AOpen | i915Ga-EFRII | clique aqui para visualizar o PPC do curso - IFAM-EaD

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS
PRO-REITORIA DE ENSINO
DIRETORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA
________________________________________________
PLANO DE CURSO
TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO EM REDES DE COMPUTADORES
NA FORMA SUBSEQUENTE
A DISTÂNCIA
________________________________________________
MANAUS – 2012
2
Dilma Vana Rousseff Linhares
PRESIDENTE DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL
Fernando Haddad
MINISTRO DA EDUCAÇÃO
Eliezer Moreira Pacheco
SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
João Martins Dias
REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DO AMAZONAS
Ana Mena Barreto Bastos
PRÓ-REITORA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO
Antônio Venâncio Castelo Branco
PRÓ-REITOR DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL
Nelson Batista do Nascimento
PRÓ-REITOR DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO
Sandra MagniDarwich
PRÓ-REITORA DE EXTENSÃO
Vicente Ferreira de Lucena Junior
PRÓ-REITOR DE ENSINO
Aldenir de Carvalho Caetano
DIRETOR GERAL DO CAMPUS MANAUS ZONA LESTE
Allen Bitencout de Lima
DIRETOR GERAL DO CAMPUS COARI
Darcília Penha Pinto
DIRETORA GERAL DO CAMPUS PARINTINS
Elias Braziliano de Souza
DIRETOR GERAL DO CAMPUS SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA
Ivamilton de Souza Araújo
DIRETOR GERAL DO CAMPUS TABATINGA
Jorge Nunes Pereira
DIRETOR GERAL DO CAMPUS LÁBREA
José Pinheiro de Queiroz Neto
DIRETOR GERAL DO CAMPUS MANAUS DISTRITO INDUSTRIAL
Júlio César Araújo de Freitas
DIRETOR GERAL DO CAMPUS MANAUS CENTRO
Leonor Ferreira Neta Toro
DIRETORA GERAL DO CAMPUS MAUÉS
Paulo Henrique Rocha Aride
DIRETOR GERAL DO CAMPUS PRESIDENTE FIGUEIREDO
Cláudia Magalhães do Valle
DIRETORA DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA
Márciada Costa Pimenta
COORDENADORA GERAL DA REDE E-TEC BRASIL – IFAM
Mirlem Rodrigues Ribeiro
COORDENADORA DO CURSO TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES A DISTÂNCIA
3
INDICE
1.
IDENTIFICAÇÃO DO CURSO........................................................................................................................ 5
2.
ORGANIZAÇÃO INSTITUCIONAL PARA A MODALIDADE DE EAD ............................................................... 6
2.1
Sistemas de Gestãode Educação a Distância......................................................................................... 8
2.1.1
Ambientação dos Alunos na Educação a Distância ......................................................................... 11
2.1.2
Processos de Seleção e Capacitação dos Tutores ........................................................................... 12
2.2
3.
Gestão do Polo de Apoio Presencial.................................................................................................... 13
JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS .................................................................................................................... 13
3.1
Justificativa .......................................................................................................................................... 13
3.2
Objetivos.............................................................................................................................................. 16
3.2.1
Objetivo Geral:................................................................................................................................. 16
3.2.2
Objetivos Específicos: ...................................................................................................................... 16
4.
REQUISITO DE ACESSO ............................................................................................................................ 17
5.
PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO ................................................................................................... 17
6.
ORGANIZAÇÃO CURRICULAR ................................................................................................................... 20
6.1
Concepção Metodológica ................................................................................................................... 20
6.2
Matriz Curricular.................................................................................................................................. 25
6.3
Ementário do curso ............................................................................................................................. 26
6.4
Estágio Profissional Supervisionado .................................................................................................... 47
6.5
Projeto Final do Curso ......................................................................................................................... 48
7.
CRITÉRIOS DE APROVEITAMENTO DE CONHECIMENTOS E EXPERIÊNCIAS ANTERIORES ....................... 49
8.
CRITÉRIOS E PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO....................................................................................... 51
9.
INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS ............................................................................................................ 53
9.1
Material Pedagógico ............................................................................................................................ 53
9.2
Recursos Tecnológicos......................................................................................................................... 53
4
9.3
Instalações Físicas ................................................................................................................................ 54
9.3.1. Infraestrutura da Diretoria de Educação a Distância ............................................................................ 54
9.4
Infraestrutura dos Polos.................................................................................................................. 56
9.5
Acervo Bibliográfico ............................................................................................................................. 57
10
PESSOAL DOCENTE E TÉCNICO ............................................................................................................ 58
10.1
Pessoal Docente: ................................................................................................................................. 58
10.2
Tutores:................................................................................................................................................ 58
10.3
Técnico-administrativo ........................................................................................................................ 59
11
CERTIFICADOS E DIPLOMAS................................................................................................................. 59
ANEXO ............................................................................................................................................................. 60
5
1.
IDENTIFICAÇÃO DO CURSO
CNPJ do Proponente: 04.391.314/0001-13
Proponente: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas
Estado/Município: Manaus-AM
Nome do Responsável pelo cadastro: Márcia da Costa Pimenta
Coordenador do curso: Mirlem Rodrigues Ribeiro Pereira
Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação
Nome do curso: Técnico em Redes de Computadores
Número de vagas: 250

Manaus – 50 vagas

Maués – 50 vagas

Parintins – 50 vagas

Presidente Figueiredo – 50 vagas

Tabatinga – 50 vagas
Carga Horária Parcial: 1050 h
Carga Horária - Estágio: 240 h
Carga Horária Total: 1290 h
Cadastro do curso no CNCT:
Modalidade: Educação a Distância (EAD)
Forma: Subsequente
6
2.
ORGANIZAÇÃO INSTITUCIONAL PARA A MODALIDADE DE EAD
A nossa sociedade vem enfrentando constantes transformações com o crescente e
dinâmico mundo das novas tecnologias de comunicação. Essas inovações tecnológicas
nos conduzem a reflexão sobre sua importância e utilização no contexto da Educação a
Distância (EaD).
Acredita-se que a EaD deva se tornar um meio mais viável e rápido para o
processo da inclusão social e democratização do ensino profissional, uma vez que o
espaço interativo possibilita a troca de saberes e a formação do cidadão atuante com
competências básicas para inserção no mundo do trabalho.
O domínio das mídias e Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC), no
âmbito da EaD resignifica o conceito de conhecimento. Por meio das ferramentas
tecnológicas
e
de
suas mediações que
as
potencialidades
se
desenvolvem,
proporcionando uma educação sem distância, sem tempo, levando o sistema educacional
a contribuir com formação inclusiva de cidadãos pertencentes aquele espaço, em uma
sociedade que respeite e valorize as diferenças.
A globalização vem provocando uma necessidade de comunicação e
informação sem fronteiras. Igualmente, o conceito dos recursos didáticos assume um
novo papel frente ao surgimento de meios tecnológicos aplicados ao processo de
formação na modalidade à distância. O uso das mídias educacionais trabalhadas de
forma integrada vem nortear a inserção dos sujeitos envolvidos no contexto atual de uma
sociedade tecnológica.
A EaD consiste em uma forma de ensino que possibilita a auto-aprendizagem,
sendo mediada por recursos didáticos sistematicamente organizados que podem ser
utilizados isoladamente ou combinados e veiculados pelos diversos meios de
comunicação. Outra característica dessa forma de ensino é que professores e alunos
estão separados especial e/ou temporalmente nesse processo, porém interagindo por
meio das novas tecnologias. A EaD é uma modalidade de ensino reconhecidamente
eficaz e consistente, que com o passar dos anos vem ganhando mais espaço, e tem feito
uso de diversos meios de comunicação para disseminação da informação. Com esse
intuito a EaD utiliza os mais diversos meios de comunicação como por exemplo: material
impresso distribuído pelo correio, transmissão de rádio ou TV, fitas de áudio ou de vídeo,
7
telefone, sistemas de teleconferência ou de videoconferência e, por fim, redes de
computadores cuja mais conhecida é a Internet.
O cenário atual da EaD no Instituto Federal do Amazonas (IFAM) vem
passando por transformações e conquistas significativas por meio de integração nos
programas nacionais de EaD, da criação da Diretoria de Educação a Distância (DED), das
parcerias com o estado e municípios do Estado do Amazonas que identificaram polos
específicos e com potencial técnico básico para atendimento das demandas na região.
Nesse panorama de mudanças proporcionado pelas novas diretrizes propostas
pelo Ministério da Educação/MEC e a Lei de Diretrizes e Bases da Educação, iniciou-se
no IFAM, assim como já vem sendo feito em outros Institutos Fedrais (IF) no Brasil,
experiências inovadoras na difusão do conhecimento. Entre as ações iniciais de
implantação do Projeto de Educação à Distância (PEAD) no IFAM, foram identificados
polo potenciais e ofertado o Cursos Técnico em Agropecuária, por meio do Campus Zona
Leste, nos municípios de Barreirinha, Coari, Iranduba, Manacapuru, Nhamundá, Rio Preto
da Eva; Curso Técnico em Hospedagem, por meio do Campus Centro nos municípios de
Barreirinha, Eirunepé e Tefe e o Curso Técnico em Meio Ambiente por meio do Campus
Centro nos municípios de Barreirinha, Eirunepé, Manaus, Tabatinga e Tefé na modalidade
à distância.
No decorrer desses cursos foram realizadas avaliações institucionais com
resultados favoráveis, considerando o caráter diferenciado da EaD, bem como os desafios
que o circundam. Nesse processo de acompanhamento e consulta aos polos foram
contemplados aspectos pertinentes a modalidade a distância, a saber: (1) o que diz
respeito ao aluno, (2) o que diz respeito aos professores, tutores, coordenadores e (3) o
que se refere ao curso como um todo, incluindo a infraestrutura, os equipamentos e o
Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA). Como parte integrante do programa, pretendese dar continuidade as atividades de avaliação no Curso Técnico em Redes de
Computadores, projetado para ser ofertado no segundo semestre de 2011, e iniciado no
primeiro semestre de 2012, uma vez que seus resultados servem de parâmetros,
subsídios, fundamentos e assessoria para o processo decisório da DED.
A DED é a instância administrativa e pedagógica responsável pela gestão da
EaD no IFAM. No Conselho Nacional de Dirigentes das Instituições Federais de Ensino
(CONIFE) vem sendo recorrentes as discussões e as ações para a institucionalização da
EaD nos Institutos Federais, devido a crescente demanda, rapidez no atendimento,
8
possibilidades de expansão e resultados excitatórios por meio do Programa e-Tec Brasil e
UAB. Com a implantação da DED, o IFAM pretende ampliar a sua atuação no estado por
meio da oferta de cursos pós-médio profissionalizante na modalidade de Educação a
Distância.
A experiência em EaD já é uma realidade no IFAM que possui no seu quadro
docente e técnico-administrativo, uma equipe responsável pela implantação de toda a
infraestrutura didático-tecnológica. A DED do IFAM, como todas as demais, está
empenhada em oferecer um curso técnico a distância com a mesma qualidade dos cursos
presenciais. Para implantação deste tipo de modalidade de ensino, há necessidade de
alto investimento na qualificação profissional da equipe com conhecimento específico da
área, material didático adequado ao ambiente virtual de aprendizagem, infraestrutura
tecnológica e serviços de apoio e manutenção dos mesmos, inclusive nos polos ou
núcleos de atendimento.
Dando sequência ao Plano de Implantação da EaD, o IFAM pretende estreitar
cada vez mais relações com as prefeituras dos municípios do estado, formalizando
parcerias, convênios e acordos técnicos com instituições de ensino, secretarias de
educação, empresas privadas e outros, definindo qual o papel de cada parceiro no
projeto, de forma a garantir os melhores recursos para o desenvolvimento do curso e
elevado padrão de qualidade e legitimidade ao certificados e diplomas outorgados.
Como prosseguimento às ações de institucionalização da EaD, o IFAM oferta o
Curso Técnico em Redes de Computadores nível Médio, na modalidade de Educação a
Distância, para o segundo semestre de 2011 com vistas em suprir as necessidades
educacionais e profissionais dos municípios do Estado do Amazonas.
2.1 Sistemas de Gestãode Educação a Distância
A implantação da Educação a Distância no Brasil encontra-se regulamentada
pela Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da
educação nacional. A partir de então, o MEC, publicou a Portaria Nº 4.059, de 10 de
dezembro de 2004, permitindo a oferta de ensino semipresencial nas instituições de
Ensino Superior conforme preceitua o Art. 1º “As Instituições de Ensino Superior poderão
introduzir, na organização pedagógica e curricular de seus cursos superiores
9
reconhecidos, a oferta de disciplinas integrantes do currículo que utilizem modalidade
semipresencial, ...” e mais adiante, no Parágrafo 2º, estabelece o percentual de até 20%
(vinte por cento) da carga horária total dos cursos superiores para as atividades
semipresenciais. A dimensão o os avanços possibilitados por esta portaria se concretizou
por meio do no Decreto Nº 5.622, de 19 de dezembro de 2005, regulamentando o art. 80
da Lei no. 9.394, caracterizando a educação a distância em seu Art. 1º “como uma
modalidade educacional na qual a mediação didático-pedagógica nos processos de
ensino e aprendizagem ocorre com a utilização de meios e tecnologias de informação e
comunicação, com estudantes e professores desenvolvendo atividades educativas em
lugares ou tempos diversos”. Daí então, esse decreto vem normatizando a implantação da
educação a distância. Em seu Parágrafo 1º, relaciona as diversas situações que
envolvem a organização, a metodologia, a gestão e a avaliação da educação a distância,
com previsão obrigatória de momentos presenciais para:
 avaliações de estudantes;
 estágios obrigatórios, quando previsto na legislação pertinente;
 defesa de trabalhos de conclusão de curso, quando previsto na legislação
pertinente e;
 atividades relacionadas a laboratórios de ensino, quando for o caso.
De acordo com o Regimento Geral, a Diretoria de Educação a Distância
compõe a Reitoria de Ensino do IFAM. A mesma deverá contar com uma Coordenação
de Infraestrutura e Apoio Técnico em EaD e Coordenação Pedagógica em EaD. Dentre as
atribuições da Diretoria de Educação a Distância encontram-se:
 coordenar as ações e projetos institucionais desenvolvidos com o uso de
tecnologias de educação a distância;
 desenvolver ações com vistas à capacitação docente no que se refere à
utilização das tecnologias educacionais nos processos de ensino e
aprendizagem;
 o planejamento e execução de programas de inclusão educacional com uso
de tecnologias de educação a distância;
 propor e acompanhar a implantação de projetos relativos à área de
educação a distância na instituição;
10
A DED por meio do Programa e-Tec Brasil e UAB, atualmente dispõe de sete
(7) atores principais: coordenador, supervisor pedagógico, professor-pesquisador,
professor-autor, tutor e suporte técnico, cujas atribuições são descritas a seguir:
 Coordenação da DED: responsável por todas as atividades acadêmicas e
administrativas do Núcleo Tecnológico de Educação a Distância. Participará
de outras atividades tais como: reuniões de coordenação de cursos
técnicos, de graduação e pós-graduação; avaliação e priorizar os projetos
da DED; apoio a elaboração do Projeto Pedagógico para utilização da
metodologia de educação a distância.
 Supervisão Pedagógica: encarregada de supervisionar o trabalho da
equipe pedagógica (Professor-Autor, Professor-Formador), objetivando a
adaptação de conteúdos às metodologias de ensino-aprendizagem e de
avaliação, apropriadas à modalidade de educação a distância. Além disso,
se responsabilizará pelo acompanhamento dos indicadores de desempenho
da equipe do Núcleo. A Coordenação e a Supervisão Pedagógica contarão
com o apoio de uma secretária e de monitores.
 As atividades da secretária consistem na produção e emissão de relatórios
administrativos e acadêmicos, organização dos documentos, execução das
atividades solicitadas pela Coordenação, atendimento dos Docentes,
Discentes e de atendimento ao Público.
 As atividades dos tutores são de apoio a secretaria e aos alunos. Também
atuarão nas atividades desenvolvidas nos encontros a distância, tais como
disponibilização
de equipamentos,
distribuição
materiais, e
demais
atividades de apoio. O perfil do tutor consiste em atividades de auxiliar
administrativo com experiência em microinformática.
 Professor-Autor: responsável pela organização da disciplina, construção
dos materiais didáticos, concepção das estratégias pedagógicas e
acompanhamento dos alunos, trabalhará de forma articulada com o
coordenador, com a supervisão pedagógica e com os professorespesquisadores. Além dessas atividades, poderá atuar na orientação dos
alunos quando da elaboração de seus projetos de conclusão de curso.
Poderá ainda, participar como membro da Banca Examinadora quando da
apresentação do Trabalho de Conclusão. O perfil desse profissional deverá
11
ser compatível com a área de conhecimento de seu componente curricular
e com sua titulação: Especialista, Mestre ou Doutor, é necessário também
que tenha participado da qualificação sobre professor em EaD.
 Professor-Formador:
responsável
pelo
recebimento
de
trabalhos
acadêmicos, acompanhando o desenvolvimento de suas atividades,
mediando suas dúvidas sobre conteúdos e questões administrativas.
Responsável, também, por manter o aluno motivado e estimulado durante
todo o processo de construção de seu conhecimento. Tem ainda a
responsabilidade de controlar os indicadores de participação dos alunos.
 Tutor: este profissional trabalhará com grupos que possuirão em média 50
(cinqüenta) alunos e receberá capacitação específica para atuar nessa
função. Essa capacitação abrangerá os conteúdos e metodologia do curso,
bem como o uso do Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) utilizado.
Esse profissional acompanhará as vídeos-aulas, tendo o papel de levar o
conteúdo
educacional
aos
alunos,
ilustrando
os
temas
de
sua
responsabilidade de maneira diferenciada. O tutor realizará ainda a
correção de provas e avaliações de aprendizagem diversas, registro nos
diários de turma. O tutor será um profissional com titulação compatível com
as exigências da Lei, com experiência na área de conhecimento da
disciplina e que tenha sido capacitado no curso de tutoria.
 Supervisão Técnica: responsável em coordenar o aparato tecnológico da
produção de TV e de Tecnologia de Comunicação.
2.1.1
Ambientação dos Alunos na Educação a Distância
Estão previstos o desenvolvimento de módulo de Introdução a Educação a
Distância aos alunos aprovados no processo de seleção para os cursos desta modalidade
de ensino por meio da oferta de cursos que viabilize o uso AVA. Esses cursos tem como
finalidade explorar os seguintes temas:
 Estrutura Organizacional dos Cursos EaD do IF-AM/e-TEC Brasil;
12
 Regimento Interno;
 Conceitos sobre as principais terminologias da EaD;
 Sistema de Avaliação on-line e presencial;
 Apresentação do Calendário Acadêmico e do Cronograma das aulas
presenciais e não-presenciais e;
 Sistema Moodle:
o Principais telas: calendário, eventos, FAQ, mensagem e disciplinas;
o Janela principal da disciplina: participantes, administração, usuários
on-line e eventos;
o Recursos instrucionais: lições, fórum, exercícios (questionários),
trabalhos (tarefas), Link e Chat;
Recursos administrativos: mensagem, nota e perfil do usuário.
2.1.2 Processos de Seleção e Capacitação dos Tutores
O quadro de tutores para atuarem no curso se fará por meio de processo
seletivo classificatório, respeitando os dispositivos estabelecidos em edital específico,
onde se divulgará o número de vagas para cada componente curricular do curso. A ordem
de classificação designar o tutor e o seu suplente. O tutor terá que possuir formação
compatível com as exigências mínimas para o desenvolvimento de suas atividades. Sua
classificação levará em conta as pontuações correspondentes a sua formação e suas
titulações devidamente reconhecidas pelo MEC e dentro da área de atuação. O tutor terá
duas atividades no DED: apoiar na busca de materiais digitais didáticos e a tutoria do
componente curricular. O tutor selecionado irá participar de um curso de capacitação de
educação a distância semelhante ao curso proferido ao aluno com destaque para nível de
usuário avançado capaz de configurar o sistema moodle. O conteúdo do curso abordará
os seguintes conteúdos:

Estrutura Organizacional dos Cursos EaD do IF-AM/e-TEC Brasil

Regimento Interno, Legislação a EaD no Brasil

Conceitos sobre as principais terminologias da EaD

Sistema de Avaliação on-line e presencial
13

Apresentação do Calendário Acadêmico e do Cronograma das aulas
presenciais e não-presencial.

Sistema Moodle
o Janela Principal do Moodle: calendário, eventos, FAQ, mensagem e
disciplinas.
o Configuração
da
janela
principal
da
disciplina:
participantes,
administração, usuários on-line e eventos.
o Configuração dos recursos instrucionais: lições, fórum, exercícios
(questionários) , trabalhos (tarefas), Link e Chat.
o Recursos administrativos: mensagem, nota e perfil do usuário.
2.2 Gestão do Polo de Apoio Presencial
A gestão nos polos envolve a administração compartilhada nas seguintes
esferas: estadual, municipal e federal (IFAM). As competências, as atribuições e as
contrapartidas entre as mesmas serão objetos de parcerias, acordos e celebração de
convênios, além da definição dos membros responsáveis pela comunidade local.
Operacionalmente a gestão acadêmica e administrativa será feita pelo
coordenador do polo e tutores presenciais selecionados por processo seletivo e
coordenados pelo IFAM que será, por sua vez, responsável pela capacitação e
acompanhamento dos trabalhos realizados pelo coordenador e tutores do polo.
3.
JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS
3.1 Justificativa
No âmbito da política de expansão da educação profissional no país o
programa Escola Técnica Aberta do Brasil (e-TEC Brasil) constitui-se em uma das ações
do Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE) por meio da parceria entre a Secretaria
de Educação a Distância e Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica.
14
Com o objetivo de possibilitar o acesso aos cursos técnicos às regiões
distantes das instituições de ensino técnico, bem como às periferias das metrópoles
brasileiras, o programa promove, por meio do ensino a distância, a capacitação de jovens
em uma ou mais formação profissional que os habilitem a competirem no mercado de
trabalho.
Nesta perspectiva da democratização do acesso ao ensino técnico de nível
médio público e gratuito e inserção no mundo do trabalho, o Instituto Federal de
Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas, integrado ao programa e-Etc Brasil,
apresenta o Curso Técnico de Nível Médio em Redes de Computadores, na forma
subsequente e na modalidade de Educação a Distância, com duração de um ano e seis
meses, com a finalidade de atender as demandas sociais dos municípios do Amazonas.
O Eixo Tecnológico da Informação e Comunicação compreende tecnologias
relacionadas à comunicação e processamento de dados e informações. A informática se
caracteriza como uma área multifacetada, pois suas ferramentas são utilizadas como
apoio ao desenvolvimento dos processos de trabalho no comércio, na indústria, na área
financeira, na saúde, no ensino, na atividade privada do cidadão, entre outras.
O domínio dos recursos e o gerenciamento dinâmico da informação interferem
diretamente na produtividade e na qualidade de serviço de uma empresa. Assim sendo o
setor
de
informática,
tanto
em
grandes
ou
pequenas
empresas,
necessita,
crescentemente, de profissionais de nível técnico capazes de suprir as demandas de
serviços e suportes, bem como, principalmente, da gestão dos recursos de informática de
uma organização.
O mundo passa por constantes transformações sociais, econômicas, políticas e
culturais. O fenômeno da Globalização trouxe novos interesses e necessidades para a
sociedade. Na sociedade atual, a mídia e as tecnologias da informação e da comunicação
se transformaram em grandes mediadores sociais. O domínio das informações tornou-se
imprescindível para os indivíduos e para a coletividade participarem ativamente do mundo
globalizado. A ordem atual aponta, tanto na esfera econômica, quanto para as esferas
político, social e cultural para a necessidade de trabalhar conjuntamente, em tempo real,
on-line, o que remete a necessidades de incorporação social das tecnologias e de
educação dos indivíduos para o uso eficiente das informações no dia a dia.
No Brasil, recentemente, as Instituições Educacionais priorizaram a formação
técnica e de nível superior dos recursos humanos, assim proliferaram os cursos de Redes
15
de Computadores, Banco de Dados e Desenvolvimento de Sistemas. Com tudo, dentro
desse mercado há uma carência de profissionais, com o conhecimento de modelos e
técnicas de Redes de Computadores, que hoje são ferramentas essenciais para uma
prestação de serviço com mais eficácia substituído pela expressão “tecnologia da
informação e comunicação” (TIC) que designa o conjunto de recursos tecnológicos e
computacionais para a geração e uso da informação, abrangendo comunicação por redes
de computadores, centrais telefônicas inteligentes, fibras óticas e satélites.
A prestação de serviços de TIC com um alto nível de qualidade por seus
colaboradores aliada ao gerenciamento de sistemas de informação é de fundamental
importância para as estratégias de competitividade e sobrevivência das organizações.
Nesse contexto se verifica a necessidade de implementação dos serviços de TIC
incorporados a um sistema integrado de dados que permita a sua ordenação, acesso,
interatividade, planejamento e aperfeiçoamento.
No processo de expansão e democratização do ensino profissional no país, o
IFAM, por meio da educação a distancia e do programa e-etc-Brasil busca suprir a
carência de mão de obra qualificada na esfera do eixo tecnológico da Informação e
Comunicação, que por meio da oferta do Curso de Redes de Computadores, busca,
também, estimular o crescimento da demanda de informática dos municípios como
alternativa que viabilize o desenvolvimento econômico e reduza o êxodo rural.
Como se observa, existe uma necessidade latente dos serviços contidos no
âmbito do eixo tecnológico da Informação e Comunicação que deverá absorver e
impulsionar a formação de técnicos de nível médio em Redes de Computadores no
estado para atuarem nas empresas e secretarias municipais ou em atividades
empreendedoras ou ligadas as cooperativas como iniciativas que expressem a
autonomia, a independência e auto-estima dos egressos do curso.
Atendendo à necessidade de qualificar profissionais no eixo tecnológico da
Informação e Comunicação, o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do
Amazonas (IFAM) oferecerá o Curso Técnico em Redes de Computadores, na forma
subsequente e na modalidade de Educação a Distância, com o objetivo de redimensionar
o setor de informática nos municípios do Estado do Amazonas.
Neste sentido, concebe-se o Curso Técnico de Nível Médio em Redes de
Computadores, como um suporte de qualificação profissional de grande relevância social
e econômica dentro do contexto da globalização, das constantes mudanças, das
16
inovações tecnológicas e dos novos investimentos no setor produtivo. Esse fenômeno
vem levando as empresas de todos os gêneros, novas e antigas, a reverem suas
estratégias de trabalho na perspectiva da qualidade de seus serviços, na sobrevivência e
competitividade no mercado com menor desperdício de material e energia, por meio da
otimização dos processos e assertividade produtiva.
Espera-se com esta ação o crescimento do setor, o desenvolvimento do potencial
para técnicos em redes de computadoresação na região, vislumbrando o seu processo de
autosustentabilidade e independência sócio-econômica e técnica que tanto se preconiza
para a região.
3.2 Objetivos
3.2.1 Objetivo Geral:
O Curso Técnico em Redes de Computadores, na forma subsequente tem por
objetivo habilitar egressos do ensino médio para o desenvolvimento de atividades de
administração e de suporte logístico ao planejamento, operação, controle e avaliação dos
processos de produção de bens e serviços em todas as organizações.
3.2.2 Objetivos Específicos:

Oferecer a habilitação profissional técnica de nível médio em Redes de
Computadores na modalidade de educação a distância;

Desenvolver as competências profissionais específicas requeridas para a
habilitação em Redes de Computadores como parte integrante do eixo
tecnológico de Informação e Comunicação;

Ampliar as possibilidades de atuação e interação com outras habilitações
profissionais do eixo tecnológico de Informação e Comunicação;

Oferecer um ensino contextualizado, associando teoria à prática;

Oferecer educação profissional, considerando o avanço da tecnologia e a
incorporação constante de novos métodos e processos de produção e
distribuição de bens e serviços;

Promover uma educação profissional sempre integrada e articulada com a
educação básica, o trabalho, a ciência e a tecnologia;

Promover a educação inclusiva por meio do acesso à educação profissional de
qualidade;
17

Desenvolver os princípios do empreendedorismo como uma atividade
alternativa de geração de renda e melhoria da qualidade de vida;

Contribuir com a democratização do ensino profissional na região por meio do
acesso à educação profissional amparada pelas tecnologias da Informação e
Comunicação.
4.
REQUISITO DE ACESSO
A oferta e a fixação do número de vagas do Curso Técnico de Nível Médio em
Redes de Computadores, na forma subsequente e na modalidade a distância, observará a
análise e avaliação permanente de demanda e dos arranjos produtivos locais e oferta de
postos de trabalho na região.
Os critérios para admissão no curso se dará por processo seletivo público,
vestibular, classificatório, realizado pelo Instituto Federal por meio da Comissão
Permanente de Exames (COPEX), aos candidatos que já possuam o Ensino Médio,
constando de provas escritas contemplando conteúdos compatíveis ao grau de
escolaridade exigido para o ingresso no curso.
Cada processo de admissão no curso deverá apresentar edital específico, com
ampla divulgação, contendo: abrangência do polo com referência territorial, número de
vagas, forma de oferta e estrutura curricular (integrada/subseqüente/ modular/seriada), a
modalidade (presencial ou a distância) período e local de inscrição, documentação
exigida, data, local e horário dos exames ou entrevistas, critérios de classificação dos
candidatos, divulgação dos selecionados e procedimentos de matrícula, turno de
funcionamento e carga horária total do curso mais estágio curricular ou projeto de
conclusão de curso.
5.
PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO
O Técnico em Redes de Computadores é o profissional de nível médio que instala
e configura dispositivos de comunicação digital e programas de computadores em
equipamentos de rede. Executa diagnóstico e corrige falhas em redes de computadores.
18
Prepara, instala e mantém cabeamentos de redes. Configura acessos de usuários em
redes de computadores. Configura serviços de rede, tais como firewall, servidores web,
correio eletrônico, servidores de notícias. Implementa recursos de segurança em redes de
computadores
O técnico em Redes de Computadores tem a possibilidade de atuar em empresas
privadas ou públicas, na gestão da informação por meio do uso da tecnologia digital em
diversos setores produtivos.
Ao término do curso este técnico deverá possuir as seguintes competências
gerais:

Identificar o funcionamento o relacionamento entre os componentes de
computadores e seus periféricos;

instalar e configurar computadores, isolados ou em redes, periféricos e
softwares;

identificar a origem de falhas no funcionamento de computadores, periféricos e
softwares avaliando seus efeitos;

analisar e operar os serviços e funções de sistemas operacionais;

selecionar programas de aplicação a partir da avaliação das necessidade do
usuário;

desenvolver algoritmos através de divisão modular e refinamentos sucessivos;

selecionar e utilizar estruturas de dados na resolução de problemas
computacionais;

aplicar linguagens e ambientes de programação no desenvolvimento de
software;

identificar arquiteturas de redes;

identificar
meios
físicos,
dispositivos
e
padrões
de
comunicação,
reconhecendo as implicações de sua aplicação no ambiente de redes;

identificar os serviços de administração de sistemas operacionais de redes;

identificar arquitetura de redes e tipos, serviços e funções de servidores;

organizar a coleta e documentação de informações sobre o desenvolvimento
de projetos;

avaliar e especificar necessidades de treinamento e de suporte técnico aos
usuários;
19

executar ações de treinamento e de suporte técnico;

coordenar e desenvolver equipes de trabalho que atuam na instalação,
na produção e na manutenção, aplicando métodos e técnicas de gestão
administrativa e de pessoas;

empregar a tecnologia com foco na gestão e desenvolvimento dos negócios;

apresentar visão empresarial nas ações de controle e desenvolvimento de
projetos;

aplicar normas
técnicas
e
especificações
de
catálogos,
manuais
e
tabelas em projetos, em processos de programação, na instalação de
softwares, hardwares e na manutenção destes;

elaborar planilha de custos de programação e de manutenção de
softwares e equipamentos, considerando a relação custo e benefício;

aplicar métodos, processos e logística na programação, instalação e
manutenção;

projetar programas e sítios, sites utilizando técnicas que possam primar pela
garantia de uso e capacidade de informar;

elaborar projetos, lay-out, diagramas e esquemas, correlacionando-os com as
normas técnicas e com os princípios científicos e tecnológicos;

avaliar as características e as particularidades dos programas aplicativos e do
hardware, buscando integrá-los para propor soluções;

projetar melhorias nos sistemas convencionais de programação, instalação e
manutenção, propondo incorporação de novas tecnologias;

identificar elementos dentro do processo produtivo, que possam ser
otimizados, com a finalidade de gerar uma melhor relação custo x benefício;

coordenar atividades que demandam o trabalho e desenvolvimento de projetos
em grupo;

possuir
conhecimento
de
banco
de
dados,
dentro
de
arquiteturas
Cliente/Servidor;

possuir conhecimento para desenvolver aplicações que serão disponibilizadas
no ambiente da Internet.
20
6.
ORGANIZAÇÃO CURRICULAR
6.1 Concepção Metodológica
A introdução da Educação a Distância (EaD) no contexto educacional trouxe uma
mudança significativa nos paradigmas existentes na sociedade.
A sociedade da Informação ou em redes, que privilegia a cultura da
aprendizagem, abre espaço para a construção de uma nova concepção metodológica.
Essa nova concepção possibilita que o conhecimento seja construído independentemente
de tempo e espaço por meio de tecnologias de informação e comunicação na EaD.
Essas
mudanças
no
processo
ensino
e
aprendizagem
envolvem:
o
desenvolvimento de novos saberes, o respeito ao ritmo individual do estudante, a
formação de comunidades de aprendizagem e as redes de convivência.
De acordo com Behar (2009, p.16), a Educação a Distância, pode ser definida
como:
(...) uma forma de aprendizagem organizada que se
caracteriza, basicamente, pela separação física entre
professor e alunos e a existência de algum tipo de
tecnologia de mediação para estabelecer a interação
entre eles (...) é preciso enfatizar que a EaD é
educação, ou seja, não é só um sistema tecnológico,
nem mesmo um meio de comunicação.
Desta forma, o processo de ensino e aprendizagem à distância levará em
consideração na sua práxis pedagógica os seguintes aspectos:

Flexidade no tempo e espaço. O respeito ao ritmo individual do estudante.
Atualmente, ainda entendemos por aula um espaço e um tempo determinados.
Mas, esse tempo e esse espaço, cada vez mais serão flexíveis. O professor da
EaD continuará ministrando aula, e enriquecerá esse processo com as
possibilidades que as tecnologias interativas proporcionam, tais como: receber
e responder mensagens dos alunos, criar listas de discussão e alimentar
continuamente os debates e pesquisas com textos, páginas da Internet, até
mesmo fora do horário específico da aula.

O aluno, deve se tornar comunicativo, principalmente por meio da escrita,
deve ser automotivado e autodisciplinado, definir horários fixos de estudos em
casa e/ou no trabalho.
21

Planejamento Pedagógico: Descrição específica, do objetivo pretendido para
cada aula e os meios para atingi-lo, ou seja, um planejamento detalhado do
que vai fazer (o objetivo, o conteúdo, a estrutura, a metodologia, a avaliação,
enfim tudo o que vai ser exposto no AVA). Novas terminologias estão inseridas
no nosso fazer pedagógico. O conceito de curso, de aula, na EaD, também
muda.

Procedimentos Metodológicos: Sequência didática ou de atividades: Ex: Ler o
material instrucional e/ou o objeto de aprendizagem; discutir em um fórum
determinado tópico, participar de um bate-papo sobre o tema; elaborar relatório
conclusivo de forma individual e/ou em grupo; publicar conceitos na página do
curso.

Procedimentos avaliativos: Coleta, análise e síntese dos dados. O que será
avaliado? Como? Por quê? Por quem? O que se quer avaliar?A avaliação será
formativa? contínua? Somativa?

Interação e Interatividade: O estágio atual das tecnologias informáticas e de
redes telemáticas e a diversidade de mídias e suportes de aprendizagem
transformou a comunicação educativa uma poderosa ferramenta capaz de
diminuir a barreira (mas não eliminar) da separação física e do tempo entre
professor e aluno, além de proporcionar um aumento substancial do nível de
interação e interatividade.

Um sistema de ensino à distância, para um funcionamento eficaz, deve ser
adaptado ao aluno, da melhor forma, objetivando motivar e satisfazer as
necessidades do estudante, tanto em termos de conteúdo quanto de estilos de
aprendizagem.
Willis
(1992)
sugere
estratégias
para
satisfazer
as
necessidades dos estudantes que serão adaptadas e aproveitadas pela equipe
do IFAM na execução do plano didático para obter maior interação dos alunos
no curso, são elas:

alertar os alunos para os novos padrões de comunicação a serem utilizados no
curso, fazendo sentirem-se confortáveis com esses padrões. Nessa linha, a
primeira disciplina de Fundamentos de Informática e Ambientação em
“Educação a Distancia” prevê a preparação do estudante para interagir com
esses novos ambientes, meios e estratégias de aprender a distancia.

informar sobre o curso e o perfil profissional de saída;
22

ser sensível aos diferentes estilos de comunicação e às várias formações
culturais (domínio de línguas, hábitos, costumes e outros);

alertar o aluno a assumir papel ativo no curso e responsabilidade pela própria
formação, a importância da auto-disciplina e demais papéis que tem a
desempenhar na aprendizagem à distância;

ajudar os alunos a se familiarizarem e sentirem-se confortáveis com a
tecnologia de ensino, preparando-os para resolverem os problemas técnicos
que surgirem. Concentrar-se na solução dos problemas em conjunto;

estar alerta para o cumprimentos dos prazos.
A interação e interatividade são os aspectos mais importantes para garantir a
qualidade e eficácia do processo formativo a distância e manter o aluno participante ativo
no processo, além de permitir ao professor e/ou tutor identificar e atender as
necessidades individuais dos alunos, ao mesmo tempo em que se possibilita um fórum
de sugestões para o aprimoramento do curso. Assim, deve-se considerar as estratégias
para a interação e o feedback para o aluno como sugere Silva (1998, 2002):

a integração de várias meios de interação: telefone, fax, computador para
acesso a ferramentas de comunicação como correio eletrônico, chats,
vídeoconferência e Ambiente Virtual de Aprendizagem, para contato individual
e tutoria mesclado com encontros presenciais e virtuais;

o contato com cada polo (ou com estudante), com regularidade, especialmente
no começo do curso;

comentários detalhados sobre as tarefas por escrito, indicando fontes
adicionais para informação suplementar. Devolver as tarefas sem demora,
usando fax, correio eletrônico ou Ambiente Virtual;

o estabelecimento de horas de atendimento aos estudantes;

ao iniciar o curso, solicitar que os alunos estabeleçam contato com o professor
e interajam entre si através de correio eletrônico, telefone ou outro meio, para
que se sintam à vontade com o processo. Manter e compartilhar revistas
eletrônicas pode ser bastante eficaz neste sentido;

o uso de questões pré - aula para promover e encorajar o pensamento crítico e
a participação por parte de todos os alunos. Compreender que para aprimorar
padrões de comunicação insatisfatórios, demanda tempo.
23

a apresentação das anotações pelos alunos, com frequência, de modo que
mantenham um diário de pensamentos e idéias sobre o conteúdo do curso,
sobre seus progressos individuais e outras preocupações;

a utilização de cartões previamente selados e endereçados e conversas
telefônicas, por e-mail, ou outro meio, quando e se for o caso, fora do horário
de aula para obter feedback
sobre o conteúdo, relevância, andamento,
apresentação de problemas e outras preocupações pedagógicas.

a garantia da participação de todos os estudantes nos encontros presenciais
ou por videoconferência, desencorajando, educadamente, aqueles que são
monopolizadores;

o uso de um "facilitador" em cada grupo para estimular a interação dos alunos
que se mostrarem hesitantes em fazer perguntas ou participar. O facilitador
pode agir como sendo os "olhos e ouvidos" do professor nos polos remotos.
A partir da concepção de educação profissional técnica, organizada por eixo
tenologico e
pautada no currículo de referência por competência, a equipe da DED
elaborou o Plano do Curso Técnico em Agente Comunitário de Saúde a distância .
O avanço tecnológico dos processos produtivos é dinâmico e exige constantes
revisões nos conteúdos programáticos e nas técnicas de Ensino nas Escolas
Profissionais. Estes avanços têm causado grandes impactos na organização e na gestão
dos processos produtivos. A formação do trabalhador é influenciada por estas mudanças,
o futuro técnico deve ter uma ampla formação sólida, devendo ser um profissional criativo
e competente.
Reconhecido ao longo de seus 100 anos de existência como referência em
educação profissional o IFAM tem entre suas metas maiores inserir-se na realidade
nacional e internacional de globalização econômica assim como é sua missão promover a
educação de excelência por meio dos três pilares da Educação: Ensino, Pesquisa e
Extensão, visando à formação do cidadão crítico, autônomo e empreendedor,
comprometido com o desenvolvimento social, científico e tecnológico do País. A presente
proposta permitirá ao IFAM consolidar o cumprimento de sua missão, para vencer os
novos desafios impostos para a formação, qualificação e requalificação de alunos do
ensino profissional.
24
Por outro lado, a nova estrutura curricular proposta prevê uma forma simplificada
de entrada e saída do aluno, aproveitando ao máximo a experiência acumulada do
estudante e facilitando a troca de informações entre os sistemas formais e informais de
ensino e aprendizagem.
A organização da Matriz Curricular do Curso Técnico subsequente em Redes de
Computadores está constituída por: Formação profissional, constituídas de disciplinas
específicas do curso, e de disciplinas que possibilitam uma maior compreensão das
relações existentes entre os conhecimentos acadêmicos e o mundo do trabalho.
O Curso Técnico em Redes de Computadores proposto pelo Instituto Federal de
Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas de que trata este projeto atenderá os
referenciais curriculares para o eixo tecnológico e itinerário formativo específico da
habilitação profissional técnica.
O projeto apresenta o modelo curricular modular, composto por um conjunto de
componentes curriculares em bloco a serem desenvolvidos semestralmente, além de
conter as diretrizes para o funcionamento do curso, desde o ingresso do aluno, prérequisito de acesso, procedimento de execução, condução, formação, estágio curricular e
projeto de conclusão de curso, certificação e diplomação.
O curso além de qualificar profissionais em Redes de Computadores promoverá
orientação voltada para a utilização sustentável do patrimônio natural e cultura, público e
privado, incentivando a conservação e/ou preservação do meio ambiente e do bem estar
comunidade envolvida
Com a finalidade de suprir a demanda de profissionais qualificados, o Curso
Técnico em Redes de Computadores contempla duas áreas de formação profissional:
Informática e Gestão, pois possui características intrínsecas destas, as quais são
singulares para o desenvolvimento deste profissional.
O itinerário formativo em informática compreende atividades de concepção,
especificação, projeção, manutenção de sistemas, tecnologias de processamento e
tratamento de dados, comunicação entre equipamentos, incluindo suporte ao hardware e
software.
O caminho formativo em Gestão compreende atividades de administração e de
suporte logístico à produção e a prestação de serviços em todas as organizações. Estas
atividades são caracterizadas pelo suporte ao planejamento, operação, controle e
avaliação dos processos produtivos.
25
6.2 Matriz Curricular
A Matriz Curricular está organizada em 3(três) módulos semestrais com duração
de um ano e meio, composta de disciplinas de formação científica, tecnológica e
instrumentais.
INSTITUTO FEDERAL, CÊNCIA E TECNOLÓGIA DO AMAZONAS
PRÓ-REITORIA DE ENSINO
DIRETORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA
CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE EM REDES DE COMPUTADORES
ANO DE VIGÊNCIA 2012
INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO
Carga Horária
Semanal
Carga Horária
Total
Ambientação em Educação a Distância
12
30 h
Português instrumental
12
45 h
Informática Aplicada
12
45 h
Inglês instrumental
12
45 h
Matemática Aplicada
12
45 h
Organização e Arquitetura de computadores
12
45 h
Fundamentos de Redes de Computadores
12
45 h
Protocolo de Comunicação de Dados
12
45 h
MÓDULO I
Disciplinas
MÓDULO II
SUBTOTAL C.H.
345
Lógica de Programação
12
45 h
Infraestrutura de Redes de Computadores
12
60 h
Ética Profissional
12
30 h
Tecnologia de Redes sem Fios
12
60 h
Empreendedorismo
12
30 h
Sistemas Operacionais
12
45 h
Linguagem Script
12
60 h
SUBTOTAL C.H.
MÓDULO III
LDBEN Nº 9.394; Decreto nº 5154/04; Decreto nº 5840/06; Resolução nº 04/99 (Art. 5º revogado);
Resolução nº 1/05 e Resolução nº 1/2009 e Decreto n.º 5.622, de 19 de dezembro de 2005
EIXO TECNOLÓGICO
330
Metodologia para elaboração de projetos
12
30 h
Gerenciamento de Redes de Computadores
12
60 h
Segurança de Redes de Computadores
12
60 h
Sistemas Operacionais de Redes de Computadores
12
60 h
Projeto de Redes de Computadores
12
60 h
Segurança, Meio Ambiente e Saúde
12
30 h
SUBTOTAL C.H.
300
CARGA HORARIA DOS 3 MÓDULOS
975
ESTÁGIO SUPERVISIONADO/ PROJETO
240
CARGA HORÁRIA TOTAL
1215
26
6.3 Ementário do curso
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS
CAMPUS MANAUS – CENTRO
NUCLEO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA
EMENTÁRIO
CURSO:
MÓDULO:
TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES A DISTÂNCIA
1o.
COMPONENTE: AMBIENTAÇÃO EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA
CH: 45h
COMPETÊNCIA(S):
Conhece as relações entre os aspectos técnicos, sociais, econômicos, legais e éticos de
sua formação.
Compreende os conceitos de EaD e suas características básicas.
Conhece e compreende a dinâmica do ambiente virtual e suas diferentes interfaces.
EMENTA:
Historia da computação. Fundamentos de sistema de computador.
Concepções e legislação em EaD.Ambiente virtual de Ensino-aprendizagem.Ferramentas
para navegação e busca na internet.
Metodologias de estudo baseadas nos princípios de autonomia,interação e cooperação.
BIBLIOGRAFIA:
1. AUTORES DIVERSOS. PORTUGUÊS INSTRUMENTAL: DE ACORDO COM AS
ATUAIS NORMAS DA ABNT. Atlas, 2010.
2. CLETO, Ciley; CEREJA, William Roberto; MAGALHAES, Thereza Cochar.
INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS - CONSTRUINDO COMPETÊNCIAS E HABILIDADES
EM LEITURA. ATUAL, 2009.
3. MAGALHAES, Thereza A. C.; CEREJA, William Roberto. GRAMÁTICA REFLEXIVA TEXTO , SEMÂNTICA E INTERAÇÃO. Atual, 2009.
4. MARTINS,
Dileta
Silveira;
ZILBERKNOP,
Lubia
Scliar.
PORTUGUES
INSTRUMENTAL. ATLAS, 2009.
5. MEDEIROS, João Bosco. PORTUGUÊS INSTRUMENTAL: CONTÊM TÉCNICAS DE
ELABORAÇÃO DE TCC. Atlas, 2010.
6. PIMENTEL, Carlos Alberto. PORTUGUÊS DESCOMPLICADO. Editora Saraiva, 2004.
27
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS
CAMPUS MANAUS – CENTRO
NUCLEO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA
EMENTÁRIO
CURSO:
MÓDULO:
TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES A DISTÂNCIA
1o.
COMPONENTE: PORTUGUÊS INSTRUMENTAL
CH: 45h
COMPETÊNCIA(S):
Compreende a língua portuguesa e suas técnicas de comunicação oral e escrita.
Conhece e diferencia as variantes lingüísticas adequadas a cada contexto de situação real
de comunicação oral e escrita.
EMENTA:
Leitura e compreensão de textos da área profissional.Níveis de linguagem e adequação
lingüística.Comunicação oral e escrita.Gramática aplicada.
BIBLIOGRAFIA:
1. AUTORES DIVERSOS. PORTUGUÊS INSTRUMENTAL: DE ACORDO COM AS
ATUAIS NORMAS DA ABNT. Atlas, 2010.
2. CLETO,
Ciley;
CEREJA,
William
Roberto;
MAGALHAES,
Thereza
Cochar.
INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS - CONSTRUINDO COMPETÊNCIAS E HABILIDADES
EM LEITURA. ATUAL, 2009.
3. MAGALHAES, Thereza A. C.; CEREJA, William Roberto. GRAMÁTICA REFLEXIVA TEXTO , SEMÂNTICA E INTERAÇÃO. Atual, 2009.
4. MARTINS,
Dileta
Silveira;
ZILBERKNOP,
Lubia
Scliar.
PORTUGUES
INSTRUMENTAL. ATLAS, 2009.
5. MEDEIROS, João Bosco. PORTUGUÊS INSTRUMENTAL: CONTÊM TÉCNICAS DE
ELABORAÇÃO DE TCC. Atlas, 2010.
PIMENTEL, Carlos Alberto. PORTUGUÊS DESCOMPLICADO. Editora Saraiva, 2004.
28
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS
CAMPUS MANAUS – CENTRO
NUCLEO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA
EMENTÁRIO
CURSO:
MÓDULO:
TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES A DISTÂNCIA
1o.
COMPONENTE: INFORMÁTICA APLICADA
CH: 45h
COMPETÊNCIA(S):
Desenvolver texto e formata-lo.
Desenvolver planilha e formatá-la.
EMENTA:
Ferramentas para a produção e edição de textos, de planilhas eletrônicas e de
apresentações.
BIBLIOGRAFIA:
1. BRITO, Ronaldo Paes. CURSO ESSENCIAL POWER POINT 2007. Digerati Books,
2006.
2. FRYE, Curtis. MICROSOFT OFFICE EXCEL 2007 - PASSO A PASSO. Bookman,
2007.
3. KUNZE, ROMMEL. 3 EM 1 - WINDOWS XP/WORD XP/EXCEL XP - QUICK. EDITORA
KCM, 1ª EDIÇÃO, 2008.
4. PREPPERNAU, Joan; COX, Joyce. MICROSOFT OFFICE WORD 2007 - PASSO A
PASSO. Artmed, 2007.
5. TELLES, Reynaldo. Descomplicando o Broffice Para Concursos - 3ª Ed. Elsevier –
Campus, 2010.
6. TOLEDO, CLAUDIO ALEXANDRE DE. INFORMATICA, V.3 - WORD, EXCEL,
OFFICE, POWERPOINT. YALIS EDITORA, 3ª EDIÇÃO, 2010.
29
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS
CAMPUS MANAUS – CENTRO
NUCLEO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA
EMENTÁRIO
CURSO:
MÓDULO:
TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES A DISTÂNCIA
1o.
COMPONENTE: INGLÊS INSTRUMENTAL
CH: 45h
COMPETÊNCIA(S):
Conhece os fundamentos da língua inglesa.
Compreende e se comunica no idioma inglês de forma a tender as demandas específicas
na área de atuação profissional.
EMENTA:
Leitura e compreensão de textos técnico-científicos. Gramática aplicada. Redação básica e
técnica. Expressão oral.
BIBLIOGRAFIA:
1. AUTORES DIVERSOS. LEITURA EM LÍNGUA INGLESA: UMA ABORDAGEM
INSTRUMENTAL. Editora Disal, 2010.
2. DONNINI, Lívia & PLATERO, Luciana & WEIGEL, Adriana. ENSINO DA LÍNGUA
INGLESA. Editora Cengage Learning, 2010.
3. GALANTE, Terezinha Prado; LAZARO, Svetlava P. INGLES BASICO PARA
INFORMATICA. ATLAS,1992.
4. GALLO, Lígia Razera. INGLES INSTRUMENTAL PARA INFORMÁTICA . Editora Ícone.
5. LINS, Luis Marcio Araujo. INGLES INSTRUMENTAL - ESTRATEGIAS DE LEITURA E
COMPREENSAO TEXTUAL. LM LINS, 2010.
6. MUNHOZ, Rosangela. Ingles Instrumental Estrategias de Leitura I. Textonovo, 2000.
7. ROSAS, Marta; SILVA, Alba Valeria; CRUZ, Decio Torres. INGLES.COM.TEXTOS
PARA INFORMATICA. DISAL EDITORA, 2003.
30
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS
CAMPUS MANAUS – CENTRO
NUCLEO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA
EMENTÁRIO
CURSO:
MÓDULO:
TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES A DISTÂNCIA
1o.
COMPONENTE: MATEMÁTICA APLICADA
CH: 45h
COMPETÊNCIA(S):
Possui conhecimentos matemáticos necessários à solução e à compreensão de processos
informatizados.
EMENTA:
Teoria dos conjuntos. Números inteiros. Funções. Razão e proporção. Sistemas de
medida. Matrizes e sistemas lineares.
BIBLIOGRAFIA:
1. BOTINI, Joana. MATEMÁTICA INSTRUMENTAL. Editora Senac, 2006.
2. GOWERS, Timothy. MATEMÁTICA. Editora Gradiva, 2008.
3. GUNDLACH, Bernard H. NÚMEROS E NUMERAIS: TÓPICOS DE HISTÓRIA DA
MATEMÁTICA PARA USO EM SALA DE AULA. Editora Atual, 1992.
4. MURAKAMI, Carlos; IEZZI, Gelson. Fundamentos de Matemática Elementar Conjuntos , Funções - Vol. 1. Atual, 2004.
5. SCHWERTL, Simone. MATEMÁTICA BÁSICA. Sollus Distribuidora de Livros Ltda Epp.
, 2010.
6. SOUZA, Ladir de Freitas; ALVES, Airton Garcia. MATEMÁTICA PASSO A PASSO.
Avercamp, 2011.
31
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS
CAMPUS MANAUS – CENTRO
NUCLEO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA
EMENTÁRIO
CURSO:
MÓDULO:
TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES A DISTÂNCIA
1o.
COMPONENTE: ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES
CH: 45h
COMPETÊNCIA(S):
Conhece as técnicas necessárias para oferecer suporte técnico. Conhece os componentes
de hardware e indica os procedimentos para correção de problemas.
Identifica os componentes, o funcionamento e o relacionamento entre os componentes de
computadores e seus periféricos. Identifica o funcionamento interno e a execução de
instruções em baixo nível.
EMENTA:
Evolução de computadores. Eletrônica digital.Unidade central de processamento- CPU e
suas partes. Memória primaria. Dispositivos de memória secundaria. Métodos de
endereçamento. Formato de instruções. Introdução a linguagem Assembly.
BIBLIOGRAFIA:
1. CARTER, Nicholas. ARQUITETURA DE COMPUTADORES - Col. Schaum. Bookman,
2003.
2. MAIA, Luiz Paulo. ARQUITETURA DE REDES DE COMPUTADORES. LTC, 2009.
3. MURDOCCA, Miles J; HEURING, Vincent P. INTRODUÇÃO À ARQUITETURA DE
COMPUTADORES. Editora Campus, 2000.
4. NULL, Linda; LISBÔA, Maria Lucia Blanck. Princípios Básicos de Arquitetura e
Organização de Computadores. Editora Artmed, 2010.
5. PARHAMI, Behrooz. Arquitetura de Computadores. Mcgraw-hill Interamericana, 2008.
6. WEBER, Raul Fernando. Arquitetura de Computadores Pessoais - vol. 6. Editora
Bookman, 2008.
32
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS
CAMPUS MANAUS – CENTRO
NUCLEO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA
EMENTÁRIO
CURSO:
MÓDULO:
TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES A DISTÂNCIA
1o.
COMPONENTE: FUNDAMENTOS DE REDES DE COMPUTADORES
CH: 45h
COMPETÊNCIA(S):
Classificação e componentes de redes. Arquitetura e topologias. .Padrões de
comunicação.Modelo de referencia OSI.Arquitetura TCP/IP.
Compreende o estudo do protocolo TCP/IP nas várias camadas da pilha de protocolos.
.
EMENTA:
Componentes de Redes. Arquiteturas e Topologias. Padrões de comunicação para os
níveis Fisico e de Enlace em LANs e MANs. Equipamentos utilizados na Interconexão de
Redes. Outros Equipamentos.
Histórico e fundamentos da arquitetura TCP/IP.
Transporte orientado para conexão TCP. Controle de congestionamento TCP.
O protocolo da Internet IP: repasse e endereçamento de redes(classes, endereços,
mascaras).Sub-redes.
BIBLIOGRAFIA:
1. CICCARELLI, Miller. PRINCÍPIOS DE REDES. Editora LTC, 2009.
2. FEGAN, SOPHIA CHUNG.PROTOCOLO TCP/IP. Editora McGraw Hill – Armed, 3ª.
Edição, 2009.
3. KING, Todd; BARRETT, Diane. REDES DE COMPUTADORES. Ltc, 2010.
4. KUROSE, James F & ROSS, Keith W. REDES DE COMPUTADORES E A
INTERNET – UMA ABORDAGEM TOP-DOWN. Editora Addison Wesley, 2007.
5. MORAES,
Alexandre
Fernandes.
REDES
DE
COMPUTADORES:
FUNDAMENTOS. Editora Érica, 2008.
6. SOARES, Luiz Fernando Gomes; LEMOS, Guido; COLCHER, Sérgio. REDES DE
COMPUTADORES – DAS LANs, MANs e WANs às REDES ATM. Editora
CAMPUS, 1995
7. SOUSA, Lindeberg Barros de .REDES DE COMPUTADORES DADOS, VOZ E
IMAGEM. Editora Érica, 1999.
8. SOUSA, Linderberg Barros de. REDES DE COMPUTADORES - GUIA TOTAL TECNOLOGIAS , APLICAÇÕES E PROJETOS EM AMBIENTE CORPORATIVO.
Erica, 2009.
9. TORRES, Gabriel. REDES DE COMPUTADORES. Editora Novaterra, 2009.
10. VASCONCELOS, Marcelo; VASCONCELOS, Laércio. MANUAL PRÁTICO DE
REDES. Lvc - Laercio Vasconcelos, 2007.
11. WENTHERALL, David J.; TANENBAUM, Andrew S. Redes de Computadores.
Pearson Education – Br, 2011.
33
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS
CAMPUS MANAUS – CENTRO
NUCLEO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA
EMENTÁRIO
CURSO:
MÓDULO:
TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES A DISTÂNCIA
1o.
COMPONENTE: PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO DE DADOS
CH: 45h
COMPETÊNCIA(S):
Histórico e evolução da comunicação de dados.Meios físicos de transmissão. Modulação.
Códigos, modos e formatos. Multiplicação. Interfaces de nível físico.
EMENTA:
Conceitos e terminologia de transmissão de dados: transmissão de dados analógica e
digital, problemas de transmissão, capacidade de canal. Transmissão guiada e sem fio,
meios de transmissão guiada, conceitos de propagação e linha de visada. Técnicas de
codificação de sinais, Técnicas de comunicação de dados digitais: transmissão síncrona e
assíncrona, detecção e controle de erros, códigos de linha, interfaceamento. Controle de
enlace de dados: controle de fluxo e de erro, controle de enlace lógico, questões de
desempenho. Multiplexação: FDM, TDM síncrono e estatístico, características da
comunicação na última milha. Espalhamento de espectro: conceitos e principais
tecnologias.
BIBLIOGRAFIA:
1. ALVES, LUIZ. COMUNICAÇAO DE DADOS. EDITORA MAKRON, 2ªEDIÇÃO, 1994.
2. FITZGERALD, Jerry ; DENNIS, Alan. COMUNICAÇÃO DE DADOS EMPRESARIAIS E
REDES. LTC, 2005.
3. FOROUZAN, BEHROUZ A. COMUNICAÇAO DE DADOS E REDES DE
COMPUTADORES. EDITORA MCGRAW HILL - ARTMED, 1ª EDIÇÃO 2008.
4. LIMA Jr, ALMIR Wirth. TECNOLOGIAS DE REDE & COMUNICAÇÂO DE DADOS. Alta
Books, 2002.
5. STARLIN, Gorki. Redes de Computadores/comunicação de Dados Tcp/ip - Conceitos,
Protocolos e Uso. Alta Books, 2004.
6. WHITE, Curt M. Redes de Computadores e Comunicação de Dados. Cengage
Learning, 2011.
34
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS
CAMPUS MANAUS – CENTRO
NUCLEO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA
EMENTÁRIO
CURSO:
MÓDULO:
TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES A DISTÂNCIA
2o.
COMPONENTE: LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO
CH: 45
COMPETÊNCIA(S):
Conhece as técnicas para desenvolvimento de algoritmos, passando pela divisão modular
procedural, aplicando refinamentos sucessivos.
EMENTA:
Conceitos da Programação Estruturada. Aplicação de Lógica de Programação. Estilos de
algoritmos. Ferramentas (norma ISO 5807:1985 e pseudocódigo) para desenvolvimento de
algoritmos. Estruturas de Decisão (simples, composta e seleção), de Laço (interativo e
iteração). Sub-Rotinas. Implementação de algoritmos em linguagem de programação
estruturada.
BIBLIOGRAFIA:
1. ARCENIO, Ana Fernanda Gomes. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO COM PASCAL.
Editora: Makron Books, 1999.
2. BORATTI, Isaias Camilo;
OLIVEIRA, Alvaro Borges. INTRODUÇÃO A
PROGRAMAÇÃO E ALGORITMOS. Editora: Visual Books, 2007.
3. CARBONI, Irenice de Fátima. Lógica de Programação. THOMSON, 2003.
4. FORBELLONE, André Luiz Villar. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO – A CONSTRUÇÃO
DE ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS. Editora Prentice Hall, 2005.
5. MANZANO, Jose Augusto N. G.; OLIVEIRA, Jayr Figueiredo de. Algoritmos - Lógica
para Desenvolvimento de Programação de Computadores. Erica, 2009.
6. MEDINA, Marco; FERTIG, Cristina. Algoritmos e Programação - Teoria e Prática.
Novatec, 2005.
7. SOARES, Marcio Vieira; GOMES, Marcelo Marques; SOUZA, Marco Antonio Furlan de.
Algoritimos e Lógica de Programação. Cengage Learning, 2011.
8. XAVIER, Gley Fabiano Cardoso. Lógica de Programação. Editora: Senac, 2007.
35
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS
CAMPUS MANAUS – CENTRO
NUCLEO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA
EMENTÁRIO
CURSO:
MÓDULO:
TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES A DISTÂNCIA
2o.
COMPONENTE: INFRAESTRUTURA DE REDES DE COMPUTADORES
CH: 60h
COMPETÊNCIA(S):
Auxiliar o projeto de cabeamento estruturado. Instalar e/ou conduzir grupo para instalação
de cabeamento estruturado. Realizar manutenção e/ou conduzir grupo de manutenção de
redes de cabeamento estruturado.
EMENTA:
Meios Físicos de Transmissão: par trançado, coaxial, fibra ótica, redes sem fio. Ligação ao
meio: ponto a ponto, multiponto, redes de fibra ótica. Instalação física de cabeamento
estruturado. Cabeamento distribuição interna e backbones. Cabling. Equipamentos
Concentradores de cabos. Equipamentos de monitoração e testes de fios e cabos.
BIBLIOGRAFIA:
1. COELHO, Paulo Eustáquio. PROJETO DE REDES LOCAIS COM CABEAMENTO
ESTRUTURADO. Instituto Online, 2003.
2. DERFLER, Frank J. TUDO SOBRE CABEAMENTO DE REDES. Campus.
3. MARIN ,Paulo Sergio. CABEAMENTO ESTRUTURADO – DESVENDANDO CADA
PASSO. Editora Érica, 1ª. Edição, 2008.
4. PINHEIRO, José Maurício S. GUIA COMPLETO DE CABEAMENTO DE REDES.
Campus, 2003.
5. SHEEDY, Sean M. CABEAMENTO DE REDE. Editora LTC, 1ª. Edição, 2010.
6. SHIMONSKI, Robert J; STEINER, Richard; SHEEDY, Sean M. CABEAMENTO DE
REDE. LTC, 2010.
7. SOARES, Luiz Fernando Gomes; LEMOS, Guido; COLCHER, Sérgio. REDES DE
COMPUTADORES – DAS LANs, MANs e WANs às REDES ATM. Editora
CAMPUS, 1995
8. SOUSA, Lindeberg Barros de .REDES DE COMPUTADORES DADOS, VOZ E
IMAGEM. Editora
36
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS
CAMPUS MANAUS – CENTRO
NUCLEO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA
EMENTÁRIO
CURSO:
MÓDULO:
TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES A DISTÂNCIA
2o.
COMPONENTE: ÉTICA PROFISSIONAL
CH: 30h
COMPETÊNCIA(S):
Reconhecer a importância e a necessidade da aplicação de princípios e valores éticos e
morais, perante as diversas situações da vida do cidadão e, consequentemente, do
cotidiano do profissional.
EMENTA:
Fundamentos da ética.Legislação profissional. Código de ética. Comportamento ético;
Ética profissional; Questões éticas no uso dos computadores e dastecnologias de
computação; Princípios da legislação aplicada; Direitos e deveres do profissional da
informática; Autorização de acesso a sistemas (hackers); Direito de propriedade de
software (pirataria); Confidencialidade e privacidade de dados.
BIBLIOGRAFIA:
1. BENNETT, Carole. ETICA PROFISSIONAL. CENGAGE, 2008.
2. Depuy, Jean-Pierre - Ética e Filosofia da Acção
3. Fourastié, Jean - Para Uma Moral Prospectiva. Lisboa. Moraes Editores. S/D.
4. FIGUEIREDO, Laudary. ETICA PROFISSIONAL. BF&A,2005.
5. Frankena, W.K. - Ética. Rio de Janeiro. Zahar.1981.
6. SA, Antonio Lopes de. ETICA PROFISSIONAL. ATLAS, 2009 .
37
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS
CAMPUS MANAUS – CENTRO
NUCLEO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA
EMENTÁRIO
CURSO:
TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES A DISTÂNCIA
MÓDULO:
2o.
COMPONENTE: TECNOLOGIA DE REDES SEM FIOS
CH: 60h
COMPETÊNCIA(S):
Reconhece problemas de hardware e software em equipamentos utilizados em redes de
computadores sem fio.
EMENTA:
Sistemas de transmissão sem fio e móveis. Características de enlaces e redes sem fio. Wifi: Lans sem fio 802.11. Acesso celular à Internet. Gerenciamento da mobilidade. IP móvel.
Gerenciamento da mobilidade em redes celulares. Sem fio e mobilidade: impacto sobre os
protocolos das camadas superiores. Segurança e projeto de redes sem fio.
BIBLIOGRAFIA:
1. FLEISHMAN, Glenn ; ENGST, Adam.
KIT DO INICIANTE EM REDES SEM
FIO O GUIA PRATICO SOBRE REDES WI-FI PARA WINDOWS E MA. MAKRON,
2005.
2. JOBSTRAIBIZER, Flávia. Desvendando as Redes Sem Fio. Digerati Books, 2010.
3. KUROSE, James F & ROSS, Keith W. REDES DE COMPUTADORES E A
INTERNET – uma abordagem top-down. Editora Addison Wesley, 2007.
4. MORAES,Alexandre Fernandes de. REDES SEM FIO – INSTALAÇÃO,
CONFIGURAÇÃO. Editora Erica, 1ª. Edição, 2010.
5. ROSS, John. O Livro do Wireless - Um Guia Definitivo para Wi-fi Redes Sem Fio.
Alta Books, 2009.
6. RUFINO, Nelson Murilo de Oliveira.SEGURANÇA EM REDES SEM FIO –
APRENDA A PROTEGER. Editora Novatec, 3ª edição, 2011.
7. SOUSA, Maxuel Barbosa de. WIRELESS SISTEMAS DE REDE SEM FIO.
BRASPORT, 2002.
8. TORRES, Gabriel. REDES DE COMPUTADORES. Editora Novaterra, 2009.
38
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS
CAMPUS MANAUS – CENTRO
NUCLEO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA
EMENTÁRIO
CURSO:
MÓDULO:
TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES A DISTÂNCIA
2o.
COMPONENTE: SISTEMAS OPERACIONAIS
CH: 45h
COMPETÊNCIA(S):
Compreende fundamentos teóricos e práticos de um sistema operacional.
Conhece os procedimentos de instalação do sistema operacional: comandos e serviços
básicos.
EMENTA:
Sistemas operacionais. Gerenciamento de memória. Gerenciamento de entrada e saída.
Gerenciamento de sistemas e arquivos. Políticas de escalonamento. Instalação e
configuração de sistemas operacionais. Compartilhamento de recursos. Técnicas de
armazenamento de dados ( backup).
BIBLIOGRAFIA:
1. ALVES, José Marques. SISTEMAS OPERACIONAIS. Ltc,2011.
2. HOLCOMBE, Jane &Charles. DOMINANDO OS SISTEMAS OPERACIONAIS: TEORIA
E PRÁTICA. Editora Alta.
3. MCHOES, Ida Flynn & MCLVER, Ann.
INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS
OPERACIONAIS. Editora Thomson Heinle, 2009.
4. OLIVEIRA, Romulo Silva de; TOSCANI, Simao Sirineo; CARISSIMI, Alexandre da
Silva. SISTEMAS OPERACIONAIS. Bookman, 2010.
5. SILVBERSHATZ, Abraham. FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS. Ltc,
2010.
6. TANENBAUM, Andrew S. SISTEMAS OPERACIONAIS MODERNOS. Editora Prentice
Hall, 2008.
7. TANENBAUM, Andrew S. SISTEMAS OPERACIONAIS - PROJETO E
IMPLEMENTAÇÃO. Bookman, 2008.
8. TOSCANI , SIMÃO. SISTEMAS OPERACIONAIS . Editora Artmed, 2010.
39
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS
CAMPUS MANAUS – CENTRO
NUCLEO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA
EMENTÁRIO
CURSO:
MÓDULO:
TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES A DISTÂNCIA
2o.
COMPONENTE: EMPREENDEDORISMO
CH: 30h
COMPETÊNCIA(S):
Perfil de empreendedor.Plano de negócios.Técnicas de negociação.Nichos de mercado e
oportunidades.
EMENTA:
Empreendorismo; Planejamento e organizando uma empresa; Gerência de projetos;
Economia solidária.
BIBLIOGRAFIA:
1. AMBRÓSIO, Vicente. PLANO DE MARKETING. Editora: Prentice-Hall, 2007
2. CHIAVENATO, IDALBERTO. TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO, 4º ed.,
Editora McGRAW. HILL, São Paulo SP, 1998.
3. DOLABELLA, Fernando. O SEGREDO DE LUÍSA. 2. ed. Atual. São Paulo: Editora
Cultura, 2006.
4. DOLABELLA, Fernando. OFICINA DO EMPREENDEDOR. São Paulo: Editora
Cultura, 2008.
5. DORNELAS, Jose Carlos Assis. EMPREENDEDORISMO NA PRÁTICA - MITOS E
VERDADES DO EMPREENDEDOR DE SUCESSO. Elsevier-Campus, 2007.
6. FERRARI, Roberto. EMPREENDEDORISMO PARA COMPUTAÇAO CRIANDO
NEGOCIOS DE TECNOLOGIA. CAMPUS, 2009.
7. SABBAG,
Paulo
Yazigi.
GERENCIAMENTO
EMPREENDEDORISMO. SARAIVA, 2009.
DE
PROJETOS
E
8. SILVA, Nelson; SALIM, Cesar Simoes. INTRODUÇAO AO EMPREENDEDORISMO.
CAMPUS, 2009.
40
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS
CAMPUS MANAUS – CENTRO
NUCLEO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA
EMENTÁRIO
CURSO:
MÓDULO:
TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES A DISTÂNCIA
2o.
COMPONENTE: LINGUAGEM SCRIPT
CH: 60h
COMPETÊNCIA(S):
Conhece as técnicas para desenvolvimento de algoritmos, passando pela divisão modular
procedural, aplicando refinamentos sucessivos.
EMENTA:
Linguagens de script e suas aplicações. Programação em linguagens de scripts.
Desenvolvimento de scripts para automação de tarefas.
BIBLIOGRAFIA:
1. ANITA LOPES, GUTO GARCIA, INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO (500
ALGORITMOS RESOLVIDOS) .
2. DAMAS, Luís. Linguagem C. Ltc, 2007.
3. JARGAS, Aurelio Marinho. SHELL SCRIPT PROFISSIONAL. NOVATEC, 2008.
4. NEVES, Julio Cezar. PROGRAMAÇAO SHELL LINUX. BRASPORT, 2010.
5. PEREIRA, Pedro; RODRIGUES, Pimenta; SOUSA, Manuela. PROGRAMAÇAO EM
C++ CONCEITOS BASICOS E ALGORITIMOS. FCA, 2010.
6. Rosângela Hickson, APRENDA A PROGRAMAR EM C, C ++E C #, 2ª EDIÇÃO,
2005.
7. W. RICHARD STEVENS; BILL FENNER; ANDREW M.RUDOFF PROGRAMAÇÃO
DE REDE UNIX: API PARA SOQUETES DE REDE, 2005, Bookman .
41
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS
CAMPUS MANAUS – CENTRO
NUCLEO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA
EMENTÁRIO
CURSO:
MÓDULO:
TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES A DISTÂNCIA
3o.
COMPONENTE: METODOLOGIA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS CH: 30h
COMPETÊNCIA(S):
Conhecer métodos e técnicas para a obtenção do conhecimento e execução de trabalhos
através da metodologia científica.
EMENTA:
Conceitos; Finalidades; Fontes e Tipos de Pesquisas Científicas. Metodologia do trabalho
Científico. Escolha e delimitação do problema de pesquisa. Formulação dos pressupostos
e hipótese da pesquisa. Instrumentos de coleta de dados; Técnicas de leitura e fichamento.
Organização dos Capítulos Propostos. Estrutura de Apresentação de Trabalho de
Conclusão do Curso.
BIBLIOGRAFIA:
1. CERVO, A. L.; BERVIAN, P.A. METODOLOGIA CIENTÍFICA: PARA USO DOS
ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS. 3ª ed. São Paulo: McGraw-Hill, 1983.
2. MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. FUNDAMENTOS DE
METODOLOGIA CIENTÍFICA. Atlas, 2010.
3. MATOS, H.C.J. APRENDA A ESTUDAR: ORIENTAÇÕES METODOLÓGICAS PARA
O ESTUDO. 6ª ed. Petrópolis/RJ: Vozes, 1995.
4. PRADO, Fernando Leme do. METODOLOGIA DE PROJETOS. Saraiva, 2011.
5. SEVERINO, Antonio Joaquim. METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO. Cortez.
6. SOARES, M.C. REDAÇÃO DE TRABALHO CIENTÍFICO. São Paulo: Cabral, 1995.
42
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS
CAMPUS MANAUS – CENTRO
NUCLEO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA
EMENTÁRIO
CURSO:
MÓDULO:
TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES A DISTÂNCIA
3o.
COMPONENTE: GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES
CH: 60h
COMPETÊNCIA(S):
Conhece mecanismos e técnicas de gerenciamento de redes de computadores.
EMENTA:
Componentes de sistemas de gerenciamento. Comunidades de redes. Áreas funcionais de
gerenciamento. Protocolos de gerenciamento. Modelos de administração de redes.
Gerenciamento de LAN, MAN e WAN. Auditoria. Implementação de políticas de
gerenciamento.
BIBLIOGRAFIA:
1. BOAVIDA, Fernando; BERNARDES, Mario; VAPI, Pedro. ADMINISTRAÇAO DE
REDES INFORMATICAS. FCA, 2011.
2. BRISA. GERENCIAMENTO DE REDES. Makron Books, 1993.
3. CHAPMAN, D. Brent; Zwicky, Elizabeth D. BUILDING INTERNET FIREWALLS.
O'reilly, 2000.
4. COSTA, Daniel G. ADMINISTRAÇAO DE REDES COM SCRIPTS BASH SCRIPT,
PYTHON E VBSCRIPT. BRASPORT, 2010.
5. RIGNEY, Steve. PLANEJAMENTO E GERENCIAMENTO DE REDES. CAMPUS
6. ROSE, Marshall T. THE SIMPLE BOOK, AN INTRODUCTION TO NETWORK
MANAGEMENT. Prenticehall, 2a edição, 1996.
43
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS
CAMPUS MANAUS – CENTRO
NUCLEO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA
EMENTÁRIO
CURSO:
MÓDULO:
TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES A DISTÂNCIA
3o.
COMPONENTE: SEGURANÇA DE REDES DE COMPUTADORES
CH: 60h
COMPETÊNCIA(S):
Conhece e desenvolve projetos de segurança em redes de computadores.
EMENTA:
Segurança de dados, criptografia, algoritmos de criptografia e assinatura digital, protocolos
de segurança, protocolos de autenticação, sistemas de Proxy e firewall.
BIBLIOGRAFIA:
1. MORAES, Alexandre Fernandes de. Segurança Em Redes - Fundamentos. Erica,
2010.
2. RUFINO, Nelson Murilo de O. Segurança Em Redes Sem Fio - Aprenda a Proteger
Suas Informações Em Ambientes Wi-Fi e Bluetooth. Novatec, 2011.
3. TANENBAUM, ANDREW S. REDES DE COMPUTADORES. EDITORA PRENTICE
HALL BRASIL, 5ª EDIÇAO, 2011.
4. WINTERS, Scott; NORTHCUTT, Stephen; FREDERICK, Karen; ZELTSER, Lenny;
RITCHEY, Ronald W. DESVENDANDO SEGURANÇA EM REDES. CAMPUS,
2002.
5. ZÚQUETE, André. Segurança em Redes Informáticas. Lidel - Zamboni, 2010.
44
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS
CAMPUS MANAUS – CENTRO
NUCLEO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA
EMENTÁRIO
CURSO:
MÓDULO:
TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES A DISTÂNCIA
3o.
COMPONENTE: SISTEMA OPERACIONAL DE REDES COMPUTADORES
CH: 60h
COMPETÊNCIA(S):
Conhece Instalação, configuração e manutenção de sistemas operacionais de redes
Linux/Windows.
EMENTA:
Instalação, configuração e manutenção de sistemas operacionais de redes Linux/Windows.
Gerencia de domínios. Administração de usuários e grupos. Políticas de segurança .
BIBLIOGRAFIA:
1. BURGESS, MARK. PRINCIPIOS DE ADMINISTRAÇAO DE REDES E SISTEMAS.
EDITORA LTC, 2ª EDIÇÃO, 2006.
2. STATO, Andre Filho. LINUX - CONTROLES DE REDES. VISUAL BOOKS,2009.
3. THOMPSON, Marco Aurélio. MICROSOFT WINDOWS SERVER 2003 EM
PORTUGUÊS - ADMINISTRAÇÃO DE REDES. Erica, 2003.
4. THOMPSON, Marco Aurélio. MICROSOFT WINDOWS SERVER 2008 R2 - EM
PORTUGUÊS. Erica, 2010.
45
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS
CAMPUS MANAUS – CENTRO
NUCLEO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA
EMENTÁRIO
CURSO:
MÓDULO:
TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES A DISTÂNCIA
3o.
COMPONENTE: PROJETO DE REDES
CH: 60h
COMPETÊNCIA(S):
Conhece metodologia de projetos de redes.
EMENTA:
Metodologia de projetos, segurança física, tráfego e testes de redes. Projeto lógico e
projeto físico usando cabeamento estruturado. Documentação de projetos de redes.
Orçamento e desenvolvimento de um projeto de redes.
BIBLIOGRAFIA:
1. CHOWDHURY, Dhiman D. PROJETOS AVANÇADOS DE REDES IP
ROTEAMENTO, QUALIDADE DE SERVIÇO E VOZ SOBRE IP. Campus, 2002.
-
2. COELHO, Paulo Eustáquio. PROJETO DE REDES LOCAIS COM CABEAMENTO
ESTRUTURADO. Instituto Online, 2003.
3. DIMARZIO, J. F. PROJETO E ARQUITETURA DE REDES. EDITORA CAMPUS - BB,
1ª EDIÇÃO, 2001.
4. OLIFER, Natalia; OLIFER, Victor. REDES DE COMPUTADORES - PRINCÍPIOS,
TECNOLOGIAS E PROTOCOLOS PARA O PROJETO DE REDES. Ltc,2008.
5. OPPENHEIMER, Priscilla.
PROJETO DE REDES TOP-DOWN UM ENFOQUE
DE ANALISE DE SISTEMAS PARA O PROJETO. CAMPUS, 1999.
6. SOUSA, Lindeberg Barros de. PROJETOS E IMPLEMENTAÇAO DE REDES. ERICA,
2007.
46
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS
CAMPUS MANAUS – CENTRO
NUCLEO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA
EMENTÁRIO
CURSO:
MÓDULO:
TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES A DISTÂNCIA
3o.
COMPONENTE: SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE
CH: 30h
COMPETÊNCIA(S):
Relações humanas,saúde,meio ambiente e segurança no trabalho.
EMENTA:
Interpreta e aplica corretamente as normas e/ou informações contidas em documentação
técnica de sistemas de informação e comunicação.
BIBLIOGRAFIA:
1. CASTRO, Newton de. A QUESTÃO AMBIENTAL: O QUE TODO EMPRESÁRIO
PRECISA SABER. 1ª.ED. Brasília: SEBRAE,1996.
2. CORREA,Rodrigo Studart. ABC DO MEIO AMBIENTE: SOLO. Brasília: IBAMA, 1998.
3. COVRE, M. de L.M. O QUE É CIDADANIA. São Paulo: Brasiliense, 1996.
4. Editora Saraiva. SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO. Saraiva, 2011.
5. GARCIA, Gustavo Filipe Barbosa.
MEIO AMBIENTE DO TRABALHO - DIREITO,
SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO. Metodo, 2011.
6. SCARLATO, Francisco C. DO NICHO AO LIXO: AMBIENTE, SOCIEDADE E
EDUCAÇÃO. 2ª. Ed. São Paulo: ATUAL,1992.
7. SZABO, Adalberto Mohai Junior. MANUAL DE SEGURANÇA, HIGIENE E MEDICINA
DO TRABALHO. Rideel, 2011.
47
6.4 Estágio Profissional Supervisionado
De acordo com a Lei № 11.788, de 25/09/2008, o Estágio Profissional
Supervisionado é uma atividade educativa, desenvolvida no ambiente de trabalho e visa à
preparação para o trabalho produtivo de educandos que estejam frequentando o ensino
regular em instituições de educação superior, de educação profissional, de ensino médio,
da educação especial e dos anos finais do ensino fundamental, na modalidade
profissional da educação de jovens e adultos.
O Estágio Profissional Supervisionado, também previsto na formação do aluno
conforme parecer CNE/CEB №.16/99 e Referenciais Curriculares Nacionais para
Educação Profissional, representa uma grande oportunidade para consolidar e aprimorar
conhecimentos adquiridos durante o desenvolvimento da formação dos alunos e
possibilita aos mesmos atuarem diretamente no ambiente profissional permitindo a
demonstração de suas competências laborais.
Os procedimentos e os programas de estágio são regulamentados pela
Coordenação de Integração Escola-Empresa (CIE-E) do IFAM, que entre suas atribuições
incluem: a identificação das oportunidades de estágio, verificação das condições de
estágio oferecido, o encaminhamento dos estudantes às oportunidades de estágio, a
preparação da documentação legal e o estabelecimento de convênios entre as empresas
e a Instituição de Ensino visando buscar a integração entre as partes e o estudante, além
do acompanhamento do estágio através da supervisão.
São muitas as vantagens da prática profissional para o aluno, pois oportuniza a
aplicação prática de seus conhecimentos técnicos; possibilita conhecer as próprias
deficiências e buscar aprimoramento; permite adquirir uma atitude de trabalho
sistematizado, desenvolvendo consciência de produtividade; oportuniza condições de
avaliar o processo ensino-aprendizagem; incentiva o exercício do senso crítico, a
observação e a comunicação concisa das idéias e experiências adquiridas; permite o
conhecimento da filosofia, diretrizes, organização e funcionamento das empresas e
instituições em geral.
Ao final do cumprimento da carga horária do estágio curricular o aluno deverá
elaborar Relatório Final de acordo com as normas estabelecidas, reunindo elementos que
comprovem o aproveitamento e a capacidade técnica durante o período da pratica
48
profissional supervisionado. Caso o aluno não realize o estágio supervisionado, bem
como não conclua o Trabalho de Conclusão de Curso durante a realização dos módulos,
o mesmo poderá ter estendido o seu prazo em no máximo 6 (seis) meses, desde que seja
requerido e justificado à Coordenação de Curso. Em situação de não cumprimento de
nenhuma das atividades complementares obrigatórias,
não haverá diplomação na
habilitação técnica.
Tendo em vista a legislação atual, o estágio profissional no Curso Técnico de
Nível Médio em Redes de Computadores, na forma de oferta subsequente e na
modalidade de educação a distância, será obrigatório e deverá ocorrer a partir do 2º
módulo preferencialmente, sendo sua carga horária curricular de 240 horas.
O Trabalho de Conclusão de Curso, como atividade complementar de cunho de
iniciação científica ou de iniciação à pesquisa aplicada, somente poderá ser equiparado
ao Estágio Curricular no Curso Técnico em Redes de Computadores, quando
devidamente justificado pela demanda de postos de trabalho.
6.5 Projeto Final do Curso
O Trabalho de Conclusão de Curso constitui-se numa atividade acadêmica de
sistematização do conhecimento sobre um objeto de estudo pertinente à profissão,
desenvolvida mediante controle, orientação e avaliação docente, cuja exigência é um
requisito obrigatório para a integralização curricular, quando as dificuldades do mercado
de trabalho local
não oferecerem oportunidades de operacionalização do estágio
supervisionado.
Entende-se por atividades acadêmicas aquelas que articulam e inter-relacionam os
conteúdos das disciplinas estudadas com as experiências cotidianas, dentro e fora da
instituição, para ratificar, retificar e/ou ampliar o campo de conhecimento.
A elaboração do TCC implicará em rigor metodológico e científico, organização e
contribuição para a ciência, sistematização e aprofundamento do tema abordado, sem
ultrapassar, contudo, o nível médio da formação Técnica. São objetivos do TCC:
I – oportunizar ao acadêmico aprofundamento, sistematização e integração dos
conteúdos estudados durante o curso, assim como sua inserção na atividade de
pesquisa;
49
II - garantir a abordagem científica de temas relacionados à prática profissional,
inserida na dinâmica da realidade local, regional e nacional;
III - subsidiar o processo de ensino, contribuindo para a realimentação dos
conteúdos programáticos das disciplinas integrantes do currículo.
O trabalho de conclusão de curso, que poderá ocorrer concomitante com o último
modulo do curso ou no final do cumprimento com aproveitamento das disicplinas
integrantes da matriz curricular, tem o objetivo de promover a consolidação dos
conhecimentos, o estudante propõe à coordenação do curso, um projeto voltado para a
resolução de problemas tecnológicos de interesse do setor produtivo na área do curso. O
TCC, permite ao futuro profissional o desenvolvimento de sua capacidade inovadora e
criativa, bem como sua inserção, já no decorrer de sua formação, nas atividades de
pesquisa e desenvolvimento tecnológico.
O TCC está previsto na estrutura curricular deste curso, de forma opcional, caso o
aluno encontre-se impossibilitado de cursar o Estágio Supervisionado, com carga horária
de 240 horas, que será equivalente à carga horária total do Estágio Supervisionado.
O TCC constitui-se como uma atividade acadêmica individual, porém, pelas
peculiaridades deste curso poderá ser realizado em equie de no máximo três alunos, a
ser desenvolvido por meio de um projeto, a partir do último módulo do curso, com defesa
prevista após a conclusão de todas as disciplinas, e encontrando-se o aluno sem
nenhuma pendência acadêmica.
7.
CRITÉRIOS DE APROVEITAMENTO DE CONHECIMENTOS E EXPERIÊNCIAS
ANTERIORES
Os cursos técnicos oferecidos pelo Instituto Federal de Ciências, e Tecnologia do
Amazonas terão os seus modelos centrados em competências.
O aproveitamento das competências dar-se-á pela conclusão de módulos ou
disciplinas cursadas, far-se-á em obediência aos parágrafos 2 e 3 do artigo 8 do
Decreto Lei n 2.208/97.
 Haverá certificação de competências através de exames, para fins
de dispensa de disciplinas (componente curricular) ou módulos em cursos de
habilitação do ensino técnico, conforme o Decreto 2.208/97 Artigo 11.
50
 De acordo com o Artigo 41 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação,
o conhecimento adquirido da Educação Profissional inclusive do trabalho,
poderá ser objeto de avaliação, reconhecimento e certificação para
prosseguimento ou conclusão de estudos.
 Os profissionais possuidores do Ensino Médio (antigo 2º grau), que
atuem no mercado de trabalho, especificamente em atividades relacionadas
com a Área Profissional de Segurança do Trabalho, poderão obter certificação
de competências, desde que solicitem ao IFAM, através de Protocolo, contendo
as seguintes informações:

Nível de escolaridade;

Endereço;

Nome da empresa na qual trabalha;

Atividades que desenvolve;

Competências que julga possuir;

Disciplina(s) (componente curricular) ou Módulo que deseja ser
certificado (a).
Uma vez deferido o pedido do educando, deverá desenvolver um anteprojeto com
prazo previamente estabelecido, para fins de avaliação, sob orientação de uma equipe de
professores da Área, relacionando-o com o módulo escolhido pelo requerente. Uma vez
concluído o anteprojeto, o requerente deverá defendê-lo perante uma banca
examinadora, previamente indicada pela Gerência Educacional a qual estiver vinculada,
que julgará o mérito do trabalho desenvolvido, obedecendo aos critérios de avaliação
estabelecidos neste Plano de Curso.
51
8.
CRITÉRIOS E PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO
A avaliação do desempenho do aluno deve ser contínua ao longo do curso e
concomitante ao desenvolvimento das atividades educacionais devendo ser realizada por
mecanismos participativos e transparentes.
O processo avaliativo dos educandos das áreas educacionais será realizado com
base na aquisição e desenvolvimento de competências, fato que deverá ser verificado
através do desenvolvimento de atividades, projetos, estudos de casos e problemas
propostos com eficácia.
Para o registro e controle deste processo avaliativo, se faz necessário à utilização
de uma planilha, levando-se em consideração os seguintes parâmetros de domínio
afetivos e cognitivos:

Assiduidade;

Participação, Responsabilidade, Iniciativa, Criatividade;

Trabalho em equipe;

Uso e Conservação;

Verificações de Aprendizagem;
A avaliação dos alunos dar-se-á durante o ensino aprendizagem, verificando-se a
habilidade demonstrada pelo aluno na construção da competência.
O processo de avaliação do desenvolvimento das competências deverá ser
contínuo, devendo-se considerar os aspectos qualitativos sobre os quantitativos,
traduzidos a partir das dimensões cognitivas, afetivas e psicomotoras, gerando um caráter
diagnóstico somático e formativo, respeitando os ritmos de aprendizagem dos alunos,
resultando num acompanhamento diário presencial ou não-presencial, de maneira que
alunos e professores participem do processo, observando o desenvolvimento ou não de
tais competências, onde todas as atividades desenvolvidas no ambiente de aprendizagem
sejam registradas no ambiente de aprendizagem AVA.
Caso o aluno não se encontre apto no desempenho do processo ensino
aprendizagem, o mesmo deverá passar pôr novo processo até que o objetivo seja
alcançado.
A avaliação da aprendizagem constitui-se num dos elementos do projeto
pedagógico, seja na modalidade de ensino a distância, seja no ensino presencial. Na
52
EAD, assim como ocorrem em todas as modalidades de ensino, a avaliação apóia-se na
interdependência contínua das modalidades diagnóstica, formativa e somativa.
Na EAD a avaliação é um estímulo ao estudante, uma vez que possibilita a ele o
acompanhamento constante do seu progresso e das suas dificuldades, oferecendo lhe
indicativos dos aspectos que demandam atenção especial e verificar se os objetivos
específicos propostos estão sendo alcançados.
Obedecendo a exigência legal do Decreto nº 5.622/2005 de avaliação presencial
para o curso, o IFAM, desenvolverá instrumentos criteriosos para a operacionalização da
avaliação presencial, tendo em vista os objetivos da avaliação e as características dos
dados a serem obtidos, podendo ser:
• avaliação da aprendizagem ou unidade de estudo: prova; caderno de atividades;
seminários; elaboração de projeto;
• avaliação da prática pedagógica: ficha de registro de observação; entrevista;
questionário; análise de planos; seminários;
• avaliação da disciplina;
O cursista deverá cumprir com as atividades detalhadas no Roteiro de
Aprendizagem. A realização destas atividades, além de contabilizar frequência no curso,
também irá compor parte da avaliação do estudante. A freqüência é controlada pela
realização das atividades propostas nos Roteiros de Aprendizagem.
A avaliação em cada disciplina será composta por dois momentos distintos, um
presencial e outro a distância.
Presencial constitui-se de uma avaliação escrita e aplicada nos polos e, a
distância constitui-se na realização das atividades propostas no ambiente virtual de
educação aprendizagem (AVEA).
A avaliação presencial tem maior prevalência, no entanto não dispensa a
atividades previstas no AVEA, uma vez que a média da nota final é a somatória das duas
notas.
53
9.
INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS
9.1 Material Pedagógico
O Material pedagógico pretendido usa no decorrer do curso serão os materiais
dispostos no edital tais como: didático impresso, material didático audiovisual para rádio,
TV, computadores, DVD-ROM, telefone celular, CD-ROM; material para Internet (web);
Articulação e complementaridade dos materiais impressos, materiais audiovisuais ou
materiais para Internet (web); sendo que a Instituição pretende dispor dos seguintes
recursos didáticos:
9.2 Recursos Tecnológicos
Como recursos tecnológicos o IFAM ainda conta com a Gerência de Tecnologia
da Informação - GTI que é constituída de 05 Servidores de Rede IBM, três deles com
Sistema Operacional Linux e dois Windows 2003 Server, um deles é o servidor dedicado
ao Sistema Acadêmico e de Biblioteca centralizando informações do Campus
Centro(CMC) e Campus Distrito Industrial(CMDI), os demais são usados para serviços de
Controle de Domínio, Servidor de WEB para disponibilizar o Portal do IFAM, Serviço de
firewall, Serviços de Email, Serviços de DHCP, SSH, Ferramentas de Monitoramento
(WebMin), Serviço de Proxy entre outros. Dispõe de um link externo com a REPAM é de
10 GB tanto para o CMC como para o CMDI, temos um projeto em andamento para
readequar o backbone para essa nova realidade já adquirimos seis switchs GB de um
total de 12 (doze previstos). Nossas estações rodam Windows e Linux.
54
9.3 Instalações Físicas
9.3.1. Infraestrutura da Diretoria de Educação a Distância
Como supracitado a área física da DED esta localizada no Campus Manaus
Centro – CMC do IFAM, e os equipamentos disponíveis nesta unidade estão disposição
para o ensino a distância.

Distribuição dos Ambientes Físicos do CMC
DESCRIÇÃO
SALA DE AULA
SALA DE DESENHO
SALA ESPECIAL
LABORATÓRIOS
AUDITÓRIO
MINI-AUDITÓRIOS
BIBLIOTECA
QUADRA
POLIESPORTIVA
GINÁSIO COBERTO
PISCINA SEMI-OLÍMPICA
LANCHONETE
UNIDADE SEDE
32
3
11
48
1
3
1
UNED
13
1
1
14
0
0
1
TOTAL
45
4
12
62
1
3
2
3
1
4
1
1
1
1
1
1
2
2
2
Fonte: DAP/COPI
LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA
Laboratório
Item
Lab I
Lab II
Lab III
Microcomputador
Microcomputador
Microcomputador
Lab IV
Lab IX
Microcomputador
Microcomputador
Modelo
Lenovo – A47
i915Ga.EFRII
GA-945GCMS2L
i915Ga.EFRII
i915Ga.EFRII
Marca
Quantidade
IBM
Aopen
Gigabyte
21
21
21
Aopen
Aopen
21
21
55
LABORATÓRIO DE HARDWARE
GABINETE
ITEM
01
02
03
04
DESCRIÇÃO
Gabinete Mini-torre sem tampa ( AT 200 W )
Gabinete Mini-torre sem tampa ( AT 230 W )
Gabinete Mini-torre sem tampa ( AT 300 W )
Gabinete Mini-torre sem tampa e sem fonte
QUANTIDADE
04
03
03
05
MONITOR
ITEM
01
02
03
04
05
DESCRIÇÃO
UIS – 14 polegadas
Techmedia – 14 polegadas
Goldstar – 14 polegadas
Arche – 14 polegadas
Samtron – 14 polegadas
QUANTIDADE
12
05
01
01
01
HARD DISK DRIVE
ITEM
01
02
03
04
05
06
07
08
09
10
11
DESCRIÇÃO
SEAGATE – 1,7 GB
SEAGATE – 1,2 GB
QUANTUM – 810 MB
FUJITSU – 1,7 GB
QUANTUM – 640 MB
WESTERN DIGITAL – 2,5 GB
MAXTOR – 1,0 GB
QUANTUM – 640 MB
QUANTUM – 810 MB
QUANTUM – 810 MB
FUJITSU – 1,7 GB
QUANTIDADE
03
03
01
02
03
01
01
01
01
01
01
MOTHER-BOARD
ITEM
101
102
103
104
105
106
107
108
DESCRIÇÃO
VX PRO II REV: 3.0
INTEL PCI Set ( V. 5.0 )
INTEL ( V. 5.6 )
VX PRO II REV: 3.0
TX 98 – 3D REV: 1.20
INTEL V5.6
INTEL REV: 1.2
INTEL V5.0
QUANTIDADE
05
02
03
02
02
02
01
03
56
109
110
111
112
113
114
115
116
9.4
M 396F V2.6 ( AMD 386 SX-40 )
M 396F V2.2 ( AMD 386 SX-40 )
TD 60C ( INTEL 286 – 25 )
M 326 V5.2 ( para 386 DX )
M 326 V5.5 ( para 386 DX )
M 21 94V-0 ( para Pentium )
M 321 REV: 3.1 ( AMD 386 DX-40 )
8517 REV: 2.1 ( AMD 386 SX-33 )
01
01
01
01
01
01
01
01
Infraestrutura dos Polos
A maior parte da Infraestrutura será aproveitada dos Centros Vocacionais
Tecnológicos – CVTs, sendo necessário agregar/complementar os equipamentos,
mobiliários, acervo bibliográfico e laboratório de Informática para atender as práticas do
curso. Eventualmente, ao longo do 1º curso e de novas ofertas de vagas, poderá se
necessário acrescentar, aumentar e/ou reformar alguma área.
Os polos citados anteriormente contarão com a infra-estrutura necessária para o
suporte administrativo, técnico e pedagógico nos momentos presenciais e as
necessidades do curso Técnico em Agente Comunitário de Saúde. Em função do projeto
a ser desenvolvido, a instalação do polo deverá constar de:
 1 Sala de recepção e secretaria acadêmica;
 1 Sala de tutoria ou estudos;
 1 Sala de aula convencional equipada com kit multimídia;
 1 Sala de videoconferência com capacidade para 50 pessoas;
 1 Biblioteca contendo os títulos indicados para o curso e complementares;
 1 laboratório de informática com 25 computadores com conexão à Internet e
equipados com kit multimídia e instalação de software de gestão e linguagens de
programação;
Com esta infraestrutura poder-se-á promover outros tipos de cursos em diferentes
áreas e níveis, atendendo-se às demandas da região e às políticas nacionais de
democratização da Educação e inclusão digital fortalecendo as parcerias entre Município,
Estado e União em prol da Educação, com responsabilidade social e visando o
desenvolvimento sustentável das regiões.
57
9.5 Acervo Bibliográfico
ITEM
ASSUNTO
Introdução à
01
02
03
04
05
06
07
08
Computação
Ética Profissional
11
12
Márcio Aurélio Introdução à Computação
dos Santos
Alencar
Ética Profissional e Relações
Flávio Machado
Interpessoais no Trabalho
Moita
Higiene e Segurança no
Trabalho
Inglês para Informática
Sistemas Operacionais
Introdução ao Ambiente Linux
Sistemas Operacionais
Ambientação em
Educação a Distância
Arquitetura
de
Computadores
13
Lógica de Programação
14
Sistemas Operacionais
15
Informática Aplicada
16
TÍTULO
Segurança,
Meio Sandra Greice
Ambiente e Saúde
Becker
Fabiane de
Inglês Instrumental
Matos Araujo
Português Instrumental Claudia Guerra
Monteiro,
Gilson Monteiro
Metodologia
para
Guilherme
Elaboração de Projetos Pereira Lima
Filho
André Ricardo
Hardware
Nascimento
das Neves
Informática Aplicada
Jorge Procópio
da Costa Nova
09
10
AUTOR
Informática Aplicada
Edson
Nascimento
Silva Junior
Bruna Carla
Guedes
Paulina, Helder
Câmara Viana
Antonio Jonas
Pinotti
Allan Francisco
Forzza Amaral
Victorio Albani
de Carvalho
Bruno Cardoso
Coutinho
Saul Azzolin
Bonaldo
Português Instrumental
Metodologia de Pesquisa
Periféricos e Suprimentos
Softwares de Segurança da
informação
Introdução ao Ambiente
Windows
Ambientação em Educação a
Distância: Manual do Estudante
Arquitetura de Computadores
Lógica de Programação
Sistemas Operacionais
Tecnologia da Informática
Informática Básica
Soelaine
Rodrigues
Administradores das
Ascari
Sociedades Comerciais
Edenilson Silva
58
10 PESSOAL DOCENTE E TÉCNICO
10.1
Pessoal Docente:
Titulação
concluída
Experiência no ensino
técnico
Experiência em
EAD
Marcia Henke
Cláudio de Oliveira Santos
Mestrado
Mestrado
Sim
Sim
Sim
Não
Ricardo Câmara
Mestrado
Sim
Sim
Sim
Não
Sim
Sim
Sim
Não
Sim
Sim
Sim
Não
Sim
Não
Sim
Sim
Sim
Não
Especialização
Sim
Sim
Especialização
Sim
Não
Sim
Sim
Sim
Sim
Sim
Sim
Titulação
concluída
Experiência no ensino
técnico
Experiência em
EAD
Graduação
Sim
Sim
Graduação
Especialização
Sim
Sim
Sim
Sim
Graduação
Mestre
Sim
Sim
Sim
Sim
Nome
Joyce Miranda
Especialização
Rogério Carminé
Especialização
João Guilherme de Moraes Silva
Mestrado
Jorlene de Souza Marques
Mestrado
Jucimar Brito de Souza
Mestrado
Marcelo Chamy Machado
Especialização
Márcia da Costa Pimenta
Mestrado
Miguel Bonafé
Especialização
Mirlem Rodrigues Ribeiro
Neila Batista Xavier
Renildo Viana Azevedo
Mestrado
Sionise Rocha Gomes
Mestrado
Viviane Gomes da Silva
10.2
Especialização
Tutores:
Nome
Clayton Maia
Jaderlane Brito
Lucélia Santos
Polianny Almeida
Davi Viana
59
10.3
Técnico-administrativo
Nome
Mirlem Rodrigues Ribeiro
Viviane Gomes da Silva
Márcia da Costa Pimenta
Jorlene de Souza Marques
Andréa Matos
Maria Valle
Titulação
concluída
Especialização
Especialização
Mestrado
Mestrado
Aux. Administ.
Pedagoga
Experiência no ensino
técnico
SIM
SIM
Experiência em
EAD
SIM
SIM
SIM
SIM
SIM
SIM
SIM
SIM
SIM
SIM
11 CERTIFICADOS E DIPLOMAS
Será conferido o DIPLOMA DE TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES ao
aluno que tenha concluído com aproveitamento os três módulos do curso e cumprimento
da carga-horária obrigatória de Estágio Supervisionado ou Projeto de Conclusão de
Curso.
O prazo de cumprimento para conclusão do curso será de 50% (cinqüenta por
cento) do total da carga horária
mínima profissional estabelecida para a habilitação
técnica em Redes de Computadores (1.000h), período previsto para integralização da
carga horária total das disciplinas/componentes curriculares, subtraída da carga horária
prevista para a prática profissional supervisionada ou projeto de conclusão do curso, onde
está incluso a entrega do Relatório Final de Estágio ou Defesa e Avaliação do Projeto de
Conclusão de Curso, após o qual o discente é jubilado do mesmo. O período de
trancamento de matrícula, bem como afastamento previsto em lei, tais como: licença à
maternidade, serviço militar, tratamento de saúde e outros previstos em lei, não contarão
no processo de integralização do curso.
60
ANEXO
Cronograma de Implantação do Curso Técnico em Redes de Computadores
Data
01/09 a
01/12/2011
08 a
30/09/2011
12 a
30/09/2011
03/10/2011
03/10 a
30/11/11
04/10/2011
05 a
07/10/2011
11/10/2011
14/10/2011
17 a
31/10/2011
17/10 a
30/11/2012
01/11 a
30/12/2011
16/11 a
30/12/2012
21/11 a
30/11/2012
08/12/2012
30/12/2011
09/01/2012
16/01/2012
23/01/2012
02/03/2012
13/02/2012
Evento
Aquisição dos produtos para os laboratórios temáticos
Divulgação do curso nos Municípios/pólos
Divulgação e inscrição para Tutores e Professores
Homologação da inscrição dos candidatos (Tutores e Profesores)
Assinatura do Termo de Convênio de Cooperação Técnica entre
o IFAM e os Municípios/polos (Prefeituras, Empresas, entre
outros)
Divulgação dos selecionados para a entrevista
Entrevista para seleção de tutores e professores
Divulgação dos candidatos aprovados (Tutores e professores)
Estruturação do corpo técnico-administrativo e acadêmico do
curso
Capacitação em Tutoria em educação a distância
Divulgação e inscrição do processo seletivo/alunos
Produção do Material Instrucional do semestre letivo 2012/1. O
material deve ser inédito. Quantidade máxima de 80 páginas,
incluindo figuras e a diagramação final.
Montagem dos laboratórios temáticos para o primeiro
módulo/semestre letivo em 2012/1
Divulgação dos locais de prova do processo seletivo/alunos
Prova do Processo Seletivo/alunos
Divulgação dos aprovados no processo seletivo/alunos
Atualização, manutenção e customização do Moodle
Matrícula para os Cursos de EaD
Início da importação do material instrucional para dentro da
plataforma Moodle
Início do Semestre Letivo 2012/1
Início do módulo de acolhimento de acordo com as Diretrizes do
sistema e-Tec Brasil
Download PDF