido.
Nesta NOC utilizou‐se uma adaptação que
gradua as recomendações como de boa (grau 1)
ou de má (grau 2) qualidade, conforme o tipo
da evidência científica que lhe serve de base,
sendo esta evidência por sua vez classificada
com graus de qualidade decrescente de A a D.
Deste modo, e para efeitos deste documento,
uma recomendação classificada como de grau
A é considerada ser baseada em evidência de
alta qualidade, enquanto uma de grau D apenas
possui evidência de baixa qualidade.
O quadro XI descreve, de maneira sucinta,
esta classificação dos níveis de evidência que
servem de base aos graus de recomendação.
Como foi patente nos quadros anteriores, os
graus de recomendação incluem quatro níveis,
em ordem decrescente de validade (A, B, C e D).
O quadro XII resume‐os, com base no tipo de
estudos subjacentes.
QUADRO V. Grelha para avaliação crítica de um artigo
descrevendo um ensaio clínico prospectivo, aleatorizado
e controlado
Validade dos resultados
S
?
N
n/a
1. A gama de doentes foi bem
definida?
2
1
0
n/a
2. O diagnóstico da doença
estava bem caracterizado?
2
1
0
n/a
3. Os critérios de inclusão e
exclusão são lógicos e
claros?
2
1
0
n/a
4. Os doentes foram
aleatorizados?
2
1
0
n/a
5. A aleatorização foi ocultada?
2
1
0
n/a
6. Os doentes foram analisados
nos grupos para os quais
tinham sido aleatorizados
inicialmente
(intençãode‐tratar)?
2
1
0
n/a
7. O método de aleatorização foi
explicado?
2
1
0
n/a
8. A dimensão da amostra foi
estatisticamente calculada?
2
1
0
n/a
9. Os doentes nos grupos em
comparação eram
semelhantes em termos dos
seus factores de prognóstico
conhecidos?
2
1
0
n/a
10. Com excepção do tratamento
em estudo, todos os doentes
foram tratados da mesma
maneira?
2
1
0
n/a
11. Foi ocultado aos doentes o
grupo a que pertenciam?
2
1
0
n/a
12. Foram ocultados aos
investigadores os grupos em
estudo?
2
1
13. Foram ocultados aos
analisadores dos dados os
grupos em estudo?
2
1
0
n/a
14. O seguimento (follow‐up)
final foi superior a 80%?
2
1
0
n/a
15. A dimensão do efeito
terapêutico (RRR, RRA, NNT)
foi importante?
2
1
0
n/a
16. A estimativa do efeito é
suficientemente precisa (IC)?
2
1
0
n/a
17. Esse efeito tem importância
clínica?
2
1
0
n/a
18. Os doentes do estudo são
semelhantes aos da prática
clínica do médico individual?
2
1
0
n/a
19. Foram considerados todos os
resultados clínicos
importantes?
2
1
0
n/a
20. Os benefícios do tratamento
sobrepõem‐se aos potenciais
riscos e custos da sua
implementação?
2
1
0
n/a
0
n/a
Importância dos resultados
Aplicabilidade dos resultados
DOR
metodológica e científica dos estudos que serviram de base a esta NOC, a afirmação coerente
das conclusões poderia ser posta em causa.
Os quadros seguintes constituíram as grelhas
para avaliação crítica, sendo específicos conforme o tipo de estudo que se desejou analisar:
neste caso, apenas ensaios clínicos e revisões
sistematizadas.
Estes quadros são constituídas por questões
‐ guias ‐ (primárias e secundárias), a cujas respostas os estudos em análise tiveram que responder detalhadamente, para que pudessem
ser incluídos (ou não) na análise final e, consequentemente, servirem de base científica a esta
NOC (quadros V, VI e VII).
O processo de análise implicou, para cada
guia, uma de quatro tipos de respostas possíveis: sim, pouco claro/possivelmente, não
ou não aplicável. A cada uma destas respostas
foi atribuído um valor numérico de 2, 1 ou 0
(quadro VIII).
Cada artigo foi então classificado através de
um score, constituído pela soma de todos os
scores atribuídos às guias individuais, normalizado para o nº de questões aplicáveis ao estudo específico, sendo a classificação final a razão entre o score total e o máximo aplicável
(quadro IX).
Construiu‐se subsequentemente uma “tabela de evidências” em que cada artigo foi individualmente incluído para análise final (quadro X).
Apenas os artigos classificados com as pontuações mais altas incluíram a base de evidência final para esta NOC.
13
Dor (2011) 19
Quadro VI. Grelha para avaliação crítica de uma revisão
sistematizada
Validade dos resultados
2 – resposta afirmativa = sim
1 – pouco claro/possivelmente
2
1
0
n/a
2. Os critérios para inclusão (e
exclusão) dos estudos na RS foram
apropriados?
2
1
0
n/a
3. Terão sido incluídos todos os
estudos importantes e relevantes?
2
1
0
n/a
QUADRO IX. Cálculo da classificação final dos artigos
4. A qualidade dos estudos incluídos
foi correctamente avaliada?
2
1
0
n/a
5. As avaliações críticas dos estudos
foram reprodutíveis entre os
avaliadores?
2
1
0
n/a
Score total (soma dos scores atribuídos)____________[A]
Nº de questões aplicáveis (máx. 20)_ ______________[B]
Score máximo possível (2 x B)____________________[C]
6. Foram os resultados dos estudos
similares entre eles?
2
1
0
n/a
2
1
0
n/a
8. Qual é a precisão dos resultados da 2
RS?
1
0
n/a
7. Quais são os resultados globais da
RS?
Aplicabilidade dos resultados
9. Os resultados da RS podem ser
aplicados aos nossos doentes?
2
10. Foram considerados todos os
resultados (outcomes) clinicamente
importantes, tendo em conta a
questão colocada?
11. Os benefícios da aplicação prática
dos resultados compensam os
potenciais danos e custos?
1
0
n/a
2 1
0
n/a
0
n/a
2
1
Quadro VII. Grelha para avaliação crítica de um artigo
de investigação qualitativa
Validade dos resultados
2
1
0
n/a
3. A captação dos dados foi
suficientemente completa para
poder suportar as descrições dos
eventos observados?
2
1
0
n/a
4. Foram os dados correctamente
analisados e corroborados?
2
1
0
n/a
5. As descrições são suficientemente
evocativas e completas?
2
1
0
n/a
6. Quão completas e relevantes são
as conclusões teóricas?
2
1
0
n/a
7. Este estudo ajuda‐me a
compreender a minha prática?
2
1
0
n/a
8. Este estudo ajuda‐me a melhorar a
minha relação com os meus
doentes e famílias?
2
1
0
n/a
1. Os participantes eram apropriados
para responder à questão científica
e a sua selecção foi bem pensada?
2. Os métodos de geração de dados
foram apropriados para os objectivos
e contextos da investigação?
Importância dos resultados
Aplicabilidade dos resultados
DOR
Marcar o código
apropriado:
1. A revisão centra‐se sobre uma questão
clínica claramente focalizada?
Importância dos resultados
14
QUADRO VIII. Codificação das respostas
0 – resposta negativa = não
n/a – não aplicável
Classificação final (A/C em %)___________________ %
Métodos de análise e validação da evidência
científica
Avaliação da dor neuropática
Gruccu G, et al. EFNS guidelines on neuro­
pathic pain assessment. European Journal of
Neurology 2004; 11:153‐162.
NOC de consenso da Task Force da European
Federation of Neurological Societies cujo objectivo foi analisar a evidência científica existente
sobre a avaliação clínica da dor neuropática
através do exame objectivo e exames complementares de diagnóstico.
As principais conclusões desta NOC foram:
• não existem estudos validados sobre o exame objectivo realizado “à cabeceira” do
doente com dor, daí que não seja preconizado o exame neurológico a todos os doentes com queixas álgicas
• em doentes com suspeita de dor neuropática deve ser realizada a avaliação da
qualidade e intensidade de dor, assim
como da localização anatómica (mapeamento de alterações motoras, sensitivas e
autonómicas)
• deve diferenciar-se a dor espontânea
(constante, paroxística, lancinante, ardor,
disestesia, parestesia) versus evocada (hiperalgesia, alodínia)
• as escalas verbais de intensidade são mais
aceitáveis para os doentes
• as escalas numéricas de intensidade são
as mais utilizadas nos recentes estudos
sobre dor neuropática e são facilmente
aplicáveis na prática clínica (Recomenda­
ção Grau C)
• a avaliação da sensibilidade, utilizando algodão, um diapasão ou uma vareta de madeira, é a parte mais importante do exame
objectivo e deve ser preliminar a qualquer
avaliação quantitativa (Recomendação
Grau C)
• testes sensoriais quantitativos, cujos resultados podem ser mensuráveis (monofilamento,
CEMBE da FMUL ‐ NOC da Dor Neuropática Localizada
QUADRO X. Cálculo da classificação final dos artigos
Estudo
(autores e ano)
Desenho
Participantes
Intervenção e
comparação
Resultados
Scores finais
QUADRO XI. Níveis de evidência e graus de recomendação terapêutica ou preventiva
Grau de recomendação
Nível de evidência
Análise metodológica
A
1a
RS* (com homogeneidade† interna) de EACs§
1b
EACs individuais (com IC# curtos)
1c
todos ou nenhuns¶
2a
RS* (com homogeneidade† interna) de estudos de coorte
2b
estudos de coorte individuais (incluindo EACs§ de baixa qualidade,
por ex. < 80% de follow‐up)
2c
investigação sobre resultados (“outcomes research”)§§ e estudos
ecológicos
3a
RS* (com homogeneidade† interna) de estudos caso‐controlo
3b
estudos caso‐controlo individuais
C
4
estudos de séries de casos (e também estudos coorte e
caso‐controlo de baixa qualidade**)
D
5
opinião de peritos sem explicitação prévia da metodologia de
avaliação crítica da evidência, ou baseada em investigação básica
(extrapolações), ou em “princípios primários”††
B
#IC:
intervalos de confiança
ensaio(s) aleatorizado(s) e controlado(s) (RCT: randomized controlod trials)
investigação sobre resultados (“outcomes research”) consiste nos estudos de coorte de doentes com idêntico diagnóstico (AVC, EAM,
etc.) que relacionam os seus resultados clínicos (clinical outcomes), sejam eles a mortalidade, morbilidade, eventos, etc., com os
cuidados médicos recebidos (aspirina, cirurgia, reabilitação); este tipo de investigação não utiliza EACs pelo que se torna impossível a
atribuição de efectividade a uma determinada manobra terapêutica. A vantagem desta abordagem é que nos permite reconhecer se os
outcomes esperados correspondem aos encontrados na clínica diária.
†Homogeneidade: baixo grau de heterogeneidade na direcção e magnitude dos resultados dos estudos individuais nela incluídos.
††por princípios primários entendem‐se os conceitos fisiopatológicos que presidem à prática médica (controlo da pressão arterial em
doentes com dissecção da aorta, p.e.); como é óbvio, estes princípios, se não testados em estudos rigorosos, podem conduzir por vezes
a práticas erradas.
*RS: revisões sistematizadas. Uma RS é uma revisão bibliográfica e científica sobre um determinado tema, executada de tal maneira que
os viéses se encontram reduzidos ao máximo. A característica fundamental de uma revisão sistematizada é a explicitação clara e não
ambígua dos critérios utilizados para a selecção, avaliação crítica e inclusão da evidência científica naquela. Deste modo, uma revisão
sistematizada apresenta objectivos formais e precisos e os critérios de inclusão (e exclusão) dos estudos são explicitados
detalhadamente. A revisão sistematizada não apresenta, habitualmente, nenhuma representação gráfica determinada.
¶
quando todos os doentes faleciam antes do tratamento estar disponível, mas alguns agora sobrevivem com ele; ou quando alguns
doentes faleciam antes do tratamento estar disponível, mas nenhum agora morre quando o faz.
§EAC:
§§a
QUADRO XII. Graus de recomendação
A
Estudos nível 1 consistentes
B
Estudos nível 2 ou 3 consistentes ou extrapolações
de estudos nível 1
C
Estudos nível 4 ou extrapolações de estudos nível
2 ou 3
D
Estudos nível 5 ou inconsistentes/inconclusivos de
qualquer nível
DOR
vibrómetro e sonda térmica, p.e.) não são
conclusivos para o diagnóstico de dor neuropática e devem ser reservados para avaliação dos efeitos do tratamento na alodínia
e na hiperalgesia (Recomendação Grau A).
Estes testes são caros e prolongados e não
estão recomendados para a actividade clínica (Recomendação Grau B)
• a optimização da qualidade de vida (avaliada pela SF-36, p.e.) é considerado o
15
Dor (2011) 19
objectivo primordial do tratamento da dor
neuropática
• outras dimensões psicossociais do doente
com dor, como ansiedade, depressão e insónia, devem ser avaliadas separadamente
através de instrumentos validados (Reco­
mendação Grau C)
• os estudos de condução nervosa e os
potenciais evocados somatossensoriais
são úteis para localizar e quantificar a lesão
ao longo de um trajecto nervoso (Recomen­
dação Grau A)
Avaliação do custo/eficácia
do tratamento oral da dor neuropática
Cepeda MS, Farrar JT. Economic evaluation
of oral treatments for neuropathic pain. J Pain.
2006;7(2):119‐28.
Revisão da literatura com o objectivo de avaliar a relação custo/eficácia de um mês de tratamento com amitriptilina, carbamazepina, gabapentina e tramadol na nevralgia pós‐herpética
e na neuropatia diabética.
Os autores concluíram que a amitriptilina foi o
medicamento mais barato, seguido da carbamazepina, ambos com semelhante eficácia analgésica. A gabapentina foi o tratamento mais caro
e menos eficaz no tratamento da dor neuropática. A amitriptilina e a carbamazepina mostraram
melhor relação custo/eficácia comparativamente
à gabapentina e ao tramadol.
A amitriptilina e a carbamazepina devem ser
consideradas como tratamento de 1ª linha para
a dor neuropática em doentes sem doença renal
ou cardiovascular.
DOR
Diagnóstico e tratamento da
dor neuropática
16
Acevedo JC, et al. Guidelines for the diag­
nosis and management of neuropathic pain:
consensus of a group of Latin American ex­
perts. J Pain Palliat Care Pharmacother. 2009;
23(3):261‐81.
NOC de consenso de peritos latino‐americanos cujo objectivo foi analisar a evidência científica existente sobre o diagnóstico e tratamento
da dor neuropática para construção de algoritmos clínicos de decisão terapêutica.
Do ponto de vista do tratamento farmacológico, as classes farmacológicas utilizadas foram
classificadas de acordo com a sua disponibilidade, eficácia, critérios de acessibilidade e segurança:
• Grupo A: medicamentos tópicos e antidepressivos tricíclicos;
• Grupo B: anticonvulsivantes, analgésicos
opióides e não opióides;
• Grupo C: inibidores selectivos da recaptação da serotonina e noradrenalina;
• Grupo D: canabinóides e outros anticonvulsivantes.
O algoritmo básico de decisão para o tratamento da dor neuropática proposto inicia‐se
com o Grupo A, seguindo‐se o Grupo A + Grupo
B (se ineficácia analgésica e/ou efeitos adversos), seguindo‐se o Grupo A + Grupo C (se
ineficácia analgésica e/ou efeitos adversos),
seguindo‐se o Grupo A + Grupo D (se ineficácia
analgésica e/ou efeitos adversos).
Os autores referem que o algoritmo proposto
deve ser alterado de acordo com a doença de
base conducente à dor neuropática, assim como
a disponibilidade, eficácia, critérios de acessibilidade e segurança dos medicamentos.
Intervenções farmacológicas
Wolff RF, Bala MM, Westwood M, Kessels
AG, Kleijnen J. 5% lidocaine‐medicated plas­
ter vs other relevant interventions and pla­
cebo for post‐herpetic neuralgia (PHN): a
systematic review. Acta Neurol Scand. 2010
Oct 10.
Revisão sistematizada que teve como objectivo avaliar a eficácia da lidocaína tópica a 5%
(LT5%) no tratamento da nevralgia pós‐herpética
comparativamente a outras intervenções farmacológicas e ao placebo.
De acordo com os critérios de inclusão e exclusão definidos, foram introduzidos na análise
19 estudos:
• LT5% versus placebo (2 estudos)
• LT5% versus pregabalina (1 estudo)
• Amitriptilina versus gabapentina (1 estudo)
• Amitriptilina versus placebo (2 estudos)
• Capsaícina versus placebo (4 estudos)
• Gabapentina versus placebo (3 estudos)
• Pregabalina versus placebo (6 estudos)
Os estudos controlados com placebo mostraram que a LT5% foi eficaz no alívio da dor e na
redução da alodínia, com taxas de efeitos adversos (EA) geralmente baixas.
O estudo comparativo entre a LT5% e a pregabalina mostrou que a LT5% foi semelhante
(não‐inferior) à pregabalina na redução da dor,
e promoveu um aumento significativo da qualidade de vida nos doentes medicados com LT5%.
O grupo da LT5% apresentou uma taxa de EA
mais baixa comparativamente ao grupo da pregabalina.
Da network meta‐analysis com os outros medicamentos comparadores, os autores concluíram:
• apenas a LT5% e a gabapentina foram associadas a uma diminuição significativa da
dor face à baseline comparativamente ao
placebo [‐15,50 (IC 95% ‐18,85 a ‐12,16)] e
[‐7,56 (IC 95% ‐12,52 a ‐2,59)], respectivamente
• a LT5% mostrou ser mais eficaz do que a
capsaícina [-16,45 (IC 95% -20,04 a -12,86)];
gabapentina [-7,95 (IC 95% -13,29 a -2,61)]
e pregabalina [-13,45 (IC 95% -19,19 a
-7,71)]
CEMBE da FMUL ‐ NOC da Dor Neuropática Localizada
Attal N, Cruccu G, Baron R, Haanpää M,
Hansson P, Jensen TS, Nurmikko T. European
Federation of Neurological Societies. EFNS
guidelines on pharmacological treatment of
neuropathic pain. Eur J Neurol. 2010;17(9):
1113‐88.
Guidelines da European Federation of Neurological Societies, cujo objectivo foi actualizar as
recomendações baseadas na evidência de 2005
sobre o tratamento farmacológico da dor neuropática. Esta Task Force emitiu as seguintes recomendações para a abordagem da dor neuropática periférica:
Polineuropatia periférica dolorosa
Tratamento de 1ª linha: antidepressivos tricíclicos, gabapentina, pregabalina e inibidores selectivos da recaptação da serotonina e noradrenalina (duloxetina e venlafaxina).
Tratamento de 2ª linha: tramadol, excepto para
as exacerbações de dor (para a combinação
tramadol+paracetamol) ou para dor predominantemente não neuropática.
Tratamento de 3ª linha: opióides fortes.
Nevralgia pós‐herpética
Tratamento de 1ª linha: antidepressivos tricíclicos, gabapentina e pregabalina. A lidocaína tópica possui exelente tolerabilidade e pode ser
considerada como terapêutica de primeira linha
em idosos, especialmente se existir a preocupação dos EA no sistema nervoso central associados à medicação por via oral.
Tratamento de 2ª linha: opióides e capsaícina
em creme.
Nevralgia do trigémeo
Tratamento de 1ª linha: carbamazepina
(200‐1200 mg/dia) (Nível de Evidência A) e oxcarbazepina (600‐1800 mg/dia) (Nível de Evidência B).
A lamotrigina pode ser considerada se existirem EA com a terapêutica de 1ª linha (Nível de
Evidência C).
Namaka M, Gramlich CR, Ruhlen D, Melan­
son M, Sutton I, Major J. A treatment algorithm
for neuropathic pain. Clin Ther. 2004;26(7):
951‐79.
Revisão da literatura com o objectivo principal
de construir um algoritmo clínico para o tratamento farmacológico da dor neuropática.
Os autores concluíram que os antidepressivos
tricíclicos, anticonvulsivantes, analgésicos não‐
opióides e medicamentos tópicos (lidocaína e
capsaícina) podem ser utilizados como tratamento de 1ª linha.
Os doentes que não respondem ao tratamento com três fármacos em monoterapia da mesma
classe terapêutica, devem ser medicados com
analgésicos opióides (2ª linha).
DOR
• a LT5% mostrou ser comparável à gabapentina [-6,00 (-25.32-13.32; IC 95%)]
• a LT5% mostrou uma taxa de EA menor
quando comparada com os medicamentos
de uso sistémico.
Wolff RF, Bala MM, Westwood M, Kessels
AGc, Kleijnen J. 5% lidocaine medicated plas­
ter in painful diabetic peripheral neuropathy
(DPN): a systematic review. Swiss Med Wkly.
2010 May 29;140(21‐22):297‐306.
Revisão sistematizada com o objectivo de
avaliar a eficácia da LT5% no tratamento da neuropatia periférica diabética dolorosa comparativamente a outras intervenções farmacológicas e
ao placebo.
De acordo com os critérios de inclusão e exclusão definidos, foram introduzidos na análise
os seguintes estudos:
• LT5% versus pregabalina (1 estudo)
• Amitriptilina versus capsaícina (1 estudo)
• Amitriptilina versus gabapentina (3 estudos)
• Amitriptilina versus placebo (2 estudos)
• Amitriptilina versus pregabalina (1 estudo)
• Capsaícina versus placebo (4 estudos)
• Gabapentina versus placebo (5 estudos)
• Pregabalina versus placebo (8 estudos)
O estudo da LT5% versus pregabalina mostrou os seguintes resultados:
• Outcome na dor: a LT5% mostrou ser não
inferior à pregabalina na redução da dor
(limite inferior do IC 95% = –7,03).
• Qualidade de vida: os doentes do grupo
da LT5% mostraram um maior aumento da
qualidade de vida comparativamente ao
grupo da pregabalina.
• Efeitos Adversos (EA): os doentes do grupo da pregabalina apresentaram uma taxa
de EA superior comparativamente ao grupo
da LT5%.
Da network meta‐analysis efectuada com outros medicamentos comparadores, os autores
concluíram:
• todas as intervenções farmacológicas foram eficazes em comparação com o placebo (variação média na dor face à baseline versus placebo ‐ amitriptilina:
–12,58 [IC 95% –16,66 a –8,50]; capsaícina: –9,40 [IC 95% –13,92 a –4,88]; gabapentina: –10,22 [IC 95% –17,25 a
–3,19]; pregabalina: –10,53 [IC 95% –14,74
a –6,32]; LT5%: –9,10 [IC 95% –13,93 a
–4,26])
• a LT5% foi semelhante a todas as outras
intervenções estudadas (amitriptilina:
3,48 [IC 95% –0,78 a 7,75]; capsaícina:
0,31 [IC 95% –4,39 a 5,00]; gabapentina:
1,12 [IC 95% –6,02 a 8,27]; pregabalina:
1,43 [IC 95% –2,96 a 5,83]).
Esta revisão sistematizada mostrou que a
LT5% possui efeito analgésico comparável aos
outros medicamentos avaliados, com uma taxa
de EA mais baixa.
17
DOR
Dor (2011) 19
18
Os doentes que não respondem à terapêutica em
monoterapia com qualquer um dos agentes de
1ª ou 2ª linhas devem iniciar terapêutica combinada ou ser referenciados para uma clínica
de dor.
Finnerup NB, Otto M, Jensen TS, Sindrup
SH. An evidence‐based algorithm for the tre­
atment of neuropathic pain. MedGenMed.
2007;9(2):36.
Revisão da literatura com o objectivo de construir um algoritmo para o tratamento farmacológico da dor neuropática para utilização em contexto de cuidados de saúde primários. Foram
analisados 110 estudos, de acordo com os critérios de inclusão e exclusão definidos.
O NNT e Number Needed to Harm (NNH) foram utilizados para comparar a segurança e a
eficácia dos antidepressivos tricíclicos, inibidores selectivos da recaptação da serotonina, inibidores selectivos da recaptação da serotonina
e noradrenalina, anticonvulsivantes, analgésicos opióides (morfina, oxicodona) e analgésicos
não opióides (tramadol), capsaícina e lidocaína
tópicas no tratamento da dor neuropática.
O estudo mostrou os seguintes resultados:
• Antidepressivos tricíclicos – NNT [2,1 (1,82,6) a 3,1 (2,2-5,5)]; NNH 14,7 (10,2-25,2);
• Inibidores Selectivos da Recaptação da Serotonina – NNT 7; NNH não calculado;
• Inibidores Selectivos da Recaptação da Serotonina e Noradrenalina – NNT 5,1 (3,9‐7,4);
NNH 16,0 (10,9‐29,5);
• Gabapentina – NNT 5.1 (4.1-6.8); NNH 26,1
(14,1-170);
• Pregabalina – NNT 3,7 (3,2-4,4); NNH 7,4
(6,0-9,5);
• Topiramato – NNT 7,4 (4,3-28,5); NNH 6,3
(5,1-8,1);
• Morfina – NNT 2,5 (1,9-3,4); NNH combinado (morfina+oxicodona) 17,0 (10,0-66,0);
• Oxicodona – NNT 2,6 (1,9-4,1); NNH combinado (morfina+oxicodona) 17,0 (10,0‐66,0);
• Tramadol – NNT 3,9 (2,7-6,7); NNH 9,0
(6,0-17,5);
• Capsaícina tópica – NNT 3,2 (2,2-5,9); NNH
não calculado.
• Lidocaína tópica – NNT 4,4 (1,7-2,5); NNH
não calculado.
Os autores concluíram que para doentes com
nevralgia pós‐herpética ou neuropatia periférica
focal com alodínia, a terapêutica de 1ª linha é a
lidocaína transdérmica a 5%.
Outras neuropatias focais localizadas devem
ser tratadas com antidepressivos tricíclicos, gabapentina ou pregabalina. Se houver contra‐
indicação para o tratamento com os antidepressivos tricíclicos a opção a utilizar devem ser os
inibidores selectivos da recaptação da serotonina e noradrenalina. Os antidepressivos podem ser o medicamento de 1ª linha para doentes com depressão e alguns antidepressivos
tricíclicos podem ser considerados em doentes
com distúrbio do sono. A pregabalina pode ser
o medicamento de 1ª escolha em doentes com
ansiedade.
Os analgésicos opióides e o tramadol são
considerados medicamentos de 2ª ou 3ª linhas.
Podem ser terapêutica de 1ª linha para a dor
episódica ou em doentes com dor neuropática
de origem oncológica.
As indicações deste algoritmo devem ser
individualizadas a cada doente, tendo em conta as comorbilidades e interacções medicamentosas.
Finnerup NB, Sindrup SH, Jensen TS. The
evidence for pharmacological treatment of
neuropathic pain. Pain. 2010;150(3):573‐81.
Artigo de revisão da literatura sobre o tratamento da dor neuropática, que consistiu uma
actualização do anterior trabalho dos mesmos
autores publicado na mesma revista Pain em
2005 (105 ECA).
No presente trabalho, os autores incluíram
174 ECA (mais 66% de estudos sobre dor neuropática). Os estudos incluídos nesta revisão de
2010 estudaram a polineuropatia dolorosa, na
sua maioria diabética (69 estudos), nevralgia
pós‐herpética (23 estudos), neuropatia por lesão nervosa (19 estudos), neuropatia por VIH
(16 estudos), dor neuropática central (15 estudos), nevralgia do trigémio (7 estudos) e dor
neuropática mista (25 estudos).
Apesar do aumento de 66% no número de
ECA sobre o tratamento da dor neuropática os
autores concluíram que não houve alterações
na evidência das recomendações apresentadas
em 2005.
Baseado nos ECA existentes os autores concluíram que o tratamento da dor neuropática
devia basear‐se no seguinte conjunto de critérios relevantes:
1.Resultados consistentes de ECA de elevada qualidade;
2.Alívio elevado da dor e superioridade face
aos tratamentos existentes;
3.Alívio persistente/mantido da dor;
4.Poucos e moderados EA;
5.Efeito na qualidade de vida;
6.Baixo custo.
De acordo com os critérios descritos, os autores concluíram:
• Se apenas for considerado o critério do alívio da dor como único objectivo para o tratamento da dor neuropática periférica, então, devem ser escolhidos os seguintes
medicamentos segundo o seguinte esquema:
antidepressivos tricíclicos > opióides ≥ tramadol ≥ gabapentina/pregabalina
• Se a eficácia do tratamento da dor neuropática for baseada no alívio da dor e na
qualidade de vida, então, devem ser escolhidos os seguintes medicamentos segundo
o seguinte esquema:
gabapentina/pregabalina > tramadol > opióides > antidepressivos tricíclicos.
CEMBE da FMUL ‐ NOC da Dor Neuropática Localizada
Neuropathic pain: the pharmacological ma­
nagement of neuropathic pain in adults in
non‐specialist settings. National Institute for
Health and Clinical Excellence (NICE), March
2010.
NOC do National Institute for Health and Clinical Excellence, cujo objectivo principal foi a
construção de recomendações para o tratamento farmacológico da dor neuropática em contexto
médico não‐especializado.
A pesquisa sistemática efectuada identificou
23.207 estudos (2.781 antidepressivos, 4.757
anticonvulsivantes, 9.612 analgésicos opióides,
6.057 capsaícina e lidocaína tópicas).
De acordo com os critérios de inclusão e
exclusão definidos, foram introduzidos na análise 104 estudos: 90 ensaios clínicos aleatorizados (ECA) controlados com placebo, 10 estudos head‐to‐head e 4 ECA de terapêutica
combinada.
Antidepressivos em monoterapia
(ECA controlados com placebo)
Foram incluídos 23 ECA. Não foram identificados estudos com a timipramina, lofepramina,
doxepina, citalopram, fluoxetina, paroxetina e
sertralina.
Antidepressivos tricíclicos (ADT)
Os estudos incluídos nesta guideline avaliaram a amitriptilina, nortriptilina, desimipramina e
imipramina.
• Outcomes na dor: os doentes do grupo
dos ADT mostraram uma probabilidade significativamente maior de obter uma redução
da dor ≥ 30% e uma melhoria global, quando
comparados com os doentes do grupo placebo (evidência de moderada qualidade).
• Efeitos Adversos (EA): os doentes do grupo dos ADT apresentaram maior número de
abandonos por EA comparativamente ao
grupo placebo (evidência de baixa qualidade), uma taxa de EA mais elevada comparativamente ao grupo placebo (evidência
de alta qualidade) e os EA mais frequentemente registados no grupo dos ADT foram
xerostomia (evidência de baixa qualidade),
sedação (evidência de baixa qualidade)
versus grupo placebo. Não se encontraram
diferenças significativas entre os dois grupos quanto à ocorrência de visão turva, tonturas, vómitos e alterações gastrointestinais
(evidência de baixa qualidade).
Inibidores Selectivos da Recaptação da
Serotonina e da Noradrenalina (ISRSN)
Os estudos incluídos nesta guideline avaliaram a duloxetina e a venlafaxina.
• Outcomes na dor: os doentes do grupo
dos ISRSN mostraram uma probabilidade significativamente maior de obter uma redução
DOR
• Se a eficácia do tratamento da dor neuropática for baseada no perfil de EA, então, os EA dos antidepressivos tricíclicos
e dos opióides fortes devem ser considerados.
Devido à heterogeneidade encontrada nos estudos incluídos, os autores sublinham que o algoritmo de tratamento deve ser individualizado
para cada doença específica. Neste sentido, o
algoritmo proposto para o tratamento farmacológico da dor neuropática periférica (neuropatia
diabética, nevralgia pós‐herpética, neuropatia
periférica por lesão nervosa) foi:
Após diagnóstico de dor neuropática periférica:
• Se estiver presente nevralgia pós-herpética
e neuropatia focal/localizada (com alodínia)
→ lidocaína tópica
• Se estiverem presentes outros tipos de dor
neuropática periférica → antidepressivos
tricíclicos/inibidores da recaptação da serotonina e noradrenalina (ou gabepentina/pregabalina, se contra‐indicação aos antidepressivos tricíclicos)
• Se ineficácia analgésica após terapêtica
com lidocaína tópica, devem ser adicionados os antidepressivos tricíclicos/inibidores
da recaptação da serotonina e noradrenalina e/ou a gabapentina/pregabalina
• Se ineficácia analgésica após terapêutica
com pregabalina/gabapentina, podem ser
adicionados os antidepressivos tricíclicos/
inibidores da recaptação da serotonina e
noradrenalina
• Se ineficácia analgésica após terapêutica
com antidepressivos tricíclicos/inibidores
da recaptação da serotonina e noradrenalina, podem ser adicionadas a pregabalina/
gabapentina
• Os opióides fracos (tramadol) e fortes (oxicodona) devem ser adicionados aos medicamentos anteriores para melhoria da eficácia analgésica.
Dworkin RH, O’Connor AB, Backonja M, et
al. Pharmacologic management of neuropa­
thic pain: evidence‐based recommendations.
Pain. 2007;132(3):237‐51.
Revisão da literatura realizada por um painel
de peritos da International Association for the
Study of Pain com o objectivo de construir recomendações baseadas na evidência para o tratamento farmacológico da dor neuropática.
Os autores recomendam que o tratamento de
1ª linha inclua os antidepressivos tricíclicos, os
inibidores selectivos da recaptação da serotonina e noradrenalina, os anticonvulsivantes e a lidocaína tópica a 5%.
Os analgésicos opióides e o tramadol são recomendados como tratamento de 2ª linha. Contudo, podem ser utilizados como 1ª linha em
circunstâncias clínicas específicas como dor
neuropática aguda (dor irruptiva) ou dor neuropática de origem oncológica
19
Dor (2011) 19
da dor ≥ 30% com a administração da
duloxetina e uma redução da dor ≥ 50%
com a duloxetina e a venlafaxina, quando
comparados com os doentes do grupo
placebo (evidência de moderada a alta
qualidade). O número de doentes que reportaram uma melhoria global não foi significativamente diferente entre doentes do
grupo da venlafaxina e os doentes do grupo placebo (evidência de moderada qualidade).
• Efeitos Adversos (EA): os doentes do grupo dos ISRSN apresentaram maior número
de abandonos por EA comparativamente ao
grupo placebo (evidência de moderada
qualidade). Não houve diferenças significativas na incidência total de EA do grupo dos
ISRSN comparativamente ao grupo placebo
(evidência de muito baixa qualidade). Não
se encontraram diferenças significativas entre os dois grupos quanto à ocorrência de
xerostomia e alterações gastrointestinais
(evidência de baixa qualidade), assim como
de vómitos e visão turva (evidência de muito baixa qualidade).
Anticonvulsivantes em monoterapia
(ECA controlados com placebo)
Foram incluídos 46 ECA. Os estudos incluídos
nesta guideline avaliaram a gabapentina, a pregabalina, lamotrigina, oxcarbazepina, topiramato, carbamazepina e valproato de sódio.
DOR
Gabapentina
20
• Outcomes na dor: os doentes do grupo da
gabapentina mostraram uma probabilidade
significativamente maior de obter uma redução da dor ≥ 50% e uma melhoria global
quando comparados com os doentes do
grupo placebo (evidência de moderada a
alta qualidade). O número de doentes que
reportaram uma redução da dor ≥ 30% não
foi significativamente diferente entre doentes do grupo da gabapentina e os doentes
do grupo placebo (evidência de moderada
qualidade).
• Efeitos Adversos (EA): os doentes do
grupo da gabapentina apresentaram maior
número de abandonos por EA comparativamente ao grupo placebo (evidência de
moderada qualidade) e uma taxa de EA
mais elevada comparativamente ao grupo
placebo (evidência de alta qualidade). Os
EA mais frequentes no grupo de doentes
com gabapentina foram tonturas e sonolência (evidência de moderada qualidade) e
fadiga (evidência de baixa qualidade) comparativamente ao grupo placebo. Não se
encontraram diferenças significativas entre
os dois grupos quanto a alterações da marcha e sedação (evidência de muito baixa
qualidade).
Pregabalina
• Outcomes na dor: os doentes do grupo da
pregabalina mostraram uma probabilidade
significativamente maior de obter uma redução da dor ≥ 30% e uma redução da dor
≥ 50%, assim como melhoria global, quando comparados com os doentes do grupo
placebo (evidência alta qualidade).
• Efeitos Adversos (EA): os doentes do grupo da pregabalina apresentaram maior número de abandonos por EA comparativamente ao grupo placebo (evidência de alta
qualidade), assim como uma taxa de EA
mais elevada (evidência de moderada qualidade). Os EA mais frequentes no grupo de
doentes com pregabalina foram tonturas e
sonolência (evidência de alta qualidade),
aumento ponderal e alterações da marcha
(evidência de baixa qualidade) comparativamente ao grupo placebo. Não se encontraram diferentas significativas entre os dois
grupos quanto a fadiga (evidência de muito
baixa qualidade).
Lamotrigina
• Outcomes na dor: o número de doentes
que reportaram uma redução da dor ≥ 30%
e uma redução da dor ≥ 50% não foi significativamente diferente entre os doentes do
grupo da lamotrigina e os doentes do grupo
placebo (evidência de moderada qualidade). Os doentes do grupo da lamotrigina
mostraram uma melhoria global superior ao
grupo placebo (evidência de moderada
qualidade).
• Efeitos Adversos (EA): os doentes do grupo da lamotrigina apresentaram maior número de abandonos por EA comparativamente ao grupo placebo (evidência de
moderada qualidade), não tendo havido diferenças significativas relativas à taxa de
EA entre os dois grupos (evidência de alta
qualidade). Também não se encontraram
diferenças significativas entre os dois
grupos quanto a tonturas e fadiga (evidência de baixa qualidade) e sedação
(evidência de muito baixa qualidade).
Oxcarbazepina
• Outcomes na dor: os doentes do grupo da
oxcarbazepina mostraram uma probabilidade significativamente maior de obter uma
redução da dor ≥ 30% e uma redução da
dor ≥ 50%, quando comparados com os
doentes do grupo placebo (evidência de
moderada qualidade). O número de doentes que reportaram uma melhoria global não foi significativamente diferente
entre doentes do grupo da oxcarbazepina
e os doentes do grupo placebo (evidência
de moderada qualidade).
CEMBE da FMUL ‐ NOC da Dor Neuropática Localizada
Topiramato
• Outcomes na dor: os doentes do grupo do
topiramato mostraram uma probabilidade significativamente maior de obter uma redução
da dor ≥ 30% e uma redução da dor ≥ 50%,
assim como melhoria global, quando comparados com os doentes do grupo placebo
(evidência de moderada qualidade).
• Efeitos Adversos (EA): os doentes do grupo do topiramato apresentaram maior número de abandonos por EA comparativamente ao grupo placebo (evidência de alta
qualidade). Os EA mais frequentes no grupo de doentes com topiramato foram sonolência (evidência de moderada qualidade),
fadiga e sedação (evidência de baixa qualidade) comparativamente ao grupo placebo.
Não se encontraram diferenças significativas
entre os dois grupos quanto a tonturas (evidência de muito baixa qualidade).
Carbamazepina
• Outcomes na dor: não se encontraram diferenças significativas entre os dois grupos
quanto à melhoria global (evidência de moderada qualidade).
• Efeitos Adversos (EA): os doentes do grupo da carbamazepina apresentaram uma
taxa de EA mais elevada comparativamente
ao grupo placebo (evidência de muito baixa
qualidade).
Valproato de sódio
• Outcomes na dor: não foi encontrado nenhum estudo do valproato de sódio que avaliasse a dor como objectivo primário e que
respeitasse os critérios de inclusão e exclusão definidos.
• Efeitos Adversos (EA): não se encontraram
diferenças significativas entre os dois grupos quanto ao número de abandonos por
EA (evidência de baixa qualidade) e relativas à taxa de EA entre os dois grupos (evidência de alta qualidade).
Analgésicos opióides em monoterapia (ECA
controlados com placebo)
foram incluídos 8 ECA. Os estudos incluídos
nesta guideline avaliaram a morfina, tramadol e
oxicodona.
Os estudos sobre a buprenorfina, fentanil ou
codeína não preencheram os critérios de inclusão definidos.
Morfina
• Outcomes na dor: os doentes do grupo da
morfina mostraram uma probabilidade significativamente maior de obter uma redução
da dor ≥ 30% e uma redução da dor ≥ 50%,
quando comparados com os doentes do
grupo placebo (evidência de moderada
qualidade). O número de doentes que
reportaram uma melhoria global não foi
significativamente diferente entre doentes do grupo da morfina e os doentes do
grupo placebo (evidência de moderada
qualidade).
• Efeitos Adversos (EA): os doentes do grupo da morfina apresentaram maior número
de abandonos por EA comparativamente ao
grupo placebo (evidência de muito baixa
qualidade). Os EA mais frequentes no grupo de doentes com morfina foram a obstipação e a sonolência (evidência de baixa
qualidade). Não se encontraram diferenças
significativas entre os dois grupos quanto a
náuseas e tonturas (evidência de baixa
qualidade).
Tramadol
• Outcomes na dor: os doentes do grupo do
tramadol mostraram uma probabilidade significativamente maior de obter uma redução
da dor ≥ 50%, quando comparados com os
doentes do grupo placebo (evidência de
moderada qualidade).
• Efeitos Adversos (EA): os doentes do grupo do tramadol apresentaram maior número
de abandonos por EA comparativamente ao
grupo placebo (evidência de baixa qualidade). Os EA mais frequentes no grupo de
doentes com tramadol foram a obstipação,
náuseas e tonturas (evidência de baixa
qualidade) e não se encontraram diferenças significativas entre os dois grupos
quanto a sonolência e vómitos (evidência
de muito baixa qualidade).
Oxicodona
• Outcomes na dor: não foi encontrado nenhum estudo da oxicodona que avaliasse a
dor como objectivo primário e que respeitasse os critérios de inclusão e exclusão
definidos.
• Efeitos Adversos (EA): não se encontraram
diferenças significativas entre os dois grupos quanto ao número de abandonos por
EA (evidência de baixa qualidade). Os EA
mais frequentes no grupo de doentes com
oxicodona foram a sonolência, tonturas,
náuseas e vómitos (evidência de muito baixa qualidade).
DOR
• Efeitos Adversos (EA): os doentes do grupo
da oxcarbazepina apresentaram maior número de abandonos por EA, comparativamente
ao grupo placebo (evidência de moderada
qualidade). Os EA mais frequentes no grupo de doentes com oxcarbazepina foram
tonturas e sonolência (evidência de baixa
qualidade). Não se encontraram diferenças
significativas entre os dois grupos quanto a
fadiga (evidência de baixa qualidade).
21
Dor (2011) 19
capsaícina e lidocaína tópicas em monoterapia
(ECA controlados com placebo)
Foram incluídos 14 ECA.
Capsaícina tópica
• Outcomes na dor: o número de doentes
que reportaram uma redução da dor ≥ 40%,
uma redução da dor ≥ 50% e uma melhoria
global não foi significativamente diferente
entre os doentes do grupo da capsaícina
tópica e os doentes do grupo placebo (evidência de moderada qualidade).
• Efeitos Adversos (EA): os doentes do
grupo da capsaícina tópica apresentaram maior número de abandonos por EA
comparativamente ao grupo placebo
(evidência de baixa qualidade), sendo o
EA mais frequente no grupo de doentes
com capsaícina tópica a sensação de queimadura (evidência de alta qualidade). Não
se encontraram diferenças significativas entre os dois grupos quanto a sinais de irritação cutânea (evidência de muito baixa qualidade).
Lidocaína tópica
• Outcomes na dor: nenhum estudo com lidocaína tópica avaliou a dor como objectivo
primário.
• Efeitos Adversos (EA): não se encontraram
diferenças significativas entre os dois grupos quanto ao número de abandonos por
EA (evidência de baixa qualidade), assim
como quanto a sinais de irritação e prurido
cutâneos (evidência de muito baixa qualidade).
Estudos head‐to‐head e estudos de terapêutica
combinada
Foram incluídos 13 estudos: 10 estudos head‐to‐head e 3 estudos de terapêutica combinada.
DOR
Amitriptilina versus gabapentina
22
• Outcomes na dor: os doentes do grupo da
amitriptilina mostraram uma probabilidade
significativamente maior de obter uma redução da dor ≥ 30%, quando comparados
com os doentes do grupo da gabapentina
(evidência moderada qualidade). O número
de doentes que reportaram uma melhoria
global não foi significativamente diferente
entre os doentes do grupo da amitriptilina e
os doentes do grupo da gabapentina (evidência de moderada qualidade).
• Efeitos Adversos (EA): não se encontraram
diferenças significativas entre os dois grupos quanto ao número de abandonos por EA
(evidência de baixa qualidade), quanto a xerostomia, tonturas, visão turva, sedação,
cansaço e aumento ponderal (evidência de
muito baixa qualidade), assim como à taxa
de EA entre os dois grupos (evidência de
muito baixa qualidade).
Nortriptilina versus gabapentina
• Outcomes na dor: o número de doentes
que reportaram uma redução da dor ≥ 50%
não foi significativamente diferente entre os
doentes do grupo da nortriptilina e os doentes do grupo da gabapentina (evidência
de moderada qualidade).
• Efeitos Adversos (EA): não se encontraram
diferenças significativas entre os dois grupos quanto a sonolência, xerostomia e fadiga (evidência de muito baixa qualidade).
Amitriptilina versus carbamazepina
• Outcomes na dor: o número de doentes
que reportaram uma melhoria global não foi
significativamente diferente entre os doentes do grupo da amitriptilina e os doentes
do grupo da carbamazepina (evidência de
moderada qualidade).
• Efeitos Adversos (EA): não houve diferenças significativas quanto à taxa de EA entre
os dois grupos (evidência de muito baixa
qualidade).
Pregabalina versus oxicodona
• Outcomes na dor: não foi encontrado nenhum estudo da pregabalina versus oxicodona que avaliasse a dor como objectivo
primário e que respeitasse os critérios de
inclusão e exclusão definidos.
• Efeitos Adversos (EA): não se encontraram diferenças significativas entre os
dois grupos quanto ao número de abandonos por EA (evidência de muito baixa qualidade).
Pregabalina versus lidocaína tópica
• Outcomes na dor: o número de doentes
que reportaram uma redução da dor ≥ 30%,
uma redução da dor ≥ 50% e uma melhoria
global não foi significativamente diferente
entre os doentes do grupo da pregabalina
e os doentes do grupo da lidocaína tópica
(evidência de muito baixa qualidade).
• Efeitos Adversos (EA): os doentes do grupo da pregabalina apresentaram maior número de abandonos por EA (evidência de
muito baixa qualidade) e apresentaram uma
taxa de EA mais elevada comparativamente
ao grupo da lidocaína tópica (evidência de
muito baixa qualidade).
Amitriptilina versus capsaícina tópica
• Outcomes na dor: não foi encontrado nenhum
estudo da amitriptilina versus capsaícina
CEMBE da FMUL ‐ NOC da Dor Neuropática Localizada
Imipramina versus venlafaxina
• Outcomes na dor: o número de doentes
que reportaram uma melhoria global não foi
significativamente diferente entre os doentes do grupo da imipramina e os doentes
do grupo da venlafaxina (evidência de moderada qualidade).
• Efeitos Adversos (EA): não se encontraram
diferenças significativas entre os dois grupos quanto a tonturas, xerostomia e visão
turva (evidência de muito baixa qualidade).
Amitriptilina versus nortriptilina
• Outcomes na dor: não foi encontrado nenhum estudo da amitriptilina versus nortriptilina que avaliasse a dor como objectivo
primário e que respeitasse os critérios de
inclusão e exclusão definidos.
• Efeitos Adversos (EA): não se encontraram diferenças significativas entre os dois
grupos quanto a tonturas, xerostomia e
sonolência (evidência de muito baixa qualidade).
Pregabalina + oxicodona versus pregabalina
• Outcomes na dor: não foi encontrado nenhum estudo da pregabalina + oxicodona
versus pregabalina que avaliasse a dor
como objectivo primário e que respeitasse os critérios de inclusão e exclusão definidos.
• Efeitos Adversos (EA): não se encontraram diferenças significativas entre os
dois grupos quanto ao número de abandonos por EA (evidência de muito baixa
qualidade).
Gabapentina + oxicodona versus gabapentina
• Outcomes na dor: não foi encontrado nenhum estudo da gabapentina + oxicodona
versus gabapentina que avaliasse a dor
como objectivo primário e que respeitasse
os critérios de inclusão e exclusão definidos.
• Efeitos Adversos (EA): os doentes do grupo da gabapentina + oxicodona apresentaram maior número de abandonos por EA
comparativamente ao grupo da gabapentina (evidência de muito baixa qualidade). Os
EA mais frequentes no grupo de doentes
com gabapentina + oxicodona foram a obstipação, náuseas, fadiga, tonturas, sonolência comparativamente ao grupo da gabapentina (evidência de muito baixa qualidade).
Não se encontraram diferenças significativas entre os dois grupos quanto ao número
de episódios de vómitos (evidência de muito baixa qualidade).
Pregabalina + oxicodona versus oxicodona
• Outcomes na dor: não foi encontrado nenhum estudo da pregabalina+oxicodona
versus oxicodona que avaliasse a dor como
objectivo primário e que respeitasse os critérios de inclusão e exclusão definidos.
• Efeitos Adversos (EA): não se encontraram
diferenças significativas entre os dois grupos quanto ao número de abandonos por
EA (evidência de muito baixa qualidade).
Recomendações principais
Aspectos básicos do tratamento
Deve ser considerada a referenciação a um
serviço de dor ou de outra especialidade médica (endocrinologia, neurologia, oncologia, medicina paliativa, p.e.) se:
• dor grave de difícil controlo apesar da terapêutica optimizada e/ou
• limitação significativa das actividades de
vida diárias e/ou
• deterioração do estado geral e/ou
• progressão significativa da doença de base
existente.
Deve manter‐se o tratamento nos doentes cuja
dor neuropática está controlada.
Deve ser privilegiada a comunicação entre
doente e profissional de saúde, permitindo a
discussão das preocupações e expectativas
face ao tratamento, no que diz respeito a:
• motivo para a escolha de um tratamento
farmacológico específico
• balanço risco/benefício de cada terapêutica
e seus EA
• tratamentos não-farmacológicos disponíveis.
O tratamento da dor neuropática deve ser feito de forma multidisciplinar, com um plano de
cuidados partilhado e uma gestão cuidadosa
dos EA.
A selecção do tratamento farmacológico deve
ter em conta:
• co-morbilidades do doente
• vulnerabilidade individual conhecida (EA,
p.e.)
• perfil de segurança e contra-indicações
• preferência do doente
• factores de risco e estilos de vida
• patologia psiquiátrica (depressão e/ou ansiedade, p.e.)
• medicação prévia e actual
DOR
tópica que avaliasse a dor como objectivo
primário e que respeitasse os critérios de
inclusão e exclusão definidos.
• Efeitos Adversos (EA): os doentes do grupo da amitriptilina registaram maior sedação comparativamente ao grupo da capsaícina tópica (evidência de muito baixa
qualidade), assim como maior número de
episódios de sensação de queimadura (evidência de muito baixa qualidade).
23
Dor (2011) 19
Deve ser explicado o processo de titulação de
dose e a sua importância, fornecendo informação escrita, se possível.
A mudança ou descontinuação de um medicamento deve realizar‐se de forma gradual, monitorizando sintomas de abstinência.
A introdução de um novo medicamento deve
sobrepôr‐se temporariamente ao tratamento
anterior de forma a manter o controlo analgésico.
Após início ou mudança de um medicamento,
deve realizar‐se uma reavaliação clínica para
titulação da dose e para avaliar a adequação do
tratamento escolhido no que diz respeito a tolerabilidade e EA.
Devem realizar‐se avaliações clínicas periódicas para avaliar e monitorizar a eficácia analgésica. Cada avaliação deve incluir:
• grau de analgesia
• efeitos adversos
• actividades de vida diárias (actividade laboral e social, p.e.)
• estado de humor (depressão e/ou ansiedade, p.e.)
• qualidade do sono
• estado geral relatado pelo doente
DOR
Primeira opção terapêutica para a dor neuropática
localizada
24
A LT5% deve ser oferecida como primeira opção terapêutica aos doentes com dor neuropática localizada.
• LT5%: a área dolorosa deverá ser coberta
com o sistema cutâneo até um máximo de
12 horas num período de 24 horas (1 x dia).
Só deverá ser utilizado o número de sistemas necessários para um tratamento eficaz,
não ultrapassando um total de 3 sistemas
em simultâneo. Quando necessário, o sistema cutâneo pode ser cortado em porções
mais pequenas antes da remoção do revestimento protector, de modo a abranger áreas dolorosas mais pequenas.
A amitriptilina ou a pregabalina (ambas por via
oral) estão indicadas para o tratamento da dor
neuropática (ver medicamento recomendado
para doentes com neuropatia diabética).
• amitriptilina: iniciar com 10 mg/dia, com aumento gradual para uma dose eficaz ou
para uma dose máxima tolerável, com limite máximo de 75 mg/dia
• pregabalina: iniciar com 150 mg/dia (dividida em duas tomas), com aumento gradual
até à dose eficaz ou para uma dose máxima
tolerável, com limite máximo de 600 mg/dia
(dividida em duas tomas)
Para doentes com neuropatia diabética, a duloxetina por via oral está indicada como primeira opção terapêutica.
• se a duloxetina é contra-indicada, deve
iniciar-se amitriptilina por via oral (descrita
anteriormente)
• duloxetina: iniciar com 60 mg/dia (uma dose
inicial menor pode ser apropriada para alguns doentes), com aumento gradual até
uma dose eficaz ou uma dose máxima tolerável, com limite máximo de 120 mg/dia
Reavaliação clínica
Se a melhoria clínica é satisfatória, deve continuar‐se o tratamento e considerar a redução
gradual do medicamento.
Se a analgesia é insatisfatória ou existem EA
com a amitriptilina, deve considerar‐se a imipramina ou a nortriptilina (ambas por via oral) como
medicamentos alternativos.
Segunda opção terapêutica para a dor
neuropática localizada
Se a analgesia é insatisfatória com os medicamentos de primeira opção terapêutica em dose
máxima tolerável deve oferecer‐se tratamento
com uma nova classe farmacológica isolada ou
em associação, após informação ao doente.
• Se tratamento inicial com amitriptilina (imipramina ou nortriptilina), deve associar‐se
pregabalina oral ou mudar para pregabalina
oral isolada
• Se tratamento inicial com pregabalina, deve
associar-se amitriptilina oral (nortriptilina ou
imipramina) ou mudar para amitriptilina oral
isolada (nortriptilina ou imipramina)
Para os doentes com neuropatia diabética:
• Se tratamento inicial com duloxetina, mudar
para amitriptilina ou pregabalina, ou associar com pregabalina
• Se tratamento inicial com amitriptilina, mudar ou associar com pregabalina
Terceira opção terapêutica para a dor neuropática
localizada
Se analgesia insatisfatória com os medicamentos de segunda opção terapêutica em dose
máxima tolerável:
• Considerar tramadol em associação com os
medicamentos da segunda opção terapêutica. A combinação de tramadol com amitriptilina, nortriptilina, imipramina ou duloxetina está associada a um baixo risco de
síndroma serotoninérgico (cujas características incluem confusão, delirium, tremor,
sudorese, alterações da pressão arterial e
mioclonias)
• tramadol: iniciar com 25 a 50 mg de libertação rápida a cada 4 a 6 horas, com aumento gradual para uma dose eficaz ou
para uma dose máxima tolerável, com limite máximo de 400 mg/dia. A dose de resgate (SOS) deverá ser prescrita em formulação de libertação rápida de 25 a 50 mg,
com intervalo mínimo de 1 hora
• deve ser feita reavaliação após 24 a 48
horas do início da terapêutica; a dose total
CEMBE da FMUL ‐ NOC da Dor Neuropática Localizada
Algoritmo clínico
Análise de custos
Não foi efectuada nenhuma análise de custos
dos diversos tratamentos possíveis para a dor
neuropática localizada.
Reservas qualitativas
A evidência sobre a qual se apoia esta NOC
é de qualidade moderada a boa.
Benefícios potenciais gerais e de subgrupos
Para a população com dor neuropática localizada, os benefícios que podem advir da
aplicação com sucesso das recomendações
desta NOC incidem sobre o seu controlo sintomático.
Riscos potenciais e em subgrupos
Não existem riscos potenciais significativos
para nenhum grupo de doentes com dor neuropática localizada com o uso das medidas apresentadas.
Disponibilidade
O texto desta NOC será disponibilizado nos
seguintes meios:
• Impressão sob a forma de livro/manual
• Disponível on‐line no site oficial do CEMBE
• Sob a forma de CD-ROM em Português
Estratégia de implementação
Nesta NOC não está descrita, ou recomendada, nenhuma estratégia de implementação específica.
Os utilizadores deste documento são os agentes que naturalmente implementarão as respectivas recomendações. No entanto, nos anexos
desta NOC está descrito o Instrumento GLIA
(Guideline Implementability Appraisal), que pode
servir de base a esquemas de implementação
na prática.
Independência editorial
Esta NOC é propriedade intelectual dos autores, que declaram não possuir conflitos de interesse entre o seu papel aqui explicitado e a relação com o patrocinador, governo, companhias
de seguros, sociedades científicas e profissionais, associações de doentes, ou qualquer outra
entidade.
Os pontos de vista expressos e as recomendações finais são da exclusiva responsabilidade
do CEMBE, não tendo em nada sido influenciados por qualquer instituição ou indivíduos externos aos autores.
Recursos de doentes
Não estão disponibilizados quaisquer recursos especificamente destinados aos doentes
com dor neuropática localizada.
Data de publicação
Finalizada, revista e publicada em Dezembro
de 2010.
Revisões
Esta NOC será revista, no todo ou em parte,
no ano de 2015.
DOR
diária (dose pautada + dose de resgate)
deve ser aumentada em 25 a 50% se o
doente necessita de mais de duas a três
doses de resgate/dia. Se o tramadol é utilizado em combinação, a titulação deve ser
mais cautelosa
Se a analgesia é insatisfatória com o tramadol
deve ser oferecida a buprenorfina transdérmica
em associação com os medicamentos da segunda opção terapêutica:
• buprenorfina transdérmica: iniciar com
35mg/h, com mudança de penso transdérmico a cada 96 horas. Se necessário aumentar a dose anterior, até analgesia satisfatória e ausência de EA
Se a analgesia é insatisfatória com a buprenorfina deve ser oferecida a morfina oral em
associação com os medicamentos da segunda
opção terapêutica:
• morfina oral: para doentes virgens em opióides, idosos, insuficientes renais ou emagrecidos: iniciar com 5 mg de morfina oral
de libertação rápida a cada 4 horas e dose
de resgate de 5 mg, com intervalo mínimo
de 1 hora
• Para doentes com tratamento opióide anterior, função renal normal, não emagrecidos:
iniciar com 10 mg de morfina oral de libertação rápida a cada 4 horas e dose de
resgate de 10 mg, com intervalo mínimo de
1 hora
Deve ser feita reavaliação após 24 horas, contabilizando a dose total diária e monitorizando
os efeitos adversos, nomeadamente vómitos e
obstipação.
• Se dor controlada: calcular a dose total diária e prescrever metade desta como morfina de libertação prolongada a cada 12
horas. A dose de resgate deve ser 1/6 da
dose total diária com morfina de libertação
rápida
• Se dor não controlada: aumentar 25 a 50%
da dose total diária a cada 24 horas
Se a analgesia é insatisfatória com a morfina
deve ser oferecido o fentanil transdérmico em
associação com os medicamentos da segunda
opção terapêutica:
• fentanil transdérmico: iniciar com 12,5 µg/h,
com mudança de penso transdérmico a
cada 72 horas. Se necessário aumentar a
dose anterior, até analgesia satisfatória e
ausência de EA
25
Dor (2011) 19
Algoritmo clínico.
Quadro XIII. Avaliação clínica do doente com dor neuropática localizada
DOR
A avaliação clínica deve ser regular de forma a monitorizar a eficácia do tratamento
26
A avaliação clínica deve incluir:
• Evolução da dor (↑, ↔, ↓)
• Efeitos adversos
• Capacidade de executar actividades de vida diárias
• Impacto social (família, trabalho)
CEMBE da FMUL ‐ NOC da Dor Neuropática Localizada
Quadro XIV. Medicamentos usados no tratamento da dor neuropática localizada
• Iniciar com dose baixa
• Titular até dose tolerada pelo doente, não excedendo a dose máxima indicada
Medicamento
Dose inicial
Dose máxima
Amitriptilina
10 mg/dia, ao deitar
75‐150 mg/dia*
Nortriptilina
10‐25 mg/dia, ao deitar
150 mg/dia
Imipramina
50‐150 mg/dia (em tomas separadas)
150 mg/dia
Duloxetina
60 mg/dia
120 mg/dia
Gabapentina
300‐600 mg/dia (2‐3 tomas/dia)
1200‐2400 mg/dia (2‐3 tomas/dia)
Pregabalina
150 mg/dia** (75 mg, 2 x dia)
600 mg/dia (2 tomas/dia)
Tramadol***
25‐50 mg, cada 4‐6 horas
400 mg/dia
Morfina
5‐10 mg, cada 4‐6 horas
–
Buprenorfina patch
35 mg/h Mudar a cada 4 dias
–
Fentanil patch
12.5 mg/h Mudar a cada 3 dias
–
Lidocaína tópica
1 a 3 sistemas cutâneos
Retirar após 12 horas de aplicação
1 a 3 sistemas cutâneos, até ao máximo de
12 horas num período de 24 horas
*Doses mais elevadas devem ser manuseadas em Unidade de Dor
**Dose mais baixa pode ser apropriada para alguns doentes
***Como monoterapia
(Figuras 2, 3, 4 e 5).
O instrumento agree II
Introdução
Objectivo do instrumento agree
As NOC são afirmações desenvolvidas de forma sistemática para auxiliar as decisões do clínico e do doente acerca dos cuidados de saúde mais apropriados em circunstâncias clínicas
específicas1. Além disso, as NOC desempenham um papel importante na formação de políticas de saúde2,3 e evoluíram para abranger
tópicos em todo o processo de cuidados de
saúde (por exemplo, promoção de saúde, rastreio, diagnóstico).
A qualidade das NOC é determinante para o
seu potencial benefício. Metodologias apropriadas e estratégias rigorosas no processo de desenvolvimento de NOC são importantes para o
sucesso da implementação das recomendações4‐6. A qualidade das NOC pode ser extremamente variável e algumas frequentemente
não alcançam os padrões básicos7‐9.
O Instrumento AGREE10 (Appraisal of Guidelines for Research & Evaluation: Apreciação de
Normas de Orientação Clínica para Pesquisa e
Avaliação) foi desenvolvido para abordar a variabilidade da qualidade de uma NOC. Para
esse fim, o instrumento AGREE é uma ferramenta que avalia o rigor metodológico e transparência
com que uma NOC é desenvolvida. O instrumento AGREE original foi revisto e melhorado, o que
resultou no novo AGREE II, que inclui um novo
Manual do Utilizador11.
O objectivo do AGREE II é fornecer uma estrutura para:
• avaliar a qualidade da NOC;
• fornecer uma estratégia metodológica para
o desenvolvimento de uma NOC; e
• informar quais e como as informações devem ser relatadas nas NOC.
O AGREE II substitui o instrumento original
como ferramenta preferencial e pode ser utilizado como parte de um protocolo de qualidade
global com o propósito de melhorar os cuidados
de saúde.
História do projecto AGREE
O instrumento original AGREE foi publicado
em 2003 por um grupo internacional de peritos em NOC, o AGREE Collaboration10. O objectivo do grupo foi desenvolver uma ferramenta para avaliar a qualidade das NOC. O
AGREE Collaboration definiu como qualidade
de uma NOC a confiança de que os potenciais
vieses de desenvolvimento da NOC foram
abordados de forma adequada, que as recomendações apresentam validade interna e externa e que são fiáveis10. A avaliação inclui a
análise sobre o método utilizado para elaborar
as NOC, o conteúdo das recomendações finais
e os factores que estão ligados à sua aplicação.
DOR
Anexos
27
DOR
Dor (2011) 19
28
Figura 2. Questionário painDETECT
CEMBE da FMUL ‐ NOC da Dor Neuropática Localizada
Figura 3. Exemplos de escalas de avaliação da dor.
Figura 4. Questionário específico para diagnóstico de
dor neuropática – DN4.
O resultado do esforço do AGREE Collaboration
foi o Instrumento AGREE original, uma ferramenta de 23 itens, abrangendo seis domínios
de qualidade. O Instrumento AGREE foi traduzido em diversas línguas, citado em mais de
100 publicações e aprovado por várias organizações de cuidados de saúde. Mais detalhes sobre
o instrumento original e sobre as publicações
relacionadas estão disponíveis no endereço electrónico do AGREE Research Trust (http://www.
agreetrust.org/), o organismo oficial de gestão
dos interesses do Instrumento AGREE.
Como acontece com qualquer nova ferramenta de avaliação, sabia‐se que um desenvolvimento contínuo seria necessário para reforçar as
propriedades de medição do instrumento e para
assegurar a sua aplicabilidade e viabilidade entre os diferentes utilizadores. Isso levou vários
membros da equipa original a formar o AGREE
Next Steps Consortium. Os objectivos deste
consórcio consistiam em melhorar as propriedades de medição do instrumento, incluindo a sua
fiabilidade e validade, refinando os itens do instrumento para melhor atender às necessidades
dos utilizadores e melhorar a documentação de
DOR
Figura 5. Diagrama corporal para determinação da
localização da dor.
29
Dor (2011) 19
Item do AGREE original
Item do AGREE II
Domínio 1. Objectivo e finalidade
1. O(s) objectivo(s) geral(is) da NOC encontra(m)‐se
especificamente descrito(s).
Nenhuma alteração.
2. A(s) questão(ões) clínica(s) abrangida(s) pela NOC
encontra(m)‐se especificamente descrita(s).
A(s) questão(ões) de saúde abrangida(s) pela NOC
encontra(m)‐se especificamente descrita(s).
3. Os doentes a quem a NOC se destina estão
especificamente descritos.
A população (doentes, público, etc.) a quem a NOC se
destina encontra‐se especificamente descrita
Domínio 2. Envolvimento das partes interessadas
4. A equipa de desenvolvimento da NOC inclui indivíduos
de todos os grupos profissionais relevantes.
Nenhuma alteração.
5. Procurou‐se conhecer os pontos de vista e
preferências dos doentes.
Procurou‐se conhecer as opiniões e preferências da
população‐alvo (doentes, público, etc.)
6. Os utilizadores‐alvo da NOC estão claramente definidos.
Nenhuma alteração.
7. Fez‐se um teste piloto da NOC entre os utilizadores
finais.
Item excluído. Incorporado na descrição do guia do
usuário no item 19.
Domínio 3. Rigor de desenvolvimento
8. Foram utilizados métodos sistematizados para a
pesquisa de evidência.
Nenhuma alteração no item. Renumerado para o item 7.
9. Os critérios de selecção de evidência estão
claramente descritos.
Nenhuma alteração no item. Renumerado para o item 8.
NOVO Item 9. Os pontos fortes e limitações do conjunto
de evidências estão claramente descritos.
10. Os métodos para a formulação das recomendações
estão claramente descritos.
Nenhuma alteração.
11. Na formulação das recomendações foram considerados
os benefícios, efeitos adversos e riscos para a saúde.
Nenhuma alteração.
12. Existe uma ligação explícita entre as recomendações e
a evidência que as suporta.
Nenhuma alteração.
13. A NOC foi revista externamente por peritos antes da
sua publicação.
Nenhuma alteração.
14. O procedimento para actualização da NOC está
disponível.
Nenhuma alteração.
Domínio 4. Clareza da apresentação
15. As recomendações são específicas e sem
ambiguidade.
Nenhuma alteração.
16. As diferentes opções de abordagem do problema de
saúde estão claramente apresentadas.
As diferentes opções de abordagem do problema de
saúde estão claramente apresentadas.
17. As principais recomendações são facilmente
identificadas.
Nenhuma alteração.
Domínio 5. Aplicabilidade
18. A NOC é apoiada com ferramentas para a sua
aplicação.
A NOC fornece aconselhamento e/ou ferramentas sobre
como as recomendações podem ser implementadas na
prática. Mudança de domínio (de Clareza da
Apresentação) ‐ renumerado para o item 19.
19. Foram discutidas as possíveis barreiras
organizacionais à aplicação das recomendações.
A NOC descreve os facilitadores e as barreiras para a sua
aplicação. Mudança na ordem – renumerado para o item
18.
20. As potenciais implicações de custo da aplicação das
recomendações têm sido consideradas.
Foram consideradas as potenciais implicações quanto aos
recursos decorrentes da utilização das recomendações.
21. A NOC apresenta critérios‐chave de revisão com fim à
monitorização e/ou auditoria.
A NOC apresenta critérios para a sua monitorização e/ou
auditoria.
DOR
Domínio 6. Independência editorial
30
22. A NOC encontra‐se editorialmente independente do
órgão financiador.
O parecer do órgão financiador não exerce influência
sobre o conteúdo da NOC.
23. Foram registados conflitos de interesse entre os
membros da equipa que desenvolveram a NOC.
Foram registados e abordados os conflitos de interesse
dos membros da equipa que desenvolveram a NOC.
CEMBE da FMUL ‐ NOC da Dor Neuropática Localizada
Aplicação do AGREE II
Quais as NOC que podem ser avaliadas com o
Instrumento AGREE II?
Assim como ocorre com o instrumento original, o AGREE II foi delineado para avaliar NOC
desenvolvidas por grupos locais, regionais, nacionais ou internacionais, ou por organizações
governamentais afiliadas. Estas incluem as versões originais e actualizações de NOC já existentes.
O Instrumento AGREE II é genérico e pode ser
aplicado a NOC relacionadas a qualquer doença, qualquer nível de cuidados de saúde incluindo aspectos relacionados à promoção da saúde,
saúde pública, rastreio, diagnóstico, tratamento
ou intervenções. Ele é adequado para NOC
apresentadas tanto em formato de papel ou
electrónico. No presente, o AGREE II não está
delineado para avaliar a qualidade dos documentos de orientação que abordam as questões
organizacionais dos cuidados de saúde. O seu
papel na avaliação da intervenção da tecnologia
em saúde ainda não está formalmente determinado.
Referências
1. Woolf SH, Grol R, Hutchinson A, Eccles M, Grimshaw J. Clinical
guidelines: potential benefits, limitations, and harms of clinical
guidelines. BMJ.1999;318(7182):527-530.
2. Committee to Advise the Public Health Service on Clinical Practice
Guidelines IoM. Clinical practice guidelines: directions for a new
program. Washington: National Academy Press; 1990.
3. Browman GP, Snider A, Ellis P. Negotiating for change. The healthcare manager as catalyst for evidence-based practice: changing
the healthcare environment and sharing experience. Healthc Pap.
2003;3(3):10-22.
4. Grol R. Success and failures in the implementation of evidencebased guidelines for clinical practice. Med Care. 2001;39(8 Suppl
2):1146-54.
5. Davis DA, Taylor-Vaisey A. Translating guidelines into practice: a
systematic review of theoretic concepts, practice experience and
research evidence in the adoption of clinical practice guidelines.
CMAJ. 1997;157(4):408-16.
6. Grimshaw J,.Russell I. Effect of clinical guidelines on medical practice: a systematic review of rigorous evaluations. Lancet. 1993;342:
1317-22.
7. Shaneyfelt TM, Mayo-Smith MF Rothwangl J. Are guidelines following guidelines? The methodological quality of clinical practice
guidelines in the peer-reviewed medical literature. JAMA 1999:
281(20):1900-5.
8. Grilli R, Magrini N, Penna A, Mura G, Liberati A. Practice guidelines
developed by specialty societies: the need for critical appraisal.
Lancet. 2000;355:103-6.
9. Burgers JS, Fervers B, Haugh M, Brouwers M, Browman G, Phillip
T, Cluzeau FA. International assessment of the quality of clinical
practice guidelines in oncology using the Appraisal of Guidelines
and Research and Evaluation Instrument. J Clin Oncol. 2004;
22:2000-7.
10. AGREE Collaboration. Development and validation of an international appraisal instrument for assessing the quality of clinical practice guidelines: the AGREE project. Qual Saf Health Care. 2003
Feb;12(1):18-23.
11. AGREE II: Advancing the guideline development, reporting and
evaluation in healthcare. Parallel publications in progress.
AGREE II: Manual Do Utilizador
Este manual foi delineado especificamente
para orientar os utilizadores deste instrumento.
Sugerimos a leitura das instruções seguintes antes da utilização deste instrumento.
Quem pode utilizar o AGREE II?
I. Preparação para usar o AGREE II
Documentos de apoio
O AGREE destina‐se ao uso dos seguintes
grupos:
• prestadores de cuidados de saúde que desejem realizar a sua própria avaliação de
uma NOC antes de adoptar as recomendações na sua prática clínica
• criadores de NOC para obtenção de uma
metodologia de desenvolvimento estruturada e rigorosa, com uma avaliação interna
que garanta a solidez das recomendações,
permitindo a avaliação de NOC de outros
grupos com vista a uma potencial adaptação ao seu próprio contexto clínico
• gestores de políticas de saúde para ajudálos a decidir quais as NOC que poderiam
ser utilizadas, ou para informar as decisões
em políticas de saúde
• educadores para ajudar a aperfeiçoar as
capacidades de avaliação crítica entre profissionais de saúde e para ensinar as competências essenciais no desenvolvimento e
registo das NOC.
Antes de aplicar o AGREE II, os utilizadores
devem ler primeiro atentamente o documento
de orientação na sua totalidade. Além do documento de orientação, os utilizadores devem
tentar identificar todas as informações sobre
o processo de desenvolvimento da NOC antes
de avaliá‐la. Estas informações podem estar
contidas no mesmo documento das próprias
recomendações ou estarem resumidas num
relatório técnico, manual metodológico ou documento com a declaração da política de desenvolvimento de NOC. Esses documentos de
suporte podem estar publicados ou disponíveis publicamente em diversos endereços
electrónicos. Embora seja de responsabilidade dos autores da NOC aconselharem os leitores sobre a existência e localização de documentos adicionais técnicos e de apoio,
todos os esforços devem ser feitos pelos utilizadores do AGREE II para localizá‐los e incluí‐los como parte dos materiais adequados
para avaliação.
DOR
apoio (ou seja, o original manual de treino e o
guia do utilizador) para facilitar a capacidade dos
utilizadores na implementação do instrumento.
O resultado destes esforços é o AGREE II, que
é composto pelo novo Guia do Utilizador e a
ferramenta de 23 itens organizada nos mesmos
seis domínios, aqui descritos. O guia do utilizador representa uma modificação significativa do
manual de treino original e do guia do utilizador
e fornece informações explícitas para cada um
dos 23 itens. A tabela seguinte compara os itens
do AGREE original com os itens do AGREE II.
31
Dor (2011) 19
Número
de avaliadores
Recomenda‐se que cada NOC seja avaliada
pelo menos por dois, e preferencialmente, por
quatro avaliadores, de forma a aumentar a fiabilidade da avaliação. Testes de fiabilidade do
instrumento estão em desenvolvimento.
II. Estrutura e conteúdo do AGREE II
O AGREE II é composto por 23 itens‐chave
organizados em 6 domínios seguido por dois
itens de classificação global (“avaliação global”). Cada domínio capta uma única dimensão
de qualidade da NOC.
Domínio 1. Objectivo e finalidade diz respeito
ao objectivo geral da NOC, às questões específicas de saúde e à população‐alvo (itens 1‐3).
Domínio 2. Envolvimento das partes interes­
sadas focaliza em que medida a NOC foi desenvolvida pelas partes interessadas adequadas e
representa a visão dos utilizadores (itens 4‐6).
Domínio 3. Rigor de desenvolvimento diz
respeito ao processo usado para recolher e sintetizar a evidência científica, os métodos para a
formulação das recomendações e a respectiva
atualização das mesmas (itens 7‐14).
Domínio 4. Clareza da apresentação diz respeito à linguagem, estrutura e formato da NOC
(itens 15‐17).
Domínio 5. Aplicabilidade diz respeito às
possíveis barreiras e factores facilitadores à implementação da NOC, assim como às estratégias para melhorar a compreensão e as implicações quanto a recursos na aplicação das
recomendações (itens 18‐21).
Domínio 6. Independência editorial diz respeito à formulação das recomendações de modo
a não apresentarem viéses decorrentes de conflito de interesses (itens 22‐23).
A avaliação global inclui a classificação da
qualidade geral da NOC e se a mesma pode ser
recomendada para o uso na prática.
III. Escala de classificação e secções do manual
do utilizador
Cada um dos itens do AGREE II e os dois itens
de avaliação global, são classificados numa escala de 7 pontos (de 1 ‐ discordo totalmente a
7 ‐ concordo totalmente).
O Manual do Utilizador fornece orientações
sobre como responder a cada item através da
escala de classificação e também inclui três
secções adicionais para facilitar a avaliação do
utilizador. As secções incluem Descrição do Manual do Utilizador, Onde encontrar e Como
classificar.
DOR
Escala
32
de classificação
Todos os itens do AGREE II são classificados
na seguinte escala de 7 pontos:
1 Discordo totalmente 2 3 4 5 6
7 Concordo totalmente
Pontuação 1 (discordo totalmente). A pontuação
1 deve ser dada quando não há qualquer informação que seja relevante para o item do AGREE II
ou se o conceito é fracamente relatado.
Pontuação 7 (concordo totalmente). A pontuação 7 deve ser dada quando a qualidade da
informação é excelente e quando todos os critérios e considerações do Manual do Utilizador
estão preenchidos.
Pontuações entre 2 e 6. Uma pontuação entre
2 e 6 deve ser atribuída quando a informação
referente ao item do AGREE II não preenche
todos os critérios ou considerações.
A pontuação deve ser atribuída em função da
qualidade da resposta. A pontuação deve aumentar à medida que mais critérios são preenchidos.
Na secção Como classificar de cada item serão
incluídos detalhes sobre os critérios e considerações para avaliação específica daquele item.
Descrição
do manual do utilizador
Esta secção define o conceito subjacente ao
item em termos gerais e fornece exemplos.
Onde
encontrar
Esta secção guia o utilizador para os locais
onde a informação da NOC pode ser geralmente encontrada. Incluem‐se nesta secção os termos comuns usados para classificar as secções
ou os capítulos da NOC.
Estas são apenas sugestões. É da responsabilidade do autor da NOC rever toda a NOC e
documento(s) de apoio para garantir uma avaliação precisa.
Como
classificar
Esta secção inclui detalhes sobre os critérios
de avaliação e considerações específicas para
cada item.
• Os critérios identificam elementos explícitos
que reflectem a definição operacional do
item. Quanto mais critérios forem preenchidos, maior pontuação a NOC deve receber
o item
• As considerações têm o objectivo de oferecer apoios para a avaliação. Como em qualquer avaliação, são requeridos comentários
por parte dos autores. Quanto mais considerações estiverem presentes, maior pontuação a NOC deve receber o item
É importante notar que as notas para as NOC
exigem um nível de julgamento. Os critérios e
considerações estão presentes para orientar, não
para substituir tais julgamentos. Assim, nenhum
dos itens do AGREE II oferece expectativas explícitas para cada um dos 7 pontos da escala.
Outras
considerações sobre quando aplicar o
instrumento
AGREE II
Podem existir casos em que alguns itens do
AGREE II podem não ser aplicáveis à NOC em
CEMBE da FMUL ‐ NOC da Dor Neuropática Localizada
Exemplo
Item 1
Item 2
Item 3
Total
Avaliador 1
5
6
6
17
Avaliador 2
6
6
7
19
Avaliador 3
2
4
3
9
Avaliador 4
3
3
2
8
16
19
18
53
Total
Pontuação máxima = 7 (concordo totalmente) x 3 (itens) x 4 (avaliadores) = 84
Pontuação mínima = 1 (discordo totalmente) x 3 (itens) x 4 (avaliadores) = 12
O cálculo da percentagem total no domínio será:
Pontuação obtida – Pontuação mínima
Pontuação máxima – Pontuação mínima
[(53–12) / (84‐12)] x 100 = (41/72) x 100 = 0,5694 x 100 = 57%
Se itens não foram incluídos, serão necessárias modificações para os cálculos das pontuações máximas e mínimas possíveis.
análise. Por exemplo, NOC que possuam um
objectivo muito restrito podem não oferecer toda
a gama de opções de abordagem (ver item 16).
O AGREE II não inclui a resposta “não se aplica”
na sua escala. Há diferentes estratégias para
ultrapassar esta situação, incluindo a possibilidade dos autores excluírem o item no processo
de avaliação ou classificarem como 1 (ausência
de informação), fornecendo um contexto sobre
a pontuação.
Independentemente da estratégia escolhida,
as decisões devem ser tomadas com antecedência, descritas de forma explícita e, se os
itens são excluídos, devem ser implementadas
modificações necessárias para o cálculo das
pontuações daquele domínio. Por princípio, não
se recomenda a exclusão de itens durante o
processo de avaliação.
Ao completar os 23 itens, os utilizadores devem realizar duas avaliações gerais. A avaliação
global requer que o utilizador faça um julgamento sobre a qualidade da NOC tendo em conta
os critérios considerados no processo de avaliação. O utilizador deve também informar se recomenda o uso da NOC.
As páginas seguintes incluem, para cada domínio, orientações sobre a classificação de cada um
dos 23 itens do AGREE II na avaliação da NOC.
Cada item inclui uma descrição, sugestões de
onde encontrar informações sobre o item e
orientações sobre como o classificar.
IV. Pontuação do AGREE II
Domínio 1. Objectivo
Uma pontuação qualitativa deve ser calculada
para cada um dos seis domínios do AGREE II.
A pontuação dos seis domínios deve ser feita de
forma independente e não agregada.
da pontuação dos domínios
As pontuações dos domínios devem ser calculadas através da soma de todas as pontuações dos itens individuais em cada domínio e
escalonando o total como uma percentagem da
pontuação máxima possível para o domínio.
Exemplo
Se quatro avaliadores atribuem as pontuações
abaixo para o Domínio 1 (Objectivo e Finalidade).
Interpretação
V. Avaliação Global
e finalidade
• O(s) objectivo(s) geral(is) da(s) reco­men­da­
ção(ões) encontra(m)-se especificamente
descrito(s).
• A(s) questão(ões) de saúde coberta(s)
pela NOC encontra(m)-se especificamente
descrita(s).
• A população (doentes, público, etc.) a quem
a NOC se destina encontra‐se especificamente descrita.
Objectivo e finalidade
1. O(s) objectivo(s) geral(is) da recomendação(ões)
encontra(m)‐se especificamente descrito(s)
1 Discordo totalmente 2 3 4 5 6 7 Concordo totalmente
da pontuação dos domínios
Apesar da pontuação dos domínios ser útil na
comparação da NOC e dar pistas sobre se uma
NOC deve ser recomendada, o consórcio não
definiu pontuações mínimas para os domínios ou
padrões de pontuação entre os domínios, diferenciando NOC de alta e baixa qualidade. Tais
Comentários
Descrição do manual do utilizador
Este item trata do potencial impacto da NOC
na saúde da sociedade e populações de doentes
ou indivíduos. O(s) objectivo(s) geral(is) da NOC
DOR
Cálculo
decisões deverão ser tomadas pelo utilizador e
orientadas pelo contexto no qual o AGREE II for
utilizado.
33
Dor (2011) 19
deve(m) estar descrito(s) em detalhe e os benefícios de saúde esperados a partir da NOC devem ser específicos para o problema clínico ou
tópico de saúde. São exemplos de afirmações
específicas:
• Prevenir complicações (a longo prazo) em
doentes com diabetes mellitus
• Diminuir o risco de eventos cardiovasculares em doentes com antecedentes de enfarte do miocárdio
• Estratégias de base populacional mais eficazes no rastreio do cancro colo-rectal
• Fornecer orientações sobre a terapêutica
mais eficaz para a diabetes mellitus.
Onde
encontrar
Examine nos parágrafos/capítulos de abertura
uma descrição do objectivo e da finalidade da
NOC. Em alguns casos, a fundamentação ou a
necessidade da NOC é descrita num documento separado da mesma, por exemplo, no documento de proposta da NOC. Exemplos de títulos
de secções ou capítulos onde essa informação
pode ser encontrada podem incluir: introdução,
objectivo, finalidade, fundamentação.
Como
classificar
O conteúdo do item inclui os seguintes cri­
térios:
• propósito quanto à saúde (i.e., prevenção,
rastreio, diagnóstico, tratamento, etc.)
• benefício esperado
• alvo (por exemplo, doentes, a sociedade)
Considerações adicionais:
• O item está bem escrito? As descrições
estão claras e concisas?
• É fácil encontrar o conteúdo do item na
NOC?
Objectivo e finalidade
2. A(s) questão(ões) de saúde coberta(s) pela
NOC encontra(m)‐se especificamente descrita(s)
oculto nas fezes reduz a mortalidade por
cancro colo-rectal?
• A auto-monitorização é eficaz no controlo da
glicémia em doentes com diabetes tipo 2?
Onde
encontrar
Examine nos parágrafos/capítulos de abertura
uma descrição do objectivo e da finalidade da
NOC. Em alguns casos, as perguntas estão descritas num documento separado da NOC, por
exemplo, numa especificação de busca. Exemplos de títulos de secções ou capítulos onde
essa informação pode ser encontrada podem
incluir: perguntas, objectivo, finalidade.
Como
classificar
O conteúdo do item inclui os seguintes critérios:
• população-alvo
• Intervenção(ões) ou exposição(ões)
• Comparações (se adequadas)
• Resultado(s)
• Ambiente ou contexto de cuidados de saúde
Considerações adicionais:
• O item está bem escrito? As descrições
estão claras e concisas?
• É fácil encontrar o conteúdo do item na
NOC?
•Neste tópico, há informação suficiente
na(s) pergunta(s) para que qualquer pessoa possa iniciar o desenvolvimento de
uma NOC ou compreender os perfis de
doentes/populações e contextos abrangidos pela NOC?
Objectivo e finalidade
3. A população (doentes, público, etc.) a quem a
NOC se destina encontra‐se especificamente
descrita
1 Discordo totalmente 2 3 4 5 6 7 Concordo totalmente
Comentários
1 Discordo totalmente 2 3 4 5 6 7 Concordo totalmente
Comentários
DOR
descrição do manual do utilizador
34
Uma descrição detalhada sobre as questões
de saúde abordadas pela NOC deve ser fornecida, particularmente quanto às recomendações‐chave (ver item 17), embora estas não necessitem ser formuladas como perguntas.
Seguindo os exemplos dados na questão 1:
• Quantas vezes por ano deve ser medida a
HbA1c de doentes com diabetes mellitus?
• Qual deve ser a dose diária de aspirina
para doentes com comprovado enfarte agudo do miocárdio?
• O rastreio de base populacional do cancro
colo-retal com o uso de teste de sangue
Descrição
do manual do utilizador
Uma descrição clara da população (i.e., doentes, público, etc.) coberta pela NOC deve ser
fornecida. A faixa etária, sexo, elementos clínicos e comorbilidades poderão ser fornecidas.
Por exemplo:
• Uma NOC sobre o tratamento da diabetes
mellitus inclui apenas diabéticos não‐insulino tratados e exclui doentes com comorbilidade cardiovascular.
• Uma NOC sobre o tratamento da depressão
inclui apenas doentes com depressão major
de acordo com os critérios DSM‐IV e exclui
doentes com sintomas psicóticos e crianças.
• Uma NOC sobre rastreio do cancro da
mama inclui apenas mulheres, com idades
CEMBE da FMUL ‐ NOC da Dor Neuropática Localizada
Onde Procurar
Examine os parágrafos/capítulos de abertura
para uma descrição da população‐alvo da NOC. A
exclusão explícita de algumas populações (p. ex.,
crianças) também é tratada neste item. Exemplos de capítulos ou secções comumente presentes numa diretriz onde essas informações
podem ser encontradas incluem: população de
doentes, população‐alvo, doentes relevantes,
objectivo e finalidade.
Como
classificar
O conteúdo do item inclui os seguintes critérios:
• população-alvo, sexo e idade
• condição clínica (caso seja relevante)
• gravidade/estágio da doença (caso seja relevante)
• comorbilidades (caso seja relevante)
• populações excluídas (caso seja relevante)
Considerações adicionais:
• O item está bem escrito? As descrições são
claras e concisas?
• É fácil localizar o conteúdo do item na
NOC?
• As informações sobre a população estão
específicas o suficiente para que os indivíduos elegíveis recebam a acção recomendada na NOC?
Domínio 2. Envolvimento
das partes interessadas
4.A equipa de desenvolvimento da NOC inclui
indivíduos de todos os grupos profissionais
relevantes.
5.Procurou‐se conhecer as opiniões e preferências da população‐alvo (doentes, público, etc.)
6.Os utilizadores‐alvo da NOC estão claramente definidos.
Envolvimento das partes interessadas
4. A equipa de desenvolvimento da NOC inclui
indivíduos de todos os grupos profissionais
relevantes
1 Discordo totalmente 2 3 4 5 6 7 Concordo totalmente
Comentários
Descrição
do manual do utilizador
Este item refere‐se aos profissionais que se
envolveram nalguma fase do processo de desenvolvimento da NOC. Pode incluir membros
do grupo coordenador, os pesquisadores envolvidos na seleção e revisão/classificação da evidência e dos indivíduos envolvidos na formulação das recomendações finais.
Este item exclui os indivíduos externos que
reviram a NOC (ver item 13). Este item exclui a
representação da população‐alvo (ver item 5).
Informações sobre a composição, currículo e
competências relevantes do grupo de desenvolvimento da NOC deverão ser fornecidas.
Onde
encontrar
Examine nos parágrafos/capítulos de abertura,
secção com contribuições e agradecimentos ou
apêndices a composição do grupo que desenvolveu a NOC. Exemplos comuns de títulos de
secções ou capítulos na NOC, onde essas informações podem ser encontradas incluem: métodos, lista de membros do painel de desenvolvimento da NOC, agradecimentos e apêndices.
Como
classificar
O conteúdo do item inclui os seguintes critérios:
• Para cada membro do grupo de desenvolvimento da NOC, as seguintes informações
devem ser incluídas:
•nome
•especialização/ conteúdo da competência (por exemplo, neurocirurgião)
•instituição (por exemplo, hospital/centro
de saúde/unidade)
•localização geográfica (por exemplo, Lisboa)
•uma descrição da função do membro do
grupo no desenvolvimento da NOC.
Considerações adicionais:
• O item está bem escrito? As descrições
estão claras e concisas?
• É fácil encontrar o conteúdo do item na
NOC?
• A escolha dos membros está adequada
com o tópico e objectivo da NOC? Os candidatos potenciais podem incluir médicos
com experiência clínica relevante, especialistas no assunto, pesquisadores, gestores,
administradores clínicos e financiadores.
• Há pelo menos um especialista em estatística na equipa de desenvolvimento (por
exemplo, especialista em revisão sistemática, epidemiologista, etc.)?
Envolvimento das partes interessadas
5. Procurou‐se conhecer as opiniões e
preferências da população‐alvo (doentes,
público, etc)
1 Discordo totalmente 2 3 4 5 6 7 Concordo totalmente
Comentários
Descrição
do manual do utilizador
As informações sobre as experiências da população‐alvo e as expectativas sobre os cuidados
de saúde devem fundamentar o desenvolvimento
DOR
entre 50 e 70 anos, sem antecedentes pessoais e familiares de cancro da mama.
35
Dor (2011) 19
das NOC. Existem vários métodos para garantir que essas perspectivas forneçam pistas
para as diferentes fases de desenvolvimento
de NOC pelas partes interessadas. Por exemplo, consultas populacionais formais com doentes/público para determinar os tópicos prioritários, a participação destes na equipa de
desenvolvimento ou como revisores externos
dos documentos em desenvolvimento. Como alternativa, as informações poderiam ser obtidas
a partir de entrevistas das partes interessadas
ou da revisão da literatura sobre as experiências, preferências ou valores do público/doente.
Deve existir evidência de que algum processo
ocorreu no sentido de contemplar as opiniões
das partes interessadas.
Onde
encontrar
Examine os parágrafos sobre o processo de
desenvolvimento da NOC. Exemplos de títulos
de secções ou capítulos numa NOC onde essas
informações podem ser encontradas incluem:
objectivo, métodos, lista de membros do painel
da NOC, revisão externa e perspectivas da população‐alvo.
Como
classificar
O conteúdo do item inclui os seguintes critérios:
• Apresentação do tipo de estratégia utilizada
para obter as opiniões e preferências do
público/doentes (por exemplo, a participação conjunta da população-alvo com a
equipa de desenvolvimento da NOC)
• Os métodos pelos quais as preferências e
opiniões foram pesquisadas (por exemplo,
evidência da literatura, pesquisas, grupos
de doentes)
• Descrição de como a informação foi usada
no processo de desenvolvimento da NOC
e/ou formação das recomendações
Considerações adicionais:
• O item está bem escrito? As descrições
estão claras e concisas?
• É fácil encontrar o conteúdo do item na
NOC?
Envolvimento das partes interessadas
6. Os utilizadores‐alvo da NOC estão claramente
definidos
1 Discordo totalmente 2 3 4 5 6 7 Concordo totalmente
Comentários
DOR
Descrição
36
do manual do utilizador
Os utilizadores‐alvo devem estar claramente
expressos na NOC, de modo que o leitor possa
determinar imediatamente se a NOC é relevante.
Por exemplo, os utilizadores-alvo de uma NOC
sobre a dor lombar podem incluir médicos de
família, neurologistas, ortopedistas, reumatologistas e fisioterapeutas.
Onde
encontrar
Examine nos parágrafos/capítulos de abertura
a descrição dos utilizadores‐alvo da NOC. Exemplos dos títulos das secções ou capítulos onde
essas informações podem ser encontradas incluem: utilizadores‐alvo.
Como
classificar
O conteúdo do item inclui os seguintes critérios:
• descrição clara do público-alvo pretendido
da NOC (p. ex., especialistas, médico de
família, doentes, líderes/gestores clínicos ou
institucionais)
• descrição de como a NOC pode ser utilizada pelo público alvo (p. ex., para dar apoio
a decisões clínicas e a políticas de saúde)
Considerações adicionais:
• O item está bem escrito? As descrições
estão claras e concisas?
• É fácil encontrar o conteúdo do item na
NOC?
• Os utilizadores-alvo são apropriados considerando-se o objectivo da NOC?
Domínio 3. Rigor
de desenvolvimento
7. Foram utilizados métodos sistematizados
para a busca de evidência.
8. Os critérios para a selecção de evidência
estão claramente descritos.
9. Os pontos fortes e limitações do corpo de
evidência estão claramente descritos.
10.Os métodos para a formulação das recomendações estão claramente descritos.
11.Na formulação das recomendações foram
considerados os benefícios, efeitos adversos e riscos para a saúde.
12.Existe uma ligação explícita entre as recomendações e a evidência que as suporta.
13.A NOC foi revista externamente por peritos
antes da sua publicação.
14.Um procedimento para actualização da
NOC está disponível.
Rigor de desenvolvimento
7. Foram utilizados métodos sistematizados para a
busca de evidência
1 Discordo totalmente 2 3 4 5 6 7 Concordo totalmente
Comentários
Descrição
do manual do utilizador
Devem ser oferecidos detalhes sobre a estratégia adoptada para a pesquisa da evidência
científica, incluindo os termos de pesquisa utilizados, as fontes consultadas e os intervalos de
tempo abrangidos pela revisão da literatura. As
CEMBE da FMUL ‐ NOC da Dor Neuropática Localizada
Onde
encontrar
Examine os parágrafos/capítulos descrevendo
o processo de desenvolvimento da NOC. Em
alguns casos, as estratégias de pesquisa são
descritas em documentos separados ou em
apêndices da NOC. Exemplos de títulos de secções ou capítulos onde essas informações podem ser encontradas incluem: métodos, estratégia de pesquisa da literatura e apêndices.
Como
classificar
O conteúdo do item inclui os seguintes critérios:
• nome da(s) base(s) de dados electrónica(s)
ou fonte de evidências onde a busca tenha
sido realizada (por exemplo, MEDLINE, EMBASE, PsychINFO CINAHL)
• intervalos de tempo pesquisados (por
exemplo, 1 de Janeiro de 2004 a 31 de
Março de 2008)
• termos de pesquisa utilizados (por exemplo, palavras de texto, termos de indexação, qualificadores)
• descrição de toda a estratégia de pesquisa
(frequentemente encontrada no apêndice).
Considerações adicionais:
• O item está bem escrito? As descrições
estão claras e concisas?
• É fácil encontrar o conteúdo do item na
NOC?
• A pesquisa é relevante e adequada para
responder à questão de saúde? (p. ex., todas as bases de dados relevantes e termos
de pesquisa utilizadas são adequadas)?
• Há informação suficiente para que qualquer
pessoa possa replicar a pesquisa?
Rigor de desenvolvimento
8. Os critérios para a selecção da evidência estão
claramente descritos
1 Discordo totalmente 2 3 4 5 6 7 Concordo totalmente
Comentários
Descrição
do manual do utilizador
Os critérios para inclusão/exclusão da evidência identificada pela pesquisa devem ser
fornecidos. Estes critérios devem estar explicitamente descritos e os motivos para inclusão ou
exclusão da evidência científica devem ser
claramente expressos. Por exemplo, os autores da NOC podem decidir incluir apenas a
evidência de ensaios clínicos aleatorizados em
língua inglesa.
Onde
encontrar
Examine os parágrafos/capítulos que descrevem o processo de desenvolvimento da NOC.
Nalguns casos, os critérios de inclusão ou exclusão para a selecção da evidência estão descritos em documentos separados ou em apêndices. Os títulos das secções ou capítulos onde
esta informação pode ser encontrada podem
ser: métodos, pesquisada literatura, critérios de
inclusão/exclusão e apêndices.
Como
classificar
O conteúdo do item inclui os seguintes critérios:
• Descrição dos critérios de inclusão, incluindo:
• Características da população alvo (doente,
público, etc.)
• Desenho de estudo
• Comparações (caso sejam relevantes)
• Língua de publicação (caso sejam relevantes)
• Contexto (caso sejam relevantes)
• Descrição dos critérios de exclusão (caso
sejam relevantes; p. ex., estudos em língua
francesa, referido como critério de inclusão,
poderia excluir aqueles que não estão em
francês no critério de exclusão)
Considerações adicionais:
• O item está bem escrito? As descrições
estão claras e concisas?
• É fácil encontrar o conteúdo do item na
NOC?
• Há uma justificação na escolha dos critérios
de inclusão/exclusão?
• Os critérios de inclusão/exclusão são compatíveis com as questões de saúde?
• Há razões para crer que alguma literatura
relevante não foi considerada?
Rigor de desenvolvimento
9. Os pontes fortes e limitações do corpo de
evidência estão claramente descritos
1 Discordo totalmente 2 3 4 5 6 7 Concordo totalmente
Comentários
Descrição
do manual do utilizador
Devem ser fornecidas informações sobre os
pontos fortes e as limitações da evidência. Estas
devem incluir descrições explícitas – usando
métodos/ferramentas informais ou formais – para
DOR
fontes podem incluir bases de dados electrónicas (por exemplo, MEDLINE, EMBASE, CINAHL),
bases de dados de revisões sistematizadas (por
exemplo, a Cochrane Library, DARE), pesquisa
manual de periódicos, anais de conferências e
outras NOC (por exemplo, The National Guideline Clearinghouse, The German Guidelines Clearing House). A estratégia de pesquisa deve ser
a mais abrangente possível e executada de
modo a que esteja livre de potenciais vieses.
Deve conter também detalhes suficientes que
permitam a sua replicação.
37
Dor (2011) 19
avaliar e descrever o risco de vieses em estudos
individuais e/ou resultados específicos e/ou comentários do conjunto de resultados agregados a partir de todos os estudos. Estas descrições podem ser apresentadas de diferentes
formas: através de tabelas comentando os diferentes domínios de qualidade; através da aplicação de um instrumento formal (por exemplo,
escala de Jadad, método Grade) ou simplesmente através de descrições no texto.
Descrição
Onde
Onde
encontrar
Examine nos parágrafos/capítulos que descrevem o processo de desenvolvimento da NOC as
informações sobre a qualidade metodológica
dos estudos (por exemplo, risco de vieses). As
tabelas são geralmente usadas para resumir a
qualidade da evidência incluída. Algumas NOC
fazem uma clara distinção entre descrição e interpretação da evidência, por exemplo, com
uma secção de resultados e uma secção de
discussão, respectivamente.
Como
O conteúdo do item inclui os seguintes critérios:
• Descrições sobre como o corpo de evidência foi avaliado quanto à presença de vieses e como foi interpretado pelos membros
da equipa de desenvolvimento da NOC.
• A estrutura dos aspectos descritivos pode
incluir:
• Desenho(s) do(s) estudo(s) incluído(s) no
corpo de evidência
• Limitações dos métodos do(s) estudo(s)
(amostragem, estudo duplamente cego,
ocultação, métodos analíticos, etc.)
• Adequação/relevância dos resultados primários e secundários
• Consistência dos resultados no conjunto
dos estudos
• Direcção dos resultados entre os estudos
• Magnitude do benefício versus magnitude
do risco
• Aplicabilidade em contexto clínico
Considerações adicionais:
• O item está bem escrito? As descrições
estão claras e concisas?
• É fácil encontrar o conteúdo do item na
NOC?
• As descrições são apropriadas, neutras
e sem viéses? As descrições estão completas?
DOR
Rigor de desenvolvimento
10. Os métodos para a formulação das
recomendações estão claramente descritos
38
1 Discordo totalmente 2 3 4 5 6 7 Concordo totalmente
Comentários
encontrar
Examine os parágrafos/capítulos que descrevem o processo de desenvolvimento da NOC.
Nalguns casos, os métodos usados para formular as recomendações são descritos em documentos separados ou em apêndices. Exemplos
de títulos de secções ou capítulos onde essa
informação pode geralmente ser encontrada incluem: métodos e processo de desenvolvimento
da NOC.
Como
classificar
do manual do utilizador
Deve ser fornecida uma informação explícita
sobre os métodos usados para formular as recomendações e sobre como se formularam as
conclusões finais. Por exemplo, é possível que
os métodos incluam um sistema de votação e
técnicas formais de consenso (como Delphi,
Técnicas de Glaser). Devem também ser especificadas as áreas de discordância e as soluções encontradas para sua resolução.
classificar
O conteúdo do item inclui os seguintes critérios:
• Descrição do processo de desenvolvimento
das recomendações (por exemplo, as fases
utilizadas na técnica Delphi modificada,
procedimentos de votação que foram considerados)
• Resultado do processo de desenvolvimento
das recomendações (por exemplo, até que
ponto o consenso foi obtido usando a técnica Delphi modificada, resultado dos procedimentos de votação)
• Descrição de como o processo de desenvolvimento influenciou as recomendações
(por exemplo, os resultados da técnica Delphi nas recomendações finais, alinhamento
com as recomendações e voto final)
Considerações adicionais:
• O item está bem escrito? As descrições
estão claras e concisas?
• É fácil encontrar o conteúdo do item na
NOC?
• Foi usado um processo formal para chegar
às recomendações?
• Os métodos foram adequados?
Rigor de desenvolvimento
11. Na formulação das recomendações foram
considerados os benefícios, efeitos adversos e os
riscos para a saúde
1 Discordo totalmente 2 3 4 5 6 7 Concordo totalmente
Comentários
Descrição
do
Manual
do
Utilizador
A NOC deve considerar os benefícios, efeitos
adversos e riscos para a saúde ao formular as
CEMBE da FMUL ‐ NOC da Dor Neuropática Localizada
Onde
encontrar
Procure nos parágrafos/capítulos que descrevem o processo de desenvolvimento da NOC
uma descrição do corpo de evidência. Exemplos
de títulos de secções ou capítulos onde essa
informação pode geralmente ser encontrada incluem: métodos, interpretação, discussão e recomendações.
Como
classificar
O conteúdo do item inclui os seguintes critérios:
• Referência aos efeitos adversos e riscos
• Informação sobre o balanço entre os benefícios e os riscos e efeitos adversos
• As recomendações reflectem as considerações sobre os benefícios bem como os efeitos adversos/riscos
Considerações adicionais:
• O item está bem escrito? As descrições
estão claras e concisas?
• É fácil encontrar o conteúdo do item na
NOC?
• A discussão é uma parte integrante do processo de desenvolvimento da NOC? (ou
seja, ocorre durante a formulação da NOC
em vez de ser uma reflexão posterior)
• A equipa de desenvolvimento da NOC considerou os benefícios e os riscos de forma
semelhante?
Rigor de desenvolvimento
12. Existe uma ligação explícita entre as
recomendações e a evidência que as suportam
1 Discordo totalmente 2 3 4 5 6 7 Concordo totalmente
Comentários
Descrição
Como
Rigor de desenvolvimento
13. A NOC foi revista externamente por peritos
antes da sua publicação
1 Discordo totalmente 2 3 4 5 6 7 Concordo totalmente
Comentários
Descrição
Defina e examine as recomendações na NOC
e o texto que descreve o a evidência que as
sustentam. Exemplos de títulos de secções ou
do manual do utilizador
A NOC deve ser submetida à revisão externa
antes de sua publicação. Os revisores não devem estar inseridos na equipa de desenvolvimento da NOC. Os revisores devem ser peritos
da área clínica bem como da área metodológica.
Os representantes da população‐alvo (doentes,
público) também podem ser incluídos. Uma descrição dos métodos usados para conduzir a revisão externa deve ser apresentada, a qual pode
incluir uma lista dos revisores e suas respectivas
afiliações.
encontrar
Examine os parágrafos/capítulos que descrevem o processo de desenvolvimento da NOC e a
secção de agradecimentos. Exemplos de títulos
de secções ou capítulos onde essa informação
pode geralmente ser encontrada incluem: métodos, resultados, interpretação e agradecimentos.
Como
encontrar
classificar
O conteúdo do item inclui os seguintes critérios:
• a NOC descreve como a equipa que desenvolveu a NOC utilizou a evidência para fundamentar as recomendações
• cada recomendação está associada a uma
descrição/parágrafo e/ou lista de referências das evidências chave
• recomendações ligadas à síntese de evidência, tabelas de evidência na secção de
resultados da NOC
Considerações adicionais:
• Há coerência entre a evidência científica e
as recomendações?
• É fácil encontrar a ligação entre as recomendações e evidência que apoia a NOC?
• Está claramente mencionada e descrita a
ausência de evidência científica ou o consenso de peritos sobre o qual se basearam
os autores da NOC?
Onde
do manual do utilizador
Uma ligação explícita entre as recomendações e a evidência que as suportam deve estar
incluída na NOC. O utilizador da NOC deve ser
capaz de identificar os componentes do corpo
de evidência relevante para cada recomendação.
Onde
capítulos onde essa informação pode geralmente ser encontrada incluem: recomendações e
evidências‐chave.
classificar
O conteúdo do item inclui os seguintes critérios:
• finalidade e intenção da revisão externa
(por exemplo, melhorar a qualidade, obter
DOR
recomendações. Por exemplo, uma NOC sobre o
tratamento do cancro da mama pode incluir uma
discussão sobre os efeitos gerais sobre vários
resultados finais. Estes podem incluir: sobrevida,
qualidade de vida, efeitos adversos e tratamento
dos sintomas ou uma discussão comparando diversas opções de tratamento. Deve existir referência à abordagem dessas questões.
39
Dor (2011) 19
um feedback sobre as recomendações
preliminares, avaliar a aplicabilidade e
promover a disseminação da evidência
científica)
• métodos usados para conduzir a revisão
externa (por exemplo, escala de classificação, questões abertas)
• descrição dos revisores externos (por exemplo, número, tipo de revisores, afiliações)
• resultados/informações obtidas na revisão
externa (por exemplo, uma síntese dos principais resultados)
• descrição de como as informações obtidas
foram usadas para fundamentar o processo
de desenvolvimento da NOC e/ou a formação das recomendações (por exemplo, a
consideração dos resultados da revisão na
elaboração das recomendações finais)
Considerações adicionais:
• O item está bem escrito? As descrições
estão claras e concisas?
• É fácil encontrar o conteúdo do item na
NOC?
• Os revisores externos são adequados e relevantes ao objectivo da NOC? Foi apresentada uma justificação para a escolha dos
revisores?
• Como foi utilizada a informação obtida na
revisão externa pela equipa de desenvolvimento da NOC?
Rigor de desenvolvimento
14. O procedimento para a actualização da NOC
está disponível
1 Discordo totalmente 2 3 4 5 6 7 Concordo totalmente
Comentários
Descrição
do manual do utilizador
As NOC precisam reflectir as pesquisas recentes. Deve ser feita uma declaração clara sobre o procedimento de actualização da NOC.
Por exemplo, estabelecer um período temporal
ou uma equipa permanente que realize pesquisas da literatura regulares e implementem as
mudanças que sejam necessárias.
Onde
encontrar
Examine o parágrafo introdutório, os parágrafos
que descrevem o processo de desenvolvimento
da NOC e os parágrafos finais. Exemplos de títulos de secções ou capítulos onde essa informação pode geralmente ser encontrada incluem:
métodos, actualização da NOC, data da NOC.
DOR
Como
40
classificar
O conteúdo do item inclui os seguintes critérios:
• a declaração de que a NOC será actualizada
• intervalo de tempo explícito ou critérios
explícitos que orientem a data de actualização
• os métodos para actualização
Considerações adicionais:
• O item está bem escrito? As descrições
estão claras e concisas?
• É fácil encontrar o conteúdo do item na
NOC?
• Há informações suficientes para saber
quando será realizada a actualização?
Domínio 4. Clareza
da apresentação
15.As recomendações são específicas e sem
ambiguidade.
16.As diferentes opções de abordagem do
problema de saúde estão claramente apresentadas.
17.As recomendações‐chave são facilmente
identificadas.
Clareza de apresentação
15. As recomendações são específicas e sem
ambiguidade
1 Discordo totalmente 2 3 4 5 6 7 Concordo totalmente
Comentários
Descrição
do manual do utilizador
Uma recomendação deve fornecer uma descrição concreta e precisa da opção apropriada,
do grupo populacional, de acordo com a evidência científica.
• Um exemplo de recomendação específica:
os antibióticos devem ser prescritos para
crianças com dois ou mais anos com diagnóstico de otite média aguda se a dor durar
mais de três dias ou se aumentar depois da
consulta, independentemente do tratamento adequado com analgésicos. Nesses casos, deve ser administrado amoxicilina durante sete dias.
• Um exemplo de recomendação vaga: os
antibióticos estão indicados em casos de
doença com evolução anormal ou complicada.
É importante notar que em algumas circunstâncias, a evidência científica não está sempre
claramente definida e pode haver incerteza
quanto à melhor opção de tratamento. Nesse
caso, a incerteza deve estar claramente expressa na NOC.
Onde
encontrar
Defina e examine as recomendações da
NOC. Exemplos de títulos de secções ou capítulos onde essas informações podem ser encontradas incluem: recomendações e sumário
executivo.
CEMBE da FMUL ‐ NOC da Dor Neuropática Localizada
classificar
O conteúdo do item inclui os seguintes critérios:
• declaração da acção recomendada
• identificação do objectivo e finalidade da
acção recomendada (por exemplo, melhorar a qualidade de vida, diminuir os efeitos
adversos)
• identificação da população relevante (por
exemplo, doentes, público)
• informações de qualificação ou ressalvas
(por exemplo, doentes ou circunstâncias
em que as recomendações não são aplicáveis)
Considerações adicionais:
• Em caso de múltiplas recomendações, é
claro a quem se aplicam as recomendações?
• Quando há incerteza quanto à interpretação
e discussão da evidência, esta está reflectida nas recomendações e explicitamente
referida?
Clareza de apresentação
16. As diferentes opções de abordagem do
problema de saúde estão claramente
apresentadas
1 Discordo totalmente 2 3 4 5 6 7 Concordo totalmente
Comentários
Descrição
do manual do utilizador
Uma NOC que aborda uma doença deve considerar as diferentes opções para o rastreio, prevenção, diagnóstico ou tratamento. Essas opções devem estar claramente apresentadas na
NOC. Por exemplo, uma recomendação sobre a
abordagem da depressão pode conter as seguintes alternativas de tratamento:
• Tratamento com antidepressivos tricíclicos
• Tratamento com ISRS
• Psicoterapia
• Combinação de terapêutica farmacológica
e intervenção psicológica
Onde
encontrar
Examine as recomendações e a evidência que
as fundamentam. Exemplos de títulos de secções ou capítulos onde essas informações podem ser encontradas incluem: sumário executivo, recomendações, discussão, opções de
tratamento e tratamentos alternativos.
Como
classificar
O conteúdo do item inclui os seguintes critérios:
• descrição das diferentes opções
• descrição da população ou situação clínica
mais adequada a cada opção
Considerações adicionais:
• O item está bem escrito? As descrições
estão claras e concisas?
• É fácil encontrar o conteúdo do item na
NOC?
• O item pertence a uma NOC de objectivo
amplo ou restrito? O item pode ser mais
relevante para uma NOC que possua um
objectivo amplo (por exemplo, abordando o tratamento da doença em vez de focar
o conjunto específico de intervenções para
uma doença específica).
Clareza de apresentação
17. As principais recomendações são facilmente
identificadas
1 Discordo totalmente 2 3 4 5 6 7 Concordo totalmente
Comentários
Descrição
do manual do utilizador
Os utilizadores devem ser capazes de encontrar facilmente as recomendações mais
relevantes. Essas recomendações respondem
às principais questões que tenham sido cobertas pela NOC e podem ser identificadas de
formas diferentes. Por exemplo, podem estar resumidas num quadro, realçadas a negrito, sublinhadas ou apresentadas como fluxogramas ou
algoritmos.
Onde
encontrar
Exemplos de títulos de secções ou capítulos
onde essas informações podem ser encontradas
incluem: sumário executivo, conclusões e recomendações. Algumas NOC oferecem documentos de síntese separados das principais recomendações (por exemplo, um guia de referência
rápida).
Como
classificar
O conteúdo do item inclui os seguintes critérios:
• a descrição das recomendações está apresentada em quadros síntese, realçada a
negrito, sublinhada ou apresentada como
fluxograma ou algoritmo
• recomendações específicas estão agrupadas de forma conjunta ou numa secção
Considerações adicionais:
• O item está bem escrito? As descrições
estão claras e concisas?
• É fácil encontrar o conteúdo do item na
NOC?
• As recomendações chave são adequadamente seleccionadas e reflectem as informações-chaves da NOC?
• As recomendações específicas estão agrupadas de forma conjunta numa secção próxima ao sumário das evidências-chave?
DOR
Como
41
Dor (2011) 19
Domínio 5. Aplicabilidade
18.A NOC descreve os facilitadores e as barreiras para a sua aplicação.
19.A NOC fornece aconselhamento e/ou ferramentas sobre como as recomendações
podem ser postas em prática.
20.Foram consideradas as potenciais implicações quanto aos recursos decorrentes da
utilização das recomendações.
21.A NOC apresenta os critérios para a sua
monitorização e/ou auditoria.
Aplicabilidade
18. A NOC descreve os facilitadores e as barreiras
à sua aplicação
1 Discordo totalmente 2 3 4 5 6 7 Concordo totalmente
Comentários
Descrição
do manual do utilizador
Podem existir facilitadores e barreiras que tenham impacto na aplicação das recomendações
da NOC. Por exemplo:
• Uma NOC sobre acidente vascular cerebral (AVC) pode recomendar que os cuidados de saúde sejam coordenados por
unidades e serviços especializados em
AVC. Pode existir um mecanismo de financiamento especial na região que possibilite a formação de unidades de tratamento
de AVC.
• Uma NOC sobre o tratamento da diabetes
mellitus em cuidados primários pode recomendar que os doentes consultem e sejam
acompanhados em serviços especializadosem diabetes. Pode haver um número insuficiente de médicos disponíveis na região
para possibilitar a implementação dessas
recomendações.
Onde
encontrar
Examine os parágrafos/capítulos sobre a disseminação/implementação da NOC ou, se disponível, outros documentos com planos específicos e
estratégias para a implementação da NOC.
Exemplos de títulos de secções ou capítulos
onde essas informações podem ser encontradas
incluem: barreiras, utilização da NOC e indicadores de qualidade.
DOR
Como
42
classificar
O conteúdo do item inclui os seguintes critérios:
• identificação dos tipos de facilitadores e
barreiras que foram considerados
• métodos que orientaram a pesquisa da informação relacionada com os facilitadores
e barreiras à aplicação das recomendações (por exemplo, feedback das partes
interessadas, teste piloto das recomendações antes de sua implementação)
• informação/descrição dos tipos de facilitadores e barreiras que surgiram da investigação (por exemplo, os médicos possuem
o conhecimento para referenciar ao cuidado de saúde recomendado, não há equipamentos suficientes para garantir uma mamografia a todos os sujeitos elegíveis da
população)
• descrição de como a informação influenciou o processo de desenvolvimento da
NOC e/ou a elaboração das recomendações
Considerações adicionais:
• O item está bem escrito? As descrições
estão claras e concisas?
• É fácil encontrar o conteúdo do item na
NOC?
• A NOC sugere estratégias específicas para
ultrapassar as barreiras?
Aplicabilidade
19. A NOC fornece aconselhamento e/ou
ferramentas sobre como as recomendações
podem ser postas em prática
1 Discordo totalmente 2 3 4 5 6 7 Concordo totalmente
Comentários
Descrição
do manual do utilizador
Para que uma NOC seja efectiva, necessita
ser disseminada e implementada com documentos adicionais. Estes podem incluir, por
exemplo, um documento resumido, um guia de
referência rápida, ferramentas educativas, resultados do teste piloto, panfletos para os doentes ou textos de suporte informático. Quaisquer
documentos adicionais devem ser disponibilizados com a NOC.
Onde
encontrar
Examine os parágrafos/capítulos sobre a disseminação/implementação da NOC e, se disponível, os documentos específicos que a acompanham e que foram produzidos para auxiliar na
disseminação/implementação da NOC. Exemplos de títulos de secções ou capítulos onde
essas informações podem ser encontradas incluem: ferramentas, recursos, implementação e
apêndices.
Como
classificar
O conteúdo do item inclui os seguintes critérios:
• uma secção de implementação da NOC
• ferramentas e recursos para facilitar a implementação:
• documentos que resumem a NOC
• links de algoritmos
CEMBE da FMUL ‐ NOC da Dor Neuropática Localizada
Aplicabilidade
20. Foram consideradas as potenciais implicações
quanto aos recursos decorrentes da utilização das
recomendações
1 Discordo totalmente 2 3 4 5 6 7 Concordo totalmente
Comentários
Descrição
do manual do utilizador
É possível que recursos extra sejam necessários para que as recomendações sejam aplicadas. Por exemplo, pode haver a necessidade de
uma equipa mais especializada, novos equipamentos ou mesmo de um tratamento farmacológico mais caro. Estes podem implicar custos
adicionais para o orçamento dos sistemas de
saúde. Deve existir uma discussão na NOC
acerca dos impactos potenciais das recomendações sobre os recursos de saúde.
• métodos que orientaram a pesquisa das
informações sobre custos (por exemplo,
especialista em economia da saúde, parte da equipa de desenvolvimento da
NOC, uso de avaliações sobre tecnologia
da saúde para medicamentos específicos, etc.)
• informação/descrição das informações sobre custos que surgiram da investigação
(por exemplo, custos da aquisição de medicamentos específicos por tempo de tratamento)
• descrição de como as informações reunidas foram usadas para fundamentar o processo de desenvolvimento da NOC e/ou a
elaboração das recomendações
Considerações adicionais:
• O item está bem escrito? As descrições
estão claras e concisas?
• É fácil encontrar o conteúdo do item na
NOC?
• Houve envolvimento de peritos na obtenção e análise das informações sobre os
custos?
Aplicabilidade
21. A NOC apresenta os critérios para a sua
monitorização e/ou auditoria
1 Discordo totalmente 2 3 4 5 6 7 Concordo totalmente
Comentários
descrição do manual do utilizador
Examine os parágrafos/capítulos sobre a divulgação/implementação da NOC ou, se disponível, documentos adicionais com planos específicos e estratégias para a implementação da
NOC. Algumas NOC apresentam implicações
quanto aos custos nos parágrafos que discutem
as evidências ou decisões que fundamentam as
recomendações. Exemplos de títulos de secções ou capítulos onde essas informações podem ser encontradas incluem: métodos, custo‐
utilidade, custo‐efetividade, custos de aquisição
e implicações orçamentais.
A medição da aplicação das recomendações
da NOC pode facilitar a continuidade do uso
da mesma. Isto requer critérios claramente definidos, derivados das recomendações‐chave
da NOC. Os critérios podem incluir medidas
para o processo, medidas de comportamento, medidas dos resultados clínicos ou de
saúde. São exemplos de critérios de monitorização e auditoria:
• HbA1c deve ser < 8,0%.
• o valor de pressão arterial diastólica deve
ser < 95 mmHg.
• 80% da população com idade igual a 50 anos
deve ser submetida a rastreio do cancro colo‐
retal usando a pesquisa de sangue oculto
nas fezes.
• se o quadro clínico de otite média aguda
perdurar por mais de três dias, deve ser
prescrita amoxicilina.
Como
Onde
Onde
encontrar
classificar
O conteúdo do item inclui os seguintes critérios:
• identificação dos tipos de informação sobre
os custos que foram considerados (por
exemplo, avaliações económicas, custo de
aquisição de medicamentos)
encontrar
Examine os parágrafos/capítulos sobre a auditoria ou monitorização do uso da NOC ou,
se disponível, outros documentos com planos
específicos ou estratégias para a avaliação
da NOC. Exemplos de títulos de secções ou
capítulos onde essas informações podem ser
DOR
• links para manuais com ensino tutorial
• soluções relacionadas com a análise das
principais barreiras (ver item 18)
• ferramentas para se beneficiar dos aspectos facilitadores da NOC
• resultado do teste piloto e lições aprendidas
• instruções sobre como os utilizadores podem aceder às ferramentas e aos recursos
Considerações adicionais:
• O item está bem escrito? As descrições
estão claras e concisas?
• É fácil encontrar o conteúdo do item na
NOC?
• Há informações sobre o desenvolvimento
de ferramentas para a implementação e
procedimentos de validação?
43
Dor (2011) 19
encontradas incluem: recomendações, indicadores de qualidade e critérios de auditoria.
termo de responsabilidade e fonte de financiamento.
Como
Como
classificar
• O conteúdo do item inclui os seguintes critérios:
• identificação de critérios para avaliar a implementação da NOC ou adesão às recomendações
• critérios para avaliar o impacto da implementação das recomendações
• aconselhamento quanto à frequência e intervalo de medição
• descrição ou definições operacionais sobre
como os critérios devem ser medidos
Considerações adicionais:
• O item está bem escrito? As descrições
estão claras e concisas?
• É fácil encontrar o conteúdo do item na
NOC?
• Uma gama de critérios foi fornecida incluindo medidas para o processo, medidas de
comportamento e resultados clínicos ou de
saúde?
Domínio 6. Independência
editorial
22.O parecer do órgão financiador não exerceu influência sobre o conteúdo da
NOC.
23.Foram registrados e abordados os conflitos
de interesse dos membros da equipa que
desenvolveram a NOC.
Independência editorial
22. O parecer do órgão financiador não exerceu
influência sobre o conteúdo da NOC
1 Discordo totalmente 2 3 4 5 6 7 Concordo totalmente
Comentários
descrição do manual do utilizador
Muitas NOC são desenvolvidas com financiamento externo (ex.: governo, associações
profissionais, organizações filantrópicas, indústria farmacêutica). O apoio pode vir na forma de contribuição financeira para todo o processo de desenvolvimento ou para porções do
mesmo (por exemplo, a impressão das NOC).
Deve existir uma declaração explícita de que
os pontos de vista ou interesses do órgão financiador não influenciaram as recomendações finais.
DOR
Onde
44
encontrar
Examine os parágrafos/capítulos sobre o
processo de desenvolvimento da NOC ou a
secção de agradecimentos. Exemplos de títulos de secções ou capítulos onde essas
informações podem ser encontradas incluem:
classificar
O conteúdo do item inclui os seguintes critérios:
• o nome do órgão financiador ou fonte de
financiamento (ou declaração explícita
de que não houve financiamento)
• uma declaração de que o órgão financiador
não influenciou o conteúdo da NOC
Considerações adicionais:
• O item está bem escrito? As descrições
estão claras e concisas?
• É fácil encontrar o conteúdo do item na
NOC?
• Como é que a equipa de desenvolvimento
da NOC abordou a potencial influência do
órgão financiador?
Independência editorial
23. Foram registados e abordados os conflitos de
interesse dos membros da equipa que
desenvolveram a NOC
1 Discordo totalmente 2 3 4 5 6 7 Concordo totalmente
Comentários
Descrição
do manual do utilizador
Há circunstâncias em que os membros da
equipa de desenvolvimento da NOC podem
apresentar conflitos de interesse. Por exemplo,
se a pesquisa de um dos membro da equipa
tratasse de um tema abordado pela NOC que
fosse financiado pela indústria farmacêutica. Todos os membros da equipa devem declarar a
existência (ou não) de conflito de interesse.
Onde
encontrar
Examine os parágrafos/capítulos sobre o processo de desenvolvimento da NOC ou a secção
de agradecimentos. Exemplos de títulos de secções ou capítulos onde essas informações podem ser encontradas incluem: métodos, conflitos de interesse, equipa de desenvolvimento da
NOC e apêndices.
Como
classificar
O conteúdo do item inclui os seguintes critérios:
• descrição dos tipos de conflitos de interesse considerados
• métodos pelos quais os potenciais conflitos
de interesse foram identificados
• descrição dos conflitos de interesse
• descrição de como os conflitos de interesse
influenciaram o processo de desenvolvimento da NOC e a formulação das recomendações.
Considerações adicionais:
• O item está bem escrito? As descrições
estão claras e concisas?
• É fácil encontrar o conteúdo do item na
NOC?
• Que medidas foram tomadas a fim de minimizar a influência dos conflitos de interesse
no processo de desenvolvimento da NOC
ou na formulação das recomendações?
Avaliação global da NOC
Para cada pergunta, por favor, escolha a
resposta que melhor caracteriza a avaliação
da NOC:
1. Classifique a qualidade global desta NOC
1 Qualidade baixa
2 3 4 5 6
7 Qualidade alta
2. Recomendaria o uso desta NOC
Sim
Sim, com modificações
Não
Anotações
Descrição
do manual do utilizador
A avaliação global requer que o utilizador do
AGREE II faça um julgamento sobre a qualidade
da NOC, tendo em conta os itens de avaliação
considerados no processo.
O instrumento GLIA
O instrumento GLIA (Guideline Implementability Appraisal)* destina‐se a avaliar os critérios
de implementabilidade das NOC. Reconhecem‐
se factores intrínsecos e extrínsecos que condicionam o resultado da implementação de uma
NOC. Os primeiros dependem directamente de
quem concebe a NOC e portanto são a estes
que se destina o GLIA.
O GLIA define três tipos de recomendações:
• recomendação condicional – uma ou mais
acções que devem ser executadas pelos
membros da população-alvo, se cumprirem
uma ou mais condições estipuladas (por
exemplo, se existe dor deve ser recomendado tratamento analgésico – a condição é
a “dor” e a acção recomendada o “tratamento analgésico”)
• recomendação imperativa – uma ou mais
acções a realizar em todos os membros da
população‐alvo
*Shiffman RN, Dixon J, Brandt C, Essaihi A, Hsiao A, Michel
G, O’Connell R. The GuideLine Implementability Appraisal
(GLIA): development of an instrument to identify obstacles to
guideline implementation. BMC Med Inform Decis Mak.
2005;5:23.
• recomendação complexa – se se utilizam
conectores como “e” ou “ou” nas recomendações veiculadas
É constituído por 10 dimensões com um total
de 31 itens:
• Avaliação global (itens 1 a 7) – avalia a
implementação da NOC como um todo,
dado que, por vezes, a capacidade de implementação de cada recomendação é diferente
• Decisibilidade (itens 8 a 10) – circunstâncias precisas para executar uma recomendação
• Executabilidade (itens 11 e 12) – o que fazer perante circunstâncias bem definidas
• Efeito nos cuidados de saúde (itens 13 e
14) – grau de impacto da recomendação na
dinâmica de trabalho de uma unidade de
saúde
• Apresentação e formato (itens 15 e 16) –
grau com que a recomendação é facilmente reconhecida e resumida
• Resultados mensuráveis (itens 17 e 18)
– grau em que a NOC identifica endpoints
para monitorizar os efeitos de implementação da recomendação
• Validade aparente (itens 19 e 20) – grau
com que a recomendação reflecte as intenções de quem a desenvolveu e a força da
evidência
• Inovação/Novidade (itens 21 a 23) – grau
em que a recomendação propõe comportamentos considerados não convencionais
por profissionais de saúde e doentes
• Flexibilidade (itens 24 a 27) – grau em que
uma recomendação permite interpretação e
alternativas à sua execução
• Computabilidade (itens 28 a 31) – grau em
que a recomendação pode ser operacionalizada em sistema de informação electrónico (só aplicável se planeada a implementação electrónica)
Para cada item a recomendação é graduada
com apenas quatro opções de resposta (comentários adicionais que explicam o porquê da resposta seleccionada):
• Y – a recomendação cumpre inteiramente
este critério
• N – a recomendação não cumpre este
critério
• ? ‐ Impossibilidade de atribuir julgamento a
este questão porque o conhecimento ou
experiência é insuficiente nesta área
• NA – critério não é aplicável a esta recomendação
Quando os utilizadores do GLIA obtêm respostas divergentes estas devem ser debatidas
de forma a tentar obter um consenso. Todos os
itens com resposta “?” devem ser resolvidos.
Todos os “N” correspondem à identificação de
uma barreira de implementação.
Os itens 8 a 10 focam as recomendações condicionais, enquanto os 11 e 12 dirigem‐se para
DOR
CEMBE da FMUL ‐ NOC da Dor Neuropática Localizada
45
Dor (2011) 19
as acções recomendadas (imperativas e condicionais). As recomendações condicionais que não
cumprem algum dos critérios 8 a 11 não podem
ser implementadas, devendo sofrer uma remodelação. As recomendações imperativas que não
satisfazem o item 11 não têm sucesso correspondendo a barreiras identificadas, devendo a NOC
ser modificada antes da sua disseminação.
Considerações globais (relativas à NOC como um
todo)
• A organização e autores da NOC possuem
credibilidade junto dos seus potenciais utilizadores?
• A população-alvo da NOC encontra-se claramente definida?
• O documento produzido contempla possíveis estratégias de disseminação e implementação?
• A NOC possui ferramentas facilitadoras da
aplicação (ex: sumário do documento, guia
de consulta rápida, material educacional,
folhetos dirigidos aos doentes, fontes on‐line ou software de computador)?
• Se uma recomendação da NOC é considerada mais importante que as outras, a sua
apresentação ou formato realçam esta importância?
• Encontra-se explícita a sequência com
que as recomendações devem ser aplicadas?
• A NOC possui consistência interna, ou seja,
não existem conflitos ou contradições entre
recomendações, sumários, fluxogramas,
materiais de educação, etc.?
Considerações individuais (relativas a cada
recomendação da NOC)
Recomendação
(classificação atribuída)
“Decisibilidade”
8 ‐ A audiência a que se destina a NOC consegue determinar consistentemente se cada
condição na recomendação pode ser cumprida?
(se toda e qualquer condição está claramente descrita de forma que o profissional de saúde reconheça
quando é que a recomendação deve ser aplicada)
9 ‐ Foram contempladas todas as possíveis combinações de condições, isto é, a recomendação é
abrangente?
10 ‐ Se existe mais de uma condição na recomendação a relação lógica entre todas as
condições (“e” e “ou”) encontra‐se bem explícita?
Comentários:
Recomendação
(classificação atribuída)
“Executabilidade”
11 – A acção recomendada (o que fazer) é específica e não ambígua? (os membros da
população‐alvo executam a acção de forma consistente? Nas situações em que existem duas ou mais
opções os critérios de executabilidade são cumpridos se o utilizador da NOC seleccionar apenas uma
acção entre as várias disponíveis)
12 – É fornecido suficiente detalhe ou referência (como fazer) para permitir à audiência‐alvo
executar a acção recomendada, adaptada ao seu conhecimento e capacidades usuais?
Comentários:
Recomendação
(classificação atribuída)
Efeitos nos cuidados de saúde
DOR
13 – A recomendação pode ser implementada por qualquer profissional de saúde sem
sobrecarregar substancialmente o sistema em termos de tempo, equipa, equipamento, etc. ?
46
14 – A recomendação pode ser tentada provisoriamente? Por exemplo, o acto de aquisição e
instalação de equipamento de custo elevado para cumprir uma recomendação pode não ser facilmente
reversível.
Comentários:
CEMBE da FMUL ‐ NOC da Dor Neuropática Localizada
Recomendação
(classificação atribuída)
Apresentação e formato
15 – A recomendação é facilmente identificável (ex: caixa sumário, a bold, sublinhado, num
algoritmo, etc.)
16 – A recomendação (e a sua discussão) é concisa?
Comentários:
Recomendação
(classificação atribuída)
Resultados mensuráveis
17 – Podem ser retirados da NOC critérios que permitem avaliar a adesão à recomendação?
Requer atenção às acções e circunstâncias apropriadas em que são executadas.
18 – Podem ser retirados da NOC critérios que permitem avaliar os resultados (outcomes)
da recomendação?
Comentários:
Recomendação
(classificação atribuída)
Validade aparente
19 – A justificação para a recomendação está claramente documentada?
20 – A qualidade da evidência que suporta a recomendação está claramente documentada?
Comentários:
Recomendação
(classificação atribuída)
Inovação/Novidade
21 – A recomendação pode ser executada pela população alvo sem aquisição de novas
competências (conhecimentos, aptidões)?
22 – A recomendação é compatível com atitudes e crenças já existentes na população alvo?
23 – A recomendação é consistente com as expectativas dos doentes? Em geral, os doentes
esperam que as suas preocupações sejam levadas a sério, que os benefícios das intervenções excedam
os riscos e que os resultados adversos sejam mínimos ou nulos.
Comentários:
Recomendação
(classificação
atribuída)
Flexibilidade
24 – A recomendação especifica as características do doente ou da prática (clínica ou não
clínica) que requerem (ou permitem) individualização?
25 – A recomendação entra em conta com terapêuticas concomitantes e outras
comorbilidades frequentes?
27 – Se a preferência do doente é considerada a recomendação propõe mecanismos para a
sua incorporação?
Comentários:
DOR
26 – Existe uma declaração explícita da força da recomendação?
47
Dor (2011) 19
Recomendação
(classificação atribuída)
Computabilidade*
28 – Toda a informação dos doentes, necessária para a implementação da recomendação
encontra‐se disponível no sistema electrónico?
29 – Cada condição da recomendação está definida com um nível de especificidade
adaptado à implementação electrónica?
30 – Cada acção recomendada está definida com um nível de especificidade adaptado à
implementação electrónica?
31 – Encontra‐se claro por que meio a acção recomendada pode ser executada num cenário
electrónico? (por exemplo: criação de uma prescrição, receita médica, referência, notificação electrónica,
etc.)
*Opcional: apenas se for considerada a implementação electrónica.
Comentários:
Barreira
Especificidade
Bibliografia
DOR
48
1. Finnerup NB, Otto M, Jensen TS, Sindrup SH. An evidence‐based
algorithm for the treatment of neuropathic pain. MedGenMed
2007;9:36.
2. Torrance N, Smith BH, Bennett MI, Lee AJ. The epidemiology of
chronic pain of predominantly neuropathic origin. Results from a
general population survey. J Pain 2006;7:281‐289.
3. Hall GC, Carroll D, McQuay HJ. Primary care incidence and treatment of four neuropathic pain conditions: a descriptive study,
2002‐2005. BMC Fam Pract 2008;9:26.:26.
4. Bennett GJ. Neuropathic pain: an overview. In: Borsook D, editor.
Molecular Biology of Pain. 1 ed. Seattle: IASP Press; 1997:109‐113.
5. Bowsher D, Rigge M, Sopp L. Prevalence of chronic pain in the
british population: a telephone survey of 1037 households. Pain Clin
1991;4:223‐230.
6. Bouhassira D, Lanteri‐Minet M, Attal N, Laurent B, Touboul C. Prevalence of chronic pain with neuropathic characteristics in the general population. Pain 2008;136:380‐387.
7. Bowsher D. Neurogenic pain syndromes and their management. Br
Med Bull 1991;47:644‐666.
8. Smith BH, Torrance N. Neuropathic pain. In: Croft PR, editor. Chronic pain epidemiology: from aetiology to public health. 1 ed. Oxford:
Oxford University Press; 2010.
9. Jensen TS, Backonja MM, Hernandez JS, Tesfaye S, Valensi P,
Ziegler D. New perspectives on the management of diabetic peripheral neuropathic pain. Diab Vasc Dis Res 2006;3:108‐119.
10. Al‐Daghri NM, Al‐Attas OS, Al‐Rubeaan K, Sallam R. Adipocytokine
profile of type 2 diabetics in metabolic syndrome as defined by
various criteria. Diabet Metabol Res Rev 2008;24:52‐58.
11. Schmader KE. Epidemiology and impact on quality of life of postherpetic neuralgia and painful diabetic neuropathy. Clin J Pain
2002;18:350‐354.
12. Shipton E. Post‐surgical neuropathic pain. ANZ J Surg 2008;78:
548‐555.
13. Jung BF, Johnson RW, Griffin DR, Dworkin RH. Risk factors for
postherpetic neuralgia in patients with herpes zoster. Neurology
2004;62:1545‐1551.
14. Vadalouca A, Siafaka I, Argyra E, Vrachnou E, Moka E. Therapeutic
management of chronic neuropathic pain: an examination of pharmacologic treatment. Ann N Y Acad Sci 2006;1088:164‐186.
15. Benitez‐Rosario MA, Salinas‐Martin A, Martinez‐Castillo LP, Martin‐
Ortega JJ, Feria M. Intermittent nasogastric drainage under sedation
for unresponsive vomiting in terminal bowel obstruction. J Pain
Symptom Manage 2003;25:4‐5.
16. Dworkin RH. An overview of neuropathic pain: syndromes, symptoms,
signs, and several mechanisms. Clin J Pain 2002;18:343‐349.
17. Cavenagh J, Good P, Ravenscroft P. Neuropathic pain: are we out
of the woods yet? Intern Med J 2006;36:251‐255.
Solução sugerida
Resolução
18. Backonja MM. Defining neuropathic pain. Anesth Analg 2003;97:
785‐790.
19. Treede RD, Jensen TS, Campbell JN et al. Neuropathic pain: redefinition and a grading system for clinical and research purposes.
Neurology 2008;70:1630‐1635.
20. Finnerup NB, Sindrup SH, Jensen TS. Chronic neuropathic pain:
mechanisms, drug targets and measurement. Fundam Clin Pharmacol 2007;21:129‐136.
21. Bennett MI, Bouhassira D. Epidemiology of neuropathic pain: can
we use the screening tools? Pain 2007;132:12‐13.
22. Finnerup NB, Jensen TS. Mechanisms of disease: mechanism‐
based classification of neuropathic pain‐a critical analysis. Nat Clin
Pract Neurol 2006;2:107‐115.
23. Vissers KC. The clinical challenge of chronic neuropathic pain.
Disabil Rehabil 2006;28:343‐349.
24. Jackson KC. Pharmacotherapy for neuropathic pain. Pain Pract
2006;6:27‐33.
25. Namaka M, Gramlich CR, Ruhlen D, Melanson M, Sutton I, Major J.
A treatment algorithm for neuropathic pain. Clinical Therapeutics
2004;26:951‐979.
26. Dworkin RH, Backonja M, Rowbotham MC et al. Advances in neuropathic pain: diagnosis, mechanisms, and treatment recommendations. Arch Neurol 2003;60:1524‐1534.
27. Camerlingo M, Nemni R, Ferraro B et al. Malignancy and sensory
neuropathy of unexplained cause: a prospective study of 51 patients. Arch Neurol 1998;55:981‐984.
28. Corrao G, Zambon A, Bertu L, Botteri E, Leoni O, Contiero P. Lipid
lowering drugs prescription and the risk of peripheral neuropathy:
an exploratory case‐control study using automated databases. J
Epidemiol Community Health 2004;58:1047‐1051.
29. Cruccu G, Anand P, Attal N et al. EFNS guidelines on neuropathic
pain assessment. Eur J Neurol 2004;11:153‐162.
30. Chen H, Lamer TJ, Rho RH et al. Contemporary management of
neuropathic pain for the primary care physician. Mayo Clin Proc
2004;79:1533‐1545.
31. Closs SJ, Staples V, Reid I, Bennett MI, Briggs M. Managing the
symptoms of neuropathic pain: an exploration of patients’ experiences. J Pain Symptom Manage 2007;34:422‐433.
32. Bouhassira D, Attal N, Alchaar H et al. Comparison of pain syndromes
associated with nervous or somatic lesions and development of a new
neuropathic pain diagnostic questionnaire (DN4). Pain 2005;114:29‐36.
33. Freynhagen R, Baron R, Gockel U, Tolle TR. painDETECT: a new
screening questionnaire to identify neuropathic components in patients with back pain. Current Medical Research Opinion
2006;22:1911‐1920.
34. Becker N, Bondegaard TA, Olsen AK, Sjogren P, Bech P, Eriksen J.
Pain epidemiology and health related quality of life in chronic non‐
malignant pain patients referred to a Danish multidisciplinary pain
center. Pain 1997;73:393‐400.
LIVOPAN
®
Linde: Living healthcare
MED 706PT/Abril2011
RCM no verso.
Alívio da dor.
Tão simples como respirar.
RCM REDUZIDO: 1. DENOMINAÇÃO DO MEDICAMENTO: LIVOPAN 50%/50%, gás medicinal comprimido. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA: Cada cilindro de gás
contém protóxido de azoto medicinal (N2O) 50 % v/v e oxigénio medicinal (O2) 50 % v/v a uma pressão de 138 bar ou de 170 bar (15°C). 3. FORMA FARMACÊUTICA: Gás
medicinal comprimido. O gás é incolor e inodoro. 4. INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS: O LIVOPAN está indicado nas situações de dor de curta duração, de intensidade ligeira a
moderada, quando se pretende uma analgesia de indução e recuperação rápida. 5. POSOLOGIA E MODO DE ADMINISTRAÇÃO: Devem ser tomadas precauções especiais
quando se trabalha com protóxido de azoto. O protóxido de azoto deve ser administrado de acordo com as orientações nacionais. O LIVOPAN é administrado por via inalatória
em doentes em ventilação espontânea através de uma máscara facial. A administração do LIVOPAN é gerida pela respiração do doente. Segurando a máscara firmemente ao
redor da boca e nariz e respirando através da máscara, a vulgarmente denominada “válvula de demanda” abre e o LIVOPAN é libertado do equipamento e é administrado
ao doente através da via aérea. A absorção ocorre nos pulmões. Em odontologia, é recomendada a utilização de uma máscara dupla; ou em alternativa, uma máscara nasal
ou naso-bucal com sistemas de exaustão/ ventilação adequados. A administração por via endotraqueal não é recomendada. A administração de LIVOPAN a doentes que
respirem por tubos endotraqueais deve ser feita apenas por profissionais de saúde qualificados na prestação de anestesia. A administração de LIVOPAN deve ser iniciada
pouco antes do desejado efeito analgésico. O efeito analgésico é evidenciado após 4-5 ventilações e atinge o seu máximo dentro de 2-3 minutos. A administração de
LIVOPAN deve continuar durante todo o procedimento doloroso, ou enquanto o efeito analgésico for desejado. Após a descontinuação da administração/ inalação, os efeitos
desaparecem rapidamente em poucos minutos. Dependendo da reacção individual ao efeito analgésico, pode ser necessário adicionar outros analgésicos. O LIVOPAN deve
ser utilizado, de preferência, em doentes capazes de compreender e seguir as instruções sobre a utilização do equipamento e máscara. Em crianças ou em doentes que não
são capazes de compreender e seguir as instruções, o LIVOPAN pode ser administrado sob a supervisão de pessoal médico competente que pode ajudá-los a manter a
máscara no lugar e monitorizar activamente a administração. Nestes casos, o LIVOPAN pode ser administrado com um fluxo de gás constante. Devido ao risco aumentado do
doente ficar marcadamente sedado e inconsciente, esta forma de administração só deverá ocorrer em condições controladas. O fluxo contínuo de gás só deve ser utilizado
na presença de pessoal qualificado e em locais com equipamento adequado para gestão dos efeitos da sedação e diminuição da consciência mais pronunciada. Sempre que
se use fluxo contínuo, o risco potencial de inibição do reflexos de protecção da via aérea tem de ser considerado, pelo que é necessário estar preparado para assegurar a
permeabilidade da via aérea e a ventilação assistida. Ao terminar a administração, deve ser permitido ao doente recuperar de forma calma e sob condições controladas por
cerca de 5 minutos ou até que o grau de alerta / consciência recupere satisfatoriamente. O LIVOPAN pode ser administrado até 6 horas sem monitorização hematológica em
doentes sem factores de risco 6. CONTRA-INDICAÇÕES: Durante a inalação do LIVOPAN, bolhas de gás (embolia gasosa) e cavidade cheias de gás podem expandir devido à
elevada difusibilidade do protóxido de azoto. Consequentemente a utilização de LIVOPAN está contra-indicada: Em doentes com sintomas de pneumotórax, pneumopericárdio,
enfisema severo, embolia gasosa ou traumatismo craniano; Após a realização de mergulho profundo devido ao risco de doença de descompressão (bolhas de azoto); Após
bypass cardio-pulmonar recente com circulação extra-corporal e após bypass coronário sem circulação extra-corporal; Após injecções intra oculares recentes de gás (ex. SF6,
C3F8), até que este seja completamente absorvido, porque o volume de gás pode aumentar a pressão/volume com risco de cegueira; Doentes com dilatação severa do tracto
gastrointestinal. O LIVOPAN está também contra-indicado em: Doentes que apresentem hipersensibilidade ao protóxido de azoto; Doentes com insuficiência cardíaca ou
disfunção cardíaca (ex. após cirurgia cardíaca), por aumentar o risco de deterioração da performance cardíaca; Em doentes que apresentem sinais persistentes de confusão,
ou outros sinais de aumento da pressão intracraniana; Doentes que apresentem uma diminuição do nível de consciência e/ou da capacidade de cooperar e seguir instruções,
pelo risco de uma maior sedação por parte do protóxido de azoto poder afectar os reflexos de protecção naturais; Doentes com deficiências diagnosticadas mas não tratadas
das vitaminas B12 ou ácido fólico, ou com perturbações genéticas ao nível das enzimas envolvidas no metabolismo destas vitaminas; Em doentes com lesões faciais que
dificultem ou ponham em risco a utilização da máscara; 7. ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES ESPECIAIS NA UTILIZAÇÃO: O LIVOPAN só deve ser administrado por pessoal
qualificado, com acesso a equipamento de reanimação. Na utilização de um fluxo constante da mistura gasosa, o risco de sedação profunda, inconsciência e perda dos
reflexos de protecção, com por exemplo, regurgitação e aspiração, devem ser considerados. É importante ter em atenção o potencial uso abusivo do fármaco. 7.1. Advertências:
O protóxido de azoto interfere com o metabolismo da vitamina B12 e do folato. Inibe a metionina-sintetase, que contribui para a conversão da homocisteina em metionina.
As consequências desta inibição incluem a redução da síntese de timina, uma base essencial do ADN. O efeito do protóxido de azoto na produção de metionina pode resultar
numa menor e deficiente mielinização e danos na medula espinal. A interferência com a síntese de ADN é provavelmente responsável pelas alterações na formação dos
células sanguíneas e na toxicidade fetal observada em estudos animais. Têm sido relatados casos de redução da fertilidade de pessoal médico e paramédico após a
exposição repetida ao protóxido de azoto em salas inadequadamente ventiladas. Até à data não é possível confirmar ou excluir a existência de qualquer relação causal entre
estes casos e a exposição de protóxido de azoto. Devem se tomadas medidas para que as concentrações no ambiente de trabalho sejam as mais baixas possíveis e de acordo
com a regulamentação. As salas em que se utilize LIVOPAN devem ser convenientemente ventiladas e/ou equipadas com sistemas de exaustão que assegurem uma
concentração de protóxido de azoto no ar ambiente abaixo dos limites nacionais de exposição ocupacional estabelecidos; os limites nacionais para TWA (time weight
average) - valor médio de exposição para um dia de trabalho e STEL (short term expose limit) - valor médio durante uma exposição curta, devem ser sempre cumpridos. A
mistura de gases deve ser armazenada e utilizada apenas em áreas /salas onde a temperatura seja superior a -5 ºC. A temperaturas inferiores a mistura de gases pode
separar-se e resultar na administração de uma mistura de gás hipóxica. O LIVOPAN pode ser utilizado em crianças capazes de seguir instruções sobre como usar o equipamento.
No tratamento de crianças mais novas, ou em doentes que não sejam capazes de seguir instruções, pode ser necessário o uso de fluxo constante de gás. O fluxo constante
de gás só deve ser administrado por profissionais de saúde treinados na utilização do gás, com equipamento disponível para assegurar a permeabilidade da via aérea e
ventilação assistida. 7.2. Precauções especiais na utilização: O protóxido de azoto pode afectar o metabolismo da vitamina B12 e do folato; por conseguinte o LIVOPAN deve
ser usado com precaução em doentes de risco, i.e doentes com diminuição da ingestão ou absorção de vitamina B12 e/ou ácido fólico ou com alterações genéticas do
sistema enzimático envolvido no metabolismo destas vitaminas, bem como, doentes imunodeprimidos. Se necessário o tratamento de substituição com vitamina B12 / ácido
fólico deve ser considerado. A utilização continua, por períodos que excedam 6 horas, deve-se ser aplicada com precaução devido ao potencial risco de manifestações
clínicas resultantes do efeito inibitório sobre a metionina sintetase. O uso prolongado continuado ou recorrente deve ser acompanhado de monitorização hematológica para
minimizar o risco potencial de efeitos secundários. Devido ao seu conteúdo em protóxido de azoto, O LIVOPAN induz um aumento da pressão do ouvido médio e outras
cavidades preenchidas com ar. A administração concomitante de LIVOPAN em doentes que tomem outros medicamentos de acção central, por exemplo derivados morfínicos
e/ou benzodiazepinas, pode resultar num aumento da sedação com consequentes efeitos na respiração, circulação e nos reflexos de protecção. A utilização de LIVOPAN
nestes doentes deverá ocorrer sob a supervisão de pessoal devidamente treinado. Após a interrupção da administração de LIVOPAN, o doente deverá recuperar sob
supervisão adequada até a mitigação dos potenciais riscos resultantes da utilização do LIVOPAN e recuperação satisfatória do doente. A recuperação do doente deve ser
avaliada pelos profissionais de saúde. Após a cessação da administração de LIVOPAN, o protóxido de azoto difunde-se rapidamente do sangue para os alvéolos. Devido à
rápida eliminação alveolar, pode ocorrer uma diminuição da concentração alveolar de oxigénio e hipoxia de difusão. Isto pode ser prevenido com administração de oxigénio
suplementar. 8. INTERACÇÕES MEDICAMENTOSAS E OUTRAS FORMAS DE INTERACÇÃO: Combinação com outros medicamentos: O protóxido de azoto, componente do LIVOPAN,
interage de forma aditiva com anestésicos inalados e/ou substâncias activas com efeito ao nível do sistema nervoso central (e.g. opiáceos, benzodiazepinas e outros
psicotrópicos). Na utilização concomitante de agentes de acção central deve-se ter em consideração os riscos de sedação pronunciada e depressão dos reflexos de protecção.
O LIVOPAN potencia o efeito inibitório do metotrexato sobre a metionina sintetase e o metabolismo do ácido fólico. A toxicidade pulmonar associada a substâncias activas,
tais como a bleomicina, amiodarona, e furadantina ou antibióticos similares, pode ser exacerbada pela inalação de oxigénio suplementar. Outras interacções: O protóxido
de azoto, presente no LIVOPAN, inactiva a vitamina B12 (co-factor na síntese da metionina) a qual interfere com o metabolismo do ácido fólico. Assim a síntese de DNA é
comprometida após administração prolongada de protóxido de azoto. Estas alterações podem resultar em alterações megaloblásticas da medula óssea, e possível
polineuropatia e/ou degeneração subaguda da medula espinal. Portanto a administração de LIVOPAN deve ser limitada no tempo. 9. EFEITOS INDESEJÁVEIS: Anemia
megaloblástica e leucopénia foram relatadas após a exposição prolongada ou repetida a LIVOPAN. Efeitos neurológicos, como mielopatia e polineuropatia, foram relatados
em exposições excepcionalmente elevadas e frequentes. Deve ser considerada a administração de terapia de substituição em todos os casos de suspeita de deficiência das
vitaminas B12 ou folato, ou se surgirem sinais ou sintomas de efeitos sobre a síntese de metionina desencadeados por protóxido de azoto. Frequentes (>1/100, <1/10): Doenças do sistema nervoso: tonturas, sensação de lipotímia, euforia; - Doenças gastrointestinais: náuseas e vómitos. Pouco frequentes (>1/1000, < 1/100): - Doenças do
sistema nervoso: astenia marcada. Afecções do ouvido e do labirinto: e sensação de pressão no ouvido médio. - Doenças gastrointestinais: aerocolia, aumento do volume
de gás intestinal. Frequência desconhecida (não pode ser estimada a partir dos dados disponíveis): - Doenças do Sangue e sistema linfático: anemia megaloblástica, leucopénia;
- Doenças do sistema nervoso: polineuropatia, paraparesia e mielopatia, depressão respiratória, cefaleias; - Perturbações do foro psiquiátrico: psicose, confusão, ansiedade.
Para mais informações deverá contactar o titular
da autorização de introdução no mercado
Av.ª Infante D. Henrique, Lotes 21-24 z 1800-217 Lisboa
Tel. 218 310 453 z Fax 218 595 997 z www.linde-healthcare.com.pt
Was this manual useful for you? yes no
Thank you for your participation!

* Your assessment is very important for improving the work of artificial intelligence, which forms the content of this project

Download PDF

advertising